Você está na página 1de 18
Texto argumentativo Verônica Daniel Kobs * O texto argumentativo tem total compromisso com a opinião,

Texto argumentativo

Verônica Daniel Kobs *

O texto argumentativo tem total compromisso com a opinião, pois ele é

a defesa de um ponto de vista, contra ou a favor de algum assunto. Em geral,

o tema de um texto argumentativo é suficientemente polêmico – caracterís- tica que se evidencia no interesse demonstrado pelo autor em expressar um ponto de vista a respeito.

Se a intenção do texto argumentativo é expressar opinião sobre um fato ou uma situação, podemos dizer que a escolha do ponto de vista a ser defen- dido pelo autor corresponde a uma tese. Depois de apresentado o posicio- namento, são necessários bons argumentos para defender a tese. Justamen- te aqui está o foco do texto argumentativo, que tem a possibilidade de, em certas situações, exceder o simples expressar de uma opinião, porque a ideia defendida pelo autor pode influenciar os leitores e chegar a fazê-los mu- darem de postura quanto à polêmica retomada a partir da escrita do texto. Dessa forma, a argumentação relaciona-se ao convencimento e, mesmo que acabem por não concordar totalmente com o autor, os leitores do texto em questão devem identificar bom embasamento nos argumentos apresenta- dos e coerência no raciocínio exposto.

Como qualquer outro, o texto argumentativo deve ter começo, meio e fim. No entanto, há elementos específicos que devem aparecer em cada uma de suas partes. É o atrelamento desses elementos às suas respectivas partes que determina a estrutura do texto. Além disso, a argumentação conta com alguns recursos que potencializam seu efeito, oferecendo modos bastante eficazes de provar o raciocínio escolhido e convencer o leitor.

Depois dessa breve introdução sobre o texto argumentativo, vejamos um exemplo, para ser analisado à medida que detalhamos o seu conteúdo.

* Doutora em Estudos Li- terários pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Mestre em Literatura Bra- sileira pela UFPR. Licencia- da em Letras Português- -Latim pela UFPR.

Literatura: um olhar aberto para o mundo

(COELHO, 2007)

Neste limiar de século e de milênio, estamos assistindo ao final de um extenso período da cultura humana (Era Romântica, sécs. XVIII-XIX) e, simulta- neamente, estamos vivendo (conscientemente ou não) uma acelerada muta-

Esse material é parte integrante do Videoaulas on-line do IESDE BRASIL S/A, mais informações www.videoaulasonline.com.br

Texto argumentativo

ção que está engendrando uma nova cultura, radicalmente diferente da ante- rior, e exigindo a formação de uma nova mente.

Sentimo-nos perdidos diante dessa avalanche de mudanças em todos os níveis da sociedade, porque ainda não nos foi possível descobrir racionalmen- te o encadeamento de todos os elos dessa transformação em curso. Talvez fique mais fácil entendermos a natureza ou o sentido desse processo que es- tamos vivendo se nos valermos do pensamento de Oswald Spengler (A Deca- dência do Ocidente, 1918-1922), ao definir cultura e civilização. […].

Estamos hoje vivendo em pleno “ponto de mutação” (Fritjof Capra), daí a fragmentação, o desnorteamento que caracterizam o mundo que nos rodeia

e que precisamos aprender a conhecer, para nele podermos agir. A grande

revolução-evolução, hoje vivida por toda humanidade, está acontecendo na esfera da cultura (da mente, do espírito, do pensamento, da reflexão, do ser in- terior) e, evidentemente, em conflito com a esfera da civilização em que ainda predominam as formas consagradas ontem, mas já superadas pelas novas formas emergentes com a revolução tecnológica-cibernética que vem mu- dando a face do mundo, pela anulação das distâncias geográficas e da ruptura de todos os antigos limites (espaciais, temporais, mentais, éticos, estéticos

[…]

É dentro desse ciberespaço, desse fascinante mundo virtual, que na esfera da educação e do ensino, o problema leitura/literatura vem crescendo em im- portância. E por quê? […] Está mais do que evidente que estamos vivendo em plena civilização da imagem. […] Mas há já algum tempo se vem descobrindo

que só esse contato não basta para a dinamização interior do indivíduo, para

o desenvolvimento de suas potencialidades, de maneira plena

tímulo, a leitura é fundamental. É o contato, a interação íntima do eu com

Para esse es-

a palavra escrita, com o texto, que o leva a desenvolver aquilo que o define como ser humano: a sua própria expressão verbal, sua fala, sua linguagem, sua própria palavra, sem a qual não há nenhuma relação profunda entre o eu

e os outros que o rodeiam.

[…] concluímos estas reflexões enfatizando o fato de que é preciso neu- tralizar a ameaça de robotização que paira sobre os indivíduos, neste ciberes- paço. E um dos meios para essa neutralização está, sem dúvida, na literatura/ leitura que vem sendo descoberta (ou redescoberta) como um “exercício de viver” ou como fecundo instrumento de “formação das mentes” e de conheci- mento de mundo, da vida. [ ]

das mentes” e de conheci- mento de mundo, da vida. [ ] 2 Esse material é

2

Esse material é parte integrante do Videoaulas on-line do IESDE BRASIL S/A, mais informações www.videoaulasonline.com.br

Texto argumentativo

Partes do texto argumentativo

Introdução

A introdução desempenha o papel de informar a posição assumida pelo autor do texto diante de algum assunto, é na introdução que se explicita a tese do texto argumentativo. No entanto, como em qualquer outro texto, a introdução do texto argumentativo investe apenas em uma brevíssima apre- sentação do tema, de modo a situar o leitor, familiarizando-o com a questão que motivou a escrita. Para verificar essas considerações na prática, vamos analisar a introdução do texto que apresentamos anteriormente, de Nelly Novaes Coelho.

Neste limiar de século e de milênio, estamos assistindo ao final de um ex- tenso período da cultura humana (Era Romântica, sécs. XVIII-XIX) e, simul- taneamente, estamos vivendo (conscientemente ou não) uma acelerada mutação que está engendrando uma nova cultura, radicalmente diferente da anterior, e exigindo a formação de uma nova mente.

Com a releitura dessa introdução, chega-se facilmente à ideia sintetizada nesse parágrafo. Simplificando ou esquematizando a posição da autora, po- demos propor a seguinte ordem:

“limiar de século e de milênio”fim de um“período da cultura humana”“acelerada mutação” engendramento de “uma nova cultura” exi- gência de uma nova mentalidade.

Perceba que os elementos que compõem essa sequência organizam-se de modo coerente e progressivo, mas não fomos nós que estabelecemos essa ordem: nós apenas retomamos peças-chave da introdução, na ordem em que a autora as apresentou.

Depois de explicitada a tese, que deve ser identificada e compreendida pelo leitor, é hora de apresentar os argumentos que irão sustentá-la e aden- sá-la, de modo a demonstrar a pertinência do raciocínio introdutório – mas essa função cabe a outra parte do texto.

Desenvolvimento

Os argumentos são listados e aprofundados no desenvolvimento do texto argumentativo. É nesta parte que a tese é expandida e defendida de fato.

3

nesta parte que a tese é expandida e defendida de fato. 3 Esse material é parte

Esse material é parte integrante do Videoaulas on-line do IESDE BRASIL S/A, mais informações www.videoaulasonline.com.br

Texto argumentativo

Há diferentes modos de argumentar, firmando uma posição sobre o as- sunto em pauta. Variam também os argumentos selecionados para a defesa da tese – afinal, toda construção textual, sobretudo quando está em jogo o expressar de uma opinião, envolve ideologia – isto é, um conjunto de concei- tos culturais próprios de determinado grupo ou época e, portanto, vinculado ao contexto histórico-social.

Apesar disso, alguns autores preferem fazer uma argumentação objetiva, ”

Claro que isso é apenas um subterfúgio para diminuir a carga de opi-

com verbos na terceira pessoa (como em “pressupõe-se que

ou “observa-

-se

nião, mas diminuir não é sinônimo de anular: a opção pelo texto argumenta- tivo objetivo apenas equilibra o seu tom.

Em contrapartida, o discurso subjetivo enfatiza a carga opinativa e ide- ológica do texto, pois o autor assume com convicção a tese e os argumen- tos citados, chegando, inclusive, a usar situações de sua vida pessoal para as exemplificações feitas no texto.

Para ver como essas orientações sobre o desenvolvimento do texto podem servir à argumentação, vamos nos deter sobre os parágrafos que formam o desenvolvimento do texto que estamos analisando, identificando os argumentos arrolados pela autora.

”).

Sentimo-nos perdidos diante dessa avalanche de mudanças em todos os níveis da sociedade, porque ainda não nos foi possível descobrir racional- mente o encadeamento de todos os elos dessa transformação em curso. Talvez fique mais fácil entendermos a natureza ou o sentido desse processo que estamos vivendo se nos valermos do pensamento de Oswald Spengler (A Decadência do Ocidente, 1918-1922), ao definir cultura e civilização. […].

Estamos hoje vivendo em pleno “ponto de mutação” (Fritjof Capra), daí a fragmentação,odesnorteamentoquecaracterizamomundoquenosrodeia e que precisamos aprender a conhecer, para nele podermos agir. A grande revolução-evolução, hoje vivida por toda humanidade, está acontecendo na esfera da cultura (da mente, do espírito, do pensamento, da reflexão, do ser interior) e, evidentemente, em conflito com a esfera da civilização em que ainda predominam as formas consagradas ontem, mas já superadas pelas novas formas emergentes com a revolução tecnológica-cibernética que vem mudando a face do mundo, pela anulação das distâncias geográ- ficas e da ruptura de todos os antigos limites (espaciais, temporais, mentais, éticos, estéticos

limites (espaciais, temporais, mentais, éticos, estéticos 4 Esse material é parte integrante do Videoaulas on-line

4

Esse material é parte integrante do Videoaulas on-line do IESDE BRASIL S/A, mais informações www.videoaulasonline.com.br

Texto argumentativo

[…]

É dentro desse ciberespaço, desse fascinante mundo virtual, que na esfera da educação e do ensino, o problema leitura/literatura vem crescendo em importância. E por quê? […] Está mais do que evidente que estamos viven- do em plena civilização da imagem. […] Mas há já algum tempo se vem descobrindo que só esse contato não basta para a dinamização interior do indivíduo, para o desenvolvimento de suas potencialidades, de maneira

Para esse estímulo, a leitura é fundamental. É o contato, a interação

plena

íntima do eu com a palavra escrita, com o texto, que o leva a desenvolver aquilo que o define como ser humano: a sua própria expressão verbal, sua fala, sua linguagem, sua própria palavra, sem a qual não há nenhuma rela- ção profunda entre o eu e os outros que o rodeiam.

Seguindo a função própria dessa parte, no primeiro parágrafo do de- senvolvimento, a autora enfatiza a multiplicidade das mudanças que estão ocorrendo, assim como acentua o fato de tais novidades serem percebidas com dificuldade pelas pessoas, já que se diferem muito do antigo modelo de sociedade.

Já no segundo parágrafo, é destacada a mutação, relacionando-a a pro- blemas hoje usuais: “fragmentação” e “desnorteamento”. Em seguida, nova- mente é mencionado que a consequência da transformação em curso é o embate cultural entre as formas antiga e nova. Por fim, a “revolução tecnoló- gica-cibernética” é apontada como a responsável por tantas mudanças.

No último parágrafo que compõe o desenvolvimento do texto em ques- tão, a “revolução tecnológica-cibernética” relaciona-se ao “ciberespaço”, possibilitando-se maior importância à leitura e à literatura, que por sua vez auxiliam o desenvolvimento da expressão individual ou da “linguagem”, “sem a qual não há nenhuma relação profunda entre o eu e os outros que o rodeiam”.

A partir dessas breves colocações sobre o desenvolvimento do texto, foi possível perceber o encadeamento lógico entre os parágrafos, novamente a progressão dos fatos e, no final, apesar de a revolução tecnológica trazer benefícios à sociedade, fica claro que ela precisa ser neutralizada, em alguns momentos – daí a importância da literatura hoje.

5

momentos – daí a importância da literatura hoje. 5 Esse material é parte integrante do Videoaulas

Esse material é parte integrante do Videoaulas on-line do IESDE BRASIL S/A, mais informações www.videoaulasonline.com.br

Texto argumentativo

Conclusão

A conclusão sintetiza o texto, retomando, na maioria das vezes, o ar-

gumento principal, citado no desenvolvimento, para sustentar a tese, que também é retomada nesta parte. Vamos rever a conclusão do texto de Nelly Novaes Coelho.

[…] concluímos estas reflexões enfatizando o fato de que é preciso neu- tralizar a ameaça de robotização que paira sobre os indivíduos, neste ci- berespaço. E um dos meios para essa neutralização está, sem dúvida, na literatura/leitura que vem sendo descoberta (ou redescoberta) como um “exercício de viver” ou como fecundo instrumento de “formação das mentes” e de conhecimento de mundo, da vida. [ ]

Embora, no texto, a autora tenha iniciado sua conclusão de modo explí-

”), ressalte-se que

o final de um texto não precisa iniciar dessa forma. Fora a síntese que deve

ser feita pela conclusão, não há regras rígidas de como iniciar essa parte do texto.

cito, usando o verbo concluir (“concluímos estas reflexões

Analisando a conclusão transcrita acima, percebe-se que a autora não atribui apenas aspectos positivos à revolução tecnológica, que indubitavel- mente apresenta vantagens, mas precisa dividir espaço com a literatura, que

é uma espécie de contraponto dessa revolução, de modo a não se acabar

com tudo excessivamente robotizado. Em outras palavras, a autora sugere que o lado humano da leitura é necessário para contrabalançar a mecaniza- ção da era contemporânea.

A partir do desvendamento dessa conclusão, é impossível não retomar

o título – “Literatura: um olhar aberto para o mundo” –, pois ele sintetiza o posicionamento da autora frente às mudanças que caracterizam a sociedade

contemporânea.

Recursos do texto argumentativo

Detalhamento

O detalhamento pode ser usado para aumentar o poder de convencimen-

to do texto. Ele garante maior credibilidade para a tese defendida e assim a ideia apresentada tem maior aceitação do público. Detalhar um texto em-

tem maior aceitação do público. Detalhar um texto em- 6 Esse material é parte integrante do

6

Esse material é parte integrante do Videoaulas on-line do IESDE BRASIL S/A, mais informações www.videoaulasonline.com.br

Texto argumentativo

presta à argumentação certo didatismo: é como se o autor guiasse os seus leitores “pela mão”, e cada passo, objetivo ou exemplo é acompanhado pelo leitor, de modo a dirimir dúvidas e a aumentar as certezas e a crença em re- lação à tese que está sendo defendida.

O detalhamento pode ser feito pela citação de exemplos ou pela apre- sentação de alguns desdobramentos dos argumentos principais, de modo a consolidar a importância deles para o tema debatido e para a posição assu- mida pelo autor desde a introdução.

Esse recurso é ativado pela autora do texto com o uso dos parênteses, em três situações:

“final de um extenso período da cultura humana (Era Romântica, sécs. XVIII- XIX)”;

“se nos valermos do pensamento de Oswald Spengler (A Decadência do Ocidente, 1918-1922)”;

“pela anulação das distâncias geográficas e da ruptura de todos os antigos

limites (espaciais, temporais, mentais, éticos, estéticos

)”.

Nesses três exemplos, o que aparece entre parênteses tem a função de expandir a informação, tornando-a mais clara para o público leitor.

Citação de fontes e exemplos

Com a finalidade de embasar a tese defendida no texto, citam-se autores de renome, que compartilham a mesma posição ou os exemplos que tentam concretizar a ideia apresentada e sustentada, de modo a unir teoria e prá- tica. No texto analisado, há três ocorrências que, nesse quesito, merecem destaque:

referência a Spengler;

menção a Fritjof Capra;

o fato de se citar a literatura/leitura como modo de neutralizar a ro- botização ou a tecnologia excessiva – afinal, a autora poderia apenas mencionar que um modo de contenção seria exigido, mas ela vai além disso e, em vez de apenas alertar para a busca de uma saída, aventa uma possibilidade de saída.

7

a busca de uma saída, aventa uma possibilidade de saída. 7 Esse material é parte integrante

Esse material é parte integrante do Videoaulas on-line do IESDE BRASIL S/A, mais informações www.videoaulasonline.com.br

Texto argumentativo

O fato de se recorrer a autores de renome comprova para o leitor que a

ideia defendida no texto não é absurda, pois há outros autores que a com- partilham. Além disso, citar autores que já se pronunciaram sobre o tema que está sendo debatido promove um empréstimo de credibilidade, o que, sem dúvida, é um modo de avalizar o discurso em elaboração, ou seja, o texto argumentativo.

Quanto ao exemplo que é citado no texto, isso deixa claro para o leitor

que a autora do texto foi além de apenas pensar nos reflexos dessa onda tecnológica, já que propõe ao menos um modo de tentar contê-la, para que

o aspecto humano não seja totalmente engolido pela robotização.

Raciocínio lógico

Apesar de ser um princípio óbvio para a construção de qualquer texto, o

raciocínio lógico se faz mais necessário em um texto argumentativo porque

a compreensão da ideia defendida pelo autor é o primeiro passo para o con-

vencimento do leitor. Mas nem precisamos ir tão longe: por mais que o leitor não concorde totalmente com a tese defendida, ele pensará sobre o texto

e o levará em conta (para rever sua ideologia e seu ponto de vista sobre a questão debatida), se tiver conseguido compreender o raciocínio apresen- tado pelo autor.

Para confirmar que o texto de Nelly Novaes Coelho atende a esse pres- suposto, basta voltar rapidamente aos parágrafos do desenvolvimento e à análise desses parágrafos para verificar que as etapas são enunciadas pro- gressivamente, levando o público leitor, paulatinamente, até o X da questão, ou seja, à robotização e à necessidade de contê-la.

A antítese como pressuposto

A antítese corresponde à posição contrária àquela defendida pelo autor

do texto. No entanto, mesmo assim é possível utilizá-la como uma espécie

de sombra, no momento da produção do texto argumentativo, para tentar responder de antemão a questões que podem ser feitas por pessoas que defendem postura diferente daquela do autor do texto.

Assim, haverá menos margem para réplicas e se atenderá a um bom número de expectativas. Esse exercício ajuda a aprimorar a argumentação

Esse exercício ajuda a aprimorar a argumentação 8 Esse material é parte integrante do Videoaulas on-line

8

Esse material é parte integrante do Videoaulas on-line do IESDE BRASIL S/A, mais informações www.videoaulasonline.com.br

Texto argumentativo

porque investe na produção de um texto mais completo, mais claro e com argumentos menos frágeis.

No texto em análise, isso se verifica no momento em que a autora usa os parênteses para detalhar informações e quando cita a literatura/leitura como antídoto para a robotização. Para fechar o raciocínio, é como se, preenchen- do essas lacunas, a escritora pudesse responder a questões que imaginou surgindo na hora da leitura, como nos exemplos abaixo:

“final de um extenso período da cultura humana”

Possível pergunta do leitor: De que “extenso período” se trata?

Resposta incluída no texto: “(Era Romântica/sécs. XVIII-XIX)”;

“pela anulação das distâncias geográficas e da ruptura de todos os an- tigos limites”

Possível pergunta do leitor: Quais são esses “antigos limites”?

Resposta incluída no texto: “(espaciais, temporais, mentais, éticos, estéticos

Texto complementar

Leia o artigo abaixo, de Stephen Kanitz, atentando para as partes do texto argumentativo, sobretudo para o desenvolvimento, em que são arrolados os argumentos escolhidos pelo autor para comprovar sua tese.

A favor dos videogames

(KANITZ, 2005)

O cérebro humano é um órgão que absorve quase 25% da glicose que con- sumimos e 20% do oxigênio que respiramos. Carregar neurônios ou sinapses que interligam os neurônios em demasia é uma desvantagem evolutiva, e não uma vantagem, como se costuma afirmar.

Todos nós nascemos com muito mais sinapses do que precisamos. Aqueles que crescem em ambientes seguros e tranquilos vão perdendo essas sinap- ses, que acabam não se conectando entre si, fenômeno chamado de regressão sináptica.

9

entre si, fenômeno chamado de regressão sináptica . 9 Esse material é parte integrante do Videoaulas

Esse material é parte integrante do Videoaulas on-line do IESDE BRASIL S/A, mais informações www.videoaulasonline.com.br

Texto argumentativo

Portanto, toda criança nasce com inteligência, mas aquelas que não a usam vão perdendo-a com o tempo. Por isso, menino de rua é mais esperto do que filho de classe média que fica tranquilamente assistindo às aulas de um professor. Estimular o cérebro da criança desde cedo é uma das tarefas mais importantes de toda mãe e todo pai modernos.

Sempre fui a favor de videogames, considerados uma praga pela maioria dos educadores e pedagogos. Só que bons videogames impedem a regressão sináptica, porque enganam o cérebro fazendo-o achar que seus filhos nas- ceram num ambiente hostil e perigoso, sinal de que vão precisar de todas as sinapses disponíveis. O truque é encontrar bons jogos, mas não é tarefa impossível.

O primeiro videogame que comprei para meus filhos foi o famoso SimCity,

um jogo em que você é o prefeito de uma pequena vila, e, dependendo de suas decisões, ela pode se tornar uma megalópole ou não. Se você for um péssimo prefeito, a população se mudará para a cidade vizinha, e fim do jogo. Em vez de eleger prefeitos, seria muito melhor se empossássemos o vencedor do campeonato de SimCity em cada cidade.

Um dia eu estava brincando de “prefeito” quando meus filhos de 11 e 13 anos de idade, analisando meu “planejamento urbano” inicial, balançaram a cabeça em desaprovação: “Tsk, tsk, tsk. Pai, daqui a 50 anos você vai dar com os burros n’água”. Eu, literalmente, caí da cadeira. Quantos de nós, aos 11 anos, tínhamos consciência de que atos feitos na época poderiam ter consequên- cias nefastas 50 anos depois? Quantos de nós pensaríamos em prever um futuro para dali a 50 anos?

A lição que me deram com o famoso videogame Mario Brothers foi ainda

melhor. Não tendo a paciência de meus filhos, eu vivia cortando caminho pelos vários atalhos existentes no jogo, quando novamente me deram o seguinte conselho:“Não se podem queimar etapas, senão você não adquire a experiên- cia e a competência necessárias para as situações mais difíceis que estão por vir.” A frase não foi exatamente essa, mas foi o suficiente para me deixar com os cabelos em pé. Dois garotos estavam me ensinando que cada etapa da vida

tem seu tempo e aprendizado, e nela não se pode ser um apressado.

tempo e aprendizado, e nela não se pode ser um apressado. 10 Esse material é parte

10

Esse material é parte integrante do Videoaulas on-line do IESDE BRASIL S/A, mais informações www.videoaulasonline.com.br

Texto argumentativo

No jogo Médico, as crianças aprendem a fazer um diagnóstico diferen- cial, a pior das alternativas sendo uma apendicite. Nesses casos, elas têm de operar “virtualmente” o paciente seguindo condutas médicas corretas. Um dos procedimentos é a assepsia da pele, e ai de quem não escovar o peito do paciente, com o mouse nesse caso, por três minutos, o que é uma eternidade num videogame e para uma criança. Quem gasta menos do que isso é su- mariamente expulso do hospital por erro médico. Que matéria ou professor ensina esse tipo de autodisciplina?

Em A-Train, o jogador é um administrador de empresa ferroviária. A criança tem de investir enormes somas colocando trilhos e locomotivas sem contar com muitos passageiros no início das operações. Aprende-se logo cedo que uma empresa começa com prejuízo social e tem de ter recursos para suportar os vários anos deficitários.

Aos 12 anos, meus filhos já tinham noção de que os primeiros anos de um negócio são os mais difíceis, e controlar o capital de giro é essencial. Avaliar riscos e administrar o capital de giro, nem grandes empresários sabem fazer isso até hoje.

Como em tudo na vida, é necessário ter moderação nas horas devotadas ao videogame. Mas ele é uma ótima forma de estimular o cérebro da criança e impedir sua regressão sináptica, além de ensinar planejamento, paciência, disciplina e raciocínio, algo que nem sempre se aprende numa sala de aula.

Atividades

1. Elabore uma pequena lista, com três argumentos ou mais, para de- fender a ideia de que se deve evitar o uso de um carro pelo centro da cidade em horários de pico.

Texto argumentativo

2. Considerando este início de texto (veja abaixo), defina a tese defendi- da pelo autor e um argumento principal para respaldá-la.

O aumento no mercado de empréstimos financeiros desenca- deou crescimento em diversos setores do comércio.

3. Usando a antítese como recurso que auxilia na escolha dos argumen- tos, defina

a) uma tese:

b) uma antítese:

c) os argumentos que sirvam de réplica a essa antítese:

c) os argumentos que sirvam de réplica a essa antítese: 12 Esse material é parte integrante

12

Esse material é parte integrante do Videoaulas on-line do IESDE BRASIL S/A, mais informações www.videoaulasonline.com.br

Texto argumentativo

4. A principal parte do texto argumentativo é

a)

b)

c)

d) desenvolvimento.

a antítese.

a introdução.

a conclusão.

o

5. O principal elemento constituinte do texto argumentativo é

a)

b)

c)

d)

a linguagem.

o título.

a opinião.

a informação.

6. Sobre a tese, é correto afirmar que

a) em qualquer situação, ela deve ser evidenciada desde o título.

b) ela deve expressar, de modo sintetizado, o ponto de vista defendi- do pelo autor do texto.

c) ela deve ser repetida, ipsis litteris, na conclusão.

d) ela não deve prever a antítese.

7. Sobre os recursos que podem ser utilizados na escrita de um texto ar- gumentativo, é correto afirmar que

a) ordem das informações não é relevante, já que o texto privilegia

a

a

opinião.

b) citar autores de renome e dar exemplos é útil, respectivamente, para dar credibilidade à tese e concretude à ideia apresentada.

c) detalhamento insere a descrição no texto de um modo inade- quado.

d) recorrer à antítese demonstra evidente contradição e fragilidade discursiva.

o

8. Este fragmento do “Prefácio interessantíssimo”, de Mário de Andra- de (veja abaixo), poderia ser usado em que parte do texto argu- mentativo?

13

poderia ser usado em que parte do texto argu- mentativo? 13 Esse material é parte integrante

Esse material é parte integrante do Videoaulas on-line do IESDE BRASIL S/A, mais informações www.videoaulasonline.com.br

Texto argumentativo

Para juntar à teoria:

(ANDRADE, 2007)

1.º. Os gênios poéticos do passado conseguiram dar maior inte- resse ao verso melódico, não só criando-o mais belo, como fazen- do-o mais variado, mais comotivo, mais imprevisto. Alguns mesmo conseguiram formar harmonias, por vezes ricas. Harmonias porém inconscientes, esporádicas. Provo inconsciência: Victor Hugo, muita vez harmônico, exclamou depois de ouvir o quarteto do Rigoleto:

“Façam que possa combinar simultaneamente várias frases e verão de que sou capaz.” […]

2.º. Há certas figuras de retórica em que podemos ver embrião da harmonia oral, como na lição das sinfonias de Pitágoras encon- tramos germe da harmonia musical.

a) Desenvolvimento, porque fornece exemplos que relacionam teoria e prática e facilitam a compreensão da ideia defendida no texto.

b) Introdução, pela brevidade.

c) Conclusão, por relacionar adequadamente o título a um ou mais argumentos de relevo.

d) O trecho cita exemplos, os quais não devem ser usados no texto argumentativo.

9. Marque a alternativa que faz a correta recomendação para a escrita de um texto argumentativo.

a) Não use citações.

b) Os parênteses não têm nenhuma utilidade.

c) Seja detalhista.

d) Prefira a generalização às especificidades.

10. Assinale a alternativa que oferece um tema adequado à escrita de um texto argumentativo.

um tema adequado à escrita de um texto argumentativo. 14 Esse material é parte integrante do

14

Esse material é parte integrante do Videoaulas on-line do IESDE BRASIL S/A, mais informações www.videoaulasonline.com.br

Texto argumentativo

a) O casamento de uma atriz famosa.

b) Uma receita culinária.

c) Curiosidades de uma superprodução do cinema.

d) A pertinência da lei antifumo.

11. Sobre os objetivos de um texto argumentativo, é correto afirmar que

I. o convencimento do leitor não indica a eficácia do texto.

II. a informação sobre um fato de repercussão é prioridade.

III. o importante é o debate gerado pelo texto.

Dentre as alternativas acima,

a) apenas a II está correta.

b) apenas I e III estão corretas.

c) apenas a I está correta.

d) apenas II e III estão corretas.

Dica de estudo

Planeje e escreva um texto argumentativo sobre a questão “Internet: pre- juízo ou benefício?” Escolha um ponto de vista, reúna bons argumentos para defendê-lo e bom trabalho!

Referências

ANDRADE, Mário de. Prefácio Interessantíssimo. Disponível em: <http://www. geocities.com/SoHo/Nook/4880/mario.html>. Acesso em: 11 fev. 2007.

COELHO, Nelly Novaes. Literatura: um olhar aberto para o mundo. Disponível em:

<http://www.collconsultoria.com/artigo7.htm>. Acesso em: 2 jun. 2007.

KANITZ, Stephen. A favor dos videogames. Veja, 12 out. 2005.

15

Stephen. A favor dos videogames. Veja , 12 out. 2005. 15 Esse material é parte integrante

Esse material é parte integrante do Videoaulas on-line do IESDE BRASIL S/A, mais informações www.videoaulasonline.com.br

Texto argumentativo

Gabarito

1.

 

a) O elevado número de carros e motos aumenta o risco de acidente;

b) O tráfego intenso pode provocar congestionamentos;

c) O tempo de deslocamento entre um lugar e outro pode dobrar, o que implica perda de tempo.

2.

Há grande chance de a tese defendida pelo autor do texto ser a favor dos empréstimos financeiros, pois esse início relaciona o aumento nos empréstimos a uma consequência positiva – o “crescimento em diver- sos setores do comércio”.

Um bom argumento para sustentar essa posição é o fato de a anteci- pação de determinada quantia ao consumidor possibilitar o imediato fechamento de um negócio, pois sem a quantia em mãos a compra pode ser protelada. E essa protelação ainda traz o risco de a compra não se efetivar em função de a quantia necessária ser relativamente gran- de, de modo que, mesmo economizando, o consumidor pode vir a gastar seu dinheiro em outra situação ou outro produto.

3.

Resposta possível:

a) Tese: A amizade entre pais e filhos pode facilitar a passagem pela adolescência.

b) Antítese: A amizade entre pais e filhos restringe a privacidade do adolescente.

c) Argumentos de réplica à antítese: A limitação da privacidade pode ser facilmente contornada, ao passo que algumas coisas que ad- vêm da falta de amizade entre pais e filhos podem colocar o ado- lescente em um caminho sem volta.

podem colocar o ado- lescente em um caminho sem volta. 16 Esse material é parte integrante

16

Esse material é parte integrante do Videoaulas on-line do IESDE BRASIL S/A, mais informações www.videoaulasonline.com.br

4. D

5. C

6. B

7. B

8. A

9. C

10. D

11. B

Texto argumentativo

17

6. B 7. B 8. A 9. C 10. D 11. B Texto argumentativo 17 Esse

Esse material é parte integrante do Videoaulas on-line do IESDE BRASIL S/A, mais informações www.videoaulasonline.com.br

Texto argumentativo