Você está na página 1de 50

TERAPIA COM CASAIS

À procura do nós
O Casamento é um estado horrível. A única
coisa pior é ser solteiro.” Carl Whitaker

..\..\..\..\Documents\Claudia\Terapia Familiar\TERAPIA
DE CASAL.mp4
Labirinto de mágoas

Mudanças no “casamento” trazem novos desafios á


conjugalidade
• Aumento da união de facto
• Aumento de filhos fora do casamento
• Aumento do número de divórcios
• Casamento homossexual
• Mudanças no papel da mulher
O casamento institucional foi
substituído pelo casamentos por amor
e satisfação sexual
“casa-se hoje não por negócio ou conveniência, como no
passado, mas porque se sente amor, com a esperança que
el perdure; e o prazer a dois é considerado um vector
essencial para a manutenção da relação conjugal”
Novos casais, novas famílias

Dica ao terapeuta: “mais do que definir qual o modelo


certo para um casal devemos estar atentos ao seu
relacionamento e á forma como são cuidadas as pessoas
à sua volta”
O principal motivo para a ruptura conjugal
é o “fim do Amor”

O silêncio invadiu a privacidade e o dia a dia do


casal…
O amor conjugal prolongado exige partilha
recíproca, reconhecimento mutuo e contenção na
critica interpessoal
Padrões de comunicação
no casal
Causas dos
problemas conjugais
Segundo as mulheres….
Abandono e falta de atenção do
companheiro
Causas dos problemas
conjugais
Segundo os homens….
A manifestação demasiada, por parte
das mulheres, do aborrecimento sobre a
relação e desejo de a criticarem sob os
mais diversos contextos
Comportamentos conflituais

• Hostilidade
• Angustia
• Afastamento/ retirada
• Resolução de problemas
• Intimidade
Padrões destrutivos na comunicação do
casal

• Retirada/ evitamento
• Escalada
• Desqualificação
• Interpretações negativas
Casamentos felizes?

• Estar aí
• Fazer pelo outro
• Encorajar
• Dar
Factores essenciais para a estabilidade e bem-estar

• Compromisso
• Interesse pelo outro
• Capacidade de entreajuda e partilha
• Fidelidade
• Respeito
O passado dos casais

• “Cada elemento do casal é membro de um sistema


complexo de lealdades ao seu assado e á sua família de
origem”
• “ um casal é composto por duas famílias que vão tentar
permanecer juntas se possível para sempre”
Em suma…
“ O entendimento das relações significativas da infância
constitui um poderoso motor de mudança nas relações
maritais. Homem e mulher partem para a relação conjugal
com expectativas, necessidades e sonhos em grande parte
determinados pelas experiências vivenciadas nas suas
famílias de origem.”
Tomara
..\..\..\..\Documents\Claudia\Terapia Familiar\01 Tomara.mp3

Tomara
Que você volte depressa
Que você não se
despeça
Nunca mais do meu
carinho
E chore, se arrependa
E pense muito
Que é melhor se sofrer
junto
Que viver feliz sozinho
Tomara
Que a tristeza te
convença
Que a saudade não
compensa
E que a ausência não dá
paz
E o verdadeiro amor de
quem se ama
Tece a mesma antiga
trama
Que não se desfaz
E a coisa mais divina
Que há no mundo
É viver cada segundo
Como nunca mais
Tomara
Vinicius de Moraes

Tomara Tomara
Que você volte depressa Que a tristeza te convença
Que você não se despeça Que a saudade não compensa
Nunca mais do meu carinho E que a ausência não dá paz
E chore, se arrependa E o verdadeiro amor de quem se
E pense muito ama
Que é melhor se sofrer junto Tece a mesma antiga trama
Que viver feliz sozinho Que não se desfaz
E a coisa mais divina
Que há no mundo
É viver cada segundo
Como nunca mais
John Gottman

• Nasceu em 26 de Abril de 1942


• Professor Catedrático de Psicologia na Universidade de
Washington
• Com a sua esposa fundou o Gottman Institute, em Seattle.
• Foi distinguido pela Associação Americana de Terapia Familiar e
Conjugal
Crie e amplie os seus Mapas de Amor

• Cada um dos membros do casal ter conhecimento da informação


relevante do seu parceiro, e dos principais acontecimentos da
história de cada um
• Casal ter a capacidade de actualizar a informação

Mais Preparado para lidar com acontecimentos stressantes da vida


Partilhe e alimente a sua Admiração e
Ternura

 São 2 componentes essências para o romance compensador e


duradouro

 Consistem em ter a capacidade de ter uma visão positiva (focada


nas qualidades do parceiro) e o respeito pelo parceiro.
Virem-se um para o outro em vez de se
virarem de costas
 Consiste na capacidade de um casal dispensar atenção às
pequenas coisas do quotidiano do seu parceiro

• Constitui a base da ligação emocional, do romance, da


paixão do casal.
• Quando confortado com o conflito, os conjugues são
capazes de serem mais tolerantes um com o outro e terem
uma visão mais positiva do seu casamento.
Perspectiva Positiva
Perspectiva Positiva Perspectiva Negativa
3 níveis anteriores não Existe algum problemas num dos
apresentam problemas 3 níveis anteriores

O relacionamento e conotado O relacionamento e conotado


com sentimentos positivos bem com sentimentos negativos
como o conjugue assim como o conjugue
Percepcionam os Tendem a distorcer todos os
acontecimentos negativos mas acontecimentos neutros e
não lhe atribuem muita positivos como negativos
relevância
Tendem a valorizar as Casais hipervigilantes em que
características positivas dos nenhum dos parceiros cede na
parceiros e a minimizar as sua posição
negativas
Os casais têm tendência para Casais demonstram-se
alterarem a percepção de excessivamente sensíveis.
interacções e gestos negativos
para situações neutras
Gestão do Conflito

 Gottman considera normal haver conflitos conjugais  casamentos


 União de 2 pessoas  Próprias opiniões, personalidade e
valores

 Conflitos:

 Permanentes
 Com solução
O conflito promove a que um
dos parceiros se sinta rejeitado
pelo outro
O casal aborda o conflito mas
não consegue fazer progressos
Problemas Permanentes
Cada um dos conjugues
• Estão sempre mantêm a sua posição e
presentes na relação recusa-se a ceder
conjugal (ex: religião) Quando discutem o problema o
Impasse casal sente-se mais magoado
• Casais bem sucessivos e frustrado
enfrentam estes As conversas sobre o
problemas  problema não têm mínimo
desenvolverem toque de afecto
estratégias e rotinas
Com tempo, aos discutirem o
problema muitas vezes
insultam-se
Eventualmente acabam por se
desligar emocionalmente
Problemas com Solução

São considerados menos dolorosos


que os problemas permanentes
Casal foca a sua atenção no dilema
Problemas mais frequentes:
• Stress no trabalho
• Relação com os sogros
• Dinheiro
• Relações sexuais
• Trabalhos Domésticos
• Adaptação a maternidade
Modelo de Resolução do Conflito

Aprender a
fazer e aceitar Estabelecer
• Narrativa seja isento tentativas de • Tentativas de compromissos
de critica e desprezo reparação reparação não
• Casamentos estáveis percepcionadas
são percepcionadas e Estado tensão • Aceitar a influência
aceites Impede a • Fundamental casal do parceiro 
escalada de tentar manter-se partilha do poder
negatividade calmo • Parceiros serem
• Casamentos tolerantes com
Suavizar o instáveis grande Auto tranquilizar- defeitos um do outro
negatividade  não se e
arranque são percepcionadas tranquilizarem-se
mutuamente
Tornar os sonhos realidade
 Sonhos  Esperanças, aspirações e desejos que fazem parte
da identidade dos membros do casal e dão significado e
propósito a sua vida.

Partilha dos seus sonhos, de modo a que quando tomam


decisões esses sejam tido em conta  Significado ao
casamento

Impasse conflito  Sonhos encobertos ou aparentemente


opostos
Criar um Significado Partilhado
 Casamento  Criação de uma cultura  próprios costumes (ex:
jantar fora sábado à noite), rituais (ex: brindar com champanhe
sempre que nasce uma criança) e mitos, ou seja as histórias que os
casais partilham  sentido e significado ao casamento

 Criação da cultura Boa combinação entre os sonhos dos parceiros


e flexibilidade na sua adaptação

Significado partilhado  Menor conflitualidade Menor probabilidade


de problemas permanente levarem a um impasse
Protocolo Terapêutico
 3 sessões de avaliação  Avaliar os pontos fortes do casal e as
áreas que apresentam dificuldades de acordo com The Sound
Relationship House (SRH)

 Inicia-se a Terapia Numero de sessões variável


 1ª Sessão

Duração de 80 minutos

Solicitado ao casal que explique o motivo que o traz a consulta

Pedido que o casal fale sobre a sua história  Como se


conheceram, como a relação evolui-o, o dia do casamento e outros
eventos relevantes da sua relação  Indicador da perspectiva de
sentimentos.

Requerido ao casal que aborde uma área de conflito ou em que há


desentendimento durante 10 min Análise da interacção

No final da sessão é dado a cada membro do casal uma série de


questionários

 “No Secrets Policy”


 2ª Sessão

Sessão Individual

Entregues questionários preenchidos

Informação sobre:
Breve história familiar
Avaliar o nível de compromisso com a relação
 Avaliar o nível de esperança para reparar a relação
Existência ou não de violência doméstica
Infidelidades
Psicopatologia Individual
Avaliação de dependências de substâncias ou de comportamento aditivos
 3ª Sessão

Entregue uma copia da SRH

Explicado ao casal cada nível da figura de acordo com os pontos fortes


da sua relação e as áreas que precisam de ser trabalhadas 
Informação recolhida nas 2 sessões anteriores

Inicia-se a terapia  áreas que precisam de ser trabalhadas


«Acasalamos por razões que a razão
desconhece, mas descasalamos por
razões que a razão conhece»
«O casamento é o encontro de dois enviados familiares que se vão
degladiar em torno da construção de um novo sistema familiar»
TIPO DE PEDIDOS EM TC

 Casais em crise aguda

 Casais com queixas crónicas

 Casais com pedidos preventivos


• Casais em crise aguda

São casais com uma relação satisfatória que,


subitamente, entram em crise e põem a relação
em causa.

 Relação extra-conjugal
 Violência física, inaceitável para um ou dois
elementos.
 Crise acidental na família nuclear ou família
alargada (nascimento de uma criança deficiente,
suicídio na família, crise económica súbita)
• Casais com queixas crónicas

São os casais com insatisfação crónica, com queixas


que se arrastam ao longo de anos. Só procuram
ajuda quando a separação aparece como a solução.

Casais com dificuldades crónicas de comunicação.


Casais que dificilmente compatibilizam a gestão
parental.
Casais com relações tensas com a família de
origem.
Casais com dificuldade na relação sexual.
• Casais com pedidos preventivos

São casais cuja relação ainda não apresenta


dificuldades significativas, mas que receiam que
algumas circunstâncias do presente ou do futuro
possam deteriorar a relação.

Casais que constituíram uma nova família após


divórcio de um deles ou dos dois.
Casais que identificam cedo circunstâncias
relacionais que podem criar tensão na relação.
CONTRA-INDICAÇÕES

 Inexistência de um mínimo de afinidades e interesses


comuns.
 Desejo manifesto de se separarem.
 Existência de relações extra-conjugais ou qualquer outro
segredo.
 Intenção clara e voluntária de um dos elementos utilizar a
terapia para prejudicar o outro.
 Situações de natureza psiquiátrica.
PROTOCOLO TERAPÊUTICO

 1ª Sessão: entrevista com o casal

 2ª Sessão: entrevista a dois tempos.

 Entrevistas seguintes: duas a três. Centradas no indivíduo


com o casal.

 Fase final: três a quatro entrevistas. Negociação conjugal


1ª Sessão
 Análise cuidadosa do pedido.
 Questionar os dois da razão do pedido.
 História do casal com incidência nas relações com a família
de origem, relação conjugal antes e após nascimento dos
filhos, história de separações.
 Explicar o protocolo terapêutico.
2ª Sessão
 2 tempos:

entrevista individual a cada um dos elementos.

 Objetivos:
 Expressão livre dos sentimentos provocados pelo
conflito conjugal.
 Reavaliar a disponibilidade para investir na relação.
 Assegurar a não existência de relações extra-
conjugais.
2ª Sessão

 Com o casal , anunciar a tomada de decisão de continuar a


terapia.

 Trabalho de casa: « O que é que eu posso fazer para me sentir


melhor na relação?»
Entrevistas seguintes

 3ª Sessão: leitura do TPC.

 Percurso individual de cada elemento. Sonhos e expetativas.

 Diferenciação da família de origem.


Fase final
 Fase da negociação. Reencontro do casal
 2 pressupostos:
 Ninguém consegue mudar o outro
 Cada um tem de definir limites de mudança: até onde é
que eu posso mudar, o que gostaria que ele(a) mudasse)
Caso prático

Discussão: o que fazer?


como fazer?
indicação para TC?
Referências Bibliográficas
 Gottman, J. & Dilver, N. (2001). Os 7 princípios do casamento.
Cascais: Pergaminho.

 Navarra, R. & Gottman, J. (2011). Gottman method couple therapy:


from theory to pratice. In Carson, D. & Casado- Keloe, M. (Eds), Case
studies in couples therapy (pp. 331-343). New York: Routledge.

 Sampaio, D. (2012). Labirinto de Mágoas – As crises do casamento e


como enfrentá-las. Lisboa. Editorial Caminho.