Você está na página 1de 5

Escola Secundária C/ 3º Ciclo de Marco de Canaveses

Curso Científico-Humanístico de Ciências e Tecnologias


Biologia e Geologia Ano I

Ficha Informativa
Assunto: O microscópio óptico e as preparações temporárias

O MICROSCÓPIO ÓPTICO COMPOSTO (M.O.C.)

O microscópio óptico composto é um aparelho que permite ampliar os objectos que não são observáveis à
vista desarmada.

Como é constituído o M.O.C.?

9 Parte mecânica
6 1. Pé ou base
2. Braço ou coluna
3. Platina
4. Pinças
5. Revólver
6. Canhão
7. Parafuso macrométrico
5 8. Parafuso micrométrico
10
2 Parte óptica
3
9. Oculares
4 10. Objectivas
7
11 11. Condensador
8 12. Diafragma
12 13. Espelho ou lâmpada
13

Como se manuseia o M.O.C.?

O M.O.C. é um aparelho de precisão que deves manusear com muito cuidado.

1. Antes de pegares na caixa do microscópio verifica se ela está fechada.


2. Transporta o microscópio colocando uma das mãos na base e a outra no braço ou coluna.
3. Deves colocar o aparelho afastado da beira da mesa de trabalho e longe da água.
4. Limpa as lentes do microscópio com materiais macios e em movimentos circulares.
5. Depois de utilizares o M.O.C., e após teres colocado a objectiva de menor ampliação no alinhamento do
canhão, guarda-o na caixa com todos os cuidados tidos no início da actividade.
Como se ilumina o M.O.C. ?

1. Coloca, correctamente, a objectiva de menor ampliação.

2. Verifica se o diafragma está aberto.

3. Acende a lâmpada do microscópio ou, olhando através da ocular, orienta o espelho de modo a obteres uma boa
iluminação do campo de observação.

Como se foca o objecto?

1. Coloca, devidamente, a objectiva de menor ampliação.

2. Aproxima a objectiva da platina utilizando o parafuso macrométrico.

3. Olha pela ocular e vai afastando a objectiva da platina até que o material a observar fique bem visível.

4. Com o parafuso micrométrico foca melhor, de modo a obteres uma imagem nítida.

5. Para focares noutra ampliação roda o revólver de modo a colocares a objectiva de ampliação superior.

6. Foca o objecto utilizando apenas o parafuso micrométrico.

PREPARAÇÕES TEMPORÁRIAS

Fazer observações ao microscópio leva à aplicação de técnicas de preparação de material biológico. Em microscopia
óptica as preparações podem ser temporárias ou definitivas, se apresentam, respectivamente, curta ou longa
duração. Nas nossas aulas de microscopia, só realizaremos preparações do primeiro tipo.

As preparações temporárias permitem fazer a observação de células no seu meio normal de vida: água salgada, água
doce, soro fisiológico ou plasma sanguíneo.

Por vezes, no estudo de microrganismos e de tecidos animais ou vegetais, temos necessidade de observar o material
“in vivo” (ao vivo), no seu estado natural, sem uso de fixadores ou corantes que de algum modo sempre criam algo
de artificial no material da observação.

A preparação temporária tem uma duração curta, isto porque pode ocorrer evaporação de meio aquoso,
acompanhada de um processo de degradação da célula – decomposição – e autodestruição – autólise.

As preparações microscópicas são constituídas por:

• Lâmina de vidro

• Meio de montagem ( água, soro fisiológico, entre outros, onde deve estar imerso o material a observar)

• Lamela

Técnica de Montagem:

O material a observar é colocado entre a lâmina e a lamela: segurando a


lamela, com a ajuda de uma agulha de dissecção, de modo a que ela faça
um ângulo de 45º com a lâmina, deixa-se cair lentamente. Esta técnica
pode ser considerada como um complemento de outras.
Coloração

Quando se observam ao microscópio óptico, preparações de material biológico fresco, pouco se distingue da
estrutura interna das células, ao contrário do que acontece no microscópio electrónico.

As diferentes estruturas celulares apresentam pouco contraste óptico, isto é, têm um determinado grau de
transparência à luz, de modo que, aparentemente, o conteúdo celular é homogéneo, por isso temos de recorrer a
estratégias que permitam melhor visualização do conteúdo celular.

Para superar este problema os citologistas (cientistas que estudam a célula) desenvolveram técnicas de coloração
que consistem em mergulhar a célula numa substância denominada corante, capaz de tingir diferencialmente uma
ou mais partes celulares.

No microscópio electrónico não se usam corantes porque a imagem obtida é sempre a preto e branco.

Para realizar preparações temporárias utilizam-se corantes vitais porque podem ser usados em células vivas sem as
matarem. Estão em concentrações muito baixas (0,01%), a fim de diminuir a toxicidade nas células. Os corantes
podem ser vitais ou não vitais, conforme permitam colorar células vivas e mantê-las assim ou não. O mesmo corante
pode ser vital ou não, dependendo da concentração em que se encontra.

Ex.: Azul de metileno – pode ser um corante vital se estiver em baixa concentração.

O soluto de lugol é um corante não vital pois mata rapidamente o material biológico.

Não existe uma técnica de coloração que ponha em evidência todas as estruturas celulares.
A coloração das células deve-se sobretudo à combinação dos corantes com as proteínas, dependendo portanto da
sua carga eléctrica e pH. Por esta razão, o facto de os corantes poderem corar especificamente um organelo e não
outro (corantes selectivos) está relacionado com a diferença de cargas eléctricas existente entre as proteínas dos
diferentes organelos celulares, tendo os corantes uma especificidade para determinada carga eléctrica ou pH, que
permita atracção pelo seu próprio e que ocorram ligações químicas.
Assim, quando colocamos corante azul numa preparação podemos verificar da início que toda a preparação fica azul,
mas se lavarmos a preparação fazendo correr água pelo esguicho, o corante que não se encontra ligado a nenhuma
estrutura sai.
Corantes selectivos:
Corantes básicos ou nucleares Estruturas evidenciadas
Azul de metileno Cora o núcleo de azul
Vermelho neutro Acumula-se em vacúolos
Água iodada Cora o núcleo e amiloplastos

Os corantes básicos coram elementos celulares basófilos. As moléculas ácidas como o DNA e o RNA são basófilas,
pois têm afinidade para os corantes básicos.

Os corantes ácidos coram elementos celulares acidófilos. O citoplasma tem proteínas básicas ou acidófilas.

Corantes ácidos ou citoplasmáticos Estruturas evidenciadas


Eosina Citoplasma
Fucsina ácida Citoplasma
Os corantes neutros coram elementos celulares neutrófilos.

Os corantes também podem ser classificados de acordo com a sua origem e, deste modo, podem ser naturais (se
provêm da natureza) ou artificiais (se são fabricados em laboratório).

Corantes neutros Estruturas evidenciadas


Violeta de Genciana Cromossomas de células vivas em divisão
Soluto de lugol Grãos de amido, paredes celulósicas

Corantes naturais Origem


Carmim Ovários de um insecto - Cochonilha
Hematoxilina leguminosa
Anil Anileira – papilionácea
Orceína Líquen
Açafrão Estames de Crocus sativus

Técnicas de coloração

Na técnica de coloração por imersão o material biológico fica imerso durante alguns minutos no corante
seleccionado.

Na técnica de coloração por irrigação substitui-se o meio de montagem de uma preparação já efectuado por outro,
que neste caso é o corante.

Vantagens do uso de preparações temporárias:

• A quantidade de artefactos que pode ser produzida é muito reduzida.

• Possibilita a visualização de material biológico “in vivo”, no seu estado natural.


Desvantagens do uso de preparações temporárias:

• As preparações não se conservam por muito tempo, mesmo quando se empregam líquidos
conservantes; passado algum tempo começam a aparecer sinais de degenerescência, acabando com a
morte do material biológico.

• Apenas se pode aplicar a material suficientemente transparente.

• As células grandes ou bastantes frágeis apresentam, por vezes artefactos devido ao peso da lamela.

• Não se pode observar no microscópio electrónico.

A Professora: Dina Bastos Coutinho