A origem da Pedofilia

E outras sexualidades
Realizado por: Sagitta

Introdução
A origem da atração por menores de idade é ainda desconhecida. Ao longo da história a sua existência é mais ou menos evidente em quase todas as culturas, mas muito pouco se tem avançado no sentido de descobrir a sua origem. IgnoreIgnore-se o termo ´Pedofiliaµ se se discorda dele. Existem muitos termos para apelidar diversas formas de atração por menores, no entanto, optei aqui por usar este na generalidade pois teria de usar algum, e este, embora como todos os outros apenas caracterize parte da atração por menores ² neste caso a atração sexual pelos prépré-puberes (de ambos os sexos) ² é pelo menos mais conhecido e é usado nos meios científicos. Neste trabalho não asseguro a descoberta do que origina a Pedofilia, apenas analiso as várias hipóteses que hoje em dia são mais fiáveis e dou a minha opinião acerca da preferência que lhes dou.

As hipóteses
Dentro do quadro de hipóteses, só três são dignas desse nome: - A hipótese da origem genética; genética; - A hipótese da origem no meio social; social; - A hipótese da origem neurológica

A hipótese da origem genética
Esta hipótese consiste em a Pedofilia ser causada por uma mutação genética. A mutação genética é uma alteração permanente no ADN (Ácido Desoxirribonucleico), isto é, Desoxirribonucleico), o composto orgânico cujas moléculas contêm as instruções genéticas que coordenam o desenvolvimento e funcionamento de todos os seres vivos que pode ocorrer em qualquer célula.

Alguns tipos de mutação 


Essa alteração pode ser classificada em dois tipos essenciais: Mutações espontâneas e mutações induzidas ² as primeiras ocorrem sem uma causa conhecida, sendo também menos frequentes e mais difíceis de ser conhecida, detectadas; detectadas; resultam de instabilidade no DNA, já as segundas resultam de mudanças ambientais (como a temperatura) ou, e sobretudo, da exposição do organismo a agentes físicos e químicos (mutágenos) que causam mudanças mutágenos) no ADN (como por exemplo drogas). O sindroma de Down (ou Trissomia 21) é um tipo de mutação. Ocorre quando a criança nasce com um par de cromossomas a mais. Outros exemplos de sindromas causados por alterações anormais nos cromossomas são o Sindroma de Patau (ou Trissomia 13) ou o Sindroma de Edwards (ou Trissomia 18), doenças cujos sintomas mais frequentes são deficiências mentais e de crescimento. As mutações podem ocorrer de diversas formas, como no caso do uso excessivo de drogas (incluindo tabaco e álcool) por parte de mulheres grávidas.  

Alguns tipos de mutação (continuação)   

No entanto, este tipo de mutações - as mutações induzidas embora existam 14 tipos de causas para o seu surgimento, - não é certamente o tipo de mutação que pode ser a atracão sexual por crianças pré-puberes, conhecida por Pedofilia. préEsta só poderia ser uma mutação espontânea, de causa desconhecida e difícil de detectar, visto que provavelmente terá ocorrido há milhares de anos, durante a pré-história. préVejamos o caso de um animal: Uma borboleta pode produzir uma prole com novas mutações. A maioria dessas mutações não terá efeito. No entanto, uma delas pode mudar a cor dos descendentes desse indivíduo, tornandotornando-os mais difíceis (ou fáceis) de serem vistos por predadores. Se essa mudança de cor for vantajosa, a chance dessa borboleta sobreviver e produzir sua própria prole será um pouco maior, e com o tempo o número de borboletas com essa mutação constituir formar uma maior proporção da população.

Alguns tipos de mutação (continuação)   

Um exemplo de uma mutação expontânea em seres humanos é a mutação que causou a existência de olhos de cor azul, uma mutação neutra ocorrida há milhares de anos cuja causa foi já descoberta por cientistas. Outro exemplo deste género de mutação é o albinismo. Mutações neutras são definidas como mutações cujos efeitos não influenciam a aptidão dos indivíduos. Essas mutações podem se acumular ao longo do tempo devido à deriva genética. AcreditaAcredita-se que a imensa maioria das mutações não tem efeito significativo na aptidão dos organismos. A mutação neutra, é a mais frequente das mutações. Nos seres mutações. humanos, elas representam 95% dos casos.

Alguns tipos de mutação (continuação)  

 

Porém, no caso da atracção por pré-puberes, se se trata realmente de algo préprovocado por uma mutação, não deverá ser do tipo neutro, uma vez que não é um tipo simples de mutação no qual apenas o aspecto físico se altera. Outros tipos de mutação são mutações não-sinónimas, mutações sem não-sinónimas, sentido, mutações pontuais e mutações silenciosas. sentido, silenciosas. Existe ainda a classificação entre mutações maléficas e mutações benéficas. benéficas. Maléficas se o seu efeito for negativo, levando a doenças genéticas e negativo, hereditárias (embora a maior parte das mutações não tenha efeitos na saúde do indivíduo). 70% das mutações são maléficas, sendo as restantes neutras ou benéficas Benéficas se tiverem um efeito positivo, ajudando-o a adaptar-se ao meio positivo, ajudando- adaptarambiente, como o caso referido da borboleta. Durante a idade média, a peste negra desapareceu quando os europeus ganharam resistência á doença. Essa resistência só ocorreu por meio de uma mutação genética.

Possível explicação«    

As mutações, em especial as benéficas, são consideradas o mecanismo que permite a ação da seleção natural, já que insere a natural, variação genética sobre a qual ela irá agir, fornecendo as novas características vantajosas que sobrevivem e se multiplicam nas gerações subsequentes ou as características deletérias que desaparecem em organismos mais fracos. Uma hipótese avançada por David L. Riegel é que durante a prépré-história, homens e rapazes não-maduros da espécie que nãohaviam ficado órfãos começaram a relacionar-se intimamente relacionarcomo forma de os rapazes terem mais chances de sobreviver ás dificuldades do tempo. Riegel aponta aí a possível origem das relações entre homens e rapazes. Por este motivo, existe uma chance que a Pedofilia tenha origem numa mutação benéfica ocorrida há muito tempo atrás, e que se tenha propagado por meio da hereditariedade. Esta hipótese merece ser analisada pelos estudiosos.

A Hipótese da origem no meio social 
    

Está hoje francamente ultrapassada no meio científico a ideia do meio social como origem da manifestação de uma sexualidade diferente. A ideia permanece hoje apenas na mente dos desconhecedores dos factos (infelizmente boa parte da população), que vêm a homossexualidade e a pedofilia como produto do relacionamento nefasto com gente que tem relações com o mesmo sexo/diferente faixa etária por mera opção. Esta hipótese, fruto de uma áurea de ignorância e hostilidade pelo desconhecido, começou por ser combatida durante a revolução sexual e pareceparece-nos hoje descredibilizada. Freud foi, na verdade, o maior impulsionador da teoria do meio social como explicação para a homossexualidade, principalmente através da teoria do complexo de Édipo. Ao contrário dos outros, este é um académico reconhecido, e procura explicações mais fortes, mais científicas e menos morais, para desenvolver a hipótese. Neste caso não do meio social no geral mas do meio familiar.

O Complexo de Édipo 
 

  

A ideia central do conceito é a ilusão do bebé de possuir a proteção e o amor total da mãe, responsável pelo seu cuidado. Por volta dos 3 anos de idade, a criança apercebe-se que não é o centro do mundo e apercebeque os pais têm as suas ocupações e não podem estar sempre a dar-lhe atenção. darComeçam a educa-la através das proibições e correções de hábitos e comportamentos educaque a criança anteriormente havia adoptada com a sua conivência. A partir desta altura, a criança percebe também que o pai pertence á mãe e começa a dirigir sentimentos hostis ao pai. Segundo a teoria, a criança não deixa de amar um dos parentes, mas passa agora a identificaridentificar-se com apenas um dos pais. O rapaz tem o desejo de ser forte como o pai e ao mesmo tempo tem ´ódioµ por ciúme. A rapariga é hostil à mãe porque ela possui o pai e ao mesmo tempo quer parecer-se parecercom ela para competir e tem medo de perder o amor da mãe, que foi sempre tão acolhedora. Na identificação negativa, o medo de perder aquele a quem hostilizamos faz com que a identificação aconteça com a figura de sexo oposto e isto pode gerar comportamentos homossexuais.

As dúvidas«   

 

Esta polémica teoria que ainda hoje choca quem a conhece pela primeira vez, tem ainda hoje a aceitação dos psicólogos e psicanalistas, sobretudo os seguidores da corrente de Freud. Segundo ela, a educação da criança pode influenciar no futuro a sua sexualidade, baseada na imagem que tem do pai e da mãe. A simples falta do elemento masculino na família pode levar a criança a ter comportamentos homossexuais. Porém, será a teoria fiável? Não serão estes ´comportamentos homossexuaisµ produto de estereotipo? Pode a teoria ser comprovada?

Respostas  

Bastam alguns exemplos para provar que grande parte das vezes a teoria não se verifica, o próprio autor admite que em alguns casos não é isso que acontece. Além disso, não parece certa a expressão ´comportamentos homossexuaisµ, uma vez que não se define o que isso possa ser, e muitos homens com aspecto masculino não são homossexuais e muitos que não têm quaisquer sinais que denotem homossexualidade são-no. são-

Outras teorias 
 

Existem, todavia, outros caminhos para a hipótese do meio social. 1. Alguns argumentos dos defensores desta hipótese dão o exemplo dos casos de actos homossexuais (geralmente violações) que ocorrem em prisões, sobretudo masculinas, alegadamente por o meio social das prisões ser unicamente masculino. 2. Outro caminho seria argumentar que existe uma semelhança entre o ´distúrbio de personalidade nos transexuaisµ e um aparente semelhante distúrbio em pedófilos, nomeadamente os boylovers, que muitas vezes, sendo adultos, não gostam do seu corpo, não se sentem atraentes e desejariam voltar a ter o corpo que tinham quando eram meninos. Embora no caso, o desejo não seja mudar de sexo, não deixa de ser o desejo de ter um corpo diferente, de ser alguém diferente.

Respostas   

1. Em boa verdade, é provável que as violações não ocorram apenas por esse motivo, ou todos os presos recorreriam em actos homossexuais. Apenas uma pequena parte dos presos incorre em actos homossexuais, e dentro desses apenas uma parte o faz não sentindo atração pelo mesmo sexo: geralmente os que são violadores. É difícil, no entanto, encontrar estatísticas que permitam testar esta teoria, já que a maioria dos casos de violação nas cadeias não são registados. 2. Apesar da semelhança, e de a OMS classificar na lista de doenças mentais o ´distúrbio de personalidade nos transexuaisµ, estudos recentes negam que exista necessariamente um distúrbio de personalidade em pessoas que querem mudar de sexo. Muitos transexuais aceitam o seu corpo embora se portem como o sexo oposto. O mesmo ocorre com os boylovers e os pedófilos no geral. Em 2010 a França tornou-se o primeiro país a deixar de reconhecer oficialmente os tornoutransexuais como portadores de um distúrbio de personalidade. Concluindo, a teoria do meio social parece, mesmo quando vista por um tão reconhecido estudioso como Freud, muito pouco clara e provável nos dias de hoje.

A hipótese da origem neurológica 
 

   



A última hipótese, e a que parece estar menos explorada, é a hipótese neurológica. A neurologia é, assim como outras, uma ciência ainda muito atrasada. Muito há para descobrir em diferentes áreas, muito sobre o cérebro é ainda desconhecido de todos. Como se sabe, a atração sexual é produto da reação do cérebro a certos químicos que os seres humanos produzem. Falhas no reconhecimento desses químicos ou outros factores relacionados podem ser a origem da existência de diferentes sexualidades. Mas para se compreender verdadeiramente a função sexual, é necessário estudar seriamente os sistemas nervoso, mental, endócrino e vascular. Só o estudo destas três áreas combinado pode chegar a resultados satisfatórios. Tudo isto não quer dizer, no entanto, que a pedofilia (ou outras sexualidades diferentes da heterossexual) se trate de um problema que necessite de ser reparado. Ainda que algum dia se venha a saber como tratar eficazmente essas ´falhasµ, isso não fará da homossexualidade, pedofilia ou da transexualidade uma doença. A homossexualidade, mais do que uma sexualidade, é também um modo de vida. E sempre o será. A diferença está em que a partir desse momento, se além de puder ser mudada possa também ser inserida, ela será também uma opção. O mesmo vale para outros tipos de sexualidade.

FIM

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful