Você está na página 1de 55

Eletroterapia

Greyson Vitor Zanatta Esper, MV,


MSc.
Doutorando FMVZ-USP
Introdução
• Eletroestimulação – TENS
• Eletroacupuntura – 1930 – China
• 1970 – procedimentos cirúrgicos
• Analgesia, resposta imunológica, alterações
hematológicas
• Corrente – fluxo de elétrons em um condutor
– Coulombs/s = amperes
– 1 miliampere = 10-3 ampere
– 1 microampere = 10-6 ampere
Conceitos fundamentais de
eletricidade
• Corrente Elétrica: O movimento de partículas
carregadas através de um condutor em resposta
a um campo elétrico aplicado.
• Produzir corrente elétrica requer: partículas
carregadas livremente móveis em alguma
substância e a aplicação de uma força motriz.
Circuitos metálicos  elétrons, nos sistemas
biológicos os íons em soluções eletrolíticas são
os meios condutores.
Voltagem
• Pressão elétrica exercida para causar o
fluxo de elétrons.
• Mudança na energia potencial elétrica
entre dois pontos em um campo elétrico
por unidade de carga e é sinônimo do
termo diferença de potencial elétrico.
• Unidade de medida - volt
Conceitos fundamentais de eletricidade

• Condutores e Isolantes: Aquelas substâncias


nas quais as partículas carregadas se movem
facilmente quando colocadas em um campo
elétrico são chamadas de condutores. Os
tecidos biológicos contêm partículas
carregadas em solução, na forma de íons como
sódio (Na+), potássio (K+) ou cloreto (Cl-).
Músculos e nervos bons condutores, enquanto a
pele e a gordura são condutores fracos. A
borracha e muitos plásticos são bons isolantes.
• A corrente é estritamente definida como a
quantidade de carga (q) movendo-se próximo
de um plano no condutor por unidade de tempo
(t), ou I = Δq/Δt.
• Ampère (A), que é igual ao movimento de 1C de
carga passado um ponto em um segundo.
Aplicações eletroterapêuticas  miliampères
(mA, 10-3 ampères, milésimos de um ampère)
ou em microampères (µA, 10-6 ampères,
milionésimos de um ampère).
Conceitos fundamentais de
eletricidade
• Resistência(R): Oposição relativa ao
movimento de partículas carregadas em um
condutor. Condutância(G) descreve a facilidade
relativa com a qual as partículas carregadas se
movem em um meio.
• Unidade é o ohm.
Conceitos fundamentais de
eletricidade
• Lei de Ohm: estabelece que a corrente induzida
em um condutor aumenta à medida que a força
motriz aplicada (V) é aumentada ou à medida
que a oposição para o movimento de carga (R)
é diminuída. Corrente (I)= Voltagem
(V)/Resistência (R)
Conceitos fundamentais de
eletricidade
• Capacitância: é a propriedade de um sistema
de condutores e isolantes que permite que o
sistema armazene carga. Expressa em farads
(F)
Conceitos fundamentais de
eletricidade
• Impedância(Z): descreve a oposição às
correntes alternadas assim como o termo
resistência descreve a oposição às
correntes contínuas. Sua magnitude
depende da freqüência da estimulação
aplicada.
Classificação das correntes
eletroterapêuticas
• Corrente contínua: fluxo unidirecional contínuo
ou ininterrupto de partículas carregadas (CC).
Em um circuito eletrônico simples é produzida
por uma voltagem de magnitude fixa aplicada a
um condutor com uma resistência fixa.
CC ou Corrente direta
• Medição de limiar da dor e mensurar
condutividade
• Onda linear constante ou intermitente
• Polarização da pele = + atrai –
• Anodo = acidificar
• Cátodo = alcalinizar
• Queimadura eletrolítica
• + Terapêutica
• Eletroforese
Classificação das correntes
eletroterapêuticas
• Corrente alternada (CA): fluxo bidirecional contínuo ou
ininterrupto de partículas carregadas. A voltagem
aplicada através de um circuito simples oscila em
magnitude e a polaridade da voltagem aplicada é
periodicamente revertida. Caracterizadas pela
frequência (f) de oscilações e a amplitude do movimento
do elétron. Expressa em hertz (Hz) ou ciclos por
segundo (cps). Período.
CA ou Bifásica
• Reveza entre uma polaridade + e outra –
• Usada no controle da dor
• Penetra no tecido
• Pouca ou nenhuma ionização
Classificação das correntes
eletroterapêuticas
• Corrente pulsada: fluxo uni ou bidirecional de
partículas carregadas que periodicamente
param por um período de tempo finito. Pulso é
um evento elétrico isolado separado por um
tempo finito do próximo evento.
Características descritivas das formas de
onda da corrente pulsada ou alternada
Característica Designações comuns

Número de fases Monofásica, bifásica, trifásica e


polifásica
Simetria de fases Simétrica e assimétrica

Equilíbrio da carga de fase Equilibrada e desequilibrada

Forma de onda ou forma da fase Retangular, quadrada, triangular,


dente-de-serra,sinusoidal e
exponencial
Características descritivas das formas de
onda da corrente pulsada ou alternada
• Número de fases em uma forma de onda: o
termo fase refere-se ao fluxo de corrente
unidirecional em um diagrama corrente/tempo.
Monofásico: voltagem constante a um condutor;
Bifásico: voltagem alternada a um circuito
elétrico. Trifásico e polifásico.
Características descritivas das formas de
onda da corrente pulsada ou alternada
• Simetria nas formas de onda bifásicas:
simétrica a primeira fase é a imagem de espelho
da segunda fase de um pulso bifásico ou ciclo
de CA; assimétrica.
Características descritivas das formas de
onda da corrente pulsada ou alternada
• Equilíbrio de carga em formas de onda
bifásicas: se para uma forma de onda bifásica
assimétrica o tempo integral para a corrente na
primeira fase não for igual em magnitude ao
tempo integral na segunda fase 
desequilibrada; equilibrada.
Características descritivas das formas de
onda da corrente pulsada ou alternada
• Formas de onda:
Combinando termos qualitativos para descrever
correntes pulsadas ou alternadas
Características quantitativas de
correntes pulsadas e alternadas
• Características de pulsos únicos: amplitude é
uma medida da magnitude de corrente com
referência à linha base de corrente zero em
qualquer momento no tempo em um gráfico de
corrente versus tempo. As propriedades
dependentes de amplitude dos pulsos de
corrente (voltagem) podem ser caracterizadas
pela seguinte medida:
Características quantitativas de
correntes pulsadas e alternadas
• Amplitude máxima: a corrente (voltagem) máxima
alcançada em um pulso monofásico ou p/ cada fase de
um pulso bifásico. 10-6 s ou 10-3 s
• Amplitude entre picos: a corrente (voltagem) máxima
medida do pico da primeira fase até o pico da segunda
fase de um pulso bifásico.
Características quantitativas de
correntes pulsadas e alternadas
• Características de uma série de pulsos:
intervalo interpulso; freqüência: nº pulsos por
unidade de tempo p/ corrente pulsada (pps); nº
ciclos de CA por segundo (cps) ou hertz (Hz).
• Modulações da corrente:
Modulações de Amplitude e de Duração: variações na
amplitude máxima de uma série de pulsos  modulações de
amplitude; mudanças no tempo sobre o qual cada pulso em
uma série age  modulações de duração do pulso ou da
fase; variações cíclicas no nº de pulsos aplicados p/ unidade
de tempo  modulações de freqüência. Modulação de
rampa.
Modulação
• Ativar ou desativar os pulsos
• Reduzir a acomodação ou fadiga muscular e
tetania
Características quantitativas de
correntes pulsadas e alternadas
Dente de
Serra

Denso ou
disperso
Modos de Eletroacupuntura
• Tipo de pulsação e a forma da onda
• Continua
– Modo ajustável ou variável– freqüência entre 1 a
500Hz
– Modo denso – alta frequência 50-60Hz
– Modo disperso – baixa frequência e ampla
distribuição dos pulsos 1-3Hz
– Modo denso-disperso – <15 e > 15Hz – menor
tolerância
Modos de Eletroacupuntura
• Descontínuo ou intermitente
– Evita a tolerância
– Mesma intensidade e amplitude
• Modo em dente de serra
– vantagens?
– Amplitude aumenta e em seguida diminui
• Modo em ondulação ou Rampa
– Vantagens ?
– Amplitude aumenta e em seguida cai a zero
Características quantitativas de
correntes pulsadas e alternadas
Características quantitativas de
correntes pulsadas e alternadas
Dente de
Serra

Denso ou
disperso
Alterações fisiológicas
Vasodilatação

Inativação Potencial
da reação nociceptivel

Reparação Quimiotaxia
tecidual

Solubilidade
Alterações fisiológicas
• Eletrotônus - Aumento da condutividade
elétrica e excitabilidade do nervo – efeito
colateral

• Aneletrotônus – diminuição da irritabilidade e


excitabilidade do nervo
– Anodo coloca-se no ponto gatilho
Indicação Geral
• Indicação da eletroacupuntura?
• Levar em conta o estado psíquico do paciente.
• Pacientes mórbidos – evitar uso
• Quadros crônicos o tratamento é mais demorado.
Regras para emprego do
eletrodo
• Verificar o pólo do jacaré ou garra que irá acoplar na
agulha, o cátodo é o pólo negativo (-) (de cor preta
(normalmente), o positivo (+) é o anodo de cor vermelha
(normalmente).
• Se é de regulação geral o melhor é o aparelho bipolar e
não o monopolar (que segura a haste para fechar o
circuito).
• Cada saída permite estimular 2 agulhas de pólo
diferente e pode ter de 2-10 saídas.
Regras para as Polaridades
• Catodo precede o anodo respeitando o fluxo energético
do meridiano – ex: catodo no IG5 e anodo no IG11.
• Dar preferência ao mesmo canal energético (meridiano).
• Respeitar o fluxo energético dos canais – ex: catodo no
TA5 e anodo no IG10.
• Se os pontos forem na mesma altura e mesma
característica eleger o mais sensível á palpação e
coloca-se o catodo.
• Empregar no máximo 12 estímulos por sessão.
Regras para as Polaridades
• Catodo em ponto de tonificação
• Anodo em ponto de sedação
• Ponto fonte catodo ou ânodo
• Ponto de alarme anodo
• Ponto de assentimento catodo
• Ponto álgico catodo
• Em pontos de assentimento obedecer o fluxo – ex: B13
catodo e B15 anodo
• Nos VC catodo no inferior VC3 e anodo no superior VC7
• Entre VC e VG: catodo no VG e anodo no VC
Regras para as Polaridades
• Catodo em pontos Yang e anodo em pontos Yin.
• Membro torácico cátodo e membro inferior anodo.
• Ponto extra ou fora de meridiano anodo.

• Tonificação - < 15 Hz – (2 a 3Hz) intensidade baixa (V)


• Sedação - > 15Hz – (25-150Hz) intensidade alta (V)
Tempo de aplicação
• Para se tonificar pouco tempo e baixa freqüência –
até 15 min e até 20Hz.
• Para sedar maior tempo e maior freqüência – tempo
acima de 20 min e freqüência acima de 50Hz.
• Boa resposta – tempo até 15 min.
• Média resposta - tempo de 15-30min.
• Baixa resposta – de 30–50min.= idosos,
hiposensíveis, dependência de medicamentos uso
de corticóides, resistentes a acupuntura.
Contra indicação e Cuidados
• Evitar aparelhos de corrente contínua.
• Evitar em áreas com peças metálicas (placas,
próteses, marcapasso).
• Evitar abdome em gestantes.
• Afecções viscerais agudas não diagnosticadas para
não mascarar.
• Evitar Cruzar eletrodos na linha média do corpo na
parte superior e média, para não cruzar o eixo
cardíaco, pois pode provocar arritmia ou fibrilação.
• Evitar Eletrodos na área precordial
• O aumento da intensidade deve ser gradual e
progressivo de acordo com a sensibilidade do
paciente.
Eletroacupuntura loco regional
• As regras diferem na escolha dos pontos e território a
ser atingido.
• Regiões circunscritas e não bem identificadas.
• Em dor aguda:
Identificar os pontos mais sensíveis e mapear a área.
Identificar o centro da dor ou o mais dolorido. Pontos na
região mapeada. Pontos fora e distais para analgesia.
No interior colocar os pólos catodo (-) e fora anodo (+).
Pode chegar até 45 min com até 50 Hz.
Eletroacupuntura loco regional
• Em dor crônica:
Identificar os pontos mais sensíveis a palpação, fazer o
mapeamento da área. Pontos dentro e pontos fora da
área demarcada.
Catodo (-) fora e anodo (+) dentro.
O tempo não deve ultrapassar a 20 min e até 10 Hz. Não
pode ocorrer contração.
Pontos indicados para dor
• Dores como espasmos musculares: VB34, F2, F3.
• Dores que aparecem e agravam com mudança
climática: TA15.
• Dores na boca, gengiva ou dentária: IG1, IG2.
• Dores de origem reumática: IG4, TA5, B23.
• Dores nos MTs: IG4, IG10, IG11, IG15, TA5. Dores
metacarpo e dígitos: ID5, ID7, P11.
Pontos indicados para dor
• Dores no ombro: IG4, IG11, IG15, IG16, TA15 e extras.
• Dores nos MPs: B60, VB34, E36, B31.
• Na articulação coxofemural: B31 (1 forame), B34, B50,
ponto extra.
• Dores musculares de MPs: VB34, VB30, VB37, B58,
E36, BP6, B60, F3, R7.
Processo inflamatório
• Inflamação trauma inserir as agulhas no centro
demarcado - catodo (menos pontos), na linha
demarcatória anodo.
• É PROIBIDO INSERIR AGULHA COM LESÃO DE PELE
E LÍQUIDO SEROSO = INFECÇÃO.
Processo inflamatório
• Inflamação crônica:
• Por exemplo artrite reumatóide.demarcar a área catodo
na linha demarcatória e anodo interior.
• Não deve ultrapassar a 30 min e de 1-10 Hz.
eletroacupuntura Acupuntura

Menor número de agulhas Maior número de agulhas

Limite no número de pontos pode-se utilizar +- 50 agulhas


estimulados +- 12 por sessão
Pontos sintomáticos e Pontos de comando, tonificação,
homeostáticos sedação, fonte, etc..
Pontos de assentimento e alarme Menos uso de assentimento e
alarme
Pontos locais e regionais Pontos distais mais frequentes

Localização precisa dos pontos Precisão na localização e área


mas sua área é maior menor de atuação.
Maior raio de ação na área Menor raio de ação cutânea
cutânea
Agulhas mais longas e grossas Agulhas mais curtas e finas

Agulhas de aço Agulhas de ouro, prata, aço, etc


Eletroacupuntura acupuntura

Causa pouca dor A estimulação mecânica é mais


dolorosa
Efeito analgésico muito potente Efeito analgésico menos potente

A reação analgésica é mais rápida (3-10min) Reação analgésica mais demorada


(20-40min)
Limiar de dor reduz rapidamente, após cessar O limiar de dor reduz mais
a estimulação lentamente
Podem ocorrer pequenos clônus Paciente imóvel com musculatura
estável
Se ocorrer clonus e tetania pode causar Não tem cansaço pode ter
cansaço muscular sensação de choque leve
Controle de tensão elétrica e sensibilidade do É necessário manipulação e
paciente controle da profundidade da agulha
Ação ansiolítica e mio-relaxante mais potente Ação ansiolítica e mio-relaxante
e rápida menos potente e mais lenta
Reduz o período de tratamento, Maior número de aplicações
principalmente no sintomático
Atua nos sintomas e regulação energética Visa a regulação do organismo,
secundariamente regulação setorial
e controle sintomático
Variações na Eletroacupuntura
• Eletroacupuntura conforme Voll
– 1953 Reinhold Voll
– Dermatron
– Aferição dos acupontos relacionando com órgãos
– Medidor sensível de ohm
• Teste de Akabane
– Medição da resistência elétrica
– Pontos Ting
• Sistema Ryodoraku
– Acupontos específicos
Conclusões