Você está na página 1de 106

Eletrônica de potência

Interrelacionamento
Eletrônica de Potência

Cálculos de potência
Convenção passiva dos sinais

Potência Potência
absorvida fornecida
p(t)>0 p(t)<0
Energia e potência média

Energia
 É a integral da potência instantânea em um intervalo
de tempo.
t2
W   p (t )  dt
t1

Potência média, real ou ativa


 É o valor médio da potência sobre um ou mais
períodos.
1 t 0 T 1 t 0 T
P
T 
t0
p(t )  dt 
T 
t0
v(t )  i (t )  dt
Exercício de fixação 1
Potência e energia
 A tensão e a corrente coerentes com a convenção
passiva dos sinais, para um dispositivo, podem ser
vistos na figura a seguir.
a) Determinar a potência instantânea p(t) absorvida
pelo dispositivo.
b) Determinar a energia absorvida pelo dispositivo
em um período.
c) Determinar a potência média absorvida pelo
dispositivo.
Exercício de fixação 1
Potência e energia
Eletrônica de Potência

Retificador de meia onda


Diodo retificador

Retificador de meia onda com carga resistiva

 Apenas um semiciclo é retificado.


Diodo retificador

Retificador de meia onda – circuitos equivalentes


Diodo retificador

Retificador de meia onda – circuitos equivalentes

Formas de onda de tensão e de


corrente na carga.
Diodo retificador

Exercício de fixação – 1

Representar matematicamente as funções de tensão e de


corrente do diagrama de tensão e de corrente do retificador
de meia onda, considerando desprezível a queda de tensão
no diodo.
Diodo retificador

Resposta do exercício de fixação – 1


Diodo retificador

Exercício de fixação – 2

Determinar:

a) Os valores das componentes contínuas na carga


resistiva de um retificador de meia onda, para a tensão e
para a corrente.
b) A potência dissipada pelo diodo.
Diodo retificador

Respostas do exercício de fixação – 2


Diodo retificador

Exercício de fixação – 3

Determinar:

a) O valor eficaz da corrente.


b) A potência de saída para a carga.
Diodo retificador

Respostas do exercício de fixação – 3


Diodo retificador

Exercício de fixação – 4

Determinar:

a) A eficiência do circuito.
b) A potência aparente da fonte.
c) O fator de potência da carga.
Diodo retificador

Respostas do exercício de fixação – 4

Pelo princípio da
conservação da
energia, visto
que a tensão
sobre o diodo foi
desprezada,
inicialmente.
Diodo retificador

Análise dos valores aproximado e exato


 Nem sempre é possível considerar desprezível a queda
de tensão sobre o diodo. Neste caso, tem-se:

VR    Vm  sen   Vf
A expressão acima se refere à nova tensão da fonte, vista
pela carga
Diodo retificador

Análise dos valores aproximado e exato


 O ângulo 1 é determinado
resolvendo-se a equação
anterior para VR() = 0, ou
seja:

 Por simetria, obtém-se:


Diodo retificador

Análise dos valores aproximado e exato

 Desprezando-se a queda de tensão sobre o diodo produz


eficiência de 100%, o que não ocorre na prática.
 Incluir a queda de tensão no diodo nas expressões dos
valores instantâneos de corrente e de tensão na carga leva a
soluções algébricas complicadas.
 Uma alternativa para aproximação é supor que a tensão de
pico da fonte é reduzida pela tensão de polarização direta, ou
seja:
Diodo retificador

Retificador de onda completa com carga resistiva

 Ambos os ciclos são retificados.


Diodo retificador

Retificador de onda completa com carga resistiva

 A corrente na carga é unidirecional. A polaridade é a mesma.


Diodo retificador

Exercício de fixação – 5

Representar as funções de tensão e de corrente do


diagrama de tensão e de corrente do retificador de onda
completa, considerando desprezível a queda de tensão no
diodo.
Diodo retificador

Exercício de fixação – 6

Determinar:

a) O valor das componentes contínuas na carga resistiva


de um retificador de onda completa, para a tensão e
para a corrente.
b) A potência dissipada pelo diodo.
Diodo retificador

Exercício de fixação – 7

Determinar, para o retificador de onda completa:

a) O valor eficaz da corrente.


b) A potência de saída para a carga.
Diodo retificador

Exercício de fixação – 8

Determinar, para o retificador de onda completa:

a) A eficiência do circuito.
b) A potência aparente da fonte.
c) O fator de potência da carga.
Diodo retificador
Retificador de onda completa com carga resistiva
Diodo retificador
Retificador de onda completa com carga resistiva
Diodo retificador

Retificador de onda completa com carga resistiva

Um retificador de onda completa alimenta uma carga resistiva


de 15 ohms. A tensão da fonte é Vs( ) = 340 sen (314t) e a
queda de tensão no diodo é 2,0 V. Determinar:
a. A tensão média na carga.
b. A corrente média na carga.
c. A corrente eficaz fornecida pela fonte.
d. A potência média fornecida pela fonte.
e. A potência aparente fornecida pela fonte.
f. A potência dissipada por cada diodo.
g. A eficiência do circuito.
Diodo retificador
Retificador de meia onda com carga indutiva

 Por Kirchhoff, temos:

E se:
Diodo retificador
Retificador de meia onda com carga indutiva

 A solução da equação diferencial anterior é a soma de uma


resposta natural com uma resposta forçada:
Diodo retificador
Retificador de meia onda com carga indutiva

 A corrente instantânea apresenta um retardo, no qual a corrente


se anula para  = b.
 Resulta que, fazendo  = b = 0, vem:
Diodo retificador
Retificador de meia onda com carga indutiva
– circuito RL

 Para baixos valores de q (pequena indutância e resistência


relativamente alta), tal que b / q > 5, pode-se obter uma solução
aproximada.

 Neste caso, a exponencial na expressão da corrente se torna,


aproximadamente, zero.
Diodo retificador
Retificador de meia onda com carga indutiva
– circuito RL

 A corrente média na carga é obtida a partir da definição,


integrando-se a corrente instantânea na carga.
Diodo retificador
Retificador de meia onda com carga indutiva

 Pode-se, agora, aplicar a aproximação vista antes.


Diodo retificador
Exercício de fixação – 9

Determinar a corrente média na carga de um


retificador de meia onda, com carga R-L, tal que R = 5
W e (a) L = 10 mH e (b) L = 100 mH. A tensão da fonte é
120 VCA,rms, 60 Hz. Determinar se a aproximação é
válida para cada caso e calcular a corrente média para
a aproximação válida.
Diodo retificador
Solução do exercício de fixação – 9
Diodo retificador
Solução do exercício de fixação – 9
Diodo retificador
Exercício de fixação – 10

Elaborar uma planilha para determinação da corrente média


na carga do retificador com circuito RL, utilizando a
expressão completa (abaixo) e comparar o resultado com a
expressão aproximada.
Diodo retificador
Exercício de fixação – 11

Elaborar uma planilha para determinação da potência


dissipada pelo diodo, utilizando expressão abaixo.
Diodo retificador
Retificador de onda completa com carga indutiva

 A equação diferencial e a solução geral são as mesmas do


retificador de meia onda.
 Neste caso, serão aplicadas as condições de contorno, em
vez das condições iniciais. Teremos i(0) = i(p), visto que a
onda é periódica.
Diodo retificador
Retificador de onda completa com carga indutiva

 Aplicando-se as condições de fronteira à expressão i() =


i(0) = i(p) = 0

obtemos:

 Calculando-se A0, vem:


Diodo retificador
Retificador de onda completa com carga indutiva

 Calculado A0, obtemos a


expressão completa da
corrente de carga.
Diodo retificador
Exercício de fixação – 12

Um retificador de onda completa em ponte tem


uma fonte com Vm = 100 VCA, 60 Hz, e uma carga
RL em série com R = 10 W e L = 10 mH.

a) Determinar a corrente média na carga;


b) Estimar a variação pico a pico na corrente de
carga baseado no primeiro termo CA da série
de Fourier.
2  Vm  1 1  Vn Vn
Vn     In  
p  n 1 n 1  Zn R  j  n   L
Diodo retificador
Carregador de bateria de meia onda com
resistência em série

 Pela Lei de Kirchhoff,


temos:
Diodo retificador
Carregador de bateria de meia onda com
resistência em série

 O diodo entrará em
condução quando a
tensão da fonte for maior
que a tensão da bateria,
descontada a queda de
tensão sobre o diodo.
 O valor de 1 obtém-se
igualando-se a corrente a
zero, ou seja:
Diodo de potência
Curva característica
Retificador de meia onda controlado em fase
Retificador de meia onda controlado em fase
Retificador de meia onda controlado em fase
Retificador de meia onda controlado em fase
Retificador de meia onda controlado em fase

Determinar o ângulo de retardo do circuito


mostrado anteriormente, com tensão da fonte
de 120 VCA,rms, tal que a corrente média sobre
uma carga de 2 W seja 10 A.
Retificador de meia onda controlado em fase
Retificador de meia onda controlado em fase
Retificador de meia onda controlado em fase

Determinar a potência média (ativa) e o fator de


potência do exercício anterior.
Retificador de meia onda controlado em fase

Um retificador de meia onda, controlado em fase, é


alimentado por uma tensão de 120 VCA (rms), 60 Hz, e
fornece energia a uma resistência de carga de 10 ohms.
Determinar, para um ângulo de disparo de 30 graus e
uma queda de tensão no SCR de 1,7 V:
a. A potência aparente.
b. A potência ativa.
c. A potência reativa.
d. A potência distorciva.
e. O fator de potência total.
f. O fator de potência distorcivo.
Retificador de meia onda controlado
em fase

Um retificador de meia onda controlado em


fase em que i() é a corrente fornecida a uma
carga resistiva de 15 ohms. Considerando que
a corrente i() pode ser descrita pela

expressão i   1  sen  , determinar o valor


Vm
pR
médio da corrente na carga para uma tensão
eficaz de 120 volts e ângulo de disparo de 45º.
Carregador de onda completa
controlado em fase

2Vm
Vo  cos  Pdc  Io Vdc
p
Carregador de onda completa controlado
em fase – modo descontínuo

Vb
Carregador de onda completa controlado
em fase – modo descontínuo

Corrente instantânea na bateria:

Cálculo do ângulo de extinção b:


Carregador de onda completa controlado
em fase – modo contínuo

Vb
Carregador de onda completa controlado
em fase – modo contínuo

Corrente instantânea na bateria:

p
  
2
Carregador de onda completa controlado
em fase – modo contínuo

O ângulo de extinção torna-se b  p:

(solução transcendental)

(solução numérica)
Carregador de onda completa controlado
em fase – condições de fronteira

 O limiar de operação entre os modos contínuo e


descontínuo ocorre para  tal que a corrente
instantânea no modo contínuo é zero, e  = p + . Logo,
Carregador de onda completa controlado
em fase – condições de fronteira

 A solução da equação acima ocorre para  = f. Logo, a


existência do modo contínuo depende de  < f, isto é, o
valor da expressão será positivo.
Diodo de potência
Equação de Schockley

ID – corrente através do diodo.

VD – tensão do diodo, com o anodo positivo em


relação ao catodo.

IS – corrente de fuga ou de saturação reversa (de 10–6


a 10–14 A).

n – coeficiente de emissão ou fator de idealidade


(empírico, de 1 a 2), que depende do tipo de
material e da construção física do diodo.
Diodo de potência
Equação de Schockley

VT – tensão térmica = kT/q.

k – constante de Boltzmann = 1,3806 x 10–23 J/K.

T – temperatura absoluta em kelvin.

q – carga do elétron = 1, 602 x 10–19 C.


Diodo de potência
Regiões das curvas características

VD > 0 – região de polarização direta.

VD < 0 – região de polarização reversa.

VD < – VZK – região de ruptura reversa.


Diodo de potência
Região de polarização direta

VD > 0.

ID muito pequena se VD < VTD.

VTD – tensão limiar para condução plena (ex.: 0,7 V


para diodo de silício).
Diodo de potência
Região de polarização reversa

VD < 0.

Se abs(VT) >> VTD, o termo da exponencial da


equação de Schockley torna-se muito pequeno.
Logo, ID = - IS, ou seja, no sentido inverso.

VTD – tensão limiar para condução plena (ex.: 0,7 V


para diodo de silício).
Diodo de potência
Região de ruptura reversa

Ocorre com tensão inversa (VBR) muito alta,


geralmente acima de 1000 V.

A tensão acima não será destrutiva se a potência


dissipada estiver dentro de níveis seguros.

Ainda assim, é recomendável limitar a corrente para


evitar dissipação excessiva.
Diodo de potência

Exercício de fixação – 9

A queda de tensão direta de um diodo de potência é VD


= 1,2 V e ID = 300 A. Supondo que n = 2 e VT = 25,8 mV,
determinar a corrente de saturação.

Resposta: Aplicação direta da equação de Schockley.


IS = 2,38 x 10–8 A.

Em seguida, elaborar um programa em MATLAB para


validar o resultado.
Eletrônica de Potência

Conversor CC – CC
Conversor CC-CC
Reguladores lineares

 O amplificador drena a corrente de base do transistor PNP.


 A corrente de base diminui quando o sinal de erro aumenta
e vice versa.
 O sinal de erro é a diferença entre a tensão de saída e a de
referência.
 A redução da corrente de base causa redução proporcional
na corrente de coletor.
Conversor CC-CC
PWM
Conversor atenuador
Conversor atenuador
Corrente em um indutor linear

Imin: corrente inicial no indutor quando t = t0.

VL,1: tensão no indutor entre 0 e ton.

VL,2: tensão no indutor entre ton e T.


Conversor atenuador
Conversor atenuador prático
Conversor atenuador
Conversor atenuador prático

Elaborar um programa em MATLAB para


determinar o ciclo de trabalho de um conversor
CC-CC, tal que a tensão de saturação VCE = 0,4 V
e a queda de tensão no diodo é Vf = 1,3 V.
Considerar que a tensão da fonte é 42 VCC e a
tensão de saída é 12 VCC.
Conversor atenuador
Rendimento

Elaborar um programa em MATLAB para


determinar o rendimento do conversor do
exercício anterior, considerando que o
rendimento é dado por:
Conversor CA-CA
Diagrama Geral
Conversor CC-CA
Circuito básico
Conversor CC-CA
Circuito básico
Conversor CC-CA
Conversor com carga RL
Conversor CC-CA
Conversor com carga indutiva
Conversor CC-CA
Conversor com carga indutiva

Corrente na carga
Conversor CC-CA
Conversor com carga indutiva

Corrente média na bateria

Corrente na fonte
Conversor CC-CA
Exercício de fixação

Determinar a potência média absorvida por uma carga de um


inversor de 60 Hz com Vb = 12 VCC, R = 1,0 W e L = 1,0 mH.
Verificar o resultado com MATLAB.
Conversor CC-CA
Harmônicos ímpares
Conversor CC-CA
Exercício de fixação

Considere que o inversor do exercício anterior utilize quatro


MOSFET e que sua resistência em condução
(Ron) seja 10 mW. Considere, ainda, que a corrente de dreno
(ID), o rendimento e a potência dissipada pelo MOSFET sejam
dados pelas expressões abaixo. Determinar a potência
dissipada por cada MOSFET e o rendimento do circuito.
Verificar o resultado com MATLAB.
Gerência térmica

 O calor produzido por um componente eletrônico


ocorre no interior da cápsula do material
semicondutor
Gerência térmica

 Modelo térmico sem dissipador


 TJ: temperatura da junção
 RJC: resistência térmica entre a junção e a cápsula
 TC: temperatura da cápsula
 RCA: resistência térmica entra a cápsula e o ambiente
 TA: temperatura ambiente
 PD: Dissipação de potência
Gerência térmica

 Equação da temperatura de junção


Gerência térmica
Exercício de fixação

Um MOSFET de potência possui temperatura máxima


especificada para a junção em 150ºC, resistência térmica
entre a junção e a cápsula de 1,0ºC/W e a resistência
térmica entre a cápsula e o ambiente de 62,5ºC/W.
Considere a temperatura ambiente em 30ºC, qual a
máxima dissipação de potência permissível para o
componente?
Gerência térmica

 Modelo térmico com dissipador

 RCS: resistência térmica entre a cápsula e o dissipador

 RSA: resistência térmica entra o dissipador e o ambiente


Gerência térmica

 Modelo térmico com dissipador

 Normalmente, RCS + RSA << RCA. Portanto, o modelo se


torna:

 Cuja equação é:
Gerência térmica
Exercício de fixação

Um MOSFET de potência possui uma temperatura


máxima de junção especificada em 150 ºC, com
resistência térmica entre a junção e a cápsula de 1,0 ºC/W
e resistência térmica entre a cápsula e o ambiente de 62,5
ºC/W. Determinar a potência dissipada máxima para este
componente, considerando que ele vai operar em um
ambiente cuja temperatura é de 30 ºC. Traçar um gráfico
com MATLAB mostrando a variação da potência
dissipada em função da temperatura ambiente nas faixas
de 30 a 60 ºC e, em seguida, de 15 a 30 ºC.
Gerência térmica
Exercício de fixação

Supor que o componente do exercício anterior tenha sido


implantado com um dissipador tal que RSA = 2,5 ºC/W e
RCS = 0,5 ºC/W. Traçar um gráfico com MATLAB
mostrando a variação da potência dissipada em função
da temperatura ambiente nas faixas de 30 a 60 ºC e, em
seguida, de 15 a 30 ºC.
Gerência térmica

 Modelo térmico com dissipador para reduzir a


resistência térmica RCA.
Gerência térmica

 Modelo térmico com dissipador para reduzir a


resistência térmica RCA.

 RCS:resistência térmica entre


a cápsula e o dissipador
 RSA:resistência térmica entra
o dissipador e o ambiente
Gerência térmica

 Modelo térmico com dissipador compartilhado com


componentes diferentes
Gerência térmica

 Dissipador compartilhado com componentes iguais


Gerência térmica
Exercício de fixação

Especificar um dissipador para dois componentes


idênticos com a temperatura máxima de junção de 150
ºC, operando a uma temperatura ambiente de 50 ºC. Cada
componente dissipa uma potência de 30 W e a
resistência térmica entre a junção e a cápsula é 1,5 ºC/W.
A resistência térmica dos isoladores (RCS) é 0,5 ºC/W.
Gerência térmica
Exercício de fixação

Utilizar o dissipador especificado no exercício anterior e


traçar um gráfico com MATLAB que mostre a variação da
potência térmica dissipada (PD) em função da
temperatura ambiente, cuja faixa está entre 15 e 60 ºC.