Você está na página 1de 7

Dúvidas relacionadas à Santíssima Trindade

Tendo em vista a Doutrina da Santíssima Trindade, a qual a firma que o Pai, o Filho
e o Espírito são Deuses co-eternos, co-iguais e co-substânciais e que são autônomos,
mas que agem em cooperação e os três são um. Venho por meio desta, expor minhas
dúvidas referentes as 3 pessoas da Santíssima Trindade.

Minha principal dúvida a respeito da mesma surgiu ao ler em Êxodo 20:3 “Não
terás outros deuses diante de Mim” o que me fez pesquisar e estudar o assunto tendo
como meio de instrução a Bíblia e Livros voltados tanto para Trindade como alguns que
se opunham a ela.

Na apresentação do Livro “Apocalipse”, é possível entender que a ascensão de


Cristo aos céus já havia ocorrido, mas, mesmo assim pode ser visto em Apocalipse 3:2
e Apocalipse 3:12 que Cristo não se alto denominou “Deus” assim como em nenhuma
parte das escrituras. Mas aponta o seu Pai como o Deus verdadeiro.

Cristo foi gerado por Deus: Salmos 2:7; Hebreus 1:5; Colossenses 1:15; João 1:18.
Em Provérbios 8:22: Cristo é visto como primogênito de toda criação, representado
aqui pela sabedoria, tendo em vista que, segundo I Coríntios 1:24 Cristo é a Sabedoria
e o Poder de Deus.

Em Mateus 11:27 e João 10:30 Jesus afirma que Ele e Seu Pai são “um” e que
ninguém conhece o Pai senão Ele e aquele a quem o Ele o quiser revelar. Estas duas
afirmações de Jesus excluem completamente a possibilidade de assumirmos que possa
haver algum outro ser que seja um com Deus Pai e Seu Filho, e conheça a Deus Pai
como um Filho.

“Aquilo que meu Pai me deu é maior do que tudo; e da mão do Pai ninguém pode
arrebatar. Eu e o Pai somos um.” João 10:30
Jesus, afirmou expressamente que Ele e Seu Pai são um. Ele não inclui a nenhum
outro. Se Ele não incluiu, tampouco nós o podemos.
“Tudo me foi entregue por meu Pai. Ninguém conhece o Filho, senão o Pai; e
ninguém conhece o Pai, senão o Filho e aquele a quem o Filho o quiser
revelar.” Mateus 11:27

Cristo afirma que é totalmente subserviente a Deus, que mesmo sendo concedido a
Ele características (por partilharem da mesma essência) Divinas não quis por usurpação
ser igual a Deus: Filipenses 2:6; João 5:30. Em I Coríntios 15:24-28 também é
possível concluir que Cristo está submetido a Deus e que Deus é a cabeça de Cristo:
I Coríntios 11:3.

Deus sujeitou tudo a Cristo: Mateus 11:27; Salmos 2:8; Mateus 19:28 e
futuramente Cristo Sujeitará tudo a Deus: I Coríntios 15: 24-29.

João 1:3 Informa que o mundo foi feito por intermédio de Cristo, assim como em
Hebreus 1:2 e Colossenses 1:16.

Em João 1:18 é visto que ninguém viu ao Pai a não ser o Filho que foi enviado por
Deus, o que também pode ser visto em João 17:3.
Mesmo após a ascensão de Cristo os seus apóstolos ainda não o apresentam como
Deus: I Coríntios 11:3; 15:20, 24-28; I Pedro 1:3; I João 2:1; 4:9, 10.
Judas 25 expressa claramente quem Deus e Cristo representam: “ao único
Deus, nosso Salvador, por Jesus Cristo nosso Senhor, glória, majestade, domínio e
poder, antes de todos os séculos, e agora, e para todo o sempre. Amém.”

Cristo informa em Marcos 13:32 que existem coisa que nem os anjos e nem mesmo
Ele sabem, apenas o Pai.

Em João 17:12 Jesus Cristo informa que Deus deu o Seu próprio nome a Cristo.

Em Provérbios 30:4: Informa que quem participou da criação foi apenas Deus e
Cristo e em Apocalipse 14:1 é visto apenas o Trono de Deus e do Cordeiro.

João 5:26: afirma que Deus concedeu a Cristo ter vida em si mesmo e que Ele
(Cristo) deu a sua vida para salvar o homem por escolha própria, pois não sendo desta
forma não seria um sacrifício verdadeiro João 10:17-18 e Hebreus 9:14. Em
Colossenses 1:19-20 reforça que agradou a Deus conceder a plenitude a Cristo.
O que Cristo e os apóstolos, quiseram dizer com os seguintes trechos: Tendo
em vista que Cristo não morreu realmente já que Deus é imortal “O único que
possui imortalidade, que habita em luz inacessível, a quem homem algum jamais
vil, nem é capaz de ver. A Ele honra e poder eterno. Amem!” I Timóteo 6:16

“Quando o vi, caí a seus pés como morto; e ele pôs sobre mim a sua destra,
dizendo: Não temas; eu sou o primeiro e o último, e o que vivo; fui morto, mas eis aqui
estou vivo pelos séculos dos séculos; e tenho as chaves da morte e do hades.”
Apocalipse 1:17-18
"Tende em vós o mesmo sentimento que houve também em CRISTO JESUS, pois
Ele, subsistindo em forma de DEUS, não julgou como usurpação o ser igual a DEUS;
antes, a Si mesmo Se esvaziou, assumindo a forma de servo, tornando-Se em
semelhança de homens; e, reconhecido em figura humana, a Si mesmo Se humilhou,
tornando-Se obediente até à morte, e morte de cruz". Filipenses 2:5-8
“Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para
que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna” João 3:16
“Mas Deus dá prova do seu amor para conosco, em que, quando éramos ainda
pecadores, Cristo morreu por nós.”João 5:8
“Porque também Cristo morreu uma só vez pelos pecados, o justo pelos injustos,
para levar-nos a Deus; sendo, na verdade, morto na carne, mas vivificado no espírito;”
I Pedro 3:18
“Isso foi para que se cumprisse a palavra que dissera Jesus, significando de que
morte havia de morrer.” João 18:32
Sobre o Espírito Santo

A oração-modelo, ensinada por Jesus Cristo, não menciona a Trindade, nem dois de
seus componentes (“Deus Filho” e “Deus espírito”), como destinatária(os) de nossas
mensagens de comunhão com Deus:
Mateus 6:9-13 – Portanto, vós orareis assim: Pai nosso, que estás nos céus,
santificado seja o teu nome; venha o teu reino; faça-se a tua vontade, assim na terra
como no céu; o pão nosso de cada dia dá-nos hoje; e perdoa-nos as nossas dívidas,
assim como nós temos perdoado aos nossos devedores; e não nos deixes cair em
tentação; mas livra-nos do mal pois teu é o reino, o poder e a glória para sempre.
Amém!
Jesus descreve o Pai como o único e verdadeiro Deus ele não deveria ter incluído
também o “Deus Filho” e o “Deus espírito”, isto é, a Trindade?
João 17:1-3 – Tendo Jesus falado estas coisas, levantou os olhos ao céu e disse: Pai,
é chegada a hora; glorifica a teu Filho, para que o Filho te glorifique a ti, assim como
lhe conferiste autoridade sobre toda a carne, a fim de que ele conceda a vida eterna a
todos os que lhe deste. E a vida eterna é esta: que te conheçam a ti, o único Deus
verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste.

Tendo em vista o Espírito Santo ser uma pessoa distinta, levando em consideração o
nascimento de Cristo, seria o Espírito Santo Pai de Cristo e não Deus Pai?

Mateus 1:20 – Enquanto ponderava nestas coisas, eis que lhe apareceu, em sonho,
um anjo do Senhor, dizendo: José, filho de Davi, não temas receber Maria, tua mulher,
porque o que nela foi gerado é do espírito Santo.
Lucas 1:35 – Respondeu-lhe o anjo: Descerá sobre ti o espírito Santo, e o poder do
Altíssimo te envolverá com a sua sombra; por isso, também o ente santo que há de
nascer será chamado Filho de Deus.
Mateus 1:18 – Ora, o nascimento de Jesus Cristo foi assim: estando Maria, sua mãe,
desposada com José, sem que tivessem antes coabitado, achou-se grávida pelo espírito
Santo.
Analisando agora o Espírito Santo com a finalidade de identificá-lo e qual é o meio
que Deus usa para transmitir os dons espirituais:
Atos 2:38 – Respondeu-lhes Pedro: Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado
em nome de Jesus Cristo para remissão dos vossos pecados, e recebereis o dom do
espírito Santo.
Atos 10:45 – E os fiéis que eram da circuncisão, que vieram com Pedro, admiraram-
se, porque também sobre os gentios foi derramado o dom do Espírito Santo.”
O Espírito Santo é o espírito de:
I Coríntios 2:11 – Porque qual dos homens sabe as coisas do homem, senão o seu
próprio espírito, que nele está? Assim, também as coisas de Deus, ninguém as conhece,
senão o espírito DE Deus.
Teria Jesus mentido ou usado de meia verdade, quando disse: “Pois onde se
acham dois ou três reunidos em meu nome, aí estou eu no meio deles” (Mateus 18:20).
“...e eis que eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos”
(Mateus.28:20). Tendo em vista que quem está aqui agora é o Espírito Santo que
mesmo sendo co-igual não é o Cristo?
O Espírito Santo procede de:

João 4:24 – “Deus é espírito; e importa que os seus adoradores o adorem em


espírito e em verdade.”
II Coríntios 3:17,18 – “Ora, o Senhor é o Espírito; e, onde está o Espírito do
Senhor, aí há liberdade. E todos nós, com o rosto desvendado, contemplando, como por
espelho, a glória do Senhor, somos transformados, de glória em glória, na sua própria
imagem, como pelo Senhor, o Espírito.”
I Coríntios 8:6 – “Todavia, para nós há um só Deus, o Pai, de quem são todas as
coisas e para quem existimos; e um só Senhor, Jesus Cristo, pelo qual são todas as
coisas, e nós também, por ele.”
João 15:26-27 – Quando, porém, vier o Consolador, que eu vos enviarei da parte do
Pai, o espírito da verdade, que dele procede, esse dará testemunho de mim; e vós
também testemunhareis, porque estais comigo desde o princípio.
A forma como Jesus transmite o Espírito Santo:
João 20:22 – E, havendo dito isto, soprou sobre eles e disse-lhes: Recebei o Espírito
Santo.
João 14:16-17 – “E eu rogarei ao Pai, e ele vos dará outro Consolador, a fim de que
esteja para sempre convosco, o Espírito da verdade”
João 14:22-23 –“Disse-lhe Judas, não o Iscariotes: Donde procede, Senhor, que
estás para manifestar-te a nós e não ao mundo? Respondeu Jesus: Se alguém me ama,
guardará a minha palavra; e meu Pai o amará, e viremos para ele e faremos nele
morada.”

Em outras palavras, o Espírito Santo procede de Deus (João 15:26-27) e também de


Cristo. Por ser filho de Deus (o Pai), Jesus possui a mesma essência do Pai ao qual foi
concedido por Deus que habitasse toda a plenitude inclusive o Espírito.
E é através do espírito de Deus que Jesus convence os cristãos do pecado, da justiça
e do juízo (João 16:8), habita nos cristãos (Gálatas 4:6) e está presente em todos os
lugares ao mesmo tempo (Salmos 139:1-10).

Sobre Cristo

Não venho por meio desta, querer ir de encontro às Escrituras, negando a essência
Divina de Cristo, pelo contrário, pois ele foi gerado por Deus, ou seja partilha da mesma
essência e perfeição de Deus. Tendo em vista: João 1:1, A Palavra estava "no
princípio". A mente do homem não pode assimilar as eras abrangidas nesta frase. Não é
dado aos homens saber quando ou como o Filho foi gerado; mas sabemos que Ele era a
Palavra divina, não simplesmente antes de ter vindo à Terra para morrer, mas mesmo
antes de ser criado o mundo. Pouco antes de Sua crucifixão Ele orou: "E agora,
glorifica-Me, ó PAI, Contigo mesmo, com a glória que Eu tive junto de Ti, antes que
houvesse mundo". João 17:5. E antes mesmo do nascimento de Jesus Cristo, a Sua
vinda foi assim predita pela palavra da inspiração: "E tu, Belém Efrata, pequena demais
para figurar como grupo de milhares de Judá, de ti Me sairá o que há de reinar em
Israel, e cujas origens são desde os tempos antigos, desde os dias da eternidade".
Sabemos que CRISTO procedeu e veio do PAI (João 8:42), mas isso está tão recuado
nas eras da eternidade a ponto de estar além do alcance da mente do homem.
Em muitos lugares da Bíblia CRISTO é chamado de DEUS. O salmista declara:
"Fala o Poderoso, o SENHOR DEUS, e chama a terra desde o levante até ao poente.
Desde Sião, excelência de formosura, resplandece DEUS. Vem o nosso DEUS, e não
guarda silêncio; perante Ele arde um fogo devorador, ao Seu redor esbraveja grande
tormenta. Intima os céus lá em cima, e a terra, para julgar o Seu povo. Congregai os
Meus santos, os que Comigo fizeram aliança por meio de sacrifícios. Os céus anunciam
a Sua justiça, porque é o próprio DEUS que julga". Sal. 50:1-6.
Que esta passagem faz referência a CRISTO pode ser percebido (1) pelo fato já
aprendido de que todo julgamento é atribuído ao Filho, e (2) pelo fato de que é por
ocasião do segundo advento de CRISTO que Ele envia os Seus anjos para reunir os
Seus eleitos dos quatro ventos. Mat. 24:31. "Vem o nosso DEUS, e não guarda
silêncio". Não. Pois quando o próprio SENHOR desce do céu, será "ouvida a voz de
arcanjo, e ressoada a trombeta de DEUS". I Tess. 4:16. Essa voz será a do Filho de
DEUS, a ser ouvida por todos que estão em suas sepulturas e que fará com que delas
saiam. João 5:28,29. Em companhia dos justos vivos eles serão reunidos no ar para
encontrar ao SENHOR, para estarem para sempre com Ele, e isso constituirá "a nossa
reunião com Ele". 2 Tess. 2:1. Comparar com o Sal. 50:5; Mat. 24:31, e I Tess. 4:16.
Este é um de Seus títulos legais. Muito antes do primeiro advento de CRISTO, o
profeta Isaías falou estas palavras de conforto para Israel: "Porque um menino nos
nasceu, um filho se nos deu; o governo está sobre os Seus ombros; e o Seu nome será:
Maravilhoso, Conselheiro, DEUS Forte, PAI da Eternidade, Príncipe da Paz". Isaías 9:6.
Estas não são simplesmente as palavras de Isaías; são palavras do ESPÍRITO de
DEUS. Dirigindo-Se diretamente ao Seu Filho, DEUS o chamou pelo mesmo título. No
Salmo 45:6 lemos estas palavras: "O Teu trono, ó DEUS, é para todo o sempre; cetro de
eqüidade é o cetro do Teu reino". O leitor casual pode considerar isto simplesmente a
atribuição de louvor do salmista a DEUS, mas quando nos volvemos ao Novo
Testamento, descobrimos tratar-se muito mais do que isso. Descobrimos que DEUS, o
PAI, é quem fala e que está Se dirigindo ao Filho, chamando-O de DEUS. Ver Heb.
1:1-8.
Deus deus o Seu nome a Cristo João 17:12 “Enquanto eu estava com eles, eu os
guardava no teu nome que me deste; e os conservei, e nenhum deles se perdeu, senão o
filho da perdição, para que se cumprisse a Escritura.”
Esse nome não foi dado a CRISTO em conseqüência de alguma grande realização,
mas é Seu por direito de herança. Falando do poder e grandeza de CRISTO, o autor de
Hebreus declara que muito melhor do que os anjos, porque tornou-Se "superior aos
anjos, quanto herdou mais excelente nome do que eles". Hebreus 1:4. Um filho sempre
por direito leva o nome do pai; e CRISTO, como "Filho unigênito" tem por direito o
mesmo nome. Como Filho do DEUS e expressa imagem do Pai Hebreus
1:3 que tem existência própria, Ele tem por natureza os atributos da
Divindade.
Finalmente, temos as palavras inspiradas do apóstolo Paulo
concernentes a JESUS CRISTO, de que "aprouve a DEUS que Nele
residisse toda a plenitude". Col. 1:19. O que esta plenitude que habita
em CRISTO significa, aprendemos do capítulo seguinte, onde nos é
dito que "Nele habita corporalmente toda a plenitude da divindade".
Colos. 2:9. Este é um testemunho absoluto e inequívoco ao fato de
que CRISTO possui por natureza todos os atributos da divindade.
Uma palavra de precaução pode ser aqui necessária. Que ninguém imagine que
exaltaríamos a CRISTO às expensas do PAI ou ignoraríamos ao PAI. Isso não pode ser,
pois os Seus interesses são um só. Honramos ao PAI ao honrar o Filho. Atentamos às
palavras de Paulo segundo as quais "há um só DEUS, o PAI, de Quem são todas as
coisas, e JESUS CRISTO, pelo qual são todas as coisas, e nós também por Ele" (1 Cor.
8:6); como já citamos, que foi por Ele que DEUS fez os mundos. Todas as coisas, em
última instância, procedem do PAI, mas tem agradado ao PAI que Nele habite toda a
plenitude, e que deva ser o Agente direto, imediato em todo ato da Criação. Nosso
objetivo nesta investigação é estabelecer a legítima posição de CRISTO de igualdade
com o PAI, a fim de que o Seu poder para redimir possa ser melhor apreciado.
"E o Verbo Se fez carne e habitou entre nós". João 1:14.
Nenhuma palavra poderia plenamente revelar que CRISTO foi tanto DEUS quanto
homem. Originalmente somente divino, Ele tomou sobre Si a natureza humana e viveu
entre os homens como um mortal comum, exceto naquelas ocasiões quando Sua
divindade transluzia, como no evento da purificação do Templo, ou quando Suas
palavras ardentes de verdade simples forçavam até os Seus inimigos a confessarem que
"nunca homem algum falou como esse homem".
A humilhação que CRISTO voluntariamente assumiu sobre Si é melhor expressa
por Paulo aos filipenses: "Tende em vós o mesmo sentimento que houve também em
CRISTO JESUS, pois Ele, subsistindo em forma de DEUS, não julgou como usurpação
o ser igual a DEUS; antes, a Si mesmo Se esvaziou, assumindo a forma de servo,
tornando-Se em semelhança de homens; e, reconhecido em figura humana, a Si mesmo
Se humilhou, tornando-Se obediente até à morte, e morte de cruz". Filip. 2:5-8.
A versão acima torna este texto muito claro de que, conquanto CRISTO fosse em
forma de DEUS, sendo "o resplendor da glória e a expressão exata do Seu Ser" (Heb.
1:3), tendo todos os atributos de DEUS, sendo o Governante do universo, e Aquele a
quem todo o Céu se deleitava em honrar, não julgou que qualquer dessas coisas devesse
ser desejada enquanto os homens estivessem perdidos e impotentes. Ele não podia
desfrutar Sua glória enquanto o homem fosse um pária, sem esperança. Assim,
esvaziou-Se, despojou-Se de todas as Suas riquezas e glória, e assumiu sobre Si a
natureza do homem, a fim de que pudesse redimi-lo. Desse modo podemos conciliar a
unidade de CRISTO com o PAI pela declaração: "Meu PAI é maior do que Eu".
É impossível para nós entender como CRISTO podia, como DEUS, humilhar-Se à
morte de cruz, e é simplesmente inútil especularmos a respeito disso.
Outros textos que citaremos trazem-nos ainda mais perto o fato da humanidade de
CRISTO e o que ela significa para nós. Já temos lido que "o Verbo Se fez carne", e
agora leremos o que Paulo diz com respeito à natureza dessa carne: "Porquanto o que
fora impossível à lei, no que estava enferma pela carne, isso fez DEUS enviando o Seu
próprio Filho em semelhança de carne pecaminosa e no tocante ao pecado; e, com
efeito, condenou DEUS, na carne, o pecado. A fim de que o preceito da lei se cumprisse
em nós que não andamos segundo a carne, mas segundo o Espírito". Rom. 8:3,4.
Um pequeno pensamento será suficiente para revelar a qualquer um que, se
CRISTO assumiu sobre Si a semelhança do homem a fim de que pudesse redimir o
homem, deve ter sido ao homem pecador que Ele Se assemelhou, pois foi ao homem
pecador que Ele veio remir. A morte não poderia ter qualquer poder sobre um homem
sem pecado, como Adão foi no Éden, e não poderia ter tido qualquer poder sobre
CRISTO, se o SENHOR não tivesse disposto sobre Ele a iniquidade de nós todos.
Ademais, o fato de que CRISTO tomou sobre Si a carne, não de um ser inculpável, mas
de um homem pecador, isto é, que a carne que Ele assumiu tinha todas as fraquezas e
tendências pecaminosas a que a natureza humana caída está sujeita, é demonstrado pela
declaração de que "Ele foi feito da semente de Davi segundo a carne". Davi tinha todas
as paixões da natureza humana. Ele disse a seu próprio respeito: "Eu nasci na
iniqüidade, e em pecado me concebeu minha mãe". Sal. 51:5.
A declaração seguinte do livro de Hebreus é muito clara sobre este ponto: "Pois Ele,
evidentemente, não socorre a anjos, mas socorre a descendência de Abraão. Por isso
mesmo convinha que, em todas as coisas, Se tornasse semelhante aos irmãos, para ser
misericordioso e fiel sumo sacerdote nas coisas referentes a DEUS, e para fazer
propiciação pelos pecados do povo. Pois naquilo que Ele mesmo sofreu, tendo sido
tentado, é poderoso para socorrer os que são tentados". Heb. 2:16-18.
Se Ele tivesse sido em todas as coisas semelhante a Seus irmãos, então deve ter
sofrido todas as enfermidades e sido sujeito a todas as tentações deles. Dois textos mais
que deixam esta questão bem evidente serão evidência suficiente a respeito disso.
Primeiro citamos 2 Coríntios 5:21:
"Aquele que não conheceu pecado [DEUS], Ele O fez pecado por nós; para que
Nele fôssemos feitos justiça de DEUS".
Isto é mais vigoroso do que a declaração de que Ele foi feito em "semelhança da
carne pecaminosa". Ele foi tornado em pecado. Aqui se acha o mesmo mistério quanto
ao de que o Filho de DEUS devia morrer. O Cordeiro imaculado de DEUS, que não
conhecera qualquer pecado, foi feito pecado. Sem pecado, contudo, não somente
contado como um pecador, mas realmente tomando sobre Si mesmo a natureza
pecaminosa. Ele foi feito pecado a fim de que pudesse ser feito justiça. Assim, Paulo
declara aos gálatas que "DEUS enviou o Seu Filho, nascido de mulher, nascido sob a
lei, para resgatar os que estavam sob a lei, a fim de que recebêssemos a adoção de
filhos". Gál. 4:4,5.
Levando em consideração os argumentos apresentados, Cristo foi e ainda é o maior
representante de Deus na Terra, analisando toda a Bíblia é possível ver que em alguas
outras partes, homns receberam o nome de Deus, não por serem Deus, mas por
representarem Deus na Terra. Êxodo 7:1 ; Êxodo 4:16 ; Êxodo 22:28.
Levando em consideração Atos 23:4-5, os governantes são representantes de Deus
na Terra, por isso em Êxodo 22:18 os Juízes são chamados de Deus.

Conclusão Final

A Bíblia, em Apocalipse 5:13, nos mostra com clareza a quem devemos adorar:
“13 Então, ouvi que toda criatura que há no céu e sobre a terra, debaixo da terra e
sobre o mar, e tudo o que neles há, estava dizendo: Àquele que está sentado no trono e
ao Cordeiro, seja o louvor, e a honra, e a glória, e o domínio pelos séculos dos séculos.
14 E os quatro seres viventes respondiam: Amém! Também os anciãos prostraram-
se e adoraram.” Apocalipse 5:13-14
O texto menciona apenas o Pai (aquele que está assentado no trono) e o Filho
(Cordeiro) como sendo dignos de adoração. Assim, possuímos base bíblica sólida que
confirma a adoração a Deus Pai e ao Senhor Jesus Cristo. Procurei textos bíblicos que
nos recomendasse ou mesmo permitisse adorar algum outro ser além de Deus Pai e
Jesus Cristo e não encontramos. Mas em nenhuma passagem das Escrituras é sequer
cogitada a possibilidade de adorar a outros seres que não o Deus Pai e a Jesus Cristo.