Você está na página 1de 1

Anseio pela presença

Texto base: Salmos 27

Data : 24/01/19

No mundo globalizado em que vivemos, onde a necessidade de se manter informado é crucial


para nós mantermos atualizados, nos deparamos com o embate no que diz respeito a
organização do tempo. O tempo é subjetivo quando analisamos sua percepção por parte dos
indivíduos. Passar horas numa atividade prazerosa pode não ser tão notada quanto passar um
pouco de tempo exercendo atividades que requerem disciplina. Mas quanto a isso não
precisamos nos sentirmos culpados por passar maior parte do tempo fazendo o que nos dar
prazer ainda que tal prazer seja nocivo. O fato é que a culpa não nos libere para termos uma
atitude diferente. Podemos ficar parados nos lamentando e meditando no quanto fomos
estúpidos ao gerir o nosso tempo, mas podemos decidir agir diferente da próxima vez.

Em suma, acredito que devemos fazer um inventário de como estamos gastando o nosso
tempo e porque o dedicamos a tais atividades. Se descobrindo aonde está o nosso prazer
podemos ser sinceros com Deus e conosco a respeito disso e tentar mudar de atitude a fim de
depositar no lugar correto os nossos recursos. Iremos falar disso mais adiante.

A atividade em volta de coisas que geram prazer para nós, nos conduz a um ciclo vicioso. Se
dedicarmos mais tempo há uma determinada tarefa que inicialmente parece difícil veremos
que com o tempo nosso cérebro se habituará aquela tarefa a ponto de a executarmos quase
que de maneira mecânica. Mas quando não há prazer em fazer, por mais mecânica que seja a
tarefa ela se tornará a longo prazo, um fardo ou simplesmente podemos passar a ter prazer
naquilo que antes para nós era um fardo. Do toda sorte, quando se fala em relacionamento
com Deus devemos partir da premissa de que somos tricotomos. Somos corpo, alma e espírito.
Poderíamos gastar um livro inteiro somente falando de cada uma dessas partes e as interações
entre si, mas o que queremos sintetizar aqui é que existem aspectos que são de cada uma
dessas partes.

No que diz respeito a disciplina do tempo, estou certo que precisamos submeter nosso corpo a
determinadas situações a fim de alcançar determinados limites. Se não estamos satisfeitos
com a maneira como estamos gastando nosso tempo e em que estamos gastando, devemos
submeter nosso corpo a uma atividade disciplinada de mudança. Existem vícios que nos dão
prazer, e por isso tais comportamentos se repetem e nos aprisionam tomando nosso tempo e
por vezes colocamos em risco um planejamento futuro, metas pessoais e até relacionamentos.

Devemos fazer um inventario de nossas vidas vez ou outra para refletir sobre como estamos e
se a maneira como estamos nos levará aonde pretendemos ir. É claro que existem pessoas que
não pretendem ir a lugar algum mas meu público-alvo aqui são aqueles que querem mudar
suas atitudes e descobrir o prazer de viver de uma maneira diferente da qual jamais imaginou
vivenciar.