P. 1
Biologia - Sistema Digestório I

Biologia - Sistema Digestório I

4.0

|Views: 11.016|Likes:
Publicado porBiologia Apostilas

More info:

Published by: Biologia Apostilas on Jul 23, 2008
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

04/23/2013

pdf

text

original

APOSTILA DE BIOLOGIA

PROFESSOR: Bira Cabral ALUNO(A) SÉRIE: 3a Nº

IV UNIDADE
DATA:____/____/2006 TURMA:

SISTEMA (APARELHO) DIGESTIVO OU DIGESTÓRIO HUMANO
É ele formado por um conjunto de órgãos destinados a realizar a digestão dos alimentos. A digestão é uma série de transformações sofridas pelos alimentos, a fim de poderem ser aproveitados. CONSTITUIÇÃO O aparelho digestivo é formado pelos seguintes órgãos: a) b) c) d) Boca Faringe Esôfago Estômago Delgado e) Intestinos Grosso Ceco Cólons Reto | Anus Ascendente Transverso Descendente Sigmóide Duodeno Jejuno Reto

f)

Órgãos Anexos

Glândulas Salivares Pâncreas Fígado

FISIOLOGIA DA DIGESTÃO 1. Fenômenos Mecânicos da Digestão a) Mastigação b) Deglutição c) Movimentos peristálticos (peristaltismo) 2. Fenômenos Químicos da Digestão a) Insalivação b) Quimificação c) Quilificação

Estudaremos, inicialmente, os fenômenos mecânicos da digestão: a) Mastigação – Consiste na divisão dos alimentos em partes menores pela ação dos dentes. Essas pequenas partes são aglomeradas e insalivadas, formando o bolo alimentar. b) Deglutição – É o trajeto do bolo alimentar da boca para o esôfago, passando pela faringe. O bolo alimentar, sendo insalivado, é comprimido contra a abóbada palatina pela língua, passando para a faringe e esta para o esôfago, porque as comunicações da faringe com as fossas nasais e com a laringe se encontram fechadas durante a deglutição. c) Movimentos peristálticos – As paredes do esôfago, estômago e intestinos possuem fibras musculares lisas, que se dispõem em vários sentidos. As contrações dessas fibras dão nascimento a um movimento ondulatório muscular, chamado de movimento peristáltico. Os alimentos caminham, no tubo digestivo, impulsionados pelos movimentos peristálticos; tais movimentos independem da força da gravidade.
C:\Rose Gomes\RG_2006\Lista\BIO_Sist_Dig_Hum_3a.doc/Acácia

1

APOSTILA DE BIOLOGIA
Aspecto geral do sistema digestivo humano e seu relacionamento com o sistema respiratório: (Figura ao lado) A traquéia (T) pertence ao sistema respiratório e só aparece na figura para mostrar que o esôfago corre por detrás dela.

IV UNIDADE

FENÔMENOS QUÍMICOS DA DIGESTÃO a) Insalivação – Consiste na ação da saliva sobre os alimentos. A saliva é a secreção das glândulas salivares; trata-se de um líquido incolor, inodoro e insípido, constituído de água, sais minerais e uma enzima chamada de Amilase Salivar ou Ptialina. Ação da ptialina: ela age sobe o Amido ou Amilo (potissacarídeo) e transforma o amido em Maltose (dissacarídeo). A atividade das glândulas salivares é controlada pelo Sistema Nervoso Autônomo; nervos do S.N. Parassimpático estimulam a produção; já os nervos do S.N. Simpático inibem a produção da saliva.
AMIDO
AMILASE SALIVAR

MALTOSE
(= dissacarídeo)

(= polissacarídeo)

b) Quimificação: Consiste na ação do Suco Gástrico, produzido pelas glândulas gástricas (do estômago), sobre os alimentos. O Suco Gástrico é um liquido transparente, incolor, ácido, contento água, sais minerais, ácido clorídrico e enzimas. Já vimos que, no estômago, os únicos alimentos que sofrem digestão são as Proteínas. A simples presença do alimento na boca, acrescida dos movimentos de mastigação, produzem um reflexo capaz de induzir a atividade gástrica à produção de suco gástrico, rico em HC . O mecanismo de produção do suco gástrico não tem um controle estritamente nervoso; claro que o S.N. Autônomo (representado pelo nervo Pneumogástrico ou Vago) ativa o funcionamento do estômago e há produção do suco gástrico. A produção de suco gástrico também é estimulada pela ação de um hormônio chamado de Gastrina; tal hormônio é produzido por algumas células da mucosa gástrica, quando moléculas protéicas do alimento entram em contato com a parede do estômago. A Gastrina, ao ser produzida, cai na circulação sangüínea e vai ativar as células da região fúndica do estômago; estas células, então, produzem o Pepsinogênio (que é um zimogênio, ou seja, uma substância precursora da enzima, que, no caso, é a Pepsina), Outras células da região fúndica do estômago, ao sofrerem a ação da Gastrina, passam a produzir e secretar o HC . Em presença deste ácido, o Pepsinogênio se transforma em Pepsina.

E, finalmente, qual é a ação da pepsina? – Simplesmente ela promove a digestão (quebra) das moléculas grandes de Proteínas, em moléculas menores, que são as Proteoses e Peptonas. A digestão gástrica demora, em média, duas a quatro horas; ao fim desde período, os alimentos ficam transformados numa massa pastosa, chamada de Quimo. Daí o quimo passa para o Duodeno, atravessando o esfincter pilórico. Agora, uma pergunta: Já que o HC é um ácido forte, por que ele, normalmente, não corrói a mucosa gástrica?
C:\Rose Gomes\RG_2006\Lista\BIO_Sist_Dig_Hum_3a.doc/Acácia

2

APOSTILA DE BIOLOGIA
Resposta:

IV UNIDADE

Isto não acontece, porque ela é protegida por uma glicoproteína gelatinosa chamada de mucina. A mucina reveste totalmente a mucosa gástrica; ela é sintetizada pelas células da própria mucosa gástrica. Outra enzima encontrada no suco gástrico é a remina ou Lab-Fermento; tal enzima é produzida principalmente pela mucosa gástrica dos lactentes, embora ocorra em menor quantidade nas crianças e nos adultos. Ação da Renina: ela age sobre a principal proteína do leite, que é a Caseína, provocando, assim, a coagulação do leite. No lactente, isso tem grande importância, pois o leite coagulada permanece mais tempo no estômago, dando maior oportunidade de hidrólise de suas proteínas. Também contribui para a coagulação do leite o HC do suco gástrico. O HC do suco gástrico tem, também, um papel muito importante na destruição de bactérias, evitando que ocorra a putrefação do bolo alimentar. Observações Observações 1a) pH do suco gástrico: 1,5 a 2,5 graças à presença do HC . 2a) Enquanto a gastrina estimula a produção de suco gástrico, a Enterogastrona, hormônio produzido por algumas células da mucosa duodenal, vai até o estômago (por via sangüínea) e inibe a produçáo de gastrina e, assim, indiretamente, inibe a produção de suco gástrico.

c) Quilificação: Consiste na ação de três sucos digestivos sobre os componentes do quimo; tais sucos são: o suco pancreático, o suco enterico ou intestinal e a bilis ou bile. Suco Pancreático – é produzido pelo pâncreas; também é um liquido incolor, alcalino – pH = 7,8 a 8,2 – (básico), formado de água, sais minerais e enzimas. As principais enzimas do suco pancreático são 1a) Amilase Pancreática – transforma o Amido (polissacarídeo) em Maltose (dissacarídeo); o amido que aqui é digerido é justamente aquele que não sofreu a ação da amilase salivar. 2a) Lipase Pancreático – transforma os Lipídios em Monoglicerídeos, Ácidos Graxos e Glicerol. Observamos que os Triglicerídeos, durante a digestão, nem todos eles se decompõem totalmente em ácidos graxos e glicerol; alguns se decompõem apenas em Monoglicerídeos e ácidos graxos, 3a) Tripsinogênio – é a substância precursora (= zimogênio) da Tripsina. Para que o tripsinogênio se transforme em tripsina, é necessária a presença da Enteroquinase (enzima produzida por células da mucosa intestinal.) A tripsina transforma as proteoses e peptonas provenientes do estômago em Polipeptídeos. 4a) Quimotripsinooênio – é a substância precusora da Quimotropsina, Quem transforma o quimotripsinogênio em quimotripsina é a própria Tripsina (já estudada). O papel da Quimotripsina é idêntico ao da Tripsina. 5a) Carboxipolipeotidase – hidrolisa Polipeptídeos em Oligopeptídeos. 6a) Ribonuclease – hidrolisa o RNA. 7a) Desoxirribonuclease – hidrolisa o DNA. 1a) O quimo proveniente do estômago é alcalinizado imediatamente pela bílis, que estudaremos em seguida, e pelo bicarbonato de sódio, um dos principais componentes do suco pancreático. O bicarbonato de sódio (NaHCO3) reage com o HC do quimo, dando NaC + H2CO3. Como o H2CO3 (ácido carbônico) é um ácido fraco, ele se quebra, dando CO2 + H2O. 2a) Existe um hormônio chamado Secretina, que estimula o pâncreas a produzir um suco pancreático rico em H2O e bicarbonato de sódio.

C:\Rose Gomes\RG_2006\Lista\BIO_Sist_Dig_Hum_3a.doc/Acácia

3

APOSTILA DE BIOLOGIA

IV UNIDADE

Suco Entérico ou Intestinal – É produzido pelas glândulas intestinais (intestino delgado); trata-se de um líquido amarelo-claro, alcalino, formado de água, sais minerais e enzimas. Sua principais enzimas são: 1a) Maltase – transforma a maltose (dissacarídeo) em duas moléculas de Glicose (monossacarídeo). 2a) Lactase – transforma a lactose (açúcar do leite, também dissacarídeo) em glicose + galactose (ambos monossacarídeos). 3a) Sacarase ou Sucrase ou lnvertase ou Inverfina – transforma a sacarose (dissacarídeo) em glicose + frutose (ambas monossacarídeos). 4a) Aminopeptidase – transforma os oligopeptídeos em aminoácidos. 5a) Lipase Entérica – mesma ação da Lipase pancreática. Bílis ou Bile – Trata-se do único suco digestivo que não contém nenhuma enzima. A bílis é produzida no fígado e é concentrada e armazenada na vesícula biliar. Trata-se de um líquido amarelado, amargo, que auxilia a digestão, intensificando a ação de certas enzimas. Vejamos as funções da bílis: 1a) Contribui para a alcalinização do quimo. 2a) Através dos sais biliares que possui, ela emulsiona os lipídios, ou seja, fragmenta gotas de óleo e de gorduras em gotículas quase microscópicas, que serão facilmente atacadas pelas lipases, primeiro a lipase pancreática, depois a lipase entérica. Observações A cor amarelada da bílis se deve principalmente a um pigmento chamado bilirrubina. Para a produção da bílis não só atua o S. N. autônomo, como também um hormônio que é a Secretina, o mesmo hormônio que estimula o pâncreas a produzir uma secreção hidrelática. Por outro lado, existe um hormônio chamado Colecistocinina ou Colecistoquinina, que promove a contração da vesícula, fazendo com que esta lance a bílis no Duodeno.

QUADRO SINÓPTlCO SOBRE AS PRINCIPAIS SECREÇÕES DIGESTIVAS
LOCAL DE SECREÇÃO 1. Glândulas Salivares 2. Glândulas Gástricas 3. Fígado 4. Pâncreas Pâncreas Pâncreas Pâncreas 5. Glândulas do Intestino Delgado Idem Idem Idem Idem ENZIMAS E OUTROS PRODUTOS Amilase Salivar ou Ptialina Pepsina Renina Bílis Amilase Pancreática Lípase Pancreática Tripsna Quimiotripsina Maltase Lactase Sacarose Aminopeptidase Lípase Entérica LOCAL DE AÇÃO Boca Estômago Estômago Intestino Delgado Intestino Delgado Intestino Delgado Intestino delgado Intestino Delgado Intestino Delgado Intestino Delgado Intestino Delgado Intestino Delgado Intestino Delgado ALIMENTOS ATACADO Amido ou Amilo Proteínas Caseína do leite Lipídios amido Lipídios Proteoses e Peptonas Polpipetídeos Maltose Maltose Sacarose Olipeptídeos Lipídios PRODUTO DA DIGESTÃO Maltose Proteoses e Peptonas. Coagulação do leite Emulsão dos Lipídios Maltose Monoclicerídeos Ac. Graxos Colesterol Polipeptídeos Oligopeptídeos Glicose Glicose Glicose + Frutos Aminoácidos Monoclicerídeos Ac. Graxos e Glicerol

C:\Rose Gomes\RG_2006\Lista\BIO_Sist_Dig_Hum_3a.doc/Acácia

4

This document was created with Win2PDF available at http://www.win2pdf.com. The unregistered version of Win2PDF is for evaluation or non-commercial use only. This page will not be added after purchasing Win2PDF.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->