P. 1
67773826-Apostila-de-Bioestatistica

67773826-Apostila-de-Bioestatistica

|Views: 16.315|Likes:
Publicado porAnonymous l7rcidiNr

More info:

Published by: Anonymous l7rcidiNr on Apr 20, 2012
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

03/25/2014

pdf

text

original

Quando o tamanho da amostra é elevado, é mais racional efetuar o agrupamento dos valores

em vários intervalos de classe.

Bioestatística Profa

Claudia M. G. G. Franchi

14

Classes

Frequências

41 45

7

45 49

3

49 53

4

53 57

1

57 61

5

Total

20

As tabelas com grande número de dados são cansativas e não dão ao leitor visão rápida e
global do fenômeno. Para isso, é preciso que os dados estejam organizados em uma tabela de
distribuição de frequências
. A partir de agora, explicaremos passo a passo, a construção desse tipo
de tabela usando, como exemplo os dados na tabela Peso ao nascer de nascidos vivos em
quilogramas
.

Imagine que, para dar uma ideia sobre o peso ao nascer de nascidos vivos, o pesquisador irá
apresentar não os pesos observados, mas o número de nascidos vivos por faixas de peso. Deve,
então, construir uma tabela de distribuição de frequências.

Peso ao nascer de nascidos vivos, em quilogramas

2.522

3.200

1.900

4.100

4.600

3.400

2.720

3.720

3.600

2.400

1.720

3.400

3.125

2.800

3.200

2.700

2.750

1.570

2.250

2.900

3.300

2.450

4.200

3.800

3.220

2.950

2.900

3.400

2.100

2.700

3.000

2.480

2.500

2.400

4.450

2.900

3.725

3.800

3.600

3.120

2.900

3.700

2.890

2.500

2.500

3.400

2.920

2.120

3.110

3.550

2.300

3.200

2.720

3.150

3.520

3.000

2.950

2.700

2.900

2.400

3.100

4.100

3.000

3.150

2.000

3.450

3.200

3.200

3.750

2.800

2.720

3.120

2.780

3.450

3.150

2.700

2.480

2.120

3.155

3.100

3.200

3.300

3.900

2.450

2.150

3.150

2.500

3.200

2.500

2.700

3.300

2.800

2.900

3.200

2.480

.......

3.250

2.900

3.200

2.800

2.450

.......

Primeiro, é preciso definir as faixas de peso que recebem tecnicamente o nome de classes.
Observe os dados apresentados na tabela acima. O menor valor é de 1.570 Kg e o maior é de 4.600
Kg. Podem então ser definidas classes de 1,5 a 2,0 Kg, de 2,0 a 2,5 Kg, e assim por diante, como
mostra o esquema dado a seguir:

1,5 2,0

Bioestatística Profa

Claudia M. G. G. Franchi

15

2,0 2,5

2,5 3,0

3,0 3,5

3,5 4,0

4,0 4,5

4,5 5,0

Na classe de 1,5 a menos de 2,0 Kg são colocados desde nascidos com 1,5 Kg até os que
nasceram com 1.999 Kg; na classe de 2,0 a menos de 2,5 Kg, são colocados desde nascidos com 2,0
Kg até os que nasceram com 2,499 Kg, e assim por diante. Logo, cada classe cobre um intervalo de 0,5
Kg, ou seja, cada intervalo de classe é de 0,5 Kg. É mais fácil trabalhar com intervalos de classe
iguais. As distribuições das frequências, obtidas a partir da tabela do Peso ao nascer de nascidos vivos,
em quilogramas, é dada a seguir:

Classe

Frequência

1,5 2,0

= 3

2,0 2,5

= 16

2,5 3,0

= 31

3,0 3,5

= 34

3,5 4,0

= 11

4,0 4,5

= 4

4,5 5,0

= 1

Denominam-se extremos de classe os limites dos intervalos de classe. Deve ficar muito claro se os
valores iguais aos extremos devem ou não ser incluídos na classe. Recomenda-se adotar a notação 1,5
2,0, 2,0 2,5 etc. Isto significa que o intervalo „e fechado à esquerda, isto é, pertencem à classe os
valores iguais ao extremo inferior (por exemplo, 1,5 na primeira classe). Também significa que o
intervalo é fechado à direita, isto é, não pertencem à classe os valores iguais ao extremo superior (por
exemplo, 2,0 na primeira classe).

Bioestatística Profa

Claudia M. G. G. Franchi

16

Numa tabela de distribuição de frequências também podem ser apresentados os pontos médios
da classe. O ponto médio é dado pela soma dos extremos da classe, dividia por 2. Para a classe 1,5
2,0, o ponto médio é:

Uma tabela típica de distribuição de frequências tem então, três colunas: a da esquerda, onde
estão escritas as classes; a do meio, onde estão escritos os pontos médios; e a da direita, onde estão
escritas as frequências, isto é, o numero de elementos de cada classe. Veja a tabela a seguir:

Nascidos vivos segundo o peso ao nascer, em quilogramas

Classe

Ponto Médio

Frequência

1,5 2,0

1,75

3

2,0 2,5

2,25

16

2,5 3,0

2,75

31

3,0 3,5

3,25

34

3,5 4,0

3,75

11

4,0 4,5

4,25

4

4,5 5,0

4,75

1

Nem sempre estarão definidos o extremo inferior da primeira classe ou o extremo superior da
última classe. Observa a tabela abaixo. O extremo superior da última classe não esta definido. Esta
tabela também exemplifica o uso de intervalos de classe diferentes.

Mulheres com 30 anos de Idade Segundo a Pressão Sanguínea
Sistólica, em Milímetros de Mercúrio

Classe

Ponto Médio

Frequência

90 100

95

6

100 105

102,5

11

105 110

107,5

12

110 115

112,5

17

115 120

117,5

18

120 125

122,5

11

125 130

127,5

9

130 135

132,5

6

135 140

137,5

4

Bioestatística Profa

Claudia M. G. G. Franchi

17

140 150

145

4

150 160

155

1

160 e mais

...

1

As tabelas de distribuição de frequências mostram a distribuição da variável, mas perdem em
exatidão. Isso porque todos os dados passam a ser representados pelo ponto médio da classe a que
pertencem. Por exemplo, a tabela acima mostra que seis mulheres apresentaram pressão sanguínea
sistólica com o ponto médio igual a 95, mas não d‟a informação exata sobre a pressão de cada uma
delas.

O numero de classes deve ser escolhido pelo pesquisador, em função do que ele quer mostrar.
Em geral, convém estabelecer de 5 a 20 classes. Se o numero de classes for demasiado pequeno (por
exemplo, 3) perde-se muita informação. Se o numero de classes for grande (por exemplo, 30) tem-se
pormenores desnecessários. Mas não existe um numero “ideal” de classes, embora existam até
formulas para estabelecer quantas classes devem ser construídas. Uma dessas fórmulas „e a seguinte:

Onde n é o número de dados. O número de classes é um inteiro próximo de k. Para entender
como se aplica esta fórmula, veja a tabela peso ao nascer dos nascidos vivos, como n=100, tem-se que:

ou seja, deveriam ter sido construídas 7 ou 8 classes.
É importante deixar claro, aqui, que o resultado obtido por esta formula pode ser usado como
referencia, mas cabe ao pesquisador determinar o numero de classes que pretende organizar.
Finalmente, quando se constrói uma tabela de distribuição de frequências, é melhor usar, como
extremos de classes, números fáceis de trabalhar. No caso do peso ao nascer dos nascidos vivos,
foram definidas 7 classes e foram estabelecidos extremos com valores fáceis, como 1,5 e 2,0.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->