P. 1
Método de inspeção predial das condições de segurança contra incêndio em edifícios residenciais

Método de inspeção predial das condições de segurança contra incêndio em edifícios residenciais

|Views: 3.420|Likes:
Este trabalho consiste na proposta de um método de inspeção predial das condições de segurança contra incêndio em edifícios residenciais, utilizando um checklist
em consonância com as normas da ABNT e legislações do Estado de São Paulo.
Essa proposta foi realizada pela análise de estudos de casos, na qual pudemos perceber a importância da inspeção predial de qualidade fazendo uso de Check-List
(uma das principais ferramentas para a execução de laudos); com o que as equipes de manutenção podem desenvolver melhor os trabalhos de correção e prevenção. [Este arquivo não contém o trabalho completo]
Este trabalho consiste na proposta de um método de inspeção predial das condições de segurança contra incêndio em edifícios residenciais, utilizando um checklist
em consonância com as normas da ABNT e legislações do Estado de São Paulo.
Essa proposta foi realizada pela análise de estudos de casos, na qual pudemos perceber a importância da inspeção predial de qualidade fazendo uso de Check-List
(uma das principais ferramentas para a execução de laudos); com o que as equipes de manutenção podem desenvolver melhor os trabalhos de correção e prevenção. [Este arquivo não contém o trabalho completo]

More info:

Published by: Keimelion - revisão de textos on Jul 25, 2010
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

04/29/2013

pdf

text

original

Paulo Palmieri Magri

Método de inspeção predial das condições de
segurança contra incêndio em edifícios residenciais
Trabalho final apresentado ao Instituto de Pesquisas
Tecnológicas do Estado de São Paulo – IPT, para
obtenção do título de Mestre Profissional em Habitação.
São Paulo
2003

Paulo Palmieri Magri
Método de inspeção predial das condições de
segurança contra incêndio em edifícios residenciais
Trabalho final apresentado ao Instituto de
Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo
– IPT, para obtenção do título de Mestre
Profissional em Habitação.

Área de concentração:
Tecnologia em Construção de Edifícios (TCE)
Orientadora: Professora Doutora Rosaria Ono.
São Paulo
2003
Método de inspeção predial das condições de segurança contra incêndio em edifícios residenciais

I
Agradecimentos
Neste momento, passa um resumo de toda minha vida, em que gostaria de
agradecer a muitas pessoas, apenas por existirem e me fazerem feliz, por este trabalho
pude perceber que agradecimentos deveriam ser feitos sempre e não apenas em
momentos formais como este.
Minha profunda gratidão às seguintes pessoas:
Professora Doutora Rosaria Ono que, além de ter sido a minha primeira
referência na área de segurança contra incêndios, sempre respeitou minhas idéias
trazendo sua enorme colaboração para a realização deste trabalho.
A meu saudoso pai Armando e maravilhosa mãe Léa, que sempre me
incentivaram ao longo da minha vida.
Especial agradecimento a minha esposa Berenice, amor da minha da vida e a
minha filha Ana Beatriz, outro amor da minha vida, que por várias vezes foram privadas
da minha companhia.
Agradeço a todas as pessoas que contribuíram de alguma forma para a
realização deste trabalho.
Finalmente agradeço a Deus, que tem me dado saúde para a caminhada da
vida.
MAGRI, Paulo Palmieri. Método de inspeção predial das condições de segurança contra incêndio em
edifícios residenciais. Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo – IPT.
Mestrado Profissional em Habilitação: Tecnologia em Construção de Edifícios (TCE).

II
Sumário
Índices de fotos e tabelas .......................................................................................................... IV
1 Introdução.......................................................................................................................... 1
1.1 Histórico................................................................................................................................. 1
1.2 Objetivo.................................................................................................................................. 5
2 Análise comparativa da legislação do novo Decreto Estadual nº 46.076/01, em
relação ao anterior Decreto Nº 38.069/93........................................................................ 9
2.1 Condições específicas......................................................................................................... 14
2.1.1 Residencial .................................................................................................................................... 14
3 Requisitos mínimos de segurança contra incêndios em edificações residenciais. 17
3.1 Medidas ativas e passivas................................................................................................... 17
3.2 Extintores de incêndio ......................................................................................................... 18
3.2.1 Manutenção dos extintores......................................................................................................... 22
3.3 Sistemas de hidrantes prediais ........................................................................................... 23
3.4 Sistema de iluminação de emergência ............................................................................... 26
3.5 Sistema automático de detecção e alarme de incêndio...................................................... 28
3.6 Rotas de fuga: tipos e dimensionamento............................................................................ 31
3.6.1 Dimensionamento ........................................................................................................................ 32
3.6.2 Larguras mínimas......................................................................................................................... 33
3.6.3 Corrimãos e guarda-corpos........................................................................................................ 34
3.6.4 Localização ................................................................................................................................... 36
3.7 Tipos de escadas ................................................................................................................ 36
3.7.1 Escadas abertas / comuns / não enclausuradas..................................................................... 37
3.7.2 Escadas enclausuras protegidas............................................................................................... 37
3.7.3 Escadas enclausuradas à prova de fumaça ............................................................................ 37
3.7.4 Escadas externas......................................................................................................................... 38
3.7.5 Generalidades sobre escadas.................................................................................................... 39
3.8 Sinalização de segurança ................................................................................................... 39
3.8.1 Sinalização básica ....................................................................................................................... 40
3.8.2 Sinalização complementar.......................................................................................................... 40
3.8.3 Aplicações ..................................................................................................................................... 41
3.8.3.1 Sinalização básica........................................................................................................... 41
3.8.3.2 Sinalização complementar .............................................................................................. 41
3.8.3.3 Materiais de sinalização.................................................................................................. 42
3.9 Compartimentação horizontal e vertical .............................................................................. 42
3.9.1 Compartimentação vertical ......................................................................................................... 43
MAGRI, Paulo Palmieri. Método de inspeção predial das condições de segurança contra incêndio em
edifícios residenciais. Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo – IPT.
Mestrado Profissional em Habilitação: Tecnologia em Construção de Edifícios (TCE).

III
3.9.2 Compartimentação horizontal..................................................................................................... 46
3.9.3 Acesso de viaturas na edificação .............................................................................................. 47
3.9.4 Controle de Materiais de Acabamento...................................................................................... 48
3.9.5 Distanciamento seguro entre edifícios...................................................................................... 48
3.10 Brigadas de incêndio........................................................................................................... 49
3.11 Plano de abandono ............................................................................................................. 51
4 Proposta de Check-List para inspeção predial de segurança contra incêndio........ 53
4.1 Coleta de Informações ........................................................................................................ 54
4.2 Check-List............................................................................................................................ 60
5 Estudo de casos.............................................................................................................. 62
5.1 Descrição dos imóveis......................................................................................................... 62
5.1.1 O imóvel 1 tem as seguintes características............................................................................ 62
5.1.2 O imóvel 2 tem as seguintes características............................................................................ 63
5.1.3 O imóvel 3 tem as seguintes características............................................................................ 63
5.2 Requisitos legais mínimos................................................................................................... 63
5.3 Procedimentos básicos ....................................................................................................... 64
5.4 Resultados das inspeções................................................................................................... 65
5.5 Recomendações técnicas ................................................................................................... 66
5.5.1 Imóvel 1 ......................................................................................................................................... 66
5.5.2 Imóvel 2 ......................................................................................................................................... 67
5.5.3 Imóvel 3 ......................................................................................................................................... 68
5.6 Conclusões Preliminares..................................................................................................... 69
5.7 Revisão crítica do check-list ................................................................................................ 70
6 Conclusão........................................................................................................................ 83
6.1 Análise e melhoria da proposta........................................................................................... 83
6.2 Considerações finais ........................................................................................................... 87
7 Bibliografia....................................................................................................................... 89
Anexo A Projeto de Lei nº407/01, que dispõe sobre a manutenção preventiva das
edificações....................................................................................................................... 92
Anexo B Tabela comparativa da It nº 11 do Decreto 46.076/2001 e NBR9077 – Saídas de
Emergência ...................................................................................................................... 97
Anexo C Classificação das edificações e tipologia construtiva – IBAPE/SP.................... 112
Anexo D Laudo Pericial do Imóvel 1 ...................................................................................... 117
Anexo E Laudo Pericial do Imóvel 2 ...................................................................................... 131
Anexo F Pericial do Imóvel 3 .................................................................................................. 144
Anexo G Preenchimento do novo check-list e Tabela de Resumo de prioridades para o
imóvel 3. ......................................................................................................................... 157
Anexo H Fotos de anomalias nos imóveis 1, 2 e 3............................................................... 162

MAGRI, Paulo Palmieri. Método de inspeção predial das condições de segurança contra incêndio em
edifícios residenciais. Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo – IPT.
Mestrado Profissional em Habilitação: Tecnologia em Construção de Edifícios (TCE).

IV
Índices de fotos e tabelas
Foto 1 – Vista do local dos extintores no andar tipo de um dos edifícios, no detalhe a
falta do extintor de pó químico B/C e caixa de hidrantes sem vidro protetor....163
Foto 2 – Vista do local dos extintores no andar tipo de um dos edifícios, no detalhe a
falta dos dois extintores...........................................................................................164
Foto 3 – Vista do local da caixa de hidrantes no andar tipo de um dos edifícios, no
detalhe a falta da mangueira e chave de aperto. ...................................................165
Foto 4 – Vista de um inspetor tentando abrir a porta de uma caixa de hidrantes
emperrada pela pintura. ...........................................................................................166
Foto 5 – Vista de vazo ornamental obstruindo a caixa de hidrantes do pavimento
térreo de um dos edifícios. ......................................................................................167
Foto 6 – Vista da escadaria e antecâmara de um dos edifícios, com a rota de fuga
obstruída pelas lixeiras. ...........................................................................................168
Foto 7 – Outra vista de outro edifício com rota de fuga obstruída pelas lixeiras. ............169
Foto 8 – Vista do RR (Registro de Recalque) de um dos edifícios, quebrado e sem
sinalização. ................................................................................................................170
Foto 9 – Vista de luminária de emergência quebrada. .........................................................171
Foto 10 – Vista parcial de Centro de Medição de elétrica em um dos edifícios,
servindo de almoxarifado para materiais combustíveis como tintas,
madeiras e etc. ..........................................................................................................172

Tabela 1 – Classificação das edificações e ocupações quanto à área e altura. .................11
Tabela 2 – Classificação das edificações quanto à altura. ....................................................11
Tabela 3 – Exigências mínimas para edificações existentes. ...............................................12
Tabela 4 – As exigências para edificações com área menor ou igual a 750m
2
e altura
inferior ou igual a 12,00m (DE 46076/2001)..........................................................13
Tabela 5 – Edificações do Grupo A com área superior a 750m
2
ou altura superior a
12,00m (DE 46076/2001). ........................................................................................15
Tabela 6 – Resumo dos dados obtidos nos imóveis inspecionados – análise
documental..............................................................................................................64
Tabela 7 – Resumo dos resultados das inspeções. ...............................................................65
Tabela 8 – Documental. ...........................................................................................................160
Tabela 9 – Equipamentos e proteções contra incêndios.....................................................161

MAGRI, Paulo Palmieri. Método de inspeção predial das condições de segurança contra incêndio em
edifícios residenciais. Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo – IPT.
Mestrado Profissional em Habilitação: Tecnologia em Construção de Edifícios (TCE).

V
Abreviaturas e siglas
ABNT: Associação Brasileira de Normas Técnicas
COE: Código de Obras e Edificações do Município de São Paulo
DM: Decreto Municipal nº 32.329, de 23/09/92
DE: Decreto Estadual nº 38.069, 14/12/93
FAUUSP: Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo
IBAPE/SP: Instituto Brasileiro de Avaliações e Perícias de Engenharia de São Paulo
IBC: International Building Code
ICBO: International Conference of Buildings Officials
IT: Instrução Técnica do Corpo de Bombeiros do Estado de São Paulo
NBR: Normas Brasileiras Registradas
NFIRS: National Fire Incident Reporting System (EUA)
NFPA: National Fire Protection Association
NR: Norma Regulamentadora do Ministério do Trabalho e Emprego
UBC: Uniform Building Code
UFC: Uniform Fire Code
PPRA: Programa de Prevenção de Riscos Ambientais
ART: Anotação de Responsabilidade Técnica
RIA: Relatório de Inspeção Anual de elevadores
SPDA: Atestado do Sistema de Proteção a Descarga Atmosférica
FICAM: Ficha de Inscrição no Cadastro de Manutenção de Sistema de Segurança
MAGRI, Paulo Palmieri. Método de inspeção predial das condições de segurança contra incêndio em
edifícios residenciais. Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo – IPT.
Mestrado Profissional em Habilitação: Tecnologia em Construção de Edifícios (TCE).

VI
Resumo
MAGRI, Paulo Palmieri. Método de inspeção predial das
condições de segurança contra incêndio em edifícios
residenciais. Trabalho final apresentado ao Instituto de
Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo – IPT, para
obtenção do Título de Mestre Profissional em Habitação, 2003.
Este trabalho consiste na proposta de um método de inspeção predial das
condições de segurança contra incêndio em edifícios residenciais, utilizando um check-
list em consonância com as normas da ABNT e legislações do Estado de São Paulo.
Essa proposta foi realizada pela análise de estudos de casos, na qual pudemos
perceber a importância da inspeção predial de qualidade fazendo uso de Check-List
(uma das principais ferramentas para a execução de laudos); com o que as equipes de
manutenção podem desenvolver melhor os trabalhos de correção e prevenção.
Enfim, buscamos com este trabalho criar método de avaliação de segurança
contra incêndios em edifícios residenciais, auxiliando os profissionais envolvidos na
área, evitando graves acidentes e salvaguardando vidas.
Palavras-chave: Segurança contra incêndios; edifícios residenciais: método de
inspeção.
MAGRI, Paulo Palmieri. Método de inspeção predial das condições de segurança contra incêndio em
edifícios residenciais. Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo – IPT.
Mestrado Profissional em Habilitação: Tecnologia em Construção de Edifícios (TCE).

VII
Abstract
Magri, Paulo Palmieri. Fire safety building inspection method
for residential buildings. Master's Thesis in Civil Engineering
(Dwellings), Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de
São Paulo – IPT, para obtenção do Título de Mestre Profissional
em Habitação, 2003.
This work presents a proposal for a building inspection method regarding fire
safety in residential buildings, consisting in a check-list performed in a compliance with
the ABNT standards and the legislation of São Paulo State.
This evaluation proposal was based on the analysis of case studies, and spots
the importance of a quality inspection of fixtures and equipments, emphasizing the use
of a check list as one of the most effective tools for developing an appraisal report thru
which the maintenance teams will be able to develop their correction and prevention
jobs.
In summary, with this work we tried to create a fire safety method of evaluation
that allows the field professional avoid accidents and prevent casualties.
Key words: Fire safety, residential buildings: inspection method.
Método de inspeção predial das condições de segurança contra incêndio em edifícios residenciais

1
1 Introdução
1.1 Histórico
As exigências de segurança contra incêndio aperfeiçoaram-se muito
lentamente ao longo dos séculos. A ocorrência de incêndios catastróficos, em
escala urbana, que prejudicaram muitas cidades desde a Idade Média, tanto na
Europa como na Ásia e, posteriormente, na América do Norte, culminou com a
preocupação pela abordagem mais científica do fenômeno dos incêndios ao final do
século XIX, quando os incêndios urbanos passaram a ser controlados a partir de
medidas de planejamento (ONO, 1997).
O grande progresso na área de edificações deu-se somente a partir da
segunda metade do século XX, depois da Segunda Grande Guerra Mundial.
Então, iniciou-se um grande processo de industrialização que resultou no
surgimento de novos materiais e técnicas, alterando o modo de construir; os
materiais sintéticos, derivados de petróleo, passaram a ser usados em larga escala.
Esse progresso levou à descoberta de diversos materiais componentes de
fácil combustão na construção civil, que foram empregados sem o devido
conhecimento de seu comportamento na presença de fogo. Além disso, profundas
modificações nos sistemas construtivos, caracterizadas pela utilização de grandes
áreas sem compartimentação, aumentaram o risco de incêndio nas edificações.
Esses riscos levaram a ações com a finalidade de ampliar medidas de proteção
contra incêndios e, para se obter aceitabilidade de segurança contra incêndio, faz-
se necessário estudo amplo e profundo dos fatores envolvidos (MITIDIERI,1998).
No Brasil, especificamente no município de São Paulo, depois da década de
70, com os incêndios catastróficos dos Edifício Andraus (em 24 de fevereiro de
Método de inspeção predial das condições de segurança contra incêndio em edifícios residenciais

89
7 Bibliografia
ANDRADE, C. M. Avaliação da ocupação física em edifícios de escritório
utilizando métodos quali-quantitativos: o caso da Editora Abril em São Paulo.
São Paulo: 2000 Dissertação (Mestrado em Arquitetura), Faculdade de Arquitetura e
Urbanismo, Universidade de São Paulo. 340p
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA de Normas Técnicas (ABNT). Execução de sistemas de
detecção e alarme de incêndio – Procedimento. (NBR 9.441). Rio de Janeiro,
1998.
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA de Normas Técnicas (ABNT). Execução de sistemas de
detecção e alarme de incêndio – Procedimento (NBR 9441). Rio de Janeiro, 1994.
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA de Normas Técnicas (ABNT). Instalações hidráulicas
contra incêndio, sob comando, por hidrantes e mangotinhos – Procedimento
(NBR 13.714). Rio de Janeiro, 1996.
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA de Normas Técnicas (ABNT). Manutenção em
Edificações. (NBR 5674). Rio de Janeiro, 1999.
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA de Normas Técnicas (ABNT). Procedimento para
formação de brigadas. (NBR 14.276). Rio de Janeiro, 1999
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA de Normas Técnicas (ABNT). Saídas de emergência em
edifícios – Procedimento (NBR 9077). Rio de Janeiro, 1993
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA de Normas Técnicas (ABNT). Sinalização de segurança
contra incêndio e pânico – Procedimento (NBR 13.435). Rio de Janeiro, 1995
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA de Normas Técnicas (ABNT). Sistema de iluminação de
emergência – Procedimento (NBR 10.898). Rio de Janeiro, 1990
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA de Normas Técnicas (ABNT). Sistema de iluminação de
emergência: Procedimento (NBR 10.989). Rio de Janeiro, 1999.
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA de Normas Técnicas (ABNT). Sistema de proteção por
extintores: Procedimento (NBR 12.693). Rio de Janeiro, 1993.
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA de Normas Técnicas (ABNT). Sistemas de hidrantes e
mangotinhos para combate a incêndio. Procedimento. (NBR 13.714). Rio de
Janeiro, 2000.
BERTO, A. F. Medidas de Proteção contra Incêndio: Aspectos Fundamentais a
serem considerados no projeto arquitetônico dos Edifícios. São Paulo, 1991.
Dissertação de Mestrado – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade
de São Paulo.
BLOCH, l. L.; BOTELHO, m. H. C. (org). Código de obras e edificações do
município de São Paulo: comentado e criticado. São Paulo: PINI, 1993. 293p.
Método de inspeção predial das condições de segurança contra incêndio em edifícios residenciais

90
BRASIL RESSEGUROS S. A. (IRB). Tarifa de Seguro Incêndio do Brasil. Rio de
Janeiro: IBR, 1997.
CÓDIGO DE OBRAS e Edificações – Lei n.º 11.228 de 25/6/92.
CORPO DE BOMBEIROS de São Paulo. Instruções Técnicas do Corpo de
Bombeiros de São Paulo (IT's) s/n/t.
GODOY, J. E.; Barros, S. C. R. Manual de segurança em condomínios. São Paulo:
IGAL Editora, 1998. 116 p.
GOMIDE, Tito Lívio Ferreira. Engenharia legal: inspeção predial, garantia
imobiliária, perícias em edificações. São Paulo, 2002. Editora Juarez de Oliveira.
GROSZMANN, R. Henrique. Apostila do Curso de Engenharia de Segurança da
Universidade Mackenzie da disciplina Proteção contra incêndios e explosões,
Junho 1994.
INSTITUTO DE PESQUISAS Tecnológicas. Avaliação de segurança contra incêndio
em edifícios de escritório baseada no conhecimento, no nível de preocupação
e na atuação dos usuários e dos responsáveis pela segurança. São Paulo: IPT,
2000 (Relatório Técnico IPT n.º 49.054, Anexos A e B).
INSTITUTO DE PESQUISAS Tecnológicas. Escadas enclausuradas. São Paulo: IPT,
1995 (Publicação IPT n.º 2.301). 19 p.
INSTITUTO DE PESQUISAS Tecnológicas. Manual técnico de manutenção e
recuperação. São Paulo: FDE, 1990.
INSTITUTO DE PESQUISAS Tecnológicas. Regulamentação de segurança contra
incêndio. São Paulo: IPT, 1995 (Publicação IPT n.º 2.259). 11 p.
INSTITUTO DE PESQUISAS Tecnológicas. Segurança contra o incêndio no projeto
arquitetônico. São Paulo: IPT, s/d. (Publicação IPT n.º 2.282).
INTERNATIONAL FIRE Code Institute (IFCI). Uniform Fire Code. Whittier, CA: IFCI,
1994. 2. ª ed. 2 vol.
MINISTÉRIO DO TRABALHO. NR – 23 da Portaria 3214/78, Ed. Atlas, 1999/ 2000.
MITIDIERI, Luis Marcelo. Proposta de classificação de materiais e componentes
construtivos com relação ao comportamento frente ao fogo – reação ao fogo.
São Paulo, 1998. Dissertação de Mestrado – Escola Politécnica da Universidade de
São Paulo.
ONO, R. Saídas de Emergência – Apostila da disciplina Instalações Prediais e
Segurança contra Incêndio do Curso de Mestrado Profissionalizante – IPT, 1998.
Ono, R. A Study on the Performance Assurance in Buildings and Inspection.
Nagoya, 1991. Dissertação (Mestrado) – Departamento de Arquitetura, Faculdade
de Engenharia, Universidade de Nagoya, Japão.
Método de inspeção predial das condições de segurança contra incêndio em edifícios residenciais

91
ONO, Rosaria. Introdução à estatística de incêndio. São Paulo: FAUUSP, 1995.
45 p.
ONO, Rosaria. Apontamentos e apostila de sala de aula do Curso e Resistência ao
fogo do IPT (CENATEC), 2000, s/n/t.
ONO, Rosaria. Segurança contra incêndio em Edificações – Um sistema de
coleta e análise de dados para avaliação de desempenho, 1997. Tese de Doutorado
– Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo.
PEREIRA, Aderson Guimarães. Segurança contra incêndio. São Paulo: EMTS
Seguros Editora, 2000.
POLÍCIA MILITAR do Estado de São Paulo – Corpo de Bombeiros. Alarme de
incêndio em edificações. Instrução Técnica n.º CB-DODC-006-33-97. São Paulo:
Corpo de Bombeiros, 1997.
POLÍCIA MILITAR do Estado de São Paulo – Corpo de Bombeiros. Anuário
Estatístico. São Paulo, edições de 1995,1996 e 1998, (anual).
POLÍCIA MILITAR do Estado de São Paulo – Corpo de Bombeiros. Dimensionamento
de lotação e saídas de emergência em recintos de eventos desportivos e de
espetáculos artísticos–culturais. Instrução Técnica n.º CB-DODC-014-33-00. São
Paulo: Corpo de Bombeiros, 2000.
POLÍCIA MILITAR do Estado de São Paulo – Corpo de Bombeiros Saídas de
emergência em edificações. Instruções Técnicas n.º CB-DODC-007-33-97. São
Paulo: Corpo de Bombeiros, 1977.
POLÍCIA MILITAR do Estado de São Paulo – Corpo de Bombeiros. Segurança
estrutural dos edifícios – resistência ao fogo dos elementos construtivos.
Instrução Técnica n.º CB-DODC-011-33-99. São Paulo: Corpo de Bombeiros, 1999
REVISTA INCÊNDIO, Editora GRUPO CIPA – ano IV – nº 14,15 e 16.
ROSSO, T. Incêndio e Arquitetura. São Paulo, FAUSP, 1975.
SÃO PAULO. Decreto Estadual, n.º 38.069/93 do Corpo de Bombeiros / SP.
SÃO PAULO. Decreto Estadual, n.º 46.076/01 do Corpo de Bombeiros / SP.
SEITO, A. I. Metodologia de Análise de Risco de Incêndio. São Paulo, 1995.
Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de
São Paulo.
Método de inspeção predial das condições de segurança contra incêndio em edifícios residenciais

92
Anexo A
Projeto de Lei nº407/01, que dispõe sobre a
manutenção preventiva das edificações

Método de inspeção predial das condições de segurança contra incêndio em edifícios residenciais

93
Método de inspeção predial das condições de segurança contra incêndio em edifícios residenciais

94
Método de inspeção predial das condições de segurança contra incêndio em edifícios residenciais

95
Método de inspeção predial das condições de segurança contra incêndio em edifícios residenciais

96

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->