Você está na página 1de 2

Leito de Folhas Verdes

Gonalves Dias

Por que tardas, Jatir, que tanto a custo


voz do meu amor moves teus passos?
Da noite a virao, movendo as folhas,
J nos cimos do bosque rumoreja.
Eu, sob a copa da mangueira altiva
Nosso leito gentil cobri zelosa
Com mimoso tapiz de folhas brandas,
Onde o frouxo luar brinca entre flores.
Do tamarindo a flor abriu-se, h pouco,
J solta o bogari mais doce aroma!
Como prece de amor, como estas preces,
No silncio da noite o bosque exala.
Brilha a lua no cu, brilham estrelas,
Correm perfumes no correr da brisa,
A cujo influxo mgico respira-se
Um quebranto de amor, melhor que a vida!
A flor que desabrocha ao romper d`alva
Um s giro do sol, no mais, vegeta:
Eu sou aquela flor que espero ainda
Doce raio do sol que me d vida.
Sejam vales ou montes, lago ou terra,
Onde quer que tu vs, ou dia ou noite,
Vai seguindo aps ti meu pensamento;
Outro amor nunca tive: s meu, sou tua!

Meus olhos outros olhos nunca viram,


No sentiram meus lbios outros lbios,
Nem outras mos, Jatir, que no as tuas
A arazia na cinta me apertaram
Do tamarindo a flor jaz entreaberta,
J solta o bogari mais doce aroma;
Tambm meu corao, como estas flores,
Melhor perfume ao p da noite exala!
No me escutas, Jatir! nem tardo acodes
voz do meu amor, que em vo te chama!
Tup! l rompe o sol! do leito intil
A brisa da manh sacuda as folhas!