Você está na página 1de 89

CAPÍTULO CINQUENTA Sua bondade repelida

2 Samuel 10

CAPÍTULO CINQUENTA Sua bondade repelida 2 Samuel 10 "Tenho visto fim a toda a perfeição, mas
CAPÍTULO CINQUENTA Sua bondade repelida 2 Samuel 10 "Tenho visto fim a toda a perfeição, mas
CAPÍTULO CINQUENTA Sua bondade repelida 2 Samuel 10 "Tenho visto fim a toda a perfeição, mas

"Tenho visto fim a toda a perfeição, mas o teu mandamento é amplíssimo" (Sl 119:96). A paráfrase Caldeia torna este verso: "Eu vi um final de todas as coisas sobre as quais eu empregadas meus cuidados, mas o teu mandamento é muito grande." A versão Siríaca lê, "Eu vi um final de todas as regiões e países (isto é, eu encontrei a bússola do mundo habitável para ser finito e limitado), mas o teu mandamento é de grande extensão." O contraste estabelecido pelo salmista está entre as obras da criatura e da Palavra do Criador. A mais perfeita das coisas do mundo são, mas imperfeito, o homem mesmo, em sua melhor condição, é "totalmente vaidade" (Sl 39:5). Podemos ver rapidamente "o fim" ou "o limite" das obras do homem, para o mais profundo produto da sabedoria humana, mas é raso, superficial e ter seus limites, mas é bem diferente com as Escrituras da Verdade.

"Mas o teu mandamento é amplíssimo." A participação da palavra da perfeição de seu Autor divino:

santidade, a inerrância infinitude e eternidade, são contadas entre suas qualidades maravilhosas. A Palavra de Deus é tão profunda que ninguém pode compreendê-lo (Sl 36:6), tão alto que é estabelecida no céu (Sl 119:89), desde que durará para sempre (1 Pe 1:23), assim amplíssimo que ninguém pode medi-lo, tão cheio que seu conteúdo nunca será esgotada. É como um armazém de rico tesouro espiritual, que não importa quantos recorrerem a ele, a riqueza do mesmo permanece inalterada. Ele tem em si como uma vastidão inconcebível da sabedoria, que não só versículo em que foi plenamente compreendido por qualquer homem. Não importa quantas pode ter escrito anteriormente sobre um determinado capítulo, o Espírito ainda pode revelar maravilhas e belezas em que nunca antes percebida.

Estamos agora a passar por cima de novo a mesma passagem que estava diante de nós em nosso último capítulo, mas desta vez é para ser considerada do ponto de vista totalmente diferente. Talvez algum comentário explicativo fosse chamado para, neste ponto, que nenhum de nossos leitores pode ficar confusos. Há muitas partes da Palavra que não só são capazes de várias aplicações legítimas, mas que requerem a ser ponderada a partir de ângulos distintos e separada. Muitas vezes o mesmo incidente que se manifesta a bondade ea graça de Deus, também exibe a depravação e do pecado do homem. Muitas partes da vida de Sansão fornecer mais marcantes pré-figurações de Cristo, mas ao mesmo tempo, vemos neles as falhas graves do próprio Sansão. O mesmo princípio duplo é exemplificado na vida de outros personagens importantes do Antigo Testamento. Em vez de ser confundido assim, vamos sim admirar a sabedoria daquele que reuniu as coisas tão diversas.

Moisés cometeu um erro, infelizmente, quando, em vez de responder prontamente com confiança até o chamado do Senhor para ele dar a conhecer o seu pedido a Faraó, ele deu lugar à incredulidade e expressou uma objeção após outra (Ex. 3 e 4), no entanto no mesmo podemos perceber uma exemplificação linda da auto desconfiança daqueles chamados a ministrar nas coisas divinas, e seu senso de inadequação e indignidade absoluta. As duas coisas são bastante diferentes, embora sejam encontrados em um único e mesmo incidente: o fracasso pessoal de Moisés, mas sua falha muito fornecendo um tipo abençoado de humildade o verdadeiro servo de Deus. Aquilo que se encontra em 2 Samuel 10 proporciona um paralelo: a ação de Davi em expressar sua condolência ao rei de Amom fornece um belo tipo de Cristo enviando Seus servos com uma mensagem de conforto para os pecadores, ainda, como veremos, a partir de um pessoal de ponto de vista, a conduta de Davi era a culpa.

A mesma coisa é visto novamente em conexão com Jonas. Temos própria autoridade do Senhor para considerá-lo como um tipo ou "sinal" de si mesmo (Mt 12:39,40), e fez isso maravilhosamente prenunciam o profeta Salvador em muitos detalhes diferentes. Mas que em modo algum altera ou milita contra o fato de que,

como lemos a história pessoal de Jonas, encontramos alguns pecados graves registrados contra ele. Que não

parece estranho, então, se o nosso presente exposição de 2 Samuel 10 difere tão radicalmente o nosso tratamento de que em nosso último capítulo: não há "contradição" entre os dois capítulos, em vez disso, eles abordam o mesmo incidente a partir de dois amplamente separados ângulos. A nossa justificação para fazê-lo, reside no fato de que o incidente é descrito em termos idênticos em 1 Crônicas 19, mas o seu contexto,

é bastante diferente de 2 Samuel 9.

Nesta ocasião, em vez de admirar o belo quadro típico que 2 Samuel 10 conjuntos por diante, vamos analisar o comportamento pessoal do David, procurando levar a sério as lições e advertências que os inculca mesmos. "E aconteceu que, depois disso, que o rei dos filhos de Amom, morreu, e seu filho Hanum reinou em seu lugar. Então disse Davi: Eu me Hanum, filho de Naás, como seu pai usou de bondade para mim . E Davi enviou para confortá-lo pela mão dos seus servos de seu pai "(vv. 1, 2).

Na tentativa de chegar ao ensino prático destes versos, a primeira pergunta que precisa ser ponderado

é, por isso que Davi enviou os seus servos com uma mensagem de conforto para o rei de Amom? Qual foi o

motivo que o levou? Não é resposta suficiente para responder, a bondade do seu coração, para que apenas muda

a forma do nosso inquérito para, Por que ele deveria determinar para mostrar benevolência para com o chefe dessa tribo pagã? E como é que vamos descobrir a resposta a nossa pergunta? Ao observar cuidadosamente o

contexto: este tempo, o contexto de 1 Crônicas 19, que é o mesmo que o remotas contexto em 2 Samuel durante

1 Crônicas 18 é paralelo com 2 Samuel 9. E o que encontramos lá? David envolver na guerra, subjugando os

filisteus (2 Sam. 8:1), os moabitas (v. 2), Hadadezer (v. 3), os sírios (v. 5), colocando guarnições em Edom, e colocar em ordem o assuntos de seu reino (vv. 15-IS).

Depois de se envolver em combates tanto, parece que David agora desejava uma temporada de descanso. Esta afirmação é corroborada pelo que nos é dito no primeiro versículo do próximo capítulo: "E sucedeu que, após o ano foi expirado, no momento em que os reis saem à guerra, Davi enviou Joabe, e seus

servos com ele, e todo o Israel. e eles destruíram os filhos de Amã, e sitiaram Rabá, mas David permaneceu ainda em Jerusalém "(2 Sam 11:1.). Assim, à luz do contexto imediato, antes e depois do que está registrado em

2 Samuel 10 e 1 Crônicas 19, parece claro que David está enviando uma mensagem de conforto para Hanun

após a morte de seu pai era um movimento diplomático em sua parte para assegurar a paz entre os amonitas e Israel. Em outras palavras, reduzido aos primeiros princípios, que era uma tentativa de promover a amizade

entre os ímpios e os piedosos. O Senhor soprou sobre este movimento, e que causou a se dissipar.

Adúlteros e adúlteras não sabem vós que a amizade do mundo é inimizade contra Deus? (Tiago 4:4). Sim, podemos saber que, em teoria, mas, infelizmente, quantas vezes nós desobedecê-la na prática. Deus requer que Seu povo seja separado do mundo, para sermos peregrinos e forasteiros nela, não ter familiaridade com seus súditos, para recusar todos os "garfos" com eles. E não é que tanto o justo e necessário? Que sociedade pode haver entre aqueles que amam o Seu Filho e aqueles que o odeiam? entre aqueles que estão sujeitos ao Seu cetro e aqueles que estão em aliança com Satanás? No entanto, evidente como é este princípio, como retardar muitos de nós conformarmos os nossos caminhos para as suas necessidades! Como somos propensos a flertar com aqueles que são os inimigos de Deus.

Mas se nós somos descuidados e desobedientes, Deus é fiel. Em Seu amor por nós, Ele muitas vezes faz com que os mundanos para repelir os nossos avanços amigáveis, ao interpretar erroneamente os nossos aberturas gentilmente, a desprezar, ironizar e nos insultar. Se não vamos continuar o nosso lado da linha que Deus traçou entre o reino do Seu Filho e do reino de Satanás, então não devemos ficar surpresos se Ele emprega os ímpios para nos expulsar de seu território. Nisto reside a chave, meu leitor, para muitos uma experiência dolorosa que muitas vezes confunde o cristão. Por que um Deus justo sofre me para receber o tratamento injusto e cruel como daqueles que desejam ser "bom"? Deus permite que "inimizade", que Ele colocou entre a semente da serpente ea semente da mulher para estourar contra o último, porque eles estavam se tornando muito íntimo com o primeiro.

Não é só que Deus nos repreende por ter ignorado a linha que Ele tem feito entre o mundo e da Igreja, mas que é nosso proveito espiritual que Ele projeta para promover. "Sabemos que todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o Seu propósito" (Rom. 8:28).Sim, leitor cristão, e que "todas as coisas" inclui o distanciamento atual de algumas pessoas não salvas que já foram amigável para você, que "todas as coisas" inclui a frieza de parentes sem Cristo, a atitude indelicada de vizinhos, a frieza de quem trabalha lado a lado com você no escritório, loja, ou workshop. Deus vê o perigo,se não o fizer! Por causa do Seu amor por você, Ele impede que o tornar-se atraído para alianças com aqueles cuja influência iria dificultar muito o seu crescimento na graça. Então, ao invés de atrito contra a atitude de seus companheiros, agradecer ao Senhor por Sua fidelidade.

Contra o que foi dito acima se pode objetar, mas você certamente não quer dizer que, em sua separação do mundo, o cristão deve ser antissocial e viver como um eremita, ou que Deus requer de nós a ser incivil e sombrio em direção ao nosso companheiro de criaturas, não, caro leitor, que não é o nosso significado. Somos obrigados a ser "lamentável" e "cortês" (1 Pedro 3:8), e para "fazer o bem a todos, especialmente, àqueles que são da família da fé" (Gl 6:10). Além disso, o cristão deve ser vigilante contra a suposição de um "eu sou mais santo do que tu" atitude em relação a seus semelhantes. No entanto, há uma diferença real entre uma conduta respeitosa e gentil para com os não crentes, e uma intimidade indevida com eles, tornando amigos íntimos deles.

Pode ser ainda objetou, mas no caso de Davi, que era adequado e necessário para ele agir como agiu, pois o versículo 2 afirma expressamente que o pai Hanun de bondade para com ele. Então, não teria sido ingratidão se David não conseguiu fazer um retorno adequado? Exatamente o que era a natureza dessa “bondade", que Naás, o rei dos amonitas, tinha mostrado David, a Escritura não nos informa, e, portanto, a especulação é inútil. Mas se Davi tinha procurado algum favor dele, como ele fez de Aquis, filho do rei de Gate (1 Sam. 27:1-7), então ele era culpado de desviar da vocação e lugar privilegiado de uma cuja dependência deve estar no Deus vivo sozinho. Quando for o caso, quando colocamos a nossa confiança no homem e magra sobre a criatura, não devemos ficar surpresos se repreensões de Deus e folhas nossas esperanças carnais.

Há um princípio aqui envolvido que é importante para nós ser clara em cima, mas cuja aplicação é susceptível de exercer aqueles que são de uma consciência sensível. Até que ponto é lícito para o cristão para receber favores dos incrédulos? Algo depende da relação dado a ele por aquele que profere, algo sobre o provável motivo para ser acionar o proferido; algo sobre a natureza do que é oferecido. Obviamente, o cristão nunca deve aceitar qualquer coisa de quem não tem o direito à apresentação de propostas que, um funcionário desonesto, por exemplo. Nem ele deve aceitar qualquer coisa que a Palavra de Deus condena, tal como um vestido indecente, um bilhete para o teatro, etc firmemente que ele deve recusar qualquer favor que lhe traria a obrigação de um mundano: é a este ponto que Satanás muitas vezes procura iludir o crente por trazê-lo sob o poder dos ímpios através tornando-se em dívida para com eles.

Mas ainda que não seja informado de como e quando Naás tinha amizade com David, o Espírito Santo tem colocado no registro de um incidente que revela o caráter deste rei: "Então Naás, amonita, e sitiou a Jabes-Gileade: e todo o homem de Jabes disse a Naás: Faze aliança conosco, e nós te serviremos. E Naás, o amonita respondeu-lhes: Com esta condição farei aliança convosco, para que eu afastasse todos os seus olhos direito e colocá-lo para um opróbrio sobre todo o Israel "(1 Sam. 11:1, 2). Por que, então, deve David agora mostrar respeito até a memória daquele que evidenciaram-se um inimigo tão cruel do povo de Deus!Não poderia ser qualquer espiritual princípio que atuava rei de Israel nesta ocasião. Uma palavra clara para a nossa orientação em relação aqueles que são os inimigos declarados de Deus nos é dada em "Devias tu ajudar o ímpio, e amar aqueles que odeiam o Senhor!" (Cr 2. 19:2)

Mas não é só no caso de o personagem do mal de Naás restringiram David de mostrar respeito à sua memória, mas a raça a que pertencia deveria ter sido uma barreira de separação. Ele era um amonita, e, como tal, sob o interdito do Senhor, porque a nação havia se recusado a atender os filhos de Israel "com pão e água no caminho, quando eles saíram da terra do Egito", e eles juntamente com os moabitas (porque eles haviam contratado Balaão contra eles) foram impedidos de entrar na congregação do Senhor, até a sua décima geração

(Dt. 23:3, 4). Mas mais: tanto sobre os amonitas e moabitas a Deus expressamente proibida, "tu nãoprocurarás nem paz nem suas boas todos os teus dias para sempre "(Dt 23:6). David, então, desobedeceu o mandamento claro de Deus nesta ocasião.

Quanto à possibilidade ou não David conhecia pessoalmente com o estatuto especial divina, não podemos dizer. Provavelmente, o único pensamento em sua mente era diplomaticamente a tempo seu esforço para assegurar a paz entre as duas nações. Mas Deus soprou sobre o seu esquema político, e assim deu o aviso ao seu povo por todas as gerações que apenas decepção e irritação podem ser esperadas a partir de suas tentativas para cortejar a amizade dos ímpios. "E os príncipes dos filhos de Amom disseram a Hanum seu senhor, não pensas tu que acaso David honra teu pai, que ele enviou consoladores a ti? Tem David vez enviou os seus servos a ti, para pesquisar a cidade, e para espionar-lo, e para derrubá-lo? (2 Sam 10:3.). Mentes traiçoeiras sempre suspeitar de outras pessoas de perfídia.

"Pelo que Hanum tomou os servos de Davi, e raspou a metade de suas barbas, e cortou as vestes no

meio, até as nádegas, e os despediu" (v. 4). E por que Deus permitiu que os príncipes a interpretar erradamente

a bondade de Davi, seu rei e para segui-las e agora insultar David por esta desonra seus embaixadores? Porque

Ele tinha planos muito diferentes do que o Seu servo. Estes homens tinham enchido "medida" da sua iniquidade (Gênesis 15:16, Mateus 23:32): os seus corações estavam maduros para a ruína, e, portanto, foram eles

endureceram a sua destruição (11:1). Deus não tinha esquecido o que é registrado em 1 Samuel 11:1, 2, embora tenha ocorrido muitos anos antes. Suas fábricas "moem devagar", mas no final, "eles moagem superior a pequena."

CAPÍTULO CINQUENTA E UM Sua queda mortal

2 Samuel 11

CAPÍTULO CINQUENTA E UM Sua queda mortal 2 Samuel 11 Uma tarefa difícil e mais desagradável
CAPÍTULO CINQUENTA E UM Sua queda mortal 2 Samuel 11 Uma tarefa difícil e mais desagradável
CAPÍTULO CINQUENTA E UM Sua queda mortal 2 Samuel 11 Uma tarefa difícil e mais desagradável

Uma tarefa difícil e mais desagradável agora nos confronta: para contemplar e comentar sobre a mais escura mancha de tudo no caráter justo de Davi. Mas quem somos nós, tão cheio de pecado em nós mesmos, indigno de desatar os sapatos, tomar sobre nós a sentar-se em juízo sobre o suave salmista de Israel. Certamente não iria escolher este assunto de escolha pessoal, pois nos proporciona nenhum prazer de contemplar um santo eminente de Deus sujando-se na lama do mal. O que pode ser ativado para poder abordá-lo com verdadeira humildade, na lágrima e tremor, lembrando que "como em Respondeu água face a face, assim o coração do homem ao homem." Só então podemos esperar para tirar qualquer lucro da nossa leitura, o mesmo se aplica para o leitor. Antes de prosseguir, deixe cada um de nós pedirmos a Deus que nossos corações temor pela cena solene, que é estar diante de nós.

Deve ser para a glória de Deus e nosso lucro que o Espírito Santo colocou no registro esta conta da queda de medo de Davi, caso contrário não teria sido dado um lugar permanente nas páginas imperecíveis das Sagradas Escrituras. Mas, a fim de retirar qualquer bem do que para as nossas almas, é certamente necessário que nos aproximamos desse triste incidente com uma mente sóbria e num espírito de mansidão ", considerando

a nós mesmos, para que nós também tentado" (Gálatas 6:1 ). Este registro inspirado deve ser considerado como

um farol divino, avisando-nos das rochas sobre a qual a vida de Davi foi destruída, como um sinal de perigo, oferecendo-nos estar em guarda, para que eu, através da vigilância, experimentar uma calamidade semelhante Vista. Assim, há lições valiosas a ser aprendida, instrução que vai ficar-nos em boa posição, se ser humildes apropriadas.

A queda medo de David fornece uma exemplificação concreta de muitas declarações solenes das Escrituras sobre a natureza eo caráter do homem caído. Seu ensino em relação à depravação humana é muito

pontudo e desagradável, e muitas vezes tem sido feito é um assunto de brincadeira profana por zombadores ímpios.Tais declarações como: "a imaginação do coração do homem é má desde a sua mocidade" (Gn 8:21), "o coração é enganoso acima de todas as coisas, e desesperadamente corrupto" (Jr 17:9), "na minha carne habita nenhuma coisa boa "(Rom. 7:18), são altamente censurável ao orgulho humano, mas a verdade deles não pode ser negado. Temerosos e proibindo assim como tais descrições do homem caído, no entanto, sua precisão é ilustrado e demonstrado uma e outra vez na vida dos personagens bíblicos, bem como no mundo de hoje.

Toda razão, se disse que, "Uma das demonstrações mais impressionantes da verdade da Bíblia é sua revelação não vacila e denúncia do pecado, no seguidor professado em Deus Ele esconde nada. Pelo contrário, ele puxa de lado o véu e. revela tudo Ela perdoa nada, em vez disso, ele quer pronuncia a terrível ira de Deus contra o culpado, ou grava os seus juízos que caem sobre o pecador infeliz, mesmo com a terceira e quarta geração (Êxodo 34:7).

"Ele exalta Noé como um pregador da justiça em uma geração má e violenta, com fidelidade igual ele

registra sua bebedeira e vergonha (Gn 9:20, 21) Abraão é colocado diante de nós como um homem de fé Na

fome, em vez de esperar em silêncio a Deus, ele desce para o Egito. Uma vez lá, ele convence a

mulher tem para deturpar o seu relacionamento com ele, e através dos riscos falsidade atuaram sua paz e sua própria (Gênesis 12:12, 13) . Lote cai depois de sua libertação de Sodoma, e através do amor de vinho é submetido à luxúria de suas filhas devassa. Arão e Miriam estão cheios de inveja e falam maldosamente contra Moisés, seu irmão. Moisés fala imprudentemente com seus lábios, e é afastados da terra da promessa. A luz

hora do

branca das ondas de verdade em cada página, e as falhas, as loucuras, os pecados e iniquidades imperdoáveis daqueles que se chamam as pessoas e servos de Deus, são vistos em todas as suas formas repulsivas " (IHM).

Assim foi no caso trágico agora diante de nós. A conduta medo de Davi nos revela com nitidez terrível que não só é o homem natural uma criatura caída e depravada, mas também que o homem redimido e regenerado está sujeito a cair no mal mais hediondo, sim, a menos que Deus tem o prazer de soberanamente interpõem, vigilância por parte do crente é certo para a emissão de consequências altamente desonrando ao Senhor e terrivelmente prejudicial para si mesmo. Isto é o que acima de tudo faz parte de nosso presente tão indizivelmente solene: aqui vemos os desejos da carne permitido pleno domínio não por um homem do mundo, mas por um membro da família da fé, aqui vemos um santo, eminente em santidade, em um momento de descuido, surpreendido, seduzido e levados cativos pelo diabo. A "carne" no crente não é diferente e não há melhor do que a carne em um incrédulo!

Sim, o suave salmista de Israel, que gozam de tal comunhão longa e íntima com Deus, ainda tinha a "carne" dentro dele, e porque ele não mortificar suas paixões, ele agora arremessadas para fora as alegrias da comunhão divina, contaminaram a sua consciência, arruinou a prosperidade de sua alma, derrubou sobre si mesmo (para todos os seus anos restantes) uma tempestade de calamidades, e fez o seu nome e de religião um alvo para as flechas de sarcasmo e blasfêmia de cada nova geração. Cada alegação de que Deus tinha sobre ele, todas as obrigações de seu alto cargo, todas as cercas que a misericórdia divina lhe tinha fornecido, foram brutalmente pisoteadas pelo desejo ardente agora queimando nele. Aquele que no dia da sua angústia exclamou:

"Minha alma tem sede de Deus, do Deus vivo" (Sl. 42:2) agora cobiçou um objeto proibido. Infelizmente, o que é o homem? Verdadeiramente "o homem em sua melhor condição é totalmente vaidade" (Sl 39:5).

Mas como é que vamos dar conta de queda com medo de Davi? Por que foi que ele sucumbiu tão rapidamente na presença da tentação? O que foi que levou até e ocasionou seu pecado hediondo? Estas questões são capazes de uma resposta dupla, de acordo como os vemos à luz da soberania alta de Deus ou a responsabilidade do homem, para o presente devemos considerá-los a partir do último ponto de vista. E é aqui que devemos obter a ajuda mais prático para as nossas próprias almas, é em traçar a relação entre castigos de Deus eo que os ocasiona, entre os pecados dos homens e que leva até eles, que descobrimos o que é mais essencial para nós leigos para o coração. As razões pelas quais Abraão "iam para baixo ao Egito "são revelados no contexto. Negação de Pedro de Cristo pode ser rastreada até sua autoconfiança em seguir o seu Mestre "de longe". E, como veremos, o registro divino nos permite reconstituir a queda de Davi volta para as fontes que ocasionaram.

"E sucedeu que, após o ano foi expirado, no momento em que os reis saem à guerra, Davi enviou

Joabe, e seus servos com ele, e todo o Israel, e eles destruíram os filhos de Amom, e cercaram Rabá. Mas David ficou em Jerusalém E sucedeu que, numa tarde, Davi se levantou do seu leito, e andava passeando no terraço da

casa do rei, e do terraço viu uma mulher se lavando, e que a mulher era

enviado a indagar a mulher e um deles disse: Não é Bate-Seba, filha de Eliã, mulher de Urias, o hitita E Davi

enviou mensageiros, e levou-a,.? e ela veio a ele , e ele se deitou com ela, pois já estava purificada da sua imundícia, e ela voltou para sua casa "(2 Sam 11:1-4.). Não podemos fazer melhor do que procurar para preencher o esboço de Matthew Henry sobre estes versos: primeiro, as ocasiões de pecado esta, em segundo lugar, os passos do pecado, em terceiro lugar, os agravos do pecado.

bonita de se olhar E Davi

As ocasiões de ou o que levaram à queda medo de Davi são claramente insinuado nos versos acima. Começamos a perceber a marca de geada aqui mencionada: "E aconteceu que após o ano foi expirado, no momento em que os reis saem à guerra" (v. 1), o que significa, na estação da primavera, depois do inverno é longo. Após o período de inatividade forçada, após o retorno do clima favorável, as atividades militares contra os amonitas foram retomadas: Joabe eo exército saiu, "Mas Davi ficou em Jerusalém." Sinistro "Mas", observando a desaprovação do Espírito na conduta do rei. Aqui está a primeira chave que explica o que se segue, e fazemos bem para pesá-lo com atenção, pois é gravado "para a nossa aprendizagem "e alerta Reduzido

a seus termos mais simples, o que está aqui significado é o fracasso de Davi para seguir o caminho do dever .

É óbvio que neste momento o rei local a quem está acostumado até então (ver 10:17), estava à frente de seus guerreiros, levando-os para a derrubada dos inimigos de Israel. Se ele tivesse saído lutando as batalhas do Senhor, ele não tinha sido objeto da tentação que em breve o confrontou. Pode parecer uma questão insignificante aos nossos olhos que o rei deve permanecer em Jerusalém: em caso afirmativo, ele mostra que, infelizmente, não conseguem ver as coisas na sua perspectiva adequada-nunca é um assunto insignificante a abandonar o cargo de obrigação, que ser posto a mais servil um. O fato é que não podemos contar com a proteção divina quando abandonamos o caminho do dever. Essa era a força dos nossos Salvadores responder quando o diabo pediu-lhe que lançou-se do pináculo do templo, que não estava no caminho de sua dever, daí o seu "tu não tentarás o Senhor teu Deus."

David relaxado quando ele deveria ter cingido à espada: ele preferiu o luxo do palácio para as dificuldades do campo de batalha. Ah, é tão fácil de seguir a linha de menor resistência. Exige graça (buscou diligentemente) para "suportar a dureza como um bom soldado de Jesus Cristo" (2 Tim 2:3.). Ai que David não conseguiu tirar proveito de uma falha anterior ao longo desta mesma linha: quando ele tinha procurado descanso entre os filisteus em uma data anterior, ele caiu facilmente em pecado (1. Sam 21:13), por isso foi agora, quando ele procurou facilidade em Jerusalém. O princípio importante aqui para o cristão leigo para o coração é, David tinha tirado a armadura, e, portanto, ele estava sem proteção, quando o inimigo atacou. Ah, meu leitor, neste mundo há lugar para descansar em, mas sim é a arena onde a fé tem de travar a sua luta, e essa luta é certo que será uma perda, se desconsiderarmos que a exortação "Revesti-vos de toda a armadura de Deus , para que sejais capazes de permanecer firmes contra as astutas ciladas do diabo "(Ef 6:11).

"E aconteceu que, numa tarde, Davi se levantou do seu leito, e andava passeando no terraço da casa do rei." Aqui é a segunda coisa para nos observar: não só tinha David evitado o posto de dever, mas ele era culpado de preguiça. Não foi o sono da noite que o Espírito aqui toma conhecimento, por que era tarde da noite quando ele "se levantou "-foi a tarde que ele havia perdido na autoluxuria. David não conseguiu resgatar o tempo: ele não estava comprometido com a busca de ser útil a outros, ou para melhorar a si mesmo. A preguiça dá grande vantagem ao tentador: era "enquanto os homens dormiam", que o inimigo veio e semeou o joio no meio do trigo ". (Mateus 13:29) Está escrito:" A mão do diligentes dominará (em medida, sobre seus desejos), mas o indolente será tributário "(Prov. 12:24).

Que palavra é esta: "Passei pelo campo do do preguiçoso, e junto à vinha do homem falto de entendimento, e, eis que tudo estava cheio de espinhos, urtigas e cobriu o rosto dela, e da pedra muro foi

quebrado para baixo "(Prov. 24:30, 31). Será que o leitor não percebe o espiritual significado disto:. O "campo"

é a sua vida, abra antes de tudo, a vinha "(propriedade privada) é o seu coração E que estado se encontram: por

negligência ociosa, preenchido com o que . é detestável para Deus e inútil para os homens "Então vi, e considerou-o bem: eu olhava, e recebeu instrução" (v. 32) Não. nós? Será que a isso o coração dela e lucro quando vemos assim muitas vidas arruinadas e infrutífero em torno de nós, arruinados pela espiritual indolência. "Ainda um pouco de sono, um sono pouco, um pouco para cruzar as mãos em repouso; Assim será a tua pobreza como um que, ea tua necessidade como um homem armado" (vv. 33, 34), não são esses versos um comentário solene em 2 Samuel 11:2!

"E a partir do terraço viu uma mulher se lavando, e era esta mulher mui formosa à vista." Aqui é a terceira coisa: a . Olho vagando Em Isaías 33:15 e 16 nos é dito sobre o que "fecha os olhos para não ver o mal, ele deve habitar nas alturas, o seu lugar de defesa serão as fortalezas das rochas. " Infelizmente, isso é o que David não fez: em vez disso, ele sofreu os olhos para lidar com um objeto atraente, mas proibido. Entre suas orações foi esta petição, "Desvia os meus olhos de contemplarem a vaidade" (Sl 119:37), mas não podemos esperar que Deus responda se nós deliberadamente espionar a privacidade dos outros. Passamos agora a considerar os passos reais neste outono.

"E Davi enviado a indagar a mulher." Ele propôs agora para satisfazer a sua luxúria. Ele, que disse certa vez "eu vai me comportar com sabedoria de uma forma perfeita ó Tu quando vierem a mim? vou andar dentro da minha casa com um coração perfeito eu. vai definir coisa má diante dos meus olhos: Eu odeio o trabalho de daqueles que se desviam, não se apagará a mim Um coração perverso se apartará de mim:

eu. não conhecerei o mal "(Salmo 101:2-4), agora determinado a cometer adultério. Note-se a repetir "eu" na passagem acima, e aprender dela o quanto a "vontade" do homem vale a pena!

"E Davi enviado a indagar a mulher. E um deles disse: Não é Bate-Seba, filha de Eliã, mulher de Urias, o hitita?" Aqui estava calma deliberação e premeditação por parte de Davi. Aqui também era uma interposição misericordiosa da parte de Deus, pois um dos servos reis se atreveu a lembrar do seu mestre real que a mulher que ele estava perguntando era sobre a mulher de outro. Com que frequência o Senhor em sua graça e fidelidade lugar algum obstáculo em nosso caminho, quando estamos planejando algo que é mau aos Seus olhos! É isso que torna o nosso pecado muito pior, quando desafiadoramente romper qualquer cobertura que a providência de Deus coloca sobre nós. O que podemos chamar de volta com um arrepio quando tais obstáculos confrontar-nos, e não correr cegamente como um boi para o abate.

"E Davi enviou mensageiros, e levou-a, e ela veio a ele, e ele se deitou com ela." A ordem é muito solene: primeiro "viu" (v. 2), então ele "enviado a indagar" (v. 3), e agora ", ele se deitou com ela." Mas isso não nos dá o retrato completo: nós precisamos voltar ao versículo 1, a fim de tomar em toda a cena, e como fazemos isso, obtemos uma ilustração vívida e solene do que é declarado em Tiago 1:14, 15. Primeiro, David foi "desviada de seu desejo" de vontade carnal e indolência, em segundo lugar, ele foi, então, "seduzido", pela visão de uma bela mulher, em terceiro lugar ", então quando a luxúria havia concebido que trouxe à luz o pecado", que premeditada de adultério e, como a sequela terrível mostra, "o pecado, quando foi terminado trouxe a morte "-o assassinato de Urias, seu marido.

Os agravos de seu pecado foram marcados e muito. Primeiro, David não era mais um jovem de sangue quente, mas um homem cerca de cinquenta anos de idade.Segundo, ele não era um homem único, mas um que já teve várias esposas de seu próprio seio é enfatizado no capítulo 12:8, quando Deus enviou o profeta para acusá-lo de sua maldade. Terceiro, ele tinha filhos, que tinha quase atingido a idade de masculinidade: o exemplo, um terrível para um pai colocou diante deles! Em quarto lugar, ele era o rei de Israel, e, portanto, a obrigação de ligação para definir diante de seus súditos um padrão de justiça. Quinta, Urias, o homem a quem ele tão gravemente ofendido, foi mesmo assim arriscando sua vida em serviço do rei. E acima de tudo, ele era um filho de Deus e, como tal, sob títulos para honrar e glorificar o Seu nome.

CAPÍTULO CINQUENTA DOIS Seu terrível pecado

2 Samuel 11

2 Samuel 11 Nos Salmos de David dois personagens muito diferentes vêm antes de nós novamente
2 Samuel 11 Nos Salmos de David dois personagens muito diferentes vêm antes de nós novamente
2 Samuel 11 Nos Salmos de David dois personagens muito diferentes vêm antes de nós novamente

Nos Salmos de David dois personagens muito diferentes vêm antes de nós novamente e novamente. Em alguns dos Salmos não é expressa as tristezas de quem é conscientemente justo, sofrendo as afrontas dos ímpios, mas a garantia de força em Deus, e ansiosa para que a plenitude da alegria que está em sua mão direita. Em outros Salmos ouvimos os soluços de uma condenada consciência, um coração profundamente exercido sobre transgressão pessoal, buscando a misericórdia divina, e sendo concedido um sentimento abençoado pela suficiência infinita da graça divina para atender sua necessidade profunda. Agora, estes dois caracteres nos Salmos correspondem às duas principais etapas na vida de David como retratadas, respectivamente, nos livros primeiro e segundo Samuel. Em 1 Samuel vemos que ele trouxe da obscuridade para honra e paz, confirmado pelo Deus na justiça em meio à perseguição dos ímpios. No último contemplá-Lo descendente de honra, através do pecado, em degradação e tumulto, ainda lá aprendendo as riquezas surpreendentes da graça divina para suportar e perdoar aquele que caiu em profundo lamaçal tal.

Solene na verdade é o contrário de David apresentou nos dois livros de Samuel: no primeiro ele é conquistador do poderoso Golias: na segunda, ele é dominado por suas próprias paixões. Agora, os pecados dos servos de Deus são registrados para a nossa instrução: não para nós abrigar-se atrás e usar para amenizar nossas próprias ofensas, mas para nós leigos para o coração e buscar com todas as nossas forças para evitar. O meio mais eficaz contra os nossos repetidos seus pecados é para evitar essas coisas que levam até elas ou ocasião. No capítulo anterior que apontou que a queda medo David foi precedida por três coisas: a imposição de lado de sua armadura ao mesmo tempo em que era seu dever para cingir a espada; a entregando-se a facilidade preguiçosa no palácio, quando ele deveria ter sido dureza duradoura como um soldado no campo de batalha, o que permite de um olho vagando de me debruçar sobre um objeto ilegal, quando deveria tê-la longe de contemplarem a vaidade.

"Vigiai e orai, para que não entreis em tentação: O espírito está pronto, mas a carne é fraca" (Mateus 26:41). Oração de si não é suficiente: não tenham cumprido totalmente o nosso dever, quando pedimos a Deus que não nos deixeis cair em tentação, mas livrai-nos do mal. Temos de "vigiar", estar em alerta, observando a direção de nossos desejos, o caráter de nossos motivos, a tendência das coisas que podem ser lícitas em si mesmas, a influência de nossas associações. É o nosso homem interior que mais precisamos para assistir:

"Guarda o teu coração com toda diligência, pois dele procedem as fontes da vida" (Pv 4:23). Então, se formos fiéis e diligentes em "ver", de um sentimento de nossa fraqueza pessoal e insuficiência, é para "orar", contando com a ajuda de nosso bom Deus a realizar para nós."Orar" sem "ver" é apenas para zombam de Deus, buscando

a engavetar a nossa responsabilidade.

A oração nunca foi designada por Deus como um substituto para o esforço pessoal e dedicação, mas

sim como um complemento aos mesmos para buscar a graça divina para que nos permitam ser obediente e fiel. "Continuar na oração, e assistir na mesma com ações de graças "(Cl 4:2). Deus não apenas nos obrigam a "observar" antes de orar, mas também estamos a "assistir" imediatamente depois. E novamente nós dizemos, o que mais precisamos para assistir é a nós mesmos. Há um traidor dentro do nosso próprio peito, sempre pronto

e desejoso de trair-nos se permitiu a oportunidade de fazê-lo. Quem pensou que alguém como David jamais iria experimentar uma queda terrível como ele tinha! Ah, meu leitor, nem mesmo uma caminhada íntima com Deus,

ou uma longa vida de piedade eminente, vai erradicar ou mesmo mudar a natureza pecaminosa que ainda habita no santo. Enquanto estamos neste mundo nunca estamos fora do alcance da tentação, e nada além de vigilância

e oração vai proteger-nos dela.

Também não é fácil dizer o quão baixo um verdadeiro filho de Deus pode cair, nem o quanto ele pode afundar na lama, uma vez que ele permite que os desejos da carne o seu jogo livre. O pecado é insaciável: ela nunca está satisfeito. Sua natureza é arrastar-nos mais e mais, ficando mais e mais ousado em sua oposição a Deus: e por Sua graça, mas recuperá-la nos levaria até o próprio inferno. Levou a Israel: descrente no Mar Vermelho, murmurando no deserto, a criação do bezerro idólatra no Sinai. Olhe para o curso de cristandade,

conforme descrito em Apocalipse 2 e 3: início, deixando o seu primeiro amor, acabando por se tornar tão misturado com o mundo que Cristo ameaçou vomitar la fora de sua boca. Assim foi com Davi: de colocar em seu leito de permitir que seus olhos a vagar, de olhar em Bate-Seba ter cometido adultério com ela, do adultério ao assassinato, e depois afundando em morte espiritual de tal forma que durante um ano inteiro ele ficou impenitente, até um mensageiro expresso de Deus era necessária para o despertar do seu torpor.

"E a mulher concebeu e mandou dizer a Davi, e disse. Estou grávida" (2 Sam 11:5.). Cedo ou tarde o homem ou a mulher que deliberadamente desafia Deus e Suas leis sob os pés pisa encontra a partir da experiência dolorosa que "o caminho dos prevaricadores é difícil" (Prov. 13:15). É verdade que o castigo final dos ímpios é no outro mundo, e é verdade que há anos alguns rebeldes ousadas parecem zombar de Deus com impugnity, no entanto, seu governo é tal que, mesmo nesta vida, que geralmente são feitas a colher como eles semearam. Os prazeres do pecado são apenas "Para uma época" (Hb 11:25), e uma muito breve, que: no entanto, "no passado que morde como uma serpente e ferrão como uma víbora" (Prov. 23:32) . Não se engane sobre este ponto, caro leitor: "Certifique-se de seus pecados vos há de achar" (Nm 32:23). Fê-lo com David e Bate-Seba, pois agora o dia do julgamento teve de ser enfrentado.

A pena para o adultério era a morte: "E o homem que adulterar com a mulher de outro homem, mesmo aquele que adulterar com a mulher do seu próximo, o adúltero ea adúltera, certamente será morto" (Levítico 20:10). Bate-Seba agora teve bons motivos para temer a justa ira de seu marido, eo cumprimento da sentença medo da lei. David, também, foi confrontado com sérios problemas: o único com quem ele havia tido relações sexuais ilícitas estava grávida, e seu marido tinha sido fora de casa por algum tempo. As obras ocultas das trevas deve em breve ser forçado para a luz para quando Urias voltou a infidelidade de sua esposa seriam descobertos. Isso lhe daria o direito de tê-la apedrejado, e apesar de David, em virtude de sua alta posição como rei, pode escapar de um destino semelhante, mas era provável que a culpa seria proclamada no exterior e uma revolta geral se levanta contra ele . Mas triste como era a situação difícil em que David se encontrava agora, ainda mais triste foi a medida que ele recorreu a na tentativa de livrar-se.

Antes de assumir os detalhes horríveis na narrativa inspirada, vamos primeiro tentar obter uma idéia geral do que se segue, pedindo o leitor a ir mais de 2 Samuel 11:6-21 antes de continuar com os nossos comentários. Não houve sede de sangue de Urias por parte de Davi: foi só depois de todos os seus esforços carnais não conseguiu usar Urias na cobertura de seu próprio pecado, que o rei recorreu a medidas extremas. Outro antes de nós apontou o paralelo terrível que aqui se obtém entre David e Pilatos. O governador romano não tinha sede do sangue do Salvador, em vez recorreu a um expediente após o outro, de modo a preservar sua vida, e só depois os não tinha, ele deu sua sanção oficial para a crucificação do Senhor Jesus. Ai que o suave salmista de Israel deve aqui encontrar-se na mesma classe com Pilatos, mas a carne no crente não é diferente da carne no incrédulo, e quando permitido o seu caminho em que emite as mesmas obras em ambos.

Mas a analogia entre David e Pilatos é ainda mais estreita. O que foi que fez Davi sacrificar Urias, a fim de proteger a si mesmo? Foi o seu amor do mundo, sua determinação de preservar o seu lugar ea sua reputação entre os homens a todo custo. O amor de seu nome exposto no mundo resolveu que sob nenhuma circunstância ele seria marcado como um adúltero, então o que estava no caminho devem ser removidos. Ele inventados vários expedientes para preservar seu caráter, mas estes estavam confusos, assim como a concupiscência dos olhos levou a adultério com Bate-Seba, agora o orgulho da vida dele incitou ao assassinato de seu marido. E não era o mesmo de Pilatos? Ele não tinha projetos assassinos contra Cristo, mas ele colocou seu próprio crédito aos olhos dos homens antes de tudo: ele era amigo do César mundo amigo e ao invés de arriscar qualquer violação em que a amizade Jesus devia morrer.

"E enviou Davi a Joabe, dizendo: Envia-me Urias, o hitita. E Joabe mandou Urias a Davi" (v. 6). Não era para o Senhor que David agora se virou: Ele não parece ter sido em seus pensamentos em tudo. Nem é quando o pecado ganhou ascendência sobre o santo. Ai que estamos tão lento, tão relutante, para acertar as coisas com Deus, pelo arrependimento sincero e humilde confissão quando tivermos descontentes e desonrou. Não, David era muito mais ansioso para esconder seu crime e escapar das conseqüências temporais do mesmo, que ele foi buscar o perdão do Senhor seu Deus. Isso também é registrada para nossa instrução. Está

escrito: "Aquele que encobre as suas transgressões, nunca prosperará" (Pv 28:13), e não há exceção a essa regra-O que a graça divina causaria cada um de nós colocá-lo para o coração e agir sobre ela. Só Deus sabe quantos dos seus próprios povos estão agora sob a Sua vara correção, são magras em suas almas e sem alegria em seus corações, por causa da falha neste ponto muito.

Recusa de acertar as coisas com Deus e nossos semelhantes, confessando nossos pecados a um e (até onde se encontra em nosso poder) fazer a restituição para o outro, dá a Satanás uma grande vantagem sobre nós. Uma consciência culpada aliena o coração de Deus, de modo que já não é capaz de contar com sua proteção, o Espírito é entristecido e retém a Sua graça, para que o entendimento é incapaz de ver as coisas em sua luz. A alma é, então, em tal estado que as mentiras de Satanás são aceitáveis para ela, e então todo o curso da conduta é mais ou menos regulado por ele. Carnal conspiração toma o lugar de buscar a sabedoria de sobre descrição, alta e malandragem suplantar abertura e honestidade, e autointeresse absorver todas as energias ao invés de buscar a glória de Deus eo bem dos outros. Este sai claramente na sequência deplorável aqui: todas as ações de Davi mostram agora que ele foi acionado por Satanás e não dominada pelo Espírito Santo.

"E quando Urias viera a ele, David exigiu dele como passava Joabe, e como estava o povo, e como ia a guerra" (v. 7). Tendo sido chamado de volta a partir da cena de luta, Urias foi dada uma audiência com o David, sob o pretexto de fornecer seu mestre real, com um relato preciso de como as hostilidades foram prosseguir. Na realidade, essas investigações do rei eram apenas uma cortina para cobrir o seu real desejo em ter enviado para o marido de Bate-Seba.Aparentemente, David desejava transmitir a Urias a impressão de que ele tinha mais confiança em sua palavra sobre o andamento da guerra do que qualquer outro em Israel. Mas é bastante claro do que se segue que David tinha chamado Urias para casa para um propósito muito diferente. Como pouco se sabe os motivos daqueles que nos fazer perguntas, e como cabe-nos a atenção que a exortação de " não colocar a sua confiança nos príncipes "(Sl 146:3).

"E disse Davi a Urias: Desce a tua casa, e lava os teus pés" (v. 8). Este projeto torna mais claro o segredo do rei de convocação de Urias a Jerusalém. David estava determinado a se poupar a vergonha do seu tornar-se conhecido que ele era culpado de adultério com Bate-Seba, ea única maneira em que essa poderia ser evitada se, obtendo o marido de volta para passar uma noite ou duas em casa, para que a criança pode ser pai dele. "E Urias, saindo da casa do rei, e seguia-o uma confusão de carne do rei" (v. 8). David estava ansioso que aquele que ele projetou para agir como uma capa para o seu próprio pecado deve se sentir livre para desfrutar plenamente a licença breve já lhe concedeu. Mais uma vez dizemos, como ignorante, muitas vezes, são os desenhos sutis de alguns que podem expressar boa vontade para conosco por seus presentes.

"Mas Urias dormiu à porta da casa do rei, com todos os servos de seu senhor, e não desceu à sua casa" (v. 9). Como muitas vezes os sistemas mais bem elaborados de homens se encontram com a decepção. Foi assim com a tentativa de Abraão na obtenção de Sarah para posar como sua irmã, era assim com os esforços de Jonas, para evitar a pregar para os ninivitas, era isso aqui. David foi abortado: ele não tinha conseguido estimar corretamente as qualidades esterlinas do homem com quem estava lidando. Urias não foi o único a dar lugar à autoindulgência, enquanto seus irmãos estavam sofrendo as agruras de uma campanha, militar. E esta não deve falar alto aos nossos corações? São os dias em que nós estamos vivendo de forma que os cristãos são justificados na busca de facilidade e satisfação carnal?

"E quando contaram a Davi, dizendo: Urias não desceu à sua casa, disse Davi a Urias, tu não vinhas da tua viagem? Por que então não fizeste descer em tua casa?"(V. 10). Em vez de elogiar a Urias para seu altruísmo nobre, a metade rei o repreendeu. Mas David não podia aprovar a conduta de Urias sem condenar a sua própria. Ah, meu leitor, os que criticam aqueles que vivem como "estrangeiros e peregrinos" nesta cena (e eles são poucos em número neste degenerar geração), chamando-os "rigorosos", "certinha", "extremistas", " puritana, "fazer, mas dar-se afastado. Aqueles que praticam a autonegação são espinhos nos lados aqueles que desejam "fazer o melhor dos dois mundos", de favorecer aos seus desejos carnais.

"E disse Urias a Davi: A arca, e Israel, e Judá estão em tendas, e Joabe, meu senhor e os servos de meu senhor estão acampados no campo; e entrarei eu na minha casa, para comer e para beber, e para me deitar com

minha mulher? - Como vives tu, e vive a tua alma, eu não farei tal coisa "(v. 11). O que uma repreensão foi essa! O Senhor e seu povo nos campos abertos, envolvendo os inimigos de Israel, David em casa em seu palácio, desfrutando de sua facilidade e fazendo a vontade da natureza. Como essas palavras nobres de Urias deve ter derretido o coração de Davi! Como eles devem ter ferido sua consciência por ter produzido de maneira tão vil para suas paixões pecaminosas e para ofender tão gravemente, na sua ausência, um assunto tão leal! Mas, infelizmente, onde o coração não está mais preocupado com Deus a glória, é incapaz de receber correção ou repreensão de semelhante. David estava cheio de orgulho da reputação e do medo do homem, e estava determinado a fazer Urias servir para ele como uma tela a partir do olhar do público.

"E disse Davi a Urias: Fica ainda hoje aqui e amanhã eu te despedirei. Urias ficou em Jerusalém aquele dia eo seguinte" (v. 12). Quando o coração está inteiramente disposto a fazer o mal, ele se recusa a ser intimidados por dificuldades: se um método de obtenção do fim cobiçado falhar, ele tentará outra. Ai que a mesma determinação persistente não caracterizar-nos quando estamos buscando o que é bom: a facilidade com que estamos desanimados, então! Paciência é uma virtude, mas é prostituída para uma extremidade da base, quando utilizado em um curso mal. Assim, foi agora: David se recusou a admitir a derrota, e esperava que, mantendo Urias em Jerusalém um pouco mais, seu desejo base pode ser realizado.

"E quando David o tinha chamado, ele comeu e bebeu diante dele, e fez-lhe bêbado" (v. 13). Até que ponto terrível pecado pode levar um santo, uma vez que ele entra no caminho descendente. O plano de que David já recorreu à era horrível na verdade, deliberadamente se esforçando para fazer o Urias fiel quebrar a sua promessa no versículo 11. Como é triste ver agora o tentador David de Urias embriaguez, na esperança de que, enquanto seu sangue era aquecido, ele iria para casa com sua esposa. Mas novamente ele não conseguiu: "E, mesmo que ele saiu a deitar em sua cama com os servos de seu senhor, mas não desceu a sua casa "(v. 13). Como este desconcertante de seus planos devem ter despertado a consciência de Davi dormir, pois, manifestamente, as providências de Deus estavam trabalhando contra ele. Pior ainda foi a seguir: isso, devemos deixar para o nosso próximo capítulo.

CAPÍTULO CINQUENTA E TRÊS Seu terrível pecado (Continuação)

2 Samuel 11

E TRÊS Seu terrível pecado (Continuação) 2 Samuel 11 Queda com medo de Davi a cometer
E TRÊS Seu terrível pecado (Continuação) 2 Samuel 11 Queda com medo de Davi a cometer
E TRÊS Seu terrível pecado (Continuação) 2 Samuel 11 Queda com medo de Davi a cometer

Queda com medo de Davi a cometer adultério com Bate-Seba foi agora seguida por um crime ainda mais odioso. Seu filho ilegal, logo a nascer, ele procurou o pai sobre Urias, mas seus esforços fracassaram. A situação desesperadora agora confrontá-lo. Ele sabia que se viveu Urias, ele deve descobrir a infidelidade de sua esposa, e isso o rei estava determinado a evitar a todo custo. Mesmo que isso significasse acrescentando pecado a pecado e afundando mais profundamente na lama do mal, David deve preservar a sua reputação diante dos homens, aqui, mais uma vez, vemos a semelhança entre ele e Pilatos: cada um deles procurou preservar o sangue inocente e do mundo (a posição de honra no mesmo) para si mesmo, ao mesmo tempo, e rendeu o primeiro para o segundo quando não podia tanto ser mantido-a "soberba da vida" foi tão forte que para mantê- lo, a morte do outro não foi escrúpulos contra.

Uma vez um homem, apesar de ele ser um crente, ignora as reivindicações de Deus, ele é bastante susceptível de ignorar as reivindicações da amizade humana. Foi assim no caso triste aqui antes de nós. David agora não encolheu de ir a todo o comprimento. Primeiro, ele tinha tentado Urias para quebrar o seu voto (2 Sam. 11:11). Em segundo lugar, ele tinha se esforçado para fazê-lo bêbado (11:13). E agora ele deliberadamente planejou a morte de seu tema dedicado. Ele tinha, sim, que o sangue inocente é derramado, e

todo o seu exército ser ameaçado com a derrota, do que seu próprio bom nome deve ser feito um escândalo. Veja o que o pecado comprimentos incrível irá insistir até mesmo um filho de Deus, uma vez que ceda aos seus clamores: adultério agora ocasionado assassinato! O meu leitor, o que é real é a necessidade de pedir a Deus para que você possa "passar o tempo da vossa peregrinação em temor "(1 Pedro 1:17)!

"Quando um homem tem, até agora dado lugar ao diabo, não só como a cometer pecados escandalosos, mas para usar os meios espertos e base de escondê-los, e com perspectiva de ter certeza de que o todo exposto à opinião pública, o que impediria seu ser empurrado para frente, a mesma influência e pelos mesmos motivos, a malícia, traição e assassinato, até que os crimes se multiplicam e ampliado para além do cálculo, e até toda a consideração mais nobre é extinto? "(Thomas Scott). Assim foi aqui: não importa o que aconteceu, David estava decidido a manter sua própria reputação. Prova segura de que este era, na época, ele foi completamente dominado por Satanás, como é demonstrado por essas palavras "para que a ser levantada com orgulho, que ele não caia na condenação do diabo "(1 Tm. 3:6). Como devemos orar para que Deus misericordiosamente esconder o orgulho de "nós (Jó 33:17)!

Outra prova de que David era então completamente nas malhas de Satanás, pode ser visto nas táticas sutis e vis a que ele já recorreu. Completamente determinada para cobrir seu pecado terrível de adultério por cometer maldade ainda maior, ele resolveu ter pobre Urias colocou para fora do caminho. "Aquele homem inocente, valente e corajoso, que estava pronto para morrer pela honra seu príncipe deve morrer pela mão do príncipe" (Matthew Henry). Sim, mas não diretamente, David era muito esperto para isso, e muito ansioso para preservar seu bom nome perante os homens. Ele não iria matar Urias pela sua própria mão, nem mesmo oferecer seus servos assassiná-lo, pois sua reputação tinha sido destruída por tal passo. Ele, portanto, recorrer a uma medida mais serpentina, que, embora oculta sua própria mão, não era menos atroz. A bravura de Urias e seu zelo para este país sugeriu ao rei o método de envio dele.

E sucedeu que pela manhã, Davi escreveu uma carta a Joabe, e mandou-lha por mão de Urias. E ele

escreveu na carta, dizendo: Ponde Urias na frente da maior força da peleja, e retirai-vos dele, que ele pode ser ferido e morra "(2 Sam. 11:14, 15). Com sangue-frio deliberação David escreveu um bilhete ao comandante de seu exército, ordenando-lhe a estação de seu soldado fiel, no lugar onde ele seria o mais exposto aos assaltos do inimigo, e então deixá-lo ao seu destino cruel. carta do rei, decretando sua morte, foi realizada por Urias si mesmo, e entregue a Joabe. O general fez o que seu mestre havia ordenado, e Urias foi morto. plano abominável de Davi conseguiu, e aquele cuja acusações de que ele tanto temia, agora ficou em silêncio na morte comprometido com uma sepultura honrosa, enquanto honra o seu assassino foi manchada enquanto este mundo durar.

Este terrível pecado de Davi foi mais descontraído ao seu cargo por Deus do que qualquer outro que ele cometeu: não só devido à sua gravidade, e porque deu oportunidade para muitos de seus inimigos para blasfemar, mas também porque era mais uma deliberada e premeditada o crime de uma enfermidade involuntário agindo de repente. Como muitos de seus fracassos são deixados no registro: sua mentira para

Aimeleque (. 1 Sam 21:2), sua dissimulação perante o rei de Gate (1. Sam 21:12), sua erupção juram destruir

33), o incrédulo "I devem perecer um dia na mão de Saul" (1 Sam 27:1), sua injustiça em

Nabal (1 Sm 25. :

matéria de Mefibosete e Ziba (2 Sam 16:4), sua indulgência de Absalão, sua numeração do povo (2 Sm 24.); ainda depois de sua morte, Deus disse: "Davi fez o que era reto aos olhos do Senhor, e não se desviou de tudo o que Ele ordenou em todos os dias da sua vida , senão só no caso de Urias, o hitita "(1 Reis 15:5).

A sequela imediata é tão triste e terrível como é que acaba de ser diante de nós. Quando ele recebeu a

notícia de que sua trama vil tinha conseguido, David insensivelmente disse ao mensageiro: "Assim dirás a Joabe: Deixa essa coisa não te desagradar, pois a espada devora tanto um como o outro" (v. 25). Não houve escrúpulos que um apoiou leal tinha sido cruelmente assassinados, nenhum horror do coração em sua própria culpa em relação ao mesmo, sem pesar que os outros além de Urias tivessem sido sacrificado por seu crime, em vez disso, ele fingiu que era, mas "a sorte de guerra, e ser levada estoicamente. Desconsiderando o massacre

de seus soldados, David elogiou Joabe sobre a execução de sua ordem abomináveis, e ordenou o retorno mensageiro "e incentiva-lo.”.

"E quando a mulher de Urias ouviu que Urias seu marido estava morto, lamentou a seu marido" (v. 26). O que uma paródia vil! Só Deus sabe quantas vezes o "luto" para fora sobre o falecido, mas é um véu hipócrita para cobrir a satisfação de coração para se livrar de sua presença. Mesmo nos casos em que não seja o caso, o novo casamento rápida das viúvas e viúvos chorando indica quão superficial era a sua tristeza. E quando passado o luto, mandou Davi recolhê-la a sua casa, e ela se tornou sua esposa, e lhe deu um filho. Mas o que Davi fez desagradou ao Senhor "(v. 27). Davi agradou a si mesmo, mas tinha cruelmente desagradou ao Senhor!" Que ninguém, portanto, incentivar-se em pecado com o exemplo de Davi, para se pecado como ele que, eles vão cair sob o desprazer de Deus como ele fez "(Matthew Henry).

A pergunta foi feita, pode uma pessoa que tem essa comissão crimes atrozes, e por tanto tempo permanece impenitente, ser de fato um filho de Deus, um membro ou de Cristo, templo do Espírito Santo, e herdeiro da glória eterna? Pode-se despertar do divino como existe um extinto em tal oceano do mal? “Se partimos para o nosso próprio julgamento nu para tornar resposta, provavelmente até o último de nós prontamente respondo que não, uma coisa é impensável”. No entanto, na clara luz da Sagrada Escritura, é claro que essas coisas são possíveis. Mais tarde, David tornou evidente que ele era uma pessoa verdadeiramente regenerada pela sinceridade e profundidade de sua contrição e confissão. No entanto, diga-se que, o homem não enquanto culpado de tais pecados, e antes que ele realmente se arrepende da mesma, pode ter qualquer evidência justificável concluir que ele é um crente. sim, tudo aponta para o contrário Embora a graça não possa ser perdida em um caso tão horrível, consolação divina e garantia é suspensa.

Mas agora surge a pergunta: Por que Deus permite David a cair tão baixo e tão terrivelmente o pecado? A primeira resposta deve ser, para exibir sua alta e imponente soberania. Aqui nos aproximamos do solo que é realmente difícil para nós a trilhar, mesmo com os pés chocados. No entanto, não pode ser negado que há uma exibição maravilhosa e soberana da graça do Senhor para com seu povo a este respeito, tanto antes de sua vocação e depois. Alguns dos eleitos estão autorizados a pecar mais gravemente em seu estado não convertido, enquanto outros deles, mesmo em seus dias não regenerados, são maravilhosamente preservado. Mais uma vez, alguns dos eleitos após a sua conversão foram divinamente permitido terrivelmente cair nas impiedades mais horríveis, enquanto outros deles são tão preservados como nunca pecar deliberadamente contra as suas consciências a partir da primeira condenação à muito perto de suas vidas (Condensado da SE Pierce em Oséias 14:1).

Este é um grande mistério, que seria mais impiedoso para nós tentar intrometer-se: "Mesmo assim, ó Pai, porque em vez devemos curvar nossas cabeças antes que ele e dizer, então . que parecer bem aos teus olhos " É um fato solene, da qual não há fugir, que algum pecado mais antes de sua conversão, e algum pecado (especialmente aqueles que são salvos no início da vida) pior após a sua conversão. É também um fato evidente que, com algum Deus santos mais manifesta a Sua graça de restrição, e com os outros o seu perdão graça. Três coisas devem ser constantemente ter em mente em relação com os pecados ou os santos. Deus nunca se refere ao pecado como uma bagatela: é sempre aquela coisa abominável que Ele odeia (Jer. 44:4). Em segundo lugar, nunca é para ser dispensado ou atenuada por nós. Terceiro, os Deuses soberania nele deve ser reconhecido: o que pode levantar dificuldades diante de nossas mentes, vamos manter contato com o passado que Deus faz o que Lhe agrada, e "nunca dá conta" de suas ações (Jó 33:13).

Uma segunda resposta para a pergunta, Por que Deus permite que David a cair de modo admirável e pecar tão gravemente? Pode ser: que poderíamos ter definido diante de nossos olhos o mais claramente o fato terrível que "o coração é enganoso acima de todas as coisas, e desesperadamente corrupto" (Jeremias 17:9). Inequivocamente claro como é o significado dessas palavras, ditas por ele que não pode mentir, mas como muito lento que todos nós somos para realmente recebê-los pelo seu valor de face, e reconhecer que eles descrevem com precisão o estado natural de todo ser humano de coração que da Jesus Cristo homem sozinho isentos. Mas Deus fez mais do que fazer esta simples afirmação: Ele colocou no registro em ilustrações Sua Palavra, exemplificações, demonstrações de sua veracidade, nomeadamente para nos permitir ver a maldade indescritível que ainda permanece no coração de Davi!

Terceiro, pelo sofrimento David a cair e pecar como ele fez, Deus deu graciosamente um aviso mais solene aos crentes em meio de vida e os cristãos mais velhos também. "Muitos conquistadores foram arruinados por seu descuido depois de uma vitória, e muitos foram feridos espiritualmente depois de grandes sucessos contra o pecado de Davi era assim,. Sua surpreendente e grande pecado foi depois de um longo profissão, múltiplas experiências de Deus, e mantendo-se vigilantes de . E sua iniquidade, portanto, em particular, tem que vir a acontecer que a profissão de muitos tem diminuído na terceira idade ou o tempo mais madura: eles deram sobre o trabalho de mortificar o pecado antes . seu trabalho estava no fim Não há nenhuma maneira para nós a perseguir o pecado na sua habitação insondáveis, mas por ser infinito em nossa busca. O mandamento de Deus dá em Colossenses 3:5 é tão necessário para que observem que estão no final da sua raça, como aqueles que são, mas no início dela "(John Owen).

Em quarto lugar, a queda medo de David abriu caminho para uma exibição da maravilhosa graça de Deus na recuperação de seu povo caídos. Se somos lentos para receber o que as Escrituras ensinam sobre a depravação do coração humano e da pecaminosidade do pecado, estamos igualmente lentos para realmente acreditar no que ela revela sobre o pacto fidelidade de Deus, a eficácia do sangue de Cristo para purificar a mancha daqueles para quem foi derramado, ea graça super abundante d'Aquele que é "o Pai das misericórdias." Nunca tinha Davi pecou tão gravemente e afundado tão baixo, ele nunca tinha conhecido aquelas profundezas infinitas de misericórdia que há no coração de Deus. Da mesma forma, teve o seu terrível pecado, sua confissão de coração partido subsequente, e por Deus, nunca foi colocado sobre registro divino não, alguns do povo de Deus ao longo dos séculos tinha afundado em desespero abjeto.

Em quinto lugar, a fornecer um fatal tropeço aos rebeldes flagrantes. "É certo que milhares através de sucessivas gerações têm, por esta queda de" o homem segundo o coração de Deus, "foi prejudicado contra a religião verdadeira, endurecido em infidelidade, ou em negrito na blasfêmia, enquanto outros têm dali tomadas ocasião para cometer maldade habitual em uma profissão religiosa, e com confiança presunçosa, para o ainda maior descrédito do Evangelho Convém, no entanto, ser considerada, que todos estes têm sido, anteriormente, tanto inimigos abertos para a verdadeira religião, ou pretendentes hipócritas para ele:. e é o propósito de Deus justo, que os blocos de tropeço deve ser jogado no meio de tais homens, para que possam 'tropeçar e cair, e ser rosnou, e tomadas, e perecem: "É a Sua santa vontade, portanto, para detectar o segredo malignidade dos seus corações, e para abrir caminho para a exibição de sua justiça na condenação. Por outro lado, milhares de pessoas, de idade em idade, tem por este exemplo horrível sido tornado mais desconfiado de si mesmo, mais vigilante, mais medo da tentação, mais dependentes do Senhor, e mais fervor na oração, e por meio da queda de Davi, têm, eles próprios, foi preservado de cair "(Thomas Scott).

Deus, então, tinha razões sábios e suficientes, tanto para permitir David para o pecado tão horrendo e pela colocação do mesmo em cima registro imperecível. Nem tem qualquer opositor ou desprezador da verdade qualquer fundamento só para perguntar desdenhosamente está os frutos da graça e da fé? Nós respondemos:

Não, eles não são, em vez disso, eles é horrível às obras da carne, a sujeira que as questões da natureza humana corrompida. Quão forte deve ser essas inclinações para o mal, quando, às vezes, conseguem superar as oposições de verdade e de habitação graça no coração de um santo eminente de Deus! E, à luz do contexto (2 Sam 11:1, 2). Como os cabe assistir contra os começos de negligência e vender indulgência, e manter a uma distância máxima de que precipício sobre o qual David caiu, pedindo a Deus que pode agradar a Deus param nos livrar de todos os objetos proibidos.

Mas este incidente representa outra dificuldade para alguns, ou seja, como harmonizá-la com a

declaração feita em 1 João 3:15: "Vós sabeis que todo assassino não tem a vida eterna permanente em si." É realmente surpreendente que tantos tiveram problemas em conciliar isso com o caso de Davi: como de costume,

a dificuldade é auto criado através de ignorar o contexto. Em 1 João 3:11, o apóstolo retoma o tema dos cristãos

o amor uns pelos outros, através do qual eles fazem manifesto que eles são irmãos em Cristo. O mundo (1) não ama-los (2) odeia (3) irá matá-los sempre que se atrevem como Caim e Abel. Mas nenhum cristão real tem tal ódio em seu coração contra qualquer "irmão" em Cristo. Nem teve Davi. Urias não era israelita, mas um

Em conclusão, vamos apontar algumas das lições solenes que podemos aprender com este incidente triste. 1. Cuidado com os primórdios do pecado: quem imaginava que, tendo sua vontade quando ele deveria ter sido no posto do dever no campo de batalha, levou ao adultério e terminou em assassinato? 2. Veja como recusa a colocar um direito sério errado, preferindo esconder a confissão, dá a Satanás uma grande vantagem sobre nós, para levar em ainda pior o mal! 3. Aprenda daí que não há segurança em anos, e que nenhum passado comunhão com Deus vai proteger-nos contra as tentações quando somos descuidados em presente. 4.Como inconstante é a pobre natureza humana: coração doeu a Davi quando ele cortado a orla de Saul, mas mais tarde ele deliberadamente planejado o assassinato de Urias. 5. Marque o orgulho comprimentos medo vai para a fim de manter uma reputação diante dos homens. 6. Vede como insensível o coração se tornará uma vez que os esforços de consciência são desconsiderados. 7. Embora possamos ter sucesso em escapar da ira de nossos companheiros, o pecado sempre se encontra com o desagrado do Senhor.

CAPÍTULO CINQUENTA E QUATRO Sua convicção

2 Samuel 12

CAPÍTULO CINQUENTA E QUATRO Sua convicção 2 Samuel 12 Um intervalo de alguns meses decorrido entre
CAPÍTULO CINQUENTA E QUATRO Sua convicção 2 Samuel 12 Um intervalo de alguns meses decorrido entre
CAPÍTULO CINQUENTA E QUATRO Sua convicção 2 Samuel 12 Um intervalo de alguns meses decorrido entre

Um intervalo de alguns meses decorrido entre o que é gravado em 2 Samuel 11 e que se encontra no início do capítulo 12. Durante este intervalo, David era livre para aproveitar ao máximo o que ele havia adquirido através de seu delito. O único obstáculo que estava no caminho da indulgência livre de sua paixão foi removido; Bate-Seba agora era sua. Aparentemente, o rei, em seu palácio, foi seguro e imune. Até agora não houve intervenção de Deus em juízo, e ao longo desses meses David permaneceu impenitente pelos crimes terríveis que cometeu. Ai, como maçante a consciência de um santo pode se tornar. Mas se David ficou satisfeito com a consumação de seus planos vis, houve Um que estava descontente. Os olhos de Deus marcou a sua má conduta, ea justiça divina não passar por ela. "Estas coisas tens feito, e eu me calei", mas Ele acrescenta:

"mas eu vou te repreenda, e colocá-las em ordem diante dos teus olhos" (Sl 50:21).

Deus pode sofrer o seu povo para satisfazer os desejos da carne e cair em pecado grave, mas Ele não

permitirá que eles permaneçam satisfeitos e felizes em tal caso, ". O caminho dos prevaricadores é difícil", e eles são feitos para provar que Em Jó 20, o Espírito Santo tem pintado uma imagem gráfica da miséria vivida pelo malfeitor. "Ainda que o mal lhe seja doce na boca, embora esconda debaixo da sua língua, ainda que poupá-lo e abandoná-lo não, mas mantê-la ainda dentro de sua boca: ainda sua carne em suas entranhas é ligado, é o fel de áspides . dentro dele Ele tem Engoliu riquezas, e ele deve vomitá-los novamente:. Deus deve

expulsá-los do seu ventre Ele deve sugar o veneno de víboras: a língua víbora deve matá-lo

Deve ir mal com

ele que é ficar na sua tenda. O céu revelarão a sua iniquidade "(vv. 12-16, 26, 27). Notadamente é este o caso com apóstatas, pois Deus não zombou com impugnity.

Os prazeres grosseiros do pecado não pode conteúdo muito um filho de Deus. Foi realmente disse que "Ninguém compra um prazer passar pouco mal em tão caro uma taxa, ou o mantém tão curto espaço de tempo, como um bom homem." A consciência dos justos logo se reafirma e faz com que sua voz desconcertante ouvido. Ele pode ainda estar longe de ser o verdadeiro arrependimento, mas ele vai logo experimentar remorso

vivo. Meses antes, ele pode passar de novo goza de comunhão com Deus, mas auto-rejeição rapidamente encher sua alma. O santo tem que pagar um preço terrivelmente alto para desfrutar "os prazeres do pecado por algum tempo." As águas roubadas podem ser doces por um momento, mas a rapidez com que a sua "boca está

Fez-me

desolado: Ele tem me encheu de amargura

cheia de cascalho" (Prov. 20:17). Logo, o culpado tem que gritar, "Ele fez minha cadeia pesada

Tu tens a minha alma longe da paz" (Lm 3: 7, 11, 15, 17).

Embora o historiador inspirado não descrevesse a miséria da alma de Davi após o assassinato de Urias, mas podemos obter uma visão clara do mesmo a partir dos Salmos escritos por ele após a sua convicção e

profunda contrição. Os Salmos falam de um fechamento sombrio de sua boca: "quando eu me calei" (32:3). Embora seu coração deva ter ferido muitas vezes ele, mas ele não quis falar com Deus sobre seu pecado, e não havia mais nada que ele pudesse falar. Eles falam da perturbação interior e tumulto que He encheu:

"Meus ossos envelheceu através do meu bramido o dia todo “(32:3): gemidos de remorso foram arrancados seu coração ainda intacto”. "Porque de dia e noite a tua mão pesava sobre mim" (v. 4)-um sentido da santidade divina e poder oprimia, apesar de não derretê-lo.

Mesmo um palácio pode pagar nenhum alívio até aquele que está cheio de remorso amargo. Um rei pode comandar seus súditos, mas ele não pode silenciar a voz da consciência ultrajada. Não importa se o sol da manhã estava brilhando ou os tons de ainda estavam em queda, não havia escapatória para David. "Dia e noite" mão pesada de Deus pondera-los: "minha umidade se tornou em sequidão de estio" (ele declarou em v. 4)-era como se algum ferro aquecida foi escaldante ele: todo o orvalho eo frescor de sua vida secou. Muito provavelmente ele sofreu intensamente no corpo e na alma. "Assim, ele arrastou através de um cansado anos de vergonha de seu namorico culpado, infeliz em sua autoacusação, com medo de Deus, e escondendo-se nos recessos de seu palácio a partir da visão das pessoas.

“David aprendeu”, o que todos nós aprendemos (eo homem mais santo, mais rápida e drasticamente a lição segue as pegadas de seu pecado), que toda transgressão é um erro, que nunca temos a satisfação que esperamos de qualquer pecado, ou se o fizermos, nós temos algo com ele que estraga tudo. A droga nauseante é adicionada à bebida excitante, inebriante, que oferece a tentação, e apesar de seu sabor é a primeira disfarçado pelo sabor agradável do pecado, a sua amargura é persistente apesar de lento, e se apega ao paladar muito tempo depois que desapareceu completamente “(Alexander Maclaren)”. Com igual clareza que isso aparece no Salmo 51: "Restitui-me a alegria da tua salvação" (v. 12), grita ele, para o conforto espiritual tinha inteiramente abandonado. "Abre, Senhor, Tu meus lábios, ea minha boca deve mostrar o teu louvor" (v. 15): a poeira ruim pairou sobre as cordas de sua harpa, porque o Espírito dentro entristeceu-se.

Como poderia ser de outra forma? Enquanto David se recusou a se humilhar sob a poderosa mão de Deus, pedindo-lhe um espírito de verdadeiro arrependimento, e livremente confessando a sua maldade, não poderia haver mais paz para ele, não há comunhão mais feliz com Deus, sem um maior crescimento na graça. Ó meu leitor, nós sinceramente pressiona-los a grande importância de manter contas a Deus. Não deixe acumular culpa sobre a tua consciência: torná-lo um ponto de cada noite de espalhar diante dEle os pecados do dia, e procurando ser daí limpos . Qualquer grande pecado mentir longa sobre a consciência, sem arrependimento, ou não se arrependeu do que o assunto requer, apenas reforça nossas corrupções residentes: negligência faz com que o coração seja endurecido."As minhas chagas cheiram mal e são corruptos porque da minha loucura "(Sl. 38:5): foi sua negligência tolo para fazer uma aplicação a tempo da para a cura das feridas que o pecado tinha feito, que ele não lamenta.

No final de 2 Samuel 11, lemos: "Mas o que Davi fez desagradou ao Senhor", em que Matthew Henry diz. "Alguém poderia pensar que deveria ter seguido que o Senhor enviou inimigos para invadir ele, terrores para tomar posse, e os mensageiros da morte para prendê-lo Não, Ele enviou um. profeta para ele "-" E o Senhor enviou Natã a Davi "(12:1). Estamos aqui para ver as abundantes riquezas da graça e da misericórdia divina: essas "riquezas" que os corações legais e auto-justos têm murmuravam, como uma luz que faz do pecado, tão incapaz é o homem natural de discernir as coisas espirituais: eles são " insensatez "a ele. David tinha andado muito, mas ele não foi perdido. "Embora a queda justo", ainda está escrito ", ele não deve ele prostrado "(Salmo 37:24). Ó, como carinhosamente Deus cuida de Suas ovelhas! Como fielmente Ele vai atrás e recupera-los, quando eles se desviaram! Com que bondade incrível que Ele cure suas rebeldias, e continuar a amá-los livremente!

"E o Senhor enviou Natã a Davi" (12:1). É para ser devidamente notado que não era David quem enviou para o profeta, mas nunca que ele mais precisa desesperadamente o seu advogado, do que agora. Não, foi Deus quem tomou a iniciativa: é sempre assim, pois nunca buscá-Lo, até que Ele nos procura. Foi assim com Moisés, quando um fugitivo em Midiã, com Elias quando foge de Jezabel, com Jonas sob a árvore de zimbro, com Pedro após sua negação (1 Cor. 15:5). Ó maravilha isso! Como ele deve derreter nossos

corações. "Se não acreditar, mas Ele permanece fiel: não pode negar a si mesmo "(2 Tm 2:13.). Embora Ele diz:

"Eu visitarei a sua transgressão com a vara, ea sua iniquidade com açoites." é menos uma vez acrescentou:

"Não obstante minha misericórdia não me retirarei totalmente dele, nem sofrer minha fidelidade ao fracasso" (Sl 89:32, 33). Por isso, foi aqui: David ainda tinha interesse em que a aliança eterna "em tudo bem ordenado e seguro" (2 Sam 23:05.).

"E o Senhor enviou Natã a Davi." Provavelmente cerca de um ano havia decorrido o que está registrado no início do capítulo anterior, para que a criança já nasceu adúltera (12:14). Corretamente fez Matthew Henry apontar "Embora Deus pode sofrer o seu povo a cair em pecado, Ele não vai sofrer o seu povo a mentir ainda nela." Não, Deus vai expor sua santidade. Sua justiça e Sua misericórdia em relação a eles. Sua santidade, exibindo seu ódio contra o mesmo, e por trazer o culpado para penitentemente confessá-lo. Sua justiça. na correção visitou em cima dele, Sua misericórdia, na liderança do infiel a abandoná-lo, e então dar o Seu perdão a ele. O que um exercício maravilhoso e abençoado de seus atributos variados! "Por causa da iniquidade da sua avareza me indignei, eo feri; escondi-me, e se indignou, e ele continuou mas rebelde no caminho do seu coração Tenho visto os seus caminhos, e vai. curá-lo (!): Vou levá-lo também e restaurar o conforto a ele "(Isaías 57:17,18).

"E o Senhor enviou Natã a Davi." A tarefa do profeta estava longe de ser invejável: para encontrar o rei culpado sozinho, cara a cara. Ainda David tinha evidenciado nenhum sinal de arrependimento. Deus não deixará cair a sua criança erra, mas ele não iria perdoar suas ofensas graves: tudo deve sair para a luz. O descontentamento divino deve ser evidenciado: o culpado deve ser carregado e repreendeu: David deve julgar a si mesmo, e depois descobrir que onde abundou o pecado tinha graça se muito mais abundam. Maravilhosa união da justiça e da misericórdia divina, tornada possível pela Cruz de Cristo! A justiça de Deus exigia que David devesse ser fielmente tratado, a misericórdia de Deus o levou a enviar Nathan para a recuperação de suas ovelhas desgarradas. "A misericórdia ea verdade se encontraram , a justiça ea paz se beijaram "(Sl 85:10).

Sim, Nathan poderia muito bem ter fraquejou perante a comissão que Deus já lhe deu. Não foi tarefa fácil ter que repreender seu mestre real. Variou de fato são as tarefas que o Senhor atribui Seus servos. Muitas vezes eles são enviados ao mundo com uma mensagem que bem sabe que vai ser mais palatável aos seus ouvintes, ea tentação de tom mais baixo, para tirar a sua borda afiada, se não para substituir outro que seja mais aceitável, é real e forte. Pouco faz a classificação e arquivo mesmo do povo de Deus perceber o que custa um ministro do Evangelho para ser fiel à sua vocação. Se o apóstolo Paulo sentiu a necessidade de pedir oração "para que seja dada a mim, que eu possa abrir a minha boca com ousadia "(Efésios 6:18, 19), quanto mais fazer os servos de Deus hoje precisam do apoio das súplicas de seus irmãos e irmãs em Cristo! Por todos os lados o grito agora é "falar-nos suaves coisas!

Em uma ocasião anterior Deus enviou Natã a Davi com uma mensagem de promessa e conforto (7:4, 5, etc): agora ele é obrigado a cobrar o rei com seus crimes.Ele não declinou a tarefa ingrata, mas executa-lo fielmente. Não só era a sua missão de uma nada invejável, mas estava longe de ser fácil. Poucas coisas são mais difíceis e tentar um com uma disposição sensível do que ser chamado a reprovar um irmão que erra. Ao ponderar o método aqui seguido pela linha profeta sua abordagem das adormecida Davi consciência há instruções valiosas para aqueles de nós que podem ser chamados para lidar com casos semelhantes. Sabedoria do Alto (não dizemos "o tato, "o mundo prazo, por mais vezes que a palavra é empregada para designar as sutilezas serpentina da serpente que as transações honestas do Espírito Santo) é extremamente necessária se queremos ser uma ajuda real para aqueles que caíram no esquecimento, para que quer perdoar os seus crimes, ou torná-los desespero de se obter o perdão.

"E o Senhor enviou Natã a Davi E ele veio até ele, e disse-lhe: Havia dois homens em uma cidade, um rico e outro pobre O rico tinha rebanhos e manadas. Mas o pobre homem não tinha nada, senão um pouco cordeira, que ele tinha comprado e criara, e que cresceu junto com ele, e com seus filhos: ela comeu de sua própria carne, e beber do seu próprio copo e colocar na sua. peito, e lhe foi como uma filha E, vindo um viajante ao homem rico, e deixou este de tomar das suas ovelhas e das suas vacas para assar para o viajante que viera a ele. mas tomou a cordeiro homem pobre, ea preparou para o homem que viera a ele "(2 Sam. 12:1-4).

Nathan não cobrar imediatamente David com seus crimes: em vez disso, ele se aproximou de sua consciência indiretamente por meio de uma parábola- intimação claro que ele estava fora da comunhão com Deus, pois Ele nunca empregados que método de revelação com aqueles que estavam andando em comunhão com ele. O método empregado pelo profeta tinha a grande vantagem de apresentar os fatos do caso antes de David , sem agitar a sua oposição de amor-próprio e gravetos ressentimento contra a estar diretamente repreendeu, ainda levando-o a passar uma sentença contra si mesmo sem estar ciente de que- prova segura de que Nathan tinha sido dado sabedoria do alto! "Há quase nunca era qualquer coisa mais calculada, por um lado, para despertar emoções de simpatia, e, por outro lado, aqueles de indignação, que o caso aqui suposto, e as várias circunstâncias em que o coração deve estar interessado no caso do homem pobre, e por que a opressão insensível de seu vizinho rico foi agravada "(Thomas Scott).

O profeta começou, então, dando uma representação oblíqua da vileza do crime de Davi, que foi

transmitida de tal forma que o julgamento do rei foi obrigado a concordar com a injustiça de que ele era culpado. A impotência, a crueldade e o egoísmo abominável de sua conduta foram descrita, embora serviço leal

Urias e ingratidão do rei e da traição e do assassinato dele e de seus companheiros soldados não foram mencionados, não há uma dica aqui que , quando repreender um irmão que erra, devemos gradualmente levar até os piores elementos em sua ofensa? No entanto, óbvio que era a alusão na parábola de Natã. David não percebeu a sua aplicação a si mesmo como isso mostra que quando se está fora de contato com Deus, ele é desprovido de discernimento espiritual: trata-se apenas na luz de Deus que podemos ver a luz!

"E a ira de Davi se acendeu em grande maneira contra aquele homem, e ele disse a Natã: Vive o Senhor, o homem que fez isso certamente morrerá" (v. 5). David supor que uma queixa foi sendo preferido contra um dos seus súditos. Esquecidos de seus próprios crimes, ele foi demitido com indignação com o suposto agressor, e com um juramento solene condenaram à morte. Ao condenar o homem rico, David involuntariamente condenado a si mesmo. Que coisa estranha no coração de um crente é! O que é um medley habita dentro dela, muitas vezes cheios de indignação contra os pecados dos outros, enquanto cega a sua própria! Necessidade real tem cada um de nós solenemente e com oração refletir sobre as questões de Romanos 2:21-23. Autoelogio nos faz rápido para marcar as faltas dos outros, mas cego para os nossos próprios pecados graves. Na mesma proporção em que um homem está apaixonado por seus próprios pecados, e ressentido de ser repreendido, ele vai ser excessivamente severa na condenação de seus vizinhos.

Tendo trazido David pronunciar uma sentença sobre um suposto agressor para crimes de malignidade muito menor do que o seu, o profeta, agora, com grande coragem e clareza, declarou: " Tu és o homem "(v. 7),

e fala diretamente em nome do Deus: "Assim diz o Senhor Deus de Israel." Primeiro, Davi é lembrado dos

favores de sinais que tinham sido concedidos a ele (vv. 7, 8), entre eles os "esposas" ou as mulheres da corte de

Saul, a partir do qual ele pode ter selecionado uma esposa. Segundo, Deus estava disposto a dar ainda mais (v. 6): ele tinha considerado qualquer coisa estava faltando, ele poderia ter perguntado para ele, e se tivesse sido para o seu bem, o Senhor livremente concedeu. Salmo 84:11. Em terceiro lugar, tendo em vista as misericórdias de Deus amor terno e fiel, e todo-suficientes presentes, ele é convidado "tu Por isso desprezaram o mandamento do Senhor, para fazer o mal aos seus olhos? " (V. 9). Ah, é o desprezo da autoridade divina, que é

a

ocasião de toda a luz o pecado de tomada da Lei e seu doador, agindo como se seus preceitos eram ninharias,

e

as suas ameaças sem sentido.

O resultado desejado era agora realizado. "E disse Davi a Natã: Pequei contra o Senhor" (v. 13). Essas

palavras não foram pronunciadas levianamente ou mecanicamente, como mostra a sequência, mas isso deveu

deixar até o nosso próximo capítulo.

CAPÍTULO CINQUENTA E CINCO Seu arrependimento

"O imperador Arcádio e sua esposa tiveram um sentimento muito amargo para Crisóstomo, bispo de
"O imperador Arcádio e sua esposa tiveram um sentimento muito amargo para Crisóstomo, bispo de

"O imperador Arcádio e sua esposa tiveram um sentimento muito amargo para Crisóstomo, bispo de Constantinopla. Um dia, num acesso de raiva, o imperador disse a um de seus cortesãos," eu me fui vingados desse bispo! " Vários propôs, então, como isso deve ser feito. "Bani-lo e ele exílio para o deserto", disse um deles. "Coloque-o na prisão", disse outro. "Confiscar sua propriedade", disse um terceiro. "Deixe-o morrer", disse quarto. Outra cortesão, cujos vícios Crisóstomo tinha reprovado, disse maliciosamente: " Você faz tudo um grande erro. Você nunca vai puni-lo por essas propostas. Se banido do reino, ele vai se sentir Deus tão próximo a ele no deserto, como aqui. Se você colocá-lo na prisão e carregá-lo com correntes, ele ainda vai rezar para o Deus pobre e louvor na prisão. Se você confiscar sua propriedade, você simplesmente tirar os seus bens aos pobres, e não dele. Se você condena. Lo até a morte, você abre o céu para ele Prince, você deseja se vingar dele Force-o a cometer o pecado que eu conheço. este homem teme nada no mundo, mas o pecado. ”O que esta fosse à única observação que nossos companheiros poderiam passar sobre mim e você, companheiro crente “(Do Fellowship revista)”.

Recentemente, deparei com o acima em nossa leitura, e pensei que seria formar uma introdução mais adequada para este capítulo. O que causa tem a temer o pecado!-que "coisa abominável", que Deus odeia (Jer. 44:4), que a doença horrível que trouxe a morte no mundo (Rom. 5:12), que coisa terrível que pregado na Cruz o Senhor da glória (1 Pedro 2:24), que coisa vergonhosa que suja roupas do crente e por isso muitas vezes traz opróbrio sobre o Nome sagrado que ele tem.Sim, uma boa razão tem cada um de nós para temer o pecado, e para pedir a Deus que possa agradá-lo para trabalhar em nossos corações um maior horror e ódio dele. Não é esta uma razão pela qual Deus permite que alguns dos santos mais eminentes para cair em males ultrajantes, e coloque sobre tal registro em Sua Palavra: que devemos ser mais desconfiados de nós mesmos, percebendo que nós são susceptíveis de o desgraçar mesmo da nossa profissão , sim, que certamente cairá, a menos acolhido pela poderosa mão de Deus.

Como vimos, Davi pecou, e pecou gravemente. O que era ainda pior, por muito tempo ele se recusou a reconhecer a Deus sua maldade. Um período de meses se passou antes que ele sentiu a hediondez de sua conduta. Ah, meu leitor, é a tendência inevitável do pecado para amortecer a consciência e endurecer o coração. É aí que reside a sua característica mais hediondo e aspecto fatal. Pecado sugere inúmeras desculpas ao seu autor e sempre pede a extenuação. Foi assim no início.Quando posto face a face com seu Criador, nem Adão nem Eva evidenciado qualquer contrição, mas sim que eles procuram justificar-se, colocando a culpa em outro lugar. Assim, foi com cada um dos nós enquanto num estado de natureza. O pecado endurece, e graça divina, mas nada pode iluminar e suavizar. Nada menos do que o poder do Todo-Poderoso pode furar a consciência calejada ou quebrar o coração petrificado pelo pecado.

Ora, Deus não irá sofrer qualquer do seu povo a permanecer indefinidamente em um estado de insensibilidade espiritual: mais cedo ou mais tarde Ele traz à luz as coisas ocultas das trevas, convencê de seus crimes, faz com que eles choram sobre o mesmo, e leva-los para arrependimento. Deus emprega uma variedade de meios para realizar isso, pois em nada que ele age de maneira uniforme. Ele se limita a nenhuma medida de um ou método, e ser soberano Ele atua como boa ver cumprido a Si mesmo. Isso pode ser visto através da comparação de alguns dos casos registrados nas Escrituras. Foi um senso da majestade de Deus inspiradora que trouxe trabalho para se arrepender de sua auto-justiça e detestam-se (Jó 42:1-6). Foi uma visão da glória exaltado do Senhor que fez Isaías clamar: "Ai de mim, que vou perecendo porque eu sou um homem de lábios impuros" (Is 6:1-5). A visão do poder milagroso de Cristo movido Pedro a gritar: "Afasta de mim, porque sou um homem pecador, ó Senhor" (Lc 5:8). Aqueles que estão no dia de Pentecostes foram "compungiram-se em seu coração" (Atos 2:37) ouvindo sermão do apóstolo.

No caso de Davi Deus empregou uma parábola na boca do Seu profeta para produzir convicção. Nathan descreveu um caso onde um foi tão vilmente tratado que qualquer um que ouviu o relato de que deve forçosamente censurar-lhe que era culpado de tal ultraje. Para que seja a natureza do pecado para seu agressor cego, ainda que não tire o senso de certo e errado. Mesmo quando um homem é insensível à enormidade de suas próprias transgressões, ele ainda é capaz de discernir o mal nos outros, sim, na maioria dos

casos parece que o único que tem uma trave no seu próprio olho é mais preparado para perceber o cisco no seu companheiro. Foi de acordo com este princípio que parábola de Natã foi dirigida a David: se o rei demorou a confessar a sua própria maldade, ele seria rápido o suficiente para condenar como o mal em outro. Assim, o caso foi espalhada antes dele.

Na parábola (2 Sam. 12:1-4) faz um apelo a ambas as afeições de Davi e sua consciência. A posição de

Urias e sua esposa é comoventemente retratada sob a figura de um homem pobre com a sua "ovelha um pouco",

o que lhe era querido e "colocar no seu seio." O que enganaram é representado como um homem rico com

"superior a muitos rebanhos e manadas", que enormemente elevados sua culpa na apreensão e matar o cordeiro solitário de seu vizinho. A ocasião ou a ofensa, a tentação de cometê-lo, é indicado como "veio um viajante ao homem rico ": era para ministrar a ele que o homem rico apoderou-se do homem pobre cordeiro.Que "viajante", que veio a ele retrata a carne inquieto, os desejos ativos, os pensamentos errantes, os olhos errantes de David em conexão com Bate-Seba. Ah, meu leitor, é a este ponto que mais precisa ser sobre a guarda. "Destruindo os conselhos, e toda altivez que se levanta contra o conhecimento de Deus, e levando cativo todo pensamento à

obediência de Cristo" (2 Coríntios. 10:5).

"Guarda o teu coração com toda diligência, pois dele procedem as fontes da vida" (Pv 4:23). Parte dessa tarefa reside na regulação nossos pensamentos e imaginações repelir ilícitos. Verdade é que não podemos impedir a entrada de pensamentos errantes nossas mentes nem imaginações malignas da surgindo dentro de nós, mas são responsáveis para resistir e rejeitá-los. Mas isso é o que David não conseguiu fazer: ele saudou este "viajante", ele entretido , ele festejava ele, e festejava-lo naquilo que não foi legal com o que pertencia a outro:

retratado na parábola pelo cordeiro pertencente ao seu vizinho. E, meu leitor, é quando damos lugar a nossas cobiças, saciar nossas imaginações mal, alimentam nossos pensamentos errantes sobre o que é ilegal, que pavimentar o caminho para uma queda triste. "Viajantes" vai vir até nós, a mente estará ativa e nossa responsabilidade é a de ver que eles são alimentados com o que é legal: refletir sobre Filipenses 4:8, neste contexto.

Nathan, então, traçou o problema volta à sua fonte, e mostrou o que era que ocasionou e levou à queda medo de Davi. Os detalhes da parábola enfatizou a impotência, a injustiça, a ilegalidade, a maldade de seu crime. Ele já tinha mulheres de sua própria, por que, então, ele deve roubar pobre Urias de seu! O caso foi tão claramente colocado, a culpa do infrator tão evidentemente estabelecido, o rei de uma vez condenado o ofensor,

e disse: "O homem que fez isso, certamente morrerá" (12:5). Foi então que o profeta se virou e disse-lhe:

" Tu és o homem. " Davi não chama disposto no ressentimento quente e raiva contra acusação do profeta, ele

não fez nenhuma tentativa de negar a sua transgressão grave ou proferir qualquer desculpa para isso. Em vez disso, ele francamente propriedade: "Eu pequei contra o Senhor" (v. 13). Também não foram estas palavras proferidas mecanicamente ou levemente como a sequela assim o demonstra claramente, e como veremos agora.

Consciência adormecida de Davi foi agora acordada, e ele foi feito para perceber a grandeza de sua culpa. A seta penetrante da aljava de Deus, que Nathan tinha dirigido em seu coração doente, abriu à visão de Davi a enormidade do seu caso em apreço. Foi então que ele deu provas de que, embora lamentável tivesse sido sua conduta, no entanto, ele não era uma alma réproba, totalmente abandonada por Deus. "A faísca dormente da graça divina no coração de Davi agora começou a reacender, e antes desta declaração simples e fiel dos fatos, em nome de Deus, suas evasivas desapareceu, e sua culpa apareceu em toda sua magnitude. Ele, portanto, estava longe de se ressentir a repreensão pontas do profeta, ou de tentar qualquer tratamento paliativo de sua conduta, mas, em profunda humilhação de coração, ele confessou: "Pequei contra o Senhor." As palavras são poucas, mas o evento provou que eles estavam ter sido a língua de arrependimento genuíno, que considera o pecado como cometido contra a autoridade ea glória do Senhor, ou não ter causado mal a qualquer criatura do companheiro “(Thomas Scott)”.

Em ordem a fim de obter a mente de Deus sobre qualquer assunto de que trata a Sua Palavra, a Escritura tem que ser diligentemente procurou e uma passagem cuidadosamente comparados com outra falha de observar este princípio sempre resulta em uma visão inadequada ou unilateral. É assim aqui. Nada é gravado em conta o histórico de Samuel sobre os exercícios profundos do coração através do qual David já passou, nada

é dito para indicar a realidade e profundidade de seu arrependimento. Por que devemos nos voltar noutros

países, nomeadamente para os Salmos penitenciais. Lá, o Espírito Santo nos deu graciosamente um registro do que David se inspirou para escrever nele, pois é nos Salmos encontramos mais plenamente delineado as variadas experiências da alma através do qual o crente passa. Não podemos encontrar uma descrição infalível de todos os exercícios do coração experimentada pelo santo em sua jornada por esta cena deserto, o que explica que este livro das Escrituras tem sido sempre um grande favorito com o povo de Deus: nele encontram a sua própria história dentro descrito com precisão .

Os Salmos dois principais que nos dão uma visão dos exercícios do coração através do qual David já passou são o quinquagésimo primeiro eo trigésimo segundo.Salmo 51 é evidentemente o anterior. Nele vemos o santo caiu lutando até de "o poço horrível e barro de lodo." No último contemplá-Lo de pé novamente em terra firme com uma nova canção em sua boca, mesmo bem-aventurança a dele ", cujo pecado é coberto." Mas ambos são, evidentemente, a ser datado a partir do momento em que o impulso forte de lanceta de Deus na faixa de Nathan perfurado consciência de Davi, e quando o bálsamo de cura de garantia do perdão de Deus foi colocada pelo profeta em seu coração. Os gritos apaixonados da alma extremamente aflito (Sl 51) são realmente o eco da promessa divina os esforços de fé de Davi para compreender e apropriar-se do dom misericordioso de perdão. Foi a promessa divina de perdão que foi a base e estímulo da oração de perdão.

É de notar que o título aposta Salmo 51 é "Salmo de Davi, quando o profeta Natã veio a ele, depois de ter ido para Bate-Seba." Maravilhosamente fez Spurgeon apontar em suas observações introdutórias, "Quando a mensagem divina havia despertado sua consciência adormecida e fê-lo ver a grandeza de sua culpa, ele escreveu este Salmo. Ele tinha esquecido seu salmo, enquanto ele estava entregando sua carne, mas ele voltou a sua harpa, quando a sua natureza espiritual foi despertada, e ele derramou a sua canção para o acompanhamento de suspiros e lágrimas. Grande como foi o pecado de Davi, mas ele se arrependeu e foi restaurado. As profundezas de sua angústia e da realidade do seu arrependimento são evidentes em cada verso. Nela podemos ver a dor e os desejos de uma alma contrita derramando seu coração diante de Deus, humilde e sinceramente processando por Sua misericórdia. Só no dia de vir vai revelar quantos pecado atormentadas almas têm a partir deste Salmo, "tudo apagou com as lágrimas em que David soluçou o seu arrependimento," encontrado um caminho para apóstatas em um grande deserto e uivando.

"Embora o Salmo seja um longo grito de perdão e restauração, pode-se discernir uma ordem e progresso em sua petição, a ordem, não de uma reprodução artificial de um clima passado da mente, mas a ordem instintiva em que a emoção do desejo contrito nunca vai derramar-se diante No Salmo tudo começa (v.

1), como tudo começa, de fato, com a fundamentação do pedido de favor em 'Tua bondade amorosa," a multidão das tuas misericórdias ",. O fundamento que aproveita com Deus, cujo amor é o seu próprio motivo e

é própria medida, cujo passado atos são o padrão para todos os futuros Sua, cujas próprias misericórdias, em

suas inumeráveis, os números são mais do que a soma das nossas transgressões, embora estes sejam de mais do

que os cabelos de nossa cabeça. " Começando com a misericórdia de Deus, a alma penitente pode aprender a olhar próximo sobre o seu próprio pecado em todos os aspectos do mal "(Alexander Maclaren).

A profundidade ea intensidade da aversão do salmista de auto é claramente revelada pelos vários termos que ele usa para designar o crime. Ele fala de suas “transgressões” (vv. 1, 3) e de sua "injustiça" e "pecado" (vv. 2, 3). Como outro tem força salientou, "Olhando de uma maneira, ele vê os atos separados de que ele tinha sido culpado, o seu desejo, fraude, traição, assassinato, olhou em outra, ele vê-los todos juntos em um nó inextricável emaranhado de bifurcada, línguas sibilantes, como a serpente de bloqueios que a bobina e uma cabeça redonda torção tártaro. Nenhum pecado mora sozinho;. os atos separados têm uma raiz comum, eo todo

é emaranhado em conjunto como o crescimento verde em um lago estagnado, de modo que , por qualquer filamento que é apreendida toda a massa é atraído para você. "

Um profundo discernimento a essência eo caráter do pecado é exibido por aqui os sinônimos acumulados. É a "transgressão", ou como a palavra hebraica poderia ser traduzida, "rebelião", não apenas a violação de uma lei impessoal, mas a revolta da vontade de um sujeito contra o seu verdadeiro Rei, a desobediência a Deus, bem como violação de um padrão. É a "iniquidade" perversão ou distorção agindo

injustamente ou lidar com inclinação. É "pecado" ou "errar o alvo", pois todo pecado é um erro, atirando ampla do verdadeiro objetivo, se refere ser tido para a glória de Deus ou o nosso próprio bem-estar e felicidade. É a poluição e sujeira, da qual nada, mas pode limpar o sangue expiatório. É o "mal" (v. 4), uma coisa vil que só merece condenação impiedosa. É uma lepra roedora, causando-lhe a chorar: "Purifica-me com hissopo, e ficarei limpo; lava-me, e ficarei mais alvo que a neve" (v. 7).

"Contra Ti, a Ti somente pequei, e fiz o mal aos teus olhos" (v. 4). Com estas palavras Davi dá provas da sinceridade de seu arrependimento e prova que ele era um homem regenerado. São apenas aqueles que possuem uma natureza espiritual que vai ver o pecado na presença de Deus. O mal de todo o pecado reside na sua oposição a Deus, e um coração contrito é preenchido com um senso de mal lhe fizera. Evangélicos chora arrependimento do pecado, porque tem desagradado um Deus clemente e desonrado um pai amoroso. David, então, não estava contente com o olhar sobre o seu mal em si mesmo, ou apenas em relação às pessoas que haviam sofrido por ela. Ele havia sido culpado de crimes contra Bate-Seba e Urias, e até Joabe quem ele fez a sua ferramenta, bem como contra todos os seus súditos, mas escura como os crimes eram, eles assumiram o seu verdadeiro caráter apenas quando vistos como comprometidos contra Deus.

"Eis que eu nasci na iniquidade, e em pecado me concebeu minha mãe" (v. 5). Muitos foram intrigados com este versículo, à luz da sua configuração, no entanto, deve ocasionar nenhuma dificuldade. Certamente que não foi dito por David em auto-atenuação, e sim era para enfatizar sua própria culpa. A partir da segunda metade do versículo 4, é claro que ele estava vindicando Deus: Tu tinhas nada a ver com o meu pecado: era toda minha própria fora da propensão até mal da minha natureza depravada. Não era tu, mas os meus próprios desejos maus, que me tentou. David foi contratado para fazer completa confissão, e, portanto, ele reconheceu a contaminação de sua própria natureza. Foi a humilhar-se Deus, claro, e magnífica a graça divina, que David disse versículo 5.

À luz clara do Salmo 51, não podemos duvidar da realidade, a sinceridade, nem a profundidade do

arrependimento de Davi e contrição de coração partido. Fechamos, então, com uma breve citação de Thomas Scott: "Não deixe qualquer hipócrita vil, que se assemelha em nada, mas David as suas transgressões, e acrescenta que o hábito do pecado permitido a todos os outros agravos, boia a sua confiança com o seu exemplo; seja o primeiro que imitar a humilhação de Davi, o arrependimento, e outras graças eminentes, antes que ele pensa a si mesmo, ou requer outros a considerá-lo, como um apóstata. "

CAPÍTULO CINQUENTA E SEIS Seu Perdão

2 Samuel 12

" CAPÍTULO CINQUENTA E SEIS Seu Perdão 2 Samuel 12 A experiência interior de um crente
" CAPÍTULO CINQUENTA E SEIS Seu Perdão 2 Samuel 12 A experiência interior de um crente
" CAPÍTULO CINQUENTA E SEIS Seu Perdão 2 Samuel 12 A experiência interior de um crente

A experiência interior de um crente consiste em grande parte do crescimento descobertas de sua

própria vileza e da bondade de Deus, de seus próprios fracassos e da paciência infinita de Deus, com uma alternância frequente entre tristeza e alegria confissão, e ação de graças. Consequentemente, quanto mais ele lê e medita sobre a Palavra, quanto mais ele vê exatamente como é adequado ao seu caso, e como exatamente a

sua própria história de xadrez é descrito nele. Os dois temas principais das Escrituras são o pecado ea graça: todo o volume sagrado cada um deles é atribuída à sua fonte original, cada um é delineado em seu verdadeiro caráter, cada um é seguido nas suas consequências e termina, cada um é ilustrado e exemplificado por numerosos exemplos pessoais. Estranho que pareça primeiros, mas é verdade que, sobre estes dois, pecado e graça, não transformar todas as transações entre Deus e as almas dos homens.

A força do que já foi dito recebe demonstração clara e evidente no caso de Davi. O pecado em toda a

hediondez sua é visto no trabalho dentro de si, mergulhando-o na lama, mas a graça é também descoberto em

toda a sua beleza, entrega e limpeza ele. A um serve como um fundo escuro do que o outro possa brilhar ainda mais gloriosamente. Em lugar algum, eis que tão inequivocamente a natureza temerosa e obras horríveis do pecado do que no homem segundo o coração de Deus, tão notavelmente favorecido e tão honrado, mas não tão ignominiosamente e afundando para baixo. No entanto, em nenhum lugar vemos tão vividamente a maravilhosa graça de Deus, como no trabalho verdadeiro arrependimento neste transgressor notório, perdoando a sua iniquidade, e restaurando-lhe a comunhão. O rei Saul foi rejeitado por um crime bem mais ameno: ah, ele não estava na aliança! Ó a soberania inspiradora da graça divina.

Não só o Espírito Santo registrou fielmente os detalhes horríveis do pecado de Davi, Ele também totalmente descrito o arrependimento do coração que afetam o tipo de contrito. Em adição aos mesmos, Ele nos mostrou como ele pediu e obteve o perdão divino. Cada um deles é registrado para o nosso aprendizado, e, podemos acrescentar, para nosso conforto. O primeiro nos mostra a tendência medo da carne que ainda habita no crente, com a sua propensão para produzir o mais vil de frutas. A segunda faz-nos conhecer o trabalho lamentável que fazemos para nós mesmos quando nos entregamos os nossos desejos, eo cálice amargo que deve então ser obrigado a beber. O terceiro informa-nos que grave que o nosso caso, ser, mas não é impossível, e revela o caminho que Deus requer de nós a seguir. Depois de considerar os dois primeiros por algum tempo, vamos agora para o terceiro.

Como é nos Salmos que o Espírito tem registrado os exercícios de coração partido de Davi, por isso, é nela que aprendemos de como ele obteve o perdão divino para suas ofensas agravadas. Vamos começar ligando para um dos últimos da "penitência" Salmos, que acreditamos que provavelmente foi escrito pelo próprio Davi. "Das profundezas clamo ter-Te, ó Senhor" (130:1). Existem vários "profundezas" para que Deus sofra o seu povo, às vezes, a queda: "profundezas" do julgamento e problemas sobre perdas financeiras, luto da família, doença pessoal. Há também "profundezas" do pecado e da culpa, em que eles podem mergulhar-se, com o consequente "profundezas" de convicção e angústia, das trevas e do desespero de através dos esconderijos de Deus face-e de satânica oposição e desânimo. São estes que são aqui mais particularmente em vista.

O design do Espírito Santo, no Salmo 130 era expressar e representar na pessoa e conduta do salmista o caso de uma alma enredada nas malhas de Satanás, esmagada pela culpa consciente do pecado, mas aliviada por uma descoberta da graça de Deus, com sua conduta e sobre a participação dessa graça. Citamos a paráfrase útil de John Owen nos versos de sua abertura: "Ó Senhor, por meus pecados múltiplos e provocações eu trouxe- me em angústias grandes culpas são sempre diante de mim, e eu estou pronto para ser esmagado com eles, como com. um dilúvio de águas. para eles trouxeram-me nas profundezas, onde eu estou pronto para ser engolido Mas ainda assim, apesar de minha angústia é grande e complicado, eu não, eu não se animam, absolutamente desalentar e jogar fora todas as esperanças de alívio ou recuperação. Nem eu procuro a algum outro remédio, maneira, ou meios de alívio, mas eu aplicar-me a Ti, Senhor, a Ti só. E neste meu pedido a Ti, a grandeza ea urgência dos meus problemas faz com que minha alma. urgente, sério, e pressionando em minha súplica Apesar de não ter nenhum descanso, posso dar-te sem descanso; oh, portanto, comparecer e ouvires a voz do meu choro!

Quando a alma está em tal caso a caso, no "fundo" de angústia e desânimo, não há alívio para ele , mas em Deus, totalmente desobstruir o coração para ele. A alma não pode descansar em tal estado, e não a libertação está a ser obtido a partir de qualquer criatura ajuda. "Assur não nos salvará; não iremos montados em cavalos, nem diremos mais à obra das nossas mãos: Vós sois nossos deuses: para em ti o órfão (o aflito e desamparado) encontrar misericórdia (Oséias 14:3). Em Deus sozinho é ajudar a ser encontrado. As coisas vãs, que iludidos romanistas inventaram de orações "à Virgem", penitências, confissão de "sacerdotes", jejuns, missas, peregrinações, obras de compensação são "cisternas que retêm as águas." igualmente inúteis são os conselhos do mundo do pecado, almas em dificuldades para tentar uma mudança de cenário, o desvio do trabalho, a música, a sociedade alegre, prazer, etc Não há paz, mas no Deus da paz.

Agora, em seu estado muito menor do salmista procurou a ajuda do Senhor, nem foi seu apelo em vão. E é isso que precisamos lançar mão de quando em circunstâncias semelhantes, que são registrados para este fim. Caro leitor cristão, porém deplorável pode ser a sua condição, no entanto a sua extrema necessidade,

porém desesperada a sua situação, no entanto intolerável a carga em sua consciência, seu caso não é

desesperadora. David chorou, e foi ouvido, ele procurou a misericórdia, e obtido, ea promessa divina para você

e para mim é "Cheguemos, pois, com confiança ao trono da graça, para que possamos alcançar misericórdia

acharmos graça para socorro em ocasião necessidade "(Hebreus 4:16). David não foi o único que chorou a Deus fora das "profundezas". Pense do profeta Jonas: após um curso de auto-arbítrio, deliberadamente fugindo mandamento de Deus, então lançado ao mar e engolido pela baleia: ainda de ele também lemos: "Eu chorei por causa de minha aflição ao Senhor, e Ele me ouviu, fora do ventre do inferno gritei, e tu ouviste a minha voz

"(2:2).

Era a sua esperança na plenitude da graça divina que moveu David de buscar ao Senhor. "Se Tu, Senhor, observares as iniquidades, Senhor, quem subsistirá? Mas contigo está o perdão, para que sejas temido. Aguardo o Senhor, a minha alma o espera, e em Sua palavra que eu espero "( Ps. 130:3-5). No terceiro verso que ele possui que ele não poderia estar diante do três vezes Santo em razão da sua própria justiça, e que se Deus fosse "iniquidades", isto é, imputá-los até a condenação, em seguida, seu caso era realmente impossível. No versículo 4 ele humildemente lembra a Deus que não era o perdão com Ele, para que pudesse ser reverenciado e adorado não brincar com e escarnecido, para o perdão divino não é uma licença para o futuro da auto-indulgência. No quinto verso ele espera aguarda por algum "Símbolo para o bem" (Sl 86:17), alguns "resposta de paz" (Gn 41:16) do Senhor.

Mas é no Salmo 51 que encontramos Davi mais definitivamente e mais fervorosamente processando o perdão de Deus. A mesma intensidade de sentimento expresso no uso de tantas palavras para o pecado é revelado também em seus sinônimos reiteradas de perdão. Esta petição vem de seus lábios uma e outra vez não, porque ele achava de ser ouvido pelo seu muito falar, mas por causa da seriedade de seu desejo. Tais repetições são sinais de persistência da fé, enquanto aqueles que duram, como as orações dos sacerdotes de Baal "de

manhã até a hora do sacrifício da tarde", indica-se apenas dúvidas do suplicante. A “vã repetição" contra o qual

o Senhor advertiu, não é uma questão de repetir a mesma forma de pedido, mas de mecânica multiplicando-se o mesmo como o romanista com o seu "espinhel do" e supondo que não há virtude e mérito ao fazê-lo.

Davi orou para que seus pecados possam ser "apagados" (v. 1), que concebe a petição deles como sendo registrada contra ele. Ele orou para que ele possa ser "lavado" (v. 2) a partir deles, em que são sentidos como manchas desagradáveis, que requerem para a sua remoção duro esfregando e batendo para tal é, de acordo com alguns dos comentaristas, a força do verbo hebraico. Ele orou para que ele possa ser "purificado" (v. 7), que era o termo técnico para a purificação sacerdotal do leproso, declarando-o claro da mancha. Há uma adequação comovente nesta última referência, para não apenas leprosos, mas aqueles que se tornou contaminado pelo contato com um corpo morto, foram assim purificado (Nm 19), e de quem fez a mancha deste apegar a corrupção como no assassino de Urias?A oração no original é ainda mais notável, para o verbo é formado a partir da palavra "pecado", e se a nossa língua permitido, se tornaria "Tu não pecado-me. "

"Cria em mim um coração puro, ó Deus, e renova um espírito reto dentro de mim" (Sl 51:10). Seu

pecado havia manifestado a sua fraqueza e sensualidade, mas o seu remorso e angústia evidenciado que, acima

e além de todos os outros desejos era seu desejo permanente a Deus. As petições deste Salmo demonstram

claramente que, apesar de sua fraqueza e vitória de Satanás sobre ele, mas a raiz da questão estava divina em David. Ao pedir a Deus para criar nele um coração puro, David foi humildemente colocar-se em um nível com

o não regenerado: ele percebeu também a sua própria incapacidade absoluta para acelerar ou renovar-se-so

Deus pode criar um coração novo ou uma nova terra. Ao pedir um espírito reto, ele foi dono de que Deus leva

em conta o estado de nossas almas, bem como a qualidade de nossas ações: um " direito espírito "é um amor, uma confiança, obediente firme, que nenhuma, mas Deus pode, quer dar ou manter.

No meio de suas confissões humilhado e gritos fervorosos de perdão, chega com força maravilhosa e beleza o pedido ousado para a restauração à plena comunhão: "Restitui-me a alegria da tua salvação" (v. 12). Como esse pedido evidenciou mais de confiança comum na misericórdia de Deus, o que apagar todas as conseqüências de seu pecado! Mas note bem a posição ocupada por esta petição: ela seguiu o seu pedido de perdão e pureza além de aqueles que, "alegria" seria presunção senão vão ou entusiasmo louco. "E sustenta-me

com Teu Espírito livre" (v. 12). Primeiro, ele orou: "Não Leve Teu Espírito Santo de mim" (v. 11)-uma referência óbvia ao terrível juízo que caiu sobre o seu antecessor, Saul, aqui, garantiu que a petição anterior é concedida, e consciente de sua própria fraqueza e incapacidade de ficar de pé, ele pede para ser suportado por aquele que só pode dar e manter a santidade.

Antes de passar a considerar a resposta graciosa que Davi recebeu, talvez este seja o melhor lugar para apreciar a questão, que ele estava justificado em pedir perdão a Deus? Ou para colocá-lo numa forma que possa melhor atender a crítica, estamos garantidos na suplicando a Deus pelo perdão de nossos pecados? Pois há aqueles que hoje insistem em que nós ocuparmos uma relação diferente e superior a Deus que Davi fez. É, sem dúvida, surpreender alguns de nossos leitores que levantar tal questão. Alguém poderia naturalmente pensar que era tão evidente que nós devemos orar por perdão, para que ninguém iria questioná-la, que tal oração está tão bem fundada sobre a própria Escritura, é tão agradável para a nossa condição de pecador crente, e é assim honrando a Deus que deve tomar o lugar de suplicantes penitentes, reconhecendo nossos pecados e buscando Sua misericórdia redentora, que nenhuma prova é necessária. Mas, infelizmente, tão grande é a confusão na cristandade hoje, e erro tanto abunda que nos sentimos obrigados a dedicar um ou dois parágrafos até a elucidação deste ponto.

Há um grupo, mais ou menos influente, que argumentam que não é desonra para o sangue de Cristo para todo o cristão a pedir a Deus para perdoar seus pecados, citando Tendo perdoou todos os pecados "(Colossenses 2:13). Essas pessoas confundem a impetração da Expiação com sua aplicação, ou em termos menos técnicos, o que Cristo adquiriu para o Seu povo, com o Espírito Santo está fazendo o mesmo bom para eles no tribunal de sua consciência. Que seja claramente referido que, em pedir perdão a Deus, nós não orar como se o sangue de Cristo nunca tinha sido derramado, ou como se nossas lágrimas e as orações podem fazer qualquer compensação à justiça divina. No entanto, os pecados renovados chamar para o arrependimento renovado: Verdadeiro, então nós não precisamos de outro Redentor, mas nós não precisamos de um exercício novo da misericórdia divina para conosco (Hebreus 4:16), e um novo pedido para a nossa consciência do sangue purificador (1 João 1:7, 9).

O santo do passado orou para o perdão: "Por amor do teu nome, ó Senhor, perdoa a minha iniquidade, pois é grande" (Sl 25:11). O Senhor Jesus ensinou seus discípulos a orar "Perdoa-nos as nossas dívidas" (Mateus 6:12), e que a oração é, seguramente, para os cristãos hoje, pois é dirigida a "Nosso Pai! " Na oração de perdão, pedimos a Deus para ter misericórdia de nós para Cristo causa; pedimos-lhe para não colocar tais pecados para nosso cargo "não entra em juízo com o teu servo" (Sl 143:2); pedirmos para uma graciosa manifestação para nós de Sua misericórdia para com a nossa consciência "Faze-me ouvir júbilo e alegria, que os ossos que tu quebraste pode alegrar-se "(Sl. 51:8), nós pedimos a Ele para as provas de consolação do Seu perdão, que podemos voltar a ter "a alegria de Sua salvação."

Agora é no Salmo 32, que aprendemos a resposta que "O Deus de toda graça" (1 Pedro 5:10) concedeu ao Seu errantes, mas filho penitente. Em seu Spurgeon introdutório observações nela disse: "Provavelmente o seu profundo arrependimento sobre o seu grande pecado foi seguido por paz feliz de tal forma que ele foi levado a derramar seu espírito na música suave desta canção escolha." A palavra "Masquil" em sua cabeça, significa "ensino": "A experiência de um crente oferece instrução rica para os outros, revela os passos do rebanho, e por isso conforta e dirige o fraco." No final do Salmo 51 Davi orou: "Abre, Senhor, Tu meus lábios, ea minha boca mostrar o teu louvor" (v. 15): aqui a oração foi ouvida, e este é o início do cumprimento da seu voto.

"Bem-aventurado aquele cuja transgressão é perdoada, cujo pecado é coberto. Bem-aventurado o homem a quem não o Senhor atribui a iniquidade, e em cujo espírito não há dolo" (Salmo 32:1,2). No primeiro Salmo David tinha começado com o grito lamentoso por misericórdia, aqui ele abre com uma explosão de louvor, celebrando a felicidade dos perdoados penitente. Não ouvimos os soluços de um homem na agonia de contrição e humilhação, aqui temos um relato de sua emissão abençoado. Não tínhamos os sinônimos multiplicado pelo pecado e pelo perdão que foi desejado, aqui é a preciosidade muitas faces do perdão possuía,

que corre ao longo de várias frases ainda equivalente. O primeiro é um salmo de lamentação; ". Cântico de libertação" do outro, para usar suas próprias palavras, um

A alegria do perdão consciente soa fora na abertura bendito é o homem, e da exuberância dos anéis de seu espírito diante das variações melódicas do um pensamento de perdão nas palavras de abertura. Como gratidão, ele baseia-se nos tesouros de sua experiência recente, que ele expõe como a "tirar" da remoção do pecado, o de uma carga insuportável de seu coração, como a "cobertura" de esconder o o pecado de sua hediondez do olho que tudo vê, pelo sangue de Cristo, como o "não imputar" de dívida do pecado-a descarregada. Como abençoou a percepção de que o seu próprio perdão encorajaria outras almas-penitente " Para isso será todo aquele que é piedoso ore a ti "(v. 6). Finalmente, quão preciosa é a garantia profunda que permite a um restaurado para dizer: "Tu és o meu esconderijo; Tu me preservas da angústia; bússola Tu me cerca com alegres cantos de livramento" (v. 7)!

Aqui, então, é a esperança para o maior infiel, se ele quiser, mas humilhar-se perante o Deus de toda graça. Verdadeira tristeza para pecado é seguido pelo perdão do pecado: ". Se confessarmos os nossos pecados, Ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça" (1 João 1:9). "É possível que esse infiel um de Deus pode ser recuperado, e admitiu mais tarde para a comunhão com Ele confortável Sem dúvida é:" para com o Senhor há benignidade, e com Ele abundante redenção que há ", e Ele nunca vai lançar fora um crente penitente humilde, o que quer que seus crimes anteriores foram, nem sofrer Satanás para arrancar qualquer de suas ovelhas de Sua mão. Vamos então aqueles que estão caídos retorno ao Senhor, sem demora, e buscar o perdão através do sangue expiatório do Redentor "( Thomas Scott).

CAPÍTULO CINQUENTA E SETE Seus castigos

2 Samuel 12

CAPÍTULO CINQUENTA E SETE Seus castigos 2 Samuel 12 Ele pode dar a alguns leitores mais
CAPÍTULO CINQUENTA E SETE Seus castigos 2 Samuel 12 Ele pode dar a alguns leitores mais
CAPÍTULO CINQUENTA E SETE Seus castigos 2 Samuel 12 Ele pode dar a alguns leitores mais

Ele pode dar a alguns leitores mais estranho que o nosso último capítulo sobre Davi perdão deve ser imediatamente seguido por um em sua disciplina: certamente, se Deus havia perdoado as suas transgressões não esperaria ouvir de sua vara agora a ser posta sobre ele. Mas não haverá nenhuma dificuldade em se distinguir cuidadosamente entre dois dos principais escritórios que Deus sustenta, ou seja, o caráter moral Governante do mundo, e do Juiz de Suas criaturas: a relativa ao Seu relacionamento conosco em tempo, de outro, a sua sentença de passagem formal sobre o nosso destino eterno, a uma relativa Suas ações governamentais, o veredicto de seu outro penal. A menos que esta distinção seja claramente reconhecido e dado um lugar constante em nossos pensamentos, não só as nossas mentes ser nublada com a confusão, mas a nossa paz ficará seriamente comprometido e os nossos corações levado em cativeiro; pior de tudo, deve entreter ideias errôneas sobre Deus e infelizmente interpretam Seu trato conosco na providência. Como devemos orar para que "o nosso amor cresça mais e mais em conhecimento e em todo o julgamento, para que possamos experimentar coisas que diferem "(Fp 1:9, 10 de margem).

"E disse Davi a Natã: Pequei contra o Senhor e disse Natã a Davi: O Senhor também perdoou o teu pecado. Tu não morrer Todavia, porque com este feito tens dado ocasião a que os inimigos do Senhor para blasfemar, também o filho que te nasceu certamente morrerão "(2 Sam. 12:13, 14). Aqui estão as duas coisas para que acabamos chamaram a atenção, e colocou ainda mais em justaposição imediata. As primeiras exposições para nós o Senhor, em Sua personagem como Juiz,declarando que Davi tinha sido perdoado por sua grande transgressão, uma palavra (falou agora pelo Espírito no poder à consciência de um crente penitente) é antecipação do veredicto de Deus no Grande Julgamento. A segunda revela o Senhor em Seu caráter de Régua, declarando que sua santidade o obrigou a tomar conhecimento governamental de maldade de Davi,

de modo que a demonstração pode ser feita de que suas leis não pode ser quebrado com impugnity. Vamos continuar a seguir esta dupla pensou um pouco mais.

"Ele não nos tratou segundo os nossos pecados, nem nos recompensou segundo as nossas iniquidades" (Sl 103:10). Aqui está um versículo que nenhum crente hesitará em definir o seu selo que é verdade, pois ele tem provas abundantes mesmo em sua própria experiência pessoal, e, portanto, ele vai afirmar positivamente, Se eu recebi meus desertos apenas, eu tinha sido lançado o inferno há muito tempo. Justamente foi Spurgeon dizer sobre esta passagem: "Nós devemos louvar ao Senhor pelo que Ele não fez, bem como por aquilo que Ele tem feito por nós. “Ó o que causa tem cada cristão a maravilhar-se que a sua perversidade e não totalmente esgotado a paciência de Deus”. Ai que os nossos corações são tão pouco afetados pela paciência infinita de Deus: O que a Sua bondade pode conduzir-nos ao arrependimento.

Não temos razão de sobra para concluir, por causa da nossa ingratidão e comportamento vil, que Deus reteria de nós as comunicações de Seu Espírito e as bênçãos de Sua providência, levar-nos a encontrar os meios de graça inúteis, e permitir-nos a afundar-se em um estado de apostasia resolvido? Não é uma maravilha que Ele não para lidar com a gente? Verdadeiramente, "Ele não tem a nos tratou segundo os nossos pecados, nem nos recompensou segundo as nossas iniquidades." E por quê? Porque Ele lidou com outro "segundo os nossos pecados" e exigiu dele a plena satisfação à Sua justiça. E Deus não pode pagamento duas vezes a demanda: em primeiro lugar na minha mão sangrando Fiador, e depois novamente no meu. Deus recompensou Cristo segundo as nossas iniquidades, e agora Ele nos recompensa de acordo com méritos de Cristo. Aleluia. Deus seja louvado por tal evangelho! Que esta verdade, muito antiga, vem com nova força e doçura para nossas almas.

"Ele não nos tratou segundo os nossos pecados, nem nos recompensou segundo as nossas iniquidades." Isto é verdade penalmente (ou seja, relações de Deus com nós como juiz) e com respeito aos eternos conseqüências de nossos pecados. No entanto, isso não quer dizer que os pecados crentes cometem são ignorados por Deus como o Governante moral deste mundo, que Ele se abstém de lidar com a gente pelo governo. O conjunto de Seu trato com o povo de Israel (que estavam na relação de aliança com Ele) mostra o contrário. O Novo Testamento também proíbe tal conclusão: veja Gálatas 6:7, 1 Coríntios 11:29, 30! No entanto, deve ser lembrado que Deus exerce sua soberania neste, como em todas as coisas: na medida em que e da maneira em que Deus faz o seu povo inteligente para suas "invenções" é determinada por sua própria vontade própria bem.

Embora Deus perdoe o seu povo de seus pecados, mas Ele freqüentemente lhes dá prova clara da Sua aversão santo do mesmo, e faz com que provar alguma coisa sobre os frutos amargos que eles trazem. Outro texto que nos apresenta essa verdade é duplo: "Tu eras um Deus perdoador, embora para vingança Tu de suas invenções" (Sl 99:8). O que poderia ser mais claro do que isso: Deus perdoa o Seu povo, mas também manifestar Seu descontentamento agravou contra suas transgressões. Um caso gritante, obviamente incluídos no Salmo 99:6-8-está registrada em Êxodo 32. Não vemos Israel adorando o bezerro de ouro na forma lasciva dos gentios. Em resposta à intercessão de Moisés, eles foram perdoados: "O Senhor arrependeu-se do mal que ele havia de fazer ao seu povo" (v. 14). No entanto, Deus tomou vingança de suas invenções, "E o Senhor flagelado povo, porque fizeram o bezerro que Arão fez" (v. 35).

Outro exemplo é visto no caso da incredulidade de Moisés e Aarão em Meribá: se Deus perdoou a culpa de sua raiva como a morte eterna, mas Ele tomou vingança por não sofrê-los para conduzir Israel na terra prometida: ver Números 20: 12, 24. E por isso ainda é, como muitos cristão descobre a partir da experiência dolorosa, quando Deus o leva a tarefa para seus pecaminosos "invenções" e visita a ele o Seu desagrado governamental. No entanto, este em confrontos de modo algum com o fato de que "Ele não nos tratou segundo os nossos pecados, nem nos recompensou segundo as nossas iniquidades." Há misericórdia em nossas castigos, e não importa o quão fortemente a haste pode ferir, temos boas razões para dizer: "E depois de tudo o que há de vir sobre nós para nossas más ações, e da nossa grande culpa, vendo que tu és o nosso Deus punidos nos menos do que merecem as nossas iniquidades "(Esdras 9:13).

Antes de passar, vamos nos antecipar a objeção de alguns santos tentaram, cujo caso pode ser bastante extrema. Há alguns que estão sofrendo tão severamente sob a haste castigo de Deus, que para eles certamente parece que ele está lidando com eles ", depois de seus pecados" e recompensá-los "de acordo com as suas iniquidades." A luz de Seu semblante é retido a partir deles, suas relações providenciais usar apenas carranca um escuro, e ele aparece muito como se Ele tivesse "esquecido de ser gracioso." Ah, caro amigo, se seu coração está em qualquer medida verdadeiramente exercido diante de Deus, então o caso está longe de ser impossível, e para você aplicar essas palavras "Sabe, pois, que Deus requer de ti menos do que merece a tua iniquidade" (Jó 11: 6). Meu irmão, até mesmo seus atuais sofrimentos estão longe, muito longe de ser tão grande como seus pecados.

Agora o que temos procurado trazer para fora acima recebe exemplificação notório no caso de Davi. Em um sentido muito real, Deus não lidar com ele depois de seus pecados, nem recompensá-lo de acordo com as suas iniquidades; ainda em outro sentido, Ele o fez. Deus enviou um profeta para repreendê-lo fielmente, Ele operou convicção e arrependimento de Davi, Ele ouviu o seu grito, apagou as suas transgressões, como Salmo 32 mostra tão abençoadamente. No entanto, se Deus perdoou Davi como a culpa da morte eterna, salvou a sua alma, e poupou a sua vida, mas Ele "tomou vingança de suas invenções." Havia uma necessidade- ser por isso que aflição veio sobre ele: a santidade divina deve ser defendida, sua justiça governamental deve se manifestar, uma solene advertência deve ser dada aos iníquos, e David se deve aprender que “o caminho do transgressor é difícil”. “O que o escritor eo leitor pode fixar esse coração e lucros”.

Através Nathan Deus disse a Davi: "Por que fizeste, desprezaste a palavra do Senhor, para fazer o mal aos seus olhos? Tu matou Urias, o hitita com a espada, e sua mulher tomaste para ser tua mulher, e ele mataste com . a espada dos filhos de Amom Agora, pois, a espada jamais se apartará da tua casa, porquanto me desprezaste, e tomaste a mulher de Urias, o hitita, para ser tua mulher: Assim diz o Senhor: Eis que vou levantar. mal sobre ti da tua própria casa, e tomarei tuas mulheres perante os teus olhos, e as darei a teu próximo, o qual se deitará com tuas mulheres na luz deste sol (2 Sam. 12:9-11). O que uma exposição solene da justiça governamental de Deus, Davi deve colher como ele havia semeado Ele tinha causado Urias fosse morto pela espada, e agora Deus lhe diz que "a espada jamais se apartará da tua casa";!. ele havia cometido adultério com Bate-Seba e, agora, ele ouve que suas mulheres serão imundas Como verdadeiros são essas palavras. "Porque com o que julgardes, sereis julgados; e com o que vos mete medida, será medir a vós" (Mateus 7: 2)!

Deus tem declarado que aos maus Ele se mostrará perversa "(Sl l6: 26) e, freqüentemente, é que Ele punir o pecado na sua própria. tipo Após os desejos ardentes dos sodomitas Ele choveu fogo e enxofre do céu (Gn. 19:24). Jacó enganou seu pai por meio da pele de um garoto (Gen. 29:16), e ele por sua vez foi assim enganado por seus filhos, que o levaram a túnica de José mergulhados no sangue de uma criança (Gn . 37:31), dizendo que ele tinha sido devorado por um animal selvagem. Porque o faraó tinha cruelmente ordenou que as crianças do sexo masculino dos hebreus deveriam ser afogados (Ex. 1:24), o rei egípcio e todos os seus exércitos foram engolidos por o Mar Vermelho (Êxodo 14:26). Nadabe e Abiú pecaram gravemente, oferecendo "fogo estranho" ao Senhor, e, consequentemente, eles foram consumidos pelo fogo do céu (Levítico 10:1, 2). Adoni cortar os polegares e dedos dos reis que ele tomou em batalha, e de igual maneira o Senhor recompensou (Juízes 1:6, 7). Agague desfilou espada as mulheres, e assim por sua própria mãe foi feito por seu filhos sendo rasgado em pedaços diante do Senhor (1 Sam 15:33.).

Que provas são essas que "os olhos do Senhor estão em todo lugar, contemplando os maus e os bons" (Pv 15:3). Que evidências são estes da justiça inflexível de Deus: ninguém precisa temer, mas o que o Juiz de toda a terra vai "fazer direito". Que sugestões solenes são aqueles que no dia a vir cada um será julgado "segundo as suas obras." Que advertências são estes que Deus não está a ser ridicularizado. Mas que não pode esquecer que se está escrito: "Aquele que semeia na carne, da carne ceifará a corrupção": ele também é adicionado (embora não tão frequentemente citado) que "o que semeia para o Espírito do Espírito ceifará a vida eterna "(Gl 6:8). O mesmo princípio de Deus que concede um exata aplica-se ao serviço dos seus ministros:; (. 2 Coríntios 9:6) "Aquele que semeia pouco, pouco também ceifará eo que semeia com fartura com abundância também ceifará", a colheita não devem apenas ser responsável para a semente ea recompensa para o trabalho, mas será maior ou menor de acordo com a quantidade e qualidade do trabalho.

Nem o último trecho citado quer dizer que Deus vai recompensar seus ministros segundo o fruto eo sucesso de seu trabalho, mas sim de acordo com o próprio trabalho, seja ele pouco ou muito, melhor ou pior:

"Todo homem deve receber o seu galardão segundo o seu próprio trabalho "(1 Cor. 3:8). Deus em Sua soberania pode definir Seu servo durante um povo cego e perverso (como fez Ezequiel), que tão longe de lucrar com o seu ministério, adicionar a iniquidade à sua iniquidade;, no entanto, seu trabalho é com Deus (Is 49:4). Assim também com as fileiras dos cristãos quanto mais generosamente que semear as sementes de boas obras, mais eles devem colher, e mais moderadamente que semeiam, menor será a colheita: "Sabendo que qualquer coisa boa faz qualquer homem, o mesmo deve ele receber do Senhor "(Ef. 6:8). O que um incentivo e estímulo que deveria ser em todos nós: "Não vamos estar cansado de fazer bem, para no devido tempo que deve colher, se não houvermos desfalecido "(Gl 6:9).

Mas voltemos ao David. "Então Natã foi para sua casa" (v. 15). O profeta tinha fielmente entregou sua mensagem, e agora ele se retirou do tribunal. É impressionante e abençoado para ver como Deus honrou seu servo: Ele se mudou para David nomear um de seus filhos "Nathan" (1 Crônicas 3:5.), e foi a partir dele que Cristo, segundo a carne, desceu (Lucas 3:31). "E o Senhor feriu a criança que a mulher de Urias dera a Davi, e ele estava muito doente" (v. 15). As palavras do profeta agora começou a receber o seu cumprimento trágico. Eis aqui a soberania de Deus: os pais viviam, a criança deve morrer. Veja aqui também o respeito de Deus por Sua lei: David tinha quebrado, mas Ele executa-lo, visitando os pecados do pai sobre o filho.

"E buscou Davi a Deus pela criança e jejuou Davi, e entrou, e ficou toda a noite sobre a terra" (v. 16). É comovente ver este guerreiro experiente tão afetada pelos sofrimentos do seu pequeno uma prova de um coração quebrantado e um espírito contrito, para o penitente é lamentável. É verdade que o profeta tinha dito:

"O filho que te nasceu certamente morrerá" (v. 14), no entanto, David parece ter acalentado a esperança de que esta ameaça era apenas uma condicional um, como no caso de Ezequias: as suas palavras ", enquanto a criança ainda viva, jejuei e chorei, porque eu disse: Quem pode dizer se Deus se compadecerá de mim, que viva a criança?" (V. 22) aparece fortemente para suportar isso. Em seu jejum e deitado toda a noite no chão David se humilhou perante o Senhor, e evidenciado tanto a sinceridade de seu arrependimento e da seriedade de sua súplica. O que está registrado no versículo 17 ilustra o fato de que o homem natural é incapaz de compreender os motivos que regulam a conduta dos crentes.

"E aconteceu que no sétimo dia, que a criança morreu" (v. 18). Nenhum detalhe da Escritura é sem sentido. Foi no oitavo dia que os meninos dos israelitas deveriam ser circuncidados (Gênesis 17:12, etc), assim a morte de seu filho antes que ele pudesse receber o sinal da aliança mais uma prova foi dada David de desagrado do governo de Deus! Embora fosse uma misericórdia para todos os interessados que o bebê foi removido deste mundo, mas na medida em que sua morte havia sido anunciada publicamente como uma repreensão pelo seu pecado (v. 14), a sua morte era um manifesto de castigo de Deus sobre Davi e Bate-Seba .

"Então Davi se levantou da terra, lavou-se, ungiu-se, e mudou de roupas, e entrou na casa do Senhor, e adorou: então ele veio para sua casa, e quando ele necessário, puseram pão diante dele , e ele comeu "(v. 20). Isso é lindo, lembrando-nos de curvar-se de Jó sob vara castigo de Deus e adorá-lo quando ele recebeu notícia da morte de seus filhos. Quão diferente foi essa da dor desconsolada e rebelião contra Deus, que é tantas vezes apresentada pelos mundanos quando seus entes queridos são combinados longe deles. O choro não deve prejudicar a adoração: "Está alguém entre vós aflito deixá-lo rezar?" (Tiago 5:13). Como os termos deste versículo repreender o asseio pessoal de alguns que frequentam o culto público!

"Então consolou Davi a Bate-Seba sua mulher, e entrou a ela, e se deitou com ela, e ela deu à luz um filho, e chamou o seu nome de Salomão; eo Senhor o amou" (v. 24). Tendo mansamente inclinou-se diante a vara de Deus, humilhou-se sob a mão poderosa, e de domínio público dEle em adoração, David já recebeu um sinal do favor de Deus: "Eis que um filho deve nascer de ti, que será homem de repouso; e eu lhe darei descanso de todo o seu inimigos sobre: para que seu nome será Salomão, e eu darei paz e descanso a Israel nos seus dias "(1 Crônicas 22:9.). O nascimento eo nome dado a Salomão era uma evidência de que Deus foi reconciliado para David, como era também um penhor da tranquilidade que obteria em Israel durante o seu

reinado. Salomão também foi nomeado "Jedidiah", que significa "amado do Senhor" sinal-demonstração da soberania da graça divina!

O capítulo termina (vv. 26-31) com um breve relato da captura de Israel, de Rabá, a cidade real dos amonitas. Outra prova foi essa da graça de Deus a Davi: ele prosperou os braços apesar dos seus pecados agravados. Os castigos adicionais que vieram com ele sob as relações governamentais de Deus serão consideradas por nós nos capítulos que se seguem.

CAPÍTULO CINQUENTA E OITO Seu filho Absalão

2 Samuel 13

CAPÍTULO CINQUENTA E OITO Seu filho Absalão 2 Samuel 13 Os castigos, que eram os frutos
CAPÍTULO CINQUENTA E OITO Seu filho Absalão 2 Samuel 13 Os castigos, que eram os frutos
CAPÍTULO CINQUENTA E OITO Seu filho Absalão 2 Samuel 13 Os castigos, que eram os frutos

Os castigos, que eram os frutos naturais dos pecados de Davi, rapidamente começaram a cair em cima dele. Embora Deus tivesse feito com ele uma aliança "em tudo bem ordenado e seguro" (2 Sam. 23:5), e embora ele era o homem segundo o Seu coração, Ele ainda estava longe de ser a respeito de seus pecados de ânimo leve.A honra do nome de Jeová exigia que essas transgressões como Davi deve ser marcado por sinais não comuns de Seu desagrado. Ele tinha "dado ocasião a que os inimigos do Senhor para blasfemar" (2 Sam 12:14.), E, portanto, que Ele proclamar a Sua desaprovação mais alto pelo sofrimento David para viver e passar por uma tristeza enorme após o outro, do que ele tinha matado instantaneamente após seu crime contra Urias. Mas também podemos ver nele a fidelidade, sabedoria e graça de Deus para com Seu servo usando essas dores muito para a renovação dele em santidade, e que esta foi realizada parece abençoadamente na sequência.

David era agora para provar a verdade plena solene de "A tua malícia te castigará, e as tuas apostasias te repreenderão; sabe, pois, e vê que é uma coisa má e amarga que o teres deixado o Senhor teu Deus, e que Meu medo não é em ti, diz o Senhor Deus dos Exércitos "(Jer. 2:19). Foi através aqueles mais próximos e queridos para si mesmo que David estava a experimentar o que "uma coisa má e amarga", é afastar-se do Senhor. "Eis que eu suscitarei o mal contra ti de tua própria casa "(2 Sam. 12:11) o Senhor havia declarado. O que deve ter sido os sentimentos de seu pobre coração com essa ameaça terrível paira sobre a sua família! Quantas vezes nós moralizar sobre a sabedoria e misericórdia de Deus em negando-nos um conhecimento do futuro: como seria estragar a nossa paz presente e conforto se estivéssemos familiarizados com as provações e tristezas que temos pela frente, o mais se foram agora revelados para nós os males que ainda ultrapassar os membros da nossa família. Mas o caso era de outra maneira com David: ele sabia que os julgamentos severos de Deus estavam prestes a cair dentro de seu círculo familiar!

Pode-se facilmente imaginar com que ansiedade David seria agora olhar para os seus vários filhos, perguntando sobre qual deles o golpe divino que primeiro cair. A morte de bebê de Bate-Seba foi apenas o prelúdio da tempestade terrível que estava prestes a descer sobre seus entes queridos. Parece bastante claro de tudo o que se segue, uma das falhas da família de David foi que ele tinha sido muito fácil de lidar com e indulgente para com seus filhos, permitindo que suas afeições naturais para substituir o bom senso, em vez de (como deveria ser) o julgamento guiar as afeições-não é sem razão e significado que a cabeça está definido acima do coração em nossos corpos físicos! Sem dúvida, o fato de que David teve várias esposas tornou muito mais difícil governar a sua prole, como dever exigia-se leva como erradas para outro!

Como vimos em capítulos anteriores, Davi era um homem de fortes paixões e os sentimentos profundos ele cultivou para seus filhos estava em pleno acordo com isso. O medo dos seus servos para lhe dizer que sua criança estava morto (2 Samuel 12:18.), O conselho de Jonadabe a Amnom, que havia lido corretamente Davi disposição, fingir-se doente, que "quando seu pai chegou a vê-lo" (. 2 Sam 13:5) ele poderia proferir seus pedidos, o seu "choro tão ferida pela morte de seu filho, e, novamente, a sua angústia de ter

diminuído," seu desejo alma sair "para o outro filho que havia matado ele (2 Sm 13:39)., e as instruções finais aos seus oficiais que tocam a segurança de Absalão, mesmo quando estava em armas contra o pai "lidar com cuidado, por minha causa, com Absalão" (2 Sam 18:. 5)-estar muito mais preocupado com o cuidado de seu filho do que o resultado da batalha; são tantas ilustrações desta característica.

Mas o que lança luz sobre o carinho amoroso de Davi para seus filhos, um carinho que o levou a pôr de lado as chamadas clamam do dever, sai em sua incapacidade de punir Amnom por seu crime contra Tamar, e sua incapacidade de punir Absalão para assassinato de Amnon. Que luz é lançada sobre essa enfermidade de David, quando, em conexão com a rebelião de Adonias, "seu pai não tinha contrariado a qualquer momento, dizendo: Por que fizeste assim?" (1 Reis 1:6). Não admira, então, que seus próprios filhos foram feitos um flagelo para ele. Infelizmente, ele seguiu muito de perto o mal exemplo de Eli, o sumo sacerdote de Israel, de quem está escrito: "seus filhos se fizeram execráveis, e ele não contê-los" (1 Sam. 3:13). Sabiamente Thomas Scott diz: "As crianças são sempre incertos confortos, mas entregava crianças certamente provar ensaios para os pais piedosos, cuja tola carinho os induz a negligenciar o seu dever para com Deus ", que exige que eles devidamente disciplinar seus filhos.

Mas as crianças de Davi haviam sido preservadas da maldade aberto em seus primeiros anos: não foi até seu pai tornou-se culpado de graves crimes que a mão restritiva de Deus foi removida los! Como este deve falar ao coração dos pais de hoje: se eles abandonam pelas veredas da justiça, há boas razões para acreditar que Deus vai castigá-los, sofrendo seus filhos a fazerem o mesmo. As crianças em sua juventude naturalmente considerar o mau exemplo de seus pais uma desculpa por que eles podem seguir os seus passos, e cresceram as demais são encorajados e confirmada em pecado pela conduta pecaminosa dos pais e mães. "Que este seja um aviso para nós a vigiar e orar contra as tentações, para que pela má conduta de uma hora descuidada devemos ocasionar conseqüências futuras para esses nossos descendentes, e da miséria como a nós mesmos ao longo de nossas vidas futuras" (Thomas Scott).

Ele é profundamente instrutivo e indizivelmente solene para observar o método seguido pelo Senhor na execução de Suas ameaças terríveis através de Nathan. Não era que o palácio de Davi agora estava queimado pelo fogo do céu ou arrasada por um ciclone. Também não era que um de seus filhos foi morto por um relâmpago, e outro engolido por um terremoto. Não, que não é a maneira habitual de Deus: não por milagres físicos, mas pela operação das leis morais, é a retribuição dispensado pelo seu governo realizou. "Deus denunciou as aflições mais graves contra a casa de Davi, por conta de sua conduta para com Urias. Essas

aflições foram todos executados de uma forma da Providência

Cada parte da frase divina contra David foi

executado por Sua providência, sem um milagre. Quem pode trabalhar como Deus? " (Alexander Carson). Esta extremamente impressionante e digno de nossa atenção, pois lança muita luz sobre o governo de Deus sobre o mundo de hoje.

Sim, a maneira em que ameaças terríveis de Deus foram cumpridas é mais notável: foi feito de uma forma de conseqüência natural das próprias transgressões de Davi. A maldição que Deus pronunciou sobre ele correspondia exatamente ao caráter de suas iniquidades. Ele desprezou o mandamento do Senhor (2 Sam. 12:9, ou seja, "Tu não cometerás adultério"), tomando para si a mulher de outro homem, e agora as mulheres de sua própria casa deve ter profanado. Ele tinha se tornado um homem de sangue no açougue de Urias, e agora de sangue de sua própria família deve ser feito para beber. Ele tinha rendido a suas paixões, e por essa mesma paixão funesta em outros ele estava a ser flagelado pelo resto de seus dias. A aparência de seus anos restantes foi criado por sua própria conduta no palácio em Jerusalém! E, embora o próprio Davi fosse poupado da mão do vingador violento, mas ele foi por muito tempo fez o espetáculo do sofrimento justo diante do mundo.

Em contraste marcado a partir da abertura de 2 Samuel 11, capítulo 12 fecha, mostrando-nos David ocupando novamente a sua posição adequada. Lá ele desprezado o posto de dever, mas aqui ele é visto na cabeça de seu povo lutando as batalhas do Senhor. No caso anterior David foi feito para pagar caro pela sua facilidade carnal, mas aqui Deus prosperou seus esforços por oferecer Rabá em suas mãos. Após a vitória de David e seu exército voltaram para Jerusalém, mas apenas para que ele sofresse uma tristeza calamitosa após o outro. O capítulo que está agora a ser considerado por nós narra dois dos crimes mais horríveis que nunca

perturbaram a harmonia de um círculo familiar. Um dos filhos de Davi agora desonra filha de Davi, enquanto que outro de seus filhos, depois de dar tempo ao tempo, vingar a honra ultrajada de sua irmã, assassinando seu sedutor. Assim, a luxúria e fratricídio agora desolada própria casa do rei.

Filhos de Davi havia aprendido a lição que a queda de seu pai lhes havia ensinado. Trágico na verdade era a colheita, o rei já colheu, para um pai não pode ter mais nítida angústia que a visão de seus próprios pecados reaparecendo em seus filhos. "David viu o reflexo medonho de sua paixão desenfreada em crime falta do filho mais velho (e até mesmo um brilho dele em sua infeliz filha), e de seu ofício criminoso em uma vingança sangrenta seu segundo filho" (Alexander Maclaren). Há pouca necessidade para nós de me debruçar sobre os detalhes revoltantes. Primeiro, Amnon tinha determinado a cometer o pecado com medo de incesto

contra a sua meia-irmã, que era "justo" ou bonito (2 Sam 13:1.). Ah, quantas uma mulher jovem tem entristecido porque ela não era bonita: infelizmente, boa aparência muitas vezes revelar-se uma armadilha fatal,

e aqueles dotados com eles precisa ser duplamente cauteloso.

As características mais solenes desta calamidade primeiro pode ser visto no traçado o funcionamento do castigo justo de Deus nele. Primeiro, temos a marca do Espírito de tempo nas palavras de abertura do nosso

capítulo ", e aconteceu depois disso." que, como já acima esclarecido, foi quando o rei voltou a Jerusalém,onde

a sua própria queda terrível tinha acontecido! Em segundo lugar, Amnon foi o filho mais velho do rei (2 Sam.

3:2) e, portanto, a um na linha imediata para o trono, e provavelmente o que ele mais amava. Em terceiro lugar, Amnom estava em uma perda de pensar em meios para a satisfação de seus desejos de base, mas não estava em

minhas mãos um conselheiro astuto que imediatamente inventou um enredo em que ele conseguiu, e que o homem era sobrinho de Davi (v. 3)! Em quarto lugar, as obras da Providência eram tais que o próprio Davi foi feito um acessório sem vontade de arrebatamento de sua filha. Quando o rei viu Amnon, que fingia estar doente, Deus não somente retidos dele um discernimento de seus maus desígnios, mas David foi o único que enviou para Tamar: tão pobre Urias tinha sido enganado por ele, agora ele foi enganado por seu filho!

Depois de insulto (v. 17) havia sido adicionado à sua Tamar lesão grave encontrou uma casa com Absalão, que era seu irmão de sangue. Sua pergunta a ela (v. 20) indica que o caráter de Amnom era bem conhecido, o que torna mais menos culpado do rei consentindo para sua filha para visitá-lo. No entanto, "o conselho do Senhor, que deve ficar "(Prov. 19:21), e apesar de ter comprovado a sua" gravidade "(Rm. 11:22), no entanto, era o que mesmo este mundo seria designar um caso de" poética justiça, "tão longe quanto David estava preocupado. Quanto mais perto o caso ser examinado o mais aparecerá o castigo justo que a caracteriza. Como Joabe tinha sido tão longe de se recusar a executar o plano perverso de Davi, mas tinha sido um partido que querem para o mesmo (2 Sam. 11:15, 16), de modo Jonadabe ao invés de recuo de horror do projeto vil de Amnon, o ajudou para prendê-lo!

"Mas quando o rei Davi ouviu todas estas coisas, ele se indignou muito" (v. 21). Um teste severo de seu personagem foi agora apresentado, pois deve ser lembrado que, como rei, ele era o magistrado chefe de Israel, e, portanto, sob as mais altas obrigações para ver que a lei de Deus foi aplicada imparcialmente. Meramente ser "muito indignado" por nenhum meio cumprido as exigências do caso: como o chefe da nação era o seu indeclinável, embora extremamente doloroso, dever, para ver que seu filho devassa foi punido. A lei foi expressa sobre tal caso (ver Lv. 20:17), ainda não há nenhuma insinuação de que David infligida esta penalidade. Foi o funcionamento de sua própria consciência culpada (lembrando-se de seu pecado), ou suavidade dos pais para sua prole, que impediu a ele? Qualquer que seja o que fosse um perigoso precedente foi criado, para suavidade aos transgressores por magistrados só serve para incentivar males maiores. Mas, embora o rei falhasse em seu dever público, mais tarde, o Senhor tratado com Amnom, e de tal forma a contribuir grandemente para julgamentos internos de Davi.

"Porém Absalão não falou com Amnom, nem bom nem mau: para Absalão odiava a Amnom por ter forçado a sua irmã Tamar" (v. 22). O Espírito Santo introduz agora ao nosso conhecimento um dos personagens mais desprezíveis, vil e Deus abandonada cujo registro é narrado nas Escrituras. A primeira coisa que aprendemos sobre Absalão é seus antecedentes: ele emitidos a partir de um estoque pagão! Sua mãe era um gentio, filha de Talmai, rei de Gesur (2 Sam. 3:3). Os gesuritas eram um povo feroz e intratável, ea tensão de

sua ilegalidade passou em seu sangue. Ao tomar para si Maaca David desobedeceu um comando simples do Senhor: "Nem te fazer casamentos com eles: tua filha não te dar a seu filho, nem sua filha te tomarás para teus filhos" (Dt 7:3) . Será que precisamos é de admirar que, depois de ter semeado o vento, David foi feito para ceifar o turbilhão? Deus não vai ser desafiado com impugnity.

"Para Maaca nasceram Tamar e Absalão Ambos eram justos, ambos atraente" Em todo o Israel não

havia nada a ser muito elogiado como Absalão para sua beleza:

havia defeito nele. " David provavelmente estava orgulhoso da atratividade que adornavam sua casa, e estava disposto a esquecer a fonte da qual brotou A atratividade operou seus efeitos;. E como poderia ser esperado a partir da atratividade da natureza, as conseqüências resultantes eram pecado e tristeza A. beleza de Tamar foi a causa do pecado e da destruição de Amnom, que caiu sob a mão vingativa de Absalão, seu irmão; ea atuação de Absalão operou nos corações dos homens de Israel, até que eles desviaram-se David e seu trono. Tais foram os resultados de uma atuação derivados de fontes estrangeiras e proibido ao povo de Deus "(BW Newton).

Desde a planta do pé até o alto da cabeça não

Não admira que o Sr. Newton passou a perguntar: "Tem o cristianismo aproveitou a lição, ou ele também formou alianças com o estranho?" Ai, que estas questões são facilmente respondidas. Uma das razões principais pelas quais a cristandade pobre está em uma condição tão triste hoje é porque ela tem sido tão amplamente atraída por aquilo que faz um apelo para a carne. E isso não é mal por qualquer meio restrito a Roma, com sua arquitetura ornamentada, impondo apelo ritual, para os sentidos. A mesma coisa, em formas variadas, agora destrói a maior parte do protestantismo. A exposição clara das Escrituras é substituída pelos temas populares do dia, o canto congregacional tem sido relegado o segundo plano por vocalistas profissionais no coro, e todos os tipos de dispositivos mundanos são utilizadas para "desenhar" os jovens. Tudo isso é apenas a forma atual de Israel está sendo seduzido pelas atrações físicas de uma Absalão ateu.

Singularmente o bastante o significado de "Absalão" é o "pai da paz", mas a dele era a paz de um enganador. Ele era o filho dele que era um mentiroso e homicida desde o princípio, e ele sabia que nenhum outro mestre há não intimação de um único Deus que nunca teve qualquer lugar em seus pensamentos. A falsidade ea traição de seu personagem aparece desde o início. Suas palavras a Tamar foram "segure tua paz agora, minha irmã, ele (Amnon) é teu irmão: respeito, não essa coisa Tamar. permaneceu solitário em casa de Absalão, seu irmão "(v. 20), aparentemente sem nenhuma suspeita de suas assassinas intenções. Enquanto isso, "Absalão não falou a seu irmão nem bom nem mau: para Absalão odiava a Amnom, por ter forçado a Tamar sua irmã." O espírito de vingança consumiu a ele, e ele só esperou a hora de uma oportunidade adequada para exercê-la. Absalão era a vara nomeada pelo Senhor para a posterior correção de David, uma vara, como vimos, tirado de sua haste própria, seu próprio filho. "Os moinhos de Deus moem devagar, mas moem superiores a pequena!"

CAPÍTULO CINQUENTA E NOVE Seu filho Absalão (Continuação)

2 Samuel 13

E NOVE Seu filho Absalão (Continuação) 2 Samuel 13 Tamar, filha de Davi, como vimos no
E NOVE Seu filho Absalão (Continuação) 2 Samuel 13 Tamar, filha de Davi, como vimos no
E NOVE Seu filho Absalão (Continuação) 2 Samuel 13 Tamar, filha de Davi, como vimos no

Tamar, filha de Davi, como vimos no nosso passado, encontraram asilo na casa de Absalão, após o tratamento vil que ela havia recebido de Amnon, outro dos filhos de Davi, mas por uma mulher diferente. Seu irmão, somos informados, "odiava a Amnom, por ter forçado a Tamar sua irmã." Nem inimizade Absalão diminuir em nada com o passar do tempo, mas apenas esperou uma ocasião que ele considerou que ser ia mais adequado para tirar sua vingança. Isso só serviu para tornar mais evidente seu caráter real. Há uma raiva que não tem pecado, como fica claro em "Quando Ele (Cristo) tinha olhado para eles em redor com

indignação,condoendo-se da dureza dos seus corações "(Marcos 3:5). No entanto, há tanto de natureza combustível na carne de um cristão que ele precisa para se transformar em fervorosa oração que a exortação:

"Irai-vos e não pequeis: não deixe o sol sobre a vossa ira" (Ef 4: 26).

Mas o sol tinha ido para baixo em cima ira de Absalão: um incêndio mortal ardia em seu coração, que dois anos completos não tinha poder para matar, a sua alma licitação astuta seu tempo até que um caminho aberto para deixar sair a sua raiva sobre sua vítima. Ódio implacável queimado em Absalão para seu meio- irmão como se ele tivesse sido aceso, mas ontem, e agora a sua astúcia concebeu uma passagem segura para

ele. Ele era o mais manifestamente um filho do diabo, e quereis satisfazer os desejos de seu pai que estava pronto para executar voluntariamente. O dolo da "serpente" agora servia a fúria do "leão", para aqueles que são

as duas características predominantes no arqui-inimigo de Deus e dos homens. Isso fica claro a partir das táticas que ele seguiu com o Senhor abençoou. Primeiro, vemos a sua astúcia venenoso da Tentação, e, em seguida, sua crueldade diabólica na cruz. Da mesma forma que ele trabalha agora, e, portanto, nunca é com aqueles que ele domina.

"E aconteceu que, passados dois anos inteiros, Absalão tinha tosquiadores em Baal-Hazor, que está junto a Efraim, e convidou Absalão a todos os filhos do rei" (2 Sam 13:23.). Correspondente ao antigo costume Inglês de "home-colheita", quando um tempo de festa e alegria seguiu a granjear de que, na Palestina a ocasião anual de "tosquia" foi feito um evento de celebração festiva e da união de parentes e amigos. Isso fica claro a partir de Gênesis 38:12, 13 e 1 Samuel 25:4, 36: no aquele que ler ", e foi consolado Judá (após a morte de sua filha), e subiu aos seus tosquiadores, em Timnate, com seu amigo ", enquanto no outro, é dito que" Nabal fez

e eis que ele realizou uma festa em sua casa, como banquete de rei; eo coração de

Nabal estava alegre nele, pois ele era muito bêbado. "

ovelhas tosquiar as suas

Durante um bom Absalão longo intervalo havia ocultado seu ódio amargo contra o seu meio-irmão sob uma aparência de indiferença, pois lemos que ele "falou-lhe nem bem nem mal" (v. 22). Mas agora Absalão considerado o momento ideal de vingança. Para cobrir seu projeto de base, ele convida "todos os filhos do rei 'para sua festa, que ele tinha como propósito deve ser o lugar de execução para sua vítima inocente. Apenas o último grande Dia revelará quantas vezes projetos traiçoeiro ter sido camuflada pela aparente bondade Judas traiu o Mestre não com um golpe, mas um beijo!

Mas Absalão às dores ainda maiores para esconder sua intenção base. "E foi Absalão ao rei e disse: Eis que teu servo tem tosquiadores; que o rei, pede-te, e os seus servos venham com o teu servo" (v. 24). Essa foi a hipocrisia francamente, para Absalão não podia ter qualquer desejo que o próprio Davi deve estar no terreno para testemunhar a traição contra seu filho. Também não foi o sucesso de seus ameaçadas trama engenhosa por

este movimento ilusório, pois ele tinha boas razões para acreditar que seu pai iria recusar o convite. Tal fato, foi

o caso: "E disse o rei a Absalão, meu filho, não vamos todos juntos, para não sermos pesados a ti." Como

evidenciado que um dos muitos traços nobres do caráter de Davi: sua reflexão altruísta dos outros, a sua consideração gentilmente recusando-se a colocar seu filho para gasto desnecessário. "E instou com ele," ainda

um pouco mais tarde tentou converter os corações de todo o Israel contra ele e arrancar o reino da sua mão! "Porém ele não quis ir, mas o abençoou" (v.25), isto é, uma bênção pronunciada por patriarcal sobre ele.

"Então disse Absalão: Quando não, peço-te, que meu irmão Amnom vá conosco" (v.26). Aqui foi o projeto real de Absalão em pressionar o rei a ser se apresentar na próxima família união e festa: ter ponderável recusou o convite de seu filho, seria duplamente difícil recusar seu segundo pedido. No entanto, como essa deferência até pretensa autoridade dos pais de Davi exibiu a perfídia de Absalão! Ele estava determinado a conseguir Amnon em suas fadigas, ainda velada sua sede de sangue sob um pretexto de afeto e respeito filial. "E o rei lhe disse: Por que ele deveria ir contigo?" (V.26). David era, evidentemente, um pouco desconfortável, ou pelo menos saber o que estava por trás do show de simpatia para com Absalão Amnon. Mas "o coração do rei está na mão do Senhor, como os rios de água: Ele desvia-lo para onde vai" (Pv 21:1), e assim a sequência claramente demonstrada.

"Mas Absalão com ele, que ele deixe Amnom e todos os filhos do rei ir com ele" (v. 27). Absalão prevaleceram contra o bom senso do rei. Pode ser que David deu à urgência de seu filho da esperança gostava que a plena reconciliação fosse feita entre os dois irmãos, mas se ou não for esse o caso, devemos olhar mais alto e eis que a mão todo-poderoso de Deus realizar a Sua próprio conselho. O Senhor havia declarado que "a espada jamais se apartará da" tua casa "e" Eu suscitarei o mal sobre ti da tua própria casa "(2 Sam. 12:10, 11), e da execução do referido acórdão, há havia escapatória. Divina Providência tão dirigida coisas que Davi, por dar o seu consentimento para a Amnon para participar da festa, se tornou um acessório involuntária ao assassinato de Amnom. Quanto mais pesado que isso faça o golpe ao coração do rei pobre! No entanto, como absolutamente justo eram as relações divinas com ele!

"Ora, Absalão deu ordem aos seus servos, dizendo: Tomai, quando o coração de Amnom estiver alegre do vinho, e quando vos digo que, ferir Amnom, então matá-lo, não temas: não mandei você ser corajoso, e ser valente? "(v. 28). Os pássaros da mesma pena voam juntos: Absalão tinha conseguido reunir em torno dele lacaios sem escrúpulos que estavam prontos para ajudá-lo em qualquer vilania. Eles sabiam que o Senhor Deus tinha ordenado "tu não matar ", mas foram eles prontos para condenar suas almas para agradar seu mestre maligno. Os personagens são mais vis raramente em uma perda para encontrar aqueles que irão ajudá-los no mais negro dos crimes. A impiedade com medo do Absalão réprobos aparece em "quando eu vos digo, Feri a Amnom, então, matá-lo: não temas "-Deus ou o homem, ser, independentemente das conseqüências. Total abandono como marca aqueles que são dadas por Deus.

Mas vamos agora observar como a retribuição justa de Deus aparece em todos os detalhes deste incidente. Em primeiro lugar, como o assassinato de Urias por Davi não era um surpresa súbita para o mal, mas uma coisa deliberadamente premeditado a sangue frio, de modo a remoção de Absalão de Amnon insensivelmente planejado com antecedência, como o verso 28 shows. Em segundo lugar, como o assassinato de Urias era um meio para um fim de que David pode obter Bate-Seba, por isso o assassinato de Amnom era apenas uma preliminar ao projeto de Absalão de obter o reino, removendo seu irmão mais velho que era o herdeiro do trono. Terceiro, como David não matar Urias pela sua própria mão, mas fez Joabe um cúmplice, então Absalão aos seus servos envolvidos na culpa de seu crime, em vez de atacar o golpe fatal a si mesmo. Em quarto lugar, como Davi fez Urias "bêbado" antes de sua morte (11:13), assim Amnon foi derrubada, enquanto "seu coração alegre do vinho"! Quem pode deixar de ver o governo supervisão de Deus aqui?

"E os servos de Absalão fizeram a Amnom como Absalão lhes havia ordenado" (v. 29). Quão pouco pode prever quando calamidade trágica pode ferir uma reunião de família "tu não sabes o que um dia pode trazer" (Provérbios 27:1). Como levemente devemos manter as coisas da terra, para o mais precioso deles são susceptíveis de ser rudemente arrancado de nós a qualquer momento. A previsão da "espada" está desenhado em casa de Davi, eo resto de seus filhos não sabia quanto tempo eles podem se tornar vítimas de sede de sangue de Absalão. Por isso nós lemos: "Então todos os filhos do rei se levantou, e cada homem de Gate ele na sua mula, e fugiram" (v. 29). O que um final para um tempo de festa! Como vão são os prazeres deste mundo pobre! Como fino é o fio sobre o qual paira a vida até mesmo dos filhos do rei!

"E aconteceu que, enquanto eles estavam no caminho, chegou a nova a Davi, dizendo: Absalão feriu a todos os filhos do rei, e não há um só deles ficou" (v. 30).Como muitas vezes os portadores de más notícias tornar as coisas ruins pior por desculpa exagerá-las! As coisas estavam agora a Davi representado como sendo muito mais negro do que realmente eram. Há uma advertência para nós aqui: não relatórios de crédito do mal até que sejam definitivamente corroborada."Então o rei se levantou, e rasgou as suas vestes, e se lançou por terra, e todos os seus servos estavam com as vestes rasgadas" (v. 31). Como estamos prontos para acreditar no pior! Pobre David foi agora como atormentada pela falsa notícia trouxe para ele como se fosse autêntico. Mas, infelizmente, quão lento estamos a acreditar que a Boa Nova, tal é o homem caído, pronto para receber a mentira mais flagrante, mas rejeitando a autoridade da Verdade Divina.

"E Jonadabe, filho de Siméia, irmão de Davi, respondeu e disse: Não diga o meu senhor que mataram todos os mancebos filhos do rei, pois porque só morreu Amnom: para a nomeação de Absalão isto tem sido determinada a partir do dia em que forçou sua irmã Tamar "(v. 32). Jonadabe parece ter tido conhecimento

desde o início que Absalão tinha definitivamente propósito de matar seu irmão, ainda tinha ele se absteve de informar o rei para que ele possa usar sua influência para reconciliar os dois homens, ou pelo menos tomar medidas para evitar o assassinato estar feito. Grande era realmente a culpa de Jonadabe. Mas, novamente percebemos as coisas providência. Deus às vezes permite que os planos malignos dos homens a vir à luz, de modo que suas vítimas destinados receber avisos atentados (Atos 9:23-25), enquanto em outros casos Ele sela as bocas daqueles que possuem tais conhecimentos,. e este como o melhor subserves Seus próprios projetos inexoráveis.

"Mas Absalão fugiu, e foi a Talmai, filho de Amiúde, rei de Gesur, esteve ali três anos" (vv. 37, 38). Por seu crime suja a terra de Israel havia sido profanado e sua própria vida perdida (Nm 35:33). Ele agora era um devedor para que a Lei de que David era o guardião, para o rei estendeu o seu trono sobre os termos de ler a lei continuamente e obedecendo à mesma (Deut. 17: 18-20). É verdade que David não tinha executado o castigo para o incesto de Amnom, mas ele mal podia esperar que ele pisque para fratricídio bárbaro. Nem poderia este infeliz abandonado obter proteção em qualquer uma das "cidades de refúgio", pois proporcionou nenhum abrigo àqueles que eram culpados de homicídio doloso. Apenas uma alternativa, então, foi deixado, e que era para fugir para lá as pessoas de sua mãe, e ali foi que ele encontrou um asilo.

Do lado humano das coisas parece uma grande pena que esse fugitivo da justiça não continue a Gesur,

o local de sua origem pagã, mas o coração sentimental do seu pai ansiava depois dele: "E a alma do rei Davi

desejava ir diante a Absalão: porque ele tinha consolado acerca de Amnom "(v. 39). O tempo é um grande curador, e depois de três anos mais de horror de Davi no pecado de Absalão e pesar sobre a morte de Amnom tinha desgastado fora. "No começo, ele não conseguiu encontrar em seu coração para fazer justiça a ele: agora ele pode encontrar quase em seu coração para levá-lo em seu favor novamente Esta foi a enfermidade de Davi." (Matthew Henry). Pode-se entender a atitude de Davi, e sua conduta posterior, do ponto de vista natural, mas do lado espiritual e denotava um outro lapso triste, para a santidade divina exige que " Crucifica a carne com as suas paixões e concupiscências "(Gl 5:24) : sim, caro leitor, a sua " afeição " . "luxúrias", bem como suas As reivindicações de Deus deve prevalecer sobre todas as inclinações naturais para o contrário, e quando não o fazem, nós temos que pagar caro, como fez Davi.

Nós lemos nada de Absalão ansiando por um retorno a seu pai, pois ele era desprovido de afeto, mesmo natural. Feroz, orgulhoso, totalmente sem escrúpulos, ele não tinha nenhuma das qualidades mais sutis da natureza humana. Mas "Davi ansiava por sair a Absalão", no entanto, parecia que este filho de quem perdeu suas afeições foi irremediavelmente perdido para ele. Absalão era culpado de assassinato, ea lei imutável de Deus ordena: "Quem derramar sangue de pelo homem terá seu sangue derramado" (Gn 9:6). Como, então, foi possível para David para restaurar seu filho errante, sem desafiar as exigências divinas de seu governo mantém justo em Israel? É para ser devidamente notado que não há nenhuma palavra gravada de David buscando ao Senhor neste momento. Silêncio sinistro! As energias da natureza, agora dominado ele, e, portanto, não houve busca de sabedoria do alto. Isso é o que lança luz sobre as cenas escuras que se seguem.

Capítulo 14 de 2 Samuel nos dá a conhecer como ela aconteceu que Absalão foi trazido de volta a Jerusalém. O primeiro motor foi Joabe, que era o que seria chamado na atual linguagem um político um astuto homem sem princípios de conveniência sutil. Ele era o líder dos exércitos de Israel, e ansioso para agradar tanto com o rei e seu herdeiro. Ele sabia que David adorava sobre Absalão e fundamentado que qualquer dispositivo plausível de trazê-lo de volta seria aceitável para o rei, e, ao mesmo tempo, fortalecer sua própria posição em favor real. Mas o problema foi confrontá-lo, Como pode alegrar misericórdia contra o juízo? Ele sabia também que embora possa haver um remanescente piedoso que se oporiam a qualquer desprezo aberto de Lei, ainda contava com o fato de que, com a generalidade de Israel Absalão era o seu ídolo: veja o versículo 25.

Joabe, portanto, recorreu a um subterfúgio ardiloso em que David poderia ser salvo da desonra o trono

e ainda ao mesmo tempo, recuperar o seu filho amado. Ele empregou uma mulher para posar como uma viúva

desolada e se relacionar com o rei uma história fictícia, fazendo-a empenhar-se por julgar daí. Ela é chamada de

uma mulher sábia "(14:2), mas sua sabedoria era a astúcia da Serpente. Satanás não tem iniciativa, mas sempre imita, e no conto contado por esta ferramenta de Joabe, mas temos uma paródia pobres da parábola dada por

intermédio de Nathan. O caso ela imaginou foi bem calculado para apelar para as suscetibilidades do rei, e trazer à mente a sua própria tristeza. Com design artístico, ela procurou mostrar que, sob circunstâncias excepcionais, seria permitido a dispensar a execução de um assassino , especialmente quando a questão envolvida a destruição do último herdeiro para uma herança.

A história que ela relacionada estava longe de ser um retrato fiel dos fatos reais do caso relativo a Absalão. Em primeiro lugar, Absalão não havia matado Amnom durante um ataque de raiva súbita, nem se ele tivesse assassinado quando estavam sozinhos juntos (14:6), em vez disso, ele foi morto por malícia deliberada,

e que, na presença de seus irmãos. Em segundo lugar, não houve perseguição cruel que está sendo travada

contra Absalão por aqueles que cobiçavam sua herança (v. 7), mas a justa lei de Deus exigia a sua morte! Em

terceiro lugar, Absalão não era o único filho restante de Davi (0:24, 25), de modo que não havia perigo imediato da linha real extinção, como a mulher representada (14:7). Estes meia está claramente indicada a fonte dessa mulher "sabedoria", e que tinha sido David em comunhão com Deus no momento, ele não havia sido imposta ou induzida a entregar tal julgamento profano.

Mas para além destas imprecisões gritantes, o conto contado por esta mulher fez um apelo comovente aos sentimentos do rei, e prevaleceu sobre ele. Primeiro, ele prometeu às pressas para protegê-la (v. 10), e então precipitadamente confirmou o mesmo por um juramento (v. 11). Então ela aplicou sua concessão para o caso de Absalão e insinuou que David estava indo contra os interesses de Israel (não desagradar a Deus, note-se!) em permitir que seu filho a permanecer no exílio (v. 13). Em seguida, ela argumentou que, como Deus em Sua soberania não se poupou a vida de Davi (não obstante o assassinato de Urias), não poderia estar errado para ele mostrar clemência a Absalão (v. 13). Finalmente, ela empilhou bajulação sobre o rei (v. 17). A sequela foi que David de bom grado concluiu seu juramento a esta mulher o obrigado a lembrar de Absalão (v. 21) e, consequentemente, deu ordens a Joabe para que ele seja trazido de volta.

CAPÍTULO SESSENTA Seu filho Absalão (Continuação)

2 Samuel 14

SESSENTA Seu filho Absalão (Continuação) 2 Samuel 14 Era sentimento carnal, e não uma preocupação para
SESSENTA Seu filho Absalão (Continuação) 2 Samuel 14 Era sentimento carnal, e não uma preocupação para
SESSENTA Seu filho Absalão (Continuação) 2 Samuel 14 Era sentimento carnal, e não uma preocupação para

Era sentimento carnal, e não uma preocupação para a glória de Deus, que moveu a Davi para autorizar Joabe para trazer de volta a Absalão. Alguns de nossos leitores podem considerar isso como um veredicto duro

e dizer: "Possivelmente, o escritor não é um pai, se fosse, talvez tivesse a entender melhor o caso antes dele.

Não foi David acionado por amor de seu filho errar? Certamente Deus não espera que Seu povo seja sem afeição natural. Ah, caro leitor, as afirmações do Senhor são elevados e abrangentes, e suas exigências muito mais exigente do que muitos gostam de reconhecer. Olho direito estão a ser arrancado e mão direita cortada (Mateus 5:29,30), coisas que são muito caros para nós, se provar um obstáculo ao nosso trilhando o caminho estreito, e que é de fato um sacrifício doloroso, é não? Tão doloroso, que nada menos que a graça sobrenatural, mas suficiente de Deus pode permitir que qualquer um de nós para isso.

"Se alguém vem a mim", disse o Cristo Senhor ", e não odeia seu pai, e mãe, e mulher, e filhos, e irmãos, e irmãs, sim, e sua própria vida também, ele não pode ser meu discípulo" (Lucas 14:26). Não admira que Ele ordenou que os discípulos pretendam "estabelecido em primeiro lugar e contar o custo" (Lucas 14:28). Cristo será o Senhor de todos, ou Ele não será Senhor em tudo. Ele exige que o trono de nossos corações, e todos os outros interesses e inclinações deve se curvar diante de sua vontade soberana. Ah, quão pouco são Seus créditos enfatizou hoje! Como Seu padrão santo foi reduzido! Como o Seu Evangelho tem sido banalizado!Como sentimentalismo piegas agora expulsa os princípios da santidade na grande maioria daqueles

que levam o seu nome! Como aqueles que se esforçam, em sua forma fraca, para pressionar as exigências divinas são agora condenados como sendo insensível e censura.

"Mas, certamente, um cristão não é obrigado a tornar-se um estoico insensível, desprovido de toda a afeição natural." Não, de fato, a graça no coração não endurece, mas ameniza. No entanto, a santidade, e não o sentimento carnal é dominar o cristão. Afetos naturais não são para ser concedida uma licença sem lei, mas devem ser regulados pelos preceitos da Escritura. Um cristão é permitido a lamentar a morte de um companheiro crente, mas ele é ordenado a "tristeza nem mesmo como os outros que não têm esperança" (1 Ts. 4:13). Somos exortados a mortificar o "apetite desordenado" (Cl 3:5), isto é, gosto ilegal e excessivo. E às vezes temos de escolher, como fez Davi, entre honrar a Deus pela obediência que nos obriga a anular os anseios da natureza, ou desonrá-Lo por ceder às emoções carnais: em tal caso, eu (o homem natural) deve ser negado.

Leve-o ao seu plano mínimo. Não aqueles pais derrotar os seus próprios fins que, a partir de um chamado erroneamente de "amor", não conseguem lidar severamente com a desobediência e rebeldia de seus pequeninos, e que quando seus filhos estão crescidos, fecham os olhos para os seus pecados? Quanto jovem incapaz, cuja cada capricho é satisfeito por sua mãe coruja, se desenvolve em um vagabundo inútil! Quantas uma filha volúvel é permitido o seu próprio caminho, sob o pretexto de "deixá-la ter um bom tempo", apenas para terminar em seu tornar-se uma mulher das ruas! Mesmo o homem natural é responsável por trazer suas afeições sob o controle de seu julgamento, e não deixar que seu coração fugisse com sua cabeça. Mas o filho de Deus deve ser regulado por princípios muito mais altos e mais santos, e é subordinar os anseios da natureza para a glória de Deus, obedecendo A Seus mandamentos.

Agora, em seu Joabe ordenando a obter de volta a Absalão de Gesur, David agiu de acordo com os ditames da "afeição natural", e não fora de qualquer relação com a honra do Senhor. Joabe sabia como trabalhar em cima de sua fraqueza, como é evidente, o sucesso de seu plano através da mulher de Tecoa. Ela está tão feitos em cima de seus sentimentos que ele imprudentemente deu um veredicto em favor do criminoso retratado em sua história, e então ela o convenceu a restaurar seu filho traiçoeiro. No entanto, nada poderia justificá-lo em desrespeitar a lei divina, que gritou em voz alta para a vingança de Amnon. Deus havia dado nenhum mandamento para o seu filho a ser restaurado e, portanto, Sua bênção não comparecer. David pagou caro por sua piedade tola, como veremos a partir da sequela e que é registrada para o nosso aprendizado. Queira Deus que alguns pais, pelo menos, que leem estas linhas vão levar essa lição solene para o coração.

"Então Joabe se levantou e foi para Gesur, e trouxe Absalão a Jerusalém. E o rei disse, volte-se para sua própria casa, e não deixá-lo ver o meu rosto. Absalão voltou para sua casa própria, e não viu o rosto do rei "(vv. 23, 24). Anteriormente, lemos que "Davi pranteava por seu filho todos os dias" e "a alma do rei Davi foi consumido (margem) para sair a Absalão" (13:37, 39), ao passo que agora que ele é trazido de volta às ordens de Jerusalém são dado que ele deve não ver o rosto reis. Que coisa estranha natureza humana é! O que expedientes que vai recorrer e ele vai fazer concessões para salvar a sua face. Possivelmente alguns do mais piedoso dos conselheiros de Davi tinham hesitou em seu encaminhamento da Lei, e talvez o seu coração estivesse inquieto sobre a etapa que ele havia tomado, e assim como um calmante para a sua consciência, e, a fim de acalmar as censuras dos outros Absalão, foi confinado à sua habitação privada.

Alguns autores são da opinião que esta medida do rei foi projetada para a humilhação de seu filho, na esperança de que ele iria agora ser levado a ver a hediondez do seu pecado e se arrepender por isso. Mas, certamente, não tinha havido tempo suficiente para que, em permanência os seus três anos em Gesur. Não, nós acreditamos que o que temos apontado acima é a explicação mais provável. Ao permitir Absalão a voltar para sua própria misericórdia David casa exercida, e negando-lhe a entrada para o tribunal, ele fez um show de justiça, persuadindo-se por este interdito ele comprovado a sua aversão ao assassinato de Amnom. No entanto, o fato é que, como magistrado em Israel, David tinha reservado a lei divina. Portanto, ele não deve ficar surpreso se seu filho rebelde agora recorre a ilegalidade ainda mais, pois não há como escapar a conseqüência do princípio da semeadura e da colheita.

"Mas em todo o Israel não havia nada a ser muito elogiado como Absalão para sua beleza: desde a planta do pé até o alto da cabeça não havia nele defeito algum" (v. 25). Como isso revela o estado de baixo da Nação na época! Absalão não foi apreciado por seu valor moral, pois ele estava completamente desprovido de piedade, sabedoria e justiça. Seu físico bonito foi o que atraiu as pessoas. Sua maldade abominável foi ignorada, mas a sua pessoa era admirado, que só serviu para aumentar a sua arrogância, terminando em sua completa ruína. Ai, quantas vezes uma mente corrupta habita um corpo sadio. Como é triste observar a nossa geração decadente valorizando a beleza física e destreza mais altamente do que as virtudes morais e graças espirituais. A permitindo a sua luxuriante cabelo crescer para tal comprimento e, seguidamente, pesando-o (v. 26), mostra o orgulho e efeminação do homem. Os três filhos com ele (v. 27), evidentemente, morreu em tenra idade: ver 18:18.

"Assim ficou Absalão dois anos inteiros em Jerusalém, e não viu a face do rei Por isso Absalão mandou chamar Joabe, para enviá-lo ao rei;. Mas ele não quis vir a ele, e quando ele enviou pela segunda vez, ele iria não vir "(vv. 28, 29). À luz da sequela imediata é claro que Absalão foi escoriações em seu confinamento (que ele "mandou chamar Joabe" indica que ele era praticamente um prisioneiro em sua própria casa), porque ele interferiu com o desenvolvimento de seus planos malignos, e que o razão pela qual ele estava ansioso para se reconciliar com o rei era de que ele poderia obter sua liberdade e, portanto, ser capaz de ganhar a nação mais para si mesmo. Provavelmente esta foi a razão pela qual Joabe recusou-se a visitá-lo: suspeitar seus projetos desleais, sabendo que um personagem perigoso ele era para ser em grande.

"Então, disse aos seus servos: Vede campo de Joabe é perto da minha e tem cevada nele; ir e atearam fogo E os servos de Absalão puseram fogo ao campo." (V. 30). Ele ainda era o mesmo obstinado personagem:

"quem é senhor sobre nós" sendo a língua de todas as suas ações. Os três anos que passara em Gesur e seus dois anos de isolamento em Jerusalém havia feito nenhuma mudança nele: o seu coração não foi humilhado e seu orgulho não estava mortificado. Em vez de ser grato que sua vida foi poupada, considera-se extremamente injustiçado por ser isolada do tribunal. Em vez de ser grato a Joabe para trazê-lo de volta de Gesur, ele agora leva uma média de vingança sobre ele porque ele se recusou seu pedido atual. Tal conduta exibida uma vontade própria que faria ribeiro nenhuma negação, um homem de violência pronto para ir a todos os comprimentos, a fim de ter o seu próprio caminho. O temor de Deus não estava nele, nem tinha qualquer respeito pelo seu próximo.

"Então Joabe se levantou, e veio a Absalão, em casa, e disse-lhe: Por que os teus servos definir fogo no meu campo?" (V. 31). À primeira vista parece estranho depois de duas vezes recusando-se a ver Absalão, que agora, depois de ter sido insultado e ferido, Joabe deve conceder seu pedido, e mediar para ele com o rei, ainda um pouco de reflexão vai deixar claro. Joabe era um político astuto, com o dedo no pulso do público, e ele sabia muito bem que Absalão estava alto no favor do povo (v. 25): e agora que ele teve mais uma prova da fúria eo poder do homem! Ele e seus servos estar pronto em sua licitação para fazer violência até a propriedade do general do exército tinha medo ainda de cruzar a sua vontade, e provavelmente, com um olho no futuro, ele também quis manter em seus bons livros.

"E disse Absalão a Joabe: Eis que enviei a ti, dizendo: Vem cá, para que te envie ao rei, a dizer: Por que vim de Gesur tinha sido bom para eu ter sido ainda lá? Agora portanto, deixe-me ver o rosto do rei, e se há em mim alguma culpa, que me mate "(v. 32). O que uma atitude arrogante e insolente de assumir para com o seu pai real: aquele que manifesta a mais grosseira ingratidão, um desprezo pela autoridade do rei, e um desafio deliberado para ele cumprir a lei. Corretamente fez Matthew Henry ponto fora, "Sua mensagem foi altivo e arrogante, e muito inconveniente ou um filho ou um assunto. Ele desvalorizado o favor que lhe havia sido mostrado em recordá-lo de banimento, e restaurando-lhe a sua própria casa. Ele nega seus próprios crimes, embora mais famoso, e não será o dono que não havia qualquer iniquidade nele, insinuando que, portanto, ele havia sido injustiçado nas repreensões que ele estava submetido. Ele desafia a justiça do rei, "Deixe -me matar, se ele pode encontrá-lo em seu coração, "sabendo que ele amava muito bem fazê-lo."

"Então Joabe foi ao rei, e disse-lhe: e quando ele a chamou Absalão, e ele veio ao rei, e se prostrou com o rosto em terra diante do rei, eo rei beijou a Absalão" (v. 33). Infelizmente, apesar de sua rudeza Absalão

insultar prevaleceu sobre o rei a ceder. Seu melhor julgamento cego por afeição intemperante para seu filho, David convidou Absalão ao palácio. Ao prostrar-se diante do rei Absalão fingiu submissão à sua autoridade, mas seu coração estava cheio de projetos de base para assegurar o trono para si. David marcou o seu perdão com um beijo, em vez de permitir que a Lei a seguir seu curso. Como outro disse muito bem. "Ternura desmedida de Davi só abriu o caminho para a rebelião aberta de Absalão. Aviso Terrível! Lidar ternamente com o mal, e vai, seguramente, subir para a cabeça e esmagá-lo no final. Por outro lado, conhecer o mal com um rosto de pedra, ea vitória é certo. Sport não com a serpente, mas ao mesmo tempo esmagá-lo debaixo dos seus pés.

Apesar de todo este problema estava se formando em torno de David uma passividade estranha parece ter havido sobre ele, e ter continuado até sua fuga de Absalão. A narrativa é singularmente silêncio sobre ele. Ele parece estar paralisado pela consciência de seus pecados do passado: ele não originou nada. Ele ousou não punir Amnom, e só podia chorar quando ouviu falar de crime de Absalão. Ele fracamente ansiava pelo retorno deste último, mas não podia pôr-se a enviar para ele até Joabe pediu ele. Um flash de sua realeza velho apareceu por um instante na sua recusa em ver seu filho, mas mesmo que desapareceu quando Joabe escolheu a insistir que Absalão deve retornar ao tribunal. Ele não tinha vontade própria, mas havia se tornado um mero instrumento nas mãos de seu feroz geral Joabe de ter ganhado este domínio sobre ele por sua cumplicidade no assassinato de Urias. A cada passo que ele foi perseguido pelas conseqüências de seu próprio malfeito, apesar de que Deus havia perdoado seus pecados.

Maravilhosamente fez Alexander Maclaren, em sua pequena obra, "A Vida de David como refletido em seus Salmos," lançar luz sobre essa fase especial de sua carreira, e nós sentimos que não podemos fazer os nossos leitores um serviço melhor do que fechar este capítulo com um pouco daí longa citação. "Não é provável que muitos Salmos fossem feitas naqueles dias sombrios. Mas o quadragésimo primeiro e quinquagésimo quinto estão com razoável probabilidade, se referiu a este período por muitos comentaristas. Eles dão uma imagem muito comovente do velho rei durante os quatro anos em que conspiração de Absalão estava sendo chocado. Parece que a partir do quadragésimo primeiro que a dor ea tristeza de seu coração tinha interposto em alguma doença grave, que seus inimigos tinham usado para seus próprios propósitos e amargurado por pêsames hipócritas e mal disfarçada. A natureza sensível dos estremece salmista sob sua deserção sem coração dele, e derrama a sua queixa neste lamento patético. Ele começa com uma bênção sobre aqueles que "considerar a referência aflitos, talvez, para os poucos que foram fiéis a ele em sua doença lânguida. Ele passa daí para o seu próprio caso, e, após a confissão humilde de seu pecado, quase nas palavras do quinquagésimo primeiro salmo, ele conta como seu leito de doente tinha sido cercado por diferentes visitantes.

"Sua doença não provocou pena, mas só impaciência feroz que ele demorou tanto tempo na vida." Os meus inimigos falam mal de mim, quando ele vai morrer, e seu nome já pereceram? Um deles, em especial, que deve ter sido um homem de alta posição para ganhar acesso à câmara de doentes, tem sido notável por suas palavras mentirosas de condolências. "Se ele vir me ver, diz falsidades." A visão do rei doente tocou nenhum cabo de afeto, mas só aumentou a animosidade 'o traidor do seu coração se reuniram mal que eu então, depois de ter visto seu rosto pálido para almejada sintomas desfavoráveis, as pressas falso amigo da cabeceira para falar de sua doença, sem esperança ", ele sai, é disso que fala." A notícia se espalhou, e se furtivamente passado de um conspirador para outro: "tudo o que me odeiam murmuram à uma contra mim." Eles exageram a gravidade de sua condição, e estamos contentes porque, fazendo com que o desejo do pai do pensamento, eles acreditam que ele morrer 'uma coisa de Belial' (isto é uma doença destrutiva) dizem que, "se derramou sobre ele, e agora que ele se deitar, ele não se levantará mais.

“Devemos estar dispostos a submeter” o Salmo trigésimo nono também para este período, também, é a meditação de um na doença, que ele sabe ser um julgamento divino por seus pecados Há poucos traços de inimigos na mesma; mas sua atitude é a de submissão silenciosa, enquanto os homens maus se inquieta em torno dele, que é precisamente a peculiaridade característica do seu comportamento neste período. É composto de duas partes (vv. 1-6 e 7-13), em ambos que os sujeitos de suas meditações são a mesma coisa, mas o tom deles diferente. sua própria doença e mortalidade, e vida do homem, passageiro sombrio, são os seus temas. O primeiro o levou a pensar na segunda.

"Pode-se observar que esta suposição de uma doença prolongada, o qual se baseia estes Salmos, lança luz sobre a passividade singular de David durante o amadurecimento da conspiração de Absalão, e pode, naturalmente, ser suposto ter favorecido seus esquemas, uma parte essencial da que era para congraçar-se com os pretendentes que vieram ao rei a juízo, afetando grande pesar que nenhum homem fosse delegado do rei para ouvi-los. O acúmulo de causas não experimentadas, ea aparente desorganização da máquina judicial, são bem representaram pela doença de Davi.

CAPÍTULO SESSENTA E UM Seu filho Absalão (Continuação)

2 Samuel 15

E UM Seu filho Absalão (Continuação) 2 Samuel 15 "E aconteceu que, depois disto que Absalão
E UM Seu filho Absalão (Continuação) 2 Samuel 15 "E aconteceu que, depois disto que Absalão
E UM Seu filho Absalão (Continuação) 2 Samuel 15 "E aconteceu que, depois disto que Absalão

"E aconteceu que, depois disto que Absalão preparou para si carros e cavalos, e cinquenta homens que corressem adiante dele" (2 Sam. 15:1). O "depois disso" refere-se ao que agora seguiu-se a Davi receber de volta em seu favor o filho que havia assassinado um irmão (14:33). Se uma centelha de gratidão, tinha queimado no peito, Absalão seria agora têm procurado fazer tudo em seu poder para encaminhar os interesses de seu pai indulgente. Mas, infelizmente, longe de fortalecer as mãos de seu pai real, ele começa a trabalhar para destroná-lo. Absalão estava agora em condições de desenvolver seu plano vil de depor David. Os métodos que ele seguiu completamente revelado que um canalha sem Deus e sem escrúpulos que ele era. A primeira coisa que aqui registrada dele de uma vez intimado seu desprezo de Deus e manifestou a sua afinidade com os gentios.

Jeová exige que Seu povo se comportar de forma diferente das nações idólatras que os cercavam, e por isso Ele deu, entre outros, esta lei para a regulamentação do rei de Israel: Mas ele não deve multiplicar cavalos para si mesmo "(Dt 17:16) É. estava de acordo com isso, que, quando o Rei dos reis formalmente se apresentou a Israel, Ele apareceu "manso e montado em um jumento "(Mateus 21:5), tão perfeito que Ele honra a Lei em todos os detalhes. Absalão, porém, foi de um tipo totalmente diferente:. arrogante, orgulhoso, obstinado Todos os outros filhos de David montou mulas (2 Sam 13:19.), mas nada menos que "carros e cavalos" satisfaria este aspirante ímpios para o reino.

Os "cinquenta homens que corressem adiante dele" era um símbolo de realeza: veja 1 Samuel 8:11, 1 Reis 1:5. Ao agir assim, Absalão se aproveitou do apego apaixonado do pai e vilmente negociadas em cima de sua fraqueza. Não autorizado pelo rei, mas não é proibida por ele, ele preparou uma comitiva imponente, que lhe deu um status de comando antes da nação. Encontrando-se sem controle pelo rei, ele fez a maior parte de sua posição para seduzir os corações das pessoas.Por meio de métodos desleais, Absalão agora procurou voltar- se para si mesmo o carinho de assuntos de seu pai. A partir do emprego da força (2 Sam. 14:30), ele recorreu à astúcia. Como já disse antes, estes dois são as características principais do Diabo: a violência do "leão" ea astúcia da "serpente", e , portanto, nunca é com aqueles que ele possui plenamente.

"E Absalão se levantou de madrugada, e ficou ao lado do caminho da porta: e assim foi que, quando qualquer homem que tinha uma controvérsia chegou ao rei a juízo, Absalão, em seguida, chamou a si, e disse:

De que cidade és tu. E ele disse: Teu servo é de uma das tribos de Israel e Absalão disse-lhe: Olha, os teus assuntos são bons e retos,. mas não há homem delegado do rei em ouvir-te Absalão disse mais, Oh que me dera ser juiz na terra, que todo homem que tem qualquer processo ou causa pode vir a mim, e eu lhe faria justiça ! E foi assim, que quando alguém se chegava a ele para lhe fazer reverência, ele estendia a sua mão, e levou-o, e beijou-o e desta maneira fazia Absalão a todo o Israel que vinha ao rei para juízo. desse modo Absalão furtava o coração dos homens de Israel "(2 Sam 15:2-6.).

Alguns comentários explicativos são necessários em alguns dos termos nos versos acima. Primeiro, o

"caminho da porta", foi o local do julgamento, isto é, judicial (cf. Gn 19:1; 23:10, 18; 34:20; Rute 4:1). "Teus assuntos" no versículo 3 significa "terno teu ou causa", como no versículo 4. A intenção óbvia de Absalão na colocando-se neste centro importante foi a congraçar-se com as pessoas. Sua "questões teus são bons e direito"

a toda a gente da mesma forma, mostrou sua determinação para conquistá-los, independentemente das

exigências da justiça ou as reivindicações de misericórdia. Seu "não há um delegado do rei em ouvir-te" foi uma tentativa covarde de criar preconceito e reduzir o soberano em seus olhos. Seu "O que me dera ser juiz na

terra", revelou a cobiça do seu coração, nem o prazer nem a pompa contentou, ele deve ter poder demais. Sua aceitação das pessoas comuns (v. 5) foi uma demonstração de (pretensa) humildade e genialidade.

"Então, Absalão furtava o coração dos homens de Israel", sobre o qual Thomas Scott também disse:

"Ele não ganhou seus corações por serviços eminentes, ou por uma conduta prudente e virtuosa. Mas ele afetados para olhar grande, como herdeiro do coroa, e ainda ser muito condescendente e afável com seus inferiores: ele fingiu um grande respeito aos seus interesses, e jogou fora insinuações astutas contra a administração de Davi; ele lisonjeado cada um que teve uma causa a ser julgada, com a certeza de que ele tinha direito ao seu lado, que, se fosse contra ele, ele pode ser levado para acusar Davi e os magistrados de injustiça Embora Absalão não soubesse como obedecer, e merece a morte por seu crime atroz, mas ele expressou o desejo veemente. ser juiz sobre toda a terra, e sugeriu que os ternos não deve então ser tão tediosos, caro e parcialmente decidiu como eram Isso ele confirmou por madrugando e pela aplicação aparente;. embora fosse de negócios de outras pessoas, e não o seu próprio dever : e por meio de artes sinistras, unidos com os seus atrativos pessoais e endereço, ele imposta a multidões em todo o país a preferir tão inútil um personagem para o sábio, justo e piedoso David ".

Processo ainda vai fazer uma pausa e fazer a pergunta, O que há aqui para as nossas próprias almas? Este nunca deve ser a preocupação principal de nossas mentes quando lemos a Palavra de Deus. Suas seções históricas estão cheios de ensino prático importante: muitas lições valiosas podem ser aprendidas daí se

só temos corações para recebê-los. Ah, que é o ponto sobre o qual gira tanto. Deve haver uma disponibilidade e

vontade de minha parte se eu estou a crescer espiritualmente com o que eu ler, e para isso, deve haver humildade. Só um coração humilde vai perceber que eu sou provavelmente a ser atraídos pelas iscas que conduziram a queda dos outros, que eu sou sujeito às mesmas tentações que encontrou, e que, se eu guardar o portão específico em que o inimigo conseguiu ganhar uma entrada para as suas almas, ele vai tão certamente prevalecer sobre. Me a graça de O de atender às advertências solenes que são encontrados em todos os incidentes que ponderar.

Agora olhe novamente para o que está registrado aqui. "Absalão furtava o coração dos homens de Israel." Certamente essa é a frase que deve falar mais alto para nós. Não foram os inimigos declarados de David que ele realizou em cima, mas suas disciplinas. Não era dos filisteus quem se alistou, mas as pessoas de Deus, a quem seduziu. Absalão tentou semear as sementes do descontentamento em suas mentes, para alienar suas afeições de Davi, para torná-los desleal com seu rei. Ah, não é a simples lição? Não existe alguém que está sempre procurando seduzir os temas de Cristo? Tentá-los a revolta da fidelidade ao Seu cetro, procurando desviá-los em seu serviço. Saiba, então, caro amigo, para olhar abaixo da superfície, enquanto você lê as Sagradas Escrituras, para ver os detalhes históricos aos princípios subjacentes que estão aí ilustradas, para observar os motivos que levaram à ação, e então aplicar a toda a si mesmo .

O que você fez se você tivesse sido um desses "homens de Israel" cujos corações Absalão estavam procurando divorciar de David? A resposta a essa pergunta teria feito inteiramente em uma coisa: foi o seu coração satisfeito com David? Desse tentador, lemos: "Mas em todo o Israel não havia ninguém para ser muito elogiado como Absalão para sua beleza: desde a planta do pé até o alto da cabeça não havia nele defeito algum" (2 Sam 14. : 25), portanto, não era tudo sobre sua pessoa de apelar para "a concupiscência da carne. " E, como vimos, "Absalão preparou carros, e cavalos e cinquenta homens que corressem adiante dele", portanto, houve um apelo para "a concupiscência dos olhos. " Além disso, ele prometeu promover os interesses temporais de todos os que tinham "controvérsia", isto é, de todos os que achavam que tinham uma queixa e estavam sendo

mal tratados: assim, houve um apelo a " soberba da vida "(1 João 2:16). Eram essas coisas mais do que suficiente para contrabalançar as excelências que David possuía?

Mais uma vez dizemos, Olhe embaixo dos personagens históricos e discernir aqueles a quem eles tipificados! Quando Satanás vem para tentar os sujeitos do David antitípico ele assume a sua personagem mais sedutora e oscila diante de nós o que apela tanto para a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos, ou o orgulho da vida. Mas marcá-lo bem, caro leitor, que as iscas de Satanás não têm atração para aqueles que estão em comunhão com e encontrar a sua alegria no Senhor. E ele sabe que bem cheia, e, portanto, que ele busca criar inimizade contra Deus. Ele sabe que não pode causar uma alma regenerada não gostar da pessoa do Senhor, então ele se esforça para criar insatisfação com seu governo sobre nós. Foi assim, no tipo: ". não há homem delegado do rei em ouvir-te" Ah, é aqui que mais precisamos estar em guarda: para resistir a todos os esforços de Satanás para nos trazer a murmurar em providências do Senhor. Mas temos de virar a partir da aplicação espiritual novamente para o histórico.

E o que dizer de David durante este tempo? Ele não poderia ter sido totalmente ignorante da perfídia de seu filho: algumas notícias devem ter chegado a ele da trama traiçoeira agora em pé de dispor dele. Ainda não há nenhum indício de que ele tomou todas as medidas para impedir Absalão. Como, então, seremos responsáveis por sua apatia? No final do nosso último capítulo eu habitei sobre a passividade estranha que caracteriza David durante esta fase de seu carreiro xadrez, sugerindo que a explicação dada por Alexander Maclaren foi um dos mais provável e, aparentemente, confirmado pelas Escrituras, a saber, que durante este período o rei sofria de uma doença grave e prolongada. Que o escritor útil chamou a atenção para o fato de que muitos dos melhores comentaristas consideram Salmos 41 e 55 como sendo composto por David nesse momento. Depois de já ter dado os seus breves comentários sobre o ex, agora vamos reproduzir aqueles após a última; sugerindo que o Salmo 55 ser lido através de neste momento.

"O salmo quinquagésimo quinto dá algumas indicações muito patéticos adicionais É dividido em três partes: uma oração lamentosa e retratos de sofrimento mental do salmista (vv. 1-8); uma súplica veemente contra seus inimigos, e indignado relato de sua traição. (vv. 9-16) e, finalmente, uma profecia de que a

retribuição é para cair sobre eles (vv. 17-23) Nas primeira e segunda partes, temos alguns pontos que ajudam a

Por exemplo, seu coração é "doloroso ferida" dentro dele, os 'terrores de

morte "são dele," temor e tremor "são chegados a ele, e" horror "cobriu-o. Tudo isso aponta, como versos

seguintes, ao seu conhecimento da conspiração antes de chegar a uma cabeça.

completar a nossa imagem do homem

"O estado da cidade, que está praticamente nas mãos de Absalão e suas ferramentas, é descrito com imagens em negrito. Violência e conflitos na sua posse, os espiões rondando o dia paredes e noite, mal e problemas em seu meio, e destruição, opressão, engano-a e boas-tarefas ostentar em seus espaços abertos. E o espírito, o cérebro do todo, é o amigo de confiança que ele tinha feito a sua própria igual, que compartilhou seus pensamentos secretos em privado, que teve caminhou ao lado dele nas procissões solenes no templo Vendo tudo isto, o que o rei fazer, que já foi tão fértil em recursos, de modo decisivo no conselho, de modo imediato em ação Nada Sua única arma é a oração.? '. Quanto a mim , eu invocarei a Deus, eo Senhor me salvará tarde e manhã, e ao meio-dia, orarei, e clamarei,. e Ele ouvirá a minha voz.

"Ele deixa tudo crescer como lista, e só anseia por estar fora de toda a bobina o cansado dos problemas." O que eu tinha asas como uma pomba, então voaria e estaria em descanso. Eis que eu fugiria muito fora, gostaria de apresentar no deserto. Eu rapidamente voar para o meu refúgio contra o vento furioso, contra a tempestade. A languidez de sua doença, o amor por seu filho inútil, a consciência do pecado, ea submissão ao castigo através de "um de sua própria casa", o que Nathan havia predito, o manteve calmo, mas ele viu o enredo sinuoso suas malhas em volta dele. E com esta confiança paciente submissão não é querer, embora fraco e triste, que encontra expressão nas últimas palavras deste salmo de os oprimidos, "Lança o teu fardo sobre o

Senhor, e Ele te

Eu confio em Vós. "

Muito do que Absalão disse para aqueles cujos corações ele roubou teve, sem dúvida, uma medida de verdade nisso. Os transtornos e tristezas da casa de Davi tinha suportado fortemente o rei: sua energia

sinalizada, sua saúde estava quebrado, ea influência de seu trono proporcionalmente enfraquecida. Absalão viu

os defeitos do governo de seu pai, e percebi que outras pessoas viram também, e de forma rápida e mesquinhamente ele se aproveitou da situação, depreciativo David e exaltando a si mesmo. No entanto, David idolatrava Absalão, de fato, essa era uma de suas principais falhas, e amargamente se ele já fez a inteligente para acalentar como uma víbora no seu seio. Ele sabia que Absalão estava exaltando a si mesmo. Ele sabia que

o chamado de Deus não estava com ele, mas com Salomão (2 Sm 7:12;. 12:25). Ele sabia que Absalão era ateu,

que governou a carne em todos os seus caminhos, e ainda, sabendo tudo isso, ele interferiu para não segurá-lo.

"E aconteceu que, depois de quarenta anos, que Absalão disse ao rei, peço-te, deixa-me ir pagar o meu voto que votei ao Senhor, em Hebron" (15:7). Não temos certeza de que ponto estes data anos 40, mas certamente não a partir do momento da coroação de David, pois em tal caso, teríamos agora chegaram ao último ano do seu reinado, o que obviamente não é o caso veja 2 Samuel 21:01. Possivelmente ele deve ser datado a partir do momento de sua primeira unção (1 Sam 16:13.).De qualquer forma, o que é mais pertinente para a nossa linha de presentes da meditação é, Absalão considerou que sua trama perversa estava maduro para

a execução, por isso ele agora começou a dar os últimos retoques para ele. Nada menos do que o próprio reino era o que ele determinou a apreensão.

"Porque teu servo um voto, enquanto eu fiquei em Gesur, na Síria, dizendo: Se o Senhor me trouxer de novo a Jerusalém, então eu servirei ao Senhor. E o rei lhe disse: Vai em paz. Então ele se levantou, e foi para Hebrom "(vv. 8, 9). Duplicidade de Absalão ea hipocrisia aparecem em todas as sua hediondez. Ele camuflada sua insurreição sob o pretexto de oferecer sacrifício ao Senhor (Dt 23:21-23) no desempenho de um voto que ele fingiu ter feito. Ele não tinha amor por seu pai e sem medo para o seu Deus, porque ele ousou agora para zombar de Sua adoração com uma mentira deliberada. Ele habilmente imposta esperanças de seu pai pobre que finalmente seu filho rebelde foi se tornando piedoso. Sem dúvida, Davi havia orado por ele muitas vezes e, agora, ele supôs que suas súplicas estavam começando a ser respondidas. Como ele seria feliz em saber que Absalão desejava "servir ao Senhor," e, portanto, ele prontamente deu seu consentimento para ele ir a Hebron.

"Mas Absalão enviou emissários por todas as tribos de Israel, dizendo: Assim que ouvirdes o som da trombeta, direis: Absalão reina em Hebrom" (v. 10). Que este seja um aviso aos pais para não assumir muito rapidamente que os seus filhos já experimentaram o novo nascimento, mas esperar para ver os frutos do mesmo. Em vez de viajar a Hebron, a fim de adorar o Senhor, o propósito de Absalão era para ser aclamado rei sobre Israel. "Hebron" não era apenas o lugar onde nasceu (2 Sam 3:2,3.), Mas também foi onde David tinha começado o seu reinado (2 Sm 5. 1-3). Estes "espiões" que ele enviou eram ou a sua própria confiança "servos" (14:30) ou aqueles cujos corações ele havia roubado de David e sobre quem ele poderia contar agora para promover seu plano maligno. Aqueles que ouvir essa proclamação "Absalão reina" pode tirar qualquer conclusão que quisessem, que David estava morto, ou que ele tinha abandonado as rédeas do governo, ou que a Nação em geral, seu filho preferido atraente.

"E com Absalão duzentos homens de Jerusalém, que foram chamados, e eles iam à sua simplicidade, e não sabiam qualquer coisa" (v. 11). Sem dúvida, esses "duzentos homens eram pessoas de posição e proeminência, sendo convocado para acompanhar o filho do rei para um banquete sagrado. Objeto de Absalão foi a admiração das pessoas comuns e dar-lhes a impressão de que a causa de Davi foi sendo abandonado na sede. Assim estes homens involuntariamente com semblantes dispositivos mal Absalão, por sua presença significava que eles apoiaram a sua traição. Esta é uma boa amostra dos métodos empregados por políticos sem escrúpulos para promover os seus fins egoístas, chegando muitos a se juntarem a eles ou o partido sob um equívoco completo do verdadeira política do líder.

"E Absalão mandou chamar Aitofel, o gilonita, conselheiro de Davi, à sua cidade, mesmo de Gilo, enquanto oferecia os sacrifícios. E a conspiração era forte, para o povo aumentou continuamente com Absalão" (v. 12). O homem cuja ajuda Absalão agora procurado foi um estadista de renome, aparentemente já não em termos amigáveis com David. Ele era um instrumento apto para o rebelde, embora no fim, Deus virou o seu advogado, em loucura. A soberania de Deus, que exibe em suas providências é tão patente como é inspiradora. Como Ele graciosamente levanta os fazer amizade com o Seu povo na hora de sua necessidade, por

isso Ele nomeou aqueles que estão prontos para ajudar o ímpio com o aprofundamento de seus planos malignos. Como houve uma leal Itai, a Davi, por isso havia uma Aitofel a Absalão conselho.

CAPÍTULO SESSENTA E DOIS Sua fuga

2 Samuel 15

conselho. CAPÍTULO SESSENTA E DOIS Sua fuga 2 Samuel 15 Há poucos incidentes na vida de
conselho. CAPÍTULO SESSENTA E DOIS Sua fuga 2 Samuel 15 Há poucos incidentes na vida de
conselho. CAPÍTULO SESSENTA E DOIS Sua fuga 2 Samuel 15 Há poucos incidentes na vida de

Há poucos incidentes na vida de xadrez de Davi mais patético do que aquele que está agora a exercer a nossa atenção, ilustrando como ele também faz os altos providenciais e baixos ea prosperidade alternando

espiritual e adversidades que é o lote do povo de Deus nesta terra . Nem tudo está sem nuvens sol com eles, nem é tristeza sem alívio e tempestade. Há uma mistura de ambos; alegrias e tristezas, vitórias e derrotas, a assistência dos amigos e dos inimigos feridos, sorrisos de rosto do Senhor e os recônditos do Seu rosto. Por tais mudanças são oferecidas oportunidades para o desenvolvimento e exercício de diferentes graças, para que

possamos, na nossa medida, "know-how para ser humilhado e como abundam

(Fl 4: 12), e acima de tudo, para que possamos, em meio a várias circunstâncias, provar a fidelidade imutável de

Deus e Sua suficiência para suprir todas as nossas necessidades.

tanto para estar cheio e vazio"

David foi chamado para deixar as planícies humildes de Belém para participar das honras do palácio de Saul. De cuidar do rebanho ele se tornou o conquistador de Golias eo herói popular de Israel. Mas logo amizade Saul foi mudado para a inimizade, e Davi teve de fugir para salvar sua vida, e por muitos meses cansativos, ele foi caçado como uma perdiz nos montes. Posteriormente sua fortuna estava novamente muito alterada, e de ser um pária, ele foi coroado rei de Israel. Em seguida, ele foi capaz de capturar Jerusalém, a fortaleza de Sião, que se tornou "a cidade de Davi" (2 Sam 5:7.). Lá ele estabeleceu sua corte e para lá que ele "fez subir a arca do Senhor com júbilo e com a voz da trombeta" (2 Sam. 6:15). Mas agora estamos a contemplá-lo fugir de Jerusalém e que está sendo separada da Arca Sagrada: um fugitivo, mais uma vez, na humilhação e angústia profunda.

Ah, meu leitor, se você for um dos eleitos de Deus, esperar não um caminho suave e fácil aqui, mas esteja preparado para várias circunstâncias e mudanças drásticas. Lugar de descanso do cristão não é deste mundo, para "a cidade não temos aqui continuar" (Hb 13:14). O cristão é um "peregrino", em uma viagem, ele é um "soldado", chamados a combater o bom combate da fé. Quanto mais este ser realizado, o interessado menor será a decepção quando a nossa vontade está nossa paz perturbada e fora rudemente quebrado em cima. "Muitas são as aflições do justo", e se eles não vêm até nós de uma forma, eles certamente irão em outro.Se realmente "apropriado" esta promessa (!), então não deve ser tão desconcertado quando essas aflições vêm sobre nós. Está escrito que "devemos através de muita tribulação entrar no reino de Deus "(Atos 14:22), e, portanto, devemos fazer as nossas mentes para esperar o mesmo, e "acho que não é estranho" (1 Pedro 4: 12), quando somos chamados a passar "a prova de fogo".

Aflição, tribulação e prova de fogo eram agora parte de Davi. "E veio um mensageiro a Davi, dizendo:

O coração dos homens de Israel vai após Absalão" (2 Sam. 15:13). Visualize a cena triste: as nuvens escuras de uma revolta ameaçado tinha vindo a recolher e, agora, as rajadas de tempestade sobre a cabeça do rei. A essa altura, David foi cerca de sessenta anos de idade, com saúde e força muito prejudicada. Aitofel, seu conselheiro de confiança, o tinham abandonado, e Absalão, seu filho favorito agora foi ressuscitado em rebelião contra ele. Não só o trono de seu, mas sua própria vida estava em perigo, juntamente com as vidas de suas esposas e seus pequenos entes Salomão era quase dez anos de idade no momento. O que, então, que o rei faz? Nada! Não houve convocação de um conselho, nenhum esforço feito para prestação de Jerusalém para suportá-la de um cerco, sem determinação de permanecer firme e resistir legítimo seu filho sem lei.

"E disse Davi, a todos os seus servos que estavam com ele em Jerusalém: Levantai-vos, e vamos fugir,

pois não vamos mais escapar diante de Absalão: faça velocidade para partir, para que ele nos apanhe de súbito,

e trarei mal sobre nós, e fira a cidade ao fio da espada "(v. 14). Agora que finalmente o golpe cai, David

passivamente consente no que ele sentia, evidentemente, para ser justo castigo de Deus sobre ele. Quando a terrível notícia que chega Absalão tinha levantado o estandarte da revolta, em Hebrom, o pensamento de Davi só estava fuga imediata. O guerreiro intrépido agora era quase covarde, em sua ânsia de escapar, e estava preparado para desistir de tudo sem um golpe. Parecia que apenas um toque era necessário para derrubar o seu trono. Ele se apressa sobre os preparativos para a fuga com pressa nervosa. Ele não faz planos para além do seu desejo antes de voar para longe e estar em repouso.

Que David tinha boas razões para concluir que a situação agora confrontá-lo era uma retribuição justa em cima de seus próprios crimes é bastante evidente. Primeiro, o Senhor declarou: "Eu suscitarei o mal sobre ti da tua própria casa" (2 Sam. 12:1), cumprido aqui na insurreição de seu filho favorito. Outras evidências do mesmo virá diante de nós mais tarde, mas neste momento vamos considerar, em segundo lugar, juntando as mãos Aitofel com o rebelde. Mal Absalão determinada a executar seu plano ousado do que parecia

a Aitofel. Ele aparece, por alguma razão não especificamente mencionadas, ter confiança, contar com sua

colaboração, nem que ele estava desapontado. "E Absalão mandou chamar Aitofel, o gilonita, conselheiro de Davi, à sua cidade, mesmo de Gilo" (15,12). Deve ser cuidadosamente notado que logo após a vinda de Aitofel

a Absalão, somos informados, "E a conspiração era forte, para o povo aumentou continuamente com Absalão "(v. 12)-insinuando que Aitofel era um anfitrião em si mesmo.

"E o conselho de Aitofel, que aconselhava naqueles dias, era como se um homem havia perguntado ao oráculo de Deus: assim era todo o conselho de Aitofel, tanto com Davi como para Absalão" (16:23): tendo em vista esta declaração não precisamos ser surpreendido que o seu coração se juntar a lado com Absalão tão grandemente reforçada a sua causa. Não há dúvida de que ele era o principal instrumento nesta conspiração, ea razão principal pela qual muitos em Israel voltou do rei a seu filho traidor. Seu estatuto oficial ea grande influência que possuía sobre o povo fez Absalão prazer em valer-se da sua ajuda, tanto para afundar os espíritos do partido de Davi e para inspirar o seu próprio com confiança, para Aitofel era comumente considerado como um profeta. Mas o que era isso que fez Aitofel responder tão prontamente ao convite de Absalão, e levá-lo a encontrar favor ainda maior nas vésperas das pessoas, como aquele que tinha sido gravemente prejudicado e merecia ser vingado de sua adversidade?

Para responder a esta pergunta nas Escrituras deve ser revistado e passar cuidadosamente comparado com passagem. Na segunda metade de 2 Samuel 23 os nomes são dados dos homens de trinta e sete que formavam o grupo especial de "guarda" (v. 23) de David. Entre eles encontramos "Eliã, filho de Aitofel , o gilonita " (v. 34) e "Urias, o hitita" (v. 39). Assim Eliã e Urias eram companheiros de oficiais e seria muito jogado junto. Assim, não precisamos ficar surpreso ao saber que Urias casou com a filha de Eliã (ver 2 Sam. 11:3) Assim, Bate-Seba, Davi tão gravemente prejudicado, era. a neta de Aitofel; ! E Urias, a quem ele tão cruelmente assassinado, era seu neto por casamento não esta fato de explicar por que "amigo familiar" de Davi (Sl . 41:9) tornou-se seu inimigo mortal, e conta para a sua disponibilidade para ajudar a Absalão, procurando assim vingar a desonra trouxe à sua casa.

Alguns anos se passaram desde essa desonra tinha caído sobre a família de Aitofel, e durante esse intervalo parece que ele tinha virado sua corte sobre David eo tribunal, e discretamente retirou-se para sua terra natal (15,12). Remoendo os erros graves que Davi tinha feito para sua família, o espírito de vingança seria inflamar em seu coração. Parece que Absalão estava bem ciente disso, e perceberam que Aitofel estava apenas esperando uma oportunidade adequada para dar vazão aos seus sentimentos e executar sua ira meditou sobre a cabeça de Davi. Será que isto não explica por que Absalão se aproximou dele com confiança, a conhecer-lhe a sua traição, e contaram-lhe boas-vindas a notícia e se tornar seu companheiro de trabalho? Isso não conta também para muitas das pessoas que transfiram a sua submissão de um trono que sabiam ser contaminado com adultério e assassinato do filho rebelde?

Não só Aitofel parentesco com Bate-Seba explicar a sua disponibilidade para assumir os lados com Absalão contra o rei, e conta para a transferência dos povos comuns 'de lealdade, mas também fornece a chave para a própria atitude de Davi e de conduta neste momento. Foi evidência adicional a ele que Deus estava tratando com ele pelos seus pecados, outras provas de isso virá diante de nós mais tarde, mas não podemos antecipar. E bem-aventurado é observá-lo se curvar assim humildemente à vara divina. David sentiu que para resistir a Absalão seria resistir ao próprio Senhor, por isso, ao invés de fortalecer as suas forças em Jerusalém e manter sua posição, ele foge. Não podemos deixar de admirar o delicioso fruto trazido pelo Espírito neste momento no coração de Davi, para com Ele, e não a mera natureza deve ser atribuída o que é aqui apresentado para a nossa visão.

Muito antes disso tivemos a oportunidade de admirar o belo espírito evidenciado por David quando o sofrimento de justiça, agora, vê novamente quando ele estava sofrendo por transgressões. Em seguida, vimos como o mártir nos dias de Saul, trazendo os frutos da humildade, paciência, confiança e em Deus, disposto a ser perseguido por Saul dia após dia, e se recusar a tomar vingança com as próprias mãos e ferir o ungido do Senhor. Mas aqui vemos David como o penitente: seu pecado encontrou-o, trouxe à lembrança diante de Deus,

e ele submissamente baixa a cabeça e aceita as conseqüências de seu delito. Isso é muito bonito, manifestando- se novamente a obra do Espírito de Deus em Davi. Só Ele pode acalmar o coração turbulento, subjugar a vontade rebelde, e mortificar o desejo inato de tomar o assunto em nossas próprias mãos, como somente Ele pode levar-nos a nos humilhar sob a poderosa mão de Deus, e mantenha a paz quando Ele visita o nosso iniquidade "com listras" (Sl 89:32).

Sim, é como dissemos em parágrafos nossas abertura, alteração das circunstâncias que propiciam a oportunidade para o desenvolvimento e exercício de diferentes graças. Alguns graças são do tipo ativo e agressivo, enquanto outros são de ordem passiva, exigindo bastante outra configuração para a sua exibição:

alguns dos traços que marcam o soldado no campo de batalha seria totalmente fora de lugar, ele foi definhando em uma cama de doença. Alegria espiritual e tristeza segundo Deus é igualmente bonito em sua temporada. Seria mais incongruente a chorar enquanto o noivo estava presente, mas é apropriado para as crianças da câmara nupcial para jejuar quando ele está ausente. Como existem alguns vegetais, frutas e flores que não podem ser cultivadas em terras que são não visitados pelos ventos beliscando e mordendo as geadas, por isso há alguns frutos do Espírito, que só são produzidos no solo de severas provações, dificuldades e tribulações.

"E os servos do rei disseram ao rei: Eis que os teus servos para tudo quanto meu senhor, o rei nomeia" (v. 15). O que acabamos de dizer acima é igualmente pertinente a este verso: a triste situação enfrentando Davi revelou claramente o estado do coração das pessoas a seu serviço imediato. A revolta de Absalão e sua roubar os corações de muitas das pessoas proporcionou uma oportunidade para esses servos de Davi, para manifestar a sua inabalável lealdade e devoção ao seu mestre. Extremamente abençoado é este, fornecendo como faz a sequela de que estava diante de nós no versículo 6. Lá vimos que Absalão era um homem bem calculado para cativar a multidão. Mas deixá-lo ser devidamente notado que ele não possuía atrativos para aqueles que estavam mais perto de David. Isso ilustra um princípio importante: enquanto mantemos comunhão com Cristo,

o David antitípico, as iscas de Satanás não terá influência sobre nós!

Vamos observar também que a alteração das circunstâncias é necessária a fim de testar a lealdade daqueles que estão em contato íntimo com nós. Não só essa revolta de Absalão proporcionar uma ocasião para a manifestação de sujeição de Davi com a vontade de Deus, mas também serviu para tornar evidente inequivocamente que estavam e quem eram contra ele. Prosperidade é frequentemente uma faca de dois gumes,

e adversidade está longe de ser uma calamidade sem mistura. Quando o sol da providência sorri para uma

pessoa, ele é logo cercado por aqueles que professam grande apego a ele, mas quando as nuvens escuras da providência de cobrir o seu horizonte, a maioria desses bajuladores submissos vai assumir rapidamente sua partida. Ah, meu leitor, é algo que vale a pena descobrir quem realmente são nossos amigos, e, portanto, não devemos murmurar se leva a agitação do nosso ninho e da interrupção de nossa paz para fazer isto, claramente

evidente para nós. Adversidades são um ganho quando eles expõem-nos a hipocrisia de uma Aitofel, e ainda mais quando eles provar a lealdade eo amor dos poucos que estão por nós na tempestade.

"E o rei saiu, e toda a sua casa depois dele. E o rei deixou dez mulheres, que eram concubinas, para guardarem a casa" (v. 16). O escritor sente seu coração impressionado como ele lê o segundo semestre deste comunicado verso-a prosaica, mas que possuem uma profundidade que nenhuma mente humana pode compreender. Aparentemente, David agiu muito livremente quando ele fez esse arranjo simples nacional, mas na realidade ele não poderia fazer o contrário, pois ele estava sendo dirigido pela mão certeira e invencível de Deus, até a realização dos Seus próprios conselhos. Davi objeto em deixar para trás a 10 concubinas era "manter a casa", isto é, para manter o palácio em um pouco de ordem e limpeza, mas de Deus projeto era fazer uma boa Sua própria palavra.

Uma parte do castigo que o Senhor tinha anunciado deve recair sobre David para a sua maldade foi:

Eu tomarei tuas mulheres perante os teus olhos, e as darei a teu próximo, e ele deve estar com as tuas mulheres perante este sol. Porque tu o fizeste em oculto, mas eu farei este negócio perante todo o Israel "(2 Sam 12:11, 12.). A execução dessa ameaça é registrada em "Estenderam, pois, Absalão uma tenda na parte superior da casa e entrou Absalão às concubinas de seu pai à vista de todo Israel" (16:22). O elo de ligação entre os dois é visto aqui em nossa presente passagem: "E o rei deixou dez mulheres que eram concubinas, para guardarem a casa" (v. 16). Novamente, nós dizemos, objeto de Davi em deixá-los por trás era que eles deveriam "manter a casa", mas de Deus propósito era que eles deveriam ser publicamente insultado, estuprada por Absalão. Indizivelmente solene é este fato: Deus dirige as ações que se manifestam no mal tão verdadeiramente como Ele faz aqueles que terminam em bom estado. Não só todos os eventos, mas todas as pessoas, e todas as suas ações, estão sob o controle imediato do Altíssimo.

"Porque dele, e por Ele e para Ele, são, todas as coisas, ao qual seja glória para sempre. " (Rom. 11:36). No entanto, isso não faz de Deus o "autor do pecado", nem o homem uma criatura irresponsável: Deus é santo em todos os seus caminhos, e homem é responsável por todas as suas ações. Quer ou não percebemos a "consistência" deles, cada uma dessas verdades básicas deve ser realizada rapidamente por nós, nem deve ser uma forma sustentou que o outro está praticamente negada. Alguns dirão: Se Deus predestinou cada ação nossa, então não somos melhores do que máquinas, outros insistem, Se o homem é um agente livre, suas ações não pode ser dirigido por Deus. Mas Sagrada Escritura expõe a vaidade de raciocínios tais: medida em que David sabia que era um ato voluntário de sua parte quando ele decidiu deixar 10 de suas concubinas em casa, no entanto, ele foi divinamente "constrangido" em que para a realização da vontade de Deus finalidade.

“E o rei saiu, e todas as pessoas atrás dele, e ficaram em um lugar que era longe, e todos os seus servos iam ao seu lado”. E todos os quereteus, e todos os peleteus, e todos os giteu, seiscentos homens que vieram depois dele de Gate, passaram diante do rei “(vv. 17, 18)”. Não "amigos bom tempo" eram esses. Eles haviam desfrutado com ele a calma, eles não iriam abandoná-lo no meio da tempestade, eles tinham compartilhado os privilégios de Jerusalém, eles não iriam abandoná-lo agora que ele se tornou um fugitivo e pária. É impressionante notar que, enquanto Absalão "furtava o coração dos homens de Israel," todos os quereteus e peleteus, e giteu manteve firme a David, uma prefiguração de Cristo, para que a nação judaica desprezada e rejeitada, mas os eleitos de Deus entre os gentios não ter tido vergonha de serem Seus seguidores.

CAPÍTULO SESSENTA E TRÊS Travessia Kidron

2 Samuel 15

CAPÍTULO SESSENTA E TRÊS Travessia Kidron 2 Samuel 15 A segunda metade de 2 Samuel 15
CAPÍTULO SESSENTA E TRÊS Travessia Kidron 2 Samuel 15 A segunda metade de 2 Samuel 15
CAPÍTULO SESSENTA E TRÊS Travessia Kidron 2 Samuel 15 A segunda metade de 2 Samuel 15

A segunda metade de 2 Samuel 15 exibe uma impressionante mistura de luzes e sombras: na hora mais escura de Davi não só ver o resplandecer de algumas de suas mais belas virtudes próprias, mas também contemplar seus amigos e seguidores no seu melhor. É o caminho do nosso bom Deus para temperar nossas mais severas cruzes misturando confortos com eles. O filho favorito de Davi e seu conselheiro chefe tinha tanto

tornaram traidores contra ele, mas a lealdade de parte de seu exército, a fidelidade dos levitas, a simpatia expressa por aqueles das pessoas comuns que testemunharam sua angústia, proporcionou alguma consolação real de sua ferido coração. Em tempos de profunda angústia e estações de desânimo ferida somos capazes de imaginar que nossos inimigos são mais numerosos do que é realmente o caso, e que têm menos amigos do que é realmente assim, mas David estava agora a descobrir que um bom número foram preparadas se apegar a ele a todo custo.

Não é tanto do natural (embora mesmo aqui haja muito que é louvável), como o ponto de vista espiritual que a nossa passagem precisa ser ponderado. A chave para a ela se encontra no estado de coração de David neste momento. Ele deve ser visto como a alma penitente, como aquele que percebeu que a justiça estava sendo oprimido. Ele sabia que seu pecado tinha encontrado-lo, que ele estava sendo carinhosamente ainda castigado justamente para o mesmo. Ele se encheu de tristeza piedosa e lamentavam-se perante Ele, cujo nome tinha sido tão desonrado por ele. Ele humildemente se curva para a vara de Deus e submissamente recebe seu curso. Neste espírito, ele seria sozinho com seu problema, pois ele só havia pecado e provocaram o Senhor: por isso faz ele conselho o giteu deixá-lo. No mesmo espírito humilde, ele envia a arca, símbolo da presença manifesta de Jeová voltasse a Jerusalém: era a sua maior alegria, e que ele sentiu que não estava autorizado a gosto.

Mas não vamos generalizar qualquer outra em nossa passagem, mas considere os seus detalhes. "Então disse o rei a Itai, o giteu vais Portanto tu também conosco voltar ao teu lugar, e cumprir com o rei (Absalão, que agora usurpou o trono). Porque tu és um estranho, e também um exílio Considerando tu chegaste, mas ontem, devo hoje fazer-te subir e descer com a gente vendo que vou cá eu, volta-te, e levar teus irmãos? misericórdia e

verdade seja contigo "(2 Sam 15:19,

problema de profundidade, seu pensamento e preocupação eram com aqueles sobre ele, desejando-lhes escapar das dificuldades e perigo que agora estavam diante dele. Que exemplo para nós gracioso atenção neste egoísta idade que, mesmo em nossos ensaios não devemos impor sobre aqueles que são gentis conosco e carregá-los

com os nossos problemas. "Para cada homem levará o seu próprio fardo" (General 6:5).

20).

.Que espírito amável fez o rei aqui provas: no meio de seu próprio

Parece que Itai foi o líder dos seiscentos giteu (v. 18). Eles haviam jogado em seu lote com Davi quando ele peregrinou em Gate dos filisteus, e seguiu-o quando ele voltou para a terra de Israel: ou porque acreditavam que Filístia foi condenado ou, mais provavelmente, porque eles foram atraídos pelo próprio Davi. Eles estavam agora entre atendentes mais fiéis do rei, depois de ter acompanhado como ele fugiu da cidade real. Eles seriam um guarda-costas mais útil para ele neste momento, mas em sua compaixão, generosidade e concurso nobre David quis poupar-lhes os inconvenientes e perigos que estavam agora a sua parte. Como isso nos faz pensar Filho de David e Senhor, que, provavelmente, neste lugar idêntico, disse aos que tinham vindo para prendê-lo, "Se, pois, a mim que buscais, deixai ir este caminho” (João 18:8). O antítipo deve sempre estar em mente ao ler as Escrituras do Antigo Testamento.

"E Itai respondeu ao rei, e disse: Vive o Senhor, e meu senhor vive o rei, certamente no lugar em que o rei meu senhor será, seja na vida ou morte, aí estará também o teu servo" (v. 21). David desejado para demiti- los, mas o seu apego a ele e sua causa era muito mais forte do que a de muitos dos israelitas. Mais abençoado e surpreendente é este, para David não tinha nada a oferecer-lhes agora salvar comunhão com ele em sua rejeição e sofrimentos, ainda que valorizasse sua companhia tão altamente que eles se recusaram a deixar o seu líder ferido. Espiritualmente, que o amor dos irmãos, que é o fruto do Espírito de Cristo, quando é saudável e vigoroso, não serão dissuadidos através de lágrimas de sofrimento ou perigo, mas vai ficar de lado e prestar assistência àqueles em aflição. este versículo nos ensina que devemos apegar fielmente a Cristo, não importa o quão baixo a sua causa no mundo pode ser.

"E disse Davi a Itai: Vai, e passar por cima. E Itai, o giteu passaram, e todos os seus homens, e todos os pequeninos que estavam com ele" (v. 22). Tal devoção, como tinha sido exibido por esses seguidores leais deve ter tocado o coração do rei, tanto mais que se procedeu a partir daqueles que eram de um estoque pagãos. “Das palavras Itai “, como vive o Senhor" (v. 21), parece que eles foram influenciados pela religião de Davi, bem como a sua pessoa, e certamente ele não ter mantido tão perto dele, ou disse "misericórdia e verdade seja

contigo "(v. 20), a menos que tivesse renunciado definitivamente toda a idolatria. Há uma aparente ambiguidade em suas palavras aqui "ir e passar por cima", mas este desaparece à luz do verso seguinte: era a Kidron cruzaram assim, foi-lhes dado o lugar de honra principal, assumindo a liderança e designação de Davi empresa atual!

"E todo o país chorou em alta voz, e todo o povo passou por cima" (v. 23). Embora a multidão favorecido Absalão, ainda havia muitos que simpatizam com David. Com efeito, deve ter sido um coração duro, que permaneceu impassível ante tal visão um prejuízo: o rei envelhecido abandonando seu palácio, mas com uma comitiva pequena, fugindo de seu próprio filho, agora em busca de abrigo no deserto! Eles haviam sido menos do que humano, se não pesou para o pobre David. E deixá-lo ser devidamente notado que o Espírito tem gravado o seu choro, pois Deus não está desatento de lágrimas genuínas, ou de arrependimento pessoal ou pena para os outros. Esta menção de seu choro ensina claramente que eu devo sentir-se profundamente para aqueles pais que são abusadas ou arruinadas por seus filhos.

"O rei atravessou o ribeiro de Cedrom, e todo o povo passou por cima, em direção ao caminho do deserto" (v. 23). Este manifestamente prenunciado um dos episódios mais amargos da paixão de nosso Senhor. Não só isto é mesmo verdade riacho mencionado em João 18:01, a ligeira diferença na grafia ser devido à mudança do hebraico para o grego, mas existem muitos pontos de analogia entre David e de Cristo cruzamento de ele perder a fusão de o tipo para o antítipo. Mas, antes de traçar estas semelhanças notáveis, vamos, como o seu interesse histórico solene exige-tecer algumas considerações sobre o ribeiro de si mesmo.

Significativamente "Kidron," o suficiente ou de usar a ortografia mais familiar de João 18:1 "Cedron," significa "preto". Foi apropriadamente chamado, pois era um riacho escuro, que percorreu o vale sombrio de Moriá, que Josefo nos diz que estava no lado leste de Jerusalém. Ficava entre as bases do morro templo eo monte das Oliveiras. Dentro deste ribeiro era constantemente esvaziado o esgoto da cidade, bem como a sujeira dos sacrifícios do templo para o pecado. Este era o "lugar impuro fora da cidade" (Lev. 14:40, 45), onde os excrementos das ofertas foram depositados e levado pelas águas deste riacho. Em uma figura que era os pecados e as iniquidades do povo que estavam sendo lavados ante a face de Deus partir do templo, onde Ele habitava no meio de Israel.

É interessante notar, há outras referências a "Kidron" no Antigo Testamento, e que está registrado em relação ao mesmo está em harmonia marcante e solene com o que foi apontado acima. Este ribeiro não só (mais tarde) recebeu a sujeira da cidade e do lixo do templo, mas em suas águas sujas reis piedoso de Judá lançar as cinzas dos ídolos que haviam destruído: veja 2 Crônicas 15:16; 30:14 , 2 Reis 23:4, 6. Ao longo deste riacho imundo nosso bendito Salvador passou a caminho doloroso para o Getsêmani, onde a Sua santa alma detestava as nossas iniquidades colocou em seu "copo", representado por este Cedron sujo e desagradável. Esse riacho sujo serviu como um lembrete adequado de lama profunda (Sl 69:2) em que Cristo estava prestes a afundar. Nada poderia ser mais repugnante e nauseante do que o solo e as águas do ribeiro, e nada poderia ser mais repugnante para o Santo do que ser cercada de toda a culpa e sujeira do pecado que pertence ao seu povo.

Mas vamos agora considerar os pontos de semelhança entre o tipo eo antítipo. Primeiro, foi neste córrego do voo humilhante de David começou, ea travessia do mesmo marcou o início da "paixão" do Salvador (Atos 1:3). Em segundo lugar, era como o rei desprezado e rejeitado que David agora saiu, e foi assim com o Redentor como Ele viajou para Getsêmani. Em terceiro lugar, mas David não estava totalmente sozinho: uma pequena empresa de seguidores devotados, ainda se agarrava a ele, assim foi com o antítipo. Em quarto lugar, Aitofel, seu amigo íntimo, tinha agora uniu forças com seus inimigos: da mesma maneira, Judas tinha saído para trair Cristo aos seus inimigos. Em quinto lugar, embora a multidão favorecido Absalão, algumas das pessoas comuns e simpatizavam com "chorou" de David, por isso, enquanto o clamor geral contra o Senhor Jesus foi "Crucifica-o", no entanto, houve quem chorou e chorou Ele (Lucas 23:27).

"E Zadoque lo também, e todos os levitas estavam com ele, levando a arca da aliança de Deu s, e puseram a arca de Deus, e Abiatar subiu, até que todas as pessoas tinham feito a passagem para fora da cidade" ( v. 24). Este falou bem de Davi, que mesmo os levitas, eo sumo sacerdote, estavam preparados para jogar em

seu lote com ele no dia de sua rejeição. Apesar de suas falhas tristes, os ministros do tabernáculo sabia muito bem o carinho que o suave salmista de Israel tinha por eles e seu escritório. A política de que Absalão havia seguido a fim de agradar o povo não tinha apelado a todos a esses servos do Senhor e, portanto, firmemente aderido ao rei, apesar da mudança drástica em suas fortunas. Infelizmente, como muitas vezes tem sido de outra forma, quando os líderes religiosos tornaram traidores no momento em que o monarca mais necessário o seu apoio e ministrações.

Ministros de Deus deve sempre dar um exemplo de submissão e lealdade aos "poderes constituídos" (Rm 13:1), e mais especialmente eles devem manifestar abertamente a sua fidelidade até os governantes que têm tolerado e protegido-los em seus trabalhos piedosos, quando os governantes se opõem por súditos rebeldes. "Temei a Deus: a glória do rei" (1 Pedro 2:17) são unidos na Sagrada Escritura, e se os líderes eclesiásticos não prestar obediência a este preceito divino, como podemos esperar que aqueles que estão sob sua carga vai fazer melhor ? "Eles que são amigos para a arca em sua prosperidade, deve achar que é um amigo para eles na sua adversidade Anteriormente, David não iria descansar até que ele tinha encontrado um lugar de repouso para a arca (Sl 132). E agora, se os sacerdotes podem ter sua mente, a arca não deve descansar até David retorna ao seu lugar de descanso "(Matthew Henry).

"E disse o rei a Zadoque, levar a arca de Deus para a cidade, se eu achar graça aos olhos do Senhor, Ele vai me trazer de novo, e me mostre a ela ea sua habitação" (v. 25) . Isso também é muito impressionante, trazendo como ele faz o melhor lado do caráter de Davi. A presença dos levitas, e particularmente da arca, teria consideravelmente reforçada causa do rei. Essa arca tinha um lugar proeminente na história de Israel, ea visão de muito dificilmente teria falhado para agitar os corações das pessoas. Além disso, era o símbolo reconhecido da presença de Deus, estimado por David mais altamente do que qualquer outra coisa. Mas o rei, como Eli de idade, foi extremamente solícito com o bem-estar do cofre sagrado, e, portanto, ele se recusou a expô-la aos insultos possíveis de Absalão e sua facção. Ele "preferiu Jerusalém, a honra do Senhor, acima de sua maior alegria" (Sl 137:6). Além disso, Davi sabia que ele estava sob a repreensão divina, e assim sentia-se indigno para a arca para acompanhá-lo e, portanto, enquanto ele estava sendo castigado por seus pecados, ele se recusou a fingir que Deus estava do seu lado.

"Se eu achar graça aos olhos do Senhor, Ele vai me trazer de novo, e me mostre a ela ea sua habitação." Claramente, Davi reconheceu que tudo dependia de o imerecido " favor "do Senhor. Este é um ponto de considerável importância, para os nossos modernos dispensacionalistas supor que Israel estava sob um regime tão severo da Lei que a graça de Deus era praticamente desconhecido, sim, que Ele fez não exercê-lo até que Cristo apareceu uma visão baseada em um inteiramente errônea interpretação de João 1:17. Este é um grande erro, pois as Escrituras do Antigo Testamento tornam inequivocamente claro que livre graça de Deus é o fundamento de toda a bênção: ver Números 14:08, Deuteronômio 10:15; 1 Reis 10:9; 2 Crônicas 9:8, Atos 7:46. Ela é abençoada para observar Davi "Se eu achar graça aos olhos do Senhor, Ele vai me trazer de volta novamente e mostrar-me (e não" meu lugar ", mas) a ela ea sua habitação:" ele valorizava o humilde tabernáculo longe mais altamente do que seu próprio trono e honra!

"Mas, se Ele assim disser, não tenho prazer em ti: ele aqui deixe que Ele faça de mim como bom parecer a Ele" (v. 26). Submissão preciosa era isso. O Senhor estava repreendendo-o por seus pecados, e ele não sabia qual seria o resultado. Ele humilhou-se sob a poderosa mão de Deus, e deixou a questão a Sua vontade soberana. Ele esperava o melhor, mas estava preparado para o pior. Ele percebeu que ele mereceu sofrer o desgosto continuado do Santo, e, portanto, ele cometeu o resultado de sua causa para a graça soberana de Deus. Marcá-lo com cuidado, caro leitor, que David viu Deus a mão disciplinar nesta hora escura da revolta de Absalão, e que o preservou, na medida, pelo menos, tanto de rebelião contra o Céu e o medo do homem. Quanto mais nós discernir a mão controladora do Altíssimo em todos os eventos, o melhor para a nossa paz de espírito.

Há muita instrução importante e preciosa para os nossos corações neste incidente. É um verdadeiro ato de fé , quando nos entregamos a essa vontade soberana de Deus, onde Ele é misericordioso com quem Ele se compadecerá, e terá misericórdia de quem Ele terá misericórdia "(Ex. 33:19), e sim, apenas como

verdadeiramente assim como quando um adequado das promessas de Deus e implorá-lo diante dele. Concebemos foi assim que a fé de Davi agora o dirigiu no estreito ferida que ele foi, então, dentro Ele não sabia como gravemente o Senhor foi provocado contra ele, nem como as coisas estavam agora provável que vá, assim ele curvou-se diante do seu trono e esquerda Dica para determinar o caso Muitas almas dolorosamente atingida pela obteve alívio aqui quando todas as outras nascentes de conforto fracassaram completamente, dizendo com Jó: "Ainda. Ele me mate, eu ainda confio nele "(Jó 13:15).

Uma alma pelo pecado, enredado com culpa sobrecarregar a sua consciência, vê que, em si mesmo, é inquestionavelmente ser perdido: como o Senhor vai lidar com ele, ele não sabe. Seus sinais e símbolos são completamente eclipsados: ele pode discernir nenhuma evidência da graça de Deus nele, nem de seu favor a ele. O que é uma alma de culpa curvada que fazer quando ele está em tal posição? Para definitivamente as costas a Deus seria uma loucura, pois "Quem se endureceu contra Deus e tem prosperado?" (Jó 9:4). Também não há a menor alívio a ser obtido para o coração, exceto a partir e por Ele, para "Quem pode perdoar pecados, senão Deus?" O único recurso, então, é fazer como Davi fez: trazer a nossa alma culpada na presença de Deus, esperar no soberano prazer de Sua graça, e com prazer concordar com sua decisão.

" Se eu achar graça aos olhos do Senhor, Ele vai me trazer de novo, e me mostre a ela ea sua habitação Mas. se Ele assim dizer, não tenho prazer em ti, eis-me aqui, faça- para mim tão bom parecer a Ele ". Aqui é uma âncora para a alma tempestuoso: que ele não pode (uma vez) dar descanso e paz, mas ela garante da rocha do desespero abjeto. Para consolo do coração com um "quem pode dizer se voltará Deus, e arrepender-se e afastar-se da Sua ira, que não pereçamos? " (Jonas 3:9), ou "Quem pode dizer se Deus se compadecerá de mim?

" (2 Sam 12:22.), É muito melhor do que dar lugar a um espírito de desesperança. "Quem sabe se não se voltará

e se arrependerá, e deixar após si uma bênção" (Joel 2:14): lá, a alma deve seguir até mais a luz do alto se lance sobre ele.

CAPÍTULO SESSENTA E QUATRO Crescente Oliveira

2 Samuel 15

CAPÍTULO SESSENTA E QUATRO Crescente Oliveira 2 Samuel 15 Nós retomada no ponto deixado em nosso
CAPÍTULO SESSENTA E QUATRO Crescente Oliveira 2 Samuel 15 Nós retomada no ponto deixado em nosso

Nós retomada no ponto deixado em nosso passado. "O rei disse a Zadoque, o sacerdote: Não é tu um vidente? Retornar para a cidade em paz, e seus dois filhos com você, Aimaás, teu filho, e Jônatas, filho de Abiatar. Veja, eu permanecerei na planície de o deserto, até que tenha notícias de você para certificar-me "(vv. 27, 28). Embora eles não possam ser autorizados a ministrar-lhe nas coisas santas, ele não desdenha os seus serviços, pois eles poderiam promover seus interesses, retornando ao seu posto de dever, e de lá conhecer ele com desenvolvimentos em Jerusalém. Que confiança implícita neles foi evidenciada por este estrategista experiente, revelando-lhes os seus planos imediatos de o lugar onde pretendia ficar por enquanto! O que os servos de Deus hoje para comportaram-se que os problemas não hesitariam em confiar neles e buscar seu conselho. "Zadoque, pois, e Abiatar levaram a arca de Deus a Jerusalém: e ficaram ali" (v. 29). Obediência Abençoada: afundando seus próprios desejos, em conformidade com a vontade de seu mestre.

"E Davi, subindo pela encosta do monte das Oliveiras, e chorou, enquanto ele subia, e teve sua cabeça coberta, e ele foi com os pés descalços" (v. 39). Deixe o leitor não esquecer o que foi dito nos parágrafos de abertura do capítulo anterior, onde apontou que a verdadeira chave para toda esta passagem pode ser encontrada no estado do coração de Davi. Ao longo ele deve ser visto como o penitente humilde. repreensão de Deus pesava sobre ele, e por isso ele se humilhar debaixo de Sua poderosa mão. Por isso, é que aqui vê-lo dando expressão exterior de sua auto-humilhação e dor por seus pecados, e para as misérias que tinha trazido sobre si, sua família e seu povo. Fichas apropriadas de sua tristeza espiritual eram estes, para a cobertura de sua cabeça

era um símbolo de auto condenação, enquanto o seu pé descalço denotava seu luto (cf. Isaías 20:2, 4;

Ez

24:17).

"E Davi, subindo pela encosta do monte das Oliveiras, e chorou, enquanto ele subia. Como

impressionante é isso, vindo logo após a sua travessia do ribeiro de Cedrom! No capítulo anterior, apontou cinco aspectos em que prenunciou nosso Senhor cruzamento ribeiro que mesmo na noite de Sua traição. Quem pode deixar de ver aqui outra analogia inconfundível? Depois de sua travessia do riacho que triste, nosso Salvador entrou Getsêmani, onde sua alma estava "profundamente triste" e onde as suas súplicas foram acompanhadas com "forte choro e lágrimas. “(Hb 5:7) No entanto, ao observar a comparação, não esqueçamos

o contraste radical: seus próprios pecados foram à causa da tristeza de Davi, mas os pecados de Seu povo ocasionados lágrimas de Cristo”.

"E todas as pessoas que estavam com ele cobria cada um a sua cabeça, e subiam chorando enquanto subia" (v. 30). É o nosso dever de chorar com os que choram e aqueles que estavam com ele foram profundamente afetadas pela dor de seu rei. Mais uma vez nossas mentes reverter a nossa paixão Salvador, e descobrir outra semelhança entre ele eo caso de Davi, aqui, embora tenha sido estranhamente ignorado por muitos. Os discípulos que acompanharam Cristo no Jardim falharam, é verdade, para "vigiar com Ele" por uma hora, ainda que certamente não fosse por indiferença, nem porque buscavam carnal facilidade em sono, para

que o Espírito Santo expressamente nos informa Cristo "achou-os dormindo de tristeza "(Lucas 22:45). Assim,

as pessoas chorando que seguiram David até Monte das Oliveiras encontrou sua contraparte na aflição daqueles discípulos que acompanharam a Salvador até Getsêmani.

"Então disseram a Davi, dizendo: Aitofel está entre os que conspiraram com Absalão" (v. 31). Com a exceção de sua insurreição próprios filhos, este foi o mais amargo ingrediente no cálice em que David estava agora ter de beber. Não foi golpe comum para ele suportar, por Aitofel era um homem comum. Ele era alguém a quem o rei tinha tomado em sua confiança, contados entre seus amigos mais próximos, e para quem ele havia mostrado muita bondade. Ele não apenas gostava das relações mais íntimas com David relativas aos assuntos de Estado, mas tinha comunhão íntima com ele nas coisas espirituais. Isto é evidente própria declaração do salmista "Nós tomamos o conselho doce junto, e caminhou até a casa de Deus na sociedade" (55:14). Inconstante e traiçoeiro é a natureza humana. Nossos mais nítidas ensaios muitas vezes vêm de pessoas em quem nós depositada mais confiança e para quem nós mostramos a maior bondade, ainda, por outro lado, os amigos mais improváveis são, por vezes levantado entre aqueles de quem tinha menos expectativas, como o giteu ligados a Davi (v.21).

"Então disseram a Davi, dizendo: Aitofel está entre os que conspiraram com Absalão." Problema raramente vem só: muitas vezes eles se aglomeram um em cima do outro, como foi o caso de Job. Esta triste notícia foi trazida para o rei justo quando ele estava sendo os mais severamente julgados. Absalão se revoltou, e agora o seu "primeiro ministro" virou traidor no momento mais crucial. Foi uma recompensa vil para a generosidade do rei para ele. Aqui, novamente, podemos perceber este incidente histórico sombreamento diante de eventos mais solenes e assustador em relação ao nosso bendito Senhor, por Aitofel é, sem dúvida, um tipo marcante de Judas, que, depois de ser admitido no círculo íntimo dos discípulos de Cristo, vilmente se virou contra ele e passou para o lado de seus inimigos.Suficiente, então, que o discípulo ser como seu mestre:

se Sua caridade foi recompensado com a traição cruel, vamos estar preparados para tratamento similar.

Como Davi se sentiu profundamente a perfídia de Aitofel é evidente a partir de várias declarações nos Salmos que, obviamente, se referem a ele. No Salmo 41 ele menciona um mal após outro que o afligia, e termina com "Até o meu próprio amigo íntimo, em quem eu confiava, que comia do meu pão, levantou contra mim o calcanhar" (v. 9) - que foi o clímax: nada pior dificilmente poderia ser imaginado, como a abertura "Sim", sugere. Aitofel não só abandonou David em sua hora de necessidade, mas tinha ido para o lado de seu

inimigo. O "levantou contra mim o calcanhar" é a figura de um cavalo que acaba de ser alojado pelo seu mestre,

e, em seguida, batendo com os pés, chuta violentamente. Mais claramente ainda é sua angústia evidenciada em

"Pois não era um inimigo que me afrontava:. Então eu o teria suportado; nem era ele que me odiava que se

engrandecia contra mim, então eu teria me escondi dele, mas eras tu, homem meu igual, meu guia e meu íntimo amigo "(55:12, 13).

Há ainda outra referência nos Salmos, onde Davi lamenta: "Para o meu amor são meus adversários, mas eu faço oração E eles têm-me o mal pelo bem, e ódio pelo meu amor." (109:4, 5) . Este estudo triste de Davi era ilustrativo do que é muitas vezes a experiência mais dolorosa da Igreja, para seus problemas geralmente começam em casa: seus inimigos abertos podem fazer seu pouco ou nenhum mal até que seus pretensos amigos a entreguei em suas mãos. A afirmação de que Davi "deu-se à oração" ao mesmo tempo liga- se a nossa passagem, pois lemos que vem ", disse Davi, ó Senhor, eu oro a Ti, torna o conselho de Aitofel em loucura "(v. 31). É evidente que David tinha mais medo de sabedoria Aitofel que ele era de ousadia de Absalão, pois ele era um homem de experiência na arte de governar, e era muito respeitado pelo povo (2 Sam. 16:23).

"E disse Davi: Ó Senhor, peço-Te, torna o conselho de Aitofel em loucura." Aqui, novamente, o tipo aponta para o antítipo, na verdade, que é a característica marcante de nossa passagem. Davi travessia do Kidron (v. 23), a sua entrega total de si mesmo a vontade de Deus (v. 26), suas lágrimas (v. 30), e agora sua oração, um presente dos mais notáveis prefigurações do nosso Senhor sofrimentos de ser encontrado em qualquer lugar do Antigo Testamento. Ao pedir ao Senhor para derrotar o conselho de Aitofel, Davi reconheceu e reconheceu que todos os corações estão em Suas mãos, que ele pode "fazer os juízes tolos" (Jó 12:17). Não houve oportunidade adequada para David para se envolver em uma longa temporada de oração, nem era necessário que, para nós não são ouvidos para nosso falar muito. Aparentemente, uma ejaculação breve era tudo o que agora emitido a partir de seu coração, mas foi ouvida em alta!

Que abençoado e incentivando o exemplo de Davi tem aqui nos deixou! A oração deve sempre ser um recurso do crente, pois nunca há um momento em que é inoportuna. Nós também podemos orar a Deus para reduzir a nada o astuto conselho dos ímpios contra o seu povo. Eu também posso vir a Ele quando tudo parece estar perdido, e espalhar nosso caso diante dele. A oração feita por um justo pode muito, pois vão é toda a sabedoria mundana eo poder contra ela. Então ele provou aqui: apesar de petição de Davi foi breve, mas reuniu- se com uma resposta inequívoca como 2 Samuel 17:14 mostra, onde nos é dito: "E Absalão e todos os homens de Israel disseram, o conselho de Husai, o arquita é melhor do que o conselho de Aitofel, porque o Senhor tinha ordenado a derrotar o bom conselho de Aitofel, com a intenção de que o Senhor pode trazer o mal sobre Absalão ". Vamos dar incentivo a partir deste incidente, então, e " em tudo , pela oração e súplica com ações de graças, deixe os nossos pedidos sejam conhecidas diante de Deus "(Fp 4:6).

"E sucedeu que, que quando David chegou ao topo do monte, onde adorou a Deus" (v. 32). Este é abençoado e ensina uma lição linda prática: "choro nunca deve impedir adorando" (Matthew Henry). Não, por que deveria? Podemos adorar a Deus no tom menor como verdadeiramente como na principal. Podemos adorar

o Senhor como genuinamente no vale da humilhação, a partir das alturas de júbilo. Além disso, podemos adorar

a Deus como aceitável do topo da montanha acidentado como na catedral mais ornamentado. Este princípio foi

claramente apreendido pela mente espiritual nos tempos do Antigo Testamento, como é evidente da nossa passagem: que David estava fora da tenda, ele percebeu que Deus ainda estava acessível no espírito. Vamos, então, compreender este fato, que nada deve impedir-nos adorar o Senhor, mesmo que já não têm acesso aos suas públicas ordenanças. Como devemos ser gratos a esta disposição misericordioso em um dia como o nosso.

"E sucedeu que, que quando David chegou ao topo do monte, lá adorou a Deus." Há alguns que se acreditam considerar com razão, que bom David cantou Salmo 3, como parte de seu culto, nesta ocasião, pois ela carrega o título de "um salmo de Davi, quando fugiu de Absalão, seu filho." Tem sido dito que "Entre todos os Salmos de Davi não há nenhuma que o mais notável evidencia o triunfo de sua fé para fora das profundezas da aflição e castigo do que este" (BW Newton). Não houve fechamento ou os olhos para a gravidade de sua situação, não ignorando a iminência do seu perigo, pois ele disse: "Senhor, como se têm multiplicado os meus adversários! Muitos são os que se levantam contra mim. Muitos são os que dizer da minha alma: Não há socorro para ele em Deus. Selah "(Sl 3:1-2).

David descreveu seus inimigos como sendo numerosos, e ostentando como não haveria salvação para ele pelo Senhor. Como vimos (2 Sam. 15:12), a revolta tinha assumido dimensões consideráveis, e os conspiradores foram assegurados de que os pecados de Davi se havia afastado a ajuda do céu de sua causa. "Mas tu, ó Senhor, a arte um escudo para mim, a minha glória, e que exalta a minha cabeça "(Salmo 3:3): este é o mais abençoado, ele se opõe a suas declarações mal-intencionados e ódio confiante pela convicção de que entre perigos reais de Jeová ainda era a sua defesa. Com a cabeça baixa e coberta que ele havia fugido de Jerusalém, mas "Tu és aquele que exulta a minha cabeça" era a sua confiança. "Ainda que os perigos ainda estavam presentes, mas na fé que ele fala deles como passado (em hebraico), a libertação foi ainda no futuro, ele ainda fala dele como já vêm" (BW Newton).

"Eu clamo ao Senhor com minha voz, e Ele me ouviu de seu santo monte. Selah" (Salmo 3:4). Ele era um exilado da tenda em Sião, e tinha mandado de volta a arca para seu descanso, mas se ele tivesse a chorar de Deus, desde o lado da montanha, Ele graciosamente responde de "seu santo monte." "Ele e seus homens acamparam entre perigos, mas um deles desajeitados montou guarda ao longo dos adormecidos indefesos” (A. Maclaren): "Eu me deitei e dormi; acordei, porque o Senhor me sustenta" (Salmo 3:5) . Tal era a confiança serena de Davi, mesmo quando os perigos se multiplicaram ainda estavam cercando ele. Revigorado pelo repouso da noite, animado com a proteção divina concedida enquanto abrigar em cavernas ou dormir ao ar livre, o salmista irrompe em exclamação triunfante: "Eu não terei medo de dez milhares de pessoas que se puseram contra mim ao meu redor" (Sl 3:6).

Toma-se para a energia renovada para a arma da oração, antes mesmo da batalha Davi vê a vitória, mas o atribui exclusivamente ao seu Deus. "Levanta-te, ó Senhor, me salva, ó meu Deus, porque

Tu anfitrião ferido todos os meus inimigos sobre a bochecha; Tu anfitrião quebrado os dentes dos ímpios A

benção é tua sobre o teu povo Selah "(Sl . 3:7,8). "Nem era a sua confiança em vão.

Ele foi restaurado e permitiu novamente para ver Israel em paz de novo para provar que a bênção de Deus sobre o Seu povo. Quão precioso é o uso individual de um tal salmo como este, a cada um que, depois de ter desviado ou transgrediram, só voltou-se para as misericórdias ea fidelidade de Deus. Mesmo que os sinais de reprovação divina e castigo estar presente em todos os lados, apesar de toda língua pode dizer "não há salvação para ele em Deus", tal uma pessoa pode lembrar David, e mais uma vez dizer: "Tu, ó Senhor, és um escudo para mim:. A minha glória, e que exalta a minha cabeça ' Assim, mesmo os pecados e castigos dos servos de Deus são feitas bênçãos em decorrência de seu povo "(BW Newton).

salvação vem do Senhor:

"Eis que Husai, o arquita, veio-lhe ao encontro com o aluguel casaco, e terra sobre a cabeça" (v. 32). De 1 Crônicas 27:33, aprendemos que Husai era outro que tinha tomado uma parte proeminente nos assuntos de Estado, pois não está registrado, Husai arquita a era companheiro do rei. "Isso Husai era considerado um homem de sabedoria também é resulta do fato de que, um pouco mais tarde, Absalão aplicada a ele para o conselho (2 Sam. 17:5). À luz do que se segue imediatamente, parece-nos que a vinda de David de Husai é muitas vezes a caminho de modo regular nossas circunstâncias como a exibir os trabalhos secretos de nossos corações, para que possamos, posteriormente, ser humilhado assim, e trouxe para prêmio mais alta que a graça que tem tanta paciência com a gente.

"Ao que disse Davi: Se passares comigo, então serás um fardo para mim; Mas, se tu voltares para a cidade, e disseres a Absalão: Eu serei o teu servo, ó rei, como eu tenho sido o teu pai servo até então, assim eu agora também o teu servo: então tu podes para me derrotar o conselho de Aitofel E tens não estão ali contigo Zadoque e Abiatar, sacerdotes, portanto, deve ser, que aquilo que coisa assim sempre, tu ouvir.? . fora de casa do rei, tu saber a Zadoque ea Abiatar, sacerdotes: Eis que estão também ali com eles seus do is filhos, Aimaás Zadoque, e Jônatas, filho de Abiatar, e por eles vos enviar para mim tudo o que podeis ouvir. Então amigo Husai David veio para a cidade, e Absalão entrou em Jerusalém "(vv. 33-37).

"Como em Respondeu água face a face, assim o coração do homem ao homem" (Prov. 27:19). Infelizmente, não é possível tanto o escritor eo leitor ver no incidente acima de um reflexo de sua própria personalidade? Não tem havido momentos em que confiança cometido nossa causa e caso para o Senhor, e então nós vimos uma oportunidade onde, por carnais intrigas, pensávamos que poderia assegurar a

resposta às nossas orações? É muito mais fácil para cometer o nosso caminho ao Senhor, que é para "descansar no Senhor e espera nele" (Sl. 37:5, 7). É que o verdadeiro teste de fé está muitas vezes: se nós deixar as coisas inteiramente nas mãos de Deus, ou tentar tomar o assunto em nosso próprio. Saiba, então, que o aparecimento de um Husai dispostos no momento crítico é muitas vezes permitida nos colocar à prova-se ou nem nosso coração ser ainda inclinado a apoiar-se num braço de carne.

Várias tentativas têm sido feitas a fim de justificar para o envio de David Husai para se tornar um espião para ele no acampamento de Absalão. Estratégia pode ser permitida na guerra, mas nada poderia justificar o rei em causar Husai a agir e proferir uma mentira. É verdade que Deus vencido, e por meio de Husai derrotou o conselho de Aitofel, mas que não mais prova que Ele aprovou dessa enganação, do que o fluxo de água de aprovação do ferido Rock Show de Deus da ira de Moisés. O melhor que pode ser dito é: "Ai de mim! Onde vamos encontrar a sabedoria ea simplicidade tão unida em qualquer mero homem que podemos perceber nada do que admite de censura e precisa de perdão?" (Thomas Scott). Houve apenas um nesta terra, nos quais não havia nenhuma mancha ou defeito.

CAPÍTULO SESSENTA E CINCO Julgando Mefibosete

2 Samuel 16

CAPÍTULO SESSENTA E CINCO Julgando Mefibosete 2 Samuel 16 "É humano errar." É verdade, ainda que
CAPÍTULO SESSENTA E CINCO Julgando Mefibosete 2 Samuel 16 "É humano errar." É verdade, ainda que

"É humano errar." É verdade, ainda que não desculpá-lo, especialmente aqui semelhante é condenado injustamente por nós. As aparências são enganosas proverbialmente: precisamos chegar abaixo da superfície, a fim de formar uma estimativa correta. A fofoca nunca deve ser creditada, de fato não deve ser atendido em tudo. Só da boca de duas ou mais testemunhas confiáveis é uma acusação contra o outro para ser ouvida. Mesmo assim, deve haver um julgamento justo concedido, de modo que o acusado pode saber o que ele

é

acusado de, e têm oportunidade de se defender e refutar a acusação. Apenas facada covarde nas costas ou sob

o

manto da escuridão. Uma regra segura para ser guiado por nunca dizer nada por trás das costas de uma pessoa

que você teria medo de dizer e não estão preparados para comprovar perante a sua face. Ai, como comumente é que a regra violada neste dia mau! Como as pessoas estão prontas para imaginar e acreditar no pior, ao invés de melhor de outros, poucos escaparam a esta infecção.

"Não julgueis segundo a aparência, mas julgai segundo a reta justiça" (João 7:24). A definição dessas palavras é digno de nota. O Senhor Jesus havia curado um homem no dia de sábado, e seus inimigos de sempre buscando algum pretexto para condená-lo estava com raiva. Ele havia desconsiderado flagrantemente sua data:

Ele agiu em desacordo completo com suas ideias de como o sábado deve ser guardado. Por isso, eles de uma vez saltou para a dura conclusão de que o Redentor havia profanado o sábado. Cristo assinalou que seu veredicto foi tanto uma arbitrária e superficial. As circunstâncias alteram casos: como a circuncisão de uma criança no sábado, se fosse esse o oitavo dia de seu nascimento, (v. 23). É o motivo que determina em grande parte o valor de um ato, e é pecaminoso para adivinhar os motivos dos outros. Além disso, o reino da lei não deve ser sofrido para congelar o leite da bondade humana em nossas veias, nem nos tornar imunes ao sofrimento humano.

"Não julgueis segundo a aparência, mas julgai segundo a reta justiça" (João 7:24). Esta não é uma palavra que é muito necessária hoje pelo escritor e leitor? Há um duplo perigo de se precaver. Em primeiro lugar, para formar um juízo muito favorável de pessoas, particularmente daqueles que professam ser cristãos. As palavras são baratas, e exuberante nunca é uma marca da realidade. Que um homem chama-se cristão, e sinceramente pensa que é para ser assim, não faz dele um. O fato de que ele é um grande leitor da Bíblia, um frequentador regular de serviços religiosos, e é um som em sua moral, não é prova de que ele tenha nascido de novo."Imponhas precipitadamente as mãos de ninguém" (1 Tm 5:22.): Olhar para as marcas de

regeneração e ficará satisfeito de ter encontrado eles, antes de abordar qualquer um como um irmão ou irmã em Cristo. É nossa culpa que estamos imposta por lobos em pele de cordeiro.

Por outro lado, existe apenas como um perigo real de formar um julgamento muito severo de pessoas,

e imputando a hipocrisia que é genuíno. Um homem não está a ser feito um ofensor por uma palavra, nem ele

merece ser desprezado porque ele não consegue bajular e lisonjear a você. Não devemos esperar que todos pronunciar nossos lemas ou ver olho a olho com a gente em tudo. Um coração bondoso, muitas vezes bate por baixo de uma aparência rude. Um riacho balbucio é muito superficial, mas ainda águas são profundas. Nem todos são dotados de cinco talentos. Outros podem não ter tido as mesmas oportunidades e privilégios que tenham gostado. Não deixe que a ação de um único alienar um amigo: ter em mente o teor geral de sua conduta para com você. Seja como pronto a perdoar como você deseja ser perdoado. Lembre-se que ainda há muito em você que irrita nos outros. Quando injustiçado orem sobre ele antes de você passar um veredicto.Muitos uma pessoa tem depois se arrepende amargamente uma decisão precipitada. Tire todas as circunstâncias em conta e "não julgar segundo a aparência, mas julgai segundo a reta justiça."

Começamos este capítulo, portanto, porque a passagem que estamos prestes a considerar (2 Sam. 16:1- 4) nos mostra um David gravemente julgando que era carinhosamente ligado a ele. David foi notadamente influenciado por "aparências". Ele deu ouvidos a uma calúnia não confirmado contra um ausente. Ele acreditava que uma vez o pior, sem dar ao acusado uma oportunidade qualquer para se vingar. Ele era aquele a quem Davi havia mostrado muita bondade no passado, e agora que um servo trouxe-lhe um relatório mal, o rei aceitou o mesmo, concluindo que o mestre tinha virado traidor. É verdade que a natureza humana é lamentavelmente inconstante, e que a bondade é frequentemente recompensado com a mais vil da ingratidão; mas todos não são ingratos e traiçoeiro. Não devemos permitir que a maldade de alguns para prejudicar-nos contra todos. Devemos lidar com imparcialidade e julgar com retidão de todos iguais: mas só a graça divina, humilde e sinceramente procuraram-nos permitirá permanecer justo e misericordioso depois de ter sido enganado e injustiçado algumas vezes.

Mais tarde, David descobriu que ele tinha sido enganado (2 Sam 19:24-30.) E foi obrigado a inverter o seu veredicto duro, mas isso não altera o fato de que ele havia gravemente mal interpretado e Mefibosete tinha abrigado preconceitos injustos contra ele. E este incidente, como muitos outros narrados na Sagrada Escritura, são registradas, meu leitor, para o nosso aprendizado e de aviso. Estamos propensos a julgar mesmo os nossos amigos, e por isso, correm o risco de crédito falsos relatos sobre eles. Mas não há nenhuma razão pela qual devemos ser enganados, nem a favor nem contra o outro: "Aquele que é espiritual discernirá todas as coisas" (1 Cor margem 2:15.). Ah, é a sede do nosso problema: é porque nós somos tão carnais que tantas vezes julgam segundo a aparência, e não julgamento justo. Um olho invejoso é incapaz de ver as coisas em suas verdadeiras cores. Quando o regenerado andam segundo a carne, eles são apenas como susceptível de ser imposta como se

o não regenerado. E isto, como veremos, foi a causa do triste erro de Davi.

"E quando Davi passado um pouco no topo da colina, eis que Ziba, o servo de Mefibosete, veio encontrá-lo" (2 Sam. 16:1). As referências topográficas conecta com 15:30 e 32. Ao sair de Jerusalém David e sua banda pouco tinha cruzado o Kidron, e subiu das Oliveiras. Eles estavam fazendo para Baurim (v. 5), que era uma vila de baixa altitude na descida do Monte das Oliveiras para a Jordânia. Em última análise, eles acamparam em Maanaim, do outro lado do Jordão (17:24).Assim, será visto que eles estavam passando por aquela porção de terra que foi atribuído à tribo de Benjamin (ver Josh. 18:11-28), que era o território da tribo Saul, e que era um terreno certamente perigoso para ele a trilhar! Este é o primeiro ponto para nós pesar cuidadosamente, pois é uma das chaves que abre para nós o significado interno do nosso presente incidente.

Não há nada sem sentido na Palavra de Deus, até mesmo os detalhes geográficos muitas vezes contêm instruções profundamente importantes, apontando valiosas lições espirituais, se a gente der ao trabalho de procurá-los. Isto é o que temos que fazer aqui, pois o Espírito Santo nos deu nenhum indício direto de que a direção que David estava tomando fornece uma pista para seu comportamento subsequente. Ao fazer para o território da tribo de Saul, Davi foi (tipicamente) entrando na terra do inimigo se o leitor considerar este um pouco rebuscado conclusão de nossa parte, gostaríamos de pedir-lhe notar que no verso que segue

imediatamente nossa presente passagem, nos diz claramente que não saiu "um homem da família da casa

e amaldiçoado "David! Certamente que era o diabo como um "leão que ruge" furioso contra

ele. Agora vir para o terreno do inimigo, meu leitor, é dar-lhe uma "vantagem de nós" (2 Coríntios 2:11.), E que

está por vir sob seu poder, e quando sob o seu poder nosso julgamento é cego, e estamos absolutamente incapaz de julgar com retidão.

de Saul

Mas há outro pequeno detalhe aqui, uma confirmação, que é necessário para nos observar, se quisermos ver este incidente em sua verdadeira perspectiva. Nossa passagem começa com a palavra "E", e lugar-comum e trivial que isso possa parecer, ainda é um elo vital na cadeia de pensamento que agora estamos a tentar seguir fora. Esse "E" nos diz que devemos conectar o que está registrado no início do capítulo 16 com o que é narrado no final de 15. E aí, como vimos no capítulo anterior, David foi culpado de desonesto subterfúgio aconselhamento, os sacerdotes para fingirem-se os fiéis servos de Absalão, quando na realidade eles eram espiões de Davi. Aí o rei foi manifestamente agindo na energia da carne buscando por seus próprios esforços carnais para "derrotar o conselho de Aitofel" (15; 34), em vez de deixá-la com o Senhor para responder a sua oração para esse fim (15:31 ).

Aqui, então, é de vital importância, ensino prático para você e eu, caro leitor. Se eu não estou a ser mal orientado pelas aparências superficiais e julgar "julgamento justo", então devemos evitar esses erros que Davi fez. Os dois pequenos detalhes que temos habitado acima, explique por que ele tão cruelmente julgado Mefibosete. Se, então, devemos ter discernimento claro, que irá preservar-nos de sermos enganados por impostores de língua e levado por atos aparentes de bondade para conosco, devemos caminhar segundo o Espírito e não segundo a carne, e trilhar os caminhos da justiça e não entrar no território para o inimigo. "Aquele que é espiritual discernirá todas as coisas" (1 Coríntios 2:15.): Sim, o "espiritual", e não o carnal. Como dissemos acima, é nossa própria culpa se formar um juízo errado de outros, devido a cometer os erros David fez. "Se, pois, teus olhos forem bons, todo teu corpo se encherá de luz" (Mateus 6:22).

"E quando Davi passado um pouco no topo da colina, eis que Ziba, o servo de Mefibosete, veio encontrar-lhe, com um par de jumentos albarda dos, e sobre eles duzentos pães, e cem cachos de passas, e cem de frutas de verão e uma garrafa de vinho "(v. 1). Aqueles que não nos acompanhou em toda esta série de capítulos devem voltar-se para 1 Samuel 9, onde não é registrado um pouco desses dois homens. Mefibosete era neto de Saul, o arqui-inimigo de David, mas para ele David mostrou grande bondade porque ele era o filho de Jonathan (4:4), com quem Davi fez um pacto que ele não cortou-lhe a gentileza de sua casa para sempre (1 Sam. 20:11-17). Em 2 Samuel 9, lemos: "O rei chamou a Ziba, servo de Saul, e disse-lhe, tenho dado ao filho de teu senhor tudo o que pertencia a Saul e toda a sua casa. Tu, pois, e teus filhos, e teus servos , deve lavrar a terra para ele, e tu trazer os frutos, que o filho de teu senhor tenha pão para comer:. mas Mefibosete, filho de teu senhor, comerá pão sempre à minha mesa tinha Ziba quinze filhos e vinte servos "(vv . 9,10).

Ziba, então, era um homem de certa importância, pois ele tinha vinte servos, mas tanto eles como seus filhos foram ordenados a servir a Mefibosete. Isto é o que explica sua conduta em nosso presente incidente:

Ziba não se contentou em ser gerente do espólio considerável de Mefibosete, mas cobiçado para ser o dono dela; e cobiça é sempre a mãe de uma ninhada de outros pecados. Foi assim lá: tão empolgado que ele estava por seu desejo mal, Ziba desprezada a não recorrer a mais vil traição. Ele concluiu que agora era uma ocasião propícia para aprofundar seu projeto base. Depois de estabelecer os seus planos com astúcia serpentina, ele pô- las em execução, e, aparentemente, com sucesso, mas "O triunfo dos ímpios é breve, ea alegria dos hipócritas, mas por um momento" (Jó 20:5), e por isso demonstrada no presente caso.

Ziba foi determinada a obter uma subvenção de David real de propriedade de seu mestre e, em seguida, se David ou Absalão prevaleceu no atual conflito, seu desejo será garantido. Para obter subsídios que duas coisas eram necessárias: primeiro, Ziba si mesmo, deve obter graça aos olhos do rei e, segundo, Mefibosete deve ser levado em desgraça decidiu. O verso de abertura mostra a medida Ziba levou para realizar o primeiro. Ele conheceu o rei fugitivo e sua banda com um presente elaborado: foi bem cronometrada e devidamente selecionado. Ziba posou como alguém que não era só leais a causa de Davi, mas como muito solícito com seu bem-estar e conforto. Mas, como Thomas Scott diz, "os homens egoístas são frequentemente

muito generosos em oferecer a propriedade dos outros em proveito próprio." Olhando para esse detalhe do lado divino de coisas, podemos ver aqui a misericórdia de Deus em prover a sua própria, como Ele sempre faz, mesmo que Ele emprega os corvos para alimentá-los!

"E disse o rei a Ziba: Que queres dizer com isso?" (V. 2). David era habitualmente cauteloso, e neste momento crítico que ele precisa ser duplamente. Seu próprio filho mimado se levantou contra ele, garantindo um grande número de seguidores, e quando alguém como Aitofel tinha ido para o seu lado, o rei não sabia em quem pudesse confiar. No entanto, enquanto esta triste situação justifica a máxima cautela, certamente não justificava uma prontidão para acreditar no pior de todos, há um meio termo entre a perder toda a confiança na natureza humana, e ter tal confiança cega nos homens que qualquer charlatão pode impor-nos. David não, então, aceitar imediatamente presente Ziba, mas emitiu o seguinte desafio: era uma armadilha sutil, ou a liberalidade de um homem generosa gentilmente descartada em direção a ele?

"E disse Ziba: Os jumentos são para a casa do rei, para se montarem em: eo pão e frutos de verão para os moços comerem; eo vinho, que tal como os cansados no deserto beberem" (v. 2). Este foi o meio utilizado por este Ziba miserável para congraçar-se com David: "Um homem presente faz quarto para ele, e leva-o até os grandes homens" (Prov. 18:16). Corretamente fez Matthew Henry perguntar: "Será que a perspectiva de vantagem no mundo, tornar os homens generosos para ser rico, e não a crença de uma recompensa abundante na ressurreição dos justos, fazem-nos de caridade para o pobre? " Certamente que é a lição prática para nós neste versículo: "E eu vos digo: Faça a si mesmos amigos as riquezas da injustiça, para que, quando estas vos faltarem, esses amigos vos recebam nos tabernáculos eternos" (Lucas 16:9).

"E disse o rei: E onde está o filho de teu senhor E disse Ziba ao rei: Eis que permanece em Jerusalém:

por que ele disse, Para o dia casa de Israel me restituirá o reino de meu pai" (v. 3). Tendo vermifugados-se ao rei de coração por ter sido tão amplamente influenciado por suas emoções, David era peculiarmente suscetível a bondade Ziba já se comprometeu a denegrir o caráter de seu mestre e transformar David totalmente contra ele. Ele representa Mefibosete como ingrato, traiçoeiro e ambicioso. Quantas vezes senhores e senhoras sofrer injustamente das mentiras de seus servos! "O ímpio toma um dom fora do seio para perverter as veredas do juízo" (Provérbios 17:23). "É verdade, que Davi não sabe que Ziba era mau. Sua bondade inesperada veio num momento em que quase todas as mãos ou outro foi paralisada pelo terror, ou então armado contra ele em inimizade ativo. Sem dúvida, em um momento tão, ele necessário grande autodomínio para fazer uma pausa, e de reter a língua de precipitadamente pronunciar a sentença. Mas David era um rei, e que convinha que ser sabiamente cautelosa "(BW Newton).

"Então disse o rei a Ziba: Eis que teu é tudo quanto tem Mefibosete" (v. 4). David creditado a calúnia suja e sem mais investigação ou consideração condena Mefibosete, aproveita suas terras como perdidos, e faz uma doação deles para seu servo. Que solene advertência é isso para nós! Que as dores que devemos tomar para confirmar o que ouvimos, e assim chegar à verdade real das coisas. Como um velho escritor curiosamente disse. "Deus nos deu dois ouvidos para que possamos ouvir os dois lados. " Mas cedo ou tarde a verdade vai vir à luz, como aconteceu neste caso. Quando a última David retornou em triunfo a Jerusalém, Mefibosete conheceu e teve oportunidade para se vingar. Como amargamente deve ter o rei, em seguida, lamentou o seu veredicto precipitada e errada cruel que lhe havia feito creditando tais relatórios vis contra ele!

"E disse Ziba, eu humildemente rogo-te que eu ache graça aos teus olhos, meu senhor, ó rei" (v. 4). Sim, as palavras são baratas, e maldizentes geralmente são bajuladores. Mas note bem que Ziba não acompanhou o rei fugitivo! Não, ele pensou muito de sua própria pele, para isso, e estava determinado a estar no lado seguro, não importa o que deve ser o resultado da rebelião de Absalão. "Ansioso, aparentemente, para que ele não deve sofrer se Absalão tivesse êxito, ele parece ter aposentado a Simei e Benjamim, para proteger os seus interesses com eles, porque ele foi encontrado, quando o rei voltou, no trem de Simei, Simei que mesmo que amaldiçoou a Davi "(BW Newton). Assim, quando David chegou novamente em Jerusalém, Ziba era nas fileiras dos inimigos do rei!-Passo que Mefibosete estava entre seus súditos mais leais.

CAPÍTULO SESSENTA E SEIS

Amaldiçoado

2 Samuel 16

Amaldiçoado 2 Samuel 16 Em um capítulo anterior, enfatizamos o fato de que em sua fuga
Amaldiçoado 2 Samuel 16 Em um capítulo anterior, enfatizamos o fato de que em sua fuga
Amaldiçoado 2 Samuel 16 Em um capítulo anterior, enfatizamos o fato de que em sua fuga

Em um capítulo anterior, enfatizamos o fato de que em sua fuga de Jerusalém, David deve ser visto como um penitente contrito. Sua recusa em permanecer firme quando Absalão levantou-se em rebelião contra ele deve ser atribuída não à fraqueza moral, mas a força espiritual. Aparentemente, isso foi precedido por uma longa doença debilitante e que tinha impedido ele beliscar que a rebelião enquanto ele estava no botão, mas o mau rei recuperado no momento em que a conspiração tinha chegado a uma cabeça. Não, na rebelião de seu filho Davi viu o castigo justo de Deus sobre seus terríveis pecados contra Bate-Seba e Urias, e conseqüentemente ele sangrou-se sob a mão poderosa. Ele reconheceu os caminhos de Deus em Seu governo moral, então ao invés de em vão atirando-se contra os patrões de escudo de Jeová (rebelando-se e murmurando em Suas providências), ele humildemente se curvaram diante de Sua vara correção. Esta foi "trazendo frutos dignos de arrependimento", tão linda, e como aceitável a Deus, como são "os frutos da justiça" em sua temporada.

É, então, na visão de David como um penitente humilde que obtemos a chave para a maior parte do que está registrado em 2 Samuel 15 e 16. Seu pecado havia encontrado-o e trouxe-lhe à memória antes de o Santo de Israel, e ele abaixou a cabeça e humildemente aceitou Suas repreensões. Foi por esta razão que ele ordenou a seus seguidores leais voltar, e deixá-lo sozinho com seu problema. Foi nesse espírito que ele ordenou que os sacerdotes para levar de volta a arca para Jerusalém, ele sentiu-se totalmente indigno que ele deve acompanhá- lo em sua fuga. Foi nesse mesmo espírito, como um penitente humilde, um atravessou o Cedron e subiu ao monte Oliveiras descalço e em lágrimas. Era como o enlutado diante de Deus que Davi tinha agora virou o rosto para o deserto. Tudo isso foi antes de nós em uma ocasião anterior, mas considerou necessário repetir o mesmo, pois explica, como nenhuma outra coisa, sua atitude no incidente que estamos prestes a contemplar.

Como o rei fugitivo e seus seguidores pouco começou a descer o vale que conduz ao Jordão, um homem que pertencia à família da casa de Saul saiu, e amaldiçoou-o, acusá-lo de um crime terrível que nunca tinha cometido. Reunião com nenhuma oposição, esta criatura miserável atirava pedras contra o rei e seus homens. Agora David não era o homem, naturalmente falando, a sofrer tais humilhações para passar despercebido: por que, então, que ele agora suportá-las em silêncio?Abisai, um dos seguidores do rei, pediu permissão para vingar seu mestre desses insultos por matar o agressor, mas David impediu-o e sofreu Simei para continuar a sua conduta escandalosa. Mas o que parece mais estranho ainda, David atribui esta experiência humilhante o próprio Deus, dizendo: " O Senhor tem lhe disse: Amaldiçoa a Davi "linguagens que levanta um problema de primeira grandeza: a relação de Deus para o mal, para David não era culpado de falar precipitadamente e perversamente, mas deu expressão a uma verdade mais solene e importante. Mas para manter o nosso pensamento principal:

"Viu Deus em todas as circunstâncias, e de propriedade dele com um espírito submisso e reverente. Para ele, não era Simei, mas o Senhor. Abisai só viu o homem, e pediu para lidar com ele adequadamente. Como Pedro depois, quando ele procurou para defender seu amado Mestre do bando de assassinos enviados para prendê-lo Tanto Pedro, ea Abisai, foram viver na superfície, e olhando para as causas secundárias O Senhor Jesus estava vivendo na mais profunda submissão ao Pai. '. o cálice que Meu banho Pai Me deu, não hei

de beber? ' Isso lhe deu poder sobre tudo o que Ele olhou para além do instrumento de Deus, além do copo para

a mão que tinha enchido Não importava se fosse Judas, Caifás, ou Pilatos,

Ele poderia dizer, em tudo, " copo

de Meu Pai . " Assim, também, foi Davi, em sua medida, levantada acima agentes subordinados Ele olhou diretamente para Deus, e com os pés descalços e cobertos de esferas, ele curvou-se diante dEle:. '. O Senhor lhe disse: Amaldiçoa a Davi' Isso foi o suficiente.

"Agora, há, talvez, poucas coisas em que nós tanto como falham em apreender a presença de Deus e Suas relações com as nossas almas, em todas as circunstâncias da vida diár ia Estamos constantemente

ludibriadas por olhar para as causas secundárias,. Que fazemos não perceber Deus em tudo. Por isso Satanás consegue a vitória sobre nós. Fomos mais vivo para o fato de que não é um evento que nos acontece, de manhã à noite, em que a voz de Deus não pode ser ouvido, a mão de Deus viu, com o que uma atmosfera sagrada seria nos rodeiam Homens e coisas, então, ser recebido como tantos agentes e instrumentos nas mãos de nosso Pai;!. assim muitos ingredientes no copo do nosso Pai Assim que nossas mentes ser solenizado, nosso espírito se acalmou , nossos corações subjugados. Então não vamos dizer com Abisai. "Por que esse cão morto amaldiçoaria ao rei meu senhor? Deixa-me passar, peço-te, e tirar-lhe a cabeça. " Nem nós, com Pedro, chamar a espada na empolgação natural. Como muito abaixo de seus respectivos mestres eram estes dois homens afetuosos embora equivocadas! Como deve ser o som da espada de Pedro ter ralado na orelha de seu Mestre e ofendido o seu espírito! E como deve Abisai de palavras têm ferido os mansos e enviar David! Poderia David se defender enquanto Deus estava lidando com sua alma de forma tão solene e impressionante? Certamente que não. Ele não ousa tomar-se fora das mãos do Senhor. Ele era Seu por toda a vida ou morte como um rei ou um exílio sujeição. abençoado! " (CHM).

"E quando o rei Davi a Baurim, eis que saiu um homem da família da casa de Saul, cujo nome era Simei, filho de Gera, ele saiu, e amaldiçoou ainda que ele chegou" (2 Sam. 16:5). Que contraste é esse de que estava diante de nós no versículo anterior! Não vimos a bajulação hipócrita Ziba sobre Davi, fingindo que ele desejava "achar graça" em sua visão, e dirigirmos a ele como meu senhor, ó rei. "Aqui encontramos Simei" maldição "do rei, e denunciando-o como" tu . Homem de Belial "Ziba apresentado David com um presente elaborado, enquanto Simei atiraram pedras e poeira no elenco dele para o engano de David reagiu gravemente julgando Mefibosete,. que, para os ultrajes do último, ele se curvou humildemente diante de Deus- ah, meu leitor, o cristão tem bons motivos para temer os sorrisos do mundo, muito mais do que ele tem suas carrancas.

"E quando o rei Davi a Baurim, eis que saiu um homem da família da casa de Saul, cujo nome era Simei, filho de Gera: ele saiu, e amaldiçoou ainda como ele veio."O primeiro livro de Samuel forneceu o pano de fundo desta cena escura. Saul foi o rei de Israel, e após a sua morte um esforço determinado havia sido feito para preservar o trono em sua família: veja 2 Samuel 2:08 - 03:02. Mas a tentativa de Abner ea determinação de Isbosete a reinar como rei de Israel, foi um desafio direto da ordenação de Jeová (1 Sam 16:. 1-13; 2 Sam 2:4.). Mas Simei desconsiderada esta nomeação divina, e seu coração estava cheio de inimizade contra David, a quem erroneamente considerado como o usurpador do trono. Enquanto Davi estava no poder, ele não ousou abertamente amaldiçoa-lo ele, embora ele odiava a mesma coisa, mas agora que Davi estava fugindo de Absalão, Simei teve a oportunidade de espalhar sua malícia, que mostra a sua baixeza total em aproveitando do rei problemas neste momento.

"E atirava pedras contra Davi e contra todos os servos do rei Davi, e todos os povos e todos os valentes iam à sua banda direita e à sua esquerda" (v. 6). O ódio posto de coração Simei agora irrompeu com força total. Com veemência selvagem ser amaldiçoa o rei, e arremessa pedras e poeira nos transportes de sua fúria; tropeçando entre as rochas no alto do vale, ele mantém o ritmo com o pequeno grupo no vale abaixo. Mas antes de passar adiante, não vamos ignorar o fato de que Baurim foi mencionado anteriormente neste livro: veja 2 Samuel 3:16 e contexto. Será que David agora lembrar como o marido, de quem tinha rasgado Mical tinha seguiu até este lugar, e depois voltou chorando para casa sozinho? Nós não podemos ter certeza, mas a lembrança de mais tarde e mais maldades agora sujeitara espírito de Davi, e fez com que ele humildemente submeter a esses insultos ultrajantes.

"E assim disse Simei quando ele amaldiçoou, Sai, sai, homem sanguinário, e filho de Belial: o Senhor voltou a ti todo o sangue da casa de Saul, em cujo lugar tu tem reinado, eo Senhor tem entregado o reino na mão de Absalão teu filho: e eis que tu és agora na tua desgraça, porque és um homem sanguinár io "(vv. 7, 8). As diferentes cenas apresentadas nesses capítulos necessitam de ser visto de vários ângulos, se a sua significação múltipla é ser percebido. Isso nós nos esforçamos para ter em mente quando passamos de incidente em incidente. Simei não é apenas para ser considerado como instrumento do Senhor para a correção David, como uma figura do diabo como "um leão que ruge", vociferando contra David, porque ele havia entrado em território inimigo (ver capítulo anterior), mas também como um tipo de daqueles que caluniado e perseguido o

próprio Cristo. É esta versatilidade o dessas fotos históricas, que dá a eles o seu principal interesse para nós hoje.

Quando o pai do menino Jesus apresentou-o a Deus no templo, o velho Simeão foi movido pelo

Espírito de profecia para dizer: "Eis que este Menino está posto para queda e elevação de muitos em Israel e

que os pensamentos de muitos corações será revelado "(Lc

2:34,35). Como realmente os termos desta previsão relativa ao antítipo foram esboçados no tipo. Durante toda a sua carreira de xadrez, mas principalmente a parte que estamos considerando agora, várias experiências de Davi

serviu como ocasiões que "os pensamentos de muitos corações podem ser revelados". Muito do que foi ordenado sob a superfície foi forçado a sair em campo aberto. Aqueles que eram leais a ele de coração foram agora inequivocamente manifestado como os seus apoiastes incondicionais e amigos fiéis: seus "valentes", continuou a se apegar a ele, apesar da drástica mudança de sua sorte. Ele agora ficou claro que realmente o amava por seu próprio bem como Maria e Marta e os apóstolos nos Evangelhos. Por outro lado, hipócritas foram expostos (Aitofel, o precursor de Judas), e amargos inimigos abertamente criticado e condenado, como foi o monte de nosso Senhor.

para sinal que deve ser falado contra

A conduta de Simei, nesta ocasião, era base e vil até o último grau. Em primeiro lugar, foi um desafio direto do mandamento expresso do Senhor: "Tu não insultar o juiz, nem amaldiçoarás o príncipe do teu povo" (Êxodo 22:28), "não uma maldição do rei, não, não no teu pensamento "(Eclesiastes 10:20). Em segundo lugar, era desprezível além das palavras que Simei deverá aguardar para espalhar sua malícia sobre David até o momento em que sua xícara de tristeza já estava cheia, aumentando assim a sua dor: "Pois perseguem a quem tens ferido, e eles falam para o dor da Tua feridos "(Sl 69:26). Em terceiro lugar, a carga horrível que ele agora preferia era absolutamente falsa, e contra o mais simples evidência: tão longe de David ter matado Saul, ele tinha uma e outra vez poupou a sua vida quando ele tinha à sua mercê. Ele era muitas milhas de distância no momento da morte de Saul, e quando as notícias de que chegou, ele fez lamentação por ele: 2 Samuel 1:12.

"E assim disse Simei quando ele amaldiçoou, Sai, sai, homem sanguinário, e filho de Belial: o Senhor voltou a ti todo o sangue da casa de Saul, em cujo lugar tens reinado; eo Senhor tem entregado o reino na mão de Absalão teu filho: e eis que tu és agora na tua desgraça, porque és um homem sanguinário "(vv. 7, 8). O que um caso solene é este do santo nome do Senhor ser encontrado nos lábios dos ímpios advertência para nós que todos os que fazem uso do nome de Cristo se não "afastar-se da iniquidade" (2 Tim 2.: 19). Observe também como Simei comprometeu-se a interpretar as dispensações divinas para Davi, mostrando-nos que os homens maus são sempre pronto para pressionar os juízos de Deus a seu serviço, para eles julgar o certo eo errado por interesses egoístas. Que a graça divina preservar tanto o escritor eo leitor da loucura e do pecado de tentar filosofar sobre relações de Deus com os outros.

"Então disse Abisai, filho de Zeruia, ao rei: Por que amaldiçoaria este cão morto ao rei meu senhor? Deixa-me passar, peço-te, e tirar-lhe a cabeça. E disse o rei: Que tenho eu a ver com você , filhos de Zeruia? então deixe-o amaldiçoar, porque o Senhor lhe disse: Amaldiçoa a Davi. Quem, então, dizer, tu Portanto feito? "(Vv. 9, 10). Aqui, novamente, o tipo se funde com o protótipo, e que em dois aspectos. Em primeiro lugar, como este bem-intencionado, mas carnal sugestão de seguidor devoto de Davi nos lembra de que o pedido dos discípulos de Cristo sobre aqueles que "não o receberam", ou seja, "Senhor, queres que digamos que o fogo comando para descer do Céu, e consumi-los, assim como Elias também fez? " (Lucas 9:54). Como Cristo respondeu: "Vós não sabeis de que espírito sois", assim David conteve Abisai clara prova de que ele era não o "homem sanguinário" o havia chamado Simei! Em segundo lugar, David se recusou a devolver injúria por injúria, lembrando-nos de "quando Ele (Cristo) foi insultado, não insultado de novo" (1 Pedro 2:23), neste deixando um exemplo para nós seguirmos. Mas voltando-se do típico, deixe -nos considerar a prática.

Embora o sangue de Saul não descansar sobre David, que de Urias fez, o que ele sabia muito bem, e, portanto, rebocado para castigo justo de Deus, e poupou Simei, tanto Absalão e Simei foram instrumentos na mão de Deus, justamente o afligia- que a culpa da sua conduta lhes pertencia. Um caso paralelo é encontrado em Arão: a lembrança de sua maldade em fazer o bezerro de ouro, compôs sua mente sob a terrível prova da morte de seus filhos (Levítico 10:1-3), sabendo que ele merecia julgamento ainda, ele ficou em silêncio.

"E disse o rei: Que tenho eu a ver com você, filhos de Zeruia? Então o deixe amaldiçoar, porque o

Senhor lhe disse: Amaldiçoa a Davi" (v. 10). David viu a mão de Deus nessa experiência, afligindo-o por seus pecados contra Bate-Seba e Urias. Simei havia recebido uma comissão do céu, para amaldiçoar Davi, no entanto, que não mais nos despedimos ou tirou-lhe a culpa do que as crucíferas de Cristo eram inocentes porque eles fizeram o que a mão de Deus e aconselhar "determinado antes de ser feito" (Atos 2:23 ; 4:28). Deus predestinou tudo que vier a acontecer neste mundo, mas isso não significa que Ele se refere à maldade dos homens com complacência, ou que Ele perdoa o seu mal. Não, de fato. Em seu zelo para limpar Deus de ser o

autor do pecado, muitos negaram que Ele é o Ordenador e Ordenador dele. Como a criatura não pode compreender os Seus caminhos, ou perceber como Ele é o autor de um ato sem ser exigível com o mal dele, que rejeitaram a verdade importante que o pecado está sob o absoluto controle de Deus, e está sujeito tanto à Sua governo moral, como os ventos e as ondas são dirigidas por ele na esfera material.

O assunto é, reconhecidamente, uma tarefa difícil, e se são poupados, esperamos escrever mais

longamente sobre ele no futuro. Enquanto isso, o conteúdo nós mesmos, dando uma citação de Confissão de Westminster: "A providência de Deus entender a todos os pecados dos anjos e dos homens, e não por uma simples permissão, mas como tem se juntou com ela um delimitador mais sábio e poderoso, e outro sábio ordena e governa, em uma disposição coletar até os Seus objetivos sagrados; ainda assim, a pecaminosidade do ato procede apenas da criatura, e não de Deus "(cap. 5). A santidade de Deus não é mais manchada por dirigir as atividades de homens maus, do que os raios do sol estão contaminados quando brilhar sobre um pântano imundo. O ódio do seu coração pertencia a Simei si mesmo, mas foi obra de Deus que o ódio

que deve resolver de forma definitiva sobre David, e mostrar-se exatamente da maneira e no tempo que fez.

"E disse Davi a Abisai, ea todos os seus servos: Eis que, meu filho, que saiu das minhas entranhas,

procura a minha vida: quanto mais ainda este benjamita fazê-lo deixá-lo sozinho, e deixe-o amaldiçoar; para o

Senhor lho disse. Pode ser que o Senhor olhará para a minha aflição, e que o Senhor me pagará com bem a sua maldição deste dia "(vv. 11,12). Dois arcos consideração mais aqui apresentados: David acalmou-se sob a menor aflição de Simei amaldiçoando-o, lembrando-se do maior julgamento de Absalão levantando-se contra ele. E ele procurou conforto na possibilidade de que Deus pode ainda ignorar este problema por sua própria bênção final. A prática valor deste incidente é, o ensinamento valioso que contém sobre como um santo deve proceder e consolar-se sob duras provas. Vamos resumir. Primeiro, David consolou-se com o pensamento de que seus pecados mereciam castigo que ele estava recebendo. Segundo, ele olhou para além do instrumento que aflige, ao lado da justiça de Deus. Em terceiro lugar, encontram-se considerado o indigno aflição menor de consideração tendo em vista o grande.Quarta, ele exerceu a esperança de que Deus ainda trazer para fora o "bem" do mal. Que a graça ser concedida nos a fazer o mesmo.

CAPÍTULO SESSENTA E SETE Ajudado

2 Samuel 16

o mesmo. CAPÍTULO SESSENTA E SETE Ajudado 2 Samuel 16 Em meio a muito do que
o mesmo. CAPÍTULO SESSENTA E SETE Ajudado 2 Samuel 16 Em meio a muito do que
o mesmo. CAPÍTULO SESSENTA E SETE Ajudado 2 Samuel 16 Em meio a muito do que

Em meio a muito do que é triste nos próximos dois ou três capítulos, ocasionalmente brilhar raios de luz através da escuridão que ofusca-los. O registro está preocupado principalmente com as ações dos inimigos de Davi, mas aqui e ali encontramos narrou algumas das ações bondosas de seus amigos. A depravação da natureza humana decaída é exibida novamente e novamente, e vemos que profundeza terrível dos homens iniquidade vai cair quando não imediatamente impedido de cima. Deus permite justamente o diabo para trabalhar livremente nos filhos da desobediência (Ef 2:2), para o homem no início deliberadamente eleito para tornar-se sujeito a cetro de Satanás ao invés de permanecer na fidelidade ao seu Criador: preferindo a morte à vida escuridão, luz, escravidão para a liberdade, ele é feito para sofrer as consequências do mesmo. No entanto, o Todo-Poderoso é sobre Satanás e furioso faz suas para que apoiar os seus próprios fins: "Certamente a cólera

do homem deve louvar: o restante da cólera tu conter" (Sl 76:10), admiravelmente ilustrada novo e de novo no várias cenas que estão para vir diante de nós.

A depravação da natureza humana caída não é um tema atraente, mas é um fato solene com que nos confrontamos diariamente, dentro e fora. Além disso, explica-nos, como nada mais vontade, com medo da maldade que abunda em cada mão. A árvore má pode (por si) produzir frutos, mas nada danificado. O que realmente deve nos surpreender não é a colheita abundante que o pecado está produzindo na família humana, mas sim que tantos de suas flores e seus botões são sujos beliscados antes que eles possam se desenvolver. De vez em quando Deus permite que um monstro de iniquidade para executar sua corrida sem obstáculos, para nos mostrar o que o homem mal temível é capaz, e que seria uma ocorrência comum se Ele deixar descendentes de Adão inteiramente para si. Os atos de Aitofel e Absalão seriam duplicados em torno de nós se não fosse que Deus coloca freios nas bocas dos que odeiam, e limita a sua inimizade tão verdadeiramente como Ele faz as dos ventos e das ondas.

Mas a restrição da maldade do homem não é a única operação do governo divino da família humana: a partir do solo hostil de humana decaída natureza de Deus também está envolvida na produção o que faz deste mundo um lugar adequado para o seu povo para viver, para Ele está fazendo todas as coisas para seus (Rom. 8:28) de sua glória e seu bom sendo inseparavelmente ligados juntos. Que o santo se encontra com qualquer misericórdia, justiça, bondade ou nas mãos do não regenerado é devido somente à graça e poder do Senhor. Que o crente é, às vezes ajudado por aqueles que não têm o amor de Deus em seus corações, é tanto

o produto e maravilhe-se do poder divino como Sua criação de um oásis ocasionais no deserto. Há momentos

em que o Senhor faz o leopardo para "deitar-se com o cabrito, o bezerro, o leão novo eo animal cevado viverão

juntos" (Isaías 11:6). Há momentos em que Ele faz com que os corvos para alimentar seus servos. No entanto, qualquer que seja o Deus de instrumentos tem o prazer de usar, a linguagem do crente deve ser " Tu Preparas uma mesa perante mim na presença dos meus inimigos "(Sl. 23:5).

Assim, em meio às dificuldades e sofrimentos que os seus inimigos infligiram David, também estamos

a observar os relevos e suprimentos gentilmente que Deus moveu os outros a fornecer a ele e seus homens. Foi

assim na experiência de seu bendito Filho: se por um lado, lemos que Ele "não tinha onde reclinar a cabeça",

por outro lado nos é dito "e muitos outros (das mulheres), que serviam de sua substância "(Lc 8:3). Foi assim na

história do apóstolo Paulo: se por um lado, às vezes, experiente "fome e sede

11:27), em outros ela poderá ser gravada "As pessoas mostraram bárbaras nós não pouca humanidade; pois

acenderam uma fogueira, nos recolheram a todos, por causa da chuva que caía, e por causa do frio

também nos honrou com muitas honras: e quando partimos, eles carregando-nos com coisas como eram necessárias "(Atos 28:2, 10). E se não fosse assim na vida de escritor e leitor? Sem dúvida, doces e amargos, decepções e surpresas agradáveis, foram misturadas: "No dia da prosperidade regozija-te, mas no dia da adversidade considera: Deus também tem definido o que mais contra o outro "(Eclesiastes 7:14) .

frio e nudez" (. 2 Coríntios

que

"E o rei, e todas as pessoas que estavam com ele, chegaram cansados, e refrescaram-se ali" (16:14):

isto é, em Baurim (v. 5). Depois de sua longa e árdua jornada de Jerusalém, David e seu grupo de seguidores leais acamparam e obteve um descanso muito necessário. Ao mesmo tempo, "Absalão, e todo o povo dos homens de Israel, vieram a Jerusalém e Aitofel com ele" (v. 15), David e sua comitiva ter deixado o caminho aberto para Absalão a tomar posse da cidade real sempre que quisesse. Não havia nenhum para se opor a ele. Assim ele veio, e sem dúvida me senti muito entusiasmado por este sucesso inicial, prometendo a si mesmo que todo o país logo seria sua: "Deus sofre homens ímpios para prosperar um bocado em seus lotes maus, mesmo além de sua expectativa, que a decepção pode ser o mais doloroso e vergonhoso "(Matthew Henry).

"E aconteceu que, chegando Husai, o arquita, amigo de Davi, veio a Absalão, que disse Husai a Absalão: Viva o rei, Deus salve o rei (margem). Porém Absalão disse a Husai: É esta a tua benevolência para ? teu amigo por que não foste com o teu amigo e disse Husai a Absalão: Não,? mas a quem o Senhor, e este povo,

e todos os homens de Israel, escolher, dele serei e com ele ficarei E. novamente, a quem devo servir? que eu

não deveria servir na presença de seu filho? como eu servi na presença de teu pai, assim serei na tua presença "(vv. 16-19). Esta é a sequela ao que era antes de nós em 15:32-37: Husai, em algum risco para si mesmo, se

aventurou na cova do leão, a fim de servir e ajudar David. Sua conduta, nesta ocasião, levanta um problema, uma que os comentadores têm divergido muito em cima. Alguns argumentaram que, no princípio do mundo "tudo vale no amor e na guerra", Husai estava plenamente justificada em sua dissimulação; outros condenou-o, sem qualificação, como um mentiroso absoluto, enquanto alguns foram tão intrigado eles retiveram um julgamento. Deixe-se salientar, em primeiro lugar, que Husai que não dizer "Que rei Absalão ao vivo", e quando desafiado a respeito de sua infidelidade para com Davi, ele não respondeu eu fiz com teu pai, e agora estou dedicada exclusivamente a ti ea tua causa ": a sua linguagem era ambíguo, capaz de uma construção dupla Enquanto que um pouco modificado sua ofensa que de nenhuma maneira limpa Husai, por sua linguagem tinha

a intenção de enganar, e, portanto, era exigível com duplicidade que sua intenção era boa, e

conseguiu, de maneira nenhuma exonerado ele. "resultados" não são o critério pelo qual devemos determinar a correção ou incorreção de qualquer coisa. Tenha em mente que é o humano lado das coisas que estamos considerando agora a partir do lado divino, Deus sofreu o orgulho do coração de Absalão para enganá-lo: ele carinhosamente imaginar que os melhores amigos de Davi eram tão apaixonado por si Mesmo que de bom grado aproveitou a oportunidade presente para reúnem-se a sua bandeira, e por isso ele entender as palavras de Husai, em favor de si mesmo.

que seus esforços

O incidente acima é registrado como um aviso, e não para a nossa imitação. Isso mostra que algo mais

do que um bom motivo é necessária para que uma ação a ser justo diante de Deus. Este é um princípio importante para nós pesar, por não desculpa hoje alguns muito do que é errado, dizendo: "Bem, suas intenções eram boas." Embora seja verdade que o motivo muitas vezes determina o valor de um ato, mas outros princípios e considerações também devem regular-nos. Por exemplo, na busca de realizar nossas intenções boas, devemos utilizar os meios corretos. É louvável que um pai em busca de comida para seus filhos famintos, ainda que ele ou ela não deva roubar o mesmo. Este era o lugar onde Husai falhou: o desejo de ajudar David não garante sua desempenhando o papel de um hipócrita. "Porque a nossa glória é esta: o testemunho da nossa consciência, que na simplicidade e sinceridade piedosa, não com sabedoria carnal, mas pela graça de Deus, tivemos nossa conversa no mundo "(. 2 Coríntios 1:12) é o padrão cristão. Nunca é certo fazer o errado.

O principal meio que o crente deve empregar em todos os tempos de tribulação e de emergência, é a

oração: apresentar o seu caso na confiança humilde e confiante com Ele, com quem não há dificuldades, deixando-o a empreender para nós, como lhe parecer melhor. Isto é o que David tinha feito na primeira (2 Sam 15:31.), Mas, mais tarde, ele estragou tudo por recorrer a uma política carnal (15:34). Antes de passar em notemos como desafio de Absalão a Husai pode ser levado a sério por nós mesmos em um sentido mais elevado: "Os homens que admiram-se serão facilmente enganados por aqueles que professam um apego a eles, já que eles prontamente discernir essas falhas em outros, de que em si são muito mais notoriamente culpados, e são capazes de expressar espanto com eles. Se um discípulo zeloso de Cristo cometer maldade evidente, até mesmo devassos exclamará "É esta a tua benevolência para com o teu amigo?" Mas, infelizmente, quantas vezes pode o próprio Salvador abordar cada um de nós, com estas palavras, para nossa vergonha e confusão! E quantas vezes devemos, portanto, verificar a nós mesmos, e lembre-se nossa ingratidão, a nossa profunda humilhação "(Thomas Scott). Infidelidade a Cristo é uma espécie de crueldade ao nosso melhor amigo! O que um tema que é para um sermão prático!

Temos, em um capítulo anterior, já fez alusão ao episódio revoltante registrado nos versículos finais de 2 Samuel 16, então algumas breves observações sobre ele aqui será suficiente. "Então disse Absalão a Aitofel:

Dai conselho entre vós sobre o que devemos fazer" (v. 20). Primeiro, notamos que Absalão não procurou até os guardiões da arca (que David tinha enviado de volta a Jerusalém) para orientação, pois ele não tinha nenhuma preocupação com a vontade de Jeová: toda a peça inteira, ele age como um infiel, um flagrante rebelde. Em segundo lugar, o projeto óbvia de Aitofel em tão maldosamente aconselhando Absalão, que, como Matthew Henry diz com razão era como se ele perguntou "no oráculo de Satanás" e não "de Deus" (v. 21)-foi para obter

o seu novo mestre para conduzir e assim comprometer-se que toda a esperança do perdão por David estaria fora de questão. Em terceiro lugar, mas nos bastidores, era a mão soberana de Deus, cumprindo a Sua própria palavra (2 Sam. 12:11) e castigar Davi por sua maldade, que ele tinha essas "concubinas", além de uma pluralidade de esposas, é um reflexão sobre a triste o salmista.

"Disse mais Aitofel a Absalão: Deixa-me escolher doze mil homens, e me levantarei, e perseguirei a Davi esta noite: E eu vou vir sobre ele enquanto ele está cansado e fraco mão, e vai fazê-lo com medo: e todas as pessoas que estão com ele fugirão, e ferirei somente o rei: e eu vou trazer de volta todas as pessoas a ti: o homem a quem procuras são como se tudo voltou: para todas as pessoas devem estar em paz "(17: 1-3). Pode-se pensar que esta sugestão vil foi motivada pelos sentimentos de animosidade particular, pois, como anteriormente apontado, Bate-Seba foi a neta de Aitofel, e, portanto, ele desejaria pessoalmente vingar o mal feito a sua família. Mas se for este o caso ou não, como um homem político Aitofel seria rápido a reconhecer que o atraso era perigoso, e que, se Absalão desejava a remoção de David de seu caminho, deve haver uma ação rápida, e uma impressionante enquanto seu pai e homens estavam cansados e baixa espirituoso.

Aqueles que cercaram a Absalão ímpios neste momento claramente entendido que nada menos que a morte de Davi ea apreensão do trono para si próprio seria satisfazer a sua cobiça: a única questão a ser determinada foi a melhor forma de realizar este projeto base. Conseqüentemente, quando Aitofel expressou seu mau conselho, não houve ninguém que levantou as mãos de horror sagrado, ninguém que tanto quanto se opuseram à injustiça de tal curso. Não muito tempo atrás Absalão se haviam fugido por um crime, e David contentou-se, permitindo que seu filho a permanecer no exílio, embora ele merecesse a morte, ou melhor, ele ansiava por sua volta. Mas, tão completamente desprovida Absalão era de afeto natural, tão incapaz de ingratidão, que tinha sede de sangue de Davi. Veja, meu leitor, o que a natureza humana é capaz de (o seu eo meu não exceção), quando Deus nos deixa inteiramente a nós mesmos. Como muito, muito perdido são os que negam a verdade solene da depravação total do homem caído!

O esquema proposto por Aitofel tinha muito a elogiar-se a um homem de um tipo projetar como Absalão. Não serviria aos seus propósitos para que haja um massacre indiscriminado de seus sujeito-los filisteus eram muito próximos e numerosos desnecessariamente enfraquecer suas forças. Deixe que o próprio rei seja ferido e seus seguidores seriam facilmente capitular. "Fere o pastor e as ovelhas serão dispersas, e ser uma presa fácil para o lobo" era o princípio do plano de Aitofel. Tem sido apontado por outros que havia uma semelhança (se não um presságio real) aqui para a política sugerida por Caifás: "Agora, considere que é vantajoso para nós que um homem morresse pelo povo, e que toda nação não pereça "(João 11:50). Assim também a língua dos outros inimigos de Cristo foi "Este é o herdeiro: vinde, matemo-lo, ea herança será nossa" (Mc 12:7).

"E o ditado Absalão agradou bem, e todos os anciãos de Israel" (v. 4). A maldade desesperada da proposta a sangue frio de Aitofel a "ferir"-matar-Deus ungiu, por isso longe de encher Absalão com horror, reuniu-se com a sua calorosa aprovação. Se "o caminho do justo é como a luz da aurora que vai brilhando mais e mais até ser dia perfeito" (Provérbios 4:18), é igualmente verdade que os homens maus e enganadores cera cada vez pior. A pedra que cai ganha ímpeto, e quanto mais ela rola morro abaixo, maior é a sua velocidade. Assim é com aquele que tem exaustivamente se vendeu para o diabo, ele dá suas infelizes vítimas sem descanso, mas exorta-os a partir crime para crime, até a sua taça de iniquidade estiver cheia. Satanás é um tirano impiedoso, que já exige um conto crescente de tijolos de seus escravos. Como fervorosamente devemos orar para ser entregue a partir do maligno!

"Então disse Absalão: Chamai agora a Husai, o arquita, e ouçamos também o que ele diz" (v. 5). Este é certamente impressionante. Na instância anterior Absalão agiu prontamente o conselho de Aitofel mal (16:22), porque, então, que ele não faça isso agora? A proposta feita tinha "agradou-lhe bem", mas ele hesitou e consultados com Husai, o amigo secreto de Davi. Não é que Husai tomou a iniciativa e empurrou-se para frente: era Absalão que se procurou conhecer a sua mente. O que uma prova de que "o coração do rei está na mão do Senhor, como os rios de água: Ele desvia-lo para onde vai" (Pv 21:1). "O Senhor tinha designado para derrotar o conselho (político) bom de Aitofel" (v. 14), mas Ele realizou este não pela força física, mas pela operação das leis naturais. Absalão parecia agir com bastante liberdade em seguir o pensamento de que tinha entrado em sua mente, no entanto, uma mão divina estava dirigindo, desconhecido para si mesmo. O homem é livre para agir somente dentro do perímetro dos decretos divinos.

Foi neste momento crítico, quando a condenação de David parecia ser tão bom quanto o fechado, que seu fiel seguidor foi dado a oportunidade de fazer amizade com ele. Como felizmente Deus vezes suas intervenções. Ele nunca é cedo demais e nunca é tarde demais. É a impaciência da incredulidade e do mau humor de vontade própria, que tantas vezes nos faz pensar que o Senhor é tardio. Muitas vezes Deus "espera que Ele possa ter misericórdia" (Isaías 30:18), a fim de trazer-nos até o fim de nós mesmos, e que a libertação pode, evidentemente, mais parecem ser de si mesmo. Outras vezes, Ele retarda Sua intervenção em nome de Sua própria para o maior desgosto e desânimo dos seus inimigos. Husai não deixou David neste momento crítico, mas com argumentos inteligentes e plausíveis causou Absalão a mudar de idéia, e adiar um ataque imediato sobre o rei fugitivo. Este objeto seu realizado, por qualquer atraso por parte de Absalão deu David a oportunidade de descansar seus homens cansados, adicionar a suas forças e da estação para melhor proveito. Mas mais do que no nosso próximo.

CAPÍTULO SESSENTA E OITO Ajudado (Continuação)

2 Samuel 16 e 17

SESSENTA E OITO Ajudado (Continuação) 2 Samuel 16 e 17 Na elaboração Seus próprios desígnios eternos,
SESSENTA E OITO Ajudado (Continuação) 2 Samuel 16 e 17 Na elaboração Seus próprios desígnios eternos,

Na elaboração Seus próprios desígnios eternos, para ministrar às necessidades espirituais e temporais do Seu povo, e entregá-los de seus inimigos, Deus age como soberano, empregando agentes subordinados ou dispensando-os como lhe agrada. Que Ele é não contido pela falta de meios é evidente a partir de sua alimentação dois milhões israelitas no deserto pelo espaço de quarenta anos, dando-lhes pão do céu; e de instâncias de sinais outras registradas em Sua Palavra. No entanto, geralmente, ele tem o prazer de fazer uso de meios na realização do Seu eterno decretos. Muitas vezes, esses meios são mais fracas, totalmente inadequadas em si mesmas para realizar os fins que eles fazem para nos mostrar que a sua suficiência está naquele que se digna a fazer uso deles. Onde os agentes humanos são utilizados por Deus, a sua indignidade eminente e muitas vezes é bastante evidente, e isso que, nós não podemos glória nelas, mas naquele que condescende para colocar seu tesouro em vasos de barro. A menos que seu princípio, ser claramente reconhecida por nós, estamos aptos a tropeçar nas faltas manifestos na emprega instrumentos de Deus.

Deus nunca teve, mas um servo perfeito nesta terra, e Sua Excelência superando é feito o mais conspícuo pelas imperfeições numerosas de todos os outros. No entanto, não devemos ter prazer em olhar para habitação ou sobre os defeitos daqueles que Deus fez uso de como pássaros imundos ver na carniça para alimentar-se. Quem somos nós, tão cheio de pecado nós mesmos, que deve atirar pedras aos outros? Por outro lado, a falha registrada na Escritura daqueles a quem Deus usou de várias maneiras não deve ser feito um abrigo atrás das quais nos escondemos, a fim de desculpar os nossos próprios pecados. São o tendo em mente essas regras óbvias que muitas vezes ocasiona uma dificuldade real para o ministro de Deus, se a sua pregação seja oral ou escrita. É o seu dever de usar como avisos as faltas dos personagens bíblicos, ainda, infelizmente, ao fazê-lo, ele freqüentemente tem a oportunidade de condenar a si mesmo; ainda que seja benéfico se ele realmente humilha diante de Deus.

Estamos agora a considerar os meios usados por Deus em entregar Seu servo dos projetos assassinos de seus inimigos. Se tivesse havido um Jonathan no palácio de Saul para defender sua causa e dar-lhe a inteligência dos planos de seu pai, agora Deus levantou um Husai na sede de Absalão para prestar-lhe auxílio e para frente ele perceber do que era iminente. Mensageiros de confiança para realizar essas notícias importantes dele para David estavam presentes nas pessoas dos dois sacerdotes, dos quais David tinha enviado de volta a Jerusalém, a fim de não servir os seus interesses; se tivessem sido obrigados a apresentar fora da cidade em En- Rogel; onde uma serva comunicada, por sua vez, com eles. No entanto, outro elo na cadeia foi necessário para

que o contato seja estabelecido: os dois padres eram vistos como estes começaram a sua missão, e foram perseguidos pelos homens de Absalão, mas um protetor foi levantado por eles, e eles fugiram .Assim, neste caso, um só Deus fez uso de um político proeminente, dois padres, uma serva, e um fazendeiro e sua esposa.

"Então disse Absalão: Chamai agora a Husai, o arquita, e ouçamos também o que ele diz E quando Husai chegou a Absalão, Absalão lhe falou, dizendo: Aitofel falou desta maneira:. Faremos a sua palavra? Se não, fala tu "(2 Sam. 17:5,6). Que não seja esquecido que "o conselho de Aitofel, que aconselhava naqueles dias, era como se um homem havia perguntado ao oráculo de Deus: assim era todo o conselho de Aitofel, tanto com Davi como para Absalão" (16:23 ). Não é, então, verdadeiramente notável que Absalão não agir prontamente em seu conselho, em vez de agora conferenciar com Husai, tanto mais que o plano proposto por Aitofel tinha "Absalão agradou bem, e todos os anciãos de Israel" (v. 4). Há apenas uma explicação satisfatória:

Deus tinha decretado o contrário! Isto é muito mais, meu leitor, que um incidente na história antiga: ele fornece um exemplo de como Deus regula os negócios das nações hoje. Não temos testemunhado como indivíduos carentes de todas as afeições naturais, como ateu, tão cruel, como sem escrúpulos como foi Absalão, que têm forçado se nos lugares altos de assuntos nacionais e internacionais!

Sim, meu leitor, o que o Espírito Santo tem registrado aqui em 2 Samuel 17 é algo de importância muito maior do que um episódio que transpirou milhares de anos atrás. O olho ungido pode discernir dentro e através dela a luz do céu que está sendo derramado sobre os assuntos políticos da terra. Deus governa como verdadeiramente nas casas do poder legislativo e nas conferências secretas dos governantes e diplomatas, como o faz os elementos e os corpos celestes: Ele é quem governa suas maquinações egoístas e anula os planos contrários dos outros. Foi assim aqui em Jerusalém, na há muito tempo, é assim, como realmente agora, em Londres, Washington, Paris, Moscou, Berlim e Roma. A razão pela qual o Espírito narrou nossa incidente nas páginas imperecíveis das Sagradas Escrituras é que o povo de Deus em todas as gerações futuras possam saber que "o Altíssimo tem domínio sobre o reino dos homens, eo dá a quem Lhe apraz" (Dan. 4:17, 25, 32) - infelizmente, que, através da ignorância e infidelidade do púlpito moderno tantos crentes estão agora privados de que a garantia de conforto.

A Palavra de Deus é uma vida Word, e não a história de um obsoleto das coisas que aconteceram no passado distante. É a nossa própria perda irreparável se não formos capazes de transformar a sua luz sobre os mistérios da vida e os "lugares escuros da terra." E certamente não há lugares mais escuros do que as câmaras de conferências de políticos e diplomatas internacionais: Deus "exalta sobre o reino dos homens, os mais vis dos homens "(Daniel 4:17). onde suas reivindicações e os interesses de seu povo são totalmente ignorados ou descaradamente desafiou: ainda, mesmo que o Altíssimo é supremo, e tem o Seu caminho. Só até agora eles estão autorizados a ir em suas maquinações e planejamentos gananciosos. Se por um lado há uma Aitofel sanguinário (um líder militar), que insta o ditador moderno ao derramamento de sangue inocente, por outro lado, Deus levanta uma Husai (embora seu nome não pode aparecer nos jornais), que restringe e controlo por atraso aconselhando cautela, e seu conselho é feita (por Deus) para impedir ou modificar as medidas mais extremas da antiga. No dia vir veremos que 2 Samuel 17, muitas vezes duplicado na política do mundo, particularmente naqueles da Europa.

"Então disse Husai a Absalão: O conselho que Aitofel deu não é bom neste momento" (v. 7). Husai foi posto à vez um teste severo. Em primeiro lugar, Absalão já havia evidenciado alguma suspeita de sua lealdade a ele, quando ele apareceu pela primeira vez em cena (16:17). Em segundo lugar, Aitofel tinha apenas avançado um plano que se reuniu com a aprovação geral. E em terceiro lugar, para criticar o esquema de Aitofel poderia muito bem ser para aumentar a suspeita de Absalão contra si mesmo. Mas ele se manteve firme, e em algum risco para si mesmo, fez o que podia fazer amizade com David. Ele veio a público e corajosamente desafiou o conselho da sua rival, ainda que prudentemente assumiu a borda fora o golpe por sua alteração de "neste momento". Sua linguagem foi habilmente escolhido: ele não disse "tal curso seria uma loucura absolutamente", mas apenas que "não é bom", não é prudente empregar linguagem mais dura do que o absolutamente necessário. Assim Absalão descobriu que seus conselheiros não concordam, é pela diversidade de pontos de vista e políticas que o equilíbrio é preservada nos assuntos de governo humano.

"Pois, disse Husai, tu sabes, teu pai e seus homens, que sejam valentes, e eles se irritaram em suas mentes, como uma ursa roubada dos seus cachorros no campo: e teu pai é um homem de guerra, e não apresentar com o povo "(v. 8). Com estas palavras Husai artisticamente sugere que Aitofel estava seriamente julgado a facilidade de sua tarefa. Ele tinha presunção e levemente declarou: "Eu ferirei somente o rei" (v. 2). Mas isso não foi uma tarefa tão simples como Aitofel suposto.David era algo mais do que um monarca de papelão: ele era um homem de grande coragem e muita experiência nas artes da guerra. Além disso, ele foi acompanhado por guerreiros valentes, que estavam em um estado de espírito irritado com a necessidade

vergonhoso da fuga do seu amado mestre de Jerusalém, e não ficar de braços cruzados enquanto ele estava abatido. Absalão era melhor parar e enfrentar as dificuldades terrivelmente reais da situação, pois muitas vezes

é um erro fatal subestimar a força de um adversário. Para sentar-se em primeiro lugar e contar o custo (Lucas

14:28) é sempre um curso prudente seguir medidas precipitadas e injustificadas são susceptíveis de se encontrar

com falha. Mas a graça é preciso muito nesta época febril de agir cuidadosamente e com cautela, e não correr cegamente à frente.

"Eis que agora estará escondido nalguma cova, ou em algum outro lugar: e ele vai vir a passar, quando alguns deles ser derrubado na primeira, que todo aquele que ouve, ele vai dizer, há um morticínio entre o povo que segue Absalão "(v. 9). O rei fugitivo não era o tipo de homem a buscar sua facilidade: ele "não vai apresentar com o povo", mas sim ela própria, como um guerreiro experiente, o recurso à estratégia sutil, e em uma mentira bem escolhido emboscada, da qual ele vai saltar para fora de forma inesperada, e matar, pelo menos, o lugar dos homens de Aitofel. E que iria prejudicar seriamente a causa de Absalão, para a notícia rapidamente se sair que Davi foi vitorioso no campo. A lição prática que aponta para nós, é que não devemos cometer a loucura de subestimar a força ea sutileza de nossos inimigos espirituais, e que devemos considerar com cuidado quais são as melhores formas e meios de superá-los. Nossos desejos muitas vezes escondem-se secretamente, e depois brotar quando menos se espera. Satanás nos ataca geralmente a partir de um trimestre inesperado. Ele tinha muito mais experiência do que nós, e precisamos pisar cautelosamente se ele não for para ganhar uma vantagem séria sobre nós.

"E ele também que é valente, cujo coração é como coração de leão, é sem dúvida desmaiará: para todo

o Israel sabe que teu pai é um homem poderoso, e que estar com ele, é homens valentes" (v. 10). Husai é aqui

pressionando sobre Absalão o que inevitavelmente se segue que deve eventualmente que ele havia mencionado no versículo anterior. No caso de David conseguiu saltar uma armadilha ea vanguarda da expedição proposta Aitofel foram mortos, como muito provavelmente acontecerá quando confrontado com tal antagonista um astuto como o conquistador de Golias, apenas um curso, certamente seguir toda a força enviada contra David seria desmoralizado. Os homens levaram inexperientes Aitofel, embora superiores em número, que agora sentem que não era páreo para os guerreiros das forças do rei, e que seria totalmente desanimado. Isso seria fatal para a causa de Absalão, como um pouco de reflexão deve fazer aparente. A natureza humana é inconstante, e os homens na massa são ainda mais facilmente influenciados do que os indivíduos: é preciso pouco para virar a maré da opinião pública.

"Por isso, aconselho que todo o Israel se reúna em geral, a ti, desde Dã até Berseba, como a areia que está junto ao mar em multidão, e que tu ir para a batalha na tua própria pessoa" (v. 11). Esta foi à única inferência lógica para desenhar a partir das premissas anteriores. Os "doze mil homens" Aitofel pediu (17:1) eram totalmente inadequadas para o sucesso contra tais como um general David e contra homens tão renomados como ele ordenou. Absalão deve mobilizar toda a masculinidade da nação, e sobrecarregar seu pai por pura força dos números.

Em Absalão aconselhamento para realizar uma mobilização geral, ou a reunião de uma força avassaladora, Husai estava obviamente "ganhar tempo". Quanto mais tempo ele poderia induzir Absalão para retardar a ação militar contra o que ele foi fazer amizade, o melhor seria seu objeto real ser atingida. O mais lento Absalão estava em movimento, quanto mais o tempo que David tem para colocar uma distância maior entre ele e Jerusalém, para aumentar suas próprias forças, e para selecionar a melhor vantagem do site para o conflito que vem. O projeto inteiro de Husai, para combater Aitofel proposta "me levantarei, e perseguirei a Davi esta noite "(v. 1). Para reforçar seu argumento Husai sugere que Absalão deveria "ir para a batalha na tua

própria pessoa" (v. 11)-tomar o lugar de honra, e levar seus próprios homens. Indiretamente, ele estava insinuando que o projeto de Aitofel tinha apenas os seus próprios fins (vingança privada) e glória pessoal em vista: observar o seu "Eu me levantarei", "Eu vou vir sobre ele", "ferirei o rei" (vv. 1 , 2). Husai sabia muito bem o tipo de homem que ele estava lidando com, e por isso apelou para o orgulho do seu coração.

Como veremos a partir da sequência, foi esse detalhe muito que o emitiu, em Absalão perder sua própria vida. Se ele tivesse seguido o conselho de Aitofel, ele teria permanecido em Jerusalém, mas aceitando o conselho de Husai para ir para a batalha em sua própria pessoa, saiu de sua morte. Como é verdade que "Deus apanha os sábios na sua própria astúcia, eo conselho dos perversos se precipita" (Jó 5:13)! Sem dúvida foi Absalão orgulhando-se em sua prudência, obtendo o conselho de ambos os conselheiros experientes, mas que era a mesma coisa que levou à sua destruição. A sugestão de Husai apelou para a sua vaidade pessoal, e cedendo aos mesmos que são mostradas aqui que "o orgulho precede a destruição." Se Deus colocou você, meu leitor, em circunstâncias humildes e em uma posição humilde, não invejo aqueles que têm a liderança, e aspiram não a um lugar de dignidade e honra mundana carnais.

"Então iremos a ele, em algum lugar onde ele deve ser encontrado, e vamos acender a ele como o orvalho cai sobre a terra, e dele e de todos os homens que estão com ele não deve ser deixada tanto como um "(v. 12). Isto completa os pensamentos começaram no início do verso anterior: por meio de uma força enorme que deve ser capaz de cair sobre Davi e seus seguidores e completamente aniquilá-los: nem estratégia, nem valor serão de qualquer proveito contra tais números arrasadores. Conselho como este não só foi calculada para atrair Absalão a si mesmo, mas também para as massas irrefletidos: haveria pouco perigo para si mesmo, na verdade, um plano desse tipo para garantir o sucesso parecia sem qualquer risco "Não há segurança em números "seria o seu slogan reconfortante.Observe o uso ardiloso de Husai do número plural: "Assim será a que veio sobre ele "e" nós acenderá sobre ele, em nítido contraste da tríplice" I "de Aitofel.

"Além disso, se ele se retirar para alguma cidade, todo o Israel trará cordas a essa cidade, e vamos desenhá-la no rio, até que não haja nem uma pedra pequena encontrada ali" (v. 13). Assim Husai procurou fechar a porta contra qualquer possível objeção. Se Davi e seus homens se refugiar em alguma cidade, e fortificá-lo, em vez de se esconder em um buraco ou de madeira (v. 9), que iria provar nenhum obstáculo para tal acolhimento como devemos tomar contra ele. Nós não vamos pôr em perigo os nossos homens, procurando forçar um caminho, mas, por força principal, arraste a cidade e seus habitantes para o rio isso, claro, não era para ser levado a sério, mas tinha a intenção de levantar uma risada. Simplesmente foi projetado para significar que de nenhuma maneira concebível poderia David quer desafiar ou escapar delas.

"E Absalão e todos os homens de Israel disseram, o conselho de Husai, o arquita é melhor do que o conselho de Aitofel. Pois o Senhor tinha ordenado a derrotar o conselho (político) bom de Aitofel, com a intenção de que o Senhor pode trazer o mal sobre Absalão "(v. 14). A segunda metade de seu verso explica à primeira. O conselho prudente de Aitofel foi rejeitado, e as medidas plausíveis, mas tolo de Husai fosse aceito- tolas porque envolveu tanta demora. A mesma coisa aconteceu dezenas de vezes nos assuntos das nações, e por um motivo semelhante. Muitas vezes prevalece sobre a sabedoria nos conselhos dos príncipes e nas casas dos legisladores. Por quê? Porque Deus nomeou a rejeição do conselho de som, a fim de levar às nações a vingança que seus crimes invocar dos céus. É assim que Deus governa o mundo por Sua providência. Veja que o senador grave, ou que o diplomata sábio: ele se levanta e propõe um curso de sabedoria, mas se Deus designou para punir a nação, algum fanático proferindo irá impor seus sofismas sobre o conjunto mais sagaz.

CAPÍTULO SESSENTA E NOVE Sua estada em Maanaim

2 Samuel 17

irá impor seus sofismas sobre o conjunto mais sagaz. CAPÍTULO SESSENTA E NOVE Sua estada em
irá impor seus sofismas sobre o conjunto mais sagaz. CAPÍTULO SESSENTA E NOVE Sua estada em
irá impor seus sofismas sobre o conjunto mais sagaz. CAPÍTULO SESSENTA E NOVE Sua estada em

Vimos como Deus fez uso de Husai, amigo de Davi para derrotar o conselho que Aitofel havia proposto a Absalão. Isto significou um espaço de respiração curta, foi proporcionado o rei fugitivo. Husai uma vez tomou medidas para conhecer seu mestre com seu sucesso (17:15, 16). Os dois sacerdotes que serviram como mensageiros foram obrigados a refugiar-se na casa de um fazendeiro em Baurim, aguardando em um poço, que sua esposa cobriu quantos lugares estranhos e inesperados ter abrigado os servos de Deus de seus inimigos apenas o dia que virão revelar plenamente. Aliás, vamos observar como este episódio nos ensina que, longe de agir de forma precipitada e presunçosamente, devemos sempre nos valer de qualquer meio legal de que uma providência misericordiosa fornece para nós.A verdadeira fé nunca leva ao fanatismo ou fatalismo, mas nos leva a agir com prudência e com bom senso.

Foi assim que os dois mensageiros tinham tomado essa precaução, pois eles foram perseguidos e rastreadas para o lugar onde eles estavam escondidos, mas por prevaricação da mulher os seus inimigos foram enviados em uma pista falsa. "E sucedeu que, depois que eles (os perseguidores) partiram, que eles estavam saindo do poço, e foram e disseram ao rei Davi, e disse a Davi: Levantai-vos, e passai depressa as águas, porque assim tem Aitofel aconselhou contra vós Então Davi se levantou, e todas as pessoas que estavam com ele, e passaram o Jordão:. pela luz da manhã não faltava um só que não foi passado sobre a Jordânia "(17:21, 22)."Este foi um exemplo notável de cuidado providencial de Deus sobre Seu servo e seus amigos, que nem um perdido, ou tinham desertado, fora de toda a empresa, e era nesse tipo de Cristo, que perde nenhum de seus verdadeiros seguidores "(Thomas Scott). Para o antítipo ver João 18:8, 9.

Foi neste momento, muito provavelmente, que David escreveu Salmos 42 e 43. Eles foram compostos em uma época em que ele foi privado do benefício e bênção dos meios de graça. Esta perda se sentia profundamente (42:4), mas espera em Deus e suplicando fervorosamente, ele olhou para frente para o momento em que ele iria ser novamente autorizado a entrar em seus átrios santos com alegria e ação de graças (43:3, 4). Estes Salmos trazer antes é de uma forma mais bem-aventurado os exercícios da alma através do qual David passou nesta temporada, e os esforços perseverantes que ele fez para manter o seu apego a Deus. Eles nos mostram que, apesar de um fugitivo, pressionado quase além do suportável por ensaios doloridos, no entanto, ele manteve a sua relação com o Senhor. Eles revelam o recurso grande que o crente tem em cada tempo da angústia, algo a que o mundano pobres é um estranho, ou seja completa, o privilégio de desabafar seu coração até Aquele que é de misericórdia, compaixão, e que prometeu sustentar (Sl 55:22), quando leste o nosso fardo sobre ele.

Os dois primeiros versos do Salmo 42 expressa o anseio profundo de um coração espiritual para a comunhão com Deus na casa de culto: é só quando são privados de tais privilégios que passamos a valorizá-los como deveríamos, como uma garganta seca é o um que mais precisa um copo de água. No versículo 3, ele diz ao Senhor como profundamente ele havia sentido as piadas de zombaria de seus inimigos blasfemas. Então, ele recorda o vívido contraste com a experiência anterior, quando ele, apesar de rei, tinha ido com a multidão ao tabernáculo e juntou-se ao celebrar o louvor a Deus. Desafiando a si mesmo por seu desânimo, ele procura levantar seus espíritos. Mas logo retorna desânimo e exclama: "Ó meu Deus, minha alma está abatida dentro de mim" (v. 6). Então foi ele acrescentou: "também eu se lembram de Ti da terra do Jordão, e do Hermonitas, a partir da Mizar morro. " Sim, apesar de cortada a partir dos meios de graça, embora atormentado com ensaios doloridos, ele não vai esquecer o seu melhor amigo.

Nos versículos restantes, encontramos o salmista livremente aliviando-se a Deus. Como Spurgeon disse: "É bom dizer ao Senhor como nos sentimos, e quanto mais simples confissão do melhor: Davi fala como uma criança doente à sua mãe, e devemos procurar imitá-lo." Tão de perto é Salmo 43 conectado com o anterior, que em um ou dois dos manuscritos mais antigos que são acoplados em conjunto como uma só: que ele foi escrito durante o mesmo período é evidente a partir do versículo 3, 4. Nela encontramos David pedindo a Deus para empreender por ele, para "defender a sua causa contra uma nação ímpia", para "livrá-lo do homem fraudulento e injusto", a referência a Aitofel ou Absalão, ou ambos. Ele está angustiado em seu desânimo e incredulidade, ora para uma nova manifestação da presença divina e fidelidade (v. 3), pede a libertação, como tal permitiria seu retorno à casa de Deus, e fecha com uma expressão de garantia, que , no final, tudo acabaria bem para ele.

"E quando Aitofel viu que seu conselho não foi seguido, albardou o seu jumento, e levantou para sua casa, à sua cidade, e colocar sua casa em ordem, e se enforcou e morreu, e foi enterrado na sepultura de seu pai "(2 Sam 17:23.). Indizivelmente solene é este. Que contraste é aqui apresentado: no verso anterior, vemos o livramento temporal de David e todos os seus homens, aqui vemos o seu principal inimigo atirando-se para a destruição eterna por seu próprio ato louco. Significativamente "Aitofel" significa "o irmão de um tolo", e nenhuma exposição tal loucura terrível como aqueles que são culpados de auto assassinato. Aitofel não cometeu esse crime imperdoável no calor do momento, mas com total deliberação, viajando para a sua casa para realizá- lo. Nem eram desprovidos de seus sentidos, para ele primeiro devidamente resolvido seus negócios e dispostos para o futuro da sua família antes de destruir a si mesmo.

Mas por que deveria ter procedido à Aitofel tais medidas desesperadas? Ah, meu leitor, há algo aqui que precisa procurar os nossos corações. Que, ao que ele tinha , principalmente adorava foi agora transformado em cinzas, e, portanto, ele já não tinha qualquer interesse na vida: sua família "deuses" era, por assim dizer, roubado dele, a sua "coisa boa" foi, e, portanto, seu templo estava em ruínas. Até agora, seu conselho foi considerado "como se um homem havia perguntado ao oráculo de Deus" (16:23), mas o conselho de Husai estava antes de sua preferência. A alta estima em que tinha sido realizada por sua perspicácia política, a sua sabedoria nos assuntos de Estado, era tudo para ele, e quando Absalão passou por seu conselho (17:14) era mais do que o orgulho de seu coração poderia suportar . Para ser menosprezado pelo usurpador de Davi significava que ele era agora um "número de volta", a ser assim tratado antes que o povo era muito humilhante para aquele que havia sido celebrizado por eles.

Não vemos o egoísmo satânico mesmo em Saul. Quando Samuel anunciou-lhe que o Senhor havia rejeitado como rei, o que foi a sua resposta? Por que, esta: "Então ele disse, eu pequei: ainda honra-me agora, peço-te, perante os líderes do meu povo, e antes de Israel "(1 Sam 15:30.). Menos, foi o elogio do homem, e não a aprovação de Deus, o que significava tudo para ele. Assim foi com Aitofel: um insulto intolerável tinha sido lançada sobre a sua sagacidade, e seu coração orgulhoso não podia suportar a idéia de ter que jogar o segundo violino para Husai. Que ponto isso dá para que a exortação: "Assim diz o Senhor, não deixe se glorie o sábio na sua sabedoria, nem se glorie o forte na sua força, não se glorie o rico nas suas riquezas, mas deixá-lo de que a glória gloria no presente, que ele entende e me conhece a mim, que eu sou o Senhor, que benignidade exercício, juízo e justiça, na terra: porque destas coisas me agrado, diz o Senhor "(Jeremias 9:23, 24). Observe a justiça de Deus no sofrimento Aitofel vir para tal fim: ele planejou a morte violenta de David, e agora foi cumprida essa palavra sua obra cairá sobre a sua cabeça, ea sua violência descerá sobre a sua própria cabeça " (Salmos 7:16).

O que podemos realmente levar isto para nós mesmos, de modo que eu honestamente examinar nossos corações, e averiguar sobre o que é, realmente, principalmente definido. O que nada adiantou Hamã, estando Mardoqueu sentado à porta? É outra ilustração do mesmo princípio do mal. Que solene lição de tudo isso lê para nós! Temos, meu leitor, algum terreno ídolo, seja ele riquezas, honra, fama ou até mesmo um ente querido, em torno do qual os tentáculos da alma estão tão entrelaçados que, se ele pode ser tocado, o nosso muito a vida é tocado, se ele tomar longe, a vida é para nós já não vale a pena viver? Onde está nossa paixão dominante fixo? No que se se centrou? É um objeto de tempo e de sentido, ou Aquele que é eterno e imutável? O "tesouro" que estamos postura no dia a dia? É que a mão do homem ou a mão da morte em breve poderá tirar de nós, ou o que é "eterna nos céus"? Procurar responder a esta pergunta na presença do próprio Senhor.

"Então, Davi chegou a Maanaim" (v. 24). Esta foi uma das cidades dos levitas, a tribo de Gade (Josué 13:26). Que sagrada memórias foram associados com este lugar, podemos descobrir por uma referência ao Gênesis 32. Foi neste lugar que Jacó tinha parado em seu retorno de peregrinando tanto tempo com Labão. Ele estava em seu caminho para o encontro indesejado com Esau. Mas foi lá que "os anjos de Deus o conheci!" Com discernimento da fé, Jacó percebeu que este era "uma prova para o bem" do Senhor: E quando Jacó os viu, ele disse, eu seu é o exército de Deus, e ele chamou o nome daquele lugar Maanaim "ou dos dois hosts" - se Deus fosse por ele, que poderia ser contra ele! Foi este lugar, então, que David já fez seu quartel- general, onde ele aumentou suas forças, e reuniu um exército com o qual se opõem os rebeldes.

Por esta altura a primeira força do desastre passou mal em si, e quando David tinha sucedido na obtenção de suas forças de forma segura através do Jordão, em terra firme livre de Basã, seu espírito aumentou consideravelmente. Salmos 42 e 43 refletem a luta que tinha ocorrido dentro dele entre o desespero ea esperança, mas como vimos, este último finalmente triunfou. Agora que se chegou a Maanaim, ele decidiu tomar uma posição definitiva. Sem dúvida, as memórias sagradas associadas a este lugar serviu para animar ainda mais ele, e quando a notícia chegou-lhe de deserção de Aitofel a Absalão e seu suicídio posterior, ele teve boa terra para concluir que o Senhor não estava no lado de seus inimigos. Como o passar do tempo, tornou-se cada vez mais evidente que os líderes da rebelião foram faltos de energia, e que a cada dia de descanso da luta real diminuiu suas chances de sucesso, como o astuto Aitofel tinha percebido.

então Israel e Absalão

acamparam na terra de Gileade" (vv. 24, 26). Por fim, o pérfido procede Absalão para realizar seus projetos vis. Não contente de ter perseguido sua mãe gostava de Jerusalém, e conduzido-o para o último recanto do seu reino, nada irá satisfazê-lo, mas a remoção David do próprio mundo. Veja o que temerosos comprimentos Satanás levarão aquele que está totalmente rendido a sua influência. Ele era culpado de alta traição. Com a mente eo coração ansioso brutal ele decidiu privar o pai de sua vida. Sua terrível conspiração já tinha atingido a sua consumação. Ele colocou seu exército em ordem de batalha contra Davi. Ele estava disposto a desempenhar o papel de parricídio, a mancha suas mãos com o sangue de um pai amoroso que tinha sido muito longo sofrimento com ele.

"E Absalão passou o Jordão, ele e todos os homens de Israel com ele

"E Absalão constituiu a Amasa comandante do exército em lugar de Joabe: que Amasa era filho do homem, cujo nome foi Itra um israelita, que foi a Abigail, filha de Naás, irmã de Zeruia, mãe de Joabe" (v. 25). Joabe, o comandante-em-chefe do exército de Israel (. 1 Crônicas 20:1), manteve-se fiel ao seu mestre, para que Absalão tinha forçosamente de nomear um novo general para assumir o comando de suas forças: os maus não são autorizados a tem tudo a sua própria forma-providência divina geralmente coloca um dente na sua roda. Há alguma dificuldade em decifrar os detalhes deste versículo, como as leituras marginais íntimo. O selecionado por Absalão como capitão do seu exército era, originalmente, "Jeter um ismaelita, " que tinha seduzido o meia-irmã de David, personagem adequado para a posição atual! Mais tarde, ele era conhecido como "Itra um israelita," Matthew Henry, sugerindo que ele havia se tornado tal por "ato algum do estado naturalizado." Uma seleção por parte de Absalão estava totalmente de acordo com seu próprio caráter podre.

"E aconteceu que, chegando Davi a Maanaim, Sobi, filho de Naás, de Rabá, dos filhos de Amom, e Maquir, filho de Amiel, de Lo-Debar, e Barzilai, o gileadita, de Rogelim, trouxe camas e bacias, e vasos de barro, e trigo, e cevada, e farinha de trigo e de milho tostado, e feijões, e lentilhas, e de pulso e tostado, mel, manteiga, e ovelhas, e queijos de vacas, para David e para todas as pessoas que estavam com ele, para comer, porque disse: O povo está com fome e cansada, e sedenta, no deserto "(vv. 27-29). Aqui, a cena muda novamente, e da malícia dos inimigos de Davi a nossa atenção é dirigida para a bondade de seus amigos. Com que viva contrasta esses capítulos abundam! E não é assim em toda a vida terrena? Como poderia ser diferente num mundo que é governado por Satanás, mas rejeitado por Deus.

Há algo de surpreendente e tocando em conexão com cada um dos três homens mencionados aqui, que trouxe como presente um generoso para David. "Sobi era o irmão dele, a respeito de quem Davi tinha dito:" Eu vou mostrar a bondade para com Hanum, filho de Naás "(10:2) para que, com à medida que ele tinha dado a este gentio, que é medido com ele novamente . Ah, não tem Deus prometeu que aquele que rega os outros, deve-se ser regada "Maquir, filho de Amiel, de Lo-Debar" era o homem que havia dado abrigo a Mefibosete (9:5): o rei tinha aliviado lhe desse confiança dando Mefibosete um lugar em sua própria mesa (9:11), e agora mostra sua gratidão Maquir, fornecendo para a tabela de Davi. Relativamente à "Barzilai", lemos que ele era "um homem muito idoso, até quatro anos de idade pontuação" (19 : 22), mas ele não estava muito envelhecido ao ministro até agora necessidades de Davi Ele virá diante de nós novamente na sequencia

Cansado de sua longa marcha, mal provisionados para o que estava diante deles suprimentos abundantes estão agora livremente dado a eles. Como Matthew Henry salientou, "Ele não colocá-los sob contribuição, não obrigá-los a entregar-lhe, muito menos os saques. Mas, em sinal de sua afeição obediente a

ele, a sua firme adesão a seu governo, e sua preocupação sincera para ele em seus estreitos presentes, por vontade própria boa, eles trouxeram em abundância de tudo aquilo que ele teve ocasião para. Aprendamos, portanto, ser generoso e mão aberta, conforme a nossa capacidade é, a todos em perigo, especialmente grandes homens, a quem é mais grave, e os homens bons, que merecem um melhor tratamento.

Quantas vezes ele cai fora que Deus se move estranhos para confortar Seu povo quando eles estão negou daqueles muito mais perto deles. Há uma lei de compensação que é visivelmente exemplificado no governo divino dos assuntos humanos. A balança está surpreendentemente preservada entre perdas e ganhos, decepções amargas e surpresas agradáveis. Se um faraó cruel determina a matar os filhos dos hebreus, sua própria filha é obrigada a cuidar de Moisés. Se Elias tem que fugir da Palestina para escapar da fúria de Acabe e Jezabel, uma viúva de Sarepta está disposto a compartilhar sua última refeição com ele. Se os pais de Jesus Cristo foram atingidos pela pobreza, os homens sábios do Oriente vêm com um presente de "ouro", o que possibilitou sua fuga e permanência no Egito. Se os inimigos do homem são os da sua própria casa, os amigos são ressuscitados por ele nos bairros mais inesperados. Vamos, então, não habitam indevidamente sobre a anterior, e não vamos deixar de ser grato e devolver obrigado por este último.

CAPÍTULO SETENTA Morte de seu filho

2 Samuel 18

último. CAPÍTULO SETENTA Morte de seu filho 2 Samuel 18 "O triunfo dos ímpios é breve,
último. CAPÍTULO SETENTA Morte de seu filho 2 Samuel 18 "O triunfo dos ímpios é breve,
último. CAPÍTULO SETENTA Morte de seu filho 2 Samuel 18 "O triunfo dos ímpios é breve,

"O triunfo dos ímpios é breve, ea alegria dos hipócritas, mas por um momento" (Jó 20:5), muitas vezes por isso mesmo, quando medido por padrões humanos e temporais: quanto mais à luz da eternidade! Ai, que nossos corações são tão pouco afetados por essa indizivelmente solene consideração, um futuro sem fim:gozava no âmbito da aprovação bem-aventurada de Deus, ou suportou sob sua maldição terrível. Quais são os sorrisos e as honras dos homens vale a pena, se a sua sequela for a carranca eterna do Todo-Poderoso? Os prazeres do pecado são apenas "Para uma época" (Hb 11:25), enquanto que os prazeres que estão à direita de Deus são "para sempre" (Sl 16: 11). Então, o que aproveita ao homem se ele ganhar o mundo inteiro e perder sua alma? No entanto, como muitos, como Esaú da idade, dão mais valor em cima de um prato de lentilhas que as bênçãos do céu. Quanto como Acabe, que se vendem para fazer o mal para que um breve momento de prazer ou fama.

"O triunfo dos ímpios é breve." Sim, e assim foi com o filho desgraçado Davi. Absalão tinha colocado seus planos com cuidado, executaram com zelo e mal os levou fora sem qualquer remorso (2 Sam. 15:1, 2, 5). Ele tinha tomado uma vantagem média de mal-estar de seu pai e tinha roubado os corações de muitos de seus súditos do rei. Ele aspirava ao reino, e agora determinado a tomar o trono para si mesmo (15:10). Ele tinha montado as suas forças em Jerusalém, e teve a Aitofel poderosa para aconselhá-lo. Ele havia determinado que impiedosamente a vida de seu pai deve ser sacrificado para a sua ambição, e que agora saiu à frente do exército para cumprir a sua morte (17:24). Seu triunfo parecia estar assegurada, mas desconhecido e insuspeita por si mesmo, ele estava indo ao encontro de seu trágico próprio, mas inteiramente merecido castigo.

"E Davi contou o povo que com ele estavam, e definir os capitães de milhares e capitães de centenas sobre eles" (2 Sam. 18:1). Como Aitofel havia previsto, o atraso de Absalão deu David a oportunidade de ampliar enormemente suas forças. Embora um número considerável havia se juntado ao rebelde, mas deve ter havido muitos espalhados por todo Israel, que ainda se manteve fiel a Davi, e como a notícia da disseminação insurreição no exterior, sem dúvida, centenas deles pegaram em armas e saiu para ajudar o seu rei fugitivo . Que seu exército tinha, por esta altura, sido fortemente reforçada, resulta dos termos deste versículo. David agora passou a reunir e organizar os seus reforços para que eles possam ser usados para o melhor proveito. Ele

cingiu a espada com alguma da animação dos primeiros dias, e à luz do valor de confiança mais uma vez brilhou em seus olhos.

Parece bastante claro que, por esta altura, David não tinha medo do que seria o resultado do conflito que vem. Ele entregou sua causa a Deus, e olhou para frente com confiança para a questão da batalha iminente. A resposta surpreendente que Deus tinha dado a sua oração para que o conselho de Aitofel possa ser girado para estupidez, deve ter muito fortalecido sua fé. Sua linguagem, no final dos Salmos 42 e 43 (composto, neste período) testemunham a sua esperança no Deus vivo. No entanto, deixá-lo ser devidamente notado que a fé forte não produzir qualquer preguiça ou descuido, David agiu com diligência e sabedoria: a triagem suas forças, colocando-os em bom estado, dividindo-os da melhor maneira, e colocando-os sob o comando de seus mais experientes generais. A fim de garantir o sucesso, a nossa responsabilidade é a de empregar todos os meios legais e prudentes. Recusando-se a fazê-lo é presunção, e não a fé.

"E Davi enviou uma terceira parte das pessoas sob a mão de Joabe, e outro terço sob o mando de Abisai, filho de Zeruia, irmão de Joabe, e outro terço sob o mando de Itai, o giteu" (v. 2 ). Como é verdade que não há nada novo sob o sol. Táticas militares foram conduzidos ao longo das mesmas linhas, em seguida, como são agora: David eliminados suas forças em um exército central, com direito e esquerdo flancos protegendo. "E disse o rei ao povo, eu sairei com você eu também" (v. 2). David não foi falta de coragem, e estava pronto e disposto a compartilhar qualquer perigo com seus homens. No entanto, acreditamos que havia algo mais do que coragem evidenciada por estas palavras: ele não era ansioso para estar no local quando a crise chegou, para que ele pudesse proteger seu filho rebelde da fúria de seus soldados! Sim, vemos aqui o coração do pai, bem como a nobreza do rei.

"E disse o rei ao povo, eu sairei com você eu também." Seu desejo era ainda sobre Absalão, julgando que sua presença pode ajudar a protegê-lo, pois ele era muito mole de um coração para negar os sentimentos de um pai, mesmo para aquele que se levantou em rebelião contra ele. No entanto, parece-nos que havia algo de caráter mais profundo que levou David neste momento. Ele iria fingir sair mesmo porque ele percebeu que era o seu pecado que trouxe todo este problema sobre a terra, e ele era muito nobre disposto a deixar os riscos de encontrar qualquer batalha em primeiro plano, mas a si mesmo. Deixe o leitor não esquecer o que apontou várias vezes nos capítulos anteriores, a saber, que é como o humilde renitente David é para ser visto ao longo desta conexão: isso é que fornece a chave para vários detalhes nestes incidentes,

"Mas o povo respondeu: Tu não ir adiante: para se fugirmos, eles não vão cuidar de nós, e não se metade de nós morrermos, eles vão cuidar de nós: mas agora é no valor de dez mil de nós, pois agora é melhor que tu socorrer-nos para fora da cidade "(v. 3). Este é realmente bonito. David mostrou sua afeição por seus fiéis seguidores, e agora eles evidenciam deles para ele. Eles não iriam ouvir de seu amado rei aventurar-se no lugar de perigo. Como eles altamente valorizado ele! E justamente por isso: ele não só foi dotado de qualidades que poderia muito bem comandar, mas daqueles que realizou os corações daqueles que o conheciam bem.A veneração profunda em que ele foi detido sai novamente em uma data posterior, quando ele estava arriscando sua vida em batalha com os filisteus, seus homens jurou-lhe, dizendo: " Tu serás não mais sair conosco à batalha, para que te matar não a luz de Israel "(21:17). Ele era a sua "luz": o seu líder, seu inspirador, a sua alegria, o honrado e amado, em favor de Deus e homem.

"E o rei disse-lhes: Que vos parecer bem, farei. E o rei se pôs ao lado da porta, e todo o povo saiu em centenas e em milhares" (v. 4). "Ele poderia ser mais útil a eles por te detenhas na cidade, com uma reserva de suas forças lá, onde ele poderia enviá-los recrutas que poderá ser uma posição de serviço real, que ainda não é uma posição de perigo. O rei concordou em suas razões, e mudou o seu propósito. Não é pedaço de sabedoria para ser firme nas nossas resoluções, mas de estar disposto a ouvir a razão, até mesmo de nossos inferiores, e de ser rejeitada por seus conselhos, quando parece ser para o nosso próprio bem Se a prudência do povo escondeu um olho para ele ou não, a providência de Deus sabiamente ordenado, que David não deveria estar no campo de batalha;. para, em seguida, a sua ternura tinha certamente interposta para salvar a vida de Absalão, a quem Deus havia determinado a destruir (Matthew Henry).

Pessoalmente, consideramos a aquiescência do rei como uma indicação de seu coração castigado. Não há nada que humilha mais e a alma de um espírito de verdadeiro arrependimento, como nada mais tende a endurecer e inchar com a auto-importância que a ausência dele. Ele que é cego para os seus próprios erros e falhas, não está preparado para ouvir os conselhos dos outros: uma vontade inquebrável é auto afirmativo e impermeável a qualquer das sensações ou desejos de seus companheiros. Mas David sofria mais de seus pecados passados, e que o fez tratável e em condições de ceder ao desejo de seus homens. Enquanto ele estava no portão, observando seu exército sair para a batalha, a madeira de Efraim, a vitória ou a derrota seria a mesma coisa para ele. Independentemente do resultado, a causa deve ser rastreada até sua própria atitude errada. Ele deve ter estado lá com uma lembrança triste de que outra batalha, em que um servo dedicado caiu, como um assassinado pela sua própria mão (2 Sam. 11:24).

"E o rei ordenou a Joabe, a Abisai ea Itai, dizendo: Tratar gentilmente por minha causa com o jovem, mesmo com Absalão. E todo o povo ouviu quando o rei deu a todos os capitães acerca de Absalão" (v. 5). Tão grande era o amor de Davi por seu filho rebelde que, mesmo agora, ele tentou entregá-lo a partir do golpe de morte. Ele sabia que Absalão era um rebelde, que procurava a sua morte e seu trono, que provou ser a própria encarnação da ingratidão iníqua, de insensível crueldade, da maldade não adulterada, de ambição satânica. Ele era culpado de traição do mais vil espécie, e sua vida por toda a lei de justiça foi totalmente perdido, ainda, apesar de tudo, o coração de Davi permaneceu firme com ele. Não há nada gravado nas Sagradas Escrituras que exibe tão vividamente a profundidade eo poder de afeição humana, nada que exibe tão comovente amor pelo absolutamente indigno. Portanto, não é projetado para transformar nossos pensamentos até um amor maior e mais puro!

Sim, veja este pai ou mãe idosos, tirado de sua casa, humilhado diante de seus súditos, ferido às profundezas do seu coração pelo ódio assassino do filho a quem ele havia perdoado e honrado, amando esta

juventude inútil e guiado pelo diabo com uma inalterada devoção, que buscava salvá-lo de sua justa condenação

e iminente. No entanto, como este foi maravilhoso, ele fornece apenas uma sombra tênue do amor maravilhoso

de Cristo, que o levou a colocar seu coração em "Sua própria,"mesmo quando eles foram totalmente depravados, totalmente corrupto, morto em delitos e pecados. Deus elogiou seu amor para conosco pela morte de Seu Filho (Rm 5:8), e foi para os rebeldes e os ímpios que Ele foi crucificado. Também não se pode nada jamais nos separar do que o amor: não, "Tendo amado os seus que estavam no mundo, amou-os até o fim" (João 13:1). Em verdade, tal amor "excede todo o entendimento."

"Então o povo saiu a campo contra Israel: e da batalha no bosque de Efraim" (v. 6). Esta declaração tem apresentado um grande problema para os comentaristas, algum indo tão longe a ponto (irreverente) diz que foi um deslize da caneta do historiador. Como vimos, tanto Davi e Absalão passou o Jordão e estavam agora "na terra de Gileade" (17:22, 26), que estava no leste lado do rio, e que seu território estava totalmente no oeste de la. Como, então, perguntar aos céticos, isso pode ser dito de batalha que teve lugar no "bosque de Efraim"? Será que o narrador errar em sua geografia? Certamente não: são os críticos que mostrar sua ignorância da história sagrada.

Nós não temos de ir fora das Escrituras, a fim de descobrir a solução para estas “sérias dificuldades". Se nos voltamos para Juízes 12, descobrimos que um ataque foi feito por "Efraim" sobre Jefté na terra de Gileade, sob o pretexto de um mal que está sendo feito-los quando eles não foram convidados por este último a participar na sua invasão bem-sucedida de Amon. Jefté procurou acalmar seus agressores raiva, mas em vão. A batalha foi travada perto "as passagens do Jordão" (Juízes 12:5), e Efraim se reuniram com abate medo: em todos os 42 mil de seus homens que estão sendo condenadas à morte. Agora um evento tão terrível não era susceptível de passar sem algum memorial, eo que mais natural do que nomear a sua sepultura, o Aceldama da sua tribo, por este nome "a madeira de Efraim" na terra de Gileade!

Por um curto período enquanto a batalha estava furiosa, mas a questão não foi muito tempo deixou em dúvida: os rebeldes que sofrem uma pesada derrota: "O povo de Israel foram feridos diante dos servos de Davi,

e havia ali uma grande derrota naquele dia de 20 mil homens, pois a batalha foi aqui espalhada sobre a face de todo o país: eo bosque consumiu mais gente naquele dia do que a espada “(vv. 7, 8)”. ”Agora eles ardiam

justamente por” sua traição contra seu príncipe legítimo, o seu mal-estar em tão bom um governo, e sua ingratidão base para um governador tão bom, e encontrou o que estava a pegar em armas para um usurpador, que com seus beijos e carícias tinha idílio em sua própria ruína. Agora onde estão as recompensas, o preferment, os dias de ouro, eles prometem-se dele? Agora eles veem que é para tomar conselho contra o Senhor e seu ungido, e pensar de quebrar suas bandas separe “(Matthew Henry)”.

Mais evidente era de que lado o Senhor. Tudo eram confusão e destruição nas fileiras do apóstata. O olho ungido pode discernir a mão de Deus como se manifesta aqui como, em uma ocasião anterior, foi a Gideão: como existem as "pedras de granizo", então aqui a "madeira" devorado mais do que a espada. Nenhum detalhe é dado por isso é inútil conjecturar se era poços e pântanos ou os feras que infestavam as florestas: basta que ele fosse o próprio Deus que lutaram contra eles, conquistá-los por uma força muito menor do que a sua própria, e, em seguida, serem perseguidos por suas providências destrutivos quando eles tentaram escapar da espada. No entanto, tal massacre de Israel em vista de seus inimigos ao redor, era uma calamidade grave para o reino de Davi.

E enquanto isso, o traidor do arco-se? Ah, ele é tratado separadamente, e que, de um modo que ainda mais claramente mostrada a mão de Deus: ele foi feito "um show de abertamente." "E Absalão ia montado num mulo e, entrando o mulo debaixo dos espessos ramos de um grande carvalho, e sua cabeça pegaram o carvalho, e ele ficou pendurado entre o céu ea terra, eo mulo, que estava debaixo dele passou ao longe "(v. 9). Esses ramos, como as mãos de um gigante, apoderou-se dele, segurando-o rápido, quer pelo pescoço ou pelo seu cabelo luxuriante (2 Sam. 14:26). Sua besta continuou seu progresso, deixando-o lá, como se feliz por se livrar de um fardo. Lá, ele foi suspenso, entre o céu ea terra, para insinuar que ele estava apto para nenhum dos dois. Eis a providência marcante desta: " Maldito todo aquele que for pendurado no madeiro "(Gl 3:13)! Lá, ele pendurou como um objeto de vergonha, cheio de terror, incapaz de entregar a si mesmo, incapaz de lutar ou fugir. Ele permaneceu nesta situação terrível por um tempo considerável, esperando com horror o seu castigo merecido.

Oportunidade total foi agora lhe proporcionou a meditar sobre seus crimes e fazer as pazes com Deus. Mas, infelizmente, tanto quanto o registro sagrado nos informa, não houve arrependimento de sua parte, nada a insinuar que ele agora se sentia incapaz de tanto viver ou morrer. Como Deus declarou de Jezabel "dei- lhe tempo para se arrepender de sua prostituição, e não se arrependeu" (Ap 2:21), então a vida de Absalão foi poupado mais algumas horas, mas nenhuma pista nos é dada, que confessou seus terríveis pecados a Deus antes de ser convocado para a Sua santa presença. Não, Deus não tinha lugar em seus pensamentos, como ele viveu, assim morreu desafiador e impenitente. Seu pai, amor, lágrimas e orações foram desperdiçados com ele. Facilidade de Absalão apresenta-nos um dos piores imagens de natureza humana decaída a serem cumpridas com em toda a Palavra de Deus.

Um espetáculo mais melancólico e trágico mal pode ser imaginado do que Absalão pendurado nos galhos de árvore. Abandonado por seus companheiros, pois eles tinham um e tudo deixou para o seu destino; abandonado por Deus, agora que a taça da sua iniquidade estava cheia, uma presa de remorso, pois, embora totalmente sem coração e sem consciência, seus pensamentos agora deve ter sido de o mais sombrio da natureza. Completamente incapaz de livrar-se, ele foi obrigado a esperar, hora após hora, até que alguém veio e pôs fim à sua vida miserável. Que lição indizivelmente solene é este para os jovens do nosso dia! Como claramente o fim com medo de Absalão demonstra aversão do Senhor de rebelião contra os pais! A Palavra de Deus nos diz que é o tolo que "despreza a instrução de seu pai" (Pv 15:5), e que "aquele que amaldiçoar a seu pai ou sua mãe, sua lâmpada se apagará na escuridão obscura" (Prov. 20: 20), e novamente, "O olho que zomba do pai, ou desprezam a obediência à mãe, corvos do vale deve buscá-lo para fora, e as águias os comerão" (Prov. 30:17).

As areias de sua ampulheta já tinha quase acabado. "E um homem, vendo isso, e disse Joabe, e disse, olhando, eu vi Absalão pendurado num carvalho" (v. 10). Este homem tinha contemplado trágica situação de Absalão, mas não fez qualquer esforço para livrá-lo: em vez disso, ele foi e informou que para o geral. "E disse Joabe ao homem que lhe disse: E eis que, viste-lo, e por que fizeste não feri-lo lá para o chão? E eu te haveria

dado dez siclos de prata e um cinto. E o homem disse: Joabe: Ainda que eu devesse receber mil siclos de prata

na minha mão, ainda não coloquei a minha mão contra o filho do rei, pois em nossa audiência, o rei cobrado ti,

a Abisai ea Itai, dizendo: Cuidado que ninguém toque na jovem Absalão "(vv. 11, 12). E aqui devemos

parar. Em meio a tanta coisa que é revoltante, é um contraste bem-vindo para contemplar a obediência deste homem para o seu mestre real.

CAPÍTULO SETENTA E UM Morte de seu filho (Continuação)

2 Samuel 18

SETENTA E UM Morte de seu filho (Continuação) 2 Samuel 18 Em nossa última deixamos Absalão
SETENTA E UM Morte de seu filho (Continuação) 2 Samuel 18 Em nossa última deixamos Absalão
SETENTA E UM Morte de seu filho (Continuação) 2 Samuel 18 Em nossa última deixamos Absalão

Em nossa última deixamos Absalão pego em um carvalho, suspenso no ar, incapaz de libertar-se. Sua situação era de fato uma desesperada, para todos os seus seguidores que o tinham abandonado. O que era para ser a sequela? David tinha dado instruções expressas a seus generais: "Lidar com cuidado por causa de mim com o jovem, mesmo com Absalão" (2 Sam. 18:5). Nesse cargo vemos expressa a fraqueza de um pai amoroso, e não a fidelidade intransigente de um monarca.Não era para os interesses do seu reino que tal um rebelde deve ser poupado, pois ninguém poderia dizer quanto tempo ele iria acarretar mais problemas. O sentimento nunca deve substituir as exigências de justiça, mas muitas vezes está longe de ser fácil de executar a última quando eles entram em conflito com os anseios da antiga. Ao ceder aos seus sentimentos paternais e dando esse conselho aos seus homens, David criou uma dificuldade que nunca deveria ter sido levantada.

"E um homem, vendo isso, e disse a Joabe, e disse: Eis que vi Absalão pendurado num carvalho" (2 Sam. 18:10). Os comentadores diferem consideravelmente nas suas estimativas de que está registrado neste verso e as que seguem imediatamente. Alguns criticam este homem por sua timidez em se recusar a tomar matérias em suas próprias mãos e livrar a Terra de tal miserável, outros ir ao extremo oposto e culpá -lo como um furtivo para revelar a situação de Joabe, sabendo que ele não teria escrúpulos contra matar Absalão. Pessoalmente, consideramos que ele fez a coisa certa em fazer este curso médio. Não era para ele, como pessoa privada, para voar em face da carga do rei, e agir como carrasco público, nem era a coisa para ele esconder o general em carregar a posição indefesa em que o arqui-inimigo de David foi agora colocado: tudo o que ilustra o que foi dito no final do parágrafo anterior.

"E disse Joabe ao homem que lhe disse: E eis que, viste-lo, e por que fizeste não feri-lo lá para o chão?

E eu te haveria dado dez siclos de prata e um cinto" (v. 11).Essas palavras foram proferidas, evidentemente,

precipitadamente no calor do momento, pois quando Joabe ouviu a resposta do homem, ele não mais criticá- lo.Joabe não conseguiram perceber o dilema em que o comando de Davi tinha colocado este homem, ou talvez ele estivesse constitucionalmente incapaz de apreciar os escrúpulos de consciência que regulamentou os outros, que parece mais provável, à luz do que se segue. Que o espírito de uma grosseira e mercenária suas palavras traído! Como se uma recompensa monetária deveria ter sido incentivo suficiente para qualquer um ter matado Absalão a sangue frio. Não se pode esperar como um materialista bruto a valorizar as sensibilidades mais finas dos outros.

"E o homem disse a Joabe: Ainda que eu pudesse mil siclos de prata na minha mão, ainda não coloquei

a minha mão contra o filho do rei, no nosso ouvido o rei cobrado ti, a Abisai ea Itai, dizendo: Guarda que

nenhum tocar o jovem Absalão Caso contrário, eu deveria ter feito falsidade contra minha própria vida:. pois não há se esconderia ao rei, e tu te quiseste ter põe-te contra mim "(vv. 12, 13). Este homem não identificado não era para ser intimidado pela Joabe feroz, mas corajosamente manteve sua posição e, sinceramente, confesso que tinha os princípios regulamentados sua conduta. Embora não fosse um comando legal que o rei tinha

imposto a seus súditos, ainda este respeitava a autoridade de seu mestre real. Além disso, como ele astutamente apontou, que vantagem ele iria receber a partir da maior recompensa, se a pena por sua ação foram o confisco de sua própria vida? Esse foi um argumento que não admitia resposta, reconhecido por Joabe abruptamente encerra a conversa sob o argumento da pressa.

"Então disse Joabe: Não me demorarei assim contigo. E tomou três dardos na mão, e traspassou com eles o coração de Absalão, estando ele ainda vivo no meio do carvalho" (v. 14). Joabe virá diante de nós novamente nos capítulos que se seguem, mas este parece um lugar tão bom quanto qualquer outro para oferecer algumas observações sobre seu caráter, foi justamente disse que "Entre os seguidores mais próximos e seguidores de Davi, Joabe, era um. Ele foi encontrado no início com David na caverna. Embora Jonathan permanecesse na corte de Saul, Joabe estava compartilhando as dificuldades e os perigos de David no deserto. Ao longo de todos os seus perigos posteriores, ele se levantou como um leão ao seu lado, e se medida de . serviço exterior foi considerado, David talvez não tivesse servo, como ele ainda, a fim de servir David corretamente, era necessário ter respeito não apenas ao seu escritório, mas também para apreciar o caráter daquele que deu esse cargo; a amá-lo para seu próprio bem como por sua causa escritório, e acima de tudo, lembrar que nenhum verdadeiro serviço poderia ser prestado a Davi, se Deus não foram considerados com reverência e reverentemente obedecido "(BW Newton).

É possível para que se sirva, por causa da dignidade do seu cargo, aquele cuja excelência como um indivíduo que não têm nenhuma consideração para. Nesse caso, o nosso serviço, não importa no entanto enérgica, provavelmente terá suas nascentes no egoísmo, e seu curso será marcado por obstinação e orgulho. Tal fato, foi o caso de Joabe: ele era zeloso em manter o apoio do trono de Davi, mas ele estava sempre vivo para a manutenção de seus próprios interesses pessoais. Ele considera que é melhor que a coroa deveria descansar na testa de Davi, porque assim fazendo suas próprias fortunas foram promoveu. Não importa o quão definitivamente ou melancolicamente David pode expressar seus desejos, nunca Joabe hesitou, quando surgiu a oportunidade, a indignação sentimentos do rei ou desafiar sua vontade, se pudesse, assim, obter os seus próprios fins, sem ao mesmo tempo comprometer a estabilidade do trono. Em tal curso, Joabe não respeitava nem David, nem Deus.

Ninguém pode ler cuidadosamente a narrativa sagrada, sem perceber que nos últimos anos de seu reinado Davi era pouco mais de um nominal rei. Ele parece ter chegado completamente sob o poder de Joabe, o comandante de seus exércitos: por um lado ele era muito suspeito para confiar nele, e por outro muito fraco para demiti-lo. É interessante e instrutivo para traçar a ocasião e causar em que Joabe estabelecido um controle tão despótica sobre seu mestre real. E isso não é de forma alguma uma tarefa complicada: "David escreveu uma carta a Joabe, . e mandou-lha por mão de Urias E ele escreveu na carta, dizendo: Ponde Urias na frente da maior força da peleja, e retirai-vos dele, que ele pode estar ferido e morra "(2 Sam. 11:14, 15). Ao fazer Joabe o agente parceiro e segredo de sua parcela de culpa sobre Urias, Davi vendeu-se em suas mãos, em que a carta fatal que ele perdeu sua liberdade, entregando-o a esta cúmplice sem escrúpulos.

Por temperamento, Joabe era um homem ousado e cheio de energia: um lutador corajoso em tempos sem lei. A facção da casa de Saul era tão forte que no início do seu reinado, David mal podia chamar o trono de seu próprio país, ou escolher os seus servos de acordo com seu próprio prazer. Joabe era um guerreiro capaz, e embora ele às vezes vingado suas próprias querelas particulares em detrimento da honra de seu soberano, assim, vexatório ele no coração, mas ele estava muito fortemente arraigado a ser deslocado. No entanto, naquele tempo Davi não teve medo de abrir a boca e repreendeu por sua morte de Abner. Não, ser abertamente afirmou sua autoridade convincente Joabe para rasgar suas roupas, coloque em saco, e choram antes de esta muito Abner (2 Sam. 3 :28-31), uma experiência mais humilhante para um de seu próprio coração orgulhoso, e que tornou inequivocamente manifesto que David ainda era suprema em seus próprios domínios.

Circunstâncias ainda pode restringir David empregar este guerreiro famoso, e ele não tinha curto como tinha sido, em seguida, o seu reinado, entregou-se até este assunto imperioso. Pelo contrário, como sua própria causa se fortalecia cada vez mais forte, eo restante da parte de Saul dispersa, ele se tornou rei de Israel, de fato, bem como em nome, de modo que o seu trono foi estabelecido não só pela lei, mas pela opinião pública

também , para nos é dito que "tudo quanto o rei fez, todo o povo" (2 Sam. 3:36). Por isso, ele já estava na condição de governar por si mesmo, e ele fez isso, por um pouco mais tarde vamos encontrá-lo à nomeação, esse oficial para ser o comandante de seu exército por sua própria decisão, e isso simplesmente porque Joabe era o único que ganhou essa classificação, quando foi prometido por David como recompensa a qualquer pessoa em seu hospedeiro, que deve ser o primeiro a chegar até os jebuseus calha e fere a assalto de Sião (2 Sam. 5:8).

Temos apenas de ler atentamente a 2 Samuel 8 e 10, em que são narradas as realizações arrojadas de Davi, neste período brilhante de sua vida, seu talento no exterior e sua política forte em casa, a energia que ele instilou em caráter nacional, e o respeito que ele mandou para ele em todos os países vizinhos, para perceber que reinou sem restrição e sem rival. Mas então veio a queda mortal, que a semeadura do mal do qual ele colheu uma safra tão amargo, A partir daí podemos discernir como Joabe usurpado por graus de uma autoridade que ele não tinha antes. Mais e mais, ele tomou o assunto em suas próprias mãos, executar ou ignorar ordens de Davi como adequado seus próprios desígnios, até que, finalmente, veremos que ele ousou conspirar contra o seu trono e muito o sucessor legítimo de sua linha.

Um incidente registrado em 2 Samuel 14 ilustra bem o que temos apontado acima. Não vemos as mãos de David amarrado, seus esforços para libertar-se dessa punição opressor tanto débil e ineficaz, e seu sucesso de Absalão resistiram, pois era Joabe, por meio da viúva de Tecoa, que clamavam pela retirada de Absalão de sua banimento. As suspeitas do rei foram despertados, pois ele pediu: "Não é a mão de Joabe contigo em tudo isso? " (14:19), no entanto, ele cedeu a sua vontade. Parece que este movimento por parte de Joabe foi, sem qualquer outro projeto de embaraçar o rei e forçá-lo a fazer o que só poderia baixá-lo na estimativa de seus súditos. Certamente ele não tinha amor por Absalão como a sequencia mostra claramente.

Durante a rebelião de Absalão, Joabe, como se poderia esperar, foi leal à causa de Davi, pois ele não tinha desejo de ver seu governo derrubado e um de outra ordem tomar seu lugar. Joabe sabia muito bem o que estava no coração de Absalão, e, portanto, ele estava preparado para resistir a ele com toda sua força. Ele queria ter o atual governo de Israel continuou, e que na pessoa de Davi, mas ele estava fora de nenhum amor por David que agora ele lutou contra Absalão. Isto é evidente a partir de seu aberto desafio a carga expressa que o rei havia dado seus generais: "Lidar com cuidado por minha causa com Absalão." Mas Joabe não atendido, pois ele havia perdido todo o respeito para os comandos de Davi. Nada pode ser ele mais do que a sua deliberada infração de um presente, provavelmente o. Mais imperioso que havia sido posto sobre ele Não foi à fúria da luta que ele esqueceu a sua comissão de misericórdia, mas a sangue frio, ele deliberadamente foi ao lugar onde Absalão estava pendurado indefeso eo matou.

Não, se Joabe havia amado David eo considerava seu amigo, ele nunca tivera a imprudência despreza a angústia do coração de Davi e fê-lo chorar, "Oxalá que eu tivesse morrido por ti, Absalão, meu filho, meu filho!" Qualquer que seja pode ser dito sobre a sua atribuição de um benefício público através da remoção deste líder réprobo, o fato é que Joabe não se importava mais nada por um rei cuja culpa secreta que ele compartilhou. Enfiou Absalão através do coração com seus dardos três, e em seguida, fez seu caminho, com semblante imperturbável, para a câmara de seu mestre real, onde David estava lamentando a morte de seu filho. Como veremos, a sequela é uma peça com que o precedeu: Joabe imperiosa e cruel; David, outrora tão reinante, abjeta em espírito e domar o chicote. Como havia caíram os poderosos! Em que a humilhação pública, bem como dores pessoais teve seu ato de luxúria e sangue agora afundou?

"E tomaram a Absalão e, lançando-o numa grande cova no bosque, e lançou um mui grande montão de pedras sobre ele e todo o Israel fugiu, cada um à sua tenda" (2 Sam 18:17.). O que é para acabar com isso! Enforcado em uma árvore, abandonado pelos seus seguidores, expedidos por Joabe, e agora seu corpo tratado com o maior desprezo. Em vez de receber o honorável sepultamento do filho de um rei, ele foi vergonhosamente tratado como um criminoso: o elenco dele em uma cova grande intimado a sua avaliação de sua carcaça, enquanto que a sua postura sobre ele um grande montão de pedras significava que ele deveria foram apedrejado até a morte como um filho rebelde (Dt 21:18, 21).

"Agora, Absalão, quando ainda vivia, tinha tomado e levantado para si uma coluna, que está no vale do rei, porque ele disse, não tenho filho para manter meu nome em memória, e ele chamou o pilar após seu próprio nome: e é chamado até hoje, lugar de Absalão "(v. 18). Que contraste marcante e solene fazer estes dois versos presente, e que uma ilustração forçada é que eles fornecem de que o princípio "quem se exalta será humilhado" (Lucas 14:11); assim foi na história de Hamã e de Nabucodonosor, e tal foi o caso aqui. Absalão tinha três filhos (2 Sam. 14:27), mas eles tinham predecedido seu pai, e, portanto, ele buscava perpetuar a sua memória com a criação deste pilar para honrar seu nome, ao lado da qual, sem dúvida, pretende que seu corpo deveria ser enterrado. Ai, como vão alguns homens para atrair a nota das gerações futuras, que estão em nenhum esforço para buscar a aprovação de Deus. Mas mesmo na morte Absalão foi frustrado: "um grande montão de pedras, como um monumento à sua vilania era tudo o que marcou o seu lugar de descanso.

"Então, disse Aimaás filho de Zadoque: Deixa-me correr e dar notícia ao rei, que o SENHOR o vingou de seus inimigos" (v. 19). Aimaás, filho de Zadoque, o sacerdote (2 Sm 15:27)., Que estava profundamente dedicado a David. Ele foi um dos dois homens que tinham em perigo as suas vidas no serviço do rei, trazendo- lhe notícias de planos de Absalão (17:17-21). Que ele era uma alma piedosa é intimado pela linguagem que ele usou, nesta ocasião, para em lugar de Joabe lisonjeiro, felicitando-o por sua trazer o conflito para um desfecho triunfante, ele atribui o sucesso ao Senhor. Quantas vezes Deus é esquecido na onda de vitória, e ao invés de exclamar " Sua mão direita, e seu santo braço, tem Lhe alcançaram a vitória "(Salmo 98:1), o homem orgulhoso atribui a derrota dos seus inimigos à sua própria vigilância, força ou habilidade. Numa hora como esta é para o servo de Deus para levantar a sua voz e tornar conhecida a verdade de que a glória pertence a Deus somente.

"E Joabe lhe disse: Não dirás notícias neste dia, mas notícia dirá outro dia: mas este dia dirás nenhuma notícia, porque o filho do rei está morto" (v. 20). À luz do que se segue não é fácil determinar o que foi que Joabe influenciado de recusar o pedido de Aimaás, para logo em seguida ele manda outro homem ir e dizer ao rei o que ele tinha visto, e quando Aimaás renovou seu pedido, após um ligeiro escrúpulo de Joabe concedeu. É possível que Joabe temessem pela vida de Aimaás e considerou que ele era muito valioso para ele um homem jogado fora, para o nome do mensageiro escolhido ("Cuche") sugeriu que ele era um etíope, provavelmente escravo um Africano. Joabe sabia que Davi era um homem impulsivo e irritadiço, e lembrou-se do destino que ultrapassou aquele que lhe dera a notícia da morte de Saul (2 Sam. 1:15), e, portanto, ele provavelmente pensou que uma vingança semelhante pode ser visitou sobre aquele que deve informá-lo da morte de Absalão.

"Então, disse Aimaás, filho de Zadoque, a Joabe. Mas da forma como forem, deixe-me, peço-te, também correr após Cusi. E disse Joabe, que agora correrias tu, meu filho, vendo que tu tens nenhuma notícia pronta?" (V. 22). As ênfases marginais deste versículo parece decididamente confirmam o que acabamos de dizer acima. As palavras de Aimaás "Mas da forma como forem" é literalmente "ser o que pode": Qualquer que seja o risco de incorrer fúria do rei, estou muito disposto a enfrentá-lo. Joabe, "tu queres Portanto, meu filho, "indica que ele tinha Aimaás em alguma estima, e sua" tens nenhuma notícia pronta "é realmente" nenhuma notícia convenientes, "que insinua que ele tentou dissuadi-lo de ser o portador da notícia que seria tão bem vindo para David. E por que, pode-se perguntar, era Aimaás ansioso para servir como mensageiro nesta ocasião fatídica? Acreditamos que era porque ele era tão dedicado ao rei que ele queria, tanto quanto possível, com muito tato para aliviar o golpe. Isto ele fez, pois ao invés de deixar escapar sem rodeios que Absalão havia sido morto, ele simplesmente disse: "Bendito seja o Senhor teu Deus, que entregou os homens que levantaram a mão contra o rei meu senhor "(v. 28).

CAPÍTULO SETENTA E DOIS Sua tristeza Desordenada

2 Samuel 18

que levantaram a mão contra o rei meu senhor "(v. 28). CAPÍTULO SETENTA E DOIS Sua
que levantaram a mão contra o rei meu senhor "(v. 28). CAPÍTULO SETENTA E DOIS Sua
que levantaram a mão contra o rei meu senhor "(v. 28). CAPÍTULO SETENTA E DOIS Sua

O homem é uma criatura composta, possuindo uma alma, bem como um espírito. Deus concedeu-lhe

uma natureza emocional, bem como um princípio racional. É verdade que em algumas pessoas as paixões são muito mais fortes, enquanto em outros a faculdade intelectual é mais proeminente, mas conforme o caso deveu procurar preservar o equilíbrio entre suas brincadeiras e interação. As emoções não devem ser autorizadas a correr com a gente, pois se eles descobrirem que devem ser incapacitado para o pensamento claro e ação prudente. Por outro lado, as emoções não devem ser totalmente esmagadas, ou vamos degenerar em cínicos insensíveis e frias máquinas de intelectual. Existe um meio termo entre epicurismo e estoicismo, no entanto, só

pode ser alcançado pelo constante estado de alerta e autodisciplina. A gestão regular de nossas paixões desordenadas é essencial se quisermos obter o domínio deles, e não ser dominado por eles.

Estoicismo ou a supressão completa de nossas emoções não recebe nenhum semblante dos ensinamentos das Sagradas Escrituras. Como é possível, visto que o autor das Escrituras é o único que nos dotou de uma natureza emocional! Palavra de Deus e Suas obras não se contradizem uns aos outros. Lembremo-nos que isto é registrado do Homem Perfeito que Ele chorou junto ao túmulo de Lázaro e fez lamentações sobre a condenada cidade de Jerusalém. Aquele que criou músculos no rosto, que só são chamados à ação por uma gargalhada e um ducto de lágrima no olho, fez com que cada um deve ser usado em sua época. Eles que são fisicamente incapazes de sair em um suor saudável, sofrem muito mais do que aqueles que transpiram livremente no tempo quente, e os que não choram quando uma grande tristeza ultrapassa-los, suportar o perigo de algo encaixando em seus cérebros. Risos e lágrimas são válvulas de segurança da natureza, eles aliviar as tensões nervosas, assim como uma tempestade elétrica alivia uma atmosfera muito carregada.

No entanto, é que nossas emoções são para ser disciplinado e regulado. "Guarda o teu coração com toda diligência" (Pv 4:23): uma parte essencial da tarefa que envolve, é o governo de nossas paixões e emoções de raiva, deve ser controlada, subjugada impaciência tristeza, cobiça marcada, ea alegria temperada . Uma das coisas que são convidadas a se mortificar é "apetite desordenado" (Cl 3:5), e que inclui não apenas cobiçados profanos, mas também desejos excessivos após coisas legais. "Defina o seu afeto nas coisas do alto, não nas coisas da terra" (Cl 3:2), o que não significa que é errado para nós ter qualquer amor por objetos terrenos, mas isso não significa que esse amor é para ser regulada e subordinada às coisas divinas e espirituais. Responsabilidade atribui tanto a nossa vida interior, como ele faz para o nosso exterior.

Alegria e folia são sazonais em um casamento ou um nascimento, enquanto a tristeza e lamentação são naturais com a morte de um ente querido, ainda mesmo em tais ocasiões, somos obrigados a manter nossas emoções dentro dos devidos limites. Se por um lado, somos convidados a "alegrar-se com tremor" (