Você está na página 1de 14

APOMETRIA

Novos horizontes da Medicina Espiritual

APOMETRIA

Novos horizontes da Medicina Espiritual

Vitor Ronaldo Costa

APOMETRIA, NOVOS HORIZONTES DA MEDICINA ESPIRITUAL

3ª edição — 20.001 a 25.000 exemplares — Setembro/2012

Planejamento gráfico: Equipe "O Clarim" Arte final da capa: Ivo Indiano Revisão: Alberto de Souza Rocha e Enéas Rodrigues Marques

Dados para catalogação na editora

Costa, Vitor Ronaldo Apometria, novos horizontes da medicina espiritual 1ª edição — Matão/SP — Agosto/1997 Casa Editora O Clarim

I. Filosofia

I. Título

Índices para catálogo sistemático:

1. Filosofia - atualidade 869.9

2. Espiritismo 133.9

© Copyright by, 1997, Casa Editora O Clarim

Pedidos para Casa Editora O Clarim Fone (016) 3382-1066 - Fax (016) 3382-1647 Rua Rui Barbosa, 1070 - Cx. Postal, 09 CEP 15990-903 - Matão - SP http://www.oclarim.com.br oclarim@oclarim.com.br

Impresso no Brasil Presita en Brazilo

AGRADECIMENTOS

A edição deste livro só foi possível mediante a valiosa colabora- ção de nossos amigos e confrades:

Alberto de Souza Rocha Eliseu F. da Mota Júnior Felipe Salomão

Após a prévia apreciação dos respectivos originais, esses nossos colaboradores reconheceram a seriedade e eficácia desta nova proposta, a qual poderá ser utilizada nas Casas Espíritas por pes- soas devidamente habilitadas e dirigentes capazes.

Dr. José Lacerda de Azevedo , médico, escritor e pesquisador. Criador e divulgador da Apometria.

Dr. José Lacerda de Azevedo, médico, escritor e pesquisador. Criador e divulgador da Apometria. Ao seu lado o autor.

ÍNDICE

MINHAS RESPEITOSAS HOMENAGENS

11

O

ENCONTRO INICIAL

13

O

CONVITE

15

O

CONGRESSO

18

O

PESQUISADOR

20

CONOTAÇÕES HISTÓRICAS

23

A

APOMETRIA

34

CLASSIFICAÇÃO DOS DISTÚRBIOS ESPIRITUAIS DE ACORDO COM A APOMETRIA

40

A

APOMETRIA COMO INSTRUMENTO DE

PESQUISA ESPIRITUAL

44

A

DINÂMICA APOMÉTRICA

50

ENFERMIDADES ESPIRITUAIS: A OBSESSÃO

54

AS RELAÇÕES ESPIRITUAIS DESARMÔNICAS

64

CASUÍSTICA DIALOGADA

66

A SUTIL QUESTÃO DA INDUÇÃO ESPIRITUAL

70

A QUESTÃO ÉTICA NA CONDUTA DESOBSESSIVA

73

OBSESSÃO

INDIRETA

76

OBSESSÃO CLÁSSICA: ANÁLISE DE UM CASO

79

O

IATROGENISMO DA PALAVRA

85

DESOBSESSÃO E MATURIDADE MORAL

DO GRUPO MEDIÚNICO

87

A

MAGIA NEGRA (GOÉCIA)

89

AS SINGULARIDADES DO MUNDO INVISÍVEL

91

OS ESPÍRITOS DECAÍDOS — OS MAIS CARENTES DE AUXÍLIO

101

ARQUEPADIAS

IMPORTÂNCIA DO DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL

103

A AÇÃO ORGANIZADORA DA VONTADE

105

SÍNDROME DAS CORRENTES PARASITAS MENTAIS AUTO-INDUZIDAS

111

DOENÇAS CÁRMICAS NÃO OBSESSIVAS

113

RESSONÂNCIA VIBRATÓRIA COM O PASSADO

115

DESPOLARIZAÇÃO DOS ESTÍMULOS NA ESTRATIFICAÇÃO DA MEMÓRIA

118

DISTÚRBIOS ANÍMICOS E OBSESSIVOS:

123

CORRENTES MENTAIS PARASITAS E AS AUTO-OBSESSÕES

128

ESTIGMAS CÁRMICOS, FÍSICOS

E PSÍQUICOS

130

DESAJUSTES REENCARNATÓRIOS

132

RESSONÂNCIA VIBRATÓRIA COM O PASSADO

138

RELATO DE UM CASO RARO DE OBSESSÃO ENTRE VIVOS ATENDIDO À DISTÂNCIA

143

SÍNDROME DOS APARELHOS PARASITAS NO SISTEMA NERVOSO DO CAMPO ASTRAL

149

PSICOSE ESQUIZOFRÊNICA INDUZIDA POR APARELHO PARASITA

156

UM ALERTA OPORTUNO

162

UM CASO DA "ENXAQUECA OBSESSIVA" ADQUIRIDA EM VIAGEM TURÍSTICA

165

AS BASES DOUTRINÁRIAS DO DESDOBRAMENTO INDUZIDO

169

O

DESDOBRAMENTO NA VISÃO KARDEQUIANA

172

O

DESDOBRAMENTO NA CONCEPÇÃO DE

ANDRÉ LUIZ

178

DESDOBRAMENTO E AÇÃO MAGNÉTICA

182

PERSPECTIVAS DA APOMETRIA

188

PALAVRAS FINAIS

193

BIBLIOGRAFIA

195

MINHAS RESPEITOSAS HOMENAGENS

As realizações humanas se efetivam em clima de solidarieda- de. Ninguém faz nada sozinho. Dependemos sempre uns dos ou- tros, por mais singelos que sejam os nossos empreendimentos. No trabalho espiritual, mais do que nunca, obedecemos a uma hierarquia que tem em Deus o seu ponto de partida. Só de- pois somos auxiliados, na medida do nosso merecimento, pelos benfeitores das mais variadas faixas hierárquicas que habitam o outro lado da vida. Assim sendo, rendo as minhas homenagens:

ao espírito José de Arimatéia, nosso orientador no campo científico da Doutrina Espírita; ao querido Dr. Marcos e sua equipe, Diretor das nossas ati- vidades espirituais em Apometria desde quando residíamos em Porto Alegre; aos médicos espirituais Máximo Aguirre, Lourenço, John e Haddad, por terem nos recebido cordialmente na confraria dos apometristas e pelo muito de confiança que depositaram em nossa pessoa; aos dignos representantes do sincretismo afro-brasileiro — Pai José da Praia e Pai Ogum Beira-mar — que, com a humil- dade e a prestimosidade características dos integrantes dessas falanges, muito nos auxiliam no desfazimento dos trabalhos de magia negra atendidos por nossa equipe, em evidente demons- tração de que na Vinha do Senhor não há lugar para preconceitos e, sobretudo, hipocrisias!

SSSSSS

Por fim, abraço fraternalmente em homenagem, muito ca- rinhosa, aos companheiros de jornadear terreno que, uma vez integrados ao nosso pequeno grupo de Apometria e impulsio- nados pelo desejo irresistível de praticarem a mediunidade com Jesus, renunciaram ao comodismo da vida profana, suplanta- ram os mais sérios obstáculos pessoais e servem à causa crística com amor e responsabilidade:

José Antônio Leite de Morais Maria de Jesus Aguiar de Barros Correia Maria Elizabeth Fontes Feijó

Que Deus os recompense. O Autor.

Elizabeth Fontes Feijó Que Deus os recompense. O Autor. “A CASA DO JARDIM” – Laboratório de

“A CASA DO JARDIM” – Laboratório de pesquisas da alma. Palco inicial das investigações práticas com Apometria.

O ENCONTRO INICIAL

Em 1973, por força da profissão, fixei-me com a família em Canoas, município vizinho da bela capital do Rio Grande do Sul, e lá continuei o exercício da minha atividade profissional na área médica. Aos poucos integrei-me ao movimento espíri- ta gaúcho e logo tive a chance de conhecer, pessoalmente, o Dr. José Lacerda de Azevedo, respeitado pesquisador espírita brasileiro. Nessa época, ele desenvolvia um trabalho mediúnico de assistência espiritual que, pelas características inéditas, des- pertava o interesse dos estudiosos e pesquisadores das práticas espíritas. Os atendimentos dos enfermos espirituais eram feitos na “Casa do Jardim”, verdadeiro santuário de práticas assisten- ciais, situada em ambiente pitoresco e agradável, bastante pro- pício às tarefas mediúnicas regularmente realizadas aos sábados pelas manhãs. A “Casa do Jardim”, na verdade, era o nome sugestivo do con- junto arquitetônico que sediava a Divisão de Pesquisas Psíquicas do Hospital Espírita de Porto Alegre e que foi dirigida durante alguns anos pelo próprio Dr. Lacerda. Uma das finalidades da Di- visão, conforme dispositivo estatutário, era o atendimento espi- ritual gratuito dos enfermos, utilizando-se, para tal, os recursos da potencialidade anímico-mediúnica dos sensitivos educados pela técnica da Apometria. Eram atividades semanais e, nos dias pré-fixados, desde cedo, pela manhã, a “Casa do Jardim” recebia dezenas de criaturas premidas pelas doenças de difícil solução que afluíam esperan- çosas de um lenitivo para os seus males.

Com o passar dos tempos, as equipes dirigidas pelo Dr. La- cerda atingiram um elevado nível de eficiência, aperfeiçoando constantemente os seus métodos de trabalho e coletando, atra- vés de exaustivas observações, novos ensinamentos, cuja utili- dade prática revertiam, invariavelmente, em benefício dos en- fermos portadores das mais complexas síndromes de natureza espiritual. Das nossas observações destacamos aqui uma característica, desse tipo de auxílio aos pacientes, que se me afigurava de ex- traordinária validade, pelos excelentes resultados obtidos; por exemplo: os atendimentos desobsessivos se processavam, indi- vidualmente, de maneira a permitir que todos os esforços do grupo mediúnico se concentrassem exclusivamente em cada caso. Dessa forma, o enfermo sentia-se perfeitamente à vontade, descontraído e confiante, como se estivesse sendo submetido a um verdadeiro “check-up” clínico-espiritual. Por isso, pode-se imaginar a excelência dos frutos colhidos com o emprego dessa metodologia desenvolvida pelo Dr. Lacer- da, e tanto isso mostrou-se verdadeiro que, na atualidade, todos os grupos derivados da “Casa do Jardim” praticamente obede- cem a essa mesma sistemática de trabalho. Imaginamos que muito em breve, diante das patologias espi- rituais mais complexas, as tarefas assistenciais mediúnicas nos Centros Espíritas mais bem equipados também dedicarão aos seus enfermos a mesma atenção individualizada semelhante às dispensadas pelas diversas equipes de Apometria existentes no Brasil. Certamente, os resultados obtidos confirmarão as nossas palavras.

SSSSSS