Você está na página 1de 7

A doutrina da igreja (introdução)

Quando eu tinha cinco ou seis anos, se me perguntassem o que é


a igreja, eu diria que é ao lado da minha casa, um prédio azul,
com vários bancos de madeira, e uma grande placa na frente que
dizia “...Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará”. Para
mim se não fosse exatamente daquele geito, então não era
igreja. Existem muito conceitos de igreja, e esta palavra tem
vários significados, por isso é tão importante entender com
exatidão o que é isso.

Segundo o emprego humano, o termo igreja tem numerosos e


variados significados. É empregado para distinguir as pessoas
religiosas das não religiosas. É usado denominacionalmente, a
fim de discriminar entre grupos organizados, como: Igreja
Presbiteriana, Batista, Metodista, Católica Romana, etc... É usado
em relação a edifícios, designando um local de reunião em que os
cristãos se reúnem para adorar. Essa terminologia com todos
estes usos tende a obscurecer o entendimento correto da que é a
igreja.

No EUA existe uma montanha chamada Rushmore aonde a


cabeça de quadro presidentes foi esculpida na montanha,
formando uma bela vista da caricatura daqueles homens. Quem
já tentou fazer um castelo da areia na praia e formar qualquer
tipo de escultura pode imaginar a dificuldade daquela obra que
seria aprox. do tamanho de um prédio de cinco andares, cada
caricatura. Existe também outra obra monumental que foi a
canal construído debaixo da água que liga a Inglaterra com a
França. Cada país começou a construção do seu lado, cavando
até se encontrarem no meio do caminho. Imagina que
dificuldade em acertar exatamente o mesmo ponto de encontro,
debaixo da água, tendo começado independentemente do outro?
Muitas vezes conhecemos estes lugares e o consideramos como
algo banal. Assim também é com a igreja, e achamos que é algo
já construído sem saber da sua importância e da sua origem, e
como tudo começou!

A palavra portuguesa “igreja” é tradução do termo grego


“eclesia”, que significa “chamados para fora”. “Ek” significa
“para fora” e “Kaleo” significa “chamado”. A palavra igreja
aparece em 73 versículos diferentes do N.T., porém no V.T. ela
também aparece algumas vezes mas traduzida para o português
de outra forma, como por exemplo “assembléia”. No N.T. a
palavra Eklesia também aparece mas com outro sentido , por
exemplo em Atos capítulo 19 v. 40 lemos de uma assembléia que
se reuniu em Éfeso para julgar um motim devido a pregação de
Paulo na cidade, e no final lemos que a assembléia se dissolveu.
Era um grupo de pessoas reunidos para um motivo exclusivo;
foram “chamados para fora” para um determinado motivo. No
V.T. em Dt 4: 10 existe uma terminologia ali traduzida como
“reune este povo”. A Septuaginta traduz a palavra “reune” no
hebraico pelo termo grego ekklesiazo, que possui a mesma raíz
do vocábulo Ekklesia. O termo congregação muito usado no V.T.
muitas vezes tem o mesmo sentido, mas será que todo povo que
se reúne para um determinado motivo é uma igreja? Todo
ajuntamento de pessoas? O senado, por exemplo, seria uma
espécie de igreja, pois foram chamados para um propósito
específico. A igreja tem um contexto específico, um propósito
determinado, e uma característica peculiar a ela que a distingue
de todo outro tipo de ajuntamento.

Qual é a sua definição de igreja? Divisão das duas classes em


dois grupos.

Resultado dos dois grupos:

Definição do 1°grupo: a igreja é uma reunião de pessoas que não


se limita a regiões geográficas onde se tem como objetivo o
louvor, a adoração e a aprendizagem da Palavra de Deus e onde
Cristo é a razão principal da sua existência.

Definição do 2°grupo: a igreja é composta por pedras vivas


(pessoas) que crêem em Cristo, e que se reúnem em um lugar
para glorificar e adorar a Deus, aprender da sua palavra, e ter
comunhão uns com os outros a fim de sermos edificados.

Ambos os grupos chegaram em definições bem semelhantes,


citando por exemplo conceitos pertinentes a igreja:
 pessoas
 local determinado
 propósito (louvor, adoração, estudo, comunhão, etc...)
 Cristo

Porém os crentes do Velho Testamento também faziam isto, se


reunindo para adoração, comunhão e aprendizado das Sagradas
Escrituras, crendo no Messias vindouro. Será que com esta
definição, podemos dizer que eles também eram IGREJA?
Veremos que não, pois a igreja tem um contexto específico e
uma característica peculiar que a distingue de todo outro tipo de
ajuntamento.

O significado deste termo, segundo empregado no NT, tem um


significado duplo:

1) refere-se aqueles que são chamados para fora, separados,


santificados, dentre as nações, ao nome de Cristo, para
constituírem a Igreja, o Corpo de Cristo. Neste sentido a Igreja é
um organismo, também conhecida como a igreja Universal.
São todos aqueles que confessam a Jesus Cristo como o seu
Senhor e portanto estão “em Cristo”, independente da localidade
aonde vivem, da cor da pele, ou do status social. São todos
aqueles que tem algo em comum, que é a fé em Cristo Jesus.

1 Corinthians 12:12-13 Porque, assim como o corpo é um e tem muitos membros, e


todos os membros, sendo muitos, constituem um só corpo, assim também com respeito a
Cristo. 13 Pois, em um só Espírito, todos nós fomos batizados em um corpo, quer judeus,
quer gregos, quer escravos, quer livres. E a todos nós foi dado beber de um só Espírito.

2) refere-se ainda aos que são chamados dentre uma


determinada comunidade, a fim de obedecer aos propósitos e
preceitos de Cristo encontrados na sua Palavra, na qualidade de
grupo de Cristãos. Neste sentido, a igreja é uma organização.
Neste sentido a igreja é também dita como igreja local.

Não podemos confundir a igreja local como sendo o prédio local,


pois a igreja local do Jd. Santana, por exemplo, pode
perfeitamente estar reunida se decidirem se juntar na Lagoa
Taquaral. Devemos lembrar que a igreja são as pessoas, e não o
prédio. O prédio também pode ser chamado de igreja, mas o
conceito de igreja não se resume a isso. É como dizer que duas
pessoas que se relacionaram sexualmente estão agora “casadas”
perante os olhos de Deus?! Não, isto não é verdade e é um
conceito muito restrito de casamento. Casamento não é o
sinônimo de sexo. O casamento é muito mais do que isso. Deve
haver um comprometimento entre o casal, deixar pai e mãe, ser
independente, e unir-se. O sexo antes do casamento é
simplesmente pecado, não é casamento, é fornicação. Da
mesma forma a igreja é muito mais do que o prédio. São todas
as pessoas que estão em Cristo Jesus, aos que podem congregar
juntos, são os locais, ou a organização. E aos que não podem,
mas são iguais, é a igreja universal, ou o organismo.

Uma pessoa que entrar no prédio de uma igreja não o faz parte
integrante da igreja. O simples fato dele estar alí não faz
diferença nenhuma se ele não for de coração realmente
convertido ao Senhor e batizado pelo Espírito Santo. Podemos
entender claramente isso quando Paulo fala isso sobre os judeus,
em Rom 2: 28 e 29:

Romans 2:28-29 Porque não é judeu quem o é apenas exteriormente, nem é circuncisão
a que é somente na carne. 29 Porém judeu é aquele que o é interiormente, e circuncisão, a
que é do coração, no espírito, não segundo a letra, e cujo louvor não procede dos homens,
mas de Deus.

A igreja local está contida na igreja universal, mas o inverso não


é verdade. A igreja local é uma pequena fração da igreja
universal, sendo ela um representante da igreja universal. As
igrejas locais existem apenas porque é impossível de todos os
Cristãos se reunirem em um único lugar, e também porque
existem algumas diferenças de pensamento. Os que pensam
igual sobre o uso do véu, ou a periodicidade da ceia do Senhor,
vão se juntar para a adoração enquanto outro grupo vai se juntar
de uma forma um pouco diferente, porém com o mesmo
objetivo.

Surgem então as denominações, e as igrejas verdadeiras e as


igrejas falsas. Por exemplo, a igreja de Jesus Cristo dos Santos
dos Últimos Dias (a igreja mormom) não sustenta nenhuma das
principais doutrinas cristãs relativas à salvação, ou a pessoa de
Deus, ou à obra de Cristo. É portanto uma igreja falsa. Os
testemunhas de jeová ensinam salvação por obras e não
somente pela fé em Jesus Cristo. Esse é um desvio doutrinário
fundamental, e portanto também uma falsa igreja. Precisamos
conhecer suficientemente as doutrinas da palavra de Deus para
saber distinguir esta falsidade, podendo defender e combater as
heresias possivelmente dissiminadas na verdadeira igreja. Em I
Pedro temos uma exortação muito importante:

1 Peter 3:15-16 Antes, santificai a Cristo, como Senhor, em vosso coração, estando
sempre preparados para responder a todo aquele que vos pedir razão da esperança que há
em vós, 16 fazendo-o, todavia, com mansidão e temor, com boa consciência, de modo
que, naquilo em que falam contra vós outros, fiquem

Devemos combater as heresias pois elas afastam as pessoas de


Deus, e a falsa religiosidade é uma arma de Satanás para fazer
as pessoas acharem que são santas, que estão agradando a
Deus, merecedoras da vida eterna e da salvação, quando na
verdade estão enganadas pelo Diabo e no caminho para a
perdição. A função da verdadeira igreja é revelar esta verdade e
ser “luz para o mundo” e “sal da terra” preservando aquilo que é
correto e verdadeiro. Devemos lutar veementemente contra
aquilo que não faz parte da verdadeira igreja, porém no versículo
seguinte lemos que devemos fazer isso com respeito, mansidão e
temor. Precisamos zelar pelo que cremos, pela nossa
denominação, pelas sã doutrinas, porém respeitando aqueles que
pensam um pouco diferente, e lutando contra aqueles que
pensam contrário. É triste ver igrejas Cristãs, verdadeiras,
porém que não se respeitam simplesmente porque pensam
diferente sobre alguma doutrina periférica da palavra de Deus.
Existe divisão, contenda, briga, inimizade muitas vezes entre o
meio Cristão e esta falta de união é apenas prejudicial para o
igreja de Cristo. Naquilo que é fundamental, como por exemplo,
a salvação por meio da fé, e não pelas obras, devemos preservar
e apreciar os irmãos que pensam igual (aquilo que está no meio
do alvo). Mas existem assuntos (aquilo que está mais distante
do alvo) periféricos que por falta de iluminação, ou de estudo e
aplicação, causam idéias diferentes; mas devemos conviver e
aceitar o outro irmão contanto que nas coisas centrais, o
pensamento seja igual. Ao contrário do ecumenismo, que aceita
a comunhão de todos, mesmo que divergentes em pontos
centrais, devemos aceitar o próximo e viver em harmonia
buscando a Palavra de Deus e sua correta interpretação SEMPRE!
Quanto a doutrina da eleição, por exemplo, quantos teólogos já
não estudaram e debateram sobre este assunto?! Quanto ao
batismo por asperção ou imerção, isto é motivo de não ter
comunhão com aqueles que pensam diferente? O dom de
linguas ainda é para os dias de hoje? O que vemos um muitas
igrejas em termos de cura e linguas é correto? Certamente que
alguém está mais próximo da verdade, e devemos buscar
SEMPRE se aproximar cada vez mais desta verdade.

1 Peter 2:2 desejai ardentemente, como crianças recém-nascidas, o genuíno leite


espiritual, para que, por ele, vos seja dado crescimento para salvação,

Perto da Palavra de Deus seremos sempre como crianças recem-


nascidas. Existem muitos Cristãos soberbos e que pelo profundo
conhecimento da Palavra de Deus, pensam demais de sí
mesmas. Podemos e devemos ser conhecedores da Palavra de
Deus, mas nunca soberbos. Não devemos nos comparar aos
homens, pois isto é muito fácil! Devemos nos comparar a Deus
sendo Ele o nosso alvo e à semelhança dEle que devemos nos
aproximar. Quando lembramos disso percebemos quão
pequenos somos diante de Deus e de sua Palavra que é infinita.

A Bíblia é única e verdadeira, existindo apenas uma interpretação


correta. Porém nós somos pecadores, limitados e finitos para
entender uma revelação que infinita e grandiosa, por isso nunca
podemos nos achar donos da verdade. Para muitos irmãos é
preciso mais humildade, reconhecendo que mesmo aquele que é
estudioso, ele nunca poderá alcançar por completo o
conhecimento da Palavra de Deus. Quanto mais estudamos,
mais percebemos o quanto não sabemos e o quanto mais ainda
temos para aprender.
2 Peter 3:18 antes, crescei na graça e no conhecimento de nosso Senhor e Salvador Jesus
Cristo. A ele seja a glória, tanto agora como no dia eterno.