Plano de Aula: 1 - Fundamentos das Ciências Sociais

Titulo
1 - Cultura e Sociedade

Tema
Os conceitos sócio-antropológicos de indivíduo e sociedade

Objetivo
Mostrar ao aluno, por meio da apresentação do plano de ensino, a importância da disciplina para a formação humanística, crítica e ampla do aluno sobre a realidade social; Possibilitar ao aluno compreender a contribuição da disciplina na sua capacitação para a vida profissional e acadêmica, em especial, no que se refere aos exames da OAB e do ENADE; Definir as ciências sociais e descrever as áreas de conhecimento que a constituem: sociologia, antropologia e política; Apresentar as interfaces entre as ciências sociais e os demais campos do conhecimento; Analisar a relação indivíduo/sociedade e sua importância para a vida social.

Estrutura do Conteúdo
Inicialmente, apresentar o Plano de Ensino e o Mapa Conceitual

Conteúdo: 1. O objeto das ciências sociais: Por Ciências Sociais, entende-se o conjunto de saberes relativos às áreas da Antropologia, Sociologia e Ciência Política. Assim, o objeto de estudo das Ciências Sociais é a sociedade em suas dimensões sociológicas, antropológicas e políticas; 2. As áreas constitutivas das ciências sociais: Sociologia, Antropologia e Ciência Política. A Sociologia estuda o homem e o universo sócio-cultural, analisando as inter-relações entre os diversos fenômenos sociais. Na Antropologia, privilegiam-se os aspectos culturais do comportamento de grupos e comunidades. Na Ciência Política, analisam-se as questões ligadas às instituições do poder. Ao contrário de outras ciências, as Ciências Sociais lidam, não apenas com o que se chama de realidade, com fatos exteriores aos homens, mas igualmente com as interpretações que são feitas sobre a realidade; 3. A importância do estudo sócio-antropológico na compreensão da realidade: O conhecimento científico da vida social não se baseia apenas no fato, mas na concepção do fato e na relação entre a concepção e o fato. Por estudar a ação dos homens em

sociedade. Sociologia: uma Introdução à Ciência da Sociedade. Leitura Complementar: ARRUDA ARANHA. Maria Helena. & PIRES. Como indivíduo. quanto mais perfeito seu condicionamento e consequente integração na estrutura social. ajuda a transformá-lo quando há necessidade. Rio de Janeiro: Rocco. Diz sempre Chico defendendo teses. Capítulos 1 e 2. Ed. 2. São Paulo: Moderna. O indivíduo. e bom não se conservou. a cultura e a sociedade). Como uma simples unidade no organismo social. das aspirações que os animam e das alterações que sofrem. composto por Wilson Batista e Afonso Teixeira em 1949. Em circunstâncias normais. 1997. A culpa é da sociedade que o transformou. P. Relativizando: uma introdução à antropologia social. tinha religião. Quando jogava bola era escolhido para capitão. Se o homem nasceu bom. São Paulo: Cortez. as Ciências Sociais constituem ferramenta importante para o desenvolvimento de compreensão crítico-reflexivo da realidade. (Ralph Linton. É valente no morro. Filosofando: Introdução à Filosofia. Cristina. . É mais um processo! É mais uma façanha! Chico Brito fez do baralho seu melhor esporte. Roberto. Aplicação Pratica Teórica Caso Concreto 01 Abaixo expomos a letra do samba intitulado “Chico Brito”. 17-27. sua linguagem. Era aplicado. o indivíduo perpetua o status quo. nenhuma sociedade pode sobreviver sem o inventor ocasional e sem sua capacidade para encontrar soluções para novos problemas. de seus símbolos. Desde que nenhum ambiente se apresente completamente estacionário. Quando menino teve na escola. popularizado na voz de Paulinho da Viola: Lá vem o Chico Brito. Referências Bibliográficas: COSTA. DA MATTA. a vida tem os seus revezes. O papel do indivíduo na sociedade: O indivíduo desempenha na realidade um papel duplo em relação à cultura. 1993. Descendo o morro nas mãos do Peçanha. 4. 2001. seus valores e cultura. Dizem que fuma uma erva do norte. Maria Lúcia de. Entretanto. as sociedades existem e funcionam num mundo em perpétua mudança. Mas. tanto mais efetiva sua contribuição para o funcionamento uniforme do todo e mais segura sua recompensa.

Pesquise em jornais. “tão bom” como qualquer outra pessoa. internet ou livros casos clássicos em que se evidencia a mudança de comportamento do indivíduo em virtude da influência do meio social em que vive.A narrativa apresentada. faça uma breve análise sobre a influência da sociedade em nossa vida: 1. O quadro. A identidade dos grupos humanos é uma característica fundamental para a criação de um “nós coletivo” que. Questão Objetiva Analise a imagem a seguir Charles Le Brun (Paris 1619-1690). os personagens mais se assemelham aos europeus do que propriamente aos povos da América. Nesta representação. indivíduo que vive na criminalidade e é preso a toda hora. ao mesmo . como em muitas outras. assim. em princípio. mostra o malandro Chico Brito. “América”. O homem faz a sociedade ou a sociedade faz o homem? 2. porém. O quadro pretende mostrar os habitantes do continente americano e seus costumes. Considerando a proposta da música e a leitura dos textos sugeridos. não atribuem sua condição a uma falha de caráter. Os autores. contudo os ameríndios aparecem com feições apolíneas e cabelos anelados. mas o “sistema” não lhe deixara outra oportunidade de sobrevivência que não a marginalidade. revistas. acaba nos dizendo mais sobre o olhar do próprio europeu do que sobre aqueles que procurava retratar. Chico era.

tempo. considere as afirmativas a seguir. A identidade possui natureza estática. III e IV . III. A herança genética dos diferentes grupos humanos impede transformações de identidade. IV. o que permite que enxerguem a si mesmos. Estão corretas apenas as afirmativas: a) I e II b) I e III c) II e IV d) I. identifica e diferencia os grupos entre si. I. posto que delimita a abrangência das respectivas culturas. daí perpassar as gerações e os subgrupos que se originam a partir de um tronco comum. II. Sobre a identidade. e) II. Como em um jogo de espelhos. III e IV. a identidade é construída a partir das representações que os grupos fazem dos outros. A identidade supõe um processo de resignificação das diferenças entre os grupos sociais em função de um determinado contexto.