Você está na página 1de 3

PROVA ESCRITA DISCURSIVA DE CARÁTER GERAL DO XXIII CONCURSO PARA

INGRESSO NA CARREIRA DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO


Direito Civil, Direito Processual Civil e Direito Empresarial
1a Questão: Quanto à teoria geral dos negócios jurídicos, pergunta-se (7,0 pontos):
a) Qual a distinção entre capacidade jurídica e legitimidade?
b) É possível atribuir validade a negócio jurídico celebrado por menor absolutamente incapaz, sem
representação?
2a Questão: É admissível a alteração do regime de bens quando o casamento for submetido ao regime da
separação obrigatória? (6,0 pontos)
3a Questão: Na perspectiva do réu e em relação às suas garantias fundamentais ao processo, qual a
relevância das condições da ação e dos pressupostos processuais? (6,0 pontos)
4a Questão: Confronte o atual entendimento jurisprudencial acerca do termo a quo do prazo para a
incidência da multa de 10% sobre o valor devido, previsto no artigo 475-J do Código de Processo Civil,
com o entendimento adequado à especialidade constitucional da atuação da Defensoria Pública, na
hipótese de o executado, no cumprimento de sentença, ser patrocinado pela referida Instituição? (7,0
pontos).
5a Questão: João celebrou contrato de arrendamento mercantil com determinada sociedade, pelo prazo de
24 meses, tornando-se inadimplente a partir da 15a parcela. Pergunta-se (7,0 pontos):
a) Qual a medida judicial a ser tomada pelo arrendador visando a recuperação do bem?
b) São exigíveis as parcelas vencidas após a recuperação do bem?
c) Qual a conseqüência da cláusula resolutiva expressa no contrato de arrendamento?
Direito Penal Direito Processual Penal
6a Questão: PAULO foi preso em flagrante no dia 11 de junho de 2009 e, após permanecer custodiado
durante todo o processo, foi condenado pelo Juízo da Vara Criminal da Comarca da Capital à pena de 05
(cinco) anos de reclusão, com regime fechado, como incurso no art. 33, caput, da Lei 11.343/06 (tráfico de
drogas, na modalidade "venda") e à pena de 03 (três) anos de reclusão em regime fechado, como incurso no
art. 16, caput, da Lei 10.826/03 (porte ilegal de arma de fogo de uso restrito), ambos em concurso
material na forma do art. 69 do CP, perfazendo o total de 08 (oito) anos de reclusão, em regime fechado.
O trânsito em julgado para o Ministério Publico se deu em ,19 de Setembro de 2009. No julgamento do
recurso de apelação da defesa buscando a absolvição do assistido, a Câmara Criminal, por unanimidade,
reclassificou juridicamente os fatos, de ofício, passando a enquadrar a conduta delitiva no artigo 33,
caput, da Lei 11.343/06, com o acréscimo penal pela aplicação da majorante prevista no art. 40, inciso IV,
da mesma lei (emprego de arma de fogo), considerando absorvido o crime de porte de arma de fogo e
mantendo a pena de 08 (oito) anos de reclusão, em regime fechado, fixada pelo Juízo de 1a instância. O
trânsito em julgado definitivo da condenação se verificou em 20 de Abril de 2010. A família do apenado
procura você, Defensor Público em exercício junto à Vara de Execuções Penais do Estado, indagando
acerca da viabilidade de adoção de alguma medida judicial em favor do assistido. Em caso positivo,
aponte brevemente a(s) medida(s) cabível(is) na defesa dos interesses do assistido, seus principais
fundamentos jurídicos e o juízo competente para apreciá-la(s). Em caso negativo, aponte justificadamente
as razões da impossibilidade. (7,0 pontos)

1
7a Questão: MANOEL, jardineiro, foi denunciado pelo crime de furto qualificado, porque subtraiu um anel
de ouro em determinada residência onde prestava serviço. No dia da Audiência de Instrução e Julgamento,
a empregada doméstica da casa, que presenciou o momento em que MANOEL apanhou o anel no lixo,
prestou declaração neste sentido. Em seu interrogatório, o réu alegou que como encontrou o referido bem
na lata de lixo, pensou tratar-se de objeto que teria sido jogado fora pelos proprietários da casa onde
labutava. O juiz proferiu sentença absolvendo MANOEL, fundamentando-a no fato do réu ter agido em erro
de proibição invencível. Considerando a teoria da acessoriedade limitada, eventual partícipe poderia ser
absolvido, tendo em conta a situação fática do caso concreto? RESPOSTA JUSTIFICADA. (7,0 pontos)
8a Questão: Réu foragido foi pronunciado em 2000 por homicídio qualificado. Após a alteração
introduzida no Código de Processo Penal, o juiz determinou que fosse o acusado intimado da pronúncia por
edital. Posteriormente, designou data para o julgamento pelo Tribunal do Júri, determinando vista dos
autos a você, Defensor Público. MANIFESTE-SE JUSTIFICADAMENTE. (6,0 pontos)
9a Questão: MARIANA, empresária, ofereceu queixa-crime contra JOÃO no dia 28/04/2008, imputando-
lhe a seguinte conduta: "No dia 23/03/2008, no interior da residência localizada na Rua do Socorro, n°.
27, cobertura 01, Tijuca, Rio de Janeiro, por volta de 22h00min, ao final de um churrasco oferecido
pela querelante em comemoração ao seu aniversário, o querelado, consciente e voluntariamente,
aproveitando-se da impossibilidade de resistência, manteve com a querelante conjunção carnal e ainda
praticou diversos outros atos libidinosos. Para conseguir seu intento, o querelado colocou substância
sonífera na bebida da querelante, levando-a a sono profundo, oportunidade em que aproveitou para
satisfazer a sua libido e seus instintos bestiais. Ante o exposto, encontra-se o mesmo incurso nas penas
dos artigos 213 e 214 c/c 224, alínea "c", na forma do artigo 69, todos do Código Penal". Recebida a
exordial, o MM. Juiz ordenou a citação do querelado, que só foi efetivada em Fevereiro de 2010,
oportunidade em que ele ofereceu a resposta e arrolou testemunhas. O juiz designou audiência de instrução
e julgamento para o dia 20 de Março de 2010, que não se realizou porque as testemunhas de acusação não
compareceram. Remarcada a audiência para o dia 20 de abril, a mesma também não se realizou porque a
querelante não compareceu ao ato, atravessando, posteriormente, uma petição por seu advogado, na qual
fazia representação para que o Ministério Público retomasse a ação como parte principal em face das
mudanças ocorridas nos crimes contra a dignidade sexual. Os autos foram encaminhados a você, Defensor
Público nomeado para a defesa do querelado. MANIFESTE-SE JUSTIFICADAMENTE EM FAVOR DO
SEU ASSISTIDO. (7,0 pontos)
10a Questão: VÊNUS, mãe de um adolescente portador de doença mental, dá à luz o segundo filho, não
desejado por ela em virtude de sua extrema pobreza e também pela doença que aflige o seu primogênito.
Logo após o parto e sob influência do estado puerperal, VÊNUS inicia o procedimento para banhar o seu
filho recém nascido, quando o telefone toca, momento em que, de forma descuidada, deixa o neonato na
banheira e vai atender o aparelho. Na volta, VÊNUS encontra seu filho morto, tendo como causa a asfixia
por afogamento.
Você é designado como Defensor Público para atuar na comarca onde o fato se consumou e fará a defesa
de VÊNUS. Qual(is) a(s) tese(s) defensiva(s)? RESPOSTA JUSTIFICADA. (6,0 pontos)
Direito Constitucional, Direito Administrativo, Direito Previdenciário e Princípios Institucionais da
Defensoria Pública:
11a Questão: A 9a Câmara Criminal do Tribunal de Justiça deu provimento à apelação ministerial
interposta contra sentença absolutória e condenou o assistido da Defensoria Publica, restringindo sua
motivação a mera referência aos fundamentos constantes daquela manifestação, sem tecer outras
considerações.
2
À luz da jurisprudência prevalecente do Supremo Tribunal Federal, os preceitos constitucionais que
disciplinam a matéria foram atendidos? (7,0 pontos)
12a Questão: Um indivíduo hipossuficiente, interessado em participar da prática de modificação extrema
do corpo (body modification extreme), decidiu se submeter a cirurgias modificadoras, a fim de deixar seu
rosto com a aparência de um lagarto. Para tanto, pretende enxertar pequenas e médias bolas de silicone
acima das sobrancelhas e nas bochechas, e, após essas operações, tatuar integralmente sua face de forma a
parecer a pele do anfíbio.
Frustrado, após passar por alguns hospitais públicos, onde houve recusa na realização das mencionadas
operações, o indivíduo decidiu procurar a Defensoria Pública para assisti-lo em sua pretensão. Pergunta-
se: você, como Defensor(a) Público(a), entende ser viável a pretensão? Fundamente a resposta. (7,0
pontos)
13a Questão: Pessoas de baixa renda realizaram ocupação irregular do solo construindo barracos de
alvenaria e madeira que lhes serviam de moradias as quais se encontravam apoiadas na parte externa do
muro da modesta casa de propriedade de Antônio.
Laudo de vistoria realizado por técnicos do Sistema de Defesa Civil do Município era contundente quanto
ao risco de desmoronamento, inclusive sobre a propriedade de Antônio, do qual foi dada ciência aos
interessados.
Em função da precariedade da construção dos barracos, o muro desabou sobre a propriedade de Antônio,
destruindo-a completamente, tendo ocorrido também o desmoronamento dos barracos. Antônio, com a
pretensão de se ver ressarcido, procura você Defensor Público para ingressar com a medida judicial
cabível para patrocínio de seus interesses. Qual (ais) o(s) argumentos(s) a fundamentar a(s) eventual(ais)
medida(s) judicial(ais)? Fundamente a resposta. (7,0 pontos)
14a Questão: Capitu é beneficiária de pensão por morte de seu marido Quincas, funcionário público de um
município fluminense, o qual, embora preenchesse todos os requisitos legais, não havia requerido
aposentadoria à data do óbito. A pensão por morte foi deferida por ato do chefe do executivo, publicado
no Diário Oficial em janeiro de 2000, e devidamente registrada no Tribunal de Contas do Estado no mês
seguinte. O atual Secretário Municipal de Finanças, após auditoria interna nas contas da edilidade,
recomendou ao Prefeito a revogação do benefício deferido a Capitu, por considerar ilegal o deferimento de
pensão por morte aos dependentes do segurado que, por ocasião do óbito, não estivesse aposentado. O
Prefeito acolheu a recomendação e, por decreto publicado no Diário Oficial do dia 24 de maio de 2010,
revogou o ato de concessão da pensão por morte a Capitu. Você, Defensor Público do Núcleo de Primeiro
Atendimento, é procurado por Capitu, senhora pobre e humilde, cuja pensão por morte do marido era sua
única fonte de renda, que, tomando ciência do ato após a publicação, lhe indaga quanto à possibilidade de
restabelecer o pagamento do benefício. Aponte, justificadamente: a) que medida judicial você proporia
para a tutela dos interesses da assistida? b) em face de quem a medida seria proposta? c) qual (ais)
fundamento (s) você alegaria em favor de Capitu? (7,0 pontos)
15a Questão: Considerando o Estatuto da OAB (Lei n° 8.906/94) e a Lei Complementar 80/94, como
dirimir eventual conflito no caso de o candidato ao cargo de Defensor Público não ter registro na OAB no
momento de sua posse? Fundamente. (6,0 pontos)