Você está na página 1de 18

REGRAS PARA O TREINAM EN TO

DO LIBER MMM
1. A duração do treinamento é de 6 meses ininterruptos.
2. Diariamente o candidato deverá realizar um mínimo de dois banimentos e uma
das práticas contidas no Liber MMM, sendo a primeira delas a Imobilidade. O
banimento sugerido é o R.G.P.
Os exercícios deverão ser realizados na sequência:
banimento/prática/banimento.
3. Todas as práticas deverão ser anotadas e enviadas por e-mail de forma que
cada dia relatado esteja em um e-mail independente e o título do e-mail
contenha o nome completo do candidato e a data (pelo menos dia e mês)
daquele exercício. Em cada um desses e-mails individuais as práticas deverão
ser separadas, cada uma contendo as seguintes informações:
Nome do exercício
Hora de início
Hora de término
Estado físico no momento da prática (EF)
Estado emocional no momento da prática (EM)
Relato do que foi percebido durante a prática
4. A frequência das práticas deverá ser diária.

Obs.1: É tolerada uma interrupção de no máximo 72h (consecutivas ou não)


nas práticas durante o período de 6 meses. Interrupção maior de 72h
acarretará o desligamento do candidato.

Obs. 2: O envio de relatório não é necessariamente diário, mas deve ser


periódico num limite máximo de 7 dias. A falta de envio dos relatórios por mais
de 7 dias eliminará o candidato.

5. Ao longo do treinamento será realizada uma entrevista na qual o candidato


poderá ou não ser convidado para o ingresso na IOT/Seção Sulamericana.
LIBER MMM

Este curso é um exercício nas disciplinas de transe mágico, uma forma de


controle da mente semelhante ao yoga, metamorfose pessoal e técnicas básicas
de magia. O sucesso com estas técnicas é pré-requisito básico para qualquer
progresso real como iniciado do terceiro Syllabus. Um diário mágico é o mais
essencial e poderoso instrumento do mago. Devendo ser amplo o suficiente para
reservar uma página para cada dia. Os estudantes devem registrar o tempo, a
duração e o grau de sucesso de cada prática levada a cabo. Eles deverão tomar
nota dos fatores ambientais conducentes (ou de outra forma) do trabalho.
Aqueles que desejarem notificar a Ordem da sua intenção de começar o
trabalho, estão convidados a fazê-lo via IOT Seção Sulamericana.

Controle Mental

Para um trabalho mágico efetivo, a habilidade para se concentrar e a atenção


devem se fortalecer até que a mente possa entrar em estado de transe. Isto é
realizado nos seguintes estágios: absoluta imobilidade do corpo, regulação da
respiração, cessação do pensamento, concentração no som, concentração nos
objetos e concentração nas imagens mentais.

Imobilidade

Posicione o corpo de maneira confortável e tente permanecer nesta posição por


tanto tempo quanto possível. Tente não piscar ou mover a língua, dedos ou
qualquer outra parte do corpo em absoluto. Não deixe a mente embarcar nos
vagões dos pensamentos, mas ao contrário, observe-se passivamente. O que
parecia ser uma posição confortável passará a ser agonizante com o tempo, mas
persista. Coloque de lado algum tempo todos os dias para esta prática e tire
vantagem de qualquer oportunidade de inatividade que possa ocorrer. Registre
os resultados em seu diário mágico. Não se deve ficar satisfeito com menos de
cinco minutos. Quando tiver sido atingido o patamar de 15 minutos, proceda
então a regularização da respiração.

Respiração

Fique tão imóvel quanto possível e comece deliberadamente a fazer a respiração


mais lenta e mais profunda. O objetivo é utilizar a total capacidade dos pulmões,
mas sem qualquer esforço muscular excessivo ou tensão. Os pulmões devem
ser mantidos vazios/cheios, entre a inspiração/expiração, para aumentar a
duração do ciclo. O importante é que a mente esteja totalmente direcionada para
o ciclo da respiração. Quando isso puder ser feito com sucesso, por um período
de 30 minutos, proceda ao não-pensamento.

Não-Pensamento

Os exercícios de imobilidade e respiração podem melhorar a saúde, mas eles


não têm outro valor intrínseco, apenas servem como preparação para o não-
pensamento, que é o princípio e a condição do transe para a magia.

Enquanto imóvel e respirando profundamente, comece a retirar da mente


quaisquer pensamentos que possam ocorrer. A própria tentativa de fazer isso,
inevitavelmente, revela ser a mente um furor tempestuoso de atividade. Só
mesmo a maior determinação pode vencer até mesmo uns poucos segundos de
silêncio mental, mas mesmo isso já é um enorme triunfo. Mire na completa
atenção a pensamentos emergentes e tente prolongar os períodos de total
tranqüilidade. Assim como a imobilidade física, esta imobilidade mental deve ser
praticada a horas determinadas e também sempre que um período de inatividade
acontecer (por exemplo, num ônibus ou numa fila). Os resultados devem ser
registrados no seu diário.

Os Transes Mágicos

Magia é a ciência e arte de provocar mudança de ocorrência em conformidade


com a vontade. A vontade só pode se tornar magicamente efetiva quando a
mente é forçada a não interferir com a vontade. A mente deve estar disciplinada
a focar sua atenção em algum fenômeno insignificante. Se alguma tentativa é
levada a cabo para se focar em alguma forma de desejo, ocorre um curto-circuito
causado pelo interesse de um resultado investido de luxúria e cobiça.
Identificação egoísta, ou receio de fracasso e o desejo recíproco de não ter
desejo emergentes da nossa natureza dual, destroem o resultado. Portanto,
quando selecionar tópicos para a concentração, escolha assuntos que não
possuam significado espiritual, egóico ou de qualquer ordem utilitária, escolha
assuntos de pouca significância.

Objeto de Concentração

A lenda do olho-grande deriva da capacidade dos feiticeiros e dos magos de


darem uma olhada fixa mortal. Esta habilidade pode ser praticada em relação a
qualquer objeto, uma marca na parede, alguma coisa ao longe, uma estrela no
céu, qualquer coisa. Manter um objeto em mente com absoluta fixação, olhar
imperturbável, por mais do que alguns momentos é extraordinariamente difícil,
ainda assim, deve-se insistir nesta prática por horas. Toda tentativa do olho de
distorcer o objeto, toda tentativa da mente de procurar algo mais para pensar,
deve ser resistida.

Eventualmente, é possível serem desvendados segredos ocultos através desta


técnica, não obstante, faz-se mister que tal habilidade seja desenvolvida
tomando-se objetos de pouca significância.

Concentração no Som

A parte da mente na qual pensamentos verbais emergem é posto sob


domínio/controle mágico pela concentração nos sons mentalmente imaginados.
Qualquer simples som ou sílaba é selecionada, por exemplo, AUM ou OM,
ABRAHADABRA, YOD HE VAU HE, AUM MANI PADME HUM, ZAZASZAZAS,
NASATANADA ZAZAS. O som escolhido é repetido várias e várias vezes na
mente para bloquear todos os outros pensamentos. Não importa quão
inapropriada a escolha do som pareça ser, você deve persistir nele.
Eventualmente, pode parecer estar se repetindo automaticamente e pode até
ocorrer em estado de sono. Estes são sinais encorajadores. A concentração no
som é a chave para palavras de poder e certas formas de encantamento e
desencantamento.

Concentração na Imagem

A parte da mente na qual o pensamento pictórico emerge é posto sob controle


mágico pela concentração numa imagem. Uma simples forma, tal qual o formato
de um triângulo, um círculo, quadrado, cruz ou crescente é escolhida e
mentalizada, sem distorção, por tanto tempo quanto possível. Somente os mais
determinados são capazes de manter a forma imaginada e persistir
indeterminadamente. No início, a imagem deve ser buscada com os olhos
fechados. Com a prática, pode ser projetada contra qualquer superfície branca.
Esta técnica é a base para expulsão de poderes ocultos e a criação de formas
de pensamento independentes. Os três métodos de transe mágico só irão surtir
resultado se perseguidos com a mais fanática e mórbida determinação. Estas
habilidades são por demais anormais e, normalmente, inacessíveis à
consciência humana, uma vez que elas exigem tão supra-humana concentração,
mas as recompensas são enormes. No diário mágico registre o trabalho formal
de cada dia e quaisquer outras oportunidades extras que, por ventura, tenham
sido vivenciadas. Nenhuma página deverá ser mantida em branco.

Metamorfose
A transmutação da mente a uma consciência mágica tem, freqüentemente, sido
chamada de A Grande Obra. Tem o propósito profundo de conduzir,
eventualmente, a descoberta da verdadeira vontade. Mesmo a mais
insignificante habilidade para alguém se mudar, se transformar é mais valorosa
do que qualquer outro poder sobre o universo exterior. Metamorfose é um
exercício da vontade para a reestruturação da mente. Todas as tentativas de
reorganizar a mente envolvem uma dualidade entre as condições que existem e
as condições que são preferíveis. Assim, é impossível cultivar qualquer virtude
como: espontaneidade, alegria, orgulho piedoso, graça ou onipotência sem
envolver-se em mais convencionalidade como: amargura, culpa ou pecado e
impotência no processo. Religiões são fundadas sob a falácia de que se pode
ou se deve ter uma sem a outra. A alta magia reconhece a condição dualista,
mas não se importa se a vida é agridoce, doce ou azeda, mais do que isso,
procura realizar qualquer perspectiva arbitrária perceptível da vontade.

Pode-se escolher qualquer estado mental, arbitrariamente, como um objetivo


para transmutação, mas existe uma qualidade específica nas virtudes
mencionadas.

1. A risada é um antídoto para o desequilíbrio e possível demência do transe


mágico.
2. A não-afeição é uma qualidade específica contra a obsessão com as práticas
mágicas.

A aquisição destes estados mentais é obtida por um processo de meditação


contínua. Tenta-se entrar dentro do espírito da condição, sempre que possível,
e pensar sobre o resultado desejado em outras vezes. Por este método, o hábito
de um novo e forte estado mental pode ser estabelecido.

Considere a risada, é a emoção mais forte, porque pode conter quaisquer das
outras, do êxtase ao lamento, não tem oposto. O choro é apenas uma forma
subdesenvolvida pela qual se limpa os olhos e as crianças chamam a atenção.
A risada é a única atitude sustentada num universo que é uma brincadeira, uma
piada sobre si próprio. O truque é ver esta piada praticada até mesmo em
eventos neutros ou horríveis que nos rodeiam. Não cabe a nós questionar a
aparência fatal de gosto do universo. Buscar a emoção da risada na sua delícia
e diversão, buscá-la no que for neutro ou insignificante, buscá-la mesmo no que
for horrível e revoltante. Ainda que pareça forçada, à primeira vista, pode-se
aprender a sorrir sempre, sobre tudo.

Não-afeição, desinteresse, melhor descrevem a condição mágica de agir sem


cobiça de resultado. É muito difícil para os homens decidirem sobre alguma coisa
e depois fazê-la puramente sem nenhum interesse. Ainda assim, é precisamente
essa habilidade que é requerida para a execução de atos mágicos, somente uma
atenção muito direcionada a conseguirá. Tendência é para ser entendida tanto
no sentido negativo como positivo, porque a aversão é o outro lado. Uma fixação
que se tenha na personalidade, na ambição, nos relacionamentos, nas
experiências sensoriais ou, igualmente, aversão, quaisquer destes atributos se
mostrarão limitados. Por outro lado, é fatal perder o interesse nesses assuntos,
uma vez que eles são o sistema simbólico ou a realidade mágica de alguém.
Porém, é mais do que isto, quando se está tentando tocar mais delicadamente
nas partes sensíveis da realidade de alguém, a fim de evitar as garras
destruidoras do desejo e do desânimo. Assim sendo, deve-se tentar ganhar
liberdade suficiente para agir magicamente.

Em acréscimo a estas duas meditações, há uma terceira forma mais ativa de


metamorfose, e esta inclui os hábitos do dia a dia. Por mais inócuos que eles
possam parecer, hábitos e pensamentos, palavras e ações são a âncora da
personalidade. O magista visa içar a âncora e se libertar dos mares do caos.
Para proceder, selecione qualquer hábito sem importância, ao acaso, e o retire
de seu comportamento, ao mesmo tempo, adote um hábito novo qualquer, ao
acaso. A escolha não deve envolver nada espiritual ou de significado egocêntrico
ou emocional, nem deve-se selecionar qualquer coisa que tenha possibilidade
de fracasso. Ao persistir com a meditação, você se torna capaz, virtualmente, de
qualquer coisa. Todos os trabalhos de metamorfose deverão ser apontados no
diário de magia.

Magia

O sucesso nesta fase do Syllabus, depende de algum grau de maestria nos


transes mágicos e na metamorfose. Esta instrução de magia inclui três técnicas:
O ritual, o sigilo e o sonho. Em acréscimo, o magista deve familiarizar-se, pelo
menos, com um sistema de adivinhação. Cartas, runas, cristais, pêndulo ou vara
adivinhatória. Os métodos são infindáveis. Com todas as técnicas, vise o silêncio
da mente e deixe a inspiração prover algum tipo de resposta. Seja lá que tipo de
sistema simbólico ou instrumento for utilizado, eles ajudam só para prover um
receptáculo ou amplificador para habilidades interiores. Nenhum sistema de
adivinhação deve ser excessivamente aleatório. A astrologia não é
recomendada.

O ritual é a combinação do uso de talismã, armas, gestual, sigilos ou senhas


visualizadas, palavras mágicas e transe mágico. Antes de proceder com sigilo
ou sonho, é essencial desenvolver um ritual de banimento. Um ritual de
banimento bem constituído tem os seguintes efeitos: prepara o magista mais
rapidamente para a concentração mágica do que qualquer exercício de transe
mágico; capacita o magista a resistir a obsessões, se forem aparecendo
problemas, com as experiências de sonho ou com os sigilos, tornando-os
conscientes e também protege o magista de quaisquer influências ocultas hostis
que, por ventura, o assaltem.

Para desenvolver um ritual de banimento, primeiro adquira uma arma mágica:


uma espada, uma adaga, uma varinha, ou, talvez, um anel largo. O instrumento
deve ser alguma coisa que impressione a mente e deve também representar as
aspirações do magista. A vantagem de forjar a mão o próprio instrumento ou em
descobrir neles algo de novo, de forma inusitada, não pode ser ignorada.
O ritual de banimento deve conter os seguintes elementos no mínimo:

Primeiro, o magista deve descrever um obstáculo sobre si próprio com a arma


mágica. A barreira do obstáculo é, também, fortemente visualizada. Figuras
tridimensionais são preferíveis.

Segundo, o magista focaliza sua vontade numa imagem visualizada; por


exemplo, a arma mágica ou seu terceiro olho ou uma bola de luz dentro de sua
cabeça. Uma concentração de som pode ser usada em acréscimo ou
alternadamente.

Terceiro, a barreira é reforçada com símbolos de poder desenhados com a arma


mágica. A tradicional estrela de cinco pontas pode ser usada ou a estrela de oito
pontas do Caos ou qualquer outra coisa. Palavras de poder também podem ser
usadas.

Quarto, o magista aspira ao vazio infinito, por um breve mas determinado


esforço, para parar de pensar.

Sigilos

O magista pode requerer algo que é incapaz de obter através dos canais
normais. É possível atrair a sorte requerida algumas vezes por uma intervenção
direta da vontade, contanto que isto não ponha uma tensão muito grande no
universo. O mero ato de querer é raramente efetivo, quando a vontade torna-se
envolvida em um diálogo com a mente. Isso dilui a habilidade mágica de muitas
maneiras. A vontade torna-se parte do complexo do ego; a mente torna-se
ansiosa das falhas; a vontade de não desempenhar o desejo surge para reduzir
o medo de falhar. Logo, o desejo original é uma massa de ideias conflitantes.
Freqüentemente, o desejado resultado surge apenas, quando ele é esquecido.
Este último fato é a chave para sigilos e muitas formas de encantamento mágico.

Sigilos funcionam porque eles estimulam a vontade para trabalhar


subconscientemente, bypassando a mente. Há três partes para a operação de
um sigilo. O sigilo é construído, perdido na mente, e carregado. Na construção
do sigilo o objetivo é produzir um símbolo do desejo, estilizado, para não sugerir
o desejo, imediatamente. Não é necessário usar sistemas de símbolos
complexos.

O exemplo abaixo mostra como os sigilos podem ser construídos de palavras e


de sons. Os objetos referentes destes encantamentos são arbitrários sendo
apenas exemplos e não recomendações.

Criação de um sigilo por:


A) Método da palavra
B) Método mântrico

Exemplo A) Eu desejo obter o


Necronomicon EUDESEJOOBTERONECRONOMICON (letras repetidas
eliminadas) EUDSJOBTRNCMI (letras rearranjadas para dar um sigilo
pictórico).

Exemplo B) Eu quero encontrar um Sucubus em sonho. EUCURO


ENCONTUM SUKU BUSEM SANA’ EUCRO N’ CT
M’ SKBA (reorganizado) ORCEU TANC KASBAM (mantra finalizado).

Para perder o sigilo com sucesso, ambos, a forma do sigilo e o desejo associado,
devem ser banidos da consciência de vigília normal. O magista empenha-se
contra qualquer manifestação de cada um, por uma volta forçada de sua atenção
para outros assuntos. Às vezes, o sigilo pode ser queimado, enterrado ou
lançado no oceano. É possível perder uma palavra de encantamento pela
repetição constante dela, o que, eventualmente, esvazia a mente do desejo
associado. O sigilo é carregado no momento em que a mente alcança a
aquiescência, através do transe mágico ou quando a alta emotividade paralisa
seu funcionamento normal. Nestes momentos, o sigilo é concentrado ou como
uma imagem mental ou mantra ou como uma forma desenhada. Alguns dos
momentos em que os sigilos podem ser carregados são os seguintes: durante o
transe mágico, no momento do orgasmo ou grande exaltação, nos momentos de
grande medo, raiva ou embaraço, nos momentos de intensa frustração ou
desapontamento.

Alternativamente, quando outro forte desejo origina-se, este desejo é sacrificado


(esquecido) e o sigilo é concentrado em seu lugar. Depois de segurar o sigilo na
mente tanto tempo quanto possível, é prudente bani-lo pela evocação da
gargalhada. Um registro deveria ser mantido de todo o trabalho com sigilo, mas
não de um tal modo a causar deliberação consciente sobre o desejo sigiloso.

Sonho

O estudo dos sonhos provê um conveniente ingresso no campo divinatório de


entidades e exteriorização ou experiência de “ ausência do corpo. Toda a
humanidade sonha a cada noite de suas vidas, mas poucos podem,
regularmente, recordar suas experiências mesmo uns poucos minutos depois de
estarem acordados. Experiências de sonhos são tão incongruentes que o
cérebro aprende a prevenir-se, interferindo com a consciência de vigília. O
objetivo do magista é ganhar um total acesso ao plano dos sonhos e assumir o
seu controle. A tentativa para fazer isso, invariavelmente, envolve o magista
numa batalha implacável e bizarra com seu próprio censor psíquico, o qual usará
quase qualquer tática para negar a ele estas experiências. O único método de
ganhar acesso total ao plano dos sonhos é manter um caderno próximo ao lugar
de dormir, sempre. Neste, registra-se os detalhes de todos os sonhos, tão logo
possível, depois de desperto.

Para assumir o controle sobre o estado de sonho é necessário selecionar um


tópico para sonhar. O magista deveria começar com simples experiências tais
como o desejo de ver um objeto em particular (real ou imaginário) e dominar isso
antes de tentar a adivinhação ou a exteriorização.

O sonho é causado pela forte visualização do tópico desejado mentalmente de


modo silencioso imediatamente antes de dormir. Para experiências mais
complexas, o método de sigilo pode ser empregado. Um registro de sonhos é
melhor mantido separado do registro mágico já que ele tende a se tornar
volumoso. Contudo, qualquer sucesso significativo deveria ser transferido para
o diário mágico. Embora o tamanho do trabalho possa assustar, um registro
mágico mantido apropriadamente é a mais certa garantia de sucesso no trabalho
do Liber MMM: são ambos, um trabalho de referência com o qual se avalia o
progresso e, mais significativamente, um estímulo para o esforço suplementar.
LIBER RGP
O Ritual Gnóstico do Pentagrama

“Rituais de Banimento”, como são comumente conhecidos, servem para vários


propósitos. Ao princípio e ao fim de longos rituais, eles são utilizados para
estabelecer e restabelecer a concentração, o equilíbrio e o controle. Eles,
também, podem ser usados para práticas de visualização, com o intuito de
afastar influências indesejáveis. O tradicional Ritual Menor do Pentagrama,
utilizado pelos adeptos da Golden Dawn, vem se tornando menos eficaz com o
passar do tempo. Nos dias de hoje, poucas pessoas estão suficientemente
ligadas ao misticismo Hebraico ou ao estudo da Cabala para extrair poder dos
nomes de deus ou da figura dos anjos. Por persistir a ineficácia crescente do
Ritual Menor do Pentagrama e suas variáveis em outras tradições, evidencia-se
a necessidade de um novo ritual para esta finalidade. Apresento-vos o Ritual
Gnóstico do Pentagrama. Ele preenche todos os objetivos de um ritual de
banimento, sem estar preso a qualquer simbolismo em particular. E é,
adicionalmente, aplicável como uma técnica de cura.

O RITUAL

O Ritual Gnóstico do Pentagrama começa com a visualização de uma radiância,


em cinco partes do corpo. Cada visualização é acompanhada da vibração do
som de uma vogal I, E, A, O, U. Os sons são vibrados altos e mantidos por uma
exalação completa. Cada um deve causar uma sensação física na parte do corpo
correspondente. De fato, o corpo deve ser tocado como um instrumento musical,
com cada parte ressonando de acordo com um tom. Em sequência, pentagramas
são desenhados no ar, em quatro pontos, ao redor do operador. Os pentagramas
devem ser desenhados no ar, em cada quadrante, no sentido anti-horário, até
que o operador retorne à posição de origem. Os pentagramas devem ser
fortemente visualizados, de olhos abertos ou fechados, como melhor lhe
aprouver. Cada um deve ser acompanhado com uma entonação alta do som de
todas as cinco vogais I, E, A, O, U, em uma única exalação, com um som para
cada barra do pentagrama que for desenhada. O mantra IEAOU é utilizado, aqui,
para impedir um pensamento discursivo. Finalmente, o operador visualiza a
radiância em várias partes do corpo, reforçada individualmente pelo mantra I, E,
A, O,U, que é repetido. O Ritual pode ser mais elaborado, se preferir, por
exemplo, adicionando-se cores para a visualização das radiâncias ou
adicionando pentagramas acima e abaixo do operador.

Este ritual pode ser utilizado para:

1. Estabelecer equilíbrio, concentração e controle antes e depois de rituais mais


complexos.
2. Práticas de visualização, a qualquer momento.
3. Como um exorcismo preliminar de fenômenos mentais ou psíquicos indesejáveis.
4. Como um princípio de cura, principalmente autocura.
As técnicas empregadas neste ritual são: vibração de mantra, visualização com
gesticulação e controle de respiração.

Procedimento do Ritual

1. De pé, para qualquer direção que prefira.


2. Inspire profundamente. Exale lentamente, sustentando o som “I”, enquanto visualiza
uma energia radiante na região da cabeça.
3. Inspire profundamente. Exale lentamente, sustentando o som “E”, enquanto visualiza
uma energia radiante na região da garganta.
4. Inspire profundamente. Exale lentamente, sustentando o som “A”, enquanto visualiza
uma energia radiante na região do coração e dos pulmões, que se espalha para os
membros.
5. Inspire profundamente. Exale lentamente, sustentando o som “O”, enquanto visualiza
uma energia radiante na região da barriga.
6. Inspire profundamente. Exale lentamente, sustentando o som “U”, enquanto visualiza
uma energia radiante na região entre a genitália e o ânus.
7. Repita o 6). Então o 5), 4), 3), 2), repetindo de trás para frente, até chegar à cabeça.
8. Inspire profundamente. Exale lentamente, repetindo o mantra IEAOU, enquanto
desenha o pentagrama no ar, com o braço esquerdo. O pentagrama deve ser
visualizado com muita nitidez.
9. Vire para o próximo quadrante e repita o 8), então, desenhe os pentagramas restantes
com os mantras e as visualizações, até chegar ao ponto de partida.
10. Repita os números 2) até o 7), inclusive.

Procedimento Detalhado

Para evitar a permanência de qualquer dúvida, segue abaixo o procedimento do


RGP de maneira mais detalhada:

1. Feche os olhos. Vc inspira de forma completa (movimento do abdome para baixo,


depois tórax expandindo e, finalmente, ombros para cima).
2. Entoa o Mantra …iiiiiiIIIIIIIIIIIIHHHHHHHH expelindo todo o ar dos pulmões, enquanto
vê uma bola intensificando luz branca na região da cabeça.
3. Repete a inspiração descrita no procedimento 1.
4. Entoa o Mantra …eeeeeeEEEEEEEHHHHHHHH expelindo todo o ar dos pulmões,
enquanto vê uma bola intensificando luz azul na região do pescoço.
5. Repete a inspiração descrita no procedimento 1.
6. 6 – Entoa o Mantra …aaaaAAAAAAAHHHHHH expelindo todo o ar dos pulmões,
enquanto vê uma bola intensificando luz verde escura ou rosa na região do tórax.
7. Repete a inspiração descrita no procedimento 1.
8. Entoa o Mantra …ooooooooOOOOOMMMMMMMMMM expelindo todo o ar dos
pulmões, enquanto vê uma bola intensificando luz laranja/pêssego na região da
barriga.
9. Repete a inspiração descrita no procedimento 1.
10. Entoa o Mantra …uuuuUUUUUUUUUUHHHHHH expelindo todo o ar dos pulmões,
enquanto vê uma bola intensificando luz vermelha ou chamas vermelhas na região do
seu genital.
11. Breve pausa (segundos). Parado no mesmo local. O operador aqui pode continuar
com os olhos fechados ou abri-los.
12. Inspire de forma completa (movimento de abdome para baixo, depois tórax
expandindo e finalmente ombros para cima).
13. Entoa o Mantra …uuuuUUUUUUUUUUHHHHHH expelindo todo o ar dos pulmões,
enquanto vê uma bola intensificando luz vermelha ou chamas vermelhas na região do
seu genital.
14. Repita o procedimento da inspiração.
15. Entoa o Mantra …ooooooooOOOOOMMMMMMMMMM expelindo todo o ar dos
pulmões, enquanto vê uma bola intensificando luz laranja/pêssego na região da
barriga.
16. Repete a inspiração.
17. Entoa o Mantra …aaaaAAAAAAAHHHHHH expelindo todo o ar dos pulmões,
enquanto vê uma bola intensificando luz verde escura ou rosa na região do tórax.
18. Repete a inspiração.
19. Entoa o Mantra …eeeeeeEEEEEEEHHHHHHHH expelindo todo o ar dos pulmões,
enquanto vê uma bola intensificando luz azul na região do pescoço.
20. Repete a inspiração.
21. Entoa o Mantra …iiiiiiIIIIIIIIIIIIHHHHHHHH expelindo todo o ar dos pulmões, enquanto
vê uma bola intensificando luz branca na região da cabeça.
22. Breve pausa. Forme mentalmente (tente sempre sem ansiedade, uma hora você
conseguirá) um pentagrama a sua frente. Abra os olhos caso estejam fechados.
23. Com a mão esquerda segurando a adaga (ou o revolvinho com os dois dedos
indicador e maior esticados, a palma da mão e polegar fechados), desenhe o
pentagrama e simultaneamente entoe os mantras a seguir:
24. O pentagrama a ser desenhado e o mantra usado em cada fase do desenho:

Desenha-se ligando os pontos com a ponta da adaga:Ligando os pontos 1 a 2 entoa-


se IIIHHH
Ligando os pontos 2 a 3 entoa-se EEEHHH
Ligando os pontos 3 a 4 entoa-se AAAHHH
Ligando os pontos 4 a 5 entoa-se OOOMMM
Ligando os pontos 5 a 1 entoa-se UUUHHH. Termine o desenho do pentagrama,
tocando o seu centro (ponto 7) e então gire 90 graus a esquerda (sentido contrário ao
do relógio ou anti-horário).
25. Da forma descrita acima, depois do giro de 90 graus, desenhe outro pentagrama a sua
frente da mesma forma. Repita o 1/4 de giro novamente. Desenhe novamente. Gire 1/4
novamente e desenhe novamente. Neste ponto você já terá desenhado os pentagramas
nos 4 quadrantes. O próximo 1/4 de giro irá te deixar de frente para o primeiro
pentagrama desenhado.
26. Sinta os 4 pentagramas desenhados flutuando no ar.
27. Repita os procedimentos conforme descrito nos itens de 1 a 22.
28. Encerre sem pressa. Sente-se e respire. Anote as impressões que sentir no seu D.M.
DIÁRIO MÁGICO

É comum encontrar em várias culturas envolvidas com práticas mágicas o uso


de um diário mágico. A maioria das culturas celtas chama de Livro das Sombras,
alguns chamam de Diário de Navegação e outros chamam de Diário Mágico.
Obviamente outros nomes devem existir, mas o importante é a utilização.

Um Diário Mágico ou D.M. é utilizado por qualquer praticante para relatar suas
práticas e conclusões com detalhes na intenção de auxiliar a identificar novas
sensibilidades, interpretações erradas ou corretas para novos sentidos recém
desenvolvidos ou mesmo para acompanhar a evolução de uma nova habilidade.

Ao contrário do que muitos pensam, um D.M. não tem a função de ser escrito
para ser guardado de recordação, mas ainda que seja guardado, a verdadeira
função de um D.M. é uma referência quase científica da evolução do próprio
magista e deve conter os detalhes necessários para que ao relê-lo o magista
possa compreender em que circunstâncias suas habilidades oferecem limites e
quais seriam esses limites, ou de que forma ele obtém maior resultado para
aquele objetivo, e comparando as informações listadas em um D.M. o magista
acaba concluindo porque em tal dia ele conseguiu algo que não conseguiu no
dia seguinte ou porque algo que ele sempre fez com facilidade não funcionou
em tal ocasião.

Estas conclusões também devem ser anotadas para posterior revisão e talvez
até correção em prol da evolução do magista. Para que o magista possa
encontrar de forma precisa as conclusões que auxiliarão sua evolução mágica
ele precisará ter paciência, constância e perseverança para anotar o maior
número possível de detalhes de forma organizada. Tais informações variam de
pessoa para pessoa, mas existe um básico que deve ser mantido para que seja
possível para o magista fazer associações e neste interesse a padronização é
de grande funcionalidade.

A Data

A data deve ser uma informação bem destacada e deve conter ao menos dia e
mês, talvez também o ano, ou quem sabe, até o dia da semana, mas cada dia
deve ficar separado do anterior de alguma maneira nítida, seja por uma troca de
página ou por uma linha pulada antes da data bem destacada do dia seguinte.

A Prática
Cada exercício praticado deve ser separado dos demais ao menos por um
espaço (uma linha pulada, por exemplo) e deve conter duas partes: O Cabeçalho
e O Relato

O Cabeçalho

Contém as informações básicas resumidas e organizadas preferencialmente na


mesma ordem e deve indicar qual exercício foi realizado e em que condições ele
foi realizado. As principais informações que devem estar contidas em um
cabeçalho são:

1 – Título:

É o nome do exercício ou da atividade realizada. Pode ser uma sigla ou uma


palavra que faça o magista saber qual foi a atividade realizada.

Ex.1: O magista realizou um banimento específico que ele conhece pelo nome
de Rubi Estrela, o título poderá ser “Rubi Estrela” poderá ser só “Rubi” ou até
“R.E.”, mas deverá ser compreensível ao magista numa releitura.

Ex.2: O Magista leu um livro e em determinado trecho teve um insight e decidiu


anotar em seu diário para futura referência, então ele pode usar o título “Livro:
Tal” ou “Leitura: “tal” ou “tal” e o importante é que numa releitura futura ele saiba
de onde veio aquela conclusão ainda que para tal ele tenha que especificar
página e autor do livro, mas isso depende de cada um.

Ex.3: O magista está distraidamente andando pela rua quando tem uma
sensação estranha, um tipo de pressentimento e não é capaz, naquele instante
de definir o que aquilo significa ou sequer se significa alguma coisa, então ele
decide anotar em seu D.M. para futuras referências e poderá escolher qualquer
título que lhe pareça conveniente como “sensação estranha” ou “premonição” ou
“pressentimento” ou algo que de sua preferência que lhe permita compreensão
futura.

2 – Hora:

A informação do horário do fato relatado é importante pois permite saber a


duração de uma prática ou mesmo a hora do dia em que algo ocorreu e
posteriormente pode-se associar sucessos e fracassos ou com o momento do
dia ou com a duração maior ou menor de tal prática ou sensação. Existem 3
maneiras de registrar a hora; a primeira é registrar hora: minuto inicial e hora:
minuto final e esta forma é desejável para todos os relatos, não sendo utilizada
apenas quando não for possível. A segunda forma é utilizar um cronômetro e
anotar a duração da prática indicando minuto e segundo, mas esta maneira não
é conveniente para ser utilizada sozinha e deve, quando utilizada, estar
acompanhada de outra maneira mais precisa que indique a hora em que o fato
ocorreu; e a terceira é a aproximação do horário médio da prática ou horário de
início para um fato simples como uma sensação.

3 – Estado Físico:

Abreviado por “EF”, é o detalhamento do estado fisiológico do corpo do magista,


seja cansado, doendo em tal lugar, mancando, depois de um orgasmo ou mesmo
bêbado. O estado físico pode ser descrito em uma única palavra padronizada
pelo magista, por um código próprio ou até por uma descrição inventada na hora,
o importante é que numa releitura o magista saiba exatamente o que estava
sentindo em seu corpo no momento inicial daquele relato.

4 – Estado Emocional:

Abreviado por “EE”, é o detalhamento dos sentimentos do magista no início da


prática em questão, seja magoado, triste, com saudade de fulano, com raiva de
beltrano, deprimido porque ciclano me largou, ou mesmo pensando se ela volta
pra mim. O estado emocional, assim como o físico, deve ser descrito de forma
clara e compreensiva em uma releitura futura e pode até contar a história de
como você chegou na casa da sua amiga de surpresa e pegou ela na cama com
seu namorado para justificar a sua raiva. Esta descrição emocional pode também
fazer referência a várias emoções juntas e pode citar uma mistura emocional ou
um meio termo entre raiva e decepção ou tesão e sentimento de traição.

Tanto no EF como no EE a objetividade pode ser usada, mas deve-se saber que
objetividade demais prejudica uma compreensão futura. Deve-se também evitar
a palavra “normal” para definir qualquer um dos dois estados, mas muitas vezes,
quando não identificamos a emoção ou uma circunstância física poderemos
recorrer a esta palavra para indicar que nada diferente do usual foi detectado.
Esta própria prática de auto análise pode ser utilizada como exercício uma vez
que ajuda a aumentar a sensibilidade consciente sobre a percepção que o
magista possui de si mesmo. Outras informações podem ser adicionadas ao
cabeçalho de acordo com as preferências do magista. Algumas sugestões
interessantes são o local, nível de energia ou participantes, para o caso de
atividades em grupo. qualquer outra informação pode ser inventada pelo magista
para identificar algum fator que ele tenha interesse em monitorar, mas seja como
for, o cabeçalho de uma prática deve ser interpretado como o painel de um carro
onde as informações mostradas servem para monitorar o que está acontecendo
com o carro e fora dele.
Na prática, é muito comum o magista perceber ou fazer algo espontaneamente
e anotar em seu D.M. apenas como cabeçalho, apenas a hora aproximada do
evento, mas neste caso, o magista deve ter consciência que ele não terá meios
de relacionar o fato com as circunstâncias internas e externas ao magista
naquele momento.

5 – O Relato:

O relato consiste da descrição detalhada do que ocorreu incluindo ações,


sensações e mudanças no EF e no EE. O relato não deve ser resumido e precisa
conter o maior número possível de informações do que foi percebido durante a
atividade relatada e mesmo pensamentos e conclusões que tenham ocorrido na
mente do magista.

Em atividades em grupo o magista deve detalhar o que percebeu nos outros ou


quem fez o que e pode até mesmo colocar o resultado de uma conversa com os
outros participantes explicando que ele sentiu isso, mas fulano falou que sentiu
aquilo.

No caso de atividades sexuais o magista deve relatar se o parceiro sabia da


prática ou não e se o parceiro sabia é interessante relatar a opinião deste e
marcar os pontos comuns e diferentes entre a sua opinião e a do parceiro, ou
mesmo no caso de não haver parceiro o maior número possível de sensações
deve ser relatado, seja uma mentalização durante o ato ou apenas o
desenvolvimento de técnicas tântricas.

Em consultas a oráculos como Tarot e Runas, a descrição deve conter as


perguntas e os símbolos em resposta e não as respostas interpretadas, e se
forem feitas várias perguntas, todas elas poderão estar contidas no relato de
uma mesma prática que tenha como título o oráculo usado.

Pode-se também colocar a interpretação feita como observação para que num
futuro, ao reler a interpretação feita naquele momento e comparar com os fatos
que a sucederam as correções possam ser feitas de maneira a aumentar a
precisão de interpretação do magista a respeito daquele oráculo, mas é
importante conter os símbolos que foram retirados como respostas pois muitas
vezes os símbolos estão corretos mas a interpretação está muito longe dos fatos.

Se o cabeçalho tiver sido reduzido apenas a um horário aproximado, o magista


deve tentar compensar isso dando mais detalhes sobre fatores externos
presentes.

Segue abaixo um exemplo em branco e padronizado para uso do magista,


contendo um dia com duas práticas:
Dia/Mês [Dia Semana]
Título
hh:mm – hh:mm (hora inicial – hora final [duração])
EF:
EE:
Relato:

Título
hh:mm – hh:mm (hora inicial – hora final [duração])
EF:
EE:
Relato:

Usando o D.M.

É interessante observar que a simples prática de possuir um D.M. aumenta a


capacidade de persistência e perseverança do indivíduo, logo, quanto mais o
indivíduo se dedicar a preencher seu D.M. com informações detalhadas, mais
ele aprende inconscientemente a analisar as situações e sensações que
ocorrem com ele e ao seu redor.

Este D.M. deve estar presente com o magista a todo momento, sendo levado em
forma de agenda na bolsa de uma mulher ou na forma de caderninho no bolso
de um homem, e exatamente por isso, é muito interessante que o magista se
habitue a fazer rascunhos em cadernos agendas ou folhas que carregue consigo
para passar a limpo para o seu D.M. no fim do dia de maneira a que sua fonte
de referência esteja sempre em bom estado e longe de olhares indesejados.

Por fim, no caso do magista decidir guardar o D.M., ele deve lembrar de colocar
em algum lugar do caderno, seja em etiqueta na capa, seja em alguma página,
a informação de período em que aquele D.M. foi usado, por exemplo “2017 Nov
– 2018 Fev” ou “2017 Jun/Out” ou “D.M. – 1” ou qualquer outro tipo de informação
da preferência do magista.