Você está na página 1de 10
Campus Bagé Segunda Lista de Exercícios Química Inorgânica I Acadêmico: Marcos Felipe Pinheiro Curso: Engenharia

Campus Bagé

Segunda Lista de Exercícios

Química Inorgânica I

Acadêmico: Marcos Felipe Pinheiro

Curso: Engenharia Química

Professor: Dr. Fernando Junges

Bagé 2010

1.

Explique o conceito de sobreposição de orbitais (relacionando com as suas funções de onda). Porque estes podem formar orbitais ligantes e antiligantes?

Na teoria dos orbitais moleculares, os elétrons ocupam orbitais chamados orbitais moleculares, que se espalham por toda a molécula. Todos os elétrons de valência estão deslocalizados sobre toda a molécula, isto é, não pertence a nenhuma ligação em particular.

Os orbitais moleculares são sempre construídos a partir da adição (sobreposição ou superposição) de orbitais atômicos que pertencem à camada de valência dos átomos

da molécula.

Qualquer orbital molecular formado a partir da superposição dos orbitais atômicos é chamado de combinação linear de orbitais atômicos, neste estágio não existem elétrons no orbital molecular, que é somente uma combinação, no caso a soma, de funções de onda.

Os dois orbitais atômicos são como ondas centradas em núcleos. Entre os núcleos,

as ondas interferem construtivamente uma com a outra, no sentido que a amplitude

total da função de onda aumenta onde ocorre superposição. O aumento da amplitude

na

região internuclear indica que existe uma maior densidade de probabilidade entre

os

núcleos. Como um elétron que ocupa um orbital molecular é atraído por ambos

os

núcleos, ele tem energia menor do que quando está confinado ao orbital atômico

de

um átomo.

Além disso, como o elétron pode ocupar um volume maior do que quando está confinado a um único átomo, ele também tem energia cinética mais baixa.

O orbital resultante da combinação de orbitais atômicos que têm a menor energia

total é chamado de orbital ligante.

Quando „n‟ orbitais atômicos se superpõem, eles formam „n‟ orbitais moleculares.

A combinação de orbitais atômicos que tem a maior energia total é chamada de

orbital antiligante.

Os orbitais moleculares são formados pela combinação de orbitais atômicos:

quando os orbitais atômicos interferem construtivamente, formam-se orbitais ligantes, e quando interferem destrutivamente, formam orbitais antiligantes. ‘N’ orbitais atômicos combinam-se para dar ‘N’ orbitais moleculares.

2. Explique

porque

os

orbitais

atômicos

‘p’

geram

orbitais

moleculares

σ

(ligante),

π

(ligante),

σ*

(antiligante)

e

π*

(antiligante).

Átomos que têm orbitais 2s e 2p nas camadas de valência têm os orbitais moleculares construídos por sobreposição desses orbitais atômicos. Existem, no total, oito orbitais atômicos (um orbital 2s e três orbitais 2p em cada átomo), isto é, podemos construir oito orbitais moleculares. Os dois orbitais 2s se superpõem para formar dois orbitais moleculares em formato de “salsicha”, um ligante (orbital σ s ) e outro antiligante (orbital σ*). Os três orbitais 2p de cada átomo podem se superpor de duas maneiras diferentes. Os dois orbitais 2p direcionados ao longo do eixo internuclear formam um orbital ligante σ (σ p ) e um orbital antiligante σ* (σ p ). Os dois orbitais 2p perpendiculares ao eixo internuclear se superpõem lateralmente para formar um orbital π ligante e um antiligante.

3. Desenhe

a

forma

dos

orbitais

moleculares

(ligantes

e

antiligantes), formados pelos orbitais atômicos ‘s’ e ‘p’.

Desenhe a forma dos orbitais moleculares (ligantes e antiligantes), formados pelos orbitais atômicos ‘s’ e ‘p’.
Desenhe a forma dos orbitais moleculares (ligantes e antiligantes), formados pelos orbitais atômicos ‘s’ e ‘p’.

4. Diga por que a TOM pode explicar a cor das moléculas.

Os elétrons muito deslocados das grandes moléculas encontradas nas pétalas das flores, nos frutos e nos vegetais são os grandes responsáveis por suas cores. Como muitos átomos de carbono contribuem com orbitais „p‟ para os sistemas π dessas moléculas, existem muitos orbitais moleculares. Um elétron em um sistema π como o dessas moléculas é como uma partícula em uma caixa de dimensão muito grande. Como a “caixa” é muito grande, os níveis de energia são muito próximos. Nessas grandes moléculas, o Orbital Molecular Ocupado de Maior Energia (HOMO) está muito próximo, em termos de energia, Orbital Molecular Não Ocupado de Menor Energia (LUMO). Em consequência, a energia necessária para excitar um elétron do HOMO para o LUMO é muito pequena. Os fótons da luz visível têm energia suficiente para excitar os elétrons e a absorção da radiação resulta na cor que percebemos.

5. Existem alguns casos em que ocorre o diagrama de OM normal e invertido. Explique.

Diagramas invertidos se devem pelo fato de elétrons estarem ocupando o mesmo espaço. Ocorre interação σ. Os únicos orbitais moleculares que possuem o diagrama normal são: H 2 , He 2 , O 2 , F 2 , Ne 2 .

6. Diga,

através

da

TOM,

qual

o

número

de

elétrons

desemparelhados para as seguintes moléculas:

a)

O 2

-

da TOM, qual o número de elétrons desemparelhados para as seguintes moléculas: a) O 2 -

1 elétron desemparelhado.

OL O2-2 = nº de elétron do OM ligante nº elétron do OM ant. ligante / 2

OL O2-2 = 8 5 / 2

OL O2-2 = 3 / 2

OL O2-2 = 1,5

Configuração eletrônica = σs 2 σs* 2 σp 2 π 4 π* 3

HOMO = π*

LUMO = σp*

b)

O 2

+

σp 2 π 4 π* 3 HOMO = π* LUMO = σp* b) O 2 +

1 elétron desemparelhado.

OL O2+ = nº de elétron do OM ligante nº elétron do OM ant. ligante / 2

OL O2+ = 8 3 / 2

OL O2+ = 5 / 2

OL O2+ = 2,5

Configuração eletrônica = σs 2 σs* 2 σp 2 π 4 π* 1

HOMO = π*

LUMO = σp*

c)

CN

c) CN 1 elétron desemparelhado OL C N = nº de elétron do OM ligante –

1 elétron desemparelhado

OL CN = nº de elétron do OM ligante nº elétron do OM ant. ligante / 2

OL

OL

CN =

7 2 / 2

CN = 5

/ 2

OL CN = 2,5

Configuração eletrônica = σs 2 σs* 2 π 4 σp 1

HOMO = X

LUMO = X

d)

NO

d) NO 1 elétron desemparelhado. OL N O = nº de elétron do OM ligante –

1 elétron desemparelhado.

OL NO = nº de elétron do OM ligante nº elétron do OM ant. ligante / 2

OL

OL

NO =

8 3 / 2

NO = 5

/ 2

OL NO = 2,5

Configuração eletrônica = σs 2 σs* 2 π 4 σp 2 π* 1

HOMO = π*

LUMO = σp*

7.

Dê as ordens de ligação das seguintes moléculas:

a)

BeH 2

as ordens de ligação das seguintes moléculas: a) BeH 2 OL B e H 2 =

OL BeH2 = nº de elétron do OM ligante nº elétron do OM ant. ligante / 2

OL BeH2 = 4 0 / 2

OL BeH2 = 4 / 2

OL BeH2 = 2

H Be H

Configuração eletrônica = σs 2 σp 2

HOMO = σs

LUMO = σp

b)

CO 2

b) CO 2 OL C O 2 = nº de elétron do OM ligante – nº

OL CO2 = nº de elétron do OM ligante nº elétron do OM ant. ligante / 2

OL

CO2 =

8 0 / 2

OL

CO2 = 8

/ 2

OL CO2 = 4

O = C = O

Configuração eletrônica = σs 2 σp 2 π 4

HOMO = orbital não ligante

LUMO = π*

c)

Ar 2

c) Ar 2 OL A r 2 = nº de elétron do OM ligante – nº

OL Ar2 = nº de elétron do OM ligante nº elétron do OM ant. ligante / 2

OL Ar2 = 8 8 / 2

OL Ar2 = 0 / 2

OL Ar2 = 0

Não existe!!!

Configuração eletrônica = σs 2 σs* 2 π 4 σp 2 π* 4 σp* 2

HOMO = X

LUMO = X