Você está na página 1de 5

1 - Interpretação e Compreensão de Textos.

O uso da norma padrão e a adequação da


linguagem às diferentes situações de comunicação. 2 - Fonologia e Fonética: Noções gerais de
Fonética e Fonologia. a) Fonema e letra; b) Classificação dos fonemas; c) Encontros vocálicos,
consonantais e dígrafos; d) Sílaba; e) Classificação das palavras quanto ao número de sílabas;
f) Divisão silábica. Ortografia: a) Letra e alfabeto; b) Emprego das letras e dos dígrafos; c)
Emprego de parônimos, homônimos e formas variantes; d) Emprego das iniciais maiúsculas; e)
Emprego do hífen. f) Crase. g) Emprego das diversas Classes de Palavras. Acentuação gráfica:
a) Regras de acentuação gráfica. 3 - Morfologia: a) Estrutura das palavras; b) Formação de
palavras; c) Classes de palavras. 4 - Sintaxe: a) Frase, oração e período; b) Período composto
por coordenação; c) Período composto por subordinação; d) Regência verbal e nominal; e)
Concordância nominal e verbal, f) Colocação e emprego de pronomes; g) Cargos da
Linguagem. h) Figuras de Linguagem. 5 - Emprego dos tempos e modos verbais: Emprego das
formas nominais dos verbos

****Costa Rica:

LÍNGUA PORTUGUESA
Tipos de textos e respectivos princípios organizacionais: narrativos, descritivos, dissertativos.
Interpretação textual.
Ortografia. Acentuação gráfica. Flexão nominal e verbal. Pronomes: emprego, forma de tratamento e
colocação pronominal.
Verbo - Emprego de tempos e modos verbais; Vozes do verbo. Concordância nominal e verbal. Regência
nominal e
regência verbal.Emprego da crase.Pontuação.Classes gramaticais variáveis e invariáveis.Termos
essenciais da
oração.Termos integrantes da oração.Termos acessórios da oração.Período composto por Coordenação e
Subordinação.Usos do QUE e SE.Sinonímia, Antonímia, Heteronímia, Homonímia, Paronímia,
Ambigüidade.Estrutura das palavras: prefixos e sufixo, e processos de formação das palavras.Variações
lingüísticas.Figuras de linguagem.Figuras de pensamento.

Conjuntos Numéricos: Números Naturais, Inteiros, Racionais (fracionários e decimais) e Reais - Operações e
Propriedades. Números e Grandezas Proporcionais: Razões e Proporções; Divisão Proporcional; Regras de Três
Simples e Composta. Sistemas de Medidas: Área, Volume, Massa, Capacidade, Tempo, Sistema Monetário
Brasileiro. Cargos Algébricas. Equações e Inequações: de 1º e 2º graus, Problemas

A Pedagogia como teoria e prática da educação. Tendências Pedagógicas. Relação Escola-Sociedade. A


Educação Básica, organização e finalidades. O Currículo e o Planejamento. Avaliação e Aprendizagem/Avaliação
Institucional. O Ensino Fundamental de 9 anos. Alfabetização e Letramento. As Inovações Tecnológicas e sua
utilização no processo de ensino-aprendizagem. Gestão Democrática da educação pública. Projeto Pedagógico. A
importância da ludicidade no contexto educativo. Práticas de Escrita e Leitura no Ensino Fundamental. Jogos e o
aprendizado matemático. CONHECIMENTOS DE LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL:Constituição da República
Federativa do Brasil - promulgada em 5 de outubro de 1988. Artigos 5º, 37 ao 41, 205 ao 214, 227 ao 229. Lei
Federal n.º 9394/96 - Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei Federal n.º 8069/90 - Dispõe
sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente.

5. REDAÇÃO (para os cargos de professores)


Capacidade de organizar idéias, redigir com clareza e evidenciar domínio de conhecimentos gramaticais e de
temas da atualidade; O tema da redação deverá ser desenvolvido em, no mínimo, 25 (vinte e cinco) linhas e, no
máximo, 30 (trinta) linhas; Na avaliação da redação serão observados os critérios relativos à forma e ao estilo,
Estilo: estrutura da Redação; adequação ao tema; conteúdo (informações / criatividade); linguagem: clareza,
coerência, coesão, fluência verbal, vocabulário, unidade; Forma: acentuação gráfica; concordância nominal e
verbal; regência nominal e verbal; pontuação; impropriedade vocabular; vício de linguagem; outros, como: divisão
silábica, estética, limpeza e letra legível.

Classificação das Palavras Que e Se


Classificação das Palavras Que e Se

A palavra que em português pode ser:


Interjeição: exprime espanto, admiração, surpresa.
Nesse caso, será acentuada e seguida de ponto de exclamação. Usa-se também a variação o
quê! A palavra que não exerce função sintática quando funciona como interjeição.

Quê! Você ainda não está pronto?


O quê! Quem sumiu?

Substantivo: equivale a alguma coisa.


Nesse caso, virá sempre antecedida de artigo ou outro determinante, e receberá acento por ser
monossílabo tônico terminado em e. Como substantivo, designa também a 16ª letra de nosso
alfabeto. Quando a palavra que for substantivo, exercerá as funções sintáticas próprias dessa
classe de palavra(sujeito, objeto direto, objeto indireto, predicativo, etc.)

Ele tem certo quê misterioso. (substantivo na função de núcleo do objeto direto)

Preposição: liga dois verbos de uma locução verbal em que o auxiliar é o verbo ter.
Equivale a de. Quando é preposição, a palavra que não exerce função sintática.

Tenho que sair agora.


Ele tem que dar o dinheiro hoje.

Partícula expletiva ou de realce: pode ser retirada da frase, sem prejuízo algum para o
sentido.
Nesse caso, a palavra que não exerce função sintática; como o próprio nome indica, é
usada apenas para dar realce. Como partícula expletiva, aparece também na expressão é
que.

Quase que não consigo chegar a tempo.


Elas é que conseguiram chegar.

Advérbio: modifica um adjetivo ou um advérbio. Equivale a quão. Quando funciona como


advérbio, a palavra que exerce a função sintática de adjunto adverbial; no caso, de intensidade.

Que lindas flores!


Que barato!
Pronome: como pronome, a palavra que pode ser:
• pronome relativo: retoma um termo da oração antecedente, projetando-o na oração
conseqüente. Equivale a o qual e flexões.
Não encontramos as pessoas que saíram.
• pronome indefinido: nesse caso, pode funcionar como pronome substantivo ou
pronome adjetivo.
• pronome substantivo: equivale a que coisa. Quando for pronome substantivo, a palavra que
exercerá as funções próprias do substantivo (sujeito, objeto direto, objeto indireto, etc.)
Que aconteceu com você?

• pronome adjetivo: determina um substantivo. Nesse caso, exerce a função sintática de adjunto
adnominal.

Que vida é essa?

Conjunção: relaciona entre si duas orações. Nesse caso, não exerce função sintática. Como
conjunção, a palavra que pode relacionar tanto orações coordenadas quanto subordinadas, daí
classificar-se como conjunção coordenativa ou conjunção subordinativa. Quando funciona como
conjunção coordenativa ou subordinativa, a palavra que recebe o nome da oração que introduz.
Por exemplo:
Venha logo, que é tarde. (conjunção coordenativa explicativa)
Falou tanto que ficou rouco. (conjunção subordinativa consecutiva)

Quando inicia uma oração subordinada substantiva, a palavra que recebe o nome de conjunção
subordinativa integrante.

Desejo que você venha logo.

A palavra Se
A palavra se, em português, pode ser:
*substantivo:ocorre apenas quando nomeamos a própria palavra.
“Estamos estudando as várias classificações do se.(se= substantivo)

Conjunção: relaciona entre si duas orações. Nesse caso, não exerce função sintática. Como
conjunção, a palavra se pode ser:
* conjunção subordinativa integrante: inicia uma oração subordinada substantiva.
Perguntei se ele estava feliz.
* conjunção subordinativa condicional: inicia uma oração adverbial condicional (equivale a
caso).
Se todos tivessem estudado, as notas seriam boas.

Partícula expletiva ou de realce: pode ser retirada da frase sem prejuízo algum para o
sentido. Nesse caso, a palavra se não exerce função sintática. Como o próprio nome indica, é
usada apenas para dar realce.
Passavam-se os dias e nada acontecia.

Parte integrante do verbo: faz parte integrante dos verbos pronominais. Nesse caso, o se não
exerce função sintática.
Ele arrependeu-se do que fez.

Partícula apassivadora: ligada a verbo que pede objeto direto, caracteriza as orações que
estão na voz passiva sintética. É também chamada de pronome apassivador. Nesse caso, não
exerce função sintática, seu papel é apenas apassivar o verbo.

Vendem-se casas.
Aluga-se carro.
Compram-se jóias.
Índice de indeterminação do sujeito: vem ligando a um verbo que não é transitivo direto,
tornando o sujeito indeterminado. Não exerce propriamente uma função sintática, seu papel é o
de indeterminar o sujeito. Lembre-se de que, nesse caso, o verbo deverá estar na terceira
pessoa do singular.

Trabalha-se de dia.
Precisa-se de vendedores.

Pronome reflexivo: quando a palavra se é pronome pessoal, ela deverá estar sempre na
mesma pessoa do sujeito da oração de que faz parte. Por isso o pronome oblíquo se sempre
será reflexivo (equivalendo a a si mesmo), podendo assumir as seguintes funções sintáticas:

* objeto direto
Ele cortou-se com o facão.
* objeto indireto
Ele arroga-se direitos que não possui.
* sujeito de um infinitivo
“Sofia deixou-se estar à janela.”

Clica neste site e veja outras sugestões minha filha.


http://www.brasilescola.com/gramatica/classificacao-das-palavras-que-e-se.htm

Compartilhe ou guarde este conteúdo


MAIS MATÉRIAS DE GRAMÁTICA

• Período Composto por Subordinação


Período Composto por Subordinação. Informações...

• Análise Sintática e Análise Morfológica


Você sabe a diferença entre ambas? Clique aqui...

• Trazido ou Trago? Tinha chego ou tinha chegado?


Qual é a maneira correta de se falar?
• O plural das palavras terminadas em ão
Como saber quais palavras terminam em ãos, ães...

• Emprego do Hífen
Regras gerais.

• A nível de ou em nível de?


Você sabe qual expressão está correta? Saiba...

• A função dos pronomes oblíquos como complementação verbal


Interaja mais sobre este assunto clicando aqui!

• Funções da linguagem
Por que a linguagem tem diferentes funções?

• Sigla
O que é? Conheça alguns exemplos!

• Vozes do Verbo
Vozes do Verbo, informações sobre as vozes...

• Gerúndio
O que é gerúndio, o emprego do gerúndio, o uso...

• Sentido literal e Sentido figurado


Definições.