Você está na página 1de 1

MECANISMO DE AÇÃO: aumenta a afinidade do GABA pelo receptor e

facilita a transmissão inibitória gabaérgica do SNC, promovendo a abertura


do canal de cloro e consequente influxo -> hiperpolarização do neurônio
Mulheres (2:1); 5-8% ao longo da vida;
EFEITOS COLATERAIS: tolerância, dependência, delírio (retirada abrupta),
BENZODIAZEPÍNICOS fim da adolescência/início vida adulta.
↓ CV e resp, categoria C na gestação, ansiedade rebote, amnésia
anterógrada, reações paradoxais (inquietude, agitação, agressividade) GENÉTICO: 1º grau, monozigóticos (50%).

ALÇA DE RETROALIMENTAÇÃO CORTICOESTRIADOTALAMOCORTICAIS:


ANSIEDADE NORMAL: sensação difusa, desregulação de serotonina, GABA, dopamina, NE, glutamato e canais iônicos.
TEORIAS PSICOLÓGICAS: desagradável e vaga de apreensão + sintomas
Psicanalítica: inconsciente. autonômicos. Resposta normal e adaptativa ->
Comportamental: Resposta condicionada a um estímulo específico. qualidade salva-vidas; evitar perigo, previne prejuízo.
Existencial: não há estímulo específico. EPIDEMIOLOGIA A. Ansiedade e preocupação excessivas; pelo menos 6 meses.
ETIOLOGIA B. Difícil controlar a preocupação.
C. 3 ou mais (1 para criança):
TEORIAS BIOLÓGICAS:
1. Inquietação.
↑ NE e do tônus simpático, cortisol.
ETIOLOGIA CONCEITOS 2. Fatigabilidade.
↓ GABA
3. ↓ concentração (branco na mente).
DIAGNÓSTICO 4. Irritabilidade.
GENÉTICA: TAG 5. Tensão.
1º grau, gêmeos, alteração no gene para o transportador de serotonina 6. Perturbação do sono.
...

1-4%; mulheres 3x mais; divórcio recente; pico 25


anos; parentes 1º grau 4-8%; monozigóticos.
EPIDEMIOLOGIA
TRANSTORNOS DE ANSIEDADE FOBIA SOCIAL DIAGNÓSTICO

DISFUNÇÃO SEROTONINÉRGICA -> hipersensibilidade pós-sináptica. ↓


ativ gabaérgica na amígdala, mesencéfalo e hipotálamo. A. Medo ou ansiedade acentuados de situações sociais (avaliação por outras pessoas).
Vasoconstrição cerebral -> hiperventilação e hipocapnia. ETIOLOGIA FOBIA ESPECÍFICA B. Teme demonstrar sintomas de ansiedade que serão avaliados negativamente.
C. Situações sociais quase sempre provocam medo ou ansiedade.
SUBSTÂNCIAS INDUTORAS DO PÂNICO: D. São evitadas ou suportadas com sofrimento.
- CO2, lactato, carbonato, cafeína, colecistocinina. PÂNICO E. Desproporcional.
AGORAFOBIA F. Persistente por > 6 meses.
A. Ataques de pânico recorrentes e inesperados; surto abrupto de medo ou DIAGNÓSTICO
TRATAMENTO
desconforto intensos; pico em minutos; 4 ou mais dos seguintes:
DIAGNÓSTICO
1. Palpitações, taquicardia. DIAGNÓSTICO A. Medo ou ansiedade acentuados acerca de objeto ou situação.
2. Sudorese. B. O objeto provoca resposta imediata de medo ou ansiedade.
Benzo; ISRS; TCC. C. Objeto é ativamente evitado ou suportado com muito sofrimento.
3. Tremores ou abalos.
4. Sufocamento. A. Medo ou ansiedade acerca de 2 ou mais: D. Desproporcional.
5. Asfixia. MANIFESTAÇÕES 1. Uso de transporte público. E. Persistente; mínimo de 6 meses.
6. Dor ou desconforto torácico. 2. Locais abertos. ...
7. Náusea ou desconforto abdominal. 3. Locais fechados.
8. Tontura, instabilidade, vertigem ou desmaio. 4. Permanecer em fila ou ficar em meio a multidão.
9. Calafrios, ondas de calor. 5. Sair sozinho.
10. Parestesia. 1º ataque é espontâneo; começa com um B. Evita situações em que pode ser difícil escapar ou pedir auxílio.
11. Desrealização ou despersonalização. período de 10 min de sintomas crescentes. C. As situações quase sempre promovem medo ou ansiedade.
12. Medo de perder o controle ou enlouquecer. Principais sintomas: medo extremo, sensação D. As situações são ativamente evitadas.
13. Medo de morrer. B. Pelo menos 1 dos ataques foi seguido de 1 mês de uma ou de morte ou tragédia iminentes. E. Medo desproporcional.
ambas as seguintes: Duração média: 20-30 min. Nao ultrapassa 1h. F. Ansiedade e esquiva persiste por > 6 meses.
1. Preocupação persistente acerca de ataques. Gagueira, ruminação, ↓ memória, ansiedade antecipatória. ...
2. Mudança desadaptativa no comportamento relacionado ao ataque. ...