Você está na página 1de 5

1.

Trabalho com Encarregados de Educação – primeiras reuniões/questões


pertinentes

1.1-Quais as mudanças mais significativas em relação a anteriores diplomas?

O Decreto-Lei n.º 54/2018, de 6 de julho, aplica-se apenas aos alunos que estavam
abrangidos pelo Decreto-Lei n.º 3/2008, de 7 de janeiro? Não.

O Decreto-Lei n.º 54/2018, de 6 de julho, “estabelece os princípios e as normas que garantem


a inclusão, enquanto processo que visa responder à diversidade das necessidades e
potencialidades de todos e de cada um dos alunos, através do aumento da participação nos
processos de aprendizagem e na vida da comunidade educativa” (n.º 1 do Art.º 1.º).

Assumindo uma perspetiva claramente inclusiva, este decreto-lei, assim como os normativos
relativos ao currículo do ensino básico e secundário e o Perfil dos alunos à saída da
escolaridade obrigatória, constitui-se, simultaneamente, como impulsionador e como suporte
à implementação de mudanças a nível organizacional, bem como do próprio processo
educativo.

O DL 54/2018:

- Abandona os sistemas de categorização de alunos, incluindo a “categoria” necessidades educativas


especiais;
-Abandona o modelo de legislação especial para alunos especiais;
-Estabelece um continuum de respostas para todos os alunos;
-Coloca enfoque nas respostas educativas e não em categorias de alunos;
-Perspetiva a mobilização, de forma complementar, sempre que necessário e adequado, de recursos
de saúde, do emprego, da formação profissional e da segurança social;

1.2- O que diz a legislação (artigo 4.º): Pais ou Encarregados de Educação

Os pais ou encarregados de educação têm o direito e o dever de participar e cooperar


ativamente em tudo o que se relacione com a educação do seu filho ou educando bem como
aceder a toda a informação constante no processo individual do aluno, designadamente no
que diz respeito às medidas de suporte à aprendizagem e à inclusão.
1.3 O Processo

ou
Os pais/encarregados de educação participam na elaboração do Relatório Técnico-Pedagógico? Sim.

Os pais ou encarregados de educação têm o direito e o dever de participar e cooperar


ativamente em tudo o que se relacione com a educação do seu filho ou educando bem como
aceder a toda a informação constante no processo individual do aluno, designadamente no
que diz respeito às medidas de suporte à aprendizagem e à inclusão (Art.º 4.º do DL 54/2018).

Além da participação na elaboração do Relatório Técnico-Pedagógico, os pais/encarregados de


educação têm o direito de:

(i) participar nas reuniões da equipa multidisciplinar;


(ii) participar e acompanhar a definição e implementação das medidas a aplicar;
(iii) participar na elaboração e avaliação do Programa Educativo Individual
(iv) receber uma cópia do Relatório Técnico-Pedagógico e, se aplicável, do Programa
Educativo Individual e do Plano Individual de Transição;
(v) solicitar a revisão do Pograma educativo Individual;
(vi) consultar o processo individual do seu filho ou educando;
(vii) ter acesso a informação compreensível relativa à educação do seu filho ou educando.

 Se os pais não concordarem com RTP ou eventual PEI, fundamentam em anexo ao


relatório.

Sempre que possível, o aluno também se compromete com o RTP.


1.4 Notas de apoio ao trabalho -SPO

Maior probabilidade de conseguir êxito escolar e participação das famílias

-Membros da comunidade participam nos processos de tomada de decisão.


-Famílias e membros da comunidade monitorizam a prestação de contas da escola em relação aos
resultados educativos.
-Famílias e membros da comunidade participam nos processos de aprendizagem dos alunos.
-Famílias e membros da comunidade participam na avaliação dos programas e currículo.
A Escola e os pais -Famílias e membros da comunidade participam nas atividades de aprendizagem dos alunos.
(artigo 4º) -Famílias e membros da comunidade participam nos programas educativos.

Os pais devem procurar

- Ouvir os filhos quando regressam da escola; ajudá-los nas tarefas escolares; estar atento e
acompanhar as aprendizagens que os filhos vão realizando e contactar a escola com regularidade.
-Informar-se sobre os progressos escolares e encontrar formas de acompanhar o que ocorre na
escola.
-Participar nos encontros com os professores e colaborar na resposta a eventuais dificuldades. Ser,
de facto um parceiro da escola.
-Participar em atividades, tais como a celebração de datas comemorativas, feiras, atribuiçãode
prémios, atividades de voluntariado, entre outras.
-Colaborar na definição do projeto educativo da escola.
-Envolver-se nas atividades da biblioteca, nas atividades desportivas e culturais e em projetos de
cidadania, entre outras.

Documento de apoio:
http://www.fcpq.qc.ca/sites/24577/English/La%20participation%20des%20parents%20a%20lecole
%20EN.pdf
1.5 Lista de verificação (sugerida no Manual de apoio , traduzida e adaptada de Booth e Ainscow,
2002)