Você está na página 1de 8

CENTRAL DE MATEIRAL ESTERELIZADO

HOSPITAL CORONEL PEDRO MACÊDO

ARICLEY AZEVEDO COSTA1

JONARA GOMES SEIXAS2

JUDRIANE BRANDÃO CASTRO DE SOUZA3

KATIUCI CASTRO DA SILVA4

INTRODUÇÃO

O presente trabalho faz parte da avaliação da disciplina de Instrumentação


Cirúrgica III do curso de Especialização Técnica de Nível Médio em Instrumentação
Cirúrgica no município de Nhamundá, ministrada pela instrutora enfermeira Sinara Siqueira.
O Hospital Coronel Pedro Macêdo atende a população do Município de Nhamundá. Teve sua
inauguração no dia 18 de Agosto de 1985, no governo do professor Gilberto Mestrinho de
Medeiros Raposo – governador do Estado, Dr. Euler Esteves Ribeiro – secretário de saúde,
Paulo C. de Albuquerque – prefeito, Manoel O. Gonçalves – vice prefeito. Hoje o que
podemos destacar referente ao funcionamento deste Hospital, é que os serviços executados
deste âmbito, é de maneira adequada à realidade do Município, por ser um município de
pequeno porte, ele funciona de domingo a domingo 24 horas por dia com os setores: Urgência
e Emergência Posto de Enfermagem; Raio-X; Sala de Eletrocardiograma; Sala de Parto;
Centro Cirúrgico; e a CME(Central de Material Esterilizado) centralizada a qual tem um
___________________________________________
1
Aluna do curso de Especialização de Nível Médio em Instrumentação Cirúrgica – CETAM. Atua como
Técnica de Enfermagem no Hospital Coronel Pedro Macêdo.
2
Aluna do curso de Especialização de Nível Médio em Instrumentação Cirúrgica – CETAM.
3
Alunos do curso de Especialização de Nível Médio em Instrumentação Cirúrgica – CETAM. Atua como
técnica de enfermagem no setor de vacina na UBS
4
Alunos do curso de Especialização de Nível Médio em Instrumentação Cirúrgica – CETAM. Atua como
técnica de enfermagem no setor de vacina na UBS.
destaque, pois é o setor de suma importância para o hospital, é nele que são esterilizados os
materiais como gazes, instrumentais, campos, lençóis e outros matérias que são distribuídos
para os outros setores do hospital; nele também funciona o setor de assistência social; setores
os quais seguem escala de 6 ou 12 horas a qual é programada pela Gerente administrativa do
Hospital Sra. Ana Zilda Façanha com a participação da gerente de enfermagem Maria
Luciane Medeiros. Vale ressaltar que o Hospital Coronel Pedro Macedo com parceria com a
UBS(Unidade Básica de Saúde) do Município e prefeitura, funcionam no Hospital mutirões
de cirurgias uma vez ao mês, cirurgias como: Herniorrafia, Prostatectomia, Histerectomia,
Vasectomia e outras. Temos também as cirurgias que funcionam como rotinas as quais
destacamos as cesarianas, períneorrafia, laqueaduras, apendicectomia e pequenas cirurgias
(fimose, exérese de cisto: sinovial, sebáceo, dermóide, herniorrafia em criança.). O Hospital é
composto pelos profissionais de enfermagem: médicos clínicos e cirurgiões, técnicos de
enfermagem, auxiliares de enfermagem e agentes de enfermagem rurais. Neste artigo
ressaltamos que pesar de ter um bom funcionamento o Hospital não supre todas as
necessidades que um hospital pode oferecer, muitas das vezes há a necessidade de encaminhar
os clientes para outras localidades, à procura de suporte/saúde, nesse momento visamos à
necessidade de aprimoramento quanto aos recursos de investimentos aos profissionais de
outras áreas como Cardiologista, Ortopedista, Dermatologista e outros que o hospital não
oferece.

O CME é o setor destinado a limpeza, preparo, acondicionamento, esterilização,


guarda e distribuição de materiais esterilizados, tanto para o centro cirúrgico quanto para
qualquer outra unidade que necessita, por exemplo, UTI, Pronto-socorro e enfermarias.

Para a elaboração deste artigo foram pesquisados livros, revistas, manuais, sit.

HISTÓRICO

A CME do Hospital Coronel Pedro Macedo é centralizada, é definida como uma


unidade de apoio técnico a todas as unidades assistenciais, responsável pelo processamento
dos materiais, como instrumental e roupas cirúrgicas e a esterilização dos mesmos a mesma é
distante da circulação pública, é de uso restrito aos funcionários que atuam na área e é
localizado próximo ao centro cirúrgico. As paredes e o piso da CME são revestidos de
materiais resistentes, lavável e fácil limpeza, liso e sem frestas, de modo que propiciem o
acumulo de sujeira. A janela é alta e permanece fechada, tem um ar-condicionado, e uma
iluminação adequada.

Com as CME funcionando eficazmente, as taxas de mortalidades e de infecções


hospitalares caem e resultados positivos ficaram bastante visíveis.

CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR

No Hospital Coronel Pedro Macêdo, a CME funciona como base para o controle
de infecção hospitalar e tem o maior cuidado em capacitar os profissionais daquele local,
visando à prevenção de qualquer tipo de infecção para o cliente que possa submeter-se a
qualquer procedimento no hospital. Assim, os profissionais exercem um bom desempenho ao
esterilizar e manusear os mateiras hospitalares.

De acordo com a RDC nº. 50 (ANVISA, 2004, pág. 112), as condições ambientais
necessárias ao auxilio do controle da infecção de serviços de saúde dependem de pré-
requisitos de diferentes ambientes do EAS(Estabelecimentos Assistenciais de Saúde), quanto
ao risco de transmissão da mesma. Nesse sentido, eles podem ser classificados:

Áreas críticas: são os ambientes onde existem riscos aumentados de transmissão


de infecção, onde se realizam procedimentos de risco, com ou sem paciente ou onde se
encontram pacientes imunodeprimidos.

RECURSOS HUMANOS

O quadro de pessoal que atua no CME do hospital Coronel Pedro Macêdo é


composto por enfermeiro, técnicos de enfermagem, auxiliares de enfermagem, descritos
abaixo:
Enfermeiro Supervisor

• Atua na coordenação do setor;

• Prever os materiais necessários para prover as unidades consumidoras;

• Elaborar relatórios mensais estatísticos, tanto de custo quanto de produtividade;

• Planejar e fazer anualmente o orçamento do CME com antecedência de 04 a 6


meses

• Elaborar e manter atualizado o manual de normas, rotinas e procedimentos do


CME, que deve estar disponível para a consulta dos colaboradores.

• Desenvolver pesquisas e trabalhos científicos que contribuam para o crescimento


e as boas práticas de Enfermagem, participando de tais projetos e colaborando com seu
andamento.

• Manter-se atualizado acerca das tendências técnicas e científicas relacionadas


com o controle de infecção hospitalar e com o uso de tecnologias avançadas nos
procedimentos que englobem artigos processados pelo CME.

• Participar de comissões institucionais que interfiram na dinâmica de trabalho do


CME.

Técnico de enfermagem

• Fazer a leitura dos indicadores biológicos, de acordo com as rotinas da


instituição;

• Receber, conferir e preparar os artigos consignados;

• Realizar a limpeza, o preparo, a esterilização, a guarda e a distribuição de


artigos, de acordo com solicitação;

• Preparar os carros para cirurgias;


• Preparar as caixas cirúrgicas;

• Realizar cuidados com artigos endoscópicos em geral;

• Monitorar afetiva e continuamente cada lote ou carga nos processos de


esterilização;

• Revisar a listagem de caixas cirúrgicas, bem como proceder à sua reposição;

• Fazer listagem e encaminhamento de artigos e instrumental cirúrgico para


conserto.

Auxiliar de Enfermagem

• Receber e limpar os artigos;

• Receber e preparar roupas limpas;

• Preparar e esterilizar os artigos e instrumentais cirúrgicos;

• Guardar e distribuir todos os artigos esterilizados.

MATERIAIS E ACABAMENTOS

O CME deve contar com equipamentos compatíveis com seu tamanho,


complexidade, e com as necessidades da Unidade de Saúde. Quanto mais automatizado, maior
será o rendimento do trabalho. Com o proposito de evitar a ocorrência de infecção hospitalar,
destacamos:

Piso: é lavável e fácil limpeza, liso e sem frestas.

Cor: deve ser de cor clara (azul ou verde claro), resistente ao calor, à umidade e a
soluções corrosivas.
Paredes: Devem ser lisas e planas, sem saliências, cantos ou quinas, que devem
ser côncavos ou abaulados. O revestimento necessita ser de material lavável, durável e de cor
suave para diminuir a reverberação da luz.

Limpeza: deve ser de fácil limpeza a remoção de sujidades visíveis.

Teto: Acústico, para minimizar os ruídos.

Porta: Material lavável, durável e de boa qualidade.

ATRIBUIÇÕES E ATIVIDADES

A CME do hospital é dividida em áreas distintas:

 Área de lavagem e descontaminação

• Receber, conferir e anotar a quantidade e espécie do material recebido;

• Desinfetar e separar os materiais;

• Verificar o estado de conservação do material;

• Proceder a limpeza do material;

• Encaminhar o material para a área de preparo;

 Área de preparo de materiais

• Revisar e selecionar os materiais, verificando suas condições de conservação e


limpeza;

• Preparar, empacotar ou acondicionar os materiais e roupas a serem esterilizados;


• Encaminhar o material para esterilização devidamente identificado.

 Área de esterilização:

• Executar o processo de esterilização nas autoclaves, conforme instrução do


fabricante;

• Observar os cuidados necessários com o carregamento e descarregamento das


autoclaves

• Fazer o controle microbiológico e de validade dos produtos esterilizados.

• Manter junto com o serviço de manutenção, os equipamentos em bom estado de


conservação e uso.

 Área de armazenagem e distribuição de materiais e roupas esterilizados:

• Estocar o material esterilizado;

• Proceder à distribuição do material às unidades.

• Registrar saída do material


CONSIDERAÇÕES FINAIS