Você está na página 1de 11

Métodos Qualitativos:

pesquisa de acção
pesquisa de case studies
estudos Delphi
teoria grounded/teoria indutiva
histórias de vida
inquéritos narrativos
pesquisa de observação

O ponto principal deste método encontra-se em observar as variáveis na sua


envolvente natural. Desta forma é possível obter dados detalhados através de
questões abertas, usando técnicas como por exemplo análises históricas, focus
group, entrevistas, questionários e diários.
A análise qualitativa preocupa-se principalmente com as propriedades, o
estado e o carácter.

Métodos Quantitativos:
Definido através de colecções de dados numéricos e estatísticos. É construído
através do paradigma do positivismo e é percebido como uma abordagem
científica que pesquisa modelos experimentais ou quase-experimentais.
Dados quantitativos podes ser classificados, mensuráveis de forma rígida,
descrevem correctamente o objecto em estudo se seguirem um conjunto de
regras, fórmulas ou procedimentos pelos quais se definem, fora de percepções
ou julgamentos ambíguos.

Métodos Quantitativos vs Métodos Qualitativos

Os dois métodos podem ser usados em conjunto de forma a conseguir


resultados científicos. Os investigadores podem usar os dois métodos,
beneficiar as vantagens existentes nos dois, suportar os dados qualitativos
com dados quantitativos, sendo possível juntar mais informação do que usando
apenas um dos métodos.

Vantagens (+) e Desvantagens (-)

Método Qualitativo:

+ alto nível de profundidade e detalhe


- tem menos sujeitos em estudo, o que leva a ser difícil de generalizar
+ são preferíveis quando se estuda temas sensíveis, pois não estão definidas
perguntas à priori
+ permitem estudar assuntos sensíveis, deixando o pesquisador utilizar
técnicas pessoais que ajudam a diminuir as dificuldades que possam aparecer
em entrevistas
+ criam abertura entre as partes (entrevistados e entrevistadores) e ajudam a
criar novas teorias
+ os participantes podem discutir assuntos que lhes sejam importantes em vez
de responderem a perguntas fechadas. Os participantes podem também
clarificar ambiguidades e esclarecer possíveis confusões relacionadas com os
conceitos em causa
- no entanto esta abertura pode levar a que alguns participantes se sintam
menos confortáveis na presença do entrevistador, dando respostas menos
verdadeiras. Adicionalmente influências como o sexo, a etnicidade do
entrevistador podem ter impacto nas respostas dos participantes
- os resultados qualitativos são mais difíceis de agregar e portanto mais difíceis
de fazer comparações
- este tipo de estudos podem ser difíceis de replicar devido à falta de estrutura
ou procedimentos não standardizáveis
+ apesar de existir recolha de dados de forma standard, a pesquisa qualitativa
confia principalmente na forma como o investigador conduz a sua pesquisa. O
investigador tem total controlo sobre o tipo de dados recolhidos e sobre os
métodos analisados

Método Quantitativo:

+ permite maior objectividade e maior exactidão de resultados


+ são desenhados para dar outputs generalizáveis dos dados em estudo
+ envolve menos variáveis, muitos casos de estudo e são empregues
procedimentos de forma a conseguir dados válidos e fiáveis
+ ao usar procedimentos standard permite a replicação do estudo, a posterior
comparação com resultados semelhantes
+ este tipo de método permite organizar e resumir várias fontes de informação
e facilita comparações através de categorias e ao longo do tempo
- no entanto os métodos quantitativos são estudados em ambientes não
naturais e artificiais de modo a que o nível de controlo das variáveis seja
máximo
- este nível de controlo das variáveis, leva a que quando o estudo é aplicado
em ambiente natural possa ter resultados diferentes dos obtidos em ambientes
controlados
- respostas pré-definidas podem não reflectir o sentimento verdadeiro dos
participantes em situações de vida real
- perguntas standard podem reflectir a visão do pesquisador ao invés da visão
dos participantes. Este problema pode ser minimizado quando o pesquisador
consegue manter a distância e entrevista participantes desconhecidos
+ permitem um estudo mais amplo, envolvem um número maior de
participantes e aumentam o grau de generalização dos resultados
- no entanto recolhem dados mais específicos e muitas vezes mais superficiais
- os resultados são mais limitados e menos elaborados do ponto de vista
humano, pois advêm de descrições numéricas em vez de narrativas detalhadas
(dados estatísticos podem ser insignificantes do ponto de vista humano)
+ métodos quantitativos são melhores para descobrir o Quem, O quê, Quando
e Onde. Mas são inapropriados para recolher dados comportamentais
- as perguntas têm de ser directas e quantificáveis e disponíveis para uma
população de pelo menos 200 indivíduos para permitir a análise estatística dos
dados
- métodos quantitativos apenas trabalham com problemas já conhecidos
quando se começa o projecto, quando as perguntas de pesquisa são decididas
- podem ser estudos complexos e requerem grande investimento para se
proceder ao respectivo estudo dos resultados e uso dos mesmos
+ o benefício do método quantitativo reside na habilidade do investigador em
resumir os resultados estatísticos da amostra, de forma a permitir que estes
sejam generalizados à população

Descrição
Narrativa de objectos, pessoas, acontecimentos, acções, emoções, conversas, realizada através da
palavra.
Necessária para responder às questões: porquê?, quem?, o quê?, onde?, quando?, quanto? e como?

Tem como objectivos autenticar, criar imagens, persuadir, convencer, expressar ou criar emoções.
Serve de base para a interpretação abstracta de dados e teoria.
Envolve conceitos (implícitos ou explícitos).
Serve igualmente as metodologias de investigação qualitativa e quantitativa (descrição das
hipóteses, descrição da teoria).

É diferente descrever um fenómeno (exemplo: movimento dos ponteiros do relógio) de criar teoria.
Para criar teoria temos de responder: Porquê rodam os ponteiros? Como rodam? Quando rodam?
As explicações teóricas requerem validação posterior e recolha de dados adicionais

Desenvolvimento de teoria
Consiste num processo, normalmente longo, que compreende a criação, ou intuição, de ideias e a
sua formulação num esquema lógico, sistemático e explicativo.

Condições:
- requer a exploração multidimensional (perspectivas, ângulos) das ideias.
- tem implicações nas actividades de pesquisa:
– Enquadra os problemas de pesquisa (Quem? O Quê? Quando? Onde? Porquê? Como?)
– As hipóteses teóricas devem ser confrontadas com novos dados, podendo ser alteradas,
aumentadas, ou simplesmente eliminadas

Assenta na inter-relação entre os processos indutivo (identificação de conceitos, propriedades,


características) e dedutivo (hipóteses sobre o relacionamento entre conceitos, obtidas através de
abstracção)

Da Interpretação à Teoria: quando as ideias são associadas para explicar de forma abstracta um
determinado fenómeno, os resultados da pesquisa passam da interpretação para teoria.

Teoria
1. Sistema coerente dos conceitos, princípios e técnicas na base de determinado objecto de estudo;
2. Conhecimento sistematizado sobre determinado domínio;
3. Ideia ou sistema que resultam da especulação ou de conjecturas;
4. Hipótese não testada experimentalmente que se apresenta como explicação de determinada
circunstância ou fenómeno em relação aos quais existem dúvidas;
5. Representação racional ou ideal de uma realidade;

Teoria –Ilustração
Mais que um resultado > Oferece explicações
Geralmente abstracta (conceptual)
Abrangente (geram muitos problema de pesquisa)

Contexto Conceptual: Conceitos, premissas, expectativas, crenças, teorias, orientadoras da


investigação

Objectivo:
- Explicar, de forma descritiva ou gráfica, as variáveis ou conceitos que se pretende investigar, bem
como as relações entre as mesmas.
- Orientar a pesquisa –objectivos, problemas de pesquisa, metodologia, e limitações na
generalização de resultados.

Contexto Conceptual = Revisão da Literatura?


Sim, mas não esquecer que:
- A revisão da literatura pode estar limitada (ignorar conceitos fundamentais para a pesquisa)
- As publicações podem representar apenas uma parte da pesquisa no tema, ignorando a
investigação noutras disciplinas e outras abordagens.
- O objectivo da análise de contexto conceptual não é apenas descrever o que outros investigadores
concluíram mas, também, formar uma opinião crítica (problemas, contradições, áreas inexploradas)
e propor novas contribuições.
- O contexto conceptual da investigação é construído, não encontrado.

Fontes:
1 Experiência pessoal:
- Ignorar a experiência pessoal significa ignorar o próprio como fonte de ideias, hipóteses e controlo
de validade dos resultados obtidos.
- Não significa impor as nossas ideias sem “subjectividade crítica”.
- Traduz-se num memorando dos pesquisador, descrevendo as expectativas, crenças e premissas
sobre o tema a investigar (de preferência antes do início da pesquisa)

2 Teoria e investigação actual:


- Publicada / Não publicada
- Baseada nos dados (indutiva/grounded) ou desenvolvida conceptualmente (dedutiva) e testada
empiricamente.

3 Pesquisa exploratória:
- Para ganhar conhecimento dos conceitos e teorias (interpretação)

4 Experiências com o conhecimento:


- Baseadas na experiência e na teoria para responder a questões do tipo “E se...?” (what if?)
- Testa a teoria e problemas lógicos procurando identificar novas contribuições.
- Assenta na criatividade e na exploração.

Mapas conceptuais

Definição:
- Imagem do objecto de estudo, daquilo que o investigador pesquisa, composto por conceitos e
relacionamentos, representados por círculos/caixas com texto e linhas de conexão.

Tipos:
- Estruturas conceptuais abstractas
- Acontecimentos organizados (flowchart) segundo interligações previstas
- Rede causal de variáveis ou moderadores
- Diagrama na forma de árvore de decisão
- Diagrama de Venn (círculos sobrepostos ou reunidos)

Utilização:
- Visualizar a teoria implícita na investigação, ou a teoria actual
- Desenvolver nova teoria. “Thinking on paper”.

Definições:

Métodos de investigação:
- dedutivo
- indutivo

Definição de Método Dedutivo


“A deductive research method entails the development of a conceptual and theoretical structure
prior to its testing through empirical observation” Gill and Johnson
(1997:28)

Conceitos: escolhidos à priori, em função da teoria ou problema a investigar

Regras: conceitos operacionalizados desde o início

Operacionalização: ligar conceitos abstractos com observações empíricas mensuráveis


Instruções: definidas na operacionalização, identificam o que e como observar

Teste: implicações da teoria são “confrontadas” com os “factos” recolhidos através da observação.

Problemas:
- o importante não é a fonte da teoria e hipóteses mas o processo através do qual a teoria e as
hipóteses são testadas e justificadas
- “positivista”:
- para que o conhecimento nas ciências sociais avance é necessário utilizar a metodologia
hipotético-dedutiva.
- o processo de criar conhecimento e desenvolver explicações deve ser similar às ciências
naturais (A causa B)
- o meio social deve ser tratado como o meio natural

Definição de Método Indutivo


“Involves moving from the „plane‟ of observation of the empirical world to the construction of
explanations and theories about what has been observed” Gill e Johnson (1997:33)

Conceitos: a teoria é o resultado da indução

Argumentos:
- rejeitam o modelo causal (A implica B) porque:
- A acções humanas têm uma lógica própria e interna. As ciências sociais têm de
compreender esta lógia interna.
- As ciências naturais não têm que „compreender‟ o comportamento subjectivo observável
nas ciências sociais
- Exemplo: Explicar o comportamento de uma bola de golfe é diferente de explicar o
comportamento do jogador de golfe
- O realidade social não pode ser compreendida sem se perceber o contexto em que ocorre
(interpretação, significados, intenções, motivações. Logo a realidade social tem que ser
“interpretada”
- A investigação nas ciências sociais não consegue estar „distante‟ dos actores
- Propõem o modelo estímulo resposta
- Estímulos > Experiência e Interpretação > Resposta, ou
- Interpretação e significado > acção

Problema de pesquisa: área de foco da investigação

Fontes de problemas de pesquisa na investigação qualitativa


- sugestões
- literatura técnica e não técnica
- experiência pessoal ou profissional
- investigação

Questões de Pesquisa:
Vantagens
- liga o tema de investigação e as hipóteses
- define a natureza e âmbito da investigação
- identifica a contribuição do estudo
- informa sobre a forma de condução do estudo e a relação com métodos e validação

Importância da identificação dos problemas de pesquisa


- “A central step, and one which essentially determines success in qualitative research, but tends to
be ignored in most presentations of methods, is how to formulate the research question (s). The
researcher is confronted with this problem not only at the beginning, when the study of the project
is conceptualized, but in several phases of the process: in conceptualizing the research design, in
entering the field, in selecting the cases and in collecting data” Flick (1998:47) in Blaikie (2000:59)

Tipos de questões de pesquisa


Perguntas:
- O quê? (What?)
- Requerem uma resposta descritiva
- Orientadas para a a descrição de características e comportamentos (pessoas, organizações,
etc.)
- Exemplos de perguntas:
- Que tipo de pessoas escolhem o mestrado em marketing?
- Que conhecimentos, valores, atitudes apresentam?
- Qual o comportamento que as caracteriza?

- Porquê? (Why?)
- Orientadas para as causas ou características de um determinado fenómeno
- Procuram explicar os acontecimentos
- Exemplos de perguntas:
- Porquê as pessoas escolhem o mestrado em marketing?
- Porquê esta combinação de características?
- Porquê as características são estáveis ou evoluem?
- Como? (How?)
- Orientadas para a a mudança, com identificação de consequências e influências
- Exemplos de perguntas:
- Como podem as características dominantes dos alunos do mestrado em marketing
ser alteradas?

Sequência lógica: O QUÊ? > PORQUÊ? > COMO?

Desenvolvimento de Questões de Pesquisa


1. Escrever todas as questões plausíveis
- Fontes: literatura, imaginação, experiência, ...
- O mapa conceptual pode ajudar a identificar problemas de pesquisa
2. Rever a lista de questões
- Organizar as questões em categorias/temas
- Isolar questões fora do âmbito de investigação ou demasiado difíceis de responder
3. Separar questões por tipo: “O Quê?”, “Porquê?” e “Como?”
- Assegurar que cada questão está escrita de forma simples
- Eventualmente dividir a questão em duas perguntas
4. Listar as premissas de cada problema de pesquisa
- “Porquê?” só depois de saber “O Quê?”
- “Como?” só depois de saber “Porquê?”
5. Examinar o âmbito das questões
- Determinar o impacto nos recursos disponíveis (tempo, dinheiro)
6. Separar questões principais e secundárias
- Principais: Essenciais, mais abstractas
- Secundárias: Suportam as questões essenciais, mas não são essenciais à investigação
- Exemplos:
- Principal: Qual o grau de utilização de metodologias qualitativas entre os alunos de
mestrado do ISEG?
- Secundárias
- Qual a proporção de alunos que utilizam entrevistas abertas na dissertação?
- Qual a proporção de alunos que utilizam o método do caso na dissertação?
7. Questionar a necessidade das perguntas
- Para que serve a pergunta? Será necessária?
- Acrescente valor à gestão ou conhecimento científico?

Objectivos da pesquisa
Tipos de objectivos de pesquisa
- Explorar
- Desenvolver uma descrição vaga, ou compreensão de um determinado fenómeno
- Necessária quando existe um conhecimento limitado sobre o tópico a investigar

- Questão:
- O que poderá estar a acontecer ao preço do barril de petróleo?

- Descrever
- Fornecer uma análise detalhada ou medição precisa de das característica de consumidores
ou empresas, incluindo características comuns
- Mais rigorosa que a exploração
- Questão:
- O que está a acontecer ao preço do barril de petróleo?
- Qual o papel da OPEP no aumento do preço do barril de petróleo?
- Explanar
- Identificar os elementos, factores ou mecanismos responsáveis pela existência de
características comuns ou regularidades
- Identificam causas; Perspectiva externa
- Questão
- Porque aumenta o barril de petróleo?
- Compreender
- Definir as causas dos comportamentos ou acontecimentos
- Identifica razões; Perspectiva interna
- Questão
- Porque aumenta o barril de petróleo?
- Prever
- Utilizar conhecimentos ou explicações de fenómenos para postular determinados
resultados em função das condições ou causas
- Formas de prever: Indutiva, Dedutiva
- Questão:
- Como irá evoluir o preço do barril de petróleo?
- Mudar
- Intervir numa situação através da manipulação de condições base ou assistir os
participantes no estudo a fazê-lo
- Assenta na explicação e na compreensão
- Questão:
- Como poderia o barril de petróleo baixar?
- Avaliar resultados
- Monitorar programas de acção e avaliar os resultados obtidos face aos resultados desejados
- Questão:
- O que aconteceu para aumentar o preço do barril de petróleo? Porque aumentou?
- Avaliar impactos
- Identificar as consequências futuras em projectos ou programas relacionados com
consumidores, empresas ou processos de uma determinada acção ou diligência
- Questão:
- Quais as consequências do aumento do barril de petróleo?

Sequência lógica: Explorar > Descrever > Explicar > Prever

Hipóteses
- Definição
- Respostas prováveis às questões
- O Quê?
- Porquê?
- Como?
- O pode estar a acontecer
- Será possível definir hipóteses na investigação qualitativa?
- Hipótese explícitas talvez não mas ... formular ideias sobre os fenómenos é possível
(proposições)
- As hipóteses na investigação qualitativa só podem ser formuladas depois do estudo se ter
iniciado, fundamentadas (grounded) nos dados, desenvolvidas e testadas na interacção com
os mesmos, em vez de definidas a priori.
- A formulação de hipóteses à partida pode limitar o âmbito da análise

Micro análise:
- consiste na codificação, aberta (efectuada a partir dos dados) ou axial (efectuada a partir de
categorias e subcategorias), através da utilização de técnicas de análise de dados
- exame detalhado e interpretação dos dados:
entrevistas
notas
vídeos
artigos de jornais
memorandos
manuais
catálogos
- bases da análise:
imagens
palavras
frases
parágrafos

Perspectivas da Micro Análise

1. Dados
- Opiniões
- Textos
- Observações
- Vídeos
- Dados recolhidos pelos investigador

2. Interpretação do investigador
- Acontecimentos
- Acções
- Objectos

3. Inter-relação entre dados e o investigador (subjectividade)

Codificação: codificar é o mesmo que analisar

Códigos
- título atribuído a descrições ou interpretações de dados
- aplicam-se a palavras, frases, parágrafos

Tipos de códigos
- descritivos
- interpretativos
- explicativos

Criação de Códigos
- utilização de lista provisória (literatura, experiência, ..)
- criação “in-vivo” (inductivo, contextual)

Codificação: Frequências
As frequências são um primeiro indicador da regularidade do fenómeno.
Neste caso, nota-se que em 64,3% dos casos ame análise a marca esta diferenciada em relação à
concorrência.

Fiabilidade da Análise
- não há forma de garantir que o investigador compreendeu de forma correcta os fenómenos em
análise.
- validity is a goal rather than a product; it is never something that can be proven or taken for
granted.The main threat to a valid description is the inaccuracy or incompleteness of the data.
Maxwell (1996)
- the main threat to interpretation is imposing one’s own meaning, rather than understanding the
perspective of the people studied. Miles and Huberman (1994)

Passos para a validade


1. utilizar um guião em entrevistas para garantir a mesma sequência de perguntas e que nenhuma foi
esquecida.
2. é importante que ambos os codificadores estejam familiarizados com o tema.
3. dois codificadores identificam tendências e conceitos nos dados, ligações com a literatura, e áreas
de contribuição para a literatura e para as organizações.
4. autor e um Juiz examinam as transcrições em separado, continuando o processo até se atingir
100% de acordo na codificação.

Métodos para avaliar a fiabilidade da análise


Interjudge Reliability (Perreault and Leigh, 1989; Miles and Huberman, 1994)
- Quando existem vários analistas e se avalia a convergência da análise
- Fórmula: percentagem de Acordo entre analistias
A = F0 / Total x 100
- Onde F0 corresponde ao número de “pair-wise inter-judge agreements” e “Total”ao “total number
of pair-wise judgements”

Assume um valor entre “0” e “1”, sendo este último o melhor valor possível e “0” o pior valor
possível.

http://wps.pearsoned.co.uk/ema_uk_he_saunders_resmethbus_4/

http://wps.pearsoned.co.uk/ema_uk_he_saunders_resmethbus_4/51/13274/3398236.cw/index.html

http://wps.pearsoned.co.uk/ema_uk_he_saunders_resmethbus_4/