P. 1
RELATORIO Dilatação Térmica

RELATORIO Dilatação Térmica

|Views: 7.540|Likes:
Publicado porJonas Gomes Pereira

More info:

Published by: Jonas Gomes Pereira on Apr 16, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

07/05/2013

pdf

text

original

Antônio Carlos Ferrarezi Gedean Heberton Jonas Gomes Pereira Priscila Antunes Silva Carvalho

RA: RA: RA: RA: RA:

A474BI-9 A68ICC-4 A7141F-1 A36875-2 A56AHG-7

Dilatação Térmica. INTRODUÇÃO
A dilatação que a maioria dos materiais sofre por ação do calor é uma conseqüência do aumento de sua energia interna, que implica em uma maior amplitude das vibrações moleculares e, portanto, um maior distanciamento entre seus constituintes estruturais. Este aumento dimensional é característico de cada material e expresso por um fator que depende da temperatura, denominado coeficiente de dilatação. Esse coeficiente pode referir-se ao volume (coeficiente de dilatação volumétrico), à superfície (coeficiente de dilatação superficial), ou a uma só dimensão (coeficiente de dilatação linear). Os dilatômetros medem a dilatação ou contração de uma amostra diretamente (dilatômetros absolutos) ou com referência a outro material de expansão conhecida (dilatômetros diferenciais). O sistema de medida mais freqüentemente empregado para a determinação da dilatação térmica é o constituído por um suporte de sílica fundida ou alumina, no qual o corpo de provas a ser examinado é alojado. O conjunto é introduzido em um forno tubular e o conjunto é aquecido a uma velocidade controlada de 5 °C/min até uma temperatura máxima escolhida (para vidrados, a temperatura é ligeiramente superior à temperatura de amolecimento TR).

PROCEDIMENTOS EXPERIMENTAIS.
• •

Medição do comprimento inicial da barra a ser estudada (L0). Medição da temperatura inicial (T0). encaixe da barra ao relógio comparador de forma a evitar erros na medição ou mesmo perda do experimento por encaixe inadequado.

• Conexão da barra de metal ao equipamente, tomando cuidado para que o

• Adição de água destilada em balão de 250mL.

• Conexão do balão à barra a ser estudada.10 -α -5 Experimental ) x 100 / α Teórico E% = (α -α 2.56% Coeficiente de dilatação do Cobre: . Este valor corresponderá a variação de comprimento.10 -5 ) x 100 / α -> -13.10-2 mm Os cálculos abaixo foram baseados na seguinte fórmula: α =∆ L / L0 ∆ T α = Coeficiente de dilatação ∆ L = Variação do comprimento da barra (mm). 68 -> 1. L0 = Comprimento inicial da barra (mm).22.68 / 66640 -> 2.521.10 -5 Teórico 2. • • Medição da temperatura final do vapor de água (Tf).10-5 oC-1 • E% (Erro Experimental) = (α 2. • Com auxílio de uma manta. • Anotaram-se os valores marcados pelo relógio quando deixou de ocorrer variação no ponteiro. aquecimento do balão até a ebulição da água destilada. Tabela de Resultados Barra Alumínio Cobre Latão L0 (mm) 980 mm 970 mm 990 mm T0 (oC) 25ºC 25ºC 25ºC Tf (oC) 93ºC 93ºC 93ºC ∆L (mm) 168.10-2 / 980 .10-2 mm 115.521. latão e cobre.10-2 mm 125. Calculo dos coeficientes de dilatação correspondente às barra de alumínio. • Observou-se a variação no relógio marcador (responsável pela identificação do fenômeno da dilatação). ∆ T = Variação de temperatura (oC) E% (Erro Experimental) = (α Teórico -α Experimental ) x 100 / α Teórico Coeficiente de dilatação do Alumínio: • α =∆ L / L0 ∆ T α = 168.22.

708.15 / 67320 -> 1. quando temos uma diminuição no volume de um corpo também ocorrida por ter sido submetido a uma variação de temperatura.10 -α -5 Experimental ) x 100 / α Teórico E% = (α -α 1.Acesso em 3 de Abril de 2011. A. ocorrer quando temos um aumento no volume de um corpo que sofre variação na sua temperatura ou.10-5 oC-1 • E% (Erro Experimental) = (α 1.pdf . 68 -> 1. Vanks . esta dilatação pode ser predominante em apenas uma direção ou em duas.10 -5 ) x 100 / α -> -16. Amorós.org. Sanz . Dilatação térmica superficial: quando a dilatação é predominante em duas direções.α =∆ L / L0 ∆ T α = 125.62.ceramicaindustrial. mas. J.10-2 / 990 .97% Coeficiente de dilatação do Latão: α =∆ L / L0 ∆ T α = 115. então.895. Sendo assim a dilatação térmica dos sólidos pode ser divida em: Dilatação térmica linear: quando a dilatação é predominante em uma direção.10-5 oC-1 • E% (Erro Experimental) = (α 1.L.708.10 -5 Teórico 1.br/pdf/v02n12/v2n12_1.http://www.88.25 / 65960 -> 1.V. Dilatação térmica volumétrica: quando a dilatação ocorre em três direções.62.Efeito Joule . Nos corpos sólidos a dilatação ocorre em todas as direções. 68 -> 1. .88.com – Acesso em 3 de Abril de 2011.10-2 / 970 .10 -α -5 Experimental ) x 100 / α Teórico E% = (α -α 1. ESTEVÂO. Blasco.10 -5 ) x 100 / α -> 9.895.Acordo Esmalte-Suporte (II) Expansão Térmica de Suportes e Esmaltes Cerâmicos – Janeiro/Abril de 2007 http://www.efeitojoule.14% CONCLUSÃO Conclui-se que a dilatação térmica pode. Carceller e V. REFERENCIAS J.10 -5 Teórico 1.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->