Você está na página 1de 6

Ágape - substantivo de dois gêneros

1 Rubrica: história da religião. festa dos primitivos cristãos que consistia de uma
refeição comum com a qual era celebrado o rito eucarístico [Além de propiciar a
mistura de pobres e ricos, seu ritual incentivava o beijo da paz; com o tempo
entretanto acabou degenerando e proibida pela cristandade.]

quando citar o ágape na casa de Jorge, contar do lava pés - o porque Cristo fez igual

Chaburah (também haburah, plural chaburoth)

The meal that occurred on that important A refeição que ocorreu naquela noite
night was a meal that Jesus and His disciples importante foi uma refeição que Jesus e seus
had observed frequently. It was a type of discípulos haviam observado com freqüência.
formal supper, called a chaburah (from Era um tipo de ceia formal, chamada de
chaber, i.e. a friend). These "chaburoth" were chaburah (de chaber, ou seja, um amigo).
little groups, or informal societies of friends, Estes "chaburoth" eram pequenos grupos, ou
banded together for purposes of special sociedades informais de amigos, se uniram
devotion and charity, existing within the para fins de especial devoção e caridade,
ordinary Jewish congregations. Their existentes dentro das congregações judaicas
observance of this type of meal was not comuns. Sua observância deste tipo de
distinguished from hundreds of similar refeição não foi distinguido de centenas de
societies which existed among the Jewish sociedades semelhantes que existiam entre
peoples. The Jews, like all oriental people, os povos judeu. Os judeus, como todos os
attached a great deal of significance to the povos orientais, anexado um grande
act of eating together. Every meal was significado para o ato de comer juntos. Cada
accompanied by a great deal of ritual and refeição foi acompanhada por uma grande
formalism. The customs which governed the quantidade de ritual e formalismo. Os
"chaburah" were not much different than costumes que regeram a "chaburah" não
those observed at the chief meal of every eram muito diferentes do que os observados
pious Jewish household, though they were na refeição principal de cada família judaica
probably observed with more formality and religiosa, embora eles provavelmente foram
exactness in the chaburahl. The various observados com mais formalidade e exatidão
blessings over different kinds of food were na chaburah. As várias bênçãos mais
well known, and many of them have survived diferentes tipos de alimentos eram bem
until this day. conhecidas, e muitos deles sobreviveram até
hoje.

O chaburah (também 'haburah', 'chaburoth' pl) não é o nome de um rito, e não era o nome de um grupo de amigos do
sexo masculino que se reuniram em intervalos regulares (semanal para Dix) para uma conversa e uma refeição formal
pertencente a essa reunião. [ 70 ] [ 71 ] Nada é dito sobre eles na Bíblia, mas os estudiosos foram capazes de descobrir
algumas coisas sobre eles a partir de outras fontes. A reunião corporativa de uma chaburah normalmente tomou a
forma de um jantar, realizado em intervalos regulares, muitas vezes, na véspera de sábados ou dias santos. Cada
membro da sociedade contribuiu para o fornecimento da refeição comum.

A forma da ceia foi em grande parte o mesmo que a refeição principal do dia em cada casa judaica religiosa. Cada tipo
de alimento foi abençoado quando foi trazido para a mesa.No final da refeição, veio a graça após as refeições - a
Bênção ou bênção, como era chamado. Esta oração longa foi dito pelo host ou pai de família, em nome de todos os
que haviam comido a refeição. Em ocasiões importantes, e em uma ceia chaburah, foi recitado sobre um copo de vinho
especial conhecida naturalmente como "o cálice da bênção".No final da oração de graças este copo foi sorveu pelo
líder e, em seguida, por cada um dos presentes. A ceia chaburah foi concluída com o canto de um salmo, após o que a
reunião terminou. [ 70 ] [ 71 ]
http://en.wikipedia.org/wiki/Agape_feast
A primeira referência a uma refeição do tipo conhecido como "ágape" é de Paulo, o Apóstolo da Primeira Epístola aos
Coríntios , embora o termo só pode ser inferida a partir de sua proeminência vagamente em 1 Coríntios 13. Muitos
estudiosos do Novo Testamento afirmam que os cristãos de Corinto conheceu na noite e teve uma refeição comum,
incluindo a ação sacramental sobre o pão e vinho. [ 6 ] 1 Corinthians 11:20-34 indica que o rito foi associada com a
participação em uma refeição de um caráter mais geral. [ 7 ]Ele aparentemente envolveu uma refeição completa, com os
participantes levando sua própria comida, mas comer em um quarto comum. Talvez previsivelmente, poderia
deteriorar-se, por vezes, em apenas uma ocasião para comer e beber, ou para demonstrações ostensivas pelos
membros mais ricos da comunidade, como aconteceu em Corinto, atraindo as críticas de Paulo: "Ouvi dizer que
quando você vir junto como uma igreja, há divisões entre vocês, e até certo ponto eu acredito. Sem dúvida, tem de
haver diferenças entre vocês para mostrar que um de vocês tem a aprovação de Deus. Quando vocês se reúnem, não
é a Ceia do Senhor que você come, para como você come, cada um de vocês vai à frente, sem esperar por ninguém.
Uma fica com fome, outro se embriaga. Você não tem casas para comer e beber? Ou desprezais a igreja de Deus e
humilham os que nada têm? " [ 8 ]

O termo "Agape" também é usado em referência a refeições em Jude 12 e de acordo com alguns manuscritos de 2
Pedro 2:13

Logo depois do ano 100, Inácio de Antioquia refere-se ao ágape ou amor de festa. [ 9 ] Em 97 Carta a Trajano , Plínio, o
Jovem talvez indique, em cerca de 112, que foi uma refeição normalmente tomada separadamente da celebração
eucarística ( embora ele esteja em silêncio sobre sua nomenclatura):. ele fala dos cristãos que separam após ter sido
oferecida oração, na manhã de um dia fixo, a Cristo como a um deus, e remontar depois de uma refeição comum [ 10 ] O
reescalonamento da refeição ágape foi desencadeada pelo egoísmo de Corinto e gula. [ 11 ] Tertuliano também parece
escrever destas refeições, [ 12 ] embora o que ele descreve não é muito clara. [ 2 ]

Clemente de Alexandria (c.150-211/216) distinguiu os chamados "ágape" refeições de caráter luxuoso do ágape (amor)
"que a comida que vem de Cristo mostra que devemos participar da". [ 13 ] Acusações de atentado violento ao pudor
foram feitos às vezes contra a forma que estas refeições às vezes levou. [ 14 ] Referindo-se a Clemente de
Alexandria,Stromata III, 2 , Philip Schaff comentou: "O desaparecimento precoce do cristão agapae pode,
provavelmente, ser atribuída ao abuso terrível a palavra aqui referida, pelos Carpocratians licenciosos O
genuíno. agapae eram de origem apostólica (2 Pedro II 13;.. Judas 12), mas foram muitas vezes abusado por
hipócritas, mesmo sob o olhar apostólica (1 Coríntios 11:21). Na Igreja Gallican, uma sobrevivência ou relíquia dessas
festas de amor é visto no Pain Beni , e, na Igreja Ortodoxa Oriental no ἀντίδωρον ( antidoron ) oueulogiæ , também
conhecido como prosphora distribuídos a não-comungantes no fim de a Divina Liturgia (Eucaristia), do pão, dos quais
o Cordeiro (Host) e outras porções foram cortados durante a Liturgia da Preparação ". [ 15 ]

Agostinho de Hipona também se opôs à continuidade em sua terra natal, a África do Norte do costume de tais
refeições, em que alguns o espectáculo, a ponto de embriaguez, e distinguiu-os de justa celebração da Eucaristia:
"Vamos levar o corpo de Cristo em comunhão com aqueles com os quais estamos proibidos de comer até mesmo o
pão que sustenta nossos corpos ". [ 16 ] Ele relata que antes mesmo do tempo de sua estadia em Milão, o costume já
tinha sido proibido lá. [ 17 ]

Cânones 27 e 28 do Concílio de Laodicéia (364) restrito a abusos de participar das disposições casa e de manter as
refeições em igrejas. [ 18 ] O Terceiro Conselho de Cartago(393) e do Segundo Conselho de Orleans (541) [ 19 ] reiterou a
proibição do banquete, em igrejas, eo Conselho Trullan de 692 decretou que o mel eo leite não estavam a ser oferecido
no altar (Canon 57), e que aqueles que adoram festas realizadas nas igrejas devem ser excomungados (Canon 74 ).

http://en.wikipedia.org/wiki/Origin_of_the_Eucharist#cite_note-24
O Novo Testamento relata uma série de práticas de comunhão de mesa religiosa que mais tarde seria considerado
eucarística. Paulo Apóstolo respondeu a abusos em uma refeição que os cristãos de Corinto tinha em suas reuniões e
que ele não considerou digno de ser chamado de "Ceia de um o Senhor "(κυριακὸν δεῖπνον). [ 23 ] Ele agrada a eles
para comemorar dignamente, pois caso contrário eles seriam responsáveis para o corpo e sangue do Senhor, e em
outros lugares, na mesma carta, escreve: "Não podeis beber o cálice do Senhor eo cálice dos demônios. Você não
pode participar da mesa do Senhor e da mesa dos demônios (1 corintios 10:21)
O Didache dá no capítulo 9 orações para uso em comemorar o que chama a Eucaristia, envolvendo um copo e pão
partido, e no capítulo 10 oração outro para uso "depois que você está cheio". Estudiosos discordam sobre se esses
textos dizem respeito a uma Eucaristia no sentido próprio. [ 47 ]

http://en.wikipedia.org/wiki/Origin_of_the_Eucharist#cite_note-24
No início do cristianismo
Nos 300 anos após a crucificação de Jesus, práticas e crenças cristãs sobre a Eucaristia tomou forma definitiva como
central para o culto cristão. No início, eles se espalhar através do boca a boca, mas dentro de uma geração de cristãos
haviam começado a escrever sobre Jesus e sobre a prática cristã, a Eucaristia incluído. A teologia da Eucaristia e do
seu papel como um sacramento desenvolvido durante este período.

Baseando-se na Primeira Apologia eo Diálogo com Trifão de Justino Mártir escrito por volta de 150 dC, KW Noakes
deduz a seguinte estrutura litúrgica estava em uso na época:

1. Leituras bíblicas e homilia.


2. Intercessões e beijo-de-Paz.
3. Pão e Copa são trazidos para o Presidente.
4. Oração Eucarística (flexível), mas seguindo um padrão fixo com congregacional "Amém"
5. Distribuição dos elementos pelos diáconos aos presentes e ausentes.
6. Coleção.

Este corresponde, no esquema geral para a estrutura do rito como utilizado hoje em dia e é o primeiro exemplo
conhecido. A teologia é a seguinte: o pão eo vinho se transformam no Corpo e Sangue de Jesus, pois eles são o
sacrifício puro falado por Malaquias (1:11) e na oração eucarística em si é tanto uma ação de graças por criação e
redenção e umaanamnese (em grego: memorial) da paixão (e possivelmente a encarnação). [ 9 ]

Informações do período intermediário é escasso. [ 30 ] Tanto o autor de um Clemente (cerca de 96) e Inácio de
Antioquia (cerca de 108) estão preocupados que a devida ordem será mantida;. [ 31 ] [ 32 ] "Dar ouvidos a manter uma .
Eucaristia Porque há um só carne de nosso Senhor Jesus Cristo, e um copo até a união com o Seu sangue Há um
altar, como há um bispo, juntamente com o presbitério e diáconos, meus companheiros de serviço;. que tudo o que
você faz, você pode fazer segundo para Deus "( Carta aos Filadélfia, 4 ). A datação do Didache é controversa, remonta
a meados do século primeiro ao início do século III foram sugeridas, [ 33 ] mas pode muito bem ser a partir do mesmo
período, como 1 Clemente e Inácio. Ele afirma que o não batizado abandonaram a assembléia diante da Eucaristia
adequada começou "Que ninguém coma nem beba da Eucaristia, mas a sua, como foram batizados em nome do
Senhor, porque, na verdade o Senhor disse a respeito disso, não dê o que é santo aos cães. ". [ 34 ] Um composto de
vários documentos, que inclui orações rituais e uma menção do que ele chama o εὐχαριστία (Thanksgiving ou
Eucaristia). De acordo com o consenso entre os estudiosos, a seção que começa em 10.1 é uma reformulação
do Hamazon Birkat a oração que termina a refeição ritual judaico. [ 35 ] Além disso, há uma possível referência a uma
celebração pagã manhã cedo de cerca do ano 112 em uma carta de Plínio o Jovem ao imperador Trajano . [ 36 ]

Evidências de um período um pouco mais tarde, vem de Irineu e da Tradição Apostólica . Em seu debate com os
gnósticos que favoreceu uma religião imaterial, o primeiro afirma: "Sempre que, então, a taça misturada eo pão que foi
feito receber a palavra de Deus, a Eucaristia torna-se o corpo de Cristo, e por isso a substância da nossa carne é
alimentada e sustentada ". [ 37 ] A Tradição Apostólica [ 38 ] apresenta uma série de problemas críticos, incluindo a
questão de saber se as liturgias nunca foram usados. No entanto, os editores de O Estudo da Liturgia concluir que
"ainda é segura ... usar o documento como prova para o início do terceiro século de Roma". [ 39 ] Ele contém o que deve
ser considerado uma oração de consagração completa incluindo uma versão da narrativa Instituição.

É claro a partir da evidência do Novo Testamento que algumas cerimônias cristãs primitivas envolveu uma refeição
completa e a palavra "ágape" (amor de festa) é usado. Em algum ponto, estes morreram possbly como resultado de
um número crescente [ 40 ] e, possivelmente, devido a abusos. Escrevendo pouco depois de Justin, Tertuliano descreve
"festas de amor". [ 41 ] Clemente de Alexandria (c.150-211/216) distinguiu os chamados "ágape" refeições de caráter
luxuoso do ágape (amor) "que a comida que vem de Cristo mostra que devemos participar de ". [ 42 ] As acusações de
atentado violento ao pudor foram feitos às vezes contra a forma que estas refeições às vezes levou. [ 43 ] Clemente de
Alexandria também menciona os abusos, Stromata III, 2 , e os comentários do editor: "O desaparecimento precoce do
cristão agapae pode, provavelmente, ser atribuída à terrível abuso da palavra aqui referida, pelos Carpocratians
licenciosas ".

Agostinho de Hipona também se opôs à continuidade em sua terra natal, a África do Norte do costume de tais
refeições, em que alguns o espectáculo, a ponto de embriaguez, e distinguiu-os de justa celebração da Eucaristia:
"Vamos levar o corpo de Cristo em comunhão com aqueles com os quais estamos proibidos de comer até mesmo o
pão que sustenta nossos corpos ". [ 44 ] Ele relata que antes mesmo do tempo de sua estadia em Milão, o costume já
tinha sido proibido lá. [ 45 ] Cânones 27 e 28 do Conselho de Laodicéia (364) restrito a abusos. [ 46 ]

[41] Apologia, 39 ; De Corona Militis, 3 .

Ainda sobre a modesta ceia quarto dos cristãos só um grande barulho é feito. Nossa festa explica-se pelo seu nome. Os gregos

chamam ágape, ou seja, afeto. Custe o que custar, o nosso esforço em nome da piedade é o ganho, já que com as coisas boas da festa

que beneficiam os necessitados, não como é com você, não parasitas aspirar à glória de satisfazer as suas propensões licenciosos,

vendendo-se por um barriga festa para todo o tratamento vergonhoso,-mas como é com o próprio Deus, um respeito peculiar é

mostrado para os humildes. Se o objeto da nossa festa ser boa, à luz do que consideram seus regulamentos adicionais. Como se trata

de um ato de serviço religioso, não permite vileza ou imodéstia. Os participantes, antes reclinável gosto, antes de oração a Deus. Tanto

é comido como satisfaz as ânsias da fome; tanto é bebido como convém ao castas. Eles dizem que é suficiente, como aqueles que se

lembram que, mesmo durante a noite eles têm de adorar a Deus, eles falam como quem sabe que o Senhor é um de seus

auditores. Depois de ablução manual, ea entrada em de luzes, cada um [Ou, talvez, "Um é solicitado a se apresentassem e trazer a

Deus, como todos podem, se a partir das Sagradas Escrituras, ou de sua própria mente", ou seja, de acordo com a seu gosto.] é

convidado a se apresentassem e cantar, como pode, um hino a Deus, seja uma das Sagradas Escrituras ou um de sua própria

composição,-uma prova da medida da nossa bebida. Como a festa começou com a oração, para com a oração ele é fechado.

deipnon libação, e symposion


Durante o período do Segundo Templo , práticas Hellenic foram adotados por judeus após as conquistas de Alexandre,
o Grande . Até o século 2 aC, Jesus Ben Sirac descrito festa judaica, com numerosos paralelos para a prática
Helénica, sem reprovação. [ 76 ] [ 77 ] gentio e prática judaica foi que os participantes de todos os homens à mesa
reclinado em seus cotovelos para a esquerda, e depois de uma bênção dada pelo anfitrião (no caso de uma refeição
judaica), teria um deipnon (final da tarde ou jantar) de pão com vários vegetais, talvez alguns peixes ou mesmo de
carne, se a refeição era extravagante.

Dennis E. Smith diz que os primeiros cristãos adoravam à mesa em suas salas de anfitriões de jantar. [ 79 ] e que os
primeiros cristãos moldaram as tradições sobre Jesus que se encaixam nessa definição. [ 77 ] Em seu estudo Postura
jantar na Roma Antiga: Corpos , valores e status relativos prática nas refeições designados em latim pela palavra
"convivium", equivalente a "deipnon" e / ou "symposion" em grego , [ 80 ] O número de participantes em tais refeições em
casas particulares, em oposição para outros locais especialmente designados, seria no máximo uma dúzia. [ 81 ] O
simpósio após a refeição foi o tempo para o ensino e conversação, para o canto de hinos, para as contribuições
daqueles que profetizou ou falavam em línguas. [ 77 ]

Até o momento da conquista romana, os judeus praticado jantar festivo essencialmente da mesma forma como os
gregos, com um jantar (deipnon), seguido do próprio simpósio, onde os hóspedes bebeu vinho e se entretenimento ou
conversa. Havia, com certeza, diferenças de culto, tais como uma berakhah sobre o cálice de vinho em vez de libação
dos gregos para Dionísio. Mas comer juntos era uma atividade central para judeus grupos religiosos, como os fariseus
e os essênios.

Ágape

As celebrações eucarísticas dos primeiros cristãos foram embutidos em, ou simplesmente tomou a forma de uma
refeição. Estes foram muitas vezes chamado Ágape, embora a terminologia variou nos primeiros séculos, juntamente
com outros aspectos da prática.Ágape é uma das gregas palavras para amor, e assim "banquetes ágape" são também
referidos em Inglês como "amor-bqnquetes" . Este ritual Helénica era aparentemente uma refeição completa, com cada
participante trazendo uma contribuição para a refeição de acordo com seus meios. Talvez previsivelmente, poderia
deteriorar-se, por vezes, em apenas uma ocasião para comer e beber, ou para demonstrações ostensivas por parte
dos membros mais ricos da comunidade do tipo criticado por Paulo em 1 Coríntios 11:20-22 .

"O termo convivium rotula uma final da tarde ou jantar a ter lugar na sala de jantar doméstico ou jardim, organizado pelo proprietário da
residência, envolvendo uma combinação de membros da família e convidados numeração em qualquer lugar de alguns poucos até
talvez uma dúzia ( nove é um número ideal, mas não necessariamente padrão), e normalmente empregando um único triclínio , o
arranjo de três lados de sofás usados para o jantar, durante o período do estudo .... jantar "cívico", que ocorreu em ocasiões especiais,
como festivais, foi publicamente patrocinado ou pago por um único doador, e pode envolver um grande número de pessoas, distribuídos
por triclinia muitos nos espaços públicos das cidades e vilas, ou, alternativamente, envolveu um colégio de sacerdotes ou magistrados
cujas refeições poderão ser pagos para publicamente ou por uma doação, e pode ocorrer em espaços especialmente designados

Nisto, porém, que vou dizer-vos não vos louvo; porquanto vos ajuntais, não
para melhor, mas para pior. Porque, antes de tudo, ouço que quando vos
ajuntais na
igreja há entre vós dissensões; e em parte o creio (...)De sorte que, quando vos
ajuntais
num lugar, não é para comer a ceia do Senhor; porque quando comeis, cada
um toma
antes de outrem a sua própria ceia; e assim um fica com fome e outro se
embriaga. Não
tendes porventura casas onde comer e beber? (...) Porque eu recebi do Senhor
o que
também vos entreguei: que o Senhor Jesus, na noite em que foi traído, tomou
pão; e,
havendo dado graças, o partiu e disse: Isto é o meu corpo que é por vós; fazei
isto em
memória de mim. Semelhantemente também, depois de cear, tomou o cálice,
dizendo:
Este cálice é o novo pacto no meu sangue; fazei isto, todas as vezes que o
beberdes, em
memória de mim.
(ICo 11.17-25)
Reproduzindo as palavras de Jesus, Paulo confirmou que a Ceia é um
memorial:
"Fazei isto em memória de mim". Nenhum poder miraculoso existe no ato, a
Ceia não é
um sacramento. O sacramento é um sinal visível de uma graça invisível —
signum
visibile de gratia invisibile.
A Igreja Católica ensina que o verdadeiro corpo de Jesus — corpo, sangue,
alma
e divindade — está presente na hóstia e no vinho. Mas o ensinamento
evangélico é o de
que os elementos da Ceia, o pão e o vinho, são a figura, o símbolo, o motivo
para a
lembrança, um memorial, a recordação do sacrifício de Jesus. Não há
transubstanciação,
não há transformação da matéria, os elementos não mudam. O pão continua
pão e o
vinho continua vinho. Qualquer um pode fazer a experiência.