Você está na página 1de 14

Índice

1. Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3
2. História. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4
 Fora de Cuba
 Dentro de Cuba
3. Ritmos e passos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7
 O que são “Shines”?
4. Estilos de Salsa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
 Quais são os principais estilos de salsa?
 Estilo Porto-Riquenho
 Estilo Cubano
 Estilo Israel
 Estilo Colombiano
 Estilo Miami
5. Conclusão. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
6. Netgrafia. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14

2
1. Introdução

A música actualmente chamada de salsa é uma mescla de ritmos afro-


caribenhos, tais como o “son montuno”, o mambo e a rumba cubanos. A salsa
nasceu em Cuba, por volta dos anos 60, e é uma espécie de adaptação do
mambo da década de 1950.
Salsa, em castelhano, significa "tempero", e a adopção do nome quis
transmitir a ideia de uma música com "sabor", cujos ingredientes são
"condimentos musicais".
No desenvolvimento do trabalho serão abordados temas como a
História da Salsa, os ritmos, passes, e imagens.

3
2. História
Salsa, é um
conjunto de "condimentos
musicais", constituídos
pelo “son Cubano”,
condimento base,
Merengue dominicano,
Cumbia colombiana, Jazz
norte-americano, Samba
brasileiro, Mambo e outros
ritmos musicais do Caribe.
Não podemos falar da salsa sem referirmos o género que constitui a
sua raiz: o “son cubano”. Este ritmo nasceu nos campos do oriente cubano na
segunda metade do século XVIII, tendo como antecedentes a influência
hispânica, francesa e africana. Devido a esta união, ao chegar às cidades no
início do século XIX, contagiou a população.
Em 1909 entrou no Havana, nas mãos dos soldados do exército
permanente do governo da época. Em 1920 aparece o Sexteto Habanero, um
grupo que marcou um estilo muito próprio no “son cubano”.
Nesta década surgiram outros grupos musicais como o Septeto
Nacional de Ignácio Piñeiro, criado em 1927, grupo que se mantém até os dias
de hoje. Músicas como Échale Salsita, El Guanajo Relleno e Suavecito, ainda
são interpretadas e conhecidas internacionalmente. Também devemos citar o
antológico Trio Matamoros, fundado em 1925, que nos deixou El son de La
Loma, El que Siembra su Maiz, La Mujer de Antonio e Lágrimas Negras, entre
outras.

Em 1950, Arsénio Rodríguez vai viver em Nova Iorque e forma outro


grupo, sendo um dos precursores do movimento salsa nos Estados Unidos.
Entre as músicas mais famosas de Arsénio estão Fuego en el 23, El Guayo de
Catalina e Bruca Maniguá. O “son” chega então a outros países como
Venezuela, Colômbia, Porto Rico, República Dominicana, México e Estados
Unidos.

4
Os anos 50 destacam-se pela aparição de um dos maiores intérpretes
do género de todos os tempos: o grande Benny Moré com a sua Banda
Gigante. Com o triunfo da revolução cubana de 1959 e o início do bloqueio
económico norte-americano, a história do “son” continua por caminhos
diferentes: fora de Cuba (principalmente em Nova Iorque) e dentro da ilha.

Fora de Cuba
Surge uma carência de produtos musicais deste tipo. Os empresários
norte-americanos do mundo discográfico vêem-se obrigados a recorrer a
músicos e compositores cubanos residentes fora da ilha e a outros músicos
latinos cultivadores do ritmo.
Começam a aparecer Tito Puente, Xavier Cougat, Los Palmieri, Johnny
Pacheco, Tito Rodríguez, Célia Cruz, Ismael Rivera, Sonora Matancera, entre
outros. O nome Salsa começou a ser disseminado para intitular o ritmo até
então chamado de “son”, numa turneé musical das estrelas do Selo Fania. Aqui
aparece o nome salsa (com objectivos puramente comerciais), mas somente
em 1974 Willy Colón e Rubén Blades gravam o disco que marcou a verdadeira
identidade da salsa como género. Este nome serviu para apresentar na Europa
uma música que era conhecida como “Tropical”. Apesar do tratamento
harmónico renovador que deu à salsa (além do uso do formato de 3 ou 4
trombones ao invés de trompetes), cabe destacar que a base rítmica continuou
parecida à do “son”.
A intenção nunca foi roubar a música dos cubanos, escondendo-a
debaixo de outro nome, porque sempre se reconheceu que a raiz da Salsa é
cubana. A Salsa continuou então a sua evolução vertiginosa. Na década de 80
aparece a salsa erótica ou balada salsa, que se destaca pelas letras
românticas e sensuais. Nos anos 90 aparece a chamada salsa-rap.

5
Cabe destacar que, quando nos referimos à salsa, falamos da música
que é resultado directo do “son”. O merengue e a Cumbia são também
vendidos como salsa, produto da lógica comercial norte-americana, que baptiza
distintos ritmos de vários países tropicais com um único nome fácil de ser
lembrado. Isto foi aplicado nos anos 50 ao Bolero, Mambo, Chá-chá-chá, “son”
e à Conga, com o nome de rumba.

Dentro de Cuba
Dentro da ilha aparecem os “ritmos Mozambique” pelo Peyo el Afrokán
e el Pilón por Enrique Bonne. No início dos anos 60 foram as primeiras
novidades de formas sonoras pós-revolução que se caracterizaram pela ênfase
na base rítmica. Logo aparece o maestro Juan Formell, com uma nova forma
sonora chamada Songo, que com a sua orquestra Los Van Van revoluciona o
formato, agregando bateria, guitarra e baixo eléctrico.
Podemos dizer que a salsa, a partir de Cuba (o país que lhe serviu de
raiz) e do Caribe (como zona de origem dos seus condimentos), brinda-nos
hoje com a universalidade, pois o Caribe é uma das regiões onde se
encontram, através da história, europeus, asiáticos, norte-americanos e
africanos. Só assim, com esta mescla de culturas, se pode explicar e
compreender a sensualidade, beleza estética e muito sabor deste estilo
musical.

6
3. Ritmos e passos
A Salsa é uma dança sensual, quente, explosiva, romântica e
principalmente muito divertida. A Salsa pode ser dançada individualmente mas,
é geralmente dançada a par. Aos passos básicos são geralmente adicionadas
voltas e quedas o que torna esta dança particularmente exuberante! Existem
vários estilos diferentes, o estilo Cubano, o estilo Porto-riquenho, o de Nova
Iorque, entre outros…

Os ritmos de Salsa são: o cubano, que realça bastante a cintura e a


improvisação; o colombiano, com uma forte marcação de passos; e o porto-
riquenho, dançado em linha, mais elegante e suave.
Verdadeiramente não existe nenhum ritmo que se defina como Salsa. A
música a que chamamos salsa é uma mistura irresistível de ritmos latino-
americanos e africanos. A salsa é pois uma "misturada" com um ritmo
quaternário que tem como uma das suas bases o "son Cubano”.
A música e a dança salsa
têm fortes origens no som
cubano. No final do século
passado nos campos do oriente
de Cuba, esta era dançada em
pares soltos, com movimentos um
tanto exagerados. Este estilo era
denominado “son Montuno”, pois
provinha dos campos.
A chegada dos franceses ao oriente de Cuba, no final do século XVIII,
significou um avanço importante à dança: a dança com os pares entrelaçados.
O homem tomava a mulher com a mão direita no centro das costas e com sua
mão esquerda, a direita dela. A mão esquerda da mulher ia sobre o ombro do
parceiro.

7
Existia uma grande separação na zona pélvica e a aproximação dava-
se no torso, ambos dançavam com as pernas semi-flectidas. Esta distância
entre os pares devia-se ao facto das jovens irem acompanhadas pelas suas
famílias e era mal visto por todos os pares dançarem muito próximos. Ao
dançar sempre se flectiam os joelhos e com eles movia-se todo o corpo, sem
deslizar (porque o chão era de terra). Por isso os pés se levantavam de forma
exagerada.

Conforme foi chegando às cidades do oriente, a maneira de se dançar


foi mudando. Os movimentos tornaram-se mais suaves e a postura foi se
assemelhando à do “Danzon” (embora menos rígida). O homem toma a mesma
postura do “son montuno”, porém, trocando a postura extremamente inclinada
por uma mais moderada, e nas cidades podia-se arrastar os pés.
Aqui o homem coloca a perna direita entre as da mulher, e o passo
básico consiste em avançar e retroceder. Existe uma característica
fundamental: o movimento da caixa torácica inclinava-se para as laterais. No
momento de pisar o pé direito, o tórax inclinava-se para a direita e ao pisar o
esquerdo, inclinava-se para a esquerda.

Em Havana, a salsa começa a adquirir outras características e


influências, uma vez que a música ganha complexidade, a dança também
evolui paralelamente. Aparecem as primeiras figuras com giros. Estas eram
simples como o "El Tornillo", em que o homem gira sobre os seus pés guiado
pela mulher. Quanto aos tempos musicais, em Havana (e no ocidente em
geral) dançava-se com a melodia, porém havia também quem dançava com o
ritmo.
Nos anos 50 em Havana, nos grandes lugares de reuniões sociais e
festas, tais como o Casino Desportivo e o Casino de La Playa, dançava-se a
salsa e outros ritmos cubanos. Mas também ritmos norte-americanos como o
Foxtrot, o Rock and Roll, o Jazz, etc. A influência que esses ritmos exerceram
na forma de se dançar a salsa trouxera como consequência a origem de um
novo estilo: o Casino, assim chamado por causa dos lugares onde nasceu.

8
O que são “shines”?

Shines são os passos que se faz quando


se dança salsa sozinho, ou quando um casal se
separa no meio da dança, no estilo em linha para
dançarem soltos.
É também um dos melhores treinos para
quem quer aprender salsa, pois desenvolve
técnica corporal, ritmo, equilíbrio, memória,
coordenação e desenvoltura.

9
4. Estilos de salsa

Quais são os principais estilos de Salsa?

Devido às diferenças culturais entre os principais lugares onde a salsa


se desenvolveu, especialmente Cuba, Porto Rico e Estados Unidos, a dança
adquiriu algumas características especiais que diferem de lugar para lugar.
Podemos dizer que os principais estilos de se dançar salsa são: o
Estilo Cubano (Casino), Estilo Porto-riquenho, Estilo Los Angeles, Estilo Nova
Iorque, Estilo Miami e Estilo Colombiano.
Apesar de, à primeira vista, parecer uma dança única, a salsa sofre
variações de estilo nos diferentes lugares do mundo onde se desenvolveu.
Hoje em dia, podemos distinguir bem as variações e as diferenças entre elas,
classificando-as de acordo com as regiões, culturas e influências que
determinaram as diferentes formas de interpretar, sentir e dançar a mesma
música.

Estilo Porto-Riquenho:
O estilo porto-riquenho, por exemplo, pode ser dançado no tempo "um"
ou "dois" da música, mas requer uma grande técnica com os pés ("solo" se
você estiver em Los Angeles e "shines" em Nova Iorque). Há um maior ênfase
em relação à técnica com os pés do que no estilo nova-iorquino.

Estilo Cubano:
Em Cuba, a salsa (ou o Casino, como é chamada lá) é dançada de
forma mais descontraída, irreverente, com muitos giros, tanto dos homens
como das mulheres, e é caracterizada pela sensualidade tipicamente cubana
dos movimentos dos dançarinos. Muitas vezes a música determina o estilo da
dança. Se há uma grande quantidade de percussão, as senhoras podem brilhar
com os seus incríveis, bonitos e ritmados movimentos de corpo (os ritmos
contemporâneos mais rápidos das bandas mais populares, como "Charanga

10
Habanera" e "Los Van Van" têm estimulado isso) e não raras vezes, os homens
também executam solos, misturando inclusive elementos de outras danças
cubanas como o Són, a Rumba e o Guaguancó.
Os novos sons da música cubana dão ênfase aos tempos "um" e "três"
do ritmo, muito mais do que ao tempo "dois". Os ritmos são também muito mais
rápidos.

Estilo Israel
Os israelitas têm um estilo de dança único e próprio. A melhor forma
de descrevê-lo é como um gingado rápido, para frente e para trás, parecido
com o estilo de Los Angeles e depois atrás e atrás, como a Cumbia. A
diferença é que a senhora é frequentemente conduzida para um rápido giro à
direita e logo de seguida à esquerda sem dar o seu real passo para trás, num
tipo de movimento pendular rápido para trás e para frente.
Em Israel, as senhoras colocam os pés quase juntos após o giro e
algumas vezes até dão um suave passo para frente de algumas polegadas
com a perna direita depois do giro. Isto ocorre devido à maneira de como o
cavalheiro posiciona a senhora para um giro, para uma direcção e
imediatamente de seguida para a outra direcção, como ocorre nos giros da
Cumbia.
A senhora não faz o passo atrás depois de cada giro. Ela tem de estar
imediatamente pronta para o próximo giro, mesmo se o pé direito estiver
algumas polegadas à frente.

Estilo Colombiano
A salsa é dançada de diversas maneiras por toda a Colômbia. Em Cali,
é mais exibicionista e em outras partes mais campestres do país, a Salsa é
dançada de uma forma mais fechada, com as cabeças a tocarem-se em alguns
casos. Entretanto, o fundamental é que não há movimentos dos pés para frente
e para trás. É simplesmente o que se chama estilo Cumbia, que se dança com
movimentos alternados dos pés para trás ou para o lado. Não há muitos
truques, giros ou rodopios no estilo colombiano, excepto no caso de um
11
dançarino profissional, que participa de bandas ou competições. Na dança
social e casual, o estilo colombiano é muito mais calmo e fechado onde os
corpos dos dançarinos se tocam quase por completo da cabeça aos pés.

Estilo Miami
A Salsa de Miami é diferente do tradicional estilo cubano. Quase nunca
seguram na cintura, é sempre nas mãos, sem usar os polegares.
O estilo de Miami, que requer "braços de esparguete" por parte das
senhoras. Na Salsa de Miami as senhoras são muito bem exibidas, de fato o
nome de um dos passos de "Rueda de Casino" é "exhibela" que significa exibir
a senhora.
O estilo de Miami é predominantemente uma dança de casal, a
quantidade de dança a "solo" é extremamente pequena.

12
5. Conclusão
A dança, por se tratar de uma forma de expressão corporal e muitas
vezes por não fazer parte do nosso quotidiano deve ser encarada como uma
nova situação e como tal deve ser analisada e executada com harmonia entre
cérebro e corpo. Como qualquer nova informação que exija o sincronismo
destes dois agentes para ser concluída, só será efectuada com exactidão
quando o corpo estiver a receber correctamente os dados que lhe vão sendo
enviados.

Devemos ter a consciência que a expressão corporal é de fundamental


importância para o ser humano, fazendo com que aperfeiçoemos a nossa
coordenação motora, além de que quando efectuada em grupo proporciona
uma convivência social saudável e ainda, trazendo grande paz de espírito e
benefícios ao organismo.

A salsa é um dos géneros musicais mais dinâmicos da cultura


ocidental. Salsa significa “molho”, mas a expressão não deve ser entendida
apenas no sentido de “quente” e “vibrante”, nem a música se reduz a esse tipo
de sensações. A palavra salsa tem muito a ver com "swing", tal como este
vocábulo foi aplicado às bandas de “swing jazz” dos anos 30 e 40. Descreve
um sentimento que cobre uma ampla escala de emoções e expressões
musicais.

A salsa não é sempre rápida e intensa — pode ser lenta e romântica


ou misturar velocidade com sensualidade.

13
6. Netgrafia

Wikpédia - Salsa

Salsa Estilos de Dança pelo Mundo

Aprender Danças

História Danças Latinas

Danças do Mundo

14