Você está na página 1de 24

MIÍASES

Professora Me NulcieneF. de Freitas


DEFINIÇÃO

MYIE: moscas; ASE: doença

- Entende-se por miíase “a infestação de vertebrados vivos


por larvas de dípteros que, pelo menos durante certo período
se alimentam dos tecidos vivos ou mortos do hospedeiro, de
suas substâncias corporais líquidas ou do alimento por ele
ingerido”

- Ocorre quando encontram condições favoráveis, tais


como idosos com saúde geral debilitada, crianças mal
cuidadas, deficientes mentais, negligentes e de baixo
índice sócio-econômico; a larva pode parasitar a pele, o
couro cabeludo, cavidades ou orifícios naturais do
corpo.
CLASSIFICAÇÃO
Existem várias classificações para miíases, conforme seja a localização, a biologia
da mosca e o tipo de tecido em que ocorre.

OBRIGATÓRIAS:
- Também conhecidas por miíases primárias. São as miíases causadas por
larvas de dípteros que naturalmente se desenvolvem sobre ou dentro de
vertebrados vivos. (biontófagas).

- A forma presente em nosso meio é a furunculóide (chamada de


“berne”)causada pela larva da Dermatobia Hominis.
FACULTATIVA:

- Também conhecida por miíase secundaria. As larvas geralmente


desenvolvem-se em matéria orgânica em decomposição, mas
eventualmente podem atingir tecidos necrosados em um hospedeiro vivo.
(Necrobiontófagas)

- Três formas: cutânea, cavitária e intestinal. A forma cutânea ocorre


pelo depósito de ovos de moscas em ulcerações da pele com o
desenvolvimento de larvas. A cavitária é encontrada em cavidade nasal,
orelha, da órbita etc.
Miiase Cutânea
Miiase Cavitária
Pseudomiíase ou acidental:

- A forma intestinal surge pela ingestão de alimentos contaminados com larvas,


podendo as larvas localizar-se no intestino ou no trato urinário.

- Geralmente os ovos ingeridos não resistem à passagem pelo trato


gastrintestinal, sendo nessa passagem destruídos, o que torna rara a
ocorrência desta forma de Miíase.

 Diarréia pastosa, sem sangue.


 Dor abdominal
 Náuseas
 Dor de cabeça
 Insônia
Familia Calliphoridai
Cochliomyia Hominivorax

- Popularmente conhecida como


mosca varejeira;é a mais importante
mosca de miíase primária.
- É uma mosca robusta medindo cerca de 8mm de
comprimento, possui cor verde, reflexo azul
metálico em todo tórax e abdome, olhos de cor
avermelhada e o resto da cabeça amarelo
brilhante, pernas alaranjadas. As larvas maduras
medem cerca de 15mm de comprimento, têm cor
branco amarelada, dois estigmas respiratórios na
extremidade posterior.
Familia Calliphoridai
Cochliomyia Hominivorax

- Põem de 10 a 300 ovos em cada


local.

- Período de incubação dos ovos


12 a 20 horas;

- 4 a 8 dias maduras; caem no solo,enterram-se


em terra fofa ou embaixo de folhas,
transformam-se em pupas, cerca de 8 dias dão
liberdade aos adultos (temperatura).
Familia Calliphoridai
Cochliomyia Hominivorax

*CONTROLE

Um amplo trabalho de controle foi feito no Sul dos EUA, devido ao fator
limitante na criação de ovinos, que consistiu na criação em laboratórios de
milhares de moscas com esterilização dos machos por irradiação, os
mesmos foram soltos na natureza e como eram potentes (mas inférteis),
copulavam com as fêmeas presentes na região, como as fêmeas copulam
uma só vez, resultava ovos inférteis. Dessa maneira a C. Hominivorax foi
erradicada da Flórida e de outras regiões vizinhas.
Familia Oestridae, subfamília Cuterebrinae,
Dermatobia Hominis.
- Vulgarmente conhecida como mosca
berneira. É a principal espécie de
Cuterebrinae capaz de provocar
miíase humana com frequência.

- É uma mosca robusta, mede cerca de 12 mm de comprimento. Adultos com


aparelho bucal atrofiado. Cabeça apresenta a parte superior e os olhos
marrons, enquanto a parte ventral é castanha, tórax cinza amarronzado, com
manchas longitudinais, indistintas e de cores escuras.
Abdome azul metálico, asas grandes e castanhas.
D. hominis, fêmea
400 a 800 ovos durante inseto forético
sua vida (cerca 10 dias). captura
inseto transportador (hematófago),
15 a 20 ovos no abdome; 6 dias
Maduro, estimulado pelo calor a larva
sai do ovo e alcança a pele hospedeiro.

1,5mm; penetra na pele sã


ou lesada, sofre duas mudas
madura 40 ou 60 dias, L3
abandona hospedeiro.
30 dias abandona pupário, 24 hr copula, 3 dias
oviposição.
TRATAMENTO

- Na espécie humana recomenda-se retirar o berne logo que seja percebido,


ele provoca prurido intenso, e depois dor. o orifício aberto possibilita a
entrada de larvas de outras moscas e várias bactérias que podem complicar o
quadro.

- A melhor maneira de se retirar o berne é matando-o por asfixia.


ENTOMOLOGIA FORENSE

- A utilização da técnica de Entomologia Forense é fundamental para perícia


criminal, sua utilização pode apontar, por exemplo, IPM (intervalo post
mortem) de um cadáver, ou seja o tempo em que um cadáver está morto, por
meio da ocorrência de determinada larva; é possível chegar a identidade de
vítimas por meio de exames de coleta de DNA encontrado no sistema digestivo
dos dípteros.

- A análise dos insetos, especialmente larvas e pupários de dípteros,


encontrados num corpo em decomposição ou em suas proximidades pode
servir não apenas para estimativa do intervalo pós-morte e como
indicadores forenses, mas também pode ser usado na identificação
qualitativa e quantitativa de substâncias ou drogas, como estimulantes,
soníferos, antidepressivos etc.
ENTOMOLOGIA FORENSE
- Os insetos mais valiosos para entomologia forense são as varejeiras
(Cochilomya macellaria – necrobiontófaga), pois são geralmente as primeiras
a colonizar um corpo após a morte, muitas vezes num espaço de horas.
Muitas outras espécies de moscas, escaravelho,vespa, traça, estão associadas
aos cadáveres, constituindo um sucessão de insetos a colonizar o corpo, mas
como tendem a chegar depois são menos úteis na determinação de um IPM.

Ciclo de vida de uma


varejeira Calliphorídea (no
sentido horário, da
esquerda em baixo):
adultos, ovos, larvas de
primeiro estádio, larvas de
segundo estádio, larvas de
terceiro estádio, pupários
contendo pupas.
TERAPIA LARVAL

- As lesões cutâneas são bastante comuns, e


é freqüente a ocorrência de dificuldades de
cura, em geral naquelas ligadas à diabetes. A
permanência prolongada em leitos,
especialmente em idosos, e certas infecções
com bactérias resistentes

a antibióticos de vários tipos dificultam a recuperação desses


ferimentos,levando a riscos de amputação e mesmo ao óbito.
A observação de que as larvas de certas moscas podem ajudar a limpar
ferimentos e apressar a cura levou a chamada terapia larval, que teve seu
apogeu entre as guerras mundiais, após 1945 surgiram os antibióticos,
deixando-se de lado o uso dessa técnica.
TERAPIA LARVAL

- Com a resistência de bactérias a antibióticos e tratamentos caros que


resolviam somente parte dos casos, ocasionando conseqüências graves e
amputações ressurgiu o interesse pela terapia larval a partir de 1980.

- Três espécies larvais são as mais comumentes utilizadas: Lucilia sericata,


Lucilia ilustris e Phormia regina.

- No Brasil para esse tipo de utilização estão presentes Cochliomya


macellaria e Lucilia eximia,para isso são precisos estudos mais detalhados
da biologia dessas espécies.

- NECROBIONTÓFAGAS.
Vantagens
 Desbridamento seletivo – retirada do tecido necrosado das feridas;
 Ação antimicrobiana. As larvas, durante sua atuação sobre a ferida,
produzem secreções que agem promovendo a limpeza daquele ambiente.
Sobretudo, sua característica bactericida merece destaque. Há estudos que
demonstram que a TL é especialmente efetiva em feridas infectadas por
bactérias Gram-positivas, por exemplo, Staphylococcus aureus.
 As larvas terem potencial para combater bactérias resistentes a
antibióticos.
 Também é valido destacar que a TL estimula consideravelmente o processo
de cicatrizaçãodas feridas que são submetidas a ela. Vários fatores
contribuem para isso. O movimento das larvas no leito das feridas estimula a
produção de exsudato seroso, o que promove a ativação de macrófagos,
induzindo a cicatrização e a secreção de fatores de crescimento. Dentre as
substâncias secretadas pelas larvas está a alantoína e a ureia, que possuem
propriedades cicatrizantes, além da amônia e do carbonato de cálcio, que
tornam o meio mais alcalino, favorecendo a cicatrização e diminuindo o
crescimento bacteriano.
 Diminuição da dor e odor desagradável da ferida.
Desvantagens

 A TL não é recomendada para as seguintes situações: lesões


por estase venosa; úlceras isquêmicas em pessoas diabéticas
(quando há obstrução vascular crítica); feridas neoplásicas; locais
próximos às cavidades, fístulas e grandes vasos (possibilidade de
lesão dos vasos pelas enzimas larvais); feridas com necrose seca
(peça bucal das larvas só é capaz de ingerir necrose úmida).
FIM!
E OBRIGADA ;D