WEG INDÚSTRIAS LTDA

CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES


















































MÓDULO 4
Geração de Energia
WEG – Transformando Energia em Soluções

t
r
_
C
T
C
-
2
4
1
_
P
1







WEG – Transformando Energia em Soluções
1
Módulo 4 – Geração de Energia






































* “ Material sujeito a alterações sem prévio aviso!”







WEG – Transformando Energia em Soluções
2
Módulo 4 – Geração de Energia
Índice

1 Introdução............................................................................................................... 9
1.1 Definição de energia e potência ................................ ................................ ............... 10
1.1.1 Energia ________________________________ ________________________________ __10
1.1.2 Potência ________________________________ ________________________________ _10
1.2 O que é geração e cogeração? ................................ ................................ .................. 12
1.2.1 Geração ________________________________ ________________________________ _12
1.2.2 Cogeração ________________________________ _______________________________ 12
1.3 O sistema de geração................................ ................................ ................................ 15
1.3.1 Máquina primária ________________________________ __________________________ 15
1.3.2 Geradores ________________________________ ________________________________ 15
1.3.3 Transformadores ________________________________ __________________________ 15
1.3.4 Controle, comando e proteção ________________________________ ________________15
2 Máquinas Primárias.............................................................................................. 17
2.1 Hidráulicas ................................ ................................ ................................ ............... 17
2.2 Diesel ................................ ................................ ................................ ........................ 21
2.3 Termelétricas ................................ ................................ ................................ ........... 24
2.4 Termonucleares................................ ................................ ................................ ........ 26
2.5 Turbina a Gás ................................ ................................ ................................ .......... 30
2.5.1 Turbinas a gás em circuito aberto ________________________________ _____________31
2.5.2 Turbinas a gás em circuito fechado. ________________________________ ____________33
2.6 Turbinas Eólicas ................................ ................................ ................................ ...... 36
3 GERADORES....................................................................................................... 42
3.1 Introdução................................ ................................ ................................ ................ 42
3.1.1 Histórico________________________________ ________________________________ _42
3.1.2 Noções de aplicações ________________________________ _______________________ 42
3.1.2.1 Tipos de acionamentos ................................ ................................ ................................ ..43
3.2 NOÇÕES FUNDAMENTAIS................................ ................................ .................. 44
3.2.1 Princípio de funcionamento ________________________________ __________________44
3.2.2 Geração de corrente trifásica ________________________________ _________________47
3.2.2.1 Ligações no sistema trifásico ................................ ................................ ........................ 47
3.2.2.2 Tensão nominal múltipla ................................ ................................ ............................... 49
3.2.3 Comportamento do gerador em vazio e sob carga ________________________________ _52
3.2.4 Máquinas de pólos lisos e salientes ________________________________ ____________55
3.2.5 Reatâncias ________________________________ _______________________________ 56
3.2.6 Potência em máquinas de pólos salientes ________________________________ ________59
3.2.7 Definições ________________________________ _______________________________ 61
3.2.7.1 Distorção harmônica ................................ ................................ ................................ .....61
3.2.7.2 Fator de desvio ................................ ................................ ................................ .............61
3.2.7.3 Modulação de tensão ................................ ................................ ................................ ....63
3.2.7.4 Desequilíbrio angular ................................ ................................ ................................ ....63
3.2.7.5 Desbalanceamento de tensão................................ ................................ ......................... 63
3.2.7.6 Transiente de tensão ................................ ................................ ................................ .....63
3.2.7.7 Tolerância de tensão ................................ ................................ ................................ .....64
3.3 GERADORES WEG................................ ................................ ................................ 65
3.3.1 Normas aplicáveis ________________________________ _________________________ 65






WEG – Transformando Energia em Soluções
3
Módulo 4 – Geração de Energia
3.3.2 Geradores com excitação por escovas ________________________________ __________65
3.3.2.1 Tipo SL (antigo DL) ................................ ................................ ................................ .....65
3.3.3 Geradores com excitação sem escovas (Brushless) ________________________________ 66
3.3.4 Geradores com excitação sem escovas para aplicações especiais _____________________ 69
3.3.5 Motores síncronos ________________________________ _________________________ 70
3.3.6 Regulador de tensão ________________________________ ________________________ 72
3.3.7 Tempo de regulagem da tensão (tempo de resposta) _______________________________ 72
3.3.8 NOMENCLATURA DAS MÁQUINAS SÍNCRONAS WEG ______________________ 73
3.4 CARACTERÍSTICAS DO AMBIENTE................................ ................................. 76
3.4.1 Altitude ________________________________ ________________________________ _76
3.4.2 Temperatura ambiente. ________________________________ ______________________ 76
3.4.3 Determinação da potência útil do gerador nas diversas condições de temperatura e a ltit ude 76
3.4.4 Atmosfera Ambiente ________________________________ _______________________ 77
3.4.4.1 Ambientes Agressivos ................................ ................................ ................................ ..77
3.4.5 Graus de proteção ________________________________ _________________________ 78
3.4.5.1 Código de identificação ................................ ................................ ................................ 78
3.4.5.2 Tipos usuais ................................ ................................ ................................ .................80
3.4.6 Limites de ruído ________________________________ ___________________________ 80
3.4.7 Vibração________________________________ ________________________________ _81
3.4.8 Ventilação ________________________________ _______________________________ 82
3.4.8.1 Gerador aberto................................ ................................ ................................ ..............82
3.4.8.2 Gerador totalmente fechado ................................ ................................ .......................... 83
3.4.9 Acessórios/especialidades ________________________________ ___________________ 85
3.4.9.1 Resistência de aquecimento ................................ ................................ .......................... 85
3.4.9.2 Proteção térmica de geradores elétricos ................................ ................................ .........85
3.5 CARACTERÍSTICAS DE DESEMPENHO................................ ........................... 88
3.5.1 Potência nominal ________________________________ __________________________ 88
3.5.2 Elevação de temperatura -classe de isolamento ________________________________ ___91
3.5.2.1 Aquecimento do enrolamento ................................ ................................ ....................... 91
3.5.2.2 Classes de isolamento ................................ ................................ ................................ ...92
3.5.2.3 Medida da temperatura do enrolamento ................................ ................................ .........92
3.5.2.4 Aplicação à máquinas elétricas ................................ ................................ ..................... 93
3.5.3 Queda de tensão ________________________________ ___________________________ 94
3.5.3.1 Cálculo da queda de tensão ................................ ................................ ........................... 94
3.5.3.2 Influência do fator de potência ................................ ................................ ...................... 96
3.5.3.3 Influência da carga inicial ................................ ................................ ............................. 96
3.5.4 Limitações na partid a de motores ________________________________ _____________98
3.5.5 Sobrecarga ________________________________ ______________________________ 103
3.5.6 Sobrevelocidade ________________________________ __________________________ 104
3.5.7 Corrente de curto-circuito ________________________________ __________________104
3.5.8 Conversão de reatâncias ________________________________ ____________________ 105
3.5.9 Proteção do gerador ________________________________ _______________________ 106
3.5.10 Regime de serviço ________________________________ ________________________ 106
3.5.10.1 Regimes Padronizados ................................ ................................ ............................. 106
3.5.11 Diagrama de carga ________________________________ ________________________ 108
3.5.12 Operação em paralelo de geradores ________________________________ ___________110
3.5.13 Cálculo da bobina de aterramento do ponto estrela de geradores ____________________ 113
3.6 CARACTERÍSTICAS CONSTRUTIVAS ................................ ............................ 114
3.6.1 Componentes Principais ________________________________ ____________________ 114
3.6.1.1 Estator da máquina principal ................................ ................................ ....................... 114
3.6.1.2 Rotor da máquina principal ................................ ................................ ......................... 114
3.6.1.3 Estator da excitatriz principal ................................ ................................ ...................... 114
3.6.1.4 Rotor da excitatriz principal e d iodos retificadores girantes ................................ .........114
3.6.1.5 Excitatriz auxiliar ................................ ................................ ................................ .......115
3.6.1.6 Enrolamento auxiliar (ou bobina auxiliar) ................................ ................................ ...115






WEG – Transformando Energia em Soluções
4
Módulo 4 – Geração de Energia
3.6.2 Placa de identificação________________________________ ______________________ 115
3.6.3 Normas________________________________ ________________________________ _116
3.6.4 Pintura - Geradores para aplicação geral ________________________________ _______116
3.6.5 Terminais de aterramento ________________________________ ___________________116
3.6.6 Forma construtiva ________________________________ ________________________ 116
3.6.7 Condições usuais de serviço ________________________________ ________________120
3.7 SELEÇÃO DE GERADORES ................................ ................................ .............. 121
3.7.1 Características necessárias para a correta seleção ________________________________ 121
3.7.2 Principais aplicações de geradores ________________________________ ____________121
3.7.2.1 Conversão de freqüência ................................ ................................ ............................. 122
3.7.2.2 Conversão de Corrente ................................ ................................ ................................ 123
3.7.2.3 NO-BREAK................................ ................................ ................................ ............... 124
3.7.2.4 Short-Break Diesel ................................ ................................ ................................ .....125
3.7.2.5 Geradores para CPD ................................ ................................ ................................ ...125
3.7.2.6 Geradores linha Industrial ................................ ................................ ........................... 126
3.7.2.7 Geradores para Telecomunicações (padrão TELEBRÁS) ................................ ............ 126
3.7.2.8 Geradores alimentando cargas deformantes ................................ ................................ .127
3.8 ENSAIOS ................................ ................................ ................................ ............... 128
3.8.1 ENSAIOS DE ROTINA ________________________________ ___________________128
3.8.2 ENSAIOS DE TIPO ________________________________ ______________________ 128
3.8.3 ENSAIOS ESPECIAIS ________________________________ ____________________ 128
3.9 COLETÂNEA DE FÓRMULAS ................................ ................................ ........... 129
4 CARACTERISTICAS E ESPECIFICAÇÕES DE TRANSFORMADORES DE
DISTRIBUIÇÃO E FORÇA ................................................................................130
4.1 INTRODUÇÃO................................ ................................ ................................ ...... 130
4.2 NOÇÕES FUNDAMENTAIS................................ ................................ ................ 131
4.2.1 Transformadores e suas aplicações ________________________________ ___________131
4.2.2 Tipos de Transformadores ________________________________ __________________132
4.2.2.1 Divisão dos Transformadores quanto à Fina lidade................................ ....................... 133
4.2.2.2 Divisão dos Transformadores quanto aos Enrolamentos ................................ .............. 133
4.2.2.3 Divisão dos Transformadores quanto aos Tipos Construtivos ................................ .......133
4.2.3 COMO FUNCIONA O TRANSFORMADOR ________________________________ __133
4.2.4 Sistemas Elétricos ________________________________ ________________________ 135
4.2.4.1 Sistemas de Corrente Alternada Monofásica ................................ ................................ 135
4.2.4.2 Sistemas de Corrente Alternada Trifásica ................................ ................................ ....136
4.2.5 POTÊNCIAS ________________________________ ____________________________ 142
4.2.5.1 Potência Ativa ou Útil ................................ ................................ ................................ 143
4.2.5.2 Potência Reativa ................................ ................................ ................................ .........143
4.2.6 Potência Aparente ________________________________ ________________________ 143
4.3 DEFINIÇÕES IMPORTANTES E NORMALIZAÇÃO................................ ...... 147
4.3.1 Potência Nominal ________________________________ _________________________ 147
4.3.1.1 Transformadores Trifásicos ................................ ................................ ........................ 147
4.3.1.2 Transformadores Monofásicos ................................ ................................ .................... 147
4.3.1.3 Potências nominais normalizadas ................................ ................................ ................ 147
4.3.2 TENSÕES ________________________________ ______________________________ 148
4.3.2.1 Definições ................................ ................................ ................................ .................. 148
4.3.2.2 Escolha da Tensão Nominal ................................ ................................ ........................ 149
4.3.3 Derivações ________________________________ ______________________________ 151
4.3.3.1 Definições ................................ ................................ ................................ .................. 151
4.3.4 Correntes ________________________________ _______________________________ 153
4.3.4.1 Corrente nominal ................................ ................................ ................................ ........ 153
4.3.4.2 Corrente de excitação ................................ ................................ ................................ .153






WEG – Transformando Energia em Soluções
5
Módulo 4 – Geração de Energia
4.3.4.3 Corrente de curto-circuito ................................ ................................ ........................... 154
4.3.4.4 Corrente de partida ou In rush ................................ ................................ ..................... 155
4.3.5 Frequência Nominal ________________________________ _______________________ 155
4.3.6 Nível de Isolamento ________________________________ _______________________ 155
4.3.7 Deslocamento angular ________________________________ _____________________156
4.3.8 Identificação dos Terminais ________________________________ _________________158
4.4 Características de Desempenho ................................ ................................ ............. 163
4.4.1 Perdas________________________________ ________________________________ __163
4.4.2 Rendimento ________________________________ _____________________________ 165
4.4.3 Regulação________________________________ _______________________________ 166
4.4.4 Capacidade de sobrecarga ________________________________ __________________167
4.5 CARACTERÍSTICAS DA INSTALAÇÃO ................................ .......................... 173
4.5.1 OPERAÇÃO EM CONDIÇÕES NORMAIS E ESPECIAIS DE FUNCIONAMENTO. __173
4.5.2 CONDIÇÕES NORMAIS DE TRANSPORTE E INSTALAÇÃO. __________________173
4.5.2.1 O transporte e a instalação devem estar de acordo com NBR 7036 ou a NBR 7037, a que
for aplicável. ................................ ................................ ................................ .................... 173
4.5.3 OPERAÇÃO EM PARALELO ________________________________ ______________175
4.5.3.1 DIAGRAMAS VETORIAIS COM MES MO DESLOCAMENTO ANGULAR ........... 175
4.5.3.2 RELAÇÕES DE TRANSFORMAÇÃO IDÊNTIC AS INCLUSIVE DERIVAÇÕES ...175
4.5.3.3 IMPEDÂNCIA................................ ................................ ................................ ........... 175
4.5.4 OPERAÇÃO EM PARALELO ________________________________ ______________178
4.6 SELEÇÃO DOS TRANSFORMADORES................................ ............................ 179
4.6.1 DETERMINAÇÃO DA POTÊNCIA DO TRANSFORMADOR ____________________ 179
4.6.2 FATOR DE DEMANDA (d) ________________________________ ________________179
4.6.2.1 DETERMINAÇÃO DA DEMANDA MÁXIMA DE UM GRUPO DE MOTORES ....179
4.6.2.2 DETERMINAÇÃO DA DEMANDA MÁX IMA DA INSTALAÇÃO......................... 181
4.6.3 CONSIDERAÇÕES SOBRE O USO DAS TABELAS ___________________________ 182
4.6.4 CRITÉRIOS DE ESCOLHA DOS TRANSFORMADORES COM BASE NO VALOR
OBTIDO NA DEMANDA. ________________________________ _________________182
4.6.4.1 EVENTUAIS AUMENTOS DA POTÊNCIA INSTALADA ................................ .......186
4.6.4.2 CONVENIÊNCIA DA SUBDIVISÃO EM MAIS UNIDADES ................................ ..186
4.6.4.3 POTÊNCIA NOMINAL NORMALIZADA ................................ ................................ 187
4.6.5 DADOS NECESSÁRIOS PARA IDENTIFICAÇÃO DE UM TRANSFORMADOR ____187
4.7 CARACTERÍSTICAS CONSTRUTIVAS ................................ ............................ 188
4.7.1.1 NÚCLEO ................................ ................................ ................................ ................... 188
4.7.1.2 ENROLAMENTO................................ ................................ ................................ ......189
4.7.1.3 DISPOSITIVOS DE PRENSAGEM, CALÇOS E ISOLAMENTO ............................. 190
4.7.1.4 COMUTADOR DE DERIVAÇÕES ................................ ................................ ........... 190
4.7.2 BUCHAS ________________________________ _______________________________ 191
4.7.3 TANQUE ________________________________ _______________________________ 194
4.7.3.1 SELADOS ................................ ................................ ................................ ................. 195
4.7.3.2 COM CONSERVADOR DE ÓLEO ................................ ................................ ........... 196
4.7.3.3 TRANSFORMADORES FLANGEADOS ................................ ................................ ..196
4.7.4 RADIADORES ________________________________ __________________________ 197
4.7.5 TRATAMENTO SUPERFICIAL E PINTURA ________________________________ _198
4.7.6 LÍQUIDO DE ISOLAÇÃO E REFRIGERAÇÃO ________________________________ 198
4.7.7 PLACAS DE IDENTIFICAÇÃO E DIAGRAMÁTICA ___________________________ 201
4.7.8 ACESSÓRIOS ________________________________ ___________________________ 203
4.7.8.1 RELÉ BUCHHOLZ (TRAFOSCÓPIO) ................................ ................................ ......204
4.7.8.2 TERMÔMETRO COM CONTATOS ................................ ................................ .........205
4.7.8.3 INDICADOR DE NÍVEL DE ÓLEO ................................ ................................ ..........207
4.7.8.4 IMAGEM TÉRMICA................................ ................................ ................................ .209
4.7.8.5 VÁLVULA DE ALÍVIO DE PRESSÃO................................ ................................ .....211
4.7.8.6 RELÉ DE PRESSÃO SÚBITA ................................ ................................ ................... 213






WEG – Transformando Energia em Soluções
6
Módulo 4 – Geração de Energia
4.8 ENSAIOS ................................ ................................ ................................ ............... 218
4.8.1 ENSAIOS DE ROTINA ________________________________ ___________________218
4.8.2 ENSAIOS DE TIPO ________________________________ ______________________ 219
4.8.3 ENSAIOS ESPECIAIS ________________________________ ____________________ 219
4.8.4 OBJETIVOS DA REALIZAÇÃO DE ALGUNS ENSA IOS DE ROTINA:____________219
4.8.4.1 RESISTÊNCIA ELÉTRICA DOS ENROLAMENTOS: ................................ .............. 219
4.8.4.2 RELAÇÃO DE TENSÕES: ................................ ................................ ........................ 220
4.8.4.3 RESISTÊNCIA DE ISOLAMENTO ................................ ................................ ........... 220
4.8.4.4 POLARIDADE ................................ ................................ ................................ ..........220
4.8.4.5 DESLOCAMENTO ANGULAR E SEQUÊNCIA DE FASES ................................ ....220
4.8.4.6 PERDAS EM VAZIO................................ ................................ ................................ .221
4.8.4.7 PERDAS EM CARGA ................................ ................................ ............................... 221
4.8.4.8 ENSAIOS DIELÉTRICOS ................................ ................................ ......................... 222
4.8.4.9 ESTANQUEIDADE ................................ ................................ ................................ ...223
4.8.5 OBJETIVO DA REALIZAÇÃO DE ALGUNS ENSAIOS DE TIPO E ESPECIAIS ____223
4.8.5.1 ELEVAÇÃO DE TEMPERATURA: ................................ ................................ ..........223
4.8.5.2 IMPULSO ATMOSFÉRICO: ................................ ................................ ..................... 223
4.8.5.3 NÍVEL DE RUÍDO ................................ ................................ ................................ ....224
4.8.5.4 CURTO-CIRCUITO ................................ ................................ ................................ ..224
4.8.5.5 FATOR DE POTÊNCIA DO ISOLAMENTO ................................ ............................ 224
4.8.5.6 TENSÃO DE RADIOINTERFERÊNCIA ................................ ................................ ...224
4.9 INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO................................ ................................ ...... 225
4.9.1 TRANSFORMADORES DE DISTRIBUIÇÃO ________________________________ _225
4.9.1.1 RECEBIMENTO................................ ................................ ................................ ........ 225
4.9.1.2 MANUSEIO ................................ ................................ ................................ .............. 225
4.9.1.3 ARMAZENAGEM................................ ................................ ................................ .....225
4.9.1.4 INSTALAÇÃO ................................ ................................ ................................ ..........226
4.9.1.5 MANUTENSÃO................................ ................................ ................................ ........ 226
4.9.1.6 INSPEÇÃO PERIÓDICA ................................ ................................ ........................... 226
4.9.1.7 REVISÃO COMPLETA................................ ................................ ............................. 227
4.9.2 TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA (FORÇA) _____________________________ 227
4.9.2.1 RECEBIMENTO................................ ................................ ................................ ........ 227
4.9.2.2 DESCARREGAMENTO E MANUSEIO................................ ................................ ....227
4.9.2.3 VERIFICAÇÕES E ENSAIOS DE RECEBIMENTO ................................ ................. 228
4.9.2.4 ARMAZENAMENTO................................ ................................ ................................ 228
4.9.2.5 INSTALAÇÃO ................................ ................................ ................................ ..........228
4.9.2.6 MONTAGEM DO TRANSFORMADOR ................................ ................................ ...229
4.9.2.7 CUIDADOS RECOMENDADOS DURANTE E APÓS A MONTAGEM ................... 229
4.9.3 ENSAIOS________________________________ _______________________________ 230
4.9.4 ENERGIZAÇÃO________________________________ _________________________ 231
4.9.5 MANUTENÇÃO ________________________________ _________________________ 231
4.10 Conforme Anexo ................................ ................................ ................................ .... 234
5 Quadros................................................................................................................236
5.1 Manobra e Proteção................................ ................................ ............................... 236
5.1.1 Aspectos Gerais ________________________________ __________________________ 236
5.1.1.1 Manobra ................................ ................................ ................................ ..................... 236
5.1.1.2 Proteção - Aspectos considerados ................................ ................................ ............... 236
5.1.1.3 Análise generalizada da proteção ................................ ................................ ................ 237
5.1.1.4 Características gerais dos equipamentos de proteção ................................ ................... 238
5.1.1.5 Características Funcionais do Releamento ................................ ................................ ...241
5.1.2 Aspectos específicos ________________________________ ______________________ 242
5.1.2.1 Equipament os de manobra ................................ ................................ .......................... 242
5.1.2.2 Proteção de motores ................................ ................................ ................................ ....244
5.1.2.3 Proteção de Geradores ................................ ................................ ................................ 244






WEG – Transformando Energia em Soluções
7
Módulo 4 – Geração de Energia
5.1.2.4 Proteção de transformadores ................................ ................................ ....................... 245
5.1.2.5 Proteção de barramentos ................................ ................................ ............................. 245
5.1.3 Coordenação ________________________________ ____________________________ 246
5.1.3.1 Proteção de linhas ................................ ................................ ................................ .......247
5.1.4 Princípios de coordenação ________________________________ __________________248
5.2 Diagramas elétricos ................................ ................................ ................................ 249
5.2.1 Diagrama Unifilar ________________________________ ________________________ 249
5.2.2 Diagrama Trifilar ________________________________ _________________________ 250
5.2.3 Diagrama Funcional ________________________________ _______________________ 251
5.2.4 Diagramas Construtivos ________________________________ ____________________ 252
5.2.4.1 Diagrama Sinóptico ................................ ................................ ................................ ....253
5.3 Consideração a respeito de quadros elétricos ................................ ....................... 254
5.3.1 Classificações ________________________________ ____________________________ 254
5.3.1.1 Quanto a função ................................ ................................ ................................ .........254
5.3.1.2 Quanto ao local de instalação ................................ ................................ ...................... 257
5.3.1.3 Quanto ao grau de proteção ................................ ................................ ......................... 257
5.3.1.4 Quanto ao tipo de construçã o................................ ................................ ...................... 258
5.3.2 Comportamento dos metais (estrutura e barramento) _____________________________ 258
5.3.3 Característi cas dos metais ________________________________ __________________258
5.3.3.1 Densidade ................................ ................................ ................................ .................. 258
5.3.3.2 Propriedades térmicas ................................ ................................ ................................ .259
5.3.3.3 Propriedades elétricas ................................ ................................ ................................ .259
5.3.3.4 Propriedades químicas ................................ ................................ ................................ 260
5.3.3.5 Propriedades Mecanicas ................................ ................................ .............................. 260
5.4 Graus de Proteção................................ ................................ ................................ .. 261
5.5 Condições Normais de Serviço................................ ................................ ............... 265
5.6 Considerações de Normalização ................................ ................................ ............ 267
5.6.1 Definições (Segundo IEEE C 37.20.2 - 1993) ________________________________ ___267
5.6.1.1 Painéis Metal Clad................................ ................................ ................................ ......267
5.6.1.2 Painéis Cubicle ................................ ................................ ................................ ........... 268
5.6.1.3 Painéis Interrupter ................................ ................................ ................................ ......268
5.6.1.4 Painéis Baixa Tensão ................................ ................................ ................................ ..269
6 Produção Independente de Energia Elétrica no Brasil ........................................270
6.1 Introdução................................ ................................ ................................ .............. 270
6.2 Ligação em Autoprodutores em paralelo com o sistema de distribuição ............. 272
6.2.1 Paralelismo________________________________ ______________________________ 272
6.2.1.1 Condições para o Paralelismo ................................ ................................ ..................... 273
6.2.1.2 Métodos para o Sincronismo ................................ ................................ ....................... 273
6.2.2 Proteção Contra Faltas ________________________________ _____________________274
6.2.2.1 Nomenclat ura para Relés (NBR 5175 - Maio 1988) ................................ .................... 274
6.2.3 Projeto Elétrico ________________________________ __________________________ 283
7 Dimensionamento de Fios e Cabos de Baixa Tensão...........................................284
7.1 Os Seis Critérios Técnicos de Dimensionamento de Condutores Elétricos .......... 284
7.2 Seção do Condutor Neutro................................ ................................ ..................... 285
7.3 O Condutor de Proteção ................................ ........................................................ 286
7.4 Cores dos Condutores Neutro e de Proteção ................................ ......................... 287
7.5 Tabelas ................................ ................................ ................................ ................... 288
7.5.1 Grupos Contendo Cabos de Dimensões Diferentes _______________________________ 299






WEG – Transformando Energia em Soluções
8
Módulo 4 – Geração de Energia
7.5.2 Correntes Máximas de Curto-Circuito ________________________________ _________310
7.5.3 Correntes Máximas de Curto-Circuito ________________________________ _________311
7.5.4 Correntes Máximas de Curto-Circuito ________________________________ _________312
7.5.5 Determinação da Integral de Joule (l
2
t) de Condutores Elétricos _____________________313


















































WEG – Transformando Energia em Soluções
9
Módulo 4 – Geração de Energia
1 INTRODUÇÃO

A eletricidade é a forma mais fácil de se transportar energia para a sua utilização nos
processos de manufatura. Ela surgiu como forma de substituir a energia da máquina a vapor,
pilastra mestra da atual revolução industrial.
Com o crescimento do setor industrial no Brasil a partir do inicio dos anos 90, o
aumento da demanda de energia elétrica superou a capacidade de crescimento do sistema de
geração das concessionárias de energia levando o governo a considerar possibilidade de
produção de energia elétrica por empresas do setor privado, com o objetivo de atrair
investimentos no setor e assim “desafogar” o sistema elétrico Brasileiro.
A economia e a produção de energia elétrica passaram a ser prioridade para o Ministério
das Minas e Energia e o DNAEE (hoje ANEEL), que através de campanhas informativas
incentivavam o uso racional de energia elétrica visando diminuir o desperdício e, através da
modificação da legislação regulamentar a geração e a cogeração de energia por grupos e
empresas privadas.





































WEG – Transformando Energia em Soluções
10
Módulo 4 – Geração de Energia
1.1 DEFINIÇÃO DE ENERGIA E POTÊNCIA
1.1.1 ENERGIA

Os físicos definem a palavra energia como a quantidade de trabalho que um sistema é
capaz de fornecer. Energia, de acordo com os físicos, não pode ser criada, consumida ou
destruída. No entanto a energia pode ser transformada ou transmitida de diferentes formas: a
energia cinética do movimento das moléculas de ar podem ser convertidas em energia cinética de
rotação pelo rotor de uma turbina eólica, que por sua vez pode ser convertida em energia elétrica
através de um gerador acoplado ao rotor da turbina.
Em cada processo de conversão de energia, parte da energia da fonte é dissipada em
forma de calor (energia térmica) em função do atrito entre as engrenagens, moléculas de ar e
esforços mecânicos da máquina conversora. A relação entre a energia que entra no sistema de
conversão e a energia que sai desse sistema chama-se rendimento.
Costuma-se medir a capacidade de produção de energia em quilowatt hora ou megawatt
hora durante um certo período de tempo. Note que a unidade de energia é quilowatt hora [kW.h],
e não apenas quilowatt [kW]. Confundir estas unidades é um erro bem comum.

Unidades de Energia

1 J [joule] = 1 [W.s] = 4.1868 [cal]
1 GJ [gigajoule] = 109 J
1 TJ [terajoule] = 1012 J
1 PJ [petajoule] = 1015 J
1 kWh [quilowatt hora] = 3,600,000 [joules]
1 toe [tonelada de óleo equivalente]
= 7.4 barris de óleo cru na máquina primária
= 7.8 barris no total de consumo final
= 1270 m
3
de gás natural
1 Mtoe [milhão de toneladas de óleo equivalente] = 41.868 PJ

1.1.2 POTÊNCIA

A potência elétrica é normalmente medida em watt [W], quilowatt [kW], megawatt
[MW], etc. Ou seja, potência é a quantidade de energia transferida por unidade de tempo. A
potência pode ser medida em qualquer instante de tempo, enquanto a energia precisa ser medida
em um intervalo de tempo, como um segundo, uma hora, um ano, etc. Por exemplo, se uma
turbina ou gerador possuem uma potência nominal de 600 quilowatts [kW], significa que aquela
turbina pode produzir 600 quilowatts hora [kW.h] de energia por hora de operação, trabalhando
no ponto máximo de eficiência.
Dizer, por exemplo, que um país como a Dinamarca possui 1.000MW de potência
eólica instalada, não quer dizer quanta energia as turbinas produzem. As turbinas eólicas
funcionam cerca de 75% das horas do ano, mas funciona com capacidade máxima apenas
durante um numero limitado de horas no ano.
Para calcular a quantidade de energia produzida por uma turbina eólica é necessário
conhecer a distribuição da velocidade do vento por cada turbina. No caso acima citado, as






WEG – Transformando Energia em Soluções
11
Módulo 4 – Geração de Energia
turbinas retornam, na média, 2.300 horas de funcionamento a plena carga por ano. Para calcular
a energia total produzida multiplica-se os 1.000MW de potência instalada pelas 2.300 horas de
funcionamento a plena carga, que é igual a 2.300.000 [MWh] ou 2,3 [TW.h] de energia.
Em outras áreas, tais como a Escócia, ou o oeste da Irlanda, encontramos turbinas
que trabalham, na média, 3.000 horas a plena carga, e até mais. No entanto na Alemanha não são
encontradas turbinas que trabalham mais que 2.000 horas por ano a plena carga.
A potência dos motores de automóveis são geralmente medidas em cavalos e não em
kW. A unidade “cavalo vapor” da uma idéia intuitiva de quanto “músculo” o gerador ou motor
possui, enquanto a energia da uma idéia de quanto um motor ou gerador “trabalhou” durante um
período de tempo.

Unidades de potência.

1 kW = 1.359 CV




































WEG – Transformando Energia em Soluções
12
Módulo 4 – Geração de Energia
1.2 O QUE É GERAÇÃO E COGERAÇÃO?
1.2.1 GERAÇÃO

A geração de energia elétrica é a transformação de qualquer tipo de energia em energia
elétrica. Esse processo ocorre em duas etapas. Na 1
a
etapa uma máquina primária transforma
qualquer tipo de energia, normalmente hidráulica ou térmica, em energia cinética de rotação. Em
uma 2
a
etapa um gerador elétrico acoplado à máquina primária transforma a energia cinética de
rotação em energia elétrica.
Como exemplo podemos tomar uma hidroelétrica onde uma turbina hidráulica
transforma a energia potencial da água em desnível, em energia cinética de rotação que é
transferida a um eixo acoplado a um gerador, tal como mostrado na figura 1.

1.2.2 COGERAÇÃO

De acordo com a ANEEL (Agencia Nacional de Energia Elétrica), “Cogeração de
energia é definida como o processo de produção combinada de calor e energia elétrica (ou
mecânica), a partir de um mesmo combustível, capaz de produzir benefícios sociais, econômicos
e ambientais. A atividade de cogeração contribui efetivamente para a racionalização energética,
uma vez que possibilita maior produção de energia elétrica e térmica a partir da mesma
quantidade de combustível.”
Diferentemente da geração, na cogeração a energia térmica, ou outro tipo de energia, é
utilizado diretamente nos processos de manufatura, tais como fornos, caldeiras, entre outros. A
cogeração é o reaproveitamento dos “resíduos” de energia dessas fontes para a geração de
energia elétrica diminuindo, assim, as perdas e, conseqüentemente, aumentando o rendimento e
o aproveitamento das fontes de energia.






WEG – Transformando Energia em Soluções
13
Módulo 4 – Geração de Energia

Figura 1 – Central hidráulica em circuito aberto a céu aberto, Rio Paraná, Itapu, Brasil.
1- Barragem, 2- grades, 3- tomada de águas, 4- conduto forçado, 5- turbina, 6- alternador, 7- casa
de máquinas, 8- pórtico-ponte, 9- sistema de descarga 10- transformadores, 11- sistema de
transmissão.

A cogeração é a forma mais eficiente de gerar calor e energia elétrica a partir de uma
mesma fonte de energia. Comparando a utilização de combustível fóssil com a quantidade de
calor que é normalmente gasta no processo de geração de energia, a cogeração alcança níveis de
eficiência 3 vezes maior, podendo chegar a 4 vezes, do que no processo convencional de
geração. No entanto a cogeração passou a ser utilizada a muito pouco tempo. No meio da década
de 80, com o preço do gás natural relativamente baixo, a cogeração tornou-se uma alternativa
atrativa como uma nova forma de geração de energia elétrica. De fato, a cogeração é um dos
maiores responsáveis pela grande diminuição da construção de usinas hidrelétricas e
termonucleares ocorrida na década de 80. Hoje a cogeração corresponde a mais da metade da
capacidade das novas usinas instaladas na América do Norte na ultima década.
Os equipamentos de cogeração podem utilizar outros combustíveis além do gás natural.
Existem instalações em operação que utilizam madeira, bagaço de cana-de-açúcar, e outros
combustíveis dependendo do local e disponibilidade.
As implicações ambientais da cogeração são bem menores quando comparadas às do
processo convencional de geração, não apenas pela sua inerente eficiência, mas também pelo seu
caráter descentralizador. Isto se deve ao fato de ser impraticável o transporte de calor (energia
térmica) a grandes distâncias, e os equipamentos de cogeração são localizados fisicamente
próximos aos processos que utilizam calor. Desta forma a energia elétrica tende a ser gerada






WEG – Transformando Energia em Soluções
14
Módulo 4 – Geração de Energia
próxima aos centros consumidores, reduzindo as perdas pela transmissão e a necessidade de
equipamentos para a distribuição. Um número significativo de conseqüências positivas para o
meio ambiente decorrem deste fato. As plantas de cogeração tendem a ser pequenas por isso
podem pertencer e serem operadas por companhias menores e afastadas de um centro industrial.
Como regra geral, elas também são construídas próximas a áreas populacionais, o que significa
que devem ser mantidas no mais alto padrão ambiental. Como por exemplo, na Europa e ,cada
vez mais, na América do Norte, a cogeração é o coração do sistema de calefação da cidade.
Calefação distrital e cogeração combinados podem reduzir as emissões de gases poluentes mais
do que qualquer outra tecnologia.

Figura 2 – Esquema geral de cogeração em uma industria

Para entender cogeração, é necessário saber que a forma mais convencional de se gerar
energia é baseada na queima de um combustível para produzir vapor. É a pressão do vapor que
gira a turbina e gera energia, em um processo inerentemente ineficiente. Por causa de um
principio básico da física, pouco mais que um terço da energia liberada pela queima do
combustível pode ser convertida em pressão de vapor para gerar energia elétrica. A cogeração,
no entanto, utiliza esse excesso de calor, normalmente na forma de vapor, a uma temperatura
relativamente baixa, liberada pelas turbinas. Esse vapor é utilizado em uma gama de aplicações
das mais variadas, e efetivamente diminui a combustão de combustíveis a base de carbono,
juntamente com todas as implicações ambientais que a queima desses combustíveis possui.
Além da cogeração, há um grande número de tecnologias que fazem uso do vapor
liberado pelas turbinas a baixas temperatura e pressão. Essas tecnologias são conhecidas como
sistemas de “ciclo combinado”. Elas são mais eficientes que a geração convencional de energia,
mas não tão eficiente quanto a cogeração.











WEG – Transformando Energia em Soluções
15
Módulo 4 – Geração de Energia
1.3 O SISTEMA DE GERAÇÃO

O sistema de geração é formado pelos seguintes componentes: Máquina primária,
geradores, transformador e sistema de controle, comando e proteção.

1.3.1 MÁQUINA PRIMÁRIA

É a maquina primária que faz a transformação de qualquer tipo de energia em energia
cinética de rotação para ser aproveitada pelo gerador. Por exemplo, a máquina que transforma a
energia liberada pela combustão do gás em energia cinética é a turbina a gás.
As principais máquinas primárias utilizadas hoje são motores Diesel, turbinas
hidráulicas, turbinas a vapor, turbinas a gás e eólicas. Normalmente as centrais elétricas onde as
máquinas primárias são turbinas a vapor, as centrais são classificadas em relação ao combustível
utilizado para aquecer o vapor. Onde ocorre o processo de combustão as centrais são chamadas
de termelétricas e onde ocorre o processo de fissão nuclear são chamadas de termonucleares.

1.3.2 GERADORES

São os geradores que transformam a energia cinética de rotação das máquinas primárias
em energia elétrica.
Os geradores são dimensionados de acordo com a potência que a máquina primária
pode fornecer. Além da potência, o tipo de máquina primária ( eólica, hídrica, térmica, etc...)
define também a velocidade de rotação que irá ser transmitida ao gerador e, em função dessa
velocidade é definido o número de pólos do gerador. O funcionamento, especificação e detalhes
do projeto serão estudados mais profundamente no capitulo 3.

1.3.3 TRANSFORMADORES

Uma vez gerada a energia elétrica, existe a necessidade de se compatibilizar o nível da
tensão de saída com a tensão do sistema ao qual o grupo gerador será ligado. O equipamento
utilizado para elevar ou rebaixar o nível de tensão é o transformador. Desta forma um grupo
gerador que gera energia a uma tensão de 13.8 kV pode ser ligado a uma linha de transmissão de
69kV desde que um transformador de 13,8/69 kV faça o ajuste da tensão. O funcionamento dos
transformadores será estudado com mais detalhes no capitulo 5.

1.3.4 CONTROLE, COMANDO E PROTEÇÃO

Para interligar um grupo gerador a uma rede de transmissão ou distribuição são
necessários vários requisitos. Em primeiro lugar, a tensão de saída do gerador não pode variar
mais que 10% para cima ou para baixo. O controle da tensão é feito através da excitatriz do
próprio gerador e será estudada no capitulo 3. No entanto, não basta apenas compatibilizar a
tensão. É necessário que se faça o sincronismo com a rede antes de comandar o fechamento da
linha. Para que estas medidas sejam tomadas, são necessários vários equipamentos de manobra e






WEG – Transformando Energia em Soluções
16
Módulo 4 – Geração de Energia
proteção, tais como TC’s, TP’s, relés e disjuntores. O quadro de comando e proteção reúne todos
estes equipamentos, e permite ao operador supervisionar o funcionamento do sistema e atuar
imediatamente caso se faça necessário.
A freqüência do sistema elétrico é a variável mais importante e a mais difícil de ser
controlada. Para que o sistema de geração funcione corretamente, é necessário que a freqüência
de tensão de saída do gerador seja constante e de acordo com o sistema elétrico da região em que
se encontra. Por exemplo, no Brasil a freqüência de operação do sistema elétrico é de 60 Hz, e o
sistema de geração de energia elétrica do Paraguai é de 50 Hz. Esta freqüência é função da
rotação do gerador, portanto o gerador deve funcionar sempre em uma rotação fixa, que é
aplicada pela máquina primária. Portanto ela depende da velocidade de rotação da máquina
primária. Cabe ao sistema de controle atuar nos reguladores de velocidade das máquinas
primárias e assim garantir uma freqüência fixa da tensão na saída do gerador.
A potência elétrica de saída do gerador é diretamente proporcional a potência mecânica
transmitida pela máquina primária através do eixo. Sabemos que a potência mecânica na ponta
do eixo de uma máquina girante é diretamente proporcional ao produto da velocidade de rotação
e o torque na ponta de eixo:
n C k P ⋅ ⋅ ·
onde k é uma constante de proporcionalidade.

Portanto, se o gerador precisar entregar mais potência para o sistema devido a um
aumento súbito de carga, a máquina primária precisa aumentar o torque transferido ao gerador,
uma vez que a rotação deve-se manter constante.
Algumas das principais diferenças entre os turbogeradores e os hidrogeradores é a
velocidade de rotação e o momento de inércia da parte girante. Nos hidrogeradores a velocidade
de rotação é normalmente bem mais baixa e o momento de inércia bem maior do que nos
turbogeradores, uma das conseqüências desta diferença é a de que os turbogeradores necessitam
de sistemas de controle de corrente de campo e controle da velocidade de rotação da máquina
primária mais confiáveis e mais rápidos do que os hidrogeradores, pois uma perturbação na carga
requer uma adaptação rápida e precisa do sistema de geração.
























WEG – Transformando Energia em Soluções
17
Módulo 4 – Geração de Energia
2 MÁQUINAS PRIMÁRIAS
2.1 HIDRÁULICAS

Toda eletricidade é proveniente de uma fonte de energia encontrada na natureza, como
os combustíveis fósseis, os ventos, entre outros. Nas hidrelétricas este princípio não é diferente.
A fonte de energia é a energia potencial de um volume de água, em função da diferença de
altitude entre o montante e a juzante.
Para iniciar o processo de conversão da energia potencial da água em energia elétrica, a
água dos reservatórios é captada, através de um sistema de adução onde a água é transportada
através de condutos de baixa pressão. Os condutos de baixa pressão possuem uma declividade
muito baixa, pois a sua finalidade é apenas o transporte da água até a entrada dos condutos
forçados, que conduzem a água até a casa de máquinas onde se encontram as turbinas.


Figura 2.1.1 – Exemplo de turbinas em barragens

A turbina hidráulica é uma máquina com a finalidade de transformar a energia cinética
do escoamento contínuo da água que a atravessa em trabalho mecânico. Para isso elas são
equipadas com uma série de pás (ou conchas, no caso das turbinas Pelton). Quando a água
atravessa essas pás, as turbinas giram com uma grande força. A força com que gira essa turbina
depende inicialmente da altura da queda de água, que corresponde, aproximadamente, a
diferença de altitude entre a adução e a entrada da turbina.
Existem várias formas de conseguir um desnível aproveitável: Por represamento, onde
uma barragem acumula as águas dos rios em alturas necessárias para obtenção dessa energia.
Neste caso as casas de máquinas são localizadas nos pés das barragens. Por Desvio, onde uma
parte do rio é desviada de seu curso normal para aproveitar-se um desnível de terreno. Ou por






WEG – Transformando Energia em Soluções
18
Módulo 4 – Geração de Energia
derivação, onde parte da água de um rio é desviada e jogada em outro rio aproveitando-se o
desnível entre os dois rios. Nestes últimos as casas de máquinas são localizadas o mais próximo
possível da jusante dos desníveis.

Figura 2.1.2 – Corte longitudinal em uma turbina tipo francis, eixo vertical. 1- rotor, 2- pá,
3- labirinto interno, 4- labirinto externo, 5- Orifícios de equilíbrio de pressão, 6- tubo de
equilíbrio de pressão, 7- palheta diretriz, 8- tampa, 9- caixa espiral, 10- palheta fixa, 11- tubo de
sucção, 12- eixo, 13- flange de acoplamento, 14- servomotor das aletas ajustáveis.

Basicamente existem 2 tipos de turbinas hídricas: as turbinas de reação ou propulsão, e
turbinas de ação ou impulso.






WEG – Transformando Energia em Soluções
19
Módulo 4 – Geração de Energia

Figura 2.1.3 - Corte longitudinal em uma turbina tipo hélice, kaplan, de eixo vertical. 1- rotor,
2- pá, 3- palheta diretriz, 4- tampa intermediaria, 5- tampa externa, 6- tampa interna, 7- anel
periférico, 8- caixa, 9- palheta fixa, 10- tubo de sucção, 11- eixo, 12- flange de acoplamento.


a) Turbinas de Reação (ou propulsão): São turbinas em que o trabalho mecânico é
obtido pela transformação das energias cinéticas e de pressão da água em
escoamento através do rotor. As turbinas de reação são as do tipo Francis e
Kaplan.

b) Turbinas de Ação (ou impulso): Aquela em que o trabalho mecânico é obtido
pela obtenção da energia cinética da água em escoamento através do rotor. As
turbinas de ação são as do tipo Pelton.






WEG – Transformando Energia em Soluções
20
Módulo 4 – Geração de Energia

Figura 2.1.4 – Corte transversal em uma turbina pelton de dois injetores, de eixo horizontal e
coroa em uma única peça. 1- rotor, 2- pá, 3- coroa de pás, 4- tampa, 5- desviador frontal,
6- poço, 7- blindagem, 8- canal de fuga, 9-eixo de turbina, 10- injetor, 11- freio de jato,
12- agulha, 13- cruzeta pelton, 14- defletor.

A turbina hidráulica utiliza a energia cinética de rotação de seu rotor para girar o
gerador ao qual está conectado. Um dispositivo elétrico chamado transformador converte a
tensão de saída do gerador em tensões aproveitáveis pelas concessionárias.
Estima-se que o Brasil tenha um potencial de geração de energia hidrelétrica da ordem
de 200.000MW, capaz de fornecer 1 milhão de GWh de eletricidade anualmente, dos quais
somente 25% estão sendo utilizados.
A capacidade nominal instalada de geração de energia elétrica no Brasil é de
57.232MW, dos quais 92% são derivados de hidrelétricas. A ELETROBRÁS participa com
27.052MW da capacidade nominal instalada. Em 1996, o sistema teve energia disponível da
ordem de 311.379GWh, para um consumo de 260.908GWh, empregava 157.063 trabalhadores e
tinha aproximadamente 39,8 milhões de consumidores.
O Brasil, juntamente com o Paraguai, possui uma das maiores usinas hidrelétricas do
mundo, a Itaipú Binacional, com capacidade instalada de 12.600MW, localizada no rio Paraná,
fronteira dos dois países.













WEG – Transformando Energia em Soluções
21
Módulo 4 – Geração de Energia
2.2 DIESEL

O motor Diesel é uma maquina térmica, ou seja, transforma energia térmica em energia
mecânica através do mesmo principio de funcionamento dos motores a explosão, como os
conhecidos motores de automóveis. Esses motores são chamados de máquinas térmicas a pistão
ou motores de combustão interna. Seu objetivo é a obtenção de trabalho através da liberação da
energia química do combustível.

Figura 2.2.1 – Grupo gerador com motor Diesel 1- Máquina térmica motora, motor Diesel.
2- Máquina elétrica geradora. 3- Árvore, através da qual o motor Diesel fornece a potência para
o gerador. 4- Saída dos produtos da combustão. 5 - Entrada ou saída do fluido refrigerante.

A figura 2.2.1 mostra um grupo gerador onde um motor Diesel é a máquina térmica
motora que está acoplada a um alternador, máquina elétrica geradora ou operadora. Observa-se
que o motor Diesel fornece na árvore um trabalho em uma unidade de tempo, potência,
entregando ao meio externo, através de seus sistemas de refrigeração e nos produtos de
combustão, calor. Tal potência e calores são resultado da liberação de uma energia química
liberada através de reações exotérmicas entre um combustível, no caso o óleo Diesel, e um
comburente, no caso o oxigênio do ar.
Os motores a pistão de combustão interna podem ser classificadas de várias maneiras,
entre as quais algumas merecem destaque:

• Quanto ás propriedades do gás na fase de compressão: motores Otto e motores
Diesel;
• Quanto ao ciclo de trabalho: Motores de 2 e 4 tempos. Nos motores de 2 tempos
ocorre um processo de trabalho a cada giro da árvore, e no motor 4 tempos são
necessários 2 giros para completar um ciclo do processo;
• Quanto ao movimento do pistão: motores a pistão rotativos ou alternativos;
• Quanto ao número de cilindros.






WEG – Transformando Energia em Soluções
22
Módulo 4 – Geração de Energia

Figura 2.2.2 – Corte no cabeçote de um motor de combustão interna PM1- Ponto morto
superior. PM2- Ponto morto inferior. 1- Cilindro. 2- Pistão ou êmbolo. 3- Vela. 4- Válvulas.

• Quanto a disposição dos cilindros: motores a pistão com cilindros em linha, V. L,
H, W, em estrela e com cilindros opostos.

Os motores a pistão de combustão interna mais utilizados em grupos geradores são os
motores Diesel. Diferentemente do motores Otto, em que a mistura combustível e comburente é
preparada fora do motor pelo carburador e injetada no cilindro, nos motores Diesel o ar é
admitido no cilindro, comprimido, e o combustível é injetado na massa de ar comprimido através
de um circuito independente ocasionando assim a inflamação espontânea.
O ciclo de funcionamento de um motor Diesel é a 4 tempos onde a combustão ocorre
com pequena variação de pressão a volume constante sendo sua maior parte desenvolvida a
pressão constante. Tal fato é uma característica única nos motores a diesel.
No caso dos motores diesel, a regulação de velocidade é feita a partir da injeção de
combustível no motor, tal como é feita nos motores diesel convencionais. Esta regulação de
velocidade é fundamental para que a freqüência do grupo gerador seja constante, em 60 ou 50 Hz
dependendo do sistema, independentemente da variação da carga.
As centrais Diesel, apesar de sua limitação de potência, ruído e vibração, constituem um
tipo de central muito utilizado até potências de 40 MW. Isto porque são bastante compactas,
entram em carga em um tempo muito pequeno, são de fácil operação e apresentam um plano de
manutenção de fácil execução, entre outros motivos.






WEG – Transformando Energia em Soluções
23
Módulo 4 – Geração de Energia

Figura 2.2.3 – Ciclo de trabalhe de motor Diesel a 4 tempos.
PM1 e PM2 – Pontos mortos superior e inferior. VA – Válvula de admissão. VE – Válvula de
escape. D – diâmetro do pistão. E – curso. R – Raio da árvore de manivelas. Vm – volume
morto. Vc – Volume da cilindrada. I – Pistão ou êmbolo. II – Biela. III – Árvore de manivelas.
IV – Camisa. V – Cavernas, para refrigeração. VI – Injetor. Estado 2 – Início da injeção.
Estado 3 – final da combustão.
1
o
tempo, 0-1, admissão
2
o
tempo, 1-2, compressão
3
o
tempo, 2-3-4, injeção, combustão e expansão
4
o
tempo, 4-0, escape.






WEG – Transformando Energia em Soluções
24
Módulo 4 – Geração de Energia
2.3 TERMELÉTRICAS

As máquinas a vapor foram as primeiras máquinas a produzirem energia mecânica
aproveitável para processos industriais. Por isto essas máquinas foram fundamentais para o
acontecimento da revolução industrial. Com o aparecimento da eletricidade, as máquinas a vapor
se tornaram peças fundamentais para a geração de energia elétrica, uma vez que já existia o
domínio dessa tecnologia.
As instalações de potência com turbinas a vapor podem visar apenas a obtenção de
energia elétrica ou mecânica ou simultaneamente elétrica ou mecânica e vapor para o processo.
Essas centrais podem trabalhar em circuito aberto ou fechado, sendo o circuito aberto muito
utilizado quando se pretende utilizar calor para o processo.

Figura 2.3.1 – Funcionamento de uma instalação de potência a vapor.

O aquecimento da água é feito através da queima de algum combustível. De um modo
geral denomina-se combustível, qualquer corpo cuja combinação química com outro seja
exotérmica. Entretanto, condições de baixo preço, existência na natureza ou processo de
fabricação em grande quantidade limitam o número de combustíveis usados tecnicamente. Tendo
em vista seu estado físico, os combustíveis podem ser classificados em sólidos, líquidos ou
gasosos. Os combustíveis sólidos são formados de C, H
2
, O
2
, S, H
2
O e cinzas. Sendo
combustíveis apenas os 4 primeiros elementos. Entre os combustíveis sólidos temos os minerais






WEG – Transformando Energia em Soluções
25
Módulo 4 – Geração de Energia
como turfas linhitos e carvão, e os não-minerais como lenha, serragem, bagaço de cana, de pinho
etc. Os combustíveis líquidos também podem ser minerais ou não minerais. Os minerais são
obtidos pela refinação do petróleo, destilação do xisto betuminoso ou hidrogenação do carvão.
Os mais usados são a gasolina, o óleo diesel e o óleo combustível. Os combustíveis líquidos não-
minerais são os álcoois e os óleos vegetais. Os combustíveis gasosos são divididos em naturais e
artificiais. Entre os naturais destacam-se o gás dos pântanos CH
4
e os gases de petróleo. Entre os
artificiais temos o gasogênio, gás de alto-forno e gás de esgoto.
Basicamente, uma instalação a vapor é composta de bomba, caldeira, turbina e
condensador. Tendo em vista a pressão na saída da turbina, temos as instalações a vapor de
condensação e de contrapressão. Nas primeiras, a pressão do vapor na saída da turbina é menor
que a atmosférica, nas segundas maior.
A combustão ocorre na caldeira, dentro da câmara de combustão onde são injetados o
combustível e o comburente (ar). Após a combustão são retirados, como produto do processo,
gases e cinzas constituídos de produtos não queimados. A liberação de energia térmica devido ao
processo de combustão aquece a água na caldeira até evaporar. Uma vez na tubulação um
superaquecedor eleva a temperatura do vapor aumentando assim a pressão para entrar na turbina.
Ao passar pela turbina o vapor perde pressão e vai para o condensador onde volta ao estado
líquido e é bombeado de volta para a caldeira.
A turbina é a máquina que transforma a energia da pressão do vapor em energia cinética
de rotação e, através de um eixo de acoplamento, transmite essa energia para o gerador.
































WEG – Transformando Energia em Soluções
26
Módulo 4 – Geração de Energia
2.4 TERMONUCLEARES

A usinas termonucleares funcionam utilizando o mesmo princípio de funcionamento das
usinas térmicas, ou seja, as máquinas que entregam energia para o gerador são as turbinas a
vapor (ver figura 2.4.1). O que torna essas usinas especiais é o combustível utilizado. Ao invés
de uma reação química de combustão, o que acontece é uma liberação de energia a nível
atômico.

Figura 2.4.1 – Funcionamento de uma usina nuclear

O núcleo do átomo foi descoberto em 1911 por Rutherford ao analisar as partículas
liberadas pelos átomos, mas somente após a descoberta do nêutron por Chadwick e as reações
feitas pelo casal Joliot-Curie em 1932 é que o núcleo começou a adquirir a sua real importância.
O tamanho do núcleo é muito pequeno. Ele ocupa o centro do átomo, e a carga total
positiva, bem como quase toda a massa do átomo está no núcleo. Ele é formado basicamente por
prótons e nêutrons. Os prótons possuem uma carga positiva numericamente igual a carga do
elétron (1.602 x 10
-19
C). Os nêutrons são eletricamente neutros. As partículas do núcleo são
chamadas de nucleons. As forças que mantém as partículas do núcleo unidas entre si são
provenientes da repulsão eletrostática entre os prótons e de forças pequenas da natureza que
aparecem dentro do núcleo que são chamadas de forças nucleares.
A energia acumulada por essas forças nucleares são chamadas de energia de coesão e é
calculada pela equação de Einstein: E=MC
2
.






WEG – Transformando Energia em Soluções
27
Módulo 4 – Geração de Energia
Ao se determinar a massa do núcleo, descobrimos que ela é menor que a soma das
massas dos seus componentes. A diferença entre as duas é chamada de erro de massa (∆m) e a
energia de coesão fica E=∆m.C
2

Uma parte da massa do núcleo é transformada em energia de coesão para manter as
partículas do núcleo unidas. Essa energia é liberada durante a reação nuclear. Dividindo a
energia de coesão pelo número de componentes do núcleo obtemos a energia média do núcleo,
um valor que indica a estabilidade do núcleo. Se o valor da energia de coesão média é alto, então
este núcleo é estável. Se esse valor é baixo, então ele é instável e tende a emitir alguns de seus
componentes para tornar-se mais estável. Neste caso o núcleo é radioativo.
O elemento natural mais pesado que se encontra na Natureza é o urânio . A maior part e
dele constitui-se de átomos estáveis , dotados de 92 prótons e 146 nêutrons . A soma dessas
quantidades determina o número atômico 238 . Aproximadamente 1 % do urânio , porém , é
constituído de átomos com apenas 143 nêutrons , o que resulta no número atômico 235 : estes
são instáveis .
Os termos energia atômica e energia nuclear são sinônimos e definem o mesmo
conceito. A razão para esse nome duplo é histórica.
A fissão nuclear é a reação na qual um núcleo pesado, quando bombardeado por
nêutrons, dividem-se em dois núcleos, um com aproximadamente metade da massa do outro.
Esta reação libera uma grande quantidade de energia e emite dois ou três nêutrons. Estes por sua
vez podem causar outras fissões interagindo com outros núcleos que vão emitir novos nêutrons, e
assim por diante, proporcionando uma liberação de energia em progressão geométrica. Este
efeito é conhecido como reação em cadeia. Em uma fração de segundos o numero de núcleos que
foram divididos liberam 106 vezes mais energia do que a obtida na explosão de um bloco de
dinamite de mesma massa. Em vista da velocidade com que a reação nuclear ocorre, a energia é
liberada muito mais rapidamente do que em uma reação química. Este é o princípio no qual a
bomba nuclear é baseado. As condições sob as quais a bomba atômica foi descoberta e
construída fazem parte da historia da humanidade e é familiar a todo mundo.
Se, por outro lado, apenas um desses nêutrons liberados produzir apenas uma fissão, o
numero de fissões por segundo passa a ser constante e a reação é controlada. Este é o principio
de operação no qual os reatores nucleares são baseados, os quais são fontes controláveis de
energia proveniente de fissões nucleares.
A maioria dos reatores usa como combustível o urânio enriquecido, em que a
porcentagem de U-235 é elevada de 1 para 3. O urânio, normalmente em forma de óxido,
encontra-se acondicionado no interior de longas hastes. Estas são arranjadas paralelamente,
formando elementos cilíndricos. Inicia-se a reação em cadeia bombardeando com nêutrons esses
elementos de combustível. Ao se fissionarem, os núcleos de U-235 liberam nêutrons animados
de alta energia para que estes possam ser usados na fissão de novos núcleos, sua velocidade de
deslocamento precisa ser reduzida.
Nesse momento, entra em cena um moderador, substância que envolve os elementos de
combustível no núcleo do reator. Os moderador mais comuns são a água pesada e o grafite.
Regula-se a taxa com que se dá a reação em cadeia por meio de hastes de controle, que
podem ser introduzidas entre tubos de combustível. As hastes são feitas de materiais capazes de
absorver nêutrons: quanto mais nêutrons forem absorvidos, menos núcleos experimentam a
fissão e menor a energia produzida. O calor gerado na reação nuclear é absorvido no circuito de
refrigeração. Na ausência deste, o núcleo do reator aqueceria de tal forma que acabaria por
derreter.






WEG – Transformando Energia em Soluções
28
Módulo 4 – Geração de Energia
Há dois tipos básicos de reatores nucleares modernos. O primeiro deles emprega grafite
como moderador e um gás no circuito de refrigeração. O segundo utiliza água pesada como
moderador e água comum pressurizada como refrigerante. A água é mantida sob uma pressão tão
alta que, mesmo em temperaturas na faixa de 300 graus centígrados, mantém seu estado liquido.

Figura 2.4.2 – Partes componentes de uma usina nuclear

Em ambos os tipos de reator, o fluido refrigerante passa através de um trocador de calor
que contém água comum com o intuito de se transformar em vapor. Este vapor é usado para
mover uma turbina, que por sua vez gera eletricidade.
Depois de alguns anos o U-235 presente no urânio esgota-se. As hastes que contém o
combustível são então retiradas e em seguida enviadas a uma usina de reprocessamento, onde se
realiza a separação de componentes aproveitáveis. Os principais são o próprio urânio e o
plutônio, bastante utilizado na confecção de artefatos nucleares.
O plutônio é formado nos reatores pela absorção de nêutrons pelos núcleos de U-238.
Um novo tipo de reator, chamado de enriquecimento rápido, produz quantidades bem mais
elevadas de plutônio.
Para que possam funcionar, esses reatores de enriquecimento rápido exigem a
disponibilidade de uma enorme quantidade de nêutrons, uma vez que grande parcela deles é
absorvida pelos núcleos de U-238.
Como deve restar um fluxo de nêutrons suficiente para manter a reação em cadeia do U-
235, os reatores de enriquecimento rápido trabalham apenas com nêutrons rápidos. Em outras
palavras, não contam com um moderador. Em compensação, exigem que o circuito de
refrigeração seja preenchido por uma substância capaz de absorver as altas quantidades de calor
resultantes - por exemplo sódio liqüefeito.
Além de alimentar a indústria de armamentos nucleares, o plutônio produzido nos
reatores é armazenado, para uso no futuro em reatores que o utilizem como combustível .
Em muitos países a utilização da energia nuclear é tão grande que ultrapassa 60% de
toda a energia gerada. A tabela a seguir mostra o quanto alguns países produzem de energia
nuclear em relação ao total de energia gerada.







WEG – Transformando Energia em Soluções
29
Módulo 4 – Geração de Energia
País Eletricidade de origem nuclear
França 70%
Bélgica 67%
Suécia 50%
Suíça 39%
Alemanha 30%
Espanha 29%
Japão 25%
Tabela 2.1 – Percentual de eletricidade de origem nuclear









































WEG – Transformando Energia em Soluções
30
Módulo 4 – Geração de Energia
2.5 TURBINA A GÁS

As primeiras turbinas a gás foram idealizadas a mais de 150 anos. No entanto o
desenvolvimento e a implementação dessa tecnologia foi dificultada por uma série de motivos.
Destacamos entre eles:

• A máquina a vapor era o grande avanço da engenharia na época, e todo o
desenvolvimento industrial estava fundamentado neste tipo de máquina. Portanto,
para que houvesse concorrência, um novo tipo de máquina teria que possuir níveis
de rendimento muito altos, o que só era possível a temperaturas próximas de 500
o
C.
Essas temperaturas só foram alcançadas nos últimos 50 anos com o avanço da
metalurgia que passou a fornecer materiais que suportassem esses níveis de
temperatura por longos períodos de tempo.
• Em função do número excessivo de estágios do turbocompressor, a potência para
instalações estacionárias era limitada. Apesar dos avanços consideráveis na
resolução deste problema, ele ainda ocupa a cabeça de muitos engenheiros
encarregados de desenvolver esta tecnologia.
• baixo rendimento dos compressores resultavam em um baixo rendimento para a
instalação, problemas estes que só foram resolvidos nas últimas décadas através do
desenvolvimento da mecânica dos fluidos, das técnicas construtivas, da teoria dos
modelos e dos respectivos ensaios, que permitiram a fabricação de
turbocompressores com rendimentos superiores a 85%.

Não há duvidas que os grandes avanços tecnológicos que viabilizaram o
desenvolvimento das turbinas a gás são mérito da indústria aeronáutica que, necessitando
aumentar a velocidade dos aviões, abandonaram os motores a pistão para se dedicarem ao
desenvolvimento de motores a reação. Desta forma surgiram o primeiro turboélices e turbojatos
na Segunda guerra mundial.

Figura 2.5.1 – Grupo gerador a gás com turbina em circuito aberto

De uma forma bem geral podemos classificar as instalações de turbinas a gás em dois
grandes grupos: Turbinas a gás em circuito aberto e Turbinas a gás em circuito fechado.






WEG – Transformando Energia em Soluções
31
Módulo 4 – Geração de Energia
2.5.1 TURBINAS A GÁS EM CIRCUITO ABERTO

As instalações das turbinas a gás em circuito aberto, estacionárias, podem ser com ou
sem recuperação. Neste tipo de instalação encontram-se os motores a reação turboélice e
turbojato.
O princípio de funcionamento dos motores a reação é simples. No item 2.2 vimos o
funcionamento dos motores a pistão. Esses motores utilizam a força exercida nos pistões devida
a rápida expansão dos gases em função da explosão. Como já sabemos, a toda força que exerce
uma ação corresponde uma força de reação de mesma intensidade, mas com o sentido oposto ao
da força atuante. Na figura 2.5.2 estão representadas, de forma simplificada, as forças que atuam
em um cilindro quando ocorre a combustão no seu interior.

Figura 2.5.2 - forças atuantes em um cilindro com pistão

Em função do princípio da ação e reação, as forças que agem nas laterais do cilindro se
anulam, uma vez que a superfície é cilíndrica. A força que provoca o deslocamento do pistão é
equilibrada por outra de mesma intensidade no fundo do cilindro, provocando também o seu
deslocamento se nenhum vínculo existir para impedir. Dizemos que o pistão sofre um
deslocamento pela “ação” de uma força, enquanto o cilindro é deslocado pela “reação” de uma
força de igual modulo e direção, porem no sentido contrário. Normalmente utilizamos a ação e
procuramos eliminar a reação através de vínculos. Isto ocorre, por exemplo, em todos os
motores a pistão, em fuzis, metralhadoras , canhões, etc. Nos motores a reação, a idéia é usar a
força de reação. No entanto essa força é de curta duração, como a força do recuo de um tiro.
Contudo, se usarmos uma metralhadora que dispara milhares de tiros por minuto, essa força terá
maior duração, mas com grandes oscilações. A amplitude das oscilações pode ser reduzida
diminuindo-se os tamanhos dos projéteis. Se essas dimensões tenderem a zero, também essas
amplitudes o farão. O escoamento contínuo de um gás corresponde a realização prática desse
princípio. Uma vez que as moléculas do gás representarão os elementos expelidos em dimensões
diminutas, logo teremos uma força de reação constante. Como em um balão de borracha cheio
onde o ar é expulso através de uma abertura.
A figura acima representa uma esfera oca, com uma abertura por onde escoa
continuamente uma massa m de fluido a uma velocidade c. Consequentemente ela sofrerá uma
reação ou impulsão com uma força F de módulo igual a:

c m F ⋅ ·






WEG – Transformando Energia em Soluções
32
Módulo 4 – Geração de Energia
Desta forma, quanto maior a massa de gás que sai da esfera por unidade de tempo,
maior a velocidade para a mesma seção, logo, maior a reação.

Figura 2.5.3 – Força de reação

Este é o princípio de funcionamento dos motores a reação, dos quais fazem parte o
Turboélice, motojato, turbojato, pulsojato, estatorreator ou impactorreator e o foguete.
Se fixarmos essas máquinas e colocarmos na saída uma hélice, podemos transformar a
energia cinética do gás de escape, que sai por causa da diferença de pressão entre o interior e o
exterior, em energia cinética de rotação. Essa energia cinética de rotação pode ser transmitida a
um gerador através de um eixo acoplado as hélices.

Figura 2.5.4 – Principio de funcionamento do rotor

Este é o princípio de funcionamento da turbina a gás em circuito aberto. Este tipo de
instalação possui um rendimento médio em torno de 30%. O combustível utilizado é o gás
natural. Em seguida é mostrado, de uma forma simplificada, o ciclo teórico para o
funcionamento da turbina.

Figura 2.5.5 – Turbina







WEG – Transformando Energia em Soluções
33
Módulo 4 – Geração de Energia
Em um ciclo simples da turbina, o ar a baixa pressão entra em um compressor (estado 1)
onde tem sua pressão elevada (estado 2). O combustível é adicionado ao ar comprimido e
enviado à câmara de combustão onde ocorre o processo de combustão. O produto desta
combustão entra na turbina (estado 3) e se expande para o estado 4. Uma parte do trabalho
produzido é utilizado para fazer o compressor funcionar e o restante é utilizado para fazer
funcionar o equipamento auxiliar e produzir energia elétrica.
O ciclo de Bryton descreve um ciclo simplificado de uma turbina a gás. As quatro
etapas do ciclo são:

(1-2) Compressão adiabática
(2-3) Aquecimento isobárico, isto é, a pressão constante
(3-4) Expansão adiabática
(4-1) Resfriamento isobárico.

Os diagramas p x v (pressão x volume) e T x s (temperatura x entropia) são mostrados a
seguir.

Figura 2.5.6 – Ciclo de Bryton

2.5.2 TURBINAS A GÁS EM CIRCUITO FECHADO.

Instalações com turbinas a gás em circuito fechado, onde a combustão ocorre fora do
circuito e o funcionamento é semelhante ao das turbinas a vapor, com a diferença que o fluido
utilizado é um gás, podendo ser o próprio ar ou outro gás como o hélio por exemplo.
Nas turbinas a gás com circuito fechado o fluido a baixas temperaturas (ambiente) passa
por um estágio de compressão onde 2 ou mais turbocompressores elevam a pressão do gás em
torno de 5 vezes. Após o estágio de compressão o gás é aquecido, aproveitando-se o calor da
saída da turbina e passando por uma caldeira, até atingir temperaturas superiores a 700
o
C de
onde vai para a entrada das turbinas.
As turbinas funcionam por diferença de pressão, ou seja, aproveitam a energia cinética
do gás que passa de um lugar de da alta para um lugar de baixa pressão. Após passar por alguns
estágios de turbinas o gás volta a pressão inicial e passa por um trocador de calor onde pré-
aquece o gás que entra no aquecedor, abaixando a sua temperatura para perto de 100
o
C. O gás
então é resfriado e retorna a sua condição inicial recomeçando o ciclo.
O esquema mostrado a seguir proporciona uma visão de como ocorre o processo a partir
da compressão do gás, até a sua expansão após a passagem pela turbina de baixa pressão. Para
entender o funcionamento basta acompanhar os valores de temperatura e pressão em cada etapa
do processo.






WEG – Transformando Energia em Soluções
34
Módulo 4 – Geração de Energia

Figura 2.5.7 – Esquema geral de uma central térmica a gás em circuito fechado.
1 – Turbocompressor de baixa pressão. 2 – Turbocompressor de alta pressão.
3 – Turbina de alta pressão. 4 – Redutor. 5 – Turbina de baixa pressão. 6 – Pré-refrigerador.
7 – Refrigerador intermediário. 8 – Trocador de calor. 9 – Aquecedor de ar.

Note que a turbina a gás em circuito fechado não usa o gás como combustível. A
combustão é feita com qualquer produto combustível com a intenção de fornecer energia térmica
ao sistema. O gás é utilizado apenas como o fluido que transforma a energia térmica em energia
cinética para tocar as turbinas. Por exemplo existem usinas nucleares que utilizam o sistema de
turbinas a gás em circuito fechado para geração de energia elétrica, onde a energia térmica é
gerada a partir de combustível nuclear.

Figura 2.5.8 – Ciclos teóricos da turbina a gás com circuito fechado (Carnot, Ericsson)

Esse tipo de turbina utiliza o ciclo básico teórico de Carnot com duas isotérmicas e duas
adiabáticas tal como mostrado na figura 2.5.8, que é aproximado na prática pelo ciclo de Ackeret
e Keller onde a compressão isotérmica 1,2 é substituída por compressões adiabáticas e






WEG – Transformando Energia em Soluções
35
Módulo 4 – Geração de Energia
refrigeração isobárica enquanto a expansão isotérmica 3,4 é substituída por expansões
adiabáticas e aquecimentos isobáricos.

Figura 2.5.9 – Ciclo de trabalho da turbina a gás com circuito
fechado (Ackeret e Keller)

































WEG – Transformando Energia em Soluções
36
Módulo 4 – Geração de Energia
2.6 TURBINAS EÓLICAS

Para se entender o funcionamento da turbina eólica faz-se necessário conhecer um
pouco da origem da energia transformada em eletricidade por esses equipamentos que, apesar de
seu princípio de funcionamento aparentemente simples, são hoje o que existe de mais moderno
na área de geração de energia elétrica para fins comerciais.
Toda a energia renovável (exceto a geotérmica e a das marés), bem como a energia dos
combustíveis fósseis, são provenientes do Sol. O sol irradia 10
14
kwh por hora de energia para a
terra. Cerca de 1 a 2% dessa energia proveniente do Sol é convertida em energia eólica. Isto
corresponde a cerca de 50 a 100 vezes mais do que a energia convertida em biomassa por todas
as plantas do planeta.
Diferenças de temperatura fazem com que o ar circule. As regiões em volta do equador,
na latitude 0
o
, são mais atingidas pelo calor do sol do que o restante do globo. Se não houvesse a
rotação da terra o ar simplesmente circularia na direção dos pólos a 10 Km de altitude, desceria
e retornaria ao equador.
Uma vez que o globo está rodando, todo o movimento do hemisfério norte é dirigido
para a direita, se observarmos este fenômeno em uma posição fixa olhando para o equador (no
hemisfério sul ela tende para a esquerda). Essa força aparente de curvatura é conhecida como
força de Coriolis (nome do matemático francês Gustave Gaspard Coriolis 1792 – 1843).
A força de Coriolis é um fenômeno visível. Por exemplo, os trilhos das estradas de ferro
desgastam mais de um lado que do outro, os rios são mais profundos em uma margem que na
outra (O lado depende de em qual hemisfério você está). Isto também funciona para os ventos.
No hemisfério norte, por exemplo, o vento tende a rodar no sentido anti-horário, enquanto no
hemisfério sul, é no sentido horário.
Estes dois fatores (as diferenças de temperatura e a força de Coriolis) aliados à
geografia, que impõe obstáculos à passagem dos ventos e considera as costas dos continentes,
definem o movimento dos ventos.
Uma turbina eólica obtém potência convertendo a força dos ventos em um torque
atuando nas pás do rotor. A quantidade de energia que o vento transfere para o rotor depende da
densidade do ar, da área do rotor, e da velocidade do vento.

Figura 2.6.1 – Um cilindro de ar de1500m
2
e 1m de largura
atravessa o rotor de uma turbina eólica.






WEG – Transformando Energia em Soluções
37
Módulo 4 – Geração de Energia
A figura mostra como uma fatia de ar de 1 metro de espessura se move através de um
rotor de área de 1500m
2
de uma típica turbina eólica de 600kW. Com 43m de diâmetro do rotor,
cada cilindro de ar pesa 1,9 toneladas, isto é, 1500 vezes 1,25kg que é o peso de 1m
3
de ar.
A energia cinética de um corpo em movimento é proporcional a sua massa. A energia
cinética do vento também depende da densidade do ar, ou seja, de sua massa por unidade de
volume. Em outras palavras, quanto mais pesado for o ar, mais energia é recebida pela turbina.
Sob pressão atmosférica normal e a 15
o
C a massa do ar é de 1,25 kg por metro cúbico,
mas a densidade aumenta com o aumento da umidade. De forma análoga, quanto mais frio o ar,
mais denso. Em altas altitudes (em montanhas por exemplo) a pressão do ar é menor e portanto
a densidade é menor.
Uma turbina eólica típica de 600kW possui um rotor com 43 a 44 metros de diâmetro, o
que significa que cobre uma área de 1500m
2
. A área do rotor determina quanta energia o rotor
está apto a retirar do vento. Como a área do rotor aumenta com o quadrado do diâmetro, uma
turbina que possua um rotor 2 vezes maior recebe 2
2
= 4 vezes mais energia.

Figura 2.6.2 – Visão geral de uma turbina eólica

A velocidade do vento é extremamente importante para a quantidade de energia que
uma turbina pode converter para energia elétrica. A energia contida no vento varia com o cubo
da velocidade média do vento. Por exemplo, se a velocidade do vento aumenta 2 vezes, a energia
convertida aumenta 2
3
= 2 x 2 x 2 = 8 vezes. Mas por que a energia eólica varia com o cubo da
velocidade média do vento? Observando o nosso dia-a-dia sabemos que se dobrarmos a






WEG – Transformando Energia em Soluções
38
Módulo 4 – Geração de Energia
velocidade do carro, será necessário 4 vezes mais energia para movimentá-lo (essencialmente
isto é conseqüência da Segunda lei de Newton para o movimento dos corpos). No caso da turbina
eólica utiliza-se a energia de frenagem do vento, e se a velocidade do vento for o dobro, tem-se
duas vezes mais volume de ar por segundo movendo-se através do rotor, e cada unidade de
volume possui 4 vezes mais energia, como no exemplo do carro. O gráfico mostra que a uma
velocidade de 8 m/s tem-se uma potência (quantidade de energia por segundo) de 314 Watts por
metro quadrado exposto ao vento (o vento que chega perpendicular a área coberta pelo rotor). A
16 m/s tem-se 8 vezes mais potência, isto é, 2509 W/m
2
.

Figura 2.6.3 – Gráfico da potência por unidade de área
em função da velocidade do vento.

A tabela mostra a potência por metro quadrado exposto ao vento para diferentes
velocidades.
m/s W/m
2
m/s W/m
2
m/s W/m
2

0 0 8 314 16 2509
1 1 9 447 17 3009
2 5 10 613 18 3572
3 17 11 815 19 4201
4 39 12 1058 20 4900
5 77 13 1346 21 5672
6 132 14 1681 22 6522
7 210 15 2067 23 7452
Tabela 2.6.1 – Valores discretos de potência por unidade de área.







WEG – Transformando Energia em Soluções
39
Módulo 4 – Geração de Energia
Para “captar” a energia cinética do vento e transferir para a flange do rotor
transformando em energia cinética de rotação, as pás do rotor e são desenhadas conforme as asas
de um avião. Ou seja, o desenho aerodinâmico cria regiões de diferentes pressões em torno das
pás fazendo com que elas se movam. Em uma turbina de 600kW moderna, as pás do rotor
medem cerca de 20 metros.

Figura 2.6.4 – Princípio de funcionamento da asa

O corpo da turbina eólica faz o encapsulamento dos componentes principais, incluindo
o redutor e o gerador elétrico. O pessoal da manutenção pode entrar dentro do corpo a partir da
torre da turbina quando houver necessidade. Em uma das extremidades do corpo fica o rotor, isto
é, as pás interligadas pela flange, na outra o namômetro e o cata-vento.


Figura 2.6.5 – Corpo da turbina

À flange do rotor está ligado um eixo de baixa rotação que é acoplada a um ampliador.
Uma turbina de 600kW possui uma rotação relativamente baixa, cerca de 19 a 30 rpm. No eixo
de baixa rotação estão localizadas bombas para o sistema hidráulico que opera o freio
aerodinâmico como veremos mais adiante.
O ampliador é um dispositivo mecânico que transmite potência através de dois eixos
girando em velocidades diferentes. Em uma turbina de 600kW, por exemplo, o ampliador
transmite uma potência recebida da turbina através do eixo de baixa rotação a uma velocidade de
19 a 30 rpm para um gerador através do eixo de alta rotação a uma velocidade de
aproximadamente 1500 rpm, isto é, 50 vezes mais rápido. Por causa das perdas em função do
atrito mecânico das engrenagens, a temperatura do ampliador aumenta e um sistema de
refrigeração a óleo é responsável pela manutenção da temperatura dentro de faixas aceitáveis.
O eixo de alta rotação interliga o ampliador e o gerador. Ele esta equipado com um freio
a disco mecânico de emergência que é usado no caso do freio aerodinâmico falhar ou quando a
turbina está em manutenção.
O gerador usado nas turbinas eólicas é um gerador de indução ou gerador assíncrono,
que utiliza o mesmo princípio de funcionamento do motor assíncrono. Esta característica torna






WEG – Transformando Energia em Soluções
40
Módulo 4 – Geração de Energia
os geradores de turbinas eólicas mais baratos e com um menor custo de manutenção. No entanto
isso só é possível porque a potência máxima das turbinas eólicas fica compreendida em uma
faixa que vai de 500 a 1500kW.
O controlador eletrônico é um computador que monitora continuamente as condições do
vento na turbina e controla o mecanismo de direcionamento da turbina, que tem a função de
manter a turbina sempre perpendicular à incidência do vento. No caso de algum defeito, como o
sobreaquecimento do gerador ou do ampliador, o controlador comanda a parada da turbina e
avisa o computador do operador via linha telefônica através de um modem.
O mecanismo de direcionamento utiliza um motor elétrico para virar o corpo da turbina
de forma que ela fique totalmente contra o vento. Ele é operado por um controlador eletrônico
que monitora a direção do vento utilizando o cata-vento.
O sistema hidráulico é utilizado para operar o freio aerodinâmico da turbina. Mudando-
se o angulo de ataque das pás, pode-se variar a velocidade da turbina. Desta forma o controlador
atua no sistema hidráulico com o objetivo de manter a velocidade da turbina constante.
A unidade de refrigeração é responsável por manter a temperatura do gerador e do
ampliador dentro de uma faixa aceitável para que não se diminua a vida útil destes
equipamentos. Por isso o sistema de refrigeração possui um ventilador elétrico independente que
tem a função de resfriar o gerador, bem como o óleo que é utilizado pelo ampliador.


Figura 2.6.6 – partes componentes da turbina

O papel da torre da turbina eólica é sustentar o corpo e o rotor da turbina. Geralmente é
uma vantagem a utilização de torres altas uma vez que a velocidade do vento cresce conforme a
distância do solo. Uma turbina de 600kW, hoje, fica suspensa a uma altura que varia entre 40 e
60 metros, o que corresponde aproximadamente a uma altura de um prédio de 13 a 20 andares.
As torres podem ser tubulares (como mostrado na figura) ou em treliça. Torres tubulares são
mais seguras para as pessoas que trabalham na manutenção, uma vez que é utilizado o interior da
torre para se alcançar o topo. A vantagem da torre em treliça é que ela é bem mais barata.






WEG – Transformando Energia em Soluções
41
Módulo 4 – Geração de Energia
O anemômetro é usado para medir a velocidade enquanto o cata-vento mede a direção
do vento. Os sinais eletrônicos enviados pelo transdutor de velocidade do anemômetro é
utilizado pelo sistema de controle da turbina para aciona-la quando a velocidade do vento chegar
a 5 metros por segundo. O computador também para a turbina automaticamente se a velocidade
do vento chegar a 25 metros por segundo com a finalidade de proteger a turbina e seus arredores.
Os sinais eletrônicos utilizados pelo transdutor de direção do cata-vento são utilizados pelo
sistema de controle para acionar o mecanismo de direcionamento.












































WEG – Transformando Energia em Soluções
42
Módulo 4 – Geração de Energia
3 GERADORES
3.1 INTRODUÇÃO
3.1.1 HISTÓRICO

O gerador elementar foi inventado na Inglaterra em 1831 por MICHAEL FARADAY, e
nos Estados Unidos, mais ou menos na mesma época, por JOSEPH HENRY.
Este gerador consistia basicamente de um ímã que se movimentava dentro de uma
espira, ou vice-versa, provocando o aparecimento de uma f.e.m. registrado num galvanômetro.

Figura 3.1 - O galvanômetro "G" indica a passagem de uma
corrente quando o ímã se move em relação a bobina.

A WEG INDÚSTRIAS LTDA, DIVISÃO MÁQUINAS iniciou sua fabricação em
1980, tendo adquirido ao longo destes anos uma larga experiência e tecnologia na fabricação de
geradores de pequeno e grande porte.

3.1.2 NOÇÕES DE APLICAÇÕES

Geradores síncronos são máquinas destinadas a transformar energia mecânica em
energia elétrica.
Praticamente toda a energia consumida nas indústrias, residências, cidades, etc...,são
proveniente destes geradores.
A WEG INDÚSTRIAS LTDA, DIVISÃO MÁQUINAS fabrica geradores para as
seguintes aplicações:
• Geração Eólica;
• Alimentação de Fazendas, Sítios, Garimpos, Carros de Som;
• Pequenos Centros de Geração de Energia para uso Geral;
• Grupos Diesel de Emergência;
• Centro de Processamento de Dados;






WEG – Transformando Energia em Soluções
43
Módulo 4 – Geração de Energia
• Telecomunicações;
• Usinas Hidroelétricas PCH’s;
• Cogeração / Turbo Geradores;
• Aplicações Específicas para uso Naval, Usinas de Açúcar e Álcool, Madeireiras,
Arrozeiras, Petroquímica, etc.
3.1.2.1 TIPOS DE ACIONAMENTOS
A - Grupo Diesel
São geradores acionados por Motores Diesel;
Potência: 50 a 1500 kVA
Rotação: 1800 rpm (IV pólos)
Tensão: 220, 380 ou 440 V - 50 ou 60 Hz.
B - Hidrogeradores
São geradores acionados por Turbinas Hidráulicas;
Potência: até 20.000 kVA
Rotação: 360 a 1800 rpm (XX a IV pólos)
Tensão: 220 a 13.800 V
C - Turbogeradores
São geradores acionados por Turbinas a Vapor;
Potência: até 20.000 kVA
Rotação: 1800 rpm ( IV pólos )
Tensão: 220 a 13.800 V


















WEG – Transformando Energia em Soluções
44
Módulo 4 – Geração de Energia
3.2 NOÇÕES FUNDAMENTAIS
3.2.1 PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO

A característica principal de um gerador elétrico é transformar energia mecânica em
elétrica. Para facilitar o estudo do princípio de funcionamento, vamos considerar inicialmente
uma espira imersa em um campo magnético produzido por um ímã permanente (Figura 3.2). O
princípio básico de funcionamento está baseado no movimento relativo entre uma espira e um
campo magnético. Os terminais da espira são conectados a dois anéis, que estão ligados ao
circuito externo através de escovas. Este tipo de gerador é denominado de armadura giratória.

Figura 3.2 - Esquema de funcionamento de um
gerador elementar (armadura girante)

Admitamos que a bobina gira com velocidade uniforme no sentido da flecha dentro do
campo magnético "B" também uniforme (Figura 3.2).
Se "v" é a velocidade linear do condutor em relação ao campo magnético, segundo a lei
da indução (FARADAY), o valor instantâneo da f.e.m. induzida no condutor em movimento de
rotação é determinada por:
) sen( v l B e θ ⋅ ⋅ ⋅ ·

Onde: e = força eletromotriz;
B = indução do campo magnético;
l = comprimento de cada condutor;
v = velocidade linear;
θ = ângulo formado entre B e v.







WEG – Transformando Energia em Soluções
45
Módulo 4 – Geração de Energia
Para N espiras teremos então:

N ) sen( v l B e ⋅ θ ⋅ ⋅ ⋅ ·

A variação da f.e.m. no condutor, em função do tempo, é determinada pela lei da
distribuição da indução magnética sob um pólo. Esta distribuição tem um caráter complexo e
depende da forma da sapata polar. Com um desenho conveniente da sapata poderemos obter uma
distribuição senoidal de induções. Neste caso, a f.e.m. induzida no condutor também varia com o
tempo sob uma lei senoidal.
A Figura 3.4a. mostra somente um lado da bobina no campo magnético, em 12 posições
diferentes, estando cada posição separada uma da outra de 30o.
A Figura 3.4b nos mostra as tensões correspondentes a cada uma das posições.
Já nos geradores de campo giratório (Figura 3.3) a tensão de armadura é retirada
diretamente do enrolamento de armadura (neste caso o estator) sem passar pelas escovas. A
potência de excitação destes geradores normalmente é inferior a 5% da potência nominal, por
este motivo, o tipo de armadura fixa (ou campo girante) é o mais utilizado.

Figura 3.3 - Esquema de funcionamento de um
gerador elementar (armadura fixa).







WEG – Transformando Energia em Soluções
46
Módulo 4 – Geração de Energia

Figura 3.4 - Distribuição da Indução Magnética sob um Pólo

A cada giro das espiras teremos um ciclo completo da tensão gerada, para uma máquina
de um par de pólos. Os enrolamentos podem ser construídos com um número maior de pares de
pólos, que se distribuirão alternadamente (um norte e um sul).
Neste caso, teremos um ciclo a cada par de pólos. Sendo "n" a rotação da máquina em
"rpm" e "f" a freqüência em ciclos por segundo (HERTZ) teremos:

] Hz [
n p
f
120

·

Onde: f = frequência (Hz)
p = número de pólos
n = rotação síncrona (rpm)

Note que o número de pólos da máquina terá que ser sempre par, para formar os pares
de pólos. Na tabela 3.1 são mostradas, para as freqüências e polaridades usuais, as velocidades
síncronas correspondentes.

Número de pólos 60 Hz 50 Hz
2 3600 3000
4 1800 1500
6 1200 1000
8 900 750
10 720 600
Tabela 3.1 - Velocidades Síncronas






WEG – Transformando Energia em Soluções
47
Módulo 4 – Geração de Energia
3.2.2 GERAÇÃO DE CORRENTE TRIFÁSICA

O sistema trifásico é formado pela associação de três sistemas monofásicos de tensões
U1 , U2 e U3 tais que a defasagem entre elas seja de 120
o
(Figura 3.5).
O enrolamento desse tipo de gerador é constituído por três conjuntos de bobinas
dispostas simetricamente no espaço, formando entre si também um ângulo de 120
o
.
Para que o sistema seja equilibrado isto é, U1 = U2 = U3 o número de espiras de cada
bobina também deverá ser igual.


Figura 3.5 - Sistema Trifásico

A ligação dos três sistemas monofásicos para se obter o sistema trifásico é feita
usualmente de duas maneiras, representadas nos esquemas seguintes. Nestes esquemas (Figuras
2.2.2 e 2.2.3) costuma-se representar as tensões com setas inclinadas, ou vetores girantes
mantendo entre si o ângulo correspondente à defasagem (120
o
).

3.2.2.1 LIGAÇÕES NO SISTEMA TRIFÁSICO

a) Ligação triângulo:

Chamamos "tensões/correntes de fase" as tensões e correntes de cada um dos três
sistemas monofásicos considerados, indicados por Vf e If. Se ligarmos os três sistemas
monofásicos entre si, como indica a figura 2.2.2.a, podemos eliminar três fios, deixando apenas
um em cada ponto de ligação, e o sistema trifásico ficará reduzido a três fios U, V e W.
A tensão entre dois quaisquer destes três fios chama-se "tensão de linha" (Vl), que é a
tensão nominal do sistema trifásico. A corrente em qualquer um dos fios chama-se "corrente de
linha" (Il).






WEG – Transformando Energia em Soluções
48
Módulo 4 – Geração de Energia
Figura 3.6 - Ligação Triângulo

Examinando o esquema da figura 3.6b, vê-se que:

1) A cada carga é aplicada a tensão de linha "Vl", que é a própria tensão do sistema
monofásico correspondente, ou seja, V
L
= V
F
.
2) A corrente em cada fio de linha, ou corrente de linha "I
L
", é a soma das correntes
das duas fases ligadas a este fio, ou seja, I
L
= I
F1
+ I
F3
.

Como as correntes estão defasadas entre si, a soma deverá ser feita graficamente, como
mostra a figura 3.6c. Pode-se mostrar que
F F L
I , I I ⋅ · ⋅ · 732 1 3

Exemplo: Temos um sistema trifásico equilibrado de tensão nominal 220 V.
A corrente de linha (Il) medida é 10 A. Ligando a este sistema uma carga trifásica
composta de três cargas iguais ligadas em triângulo, qual a tensão e a corrente em cada uma das
cargas?
Temos V
F
= V1 = 220V em cada uma das cargas.

Se I
L
= 1,732 x I
F
, I
F
= 0,577 x I
L
= 0,577 x 10 = 5,77 A em cada uma das cargas.


b) Ligação estrela:

Ligando um dos fios de cada sistema monofásico a um ponto comum aos três, os três
fios restantes formam um sistema trifásico em estrela como na figura 6.7a.
Às vezes, o sistema trifásico em estrela é "a quatro fios" ou "com neutro".
O quarto fio é ligado ao ponto comum às três fases. A tensão de linha, ou tensão
nominal do sistema trifásico, e a corrente de linha são definidos do mesmo modo que na ligação
triângulo.






WEG – Transformando Energia em Soluções
49
Módulo 4 – Geração de Energia

Figura 3.7 - Ligação Estrela

Examinando o esquema da figura 3.7b vê-se que:

1) A corrente em cada fio da linha, ou corrente de linha (I
L
), é a mesma corrente da
fase à qual o fio está ligado, ou seja, I
L
= I
F
.
2) A tensão entre dois fios quaisquer do sistema trifásico é a soma gráfica figura 3.7c
das tensões das duas fases as quais estão ligados os fios considerados, ou seja,

F F L
V , V V ⋅ · ⋅ · 732 1 3

Exemplo: Temos uma carga trifásica composta de três cargas iguais, cada carga é feita
para ser ligada a uma tensão de 220V, absorvendo, 5,77A. Qual a tensão nominal do sistema
trifásico que alimenta esta carga em suas condições normais (220V e 5,77A) Qual a corrente de
linha (I
L
)?

Temos V
F
= 220V (nominal de cada carga)

V
L
= 1,732 x 220V = 380V
I
L
= I
F
= 5,77 A.

3.2.2.2 TENSÃO NOMINAL MÚLTIPLA

A grande maioria dos geradores são fornecidos com terminais do enrolamento
religáveis, de modo a poderem pelo menos fornecer duas tensões diferentes. Os principais tipos
de religação de terminais de geradores ou motores assíncronos para funcionamento em mais de
uma tensão são:

a) Ligação série-paralela:

O enrolamento de cada fase é dividido em duas partes (lembrar que o número de pólos é
sempre par, de modo que este tipo de ligação é sempre possível).






WEG – Transformando Energia em Soluções
50
Módulo 4 – Geração de Energia
Ligando as duas metades em série, cada metade ficará com a metade da tensão de fase
nominal da máquina. Ligando as duas metades em paralelo, a máquina poderá ser alimentada
com uma tensão igual à metade da tensão anterior, sem que se altere a tensão aplicada a cada
bobina. Veja os exemplos numéricos da figura 3.8.

Figura 3.8 - Tensão Nominal Múltipla

É comum em geradores o fornecimento em três tensões 220/380/440.
O procedimento nestes casos para se obter 380 V é ligar o gerador em 440 V, e alterar a
referência no regulador de tensão, de modo a se obter a redução de tensão (redução da indução
magnética). Deste modo, poderemos obter três tensões na ligação Y, que é a mais comum em
geradores.










WEG – Transformando Energia em Soluções
51
Módulo 4 – Geração de Energia
LIGAÇÃO TENSÃO DE LINHA CORRENTE DE LINHA POTÊNCIA (VA)
Y
3 ⋅ ·
F L
V V
I
L
= I
F

∆ V
L
= V
F

3 ⋅ ·
F L
I I
F F
I V P ⋅ ⋅ · 3
L L
I V P ⋅ ⋅ · 3
Tabela 3.2 - Relação entre tensões(linha/fase) correntes (linha/fase)
e potência em um sistema trifásico.

b) Ligação estrela-triângulo:

É comum para partida de motores assíncronos a ligação estrela-triângulo.
Nesta ligação, o enrolamento de cada fase tem as duas pontas trazidas para fora do
motor. Se ligarmos as três fases em triângulo cada fase receberá a tensão da linha, por exemplo
(figura 3.9b) 220 Volts. Se ligarmos as três fases em estrela (figura 3.9a), o motor pode ser
ligado a uma linha com tensão igual a 220 x 3 = 380 V sem alterar a tensão no enrolamento
que continua igual a 220 Volts por fase.
Este tipo de ligação exige 6 terminais acessíveis no motor e serve para quaisquer
tensões nominais duplas, desde que a segunda seja igual a primeira multiplicada por 3 .

Exemplos:220/380V - 380/660V - 440/760V.

Note que uma tensão acima de 600 Volts não é considerada baixa tensão, mas entra na
faixa da alta tensão, em que as normas são outras, nos exemplos 380/660 e 440/760V, a maior
tensão declarada serve somente para indicar que o motor pode ser religado em estrela-triângulo,
pois não existem linhas dessas tensões.


Figura 3.9 - Ligação Estrela-Triângulo






WEG – Transformando Energia em Soluções
52
Módulo 4 – Geração de Energia
3.2.3 COMPORTAMENTO DO GERADOR EM VAZIO E SOB CARGA

Em vazio (em rotação constante), a tensão de armadura depende do fluxo magnético
gerado pelos pólos de excitação, ou ainda da corrente que circula pelo enrolamento de campo.
Isto porque o estator não é percorrido por corrente, portanto é nula a reação da armadura cujo
efeito é alterar o fluxo total.
A relação entre tensão gerada e a corrente de excitação chamamos de característica a
vazio (figura 3.10) onde podemos observar o estado de saturação da máquina.



Figura 3.10 Característica a Vazio.

Em carga, a corrente que atravessa os condutores da armadura cria um campo
magnético, causando alterações na intensidade e distribuição do campo magnético principal. Esta
alteração depende da corrente, do cosϕ e da carga, como descrito a seguir:

a) Carga puramente resistiva:

Se o gerador alimenta um circuito puramente resistivo, é gerado pela corrente de carga
um campo magnético próprio.
Campo magnético induzido produz dois pólos (gerador bipolar figura 3.11a) defasados
de 90
o
em atraso em relação aos pólos principais, e estes exercem sobre os pólos induzidos uma
força contrária ao movimento, gastando-se potência mecânica para se manter o rotor girando.
O diagrama da fig. 3.11b mostra a alteração do fluxo principal em vazio Φ
0
em relação
ao fluxo de reação da armadura Φ
R
. A alteração de Φ
0
é pequena, não produzindo uma variação
muito grande em relação ao fluxo resultante. Devido a perda de tensão nos enrolamentos da
armadura será necessário aumentar a corrente de excitação para manter a tensão nominal (figura
3.14)






WEG – Transformando Energia em Soluções
53
Módulo 4 – Geração de Energia

Figura 3.11 - Carga Puramente Resistiva


b) Carga puramente indutiva:

Neste caso, a corrente de carga está defasada em 90
o
em atraso com relação a tensão, e o
campo de reação da armadura estará conseqüentemente na mesma direção do campo principal,
mas em polaridade oposta. O efeito da carga indutiva é desmagnetizante (figura 3.12a e b).
As cargas indutivas armazenam energia no seu campo indutor e a devolvem totalmente
ao gerador, não exercendo nenhum conjugado frenante sobre o induzido. Neste caso, só será
necessário energia mecânica para compensar as perdas.
Devido ao efeito desmagnetizante será necessário um grande aumento da corrente de
excitação para se manter a tensão nominal (figura 3.14).

Figura 3.12 - Carga Puramente Indutiva










WEG – Transformando Energia em Soluções
54
Módulo 4 – Geração de Energia
c) Carga puramente capacitiva:

A corrente de armadura para uma carga capacitiva está defasada de 90
o
em
adiantamento em relação a tensão. O campo de reação da armadura conseqüentemente estará na
mesma direção do campo principal e com a mesma polaridade.
O campo induzido, neste caso, tem um efeito magnetizante (figura 3.13a e b).
As cargas capacitivas armazenam energia em seu campo elétrico e a devolvem
totalmente ao gerador, não exercendo também, como no caso anterior, nenhum conjugado de
frenagem sobre o induzido. Devido ao efeito magnetizante será necessário reduzir a corrente de
excitação para manter a tensão nominal (figura3.14)

Figura 3.13 - Carga Puramente Capacitiva


Figura 3.14 - Variação da corrente de excitação
para manter a tensão de armadura constante.







WEG – Transformando Energia em Soluções
55
Módulo 4 – Geração de Energia
d) Cargas intermediárias:

Na prática, o que encontramos são cargas com defasagem intermediária entre
totalmente indutiva ou capacitiva e resistiva. Nestes casos o campo induzido pode ser
decomposto em dois campos, um transversal e outro desmagnetizante (indutiva) ou magnetizante
(capacitiva). Somente o campo transversal tem um efeito frenante consumindo, desta forma,
potência mecânica da máquina acionante. O efeito magnetizante ou desmagnetizante deverá ser
compensado alterando-se a corrente de excitação.

3.2.4 MÁQUINAS DE PÓLOS LISOS E SALIENTES

Os geradores síncronos são construídos com rotores de pólos lisos ou salientes.

PÓLOS LISOS: São rotores nos quais o entreferro é constante ao longo de toda a
periferia do núcleo de ferro.

Figura 3.15 - Rotor de pólos lisos

PÓLOS SALIENTES: São rotores que apresentam uma descontinuidade no entreferro
ao longo da periferia do núcleo de ferro. Nestes casos, existem as chamadas regiões interpolares
onde o entreferro é muito grande, tornando visível a saliência dos pólos.






WEG – Transformando Energia em Soluções
56
Módulo 4 – Geração de Energia

Figura 3.16 - Rotor de pólos salientes

3.2.5 REATÂNCIAS

A análise básica do desempenho transitório de máquinas síncronas é muito facilitada
por uma transformação linear de variáveis, na qual as três correntes de fase do estator I
A
, I
B
, e I
C
,
são substituídas por três componentes, a componente de eixo direto, I
d
, a componente de eixo em
quadratura, I
q
, e uma componente monofásica I
0
, conhecida como componente de seqüência zero
(eixo zero).
Para operação equilibrada em regime permanente (figura 3.17), I
0
é nula (não sendo
discutida, portanto).
O significado físico das componentes de eixo direto e em quadratura é o seguinte: A
máquina de pólos salientes tem uma direção preferencial de magnetização determinada pela
saliência dos pólos de campo. A permanência ao longo do eixo polar ou direto, é
apreciavelmente maior do que ao longo do eixo interpolar ou quadratura.






WEG – Transformando Energia em Soluções
57
Módulo 4 – Geração de Energia

Figura 3.17 - Diagrama Esquemático para uma Máquina Síncrona

Um circuito efetivo de rotor, no eixo direto, além do enrolamento de campo principal, é
formado pelas barras amortecedoras. Considere-se uma máquina operando inicialmente em
vazio, e um curto-circuito trifásico súbito aparece em seus terminais. No desenho abaixo, pode
ser observada uma onda de corrente de estator em curto- circuito, tal como pode ser obtida num
osciloscópio (figura 3.18).

Figura 3.18 - Corrente de Armadura Simétrica em
Curto-Circuito em uma máquina síncrona






WEG – Transformando Energia em Soluções
58
Módulo 4 – Geração de Energia
Reatância subtransitória

É o valor de reatância da máquina correspondente a corrente que circula na armadura
durante os primeiros ciclos, conforme pode ser visto na figura 3.18 (Período Subtransitório). Seu
valor pode ser obtido dividindo o valor da tensão da armadura antes da falta, pela corrente no
início da falta, para carga aplicada repentinamente e à freqüência nominal.

I
E
= d x
′ ′
′ ′
Onde:
E = Valor eficaz da tensão fase a neutro nos terminais do gerador síncrono,
antes do curto-circuito
I'' = Valor eficaz da corrente de curto-circuito do período sub-transitório em
regime permanente. Seu valor é dado por:

2
I
= I
max
′ ′

Reatância transitória

É o valor de reatância da máquina correspondente a corrente que circula na armadura
após o período sub-transitório, perdurando por um número maior de ciclos (maior tempo). Seu
valor pode ser obtido dividindo a tensão na armadura correspondente ao início do período
transitório pela respectiva corrente, nas mesmas condições de carga.

I
E
= d x



I' = valor eficaz da corrente de curto-circuito do período transitório considerado em
regime permanente
Seu valor é:
2
x
I
= I
m


Reatância síncrona

É o valor da reatância da máquina correspondente à corrente do regime permanente, ou
seja, após o término do período transitório, seu valor pode ser obtido pela tensão nos terminais
da armadura ao final do período transitório dividido pela respectiva corrente.
A importância do conhecimento destas reatâncias está no fato de que a corrente no
estator (armadura) após a ocorrência de uma falta (curto-circuito) nos terminais da máquina terá
valores que dependem destas reatâncias.
Assim, pode ser conhecido o desempenho da máquina diante de uma falta e as
conseqüências daí originadas.
I
E
= xd






WEG – Transformando Energia em Soluções
59
Módulo 4 – Geração de Energia
Onde: I = valor eficaz da corrente de curto-circuito em regime permanente.

2
I
= I
RP x m


O gerador síncrono é o único componente do sistema elétrico que apresenta três
reatâncias distintas, cujos valores obedecem a inequação:

Xd"< Xd' < Xd

3.2.6 POTÊNCIA EM MÁQUINAS DE PÓLOS SALIENTES

A potência de uma máquina síncrona é expressa por:

P = m . U
F
. I
F
. cosϕ

m = Número de fases
U
F
= Tensão de fase
I
F
= Corrente de fase

A potência elétrica desenvolvida em máquinas de pólos salientes também pode ser
expressa em função do ângulo de carga, que surge entre os fasores Uf (tensão de fase) e E
0
(força
eletromotriz induzida) determinado pela posição angular do rotor em relação ao fluxo girante de
estator (figura 3.19a)

Figura 3.19a - Ângulo de Carga em Máquinas de Pólos Salientes







WEG – Transformando Energia em Soluções
60
Módulo 4 – Geração de Energia

Figura 3.19b - Diagrama de Tensão - Gerador Síncrono de Pólos Salientes

Onde: xd e xq reatância de eixo direto e em quadratura respectivamente

P = P
d
+ P
q

P
d
= U
F
. I
d
. senϕ
P
q
= U
F
. I
q
. cosϕ

Figura 3.20 - Curva de potência em máquinas síncronas

A potência eletromagnética que é a potência transmitida pelo rotor de um gerador ao
estator pode ser expressa por:

) 2 ( sen
xd
1
-
xq
1
2
U . m
+ ) ( sen
xd
U .
E
. m
= P
F F 0
δ ⋅

,
`

.
|
δ
2


O primeiro termo da expressão anterior: ) ( sen
xd
U .
E
. m
= P
F 0
e
δ , é a potência que
depende da tensão da rede U
F
e da excitação da máquina (figura 3.20).
O segundo termo da expressão: ) 2 ( sen
xd
1
-
xq
1
2
U . m
F
δ ⋅

,
`

.
|
2
, é adicional devido a
diferença de relutância do entreferro, a qual não depende da excitação da máquina (figura 3.20).






WEG – Transformando Energia em Soluções
61
Módulo 4 – Geração de Energia
3.2.7 DEFINIÇÕES
3.2.7.1 DISTORÇÃO HARMÔNICA

O formato ideal da onda de tensão de uma fonte de energia CA é senoidal.
Qualquer onda de tensão que contenha certa distorção harmônica (figura 3.21) pode ser
apresentada como sendo equivalente a soma da fundamental mais uma série de tensões CA
relacionadas harmonicamente de amplitudes específicas. A distorção pode ser definida para cada
harmônica em relação a sua amplitude como uma percentagem da fundamental. A distorção
harmônica pode ser calculada utilizando-se a fórmula:

E
) (E
= Distorção
1
2
m
m

2

Onde:
E
m
= Tensão harmônica de ordem "m";
E
1
= Fundamental;

Na figura 3.21 está representada a forma de onda tomada entre fase-fase em gerador. A
distorção calculada foi de 2,04%. Na figura 3.22 temos a forma de onda tomada entre fase-
neutro. A distorção calculada foi de 15,71%


(a) (b)
Figura 3.21 (a) - Forma de onda com 2,04% de distorção harmônica;
(b) - Forma de onda com 15,71% de distorção harmônica

3.2.7.2 FATOR DE DESVIO

Desvios ou variações do formato senoidal da onda podem ocorrer durante qualquer
parte da onda: positivo, negativo ou durante o cruzamento por zero (figura 3.22)






WEG – Transformando Energia em Soluções
62
Módulo 4 – Geração de Energia

Figura 3.22 - Fator de Desvio

A amplitude da variação (figura 3.23) expressa como uma percentagem do valor de pico
de uma onda senoidal de referência é o fator de desvio.

Figura 3.23 - Amplitude de Desvio

O fator de desvio pode ser calculado como:

pico
desv
V
Desvio
= F









WEG – Transformando Energia em Soluções
63
Módulo 4 – Geração de Energia
3.2.7.3 MODULAÇÃO DE TENSÃO

É a cíclica variação da amplitude de tensão, causada pela oscilação do regulador ou pela
cíclica variação da carga.

3.2.7.4 DESEQUILÍBRIO ANGULAR

As tensões de um sistema trifásico são defasadas de 120
o
. Se esta defasagem for
diferente de 120
o
, o referido valor será o desequilíbrio.

3.2.7.5 DESBALANCEAMENTO DE TENSÃO

Desbalanceamento de tensão é a diferença entre as tensões de linha mais alta e mais
baixa e pode ser expresso em percentagem da tensão média de fase.

Exemplo:
Fase U a V à 208 V (1.6% acima da média)
V a W à 204 V (0.33% abaixo da média)
W a U à 202 V (1.3% abaixo da média)

Média: 204.67 V
Variação: 6V (2.9%)

3.2.7.6 TRANSIENTE DE TENSÃO

São picos de tensão de curta duração que aparecem esporadicamente e podem atingir
centenas de Volts (figura 3.24).

Figura 3.24 - Transiente de Tensão






WEG – Transformando Energia em Soluções
64
Módulo 4 – Geração de Energia
3.2.7.7 TOLERÂNCIA DE TENSÃO

Desvios máximos aceitáveis na tensão geralmente são expressos como percentagens da
tensão nominal, por exemplo:
+ 5% à 105% continuamente
– 7,5% à 92,5% continuamente














































WEG – Transformando Energia em Soluções
65
Módulo 4 – Geração de Energia
3.3 GERADORES WEG

Atualmente a WEG MÁQUINAS produz duas linhas básicas de máquinas síncronas:
linha S e linha GTA.
A linha S foi criada para atender aplicações mais específicas e é composta de produtos
engenheirados (motores e geradores) com carcaças a partir da 355 até 2000 em baixa ou alta
tensão. São fabricados em chapas de aço soldadas, abertos ou fechados com trocador de calor a
ar ou água, formas construtivas B3, D5, D6 ou V1. Acionadas geralmente por turbinas
hidráulicas ou a vapor.
A linha GTA é uma evolução das extintas linhas DK e BTA, composta somente de
máquinas seriadas (geradores) normais, telecomunicações e navais , com carcaças a partir da 200
até 500, somente em baixa tensão. São fabricadas em chapas de aço calandradas, abertas, e nas
formas construtivas B15T ou B5/B3T. Acionadas geralmente por motores diesel.
Esta linha tem como principais vantagens, em relação à linha BTA anterior, as seguintes
características:
• Passo de bobinagem 2/3, baixa distorção harmônica e baixa reatância subtransitória,
sendo apto a alimentar cargas deformantes com componentes de 3
a
harmônica altas;
• Excitatriz com imãs permanentes, facilitando assim o escorvamento sob qualquer
condição;
• Facilidade de manutenção, proporcionada pela robustez das máquinas, acesso
facilitado aos diodos e regulador de tensão;
• Facilidade de manutenção da corrente de curto-circuito devido a presença de bobina
auxiliar para alimentação do regulador de tensão.

3.3.1 NORMAS APLICÁVEIS

As máquinas são projetadas, fabricadas e testadas segundo as normas ABNT, IEC e
DIN, onde aplicáveis. Especificamente podemos citar:

• VDE 0530-Máquinas Elétricas Girantes (Especificação e Características de Ensaio);
• NBR 5117-Máquinas Síncronas (Especificação);
• NBR 5052-Máquinas Síncronas (Método de Ensaio).

3.3.2 GERADORES COM EXCITAÇÃO POR ESCOVAS
3.3.2.1 TIPO SL (ANTIGO DL)

No gerador SL, o campo é alimentado em corrente contínua por escovas e anéis
coletores, e a tensão alternada é retirada do estator (fig.3.2.1), neste sistema normalmente o
campo é alimentado por uma excitatriz chamada de excitatriz estática. A tensão de saída do
gerador é mantida constante para qualquer carga e fator de potência, pois esta verifica
constantemente a tensão de saída. Quando acionado na rotação nominal o processo de
escorvamento se inicia pela tensão residual do gerador.







WEG – Transformando Energia em Soluções
66
Módulo 4 – Geração de Energia
VANTAGENS:

• Menor tempo de resposta na recuperação de tensão;
• Menor queda de tensão na partida de motores de indução.

DESVANTAGENS:

• Exige manutenção periódica no conjunto escovas e porta escovas;
• Não é aconselhável a utilização em centro de processamento de dados,
telecomunicações, devido a possibilidade de gerar rádio interferência em função de
mau contato das escovas.

3.3.3 GERADORES COM EXCITAÇÃO SEM ESCOVAS (BRUSHLESS)

Para aplicação industrial temos os seguintes tipos:

a) SP (antigos DKBH e DKBP) - O gerador tipo SP possui uma excitatriz auxiliar ao
regulador de tensão, formada por ímãs permanentes. No regulador, a tensão
proveniente da excitatriz auxiliar é retificada, enviada a um gerador de pólos fixos
(excitatriz principal) e ponte retificadora girante . Então, essa tensão contínua é
aplicada ao rotor da máquina (figura 3.26).
Neste sistema as escovas e porta escovas são eliminados pois a tensão de
alimentação do campo do gerador é obtida através da tensão induzida na excitatriz
e o único elemento de interação é o campo magnético.
Na linha SP a excitatriz auxiliar é montada em compartimento separado do
estator principal da máquina.
A antiga linha D possuia duas variações:
• DKBH: excitatriz auxiliar sem ímãs, montada internamente ao gerador.
Neste tipo de excitatriz, se a máquina ficar parada por longos períodos,
pode-se ter dificuldade de se iniciar o escorvamento.
• DKBP: excitatriz auxiliar com ímãs, montada externamente ao gerador
(montada na tampa traseira).

b) SS (antigo DKBL) - No gerador tipo SS a alimentação do regulador é obtida
através de TAP's do próprio enrolamento para baixa tensão ou TP's (trafos de
potencial) para alta tensão. Então, no regulador, a tensão é retificada e enviada a
um gerador de pólos fixos (excitatriz principal) e ponte retificadora girante.

c) GTA (antigo BTA) - Gerador brushless (sem escovas) sem excitatriz auxiliar.
Utiliza um enrolamento auxiliar independente, alojado nas ranhuras da armadura
(bobina auxiliar). Serve para fornecer a tensão para o regulador de tensão. (figuras
3.27 e 3.28).
A bobina auxiliar é um bobinado auxiliar que fica alojado em algumas
ranhuras do estator principal da máquina. Sua função é fornecer potência para
alimentar o campo da excitatriz principal, regulada e retificada pelo regulador de
tensão.






WEG – Transformando Energia em Soluções
67
Módulo 4 – Geração de Energia
Em condições normais de operação do gerador, é produzida uma tensão
monofásica de frequência nominal do gerador, sofrendo pequenas distorções na
forma de onda, dependendo do tipo de carga (resistiva, indutiva ou capacitiva).
Em situações de curto-circuito na saída do gerador, é produzida uma tensão
monofásica de terceira harmônica que alimenta o regulador de tensão e mantém o
curto-circuito.

Figura 3.25 - Gerador com Excitação por Escovas


Figura 3.26 - Gerador tipo DKBH (linha antiga - com excitatriz auxiliar).








WEG – Transformando Energia em Soluções
68
Módulo 4 – Geração de Energia

Figura 3.27 - Gerador tipo BTA (linha antiga).


Figura 3.28 - Gerador tipo GTA (linha atual)










WEG – Transformando Energia em Soluções
69
Módulo 4 – Geração de Energia
3.3.4 GERADORES COM EXCITAÇÃO SEM ESCOVAS PARA APLICAÇÕES
ESPECIAIS

a) TELECOMUNICAÇÕES - Os geradores tipo Telecomunicações são fabricados
elétrica e mecanicamente conforme especificações da norma TELEBRÁS . As
aplicações mais comuns são grupos diesel de emergência para centrais telefônicas,
repetidoras, radares, sistema de rádio, aeroportos e outras cargas críticas.

Vantagens:

• Não utiliza escovas e porta-escovas conseguindo-se com isso, manutenção
reduzida, solicitando cuidados apenas na lubrificação dos rolamentos.
• Não introduz rádio-interferências ocasionado pelo mau contato das escovas.
• Deformações na forma de onda gerada, provocada pelas cargas, não
interferem na regulação, pois o regulador é alimentado por uma bobina
auxiliar, independente da tensão de saída.
• Admite facilmente o controle de tensão manual.

Características Técnicas:

• Normas aplicáveis: VDE, ABNT, IEC e TELEBRÁS.
• Forma construtiva: B5/B3T com flange para acoplamento monobloco a motor
diesel.
• Reatância sub-transitória de eixo direto (xd") menor que 12%.
• Distorção harmônica total menor que 3% para carga linear.
• Precisão da regulação de tensão t0,5% para qualquer valor de carga com fator
de potência entre 0,8 e 1,0.
• Transitório de tensão para degrau de 100% da carga: t10% da tensão nominal.
• Tempo de resposta para recuperar a tensão, menor que 0,5 segundos.
• Variações de t5% na rotação do motor diesel, não prejudicam a regulação da
tensão.
• Faixa de ajuste da tensão nominal pelos potenciômetros: ajuste normal t15%,
ajuste fino t5%
• Sobrecarga admissível: 10% durante 1 hora a cada 6 horas, de 200% por 15
segundos a cada 1 hora.

b) NAVAL - Os geradores para uso naval são projetados e fabricados para atender
parâmetros e características técnicas de acordo com as entidades classificadoras e
normas afins.

c) MARINIZADO - Os geradores marinizados são projetados e fabricados para
atender parâmetros e características técnicas para aplicações em ambientes
marítimos, entretanto, não obedecem a entidades classificadoras.






WEG – Transformando Energia em Soluções
70
Módulo 4 – Geração de Energia
3.3.5 MOTORES SÍNCRONOS

Devido a portaria n
o
85 do DNAEE de 15/03/1992 que alterou o valor mínimo do fator
de potência de 0,85 para 0,92, tornou-se mais difícil atender a este limite.
Uma das soluções aplicáveis para a obtenção de fatores de potência dentro da faixa
especificada pela portaria é a utilização de motores ou compensadores síncronos.
A grande vantagem da aplicação destas máquinas é a facilidade no ajuste e a
possibilidade da manutenção contínua do valor do fator de potência pré-ajustado.
O motor síncrono apresenta ainda vantagem de poder acionar uma carga no eixo
(mecânica), enquanto funciona como compensador do fator de potência.
Os motores síncronos caracterizam-se quanto à dinâmica de funcionamento, por terem a
mesma velocidade de rotação do campo girante da armadura em regime permanente e por não
terem, por si só, conjugado de partida.
Deste modo, tais motores necessitam de um método de partida. Na prática, o mais
comum consiste em dar a partida no motor síncrono como se este fosse um motor assíncrono e
depois excitar o indutor (alimentar o enrolamento de campo com corrente contínua), a fim de
sincronizá-lo.
Para os motores síncronos de pólos salientes, o método de partida consiste na aplicação
de barras de cobre, latão ou alumínio nas sapatas polares, que são curto-circuitadas nas
extremidades por meio de anéis coletores, como se fosse a gaiola de um motor de indução
assíncrono. A figura 3.29a mostra as barras curto-circuitadas nas sapatas polares. A gaiola de
partida também é chamada de enrolamento amortecedor, pois além de fornecer o conjugado de
partida, amortece as oscilações causadas pelas variações de carga, estabilizando a rotação do
motor.
A partida do motor síncrono sem escovas ("brushless") é feita com enrolamento de
campo (excitação) curto-circuitado e com o induzido (armadura) conectado à rede. Curto-
circuita-se o enrolamento de campo com o objetivo de evitar a indução de tensões muito altas
entre seus terminais, o que provocaria a perfuração do isolamento.
Liga-se a armadura a uma rede de tensão alternada e, então, manifesta-se o conjugado
de motor assíncrono e o rotor acelera até próximo à velocidade síncrona sem contudo, atingí-la.
Quando a velocidade do rotor for cerca de 95% da velocidade síncrona, é alimentado o
enrolamento de campo com corrente contínua. O campo magnético criado pelo enrolamento de
campo entrelaça-se com o campo magnético da armadura, manifestando o conjugado de
sincronismo e fazendo com que o rotor acompanhe o campo de armadura, movimentando-se à
velocidade síncrona.
Este fenômeno transitório é chamado "sincronização".







WEG – Transformando Energia em Soluções
71
Módulo 4 – Geração de Energia

Figura 3.29 – Perfil da chapa do campo (a) e
Diagrama esquemático para Motor Síncrono (b)

Sistema de Excitação Sem Escovas para Motor Síncrono

O sistema de excitação sem escovas é constituído de:

• Excitatriz auxiliar;
• Excitatriz principal;
• Enrolamento de campo.

A excitatriz auxiliar é uma máquina de pólos externos. Seu rotor é constituído de barras
axiais encravadas nas sapatas polares do rotor da máquina principal, que são seus pólos de
excitação. O estator, constituído de chapas, possui um enrolamento trifásico.
A excitatriz principal é um gerador de corrente trifásica de pólos salientes que
acomodam as bobinas do campo de excitação, que são ligadas em série.
O rotor da excitatriz principal é laminado, e suas ranhuras abrigam um enrolamento
trifásico ligado em estrela. O ponto comum desta ligação estrela é inacessível. De cada ponto da
ligação estrela saem dois fios para os retificadores girantes, assentados sobre dois suportes
dissipadores.
O enrolamento de campo é montado sobre o rotor da máquina principal, com as bobinas
enroladas sobre os pólos de excitação. O esquema do sistema de excitação do campo do motor
síncrono sem escovas é mostrado na figura 3.29b.
O estator da máquina principal, que é alimentado pela rede através dos terminais U1,
V1, W1 induz através das barras axiais encravadas no rotor, uma tensão trifásica na excitatriz






WEG – Transformando Energia em Soluções
72
Módulo 4 – Geração de Energia
auxiliar. Esta tensão é retificada e alimenta o estator da excitatriz principal. A tensão induzida no
rotor da excitatriz principal é retificada e alimenta o enrolamento de campo.
Na partida é induzida uma tensão muito alta no rotor da máquina e isto faz com que
ocorra chaveamento dos tiristores, curto-circuitando o enrolamento de campo. Quando a tensão
cai para 130V (aproximadamente em 95% da rotação), os tiristores deixam de conduzir e o
enrolamento de campo passa, então, a receber a tensão retificada.

Vantagens deste sistema:

• Não utiliza escovas e porta-escovas;
• Não introduz rádio-interferência pelo mau contato das escovas;
• Manutenção reduzida, solicitando cuidados apenas na lubrificação dos rolamentos.

3.3.6 REGULADOR DE TENSÃO

O regulador de tensão é eletrônico e automático. Tem por finalidade manter a tensão
constante, independente das variações da carga. Retifica a tensão trifásica proveniente da bobina
auxiliar ou do estator da excitatriz ou de TAP's da armadura da máquina principal, levando-a
através de um transistor de potência ao enrolamento de campo da excitatriz principal. Possui
também circuitos de proteção para assegurar um controle confiável do gerador.

3.3.7 TEMPO DE REGULAGEM DA TENSÃO (TEMPO DE RESPOSTA)

Como tempo de regulagem, subentende-se aqui, o tempo transcorrido desde o início da
queda de tensão, até o momento em que a tensão entra no intervalo de tolerância estacionária,
(por exemplo) ± 0,5 e permanece a mesma (figura 3.30).

Figura 3.30 - Tempo de Regulagem de Tensão

O tempo exato de regulagem, depende na prática de inúmeros fatores, portanto só pode
ser indicado aproximadamente.
A figura 3.40 dá uma indicação aproximada sobre os tempos de regulagem a serem
considerados, e valem para os degraus de cargas nominais.






WEG – Transformando Energia em Soluções
73
Módulo 4 – Geração de Energia
Em condições diferentes da acima, os tempos podem ser calculados proporcionalmente
à queda de tensão.

Figura 3.40 - Tempo de Regulagem de Tensão

3.3.8 NOMENCLATURA DAS MÁQUINAS SÍNCRONAS WEG



G T A . 3 1 5 M I 3 1 S 0 4 C

Tipo de Máquina

G

Máquina Síncrona não Engenheirada

S

Máquina Síncrona Engenheirada


G T A . 3 1 5 M I 3 1 S 0 4 C

Carcaça .160 até 2000


G T A . 3 1 5 M I 3 1 S 0 4 C

Comprimento da Carcaça

S, M, L, A, B, C, D, E ,F







WEG – Transformando Energia em Soluções
74
Módulo 4 – Geração de Energia

G T A . 3 1 5 M I 3 1 S 0 4 C

Aplicação

I

Industrial

M

Marinizado

T

Telecomunicações

N

Naval

E

Especial


G T A . 3 1 5 M I 3 1 S 0 4 C

Característica

T

Gerador Brushless c/Bobina auxiliar

P

Gerador Brushless c/Excitatriz auxiliar

S

Gerador Brushless s/auxiliar

L

Gerador com escovas

D

Motor com escovas

E

Motor Brushless sem Excitatriz auxiliar

F

Motor Brushless com Excitatriz auxiliar

M

Monofásico Brushless sem Excitatriz auxiliar

N

Monofásico Brushless com Excitatriz auxiliar

Q

Monofásico Brushless com Bobina auxiliar


G T A . 3 1 5 M I 3 1 S 0 4 C

Código do Pacote

00 até 99


G T A . 3 1 5 M I 3 1 S 0 4 C

Tipo de Rotor

S

Pólos Salientes

L

Pólos Lisos


G T A . 3 1 5 M I 3 1 S 0 4 C

Número de Pólos










WEG – Transformando Energia em Soluções
75
Módulo 4 – Geração de Energia
GTA.315MI31104C

Tipo de Cálculo

C

Consulta

E

Especificação para OP,AM e AT

K

Catálogo


G T A . 3 1 5 M I 3 1 S 0 4 C

Tipo de Refrigeração

A

Aberto Autoventilado

F

Trocador de calor ar-ar

W

Trocador de calor ar-água

I

Ventilacao forçada Independente

D

Auto-Ventilador por Dutos

T

Ventilação Forçada por Dutos

L

Ventilacao Forçada com Trocador Ar -água

V

Ventilação Forçada Aberto































WEG – Transformando Energia em Soluções
76
Módulo 4 – Geração de Energia
3.4 CARACTERÍSTICAS DO AMBIENTE

Entre outros, dois fatores influem na determinação da potência admissível: a
temperatura do meio refrigerante e a altitude em que o gerador for instalado.

a) Meio refrigerante: Na maioria dos casos o ar ambiente de temperatura não superior
a 40
o
C e isento de elementos prejudiciais.

b) Altitude (não superior a 1000m sobre o nível do mar).

Até nestes valores de altitude e temperatura ambiente considera-se condições normais
que o gerador deve fornecer, sem sobre aquecimento, sua potência nominal.

3.4.1 ALTITUDE

Gerador funcionando em altitude acima de 1000m apresentam problemas de
aquecimento causado pela rarefação do ar e consequentemente diminuição do seu poder de
arrefecimento.
A insuficiente troca de calor entre o gerador e o ar circundante, leva à exigência de
redução de perdas, o que significa também redução de potência.
Os geradores tem aquecimento diretamente proporcional as perdas e estas variam
aproximadamente, numa razão quadrática com a potência.

3.4.2 TEMPERATURA AMBIENTE.

Geradores que trabalham em temperaturas inferiores a –20
o
C apresentam os seguintes
problemas:
a) Excessiva condensação, exigindo drenagem adicional ou instalação de resistência de
aquecimento, caso o gerador fique longos períodos parado.
b) Formação de gelo nos mancais provocando endurecimento das graxas ou
lubrificantes dos mancais, exigindo o emprego de lubrificantes especiais ou graxa
anti-congelante.

Em geradores que trabalham a temperatura ambiente constantemente superiores a 40
o
C,
o enrolamento pode atingir temperaturas prejudiciais a isolação.Este fato tem que ser
compensado por um projeto especial do gerador, usando materiais isolantes especiais ou pela
redução da potência nominal do mesmo.

3.4.3 DETERMINAÇÃO DA POTÊNCIA ÚTIL DO GERADOR NAS
DIVERSAS CONDIÇÕES DE TEMPERATURA E ALTITUDE

Associando os efeitos da variação da temperatura e da altitude à capacidade de
dissipação, a potência do gerador pode ser obtida multiplicando-se a potência útil pelo fator de
multiplicação encontrado na figura 3.41.






WEG – Transformando Energia em Soluções
77
Módulo 4 – Geração de Energia
As máquinas podem ser operadas à potência nominal, nas diversas altitudes, desde que
as seguintes temperaturas não sejam excedidas:

0 a 1000m 40
o
C
1000 a 2000m 30
o
C
2000 a 3000m 20
o
C
3000 a 4000m 10
o
C


Fig. 4.3.1 - Diagrama de Potência em Função da
Altitude e da Temperatura Ambiente.

3.4.4 ATMOSFERA AMBIENTE
3.4.4.1 AMBIENTES AGRESSIVOS

Ambientes agressivos, tais como, estaleiros, instalações portuárias, indústria de pescado
e múltiplas aplicações navais, indústria química e petroquímica, exigem que os equipamentos
que neles trabalham sejam perfeitamente adequados para suportar tais circunstâncias com
elevada confiabilidade, sem apresentar problemas de qualquer espécie.
Para aplicação de geradores nestes ambientes agressivos deverá ser feito uma consulta a
fábrica.
Nos casos de geradores para uso naval apresentam características especiais de acordo
com as exigências de construção, inspeção e ensaios estabelecidos nas normas das sociedades
classificadoras, entre as quais:






WEG – Transformando Energia em Soluções
78
Módulo 4 – Geração de Energia
• American Bureau of Shipping;
• Bureau Veritas;
• Lloyds Register of Shipping;
• Germanischer Lloyd.

e outras conforme tabela 3.3, que determinam o limite máximo de potência do catálogo.

REDUÇÃO DA POTÊNCIA CONFORME ENTIDADES CLASSIFICADORAS E NORMAS

SOBRECARGA ADMISSÍVEL S/
AQUECIMENTO PREJUDICIAL NORMA
MÁXIMA
TEMPERATURA
AMBIENTE
o
C
POTÊNCIA
EM %
% TEMPO
OBSERVAÇÃO
VDE 0530 1972 40 100 50 15seg
Germanischer Lloyd
1973
45 96 50%p/ cos 0,5 2min
IEC 1969
50
40
76
100
50 15seg 1) 2)
Lloyds Register 1975 45 92 50 15seg
ABS 1975 50 88
NV 1976 45 92 50%p/ cos 0,6 2min
BV 1977 50 92
RIN a 1976 50 92 50 15seg
Seeregister de UdSSR
1975
45 96 50 2min
Tabela 3.3 - Potência Máxima de Catálogo em Função da Temperatura Ambiente

1) Linha superior é para navios, linha inferior para instalações terrestres;
2) Classe de isolamento "B". Classe "F", só com autorização especial. Máquinas
classe "F", funcionando com classe "B", a potência precisa ser diminuída para
0,84 da potência nominal;
3) Quando houver anexação de filtro, será preciso considerar uma redução de
potência de 5%.

3.4.5 GRAUS DE PROTEÇÃO

Os invólucros dos equipamentos elétricos, conforme as características do local em que
serão instaladas e de sua acessibilidade, devem oferecer um determinado grau de proteção.
Assim, por exemplo, um equipamento a ser instalado num local sujeito a jatos de água
deve possuir um invólucro capaz de suportar tais jatos, sob determinados valores de pressão e
ângulo de incidência, sem que haja penetração de água.

3.4.5.1 CÓDIGO DE IDENTIFICAÇÃO

As normas IEC e ABNT-NBR 6146 definem os graus de proteção dos equipamentos
elétricos por meio das letras características IP seguidas por dois algarismos.







WEG – Transformando Energia em Soluções
79
Módulo 4 – Geração de Energia
1
o
Algarismo: Indica o grau de proteção contra penetração de corpos sólidos estranhos e
contato acidental.

0 - sem proteção
1 - corpos estranhos de dimensões acima de 50mm
2 - idem, acima de 12mm
4 - idem, acima de 1mm.
5 - proteção contra acúmulo de poeiras prejudiciais ao gerador.

2
o
Algarismo: Indica o grau de proteção contra penetração de água no interior do
gerador

0 - sem proteção
1 - pingos de água na vertical
2 - pingos de água até a inclinação de 15• com a vertical
3 - água de chuva até a inclinação de 60• com a vertical
4 - respingos de todas as direções
5 - jatos de água de todas as direções
6 - água de vagalhões
7 - imersão temporária
8 - imersão permanente

As combinações entre os dois algarismos, isto é, entre os dois critérios de proteção,
estão resumidos na tabela 3.4.
Note que, de acordo com a norma, a qualificação do gerador em cada grau no que refere
a cada um dos algarismos, é bem definida através de ensaios padronizados e não sujeita a duplas
interpretações, como acontecia anteriormente.


























WEG – Transformando Energia em Soluções
80
Módulo 4 – Geração de Energia
1
o
ALGARISMO 2
o
ALGARISMO
GERADORES
CLASSE DE
PROTEÇÃO
PROTEÇÃO CONTRA
CONTATO
PROTEÇÃO CONTRA CORPOS
ESTRANHOS
PROTEÇÃO CONTRA ÁGUA
IP00 NÃO TEM NÃO TEM NÃO TEM
IP02 NÃO TEM NÃO TEM
PINGOS DE ÁGUA ATÉ UMA
INCLINAÇÃO DE 15
o
COM A
VERTICAL
IP11
TOQUE ACIDENTAL
COM A MÃO
CORPOS ESTRANHOS
SÓLIDOS DE DIMENSÕES
ACIMA DE 50mm.
PINGOS DE ÁGUA NA VERTICAL
IP12
PINGOS DE ÁGUA ATÉ UMA
INCLINAÇÃO DE 15
o
COM A
VERTICAL
IP13
ÁGUA DE CHUVA ATÉ UMA
INCLINAÇÃO DE 60
o
COM A
VERTICAL.
IP21 TOQUE COM OS DEDOS
CORPOS ESTRANHOS
SÓLIDOS DE DIMENSÕES
ACIMA DE 12mm.
PINGOS DE ÁGUA NA VERTICAL
IP22
PINGOS DE ÁGUA ATÉ UMA
INCLINAÇÃO DE 15
o
COM A
VERTICAL
IP23
ÁGUA DE CHUVA ATÉ UMA
INCLINAÇÃO DE 60
o
COM A
VERTICAL
A
B
E
R
T
O
IP44
TOQUE COM
FERRAMENTAS
CORPOS ESTRANHOS
SÓLIDOS ACIMA DE 1mm
RESPINGOS DE TODAS AS
DIREÇÕES
IP54
PROTEÇÃO COMPLETA
CONTRA TOQUE
PROTEÇÃO CONTRA
ACÚMULO DE POEIRAS
NOCIVAS
RESPINGOS DE TODAS AS
DIREÇÕES
F
E
C
H
A
D
O
IP55
JATOS DE ÁGUA DE TODAS AS
DIREÇÕES
Tabela 3.4 - Grau de Proteção

3.4.5.2 TIPOS USUAIS

Embora os algarismos indicativos do grau de proteção possam ser combinados de
muitas maneiras, somente alguns tipos de proteção são empregados nos casos normais. São eles
IP21, IP23 (geradores abertos). Para aplicações especiais mais rigorosas, são comuns também os
graus de proteção IP54 (ambientes muito empoeirados) e IP55 (casos em que os equipamentos
são lavados periodicamente com mangueiras, como em fábricas de papel).

3.4.6 LIMITES DE RUÍDO

As normas IEC 39.9 e a NBR - projetos limites 3:02.8-001 especificam limites máximos
de nível de potência sonora, em decibéis, na escala de ponderação A, dB (A), para ruídos de
máquinas elétricas girantes transmitindo através do ar, conforme Tabela 3.5.













WEG – Transformando Energia em Soluções
81
Módulo 4 – Geração de Energia

GRAUS DE PROTEÇÃO

IP22

IP44

IP22

IP44

IP22

IP44

IP22

IP44

IP22

IP44

IP22

IP44

VELOCIDADE NOMINAL -RPM

n > 960

960 < n
≤ 1320

1320 < n
≤ 1900

1900 < n
≤ 2360

2360 < n
≤ 3150

3150 < n
≤ 3750

FAIXAS DE POTÊNCIAS NOMINAIS, P

GERADORES

kW

cv

NÍVEL DE POTÊNCIA SONORA dB(A)

P < 1,1

P < 1,1

71

76

75

78

78

80

80

82

82

84

85

88

1,1 < P < 2,2

1,5 < P < 3,0

74

79

78

80

81

83

83

86

85

88

89

91

2,2 < P < 5,5

3,0 < P < 7,5

77

82

81

84

85

87

86

90

89

92

93

95

5,5 < P < 11

7,5 < P < 15

81

85

85

88

88

91

90

94

93

96

97

99

11 < P < 22

15 < P < 30

84

88

88

91

91

95

93

98

96

100

99

102

22 < P < 37

30 < P < 50

87

91

91

94

94

97

96

100

99

103

101

104

37 < P < 55

50 < P < 75

90

93

94

97

97

99

98

102

101

105

103

106

55 < P < 110

75 < P< 150

94

96

97

100

100

103

101

105

103

107

104

108

110 < P < 220

150 < P < 300

97

99

100

103

103

106

103

108

105

109

106

110

220 < P < 630

300 < P < 860

99

101

102

105

106

108

106

110

107

111

107

112

630 < P < 1100

860 < P < 1500

101

103

105

108

108

111

108

112

109

112

109

114

1100 < P < 2500

1500 < P < 3400

103

105

108

110

110

113

109

113

110

113

110

115

2500 < P < 6300

3400 < P < 8600

105

108

110

112

111

115

111

115

112

115

111

116
Tabela 3.5 - Nível de potência sonora em dB(A).

3.4.7 VIBRAÇÃO

A tabela 3.6 indica valores admissíveis para a máxima velocidade de vibração para as
diversas carcaças, dentro de 3 tipos de balanceamento que são:
Normal, Reduzido e Especial conforme Norma DIN 45665.
Os geradores normalmente são balanceados no grau N.


















WEG – Transformando Energia em Soluções
82
Módulo 4 – Geração de Energia

VALOR LIMITE DA VELOCIDADE DE VIBRAÇÃO
VEF E VALOR DE PICO, EQUIVALENTE DA VELOCIDADE DE VIBRAÇÃO:
veq - 2 .vef 2 em mm/s para carcaça:

80 a 132

160 a 225

250 a 315

BALANCEAMENTO

FAIXA DE
ROTAÇÃO

vef

veq

vef

veq

vef

veq

N
(normal)

600 até 1800
Além de
1800 até 3600

1.80

2.50

2.80

4.00

4.50

6.30

R
(reduzida)

600 até 1800
Além de
1800 até 3600

0.71

1.12

1.00

1.60

1.12

1.80

1.60

2.60

1.80

2.80

2.50

4.00

S
(especial)

600 até 1800
Além de
1800 até 3600

0.46

0.71

0.63

1.00

0.71

1.12

1.00

1.60

1.12

1.80

1.60

2.50
Tabela 3.6 - Limites de vibração

Para vibrações ainda menores deverão ser tomados os valores de nível S, divididos por
1,6. Somente para vibrações senoidais puras é possível um cálculo simples da amplitude da
vibração. O aparelho para medição deve corresponder as exigências, conforme DIN 45666.Não
sendo feitas especificações especiais, os valores do nível N de vibrações valem para todas as
máquinas elétricas.

3.4.8 VENTILAÇÃO

As perdas são inevitáveis no gerador e o calor gerado por elas deve ser dissipado, ou
seja, transferido para o elemento de resfriamento do gerador, usualmente o ar ambiente. A
maneira pela qual é feita a troca de calor entre as partes aquecidas do gerador e o ar ambiente é o
que define o SISTEMA DE VENTILAÇÃO do gerador. Os sistemas usuais são de dois tipos
principais:

3.4.8.1 GERADOR ABERTO

É o gerador em que o ar ambiente circula no interior do gerador em contato direto com
as partes aquecidas que devem ser resfriadas.
Neste sistema o gerador apresenta uma proteção IP21 ou IP23. Possui um ventilador
interno acoplado ao eixo.















WEG – Transformando Energia em Soluções
83
Módulo 4 – Geração de Energia

Figura 3.42 - Gerador Aberto

O ventilador aspira o ar ambiente que após passar através da máquina é devolvido
quente novamente ao meio ambiente.
O gerador aberto propriamente dito, ou seja, aquele em que não há nenhuma restrição à
livre circulação do ar ambiente por dentro do gerador, é raramente usado, na realidade, as
entradas e saídas de ar costumam ser parcialmente protegidas, segundo diversos graus de
proteção que foram descritos no ítem 3.4.5.
A figura 3.42 mostra o esquema do circuito de refrigeração do gerador auto-ventilado.
A proteção neste caso é IP23, pois a saída possui venezianas que dão a proteção contra água a
60
o
. No caso da proteção IP21 a veneziana é substituída por uma grade.

3.4.8.2 GERADOR TOTALMENTE FECHADO

"Gerador Fechado de tal modo que não haja troca de meio refrigerante entre o interior e
o exterior da carcaça, não sendo necessariamente estanque" (Definição da ABNT).
O ar ambiente é separado do ar contido no interior do gerador não entrando em contato
direto com as partes internas do gerador. A transferência de calor é toda feita na superfície
externa do gerador.
O gerador não é "estanque", isto é, as folgas de montagem não impedem totalmente a
penetração do ar ambiente para dentro do gerador e a saída de ar de dentro para fora. Por
exemplo:
Quando o gerador começa a funcionar, o ar contido no seu interior se aquece e se
expande, criando uma leve diferença de pressão e fazendo com que um pouco de ar "escape" do
gerador para o ambiente. Quando o gerador para, o ar interno esfria e se contrai, fazendo com
que um pouco do ar externo penetre no gerador. O gerador, assim, "respira" em função das
oscilações de temperatura.
Dependendo da maneira como é feita a troca de calor na superfície externa do gerador,
existem os seguintes tipos de geradores totalmente fechado:










WEG – Transformando Energia em Soluções
84
Módulo 4 – Geração de Energia
a) Gerador totalmente fechado com trocador de calor ar-ar.

O gerador possui dois ventiladores acoplados no eixo, um interno e outro externo. O
trocador de calor é colocado na parte superior do gerador.

Figura3.43 - Refrigeração do gerador com trocador de calor ar-ar.

O trocador de calor ar-ar é constituído de tubos colocados axialmente e montados na
parte superior do gerador. O tubo é fornecido em aluminio trefilado, liga ABNT 1100 e em
algumas aplicações, em aço sem costura, fosfatizado e protegido por uma tinta anti-corrosiva.

b) Gerador totalmente fechado com trocador de calor ar-água

O gerador possui um ventilador acoplado no eixo. A figura 3.44 mostra o esquema do
circuito de refrigeração do gerador com trocador de calor ar-água.

Figura 3.44 - Refrigeração do gerador com trocador de calor ar-água







WEG – Transformando Energia em Soluções
85
Módulo 4 – Geração de Energia
3.4.9 ACESSÓRIOS/ESPECIALIDADES
3.4.9.1 RESISTÊNCIA DE AQUECIMENTO
As resistências de aquecimento são utilizadas em gerador instalado em ambientes muito
úmidos, impedindo a condensação de água ao ficarem parados por longo espaço de tempo,
devido ao fato de aquecerem o enrolamento alguns graus acima do ambiente (5 a l0
o
C).

CARCAÇA POTÊNCIA (W)
160 48
225 90
250 90
280 180
315 180
355 180
400 180
450 180
Tabela 3.7 - Potência das Resistências de Aquecimento por Carcaça

A aplicação é opcional, solicitada pelo cliente ou recomendada pela WEG quando ficar
evidenciada a aplicação em ambientes desfavoráveis.
As resistências de aquecimento poderão funcionar em redes de alimentação de 110V,
220V e 440V, dependendo da tensão da resistência e da ligação das mesmas.
A tensão de alimentação das resistências deverá ser especificada pelo cliente.
Dependendo da carcaça, serão empregados os resistores de aquecimento da tabela 3.7.

3.4.9.2 PROTEÇÃO TÉRMICA DE GERADORES ELÉTRICOS

A proteção térmica é efetuada por meio de termoresistências(resistência calibrada),
termistores, termostatos ou protetores térmicos. Os tipos de detetores a serem utilizados são
determinados em função da classe de temperatura do isolamento empregado, de cada tipo de
máquina e da exigência do cliente.

3.4.9.2.1 TERMORESISTÊNCIAS(PT-100)

São elementos onde sua operação é baseada na característica de variação da resistência
com a temperatura, intrínseca a alguns materiais(geralmente platina, níquel ou cobre). Possuem
resistência calibrada, que varia linearmente com a temperatura, possibilitando um
acompanhamento contínuo do processo de aquecimento do gerador pelo display do controlador
com alto grau de precisão e sensibilidade de resposta. Sua aplicação é ampla nos diversos setores
de técnicas de medição e automatização de temperatura nas indústrias em geral. Geralmente,
aplica-se em instalações de grande responsabilidade, como por exemplo, em mancais de
rolamentos ou buchas. Um mesmo detetor pode servir para alarme e para desligamento.

Desvantagem:
• Os elementos sensores e o circuito de controle possuem um alto custo.






WEG – Transformando Energia em Soluções
86
Módulo 4 – Geração de Energia
3.4.9.2.2 TERMISTORES(PTC E NTC)

São detetores térmicos compostos de sensores semi-condutores que variam sua
resistência bruscamente ao atingirem uma determinada temperatura.

PTC - Coeficiente de Temperatura Positivo
NTC - Coeficiente de Temperatura Negativo

O tipo "PTC" é um termistor cuja resistência aumenta bruscamente para um valor bem
definido de temperatura, especificado para cada tipo. Essa variação brusca na resistência
interrompe a corrente no PTC, acionando um relé de saída, o qual desliga o circuito principal.
Também pode ser utilizado para sistemas de alarme ou alarme e desligamento (2 por fase).
Para o termistor "NTC" acontece o contrário do PTC, porém, sua aplicação não é
normal em geradores elétricos, pois os circuitos eletrônicos de controle disponíveis, geralmente
são para o PTC.
Os termistores possuem tamanho reduzido, não sofrem desgastes mecânicos e têm uma
resposta mais rápida em relação aos outros detetores, embora permitam um acompanhamento
contínuo do processo de aquecimento do gerador. Os termistores com seus respectivos circuitos
eletrônicos de controle oferecem proteção completa contra sobreaquecimento produzido por
sobrecarga, sub ou sobretensões ou liga-desliga. Possuem um baixo custo, relativamente ao do
tipo Pt-100, porém, necessitam de relé para comando da atuação do alarme ou operação.

3.4.9.2.3 TERMOSTATOS

São detetores térmicos do tipo bimetálico com contatos de prata normalmente fechados,
que se abrem quando ocorre determinada elevação de temperatura. Quando a temperatura de
atuação do bimetálico baixar, este volta a sua forma original instantaneamente permitindo o
fechamento dos contatos novamente.
Os termostatos podem ser destinados para sistemas de alarme, desligamento ou ambos
(alarme e desligamento) de geradores elétricos trifásicos, quando solicitado pelo cliente. São
ligados em série com bobina do contator. Dependendo do grau de segurança e da especificação
do cliente, podem ser utilizados três termostatos (um por fase) ou seis termostatos (grupos de
dois por fase).



















WEG – Transformando Energia em Soluções
87
Módulo 4 – Geração de Energia
Máxima sobreelevação de temperatura permitida por classe de isolamento.
t em ºC (Métodos da variação de resistência)
NORMA
Máxima
temperatura
ambiente
ºC ta
A E B F
Brasil
ABNT NBR - 5117
40 60 75 80 100
Norma Internacional
IEC 34 - 1
40 60 75 80 100
Alemanha
VDE 0530 parte
40 60 75 80 100
USA
NEMA MG 1 e ASA
40 60 - 80 105
Canadá
CSA C 22.2 N
0
54
40 60 - 80 105
Grã-Bretanha
BS 2613
40 60 75 80 100
Austrália
BS 2613
40 60 75 80 100
Bélgica
NBN 7
40 60 75 80 100
Dinamarca
DS 5002
40 60 75 80 100
França
NF CS1 -100
40 60 75 80 100
Holanda
VEMET N 1007
40 - 70 80 100
Índia
IS: 325-1961
40 60 75 80 -
Itália
CE 12-3
40 60 70 80 100
Noruega
NEM AV
40 60 75 80 -
Áustria
OVE - MIO
40 - 75 80 100
Suécia
SEN 22
40 60 70 80 100
Suíça
SEV 3009
40 60 75 80 100
Tabela 3.8 - Máxima sobreelevação de Temperatura Permitida por Classe de isolamento

Para operar em alarme e desligamento (dois termostatos por fase), os termostatos de
alarme devem ser apropriados para atuação na elevação de temperatura prevista do gerador,
enquanto que os termostatos de desligamento deverão atuar na temperatura máxima do material
isolante.




















WEG – Transformando Energia em Soluções
88
Módulo 4 – Geração de Energia
3.5 CARACTERÍSTICAS DE DESEMPENHO
3.5.1 POTÊNCIA NOMINAL

É a potência que o gerador pode fornecer, dentro de suas características nominais, em
regime contínuo. O conceito de potência nominal, ou seja, a potência que o gerador pode
fornecer, está intimamente ligado à elevação de temperatura do enrolamento (Tabela 3.10).
Sabemos que o gerador pode acionar cargas de potência bem acima de sua potência nominal, até
quase atingir o limite de estabilidade.
O que acontece, porém, é que se esta sobrecarga for excessiva, isto é, for exigida do
gerador uma potência muito acima daquela para a qual foi projetado, o aquecimento normal será
ultrapassado e a vida do gerador será diminuída, podendo ele, até mesmo, queimar-se
rapidamente.
A potência do gerador é fixada em relação a potência das fontes consumidoras, ou de
acordo com a potência do motor do acionamento:

a) Fixação de potência de acordo com a potência das fontes consumidoras.

Para a determinação do tamanho da máquina devemos conhecer a potência aparente S:

S = U
L
x I
L
x 3 .

Onde: S = potência aparente [VA];
U
L
= tensão de linha [V];
I
L
= corrente de linha [A].

Nos catálogos a potência aparente é dada em kVA, sendo válida para os fatores de
potência entre 0,8 e 1,0 (Indutivos).
Para fatores de potência menores que 0,8, a potência deve ser reduzida conforme a
figura 3.45, isto implica portanto que o cos(ϕ) também deve ser conhecido.
Portanto, se um gerador for conectado a carga com fatores de potência distintos, é
preciso averiguar antes, quais os componentes de potência ativa e reativa, e daí determinar a
potência aparente total, bem como o fator de potência geral.

) Qn + ... + Q2 + (Q1 + ) Pn + ... + P2 + (P1 = S
2 2


Onde: Pn = componente da potência ativa da fonte consumidora (VA);
Qn = componente da potência reativa da fonte consumidora (VAr).

S
P
= os c

ϕ







WEG – Transformando Energia em Soluções
89
Módulo 4 – Geração de Energia

Figura 3.45 – Potência em função do cos(ϕ)

b) Fixação da potência de acordo com a potência do motor de acionamento.

Muitas vezes, não é possível conhecer a potência exata das fontes consumidoras. Neste
caso a potência do gerador é determinada a partir da potência de acionamentos e, como fator de
potência podemos adotar 0,8.
Da potência útil do motor de acionamento, diminuímos as perdas do gerador, para obter
a potência ativa que fica a disposição nos terminais do gerador.
] kW [
100
) G ( . P
= P
M
G
η


Onde: P
G
- potência do gerador [kW]
P
M
- potência do motor acionante [kW]
η(G) - rendimento do gerador (%)

Para potência do motor acionante dado em [cv], multiplicar por 0,736 para obter [kW]

P
M
[kW] = P
M
[cv] x 0,736

Devemos levar em consideração o rendimento dos geradores indicado nos catálogos
para fatores de potência entre 0,8 e 1,0.

) Cos( x 100
x P
=
) Cos(
P
= S
M G
ϕ
η
ϕ


Exemplos:
Numa indústria deve ser instalado um Grupo Diesel para fornecer eletricidade às suas
instalações, onde existem as seguintes fontes consumidoras.







WEG – Transformando Energia em Soluções
90
Módulo 4 – Geração de Energia
a) Iluminação 80 [kVA] Cos(ϕ) = 0,7
b) Aquecimento 152 [kVA] Cos(ϕ) = 1,0
c) 1 motor trifásico WEG - IP54 - 40 [cv] - IV
d) 1 motor trifásico WEG - IP54 - 60 [cv] – IV Carcaça 200L
e) 1 motor trifásico WEG - IP54 - 75 [cv] - IV

Do catálogo de motores trifásicos WEG obteremos:

motor 40 [cv], 30 kW, Cos(ϕ) = 0,85, η = 90,9%, IP/IN = 7,6
motor 60 [cv], 45 kW, Cos(ϕ) = 0,88, η = 90,8%, IP/IN = 7,8
motor 75 [cv], 55 kW, Cos(ϕ) = 0,90, η = 91,9%, IP/IN = 7,4

Para determinação da potência foi considerado serviço contínuo. Será analisado
posteriormente a influência da partida dos motores.
Para o cálculo da potência ativa e aparente nos motores geralmente indica-se a potência
útil no eixo; a potência ativa consumida abtém-se dividindo pelo rendimento.
Do valor da potência ativa e da reativa, obtém-se a potência aparente total do gerador,
bem como o fator de potência para o motor de 40 cv teremos:

] kW [ 33,0 =
90,9
30
=
100 x ] kW [ P
= ] kW [ P
m
100 ×
η

] kVA [ 38,8 =
0,85
33,0
=
cos
] kW [ P
= ] kVA [ S
ϕ

] kW [ P - ] kVAr [ S = ] kVAr [ Q
2 2


] kVAr [ 20,4 = ) (33,0 - ) (38,8 = Q
2 2


Desta maneira, e para os demais, obteremos os seguintes resultados da Tabela 3.9

CARGA cos ϕ η% S(kVA) P(kW) Q(kVAr)
Iluminação 0.70 80 56 57,1
Aquecimento 1.00 152 -
Motor 40 cv 0.85 90,9 38.8 33.0 20.4
Motor 60 cv 0.88 90,8 56.3 49.5 26.8
Motor 75 cv 0.90 91,9 66.4 59.8 28.9
Tabela 3.9 - Quadro Geral de Potência

A potência aparente do gerador será:

) 28,9 + 26,8 + 20,4 + 0 + (57,1 + ) 59,8 + 49,5 + 33,0 + 152 + (56 = S
2 2

] kVA [ 375 = S

O fator de potência geral será:






WEG – Transformando Energia em Soluções
91
Módulo 4 – Geração de Energia
0,934 =
375
350,3
=
S
P
= ) os( c

ϕ

Do catálogo de geradores WEG, tipo industrial obtemos o gerador GTA315SI25, para
tensão de 220V com potência de 405 kVA. O rendimento do gerador com carga total, está
indicado no catálogo como 94%.
A potência do acionamento do gerador será:


0,940
0,934 x 405
=
) cos( x ] kVA [ P
=
P
G
M
η
ϕ

] kW [ 402 =
PM


Neste exemplo foram analisadas as condições estacionárias do gerador, entretanto antes
que o tamanho da máquina possa ser determinado em definitivo, ainda resta examinar as
condições para a partida de motores.
O procedimento está descrito no item 3.5.3.

3.5.2 ELEVAÇÃO DE TEMPERATURA-CLASSE DE ISOLAMENTO
3.5.2.1 AQUECIMENTO DO ENROLAMENTO

A potência útil fornecida pelo gerador é menor que a potência acionante, isto é, o
rendimento do gerador é sempre inferior a 100%. A diferença entre duas potências representa as
perdas, que são transformadas em calor, o qual aquece o enrolamento e deve ser dissipado para
fora do gerador, para evitar que a elevação de temperatura seja excessiva.
O mesmo acontece em todos os tipos de máquinas elétricas.
No motor do automóvel, por exemplo, o calor gerado pelas perdas internas tem que ser
retirado do bloco pelo sistema de circulação de água com radiador ou pela ventoinha, em
motores resfriados a ar.
No item 3.4 podem ser vistos os diferentes tipos de ventilação.
Vida útil de máquina elétrica girante
Se não considerarmos as peças que se desgastam devido ao uso, como escovas e
rolamentos, a vida útil de máquina elétrica é determinada pelo material isolante.
Este material é afetado por muitos fatores, como umidade, vibrações, ambientes
corrosivos e outros. Dentre todos os fatores, o mais importante é, sem dúvida, a temperatura de
trabalho dos materiais isolantes empregados.
Um aumento de 8 a 10 graus na temperatura da isolação reduz sua vida útil pela metade.
Quando falamos em diminuição da vida útil da máquina, não nos referimos às
temperaturas elevadas, quando o isolante se queima e o enrolamento é destruído de repente. Vida
útil da isolação, em termos de temperatura de trabalho, bem abaixo daquela em que o material se
queima, refere-se ao envelhecimento gradual do isolante, que vai se tornando ressecado,
perdendo o poder isolante, até que não suporte mais a tensão aplicada e produza o curto-circuito.
A experiência mostra que a isolação tem uma duração praticamente ilimitada, se a sua
temperatura for mantida abaixo de um certo limite. Acima deste valor, a vida útil da isolação vai
se tornando cada vez mais curta, à medida que a temperatura de trabalho é mais alta. Este limite






WEG – Transformando Energia em Soluções
92
Módulo 4 – Geração de Energia
de temperatura é muito mais baixo que a temperatura de "queima" do isolante e depende do tipo
de material empregado.
Esta limitação de temperatura se refere ao ponto mais quente da isolação e não
necessariamente ao enrolamento todo. Evidentemente, basta um ponto fraco no interior da
bobina para que o enrolamento fique inutilizado.

3.5.2.2 CLASSES DE ISOLAMENTO

Definição das classes:

Como foi visto acima, o limite de temperatura depende do tipo de material empregado.
Para fins de normalização, os materiais isolantes e os sistemas de isolamento (cada um formado
pela combinação de vários materiais) são agrupados em Classes de isolamento, cada qual
definida pelo respectivo limite de temperatura, ou seja, pela maior temperatura que o material
pode suportar continuamente sem que seja afetada sua vida útil.
As classes de isolamento utilizados em máquinas elétricas e os respectivos limites de
temperatura conforme a Norma NBR 7094 são as seguintes:

• Classe A(105
o
C);
• Classe E(120
o
C);
• Classe B(130
o
C);
• Classe F(155
o
C);
• Classe H (180
o
C).

As classes B e F são as comumente utilizadas em motores normal, já para geradores os
mais comuns são a F e H.

3.5.2.3 MEDIDA DA TEMPERATURA DO ENROLAMENTO

É muito difícil medir a temperatura do enrolamento com termômetros ou termopares,
pois a temperatura varia de um ponto a outro e nunca se sabe se o ponto da medição está
próximo do ponto mais quente.
O método mais preciso e mais confiável de se medir a temperatura de um enrolamento é
através da variação de sua resistência ôhmica com a temperatura, que aproveita a propriedade
dos condutores de variar sua resistência, segundo uma lei conhecida.
A elevação da temperatura pelo método da resistência, é calculada por meio da seguinte
fórmula, para condutores de cobre:

t
-
t
+ )
t
+ (234,5
R
R
-
R
=
t
-
t
= t
a 1 1
1
1 2
a 2


Onde: ∆t = Elevação da temperatura;
t
1
= Temperatura do enrolamento antes do ensaio, praticamente
igual a do meio refrigerante, medida por termômetro;
t
2
= Temperatura dos enrolamentos no fim do ensaio;






WEG – Transformando Energia em Soluções
93
Módulo 4 – Geração de Energia
t
a
= Temperatura do meio refrigerante no fim do ensaio;
R
1
= Resistência do enrolamento no início do ensaio;
R
2
= Resistência do enrolamento no fim do ensaio.
234,5 = Cte material (cobre).

3.5.2.4 APLICAÇÃO À MÁQUINAS ELÉTRICAS

A temperatura do ponto mais quente do enrolamento deve ser mantida abaixo do limite
da classe. A temperatura total vale a soma da temperatura ambiente já com a elevação de
temperatura (∆t) mais a diferença que existe entre a temperatura média do enrolamento e a do
ponto mais quente.
As normas de máquinas elétricas fixam a máxima elevação de temperatura (∆t), de
modo que a temperatura do ponto mais quente fica limitada, baseada nas seguintes
considerações:

a) A temperatura ambiente é, no máximo 40
o
C, por norma, e acima disso as condições
de trabalho são consideradas especiais.
b) A diferença entre a temperatura média e a do ponto mais quente não varia muito de
máquina para máquina e seu valor estabelecido em norma, baseado na prática é 5
o
C,
para as classes A e E, 10
o
C para classe B e 15
o
C para as classes F e H.

As normas de máquinas elétricas, portanto, estabelecem um máximo para a temperatura
ambiente e especificam uma elevação de temperatura máxima para cada classe de isolamento.
Deste modo, fica indiretamente limitada a temperatura do ponto mais quente.
Os valores numéricos e a composição da temperatura admissível do ponto mais quente
são indicados na tabela 3.10.

OBS: Para geradores de construção naval deverão ser obedecidos todos os detalhes
particulares de cada entidade classificadora.

Classe de Isolamento A E B F H
Temperatura ambiente
o
C 40 40 40 40 40
∆t= elevação de
temperatura
(método de resistência)
o
C 60 75 80 100 125
Diferença entre o ponto
mais quente e a
temperatura média
o
C 5 5 10 15 15
Total: temperatura do
ponto mais quente
o
C 105 120 130 155 180
Tabela 3.10 - Composição da temperatura em função da classe de isolamento













WEG – Transformando Energia em Soluções
94
Módulo 4 – Geração de Energia
3.5.3 QUEDA DE TENSÃO
3.5.3.1 CÁLCULO DA QUEDA DE TENSÃO

Ao se aplicar uma carga no gerador teremos subitamente uma queda de tensão que
depende da reatância do gerador, da corrente, do cos ø da carga e do t ipo de regulação. Os
maiores problemas de queda de tensão e recuperação de tensão ocorrem na partida de motores de
indução.
Durante a partida de motores de indução, o fator de potência é da ordem de 0,3.
Para facilitar o cálculo vamos considerar o cos(ϕ) igual a zero, bem como desprezarmos
a impedância dos cabos de alimentação e a resistência interna do gerador.
Admitindo as simplificações mencionadas (figura 3.46).

m A
A
X + X
X
= U ∆


Figura 3.46 - Impedância para um Gerador Síncrono (modo simplificado)

Em função da variação da carga a reatância do gerador varia com o tempo (xd”, xd' e xd
conforme as constantes de tempo próprias) como mostrado no item 3.2.5.
Na figura 3.47 é mostrado a variação da tensão em função do tempo. As curvas
mostradas dependem de parâmetros do gerador e do tempo de resposta da excitação e do sistema
de regulação.






WEG – Transformando Energia em Soluções
95
Módulo 4 – Geração de Energia

Figura 5.3.2 - Variação da Tensão em Função do Tempo

O cálculo da queda de tensão torna-se complexa se levarmos em consideração a
variação da reatância no tempo. Podemos chegar a valores muito próximos da realidade se
considerarmos para a queda de tensão a reatância transitória (xd'), para máquinas com excitatriz
e regulador eletrônico e a reatância subtransitória (xd") para máquinas com excitação estática
(com escovas).
A equação da queda de tensão fica então:

100 .
d
X
+ 1
d
X
= U%
*
*


Ou de forma genérica para qualquer valor de Ip/In do gerador; vale a relação:

100 .
(Ip/In)] . d
X
[ + 1
(Ip/In)] . d
X
[
= U%
*
*


Onde: X* d = xd'em máquinas com excitatriz e regulador eletrônico, em pu
(Geradores brushless);
X* d = xd" em máquinas com excitatriz estática, em pu (Geradores com
escovas);
Ip = corrente de partida do motor;
In = corrente nominal do gerador.

A tabela 3.11 mostra o valor de ∆U em função de X* d e Ip/In para cos(ϕ) igual a zero.






WEG – Transformando Energia em Soluções
96
Módulo 4 – Geração de Energia
3.5.3.2 INFLUÊNCIA DO FATOR DE POTÊNCIA

Se houver necessidade de se calcular a queda de tensão para cos ø diferente de zero
devemos utilizar o gráfico da figura 3.48.
Neste gráfico, podemos encontrar o valor de correção "x" e que deverá ser multiplicada
pelo ∆U para cos(ϕ) = 0.
∆U(cos(ϕ) qualquer) = X. ∆U(cos(ϕ) = 0).

A queda de tensão, como pode ser visto na curva, irá reduzir quando o fator de potência
crescer.

3.5.3.3 INFLUÊNCIA DA CARGA INICIAL

As cargas iniciais em geradores podem ser agrupadas em três tipos:

• Impedância constante;
• kVA constante;
• Corrente constante.

A corrente do gerador reduzirá proporcionalmente à tensão do gerador, quando este
estiver sob uma carga do tipo impedância constante. Conseqüentemente este efeito reduzirá a
queda de tensão. Para efeito de cálculo poderá ser desprezado.
Exemplo de carga tipo impedância constante:

• Lâmpadas;
• Aquecedores;
• Resistores.

Quando se tem cargas do tipo kVA constante, na redução da tensão teremos um
aumento da corrente, ocasionando conseqüentemente um aumento da queda de tensão.
Um exemplo deste tipo de carga são motores de indução. A variação da corrente em
motores de indução, com relação a queda de tensão, pode ser vista na figura 3.50
Esta variação de corrente deverá ser adicionada à corrente de partida do motor de
indução. Apesar dos fatores de potência serem diferentes, considera-se de forma pessimista,
iguais.
Ao se combinar cargas do tipo kVA constante e impedância constante, obtemos cargas
do tipo corrente constante, pois o efeito é contrário com tendência de se anularem.Neste
caso, a queda de tensão não provocaria variações de corrente e conseqüentemente não
haveria queda de tensão.
Estes tipos de cargas podemos considerar como o mais comum. Podemos utilizar, para o
cálculo da queda de tensão, a tabela 3.11.






WEG – Transformando Energia em Soluções
97
Módulo 4 – Geração de Energia

Figura 3.48 - Correção de ∆U em Função do Cos(ϕ)


Figura 3.49 -Fatores de Redução da Corrente (K1)
e Conjugado (K2) em Função da Tensão







WEG – Transformando Energia em Soluções
98
Módulo 4 – Geração de Energia

Figura 3.50 - ∆I em Motores de Indução

3.5.4 LIMITAÇÕES NA PARTIDA DE MOTORES

Consideramos como limite da corrente na partida de um motor o valor de 2 x I
N
do
gerador. Acima deste valor a queda de tensão residual torna-se grande e o tempo de permanência
(limite térmico) é pequeno, como mostrado no gráfico da figura 3.51, podendo ser inferior ao
tempo de partida do motor. No caso específico de 2 x I
N
o tempo de sobrecarga, como pode ser
visto no gráfico, é aproximadamente de 20 a 30s.
Para reduzir a corrente de partida de motores, normalmente são utilizados dispositivos
tipo partida estrela triângulo ou chave compensadora.
A variação da corrente de partida em relação a tensão (K1) pode ser vista no gráfico da
figura3.49. Esta redução na corrente deverá ser levado em consideração no cálculo da queda de
tensão. Outro fator também a ser levado em conta é a potência da máquina acionante,
normalmente dimensionada cos(ø) = 0,8 (potência útil [kW] = 0,8 x potência aparente [kVA]).
A queda de tensão resultante na partida de motores poderá tornar o motor não apto para acionar a
carga. No gráfico da figura 3.49 poderá ser verificado a redução do conjugado (K2)com a queda
de tensão. Deverá ser analisado o tipo de carga a ser acionada, obtendo-se o valor mínimo de
conjugado e conseqüentemente o limite da queda de tensão.
No caso do uso de geradores em paralelo a reatância total deve ser calculada pela
expressão:
xd
I
+ ... +
xd
I
+
xd
I
=
xd
I
*
Gn
*
G
*
G
*
T 2 1








WEG – Transformando Energia em Soluções
99
Módulo 4 – Geração de Energia
Onde: xd* = reatância total (xd' ou xd", conforme o caso);
xd*
1...n
= reatância de cada gerador ligado em paralelo;
I
T
= Corrente nominal total dos geradores em paralelo;
I
G1...n
= Corrente nominal de cada gerador ligado em paralelo.

OBS: Se for utilizado dois geradores iguais em paralelo, a reatância total é igual
reatância individual dos geradores.

QUEDA DE TENSÃO EM GERADORES SÍNCRONOS

QUEDA DE TENSÃO (para Cos(ϕ) = 0.0)
IP/IN
x*(pu)
0.200 0.400 0.600 0.800 1.000 1.200 1.400 1.600 1.800 2.000 2.200 2.400 2.600 2.800 3.000
0.050 0.010 0.020 0.029 0.038 0.048 0.057 0.065 0.074 0.083 0.091 0.099 0.107 0.115 0.123 0.130
0.060 0.012 0.023 0.035 0.046 0.057 0.067 0.077 0.088 0.097 0.107 0.117 0.126 0.135 0.144 0.153
0.070 0.014 0.027 0.040 0.053 0.065 0.077 0.089 0.101 0.112 0.123 0.133 0.144 0.154 0.164 0.174
0.080 0.016 0.031 0.046 0.060 0.074 0.088 0.101 0.113 0.126 0.138 0.150 0.161 0.172 0.183 0.194
0.090 0.018 0.035 0.051 0.067 0.083 0.097 0.112 0.126 0.139 0.153 0.165 0.178 0.190 0.201 0.213
0.100 0.020 0.038 0.057 0.074 0.091 0.107 0.123 0.138 0.153 0.167 0.180 0.194 0.206 0.219 0.231
0.110 0.022 0.042 0.062 0.081 0.099 0.117 0.133 0.150 0.165 0.180 0.195 0.209 0.222 0.235 0.248
0.120 0.023 0.046 0.067 0.088 0.107 0.126 0.144 0.161 .178 0.194 0.209 0.224 0.238 0.251 0.265
0.130 0.025 0.049 0.072 0.094 0.115 0.135 0.154 0.172 0.190 0.206 0.222 .238 0.253 0.267 0.281
0.140 0.027 0.053 0.077 0.101 0.123 0.144 0.164 0.183 0.201 0.219 .235 0.251 0.267 0.282 0.296
0.150 0.029 0.057 0.083 0.107 0.130 0.153 0.174 0.194 0.213 0.231 0.248 0.265 0.281 0.296 0.310
0.160 0.031 0.060 0.088 0.113 0.138 0.161 0.183 0.204 0.224 0.242 0.260 0.277 0.294 0.309 0.324
0.170 0.033 0.064 0.093 0.120 0.145 0.169 0.192 0.214 0.234 0.254 0.272 0.290 0.307 0.322 0.338
0.180 0.035 0.067 0.097 0.126 0.153 0.178 0.201 0.224 0.245 0.265 0.284 0.302 0.319 0.335 0.351
0.190 0.037 0.071 0.102 0.132 0.160 0.186 0.210 0.233 0.255 0.275 0.295 0.313 0.331 0.347 0.363
0.200 0.038 0.074 0.107 0.138 0.167 0.194 0.219 0.242 0.265 0.286 0.306 0.324 0.342 0.359 0.375
0.210 0.040 0.077 0.112 0.144 0.174 0.201 0.227 0.251 0.274 0.296 0.316 0.335 0.353 0.370 0.387
0.220 0.042 0.081 0.117 0.150 0.180 0.209 0.235 0.260 0.284 0.306 0.326 0.346 0.364 0.381 0.398
0.230 0.044 0.084 0.121 0.155 0.187 0.216 0.244 0.269 0.293 0.315 0.336 0.356 0.374 0.392 .408
0.240 0.046 0.088 0.126 0.161 0.194 0.224 0.251 0.277 0.302 0.324 0.346 0.365 0.384 0.402 0.419
0.250 0.048 0.091 0.130 0.167 0.200 0.231 0.259 0.286 0.310 0.333 0.355 0.375 0.394 0.412 0.429
0.260 0.049 0.094 0.135 0.172 0.206 0.238 0.267 0.294 0.319 0.342 0.364 0.384 0.403 0.421 0.438
0.270 0.051 0.097 0.139 0.178 0.213 0.245 0.274 0.302 0.327 0.351 0.373 0.393 0.412 0.431 0.448
0.280 0.053 0.101 0.144 0.183 0.219 0.251 0.282 0.309 0.335 0.359 0.381 0.402 0.421 0.439 0.457
0.290 0.055 0.104 0.148 0.188 0.225 0.258 0.289 0.317 0.343 0.367 0.389 0.410 0.430 0.448 0.465
0.300 0.057 0.107 0.153 0.194 0.231 0.265 0.296 0.324 0.351 0.375 0.398 0.419 0.438 0.457 0.474
0.310 0.058 0.110 0.157 0.199 0.237 0.271 0.303 0.332 0.358 0.383 0.405 0.427 0.446 0.465 0.482
0.320 0.060 0.113 0.161 0.204 0.242 0.277 0.309 0.339 0.365 0.390 0.413 0.434 0.454 0.473 0.490
0.330 0.062 0.117 0.165 0.209 0.248 0.284 0.316 0.346 0.373 0.398 0.421 0.442 0.462 0.480 0.497
0.340 0,064 0.120 0.169 0.214 0.254 0.290 0.322 0.352 0.380 0.405 0.428 0.449 0.469 0.488 0.505
0.350 0.065 0.123 0.174 0.219 0.259 0.296 0.329 0.359 0.387 0.412 0.435 0.457 0.476 0.495 0.512
0.360 0.067 0.126 0.178 0.224 0.265 0.302 0.335 0.365 0.393 0.419 0.442 0.464 0.483 0.502 0.519
0.370 0.069 0.129 0.182 0.228 0.270 0.307 0.341 0.372 0.400 0.425 0.449 0.470 0.490 0.509 0.526
0.380 0.071 0.132 0.186 0.233 0.275 0.313 0.347 0.378 0.406 0.432 0.455 0.477 0.497 0.516 0.533
0.390 0.072 0.135 0.190 0.238 0.281 0.319 0.353 0.384 0.412 0.438 0.462 0.483 0.503 0.522 0.539
0.400 0.074 0.138 0.194 0.242 0.286 0.324 0.359 0.390 0.419 0.444 0.468 0.490 0.510 0.528 0.545
Tabela 3.11 - Queda de Tensão em Geradores Síncronos

Onde: IP = Corrente de partida do motor
IN = Corrente nominal do gerador











WEG – Transformando Energia em Soluções
100
Módulo 4 – Geração de Energia
EXEMPLO DE CÁLCULO DE QUEDA DE TENSÃO EM GERADORES
ENVOLVENDO VÁRIOS MOTORES

Dados necessários:

a) Gerador GTA250MI33, 230 kVA, 440V Xd'= 16.3% (Xd'= 0.163pu)

b) Motores de indução

b.1) 100 cv - 4 pólos - 440 V - IN = 120 A IP = 1056 A
b.2) 75 cv - 4 pólos - 440 V - IN = 87,5 A IP = 647,5 A
b.3) 25 cv - 4 pólos - 440 V - IN = 31,5 A IP = 271 A

c) Condição de recebimento de carga do gerador

c.1) Primeiramente parte o motor de 100 cv, utilizando chave compensadora
com TAP de 65%
c.2) Outra condição seria a partida (com TAP de 65%) do motor de 75 cv,
considerando que os motores de 100 e 25 cv estejam em funcionamento.

SOLUÇÃO:

Cálculo da corrente do gerador:

A 302 =
440 . 3
230000
= I
G


I - Cálculo da queda de tensão provocada pela partida do motor de 100cv (através de
chave compensadora no Tap 65%) considerando os motores de 25 e 75cv desligados:

IN = 120A
IP = 1056 A

Obs: Supor queda de tensão de 15% no gerador (estimativa inicial)

Utilizando chave compensadora com TAP 65 % e queda de tensão no gerador de 15%
(0,85.0,65 = 0,55) obtemos, da figura 3.49:

K1 = 0,45
K1 .
IP
=
IP 100% 65% motor

A 475 = 0,45 . 1056 =
IP 65% motor


Mas, em se tratando de chave compensadora teremos que referir a corrente de partida do
motor (secundário da chave compensadora) ao gerador (primário da chave compensadora).







WEG – Transformando Energia em Soluções
101
Módulo 4 – Geração de Energia
0,65 =
IP
IP
=
I
IP
65% motor
ref. motor
sec
prim

0,65 .
IP
=
IP 65% motor ref. motor

A 309 = 0,65 . 475 =
IP ref. motor

1,023 =
302
309
=
I
IP
g
ref motor

11,09% = V ∆

Teremos uma queda de tensão de:

14,29% = 100 .
1,023 . 0,163 + 1
1,023 . 0,163
= 100 .
IP/IN] . d X [ + 1
IP/IN . d X
= V




Refazendo o cálculo (1
a
iteração) para queda de tensão no gerador de 14,29%, temos:

0,46 = K1 0,56 = 0,1429) - (1 . 0,65 →
K1 .
IP
=
IP 100% 65% motor

486A = 0,46 . 1056 =
IP 65% motor

0,65 .
IP
=
IP 65% motor ref. motor

316A = 0,65 . 486 =
IP ref. motor

1,046 =
302
316
=
Ig
IP ref. motor


Teremos uma queda de tensão de:

14,57% = 100 .
1,046] . [0,163 + 1
1,046] . [0,163
= 100 .
IP/IN] . d X [ + 1
IP/IN] . d X [
= V





II - Cálculo da queda de tensão provocada pela partida do motor de 75cv (através de
chave compensadora no Tap 65%), considerando que os motores de 100 e 25cv já
estejam em funcionamento:

II.1 - Contribuição individual do motor de 75cv - IN = 87,5 A IP = 647,5 A

Supondo queda de tensão inicial de 15% e utilizando chave compensadora com TAP
65%:
0,65 . 0,45 . 647,5 =
IP 65%ref. motor

189A =
IP 65%ref. motor

0,627 =
302
189
=
Ig
IP ref. 65% motor








WEG – Transformando Energia em Soluções
102
Módulo 4 – Geração de Energia
A queda de tensão que ocorrerá, considerando somente a partida do motor de 75cv será:

100% .
0,627] . [0,163 + 1
0,627 . 0,163
= V ∆
9,27% = V ∆

II.2 - Contribuição dos motores de 100 e 25cv quando da partida do motor de 75cv:

Nota: o processo de cálculo é iterativo e segue o roteiro mostrado abaixo:

II.2.1 - Valor suposto de queda = 15%. Do gráfico da figura 3.50, obtemos a variação
da corrente dos motores em carga. Para o caso em questão temos ∆i = 0,26

Logo, os acréscimos de corrente dos motores serão:

• Motor de 100cv (IN = 120 A - 440 V):

Acréscimo = ∆i . 120 = 0,26 .120
Acréscimo = 31,2 A

302
31,2
=
Ig
Acrésscimo
= (M100) i ∆

0,103 = i(M100) ∆

• Motor de 25cv (IN = 31,5 A - 440 V):

Acréscimo = 0,26 . 31,5
Acréscimo = 8,2 A

0,027 =
302
8,2
= (M25) i ∆

Cálculo da queda
_i(M25) + _i(M100) + (M75)
Ig
IP
=
IN
IP

0,027 + 0,103 + 0,627 =
IN
IP

0,757 =
IN
IP

100 .
0,163] . [0,757 + 1
0,163 . 0,757
= V ∆

% V 11 · ∆

Como supomos ∆V = 15% e resultou numa queda de 11% refaremos o cálculo:







WEG – Transformando Energia em Soluções
103
Módulo 4 – Geração de Energia
II.2.2 - Admitindo queda de 11%, da figura 3.50, ∆i = 17%

Motor de 100cv à ∆i(M100) = 0,067
Motor de 25cv à ∆i(M25) = 0,018

i(M25) + i(M100) + (M75)
Ig
IP
=
IN
IP
∆ ∆
0,712 =
IN
IP

0,018 + 0,067 + 0,627 =
IN
IP

100% .
0,163] . [0,712 + 1
0,163 . 0,712
= V ∆
10,4% = V ∆

Então, como o ∆V estipulado é aproximadamente igual ao ∆V calculado. Poderemos
encerrar o cálculo


CONCLUSÃO: Podemos observar que a contribuição dos motores já em
funcionamento não causaram um acréscimo muito significativo, neste
caso, na queda geral.

3.5.5 SOBRECARGA

Segundo as normas VDE 530 ou ABNT os geradores síncronos devem fornecer 1,5
vezes a corrente nominal durante 15 segundos. Neste caso, através de sua regulagem, deve-se
manter a tensão muito próxima da nominal.
Para utilização a bordo de navios, os geradores devem fornecer 1,5 vezes a corrente
nominal, durante 2 minutos.
No caso da linha TELEBRÁS a sobrecarga admissível é de 1,1 vezes a corrente nominal
durante 1 hora.
A sobrecarga momentânea em função da corrente, para máquinas de execução normal
(tipos de catálogos), é mostrada na figura 3.51.






WEG – Transformando Energia em Soluções
104
Módulo 4 – Geração de Energia

Figura 5.4.1 - Curva de Sobrecarga Momentânea em
função da Corrente (para máquinas normais)

3.5.6 SOBREVELOCIDADE

As máquinas síncronas estão aptas, segundo a norma NBR 5052 a resistir a 1,2 vezes a
velocidade nominal durante 2 minutos. Nesta condição a máquina poderá ou não estar excitada.

3.5.7 CORRENTE DE CURTO-CIRCUITO

Sempre que se fizer uma conexão entre dois pontos com potenciais diferentes e baixa
resistência teremos um curto-circuito. Em regra geral, este acidente normalmente é prejudicial ao
circuito elétrico.
As correntes de curto-circuito nos sistemas podem ser calculados considerando as
reatâncias com seus valores em percentual.
A corrente de curto-circuito máxima trifásica pode ser calculada pela seguinte expressão
(xd'' em %):
(A) 100 x
d x
I x 2,55
= M`X Icc
F
′ ′


e a corrente eficaz de uma fase será:






WEG – Transformando Energia em Soluções
105
Módulo 4 – Geração de Energia
(A) 100 x
d x
I
= I
F
cceff
′ ′


A corrente de curto-circuito permanente, fica acima de 2 vezes a corrente nominal do
gerador, cujo ajuste é feita na fábrica. Como visto no item 3.5.4, o gerador deverá ser desligado o
mais tardar após 5 segundos.

3.5.8 CONVERSÃO DE REATÂNCIAS

É hábito dar-se as reatâncias de uma máquina como valor de referência por unidade
(pu). Como grandeza de referência vale a reatância nominal.

) (
I x 3
U
= X
N
N
N

(pu) 1,0 = X
N


Se a mesma máquina for utilizada para um número maior de rotações e em vez de 60Hz,
outra tensão ou outra potência a reatância da máquina se modifica conforme a expressão abaixo:

X
2
= X
1
.(f
2
/f
1
) . S
N2
/S
N1
. (U
N1
/U
N2
)
2


Onde: X
2
= reatância na base nova;
X
1
= reatância na base velha;
f
2
= freqüência na base nova;
f
1
= freqüência na base velha;
S
N2
= potência na base nova;
S
N1
= potência na base velha;
U
N1
= tensão na base velha;
U
N2
= tensão na base nova.

OBS: Devemos lembrar que para geradores de catálogos só serão possíveis alterações na
rotação caso sejam de 50Hz para 60Hz. A variação de tensão só será possível para menos ou
proporcionalmente a freqüência. No caso de variação de tensão para menos deverá ser reduzido
também proporcionalmente a potência.

Exemplo: É dado um gerador de 850 kVA - 380 V - 50Hz. O gerador sem alteração
deverá passar a acionar com 60Hz e fornecer 1000kVA e 440V. Para 50 Hz e 850 kVA a
reatância transitória obtida do cálculo foi de xd' = 21%. Que grandeza terá a reatância transitória
para a nova condição de acionamento?

Solução:

Xd' 60Hz = Xd' 50Hz . 60/50 . 1000/850 .(380/440)
2

Xd' 60Hz = 21 x 1,053 = 22%







WEG – Transformando Energia em Soluções
106
Módulo 4 – Geração de Energia
3.5.9 PROTEÇÃO DO GERADOR

Neste item trataremos de alguns aspectos relativos à proteção dos geradores, mas não
nos preocuparemos com características de projetos, pois estaria fora do objetivo desta apostila.
Sobre certas condições anormais de funcionamento do gerador, poderemos ter valores
elevados de tensão terminal. Isto pode ocorrer, por exemplo, com o disparo na rotação da
máquina primária, ou quando a referência de tensão terminal (do regulador) é interrompida.
Nestes casos o gerador deve ter uma supervisão da tensão de modo a desexcitar a máquina.
Geradores com regulagem de tensão independente da freqüência, acionados com rotações abaixo
de 90% de sua rotação nominal, durante um período prolongado, devem ser desligados.
Se o gerador estiver alimentando uma rede, e ocorrer um curto-circuito na mesma,
ocorre uma situação crítica no momento em que o curto é desfeito e a tensão é restabelecida. A
potência fornecida pelo gerador, certamente não corresponderá a mesma antes do curto-circuito,
desta maneira, através do torque acionante, teremos uma aceleração ou um retardamento. Nestas
condições, as tensões não estarão mais em fase. Conforme a duração do curto e devido ao ângulo
de defasagem, aparecem fortes processos de reajustes, que podem ser comparados aos de uma
saída de sincronismo. Como conseqüência, podem aparecer danos nos acoplamentos, nas bases,
bem como no circuito de excitação. Desta maneira, ocorrendo curto na rede, se a tensão cair para
50% da nominal, o gerador deve ser imediatamente desacoplado da rede.

3.5.10 REGIME DE SERVIÇO

É o grau de regularidade da carga a que o gerador é submetido. O gerador é projetado
para regime contínuo, isto é, a carga é constante, por tempo indefinido, e igual à potência
nominal da máquina.
A indicação do regime da máquina deve ser feita pelo comprador, da forma mais exata
possível. Nos casos em que a carga não varia ou nos quais varia de forma previsível, o regime
poderá ser indicado numericamente ou por meio de gráficos que representem a variação em
função do tempo das grandezas variáveis. Quando a seqüência real dos valores no tempo for
indeterminada, deverá ser indicada uma seqüência fictícia não menos severa que a real.

3.5.10.1 REGIMES PADRONIZADOS

Os regimes que serão citados foram definidos em vista especialmente na aplicação de
geradores, (por exemplo S1, S2 e S3):

a) Regime S1

Funciona à carga constante de duração suficiente para que se alcance o equilíbrio
térmico (figura 3.52)

t
N
= Funcionamento em carga constante;
θ
máx
= Temperatura máxima atingida durante o ciclo.






WEG – Transformando Energia em Soluções
107
Módulo 4 – Geração de Energia

Figura 3.52 - Regime S1

b) Regime de Tempo Limitado (S2)

Funciona à carga constante, durante um certo tempo, inferior ao necessário para atingir
o equilíbrio térmico, seguido de um período de repouso de duração suficiente para restabelecer a
igualdade de temperatura com o meio refrigerante (figura 3.53).

Figura 3.53 - Regime S2

t
N
= Funcionamento em carga constante
θ
máx
= Temperatura máxima atingida durante o ciclo

c) Regime Intermitente Periódico (S3)

Sequência de ciclos idênticos , cada qual incluindo um período de funcionamento a
carga constante e um período de repouso durante um ciclo de regime e no qual a corrente de
partida não afeta de modo significante a elevação de temperatura (figura 3.54).

t
N
= Funcionamento em carga constante
t
R
= Repouso
θ
máx
= Temperatura máxima atingida durante o ciclo








WEG – Transformando Energia em Soluções
108
Módulo 4 – Geração de Energia
Fator de duração do cliclo (ED)
100% .
t
+
t
t
= ED
R N
N


Figura 3.53 - Regime S3

3.5.11 DIAGRAMA DE CARGA

Para se operar seguramente um gerador devemos conhecer os limites de operação da
máquina. Estes limites podem ser determinados pela potência da máquina acionante, estabilidade
de funcionamento, excitação do campo, e limite térmico do gerador. Estas condições são todas
analisadas através do diagrama de carga(figura 3.56).
Neste diagrama podemos analisar a área dentro do qual o gerador pode funcionar,
podemos então avaliar as condições de operação da máquina.
A construção do diagrama não será analisada neste trabalho, apenas, com base nos
diagramas obtidos, são tecidos comentários dos limites do gráfico.
O limite da máquina acionante é definida pela potência útil entregue pelo gerador, e
determinada pelo limite da máquina (linha FD do gráfico).
O limite de estabilidade é determinado pela curva BC, onde é definido a máxima
potência (ângulo de carga máxima δ da figura 3.55.
Com a redução da excitação (carga capacitiva descrito no item 3.2.3.c).






WEG – Transformando Energia em Soluções
109
Módulo 4 – Geração de Energia

Figura 3.55 - Ângulo de carga máximo δ


Figura 3.56 - Diagrama de Carga de Máquinas
Síncronas (Curva de Capabilidade)

Ao atingir a excitação zero teremos somente a potência que depende do conjugado de
relutância, e na variação se faz com dobro do ângulo de carga δ (conforme descrito no item.
3.2.6.). Para excitação zero, o ângulo de carga seria 45
o
para a máxima potência. Este limite pode
ser visto na curva AB.
O limite térmico da armadura é determinado pelas perdas no estator e a capacidade de
ventilação da máquina. As perdas preponderantes são as joules, ocasionadas pela corrente de
armadura (curva CD). O limite térmico do rotor é determinado pela corrente de excitação, e
ocorre na região de carga indutiva, onde serão necessários fortes excitações (curva DE).






WEG – Transformando Energia em Soluções
110
Módulo 4 – Geração de Energia
O gerador deverá ser capaz de operar com uma variação de t 10% de tensão.
A redução de tensão reduzirá a capacidade de fornecer potência reativa capacitiva,
aquecerá o estator e aumentará o ângulo de carga. Por outro lado, o aumento da tensão provocará
maior estabilidade (carga capacitiva), menor ângulo de potência, e maior aquecimento do
enrolamento de excitação.
Para uma utilização segura do gerador, todos os pontos de operação deverá estar na
região interna do diagrama de carga, observando-se a máxima potência ativa e reativa. Podemos
observar no gráfico que a maior limitação se encontra na região de cargas capacitivas. Estas
porém não correspondem a condição de funcionamento.
Os geradores de baixa tensão tem sua principal aplicação na ligação de equipamentos
industriais ou aplicações específicas como telecomunicações, onde teremos cargas normalmente
de caráter indutivo e não lineares.
Nestas condições o gerador estará sob forte excitação.
O limite de carga capacitiva se faz necessário para grandes geradores ligados a longas
linhas de transmissão abertas, por estas se tornarem cargas capacitivas.

3.5.12 OPERAÇÃO EM PARALELO DE GERADORES

Durante um ciclo de operação de um gerador, ele pode ser exigido, ora em sua potência
nominal e ora em valores menores que o nominal.
Quando o gerador está sendo pouco exigido, o seu rendimento e da máquina acionante
caem. Por este motivo, entre outros, e pelo fato de termos uma maior segurança de fornecimento
de energia pode-se optar pela operação em paralelo de geradores. Quando da ligação de
geradores em paralelo devemos observar:

1) A tensão do gerador a ligar seja igual à tensão da rede;
2) O ângulo de fase de tensão gerada pelo gerador corresponde a das barras da rede a
que é ligado;
3) As freqüências dos sistemas a ligar devem ser praticamente iguais;
4) A ordem de seqüência das fases nos pontos a ligar deve ser mesma.

Ligando-se geradores em paralelo, a distribuição da potência ativa depende do
conjugado acionante, enquanto que a corrente reativa, depende da excitação de cada gerador. As
máquinas acionantes mostram uma tendência de queda de rotação com o aumento da potência
ativa, isto é necessário para termos uma distribuição estável da potência ativa. Da mesma
maneira, para termos uma distribuição estável de reativos, devemos ter uma diminuição na
excitação do gerador, com aumento dos reativos. Isto pode ser mostrado na figura 3.57, onde a
curva características da tensão é decrescente.

Figura 3.57- Distribuição estável de reativos






WEG – Transformando Energia em Soluções
111
Módulo 4 – Geração de Energia
Para conseguirmos diminuir a excitação é preciso fornecer ao regulador um sinal de
corrente com parte reativa. Isto é conseguido, utilizando um transformador estático Bf1 (com
relação I
N
:1) e a reatância estática Br2 (2,3Ω) figura 3.59. Com a tensão obtida entre as fases U e
W e com o transformador estático que está na fase V, consegue-se enviar ao regulador um valor
proporcional, da tensão gerada o qual é a soma geométrica de uma tensão proporcional à tensão
U-W e a tensão na resistência estática (figura 3.58).



Figura 3.58 - Análise geométrica da tensão gerada


Figura 3.59 - Operação em Paralelo de Geradores

Como podemos ver na figura 3.58, a soma geométrica das duas tensões é máxima
quando o gerador fornece corrente reativa. Com carga puramente resistiva, a soma geométrica






WEG – Transformando Energia em Soluções
112
Módulo 4 – Geração de Energia
quase não desvia da tensão proporcional entre U e W. Logo, um aumento na potência reativa, faz
com que o gerador "veja" um aumento do valor atual da tensão do gerador, teremos então uma
diminuição da corrente de excitação provocando estabilidade na tensão terminal.
Normalmente a influência estática da corrente reativa será escolhida tal que, para uma
corrente reativa da ordem de grandeza da corrente nominal do gerador corresponde a uma queda
na tensão de aproximadamente 5%.

DIVISÃO DE POTÊNCIA ATIVA

Para dois geradores operando em paralelo, se a carga é aumentada, existe uma redução
em suas velocidades, a qual é sentida pelo sistema de controle de velocidade da máquina
primária. O regulador de velocidade age para reestabelecer a velocidade normal. A divisão de
carga entre dois geradores é determinada pelas características do regulador de velocidade da
máquina primária.
Se um sistema tem características de velocidade tipo "a" (figura 3.60) e outro tipo "b",
eles irão dividir a carga numa proporção Pa e Pb quando estiverem operando em uma velocidade
S. O controle de carga em uma unidade é conseguida, ajustando as características do regulador
de velocidade para cima ou para baixo.

Figura 3.60 - Característica de velocidade

DIVISÃO DE (VA) REATIVOS:

A tensão aplicada em uma carga conectada à dois geradores é determinada pela
excitação total nos mesmos.
Geradores idênticos com reguladores de velocidade de suas máquinas primárias com
características iguais, dividem cargas igualmente e se possuírem mesma excitação dividem VA
reativos iguais. Cada gerador opera com mesmo FP. Um acréscimo de excitação de um dos
geradores irá causar um aumento na tensão do sistema e este gerador irá suprir uma maior
parcela dos VA reativos.
Um decréscimo na excitação do outro gerador fará com que a tensão terminal volte ao
valor original, mas irá agravar a diferença na divisão dos VA reativos.
Ajustes da excitação do gerador então, determinam não só a tensão aplicada à carga mas
também a divisão de reativos entre os geradores.










WEG – Transformando Energia em Soluções
113
Módulo 4 – Geração de Energia
3.5.13 CÁLCULO DA BOBINA DE ATERRAMENTO DO PONTO ESTRELA
DE GERADORES

Quando ligamos cargas monofásicas em geradores trifásicos, principalmente se estas
ligações forem desequilibradas, teremos uma influência considerável da terceira harmônica. Por
conseqüência, teremos circulação de corrente de seqüência zero pelo circuito. Para conseguirmos
eliminar ou diminuir este efeito, deve-se utilizar uma reatância limitadora da corrente no neutro
aterrada do gerador.
Esta reatância pode ser calculada da seguinte forma:

0,3 .
In 3
Un
= Xdr

Onde: U
N
= tensão nominal do gerador;
I
N
= corrente nominal de fase do gerador.

Ainda devemos observar:

a) A bobina deverá ter característica linear até 0,3 x In;
b) Deverá resistir termicamente a 0,4 x In.

































WEG – Transformando Energia em Soluções
114
Módulo 4 – Geração de Energia
3.6 CARACTERÍSTICAS CONSTRUTIVAS
3.6.1 COMPONENTES PRINCIPAIS

O gerador completo, pode ser desmontado numa série de unidades funcionais, que são
mostradas a seguir. A composição dos geradores depende do tipo de máquina (linha GTA ou
linha S).

3.6.1.1 ESTATOR DA MÁQUINA PRINCIPAL

A carcaça é de aço calandrado (GTA) ou chapa soldada (S). O pacote de chapas do
estator, com seu respectivo enrolamento, está assentado sobre as nervuras da carcaça.
Os enrolamentos são normalmente produzidos para classe de isolamento F ou H e são
fixadas por uma cunha de fechamento, composta de material isolante.
As cabeças dos enrolamentos são fortalecidas para que possam resistir a choques e
vibrações (figura 3.61).

3.6.1.2 ROTOR DA MÁQUINA PRINCIPAL

O rotor acomoda o enrolamento de campo, cujos pólos são formados por pacotes de
chapas. Um enrolamento em gaiola, para amortecimento compensa serviços em paralelo, e com
carga irregular.

3.6.1.3 ESTATOR DA EXCITATRIZ PRINCIPAL

A excitatriz principal é um gerador de corrente trifásica de pólos salientes, e está presa à
placa do mancal não acionado por vários parafusos (figura 3.61). Os pólos salientes acomodam
as bobinas de campo, que são ligadas em série, sendo que sua extremidade é levada ao bloco de
conexão na caixa de bornes.

3.6.1.4 ROTOR DA EXCITATRIZ PRINCIPAL E DIODOS
RETIFICADORES GIRANTES

O rotor da excitariz principal está montado sobre o eixo da máquina principal. O rotor é
laminado e suas ranhuras abrigam um enrolamento trifásico ligado em estrela. O ponto comum
desta ligação estrela é inacessível. De cada ponto da ligação estrela saem dois fios para os
retificadores girantes, assentados os suportes dissipadores. Dos dois fios, um é ligado ao
retificador sobre o suporte positivo e o segundo, ao mesmo retificador sobre os suporte negativo.










WEG – Transformando Energia em Soluções
115
Módulo 4 – Geração de Energia
3.6.1.5 EXCITATRIZ AUXILIAR

Somente na linha SP - A excitatriz auxiliar é uma máquina de pólos externos. Seu rotor
é constituído por imãs, que são seus pólos de excitação. O estator, constituído de chapas, possui
um enrolamento trifásico, e encontra-se no lado não acionado.

3.6.1.6 ENROLAMENTO AUXILIAR (OU BOBINA AUXILIAR)

É um bobinado auxiliar monofásico, que fica alojado em algumas ranhuras do estator
pricipal.
Sua função é fornecer potência para alimentar o campo da excitatriz principal, regulado
e retificado pelo regulador de tensão.

3.6.2 PLACA DE IDENTIFICAÇÃO

Quando o fabricante projeta um gerador e o oferece à venda, ele tem que partir de certos
valores adotados para:
- características de carga alimentada;
- condiçoes em que o gerador irá funcionar.
O conjunto desse valores constitui as "características nominais" do gerador. A maneira
pela qual o fabricante comunica estas informações ao cliente, é através da placa de identificação
do gerador (figura 3.62).

Figura 3.62 - Placa de identificação






WEG – Transformando Energia em Soluções
116
Módulo 4 – Geração de Energia
3.6.3 NORMAS

Evidentemente é impossível colocar na placa de identificação todas as informações por
extenso, de modo que é preciso recorrer a certas abreviações. Além disso é preciso que os
valores apresentados sejam objetivos e não dêem margem diversas sobre seu significado ou
limites de variação.
Para isto, o fabricante tecnicamente apto recorre a Normas Técnicas que padronizam as
abreviações e símbolos e também estabelecem de uma só maneira o significado e os limites de
validade dos valores declarados. Os geradores WEG são fabricados segundo as normas ABNT
(Associação Brasileira de Normas Técnicas) e as normas internacionais da IEC (International
Eletrotechnical Commission).

3.6.4 PINTURA - GERADORES PARA APLICAÇÃO GERAL

A pintura destes geradores consiste em duas camadas:

• Fundo: após a limpeza, as peças são pintadas com tinta fundo alquídica, aplicada por
imersão.

A espessura da película seca é de, no mínimo, 30µm.

• Acabamento: a pintura final, feita após a máquina completamente montada, consiste
de uma demão de esmalte sintético alquídico, aplicado com pistola. A espessura da
película seca é de , no mínimo, 30µm.

3.6.5 TERMINAIS DE ATERRAMENTO

O aterramento tem a finalidade de proteger os operadores de máquinas elétricas ou de
máquinas acionadas pelo mesmo, contra possíveis curto-circuitos entre uma parte energizada e
carcaça da máquina. Esta proteção se dá pelo oferecimento de um caminho mais fácil para o
fluxo de corrente, desviando-a desta forma do operador da máquina. O sistema de aterramento se
localizará normalmente no pé direito do lado da caixa de ligação.

3.6.6 FORMA CONSTRUTIVA

Os geradores WEG são construídos nas formas construtivas B15 (single bearing),
B5/B3, conforme pode ser observado no catálogo de geradores.
As formas construtivas D5 e D6 são, normalmente, utilizadas em geradores de grande
porte utilizados principalmente em hidro e turbogeração.
Para linha GTA as formas construtivas padrões normalmente oferecidas são:

• Mancal único com acoplamento por discos flexíveis (B15T);
• Mancal duplo com acoplamento por flange (B5/B3T).







WEG – Transformando Energia em Soluções
117
Módulo 4 – Geração de Energia

Figura 3.61 - Partes integrantes do gerador GTA



Figura 3.63 - Forma construtiva B15T (GTA)










WEG – Transformando Energia em Soluções
118
Módulo 4 – Geração de Energia


Figura 3.64 - Forma construtiva B5/B3T (GTA)



Figura 3.65 - Forma construtiva B3 (Linha S, fechado com trocador de calor ar-ar)




















WEG – Transformando Energia em Soluções
119
Módulo 4 – Geração de Energia

Figura 3.66 - Forma construtiva B5/B20 (antiga linha DKB)


Figura 3.67 - Forma construtiva D5 (linha S, com trocador de calor ar-água)








WEG – Transformando Energia em Soluções
120
Módulo 4 – Geração de Energia













Figura 3.68 - Forma construtiva D6 (linha S, máquina aberta)

3.6.7 CONDIÇÕES USUAIS DE SERVIÇO

Dentre as informações padronizadas por norma que não precisam ser declaradas por
extenso na placa de identificação, estão as condições sob as quais o gerador foi feito para
funcionar, ou seja, as "condições usuais de serviço". Se o gerador for comprado para trabalhar
em condições especiais, o fato deve ser claramente indicado no pedido. As condições usuais de
serviço são:
a) Meio refrigerante (na maioria dos casos o meio ambiente) de temperatura não
superior a 40
º
C e isento de elementos prejudiciais ao gerador;
b) Localização à sombra;
c) Altitude não superior a 1000 m sobre o nível do mar.



















WEG – Transformando Energia em Soluções
121
Módulo 4 – Geração de Energia
3.7 SELEÇÃO DE GERADORES
3.7.1 CARACTERÍSTICAS NECESSÁRIAS PARA A CORRETA SELEÇÃO

Para a correta especificação do gerador, são necessárias as seguintes informações na fase
da consulta:

1) Potência nominal (kVA)
2) Tipo de refrigeração (Aberto, Troc. ar-ar ou Troc. ar-água)
3) Rotação (n
o
de pólos)
4) Fator de Potência
5) Tensão nominal
6) Número de fases (Trifásico ou Monofásico)
7) Freqüência de operação (Hz)
8) Tipo de excitação: - sem escovas - sistema com escovas com excitatriz estática
9) Grau de proteção
10) Forma construtiva
11) Temperatura ambiente
12) Altitude
13) Tipo de aplicação: Industrial, Telecomunicações, Naval, Marinizado
14) Característica da carga. Ex: partida de motores de indução
15) Faixa de ajuste da tensão
16) Precisão da regulação
17) Acessórios
18) Sobrecargas ocasionais
19) Tensão de alimentação dos aquecedores internos
20) Tipo de regulação (U/f constante ou U constante)
21) Tipo de acoplamento
22) Máquina acionante

3.7.2 PRINCIPAIS APLICAÇÕES DE GERADORES

Devido a sua simplicidade na instalação e manutenção os geradores são muito utilizados
como pequenos centros de geração de energia, principalmente no interior onde as redes de
distribuição de energia elétrica ainda não estão presentes. Por exemplo, em fazendas, vilarejos,
unidades repetidoras de telecomunicações, etc.
É usado como NO-BREAK (fornecimento sem interrupção ou de emergência) em
hospitais, centrais de computação, centros de comandos de sistemas, telecomunicações,
aeroportos, etc.
Outra aplicação típica é o uso de geradores agrupados a motores para a transformação
de freqüência ou tensão e conversores rotativos.










WEG – Transformando Energia em Soluções
122
Módulo 4 – Geração de Energia
3.7.2.1 CONVERSÃO DE FREQÜÊNCIA

• Acoplamento a redutor com motor e gerador síncrono (relação de engrenagens);
• Acoplamento por correia com motor assíncrono e gerador síncrono (relação de
polias);
• Acoplamento direto (no mesmo eixo) com motor síncrono de 12 pólos e gerador
síncrono de 10 pólos ou múltiplos destes (relação de pólos).

Figura 3.69 - Acoplamento entre motor assíncrono e gerador 60/50 Hz

Características:
As vantagens da conversão de freqüência com máquinas girantes sobre a conversão
estática de estados sólido, são:

• Melhor forma de onda de tensão;
• Sofre pouca influência nas variações da tensão da rede;
• Mantém a tensão no gerador durante uma breve falta na rede com o uso de um
volante de inércia no eixo;
• Freqüência tão constante como a da rede de alimentação quando usado um motor
síncrono;
• Pequena influência dos consumidores na rede de alimentação.


Figura 3.70 - Acoplamento entre motor CA e gerador










WEG – Transformando Energia em Soluções
123
Módulo 4 – Geração de Energia
Aplicações:

• Equipamentos militares;
• Equipamentos portuários em geral;
• Laboratório de ensaio de máquinas;
• Acionamento de equipamentos importados.

3.7.2.2 CONVERSÃO DE CORRENTE

Figura 3.71 - Conversor de corrente CC/CA

Possibilidades:

a) Acoplamento direto de motor cc com gerador síncrono;
b) Acoplamento direto de motor cc com gerador síncrono, mais um volante de inércia
opcional.

Características:

• A freqüência do gerador varia em função da carga, pois o motor CC apresenta
variações na rotação. Para uma rotação constante, o sitema de regulagem é mais
complexo;
• Mantém a tensão gerada durante breve interrupção da rede CC (Ex: nas comutações)
quando usado um volante de inércia no eixo;
• Pode-se obter tensão gerada com distorção harmônica menor que 3%;
• É ideal para uso em NO-BREAK's, pois o motor pode ser alimentado pela rede CA
por intermédio de um conversor estático e na falta da rede, a alimentação é
fornecida pelo banco de baterias.

Aplicações:

• Navios com rede de alimentação em CC;
• Laboratórios;
• Clínicas/hospitais;
• Subestações de grande porte;






WEG – Transformando Energia em Soluções
124
Módulo 4 – Geração de Energia
• Centrais de energia elétrica;
• Refinarias;
• Sistemas NO-BREAK's, etc.

3.7.2.3 NO-BREAK

a) Bateria: funciona como sistema de fornecimento de energia ininterrupta, composta
basicamente por motor CC, gerador síncrono, volante de inércia, base comum de
montagem e banco de baterias;
b) No-Break Diesel: como no caso anterior funciona como sitema de energia
ininterrupta, composta basicamente de gerador síncrono, volante de inércia,
acoplamento eletromagnético, motor diesel e base comum (Fig. 7.2.5).

As principais aplicações são:

• Estações de rádio e televisão;
• Centro de processamento de dados

Figura 3.72 - Sistema de alimentação ininterrupta

Poderá ser associado a rede um grupo diesel de emergência para assegurar tempo de
operação ilimitado.

Figura 3.73 - Sistema de alimentação ininterrupta com motor Diesel






WEG – Transformando Energia em Soluções
125
Módulo 4 – Geração de Energia
3.7.2.4 SHORT-BREAK DIESEL

Funciona como sistema de suprimento de energia com interrupção momentânea (0,1 a
1s), ao faltar a rede. É composto basicamente por: motor de indução, gerador síncrono, volante
de inércia, acoplamento eletromagnético, motor diesel e base comum de montagem (figura 3.74).

Figura 3.74 - Short-break diesel

Assegura o fornecimento de energia com tempo ilimitado, mas com pequena
interrupção e queda de velocidade durante a partida do motor diesel, que é auxiliada pelo volante
de inércia.
As aplicações principais são: controle de tráfico de ruas, vias férreas, salas operatórias,
etc.
3.7.2.5 GERADORES PARA CPD

Figura 3.75 - Acoplamento entre motor-gerador

O motor síncrono recebe energia da rede de alimentação e aciona o gerador síncrono
que fica separado e eletricamente isolado da rede. Mesmo que a rede apresente transientes de
centenas de volts, severas sub ou sobretensões e ainda descontinuidades (faltas) de até 120 ms, o
grupo motor-gerador alimentará o equipamento eltrônico com tensão limpa e estabilizada.







WEG – Transformando Energia em Soluções
126
Módulo 4 – Geração de Energia
3.7.2.6 GERADORES LINHA INDUSTRIAL

Os geradores da linha industrial são considerados geradores tipo standart e apresentam
as seguintes carcaterísticas básicas para o tipo GTA:
• Tensão nominal 220/380/440, 220/440 ou 380 V;
• Comportamento estacionário da tensão entre vazio e plena carga e para fator de
potência entre 0,8 e 1,0 de • 0,5%;
• Queda de tensão admissível igual a 5%;
• Ajuste do valor de referência de • 5%;
• Comportamento dinâmico da tensão: tempo de regulagem em média de 200 a 700
ms na ligação da carga nominal, com uma queda de tensão de 12 a 20% dependendo
da máquina;
• Distorção harmônica entre fases menor que 5%;
• Carga assimétrica máxima igual a 30%;
• Sobrecargas momentâneas igual a 2,0 x IN durante 20 s;
• Corrente de curto-circuito permanente de 3 x IN;
• Normas aplicáveis VDE, ABNT e IEC.

3.7.2.7 GERADORES PARA TELECOMUNICAÇÕES (PADRÃO
TELEBRÁS)

Os geradores síncronos tipo TELECOMUNICAÇÕES são fabricados conforme
especificações da norma Telebrás. As aplicações mais comuns são:
Grupos Diesel de emergência para centrais telefônicas, repetidoras, radares, sistemas de
rádio, aeroportos e outras cargas típicas.

Vantagens:

• Não utilizam escovas, conseguindo-se com isso manutenção reduzida, solicitando
cuidados apenas na lubrificação dos rolamentos;
• Não introduzem rádio-interferência pelo mau contato das escovas;
• Deformações da forma de onda gerada, provocadas pelas cargas, não interferem na
regulação, pois o regulador é alimentado por uma excitatriz auxiliar, independente
da tensão de saída;
• Admitem facilmente o controle manual da tensão.
• Características técnicas
• Normas aplicáveis: VDE, ABNT, IEC e TELEBRÁS;
• Forma construtiva B5/B3T;
• Reatância subtransitória de eixo direto (Xd'') menor que 12%;
• Distorção harmônica total menor que 3% para carga linear;
• Precisão de regulação de tensão t 0,5% para qualquer valor de carga com fator de
potência entre 0,8 e 1,0.;
• Transitório de tensão para degrau de 100% da carga igual a t 10% da tensão
nominal;
• Tempo de resposta para recuperar a tensão menor que 0,5 segundos;






WEG – Transformando Energia em Soluções
127
Módulo 4 – Geração de Energia
• Variações de t 5% na rotação do motor diesel não prejudicam a regulação da
tensão;
• Faixa de ajuste da tensão nominal pelos potenciômetros: ajuste normal t 15%,
ajuste fino t 5%;
• Sobrecarga admissível: 10% durante 1 hora a cada 6 horas, 200% por 15 segundos a
cada 1 hora.

3.7.2.8 GERADORES ALIMENTANDO CARGAS DEFORMANTES

Nas aplicações com uso de geradores não podemos deixar de citar as cargas do tipo não
lineares, que levam a certas considerações na utilização das máquinas.
Cargas ditas deformantes são tipos de cargas com comportamento não linear de corrente
e/ou tensão e ainda, dependendo do tipo, com grande quantidade de harmônicos. A forma de
onda das correntes dessas cargas não é senoidal, o que ocasiona uma corrente que não traduz a
nominal solicitada pelo equipamento. Atualmente este tipo de carga encontra-se presente em
muitas aplicações industriais, comerciais e residenciais e como tal deve ser determinada para
uma condizente aplicação do gerador.

Alguns exemplos de cargas deformantes:

• Equipamentos eletrônicos (no-break’s, computadores, fontes, carregadores de
bateria, conversores de frequência, reatores eletrônicos);
• Máquinas com bobinas e núcleos de ferro que normalmente trabalham saturadas
(motores, transformadores, máquinas de solda, reatores);
• Fornos a arco.
• A alimentação desses tipos de cargas pelos geradores pode causar alguns
inconvenientes nas máquinas e também em seus sistemas, conforme seguem:
• Aquecimento excessivo dos enrolamentos estatóricos e barras de amortecimentos,
devido ao aumento das perdas no cobre;
• Aquecimento das chapas do estator e rotor, devido ao aumento das perdas no ferro;
• Correntes de neutro excessivas, ocasionadas por desbalanceamentos;
• Sobredimensionamento de cabos, quadros, proteções, etc.
• Devido às observações acima deve-se, antes da aplicação, elaborar um estudo das
cargas e realizar um levantamento do teor e conteúdo de harmônicos do sistema a
ser atendido pelo gerador.
• Com os resultados desse estudo e sua interpretação, pode-se tomar alguns cuidados
nos geradores a serem utilizados, entre eles:
• Utilização de uma máquina mais robusta, com potência equivalente maior, o que se
traduz principalmente em menor reatância e consequentemente menor queda de
tensão e menos aquecimento;
• Utilização de máquina com passo de bobinagem 2/3, para cargas com alto teor de 3a
harmônica.









WEG – Transformando Energia em Soluções
128
Módulo 4 – Geração de Energia
3.8 ENSAIOS

Os ensaios são agrupados em ENSAIOS DE ROTINA, ENSAIOS DE TIPO E
ENSAIOS ESPECIAIS, realizados conforme norma VDE 530 e NBR 5052.
Outros ensaios não relacionados poderão ser realizados mediante consulta previa.

3.8.1 ENSAIOS DE ROTINA

• Resistência ôhmica dos enrolamentos;
• Resistência do Isolamento;
• Tensão Elétrica Aplicada ao Dielétrico;
• Seqüência e Equilíbrio de Fases;
• Saturação em Vazio;
• Em Vazio com Excitação própria (Regulador de Tensão);
• Curto-Circuito Trifásico Permanente.

3.8.2 ENSAIOS DE TIPO

• Ensaios de Rotina;
• Elevação de Temperatura;
• Sobrevelocidade;
• Reatância Subtransitória do Eixo Direto.

3.8.3 ENSAIOS ESPECIAIS

• Relação de Curto Circuito Trifásico Permanente;
• Manutenção da Corrente em Curto-Circuito;
• Desempenho do Regulador de Tensão;
• Distorção Harmônica;
• Rendimento;
• Vibração;
• Nível de Ruído;
• Determinação do fator de Interferência Telefônica (para Teleco);
• Determinação das características em "V" de máquinas síncronas.

OBS: Os ensaios serão limitados a potência de 500 kVA. Para as potências superiores os
resultados serão extrapolados.












WEG – Transformando Energia em Soluções
129
Módulo 4 – Geração de Energia
3.9 COLETÂNEA DE FÓRMULAS

Fem induzida v) (B^ sen . v . 1 . B = e [V]

Rotação Síncrona
p
f . 120
= n [rpm]

Ligação triângulo 3 . If = I1 [A]
UL = Vf [V]

Ligação estrela If = I1 [A]
3 . Uf = U1 [V]

Potência 3 . I1 . U1 = S [VA]

Potência Eletromagnética δ δ sen2
xq
1

2
Uf . m
+ sen
xd
Uf .
E
. m
= P
2
0

,
`

.
|
[W]

Potência do Acionamento
(g)
100 . Pg(kW)
= Pn
η
[kW]

Queda de Tensão 100 .
(Ip/In)] . d
X
[ + 1
(Ip/In) . d
X
= U%
*
*
∆ [pu]

Conversão de Reatâncias ) (Un1/Un2 . Sn2/Sn1 . (f2/f1) . X1 = X2
2
[pu]

Corrente de Curto-Circuito 100 x
d x
If
= Icceff
′ ′
[A]

% em d x 100 x
d x
If x 2,55
= M`X Icc ′ ′
′ ′
[A]


















WEG – Transformando Energia em Soluções
130
Módulo 4 – Geração de Energia
4 CARACTERISTICAS E ESPECIFICAÇÕES DE TRANSFORMADORES
DE DISTRIBUIÇÃO E FORÇA
4.1 INTRODUÇÃO

O curso em questão refere-se a transformadores trifásicos, imersos em líquido isolante,
previstos para instalação interna ou externa, com capacidade até 30.000kVA, em freqüência de
60 Hz e especiais.
Destina-se este breve trabalho, a dar subsídios e esclarecimentos necessários para uma
boa especificação de transformadores. Aliás, uma correta seleção implica diretamente na redução
do custo do equipamento e nos prazos de recebimento e instalação.
Os transformadores WEG são projetados e construídos segundo normas ABNT,
conforme as últimas edições vigentes.
Recomendamos, para aqueles que desejarem se aprofundar no estudo de
transformadores, que tenham a disposição as seguintes normas:

• NBR 5356 - Transformadores de Distribuição para Postes e Plataformas Padronização;
• NBR 5440 - Transformadores de Distribuição para Postes e Plataformas Padronização;
• NBR 5380 - Transformador de Potência Método de Ensaio;
• NBR 5416 - Aplicação de Cargas em Transformadores de Potência Procedimento;
• NBR 5458 - Eletrotécnica e Eletrônica Transformadores Terminologia.

É muito importante também, que o interessado tenha em mãos as publicações
específicas para transformadores, emitidas pela Concessionária de Energia da região onde será
instalado o equipamento.

























WEG – Transformando Energia em Soluções
131
Módulo 4 – Geração de Energia
4.2 NOÇÕES FUNDAMENTAIS
4.2.1 TRANSFORMADORES E SUAS APLICAÇÕES

A energia elétrica, até chegar ao ponto de consumo, passa pelas seguintes etapas:

a) Geração

Onde a força hidráulica dos rios ou a força do vapor superaquecido é convertida em
energia nos chamados geradores.

b) Transmissão

Os pontos de geração normalmente encontram-se longe dos centros de consumo. Torna-
se necessário elevar a tensão no ponto de geração, para que os condutores possam ser de seção
reduzida, por fatores econômicos e mecânicos, e diminuir a tensão próxima do centro de
consumo, por motivos de segurança. O transporte de energia é feito em linhas de transmissão,
que atingem até centenas de milhares de Volts e que percorrem milhares de quilômetros.

c) Distribuição

Como dissemos acima, a tensão é diminuida próximo ao ponto de consumo, por
motivos de segurança. Porém, o nível de tensão desta primeira transformação, não é ainda o de
utilização, uma vez que é mais econômico distribuí-la em média tensão. Então, junto ao ponto de
consumo, é realizada uma segunda transformação, a um nível compatível com o sistema final de
consumo (baixa tensão).
Como podemos notar, é imprescindível a manipulação do nível de tensão num sistema e
potência, quer por motivos econômicos, quer por motivos de segurança, ou ambos. Isto é
possível graças a um equipamento estático, de construção simples e rendimento elevado,
chamado transformador.
A seguir, apresentamos esquematicamente um sistema de potência, onde temos geração,
transmissão, distribuição e transformação de energia elétrica






WEG – Transformando Energia em Soluções
132
Módulo 4 – Geração de Energia

Figura 4.1

4.2.2 TIPOS DE TRANSFORMADORES

Sendo um equipamento que transfere energia de um circuito elétrico a outro, o
transformador toma parte nos sistemas de potência, para ajustar a tensão de saída de um estágio
do sistema à tensão da entrada do seguinte. O transformador nos sistemas elétricos e
eletromecânicos poderá assumir outras funções, como isolar eletricamente os circuitos entre si,
ajustar a impedância do estágio seguinte à do anterior, ou todas estas finalidades citadas, ao
mesmo tempo.
A transformação da tensão (e da corrente) é obtida graças a um fenômeno chamado
Indução Eletromagnética, ao qual nos ateremos mais adiante.







WEG – Transformando Energia em Soluções
133
Módulo 4 – Geração de Energia
4.2.2.1 DIVISÃO DOS TRANSFORMADORES QUANTO À FINALIDADE

a) Transformadores de corrente;
b) Transformadores de potencial;
c) Transformadores de distribuição;
d) Transformadores de força.


4.2.2.2 DIVISÃO DOS TRANSFORMADORES QUANTO AOS
ENROLAMENTOS

a) Transformadores de dois ou mais enrolamentos;
b) Autotransformadores.

4.2.2.3 DIVISÃO DOS TRANSFORMADORES QUANTO AOS TIPOS
CONSTRUTIVOS

a) Quanto ao material do núcleo:

1) Com núcleo ferromagnético;
2) Com núcleo de ar.

b) Quanto a forma do núcleo:

1) Nuclear ou envolvido;
2) Encouraçado ou envolvente.

c) Quanto ao número de fases:

1) Monofásico;
2) Polifásico (principalmente o trifásico).

d) Quanto à maneira de dissipação de calor:

1) Parte ativa imersa em líquido isolante (transformador imerso);
2) Parte ativa envolta pelo ar ambiente (transformador a seco).

4.2.3 COMO FUNCIONA O TRANSFORMADOR

O fenômeno da transformação é baseada no efeito da indução mútua. Veja a figura
abaixo, onde temos um núcleo constituído de lâminas de aço prensadas e onde foram construídos
dois enrolamentos.






WEG – Transformando Energia em Soluções
134
Módulo 4 – Geração de Energia

Figura 4.2

U1 = tensão aplicada na entrada (primária);
N1 = número de espiras do primário;
N2 = número de espiras do secundário;
U2 = tensão de saída (secundário).

Se aplicarmos uma tensão U
1
alternada ao primário, circulará por este enrolamento uma
corrente I
L
alternada que por sua vez dará condições ao surgimento de um fluxo magnético
também alternado.
A maior parte deste fluxo ficará confinado ao núcleo, uma vez que é este o caminho de
menor relutância.
Este fluxo originará uma força eletro motriz (f.e.m.) E
1
no primário e E
2
no secundário
proporcionais ao número de espiras dos respectivos enrolamentos, segundo a relação:

a
N
N
E
E
· ·
2
1
2
1


Onde: a = razão de transformação ou relação entre espiras.

As tensões de entrada e saída U
1
e U
2
diferem muito pouco das f.e.m. induzidas E
1
e E
2

e para fins práticos podemos considerar:

a
N
N
U
U
· ·
2
1
2
1


Podemos também provar que as correntes obedecem à seguinte relação:

2 2 1 1
N I N I ⋅ · ⋅
ou
a N N
I
I
· · ⋅
1 2
1
2


Onde: I
1
é a corrente no primário e I
2
no secundário.

Quando a tensão do primário U
1
é superior à do secundário U
2
, temos um transformador
abaixador. Caso contrário, teremos um transformador elevador de tensão.






WEG – Transformando Energia em Soluções
135
Módulo 4 – Geração de Energia
Para o transformador abaixador a > 1 e para o elevador de tensão a < 1.
Cabe ainda fazer notar que sendo o fluxo magnético proveniente de corrente alternada,
este também será alternado, tornando-se um fenômeno reversível, ou seja, podemos aplicar uma
tensão em qualquer dos enrolamento que teremos a f.e.m. no outro.
Baseando-se neste princípio, qualquer dos enrolamentos poderá ser o primário ou
secundário. Chama-se de primário o enrolamento que recebe a energia e secundário o
enrolamento que alimenta a carga.

4.2.4 SISTEMAS ELÉTRICOS

Faremos uma rápida revisão de conceitos e fórmulas de cálculo, envolvidos nos
sistemas elétricos com o objetivo de reativar a memória e retirar da extensa teoria aquilo que
realmente interessa para a compreensão do funcionamento e para o dimensionamento do
transformador.

4.2.4.1 SISTEMAS DE CORRENTE ALTERNADA MONOFÁSICA
4.2.4.1.1 GENERALIDADES

A corrente alternada se caracteriza pelo fato de que a tensão, em vez de permanecer
fixa, como entre os pólos de uma bateria, varia com o tempo, mudando de sentido
alternadamente, donde o seu nome. O número de vezes por segundo que a tensão muda de
sentido e volta à condição inicial é a frequência do sistema, expressa em:

“Ciclos por segundo” ou “hertz”, simbolizada por “Hz”.

No sistema monofásico, uma tensão alternada U (volts) é gerada e aplicada entre dois
fios, aos quais se liga a carga, que absorve uma corrente I (amperes).

Figura 4.3

4.2.4.1.2 TIPOS DE LIGAÇÃO

Se ligarmos duas cargas iguais a um sistema monofásico, esta ligação poderá ser feita
de dois modos:







WEG – Transformando Energia em Soluções
136
Módulo 4 – Geração de Energia
• Ligação em série (Figura 4.4): em que duas cargas são atravessadas pela corrente
total ou de circuito. Neste caso, a tensão em cada carga será a metade da tensão do
circuito.

• Ligação em paralelo (Figura 4.5): em que é aplicada às duas cargas, a tensão do
circuito. Neste caso, a corrente em cada carga será a metade da corrente total do
circuito.


Figura 4.4


Figura 4.5

4.2.4.2 SISTEMAS DE CORRENTE ALTERNADA TRIFÁSICA

O sistema trifásico é formado pela associação de três sistemas monofásicos de tensões,
U
1
, U
2
e U
3
tais que a defasagem entre elas seja 120
º
, os “atrasos” de U
2
e U
1
em relação a U
3

sejam iguais a 120
º
(considerando um ciclo completo 360
º
). (Figura 1.4)
Ligando entre si os três sistemas monofásicos e eliminando os fios desnecessários,
teremos um sistema trifásico de tensões defasadas de 120
º
e aplicadas entre os três fios do
sistema.






WEG – Transformando Energia em Soluções
137
Módulo 4 – Geração de Energia

Figura 4.6

4.2.4.2.1 TIPOS DE LIGAÇÃO

a) Ligação Triângulo

Chamamos tensões e correntes de fase as tensões e correntes de cada um dos três
sistemas monofásicos considerados, indicados por U
f
e I
f
.
Se ligarmos os três sistemas monofásicos entre si, como indica a Figura 4.7, podemos
eliminar três fios, deixando apenas um em cada ponto de ligação, e o sistema trifásico ficará
reduzido a três fios U, V e W.

Figura 4.7







WEG – Transformando Energia em Soluções
138
Módulo 4 – Geração de Energia
A tensão em qualquer destes três fios chama-se tensão de linha (U
L
), que é a tensão
nominal do sistema trifásico. A corrente em qualquer um dos fios chama-se corrente de linha
(I
L
).
Examinando o esquema da Figura 4.8, vê-se que:

1) À carga é aplicada a tensão de linha U
L
que é a própria tensão do sistema
monofásico componente, ou seja, U
L
= U
F
;
2) A corrente em cada fio de linha, ou corrente de linha I
L
é a soma das correntes das
duas fases ligadas a este fio, ou seja, I = I
f1
+ I
f2
.

Como as correntes estão defasadas entre si, a soma deverá ser feita graficamente, como
mostra a Figura 4.9. Pode-se verificar que:

f f L
I , I I ⋅ · ⋅ · 732 1 3




Figura 4.8 Figura 4.9

Exemplo: temos um sistema trifásico equilibrado de tensão nominal 220 volts. A
corrente de linha medida é de 10 amperes. Ligando a este sistema uma carga trifásica composta
de três cargas iguais ligadas em triângulo, qual a tensão e a corrente ligada em cada uma das
cargas?

Temos U
f
= U
L
= 220 volts em cada uma das cargas.

I
L
= 1,732 x I
f
, temos I
f
= 0,577 x I
L
= 0,577 x 10 = 5.77 em cada uma das cargas.


b)Ligação Estrela

Ligando um dos fios de cada sistema monofásico a um ponto comum aos três restantes,
forma-se um sistema trifásico em estrela (Figura 4.10). Às vezes o sistema trifásico em estrela é
a “quatro fios” ou “com neutro”.






WEG – Transformando Energia em Soluções
139
Módulo 4 – Geração de Energia
O quarto fio é ligado ao ponto comum às três fases. A tensão de linha, ou a tensão
nominal do sistema trifásico, e a corrente de linha são definidas do mesmo modo que na ligação
triângulo.

Examinando o esquema da figura 4.11 vê-se que:

1) A corrente em cada fio da linha, ou corrente da linha I
L
= I
F
.
2) A tensão entre dois fios quaisquer do sistema trifásico é a soma gráfica (Figura 4.12)
das tensões de duas fases às quais estão ligados os fios considerados, ou seja:

f f L
U , U U ⋅ · ⋅ · 732 1 3

U V W
I1 I2 I3
Uf1 Uf2 Uf3
If1 If3 If2

Figura 4.10



Figura 4.11










WEG – Transformando Energia em Soluções
140
Módulo 4 – Geração de Energia

Figura 4.12

Exemplo: Temos uma carga trifásica composta de três cargas iguais, cada carga é feita
para ser ligada a uma tensão de 220 volts, absorvendo 5,77 ampéres. Qual a tensão nominal do
sistema trifásico que alimenta esta carga em suas condições normais? (220 volts e 5,77 ampéres)
Qual a corrente de linha?

Temos U
f
= 220 volts (normal de cada carga).

U
L
= 1,732 x 380 volts
I
L
= I
f
= 5,77 ampéres

c) Ligação Zig-Zag

Este tipo de ligação é preferível onde existem desequilíbrios acentuados de carga.
Cada fase do secundário, compõe-se de duas bobinas dispostas cada uma sobre colunas
diferentes, ligadas em série, assim a corrente de cada fase do secundário afeta sempre por igual
as duas fases do primário.
Na Figura 4.13 temos um diagrama mostrando as ligações e os sentidos das correntes
em cada enrolamento. Na Figura 4.14 temos o diagrama fasorial da ligação zig-zag.

Figura 4.13

O transformador torna-se mais caro, além do aumento de 15,5% no volume de cobre e é
mais trabalhosa a sua montagem.






WEG – Transformando Energia em Soluções
141
Módulo 4 – Geração de Energia
Além de atenuar a 3 a harmônica oferece a possibilidade de 3 tensões: 220/127;
380/220V; 440/254V.

Figura 4.14

Supondo tensões de linha para V
1
= 220/127V (Figura 4.15).


Figura 4.15


0 60
1 1
∠ + ∠ · V V V
ZZ
onde 0
1 2
∠ · V V
017 127 60 017 127 , , V
ZZ
+ ∠ ·
017 127 110 51 63 , j , V
ZZ
+ · ·
110 527 190 j , V
ZZ
+ ·
30 220∠ ·
ZZ
V tensão de fase
380 3 220 · ⋅ ·
ZZLinha
V

Desta maneira com dois enrolamentos conseguimos em ligação Zig-Zag 380 / 220 V.
Para obtermos 220/127V ligamos em paralelo as duas bobinas de uma mesma coluna e
para 440/254V ligamos as bobinas em série.










WEG – Transformando Energia em Soluções
142
Módulo 4 – Geração de Energia
4.2.4.2.2 AUTOTRANSFORMADOR

Possui estrutura magnética semelhante aos transformadores normais, diferenciando-se
apenas na parte elétrica, isto é, os enrolamentos do primário e secundário possuem um certo
número de espiras em comum, Figura 4.16.


Figura 4.16


1
1
V
P
I ·
2
2
V
P
I ·

2 1
I I I − ·

A relação entre a tensão superior e a tensão inferior não deve ser superior a 3. É
reversível, pode ser abaixador ou elevador. Não possui comutador, quando tiver várias tensões, é
dotado de painel de religação ou as diversas saídas podem ser diretamente nas buchas.
O autotransformador trifásico trifásico é realizado com agrupamento das fases em
estrela.

Vantagens:

• o deslocamento angular entre AT e BT é sempre nulo;
• possibilidade de ligação do centro à terra a fim de eliminar o perigo de sobretensões
com respeito à terra linha BT.

4.2.5 POTÊNCIAS

Em um sistema elétrico, temos três tipos de potências: potência aparente, a ativa e
reativa.
Estas potências estão intimamente ligadas de tal forma que constituem um triângulo, o
chamado Αtriângulo das potências (Figura 4.17).






WEG – Transformando Energia em Soluções
143
Módulo 4 – Geração de Energia
Figura 4.17 - Triângulo das potências

S = potência aparente, expressa em VA (volts-ampére)
P = potência ativa ou útil, expressa em W (watt)
Q = potência reativa, expressa em VAr (volt ampére reativa)
ϕ = ângulo que determina o fator de potência.

4.2.5.1 POTÊNCIA ATIVA OU ÚTIL

É a componente da potência aparente (S), que realmente é utilizada em um
equipamento, na conversão da energia elétrica em outra forma de energia.
Num sistema monofásico:

) cos( I U P ϕ ⋅ ⋅ ·
Num sistema trifásico:

) cos( I U P
F F
ϕ ⋅ ⋅ ⋅ · 3 ou ) cos( I U P
L L
ϕ ⋅ ⋅ ⋅ · 3

4.2.5.2 POTÊNCIA REATIVA

É a componente da potência aparente (S), que não contribui na conversão de energia.
Num sistema monofásico:
ϕ ⋅ ⋅ · sen I U Q
Num sistema trifásico:
ϕ ⋅ ⋅ ⋅ · sen I U Q
f f
3 ou
ϕ ⋅ ⋅ ⋅ · sen I U Q
L L
3 [Var]

4.2.6 POTÊNCIA APARENTE

É a soma vetorial da potência útil e a reativa. É uma grandeza que para ser definida,
precisa de módulo e ângulo, características do vetor.
Módulo:
2 2
Q P S + ·
Ângulo: (ϕ)






WEG – Transformando Energia em Soluções
144
Módulo 4 – Geração de Energia

,
`

.
|
· ϕ
P
Q
arctg

Aqui, podemos notar a importância do fator de potência. Ele é definido como:

S
P
) cos( . p . f · ϕ ·

Imaginemos dois equipamentos que consomem a mesma potência útil de 1000 W,
porém o primeiro tem cos ϕ = 0,5 e o segundo tem cos ϕ = 0,92.
Pelo triângulo das potências chega-se à conclusão de que a potência aparente a ser
fornecida ao primeiro equipamento é de 2000 VA, enquanto que o segundo requer apenas 1087
VA.
Um transformador é dimensionado pela potência aparente (S) e por aí se nota a
importância da manutenção de um fator de potência elevado numa instalação. O baixo fator de
potência causa sérios problemas às instalações elétricas, entre as quais podem ser destacados;
sobrecargas nos cabos e transformadores, crescimento da queda de tensão, redução do nível de
iluminamento, aumento das perdas no sistema de alimentação.
Além disto, as concessionárias de energia cobram pesadas multas sobre a tarifa de
energia para aqueles que apresentarem fator de potência inferior a 0,92.
A potência aparente pode ser calculada por:

I U S ⋅ · [VA] Sistema monofásico
L L f f
I U I U S ⋅ ⋅ · ⋅ ⋅ · 3 3 Sistema trifásico.

Outras relações importantes:
] VA [
) cos(
P
S
ϕ
·
] VA [
) sen(
Q
S
ϕ
·

A seguir, introduzimos uma tabela prática para determinação dos valores de tensão,
corrente, potência e fator de potência de transformadores em Tabela 4.1. função do tipo de
ligação:















WEG – Transformando Energia em Soluções
145
Módulo 4 – Geração de Energia

Determinação Estrela Triângulo Zig-zag
Tensão de Linha U/L Ul UL
Tensão no enrolamento
U/L 3
Ul
UL/ 3
Corrente de linha I/L IL IL
Corrente de
enrolamento
I/L
IL/ 3
IL
Ligações dos
enrolamentos









Esquemas


Potência Aparente KVA
S = 3.U
f
.I
f
= 3 .U
L
.I
L

Potência Ativa KW
P = 3.U
f
.I
f
cosϕ = 3 .U
L
.I
L
.cosϕ
Potência Reativa KVAr
Q = 3.U
f
.I
f
cosϕ = 3 .U
L
.I
L
senϕ
Potência absorvida da
rede primária
KVA S
P
= kVA (nominais) / η (Rendimento)
Fator de Potência do
primário
cos ϕ
1
= cosϕ
2
. (100 - e
y
) - er (*)
Fator de Potência do
secundário
Do projeto de instalação (cos ϕ
2
)
(*) ey = Tensão de curto -circuito
er = componente da tensão de curto-circuito


EXEMPLO:CÁLCULO DA POTÊNCIA APARENTE REQUERIDA POR DOIS
EQUIPAMENTOS COM FATOR DE POTÊNCIA (COS ϕ) DIFERENTES.

APARELHO 1

W P 100 ·

5 0, cos · ϕ

S
P
cos · ϕ
APARELHO 2

W P 100 ·

92 0, cos · ϕ

ϕ
·
cos
P
S







WEG – Transformando Energia em Soluções
146
Módulo 4 – Geração de Energia
APARELHO 1 : VA
,
S 2000
5 0
1000
· ·

APARELHO 2 : VA
,
S 1087
92 0
1000
· ·

CONCLUSÃO:

Verificamos que o equipamento 2 que possui o maior fator de potência requer
apenas 1.087 VA, enquanto que o equipamento 1 requer 2000 VA de potência aparente.
Um transformador é dimensionado pela potência aparente (S), e por aí nota-se a
importância da manutenção de um fator de potência elevado em uma instalação.
Deveremos lembrar também que as concessionárias de energia cobram pesadas
multas sobre tarifa de energia para aqueles que apresentarem fator de potência inferior
a 0,92.






































WEG – Transformando Energia em Soluções
147
Módulo 4 – Geração de Energia
4.3 DEFINIÇÕES IMPORTANTES E NORMALIZAÇÃO
4.3.1 POTÊNCIA NOMINAL

Entende-se por potência nominal de um transformador, o valor convencional de
potência aparente, que serve de base ao projeto, aos ensaios e às garantias do fabricante e que
determina o valor da corrente nominal que circula, sob tensão nominal, nas condições
especificadas na respectiva norma.

4.3.1.1 TRANSFORMADORES TRIFÁSICOS

A potência nominal de um transformador trifásico é a potência aparente definida pela
expressão:
Potência nominal = U
n
. I
n
. 3/1000 (kVA)

4.3.1.2 TRANSFORMADORES MONOFÁSICOS

A potência nominal de um transformador monofásico é a potência aparente definida
pela expressão:
Potência nominal = U
n
. I
n
/1000 (kVA)

4.3.1.3 POTÊNCIAS NOMINAIS NORMALIZADAS

As potências nominais em kVA, normalizadas pela ABNT (NBR-5440), dos
transformadores de distribuição para instalação em postes e plataformas, são as seguintes:

a) Transformadores monofásicos para instalação em postes: 5, 10, 15, 25, 37.5, 50, 75
e 100 kVA;
b) Transformadores trifásicos para instalação em postes 15, 30, 45, 75, 112.5 e
150kVA;
c) Transformadores trifásicos para instalação em plataformas: 225 e 300kVA.

Há potências normalizadas pela ABNT para transformadores de potência, que são as
seguintes: 500,750,1000, 1500, 2000, 2500, 3000, 3750, 5000, 7500, 10000.
Recomenda-se a escolha de um destes valores, pois os fabricantes já possuem projetos
prontos para os mesmos, o que reduz os custos e o tempo de entrega dos referidos
transformadores.












WEG – Transformando Energia em Soluções
148
Módulo 4 – Geração de Energia
4.3.2 TENSÕES
4.3.2.1 DEFINIÇÕES

• Tensão Nominal: (U
n
) é a tensão para a qual o enrolamento foi projetado.

• Tensão a vazio: (U
o
) é a tensão entre os bornes do secundário do transformador
energizado, porém sem carga.

• Tensão sob carga: (U
c
) é a tensão entre os bornes do secundário do transformador,
estando o mesmo sob carga, correspondente à sua corrente nominal. Esta tensão é
influenciada pelo fator de potência (cosØ)
A variação entre a tensão a vazio e sob carga e sob determinado fator de
potência; chama-se de “regulação”.

• Tensão Superior: (TS) é a tensão correspondente à tensão mais alta em um
transformador. Pode ser tanto referida ao primário ou secundário, conforme o
transfomador seja abaixador ou elevador.

• Tensão inferior: (TI) é a tensão correspondente à tensão mais baixa em um
transformador. Pode ser também referida ao primário u secundario, conforme o
transformador seja elevador ou abaixador.

• Tensão de curto-circuito: (Ucc%) mais comumente chamada de impedância, é a
tensão expressa usualmente em percentagem (referida a 751C) em relação a uma
determinada tensão, que deve ser ligada aos terminais de um enrolamento para obter
a corrente nominal no outro enrolamento, cujos terminais estão curto circuitados.
A tensão de curto-circuito medida deve manter-se dentro de + 7,5% de
tolerância, em relação ao valor declarado pelo fabricante.
Na tabela do item 3.1 encontraremos os valores de impedância (coluna 5) para
os transformadores de que trata este manual.

• Impedância de Sequência Zero: É a impedância, sob frequência nominal, entre os
terminais de linha de um enrolamento polifásico em Estrela ou Zig-Zag, interligados
e o terminal de neutro. Seu valor depende do tipo de ligação.
É necessário conhecer a impedância de sequência zero para o estudo de
circuitos polifásicos de desiquilibrados (curto-circuito), somente é levada em
consideração em transformadores Delta-Estrela (zig-zag) aterrado ou Estrela-Estrela
(Zig-Zag) duplamente aterrado.














WEG – Transformando Energia em Soluções
149
Módulo 4 – Geração de Energia
4.3.2.2 ESCOLHA DA TENSÃO NOMINAL

1
o
caso: Transformadores de distribuição regidos pela NBR 5440

Tabela I - Transformadores sem Derivação


Tensão (V)
Primário Secundário
Tensão máxima do equipa -
Mento kV (eficaz)
Trifásico ou
monofásico (FF)
Monofásico
(FN)
Trifásicos Monofásicos
1 2 3 4 5

15


24,2


36,2

13800
13200

23100
22000

34500
33000

7967
7621

13337
12702

19919
19053

380/ 220


ou



220/ 127

2 terminais 220
ou 127
ou
3terminais
440/220 ou
254/127 ou
240/120 ou
230/115

Tabela II - Derivações e Relações de Tensões

Tensão (V)
Primário Secundário
Tensão máxima de equipa -
mento kV (eficaz)
Deriva-
ção n
o

Trifási co e
monofásico
(FF)
Monofásicos
(FN)
Trifásicos Monofásicos
15.0



24.2



36.2

1
2
3

1
2
3

1
2
3


13800
13200
12600

23100
22000
20900

34500
33000
31500

7967
7621
7275

13337
12702
12067

19919
19053
18187


380/ 220



ou



220/127

2terminais
220ou127

ou

3 terminais
440/220ou
254/127ou
240/120ou
230/115
FF - tensão entre fases;
FN - tensão entre fase e neutro.


2
o
caso: Transformador de distribuição a ser instalado no domínio de uma
concessionária.

A concessionária de energia elétrica possui norma própria. As tensões serão, portanto,
definidas pela mesma.







WEG – Transformando Energia em Soluções
150
Módulo 4 – Geração de Energia
Exemplo:

CERJ:
AT: 13800 - 13200 - 12600 - 12000 - 11400 - 10800 V
BT: 380/220 V ou 220/127 V

CEEE:
AT: 13800 - 13200 - 12600 V ou 23100 - 22000 - 20900 V
BT: 380/220 V ou 220/127 V


3
o
caso: Transformador para uso industrial.

Em uma indústria poderemos ter três ou até quatro níveis de tensão:

Subestações de entrada: Primário - 72,5 kV e 138 kV
Secundário - 36,2 kV - 24,2 kV ou 13,8 kV

Subestações de distribuição: Primário - 36,2 kV - 24,2 kV ou 13,8 kV
Secundário -440/254 V, 380/220 V ou 220/127V

Quando a potência dos transformadores for superior a 3MVA não se recomenda baixar
a tensão diretamente para tensão de uso, pois os mesmos tornam-se muito caros devido as altas
correntes.
Recomenda-se baixar para uma média tensão, ou seja, 6,9 kV, 4,16 kV ou 2,4 kV e,
próximo aos centros de carga rebaixar novamente para as tensões de uso.
Ainda um caso particular de nível de tensão primária deve ser comentado. Existem
algumas regiões onde o nível de tensão de distribuição está sendo alterado. Neste caso, a
concessionária avisa o interessado, que a tensão atual passará a outro nível dentro de um
determinado período de tempo; logo, o transformador a ser instalado deverá ser capaz de operar
em duas tensões primárias, para evitar a necessidade de aquisição de novo equipamento quando
da alteração.
Estes transformadores especiais são chamados de religáveis.
A escolha da tensão do secundário depende de vários fatores. Dentre eles destacamos:

a) Econômicos - a tensão de 380/220V requer seções menores dos condutores para
uma mesma potência.
b) Segurança - a tensão de 220/127V é mais segura com relação a contatos acidentais.

De uma forma geral, podemos dizer que para instalações onde equipamentos como
motores, bombas, máquinas de solda e outras máquinas constituem a maioria da carga, deve-se
usar 380/220V e para instalações de iluminação e força de residências deve-se adotar 220/127V.
Na NBR 5440 da ABNT encontramos a padronização das tensões primárias e secundárias.










WEG – Transformando Energia em Soluções
151
Módulo 4 – Geração de Energia
4.3.3 DERIVAÇÕES

Para adequar a tensão primária do transformador à tensão de alimentação, o
enrolamento primário, normalmente o de TS, é dotado de derivações (taps), que podem ser
escolhidos mediante a utilização de um painel de ligações ou comutador, conforme projeto e tipo
construtivo, instalados junto à parte ativa, dentro do tanque. Este aparato, na maioria dos
transformadores de baixa potência, deve ser manobrado com o transformador desconectado da
rede de alimentação.
Em geral o valor da tensão primária, indicada pela concessionária constitui o valor
médio entre aqueles que efetivamente serão fornecidos durante o exercício.

4.3.3.1 DEFINIÇÕES

Derivação principal:

Derivação à qual é referida a característica nominal do enrolamento, salvo indicação
diferente à derivação principal é:

a) no caso de número ímpar de derivações, a derivação central;
b) no caso de número para de derivações, aquela das duas derivações centrais que se
acha associada ao maior número de espiras efetivas do enrolamento;
c) caso a derivação determinada segundo “a” ou “b” não seja de plena potência, a mais
próxima derivação de plena potência.


Figura 4.18






WEG – Transformando Energia em Soluções
152
Módulo 4 – Geração de Energia
Derivação superior:

Derivação cujo fator de derivação é maior do que 1.

Derivação inferior:

Derivação cujo fator de derivação é menor do que 1.

Degrau de derivação:

Diferença entre os fatores de derivação, expressos em percentagem, de duas derivações
adjacentes.

Faixa de derivações:

Faixa de derivação do fator de derivação, expresso em percentagem e referido ao valor
100. A faixa de derivações é expressa como segue:

a) se houver derivações superiores ou inferiores + a %, - b % ou + a % (quando a = b);
b) se houver somente derivações superiores + a %;
c) se houver somente derivações inferiores b %.

A Figura 4.18 é a representação esquemática de um enrolamento trifásico com três
derivações e a forma de suas conexões.

Tabela III
Posições do comutador 1 2 3
Comutador conecta os pontos
10-7
11-8
12-9
7-13
8-14
9-15
13-4
14-5
15-6
Tensão em cada derivação U
N
+ a% U
N
U
N
- b%
Percentual de variação por degrau
a

b



Tabela IV
Classe
Derivação
Superior
Derivação
Principal
Derivação
Inferior
Degrau de
Derivação
15 13800 13200

12600
+ 4,5
24,2 23100 22000 20900 + 5%
36,2 34500 33000 31500 + 4,5












WEG – Transformando Energia em Soluções
153
Módulo 4 – Geração de Energia
4.3.4 CORRENTES
4.3.4.1 CORRENTE NOMINAL

A corrente nominal (In) é a corrente para a qual o enrolamento foi dimensionado, e cujo
valor é obtido dividindo-se, a potência nominal do enrolamento pela sua tensão nominal e pelo
fator de fase aplicável (1 para transformadores monofásicos e 3 para transformadores
trifásicos).

4.3.4.2 CORRENTE DE EXCITAÇÃO

A corrente de excitação ou a vazio (I
o
) é a corrente de linha que surge quando em um
dos enrolamentos do transformador é ligada a sua tensão nominal e frequência nominal,
enquanto os terminais do outro enrolamento (secundário) sem carga, apresentam a tensão
nominal.
A corrente de excitação é variável conforme o projeto e tamanho do transformador,
atingindo valores percentuais mais altos quando menor for a potência do mesmo.
A corrente de excitação, conforme Figura 4.19 apresenta as suas componentes ativa e
reativa, que se determinam pelas seguintes expressões:


Figura 4.19

) cos( I I
p 0 0
φ ⋅ ·
) sen( I I
q 0 0
φ ⋅ ·

sendo
0
0
0
I V
P
) cos(

· φ

A componente reativa originada pela magnetização representa mais que 95% da
corrente total, de forma que uma igualdade de I
q
com l
o
leva somente a um pequeno erro.






WEG – Transformando Energia em Soluções
154
Módulo 4 – Geração de Energia
Em transformadores trifásicos normais, I
o
não é idêntico nas três fases, em virtude do
caminho mais longo no ferro, relativo às fases externas. Por isso Io referente a fase central é
menor que das outras.
Devido ao fato acima, o valor de Io fornecido pelo fabricante, representa a média das
três fases e é expresso em percentagem da corrente nominal.

4.3.4.3 CORRENTE DE CURTO-CIRCUITO

Em um curto-circuito no transformador, é preciso distinguir a corrente permanente
(valor efetivo) e a corrente de pico (valor de crista).

4.3.4.3.1 CORRENTE DE CURTO-CIRCUITO PERMANENTE

Quando o transformador, alimentado no primário pela sua tensão e frequência nominal e
o secundário estiver curto-circuitado nas três fases, haverá uma corrente de curto-circuito
permanente, que se calcula pela seguinte expressão:

100 ⋅ ·
(%) E
) A ( I
) CA ( I
Z
N
cc

I
N
= corrente nominal
E
Z
= impedância a 751C (%)

A intensidade e a duração máxima da corrente de curto que deve suportar o
transformador são normalizadas.
Se a Icc calculada for superior a 25 vezes a corrente nominal, o transformador deverá
suportar 3 segundos 25 vezes In. Porém, se a Icc calculada for inferior, o equipamento deverá
suportar durante 2 segundos a mesma corrente do caso anterior.

4.3.4.3.2 CORRENTE DE CURTO-CIRCUITO DE PICO

Entende-se como corrente de curto-circuito de pico, o valor máximo instantâneo da
onde de corrente, após a concorrência do curto-circuito.
Esta corrente provoca esforços mecânicos elevados e é necessário que os enrolamentos
estejam muito bem ancorados por cuidadosa disposição de cabos e amarrações para tornar o
conjunto rígido.
Enquanto a corrente de pico afeta o transformador em sua estrutura mecânica, a corrente
permanente afeta de forma térmica.
Os esforços mecânicos advindos da corrente de curto são mais acentuados em
transformadores de ligação Zig-Zag, porque somente a metade de cada enrolamento de fase é
percorrido pela corrente induzida de outra fase.









WEG – Transformando Energia em Soluções
155
Módulo 4 – Geração de Energia
4.3.4.4 CORRENTE DE PARTIDA OU In RUSH

É o valor máximo da corrente de excitação (I
o
) no momento em que o transformador é
conectado à linha (energizado) ela depende das características construtivas do mesmo.
A corrente de partida é maior quanto maior for a indução usada no núcleo e maior
quanto menor for o transformador. O valor máximo varia em média de 4 a 20 vezes a corrente
nominal.
O fabricante deverá ser consultado para se saber o seu valor. Costuma-se admitir seu
tempo de duração em torno de 0,1s (após a qual a mesma já desapareceu).

4.3.5 FREQUÊNCIA NOMINAL

Frequência nominal é a frequência da rede elétrica de alimentação para a qual o
transformador foi projetado.
No Brasil todas as redes apresentam a frequência de 60Hz, de forma que os
equipamentos elétricos são projetados para esta mesma frequência.
Existem muitos países onde a frequência nominal padrão é 50 HZ, como Argentina,
Uruguai, Paraguai, etc.

4.3.6 NÍVEL DE ISOLAMENTO

O nível de isolamento dos enrolamentos deve ser escolhido entre os valores indicados
na tabela abaixo (NBR 5356).






WEG – Transformando Energia em Soluções
156
Módulo 4 – Geração de Energia
Tensão máxima
do equipamento
kV (eficaz)
Tensão suportável nominal de
impulso atmosférico
Pleno
kV (crista)
Cortado
kV (crista)
Tensão suportável nominal à frequencia
industral, durante 1 min. e tensão induzida
kV (eficaz)
1
0,6
1,2
7,2
15
24,2
36,2
72,5
92,4
145
242
2
40
60
95
110
125
150
150
170
200
350
380
450
450
550
650
750
850
950
3
44
66
105
121
138
165
165
187
220
385
418
495
495
605
715
825
935
1045
4
4
10
20
34
50
70
140
150
185
185
230
275
325
360
395

Tabela V - Níveis de Isolamento para tensão máxima iguais ou inferior a 242KV

A escolha entre as tensão suportáveis nominais, ligadas a dada tensão máxima do
equipamento da tabela acima, depende da severidade das condições de sobretensão esperadas no
sistema e da importância da instalação.
NBR 6939. Os valores escolhidos devem ser claramente indicados na especificação ou
solicitação de oferta.

4.3.7 DESLOCAMENTO ANGULAR

Em transformadores trifásicos, os enrolamentos de cada fase são construídos trazendo
intrinsicamente o conceito de polaridade, isto é, isolando-se eletricamente cada uma das fases,
podemos realizar o teste de polaridade do mesmo modo que para os transformadores
monofásicos.
No entanto tal procedimento torna-se pouco prático, além do mais, não nos informa a
maneira como estão interligados os enrolamentos.






WEG – Transformando Energia em Soluções
157
Módulo 4 – Geração de Energia
Assim uma nova grandeza foi introduzida, o deslocamento angular é o ângulo que
define a posição recíproca entre o triângulo das tensões concatenadas primárias e o triângulo das
tensões concatenadas secundárias e será medido entre fases.
De uma maneira prática: seja o transformador ligado na configuração mostrada na
figura 4.19.

Figura 4.19

Traçamos os diagramas vetoriais de tensão do transformador, Figura 4.20. Tomando o
fasor de AT como origem, determinamos o deslocamento angular através dos ponteiros de um
relógio cujo ponteiro grande (minutos) se acha parado em 12 coincide com o fasor da tensão
entre o ponto neutro (real ou imaginário) e um terminal de linha do enrolamento de alta tensão e
cujo ponteiro pequeno (horas) concide com o fasor da tensão entre o ponto neutro (real ou
imaginário e o terminal de linha correspondente do enrolamento considerado.
H1
H3 H2
X1
X2
X3

Figura 4.20

Para os transformadores de que tratamos nesta especificação, o mais comum é a
utilização da ligação triângulo na alta tensão e estrela na baixa (designado por Dy).
Quando ao deslocamento angular, o normal é de 301 para mais ou menos (avanço ou
atraso), cujas designações são dy11 e Dy1.
As demais ligações e deslocamentos angulares não requerem nenhum cuidado especial e
podem ser facilmente fornecidas.






WEG – Transformando Energia em Soluções
158
Módulo 4 – Geração de Energia
A tabela apresentada a seguir mostra designação de ligações de transformadores
trifásicos de uso generalizado, e o correspondente deslocamento angular.
Os diagramas de ligação pressupõem igual sentido de bobinagem para todos os
enrolamtos.
A figura 4.21 mostra o defasamento do exemplo, usando indicação horário de fasores, o
deslocamento no caso é Dy11, ou seja, - 30°.


Figura 4.21

4.3.8 IDENTIFICAÇÃO DOS TERMINAIS

Junto aos terminais (buchas) encontramos uma identificação, pintada, ou marcada em
baixo relevo na chapa do tanque, constituída de uma letra e um algarismo. As letras poderão ser
duas, H ou X. Os terminais marcados em H são os de alta tensão e os marcados com X são de
baixa tensão. Os algarismos poderão ser 0, 1, 2 e 3 correspondendo, respectivamente, ao terminal
de neutro e ao das fases, 1, 2 e 3. Portanto, as combinações possíveis são H0, H1, H2, H3 e X0,
X1, X2 X3.
A disposição dos terminais no tanque é normalizada, de tal forma, que se olharmos o
transformador pelo lado de baixa tensão, encontraremos mais à esquerda um terminal X
acompanhado de menor algarismo daqueles que identificam este enrolamento (por exemplo: X0
ou X1). Consequentemente, ao olharmos o transformador pelo lado da alta tensão,
encontraremos o terminal H1 mais a direita.
Para uma melhor compreensão, observe as figuras 4.22 a 4.26. Nestas figuras
encontramos também o esquema de ligação dos transformadores à rede de alimentação e à carga.
Na figura 4.27 encontramos a título de ilustração, transformadores monofásicos ligados
em banco, de modo a forma um equivalente trifásico. Este tipo de ligação apresenta a vantagem
da manutenção e operação, quando danificar uma fase, basta trocar um dos transformadores por
um de reserva, com menor tempo de parada, caso existir o de reserva à disposição. Porém, a
desvantagem está no capital inicial empregado em 3 ou 4 transformadores monofásicos ao invés
de 2 transformadores trifásicos de potência equivalente a custo menor.







WEG – Transformando Energia em Soluções
159
Módulo 4 – Geração de Energia


1 bucha de AT
2 buchas de BT
Figura 4.22 Transformador monofásico FN




1 bucha de AT
3 buchas de BT
Figura 4.23 - Transformador monofásico FN







WEG – Transformando Energia em Soluções
160
Módulo 4 – Geração de Energia

Tabela 2.21








WEG – Transformando Energia em Soluções
161
Módulo 4 – Geração de Energia


2 buchas de AT 2 buchas de AT
2 buchas de BT 3 buchas de BT

Figura 4.24 Trafo Monofásico FF Figura 4.25 Trafo Monofásico FF




3 buchas de AT
4 buchas de BT
Figura 4.26 Transformador Trifásico FF










WEG – Transformando Energia em Soluções
162
Módulo 4 – Geração de Energia

Figura 4.27 Transformadores Monofásicos ligados em banco trifásico Dyn


































WEG – Transformando Energia em Soluções
163
Módulo 4 – Geração de Energia
4.4 CARACTERÍSTICAS DE DESEMPENHO
4.4.1 PERDAS

Em condições normais de funcionamento e altitude de instalação até 1000m, é
considerado que a temperatura ambiente não ultrapasse os 40
º
C a média diária não seja superior
aos 30
º
C. Para estas condições, os limites de elevação de temperatura previstos em Normas são:

a) Média dos enrolamentos: 55
º
C;
b) Do ponto mais quente dos enrolamentos: 65
º
C;
c) Do óleo (próximo à superfície): 50
º
C (selados), 55
º
C (com conservador).


a) Perdas no Material dos Enrolamentos (Perdas em carga ou perdas no cobre):

a.1) Perdas na resistência Ohmica dos enrolamentos: são perdas que surgem pela
passagem de uma corrente (I) por um condutor de determinada resistência (R);
estas perdas são representadas pela expressão I
2
R e dependem da carga aplicada
ao transformador.

a.2) Perdas parasitas no condutor dos enrolamentos: são perdas produzidas pelas
correntes parasitas induzidas, nos condutores das bobinas, pelo fluxo de dispersão;
são perdas que dependem da corrente (carga), do carregamento elétrico e da
geometria dos condutores das bobinas.

b) Perdas no Ferro do Núcleo Magnético (Perdas a Vazio):

b.1) Perdas por Histerese: são perdas provocadas pela propriedade das substâncias
ferromagnéticas de apresentarem um atraso entre a indução magnética (B) e o
campo mangético (H). O fenômeno da histerese é análogo ao da inércia mecânica.

b.2) Perdas por Correntes parasitas: assim como no caso das perdas parasitas no
material condutor dos enrolamentos, o fluxo indutor variável induz no ferro forças
eletromotrises que por sua vez farão circular as correntes parasitas em circuitos
elétricos fechados; estas são proporcionais ao quadrado da indução.

Como vimos, as perdas se apresentam principalmente no núcleo e nos enrolamentos, e
são expressas em watts.
Existem perdas originárias de indução nas ferragens e no tanque; e outras de origens
aleatórias nem sempre de perfeita definição, que porém comparadas as descritas nos itens “a” e
“b” deste capítulo, podem ser desprezadas. Quando da realização de ensaio para determinação
das perdas, estas aleatórias são detectadas juntamente com as principais.
Além da elevação de temperatura, a ABNT também estabelece as perdas máximas para
transformadores de distribuição imersos em óleo, em função da potência, do número de fases e
da tensão do primário.
Reproduzimos a seguir as tabelas da ABNT encontradas na NBR 5440/1984, onde
consta o valor das perdas acima descritas.






WEG – Transformando Energia em Soluções
164
Módulo 4 – Geração de Energia
Tabela 4.1 Valores garantidos de perdas, correntes de excitação e tensões e curto-
circuito em transformadores trifásicos de tensão máxima do equipamento de 15kV:

Potência
(kVA)
Corrente de
excitação
máxima (%)
Perdas em vazio
máxima (W)
Perdas totais
máxima (W)
Tensão de curto-
circuito (impe-
dância) a 75
º
C
15
30
45
75
112.5
150

225
300
5.0
4.3
3.9
3.4
3.1
2.9

2.6
2.4
120
200
260
390
520
640

900
1120
460
770
1040
1530
2070
2550

3600
4480


3.5




4.5


Tabela 4.2 Valores garantidos de perdas, correntes de excitação e tensões de curto-
circuito em transformadores trifásicos de tensões máximas do equipamento de 24,2kV e 36,2kV:

Potência (kVA)
Corrente de
excitação
máxima (%)
Perdas em vazio
máxima (W)
Perdas
totais
máxima
(W)
Tensão de curto-
circuito (Impedância)
a 75
º
C (%)
15 6.0 130 520
30 5.0 215 860
45 4.5 290 1160
75 4.0 425 1700
1125 3.6 575 2300
150 3.3 715 2860
4,0
225 3.0 970 3880
300 2.8 1200 4800
5.0


Tabela 4.3 Valores garantidos de perdas, correntes de excitação e tensões de curto-
circuito em transformadores monofásicos de tensão máxima do equipamento de 15kV:

Potência (kVA)
Corrente de
excitação
máxima
Perdas em
vazio máxima
(W)
Perdas totais
máxima (W)
Tensão curto-
circuito
(Impedância) a 75
º
C
(%)
5 4.2 55 165
10 3.5 70 270
15 3.2 100 370
25 2.8 140 540
37.5 2.5 190 730
50 2.3 220 860
75 2.1 270 1200
100 2.0 330 1550
2,5









WEG – Transformando Energia em Soluções
165
Módulo 4 – Geração de Energia
Tabela 4.4 Valores garantidos de perdas, correntes de excitação e tensões de curto-
circuito em transformadores monofásicos de tensão máxima do equipamento de 24,2 e 36,2kV:

Potência (kVA)
Corrente de
excitação
máxima (%)
Perdas em
vazio máxima
(W)
Perdas totais
máxima (W)
Tensão curto-circuito
(Impedância) a 75
º
C
(%)
5 5.0 60 180
10 4.2 85 300
15 3.8 105 410
25 3.3 150 600
37.5 3.0 205 810
50 2.8 255 1010
75 2.2 290 1300
100 1.6 350 1600
3,0 (para 36,2 kV)


2,5 (para 24,2 kV)

4.4.2 RENDIMENTO

“Relação, geralmente expressa em percentagem, entre a potência ativa fornecida e a
potência ativa recebida por um transformador”.
Esta é a definição dada ao rendimento pela ABNT (TB-19). É dada pela expressão

(%)
P P
P
t
100 ⋅
+
· η

Onde: η = rendimento do transformador em %;
P
t
= perdas totais, em kW que é função da potência fornecida pelo
transformador;
P = potência fornecida pelo transformador em kW.

O rendimento de determinado transformador não é fixo ao longo do seu ciclo de
operação, pois depende do fator de potência e da relação entre a potência fornecida e a potência
nominal.
Esta última relação é conhecida como fator de carga. Usa-se então, para o cálculo do
rendimento:

,
`

.
|
⋅ + + φ ⋅ ⋅
⋅ +
− · η
c n
c
P b P ) cos( S b
P b P
2
0
2
0
1
Onde:
n
P
P
a arg fatordec b · · ;
Sn = potência nominal em KVA;
Po = perdas no ferro do núcleo magnético em KW;
Pc = perdas no material dos enrolamentos em KW; (perdas de carga)
cos ϕ = fator de potência da carga.

O rendimento máximo de um transformador ocorre quando as perdas no material dos
enrolamentos e as perdas no ferro forem iguais.






WEG – Transformando Energia em Soluções
166
Módulo 4 – Geração de Energia
Se quisermos saber qual a carga que deve ser aplicada a um transformador para que este
opere com rendimento máximo, devemos fazer:

c
o
P
P
b · e
n
S b S ⋅ ·
Tabela 4.5
Transformadores trifásicos - Rendimentos
Potência (kVA) 15 30 45 75 112.5 150 225 300 500
15 97,02 97,49 97,74 98,00 98,19 98,32 98,42 98,52 98,32
24,2 96,64 97,21 97,48 97,78 97,99 98,12 98,30 98,42 97,80

36,2 96,64 97,21 97,48 97,78 97,99 98,12 98,30 98,42 97,30
Transformadores monofásicos – Rendimentos
Potência (kVA) 5 10 15 25 37.5 50 75 100
15 96,15 97,37 97,59 97,88 98,09 98,30 98.42 98,47
24,2 96,52 97,08 97,33 97,65 97,88 98,01 98,29 98,42



36,2 96,52 97,08 97,33 97,65 97,88 98,01 98,29 98.42

4.4.3 REGULAÇÃO

Na linguagem prática a queda de tensão industrial ∆V, referida à corrente de plena
carga, é chamada de regulação, sendo expressa em percentagem da tensão secundária nominal é
dada pela expressão:
( )
]
]
]

φ ⋅ − φ ⋅
+ φ ⋅ + ⋅ φ ⋅ ⋅ ·
200
2
) sen( ER ) cos( Ex
) sen( Ex ) cos( ER a % R
Sendo:
a = fator de carga
ER = componente resistiva da impedância em %
Ex= componente reativa da impedância em %
cos Ø = fator de potência da carga do transformador
) ( cos ) sen( φ − · φ
2
1

Na tabela abaixo, temos um exemplo específico do cálculo de rendimento e regulação:

Potência nominal = 300 kVA
Perda a vazio = 1120W
Perda total = 4480
Impedância = 4,5%













WEG – Transformando Energia em Soluções
167
Módulo 4 – Geração de Energia
cos Ø carga % rend% regul%
0,8
0,8
0,8
0,8
25
50
75
100
97,83
98,39
98,35
98,16
0,8876
1,775
2,662
3,550
0,9
0,9
0,9
0,9
25
50
75
100
98,06
98,56
98,53
98,36
0,7416
1,483
2,225
2,966
1,0
1,0
1,0
1,0
25
50
75
100
98,25
98,71
98,67
98,52
0,3037
0,6074
0,9112
1,214

4.4.4 CAPACIDADE DE SOBRECARGA

Como dissemos anteriormente, é a elevação de temperatura que limita a potência a ser
fornecida por um transformador.
O aquecimento em excesso, contribui para o envelhecimento precoce do isolamento,
diminuindo a vida útil do transformador que teoricamente é de 65.000 horas de operação
contínua com o ponto mais quente do enrolamento a 95
º
C.
A temperatura ambiente é um fator importante na determinação da capacidade de carga
dos transformadores, uma vez que a elevação de temperatura para qualquer carga, deve ser
acrescida à ambiente para se determinar a temperatura de operação.
Os transformadores normalmente operam num ciclo de carga que se repete a cada 24
horas. Este ciclo de carga, pode ser constante, ou pode ter um ou mais picos durante o período.
Para se usar as recomendações de carregamento da NBR 5416/81, mostradas nas tabelas
4.7, 4.8, 4.9 e 4.10, o ciclo de carga real precisa ser convertido para um ciclo de carga retangular
simples, mas termicamente equivalente. A carga permissível, obtida das tabelas acima citadas,
são funções da carga inicial, da ponta de carga e da sua duração. Cada combinação de cargas nas
tabelas deve ser considerada como um ciclo retangular de carga, constituído de uma carga
inicial, essencialmente constante de 50, 70, 90 ou 100% da capacidade nominal, seguida de uma
ponta de carga retangular de grandeza e duração dadas.
A perda de vida útil indicada nas tabelas são baseadas num ciclo de carga de 24 horas e
representa o valor percentual da perda de vida em excesso que deve ser ser somada a perda de
vida normal de 0,03691% ao dia produzida pela operação contínua a 95
º
C, com 30
º
C de
temperatura ambiente.
Normalmente, os transformadores devem operar, segundo ciclos de carga que não
propiciem perdas de vida adicionais, mas nos casos extremos de operação, onde esta perda de
vida se torna necessária, deve-se impor um valor máximo de perda de vida adicional.
Por exemplo, numa emergência, uma concessionária que admite que em qualquer
situação, a perda de vida adicional, não poderá passar de 0,25% e que tem seu transformador de
551C ONAN, operando a uma carga inicial de 70%, com 301 de temperatura ambiente, poderia
permitir, conforme a tabela 4.8, que seu transformador chegasse até as seguintes cargas em
função das durações das mesmas.









WEG – Transformando Energia em Soluções
168
Módulo 4 – Geração de Energia
1 /2 hora a 200% da potência nominal
1 hora a 196% da potência nominal
2 horas a 172% da potência nominal
4 horas a 151% da potência nominal
8 horas a 135% da potência nominal

Deve-se evitar operar o transformador com temperaturas do ponto mais quente do
enrolamento superiores a 140
º
C, devido a provável formação de gases na isolação sólida e no
óleo, que poderiam representar um risco para a integridade da rigidez dielétrica do equipamento.
Nesta norma, também são admitidas cargas programadas de até 1,5 vezes a corrente
nominal, para as quais, segundo a NBR 5416, não devem existir quaisquer outras limitações
além das capacidades térmicas dos enrolamentos e do sistema de refrigeração.









































WEG – Transformando Energia em Soluções
169
Módulo 4 – Geração de Energia
Tabela 4.7 CARREGAMENTO DE TRANSFORMADORES DE 55
º
C - ONAN -
CARGA INICIAL = 50%

Temp. ambiente 0
º
10
º
20
º
30
º
40
º
50
º

Duração
de ponta
(horas)
Perda
de vida
( s )
Carga
da
ponta
(s)
Temp.
Ponto
M.O.
(ºC)
Temp.
Topo
óleo
(ºC)
Carga
da
ponta
(s)
Temp.
ponto
M.O.
(ºC)
Temp.
ponto
óleo
(ºC)
Carga
de
ponta
(s)
Temp.
ponto
M.O.
(ºC)
Temp.
topo
M.O.
(ºC)
Carga
da
ponta
(s)
Temp.
ponto
M.O.
(ºC)
Temp.
topo
óleo
(ºC)
Carga
da
ponta
(s)
Temp.
ponto
M.O.
(ºC)
Temp.
topo
óleo
(ºC)
Carga
da
ponta
(s)
Temp.
ponto
M.O.
(ºC)
Temp.
topo
óleo
(ºC)
Normal 200 109 34 200 119 44 200 129 54 196 138 63 183 137 71 166 135 79
25 200 139 64 200 149 74 200 159(A) 84
54
1.00
2.00
0,5
4.00
Normal 200 122 46 200 132 56 189 133 64 175 132 70 161 131 77 145 128 83
.25 200 142 66 200 152(A) 76 191 154 (A) 84 177 159(A) 91
.50
1.00
2.00
1,0
4.00
Normal 187 120 60 176 127 66 164 126 71 152 125 77 139 124 82 124 122 87
0,25 200 142 66 198 150 75 197 149 80 177 148 86 165 147 91 153 146 97
0,5
1.00
2.00
2,0
4.00
Normal 164 121 66 154 121 71 143 120 75 132 119 78 120 117 84 106 115 80
0,25 183 143 78 173 142 82 164 142 87 154 141 91 143 139 95 132 139 100
0,50 188 150 81 180 150 86 170 149 90 160 148 94 150 147 99 139 146 103
1.00 195 157 (A) 85 186 157 (A) 90 177 156(A) 94 167 155(A) 98 158 155 (A) 98 158 155(A) 107
2.00
4,0
4.00
Normal 147 112 66 137 112 70 127 111 74 117 110 78 105 109 82 92 107 85
0,25 164 133 78 155 132 82 146 131 86 137 131 90 127 130 93 116 129 97
0,50 170 140 81 161 139 85 152 138 89 143 138 94 133 137 97 123 136 101
1.00 175 147 85 166 146 89 158 145 93 149 145 98 140 144 102 130 143 105
2.00 181 154(A) 98 173 154(A) 94 164 153(A) 98 155 152(A) 102 147 152(A) 106 137 151(A) 110
6,0
4.00
Normal 131 97 58 122 97 63 112 97 67 102 96 71 90 96 75 78 96 79
0,25 148 116 69 139 116 73 130 115 77 120 115 82 110 115 86 100 115 90
0,50 152 121 72 144 121 77 135 121 81 126 121 85 116 121 89 106 121 93
1.00 158 128 76 150 128 81 141 128 84 132 128 89 123 128 93 112 127 97
2.00 163 135 80 155 135 85 147 135 89 138 135 93 129 134 97 120 134 101
24,0
4.00 169 142 84 161 142 89 153 142 93 145 142 97 136 142 101 127 142 105

(A) Os valores assinaldos estão acima dos limites recomendados, tendo sido indicados
apenas para efeito de interpolação no cálculo dos valores máximos.





















WEG – Transformando Energia em Soluções
170
Módulo 4 – Geração de Energia
Tabela 4.8 CARREGAMENTO DE TRANSFORMADORES DE 55
º
C - ONAN -
CARGA INICIAL = 70%

Temp. ambiente 0
º
10
º
20
º
30
º
40
º
50
º

Duração
de ponta
(horas)
Perda
de vida
( s )
Carga
da
ponta
(s)
Temp.
Ponto
M.O.
(ºC)
Temp.
Topo
Óleo
(ºC)
Carga
da
ponta
(s)
Temp.
ponto
M.O.
(ºC)
Temp.
ponto
óleo
(ºC)
Carga
de
ponta
(s)
Temp.
ponto
M.O.
(ºC)
Temp.
topo
M.O.
(ºC)
Carga
da
ponta
(s)
Temp.
ponto
M.O.
(ºC)
Temp.
topo
óleo
(ºC)
Carga
da
ponta
(s)
Temp.
ponto
M.O.
(ºC)
Temp.
topo
óleo
(ºC)
Carga
da
ponta
(s)
Temp.
ponto
M.O.
(ºC)
Temp.
topo
óleo
(ºC)
Normal 200 115 40 200 125 50 200 135 60 186 136 68 170 134 76 141 126 82
25 200 145 70 200 155 80 191 159(A) 88
54
1.00
2.00
0,5
4.00
Normal 200 127 51 194 132 60 181 131 67 167 130 73 150 127 80 123 119 84
.25 200 137 61 200 147 71 196 154(A) 80 183 153 (A) 87 168 151(A) 94
.50
1.00
2.00
1,0
4.00
Normal 182 127 62 171 126 67 159 125 73 146 124 78 130 121 82 106 113 85
.25 200 145 69 194 149 77 183 148 82 172 147 88 159 145 93 146 144 98
.50 200 155(A) 79 191 155(A) 85 180 155(A) 91 168 153(A) 96 155 151(A) 101
1.00
2.00
2,0
4.00
Normal 161 120 67 151 119 71 140 118 75 128 117 79 114 114 83 94 107 84
.25 180 142 78 171 141 82 161 140 87 151 139 91 140 138 95 127 136 99
.50 187 150 82 177 149 86 168 148 91 158 147 95 147 145 99 136 144 103
1.00 193 157(A) 86 184 156(A) 90 174 155(A) 94 165 154(A) 99 155 153 (A) 103 144 152(A) 107
2.00
4,0
4.00
Normal 146 111 66 136 111 70 126 110 74 115 108 77 102 106 80 95 102 82
.25 163 132 77 154 131 81 145 131 85 135 130 89 125 129 93 114 128 97
.50 168 139 81 160 138 85 151 137 89 141 136 93 131 135 97 121 135 101
1.00 174 146 85 166 145 89 157 145 93 148 144 97 138 143 101 128 142 105
2.00 180 154(A) 89 172 153(A) 94 163 152(A) 97 155 152(A) 102 145 151(A) 105 136 150(A) 110
6,0
4.00
Normal 131 97 58 122 97 62 112 96 67 101 96 71 90 96 75 77 95 79
.25 147 115 69 139 115 73 130 115 77 120 115 81 110 115 86 99 114 90
.50 152 121 72 144 121 77 135 121 81 126 121 85 116 120 89 105 120 93
1.00 158 128 76 149 128 80 141 128 84 132 128 89 122 127 93 112 127 97
2.00 163 135 80 155 135 84 147 135 89 138 134 93 129 134 97 120 134 101
24,0
4.00 169 142 84 161 142 89 153 142 93 145 142 97 135 141 101 126 141 105
(A) Os valores assinalados estão acima dos limites recomendados, tendo sido indicados
apenas para efeito de interpolação no cálculo dos valores máximos.






















WEG – Transformando Energia em Soluções
171
Módulo 4 – Geração de Energia
Tabela 4.9 CARREGAMENTO DE TRANSFORMADORES DE 55
º
C - ONAN -
CARGA INICIAL = 90%

Temp. ambiente 0
º
10
º
20
º
30
º
40
º
50
º

Duração
de ponta
(horas)
Perda
de vida
( s )
Carga
da
ponta
(s)
Temp.
Ponto
M.O.
(ºC)
Temp.
Topo
óleo
(ºC)
Carga
da
ponta
(s)
Temp.
ponto
M.O.
(ºC)
Temp.
ponto
óleo
(ºC)
Carga
de
ponta
(s)
Temp.
ponto
M.O.
(ºC)
Temp.
topo
M.O.
(ºC)
Carga
da
ponta
(s)
Temp.
ponto
M.O.
(ºC)
Temp.
topo
óleo
(ºC)
Carga
da
ponta
(s)
Temp.
ponto
M.O.
(ºC)
Temp.
topo
óleo
(ºC)
Carga
da
ponta
(s)
Temp.
ponto
M.O.
(ºC)
Temp.
topo
óleo
(ºC)
Normal 200 123 47 200 133 57 189 135 66 168 131 73
.25 200 143 67 200 153(A) 77 191 156(A) 86 166 149 83
.54 184 162(A) 95
1.00
2.00
0,5
4.00
Normal 198 132 57 185 131 64 170 129 70 150 124 76 40 75 69
.25 200 134 58 200 144 68 199 153(A) 78 186 152(A) 84 170 149 91 147 142 95
.50 181 158(A) 93 164 154(A) 99
1.00
2.00
1,0
4.00
Normal 176 126 64 164 124 69 151 122 74 133 117 78 74 86 71
.25 199 149 73 188 147 79 177 146 84 164 144 89 150 141 94 130 135 97
.50 200 149 74 195 155(A) 82 184 154(A) 87 173 152(A) 92 159 150 97 144 146 101
1.00 170 159(A) 101 155 156(A) 106
2.00
2,0
4.00
Normal 158 119 67 147 117 71 135 115 75 120 111 77 83 91 72
2.5 177 141 78 168 140 83 158 139 87 147 137 91 134 135 95 117 129 96
.50 184 148 82 174 147 86 164 146 90 154 145 95 142 142 99 128 139 101
1.00 190 155(A) 86 181 155(A) 90 171 153(A) 94 161 152(A) 99 151 151(A) 103 138 148 107
2.00 147 157(A) 111(A)
4,0
4.00
Normal 144 110 65 134 109 69 123 107 72 110 104 75 87 93 73
.25 162 131 77 153 130 81 143 129 85 134 128 89 122 126 92 107 121 93
.50 167 138 81 159 137 85 149 136 88 140 135 92 129 133 96 116 130 98
1.00 173 145 85 165 145 89 155 143 93 146 142 96 136 141 100 125 139 103
2.00 179 152(A) 89 171 152(A) 93 162 152(A) 97 153 150(A) 101 144 150 105 133 147 108
6,0
4.00 151 158(A) 109 141 157(A) 113(A)
Normal 131 97 58 121 96 62 111 96 66 101 95 70 89 95 74 76 94 78
.25 147 115 69 138 115 73 129 114 77 120 114 81 109 114 85 98 114 89
.50 152 121 72 144 121 77 134 120 80 125 120 84 116 120 89 105 119 93
1.00 157 128 76 149 128 80 141 128 84 131 127 86 122 127 92 112 126 96
2.00 163 135 80 155 134 84 146 134 88 137 134 92 128 134 96 119 134 101
24.
4.00 169 142 84 161 142 89 152 141 92 144 141 97 135 141 101 126 141 105
(A) Os valores assinalados estão acima dos limites recomendados, tendo sido indicados
apenas para efeito de interpolação no cálculo dos valores máximos.






















WEG – Transformando Energia em Soluções
172
Módulo 4 – Geração de Energia
Tabela 4.10 CARREGAMENTO DE TRANSFORMADORES DE 55
º
C - ONAN -
CARGA INICIAL = 100%

Temp. ambiente 0
º
10
º
20
º
30
º
40
º
50
º

Duração
de ponta
(horas)
Perda
de vida
( s )
Carga
da
ponta
(s)
Temp.
Ponto
M.O.
(ºC)
Temp.
Topo
óleo
(ºC)
Carga
da
ponta
(s)
Temp.
ponto
M.O.
(ºC)
Temp.
ponto
óleo
(ºC)
Carga
de
ponta
(s)
Temp.
ponto
M.O.
(ºC)
Temp.
topo
M.O.
(ºC)
Carga
da
ponta
(s)
Temp.
ponto
M.O.
(ºC)
Temp.
topo
óleo
(ºC)
Carga
da
ponta
(s)
Temp.
ponto
M.O.
(ºC)
Temp.
topo
óleo
(ºC)
Carga
da
ponta
(s)
Temp.
ponto
M.O.
(ºC)
Temp.
topo
óleo
(ºC)
Normal 200 127 52 198 136 61 178 131 69 101 96 70
25 200 137 62 200 147 72 199 157(A) 82 177 151(A) 68
54 162 151(A) 97
1.00
2.00
0,5
4.00
Normal 193 131 59 178 129 66 160 1124 72 101 95 70
.25 200 137 61 200 147 71 194 152(A) 80 179 150 86 158 143 91
.50 189 158(A) 89 172 154(A) 94 144 143 96
1.00 166 159(A) 103
2.00
1,0
4.00
Normal 172 124 65 159 122 70 143 118 74 101 96 70
.25 195 147 74 184 146 79 173 145 85 159 142 90 141 136 93 50 87 79
.50 200 152(A) 76 192 154(A) 83 181 153(A) 86 169 151(A) 93 153 147 97 128 136 99
1.00 164 157(A) 101 147 151(A) 105
2.00
2,0
4.00
Normal 156 118 67 144 116 71 130 111 73 101 95 70
.25 176 140 78 166 138 82 155 137 87 143 134 90 127 128 92 87 105 85
.50 182 147 82 173 146 87 162 145 91 151 142 94 137 139 97 117 130 97
1.00 188 155(A) 86 179 154(A) 90 170 153(A) 95 159 152(A) 99 147 148 102 133 144 105
2.00 156 158(A) 107 144 155(A) 110(A)
4,0
4.00
Normal 143 109 65 133 108 68 120 104 71 100 95 70
.25 161 130 77 152 129 81 142 128 84 131 126 87 118 122 90 94 109 87
.50 166 137 80 158 136 84 148 135 88 138 134 92 127 131 95 111 125 96
1.00 173 145 85 164 144 89 155 143 92 145 142 96 134 139 99 122 136 102
2.00 178 152(A) 89 170 152(A) 93 161 150(A) 97 152 150 101 142 148 104 131 148 107
6,0
4.00 159 158(A) 105 150 157(A) 109 139 155(A) 112(A)
Normal 131 96 58 121 96 62 111 96 66 100 95 70 88 94 74 75 94 78
.25 147 115 69 138 115 73 129 114 77 120 114 81 109 113 85 98 113 89
.50 152 121 72 143 121 76 134 120 80 125 120 84 115 119 88 105 119 93
1.00 157 127 76 149 128 80 140 127 84 131 127 88 122 127 92 112 128 96
2.00 163 135 80 155 134 84 146 134 88 137 134 92 128 134 96 118 133 100
24
4.00 169 142 88 161 142 86 152 141 92 144 141 97 134 140 100 125 140 104
(A) Os valores assinalados estão acima dos limites recomendados, tendo sido indicados
apenas para efeito de interpolação no cálculo dos valores máximos.






















WEG – Transformando Energia em Soluções
173
Módulo 4 – Geração de Energia
4.5 CARACTERÍSTICAS DA INSTALAÇÃO
4.5.1 OPERAÇÃO EM CONDIÇÕES NORMAIS E ESPECIAIS DE
FUNCIONAMENTO.

CONDIÇÕES NORMAIS

As condições normais de posicionamento, nos quais o Transformador deve satisfazer as
prescrições da Norma NBR 5356, que são as seguintes:

4.5.1.1- Temperatura do meio de resfriamento para Transformadores resfriados a ar,
temperatura do ar de resfriamento (temperatura ambiente) não superior a 40
º
C e
temperatura média, em qualquer período de 24 horas, não superior a 30
º
C.

4.5.1.1.1- Para Transformadores resfriados a água, temperatura da água de
resfriamento (temperatura ambiente para transformadores) não
superior a 30
º
C e temperatura média, em qualquer período de 24
horas, não superior a 25
º
C.

4.5.1.2- Altitude: Altitude não superior a 1000m.

4.5.1.3- Tensão de alimentação: Tensão de alimentação aproximadamente senoidal e
tensão de fase, que alimentam um transformador polifásico, aproximadamente
iguais em módulo e defasagem.

4.5.1.4- Corrente de carga: Corrente de carga aproximadamente senoidal e fator
harmônico não superior a 0,05pu.

4.5.1.5- Fluxo de Potência:

4.5.1.5.1- Os Transformadores (ou autotransformadores) interligados de
sistemas devem ser projetados para funcionamento como abaixadores,
ou elevadores (usinas), conforme for especificado pelo comprador.

4.5.2 CONDIÇÕES NORMAIS DE TRANSPORTE E INSTALAÇÃO.
4.5.2.1 O TRANSPORTE E A INSTALAÇÃO DEVEM ESTAR DE ACORDO
COM NBR 7036 OU A NBR 7037, A QUE FOR APLICÁVEL.

CONDIÇÕES ESPECIAIS

São consideradas condições especiais de funcionamento, transporte e instalação, os que
podem exigir construção especial e/ou revisão de alguns valores normais e ou cuidados especiais
no transporte, instalação e funcionamento do Tranformador, e que devem ser levadas ao
conhecimento do fabricante.
Constituem exemplos de condições especiais:






WEG – Transformando Energia em Soluções
174
Módulo 4 – Geração de Energia
a) Instalação em altitudes superiores a 1000m;

b) Instalações em locais em que as temperaturas do meio de resfriamento estejam fora
dos limites estabelecidos em 4.5.1;

c) Exposição a umidade excessiva, atmosfera salina, gases ou fumaças prejudiciais;

d) Exposição a pós prejudiciais;

e) Exposição a materiais explosivos na forma de gases ou pós;

f) Sujeição a vibrações anormais, choque ou condições sísmicas;

g) Sujeição a condições precárias de transporte, instalação ou armazenagem;

h) Limitações de espaço na sua instalação;

i) Dificuldades de manutenção;

j) Funcionamento em regime ou frequência não usuais ou com tensões
apreciavelmente diferentes das senoidais ou assimétricas;

k) Cargas que estabelecem Harmônicas de corrente anormais, tais como os que
resultam de apreciáveis correntes de carga controladas por dispositivos em estado
sólido ou similares;

l) Condições de carregamento especificados (potência e fator de potência) associadas a
transformadores ou auto-transformadores de mais de dois enrolamentos;

m) Exigência de níveis de ruído e ou radiointerferência, diferentes das especificadas na
norma NBR-5356;

n) Exigência de isolamento diferente das especificadas na Norma NBR-5356;

o) Condições de tensão anormais, incluindo sobre-tensões Transitórias, ressonãncia,
sobretensões de manobra, etc, que possam requerer considerações especiais no
projeto da isolação;

p) Campos Magnéticos anormalmente fortes;

q) Transformadores de grande porte com barramentos blindados de fases isoladas de
altas correntes que possam requerer condições especiais do projeto;

r) Nessecidade de proteção especiais contra contatos acidentais de pessoas com partes
vivas do transformador;

s) Operação em paralelo com transformadores de outro fornecimento.






WEG – Transformando Energia em Soluções
175
Módulo 4 – Geração de Energia
4.5.3 OPERAÇÃO EM PARALELO

A operação em paralelo de transformadores se faz necessária em duas situações
principais:

1) Quando é necessário aumentar a carga de determinada instalação sem modificação
profunda no lay-out da mesma.
2) Quando, ao prevermos pane em um dos transformadores, quisermos continuar
operando o sistema, mesmo à carga reduzida.

Dois transformadores operam em paralelo, quando estão ligados ao mesmo sistema de
rede, tanto no primário quanto no secundário (paralelismo de rede e barramento,
respectivamente).
Mas não é possível ligarmos dois transformadores em paralelo, para operação
satisfatória, se não forem satisfeitas as condições do ítem 4.5.2.

4.5.3.1 DIAGRAMAS VETORIAIS COM MESMO DESLOCAMENTO
ANGULAR

Se as demais condições forem estabelecidas, basta ligarmos entre si os terminais da
mesma designação.

4.5.3.2 RELAÇÕES DE TRANSFORMAÇÃO IDÊNTICAS INCLUSIVE
DERIVAÇÕES

Surgirá uma corrente circular entre os dois transformadores caso tenham tensões
secundárias diferentes.
Esta corrente se soma à corrente de carga (geometricamente) e no caso de carga indutiva
haverá um aumento de corrente total no transformador com maior tensão secundária enquanto
que a corrente total do transformador com menor tensão secundária diminui. Isto significa que a
potência que pode ser fornecida pelos dois transformadores é menor do que a soma das potências
individuais, o que representa desperdício.
A corrente circulante existe também se os transformadores estiverem em vazio, sendo
independente da carga e sua distribuição.

4.5.3.3 IMPEDÂNCIA

A impedância é referida a potência do transformador.
Transformadores da mesma potência deverão ter impedâncias iguais, no entanto a
norma NBR-5356 admite uma variação de até +/- 7,5%.

Transformadores de diferentes potências:







WEG – Transformando Energia em Soluções
176
Módulo 4 – Geração de Energia
Aplicando a fórmula abaixo, saberemos qual a impedância do novo transformador a ser
instalado.
2
1
1
2
P
´ Z P
Z

· (eq 4.1)
sendo:
P = potência total da instalação (P
1
+ P
2
);
P
1
= potência do transformador velho;
P
2
= potência do transformador novo;
Z
1
= impedância do transformador velho;
Z
2
= impedância do transformador novo;
Z’
1
= impedância do transformador velho referido a base do novo.

Devemos inferir as impedâncias a uma mesma base de potência, que pode ser a de
qualquer um deles, da seguinte maneira:

2
1 2
2
P
P Z
´ Z

· (eq 4.2)
1
2 1
1
P
P Z
´ Z

· (eq 4.3)

Onde: Z’
1
e Z’
2
são as impedâncias dos transformadores na base nova de potência.

A divisão de potência entre transformadores em paralelo é calculada como segue
abaixo:
P1
Z1
P2
Z2


2 1
2
1
Z Z
Z P
P
+

· (eq 4.4)
2 1
1
2
Z Z
Z P
P
+

· (eq 4.5)

2 1
P P P + · (eq 4.6)

Para os transformadores que irão operar em paralelo, as impedâncias ou tensões de
curto-circuito não poderão divergir mais do que (mais ou menos) 7,5% da média das
impedâncias individuais, como já foi mencionado anteriormente, caso contrário o transformador
de impedância menor receberá uma carga relativa maior do que o de impedância maior.
Quando o transformador de menor potência tiver a maior impedância, então são
economicamente aceitáveis diferenças de 10 a 20% na impendância.






WEG – Transformando Energia em Soluções
177
Módulo 4 – Geração de Energia
Caso contrário, condições de serviço anti-econômicas já ocorrerão em transformadores
ligados em paralelo, cuja relação de potências for 1:3.

Exemplo:

Qual a impendância de um novo transformador cuja potência é 1500KVA, o qual será
ligado em paralelo com outro já existente com as seguintes características:

• Potência: 1000KVA;
• Tensões Primárias: 13,8 - 13,22 - 12,6KV;
• Tensões Secundárias: 380/220V;
• Impedância: 5%;
• Deslocamento Angular: Dyn 1;

A impedância de 5% está referida na base de 1000KVA. Deveremos referí-la para a
base do transformador novo.
Usando a equação 4.3:

1000
1500 5
1
2 1
1
×
·

·
P
P Z
´ Z

Z’
1
= 7,5% este valor é a impedância do 1000kVA na base do novo transformador de
1500kVA.

Calcularemos a impedância que deverá ter, o novo transformador de 1500kVA.
Da equação 4.1:
2
1 1
2
P
´ Z P
Z

·
% % , Z 5 5 7
1500
1000
2
· ⋅ ·

Esta impedância já está na base do novo transformador (1500kVA).
O novo transformador deverá ter as seguintes características:

• Tensão Primária: 13,8 - 13,2 - 12,6 kV;
• Tensão Secundária: 380/220 V;
• Impedância: 5%;
• Deslocamento angular: Dyn 1.











WEG – Transformando Energia em Soluções
178
Módulo 4 – Geração de Energia
4.5.4 OPERAÇÃO EM PARALELO

DIVISÃO DE CARGA ENTRE TRANSFORMADORES

Pode-se calcular a potência fornecida individualmente, pelos transformadores de um
grupo em paralelo, através da seguinte fórmula:


⋅ ⋅
·
n
n Nn
c Nn
Fn
E P
P EM P
P
1
1


,
`

.
|
·
n
n
Nn
n
Nn
E
P
P
EM
1
1

Onde:
P
Fn
= potência fornecida à carga pelo n-ésimo transformador.
P
Nn
= potência nominal do n-ésimo transformador
EM = tensão média de curto-circuito (%)
E
n
= tensão de curto-circuito do n-ésimo transformador (%)
Pc = potência solicitada pela carga (KVA)

Exemplo: Calcular as potências fornecidas individualmente, pelos transformadores,
PN1 = 300kVA, PN2 = 500kVA, PN3 = 750kVA, cujas tensões de curto-circuito são as
seguintes:

E1 = 4,5%, E2 = 4,9%, E3 = 5,1%, e a potência solicitada pela carga é de 1550kVA.

% ,
, , ,
EM 908 4
1 5
750
9 4
500
5 4
300
750 500 300
·
+ +
+ +
·
1550
5 4
908 4
750 500 300
300
1
⋅ ⋅
+ +
·
,
,
P
F
] kVA [ , P
F
3 327
1
·
1550
9 4
908 4
750 500 300
500
2
⋅ ⋅
+ +
·
,
,
P
F
] kVA [ , P
F
9 500
2
·
1550
1 5
908 4
750 500 300
750
3
⋅ ⋅
+ +
·
,
,
P
F
] kVA [ , P
F
8 721
3
·

Observa-se que o transformador de 300kVA por ter a menor impedância, está
sobrecarregado, enquanto que o transformador de 750kVA, que possui a maior impedância, está
operando abaixo de sua potência nominal.









WEG – Transformando Energia em Soluções
179
Módulo 4 – Geração de Energia
4.6 SELEÇÃO DOS TRANSFORMADORES
4.6.1 DETERMINAÇÃO DA POTÊNCIA DO TRANSFORMADOR

No projeto de uma instalação elétrica, os critérios de dimensionamento dos
equipamentos e condutores assumem uma importância vital, uma vez que envolvem os dois
principais fatores que estão na base do projeto, ou seja, a funcionalidade e o custo.
É evidente que um projeto superdimencionado pode também ser funcional, uma vez que
não venha superar certos limites, além dos quais podem sobrevir efeitos negativos, porém o
custo resultante não pode ser justificado.
Portanto, é necessário chegar a estabelecer um ponto de intersecção entre
funcionalidade e custo, de tal modo que satisfaça a parte técnica e a econômica, tendo presente
que um bom técnico, é aquele que consegue projetar ou construir uma instalação completamente
funcional de maneira econômica.
No que diz respeito aos transformadores, onde se quer chegar a um valor de potência, de
um ou mais deles, a serem instalados, se faz necessário que o projetista tenha em mente
claramente o conceito de fator de demanda, de modo que, partindo dos valores de potência dos
equipamentos alimentados pelo transformador, possa chegar a estabelecer, com conhecimento de
causa, o valor de demanda máxima (ou da potência de alimentação) absorvível pela planta, e,
portanto, definir de modo econômico, o dimensionamento dos transformadores.

4.6.2 FATOR DE DEMANDA (D)

Entende-se por fator de demanda (d) como a razão da demanda máxima total (D
mt
) da
instalação para a respectiva potência instalada (P
t
) e é definido para um ponto de distribuição.
Portanto conhecendo-se:
t
mt
P
D
d ·
podemos determinar qual a potência do transformador através de D
mt
, sendo conhecida
a potência instalada.

4.6.2.1 DETERMINAÇÃO DA DEMANDA MÁXIMA DE UM GRUPO DE
MOTORES

Dado um grupo de n motores (com n maior ou igual a 10) de diversas potências.
Procedemos da seguinte maneira:

1 - Determina-se a potência nominal de cada motor em kVA

] kVA [
V I
P
nom
1000
3 ⋅ ⋅
·









WEG – Transformando Energia em Soluções
180
Módulo 4 – Geração de Energia
Sendo:
P
nom
= potência nominal de cada motor
I = corrente absorvida pelo motor em A (retirada pelo catálogo do fabricante)
V = tensão de alimentação dos motores.

2 - Determina-se a potência instalada: a potência instalada (P
inst
) será o somatório
das potências nominais de cada motor.

3 - Determina-se o número de motores n
o
cujas potências nominais, calculadas pelo
ítem 1 sejam maiores ou iguais que a metade da potência nominal do maior
motor.

4 - Calculam-se as relações:
n
´ n
N ·
inst
inst
P
´ P
P ·
Sendo:
n' = somatória dos motores
n = número total de motores
P’
inst
= potência instalada dos n’ motores

5 - Com N e P iremos a tebela 5,6 obtendo o fator de demanda (G) para a instalação.

6 - Calcula-se a demanda máxima por:

inst
P G DM ⋅ ·

Obs: Este critério apresentado é empírico, pois dependendo da instalação todos os
motores operarão juntos, o que nos dará um G = 1.

Considera-se sempre como 100% a demanda do maior motor, ou dependendo dos
maiores motores.


Exemplo: Determinar a demanda máxima do grupo de motores indicados na tabela
abaixo:

Na tabela obtemos:

n = 65
P
inst
= 597,2

Consideramos o maior motor com demenda de 100% (kVA), sendo o valor dividido por
dois. Para determinar n’ o número de motores cujas as potências, sejam maiores ou iguais que a
metade da potência nominal do maior motor.






WEG – Transformando Energia em Soluções
181
Módulo 4 – Geração de Energia
] kVA [ ,
,
2 36
2
40 72
·
será n’ = 8+5 = 13

Aos quais corresponde uma potência instalada:

P’
inst
=142,9+131,1=274[kVA]

Calculamos as relações:
2 0
65
13
, N · ·
458 0
2 597
274
,
,
P · ·

Na tabela 5.6 com N = 0,2 e P = 0,50 obteremos:

G = 0,64

A demanda máxima será:

DM = [0,64 x (597,2 - 144,8)] + 144,8

DM = 434,3 kVA

Nota: Através do Item 1 e tabela 4.11 (tab. 1200 RPM) obtemos os valores DM kVA

I II III
N
o
Cv KVA Pinst (KVA)
2 75 72,40 144,8
5 30 28,58 142,9
8 15 16,39 131,1
20 5 5,72 114,4
30 1,5 2,13 64,0
65 597,2

4.6.2.2 DETERMINAÇÃO DA DEMANDA MÁXIMA DA INSTALAÇÃO

Com o auxílio das tabelas 4.14, 4.15, 4.16, 4.17 e da fórmula a seguir, pode-se calcular
a demanda máxima da instalação, que por sua vez definirá a potência do transformador:

Dmt = A + B + C + D + E
Sendo:
A = Demanda da potência para iluminação e tomadas, conforme tabela 4.13.
B = Demanda de todos os aparelhos de aquecimento (chuveiros, aquecedores,
fornos, fogões, etc...) calculada conforme tabelas 4.17 onde deve-se
diversificar a demanda por tipo de aparelho.






WEG – Transformando Energia em Soluções
182
Módulo 4 – Geração de Energia
C = Demanda de aparelhos de ar condicionado calculado conforme tabela 4.18.
D = Demanda dos motores elétricos conforme ítem 4.6.2.1.
E = Demanda individual das máquinas de solda a transformador, calculada
conforme tabela 4.15.
Em todos os casos, no cálculo da demanda, o fator de potência e o rendimento devem
ser considerados.

4.6.3 CONSIDERAÇÕES SOBRE O USO DAS TABELAS

Os valores encontrados nas tabelas devem ser compreendidos como referidos aos casos
mais frequêntes e devem ser usados quando na falta de algum dado informativo.
É natural que o técnico, antes de recorrer às tabelas, se informe sobre os ciclos usuais de
funcionamento e faça quanto mais possível, com que se aproximem os valores dos fatores com a
realidade do caso que deve resolver.

4.6.4 CRITÉRIOS DE ESCOLHA DOS TRANSFORMADORES COM BASE
NO VALOR OBTIDO NA DEMANDA.

Uma vez descoberto o valor da demanda absorvida pela instalação, devemos escolher o
transformador ou os transformadores a serem instalados. Os principais critérios de escolha são:

a) Eventuais aumentos de potência instalada;
b) Conveniência da subdivisão em mais unidades;
c) Potência nominal normalizada;

Número de Aparelhos Fator de Demanda %
1 a 10 100
11 a 20 86
21 a 30 80
31 a 40 78
41 a 50 75
51 a 75 70
76 a 100 65
acima de 100 60
Tabela 5.4 - Fatores de Demanda de condicionadores de ar
















WEG – Transformando Energia em Soluções
183
Módulo 4 – Geração de Energia
Solda a Arco
Número de Aparelhos
Fator de Demanda %
1
º
e 2
º
maior aparelho 100
3
º
aparelho 85
4
º
aparelho 70
soma dos demais aparelhos 60
solda à resistência
maior aparelho 100
soma dos demais aparelhos 60
Tabela 5.5 - Demanda individual das máquinas de solda a transformador


• TABELA DE MOTORES IP54, IP(W)55 E QUÍMICO - Divisão II

* Vide Catálogo de Motores Trifásicos.

• TABELA DE MOTORES IP54, IP(W)55 E QUÍMICO - Divisão II

* Vide Catálogo de Motores Trifásicos.


P
N
0,10 0,15 0,20 0,25 0,30 0,35 0,40 0,45 0,50 0,55 0,60 0,65 0,70 0,75 0,80 0,85 0,90 0,95 1,00
0,005 0,34 0,18 0,11 0,073 0,051 0,039 0,030 0,024 0,019 0,016 0,013 0,011 0,010 0,009 0,007 0,007 0,006 0,005 0,005
0,01 0,52 0,32 0,20 0,14 0,10 0,076 0,059 0,047 0,037 0,031 0,026 0,023 0,019 0,017 0,015 0,013 0,012 0,011 0,009
0,02 0,71 0,51 0,36 0,26 0,19 0,14 0,11 0,09 0,07 0,06 0,05 0,04 0,04 0,03 0,03 0,03 0,02 0,02 0,02
0,03 0,81 0,64 0,48 0,36 0,27 0,21 0,16 0,13 0,11 0,09 0,08 0,07 0,06 0,05 0,04 0,04 0,04 0,03 0,03
0,04 0,86 0,72 0,57 0,44 0,34 0,27 0,22 0,18 0,15 0,12 0,10 0,09 0,08 0,07 0,06 0,05 0,05 0,04 0,04
0,05 0,90 0,79 0,64 0,51 0,41 0,33 0,26 0,22 0,18 0,15 0,13 0,11 0,10 0,08 0,07 0,07 0,06 0,05 0,05
0,06 0,92 0,83 0,70 0,58 0,47 0,38 0,31 0,26 0,21 0,18 0,15 0,13 0,12 0,10 0,09 0,08 0,07 0,06 0,06
0,08 0,94 0,89 0,79 0,68 0,57 0,48 0,40 0,33 0,28 0,24 0,20 0,17 0,15 0,13 0,12 0,11 0,09 0,08 0,08
0,10 0,95 0,92 0,85 0,76 0,66 0,56 0,47 0,40 0,34 0,29 0,25 0,22 0,19 0,17 0,15 0,13 0,12 0,10 0,09
0,15 0,95 0,93 0,88 0,86 0,72 0,67 0,56 0,48 0,42 0,37 0,32 0,28 0,25 0,23 0,20 0,17 0,16 0,14
0,20 0,95 0,93 0,89 0,83 0,76 0,69 0,64 0,54 0,47 0,42 0,37 0,33 0,29 0,26 0,23 0,21 0,19
0,25 0,95 0,93 0,90 0,85 0,78 0,71 0,64 0,57 0,51 0,45 0,41 0,36 0,32 0,29 0,26 0,24
0,30 0,95 0,94 0,90 0,86 0,80 0,73 0,66 0,60 0,53 0,48 0,43 0,39 0,35 0,32 0,29
0,35 0,95 0,94 0,91 0,86 0,81 0,74 0,68 0,62 0,56 0,50 0,45 0,41 0,37 0,33
0,40 0,95 0,93 0,91 0,86 0,81 0,75 0,69 0,63 0,57 0,52 0,47 0,42 0,38
0,45 0,95 0,93 0,91 0,87 0,81 0,76 0,70 0,64 0,58 0,52 0,47 0,43
0,50 0,95 0,94 0,91 0,87 0,82 0,76 0,70 0,64 0,58 0,53 0,48
0,55 0,95 0,94 0,91 0,87 0,82 0,75 0,69 0,63 0,57 0,52
0,60 0,95 0,94 0,91 0,87 0,81 0,75 0,69 0,63 0,57
0,65 0,95 0,94 0,91 0,86 0,81 0,74 0,68 0,62
0,70 0,95 0,94 0,90 0,86 0,80 0,73 0,66
0,75 0,95 0,93 0,90 0,83 0,78 0,71
0,80 0,95 0,94 0,89 0,83 0,76
0,85 0,95 0,93 0,88 0,80
0,90 0,95 0,92 0,85
1,0 0,95
Tabela 5.6 - Fatores de demanda de grupos de motores.










WEG – Transformando Energia em Soluções
184
Módulo 4 – Geração de Energia
VALORES NOMINAIS TÍPICOS DE APARELHOS ELÉTRICOS
(Tensão Nominal 220V)

APARELHO POTÊNCIAS NORMAIS TÍPICAS
Aquecedor de água central (Boiler)
- De 50 a 100 litros 1000W
- De 150 a 200 litros 1250W
- 250 litros 1500W
- De 300 a 350 litros 2000W
- 400 litros 2500W
Aquecedor de água local 4000 a 8000W
Aquecedor portátil d e ambiênte 700 a 1300W
Aspirador de pó 250 a 800W
Barbeador 8 a 12 W
Batedeira 70 a 250W
Cafeteira 1000W
Chuveiro 3000 a 5300W
Cobertor 150 a 200W
Condicionador de ar
- 3/4cV 1200VA
- 1 1/2cV 2400VA
- central (residêncial) 5000VA
Congelador (freezer) 350 a 500VA
Copiadora (tipo xeróx) 1500 a 6500VA
Exaustor de ar (para cozinha) 300 a 500VA
Ferro de passar roupa 400 a 1650W
Fogão residêncial 4000 a 12000W
Forno residêncial 4500W
Forno de microondas ( residêncial) 1200W
Geladeira (residêncial) 150 a 400 VA
Lavadora de pratos (residêncial) 1200 a 2800VA
Lavadora de roupas (residênc ial) 750 a 1200VA
Liquidificador 100 a 250W
Máquina de costura (doméstica) 60 a 100W
Máquina de escrever 150W
Moedor de lixo 300 a 600VA
Secador de roupa 4000 a 6000W
Secador de cabelos 500 a 1200W
Televisor
- Portátil 75 a 100W
- Tipo Console 150 a 350W
Torradeira 500 a 1200W
Torneira 2500 a 3200W
Ventilador
- Portátil 60 a 90W
- De pé 250 VA












WEG – Transformando Energia em Soluções
185
Módulo 4 – Geração de Energia
POTÊNCIAS NOMINAIS DOS PRINCIPAIS TIPOS DE LÂMPADAS

TIPO DE LÂMPADA POTÊNCIAS NORMAIS TÍPICAS (W)
Incandescente 15 - 25 - 40 - 60 - 75 - 100 - 150 - 200 - 300 - 500 -1000-1500
Fluorescente 15 - 20 - 30 - 40 - 65 - 100 - 110 - 125 - 135
Vapor de mercúrio 80 - 125 - 250 - 400 - 700 - 1000 - 2000
Vapor Metálico 375 - 1000 - 2000
Sódio Baixa Pressão 35 - 90 - 135 - 180
Sódio Alta Pressão 250 - 400 - 1000
Halógenas 500 - 1000 - 1500 - 2000
Mistas 160 - 250 - 500

FATORES DE DEMANDA DE ILUMINAÇÃO E TOMADAS

DESCRIÇÃO FATOR DE DEMANDA %
Auditórios, salões para exposições e semelhantes. 100
Bancos, Lojas e semelhantes. 100
Barbearias, salões de beleza e semelhantes. 100
Clubes e semelhantes. 100
Escolas e semelhantes.
100 para os primeiros kVA
50 para o que exceder de 12 kVA.
Escritórios (edifícios de)
100 para os primeiros 20 kVA
70 para o que exceder de 20 kVA
Garagens Comerciais e semelhantes. 100
Hospitais e semelhantes.
40 para os primeiros 50 kVA
20 para o que exceder de 50 kVA
Hotéis e semelhantes. 100
Igrejas e semelhantes. 100
Edifícios de Apartamentos residênciais
100 para os primeiros 10kVA
35 para os seguintes 110 kVA
25 para o que exceder de 120 kVA
Restaurantes e semelhantes. 100
Tabela 5.3























WEG – Transformando Energia em Soluções
186
Módulo 4 – Geração de Energia
Fator de Demanda % Fator de Demanda %
Número de
Aparelhos
com potêncial
de até 35kW
com potêncial
superior a 35 KW
Número de
Aparelhos
com potêncial
de até 35KW
com potêncial
superior a 35 KW
1 80 80 16 39 26
2 75 65 17 38 28
3 70 55 18 37 28
4 66 50 19 36 28
5 67 45 20 35 28
6 59 43 21 34 26
7 56 40 22 33 26
8 53 36 23 32 26
9 51 35 24 31 26
10 49 34 25 30 26
11 47 32 26 a 30 30 24
12 45 32 31 a 40 30 22
13 43 32 41 a 50 30 20
14 41 32 51 a 60 30 18
15 40 32 61 ou mais 30 16
Tabela 5.7

NOTA: Os fatores devem ser aplicados para cada tipo de aparelho separadamente.

4.6.4.1 EVENTUAIS AUMENTOS DA POTÊNCIA INSTALADA

É provável que nos primeiros anos de funcionamento de uma instalação, se verifiquem
aumentos na carga instalada, por mais bem projetada que seja a instalação na partida. Em geral
este aspecto se verifica em 90% dos casos.
Portanto, será interessante que o projetista conheça a fundo o caso de que está tratando e
deverá prever um aumento de 5% a 15%.

4.6.4.2 CONVENIÊNCIA DA SUBDIVISÃO EM MAIS UNIDADES

Este aspecto foi comentado anteriormente no capítulo relativo à Operação em Paralelo.
São dois os aspectos a serem levados em consideração neste momento:

a) Operação em paralelo econômico e;
b) Eventuais danos no transformadores ou manutenção.

O primeiro traz benefícios, diminuíndo as perdas totais, e o segundo alerta ao fato de
que poderemos operar à carga reduzida, mesmo com a parada de uma unidade.
No caso do dano, ter aplicado o critério econômico que aconselha a aquisição de uma
única máquina de potência adequada, pode ser a causa de um problema de grandeza diretamente
proporcional ao valor da produção, uma vez que, vindo a faltar a fonte de energia, se impõe um
período mais ou menos longo de completa parada de uma instalação.
Não obstante o custo inicial de aquisição ser maior, quando a potência necessária
ultrapassa os 150KVA, a subdivisão em maior número de máquinas oferece a possibilidade de






WEG – Transformando Energia em Soluções
187
Módulo 4 – Geração de Energia
criar uma instalação articulada e flexível, apta a adequar-se a cada situação e permitir o máximo
e racional aproveitamento dos transformadores, com o mínimo dano.

4.6.4.3 POTÊNCIA NOMINAL NORMALIZADA

Voltamos a tocar no assunto porque é de vital importância no dimensionamento da
instalação. Todos sabemos quanto demora a aquisição de um equipamento.
Se o transformador idealizado não tiver um valor de potência normalizado, o tempo
necessário para a confecção da oferta, projeto e execução será maior, consequentemente o prazo
para entrada em funcionamento da planta se estenderá, mantendo mais longe o início do retorno
de capital.
A mesma dificuldade será sentida em caso de se necessitar reposição de uma unidade.

4.6.5 DADOS NECESSÁRIOS PARA IDENTIFICAÇÃO DE UM
TRANSFORMADOR

a) Potência;
b) Tensões Primárias e derivações;
c) Tensão Secundária;
d) Frequência;
e) Normas aplicáveis;
f) Acessórios;
g) Valores de Impedância, corrente de excitação e perdas;
h) Qualquer outra característica importante: dimensões especiais por exemplo.



























WEG – Transformando Energia em Soluções
188
Módulo 4 – Geração de Energia
4.7 CARACTERÍSTICAS CONSTRUTIVAS

Veremos agora as características construtivas do transformador, pois no item relativo
ao funcionamento do transformador, não nos preocupamos em mostrar a forma construtiva
correta, uma vez que lá o objetivo era de esclarecer o fenômeno elétrico envolvido na
transformação.
Chamamos de parte ativa do transformador, ao conjunto formado pelos enrolamentos,
primário e secundário, e pelo núcleo, porém, sem dispositivos de prensagens e calços. A parte
ativa deve constituir um conjunto mecanicamente rígido, capaz de suportar condições adversas
de funcionamento. Na figura 4.28 vê-se a parte ativa de um transformador trifásico com todos os
componentes.

Figura 4.28

4.7.1.1 NÚCLEO

O núcleo é constituído por um material ferromagnético, que contém em sua composição
o silício, que lhe proporciona características excelentes de magnetização e perdas.
Porém, este material é condutor e estando sob a ação de um fluxo magnético alternado,
dá condições de surgimento de correntes parasitas. Para minimizar este problema, o núcleo, ao
invés de ser uma estrutura maciça, é construído pelo empilhamento de chapas finas, isoladas com
Carlite.
Presta-se especial atenção para que as peças metálicas da prensagem sejam isoladas do
núcleo e entre si para evitar as correntes parasitas, que aumentariam sensivelmente as perdas em
vazio.
Estas chapas de aço, durante a sua fabricação na usina, recebem um tratamento especial
com a finalidade de orientar seus grãos. É este processo que torna o material adequado à
utilização em transformadores, devido à diminuição de perdas específicas.
É também com a finalidade de diminuir as perdas, que nestas chapas são feitos cortes a
451 nas junções entre as culatras e os pilares (Figura 4.29).






WEG – Transformando Energia em Soluções
189
Módulo 4 – Geração de Energia
45º

Figura 4.29

4.7.1.2 ENROLAMENTO

Os enrolamentos, primários e secundários, são constituídos de fios de cobre, isolados
com esmalte ou papel, de seção retangular ou circular.
O secundário, ou, dependendo do caso, BT, geralmente constitui um conjunto único
para cada fase (figura 4.30), ao passo que o primário pode ser uma bobina única (figura 4.31) ou
fracionada em bobinas menores, que chamamos de panquecas.

Figura 4.30 Figura 4.31


Os enrolamentos são dispostos concentricamente, com o secundário ocupando a part e
interna e consequentemente o primário a parte externa, por motivo de isolamento e econômicos,
uma vez que é mais fácil de “puxar” as derivações do enrolamento externo.
Chamamos de derivação, aos pontos, localizados no enrolamento primário, conectados
ao comutator (vide ítem 4.6.1.4).
Tipos de bobinas:

1) Barril (qualquer potência);
2) Camada (qualquer potência);
3) Panqueca (até 1,5MVA);
4) Disco (acima de 1MVA);
5) Helice (acima de 1MVA);
6) Hobbart (acima de 1MVA).







WEG – Transformando Energia em Soluções
190
Módulo 4 – Geração de Energia
4.7.1.3 DISPOSITIVOS DE PRENSAGEM, CALÇOS E ISOLAMENTO

Para que o núcleo se torne um conjunto rígido, é necessário que se utilize dispositivos
de prensagem das chapas. São vigas dispostas horizontalmente, fixadas por tirantes horizontais e
verticais.
Devem ainda estar projetadas para suportar o comutador, os pés de apoio da parte ativa,
suporte das derivações e ainda o dispositivo de fixação da parte ativa do tanque. Os calços são
usados em vários pontos da parte ativa e tem várias finalidades.
Servem para constituir as vias de circulação de óleo, para impedir que os enrolamentos
se movam, como apoio da parte ativa (neste caso chamado pé), e outras. Os materiais dos calços
são vários e dentre eles podemos destacar o papelão (Presspan), o fenolite, a madeira, permalan,
permawood e playboard.
O isolamento se faz necessário nos pontos da parte ativa onde a diferença de potencial
seja expressiva, nos condutores, entre camadas dos enrolamentos, entre primário e secundário,
entre fases e entre enrolamentos e massa.
Os materiais são diversos e devem atender às exigências de rigidez dielétrica e
temperatura de operação (classe A-105
º
C). No caso dos condutores, estes podem estar isolados
em papel Kraft neutro ou esmalte; este último, na WEG, é de classe H (180
º
C).

4.7.1.4 COMUTADOR DE DERIVAÇÕES

Sua finalidade foi exposta no ítem relativo às tensões normalizadas. Pode assumir duas
formas básicas: tipo painel e tipo linear.

4.7.1.4.1 TIPO PAINEL

O painel é instalado imerso em óleo isolante e localizado acima das ferragens superiores
de aperto do núcleo, num ângulo que varia de 20 a 30
º
, para evitar depósitos de impurezas em
sua superfície superior.
A figura 4.32 mostra um comutador tipo painel de posições. Consta de chapa de fenolite
a qual recebe dentro de determinada disposição, os terminais dos enrolamentos.
Os parafusos que recebem estes terminais estão isolados desta chapa do painel por meio
de buchas de porcelana ou epoxí para garantir boa isolação entre eles.
A conexão entre os parafusos é feita por pontes de ligação de formato adequado a fácil
troca de posição e perfeito contato com o aperto das porcas.
Só se usa comutador tipo painel para casos em que se tenha 8 ou mais derivações ou no
caso de religáveis.






WEG – Transformando Energia em Soluções
191
Módulo 4 – Geração de Energia

Figura 4.32 Figura 4.33

4.7.1.4.2 TIPO LINEAR

Este tipo de comutador tem como principal vantagem a facilidade de operação, sendo
sua manobra feita internamente por meio de uma manopla situada acima do nível do óleo, ou
feita externamente. O acionamento externo é usado obrigatoriamente quando o transformador
possui conservador de óleo, ou ainda quando o mesmo possui potência maior que 300kVA.
Há 3 tipos básicos de comutadores lineares:

a) COMUTADOR LINEAR 30A: com número de posições inferior ou igual a 7. Há
tanto com acionamentos externo quanto interno, simples ou duplo. Usado até
500kVA (figura 4.33)

b) COMUTADOR LINEAR 75A: com as mesmas caracteríticas do anterior, sendo que
este é usado de 750kVA até 2500kVA;

c) COMUTADOR LINEAR 300A: número de posições até 13. Acionamento externo.
Usado para potências superiores a 3MVA. Este comutador possui grande
flexibilidade. Admite até 3 colunas, com até 4 grupos de contato por colunas.

Todos os comutadores mencionados são para acionamento sem tensão e sem carga.

4.7.2 BUCHAS

São os dispositivos que permitem a passagem dos condutores dos enrolamentos ao meio
externo. São constituidos basicamente por:

a) corpo isolante: de porcelana vitrificada;
b) condutor passante: de cobre eletrolítico ou latão;
c) terminal: de latão ou bronze;
d) vedação: de borracha e papelão hidráulico.
As formas e dimensões variam com a tensão e a corrente de operação e para os
transformadores desta especificação subdividem-se em:






WEG – Transformando Energia em Soluções
192
Módulo 4 – Geração de Energia
a) BUCHAS ABNT: CONFORME NBR 5034

1) Buchas de AT: classe 15; 24,2 e 36,2KV; todas com capacidade de 160A (Figura
4.36).
2) Buchas de BT: tensão nominal 1,3KV; correntes nominais de 160; 400; 800; 2000;
3150 e 5000A (Figuras 4.34 e 4.35).

b) BUCHAS DIN

Para as AT nas classes de 15; 24,2 e 36,2KV nas correntes nominais de 250; 630; 1000;
2000 e 3150A (Figura 4.37 e 4.38)

c) BUCHAS CONDENSIVAS

São usadas apenas em transformadores com potência superior a 2500KVA e tensões
maiores que 36,2KV, sendo encontrada apenas nas correntes de 800 a 1250A. Estas buchas são
muito mais caras que as de cerâmica tanto DIN quanto ABNT. Ver Figura 4.39.

Figura 4.34 Figura 4.35







WEG – Transformando Energia em Soluções
193
Módulo 4 – Geração de Energia

Figura 4.36 Figura 4.37

Figura 4.38 Figura 4.39









WEG – Transformando Energia em Soluções
194
Módulo 4 – Geração de Energia
As tabelas mostram as buchas usadas em transformadores de distribuição:

Tabela - buchas de baixa tensão para transformadores monofásicos (conforme NBR 5437)

MAIOR TENSÃO SECUNDÁRIA (V) Potência do
Transformador
(KVA)
127 220 ou 230 240 254 440
Bucha Bucha Bucha Bucha bucha
5 1,3/160 1,3/160 1,3/160 1,3/160 1,3/160
10 1,3/160 1,3/160 1,3/160 1,3/160 1,3/160
15 1,3/160 1,3/160 1,3/160 1,3/160 1,3/160
25 1,3/400 1,3/160 1,3/160 1,3/160 1,3/160
37,5 1,3/400 1,3/400 1,3/160 1,3/160 1,3/160
50 1,3/400 1,3/400 1,3/400 1,3/400 1,3/160
75 1,3/800 1,3/800 1,3/400 1,3/400 1,3/400
100 1,3/800 1,3/800 1,3/800 1,3/400 1,3/400

Tabela - Buchas de Alta Tensão para transformadores Trifásicos (conforme NBR 5437)

MAIOR TENSÃO SECUNDÁRIA (V) Potência do
Transformador
(KVA)
220
Bucha
380
Bucha
15 1,3/160 1,3/160
30 1,3/160 1,3/160
45 1,3/160 1,3/160
75 1,3/400 1,3/160
112,5 1,3/400 1,3/400
150 1,3/400 1,3/400
225 1,3/800 1,3/400
300 1,3/800 1,3/800

4.7.3 TANQUE

Destinado a servir de invólucro da parte ativa e de recipiente do líquido isolante,
subdivide-se em três partes:

• Lateral;
• Fundo;
• Tampa.

Estas partes são de composição e espessuras normalizadas.
Neste invólucro encontramos os suportes para poste (até 225 KVA), suportes de roda
(normalmente para potências maiores que 300KVA), olhais de suspensão, sistema de fechamento
da tampa, janela de inspeção, dispositivos de drenagem e amostragem do líquido isolante,






WEG – Transformando Energia em Soluções
195
Módulo 4 – Geração de Energia
conector de aterramento, furos de passagem das buchas, radiadores, visor de nível de óleo e
placa de identificação.
O tanque e a respectiva tampa devem ser de chapas de aço, laminadas a quente,
conforme NBR 6650 e NBR 6663.
As espessuras das chapas para transformadores de distribuição estão na tabela a seguir.
Para transformadores maiores não há normalização, cada fabricante escolhe as chapas conforme
a especificação do projeto mecânico.

Tabela - Espessura de chapa de aço

Espessura (mm) Potência do
Transformador (KVA) Tampa Lateral Fundo
1 2 3 4
P ≤ 10 1,90 1,90 1,90
10 < P ≤ 225
2,65 2,65 3,15
P = 300 3,15 3,15 3,15

Com referência aos tipos construtivos, os transformadores podem ser:

4.7.3.1 SELADOS

Transformadores cujo tanque assegura a separação total entre os ambientes interno e
externo. O tanque neste caso, mantêm-se parcialmente cheio de óleo (Figura 4.40)

Figura 4.40











WEG – Transformando Energia em Soluções
196
Módulo 4 – Geração de Energia
4.7.3.2 COM CONSERVADOR DE ÓLEO

Os transformadores que tem o tanque totalmente cheio de óleo, possuem o conservador
a fim de permitir a expansão deste quando do seu aquecimento (Figura 4.41 e 4.42). Usa-se o
conservador de óleo à partir de 750 kVA.

4.7.3.3 TRANSFORMADORES FLANGEADOS

Os transformadores selados e com conservador de óleo poderão ser providos de flanges
nos terminais de alta e/ou baixa tensão caso se necessite de proteção ou acoplamento à painéis,
cubículos e outros transformadores etc...
Na Figura 4.43 vemos transformadores selado com flanges para acoplamento; e na
Figura 4.44 vemos transformadores com conservador de óleo com flanges para acoplamento.


Figura 4.41 Figura 4.42


Figura 4.43






WEG – Transformando Energia em Soluções
197
Módulo 4 – Geração de Energia


Figura 4.44

4.7.4 RADIADORES

Todo o calor gerado na parte ativa se propaga através do óleo e é dissipado no tanque
(tampa e sua lateral). As elevações de temperatura do óleo e do enrolamento são normalizadas e
devem ser limitadas para evitar a deteriorização do isolamento de papel e do óleo. Dependêndo
da potência do transformador, ou melhor, de suas perdas, a área da superfície externa poderá ser
insuficiente para dissipar este calor e é então necessário aumentar a área de dissipação. Para tal
usam-se radiadores que poderão ser de elementos ou tubos (Figura 4.45 e 4.46).
Os radiadores de elementos são chamados de chapa de aço carbono.


Figura 4.45 - RADIADOR DE CHAPA tipo C-520












WEG – Transformando Energia em Soluções
198
Módulo 4 – Geração de Energia
4.7.5 TRATAMENTO SUPERFICIAL E PINTURA

O tanque, (inclusive radiadores) após a sua fabricação, são submetidos a um tratamento
de jato de granalha de aço até o metal quase branco em instalações automáticas e manuais.
Concluíndo este tratamento, imediatamente após, as peças são pintadas com tinta
primer, recebendo em seguida duas demãos de esmalte sintético de acabamento, resistente ao
tempo, em cor cinza claro.


Figura 4.46

4.7.6 LÍQUIDO DE ISOLAÇÃO E REFRIGERAÇÃO

Os transformadores de distribuição, com tensão acima de 1,2KV, são construidos de
maneira a trabalhar imersos em óleos isolantes.
Os óleos isolantes possuem dupla finalidade: garantir isolação entre os componentes do
transformador e dissipar para o exterior o calor gerado nos enrolamentos e no núcleo.
Para que o óleo possa cumprir satisfatoriamente as duas condições acima, devem ser
perfeitamente livre de umidade e outras impurezas para garantir seu alto poder dielétrico.
Os óleos mais utilizados em transformadores são os minerais, que são obtidos da
refinação do petróleo.
Sendo que o de base paranífica (tipo B), e o de base naftênica (tipo A) ambos usados em
equipamentos com tensão igual ou inferior a 145KV.
Existem também, fluídos isolantes à base de silicone, recomendamos para áreas de alto
grau de segurança. Ao contrário dos óleos minerais, este tipo de fluído possui baixa
inflamabilidade, reduzindo sensivelmente uma eventual programação de incêndio. É usado
também o óleo RTEMP que é um óleo mineral de alto ponto de fulgor com características
semelhantes ao silicone.








WEG – Transformando Energia em Soluções
199
Módulo 4 – Geração de Energia
Tabela 6.1- Características do óleo mineral isolante tipo A (para tensão máxima do
equipamento superior a 145KV).

Valores Garantidos
Características (A)
Método de
Ensaio
Unidade
Mínimo Máximo
Densidade, 20/4 °C (B) NBR 7148 - 0,861 0,900

a 20
º
C
25,0

a 40
º
C
11,0
Viscosidade cinemática
(C)

a 100
º
C
NBR 10441 mm5/s -
3,0
Ponto de fulgor (B) NBR 11341 ºC 140 -
Ponto de fluidez (B) NBR 11349 ºC - -39
Índice de neutralização (B) ASTM D 974 mgKOH/g - 0,03
Tensão interfacial a 25°C (B) (G) NBR 6234 mN/m 40 -
Cor ASTM ASTM D 1500 - - 1,0
Teor de água (B) (D) NBR 5755 mg/kg - 35
Cloreto e Sulfatos NBR 5779 - Ausentes
Enxofre corrosivo NBR 10505 - Ausente
Ponto de anilina (B) NBR 11343 ºC 63 84
Índice de refração a 20
º
C NBR 5778 - 1,485 1,500
Rigidez dielétrica (B) (D) NBR 6869 kV

30
-
a 100
º
C ASTM D 924 0,50
Fator de perdas
dielétricas (D)(E)(G)
ou
Fator de dissipação
a 90
º
C IEC 247
% -
0,40
Teor de inibidor de oxidação
DBPC/DBP
ASTM D 2668 % massa - 0,08
Porcentagem de carbonos

ASTM D 2140
% Anotar
Estabilidade a oxidação: (F)
. índice de neutralização
. borra
. fator de dissipação, a 90 °C
(IEC247)
IEC 74
MgKOH/g
%massa
%
-
0,4
0,10
20

(A) Antes de se iniciar a inspeção, o fornecedor deve apresentar ao inspetor certificado
com os valores de todas as características do produto oferecido contidas nesta
Tabela;
(B) Estes ensaios devem ser efetuados pelo fornecedor, na presença do inspetor, em
amostra retirada dos tambores ou tanques bem como os demais ensaios, se julgado
necessário;
(C) O ensaio de viscosidade cinemática deve ser realizado em duas temperaturas entre
as citadas;
(D) Os ensaios de teor de água e rigidez dielétrica não se aplicam a produtos
transportados em navios ou caminhões-tanques, ou estocados em tanques, em que
possa ocorrer absorção de umidade. Neste caso, deve ser processado tratamento
físico adequado para que se restabeleçam os valores especificados no presente
regulamento técnico;






WEG – Transformando Energia em Soluções
200
Módulo 4 – Geração de Energia
(E) Esta especificação requer que o óleo isolante atenda ao limite de fator de potência a
100
º
C pelo método ASTM D 924, ou ao fator de dissipação a 90
º
C pelo método
IEC 247. Esta especificação não exige que o óleo isolante atenda aos limites
medidos por ambos os métodos;
(F) O ensaio do fator de dissipação a 90
º
C, do óleo exidado pelo método IEC 74, é
realizado conforme método IEC 247 e após a preparação desse óleo feita de acordo
com o item 10.4.1 do método de ensaio IEC 10A (Central Office) 56;
(G) Estes itens não são válidos para refinarias que, entretanto, devem entregar o produto
em condições tais que, mediante tratamento convencional de absorção com argila,
por parte das distribuidoras, seja enquadrado nos valores especificados.

Nota : Os dados desta Tabela estão de acordo com a Resolução CNP 06/85 e com o
Regulamento Técnico correspondente, CNP 18/85

Tabela 6.2 - Características do óleo isolante tipo B (para tensão máxima do
equipamento igual ou inferior a 145 kV).
Valores garantidos
Características (A)
Método
De
Ensaio
Unidade
Mínimo Máximo
Densidade 20/4
º
C (B) NBR 7148 - - 0,860
a 20
º
C 25,0
a 40
º
C 12,0 Viscosidade cinemática (C)
a 100
º
C
NBR 10441 mm5/s -
3,0
Ponto de fulgor (B) NBR 11341 ºC 140 -
Ponto de fluidez (B) NBR 11349 ºC - -12
Índice de neutralização (B) ASTM D 974 mgKOH/g - 0,03
Tensão interfacial a 25
º
C NBR 6234 mN/m 40 -
Cor ASTM ASTM D 1500 - - 1,0
Teor de água (B) (D) NBR 5755 mg/kg - 35
Enxofre corrosivo NBR 10505 - Ausente
Enxofre total ASTM D 1552 % massa - 0,30
Ponto de anilina (B) NBR 11343 ºC 85 91
NBR 6869

30
-
Rigidez dielétrica (B) (D)
IEC 156
kV

42
-
Índice de refração a 20
º
C NBR 5776 - 1,409 1,478

a 100
º
C
ASTM D 924 - 0,50

a 90
º
C
IEC 247 - 0,40
Fator de perdas dielétricas
(B) (E) (G) u
Fator de dissipação

a 25
º
C
ASTM D 924
%
- 0,05
Teor de inibidor de oxidação DBPC/DBP AST D 2668 Não-detectável
Teor de carbonos aromáticos ASTM D 2140 % 7,0 -
Estabilidade à oxidação: (F)
. índice de neutralização
. borra
. fator de dissipação a 90 ºC (IEC 247)
IEC 74
mgKOH/g
% massa
%
-
-
-
0,40
0,10
20







WEG – Transformando Energia em Soluções
201
Módulo 4 – Geração de Energia
(A) Antes de se iniciar a inspeção, o fornecedor deve apresentar ao inspetor certificado
com os valores de todas as características do produto oferecido contidas nesta
Tabela;
(B) Esses ensaios devem ser efetuados pelo fornecedor, na presença do inspetor, em
amostra retirada dos tanques, bem como os demais ensaios, se julgado necesssário;
(C) O ensaio de viscosidade cinemática deve ser realizado em duas temperaturas entre
as citadas;
(D) O ensaio de teor de água e rigidez dielétrica não se aplicam a produtos
transportados em navios ou caminhões-tanques, ou estocados em tanques, em que
possa ocorrer absorção de umidade. Neste caso, deve ser processado tratamento
físico adequado para que se restabeleçam os valores especificados no presente
regulamento técnico;
(E) Esta especificação requer que o óleo isolante atenda ao limite de fator de potência a
100
º
C pelo método ASTM D 294, ou ao fator de dissipação a 90
º
C pelo método
IEC 247. Esta especificação não exige que o óleo isolante atenda aos limites
medidos por ambos;
(F) O ensaio do fator de dissipação a 90
º
C, do óleo oxidado pelo método IEC 74, é
realizado conforme método IEC 247 e após a preparação desse óleo feita de acordo
com o item 10.4.1 do método de ensaio IEC 10A (Central Office) 56;
(G) Estes itens não são válidos para refinarias que, entretanto, devem entregar o produto
em condições tais que, mediante tratamento convencional de absorção com argila,
por parte das distribuidoras, seja o produto enquadrado nos valores especificados.

Nota: Os dados desta Tabela estão de acordo com a Resolução CNP 09/88, com o
Regulamento Técnico correspondente, CNP 06/79, e com sua revisão número 2,
de 01 de novembro de 1988.

4.7.7 PLACAS DE IDENTIFICAÇÃO E DIAGRAMÁTICA

A placa de identificação é um componente importante, pois é ela quem dá as principais
características do equipamento.
No caso de manutenção, através do dados contidos nela, a Assistência Técnica WEG
será capaz de identificar exatamente o que contém a parte ativa, sem ter que abrir o tanque, e no
caso de ampliação da carga, em que o outro transformador é ligado em paralelo teremos
condições de construir um equipamento apto a este tipo de operação.
O material da placa poderá ser alumínio ou aço inoxidável, a critério do cliente.






WEG – Transformando Energia em Soluções
202
Módulo 4 – Geração de Energia

Figura 4.47

Na figura 6.21 encontramos um exemplo de placa de identificação de um transformador
trifásico, triângulo-estrela (Dy). As informações nela contidas são normalizadas (NBR 5356) e
representam um resumo das características do equipamento. Nela encontramos:

a) Nome e demais dados do fabricante;
b) Número da série de fabricação;
c) Mês e ano de fabricação;
d) Potência do transformador em KVA;
e) Norma utilizada para fabricação;
f) Impedância de curto-circuíto em percentagem;
g) Tipo de óleo isolante;
h) Tensões nominais do primário e do secundário;
i) Correntes nominais do primário e do secundário;
j) Diagrama de ligação dos enrolamentos do primário e do secundário com identificação
das derivações;






WEG – Transformando Energia em Soluções
203
Módulo 4 – Geração de Energia
k) Identificação do diagrama fasorial quando se tratar de transformadores trifásicos e
polaridade quando monofásico;
l) Volume total do líquido isolante do transformador em litros;
m) Massa total de um transformador em Kg;
n) Número da placa de identificação;
o) Tipo para identificação;

Em transformadores maiores que 500KVA, ou quando o cliente exigir, a placa de
identificação deverá conter outros dados como:

p) Informações sobre transformadores de corrente se os tiver;
q) Dados de perdas e corrente de excitação;
r) Pressão que o tanque suporta;
s) Qualquer outra informação que o cliente exigir.

4.7.8 ACESSÓRIOS

Outros componentes são necessários para o perfeito funcionamento do transformador.
Na Tabela 4.18 encontramos estes componentes chamados acessórios, em função da potência.
A seguir, uma breve descrição de alguns dos acessórios relacionados na tabela abaixo:
































WEG – Transformando Energia em Soluções
204
Módulo 4 – Geração de Energia
Tabela 18 - Acessórios para transformadores.

Potências Nomi nais (kVA) Um ≤ 36.2KV Um ≥ 72,5KV
Acessórios
Trafo
distr.
aérea
P ≤ 300
P ≤ 1000
P >300
P<
5000
P>
1000
P ≥
5000
P <
2500
P ≥
2500
P <
5000
P ≥
5000
5.14.1 Indicador externo de nível de óleo - - - - - -
5.14.2 Indicador de temperatura do enrolamento - -
5.14.3 Indicador de temperatura do óleo = = - - - -
5.14.4 Previsão p/ instalação de termômetro p/ óleo - - - - - -
5.14.5 Dispositivo para alívio de pressão = - - - - -
5.14.6 Relé detector de gás tipo Buchholz = - - -
5.14.7 Caixa com blocos de terminais p/ ligação dos cabos de controle. - - - - -
5.14.8 Válvula de drenagem de óleo - - - - - -
5.14.9 Meios de ligação p/ filtro - - - - -
5.14.10 Dispositivo p/ retirada de amostra de óleo - - - - - -
5.14.11 Conservador de óleo(em transformadores não selados) - - - - -
5.14.12
Válvula p/ retenção do óleo dos radiadores ou trocadores de
calor.
♦ ♦ ♦ ♦ ♦
5.14.13 Meios de aterramento do tanque - - - - - - -
5.14.14
Meios p/ suspensão da parte ativa do transformador
completamente montado,das tampas do conservador de óleo e dos
radiadores.
- - - - - - -
5.14.15 Meios para locomoção - - - - - -
5.14.16 Apoios para macacos = - - - - -
5.14.17 Abertura de visita º º
5.14.18 Abertura de inspeção - - - - - - -
5.14.19 Comutador de derivações sem tensão = = P P P P P
- Respirador com secador de ar(quando houver conservador) - - - - -
-
Provisão p/ colocação do relé detector de gás tipo Buchholz ou
equivalente (em transformadores não selados)
- -
-
Dispositivo de alarme quando houver interrupção na circutação
de água de resfriamento de vazão de água(quad. For o caso).
- -
-
Indicadores de circulação do óleo (no caso de circulação forçada
deste )
-
-
Suporte para fixação dos dispositivos de suspenção de
transformadores para montagem em postes.
-

P Dispensado quando for especificado comutador de derivações em carga.
- Obrigatório
+ Somente quando houver comutador de derivações
= Somente quando o comprador especificar
º Somente para transformadores com potência acima de 20000kVA ou para
transformadores com comutação em carga
♦ Somente quando houver radiadores destacáveis para transporte.

NOTA: Todas as aberturas na tampa inclusive as das buchas, devem ser providas de
ressaltos construídos de maneira a evitar a acumulação e/ou a penetração de
água.

4.7.8.1 RELÉ BUCHHOLZ (TRAFOSCÓPIO)

O relé BUCHHOLZ tem por finalidade proteger aparelhos elétricos que trabalhem
imersos em líquido isolante, geralmente transformadores.
Enquanto sobrecargas são fenômenos controláveis por meio de relés, de máxima
intensidade de corrente, defeitos tais como perdas de óleo, descargas internas, isolação






WEG – Transformando Energia em Soluções
205
Módulo 4 – Geração de Energia
defeituosa dos enrolamentos, do ferro ou mesmo contra a terra ocorridos em transformadores
equipados apenas com um relé de máxima, podem causar nos mesmos avarias de grande monta,
caso o defeito permaneça despercebido do operador durante algum tempo.
Relés Buchholz são instalados em transformadores, justamente para, em tempo hábil,
assinalar por meio de alarme ou através de desligamento do transformador, defeitos como os
acima citados e deste modo evitarem a continuidade dos mesmos (Figura 4.48).
O relé Buchholz é normalmente montado entre o tanque principal e o tanque de
expansão dos transformadores.
A carcaça do relé é de ferro fundido, possuindo duas aberturas flangeadas e ainda dois
visores providos de uma escala graduada indicativa do volume de gás. Internamente encontra-se
duas bóias montadas uma sobre a outra.

Figura 4.48

Quando do acúmulo de uma certa quantidade de gás no relé, a bóia superior é forçada a
descer.
Se, por sua vez, uma produção excessiva de gás provoca uma circulação de óleo no relé,
é a bóia inferior que reage, antes mesmo que os gases formados atinjam o relé.
Em ambos os casos, as bóias ao sofrerem o deslocamento, ligam um contato elétrico.

4.7.8.2 TERMÔMETRO COM CONTATOS
4.7.8.2.1 COM HASTE RÍGIDA

a) APLICAÇÃO

Este termômetro (figura 4.49) possui dois ponteiros de ligação e um de temperatura
máxima atingida em períodos.
Estes três ponteiros são controláveis externamente, sendo que os dois primeiros
movimentam-se apenas por ação externa, enquanto que o último é impulsionado pela agulha de






WEG – Transformando Energia em Soluções
206
Módulo 4 – Geração de Energia
temperatura, apenas quando em ascensão desta, pois, na redução ele fixa imóvel, sujeito apenas a
ação externa, possibilitando-se a verificação de temperatura máxima atingida em um dado
período.
O termômetro possui na extremidade um bulbo que é colocado na parte mais quente do
óleo, logo abaixo da tampa.
O bulbo contém em seu interior uma coluna de mercúrio (Hg) que transmite as
variações da temperatura até o bimetálico existente, indo à agulha indicadora de temperatura.

b) INSTRUÇÃO

Pelo controle externo os ponteiros limites poderão ser movimentados á vontade.
Ponteiro indicador de temperatura máxima do período: Após a inspeção periódica do
termômetro voltar o ponteiro indicador até encostar no ponteiro principal através do controle
externo.

4.7.8.2.2 COM CAPILAR

a) APLICAÇÃO

Este termômetro (figura 4.50), possui dois ponteiros de limites e um de indicação de
temperatura máxima atingida em período.
Estes três ponteiros são controláveis externamente, sendo que os dois primeiros
movimentam-se apenas por ação externa, enquanto que o último é impulsionado pela agulha de
temperatura, apenas quando se ascensão desta, pois, na redução ele fica imóvel, sujeito apenas à
ação externa, possibilitando-se a verificação da temperatura máxima atingida em um dado
período.
O termômetro possui um capilar na extremidade do qual existe um bulbo que é
colocado no ponto mais quente do óleo, logo abaixo da tampa.
O bulbo contém em seu interior uma coluna de mercúrio (Hg) que transmite as
variações da temperatura até o bimetálico existente indo à agulha indicadora de temperatura.

b) INSTRUÇÃO

Pelo controle externo os ponteiros limites poderão ser movimentados à vontade.
Ponteiro indicador de temperatura máxima do período: após a inspeção periódica do
termômetro, voltar o ponteiro indicador até encostar no ponteiro principal através do controle
externo.















WEG – Transformando Energia em Soluções
207
Módulo 4 – Geração de Energia

Figura 4.49


Figura 4.50

4.7.8.3 INDICADOR DE NÍVEL DE ÓLEO
4.7.8.3.1 GENERALIDADES

Os indicadores magnéticos de nível tem por finalidade indicar com perfeição o nível de
líquidos tais como água, óleo, etc., e ainda, quando providos de contatos para alarme, servirem
como aparelhos de proteção à máquina, tais como transformadores, etc.












WEG – Transformando Energia em Soluções
208
Módulo 4 – Geração de Energia
4.7.8.3.2 DESCRIÇÃO E PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO

Os indicadores magnéticos de nível (figura 4.51) fabricados conforme norma ANSI,
possuem a carcaça em alumínio fundido, sendo que a indicação de nível é feita por ponteiro
acoplado a uma imã permanente, de grande sensibilidade, fato este que o torna bastante preciso.

Figura 4.51

SECADOR DE AR DE SILICA-GEL

Este aparelho é usado nos transformadores providos de conservador de óleo,
funcionando como um desumidificador de ar do transformador. Com a alteração da pressão
interna do transformador, devido a variação da temperatura do óleo, o ar externo passa através do
copo de óleo que retém o pó e o ar passa pelos cristais de silica-gel, que funcionam como
retentores de umidade obtendo-se assim a perfeita purificação do ar que adentra o conservador
de óleo do transformador. O ar que sai do tr ansformador, com o aumento do volume de óleo,
diminui a pressão interna (figura 4.52).






WEG – Transformando Energia em Soluções
209
Módulo 4 – Geração de Energia

Figura 4.52

4.7.8.3.3 SILICA-GEL

O silica-gel se apresenta sob forma cristalina, não sendo venenoso, é inodoro, sem
sabor, não dissipando gases e não sendo solúvel em água, mesmo quando fragmentado. Quando
no seu estado seco, apresenta uma coloração azulada, porém, quando umificada adquire uma
tonalidade cor-de-rosa.
Existem pequenas variações das reações do silica-gel com a umidade. De um modo
geral absorve umidade em cerca de 20% de seu peso, porém atingindo 15% ele se torna cor-de-
rosa e neste ponto deverá ser feita a secagem ou troca dos cristais.

4.7.8.4 IMAGEM TÉRMICA

INTRODUÇÃO

A imagem térmica é a técnica comumente utilizada para se medir a temperatura no
enrolamento do transformador. Ela é denominada imagem térmica por reproduzir indiretamente
a temperatura do enrolamento.
A temperatura do enrolamento, que é a parte mais quente do transformador, nada mais é
do que a temperatura do óleo acrescida da sobreelevação da temperatura do enrolamento (∆t) em
relação ao óleo.
O sistema é composto de uma resistência de aquecimento e um sensor de temperatura
simples ou duplo, ambos encapsulados e montados em um poço protetor, imerso em uma câmara
de óleo.






WEG – Transformando Energia em Soluções
210
Módulo 4 – Geração de Energia
O conjunto é instalado na tampa do transformador, equalizando-se com a temperatura
do topo do óleo, indicando assim a temperatura no ponto mais quente do enrolamento.
A resistência de aquecimento é alimentada por um transformador de corrente associado
ao enrolamento secundário do transformador principal.
Portanto, a elevação da temperatura da resistência de aquecimento é proporcional a
elevação da temperatura do enrolamento além da temperatura máxima do óleo.
A constante do tempo do sistema é da mesma ordem de grandeza do enrolamento logo,
o sistema reproduz uma verdadeira imagem térmica da temperatura do enrolamento (medida
indireta da temperatura do mesmo) Ver figura 4.53.

Figura 4.53

L = sensor de temperatura: termômetro de mercúrio com bulbo capilar para indicação
local;
1 - conjunto EQ-DTE “L”;
2 - elemento de aquecimento;
3 - termômetro mercúrio;
4 - bolsa de óleo;
5 - indicador (bulbo capilar) local;
6 - transformador da corrente;
7 - transformador principal.

Figura 4.54
R é o reostato de ajuste.
O elemento de aquecimento (2) possui uma resistência que varia de fabricante para
fabricante.






WEG – Transformando Energia em Soluções
211
Módulo 4 – Geração de Energia
4.7.8.5 VÁLVULA DE ALÍVIO DE PRESSÃO

A válvula de alívio de pressão de fechamento automático (figura 4.55) instalada em
transformadores imersos em líquido isolante tem a finalidade de protegê-los contra possível
deformação ou ruptura do tanque, em casos de defeitos internos com aparecimento de pressão
elevados. A válvula é extremanente sensível e rápida (opera em menos de dois milésimos de
segundo), fecha-se automaticamente após a operação impedindo assim a entrada de qualquer
agente externo no interior do transformador.

Figura 4.55

4.7.8.5.1 CARACTERÍSTICAS E FUNCIONAMENTO

A válvula de alívio de pressão, de fechamento automático, é uma válvula com mola
provida de um sistema de amplificação instantânea de força de atuação.
O corte (figura 4.56) mostra a válvula montada sobre o transformador por meio de
parafusos que a prendem à flange (1), vedada pela gaxeta (2).
O disco da válvula (3), é apertado pelas molas (7) e vedado por meio de gaxetas (4 e 5).
A operação da válvula dá-se quando a pressão que atua na área definida pelo diâmetro da gaxeta
(4) excede a contrapressão de abertura exercida pelas molas (7).
Logo que o disco (3) levanta-se ligeiramente da gaxeta, (4) a pressão interna do
transformador passa imediatamente a agir sobre toda a área do disco delimitado pelo diâmetro da
gaxeta (5), resultando uma força muito maior que aciona o disco para cima e acusa a abertura
imediata e total da válvula até a altura das molas (7) em disposição de compresão.

NOTA: Existem no mercado, dois tipos de válvulas de alívio:

- para tanques até 6000 I
- para tanques de até 40.000 I

Para ambos os tipos é possível o fornecimento com até 2 contatos independêntes.






WEG – Transformando Energia em Soluções
212
Módulo 4 – Geração de Energia

Figura 4.56

A pressão interna do transformador é rapidamente reduzida a valores normais em
consequência da escape pela válvula e as molas (7) reconduzem o disco (3) para a posição de
repouso, vedando novamente a válvula.
Um pequeno orifício de sangria no espaço compreendido entre as gaxetas (4 e 5) evita
que a válvula opere desnecessariamente em caso de vedação imperfeita entre o disco (3) e a
gaxeta (4) ocasionada por partículas estranhas depositadas sobre a gaxeta (4).
A válvula é provida na tampa (6) de um pino colorido (8); indicador mecânico da
atuação da válvula, o pino está apoiado sobre o disco (3) e levanta-se com ele durante a abertura,
sendo mantido na posição de válvula aberta pela gaxeta (11). O pino é claramente visível a
grande distância, indicando que a válvula operou, podendo ser rearmada manualmente
empurrando-o para baixo até encostar no disco (3).
A válvula também é provida de uma chave selada e à prova de tempo (9), montada na
tampa, com contatos de atuação simultânea. A chave é acionada pelo movimento do disco (3) e
deve ser (10) rearmada manualmente por meio de alavancas após o funcionamento.

4.7.8.5.2 MONTAGEM

A válvula é geralmente montada na posição horizontal e voltada para cima; entretanto
também pode ser tomada em posição inclinada, verticalmente, ou mesmo horizontal e voltada
para baixo, desde que não fique submetida a uma excessiva altura de nível de óleo.

4.7.8.5.3 AJUSTE DA PRESSÃO DE OPERAÇÃO

A pressão normal de operação da válvula é de 0,70 t 0,07 kgf/cm
2
ao nível do mar.










WEG – Transformando Energia em Soluções
213
Módulo 4 – Geração de Energia
4.7.8.5.4 TIPO DE LÍQUIDO ISOLANTE

A válvula é fornecida com a gaxeta (2) em borracha acrilonitrílica para transformadores
em óleo mineral e silicone.

4.7.8.6 RELÉ DE PRESSÃO SÚBITA
4.7.8.6.1 GENERALIDADES

O relé de pressão súbita (figura 4.57) um equipamento de proteção para transformadores
do tipo selado, é instalado acima do nível máximo do líquido, no espaço com gás compreendido
entre o líquido e a tampa do transformador.
O relé é projetado para atuar quando ocorrem defeitos no transformador que produzem
pressão interna, anormal sendo sua operação ocasionada somente pelas mudanças rápidas da
pressão interna independente da pressão de operação do transformador.
Para aumentos de pressão de 0,4 atm/seg o relé opera com cerca de 3 ciclos. Para
aumentos de pressão mais rápidos (1 atm/seg) a operação dá-se em menos de um ciclo.
Por outro lado, o relé não opera devido a mudanças lentas de pressão próprias do
funcionamento normal do transformador, bem como durante perturbações do sistema (raios,
sobretensão de manobra ou curto-circuito) a menos que tais perturbações produzam danos no
transformador.

4.7.8.6.2 CONSTRUÇÃO E FUNCIONAMENTO

O relé é composto essencialmente de:

a) elemento sensível a pressão, com microrruptor;
b) relé auxiliar com botão de rearmamento.

A) O elemento sensível à pressão (figura 4.58) constitui-se de:

- Uma caixa totalmente fechada (posição 1), flangeada sobre uma abertura do tanque
do transformador, localizada acima do líquido isolante, a caixa comunica com o
interior do transformador somente através de um pequeno orifício equalizador da
pressão existente no plug de latão (posição 2);
- Um fole metálico (posição 3), em liga não corrosível;
- Um microrruptor (posição 4), acionado pelo fole quando este alonga devido a
desiquilíbrios de pressão entre o transformador e o interior da caixa (posição 1) do
relé;
- Uma caixa de terminais (posição 5), com bornes (posição 6) do microrruptor.

Quando a pressão no interior do transformador muda lentamente durante o
funcionamento normal, o orifício equalizador é suficiente para igualar a pressão do interior da
caixa de relé com a pressão do interior do transformador. Desta maneira o fole não se deforma e
o relé não dá alarme, permitindo a operação normal do tramsformador.






WEG – Transformando Energia em Soluções
214
Módulo 4 – Geração de Energia
Por outro lado, se houver no interior do transformador aumentos de pressão mais
rápidos dos que os verificados normalmente, o pequeno orifício equalizador faz com que persista
por um certo período de tempo, na caixa do relé uma pressão mais baixa que a do transformador,
isto ocasiona o alongamento do fole, e consequentemente o acionamento do microrruptor.

Figura 4.57

B) O relé auxiliar do botão de rearmamento está localizado no interior da caixa de
auxiliares do transformador.

O relé é provido de quatro contatos reversores, um dos quais é usado para autobloquear
a própria bobina do relé, através do botão de rearmamento (normalmente fechado).
Portanto, quando o elemento sensível à pressão aciona o microrruptor, o relé auxiliar
excita-se permanecendo excitado até que o operador proceda ao rearmamento manual, apertando
o botão.
Os demais contatos do relé são usados para sinalização, sendo utilizados um dos
circuitos representados na figura 4.60

Figura 4.58 Figura 4.59










WEG – Transformando Energia em Soluções
215
Módulo 4 – Geração de Energia

Figura 4.60

4.7.8.6.3 FORMA DE INSTALAÇÃO

Normalmente o relé de pressão súbita é montado em uma das paredes laterais do tanque
do transformador, no espaço entre o nível máximo do líquido isolante e a tampa.
Entretanto é aceitável também a montagem horizontal, sobre a tampa do transformador.
Quando o transformador é transportado cheio de líquido isolante ou é enchido no campo
com vácuo, é importante verificar que não penetre líquido isolante no orifício equalizador de
pressão ou no interior do relé.
Normalmente o flange ao qual se aplica o relé é fornecido com flange cego de vedação.
O relé é fornecido em separado, devendo ser montado após concluída a instalação do
transformador e o enchimento com líquido isolante.

4.7.8.6.4 MANUTENÇÃO

É aconselhável verificar o funcionamento do relé a cada seis meses ou no máximo a
cada ano; as verificações a serem feitas são:

a) controle do tempo de equalização da pressão;
b) controle do relé auxiliar e do botão de rearmamento.






WEG – Transformando Energia em Soluções
216
Módulo 4 – Geração de Energia

Figura 4.61

A) CONTROLE DO TEMPO DE EQUALIZAÇÃO DA PRESSÃO

A relação entre pressão interna do transformador e o tempo necessário para a
equalização de pressão entre o transformador e o relé está apresentada na Figura 4.61 e serve
como base para verificar o funcionamento do relé. A verificação pode ser feita com o
transformador em funcionamento, desde que a pressão interna não seja inferior a 0,04 kgf cm2 e
é feita da seguinte forma:

- desligar a tensão de alimentação do relé auxiliar;
- medir a pressão interna do transformador;
- desligar um testador (ohmimetro) aos bornes 12 e 2, indicará circuito fechado.
- retirar o bujão de teste posição 7 (figura 4.58). O microrruptor atuará e o testador
indicará circuito aberto.
- fechar o bujão de teste e medir o tempo em segundos necessários para a equalização
de pressão (tempo entre o fechamento do bujão e o instante em que o microrruptor
volta a posição normal, fechando novamente o circuito dos bornes 12 e 2).
- os valores de pressão e tempo assim medidos devem estar dentro ou próximos à área
da operação indivada na figura 4.61.

Grandes desvios indicam funcionamento defeituoso e devem ser comunicados à fábrica.




















WEG – Transformando Energia em Soluções
217
Módulo 4 – Geração de Energia
B) CONTROLE DE RELÉ AUXILIAR E DO BOTÃO DE REARMAMENTO

Também pode ser feito com o transformador em funcionamento nas condições descritas
em A e da seguinte forma:

- desligar somente os circuitos externos de alarme ou desligamento (bornes 1 a 10).
- ligar o testador aos bornes 4 e 5, indicará circuito aberto.
- retirar o bujão de teste, o relé operará e o testador indicará circuito fechado.
- recolocar o bujão de teste para a equalização de pressão (conforme medido em a).
- operar o botão de rearmamento e verificar que o testador volte a indicar o circuito
aberto.
- repetir o teste nos outros circuitos de alarme (bornes 6, 7, 9 e 10).


Figura 6.39





















WEG – Transformando Energia em Soluções
218
Módulo 4 – Geração de Energia
4.8 ENSAIOS

Os ensaios realizados em transformadores são classificados, segundo a ABNT
(Associação Brasileira de Normas Técnicas), em:

1- Ensaios de rotina;
2- Ensaios de tipo;
3- Ensaios especiais.

Estes ensaios devem ser executados de acordo com a norma da ABNT NBR 5380, que
prescreve os métodos a serem seguidos para testes em transformadores.

4.8.1 ENSAIOS DE ROTINA

Os ensaios de rotina, executados em todas as unidades de produção, são os seguintes:

a) Resistência elétrica dos enrolamentos
b) Relação de tensões
c) Resistência do isolamento
d) Polaridade
e) Deslocamento angular e sequência de fases
f) Perdas (em vazio e em carga)
g) Corrente de excitação
h) Impedância de auto-circuito.
i) Ensaios dielétricos:
- Tensão suportável à frequência industrial, aplicada a fiação e acessórios;
- Tensão suportável nominal à frequência industrial (tensão aplicada);
- Tensão induzida, para transformadores com tensão máxima do equipamento
<242 kV;
- Tensão suportável nominal de impulso de manobra, para transformadores com
tensão máxima do equipamento ≥362 kV;
- Tensão suportável nominal de impulso atmosférico, para transformadores com
tensão máxima do equipamento ≥362 kV;
- Tensão induzida de longa duração, com medição de descargas parciais, para
transformadores com tensão máxima do equipamento ≥362 kV;
j) Estanqueidade a quente em transformadores subterrâneos de qualquer potência
nominal, e à temperatura ambiente nos demais transformadores com potência
nominal ≥750 kVA;
k) Verificação do funcionamento de acessórios;
l) Ensaios no óleo isolante, após contato com equipamento com tensão nominal
≥72,5 KV ou potência nominal ≥5 MVA;
m) Ensaios de verificação da pintura da parte externa de transformadores com tensão
nominal ≥242 kV;







WEG – Transformando Energia em Soluções
219
Módulo 4 – Geração de Energia
4.8.2 ENSAIOS DE TIPO

O comprador deve especificar, na ordem de compra, os ensaios desejados e o número de
unidades da encomenda sobre as quais devem ser executados.
No caso de existirem resultados de ensaios anteriores executados sobre transformadores
do mesmo projeto, o comprador pode dispensar a execução desses ensaios.
Os ensaios de tipo são os seguintes:

a) Elevação de temperatura;
b) Tensão suportável nominal de impulso atmosférico, (para transformadores com
tensão nominal ≤ 242 kV;
c) Nível de ruído;
d) Ensaios no óleo isolante, após contato com o equipamento, em transformadores com
tensão nominal ≤ 36,2 kV:
- rigidez dielétrica;
- teor de água;
- fator de potência;
- tensão interfacial.
e) Medição da potência absorvida pelos motores de bombas de óleo e ventiladores.

4.8.3 ENSAIOS ESPECIAIS

Os ensaios especiais são os seguintes:

a) Ensaio de curto-circuito;
b) Medição da impedância da sequência zero em transformadores trifásicos;
c) Medição de harmônicos na corrente de excitação;
d) Análise cromatográfica dos gases dissolvidos no óleo isolante;
e) Fator de potência do isolamento;
f) Vácuo interno;
g) Nível de tensão de radiointerferência;
h) Ensaios para verificação do esquema de pintura das partes interna e externa do
transformador, conforme a NBR 11.388.

4.8.4 OBJETIVOS DA REALIZAÇÃO DE ALGUNS ENSAIOS DE ROTINA:
4.8.4.1 RESISTÊNCIA ELÉTRICA DOS ENROLAMENTOS:

Este ensaio visa determinar o valor da resistência elétrica de cada enrolamento, devendo
ser medida na derivação correspondente à tensão mais elevada ou naquela especificada pelo
cliente, e corrigida à temperatura de referência (75
º
C).
No caso de transformadores trifásicos, este valor deve ser fornecido por fase.








WEG – Transformando Energia em Soluções
220
Módulo 4 – Geração de Energia
4.8.4.2 RELAÇÃO DE TENSÕES:

O ensaio de relações de tensões visa determinar a proporção que existe entre a tensão
primária e a tensão secundária. O ensaio deve ser feito em todas as derivações.
Quando o transformador tiver ligações série-paralelo, o ensaio deve ser feito nas duas
ligações. As tensões são sempre dadas para o transformador funcionando em vazio.

2
1
V
V
K ·

4.8.4.3 RESISTÊNCIA DE ISOLAMENTO

A resistência de isolamento deve ser medida antes dos ensaios dielétricos (tensão
aplicada e tensão induzida). Este ensaio não constitui critério para aprovação ou rejeição do
transformador.
A resistência determinada, embora sujeita a grandes variações devido a temperatura, a
umidade e a qualidade do óleo isolante empregado, é um valor que dá idéia do estado do
isolamento antes de submeter o transformador aos ensaios dielétricos.
Além disso, as medições permitem um acompanhamento do processo de secagem do
transformador.
Por ser uma simples medição sem valor de referência, geralmente só se pode verificar se
existem falhas grosseiras (curtos entre enrolamentos ou entre um enrolamento e massa) no
isolamento.
Os critérios e a interpretação dos valores encontrados, variam de acordo com a prática e
a experiência do fabricante e do usuário.
Os critérios bem como o procedimento de medição da resistência do isolamento devem
ser considerados como orientação genérica, e os valores de referência neles obtidos não
representam valores-limites absolutos, mas sim, ordem de grandeza.

4.8.4.4 POLARIDADE

Este ensaio visa determinar a polaridade do transformador, que pode ser aditiva ou
subtrativa (a grande maioria dos casos). Em transformadores trifásicos, o ensaio de polaridade é
dispensável, à vista do levantamento do diagrama fasorial.

4.8.4.5 DESLOCAMENTO ANGULAR E SEQUÊNCIA DE FASES

São verificados através do levantamento do diagrama fasorial, ou através do medidor de
relação de tensões.









WEG – Transformando Energia em Soluções
221
Módulo 4 – Geração de Energia
4.8.4.6 PERDAS EM VAZIO

Os ensaios de perda em vazio em transformadores, tem como finalidade a determinação
de:
- perdas no núcleo ou perdas por histerese e correntes de Foucalt (Po);
- corrente a vazio (Io).

Perdas no Núcleo:

Estas perdas em transformadores devem-se:

• Às correntes que se estabelecem pelos enrolamentos primário e secundário de um
transformador sob carga, que dissipa em suas correspondentes resistências uma certa
potência devido ao efeito joule;
• Ao fluxo principal estabelecido no circuito magnético que é acompanhado dos
efeitos conhecidos por histerese e correntes parasitas de foucalt.

Como os fluxos magnetizantes na condição de carga ou a vazio são praticamente iguais,
com o ensaio em pauta podem-se determinar as perdas por histerese (PH) e por correntes
parasitas (PF).
As perdas em vazio e a corrente de excitação devem ser referidas a tensão senoidal pura,
com fator de forma 1,11.
As perdas em vazio devem ser medidas com tensão nominal na derivação principal, ou
quando numa outra derivação, com a respectiva tensão de derivação.
As perdas em vazio devem ser medidas com frequência nominal.

4.8.4.7 PERDAS EM CARGA

O ensaio de perdas em carga visa a determinação de: perdas no cobre (PJ); queda de
tensão interna (∆V); impedâncias, resistência a reatâncias percentuais (Z%, R% e X%).
Na determinação das perdas dos enrolamentos (que são por efeito joule), deve-se notar
que elas dependem da carga elétrica alimentada pelo transformador. Isso sugere a necessidade de
se estabelecer um certo ponto de funcionamento (ou uma certa corrente fornecida) para a
determinação de R
1
.I
1
2
+ R
2
.I
2
2
, respectivamente, perdas nos enrolamentos primário e
secundário.
Tal ponto é fixado como o correspondente ao funcionamento nominal do transformador.
Desde que se tenha a circulação de corrente por um dos enrolamentos, pela relação de
transformação, a do outro enrolamento também o será, e nessas circunstâncias, as perdas por
efeito joule são as denominadas nominais.
Para o conhecimento das referidas perdas, podem-se determinar R
1
e R
2
, e conectar em
seguida a carga nominal ao transformador para medição de I
1
e I
2
. Essas correntes poderiam
também ser obtidas pelos dados de placa de potência e tensão.
Já que o problema consiste no estabelecimento de correntes nominais nos enrolamentos,
o método proposto corresponde à realização do denominado ensaio em curto circuito. O
enrolamento de tensão inferior (TI) é curto-circuitado e a alimentação proveniente de uma fonte
de tensão superior (TS).






WEG – Transformando Energia em Soluções
222
Módulo 4 – Geração de Energia
O motivo de se alimentar o enrolamento da TS é que, sendo correntes iguais às
nominais, a referente ao enrolamento de TI normalmente tem um valor alto que, talvez, a fonte
não tenha condições de fornecer. Estando o enrolamento TI curto-circuitado, a tensão necessária
para a circulação das correntes nominais é bem inferior ao correspondente valor nominal. Assim
a tensão necessária para a realização do ensaio apresenta valores geralmente de até 10% da
tensão nominal (Vn) do enrolamento alimentado. Esta tensão, necessária para a circulação das
correntes nominais, corresponderá aproximadamente à queda de tensão interna no transformador.

4.8.4.8 ENSAIOS DIELÉTRICOS
4.8.4.8.1 TENSÃO APLICADA

Para que se faça uma análise real do isolamento entre os enrolamentos e entre os
mesmos e a massa, necessita-se aplicar ao transformador uma tensão tal que corresponda aos
valores especificados na tabela 2 da NBR 5356/93, à frequência nominal. O conjunto a ser
utilizado para este ensaio consistirá em uma fonte de tensão de frequência igual à nominal do
transformador, que alimenta um transformador de saída variável. A tensão de saída é graduada
para um valor que está relacionado coma classe de isolamento do transformador, segundo se
verifica pela tabela da norma NBR 5356. No ensaio, os terminais dos enrolamentos são curto-
circuitados e a alimentação é feita inicialmente pela tensão superior, aterrando-se os terminais de
baixa tensão e a massa.
Na segunda fase do ensaio, a alimentação é realizada pela baixa tensão, estando a alta e
a massa aterradas. Deve-se então observar que as tensões são diferentes nas duas etapas do
ensaio, pois o valor da tensão aplicada depende da classe de tensão do enrolamento em teste, a
qual é diferente para a baixa e alta tensão.
Para cada fase do ensaio, os terminais do enrolamento testado são curto-circuitados. Isso
implica que todos os pontos da bobina estão ao mesmo potencial. Este fato leva a conclusão de
que o ensaio em pauta permite analisar o isolamento entre as bobinas de alta tensão, baixa a
massa, sendo que o isolamento entre aspiras não foi verificado.
A constatação de existência ou não de defeitos, verifica-se por uma queda brusca de
tensão e aumento na corrente de ensaio.
Em relação a duração do ensaio, verificou-se que com 1 minuto, caso haja o defeito, o
mesmo já se manifesta, ficando deste modo o citado período padronizado.

4.8.4.8.2 TENSÃO INDUZIDA

Os transformadores devem suportar o ensaio de tensão induzida, sem que se produzam
descargas disruptivas e sem que haja evidência de falha. A duração do ensaio deve ser de 7200
ciclos, com frequência de ensaio não inferior a 120 Hz e não superior a 480 Hz. Como se
verificou, os ensaios com os megôhmetro e tensão aplicada tem por finalidade a verificação de
isolamento entre os enrolamentos de alta e baixa tensão, e entre ambos e a massa. Entretanto, é
fato conhecido que poderá ocorrer defeitos de isolamento entre as próprias espiras de um mesmo
enrolamento.







WEG – Transformando Energia em Soluções
223
Módulo 4 – Geração de Energia
Para a realização do ensaio, emprega-se o transformador na condição em vazio,
aplicando-se entre os terminais pelo lado de baixa tensão, uma tensão igual ao dobro da nominal
durante um tempo correspondente a 7200 ciclos. No lado de alta tensão, haverá o dobro da
nominal e com isso o gradiente de potencial entre espiras também duplicará, de tal modo que, se
houver um defeito de isolação, o mesmo se revelará dentro do tempo implicitamente fixado em
termos de número de ciclos citado. A razão de se trabalhar com um valor superior de frequência
é impedir a saturação do núcleo magnético, e desta forma poder atingir o dobro da tensão
nominal do equipamento.

4.8.4.9 ESTANQUEIDADE

O transformador completo, cheio de óleo e com todos os acessórios, deve ser ensaiado
para verificar a vedação das gaxetas, conexões roscadas, etc.
Neste ensaio, os transformadores devem suportar as pressões manométricas de ensaio
especificadas na tabela 15 da norma da ABNT NBR 5356, durante o tempo especificado na
mesma.

4.8.5 OBJETIVO DA REALIZAÇÃO DE ALGUNS ENSAIOS DE TIPO E
ESPECIAIS
4.8.5.1 ELEVAÇÃO DE TEMPERATURA:

Este ensaio visa a obtenção da elevação de temperatura dos enrolamentos sobre a
temperatura ambiente do meio de resfriamento externo, referida a tensão, corrente e frequência
nominais. A temperatura deve ser determinada para todos os enrolamentos acessíveis.
Deve-se realizar este ensaio na derivação de maiores perdas.
Com os resultados obtidos neste ensaio, podemos obter a comprovação da potência
nominal do transformador.

4.8.5.2 IMPULSO ATMOSFÉRICO:

O objetivo deste ensaio é avaliar a suportabilidade do transformador quando submetido
a descargas de origem atmosférica.
O ensaio deve ser realizado em todos os terminais de linha dos enrolamentos sob ensaio
e na sequência abaixo:

1) Um impulso pleno normalizado com o valor reduzido;
2) Um impulso pleno normalizado com o valor especificado;
3) Um ou mais impulsos cortados com o valor reduzido;
4) Dois impulsos cortados com o valor especificado;
5) Dois impulsos plenos normalizados com o valor especificado.









WEG – Transformando Energia em Soluções
224
Módulo 4 – Geração de Energia
4.8.5.3 NÍVEL DE RUÍDO

O nível de ruído gerado por um transformador quando este é colocado em operação, não
pode exceder um valor determinado pela NBR 5356/93, quando este for ensaiado conforme NBR
7277.
É necessário ressaltar que ruído excessivo pode significar alguma anomalia no
equipamento, podendo futuramente tirá-lo de operação.

4.8.5.4 CURTO-CIRCUITO

Este ensaio objetiva a verificação da robustês do equipamento quando o mesmo for
submetido a esforços mecânicos advindos de surtos de corrente (curto-circuito). Após a
realização deste ensaio, é novamente medida a impedância do transformador.
Devido aos esforços mecânicos anteriormente citados, podem ocorrer variações na
forma das bobinas, o que alterará o valor original de impedância.
Para enrolamentos concêntricos, a variação da impedância pós curto-circuito não pode
ultrapassar 2% (dois por cento).

4.8.5.5 FATOR DE POTÊNCIA DO ISOLAMENTO

Este ensaio deve ser realizado antes e após os ensaios dielétricos, desde que solicitado
pelo comprador.
O objetivo é fazer uma avaliação mais criteriosa e consequentemente mais precisa do
isolamento do equipamento, sob o aspecto da qualidade da secagem da parte ativa.

4.8.5.6 TENSÃO DE RADIOINTERFERÊNCIA

A tensão de radiointerferência é a tensão que aparece nos terminais de um objeto
energizado ou em condutores de sistemas de potência que afetam a coordenação destes circuitos
de potência e comunicação.
Esta tensão produz correntes de descargas sonora e de descargas em micro-gaps, que
são as causas principais do fenômeno de interferência na recepção de sinais de rádio.
O teste de RIV, portanto, visa verificar se estas descargas se encontram dentro de um
nível admissível, não provocando interferências em outros sistemas.
















WEG – Transformando Energia em Soluções
225
Módulo 4 – Geração de Energia
4.9 INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO

Os procedimentos relacionados ao recebimento, instalação e manutenção de
Transformadores imersos de líquido isolante, de distribuição e de potência, estão detalhados,
respectivamente, na NBR 7036 e NBR 7037.

4.9.1 TRANSFORMADORES DE DISTRIBUIÇÃO
4.9.1.1 RECEBIMENTO

Quando do recebimento o equipamento deverá ser imediatamente submetido a uma
inspeção visual, de modo a verificar:

• Características da placa de identificação em conformidade com o pedido;
• Inesistência de fissuras ou lascas nas buchas e danos externos no tanque ou
acessórios;
• A totalidade dos terminais e acessórios;
• O nível do líquido isolante;
• A exatidão dos instrumentos através de suas leituras;
• Os componentes externos do sistema de comutação;
• A inesistência de vazamentos através das buchas, bujões e soldas;
• Indícios de corrosão em qualquer ponto do tanque;
• Marcação correta dos terminais;
• O estado da embalagem, quando existente.

4.9.1.2 MANUSEIO

Se o transformador não puder ser conduzido por um guindastre ou carro hidráulico,
pode então ser deslocado sobre roletes. Neste caso devem ser colocadas pranchas para melhor
distribuição dos esforços na base.
O transformador deve ser sempre levantado por todas as alças de suspensão, nunca
devendo ser levantado ou movido por laços colocados nas buchas, no olhol de suspensão da
tampa ou em outros acessórios.

4.9.1.3 ARMAZENAGEM

Quando o transformador não for posto em serviço imediatamente, deve ser armazenado
com líquido isolante em seu nível normal, de preferência em condições que o tr ansformador não
fique sugeito aos intempéries, as grandes variações de temperatura e a gases corrosivos e de
modo a não sofrer danos mecânicos.
Recomenda-se que o transformador não fique em contato direto com o solo.







WEG – Transformando Energia em Soluções
226
Módulo 4 – Geração de Energia
4.9.1.4 INSTALAÇÃO

Transformador de distribuição para postes e plataforma.
Antes da instalação do transformador deve ser feito uma verificação, sendo:

• Inspeção visual, principalmente nas buchas, conectores e acessórios;
• Verificar se os dados da placa de identificação estão coerentes com sistema em que
o transformador será instalado;
• Observar o correto nível do líquido isolante;
• O sistema de fixação do transformador deve estar de acordo com a PB-99;
• Com o içamento do transformador, as cordas ou cabos utilizados devem ser fixados
nas alças, ganchos ou olhais existentes para essa finalidade;
• O transformador não deve sofrer avarias de qualquer natureza. Antes de içar o
transformador, é conveniente fixar os suportes;
• As ligações do transformador devem ser realizadas de acordo com o diagrama de
ligações de sua placa de identificação;
• Os transformadores devem ser protegidos contra sobrecargas, curto-circuito e surtos
de tensão;
• Os elos utilizados nas chaves devem estar de acordo com a potência e classe tensão
do transformador;
• Após energização do transformador, é necessário uma inspeção final com medição
da tensão secundária.

4.9.1.5 MANUTENSÃO

Se refere a transformadores imersos ou em líquido isolante, funcionando em condições
normais, que recomendam providências e manutenções periódicas, tanto nas oficinas como no
campo.

4.9.1.6 INSPEÇÃO PERIÓDICA

A cada doze meses, ou a critério do usuário, deve ser realizado no campo uma inspeção
externa com o transformador energizado, observando-se a distância e estado do equipamento.

• Verificação de fissuras, lascas ou sujeiras nas buchas e danos externos no tanque ou
acessórios;
• O estado dos terminais de ligações do transformador;
• Vazamento pelas buchas, tampas, bujões, soldas, etc;
• Pontos de corrosão em qualquer parte;
• Existência de ruídos anormais de origem mecânica ou elétrica;
• Fixação do transformador;
• Aterramento e equipamentos de proteção do transformador;
• Nível do líquido isolante, quando o indicador for externo.







WEG – Transformando Energia em Soluções
227
Módulo 4 – Geração de Energia
A cada cinco anos, ou a critério do usuário, devem ser realizados os seguintes ensaios e
procedimentos com o transformador desenergizado.

• Resistência de isolamento;
• Retirada da amostra do líquido isolante.

NOTA: Se os valores indicarem a necessidade de revisão completa no transformador,
recomenda-se enviar a unidade para oficinas especializadas ou fabricante.

4.9.1.7 REVISÃO COMPLETA

• Retirada do conjunto núcleo-bobinas (parteativa) para inspeção e limpeza;
• Manutenção do tanque (interno e externo) e dos radiadores;
• Efetuar tratamento do líquido isolante ou substituí-lo caso haja necessidade;
• Substituição das gaxetas das tampas e das buchas do transformador;
• Verificar os terminais;
• Verificar os flanges e parafusos;
• Secagem do conjunto núcleo-bobinas e reaperto geral;
• Montagem do transformador;
• Execução dos ensaios.

NOTA: Os ensaios devem adotar, a seu critério, qualquer método a fim de evitar que
ocorram sobrecargas no transformador.

4.9.2 TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA (FORÇA)
4.9.2.1 RECEBIMENTO

Antes do decarregamento, deve ser feito, por pessoal especializado, uma inspeção
preliminar no transformador, de modo a verificar:

• Condições externas do transformador, acessórios e componentes, quanto a
deformações;
• Vazamento de óleo e estado da pintura.

4.9.2.2 DESCARREGAMENTO E MANUSEIO

Todos serviços de descarregamento e locomoção do transformador deve ser executados
e supervisionados por pessoal especializados.

• O levantamento ou tração deve ser feito pelos pontos de apoio indicados nos
desenhos ou instruções do fabricante;
• Todos os componentes e acessórios devem ser manuseados com devido cuidado;






WEG – Transformando Energia em Soluções
228
Módulo 4 – Geração de Energia
• Manuseio do transformador deve ser feito de forma planejada e cuidadosa.

4.9.2.3 VERIFICAÇÕES E ENSAIOS DE RECEBIMENTO

Para transformador transportado sem óleo, verificar a pressão do gás seco no tanque e
nos cilindros de suprimento, conforme orientação do fabricante.
Quando transportado o transformador com óleo, fazer as análises de rigidez dielétrica e
teor de água no óleo para que possa concluir sobre a absorção de umidade por parte do
isolamento.

NOTA: Quando se tratar de transformadores sob garantia, qualquer ocorrência deve ser
comunicado ao fabricante, para que este indique as providências a serem
tomadas.

4.9.2.4 ARMAZENAMENTO

É recomendável que o transformador seja armazenado com conservador e respectiva
tubulação montados, preenchidos com óleo, até o nível normal do conservador, instalando-se
secador de ar com sílica-gel.
O transformador pode ser armazenado sem óleo, desde que para curtos intervalos de
tempo (máximo de três meses) ou conforme instrução do fabricante.
Neste caso deve ser realizado, inspeção diária na pressão de gás, de modo a detectar
vazamento.

4.9.2.5 INSTALAÇÃO

Antes de qualquer providência, para montagem do transformador, deve ser verificada a
disponibilidade de pessoal qualificado assim como de equipamentos e ferramentas adequadas.
Também deve ser feito uma verificação constante de:

• Não é recomendável a montagem do transformador em dias chuvosos;
• Inspeção visual, principalmente quanto ao correto nivelamento na base;
• Fixação correta do transformador, através da inspeção do dispositivo de avançagem;
• Inspeção visual, na parte externa do tanque do transformador;
• Verificação dos dados de placa se estão compatíveis com a especificação técnica do
equipamento;
• Para transformadores religáveis, constatação de ser a ligação de despacho
(expedição) atende ao especificado;
• Para transformadores transportados sem óleo, devem ser verificados a pressão do
gás;
• Para transformadores transportados com óleo, sempre que possível retirar amostra
do óleo isolante para análise em laboratório;
• Devem ser verificadas as conecções de aterramento do transformador.







WEG – Transformando Energia em Soluções
229
Módulo 4 – Geração de Energia
4.9.2.6 MONTAGEM DO TRANSFORMADOR

A montagem do transformador deve ser efetuado conforme as instruções específicas do
fabricante.
Quando da não disponibilidade das instruções é recomendável a sequência de
procedimentos discriminados na Norma NBR-7037.


4.9.2.7 CUIDADOS RECOMENDADOS DURANTE E APÓS A MONTAGEM

- Comutador de derivações em carga:

Deve-se ter precauções para que sejam retirados calços eventualmente colocados no
seletor para fins de transporte;

- Acessórios:

Devem ser verificados antes de sua montagem, quanto a inesistência de oxidação,
partes quebradas, atritos, corrosão, etc;

- Relé de gás:

Verificar se a inclinação da tubulação do relé do gás é adequada e se a posição da
montagem do relé de gás no tocante ao sentido do fluxo de gás (transformador/conservador);

- Nível de óleo:

Verificar o nível de óleo nas buchas, conservador, bolsas de termômetros, secador de
ar (cuba);

- Desareação (sangria:)

Efetuar drenagem de ar em todos os pontos previstos (radiadores, buchas, relé de gás,
tampas de inspeção, comutadores, registros, etc...;

- Secador de ar:

Prover o secador de ar com substância higroscópica (sílica-gel);

- Posição dos registros:

Controlar a posição de todos os registros das tubulações de preservação e resfriamento;










WEG – Transformando Energia em Soluções
230
Módulo 4 – Geração de Energia
- Indicador de temperatura:

Os seus capilares devem ser protegidos, evitando sua danificação durante os trabalhos
subsequentes;

- Ligações de aterramento:

Verificar se todas as ligações de aterramento do transformador estão corretas;

- Buchas e conectores:

Conectores devem ser devidamente apertados.Verificar se os terminais para ensaio nas
bruchas capacitivas estão devidamente aterrados;

- Vazamento:

Verificar a ocorrência de vazamento e providenciar a sua supressão.

4.9.3 ENSAIOS

É recomendável a execução dos seguintes ensaios no transformador antes de sua
energização:

a) Análise do líquido isolante;
b) Análise cromatográfica;
c) Medição do fator de potência do transformador e fator de potência e capacitância
das buchas, se providas de derivações capacitivas;
d) Medição da resistência de isolamento do transformador e da fiação de painéis e
acionamento(s) motorizado(s);
e) Medição da relação de transformação em todas as fases e posições do comutador de
derivações sem tensão;
f) Simulação da atuação de todos os dispositivos de supervisão, proteção e sinalização,
verificação do ajuste e/ou;
g) Medição da relação de transformação, saturação e polaridade dos TC. Curto-circuito
e aterrar todos os secundários do TC que não tiverem previsão de uso, em só
transformador provido;
h) Verificar as tensões e isolação dos circuitos auxiliares antes de sua energização;
i) Após energização dos painéis e acionamentos motorizados, verificar sentido de
rotação dos motores dos ventiladores;
j) Medição da resistência elétrica em todos os enrolamentos, em todas as fases e
posições do comutador de derivações;
k) Instalação do secador de ar / sílica-gel.








WEG – Transformando Energia em Soluções
231
Módulo 4 – Geração de Energia
4.9.4 ENERGIZAÇÃO

1) Antes de sua energização, é recomendada uma nova desareação (sangria) das
buchas ≥69kV, relé de gás, bujão de drenagem da janela inspeção, etc. Inspecionar
todos os dispositivos de proteção e sinalização do transformador.
2) É importante observar que transformadores devem ser energizados após decorridas,
pelo menos, 24 h da conclusão de enchimento com óleo;
3) Ajustar e travar a posição do comutador manual, conforme recomendado pela
operação do sistema;
4) Todo o período de montagem, ensaios e energização, se possível, deve ser
acompanhado por um supervisor do fabricante;
5) Se possível, o transformador deve ser energizado inicialmente em vazio;
6) Recomenda-se efetuar análise cromatográfica do óleo isolante, antes da energização
(referência), 24h a 36h após a energização, 10 dias e 30 dias após a energização;

4.9.5 MANUTENÇÃO

Para problemas típicos normalmente encontrados e soluções recomendadas relativas à
manutenção, transcrevemos as verificações sugeridas pela NBR 7037 – anexo D. considerar (S)
semestrais, (T) trienais;

Buchas:

- Vazamentos(S);
- Nível do óleo (S);
- trincas ou partes quebradas, inclusive no visor do óleo (T);
- Fixação;
- Condições e alinhamento dos centelhadores (T);
- Conectores, cabos e barramentos (T);
- Limpeza das porcelanas (T).

Tanque e radiadores:

- Vibração do tanque e das aletas dos radiadores (S);
- Vazamentos: na tampa, nos radiadores, no comutador de derivações, nos registros e
bujões de drenagem (S);
- Estado da pintura: anotar os eventuais pontos de oxidação;
- Estado dos indicadores de pressão (para transformadores selados) (S);
- Todas as conecções de aterramento (tanque, neutro, etc.) (T);
- Bases (nivelameto, trincas, etc.) (S);
- Posição das válvulas dos radiadores (S).

Conservador

- Vazamento (S);
- Registro entre o conservador e o tanque, se estão totalmente abertos (T);






WEG – Transformando Energia em Soluções
232
Módulo 4 – Geração de Energia
- Fixação do conservador (T);
- Nível do óleo isolante (S).

Termômetros e/ou imagens térmicas:

- Funcionamento dos indicadores de temperatura (S);
- Valores de temperatura encontrados (anotar) (S);
- Estado dos tubos capilares dos termômetros (T);
- Pintura e oxidação (S);
- Calibração e aferição (T);
- Nível de óleo na bolsa (T).

Sistema de ventilação:

- Ventiladores, quanto a aquecimento, vibração, ruído, vedação a intempéries,
fixação, pintura e oxidação (S);
- Acionamento manual (S);
- Circuito de alimentação (S);
- Pás e grades de proteção (S).

Secador de ar:

- Estado de conservação (S);
- Limpeza e nível de óleo da cuba (S);
- Estado das juntas e vedação (S);
- Condições da sílica-gel (S).

Dispositivo de alívio de pressão:

- Tipo tubular: verificar membranas (T);
- Tipo Válvula: verificar funcionamento do microrruptor (T).

Relé de gás:

- Presença de gás no visor (S);
- Limpeza do visor (T);
- Vazamento de óleo (S);
- Juntas (S);
- Fiação (T);
- Atuação (alarme e desligamento) (T).

Relé de Pressão:

- Vazamento (S);
- Juntas (S);
- Contatores tipo Plugue (T);
- Fiação (T);






WEG – Transformando Energia em Soluções
233
Módulo 4 – Geração de Energia
Comutadores de derivações:

- Sem tensão: estado geral e condições de funcionamento (T);
- Em carga: - Nível de óleo do compartimento do comutador (S)
- Condições da caixa do acionamento motorizado quanto a limpeza,
umidade, juntas de vedação, trincos e maçanetas, aquecimento
interno etc.(S);
- Motor, circuito de alimentação e fiação (S).

Caixa de terminais da fiação de controle e proteção:

- Limpeza, estado da fiação, blocos terminais(S);
- Juntas de vedação, trincos e maçanetas (S);
- Resistor de aquecimento e iluminação interna (S);
- Fixação, corrosão e orifícios para aeração (S);
- Contatores, fusíveis, relés e chaves (T);
- Isolação da fiação (T);
- Aterramento do secundário dos TC, régua de bornes, identificação da fiação e
componentes (T).

Ligações externas:

- Aterramento (T);
- Circuitod de alimentação externos (S).





























WEG – Transformando Energia em Soluções
234
Módulo 4 – Geração de Energia
4.10 CONFORME ANEXO

DATA: / / FOLHA DE DADOS
TRANSFORMADORES
FOLHA: /
CLIENTE:
REFERÊNCIA:
ESPECIFICAÇÃO:
A IDENTIFICAÇÃO
1 ITEM:
2 QUANTIDADE:
3 TAG: D CARACTERÍSTICAS CONSTRUTIVAS
4 TIPO: 1 CONSTRUÇÃO
2 BUCHAS DO PRIMÁRIO
B CARACTERÍSTICAS DO AMBIENTE QUANTIDADE:
1 INSTALAÇÃO: LOCALIZAÇÃO:
2 ALTITUDE MÁXIMA (m): CAIXA FLANGEADA:
3 TEMP.MÁXIMA AMBIENTE (•C) 3 BUCHAS DO SECUNDÁRIO
QUANTIDADE:
LOCALIZAÇÃO:
C CARACTERÍSTICAS ELÉTRICAS CAIXA FLANGEADA:
1 POTÊNCIA (KVA): 4 COR DA PINTURA:
2 NÚMERO DE FASES: 5 PESO DA PARTE ATIVA (kgf):
3 FREQUÊNCIA (Hz): 6 PESO DO ÓLEO (Kgf):
4 ENROLAMENTO PRIMÁRIO: 7 PESO DO TANQUE + ACESSÓRIOS(kgf):
TENSÃO NOMINAL (KV): 8 PESO TOTAL (kgf):
DERIVAÇÕES: 9 ALTURA (mm):
LIGAÇÃO: 10 LARGURA (mm):
CLASSE DE TENSÃO (kV): 11 COMPRIMENTO (mm):
NÍVEL DE IMPULSO (LINHA)(kVcr):
NÍVEL DE IMPULSO (NEUTRO)(KVcr):

TENSÃO APLICADA (kVcr): E ACESSÓRIOS
5 ENROLAMENTO SECUNDÁRIO: 1 INDIC.NÍVEL DE ÓLEO C/o2 CONT:
TENSÃO NOMINAL (KV): 2 RELÉ DE PRESSÃO SÚBITA C/O1 CONT.
DERIVAÇÕES: 3 TERMÔMETRO ÓLEO C/O2 CONT.
LIGAÇÃO: 4 TERMÔMETRO ÓLEO S/CONT.
CLASSE DE TENSÃO (KV): 5 PREVISÃO P/ TERMÔMETRO:
NÍVEL DE IMPULSO (LINHA) (KVcr): 6 IMAGEM TÉRMICA C/INDIC. TEMP.
NÍVEL DE IMPULSO(NEUTRO)(kVCR): 7 RELÉ BUCHHOLZ:


TENSÃO APLICADA (kVEF): 8 VÁLVULA ALÍVIO PRESSÃO C/O1 CONT.
6 POLARIDADE: 9 VISOR DE NÍVEL DE ÓLEO:
7 DESLOCAMENTO ANGULAR: 10 MANÔMETRO:
8 MEIO ISOLANTE: 11 MANOVACUÔMETRO:
9 REFRIGERAÇÃO: 12 SECADOR DE AR:
10 CLASSE MATERIAL ISOLANTE: 13 PAINEL DE COMUTAÇÃO(INTERNO):
11 IMPEDÂNCIA (%): 14 COMUTADOR A VAZIO ( ):
12 CORRENTE DE EXCITAÇÃO (%): 15 COMUTADOR SOB CARGA:
13 PERDAS EM VAZIO (W): 16 RADIADORES FIXOS:
14 PERDAS TOTAIS (W): 17 RADIADORES REMOVÍVEIS C/VÁLVULA:
15 RENDIMENTO (%): 18 VÁLV.DRENAGEM/AMOSTRAGEM ÓLEO:
CARGA COS0=1,0 COS0=0,8 19 VÁLVULA P/ FILTRO PRENSA:
4/4 20 BUJÃO DRENAGEM DE ÓLEO:
3/4 21 ABERTURA P/INSPEÇÃO/VISITA:
2/4 22 APOIOS P/ MACACO:

1/4 23 OLHAIS P/SUSPENSÃO DA TAMPA:
16 REGULAÇÃO (CAS0=0,8)(%): 24 OLHAIS P/SUSPENSÃO DO TRANSF:

17 TENSÃO DE CONTROLE (V): 25 OLHAIS P/SUSPENSÃO DA P.ATIVA:
REVISÃO 18 NÍVEL DE RUÍDO (MÉDIO)(dB): 26 OLHAIS P/TRAÇÃO:






WEG – Transformando Energia em Soluções
235
Módulo 4 – Geração de Energia







WEG – Transformando Energia em Soluções
236
Módulo 4 – Geração de Energia
5 QUADROS
5.1 MANOBRA E PROTEÇÃO

5.1.1 ASPECTOS GERAIS
5.1.1.1 MANOBRA

O enorme desenvolvimento dos sistemas elétricos de potência, que começou há muitos
anos em todos os países industrializados, exigiu medidas extraordinárias para aumentar a
capacidade de subestações, pois as correntes de curto-circuito aumentaram, aproximadamente, na
mesma proporção do grau de interligação dos sistemas elétricos.
Por outro lado a concentração populacional nas grandes cidades aumentou a escassez de
espaço na industria, em função dos altos custos dos locais de instalação, e forçou a alimentação
de energia elétrica diretamente em alta tensão para os sistemas de distribuição.
Essa situação forçou os fabricantes de equipamentos elétricos iniciarem um trabalho de
desenvolvimento que teve inicio nos anos 60.Uma série de medidas foram tomadas e juntamente
com a cooperação entre vários laboratórios e fabricantes, iniciou-se um desenvolvimento a longo
prazo que permanece até hoje levando os fabricantes a lançarem no mercado equipamentos de
manobra com todos os requisitos técnicos exigidos pelos sistemas elétricos atuais.
Por exemplo, as medidas de desenvolvimento tomadas levaram a descoberta de
disjuntores, praticamente silenciosos, utilizando como meio de extinção do arco voltaico e de
isolação, o hexafluoreto de enxofre, (SF6). A utilização de SF6 também tornou possível o
desenvolvimento de subestações de altas tensões completamente blindadas, que hoje ocupam de
5 a 10% do espaço e volume requeridos por uma subestação convencional.
Os termos “comando” e “manobra” são freqüentemente confundidos. No entanto,
“comando” é a ação (causa) que provoca a manobra (efeito).
De acordo com a norma NBR5456 entende-se por “manobra” a mudança na
configuração elétrica de um circuito, feita manual ou automaticamente por um dispositivo
adequado e destinado a essa finalidade. Já o “comando funcional” é a ação destinada a garantir o
desligamento, a ligação ou a variação da alimentação da energia elétrica de toda ou parte de uma
instalação, em condições de funcionamento normal.
Os dispositivos de manobra são dispositivos destinados a estabelecer ou interromper
correntes, em um ou mais circuitos, providenciando afastamentos adequados que assegurem as
condições de segurança especificada para quaisquer circuitos vivos.

5.1.1.2 PROTEÇÃO - ASPECTOS CONSIDERADOS

A “proteção” é a ação automática provocada por dispositivos sensíveis a determinadas
condições anormais que ocorrem em um circuito, no sentido de evitar danos às pessoas e/ou
evitar danos ao sistema ou equipamento elétrico. O “dispositivo de prot eção” é um dispositivo
que exerce uma ou mais funções de proteção em um sistema elétrico. É ele que envia, por
exemplo, um comando para que um dispositivo de manobra atue.
Na instalação de um sistema elétrico qualquer, seja um grupo de motores, gerador es,
uma subestação de entrada ou saída ou mesmo um sistema de iluminação, os equipamentos






WEG – Transformando Energia em Soluções
237
Módulo 4 – Geração de Energia
encontram-se sujeitos a anomalias e perturbações que podem danifica-los e a seus sistemas de
controle.
Para atenuar os efeitos das perturbações, o sistema de proteção deve:

• assegurar, da melhor forma possível, a continuidade de alimentação dos sistemas
adjacentes, isolando o sistema defeituoso;
• salvaguardar o equipamento e as instalações da rede;
• alertar os operadores em caso de perigo não imediato.

Desta forma verifica-se a necessidade de dispositivos de proteção distintos para as
situações anormais de funcionamento do conjunto ou de elementos isolados; para os curtos-
circuitos e os defeitos de isolamento.
Na proteção de um sistema elétrico devem ser levadas em consideração três aspectos
importantes:

• a operação normal;
• a prevenção contra falhas elétricas;
• e a limitação dos defeitos devidos as falhas.

A operação normal presume a inexistência de falhas do equipamento, a inexistência de
erros do pessoal de operação e a inexistência dos ditos “atos de Deus”. No entanto as falhas
conseqüentes dessas causas possuem um índice de ocorrência muito baixo, sendo então a melhor
opção tomar providências no sentido da prevenção e/ou limitação dos efeitos das falhas.
Algumas dessas providências são: a previsão de isolamento adequado; coordenação do
isolamento; utilização de cabos de pára-raios e baixa resistência de pé-de-torre, instruções
apropriadas de operação e manutenção, etc.
A limitação dos efeitos das falhas inclui: limitação da magnitude de corrente de curto
circuito (reatores); projeto capaz de suportar os efeitos mecânicos e térmicos das correntes de
defeito; a existência de circuitos múltiplos (redundância) e geradores reserva; existência de
releamento e outros dispositivos, bem como disjuntores com suficiente capacidade de
interrupção; ocilógrafos e observação constante para observar a efetividade das medidas citadas;
freqüentes análises sobre mudanças no sistema com os conseqüentes reajustes dos relês,
reorganização do esquema operativo, entre outros.
Verifica-se, de acordo com as razões citadas acima, que o releamento é apenas uma das
várias providencias no sentido de atingir a finalidade de minimizar danos aos equipamentos e
interrupções no fornecimento de energia quando ocorrem falhas elétricas no sistema. Contudo,
devido a sua situação como guardiã silenciosa do sistema, justifica-se a ênfase neste seguimento.

5.1.1.3 ANÁLISE GENERALIZADA DA PROTEÇÃO

Basicamente em um sistema encontram-se os seguintes tipos de proteção:

• proteção contra incêndio;
• proteção pelos relês, ou releamento, e por fusíveis;
• proteção contra descargas atmosféricas e surtos de manobra.






WEG – Transformando Energia em Soluções
238
Módulo 4 – Geração de Energia
Um estudo mais completo de proteção, tem que levar em consideração os seguintes
aspectos:

a) elétricos, devida a características dos sistemas de potência (natureza das faltas,
sensibilidade para a instabilidade, regimes e características gerais dos equipamentos,
condições de operação, etc.);
b) econômicos, devidos à importância funcional do equipamento. (custo do
equipamento versus custo relativo do sistema de proteção);
c) físicos, devidos principalmente ás facilidades de manutenção, acomodação(dos relês
e redutores de medidas), distância entre os pontos de releamento (carregamento
dosTC´s, uso de fio piloto), etc.

O releamento é de extrema importância para a proteção dos sistemas elétricos porque
minimiza: os custos de reparação dos estragos; a probabilidade de que o defeito possa propagar-
se e envolver outro equipamento; o tempo que o equipamento fica inativo, reduzindo a
necessidade de reservas; a perda de renda e o agastamento das relações públicas enquanto o
equipamento está fora de serviço.
Chega-se a conclusão de que o custo do sistema de proteção é um seguro barato,
principalmente se for considerado o tempo usual para depreciação dos equipamentos.

5.1.1.4 CARACTERÍSTICAS GERAIS DOS EQUIPAMENTOS DE
PROTEÇÃO

Existem dois princípios gerais que devem ser obedecidos, em seqüência:

1) Em nenhum caso a proteção deve dar ordens, se não existe defeito na sua zona de
controle (desligamentos intempestivos podem ser piores que a falha).
2) Se existe defeito nessa zona, as ordens devem corresponder exatamente àquilo que
se espera, considerada que seja a forma, intensidade e localização do defeito.

Portanto o releamento possui duas funções principais:

a) função principal – que é a de promover uma rápida retirada de serviço de um
elemento do sistema, quando esse sofre um curto-circuito, quando começa a operar de modo
anormal que possa causar danos, ou interferir com a correta operação do restante do sistema.
Nessa função um relê (elemento detetor-comparador e analisador) é auxiliado pelo
disjuntor (interruptor), ou então um fusível engloba as duas funções (figura 5.1).






WEG – Transformando Energia em Soluções
239
Módulo 4 – Geração de Energia

Figura 5.1 – conjunto relê disjuntor

b) função secundária – promovendo a indicação da localização e do tipo de defeito,
visando mais rápida reparação e possibilidade de análise da eficiência e caráter de mitigação da
proteção adotada.

Dentro dessa idéia geral, os chamados princípios fundamentais do releamento
compreendem (figura 5.2):

a) O releamento primário é aquele em que uma zona de proteção separa da é
estabelecida ao redor de cada elemento do sistema, com vistas a seletividade, pelo
que disjuntores são colocados na conexão de cada dois elementos; há uma
superposição das zonas em torno dos disjuntores, visando ao socorro em caso de
falha da proteção principal; se isso de fato ocorre, obviamente, prejudica-se a
seletividade, mas esse é o mal menor.
b) O releamento de retaguarda, cuja finalidade é a de atuar na manutenção do
releamento primário ou falha deste, só é usado, por motivos econômicos, para
determinados elementos do sistema e somente contra curto-circuito. No entanto, sua
previsão deve-se à probabilidade de ocorrer falhas, seja na corrente ou tensão
fornecida ao rele, ou na fonte de corrente de acionamento do disjuntor; ou no circuito
de disparo ou no mecanismo do disjuntor; ou no próprio rele, etc.

Nestas condições é desejável que o releamento de retaguarda seja arranjado
independentemente das possíveis razões de falha do releamento primário. Uma observação
importante é que o releamento de retaguarda não substitui uma boa manutenção e vice-versa.






WEG – Transformando Energia em Soluções
240
Módulo 4 – Geração de Energia

Figura 5.2 – Zoneamento de proteção

c) O releamento auxiliar tem função como multiplicador de contatos, sinalização ou
temporizador, etc.









WEG – Transformando Energia em Soluções
241
Módulo 4 – Geração de Energia
5.1.1.5 CARACTERÍSTICAS FUNCIONAIS DO RELEAMENTO

Sensibilidade, seletividade, velocidade e confiabilidade são termos comumente usados
para descrever as características funcionais do releamento.

a) A velocidade ou rapidez de ação, na ocorrência de um curto-circuito, tem o
objetivo de:

• diminuir a extensão do dano ocorrido (propporcional a RI
2
.t);
• auxiliar a manutenção das máquinas operando em paralelo;
• melhorar as condições de ressincronização dos motores;
• assegurar a manutenção de condições normais de operação nas partes do sistema;
• diminuir o tempo total de paralização dos consumidores de energia;
• diminuir o tempo total de não liberação de potência, durante a verificação de dano,
etc.

Evidentemente, relês rápidos devem ser associados a disjuntores rápidos, de modo a dar
um tempo de operação total pequeno. De fato, com o aumento da velocidade do releamento,
mais carga pode ser transportada sobre um sistema, do que resulta economia global aumentada
(evita-se as vezes, a necessidade de duplicar certas linhas ).

b) Por sensibilidade entende-se a capacidade da proteção responder as
anormalidades nas condições de operação, e aos curtos circuitos para os quais foi
projetada.

É apreciado por um fator de sensibilidade da forma:

pp
min cc
I
I
k ·
onde, por exemplo,

I
ccmin
→ calculada para o curto-circuito franco no extremo mais afastado da seção de
linha e sob condição de geração mínima;
I
pp
→corrente primária de operação da proteção (valor mínimo da corrente de
acionamento ou de pick-up exigida pelo fabricante do relé).

c) Defini-se confiabilidade como a probabilidade de um componente, um
equipamento ou um sistema satisfazer a função prevista, sob dadas
circunstâncias.

A longa inatividade, seguida de operação em condições difíceis, exige do equipamento
de proteção simplicidade e robustez, e isso traduz-se em fabricação empregando matéria prima
adequada com mão-de-obra não só altamente capaz, mas também experimentada.







WEG – Transformando Energia em Soluções
242
Módulo 4 – Geração de Energia
d) Por seletividade entende-se a propriedade da proteção em reconhecer e selecionar
entre aquelas condições para as quais uma imediata operação é requerida, e
aquelas para as quais nenhuma operação ou um retardo de atuação é exigido.


Figura 5.3 – Relacionamento da potência transmitida e velocidade do releamento

5.1.2 ASPECTOS ESPECÍFICOS
5.1.2.1 EQUIPAMENTOS DE MANOBRA

Os equipamentos de manobra são componentes do sistema elétrico que não tem
somente a função de estabelecer a união entre geradores, transformadores, consumidores e linhas
de transmissão e separa-los e secciona-los de acordo com as exigências desse serviço, como
também são utilizados para a proteção de todos os componentes elétricos contra a atuação
perigosa de sobrecargas, correntes de curto-circuito e contatos à terra.
Levando-se em consideração algumas exceções e casos especiais, os equipamentos de
manobra devem, portanto, serem capazes de abrir desde as menores correntes de carga de linhas,
ou correntes de magnetização de transformadores a vazio, até as maiores correntes de curto-
circuito que possam ocorrer na instalação, sem serem avariados através das conseqüências
térmicas e dinâmicas dessas solicitações.
Alguns equipamentos de manobra, os chamados disjuntores, devem ser capazes de
interromper ou fechar, no menor tempo possível, todas as correntes normais e anormais.
Finalmente, todos os equipamentos de manobra devem, quando abertos, suportar quaisquer
solicitações de tensão entre seus contatos (espaço de interrupção) sem quaisquer descargas.






WEG – Transformando Energia em Soluções
243
Módulo 4 – Geração de Energia
Podemos dividir os equipamentos de manobra em:

a) Chaves seccionadoras: Servem única e exclusivamente, para estabelecer a conexão
ou separação de dois componentes ou circuitos de um sistema elétrico, ou a escolha
e conexão entre um componente e um sistema de barramentos. Não se exige das
seccionadoras a capacidade de abertura e ruptura de quaisquer correntes. Em
funcionamento, isto é, com os seus contatos fechados, elas devem ser capazes de
manter a condução de sua corrente nominal, sem sobre-aquecimento. Além disso
devem suportar todos os efeitos térmicos e dinâmicos das correntes de curto-circuito
sem se avariar. A vazio, isto é, com seus contatos abertos, devem estabelecer um
nível suficiente de isolamento, sem quaisquer descargas. Finalmente, as chaves
seccionadoras são equipamentos de manobra que servem única e exclusivamente
para separação de circuitos e componentes, sem quaisquer exigências de abertura de
correntes.

b) Interruptores: São equipamentos de manobra que podem interromper correntes de
qualquer natureza, até algumas poucas vezes a corrente nominal. Normalmente, os
interruptores são pequenos disjuntores, ou disjuntores de pequena capacidade, não
sendo exigidas muitas características para interrupção das correntes do circuito.

c) Chaves seccionadoras sob carga: São chaves seccionadoras que são construidas
com dispositivos especiais de extinção de arco, em seus contatos fixos e móveis,
capazes de interromper até a corrente nominal.

d) Disjuntores: É o equipamento de manobra cuja a função principal é a interrupção de
correntes de curto-circuito. Paralelamente o disjuntor deve ser capaz de interromper
pequenas correntes indutivas e capacitivas sem sobre-tensões. Portanto são
equipamentos que não oferecem qualquer limitação para quaisquer operações de
fechamento e abertura de circuitos. Na realidade, os chamados “disjuntores” são
também “conjuntores”, pois igualmente devem ser capazes de fechar quaisquer
circuitos sob quaisquer condições de condução de corrente.

e) Chaves seccionadoras disjuntoras: São disjuntores que igualmente atendem as
condições de chaves seccionadoras. São construídas excepcionalmente e, por
motivos de serviço, somente para pequenas capacidades principalmente de
interrupção.

f) Contatores: são dispositivos de manobra para circuitos de baixa tensão, com a
função de uma chave, não manual, eletromagnética, que tem uma única posição de
repouso e é capaz de estabelecer, conduzir e interromper correntes em condições
normais de operação, inclusive sobrecargas no funcionamento.












WEG – Transformando Energia em Soluções
244
Módulo 4 – Geração de Energia
5.1.2.2 PROTEÇÃO DE MOTORES

Nas instalações de motores o contator, que é o dispositivo de manobra utilizado, recebe
o comando de alguns dispositivos de proteção atuando no desligamento do circuito. Outros
dispositivos de proteção atuam diretamente no desligamento do circuito, como por exemplo o
fusível.
Alguns dispositivos de proteção tem sua utilização obrigatória em todo circuito de
alimentação de motores. São os casos dos:

• Fusíveis;
• Relês térmicos.

Outros dispositivos têm a sua utilização dependente do grau de proteção dado ao
circuito, da sequencia de atuação da proteção e da manobra, do nível de redundância, etc.:

• Relês de sobrecarga;
• Relês de tempo;
• Protetores térmicos;
• Relê de sequencia de fase;
• Relê PTC;
• Relê de falta de fase;
• Relê de mínima e máxima tensão.

Na instalação dos circuitos de manobra e proteção são também necessários
equipamentos que façam medidas e a alimentação do circuito auxiliar. Para tanto pode-se
enumerar alguns tais como:

• Transformadores de corrente;
• Transformadores de potêncial;
• Controladores de nível;
• Sensores;
• Transformadores de comando, etc.

5.1.2.3 PROTEÇÃO DE GERADORES

Os dispositivos de proteção usuais podem ser classificados em duas categorias
principais e que compreendem:

a) medidas preventivas e dispositivos de proteção contra os defeitos exteriores ao
gerador;
b) proteção contra os defeitos internos dos mesmos.

Ao lado de alguns outros dispositivos não constituídos por meio de relês, tais como
pára-raios, indicadores de circulação de óleo, termostatos, etc., os seguintes elementos fazem
parte do primeiro grupo:






WEG – Transformando Energia em Soluções
245
Módulo 4 – Geração de Energia
1) relês térmicos contra sobrecarga;
2) relês temporizados, a máximo de corrente, contra curtos-circuitos;
3) relês a máximo de tensão, contra as elevações de tensão devidas às manobras
normais do sistema;
4) relês sensíveis a corrente de seqüência negativa, para proteção contra funcionamento
sob carga assimétrica, ou desequilibrada;
5) relês de potência inversa, para impedir o funcionamento do gerador como motor,
etc.;

Já a proteção contra defeitos internos compreende, basicamente os seguintes
dispositivos:

1) proteção diferencial contra curtos-circuitos entre elementos de fases diferentes;
2) proteção contra defeitos à massa do estator;
3) proteção contra defeitos à massa do rotor
4) proteção contra curtos-circuitos entre espiras de mesma fase;
5) proteção contra a abertura acidental ou não dos circuitos de excitação, etc.

Além disso, há ainda que se considerar outros dispositivos que, não sendo relês, estão
intimamente ligados à proteção do gerador: os dispositivos de rápidas desexitação, que evitam
uma destruição maior dos enrolamentos devido a tensão própria, e a proteção contra incêndio,
que atua na extinção do fogo iniciado devido aos arcos voltaicos dos defeitos.

5.1.2.4 PROTEÇÃO DE TRANSFORMADORES

Deve-se considerar basicamente as proteções contra as sobrecargas e as de curtos-
circuitos.
Para os grandes transformadores, na proteção contra os curtos-circuitos,
desempenhando um papel importante na continuidade do serviço, a proteção diferencial e a
proteção bucholz.
Para pequenas unidades (menores que 1000 kVA), e para os transformadores de média
potência em sistemas radiais, os relês de sobrecorrente temporizados e os fusíveis.
Na proteção contra as sobrecargas usam-se imagens térmicas e relês térmicos.
Embora a construção dos transformadores tenha atingido um nível técnico bastante
elevado, devem-se considerar duas causas principais de defeito nos sues isolamentos, e
resultantes de sobretensões de origem atmosférica e de aquecimentos inadmissível dos
enrolamentos devido a sobrecargas permanentes, ou temporárias repetitivas, mas que, mesmo
sendo toleráveis na exploração do sistema, conduzem ao envelhecimento prematuro do
isolamento dos enrolamentos e, finalmente, aos curtos-circuitos entre espiras ou mesmo entre
fases.
5.1.2.5 PROTEÇÃO DE BARRAMENTOS

A proteção seletiva dos jogos de barras adquire grande importância nas redes equipadas
com sistemas de proteção, tais como a diferencial e por fio-piloto, e que em caso de defeito, não
podem agir senão sobre trechos de linha bem delimitados. Nesse caso a deteção de defeito nas






WEG – Transformando Energia em Soluções
246
Módulo 4 – Geração de Energia
barras, se não fosse específica, ficaria a cargo da proteção de reserva, em geral insuficientemente
seletiva. Tal inconveniente seria menor se a rede estivesse protegida por meio de relês de
distância, caso em que a barra poderia ser protegida pela segunda zona do relé, uma razoável
solução em muitos casos.
De um modo geral, contudo, a importância de uma rápida proteção de barras é
considerável, pois que produzem-se grandes concentrações de energia nesses locais o que
conduz, em caso de defeito, a grandes prejuízos materiais e a sérias perturbações à exploração do
sistema elétrico.
Diversos fatores dificultam a generalização do emprego da proteção dos jogos de barras:

a) a existência de segurança de serviço e seletividade absolutas, já que os
desligamentos intempestivos podem ter repercussões desagradáveis sobre a
distribuição da energia e sobre as conexões;
b) no caso de barras múltiplas, e/ou secionadas, a comutação a ser feita
automaticamente nos circuitos dos auxiliares, em caso de defeito em uma seção,
torna-se complexa, já que se exige para cada forma de acoplamento a manutenção
da seletividade.

Assim a estrutura da proteção depende das particularidades de cada caso. Basicamente
há, entre outras, as seguintes possibilidades:

a) colocação de relês temporizados tipo mínimo de impedância, nas linhas de
alimentação da barra;
b) uso de relês de sobrecorrente, em conexão diferencial, ou relês diferenciais
compensados, vendo-se a diferença entre as correntes que entram e saem da barra.

5.1.3 COORDENAÇÃO

Um sistema elétrico deve ser equipado com diversos dispositivos protetores,
estrategicamente situados, destinados a protege-lo efetiva e seguramente contra todos os defeitos
de isolamento ou outros funcionamentos anormais.
Para a proteção de um sistema são utilizados equipamentos como os relês, fusíveis
disparadores de ação direta, entre outros. Cada um desses dispositivos têm uma função
específica.
Tais dispositivos não atuam independentemente; pelo contrário, suas características de
operação devem guardar entre si uma determinada relação, de modo que uma anormalidade no
sistema possa ser isolada e removida sem que as outras partes do mesmo sejam afetadas. Isto é,
os dispositivos protetores devem ser coordenados para operação seletiva.
Nessas condições, podemos dizer que as finalidades da coordenação seriam:

a) isolar a parte defeituosa do sistema, tão próximo quanto possível de sua origem,
evitando a propagação das conseqüências;
b) fazer esse isolamento, no mais curto tempo possível, visando a redução dos danos.







WEG – Transformando Energia em Soluções
247
Módulo 4 – Geração de Energia
São usados para isto, tanto dispositivos protetores, quanto os fusíveis, os disparadores e
os relês que vigiam constantemente os circuitos, como também dispositivos interruptores, que
desligam os circuitos quando necessários.
Um primeiro passo nesse estudo, seria a determinação das condições de operação
(nominais, máxima e mínima, de sobrecarga), de defeito (diversas correntes de curto-circuito), e
mesmo de situações excepcionais como partida de motores, magnetização dos transformadores,
etc. Necessita-se pois de um perfeito conjunto de informações iniciais, obtidas nas placas dos
equipamentos, catálogos, medições diretas no campo ou dadas pelos fabricantes.

5.1.3.1 PROTEÇÃO DE LINHAS

Os mais importantes defeitos nas linhas são devidos aos curtos-circuitos, mas a
sobrecarga também precisa ser considerada.
Uma vez que nas redes de extra alta tensão se deva obter a máxima rapidez de
desligamento por motivos de manutenção da estabilidade, pode-se admitir, por vezes, em redes
menos sensíveis, tempos de desligamento atingindo até alguns segundos. Os equipamentos de
proteção são tanto mais simples quanto menor for a exigência de alta velocidade no
desligamento, e a simplicidade é sempre um objetivo a ser procurado na proteção. São usuais os
recursos a seguir indicados.

a) Proteção temporizada, com relês de sobrecorrente de tempo definido, nos casos de
redes radiais, ou nas redes em anel quando o disjuntor de acoplamento se abre
instantaneamente, em caso de curto-circuito, tornando a rede radial. Esta é uma
técnica tipicamente européia.
b) Proteção temporizada, com relês de sobrecorrente de tempo inverso, nos casos de
média tensão, onde a corrente de curto-circuito, for largamente superior à corrente
nominal do relê, permitindo a coordenação dos tempos de desligamento dos
disjuntores sucessivos a partir do mais próximo ao defeito. Podem ter ainda um
dispositivo de desligamento instantâneo, a máximo de corrente, particularmente útil
em redes contendo cabos que não admitem senão uma carga limitada. Esta é uma
técnica predominantemente americana.
c) Proteção direcional de sobrecorrente temporizada, usada nas redes de até 20kV, com
alimentação unilateral, mas tendo linhas paralelas fechando-se sobre barramentos
comuns, ou no caso de linhas únicas, mas com alimentação bilateral.
d) Proteção com relês de distância para redes de altas e extra-altas tensões, bem como
redes de média tensão em malha e realimentação multilateral. É o padrão de
proteção utilizado ultimamente.
e) Proteção diferencial longitudinal, por fio-piloto, usada nas linhas aéreas e em cabos
de média e alta-tensão, tendo até cerca de 10km de comprimento, e nos quais são
eventualmente inseridos transformadores. Para linhas curtas, de algumas centenas de
metros, usa-se a proteção diferencial comum, semelhante à dos transformadores.
f) Proteção diferencial transversal, empregada como proteção seletiva para os cabos e
linha aéreas paralelas, e baseada na diferença entre as correntes circulantes em cada
linha, em caso de defeito. Já que ela exige também relês direcionais e outros orgão
suplementares, só será usada quando não for razoável a proteção longitudinal ou a
de distancia.






WEG – Transformando Energia em Soluções
248
Módulo 4 – Geração de Energia
g) Proteção contra os defeito a à terra, usada nas linhas aéreas e cabos onde, em geral,
o incidente mais freqüente é o defeito monofásico. Dependendo da forma de ligação
a terra, pode aparecer tanto corrente ativa, da ordem da nominal ou menor, como
correntes capacitivas (rede com neutro isolado) também de baixo valor. Tanto relês
simplesmente indicadores quanto eliminadores, precisam ser utilizados, havendo
esquemas clássicos.

A proteção contra sobrecarga deve permitir a máxima utilização da linha sem que o
aquecimento resultante a danifique. Assim, quando a temperatura máxima for atingida, será dado
um sinal para que sejam tomadas medidas evitando-se o desligamento propriamente dito. Por
isso são usados relês térmicos diversos com constante de tempo igual ou inferior àquela do cabo
a proteger.
Uma última observação diz respeito ao religamento automático, muito útil na presença
de defeitos auto-extintores, (cerca de 80% dos casos). O religamento rápido é feito alguns
décimos de segundo , uma única vez, e aplicável somente a linhas aéreas, nunca aos cabos. Em
redes de alta e extra-alta tensão, é utilizado o religamento monopolar, freqüentemente, mas o
religamento tripolar é preferido nas linhas muito longas (algumas centenas de quilômetros) e
tensões muito elevadas, devido a dificuldade da extinção do arco residual realimentado pelo
efeito capacitivo entre as fases. Nas redes aéreas de média tensão, com maior incidência de
defeito, e já que elas costumam ter neutro isolado ou aterrado por meio de resistência de grande
valor ôhmico, só o religamento automático tripolar é indicado.

5.1.4 PRINCÍPIOS DE COORDENAÇÃO

Costumamos dizer que dois dispositivos em série, ou cascata, estão coordenados se seus
ajustes são tais que ao segundo dispositivo, mais próximo da fonte, é permitido eliminar a falta
caso o primeiro, mais próximo do defeito, falhe na atuação. Denomina-se tempo ou degrau de
coordenação o intervalo de tempo que separa as duas hipóteses anteriores, e que deve cobrir pelo
menos o tempo próprio do disjuntor, mais o tempo próprio do relê e uma certa margem de
tolerância; por exemplo, em sistemas industriais (disjuntores até 8Hz) tal degrau é da ordem de
0,4-0,5[s].
Naturalmente na busca de uma perfeita coordenação devemos respeitar certas diretrizes
para o ajuste dos dispositivos; as limitações de coordenação fixadas pelos códigos; o
desempenho térmico e dinâmico dos equipamentos; etc. Isso conduz o projetista a analisar, por
vezes, muitos fatores contraditórios, polêmicos mesmo, tendo em vista aspectos de segurança,
economia, simplicidade, previsão de expansão, flexibilidade, facilidade de manutenção e custo,
por exemplo. Portanto é importante que o leitor saiba que um projeto de proteção depende da
busca de aprendizagem própria e análise de risco em suas decisões futuras.













WEG – Transformando Energia em Soluções
249
Módulo 4 – Geração de Energia
5.2 DIAGRAMAS ELÉTRICOS

Para o projeto elétrico de um cubículo ou quadro, deve-se representar todos os seus
componentes de tal forma que se obtenha uma visão global de toda a instalação, tanto sob
aspecto de disposição e localização no sistema elétrico, como de sua função e desempenho.
Assim, a escolha adequada de um equipamento, determina o conhecimento detalhado de
sua função e comportamento, cuja definição é feita através de diagramas elétricos.
A representação gráfica de um sistema elétrico de potência, ou os diagramas elétricos,
deve conter a maior quantidade possível de informações, com o objetivo de representar
realmente todos os componentes e funções especificadas. Consequentemente, vários são os
diagramas elétricos, que se tornaram os mais usuais. São eles:

• Diagramas Unifilares;
• Diagramas Trifilares;
• Diagramas funcionais;
• Diagramas Construtivos (sinópticos, disposição de aparelho, etc.).

5.2.1 DIAGRAMA UNIFILAR

É um diagrama onde representa-se o circuito elétrico por uma de suas fases, daí o nome
unifilar. Neste diagrama devem aparecer destacadamente as partes as partes de força do sistema
(aquelas que se destinam à condução de enrgia, como finalidade principal).






WEG – Transformando Energia em Soluções
250
Módulo 4 – Geração de Energia

Figura 5.4 – Diagrama unifilar

Os aparelhos de manobra, tais como, seccionadores de passagem de aterramento,
disjuntores, dispositivos de proteção e medição, tais como: pára-raios, transformadores de
potência e de corrente, relês, fusíveis, etc.; são representados neste diagrama, sem entretanto
entrar em detalhes da forma de conexão, de uma maneira mais quantitativa que qualitativa.

5.2.2 DIAGRAMA TRIFILAR

É a representação de um circuito elétrico, tomando em consideração suas três fases,
sendo importante como subsídio para elaboração dos demais esquemas de detalhamento de um
determinado projeto.
O diagrama trifilar, além de conter as informações básicas do diagrama unifilar, contém
muitos outros detalhes, que serão inclusive transportados para outros esquemas, dando uma
excelente idéia de conjunto.. Como inconveniente apresenta aquele de ser um desenho com todo






WEG – Transformando Energia em Soluções
251
Módulo 4 – Geração de Energia
o conjunto, não devendo por esta razão ser usado para trabalhos específicos (como montagem),
mas sim como ponto de referência.


Figura 5.5 – Diagrama trifilar – detalhe do cubículo de entrada do gerador

A figura 5.5 mostra o detalhe do disjuntos da entrada do gerador a partir do diagrama
unifilar mostrado na figura 5.4. Para entendermos a relação entre os diagramas, os exemplos
serão mostrados baseando-se no desenho da figura acima.

5.2.3 DIAGRAMA FUNCIONAL

A utilidade do diagrama funcional é mostrar de maneira esquemática como funcionam
os equipamentos de proteção, controle e sinalização de uma instalações elétrica. Por este
diagrama, pode-se identificar todas as restrições ao funcionamento de um disjuntor ou contator,
por exemplo.
Portanto, as condições de operação são diferentes neste diagrama. Para um perfeito
entendimento destes diagramas, deve-se fixar os seguintes conceitos: Contato normalmente
aberto é o contato que está sempre aberto quando o equipamento está desenergizado; contato
normalmente fechado é o contato que está sempre fechado quando o equipamento está
desenergizado.
A tensão mais usual no Brasil para comando é de 125V CC.






WEG – Transformando Energia em Soluções
252
Módulo 4 – Geração de Energia

Figura 5.6 – Diagrama funcional – disjuntor do gerador

5.2.4 DIAGRAMAS CONSTRUTIVOS

Os diagramas construtivos são diagramas auxiliares e muito importantes na montagem
da instalação, em manutenção e em busca de defeitos. Os mais utilizados são:

• Diagrama de Fiação

Este diagrama mostra a ligação dos cabos de comando interligando os equipamentos
entre casa de comando e o cubículo ou pátio onde os equipamentos e encontram. Como os cabos
de comando sempre terminam em réguas de bornes, uma listagem indicando onde começa e
termina cada ligação é bastante útil.

Figura 5.7 – Diagrama de fiação






WEG – Transformando Energia em Soluções
253
Módulo 4 – Geração de Energia
5.2.4.1 DIAGRAMA SINÓPTICO

O diagrama sinóptico é a representação unifilar, do circuito elétrico, mostrando
principalmente os aparelhos de manobra (disjuntor e seccionador).
É utilizado sobre painéis de comando, de maneira a facilitar a operação do sistema.


Figura 5.8 – Diagrama sinóptico






















WEG – Transformando Energia em Soluções
254
Módulo 4 – Geração de Energia
5.3 CONSIDERAÇÃO A RESPEITO DE QUADROS ELÉTRICOS

Os quadros elétricos constituem pontos nodais em uma rede e servem para unir ou
separar e proteger as diferentes partes destas, permitindo a distribuição da energia elétrica para
diversos pontos da instalação.
A função básica dessas execuções é abrigar toda a aparelhagem elétrica de comando,
controle, medição, sinalização etc., de forma que sejam montados mecanicamente em suportes
apropriados, de modo a proteger as partes sob tensão expostas contra contatos acidentais, seja
por pessoas, animais ou objetos.
Essa proteção deverá se dar também em caso de avaria ou operação inadequada de uma
chave que possa causar perigo na parte exterior.
Os instrumentos, as lâmpadas de sinalização, os botões de comando, os acionamentos
das chaves, são normalmente instalados do lado externo, ou seja, na porta.
Os instrumentos de medição podem também ser instalados no interior, porém visíveis
através de visor colocado na porta.
As características construtivas dessas execuções variam de acordo com o trabalho e as
instalações a que se destinam, isto é, para instalações ao ar livre ou abrigadas, para lugares
úmidos ou secos,, em áreas de possível explosão, poeirentas ou contaminados por agentes
corrosivos.
Os painéis são feitos em chapa de aço dobrada e, para capacidades de 630A, 1000A e
3000A em 500V CA ou 600V CC, são feitos conforme o princípio dos componentes modulares,
propiciando futuras ampliações.
Os módulos apresentam flange, permitindo interligações entre elas. Normalmente os
quadros são feitos para instalações abrigadas, porém, podem ser feitos para instalações ao tempo,
sob condições especiais, e o dimensionamento dos aparelhos, sob o ponto de vista físico, define
o número de caixas que constituirão o quadro.

5.3.1 CLASSIFICAÇÕES
5.3.1.1 QUANTO A FUNÇÃO

A ABINEE (Associação Brasileira da Industria Elétrica e Eletrônica) através do grupo
setorial de “Painéis de Baixa, Média e Alta tensão e Componentes”, realizou um estudo sobre
classificação de quadros elétricos quanto a função:

A) Quadro de BT até 1000V (VDE/IEC)

A1 – QUADRO DE COMANDO – é todo quadro destinado a comandar eletricamente
qualquer processo e/ou equipamento por ação manual do operador.
Equipamentos:

1) Barramento;
2) Fiação;
3) disjuntores ou seccionadoras;
4) fusíveis e bases;
5) contatores;






WEG – Transformando Energia em Soluções
255
Módulo 4 – Geração de Energia
6) relês;
7) relês Auxiliares;
8) botoeira;
9) lâmpadas;
10) voltímetros;
11) amperímetros;
12) seletores de amperímetros e voltímetros;
13) transformadores de corrente;
14) transformadores de potencial;
15) medidores específicos de processo: termostato, cosfímetro, frequencimetro,
varímetro, wattiímetro, pressostato, etc.;
16) isoladores.

A2 – QUADRO DE CONTROLE – destinado a controlar, automática e eletricmente
qualquer processo ou equipamento elétrico. É composto pelos mesmos
equipamentos dos quadros de comando e mais:

1) chaves seletoras;
2) pirômetros indicadores e controladores;
3) sensores térmicos;
4) controladores de nível;
5) eletrodos sensores de nível;
6) sensores fotoelétricos;
7) controladores de ph;
8) válvulas solenóides;
9) registradores;
10) controle de pressão;
11) controle de vazão;
12) isoladores;
13) e mais todos os equipamentos eletropneumáticos destinados a função de quadro.

A3 – QUADRO DE SINALIZAÇÃO – destinado a advertir através de sinais acústicos
e/ou ópticos, em um ou mais estágios, de qualquer alteração do sistema
supervisionado.

1) circuito perceptor de defeitos em CC ou CA: eletromecânico ou eletrônico, em relês,
diodos, relês pisca-pisca ou circuito integrado, com indicção de falha com visores
luminosos e/ou acústico;
2) chaves seletoras;
3) transformadores;
4) retificadores;
5) botoeiras;
6) relês;
7) fiação;
8) receptores de sinal;
9) instrumentos eletrônicos fotosensíveis para indicação.







WEG – Transformando Energia em Soluções
256
Módulo 4 – Geração de Energia
B) Quadro de MT até 34,5 kV (VDE)

B1 – QUADROS DE ENTRADA DE CONCESSIONÁRIA

1) muflas;
2) barramento;
3) seccionadoras;
4) transformadores de corrente e de potencial;
5) contator;
6) chaves de aferição;
7) disjuntores;
8) transdutores;
9) voltímetros;
10) botoeiras;
11) fiação;
12) bases de fusíveis;
13) lâmpadas;
14) amperímetros;
15) seletores de tensão e de corrente;
16) isoladores.

B2 – QUADRO DE DISTRIBUIÇÃO – incluindo a distribuição, medição e sinalização.

1) disjuntores;
2) comutadores de TAP (do transformador);
3) demais aparelhos de medição e sinalização;
4) isoladores;
5) barramento, etc.

B3 – QUADRO DE DISTRIBUIÇÃO – incluindo a distribuição, medição e sinalização

1) barramento;
2) isoladores;
3) disjuntoresa;
4) seccionadoras;
5) muflas;
6) transformadores de corrente e potencial;
7) voltímetros e comutador;
8) amperímetros e comutador;
9) botoeiras;
10) lâmpadas de sinalização;
11) cosfímetro;
12) fiação;
13) isoladores;
14) medidores de kW, kVA, kW.h, etc.








WEG – Transformando Energia em Soluções
257
Módulo 4 – Geração de Energia
B4 – METAL CLAD – quadro blindado, construido de disjuntores extraíveis que, uma
vez extraídos, impedem acesso ao barramento de MT.

1) barramento;
2) disjuntores;
3) transformadores de corrente e potencial;
4) voltimetros e seletores;
5) amperímetros e seletores;
6) isoladores;
7) relês de proteção; diretos (primário) e indiretos (secundário);
8) fiação;
9) bloqueios.

OBS: Toda a aparelhagem fica blindada.

C) Quadros de AT, acima de 34,5 kV

Para essa classe de tensão não é comum se construir quadros, a não ser para proteção e
comando, e painéis de controle ou mesas de controle no próprio local da subestação. Pelas
normas ANSI, esses quadros são denominados “STATION TYPE SWITCHGEAR”.
Normalmente os quadros e mesas de controle recebem alimentação de fontes auxiliares
em baixa tensão e são equipadas basicamente com os mesmos aparelhos listados para os quadros
de baixa tensão.

5.3.1.2 QUANTO AO LOCAL DE INSTALAÇÃO

Para o local de instalação admite-se como temperatura normal ambiente 35
o
C (valor
médio durante 24h) e temperatura máxima no barramento de 65
o
C. Acima destes valores, deverá
ser previsto um sistema com ventilação forçada.

5.3.1.3 QUANTO AO GRAU DE PROTEÇÃO

Na escolha de equipamento de manobra e nas combinações, é necessário levar em
consideração os graus de proteção, além de características elétricas de funcionamento, tipo de
acionamento e da finalidade a que se destinam. Os equipamentos de manobra e suas
combinações somente podem operar satisfatoriamente quando os graus de proteção dos mesmos
correspondem às condições de montagem.

a) Proteção contra influências externas.
Para proteção contra acumulo de pó e água, os painéis devem ser fornecidos com
proteção especial.










WEG – Transformando Energia em Soluções
258
Módulo 4 – Geração de Energia
b) Proteção a terra

As conexões para aterramento da instalação se localizam na parte inferior do painel; as
conexões para interligações entre os painéi podem ser feitas por meio de pontes de cobre, ou por
meio de uma barra.
Para painéis que possuam carrinho extraível, a conexão de aterramento entre o carrinho
e a parte fixa é feita por meio de contatos deslizantes, dispostos de tal forma que, quando for
extraído ou inserido até a posição de “ensaio”, o mesmo se encontra aterrado.

5.3.1.4 QUANTO AO TIPO DE CONSTRUÇÃO

a) Quadros com equipamentos fixos: esses quadros constam de vários painéis
adjacentes, nos quais estão fixamente todos os dispositivos de manobra;
b) Quadros com equipamentos extraíveis: esses quadros constam de vários painéis
adjacentes (sem seccionador) com gavetas ou carros extraíveis, sobre os quais são
fixados os dispositivos de manobra.

5.3.2 COMPORTAMENTO DOS METAIS (ESTRUTURA E BARRAMENTO)

Em vista do material empregado nos quadros elétricos, tanto na estrutura quanto nos
barramentos, ser metálico torna-se conveniente apresentar alguns conceitos que facilitarão a
compreensão do texto nas solicitações elétricas que ainda serão discutidas.

5.3.3 CARACTERÍSTICAS DOS METAIS

As propriedades dos metais, que estão relacionadas com as resistências que os mesmos
oferecem quando sujeitos a esforços de natureza mecânica, como tração, torção, compressão,
choque, etc., determinam a forma de como poderão ser projetadas e executadas as estruturas, daí
a sua importância prática.
É de grande importância o estudo de certas características físicas e químicas dos
materiais, cujo conhecimento é fundamental para sua escolha e utilização.
Essas propriedades, que serão analisadas em seguida, são características dos cristais que
formam o metalao passo que as propriedades mecânicas, por exemplo, dependem grandemente
das imperfeições que ocorrem nesses cristais. As primeiras são insensíveis de certo modo, à
estrutura cristalina dos metais e se relacionam a uma amostra particular de um material. Em
outras palavras, amostras diferentes de um mesmo metal apresentam essencialmente as mesmas
propriedades não sansíveis à estrutura, somente são identicas nas várias amostras do mesmo
material, quando as condições de fabricação e tratamento forem perfeitamente idênticas.

5.3.3.1 DENSIDADE

É o peso por unidade de volume. Nas ligas, a densidade muda devido a alteraçãoda
massa média dos átomos.






WEG – Transformando Energia em Soluções
259
Módulo 4 – Geração de Energia
ELEMENTO SIMBOLO
DENSIDADE
[g/cm
3
]
PONTO DE
FUSÃO [
o
C]
Alumínio Al 2,699 660
Antimônio Sb 6,62 630
Cromo Cr 7,19 1890
Cobre Cu 8,96 1083
Chumbo Pb 11,34 327
Estanho Sn 7,30 232
Ferro Fe 7,87 1539
Platina Pt 21,45 1773
Níquel Ni 8,9 1455
Tungstênio W 19,3 3410
Zinco Zn 7,13 419
Tabela 5.1 – Densidade e temperatura de fusão de alguns elementos

5.3.3.2 PROPRIEDADES TÉRMICAS

A elevação da temperatura dos materiais aumenta a vibração dos átomos. Como
consequência, ocorre uma expansão térmica no reticulado cristalino, traduzida na prática por um
mudança nas dimensões. Essa alteração dimensional é expressa em termos de coeficiente linear
de dilatação térmica.
Outras propriedades térmicas são a capacidade calorífica e o calor específico (C
p
)
determina a quantidade de calor necessário nos processos metalúrgicos, tais como fundição ou
tratamento térmico. Esse fato pode ser expresso pela equação:

dt C dQ
p
⋅ ·

Por fim, outra propriedade térmica importante é a condutibilidade térmica, indicada por
um coeficiente k, expressa em [cal/s.cm.
o
C], que define a capacidade condutora de calor de uma
substância.

5.3.3.3 PROPRIEDADES ELÉTRICAS

Dentre elas, a condutividade elétrrica é uma das mais importantes e que inclusive é a
prpriedade que distingue os metais dos não metais. A tabela 5.2 apresenta a condutividade de
alguns metais a 0
o
C.

METAL
CONDUTIVIDADE
ELETRICA [Ohm.m]
-1

Prata 66,0
Cobre 64,5
Alumínio 40,0
Ferro 11,5
Tabela 5.2 – Condutividade elétrica de alguns metais









WEG – Transformando Energia em Soluções
260
Módulo 4 – Geração de Energia
5.3.3.4 PROPRIEDADES QUÍMICAS

Relacionam-se com a resistência que os metais oferecem ao ataque do meio ambiente
(corrosão) ou pelo efeito da temperatura (oxidação). As resistências à corrosão e à oxidação são,
portanto, características de grande importância, em vista da influência que o meio circunvizinho
exerce sobre o metal, provocando diversos tipos de ataque. Normalmente a corrosão é medida
pela espessura da superfície que se perde anualmente. Este acontecimento provoca um
enfraquecimento na estrutura, com relação aos possíveis esforços mecânicos.
A necessidade de se utilizar metais em condições de ambiente freqüentemente
desfavoráveis tem levado à utilização de ligas e ao emprego de tratamentos superficiais que
permitem aumentar a resistência à corrosão e à oxidação.

5.3.3.5 PROPRIEDADES MECANICAS

As propriedades mecânicas constituem as características mais importantes dos metais
para sua aplicação nos vários campos de engenharia, visto que o projeto e a execução das
estruturas metálicas são baseadas no seu conhecimento.
As propriedades mecânicas definem o comportamento de um material quando sujeitos a
esforços de natureza mecânica e correspondem às propriedades que, em detrimento do material,
determinam a sua capacidade de transmitir e resistir aos esforços que lhe são aplicados, sem
romper ou sem que se produzam deformações incontroláveis.
Os esforços mecânicos aos quais estão sujeitas as estruturas são os mais variados. Eles
podem ser aplicados lenta e gradualmente e, neste caso, a natureza do esforço é estático, como a
tração, a compressão, a torção, o dobramento, etc. Esses casos podem ocorrer, por exemplo,
quando os metais estão sujeitos à dilatação por efeito da temperatura (caso típico de aquecimento
em barramentos devido a sobrecarga). Ainda o esforço mecânico pode ser aplicado de modo
repentino. Nesse caso sua natureza é dinâmica e a causa pode ser proveniente de um curto-
circuito.
Ao se projetar uma estrutura, no caso de cargas estáticas, depois de conhecidos os
esforços aos quais a mesma está sujeita, adota-se um fator de segurança pelo qual é dividida a
resistência adotada do material escolhido. O valor dessa divisão é chamado tensão mecânica
admissível de trabalho.
As razões pelas quais a tensão de trabalho de um membro de uma estrutura deve
corresponder a um valor inferior à resistência do material são inúmeras. Em primeiro lugar os
materiais tendem a se deteriorar em serviço pela ação do meio ambiente; em segundo lugar
ocorrem freqüentes variações na distribuição dos esforços adotados no projeto, provocados por
sobrecargas (elevação de temperatura) em determinados trechos da estrutura; em terceiro lugar, é
difícil garantir perfeição na fabricação de uma determinada peça, além de poderem ser
introduzidos esforços adicionais provenientes do transporte, montagem e instalação da estrutura.
Os coeficientes de segurança variam grandemente em função do tipo de carga, do tipo
de material e das condições de serviço. Para materiais frágeis, que rompem praticamente sem
nenhuma deformação e que, portanto, não mostram antes da ruptura qualquer falha, os
coeficientes de segurança podem atingir valores de 5 a 8.
Em suma, as partes da estrutura, principalmente quando sujeitas a cargas estáticas,
raramente rompem em serviço, graças ao coeficiente de segurança, a não ser que fiquem
repentinamente sujeitas a uma carga acidental de considerável grandeza (curto-circuito).






WEG – Transformando Energia em Soluções
261
Módulo 4 – Geração de Energia
5.4 GRAUS DE PROTEÇÃO

Os invólucros dos equipamentos elétricos, conforme as características do local em que
serão instalados e de sua acessibilidade, devem oferecer um determinado grau de proteção.
Assim, por exemplo, um equipamento a ser instalado num local sujeito a jatos d’água, devem
possuir um invólucro capaz de suportar tais jatos, sob determinados valores de pressão e ângulo
de incidência, sem que haja penetração de água. Os graus de prot eção para equipamentos
elétricos estão definidos na NBR 6146 por meio das letras características IP, seguida por dois
algarismos.

1
º
Algarismo
Algarismo Indicação
0
1
2
3
4
5
6
Sem proteção
Corpos estranhos de dimensões acima de 50mm
Corpos estranhos de dimensões acima de 12mm
Corpos estranhos de dimensões acima de 2,5mm
Corpos estranhos de dimensões acima de 1,0mm
Proteção contra acúmulo de poeiras prejudiciais ao motor
Totalmente protegido contra a poeira
Tabela 5.3 – 1
º
Algarismo: indica o grau de proteção
contra penetração de corpos sólidos estranhos e contato acidental

2
º
Algarismo
Algarismo Indicação
0
1
2
3
4
5
6
7
8
Sem proteção
Pingos de água na vertical
Pingos de água até a inclinação de 15
º
com a vertical
Água de chuva até a inclinação de 60
º
com a vertical
Respingos de todas as direções
Jatos de água de t odas as direções
Água de vagalhões
Imersão temporária
Imersão permanente
Tabela 5.4 – 2
º
Algarismo: indica o grau de proteção
contra penetração de água no interior do painel

As combinações entre os dois algarismos, isto é, entre os dois critérios de proteção,
estão resumidos na tabela 5.5. Nota-se que, de acordo com a norma, a qualificação do motor em
cada grau, no que se refere a cada um dos algarismos, é bem definida através de ensaios
padronizados e não sujeita a interpretações, como acontecia anteriormente.
As definições da NBR 6146 são suficientes para serem aplicadas aos quadros de baixa
tensão. Para os quadros de alta tensão, além da NBR 6146 (conforme visto anteriormente), o
grau de proteção deve estar conforme as seguintes definições da norma NBR 6979:

• Conjunto de manobra e controle blindado: é o conjunto de manobra e controle em
invólucro metálico com o grau de proteção mínimo para as partes externas e internas
de IP2X, no qual os componentes são dispostos em compartimentos separados por
divisões metálicas aterradas. Deve possuir compartimentos separados pelo menos
para:







WEG – Transformando Energia em Soluções
262
Módulo 4 – Geração de Energia
a) cada equipamento principal;
b) componentes ligados a um dos lados de um equipamento de manobra principal, por
exemplo o circuito alimentador;

1
º
Algarismo 2
º
Algarismo
Classe de
proteção Proteção contra contato
Proteção contra corpos
estranhos
Proteção contra água
IP00 Não tem Não tem Não tem
IP02 Não tem Não tem
Pingos de água até uma inclinação de
15
º
com a vertical
IP11
Toque acidental com a
mão
Corpos estranhos sólidos de
dimensões acima de 50mm
Pingos de água na vertical
IP12
Pingos de água até uma inclinação de
15
º
com a vertical
IP13
Água da chuva até uma inclinação de
60
º
com a vertical
IP21 Toque com os dedos
Corpos sólidos estranhos de
dimensões de 12mm
Pingos de água na vertical
IP22
Pingos de água até uma inclinação de
15
º
com a vertical
IP23
Água da chuva até uma inclinação de
60
º
com a vertical
IP44 Toque com ferramentas
Corpos estranhos sólidos de
dimensões acima de 1mm
Respingos de todas as direções
IP54
Proteção completa contra
toque
Proteção contra acúmulo de
poeiras nocivas
Respingos de todas as direções
IP55
Proteção completa contra
toque
Proteção contra acúmulo de
poeiras nocivas
Jatos de água em todas as direções
IP(W)55
Proteção completa c ontra
toques
Proteção contra acúmulo de
poeiras nocivas
Chuva, maresia
Tabela 5.5 – Graus de proteção

a) componentes ligados ao outro ladodo equipamento de manobra principal, por
exemplo: conjunto de barras. Se houver mais de um conjunto de barras, cada
conjunto deve estar em compartimento separado;
b) componentes de baixa tensão.
O equipamento de manobra principal deve ainda ser extraível, a fim de se
poder desloca-lo entre as posições: inserida, de ensaio, extraída e removida.
Quando o TP for ligado ao barramento principal através de fusíveis, o
conjunto deverá estar alojado em compartimento separado, devendo ao menos os
fusíveis estarem montados sobre dispositivos extraíveis.
No caso específico de ser necessária a instalação de equipamento não
extraível em uma ou mais unidades de um conjunto blindado, apenas estas unidades
devem atender à especificação de conjunto de manobra e controle simplificado, sem
prejuízo da classificação original do conjunto como blindado.

• Conjunto de manobra e controle com divisões de material isolante: conjunto de
manobra e controle em invólucro metálico, com o grau de proteção mínimo para as
partes externas e internas de IP2X, no qual os componentes são dispostos em






WEG – Transformando Energia em Soluções
263
Módulo 4 – Geração de Energia
compartimentos separados, como no conjunto de manobra e controle blindado, mas
com pelo menos uma divisão de material isolante.

• Conjunto de manobra e controle simplificado: conjunto de manobra e controle em
invólucro metálico, com pelo menos uma das seguintes caractereísticas:

a) Que não tenha divisões, exceto para componentes de baixa tensão e entre cubículos
adjacentes, com proteção mínima IP2X;

NOTA: com relação ao barramento principal a área de passagem entre cubículos
adjacentes pode ter grau de proteção inferior a IP2X.

b) Número de compartimentos inferior ao necessário para conjunto de manobra e
controle blindado;

c) Que tenha divisões com grau de proteção inferior a IP2X

Além disso, para conjunto de manobra e controle simplificado só é necessário
especificar o grau de proteção para a parte externa do invólucro, sendo IP2X o mínimo
admissível. Para conjuntos de manobra e controle blindados e conjuntos de manobra e controle
com divisões de material isolante, os graus de proteção devem ser especificados separadamente
para a parte externa do invólucro e para as divisões, não sendo admitido um grau de proteção
inferior a IP2X.
Alguns defeitos, condições excepcionais de serviço, ou má operação do conjunto de
manobra e controle podem ocasionar um arco interno. A ocorrência de um arco interno pode
provocar danos ou ferimentos a um operador nas proximidades do conjunto de manobra e
controle. Dessa forma é necessário que a maior proteção contra danos pessoais seja prevista,
inclusive com a construção de dispositivos de alívio de sobrepressão, sendo no entanto o
principal objetivo evitar-se a ocorrência desse arco, ou limitar sua duração e conseqüências. A
tabela 6 indica os locais mais prováveis de ocorrência de falhas, assim como recomendações
importantes.






















WEG – Transformando Energia em Soluções
264
Módulo 4 – Geração de Energia

Locais onde falhas
internas ocorrem com
mais freqüência
Possíveis causas Exemplos de medidas a serem tomadas
Projeto inadequado Seleção de dimensões adequadas
Instalação defeituosa
Evitar que as conexões em cabos se cruzem
No local deve ser feito comissionamento de pessoal
especializado
Compartimento de
cabos
Falha em isolamento sólido ou
líquido
Fazer inspeções regulares e efetuar ensaios dielétricos
no local
Verificar regularmente o nível dos líquidos
Seccionadores e
chaves de
aterramento
Operação indevida
Intertravamentos
Manobra manual independente
Capacidade de estabelecimento em curto -circuito
Instruções a pessoal qualificado
Corrosão
Uso de anticorrosivos e/ou graxas
Revestimento protetor onde for necessário Conexões e contatos
Montagem defeituosa Inspeção por meios adequados
Transformadores
para instrumentos
Ferrorressonância
Evitar essas influências elétricas através de projeto
adequado do circuito
Disjuntores Manutenção inadequada
Manutenção regular programada
Instrução a pessoal qualificado
Erro humano
Limitação de acessos por c ompartimento
Isolamento das partes vivas
Instruções a pessoal qualificado
Envelhecimento do dielétrico Ensaios rotineiros de verificação do dielétrico
Poluição, umidade, penetração
de insetos, poeiras, etc.
Prevenir e verificar que as condições de serv iço
especificadas sejam respeitadas
Todos os locais
Sobretensões
Proteção contra descargas atmosféricas
Coordenação adequada de isolamento
Ensaios dielétricos no local
Tabela 5.6 – Locais, causas e exemplos de medidas
para diminuir a probabilidade de falhas internas

























WEG – Transformando Energia em Soluções
265
Módulo 4 – Geração de Energia
5.5 CONDIÇÕES NORMAIS DE SERVIÇO

A NBR 6979, que trata do conjunto de manobra e controle em invólucro metálico para
tensões acima de 1kV, é aplicada para projetos que estejam trabalhando nas seguintes condições:

a) a temperatura do ar ambiente não superior a 40
o
C, com média diária não superior a
35
o
C e temperatura mínima não inferior a –5
o
C.
b) altitude não superior a 1000m

NOTA: Para altitudes superiores a 1000m, os valores de tensão nominal devem ser
multiplicados pelo fator de correção dado na coluna 3 da tabela 5.7. Esta
correção pode ser dispensada, desde que no ensaio dielétrico as tensões de
ensaio sejam pelo fator de correção dado na coluna 2 da tabela 5.7.

Altitudes máximas
[m]
Fator de correção para as tensões de
ensaio referidas ao nível do mar
Fator de correção para as
tensões nominais
(1) (2) (3)
1000
1500
3000
1,00
1,05
1,25
1,00
0,95
0,80
NOTAS
1 Valores intermediários podem ser obtidos por interpolação linear
2 Altitude não superior a 1000[m]
Tabela 5.7 – Fatores de correção das tensões para altitudes superiores a 1000m































WEG – Transformando Energia em Soluções
266
Módulo 4 – Geração de Energia
Valores máximos
Natureza do elemento
(1),(2)
Temperatura final
[
o
C]
Elevação de temperatura
para um ambiente não
excedendo 40
o
C [k]
(1) (2) (3)
Contatos
Cobre nu ou liga de cobre nua
Prateados ou niquelados
(4)

Estanhados
(4),(5)


75
105
90

35
65
50
Conexões parafusadas ou equivalentes
(6)

Cobre nu liga de cobre nua ou liga de alumínio nua
Prateadas ou niqueladas
(6)

Estanhadas

90
115
105

50
75
65
Invólucros
Partes manipuladas
Partes acessíveis
Partes inacessíveis

50
70
110

10
30
70
Segundo a sua função, a mesma parte pode pertencer a diversas categorias listadas nesta tabela.
Neste caso, os valores máximos permissíveis de temperatura e elevação de temperatura a serem
considerados são os menores entre as categorias corres pondentes.
A elevação de temperatura das partes metálicas, condutoras ou não, deve ser limitada ao valor admissível
para a classe de temperatura do material isolante util izado em contato com as mesmas. Todas as
precauções necessárias devem ser tomadas para que nenhum dano seja causado aos materiais isolantes
circunvizinhos.
Quando partes do contato tem revestimentos diferentes, as temperaturas e as elevações de temperaturas
permissíveis devem ser aquelas da parte que tem o valor permitido nesta tabela.
A qualidade do revestimento dos contatos devem ser tal que uma camada de material de revestimento
permaneça na área de contato após os ensaios de estabelecimento e interrupção (se existirem), corrente
suportável de curta duração e resistência mecânica. Caso contrário os contatos devem ser considerados
nus.
Para contatos de fusíveis, a elevação de temperatura deve ser conforme as normas pertinentes.
Quando as partes de conexão tem diferentes revestimentos, as temperat uras e elevações de temperatura
permissí veis devem ser aquelas da parte que tem maior valor permitido nesta tabela.
Tabela 5.8 – Limites de temperatura admissíveis

a) ar ambiente não poluído por poeira, fumaça, maresia, gases e vapores corrosivos ou
inflamáveis, em concentrações tal que possam alterar as características do
equipamento.
b) para uso exterior, presença de condensação ou chuva, neve, camada de gelo ou
geada de até 5Kg/m
2
, mudanças bruscas de temperatura, pressão do vento de 700Pa
e os efeitos da radiação solar.

NOTA: Isto não implica que o conjunto de manobra e controle para uso exterior suporte
a corrente nominal sob todas as condições de radiação solar sem exceder a
elevação de temperatura especificada na tabela 8.
Também devem ser tomadas medidas apropriadas para assegurar a operação
correta de componentes tais como relês, que não sejam previstos para estas
condições.










WEG – Transformando Energia em Soluções
267
Módulo 4 – Geração de Energia
5.6 CONSIDERAÇÕES DE NORMALIZAÇÃO

Deve-se sempre seguir uma determinada norma (ABNT, ANSI, IEC, etc.) para a
execução de um diagrama elétrico, tanto no que se refere ao projeto, a simbologia, como na
técnica de execução.
Alguns pontos importantes devem ser destacados.
Todos os diagramas devem ser elaborados considerando a instalação sem tensão e sem
corrente (portanto desligada) e os aparelhos em sua representação básica. Quaisquer exceções
devem ser indicadas claramente.
Os bornes dos equipamentos e aparelhos não devem necessariamente fazer parte de
todos os diagramas.
Finalmente, devemos lembrar que da exatidão de um diagrama elétrico, depende
diretamente da execução correta de uma instalação, é necessário que se conheça profundamente
as características dos equipamentos e aparelhos a serem utilizados par a poder representa-los,
convenientemente.
As considerações da norma IEEE C 37.20.2 - 1993 inclui painéis de 240V até 69kV
(tanto baixa tensão quanto média tensão) destinadas ao controle e proteção de geração,
conversão e distribuição de energia, e não se aplicam a painéis abertos, painéis de controle
industrial e de comutação de navios.
A ABNT utiliza como base das normas a IEC 298.


5.6.1 DEFINIÇÕES (SEGUNDO IEEE C 37.20.2 – 1993)

Os tipos de painéis metálicos Metal Enclosed são divididos em:

• Painéis tipo Metal Clad
• Painéis tipo Cubicle
• Painéis tipo Interrupter
• Painéis tipo Baixa Tensão

Todos estes painéis devem ter as paredes e o teto metálicos. Não é obrigatório que o
piso seja metálico.

5.6.1.1 PAINÉIS METAL CLAD

• O disjuntor deve ser removível, com contatos auto-alinhantes e auto-encaixantes.
• As partes principais do circuito primário, que são disjuntor, barramentos, TP´s e
TC´s, devem estar completamente envolvidos em compartimentos metálicos
aterrados, que não podem ter aberturas “intencionais” (a norma não explica o que
são “aberturas intencionais”).
• Especificamente o disjuntor deve ter uma chapa metálica que quando ele estiver
conectado, e a porta de acesso aberta, não exponha componentes do circuito
primário.
• Todas as partes vivas devem estar envolvidas em compartimento metálico.






WEG – Transformando Energia em Soluções
268
Módulo 4 – Geração de Energia
• Guilhotinas automáticas são obrigatórias nas entradas dos disjuntores.
• Todos os barramentos e conexões do circuito primário devem estar revestidos de
material isolante de “cabo a rabo”.
• Intertravamentos mecânicos devem ser providenciados para assegurar uma
seqüência segura de operação.
• Todos os instrumentos, relês, medidores e sua fiação devem ser isolados do circuito
primário por barreiras metálicas (com exceção de pequenos trechos de fiação de
ligação com os transformadores).
• As portas pelas quais entram os disjuntores podem ser usadas como painel de
instrumentos e relês. Portas internas auxiliares também podem ser citadas para
colocação de instrumentos ou fiação.

5.6.1.2 PAINÉIS CUBICLE

Estes painéis são para 14,4, 34,5 e 69kV. Esses quadros devem conter os seguintes
equipamentos:

• Equipamentos de potência de cada fase do circuito primário separado e envolvido
por um compartimento metálico.
• Disjuntores fixos.
• Seccionadoras operadas em grupo, intertravadas com disjuntores para isola-los.
• Barramento e suas conexões em cobre nú.
• Transformadores para instrumentação
• Cabeamento de controle e dispoitivos acessórios.

5.6.1.3 PAINÉIS INTERRUPTER

Painéis para tensões de 4,16, 7,2, 13,8, 14,4, 23,0 e 34,5kV. Estes painéis os
dispositivos que forem necessário abaixo listados.

• Chaves seccionadoras
• Fusiveis
• Barramento e conexões
• Transformadores para instrumentação
• Cabeamento de controle e dispositivos acessórios

Tanto as seccionadoras quanto fusíveis podem ser fixos ou extraíveis. Quando
extraíveis devem possuir intertravamento mecanico para proteção na operação.











WEG – Transformando Energia em Soluções
269
Módulo 4 – Geração de Energia
5.6.1.4 PAINÉIS BAIXA TENSÃO

Painéis individuais ou múltiplos, devem conter:

• Disjuntores de baixa tensão com ou sem fusíveis.
• Barramento e conexões
• Transformadores para instrumentação e controle
• Dispositivos de instrumentação, medição e relês.
• Cabeamento de controle e dispositivos acessórios

Os disjuntores de baixa tensão estão contidos em compartimento metálicos individuais e
são controlados remotamente ou a partir do painel frontal. Podem ser fixos ou removíveis.
Quando extraíveis devem possuir intertravamento mecânico para garantir uma operação correta e
segura.







































WEG – Transformando Energia em Soluções
270
Módulo 4 – Geração de Energia
6 PRODUÇÃO INDEPENDENTE DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL
6.1 INTRODUÇÃO

Foi introduzido no Brasil, em 07 de julho de 1995, o personagem “Produtor
Independente de Energia Elétrica”, quando a Lei nº 9074, em seu artigo 11, estabeleceu que
“Considera-se Produtor Independente de Energia Elétrica a pessoa jurídica ou empresas reunidas
em consórcio que recebam concessão ou autorização do poder concedente, para produzir energia
elétrica destinada ao comércio de toda ou parte da energia produzida, por sua conta e risco”.
A mesma lei, estabeleceu que o Produtor Independente de Energia Elétrica – PIE estaria
sujeito a regras operacionais e comerciais próprias e dispôs sobre como poderia ser procedida a
venda de energia elétrica pelo mesmo.
Com modificações introduzidas pela Lei nº 9427, de 26/12/96 e Lei 9648, de 27/05/98,
na lei 9074; foram estabelecidas as condições para que o PIE recebesse concessão ou
autorização. Ficou estabelecido então, que é objeto de autorização o aproveitamento de
potenciais hidráulicos, destinados à produção independente, de potência superior a 1 MW e igual
ou inferior a 30 MW. No caso de potência superior a 30 MW, há necessidade de obtenção de
concessão de uso de bem público, em processo de licitação. Quanto às termelétricas destinadas à
produção independente são objeto de concessão, mediante licitação, ou autorização, sem que a
lei explicite quando um ou outro processo.
A lei 9074 tornava legalmente possível a produção independente no Brasil, mas era
insuficiente para que o “negócio produção independente” fosse viável. O Decreto 2003, de
10/9/96, que regulamenta a produção de energia elétrica por Produtor Independente e por
Autoprodutor, definindo, inclusive, que em se tratando de termelétrica será aplicado o
instrumento da autorização, como é descrito no parágrafo abaixo retirado do decreto n
o
2003, de
10/9/96:

“Artigo 4
º
- Dependem de autorização:

I – a implantação de usina termelétrica de potência superior a 5MW, destinada a
autoprodutor e a produtor independente;
II – o aproveitamento de potencial hidráulico de potência superior a 1MW e igual ou
inferior a 10MW, por autoprodutor.

Artigo 5
º
- O aproveitamento de potencial hidráulico igual ou inferior a 1MW e a
implantação de usina termelétrica de potência igual ou inferior a 5MW
independem de concessão ou autorização, devendo, entretanto, ser
comunicada ao órgão regulador e fiscalizador do poder concedente, para fins
de registro.”

Em 16/10/96 surgiu oficialmente o primeiro PIE no Brasil a COPENE – Petroquímica
do Nordeste S/A, até então atuando na condição de autoprodutor. Pela Portaria do Ministro de
Minas e Energia nº 321, de 15/10/96, publicada no dia seguinte, a COPENE, com sede em
Camaçari, na Bahia, foi “autorizada a funcionar como produtor independente de energia elétrica”
por meio de usinas termelétricas, utilizando óleo combustível, com potência total de 245 MW.
Somente oito meses depois viria a primeira autorização para implantação de um
empreendimento novo na condição de produção independente. Pela Portaria do Ministro de






WEG – Transformando Energia em Soluções
271
Módulo 4 – Geração de Energia
Minas e Energia nº 180, de 25/06/97, a AES Uruguaiana Empreendimentos Ltda., com sede em
São Paulo, SP, foi autorizada a funcionar como PIE e a estabelecer usina termelétrica movida a
gás natural, denominada UTE Uruguaiana, com 456 MW, no Rio Grande do Sul. Esta
autorização decorreu de processo de licitação para compra de energia elétrica conduzido pela
CEEE, dirigido a PIE, que se constituiu no primeiro processo com tal objetivo e características
realizado no País.
Importante regulamentação relativa à produção independente de energia elétrica no
Brasil ocorreu em 10/11/97 com a Portaria do DNAEE nº 459 a qual fixa as condições para a
utilização dos sistemas de transmissão e de distribuição pertencentes a concessionários e
permissionários de serviço público de energia elétrica, mediante pagamentos pelo uso e pela
respectiva conexão.
Em 26/05/97 foi outorgada a primeira concessão para uso de bem público, voltado a
aproveitamento hidráulico destinado à produção independente. O decreto de 26/05/97 outorgou
concessão a consórcio denominado Porto Estrela, para a UHE Porto Estrela, a ser construída em
Minas Gerais, com 112 MW. Consórcio constituído por CEMIG, CVRD, Nova Era Silicon S/A e
COTOMINAS.
Se menos significativos são os valores de potência instalada, autorizada, ou concedida,
relativos à produção independente no Brasil, da ordem de 3.600 MW, muito significativos são os
números relativos a futuras concessões e autorizações previstas para tal modalidade.
A sinopse publicada pelo DNAEE, em novembro de 1997, mais especificamente no
Programa de Licitação de Concessões – Plano de Expansão 1995/2004 (atualizado para 1997 –
2006),informava que:

• seriam 20 as Usinas Hidrelétricas a serem objeto de licitação em 98, todas
destinadas à produção independente e, ou autoproduções, totalizando 1917 MW
(potência média 95 MW); seriam 25 Usinas Hidrelétricas objeto de licitações em
1999, todas destinadas à produção independente e, ou autoprodução , totalizando
17.281 MW (potência média 691 MW), ou totalizando 6281 se excluída a UHE
Belo Monte com 11.000 MW (potência média das 24 usinas, sem Belo Monte, de
261 MW);

A opção pela Produção Independente é confirmada pela Lei 9684, de 27/05/98,
regulamentada pelo Decreto 2655, de 02/07/98, especialmente ao estabelecer que “em caso de
privatização de empresa detentora de concessão ou autorização de geração de energia elétrica, é
igualmente facultado ao poder concedente alterar o regime de exploração, no todo ou em parte,
para produção independente”.

Como resumo de todas as portarias e despachos realizados até 07/05/99, podemos resumir
as condições mínimas para a regulamentação junto a ANEEL pela seguinte tabela:














WEG – Transformando Energia em Soluções
272
Módulo 4 – Geração de Energia
Processo de regularização junto ao poder concedente – ANEEL
Usina Registro Autorização Licitação
Térmica Até 5 MVA Acima de 5 MVA Acima de 5 MVA*
Hidráulica Até 1 MVA De 1 até 30 MVA Acima de 30 MVA
* Para serviço público


Observações:

• Registro: significa dispensa de concessão, autorização ou permissão, necessitando
apenas comunicação ao Poder Concedente - ANEEL;
• Concessão para Geração: 35 Anos;
• Concessão para Distribuição e Transmissão: 30 Anos;
• Renovação de Concessão (Geração/Transmissão e Distribuição): 20 Anos;
• A autorização para exploração de um aproveitamento fica condicionada à
apresentação do Projeto Básico, acompanhado, no mínimo, do protocolo do órgão
gestor do Meio Ambiente, que comprove o início do processo dos licenciamentos
pertinentes.


6.2 LIGAÇÃO EM AUTOPRODUTORES EM PARALELO COM O SISTEMA DE
DISTRIBUIÇÃO

Abaixo tem-se os requisitos mínimos necessários para a interligação de consumidores
Autoprodutores de Energia Elétrica e de Produtores Independentes de Energia Elétrica (PIE) em
paralelo com a rede de distribuição das concessionárias, sob os aspectos de:

• Paralelismo;
• Proteção contra faltas;
• Projeto elétrico.

6.2.1 PARALELISMO

O comportamento das cargas nas redes elétricas é bastante dinâmico e, portanto, é
necessário que o sistema de geração atenda tais variações ao longo do tempo. Levando isto em
consideração, torna-se conveniente a colocação de duas ou mais unidades em paralelo pois:

• Com apenas um grupo em operação, muitas vezes o gerador funcionará fora das
suas características ótimas e, assim, o rendimento do conjunto será baixo;
• A utilização de apenas um gerador, o qual forneça toda a potência de uma central, é
de difícil fabricação (impossível, em grande parte dos casos);
• Nos casos citados acima, a ocorrência de um problema qualquer leva à perda total
da geração;






WEG – Transformando Energia em Soluções
273
Módulo 4 – Geração de Energia
• Considerando os mesmos motivos, é impossível a parada do gurpo para executar
atividades de manutenção;

Tendo em vista estes fatores, pode-se afirmar que a operação em paralelo de geradores
apresenta as seguintes características como vantagens:

• Aumento da confiabilidade, pois, na ocorrência de algum problema com um
gerador, as cargas serão alimentadas pelas unidades restantes (em algumas
instalações que empregam a auto-produção poderá ser necessário rejeitar as cargas
menos prioritárias);
• Existe uma maior facilidade de estabelecer um cronograma adequado de
manutenção das máquinas, pois podem existir unidades como reserva;
• Dividindo-se a carga total em várias máquinas, os seus tamanhos e custos são
menores;
• Otimização do funcionamento das máquinas em função do comportamento da carga
e da fonte de energia primária, ou seja, é possível sempre estabelecer um rendimento
ótimo para condições específicas.

6.2.1.1 CONDIÇÕES PARA O PARALELISMO

Para que os geradores síncronos sejam ligados em paralelo a uma rede comum, eles
devem possuir exatamente a mesma freqüência, ou seja, devem girar em sincronismo. Se houver
alguma oscilação da velocidade em função do sistema, pode-se gerar, na malha dos geradores em
paralelo, uma corrente de circulação que pode causar um sobreaquecimento nos enrolamentos
dos geradores além que gerar conjugados sincronizantes para compensá-la, produzindo então
esforços excessivos no eixo, podendo danificá-los.
Para evitar esta “corrente de circulação” faz-se necessário que a tensão a ser gerada seja
rigorosamente igual ao sistema ao que será acoplada em paralelo. Para isto, é necessário que as
tensões geradas pela máquina, em relação ao sistema:

• Tenham a mesma forma de onda;
• Tenham a mesma freqüência;
• Tenham o mesmo valor eficaz;
• Tenham a mesma seqüência de fase (para geradores trifásicos);
• Tenham defasagem nula entre as respectivas ondas de tensão.

6.2.1.2 MÉTODOS PARA O SINCRONISMO

Para a colocação de um gerador em paralelo com uma rede deve-se avaliar várias
grandezas como tensões e freqüências através de voltímetros e frequencímetros, onde é muito
utilizado o aparelho de dupla escala (comparadores). Uma das escalas informará a grandeza do
sistema e a outra, a do gerador que será ligada em paralelo.
Os ajustes das tensões são feitos pela atuação na excitação, enquanto que o ajuste da
freqüência será feito na máquina primária.






WEG – Transformando Energia em Soluções
274
Módulo 4 – Geração de Energia
Além dos dados de tensão e freqüência, deve-se verificar o defasamento nulo entre as
tensões (o sincronismo) que pode ser feito através de um instrumento chamado de
“sincronoscópio”.
Quando as freqüências de ambos os sinais são iguais, o ponteiro alinha-se em uma
posição pré-determinada, conhecido no jargão técnico como “mosca”; quando tem-se esta
situação, é o momento exato de fechar o paralelismo.
Hoje em dia pode-se utilizar sincronoscópios digitais (relés de sincronismo), de forma
bastante simplificada, possuindo um sistema de produção de pulsos cuja largura é proporcional à
freqüência e sua amplitude, à tensão. O número de pulsos são contados em intervalos definidos e
um sistema comparador define o momento exato do paralelismo. O sincronismo pode ser
automático ou manual. Caso se opte pelo método manual, o relé só permitirá o fechamento do
disjuntor de paralelismo quando o gerador e a rede estiverem sincronizados.
Existem outros métodos, dentre eles o mais conhecido é chamado de “fogo girante”.
Nele estão presentes três lâmpadas ligadas duas à fases trocadas e, a terceira, à fase de mesmo
nome. Quando as tensões correspondentes do gerador e do sistema estiverem exatamente em
fase, as lâmpadas das fases trocadas acenderão (defasamento de 120
º
entre elas), enquanto a
terceira lâmpada estará apagada. Neste instante deve-se fechar o paralelismo.

6.2.2 PROTEÇÃO CONTRA FALTAS

Para compreender um pouco sobre proteção contra faltas, faz-se necessário
conhecermos a nomenclatura ANSI dos relés utilizados para a proteção de geradores,
transformadores e linhas de transmissão.

6.2.2.1 NOMENCLATURA PARA RELÉS (NBR 5175 – MAIO 1988)

N
o
Nome da Função Descri ção Geral Exempl o
01
Element o principal (mast er
element )
Disposit ivo iniciador que serve, sej a diret ament e ou
por int ermédio de out ros disposit ivos, t ais como relés
de prot eção e relés de t empo, para colocar ou ret irar
um equipament o de operação.
NOTA: est e número é normalment e usado para um
disposit ivo operado manualment e, embora
possa t ambém ser usado para um disposit ivo
elét rico ou mecânico para o qual nenhum
out ro número de função é adequado.
Chave de cont role para
disj unt ore,s seccionadores, et c.
02
Relé de t empo de part ida
ou fechament o (t ime -delay
st art ing, or closing-rel ay)
Disposit ivo que realiza um t emporização ant es ou
depois de qualquer pont o de operação em uma
sequência de manobra ou em um sist ema de relés de
prot eção, excet o quando especificament e previst o
pelas funções 48, 62, 79.

03
Relé de verificação de
int ert ravament o (cheking
or int erlocking relay)
Relé que opera em respost a a posição de um cert o
número de out ros disposit ivos (ou a um cert o
número de condições predet erminadas) em um
equipament o, para permit ir o prosseguiment o ou a
int errupção de uma sequência de oper ações ou para
efet uar uma verificação da posição dest es
disposit ivos ou dest as condições.
Relé de verificação da posição
dos seccionadores.
04
Cont act or mest re (mast er
cont act or)
Disposit ivo que serve para fechar e abrir os circuit os
de cont role necessári os para colocar um
equipament o em funcionament o sob as condições
desej adas e ret irá- lo de operação sobre out ras
condições.
Cont at or usado para cont rolar
o número de element os de
uma bat eria a serem ligados ao
circuit o consumidor.






WEG – Transformando Energia em Soluções
275
Módulo 4 – Geração de Energia
05
Disposit ivo de parada
(st opping device)
Disposit ivo de cont role usado principalment e par
desligar um equipament o e mant ê- lo fora de
funcionament o. Est e disposit ivo pode ser acionado
manual ou elet ricament e, mas exclui a função de
t ravament o elét rico em condições anormais (ver
f unção 86).

06
Disposit ivo de part ida
(st art ing circuit breaker)
Disposit ivo cuj a principal função é ligar uma máquina
à sua font e de t ensão de part ida.

07
Disposit ivo de anodo
(anode circuit breaker)
Disposit ivo usado nos circuit os de anodo de um
ret if icador de pot ência, com a finalidade principal de
int erromper o circuit o do ret ificador se ocorrer um
arco de ret orno.

08
Disposit ivo desligador de
circuit o de cont role
(cont rol power
disconnect ing device)
Disposit ivo desligador, t al como chave de faca,
disj unt or, seccionador, chave fusível, usado com a
finalidade de ligar e desligar barras e equipament os
de cont role à font e.
NOTA: uma font e auxiliar que aliment a
equipament os, como pequenos mot ores ou
aquecedores, é considerada t ambém como
“ font e de aliment ação de cont role” .
Disj unt or em caixa moldada
usado para prot eção dos
circuit os de comando CC.
09
Disposit ivo de inversão
(reversing device)
Disposit ivo usado com a finalidade de invert er o
campo de uma máquina ou de realizar quaisquer
out ras funções de inversão.

10
Chave de sequência das
unidades (unit sequence
swit ch)
Chave usada em equipament os const it uídos de
diversas unidades, para alt erar a sequência na qual
as mesmas são colocadas ou ret iradas de
funcionament o.

11
Reservada para fut ura
aplicação

12
Disposit ivo de
acoplament o diret o (over -
speed device)
Chave de velocidade, de acoplament o diret o, que
at ua sobre a velocidade da máquina

13
Disposit ivo de velocidade
síncrona (synchronous -
speed device);
Disposit ivo que at ua aproximadament e à vel ocidade
síncrona de uma máquina
Chave de velocidade
cent rífuga, relé de frequência
de escorregament o, relé de
t ensão e relé de sobrecorrent e.
14
Disposit ivo de
subvelocidade (under -
speed device)
Disposit ivo que funciona quando a velocidade de
uma máquina cai abaixo de um valor predet erminado

15
Disposit ivo equalizador de
velocidade ou de
frequência (speed ou
frequency mat ching
device)
Disposit ivo que funciona para equalizar e mant er a
velocidade ou a frequência de uma máquina ou de
um sist ema, igual ou aproximadament e igual à de
uma out ra máquina, font e ou sist ema.

16
Disposit ivo de carga para
bat eria.
Disposit ivo de carga para bat eria com cont role
aut omát ico de t ensão.

17
Chave de cont orno ou de
descarga (shunt ing, or
discharge, swit ch)
Chave que ser ve para abrir ou fechar um circuit o de
cont orno em paralelo com qualquer part e do
equipament o ( excet o resist or) , t al como campo da
máquina, armadura de máquina, capacit or ou reat or.
NOTA: ist o exclui disposit ivos que realizam
operações de derivação que possam ser
necessárias no processo de part ida de uma
máquina pelos disposit ivo 06 ou 42, ou seus
equivalent es, e t ambém exclui a função 73,
que serve para a manobra de resist ores.

18
Disposit ivo de aceleração
ou desaceleração
(accelerat ing ou
decelerat ing device)
Disposit ivo usado para f echar ou causar o
fechament o de circuit os ut ilizados para aument ar ou
reduzir a velocidade de uma máquina.













WEG – Transformando Energia em Soluções
276
Módulo 4 – Geração de Energia
19
Disposit ivo de t ransição
part ida-funcionament o
(st art ing-t o-running
t ransit ion cont act or)
Disposit ivo que opera para iniciar ou causar a
t ransferência aut omát ica da ligação de uma máquina
da font e de part ida para a de funcionament o.

20
Válvula operada
elet ricament e (elect rically
operat ed valve)
Válvula operada, cont rolada e monit orada
elet ricament e, usada em um dut o para fluído.

21
Relé de dist ância (dist ance
relay)
Relé que at ua quando a admit ância, a impedância ou
a reat ância do circuit o aument a ou diminui em
relação a valores predet erminados.

22
Disj unt or equalizador
(equalizer circuit breaker)
Disj unt or que serve para cont rolar ou para abrir ou
fechar as ligações equalizadoras ou de equilíbrio de
corrent e para o campo de uma máquina ou
equipament o de regulação, em uma inst alação de
unidades múlt iplas.

23
Disposit ivo de cont role de
t emperat ura (t emperat ure
cont rol device)
Disposit ivo que at ua para elevar ou abaixar a
t emperat ura de uma máquina ou out ro equipament o,
quando sua t emperat ura for maior ou menor do que
um valor predet erminado.
Termost at o
24
Reservado para fut ura
aplicação




25
Disposit ivo de
sincronização ou de
verificação de sicronismo
(synchronizing, or
synchronism-check,
device)
Disposit ivo que opera quando dois circuit os de CA
est ão dent ro dos limit es desej ados de frequência,
ângulo de fase e t ensão, para permit ir ou efet uar a
sincr onização dest es dois circuit os.
Relé de verificação de
sincronismo para religament o
aut omát ico de disj unt or.
26
Disposit ivo t érmico do
equipament o (apparat us
t hermal device)
Disposit ivo que at ua quando a t emperat ura de um
equipament o ou part e dele, ou de um meio de
t ransferência de calor, sai de limit es predet erminados
I ndicador de t emperat ura do
óleo de um t ransformador,
com cont at os.
27
Relé de subt ensão (under
volt age relay)
Relé que at ua quando a sua t ensão de ent rada é
menor do que um valor predet erminado.




28 Det ect or de chama
Disposit ivo que det ect a a presença de chama pilot o
ou da principal em equipament os
Caldeiras, t urbinas a gás.
29
Seccionador (isolat or
cont act or)
Disposit ivo usado expressament e para isolar um
circut io de out ro em caso de operação de
emergência, manut enção ou ensaio.
Chave faca.
30
Relé anunciador
(annunciat or relay)
Disposit ivo de rearme não aut omát ico que dá um
cert o número de indicações visuais separadas
quando da at uação de disposit ivos de prot eção,
podendo ainda ser u t ilizado para desempenhar a
função de t ravament o.







31
Disposit ivo de excit ação
em separado (separat e
excit at ion device)
Disposit ivo que liga um circuit o, t al como o
enrolament o de campo de um conversor síncrono, a
uma font e de excit ação separada dur ant e a
sequência de part ida; ou que energiza os circuit os de
excit ação e de disparo de um ret ificador de pot ência.







32
Relé direcional de pot ênica
(direct ional power device)
Relé que at ua quando um fluxo de pot ência circula
no sent ido cont rário ao predet erminado.
At uação do disposit ivo quando
da mot orização de um gerador.
33
Chave de posição (posit ion
swit ch)
Chave que at ua quando o disposit ivo cont rolado
at inge uma dada posição.
Chave fim de curso.
34
Disposit ivo mest re de
sequência (mot or -operat ed
sequence swit ch)
Disposit ivo que est abelece ou det ermina a sequência
de operação dos disposit ivos principais em operações
seqüenciais de manobra.
Chave mot orizada de cont at os
múlt iplos.
Cont roladores lógicos
programáveis.






WEG – Transformando Energia em Soluções
277
Módulo 4 – Geração de Energia
35
Disposit ivo para
posicionament o d as
escovas ou para curt o -
circuit ar os anéis colet ores
(brush-operat ing, or slip -
ring short -circuit ing
device)
Disposit ivo para levant ar, abaixar ou deslocar as
escovas de uma máquina, para curt o- circuit ar seus
anéis colet ores, ou para engat ar ou desengat ar os
cont at os de um ret ificador mecânico.

36
Disposit ivo de verificação
da polaridade ou da t ensão
de polarização (polarit y
device)
Disposit ivo que aciona ou permit e o acionament o de
um out ro, soment e com uma polaridade
predet erminada, ou verifica a presença de uma
t ensão de polarização em um equipament o

37
Relé de subcorrent e ou
subpot ência (undercorrent
or under power relay)
Relé que opera quando a corrent e ou a pot ência
forem inferiores a um valor predet erminado.

38
Disposit ivo de prot eção de
mancal (bearing -prot ect ive
device)
Disposit ivo que at ua quando a t emperat ura do
mancal excede um valor predet erminado ou por
out ras condições mecânicas anormais a ele
associadas.

39
Monit or de condição
mecânica
Disposit ivo que at ua por ocorrência de uma condição
mecânica anormal (excet o aquela associada com
mancais, cobert a pela função 38).
Vibração, excent ricidade e
falha de vedação.
40 Relé de campo (field relay)
Relé que at ua por perda de corrent e de excit ação de
campo de uma máquina.

41
Disj unt or d e campo (field
circuit breaker)
Disposit ivo que opera para aplicar ou remover a
excit ação do campo de uma máquina.

42
Disj unt or (cont at or)
funcionament o (running
circuit breaker)
Disposit ivo cuj a principal função é ligar uma máquina
à sua font e de t ensão de f uncionament o, após t er
sido conduzida a velocidade desej ada.
Chaves à óleo para bancos de
capacit ores.
43
Disposit ivo ou selet or de
t ransferência manual
(manual t ransfer or
select or device)
Disposit ivo operado manualment e que t ransfere os
circuit os a fim de modificar o modo de operação do
equipament o de manobra ou de out ros disposit ivos.
Chave selet ora para
amperímet ro, volt ímet ro, de
sincronismo de religament o.
Chave de t ransferência de
prot eção.
44
Relé de part ida seqüencial
de unidade (unit sequen ce
st art ing relay)
Relé que at ua para dar part ida à unidade seguint e
em um equipaemt no de unidades múlt iplas, por falha
ou disponibilidade da unidade precedent e.

45
Monit or de condição
at mosférica
Disposit ivo que at ua na ocorrênica de condição
ambient al anormal, t al como gases nocivos, mist uras
explosivas, fumaça ou fogo.
Det et or de fumaça.
46
Relé de corrent e de
sequência negat iva
(reversephase, ou phase -
balance, current relay)
Relé que at ua quando as corrent es polifásicas
est iverem em sequência inversa de f ase ou quando
est iverem desequilibradas, ou cont iverem
component es de sequência negat iva acima de um
dado valor.
Relé de sobrecorrent e de
sequência negat iva.
47
Relé de sequência de fase
de t ensão (phase-
sequence volt age relay)
Relé que at ua para um valor predet erminado de
t ensão polifásica na sequência de fase est abelecida.

48
Relé de sequência
incomplet a (incomplet e
sequence relay)
Relé que geralment e ret orna o equipament o para a
posição normal ou desliga e o bloqueia se a
sequência normal de part ida, operação ou parada
não for complet ada adequadament e dent ro de um
t empo predet erminado.

49
Relé t érmico de
equipament o (machine, or
t ransformer, t hermal relay)
Relé que at ua quando a t emperat ura de um
equipament o excede um valor predet erminado.
Cont rolador de t emperat ura de
um ret ificador de pot ência
50
Relé de sobrecorrent e
inst ant âneo (inst ant aneous
over current , or rat e -of -
rise relay)
Relé que at ua inst ant aneament e por valor de
corrent e superior a um limit e predet erminado.







WEG – Transformando Energia em Soluções
278
Módulo 4 – Geração de Energia
51
Relé de subcorrent e -t empo
CA (a-c t ime over current
relay)
Relé que at ua com ret ardo int encional de t empo,
quando sua corrent e de ent rada excede a um valor
predet erminado, e no qual a corrent e de ent rada e o
t empo de operação são relacionados de modo
definido ou inverso.

52
Disj unt or de corrent e
alt ernada (a-c circuit
breaker)
Disposit ivo de manobra e prot eção capaz de
est abelecer, conduzir e int erromper corrent es
alt ernadas em condições normais do circuit o, assim
como est abelecer, conduzir por t empo especificado e
int erromper corrent es alt ernadas em condições
anormais especificadas do circuit o, t ais como as de
curto- circuit o.

53
Relé de excit ação de
gerador CC (excit er or d -c
generat or relay)
Relé que liga a excit ação de campo de uma máquina
CC, para que sua t ensão se desenvolva durant e a
part ida, e at ue quando a t ensão da máquina at ingir
um valor predet erminado.

54
Disj unt or de corrent e
cont ínua, alt a velocidade
(high-speed d-c circuit
breaker)

55
Relé de fat or de pot ência
(power fact or relay)
Relé que at ua quando o fat or de pot ência sai de
limit es predet erminados.

56
Relé de aplicação de
campo (field applicat ion
relay)
Relé que aut omat icament e cont rola a aplicação da
excit ação ao campo de um mot or de CA em algum
valor predet erminado de escorregament o.

57
Disposi t ivo de at errament o
ou curt o-circuit o (short -
circuit ing or grounding
device)
Disposit ivo que opera de modo a curt o- circuit ar ou
at errar um circuit o ou equipament o sob ação de um
comando manual ou aut omát ico.
Chave de at errament o
58
Relé de falha de ret ifi cação
(power rect ifier misfire
relay)
Disposit ivo que at ua se um ou mais anodos de um
ret ificador de pot ência falharem no disparo, ou na
det ecção de um arco de ret orno, ou por falha de um
diodo em conduzir ou bloquear corret ament e.

59
Relé de sobret ensão
(overvolt age relay)
Relé que at ua quando sua t ensão de ent rada for
maior do que um valor predet erminado.

60
Relé de equilíbrio de
t ensão ou de corrent e
(volt age or current balance
relay)
Relé que at ua por uma dada diferença na t ensão ou
na corrent e, de dois circuit os.
Relé det ect or de falha de
capacit or, em banco de
capacit ores.
61
Relé de balanço de
corrent e (current balance
relay)

62
Relé de t empo de parada
ou de abert ura (t ime -delay
st opping, or opening,
relay)
Relé de t empo que opera em conj unt o com o
disposit ivo que inicia a operação de desligament o,
parada ou abert ura em uma sequência aut omát ica
ou em um sist ema de relés de prot eção.
Relé de t empo, usado no
circuit o de prot eção por falha
do disj unt or.
63
Relé de pressão de nível
ou de fluxo, de líquido ou
gás (liquid or gaz,
pressure, level, or flow
relay)
Relé que at ua por um valor predet erminado de
pressão, ou por uma dada t axa de sua variação.

64
Relé det ect or de t erra
(ground prot ect ive relay)
Relé que at ua por falha do isolament o para t er ra de
máquina ou out ro equipament o.
Relé det ect or de t erra no
campo do gerador ou na
bat eria.
65
Reguralor de fluxo ou
vazão (governor)
Conj unt o de equipament os hidráulicos, elét ricos ou
mecânicos de cont role usados para regular o fuxo ou
vazão de água, vapor ou out ro fluído para o mot or
primário.











WEG – Transformando Energia em Soluções
279
Módulo 4 – Geração de Energia
66
Disposit ivo de at uação
int ermit ent e (not ching, or
j ogging, device)
(1) Disposit ivo que at ua para permit ir soment e um
número especificado de operações de um cert o
disposit ivo ou equipament o, ou um número
especif icado de operações sucessivas com
int ervalo predet erminado.
(2) Disposit ivo que at ua para energizar um circuit o
periodicament e ou por t empo especificado, ou
que é usado para permit ir aceleração ou avanço
int ermit ent e de uma máquina a baixas
velocidades para posicionament o mecânico.

67
Relé direcional de
sobrecorrent e CA (a -c
direct ional overcurrent
relay)
Relé que at ua por um valor predet erminado de
sobrecorrent e CA fluindo em um sent ido
predet erminado.

68
Relé de bloqueio de
abert ura (blocking relay)
Relé que inicia um sinal pilot o para bloqueio de
abert ura por falt as ext ernas em uma linha de
t ransmissão ou em out ro equipament o sob condições
predet erminadas, ou coopera com out ros disposit ivos
para bloquear abert ura ou religament o por perda de
sincronismo ou por oscilações de pot ência.

69
Disposit ivo de cont role
permissível (permissive
cont rol device)
Chave de duas posições, que numa posição permit e
o fechament o de um disj unt or, ou a colocação de um
equipament o em operação, e na out ra bloqueia a
operação do disj unt or ou do equipament o.
Chave selet ora de bloqueio e
fechament o do disj unt or.
70
Reost at o elet ricament e
operado (elect rically
operat ed rheost at )
Resist or variável ou conj unt o unit ário de resist ores
variáveis.

71 Relé de nível
Disposit ivo que at ua por valores ou por t axas de
variação de nível predet erminados.
I ndicador com cont at os de
nível do óleo de t ransformador.
72
Disj unt or de corrent e
cont ínua (d-c circuit
breaker)
Disposit ivo de manobra e prot eção capaz de
est abelecer, conduzir e int erromper corrent es
cont ínuas em condições normais do circuit o, assim
como est abelecer, conduzir por t empo especificado e
int erromper corrent es cont ínuas em condições
anormais especificadas do circuit o, t ais como as de
curto- circuit o.

73
Cont act or de resist ênc ia de
carga (load-resist or
cont act or)
Cont at or usado para derivar ou inserir um est ágio de
resist ência de limit ação de deslocament o ou de
indicação de carga em um circuit o de pot ência, para
ligar e desligar um aquecedor de ambient e, lâmpada
ou um resist or de carga regenerat iva de um
ret ificador de pot ência ou de out ra máquina.

74
Relé de alarme (alarm
relay)
Relé dif erent e de um anunciador, como o da f unção
30, usado para acionar ou operar em conj unt o com
um alarme visual ou sonoro.

75
Mecanismo de mudança de
posição (posit ion changing
mechanism)
Mecanismo usado para deslocar um disposit ivo
principal de uma posição para out ra em um
equipament o.
Mecanismo de ext ração de
disj unt or.
76
Relé de sobrecorrent e CC
(d-c overcurrent relay)
Relé que at ua quando a corrent e em um circuit o de
CC excede um valor predet erminado.

77
Transmissor de pulsos
(pulse t ransmit t er)
Disposit ivo para gerar e t ransmit ir pulsos at ravés de
um circuit o de t elemedição, ou a f io pilot o, para um
disposit ivo remot or de indicação ou de recepção.

78
Relé de medição de ângulo
de fase, ou de prot eção
cont ra falt a de sincronismo
(phase angle measuring,
or out -of -st ep prot ect ive
relay)
Relé que at ua para um ângulo de fase
predet erminado ent re duas t ensões ou ent re duas
corrent es, ou ent re t ensão e corrent e.

79
Relé de religament o CA
(a-c reclosing relay)
Relé que cont rola o religament o e o bloqueio
aut omát ico de um disj unt or de CA.










WEG – Transformando Energia em Soluções
280
Módulo 4 – Geração de Energia
80 Relé de fluxo
Chave que at ua a um valor ou uma t axa de variação
de fluxo predet erminados
Disposit ivo de prot eção de
fluxo de óleo ut ilizado em
comut ador sob carga
81
Relé de freqüência
(frequency relay)
Disposit ivo que opera quando a frequência (ou sua
t axa de variação) est á fora de limit es det erminados.

82
Relé de religament o CC
(d-c reclosing relay)
Disposit ivo que cont rola o fechament o e religament o
aut omát ico de um disj unt or de CC, geralment e em
respost a às condições de carga do circuit o.

83
Relé de cont role selet ivo
ou de t ransferência
aut omát ica (aut omat ic
select ive cont rol, or t ranfer
relay)
Disposit ivo que opera para selecionar
aut omat icament e uma dent re várias font es ou
condições em um equipament o e permit e realizar
uma operação de t ransferência.
Relé de t ransferência para
font es de serviços auxiliares.
84
Mecanismo de
acionament o (operat i ng
mechanism)
Mecanismo ou servomecanismo elét rico complet o,
inclusive o mot or de acionament o, solenóides,
chaves de posição, et c., para um comut ador de
derivação, regulador de t ensão por indução ou
qualquer component e similar de equipament o, que
não t enha número de função.

85
Relé recept or de onda
port adora ou fio-pilot o
(carrier, or pilot -wire,
receiver relay)
Disposit ivo cuj a at uação é liberada ou bloqueada por
um sinal t ransmit ido por uma onda port adora ou fio
pilot o de CC.

86
Relé de bloqueio de
operação (locking-out
relay)
Disposit ivo operado elet ricament e, usado para
desligar e mant er inoperant e disposit ivos e
equipamet os.

87
Relé de prot eção
diferencial (different ial
prot ect ive relay)
Disposit ivo de prot eção que at ua por diferença
percent ual ent re duas ou mais grandezas elét ricas.

88
Mot or auxiliar ou mot or
gerador (auxiliary mot or,
ou mot or generat or)
Disposit ivo usado para acionar equipament os
auxiliares, t ais como bombas, vent iladores,
excit at rizes, amplificadores magnét icos, rot at ivos,
et c.

89
Seccionadora com
acionament o elét rico (line
swit ch)
Disposit ivos usado como seccionador, int errupt or de
carga, ou chave de isolação em um circuit o de
pot ência de CA ou CC.
Seccionadora com t rava
magnét ica
90
Disposit ivo de regulação
(regulat ing device)
Disposit ivo que opera para regular uma ou mais
grandezas, t ais como t ensão, corrent e, pot ência,
velocidade, frequência, t emperat ura e carga em
máquinas, linhas de int erligação ou out ros
equipament os.
Regulador de t esão
91
Relé direcional de t ensão
(volt age direct ional relay)
Disposit ivo que at ua quando a t ensão at ravés de um
disj unt or ou cont at or abert os excede um valor
predet erminado em um dado sent ido.

92
Relé direcional de t ensão e
pot ência (volt age and
power direct ional relay)
Disposit ivo que permit e ou causa a ligação de dois
circut ios, quando a diferença de t ensão ent re eles
excede um valor predet erminado em um dado
sent ido, e causa desligament o dest es dois circuit os
quando o f luxo de pot ência ent re eles excede um
valor predet erminado no sent i do opost o.

93
Cont act or de variação de
campo (field changing
cont act or)
Disposit ivo que opera para aument ar ou reduzir, de
um passo, o valor da excit ação do campo de uma
máquina.

94
Relé de desligament o, ou
de disparo livre (t ripping,
or trip-free, rel ay)
Relé que at ua para abrir um disj unt or, cont at or, ou
equipament o, ou para permit ir abert ura imediat a por
out ros disposit ivos, ou para impedir o religament o
imediat o de uma chave caso ela deva abrir
aut omat icament e.

95...99
Usados para aplicações
específicas, não cobert os
pelos números ant eriores







WEG – Transformando Energia em Soluções
281
Módulo 4 – Geração de Energia
Com a nomenclatura acima descrita, pode-se utilizar a norma NT-202 da CPFL como
exemplo de relés exigidos na ligação de autoprodutores em paralelo com o sistema de
distribuição.

No diagrama acima, verifica-se a localização de cada relé e sua função, conforme
descrito na tabela abaixo:






WEG – Transformando Energia em Soluções
282
Módulo 4 – Geração de Energia
N
o
ANSI Função Descr i ção / Apl i cação
27 A Subt ensão I nst ant âneo
Bloquear o fechament o do disj unt or, enquant o houver
t ensão na rede ou linha de int erligação.
50 / 51 (A)
Sobrecorrent e monofásico inst ant âneo
/ t emporizado
Disparar o disj unt or, quando da ocorrência de falt as
localizadas na rede/ linha de int erligação
50/ 51 N (A)
Sobrecorrent e monofásico inst ant âneo
/ t emporizado de Fase e de Neut ro
Disparar o disj unt or, quando da ocorrência de f alt as
localizadas na rede/ linha de int erligação
27 B Subt ensão I nst ant âneo
Abrir e bloquear o fechament o do disj unt or, quando da
falt a de t ensão
81 B Subfrequência Abert ura do disj unt or B.
25 Sincronismo
Verificar se no pont o de int erligação da inst alação do
consumidor, os parâmet ros de freqüência e ângulo de
fase de t ensão est ão dent ro dos limit es desej ados para
permit ir o paralelismo
32 B Direcional de Pot ência
Abert ura do disj unt or, quando fluir pot ência do
consumidor aut oprodut or para a rede da concessio nária.
50 / 51 (B)
Sobrecorrent e monofásico,
I nst ant âneo

50/ 51 N (B)
Sobrecorrent e monofásico,
I nst ant âneo e t emporizado de Fase e
de Neut ro
Abert ura do disj unt or, quando da ocorrência de falt as
localizadas na rede / linha de int erligação
67 B Sobrecorrent e Direcional I nst ant âneo
Abert ura do disj unt or B, para falt as localizadas na rede
da concessionária com cont ribuição do consumidor.
21 A Relé de dist ância
62
Relé de int errupção ou abert ura
t emporizada

51 GS Relé Est át ico de Terra
Complement a a prot eção para falt as à t erra no
aliment ador que faz o paralelismo .

Os relés exigidos pelas concessionárias (no exemplo, a CPFL) dependem de cada tipo
de autoprodutor. Por exemplo, cita-se os relés exigidos para o autoprodutor com venda de
excedente e produtor independente de energia:

• Relé de subtensão (função 27);
• Relé de sobretensão de neutro (função 59 N);
• Relé direcional de sobrecorrente (função 67) que deverá atuar para defeitos na rede
da CPFL;
• Relé de sobrecorrente de fase e neutro, instantâneos e temporizados (função 50/51 e
50/51 N) que deverão atuar para defeitos internos ao autoprodutor;
• Relé de sobretensão (função 59);
• Relé de subfrequência (função 81), que poderá ser o mesmo dos geradores;
• Relé direcional de potência (função 32).

Cada concessionária tem sua norma característica, com suas exigências e atribuições, na
qual são citadas as condições e os equipamentos mínimos exigidos que visam a qualidade de
suprimento de energia elétrica, a proteção e a operação do sistema da concessionária. É
importante ressaltar aqui que, para o sistema elétrico de um autoprodutor, faz-se necessária toda
a proteção de sua instalação (gerador(es), linha, etc.), de forma a garantir a segurança da
operação em paralelo com a concessionária. (maiores detalhes, consultar a norma da respectiva
concessionária).






WEG – Transformando Energia em Soluções
283
Módulo 4 – Geração de Energia
6.2.3 PROJETO ELÉTRICO

A autorização para exploração de um recurso, seja ele natural ou aproveitamento (como
casca de arroz ou bagaço de cana-de-açúcar) para a autoprodução fica condicionada à
apresentação de um projeto para a concessionária a qual pretende-se ter um processo de geração
em paralelo (para hidrelétricas, acompanhado, no mínimo, do protocolo do órgão gestor do Meio
Ambiente, que comprove o início do processo dos licenciamentos pertinentes).
Estas documentações dependem de cada concessionária, sendo que citamos o exemplo
da CPFL:

“Documentos Necessários para a Análise da CPFL

Documentos para a análise prévia

Para a análise prévia deverão ser enviados à CPFL 3 cópias dos seguintes dados:
• Tipo de paralelismo, se com venda de excedente, sem venda de excedente ou
momentâneo.
• Diagrama unifilar simplificado do sistema que irá operar em paralelo, contendo:
- Potência dos geradores e respectivas impedâncias (x”d, x’d, xd, x2 e x0);
- Potência e impedância série dos transformadores, exceto os transformadores que
atenderão as cargas;
- Tipo de ligação dos transformadores e dos geradores;
- Sistema de aterramento dos transformadores e dos geradores, com os valores das
impedâncias de aterrametno;

• Limites de tensão que o autoprodutor poderá operar;
• Potência excedente a ser fornecida pelo autoprodutor, na ponta e fora da ponta, no
caso de autorprodutores com venda de excedentes ou PIE;
• Demanda suplementar de reserva;
• Curva diária de consumo e geração de energia elétrica;
• Período do paralelismo, se for autoprodutor com sazonalidade;
• Demanda requerida na entresafra ou assegurada.

Documentos para análise definitiva

Além dos documentos exigidos pela NT-113, uma cópia dos seguintes documentos
deverá ser enviada à CPFL, após a análise prévia:
• Diagrama unifilar detalhado, incluindo os equipamentos de proteção;
• Diagrama trifilar completo;
• Diagrama funcional de comando e diagrama de fiação dos equipamentos envolvidos
com o paralelismo;
• Memorial de cálculo para dimensionamento dos TCs e TPs;
• Catálogos e instruções de instalação e manutenção dos relés exigidos pela CPFL.”

Para maiores detalhes, consultar a norma específica da concessionária atuante.







WEG – Transformando Energia em Soluções
284
Módulo 4 – Geração de Energia
7 DIMENSIONAMENTO DE FIOS E CABOS DE BAIXA TENSÃO
7.1 OS SEIS CRITÉRIOS TÉCNICOS DE DIMENSIONAMENTO DE
CONDUTORES ELÉTRICOS

Chamamos de dimensionamento técnico de um circuito à aplicação dos diversos itens
da NBR 5410 relativos à escolha da seção de um condutor e do seu respectivo dispositivo de
proteção.
Os seis critérios da norma são:
• seção mínima; conforme 6.2.6;
• capacidade de condução de corrente; conforme 6.2.5;
• queda de tensão; conforme 6.2.7;
• sobrecarga; conforme 5.3.3;
• curto-circuito; conforme 5.3.4;
• contatos indiretos; conforme 5.1.3.

Para considerarmos um circuito completa e corretamente dimensionado, é necessário
realizar os seis cálculos acima, cada um resultando em uma seção e considerar como seção final
aquela que é a maior dentre todas as obtidas.
Especial atenção deve ser dispensada ao dimensionamento de condutores em circuitos
onde haja a presença de harmônicas. Esse assunto é abordado no item 6.2.6.4 da NBR
5410/1997.































WEG – Transformando Energia em Soluções
285
Módulo 4 – Geração de Energia
7.2 SEÇÃO DO CONDUTOR NEUTRO

Conforme 6.2.6.2 da NBR 5410/1997, o condutor neutro deve possuir, no mínimo, a
mesma seção que os condutores fase nos seguintes casos:

• em circuitos monofásicos e bifásicos;
• em circuitos trifásicos, quando a seção do condutor fase for igual ou inferior a 25
mm²;
• em circuitos trifásicos, quando for prevista a presença de harmônicas.

Conforme 6.2.6.3 da NBR 5410/1997, apenas nos circuitos trifásicos é admitida a
redução do condutor neutro nos seguintes casos:

• quando não for prevista a presença de harmônicas;
• quando a máxima corrente susceptível de percorrer o neutro seja inferior à
capacidade de condução de corrente correspondente à seção reduzida do condutor
neutro.

Os valores mínimos da seção do condutor neutro nestes casos estão indicados na tabela
16 a seguir.
































WEG – Transformando Energia em Soluções
286
Módulo 4 – Geração de Energia
7.3 O CONDUTOR DE PROTEÇÃO

A NBR 5410 / 1997 recomenda o uso de CONDUTORES DE PROTEÇÃO (designados
por PE), que, preferencialmente, deverão ser condutores isolados, cabos unipolares ou veias de
cabos multipolares.
A tabela 17 a seguir, indica a seção mínima do condutor de proteção em função da
seção dos condutores fase do circuito. Em alguns casos, admite-se o uso de um condutor com a
função dupla de neutro e condutor de proteção. É o condutor PEN (PE + N), cuja seção mínima é
de 10 mm², se for condutor isolado ou cabo unipolar, ou de 4 mm², se for uma veia de um cabo
multipolar.










































WEG – Transformando Energia em Soluções
287
Módulo 4 – Geração de Energia
7.4 CORES DOS CONDUTORES NEUTRO E DE PROTEÇÃO

A NBR 5410/1997 prevê no item 6.1.5.3 que os condutores de um circuito devam ser
identificados, porém deixa em aberto o modo de como fazer esta identificação. No caso de um
usuário desejar fazer a identificação por cores, então devem ser adotadas aquelas prescritas na
norma, a saber:
• Neutro (N) = azul-claro;
• Condutor de proteção (PE) = verde-amarelo ou verde;
• Condutor PEN = azul-claro com indicação verde-amarelo nos pontos visíveis.




















































WEG – Transformando Energia em Soluções
288
Módulo 4 – Geração de Energia
7.5 TABELAS

TABELA 1 - (*) MÉTODOS DE INSTALAÇÃO E DETERMINAÇÃO DAS COLUNAS

Condutor
isolado
Cabo
unipolar
Cabo
multipolar
Tipo de Linha Elétrica Método de Instalação (1)

F
i
o

P
i
r
a
s
t
i
c

E
c
o
f
l
a
m


C
a
b
o

P
i
r
a
s
t
i
c

E
c
o
f
l
a
m


C
a
b
o

P
i
r
a
s
t
i
c

E
c
o
p
l
u
s



C
a
b
o

S
i
n
t
e
n
a
x

F
l
e
x


C
a
b
o

S
i
n
t
e
n
a
x

E
c
o
n
a
x


C
a
b
o

E
p
r
o
t
e
n
a
x

F
l
e
x


C
a
b
o

E
p
r
o
t
e
n
a
x

E
c
o
f
i
x


C
a
b
o

V
o
l
t
a
l
e
n
e

E
c
o
l
e
n
e


C
a
b
o

A
f
u
m
e
x



C
a
b
o

S
i
n
t
e
n
a
x

F
l
e
x


C
a
b
o

S
i
n
t
e
n
a
x

E
c
o
n
a
x


C
a
b
o

E
p
r
o
t
e
n
a
x

F
l
e
x


C
a
b
o

E
p
r
o
t
e
n
a
x

E
c
o
f
i
x


C
a
b
o

V
o
l
t
a
l
e
n
e

E
c
o
l
e
n
e


C
a
b
o

A
f
u
m
e
x


Afastado da Parede ou suspenso por cabo de suporte (2) 15/17 - F E
Bandejas não perfuradas ou prateleiras 12 - C C
Bandejas perfuradas (horizontal ou vertical) 13 - F E
Canaleta fechada no piso, solo ou parede 33/34/72/72A/75/75A B1 B1 B2
Canaleta ventilada no piso ou solo 43 - B1 B1
Diretamente em espaço de construção - 1,5De ≤ V≤ 5De (4) 21 - B2 B2
Diretamente em espaço de construção - 5De ≤ V ≤ 50De (4) 21 - B1 B1
Diretamente enterrado 62/63 - D D
Eletrocalha 31/31A/32/32A/35/36 B1 B1 B2
Eletroduto aparente 3/4/5/6 B1 B1 B2
Eletroduto de seção não circular embutido em alvenaria 27 - B2 B2
Eletroduto de seção não circular embutido em alvenaria
1,5De ≤ V≤ 5De (4)
26 B2 - -
Eletroduto de seção não circular embutido em alvenaria
5De ≤ V ≤ 50De (4)
26 B1 - -
Eletroduto em canaleta fechada - 1,5De ≤ V ≤ 20De (4) 41 B2 B2 -
Eletroduto em canaleta fechada - V ³ 20De (4) 41 B1 B1 -
Eletroduto em canaleta ventilada no piso ou solo 42 B1 - -
Eletroduto em espaço de construção 23/25 - B2 B2
Eletroduto em espaço de construção - 1,5De ≤ V ≤ 20De (4) 22/24 B2 - -
Eletroduto em espaço de construção - V ³ 20De (4) 22/24 B1 - -
Eletroduto embutido em alvenaria 7/8 B1 B1 B2
Eletroduto embutido em caixilho de porta ou janela 73/74 A1 - -
Eletroduto embutido em parede isolante 1/2 A1 A1 A1
Eletroduto enterrado no solo ou canaleta não ventilada no
solo
61/61A - D D
Embutimento direto em alvenaria 52/53 - C C
Embutimento di reto em caixilho de porta ou janela 73/74 - A1 A1
Embutimento direto em parede isolante 51 - - A1
Fixação direta à parede ou teto (3) 11/11A/11B - C C
Forro falso ou piso elevado - 1,5De ≤ V ≤ 5De (4) 28 - B2 B2
Forro falso ou piso elevado - 5De ≤ V≤ 50De (4) 28 - B1 B1
Leitos, suportes horizontais ou telas 14/16 - F E
Moldura 71 A1 A1 -
Sobre isoladores 18 G - -

(1) método de instalação conforme a tabela 28 da NBR 5410/1997
(2) distância entre o cabo e a parede ≥ 0,3 diâmetro externo do cabo
(3) distânci a entre o cabo e a parede < 0,3 diâmetro externo d o cabo
(4) V = altura do espaço de construção ou da canaleta / De = diâmetro externo do cabo
(*) Os locais da tabela assinalados por
(-) significam que os cabos correspondentes não podem, de acordo com a NBR 5410/1997, serem instalados
da maneira especificada ou então trata -se de uma maneira de instalar não usual para o tipo de cabo
escolhido.










WEG – Transformando Energia em Soluções
289
Módulo 4 – Geração de Energia
TABELA 2 - (*) CAPACIDADES DE CONDUÇÃO DE CORRENTE, EM AMPÈRES,
PARA OS MÉTODOS DE REFERÊNCIA A1, A2, B1, B2, C e D DA TABELA 1
FIOS E CABOS ISOLADOS EM TERMOPLÁSTICO, CONDUTOR DE COBRE.

• Fio Pirastic Ecoflam, Cabo Pirastic Ecoflam, Cabo Flexível Pirastic Ecoplus, Cabo Sintenax Econax e Cabo
Sintenax Flex;
• 2 e 3 condutores carregados;
• Temperatura do condutor: 70 ºC;
• Temperaturas: 30 ºC (ambiente) e 20 ºC (solo).


Sessões em
mm
2

MÉTODOS DE INSTALAÇÃO DEFINIDOS NA TABELA 1
2

c
o
n
d
u
t
o
r
e
s

c
a
r
r
e
g
a
d
o
s

3

c
o
n
d
u
t
o
r
e
s

c
a
r
r
e
g
a
d
o
s

2

c
o
n
d
u
t
o
r
e
s

c
a
r
r
e
g
a
d
o
s

3

c
o
n
d
u
t
o
r
e
s

c
a
r
r
e
g
a
d
o
s

2

c
o
n
d
u
t
o
r
e
s

c
a
r
r
e
g
a
d
o
s

3

c
o
n
d
u
t
o
r
e
s

c
a
r
r
e
g
a
d
o
s

2

c
o
n
d
u
t
o
r
e
s

c
a
r
r
e
g
a
d
o
s

3

c
o
n
d
u
t
o
r
e
s

c
a
r
r
e
g
a
d
o
s

2

c
o
n
d
u
t
o
r
e
s

c
a
r
r
e
g
a
d
o
s

3

c
o
n
d
u
t
o
r
e
s

c
a
r
r
e
g
a
d
o
s

2

c
o
n
d
u
t
o
r
e
s

c
a
r
r
e
g
a
d
o
s

3

c
o
n
d
u
t
o
r
e
s

c
a
r
r
e
g
a
d
o
s

(1) (2) (3) (4) (5) (6) (7) (8) (9) (10) (11) (12) (13)
0,5 7 7 7 7 9 8 9 8 10 9 12 10
0,75 9 9 9 9 11 10 11 10 13 11 15 12
1 11 10 11 10 14 12 13 12 15 14 18 15
1,5 14,5 13,5 14 13 17,5 15,5 16,5 15 19,5 17,5 22 18
2,5 19,5 18 18,5 17,5 24 21 23 20 27 24 29 24
4 26 24 25 23 32 28 30 27 36 32 38 31
6 34 31 32 29 41 36 38 34 46 41 47 39
10 46 42 43 39 57 50 52 46 63 57 63 52
16 61 56 57 52 76 68 69 62 85 76 81 67
25 80 73 75 68 101 89 90 80 112 96 104 86
35 99 89 92 83 125 110 111 99 138 119 125 103
50 119 108 110 99 151 134 133 118 168 144 148 122
70 151 136 139 125 192 171 168 149 213 184 183 151
95 182 164 167 150 232 207 201 179 258 223 216 179
120 210 188 192 172 269 239 232 206 299 259 246 203
150 240 216 219 19 309 275 265 236 344 299 278 230
185 273 245 248 223 353 314 300 268 392 341 312 258
240 321 286 291 261 415 370 351 313 461 403 361 297
300 367 328 334 298 477 426 401 358 530 464 408 336
400 438 390 398 355 571 510 477 425 634 557 478 394
500 502 447 456 406 656 587 545 486 729 642 540 445
630 578 514 526 467 758 678 626 559 843 743 614 506
800 669 593 609 540 881 788 723 645 978 865 700 577
1000 767 679 698 618 1012 906 827 738 1125 996 792 652

(*) De acordo com a tabela 31 da NBR 5410/1997.



















WEG – Transformando Energia em Soluções
290
Módulo 4 – Geração de Energia
TABELA 3 - (*) CAPACIDADES DE CONDUÇÃO DE CORRENTE, EM AMPÈRES,
PARA OS MÉTODOS DE REFERÊNCIA A1, A2, B1, B2, C e D DA TABELA 1
CABOS ISOLADOS EM TERMOFIXO, CONDUTOR DE COBRE.

• Cabos Voltalene Ecolene, Eprotenax Ecofix, Eprotenax Flex e Afumex;
• 2 e 3 condutores carregados;
• Temperatura do condutor: 90 ºC;
• Temperaturas: 30 ºC (ambiente) e 20 ºC (solo).

Seções
nominais
(mm²)
MÉTODOS DE INSTALAÇÃO DEFINIDOS NA TABELA 1
A1 A2 B1 B2 C D
2

c
o
n
d
u
t
o
r
e
s

c
a
r
r
e
g
a
d
o
s

3

c
o
n
d
u
t
o
r
e
s

c
a
r
r
e
g
a
d
o
s

2

c
o
n
d
u
t
o
r
e
s

c
a
r
r
e
g
a
d
o
s

3

c
o
n
d
u
t
o
r
e
s

c
a
r
r
e
g
a
d
o
s

2

c
o
n
d
u
t
o
r
e
s

c
a
r
r
e
g
a
d
o
s

3

c
o
n
d
u
t
o
r
e
s

c
a
r
r
e
g
a
d
o
s

2

c
o
n
d
u
t
o
r
e
s

c
a
r
r
e
g
a
d
o
s

3

c
o
n
d
u
t
o
r
e
s

c
a
r
r
e
g
a
d
o
s

2

c
o
n
d
u
t
o
r
e
s

c
a
r
r
e
g
a
d
o
s

3

c
o
n
d
u
t
o
r
e
s

c
a
r
r
e
g
a
d
o
s

2

c
o
n
d
u
t
o
r
e
s

c
a
r
r
e
g
a
d
o
s

3

c
o
n
d
u
t
o
r
e
s

c
a
r
r
e
g
a
d
o
s

(1) (2) (3) (4) (5) (6) (7) (8) (9) (10) (11) (12) (13)
0,5 10 9 10 9 12 10 11 10 12 11 14 12
0,75 12 11 12 11 15 13 15 13 16 14 18 15
1 15 13 14 13 18 16 17 15 19 14 18 15
1,5 19 17 18,5 16,5 23 20 22 19,5 24 22 26 22
2,5 26 23 25 22 31 28 30 26 33 30 34 29
4 35 31 33 30 42 37 40 35 45 40 44 37
6 45 40 42 38 54 48 51 44 58 52 56 46
10 61 54 57 51 75 66 69 60 90 71 73 61
16 81 73 76 68 100 88 91 80 107 96 95 79
25 106 95 99 89 133 117 119 105 138 119 121 101
35 131 117 121 109 164 144 146 128 171 147 146 122
50 158 141 145 130 198 175 175 154 209 179 173 144
70 200 179 183 164 253 222 221 194 269 229 213 178
95 241 216 220 197 306 269 265 233 328 278 252 211
120 278 249 253 227 354 312 305 268 382 322 287 240
150 318 285 290 259 407 358 349 307 441 371 324 271
185 362 324 329 295 464 408 395 348 506 424 363 304
240 424 380 386 346 546 481 462 407 599 500 419 351
300 486 435 442 396 628 553 529 465 693 576 474 396
400 579 519 527 472 751 661 628 552 835 692 555 464
500 664 595 604 541 864 760 718 631 966 797 627 525
630 765 685 696 623 998 879 825 725 1122 923 711 596
800 885 792 805 721 1158 1020 952 837 1311 1074 811 679
1000 1014 908 923 826 1332 1173 1088 957 1515 1237 916 767

(*) De acordo com a tabela 32 da NBR 5410/1997.


















WEG – Transformando Energia em Soluções
291
Módulo 4 – Geração de Energia
TABELA 4 - (*) CAPACIDADES DE CONDUÇÃO DE CORRENTE,
EM AMPÈRES, PARA OS MÉTODOS DE REFERÊNCIA E, F, G DA TABELA 1
FIOS E CABOS ISOLADOS EM TERMOPLÁSTICO, CONDUTOR DE COBRE.

• Fio Pirastic Ecoflam, Cabo Pirastic Ecoflam, Cabo Flexível Pirastic Ecoplus, Cabo Sintenax Econax e
Cabos Sintenax Flex;
• Temperatura no condutor: 70 ºC;
• Temperatura ambiente: 30 ºC.

MÉTODOS DE INSTALAÇÃO DEFINIDOS NA TABELA 1
Cabos multipolares Cabos unipolares ou condutores isolados
E E F F F G G
3 cabos unipolares ou 3 condutores isolados
Seções
nominais
(mm²)






Cabos
bipolares









Cabos
tripolares e
tetrapolares








2 condutores
isolados
ou 2 cabos
unipolares









Condutores
isolados ou
cabos unipolares
em trifólio

Comtíguos

Espaçados
horizontalmente

Espaçados
verticalmente

1 2 3 4 5 6 7 8
0,5 11 9 11 8 9 12 10
0,75 14 12 14 11 11 16 13
1 17 14 17 13 14 19 16
1,5 22 18,5 22 17 18 24 21
2,5 30 25 31 24 25 34 29
4 40 34 41 33 34 45 39
6 51 43 53 43 45 59 51
10 70 60 73 60 63 81 71
16 94 80 99 82 85 110 97
25 119 101 131 110 114 146 130
35 148 126 162 137 143 181 162
50 180 153 196 167 174 219 197
70 232 196 251 216 225 281 254
95 282 238 304 264 275 341 311
120 328 276 352 308 321 396 362
150 379 319 406 356 372 456 419
185 434 364 463 409 427 521 480
240 514 430 546 485 507 615 569
300 593 497 629 561 587 709 659
400 715 597 754 656 689 852 795
500 826 689 868 749 789 982 920
630 958 789 1005 855 905 1138 1070
800 1118 930 1169 971 1119 1325 1251
1000 1292 1073 1346 1079 1296 1528 1448

(*) De acordo com a tabela 33 da NBR 5410 / 1997















WEG – Transformando Energia em Soluções
292
Módulo 4 – Geração de Energia
TABELA 5 - (*) CAPACIDADES DE CONDUÇÃO DE CORRENTE,
EM AMPÈRES, PARA OS MÉTODOS DE REFERÊNCIA E, F, G DA TABELA 1
CABOS ISOLADOS EM TERMOFIXO, CONDUTOR DE COBRE

• Cabos Voltalene Ecolene, Eprotenax Ecofix, Eprotenax Flex e Afumex;
• Temperatura no condutor: 90 ºC;
• Temperatura ambiente: 30 ºC.

MÉTODOS DE INSTALAÇÃO DEFINIDOS NA TABELA 1
Cabos multipolares Cabos unipolares ou condutores isolados
E E F F F G G
3 cabos unipolares ou 3 condutores isolados
Seções
nominais
(mm²)









Cabos
bipolares










Cabos
tripolares e
tetrapolares










2 condutores
isolados
ou 2 cabos
unipolares










Condutores
isolados ou
cabos unipolares
em trifólio

Contíguos

Espaçados
horizontalmente

Espaçados
verticalmente

1 2 3 4 5 6 7 8
0,5 13 12 13 10 10 15 12
0,75 17 15 17 13 14 19 16
1 21 18 21 16 17 23 19
1,5 26 23 27 21 22 30 25
2,5 36 32 37 29 30 41 35
4 49 42 50 40 42 56 48
6 63 54 65 53 55 73 63
10 86 75 90 74 77 101 88
16 115 100 121 101 105 137 120
25 149 127 161 135 141 182 161
35 185 158 200 169 176 226 201
50 225 192 242 207 216 275 246
70 289 246 310 268 279 353 318
95 352 298 377 328 342 430 389
120 410 346 437 383 400 500 454
150 473 399 504 444 464 577 527
185 542 456 575 510 533 661 605
240 641 538 679 607 634 781 719
300 741 621 783 703 736 902 833
400 892 745 940 823 868 1085 1008
500 1030 859 1083 946 998 1253 1169
630 1196 995 1254 1088 1151 1454 1362
800 1396 1159 1460 1252 1328 1696 1595
1000 1613 1336 1683 1420 1511 1958 1849

(*) De acordo com a tabela 34 da NBR 5410 / 1997














WEG – Transformando Energia em Soluções
293
Módulo 4 – Geração de Energia
TABELA 6 - (*) FATORES DE CORREÇÃO PARA TEMPERATURAS AMBIENTES
DIFERENTES DE 30 ºC PARA LINHAS NÃO SUBTERRÂNEAS E DE 20 ºC
(TEMPERATURA DO SOLO PARA LINHAS SUBTERRÂNEAS).

ISOLAÇÃO
PVC EPR ou XLPE PVC EPR ou XLPE
Temperatura
(ºC)
Ambiente Do solo
10 1,22 1,15 1,10 1,07
15 1,17 1,12 1,05 1,04
20 1,12 1,08 1 1
25 1,06 1,04 0,95 0,96
30 1 1 0,89 0,93
35 0,94 0,96 0,84 0,89
40 0,87 0,91 0,77 0,85
45 0,79 0,87 0,71 0,80
50 0,71 0,82 0,63 0,76
55 0,61 0,76 0,55 0,71
60 0,50 0,71 0,45 0,65
65 - 0,65 - 0,60
70 - 0,58 - 0,53
75 - 0,50 - 0,46
80 - 0,41 - 0,38

(*) De acordo com a tabela 35 da NBR 5410/1997.




TABELA 7 - (*) FATORES DE CORREÇÃO PARA CABOS CONTIDOS EM ELETRODUTOS
ENTERRADOS NO SOLO, COM RESISTIVIDADES TÉRMICAS DIFERENTES DE 2,5 K.m/W, A
SEREM APLICADOS ÀS CAPACIDADES DE CONDUÇÃO DE CORRENTE DO MÉTODO DE
REFERÊNCIA D.

Resistividade Térmica (K.m/W) 1 1,5 2 3
Fator de correção 1,18 1,10 1,05 0,96

(*) De acordo com a tabela 36 da NBR 5410/1997.
























WEG – Transformando Energia em Soluções
294
Módulo 4 – Geração de Energia
TABELA 8 - (*) FATORES DE CORREÇÃO PARA AGRUPAMENTO DE CIRCUITOS
OU CABOS MULTIPOLARES

Número de círculos ou de cabos multipolares
Item
Disposição
dos cabos
justapostos
1 2 3 4 5 6 7 8 9 12 16 20
Tabela dos
métodos de
referência
1
Feixe de cabos
ao ar livre
ou sobre
superfície: cabos
em condutos
fechados
1,00 0,80 0,70 0,65 0,60 0,57 0,54 0,52 0,50 0,45 0,41 0,38
31 a 34
(métodos A a F)
2
Camada única
sobre parede,
piso ou em
bandeja não
perfurada
ou prateleira
1,00 0,85 0,79 0,75 0,73 0,72 0,72 0,71 0,70
3
Camada
única no teto
0,95 0,81 0,72 0,68 0,66 0,64 0,63 0,62 0,61
31 e 32
(método C)
4
Camada única
em bandeja
perfurada,
horizontal
ou vertical
(nota G)
1,00 0,88 0,82 0,77 0,75 0,73 0,73 0,72 0,72
5
Camada única
em leito, suporte
(nota G)
1,00 0,87 0,82 0,80 0,80 0,79 0,79 0,78 0,78
Nenhum fator
de redução
adicional para
mais de 9
circuítos ou
cabos multipolares
33 e 34
(métodos E e F)

(*) De acordo com a tabel a 37 da NBR 5410/1997.

Notas:

a) Esses fatores são aplicáveis a grupos de cabos, uniformemente carregados.
b) Quando a distância horizontal entre os cabos adjacentes for superior ao seu diâmetro externo, não é
necessário aplicar nenhum fator de redução.
c) Os mesmos fatores de correção são aplicáveis a:

• grupos de 2 ou 3 condutores isolados ou cabos unipolares;
• cabos multipolares.

d) Se um agrupamento é constituído tanto de cabos bipolares como de cabos tripolares, o número total de
cabos é tomado igual ao númer o de circuítos e o fator de correção correspondente é aplicado às
tabelas de 3 condutores carregados para cabos tripolares.
e) Se um agrupamento consiste de N condutores isolados ou cabos unipolares pode -se considerar tanto
N/2 circuitos com 2 condutores carr egados como N/3 circuitos com 3 condutores carregados.
f) Os valores indicados são médios para a faixa usual de seções nominais, com precisão de +/ - 5%.
g) Os fatores de correção dos itens 4 e 5 são genéricos e podem não atender a situações especificadas.
Nesses casos, deve -se recorrer às tabelas 12 e 13.














WEG – Transformando Energia em Soluções
295
Módulo 4 – Geração de Energia
TABELA 9 - (*) FATORES DE AGRUPAMENTO PARA MAIS DE UM CIRCUITO CABOS
UNIPOLARES OU CABOS MULTIPOLARES DIRETAMENTE ENTERRADOS
(MÉTODO DE REFERÊNCIA D, DA TABELA 1)

DISTÂNCIA ENTRE OS CABOS (a)
Número de
circuitos Nula
1 diâmetro
de cabo
0,125m 0,25m 0,5m
2 0,75 0,80 0,85 0,90 0,90
3 0,65 0,70 0,75 0,80 0,85
4 0,60 0,60 0,70 0,75 0,80
5 0,55 0,55 0,65 0,70 0,80
6 0,50 0,55 0,60 0,70 0,80

(*) De acordo com a tabela 38 da NBR 5410/1997 .












TABELA 10 - MULTIPLICADORES A UTILIZAR PARA A OBT ENÇÃO DOS FATORES DE
AGRUPAMENTO APLICÁVEIS A CIRCUITOS TRIFÁSICOS OU CABOS MULTIPOLARES, AO AR
LIVRE, CABOS CONTÍGUOS, EM VÁRIAS CAMADAS HORIZONTAIS, EM BANDEJAS,
PRATELEIRAS E SUPORTES HORIZ ONTAIS
(MÉTODOS DE REFERÊNCIA C, E, F NAS TABELAS 2, 3, 4 e 5)


Número de circuitos trifásicos ou de cabos multipolares
(cabos unipolares ou cabos multipolar es contíguos em uma camada)
2 3 4 ou 5 6 a 8 9 e mais
Disposição num plano horizontal 0,85 0,78 0,75 0,72 0,70
Disposição num plano vertical 0,80 0,73 0,70 0,68 0,66

Nota:

a) Os fatores são obtidos multiplicando os valores referentes à disposição num plano
horizontal pelos referentes à disposição num plano vertical, que corresponde ao
número de camadas.















WEG – Transformando Energia em Soluções
296
Módulo 4 – Geração de Energia

TABELA 11 - (*) FATORES DE AGRUPAMENTO PARA MAIS DE UM CIRCUITO
CABOS EM ELETRODUTOS DIRETAMENTE ENTERRADOS.
(MÉTODO DE REFERÊNCIA D NAS TABELAS 2 E 3)

a) Cabos multipolares em eletrodutos - 1 cabos por eletroduto

ESPAÇAMENTO ENTRE DUTOS (a) Número de
circuitos Nulo 0,25m 0,5m 1,0m
2 0,85 0,90 0,95 0,95
3 0,75 0,85 0,90 0,95
4 0,70 0,80 0,85 0,90
5 0,65 0,80 0,85 0,90
6 0,60 0,80 0,80 0,80



b) Cabos unipolares em eletrodutos - 1 cabos por eletroduto (**)

ESPAÇAMENTO ENTRE DUTOS (a) Número de
circuitos Nulo 0,25m 0,5m 1,0m
2 0,80 0,90 0,90 0,90
3 0,70 0,80 0,85 0,90
4 0,65 0,75 0,80 0,90
5 0,60 0,70 0,80 0,90
6 0,60 0,70 0,80 0,90

(*) De acordo com a tabela 39 da NBR 5410/1997.
(**) Somente deve ser instalado 1 cabo unipolar por eletroduto, no caso deste ser em material não -magnético.



















WEG – Transformando Energia em Soluções
297
Módulo 4 – Geração de Energia
TABELA 12 - (*) FATORES DE CORREÇÃO PARA AGRUPAMENTO DE MAIS DE UM CABO
MULTIPOLAR AO AR LIVRE (MÉTODO DE REFERÊNCIA E NAS TABELAS 4 E 5)

Número de cabos
Métodos de instalação da tabela 1
Número de
bandejas ou
leitos
1 2 3 4 6 9
1 1,00 0,88 0,82 0,79 0,76 0,73
2 1,00 0,87 0,80 0,77 0,73 0,68






Contíguos
3 1,00 0,86 0,79 0,76 0,71 0,66
1 1,00 1,00 0,98 0,95 0,91 -
2 1,00 0,99 0,96 0,92 0,87 -
Bandejas
horizontais
perfuradas
(nota C)
13






Espaçados
3 1,00 0,98 0,95 0,91 0,85 -
1 1,00 0,88 0,82 0.78 0,73 0,72






Contíguos
2 1,00 0,88 0,81 0,76 0,71 0,70
1 1,00 0,91 0,89 0,88 0,87 -
Bandejas
verticais
perfuradas
(nota D)
13






Espaçados
2 1,00 0,91 0,88 0,87 0,85 -
1 1,00 0,87 0,82 0,80 0,79 0,78
2 1,00 0,86 0,80 0,78 0,76 0,73







Contíguos
3 1,00 0,85 0,79 0,76 0,73 0,70
1 1,00 1,00 1,00 1,00 1,00 -
2 1,00 0,99 0,98 0,97 0,96 -
Leitos,
suportes
horizontais,
etc.
(nota C)
14
15
16







Espaçados
3 1,00 0,98 0,97 0,96 0,93 -

(*) De acordo com a tabela 40 da NBR 5410/1997.
Notas:
a) Os valores indicados são médi os para os tipos de cabos e a faixa de seções das tabelas 4 e 5.
b) Os fatores são apli cáveis a cabos agrupados em uma única camada, como mostrado acima, e não se
aplicam a cabos dispostos em mais de uma camada.
c) Os valores para tais disposições podem ser sensivelmente inferiores e devem ser determinados por um
método adequado; pode ser utili zada a tabela 10.
d) Os valores são indicados para uma distância vertical entre bandejas ou leitos de 300mm. Para
distâncias menores, os fatores devem ser reduzidos.
e) Os valores são indicados para uma distância horizontal entre bandejas de 225mm, estando estas
montadas fundo a fundo. Para espaçamentos inferiores, os fatores devem ser reduzidos.







WEG – Transformando Energia em Soluções
298
Módulo 4 – Geração de Energia
TABELA 13 - (*) FATORES DE CORREÇÃO PARA O AGRUPAMENTO DE CIRCUITOS
CONSTITUÍDOS POR CABOS UNIPOLARES AO AR LIVRE
(MÉTODO DE REFERÊNCIA F NAS TABELAS 4 E 5)

Número de circuitos
trifásicos (nota E) Método de instalação da tabela 1
Número de
bandejas ou
leitos 1 2 3
Utilizar como
multiplicador para
a coluna:
1 0,98 0,91 0,87
2 0,96 0,87 0,81
Bandejas
horizontais
perfuradas
(nota C)
13





Contíguos
3 0,95 0,85 0,78
6
1 0,95 0,86 - Bandejas
verticais
perfuradas
(nota D)
13






Contíguos
2 0,96 0,84 -
6
1 1,00 0,97 0,96
2 0,98 0,93 0,89
Leitos,
suportes
horizontais,
etc,
(nota C)
14
15
16






Contíguos
3 0,97 0,90 0,86
6
1 1,00 0,98 0,96
2 0,97 0,93 0.89
Bandejas
horizontais
perfuradas
(nota C)
13





Espaçados
3 0,96 0,92 0,86
1 1,00 0,91 0,89
Bandejas
verticais
perfuradas
(nota D)
13






Espaçados

2 1,00 0,90 0,86
1 1,00 1,00 1,00
2 0,97 0,95 0,93
Leitos,
suportes
horizontais,
etc.
(nota C)
14
15
16






Espaçados
3 0,96 0,94 0,90
5

(*) De acordo com a tabela 41 da NBR 5410/1997.
Notas:
a) Os valores indicados são médios para os tipos de cabos e a faixa de seções das tabelas 4 e 5.
b) Os fatores são aplicáveis a cabos agrupados em uma única camada, como mos trado acima, e não se aplicam
a cabos dispostos em mais de uma camada.
c) Os valores para tais disposições podem ser sensivelmente inferiores e devem ser determinados por um
método adequado; pode ser utilizada a tabela 10.
d) Os valores são indicados para uma di stância vertical entre bandejas ou leitos de 300mm. Para distâncias
menores, os fatores devem ser reduzidos.
e) Os valores são indicados para uma distância horizontal entre bandejas de 225mm, estando estas montadas
fundo a fundo. Para espaçamentos inferiores, os fatores devem ser reduzidos.
f) Para circuitos contendo vários cabos em paralelo por fase, cada grupo de três condutores deve ser
considerado como um circuito para a aplicação desta tabela.







WEG – Transformando Energia em Soluções
299
Módulo 4 – Geração de Energia
7.5.1 GRUPOS CONTENDO CABOS DE DIMENSÕES DIFERENTES

a) Os fatores de correção tabelados (tabela 8 a 13) são aplicáveis a grupos de cabos
semelhantes, igualmente carregados. O cálculo dos fatores de correção para grupos contendo
condutores isolados ou cabos unipolares ou multipolares de diferentes seções nominais,
depende da quantidade de condutores ou cabos e da faixa de seções. Tais fatores não podem
ser tabelados e devem ser calculados caso a caso, utilizando, por exemplo, a NBR 11301.

Nota:
• São considerados cabos semelhantes aqueles cujas capacidades de condução de
corrente baseiam-se na mesma temperatura máxima para serviço contínuo e cujas
seções nominais estão contidas no intervalo de 3 seções normalizadas secessivas.

b) No caso de condutores isolados, cabos unipolares ou cabos multipolares de dimensões
diferentes em condutos fechados ou em bandejas, leitos, prateleiras ou suportes, caso não
seja viável um cálculo mais específico, deve-se utilizar a expressão:

n
F
1
=
Onde:
F = fator de correção;
n = número de circuitos ou de cabos multipolares.

Notas:
• A expressão dada está a favor da segurança e reduz os perigos de sobrecarga sobre os
cabos de menor seção nominal.
• Pode, no entanto, resultar no superdimensionamento dos cabos de seções mais
elevadas.

























WEG – Transformando Energia em Soluções
300
Módulo 4 – Geração de Energia
TABELA 14 - (*) FATORES DE CORREÇÃO APLICÁVEIS A CIRCUITOS TRIFÁSICOS A 4
CONDUTORES ONDE É PREVISTA A PRESENÇA
DE CORRENTES HARMÔNICAS DE 3ª ORD EM

Fator de correção Porcentagem de
3ª harmônica na corrente
de fase (%)
Escolha da seção com base
na corrente de fase
Escolha da seção com base
na corrente de neutro
0 - 15 1,00 -
15 - 33 0,86 -
33 - 45 - 0,86
> 45 - 1,00

(*) De acordo com a tabela 45 da NBR 5410/1997.

Notas:

a) A tabela foi originalmente obtida para cabos tetrapolares e pentapolares, mas podem, em princípio, ser
utilizada para circuitos com cabos unipolares ou condutores isolados.
b) A corrente (I) a ser utilizada para a d eterminação da seção dos 4 condutores do circuito, utilizando as
tabelas 2,3 ou 5 (colunas de 3 condutores carregados), é obtida pelas expressões:

• escolha pela corrente de fase:
f
I
I
B
=
• escolha pela corrente de neutro:
100
3
1
× × × =
p
I
f
I
B

Onde:
I
B
= corrente de projeto do circuito;
p = porcentagem da harmônica da 3ª ordem (tabela 14);
f = fator de correção (tabela 14).


TABELA 15 - (*) SEÇÔES MÍNIMAS DOS CONDUTORES ISOLADOS.

Tipo de instalação Utilização do circuito
Seção mínima do
condutor isolado (mm²)
Circuitos de iluminação 1,5
Circuitos de força (incluem tomada) 2,5 Instalações fixas em geral
Circuitos de sinalização e circuitos de controle 0,5
Para um equipamento específico
Como especificado na norma do
equipamento
Para qualquer outra aplicação 0,75
Ligações flexíveis
Circuitos a extrabaixa tensão para aplicações especiais 0,75

(*) De acordo com a tabela 43 da NBR 5410/19 97.















WEG – Transformando Energia em Soluções
301
Módulo 4 – Geração de Energia
TABELA 16 - (*) SEÇÃO DO CONDUTOR NEUTRO

Seção dos
condutores fase
(mm²)
Seção mínima do
condutor neutro
(mm²)
S < 25 S
35 25
50 25
70 35
95 50
120 70
150 70
185 95
240 120
300 150
400 240
500 240
630 400
800 400
1000 500

(*) De acordo com a tabela 44 da NBR 5410/1997.

Obs.: ver restrições à redução da seção do condutor neutro na NBR 5410/1997.


TABELA 17 - (*) SEÇÕES MÍNIMAS DOS CONDUTORES DE PROTEÇÃO

Seção do
condutor fase
(mm²)
Seção do condutor
de proteção
(mm²)
1,5 1,5 (mínima)
2,5 2,5
4 4
6 6
10 10
16 16
25 16
35 16
50 25
70 35
95 50
120 70
150 95
185 95
240 120
300 150
400 240
500 240
630 400
800 400
1000 500

(*) De acordo com a tabela 53 da NBR 5410/1997.













WEG – Transformando Energia em Soluções
302
Módulo 4 – Geração de Energia
TABELA 18 - (*) LIMITES DE QUEDA DE TENSÃO

Instalações Iluminação Outros usos
A
Instalações alimentadas diretamente por um ramal de baixa tensão,
a partir de uma rede de distribuição públi ca de baixa tensão.
4% 4%
B
Instalações alimentadas diretamente por subestação de transformação
ou transfomador, a partir de uma instalação de alta tensão.
7% 7%
C
Instalações que possuam fonte própria.

7% 7%

(*) De acordo com a tabela 46 da NBR 5410/1997.
Nota:
a) Nos casos B e C, as quedas de tensões nos circuitos terminais não devem ser superiores aos valores
indicados em A.
b) Nos casos B e C, quando as linhas t iverem um comprimento superior a 100m, as quedas de tensão podem
ser aumentadas de 0,005% por metro de linha superior a 100m, sem que, no entanto, essa suplementação
seja superior a 0,5%.


TABELA 19 - QUEDA DE TENSÃO EM V/A. k m
FIO PIRASTIC ECOFLAM, CABO PIRASTIC ECOFLAM E CABO FLEXÍVEL
PIRASTIC ECOPLUS

Eletroduto e eletrocalha(A)
(material magnético)
Eletroduto e eletrocalha(A) (material não-magnético)
Pirastic Ecoflam,
Pirastic Ecoplus
Pirastic Ecoflam e Pirastic Ecoplus
Circuito monofásico
e trifásico
Circuito monofásico Circuito trifásico
Seção
nominal
(mm²)
FP = 0,8 FP = 0,95 FP = 0,8 FP = 0,95 FP = 0,8 FP = 0,95
1,5 23 27,4 23,3 27,6 20,2 23,9
2,5 14 16,8 14,3 16,9 12,4 14,7
4 9,0 10,5 8,96 10,6 7,79 9,15
6 5,87 7,00 6,03 7,07 5,25 6,14
10 3,54 4,20 3,63 4,23 3,17 3,67
16 2,27 2,70 2,32 2,68 2,03 2,33
25 1,50 1,72 1,51 1,71 1,33 1,49
35 1,12 1,25 1,12 1,25 0.98 1,09
50 0,86 0,95 0,85 0,94 0,76 0,82
70 0,64 0,67 0,62 0,67 0,55 0,59
95 0,50 0,51 0,48 0,50 0,43 0,44
120 0,42 0,42 0,40 0,41 0,36 0,36
150 0,37 0,35 0,35 0,34 0,31 0,30
185 0,32 0,30 0,30 0,29 0,27 0,25
240 0,29 0,25 0,26 0,24 0,23 0,21
300 0,27 0,22 0,23 0,20 0,21 0,18
400 0,24 0,20 0,21 0,17 0,19 0,15
500 0,23 0,19 0,19 0,16 0,17 0,14

Notas:
a) As dimensões do eletroduto e da eletrocalha adotadas são tais que a área dos cabos não ultrapassa 40%
da área interna dos mesmos;
b) Os valores da tabela admitem uma temperatura no condutor de 70 ºC.












WEG – Transformando Energia em Soluções
303
Módulo 4 – Geração de Energia
TABELA 20 - QUEDA DE TENSÃO EM V/A. km
CABOS SINTENAX ECONAX, SINTENAX FLEX E VOLTALENE ECO LENE

INSTALAÇÃO AO AR LIVRE (C)
CABOS SINTENAX ECONAX, SINTENAX FLEX E VOLTALENE ECOLENE
Cabos unipolares (D)
Cabos uni
e bipolares
Cabos tri e
tetrapolares
Circuito monofásico




Circuito trifásico
S = 10 cm S = 20 cm S = 2D S = 10 cm S = 20 cm S = 2D



Circuito
trifásico(B)




Circuito
monofásico
(B)



Circuito
trifásico
Seção
nominal
(mm²)
FP=0,8 FP=0,95 FP=0,8 FP=0,95 FP=0,8 FP=0,95 FP=0,8 FP=0,95 FP=0,8 FP=0,95 FP=0,8 FP=0,95 FP=0,8 FP=0,95 FP=0,8 FP=0,95 FP=0,8 FP=0,95
1,5 23,6 27,8 23,7 27,8 23,4 27,6 20,5 24,0 20,5 24,1 20,3 24,0 20,2 23,9 23,3 27,6 20,2 23,9
2,5 14,6 17,1 14,7 17,1 14,4 17,0 12,7 14,8 12,7 14,8 12,5 14,7 12,4 14,7 14,3 16,9 12,4 14,7
4 9,3 10,7 9,3 10,7 9,1 10,6 8,0 9,3 8,1 9,3 7,9 9,2 7,8 9,2 9,0 10,6 7,8 9,1
6 6,3 7,2 6,4 7,2 6,1 7,1 5,5 6,3 5,5 6,3 5,3 6,2 5,2 6,1 6,0 7,1 5,2 9,1
10 3,9 4,4 3,9 4,4 3,7 4,3 3,4 3,8 3,4 3,8 3,2 3,7 3,2 3,7 3,6 4,2 3,1 3,7
16 2,6 2,8 2,6 2,8 2,4 2,7 2,2 2,4 2,3 2,5 2,1 2,4 2,0 2,3 2,3 2,7 2,0 2,3
25 1,73 1,83 1,80 1,86 1,55 1,76 1,52 1,59 1,57 1,62 1,40 1,53 1,32 1,49 1,50 1,71 1,31 1,48
35 1,33 1,36 1,39 1,39 1,20 1,29 1,17 1,19 1,22 1,22 1,06 1,13 0,98 1,09 1,12 1,25 0,97 1,08
50 1.05 1,04 1,11 1,07 0.93 0,97 0.93 0,91 0,98 0,94 0,82 0,85 0,75 0,82 0,85 0,93 0,74 0,81
70 0,81 0,76 0,87 0,80 0,70 0,71 0,72 0,67 0,77 0,70 0,63 0,62 0,55 0,59 0,62 0,67 0,54 0,58
95 0,65 0,59 0,71 0,62 0,56 0,54 0,58 0,52 0,64 0,55 0,50 0,47 0,43 0,44 0,48 0,50 0,42 0,43
120 0,57 0,49 0,63 0,52 0,48 0,44 0,51 0,43 0,56 0,46 0,43 0,39 0,36 0,36 0,40 041 0,35 0,35
150 0,50 0,42 0,56 0,45 0,42 0,38 0,45 0,37 0,51 0,40 0,38 0,34 0,31 0,30 0,35 0,34 0,30 0,30
185 0,44 0,36 0,51 0,39 0,37 0,32 0,40 0,32 0,46 0,35 0,34 0,29 0,27 0,25 0,30 0,29 0,26 0,25
240 0,39 0,30 0,45 0,33 0,33 0,27 0,35 0,27 0,41 0,30 0,30 0,24 0,23 0,21 0,26 0,24 0,22 0,20
300 0,35 0,26 0,41 0,29 0,30 0,23 0,32 0,23 0,37 0,26 0,28 0,21 0,21 0,18 0,23 0,20 0,20 0,18
400 0,32 0,22 0,37 0,26 0,27 0,21 0,29 0,20 0,34 0,23 0,25 0,19 0,19 0,15 - - - -
500 0,28 0,20 0,34 0,23 0,25 0,18 0,26 0,18 0,32 0,21 0,24 0,17 0,17 0,14 - - - -
630 0,26 0,17 0,32 0,21 0,24 0,16 0,24 0,16 0,29 0,19 0,22 0,15 0,16 0,12 - - - -
800 0,23 0,15 0,29 0,18 0,22 0,15 0,22 0,14 0,27 0,17 0,21 0,14 0,15 0,11 - - - -
1000 0,21 0,14 0,27 0,17 0,21 0,14 0,20 0,13 0,25 0,16 0,20 0,13 0,14 0,10 - - - -


Notas:

a) Os valores da tabela admitem uma temperatura no condutor de 70 ºC;
b) Válido para instalação em eletroduto não -magnético e diretamente enterrado;
c) Aplicável à fixação direta a parede ou teto, ou eletrocal ha aberta, ventilada ou fechada, espaço de
construção, bandeja, prateleira, suportes e sobre isoladores;
d) Aplicável também ao Fio Pirastic Ecoflam, Cabo Pirastic Ecoflam e Cabo Flexível Pirastic Ecoplus
sobre isoladores.


















WEG – Transformando Energia em Soluções
304
Módulo 4 – Geração de Energia
TABELA 21 - QUEDA DE TENSÃO EM V/A. km
CABOS EPROTENAX ECOFIX, EPROTENAX FLEX E AFUMEX

INSTALAÇÃO AO AR LIVRE (C)
CABOS EPROTENAX ECOFIX, EPROTENAX FLEX E AFUMEX
Cabos unipolares
Cabos uni
e bipolares
Cabos tri e
tetrapolares
Circuito monofásico Circuito trifásico
S = 10 cm S = 20 cm S = 2D S = 10 cm S = 20 cm S = 2D
Circuito
trifásico(B)






Circuito
monofásico
(B)

Circuito
trifásico

Seção
nominal
(mm²)
FP=0,8 FP=0,95 FP=0,8 FP=0,95 FP=0,8 FP=0,95 FP=0,8 FP=0,95 FP=0,8 FP=0,95 FP=0,8 FP=0,95 FP=0,8 FP=0,95 FP=0,8 FP=0,95 FP=0,8 FP=0,95
1,5 23,8 28,0 23,9 28,0 23,6 27,9 20,7 24,3 20,5 24,1 20,4 24,1 20,4 24,1 23,5 27,8 20,3 24,1
2,5 14,9 17,4 15,0 17,5 14,7 17,3 12,9 15,1 13,0 15,1 12,8 15,0 12,8 15,0 14,6 17,3 12,7 15,0
4 9,4 10,9 9,5 10,9 9,2 10,8 8,2 9,5 8,2 9,5 8,0 9,4 7,9 9,3 9,1 10,8 7,9 9,3
6 6,4 7,3 6,4 7,3 6,2 7,2 5,5 6,3 5,6 6,3 5,4 6,2 5,3 6,2 6,1 7,1 5,3 6,2
10 3,9 4,4 4,0 4,4 3,7 4,3 3,4 3,8 3,5 3,8 3,3 3,7 3,2 3,7 3,6 4,2 3,2 3,7
16 2,58 2,83 2,64 2,86 2,42 2,74 2,25 2,46 2,31 2,48 2,12 2,39 2,05 2,35 2,34 2,70 2,03 2,34
25 1,74 1,85 1,81 1,88 1,61 1,77 1,53 1,61 1,58 1,64 1,41 1,55 1,34 1,51 1,52 1,73 1,32 1,50
35 1,34 1,37 1,40 1,41 1,21 1,30 1,18 1,20 1,23 1,23 1,06 1,14 0,99 1,10 1,15 1,26 0,98 1,09
50 1.06 1,05 1,12 1,09 0.94 0,99 0.94 0,92 0,99 0,95 0,83 0,87 0,76 0,83 0,86 0,95 0,75 0,82
70 0,81 0,77 0,88 0,80 0,70 0,71 0,72 0,68 0,78 0,70 0,63 0,63 0,56 0,59 0,63 0,67 0,54 0,58
95 0,66 0,59 0,72 0,62 0,56 0,54 0,59 0,52 0,64 0,55 0,50 0,48 0,43 0,44 0,48 0,50 0,42 0,44
120 0,57 0,49 0,63 0,53 0,48 0,45 0,51 0,44 0,56 0,46 0,43 0,40 0,36 0,36 0,40 041 0,35 0,35
150 0,50 0,42 0,57 0,46 0,42 0,38 0,45 0,38 0,51 0,41 0,39 0,34 0,32 0,31 0,35 0,35 0,30 0,30
185 0,44 0,36 0,51 0,39 0,38 0,32 0,40 0,32 0,46 0,35 0,34 0,29 0,27 0,26 0,30 0,29 0,26 0,25
240 0,39 0,30 0,45 0,33 0,33 0,27 0,35 0,27 0,41 0,30 0,30 0,24 0,23 0,21 0,26 0,24 0,22 0,21
300 0,35 0,26 0,41 0,29 0,30 0,24 0,32 0,24 0,37 0,26 0,28 0,21 0,21 0,18 0,23 0,20 0,20 0,18
400 0,31 0,23 0,38 0,26 0,27 0,21 0,29 0,21 0,34 0,23 0,25 0,19 0,19 0,16 - - - -
500 0,28 0,20 0,34 0,23 0,25 0,18 0,26 0,18 0,32 0,21 0,24 0,17 0,17 0,14 - - - -
630 0,26 0,17 0,32 0,21 0,24 0,16 0,24 0,16 0,29 0,19 0,22 0,15 0,16 0,12 - - - -
800 0,23 0,15 0,29 0,18 0,22 0,15 0,22 0,14 0,27 0,17 0,21 0,14 0,15 0,11 - - - -
1000 0,21 0,14 0,27 0,17 0,21 0,14 0,21 0,13 0,25 0,16 0,20 0,13 0,14 0,10 - - - -

Notas:

a) Os valores da tabela admitem uma temperatura no condutor de 90 ºC;
b) Válido para instalação em eletroduto não -magnético e diretamente enterrado;
c) Aplicável à fixação direta a parede ou teto, ou eletrocalha aberta, ventilada ou fechada, espaço de
construção, bandeja, prateleira, suportes e sobre isoladores;



















WEG – Transformando Energia em Soluções
305
Módulo 4 – Geração de Energia
Os valores de resistências elétricas e reatâncias indutivas indicadas na tabela a seguir
são valores médios e destinam-se a cálculos aproximados de circuitos elétricos, utilizando-se a
seguinte fórmula:
Z= R cos Ø + X sen Ø

TABELA 22 - RESISTÊNCIA ELÉTRICA E REATÂNCIAS INDUTIVAS DE F IOS
E CABOS ISOLADOS EM PVC, EPR E XLPE EM CONDUTOS FECHADOS
(VALORES EM Ω / km)

Condutos não-magnéticos (B)
Circuit os FN / FF / 3F
Seção
(mm²)


[1]
Rcc(A)



[2]
Rca

[3]
XL

[4]
1,5 12,1 14,48 0,16
2,5 7,41 8,87 0,15
4 4,61 5,52 0,14
6 3,08 3,69 0,13
10 1,83 2,19 0,13
16 1,15 1,38 0,12
25 0,73 0,87 0,12
35 0,52 0,63 0,11
50 0,39 0,47 0,11
70 0,27 0,32 0,10
95 0,19 0,23 0,10
120 0,15 0,19 0,10
150 0,12 0,15 0,10
185 0,099 0,12 0,094
240 0,075 0,094 0,098
300 0,060 0,078 0,097
400 0,047 0,063 0,096
500 0,037 0,052 0,095
630 0,028 0,043 0,093
800 0,022 0,037 0,089
1000 0,018 0,033 0,088

a) Resistência elétrica em corrente contínua calculada a 70 ºC no condutor;
b) Válido para condutores isolados, cabos unipolares e multipolares instalados em condutos fechados não
magnéticos.























WEG – Transformando Energia em Soluções
306
Módulo 4 – Geração de Energia
Os valores de resistências elétricas e reatâncias indutivas indicadas na tabela a seguir
são valores médios e destinam-se a cálculos aproximados de circuitos elétricos, utilizando-se a
seguinte fórmula:
Z= R cos Ø + X sen Ø

TABELA 23 - RESISTÊNCIAS ELÉTRICAS E REATÂNCIAS INDUTIVAS DE FIOS E CABOS
ISOLADOS EM PVC, EPR E XLPE AO AR LIVRE (VALORES EM Ω / km)

CONDUTORES ISOLADOS - CABOS UNIPOLARES AO AR LIVRE (B)
Circuito FN / FF
Seção
(mm²)
Rcc (A)
S = de






S = 2 de






S = 10 cm

S = 20 cm

Trifófio

[1] [2]
Rca
[3]
XL
[4]
Rca
[5]
XL
[6]
Rca
[7]
XL
[8]
Rca
[9]
XL
[10]
Rca
[11]
XL
[12]
1,5 12,1 14,48 0,16 14,48 0,21 14,48 0,39 14,48 0,44 14,48 0,16
2,5 7,41 8,87 0,15 8,87 0,20 8,87 0,37 8,87 0,42 8,87 0,15
4 4,61 5,52 0,14 5,52 0,19 5,52 0,35 5,53 0,40 5,52 0,14
6 3,08 3,69 0,14 3,69 0,18 3,69 0,33 3,69 0,39 3,69 0,14
10 3,83 2,19 0,13 2,19 0,17 2,19 0,32 2,19 0,37 2,19 0,13
16 1,15 1,38 0,12 1,38 0,17 1,38 0,30 1,38 0,35 1,38 0,12
25 0,73 0,87 0,12 0,87 0,17 0,87 0,28 0,87 0,34 0,87 0,12
35 0,52 0,63 0,11 0,63 0,16 0,63 0,27 0,63 0,32 0,63 0,11
50 0,39 0,46 0,11 0,46 0,16 0,46 0,26 0,46 0,31 0,46 0,11
70 0,72 0,32 0,10 0,32 0,16 0,32 0,25 0,32 0,30 0,32 0,10
95 0,19 0,23 0,10 0,23 0,15 0,23 0,24 0,23 0,29 0,23 0,10
120 0,15 0,19 0,10 0,18 0,15 0,18 0,23 0,18 0,28 0,19 0,10
150 0,12 0,15 0,10 0,15 0,15 0,15 0,22 0,15 0,27 0,15 0,10
185 0,099 0,12 0,10 0,12 0,15 0,12 0,21 0,12 0,26 0,12 0,10
240 0,075 0,09 0,10 0,09 0,15 0,09 0,20 0,09 0,25 0,09 0,10
300 0,060 0,08 0,10 0,07 0,15 0,07 0,19 0,07 0,24 0,08 0,10
400 0,047 0,06 0,10 0,06 0,15 0,06 0,18 0,06 0,23 0,06 0,10
500 0,037 0,05 0,10 0,05 0,15 0,05 0,17 0,05 0,23 0,05 0,10
630 0,028 0,04 0,09 0,04 0,15 0,04 0,16 0,04 0,22 0,04 0,09
800 0,022 0,04 0,09 0,03 0,14 0,03 0,15 0,03 0,20 0,04 0,09
1000 0,018 0,03 0,09 0,03 0,14 0,03 0,14 0,03 0,19 0,03 0,09

a) Resistência elétrica em corrente contínua calculada a 70 ºC no condutor;
b) Válidos para linhas elétricas ao ar livre, bandejas, suportes e leitos para cabos.





















WEG – Transformando Energia em Soluções
307
Módulo 4 – Geração de Energia
Os valores de resistências elétricas e reatâncias indutivas indicadas na tabela a seguir
são valores médios e destinam-se a cálculos aproximados de circuitos elétricos, utilizando-se a
seguinte fórmula:
Z= R cos Ø + X sen Ø

TABELA 24 - RESISTÊNCIAS ELÉTRICAS E REATÂNCIAS INDUTIVAS DE FIOS E CABOS
ISOLADOS EM PVC, EPR E XLPE AO AR LIVRE (VALORES EM Ω / km)

CONDUTORES ISOLADOS - CABOS UNIPOLARES AO AR LIVRE (B)
Circuitos 3F
Cabos bi e
tripolares
(B)
Cabo
Tetrapolar
(B)
Seção
(mm²)
Rcc(A)
S = de




S = 2 de


S = 10cm


S = 20cm


Trifófio


FN / FF / 3F


3F + N / 3F + PE


[1] [2]
Rca
[13]
XL
[14]
Rca
[15]
XL
[16]
Rca
[17]
XL
[18]
Rca
[19]
XL
[20]
Rca
[21]
XL
[22]
Rca
[23]
XL
[24]
Rca
[25]
XL
[26]
1,5 12,1 14,48 0,17 14,48 0,23 14.48 0,40 14,48 0,46 14,48 0,16 14,48 0,12 14,48 0,14
2,5 7,41 8,87 0,16 8,87 0,22 8,87 0,38 8,87 0,44 8,87 0,15 8,87 0,12 8,87 0,13
4 4,61 5,52 0,16 5,52 0,22 5,52 0,37 5,52 0,42 5,52 0,14 5,52 0,12 5,52 0,13
6 3,08 3,69 0,15 3,69 0,20 3,69 0,35 3,69 0,40 3,69 0,14 3,69 0,11 3,69 0,12
10 1,83 2,19 0,14 2,19 0,20 2,19 0,34 2,19 0,39 2,19 0,13 2,19 0,10 2,19 0,12
16 1,15 1,38 0,14 1,38 0,19 1,38 0,32 1,38 0,37 1,38 0,12 1,38 0,10 1,38 0,11
25 0,73 0,87 0,13 0,87 0,18 0,87 0,30 0,87 0,35 0,87 0,11 0,87 0,10 0,87 0,11
35 0,52 0,63 0,13 0,63 0,18 0,63 0,29 0,63 0,34 0,63 0,11 0,63 0,09 0,63 0,11
50 0,39 0,46 0,13 0,46 0,18 0,46 0,28 0,46 0,33 0,46 0,11 0,46 0,09 0,46 0,11
70 0,27 0,32 0,12 0,32 0,17 0,32 0,27 0,32 0,32 0,32 0,10 0,32 0,09 0,32 0,10
95 0,19 0,23 0,12 0,23 0,17 0,23 0,25 0,23 0,30 0,23 0,10 0,23 0,09 0,23 0,10
120 0,15 0,19 0,12 0,18 0,17 0,18 0,24 0,18 0,29 0,19 0,10 0,19 0,09 0,19 0,10
150 0,12 0,15 0,12 0,15 0,17 0,15 0,23 0,15 0,29 0,15 0,10 0,15 0,09 0,15 0,10
185 0,099 0,12 0,12 0,12 0,17 0,12 0,23 0,12 0,28 0,12 0,10 0,12 0,09 0,12 0,10
240 0,075 0,09 0,12 0,09 0,17 0,09 0,22 0,09 0,27 0,09 0,10 0,10 0,09 0,09 0,10
300 0,060 0,08 0,11 0,07 0,17 0,07 0,21 0,07 0,26 0,08 0,10 0,08 0,09 0,08 0,10
400 0,047 0,06 0,11 0,06 0,17 0,06 0,20 0,06 0,25 0,06 0,10 - - - -
500 0,037 0,05 0,11 0,05 0,16 0,05 0,19 0,05 0,24 0,05 0,10 - - - -
630 0,028 0,04 0,11 0,04 0,16 0,04 0,18 0,04 0,23 0,04 0,09 - - - -
800 0,022 0,04 0,11 0,03 0,16 0,03 0,16 0,03 0,22 0,04 0,09 - - - -
1000 0,018 0,03 0,11 0,03 0,16 0,03 0,16 0,03 0,21 0,03 0,09 - - - -

a) Resistência elétrica em corrente contínua calculada a 70 ºC no condutor;
b) Válidos para linhas elétricas ao ar livre, bandejas, suportes e leitos para cabos.





















WEG – Transformando Energia em Soluções
308
Módulo 4 – Geração de Energia
TABELA 25 - CARACTERÍSTICAS DOS CONDUTORES CLASSE 1 (NBR 6880)

Seção nominal
(mm²)
Resistência máxima do condutor a 20 ºC,
condutores circul ares e fios nus.
(Ω / km)
0,5 36,0
0,75 24,5
1 18,1
1,5 12,1
2,5 7,41
4 4,61
6 3,08
10 1,83
16 1,15



TABELA 26 - CARACTERÍSTICAS DOS CONDUTORES CLASSE 2 (NBR 6880)

Número mínimo de fios no condutor
Seção
nominal
(mm²)
Condutor
não-compactado
circular
Condutor
compactado
não-circular
Resistência máxima do condutor a 20 ºC,
condutores circulares e fios nus.
(Ω / km)
0,5 7 - 36,0
0,75 7 - 24,5
1 7 - 18,1
1,5 7 6 12,1
2,5 7 6 7,41
4 7 6 4,61
6 7 6 3,08
10 7 6 1,83
16 7 6 1,15
25 7 6 0,727
35 7 6 0,524
50 19 6 0,387
70 19 12 0,268
95 19 15 0,193
120 37 18 0,153
150 37 18 0,124
185 37 30 0,0991
240 61 34 0,0754
300 61 34 0,0601
400 61 53 0,0470
500 61 53 0,0366
630 91 53 0,0283
800 91 53 0,0221
1000 91 53 0,0176



















WEG – Transformando Energia em Soluções
309
Módulo 4 – Geração de Energia
TABELA 27 - CARACTERÍSTICAS DOS CONDUTORES CLAS SE 5 (NBR 6880)

Seção
nominal
(mm²)
Diâmetro máximo dos fios
no condutor
(mm)
Resistência máxima do condutor a 20 ºC,
condutores circulares, fios nus.
(Ω / km)
0,5 0,21 39,0
0,75 0,21 26,0
1 0,21 19,0
1,5 0,26 13,3
2,5 0,26 7,98
4 0,31 4,95
6 0,31 3,30
10 0,41 1,91
16 0,41 1,21
25 0,41 0,780
35 0,41 0,554
50 0,41 0,386
70 0,51 0,272
95 0,51 0,206
120 0,51 0,161
150 0,51 0,129
185 0,51 0,106
240 0,51 0,0801
300 0,51 0,0641
400 0,51 0,0486
500 0,51 0,0384




TABELA 28 - CARACTERÍSTICAS DOS CONDUTORES DOS
CABOS FLEXOSOLDA E SOLDAPRENE (NBR 8 762)

Seção nominal
do condutor
(mm²)
Diâmetro máximo dos fios
no condutor
(mm)
Resistência máxima do condutor a 20 ºC,
condutores circul ares e fios nus.
(Ω / km)
10 0,26 1,91
16 0,26 1,21
25 0,26 0,780
35 0,31 0,554
50 0,31 0,386
70 0,31 0,272
95 0,31 0,206
120 0,31 0,161
150 0,31 0,129
185 0,31 0,106
240 0,31 0,0801

















WEG – Transformando Energia em Soluções
310
Módulo 4 – Geração de Energia
7.5.2 CORRENTES MÁXIMAS DE CURTO-CIRCUITO

• Fio Pirastic Ecoflam, Cabo Pirastic Ecoflam, Cabo Flexível Pirastic Ecoplus, Cabo Sintenax
Econax e Cabo Sintenax Flex.
• Condutor - Cobre Conexões Prensadas ou Soldadas












WEG – Transformando Energia em Soluções
311
Módulo 4 – Geração de Energia
7.5.3 CORRENTES MÁXIMAS DE CURTO-CIRCUITO

• Cabo Eprotenax Ecofix, Cabo Eprotenax Flex, Cabo Voltalene Ecolene e Cabo Afumex.
• Condutor - Cobre Conexões Prensadas.















WEG – Transformando Energia em Soluções
312
Módulo 4 – Geração de Energia
7.5.4 CORRENTES MÁXIMAS DE CURTO-CIRCUITO

• Cabo Eprotenax Ecofix, Cabo Eprotenax Flex, Cabo Voltalene Ecolene e Cabo Afumex.
• Condutor - Cobre Conexões Soldadas.













WEG – Transformando Energia em Soluções
313
Módulo 4 – Geração de Energia
7.5.5 DETERMINAÇÃO DA INTEGRAL DE JOULE (L
2
T) DE CONDUTORES
ELÉTRICOS

O cálculo do valor da Integral de Joule pode ser determinado de acordo com a norma
IEC 949 (1988).
Assim tem-se:
Fórmula geral: l
2
t = l
2
G
2
,

Onde:
S z
X
G
2
∆ +
= (1)
S
Y I
z −
α
=
2
(3)

S z X 4
2
+ = ∆ (2)








β + θ
β + θ
= α
i
f
ln S K
2 2
(4)
Sendo:
I = corrente admissível no condutor (A);
S = seção nominal no condutor (mm
2
);
f = Temperatura final do condutor (ºC);
i = Temperatura inicial do condutor (ºC);
ß = recíproco do coeficiente de temperatura da resistência do condutor em ºC
(K) - tabela 1;
K = constante que depende do material condutor - tabela 1;
X e Y = tabela 2.

Tabela 1

Material K ß
Cobre 226 234,5
Alumínio 148 228

Tabela 2 - Condutores de Cobre

Isolação X Y
PVC ≤ 3 kV 0,29 0,06
PVC > 3 kV
0,27 0,05
XLPE 0,41 0,12
EPR ≤ 3 kV 0,38 0,10
EPR > 3 kV 0,32 0,07

Exemplo:

Calcular a Integral de Joule para um cabo 6mm² de cobre, isolado em PVC, 0,6/1kV
percorrido por uma corrente de 100 A.
Considere ainda os seguintes parâmetros: θ
f
= 160 ºC, θ
i
= 70 ºC.








WEG – Transformando Energia em Soluções
314
Módulo 4 – Geração de Energia
Tem-se:

ß = 234,5 (tabela 1) K = 226 (tabela 1)

X = 0,29 (tabela 2) Y = 0,06 (tabela 2)
Assim:

476137
5 234 70
5 234 160
6 226
2 2 2 2
= 





+
+
× =








β + θ
β + θ
= α
,
,
ln ln S K
i
f


011 0
6
06 0
476137
100
2 2
,
,
S
Y I
z = − = −
α
=

348 0 6 011 0 4 29 0 4
2 2
, , , S z X = × × + = + = ∆ → 59 0, = ∆

33 16
0539 0
59 0 29 0
2
,
,
, ,
S z
X
G =
+
=
∆ +
=


( ) s A , G I t I
2
2665816 33 16 100
2
2 2 2 2
= × = =




















Sign up to vote on this title
UsefulNot useful