Você está na página 1de 18

Universidade Federal de Sergipe

Centro de Ciências Biológicas e da Saúde


Departamento de Fisiologia

Apostila

A Química dos Carboidratos

Prof. Paulo de Tarso Gonçalves Leopoldo

São Cristóvão,
2017

1
- Instituição: Universidade Federal de Sergipe
- Centro de Ciências Biológicas e da Saúde
- Departamento de Fisiologia
- Matéria de Ensino: Bioquímica

II - Tema Central: A Química dos Carboidratos.

III - Duração: 4 horas/aula.

IV - Estratégia: Aula Expositiva

V - Meta

Compreender os princípios químicos envolvidos na formação dos carboidratos,


relacionando-os com as diversas funções biológicas que eles desempenham na natureza.

VI. Objetivos

Ao final desta aula você será capaz de:

6.2.1 Conceituar carboidratos


6.2.2 Classificar carboidratos
6.2.3 Agrupar os monossacarídeos em famílias
6.2.4 Descrever a estereoquímica de carboidratos
6.2.5 Descrever as estruturas cíclicas dos monossacarídeos
6.2.6 Descrever a formação da ligação glicosídica
6.2.7 Descrever a formação de oligossacarídeos, exemplificando-os
6.2.8 Conceituar, classificar, exemplificar e citar as funções biológicas de
polissacarídeos.
6.2.9 Descrever a estrutura e a função do amido e do glicogênio
6.2.10 Descrever a estrutura e a função da celulose
6.2.11 Diferenciar em termos de estrutura e função biológica os polímeros: amido,
glicogênio e celulose.
6.2.12 Descrever a estrutura da parede celular das bactérias
6.2.13 Descrever a estrutura e função dos glicosaminoglicanos

VII - Conteúdo Programático:

7.1 Introdução.
7.2 Conceito e classificação de carboidratos
7.3 Famílias de monossacarídeos
7.4 Estereoquímica de monossacarídeos
7.5 As estruturas cíclicas dos monossacarídeos
7.6 A ligação glicosídica
7.7 Estrutura e função de alguns oligossacarídeos
7.8 Estudo dos polissacarídeos ou glicanos
7.8.1 Polissacarídeos de reserva energética
7.8.2 Polissacarídeos estruturais
7.9 Estruturas e a funções biológicas do amido e do glicogênio
7.10 Estrutura e a função da celulose
7.11 Diferenças estruturais e funcionais entre os polímeros de glicose: amido,
glicogênio e celulose
7.12 A parede celular das bactérias
7.13 Os glicosaminoglicanos

2
Capítulo 7

Carboidratos
1. Conceito e funções biológicas dos carboidratos

Em plena efervescência científica com os avanços da Biologia Molecular nos anos 50, a química
dos carboidratos estava bem atrasada, comparada com o progresso das pesquisas nas áreas de proteínas e
ácidos nucléicos. Isso é explicado em grande parte pela complexidade estrutural dos carboidratos, cujas
estruturas não podem ser determinadas facilmente a partir de suas sequências, nem a sua biossíntese
poder ser prevista a partir de um molde de DNA, como são os RNAs e as proteínas. A grande maioria dos
carboidratos apresenta fórmulas empíricas, cuja proporção entre os átomos de carbono, hidrogênio e
oxigênio é 1:2:1 respectivamente, sugerindo ser um composto de carbono hidratado, daí a explicação pela
qual foram denominados carboidratos ou hidratos de carbono. São exemplos dessas moléculas: D-
manose, D-glicose, D-galactose, etc, que apresentam a mesma fórmula molecular C6H12O6. No entanto,
alguns carboidratos não apresentam essa proporção entre os átomos de carbono, hidrogênio e oxigênio, e
ainda, há os que apresentam em sua composição átomos outros, como nitrogênio, enxofre e fósforo.
Dessa forma, os carboidratos são definidos como um poliidroxialdeído ou um poliidroxicetona e
seus derivados, ou ainda como compostos maiores que podem ser hidrolisado em uma dessas duas
unidades (poliidroxialdeído ou poliidroxicetona). Os carboidratos desempenham diversas funções na
natureza, a saber:
1. Reservas energéticas de plantas e animais. Como exemplo, temos o amido, reserva energética
das plantas e o glicogênio dos animais.
2. Função estrutural, como exemplo, a celulose, encontrada na parede celular de plantas e a
peptidoglicano, encontrada na parede celular de bactérias, quitina, no exoesqueleto de artrópodes, etc.
3, Participação na adesão e reconhecimento celular, como na interação célula a célula, na adesão
de uma bactéria a superfície de uma membrana celular. Essa adesão ocorre com a interação de um
receptor protéico localizado na superfície das bactérias com a porção glicídica das glicoproteínas ou de
glicolipídios encontradas nas membranas celulares (Figura 1). Os carboidratos, que são exclusivamente
encontrados na monocamada externa de membranas plasmáticas, interagem com glicoproteínas e com
glicolipídios, formando uma estrutura denominada glicocálix. O glicocálix é uma camada de
glicoproteínas e glicolipídios encontrada na superfície externa da membrana citoplasmática da maioria
das células eucarióticas. O glicocálix desempenha inúmeras funções e elas refletem, na verdade, funções
desempenhadas por seus componentes. Inibição do crescimento celular por contato, a adesão e
reconhecimento celular, determinação de grupos sanguíneos, entre outras funções.

FIGURA 1 Funções de carboidratos no reconhecimento e adesão celular. (a) Os carboidratos da classe dos oligossacarídeos
(representadas por esferas coloridas) são componentes de uma variedade de glicoproteínas ou glicolípidos na superfície externa das
membranas plasmáticas. Eles interagem com alta especificidade e afinidade com as lectinas no meio extracelular. (B) Os vírus que
infectam células animais, como o vírus da gripe, se ligam às glicoproteínas da superfície celular como o primeiro passo na infecção.
(C) As toxinas bacterianas, como as toxinas da cólera e pertussis, se ligam a um glicolípido superficial antes de entrarem numa
célula. (D) Algumas bactérias, como Helictobacter pylori, aderem e depois colonizam ou infectam células animais. (E) Selectins
(lectinas) na membrana plasmática de certas células medeiam as interações célula-célula, como as dos neutrófilos com células
endoteliais da parede capilar em um local de infecção.

3
2. Classificação dos carboidratos

Os carboidratos classificam-se em três classes, de acordo com o número de unidades de


poliidroxialdeídos ou poliidroxicetonas a saber: monossacarídeos, oligossacarídeos e polissacarídeos:
1. Monossacarídeos. São os carboidratos formados por uma única unidade de poliidroxialdeído
ou poliidroxicetona. Os monossacarídeos mais simples contêm três átomos de carbono, as trioses: D-
gliceraldeído e a diidroxicetona. Os monossacarídeos mais abundantes na natureza são os que contêm seis
átomos de carbono, as hexoses, por exemplo: D-glicose e D-frutose.
2. Oligossacarídeos. São os carboidratos formados por pequenas cadeias de monossacarídeos
ligados entre si por ligações covalentes. Os dissacarídeos são os oligossacarídeos mais abundantes. São
formados por duas unidades de monossacarídeos. A sacarose, o açúcar da cana é o representante típico
desta classe; consiste de duas hexoses: D-glicose e D-frutose unidas covalentemente. Os trissacarídeos
como a rafinose, encontrada na cana de açúcar, é formada pelos monossacarídeos glicose, frutose e
galactose. Oligossacarídeos com mais de cinco unidades de monossacarídeos não são encontrados na
forma livre na natureza, mas ligados a proteínas (formando as glicoproteínas) ou a lipídios (formando os
glicolipídios).
3. Polissacarídeos são carboidratos formados por longas cadeias contendo centenas ou milhares
de unidades de monossacarídeos, tais como: celulose (encontrada na parede celular de plantas),
glicogênio (reserva energética das células animais), quitina (parede celular de fungos, exoesqueleto de
artrópodes e alguns insetos), peptidoglicano (parede celular de bactérias gram positivas e gram negativas),
etc.
3. Classificação e nomenclatura dos monossacarídeos

3.1 Classificação dos monossacarídeos em duas famílias: aldose e Cetose.

Os monossacarídeos são sólidos cristalinos, incolores, solúveis em água e muitos deles têm sabor
doce. São classificados em duas famílias a saber: Aldoses e cetoses. Esta classificação é baseada na
posição do grupo carbonila (C=O) na cadeia do monossacarídeo. Se o grupo carbonila estiver na
extremidade da cadeia, ligado a um carbono primário, conferindo a este monossacarídeo uma função
orgânica do tipo aldeído, ele é denominado aldose, como por exemplo, o D-gliceraldeído e a D-glicose.
Se o grupo carbonila estiver em qualquer posição, que não a extremidade da cadeia, conferindo a ele uma
função orgânica do tipo cetona, o monossacarídeo é denominado cetose, como a diidroxicetona e a D-
frutose, (figura 1). O monossacarídeo mais simples da série das aldoses é o D-gliceraldeído e o da série
das cetoses é a diidroxiacetona, ambos com três carbonos (Figura 2).

Figura 2 Nas aldoses, como o gliceraldeído, o grupo carbonila localiza-se na extremidade da cadeia (carbono 1. Este
monossacarídeo tem função orgânica do tipo aldeído. Quando o grupo carbonila estiver em qualquer posição, que não a extremidade
da cadeia, conferindo uma função orgânica do tipo cetona, o monossacarídeo é denominado cetose, como a diidroxiacetona.

3.2 Classificação dos monossacarídeos quanto ao tamanho da cadeia carbônica.

Quanto ao número de carbono, os monossacarídeos são classificados em: trioses, tetroses,


pentoses, hexoses e heptoses por apresentar três, quatro, cinco, seis e sete átomos de carbono,
respectivamente (Tabela 1). Uma aldose contendo três carbonos é denominada aldotriose; quatro
carbonos, aldotetrose; cinco carbonos, aldopentose e seis carbonos, aldoexose. Para cada uma dessas
aldoses existe uma cetose correspondente, por exemplo: cetotriose (3C), cetotretose (4C), cetopentose
(5C), cetoexose (6C), e cetoeptose (7C).

4
Tabela 1: Alguns monossacarídeos da série das aldoses e cetoses

Número de carbonos Aldoses Cetoses


3 Carbonos (trioses) D-gliceraldeído Diidroxicetona
4 Carbonos (tetroses) D-eritrose D-eritrulose
D-treose
5 Carbonos (pentoses) D-ribose D-ribulose
D-xilose D-xilulose
6 Carbonos (hexoses) D-glicose D-frutose
D-galactose D-psicose
D-manose D-sorbose
7 carbonos (heptoses) D-sedoheptulose

3.3 Noções de nomenclatura dos monossacarídeos.

A maioria dos monossacarídeos tem nomes terminados com o sufixo ose. Algumas cetoses,
principalmente as tetroses e pentoses, são denominadas pela inserção do sufixo ul ao nome de suas
aldoses correspondentes, por exemplo, a D-Eritrulose é a cetotetrose correspondente a aldotetrose D-
eritrose. As cetoexoses não seguem essa regra, apresentando nomes comuns, como por exemplo, D-
frutose, D-psicose e D-sorbose Outras (tabela 1). A frutose, por ser cetose e um monossacarídeo
levorrotatório, era conhecida por levulose.

4. Estereoquímica dos monossacarídeos

As moléculas que tem a mesma fórmula molecular, mas diferem no arranjo espacial de seus
átomos, são denominados estereoisômeros. Neste item e no próximo trataremos dos estereoisômeros dos
monossacarídeos. No item 4 abordaremos os estereoisômeros dos monossacarídeos de cadeia aberta. Os
estereoisômeros desta classe são de dois tipos: enantiômeros (ou isômeros ópticos) e diasteroisômeros
(dentre os quais destacaremos os epímeros) , quais sejam: enantiômeros e diasteroisômeros. No item 5,
trataremos dos estereoisômeros das formas cíclicas dos monossacarídeos, anômeros.

4.1. Enantiômeros.

A maioria dos monossacarídeos apresenta um ou mais carbonos assimétricos, podendo, portanto,


apresentar enantiômeros ou isômeros ópticos. O único monossacarídeo que não tem isômeros ópticos é a
diidroxicetona, uma cetotriose formada apenas por carbonos simétricos (Figura3a). O monossacarídeo D-
gliceraldeído (Figura3b), formado por três átomos de carbono, sendo, apenas um deles assimétrico, e por
isso tem dois isômeros ópticos (figura 3). Assim, as moléculas que apresentam carbonos assimétricos tem
imagens especulares não superponíveis. Os isômeros dessa classe são enantiômeros ou isômeros
ópticos, que apresentam carbono assimétrico.

Figura 3: a) Estrutura da diidroxicetona, monossacarídeo que só apresenta carbono simétrico, e, portanto não tem configuração
absoluta, nem isômeros ópticos. b) Estruturas químicas dos D- e c) L-gliceraldeído, monossacarídeos que são usados para
determinar a configuração absoluta de moléculas orgânicas.

4.1. Determinação do numero de estereoisômeros e enantiômeros.

Fórmula para determinar o número de estereoisômeros A fórmula para determinar o


número de estereoisômeros de uma molécula assimétrica é:

5
Para determinar o número total de estereoisômeros: aplica-se a expressão 2n, em que o n é
igual ao número de carbonos assimétricos.
Para determinar o número de enantiômeros: utiliza-se a s expressão: 2n-1. Importante:
quando a molécula apresenta um único carbono assimétrico, todos os estereoisômeros encontrados com a
expressão 2n são do tipo enantiômeros.
As aldoexoses, como a D-glicose, com quatro carbonos assimétricos, apresentam dezesseis
estereoisômeros diferentes (figura 4), pois aplicando a fórmula 2n, teremos: 24 = 16 estereoisômeros.
Desses 16 estereoisômeros 8 serão enantiômeros, pois aplicando a regra para determinar o número desses
isômeros ópticos teremos: 24-1 = 23 = 8 (enantiômeros ou isômeros ópticos).

4.2 Configuração absoluta dos monossacarídeos.

Como a maioria dos monossacarídeos tem mais de um centro assimétrico, convencionou-se que
o carbono quiral usado para determinar a configuração absoluta é o último carbono assimétrico em
relação à carbonila (C=O). Assim, quando a hidroxila desse último carbono assimétrico (nas tetroses é o
C-3, nas pentoses é o C-4 e nas hexoses é o C-5) estiver para o lado direito, tem-se um monossacarídeo
com configuração absoluta D, se a hidroxila estiver para o lado esquerdo, tem-se um monossacarídeo com
configuração absoluta L. A maioria dos carboidratos encontrados na natureza apresenta configuração D
(figuras 4 e 5). Carboidratos com configuração L são encontrados também na natureza, mas esses são
raros. As aldoses e cetoses da série L são imagens especulares de seus correspondentes da série D. As
propriedades ópticas dos monossacarídeos são designadas pelos sinais (+) para molécula dextrorrotatória
e (−) para molécula levorrotatória.

Figura 4. Família das Aldoses e suas configurações absolutas. As aldoses são agrupadas quanto ao número de carbonos em
trioses (contendo 3 carbonos), tetroses (4C), pentoses (5C) e as hexoses (6C). O único monossacarídeo com 3 átomos de carbonos é
o D-gliceraldeído, entre as tetroses temos a D-Eritrose e D-Treose. As pentoses são D-Ribose, D-Arabinose, D-xilose. A pentose D-
Ribose é encontrada na estrutura do ácido nucléico RNA. As hexoses (6C) são as aldoses mais abundantes na natureza, sendo a D-
Glicose a mais a comumente encontrada na natureza. A letra D antes dos nomes das aldoses refere-se à configuração absoluta desses
monossacarídeos. A configuração absoluta dos monossacarídeos com mais de um centro assimétrico, como nas tetroses, pentoses e
hexoses é determinada pela posição da hidroxila desse último carbono assimétrico (nas tetroses é o C-3, nas pentoses, o C-4 e nas
hexoses, o C-5). Como a OH está do lado direito em todos esses monossacarídeos, a configuração absoluta é D. O D-gliceraldeído
tem apenas um carbono assimétrico, o C-2.

6
Figura 5. Família das cetoses e suas configurações absolutas. As cetoses são reunidas quanto ao número de carbonos em trioses
(cetotioses), tetroses (Cetotretose), pentoses (Cetopentoses) e as hexoses (Cetoexoses). O único monossacarídeo com 3 átomos de
carbonos é Diidroxiacetona, entre as tetroses encontra-se apenas D-Eritrulose. As pentoses são D-Ribulose, D-xilulose. As hexoses
são as cetoses mais abundantes na natureza, quaís sejam: D-Psicose, D-Frutose, D-Sorbose e D-Tagatose. A letra D antes dos nomes
das cetoses refere-se à configuração absoluta desses monossacarídeos. A configuração absoluta dos monossacarídeos com mais de
um centro assimétrico, como nas pentoses e hexoses é determinada pela posição da hidroxila desse último carbono assimétrico (nas
pentoses é o C-4 e nas hexoses, o C-5). Como a OH está do lado direito em todos esses monossacarídeos, a configuração absoluta é
D. A diidroxiacetona não apresenta configuração absoluta, por ser simétrico e D-Eritrulose tem apenas um carbono assimétrico, o C-
3.

4.3 Diastereoisômeros. São pares de estereoisômeros que diferem na configuração de um ou


mais carbonos assimétricos, mas não são imagens especulares superponíveis um do outro. Os
monossacarídeos D-ribose e D-arabinose são diastereoisômeros por serem isômeros, mas não uma
imagem especular do outro. Os epímeros são estereoisômeros da classe dos diasteroisômeros.

4.3.1 Epímeros. Monossacarídeos que apresentam a mesma fórmula molecular, mas diferem
apenas na configuração de um único centro assimétrico são denominados epímeros. A estrutura da D-
manose difere da estrutura da D-glicose apenas na configuração do segundo carbono assimétrico,
enquanto a estrutura da D-galactose difere na configuração do quarto carbono assimétrico. Dessa forma, a
D-manose é epímero da D-glicose no carbono 2 e a D-galactose é epímero da D-glicose no carbono 4
(Figura 6). Os diastereoisômeros que diferem na configuração ao redor de um único C são denominados
epímeros. A D-glicose e a D-galactose são epímeros porque diferem somente na configuração da
hidroxila (OH) no carbono quatro (C4). A D-manose e a D-galactose são diasteroisômeros por difrirem
nas configurações dos seus carbono 2 e 4.

Figura 6. Epímeros da D-glicose. Os epímeros são pares de estereoisômeros da classe dos diastereoisômeros, que se caracterizam
pela diferença de um único centro assimétrico entre eles. Assim, a estrutura da D-Glicose difere da D-manose por diferença no
centro assimétrico do C-2, da mesma forma que a D-Galactose difere da D-glicose no arranjo espacial do C-4.

7
5. A estrutura cíclica dos monossacarídeos

Em soluções aquosas os monossacarídeos com cinco ou mais átomos de carbono ocorrem,


predominantemente, como estruturas cíclicas (anel), cujo grupo carbonila forma uma ligação covalente
com o oxigênio de um grupo hidroxila do C-4 ou C-5. A formação dessas estruturas cíclicas é resultado
da reação geral entre os grupos aldeídos (para as aldoses) e cetonas (para as cetoses) com as hidroxilas,
formando derivados hemiacetais ou hemicetais, respectivamente (Figuras 7).

Figura 7. Formação de um hemiacetal e de um hemicetal. Quando a OH de um monossacarídeo da família das aldoses reage com o
seu grupo aldeído (topo da figura), tem-se a formação de um aldeído. Por outro lado, quando a OH reage com o grupo ceto (R-
C=O), tem-se como produto um hemicetal (parte inferior).

5.1 Formação de estruturas piranosídica e furanosídica de monossacarídeos

A estrutura dos monossacarídeos com mais de 5 átomos de carbono em soluções aquosas


assemelham-se as estruturas do pirano e furano (figura 8).

Figura 8. Estrutura das moléculas orgânica pirano e furano, cujas estruturas assemelham-se a das estruturas cíclicas dos
monossacarídeos com mais de 5C, encontrados em solução. A estrutura do pirano assemelha-se a das piranoses e a do furano, a das
furanoses.

5.2. Estruturas cíclicas da D-glicose. A estrutura da D-glicose em solução aquosa é um


hemiacetal intramolecular, formado em decorrência da reação do seu grupo aldeído (ligado ao C-1) com a
hidroxila livre do carbono 5, constituindo um novo centro assimétrico no C-1 da estrutura cíclica,
denominado carbono hemiacetal ou carbono anomérico. Esse anel hexagonal é denominado piranose
ou furanose, por se assemelhar ao pirano ou ao furano, respectivamente(figura 9). A nomenclatura
sistemática para as duas estruturas cíclicas formadas pela D-glicose em forma de piranose são α-D-
glicopiranose e β-D-glicopiranose (figura 9). As aldoexoses também existem em formas cíclicas com
anéis de 5 átomos denominadas furanoses. A estrutura aldopiranosídica das hexoses é mais estável que a
aldofuranosídica. Em meio aquoso predominam as formas piranosídicas das aldoexoses. Apenas aldoses
contendo cinco ou mais átomos de carbono podem formar anéis furanosídicos e piranosídicos. Os
isômeros dos monossacarídeos, que diferem apenas na configuração do átomo de carbono hemiacetal ou
hemicetal, são denominadas anômeros.

Figura 9: Formação das estruturas cíclicas da D-glicose. As estruturas cíclicas da D-glicose em solução aquosa devem-se à reação
do seu grupo aldeído (ligado ao C-1,carbono primário) com a OH do C-5, formando um novo centro assimétrico no C-1 da estrutura
cíclica, denominado carbono hemiacetal ou carbono anomérico . Este anel hexagonal è denominado piranose, por se assemelhar ao
anel do pirano. A nomenclatura sistemática para essas duas estruturas cíclicas da D-glicose são α-D-glicopiranose e β-D-
glicopiranose, que são s formas isoméricas denominadas anômeros.

8
5.3. Estruturas cíclicas da D-Frutose As cetoexoses também ocorrem nas formas anoméricas α
e β. Nestes compostos o grupo hidroxila do C-5 (ou C-6) reage com o cetogrupo do C-2, formando um
anel furanosídico (ou piranosídico) contendo uma ligação hemicetal (Figura 10). A forma livre da D-
frutose produz predominantemente uma estrutura piranosídica em soluções e furanose para muitos de seus
derivados. O anômero mais comum, em formas combinadas ou derivadas, é a β-D-frutofuranose (Figura
10).

Figura 10: Formação das estruturas cíclicas da D-Frutose. As estruturas cíclicas da D-Frutose em solução aquosa é o resultado da
reação do seu grupo carbonila (ligado ao C-2,carbono secundário) com a hidroxila livre do carbono 5, formando um novo centro
assimétrico no C-2 da estrutura cíclica, denominado carbono hemicetal ou carbono anomérico . Este estrutura cíclica é denominado
furanose, por se assemelhar ao anel do furano . A nomenclatura sistemática para essas duas estruturas cíclicas da D-Frutose são α-D-
frutofuranose e β-D-frutofuranose. Essas formas isoméricas são denominadas anômeros.

6. Derivados dos monossacarídeos

Alcoóis, aldeídos e cetonas, grupos químicos presentes em monossacarídeos podem sofre


reações, originando diversas formas de monossacarídeos Além desses carboidratos, podemos citar os
derivados de oses, que são compostos gerados a partir dos açúcares. Alguns conservam sua condição de
glicídios (ou seja, permanecem como poliidroxialdeídos ou poliidroxicetonas), como ocorre com os
aminoaçúcares (figura 11).

Ésteres fosfóricos, obtidos por fosforilação de glicídios, como glicose 6 fosfato (éster de
Robinson) e frutose 6 fosfato (éster de Harden e Young).
Os ácidos aldônicos são produzidos por oxidação do grupo funcional aldeído do C1 das aldoses.
Esse grupo aldeído é oxidado, sendo convertido a um ácido carboxílico. Os ácidos aldônicos são
nomeados por adição do sufixo ônico à raiz do nome da aldose parental. Por exemplo, a D-glicose
oxidada no C-1 produz ácido D-glicônico, D-galactose produz D-galactônico, etc.). Esse derivado é um
monossacarídeo ácido (figura 10).
Ácidos urônicos, obtidos por oxidação no álcool primário (última OH do monossacarídeo, nas
hexoses é o C-6) Os ácidos urônicos são nomeados por adição do sufixo urônico à raiz do nome da aldose
parental, por exemplo: a D-glicose oxidada no C-6 produz o ácido D-glicurônico, D-galactose produz D-
galacturônico, etc. Esses monossacarídeos são importantes na formação dos polissacarídeos
glicosaminoglicanos. Esse derivado é monossacarídeo ácido (figura 11).
Ácidos aldáricos – Produzidos por oxidação tanto do grupo aldeído do C1 das aldoses quanto da
última OH do monossacarídeo. D-glicose oxidada nos C-1 e C-6 produz o ácido D-glicárico, D-galactose
produz D-galactárico.
Os alditois ou açúcares alcoóis (polialcoóis) são derivados reduzidos de monossacarídeos
produzidos pela reação com boroidreto de sódio. A glicose reduzida produz glicitol ou sorbitol, xilose
produz xilitol, gliceraldeído produz glicerol e manose produz manitol.
Desoxiaçúcares. São derivados reduzidos em que alguns grupos hidroxila dos monossacarídeos
podem ser substituído por átomos de hidrogênio produzindo desoxiaçúcares. Na célula essa
transformação ocorre por meio da ação catalítica das redutases, enzimas que catalisam reações de
redução. O desoxiaçúcar de maior importância biológica é a -D-2-desoxirribose, componente dos
nucleotídeos do DNA (figura 11). A desoxigenação da pentose ribose produz a 2’-desoxirribose. O
monossacarídeo fucose (figura 11) é obtido a partir da desoxigenação do C-6 da manose.
Aminoaçúcares, São derivados obtidos pela substituição de um ou mais grupo de OH do
monossacarídeo por um grupo amino (NH2). Esse grupo amino é freqüentemente acetilado (CH3CO),
como ocorre nos glicosaminoglicanos. Os monossacarídeos N-acetilglicosamina e N-acetilgalactosamina
são os mais comuns (figura 11).

9
Figura 11. Derivados dos monossacarídeos. Os ácidos glicônico e D-glicurônico são derivados ácidos (oxidados) dos
monossacarídeos. O ácido glicônico, um ácido aldônico, é produzido a partir da oxidação do carbono 1 da glicose. O ácido
glicurônico por sua vez é produzido a partir da oxidação do C-6 da glicose.

7. Propriedades dos monossacarídeos

7.1 Propriedade de açúcar Redutor

Os monossacarídeos e alguns oligossacarídeos em solução apresentam propriedades de agentes


redutores. Os açúcares redutores apresentam a capacidade de reduzir agentes oxidantes devido à presença
em suas estruturas moleculares de grupos aldeído ou cetona livre, ou potencialmente livre. Nas estruturas
em piranose e furanose a OH do carbono anomérico é a que participa das reações de óxido-redução,
portanto, para um açúcar ser considerado redutor, essa OH deve estar livre, não participando de ligação
covalente. Os açúcares formam enóis em meio alcalino. A forma enediólica é fortemente reativa e
facilmente reduz algumas substâncias oxidantes tais como: Ag+, Hg2+, Bi3+, Cu2+. Nestas reações os
açúcares são oxidados a uma mistura de ácidos orgânicos e derivados. Esta propriedade redutora dos
açúcares em meio alcalino tem sido explorada em ensaios laboratoriais tanto para identificação de
monossacarídeos, quanto de sua quantificação. A mais importante destas reações é a que envolve a reação
do Cu2+ em meio alcalino e em presença de ácido tartárico (reação de Fehling ou Benedict). O regente de
Benedict é uma solução contendo um complexo alcalino de citrato. Quando o Cu2+ que solúvel e
apresenta cor azul é reduzido a Cu1+ precipita da solução em óxidos insolúvel e alaranjado (figura 12).

Figura 12. Redução do cobre por açúcares redutores. Os açúcares em meio alcalino formam enedióis (enol), que podem ceder
elétrons, reduzindo os sais de cobre do reativo de Benedict, dessa forma o cobre passa do estado de oxidação Cu 2+ para Cu1+. A
glicose ao se oxidar no C-1 forma um derivado aldônico, o ácido D-glicônico. Essa reação baseia-se na propriedade de açúcar-
redutor de monossacarídeos, foi usada por muito tempo em clínica médica para dosar açúcar em líquidos biológicos como urina e
sangue.

7.2. Propriedade da mutarrotação

Os monossacarídeos com mais de cinco átomos de carbono nas formas de hemiacetal ou


hemicetal, quando dissolvidos em água, apresentam o fenômeno da mutarrotação, que consiste na
mudança gradativa da rotação óptica da solução contendo o monossacarídeo até alcançar um ângulo de
equilíbrio. Esse comportamento se deve ao fato de que esses compostos apresentam duas estruturas

10
espaciais possíveis, uma das quais se transforma na outra durante a dissolução, até que um estado de
equilíbrio, onde ambas as estruturas coexistem, seja alcançado. A dissolução de -D-glicose ou de -D-
glicose resulta, num tubo de ensaio, em uma solução que desvia o plano da luz polarizada para + 52 o, pois
um anômero se converte em outro até ser atingido um equilíbrio.
Uma solução recentemente preparada de -D-glicose tem uma rotação específica, ([]D) = +
113°; após certo tempo em repouso, muda para + 52,5°. Uma solução recente de -D-glicose tem uma
[]D = + 19; depois de algum tempo em repouso, a sua rotação específica também muda para + 52,5°.

8 A formação da ligação glicosídica

A ligação glicosídica é uma ligação covalente resultante da reação de condensação de uma


hidroxila (OH) do carbono hemiaccetal (para aldoses cíclicas) ou hemicetal (para cetoses cíclicas) de um
monossacarídeo com qualquer OH do segundo monossacarídeo (figura 13). Nessa reação ocorre a
combinação da OH de um carbono anomérico (carbono ligado ao oxigênio central e a uma hidroxila livre)
de um monossacarídeo com a hidroxila de um álcool ou com a hidroxila de qualquer carbono de outro
monossacarídeo. Essa reação é importante na formação dos oligo e polissacarídeos. A configuração da
ligação glicosídica é determinada pela configuração do carbono anomérico do monossacarídeo que
contribui na sua formação. Assim, se o carbono anomérico reagente apresenta configuração , a ligação
glicosídica será igualmente , da mesma forma se for formada por um monossacarídeo cujo carbono
anomérico seja β.

Figura 13: Formação da ligação glicosídica e do dissacarídeo maltose. Nesta reação o grupo OH ligado do C-1 da glicose (carbono
anomérico), cuja configuração é alfa, reage com a hidroxila do C-4 da segunda unidade de glicose. Dessa forma a maltose apresenta
ligação glicosídica do tipo 14.

9. Oligossacarídeos. Os oligossacarídeos são pequenas cadeias contendo até dez unidades de


monossacarídeos ligados entre si por ligação glicosídica. Essa ligação ocorre com a reação da hidroxila
de um carbono anomérico com qualquer outra hidroxila de outro monossacarídeo (figura 13). Os
oligossacarídeos mais comuns são os dissacarídeos, sendo a sacarose, a maltose e a lactose os mais
abundantes na natureza. Os oligossacarídeos com mais de dez unidades de monossacarídeos são
encontrados apenas ligados a proteínas e lipídios formando as glicoproteínas e os glicolipídios,
respectivamente.
9.1 Dissacarídeo maltose. O dissacarídeo maltose é obtida da hidrólise do amido pela ação da
enzima -amilase e é formada por duas unidades de D-glicose unidas por ligação (14). O segundo
resíduo de D-glicose da maltose possui uma hidroxila do carbono anomérico livre, capaz de existir nas
formas  e , das quais a forma  predomina na natureza (figura 13). Os resíduos de D-glicose na maltose
são hidrolisados pela enzima maltase.

Propriedades do dissacarídeo maltose


 Açúcar redutor;
 Hidrolisado pela enzima intestinal maltase em 2 unidades de glicose;
 Hidrossolúvel.

11
9.2 Dissacarídeo lactose. O dissacarídeo lactose é o açúcar do leite, composto por D-glicose e
D-galactose unidos por ligação glicosídica (14). O resíduo de D-glicose desse dissacarídeo possui
uma hidroxila do carbono anomérico com configuração  (figura 14). A ligação glicosídica que une os
resíduos de D-glicose e D-galactose na lactose é hidrolisada pela enzima lactase.

Propriedades do dissacarídeo maltose


 Açúcar redutor;
 Hidrolisado pela enzima intestinal lactase em glicose e galactose;
 Hidrossolúvel;

9.3 Dissacarídeo sacarose. A sacarose é o açúcar da beterraba e da cana-de-açúcar e é formada


por D-frutose e D-glicose unidas por ligação (21). Como as hidroxilas do carbono anomérico da D-
frutose e D-glicose estão envolvidas na formação da ligação glicosídica, a sacarose não apresenta a
propriedade de açúcar redutor (figura 14). A ligação glicosídica que une os resíduos de D-frutose e D-
glicose na sacarose é hidrolisada pela sacarase ou invertase.
9.2 Trealose. A trealose é um dissacarídeo não redutor formado por dois resíduos de glicose
unidos por ligação glicosídica (α11) como demonstrada na figura 14. A trealose ou açúcar do cogumelo
é encontrada não apenas em fungos, mas também em muitos outros organismos. Em alguns insetos a
trealose atua como uma fonte de reserva energética na hemolinfa desses invertebrados e também age
como um anticongelante em muitas espécies. É responsável por até 20% do peso seco de organismos
anidrobióticos (que podem sobreviver em completa desidratação). Estes incluem esporos de alguns
fungos, células de levedura e alguns nematóides. Estes organismos podem permanecer por anos em um
estado de desidratação. Embora possam ser dessecados, os esporos de fungos permanecem dormentes
mesmo quando a quantidade de água disponível seja considerável. Uma das primeiras alterações
detectáveis quando os esporos germinam é um rápido aumento na atividade da enzima trealase, que
hidrolisa a trealose em dois resíduos de glicose.

Figura 14: A estrutura dos dissacarídeos sacarose, lactose, maltose e trealose

9.1 Nomenclatura dos dissacarídeos

Para nomear dissacarídeos deve-se seguir regras descritas abaixo, que dependem do dissacarídeo
ser açúcar redutor ou não.

Para dissacarídeos redutores

1. Nomeia-se o primeiro monossacarídeo envolvido na formação da ligação glicosídica cuja


hidroxila do carbono anomérico está na extremidade não redutora do dissacarídeo, precedido pela
configuração dessa ligação ( ou ), da configuração do monossacarídeo (normalmente D) e do nome do
monossacarídeo acrescido do sufixo piranosil ou furanosil, se se tratar de uma piranose ou furanose,
respectivamente. Exemplo disso são os monossacarídeos maltose e lactose.

12
2. Em seguida, abre-se um parêntese em que se escreve o número do carbono anomérico
envolvido na ligação glicosídica, que tanto na maltose quanto na lactose é o carbono 1, insere-se uma seta
e o número do carbono do outro monossacarídeo envolvido na ligação glicosídica. Nos dissacarídeos
acima citados é o carbono 4, portanto (14).
3. O segundo monossacarídeo envolvido na formação da ligação glicosídica é nomeado também
citando-se a configuração de seu carbono anomérico ( ou ), a configuração do monossacarídeo
(normalmente D) e o nome do monossacarídeo acrescido do sufixo piranose ou furanose. Conferir os
nomes sistemáticos dos monossacarídeos da maltose e lactose (figura 14).

Para dissacarídeos não redutores:

1. Nesse caso pode-se nomear o dissacarídeo de duas formas, uma vez que os dois
monossacarídeos têm seus carbonos anoméricos envolvidos na formação da ligação glicosídica, sendo
ambos glicosídeos. O primeiro monossacarídeo terá igualmente a configuração dessa ligação descrita (
ou ) como também a sua configuração (normalmente D). O nome do monossacarídeo é acrescido do
sufixo piranosil ou furanosil, se se tratar de uma piranose ou furanose, respectivamente. Exemplo disso é
o dissacarídeo sacarose.
2. Em seguida abre-se um parêntese em que se escreve o número do carbono anomérico
envolvido na ligação glicosídica, que na sacarose pode ser o carbono 1 da D-glicose ou o carbono 2 da D-
frutose, podendo se (12) ou (21).
3. O segundo monossacarídeo envolvido na formação da ligação glicosídica é nomeado também
citando a configuração de seu carbono anomérico ( ou ), a configuração do monossacarídeo
(normalmente D) e o nome do monossacarídeo acrescido do sufixo piranosídeo ou furanosídeo. Conferir
o nome sistemático dos monossacarídeos na sacarose (figura 14).

10. Polissacarídeos ou glicanos

Os polissacarídeos são formados por longas cadeias com centenas ou milhares de unidades de
monossacarídeos. A maioria dos carboidratos é encontrada na natureza na forma de polissacarídeos, que
diferem entre si pela natureza das suas unidades monossacarídicas recorrentes, pelo comprimento das
suas cadeias e pelo grau de ramificação. Os polissacarídeos apresentam diversas funções biológicas como
estrutural e reserva energética. São classificados de acordo com as unidades de monossacarídeos que
entram em sua composição em homopolissacarídeos e heteropolissacarídeos.
Os homopolissacarídeos são formados por um único tipo de unidade de monossacarídeo.
Exemplos: amido, glicogênio e celulose, são polissacarídeos formados apenas pelo monossacarídeo D-
glicose. Os heteroploissacarídeos são polissacarídeos formados por duas ou mais unidades monoméricas
diferentes. Exemplos: o ácido hialurônico, que é formado por resíduos alternados de ácido D-glicurônico
e N-acetil-D-glicosamina.

10.1 Polissacarídeos de reserva energética

10.1.1 Amido

O amido é a reserva energética das plantas e é formado por duas unidades poliméricas: amilose e
amilopectina (figura 15a). A amilose é o polímero não ramificado do amido e solúvel em água, sendo
formada por resíduos de α-D-glicose unidos por ligação (14). A amilopectina (figura 15b) é o
polímero ramificado e não solúvel em água, contendo resíduos de D-glicose unidos por ligação (14) e
nos pontos em que há ramificação, os resíduos de D-glicose são unidos por ligação (16).
As ligações (14) que unem os resíduos de D-glicose no amido estão perfeitamente adaptadas
à função de reserva energética das plantas por duas razões principais. Isso se deve as ligações (14)
serem dobráveis, o que permite que a molécula do amido se dobre sobre si mesma, facilitando o
enovelamento desse polímero na célula, formando grânulos densos. Ressalte-se ainda que a ligações
(14) são hidrolisadas pela enzima -amilase, liberando como produto a D-glicose, que será
metabolizada na célula para produzir energia (figura 15c), possibilitando ao amido atuar como uma
reserva celular de D-glicose

13
Figura 15: A estrutura dos polímeros amilose e amilopectina do amido. a) Estrutura da amilose e b)
Estrutura da amilopectina. C. estrutura dobrável das ligações (14) dos polímeros da amilopectina e do
glicogênio, o que facilita o armazenamento desses polímeros na forma de grânulos densos.

10.1.2 Glicogênio

As células dos animais armazenam D-glicose na forma de glicogênio. A estrutura do glicogênio


é como a amilopectina do amido, dela diferindo apenas no fato de apresentar um maior número de
ramificações do que a amilopectina do amido (figuras 16 ). A maior parte dos resíduos de D-glicose na
amilopectina se liga por ligações glicosídicas do tipo (14). Nas ramificações os resíduos de D-glicose
são unidos por ligação (16).

Figura 16: A. Amilopectina, polímero ramificado do amido. B. Estrutura do glicogênio, que se


assemelha a da amilopectina, apenas mais ramificado. C. Ligações glicosídicas (14) e (16).

10.2 Polissacarídeos estruturais

Muitos polissacarídeos atuam como elementos estruturais das paredes celulares de bactérias
(peptidoglicano) e de vegetais superiores (celulose) e da superfície externa de células animais
(glicocálix). Outros polissacarídeos são componentes do tecido conjuntivo de vertebrados
(glicosaminoglicanos) e do exoesqueleto dos artrópodes (quitina). Os polissacarídeos estruturais conferem
forma e dão proteção e suporte às células e aos tecidos.

14
10.2.1 Celulose. A celulose é um homopolissacarídeo linear não ramificado, formado por dez
mil ou mais unidades de D-glicose unidas por ligações glicosídicas (14). Essas ligações permitem que
a celulose forme polímeros de D-glicose lineares, resistentes e insolúveis, possibilitando que a celulose
desempenhe a sua função estrutural (figura 17).

Figura 17: A estrutura dos polímeros de D-glicose unidos por ligação glicosídica (14) para formar
fibras de celulose.

Como o sistema digestivo dos vertebrados não produz qualquer enzima capaz de hidrolisar as
ligações (14) da celulose, esse polímero não pode ser hidrolisado em suas unidades de D-glicose,
portanto, completamente inaproveitável como alimento para a maioria desses animais. Os cupins digerem
a celulose porque o seu sistema digestivo abriga um microrganismo Triconympha, que secreta a celulase,
enzima que hidrolisa a celulose e capacita os cupins a se alimentarem de madeira. Os fungos e bactérias
que se alimentam de madeira também produzem a celulase.
Os mamíferos não possuem celulase e, portanto, não podem digerir madeira e fibras vegetais.
Contudo, alguns ruminantes como as ovelhas, boi, girafa, camelo, etc, abrigam bactéria produtora de
celulase no tubo digestivo, razão pela qual podem digerir a celulose.

10.2.2. Quitina. Outro polissacarídeo estrutural é a quitina, material insolúvel e resistente da


carapaça ou do exoesqueleto de lagostas, caranguejos e de muitos insetos. A quitina é um
homopolissacarídeo formado por resíduos de N-acetil-glicosamina (Figura 18) unidos por ligações
(14).

Figura 18: A estrutura química do monossacarídeo N-acetil-D-glicosamina, um derivado da glicosamina


por acetilação do grupo amino no carbono 2 do anel piranosídico. Os resíduos de N-acetil-D-glicosamina
são unidos por ligação glicosídica (14), formando polímeros que dão estrutura a quitina.

10.2.3. Peptidoglicano, parede celular das bactérias. As bactérias são envolvidas por uma
parede celular rígida que permite a esses microrganismos viver em ambientes hipotônicos (concentrações
de sais mais baixa do que o meio intracelular), sem que ocorra lise de suas membranas plasmática em
decorrência do fluxo de água do meio externo para o intracelular. A parede celular bacteriana denominada
peptidoglicano consiste de cadeias polissacarídicas e polipeptídicas ligadas covalentemente, formando
uma estrutura resistente, assemelhando-se a um muro e por isso foi denominada anteriormente de mureína

15
(figura 19). Essa estrutura resistente que envolve completamente a bactéria teve a maior parte de sua
estrutura química elucidada por Jack Strominger. As fibras de polissacarídeos são formadas por duas
unidades recorrentes de N-acetilmurâmico e N-Acetil-D-glicosamina unidas por ligação (14)
dispostas lado a lado. A OH do C-3 do N-acetilmurâmico tem seu hidrogênio substituído por ácido
láctico, ao qual se liga um tetrapeptídeo composto por alanina, isoglutamato, lisina e alanina (figura 19).
As fibras de polissacarídeos são interligadas por um pentapeptídeo de glicina, que se liga a um resíduo de
alanina de uma cadeia com outro resíduo de alanina ligado ao N-acetilmurâmico da cadeia ao lado (figura
19).

Figura 19. Estrutura do polímero de peptidoglicano, formado por N-acetilglicosamina e ácido N-acetilmurâmico ligado por ligação
(14). Representação esquemática desse polímero destacando a importância do peptídeos na formação da peptidoglicano .

Os D-aminoácidos do peptidoglicano tornam essa estrutura resistente a proteases, que


apresentam em sua maior parte, especificidade para L-aminoácidos. Entretanto, a lisozima, uma enzima
presente nas lágrimas, no muco e em outras secreções do corpo, como também na clara do ovo, catalisa a
hidrólise da ligação glicosídica (14) entre o ácido N-acetilmurâmico e N-Acetil-D-glicosamina.
As paredes celulares das bactéria são tipicamente compostas por peptidoglicanos (polímeros de
polissacarideoss ligados a proteínas). Quando a parede exterior tem esta composição, a célula tinge de cor
púrpura quando fixada com violeta-cristal, uma preparação conhecida como técnica de Gram - bactérias
"Gram-positivas". Outras bactérias possuem uma parede celular dupla, em que a interna é uma fina
camada de peptidoglicanos, enquanto que a exterior á formada por carboidratos, lípidos e proteínas. Estas
bactérias não tingem de púrpura com o corante de Gram - "Gram-negativas". Muitos antibióticos,
incluindo a penicilina e seus derivados, atacam especificamente a parede celular das bactérias.

10.2.4. Glicosaminoglicanos. A matriz extracelular de tecidos conjuntivos como cartilagem, tendões,


pele e parede dos vasos sanguíneos contém uma matriz gelatinosa composta por glicosaminoglicanos. Os
glicosaminoglicanos são cadeias de polissacarídeos sem ramificações (carga negativa pelos radicais
sulfato e carboxila), compostas de unidades repetitivas de dissacarídeos, sendo um deles uma hexose-
aminada N-acetilada (N-acetilglicosamina ou N-acetilgalactosamina) e a outra unidade é um ácido
urônico (açúcar derivado de ácido glicurônico ou idurônico). Alguns glicosaminoglicanos contêm ainda
sulfato, como também o monossacarídeo pode aparecer na forma de aldose como a D-galactose no
queratana sulfato (figura 20 ). São exemplos de glicosaminoglicanos: ácido hialurônico, condroitina-4-
sulfato, condroitina-6-sulfato, dermatan-sulfato, queratan-sulfato, heparina (figura 20).
O ácido hialurônico é formado por unidades repetitivas de D-glicuronato e N-Acetil-D-
glicosamina unidas por ligação (13), é um componente do líquido sinovial (fluido lubrificante de
juntas) e do humor vítreo dos olhos. A vida dos olhos depende muito dos seus dois humores: o humor
vítreo, substância gelatinosa que enche quase todo o globo ocular, e o humor aquoso, uma solução salina
que enche a região da íris. Apresenta cargas negativas o que proporciona a hidratação desse polímero, uma
vez que as cargas negativas do ácido hialurônico ligam muitas moléculas de água e cálcio. A ligação
(13) do ácido hialurônico favorece a formação de fibras distendidas rígidas, resistentes à tensão.
Os glicosaminoglicanos são encontrados normalmente ligados a proteínas, formando
proteoglicanos. Os glicosaminoglicanos e proteoglicanos formam uma substância altamente hidratada do
tipo gel, onde as proteínas estão inseridas. Este gel é altamente resistente a forças de compressão,
enquanto que as proteínas fibrosas (colágeno) dão ao tecido uma resistência à tensão.

16
Figura 20. Os glicosaminoglicanos são cadeias de polissacarídeos sem ramificações (carga negativa pelos radicais sulfato e
carboxila), compostas de unidades repetitivas de dissacarídeos, sendo um deles uma hexose-aminada N-acetilada (N-
acetilglicosamina ou N-acetilgalactosamina) e a outra unidade é um ácido urônico (açúcar derivado de ácido glicurônico ou
idurônico). Alguns glicosaminoglicanos contêm ainda sulfato, como também o monossacarídeo pode aparecer na forma de aldose
como a D-galactose no queratana sulfato. São exemplos de glicosaminoglicanos: ácido hialurônico, condroitina-4-sulfato,
condroitina-6-sulfato, dermatan-sulfato, queratan-sulfato, heparina.

12. Conclusão Os carboidratos são poliidroxialdeídos ou poliidroxicetonas, ou substâncias que


por hidrólise liberam um desses dois compostos. Classificam-se em monossacarídeos, oligossacarídeos e
polissacarídeos.Desempenham diversas funções na natureza como reserva energética de plantas e
animais, função estrutural e participam no reconhecimento e adesão celular. Os monossacarídeos
assimétricos apresentam isômeros ópticos , tendo configuração absoluta D. Os monossacarídeos com 5
mais átomos de carbonos podem formar estruturas cíclicas denominadas piranoses e furanoses. Os
monossacarídeos reagem em uma reação de eliminação de H 2O produzindo uma ligação covalente
denominada ligação glicosídica. A ligação glicosídica une monossacarídeos formando oligossacarídeos e
polissacarídeos. Os oligossacarídeos são pequenas cadeias de monossacarídeos, sendo os dissacarídeos os
mais abundantes. Os polissacarídeos são cadeias enorme, contendo centenas ou milhares de unidades de
monossacarídeos. Podem ser homo ou heteropolissacarídeo e desempenham funções estrutural, de reserva
energética, entre outras. Celulose e quitina são homopolissacarídeos com função estrutural. Amido e
glicogênio são homopolissacarídeos com função de reserva energética.

13. Resumo

Os carboidratos são poliidroxialdeídos ou poliidroxicetonas, ou substâncias que por hidrólise


liberam um desses dois compostos. Atuam como reserva energética de plantas e animais, desempenham
função estrutural e participam, ainda, na adesão e reconhecimento celular. De acordo com o número de
unidades de poliidroxialdeídos ou poliidroxicetonas, classificam-se em: monossacarídeos,
oligossacarídeos e polissacarídeos. Os monossacarídeos são sólidos cristalinos, incolores, solúveis em
água e são agrupados em duas famílias: aldoses e cetoses. Os monossacarídeos com 3 átomos de carbono
são denominados trioses, com 4 tetroses, com 5 pentoses, com 6 hexoses e com 7 heptoses. A maioria dos
monossacarídeos apresentam configuração absoluta D, com exceção da diidroxicetona (que não tem
carbono assimétrico). Os monossacarídeos que apresentam imagem especular não superponível são
enantiômeros ou isômeros ópticos e aqueles que diferem apenas na configuração de um único centro
assimétrico são denominadas epímeros. Em soluções aquosas, os monossacarídeos com cinco ou mais
átomos de carbono ocorrem, predominantemente, como estruturas cíclicas (em anel) que resultam da
reação geral entre aldeídos ou cetonas e alcoóis formando derivados hemiacetais ou hemicetais,
respectivamente. A formação de oligossacarídeos e polissacarídeos ocorre com a reação de unidades de
monossacarídeos, em que se produz uma ligação covalente denominada ligação glicosídica. Nessa reação
a hidroxila de um carbono anomérico de um monossacarídeo reagem com qualquer outra hidroxila de
outro monossacarídeo. Os oligossacarídeos são pequenas cadeias de carboidratos contendo até dez
unidades de monossacarídeos. Os mais comuns são os dissacarídeos, dos quais a sacarose, a maltose e a
lactose são os mais abundantes na natureza. Os polissacarídeos são formados por cadeias contendo

17
centenas ou milhares de unidades de monossacarídeos e diferem entre si pelo tipo de monossacarídeo que
entra em sua composição, comprimento das suas cadeias e grau de ramificação da cadeia. Assumem
importante função estrutural e de reserva energética e são classificados em homopolissacarídeos e
heteropolissacarídeos, de acordo com as unidades de monossacarídeos que entram em sua composição.
Os polissacarídeos amido (reserva energética das plantas), glicogênio (reserva energética dos animais) e
celulose são homopolissacarídeos de glicose que estão perfeitamente adaptados às funções biológicas que
desempenham na natureza.

14. Exercícios

1. O que são aldoses e cetoses?


2. Como são nomeadas os monossacarídeos das famílias das aldoses e cetoses?
3. Como é determinada a configuração absoluta dos monossacarídeos com apenas um centro assimétrico e
a dos que tem dois ou mais carbonos quirais?
4. Por que a diidroxicetona não apresenta isômeros ópticos nem configuração absoluta?
7. Quais são as aldoses e cetoses mais abundantes na natureza?
5. Explique o porquê das pentoaldoses terem 8 isômeros ópticos e as pentocetoses terem só 4 isômeros.
6. O que são diasteroisômeros e epímeros? Quais são os epímeros da D-glicose?
7. Qual a relação isomérica existe entre D-glicose e D-manose?
8.O que são anômeros? Exemplifique-os.
9. O que são ácidos aldônicos, urônicos, desoxiaçúcares e aminoaçúcares?
10. O que é a ligação glicosídica e como ela é formada?
11. O que são oligossacarídeos? Exemplifique-os.
12. O que é a intolerância à lactose? Como ela pode ser tratada?
13. Maltose, trealose e celobiose são dissacarídeos formados por dois resíduos de D-glicose, em que
aspectos eles se diferenciam?
14. Descreva a nomenclatura dos monossacarídeos envolvidos na formação dos oligossacarídeos maltose,
trealose, rafinose e celobiose.
15. Por que a sacarose não é um açúcar redutor?
16. Explique por que a sacarose é denominada de açúcar invertido.
17. O que são polissacarídeos e como eles são classificados quanto ao tipo de suas unidades formadoras?
18. Quais as funções biológicas dos polissacarídeos?
19. Apresente exemplos de homopolissacarídeos e heteropolissacarídeos
20. Descreva a estrutura do amido e explique como ela adapta-se bem ao seu papel biológico
21. Descreva a estrutura do glicogênio e explique como ela adapta-se bem ao seu papel biológico
22. Descreva a estrutura da celulose e fale sobre o seu papel biológico
23. Por que a celulose não é fonte de D-glicose para o homem, mas o é para os ruminantes e os cupins?
24. O que são glicosaminoglicanos e como eles são formados
25. Descreva a estrutura da parede celular das bactérias.
26.Diferencie os glicoconjugados glicoproteínas, proteoglicanos e glicolipídios.

18