Você está na página 1de 175

Texto Didático

I
I

Auriculoterapia
Escola Huang li Chun








Adaptação: Clãudio Lopes


Il<:n Intl>rnn Tradução : Ernesto Garcia
.,.,
~

.,
.,
",.
:S
Introduçao.

""., A auriculoterapia é um sistema Indepen-


dente dentro da 3Ctlpumura e a aplicação
vários novos pontos descobertos no dorso
da orelha

.,., 81ual da aunctJloternpia não se restnnge


apenas ao tratamento das enfermidades
através dos pontos aunculares. Este micro-
A 3uOCUioterpa tem construído soa teoria
própna, por ter na atualidade, métodos
independentes para o dlagnõstico e trata-
SIstema também tem-se 1esenvoMelo em mento das enfermidades, Estamos abrindo
"S relação ao diagnóstico em muitas patologi- uma porta no desenvoMmento da nova
as auriclJloterapia que lem as seguintes cara-
'2 teristic.as:
"S Atraves da auriCUlOlerapia pOOemos tratar 1 - Esta aurkulOlerapia como microsiste-
cerca de 200 enft!fTnidades, entre as Quais ma não precisa necessariamente do uso de
~ estào: enfermidades de carâler funcional. agulhas, Isto facilita sua execução e aceita-
~ enfefTTlidades de caraler netJrótioJ e psicó- ção. .
tiCo: cefalêias, neurastenia. insc)m3, de- 2 -€Ia combina as teorias da Medicina
~ pressão. ansiedade, sinlomas neurolôgicos Tradicional Chinesa com as teonas da me-
~ elc. Podemos tratar também enfermidades dicina moderna, usando desta ultima, maté-
de car.iter estrutural como cervic.aIgias, rias importantes como a anatomia, f1siopa-
~ dores lombares e das pernas. dalalgias. tologia, genética, e imunologia.
~ dlsmenorréias, dispepsias, ulceras gástri. 3 - Os pontos auliculares funcionam como
-,:s cas e duodenaIS, gastrile, coIectstie, en- uma memória do histónco patOlógico da
fermidades camiovasculares. hipertensão pessoa. por isso o diagnóstico através
-,:s arterial. enfelTTlidades do aparelhO urináno. destes.nos fornece o desenvolvimento
como prosIalite. hlperplasia prOSlMica be- cronológico das enfermidades e a prepara-
~
mgna; enfermidades alérgicas: dependên- ção para processos patológicos que alOda
~ cias como o alCoolismo. drogas, tabagismo, não se manifestaram diriCamente. O
tratamento para a beleza e anti - envelhe- diagnóstico da auriculOterapia tem valor
~
cimento. semiológlco tão importante quanto o dia-
~ No tratamento e diagnóstICO através do gnóstico através do pulso e da observação
pavilhão aulicular não só são utilizados os da língua na MIC.
~
pontos da face antelior da orelha como 04- Diferenças entre a nova auriculoterapia e
~ a 3urioJoterapia tradic:ionarnente feita:
~
~ Nova auriculote ! Aunculolera a tradicional.
~ Tem a descrição ele novos pontos, sulcos. São definedos apenas 90 pontos .
zonas, linhas e canais. Chegando a 160 pon-
~ los na face ventral e 31 1\3 face dorSal do pa-
." VIlhão.
utiliza os pontos auriculares para o diagnóstl- UI~iza os pontos auriculares só para o Irata-
." co mento.
~ ClaSSIfica os pontos auncutares. de aCOfdo Usa só a classificação tradIcional dos pontos.
com os Sistemas em 6 grandes grupos, e de
~
acortio com as suas funcOes, em .«; grupos.
~ Dâ grande importãncia ao uso dos pontos do Não faz ênfase no uso dos pontos do dorso da
dorso da orelha lanlo para o tratamento como orelha e são usados apenas no tratamenlo
~
.., : para o dlagnôstlCO

., Funciona corno um Sistema Uldependente, Funciona como uma técnica terapêutIca dentro
com mêlodos próprios para o tratamento e da acupuntura ou eledroacupuntura
diagnóstICO.

-
2

Caraterlstia da distribuiçJo dos pontos mente os pontos da zona correspondente à


da nova i1uriculoterapi.1 regIão lesada Por JSSO, podemos dizer que
os pontos da zona correspondente podem
pontos oue oontro!am a parte ventral do indicar o diagnóstico e tratamento das e~
~ os órgãos dos sentidos, a cabeça felTTlidades dolorosas.
e face , os órgãos internos e, lace anlenor
dos quatro membros. Pontos dos cinco Zang e seis Fu.

PonlOS Que oootro1am a parte dorsal d9 De acordo com a teoria dos Jing luo e
~: regilo cx:cipital, escápula, ombro, l.ang Fu são classificados OIUe pontos no
costas, região lombar, ghiteos, faoe poste- pavilhão auricotsr que representam os ór-
rior das pernas, posterior do cotovelO e gãos e vísceras. Estes pontos são coração,
calcanhar. Funcionam melhOr nos proble- fígado, baço, pulmão. lim, intestino grosso,
mas músculo-esqueléticos, tanto no intestino delgado, vesícula W~r, be:lóga,
diagoõsUco como no tratamento. Gera- estômago e $an Jiao. Es1es 11 pontos
mente pode-se refOl'Ç8( com os pontos da também podem ser denominados como
face ventral. pontos da zona correspondente mas dife-
rem, 1"10 fato de que os mesmos represen-
pontos da orelha esquerda: tam n~ só a anatomia do Zang ou do Fu,
Representam o lado esquerdo do rorpo. como também, sua funçAo energética e
lis<oI6ga .
pontos da orelhas direita:
Representam o lado direilo do corpo. Podemos cllar como exemplo o ponto
A orelha direita diagnostica e trata 8$ mu- bexiga. o qual e LtiIz8do para traar as
danças patológ<:as do ligado, VB, "'!ma- ciatalgias. Esta utiizaçAo é fundamentada
go, duodeno, apêndice, e condutos biliares. 1'10 pen::u15O da dor a qual ocorre no canal
A orelha esquerda diagnostica e trtrta mu- da bexiga na perna .
danças palológic8s do COfaçào, baço, pân-
creas, intestino degado e grosso, e é mais Os pontos dos Zang Fu representam
eficiente 1'10 tratamento e diagnóstico das 7,14 % dos pontos auriculares e jogam Lm
enfelTnidades urinárias. importantíssimo papel diagnóstico.

Cfusificaçlo dos pontos auriculares. Pontos do ,isterM nefVOSO.

Pontos dII Zona correspondente. Os pontos do sistema nervoso não s0-


mente representam. a nivel de estruturas,
Estes pontos são representantes da partes do sistema nervoso (como o cé~
anatooâa corporal dentro do pavilhão auri- bro, tronco cerebral. tálamo. sillpático,
aller. razão pela qual, recebem o nome da ciático, etc), como também representam
zona, artioJlação, membro ou órgão que determinadas atividades excitadoras ou
representam, Estes pontos têm a carade- repressoras do sistema nervoso. como no
rímica de lomarem-se reatrv-os ante Lm caso dos pontos Shen Men e excitaçio.
processo patológico em sua zona COfl1!S- Em outros casos. os pontos são denomina-
pondente. podendo abranger um ponto dos segundo a desordem do sistema ner-
especifico ou lflla zona detelTninada do voso que traiam, como no caso do ponto e
pavilhão auricutar. Podemos definir os a área de neurastenia. O ponto subcórtex é
pontos auriaJIares como zonas def11ro das uma representação importante do sistema
quais iocaiz.am-se os pontos. nervoso. Esta região do cérebro é vial para
No pavilhão auricular, 78 pontos são da a elaboração e 8 aná6se das sensaçOes
zona correspondente. Estes pontos são recebidas, e centro das alNidades corticais
muito mportantes no diagnóstico auricular superiores. Através de longos estudos de
e para seu uso terapêlllico é de vilal im- casos Clínicos e da análise das vanélÇÕes
portância a e~ do pavilhão na pr0- da resistênCIa elétnca nesta região da ore-
cura de sua máxima reaçJo positiva. lha póde-se diferenciar três áreas de sub-
Os pontos da zona correspondente são de córtex: àrea nervosa, área cardiovascular.
primeira escolha 00 tratamento de enfemi- e área digestiva de subcórtex .
dldes dolorosas, como cervicalgias, dores
nas costas, periartrite do ombro, dores na Tambêm produto da inervação do pavI-
articulação do joelho, IOmbalgias, dor no lhão auriCtJl8r encontramos:
calcãneo. etc. São selecionados prmeirr
.,.
..,)
.. 3
Pontos da zona corresoondente.
~
~
~
~
.,;
d
~
.,;
.,;
::s
.,;
oS
d
d

'"'
d
d
oS ..... '-

.,;
d
~
~
et
di
et
di
•Sou

d Traquell
di "ari<
E~ . • Par6ticb

P.....
.
P,I"to .rctia
-- ._-- -------- -------
Mui'- inf&riC>f

!:r.M •
:ten.
• lingu ••

Medir ,"''''.,
./ ''À
/
t , ;\

,;:' ', I
... I/ "i

..
... 0 :00

• •
r/I
,'i!
. i\( !
I

..
~,'.r in5le
,

. ..
mo '
I
~
--:t 5Zano6Fu
~
.,t
.,t .!-.1\JPR-R1iL
~
~
~
~
~
~
~

''""
'"""
''"" Bexiga Rim
~ '"
'"""
'"
~
3
3
3

'-t-t"
-t
-t
-t
-t
-t
.,.
.,.
..
..
.
•..
...
.-3
~ 6
~

""
~
Pontos ativadores do Xue

"
."
~
."
~
."
~ oc(~piltal menor
~
~
~
Ponto
~ • calor
~
."
~
~
~
~
."
~
~
~
~
~
."
."
."
•IIIArul-t auricular maior

."
."
."
."
~
~
~
~
~
~
~
~
~
~
7

Nervos espinais: área cardlovascular dO subcôrtex são con-


sKlerados os 5 pontos ativadores da circu-
Nervo auricular maior. lação e são vitais para o tratamento dos
Nervo octipital meOOf'. problemas da circulação do sangue e das
Nervos cerebrafs. sindromes Si.

Nervos cerebrais: Pontos do sistema endócrino .

Nervo vago. Estes pontos representam cada t.ma


NefVO facial. das gl4ndulas do ~ema endócrino dentro
Nefvo gIossofaríngeo. do pavilhão auriCular como, a tlipófise,
Nervo aurlculotemporal. tiróide, supra-renais, pâncreas, gónadas,
ovários, próstata, e o ponto endóaino que
os pootOS do sistema nervoso presentes representa todo o sistema. Os pontos do
no pavilhAo auriaJlar perfazem 11 ,69 % e sistema endócrino constituem 5,19 % dos
seu uso, na pr8tJc:a dinica, potenc:ializa o pontos auriculares.
resultado terapêutico de rTIlIitas enfermida..-
des. Pontos específicos.

Um ramo do nervo vago encofltr&.se no Como pontos especificos, classlicam-


ponto owido central. e outro reune-se com se aqueles Que têm tma de1:enninada fim-
os nervos glossofaringeo e facial no ponto ção diagnóstica e terapêutica.
$an Jlao.
São 25 os pontos específicos na
os 5 grandU ativad()(ts da circulaÇlO auriculoterapia, perfazendo 16,23 %
sangülnea, dos pontos auriculares. Estes pontos
têm importantissmo papel no diagnósli--
Os pontos nervo ocx:ipital menor, nelVo co Clinico e têm ampliado os resuM..
aurictJlar maior. ponto calor, sinpãtico e dos terapêuticos no tratamento.

.coluna verte- Zumbidos.


boi!. Extração
.. Exciação. dentes
.. Vento umidade res.
(reumatismo)

IColovelo de I.. infaoor.


d.
" do

po...
do
da

do
.:t
.,.""
.. Iêm-

.. Sede.
Fome .
Ascite .

""
8
Sistema endócrino.

Próstata
Pâncreas

Hipôfise

Endócrino

•••
· '.
Testicl

\
••
••
'~.'"
.~--

.

.,.
.,.
". Pontos específicos.
'1fJt.A:
~
!S
~
~
~
!S
!S

'" 9.!Lhl~raç.lo 11

'"
'"
~
~
!S

.,.'" ePt. calor


!S
~
d
d
d
d Pt para reduzir _ _ _ _......._..:

d o ritmo do co".çã" . \

..
d
d
Pt da sede.

A. da vert'2!~~~'<

d
d
Pt. da tome.

di'pnéia , \ . "
~lco'd~\
- 11 extração.
V·~ao deiUâna
'

Sulco de zu mbldó ' )
W;~~~~~::o e surdez •

PI. de nourastenlr • Su lco de


card 10paba

Plda ans,ed"d",~ A. cle tuf,,,.,iio

..
..
10

.....
Pontos do dorso da orelha li! miscelA· do pavilhão do que com os pontos da parte
ventral deste. Como coodusão, podemos
dizer que os pontos da face ventral do pa-
No dorso da orelha foram localizados, v~hão auricular representam a parte ventral
desde 1888, pontos representativos dOs do corpo, enquanto que os pontos da face
cinco ZatwJ: ponto cor.tÇão, ftgado , baço. dcusal representam a parte dorsal do corpo.
pulmão e lim. Estes pontos fOfClm desai- Tambêm podemos cooduir que os pontos
tos f\éI dinastia Ming pelo médico lhang Ti , da face ventral reagem ante as desoltlens
que esccveu o livro 'U lhen Na Mo Yao sensitivas e os pontos da face dorsal ante
Shu". Este é o pMleiro livro onde aparece as desordens motocas.
teoria e Iocaizaçio dos cinco Zang 00 dor·
so da oretha. embora 110 "Huang Ti Nei Em 1999, no congresso da Associação
Jlng" já havia Sido citada a relação dos Americana de Medicill8 Tradicional Chine-
Zang Fu com a orelha. sa, expusemos um noyo mapa auricular
dos pontos do dOfSO da orelha, ficando
Estes pontos guan18m estreita relação estabelecida a Iocaização de 3 sulcos, '*
com os pontos da face anterior do pavilhAo. zonas, 3 raizes, 2 triângulos, e 7 pontos
Por exemplo, o ponto baço do dorso do especiflCOS, todos eles uffiizados tanlo no
psviltlAo encontnI-se diretamente em 0po- tratamento como no diagn6stico atnNés do
siÇão com o ponto estOmago da face VeR- pavilhão aurictW.
tr3t; o ponto figado dorsal encontra-se em
direta oposição com o ponto flQ3do venlraI; As quatro zonas são:
o ponto pulmão dorsal está em direta opo-
sição com o rano superior da zona do pu~ Zona da vesíQJta biUar.
mão pela parte ventral; o ponto coração Zona do duodeno.
dorsal está diretamente atrás do ponto Zona dos sonhos e pesadelos.
Shen Men, o que justifica o princípiO lradt- Zona de tumoração.
clonel de que ' 0 coração atmalOO8 a
mente"; o ponto rim, localizado no dorso do Estas zonas antes mencionadas têm jm..
pavilhão. guaroa estre~a relação com o portante valor diagnóstico.
pomo cérebro da face anterior do mesmo, o
que justifica o principiO de que ' 0 rin gera Os dois triângulos são:
a medula fi o cérebro é o ma' da medula".
Tritngulo inferior para o tratamento das
o dorso da orelha apresenta três raizes enfermidades cervicais e fitromiosite dos
e um sulco. O sulco é denomil\8do sulco ombros e costas.
hipol8f'1SO( e as raízes são defirridas como: Triângulo superior para o tratamento
raiz supeIior, média e inferior da orelha. A das cia1aIgias.
raiz. média do pavilhão fica em direta ~
ção com o ponto centro da orelha e que, Além dos pontos assinalados anteri«·
através CIo mesmo, podemoS estimular mente, etravés da milenária expenência
diretamente o nervo vago; por isso ê tam. dínica do povo chinês, foram Iocaizados
bém denominada raiz do vago. no pavilMo outros pontos também de alto
valor diagnóstico como o ponto visio 2 e
Desde a década de 70 têm sido realiza· outros pontos que nAo guardam relação
das numerosas pesquisas sobre os pontos com o sistema nervoso !'\em endócrino,
do dorso da orelha atravês da experiêntia mas são de amplo uso e denorninam-se de
clirica no tratamento de muitas enfennida· acordo com a sua posição na anatomia
des. Em estudos comparativos, lemos auricular. como por exemplo, os pontos
nos deparado com determinadas enfermj.. ápice da orelha, ápice do trago, ouvido
dades como a do sistema musculoesque- central, visão 1 e 2. Yang de figado, centro
!ético, do Ssi.ema nervoso, e do sistema da concha cymba, hélix 1~, etc. num lotai
digestivo, OJ;os resoHaoos têm sido mais 42 pontos perfazendo 22 ,15 % dos pontos
favoraveis com o uso dos pontos do dofso auriOJlares.

••


11

Ápice da orelha

Hálix 1

Hélix2

Ápice do trago
~
~ 12

'"'"
r:t
:I
':t

'"'" ,-
,. .- •
••
"
11 ::. •

"
'"
<:t ;"1...
,'.'
,

m
~
{~
t40 o
~ •
~
,
1\\ -i "•<
••
o
U õ•
c e
, • ~

~ z• ";:• •c •
•• • ••o ~

~
J; "o " õ

~,,\\
E ~

III[]

~
lnt
• , ,
;"

.~
c
.

E
i
3•
,
~
o
"~
•••
.~
••
..(~
~ !

~
E
o
"E
••
.,• o ,
~


~ "
~ õ ~
~ • "< z•
... g
o
o
<

""
.
-J
13

Agrupamento de pontos de acordo a sua função.

De acordo com as experiências dilllcas e J) Os 5 grupos que benefidam M


as investigações rea~lacl8S sobre a função órpaos oos setltJdos:
aos pontos aunculares, podemos agrupar
os pontos principais e secundáôos de • Pontos para drenar a garganta .
acordo 8 sua aplicação na prática Clinica. • Pontos pêra Clarear avisa0.
resumlndo-os num total de 46 grupos de o Pontos para ajudar a audição.
pomos. • Pontos para drenar o nanz.
A seleÇão dos pomos auriculares p3r.i1 · Pontos para a beleza .
formar estes 46 grupos, foI baseada no
agrupamento dos mesmos de acordo à 4) Os J grupos com funç'o imlJtlolÓo
semelflal"lÇa e COI'TIjJItmefltação de suas glu:
luoç6es. COOl sua posterior apicação na
práUca clÍnica foram confirmados os re- • Pontos antialél!]ÍCOs.
sultados otntos. · Pootos antiínfecdosos.
• Pootos anti--reurn8licos.
Agrupamento dos pontos de acordo
com suas funções: 5} Um QnlPO com IíInç.io Itltipirétiea:

• 10 gn.,os que stdBrn ou acMmam; G) Os J grupos com ftmçlo regulado-


• • grupos com I'ooçóes M~" n:
cas;
• 5 grupos que lHnefiet,m 0$ 6rgJos Pontos que regulam a atividade neu-
o

dos senlldos; rovegetaliva.


• 3 t:JIUPO$ com funç.to jm~oIógica; • Pontos que regulam a atividade end()..
• Um grupo com fmÇlO iIrltjplrMi~; crina.
· J grupos com tlmçat> regulldora; • Pomos Que regulam a men~ruaçAo .
• 29fUPOS com funçlo tonlffcante;
• J grupos fOrtiIIecedores; 7) Os 2 grupos com funçao toomc.",..
• 7 grupos de nWSCeltllHS. te:

1) Os 10 grupos que sedam ou acal· • Pontos tonificantes de rim.


mam: • Pontos tonificantes do sangue.
Acalmam:
• a dor. 8) Os J grupos fortaIecedores:
- a vertigem e a tontura.
- a convulsão. • Ponlos lortalecedores do cérebro.
• a tosse. - Pontos forlalecedores do fígado e do
• a dispnéia. sangue.
• o prurido. · Pontos fortalecedores do baço e de
- o zumbido. sua fonçAo.
- o vOmito.
• a acidez. 9) Os 7 grupos de mlsceJãneas:
• a IeuCOrrêia.
• Pontos estimuladores da ladação
2) Os 15 grupos com fLVIç Oés Mltag6- · Pontos para regular o ai e eliminar a
nica.s; distensão.
• Pontos hípog~cemiantes .
• Pontos que sedam e excitam. • Pontos antiespasmódicos.
o Pontos hipotensores e hipertensores. • Pontos Que drenam a vesícula biliar.
- Pontos que diminuem e aumentam o • Pontos soníferos.
ritmo cardiaco. · Pontos adstringentes
• Pontos hemostáticos e alivadores da
~sangüinea OS 10 GRUpOS QUE SEOAM OU
- Pootos Oiurélitos e anlidiurêticos. ACAlMAM.
• Pontos laxantes e antidiarrêicos.
....,.
...
... 1) Aeafmam a dor:
14

Estes cinco pontos expostos anteriormente

....
são os principaiS no tratamento da verti-
Com o uso da auriadOl:erapia pode-se gem mas. podem air.1a ser adicionados
obter resultados notáveis no tratamento outros, de acordo com a diferenciação e

..
das enfermidades doIo~. etiopatogenia da enfermidade.
- Se a vertigem ê decorTMIe de arteri-
- Zona conespondenle . osclerose. adIcionamos os pontos SlJbcór-

..,.
O pooto da zona correspondente é o tex e coração.
primeiro a ser seleciooado durante o tra· - Nas vertigens ou tonturas causadas
tamento de sintomas dolorosos. Depois por transtomos neurovegetativos, adici0-

... que é produzida uma mudança patológica


no corpo humano, esta se manifesta na
zona correspondente do pavilhão auricular,
produziodo as seguintes reações: diminui-
ção do imiar doloroso. queda da resistên-
namos os pontos simpático e subcóftex.
- caso a vertigem seja um sintoma ela
Sindrome de Meniêre. adicionamos os
pomos ouvido interno e baço.
- Se a vertigem é causada por Wtgem

.. cia elétrica, mudanças de coloração, mu-


danças moIfológicas como pápulas, eles-
camaç6es, Ielangiedasias, etc.

Estas reações positivas caracterizam o


ponto para .seu diagnóstico e tratamento
em barco. automóvel ou aviA0, adiciona-
mos os pon~os cártlia e ouvido interno.
Em caso de vertigem causada por
anemia. adicionamos os pontos diafragma
e baço.
mas. No caso das enfennidades doloro- 3) AClImam a canVlJslo:

... sas, os pontos da zona c:orrespondente


não necessariamente retacionam-se com
pontos aunaJlares descritos, pois podem
ler um especIro mais amplo de localiza-
Pontos seleciooados:
- Tronco cerebral .
·OOOpit.t

.
ção. convertendo.-se num equivalente 80s - Shen Men.
pontos A Shi no corpo . - Fígado.
Por isto. ao realizar o tratamento de BUli- - Subcórtex.
Q,Jloterapia, é indispensável a exploração - Nervo ocdpital meoor.
com o instrumento dos pontos aUOc:ulares - Sangria no ápice.
e zonas reativas para conseguir assim
localizar O ponto com manifestações mais 4) Acalmam a tosse:
daras de dor ou diminuição da resistência
elétrica. Pontos selecionados:

.,. Os pontos analgêsicos incluem os pontos


da zona correspondente e podemos
acrescentar 8 sangria em apice ou nos
- Zona correspondente.
- Ping Chuan.
• Boca.
pontos do hélix. - Tronco cerebfat.
1 - No caso de dor em alguma viscera - Shen Men .
abdOminal, selecionar-se-á o ponto simpá- ·OOOpit • .
tico. - Baço.
2- Se a dor é produzida por lesão dos
tecidos moles, usamos então, os pontos 6) Acalmam a cfspnéia:
figado e baço.
3- Se a dor é óssea ou dental. adiciona- Pontos selecionados:
se o ponto fim. - Brôoquio.
Se a dor está relacionada com alguma - Pulmão.
enfennidade do siSlema nervoso, então - Ping Chuan.
adiciona·se a area nervosa de subcórtelt. • Simpático .
. Shen Men. - Adrenal.
· OOOpit• .
2) Acalmam it vertigem:
- Se a dispoêia é causada peta asma
Pontos selecionados: brõnquica, adioonamos os pontos alergia
- Ocd~al . e endócrino para aumentar o nivel imuno-
• Vertigem. lógico e a resposta antialérgica do orga-
- Fígado. nismo.
- Simpático eXlemo. - Se a dispnéia é causada por uma
• Sangria no ápice. bronquite infecciosa, deve-se adiâonar o
..... 15

......
.. ponto end6c:rino e realizar sangria no âp!- os SEIS GRUPOS COM FUNçõES
ce, buscaOOo uma ação aOlJlnfecaosa . ANTAGÔNICAS.
- Se a dispnéia ê causada por deficiên-

... cia ou vazio de rim que não consegue


captar o OI peitoral, deve-se adidooar o
pardo 001.
- Se a dispnéia é causada po4'" enfermi-
1- Pontos que sedlm e excitam:

a) Pontos que sedam:

...
dades ca!dkwasculares e pulmonares . Pontos selecionados:
devemos adicionar os IXJntos coração, rim - Shen Men .
e subcórlex.. · OcdpitO .
- Subcórtex.
') Aealm.w o prurido: - Tronco Cerebral.

...
... . Pontos selecionados:
- Sangria na zona correspoodeflle .
• Sangria no ápice.
- MnJo.
- Baço.
- Coração .
- Sanorla no ápice.

b) Fontos que ucitam:

Pontos selecionados:
- Coração. - Fronte .

... - Shen Men.


- Oc:dplal.
- AJervia.
-01_
7) Acalmam o zumbido:
.
- End6aino.
- Exdtaçio .
- Tálamo .
- Hipófise.
- Adrenal.

. Pontos se\eciooados:
- 0wD0 interno .
- OtNldo externo.
- Sulco do tinido.
2- Pontos hlpotensores e hipef1enso-
~s:

a) Pontos hlpo(etJsores:
- San Jiao.
- Vesícula biliar. Pontos selecionados:
- Rim. • Hipotensor.
- Tempo<aJ. • Shen Men.
• Fígado.

.. ') A~"*" o vOmito:

Pontos selecionados:
- Cárdia.
- Eslõmago.
o

o
Rim.
Coraçlo.
• Fronte.
- OcdpitO .
• Sangna no ápice.
- Ocdpit• .
- $ubc6rtex. b) Pontos h/_sons:
- Shen Men.
Pontos seleciooados:
9) Aalmam , Kldez: o Hiper1ensor.
o Adrenal.
Pontos seleCionados: o Hipófise.
- Slmpáüco. - COfaçio.
- Eslõmago . · Fígado.
- Figado. · Rim.
• Subcór1ex.
10) Acalmam' leucorréla ; 3- Pontos que diminuem e aumentam
o ritmo tardiaco:
Pomos selecionados:
- Zona correspondente. .) Pontos que cjmlnuem o ritmo ear·
-Rim . d/iCO:
- $an Jiao.
- FlOadO. Pontos selecionados:
. Baço. o Orgão coração.
- Endócrino. o Subcórtex.
o Coração.
16

- Shen Men. Pontos selecionados:


- OcOpótal. - IntestinO grosso.
- Baço.
b} Pontos qui aumentam o ritmo • San Jiao.
carcI«o: -Abdome.
- Pulmão.
Pontos selecionados: - Subc:órtex.
- Simpático. - Constipação.
- Adrenal. - Área de distensão abdominal.
- Subcórtex.
- CooIção. b) Pontos ifrltldiarrélcos:

4- Pontos hemostãticos • ativadores Pontos selecionados:


da circu&lçlo Slingillnea: • Relo.
- Intestino grosso.
a) Ponlos hemostátlcos: - Baço.
- Sl'Ien Men.
Pontos~os: - OcOpita!.
- Adrenal. - End6críno.
- Hipófise. • Sangria no á~.
• Diattaoma.
- Baço. • No caso de colite alérgica , adicionam-
• Zona c:<IfreSPOOdente. se os pontos alergia e subcóf1ex. para
produzir um efeito antialérgico e regular a
bJ PMto$ ttI~ da drculaçlO allvidade gastrointestlnal.
sangOln..: - No caso de diarréia C1'Ónica, deve-se
adicionar o ponto adrenal e realizar a san-
Pontos selecionados: gria no ápice com o objetivo de produzir
• Simpãtico. um efdo antinnamatório e flJ'lOfecer a
-eo..çào elimina~o parasitâria.
- Figado. . Se a diarréia é crônica , mas causada
• PutmAo. pela deficiência de Yang do rim e do baço
- Calor. adicionllfll..se os pontos rim e adrell8l com
o Subcórtex. o objetivo de aquecer o Yang do rim e do
· lona c:orrespondenle. !>aço.

5- Pontos diuréticos e antidiuréticos: OS CINCO GRUPOS QUE BENEH-


CIAM OS ÓRGÃOS DOS SENTIDOS.
a) Pontos cfUféttcos:
1- Pootos que cnnam fi garganta:
Pontos selecionados:
• Rim. Pontos selecionados:
- Baço. - Lannge • laringe.
• Pulmão. - Boca.
• 58n Jiao. • Traquêia.
- End6clino. - Pulmão.
- Ponto de eliminação de liquido. • EndÓClino.
o Zona correspondente.
• No caso de laringofatingrte aguda ad"
b) Pontos anthfurHlcos; Ciofla.se o ponto Shen Men e se realiza
sangria no ápice da orelha . o que produz
Pontos seledonados um efeito antiinftamatório, drenando a gar·
- Bexiga. ganta e acalmando a dor.
- QlNido central. • No caso de amiOdalile, adiCionam-se
• Hipófise. os pontos Shen Men e amigc!ata e .se rea·
- Uretra. tila sangria no ápice, que tem função an-
IÜnflamalória e analgésica.
I· Pontos laxantes e antidiamicos: · No caso de afooia, adiciona·se o
ponto baço.

,. a) Pontos lanrntes:

.
17

2- Pontos para c/Meat a vi5ao: 2- Pontos antllnfecciO$O$:

Pontos seleciooados: Pomos seleCionados:


• Sangria no ápK:e. o Sangria no ápice.
• Rim. • Sangria no hêlix F
o Fígado. o Adrenal.
• Olho. · Endócrino.
- Visão 2. • Shen Men.
o Zona corresr
j.. Pontos para ajudar a audiçlo:
J.. Pontos i máticos:
Pontos selecionados:
o OtNoo interno. Pontos sele .ldos:
o OtNido externo. o Sangria no &ptce.
. !Un. · Adrenal.
o San Jiao. · EndÓClino.
o Vesicula biliar. · Rim.
• Temporaj. · Figado.
oPonto que vigoriza a audição. o Baço.
o San .liao.
o Zona correspondente.

Pontos seleOonados: UM GRUPO COM ruNÇÃO ANnJI'I..


oNar1z. interno. RÉTICA.
• PulmAo.
oOwido externo Pontos selecionados:
• No caso de obstrução nasal causada o Sangria no ápice da orelha , ápice do
por resh1ado, realiza-se sangria no ápice, trago e na adrenal.
adrenal e alergia.' • Simpático.
• No caso de rioite alêrgic;a, adiciona· • Tálamo.
mos OS potuos alergia, endócrino. adrenal • Pumêo.
e sangria fIO ápice. • 0câp;ta1.
• No caso de rinite hipertrófica, adido- o Endócrino.
nam-se os pontos adrenal e diafragma. • Zona correspondente.
No caso de noite alróflca, adiciof\am..se
os pontos endócrino e baço. OS TRÊS GRUPOS DE PONTOS
COM FUNÇÃO REGULADORA.

1~~Pontos que--regulifr! a afi,idirde


Pontos selecionados: neurovegmtJva:
o Área de boct1echa.
• Zona correspondente. Pontos selecionados :
• Pulmão. o Simpâtieo.
• Baço. o Tãlamo.
· Figado. • Subcórtex.
Endócrino. o Coração.
o Rim.
OS TRÊS GRUPOS DE PONTOS COM o Shen Men.
FUNÇAo IMUNOlÓGICA. · Ocdl't• .

..
2- Pontos que regulam 8 rivldade
1- Pontos antialérgicos: endócrina:
Pontos selecconados: Pontos setecionados:

.
..
· Sangria no ápice .
· Alergia.
o

o
Adrenal.
Endócrino.
o

o
Endócrino.
Hip6flse .
• Tilamo .
• Rim.
• Zona cooespondente . • Flga<lo.
• Zona correspondente.
".
~
~ Hl
~
~ 3- Pontos que ngulam a menstrua- - San Jiao.
~ ç.Jo: - Baço.
• EndÓCMO.
~ Pontos :se+eeionadOS: - Subcót1ex.
~ - Endócrino . - Zona correspondente.
- H<>Ófise.
~ -látamo. 3- Pontos fOrliJ/ecedores do Baço e
~ - o.ál1O. suafun~;
- Rin.
~ - Fígado. Pontos selecionados :

..,.
~ - órgãos genitais internos.
OS DOIS GRUPOS COM FUNÇÃÓ
- Baço.
-Eslômago .
- Intestino delgado.
~ TONifiCANTE. - P'Ancreas

.,.
.". - End6aino.
- s"bn"'nElx .
- Boca .

.,....
.".
Pontos selecionados: OS SETE GRUPOS DE MiSCELÂ-
- Rim. NEAS.

...... - FIQ3do.
-C<>l>ÇÕo.
• EndOOino.
- Hip6fise.
1- PMtos JMf2 estimular a IKtaçIo:

- TAlamo. Pontos selecionados:

...
".

.".
• Adrenal.

2· Pontos tonltlcantes do sangue:


- Mamas.
• Hipófise.
· Eooóaino.
..,. Pontos selecionados :
- Tálamo .
• Fígado.
-~ . - EslOmago.
.". - Estômago.
- Rim. 2- Pontos para regular o OI e elimlnM
- San Jiao. a dlstenslo:
- Coração.
- F'lgado. Pontos selecionados:
- Adrenal. - Area de distensão abdominal.
- ADdome.
os TRrn GRUPOS FORTALECEDO- - Fjgodo.
RES. - Baço.
- Est&.ago.
- san Jiao.
1- Pontos fortaIecedores do ckebro: - Pulmão.
- Intestino grosso.
Pontos selecionados: -Subcórtex.
- Coração.
- Rkn. J. Pontos hlpogl/c eml.-Jtes:
- Tálamo.
- Hipófise. Pontos selecionadO$:
- Subcóltex. - Pâncreas.
- Fronte. • GIAndula do pãnaeas.
- Cérebro. · Enclócrino.
- Ponto da Inteligencia · Hipólise.
- Talamo.
2- Pontos forlaIecedores do fígado e - SubcÓf1ex.

. sangue:

POfItos seledonados:
- Figado.
- Boca.
- Séde.
- San Jiao.

- Rim. ~ Pontos itnriespasmóõcO$:


19

vorecer a drenagem do ftgado. regular o


Pontos selecionados: °
ai. nutnr o Vin e dispersar fogo.
• Zona correspondente.
• Simpático. - DefICiência de coração e vesícula bili-
· Subcórtex. ar: neste caso, adicionam-se os pontos
· Shen Men . vesícula e fígado, com o objetivo de drenar
o fígadO, a vesícula e acalmar o espirilo.
6- Pontos que ci"enam a veslcula bl-
liar. • Denclênda de coração e baço: adid~
na-se o ponto baço para tonificar o cora-
Pontos selecionados: ção e o baço, nutrir o sangue e acalmar o
• VesíClJIa biliar. espírilo.
• Vaas biliares.
• Flgado. • Desannonia de estômago e perda de
• San ..liso. sua função de descida: neste caso, adici~
• Duodeno. nllrTl--5e os pontos estômago e baço com o
• Sobcórtex. obtelivo de fortalecer o baço, nutrir o Qi,
• Endócrino. harmonizar o estômago e restabeleter sua
função de descida .
~ Pontos sonfferos:
1· Pontos adstringentes:
Pontos selecionados:
· Sheo Men. Pontos selecionados :
o FOm. o Coração.
o ConIção. o Simp8tko.
• Subcórtex. - Subcórtex.
o OcdpiIBI. - Tálamo.
• Neurastenia, área e ponto. - Adrenal.
• Sangria no ápice. - Zona oorrespoodente.

A insônia e a neurastenia são sintomas


comuns na prática dínica que podem ser
diferendados nas síndromes seguintes:

~ . Estagnação de ai de fígado: neste


caso, adiciona..se o ponto rigado para fa-

PRINc!PIOS 00 DIAGNÓSTICO AURICULAR _

O pavilhão auliarlar é considerado urna elétrica das zonas reativas especificas,


parte muito importante do corpo humano, mudanças no limiar doloroso, mudanças de
por constituir um microssisl.ema, capaz de coloração, mudanças morfológicas nestas
funcionar como um receptor de sinais de áreas. descamações, eczemas, Pl'esença
alta especificidade, podendo refletir todas de lelangiedasias, elc. Todas estas rea-
as mudanças liSlopatológicas dos órgãos e ções positivas podem aparecer no pavilhão
vísceras, dos quatro membros, do tronco, auricular, antes que a enfennidade se ma-
dos tecidos, dos órgãos dos sentidos, eo-. nifeste e, também, desaparecer depois da
lim, de todo o organismo. Quando se pr0.- cura da enfermidade ou, ficar como uma
duz um estado patológico em qualquer marca definitiva.
parte do corpo humano, este é refletido na
orelha com reações positivas de caracteres Os pontos de reação positiva no pavi-
e localidades diferentes, especilioos a cada lhão auricular podem ir variando suas ca-
enfermidade em par1ictJlar, e deixando racterísticas, em uníssono, com a evOlução
relações muito estreitas entre os locais da enfermidade, podendo encontrar neles
reativos e as partes do oflJanismo implica- diferen1es caraderisticas ~ullClo o
das na patologia. desenvolvimento da patologia.

" As reações positivas podem ser de dife-


rentes tipos, entre as mais comuns pode-
Por todo o exposto anteriormente, p0-
demos assegurar que os pontos de reação
"" mos descrever: mudanças na resistência positiva do pavilhão da orelha nos permite

"
~
.,t 20
-,t
-,t ronhecer os sintomas que refletem uma o método de palpaçAo é muito impor-
enfermidade, a forma em que evoluic a tanle na pralK:.a dinlC3 Jã que nele ficam

"".,.
.,t
mesma e a maneira em que continuara
evoluindo. Por isto. o diagnósl:ico aufiQJlar
é um i'tstrumento de inesti'nãve\ valor no
reunidos os quatro mêtodos diagnósticos
seguintes:

diagOOstico dínico que precisa de um estu- • Diagnóstico através do ponto doloroso

"".,..,.
do minucioso e detalhado. ; pressão.
• Diagnóstico através da man:a deixada
MÉTODOS DE DIAGNÓSTICO AURI· pela pressão .

.,..,. CUlAR. .()jagllÓSlICO atf8lles da palpação,


usando a ponta dos dedos.
-Diagnóstico através da palpação,

.,..,. 2· DI-onóstIco m-avés dos pontos


usando a ponta romba do lápis explorador.

co) ExpIOfaçAO elétrica.


doIOfOSOtS j pressIo. Com este método obIém-se 8S reações
~
..,. ...... ,.......
~ DlagnósIIeo ifhvé.s da marca ~ positivas do ponto através das varlaç6es
auditNas ou visuais do Instrumento elétrk:o

..,. • Di.,6stico «r.rvés da palJ»Ç-Io.


usado. Podemos combinar a palpação com
a exp0raç60 elétrica, podendo-se otier,
..,. em unissono, os dados diagnóstico que
.,...,. 5- DI~co.traris dII ~
elMrlu.
brindam ambos os métodos.

d-) Difmooação de Síndromes:

..,. Atrms da "'onnação obt;oa pelos


métodos ele observaçAo, palpação. expl0-
..,. 7-_~ZIdo.
ração elétrica, combinadOS com a história
da enfelTllidacle e 05 princípios da rlSiopa-

""
~
~
Mtfodo
aur1cular.
sintetizado de cfaan6.$tico
tologia, tanto ocidental como, tradicional,
podemos elabofar I.I'TI diagnóstico l'IClSCH6-
gico e aplicar t.rnaterapéutica adequada.

a ·) Ob5etvaçAo. DIAGNÓSTICO AURICULAR. CA-


~) Palpação. RACTERls"nCAS SEMK>LÓGICAS.
c-) ExPoração elétrica.
do) Diferenciação de sindromes. OIAGNÔSTICO ATRAVÉS DA OB-
SERVAÇÃO:
Nestas quatro etapas ficam resumidos
todos os métodos diagnósticos antes men- f-I Mudanrn t» colorad o:
cionados.
Reações de oor vermelha
a·) Observação: Reações de cor branca
Ao chegar o paciente à consulta, o pri- Reações de cor dOIa escuro
meiro passo que realizamos é a observa- Reaç6es de cor parda ou castanho escuro
ção do pavilhão auricular para conhecer o
IlJ9ir onde aconteceu o processo patológI- ~) Reaç6es de cor vermelha:
co e a etapa de desenvolvinento do mes-
mo, 5efVindo de ante-sala para logo reali- • Vennelho brilhante:
zar apalpação. ObseIVa-se nas enfenridades de
caráter agudo recém começadas e nos
..} P~pação: episôdios dolorosos.
Através da palpação de detenninados • VemleIho pálido 00 vermelho escuro:
pontos dolorosos mais sensíveis, ~ ObseIVa-se naquelas afecçôes com um
dando a palpaçAo à observação da coJ<>. penado evOlutivo cronico, reQdivante e
raçAo das martas que lic.am após o inteflTlilente.
exame dos pontos com um instrumento
explorador, poderemos determinar o
carácter aônico ou agudo da enfermida- b) Re8ÇÕesdecor bl"anca :

.. de.
..
.... 21

.... As reaç6es de cor branca, usualmente.


se encontram acompanhando as mudanças
mortoI6gicas em fonTl8 de proeminências .
Entre as mudanças morfológicas que
podemos notar nos pontos auriculares,
encontramos: proemmenaas, edemas,

...... Estas variam nos matizes seguintes: bran-


co tnMnte, pálido ou com pontos de cor
depressões, elevações puntiformes que
podem estar acompanhadas de pregas,

... mais esbranquiçada SODre o centro de uma


proefOOência. Além !isso, podem ser 01>
5efVadas manifestações brancas em 101m3
de fatias com pequenos pontos de cor r0-
porosidades na pele, aumento da espessu-
ra de cenas áreas da cart~aoem , etc. As
mudal'lÇas mortológicas apresentam-se
geralmente no C1JfSO evolutivo das enfenni-

... sada, em seu centro.


Estas variaç6es da cor branca são ob-
servadas nas afecções de caráter aónico .
Por exempk): na gastrite crônica obseNa-
se na étas de estômago, uma reação de
dades cr6oicas.

a) Proeminências:

As proeminências, geralmente, apre-

.. cor esbranquiçada distribuída em forma


difusa; na cardiopatia retJmática podemos
apreciar, na Area de c:oração, lIT\a cor es..
sentam-se em forma de nós, que podem
variar seu tamanho desde um gergelim, até
um feijão. Estas se eleYam sotx"e a pele,

.. branquiçada, em forma de fatias; na disten-


são abdominal li na ascite, também, p0de-
mos notar na areI de distensão abdominal
aparecendo em certas ocasi6es, em grupos
de dois, três, até cinco. Tambêm é oxnUfll
encontrar proeminências em fonna de fa-

.... e no ponto de 'seite, uma reação de COf


esbranquiçada que pode estar aoompa-
nhada por edema; nos pacientes portado-
tlas, cordão, cordõezinhos ou pequenos
ramos.

.. res de um quadro de oastrite de evolução


crôoIca, quando no momento do diagnósti-
')0._5 :

As depressões podem ser observadas

..
co sofre de uma agudiza~o do quadro,
podemos perceber no centro da reaçao em forma de pontos, fatias ou gomos, sul-
esbranquiçada, pontos pequenos de cor cos ou linhas. Por exemplo, podemos per-

. vennelha dislribuldos em fonna difusa s0-


bre a área de est6mego.

e) Reações de cor tinza escuro:

M reações deste tipo estão vinculadas


ceber depressões em foona de pontos, nos
zumbidos e astigmatismo. Nas aleoções
por ulceras yáslrk:as ou duodenais temos a
possibilidade de encootrar depressões em
forma de gomos ou falias e MS can:l~
as, hipoacusia e exlraç6es dentárias, 0b-
a um mal prognóstiCo da enfermídade ou, servamos depressões em forma de sulcos.
podem ser uma reação normal depois de
realizada uma pressão sobre os pontos tI Proeminências em forma de pontos
auriculares. POt" exemplo, quando estamos ou fatias acompanhadas de depressões ou
dianle de uma enfermdade de tipo oncok). depressões de bordas irregulares.
gico podemos observar, tanlo na área 2 de
tUfTlOl'3ÇAo, como no porto auricular relaci- Esle tipo de mudança morfOlógica ê
onado com a mesma, marifestaçóes de cor muito comum na ametropia.
cinza escuro (MJ partia.
d) Porosidades e irregularidades:
d) Reações de cor pan:la ou castanho
escuro: Estas podem apresentar manifestações
de aspereza, rugas e espessamemo na

.. Observa·se no curso evolutivo das


afecçOes de caráter cronico ou, como rea·
ção de seqüela quando a enfermidade foi
curada.. Por exemplo, após haver rea~zado
área ou no ponto. São vistas com freqüên-
cia nas enfermidades dermatológicas.

uma mastectomia, percebe-se na área das 3·) Reaç6es em forma de p4pulas:


mamas, uma reaçio de cor parda escura;

.. nas afec;.çôes neurodennatológicas, no


ponto auriClJlar correspondente a área cor·
poral afetada, notam-se mudanças produ-
As reações em forma de pápoLas nos
pontos ou áreas auriculares podem expres-
sar-se de diferentes fonnas as quais in-

. zidas por aspereza de cor parda escura. cluem: pápolas em f04ma de pontos em
fOITTl8 de vesiculas e as Que se fazem

• 2-' Mudanças mot101ógicas: proeminentes na pele em uma zona bem


definida.
22
De aCOftlo com sua coloração, podem forma de leque são vistas usualmente nas
dividir-se em pépulas de cor vermelha, cor úlceras pêpttcas, nas dores Iomba~ e oos
branca , cor branca com os bordas verme- membros Inferiores: e as que se manifes-
lhas, e em casos excepc:ionais, observam- tam em forma de ramos ou segmentos são
se papulas de CO( cinza 8SQ.'ro. observadas. com frequência, nas artralgias,
Segundo a combinação entre as distin- brooquiectaSlas, etc. Ouando as angiecta-
tas fOfTTla5 e cor9S, podemos reladoná-Ias sias possuem uma coloração vermelha
com as enfennid9des da 5egl.:inte maneira: brilhante significa que a enfermidade é de
caráter agudo ou mulo dolorosa. Quando a
- Pápula de superficie pana que varia cdofação é violácea blilhante, então, nos
sua fonna como o bicho da seda: observa- indica que 8 enfermidade foi curada ou,
das em geral no prurido. apresenta um quadro recidivante.
- Pápula com pontos de cor branca: 01>-
serva·se na COIecislolitíase, bronquite e nas b) Telangled.asias em fonna curva dis-
diarréias. seminada em uma irea especifica (OS antI-
- Pàpula de cor parda escura como a gos a comparam com IITIIT\8f de estmIas):
pele de galnha: observ.se na neuroder-
matite. Estas se expressam quando o paciente
• Pápula aYnhada em fonna de grio de sofre de atecções ulcero:sas. Quando sio
arroz: observ.se habitualmenle nas arm· observadas em foona serplglnosa, estAo
mias cardíacas e nas síndromes por estag- comumerte associadas a paciente portador
nação. Em algumas ocasiões, pode ser a de cardiopatia isquêmica e cardiopatia
manifestação de algumas afecçõe5 de reumática. Nos pacientes que apresentam
caráter e:strutlnl, com evolução agooa ou uma tumoração, as Ielangiectasias se
cr6nica, além disso, são obsefvadas, nas mostram em fonna de flor de ameixa na
dennstiles atôpicas. área correspondente.

e) Telanglectasla em loma de rede ou


malha:
Observam-se as descamaçóe5 como
uma alteração de cor esbranquiçada na Observam-se no cum das enfemlida-
pele do ponto que ao ser raspada se des- das inl\amat6rias de caráter agudo, como
prende com facilidade. por exemplo a laringofaringite, amigdalite,
- Nas eofeonidades dermatológicas, mastite, etc.
como é o caso da dermatite seborrétça,
pode--se notar descamação na lirea de d) Angiectasias interrompidas em seu
alelYia e no ponto pulmão. lrajeto:
- Nas afecçôes ginecológicas de caráter
innamat6õo e nas leucorréias, percebe--se a Em geflIl, observam-se em fOfma de
presença de descamaç6es na fossa trilo-- r.!0l0 que se interrompem em seu centro.
guiar. ComllTlente são vistas em paciente porta-
• Quando presenciamos a descamação dor de uma cardiopatia i5quémica ou no
nos pontos do esôfago e cárdia. este falo, infarto do miocárdio.
nos leva a pensar que o paciente apresenta
transtornos dispépticos ou, diminuição na 6-) RelifÇlo entre as reaç6es pG$i6.
atividade funcional digestiva. vas e o tipo de enfermidade:
• Ouando a descamaçlo é observada
na zona correspondente pode nos sugefir • Enfermidades inRamatôrtas agudas:
ictiose ou prurido na zona deteflllinada. Nestes casos, em geral, observlWll-SE!
• Quando verificamos a descamaçao de nos pontos, manifestações de cor verme-
lodo o pav~hào aurictJlar podemos afinnar lha, mostrando alguns uma cor br&nca ( ...
que o paciente é portador de uma dermalKe seu centro ou, uma cor vermelha maiS
seborréica ou, de uma psoriase. CUr.!, em suas bordas. Em outras ocasiÕt
apresenta--se como uma angledasia d<h>
5-) Reotçóes vasculares: capilares de cor vermelha brilhante acom-
panhada de uma superfJCie gordurosa .
a) Angiectasia:
• Enfermidades crónicas de caráter es-
Estas podem apresentar·se em fonna truturai:
de leque ou ramos. As que aparecem em
23

No curso das mesmas observam-se onellladores para estabelecer um diagnós-


proeminências ou depressões, em forma ,<O.
de pontos ou fatias de cor branca. Tam- Na prâtica clinica. emprega-se nas en-
bém, se observam pápulas de cor bfanca. fermidades aguelas ou de carater doloroso,
com escassa gordura que recobre a pele oferecendo, nào somerte, informaçAo
do pavifhio, ofereoenoo pouco brilho. To- diagnóstica. como também nos indica os
das estas manifestações podem estar pontos a uti~zar no tmamento.
acompanhadas por edemas.
A Intensidade da dor pode ser dassificada
- Enfennidades dermalológicas: nestas da seguinte maneira:
afecç6es, nota-se na pele do ponto auri<»
lar. a presença de descamaçóes, pápulas, • Escala de valores por sinais:
pregas com aspereza, espessamentos. que
podem se apresemar com uma cor parda (-) Quando não existe reaçAo dolorosa.
0SCUfa. (+) Quando existe reaçAo dolorosa refe-
Oda pelo paciente.
- Enfermidades neopIásicas: (+) Quando o p&dente pisca ao sentir
Nestes pacientes, vamos oOseN8r a dor.
proeminências em fonna de n6s ou pontos (++) Quando o pacierie enN1}8 as s0-
de cor acinzentada escura na zona corres-- brancelhas.
poodef'ie. Meio més depois de reaizada a (+++) Quando o paciente lenta se es-
druJVia, as cicatrizes pós.-drúrglcas mani- quivar por dor.
festam-se no pavilhio auricular, no ponto (++++) Quando o paclellle geme, por
da zona correspondellle por meKl de lITl dor ou esta é in'esisI.rvel.
cordãolinho ou. também, através de uma
cor esbranquiçada ou acinzentada esoJre . - Escala de valores por graus:

Grau I: O paciente refere dor no ponto.


DiAGNÓSTICO ATRAVÉS DA PAl- Grau 11: O paciente refere dor e pisca ou
PAçAo. franze as sobrancelhas.
Grau 111: O paciente geme à exploração
Este método se fundamenta n<I estreita e realiza um gesto para evitar ser manipu-
relação que se estabelece entre as mudan- lado OIJ nAo resiste a expioração.
ças mort'oIóoicas. o ~miar doloroso, etc. de
certas áreas e polllos do pavilMo auricular RastrNmento ExpIOI8fório.
durante um processo patológico. Para o
agrupamento dos dados, geralmente. utili- Este método utiliza a ponta do explora-
zamos 8 ponta de um lápis expIoradof', ou dor para reawr a busca das diferentes
explorador eletrônico e em alguns casos a mudanças morfológicas do pavilhão aori-
ponta dos dedos. Assim, localizamos a cular. Também pode ser empregado para
área ou ponto de maior sensibilidade, a explorar cada parte do mesmo. ainda que
presença de marcas depois de exercida a exista ou não muOal'lÇ8s patológicas nele,
pressão ou, o aparecimento de mudanças falo que nos facilita obter informação c0m-
moIfoiógicas q~ nos orientem o diagnós- plementar sobre os sinais que se apresen-
tico. tam sobre o pavilhão auricular.

A) E>tpIotaçJo com I~s uplondor Através deste método podemos enc0n-


ou com explorador elétrico. trar a relação exislenle enlre as mudanças
mOrfológicas e as enfermidades. As mu-
danças observadas comumente são, de-
pressões. edemas, etc. Ah!m disso, adid-
Neste método, util!z.a-se o instrumento onam-se os dados ~idos por presença ou
explorador eMrnico 00 a ponta do lápis ex- nào das marals deixadas pela e~,
plOrador (porna romba e de 1.5 mm), prefe- levando-se em coota. a coloração, profun-
rivelmente de metal. Com o instrumento didade ou superficialidade e tempo de per-
realizar-se-á a pc-es.sáo exploratória sobre manéncia das mesmas.
as âreas ou pontos da superficie auricular.
em busca das zonas de maior sensibilidade aJ Como se realiza este método:
dolorosa. com o propósito de obter dados
~
~ 24

"'':t" Utilizamos a ponta do lãpis explot'ddor


ou do explorador elétriro. exeo.rtando 'Jrn
pefidonlite podemos palpar sotn os p0n-
tos do maxilar superior e inferior uma
~
mt7oIinento de rastreamento ~near seguin- proeminência em forma de fatia.
~ do as pautas estabelecidas para isto. Não o Anlitrago:
~ devemos ignorar os pomos sensíveis ti dor Nas áreas occipilal, vertex e cervical
que se obtenham durante a exploração. podemos palpar espessamenlos da cartil&-

"""" Este método é muito empregado n8 prálic:a


dirica.
gem como sinal comum. Por exemplo,
Quando se palpa uma proeminência em
fOOM de COf1iAo Que vai desde o antiraOO

""
."
• PTVneiro exploramos a porção superior
e depOis 8 infertor.
• PrWneiro a prxyão interna e depois a
atê a allura do afi.i.héix, podemos supor
Que o paciente seja portador de neuraste-
nia. Se 1'10 trajeto médio da parte posterior

"" externa.
Primeiro o lado direito e depois o es-
do an1itrago e do hélix há um espessa-
mento da cartilagem, enlAo suspeitamos
""
o

querdo. que o paciente apresenta sintomas de


~ transtorno (\Q sono.
• PTineiro expIommos os Zang Fu e de-
~ pois os membros. • Fossa escafOtdea:
Se na porçAo iniàal da fossa escaf6i-
." A ordem do trajeto do rastreamento daa palpa-se uma proeminência em forma
." deve ser regido pela anatomia do pavilhão de ramo grosso, podemos assegurar que o
auricular e pelo explicado anterionnenle . paciente sofre de fibrose dos müsculos da
."
escápula e dos ombros.
A expIOraçIo dos ÓfgAos e realizada
""
d segundO o pavilhAo da seguinte maneira:
• Anti-hélix:
Nesta âllla ê fácil eoc:ontrar proernt.
néodas e espessamentos da cartiagem.

""
"!t
· Pav~hào direJo: flQ8do. vesiaJta biliar,
estômago, duodeno e apéodk:e principal-
mente.
Quando exploramos esta zona e encontra-
mos proeminências em fOfTTla de fatias 00

.,.
hiperplasia da cartijagem. podemos afirmar
':"i que existem atecçôes ósseas ou 1es6es
- Pavilhio esqueido: pâncreas, coração. dos tecidos moles.
baço, intestino d~ado e intestino grosso. o Cruz superior do anti-hélix:

""
-oj

d Este método IltiR8 a ponta dos dedos


Em presença de hiperplasia de textura
dura, podemos aftrmar que eJdstem afec;
Q6es como dores articulares por traLlll8S
externos. Se palpamos uma proeminência
d para pen:eber as mudanças morfológicas em forma de fatias com textura mole, ell-
do pavilhão auricular, com o objetivo de 1110, dizemos que o pacienle é portador de
,-f estabelecer um diag~ico. Na dinica, danos artiruares que envoNem os teddos
,-f empretJ3-5e no diagnóstico das enfennida- moles.
des a'Õnicas e de caráter estrutural. • Concha cymba:
d Quando enrontramos anormalidades
-t Através deste método podemos eviden- morfológicas. estas nos re\felam as mu-
,-f ciar as mudanças morfológicas dos pontos danças patológicas dos órg~os internos
auriculares como expressão da enfermida- como por exemplo, no figado, na vesiwa,
~ de. Estas variações Incluem: a hiperplasia no baço e no estômago. Ao palpar estas
da cartbgem, proeminência do tecido car- areas colocaremos a atenção na presença

'"
o::t
-.t
tilaginoso. m~anças na dureza da cartil .....
gem e sensibilidade dolorosa em certas
areas do pavilhão.
ou não de nós, cordõezinhos 8 proeminêll-
cias em forma de fatias; além disso, devo.
mos ter presente o grau de dureza. movi-
mento e sensibilidade dolorosa destas.
-.t b} lludançu morfológicas obtidas Por exemplo, se na ârea do (!gado 0b-
-.t medianf. est8 mModo segundo o local servamos proen'Iinências em fOflTl8 de es-

..
do pavilhlo auricular: ponjas marinhas, podemos afiflTl8f Que o
-t paciente é portador de esteatose hepâtlca.
• L6bulo da orelha: Se na área da vesicula biiar eocontra-

.. QuanOo realizamos a exploração d~


gilal sobre o lóbulo da orelha podemos
eoconlrar o espessameolo ou não deste.
Em caso afirmativo haverá presença de
mos proeminências em forma de fatias com
texiura dura. ent1l0. podemos pensar na
presença de coIedstite aguda .
• Hélix da orelha:

. proeminências no lóbulo. Por exemplo, na


25

No hélbc podemos palpar mudanças no - Reação posiIiva forte


ponto ânus, pequenos nódulos na ârea de O som aparece com ral)K1ez. acentuado
tumoração 2. COldões e sensibilidade dolo- e com variações no 10m desde freqfiências
rosa na área de tufT)()f'8ÇJo 1. mais baixas até as mais altas; pode estar
acompanhada de dor à pressão, se ex-
DIAGNósnco ATRAVÉS DA EX- pressa com ou sinal (++)
PLORAÇÃO ELÍTRICA,
Entre as caract.eristicas gerais destes
Este método exploratôrio baseia-se na pontos de alia condutibilidade podemos
detenninaçAo da resistência elêtrica dos ootar dor à pressão, mudanças mOI10t6g~
pontos auric.Jlares. De acoroo com as taS, descamaçóes, pápulas, mudanças da
variações da mesma, em cada pomo, Ie-- COlOração e Ielangiedasias.
ventaremos um coneto diagnóstico das
anomalias presentes nos ZanQ-Fu ou no 5-) CaracteristlC<IS (jagnósticiS dos
COIpO. em geral. A estes pontos onde cai a pontos de alta condutJbilldade:
restst~ncia elétrica de maneira sigrif\caüva,
também o denominamos pontos de alta • Pomo de alia conclutividade com rea.-
coodutMd8de. ção posiIlv. dé~l,
Em pometro lugar, nos indica
.f..) Defwmfnaçlo dos porI(OS eM alta que a enfermidade é de recente começo
condufJbllIdIde ; e/ou encontra-se em uma fase de recupe-
ração partial ou letal.
a) Diferença entre os pontos nolTTlais e Em segundo luoar, há ocasiões em qtJe
os de alta condutibilldade: o paciente é portador de uma afecçlo de
camer cr6nico ou, com tesio estrutural
• Os pontos normais: que se recuperou. Pode encontrar·se no
São aqueles que nAo ouamam relação ponto correspondente uma marca re8li'Va
alg00l8 com os estados patol6gk:os. Qual'\- que perdura por ~ tempo. Apesar de
do realizamos sua exploração elétrica, não não haver manifestações da enfermidade ,
se evidenciam mudanças SOOOf8S signifi- nestas situações, o som do equipamento
cativas, sendo débeis e de baixa freqüên- e
explorador ligeiramente débil com relaçAo

.
~
':I
cia; além disso, nkl se acompanham de
dor à pressão, nem mudanças mort046g~
caso
ao primeiro caso. Isto nAo é considerado
um dado de peso para se fazer o diaQnÓSt~
00, tA que não há sinais, nem critérios para
justificar sua lXISiÇão.

..
". • Os poo105-d6.8~1idade;­
Constituem uma manifestação positiva • Pomo de alia condutibilidade com rea·
". que expressa sua relação com o estado ção positiva moderada:
patOlógico, mostrando variações significati-

.
Esta caract.erisUca estil presente nas
vas no som. Podem acompanhar-se de dor mudanças patOlógicas ~ánicas estabele-
à presQo, mudanças morfológicas. des.- cidas, por isto, renelem-se nos pontos h0-

..
camaç6es, pâpulas, mudanças de coIOfa' mólogos do pavilhão auricular. Os pontos,
çio, aranhas vasculares, elc. A exploraçAo com esta reação positiva moderada, fazem
-ti pode ser dividida em três graus: seu apareCImenlo durame o pleno dese~

..
volvimento da enfermidade e conslitui uma
Classificação da reBÇao positiva . valiosa infOfTTlação a se tomar em COnside-
ração quando elaboramos o diagnôstico.

..
• Reação positiva débil: 'll>;
O som aparece débil, com 10m e fre- -Ponto de alia condutJbllidade com rea·
qüência baixos; não se acompanha de dor ção poSinva forie :
à pressão; pOOe ser expressado grafICa- Este ponto é a manifestaçao do epicen-

.. mente como (+f..) .

_Reação posil~a' .
" . 1." \., ,,",. , ,; v ~ ....
O som aparece com mais rapidez, forte,
rnas seu tem ainda é baixo; njo oconem
tro da enfermidade. Ele mostra a po5IÇào
principal da patologia no organismo: é co~
siderado o ponto principal a ser considera-
do quando vamos realizar o diagoostico
e o tratamento.
variações importantes em sua freqUéncia:
pode estar aoompanhado de dor à pressão:
se expressa graficamente como (+).
26

4-) RegIaS gerMS das rNÇôes nos - Diferenças Individuais na exploração


pontos de alta condutitilidade: de ambas as orelhas:
Ao realizar o método explorat6rio, sem-
- Vários pontos reativos em uma mesma pre devemos começar pelo pavilhão direito.
enfelTTlidade. Os ôrgãos intemos distribuem-se em cada
pavilhão aurtcular segundo a posição de~
• Ponto reativo ante muitas enfenn.da- les em sua localização anatOmica sistêrm-
des. ca, isto é, o flOOOo, a vesicula (vias bilia-
res), o apêndice, etc. 810 explorados no
- Ponto que renete o processo de uma pavilhão aulicutar dire~o. Por outro lado, o
enfermidade. pâncreas, o intestino delgado e grosso,
coração, baço, etc. são explorados no ~
• Ponto de elevada condutibilidade lo- vil hão esquerdo. Os pontos como o pulmAo
calizado na área do 6rgAo afetado. e os rins são explorados em ambOs pav"
IhÕes.
• Ponto que em ambos pavilhões reflete
diferentes valores na condutitilidade elétrl- a} Método explOOll.ório exercendo pres-
co. sio sobre o ponto:

Este método é empregado para explOrar


o ponto principal a ser tratado e 6 muito
a) Método exploratório de forma linear: utilizado no diaonóstico de pacientes com
uma enfermidade complexa. Na prática
Através deste método são raSlreados dlnlca, este método exploratório é empre-
lodos os sistemas COfpOf8is. É empregado gado antes de efetuar o lratamento para
geralmente para iniciar o exame diagnósti- escolher o ponto especifico ou delefTTlina-
co do padente, oferecendo informação do.
sobre as mudanças patológicas, assim
oomo, a história de sua enfelmidade; em D\AGNÓSnCO ATRAVÉS DA DIFE-
ger.al. efetua-se tendo em conta as regras RENCIAÇÃO DE 8iNDROMES:
di seguintes:
~ Através dos métodos de obsewação,
• ExpIOf"aç.ão de &COmo com a anatomia: palpação e explomção elétrica, podemos
~ Realiza-se na seouinte ordem: cotetar os sinais e manifestações soficieA-

.,.,.
~ • Fossa triangular.
• Concl'la cymba .
- Em tomo da raiz do hélix.
tes para a elabomção do diagnóstico.

1.) Métodos de dftetmlnaçlo di.

.,..,. - Concha
o
cava.
AntitraOO.
• Incisura do Antitrago.
gnóstlu,

a) Anãlise das zonas reativas:

.,.
....
- Trago. A reaçAo positNa da zeoa do pavilhão
o Lóbulo da orelna. auricular conespondente à enfermidade,
- Anti-hélix. nos leva, não só a realizar a diferenciação

..
- Cruz superior e inferior do anti-hélix. dlagn6stica, como também. a poder loca ..
- Fossa escafóidea. zar a mudança patológica na zona exata do
• Hélix. organismo .
• Dorso da orelha.

.
.. • Exploração por sistemas e aparelhos:
Em primefro lugar, realizamos a explo-
ração da tensão arterial, logo a dos Ôfyãos
b) Analise de acordo com as nonTIas
estabelecidas nas mudanças de reação
positiva:
Uma enfennidade pode ter simultane •

. do sistema ginecológico e urogenital. o


f.gado com seu Fu acoplado, o pâncreas, o
sistema gastrointestinal, o sistema card",
respiratôrio, o sistema nervoso, a face e os
cinco ooficios (boca, a garganta, etc,), e o
mente, viuios pontos de reaçAo posiijva e
por sua vez, um ponto de reação positiva
pode expressar a manif8Slação de virias
enfennidades. Além disso, um mesmo
ponto com reação positNa pode manifestar
sistema osteomloarticular ~ronco e exlre- o processo evolutivo da enfefTTIidade, por·
midades). lamo, a análise diagnóstica do pav~hão
auricular, exige um exame exaustivo.
27
- Vártos pomos reativos paI<! uma mes- cado o rim, em sua atNidade funcional.
ma enfermidade: (pielonefrite. glomerulonefrite, Ta renal.
PQf exemplo, na hepatite crônica pode- etc), podemos ellCOntrar uma intensa rea-
mos observar uma reação positiva nos ção positNa com sensação dolorosa à
pontos hepatite, figado, centro da concha pressão. Assim, nas cardiopatias podemos
cymba, San Jiao, baço e área digestiva do encontrar reações posrtivas nos ponlos do
subcôrtex.. Quando estamos frente a um coração e intestino delgado. e neste último,
estado de Ilf!Ufastenia os pontos 5hen pela relação interior-exterior que lem com o
Men, rim, coração, área e ponto de neu- OOlliçãO ,
rastenia e a zona I\eNOSa do subcórtex
têm lima reação positiva. Nas afecçôes dennalológicas podemos
encontrar reações positivas nos pontos de
• Quando um só ponto de reação positi- pulmão e intestino grosso. Por exemplo. a
va é manifestaçAo de uma só enfermidade: aale jlNenil e a constipaçAo com fezes
Por exemplo, frente 8 um estado de hi- ressecadas nos traduz a presença de calor
potensão, o ponto hipertensor mostra uma acumulado no canal Yang Ming. Motivo
reação positiva; frente a um estado alérgico pelo qual, na exploração elétrica auricular
o ponto de alergia tem uma reação positiva; encoolramos posiINos os pontos do pul-
se existe Te o ponto da TB, também. ex~ mão, intestino gr0550 e est6mago. Isto
~se de forma posttiva; nas hemo~ ocorre pela relação que estabelece o canal
des o ponto Anus expressa-se com reação do pulmão. em sua trajetÔria desde o .lIao
positiva, etc. médio e, sua relação com o Intestino gros-
so .
• Quando um ponto de reação positiva
manifesta ante vários tipos de enfermida- Nos quadros de cefaléia tipo el'OOKlueta
des: que acometem o trajeto do canal Shao
Por exemplo, o ponto rim pode mos1rar Yang do pé, o ponto da vesicula biliar
uma reação positiva ante afecçóes renais, apresenta reação positiva. com uma pr0e-
tais oomo, plelooefrite e proslatite. Tam- minência em fonna de cordãozinho. Além
bém, mostra-se positivo em afecções disso, pode haver a presença ou não, de
como: hiperP'asla óssea, neurastenia, he- proeminências nas áreas de Tai Yang e
patHe, alopecia, tinido. hipoacusia, etc. fronte.

e) Anártse de acordo com 8 teoria dos d) Anâlise diltgnóstica de acordo à t~


canais e colaterais e dos Zang ·Fu : ria da medidna moderna:
A teoria dos Zang-Fu, valioso legado da
MTC, mantém outro ponto de vista sobre a O início, desenvolvimento e evolução de
fisiologia e 8 retaçào funcional dos órvãos, uma enfermidade ê um processo complexo
com uma visão diferente da medicina mo- que se apresenta como um desajuste em
derna. O emprego da auriculopunturl'l está algum local de nossa fisiologia, sistema,
influenciado, em grande medida, pelos estrutura ou órgão e, nos casos graves,
princípios teóricos desta disciplina, por pode repereuttr na ativil:lade metabôlica e
esta, razão pode-se justifICar a presença de funcional de lodo o organismo. manifestan-
um único ponto de reação posi!r..ra frente a do-se através de uma série de sintomas e
numerosas manifestações de dNersas sinais complexos. Por isto, e usual encon-
síndromes. Por exemplo, entre as funções trar durante a exploração do pavilhão auri-
do rim podemos enumerar as seguintes: cular vários pontos reativos, alguns dos
armazena a essência vital; gera a medula quais podem ser argumentados sob a aná·
óssea e espinal: exterioriza-se através do lise teórica da medicina modema. Por
otNido: e~se na qualidade do ca- exemplo, na úlcera gastroduodenal pode-
belo; controla os líquidos corporais; capta o mos encontrar manifestações positNSS nos
Oi peitoral, etc. Por esta dNersidade funci· pontos simpático, subcórtex, estômago e
onal do rim, nas enfermidades do slstema duodeno. Sob as considerações da medici-
nervoso, urogenital , respiratôrio, transtor- na modema, as úlceras gastroduodenais
nos da audição, a alopecia, as Iombalgias, guardam uma estreita relação com a fun-
as nefrttes, etc.., o ponto pode mostrar-se ção da córtex cerebral e com os ôrgAos
com reação positiva. intemos, Isto Quer dizer que sob situa·
ções estressanles constantes, pode
Ouando realizamos a exploração elétri- haver formação de úlceras pépticas
ca e tádil em afecçóes onde esteja impli- Que aparecem pela influencia que

t
"
28

exect:em as mudanças neurove-.lctativas Um grupo de ponIos reativos podem re-


sobre a seaeção de ãcido dGOOOO'l. a lletir uma enfermidade. POf isso, Iem-se
nivel da muoosa gastroduodena ~. estabelecido grupos de pontos que
diagnosticam determinadas enfennidadcs e
e} Seleção de pontos de acordo ao que são a base para a seleção da receita
diagnóstico da : de tratamento.

~
Tratamento Clinico.

Diagnóstico e tratamento da depressAo, ansiedade, tensa.o e netlfose.

No pavillJão auriclJlar existem dois eixos ef1'lOÔOrlais.

Os dois eixos emoOonais da orerha são utifizados para regular a função do sistema nefVOSO,
sedar, estimUar a
mente • acalm,,, o EIXOS DAS EMOÇÓES
espírito.

Eixo emocional I

~ constituÍdo pelos
pontos ápice da 0re-
lha, Shen Men. M1 •
jXlnto do nervo vago. ÂpIce da of'tlna
cérebro. hipófise.
ocdpiIa~ véf1ice. área
de neurastenia. área
de pesadelos e área
de vertigem.

Estes pontos :;Ao


utilizados para sedSf, ..........
favorecer um sooo
tranqüilo, daresr e
abrir a mente, regu-
......
Simp.Mic.o

lando a função do
nefVO vago e a função
endóaina. São utili-
zados para tratar ce-
fatéias do vértice,
occipital. frontal. e
enxaquecas, verti-
gem, enfermidades ~roo auriculoternpol1lt Hip6fi,
oftãlmicas, 1leU~e­
nias, dificuldades para
dormir, pesadelos ou
sonhos excessivos.
enfermidades alérgi- Ponto ~ em
cas, enfermidades do
sistema endócrino
como diabetes, porem
é mais utilizado para
tratar as desordens
emodonalS, como POIIIO d • •1l$Ieda.de
depressão, ansiedade
e tensão nervosa.

Eixo emocional 11.


29
Depressão. ansledade, estresse. nervosismo.
Conslitui-se de pontos do SIS-
lema netJrtlYegetatJvo como o Uh!. . 1\ t. . f!l . it IUl t.
ponto simpático e sinpâtiro
extemo, nervo auricllld:emporaI,
ponto de neul3Stenia e pooto
das emoções.

Este eixo é utilizado para


diagnosticar a neurastenia, as
desoo:tens do sono como sono
leve, de MO tempo de duração
ou em que a pessoa acorda
..,
muito cedo. Este eixo é funda-
mentai para ajudar 8 determinar
,
as <IesOfdens emociooais. Os
pontos que se distribuem oeste
eixo tnIt8m desordens do sis- ,
lema neoI'CHegetativo, cefa-
léias. frorrlais, do vértice. enxa-
quecas, vertiQem. enfenridades
oftÜTic8S. visão embaçada,
neurastenias; podem ajudar o

sono para que este tique mais
profundo e lonOO e principaknente tratar desortiens emocionais como depressão, ansiedade.
livrando a tensão nervosa e elevando a vitalidade.

Os quatro principais pontos do eixo emocional


para tratar a sindrome de atminência 510: ..........
Simpático e Soon Mefl:

Estes pontos são mportantes para contn:lUlr os sio-


lomas da abstinência. O ponto simpático controla as
secreções endócrinas e regula o sistema nervoso. O
ponto Shen Men acalma a mente, controla a ansie-
dade, a depressão e favorece um sono tranqiiilo.

...
A\cooIism().
~

~
.!-. ...
---

Area nervosa de subcórlex e ponto das e~
ções.

Regulam a exOlaçãG-depressão do córtex


cerebral, diminuem a ansiedade, lensão,
depres~o e psicologicamente produzem
uma sensação de tranqüilidade. como sen-
sação de ler a mente mais leve e dara, o
tórax mais expandido, protegendo o equ~ibno
cmooonal.


30

Vício em
droga>
... Tabagismo

..
di
Neurasttni&.

A neuraslenla é uma das neuroses mais freqOentemente vistas na prática dir1ca. O começo
da enfermidade, geratmente, ocorre durante a jwentude, chegando a instalar-se com certa
crooicid8de. 89 é causada com maiO( fr9qOenaa pela atMdade mental excessiva, ou trabalho
intelectual por tempo proIoogado ou por numa psicológico, o Que leva à debilidade da mente e
à soperexcit.ação ou depressão do córtex cerebral, produzindo sintomas oomo: insOOia. d~
dade para entrar no sono, sono leve com fáci despertar e poucas
horas de sono. Em casos graves, o paciente passa toda a noite sem doonif, apresenta pes.
deIos, palpitações, sudorese, irritabilidade. astenla geral e pelOS de memória.
Para a MIC, esta patologia é deoominada eu Mei que pode ser traduzida oomo perda de
sono. De &alI"do com a etiopatooenia, está retadonada com lesões de baço e a>ração ou do
sangue e da energia: produto do trabalho mental ou da preocupação excessivos. Outra causa
pode ser a derlCiência do Vin de rim favorecendo a ascensio de fogo, produzi~se falta de
comunicação entre coração e rim: também, a alimentação inadequada que pI"O'oI0C8 desarmonia
entre baçO e estômago. Ao repres-
são de senti'nentos e a irriabilida- , •
de proyocam ascensão de fogo do
figado , sendo outra das causas da
enfermidade. AI'b .......
De acordo â diferenciaçAo de
sínclftllTleS da MTe , 8 neurastenia
lXlde estar relacionada com a defI-
ciência de coração e baço, estaq-
nação do ai do (.gado. deficiência
de coração e VB, desatmonia en-
tre coração e Rim. e desarmonia
de estômago.

Tratamerrto:

Pootos principais:
oSangria no á~ .
oShcn Men.
o Coração.
o Subc:órtex.
• OcdpótaJ .
• Área e ponto de neurastenia.
...
..
di

di
Pontos secundãrias:
31

di • Se deficiência de coração e baço: Baço.

.,.
di • Se estase de ai do r!gado e ascensão de ai de (lQado: Fígado.
• Se deficiênds de coração e vesícula biliar: Vesicula biliar.
• Se perda de comunicação entre ~çáo e fim: Rim.
Se desarTTlOf'ia de estômago: EstOmago.
di o

di Sonhos excessivos e puadek>s freqüentes.


di o 5000 é o momento em que o CÓI'Iex cerebral deprime suas funções para o descanso, mas
di e:dstem pessoas que durante o sono certas partes de seu córtex cerebral continuam trabalhao-
di do. Assim, as zonas de seu cérebro que tinham que ficar deprimidas ficavam exdladas e as
Que deveriam ficar trxátadas ficavam deprimidas, dando lugar 80S sonhos e pesadelos. Neste
di caso o sonho é um reftelto de ativiiade cerebral e não um resultado da depressão fisiológica
di do córtex oeretnf dlHllle o sono.
Na Medicina Tradicional Chinesa este sintoma é denominado Bu Me( e é causado principal-
di mente peja lesIo do YIIl do Rm onde a água não pode controlar o fogo, faz8fJ1o que o Yang
di de c:oraçAo hipetfuncione. Assin, o espirito perde seu controle e o sooo não é lranqüio. OUra
causa é o trabalno irteledual ou a preocupação excessivos que lesam o baço e o roração. O
di transpofte e transformação do baÇo não se realizam adequadamente, ficando o sangue do
di coração mil nutrido. Isto leva à deficiência de sangue do coração. outra causa é a lesão amo-
ciona~ que faz com que o fígado perca sua função de drenagem e rupersão lesando os meca-
di nismos do QI, o qual se estagna e se transforma em fogo que atlnoe o coração prejudicando o
di sono.

...
di

di
Pontos seleciooados:

Sangria em ápice da orelha.


Coração.
di Área nervosa de subcór1ex.
d Área e ponto de neurastenia.

....
di Pontos secundários:

.,.
ti
Para a desannonia enlre o cor.aç.ão e Rim, acrescentar Rim .
Para a deficiênàa de coração e Baço, acrescentar baço.
Para a estagnação do Oi de r.gado, aaescentar rlgado e VB.

.M. Cefall!ia.

,.
..
A cefaléia ê um dos sintomas mais fre-
". qüentes na prática clinica. Enlende-se pClf esta
enfermidade a dor intensa sem localização
neural tipic.a. A cefaléia pode dassiftear-se em
cefaléia de tipo estrutural ou de tipo funcional .
Os mecanismos patológicos da cefaléia funejo..
na! ainda nao estão esclarecidos e podem
~ acompanhar outros quadros ctinicos como a
~ neurastenia ou 8Slar relacionados com as
menstruações. No caso da cefaléia de tipo es-
~ truturai pode estar relacionada a esHmulos
~ inflamatórios. traOOlas ou processos intracrani-
.;t ais de tipo compressivos. canprometendO es-
truturas como as meninges, .... asos cerebrais.
iI nervos cerebrais, elc.

"" Geralmente no caso dos órgãos dos senll-

"
~
dos, as cefaléias são sintomas que acompa-
32

nham a Sinusile. glaucoma. ametropias e


c.ãncer faringeo.

As cefaléias também podem fazer parte

....... - do quadro dírico de patologias como a


hipertensão arterial, mening~e . infea;6es
agudas e comoção cerebral.

De acoo:lo com os alérios da Mediána-


Tradiàonal Chinesa, a cefaléia pode ser
provocada por causas internas como as
sete emoções em desonIem ou seis
F.P.EXo. que prOYocam a ascensão do
Yang do r~ado ou a deficiência do Ci. do
sangue, do Vin ou da essência, levando à
IM nutóÇào do cérebro. Outro fator que a
MTC leva em consideraçio ê o traumatis-
mo, o que produz t.ma estagnação do san-
gue e como resultado a cefaléia.

A MTC respeita outro critério importante


pant 8 diferenciaçAo da cefaléia: segundo
sua IocéIlização. De acordo Q)ffi sua JocaIi-

.. ~III
zaçAo divile-se em:
• Cefaléia Vang Ming: Quando esta Iocaliza-se Cefaléia do vértsx
!lO trajeto do canal Yang Ming, ou seja, na região ÃpÕ(;ed;l . . . .

-'1.
• Cefaléia Shao Yang: quando se localiza na
regiio pariela!.
• Cefaléia Tai Yang: quando se encontra na
reg~o ocdpil:.1.
• Cefaléia Jue Vin; quando se localiza no vérti-
ce da cabeça.
Tratamento:

Pontos principais:

...........
• Sangria no ápice.
• Shen Men.
o Subcórtex.

.. Pontos seOollldários:

• Cefaléia Yang Ming: Fronte, est6mago.

. • Cefalêia Shao Vang: Temporal, vesícula


bi~ar, sinpáüco e simpático extemo.
• Cefaléia Tai Yang: Ocapttal. bexiga e
nervo occipital menor.

"•
11
• Cefaléia Jue Vin: Vértice. figado .
• Cefaléia de toda a cabeça: Ocdpital,
vértice, temporal, fronIe, simpâtico externo.
33

Tabela de seleção dos pontos para tratar a cefaléia.

Dor Frontal. Dor Tempo- Dor Occipi- Dor do Vér-


ral. tal. tice.
Ponto da Frontal. Temporal. Occipital. Vértice.
zona cor-
responden-
te.
Pontos fim- Sangria no Sangria no Sangria no Sangria no

.
~
~

~
cionais. ápice. ápice. ápice. ápice.
De acordo à IArea nervo- IArea nervo- IArea nervo- IArea nervo-
M. Modema. sa de sub- sa de sub- sa de sub- sa de sub-
córtex. córtex. córtex.
De acordo à Estômago. Vesícula B~ Bexiga.
córtex.
Fígado.
~
MTCh liar.
Ponto expe- Simpático Simpático Nervo occi- Simpático
riência. externo. extemo. loital menor. externo.

Neuralgia do trigêmeo:

Trala-se de uma dOI' paroxística de curto tempo de duração que acomete a face 80 loogo do
trajeto do nervo lrigêmeo. Esta dor pode ser· dilacerante, como um golpe de corrente, 'em
queimação" ou pulsante como uma agulhada. A mesma pode durar desde vários segundos a
alguns minutos, aparece repentinamente e desaparece. Em Lm dia pode haver de 1 a 100 ai-
ses dolorosas. Durame o momento da crise, a região ooee se distribui o tJigêmeo toma-se hi-
pefSeflsivel: basta a ação de lavar o rosto, escovar os dentes, falar, romer e em casos mais
graves, até caminhar, para que se produza a dor. Em algumas pessoas, o momento da crise é
acompanhado de mudanças espãslicas, avermelhamento ondulante da pele, laaimejamenlo e
sialorréia.
A Medicina Moderna diferencia esta afecção em neurnlgia primária e seamdária. A neural-
gia do trigêmeo do tipo secundária está relacionada, em geral, com compressões do neIVo
prtroIocadas por tumores ou processos inflamatórios; também pode guardar relação com mil-
danças a nível v8SOJlar.
A neuralgia do tipo primária, como seu nome o indica, é idiopâtica e de causa não dara. Na
atualidade, considera-se Que a afecção pode guardar relação com processos infecciosos dos
seios ou periodofllfte.
Outros crilérios apontam a isquemia vascular produzida. sobretudo pela arteriosclerose em
pessoas da terceira idade.
Estudos de mudanças reativas consideram a relação de transtornos bioquimicos e neurofisi-
olôgicos Que podem favorecer o aparecimento de edemas e como resultado deste, a dor.
Outra consideração aponta para compressões de tipo mecânica.
Estudiosos do sistema nervoso central consideram Que a neuralgia relaciona-se com de-
sordem funcional a nível do sistema nervoso central.

,.
.
34

Para a MTC, esta afecção de acordo com sua etiopalogenia. pode ser provocada por
agentes patogênicos exôgenos e endógenos. Assim. o vemo frio e o vento calOr são as combi-
nações exógeoas mais freqüentemente vistas
oomo causa da enfermidade, enquanto que. o :::. 1... it!f. ~
calor excessivo de estômago e (.gado que as-
cende, a deficiência de Y'1Il que não cortroIa o
Yaoo ou o fogo por vaDo que nameja para cima,
contam, entre as causas cndôgenas. que obs- Apiee d. ON"-
truem 8 livre dn::uIação de Oi e Xue nos canais
e colaterais da face. POf" isso, na antigüidade
chameva-se esta enfennidade de "Vento na
cabeÇa', Durante a dinastia Ming o médico
Wang Um Tang em seu livro 'Tratamenlo de
Enfennklades Dffi<:eis' lhe denominou Mian
Tong, que se traduz como dor na face.

Tratamento:
Pontos principais:
- Nervo temporoauricular.
- San Jiso.
- SubcóI1e>t
- Tronco c::erebr.II.
-Shen .....
- Ocdpit.t
-Zona COfTe5POI"Idente.
Pontos secundários:
- Nariz externo.
- ÜI.Nito exlemo.
- Intestino grosso.

Hipotenslo W1eria6.

Considef'&.S& como hipotensão. a diminuição das cifras de tensão arterial abaixo de 90 mm


de Hg para a pressão sistólica. e de 40 a 50 rnm de Hg para a diast61ica. A hlpolensão pode
ser classificada em dois tipos: agooa e cr6nica.
.... Na hlpotensão aguda produz-se uma queda
abrupta da tensão arterial que pode ler diferentes
etiologias, ocorrendo sintomas de vertigens, lor-
por e chlXlue.

A hipotensêl) cr6nica aparece quando as cifras


se mantém nonnalmente baixas e, em geral. estâ
associada a enfermidades do sistema endôcrino.
a enfermidades degenerativas, ma nutrição, en-
fermklades cardiovasculares, etc.
Para a MTC, a hipolensão é um sintoma de
sindromes de deficiência de OI , deficiência de
Xue ou deflCiêllcia de ai e Xue,

Tratamento:

Pontos principais:
• Adrenal.

•• - HipecteflSOf.
• Hipófise.
• Cofação.


35

Hlpertenslo ar1eria1:

Entende-se por hipertensão arterial a enfermidade que se caracteriza pela elevação das
pressões s.;~óIica. <iastó6ica ou ambas ao mesmo tempo, pelo menos em três tomadas casu-
ais. Por conseguinte, serão dassificados como hipertensos, aqueles individuas que tenham
cifras de tensão artertal acima de 140 mm de tiO (SIStÓlica) e de 90 mm de Hg (diastóica).

Ê freqüenle levar em ronsideração para determinar a g1llVidade da tiTA as âfras di8Sl.6I~


casoAssim quando a PA diastólic.a está entre cifras de 90 alIO mm de Hg, sem elevar-se a
sistólica, considefa.se como uma HTA leve; quando ambos, a diastó!ica e a sist6~ca elevam-se
coosider&-se uma HTA moderada; e quando a diastótica eleva-se a mais de 110 mrn de Hg
considera-se uma HTA grave.

AIgt.m8S eofennidades precisam corno mecanismo para compensação, elevar as cifras de


PA. Por Isso, 8 HTA é dassificada de acoroo aos cn:érios da Medicina Moderna em hiperten-
sAo primária e secundâria respondendo a Sij8 fisiopatologia.

Os sintomas dfnicos que geramente acompanham a KTA são: cefaléia . vertigem, palPta-
ção, ins0ni8, visão embaçada, parestesia dos dedos da mão, etc.

Na prática dinica a HTA pode classifICar-se em diferentes estadic5:

Hipertensão leve 00 estadia t conside1'a-se o estadia inciaI, reIaciooado com espasmos


VaSQIlares.

- Hiper1ensáo moderada estadio 11: Tem presença de arteriosclerose, aparecendo sintomas


da inftuéncia da HTA sobre 8 atNitade fisjoiógica do coração. rWn e cérebro.

Hipertensão grave ou estadia 111: Tem presença de arteriosclerose e e»ste repercussão


cardíaca. renal e cerebral, com mudanças importantes na vascularização cerebral.

A hipertensão para a MTC é dassificada denlro das patoklgias de cefaléias (Tou Tong),
vertigem (Xuang Yun). Ascensão do Yang do flgado. palpitação (XIn Ji). Si Ttridco Xioog 81)
ou golpe de vento (Zhong Feng).

A MTC considera que o estadia inicial da HTA está


relacionado com a ascensão do Yang de rlQ8do. O es.
tadio modenIdo com a defidéncia de Vin de ligado e
Rim e o estadia grave com a deficiência de Vin ti Yang.

Tratamento:

Pontos principais:
• Sangria no ál»ce.
• Sangria em sulco hipotensor.
• Hipotensor.
• CooIção.
• Frontal.
• Subcórtex.
· F"~ado .
• Slmpético.
-I
•• Pontos secundarias:
Tanlo para a deficiência de Vin de rlgado e Rim.

•. como para 8 defICiência de Yin e Yang acrescenla-se o


ponloRim .

•. No caso de vertigem as ponlos owido externo e ocr


cipilal .
36

Cervicalqia:

A celVicalgia é também dlamada sindrome cervICal, Já Que é uma enfennidade complexa


de mUt\ipas causas, como os traumas externos, inflamações, mudanças degenerativas como a
hipertrofia das vértebras c:eMcais, mudanças degenerativas do disco, instabilidade cervical,
etc. A ocorrência de transtornos cervicais pode acomecer como conseqüência de mudanças
estruturais como o estreilamerto vertebral, osteófilos marginais, estenose do forame vertebral,
1es6es dOs tecidos moles periféricos, que podem produzir a nivej cetvical ooculite ou ~
pressão vascular compromeIendo a zona inervada pelo plexo cervical e braquial, produzindo
sintomas De perestesia nos braços e nas mãos, vertigens e võrMos entre outros sintomas de
caráter neurd6gtco e vascular.

A cervicalga pode dividir-se nos seguintes tipos: ~rutNa, radicular, de tipo simpática, de
tipo parest.ésico, por debiidade, vascular, espinal, atrófica e de vertigem,

Segundo os ailérios da M'TCh, esta enfermidade é causada por debiidade de rim e de fIO&-
do, por estagnação de Oi e aaJmuIo de mo e também, pela desnutrição dos tecidos moles,

Tratamento:

Pontos principais:
- Região cervical.
o Shen Men.
- Rim,
o Endócrino.
- Nervo occipital maior.
- Fígado.

_.. .-

C3.' _
",,~r~·
00-

PeriaI1Jite do ombfo:

A periartrte dO ombro é lX08 patOlogia degenerativa Que oompromete os tecidos moles


desta articulação, os ligamentos, tendões, bolsa e sioóvia. Na China, é chamada 'ombro cotado
• pelo venlo' ou ' ombro ànquentoo', por ser uma patologia observada, geralmente, depois dos
50 anos e, é mais freqüente, no sexo feminino Que no masculino.
37

Esta enfermidade é caracterizada em seu começo por uma dor ·surda" Que pode acometer
um ou ambos os ombros e Que. em casos graves, pode irradiar-se para a região cervical e para
os membros SUperlores. É mais leve durante o dia e piorando durante a noite; o padente sente
aversão ao frio e &O Vf:nto nos quatro membros; no processo da enfermidade os movimentos
da artiadação do ombro podem ficar limitados, seja na elevação, retropulsão. abdução, adu-
ção. etc. Em estados graves podem ocorrer aderência dos teCIdos moles, atrofia muscular,
etc.

De aCOlllo com a etiopatogenia tradicional, o inicio desta enfermidade está relacionada com
8 insuficiência de ai e de Xue que favorece a invasão do vento, frio ou umidade patogênica
decorrentes de trabelho excessivo ou ele traumas.

--,L.-..
et
di
et
et Tralamemo:
d M."" li.
.... ......
Pontos ~ncipais: FtbromiMgia.
d - Zona correspondente.
r.S • Shen Men.
,s Pontos secundários: !tinI

~ - F~ado .
. Baço.

'"
di
d
- Endôcrino.

Fibromialgia.

..
~
~

..

38

A datalgia li considerada, em geral, como um tipo de Iombalgia onde é pnxIuzida uma inta-
ção do nervo ciático que provoca lI"Tl8 dor dilacerante ou 'em queimação' que nasce na
região lombar, ak:ança a nádega, a parte posterior da ooxa, a prega poplitea, a borda externa e
posterior do Pfi!, o calcanhar, e o dedo pequeno dos pés. A dor ptOICI quando o paci-
ente tosse, caminha ou flexiona o tronco para frente. Em casos graves, o paciente não pode
girar o corpo. A perna, o calcanhar e a parte dOf'SBI do pé podem apresentar sensação de pa-
restesia com diminuição da sensibilidade. OS músculos quadriceps e gastronêmios apresentam
atrofia.

Esta enfefTTlidade pode dassificar-se basicamente em pri'nária e secundária.


Ciataoa de r.arBter primário: pode ser produzida pela invasão do vento, do frio ou enfenni-
dades infecd0s8s.
Ciatalgia de caráter secundário: neste caso, a eofennidade pode ser produzjda por llllJdaIl..

.,..,. ças patológicas nas estruturas que guardam reUtçio com o nervo, como as hérnias discais. a
tliperplasia da região lombar, os 11I1lOf8S da regiAo sacrolombar e artrose saaoIombar.

.,. De acoolo com 03 critérios da MTC, a ciatalgia é coosider8da como uma eofemidade den-
tro das síndromes Bi e sua etiologia está relacionada com 8 invasão do vento, do mo, da !.mi-
dade 00 do calor patogênico ou, por trall11aS externos que conduzem à lesão dos canais e dos

""et
".
colaterais, obsttWndo a dmJlaçAo de OI e de Xue. alUIndo a enfemliClade é proIonoada, pode
ocorrer 8 dmnuiçào da nutriçio dos mUsaJlos e dos tecidos imp;cados no trajeto dos canais,
fato que gualda reIaçIo com a deficiência de Qi de 001.

.,..,.
d Segundo os canais afetados na ciatalgia, esta pode classificar-se em três:

- Cia1aIgia produzida por ~ do canal Tai Yang do pé: neste caso, a dor acomete LI'I'\8
heffit.nádega e a parte posterior da coxa caractertzando-se por uma sensação lancinante. A
dor aumenta com o movimento e pode ler caraderisticas pal'O)Cisticas ou constantes. Há difi-
c:t culdade para caminhar e flexionar a dorso para frente. Os pontos Zhi Pian (B-S4) e Wei Zhong
(lHO) _ dolorosos à pressão .
cI
d - Ciatalgia produzida por lesão do canal Shao Yang do pé: nesle caso, a dor accmete wna

.,.
d hemi-nádega, a COJU! e a pan-
tunilha em seu lado externo.
Pode hB'ler dores paroxísticas
!i f'.ft ••
d ou constantes com sensação
"em quei'nação" ou 1aodnante.
..:t O ponto Huang Tiao e Yang Un

.,.
~ Ooan são dolorosos' pressão .

- C~algia por lesão dos ~

.....
..:t nais Tai Yang e Shao Yang do
~
pe.
Tratamento:

Pontos principais:
- Ciãtico.
... . Glüteos.

... - Shen Men .

...
.. Pontos secundãnos:
• 8e>ciga .
-Rim.
· F~o .
- Vesicula biliar.
39

Dor nocócQx lesão das 'o'értebras lombares.

Lesão dos teddos moles da região lombar.

'r

.
c:t
d 40
d
d
.,.
d Lesão da artio.J\ação sacrOlliãca .

.,..,.
d

.,..,.
i:I

'"
d
d

.,.
d

'".,.
.,..,.
~

.,.
.,..,.
d Torça0 lombar Dor lombar por Xu de Rim

.,..,.
;:t
cf
;:t
cf
.,."'
"".
~

..
.
..,
41

MÉTODO DE TRATAMENTO DE COLOCAÇÃO DE SEMENTES.

Este é um método sinpes, amplamente lJS8do na auriculolerapta e mu~o desenvoMdo


nos ilttmos tempos por suas vantagens operaaonais. Be COflsiste na seteção de materiaIS
esféricos. de superfície lisa. que reaizem pressão sobre os pontos auliculares. Estes mateo-
ais podem ser pequenas pilutas. esferinhas imantadas ou sementes de determinadas plantas.
O importante é que tenha uma superfície polida e uma foona o mais redonda possivel.

Este método é relalNamente novo, vem se desenvolvendo na China há aproximadamente


20 anos. Foi baseado e desenvOlvido a partir das experiências obtidas com a agulha r~ifoone
e o uso da IQultl8 lntracIénrica no pavilhão auricular. Constitui um método mais .sensível que
os anteriores, }á que é mdhor aceito pelos pacientes, por ser menos traunátioo e doloroso.
Entre as v8l1l:agens que este método oferece, estão a de ser muito mais simples e mais ba-
rato; além de, com ele se poder tratar um grande número de enfermidades, da mesma forma
que oom os métodos anteóores, facilitando o tratamento em pessoas da terceIra idade e de
constitu5çio física débil. Ê m.i1.o adequado 00 tratamento pediátlico garantindo 00 faalitando
que o paciente nAo tenha que voltardiariamenle à consulta.

1-) .INfodo de ...tanenfo.

oJ_dolMerl"'.
Os materiais usados 00 mé10d0 de colocação de sementes podem ser de vários tipos.
Podemos menciooar: sementes de plantas medicinais 00 não, como a planta Wang 80 Uu
Xlng, etc. Também, podemos usar certas pilulas OU medicamentos da Medicina Tradicional
Chinesa, como as pilulas Ren Dan, Uu Shen Tan, Hou Zheng W8tJ, Niu Huang )(jao Yan
Wan, etc. 9Jalmerie, podem ser usadas pequenas esferas mantadas. O imç(Htante no uso
destes materiais, é que tenham certa quaidade ao nível de dureza e mantenham lfTla super·
fície O mais Nsa possível.
O restante dos maeriais necessários são esparadrapo, uma ~ de aaílico preparada
para este fin, uma pinça mosquito, álcool a 75 %, t.m estilete, iodo a 2,5 % para garantir a
estelilizaçlo, aIQodáo, agulhas intrarntJSaJlares esterilizadas para reaüar as sangrias em
caso necessário e o explorador auricular.

c) DlreçJo do esI1mulo.

A direção em que a semente é colocada e qoo se realiza sua pressão, depende da confi-
guração e di:stJíbutção dos pontos auóculares no pavihão. Os pontos 8UI'io.iares mais impor.
tantes estio distribuidos em relaçAo direta com a trajetória dos nervos. Por exemplo, os pon-
los relacionados com o aparelho digestivo estAo diretamente vinculados, em sua 1oca6zação,
com um ramo do nefVO vago. Por isso, ao tratar pontos como boca, esôfago, cámia, estOma-
go, duodeno, intestino delgado, apêoclice, Intestino grosso. etc., deYe-se direcionar as se-
mentes para a raiz do héIix. Desta maneira, o resuttado lerapéutico sera muito melhor.

Outro exemplo, é o caso dos pontos que estão relacionados diretamente com o sistema
mUsculo-esquelêtico, os quais distribuem-se ao longo dos ramos do ne1\IO auricular maIO(.
Neste sentido, quando colocamos lodos os pontos desta zona, deve-se observar que a dI-
reção de manipulação seja para o anti-hélix.

Os pontos owido externo e o ponto do órgão C04"3Çâo estão diretamente relacionados


com ramos do nervo temporoauricular.

O nervo oc:cipital meflOf distnbu+-se na parte superior do tubéfWlO do helix. Por ISSO, os

. ponlos desta zona devem ser manipulados em direção ao hêlix.

Os pontos que se localizam em depressões e cavidades ou em regiões onde a resistênCia


elétrica do paviltlão ê baixa, sáo sumamente sensíveis: coração, pulmão, enclócrino. intestino
grosso, litero, colo dO litero, davicula, dedos, cotOYeIo, ponto alergia, etc., e devem ser pres.-
sionados em direção à parte mais profunda da ca-roade onde se localizam.
d
~ 42
d
d e
Quando necessário usar um mesmo ponto em ambas as faces do péNilhão. com o obje-
tivo de reforçar o IrBlamento em enfermidades do siS1ema musculo-esquelético, é imlXlrtanle
d localizar o ponto ma, delicado à dor. tanto do óorso, como da região ventral do pavilhão.
Deve-se colocar as sementes em oposição direta, para que o resultado terapêutico seja mai-
d or. Podemos citar como exemplos, os transiomos cervICais, dorsais, lOmbares, hipefl)lasia,
d dor da região do ombro e as costas, ciatalgia, etc.
d
'" CleJo de tr.rtanento.
d

..
d
d
As sementes colocadas no p9V~~o auricular podem pennaoecer por um penodo de 3 a 7
dias. dependendo da enfennidade tratada. No caso das enfermidades doklrosas. as ~
les podem ser retiradas após três 04J quatro dias, com o objetivo de modificar os pontos es-
colhidos segundo a necessidade. O tratamento está sujeito à evolução da enfermidade e as

..
suas caraderisticas. Recomeod&-se que se a mesma evolLrir favoravelmente. os pontos es-
colhidos sejam I'ealkx:ados em tomo dos cinco ou sele dias.
d
Todos os dias o paciente deve estfnuIar as sementes, três a cioco vezes, automassage-

.
ando as orefhas. Cinco sessões de tratamento consUuem um ciclo e entre cada ciclo de Ir&-
tameoIo deve haver UTl descanso de um ou dois dias. 00 de t.ma ou duas semanas antes de
começar In! I'ICNO. Isto depeocler.i do tempo de evolução da enfermidade. assim como, da
d resposta OIJüda com o tratamento .

d 2-) Aspectos. se eoosideraf.

d • Deve-se evitar molhar os esparadrapos uma vez cdocados na orelha. Ao serem lIne-
deciOos, a força de estimulo diminui, além disso podem ser criadas condições propícias para

.
as infecç6es artAneas.
Pode ocorrer reação alêrgica ao esparadrapo de óJÕdO de zinco. que se manifesta com
pápulas na zona , prurido, edemas e 8Ve~hamento. Em tais casos, pod&-se realizar ~
gria no ápice e cokx:ar sementes no ponto adrenal e alergia, mudando o tipo de esparadra-
po, por micropofe ou outro antialérgico.

• No verão, o método de colocação de sementes deve ser aplicado com menos freq~
eia, devido ao incremento da sudorese e da secreção sebécea própna do paciente. O periodo
de permanência das sementes no pavilhão auricular não deve ser extenso.

• Se no pav~hão da orelha há tumefação, úk:eras ou infiamação, não se deve realizar o


método de COlocação de sementes.

• Se o paciente se queOOl que ao deitar e colocar a cabeça sobre a travesseiro, sente


uma dor irtensa nos pontos lralados, pocIe-se afrouxar o esparadrapo ou mover levemeoIe
as sementes.

• No caso das mulheres grâvidas. a manipulação para o estimulo pelo método de c0loca-
ção de sementes deve ser leve, evitando, por lodos os meios, qualquer ponlO que promova o
aborto.

• Não é conveniente ut~izar grande quantidade de sementes no pavilhão aunCIJlar. Por


isto, recomend~se intercalar os pontos escolhidos, lanlo pela fece ventral, como pela dorsal.
Por exemplo, fIO tratamenlo das enfetmidades do ombro 00 da região lOmbar. devemos es-
colher os pontos da face dorsal, elevando assim a eficãcia terapêutica.

• Depois de realizado o métodO de colocação de sementes, o passo mais Imponente, é o


autl>estimulo pnIIicacIo pelo próprio paciente. O estímu40 deve ser realizado com maniplja-
ÇÕ8s de pressão sobre a área onde está C<Mocado o esparadrapo com a semente, evitando
esfregar 00 friccionar, fatos que podem mover as sementes ou produzir lesões na pele.
43

MElODO DE TRATAMIENTO MEDIANTE SANGRIA.

Este rnê!:odo consiste 00 uso de agulhas filifonnes. agulhaS Inlramusculares, agulhas tri-
angulales ou bisturi oftalmológico para realizar picadas, petfurações ou pequenos cortes em
zonas e veias especificas do pavühâo auricular com o objetivo de fazê-las sangrar.

é utiizado desde a antigüidade para efuninar o aWnulo do caiO( patogênial que provoca
febre atla e COI'HUsAo. Também usado para tratar as dores causadas por estagnação de
sangue, as cefaléias, vertigens e visão tUlVa provocadas pela ascensão do Yang dO Fígado e
a dor e inftamaçAo da conjuntiva 00 olho, a constipação e a dennatite, produto do calOr ex-
cessivo aa.mulado no pulmão e no intestino grosso.

A sangria é Lm método que ajuda a comunicar e drenar os canais e colaterais, eliminar a


estagnação e facifitar a cirt:ulação do sangue; acalmar e eliminar o calor. é LWTl mêtodo antii().-
Hamatório e analgésico.
3-} StIIeçIo '*' ponfo de sangria.segt.fldo a enfetmidade.

a) Sangria no IpIce da 011/1".:

Apresenta seis funções fundameotais: antipirética, antJintlamat6ria. sedenta, hipotensora.


antialétgica, dareis 8 mente e a visão. razão pela qual é muito usada para o tratamento da
rem ala. processos inf\a'nalórios. aIefgias, NpertensAo, cefaléia, choque 00 pen:ia de 00-
nhecimeolo, erdennidades oftatmok)gicas, neurastenia, enferri:lades denNiológicas, etc.

Na atualdede, a sangria no ápice da orelha ê Lm dos métodos mais LIliWldos na prática


clínk:a.

b} Sangria em ponto Yang de trg«lo:

Ê usada especialmente para tnrtar os sintomas da sindrome de ascensAo do Yang do fí·


gado, tais amo: tontura, visão tUIVS, ztmbidos, etc.

c} s.ngna no ápice do trago:

Tem fuoçêo 8ltipiretica, antiinnamatória, sedanle e analgésica. E usada no tratamento de


enfermidades inflamatórias agudas e aónic.as, assim como, na febre produzida pelo resfriado
com""'.
dJ Slngm no sulco hlpotensor.
Trata a tipertensão, a cefaléia e a tontura.

e) Sangria no dorso da orelha:

Em geral, realiza-se no terceiro ramo das veias posteliOn!s da orelha e ê usada para tratar
enfermidades dermatológicas, inflamações de garganta, conjuntiv~e aguda, bronquite, etc.

f) Soangria nos pontos do héh 1 - 6.

Estes pontos têm função antiimf\amatória. Todos os pontos do hélix tratam as enfermidades

.... dolorosas ao nível da região onde estes estio \ocaIzados. A sangria nestes pontos deve ser
abundante (de 10 a 30 gotas), fazendo-se ordenha para faaliar a sangria .

ti!llitl.; lICIta a dor na região distai dos Quatro membros, como 8rtme dos ded\ls da mão, da
articulação do pulso, síndromes de túnel do caf1Xl, dermatite e enfennidades alêrgicas.

Hélix 2: trata o cotovelo de tenista, e dores na região do antebraço.

• Hétix 3: trata as periartriles do ombro e as fibromiosites.


44

Héllx 4: trata as cervicalglas. a sindrome cérvicobrnquial. a periartite do ombro, a cefaleia ov


cipital, a fibromiosite, dor de dente, periodontrte, ATM, e a estomatde.
HéIIx 5: trata 8 otite media,dor de dente e hipoacusia.
Hélix 6: trIIla a amigdalite. e faringite aguda.

Sangri.1 na zona correspondente.

No caso da dor na região lombar e das pemas pode-se sangr:ar os pontos da zona c0rres-
pondente no ant'" hélix e na Q'\Q: superio( do af'Tti. héUx. Exemplo: os pontos da região ~
boss&cra, .rticUaçio do quadri, articulação do joelho, tomozelo. etc. . Neste caso, a sangria
pode sei' realizada ao longo das te4eanged.asias presentes nas ditas regiões. A sangria é rea-
lizada em forma de picadas, eliminando as eslagnaç6es do sangue e alMando a dor.

A S8ngrla no ponto Olho trata as enfermidades oftálmicas, aliYialldo a dor ocular, desinfla..
mando os olhos e tratando as infeç6es.

Para tratar as hemorróidas agudas pode-.se fazer sangria no ponto ânus. Esta manobra cIissi--
pa os edemas e alMai 8 dof.

Nas enfermidades dennaloIógicas realila-se sangria nos pontos da ZOO8 c::onespondente.


Esta manobnllljuda a nutrição da pele, o sistema mune, poés têm funçlo arrtt-alénJica e an--
líinfecciosa. Por exempkl,sào utilizados no tratwnento de exantemas. herpes zoster, líquoo
plano, etc. . Também tém Inportante lISO no tratamento estético.

De acordo ao antes exposto concIuimos que 8 sangria na omha tem impofIante uso na práti-
ca clinica.

MÉTODO DE TRATAMENTO COM MOXlBUSTÃO.

Neste método de tratamerrlo busca-se. oomo objetivo, aquecer o pavihão 8uriaJlar, 000-
seguindo desta maneira o tratamento de determinados tipos de enfemldades.

Desde os tempos da dinastia Tang, no Ivro entlulado '1-S Mil RECEITAS DE OURO',
Iazia-se referência 80 tratamento da surdez, hipoacusla e rumWos através do uso da moxi-
buslão sobre o ponto Yang Wei posterior da orelha. Até hoje, manteve-se como tIer1'nça
cultural e popular, o tratamento da quemtite e da parolidite com o emprego da moxitMJst1iio
nos pontos do pav~hão auncular.

A moxibustão tem I..ma longa história e herança culturat do povo chinês, contando com
uma rica experiêocla. Jâ no"UNG SHU', se expunha: "Onde não chega 8 agdha estmulBr, a
mo.r8 estinulB". Também, este tratado afirma: "QIJ8f1CtI usamos a aguIJa ~ usamos a mo-
.ra; quando usamos 8 mo.ra, não usamos a aguIla". 0W0 autor, U Oing, em seu I;"'ro, ·POR·
TA DE EI'fTRADA A MEDICINA', nos diz:: "QiJIWlOO o tTatamerto com medicameftos é il,sOO.
ciente e a acupunhla nao obtém bons IBSulados, edao é impoftante o uso da moX8". Outro
médico famoso, em seu tratado, "PEQUENAS RECEITAS' declara: 'O mestre acupurt!11St8
sabe em que ~o deve usar a moxa'. 00 meodonado anlenormenle podemos assegu-
rar, que a moxa cobre certas insuficiências no tralamerto, que as agulhas ou o uso de medf-.
camentos não o fazem.

A moxa na auriculoterapia tem a função de aquecer os canais e tirar o frio, comunicando


os colaterais. Este método é muito usado no tratamento de sindromes por defldência, por frio
e em enfermidades dolorosas.

1·) MModo de tratamento.

a) Mo~ com bastIo de mono

o bastão de moxa pode ser usado de três maneiras diferentes na aunculoterapia:


45

- Aquecendo com o bastão de moxa.


• Usar a bastão de moxa como '3 ave que bica',
o Usar o bastão de ffiQxa com movimentos de 'zig-zag".

Desde a dinastia Ming, o uso desta planta para a moxibustão jâ era popular. e ainda segue
sendo ul~izada na atualidade. Esta planta tem o nome cientifico Metul1 a Junci Etrusi e para
seu uso tomamos um ramo da planta com um comprimento aproximado de 1 em, a qual
acendemos com um fôsforo e aproximamos com rapidez ao pavilhão auncolar, coIocandIHI
prólÔm8 ao ponto seleciooado. Deve-se sentir um som de "pac" que indica Que foi usado um
cooe. Assim, desta forma , repele-se a ação três a nove vezes. Usa-se diariamente ou em
dias alternados, apenas uma vez. Este método pode ser usado em ambas as orelhas ou em
uma só. Ê muito adequado no tratamento da parotidite, conjurrtNite e no herpes zOSler.

CJ Ifétodo de IIIIoxJbustto com -mon de aroma leve".


Neste tipo de ITlQXibustão usa-se a Amoreira por haver uma rica experiência d inica 1'18
China.

. Toma-S6 um ramo de Amoreira e se elabonl 8 moxa; a mesma é aproximada acesa ao


ponto do pavilhão à distàocia de 1 mm e se mantém ai até que o paciente refira sensação de
calor. Podem-se usar no tratamento, um a três pontos e moxa por três a cinco minutos. Cin-
co a dez sessões de tratanento constituem um ciclo. Este métlXlo é muito usado para o tra-
IMnento da Iombalgia, dor nos pés, lordrolos e periartrte do ombro.

ctI Mo~ com "pequ«KJ cone de moxa-,


Este mêtodo de tratamento vem da dinastia Ming, onde se usava farinha de I~ para
confecciooar pequenos cones que eram colocados sobre o lóbulo da orelha. Era aplicado no
tratamento de enfennidades como a paralisia facial, etc.

Para este método, corta-se uma pequena lãn"fna de alho e se coloca sobre o ponto seleci-
onado para "moxar". Logo coloca-se sobre o mesmo, um cone de farinha ou outro material De
moxa, pequeno ou mediano, e se acende. Quando o paciente sentir o calor na área , afasta-se
o cone. Em uma ~o de tratamento se usam de 1 a 3 pontos; em cada ponto podemos

.
emPft!9ilf·se de 3 a 9 cones.
Este método é muito utilizado para tratar a paralisia facial, a conjuntivite, Iombalgia, dores
nas pernas, parotidite, hefpes zOSler, etc .
Aunculolherap)' Inlcmational Rcsearch and Training Center paf,';na I de 2

AURICULOíHERAPY INíERNAílONAL
RESEARCH AND íRAINING CEN'fER
If't\~ itl it< fI1 WI j\;1l\ ~il ri> ,C·

Perccncage of Effettiveness of AuricuJotherapy in Selected Condi lions.

Acn, 95% EndOCline Fundion Oisorder 82%


Acule Conjunctivitls 90% Enuresis 92%
Acule Gastroenlentls 90% Esophagtlis 98%
ACtJte lal)'ngopnaryngills 93% Frequent Micturi1lon 90%
Acule AlcohOlism 80% Gaslritis 92%
Allergic Rhinllls 95% Gastoc Ulcer and Duodenal Ulcer 85%
AlI Pains 90% Globus Hystcrics 95%
Amenorrhea 95% Hemorrtlold 90%
ArTtJythmla 90% Headache 90%
Angina 80% Heel Paio 90%
Audltory 90% Herpe5 Zoster 95%
Blurred Vision mo Hypertension 75%
Bf'Oflc/lltis 85% Hypotension 85%
Carpal Tunnel Syndrome 80% Impa ired Hearing 85%
cardiovascular Neuralgia 90% lumbar MuSde Strain 90%
Cervical Spondylopalhy 85% Menstrual Oisorder (MenOxenia) 95%
Chest Paio 90% Neurasthen i.. 94.3%
Cholecystilis and Jnledion af Billary Trad 90% Pelvic Innammalion 90%
Chronic Laryngopharyngllis 90% Periarthrilis 01 Shoulder 90%
Chronlc Pancteatills 80% Peliodonlics ,,%
Common Cold 90% Prostatilis 90%
Constipalion 85% Pu!seless Oisease 95%

.. Cystilis 90% Raynaud's Olsease 80%


Oiarrhea 85% Seialic Neuralgia 90%
Drug Addictions 75% Smok!ng Withdrawal 91.46%
Dysfundlona! Ulenne B!eedlng 90% SIr3med NedL: (TortlcolJis) 95%
DI$lurted Function 01 Autonomic Nerve ,,% Temporomandlbular Joinl Syndrome 90%
Dream Disturbed Sleep 90% Tennis Elbow (Externai Humeral Epicondy1ltlS) 90%
Dysmenormea 95% Tinnilus 85%
DepreSSlon 90% Thromboanglills Oblileran5 85%
Diuiness
Edema
OS"
80%
Ton511h115
Trigeminal Neura!gia ....
95%

•. r ~

t
..
iI
• line frem lhe lowcr cdge ofthe cartilage alllltenragic nOlch lhe second and Ihird horizontal
• lines divide lhe length from lhe firsl linc lO lhe lower cdgc of lhe ear lobc inlo three equal
• parts. The fourth line and fifth ventral lines scparalely cross lhe points which divide lhe
• second line into three equal parts. Thus, these five lines divide lhe ear lobc into 9 parts, from
• mediai toward lateral, from top to bottom, which are: Arca 1, Area 2, Arca 3, Area 4, Arca
• 5, Area 6, Area 7, Area 8, Area 9

.~

~
iI I. Toolh - in lhe centre of area I

.......
~

....
Orain Poinl

.
.
.:ti

..
~

..
'li Neuraslh ia Pt.
'li

..
'li

PI. Tonsil

elix 6

2. Lower Palate - we divide the upper line or area 2 inlo 3 pans. lI's localed at
lhe fir" 1/3 (rrom mediai lo lateral).

"• 51

Localização e Funções dos
Pontos do Lóbulo da
Orelha

1. Ponto dente
2. Ponto Paladar Inferior
3. Ponto Paladar Superior
4. Ponto Língua
5. Ponto Maxiliar Superior
6. Ponto Maxiliar Inferior
11
11
7. Ponto Lóbulo Anterior
11
8. Ponto Olho
9. Ponto Ouvido Interno
10. Ponto
,
Amígdala
11. Area da Bochecha
~
.,j
.,j
.,j
-,J
.... 1. Ponto Dente
....
......
...... Local ização - Este ponto encontra-se no centro
-,J
da zona 1 do lóbulo.
-,J ,
...
-,J

".
Função - E um ponto exclusivo para o tratamen -
to das odontalgias e das periodontites.
......
.".

2. Ponto Paladar Inferior


......
...... Localização - Dividindo-se em três partes
...
......
iguais o bordo superior da zona 2 do lóbulo, o ponto
se localiza no primeiro terço desta linha .
....,. Função - Ponto utilizado também no tratamento
.,.
.,. das afecções inflamatórias dos lábios, como também
". da cavidade bucal, as quais incluem as úlceras bucais,
". periodontite e as neuralgias do trigêmio .
..,.
..,.
..,.
..,..f
..,.
.f
...
oi
oi
..,.
..,.
~
~
~
~
".
~ 3. Ponto Paladar Superior
~
~
~ Localização - Este ponto localiza-se sobre a
,.,.:t linha que une as zonas 2 e 3, sobre o quarto inferior
<:t da mesma.
<:t
~
~ Função - Ponto utilizado também no tratamento
;::t
das afecções antes mencionadas, pelo que, em
~
~ muitas ocasiões, se emprega simultaneamente com o
". ponto anterior.
':S
".
:t
".
4. Ponto Língua
:t
.".
Localização - Lançando uma linha entre o ponto
paladar superior e inferior, o ponto localiza-se no
centro desta linha.

Função - Ponto empregado no tratamento das


afecções da língua, que incluem a glossite, fissura
lingual , úlceras linguais e outras afeções da mesma.
"t
~
"t
~
~
~
~
~ 5. Ponto Maxilar Superior
~
~
~ Localização - Encontra-se no centro da zona 3
d do lóbulo.
~
~
~ Função - Ponto empregado no tratamento das
~
d odontalgias, que podem incluir as periodontites,
~ pulpites, etc. Além disso, tratam a artrite,
d
~
a subluxação da articulação temporomandibular,
~ neuralgias do trigêmio , etc.
.,.
~

.,.
.".

6. Ponto Maxilar Inferior


",.
~
~
..t Localização - Encontra-se no centro da linha
..t superior da zona 3 do lóbulo .
..t
..t
..t Função - Ponto com propriedades terapêuticas
..t iguais ao anterior. Este ponto cobre uma área maior
..t
..t no lóbulo auricular, o qual permite observar, nesta
..t região, uma área dental maior refletida.
...
...
.•
••

7. Ponto Lóbulo Anterior

Localização - Encontra-se no centro da zona 4


do lóbulo.

Função - Utilizado no tratamento dos estados


de neurastenia e os transtornos do sono tais como:
sono leve de curto tempo de duração e que uma vez
alcançado, o paciente desperta com facilidade , não
conseguindo voltar ao mesmo, pesadelos e sonhos
d
excessIvos.

8. Ponto do Olho

Local ização - Encontra-se no centro da zona 5


do lóbulo da orelha.

Função - Empregado no tratamento de todas as


afecções oftalmológicas como a conjutivite aguda,
calázio, ametropia, glaucoma, blefarite, ceratite,
etc.
-'t
~
'!t
"t
'!t
~
~
~ 9. Ponto Ouvido Interno
~
~
~ Locali zação - Encontra-se no centro da zona 5
~ do lóbulo.
'3
~
'3 Função - Empregado no tratamento das
!t
~
afecções correspondentes a esta região do ouvido,
~ as quais compreendem a hipoacusia, tinidos, a otite,
'"'"
".
os estados vertiginosos causados por alteração
vestibulococlear.
".
~
".
".
10. Ponto Amígdala
'"
".
~
~
Localização - Encontra-se no centro da zona 8
~ do lóbulo.
".
...
". Função - Ponto empregado no tratamento da
". amigdalite e da faringite.
....
".

..
..
. .
...
...
'"...
".

'"
<I
11.
,
Area da Bochecha
'"
".
".
". Localização - esta área se distribui nas zonas 3,
". 5, e 6, formando um óvulo de maneira oblíqua.
'"'"
r.t
,
Função - Area empregada no tratamento das
r.t
r.t
afecções faciais que incluem a paralisia facial , as
r.t neuralgias do trigêmio, as afecções dermatológicas
r.t
r.t
da face , se emprega por isto na manutenção da
~ beleza facial.
~
~
~
~
r.t
r.t
~
r.t
r.t

..
r.t

..
r.t


ANTITRAGUS

Thc Antitragus COfTesponds to the Brain and Head of the IIUlnan Body Wc divide the
Antitragus into 4 parlS with a middle line which goes through the apex of the Antitragus. The
two part s are: .

d Exterior Antitragus:
d
d I. Parotid - It's at the top of the antitragus.

cI 2. Stop Asthma - O.2cm below the point Parotid.


, I..I...~'
cI 1·
J'::--
\ '"
J
cI Oiziness
d Are.
:t
~
d
d
d
d

.
cI
d
Forehead
Temple
Vertex.

.
r.I
~

r.I
~
cI
r.I
~
~

••
cf

53
Localização e Funções dos
Pontos do Antitrago da
Orelha
1. Ponto Parótida
2. Ponto Asma
3. PontoTemporal
4. Ponto Fronte
5. Ponto Occiptal
6. Ponto Vértex
7. Ponto Hipófise
8. Ponto
,
Cérebro
9. Area
,
de Vertingem
10. Area de Neurastenia
11. Ponto Tálamo
12. Ponto Excitação
13. Área de subcórtex
14. Ponto Testículo
1. Ponto Parótida

Localização - Encontra-se localizado exatamente


na ponta do anti trago.

Função - Ponto uti li zado no tratamento e


diagnóstico da parotidite, além disso, emprega-se no
tratamento das dermatites neurogênicas, pruridos,
dermatites em geral.

2. Ponto Asma

Localização - Encontra-se no lado externo do


antitrago , 2 mm por baixo do ponto parótida.

Função - Ponto empregado no diagnóstico e


tratamento da asma.

I
3 . Ponto Temporal

Localização - Encontra-se no lado externo do


anti trago . por baixo do ponto asma, no centro da
linha em forma de arco traçada desde o bordo
superior ao inferior do mesmo.

Função
• Analgésica, é um ponto usado para tratar as
enxaquecas ou cefaléias temporais, como se
usássemos o ponto Tai Yang localizado na
região temporal.
• Clareia a visão e ajuda a audição. O mesmo
pode selecionar-se para tratar a ametropia, o
tinido e a hipoacúsia.

4. Ponto Fronte

Localização - Encontra-se no lado externo do


anti trago , no extremo ântero-inferior da linha em
forma de arco.

t
t
oi
oi

......
oi

......
..... Função ,
• Fortalece a mente, clareia e ajuda a visão - E
...
......
usado para tratar as sensações de peso e
distenção na cabeça, trata também a perda da
...... memória, a falta de concentração, a
sonolência, a queda nos níveis de atenção , as
...
::ti
síndromes de estagnação e hipertensão
arterial. Este ponto é fundamental para
......
::ti
fortalecer e despertar a mente.
...... • Analgésica - Este ponto é usado para tratar a
.... cefaléia frontal de qualquer etiologia.

....
....
.......
5. Ponto Occiptal

Localização - Encontra-se no lado externo do


.
.. antitrago, no extremo póstero-superior da linha
traçada em forma de arco .
.. Função
• Acalma a vertigem - Este ponto acalma a
vertigem produzida pelo transtorno do ouvido
interno , deficiência cerebro-vascular causado
pela arteriosclerose, vertingens produzidas por




transtornos neurovegetativos, como sintoma da
hipertensão , vertigem causada pelo transporte
em autos, barcos, aviões, etc. Pelo exposto
anteriormente, podemos dizer que o ponto
occipital é de suma importância no tratamento
da vertingem e a tontura.
• Sedante - Este ponto é usado para acalmar a
tosse, dispnéia, prurido , dor, vômito, e
diarréia: este ponto tem a função de acalmar
o espírito e também como função hipotensora:
é principal no tratamento da cefaléia occipital.
• Acalma o pânico e a convulsão - Este ponto é
usado para tratar a histeria e a paralisia
facial. ,
• Clarear a vista - E um ponto importante para
tratar a ametropia.

6. Ponto Vértex
Localização - Encontra-se no lado externo do
antitrago , aproximadamente a 1 mm por baixo do
ponto occipital.

i
,
,

Função - Ponto utilizado para o tratamento das
cefaléias no vértex e nos estados de neurastenia.

7. Ponto Hipófise

Localização - Encontra-se no bordo superior do


anti trago , próximo à fossa superior do anti trago.

Função
• Tratamento das afecções ginecológicas
causadas por transtornos do sistema
endócrino, tais como: a amenorréia,
menstruações irregulares e impotência.
• Tratamento das afecções causadas pelos
transtornos da hipófise, tais como: nanismo ,
adenomas de hipófise, diabetes sacarino.
• Tratamento das enfermidades hemorrágicas,
tais como melena, metrorragia, hemorragia
uterina funcional , etc.
8. Ponto Cérebro

Localização - Encotra-se no lado interno e


superior do antitrago.

Função - Ponto empregado no tratamento das


enfermidades cerebrais, tais como insuficiência
cerebro vascular, ataxia cerebelosa, epilepsia,
hipercinesia e para fortalecer a capacidade
cognitiva.

,
9. Area de Vertigem

Localização - Encontra-se na fossa superior do


antitrago, entre os pontos tronco cerebral e
hipófise.

Função - Zona específica no diagnóstico e


tratamento da vertigem.

~
1


,
10. Area de Neurastenia

Localização - Esta área encontra no bordo


externo do anti trago , por atrás dos pontos occipital
e vértex.

Função - Esta zona é uti Iizada no tratamento da


neurastenia, dificuldade para conciliar o sono, como
requisito na obtensão de uma maior resposta ao
tratamento, este ponto se reforça anterior e
posteriormente.

11. Ponto Tálamo

Localização - Encontra-se no lado interno do


antitrago, no extremo interno de uma linha traçada
entre os pontos parótida e pulmão, imediatamente
por baixo deste último.

Função - Este ponto refere-se a localização


específica do hipotálamo, centro de mando da

..
.f



atividade neurovegetativa, reguladora da fisiologia
dos órgãos internos.
Suas funções principais incluem o controle da
temperatura corporal, a eficiência na absorção dos
alimentos pela atividade digestiva, a homeostase do
metabolismo hidromineral e o controle central da
atividade endócrina. Por estas funções antes
mencionadas, utiliza-se no tratamento das afecções
endócrinometabólicas (obesidades endógenas e
exógenas , diabetes melito, etc.), edemas, sonolência
ou letargia.

12. Ponto Excitação

Localização - Encontra-se no lado interno do


antitrago , entre os pontos testículos e tálamo.

Função - A função deste ponto consiste na


estimulação do córtex cerebral , pelo que suas
indicações terapêuticas incluem o tratamento dos
estados de letargia, a enurese noturna, obesidade,
hipofunsões do sistema endócrino, tais como
. A. 'o
Impotencla e amenorrela.
,.
...
...

, ,
13. Area do Subcortex

Localização - Encontra-se no lado interno do


antitrago , na metade da distância de uma linha que
une os pontos tálamo e ovário. Está dividido em três
áreas: nervosa, cardivascular e digestiva.

Função - O ponto subcórtex regula a função do


córtex cerebral e é um ponto que é constituído por
três áreas que são: área nervosa do subcórtex, área
digestiva do subcórtex e a área cardiovascular do
subcórtex.
,
• Area nervosa do subcórtex regula a atividade
do córtex cerebral mantendo o equilíbrio da
excitação, depressão da mesma, o que permite
tratar enfermidades como a neurastenia,
transtorno do sistema neurovegetativo,
neuroses e esquizofrenia .
• Através da área digestiva do subcórtex pode
se tratar todas as afecções do sistema
digestivo, tais como dispepsia, gastrite,
úlceras gástricas e duodenais, vômitos,
náuseas , distênção abdominal, diarréias,
~
~
d
d
d
d constipação, enfermidades do fígado e da
."
d
vesícula.
d • Com a área cardiovascular do subcórtex
d
.",
podem ser tratadas enfermidades do sistema
cardiovascular, tais como hipertensão ,
"""" flebites , tromboangiíte obliterante,
""
~
~
enfermidade de Raynaud, cardiopatias,
.",
arritimias , etc .
.",
.",
14. Ponto Testículo
""
Localização - Localiza-se no lado interno do
antitrago, 2 mm por atrás do ponto da parótida.

Função - Ponto utilizado no tratamento das


afecções do testículo , as quais incluem , a orquite,
~
." impotência, esterilidade masculina e prostatite .
~
~
."
."
."
~
.,t
.,.
."

..
..
...
Localização e Funções dos
d
Pontos da Fossa
'"'"
d
d
Superior do Antitrago da
d
d Orelha
""
'OS
d
d
d
'OS
'OS
""!t 1. Ponto Tronco Cerebral
-,t
-,t
.",
""!t
~ 2. Ponto Laringe Dente
.-,t
-,t
~
~
~
~
..,
..,
...
.
1. Ponto Tronco Cerebral

Localização - O ponto localiza-se no bordo


superior da fossa intertrago.

Função - Este ponto tem função, sedante,


estimula a mente e acalma o espírito. E um ponto
usado para acalmar o pânico, a convulsão, tratar a
tosse e diminuir a febre, também , muitas vezes, se
usa para tratar a epilepsia, esquizofrenia , neurose,
meningite e bronquite.

2. Ponto Laringe-dente

Localização - Encontra-se no bordo externo e


inferior da fossa intertrago , 2 mm por baixo do
ponto tronco cerebral.

Função - Ponto ultilizado no diagnóstico e


tratamento das afecções da orofaringe e das
odontalgias.
12 Thalamus - lt is locatcd aI lhe mid-point af lhe lowcr line af lhe interior
Antitragus.

d 13. Excitin ' Poinl - 11 is locatcd ai lhe mid-point af lhe line between Testes and
d Thalamus.
d
d 14. Subcortex - It islocatcd in section c, anterior side of the interior. wall ofthe
", Anlilragus.
",
", I) Nervous Subcortex - It is localed aI lhe mid-poinl bclween Thalamus
", and lhe bcginning ofthc mediai tower line ofthc interior Antitragus.
.",

'"
d
",
2)

3)
Digeslivc Subcortex - 11 is in lhe cenlre or part c.

Coro",u)' Subcortex - Mediai lO nervous Subcortex and digestive


d Subcortex it fanns an equilatcraJ lrianglc with points i) and iii).
d
d 15. Epilepsy Poinl - Found in section c, it is lhe top af an isosceles triangle. Bast
d is comprised cf Testes and Digestive Subcortex.
d
d Prccised 1ocation or JX'mt Epilt:psy: Draw a centralline from Parolid to Thalamus
.", Construct another tine parallel to lhe flfSt line from Digestive Subcortex lo lhe oote
d edge ofthe Trngus. Coostruct a linc from Testes parallel to lhe base: or area c: where th.
Iwo lines inlerest is lhe point Epilepsy.
d
d
",.
111. HELIX NOTCH - The Nolel
between lhe Helix and Anlilragus.
d

...
~
Brain
Painl
Brain
Slem
I. Bcain SI em - 11 is localo
righl aI lhe notch betwee
....,.
~

• lhe Helix and Anlilragus

.,. Larynx&
• Tcelh 2. Larynx and Teclh - lI's O.
.... Occipul cm below lhe Brain Stem o
lhe externai Tragus.
-t
-t
IV. TRAGUS - The Tragus is divided inlo Iwo equal parts: lhe a) upper and b) lower
~
f
f
f 56

""
~
d Localização e Funções dos
..,.
d

."
d
Pontos da Fossa
~
d Superior do Antitrago da
d

.,.
~
Orelha
~

..,.."
..,.
.,.
~

~
1. Ponto Tronco Cerebral
......
-:t

.,.
... 2. Ponto Laringe Dente
...
...
...
...
...
...
t
t
t

~
...,
~
~
c:t
<:t
<:t
~
~ 1. Ponto Tronco Cerebral
~
~
~ Localização - O ponto localiza-se no bordo
~
<:t
superior da fossa intertrago.

~
~
'" Função - Este ponto tem função, sedante,
<:t estimula a mente e acalma o espírito. E um ponto
~
usado para acalmar o pânico, a convulsão, tratar a
".
~ tosse e diminuir a febre, também, muitas vezes , se
~ usa para tratar a epilepsia, esquizofrenia , neurose,
'"
~
~
meningite e bronquite.
~

'"'" 2. Ponto Laringe-dente


...'"'". Localização - Encontra-se no bordo externo e
...... inferior da fossa intertrago, 2 mm por baixo do
.. ponto tronco cerebral .

.. Função - Ponto ultilizado no diagnóstico e


.. tratamento das afecções da oro faringe e das
odontalgias .

~
d
d
d
d
d ElIemal
d [ar

~
~ llcart r!. Apcx of
Tragus
~
Thirsl Pt.
~ E"ternal
d N=
::t

'"
Adrenal
Gland
d
~
• Vi~iOll I
~
d

.,.
.,.
::t

1
.,..,.
".

..
.. I. Apex ofTr'!W - It is the centre ofthe upper parto

.. 2. Adrena! - It is the centre of the lower parto

..
.. J. Externai Nose - It forros ao equilateral triangle with (1) Apex ofthe Tragus
aod (2) Adrena! with the apex located anteriorIy .

.• 4. Hunger Poiol . lt is at lhe midpoint af lhe line from Externai Nose and
Adrena!.
• O S. Thirst Poiot - It is located at the midpoint af lhe hne fram Externai Nose and
Apex of the Tragus.

57
....,.
...
d

",.
6. Heart Point - Midpoint af lhe line betwccn Thirst Point and Externai Ear.
c:I
c:I
.,.
".

<:t

.,..,.'"'"
...
d
d Throat
.".

...
.".
".
Ariculotempo
Nerve PI .

.. Internai
Nose

...
.".

... Endocrinc

... 7. Throat - [t is located at the centre ofupper part ofthe interior Tragus .

.•
8. [nternal Nose - Centre of lower part or (inside) internai Tragus .

•• 9. Auricular Temporal Nerve -11 is lhe innennost point or an equilater.1 triangJe


fonncd with the Throat and internai Nose. Found on the interior aspect of the
• Tragus.

58
...
... Localização e Funções dos
Pontos
do Trago da Orelha
,
1. Ponto Apice do Trago
. 2. Ponto Supra-renal
3. Ponto Nariz
,
Externo
... 4. Ponto do Orgão Coração
5. Ponto Laringe-faringe
6. Ponto Nariz Interno
7. Ponto do Nervo
Auriculotemporal
• 8. Ponto Fome
9. Ponto Sede


\QJ lUJ'eM> ~;I !AJl- .0 ~;lo,,\ D
~ v '\ -é O,],,,, ,1éE] , -1 \\V4~ Joí"i&êw.u ,
,....1 ' (fl),A. I" ,Ol. 'I-'t.,o I1:.vL,u.,
V IJO (o.,l \;\:) V w.. IV ~
,
1. Ponto Apice do Trago O*íI~ I.() ~ víi;: ~ 1:>
r iA \6uo :lb \,;.,.90])1

Localização - Encontra-se na metade superior do


trago por seu lado externo , por cima da
proeminência central do ápice.

Função - Ponto que conta entre suas funções


mais importantes a anti inflamatória. antipirética,
sedante e analgésica, motivo pelo qual se emprega no
tratamento das febres de qualquer etiologia. este
ponto em geral é usado para realizar a sangria. como
método terapêutico.

..
~
2. Ponto Supra-renal -A..i"l f'''':co ) o'J ,:Pbli.<>tJl
VII"ÇD ~Q7)1' ÁI./l.
Localização - Encontra-se sobre a metade
inferior do lado externo do trago . por baixo da
proeminência central deste .
. Função
• Tonifica e ativa as funções das glândulas
supra-renais . razão pela qual é empregado no

,
,
tratamento da enfermidade de Addisone
Cushing.
• Têm propriedades antialérgica, anti infecciosa,
anti inflamatória, que permitem tratar as
enfermidades infecciosas, do colágeno,
alérgicas e inflamatórias.
• Utilizado para descer a temperatura, causa
pela qual emprega-se nas enfermidades
febris.
• Também controla o tônus vasomotor do
sistema vascular, motivo pelo qual está
contra- indicado para pacientes com
hipertênsão arterial de base, já que seu

... emprego se limita a elevar a tensão arterial


(hipotênsão ortostática, choque tensional),

. por esta função de vasoconstrição, utiliza-se


no tratamento das metrorragias, hemorragia

. •
uterina disfuncional, melenas, epistaxes, etc.
Elimina os estados de rigidez das fibras

.. musculares lisas bronquiais, fato pelo qual se

.. emprega na asma bronquial, bronquite aguda e


qualquer episódio bronquial causado pela
rigidez bronquial.

,

3. Ponto Nariz Externo

Localização - Encontra-se sobre a face externa


do trago , formando um triângulo com os pontos
supra-renal e ápice do trago.

Função - Ponto empregado nas afecções da área


do nariz, como as inflamações da área, máculas, acne
juvenil, inflamação das coanas nasais, etc.

,
4. Ponto do Orgão Coração

Localização - Encontra-se por cima e por dentro


do ponto ápice do trago , na metade da distância de
uma linha traçada desde o ponto sede até o ouvido
externo.

Função - Ponto utilizado no tratamento das


patologias próprias do órgão tais como taquicardia
paroxística, fibrilação auricular.

,
,
1
\Jfl6 () - 01 tJ~ <>-\p-v. 6 -e D
- \J' ~ V.; "- ~ fu.;-::

Localização - Encontra-se na face interna do


trago ,
sobre a metade superior deste.

Função - Ponto empregado no tratamento da


afecções laringofaríngeas, tais como os casos de
episódios de faringite, amigdalites agudas e
crônicas, afonias, traqueíte, bronquite, asma
bronquial , etc.

6. Ponto Nariz Interno

Localização - Encontra-se na face interna do


trago , sobre a metade inferior deste.

Função - Ponto empregado no tratamento das


afecções próprias do nariz tais como rinites
alérgicas, epistaxes, resfriado comum , obstrução
nasal , sinusite, etc.
b<o MA '(, (,,\l Ydí,lI it..<·~
'f. l l - . .v ~ ~c...-.J
-t

7. Ponto do Nervo Auriculotemporal

Localização - Encontra-se na face interna do


trago, entre os pontos laringe-faringe e nariz
interno , mas ligeiramente mais adentrado no conduto
auditivo externo, formando um triângulo com os
pontos anteriores.

Função - Ponto uti Iizado para o tratamento das


neuralgias do trigêmio, principalmente no trajeto de
seu ramo inferior, também é empregado no
tratamento das afecções do pavilhão auricular,
cefaléias, enxaquecas, vertigens e nas enfermidades
causadas por transtornos dos nervos craniais.

8. Ponto Fome

Localização - Encontra-se na metade da


distância da linha que conecta o ponto nariz externo
ao ponto supra renal.
Função - Ponto empregado para regular o
apetite, por isto, é útilizado no tratamento da
obesidade, do hipertiroidismo , polifagia, de caráter
neurológico. / /C c9..Q
l c "'-'o >- c/ \ 1i\S o '

9. Ponto Sede

Localização - Encontra-se na metade da distân-


cia da linha que une os pontos nariz externo e ápice
do trago.

Função - Ponto que regula o mecanismo da sede,


por isto é utilizado no tratamento do diabetes
melito, na enurese, e na polidipsia de caráter
neurológico.
ElIcrnal

I:"~ t
ThlP.il Pio'
Externai.
No« '-...
IIunger l't. ~

• Vi~Kln I

1. Apo. ofTr'!W - It is lhe cenlre oflhe upper parto

2. Adrenal- h is lhe cenlre oflhe lower parto

J. Externai Nose -11 fonns an equilaleral lriangle wilh (I) Apex oflhe Tragus
and (2) Adrenal wilh lhe apex localed anleriorly.

4. Hunger Poinl - 11 is at lhe midpoinl of lhe line from Externai Nose and
Adrenal.

5. Thirg Poinl -h is localed ai lhe midpoinl oflhe line frem Exlernal Nose and
Apex of lhe Tragus

57
6. Heart PQint - Midpoint af the linc between Thirst Painl and ExternaJ Ear.

Throat

\ Ariculotempo
Nerve Pt.
Internai
Nose

Eodocrine

7. Throat - It is located at the centre ofupper part ofthe interior Tragus.

8. Internai Nase - Centre oflowcr pan of(inside) internai Tragus.

9. Auricular Tem ra1 Nerve - It is the innermost painl af an equilaleral triangle


formed with lhe Throat and Internai Nosc. Found on the interior aspect of th,
Tragus.

58
Localização e Funções do
Ponto da Incisura do
Supratrago da Orelha

1. Ponto Ouvido Externo


1. Ponto Ouvido Externo

Locali zação - O ponto se encontra sobre a área


que forma a depressão entre a fossa do supratrado
e o hélix.

Função - Ponto empregado no tratamento das


afecções do ouvido, tais como a surdez, tinido ,
hipoacusia, assim como as afecções do conduto
auditivo externo que incluem as lesões
dermatológicas e neuralgias do pavilhão auricular.
Este ponto tem quatro funções fundamentais :
• Acalmar a dor.
• Acalmar a vertigem e as tonturas.
• Garantir a função auditiva
O exposto anteriormente nos permite seu
emprego no tratamento das afecções seguintes:
cefaléias do tipo enxaqueca, neuralgias do trigêmio,
síndrome de Meniere, afecções vertiginosas, dor
subccipital, rinites e sinusites.,
61
..,
.,
~
~
~
~
Localização e Funções dos
..,
~

~
Pontos do Anti-Hélix da
'"'"
~ Orelha
'"
~ 1. Região Cervical
'"'" 2. Região Dorsal
'"
~
3. Região Lombar
.,.
~
4. Região Sacra
~ 5. Ponto Cóccix
~
~ 6. Ponto Pescoço
..,'" 7. Ponto Tórax
,.,.., 8. Ponto Abdômen
.
oi

~
9. Ponto Ombro e Espalda
10. Ponto da Região Intercostal

.
~
~

oi
11. Ponto dos Músculos Lombares
12. Ponto da Articulação Sacroilíaca
13. Ponto das Glândulas Mamárias
.
oi
oi
14. Ponto da Região do Hipocôndrio
oi 15. Ponto Tiróide
oi

..
oi 16. Ponto Calor

..
.
1. Região Cervical
d
d
d Localização - Esta zona abrange o primeiro
d
d quinto da parte inferior do anti-hélix.
d

d Função - Ponto empregado no tratamento das


d afecções da região cervical de qualquer etiologia,
d
d que inclui as inflamações fibróticas da musculatura
da região cervical , torcicolo, etc.
d
d
d
2. Região Dorsal
d
d
Localização - Esta região abrange o segundo
d quinto e o terceiro quinto do anti-hélix, de baixo
d para cima consecutivamente.

Função - Similiar ao ponto anterior utliza-se no


tratamento das afecções da região dorsal ,
hiperplasia óssea, algias dorsais de etiologia
traumática ou por subluxações, etc.
3. Região Lombar

Localização - Encontra-se sobre o anti-hélix


entre a região sacra e dorsal.

Função - Ponto utilizado no tratamento das


afecções da coluna lombar, hiperplasia óssea lombar
lCt e as lombalgias de qualquer etiologia.
d

4. Região Sacra

Localização - Encontra-se na parte superior do


anti-hélix justo antes de que se separem a cruz
superior e inferior do anti-hélix.

Função - Ponto empregado no tratamento das


afecções que se apresentam a este nível,
sacrolombalgias, espermatorréia, etc.

..
~

..
5. Ponto Cóccix

Localização - No ponto de união da cruz superior


e inferior do anti-hélix.

Função - Ponto utilizado no tratamento da


coccigodinia.

6. Ponto Pescoço

Localização - Encontra-se a nível da região


cervical, mas pelo bordo interno do anti-hélix.

Função - Ponto de util idade terapêutica nas


afecções desta região, por exemplo, a inflamação da
cadeia ganglionar do pescoço, hipertiroidismo, etc.

7. Ponto Tórax

Localização - Encontra-se a nível da região


torácica mas sobre o bordo interno do anti-hélix.
....
..
d
d

"""'"
"'et"
~ Função - Usado no tratamento das mudanças
et
~
patológicas desta zona, isto inclui a angina do peito,
di sensação de opressão torácoca, neuralgias intercostais,
E:t
et
osteocondrites, herpes zoster, etc.
E:t
d
d
d 8. Ponto Abdômen
d
d
d
d
d
Localização - Encontra-se sobre o bordo interno
d do anti-hélix ao mesmo nível da região sacrolombar.
d
d
d Função - Ponto empregado no tratamento das
mudanças patológicas que têm lugar a este nível, tais
como enterite, constipação, dor pós-parto,
d dismenorréia, além disso, se utiliza no tratamento da
d obesidade, etc.

9. Ponto Ombro e Espalda

Localização - Este ponto está localizado a nível


da região cervical mas sobre a parte mais próxima à
fossa escafóide.
t

••
.
..
. Função - Este ponto se utiliza no tratamento das

..• cervicalgias, cervicobranquialgias e nas dores da


espalda e do ombro causadas por fibroses da
•• musculatura desta área.
..
..
.. 10 . Ponto da Região Intercostal
..
.. Localização - Encontra-se ao nível da região
torác ica, sobre a parte mais próxima à fossa escafóide .
..
.. Função - Este ponto é empregado no tratamento
das afecções onde se compromete esta região do corpo,
.. tais como os traumas, herpes zoster, neuralgias

.. psicogênicas e intercostais e sensação de plenitude

.. torácica, etc .

..
.. 11. Ponto dos Músculos Lombares

.. Localização - Encontra-se sobre o anti-hélix a

.. nível da zona lombar, mas no bordo mais próximo à


fossa escafóide.
..
,,
et
et
d
d
d
d
d Função - Ponto utilizado para tratar as afecções da
d
d musculatura paralombar.
d
d
d
d
d
d
d 12. Ponto da Articulação Sacroilícia
d
d
d Localização - Localiza-se na metade da distância
d de uma linha traçada entre o ponto sacro e o da
d
d articulação do quadril.

Função - Ponto utilizado no diagnóstico e


tratamento dos transtornos desta articulação,
subluxação sacroilíaca, artrite da articulação, etc.

13 . Ponto das Glândulas Mamárias

Localização - Este está conformado por do is


pontos em representação de cada mama. O ponto que
se localiza sobre o anti-hélix entre o ponto tórax e a
região das vértebras torácicas representa a mama do
lado contrário ao da orelha que se puntura; enquanto
d
d
d
d
d
d que o ponto que se localiza entre as vértebras torácicas
d e o ponto da região das costelas representa a mama do
d
d lado da orelha que se puntura.

d Função - Ponto empregado no tratamento das


d
d afecções da glândula mamária, as quais incluem mastite,
d hiperplasia do conduto lactífero, tumores da
d
d
parênquima, displasias etc.
d
d
d
d 14. Ponto da Região do Hipocôndrio
d
d
d Localização - Este ponto localiza-se sobre o
d bordo interno do anti-héli x entre o ponto tórax e o
d
d abdômem.
d
d Função - Ponto utilizado no tratamento das
d
d moléstias no hipocôndrio, através do mesmo se pode ter
um prognóstico do tamanho hepático (hepatomegalia).

15. Ponto Tiróide

Localização - Encontra-se entre a área do


pescoço e o ponto tronco cerebral.
......
d

d
d
d Função - Ponto utilizado para o diagnóstico e
d tratamento das patologias de t iróide, tais como
d
d
hipotiroidismo, hipertiroidismo, e nódulos da tiróide.
d
d
d
d
d
16. Ponto Calor
d
d

Localização - Encontra-se na metade de distância


da linha que se lança entre o ponto cóccix e ponto
abdômem.

Função - Ponto que favorece e incremento a


circulação sangüínea a nível distai, eleva a temperatura
da pele pelas propriedades funcionais deste ponto,
utiliza-se no tratamento da tromboang iíte obliterante e
na enfermidade de Raynaud.
..

Localização e Funções dos


Pontos da Cruz Inferior
do Anti-Hélix

1. Ponto do Região Glúteo

2. Ponto do nervo Ciático

3. Ponto do Nervo Simpático


1. Ponto do Região Glúteo

Localização - Encontra-se sobre o primeiro


terço da cruz inferior do anti-hélix.

Função - Empregado no tratamento das algias


da região glútea, do sacro e das ciatalgias.

2. Ponto do Nervo Ciático

Localização - Encontra-se sobre o terço central


da cruz inferior do anti-hélix.

Função - Este ponto tem a função de comunicar os


canais e desobstruir os colaterais,
, o que favorece sua
função sedante e analgésica. E um ponto específico no
tratamento da ciatalgia. Quando se realiza este
tratamento, deve-se colocar o ponto pela parte anterior
e posterior do pavilhão auricular, ficando ambos em
oposição direta. Através do tratamento, ordena-se ao
paciente que caminhe, observando em seguida, um
resultado notável.
3. Ponto do Nervo Simpático

Localização - Encontra-se sobre o terço interno da


cruz inferior do anti-hélix onde esta se insere no lado
interno do hélix.

Função
• Regula a função do sistema neurovegetativo,
motivo pelo qual, se usa para tratar todos os
transtornos do mesmo.
• Relaxa os espasmos da musculatura lisa, por isso,
pode acalmar as dores dos órgãos internos, é um
ponto importante para tratar dores produzidas
por espasmos gastrointestinais, cálculos renais e
das vias urinárias, colecistolitíases, gastrites,
úlceras gástricas e duodenais, asma, etc. Este
ponto não deve ser usado na distenção
abdominal.
• Função vasodilatadora, razão pela qual este
ponto não deve ser usado na distenção
abdominal.
VlI LOWER CRUS OF ANTlTRAGUS - We divide it into two equal parts

I. Buttoeks - It is the bcginning of the lower Crus

2 Sciatic Nerve - It is loeated at the mi<lpoint af the line which goes from the
beginning ofthe lower Crus to the end ofthe lower Crus.

3. Sympathetic - !t's at the end of the uppcr e<lge of the lower Crus cf the
Antihelix

VIII . UPPER CRUS OF ANTIHELlX - Corresponds to the lower limb.


I. Toe - It is locate<! at the outer comer of the upper Crus cf the Antihelix.

Toe

Poplit'ea!
· Sympa Ih'1C Sc· . N Fossa
• latlc ceve
, _ _ _ _ _--.:. Hip

62
Local ização e Funções dos
Pontos da Cruz Inferior
do Anti-Hélix

1. Ponto do Região Glúteo

2. Ponto do nervo Ciático

3. Ponto do Nervo Simpático


1. Ponto da Região Glútea

Localização - Encontra-se sobre o primeiro


terço da cruz inferior do anti-hél ix.

Função - Empregado no tratamento das algias


da região glútea, do sacro e das ciatalgias.

2. Ponto do Nervo Ciático

Localização - Encontra-se sobre o terço central


da cruz inferior do anti-héli x.

Função - Este ponto tem a função de comunicar os


canais e desobstruir os colaterais,
,
o que favorece sua
função sedante e analgésica. E um ponto específico no
tratamento da ciatalgia. Quando se realiza este
tratamento, deve-se colocar o ponto pela parte anterior
e posterior do pavilhão auricular, ficando ambos em
oposição direta. Através do tratamento, ordena-se ao
paciente que caminhe, observando em seguida, um
resultado notável.
3. Ponto do Nervo Simpático

Locali zação - Encontra-se sobre o terço interno da


cruz inferior do anti-hélix onde esta se insere no lado
interno do hélix.

Função
• Regula a função do sistema neurovegetativo,
motivo pelo qual , se usa para tratar todos os
transtornos do mesmo.
• Relaxa os espasmos da musculatura lisa, por isso,
pode acalmar as dores dos órgãos internos, é um
ponto importante para tratar dores produzidas
por espasmos gastrointestinais, cálculos renais e
das vias urinárias, colecistolitíases, gastrites,
úlceras gástricas e duodenais, asma, etc. Este
ponto não deve ser usado na distenção
abdominal.
• Função vasodilatadora, razão pela qual este
ponto não deve ser usado na distenção
abdominal.
VII LOWER CRUS OF ANTITRAGUS - We divide il inlo IwOequal parts

13ul(ocks - [I is lhe bcginning of thc lowcr Crus

2 Sciat ic Ncrvc - II Is locatcd at lhe midpoint af lhe linc which goes from lhe
bcginning af lhe lowcr Crus to lhe cnd af lhe lowcr Crus.

J. Sympalhelic - It's aI lhe end of lhe upper cdge of lhe lower Crus of lhe
Antihelix

V1II. UPPER CRUS OI' ANT IIIELlX - Corresponds lo lhe lower limb.
I. Toe - It is localed aI lhe ouler comer oflhe upper Crus of lhe Anlihelix.

Sole Toe

62
Localização e Funções dos
Pontos da Cruz Superior
do Anti-Hélix

1. Ponto Artelhos
2. Ponto do Calcâneo
3. Ponto da Aurticulação do
Tornozelo
4. Ponto da Articulação do
Quadril
5. Ponto da Articulação do Joelho
6. Ponto Joelho
7. Ponto da Prega Poplítea
8. Ponto dos Músculos
Gastrocnêmios
9. Ponto do Músculo Quadríceps

....
...
1. Ponto Artelhos

Localização - Encontra-se sobre o bordo


externo da cruz superior do anti-hélix, na parte onde
se insere no bordo interno do hélix.

Função - Utilizado no tratamento das entorses da


articulação dos artelhos, traumas, debilidade
vascular das extremidades, intumescimento,
aversão ao frio e nas micoses.

2. Ponto do Calcâneo

Localização - Encontra-se sobre o bordo interno da


cruz superior do anti-hélix, na parte onde se insere
no bordo interno do héli x.

Função - Ponto utilizado para tratar esporões do


calcâneo, dor do calcâneo devido a defic iência do
rim.
3. Ponto da Articulação do Tornozelo

Localização - Encontra-se lançando uma linha


entre o ponto calcâneo e articulação do joelho, na
metade da distância desta linha.

Função - Ponto utilizado no tratamento das


mudaças patológicas desta articulação, que compreende
entorse do tornozelo, inflamação da articulação , etc.

4. Ponto da Articulação do Quadril

Localização - Encontra-se no ponto central da


área onde começa a cruz superior do anti-hélix.

Função - Emprega-se no tratamento das afecções


da articulação do quadril, dores lombares e do quadril,
assim como nas ciatalgias .

.
5. Ponto da Articulação do Joelho

Localização - Encontra·se exatamente no centro


da cruz superior do anti-hélix.

Função - Trata as afecções desta articulação, por


exemplo, artrites da articulação de diversas etiologias,
entorses, traumas, e dores em geral.

6. Ponto Joelho

Localização - Encontra-se no lado mais próximo


à fossa escafóide, no nível do ponto onde começa a cruz
superior do anti-hélix.

Função - Ponto empregado no tratamento das


afecções do joelho.
.".
.".
d
d
d
d
d
7. Ponto da Prega Poplítea
d

d Localização - Se traçamos uma linha entre o


d ponto articulação do quadril e o ponto Shen Men, o
d ponto prega poplítea encontra-se na metade desta
d
d linha.
d
d
d Função - Ponto ut ilizado no tratamento das dores
d reflexas da prega poplítea, causada no curso da
d ciatalgia.
d

8. Ponto dos Músculos Gastrocnêmios

Localização - Encontra-se na metade da


distância entre os pontos artelhos e joelho.

Função - Ponto empregado no tratamento das


afecções do músculo gastrocnêmio, desde os espasmos
do músculo gastrocnêmio , as fibroses e inflamação do
mesmo e as dores reflexas deste músculo, causados no
curso da ciatalgia.

.
9. Ponto do Músculo Quadríceps

Localização - Encontra-se na metade da


distância entre o ponto articulação do joelho e
articulação do qadril.

Função - Ponto empregado no diagnóstico e


tratamento das alterações patológicas dos músculos da
coxa.
· / ' \."<A:-\
AlIcrglc Arca

Shouldcr

Large
Auricular
Nervc

64
Localização e Funções
dos Pontos da Fossa
Escafóide da Orelha
1. Ponto Falanges
2. Ponto Clavícula
3. Ponto Articulação do
Punho
4. Ponto Cotovelo
5. Ponto Ombro
6. Ponto Articulação
do Ombro
7. Ponto Alergia
1. Ponto Falanges

Localização - Localiza-se no extremo superior


da fossa escafóide.

Função - Empregado no tratamento de todas as


afecções das falanges, que incluem, entorses, luxações,
síndrome de Raynaud, Hiperidrose, dermatite,
parestesias dos dedos devido a transtornos radiculares
da cervical.

2. Ponto Clavícula

Localização - Encontra-se sobre o centro da


fossa escafóide, ao mesmo nível da fossa do intertrago
e do ponto coração.

Função - Ponto empregado no tratamento da


periartrite do ombro, dores da região cervicobranquial
e da espalda, etc.
3. Ponto da Articulação do Punho

Localização - Este ponto é localizado ao dividir a


fossa escafóide, desde o ponto falanges até o ponto
clavícula, em cinco parte iguais, na união da primeira
parte com a segunda, de cima para baixo, ao centro da
fossa.

Função - Empregado no tratamento de todas as


afecções do punho, tais como tenossinovite, síndrome
do túnel carpiano, etc.

4. Ponto Cotovelo

Localização - O ponto localiza-se na terceira das


cinco partes em que se dividiu a fossa escafóide,
contando-se de cima para baixo, ao nível do centro da
fossa.

Função - Ponto que intervém no tratamento das


afecções do cotovelo, entorses do cotovelo,
epicondilite, traumas, artrite reumatóide, etc.
5. Ponto Ombro

Local ização - Localiza-se sobre a quarta posição


das realizadas na fossa escafóide, ao centro da mesma.

Função - Este ponto é usado no tratamento da


periartrite do ombro, o entorse desta área, entre
outras afecções desta reg ião, sobretudo nos
movimentos de abdução e supinação do ombro.

6. Ponto da Articulação do Ombro

Localização - Encontra-se entre o ponto ombro


e o ponto clavícula.

Função - Utilizado no tratamento da periartrite


do ombro e entorse desta região. Os pontos clavícula,
ombro e articulação do ombro são denominados os t rês
pontos do ombro e têm uso específico no periartrite e
bursite desta articulação.
7. Ponto Alergia

Localização - Localiza-se na metade da distância


entre os pontos falange e articulação do punho.

Função - Ponto utilizado no diagnóstico e


tratamento das enfermidades alérgicas, tais como asma
bronquial, dermatite atópica, rinite atópica, púrpuras
atópicas, espru tropical, urticária atópicas. Nos casos
de afecções de começo agudo como a urticária, na área
de alergia po pavilhão auricular, observa-se a presença
de telangiectasias de aspecto rosado pálido. Nas
afecções de curso crônico ou nas atopias por
medicamentos ou por intolerância alimentar, a área do
ponto mostra uma diminuição na resistência elétrica,
acompanhada de uma depressão com edemas de
coloração esbranquiçada que deixa marca fácil à
exploração táctil com o instrumento.
7 Cervix - 11 is located aI lhe midpoinl of a linc from lhe Adnexa to the Pclvis.

8 Groin - It is at the lower border of the Triangular Fossa It forms an


equilalcral lrianglc with the Sciatic Nervc and lhe Ilip.

Groin

9. Consti alion Poim - It forms an equilateral


Irianglc with Sciatic Nerve and Sympathetic
D'"l'h'J g'''
Nerve.
1-::". Ccntc. Xl. HELlX CRUS - Corrcsponds 10 lhe diagramo

I. Ear Centre - It is localcd ai lhe lower cdge


midd le arca orlhe lIcli x Crus

66
Localização e Funções dos
Pontos da Fossa
Triangular da orelha
1. Ponto Hipotensor
2. Ponto Pelve
3. Ponto Shen Men
4. Ponto Hepatite
5. Ponto Genitais Internos
,
6. Ponto Anexos do,
Utero
7. Ponto Colo do Utero
8. Ponto Articulação
Coxofemoral
9. Ponto Constipação
1. Ponto Hipotensor

Localização - Encontra-se sobre o bordo interno


superior da fossa tr iangular, próximo ao bordo interno
do hélix.

Função - Ponto específico no diagnóstico e


tratamento da hipertensão e nos oferece informação
sobre o estado da tensão arterial do paciente. Este
ponto combinado com o ponto hipertensor são
explorados no paciente, para ter uma valorização do
estado de tensão arterial, que se realiza de forma
comparativa, segundo seja o predomínio de reação
positiva frente ao explorador elétrico, este nos
concede a prevalência de um estado de tensão sobre o
oposto.

2. Ponto Pelve

Localização - Encontra-se no ponto onde se


cruzam a cruz superior e inferior do anti-hélix por seu
bordo interno.
Função - Ponto utilizado no tratamento da
inflamação pélvica, prostatite, dismenorréia e dores do
baixo ventre.

3. Ponto Shen Men

Localização - Encontra-se traçando uma linha


entre o ponto hipotensor e ponto pelve no primeiro no
primeiro terço da semana.

Função

• Analgésica - E usado para tratar cada tipo de
enfermidade dolorosa, é um ponto importante para
acalmar a dor.

• Sedante - E usado paara acalmar a tosse, a
dispnéia, o prurido, a diarréia, a leucorréia e a
vertigem, tem também função hipotensora e
acalma o espírito, é usado, em geral , para tratar
enfermidades do sistema nervoso,
cardiovascular, resp iratório e digestivo .

• Antiiflamatória - E usada para tratar cada tipo
de padecimento inflamatório.
4. Ponto Hepatite

Localização - Econtra-se na mesma linha que une


ao ponto hipotensor e ponto pelve mas no terço
superior da mesma.

Função - Ponto de singular importância no


tratamento das afecções hepáticas e da vesícula biliar.

5. Ponto Genitais Internos

Localização - Encontra-se na depressão interna e


central da fossa triangular.

Função - Ponto utilizado no tratamento das


menstruações irregulares, das dismenorréias, da
amenorréia, das leucorréias, da hemorragia disfuncional
uterina, das endometrioses, das endometrites, da
hiperplasia do endométrio e das disfunções sexuais.
,
6. Ponto Anexos do Utero
d
-.::t Localização - Localiza-se traçando uma linha
entre os pontos genitais internos e pelve, no terço
posterior da mesma.

Função - Ponto utilizado no tratamento das


anexites, das leucorréias, das dismenorréias, etc.

,
7. Ponto Colo do Utero

Localização - Encontra-se na linha que une os


pontos genitais internos e pelve, no terço anterior da
mesma.

Função - Ponto empregado no tratamento das


afecções próprias desta região, incluem cervicite,
ectopias do colo, leucorréias etc.

~

~
la
~
~ 8. Ponto da Articulação Coxofemoral
"11
~

~
Localização - Encontra-se formando um
~ triângulo entre o ponto da região glútea e o ponto do
~
nervo ciático mas sobre o bordo inferior da fossa
~
~ triângular.
"11

""
~
Função - Ponto empregado no tratamento das algias
da região do hipogástrio, da inflamação da cadeia
""
""
~
ganglionar da região inguinal, da varicocele e da
~
funiculite , etc.
~

.""""
. 9. Ponto Constipação
Localização - Encontra-se formando um
triângulo com os pontos nervo ciático e simpático mas,
sobre o bordo inferior da fossa triangular.

Função - Ponto específico para diagnóstico e


tratamento da constipação, se na exploração tácti!
deste ponto se encontra a presença de um cordãozinho,
este fato nos confirma o diagnóstico de um quadro de
constipação.
7 Cervix - It is located aI lhe midpoin t of a line from the Adnexa 10 lhe Pelvis

8 Groin - II is at the lower border of lhe Triangular Fossa It fonns ar


equilateral lriangle wit h lhe Scialic Nerve and the Hip.

F;-..:.__....:~~=:!.- Pclvi s
Groin

9. Constipation Point - It forms an equilater


triangle with Seiatie Nerve and Sympathet
Diaph"'8'"
Nerve.
Lar Ccnlc r XL HELlX CRUS - Corresponds to the diagram.

Ear Cenlre - It is located at the lower edl


middle arca ofthe Helix Crus

66
Localização e Funções dos
Ponto Hélix da Orelha

1. Ponto Ouvido Central

2. Ponto Diafragma
1. Ponto Ouvido Central

Localização - Este ponto localiza-se sobre o


nascimento
, da raiz do hélix.
E um ponto que se conecta diretamente ao ramo
do nervo vago.

Função - este ponto tem várias denominações tais


como , ponto do nervo vago , ponto ramo e ponto zero;
sua função resume-se em regular a atividade funcional
do órgãos internos, por isto, é utilizado no tratamento
das afecções do aparelho digestivo e cardiovascular,
com uma significativa ação na enurese noturna.

2. Ponto Diafragma

Localização - Este ponto encontra-se sobre a raiz


do hélix, ao nível do conduto auricular.

Função - Ponto que intervém na função da


homeostase sangüínea, refresca o sangue, libera os
espasmos, as propriedades anteriores nos
permite seu uso no tratamento dos espasmos do
diafragma, enfermidades hemorrágicas que incluem a
hemorragia disfuncional uterina, melenas, etc. Além
disto, se emprega no tratamento das afecções
dermatológicas, tais como psoríase, eczemas, acne, etc.
2. Diap-hragm . 11 is localed aI lhe midpoint of lhe line frem which lhe lIelix

Large
Intcstinc
Appcndix
.'- --'"
Rcctum
Small
Inlestine
Duodenwn

Stomach

Moo~·-----~"
Esophagus Cardia

Crus originales. 11 is localed direclly above lhe entrance lO lhe Exlernal


Audilory Canal.

Xli, AREA AROUND THE HELlX CRUS - Corresponds lO lhe Digestive Tracl.

I. Moulh - 11 is localed ai lhe midpoint oflhe line from lhe upper (proximal) 1/3
of lhe hole of lhe Externai Audilory Canal lo lhe beginning of Helix Crus.

67
Localização e Funções
dos Pontos que Rodeiam
a Raiz do Hélix da
Orelha

1. Ponto Boca
2. Ponto Esôfago
3. Ponto Cárdia
4. Ponto Estômago
5. Ponto Duodeno
6. Ponto Intestino Delgado
7. Ponto Intestino Grosso
8. Ponto Apêndice
1. Ponto Boca
Localização - Na parte póstero-superior do
conduto auditivo com a região onde começa a rai z do
héli x.

Função
• Trata as afecções da cavidade bucal e laringe,
faringe , tais como úlceras bucais, glossite,
gengivite, gengivorragia e transtornos da
articulação temporomandibular, lar ingo-
faringite.
• Tem a função de acalmar a tosse, além de ser
utilizado no tratamento da traqueíte aguda e
A .
cromca.
• Sedante, por isso se emprega no tratamento da
insônia, é denominado em alguns textos como
ponto hipnose.
• Fora da China, este ponto é também chamado de
ponto que restabelece o cansaço, além disso, se
emprega no tratamento da dor da região lombar,
das pernas e nos estados de cansaço excessivo
onde há perda da força muscular.
2. Ponto Esôfago
Localização - Imediatamente por baixo da raiz
do hélix ao nível do ponto ouvido central.

Função - Tem como função garantir o livre


deslocamento dos movimentos diafragmáticos,
descongestiono a cavidade torácica, harmoniza o
correto funcionamento do esôfago no processo
digestivo, pelas funções mencionadas anteriormente
utiliza-se no tratamento da esofagite, da opressão
torácica, da disfagia, etc.

3. Ponto Cárdia

Localização - Este ponto encontra-se por baixo


da raiz do héli x, entre o ponto estômago e o esôfago.

Função - Utilizado nas afecções da cárd ia tais


como, perda do tônus constritor, que se manifesta
através de episódios eméticos de refluxo
gastroesofágico, sensação de plenitude torácica,
náuseas, etc .

.
4. Ponto Estômago

Localização - Encontra-se no ponto onde


desaparece a raiz do hélix.

Função - Ponto útil no tratamento das afecções,


tais como gastrite, úlceras gástricas, espasmos
estomacais
, e transtornos gastrointestinais.
E a base da energia do céu posterior (adquirida),
também definido como o mar dos líquidos e os cereais.
O baço é o órgão aclopado ao estômago, por esta razão
através deste ponto, harmoniza-se a atividade funcional
de ambos, tonif ica a energia do Jiao médio , facilita e
garante uma boa drenagem do fígado e regula a energia.
O estômago faz descer harmoniosamente a
energia. o que justifica sua utilização no tratamento de
náuseas, vômitos, soluço, regurgitações ácidas,
eructações, etc.
O canal entra nos dentes, ascende através da
fronte até alcançar a linha anterior do nascimento do
cabelo, este trajeto permite sua ut ilização no
tratamento das odontalgias, cefaléia fronta l, afecções
do sistema nervoso, tais como a histeria e a depressão .

..
5. Ponto Duodeno

Localização - Encontra-se sobre o bordo


superior da raiz do hélix, ao nível do ponto cárdia.

Função - Ponto específico no tratamento da


duodenite e das úlceras duodenais.

6. Ponto Intestino Delgado

Localização - Encontra-se no bordo superior da


raiz do hélix, ao nível do ponto esôfago.

Função - O intestino delgado intervém no processo


da absorção, transformação dos alimentos e nutrientes,
provenientes do estômago, nele se realiza a depuração
dos líquidos claros dos túrbidos, pelo que suas funções
estão encaminhadas a controlar a absorção do processo
digestivo, dispersa o calor e elimina a umidade, além
disso, mobiliza as fezes e detém as deposições
diarréicas, por isso se emprega no tratamento das
dispepsias, as diarréias, da constipação, da distensão
abdominal e dos transtornos gastrointestinais, etc.
Sua relação interior-exterior é com o coração, fato
que permite seu emprego no tratamento das afecções
deste órgão, segundo se expõe pela MTe , se o calor
agride o coração este, também pode se instalar no
intestino delgado fato que perturba sua função no
controle nos fluidos mais densos, por esta razão, este
ponto pode ser utilizado no tratamento da
hipogalactia, das afecções da faringe e da laringe, das
úlceras bucais, da hematúria, etc.

7. Ponto Intestino Grosso

Localização - Encontra-se no bordo superior da


raiz do héli x, ao mesmo nível do ponto boca.

Função - O intestino grosso tem a função de


evacuar os excrementos, constitui o vínculo final na
absorção e digestão dos alimentos, nutr ientes e
líquidos, entre outras funções realiza a dispersão do
calor de todos os Fu, mobiliza as fezes e detém as
deposições diarréicas, por fim se emprega nas
afecções, tais como enterite, transtornos intestinais,
constipação, distensão abdominal, etc ,
Sua relação interior-exterior realiza com o pulmão,
o que permite sua util ização no tratamento das
dermatites, enfermidades relacionadas com o nariz e a
garganta, laringotraqueobronquite, etc.
8. Ponto Apêndice

Localização - Encontra-se sobre o bordo


superior da raiz do hélix, entre os pontos intestino
grosso e intestino delgado.

Função - Ponto utilizado no tratamento da


apendicite aguda, assim como do plastrão apendicular.
Prostate
Ureter Kidney
e - - ._ Pan Creas
81adder Orunk P Gallbladder

Bilia ry ~ i,"
................
Ducl %"
InltSline nwn ~

Stomach

70
Localização e Funções dos
Pontos da Concha Cimba
da Orelha

1. Ponto Rim
2. Ponto Próstata
3. Ponto Bexiga
4. Ponto fígado
5. Pontos Vesícula Biliar e
Pâncreas
6. Ponto Centro da Concha
Cimba
1. Ponto Rim

Localização - Este ponto localiza-se na pequena


cavidade que se forma por baixo da cruz inferior do
anti-hélix, ao mesmo nível do ponto pelve.

Função - Ponto importante para a manutenção e


conservação do estado de saúde, já que este órgão
Zang representa a base da energia do céu anterior
ou ancestral , armazena a essência vital , controla o
fogo do Ming Men (porta da vida), por todos estes
fatos comentados anteriormente, é considerado
como a base e sustentáculo da atividade vital do
homem. Sua utilização nos permite tonificar a
energia Yang, nutrir a essência, fortalecer a região
lombar e a medula espinhal , fortalecer a função
cerebral , drenar e conservar o metabolismo dos
líquidos corporais, conservar, fortalecer e clarear a
audição e a visão. Por todas estas propriedades
funcionais , seu emprego fica dirigido aos estados de
astenia e debilidade geral no curso das
enfermidades crônicas, o que nos permite tratar
afecções como nefrite, glomerulonefrite, debilidade
e dor da região lombar e dos joelhos, dor do
calcâneo, dispepsias, diarréias, impotência,
espermatorréia e irregularidades menstruais, etc.
Controla os ossos, gera a medula, sendo o
cérebro o mar da medula. Estas funções fisiológicas
nos permitem o emprego deste ponto no tratamento
das afecções do sistema nervoso e osteoarticulares,
isto inclui afecções como a neurastenia, transtornos
neurovegetativos, atralgias (cervicalgias,
lombalgias), além disso , utiliza-se nos transtornos
intelectuais (coeficiente de inteligência baixo, perda
da memória).
O ouvido é a abertura do rim , por isto é
utilizado no tratamento do tinido e hipoacusia.
O Tratado das Cinco Teorias expõe: "A iris
relaciona-se com o rim"; por isto , seu emprego nas
enfermidades oftalmológicas fica justificado.
O rim expressa-se no cabelo , a qualidade do
cabelo é um índice do estado funcional do rim, seu
uso oferece uma melhor textura e força ao cabelo,
por isto , se utiliza no tratamento da alopecia areata
e a seborréi ca.
Controla o metabolismo dos líquidos, comunica e
regula as vias dos líquidos corporais , esta
propriedade funcional do ponto nos é útil no
tratamento da anúria e do edema.
d
-.t
d
d
~
~
-,:t
2. Ponto Próstata
-,:t
di Localização - Este ponto localiza-se no ângulo
d
~ superior da concha cimba, por baixo da cruz do anti-
"" hélix no lado mais próximo ao bordo interno do hélix.
di
",.
d Função - Ponto uti li zado no tratamento das
di
~
afecções da próstata, tais como prostatite e
",. hiperplasia prostática, sepse do sistema urogenital e
d
d
transtornos da função sexual.
di
di
~
di
~
3. Ponto Bexiga
""
Ô
-,:t
di
Localização - O ponto localiza-se traçando uma
di linha desde o ponto próstata até o ponto rim, no
di
di
primeiro terço da mesma, ao nível do ponto
di constipação.
~

"".,.
d Função - A bexiga é a víscera aclopada ao rim,
entre suas funções fisiológicas esta a
transformação do Qi, isto é, separando o Qi túrbido
do claro, este princípio fisiológico nos permite a
utilização do ponto para regular a atividade
funcional da bexiga, assim como eliminar a umidade e
o calor patogênico da mesma, por sua relação com o
rim sua utilização tonifica o Qi deste, as
propriedades funcionais anteriores nos permite a
utilização deste ponto no tratamento das seguintes
enfermidades: polaciúria, disúria, retenção urinária,
glomerulonefrite, etc.
Armazena a urina por isto, é empregado no
tratamento da enurese, incontinência urinária, etc.
O canal da bexiga começa em Jing Ming e em
sua ascensão pela fronte alcança o vértex, lugar
onde emite um colateral ao interior do cérebro e se
relaciona, por sua vez, com outros canais, em seu
trajeto descende através da região sacrolombar,
para descer pelos glúteos e alcançar a prega
poplítea, a partir daí, segue seu trajeto até alcançar
>:S o ponto Zhi Yin. Este canal possui uma ampla relação
::s
di com muitas regiões de nosso corpo, dada extensão
". de seu trajeto, por esta razão, é empregado no
di
di tratamento da cefaléia occipital , das lombalgias , das
di ciatalgias, da neurastenia e da insônia, etc.
~
~
...,.
~
~
~
~
~
~
4. Ponto Fígado

Localização - Este ponto se localiza no bordo


póstero-inferior da concha cimba.

Função - Ponto que favorece a atividade


funcional do fígado e a drenagem da vesícula biliar ,
fortalecendo a função do baço e do estômago.
Controla a região intercostal, a drenagem e
dispersão do fígado e regula a energia, além disso ,
desobstrui os canais e acalma a dor. Por todo o
exposto anteriormente, este ponto é utilizado no
tratamento das afecções seguintes , na hepatite
crônica, nas seqüelas da hepatite, nas afecções das

..
d
vias biliares, na gastrite crônica e na distênção
abdominal.
Controla a drenagem e dispersão - O canal do
fígado percorre o aparelho genital , alcança o
hipogástrio e se estende até a região das axilas , seu
canal distinto ascende até o vértex, por este trajeto
se emprega no tratamento das afecções
ginocoobstétricas, do aparelho urogenital, na

..
". enurese e nas cefaléias do vértex.

....
......
,.
Armazena o sangue - Ponto importante no
tratamento das discrasias sangüíneas, vasculares e
na hipertensão.
Controla ligamentos e tendões, além disso é o
orgão responsável dos transtornos por vento
interno. Razão pela qual , sua função inclui o
tratamento das afecções por vento interno , elimina
fleumas , drena as epilepsias , os intumescimentos dos
membros, os espasmos de mãos e pés , assim como a
paralisia facial.
Os olhos são a abertura do fígado e este é
nutrido pelo rim , por isto este é importante no
tratamento das enfermidades dos olhos e ativa a
circulação do sangue e tonifica a energia.

5. Pontos Vesícula Biliar e Pâncreas

Localização - Este ponto localiza-se entre o


ponto fígado e o ponto rim, no bordo externo da
concha cimba. Este ponto representa na orelha
esquerda pâncreas e na orelha direita à vesícula
biliar.
""
-:t
~
d
d
d Função
d
d
• Ponto pâncreas
d Este ponto tem utilidade diagnostica na
d
d
pancreatite e no diabetes melito , portanto ,
d também é empregado no tratamento de tais
d
d
afecções.
d • Vesícula Biliar
::t Sua função fisiológica consiste no
d
~ armanezamento e excreção da bílis , é além disso , o
::t Fu acoplado ao fígado . A relação Zang Fu permite
Id
Id uma adequada atividade funcional entre ambos ,
d garantindo e favorecendo a função do fígado , drena
Id
Id a bílis da vesícula, ademais, intervém na regulação da

""""
d
energia, acalma a dor, por todo o exposto
anteriormente, é empregado no tratamento de
d enfermidades das vias biliares , sabor amargo na
-:t
boca, distensão e plenitude intercostal, herpes
""""
..",
zoster , etc .
~
Devido ao trajeto do canal da vesícu la através
..,. do ouvido , com este ponto se podem tratar as

..
'"
:t
afecções como o tinido, surdez, enxaqueca, rigidez
de nuca, etc .
..
..
..
.•
..,
..,.
.,t
.,t
d
d 6. Ponto Centro da Concha Cimba
d
d
.,t
.,t
Localização - Este ponto está localizado no
.,t centro mesmo da concha cimba e também é
d denominado ponto da região periumbilical.
.,t
.,t
d Função - Ponto utilizado no diagnóstico e
.,t
.,t tratamento das dores periumbilicais , além disso ,
.,t emprega-se na dismenorréia, nas dores abdominais,
d
d na prostatite na litíase renal , áscaris nas vias
d biliares.
d
d
d
d
d
".
d
d
d
d
".
".
d
d
-oi
..,.
-oi
..,.
.,..,.
~

..
...
...
d
d XIV. CA VUM CONCHA - Thoracic Cavity
".

Slomach

B nchus

T chea Brain Slem


Br nchus

l
San Ji~ Nervous
Subcortex

d
>0;1 Endocrine
~
d
.,.
>0;1
1. Heart - It is a depressioll which is located at lhe centre of Cavum Concha.

.,..,.
d 2. Lungs - TIlC)' occupy lhe upper arca and lhe lower area adjacenl lO lhe Hcart

,. arca. The upper Lung is lhe Conlralaleral Lung. Lower Lung is lhe
Ipsilateral Lung.

.".

....
.".
3. Trachea - lt is located aI lhe midpoint af lhe levelline drawn between lhe
Heart and the hole oflhe Externai Auditory Canal.

... 71
...
.
Localização e Funções dos
Pontos da Concha Cava da
Orelha

1. Ponto Coração
2. Ponto Pulmão
3. Ponto Traquéia
4. Ponto Brônquios
5. Ponto Baço
6. Ponto San Jiao
7. Ponto da Tuberculose

~
...
...
...
1. Ponto Coração

Localização - Encontra-se na depressão situada


no centro mesmo da concha cava.

Função - Ponto com uma atividade funcional


ampla, entre as quais se encontram o fortalec imento
da atividade funcional do coração, regular a pressão
arterial, pacificar o coração e com isto acalmar o
espírito , dispersar o fogo do coração , etc.
Controla o sangue e os vasos - A MTC tem como
princípio fundamental que a energia em seu em seu
.". movimento impulsiona o sangue pelo corpo todo , esta
"'"
di posição está fundamentada na premissa de que a
di
d
... energia comanda o sangue e este é a mãe da energia.
Por esta relação funcional , o ponto coração é

... empregado no tratamento da obstrução e


estagnação dos vasos e canais , ativando a circulação
do sangue e eliminando a dor que se origina por causa

...
1'iI
da mesma, todo o exposto anteriormente nos
permite tratar afecções tais como: enfermidades

....
......
cerebrovasculares, enfermidade de Raynaud,
vasculites, hipertensão , cardiopatias e transtornos
da condução elétrica do coração .
Armazena a atividade espiritual do homem -
Trata enfermidades do sistema nervoso , nas quais se
incluem a neurastenia, transtorno do sono,
desordens do sistema neurovegetativo , neuroses,
etc.
Controla a transpiração - A MTC define o suor
como o fluido do coração, por isso , emprega-se este
ponto no tratamento da hiperidrose.
A língua é a abertura ou o broto do coração , o
canal em Sua trajetória passa e se distribui para
ambos os lados da garganta, o qual nos permite
tratar a faringite , a glossite, a disartria e as úlceras
bucais.
O coração expressa-se na face - A palidez facial
é a expressão dos estados de insuficiência de sangue
e energia, assim como a cianose facial e também a
expressão da estase de sangue, portanto este ponto
é utilizado para tratar estas afecções.
2. Ponto Pulmão

Localização - Encontra-se por cima e por baixo


do ponto coração , em ambos os lados como se
envolvesse o mesmo, o ramo inferior do ponto pulmão
é o que coincide com o pulmão do lado da orelha
tratada e a ramo que se localiza por cima do ponto
coração corresponde ao pulmão do lado contrário.

Função - O pulmão controla a energia, comanda a


respiração , determina a descência e a dispersão ,
também nele se reúnem os cem vasos, por todo o
exposto anteriormente, este ponto é utilizado para
fortalecer as funções antes mencionadas, canalizar
ou comunicar o sangue nos vasos, eliminar a dispinéia,
transformar a fleuma e acalmar a tosse, por isto ,
este ponto é empregado no tratamento de todas as
afecções do sistema respiratório tais como:
bronquite, asma bronquial , pneumonias , etc.
Regula a via dos líquidos , por isto , se emprega no
tratamento dos estados edematosos de qualquer
etiologia.
Controla a pele e os pêlos , ademais tem a função
de eliminar o vento patogênico instalado na
superfície, por esta função em particular, é
empregado no tratamento dos estados iniciais de
uma agressão por vento (resfriado, rinites, algias
musculares), além disso , permite regular uma
adequada abertura e fechamento dos poros , neste
sentido , também é utilizado no tratamento das
dermatites, alopecias e transtornos da sudação.
O pulmão tem como janela a garganta e como
abertura o nariz. Esta relação do pulmão com a
garganta e o nariz como sua abertura nos permite
sua utilização no tratamento de afecções , tais como
faringites , rinites, sinusites, afonia, perda do
sentido do gosto , etc.
O pulmão tem como órgão aclopado o intestino
grosso. Esta relação interior-exterior nos permite
seu emprego para dispersar o exceso de calor no
intestino grosso , drenar a umidade e eliminar a
estagnação do mesmo , por isto, é empregado no
tratamento da constipação, íleo paralít ico,
divertículo e pólipos do cólon , etc.
3. Ponto Traquéia

Localização - Encontra-se no bordo externo


imediato do conduto auditivo externo, na metade da
distância entre este e o ponto coração.

Função - Este ponto é utilizado para acalmar a


tosse eliminar a fleuma e drenar a garganta, por
estas funções , emprega-se no tratamento dos
episódios de laringites aguda e crônica, epiglotite,
laringotraqueobronquite.

4. Ponto Brônquios

Localização - Encontra-se na metade da


distância de uma linha traçada entre o ponto
traquéia e o ponto pulmão.

Função - Ponto que tem entre suas funções ,


acalmar a tosse, a dispnéia, eliminar a fleuma, por
isto, emprega-se no tratamento das bronquites
aguda e crônica, da asma bronquial e da
bronquiectasia.

5. Ponto Baço

Locali zação - Este ponto se locali za no bordo


supra-externo da concha cava, na metade da
distância de uma linha traçada desde o ponto
estômago até a fossa do intertrago.

Função - A atividade funcional do baço está


dirigida para controlar a função de transporte e
transformação , é considerada a base da energia do
céu posterior desde o momento que ocorre o
nascimento , portanto , dele depende a qualidade do
Qi adquirido, seu emprego está dirigido a corrigir os
transtornos do sistema digestivo , tais como
diarréias, distensão abdominal , constipação
dispesias, etc.
O baço gosta de secura e a umidade o danifica,
por isto, seu funcionamento correto garante um bom
metabolismo hídrico , sua utilidade, então , está
" apoiada em sua função de drenagem da umidade, o
..
-:t

,.
que propicia o tratamento das afrcções edematosas
da índole das ascites, eczema da pele, etc.
Mantém o sangue dentro dos vasos sangüíneos -
Esta função nos permite sua utilização no
tratamento das enfermidades hemorrágicas,
metorragias , hemorragias uterinas de caráter
funcional e outras afecções hemorrágicas.
Controla a ascensão do Qi - Através da
tonificação do Qi do Jiao médio se evitam as
afecções do tipo dos prolapsos nos órgãos internos,
tais como: pro lapso do estômago , do reto, vaginal
vesical , hérnias , etc.
Controla a qualidade dos músculos e atividade
dos quatro membros - Esta função nos permite
tratar as algias lombares e dos membros, dos
ombros, da espalda, atrofia muscular e a perda da
força muscu lar nos quatro membros.
A boca é a abertura do baço e se expressa
através dos lábios - Esta função somada à sua
propriedade de drenar a umidade e eliminar o calor
nos permite tratar afecções como glossite.
inflamação dos lábios, úlceras bucais , etc.
6. Ponto 5an Jiao

Localização - Encontra-se por baixo do conduto


auditivo externo , no bordo interno do antitrago, na
metade da distância entre o bordo inferior do
conduto auditivo e o ponto do subcórtex, na zona
onde se unem os ramos dos nervos glossofaríngeo,
facial e vago.

Função - Nele se resumem as funções dos cinco


Zang e dos seis fu , sua relação interior-exterior se
estabelece com o pericárdio. Entre suas funções
principais está a regulação da energia, acalma a dor ,
tonifica o coração , nutre o pulmão , fortalece o baço
e o estômago , tonifica o rim, elimina os líquidos
corporais e detém a sede, além disso , desobstrui as
articulações, por todas as propriedades antes
mencionadas , é uti Iizado no tratamento das
enfermidades do aparelho urogenital , do sistema
digestivo, distensão abdominal, dor intercostal ,
edemas discretos , constipação , tinido , etc.
Neste ponto reúnem-se ramos dos nervos
glossofaríngeo , facial e vago , o que permite sua
utilização no tratamento da paralisia facial ,
espasmos da musculatura facial, neuralgia do
trigêmio odontalgia e afecções da cavidade bucal.

7. Ponto da Tuberculose

Localização - Localiza-se por fora do ponto


coração , formando um triângulo entre o ramo
inferior do ponto pulmão e do ponto coração.

Função - Ponto importante para estabelecer o


diagnóstico positivo de um quadro de tuberculose
pulmonar e extrapulmonar. Se à exploração eletrica
este ponto mostra uma reação positiva, nos confirma
uma afecção por bacilo da tuberculose, se somado ao
anterior o ponto de pulmão se mostra com uma
reação positiva à exploração, tendo em consideração
a resposta positiva no lado que se realiza a
exploração, então podemos afirmar que o paciente é
portador de tuberculose pulmonar do pulmão direito
ou esquerdo , e inclusive de ambos lados na situação
em que a resposta positiva seja simultânea.
4 8ronchus· Thcy are localcd aI lhe middle poinlS between Trachca and Lungs
(upper and lower)

S. Spleen - It is located at the midpoint of a line fram Stomaeh to the noteh


belwccn Antihclix and Antitragus.

6 Sanjiao . It is an arca which is localcd aI lhe middle area from lhe inferior and
lateral edge of the hole of the Externai Auditory Canal to the Nervous
Subcol1ex. This arca is also wherc lhe mixed branch af lhe Facial Nervc,
Vagus Nerve and Glossopharyngeal Nerve exil. (The mixed brancll is
distributed around lhe Cavum Concha. So Ihere is anolher name for Sanjiao:
The stimulating point for the three branehes (three mixed braneh).

7. T.RPoint - It forms an equilateral triangle with Hcart and lower Lung.

8. Splenomegaly Area - We draw a horiwntal line fram the Stomaeh to the


Antihelix and anolhcr verticalline fram the midpoint of the horizontalline to
the Splcen. Thc trurd line is ITom the Splccn to the Brain Slem. The fourth line
is the inner cdge oflhe Anlihelix. The Splenomcgaly Arca is the arca encloscd
by Ihese four lincs.

xv. fNTERTRAGIC NOTCH - Noteh bctween Tragus and Antitragus

I. Endocrine - 11 is locatcd in the inferior portion of the Cavum Concha, 0.5 em


down the noteh betwcen Tragus and Antitragus.

2. Vi,ion I. - It is localcd slightly


inferior and mediai to the Noleh

J. Vi,ion 11. - It is inferior and lateral


to the NOleh.

4. Raising Blood Pressure Poinl - It i,


locatcd slightly and direetly inferiOl
to lhe NOleh .

Vigion I . • Vision 2
5 Ovary - lt is localcd aI thc Qulel
RaLSC Up Pt.
edge of the lateral partion of Ih,

72
Localização e Funções
dos Pontos da Incisura
do Intertrago da
Orelha

1. Ponto Endócrino
~ 2. Ponto Visão 1
~
~ 3. Ponto Visão 2
~

4. Ponto Hipertensor
.""
d

~
5. Ponto Ovário
""
~

"'*
"'*
"'*
..
~

..
..
.
1. Ponto Endócrino

Localização - Encontra-se na parte mais baixa


da incisura do intertrago , a 0,5 mm para dentro.

Função
• Utilizado para as funções do sistema
endócrino , portanto , trata as afecções
causadas por transtornos do mesmo , tais
como disfunção da glândula tiróide, diabetes
melito.
• Uti li zado no tratamento das enfermidades
causadas por vento-umidade, em sua versão
clínica se traduz por enfermidades do
colágeno (artrite reumatóide, lúpus
eritematoso, esclerodermia, etc.), além disso,
inclui propriedades imunológicas e
antiinflamatórias, motivo pelo qual , também
se emprega no tratamento das enfermidades
alérgicas e infecciosas como inflamação
pélvica ou de outra índole em nosso
organismo.
• Utilizado para garantir e controlar uma
adequada função digestiva (absorção-
digestão) seu tratamento dirigido para

. dispepsias , gastrites atróficas , etc .


• Drena a umidade e elimina os líquidos, por
isto, emprega-se no tratamento dos edemas
de origem endócrina ou vascular, eczemas e
na obesidade.

2. Ponto Visão 1

Localização -Encontra-se no bordo ântero-


inferior da incisura do intertrago .

,.,.... Função - Ponto empregado para o tratamento do

.
...
glaucoma, da ritinite, da irite, da queratite, entre
outras afecções oftamológicas .

,.
~

,.,.
~
3. Ponto Visão 2
,.
.,. Locali zação - Encontra-se no bordo póstero-
•• inferior da incisura do intertrago.
••
Função - Ponto utilizado no tratamento da
ametropia, conjutivites , calázios e irioceratites.

4. Ponto Hipertensor

Localização - Encontra-se no bordo inferior da


incisura intertrago, entre os pontos visão 1 e 2.

Função - Ponto específico no diagnóstico e


tratamento da hipotensão.

,..,.. 5. Ponto Ovário


,..,..
Localização - Encontra-se na incisura do
,..
~
intertrago, sobre o começo do bordo interno do
,.:e,. antitrago.
,. Função - Ponto utilizado para tratar transtornos
.. menstruais, anexites , infertilidade e hemorragias

.. uterinas de caráter funcional, etc .

..

••


Ear Apcx

I-Iccl

.
~
~

,. Externai
Sympatnic Syrnpalhic

.,..,. He lix 2

~ Largc

.,.,. tntesline

,.
~

..,.
".
".

.:e
~

.,.
te
".

,.,.
:e
..
:e

.. Hcl ix 6

.• 74

~
Localização e Funções
dos Pontos Hél ix da
".
Orelha
..
".
".

,
.
~
::e
::e
::e
1. Ponto Apice da Orelha
A

2. Ponto Anus
,
::e 3. Ponto Orgão genitais
::e
,.
::e
Externos
::e
':8 4. Ponto Uretra
,.::e 5. Ponto Reto
,.::e.
.. 6. Ponto Yang do Fígado
.. 7. Pontos Hélix de 1 a 6

... 8. Nervo Occiptal Menor ---'

..
,.
..
,.
.
,.
".
,
1. Ponto Apice da Orelha
r.e
r.e

...
r.e
r.e
Localização - Encontra-se no ponto mais alto do
pavilhão auricular , na ponta que se cria ao dobrar o
pavilhão para frente .

...,. Função - Ponto com funções anti inflamatória,

..
,..,.
antipirética, hipotensora, antialérgica, soluciona a
mente e clareia a visão pela qual , é uti li zado no
tratamento das hipertermias, hipertensão,
neurastenia, cefaléias , vertigens, enfermidades
,.
~ oftamológicas e dermatites em geral.
".
~

..
A
".
". 2. Ponto Anus
te
.. Localização - Encontra-se sobre o hélix, a nível

... do bordo inferior da cruz superior anti-hélix .

Função - Ponto utilizado no tratamento das

... hemorróidas internas e externas ou mistas, pro lapso


retal e prurido anal.
.•
••
:e
o:e
::e
r:e
::e
r:e ,
o:e 3. Ponto Orgãos Genitais
:e
o:e
::e Localização - Encontra-se sobre o hélix, no nível
::e do ponto simpático.
::e
::e
r:e Função - Ponto empregado no tratamento das
::e
r:e afecções dos órgãos genitais externos , como

.
r:e
r:e
uretrites , balanites , eczema do escroto , prurido
genital, impotência, etc .

.
r:e
r:e
r:e
r:e 4. Ponto Uretra
r:e
:e Localização - Localiza-se sobre o hélix, no nível
r:e

....
r:e
r:e
r:e
do ponto próstrata.

Função - Ponto utilizado no tratamento das


afecções uretrais, as quais incluem sepse das vias

.
r:e
".

:e
urinárias baixas, prostatite, enurese noturna,
polaciúria e poliúria, etc.

.
:e
r:e
:e
.
:e
5. Ponto Reto

Localização - Encontra-se sobre o hélix, no nível


do ponto intestino grosso.

Função - Ponto empregado no tratamento das


hemorróides internas e externas , do pro lapso retal ,
do incontinência fecal , das enterites e das
desinterias baciliares.

.,..,. 6. Ponto Yang do Fígado


.,. Localização - Este ponto localiza-se sobre o
.,.
".
tubérculo auricular .
".
~
~
Função - Ponto empregado no tratamento da
.,.
~ síndrome de ascensão do Yang do fígado e das
hepatites.
.,..,.
~

...
..
~
....
... 7. Pontos Hélix de 1 a 6
..
~

... Localização - Estes pontos distribuem-se desde

.....
". o tubérculo para baixo até o bordo inferior da
curvatura do lóbulo da orelha .

...
Dividindo este trajeto em 5 seções , de cima para
baixo , ficam distribuídos os 6 pontos,
respectivamente, em cada uma destas partes .

. Função - Estes pontos em conjunto têm a função

.
~
".

~
~
anti inflamatória antipirética, por isto, util iza-se no
tratamento das afecções inflamatórias e no curso
das enfermidades febris .
~

8. Nervo Occipital Menor

Localização - Encontra-se no nível do ponto Yang


do fígado , no tubérculo auricular mas por seu bordo
interno.
,.,.(

,.
..
~

,.c,e
,.,. Função
.,.
.,. • Comunica os canais e ativa os colaterais, tem
efeito sedante e analgésico , por isto , é usado
di
para tratar cefaléia occipital , neuralgia do
.,.
di
nervo occipital menor e dor do pavilhão
.,.,.
~
auricular .

.,.
,.,.
• Trata os espasmos dos vasos sangüíneos,
sendo usado nas seqüelas dos acidentes

.,..
cerebrais, na arteriosclerose cerebral , na
sensação de parestesia e na cervicalgia .

,.:e.,.
.,..,.:e
.,..,.
.,.,..
,.
......
..
..
..
11
.
~
~
~
~ XV II. POSTERIOR SURFACE Of AURlCLE
~
~ 1. lJpj)er [ar RooI - Upper cdge of Ear
~ RooI
~
~ 2. Middle Ear Rool - 11 is locatcd ai lhe

,.,.
~ mceting paim between posterior
surface af lhe Auricle and lhe

,. Processus masloid (Roa! af lhe


auricular braneh oflhe Vagus Nerve).

,.,.
1:$

.
,.,. Liver
1 Lower [ar Rool - 11 is loealed ai lhe
meeling poinl belween lhe Ear Lobe
and lhe Cheek.

,..,. • 4. Graove OfThe Poslerior Surface Of

B
un.
The Auride - 11 is lhe "Y· Iike

... Middle
Spl 'n depression corresponding to lhe
superior and inferior Crus af lhe
.,.
~ Ear Root Antihelix and Triangular Fossa.

....,. j
.. Lower
Kidney
5. Heart -11 is located at lhe upper point
of lhe midline of the posterior
surfacc.
.,..,.
~ Ear Root

..,. 6. Spleen - 11 is localed at lhe midpoinl


of lhe midline of lhe poslerior
sunacc.

,.,. 7. Kidnev - 11 is lcealed ai lhe lower

.,. point of lhe midline of lhe poslerior


surfacc .

... 8. Livcr -It is located ai lhe lateral to outcr part ofthc posterior ofthe Auricle
corrcsponding to lhe samc levei as lhe Heart .

. 75
Localização e Funções
dos Pontos do Dorso da
Orelha
1. Raiz Superior do Pavilhão
2. Raiz Central do Pavilhão
3. Raiz Inferior do Pavilhão
4. Sulco Posterior da Orelha
5. Ponto Coração do Dorso
da Orelha
6. Ponto Fígado do Dorso
da Orelha
7. Ponto Rim do Dorso
da Orelha
8. Ponto Fígado do Dorso
da Orelha
9. Ponto Pulmão do Dorso daJ
Orelha - -
-f
f
;$ 1. Raiz Superior do Pavilhão
~

Localização - Na proeminência póstero-superior


que forma a raiz superior do pavilhão.

Função - Utilizado no tratamento da epistaxe.

2. Raiz Central do Pavilhão

Localização - Na parte média da linha que une a


raiz superior e inferior do dorso da orelha, ao
mesmo nível da raiz do hélix.

Função Utilizado no tratamento da


colecistolitíase, da ascaridíase nas vias biliares, da
obstrução nasal , da taquicardia, das diarréias, da
úlcera péptica, da duodenite, da cefaléia, etc.

3. Raiz Inferior do Pavilhão

Localização - No ponto onde se insere o lóbulo


da orelha com a face.
Função - Uti li zado no tratamento da hipotensão
e nos transtornos do sistema endócrino.

.,..,. 4. Sulco Posterior da Orelha

~ Localização - Encontra-se no dorso da orelha,

..
,.
".
por trás da cruz superior e inferior do anti-hélix, na
depressão que se forma como um "Y" .

,....
<:I

Função , Uti Iizado no tratamento da

.,.,.,...
hipertensão. E um ponto importante no diagnóstico
".
da hipertensão e hipotensão arterial.

,.,.'="
,.,.
.,..,. 5. Ponto Coração do Dorso da Orelha
..,.
,...,. Localização - Na parte superior do dorso da
.,.,.,. orelha, por trás do ponto Shen Men,
aproximadamente.
..,.
..,.
."
Função - Ponto empregado no tratamento das
palpitações, ou insônia, sonhos excessivos e
pesadelos, assim como na hipertensão e nas
cefaléias.

6. Ponto Baço do Dorso da Orelha

Localização - Na área central do dorso da


orelha.
Função - Utilizado no tratamento da gastrite, ou
dor causada pela úlcera péptica, nas dispepsias e nas
anorexias.

7. Ponto Rim do Dorso da Orelha

Localização - Na parte inferior do dorso da


orelha aproximadamente por trás do ponto cérebro.

Função - Uti li zado no tratamento das cefaléias,


vertingens , neurastenia, transtornos do sistema
neurovegetativo e nas neuroses.
di 8. Ponto Fígado do Dorso da Orelha
di

..
di
di

di
di
Localização - Na parte central do dorso da
orelha, por fora do ponto baço .

Função - Utilizado para o tratamento da


colesciste, da colecistolitíase, da cólica hepática e
das dores do hipocôndrio.

9. Ponto Pumão do Dorso da Orelha

Localização - Na parte Central do dorso da


orelha, mas por dentro do ponto baço

Função Utilizado no tratamento da


laringotraqueobronquite, da bronqu ite , da asma
bronquial e das dermatites atópicas.
Auriculolherapy Inlemalional Research and Training Cenler

AURICULOíHERAPY INíERNAílONAL
R E S EA RCH AND íRAINING Ct::Nít::R
1í)\~ ii! mfIlI lil~tll ~JI ~' ,c'
- ,-

DR. LI-CHUN HUANG

Df Li-Chun li uang is an inlernationally known aLllhorily on


auriculOlhcrapy as well as Iradilional Chinese Medicine
Allhough Dr I-Iuang was Irained as a physician and an
ancSlhcsiologisl, Ihese accomplisllmcms only paved lhe way
for her study or ear acupunClure undcr Df Wang Chung of
Nanjin, China, who was allhal time, lhe foremoSl aUlhoril)'
in Ihis field of Slud)' After Dr. Huang's prescntation aI the
FirSI National Acupunclure Symposium in China in 1984, ,
shc was recognized as one or lhe roremosl researchers il'!
auricular acupuncture. Along with this high recognilion, she
also bccame lhe head oflhe National Auricular Restarch
Subcoll1l1lillce in China, a lecturcr, a mcmbcr or numcrous
medicai organizalions and a consultanl 10 many medicai
organizalions in China and abroad

The
unequaled
skill Dr
l-Iu8ng possesses has made hcr nationally known \Vilh P " , Li - L-.I \,,!, 11 1\''''~-r I ~
Ihousands cr acupuncturisls, many lhemselvcs e.~pcns, k ' ll~\V I ' {"l. I ,'c"./),·( t,>,1
st riving 10 acquirc hcr ~magic· s~iIIs, she has becn
elevaled 10 lhe posilion ofbelllg lhe undispuled IOp \\',,!,I , h\'I.lc . ,~ "
auricular acupunclurisl in China She has \\on Il~,'< >n hl~ ! 1'lI j h. lI' lÍ~ · (lI '
Ilumerous a\~ards, both rrem China and abread She
has specialized in Auriculolherapy for lhe paSI 30 years . \l U" ,- , \ I,~ t h" ", \ I '~ "
and has become a pioncer in auricular diagnosis and
Irealmenl She has n1adc grcat discovcrics in diagnosi~
and acupoims according 10 Ihcir diffcrcrll
characlerisl ics

• Acupomls of corrcsponding posilions


• ACUpollllS orlhe five Zang (solid organs) and si~
fu (helio\\! organs)
• Acupoims oflhe endocrine s)'slem
• Acupoinls or lhe nervous system
r'----------·----------------~'----~A;UO<CI~tuLOTERAP ~
"lAPA D-IlHES

..... ..
.0-" . 'c."
'"
~

"o
~

J~lho :o
u
.~

:o
<

S. N. simpiitko '


Cotovelo

Ouvido externe Hclic-r 1

Pu l m~Q
I
...,.. Polm,o
Cora<;~o

Supra-~
Hipófisc

... , 5an Ji;JO

Endôcrino
'-, -, '.:... Tílamo
Sulx'õuoi
o$~o I Tmporal
T"'II<ulo
Olho 1

Hipf!(r!l5OT
língua
Maxil.
\"'~~
H~I;ct 5
~._-----

OHm
•"
t; Ouvido inl~mo

Inferior
Acnr: Rrpo cid fatt. \~ndibuIa. ~tniJa. Pulmio, Shm ~ Hm.OI loida: ~ \Im, Ánus. Int~ groM. ~ 8aço,
Supra-rm.. i. Endomno r H~ Grn tal!! intrf"Tl':I!t I' Gfnrtar:. ~1t'I1IOS
A1rooHsmo: OU\ido C'tnlDl lidict ~. 5hrn \1C'l1. Fígado. Rim. lkpitite: Hepallte, Shrn \4rn, Figado. \e..ll1Jla bili,.,r. Endocrino.
BrXlga, 5r<k r Boca Supri-lt'Ilal I' Baço
Arntnorma: Grnit"is intrrnos, Grnitais C'\Irrnos.. 5. f.j. Slmpátiro. lii~ensio Artl'1ial : Shtn Mtn, Apict. Hipotrnsor, C~ e S.,
Shrn Mrn. Rim, Figado, 8.1ço, HipóflSC', Diafragma, Supri-renal, Simpátic<l
Coraçao ~ Ov;irio(Testiculo HipIW:Usia: Ou ...ido intrmo. Ouvido ext('mo. Shrn Men r Rim
AMkdadrfTC'l1são/Nrurost: Olho. COrição. Ouvido ctntril, Shrn Hipotmsio Artl'1ial: Shtn Mt'n. Supri·renal. Hípertmsor e Cooç)o
Men, Hipófl'>C', Rim, Ápi« r Área dr Muraslt'nia Impotmoa: Gt'nitais internos, Sht'n Men, Grniuis ~tt'rnos. Rim,
Artro5l' ck JlX'lho: Jorlho, Rim, Fig"do, S. N. Simpático, Shrn Mr:n, Figado, Coraç.1o. Hipólisr. San Jiao, Lóbulo anterior, Olho e
San Jiao r Supra-renal OváriofTestículo
Asma t Bronquitr: Shen Men, Pulmão, Intestino grosso, Brônquios, Insônia: S. N. Simpatico, Shen Men, Ouvido ~ntD!, Coraç~,
Nariz e)"lmo, Endócri no, Asma, Crist: asmatita (St' estiver em crise) I' SUllra-renal. Subcórtex. Lóbulo anterior e Olho
Supra-renal lombalgia: Rim, lonlbar, ~cro, Cóccix, Nervo occipit~1 meTlOI". S. N.
Bursile TrocanltTiana: Ciâtiro. Quadril, Sacral, CÓ«i)", Rim, Tâlamo. Simp,atico. Shen Men I' ~II Jiao
Shrn Men e Nef\IO octipital menor lomboci~ta1gia: Sht'n Mtn. Rim. Ciãtiro. Nef\IO ocripital menor.
CJirnbns: região arriada, Shrn Mrn r Figado Lombar. Sacro, Cóttix. Vesícula bmar. S. N. Simp,atieo e Bexiga
Catanta : Olho. Olho 1. OIho2 Vesícula biliar. Fígado. Rim e Shen Men Náusea: S. N. Simpático, Shen Men, Estômago, Esôfago, Boca. San
Cd"a~ia Frontal: tltômago. Frontal. S. N. Simpátiro. Shrn Mt'n. Jiao r Subcórt('ll
Ápict. TlOn{o ctrtbril (' Olho Nrunlgia Intmostal: Torácica. Rim. S. N. Simpâtico. Shen Men.
Cd"ala; Occipit;l: Shen Mrn, Rim, Occipital, Tronco ctrebral. Díafragma I' Tronco ctrebrnl
Be>:iga, Crrviral, S. ~. Simpático r Olho Obtsíd"dt: Putt' honnon"l: Endócrino, Supra-rtnal, Hipofise,
Ctt'ala; Ttmporal: Tt'mpool. Figado. Vesícula bíliar, Sht'n Men, Tálamo e S. N. SimpMico; Partr li siológ k~: ~, Estõmago.
ralamo, Tlonco ctrebral r Olho Inll'Stino grosso, Fígado, Baço r Rim: Parte Mental: Olho, Lóbulo
Ctlulitt': Shen Men, Rim, Bexiga. Intestino grosso. Baço, liipófist, anterior, COri~O e Área de nt'ul'3stt'nia
EndÓCl"ino. SUpr.i-renal e região aFelada Osteoaftros( de Quadril: Quadril, Rim, Sht'n Men. Fígado. S. N.
Cmicalgia: Shl'n MC'l1, Cervical, Supra-renal, Olho, Fígado, r.ervo Simpático e Supra-renal
ocripital meool e liêlitt 4 Palpitaçjo/Anitmia: COl'3çao, Shrn Mm Olho I' lóbulo antt'rior
Cmicobnquialgia: CtrVical. Rrgião do ombro, Col<Mlo rlou punho Paralisia Facial: Rrgiao da facto Mallila, Mandfbula, Shen Men.
t'lou falanges, H~lict I. Hrlict 4. Fígado. Tálamo. Olho I' Bilço Trooco ctrebral e Subcôrta
Conjuntivitt: Olho. OIhol, 01ho2. Vesícula bilial, Fígado e Shtn Men Pneumonia: Shen Mt'n, S. N. Simpãtioo, Rim. Intestino grosso.
Constipaçio: SlItn MC'l1, S. N. Simpático, Intestino grosso, Ânus, Pulm~o, Nariz t')(Iemo. Brônquios. San Jiao. Endócrino I' Olho
Intestino delgado, Ouvido central, Pulmão, Suocórtex r Endócrino Prurido Vulvar: Genitais internos. Genitais atemos.
Cri5l' HíprrtmsiVJ: Ápier (sangria) r qualquer Vil50 na palte Ováriorresticulo. Rim. Fígado. Baço, 5hen Men, Diafragma I' Quadnl
postrrior da oltlha (sangria) ·Retençio Urinãria: Genitais intmos, Genitais exlt'TnO§.,
OepmsJo: Shen Mt'n, HipóflSt, Olho, Coração. Endócrino, Ovâriorresticulo. Rim. Sht'n Ml'n. Brxiga, 53n Ji"o I' Hipófise
SlJ pra~ft'nal. Lóbulo antt'rior. Rim ~ Árta de nrurastenia Rinite: Nervo ocripital menor. Shen Mm, "'ariz intt'nlO. f.jariz
Dmnatite: regi~o afetada, Pulmão. Intestino grosso. She:n Men. atmo. Pulmão e Brônquios
Ápice. H~lice 1 r Oiafragma Sequela AVC: f.jCIVO ocripital menor, região aFetada. $ht'n Men. S. N.
0I51'ntma: S. 'I. Simpatico, Shen Men. Inteslioo grosso. Intestino Simpático, Subcórtt'x. Supri-renal. Endócrino I' Olho
delgado, Ânus. Subcórtex e S. N. Simpático Sindrome do Impacto: Rtgiào do ombro, Cervical, IIclkt' ], Figada.
OIsmenontia: Genitais inlt'rnos, Gt'nitais externos, S. N. Simpático. Sht'n Mt'n I' Baço
Shen Men, Rim. Fígado, Diafragma, Baço, Hipófist. San Jiao, Síndrome do Piriforme: Ciático, Quadril, Sacro, Cóccix. Shen Mrn,
Endócrino, Supra-renal I' OváriofT~tkulo Nt'NO octipital mt'nor e Rim
Dor de Dente: Dente (os dois pontos), Maxilar (se for superior) ou Sindrome do Túnel do Carpo: Figado, Ct'rvical (se ho\J\/tr dor), Rim.
Ma~ila (se for inrerior), Sht'n Men, T;ilamo, ~n Ji30, Nt'Ml octipital Punho, Sht'n Men. Hélict I e H~lice 2
ITH'nor, SlItn Mt'Il e Rtgião da face Sinusitt': Sht'n Mrn, Intestino grosso, Pulmão, Brônquios, 1\,,"Z
Dor dI' garganta Oaringitt'/faringild: Faringr, Amidalas. Sht'n Men, t'J(terno, Supra-rtnal r Nariz interno
Boca, Ht!iCt' 6 r Ápict Strt'S,: S. N. Simp,atico, Sht'n Men, Rim. Ffgado. Coração, Ãlta tk
Dor dI' Ouvido: Owido interno, Owido extt'rno. Shen Men, Rim, neUflI5tenia. Lóbulo anteriOl r Olho
H~!ict 5 r Supl"iHtnal Tabagismo: Ouvido cmtral. Pulmão. BoI:a, Shen Mrn I' H~lict 5
Entorse de Tornozelo: Tornozelo, Calclnro, SheT1 Men, Nef\IO Tenslo Prt Mt'nstrual: lóbulo an terior, Figado, Olho, Rim,
ocripital mrnor, San Jiao, Baço e Fígado. EndóclÍoo, Ált3 de neurastenia. $i1t'n Men I' Hipóri5t
Epicondilitt' lateral: Figado. Bilço, H~l ict 2, Cotovelo, Shtn Men r Tnullli (contusão, ma, 5mI fr.Itun): regiio afetad". Shen Mrn,
r.rrvo ocripital rnt'TIOI Baço, Ápict e Nt'lV(I ocripitallTH'nor
Esporto de Cakineo e Fasdte Plantar: Calcillt'O. Sht'll Men, Vmigem: S. N. Simpático, Sht'll Men, Rim, Veslcula biliar. Figada,
Tornoulo, Figado, Rim, Ápit'e t S, N. Simpático Cotaçio. Árta dt nt'uraSlrnia, Olho. Ouvido \')"trrno e Ouvido intmlO
Fibmmíalgia: Shen Men, Olho, Figado, Coraçao, Lóbulo anlrrior, Zumbido: Ouvido intrrno. Owido e~ttrno, Rim . •t~li<"t 5, Shen Mt'n,
Área dI' nruristenia. região afetada, Rim, Baço, Pulmão, Supri-renal Vesícula biliar, Bexiga e Tempornl
e NeM ocripital menor
Frigidez: Genitais internos. Grnit.1is externos. Shen Men, Rim,
Figado, San Jiao. Olho. Su!x:órtex e Ováriorrcsticulo
Funinculo: Shen Men. S. N. Simpático. Intestino grosso, Pulmão,
Díafragma, Endócrino, Supri-Itna!. Hipófise I' rrgiao aft'tada
Gastrite: S. N. Simpático. Shl:n Men, Estômago. Fígado. Baço.
Owido ct'ntral. Su!x:órtt'J(, Área de nt'uristenia, Olho e Endócrino