Você está na página 1de 166

Trabalhos publicados :

A$ Deir~rtat3-Monogryfia de nm grupo de ilhotas.


AS S e l v a g e n s -Monografia da u m grupo de Ilhctas.

C) Funchal-2.n ediçiib -Pul)licaç20 comemorativa do qnadricen!efiario di

0 s alicerces para a h i s t ó r i a m l l l t a r áa Madeira-Conferências


tal do R. I, 27.

Ascendência, naturalidade & M u d a u G a d e nome d e João F e r n a n r i a r


Vlslra-Bosqadjo htetBrico.
A r Migalhas-2,a edlção-Contos o esbocetos,
Um ponto de Hlstsirls Pbtrla-Coiifarenclas no qiiartel do R, 1. 21,
W i s t õ r l a Militar da M a d e i r a -Ensaio dociimentado.
( J o r o g r s t l a e l e m e n t a r do a r q u l l p 8 l a g o d a Nladelra-NaçBes mialuias,
H o m e n a g e m a João P e r n r n d e r Vlelra-Dlscureo na lnaugaração do seu
monumento,
M r d e l r a - $ 8 0 1 - 0 2 ; 1807-1814-Notas e documentos sobre a ocnpagXo Inglesa,

Santo A n t 6 n i o d e Lisboa b o q u a j a d s na M a d e l r e -No VI1 ueritanlirlo clr


aua gl6rla.
PELAGQ DA MADE

1986
FUNCIIAL
Compoeto e lmpraeeo no
"DIAHIO DE NOTICIAS"
Bizranie desanooe anos, no Liceu de Jaime Moniz, como profes-
s o provisório,
~ foram- 110s destr ibuidas as disciplinas de ciências da
natureza, para s o b ~ eelas, entreter as horas que nos pareceram rápi-
das no ensino do programa oflcial, a que sentpre buscamos prende1
a atençgo dos alunos, indicando o que se encontrava na nossa terra,
como exemplo ,da matéria dada nas Lições.
Espicapada a czzrfosidude e estimulada a vontade em procurur'
vimos com satisfação o interesse manifestado, mórmente nas excur.
sões realfsadas para o conhecimento prdtico, recordação que mais
perda~~a pela vida além dos descuido~ostempos do estudanfe.
Deixou escrito o Projessor Blanchai*d que muitas vez~esse olha
com indlferenpa para o que se poderia examinar e raramente vem B
lembrança ~wfletirutn pouco sobro a razão e causa de ser, e dêste
nod do,-ver apenas, não B instruir-se, e termvisto, não significa saber.
A tendência latente que sempre nos levou ao estudo da história
local, nos seus uarlodos aspectos, fez com que fossemos alinhavando
apontamentos, reunindo agopa os dispersos sobre as Aves do Arqui-
pelago da Madeira, ~vndenclopreito aos que mais relevantes serviços
teem p~+estado sobre o assunto, confiando no escudo dessa protecção.
O campo j?ca aberto pala mais larga sernenteira. Resta ainda
bastante a fazer e coopera]; sem mesmo muito se sobe]:
Conhecidas são as aves que teem nídiflcado ou nidificam nas
nossas ilftas, Algumas, porém, das que nos visitam, com assiduidade,
poderao ainda vir1 a se/* oorisideradas oomo nossas, se delas se desco-
brir alguns ninhos.
A lista das de passagem,-lPegular, irregular e acidental-vem
sendo sucessivamente aumentada.
L-Mas quantas se não teem furetado á observação, frazidas pelo
vento forte, o-leste-que soplla de Af~dca,oudesgarradas no impulso
das tempestades?
Com pouco esforço, se poderia estabelecer. melhor a época das
migraçges periódicas, a demora da visita, os seus hdbitos, a alimena
tação procurada ou a anterior, indicada pelo que se possa observar
no seu estdmago, as vestes das estações.
Mais de perto, como se comportam as indígehas 110 agrupamenu
to em bando ou acasaladas, o lugar preferido para a construção do
ninho, a preferdncia do material empregado, o tamanho e quantia
dos ovos, seu formato e colorido, o tempo da incubação, se acalen-
iada pelo par ou sómente pela fémea, o numero das posturas anuais,
o alimento próprio dos ninhegos, se o macho cuida dos filhos, a com
1or.ação da penugem que primeiro os reveste, o ensaio do voo, os
caracteristicos ,juvenis, as difel*entes mudas, o aspecto que apresen-
tam os fndivlduos uelhos, a duração da sua existi?ncia, etc. etc.
Todas estas pequenas obse~tuações,parecendo de pouca monta,
a ~ de m um passatempo util, constituem a alegria no estudo, indo
fornecer elementos aos técnlcos que ngo tesm tempo palu descer a
minuciosidades, e no entanto delas carecem para os seus quadros de
classi~cação,
B-m qtrizerâmos ter azas para erguer um v60 a abranger ex-
tensos horisontes, mas desnorteados no imenso azul da vastidão dos
conhecirnenios nt-cessdrios, errdticos serlarnos, sem a orientação que
é peculiar ás aves, traçando o seu caminho certo.
Correndo apenas por entre a multidão dos livros, a debicar um
pouco para estabelecer , u m inicio, fugimos B precisão das diagnoses
que s8o bem &eis para u m estudo com melhor preparação.
Um conselho acentuamos aos que pretenderem aprofundar o
assunto, pois é mister buscar e ver, e consultar os autores consegra-
dos que indicam a sinonimia evolutloa, palu que não se uB acles-
centar nos espaços que deixamos e m branco pura as novas a encon-
trar, nomes que se refiram ás que já estão relacionadas.
Temos que manifestar a nossa gratidão aos distintos naituralis-
tas, senhores Adolfu de Noronha e monsenhor Jaime Barreto, respe-
ctivamente directores do Museu Regional da M.edeira e Diocesano,
nossos velhos amigos, que nos incitaram a este trabalho e assistiram
por vexes com o seu conselho, pondo B nossa disposição livros e exem*
plares raros que diflcilmente,de outro modo, podertamos lêr e compul-
siar.
As deficiências são todas nossas, pois nem sempre a boa vonta.
cEe t. supciente para poderlse acertar rto iritento,
Entre as narrativas de viagens e descobartris, uma do século XV,
escrita em latim, por Lliogo Gomes,se refere 8 Madeira e relata que os
primeiros povoadores se utilizavam das aves existentes em abundiincia
para a sua alimentação.
Cadamosto, em serviço do Infante D. Henrique, ao visitar a Ma-
deira, faz referência aos pombos que se caçav8o com um certo lago,
ás perdizes e codornizes, encontrando já introduzidov os pavões selvá-
ticos e entre eles, alguns de plumagem branca.
Gaspar Frutuoso, o historiador das «Saudades da Terra», diz haver
na Ilhrr do Porto Santo «muitas perdizes, pombas, r0las, poupas e fran-
celhos,... e crião-se tambem na Ilha da Madeira alguns gaviões e asso-
res, que parece que vem ali com tormentas de alguma terra perto, que
está por descobrir; bilhafres, francellhos, corujas; e ha nelln muitas per-
dizes, pavões, galipavos, gallinhas da Guiné e outrais domesticas; pom-
bos trocazes pretos e brancos, patos e adens, pombos bravos e mansos,
miiitos melros, canarios, pintasilgos, lavandeiras, tintilhões, codorni-
zes, ralas, poupas .. e cagarras, fóra gaivotas, estapagados e outras
aves do mar».
No seu poema uIosulanar publicado em 1635,Manuel Thomaz, em
cuídada rima, canta as aves da Madeira,rias seguintes estfincias do L." X.

Largo tributo, de Ave8 differentes


'Perá nella Diantx cassadora,
Não domesticas $6, por exgeliantes,
Mas na Perdiz pintada que a melhora;
A 'l'intinegrti, em vazio som trinando
Entre todas, a Muzica sublima,
Com pausas, & Eccos graues modulando,
Das Muzicas leuando a gloria prima;
Redobres os Canarios ensinando,
E hum contraponto, em mal limada rhyma,
Em quem se verám iolhaa de Cantoros,
Tiplea, Contraltos, Baixos e Tenores.-

Com agradaueis pennas variada8


Com som agudo, & vozes fndestintae,
Terá doa Pintasirgos almorádas,
Em repetidos cboros, não aucclntas;
E de Melros, aa graues e aiiamadae,
Com outauas, com deçimas & quintas,
Alternadas em verso à te1 destançia
Que não faltem na doçe consonançia.

O médico ingles, Hrine Slaane, que passou pela Madeira em 1687,


em rumo para as Indlas ocidentais, escreveu uip livro intitulado #A
Voyage to tbe Madeira Islands, Barbados, Jamaioa*- .P, eendo o pri-
meiro que menoiona oe faisõee, como aves da Madeira, referindo-se
tambem ao com6rcio dos oanhrios, levados para a Europa, onde 830
apreciadas pelo aeii aprazivel canto.
t) Eaturalista J. Porster, que acompaiihou o celebre capitão Cook
na segunda viagem aos tnares do sul, tomou ligeiras notas,erii 1772, da
flora e ftiunu madeirense, mencionando uni aviário que possula u m ne-
gociante ing18s no Funclial, onde se encontravam algumas aves indige-
nas e outras de arribagão. (*)
Váriae noticias se encontram dispersas sobre algumae das aves da
Madeira, em jornais e revistas, nomeadamente, da especialidade.
Citaremos as principais:
Edward V. Nlarcourt, sm 1851, inseriu no seu livro *A Sketch of
Madeira, ein apendice, uma lista de noventa e cinco aves das quaia
trinta eram consideradas locais. Escreveu depois, 1853 e 1855, dois ar-
tigos nos ~Annalsand Magazlne of National History, sobre o assunto.
E' interessante, para comparação, o quadro estabelecido com os
nomes am latim e ing169, relativo ás aveEi indígenas, conhecidas nessa
ópoca.

("I) We obsorved the eparrow hawk (falco nlsue); wveral crowa (Corvne eorone);
rnagples (corvoe plca); eky and woodl:~rks (alanda arvensia arborea); starlingc fetnr-
nus valgarls); ysllow hainmere (ambarlza citrinsls); common & monntaln eparrowa
(frlngllla domestica & montana); yallow waigtaile & roblq redbnaste (motaclla flava
& rnbecule); & wild plgeons of ~ l i l c hwe could not determina the specise,
We Ilitrwlse aaw t h s house ewallow & ewlft (hirundo ruetica & spue): d some
gaatlamsn of tho Rrltish frctory aesnrod ue they hed aleo seen lha martfn (h. urblce).
'I'hh laet gsnae of birde I ~ v Bhera
~ a11 the wlnter & only deesppaare for a fsw deya in
very cold waather. The red legged partrldge (tetrao rnfae) ia c~mmon.
In Mr. Longhman'a aviary I oaw waxbllie (loxia aatrlld) chafflnchoa & cenary
blrda, jioldfinchee (frlngllla coslebs, carduelis, butyracea & canarla) a11 whlch have
bean caugl~tapon thla Ieland.
XVI

-- --

1. Falco tlnnunculue,, ... ,Linn. Kse t rol


2. - bntso, , ....... Bnzzard
.....*
3. Strlx flammea... ,
4. Tnrdue merula ,
5. Sylvla rnbecula
...
......
. ,
Laih.
Barn owl
Blickblrd
Hedbrsaet
6. - atrlcnpllln .......
(Corraca Helnaksn-Jard.}
Blackcap warblar
Varloty of the formar
7. - oonepiclllatn ..... Qould Spectacle warblsr
8. Regnlne madairenele . . . . Harc. e..-..

9. Motacllla boarola. # . . . . Linn. Qray wagtall


10. Anthue pratonele. ..... Bechst. Meadow plpsi
11. Filagila butyrscea .... Zinn. Gresn or willd Canary
12.
18.
-
-
cardnelie. . . . . .
petronfa. . . . . r
Goldfinch
Rlng eparrow
14.
15.
-- cannebina
.
tlntfllon . Webb 6 Berlh.
.... Lfnn.
Bnff braaet Chaffioch
Clrrstsr rsdpole or Iínnet
16. Cypeelue unlcolor. , . . . Jard. Lsesor bwlf t
17. - murarine . . . . Temm. Common swlfl
18. Cnlambi: trocaz ,........ Hein. Long-toad wood plgson
19. - palambue ...... Linn. Ringdove
20. - livia , ...... B~ies. Rock pIgoon
Red-lsggad pnrtrldgr
21. Prrdlx rubrs... . . . . . . . . . V
22. - cotornlx. ... ,Lath. Qeall
......
23. Scolopax ruetlcola
24. Strrnn hirnndo ,
25. Larue irgrntatug..
...
....
, .
Ztnn.

Brunn.
Woodcock
Tern
Hsrrlng gull
26. Procsllarla pufflnua . . . . Linn. Clnrreoae ehearwater
27.
28.
-- inglorom..
obecura , . ........ .
Temm.
Gmel.
Mnnke ehear wator
Dnaky pstrel.
29. Thalaeeldroma asjinho Hein.

30.
v

- Bnlwarii-Jard.
. Caetro ..... Hare.
I Anjinho
Roque de Caetro
Qodman, na revista «Ibis» em 1872, relaciona as aves d a Nfe
deira e Canarias «Notes on the Heaident and Migratory Birds of Ma-
deira nnd the Caúaries~.
NJ livro de J. Y. Johnaon «Madeira its Climate and Scenery 1885%
sa encontram, co capitulo da fauna, algumas notas ácêrca das aves na-
tivas e de paesagem na Madeirn, e a lista modificada de Harcourt,
W. Hartwfg publicou, em 1886, no ~ C a b .Journal fiir Ornithologien
um diririo de observações, sobre uDie Vogel Madeiras,.
Em 1891, na revista «Ornis», o seu estudo intitula-se wDie Vogel
der Madeira-Inselgruppe», sendo cento e vinte e um o numero das
aves mencionadas, incluindo as de arribação.
Refundindo os seus anteriores trabalhos aparaceu, novamente, no
,Journal fiir OrnithoPogie, em 1903, um longo artigo ~Nachtragzu mei-
nen Arbeiten über die V6gel Madeiras».
O Dr. A. I(oenig, da Universidade de Bonn, ocupou-sj das aves
da Madeira, no ~ J o u r n a lfiir Ornithologieu em 1890, tomando por base
os estudos de Godman e a primeira publicação de Hsrtwig, a que jun-
tou novas observações pes~oais.A sua lista abrange 32 aves procrian-
do na Madeira, descritas no relato de viagemque tem por titulo-g0rni-
thologische l~orschunsergebnissseiner Ksise nach Madeira und den ca-
narischen Inseln».
Ogllvie Grant, nêsse mesmo ano, publicava na revista ornitológica
elbisb as suas «Notes on some birds obtained at Madeira, Des3rta Gran.
do and Porto Santo*.
Os estudos sobre a ornitologia local tiveram um maior desenvolvi-
mento depois de 1881, ano em que foi confiada a vice-reitoria do Se-
minhrio do Funchal ao Padre Ernest Schmitz, escolhido pelo ilustre
bispo D. Manuel Agostinho Barreto, palo seu muito saber.
~ i e m ã ode dascirnento, portugubs natdralizado, o Padre Schmitg
koi um verdadeiro madeirense, de alma e coração. No campo ciêntiBco,
são avultados os seus trabalhos e contribuições para o estudo da fauna
da Madeira, inerecendo-lhe as aves uma particular atenqão.
Representou a Madeira no 4.0 Congresso Internacional de Ornitolo-
gia, em 1905, e tem o seu nome ligado, nas aves, a várias sub-esp6-
cies:-schmltzt que lhe foram dedicadas.
Publicour
As Aves da Madeira-Anaia de Scienciae Naturais I11 Ano, 1898. N.0 3.
Tagebnch-Notizen aus Madeira (1896)-Ornith. Jahrb. VIII-1897.
M e Vtigel ~adeira's.-~rnih, Jahrb. X, 1899, Heft 1,2.
Zur Ornia von Madeira.-Ornith. Jarhb. X, 1899, Heft 5.
Zur Ornie der Insel Madeira.-Ornith. Jarhb. XI. 1900 Helft 6.6,
Ae Aves da ~ a d e i r a - ~ n a i sdas Sclencias Naturais Vol. VII. 1900.
Tagebuch-Notizen aus Madeira.-Ornith. Jahrb, XIV, 1903 Helt. 5,6.
Idem, idem.-Ornith. Jahrb. XVI, 1905, Heft S,6.
Oologische Tagebuchnotizen aus Madeira-Zeitsohrif t ftir Oologie und
Ornithologie XV Jahrb. 1906 N.0 5.
Besuch einer Brutstatte des einfarbigen Seglers (Apus unicolor Jard.)
Ornithol. Monateberichte XIII Jahrb. 1905 N.0 12.
On the birds of Madeira-Proceedings "
of the IVth. International Orni-
thological Congress 1905; ' '
Die VGgei der Madeira-1nselgruppe.-Ornltbol. Monatsherichte XVI
'

Jahrb, 1908, N, 1. i
O conhecimento da migração das aves nesta região &ou mais es*
clarecido pelas meticulosas notas, em Punção do eetado atmoeférico,
que 0 conhecido naturalista madeirense, Adolio de Noronha, iniciador
s diroctor do Museu Regional da Madeira, lançou no seu Caderno de
ObservaçíTes Diarias, durante uma soguida estada na Ilha do Porto
Santo, de 1900 a 1903, e que foram publicadas, a pedido do Padre Schmitz
na revista Ornit. Jahrb., respectivamente de 1901 a 1904, sob o titulo-
«Vogelltiben v0n Porto Santos.
Valiosos elementos foram colhidos pelo mesmo naturalista, nas
Illias Selvagens, visitadas tão sómente parti fins cientificos,
O estudo das avifaunas locais tem merecido nêstes ultimos anoe um
intereaee espocial e s protecção dos Govêrnos, pois vem revelar o co-
nhecimento e modifioaçgo dlia correntes, a que so prende intimamente a
nova estrada adrea.
Pela estrutura particular das aves, que possuem câmaras de ar
tio~ioesos, pola disgosiçuo das pênas, pela ciensibilidade nervosa e outros
factoroa, 830 alas considoradas, modernamente, como um maravilhoso
aparelho galvanc-niagn6lico e higroscópico, muito vibratil a certas
ondas, em parto jíl couhecidas, que percorrem a atmosfera, e dum
modo particular as orientam, em determinadas úpocas, para a imensi-
dade do ssptivo, no caminho da migração, imperiosa neceseidade que se
faz sentir em muitas esp6cies.
Os fluidas da terra sno influenciados por causas astronómicas, e
assim como os oceânas, as grandss massas de ar teem as suas marés,
correntes, derivagíTes, etc.
O calar solar, desigualmente distribuido nas estações, pelos movi.
rnentoa do uoeeo planeta, em particuiar o de traelaç5r0, origina um$
bokrente circuiar, cuda maior inteiisidade $e irianifesta na época dos
equinócios, com uma transmissão bastante rápida.
Há milhões de anos, a terra tinha a temperatura uniforme e as aves
dêsses tempos geolbgicos não sentiam a necessidade de migrar. Depois,
veia o resfriamento que começou nos polos. A fauna que teve a resistên-
cia para se adaptar ás baixas temperaturas, não se deslocando, repre-
senta ainda um tipo antigo, modificado pelas condições espsciais do
meio; outra, porém, procurou fugir ao irio,vindo suceaaivamente a apro-
ximar-se do equador, podendo resistir a temperaturas elevadas e a elas
se adaptar, constituiu uma forma equatorial, com os seus caracteristicos
de beleza.

São as aves, os animaie que mais facilmente rie deslocam, no en-


tanto, aquelas que jd se integraram pela sobrepoeição de geraçõee, a
uma determinada zona, constituem as espécies autóctonas dessas regiões,
onde o fenórneno de migração s e não verifica, e as correntes atractivas
de derivação atmosférica, quasi nulas, contrabalançadae pela modifica-
ção biológica,-já não as solicitam.
Peneou-se que a deslocação das aves era devida a uma equação,
em que entravam os coeflcientee de caior, laz, subsistência, mas, em
verdade, teem êstes uma influência muito menor, comparada com a
acção das ondae atractivas.
O v60 migratório duma ave nada tem de comum com o v60 nora
mal dema mesma ave, enquanto se conserva na sua zona de estação.
São impulsos muito diferentes.
E' pouco extensa e baixa, por exemplo, a deelocação das codorni-
zee no ar, embora querendo fugir ao caçador. No entanto, ao serem
apreaauradae pelas oorrentes equinociais, a sua trajectória é alta e ex-
tensa, passando, por exemplo, as de Portugal, do Algarve 6 Coeta de
Africa, e com idêntico a60 solicitadas, de novo, ao regresso.
A modifacaqão do estndio migratdsio-regressor 6 condição de per-
manência local, deve-se ter operado no limite duma força retardadamenu
te motriz, e é interessante saber-se que a codorniz e a galinhola, na
zona madeirense, não querem já saber de novo9 panoramas.
Com o poinbo claro da-se ainda o fenómeno evolutivo de adapta-
gão, por quanto o verdadeiro tipo, Columba palumbus, L. é de paeea-
gons, não nidifica, e a subespécie C. p, nadeirensis Tschuzi,achou bom
o local, para se fixar e constituir iamilia.
Adverte o Professor l'rouessart, na introdução ao catalogo das
Aves da Europa*, que «todo o naturalista que supõe uma forma local
distinta, para ser definida, deve antes reunir, pelo menos, quinze espe-
cimes adultos dos dois sexos, obtidos nas duas principais épocas do
sino e compará-los com igual número obtido na muda e castiçamenton.
As aves mudam de plumagem, mais ou menos sensivelmente dum
rante o ano, podendo diferençar-se as vestes do Outono e Primavera,
srnbora menos modificadas, nas que teem o carncter sedentário.
A plumagem juvenil é um tanto da coloração da férnea e, a dos
sexoe se define depois das primeiras mudas; nas fémeas v0lhas se al-
tera, puxando para o tom que 'apresentam os machos.

Admitindo a separação a dentro da espécie, quanto mais recente-


mente se deram as modificações notadas, tanto mais comuns são os
treços de ligação.
Só depois de um longo perr'odo de influênoins, é que a topofauna
pode adquirir caracteristicos bem marcaveia, resultando então o novo
tipo que possa facilmente s e destringar,
Este interessante problt ma que tem apaixonado os cultoree de
CiPncias Naturaie, faz eupor, em certos casos, a existência conjunta da
ertp6cie e tlubeépécie, ou ainda esta última diferenciada a tal ponto que
posso ascender á categoria de uma nova espécie,
São consideradas por muito8 autores, boas eepéciee da Madeira

1-0 bisbiri, HeguZus madeirensis Hartert.


2-0 tentilhão, Fringilla madeirensis Koenig.
3-0 pombo negro da serra, Columbs trocax Huinecken.=C. ma*
crodatilus Snr.
Admitidas, como eubespécies locais:
A-a coruja-Strix flammea schmitzi Tchuzi.
B-o furabardo-Accipifer nl'sus granti Sharpe.
C-a tutinegra-Sylvia atricapilla obscura Tsch.
D-o cigarrinho-Sylvla conspicillaia bela l'sch,
E-a Iavandeira-Motacilla boarula schmiizi Tscb.
F.-o correcaminho-Anthus bertheloti madeirensis Hertert.
6,-o papinho-Erithacus rubecula microrynchus Reichen,
H.-o pintarroxo - Accanthis cannabina nana Tech.
1-0 pardal-Passer petroniamadeirensis Erlanger.
5-0 pombo claro-Columba palumbus madeirensis Tech,
K-a perdiz-Caccabis rufa madeirensis Teh.
Sub-espécies comuns ás regiOes próximae:
a--o irancelho-Falco tinnunculus canarlensis ~ o e n i è .
b-o melro-Turdus merula cabrera Hart.
c-o pintassilgo-Carduelis elegans parva Tech.
d-a andorinha do mar-Apus murinus brehmorum Hlirt,
e-a codornlx-Coturnix cornmunis afrlcana Temm,
O c a r a c t e r i ~ t f cinsulas
~ predominante 6 o menor corpulência, acen.
tuado no todo ou em parte do corpo, como o pequeno bico do papioho
R U ~ S . rnicror{]nchus.
* manta Bute0 vulgaris L. e a Coiurnix communis Bounat, apre-
~lentam maior corplilêncis, vindo por essa razão e outras pequenas mo-
dlfimaçilas do plumagem, a ser consideradas tainbem, ainda, como outras
subesp6cies locais de menor consiatência.
Suo admitldae, como indigenas, as que procriam livremente.
Nti Mudoira foram introduzidas antigamente a galinha da Guiné,
o pnvfio e o fuisiío que se roproduzirnm no estado selvhtico, e em 1900,
a perdiz africana ua Ilha do Porto Santo.
O nilmero do aves indigenas no nrquipelago da Madeira é de qua-
rsnta e um, não levando em conta as trazidas gelo homem.
A s lndr'genas sedentddas permanecem durante a sua existência.
As iridfgenas-regr-essoras emigram durante uma época do ano
para O U ~ F U Br~giõas,voltando ao mesmo local, onde acasalam e fazem
crlsção. Sgo assim os nossos palmipedes com exceppão da gaivota.
E' desistente s rola, da qual actualmente niaguem se lembra de
tar encontrado o ninho; inconstante n poupa que eepaceja os anos
em que voltn o nidificar; errsaiante, o melro dourado, a tutinegra de
plipo brarico, o garajnu rosado e o parda! espanhol que se oud de Qe-
rificnr, por iiinhos e ninlregos encontrados, terem aves que estenderam
innfs rucanturnonte a aua dislribuição até esta zona=
Sendo certo que as modificações climat6ricas tr8zem consequente-
inerili, filtcrnçfies n s fauna, as condiç6es do solo, a devastação do ar-
vorecio, ns culturas, B c:irBncin de alimento habitual, a per~eguiçãQdo
jioinein, a tntrodugíio de animais (&o, gato, etc.) tem prejudicado bsiq
tnnte 0 desenvolvimento de determinadas eS~6ciesp
A formiga argentina Iridomurmex humilis, aparecida acidentalrnen-
te na Madeira e que se desenvolveu duma maneira prodigiosa e passou
ao Porto Santo,tem devastado os ninhos no solo e mesmo sobre as arvores.
A maior parte das aves observadas são esp6ciee visitantes.
A sua passagem é regular em determinadas estações, como acon-
tece com a lavandeira de fóra, a andorinha das casas, a andorinha das
chaminés, o estorninho, o pavonsinho, o maocão, a garça rial, a gavi-
nha, e vá~iosmaçarl~os,narcejae, patoe bravos, etc.
Esta regularidade nZio está bem estabelecida, p9rquanto em algune
anos, por caueas estranhas que devem depender de fenómenos mete-
reológicos, rareiam algumas das costumadas visitantes ou transitaram
desapercebidamente.
De passagem irregular, nota-ee os mBzhos, os corvos, as felosas,
o teniilhão montês, o gaio azul, o pica-peixe, a cotovia, as cagarras de
fóra, os estercoráilios, os mergulhões, oe gansos bravos, etc.
Visitantes acidentais são as aves trazidas em deaenfiado rumo por
tormentas. Estão neste caso: o falcão tagarote, a águia pesqueira, o abu-
tre do Egito, a tutinegra do Deserto, os rouxinois, o camão, a sultana
preta, o alcaravão, o ibis negro, a gaivota da Islandia, etc.
Algumae outras aves teem sido encontrada8 mae não figuram
nas nossas relações, por haver motivo de suposição, que foram fugidae
de gaiolae.
çiio de serem aplicados aos carros tipicos de conduçãn pessoal,
em que se pretendeu substui-10s aos boib.

Gado aslnino

O burro Eguus asinus L. é da mesma familia e géoero,


porém, espécie diferente do cavalo.
1. r i .-r 4 I .r--r
' J
%
, 6,.

i
I' 1 b, 9
r- \ ,A.arariia
. ..,
P
:-i-
" %,
p. ?
., ,
i F
k
d
i

Burrlnho do I'orto Santo

As suas formas apresentam menos elegância, cabêça e ore-


lhas grandes, membros grossos, apenas com castanhas ou calo-
sidades nos anteriores, os cascos mais altos e estreitos, garupa
curta, pelagem acinzentada, descaindo para o branco-sujo, no
ventre, correndo-lhe ao fio do lombo uma tira eseiira, por vezes,
cruzando-se com outra no pesc6ç0, um circulo esbranquiçado
VES DE RAP
AVES DE RAPINA

ave6 de rapina e60 ceraiceirris. 'l'eeui o bico forte, aivluerido


na ponta e garrae patreaotes. Umaa groeuram o suslerrto
durante n rioita, outras caçam d e dia.

A cabeça é volumosa um tanto achatada ns porte st~.ip*riar.Oltios


grandes, encovadoe, dirigidos ~ Y F RR freate. Bico curto, rec~~rvndo.
DC-
do externo com grande mobilidade, podendo ser dirigido para ri frente
ou para trm.

A plornsgem da coruja 6 diiiii amarelo pardaceato, com o dorso


em dedadas e manchas de cor cinzenta, s~rfipinttilgadais de branco e
negrc.
A cnbeç~,de oca torrada, tem no redor dos olho8 um circiilo de
Cd p ito ~rnnrciilacido 6 mofiqiierido de, pnrdo.
penogerii eehranqii9g~ri~,
Ati penas da caudo ocent~iam-separa o axtromo em fachns pretae.
A espécio e u r o p e i ~ adquiriu coracteristicos locais, pelo que foi
considerada aub-espé ie schm[!ni, por Bartet. (*).
Tem a coruj* iitn ~ò J .silencioso, devido A sua plumagem miiilo
fificida, pers~guindon pr63ai q uasi sem ser aperceljid;. ' 0 s olhos, r;:] 8 -
tivarnento grandas, d5o-lhe uma vista penetrante na meia escuridfi.3,
Ocnnd~, des1urrbri:d:i com a claridade iotrtnsa. Os ouvidos iarg F,
c ~ b e r t u s por téuues peniis, são assirnétricos, recolhendo absini cc;in
bnsttinie yrecisZo t:s ( n d ~ sonoras.
s
Observtiudo da ("ir1 lima coruja, npresenta:uri; ganifesto constr::ri-
gimento, caiisacio pe1.i ialpressfio d'B I&, exicÜIahdo vhrios inoviin~~r.Ios
exlravtigritites com ti cubeçn, e prodazindo, por rezes, estalidos toui
o bico.
llebitriin estas r v e s ns margens escarpadas das ribeiras, os liig rou
orniou, ricidenludos.
.-.lleerberom
. em difcre6tea begiiesias dn ~ s d e i r a ;$'n?;h+.de Cbiu
~ o ~ P R P5, i I i o ~onda ~g rà"raFamerite a8 corujis $e. encontram, "por e ~ i a -
%,,

rem jtí povoados.


A dcnlro dn (idade do li'unchal, qa--encosta do Pico dos Frias
antes de estar revestida de casaria, abundavam as corujas nos r c t hn-
cavoa.dn rocha. O v. la da Boa Ventura é uma da8 suas m'orndas p r c
di1ec:as.
Saem estas dos ~ e u sesconderijos soliltírios, ao -enturdtc8r, p e r
correndo primeiro os ~ ~ 1 1cavados
s e ribas arborisadas, onde ct.ç,in~
a s diurqps que retardaram em recolher-se.
ainda ~ l g ~ m aves
A sua acção pr;ricip~l é durante R noite, mesmo com luilr, zí
pJocura cspecialmenlo de ratos, sua alimentação predilecto.
Q VOO d e ' reconhecitnento é espiralado, soltando a efipaçis o som
de chi-u, como para despertar os paasaroe nas ramagens e espreitar-lht s
algum movimento. Na perseguição, o grito é gue-rei, como pela saliefa-
ção de ir ao encontro dum8 presa. Pousadas prõximo, ouve-so coino
que o nrlwr de pessoa que dorme respiraildo pelei boca,.
A coiuja.procrí~da Abril a Jutrho na Madeira e nos..Desertas. O
nintio,nae reinterências abrigadari, 1160tem f6rma definida riam conexão.
(*} Da~critanR revista *Novitates Siologlcae VL11,. Dezembro de 1900 e dar.
dlrads ao' Padro ErneelG Schmitlfi
(:ompi,e-se de h l ~ ! i m n slolhns sEens n mtisgos em resiimida cnma, ou
mesmo a nii, eay:rnvatado nn terriiaem dn fkirnn.
Os ovos, gri:~line!iIe branco-liir?pos. somam 1, com n dimensiio
meaia de 1.2 li< r :I.2 cenliin~lr«f. Silscem or n i n h ~ p i i srevestidori de
psnrigein fnrtn. acinzentnda,com o napeeto duin uorClo agndnohndo de 17i.

.. . ,
I' I'rijximo dos nlolios se enconlrnm resid~iosmciccr:!<tos que c8 psia
prepararsm pnrn R ~ l l m e n l ~ q üdns o filho%
A coriija 6 euscepiivei de do~nestlcldads.Nas riiinris da r n p i l n de
S. !.iiis Iiveincs ilma, aloda ,ir>vein, qlie ali 88 c n n 8 e l i ~ ~migum~s II
semanas, n l i m r ~ i l ~ i r lrrini
n pa<lnr.inhos de ciirno n i neiia :I nollc
Iior iinin f r ~ s l t i .
I 1 5 I I I d<> ~ ~ o r i i j iii: I ~ o mrairiddiii piirn 1 0
doenças do peito, e não EÓ na Macleira como em oiitraa terras, h a a
crendice de que se introduzem estas aves nas igrejas, afim de beber o
azeite das lrtmparinas !

As corujas da Madeira ( I ; : ) 830 geralmente odiadae, perseguidas e


mortas pelo nosso povo do carnpo, que as considera como malfazejes e
de mau sgoriro. No entretanto, hoje em dia, não resta nenbuma drlivi-
da, qite as corujas ein geral e as da Madeira ern particiilar, eão d e nRo
pequeno proveito, porqtie fazem uma grande destruição nos animais
mnis riocivcs cis casas e ao carnpo: os ríttob e morganhos, pois a sua
alimentação consiste quasi excl~isivamenfen&tes roedores.

Nas aves xlotiirnas de rapioa ha u m meio infalivel de determinbr


o que ela8 comem, pola que teem,co.io poiicas outras, a parlicularidede
de lançar pela bòca os re~iduosdaqui10 que não pilderain digerir, como
peqiienoa ossos, pêlo^, penas, etc., formando tudo isto uma bota ou
unovêlo~.
Junto dos ninhos ou esconderijos de corojas encontram-se ordina-
riamente muitos destes aoovêlos~.
Um erudito alemão, o barão H. de Schweppenburg, an~lisoumi-
lhares destes unovêloe~de corujas de oiírias regiõjs do mundo, é entre
eles, tambem bastantes da Madeira. Vejamos o que ele publica a tal
reepeito na revista alemã uoroith. Jahrbuch)) de abril de 1907. .
Nos iiltimoli anos coleoionei. grande quantidade de «aovêloe» de
corujas da Alemanha e dei conta d . ~re~ultadodas analises qu3 dblea
fiz. f i r a disrio examinei um certo niimero da novêlos da coruja madei-
ronse 8tri.v r/antmea schmitzI. Seguem os resultadoe destas novas
"

antilis~s.
Devo os anov6ios» cla Madeira 5 bondade do rev. padre Erneeto
Schmitz, do Seminário do Puachal, que acedeu ao pjdido de me obter
novêlos da coruja madeirense e em pouc) tempo me enviou lima bela
remeasa. Sinto-me tanto mais penhorado, porquanto oa *novêlós» das
corujas do arquipelago madeirense não ee encontram com facilidade,
como na Alemanha, em çelhaa torres, ~ó:ãosde igrejas, etc., maa uni-
(*) Artlgo pnhlicida ao "13ersldo da Medeiria 6m 16 do Ma10 de 2807,
cemente nas coricavidados das rochas, ás vezes ioac ~siveisseiri o orne
prego perigoso do cordns e cabos,

Por selecç6:)s:
l.(l--10 novelos coleoionarlos rio Arco da Cíilhetu, costa do sul.
Co~tiverain 4 ratos (Mus ratus S. íiecnalani~s) R 19 r ~ t i n l 1 3 (~M I I S
rider, oa rostos de 20 gafanhotos,
rrritscijlus). FUrn disto, enc~ntrraratn~so
2.0-7 nov6los coleciouados na 'l'abúq, costa do sul. Continham 4
ratos, 21 ratinhos, 1 melro preto Turdus merufa cabre~~ae e 1 canario
(Serlrius cansrius). O bico do melro eetavn bem conservado o a pele
d e ciira ntnareln (luasi iniactn, 'i'uiiitsetn foram encontrados oa restos de
!I gafanhotoo.
3.0--10 novGlos quo tinham aTdo colecionados em Santann, costa do
norlto, Coulinhain excliisivanienlo 10 ratoa e 18 ratinhos,
4.0-1 novêlo dti Pajã da OvBlha.
Este graudo novêlo nuo continha menos de tr6s esanecis bem
c:orise~vados d e rnkos. Niio pude determinnr as iriedidas exactas dèjte
uov6l0, por so achor iim pouco eslragedo.
5.o-IJu1 grande nov6lo, proveniente sem duvida duma coruja, me
foi envindo pelo sr. proisssor [C. Blasius, que o recebera, para ser exn.
riiiricrdo, do sr. voa Yschu~i,e este por sua vez do Rev. Padre Sclirnitz.
Continlia os restos bem conservados duma ave madtima, ~>roc.ilcí.
ria, provavolinente de I'cdagodroma marina, que cria nas Ilhas Salva-
gens, aoiide so achou este novêlo, um grandes massas, como me os.
oscrove o Ilev. 13tidre Scliinitz. Não se lhe encontrou craneo algum u
rtiuda conserva uili clioiro prouuucitido ti nzeits de peixe, As grandau
regimos estão pcigadas nos ossoe da aza, qua ainda conservam uui
pouco dii pele. As sectrizes acharam-se quasi na mesma posiqão como
nu ave vivo. 'l'ombe~iium dos tarsos compridos, encontrado no novêlo,
o s t ~ v i iniadw reveetido atn parte da sua pele.
que R da cor~ijnna A l a m ~ a h e roadoras
: p2qoanos e r ti erícapcionuli~ian-
te aves,
A cornposiçllo 6 naturalmente diferente de novêto pnra novelo,
inas em geral, 80 encontrain ratos, em porporção, m ,ir freqiientss. As
RVeS comidas peld coruja s.30 insignificantes.E' intoresvtnte que u coru-
j s rnadeirense coine procrlfiiitis quu Psen~u n cbuira :i azeite de peixe,
Tumbem na Alernnnha R S t ~ ~ ffamnzea
ix é. n unica coruja qu f ~ cac;n
z
nos rnusarenhos, nfio obatante eles exalaram um forte c'n:iro u ~ i l m i s -
cor. As corujuu da Madeira alimentando-se em cornpsreqiio d t i s de
outras terrils, com ucn ofimaro maior de inaactos, @xp'i::ll-saO f . Cio ~ 6 1 ~
raridada relritiva do seu austernto piwferido, os ratos,
V$-se, porttiato, cliiZo uteis são RLI C O ~ U ~ HeS o grnndci èrro ern
pracurar mat+-'1d BY.

DE PASSAGEM:

O ~ U Sv ~ I g ~ l r j Flurn.
8 ........................... SII-igidae

Ves!e-BOde pardo amarelado com rnnuchae a riiioa sia~ioutses-


cjros. Colo arr'adondado. Voiilre mais claro, com li: !li3 Iongi(i1dintiis.
Orua n c a b ~ ç ac >rninactitnêtes deaemivolvidos e o bic) 6 uogro. A c ~ u -
dõ, d u m castanh) arruivado, tem as ~ ê n a sinferiorç.~gris:ilhes.
Nu feméa 8 cciloração intensifica-se.
O mocho tem sido observado, isoladamente, em rnigr~ção.

A plumrigeni é mais riinnrelentn que o niiterioi, nutil tain de telhn


LLSUL~~I,O
m m 3 P U S 08 ~nartinetuo,P ~ Z porque.
~ O no i>orto ~ l i u l o ij ciiii-
mada esta ave ri iturnct-rnõcho d e orelha c!lrtu?
O circulo ao r e d o ~dos olhos toma u cBp actleazeeitada e as retri-
zes moetram banda8 paadacentas,
A fBmeoa apresenta irrm p O ~ t emais robuuto, e em gera!, 0 manto
mlafe aiaro,
A'(&r(~adam nuoGlo eneorilitrado nu Ilhen de Bjixo (Porto Santo)
e mandado a5 sfibio ornitologiska Sckweppenburg psrn identiEca~ãrs,
este escreve: ('1

Achei a6Oe urm craneo prsvenieate sem dfividn duma iproceliriti, e


poucos fea8sé, duma ave i~sectivora,NBio poude determinar ra esphcie
gobb I8%&8 de mnterinl de compurnqBú e taitiiibeinm por iirlta de penas assièa
coaaservadae, que me aufoibitsassem uma classificegiio precisa como noe
outro8 navêlos. 6) Rev. Eichmilz suspeita que o erSueo B de aceanodro-
ma castro (gna Madoiaar roque de. eustrcij ou Bulwsre'ra bnlwerl (na Ma-
deira: wnjinmho). A nve pequena 6 provavellm6ni;e dntua Eerbhelodl (cor-
re-ctlmlrriho) ou Alancnda aruensis (Itivelreti) qbe aparece tnuita~1vszea
arribaida a o I%hsnde Bbiiiio, O riasv98o me@icionat?o,em todo o caso, deve
W ~ dum
P mijoho Odus b r a ~ h g o d ~ ~ ,

gB@asioraaime~a?e,oa9iste Ilhen, á beira da parsedia, achava-ae escoa-


dido, snkre uma moi48 da Iasaa, um d6stas w-?f?ic&oo~, 0 s pardais deram
com ele, e fizerram uma fraeoctn. gritaria, a qu3 rocudila um eoylos núme-
ro, em 1~6voada, 5 i&dos, &-umri, empsclapit com ol im6ch0,
Dali a-peduqo, veln um froneelbo que o e m p ~ ~ r ~ da o t 3toc'L48 abaixo.
No local de ~onfa3ildllíi$ ( ? Y B ~i 8 1 r ~ o u t ~ arde ~e i~o ~dum. roque-de-cas.
dro que, ~qiaelaave notaroa tinha devoiedo, ('*)
1q;i est6mego dêetee mE186ih0~4,tam-~e~ b s e r v ~ dpêuas a de pdntafnho.
Autipanienle, os esqadores servira-aa de om mdcho, de dia, comi
chamaria, ou reclâmo, para seduzir os pmsarss, sahida a fós@ade
tatiraeqZs natara! exercida, pela zu-iga qne lha taem, (3 o ieatinetiãra de-
sejo de o ursã?lestssem, ersqaamfo sh~ ficha ceguê!~pela luz. Ne8fa ~UPEB
dca vingarugia eoalbsa um i~nimlgain8rme, expSsm-86, aéiah, a nm ~VO.
s n pli.ofua%dksgemido do mooho, 80 sentir-se debi-
O pio lasrli~o?io~ea
-. ..----,

(93e?ddnif8drJaBiri~ueltAmh9Pll de 6907,
(e*) a i ~ l [ ~ ~ ] ~ g f ~ w b Ilha
Qbos~~sgí;jen : m p l &i I P a ~ k c rsalatu,-C;ad8rat duzi '490s 43
dsa I~~v@rmbrc~}.
C L ~ ~ Ochama,
, por sua vez, as aves de rapina que mais depreslia ainda
c150 cnbo d6te.
E', dos miichos de puassgern o mafs Ersqii ante.

A celiegn 6 proporcionalmente pequena, de c& amarelo-cinza, oom


rnauchas loagitudinais. Os rnartin6tes ficam bem visiveis, quando erectos.
A plumagem geral 6 viria, iuaruioreadrt entre pardo, ruivo B grisalho.
IA fémoa é assaz possante, vestindo.se com iiiais abundàuciu de
cinzento.
O mdcho pequeno viaja em bandos, como tem sido observado na
Ilha do Porto Santo, duma vez em pousio no Pico de Ana Perreira.

Cabeça altiva e esguia, uma chanfradura na maadibula inferior,


miieculos fortes para o v60 alto, vista muita agiida, atacando com vio-
lência,

A anta

Em Portugal-Tartaranbão
Fr,-Base
Ing1,-Bmzarù
A1.-Maiisebuesard

E' a maior dae aves da Madeira. A plumagem muito vririavel tem


o predomínio do pardo esouro, mesciado de amarelo arruivado na parte
iriierior do corpo com manchas' e linhas por vezes onduladas.
Nas rectrixes notam-se fachns alternadas de preto o branco.
A especie dn Mndeiret 6 tirii pouco maiw que a enropelri e pela
u~ I)luinegsm chegou n sei coosidartida mb-especle fmrtertl; dedicada
RO ornitologista I-Iartst, posCui, sein grande cornsiatência diferencinl.
As mantas habitam a região inalo arborisada da Madeira, prefe-
rindo as arvore8 altas eoino costanbelros, nogueiras, lourei~os,paro, tio
eebrnriojado da ramagem, Pnbricnreiri um ~ l i i h ovnsto, inril conatriiido,
oaim gsllios sGcari eni bacia forrada de folkogem, nlgiiwa ainda vsrda.
Fharn tamlrerui uricoutradoei nfnliori fios plncaro~nirbnstivos.
Rcasalarii-so snt Mar(;o e a yoritura vai (Ia Abril n ,lriilito, dep~o~itlo
ri tdinon 3 ovos grandes de 5,4 por $0 t:eriliinotrofl, deini bratteo ligei-
rírments eeverdeado, coiri iiiancltin~, riscos e ~lontoeem ccir parilaceritti.
Bti esta aclnec0 o ninho. O macho trata de trazer R cnnaiidn de qau
R cornp~~nl~oirfl se alimenta o e18 prepara, eecolhendo nffi ~ F ~ ~ Rinnis E I
tcrraree de8 vítimas pnra dar aoe miiuliegoe que rarari vexets abendoiif).
Os jtiivtanis são peniigentorr, algodoados de branco, e ciirzento riti rn-
begri, Ae prlmoira~penas riaeceiri eiliiprtrdecid~se na iniiclit pnrn iadrrltos
o peito 5, goraliriente uinnrelo terroeo.
A ~HY ~ uL
idI xnni~l tern~)o ~ O Bfilho@ do r1110 o8 oirlrris iivtiie do
t lR
rtlplun, pola s í ~os eirri~ncipaq u ~ r i d o estíio robustos, parn podeib crtyer
C) vtio G vnguioeo, pnirado, em circialoe e lncates, dosliatiindo uoe
tirei3 rim g ~ i t ongudo nri-ir. .que se agseiiielho ao d u m gato ribnndouado.
Eele avo de rapina faz grande devaetaç50 tias perdizes, codorui-
zoe e pequenos piissaroe qtre arrabata na9 garras. Come tambeti~rotos
u gatanliotoe.
Muttae vezse s e coloca iiiiovel durante loliigo teingo ciol,re uin cn-
t ~ 6 9 0de rochn em que se contiariùa nfl suit cor, apoiada niirit. p6, obaor-
vaudo a gaesngem dalgum coelbo sobre o tliinl Ére lailça o suugrtl, d u -
voramido-lhe itn carne, abnudonuuda a pele ditucorndn coin ou oseos par-
tidos, einiiin~anhadoa niim mr~(tctrdco que E I ~ I sncoutrci ritia sorriie.

Falcia tinniiiiculur L.. ,. ... ... o ... ... ... ... .., I"alconIda~!
uma 6iubeep4cle a qaiie deram o nome da crana~icansfs,por ser Iàrêlratlco
ao das Ilhas Caeiáirias, A sua plimmogem 6 dum pardo ar~aabadocom
pontuaçBes negras ns dono, e ma parte inferior do corpo-em amarelo
e~branquiçsdo,com mfanc)inas alongadas de pardo claro. Alguns machos
teem a eabega marcada e m azul osci~riío a cauda em azul scinzentado,
No geral, ae e6rss são mais carregadas d s que na PsmQn,Esta epiesen-
ta, porem maios corpulência.
O v83 6 longo, circular, por vezeg sustido, dsslizando nos ares.
Quando tema urna posigão fir%tn, aclejante, d i z - 8 ~que eet8 a peneirar.
(9 frarncelho tem acostumados gostos de 0bstlrv8gtih o descanso,
no cimo duma arvore 011 na p a t a duma rocha, com prtlfdrência, a dali
lange ae suas vistas pelos campos cireaiinvisirgtioe, sem rio mover.
Alimenta-ee ds morganhos, de largtitixais, cigarros, pequenas ave5
s ataca raramente as ninhadas das glillilahapi.
Iatr6pido e astucioso, chega a pousas uma gaiola de passaros, e
se esta tem as gradaa da junco, parke-as, alprsbatando naw gtirraa umte
ou mais prêi~as~
Mo sblo anda mal, pouco tempo s aos saltinhos, por causa da8
unhas recurvas, em meio circulo, que ae não adapta& n caminhar num
plano, sem constrangimento.
O ninho, na Madeira e Parto Santo, $6 tem afdo sncenitrado aae
fendas das rochas escarpadati B d e dlflcoil acesso, mal aconchegada de
ewagem seca, raizes, rnuqos.
G 'postura, de Maio n Junho, contsm 5 a 6 ovos, tamanho 40 por
82 cm., de forma mole ou menos arredondada e côres vasiaveie, predo-
minàndo o branco pardacento, com pontos mais oseuros, Sdaiente a fB-
mea ee encarrega da incubaç".
A penugem que envolve os nlnhegoe O acinzentada e ae primei-
raa penas que aflorarsri, veem tingidas de pardo e amarelo.
Antetl do uso da pólvora na espingarda, o francelho e o gavião
foswrn empregadosa na caça de alienaria na Madeira.

]Diz-noo Qaspar Fructuoso no Cap, X'X da8 stxrideidee-ahavfa em


Machico homens d e ~ t a nobre geração (do donafdrio) tgo ca~adoreede
gaviães, lebreorsi e de cãee de fillti, que foi huma dos nobres esu~rasilo
- . matavam Baseeat~sgaalba, f~sw mraitae
Reynag e dia, ee faziams qas
perdiz(3la o onatpu s~mlta s ~ u ~ a0, %a~d~r;i viriiham, r+ arntrnvaan na villa, r i
cavallsgi conri as gl~.~~iiTet: ~ h a B H ~ Q , qiae tnrais parecia iis~u%áanobre cbska
que ví1Báa de Pilas poucas ~ e ~ l n h s s ~ ,
Para eda~craa @ ~ f a save9 de x1áãpina, ain nnxilirnseo ~ O B @ b q t ~ d 0 ~ 8 5 ,
levava ~saãtempo paei$hicia. Tapavai-se-%h08 celbog~~ C O um~ g?apllV
ehiraihs do a?oiro, % ngaltbrr~do~08 p63, Gel$var~~ n i m ~C B F ~ Ri~~rlobl%ld&d@,
~to~rnc~nttsdss pela @me 0 %uBlrade B~az.
Dùstnpwda a cnbe~q, ee ainda nti~avarpa blentlns, eram iinersst~POR'
aâm momen%oem t%g~íla, D B ~ ~do B fadigt-i, rosolviaâa-so rn accsitnir 0
B ~%an$rn
nlimenLs9qutr @onl)iuilR~ ~ragp ~ ~ i 8 c l r ~ hdoo sGC~FIIO CP'UR.
BiAtavtt~lm-lB1t3sos p43, ficavam menaos tempo cozo o capuz, e eirari1
eansiaaaados, aioda preso8 a uma fieara, a Is siPbro uma polle sstoftida de
coolho cimn a imlkugMa deama ave,
Complle46ava-wo a C ~ ~ I I ~ B Q Zcom Q W ~ ~ C 'iBl ci~rnpriado O ~ 01 e a ~ a f o ~
BOXBFQ? C B ~ Uviva, Ianqtida perto, Bztii~iteanvam-no8depois, a i r pr~cu~i-lgl
longe, waindo indicada o local da c~iatswd1iaanda rje owcon.tsavaam, pelo
gaam do8 gaafxas qea~traxlam 8 0 ~p&sO
U m antigo vlgisls (Ia P~egiao~lnda Fdial, iau EOP$Q dít Madeka,
leva une frnaacelho; cs\%diodo ~al~sho, que creesaa A solkn, vindo depois s!
um eiwaP. de assobio, ~@@6)boh: 8 CBPIOWI~B ~ i i f i r i 8i?~Ta PI-II~UVBFB saguiintf?,
~ 8 t0mkawis eraktoar, porquia, sairsb;@veac~mpanheiraou o rg11~targ~rn.

Es"a aklV- do P B ~ ~ D ERB ~ Oti ~ataitoV Z I ~ ~ aa


~ B Madt3r$~f
' 81 n g ~
l@ E)D?
cornlirei no Porta 8ti~B0~ n~ffi~aê~(3mE ~ & B O % Q I I ~naB ~ Qlista
? dep faarr~oks~f,
O corpo 6 um tagato alongado, c n b e ~ npeqaã@n@,dosm a?lrazeia%caes-
curo, vâirlaãndo a noloragaio com an idade, ventre ~i~bransiqni~tad~ com. rni-
aulas de fuligem, aaadw aaemprfda com ffachaw negraao Fsl conrsfdesi%dãr
ama nava sub-e;eip6sla AccipePfk'es nbqe graatle, ou, maia aiada, arna @ss.
pécie A, grsnti Shnrpe, parecendo com esta diferenciação, existir duas
eapeoies distintas.
A fémea chega a ter maici de corpulencia. Os nlnl~egos,penu-
gsntos, como os do fpancGlho, iniciam n plumagem em ca~tanboman-
eiiado, e aparecem de Maio n Junho,
I-labitn 8 regino montanhosa arborieadn e faz ninho fia8 feadart
dos rochedos o11 efii 6iruorets cio porte altivo, e í~eetaes prepara com
rarndsczilos o esgollíos, sobre que assenta rima camada do raizes @ to-
lhns em remoinho com algtimas penas,Nas concavldndes das rochas,apros
veifa a escassa vogetaçilo que toni, reforqada com mafa algum material
brnndo que acarreta nas garras.
O ninlio npresienta 3 rn R ovos mais ovoicónicss qtru redondoe,
lisos,dtim branco pardacento com pintasi cinzentas ou terrosas ('24 X25 cm,).
rfuj&R 8 gente do campo que o í'tiraùardo H i r m h do F~ancalhoe
que prov8rn do quiato õoo dn postura d6stel
Palsea eeta ave de rapina n maior pasto da dia escondida entre a
~ ~ v u r e dcopado
ù ori intrometida nos silvndos o bardos eepessoél, e dai,
o nnointai qutl lhe ds~am.Astaciosn, cal sobro a presri de emboscada e por
vezes vha bnlxo, sábie a8 cearas, muda-e brandamneate, r\ cs@a das
codornizes qne apanha, quer pousadas ou Biigindo no v6 o, Persegue
tnmbem os difsrentea piisaaros que deponn, antes de comer, '

Aitur prilumbarlus (L.) . ... ,.. ... ,.. ... .++ ... Falconldare
As «Saudades da Terras escritas no s6oulo XVI, mencionando as
aves que se' encontram na Ilha da Madeira, inclui os assorss que pa-
rece qtze vem ali com tornzt?rztas de alguma telbra perto, que estd por
descobrir.
Como esta ave de rapina faz migrapão da Europa para Atrica, foi
naturalmente a que teve conhocimranta o aronista, de haver sido obser-
VadtP neeta regigiao, .
0 seta v60 6 um dos mais ragidos, rasgando os aros com denodo,
O açor O L I P O I J ~ Lcausa
~ grande d~str61;ono8 pombais. Era tido como rirnu
dns nvse nobres da felconaritt.
V e s l o - ~ odo i:lnxarito, tendo o vontra branco, ondendo de eecuro.

Assetnelha-se no tamanho e forma do bico com a manta, por6m


u cauda 6 mais longa e Eonluilhad~.A plumagem ruiva, aiogeada coui
fuligens e riscos, é negrti nm aeas, ruya para a calida o esùranquicti-
da na cabeqa.
Dseereve a voar, elegantes evoluções.
Tem esta ave, diz Buffon-<<uma esphcie de estupidez feroz que
lhe dS um rir de audficia tsanqiiils e parece tirar-lhe o conhecimento
do perigo, Deixa-sç, aproximar e mata-se com mais facilidade do que a
Agiria o o abtitre 0 sendo psâsa 6 ainda menos suseeptivel de edtica-
qão. O milhafre foi riscado da liata das aves nobres e rejeitado na es-
cóla da Ealconaria; em todo o tempo foi comparado ao milhafre, o ho-
mem grosseiramente insolente; e á manta, a mulher rnelancoIfonmente
estfipida»,
Moro.

'i'etxi a inetade da grandeza da anterior, cabeçn parda com uina


marichn clara u cerclas riogras na base do bico.
O nanuto cinzeiito aziilizdo cunlsaetn com ti parte inferior do corpo,
naiiui raivs claro oorn aiiaiiclaas loiigiiudinnis mais ~ S C U E H B . Axas o cau-
dtt conn ~ioiiituttçõeso Iistna unzsgradas.
A fúmaci ú de maior corpuieucia o envergadura.
N A nlterirti-ia foi oinpregado na ceqn 68 coclorriizes.
(Ybaorvirdo iiin por O. i;ri.ntit, rliititictr) ùri a i i i i u.iltidtr iiri Solviigo~ii
d'iritiititr,
Tem a spaã@ncittduma Bgufa psquena, de dorso trigueiro e vem
6re bsar~co,tarsoe rins e prnhas rleeurvae.
De~crevegrandes eircaalos no as, tirites dcs osir subitamente na
BGne, de garra8 abertas para apanhar o peixe, la%i@aindo-llru
doia dedos
de cada lado do ~ B P E O .
Aqe vezes mergulha em sans pereieguigão e eta o peixe é vlgoroao
e a hgiaia pesqueira nzo pode desprender faci!meake as unbas asradon-
dadaei, 6 arrastada, submerge-se e sfogfi-se.
A que foi cagada ma P8ça das Taleahae, no Lugar de Baixo, tinha
Já tigarrado dois pequerios peixes.
Rara,
0 abuQre
do Eg.ltt0

E' uma ave gsarnde, poaaeiiíte, com a cabeera nua, bem como parte
do pescoço, bica Iasgo e recaarvado, penhas ralas na nuca, vestilado-se
num branco mio, amarrleeido, azas e cauda pardo-escrarecidas. Nutre-
rne de carne em decomposf~ãoe de iminndllcioe, Nalguns pnieala do Oriente,
est8 lhe concedida uma especial protec(;ão, pala Ifmge~aque executa ao
redor das habitações ti na via pùbliesi. E h m a ave familiar nas eara-
varias, ~egosffendo-aecom o que vai fioando abrarsdoriado, enchendo s
papo fi6f regameaite, para digerir, depois com maior descanso.
Acidentalmeute, foi apanhado um destes abutres aa Ilha do Porto
gaiata. 6-tnmbem chamaido galinha Eae -F"sr&d;
Ta~taaranh&orialiwo
do= peixe-

BIPGUS( I B P U ~ ~ I ~ O S U(L)
S ... ... ... ... ... ... ... ... Falconidae

Esta ave de rapina é um pouco menor do que a manta, tendo o


bico curto semeado de cordas e em gancho 8guçad0,para o extremo for-
mando deste rombo.
Na plicrnagem predomina a ciJr ferruginosa mais escura e piirda-
canta no d0~80,sarapintada de ruivo no peito e ventre, e moetra uma
especie de coleira inierrompida,
DA caça Us aves aquáticas, batrhquios e reptsis, frc.qii3ctando ae
terrae alagadiças.
Raro.

Maie pcqueno do que o francelho, tem o mnnto cinzauto plúmbeo


Intenso, ventre ruivo com mancho8 fuliginosas e os pée vermelhos,
pelo qiie tambem foi deaomiuado F. rufipes Bes.
E' pelo cair da tarde que esta ave de rapina se reana em bando,
executando evoluçõee durante longo tempo, antes de escolher o poiso
para pernoitar.
Na Madeira foi apenas encontrado uin indivíduo desta especie.
Muito raro.
PASSAROS

brange esta ordem as ave8 mais pequenari, de canto melodioso


em frase aprecllavel ou clamor repetido, conforme a configum
ração da laringe.
A fórma e comprimento do bico, são variaveis, por6m, não tendo'
membrana cerosa.
Todos os gassrasoe que fazem ninho neste arqufp6lego são mono-
gâmicos.
A kutiBinegra
SyBvIin siirleapilla (L) . . .. . . .. .. .. .. . . .. Turciidas

Na Madeire, o nome dêste passar0 tornou~sebiforme:-a macho é


chamado tutinegro, eepscialrnente pela gente do campo. De modesta
plumagem pardacenta, o alto da cabeça é preto no macho e castanho
trigueiro na fémea e nos juvenis. As azas compridas e agudas chegam
até meio da cauda.
O tipo local é mais ascuro e de menor tamanho que o da Europa,
sendo considerado por Tchusi, a subespécie obscura. (*)
A tutinegra habita a região até 600 metros de altitude e faz ninho
nas arvores baixas, arbustos, séibes, formado com raizes e finos caules
de gramlneas entreli q ~ d a e , n8o revestido coni outro material arbufado.
A postura chega a 7, mas em geral 5 ovos esverdeados 1994 15
cm. com pontuações i~igueirasou escuras, cuidando o casal alternada-
mente o ~queciment~.
O povo julga que dumsi niuhttda de 7 sai uma tutinegra m a i ~oscura.
E' que, algumas vezes, dá-se iam coso de melaniemo que afecta o ma-
cho, cobrindo-lha a cabeçr com u m eapuz preto ou estendendo s e esta
oãr, raramente a toda a plumsgem, sendo então chamados estes iadivi-
duos tulinegros de capelo, o que 6 rarissfmo na fémea.
Sir W. Jardine quiz ver neles uma nova espécie, a que poz o na-
mce de Carruca heinekeni (*) poréin o próprio Dr. Heineken, a quem foi
dedicada, mani~estoua sua opinião que os caracteristicos apreeentado~
não eram suficientes para torná-la espécie distinta.
Um caso de albioismo completo se manifestou numa tutinegra,
tornando-a tutibranca e de olhoe vermelhos, exemplar conservado no
Museu do Semiotirio.
Viveu durante longos anos, numa gaiola no antigo Hotel das
Hortas, onde foi muito apreciada, não E Ó pelo seu mavioso canto como
pala plumogem de noiva com q u e estavu revestido.
Embora aparecendo tutinegras freqiientemente e até aos paros, na
Ilha do Pmto Santo, não se lhes oferecem ali as condições permanen-
tes para se estabelecer em família, pela carência dos frutos que são o
seu principal alimento.
O seu canto é u m dos mais melodiosos e da variado motivo, com
frases bfirmativas qiie terminam em notas cheias, agudas e resolutas.
Quando sobressaltada e m qualquer perigo, articula uns es alidos sêcos
que lembram o bater de seixos. Depoie da muda inicia a canção como
e m surdina, num pianinho rutivp, titubeante, em firnidas pantuações.
Da sua estreia se diz qu4 c31neç3i1 n entubiar ou ensaiar o canto.
E' um ptissaro apreciado, de gaiola, o de alto preço quando rie-
vestido de capêlo.

(**) EdinSurgh Journal of Nat. and Geol. Sclencles, Jan. 1830,


Sylvici ooasplcililatra (Marm.) . . .. .. .. .. .. Turdidaci
E' um dos muitos paesaros, a que em PortogaI. dão o aome
de foIosn.
!?r,-Panvetta, ia lonieitpre,
Yng1.-Bpectaclad Werbler
AI,-Brllleni-GraemUcke

Tem o tipo da tutinegra com mais alegre colorido, embora ainda


modesto, num manto cinzento-castanho, mostrando o peito e o ventre
e~coadonum tom roxo-vinoso. Ao redor dos olhos tem uma plumagem
clara, dando-lhe um tom de uear lunêtas, caracteriatico que ficou no
@eunome vulgar, noutras liaguae.
As azas atingem o meio da cauda e e50 oureladae de tom vinoso.
A cauda, pardo-escura, apresenta nalguns indivlduos pequenas man-
chas claras.
A fémea tem a cor cinzenta mais fusca e e o pardo um tanto asa
ruívado, esbranqui(;ando o ventre com vestigios arroxeados.
Os ninhegos moetram-se dum pardacento-azeitona, marcados nae
mas e cauda com cinzento-arruivado.
Pelo realce do matiz, mereceu-lhe ser considerado por Tschuzi a
subeepécie bella da Madeira. (")
Este passarinho emite freqiientemente um zunido tremulado que
se assemelha um tanto ao da cigarra nos canipo8, ficando conhecido
pelo nome de cigarrinho. (;k4:)
Nidinca nos maciasos arrbustivos, compactos, como os da giesta e
da carqueja, muito a ocultae, pelo mesmo tempo que a tutinegra, porém
o ninho é menos profundo, com 4 a 5 ovos, mais pequenos, 1,6 H1,O
cm., e duma cor cinzenta desbotada.
O seu canto é fraco e pouco extenso.
~neontra-seprincipalmente no Caniço, Camacha e Estreito de Ca-
mara de Loboe.
Pouco comum.
(*) Ornilh. cit.
(*') J& onvlmoe chamar-lhe tingeburro, mas é qm nome tão sem nexo qns ma?
race asr poeto de parte.
Sylvia mieltinacephalii (Gm.). . . . a . .. . ..
e Turdidae
Fr.-Pauveita malanoccphala
1~~1.-$erdinlanWarber
A1.-Schwartzkopflge Gresmiickb.

Cooeiderada indígena por ter eiido observada durante todas as sa-


tações, no ano de 1890.
Nessa primavera juntavam.se casais pelos arredores da vila de
Santa Cruz, saltitantes nas arvores, em coniíauo movimento subindo e
deecendo os ramos, fazendo ouvir R sua cantiga.
E" um pássaro activo, desconfiado, dissimulador, escondendo-se por
momentos, a espreitar, para de novo, passado o receio, continuar as
suas exploraçõee.
Esta tutihegra é mais pequena que a vulgar, S. alricapilla, e tem
a cabeça cinzento-azulada, o vértice negro, a s azas eacucas ouseladas
de ruivo calcinado e a garganta .clara.
O macho apresenta o ventre alvo, em mancha mais extensa, e
daí, o nome de tutinegra de papo-branco.
Não tiuham trido encontradas os ninhos, embora em diferentes
anos observados estes passarinhos acarretando o material, mas esta ea-
p6cle os constroe proximo do €610, em arbustos da psqueno porte, de-
pondo 4 ovoa ligeiramente rosados.
Este 'ano (1935) secundados os nossos esforços por um inteligente
observador, em S ~ n t aCruz, foi descoberto um ninho num maciuso de
malvas (Pelargónios) formado de radicuhs, pên as e linhas, apresentan-
do os niohegos já a garganta e ventra brrancus e as azaaq com nian-
chas trigueiras.
Os ioglesee denomiaaram-na-Sardinian, de Sardenha, ria Italia,
e encontra-se não a6 no sul-a Europa como no uorte de Africa, eepe-
cialmente na Algeria.

Rara.
,,,I h".-Merlia nofr
,
I ~ I I J

, i',,, .íngl,-13leckblrd
i' Ia A1.-Bchwariz Droeesl,
( h (31 i v

8 melro ex%stiuem abund8ncia no Porto Santo, quando a ilha


ae cobriu com macisaos de arvoredo, e dêle da conta o DP,Qaspar Pru-
tuoso, no ~ 6 c u l oXVI, quando diz:
u...aa crifio muita5 m6lraao que fazem muito damno ás uvns e áe
amoras; porque ha ali muitae amorcrirna e figcreiras de diversa8 cristas,
que, por a calidade da terra e par o deixarem bem inaduriscer, t e m
bom fcueto~.(*)
A devastação das Berras o ear6ncis de frutoe fizeren\ a f s s t a ~dali
s melro que desapareceu durante mais de dois eéculua, e ngora, mepe-
ceado um certo impulso a rsarborisagão, sovnmente e de vieita, inten.
ta reconquistar a z0na de expantihno que aeus aiategtaseados se viram
obrigados a abandonar.
U m ninho, pelo menos, foi encontrado duraute slguuw ano8 ~legtii-
dos numa amoreira no litoral c:*)
prova do que, melhoradas as candi-
ç6es necesearias ti Eiua alimenta~ão,voltcironr as uinelroaa* á Ilha pr6.
xitaia.
O melro, na Madeira, oracontra-~le desde os terrenos baixos ate a
zona altta que lhe prnpureior_ilz abniadantle baga d e louro, de que é
guloso.
Não 6 sóirienta Brugivoro este ptíqsrrro, pois tntnbsrn so sustenta
d e Inseetoa, lnrvas e moluscon, of~lsttiiido u folhegelii no chão, tombada
do arvoredo, para 08 ~ ~ ~ t . p r e e ~ i d e r .
O inelro corre e saltita, obrindo ligeirnmente as ezas, em exploioa-
$50 nas terras de lavrudio, onde .faz pequenas cavas, como um gnlinh-
cec,"á buaca dos vsrines, espeneja-se e empoeira-80, dsitado de ledo,
e

(*) Ssudndee da Torra L.02.11 Cap, 1X.


(-*)~Cadainode obsaiiveq0Qs O i n i l c l 6 g l c ~ s no I'ciitu S Y L ~ j!K)l
O ( F C V C ~ P1:))
~IO
*
rufaarto uma azn, e gosta de banhar-se, chzdurdando na orla das poças.
O melro é cnriosp o de-3confisdo. 8ondo ~ ~ u ~ p r e e ~ l d ~i i lôo ~baixo,
a
gjarn t!t..poi~elevns-se, snllando um ~ i l v ocastanholado. Ao POLLBRP num
paiao, conserva-@esigiininte, bnlougs-se, arrebita a calida, agacha-se s
vai depois p u l m d o Iigdiro para os ramos, ao-C1e-cima9 COMO a querar
Zor maior carnp:, para observação,
Fez ninho dn Msjo a Junho, nua ninho forte, eiilidamen'te construl-
do, onde entra o barro COWQ alicerc~,cirneritarido o material grosseiro
das primtsisne camadao, para erguer sobre estas a calote entrelaçada
de Bbrrie vegotals e raizes, ferta e rppessa, 0 interior forrado de fi!a-
mentos t&nurss,

E' muito onriado o !oca1 prefdrldo lielo casal, depenidcndo da zona


de vegetcçaTo, desde a bananeira, latadas ds vinha, as arvores dae
quintas, matas de piriheiros, stc. E m três anos seguidoigi observámos um
ninho renovado sempre na meeimo roigsiral.
0 3 OVOS, de formato ovolar, regulam em média por 3,O cin. de
comprjmento. numa cor zígua-mar, azul ou e~verdeada, com maaicha~
terrosas pardacen tas.
Macho e fémea cuidam da incubsção 0 quando o M - J ~ ~ Ocede a
missão pr0pria da companheira, para perto voa, fazendo ouvir de novo
n aiia cantiga de nnmorildo, um canto alegre e Porte, recordando inci-
ilenlea, com risadas B ae3sobioé1.

Só quando nascem os filhos o apertam 88 respoiisabilidade8 é que


o tempo se vai tcldo na fuíria d o eeu sustento, porque os ninhegos são
vorazes, de bico escancarado, ao alto, em funil, logo que ~o avesihham
os pais para a distribuiçao.
A primeira plumagem veste-os de pardo com manchas transver-
mais triguC?iras 9 depois da muda diferenciam-se bem os sl-xos:-as fe-
meas tokam a tonalidade pardaaenta, escurecida no dorso; -os machos
irniforrnisam-se de preto iuzente, com o ourelo dos olhos e cor do bico
bem em amarelo.
Coudi~õeslocais rnt.iscarnm distintivos qua formam a subéspecie
eahrc'ra, coiiium nau Canariris.
Apanhados, do ninho, habituam-ae ao cativeiro e mostram afeicão
a quem os trata.
O melro aprende facilmente a in9sica qiie s e lhe repete e ehegti 13
aesobitir modulaçõeér variado~1,canfanào mesmo ate de noute.
dCL

:Nas gaiolas, 6 frequente encontrar-80 alguns, com penas bratlcae


distribuides, o que será da idade ou influência d a riiiment~ção, pouco
variada durante anos seguidos, quando predorninn a r6po de leite e bata-
ta doce cosida,
E' costume íambem drrrem-lhort urna pasta foririada com figori yae-
sados e pit~ienta,julgando earcir para elevar a gamo e jntensincar o
canto.
Em liberdade, nota-se tambeui o albinlsrua parcial, ramtnsnte o
total, e neste i~ltiraocaso, o melro eprosenta os olhos cnrininadoe,

Ein Portugal-Pleco; plfico de paito ruivo.


\?r.- IZcuge-gorge.
Ing1.-Rsdbreast.
A1.-Hoilcehlchea.

E' chainado papiuho por ttw a garyaeita e u y3ito coloridoy num


tom amarelo ruivo brilheinte, que no rraiicho mais se intsnsifica O ex-
pande com a idtide.
A zestautt3 plumagem 6 sombrio, plrrlacanto, cnii~beandopara cin-
zento azeitona.
Irrt-quieto, vivo, snliitn no ~ ó l o pendendo
, iiui tanto as azas e nrro-
bitando a ct,u'ia, para descansar drpoia, dasciiindo-a, e erguer mais a
cabeçs, vaidoso do sei1 porte.
Mansinho, soclrtvel, poréni atravido, ~proxiina-se nos cnmpos, da
cavador, porque sebe q u e no ravolviinonto das torras, vai encblltrar
larvas e insectos da sua predilecçi?~.
P' invejam, no entanto, a50 coiiaeutindo que os coiiig~arihsiro~cc-
oham pg3~rlilhar do repaslo, e @orla zangado, sobre outras pá3saro8, em-
bora mais possante@,proc~irnndoagredi-los 6 s bicadas, para os afastar,
Pdla mav908iciradi~do s e u cante, ó considerado como sendo O roum
xinol madeireuse, aeniirùentnl, Eaoeiálgico, modulando tima variada cana
980 em trilas nilteseiados ueiiai fio uaeroro, reipas~iando queixrirneet, ea-
siiarado mel adiei^ inéditas.
Aou primeiros alvores d a marnhd ou ao entard~cerTIO dia, p ~ f i l e b
palmente, busca o papinhcr um poieo elevado, ~ o l i t i ~ i Oo ,espigão duma
torre, ou o galho maia 8Btluo d u m a arvore, para dali fazer ouvir a sua
oragão 6 luz, em toda ã sua paesla contristada.
Habita o papinho *desde a regiao baixa B zdna m6dia d a altitude
cultivada, construiido um niaho recatado, de Abril a Junho, ao solo tio
enc63to d u m a eetaca, quer nao t.iaonrcos caducos dae arvores, nos bri~a-
cns das p ~ r e d e e ,DO e n t s r l r ~ e d odas trepcadeirns, etc.
O material muito varàave'l, dependendo do fornecimento eincontra-
di, na seg;ão, 6 grosseiro na baea, por vezw egtendido 5 entrada do
eseoridarijo, s o ninho 6 farto, qunsi serni-e~f6ric0,desrso, forrado com
filamsntos vegetais, muago, etc.
A poitura normal conla 5 ovoa-2,OW 1,4 ein.,raras vezeu brancoe,
predominando o filado amaselecido mais ou menos tinto, com pontua-
g õ & óca-roendata.
~
O case! participa da Incubn$ão e o alimento trazido m e ninhegos
coneiate sm p~queninealarvas e vermes da terra.
Maraclras pratliis na plurnogern da cabeqa se encontram, omborei
rnramlaate, em rilguns indivídiios, nfactncios d s ligeiro melanismo, e mou-
troci, a deepigmcnteção fnz clasenr o manto que, sem tosa8.10 branco,
de hlbiriismo, lhe dcí uma ror velhe, desbotada d e arntisalo, podendo
ser intespiatrtda couio um fenómeno de flavismu.
O papiuho é de áificil doniasticidads, [nas colhido em ninhego e
traiado cotn hon aliinentaç~o0 cuidados, hnbitua-se á vida de gaiola e
afio hostilieu no cativeiro, os cornpunheiros, como o faz um liberdade.
Este phssnro ria Madoira uão tarn n plumagem tão vordoeatga co-
mo o eurcjploir, o o bico é mais C L I F ~ O ,c ~ u s t i t i ~ i n dassim
o a subesgécis
a~zic~~or!~~ech~ls
Keischeu.
Pequenino, gracioso, é este pissnro da Madeirti, I~al~ittiiitu da re-
gitio elevada, onde predoiniuam as urzes e os loureiros.
Reisinho ou rêgulo das matas, amsiitu da ~oliduo,utclria-se dn stiti
morada distante, sofrego da pureza do ar embaisnmado dos..arfiinn~sil-
vestres, sadios e fortes dos montes.
Bisbis, o tipelidaram, como se êla dissesee o seir nome, iiriiii r<,-
...
lietldo éiiiúilar d e I~is Bis... bis ..., qi~andoatidci ii~ltitaiitado ~ S i i i c , c2rrl
r:irntr, irretltiioto, 5 ctitii de Itirvns o irisoctos, posc:orroriclo tcrdii i i i i i n nr-
voru, para logo passar para oiilru mais proxiinn u cuiitiniiai* 11 t-xplo-
raçtio.
Modela, no entanto, iiiii urtlculado gonoro, iriais siiiive, coiii clrie
expressa os seu8 nmoree no courieço da prftnaverri.
O cubednha de fogo, europeii, liegulur; ig~licapillos,colrio rucrbeu
em latim R siia aspecificaçlio erudita, ndaçoa na Mndeiru a colosac,íío
das suas veslu~,aliirnnjuniio uo alto da caboça, o piiriachinlio que ver-
melho iôra, descido em cristu dorsni numa seit~lutuosa; ns l u n 6 t u 8 qua
abrangem o@olhos ern pêoas rígidas, cinzentas, aeavnlgtivarin-sa nas nn-
rinas e uma tlicllict pretn resumida lhe corra c:orilo prolongendo (i rus.
ganiento do bico que negro é.
O dorso mantaia-se em verdooimgo-uzuEtona, eseumundo ourêlos
nas pontas das azas, em cinzae quo~ltese leoos terrugena.
A gargarnta aclara~@ie para u peito, ascoaudo iam tom brnnco-ae~~ic~
esfregado em restos de tintas que lhe pintaram o t6du.Pousíi ern nos
tasaos axnpardeeido~icom dedos longos B unhas grandes
A feimea 6 maia modwta, ewmaeclda um tanto na colo~nr,iTo,sem
o brilho laetroso da pouplnha que, no macho isa erign, a seu ca]~richn.
O niaho do bisbis, tendente a eilinidsico, 6 um careipnço rombo, lu*
v ~ r t i d o ,g ande aiiá4, parrn uin pnssaro tão pequenino, alto na constru-
$50, por vezes, n três tninnnhoe da m a estatura.
Prc-fero ris rtiiiii d.ts das urzes, a folhagem copada dos louros, a s
agulha^ hirsutns dos pinheiros, para erguer, a ocultas, a mansarda ro-
busta, ovoide ria base, com material de rndiculas, fllarnentos d e grami-
nens que vão subindo, entrelnçadas, num cilindro macisso a t é rnaía d e
iiiaiti altura, cavado a c h a , em paredes de musgos e liquenes, cerzidos
110r vezes a teins c1 3 ~rafihEi8,O interior afo~ifado,quente de penugens,
oritie tt fémea deposita, etltre Maio e Jiilho, postiiras de 7 ovos rio ge-
s ciir., j)ux8ndo a iirn pardncerito-arruivado corli iriancllacd
r ~ l v, a ~ i t ~ v e inii
o po111iiuç6,~ verinelho-tercosas,
Ovitos de 15 por 10 milimetros, de fbrma ovalar, duin calciírso
tenro, iriío frageis a uin aperto descuidado dos dedos.
Oe niiihtgos vdrdoengos, no coriju ato d a primeira plumagem, nfío
s e coroam de oiro senZo após a muda, o acompanham os pais num
rancho inquieto, aos sallinhos e adrjos brendos, do ramilscula e m ru-
inùticnlo, em equilibrio btrlouça~~te,segurando SP, penduradoír, até de
cabega para baixo.
Mnneiahos, eeriticois, iirnri pancedn forte num galho onde se aciieiin
~ t o ~ i s ~ drapercurto-se-lhe
os, ti vibrayiío cliie os faz baquear, entonteci-
das, riioribiindos.
0 invarno tispero, colii gsanisn nus serrae, P6.lcis descer da zonri
alto, o nessa il~indrade fria, os oticontramos piantes, pelo Míintn, Ca-
rnacbti eQc.
NXo resieto no cntiveiro, i~npacienfe~ ~ 1 libordada.1 1 A inaior preg-
siio almasf&rica o defirihti, cnrocendo do meio que lhe foi roubada.

ANDORINHAS

SRo ~ 1 8 3 8P T G ~ I ~ R I ~ B L ~ndorinhns,
P~B ae esphcies de passrigeul e que
não fazem aiatio nesta região. As nossa^ pertencem a diferente farni-
lia, ao entaerto a60 chamadas-andorinha do mar e a andorinha da
serra.
Apuss murinus (Rrehm) ... ... ... ... ... ... ... . Cmselidaa
Em Portugal-Andorinhão; Grilnchc.
I+.-Martinot,
1iigl.-Swift.
AI.-Segler.

0 8 EU~BOM W B I ~ Sí:lirtoe~ ttt; RZRLI I ~ I ~ I I S


'i'aeiii u l ~LIOWUB 1iu~lorir11im~
enniyrldus, iiioLivo qiie as Inipos!;il~ilitii ilo ~ridni.,6, I,rle#ttiii o I H I I I ~ O
votinzdo, poutiairdo sí, diraettiiiieriie 118s ruchris cliitirido ptsi'nioitiiui, sii
corn iiiais fret~iioilcin,n o tampo dos niribos.
Com grande Ugeireza e velocidade oprtnaiarn os ioaeclos voundo,
e razam a superdcfe da hgua dõce quando qaersm bobos.
E~nbar~anicio em qualquer obsttíciilo, toitnbnm, a como 1130podeiir
erguer-se, a queda Posnn-ae fatal, a n5o ner quo li8 lritvontsin le deixem
c n i ~no aspaço, pois assim retomatn a sua earreisti nlriidrt.
Os garotos, no campo, iiaterceplaini-ilies o voo, quarido baixo, r o l i ~
nina comprida caiia-vioirai, suirvirado dt* chicote, ftizsntào-os cair, o lati-
qam-as depois ao ar, pura as vês seguir eorilenlos,inite aaailittis vezcig r1.y
inatnni, o qiie 6 uma crusldfide.
Ilma siapsrstigão eoiíipida fux coin qnt, turi slgiiiis Irigares Ihus rir-
rnnqilem o cornçRo, comorido.o, caino remeilica para tis dooaçiis tio g~oito,
asma o yrrra foriiocor iiia girtiencleii fùlogo rzn ntitriçao e inergiilhin ...
A andorinha do nuar nidificn de Maio n Ili~riiio,nna cnvictades diis
rochtps sobrt~ncuirnsda costa. krntigarnorits, foi Lnmbsrn sncoiitratln crin-
$80 nos forroa das veIhris torros o ririnnxeiio du litortil, trtido uetl:s
andorinhas penetrado pus algarna fresta ou buraco uo telhado.
A postura é de 2 ovos apenas, branco-puros 2,BW i,? em. coini os
polos si%omuito aguçados, deposta numa cama bnixu de pnlhus burran-
das, forrada do f ~ l p a ss penugem. Os nlnhegos andam inelhor qrio on
pais, enquanto 1110s niío erssce conv~.i~ientoinerits nB uz:iie~.
O aome de guincho que lho cluo em ~ l g t i u e1i1~uref3dri Porli~gnl,
foi tambem aqui adoptada, mas caiXu ern closuso, apesar de vir nriLircam
da a ponta nordeste do Porta Santo, iruin anitfgo mapa, eorn o riorna
~p--lSJinfna
da Gulrncha,
A andorinha do mar, que aqui se encontra, torno11 modificeções
insulares, pelo que I-Iartert criou, para ela, a subeisipécie brehrnorum,
níiin de a distinguir diis continentais.
A s andorinhas são sociaveis, amigas da formação em bando, e vê-
ino-Ias, na sua ronda da tardo, e~pocialrncxitçj pslo verão, voarem alto,
ririiriri guincharia coniínila, dizendo o povo que 6 sinal de bom tempo,
iiitiu r150 6 mais qrie a chatnadti d e reunino, priru irei11 depois juntas
periroitnr :i3 rochas.

Hstii friidrrrlriliii 6 prtiprin t l ~Matieira o ( h t i i l l r i ~ ~1, i i i 0 tt3iid0 aicio


~ s e i r i t i l n c larn
~ Poriilgttl.
E' negra, de tot~alidudes eacnrrrs e coiistituiu especie uniaolor,
embora ngo seja totalmente preta.
Da serra, 6 cliamfida, porque se avisinha, mais que a antenlor,
d ~ rnontanhn~,
s porém, a 8118 criação é igualmente nas rochas próximo
no 'mar, mais copioso na costa norte da Madeira qne na do sul, pro-
criando tambem nas outras ilhas.
O ninho 6; escoudido em concavidades profundae, tendo a fórma
de iirn pires, fabricado com iimn massa que lembra o cartão gsiosseiro,
onde se distingiiem algao e inlisgos agliitinados com uma ligeira cama-
d a de penas.
Tem aido obtido geralmente pela expluraça"~,com 1,101 gancho d e
ferro chamado bloheiro, nas fendas d~ penedia frequentada por e a t a ~
andorinhas.
Cada ninho comporta normalmente 2 ovaél-2,lH l,5 cm., branco^,
nnal caiadea, por vezes, com estreias leitosas, encontrados em Maio e
Jnnho.
Tendo conhecimento que o Ilheu do Porto da Cruz era uma moe
sudw, daa mais densas, deatas wnidorinhas, o Padre Echrnitz ctrganisou
em 1906 uma axp~dipão, com o fim de melhor as esfiudar, colhendo
abund5lncia de ninhos, wtn dos quais tinhs dois ninhegos. e um ovo re-
centements pôsto.
Uma noticia pormenorisada sobre as andorinhas da serra fez in-
serir numa revista ornitoláglca de RerHrn. C!:)

Esguio, elegante, com delgado bico u cauda mrrior que o corpo, í:


friteresisants v&-Ia, quer em marcha quer parada, a executar iiin conti-
nuo e ctiracterietico movimento, elevando e abatendo a cauda, compas-
sadamente. Tem o manto cinzento ardósia que vai escurecendo para a
cabeça e o peito rnarcadi, em preto firme, tingida a parte inferior do
corpo, em amarelo. Azas negras com peqiienas listas longitudinais al-
vadias. Rabadilha vercioeoga e a cauda é escara com penas laterais
brancaa.
A fémea é mais pequena, tendo o gravatiio uegru do peito tnenoer
extentlo, e menor brilho em toda a sua plumagem.
Habita desde a boca das ribeiras, até montante, pelos vales do
interior, em toda a região onde eueontra a igua corr~nteOU no dee-
canso, pelas hortasi e jardins.
Nas depressõee hidrogs6flaas, sobre ori, calhaus roludos, no leito
psdregoso onde o veio eiicòa, a Iavandeira volitn, baotaa os pés, esvon..
ça sobre a iòna líquida, sempre inquieta, atarefada.
Ligeira, &pressa faz correrias, o corpo despedido e m fléclia para
avançar mais, com a cauda hirta na horizontal. Anda á caça dos inse-
c t o ~de fase aquática, larvas e crieálidaa humedecidas, mos outros lhe
servem e os procura peloer telhados, pelos montoros.
(*) Vida a relapfío doe trabelhos publicados por Briae autor, qna deixamos anu-
merada.
S e muda o campo da exploração, vai a disthncia em reconheci-
mecto, num vi30 decidido, não muito alto, a descrever uma linha sacudi.
da de altos e baixos, e em cada bambo articula um canto de três notaa
agudas, ponteadae, sêcns.
Gosta de luz, de ao1 aberto, não galga as montanhas nem se in-
terna pelo arvoredo denso.
E' sociavel, porhtn, não yuore muita companhia na :ires que es-
colheu para o seai abastecimento, correndo com a passarada intriisa.
Egcolhe um lugar de abrigo nos buracos doe^ muros, no eapique
tiiitna paliiieira, rio desvão doi telhadoa e goteirae, para f~~bricar um
uiuho lòsc:o, corn raizau o palhas finas, estofado do Ia, eobêlos e y ~ s i u -
gem.
110 Margo R Maio, 6 u ~ e i iperíodo de amor s ciumes. Coneta a
postura d e 4 a 5 ovo8-1,BX 1,3 cm., em tom cimento variavel de
eigueda branda, com p q u e n a s pontuações ueutras, em divorea cor.
Só a f6mea chocs, mas o macho cuida tambem da alimeiitaqão
dos filhos.
0 s ninhegos mostram as primeirari pênas, salpicadas d e pardo, e
n cor amarela inicia-ae na rabadilha. Não resistem ao catireiro.
As lavandeiras spardcem ás vezes no Porto Santo, mas não teem
alt condigões de estar.
Pela sua plumagem e outras minudêacias d e estudo, criou o orni-
tologista austriaco Techuzi, para a Madeira, ta aubeapécie schmitzi que
neparou, justificando.

Wnthus bertbeloti Bolla... ... ... ... ... ... ... ... Motacillidae
Em Portugal-n?io assinalado.
Pr.-Pipit
1ngl.-Meadow Plpit
AI.-Wiessnpieper

A fórma típica encontra-se nas Ilhas Canárias, descrita por Bolle


a dedicada a Sabin Berthelok, naturalista e coneul francês 01x1 Tenerife.
..I

Nas nossa$ ilhtas, por dactinstânoias especiais, apresenta o bico


iliais longo, onrncterieando n siiboapécie mcrdeir*cnsis csiadri par
'

Ilartert. ?:)

No Porto Saiito é desiguatlo com o nome de bica; o na Madeira


por correcaminho e carreiró, motivado pelo hábito de voar baixinho á
caCa de insectos e correr no campo ao longo dos caminhos e veredas,
preferindo as terras áridas e extensas, seguindo os trilhos marcados pelo
homem.
E' um incansavel andador, marchando intrépido e gracioso; pára
por vezes em observação, levanta-se, clova-sa obliqiiamente, como que
uardando o caminhante ria sua jornada, parti acompanhií-lo ú-frente,
icando o percurso.

A nossa gente, por isso, ein alguinas fregiieriias de oeste, o cha-


a tambem-melrinho de N.& Senhora,-criando R lenda, de que ti-
vesse o correcaminho acompanhado a Sagrada Pamilia na fuga da Terra
Santa para o Egito, e na miesão especial ds desfazer as pégadas na
areia, para desnortear a perseguição de Berodes.

O eorrecamiuho 6 mais pequeno do que a lavandeira e nZio tem


a cauda 430 comprida, btilougando-a tambem um pouco.
A sua plumagem 6 cinzento-pardacenta, marmoreadn, e na parte
inferior do corpo,dum branco sujo, manchado de pardo. Macho o f8mea
são sensivelinente iguais, sendo esta, irm tanto mais pequena. Nos ju-
venis, a coloraçiTo é mais intensa, pnxaudo a ca~tanhoarruivado.
A época da criação eskende-se da primavera ao outono; as pri-
meirtis posluras, de 4 a 5 ovos o as ultimas de 3 a 4,acinzsntados com
pontos escuros, depostos em ninho frouxo, sobre a terra, ocrilto entre
ervageas, ao cuidado da féniea.

O correcaminho tem um cantar em pio dobrado, nota grave, e es-


colhe para ponsiar, plantas baixas como as tabaibeiras, escondendo-se,
quando o calor aperta, ~ o bquaisqueic folhas largas que llie sirvam de
abrigo.
Mais pequeno que o c:nn6rio9 o pfntasuilgo 6 iam passariilho vai-
doso, brigão, de variegsdas cores, o mais matizado da Madeira.
De bico robusto, c6nico e agugado, tareos finos e curtos, o seu
manto tinge-me de pardacento escuro, descendo para a parte inferior do
corpo num esbraniquiçado indeciso.
A c a b e ~ a6 negra, de capucliinho que embica do alto, desce á n u c ~
e aiuda aperta ao redor do blco, seguinda-se uma máscrri~a vei.melhir\
que para ris faces escda em manchas assentadas de branco, descaindu
depoie nurii cinzento levemente arruivado, que circunda o peito.
As azas negras apresentam tima faixa Intercalada do amarela, e
a cauda, tambem escura, tem a forro esbranquigado.
Com esta mistiirada de carsa, diz o nosso povo yne o pintaasligo
foi o ultimo qus no Paraíso apareceu á chamada, para ser pintado, e
quando retardatário Re apsosimoii do Pndw EFeras, jti a palheta setava
limpa. lEInt50, esperto, ealtitoii por cima doa pinceis. por lavar, e foi-rsa
esfregando, a colorir-se.
O nosso pintassilgo não tem tanto corpo, mas apresenta maior
stegâacia que o continental, e ficou assim apartado na subespécie
parva Tscb. Ck)
O pintassilgo vai rareando, limitado agora a determinadas zonas,
ao sul da Madeira, que ainda lhe proporcionam as sementes do que se
nutre.
Gosta muito das crucíferas e compostas espinhosas, como o cardo,
do qual tomou o seu nome cienlifico carduelis.
Nidifica de Março a Jull~o,iaaa sebes, arbuetos e arvores baixas
com ramos flexiveis, agradando-lhe o baloi~çodo berço gr\rn a ~riaçiio,
coiii delgntlna raizes ticoinn-
neonehogude nciinn calote rle~~riimiictu,ftrrmtid~~
das caiai 1ii o aiitras iriatoriais muclofi.
0 8 ovoe, li ai ti Iiscluenos c1110 os do ctiuNrio, 8N0 ei~br8n(~ui~~cios,
le-
voinsnto tiugidos de agun-uiar com pintas de tijolo, e os niohegos só de-
pois da muda tonium a caraci.eristica insncha de vermelho,
As fémeas são Lambem mal tingidas.
O pintassifgo é facilmente dornes~icavel,quer em gaiola oii no
cocliinho, e nêste fica prêso por uma gargalheira com fina corrente me-
tálica, tendo um poleiro que muitas vozes sai duma figura groti3sca d e
madeira, sobre a qual o adejo fica reduzido.
Adestrado este passarinho, exibe as suas hsbilidades, içando um
baldezialio coa1 ogaa, quando quere beber, abriada portinholas e tampas
de caixinbas, onde está confinado o seu alimento.
No cativeiro, linmam.lhe o bico quando pretendem acasalá-10 com
uma canária, e dêste cruzamento resultam mestiços, bons cantores e de
harinoniosa plumagem.

Wcanthls ciaanablna (L),.. ... ... ... ... ... ... ... P~"lngiCl!dae
E'r.- Llnotts.
Itig1.-Lfnaet.
-
AI. H!iuSllng.

Tem êste pássaro o bico curto e ponteagudo e a coloração geral


pardo-acinzentada, escurecida na cabeça e domo. Na garganta uma man-
cha mais clara, e do alto do peito ao ventre, um colete vermelho-vinoso,
mais caracteristico no macho, que o alarga no verão e com a idade. A
cauda é negra e chanfrada, e nas azas apresenta unias pequenas listas
al~adias,A fémea 6 de menor estatura.
No cativeiro; essa cor do peito se desbota e passa 6s vezes á de
ruivo-queimado.
Sofreu tambem o pintarroxo a influência do meio ftlsular e acha-
$e incluido na subesp6cia nana Tschuzl. (*)
~~

(*) kCraitla, cllr,


Faz ninho de Marqo n Julho, em arbusfoa e arvores pouco eleva-
das, csniatrulndo-o com pequena8 raizes sGcas, forrado de l)élos e de ca-
belos, Oe ovos, mais pequeno8 que os do canário, sni iiuuiero de 4 a 6 ,
são brancos ligeiramente aniladoa, com manchas vermelhas. Só a fén~ea
choca.
0 8 ninhegci~vestem-se primeiramente dum tom uniforme parda.
cento claro, e oe pais os alimentam com sementes humedecidas.
No Porto Santo, escolho psra nidificar, a arvore do paraizo (Ele-
agnus hortensís Marsh) e planta8 de pequeno porte, eorno a losna
(Artemísia arqentea 1'Herit.) sendo inte~eseanteencontrar-se, por vezes,
alguns ninhos contiguos.
Não aparece nas Ilhas Selvagens.
O pintarroxo é sociavel e,fóra do tempo da cria, junta-se, nlo ra-
ro, com os tentifhões e canúrios, no mesmo bando.

Fr.-Plneon da Madère.
Ing1.-Bnff-breaetad Chafflhch.
AI,-Madeira Ruchfink.

Habita a região média arborisada da Madeira, descettdo poréiiir, no


iuverno, por vezes ao litoral.
O tentilhão madeireiuse foi :anteriormeute considerado como urna
variedade do tentilhão das Canarias FlirzgSlla canoriensis Vieil,, usas
melhor estudado depois, por ICoshig (*), passou a figurar como utnrt
eéipecie distinta, local, a maderensis.
O macho tem a cabeça duma cor cinzento-azulada, escura, dorso
pddo-verdoengo; ventre trigueiro-tijolo, azas e cauda escuras-com lise
ta8 transversais brancas nas azas, e penas laterais desta cor, na cauda.
A fémea, de menor corpulencia, veste-se mais modestamente, num
t6do em que domina a tonalidade azeltoaa carregada, carnbeando para
pardo a desbotar,
A. Kasnig-Cab, Janrn, E. Qrnfth. 1890.
O tenlilhino 6 sociavell, desenvolto, alegrando oe campos e aei mau
ta8 desde o alvorecer.
Cd seu canto 6 muito variado. Na primavera trina um poueo, ter*
n~inandoa frase com três a 4 notae agudas, decididas.
O ninho, de Maio a Agôsto, é artieticamente construido nas arvo-
res altas, com raizee brandas, caules de gramineas, liquenes, forrado
de lã, penas, papilhos de sementes voadoras, tendo o formato semi-es-
fBrieo, Otr ovos, 4 a 5, de cor variavel, são geralmente esverdeados ou
de um azul pálido, no tamanho 2,OX i,5 em., com pequenas manchas
escura@, ciiidados pelo casal, em alternativa, no aquecimento.
Tornam-se mansos, aproximando-se daa habitaqiíes, frequentando
oe terreiros, Li procura de alimento, e não são egoistas, piando de cha-
mada pelo rancho, a compartilhar.
No8 hoteis, especialmente do Monte, ~ n d esão tidos em carinho,
pousam sem constrangimsnto sobre as mesas ao ar livre, debicando
migalhas, e até entram gelas janelae doe hbqpedes amigos que Ihes dão
fragmentos de bolacho, logo acarrelnrído uiam esvoagar contente, para
voltarem a buscar mais.
Nas terrae cavadas, procuram sementes e o pequeno bôlbo de cer-
tas ervas, que se entretêm a destapar, comesrido ti6 do interior a parte
maie carnuda.
Alguns caess de albinrismo parcial se teerii notado, pelo maior nu-
mero de penas brancas uari azas e sspeclslmeute na caiada, quando 'se
iuariifesta nevada.

P~ISII$BP
patronia (L.).,, ,. ... ... ... ... ... ... ... Fr*ingillidacz
Em Portugal-Pardal francês.
Fr.-Moineau eonlcle
Ing.-Rlng Sparrow
AI.-Stalnepsrling

Tem o pardal da terra a plumagein pardacenta com tonalidades


maia clasas e escuras, Uma mancha amarela na garganta. Bico forte e
mas longas, chegando quaei ao extremo da oauda.
Modifjca@õeeiPnsuiares deram ao nosso pardal um aspecto ligeira.
mente diferente, tomando uma colopagão um tanto mais escura, @ara-
ckerletlca da srrb.esp6cie madei~.ensr'sErlanger. ?)
A plumagem pouco difere nos sexos, conquanto a f6mea niio seja
fão bem marcada na gargraata, mancha esta que nos juvenk fio aPa-
Tece depois da muda.
O pardal é um combatente aguerrido quando escolhe companheira
e são porfiadas as suas lutas com 08 rivais, perseguindo-se LIOS ares
ona arvores e Belhado~,num ódio cégo de aniquilnmento.
Formam-se oe casais em Fevereiro e as posturas duram ate Julho.
O ninho sem arte, encontra-se nos buracos dos muros, nos recantos da3
telhis, pouco robiasto, rsveatido de 15, cebêlos, linhas o p6naa de cun
poeira.
Os ovos, 5 n 6, são variaveis no tamanho, em média 2,OWl,P> cm.9
esbranquiçados ou gardacentos, salpicedos de pardo, inaie para aima das
extremidades.
Criados os fiihos, o pardal afasta-se dessa zona, reune-se em ban-
do, a que s e aseocirim outras espécies graoivoras, sujeitas ás mais vem
lha8 que voam na vanguarda, a escolher o campo de exploração.
Quando vai pousar, o pardal iinobilisa as azas, em aberto, a ser-
vir de pára-quedas, aterrissando de manso, e juntos, num campo ou te-
lh ido, fazem uma grifaria detiharmónica e importuna. Ao sentirem pe-
rigo, solta, o primeiro qrae o concebe, um pio de alsrme, estridulo, e,
todori fogem em fracções retalhadas.
Embora destruam muitoo insectoti e larvas, causam dano á agri-
cultura, naa searas o sementeiras novas que, por re~gusrdo,são ttipa-
dae mm ramos, protegendo a germinação, ou lhes colocam espantalhos.
Anligamenle, vendiam-nos mortos, em cambulhada, por dùzia, uti-
Itzados para um prato de arroz.
No Porto Santo, a pardal f a z destroço nas uvas, picando o bago
para lhe e x t r ~ í ra graínha.
Antigas poaturas, (1774) nequela ilha, obrigavam cada chefe de fa-
milia e apresentar n a Câmara, pelo m ê ~de Junho, cincoenta cabeças
de pardal, cob pena d e multa.
O albinismo imperfeito não 6 raro, encontrando-se alguns pardais,
parecendo como que canfarinhados.
Rslo (,arda1 srj Iiii poiicos anos nidifica iia Madeira, observado 1)ri~
irteiriiinente un8 p~liueirasnltns do Jardim Muiiicilial do Punchnl, e ele-
pois, nalgumrts quintas dos rtrredores.
E' maio esciiro que o pardal da terra e uaeilos corpulento. O alto
da cabepu, um lauto deprimido, 6 dum castauho intenso arruivado que
ee prolonga para o dorso, inesclado, cambeando em tons mais claroe.
Garganta e peito anegrados e rnariclhas brancas a escoar das faceri, bem
como em toda extensão do ventre. Azas iniciadas em castanho, seguin-
do-lhe o branco, antes do tom g e r ~ l .Caiida pardo-verdoenga, de fdrro
maia claro.
Este pardal enconlra-ee na Europa Meridional e Norte de Atrica,
procriando em tal abundhncia na Algéria, que numa excursão cinegéli-
ca renllsada ha anos, lhe aproveitaram os ovos para fins culinirios. (*)
Na Ilha de Lancjarote, nas Canárias, tambem prefere as palmeiras
para habitação familiar. Passaram a Las Palmas, havendo tomado conta
das árvores da Alameda, conspurcando, ao pôr do sol, as serioritas C['*)
irreverei~temente. Foi-lhes por isso declarada ri guerra com archotes, de
uolts, subindo ti ramagem rapazes que os ayanhavam facilmente á mão,
ofuscados com n luz, e parece que de lá desapareceram.
O ninho é tosco, como o do pardal da terra, e OB ovos e ninhegora,
tambem muito parecidos.
Para alguns autores, o i.. Izispaniolensis Q uma forma derivada do
tipo P. nzontanus (L.) e para outros, uma modificação originada por
eoudições sapeciais do maio em que 80 expandiu o P. domesticus, (L.)
tendo com qualquer dêlefi bastantes afinidadee.

(*) La Vle de8 Olsaaux, Uaron d'i-lanionville Parfe. 1890.


("9 Let3 oisrnux voyageursi, S. Berthalot.
8ritrlnus ~anbirluitr (L.) , , , . ,, , ... FringilNdaa

Chnuia-8ie cauiírio da terra ao hanrioiiioso caritor dos uossos ~ O R -


ilues, que, especialmente durante a primavera, fnz ouvir mais forte 08
seus trinados e gorgeiori.
Na distribuição da gassarinhada alegre, tem o can8rio silveeitre
uma zBna bem restrita, que sci abrange os arquipélagos da Madeira,
Açores e Canárias.
A plumagem insular que o reveste, é um tanto verdoenga, com a
garganta e o peito amareleoidoe e a cauda negrusca esverdeada.
O canado prefere 08 lugares sombrios e frescos e a proximidade
da iigua. Vogueia, no entanto, pelas liorlas e jardins, e oricontra-se 08-
palhado, desde o litorol até os montes.
Alimenta-se, em especial, das sementes do gramlrxeas e cruciiferas;
gosta muito de figos e não desdenha debicar alguns rebentos tenros,
como os da couve e da alfsco, procurando tambem alguns insectos no
tempo da criação,
Por vezes, forma bandos extenso6 c4ue se desiocram, voando dto,
iiuma curva aos bambos, em qtie os mais velhos v50 cantando na rs-
maria para um difereute campo.
Na primavera grimpamvse os paree.
O ninho escondido ma ramagem de arvores não muito altas é for-
mado de ervas sêcas, raizes finas entrelaçadas e forrados de brandos
vegetais.
Faz mais de uma postura por ano, de 3 a 4 ovos, do tamanho
2,1X 1,2 cm., com manchas pardo-violáceaa, sobre um fundo verderna-
rinho empardecido, durando a incubação uns 12 dias.
Os júvenis, abandonam o ninho após uma semaila, continuando a
~essnialimentados gelos pais, até poderem ensaiar iim voo Qecisivo,
No Porto Santo, fazem ninho DO Iiheu do Cima e no Ilheu de Rai-
xo, nos extremos da baía, nas plantas da losna, e só quando podem
galgar os boqueirões que separam, eistes rochedos, da ilha principal, é
que aparecem já bem emplumados no seu Bato eaverdeado.

Em Fevereiro, passam de novo o braço de mar, para fazer criação


o os ,iuvenis só são vistos com a faniilia nos bandos do outono. (:li)
Efectuam assim, pequenas migrações numa 6rea proximn, que niTo
llierr iilteratn o caracter sedentário.
Levado da Madeira e Cauárias no meiado do seeulo XV, pelos
postiigueses e espanhois, tornou-se um passarinho da moda, enclaus~i-
rado em ricas e artieticas prisões, donde fazia ouvir o seu canto varia-
do e harmonioso.
Tornado carinhosamente doméstico, chegou a obter unia relativa
liberdade-a esvoaçar nos sal63s dos palácios e vir pousar no indica-
dor da sua dona que orgulhosa o patenteava ás suas fidalgas amigas.
Adqriiriu assim um alto preço e foi objecto dum antigo e rendoso
comércio, mórinente em Eaplnha e clue se estende11 depois pela Prau-
@a,Ztalia, Ingl iterra, Alemanha e o u t ~ o spaísas. I.ienriqne lV, o buliçoso
rei doa Hug~ienotes,numa carta ein 1583 dirigida a Moiitigeoii, fala-llie
dum harmonioso canário que muito o recreia,
A caprichosa D, Carlota Joaquitia, raiiiba de I'ortugel, to111 iiiii
retrato no Museu clo Prado ('6 o n." 2440) com uni canarinlio nn mão.

São Gssea os carzarios de /'(ira,descandentes dos candrtos da felnl.a,


que gerações tesm inodifieado pela iafl~i6ncinda climn, da alimentaçfio,
a outras causas sscundádas, resilltaizdo aseim uma grande variedade
de plumagem e mesino no tamanho e estrutura geral do corpo.
O candrio de f6i.a trazido ao combrcio, na Madeira foi crtizado
com o tipo da origem, e ijsse refrb~ct, de sangiie prodiieii~,larnborn,
sem a maior trabalho, esplendidos tenores.
O canário da terra tem sido acasalado, em cativeiro-escolhendo-
ee para isso uma fémea,--com o pintassilgo 0 o pintarrôxo, pássaros
da mesma fainilia,

OheervaçiTas Oriailli, no Porto saiiio. 1001.


14' iitn pr2esaro ole~aiile, de plrimtiguiii riiíluPelo-rtiiva, listarln d o
negro, dorso acinzenlatlo, ventre ruivo-pardaoento, 1 1 ~ ~r:Oin 8 faixair luri-
giludinsis brancas, cauda escriru, longo bico e na cabeça iim pciiiuclro
espalmado que abre em leque, orlado de branco e preio.

A poupa deixo11 de nididcar nesta região desde o início do pre-


sente século, sendo os iiltimos ninhos encontrados no Porto da Criiz e
Porto Santo, ein buracos de muros, com um tanto de terrugern e ervas
sêcas para cama, contendo 5 a 6 ovos, ovalares, numa cor cinxel~lo-efi-
verdeada, cliocados só pela fémea.
Esses esconderijos estavam sujos e mal cheirosofi, acumulados tio
Imuadiciea ti entrada, q u e este ptissaro assim dispunlia, pern cotn ino-
nos trabalho apaniiar de pronto, inriectos, larvais e Icainas.
Talvez-quem sabe-modificação do clima, ou perseguida pelo8
ratos, gatos o aves de rapina, achou que não lhe e m conveniente o
habitat, ou a segiirfioça local para a familia, no entriiit0,prtssa aincis uasi
suas rnigraçi3es,

As poupas fazem, aqui prhximo, criaç8o litis Ilhae Catiarlas que


frtqiientam de Março a Setembro, e eegi~ndoobservações recentes, all-
gumas lá permanecem todo o ano, tornando-se essas portanto aederrtúm
rias, conservando-se de inverno nos vales abrigados do interior.
O seu canto 6 monótono, parecendo dizer-porz-pó pnn e amim
lhe ficou um nome parecido.
A poupa 6 tímida, ~ssr~etadiça, abate o penacho para voar ou cor-
rer com ligeireza.
Diz-se que, antigameiite, rnetiani durante algum tempo este pfissaro
nas celeiros, para ~ R aaho
P do gorgtilh~o ~utrotlfnae0108 ~ O C ~ P O C I ,
Em Portugal-Papa- figoe
Pr.-Lorlot
Iny1.- Crolden Oriola
A1,-Ciolilamsel

herioiiiisiiirari~ assiiri este pdfisarti, 11elo brillio que apresenta, dum


niiarirelo vivo, Iiizeiite, eriz lodo o corpo, excepto nas azas e cauda, que
silo pretae, tendo no eiitants algumas panas amarelas, de mistura.
A plumagem da FBriiiea 6 dum verde amarelado, com o manto pu-
xando para azeitona nova.
O ninho 6 artietico, entrelaçado com folhas co&ipridas de gtamí-
neas e afoufado de material brando, contendo em geral 4 ovos amare-
lo-esbraiiquiçados, com peqiienos pontos escuros. Oe juvenfe até a muda
assemelham-se 6 mge, e EG depois de um ano tomam a plumagem
diferencial do sexo. A pela e os ovos dêste pássaro parecem ter sido. em.
bebidos mima aguada de tinta amarela.
IJm casal qnie se demoroa alguns meses na Madeira vinlrri pernoi-
tar nn moama noguei~ana Qnlnta de Santa Luzia, 0 ao calr da tarde,
rondnvn o poiso em v038 curtos, ir regula rei^, que itr eeceaeivarnente
itpertanda. Ile manhã, o macho ao acordar assobiava. am riota8 i!ieiitn
agudas.
O melro dou~ndoou papa-figos, distancia-ee do inelro cornilin pelo
seu porte e estructura, bico longo, com a ponta ligeiramente arqueada
e Larsos ciirtoa e mais grossos.
Este pássaro pode ser considerado indigena, por se haver reco*
nhecido que j6 livremente nidificow na Madeira.
Segiindo o naturalieta Brehm, o O. galbula altera, por vezes, a
hea da sua distribuição, s assim, com tendõncias nómada$, tentou, palo
menos, uma ocaeião estabolecer aqui familia, construindo um ninho na
Quinta do Deão, no Funchal, capricho talvez de namorados em vilegia-
tura, ou influencia dum maio que lhes parecia propício.
Sãa freqùentes as suas passagens, isoladamente ou com seu par, e
toam sido s ~ l h i d otambstm
~ no Porto Santo, Desertas ca Selvagsas,
O côrvo representa a transição das aves de rapina para os pás-
saros, tendo como elas um V Ô J axtenso, vagaroso, pairado, e hfibitos
carniceiros, embora ~ e j aomnivoro, variando o seu repasto.
O côrvo comum é o maior, mais possante e astuto da farnilia.
Vestido aom uma plumagem negra, Iiistrosa. que lhe dá reflexos metáli-
cos, especialmente nas azas, tem um bico espesso, robusto, um tanto
recurvo, as narinas redondas e ornadas de cêrdas.
No andar, mostra-se petulante, afectado, dá saltos, rasteja as azaa,
faz trejeitos, e os seus movimentos eram antigamente observados com
atenção, pois serviam de base ao prognóstico do tempo, predições, au-
guros, etc.
Já Noé, cansado de estar na Arca, com tanta blcharada, despediu
um corvo sobre o lençol das aguas, para saber se vinham afiorando
a8 terras, e como este não voltasse, assim se confirmou que era termi-
nado o Dilúvio.

Nos estudos ~ ô b r eos Corvideos, vem sendo dito que este phssaro
é duma extrema dedicaqão pela companheira que escolhe para toda a
vida, e que por morte dum representante do casal, o outro lhe conser-
va ainda fidalidade, afastando-se para longe, tornando-se ermita, o que
talvez sucedesse com um que s e conservou durante dez anos na De-
serta Grande, onde, naturalmente para viver dava caça aos coelhos.
O corvo é de facil domesticidade, especialmenta ipendo cativo em
novo, reconhece o dono e não aburra da liberdade que Ihe f8e concedi-
da a-dentro duma certa área.
Afeiçoa-eie a outros animais companheiros, e vimos una, ha bas-
tantes aniotl, numa Quinta nos Ilheue, que brincava com uma cadelinha
compartilhando da sua refeigão na mesma tijela.
Sabida a tendência que o corvo tem de esconder pequenos obje-
ctos, lançavam-lhe moedas, botões, etc. que depois eram encontrados
numa excavação por ele Peita, onde lá estavam tambern alguns osrros
que roubava R sua oomensal,
Os que passam na Madeira pertencem á subeep6cie tingitanua, de
Marrocos, que, tregundo Dresser, não são mais que a eepécie C. lepto-
nix de Peale.
Pouco frequente.

Este, tem o porte mais, erecto, o bico rnaiçl aguçado e procura para
alimento, de preferência, grãos e frutos.
A plumagem negra ondeio em azul escuro e falta-lhe numa orla
na base do bico.
Tem o costume de revolver a terra para catar larvas, e crisálidas,
que tambem aprecia.
Em alguns paises, é uma estimada peça de caga, pelo sgradavel
s a b o ~da sua carne.
Raro.

Carwus aorbne (L)............................... Coruldae


Ai~eemelha-8ea um corvo pequeno, com o bico menos arqueado,
mais curto, e O manto eiriitindo reaexoa entre roxo e verde-ne@;rci,
A f6mea 6 um pouco mais pequena,
Para.
Gorvus pica (L.) .............................. Cori~idalf

Dentre os corvi.cleos que migra111pelas nossas ilhae, a paga veste-


se com mais realce, num cdtnbio de tonalidades variadas,
A cor greta desce ao peito, irisando Lim verde violeta mais brilhaii.
te ainda, na loniga cauda q u e reflecte um azul ferruginoso. O ventre
e parte das azas são brancos num contracite sern traosição.
A primeira noticia da pega tlesta região O-nos dada por li'orster,
iam?1777.
Rara.

Diferem bastante'o~l5exo8 na EUP ve~timenta.


O macho tem o manto negro com um capuxo ruivo-pardacento e
a parte Inferior do corpo branca, com algumas intromissões alva dia^
pelae azas e cauda.
A fBmea apresenta-se ruiva, com muito menos branco, e a cauda
pardacenta.
O bico do picanso é farte, arqueado na ponta e com uma c h a n
fradura parecida com a do frarzcelhú.
E' um tanio carniceiro, matando ratos, Iagairtixas e pequena8 pas.
sáros, mas tambem dá caça aos insectos.
Os que por aqui teem sido observados apreaentarn uma plumagem
ruiva flamejante, sendo coneiderados como da subespécie badius de
Ha~lelaub,

São passarinhos afadigados, em coniiauo movimento, que ee nu-


trem de ineectoe alados e devastam as moscas com apetência.
Têm o hábito de ui~vimentaras azas mesmo qnando estão poq-
eiados e erileolhem u m ponto de observação, aonde voltam frequente=
mente,
Em Portugal são conhecidos tambem pelo nome de-taralhão.
a)-Muscicspa ~rlsalaiL* .............. Muscicapidae
Este papa-moscas tem a plumagem pardacenta,tirando para cor de
cinza, com manchas e estrias amarelo-arruivadas.
A cabeça, um tanto mais escura, é marcada com listas em arco.
O ventre branco-arruávado esbate parei a coloração geral.
Raro.
b)-lusclcsps nigra Briss.. ............ Muscicapidaa
Difere do antecedente gim cobrir-se de negro, tendo a parte infe-
rior do corpo s o extremo das azas em branco, alem duma malha clara
na cabepa.
A fêmea puxa para azeitona-negra e não se lhe n o t ~a pinta bran-
ca por cima db bico.
A plumagem apresenta-se com muitas variantes, conforme ae es-
tações.
Ruro.
Os papa-moscas oxoaiiturn ris siias tnigraytjes de rioite.

Passariuh~de bico curto ligeirameute curvo tlo extremo. Pluma-


magem prtrdacento-acinzentadn. Garganta s peito arruivado que esbate
para a parte inferior do corpo.
DN rjemelhanças ao pnpinlao, porém, gosta iiltiis dos terrenos hrb
110s onde se eaconde, por ~6~013, traz dne pedra!.
Kuro.
ora-
Syivia einawea Brisa. .................. Turdidae
Veeite-se numa cor acinzentada, mais escura na cabeça. 1-c i r
peito clareia e toma i ~ n aligeiro arruivado po ouro10 das azm.
Tein predileção pelo5 frutos qun Ihs dosam o nome,
Raro.

Sylvla orphtaa Temm, ................. Turdldae


E' mais corpulenta que a tutinegra comum, dietinguindo-se por
iimn m6cula branca na gargantn o no extrema da anuda.
Raro,

...........................
Sylvia deserli (Loche) TurdicIae
E' oriunda da reglbo norta-aí'rfcsina, Mais pequena que a nossa tu-
tinegra, tem a coloração predominante de areia ruivo-empardecida,
Sí, foi observada uma vez na Ilha do Porto Santo.

liecebem este nome, em Portugal, varios passarinhos, notados de


passagem nas nossas ilhas.
8 ) Sylvia curruca (L.). . . . . . . . . . . . . . . . . . . Tarclidas
Tem a parte siiperior d o corpo cinzento-e$cura.azuladn, nomeada-
iiiente na cabBça, e R cor branca iam tanto roisada, no peito e ventre.
Azas e cauda erão pardacentas.
Rara.
............
b) Phyllotrcepu8 slbilatrix Bechst. Tcl~*dtdae
A sua glumagsm é cinzento-amarelecida, com uma banda amarela
ao redor dos olhos e na orla das penas.
Mais frequente no Porto Santo, do que na Madeira.
c) Ph. trochllus (L) . . . . . . . . . O . . . . g . . . Turdfdae
Esta espojcie 6 mais pequena e menos loira q u e a anterior. Veste.
se de cinzento verdoengo pintalgado. Azas e cauda pardncentas,orladas
de amarelo pálido.
Pouco frequente,
Tsm o manto oliváceo-pardacerjito e a parte inferior c10 corpo os-
branquiçuda, salteada de amarelo e pttrdo clriro, Azas 0 caude fralija-
das, cor de nzeitonn.
Rara,

Karatniente aparece na Europa, por ser utna espécie asitltica, p8-


culiar 6 Siberia.
Aciderotalinoiite foi colhido um individuo, uo Porto Santo, eni 1900.
Eets pas~arinhotem a plurnagsili arirarela.6sverdeada, ti cabegti
côr de azeitona, uma liata amarela, da base do bico ate a nuca e as
azas e cauda pardacontas, orladas de amarelo.
Miiilo rara.
f ) Hypolaiâ polyglolita (Vial.) .............. í"iir.cIf(E~e

Nota-seslhe o bico largo e uiiii tanto achatado. A parta au~~arior


do corpo 4 de um cinzento eeverdeado e a inferior dnm amarelo piilido,
Esta felosa é tambem conhecida em Portugcil pelo nome de ctral-
reta.
Rara.

E' mais eorpulenth qiis a anterior e de coloral!No menos carregada.


AB azas 530 maie compridas e o ventre 0 peito amarelo-eitrinos.
Rara,

Q mavioso poeta-cantor, amante da beleza da paissgein, tambetii.


quir vialtar a Madeira, por isso, numa das siias migraçóes desviou-~e
um tanto da sua rota, para realizar uma aspiração.
Q rouxinol encontrado vestia-se de pardo ruivo, aciazontado ao8
$iancoa, clareriitido a peita e wfogsando a cauda,
0 roux3nol doa junco=
Acroeephslunr phirngmltis Rschst. ..................
7'urclidae
Tem a plumagem numa côr azeitona-arruivada, com manclia~rne-
grae, na cabeça. Azaa e craudti amlireleritaa.
Raro.
0 r o ~ a x 3 1 3 0 1 CBCSBL~c a r x % q o m
Acre~ephalusstrepsraiit Vieil. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Ttrrdiche
A parta ~uperiordo eorpo 6 pardacento-olivá~eti~ A cabêga e aeri.
trd piixom para am~relo-trigueiro.AZHSe cauda orladas ele rnivo.
Raro.

Ililere do ailtorior, ern ler n cabeça einxenito esverdeoda e a parte


Siiferior do corpo amarela-lhiranja, corn as fizas orlada8 da cinzanto.
Rnro.

Mostra-~e ruivo-pardacento, com a cabêga B ventre tuais claros.


Rara.
A cis~~co]%~
G i ~ f i ~ o Iaetiaenicola
a ........................
Bp. Turdidae
Tem o rnanto"pa~do-o~cliro,e~batidoria e ~ b ê ç a ,Pefio nariiivadn.
AR pênns da caiida franjadas de cinzento.
Prsquentn os lugares hírmidos e d6 criçti nu aranhas.
Rara.
0 f6l""do rujvo
f urdus iliacus L ............................... Turdidae
Os tordos têm o alto da cabeça arredondado, os tarsos longos e a
piamagem escura, pardaconta.
O iliacus apresenta as azas ruivae e o ventra com manchaai B os-
frias claras.
Raro,
S6 tom do branco, o peito, ainda assim, ponletitlo da ecivlirii,
A fémea 6 muita mais clara.
Raro,
0 .Qerdo
zornal

E' casfariho escuro, com ti c'íibêçn ~ ~ i í t z a it3l tti~ gbrga~ita com paù-
tuações negras. Azas rium tom trigusii*ir carregada t, znazichas brancas
na cauda.
Raro.
A ra.18t-9~ru%v"i~
8uki~Illripkeenicurus L. ................ Turdidae
R cor As cailda lhe deu o nome. O rnanto é pasd~cento-ftzultidi,,a
gerganta preta, o p i t o trigueiro e a cauciti arruionda.
ft~ra.
0 pXeco f e r r e a r o
Rutlelllr~ Iltkys ( L ) .................. Turdidae
A parte superior da corpo 6 cinaenito-pirdacent~,mais escura a
descer pela garganta ao peito. Clareia no ventre e pelas azas moetra
algiimas gánas brancas. A cauda é arr~ilvada.
liaro.
A c a g a d a
Saxlcels ssnanths L. .................. Turdidae
A côr branca de cal corre na parte inferior do corpo e abrange o
inicio da cauda que termina em negro.
O manto cinzento escurece para ae azas.
A parte esbranquiçada, na fémea, tem tonalidades de ruivo.
Rara.
$ragiadytas iltlrsgcaus (I,.) ...............a Turdidae
i o LLOBWOb i ~ b i ~Veete-eo
Esle pasutiritilio é r10 L n i i ~ ~ ~ i i i(10 . d e PIIPCIO
coin otidnlaç8ee iiinie eltiras u urri cirizuritu iriusclndo. O verrirta torna
i!iu tanto de ruivo, co~iinriticiiilris b r . ~ i ~ t ! tBico
~ . r ~ ~ I ~ i f i v f l i l lcomprido
~~te
e caadti curln, arrobftada.
Rara,

Na familin dos Hircrndídeos asta-sa as azas longas e ponteagudaéi,


a cauda muito chanfrada, o cotpo esguio, cabeça deprimida, bico curto,
pcsrbrn largo e rasgado na base.
A andorinha das casas tem o manto azul escuro, a parte inferior
do corpo e a rabadilha em branco.
Visita-nos com regularidade nas siias nnigrações e associa com as
outras andorinhas de fóra e ainda com ae indigenas.

Hiru~do iustlea L.. . . . o . . . . . . . . . . . . s Hirundidae


Dietingue-se da anterior em ter ama mancha sobre o bico e a
garganta marcada de trigueiro. Urna gola azul escura separa a pluma-
gem do peito com um tom esbranquiçado.
Tem sido v i ~ t aentrar nas casas rusticas do Porto Santo e pousar
á noite nos f r i ~ o sjunto do telhado.
Frequente.
0 pedrefrfnho

E' urna andorlnhtl pequena, pardo escura, com a garganta e parta


interior do corpo, em branca, tendo uma banda pardacenfn no peito.
O pedreirinho alimenta-se, como as outras aridorinhas de inrsectos,
que apanha voando, mae vai procurá-los mais proxtmo ria agua.
Fsequsate.
E' da famflia das nossas andorinhas e a maior que raramente noe
visita.
Apresenta uma coliosação castanha-anegrada com o ventre branco
a, uma mancha alvadia na garganta.
A primeira vez observada no Porto Sento om 1. de Novembro de
1900,
0 no%&lb6
Ctsprimulgus eurepoeus E,. . . . .. * . . . . . a Caprimulgidae
Tem afinidades com as andorirahae, mas é um passar0 creguscular
de VOO sileoci080.
Antigamente julgou-se que se introduzia nos currais a sugava 1st-
te ás cabras, donde lhe adveiu o seu nome cientifico.
Nutre-e@, poréim, de Palênas e outros insectos noturnos tendo o
bico muito fendido e grincheado, provido de cerdas que, são como uma
teia para inellior colhê-los, voando.
A sua plumagem 6 pardacenta, sarapintada de negro e ruivo e a
parte inferior do corpo airiarelenta, com lietas ondeadas.
De dia, pousa ein sonolência, agachado e de c a b e ~ abaixa, cosido
- uo tronco das arvoree.
! l i
'' ' ' POUCO frequente.

noati-6
L '

Q ,. de e0le"a
1 1
<*.iit
ii
0
ih?l'/fJ -- ( $ 1 1'

Grripriniulgus ruficellâ Tem. . . e . . . . - CaprEmuZgidae


e a

E' uma eélp6cie africaaia, maior que a anterior, com a plumagem


dilm pardo-arruivado em estriae, e um largo colar vermelho terroitio.
Mais frequente nas Selvagens do que nas outras ilhas do arqui-
pélago.
A Iavamde5&.ral$ de f6ra
Mrrlrrcllla alba L. . . .. . . , . .. . . .. Motacillidae
a e

Tem de branco, paste da cabega e a garganta, eecoante aoEi ladoa,


bem como listas pelala aaae e mim ruargene da cauda,
A c6r geral 6 cinzenta escura e no peito traz um colete negro.
Freqfienta as terras da cultivo, andando á ceça de insectos, salti-
tante, pelas latadas de vinha, preferindo as altitudes de meia encosta
para as suas exgloraqõds.
Aparece todo# os anos.
A lavandefra a
Metaelllai fiava L ............................ MOtacillidae
Tem a coloração amarela mais viva e maig extenea, comparada
com a lavanideira indigenti. A cabeça cobre-se em azul-ardósia com rima
faixa branca nos olhos que vem repetida na garganta,
Dorso cinzento escuso e azas e cauda perdacentns, com ourolos
e~branquiçados.
P o u c ~frequente.
A pe$%nha
co
Anthus arbareu8 Selby ........................ Motacillidae
Apresenta a parte superior do corpo em ca~tanho-escuro,com os
ourêioe da5 penas mais claros, A parte inferior é castanho-acinzeetad8,
com pequenas manchas corrediae.
Cauda azeitona-escuro.
Pouco frequente.
A pet-ha d o m p r ~ d o w
Anthus praiteiiiais (L) ........................ Motacillidae
Parece.se muito com o anterior. Tein s bico um pouco mais cotri-
prida e o manto pardaconto-olivúceo, sarapintado de pardo.
Pouco freq.ueuto.
a verdj%ItBhfio
Llgurlnus chioris (L.) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Fringillidae
Assemelha-se ao canário da terra, tendo o manto verde-cinza e
uma faixa amarela nns azas e na cauda.
Pode ser cruzado com o canário,
Pouco frequente,
Esta espécie de tentilhão tem a cabeça toda preta, o dorrio pardo
pedrado de negro e cinza, a parte inferior do corpo branca ~rruivada
com bandas neste tom pelus azas.
Tem sido visto introinotido no bnndo dos pnrdtiis,
Pouco frequente.

O pnrdeil doni6stico9 espalhado por toda a Europa, onde tem hiibi-


tos ~ocinvefse vive nos lugar88 habitados, dependendo das culturas ts
cereais que lhe proporcionain alimento, aparece tambein nas nossaa
ilhas, porém, afastado do8 povoados 0 evitando o convívio, contrristan-
do, assim, com o nosso pardal da terra (pg. 39) familiar, o que iaver-
sainente se observa noutras segiiiss.
O pardal de fríra tem o dorso pardacento listado de escuro, a cn-
bêga castanho-oinza, uin peitilho preto, iacos e l~artsinferior do corpo
ssbrna tluigndns.
A fómea ri20 tem tis murcrrções riuegradlns do rnacho o a cor ctis-
ltiizhn ó inenos fnteiisn.
I~recltierite.

Tem o bico curto, espêsso e resistente coin quo parte caroços de


frutas, sspacialinente das cesojas, para comer a amêndoa.
Cabeça pardacanta, bem como o dorso, cambeando de negro, rui-
vo e cinzento. Parte inferior do corpo dum nrruivado claro. Azss s
cauda com franja branca.
%aro,
As pontas do bico d6site pá~sarocruzam eobre e!, partindo assim
com facilidade as sementes Ienhosas, como o pinhão, etc.
Os eexos fazem bar~tanteàifereagfa na plumagem.
O macho 6 vermelho-lerroso, com a cauda s azaei pardas listadeia.
A fêipea veste-se de pardo amarelecido, com estriaai cInzentovverdoengari,
Raro,
0- tiipJ$gue%roe

a)-E~bariza .............
uitrinella (I,.). Ii'ringlllid&e
A sua plumsgeni é citrina empardecida com o dorso riscado em
tom mais escuro,
Raro,

Neeta espécie a coloreção amarela dericae para cinzento, e o tom


do manto um pardo enverdecido.
A principal distinção consiste numa mancha negra na garganta.
Raro,

Veete-se de branco ~alkeadode cinzento e preto ito doreo, azaie


caiida.
No inverno, as cores negras passam ri caetanha-arrulvado.
Rara.

Sturnus vulgarlr (L) ........................... Sturntdse


A sua plumagem 6 negra com reflexos metálicas, violiceos, ealpb
oada de branco na sxksebuictnde das yBnae,
R' um grande destruidos de insectos, mas tambem debica oa friito8.
Viaja de dia e apaseco om bandos qiia ânzsm tivoluçdas antes de
procurar o pouso.
Oa estorninhos velhoe são mais marcados de branco.
Vulqar, eepecialmente no Outôno.

Apresenta-se com iima cor iiniforme, ardóeia esciira.


0 8 e s l o r ~ i a h o que
~ teem poucae pontuações branca8 eiío conaide-
P R ~ O Bpor alguns autore~como formando a sub-e~lp6cie intermedius.
1)ouco f reqiiente.

0 ~ ~ . ~ ~ O ~ ~ ~ " P ~ E Ix --Do. B
~ Z
- aO a o
Pasitopperisre L , . . .................. Sturnidae
Eete pis8aro só tem cor-de-rosa a parte m6dia do corpo,porqirnifto
a cabeça, cauda e azaa são pretaa. NO inverno perde os tona vivoe que
empardecem e parece-se, então, uini tanto com um melro.
Aa suas migrações são muito Irregulares e nutre43e eepecialmente
de gaf anhotoe.
Raro,

Alr uds errinriiie (L,) ........................ AIaadidaa


A cotovia das plauuraçi tem a unha do dêdo poeterior multo com=
prida e direita, de forma que iião ee adapta a enipoleirar-eo.
Ao erguer-ee do solo enceta o canto que intensifica, elevando-se
d grande altura e continua ainda quando descendo numa aperteda
espiral.
Veste-se de cinzento escuro mesclado de pardo e ruivo, tendo lima
lista em amo, mais claro da nuca aoa ollio~i,
AN ~~tf~iafl
(211 C B ~ J B Q HB P I ~ I I P ~ II B V B I I P ~ I I porti
~~ a p~i-te~OS/LHFIOC.
li'rcrqúonle no P o ~ t oSento, por v6zee em banda.
Em 1893, foi encontradti uma nfectadn de fiavismo.

Afauda arbores (L.) . . . . . . . . . . . . . . . . . . ~l~udidae


Esta espécie é mais pequena que a anterior e pentein-se formando
uinti poupa bem definida.
A auii plumagem 6 mais clara, especialtnente nn parte inferior do
corpo, com alg~iinasinalhas brancas. A cauda 6 rediizidtt.
Niío toin as unhas tão eroctns, porisndo aseliii porisrrr iine arvosoa.
l'ouco freqiiento.

Coracias gãrruius (L.). ................. Coraciiifae


Apresenta o talhe do côrvo.
Bico forte, direito, um pouco rcciirvado ao axlremo.
Tarsos curtos. "
A srin plumagem B d ~ i mazul esverdeado, pnrdacunto pelas aeniil a,
criada que snegrecern para o extremo.
Raro.
O abelharuco
Meraps 'apiastar (E.) . . . . . . . . . . . . . . . . . . Mel-opidae
Tem a sparencia dum pásearo doa trópicos pela variada colorngiio
da sua plumagem. O bico 6 comprido, cabeça pardaconta c o a iImn
inaxacha clara nn frente e negra nos olhos, gargautn amareln. Dorao
ruivo azulado. Porte inferior do corpo azul-cinzenta. Azoa azuis-ascuras.
Cauda vcrde-negra, coin duas penas inuito mais compridas.
13i caqa Rs abelhas.
Raro.
0 pic~~penxe
dllsedo Iilspida (L.) . ................. Ak:ediraidas
Nêsts pássaro prodoinirirr a cGr vêrde, dassaindo para o azul vivo.
Tem pordrn tonalidadoa )oardacenl;as distribuidas ua parte iuferior dg
oarpa,
A cab6ç.n 6 gkande em proporção, e , a cauda muito curta.
Pousa longo teinpo nas margens doa charcos 0,tmques á espreita
da p r ê ~ a ,roçando num v60 decidido a superficie da'agua para apanhar
insectos 'o algum peixe psqueoo que mata batendo com .o bico contra
clulalquer obstáculo.
Teem eido alguns caçtidos na IngÔa do Palheiro do Ferreiro.
Pouco frequente.

Vuwx tauquillti (L) .............................. Piciclae


'rem oeto píi~saron propviedade particular de estender a pescoço
a rodar com a cabeça para um B oatro lado, voltando-se aôbre o dôreo,
motivo por que lhe ndvelu ci nome d e torcicolo.
A rrua plumagem é sombrln, numa mistura de cinzento e pardo,
com liatas escuras na8 azas e na cauda. Com o comprido bico bate nas
cascas das rrrvortls para fazer dispersas os insectos que ali se achem
abrigados o como tem a lingua muito comprida e viscosa, introdu-la
pelos biiracos dos formigueiros para apanliar formigas em abundancia.
Raro,
a cuco I

Cuculus canous (L.) .................. Cuculidae


O seu monótono canto, profundo, em sílaba repetida ca-cu, lhe
deu o nome. E' curioso notar-se que, em nlguns relógios antigos, de
complicada sngrenagem, aparece a figura dum cuco, a abrir o bico,
contando a s horas, quando é certo que emite, na natureza, aquele som
gutural, sem ee lhe aperceber movimento.
O cuco é poligâmico. As fémeos pãem os ovos muito espaçadnmen-
te e vão variando de par, Como não podem chocar, depositam um Ôvo
de cada vez no sólo, e logo tomando-o no bico, vão depô-lo em dife-
rentes ninhos doutras aves, nos quaia roubam um, para ficar ein igual
nrimero, o que vem sendo dito nos moderno8 tratados d e Ornitologin,
Este facto não pode, porém, ser observado nas nossas ilhas, onde
apena8, este passáro 6 de paaaagam.
O cuco apre~snlsm a pluGgem cinzento-srdóeia, por vezea um
tardo pirtlaeenitn B o ventre trraoco, Heitado de prato. Cauda comprida,
~fpaifradacoul rnhculfir3i oltrrm;,'
8 e que a80 atiugenn grsinde csrgstilênçia rrAo csnriftter#dtw como
dtí ~ t \ b ~ ~ s ~ B a i e Mieehm,
niiinor
Pouca frequsiute.

Gemjit~isrglandriiue (Olog.) ... ... ... ... ... *.. ... Cucrtlidre
&' rntiior do que o aoterior e de cauda me18 longa, encimando a
cbbepa num penereho cinzento rimareleeldo.
8 corpo 6 pardo-aizinlcre~tlido,ponteado de branco.
Em Portugnl dZo-lhe tambesn o nome de p6ga-cuca.
Raro.
trzerli estas avos n traneiqllo d u ordeiri clon yiiusluros piirn ti dori
galináceos.
Mais robustas que os primeiros, nn sua estrutura, apro
sentam no bico uma membrana longa, cartilaginosa-o ceru-
me, onde eetão implantadas as nurinas.
Irisul'lam freqiientemente o ar, produzindo o ruido cnractoristico
que se chanin arrulho.
São inonogGrnicos. Alirneutam os filhos coin grãos meio-degltrtidos,
tornados nioles e hiimidos, que por uma contrhção do papo flicilinerite
uxpelern, abrindo o bico pnra os ninhegos poderem buecnr o alimento,
u-dentro-da btica dos pais.
Os coluinbídeos vivelii em familias numerosas o teem o hábito de
procurar o sustonto a horatl cortas, de manhã e R tarde.
O conhecimento dos bebedouros existentes numa determinada req
gião B utn auxiliar que facilita a CRÇB.

Cslumba Ilviã L. ,, . ... ... .." ... ... ... ... Columbiclno
k;tn I>ortugal-Pouibo bravo,
]?r.- I'igaon blsat.
lng1.-Roclc IJlg;oon,
Ala--1~elstarrbo.
1-labita do proferbniciu na rochas do litoral. E' o mais tímido e
tnepoer corpiilelito tios noauos pombos,
A siia plumagem toma uma cor cinzento-azulnda escura, e aos
l ~ d o sdo pescbço irradia reflexos de Purta-cores, do rdxo ao esverdoaido,
Uma dupla banda preta lista as azas, o a rabadillin 6 natural-
inente branca.
Muito variada, porém, se apresenta a sua modificada coloração.
A forma tipica, clara, que lhe deli ingresso na espécie liuir, nus 6
vulgar, predominando nesta região a inftuuncia do melanismo que lhe dú.
uin tom anegrado.
David Bnnnermnn (") estudando estes pombos, quere npnrtii-lorr
numa subnesp6cie antlântica, salientando entre outros curacteristicoa,
terem o bico mais longo e robuato.
O pombo da rocha deu origem, por selecção e cruzamentos, a vá-
ria8 ragus doinésticas, e dentre estas, fugindo alguns individuos~dospom-
bais, de novo se entre-cruzaram com 08 bravios, originando f6rmas por
ilua vez tambem mais ou menos afastadas do tipo originário.
E' vulgar, serem caçados, eepecialmente na Ilha do Porto Santo,
alguas pombos da rocha, em que a escassez de penas brancas é manf-
festa e as bandas negras das azas teem muito maior largura.
Alguns autores, não atendendo ti regressão, e desejosos de coisas
novas, formaram assim a sub-espécie shimperi, que C. Bonaparte dedl-
cou a um nsturalista sei1 amigo.
H. O. Granfi, referindo-se aos pombos bravios do Porto Santo diz
que pertencem, gerValmente á fórma schimperi.
Esta tendência em apartar o que a natureza por circunstdncias es-
peciais, por vezes rnomenlâneamente alterou, causa uma certa pertur-
baça0 no estudo.
O Padre Schmitz havendo seguido durante algum tempo a opinião
de que o pombo bravo do Porto Santo marcava diferenças, influênciadas
pelo local, enumera a espécie C. schimperi, na relação das aves iadige-
nas da Madeira porém,nuina liata publicada posteriormente, já nela
figura, (:":":I:)

Alguns pombos de corpulência menor e com as azas bordadas de

(*) Waecription ds coliimba livia atlantle enbep. nov. dos Açorcis et Madbri 1931,
("'I') Dia Viigel Madolra's-Madslra-IJruivOgal.
(*+*) Dlo Vogal der Madaira Insalgrnpps 1 9 ~ 8 .
negro forain tatubem tomados como duma espécie diferente, a C. oenas
L. e como ta1 incluida na lista de Harcourt.
O pombo da rocha faz criação de Marqo a Julho, nas nossas ilhas,
preferindo os rochedos escarpados do litoral, sendo abundante nas Ilhas
Desertas.
Os ninhos afectam a forma mais ou menos circular e sno formados
d e pequenas vergônteas lizas, sêcas, entrelaqadas com certa arte, sem
rnaterial brando d e revestimento.
A poslura consta de 2 ovos brancos 3,6%2,6 em., que produzem
geralmente um novo casal.
As colóuias dêlstes co~umbídeosderam nome a varios sitios,-Pom.
bal, Pornbais; e 6 Fonte dos P o m b ~ s , citada por Fructiioso, 11110 ucistií
perto d o mar da banda do norte» na Ilha do Porto Santo.

ISm Porttigal-Pomlro torcnz.


L4'r.-Ramli?ro.
Ing1.-lilng dove,
AI.-Rlngeltsahe.

Tom aste poinbo n plumageni cinzenta-azulnda com as artas eni


tom mais escuro,
Na gargnnta mostra tini colar branco qtie n8o arremata e uma
mnnchrr alvadia borda as azns, que mais se distingue q~iando as tem
tliatendidraa. O peito ó vinouo verdoongo, desctiíntlo em ciozu-clnrn. A
ariirdri tem uma faixa esclira pura o extremo.
A C. palrirnhus inoditfccrrr-se n8ste meio instilar, npresentaodo to-
rialidndes mais carregadas que afectam tarnbern ou larsos, uiu tanlo Jus*
coa, quiindo na Pórmn-iipo siio vermelhos, e aasim, foi criada a sub-
tiephcle madeir-onsis pelo ornftologiata tiueitriaco Dr. Tschuzi.
Dos parnbos da Mudeira é este o mais raro, vivendo uas ravinas
(10 inlerior, onde faz ninho nas arvores, riegligeutemeute, juutatido ga-
ravêtos para base achanada, sobre a qual remoe titiria conchn de rnmoe
eiiicoe, nreirr finos, Eiem grande coesdo, podendo hta vmea sarem ob#isra
aadaa QB nvon, ~ t e ~ v etlrtz ritia cíimri.
A postura da 2 ovos brancos 4,1*3,2 cm., vai de Abril a Junho,
e os ninhegos só depois do segundo mês é que mostram a mancha
branca, iípico, íla garganta.
O pombo claro s1evri:se a grande alt~irae faz evoluções sobre
rirvoro da siia pousada. Inquieto, nos galhos executa mnrcliae u latlear,
nbnixnudo ifi elevnndo a cabSc,a, acompanhado pela f6inea nestns ox-
q:itrsríes.
Nos bebsdouros irnergo o bico até a bnse, bebendo dum trngo*
A uiin caça dilinil por ~1ernntito desconfiado e rotrnído, o lor
iiin iilmot'ndndo de penas rio peito, bastante consistentes, sol)re o clrtal
o churriho rne.ui)ala,no dizer d e alguns caqadores.

Em Portrigal-Nfío aselnnlado.
1'r.-llamikrs ii longa plads.
1ngl.-Long-toed Pigion.
AI.-Madeira Teubo.

Um certo embaraço tem resultado da aplicaqão feita por IZeine-


clzen, do terino trocax, carruptela de torcaz, para definir esta espBcie,
porquanto na linguagem popular, pombo torcaz já se releria 6 C, pn-
lanzhus, em I->ortugal,a ainda ern algumas freguesias da Madeira esse
nome era aplicado tnrnbem ao pombo claro.
Para obviar aos inconvenientee duma confusa classifioaçiTo qlie
tem sido repetida, Inadvertidamente, bom seria, tomando por bnse o
coracteristico dominante, chamar-se ciêntificamente C. macrodofylas ao
pombo negro d a s ssrraa da Madeira.
As auas afinidades com o pombo granda das CauRriaa suo mani-
Pestais, e é interessante saber-se que já os navegadores ao serviço do
Afonso TV, n a expedição em i341 As Ilhas Afortunadas, reconheceram
noe vales do interior ícpouibos que apanhav50 5s pauladnu e As poùra-
daa e comião-nae*. ("')
A+ -

. (9 )mnidriae da Acnd~rnluReal dari Cldncl~fiTaXI P. H-1896. Relato do g'@bn-


Y B ~Nicnaloan da Recaha.
Webb e Rerthelot na «Ornithologie Canarisnne~ deram a este
pombo a classificação de Columba lauriuora, por ser (ivido da baga do
lo~ireiro,e o nosso pombo negro da serra foi por êstes alitores tido
como sendo da mesma espécie. (!:)
Num estudo rnais aterito, e para os que querem esmiuy.iir, litiroce
legítitnn a sapareçiio do da Mricleira, pois u fGiiieii, eiii sspeciiil, buiii so
(lif«r.eticia.
O pombo negro da serra, de todos o mtiior, tem a ctrbl:cu pc.v1u e -
na, o bico ligeiramente corvo, pesctiqo esgiiio, tnrsos altos verinelliou u
dados muito cornpridoa.
Na sua pl~imsgem dounina a cor cinzenta escura, ard6uia nti cfi-
b ê p que assenta nurn cabeçiio de liodns cores irisadas, r6xo-verde em
Piindo azul. Os ollios são ccir de pnlha,o peito ernparclece uni tnato coin
rel'lexos purpiireos.
As azas iniciam-se em cinzento negro para acaburein em preto,
coin um fltete branco,
A cauda é cortada por uma banda mais clara, distinta no da Ma-
deira, quer suparior, quer pela parte de baixo, e na fémea não atinge
o extremo, como se nota na cnnariense,
O pombo negro da serra vive na região montanhosa da Madeira,
sacontrando-se mais nos vales ao sul da cordilheira central, quando as
nortadas sopram e o frio intensifica. Prefere 08 loureiros para abrigo,
onde pousa mansameute.
Nutre-se de frutos silvestres, tem predilecção pelas cerejas, come
algumas somentes e rebentos tenros.
Acrtsala de Fevereiro a Junho e nidifica nos recôncavos das pe-
nedias, onde dificilmente se podem colher oe ovos.
No Outuno é visto em poquenos baridoe de 10 a 20, descendo R5
eiras, onde s e encontra com os pombos da racha que do litoral subi-
cam, e par vezes familiariza com êles.
Em capoeira; raramente se reproduz, mae com cuidados especiais
já se obteve criação dom6stica.
1

(*) IIistolta Nnturalle dee IIes Cannrleri 1842, Esta obra traz 2 doernlio~0010-
ulslna d8ute poinbo.
Turtur aurltus Ray . . .. . . . .. . . . . . .. Clolumbldae

Na enuineraçilo das aves indígenas da Madeira existente8 no st5culo


XVI, diz o Dr, Gaspar Fructnotio que na Madelra «cri#o-se rolas,..& o
que leva a erêr que, realmente, nêase tempo a rola europeía tinha a sua
Area de clistribuição abrangendo esta ilha, e que por ctrcunatancias ainda
niio bem averiguadas, mas que se relacionam em parte, com a desar-
borizaçulo e modificações ciiinnlóricns ~chasae,depois, deficiente o meio
para o desenvolvimento da prole.
Aconteceu, com a rola, o mesmo que @edeu com H poul~n ('Vide
(pag. 44) que agora eão apenas de passagem.

Doe Coliitnbideos, o mais pequeno, a rota, é graciosa e timlda, reu


proaentendo, desde a antiguidade, o tipo da candura.
A sua defezn consiste na rapidez do v63 e saber furtar-se, iludin=
do a perseguição.
Na cabaça apresenta a plumagem azul-cinza que escurece para o
doreo e clareia para a garganta, onde um crescente de pênae negras
aos ladoe vem s~lpicado de branco. O peito é dum ruivo-vinoao. As
azaa longas e agudas, pardacento-peqrmdas, team uma faixa azul inten-
so. A caiida comprida, arredondada, pardacenta e negra, mostra um
F6rro eebrlinquiçado.
Fabrica um ninho frouxo com rarrtifiequloe, no arvoredo copado, d u m
rando a poatura de Maio a Agosto, Os ovos são brancos, mais aguçados
s peqiienoe do que oa das pombas e cuidados pelo casal.
Oe ainbegos vestem-se dum pardo dùblo 0 86 depois da muda rie
llies iiota a marca preto e branca aoe lados do peecriço.
E' uma r O l ~pequena, de cauda meqos redonda, oerrtindo-se duma
ccir amarela-izabellna, mais escura para o dorso e mostrando uma co-
loira preta afogando o pescoço. As azas tingem-es de pardo 4uiiginorio.
E' tambem chamada risoria, por terrninar o arrulho numa iniitu-
yilo do riso cavo.
Ambas as sspécies de rdius se sncontrain 8in rtvi$rioa, tendowssi
obtido o cruzamonto,
A de coleira aparece mais freqiientementa cativa em gaiolas, senda
objecto de uin pequeno comdrcio,

('I') Rarthalol cit. La C. voyagrnei C, palri~nbils qu! ist da paasagb k Madhr~


ae monlre que rnramint k Tcanrrlfi.
stas avee teem o corpo carnudo, pesado, o v60 curto e baixo,
as azns ligeiramente côncavas. P~efereinos lugares eêcos
para esgaravatar o só10 e poder empoeirar-se, fazendo poe-
fura improvisada sobre a terra,onde encontram mais comoda-
mente quaisquer palhas ou folhas que reunem para conchêgo.
A riiabada 6 numeroea e logo os filhos ao sair da casca estão
aptos a andar e alimentar-se, por isso a Natureza os aumentou, no en-
tanto são dirigidos pela miie que os conduz e protege nos primeiros
tempos.
São poligiimicos, procurando cada macho várias femeas e pouco se
lhe dando com a prole.
Sustentam-se de frutos, sementes, hervas, iosectos, liirva~,caraa
cois, etc.

Caooahis rufa (I,,). .. . .,, .,. . ... ,,* ... ... Ph~sianMae

Fr.-Perdrix roage,
1ogl.-Rad-leggad Parttidge.
AI.-Kothohn.

A perdiz foi sempre uma peça de caça eatimadn, e na Madeira pPo-


tegida antigamente em coutadas que tiveram fama, como R do Cani~al,
na capitania de Marhico, aonde D. Manuel, o Venturoso, prometera ao
Senado da Vila, vir caçar, e a coutada das Neve#, no Funchal, mandada
organisar por D. Joíio 111, que se eatendia do Corpo Santo até as terras
do Caniço.
Esta espécie de perdiz, que 6 europeia, habita os terrenos medi08
dti encosta, os campos abertos, eiitratido rnsstno noe de cultiire.

ffouvo riinn .i?poca em que foi coiieideradtt extincta no Porto San-


to; conf'orrne ùizcitn Os Analu: «Andar4 por 30 amos ainda houve per-
dizes; por6m hoje (15 de m a r p de 2850) esta0 completamente extin-
. ctae; era antigamente costume fazer caçadas publicas três vezea no
anno, quando os governadores, as camaras e os vigarios queriam pre-
sentear as primeiras autoridades do Funchal; poetava-se o povo em
grupos em diversos pontos ao pé dos montes e logares elevados e outros
subiam aos cumes dos mesmos e faziam descer a laço á planicie onde
estavam collocados aquelles grupos de gente, que de carreira apanhavam
a mencionada caça e é deste modo que ella foi destruida accrescan-
tando a isto o pesslmo costume de tirar os ovm dos ninhos no tempo
da creação*.

A plumagem, na parte superior do corpo, é cinzenta, e vermelho


pardacenta pela nuca, A parte inferior dum azul-cinza que esbate para
ruIvo pálido,
Uma coleira ou cabeção descaido ao peito é agradavelmente ma-
tizada de negro, branco e ruivo, continuado em ondulaçõee.
Azas e cauda franjadas de ruivo. Bico e pés vermelhos.

O ninho é feito sobre a terra, de Março a Jurho, numa pequena


cova, ao abrfgo d e ervagens, contendo 17 a 21 ovos, dum branco amare-
lecido, no tamanho médio de 4,2W 3,6 cm, 0 s combates dos machos na
Primavera chegam o ser sanguinolentos.
O VOO é ruidoso e pouco extenso, e a corrida muito agil, trepando
talude8 quaei a pique,

Pressentindo perigo, a perdiz consetva.se longo tempo imovel,


agachada no 8610. Raro se empoleira.
I4'r.-Psdrlx de rocha.
Ingl.-Rorln l'dirtridga.
AI-b'elseni Itsblinlin.

Ibui iirlrodrieidti irit lllia ilo l)oito St~iitoeiii 1900, E' irin laoitco
tuisior do que R anterior. V a ~ t o - B Ode cinzento ~iartlnceiito,dorso nrrul-
V H ~ Oe tiinn eoleirn avsrtneltiada, S R ~ [ ' ~ ~ C Ade
~ Npeqiienas rnaachaa bran-
cos, lhe pende do pescaço.
Inicia a postura etn Peverelro, com i 2 a 18 ovos, dum cinzento
plilido, lirante a amarelo, 3,7 ~ 2 , 7cin., produzindo as ninhadae maior
proporção de machos.
Eatu perdiz é multo comum na Algeria.

Coturnix a6mmunls Ronn.at ..........a,........ Phasionidae

Este pequono galináceo teiui uma plumagem salteada da pardo,


amarelo, cinzento o preto.
A cabeça tinge de ruivo toprado com listas c l ~ r a ~Al , garganta mais
escura e pelo peito e ventre correm manclias longitiidinnis mescladas,
A codorniz tem nzas cnrtss, porém agudas e a cauda arredonda.
da e reduzida. O v60 6 POUCO extenso, baixo o rápido. Pregui9osa,
deixa-se ficar l o a g a ~horas deitada de lado, sobre a terra onde encon-
trou abrigo.
Prefere os vales amplos, as achadas, aos terrenos de altitude. Introe
duz-se nas eearas, onde encontra bom repasto,
O ninho no sólo, geralmente nas terras removidas, tem uma orla de
palhas au fôlbas, contenda at6 17 ovos, de formeta ovoi-cónico, 3,O W2,4
coiri poritririqõos u ini1nic:htlsl p r ~ r d tM~ B~ C ~ I I ' G
Em., ttxm~nre1o=ii~innti~1111~10s, ~ ~ ~ ~ ~ ~ S
$3 4 f~iijricndode Mfiio tt .Jt~rilio.
0 8 cadorrilgotcis tiiairei$~arri=su
trrovo o levtitii i i i u i t i vidci ,rolit:liriii titi'i
ritloitgs.
8 mricho tein rrtn cririto r:tirticlarislir:o, gorgolejudo, i,lie su oiiva
fsdq trent~rnentenofi trigaie.
I
Nstti-se ntis ctsdciriiizebs di%uroncn ac!oniilndn nrt plui~liiç?eirri, moér-
trartdo-se ~ilgiiiiiae~ntlis~ S C I I P ~ C~,
orjgilitlildu n arliagirio diiiria r~ilib-e~yificlti
rjlio tias autores charritirtittri confi.iri e onlrc)~tltiercliii iliia sr+jir afrr't:a~rtr.
Tem sido e t l ~ ' c i ~ i t r Ct ~O d~ O~~~L I ~ Z B110
B inverno, o tlllo t ~ ~ ~ r ? qrio
ifr~
tiem todas siio soliciiniftis pela ittí'luCilcia migraldriri uurti-rtfricttrin, tori-
dondo, assiin. a tornnr-se secienl-Gria n codorrilz tiestu regiiio,
0 pa'-racg-rs

Originfirio das Indias Orientais, ainda se encontra no estado sel-


vagem nas florestas seciilares da Iado-China.
O pavÃo foi uma ave muito estimada pelos gregos, buscado do
Oriente para o templo de Juno, em Samos. 0 s romanos exaltaram-lhe
a beleza e figuraram o pavão representado em pinturas murais, como
as das ruinas de Pompeia.
Depois, por ser valioso, e como ostentação de luxo, passou a gu-
lodice, vaidosamente preparada com aparatos, ornada com o enfeite das
BURLP VIB~OBSB penas. Com a plumagem se fizeram lcrluee, se teceram
estofos, se arinorarn corfias pnrn premiar os trovadores dti niitignidade
clássica.
Foi mandado introduzir na Madeira pelo Infante U. Henriclue.
O navegador Cadaxn6st0, ao serviço d e Portugai, relata nas suas
cr6aicas de viagem que nesta ilha encontrou pavões seiudticos e entre
eles alguns brancos, trazidos logo nos primeiros tempos da colonização
e lançados nas florestas e vales sombrios do interior.
No Capitulo XIV das ~Baudadesn, quando Fructuoso descreve a
Ilha Deserta, que Zarco mandou explorar, diz que «dahi a certoa annos
lhe mandou laaqar pav6ew reconhecendo talvez que, nessa épocn, an-
contravam ali os meioe de çlubeietência.
Foi unia das aves que figurou na celebre coukada do Caniçal. A
devastaqão das matas, reduziu-o, da área da eoberaniri, ás condições d e
cativeiro.
No shculo XVIEI, encontrava.se na Madeira, sómente nas quintas,
propriedades urbanas e rusticas de luxo e veraneio, confinado a recin-
tos engradados que incIulam pequenas arvores e arbustos para seu re+
creio e polelro.
A criação, que no eetado selvático, dela se encarregava a nature-
za, demandou depois, na domesticidade, especiais cuidados, porque o
pavão é um egoista desinteressado da próle e at6 lhe dá para partir
oe ovos, quando não estão resguardados. A postura é tambem menor,
em dias espaçados, resultando muitos g6ros.
Os pavdesinhos de cativeiro silo debeis e carecem duma alimenu
taqlio caprichioaa e do calos sob as mas da mãe.
Aves de ornniiiento, os pnvdos siio inc!omodos, pelo grito estrídiilo
qiis eiliitcsm Preqiie~ibemeiutst.
O paviío 6 o galintineo rle ~nain iria,jestudo, teudo um mtisti1lett-i
suave que lhe or~ttiunonita a ccibeç~i. A plumagsm do seu manto rafla-
ctindo pedraria, roubou a rnagnificência do arco-iris, em predomínio de
safiras e esmeraldas, e as abrir a cauda em leque, expande e 05-
parge ondas d e luz harmoniosa, num ousêlo de olhares do sol, em ocelos
mulltiplicados num semi-drculo resplandecente.
Só o macho poseue ae riquezas da plumagem, poie na ftsmaa a8
tonalidades saio mais apagadas.

Fr. --Faisan,
1ngl.-Pkieasant.
AI.-Fasan.
Ii:~taolegante galinaiicen, oriiiando dti Colcbidiu, onde era aùiladnntu
iiimnnzirgeria do i*RnlJhnss, d6lo raccjbou n iioino.
E'tis~oir ii lCuropzi, caino uve rlu ealirno, de npruço o luxo rre ulttl
c~~!!uhr!fi.
introduzida na Madeira, viveu regaladamente no estado bravio,
quando as matas e a terra virgem lhe proporcionaram os elementoar
necessarios para a sua manutengão. Não foi das aves do Infante, iniq

ctalmente enviadas, porque EO no sécule XVII 4 que a vemos pela prip


meira vez mencionada, como procriando livremente na Madeira.
O macho tem uma plumagem variagada em tons brilhaute~,
Na cabeça um penachinho derreado azul-roxo e uma caruncula
vermelha, alastrando 8s faces.
O pescoço largo, sedoso, emite reflexos dum verde metálico. O
dorso vem piatalgado de castanho ruivo, com manchas escarnifornes.
Nas azas predominam orr tons pardacentos,em cámbios, e na cauda,mui*
to esguia,nota=se uma série de bandas transversais, alternada8 do claro
ao escuro, anegradas e esmaecidas quasi ao branco.
A fémea, mais pequena, veste-se modestamente, mosqueada d e rui-
vo pardacenfo, sem os metais luzontes da iaveetidura.
O faia80 é bom corredor, voando só para empoleirar-se ou fugir
a qualquer perseguição e o seu v60 torna-se pesado e curto.
Tem uma audição muito apurada, pressentindo ruidos distante5
que o tornam inquieto e as trovoadas o amedrontam e o prejudicam,
A témea faz ninho no sólo, d e Maio a Julho, entre moitaa e sil-
vedos, depondo geralmente 12 ovoe, mal aconchegados, numa colora-
ção verde pálida, sem mancha, do tamanho médio 4,2 W3,3 cm.
E' pouco cuidadosa no chôco, e por isso, em domesticidade, nas
iateanderias ou criaçiío de faisões, so lhe dispensam os cuidadoe, con-
fiando a s ovos ás galinhas.
Novas tentativas tem sido feitas para o povoamento doe faisaes
nas eerras da Madeira, importando-se várias castas, em condições de
resistência.
No s6culo psssado foram Iangadoti casais nas serras da Camacha
por Mr. Rendel, ali residente. Em Santo Ant6aio da Serra, pelo comeu.
dador Manuel Gonçalves, e recentemente a Comissão Venat6riã fez i r n u
portar de Londres ovos e aves.
Em Fevereiro do corrente ano foram estas iançadas em ai tio^ 08-
colhidos, onde melhor pudeseem manter-ee, porém as mantas (Buteo)
tem-naa, em pnrte, já reduzido.
Em capoeira, o faisão pode cruzar com a galinha,
No povoamento faunistico da Madeira foram trazidos de Portugal
a8 animais que serviam como auxiliares e d e sustento ao homem.
8 e doaatariofi mandando á Cosia de Africa caravelas, como narra
Azura~a,no Capitulo LXIII da Crdnica do^ Descobrimentos, de 16 im-
portaram elementos novos para o desenvolvimento das terras de ses-
mariia. Ntio fala da Galinha da Guiné, o Cronista, mas é licito conje-
aturar que ela viesse directamente da região que lhe deu o nome, para
ser lançada nas abundantes matas entno existentes.
Q~rnndoFriictuoso se rafere 6s Ilhas Deserta~i,faz menção de gran-
de cópia de Gallnhas da CTairié e outras tnanças que já se liaviam ada-
ptado áquelee rochedos.
Rui Clon~aloesda Camara, fillio do 1.' Donatario, quando se pas.
sou ii Ilha do 5. Miguel, levando o que achou mais conveniente para
n sua capitania, não s e esqueceu da galinha da Guiné, como ave de
proveito, a qual por lá, tambem s e reproduziu em liberdade.
Recordando na Madeira, o estado bravio deste galináceo, ficaram
ua topooímia local-a Ribdra das Galinhas, no Paul do mar, e n FajB
das Galinhas, no Curral das Freiras.
I-Ioje, a galinha da Guiná é apenas ave de cepoeira, um tanto
menor do que uma galinha vulgar, com o talhe de perdiz, a cauda
pendente, vaskindo urna plumegern negra, sstriadn de cinzento, coin
plntae b ~ a n c a s .
A cabeça nua, iilostra um capacête ósseo, branco, em crista calosa,
bico curto, com barbilhões pendentes dos lados da base, azuladoa no
macho, vermelhos na PBmea.
De tuas ourtas s voo peeado, ra galinha da Guine é uma ave tur-
bulewitri, ysitaclsira, corrondo com grande ligeireza.
No sstado silvestre põe 10 a 12 ovos, em ninho improvisado, com
ulanchas resdomdars, variaveis.
Quando doméstica, roubando-se-lhe os ovos, menos um, para ficay
por indes, aumenta notavelmente a postura. Estes, em frescoe, Sfio
avermelhlrdos, passando depois á colorapão de rosa-velha.
Nas lendas populares, com ressaibo de mitologia pagã, ha curf@
sas explicações na fantastica transformação de pessoas em aveEi, ma8
com uma certa moral, coada dos tempos da bicharia dos deuses.
As galinhas da Guine, deeageitadas, impacientes e brigonas, dos-
compostas na cabeça, personificam viuvas de má-morte, que em vida
trataram hipocritamente os maridos e não compuzeram de3entemente o
seu luto, vestindo-se de negro, porém, orvalhado de lagri mas forçadas
num brilho de falaas pérolas,

O g ~ l ocomum, Phasianus gallus L., fez sempre parte integrante


das cnp~eirag,sem se desviar das herdades e fazendas, juuto aos casais.
Um certo número de galinhas constituiu um antigo tributo ou pen-
são anual, paga pelo colono ao ~enhorda terra, para lograr qualquer
melboria, obter alguma concessão agricola ou pecutiria, nforamento de
um pedaço de terreno, horta privada da qual não tinha que repartir os
produtos.
As galinhas faziam parte das côngruas dos beneficiados e reprem
sentaram tambem valor de legados pios, especiallilente ás inetituicõerr de
caridade.
Num documento antigo da Santa Casa da Misericordia do Funchal,
o legatário deixou especificado, por uma forma breve e precisa, que
não queria a sua inteugão 80hsmada, por isso, escrito fioou que a
pensão de galinhas que deixava, era dae que não dissessem pí nem
mó, querendo significar que não fossem frangas, nem tão pouco tives-
eem g6go.
A girlirilla foi ilma i~ttasiobdgato~letiadede oferta, pelo Natal, do
silllb~doao rsen padrinho, esperando aseim ser por este lembrado nesse
quadra fe~tiva.
Em alguma8 freguesias distantes, como Curral das Freiras, Acha.
das da Cruz, otc., onde a raça primitiva mais ou menos se tem coneer-
vado alheia a cruzamentos, nota-as o tipo durn g ~ l oarruivado, tacanho,
como ti sua com~snheiraque é chamada galinha da terra, porém, sem
carnctedsticos f i ~ o s ,anters varlaveig na plnmagem, do local para local,
Houve IIID tempo rtm (4110 galinhas e galos brancos eram miiito
procurados, pois forneciaiia o material para a indiistria das ores de pe-
nas que, chegoii R ter n a Madefi-n iim certo desenvoivirnsinto artístico.
Notam-se vimias nnoinalias nos ovoa, provenientes da allmentaçíro
coiri yoiioa CRI, e def0~1naç6es0~tranha8C B U B R ~ A Bpor p a n c ~ d asofrida
pelas aves.
l'ecluenas ovos esi'6rieos9 sem gêma, sNo ocasionalmente postos no
encetamento diima franga muito nova oii ao terminar a postura rlurna
galinha velha.
Qiiando dois OVQH, em formagão, entram aio mesmo tempo no ovi-
duto englobam-se na mesma casca tornada mais voIumosa, que com-
porta duas gemas distintas.
Caso8 se ~ b s e r v a m , embora raros, contendo a s duas caecae, uma
dentra da outra, Enquaata moles, e recebendo qualquer impressão, po-
dsm crescer vincados, com estrias, granulagões, etc.
J~)Bx)o~Bdo Uva ~ I J O B ~ Ocada
, dia perde uma particiiia do peso, da-
v j d ~;i porosidadei da eawca, dando-se Pent",menos físico8 e yiiliiiicoe qun
n ~lbari~iaapsoduzfndo Q rnaa cheiro do 6vo pcdre,
Rnlgilnbs ovoa 1,180se conompem, sndurfscsnda s fieu conteitldo cjuu
Metw o ~e actamula, baixando o csntro de gravidade no pollo de maior'
~ P C Otoriiando-80
~ um pouco mais mcuro díjsse lado e podersdo toiria?
hlglaiiaías veseg ep bosigão oe~tioal,o que ê bastante clzriostr, São chamah
ao^, na Madeira, pelo POVO, OB 0d09 da AscertsBo, devendo iJer @a.
I b i d o ~ quinta-feira d6rrae dia ~antiflcado,o que não privatho
sbmente deasa ocasi8iob
Pura brendice, porbm, 6 o di20Pse que 17 @ d o ads sete anos pee
hm ovo, advindo o dttado, da doença dum galináceo velho, que e x ~ u l o
sou, acidentalmente, Iitn tumor coin a aperêncin dum poqiiermo Ovo es-
branquiçado de casca mole.
Outro galiniicen de cnpooira, 0 o mais volumoso, 6 o perii, Me-
leagris gallopauo L., que, na Madeira, jà no século XVI era chamado
galipauo muito antes de Linen ter dado este nome á eapdcie.
OrfginBrio da America Central, foi trazido como recurso de boa e
sadia carne e logo muito apreciado, O aspecto de galo grande, com
barbilhaes pendentes, abrindo a cauda como o pavfio, lhe deu R antlgn
designação composta dos dois nomes.
Foi objecto de curiosidade fazê-lo eriçar ns penas, rastejar, incha-
do o papo, e arrogante, desprendendo a ctiríiacula, estrondear cavo
num tossir gritado e CO~VUIBIVO.
Urna das freguesias, onde rnais se intensificou a criação de perúei,
foi a da Camacha, descendo os criadores 9 cidade com os aeils bandos,
em coluna, para o comprador escolher o que melhor lhe aprouveBse.

Uina parte da America Espanholti reoebsu o nome de Perú, e nessn


colonia, foi vice-rei, no domlnio felipino, o madeirense Agriííon y Vara
gas que, voltando ao Punchal, oude residiu, lhe foi consagrada a Rua
do Períi.
PERNALTAS
PERNALTAS

oram incluidas nesta ordem, as aves cujos tarsos são mala uo


menos longos e nfis, a maior parte das qunis são ribeirinhas,
freqfientando os lugares onde existe a hgua.
Possuem um pesc6ço e bico compridos, êete com grande sen-
sibilidade afim do explorar a terra, lama, charccs e poças do mar&,
As azas são geralmente compridas s estreitas e a cauda ciirta. Os
dêdos apresentamse livres ou mostrando o racorte duma pequena mem-
brana,
Sustentam~se de larvae, insectos, vermea, crustaceoe, pequenois
peixes, etc.

Fr,-BBcaeas,
1ngl.- Woodcock.
A1.-Walde'chnepfa,

A grilinhola tem os tarsos robiistos, porém curtos e revestidos na


parte superior.
A sua plumagem, da c6r do mato sêco, é neutra e vatiegada, pre-
dominando o castanho.ruço, aaltoado ds cinzento, baço, com listas anem
gradas ao eimo da cabeça e nuca, e pontutiçõee, unhadas e'ondoe aim
terrompidas, por todo o corpo. As riza8 carregam de fundo pardo e 8
cairda, mais eacura, ourela-se de ruivo a esbranquiçar,
O bico, do tamanho diiplo da cabgga, é direito, firme, eetreito, e
tenro no extremo, onde se aguça o tacto.
Htibita os maoissos arborisados, os vales sombrios da Madelra,onde
se esoonde de dia,uuma moita ou bardo, para sair a-campo ao entardecer,
Corre com bastante ligeiresa, por vezes ensaia um curto vao, e
tló quando ae sente perseguida, levanta numa espiral irregular, despe-
dindo, depois, rápidamente, como uma seta,
Habitua-se a fr~qiimtarum determinado sitio e gosta de banhar-
se na agua serena, como entre os inhames alagadiços, nas poças das
fontaiahae muegosas, etc.
Faz ninho abrigado a um carnalhão ou talude revestido, junto aos
ironcos carcomidos, ou entre raíses nodosae, num 8010 de terrugens
orlado de folhas velhas. Depõe 4 ovo^, de Msio a Junho, um tanto
periformes, duma cor amarelenta clara,com manchas cinzentas, 3,9X5,1
cm,, mais pequenoei que 08 dà postura no Continente.
Os juvenis estão, desde logo, aptoe a correr, ainda ernpenujadoa
e - a mãe oe protege tomando-os a ei, os que pode, debaixo das artas,na
fuga duma cgrreira, em temendo perigo.
Na primeira muda mostram-se amarelo ruivos, salpicados ' d e par-
do, sem a marca negra na cabeça. A fémea atinge inaior corpul6acia.
A galinhola, na Madeira, tornou-se sedentária, pois nosi outros
paigee 8 tulgrdtória, executando aa suas deslooeções de noite, num voo
alto e rápido, precedendo as fémeas, no bando, aos machos.

Em Portugal-Golsira
Fr.- Grevalet do Kent.
Ingl-Kentl~h Plovar.
AI.-Soa Rsgenpfelier,

Nada t e , de rola, porque essa é uma ave de outra ordem (Vide


.Columbldeos iif2i.70) no entanto pgr ser-pequena e elegante, apresen-
tar uma coibira e i i w r próximo N maré, r e c s b ~ u no PorIo Santo, Q
nome de roliuha da praia, onde faz criação.
A parte anterior da cabaça'6 branca, RO alto escura e no poste-
rIor, cinzenta arrufvada. O dorso pardacento e azas e cauda com oure-
10s claros. O resto do corps é branco com tonalidades amareiecidas. O
bico apresenta-sa mais curto que o tamanho da cabeçs. A coleira é
branca, interror pi lo, descaíudo.
Ituprovisa o ninho nurna depressão arenoaa, achogado de algas
sêcas o11 gramíoeas, onde depõa 3 ovos, em geral, dum branco sujo,
com manchas e traços pardacentos mais carregados para u m dos polos
e com as dimensões 3,23¢2,2 em. Têm sido encontrados na aba interior
do cônioro da praia e nas margens dos terrenos ctilcáreos do Ribeiro
Salgado, Ribeiro Coohioo e Alta das Pedras Negra8.
Vão-se tornando raros.
A rolinha da praia susteinta-se de insectos, larvacr, pequenos crus-
táceos e moluscos etc. e ás vezes, parada, bhte com os pé#, afim de
fazer movimentar a pr&a para melhor apanhá-la de s~guida.
Corre com bastante velocidade e muito antes de levantar voo,
abre as azas, o que faz tambem, quando regressa, atingindo o solo,
em corrida,
Rallrrs laquatisus L. ........................... Rallidae
E' tímido, ~olitgrio,e de hábitos crepuscuIares. Viaja de noite.
A sua plumagem é castanho com manchas escuras no dorso, to-
mando a car azeitona para a cabeça, com bico vermelho. A parte in-
ferior do corpo, no posterior,tnostra-ss estriada de preto e branco,trans-
versaImente.
Corre agachado com a cabega um tanto abatida, mas quando anda
eleva-se nos tarsos e arrebita a cauda.
Nada depressa e por vezes raake,ja a agua voando.
Vulgar.

Patzanai minuta Bp. ...........................


m
Rallidae
Mais pequena que o anterior, tem porém OB dêdos médio e pole
gar mais compridos.
O dorso e cauda mostram-se mais escuros com listas negras e sal-
picos brancos.
A base do bico 6 vermelha, tendo a ponta verde-escnra.
Vulgar.

Grex pratensls Meyer ........................... Hallidae


Esconde-se entre a vegetação, especialmente entra as giestas, ondg
se conserva d~iranteo dia, tendo uma alimentação mixta, auimal e ve-
getal.
O bico 6 tirante R cónico, elevado na base e deprimido para a
ponta. A plumagem, num todo pardacento, cobre o dorso com penas es-
curas orladas de ruivo. Uma lista cinzenta orla e desce na altura dos
olhos. No goito clareia e para os flancos fica pedrado no tom geral.
As veetes de verão tingemmse de ruivo amarelento.
Supunha-se antigamente que esta pernalta se associava ao bando
migratório das codornlses.
Pouco frequente.

Porzana maruekta Gray ... . ... *., ... ... ... ... Rallidae

Tein 8s veetes mais sarapintadas do que a pinta ds agua, mas no


tamanho regula com ela. A plumagem igualmente pardacenta puxa para
um tom olivdceo, de mistura com cinzento. na garganta e peito, marca-
dos com pequenafsi e numerosas manchas brancas.
Tem o hábito de esconder-se entre 08 juncos s plantas ds agua,
Pouco frequente.

Porzana baillonl Viel, . . . . . . . . . Rallida~

Pertence a um gênero diferente do frango de agua. E' um dos


Ralideos maia pequenos, e que habita nae florestas hi'imidas. Parece-se
muito com a pinta de água,
O dorso 6 pardacento estriado de negro e claro. Faitam-lhe as
pontuaçôes brancas no peito que 6 mais cinzentu ardósia e a cauda
mostra-se com um ourelo de penas brancas.
Kara.
Llmno corax nlge r (Gm.). .. ... ... ... ... ,.. ... ... ... Rallidae
Plumagem negra como a do corvo,um tanto pardacenta na cabeça.
Muito raro.

Gallinula chloropus (L.). . . . . . . Rallidae


O nome cientifico da espécie foi buecado ao caracterisfico de ter
os pés de ama i Ô r esverdeada- chloropus.
Não é tão negra como o mancão e mostra utna lista clara nOB
Bancos e penas brancas forrando a cauda, Tem o bico vermelho amarsa
lado,
V6a ligeira e com facilidade.
Nutre-se de vermes, insectoa e ervas dos charcos.
Frequente, especialmente no Porto Santo.

Este nome de maneão é local. E m PortugaI chamam a este per-


halta-galeirão.
Tem o corpo pesado, macisso e os dedos anteriores bordados com
uma membrana lobada em cada articulação. Bico robusto amarelo-róseo
com uma placa frontal esbranquigaàa, .
A sua plumagem é negra, ardósia-molhada, com a cabeça e nuca
em preto retinto.
Vôa baixo e nada com elegância, parecendo um pato, Salta na
agua para armar um mergulho que não é muito extenso,
Além da alimentaqão animal, procura alguns vegetais.
Frequente, geralmente em bandos a que se aesociam outras ea-
pécies,
Perphyiio eaeslus Bar. ,.. ... ... ... ... ... ... ... ... Rallidae

Ue tapeos a!t,os e dedos muito grandes tem o cmpo duma g a l i u h ~ ~


corn espesso bico e placa frontal vermelha. A plumrgem é azul violeta
da cabêça ao peito, um tanto vsrdoeoga, do costado á cauda.
Leva a comida ao bico com u m pé.
Em Marrocos é chamada galinha suitana e a s suas penas emprsb
gados em decor&ções.
Raro.

Parphyris elleni Thampson . . . . . . . . . Rallidae

Difere do anterior em tep a placa, a cabtça e a parte posterior


do pescoço negras. Dorso aliváceo e a a ~ se cauda em azul escüroi
Rara*

Btis tetrax L. . . . : . . . . . . Ofididae

Do tamanho duma galinha, corre veloz como a perdiz, e persegui.


do por vezes ~e acocora para confundir-se com o terrtlio. Sentindo,
porém, o perigo iminente, levanta v63 ruidoso, baixo e rectilineo.
A plumagem dos sexos assemelha-se no inverno. O dorso é amah
relo pardacento, estriado transversalrnen te de negro e a parte inferior
do corpo, branca.
Em vestes de niipcias, o macho toma a c o r negra do psscoço até
o peito, ornada com dois cabeções ou colares brancos.
Os tarsoil são robustos, escamosos e EÓ com OS tr6s dedos ante*
riores.
Alimenta-ae de vegetais,
Raro.
-94-
C> alcarrav&s
Oedlcnemus crepitans Tenm. . . . - . a Oedicnemidae

E' um pernalta de hábitos crepusculares e até noturnos quando


há lua. Tem o bico robusto e um tanto comprimido, olhos grandes,
amareIos, tarsos compridos com um espessarnento, e falta-lhe o dedo
polegar.
Veste-se duma côr pardacinta de areia terrosa, estriada de escu-
ro e com o ventre claro. Uma dupla lista branca orna-lhe as azas.
Habita nos descampados e desertos, sendo o nome português de
-alcaravão-derivado d e caravana.
De dia abriga-se num esconderijo, saíado depois do sol pôrito, á
caça de insectos moluscos, ratos, etc.
Voo sem ruido, como uma ave de rapina.
Raro.

Tem o bico curto, colorido de vermelho e preto, Plumagem no


dorso pardacenta,com mesclas de cinza, e a garganta branca arruivadti
cercada duma linha tlegra até o peito.
Aias compridas, ponteagudas e cauda bifurcada. Tarsos altos com
4 dedos e a unha do médio pectinada,
Andam bem e voam com muita velocidade, apanhando insectos,
como ari andorinhas.
Procuram os prados e costas maritimas,
Pouco frequente.

BtrepsllasInterpres(L,) . . . . . + . Charadriidae

Em Portugal é conhecido pelo nome de r6122 do mar. O bico é


um tanto achatado para a ponta, o que torna facil introduzi-lo por baixo
dos seixos da maré e excretnentos sêcos da praia, para os remover ou
voltar, dando assim cata aos animciculos e larvas ali existentes.
Na sua p l u m s g ~ mde inverno, mostra o dorso pardo escuro sal-
tendo de negro, um colete ardósia e o resto do corpo em branco sujo.
No vergo, a cabeça aparece mesclada de branco e preto, trazendo
urna coleira e colete pretos.
FreqGente, em especial na praia do Porto Santo.

Haemstapus ostralegus L. ....i......,......... Charadriidae

O nome lhe ficou dc antiga suposição que considerava esta per-


nalta como um Inimigo das ostras mas averiguado eatR, que na verdade
s e não nutre deltds, mas sim de moluscos marinhos das poças da beira
1MBF.
De pés vermelhos e bico alaranjado, cobre a cabeça e peito, de
negro. O dorso é castanho-oliváceo. A parte inferior do corpo, branca,
bem como a media das azas e o Inicio da cauda.
Raro.

Haemalopus moqulnl Bp. . . . . . . . . . Charadriidae


Plumagem dum negro fuliginoso. Pele ao sedor dos olhos, bico e
pBs em tom avermelfnado.
Raro.

Vanellus vulgarls Bochst ..................... Charadriidae


Tem em Portugal uma grande quantidade de nomes, sendo mais
vulgar, o de abíbe.
Na Madeira é conhecido mais por pavonsinho, por fazer lembrar
um pequeno pavão. No alto da cabeça, e m coloração verde-escura, nas-
cõm.lhe umas panae esguias formando poupa recurvada para cima.
O manto é vorde-metálico com reflexos de bronze e o peito ne-
gro. Pernalta de riza arredmdada, rôa muito alto, elevando-se ou des-
cendo em larga espiral.
FreqiZente a sua passagem, por vczes, em bandos numerosos, como
acontrc~uem Março d e 1932, sendo apanhado um trezendo um anel
de aluminio, no tarso, que lhe havia sido colocado na Suécia, no ano
transacto.
A sua carne é muito t preciada.

âquatarala cln~retiFlem. ..................... Charadriidae


Varia muito de plumagem, consoante as esteçoes, e dão-lhe até o
nome de Pluvtalis varius Schleg.
Em Portugal é conhecida por pildta prata, pois tem uma plu.
mapern cinzenta, torrninadas as penas do dÔ:so num branco prateado,
Arr azas são anegradae e a cauda parda e branca.
Uma fita clara torneia-lhe os olhos, descaindo para o pescoço.
Perde as tonalidades escuras durante o verão.
Rara.

Charsdrius pluvialls L. .................... Charadriidae


E' a douradinha no Continente. Assemelha-se á tarambola anterior,
porbm o manto é mais e;scuro, pardacento, e os extremos das penas
orlam-se de amarelo dourado,
Rara.

Charadrlus voclferus L. ..................... Charadriidae


Vem mencionado este pernalta como ave de passagem no capitulo
das aves, do livro de Johnson,-Handbook for Madeira,
E' oriunda da América do Norte.
Tem o dôrso pardacento, o alio da cabeps preito, a fronte branca,
com uma lista abaixo dos olbos. Parte inferior do corpo branca, risca-
da de preto, Uma lista ~rruivadanas azas que terminam em prato e
branco.
Muito rara.
o C O ~ ~ Z ~ C ,
Charadrlus mlnor Meyer .................... Chisrac;lraidat.

E' o pernalta mais pequeno desta Familia.


Plumagem pardacenta no dorso, um tanto aeinzentada. Duas Ilsthioia
negras na cabeça. Peitilho preto, Parte inferior do corpo e uma eoleirw
em branco, Azas e cauda pardacentas,
Raro.
a garrancho
Himantopus melanopteruâ Meyer ............... Gharacdriinleia

Plumagem branca, com as mas pretas, Bico comprido e direito,


Tarsos còr de rosa multo elevados. Azas estreitas e ponteagudas,
Raro,
0
Numenlus arquatus L. ........................ Cheiraclrii(iafae

Os maçaricos teem o bico muito comprido, um tanto eurrado e


fino na extremidade, azas compridas e agudas, os tarsos altos com 1
dedos.
O maçarico real é um dos maiores. O manio é pardo salpicado de
branco sujo, a cabeça iistada de pardo escuro, e o psito mais claro,
com estrias. Antes de pousar, cerra as azas e deixa-se cair.
Na muda do Outono, toma uma coloração aciozentada.
Tem um grito que lembra um assobio.
Procura as rochas e as praias e nutre-se de caracois, carangu~g'o-
las, jacas, etc.
Pouco frequente.
São conhecidos, sob esta designação, tr6s pernaltas de passagem:
a) Nwmanius phaeop-s (L.). . .. .. .. a . a Charad~~iidae

Menos corpuIento que o ante~ior,apresenta uma plumagem maisi


escarra, sem as listas fia cabeça.
Associa-se com os outros magaricos e tem sido obse~vadoduran-
te todos os meses do ano, na Ilha do Porto Santo,

b) Limosa laponica L, , . .. . . o. .. . . o Charadriidtre

Este, apresenta o tom ruivo dominante, por 1880 i) tambem chama-


do &. rufa ~ r i s s :O corpo 6 estriaào e manchado de trigueiro. Azas e
cauda com veios brancos s cinzentos,
Raro.

o) Limosa aegocephala (L.), . . .. . . . . . . .. Charadriidae

A cabeça mostra-se ruiva, listada de negro, bem como o peito.


Dorso e ~ u r o ,abdomen claro, azas negras manchadas, e cauda preta e
branca. Tarsos mais curtos do que o anterior.
E' tambem chamado-maçarico de rabo preto.
Raro.

Tringa ochropus . . . . a . . Charad~didae

Procura mais as sguas doces do que as salgadas.


E' cinzento mesclado de pardo, pela cabeça e pescoço, As azas,
dum negro pardacento e a cauda esbranquiçada para o extremo.
Os tarsos apresentam uma coloração verdoenga.
Wuit~raro.
A siia plumngem 6 einzennfra escura e pardo arruivadia, áe listas
transversais no dorcio. A parte inferior do corpo, branca. A cauda mos-
tra umas faixas mais escuras.
Tarsos verde negros.
Em Portugal 6 conhecido por calgaizdrinhra.
Pouco frequento.

Tem o manto salteado de pardo e branco e a caiida com lista8


alternada8 nesta colorziçi?~.
Tarsas esverdeaclos.
Frequenta mais o interior das terrae alagadiças do que a maré.
Pouco frequente.

Não só tem os tarsos averrnelliados, como o inicio do bico.


Plilmagern pardacento-olivácea com estrias mais escuras.
Nas azas e cauda,manchaa pretas e brancas.
Frequente nas baixas e rochas da beira-mas.

Pelidnasubarqusta Brehm . . . . . Charadriidae


E' um rniagarieo pequeno, com o bico um tanto curvo e os dedos
ligairamente rfibordados, parem Independentes.
Veste-se de ruivo pardacento, com a garganta e ventre claros.. Bi-
co e pés pretos.
No inverno toma uma plumagem mais escura, puxando para cin-
zento.
Raro.

Trlnga canutus L. . .... .. .. .. C'haladrdidae


Só no Eslío é que mostra a cor arruivada no ventre. O manto 6
pardacento, com marcas ferruginosas e a cabeça pardacenta, riscada de
preto.
Raro.
(3
Pelldna clnolus L. . . . . . . . . . .
, Charadriidae
Apresenta a cabeça e ventre negros, o manto Eerruginoso meacla-
do,. e o peito acinzentado, desoaindo para um tom mais claro. quasi
branco no ventre.
Raro.
a
Machetes pugnax L. + . . . . . . . Charadrlidae
Este maçarico tem o inetinto do combate e na época dos amores,
em se encontrando dois machos, dsgladiam-se como os galos, eriçando
as penas compridas do pescoço e ferindo-se 48 bicadas, até o aniquila-
mento de um deles.
E' o pernalta que varia mais de plumagem, parecendo que não se
encontram dois exactamente iguais, no entanto, a tonalidade é pedrada
de pardo, amarelo ruivo, preto e branco, riscada e malhada capricho-
samente.
Na muda caem-lho as penas da fronte e do pescoço que Pica verm
rugoso e avermelhado.
Raro,
São designados, em Portugal, vários pernaltas, com o nome de
borrelho, pertencendo embora a gêneros diferentes.
Este nome é conservado na Madeira para dois deles:

Assemelha-se um pouco á rolinha da praia da Ilha do Porto Santo.


Veste em pardo-cinza, com uma lista negra nacabêça, deecida dos
olhoa para a garganta, a pegar numa coleira clara, por cima dum pei-
tilho preto.
As azas iniciam-se em branco e n cauda é pardo-escura, com ala
gumas penas brancas.
Raro.

E' um pequeno pernalta que frequenta as praias arenosas. Falta.


lhe o dêdo posterior e tem o bico e os pés pretos.
A sua plumagem 6 arruivnda, com salpicos em tons escuros e c l a ~
ros. Ventre branco e cabeça acinzentada.
Freqùente, por vezes em bandos, no Porto Santo.

Oallinsgo major (Gm.) . . . . .' . a . Charadrildae

As narcejas preferem os terrenos alagadiçori e aguas mansas.


Bico directo, bastante comprido, e os dedos livres.
A maior tem uma plumagem pardacenta, marcada de crescentes
negros, com a cabeça e dorso listadoe de amarelo torrado e o peito
cinzento claro, ponteado de ruivo.
Levanta voo ruidoso, elevando-se a grande altura.
Pouco freqiiente,
A narceJa pequena
Gallinago galllnulaL. . . . . . Charadriidae
Tem metade da corpuléncia da anterior.
O seu manto 6 mais castanho arruivado, clareando na garganta e
na parte inferior do corpo. Mostra uma lista negra na cabeça,
Pouco frequente.

Galllnago scolopacinus Bp. . . . . . . . Charadriidae


Esta narceja é maior que a pequena e menor do que a grande,
por isso, Leech a denominou G. media,
E' tambem dum tom pardacento ruivo, a cabeça com duas listas
negras e manchas transversais no manto, descaindo em branco na parte
inferior do corpo.
Rara,

Esta ave apresenta uma membrana na base dos dedos anteriores


com os rebordoa nas articuiaçõ3s, como os do mancãa.
O bico é robusto, rectilineo, do secção triangular nti base, alargam
do e deprimindo para a extremidade.
A cabeça é preta e o peito e ventre avermelhados, azes negrss
com o extremo em branco, e a cauda dum cinzento tirante a pardo.
A plumagem de inverno é mais clara, apresentando a parte infe.
sior do corpo, branca com manchas cinzentas.
Raro,
0

Apresenta o bico mais curto do que o tamanho da cabeça e baam


tante aguçado,
Esta eepécie é propria da Sibéria e recebeu tambem o nome de
Mo~*inellussibiricus Bp.
Plumagem ruiva aciuzeutada com uma mancha preta na cabeça,
oalada bm tom elaso, e no peito uma cinta negra com ourelo esbran.
quiçado.

Ardea ciriereía L ..,, , ,. ,,, ... .. ,. ,,, ,, . ... ... Ardeidae

As gerqas teem o corpo eetrelto, pescôço longo, bico muito rasga-


do, diseito, cortante, dedos longos, aendo o médio o maior, com unha
denteads, e o polegar assentando aobre o solo.
Preguiçosaee deixam-se ficar, por muito tempo imoveis, a cabeça
descansando sobre as esptiduns, solitárias, aguardando a passagem duma
piâsa. Sustentamrnse de crustiiceos, rãs, pequenos peixe@,etc.
Voam muito alto, com as pernas estendidas para traz.

A garça real 6 a maior, apresentando uin manto cor de cinza, a


esbrancliiiçar para a garganta e peito. Ma cabegs, longas pênae filifor-
mes tombam isobre o dorso e outras, tambsm frouxas, pendem do peito.
A fámea falttn-lhe o martlnête de pênas.
Na sua passagem par estas ilhas, que é frequente, demoram-rie
alguns dias para dcscanstir dn viagem, pernoitando nos arvores.

A gaar-a v e r
Ardea purpurea C,. .. ... .,.'- ... ... ... ,.. ... ... ,.. Ardeidae

Apresenta iiin tom arruivado oacuro com reflexos intensos, o ven-


tre cinzento e pardo claro.
Aparece em menor nfimero, que a precedente.
Ardeola ralioldes (Scop.) ........................ Ardeidae

E' uma 'garça pequena, com hábitos noturnos, dando caça especial-
mente aoe ratos e caranguejos, sendo em Portugal conhecida por garça
caranguejeira ou papawratos.
Veste-se num tom amarelecido, com a cabeça e nuca estriadas em
negro. O peito é ligeiramente pardacento.
Um penacho longo, eriçado, tomba em branco orlado de preto.
Pouco frequente.

Ardetta minuta (L.) .......................... Ardeld~e


Tem o manto verde-negro e o ventre branco pardacento, fouveiro,
E' tambem chamada garça pequena.
Rara.

Egretta garzetta L, ........................... Ardeidae


E' completamente branca, com um ralo penachinho no alto da ca-
beça. As penas rnais longas e estreitas, muito procuradas para orna-
mento, pendem-lha do p3~çÔç0,peito e se escoam pela6 costas,
Rara.

Nyctlcorax europeus Steph.., ...................... Ardeidae


A parte superior do corpo é cinzento-clara e a inferior branca.
A cabeça escura, com uma fita clara e as espiiduas verde negras.
O penacho ou enfeite, branco puro,
Pouco frequente,
Bubulaus iblrt Hassel. .......................... Ardeidas
Veste-se de branco sujo, amarelecido, tendo hábitos diurnois. Tem
pescôço e tarsos relativamente curtos, Pousa no dorso do gado vaxum
para catar-lhe os parasitas do pelo.

Botaurus stellarls I,, ........................... Ardeidae

Esta garpa tem pernas curtas e o corpo volumoso. Emite nm som


gutural, semelhante ao mugido dum touro.
A plumagem é ruiva amarelecida e na parte superior do corpo
listada de pardo, Cabeça negra.
Hábitos semi-noturnos, sustentando-ee especislmentq de pequenos
peixes e crustáceos das poças da maré.
Raro,

Platrileia leucorodfa L. ........................ PkSaletidae

Deveu o nome á forma do bico largo e achatado no extremo, pare-


cendo duas colheres contrapostas. Cabeça pequena e azas compridas.
A plumagem é branca, tirante a amarelo s a garganta.
No inverno empardece, um tanto.
Raro.

Ciconia alba Willugh, ........................... Ciconiidatl

Tem o corpo mais robufito do que a garça real e o pescogo m a 4


grosso, porém menos comprida,
A sua plumagem é branca, lustrosa e as azaa pretas. Bico e pés
avermelhados.
Ave familiar em certas regiõeig, nidifica sobre os edificios, onde os
habitantes a auxiliaram com algum material para a preparação do ninho.
Repousa geralmente sobre um pé e gosta de enfiar o bico entre
ae penas do peito.
Buffon diz que viu cegonhas novas trazerem sustento ás debilitadas
s velhas.
Rara.

Clconia nlgra L,,,. ... ... ... ... ... .,. ,.* .,. ... Ciconiidae

Menos sociavel que a cegonha branca e menos corpulenta, o een


manto 6 verde negro, com faixas dum ~ Ô X Oe8cur0, tendo o ventre 0s-
bran qulçado.
Rara.
C) nQ'tgro
Falclnellus fgneus Gm, . . . . . . . . . Ibilidae
E' uma ave peculiar no Egito e Mar Negro. Tem os tarsas finos
e altos, o bico espesso na base adelgaça-se depois, arqueado e cortante.
Veste-se duma plumagem negra, espelhenta, com reflexos verme-
lho5 abronzeados, Azas agudae, cobrindo a cauda.
Raro.
P A L M PEDES
PEDES

aves que constituem esta ordem, apresentam, entre os dê.


dos,uma membrana que as torna aptas á natação.
O pescôço é m a i ~comprido do que os tarsos, e estes
ficam implantados na parte poeterior do corpo.
A plumagem é compactrt, espesiJa, untuosa, defen-
dendo-os da penetração da agua.
Uns,vivem em terra, demoradamente, nos lugares onde haja água,
outros, distanciam-se por muito tempo ao alto mar.
Conforme o seu gênero de vida, assim varia a alimentação.

Sterria hlrundo L. ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... Laridae
Em Portugal-Aildorlnha do mar.
Fr.-Sterne; Pierra-Garln.
1ngl.-Torne.
AI.-Fluss Sieschwalba.

Esta elegante ave marinha tem na parte superior da cabeça, um


capuchinho preto que lhe desce 6 nuca, o manto cinzento claro, tirante
a nzulado e a parte inferior do corpo, esbranquiçada. Bico e pés em
tonalidade vermelha, varjavel com a idade, Avas compridas, cruzando
gbre a cauda,
Aparece na Primavera e nidifica de Junho a Julho, na0 rochas BO-
branceiras ao mar, que lhe ofereçam segurança.
O nome da Ponta do Garajau, saliijocia engrossada que define a
bafa do Funcbal pela banda do nascente, lhe deram as navegadores,
por nela acharem grande numero, a esvoagar, porém atualmente escoe
lberam local mai5 ermo, como sejam os pequenos ilheua baixos que rom
deiam o Porto Santo e o Ilheu de Fóra, nas Selvagenis.
Reunem-se os garajaus em colónia, para mútua defeza, e se são
perturbados no chôco e na criação por qualquer inimigo, alarmam numa
gritaria estridente, elevam-se e precipitam-se depois numa furia insana,
tentando debicar o intruso,
O v60 normal 6 rapido e gracioso, por vezes sustido, vibrando as
artas, abatendo e espalhando a cauda, o bico apontado para baixo,
em mira a surpreender a prêsa.
Os ovos, 2 a 3 por ninhada, são muito variaveis, no tamanho, em
rnhdia, 4,OW 3,O cm., de coloração pelo amarelo ao verdoengo, com pon-
tucçõee e manchas irregulares, negras, pardas ou cinzentas, depostos
no solo, a que juntam depois algum material de conchêgo.
O macho traz peixes á companheira no chôco e ambos depois
cu!dam da prole.
O8 ninhegos apresentam a cabeça pardacenta e a penugem dum
branco sujo de barro.
Os garajaus associam-se por vezes, com outras aveg migratórias e
abandonam estas ilhas, de Outubro a Novembro.

C) g a r a j i m u rosado
Sterna dougalli Mont. ... ... ... ... .,. ... ..? ... . . Larldae
Em Portogal-Não aesinalado.
Fr.-Sterne de Doogell.
Ingl. -Roerate Tern.
A1.- Dongalls-Sneechwalbs.

Este garejau habita o norte da Europa e os seus hábitos nóma-


das, trouxeram um casal, pelo menos, a sidifjoar, erq Maio de 1905, n a
Ilha do PortQ Satito,
Foi encontrado um minhego na b ía, reconhecendo-se que próximo
devia ter sido criado, pois não podia ensaiar mais que um curto voo.
O gerojau rosado difere do comum, em ter o bico preto e os pés
amarelados, além da tonalidade que lhe tinge a parte inferior do corpo,
mais sensivel quando lhe dá o sol.
Segundo os Tratados de Ornitologia, depõe 2 a 3 ovos nas roahacg
ou na areia, de formato um pouco mais alongado e coloração ~irnarela.
acinzentada, com manchas mais deneas no polo maior,
Muito raro,

larus oachinaans Pall. ... ... ... ... , .. haridae

Fr.-Ciasland argent6e meridional,


Ingl,-Harrlng Gall.
AI.-Grnnmantel Mliwe.

E' a ave mais comum das nossas costas maritimas, e sedentária,


sendo portanto observada durante todo o ano.
Muito abundante na baía do FunchaI, é proibida a sua caça, pela
limpeza que faz nas praias. Volita ao redor das embarcações do pôrto,
aproveitando os restos de cozinha, lançsdos ao mar, debulhas, etc.
Muito voraz, siistenta-se de peixes, crustáoeos, cefalópodos, e es-
preita o choco Sepia officinalis, caíudo sobre ela quando sflora á su-
pesficfe das aguas. Rouba nos cestõas boiantes dos pescadores, os peque-
nos peixes, nêles contidos para isca, e a t r e v e m mesmo a compartilhar
na colheita das redes de arrasto.
Em príiesentindo tempestade, voam muito alto, em bandos, dirigin-
do-se para as rnontanhalir, onde sendo apertadas pela fome, chegam a
atacar os cordeirlnhos isolados na serra.
No estomago duma, foi encontrado o esqueleto dum rato e carapa-
ças de moluscos terrestres.
Na ilha do Porto Santo, usam uns espantalhos com mas, colocados
uas vinha^, parti ufilyíintar as gaivotas que, oatando-os caracois nos ca-
chos maduros, tamkem os devastam?
Nidificam nas coucavidades das rochas, pr6ximo ao mar, de Abril a
Maio, acarretando algumas plantas secas que entrelngarn frouxamente.
Dep6am, em gerrtl 3 ovos (7,9X 5,6 em.) de coloração muito varia-
vel, amarelo, ruivo, pardo, cinza, com numerosas manchas.

Os ninhegos acham-se cobertos de penugem eriçada, pardacenta,


e na primeira muda tomam uma plumagem cor de cinza com manchas
pardas e dum amarelo torrado. Bico em pardo ténue.
Em mudas sucessivas vão desbotando, perdendo as tonalidades par-
dacentas, até que aos 3 anos ficam corpulentos, adultos, nas suas vestes
brancas, dorso acinzentado, com o bico fulvo, vermelho ao exfremo e os
pés amarelecidos.
As gaivotas são geralmente denominadas gaiuôtos, enquanto tra-
zem a plumagem sarapintada de escuro.

Sterna cantiaoa Gm, ... ... ... ... ... ... ... ... Laridae

Em Portugal- Garraii.
Fr.-S tern caopelr.
1ngi.-Sandwlch Tern.
AI.-Dunenvogsl.

Tem o aspecto dum garajau, um pouco maior, com o bico anegrado,


recurvo, amarelando para o extremo, e os pée escuros. Capacho preto
e nutra branca.
Manto em cinza clara e a parte inferior do corpo num branco ligei-
ramente esbatido em róseo.
Comporta-se exactamente como o seu congénere, com os mesmos
hábitos associativos de defeza e grifaria, porém muito menos comum.
Os ovos são dum fundo amarelo-ocre com pontuações e mnnchas
irregulares eficuras, e mais vo1umoso~- 5,OX 3,5 om.
Nidifica nas rochas do norte da Madeira,
Bceanodroma castro Htirc,... ... ... ... ... ... ... P~+ocelariidae

Em Portugal-Não assinalado.
Fr.-Occanodrome de Craeto.
Iiig1.-ISarconrl1e Storm Patrel.
A1.-M~deira Siur~nschwalba.

O seu grito gutural parece dizer o noine que lhe puzeram, repetin-
do-o em noites escuras, num voo silencioso, quando ae aproxima de terra.
Passa a maior parte do tempo no alto mar, sustentando-se de ani-
mais marinhos colhidos nas vagns, afoutando-se á tempestade.
Tem o bico recurvado com uma abóboda saliente, o corpo negro,
sómente com unia faixa branca na rabadilha, e falta-lhe o polegar.
Procria em todas as ilhas do arquipelago, sedentário, fazendo duas
posturas em cada ano, nas fendas das rochas, de Maio a Junho, e de
Novembro a Dezembro, cada qual, de um só Ôvo branco, oblongo,
3,2W 1,4 em., tendo numa daa extremidades pequenas pontuações ver-
malhas, mais distintas enquanto o Ôvo está fresco.
Os ninhugos vomitam um óleo cor de vinho, nauseabundo, qaan-
do alguem pretende tirá-los dos seus esconderijos.

Bulwerla bulwerl (Jard. Solby) ... ,.* ... ... Procelariidae


Em Portugal-Não sselnalado.
Pr.-PBtral de Bulwer.
Ing1.-BoIwar's Patrel,
A1.-Seetaube.

Este palmjpede tom o aspecto dum pombo, porém com os carncte~


rieticos dos Procelarídeo~,OU aves das tempestades.
O Dr. Heinekeu deu-lhe o nome conhecido pelos noasofi pescado-
res, apresentando uma memoria ácêrca da Thalassidroma anjinho c")
e Berthelot, nas Canáriss, criou para ela a iespécie columbina.
A ave é toda escura, dos pés á cabeça, bico curto, forte, com a man-
dibula superior bastante recurvada, e nota-se-lhe um diminuto polegar,
atrofiado.
Tem uma pequena zona para a reprodução, confinada ás ilhas da
Madeira e 'Canáriae. Chega aqui na Primavera, procurando as concavi-
dades dos rochedos, na Ponta de S. Louren~o,Desertas e ilheus do Porto
Santo, pondo, em Julho, um único Ôvo, oblongo, branco-marfim, 4,4H 3,l
cm,, de casca mais espessa no polo maior. No começo de Outubro, desa-
parecem os anjinhos.
A sua plumagem é dum nagro pardacento, fuliginoso, com o bico e
pés escuros.
Os ninhògos, penugentos, exalam um cheiro desagradavel, que lem-
bra a das baratas, mas ainda asrsim, são procurados peloe pescadores,
para a salga, e depois de cozidos e temperados, constituem um manjar,
por eles muito apreciado.

Pufflnus anglorum(Ray) . . . . . . . . Procelariidae

Em Portugal- Chilrêta.
Fr.-PafPln das anglsls.
1ng.-Manx Shaarwater.
AI.-Tanchsr-Stnrmvogel.

Julgou-se por muito tempo que o boieiro e o patagarro eram avea


diferentes, devida aos seus hábitoe, pois, de dia, rio alto mar, os pes-
cadores conheciam o boieiro, cujos bandos lhe anunciavam a proximi-
dade do pelxe, e a gente do campo chamava patagarro a uma ave no-
turna que na crença popular era de mau agouro quando vinha, num
piar rouquenho, pousar sobre qualquer habitação, pressagiando morte
prdxima.
No entanto, são uma e a mesma, que escolhe as rochas altas para
abrigo e nas suas viagens de noite descansa no trajecto.
A plumagem é negra-pardacenta, luzidia na csbeçs, branca por
debaixo do pescoço, dsscendo 6 parte inferior do corpo. Bico eeouro e
pés duma câr rosa-velha, com as membranas lividas, amareladas.
Faz ninho nos penhascoe altos, pouco acessiveis des Dssertner, Pe-
nha de Aguia e nos do interior da Madeira-Curral dcs Freitas,Pico do
Arieiro, 6tc.
A postura é de um só ovo, branco 5,6X4,0 cm.
Ausentam-se os patagarros durante o I n v e r n ~ para regressar no
comêço da Primavera.

Puffinus kuhli Boje. . . . . . . . . .. . Pu ffZnidatt

Em Porlugal-Pardalhfío; pardala.
Pr.-PufE.n candrr5.
Tngl.-Groat Sheerwater.
Al.-Stnrm Tanchar.

Esta ave marinha deu o nome ao Porto das Cagarias aassi cha-
mado por haver ali na rocha muita criação dellas, que está do Oriente
ao Nordeste da Ilha» do Porto Santo, conforme diz o Dr. Fructuoso na
Saiidades da Terra. .
Um pôrto a leste da Selvagem Gdande, tambem delas tomou o
meemo nome.
Chegam as csgarraa a estes mares, de Fevereiro a Março, e nidi-
ficam em Junho, nas rochas marilimas, depondo uni íinico ovo branco
7,0W4,7 cm.
Os ninhegos acham-se envolvidos por uma penugem farta,acinzen-
tada, que vai escurecendo para a muda, e teem o bico sscuro.
As cagarras adultas cobrem-se duma plumagem cinzento-parda-
centa, mais carregada nas azas e na cauda. O pesc6ço.e parte inferior
da corpo são brancos. O bico paassnte, amarelento, largo na baee, com-
prime-se, aguça e recurva, salientando as narinas, distintas tubulares.
Buscam o alimento no alto mar, preferindo-o agitado, e teem há-
bitos um tanto crepusculares, pois durante a intensidade du luz solar
abrigam-se nos seus esconderijos.
De noite, fazem um barulho disconcertante, com notas graves e
agudas, porém, emudecem ao clarão da lua.
No começo de Novembro revoam em retirada, dando origem ao
ditado:
Em dia de S. Martinho,
nem cagarra, nem aojinho.

E' especiaimente nas ilhas desabitadas, Desertas e Szlvagens, onde


as cagarras fazem grande criação, calculando-se a caça anual em cêrca
de 30,000. As pênas brandas são utilisadas para aluiofadagern,e a carne
salgada, para alimento da gente pobre, que as coeinha num caldo d e
de couves, oleoso, e sabendo a peixe.
Na Ilha do Porto Santo há o costume, em stibado de Aleluia, de ir,
6 noite, com fachos, á rocha, colher a1gumae cagarras para um prato em
domingo de Pascôa. Deslumbradas pela luz, são de facil captura.
As cagarras desta região norte-atlantica são consideradas da sub-
eepecial borealis Cory, diferenciando-se um tanto do tipo mediterrnneo.
A cagarra branca colhida uma ou outra vez, nas Selvsgene, é um
caso especial de albinismo.
Tem atdo encontrados, embora poucos, individuoe adultos, apresen-
tando um porte diferente e modlflctções na plumagem, mas esses são
arribados, a que se deu o nome de cagarras de fó~u.

Em Portugal-Não assinalado.
Fr.- Poffrn obecnr.
1ng.-Dnskle Petrel. ,
AI.-Dnnkls Sturmvcgel.

@aia ave só .aparece durante o inverno, fazendo criação no mês


de Fevereiro,em tocas rochosas, onde depõe um Ôvo branco 5,OW 3,5 cm.
Parece-ae muito com o patagarro, porém de menor estatura e de
porte mais elegante. A parte branca infarior do corpo, começa logo abat-
xo do bico, estendendo-se até ao £brro da cauda e os pés tomam uma
côr cinzenta escura azulada.
Tem igualmente hábitos noturnos e um piar agudo U-iii-u.
Associa com o roque-de-castro e aparece em todas as ilhas do ar-
quipelsgo, em maior colónia, nas Desiertas e Ilheu da Cal.
Quando os anjinhos regressam a esta região, pelo mês de Abril,
veem ocupar as tocas dos pintaiohos, e por vezes lutam pela sua posse,
mas dentro em brove, estes teem emigrado para o sul, não sendo encon.
trados durante os meses de verão.

Pelagodroma marlna (Catham) ... ... ,., ... ... ,.. Procelarildae

Em Portugal-N2ío aeeinalado.
Pr.-Pelagodr ôme marin.
Iag1,-Sslvige's Slorin Petral.
A1.-Selvagane Stnrmvogel.

Este iuteressnnte palmipade só procria no Atlântico, nas Ilhaa Sel-


vagens, e no Pacifico, na costa ocidental da Austrália.
Tem a cabeça mais escura do que o manto, em tom cinzento par-
dacento carregado, que esbate a meio dorso, clareando nesta região. Uma
mancha negra s e estende horisontalmente por debaixo dos olhos.
A parte inferior do corpo é esbranquiçada, bem como a orla d e al-
gumas penas que marcam em branco. Azas longas, agudas, cruzando e
excedendo a cauda que tem o talhe de cunha. Bico e pés escuros, com
a membrana amarelo-citrina, desmaiada.
Fez ninho dobaixo da terra, na Primavera, em tocas com galerias
tortuosas, depondo um iinico Ôvo branco 3,9X 2,8 cm., umas vezes todo
ponteado de vermelho, outras, salpicado apenas no polo maior.
N5o b6 pela dificuldade na obtenção, como pela raridade, um ovq
de calcamar obteve grande valor para as colecgões,
O nome de cilosuiar proveiu da grande facilidade que tem esta
ave, 9m correr com audázia e confiança sobre as vagas, tocando-as le-
vemente e com um movimento alternado dos pés, equilibrando o corpo
com a s azas sbertas.
Nas Ilhas Selvagens têm sido encontrados novêlos alongados de
aves de rapina nocttirnas, nos quais se reconheceu tarsos e penas de
calcamar.
Erte palmipede desaparece durante o Verão e Outono, migrando
para as regiõss do sul.

Oeetreleta mollls(Gould) .. ... ... ... ... ... . . Procelariidae


Portoaal-Não ~sejnalado,
Fr.-Petrel de Madère,
Ing1.-Madelraa Petrel.
AI.-Madeira Sturmvog8l.
Foi durante muito tempo considerada esta ave como peculiar á Ma-
deira e procreando sómente naa escarpadas rochas do Ilheu do Bugio,
(Desertas) e nos altos picos do Curral das Freiras (Madeira) e assim 6
resumidamente para o Atlântico, mas acha-se tambem identificada nas
Ilhas de Nova Caledónia, no Oceâno Pacifico.
Do tamanho do patagarro, tem o bico mais curto, possante e re-
curvado e os tubos dae narinas sepsrados p9r um pequeno septo.
A freira apresenta a cabeça preta, a fronte salteada de clara, e
manto cfncento escuro, as azas negro-pardacentas e a parte inferior do
corpo, esbranquiçada. Cauda cinzents,
Os tarsos tingem-se de uma coloração amarelo-rosada e os dedos e
a membrana mostram-se um tanto escsros.
Põe um Ôvo tão sómente por postura, dum branco mais puro que o
do patagarro, um pouco menor e ligeiramente alongada. A sua obtenção
demanda grande risco, pela dificuldade em escalhar os aprumudos pin.
caros.
Os ninhegos, na primeira muda, teem o peito e o ventre pardo-
alourados, branqueando depoie com a idade.
E' no Verão que aparecem as freiras chegadas do sul e aqui rre
conservam at6 maiado de Outono,
Risse trldaotyia (L.) ........................... Laridae
Esta ave, própria das regiõee árticas, vem passar o invbrno nesta
zona, onde é observada, aseocianda-se com as gaivotas, pousada fre-
quentemente nas barcaças do porto do Funchal ou na agua, balougan-
do-se por longo espaço de tempo.
Veste-se de branco luzidio, com o dorso cinzento azulado, e algun
mas penae pretas nas azas e na cauda.

Hydrochelidon nigra (L.) ........................ Laridae

Voa inceeeanternente como uma andorinha. E' negro, com tonali-


dades pardacentas escuras. Azas longas excedendo a cauda, ventre e
rabadilha em branco. Bico e pés avermelhados. Membranas entre os
dedos, pouco estendidas.
Tambem é chamada-andorinha negra do mar.
Rara.

Sterna mlnuta L. .............................. I!aridae


Tem o aspecto dum garajau pequeno, de cabeça preta, manto cis-
zento, e a parte inferior do corpo e cauda brancas,
Rara?
Larus marinus L, .................. i.. .........
Lal'ldae
E' uma ave corpulenta e passante,de plumagem branca,& excepção
das azas que são azul ardosia mais negro. Dedos muito compridos,
sendo o médio do tamanho do tarso, com unhas escuras.
Raro.

Larus fuscus L. .............................. Laridae


De menor corpu'Bncia que o anterior, com ele ee assemelha, tendo
o8 pés mais amarelos a o dedo médio mais curto do que o tareo.
As novas teem a cabeça estriada de pardo claro.
Rara.

Larus fllaucus Briin. .......................... Laridae


E' uma gaivota branca com as azas cinzentas pálidas, desbotando
do com a idade. Bico citrino e pés rosados. E' oriunda das regiões árticae.
Rara,

Larus Ioucopterus Faber ....................... Larldae


Difere da anterior, pela menor corpulèncla e ter as azas numa cor
:pálida, cinzento-azulada.
Rara.
A ckilapralkieta
Larus ridlbundus (L) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . L aridae
Tem um capucho pardo escuro, o pescoço branco, o manto cin-
zento-claro, bico e pés vermelhos e cauda preta e branca.
Rara.
O rabo de junco
Phdeton aethereus L. ........................ Phaetonidae
Foram os portugueses quem primelro deu a noticia ùeete palmí-
pede dos trópicos, em cuja cauda se salientam, gelo seu grande compri-
mento, duas penas médias, claras, que lhe deram u nome de rabo de
junco.
A sun plumagem é branca, luzidia, com ondulações e listas negras'
Rico e tarsos avermelhados e pés escuros. E' essencialmente piecivoro
e quando paira, de alto, á luz do sol dardejante, emite reflexos de va-
riagadas cores.
Rara.

a)-Pufflnus clnereus Gmel. .................... Puffinidae


Tem sido observada por ocasião de tempestades. Manto pardo es-
curo. A garganta e parte inferior do corpo, em branco. Bico amarelo
esciirecendo para a extremidade. Pés mais claros que o bico. E' conhe-
cida em Portugal pelo nome de pal8dela preta.
Rara.
b) -Puffinus gravis 0. Reilly ................. Pzzffiinidae
E' a mais corpulenta das cagarras. Cabêgo cinzenta escura. Bico
preto, Dorso cinzento pardacento. Parte inferior do corpo num branco
sujo. Azas e cauda anegradas. Pés cinzentos.
Em Portugal 6 chamada pardela de bico plleto.
Rara.
c-Pufflous yelkouani Bp. ..................... Pufflnidae
E' mais peqiiena do que a cagarra, dando o aspecto dutn indivi-
duo ainda irn crescimento. Tem as azas, cinzentas salpicadas de pardo,
ventre acinzentado. Fôrro branco das azas e cauda. Bico e pés escuros.
Rara.

Procallaria pela~ica (L) ..................... Pr~ocellai?dae


E' a ave que denuncia as tempestades, afoutandoese ao vento rijo
contrário, e por vezes procura abrigo naa einbarceçôes.
Tem o tamanho duma andorinha, de bico achatado, mais curto
do que a cabeça e recurvado. Azas estreitas e aguçadas, possantes.
Plumagem escura, com bordaduras brancas nas azaa e cauda.
Rara.

Ooeanodrohia ieuoorthoa (Veill.).................. Procellaridae

Muito parecido ao nosso roque-de.castro, tendo a cauda mais for-


quilhada, as azas com uma faixa transversal, em plumagem menos oam
cura, Baixo ventre e rabadilba em branco,
Pouco frequente.

Bceanites oceanlcus (Kuhl). .................... Procellaridae

A sua plumagem é escura. Bico e pés negros. Inicio da cauda em


branco. Mostra uma mancha amarelada na8 membranas, entre oe dedos.
Raro.

São palmipedes piratas, de bico adunco, que perseguem, no v60,


ae outrae aves marinhas para Ihes roubar a prêsa, batendo-lhes com
golpes de aza, no corpo e no bico. Estas, para se livrarem da persi-
guição, abandonam pelo ar o peixe que acarretavam, logo apanhado
peloe estercorários.
Os nossos pescadores puzeram-lhe o nome grosseiro de cagões e
em Portugal são conhecidos por cdgados.
Teem sido observadas 3 espécies:
a) Stercoraríus oataractes L. ............ Stercorarildae
E' maior do que uma cagarra, possante, de unhas comprida8 e re-
curvadas, membrana8 verrugoaas, e cauda em talhe de cunha.
A plumagem é pardacenta escura, com cambiantes ruivoe e acin-
zentadoe na parte inferior do corpo e uma mancha branca nas azas.
Bico e pés escuroe.
Pouco frequente.
b) Stsrcorarlus pomatorhlnus (L.) . . . o . . . O . . Stercorariidae
Msnor do que o anterior, tem a cabeça num tom sombrlo, com
penas mais eriçadas e anegradas.
O manto é pardo-olivhceo, o pescoço amarelento-claro, esbranqui-
çando para o peito e abdomen,
Raro.
c) Stsrcorarius paraaldlcus L,. .......... Stercorariidae
A cabeça é escura, como nas anteriores espbcies, porém a nuca
moatra-se arruivada o a parte inferior do corpo num branco pardscena
tor Cauda aguçada.
Raro,
0 fpakoia
Sula bassana (L) .................. Pelecailidae
Apesar do seu nome vulgar, não é da familia a que pertencem
os gansos.
Apreeenta a plumagem parda, escura salteada de brancc, e em
chegando aos 2 anos tem então as vestes brancas com azae pretas, O
bico 6 direito, ligeiramente comprimido e serreado, duma cor esverdea-
da escura. Pés pardacentos. Deixa-se cair de alto, fechando ae azas pa-
ra mergulhur. A pele não adere em *todo o corpo,contendo bolsas de ar.
Frequente,

0 corvo arinho
Phalacrocorax carbo (L.) ...o.......... Pslecanidae
Tem um bico forte s recurvado, de bordos lisoe, Cabeça escura,
verde-ansgrada, com penas finas e compridas, algumas brancas aos Ia-
do^ do pescoço que desnuda.
As aias atiugem o comêço da cauda, e esta apresenta-se arredon*
dada e comprida.
Esta ave domesticada é um auxiliar dos pescadores chineses que
lhe colocam temporariamente um anel ao pescôço, de forma que nRo
possa engulir e a ensinam a trazer o peixe que apanharam.
Pouco frequente.

Estes pelmipedes teem os pés colocados muito para o extremo in-


rior da corpo.
Andam dificilmente, em posição erecta sobre os tarsos curtos. Na-
dam com- o corpo quasi submerso e mergulham com grande destreza:
a) Coljmbus araticus L, .............. Colyrnbidae
A plumagem é cinzenta negra, mais carregada na cabeça e com
re£lexos violetas no pescoço. Peito branco. Azas com pontueçõee claras.
Bico, p6s e cauda em preto,
Raro.
b) @ol~mbus~laclalls L. .............. Colymbidae
E' maior do que o anterior. O manto é mais salpicado de claro e
mostrti no pescôco uma gargalheira circundada de branco.
Raro.
c) Podiceps aurltus Lath.. ............. Podlceptdldae
Este pequeno mergulhador tem o pescoço comprido e cauda muito
curta,
Plumagem negra, lustrosa, coG um macieso de pênas laterais, ar-
ruivadae na cabeça, semelhando orelhas.
Azas orladae em claro e a parte inferior do corpo branca.
Raro.

Frntercula arctica (L.). .................. AIcldae


Bicançudo, tambem é o nome que lhe dão, pela forma extraordi-
nária do bico alto, achatado lateralmente com arestas, diferentemente
coloridas em cinza, amarelo, azul e com a ponta avermelhada.
Do alto da cabeça desce-lhe uma faixa pretn á nuca que forma
coleira. O manto é negro. Lados da cabeça e pntte inferior do corpo
em branco. Pés aleranjados.
Raso,

As azas dos gansos excedem um pouco a cauda, os tarsos são


mais robustos e não tão recuados, em relação aos patos.
O bico é mediocre, nadam bem, sem mergulhar e andam com fa-
cilidade em terra, predominando na sua alimentação as vegetais.
Na sua variada plumagsm, em cores neutras, entra o branco in-
termeado,
a) Anser vulgarls Pall .. .. ,. .. .. . . .. . . Anatldae
Tem as vestes cinzento-pardacentae, mais escuras nss azas que
terminam em orla branca. Rabadilha azulada escura, com tonalidades
c1aras.Parte anterior do corpo branca. Póe e exiremo do bico alaranjados.
Raro.
b) Anser alblfrons Bechst. . . .. . .
, o • . . Anafidae
Uma mancha branca, larga, orna-lhe a fronte, por cima do bico.
Plumagem cinzento pardacenta, clareando para o peito e ventre, ondea-
do com listas negras, irregulares e transversaie. Bico amarelado, dee-
botando para o extremo. Pés alaranjados.
O grito dêste ganao, por vezes s e assemelha a uma gargalhada
rouquenha.
Raro.
c) Anser sylvestrls Brise, . . . . . . . Anatidae
Este ganso tem o bico mesç)ado de amarelo s negro e os pé8
glaranj ados,
O alto de cabeça é cinzento escuro, Q dorso cinzento rtrrgivadol
e branco e a rabadilka gardaoenta,
Raro,

Patos bravo=
Oa patos teem uma plumagem bastante variada, diferençando-se
das fémaae, pelas côres mais brilhantes.

0 ade ou pato real


Anas borohss L. .................... Anatidse
O adem tem as lamelas do bico pouco salientes, o pescôço e ca-
beça em verde metálico e uma coleira branca. A parte inferior do cor-
po, pardacenta, amarelada, descendo a clarear. O dorso pardo anegra-
do, e as azas risc i m - ~ eem bandas de varias cores, no tom da8 vestes,
onde ae dietingue uma mácula azul bordada que se encontra tambem
nas f6meas.
Nestas, predomina uma plumagem pardacenta clara a amarelada.

O pato tro betef r o


Spatula clypeata L, ................. Anatidae
Tem o bico bastante comprido, negro e achatado para a ponta.
A mandíbula superior encobre meiade da Inferior e ns narinas são
grandes e elevadas, perto da base.
A cabeça e pescôço mostram a côr verde, como o adem, peito
claro, ventre arruivado.
Dôrso cinzento pardacento; Azas acinzentadas, com laivos negros,
brancos e verdes. Cauda verde negra. Pés avermelhados.
A femea tem a'plumagern pardacenta, ealteada de negro e claro,
e aB azas cinzento azuladas,
Pouco frequente,
Dafila acklti (L.). . .................. Anafidae

N o t a w neete pato, uma cauda bastante comprida e aguçada, ne-


gra, franjuda de branco.
Cabeçn pardacenta, bico alto na base, pescôça com refiexos vio-
Iáceos e uma faixa brauca. Dorso acinzsntado, ondeado de negro. Parte
inferior do corpo esbraiiqtiiçada. Bico e piis escuros. Nas ozas, mesclas
de ruivo e branco, com uma mácula esverdeada.
A f6mea tem um todo, pardo arruivado, e a oaudti meaosi exten~
$a e um tanto cbnica.

Mareoa pentIlop0 (L.). ................. Ansfidae

Emite, por vezes, um grito estridente e agudo. Tem a cabeça ar-


ruivada ao alto, descendo em castanho-vinoso ao pescôço, com listas
cinzentae, interrompidas. Dorso oliváceo, escuro, bem como as azas,com
marcas brancas, pretas e verdes. Peito e abdomen amarelo-acinzenta-
dos. Bico e pés escuros.
A fémea é p ~ r d l c e n t aclara, pescoço branco e flancos arruivados,
Rara,

Querquedula creca ( L ) . ................. Anatidae

Tem o bico grosso e elevado na base e largo para extremo. Ca-


beça parda com uma lista verdosa, arqueando dos olhos á nuca. Dorso
cinzento, com ondulaçõ~sescuras. Azas com máculas verdes n gras a
brancaa. Ventre eebranquiçado.
A fémea é mais fusca na coloragão,
Frequente,
Este pato pequeno 6 de c8r pardacenta, ondulada em tom mais
claro, Bico e pés negros. Mandíbula inferior encoberta,
A fémea muito se lhe assemelha.
Pouco freqhente.

C)pato m=ael$rr,
Dedemla nlgra (L.) .................. Anatldae
E' um bom mergulhador que se demora debaixo de agua á caçfi
dos moluscos dos baixos fundos.
A plumagem é toda negra, tendo o macho uma protuberância na
base do bico,
A fémea é um trinto acinzentada.
Raro,

Clangula glaueion Brehrn... ..................... Anatidae


Cobre a cabeça de verde metálico, com uma mancha branca no
bico. Azas entre preto e branco. Parte inferior do corpo em claro lista-
do de cinzento. Caudn eracura. A femaa tem a cabeça pnrdacenta e é
maior do que o macho.
Raro.

Fuligula arlatata (L.) . ................ Anatidae


E' dum negro bronzeado, especialmente no dorao, com uma má-
cula branca, nas azas. Cauda muito curta. Um tufo de pena8 na cabe.
çu. A f6mea fez pouca diferenga.
Rarap
Tem a cabeça negra, um tanto arruivada e o pescoço bastante
curto. Plumggsm cinzenta escura, ondeada no peito e ítbdomen. Prefere
as aguas doces.
A fijmen é mais pardacenta.
liara.

M e r g u ~serrator L. .................. Anatidãe


E' um pato de poupa e cabeça verde negra. Peito claro, com uma
rlsca negra. Azas e cauda, entre preto e branco. Dorso cinzento ondu.
Indo. Bico e p6e alaranjados.
A f6nleít é purdacenta arruivada e o penachinho da cabaça rema
mido.
Raro,
CISNES. Estes elegantes palmipedes teem o corpo volumoso, O
peito saliente, o peacôço muito comprido, o bico recto e da mtsmn lar-
gura em todo o comprimento, azas mais curtas do que a couda e esta,
arredondada,
Andam mal, com os tarsos muito recuados e passam a maior par-
te do tempo na água.
Ornamento das lagoas, foram trazidos antigamente para algumas
quintas dos arredores do Funchal.
No Jardim Municipal, houve cisneri pretos, originários da Austra-
lia, Cygnus atratus, e conhecidos na Europa só no século XVIII.
A plumagem é negra, e o bico vermelho.
Actualmente ha apenas cisnes brancos-Cygnus mansuetus, de
bico amarelo e pés escuros.
A lenda de que o cisne emite um mavioso canto, sentindo a mor-
te próxima, vem da antiguidade clássica, e ainda repetida na poesia e
na literatura, para significar a ultima obra apreciavel dum autor.

GANSOS. As diferentes raças domésticas são provenientes de


Anser vulyarls Pall. em cruzamentos,
OY gansos foram muito estimados pelos romanos que preparavam
iguarias com os figados.
Ainda hoje, constitui uma indústria no estrangeiro, a engordn h r -
çada, para a confecção do fole gras.
O ganso 6 uma ave timida e emite um grlto sskiirgidor, u q i i t l l
quer receio. A Hiatoria nos relata, terem os gansos do C~pilOliodiida
o rebate, quando da aproximação dos gaulraes, a Iiom?.
PATO$. O forhl concedido a vila do Funcbal em 1515, por D.
Afonso V, tstkb lece, no pagatnanto dn dizima, que será paga tcimbem
em referência a patos ades (8 7.9, roricluiado-se, portanto, que foram
das primeiras aves introduzidas.
Os patos dom6sticos proveem do Anas bochas L,, em ligações con-
ghaeres e na vasta tamilia doe Anatideoe.
Na Ilha do Porto Santo abundaram os patoe que se suetentavam
principalmente de caracois, Helfx pisana etc. O pequeno com6rcio de
exportação de patos para n Madeira, eetti quasi extinto.
AbeIhariico
Abetoiiro
..... . .... . . ..... .. .. ..
Abiiiro do Egito
Açbr ... ... . .. .. .. .. .. .. .. ..
.
Adem . . . . . . .... .. .. .. .. ......
Aguia pesqueira
A'tcaravão . . . ...... .. .. .. .. .. ..
Alcntrnx mrirliilio
Alma de mestre
Andopinha dos Alpes
. . . .... .. .. ....
)) das casas
das cliairiinés
......
.. ...
. . . . .....
P
do inar
Y

N da SEfPR ......
Anjinho
Ailrhbio . . . .. .. .. .. .. .. .. .. .. . ....
Avos ile rixpiiin diuriias
Y >)
......
PHS6llgCIn
P
s Y
iioturnns ......
piissagoin

Bico grossiido
Bisbis .
Boieiro .
a .-. . .-...,. . ......
. . ...
......
Borrelhos ...... ., ...

Cagarra . . . . .-. . ........ . .


Cagarisasde Thrn
Caiada
Calcaitiar
. . . .. .. .. .. .. ......... ..
Camão . . . . . . ..................
C~iiftriodn terra
Urirrlctiihn .. .. .. .. .. ........
Cartaxo
C~squillio ...... ...... .-
.
Cegoiiha branca
Chapalheta
pileta
.. . . ........
.. . . .....
Cliilreta
Cla branca
Cigarrinho
.........
.. .. .. .. .. .. .. .. ..
Cistícola
cizslo . . . . . . . . . ... ..
. . . .-
Codorniz
Codorniaão
Colliereiro
......
. ..-. ....... ..
Columbideos
Y de passagem .
Correcaminho . . . . .
Corrião . . . . .
Coruja ...
Corvo comuiii . . .
....
..
..
*
da friita
inarinho
. . . . ..
dos c11arc08 . .
. . . .
Cotovia . . . . . . . .
de polipa . . .
1%

. . . .
... - ... ...
Cruzri bico
Cuco
. .
..
* rabilongo
E
Estercorhrios
Estorninho .. .. .. ... ... . .. ...
~
. rosado
prato . . . .
PalcBo crepusciilí\r. .
11 tagarote . .
Felosas . . . . . .
e e r i n . . .
Friiiicelho .....
Frangn de agiia ..
Frango *
Freisa. . . . . . . . ..
.
Fiirabardo . . .

Galo nzul
Gaivota ......
...I.
de azas negras
clara . . .
u da Idandin . .
Oaliiilia da Guiné .
M da agua ..
Cialinficeos . . . .
, doinésticos
Galinliola . . . .
G:uiços bravos ..
» paioia ..
Gnrafnu . . . . .
V rosado ..
Qnrçii ùoieira . . .
rn noturnn .
» rnteira . . .
n lUea1 . . . .
r ribeirinha . .
verniellin .
(iarcinlia verde .
Gnrranclio . . . .
Gnvinhn
Grnlli:t . .. . . .
. a

I
IIJIR negro .r #a
Maçarico alpino . . . .
brigão .
. ..
a galego . . ..
r malhado . . ..
de papo verinelho
m da pés vermellios
de rabo branco .
r real . . . . ..
ruivo .. .
.
0
Morinelo
ventraIvo .
. . . ..
. .
.
Mancão . . . .. . .
Manta . . . . .. . .
Marreco . . . .
Mergnlhtres . . .. . .
Melra dourado . . . .
preto . . .. ..
Milliafre
Mdclio . . . .
. . .
.. ..
. ..
, de orelha ciirtri . .
pequeno .
. ..
M
Nnrce.iiii galega . . . .
u grande .. ..
z peqiieiin . . . .
O
Papa amoras . . . .
Papagaio do mar . .
Papa moscns . . . .
Papinho . . . .
Pardd da terra ..
espanhol . .
1)ardallieira . . . .
Patagarro . . . .
Pato trombeteiro . .
Patos bravos . . . .
Pavão . . . . . .
Pavonsinlio . . . .
Pega . . . . ..
Perdiz . . . . . .
» africana . a

w do inar ..
Pernnltas . . . .
r de passagein
Petinlia . . . . .
» dos prados .
Picanso . . . .
Picapeixe . ..
Piiitainho . . . .
1)ombo claro .
r negro da serra
» .
da roclia .

Rabirruivn . . . . . . . . v3
Rabo de jtinco . . . . . . . 122
Rbla . . . . . . . . . . 70
x de coleira . . . . . . 71
Kolinha da praitt . . . . . . 88
Roque de castro . . . . . . 115
Roqainho de fóra . . . . . . 134
Rouxinla . . . . . . . . 51
Houxinoi doe caniqoi
dos juncos .
dos paúes .

$arambola americana
cinzenta ..
u dourada ..
'lartaranhão ruivo . .
Tentilhão . . . .
Torcicolo
mont8s . .
. . . .
Tordo branco . . . .
ruivo . . . .
» zornal . . . .
Tutinegra . . . .
do Deserto
papo branco
Trigueiro8 . . . ..
real .

Ve~dilhão ....
Virapedras ....

Interesses relacionados