Você está na página 1de 538

DISPONIBILIZAÇÃO: SHADOWS QUEEN & PORTAL E-

BOOKS EXCLUSIVES
TRADUÇÃO: MEL WRAITH
REVISÃO INCIAL: FRANCINE QUENN
REVISÃO FINAL: AKEMI AKI
LEITURA FINAL: AKEMI AKI
FORMATAÇÃO: MEL DUSK
Sombrio. Brutal. Sexy.

A série VAMPIRE CROWN coloca as emoções em chamas, enquanto vampiros


e druidas estão famintos por uma coisa - poder. Sexo, segredos e
derramamento de sangue distorcem duas histórias de amor inebriantes em
um conto perverso.

Magia é vida.

Conectados a S'Kir, os Deuses Invisíveis esperam para se reunir com seus


irmãos. Apenas uma antiga profecia mantém viva sua esperança.

Sangue é vida.

Trancados longe de S'Kir na terra, o Senhor dos Vampiros e um Druida Original


seguram suas coroas com poder brutal. A lei é tudo o que mantém sua
natureza selvagem escondida.

Até que uma vampira desafiadora é despertada mais cedo de seu descanso, e
convocada para a fortaleza dos vampiros. No seu despertar, todos os freios do
inferno se soltam ...

Magia sempre vence.

Mas nunca sem sangue


Ras Ouanoukrim, Marrocos

Montanhas do Atlas

Sangue é vida.

Sem sangue, não somos nada.

Sem vida, não há sangue.

Sangue é vida.
Toda criança sabia a verdade disso desde o momento do
nascimento. Se amamentando no peito da mãe ou tomando o
primeiro gosto da veia, estava enraizado em todos eles.

Sangue é vida.

A vida começou de novo, não como um rugido, mas


como um fio, quase uma cócega no subconsciente. Eu queria
descartá-lo como um sonho que meu corpo queria que eu
tivesse. Eu tentei ir embora. Era cedo demais. Eu ainda estava
cansada. Eu ainda tinha anos de Sono.

O gotejamento se transformou em um fluxo. Decidindo


que o fluxo acalmou a alma, eu fui com ele, andando, ainda
vagando pelo meu Sono. Caindo sobre as rochas, deslizando
pelas profundezas da minha mente, eu segui. Eu permiti que
ele me carregasse.

O riacho se tornou um rio. Eu não podia negar que meu


Sono estava chegando ao fim. Era cedo demais. Eu estava
muito longe do sangue. Se eu acordasse sozinha, sem chance
de vida, ficaria louca. Eu devastaria qualquer um que
estivesse por perto e cantaria e dançaria com sua existência
cobrindo minha pele com uma profunda cor granada.

O rio se tornou corredeiras. Violento, indiferente,


canalizado para apenas um fim. Eu me dei conta das coisas. A
pedra longa e fria em que meu corpo descansava. O cheiro de
mosto e poeira. A escuridão total que me rodeava. A sensação
de morte, o frio dos velhos ossos dos humanos profanando a
sala.

Sangue é vida.

Eu acordei do meu Sono.

Um grito saiu da minha garganta, a sensação


desesperada de fome rasgando meu estômago, meu coração,
minhas presas. Eu estava acordada. Anos antes do que eu
deveria estar, e a loucura do sangue estava se firmando
rapidamente.

Subindo, demente e quase nua, do altar em que eu


estava, rastejei para onde eu havia descartado o último dos
humanos de quem eu havia me alimentado antes do Sono se
apoderar.

Ossos. Nenhum sangue.

Eu abri um corpo, esperando por medula.

Apenas poeira.

A porta da cripta estava fechada, mas a abertura não era


nada para a força que a loucura me emprestou. Eu empurrei
com força e a porta de pedra se moveu suavemente para o
lado.
Um fluxo de luz bateu na parte de trás dos meus olhos e
eu não pude ver nada. Como um gato selvagem à luz da mira
de um caçador, corri para um canto, recebendo de volta a
escuridão e a calma. Eu me encolhi ali, nas garras da
insanidade, sem saber o que fazer.

Um sussurro, não meu, "Cristo".

Um cordeiro... um cordeiro chegou. Eu esperei.

Luz seguiu o palavrão e passou por mim. A figura de


uma mulher, vestida de beduíno, correu para a frente. Ela
cheirava saudável, cheia de sangue que eu poderia usar.

Eu assobiei, soltando minhas presas.

Palavras rapidamente apressadas, “Gwynnore. Não faça


isso. Sou eu, Adelie. Estou aqui, minha amiga.”

Quem? Não importa. Ela era um cordeiro.

Eu me lancei, envolvendo minhas mãos em volta do


pescoço e puxando-a para baixo.

“Gwen, pare. Pare." Ela lutou dentro do meu aperto.

Minhas presas coçaram, doendo para provar a vida


quente e vermelha que fluía ao redor delas. "Com sede."

“Est{ chegando, Gwen. Est{ a caminho."


Alguma parte do meu cérebro viciado e com fome a
reconheceu. "Adelie."

Não…

Não é um cordeiro.

"Sim, sou eu."

Com respirações duras, eu podia sentir a morte


chocalhando no meu peito. Eu tinha que beber em breve.

Eu cheirei o ar em volta da cabeça dela.

“Traga-os adiante, Adelie. Traga eles.

" Minha voz cedeu no final. Eu podia sentir o cheiro... a


vida.

Mas a vida era só ela.

Eu olhei para a entrada da caverna.

"Sede"

“Eles estarão aqui em um minuto. Eles estarão todos aqui


por você. Todas eles, todas as suas memórias, todo o sangue
deles.”

"Cordeiros..."
"... ao seu abate." Ela sorriu, suas presas brilhando e
saudáveis. "Fique aqui. Fique escondida. Até eu voltar para
você.”

Eu assisti, imóvel.

Adelie foi até a entrada da caverna e acenou


entusiasticamente para alguém do lado de fora. Não, alguém.
Eu podia senti-los, mais de um. Um momento depois, o
primeiro dos humanos subiu e olhou em volta, e eles
começaram a entrar rapidamente na caverna.

Eu comecei a tremer.

Eu precisava deles e precisava deles agora.

"Alguém abriu a cripta para nós", disse Adelie,


alegremente. "Nós podemos montar o acampamento bem
nesta caverna."

"Estava aberto ou quebrado?" disse um dos caminhantes.


O indivíduo... parecia estranho para mim.

“Est{ em uma só peça. Vamos entrar. Nós temos corrido


à frente dessa tempestade por horas. A chuva não vai
demorar muito mais tempo”. Adelie se virou e chamou o
grupo que se reunira. “Na cripta, todo mundo! Vai haver uma
tempestade e queremos estar o mais longe possível.”
Sem hesitar, todo o grupo entrou. Sorrindo o tempo todo,
minha maravilhosa melhor amiga me trouxe quase vinte e
cinco corpos quentes cheios de sangue, de vida. Eu fiquei
imóvel até que ela se aproximou de mim e me ofereceu uma
mão.

"Eles são todos seus."

"Todos?

"Sim. Todos eles." Ela não iria tomar nenhum.

Eu corri para a cripta com a última das minhas energias.

Adelie fechou a porta atrás de mim.

Nenhum desses humanos seria capaz de abri-la.

Os gritos estridentes começaram imediatamente. Os


humanos não podiam ver nada. Não havia luz. Havia apenas
sangue bombeando e agitando respirações e gritos e terror.
Foi bonito. Meus cordeiros - todos meus.

Eu comecei com o menino, no começo da puberdade com


uma barba desgrenhada e sangue rico. Eu segurei sua
garganta para mantê-lo quieto e dirigi minhas presas em seu
pescoço. Com os primeiros goles da minha primeira refeição
em quase duzentos anos, a névoa no meu cérebro começou a
se elevar. O conhecimento que essa criança tinha foi desviado
todo para mim. Eu descartei sua porcaria pessoal. Eu tomei
apenas a história e os eventos do tempo durante o meu
descanso.

Várias e várias vezes eu suguei. Drenando tudo o que


pude das primeiras seis vítimas, tomei apenas o suficiente
para tornar o Sono incapaz de lutar comigo. Eu ia aproveitar o
resto da minha refeição.

Sangue é vida.

***

Gotejamento carmesim manchou meu rosto. E não


poderia ser mais doce.

Eu olhei para os cordeiros diante de mim. Minha mente


se agitou com as memórias que eu tinha roubado de cada
humano. Tanto conhecimento. Tantas diferenças no mundo
desde que eu me deitei para o meu descanso mágico duzentos
anos atrás.

Correção. Quase duzentos anos atrás.

"Quase" era a palavra-chave.


Eu tinha sido acordada cedo. E da horrível agitação no
meu estômago, eu sabia que era por causa dos senhores. Só
eles tinham o poder de me puxar para eles.

E eu queria ver os governantes vampiros.


Desesperadamente.

O desejo de correr dia e noite para ficar diante deles fez


minha pele coçar.

Ou talvez fosse a poeira que cobria minha carne pálida.

Eu escovei meus ombros com uma massagem brutal, e


pelo menos dois punhados de poeira escura caíram deles no
chão. Eu estava precisando de uma lavagem. Ou um banho,
como agora eles chamavam.

Eu torci meu pescoço e pisei sobre os corpos


atravancando minha cripta. Eventualmente, eles não seriam
nada além de ossos - tudo antes da próxima vez que decidi
descansar. Aqueles ossos eu enfiava no quarto dos fundos,
junto com todos os outros. Em algum momento, eu precisaria
limpar minha cripta. Aquela sala dos fundos estava ficando
um pouco confusa com crânios e ossos do quadril e tal.

Minhas mãos sujas pressionaram contra a porta da cripta


e eu empurrei.

Ela se abriu com facilidade.


Meus duzentos anos foram bons para mim. Mais poder
flexionou dentro dos meus músculos do que eu conseguia
lembrar. Sempre foi assim ao despertar, reunindo-se
novamente com o próprio corpo.

Eu segurei uma mão rápida para sombrear meus olhos.


Eu olhei, perguntando: "Adelie?"

Um flash de cabelo ruivo encaracolado entrou em foco.

Minha amiga agora estava diretamente na minha frente.


"Aqui. Coloque esses óculos de sol até que seus olhos se
ajustem.”

"Óculos de sol?"

"Sim. Eles vão no seu rosto.” Suas palavras foram gentis.

Eu segurei ainda, permitindo que ela colocasse um par


de óculos de sol sobre meus olhos.

Instantaneamente, dei um suspiro de alívio e baixei a


mão do sol que brilhava na caverna. Eu torci meu pescoço e
girei meus ombros. Eu saltei algumas vezes no lugar.

Minha amiga, que aparentava dezesseis anos com suas


feições inocentes, observou enquanto eu desenvolvia meus
músculos duros. Para cima e para baixo, eu pulei. Seus olhos
rastrearam cada movimento, um lento sorriso gravando seus
lábios. Ela murmurou: "Você está vindo mais rápido do que
da última vez."

Eu sorri abertamente. "Eu me sinto muito bem."

Ela assentiu com a cabeça, as sobrancelhas levantadas


enquanto eu corria ao redor dela em um círculo.

Apenas por diversão. Uma cripta pode ser apertada.

Empurrando para uma parada repentina na frente dela,


eu sondei. “Eu tenho a linguagem da geração correta? Ou eu
pareço que sou do passado?”

Ela bufou. “Eu escolhi bem para você, minha amiga. Eu


me certifiquei de que havia um guru da mídia social lá. Então
você parece ainda mais atualizada do que eu.”

Eu cutuquei seu ombro com o meu, provocando: "Então,


eu ainda sou melhor que você."

Adelie soltou um longo suspiro de sofrimento. “Uma


vez, Gwen. Só uma vez você me derrotou no xadrez. Não sei
por que você continua a falar disso.”

Eu mostrei uma pequena presa. "Porque é muito


divertido."
Outro suspiro. Adicionado a um rolar de seus lindos
olhos castanhos. “Eu deveria ter colocado um terapeuta l{
também. Droga.”

Minha cabeça se inclinou para trás e minha risada


encheu a caverna.

Adelie piscou muito devagar, seu olhar percorrendo


minhas feições. “Você sabe, você parece ter saído direto de
um filme de terror agora. Nós provavelmente deveríamos te
limpar antes de levá-la para a civilização.

Eu estiquei meu lábio inferior, brincando: "Eu não posso


assustar a comida?"

“Oh, você assustaria os humanos. Mas você não


deveria”. Ela tirou a mochila do ombro direito e abriu o zíper.
Vasculhando o conteúdo, minha amiga resmungou hesitante:
"Você não vai me perguntar por que acordou cedo?"

Um par de jeans escuros, uma camiseta preta, botas.


Armas. Garrafas de água e trapos.

Todos foram deixados aos meus pés.

Eu comecei a me despir do meu traje de descanso. "Eu sei


que os Soberanos estão por trás disso."
"Você está curiosa por quê?" Adelie fechou a bolsa e
empurrou a alça por cima do ombro. "Eu acho que você vai
gostar do motivo ser menos chato."

Eu molhei um pano para baixo, minha cabeça inclinada


enquanto eu olhava para ela em silenciosa pergunta.

“Lorde John deu seu último suspiro seis meses atrás. Ele
decidiu que ele viveu o suficiente e escolheu sua morte”,
explicou ela. Um pequeno e satisfeito sorriso enfeitou suas
feições - um olhar travesso. “King Pippin elevou ao Conselho.
Ele é agora Lorde Pippin, um soberano.

Minha respiração ficou presa na minha garganta, o pano


de limpeza na minha mão parou na minha bochecha. "Você
quer dizer que finalmente estou sendo chamado como uma
possível candidata para a nova rainha?"

Seus cabelos ruivos tremiam quando ela balançou a


cabeça em emoção. "Sim! Há duas mulheres antes de você,
pelo que ouvi, mas se recusarem a oferta, então você pode ser
a candidata para a próxima rainha!”

"Oh meu." Meu olhar azul se arregalou quando todos os


meus sonhos brilharam diante dos meus olhos.

Adelie gritou, pulando para cima e para baixo. Ela até


bateu as mãos juntas.
Eu pisquei. "Você não pode fazer isso na frente deles."

Ela limpou a garganta e segurou as mãos atrás das


costas. Tentando ser calma.

"Isso é melhor." Eu balancei a cabeça e comecei a esfregar


meu rosto mais uma vez. “Eu não posso acreditar, depois de
todo esse tempo, eu vou ter uma chance na coroa. Eu não
achei que qualquer um desses senhores jamais iria morrer.”

Foi preciso que um deles morresse para um rei ascender


a soberano.

Apenas cinco de cada vez. E os vampiros viviam para


sempre.

Ela encolheu um ombro delicado. "Lorde John estava


pronto para o seu sono eterno."

Minhas sobrancelhas se levantaram e eu molhei o pano


novamente. "Ele era o mais novo de todos eles."

"Agora, Lorde Pippin está lá", minha amiga cantarolou.


Satisfeita.

Ela estava tão satisfeita com isso.

Mas eu provavelmente tive a batida dela. Meu sorriso


cresceu, beliscando minhas bochechas. “Quando será o
encontro oficial? Quando eu tenho que estar lá? Porque eu
queria estar l{ agora”, meu intestino se agitando e
esquentando da atração mágica.

Adelie pegou o celular. Ela mordiscou o lábio inferior


enquanto olhava para a hora e data, contando em silêncio com
os dedos. Sua cabeça assentiu com seus próprios
pensamentos, então seus olhos castanhos perfuraram os meus.
“Nós temos três dias. Com nossas viagens, est{ diminuindo
pela metade. Mas os suseranos têm um jato particular
esperando por nós.

Suspirei de alívio. “Obrigada, porra, você listou na


minha papelada como um contato de emergência com o
Conselho. Caso contrário, eu não saberia o que diabos estava
acontecendo, e estaria matando para a esquerda e para a
direita até que eu estivesse saciada.”

A matança não me importava em nada. Não ser discreta


a incomodaria.

Humanos mortos por aí normalmente tendiam a trazer


as autoridades próximas.

De todos os relatos das lembranças que acabei de roubar,


isso não mudou nos últimos duzentos anos. Se um humano
era assassinado, ainda era considerado ruim.

Uma pena isso.


Seria muito mais fácil se você pudesse simplesmente
despejar seus corpos em um aterro sanitário.

Era o que os humanos faziam com o lixo deles.

Nós devíamos ter as mesmas regras. Nós éramos os


predadores.

Eu levantei meus óculos de sol, fechando os olhos para


limpar minhas p{lpebras. “Os humanos ainda não sabem
sobre nós, certo? Eu não perdi essa pista com a minha
alimentação, não é?

Eu me alimentei muito rápido, saciando minha sede. E


eu ainda estava com sede.

Adelie bufou. “Não. Ainda estamos escondidos.”

"Boa. Nenhuma guerra resultou então por causa de nossa


natureza.”

"Não." Ela estalou os lábios com a palavra.

Eu deixei cair os óculos de sol sobre meus olhos.

“A fortaleza ainda est{ na porção sudoeste da América


do Sul?”

“Eles não se mexeram. Não há razão para isso. O castelo


ainda est{ em Japri.”
"Excelente." Eu sorri abertamente. “Mais alguma coisa
que eu precise saber?”

Minha amiga mordiscou o lábio inferior. Finalmente, ela


balançou a cabeça.

“Não, acho que é isso. Todos os seus assuntos estão em


ordem, como o normal. Você está totalmente preparada para
entrar na sociedade novamente.”

Eu peguei as roupas que ela me trouxe. Uma sobrancelha


negra levantou-se. "Precisamos ir às compras antes de me
encontrar com os senhores da guerra."

Adelie riu, o som soou como tilintar sinos.

Eu revirei meus olhos. "O quê?"

"Algumas coisas nunca mudam." Seus braços


envolveram meus ombros nus, apertando-me em um abraço
apertado. "Eu senti tanto sua falta. Na próxima vez, vamos
agendar nosso descanso ao mesmo tempo. Os últimos
duzentos anos foram um inferno sem você ao meu lado.”

Eu a abracei de volta, segurando-a com força. Ela já tinha


ido descansar enquanto eu ainda estava acordada. Foi um
inferno durante esse tempo. Eu entendi completamente. Eu
sussurrei: "Parece um plano para mim".

Ela continuou a me abraçar forte.


Eventualmente, eu limpei minha garganta. “Adelie, ol{?
Nua aqui, lembra?

Seu aperto forte se soltou e ela me soltou. "Bem. Bem."

Eu balancei minhas sobrancelhas. “Eu sei que estou bem.


Eu pareço muito gostosa para ter quase mil.”

Seus olhos castanhos ergueram-se para o céu,


exasperados.

"Aqui vamos nós. Gwen est{ de volta.”


S'Kir

Terra dos Deuses Invisíveis

"Sábia e inteligente além de nossa compreensão, a magia


protetora levantou a montanha e trancou os portões, para
sempre."

As crianças seguiram as imagens do livro enquanto


giravam cuidadosamente em um arco para que todos
pudessem ver.

“Embora, no silêncio da noite, se você ouve com sua


magia e seu coração, você pode ouvir as rochas sussurrando,
o amor deve despertar. Uma vez que o amor desperta, então
nossa sabedoria brilhará e dois mundos se unirão.”

Eu lentamente fechei o livro e sorri para as crianças


sentadas no semicírculo. Eles começaram a bater palmas e, tão
jovens quanto eles, o aplauso foi entusiasmado.

Um pouco demais para um pequeno chamado Bershat.

Suas mãos alegres conjuraram a pequena magia que ele


começou a mostrar. Ele se assustou com os pequenos fogos de
artifício que brotaram de seus dedos, seus grandes olhos
adoráveis arregalaram no seu pequeno rosto.

"Oh meu! Bershat!” Eu ri. Colocando o livro antigo ao


lado, segurei as mãos do garoto na minha. Assustado, ele
estremeceu quando lágrimas apareceram nos cantos de seus
olhos. Eu murmurei: “Não, não, Bershat. Você está bem. É só
um pouco da sua magia. Você tem quase sete anos agora e
isso vai começar a acontecer. É uma coisa boa!"

Ele sussurrou admirado: - Magia, senhorita Raven?


Gosta da história? “

"Sim. Sim, apenas assim. Sábio e inteligente, mas a magia


está em todos nós. E o seu está começando a aparecer. Isso
significa que você está crescendo.
Olhei de relance para os alunos - a mais velha das
crianças no templo e a alegria do meu dia. “Seus pais
confiaram em mim para ensinar tudo que você precisa saber
antes que sua mágica apareça. E quando vejo sua magia, como
tenho em Bershat, sei que está quase na hora de mandar você
para a Escola S'Kir Amphat. Lá você terá diferentes lições.
Você vai aprender a usar sua magia e cultivá-la.

Segurando minha mão, eu puxei um pouco da minha


magia. Eu girei um pequeno e brilhante tornado para todos
eles verem.

Quando as crianças ficaram paralisadas e encantadas


com o brilho rodopiante, sorri para mim mesma enquanto
olhava para essas pequenas mentes. Como um dos mais
jovens acólitos - honrados guardiões do Templo do Deus
Perdido - meu trabalho era ensinar as crianças até que
mostrassem sua magia. Bershat iria se mudar para a Escola
Amphat em algumas semanas.

Dissipando o brilho, bati palmas para ter certeza de que


os alunos estavam ouvindo. “Tudo bem, todo mundo, acho
que já tivemos bastante entusiasmo por hoje. Vão pegar suas
jaquetas e ir para casa. Lembre-se de contar aos seus pais
sobre suas aulas e que teremos um recital na semana que
vem.”
Meus pequenos prodígios se levantaram e correram para
suas jaquetas e bolsas. Cada um de seus itens fica pendurado
perto da entrada da sala de aula do templo.

Fiquei de olho neles quando eles saíram da sala colorida


para as passarelas de S'Kir Prime, nossa capital.

"Senhorita Raven?" Tillini, a caçula dessa turma,


permaneceu embaraçada, segurando um livro no peito.

"Sim, Tilli?"

"Senhorita Raven, eu vou conseguir a minha magia?"

“Claro, Tilli. Por que você pensaria que não iria?

"Porque eu não tenho um pai."

Eu me ajoelhei, meu coração tremendo com sua


inocência. “Você tem um pai, Tilli. Ele morreu na Mountain
Watch, lembra?

"Isso não tira a minha magia?"

“Bondade, Tilli. Quem te disse isso?

"Griffin"

Claro, Griffin. Eu teria uma conversa com ele antes da


aula amanhã. Ele era um contador de histórias e eu estava
tentando desesperadamente redirecionar suas histórias para
longe de seus colegas de classe. Ele não precisava assustá-los.
"Isso não é verdade. Seu pai morreu em um acidente na
montanha. Mas isso não significa que você não vai ter magia.

"Mesmo?"

"Absolutamente."

Toda a sua atitude mudou. "Obrigado, senhorita Raven!"


Ela saltou e pulou o conjunto de escadas. Todos os alunos
pulavam quando desciam as escadas e quase me davam um
ataque cardíaco quando eles faziam isso.

Meu próprio suéter e bolsa aguardavam na porta e,


depois de pegá-los, fiz meu caminho de volta pelo templo. Eu
andei pelo altar, fiz a minha reverência diária ao Deus
Perdido e saí para a cidade, pensando na minha vida.

Eu amava os alunos, mas tinha que tomar decisões.

Não queria ser uma sacerdotisa, eu não tinha certeza se


queria sair do status de acólito. Eu respeitava o templo, mas
dedicar minha vida, minha longa vida imortal a um deus
perdido nem sempre parecia uma boa ideia. Eu me divertia
muito sendo capaz de sair no final do dia. Aproveitava o
tempo com meus amigos, o teatro, a natação e excelentes
restaurantes.

Tornando-me inteiramente dedicado ao Deus, eu teria


que desistir da minha vida como eu a conhecia agora por
horas de escrúpulos, pesquisa constante, horas de espera e
observação, viajando até o portão e a montanha para
examinar a mudança.

Apenas alguns dos meus conhecidos se tornariam os


outros acólitos e sacerdotes dedicados ao Deus Perdido
comigo.

"Pensando de novo, minha senhora?"

A um passo de bater em um dos meus amigos mais


velhos e queridos, olhei para cima a tempo e parei.

Feliz em vê-lo, eu sorri. “Sempre, Elex. É a natureza do


acólito gastar tempo em contemplação.”

Elex tinha um sorriso tão gentil que chegava até os olhos


dele. “Acho que você est{ pensando em encontrar uma
posição de professora em breve que não seja no templo. E
você está se perguntando que tipo de problema podemos
achar hoje | noite.” Sorrindo, eu provoquei, “Problema? Em
S'Kir? Como ousa sugerir uma coisa dessas?” S'Kir Prime teve
seus problemas, assim como a natureza dos druidas travessos,
mas nunca mais do que uma pequena parte.

Ele acenou com a cabeça na direção de outra rua.


"Vamos. Temos reservas para o jantar e depois vamos para o
Mountain Park para os jogos. Sua perna, está se sentindo
melhor?”
"Ah não." Eu bufei. “Não estamos jogando esse jogo de
novo, somos nós, Elex? Oh, por favor não.”

Ainda rindo, ele colocou o braço em volta de mim. "Não,


não. Nós vamos assistir a um melhor jogo de equipe. Nós
claramente não estamos preparados para isso. Mas há
algumas ligas e podemos vê-las em batalha.”

Meu terror em jogar esse jogo bobo onde eu me


machuquei deve ter sido evidente no meu rosto. Elex
continuou a rir de mim enquanto entramos no restaurante.

O jantar foi requintado, como sempre. Drez, o chefe de


cozinha, era mágico com comida. Todos os anos, a sua comida
ficava cada vez mais surpreendente e, o nosso grupo, as suas
cobaias dispostas. Sempre tentando novas combinações e
novas especiarias, molhos e técnicas em nós, mas nenhum de
nós reclamou - não pela comida tão magnífica.

Indo para o Mountain Park, nossos amigos - Jallina e


Arik - saíram de outra rua para nos acompanhar.

O Mountain Park era exatamente isso - um parque no


sopé da montanha.

A Montanha S'Tisk, o pico mais massivo da espinha,


jogou sombras em S'Kir Prime enquanto o sol se punha. As
ruas e os prédios brilhavam ao sol, com os edifícios feitos de
branco. Foi apenas nos dias mais curtos do ano que a
verdadeira sombra caiu sobre a cidade.

A magia de S'Kir levantou a espinha maciça da


montanha para nos manter longe dos vampiros do outro lado.
A história dizia que os vampiros eram maus e a magia da
nossa ilha decidiu que os druidas precisavam ser protegidos.
Mas eu não necessariamente acreditava nisso, nem meus
superiores.

O conto simples foi a história contada para as crianças.

Havia muito poucos druidas vivos que se lembravam


quando não havia a montanha. Os indivíduos não falaram
sobre isso. Somente aqueles com sabedoria aceitavam que a
montanha e a magia se uniram, sem comunicar o motivo da
subida - ou o bloqueio do Portão.

O que nós sabíamos com certeza?

Um dia, cairia.

Um dia, nos reuniríamos com os vampiros.

Jallina e Arik se aproximaram de nós enquanto nos


dirigíamos para o jogo de esalhukhi, o mesmo jogo que me fez
- o mais novo do grupo com apenas noventa e cinco anos -
torcer meu joelho tão severamente que precisei de um curador
para ver minha lesão.
Divertida, Jallina apontou para o meu joelho enquanto
caminh{vamos. “Até a lembrança da lesão faz você mancar?”

"Silêncio! Você não tem ideia da dor que foi!” Eu não


podia ficar brava quando uma risadinha me escapou.

“Você não praticava esportes quando criança?” Elex


olhou por cima. “Você trabalha com crianças; você sabe que
eles são rudes.”

Eu revirei meus olhos. “Bookworm, Elex, lembra?”

"Mesmo tão jovem?" ele questionou.

"Sim." Eu balancei a cabeça com firmeza. “Por que você


acha que sou uma acólita1 no templo? Meus pais viram que eu
não era atleta muito jovem e me deixaram ler. Qual é, o que
eu deveria ter insistido em fazer em vez de ficar com a fama
de trapaceira? “

A verdade é que eu não estava brava. Foi divertido, mas


eu realmente não era uma atleta muito boa. Livros eram tudo
para mim. Eu adorava ler e aprender, e durante oitenta anos,
eu estava fazendo exatamente isso no templo.

Enquanto caminhávamos em direção à montanha, uma


epifania superou meus pensamentos. Eu não tive que me

1
Acólita: eclesiástico (termo): sacerdote da Igreja católica que recebeu o grau mais elevado das ordens
menores. Por extensão do termo eclesiástico: na Igreja católica, ministro que acompanha e auxilia o
celebrante a conduzir os atos litúrgicos.
decidir sobre minha posição no templo, porque eu queria
continuar sendo uma acólita. Eu não estava interessada em
abandonar a companhia de meus amigos - especialmente Elex
- e certamente não estava disposta a ter o templo como minha
única existência. Muitos dos sábios professores disseram que
a educação não é apenas aprender, fazer, e ser, e ver e
testemunhar - tudo isso fazia parte da vida.

Eu queria isso.

E talvez, algum dia, um companheiro e filhos.

Eu era muito jovem para isso, no entanto.

Encontrando assentos no anfiteatro, as equipes esalhukhi


iniciaram sua batalha em campo.

Mesmo quando tentei prestar atenção, algo...

< Algo me arrancou.

O anfiteatro desapareceu no fundo, mesmo quando o


jogo se tornou mais intenso. Uma onda no meu poder, uma
estranha excitação em meus ouvidos.

Algo tentou me afastar.

Uma cócega.

Uma coceira.

Isso me chamou...
Eu precisava me virar e olhar para o pico maciço e
abafado da montanha.

Mais forte e mais forte enquanto eu estava sentada lá, a


sensação passou por mim, permeando cada canto da minha
mente e, eventualmente, não pude resistir a ela.

Eu olhei para Elex. "Você sente isso?"

Assustado, Elex olhou para a multidão e os estádios à


nossa volta. “Sinto o quê? Um terremoto?"

Meus olhos pousaram de volta no alto e agora


ameaçador pico atr{s de nós. "A montanha. Est{<"

Ele esticou o pescoço ao redor, seus olhos verdes escuros


varrendo a montanha. Seus longos cabelos negros e grossos
ondulavam na brisa agradável, acariciando suas bochechas.
Ele estudou o Monte S'Tisk, como um geólogo treinado faria
voltando para mim. “Não h{ nada l{, Kimber. É como sempre
foi.”

Eu inclinei a cabeça para trás para tentar ver o pico, mas,


como de costume, era impossível de tão perto da base.

Ainda assim, a coceira cresceu.

Ignorar isso não era uma opção.


Com um toque gentil, coloquei a palma da mão direita
no antebraço musculoso do meu amigo. “Alguma coisa est{
acontecendo, Elex. Eu voltarei."

Eu pulei para os meus pés e passei por cima dele e de


outros dois. O corredor estava claro e saí do anfiteatro em
direção à montanha.

A coceira cresceu, minha espinha se endireitando.

"Kimber!" Elex me alcançou antes que eu estivesse ido


muito longe, suas longas pernas diminuindo o espaço que eu
coloquei entre nós. “O que você est{ fazendo? Não há nada
aqui. A montanha nunca se moveu, salvo por um pequeno
tremor aqui ou ali. “

“Tem alguma coisa, Elex. Está me puxando para isso,


tentando me dizer alguma coisa. “

"Oh, por... você tem estado nesse templo por muito


tempo."

Eu olhei para ele com força. "Você não acredita em mim."

"Não, eu não sei."

Revirando os olhos, marchei em direção à montanha.

Era uma montanha muito estranha, crescendo para fora


do chão a uma altura espantosa, os penhascos e
despenhadeiros salpicado as subidas verticais e torres e
fendas perigosas rompiam as subidas ainda mais. Mesmo
quando o melhor alpinista subiu pela lateral, ninguém jamais
havia atravessado porque não havia fim para isso. Não havia
como atravessar o pico, e o pico corria como uma espinha ao
longo do comprimento de S'Kir, todas as duzentas léguas.

A magia não estava brincando quando levantou a terra.

Cavernas pontilhavam o fundo, e animais, moradores,


até fontes de água escondidas, espreitavam por dentro.
Ninguém foi mais de meia légua antes de terminar
abruptamente, mas a água lá era mais doce que qualquer
outro em S'Kir.

Uma dessas cavernas foi a origem da coceira. Fui direto


para a abertura que me chamava, sem levar em conta o perigo
que eu poderia estar correndo.

Elex, no entanto, não tinha o meu entusiasmo por uma


expedição improvisada de espeleologia. Ele agarrou meu
braço. “Kimber. Pare. Nós não estamos preparados para isso.”

Quão certo ele estava.

“Eu estou indo l{, Elex. Com ou sem você. Eu preciso


descobrir o que está acontecendo. Isso é...” Eu parei minhas
palavras quando percebi o que estava acontecendo, e não
pude conter minha surpresa. "Isto é mágico."
"Estamos encharcados de magia." O ceticismo, não
mágico, pingou das palavras de Elex.

“Não, esta é a magia da montanha, me puxando para ela.


Me dizendo para descobrir o que tem dentro.”

Durante todos os meus anos no templo, essa foi a


primeira vez que a magia me alcançou, em vez de eu estender
a mão para ela. Ela me puxou, pedindo-me para vir e
encontrá-la, no fundo da caverna onde eu estava em pé.

Eu segurei minha palma para fora e para cima, e um


globo de luz apareceu, pairando lá. “Eu vou entrar, Elex. Eu
sou uma acólita. Se a magia chamar, eu respondo”.

Não esperando por sua resposta, passei pela boca da


caverna. Eu me certifiquei de que o globo de luz
permanecesse onde estava e deixasse flutuar à minha frente.
Eu ia precisar de mais de um dos globos para dissipar a
escuridão da caverna se as primeiras centenas de metros
fossem qualquer indicação.

Inclinando-se bruscamente, pedregulhos de todos os


tamanhos, de pequenos a gigantescos, cobriam o chão. Havia
dificuldade entre cada um deles, tornando o andar perigoso e
instável. Ainda assim, eles poderiam ser úteis quando eu
agarrei as pedras ao meu redor como pegas. Eu subi nas
sombras e através das rochas para chegar a uma plataforma
que me permitiu recuperar o fôlego e deixar meus músculos
descansarem.

A entrada não estava tão longe assim.

Isso ia ser uma escalada difícil.

Elex tropeçou em uma pedra ao meu lado, ofegante.


"Você é louca, Kimber."

À luz da minha magia, eu sorri. "Quem me seguiu, no


entanto?"

Ele resmungou: "Para salvar sua bunda, se for


necessário."

Olhando à frente, pude ver que havia apenas mais


escuridão. "É sabido se alguém já explorou esta caverna?"

“Todas elas foram exploradas. Mas quando e quanto é a


verdadeira questão.” Elex suspirou, dando | caverna um
estudo superficial. “Acho que é a Caverna S'Kir Prime Park
North Twelve, mas não tenho certeza. Ela se encaixa no perfil,
uma inclinação acentuada e uma entrada coberta de pedras.
Tem sido explorada muito profundamente, se for, teremos
uma inclinação lenta a partir de agora.”

"Bem, nós vamos ter que explorar também."


Ele segurou meu braço. “Por favor, Kimber. Pense sobre
isso. Se você realmente quer seguir em frente com esse plano
insano, vamos pegar o equipamento adequado. Pelo amor do
Deus Perdido, você está usando sand{lias. “

Eu balancei a cabeça. "Não. Nós temos de ir agora. Eu


tenho que ir agora. Você não precisa vir comigo. Mas eu tenho
que fazer isso.” Franzindo os l{bios, estudei as rochas e
paredes da caverna e distraidamente tirei seus dedos quentes
do meu braço. “Esta é a primeira vez que eu tive a m{gica me
dizendo o que eu precisava fazer. Então eu tenho que."

“Eu não vou deixar você ir sozinha. Se você quebrar sua


perna, eu posso pedir ajuda.”

Eu balancei a cabeça na caverna. "Vamos. Eu preciso


descobrir o que é isso. Eu nunca senti antes"

Como eu poderia descrever como era ter a magia me


puxando? Havia uma urgência para isso, como se eu
precisasse estar em algum lugar imediatamente ou eu
perdesse um evento espetacular. Elex não precisava de muito
mais convincente do que eu lhe dera, então nos
aprofundamos na caverna.

Foi um impulso desesperado.

A coceira chamou<
Estou chegando. Estou chegando.

Tão desesperada, comecei a correr.

Estou chegando. Estou chegando!

“Respire, Kimber. Respire." Elex me puxou para uma


parada, permitindo que eu e ele recuperássemos o fôlego.

Antes que ele pudesse me repreender ainda mais, a


magia mudou.

Minha luz tremeu no ar e foi puxada para a direita.

Mesmo Elex não podia perder isso.

Ele se endireitou, procurando na caverna com um olhar.


"O que em nome de tudo que é sagrado é isso?"

"Por aqui", eu disse e, em seguida, manobrei em torno


das pedras, em direção à luz. A caverna ficou mais estreita e
desceu.

Eu não viajei mais vinte passos antes que Elex me


puxasse para mais uma parada. “Não, Kimber. Pare. Esta
parte da caverna não foi explorada.”

"Como você sabe?" Eu perguntei em aborrecimento.

Apontando para o arco que levava à pequena caverna


lateral em que estávamos, Elex disse: - Se tivesse sido
explorado, um medalhão verde teria aparecido quando
passássemos. Não havia nada. Havia...” Olhando para o chão,
sua testa se enrugou e a confusão tomou conta de suas feições.
"Não há pegadas na terra aqui."

"Bem, se ninguém esteve aqui"

“Não, você não entende. Não h{ pegadas na terra aqui.


Nenhum, salve o nosso. Eu estava errado antes. Ninguém se
aproximou dessa caverna. Ninguém sabe o que est{ aqui.”
Girando ao redor, a expressão de Elex saltou de confusa para
excitação. "Nós temos que voltar. Temos que pegar o
equipamento certo, a documentação certa, observadores,
comunicação, mapeamento...

"Pare." Minha palavra foi simples, direta.

Isso o parou.

"Escute-me. A magia está me dizendo que tenho que


estar aqui. Para ir por este caminho. Então eu preciso. E isso é
tudo. Venha comigo ou não?”

"Nós podemos ir, mas vamos pegar o equipamento."

“Deixe-me tentar isso. Isso pode ajudar você a entender”.


Eu envolvi minha mão em torno de seu braço e nos abri para a
magia ao nosso redor.

Os olhos de Elex brilharam em choque e ele inalou


bruscamente. "É isso que você sente agora?"
"Sim." Eu sorri, meus olhos castanhos brilhando com
ansiedade. "É por isso que vou continuar nesta caverna e
ouvir o que a magia está me dizendo para fazer."

Ele finalmente entendeu e apenas assentiu em


concordância. Eu me abaixei ainda mais na caverna, seguindo
a magia mais profunda. Elex ficou logo atrás e emprestou
magia para minha luz, os raios se iluminando. O silêncio nos
seguiu.

A caverna desceu, desceu novamente e, em algum


momento, atravessou a caverna acima. Eu não entendia como
esse ramo nunca havia sido explorado, mas os mistérios eram
uma descarga de adrenalina no sistema, minhas mãos
tremiam ao meu lado.

A caverna tremeu ao nosso redor.

Elex me puxou de volta contra ele pela minha cintura.


"Kimber, isso não é seguro."

Balançando a cabeça, girei em suas mãos e olhei para ele.


"Pare. Não vai desmoronar. Você não consegue sentir isso
através da magia?

"Não."

Achei isso desconcertante, mas não tive tempo para


pensar nisso. As rochas tremulantes me obrigaram.
Eu fui.

Mais profundo e mais profundo, mais e mais rápido, até


que eu estava perto de correr novamente. A passagem se
curvou na outra direção desta vez, levando-nos a uma nova
rota. Eu contornei uma esquina e parei bruscamente.

Elex bateu nas minhas costas. A respiração profunda que


ele desenhou para gritar comigo, ele soltou um bufo chocado.

A caverna era enorme e bonita.

Riscas e rachaduras repletas de cores e luz listravam as


paredes. Todas as cores brilhantes do arco-íris brilhavam nos
cristais que pontilham a pedra. Vibravam com magia,
pulsando com luz e vida, esta foi a fonte da chamada.

A caverna tremeu novamente.

Nós dois demos outro passo à frente.

As rochas desceram ainda mais nos tremores,


desmoronando em pó. Não seixos ou pedregulhos, mas pó
cobria o chão.

A magia pulsou pela sala, tirando o fôlego de nossos


pulmões. Eu coloquei a mão no meu peito, tentando respirar e
olhei.

Havia muito poder.


Amor.

"O que é isso?" Elex perguntou, sem fôlego.

"A montanha está quebrando." Eu mal podia acreditar


em minhas próprias palavras.

Elex me agarrou e me virou para encará-lo. "O quê?"

“A montanha est{ quebrando. O amor escolhido est{


despertando.” Eu pisquei para ele. “A lenda é verdadeira. O
amor escolhido está despertando! Pode sentir isso?"

Seu expressivo olhar verde escuro olhou maravilhado.

Eu recitei o poema de nossas infâncias.

“Magia é vida.

Sem mágica, não somos nada.

Sem vida, não há mágica.

A vida é mágica.

Trabalhando sua mandíbula, Elex não encontrou


palavras para o que nós olhamos. “Mas tudo foi uma história.
Apenas uma história. “

“O Templo do Deus Perdido existe porque não são


histórias. Eles não são história, Elex.” Fechei meus olhos,
saboreando o amor no ar. “Isso é incrível! É o começo da
montanha descendo, reunindo as duas metades de S'Kir. O
portão se abrirá novamente.

Girando para fora de seus braços, eu desci em direção à


parede com tantos cristais pulsando com cores
impressionantes.

Elex se aproximou de mim, parando-me.

Eu repreendi: “Por favor, relaxe, Elex. Nada vai


acontecer.

Ele lançou seu olhar cauteloso para a caverna,


murmurando em voz baixa: "Algo já aconteceu."

Eu ri. Porque isso era verdade.

Mas a coceira mágica me chamou novamente.

Me puxando para dentro... Me desafiando mais perto...

Eu não pude resistir mais um momento.

Com uma mão cuidadosa, estendi a mão e fiz contato


com as pedras pulsantes. Estranhamente suave, gentil, mas
firme, a magia instruía...

Ainda não é hora. Mas logo.

Elex engasgou, ainda sob o feitiço. "Meu Deus. Você


sempre sentiu a magia assim?”
“Não até agora. E tão raramente fala comigo.” Retirando
minha mão, emoção e excitação dançaram em minhas veias.

Era isso que o templo estava esperando e era por isso que
existiam - os portões, a montanha, o retorno do Deus.

“Eu tenho que voltar. Tenho que contar ao Alto Mestre


Dorian e aos Chefes do Templo. Oh, Elex! Haverá muita
celebração! Tanta alegria e felicidade! O Deus vai voltar para
nós!” Eu agarrei seus braços e nos virei através da luz da sala.
A alegria borbulhou de dentro e explodiu para fora de mim
rindo e rindo, o som saltando das paredes.

Elex me puxou para uma parada e eu ri de estar tão


tonta. Segurando-me ainda para me impedir de cair por um
momento, eu me inclinei para ele, ainda rindo.

A voz de Elex tocou minha pele. "Kimber, os cristais


estão brilhando com sua risada."

Meu humor diminuiu.

Era claro que ele estava certo.

Meu queixo caiu bem aberto.

Elex chamou minha atenção e, no brilho das luzes de


cristal, vi algo que nunca havia visto antes. E, no entanto, de
alguma forma, eu sabia que tinha estado lá o tempo todo.
Elex me beijou. Seus lábios eram quentes e macios, e não
fiquei surpresa. Eu imaginei que eles seriam deliciosos. Eu me
juntei ao beijo, permitindo que ele possuísse minha boca e, em
troca, possuía a dele.

Ele era tão doce quanto qualquer sobremesa que eu já


tive.

Nosso abraço não terminou tanto quanto a distância,


nenhum de nós realmente queria deixar passar.

"Você tem que contar ao templo", disse ele.

"Eu tenho que dizer ao templo", eu repito.

"Eu estou indo com você."

"Não."

“Eu vou estar com você. Por tudo isso.” Suas palavras
eram sérias e seus olhos ainda estavam brilhando com
honestidade.

“Não, Elex, eu tenho que falar com o Mestre Dorian


sozinha. Eu não posso... O templo não permitirá você ir tão
longe.”

"Você não pode fazer isso sozinha."

"Eu tenho que falar com Dorian sozinha."


Rasgado, seus olhos deslizaram pelo meu rosto. "Esse
poder é demais para enfrentar sozinho."

“Eu não tenho que enfrentar esse poder sozinha, apenas


Dorian e o conselho. É assim que é. Se você quiser me ajudar...

"Eu quero."

"Então me deixe fazer isso."

Mais uma vez, seus olhos estavam memorizando. "Não


foi o beijo suficiente para convencê-la de que preciso ajudá-
la?"

Eu sorri abertamente. "Mais que suficiente."

"Então o quê?"

“Você pode me ajudar depois. Haver{ muito o que fazer!


Mas a magia me disse que isso é minha responsabilidade e eu
sou a única que pode penetrar fundo no templo.”

"Mas você virá para mim." Uma demanda silenciosa.

Meus lábios se contraíram. "Oh, de muitas maneiras."

Preocupação estampava de suas feições. "Posso acreditas


na insinuação que você está sugerindo?"

"Eu ficarei desapontada se você não fizer."


“Então, vamos para o templo.” Desta vez, seu riso ecoou
pela caverna quando ele pegou minha mão na sua, me
puxando junto. "Temos uma descoberta para relatar."
Japri, Chile

"Olá, linda", eu ronronei. As pontas dos meus dedos


correram sobre a tinta preta do meu novo Lamborghini.
Minha atenção se voltou para a minha amiga. "Adelie, você se
superou desta vez."

Seus lábios se contraíram. "Seu dinheiro pagou por isso."

"Eu nem me importo", eu sussurrei. Então eu me inclinei


e beijei o capô do carro com uma gentil carícia, o meu mais
novo bebê. "Ela é perfeita".

"A última vez que eu lembro de você estar tão animada


depois de um descanso foi quando eu te comprei um lindo
potro." Ela abriu a porta do lado do passageiro, rindo
baixinho. "Lembra-se disso?"

Eu assenti. "Isso é tão bom quanto naquele tempo".

Adelie levantou um dedo no ar, apontando: "Mas este


não faz cocô."

Meu riso podia ser ouvido sobre os motores a jato


rugindo atrás de nós.

Os senhores da guerra, na verdade, nos forneceram um


jato particular - que incluía aeroportos privados. Nosso vôo
tinha sido longo para a América do Sul e, principalmente,
tedioso depois que superei a emoção de um avião decolar.
Memórias eram uma coisa, experimentar eu mesmo era outra.
Foi mais elaborado e vívido em comparação com as
experiências roubadas de seres humanos.

Adelie entrou no magnífico carro com um sorriso


arrogante.

Eu joguei minha bagagem no porta-malas ao lado da


dela e o fechei.

Quando me sentei no banco do motorista, gemi. "Oh, o


couro abraça minha bunda apenas para a direita."

Minha amiga bufou. "Você precisa transar."


"Sim eu quero." Suspirei de acordo. "Mas temos planos
primeiro.”

Suas sobrancelhas vermelhas levantaram. "Devo até


adivinhar?"

"Roupas e armas." Eu mexi meus ombros quando liguei o


motor. E, garoto, meu novo brinquedo ronronou para mim.
Outro suspiro satisfeito escapou. “Diga-me onde ir. Eu tenho
dinheiro queimando um buraco no meu bolso.”

"Na verdade, é um cartão de crédito", explicou Adelie.

Usando o calcanhar da palma da minha mão, bati em sua


testa. "Eu sei. Foi uma metáfora.”

Ela olhou e então franziu o cenho. Minha amiga


resmungou: “Eu preciso beber um humano que seja mais
jovem. Já faz um tempo desde que eu roubei as memórias de
um jovem.

Eu ri e saí do pequeno estacionamento. "Onde estou


indo?"

Adelie rapidamente amarrou o cinto de segurança, em


seguida, agarrou a porta enquanto eu ia pela saída. "Vá para o
oeste... e tente não nos matar."

“Quando todos os meus sonhos estão se tornando


realidade? Eu não ousaria nos prejudicar.”
Mas um pouco de velocidade também não faz mal.

Eu acelerei meu novo brinquedo na estrada.

E apreciei completamente os gritos assustados de Adelie.

***

Adelie grunhiu quando joguei outra camisa na pilha que


ela estava segurando para mim. Apenas seus olhos e nariz
podiam ser vistos sobre as roupas. Seu olhar estava estreitado,
mas ela não comentou nada.

Eu levantei uma calça de couro preta e segurei-a contra a


minha cintura. "Como você acha que isso ficaria?"

Ela só continuou a encarar.

Ainda não comentando. Ainda.

Meus lábios se contraíram.

Eu joguei as calças em cima da minha pilha crescente.

Adelie estremeceu, dobrando uma perna quando as


roupas se inclinaram para o lado. Minha amiga ruiva os
impediu de cair por todo o chão. Mal.
"Hmm." Eu zumbi e apontei para as prateleiras bem no
fundo da loja. “Você acha que h{ algo bom l{ atrás? Nós ainda
não os vimos< ”

“Oh meu Deus, não! Apenas não!" Adelie chorou na


miséria. Estava um pouco abafado atrás da pilha, mas eu
podia ouvi-la bem com a minha audição de vampiro. Ela se
arrastou para ficar diretamente na minha frente, cortando
meu acesso às prateleiras nas costas. Ela rosnou: "Aqueles não
estão à venda. Você não iria querer eles de qualquer maneira.”

Eu levantei meu braço sobre o topo da pilha de roupas e


bati seu nariz levemente com um dedo. "Estou apenas
provocando." Eu pisquei. "Parece que você ainda odeia fazer
compras tanto quanto sempre."

O que realmente não fazia muito sentido. Adelie adorava


roupas finas.

Alguém poderia pensar que ela iria querer descobrir isso


sozinha.

Mas não, ela gostava de outras pessoas fazendo as


compras para ela.

Minha amiga resmungou: “Sim, eu ainda odeio isso.


Podemos ir agora?"
Eu olhei para as bolsas amarelas e azuis penduradas em
seus antebraços. "Eu acho. Eu acho que eu comprei sapatos o
suficiente antes. Mas talvez eu ainda precise...

Um rosnado de vampiro suave saiu de trás da pilha de


roupas.

Eu rapidamente mordi meu lábio inferior para não rir.


"OK. OK. Nós podemos ir."

"Obrigado Senhor." Ela se arrastou em volta de mim, sua


atenção diretamente na área de checkout. Adelie se moveu
muito bem com uma carga volumosa em seus braços. “Quero
dizer, realmente? Quantas camisas pretas e calças pretas você
precisa?”

Eu segui atrás dela, girando um dos meus dedos através


de seus cachos vermelhos. Meu cabelo era preto e reto, até as
omoplatas - recém-cortadas uma hora atrás. Eu sempre tive
inveja de suas belas madeixas, e isso não mudou. Eu
murmurei: "Alguns são suéteres e tal."

Eu rapidamente parei de brincar com o cabelo dela


enquanto ela se inclinava para frente, para não puxar a cabeça
para trás.

Minhas roupas caíram na mesa do caixa.


Adelie suspirou de alívio, ajustando meus sacos de
sapatos até os punhos apertados ao lado do corpo. Como o
caixa trabalhava, minha amiga perguntou francamente: "Com
essa quantidade de compras - ou seja, procrastinação -, o
quanto você está nervosa pelo seu encontro com os senhores
da onça?"

Eu cerrei meus dentes e olhei para o lado.

Nenhum comentário meu. As mesas estavam viradas.

"Ah" Sua cabeça balançou em compreensão. “Então, você


está tão nervosa que sente vontade de molhar as calças ou
vomitar. Consegui."

Eu esfreguei meu estômago. Quanto mais nos


aproximávamos do castelo, pior ficava a compulsão. Mas eu
estava lutando o mais forte que pude.

Porque minha amiga estava certa.

Minhas sobrancelhas franziram e meus olhos honestos


encontraram os dela. "Isso é tudo."

Adelie segurou meu olhar sem vacilar. “E você vai ficar


bem. Você vai prosperar. Você treinou para isso toda a sua
vida”. Ela repetiu suas palavras, sua voz acalmando meus
nervos. “Você vai ficar bem, Gwen. Eu tenho fé que você fará
o que for preciso para tornar seu sonho realidade.”
Eu bufei. "Droga, vou fazer meu melhor."

“Droga, é você. Eu estou contando com você para fazer


exatamente isso. Um suspiro repentino esvaziou seu peito,
suas sobrancelhas se curvando em irritação. Ela olhou para o
nada como se estivesse sendo torturada e interrogada. "Porra.
Ainda temos que ir às compras de armas.

Um sorriso enrolou meus lábios. "Inferno sim, nós


faremos."
Elex nos levou para fora da caverna. “Kimber, você tem
certeza que não precisa da minha ajuda? Ou talvez
devêssemos tomar uma bebida primeiro para celebrar nossa
descoberta?”

Eu sabia o que o druida estava fazendo.

Um pouco de bebida aqui. Um pouco mais lá.

Então eu posso dizer sim.

Eu não fui tão tola. Nem sempre, de qualquer maneira.

“Eu tenho que fazer isso com cuidado. Isso é alegria além
da alegria, e tenho que transmitir isso reverentemente aos
Mestres do Templo, ou eles me dispensarão. Não posso entrar
cheirando a sujeira e vinho. Insisti em minha própria agenda
para o templo e meu anúncio.”
Ele piscou. "Então deixe-me ajudá-la a tomar banho."

Meu dedo selou seus l{bios. “Eu não esqueci o seu beijo
tão rápido. Mas isso deve ser feito corretamente. Haverá tanta
alegria e celebração, mas deixe-me ir. Para agora."

Os fortes braços musculosos do meu amigo


serpentearam ao redor da minha cintura. No momento
seguinte, Elex me puxou para ele. Nós tocamos da cabeça aos
pés.

"Eu tenho medo de mostrar o que você significa para


mim", suas palavras honestas sussurraram perto do meu
ouvido. Elex colou a boca na minha, o beijo foi suave e
profundo. Perfeito.

Fogo puro fervia no meu corpo.

"Isso...", ele sussurrou em meus lábios, "... foi para


refrescar sua memória do que espera por você quando você
terminar com isso."

"Eu vou lembrar", eu respirei.

Então ele foi embora.

Meus cílios tremeram em choque quando abri meus


olhos. Mas eu tive um vislumbre dele - e um perfeito traseiro -
enquanto ele caminhava por outra rua, a direita levando a sua
casa.
Como eu nunca percebi que Elex nutria esses
sentimentos por mim? Eu sempre retive o que eu realmente
sentia por ele. Naquele momento, eu já estava grata pela
magia na montanha. Ela derrubou uma parede que eu não
sabia que estava lá.

Sem entrar em uma corrida, que foi muito, muito difícil,


consegui chegar ao meu próprio apartamento e bater à porta.
Eu me inclinei contra a madeira e olhei ao redor.

Eu podia ver a magia por toda parte agora. Fios de luz e


cores dançavam no ar. Estendendo a mão, corri meu dedo ao
longo de um pequeno fio e ele cantou para mim, um tom de
cristal que tremia através de todos os fios próximos.

Ninguém nunca descreveu a magia como viva.

Mas era, fazia cócegas nos meus dedos.

O caleidoscópio de beleza vibrou diante de mim.

Talvez<

Talvez, depois que a montanha se ergueu, ninguém


jamais tinha visto a magia desse jeito. Talvez a montanha
guardasse a magia até a hora certa.

Ou para a pessoa certa.


Eu visivelmente estremeci. Isso foi ainda mais
assustador.

Eu tinha que falar com os mestres do templo.


Imediatamente.

Correndo pelo meu apartamento, as cores da magia


desapareceram como se estivessem tentando não me distrair.
Eu abri as portas do meu armário e avaliei minha coleção de
roupas.

Deuses e estrelas, eu era chata.

Túnica em cima de túnica, provavelmente duas semanas


de túnicas pendurada ali. Branco, bege, taupe, creme, casca de
ovo, esbranquiçado. Oh! Eu era chata. Eu até tinha alguma
variedade de amarelo pálido.

Eu bufei e continuei procurando.

Várias roupas casuais também estavam lá, em


interessantes tons de cinza, preto e carvão. Dois vestidos
formais, um em preto, um em carvão, estavam enfiados no
canto.

Eu precisava de mais roupas.

No outro extremo estava a roupa que eu estava


procurando. Um conjunto formal azul-claro, com uma saia
esvoaçante e um corpete modesto que brilhava à luz da sala.
Este vestido eu usei para todas as festas do templo.

Era tradição no templo ter apenas um vestido. Nunca


houve qualquer dúvida sobre quem você era. Todo mundo
sabia o que vestir. Todo mundo estava esperando ue você
aparecesse naquele vestido a cada vez. Era escandaloso se
alguém se atrever a aparecer em algo novo.

Uma pessoa não era membro do templo se mostrasse e se


vestisse. Sempre havia uma borda solene em todas as
festividades do templo.

A estatura formal do vestido era um manual.

Olhando para o relógio, tive que me apressar. Os mestres


do templo se reuniam para jantar e tinham uma pequena
audiência privada depois. Eu ainda poderia fazer isso.

Os guardas não podiam me negar a entrada como


acólito.

Enquanto andava pelas ruas rapidamente, também


aproveitei para pensar no que ia dizer, como abordaria
aqueles falcões velhos e rabugentos.

Dorian seria o pior.

Oh, Dorian seria o pior, de longe.

Ele era o mais velho do conselho e...


Bem, um idiota.

Ele havia começado a me empurrar para tomar minha


decisão sobre dedicar-me ao templo porque ele insistiu que eu
não poderia continuar sendo uma acólita.

Nada nos Textos do Templo dizia isso. Era tradição que


um acólito fosse dedicado ao templo ou separado, mas não
havia nada em lugar algum que dissesse que eu deveria
decidir. Ele me atormentou por vinte anos. Eu pesquisei por
vinte anos. Não havia nada. Mas ele era o mais velho e o mais
poderoso do conselho.

E agora, eu tinha que explicar como a magia me chamou


para a montanha e me fez sua serva. Muito mais do que
qualquer poder no templo já teve.

Como?

Por que eu?

Eu demiti a segunda pergunta. Não havia sentido em


pensar sobre isso. O primeiro - como? Era mais importante
atualmente.

Como convencer um conselho de doze bastardos


rabugentos - e eu incluí as cinco mulheres daquele título
bastardo por serem tão ruins quanto os homens - que a
montanha me chamou.
Nunca mostrei um talento único com magia. Eu era um
druida de sangue verdadeiro. Tanto meu pai quanto minha
mãe eram das Famílias Antigas, mas isso não garantia que eu
fosse talentosa.

Até hoje eu não era.

Eu tinha sido medíocre na melhor das hipóteses.

Tomando passos mais curtos, olhei em volta de mim. A


magia tinha desaparecido quando eu não estava prestando
atenção, mas assim que eu olhei para ela, ela se iluminou.

Os fios e cordas eram brilhantes e fortes.

Eles dançaram no ar, esperando.

Esperando por quem ligasse para eles.

Um casal pelo qual passei estava cercado por uma névoa


fina, envolvida pela luz da magia amarela.

Outro foi cercado por uma intensa bolha vermelha.

Outra, uma nuvem laranja.

E ainda outro, uma névoa azul brilhante.

As auras eram um fato da vida.

Eu nunca os tinha visto tão bem ou tão facilmente.


A agitação da montanha era para ser uma alegria. Os
dois mundos de S'Kir, o dos vampiros e druidas, deveriam ser
reunidos para o Deus Perdido retornar. Nós teríamos um Rei
e Rainha novamente. Haveria folia nas ruas e danças nas
praças, fogos de artifício no céu e fontes girando nos lagos.

Prazer e excitação borbulhavam dentro de mim. Havia


muita felicidade devido ao povo de S'Kir. E eu ia entregar as
notícias aos Mestres do Templo que já era hora.

Finalmente, tempo de alegria e celebração.

O sorriso depositado firmemente no meu rosto me


encorajou, e os pensamentos maravilhosos de tal celebração
deram um salto nos meus passos como nenhum outro.

Meu andar quase se tornou um salto - quão indigno.

As pessoas ao meu redor olhavam para o meu vestido


formal no meio da semana, sem festivais ou celebrações
declaradas. Eu não me importei. Eu estava dando notícias
maravilhosas, e meu coração não ficava quieto.

As residências do templo estavam em uma área diferente


da escola e do templo propriamente dito. Atrás da escola, por
um caminho que saía da entrada do templo, estavam os treze
edifícios das residências.
Um enorme edifício central abrigava a área comum, com
cozinhas, biblioteca, salas de recepção e conferência, uma
academia e um templo menor. Os outros doze prédios
circundavam o principal, cada um deles era a residência
particular dos Mestres do Templo. Não uniformemente
espalhados em círculo, eles se agruparam ligeiramente para
trás para permitir um caminho através de uma enorme sebe
velha e túnel de árvores que levavam à entrada principal do
grande edifício.

O colar que eu usava me proclamava um acólito.

Nenhum guarda tentou se aproximar.

Um prédio tão antigo quanto o tempo, preso ao seu


eterno esplendor por feitiços mágicos, brilhava branco,
mesmo na noite cada vez mais profunda. A lua se levantou e
lançou uma sombra misteriosa nos tijolos brancos. Pude ver a
magia usada agora e observei um momento enquanto limpava
a fachada próxima, vasculhando as bactérias que tentavam
arruinar a argamassa.

Levantei minha mão direita e bati com força tremenda


nas portas grossas e inflexíveis. A batida quase fez um som na
madeira, como se a porta engolisse tudo.

As portas rangeram.

Dividindo-se para se abrir.


Ninguém os abriu. Magia fez.

Eu reuni coragem para entrar e mantive minha cabeça


erguida. Eu nunca tinha estado aqui antes. Tudo o que eu
fazia no templo estava na escola e nos dormitórios dos
Dedicantes.

Este era um lugar muito diferente.

O Deus Perdido viveu aqui uma vez.

Com tanta reverência - e silêncio dos meus sapatos -


quanto pude convocar, caminhei para a frente.

E vi.

A enorme porta circular fluía com magia, os fios caindo


das alturas acima em magníficas cachoeiras de cor e luz,
piscando e dançando, rindo - acolhendo. Eu podia ver além
deles como se fossem um vidro pintado, as paredes cobertas
de murais e estátuas. O teto era uma cúpula, pirâmides de
degraus côncavos alinhados e uma abertura no centro
superior que deixava o sol ou a lua brilharem.

Uma voz masculina, dura. "Qual o significado disso?"

Eu girei em meus pés, para o arco dramático em frente à


porta principal. Mestre Dorian ficou ali, flanqueado por
Mestre Hedregon e Senhora Lunella.
Minha coragem quase fugiu, mas eu puxei de volta e
fiquei mais ereta. “Mestres, senhora. Eu sou acólita Kimber
Raven, professora na escola do templo. Tenho que relatar uma
ocorrência alegre e maravilhosa nas montanhas.”

"Isso não podia esperar até a manhã?" Os olhos do


Mestre Dorian reviraram em sua cabeça. Eu suspeitava que se
ele rolasse com mais força, ele poderia torcer.

“Mestre, eu sei que você não me considera muito pela


minha indecisão no meu caminho para a frente, mas a
montanha me chamou esta noite. Sua magia me chamou para
uma caverna abaixo.”

"A magia fala"

"Não assim", eu me atrevi a interrompê-lo. “Nunca gostei


disso. A montanha rachava abaixo e as paredes estavam
cheias de cristais. A magia ali era tão densa e rica. Suas
excelências, acho que o tempo de quebra chegou.”

Mestre Dorian revirou os olhos novamente e virou as


costas para mim, caminhando para a parte de trás do quartel.
“ Você é uma criança, senhorita Raven. Você não tem ideia do
que est{ falando.”

"Mestre Lunella", eu disse, inclinando-se respeitosamente


em sua direção. "Você vai me ouvir?"
Seu suspiro disse tudo.

"Mestre Hedregon?" Eu sondado.

Ele franziu os lábios.

Minhas narinas se dilataram. “Você não vai ouvir um


acólito de seu próprio templo? Eu não falo em hipérbole. Eu
não sou dado a histeria. Eu fui um servo fiel ao nosso povo.”

"Você é uma criança para nós", Mestre Dorian tirou a


distância. "Você não tem conhecimento de poder e magia que
até começa a rivalizar com o nosso."

Bundão pomposo!

“Excelência, eu...”

"Fique quieta, criança", a voz que interrompeu era calma


e profunda como o oceano.

Mestre Tymon entrou na rotunda de trás de seus colegas


mestres. Ele colocou um braço na Senhora Lunella e a guiou
para o lado, permitindo-lhe o acesso para deslizar na frente de
seu grupo. Ele me chamou com um dedo. “Venha para a
frente, jovem. Você diz que a montanha falou com você”?

" Chamou-me, mestre", eu o corrigi mesmo quando eu o


obedeci, avançando até que eu estava no comprimento do
braço.
"E o que você viu na caverna?"

“Cristais, senhor. Cores e luz dançando nas rochas. Meu


companheiro disse que podia ver a magia responder ao meu
riso através dos cristais.”

"E agora? O que você vê?" Sua mão varreu o vasto espaço
do corredor.

“Fios de magia, senhor. Milhares. Centenas de milhares,


alguns caindo da passagem acima, alguns aparentemente
vivos nos pisos e nas paredes ao nosso redor.”

"Você pode nos mostrar?"

Eu não tenho uma resposta. Eu não conseguia pensar em


uma maneira de mostrar a eles a mágica que eu podia ver
agora.

Um momento depois, a magia me contou como.

Um doce sussurro no meu ouvido.

Estendendo a palma da minha mão para cima, um fio


caiu ao meu toque e girou como um redemoinho em pó,
girando e girando, e juntando mais fio para si mesmo. Com o
outro dedo, toquei o vento rodopiante na minha mão. Era
suave e gentil, nada como o que um tornado deveria ser.
Trazendo meus lábios para perto do pequeno redemoinho,
respirei fundo e sussurrei: - Brilhe. "
Uma cascata de sinos cercou meu corpo enquanto a
magia corria. Descia do redemoinho, saindo no ar e criando
sua própria cachoeira. Em cascata até o chão, os fios
iluminaram cada um que tocaram e um novo som soou à bela
cacofonia.

Eu observei enquanto as cores e luzes da magia


brilhavam mais do que no momento anterior. Viajando pelo
chão, os fios pareciam pegar fogo quando alcançavam as
cachoeiras que cercam a rotunda. Uma explosão de luz elevou
os fios e, em breve, toda a sala estava acesa e os sinos eram
melódicos, doces e calmantes.

Eu inclinei minha cabeça para olhar para cima.

Mestre Dorian estava de repente ao meu lado.

Confusão e raiva dançaram em seus olhos.

Ele perguntou: "Como você está fazendo isso, acólito?"

"Eu escutei o que a magia me disse para fazer."

“Então você mentiu ou é burra demais para entender


uma pergunta simples. Está falando com você?”. Seus
penetrantes olhos azuis se estreitaram, e ele afastou o cabelo
loiro-branco da testa. "Você não é nada além de um pouco..."
"Dorian" Mestres Lunella levantou a mão. “Com todo
respeito à sua estação como o mais velho de nós, fique
quieto.”

Mestre Tymon assentiu para a senhora Lunella.

Eles estudaram minha pessoa da cabeça aos pés.

Eventualmente, o mestre admitiu: “Você é bem


conhecida por nós, minha querida. Um druida brilhante,
brilhante, mas não naturalmente talentosa. E agora você pode
fazer isso?”

“Senhor, sou tão oprimida quanto qualquer outra pessoa.


A montanha me chamou e eu respondi. A magia se tornou
mais forte desde o momento em que saí da caverna até a
minha chegada aqui.”

Mestre Dorian bufou com um aceno arrogante na minha


cabeça - quase me batendo com a palma da mão. “Você não
pode acreditar nesta criança, Tymon. É ridículo."

"Não é, Dorian", Mestre Tymon disse, sorrindo. Ele


voltou sua atenção em minha direção mais uma vez. “Veja, o
amigo de quem ela falou - que é Elex Everettson - entrou em
contato com a Geology Guild, que, por sua vez, entrou em
contato comigo para me informar que havia uma caverna que
precisava ser explorada. Pedi-lhes que enviassem vários
geólogos e dois de nossos magistrais para verificar essa
caverna e a alegação de nosso acólito.”

Mestre Tymon se virou para Dorian. Os mestres se


encararam silenciosamente, ambos pensando em silêncio no
outro. Mestre Tymon finalmente declarou: “Eu não tenho
medo do Tempo de Partir. Eu gostaria de receber isso. Já faz
muito tempo desde queda que vimos nossos irmãos e irmãs
vampiros. Está na hora."

Os olhos gelados do Mestre Dorian encontraram os


meus. "Dela. De todas as pessoas em S'Kir? Dela?"

Eu levantei uma sobrancelha, repreendendo, “A quem


você está fazendo essa pergunta, Mestre Dorian? Eu ou a
magia?

Ele não se incomodou em responder.

Soltando meu olhar, ele fixou suas vistas no Mestre


Tymon. "Você enviou alguém para inspecionar este lugar que
ela diz que chamou por ela?"

"Sim, eu enviei. Embora, Everettson seja um dos nossos


melhores geólogos treinados, e seu dom com magia é forte. Eu
confio em sua palavra e ele está no meu alcance. Por que você
não confia em um dos seus?” Mestre Tymon inclinou a
cabeça.
Mestre Dorian esfregou o queixo em pensamento.

Eu prendi a respiração, o ar queimando em meus


pulmões. Eu não estava com medo do Mestre Dorian.
Enquanto ele era meu professor e o mestre da escola, ele era
apenas geralmente... um idiota.

Mestre Hedregon continuou sua postura abafada.

"Eu confio nela", ele finalmente disse. "Se a sua equipe de


estudo foi a caverna, e ela afirma que está quebrando."

"Eles estarão relatando em apenas alguns minutos."

Eu lancei um olhar para o homem poderoso e teimoso ao


meu lado. Eu disse: "Eu ainda não entendo porque você não
aceita minha palavra, Mestre Dorian".

“Nós tivemos alegações histéricas antes. Assim como a


sua. Não vou tomar medidas com base na alegação de apenas
um professor acólito que, até poucos momentos atrás, mal
sabia usar magia.”

Mestres Lunella cruzou os braços sobre o peito. “Dorian,


você está sendo um idiota para com essa jovem mulher.

"Tivemos falsos alarmes".

"Não com ela." Sua testa se enrugou em decepção. “Você


não precisa fazer com que ela não se sinta assim importante!
Todos os nossos acólitos - imbuídos de magia ou não - são
importantes para a sobrevivência deste templo e desta escola.
Então, Mestre Dorian, respeite-a.”

Eu gostei de Mestres Lunella.

Meu coração parou uma batida, e o Mestre Dorian girou


nos calcanhares e saiu da rotunda, descontente com seus
ombros largos caídos.

Mestre Tymon e Mestres Lunella balançaram a cabeça e o


dispensaram. Voltando para mim, eles sorriram - e pude ver
que eles estavam genuinamente satisfeitos por eu ter vindo
até eles com a notícia.

"Você comeu hoje à noite, senhorita Raven?" Mestre


Lunella questionou.

"Sim senhora."

"Então, permita-me oferecer-lhe uma bebida." Uma mão


graciosa me indicou o santuário interior do Salão dos Mestres,
e não havia como recusar. “Vamos pelo menos esperar por
Lorde Everettson com conforto. Ainda h{ coisas para discutir”

A sala de estar, feita em tons de marfim e vermelho, e


apimentada com todos os tipos de cadeiras, chaises e sofás,
era um refúgio acolhedor e exuberante da enorme e ecoante
câmara do hall de entrada.
Eu estava em um espaço sagrado agora. Isso era algo que
eu não tinha previsto ou esperado. Pensei talvez em esperar
na rotunda ou na antecâmara. Não na sala de estar dos
mestres.

"Mestres Lunella." Eu me atrevi a colocar a mão em seu


braço e impedi-la de se afastar de mim. "Por favor. Se este é o
tempo de quebra, não é um momento apropriado para
começar as celebrações? Não as pessoas de S'Kir... “

O sorriso que ela me agraciou estava cegando. "Minha


querida. Se este é o tempo de quebra, nossas celebrações
alegres devem durar anos. O povo de S'Kir manteve o Deus
Perdido vivo. Que ele retornará para nós e nos reunirá é
motivo de alegria.”

Ela se inclinou para perto de mim, mas olhou para onde


o Mestre Dorian havia se plantado no canto. "Podemos até ser
capazes de tirar um sorriso do Mestre Dorian."

Minha risada escapou.


O motor do meu bebê ronronou pelas estradas sinuosas
de duas pistas de Japri. A pequena cidade podia ser vista no
vale de nossa altura, subindo até as montanhas, uma aldeia
não muito distante da estrutura de quando eu tinha me
deitado para descansar. Duzentos anos não tinham feito
muito pelos edifícios. Apenas a cor dos novos telhados verdes
e azuis eram as mudanças visíveis nas casas de pedra branca.
A pequena praça da cidade ainda abrigava um tribunal no
centro com uma torre de relógio pontiagudo. Os humanos se
moviam como formigas ao longo das estradas, prontos para
serem esmagados.

Se eles soubessem o que vivia nas montanhas ao redor


deles...

Eu diminuí a velocidade, puxando o pedal do acelerador


enquanto nos aproximávamos da fortaleza.
A floresta era mais luxuriante, as árvores robustas e
perfumadas. As folhas dançaram na brisa das horas do meio-
dia. Meu batimento cardíaco acelerou em cadência rápida, a
compulsão fazendo minhas mãos tremerem no volante. Os
pássaros cantavam alegremente a melodia acima, e os lobos
espreitavam em seus esconderijos abaixo. Eu pisei nos freios,
mastigando o cascalho sob meus pneus, enquanto um cervo
saía da floresta para o caminho.

Adelie se inclinou e descansou uma das mãos em cima


da minha. Ela apertou suavemente, sussurrando: - “Respire,
Gwen. Você vai ficar bem."

Quando ela tirou a mão da minha, eu estendi meus


dedos sobre o volante, meus olhos no cervo tomando seu doce
tempo para passar. “Esta ligação terminará assim que eu
estiver no castelo? Eles te contaram?

Ela limpou a garganta, seu tom calmo. "Eles disseram


que diminuiria consideravelmente, mas se você tentar sair
sem vê-los, então só vai piorar."

Eu rachei meu pescoço. "Maldito amuleto Original


vampírico."

Minha amiga concordou com a cabeça. “Essa besta de


joia não é nada para se mexer. Somente os mais antigos e
poderosos podem usá-lo. E quando os senhores fazem, ainda
lhes custam.”

"Eu sei", eu murmurei. O cervo finalmente sacudiu o


rabinho enquanto desaparecia nas árvores do outro lado da
estrada. Eu pressionei o pedal do acelerador novamente,
levando-nos ainda mais perto do nosso destino. “Eu não
posso nem imaginar o poder que os Originais tinham. Uma
pessoa para controlar a deles? Isso é fodidamente insano.”

Adelie bufou. “Então o druida Original assassinou nosso


vampiro Original< e apenas os senhores recém-nomeados
foram deixados para manejar o amuleto vampírico original.
Blá, blá. Eu juro que você está obcecada com os originais. E,
foda-se, um deles está morto!

Eu pisquei. “Eu não estou obcecada. Eu apenas acho


fascinante. Aquele druida original tomou o poder do nosso
vampiro original quando ele o matou. Nós não devemos
esquecer isso. Se você esquecer a história, então o seu futuro
está ferrado. Os druidas sempre serão uma ameaça para nós
por causa das ações de um homem.”

Ela acenou com a mão na derrota. "Sim, você explicou


isso muitas vezes."

Eu balancei a cabeça em sua atitude blasé, mas eu perdi o


interesse em tentar empurrar meus ideais sobre ela enquanto
o castelo aparecia. Meus interiores - meus órgãos - estavam
vibrando com a pressão de correr o mais rápido que pude
para a fortaleza. Então, naturalmente, eu levantei o pedal e
naveguei ainda mais devagar. Gerenciar o poder maior do
que o seu era sempre um jogo divertido que eu gostava de
jogar - uma bela tortura ao atingir seu objetivo.

O castelo era mais velho que eu. Nasceu da magia e


dedicação por Soberanos há muitos anos, cortesia do amuleto
original do vampiro. Havia alguns castelos como esses em
todo o mundo, mas os Senhores Supremos só viviam em um.
Este com seus majestosos redemoinhos de pedra preta
intimidando recém-chegados e mármore polido para impedir
a escalada.

Com o castelo construído na montanha, tudo que você


poderia observar era a frente.

Era ameaçador o suficiente, ninguém nunca se aventurou


dentro se não foi convidado.

Mordi meu lábio inferior, segurando o volante com mais


força. "Não há carros lá fora."

Adelie apontou instantaneamente para uma estrada


lateral. “Siga isso. Quando os veículos se tornaram normais na
vida diária, os suseranos criaram uma nova seção para a
fortaleza. Há uma garagem abaixo agora.
Eu girei o volante, seguindo as instruções.” H{ mais
alguma coisa nova?”

Seus olhos castanhos se iluminaram. "Temos uma quadra


de tênis coberta agora."

Meus lábios tremiam e uma risadinha escapou.


"Qualquer outra coisa nova que eu goste?"

Pequenos dedos tamborilaram na porta. “Bem< deixe-


me pensar. Há uma nova piscina coberta também - e a água é
sempre a temperatura perfeita. Oh! Há na área de treino agora
as mais recentes máquinas top de linha. Aposto que você vai
gostar disso.”

O sorriso que apareceu em minhas feições era amplo.


"Sim, acho que vou gostar disso."

Adelie sacudiu o dedo para a esquerda. “Desse lado na


bifurcação da estrada.”

"Para onde vai o outro caminho?"

“Cavalariças. Os soberanos não se livrarão disso.

Eu revirei meus olhos. "Aposto que Cato teve algo a ver


com isso."
Olhos castanhos correram na minha direção -
rapidamente - e depois para longe. “Falando do Lorde Cato.
Como você se sentiria ao vê-lo?

"Eu praticamente esqueci como ele se parece", eu


dissimulando.

Delicadamente, ela limpou a garganta. “Ele é seu pai


biológico, Gwen. E você não o viu para sempre. Eu sei que seu
abandono é difícil de pensar... mas você deve se preparar para
vê-lo antes de ir na frente dos cinco senhores. Você não quer
estragar porque ele é um deles.”

Eu dirigi meu bebê para a abertura ornamentada na


montanha. Instantaneamente, o carro mergulhou, nosso
destino para dentro das entranhas da fortaleza. Muito
parecido com o lugar onde meu pai realmente pertencia - no
chão. Para sempre.

Minha sanidade mental instantaneamente retornou com


força total quando a ligação se acalmou, como uma abelha
voando muito acima e pensando que você poderia ouvir
alguma coisa por perto. Eu disse calmamente: “Eu não vou
deixar esse desgraçado arruinar minha chance. Você não
precisa se preocupar com isso, minha amiga. Estou focado no
prêmio.”
Ela sorriu, mostrando os dentes retos. "E que prêmio
será."

A coroa. Isso realmente era tudo.

***

Adelie e eu nos arrastamos para o elevador, nossos


braços carregados de bagagem e sacolas de compras. Nós
batemos os lados repetidamente enquanto nós cambaleamos
pelo caminho passando por todos os carros de luxo. Eu mal
encontrei um lugar para estacionar, levando trinta minutos
sangrentos.

Eu grunhi quando nossos ombros ricochetearam


novamente. “Onde diabos est{ nosso serviço de cortesia? Se a
porra dos suseranos me quer aqui tão mal, por que alguém
não est{ aqui para nos receber?”

Câmeras estavam em todo lugar.

Não havia a menor chance de não saberem que havíamos


chegado.

"Aparentemente, ser um possível candidato não tem


muita influência."
"Não há nada", eu disse. "Isto é ridículo. Poderíamos ter
ficado no minúsculo hotel de Japri e recebido melhor
atendimento. ”

Adelie assentiu com a cabeça concordando. "Essa é a


verdade sincera".

Uma garganta masculina clareou atrás de nós, alto e


claro.

Como um, Adelie e eu puxamos nossas cabeças para trás.

Meus cílios tremulavam enquanto eu olhava. Droga.

A boca de Adelie ficou boquiaberta, e então ela


sussurrou: "Acha que eles nos ouviram?"

Todos os cinco senhores estavam de pé longe.

Diretamente ao lado do meu carro.

Um par deles até se inclinou contra ela, seus corpos


relaxados. Um par de braços cruzados sobre os peitos
musculosos. Algumas cabeças inclinadas. Um deles até se
sentou no chão da garagem com as pernas cruzadas. Cada um
estava vestido com calças pretas simples e camisas escuras.

E todos estavam olhando diretamente para nós.

Eu engoli em seco na garganta. "Sim, eles nos ouviram."


Adelie e eu ficamos no lugar, sem saber o que eles
estavam planejando fazer.

Ou o que eles queriam que fizéssemos.

Eles tiraram a decisão de nossas mãos...

Movendo-se como uma unidade, eles se afastaram de


nós.

E subiu a inclinação.

Eu mordi o interior da minha bochecha. " Filhos da


puta."

Lorde Xenon olhou para trás enquanto ainda se afastava.


Ele apenas levantou uma sobrancelha arrogante. O olhar
contou toda a história. Mesmo se eu me tornasse rainha, eles
ainda estariam acima de mim. Eles tinham feito seu tempo
como governantes, e eu não tinha feito nada a não ser existir o
tempo suficiente para ser chamado como um possível
candidato à regra. Ele voltou sua atenção para onde ele estava
andando, todos os cinco desaparecendo na esquina.

Minhas presas desceram. Eu gritei: “Fodidos! "

Eles podem ser egoístas. Mas eu também

Talvez fossemos um par perfeito para trabalhar juntos.


Adelie bateu no meu ombro quando ela gemeu,
voltando-se para começar a nossa jornada para o elevador
mais uma vez. Ela murmurou baixinho: - Tente manter-se um
pouco sob controle, Gwen.

Eu bufei. "Se eles estivessem perto o suficiente, eu teria


dado um soco em um deles."

"Isso é muito majestoso", ela resmungou, cheia de


sarcasmo. “Você pode muito bem não descompactar se você
entrar nessa atitude. Você vai sair mais cedo do que tarde.

Eu me virei e me arrastei atrás dela, tentando alcançá-lo.


"Bem. Vou manter meus punhos para mim mesmo, tanto
quanto possível.

"Eu realmente deveria ter colocado um terapeuta com


esse grupo." Ela suspirou.

“Viva e aprenda, minha amiga. Viva e aprenda."

Adelie se inclinou na cintura e usou o nariz para apertar


o botão do elevador.

Meus olhos se contorceram. "Acho que nós duas temos


algumas coisas em que poderíamos trabalhar."

Sua risada suavizou meu coração. “Oh, Gwen. Não h{


lições suficientes na Bíblia para nos ajudar. ”
O elevador apitou e a porta se abriu.

Estava cheio. De suseranos.

Eu pisquei em confusão, sem me mexer.

Então a porta se fechou depois que Cato - meu pai -


apertou um botão.

Adelie engasgou no ar. "Oh, isso vai ser divertido."

Eu deixei cair todas as minhas malas e bati nas portas do


elevador enquanto viajava para cima... e para cima. “Vocês
filhos da puta! Isso não foi engraçado!”

Minha amiga bufou. "Meio que era."

"Traidora", eu assobiei.

Ela apenas olhou para os números. Paciente. “Você


provavelmente deveria começar a pegar todas essas coisas. O
elevador não é tão lento. Na verdade, é relativamente rápido.”

Eu me inclinei e comecei a pegar itens do concreto


empoeirado. "Eu estou chateada."

"Sim, eu peguei isso."

Eu resmunguei e cambaleei para os meus pés, tentando


segurar todos os meus bens novamente.

Demorou cinco minutos para o elevador descer.


Por quê? Porque os números dançavam para cima e para
baixo. Para cima e para baixo. Para cima e para baixo.

Apenas quinze andares acima de nós. Ainda no enorme


estacionamento.

Eu estava fervendo com as palhaçadas dos suseranos.


Minhas presas brilhavam na iluminação horrível.

Adelie mal conteve sua alegria quando nós - finalmente -


entramos no elevador.

Ela piscou. E então começou a rir.

"Droga!" Eu gritei.

Cada botão foi pressionado, os números brilhando em


vermelho.

Como vários olhos de vampiro nos encarando,


totalmente energizados.

Adelie murmurou: - Bem, você consegue ver todos os


andares. Acalme-se.

Eu caí de volta contra a parede. E relaxei.

Eu não podia fazer uma cena no meu primeiro dia aqui.


Muitos vampiros estavam aqui. Vampiros que seriam meu
povo se eu me tornasse rainha.
Suspirei depois que paramos pela sexta vez. “Diga-me
que me deram um quarto que é meio decente. Por favor."

"Se eles não o fizeram, eu lhe darei o meu", ela


assegurou. “A última coisa com que você precisa se preocupar
é o seu quarto. Eu não vou ter isso. Você tem - nós
trabalhamos muito - para prepará-la para isso. Mantenha a
cabeça reta e você ficar{ bem.”

Mais fácil falar do que fazer. Mas eu daria tudo de mim.

Finalmente, quando entramos no meu quarto primeiro,


suspirei aliviada. Era um apartamento inteiro. Salas separadas
para entretenimento - pessoais e empresariais.

"Veja?" Adelie declarou com um sorriso no rosto. "Isso é


legal."

"É", eu concedi. Deixei minhas malas e bagagem no


carpete macio. “Eu posso fazer isso, Adelie. Eu posso. Eu sei
disso."

Essa coroa seria minha. Meu trono. Meu povo.

Eu seria rainha.
Eu enfiei a cabeça para fora da minha porta e olhei para a
esquerda e para a direita. Ninguém estava à vista... nem
mesmo minha melhor amiga. Perfeito. Eu escorreguei para
fora do meu quarto, depois que desembalei meus muitos
pertences novos. Eu tinha uma pessoa que queria ver neste
castelo de rock. Eu só precisava descobrir como encontrá-lo
sem alertar a ninguém que eu estava procurando por ele.

Eu andei com propósito por corredores.

Esta era a seção real do castelo.

Isso me lembrei.

Por incrível que pareça, não precisei de muito tempo.

Eu parei de repente em minhas trilhas em uma pequena


alcova esculpida na rocha. O homem que eu estava
procurando estava sentado em um banco curvo cortado na
montanha. Uma almofada carmesim de pelúcia repousava no
topo do banco para o conforto. E o banco foi feito para duas
pessoas, espaço suficiente para eu me sentar ao lado dele.

O soberano não olhou para cima de seu livro enquanto


eu caminhava para frente com passos hesitantes - mesmo que
ele soubesse muito bem que eu estava olhando para o topo de
sua cabeça. Seu cabelo ruivo cresceu desde a última vez que o
vi mais de duzentos anos atrás. Suas mechas estavam rebeldes
em torno do rosto acidentado e abatido - ótimo demais para o
bem dele. Eu sabia que um respingo de sardas pontilhava seu
nariz e a curva de suas bochechas.

Meu último amante. Que me deixou pela coroa.

Sentei-me silenciosamente ao lado dele.

Só então, colocou o livro no colo e parou de ler. Ele


esperou em silêncio, nenhum de nós olhando um para o
outro. Nós dois nos sentamos de frente com as mãos no colo,
quietos em nossos próprios pensamentos.

Eventualmente, eu disse suavemente: "Você guardou um


lugar para mim."

Ele cantarolou baixinho. “Eu sabia que você viria. Nós


deixamos muito não dito.”
Eu mexi com meus dedos no meu colo e olhei para eles,
pegando minhas unhas. Só tenho uma pergunta que quero
que seja respondida por você, Lorde Pippin.

"Eu te devo muito." O soberano recostou-se contra a


parede da caverna, relaxando ainda mais. "Eu provavelmente
devo mais a você, Gwen, se eu for honesto comigo mesmo."

Eu limpei minha garganta e levantei minha cabeça. Eu


virei meu olhar azul em seus olhos castanhos, não vacilando
sob sua consideração direta e inebriante. Eu me importei
profundamente com esse vampiro uma vez - e ainda doía.

Mas eu mantive o assunto em questão. Eu questionei:


“Valeu a pena? A coroa?"

Suas bochechas estufaram quando ele soltou um suspiro


pesado. "Sim. Sim, vale a pena.

"Acima de tudo?"

Os olhos de Lorde Pippin se moviam para a frente e para


trás entre os meus, resolutos em sua postura - e muito mais
frio do que jamais estivera antes de ser um rei. "Sim. Vale a
pena tudo.

Por quanto tempo ficamos olhando um para o outro no


silêncio resultante, não consegui dizer. O tempo simplesmente
passava em uma contagem interminável que nenhum de nós
estava disposto a quebrar.

Um lado dos meus lábios se curvou nas bordas. "Você


mudou. Est{ tudo em seus olhos.”

Sua risada foi tranquila. “Meu reinado como rei não foi
tão longo quanto alguns, mas me manteve ocupado por
algumas centenas de anos. Eu aprendi mais do que jamais
sonhei ser possível. Experimentei ainda mais loucura.” Sua
cabeça de cabelos ruivos se inclinou para mim. "Como você
poderá também se se tornar rainha."

Sentei-me no banco e apontei para o livro em seu colo.


"Eu te dei isso."

"Eu sei. Eu estava me sentindo sentimental, suponho.”

Eu cutuquei o velho tomo. "Estou surpresa que tenha se


mantido tão bem."

"Bem, eu nunca gostei da história." Ele bufou baixinho.


"Mas você deu para mim, então eu guardei."

Eu me inclinei e beijei sua bochecha suavemente. Então


me levantei e olhei minhas calças - não havia uma mancha
nelas. "Foi bom vê-lo novamente, Lorde Pippin."

"E você também." Seus olhos castanhos dançaram com


um divertimento malandro. “Tente não causar muitos
problemas enquanto você ainda é apenas uma candidata
possível. Tudo bem, Gwen? Você não quer ser expulsa antes
mesmo de ter uma chance.”

Eu encolhi os ombros. "Vou tentar."

De repente, foi um soberano olhando para o meu olhar,


todo o seu humor anterior desapareceu em um piscar de
olhos. “Tente muito, Gwynnore. Esse é meu único aviso para
você.”

Eu engoli em seco na garganta. Eu sussurrei


asperamente: “Sim, você definitivamente mudou. Bom dia,
Lorde Pippin.” Então me virei e fui embora, eu não conhecia
mais esse homem.

***

Eu percorri os corredores, tentando me familiarizar com


o layout, e, mais ainda, tentando esquecer o homem que eu
conheci. Ambos aconteceriam com o tempo. Isso era tudo que
um imortal tinha... Hora de mudar. Hora de passar. Hora de
prosperar.
Ainda perdida em meus próprios pensamentos,
encontrei uma pequena cozinha no final da área real, a área
isolada para todos os outros que vivem na fortaleza. Meu
nariz inadvertidamente me levou até aqui, os cheiros divinos
jorravam no espaço. Meu estômago roncou quando entrei na
adorável cozinha.

"Não. Foda-se não”. Lorde Otto enfiou um dedo na


entrada que eu acabara de passar. “Você não é permitido aqui.
Ainda não."

Eu parei no meu caminho. "Oh"

Todos os Senhores Supremos, menos uma certa ruiva,


estavam sentados ou de pé ao redor da cozinha, mastigando
algum tipo de macarrão com molho apimentado.

Mais uma vez, meu estômago roncou. Mais alto.

O cabelo preto e curto de Lorde Xenon brilhava sob a luz


forte. Sem inflexão em seu tom, ele ordenou: - Pare de ficar aí
como um cachorrinho perdido. Inversão de marcha. Sair. Você
sabe como fazer isso, certo?

O look de surfista de Lorde Otto, cabelos loiros e olhos


azuis, estavam enganando enquanto ele se levantava de sua
cadeira em crescente agitação. Ele estalou os dedos na frente
do meu rosto com força. “Ol{, Gwynnore. Você pode nos
ouvir?"
"Sim", eu murmurei.

"Então, dê a porra de um jeito de sair do nosso espaço."

"OK." Ainda assim, fiquei lá por um momento longo


demais.

A cabeça do Lorde Belsazar se inclinou para o lado


enquanto ele engolia uma refeição, o longo cabelo preto
roçando o ombro esquerdo. Ele descansou um quadril contra
o balcão. "Você já teve problemas, Gwynnore?"

As palavras de Lorde Pippin assombraram meus


pensamentos.

Problema. Eu não poderia causar problemas ainda.

"Não." Eu rapidamente me virei e corri para a porta. Mas


eu parei de frio... quando meu pai ficou no meu caminho. Eu
olhei em seus olhos castanhos. Seu cabelo preto e liso como o
meu, brilhando sob a luz, mesmo que ele mantivesse seu curto
e o meu fosse longo. Limpei a garganta e falei com meu pai
pela primeira vez em quase mil anos, minha voz mais
arrepiante que já havia soado: - Estou saindo, Lorde Cato. Se
você se movesse para o lado...

Ele não se mexeu quando ficou com a tigela de comida


gostosa diretamente debaixo do meu nariz. “Eu acho que você
está mentindo. Seu comportamento mudou completamente
desde a última vez que vimos você. E não é realmente para
melhor.”

Minhas narinas dilataram com fúria.

Eu precisava sair antes de dizer qualquer coisa horrível.

Eu girei em torno dele e saí rapidamente.

Como se ele desse a mínima para mim.


Convocada. Eu fui Convocada.

Já era hora.

Eu saberia hoje se eu fui escolhida para o Noviciado2 da


Rainha.

Adelie se apressou em perguntar: - Tem certeza de que


não quer que eu pegue um doador de sangue antes de ir?
Você poderia tomar um gole e depois conhecer os suseranos.

"Tenho certeza." Eu saltei no lugar, empurrando o


excesso de energia para longe. "Se eu for para lá embriagada,
não ajudaria em nada." Eu tive que jogar legal até que fosse
escolhida como candidata.

2
Noviciado é o período da formação de um religioso ou de uma religiosa que precede a emissão de seus
votos.
No dia passado, desde que eu cheguei, os senhores de
sobrolho se tornaram uma dor na minha bunda.

Jantar ontem à noite?

Oops, minha comida foi uma batata frita dura.

Café da manhã esta manhã?

Droga. O cozinheiro saiu correndo.

Hora do almoço?

O quê? O que é o almoço? Ninguém tinha ouvido falar disso.

Adelie ficou horrorizada e envergonhada também. Ela


foi tratada da mesma forma que eu.

Então eu não os ofenderia mais até saber que eu era a


única candidata. Eu os respeitaria, pois eles deveriam ser
respeitados. Meu ego estava no banco de trás enquanto meu
cérebro fazia o show pelo resto da noite. Algumas horas não
foram um problema. Crescendo na casa do meu avô, com
elitistas em abundância entrando e saindo, eu aprendi a jogar
o jogo em uma idade jovem.

Eu olhei para o relógio na minha mesa de cabeceira. Mais


um minuto antes de precisar sair. Minha atenção voltou-se
para a minha amiga, e pedi pela centésima vez: "Estou vestida
adequadamente para isso?"
O convite apertado em sua mão estava enrugado de seus
próprios gestos nervosos, mas ela ergueu-o no ar. "Mais uma
vez, diz traje casual para os possíveis candidatos."

Eu me olhei no espelho e passei meus dedos pelo meu


cabelo preto.

Meu novo jeans de couro preto e suéter de cashmere


preto simples era casual. As armas amarradas às minhas
pernas não eram, mas eu não iria a lugar nenhum sem elas. Eu
estava deixando minha espada para trás, trancada no meu
armário. Era simples e guerreiro-chique, como sempre fui.

Minhas botas pretas... podem ter laços pretos brilhantes,


mas eu precisava de um pequeno flash.

As armas nos coldres não contavam.

Minha maquiagem foi feita por dedos experientes - de


Adelie.

Eu ou me assemelhava a um modelo enlouquecido ou a


um soldado que se tornou fraco.

Eu gostei dos dois casos.

Eu posso compensar em excesso minha roupa às vezes.


Eu sabia disso. Eu tinha apenas um metro e sessenta
centímetros de altura, e minha estatura mais baixa sempre me
incomodava. Adelie era minha única conhecida que era mais
baixa do que eu, com uma grande altura de um metro e meio.

Eu corri meus dedos pelo meu cabelo mais uma vez.


"Hora de ir."

Adelie me abraçou em um abraço rápido. "Você tem


isso."

Eu puxei uma grande quantidade de oxigênio para o


pulmão, inalando seu cheiro. "Eu faço. Eu tenho isso.

Então eu saí pela porta do meu apartamento em um


piscar de olhos, não olhando para o rosto esperançoso e
determinado de minha amiga. Se eu não cumprisse esse
objetivo, não só ficaria arrasada por ter que esperar
novamente, mas também por Adelie. Eu não poderia ser um
fracasso.

Meus passos foram medidos e precisos enquanto eu


caminhava pelos corredores da fortaleza. Fotos, modernas a
antigas, pendiam das paredes negras. A iluminação silenciosa
era íntima e natural para os sentidos. Salões ou cadeiras
errantes se alinhavam nos corredores para qualquer propósito
que um vampiro pudesse desejar - prazer ou negócios. A
grande escadaria era uma curva caótica e recuou, apenas para
torcer novamente, o suficiente para encobrir a mente.
Quando meus pés pousaram nas enormes portas do
saguão, eu as mantive em silêncio. Esta área ecoou, todo o
caminho até o castelo, o teto tão alto que nenhum olho
humano podia ver o topo. Grandes janelas emolduravam a
porta - portas de madeira negras destinadas a estar em um
conto de fadas com gigantes - até sete andares. A iluminação
estava pendurada nas paredes de pedra, projetando sombras
de um lado para o outro.

Soltei um suspiro trêmulo e continuei minha jornada.

Muitos vampiros passaram. Alguns em telefones


celulares, mais limpando o sangue de suas bocas.

Os quartos móveis não estavam longe. Pequenos cortes


seriam feitos por qualquer um que quisesse.

Meus dedos se agitaram ao meu lado. Quase lá. Quase lá.

Mais seis corredores e a área se acalmou.

Cavernas privadas de suseranos estavam nesta seção.


Até os escritórios deles estavam por perto.

Eu parei na porta distante. Este era o quarto.

Eu levei um momento para me recompor antes de virar a


maçaneta.
Eu olhei para dentro, meu estômago caindo e fúria
queimando na minha garganta.

Essa. Filho da puta. Bastardos

Todos os olhos se voltaram na minha direção.

Quatro outras candidatas possíveis estavam diante de


um palanque. Os soberanos descansavam em suas cadeiras
ornamentadas no topo de uma área elevada, quatro
comprimentos de corpo mais altos do que eu do chão. O
espaço ecoou tanto quanto o foyer quando eu fechei a porta
com falsa calma atrás de mim. Esta era uma verdadeira
caverna no fundo de uma montanha, o cheiro de pedra úmida
e sujeira atacava minhas narinas.

E os suseranos eram filhos da mãe bastardos porque o


convite deles tinha mentido.

As quatro candidatas possíveis estavam vestidas com


seus melhores trajes.

Mesmo os suseranos estavam apenas em ternos pretos


combinando.

Glitter e manchas de cores vibrantes e escuras marcaram


a sala com os elegantes vestidos femininos. Eles eram
gloriosos e deslumbrantes, estrelas na noite, seus lábios
vermelhos como o sangue e cabelos perfeitamente penteados.
O único brilho que eu tinha para mim seriam os meus
cadarços.

Meus olhos queriam se estreitar e minhas presas queriam


descer.

Eu mordi tudo de volta, engolindo minha fúria.

Gradualmente, olhei para os senhores e abaixei a cabeça


para eles.

Bem. Eles estavam acima de mim. Figurativamente... e


literalmente agora.

Eu caminhei com confiança moderada, apenas a


quantidade certa, para ficar ao lado das mulheres.

O Lorde Belsazar estava sentado na extrema esquerda,


em ordem de idade. Ele era o mais velho.

Lorde Xenon ao lado dele.

Lorde Cato - pai idiota - estava no meio.

Lorde Otto o seguiu.

E por último, mas não menos importante, Lorde Pippin


no fim da fila. O mais novo.

Lorde Belsazar tinha uma história de ser astuto e


carinhoso. Lorde Xenon sempre foi um mistério, nunca
deixando suas emoções transparecerem. Meu pai era apenas
um idiota - e tinha governado com um polegar de ferro. Lorde
Otto se orgulhava de sua inteligência, um estudioso. E o
Lorde Pippin aproveitou a vida ao máximo, robusto e ávido
por mais aventura.

Meu olhar varreu-os, tentando descobrir quem seria


engraçadinho que mentiu no convite. Porque, obviamente, já
estavam aqui a algum tempo me esperando. O indivíduo
queria me humilhar, testar se eu aprendi minha lição ou se
reagiria com força.

Se eu fosse uma mulher de apostas, meu dinheiro seria


em Lorde Xenon. Senhor do mistério.

Na verdade, foi ele quem se inclinou para a frente em


sua cadeira. "Que bom que você finalmente apareceu."

Eu teria ganho muito em um cassino.

Em vez de reagir com raiva, abaixei minha cabeça mais


uma vez. "Minhas desculpas, Lorde Xenon."

Ele bufou baixinho e descansou de volta em sua cadeira


almofadada e de pedras preciosas. Sua atenção acabou se
voltando de mim, permitindo que seus olhos examinassem o
grupo de mulheres. Lorde Xenon explicou calmamente:
“Todas vocês sabem porque estão aqui. E eu tenho certeza de
que todas se conhecem, mesmo que não seja amigável uma
com a outra. Então, por favor, alinhe-se por ordem de idade.
A mais velha à nossa esquerda, a mais jovem à nossa direita.

Eu olhei ao redor do grupo, pela primeira vez dando


uma boa olhada em como elas realmente eram versus como as
quatro estavam vestidas. Lorde Xenon estava correto. Eu
conhecia todas essas mulheres. Como eu não poderia? Todas
eram bem conhecidas e eram as vampiras mais velhas que
restaram no planeta Terra - que já não eram rainhas prévias, já
que não podiam governar mais de uma vez, apenas com seu
rei. Era exatamente quem deveria estar aqui, pela lei, para
defender a posição da rainha.

Anna era a mais velha. Muito mais velha que eu.

Ela foi para a esquerda.

Cleo estava mais próxima de sua idade.

Ela estava ao lado dela.

Um pouco surpresa, eu era a próxima< o que significava


que algumas vampiras haviam morrido desde a última
coroação. Eu não tinha sido convidada para isso.

Eu fiquei no meio. Irônico, minha posição me colocou


diretamente na frente do meu pai.

Hortênsia era alguns séculos mais nova que eu.


Ela ficou no meu outro lado.

Deborah era a mais nova.

Ela andou até o fim.

Silenciosas, nós olhamos para a fila. Nós esperamos.

Lorde Belsazar levantou-se da cadeira e caminhou com


confiança para os degraus nas costas do tablado. Ele
caminhou para ficar diante de nós, seus olhos nunca deixando
o nosso grupo. Uma vez que ele estava centrado entre os
outros senhores e nós, ele explicou calmamente: “Vocês duas
já estiveram aqui antes, mas três são novas. Então vou
explicar. A maneira como um Noviciado da Rainha é
escolhido acontece em duas partes. Vou perguntar a mais
velha se ela quer ser a candidata. Se ela disser sim, então os
Soberanos decidirão se ela é a escolha correta. Se disser não,
então passaremos para a próxima da fila. Vocês entendem as
regras, que são leis?

"Sim, Lorde Belsazar", afirmamos.

“Uma vez escolhida a candidata, o primeiro desafio é


dado aqui. Se aquela mulher falhar no primeiro teste, então
imediatamente passaremos para a próxima mulher e
começaremos de novo. Vocês entendem as regras, que são
leis?
"Sim, Lorde Belsazar", respondemos.

Minhas mãos começaram a transpirar e eu cerrei meus


punhos nas minhas costas.

O Lorde assentiu uma vez. "Além disso, uma vez que


você sair desta sala, a compulsão que usaram para chegar até
aqui desaparecerá." Sua atenção voltou-se para a mulher no
final. “Anna, o que você diz? Você quer ser a candidata?

Eu olhei para o perfil dela, observando cautelosamente.


Minhas unhas cravaram nas minhas palmas.

Ela olhou diretamente, sem olhar para ele. “Com muito


respeito, Lorde Belsazar, eu recuso mais uma vez. Não
poderei realizar todos os julgamentos requeridos pelo
Noviciado da Rainha.

Ele suspirou baixinho. “Nenhum desrespeito levado. Os


soberanos respeitam sua escolha.

Minhas sobrancelhas se juntaram quando me endireitei.

Por que Anna não seria capaz de realizar as provações?

Ela era uma vampira maravilhosa. Não fazia sentido.

Os julgamentos eram ainda mais terríveis do que eu


previra?

E droga, quem foi que contou a ela o que eles eram?


Eu queria essa informação também.

Embora, com outra espiada, não acreditei que ela me


contasse.

Sua mandíbula era tão dura quanto granito, seus olhos


parecendo aço.

Um espécime perfeito de lealdade à lei.

Lorde Belsazar voltou sua atenção para o próximo mais


antigo. “Cleo, o que você diz? Você quer ser a candidata?”
Seus olhos eram expectantes, oniscientes... e repentinamente
gentis.

Cleo limpou a garganta, olhando diretamente em seu


olhar. “Com muito respeito, Lorde Belsazar, eu recuso. Eu
pretendo tomar meu sono eterno em breve para se juntar a
minha alma gêmea.

Ele assentiu gentilmente. “Lorde John está perdido por


todos. Os soberanos respeitam sua escolha.”

Eu fiquei piscando como um idiota. Foi o que aconteceu


quando você entrou no Sono. Ocasionalmente, você perdeu as
grandes novidades, como um raro acasalamento de almas. Eu
nem sabia que Cleo não era mais casada com seu
companheiro anterior, seu marido.

Todas as mulheres se viraram para ela e a abraçaram.


A declaração de um sono eterno para sempre. Ela acabaria
com ela mesma.

E ainda assim, enquanto todas as mulheres


murmuravam sobre sua escolha, algumas lágrimas
escorrendo por suas bochechas, tudo que eu podia fazer era
ficar parada no lugar. Eu pisquei repetidamente, não vendo
nada antes de mim. Meus sonhos de governar o povo
vampiro... estavam bem na minha frente com os dois mais
antigos em declínio. Eu respirei fundo e balancei a cabeça,
limpando a brilhante joia da possibilidade real do meu olhar.

E, tardiamente, percebi que estava olhando direto nos


olhos do meu pai bastardo.

Calma como uma pedra caída, ele estava olhando para


trás.

Todos os senhores estavam olhando diretamente para


mim, ignorando as mulheres consolando Cleo.

Eu fiquei sozinha. Sozinha de qualquer outra pessoa.

Minha vida em poucas palavras.

Exceto pela minha única amiga verdadeira. Eu sempre


tive ela.

Eu pisquei quando os lábios de Cato se contorceram.


Ele sabia que eu estava de volta da minha alegria mental.

Lorde Otto falou em voz alta: “Todos de volta na fila.


Guarde suas palavras para mais tarde.”

As mulheres correram de volta para seus lugares em


ambos os lados de mim.

Limpei a garganta e fiquei alta - ou o mais alto que pude.

Foi a minha vez. Meu trono para vencer. Meu pessoal para
liderar como eu quisesse.

Ah, e o bem que eu poderia fazer por eles.

Eu iria protegê-los com toda a inteligência e poder que


eu tinha.

Lorde Belsazar voltou sua atenção para mim, seus olhos


nunca deixando os meus. “Gwynnore, o que você diz? Você
quer ser a candidata?” Esse olhar brilhou, j{ antecipando
minha resposta.

"Eu faço, Lorde Belsazar." Meu queixo se levantou,


minha voz firme. "Eu gostaria de ser o Noviciado da Rainha."

Ao meu lado, Hortênsia respirou fundo.


Desapontamento irradiava dela em ondas. A mulher queria o
lugar... e queria que o mau cheiro de sua agressão dissesse a
verdade.
Eu não me incomodei olhando em sua direção. Meus
olhos eram para os suseranos.

Eles decidiram agora se eles me queriam.

E, até agora, não acredito que os tenha impressionado.

Os lábios do Lorde mais velho se contorceram em um


sorriso torto. "Os senhores respeitam sua escolha." Ele baixou
a cabeça para mim, olhando sob seus cílios. "E os suseranos
aceitam você."

Meus olhos se arregalaram em choque - não podia ser


verdade.

Eles nem sequer se reuniram para falar sobre isso...

A menos que eles já tivessem. Bastardos astutos.

Eu engoli meu grito de alegria, mal conseguindo ficar no


lugar. Com um tom sereno, murmurei: - Obrigada, soberanos.
Vocês me alegram com sua aceitação.

E eles fizeram. Não foi apenas Adelie ou eu que pensei


que seria uma excelente rainha. Foram os indivíduos mais
influentes e poderosos da nossa raça que também pensaram
assim.

Até onde eu sabia, nenhum deles sabia que Cato era meu
pai. Eu mantive isso privado.
Isso foi tudo de mim. Foi a minha hora de brilhar.

O Lorde Belsazar me fez um gesto para que eu me


apresentasse. “Seu primeiro desafio acontece agora. Por favor,
venha ao meu lado.”

Eu puxei minhas mãos das minhas costas e tentei andar


com uma calma forçada. Eu esperava que estivesse
conseguindo. Minha excitação mal foi contida. Eu precisaria
começar a agir em breve, esperançosamente, quando a
adrenalina deixasse meu sistema.

Parei ao lado dele e olhei para cima, esperando


pacientemente.

Ele abriu uma fenda dentro do estrado de pedra.


Pequeno e funcional, abriu-se facilmente.

Um túmulo antigo estava lá dentro. O couro marrom se


desprendeu apesar da magia que crepitava em torno do
enorme livro. As páginas tinham ficado amareladas com o
tempo e a espinha estava se quebrando.

Com dedos cuidadosos, o Lorde levantou o livro de seu


lugar oculto.

Ele folheou algumas páginas até que ele parou. Seus


olhos encontraram os meus.
“Noviciado da Rainha, o seu primeiro Desafio é
concordar com esses ensaios listados.” Lorde Belsazar
manobrou para ficar ao meu lado novamente para que eu
pudesse ver o texto. "É soletrado assim você poderá ler a
língua antiga."

Eu me inclinei para mais perto dele e fiquei na ponta dos


pés para ver completamente a página.

Surpreso, ele grunhiu e dobrou os joelhos, abaixando o


livro para minha pequena altura.

"Obrigada", eu sussurrei, e meus pés ficaram no chão


novamente.

Com a mesma calma, ele respondeu: “De nada. Agora


leia."

Eu inclinei minha cabeça, estudando as palavras. Foi


tudo uma confusão de rabiscos... até que não era mais.

De repente, eu pude ler claramente, a magia


funcionando.

Houve cinco tentativas. Cada um muito diferente.

Eu não falei, lendo eles. Várias vezes.

1 Aceita
2 Rei

3 Segredo

4 Verdade

5 TERMINAR

Minhas sobrancelhas franziram em confusão. Por que é o


número cinco está em maiúscula?

"Calma," Lorde Belshazzar estalou, me cortando antes


que eu pudesse dizer demais. Toda bondade desapareceu de
suas feições quando ele se endireitou em toda a sua altura. Ele
fechou o livro, as narinas dilatadas. “Gwynnore, o que você
diz? Você aceita as provações?

Fechei meus olhos, correndo pela minha mente


novamente.

Por que TERMINAR está em maiúscula?

Era extremamente estranho.

Meus olhos se abriram e vagaram para onde Anna


estava.

Seu olhar passou em minha direção, parou, então


rapidamente desviou o olhar.
Quaisquer que fossem as provações, seriam brutais.

Isso eu sabia.

Eu respirei fundo quando os dedos seguraram meu


queixo, puxando meu rosto para frente e arrancando minha
atenção da outra mulher. Eu bati nos dedos e rosnei: "Que
diabos?"

Cato apareceu diretamente ao meu lado sem que eu


sequer o ouvisse. Seus dedos agarraram meu queixo com mais
força, picando minha carne. Mas suas palavras eram legais e
compostas, até mesmo seu significado era tão brutal quanto
seu toque. "Ninguém - passado, presente ou futuro - pode
revelar segredos das provas a outros candidatos." Um aperto
forte do meu queixo. “É punido com a morte. Para ambas as
partes envolvidas.

Em um flash, eu empurrei seu peito. Cruel e duro, bem


no seu diafragma.

O idiota nem deu um passo para trás, mas ele soltou meu
queixo. Cruzou os braços e empinou a ponta do nariz para
mim - aquele nariz era o meu nariz. Atrevido e reto,
perfeitamente colocado no rosto. Suas sobrancelhas se
levantaram lentamente, falando ainda mais gradualmente:
"Você entende, Gwynnore?"
Eu dei um passo para trás, permitindo que as pontas das
minhas presas aparecessem. "Não me toque de novo."

Lorde Belsazar suspirou pesadamente e andou entre nós,


seus olhos só para mim. "Responda a sua pergunta,
candidata."

Eu engoli meu orgulho e assenti. "Sim, eu entendo."

Porra, eu não ia perguntar a ela.

Foi uma reação instintiva olhar para ela.

Cato se virou e foi embora, de volta ao estrado.

Ele era bom nisso. Indo embora.

Idiota.

Lorde Belsazar esperou até que o outro Lorde se sentasse


antes de me perguntar mais uma vez: - Gwynnore, o que você
diz? Você aceita as provações?

Eu inalei e exalei devagar. Eu inclinei meu rosto para ele.


"Eu faço, Lorde Belsazar."

Desta vez, ele olhou para os outros senhores.

Lorde Xenon assentiu, seus olhos nos meus.

Lorde Pippin assentiu enquanto avaliava suas unhas.


Lorde Otto balançou a cabeça, com a mandíbula
apertada.

Lorde Cato assentiu com a cabeça uma vez. Bocejou.

A atenção do Lorde Belsazar voltou para mim. “A


maioria concorda. O Conselho está satisfeito com o resultado.
Você passou seu primeiro desafio.”

Meu gole foi audível. A maldita garganta estava seca.

O Lorde mais velho se virou para as outras mulheres.


“Senhoras, obrigada por virem. Vocês podem ir agora."
Rápido e eficiente. Quando as mulheres saíram da sala, a
atenção do Lorde retornou para mim. Ele afirmou
factualmente: “Nós estaremos assistindo. Sugiro que você siga
as ordens do Lorde Cato e evite rastrear Anna.

Tudo bem. Eu era o Noviciado da Rainha agora.

Minha civilidade desmoronou de alegria.

"Foda-se, bastardos", eu rosnei e comecei a marchar em


direção à porta. "Eu não ia perguntar nada a ela, e tudo o que
você está fazendo está me irritando."

O Lorde Xenon disse: "Eu me perguntava quando


veríamos seu verdadeiro lado novamente".
Eu me virei e apontei um dedo afiado para ele. “Eu não
gostei de você mexer com o meu convite. Eu estava tentando,
caramba. E você foi e fodeu tudo.”

Nenhuma expressão, nem mesmo um pouco de crack.


"Esse foi o ponto, candidato."

Lorde Otto sorriu, acrescentando: "Quanto você pode


aguentar antes de quebrar?"

Eu bufei e joguei meus braços bem abertos. “Eu sou a


melhor vadia que vocês já tiveram aqui. As três últimas da
rainha, embora bonitas e elegantes, não faziam nada para o
nosso povo. E você sabe disso. Então pare de empurrar e eu
farei o mesmo. Mas se você não... você começa a diversão
Gwen!”

Com isso, virei meu calcanhar e bati a porta atrás de


mim.

Idiotas arrogantes.
"Você foi escolhida? Você foi escolhida? Você foi escolhida?"
Adelie atacou.

Eu fechei a porta do meu apartamento atrás de mim


gentilmente...

Um sorriso de merda se espalhou pelas minhas feições, e


eu gritei: “Eu fui escolhida! Meu Deus. Eu sou o noviciado da
rainha!

Adelie gritou junto comigo, jogando os braços sobre


meus ombros.

Eu a peguei e a girei dando voltas em círculos rindo.

Então eu a joguei diretamente no traseiro dela,


ignorando seu olhar inicial, e baixei a voz o mais baixo que
pude, tentando imitar os senhores. “Ouça, moça, você mal
começou. É melhor você se comportar ou sair{ daqui!”

Ela riu e abaixou a cabeça em uma reverência falsa, "Oh,


meus graciosos e fabulosos e sensuais Lordes, eu devo me
esforçar para beijar seus preciosos pés e limpar suas belas
bundas como a mulher humilde que eu sou."

Minha cabeça inclinou para trás enquanto eu ria.


Lágrimas se formaram no canto dos meus olhos. Eu segurei
meu estômago quando começou a ceder, mas continuei rindo.

Adelie se levantou e levantou as duas mãos no ar, sua


voz cheia de segurança e convicção. "Eu te disse! Eu sabia que
você conseguiria isso. Você vai ser a melhor rainha do mundo.

Também levantei minhas duas mãos e a cumprimentei


com entusiasmo. "Você pode apostar sua bunda porque eu
sou."

Ainda sorrindo como uma tola, ela desabou na cadeira


ornamentada da sala de estudos, suas mãos voando no ar com
excitação. “Então me conte tudo sobre isso. Foi tudo como
você achou que seria?

Minha cabeça inclinou em pensamento. Eu levei um


momento para considerar isso enquanto me sentava na
cadeira ao lado da mesa. Eu bati meu pé e mexi meus ombros.
“Na verdade, foi. Foi estimulante e interessante e cheio de
intrigas políticas. Assim como nós sempre imaginávamos que
seria. Aqueles malditos senhores são muito espertos para o
seu próprio bem.

Suas sobrancelhas se levantaram. "Muito ego?"

"Possivelmente. Mas acredito que alguns são bem


merecidos. Eles são mais desafiadores do que eu pensava que
seriam.”

Um dedo aponta na minha direção. "Ah, ego demais."

"Provavelmente", eu concedi. "Mas eles com certeza


sabem como ficar sob a minha pele."

"E isso...", ela jogou as mãos para o ar, "... é o que é ser o
candidato oficial. O trabalho deles é te irritar. Eles precisam
saber do que você é feita.

"Eles definitivamente estão vendo o meu lado mal-


intencionado." Meus lábios se contraíram.

Minha amiga me olhou de lado, seus lábios afinando.


"Eu ainda quero saber?"

"Eu diria que não", eu evitei. Eu bati meus dedos na


minha mesa, olhando para a tela preta do computador.
Hesitei e depois resmunguei: “Esses testes vão realmente me
testar. Eu tenho essa sensação de que isso não será bom.”
Ela cantarolou suavemente, seus olhos castanhos
captando os meus. “Não ser{ f{cil ser rainha. Você precisa ser
testada.

"Eu sei." Eu assenti. "Estou um pouco nervosa."

"O que significa que você se importa se perder."

“Você sabe, quando eu for rainha, você não poderá me


deixar. Não imediatamente.”

Ela riu. "O que eu faria? Tenho idade suficiente para


apreciar novas experiências na minha vida. E ser assistente
pessoal da rainha seria definitivamente uma. Eu
definitivamente não estou voltando para o meu negócio de
joias.”

Eu pisquei. "Espera. O que você está fazendo desta vez?

"Joalheria." Ela acenou com a mão entediada no ar. "Isso


me ajuda a expressar meu lado criativo."

"Você é um artista incrível, minha amiga." Eu suspirei e


sorri de contentamento, sentando de volta na minha cadeira
olhando para o teto, fingindo que podia ver o céu noturno
daqui. "Este é um dos melhores dias da minha vida."

Bang Bang Bang


Adelie levantou de sua cadeira. “Segure esse
pensamento. Isso não é a felicidade batendo.”

Eu inclinei minha cabeça, observando quando ela abriu a


porta da frente.

"Isso é para a candidata Gwynnore." Um assistente


segurava um envelope. "Ela deve ler imediatamente."

Adelie pegou o envelope e simplesmente bateu a porta


na cara dele.

Ela pode ter um talento natural, mas você simplesmente


não poderia tirar a criação esnobe dela. O dinheiro a criara e
mostrava isso. Assim como aconteceu comigo, mas não tentei
escondê-lo como ela fez. Eu percebi que eu sou quem eu sou.
Enquanto ela queria mudar quem ela era - constantemente.

Sua cabeça de cabelo vermelho mergulhou quando ela


avaliou o envelope. “Parece que é dos senhores. Est{ selado
com o selo deles. Você provavelmente deveria ler agora”. Ela
jogou no meu colo antes de cair de volta em seu assento
desocupado.

Meus olhos se estreitaram no envelope, sem tocá-lo. "O


que você acha que é isso?"

"Provavelmente outra convocação." Adelie deu de


ombros.
Sentei-me em linha reta em um instante, a adrenalina
pulsando em minhas veias mais uma vez. “Não pode ser o
próximo desafio. Ainda não."

Ela piscou. "Você já fez um?"

"Sim, eu passei." Com cuidado, eu levantei o envelope.

"Abra a maldita coisa já", minha amiga rosnou.

Eu assobiei para ela, mostrando um monte de presas.

Mas eu rasguei o envelope abrindo.

Adelie correu para ficar atrás de mim, lendo por cima do


meu ombro.

Minha respiração ficou presa no meu peito quando meus


olhos voaram sobre a caligrafia clara. "Ó meu Deus. Não
tenho certeza se estou pronto para isso ainda.

A ruiva malvada riu atrás de mim, acariciando meu


ombro. “Talvez eles não tentem juntar vocês dois. Nunca se
sabe. Eles não fazem isso para todos os reis e rainhas. Alguns
são apenas parceiros de negócios na decisão.”

Deixei cair o papel e o envelope destruído na mesa. Eu


encarei as palavras, minha testa se enrugando em
preocupação. “Eu nem sei o que vestir para algo assim. Quero
dizer, e se eu não gostar do Noviciado do Rei? Não quero
aparecer como sou.”

"Mas se ele é bonito, você não quer parecer um idiota


também." Adelie agarrou minha mão esquerda e me puxou
para ficar em pé. Ela ordenou: “Vamos l{. Vamos apenas
consertar um pouco sua maquiagem. Sua roupa é sexy e
reservada. Ambos vão trabalhar para você, dependendo de
como você vai se virar para o cara a quem ficará presa
durante muito tempo.

Eu bufei e permiti que ela me arrastasse para o banheiro.


“Você inspira esperança como um campeão.”

Suas sobrancelhas vermelhas saltaram quando ela me


colocou na frente do espelho. “É hora de passar pelo seu
próximo desafio, Gwen. Hora de encontrar o próximo
candidato a rei.

Eu grudei: “Eu odeio como eles fazem isso, no entanto.


Eu já ouvi sobre isso antes. Eles escolhem a candidata
primeiro, a mais velha e mais corajosa, na esperança de que
ela produza o melhor candidato masculino para eles. Tudo o
que eles realmente dão a mínima é ele.”

"Somos uma sociedade dirigida por homens". Adelie


pegou minha bolsa de maquiagem, procurando dentro dela, o
nariz quase dentro da bolsa. “Mas você pode começar a
mudar isso. Tenha fé em si mesmo. E não permita que esse
candidato do sexo masculino a derrube. Tome conta.”

Eu endureci minha espinha, me encarando no reflexo.

Tome conta. Seja a mulher. Seja a mulher fabulosa.

Eu balancei a cabeça. "Ele provavelmente será um cara


fracote com quem eu termino."

"Vamos esperar que não", resmungou Adelie, largando a


bolsa, feito com a exploração dela. Muitas ferramentas
estavam em suas mãos. Aparentemente, ela iria me embelezar
com seus padrões. Minha amiga levantou uma sobrancelha.
“Porque, como você disse, eles pegam as fêmeas mais velhas
primeiro para conseguir um macho forte. Você não quer que
os suseranos pensem que você é fraca porque os machos que
vêm até você são fracos.”

Eu gemi longa e pesada. “Droga. Isso não est{ me


ajudando.

Ela piscou. “Ele ser{ uma estrela do rock. Você merece o


melhor. Você vai conseguir."

Minhas sobrancelhas negras se levantaram. “Tudo bem,


isso foi melhor. Obrigada."

"Eu tenho meus momentos." Adelie piscou.


Lorde Otto deu um passo à frente no escritório branco
demais. "Não. Absolutamente não."

Eu cruzei meus braços e entrei no quarto em que os


senhores estavam descansando. “O convite não dizia que eu
não poderia trazer ninguém. E Adelie é minha assistente
pessoal. Eu a quero aqui.”

"Não." O Lorde não se mexeu.

Meus molares aterrissaram juntos, e eu pisei na frente da


minha amiga, cortando seu olhar em sua pessoa. Eu decidi
que a honestidade pode realmente me levar mais longe nessa
situação do que ficar de fora. “Lorde Otto, quando eu digo
que ela é meu sistema de apoio, eu realmente quero dizer isso.
E descobrir quem será o possível Noviciado do Rei e ter que
encontrá-lo... é um pouco desanimador para mim.”

Sua boca se fechou, mas ele não parou de fazer caretas.

Eu limpei minha garganta e expliquei mais. “Eu sou


péssima com os homens por relacionamentos pessoais de
longa data. A maioria me acha intimidante. E eu sei que isso
não tem que ser um casamento romântico - pelo qual eu sou
incrivelmente grata - mas será pessoal, não importa o que
aconteça. Ter Adelie aqui como um amortecedor vai me
ajudar - e a ele.

O piscar do Lorde Otto foi perigosamente lento. "Isso foi


agradavelmente honesto."

Calor inundou minhas bochechas, pintando-as de rosa


contra a minha pele pálida. "Sim... bem..."

Eu não mencionei que todos os meus namorados


anteriores de alguma forma acabaram mortos. O único que
ainda estava vivo era Lorde Pippin.

Eu juro, eu era uma praga no departamento de amor.

Eu namorava. Eventualmente, terminava de uma


maneira muito ruim - geralmente com eles me dizendo que eu
era uma merda. Então o homem estava morto. Como uma
maldição maldita.
Os suseranos não precisavam saber disso.

Eu inclinei um quadril e continuei a segurar meus braços


sobre o peito. Isso foi embaraçoso. Minha pele aqueceu ainda
mais.

Eu só sabia que o meu rubor estava subindo para a


minha testa, pequenas gotas de suor salpicando minha testa.

Lorde Pippin deu um passo à frente, com os olhos


voltados para o outro Lorde. “Faz sentido. Deixe Adelie ficar.
Não est{ quebrando nenhuma lei.”

Lorde Otto tamborilou os dedos nas pernas, estudando


minha expressão sombria.

"Boa dor", resmungou o Lorde Cato. “Faça a sua maldita


mente. Eu prefiro não ficar acordado a noite toda vendo vocês
dois se encarando. Ao contrário de você, eu gosto do meu
sono.”

Lorde Otto lançou um olhar em sua direção, mas


rapidamente voltou sua atenção para minha pessoa. Ele se
inclinou para frente e sibilou: “Se ela fizer algo errado durante
este Desafio, eu mesmo a matarei. Você entende, candidata?

Eu rapidamente assenti. "Entendido, Lorde Otto."

"Sobre o tempo do caralho", Lorde Cato rosnou. Ele foi


direto entre nós, indo para a porta. Rabugenta e irada. Por
cima do ombro dele, ele gritou: “Vamos, pessoal. Eu sei que
você pode se mover mais r{pido que isso.”

Eu me virei e rapidamente segui meu pai horrível.

Adelie se inclinou para mim, sussurrando baixinho: "O


que o irritou?"

O Lorde Xenon respondeu diretamente atrás de nós:


“Sua propriedade favorita foi tirada antes de virmos para cá.
E ele não gosta de usar sua posição como suserano para fazer
um vampiro alimentador desistir de sua refeição só porque
esse sangue é um dos seus favoritos.”

"Eu posso ouvir você!" Cato berrou, bem no final do


corredor.

Meus olhos se estreitaram em suas costas. Essas ações


eram de um indivíduo testando seus próprios limites. Eu
conhecia bem esse jogo. Eu joguei o tempo todo com minha
própria força de vontade.

Bile subiu na minha garganta com o pensamento de que


éramos parecidos.

Sentindo meu desconforto, Adelie quebrou o silêncio.


“Senhores, onde o desafio ser{ realizado?”
Lorde Pippin respondeu: “Em uma sala de cerimônia
não diretamente ligada à fortaleza. Temos que sair para
chegar l{.”

Empurrando meu desconforto para baixo, eu questionei:


“Como foi para vocês quando aconteceu com você? É como a
compulsão que você usou nos possíveis candidatos?”

Lorde Xenon falou, sem inflexão em suas palavras. “É


mil vezes pior para o macho. Porque usamos o sangue da
fêmea na magia. Ele amplifica uma resposta de acasalamento
que só pode ser reproduzida com drogas.”

Eu pisquei enquanto descíamos a grande escadaria para


a porta da frente. "Então, você está praticamente me dizendo
que todo homem que vem esta noite vai ficar com tesão pra
caralho?"

O Lorde, firme, não mediu as palavras. "Sim.


Exatamente."

Lorde Belshazzar acrescentou: “Pode ficar vol{til. É por


isso que começamos a usar essa sala de cerimônias. Se alguém
tentar atacar outro fisicamente, a magia instantaneamente os
deixará inconscientes.”

Adelie estalou os dedos quando nós chegamos a porta.


"É a antiga prisão!"
O Lorde mais velho riu. "De fato. Mas está tudo limpo
agora.”

"Isso parece muito divertido." Eu engoli em seco na


garganta.

Lorde Otto grunhiu. “Não desmaie. Eu deixei sua amiga


vir.”

"Eu não vou desmaiar!" Exclamei, pegando uma das


enormes portas da frente com as duas mãos para segurá-la
depois da partida rude de Cato. "Eu estou apenas<"

- Nervosa - respondeu Lorde Pippin, extremamente


satisfeito consigo mesmo pelo sorriso presunçoso em seu
rosto. "Você costuma chupar com homens - sem trocadilhos -
então você está nervosa."

Eu deixei a porta cair de volta em seu rosto.

O baque foi imensamente satisfatório.

"Não é legal", ele resmungou por trás da madeira grossa.


“Agora eu entendo porque você tem problemas com o sexo
oposto. Você não pode lidar com a honestidade sobre si
mesmo contada por outra pessoa.”

Suspirei pesadamente e quase corri para alcançar meu


pai idiota.
Qualquer coisa seria melhor que a psicanálise de Lorde
Pippin.

Adelie ligou um dos braços dela no meu, mantendo o


nosso lado um contra o outro.

Eu olhei em seus olhos castanhos. "Você sempre sabe o


que eu preciso."

"Isso é porque eu sou a amiga mais incrível do mundo."


Ela encolheu os ombros.

Eu abri minha boca e então a fechei.

Eu realmente não podia discordar disso.

***

Eu acalmei meus passos dentro da sinistra caverna,


definitivamente ecoando dentro deste espaço. Magia pulsou
no ar, levantando arrepios ao longo da minha carne. As
paredes eram de pedra nua e negra, apenas luzes pendiam
como galhos de árvores mortas do teto para iluminar o sólido
chão preto abaixo. Cadeiras dobráveis enchiam o chão, todas
vazias, e todas de frente para uma plataforma elevada no final
da caverna.
As cadeiras dos suseranos deviam ter sido movidas para
cá porque o lugar elegante delas enfeitava o palco, holofotes
iluminando-as com um brilho forte. Fator completo de
intimidação.

Meus olhos se encontraram em Cato. Ele estava


escorregando em uma porta escondida atrás do palco.

Quando a porta se fechou, apareceu como a parede de


pedra. Até para a minha visão.

"Estou feliz por nunca ter tido problemas", assobiou


Adelie, olhando ao redor como se os fantasmas estivessem
espiritando a antiga cadeia. "Isso é assustador em um nível
diferente".

Eu assenti uma vez. Eu concordei de todo coração.

O resto dos senhores passou por nós, todos indo para a


mesma "porta" que Cato havia entrado. O braço de Adelie e o
meu ainda estavam ligados, então eu puxei-a rapidamente
atrás deles. Eu certamente não queria ficar presa aqui. E eu
era positivo, Adelie também não.

Ninguém calçou os sapatos no chão.

Ficamos todos em silêncio nessa arena.

Aparentemente, algumas coisas até perturbaram os


senhores.
Como a reverberação da audição de vampiro.

Era malditamente quase interminável.

Lorde Xenon abriu a porta da parede.

Entramos em fila única, fazendo com que Adelie tivesse


que soltar meu braço do seu aperto de morte.

Eu mexi meus dedos pelos meus lados, tentando fazer a


circulação fluir.

Degraus de pedra nos levaram a um abismo escuro.

Eu apertei os olhos e mantive minhas mãos perto das


minhas armas.

Este lugar não se sentou bem no meu intestino.

Lorde Xenon abriu outra porta no alto da escada.

Luz branca ofuscante perfurou todos nós.

Lorde Pippin olhou para mim, dizendo alegremente: "Se


você não deveria estar aqui em cima, a magia vai te matar
quando você cruzar a entrada."

"Isso é... agradável." Eu ignorei o momento de Adelie


batendo nas minhas costas com um dedo apontado. “Quem
concede acesso?”

"A magia." Ele bufou como se eu devesse saber.


"E isso é reconfortante", eu murmurei.

Mas não havia como me impedir. Eu sabia o que queria.


E isso significava cruzar o limiar. Eu rapidamente segui os
senhores do topo pelo resto do caminho até as escadas e
peguei a mão de Adelie. Coloquei o outro na frente dos meus
olhos para protegê-los da luz ofuscante, mas não vinha de um
lugar específico. Apenas veio de todos os lugares -
provavelmente até meu próprio corpo pelo jeito que a parte
de trás da minha mão perto do meu rosto só machucava meus
olhos.

Inalando rapidamente, corri pela entrada.

Arrastando uma Adelie lutando e silenciosa atrás de


mim.

Nenhum de nós morreu. Em vez disso, um potente


cheiro de pinheiro flutuou ao nosso redor. A luz ofuscante
desapareceu onde permanecemos imóveis ainda.

Adelie e eu olhamos uma para a outra, nossos olhos


vagando para cima e para baixo nos corpos uma da outra,
verificando se há algum ferimento. Estávamos saudáveis e
inteiras, mesmo que um pouco desgrenhadas e de olhos
arregalados.

Lorde Otto ordenou: "Por aqui".


Imediatamente, nós espiamos ao redor do quarto com
cheiro doce em que estávamos.

Um painel de vidro cobria uma parede, olhando para a


caverna. O resto da parede foi moldado em uma lua crescente
curva para fazer um círculo desequilibrado. Havia estrelas no
teto como a iluminação, ou pelo menos apareciam assim.
Sofás vermelhos, uma mesa e cadeiras de madeira, uma
pequena cozinha e banheiro ocupavam as bordas da sala.

E no centro havia um caldeirão.

Um caldeirão honesto a Deus.

Espumante branco no topo, a mistura dentro dele


escaldante. A fumaça subiu no ar e desapareceu quando
atingiu o teto. O cheiro das florestas estava vindo da bebida
borbulhante dentro das profundezas do caldeirão. E não havia
fogo por baixo para sequer aquecer uma única xícara de água.
Magia dançou ao redor do pote, quase palpável no ar.

Um pequeno suspiro sufocado emanou da garganta de


Adelie.

Eu apenas dei um tapinha no ombro dela, meus olhos


nos senhores. Então me aproximei do círculo amontoado ao
redor do pote preto.
Seus olhos estavam em mim quando entrei em seu
círculo.

Curiosa, perguntei: "O que é esse lugar?"

O Lorde Belsazar disse: “Era a sala da guarda. Onde eles


faziam as pausas.”

Eu bati um dedo no caldeirão mágico centrado entre nós.


"E isto?"

"Bem, isso não estava aqui antes." Ele sorriu. "Nós


trazemos para fora em ocasiões especiais."

Eu parei, congelando no lugar, olhos enormes no meu


rosto.

Cato enrolou uma manga na camisa e mergulhou a mão


na bebida escaldante.

"Que diabos?" Eu suspirei. Meus olhos voaram para os


dele. "Você é suicida?"

Seus lábios se curvaram e ele riu. Seu braço ainda estava


baixo na mistura. “Não vai me machucar. Ou qualquer outro
Soberano. Mas observe... Você vai gostar disso.

Eu pisquei e minha atenção voltou para a magia diante


de mim.
Meu queixo começou a cair, escancarado quando Cato
tirou o braço da mistura. Seu braço estava apenas molhado,
mas não foi isso que me chamou a atenção. Foi a corrente de
ouro que ele estava arrastando para fora do caldeirão. Porque
eu sabia o que era aquilo. Toda criança aprendeu sobre isso
em algum momento.

Uma joia vermelho-sangue do tamanho do meu punho


finalmente emergiu quando Cato esticou a corrente.

Ele tirou o colar do caldeirão, a joia cintilando sob as


estrelas.

"O amuleto vampiro Original", eu respirei admirado.


Estendi a mão, atordoada de admiração. "Posso tocá-lo?"

Cato rapidamente puxou de volta, longe dos meus


dedos. Ele balançou a cabeça uma vez, seu tom se acalmando
em seriedade. “Somente os soberanos podem toc{-lo sem
morrer. Nunca tente isso de novo.”

Eu larguei meu braço e murmurei: "E se eu me tornar


rainha?"

"Apenas soberanos, Gwynnore."

"Você quer dizer, apenas homens", eu esclareci. Então eu


cruzei meus braços em frustração. "Isso é treta."
"E, no entanto, isso não muda nada." Sua cabeça se
inclinou, me olhando.

Eu tirei minha atenção do meu pai perdedor e encontrei


Adelie. Ela estava de pé ao lado, pulando na ponta dos pés
tentando ver o amuleto original do vampiro. Acenei-a mais
perto, oferecendo: "Venha e veja antes de começarmos o que
quer que seja."

Ela praticamente caiu nas minhas costas na pressa de


tomar o meu lugar. Lorde Belsazar agarrou meu cotovelo,
impedindo que eu desse uma cabeçada no caldeirão.

Eu murmurei: "Obrigada."

Ele grunhiu e me soltou.

Eu me movi para o lado e a deixei passar.

Ela ficou piscando. E piscando. E piscando.

Cato mordeu o lábio inferior e levantou o colar,


gentilmente balançando-o para frente e para trás na frente do
rosto dela. “Você est{ ficando com sono. Tão sonolento..."

Eu agarrei seus ombros e a puxei de volta. Eu assobiei,


"O que diabos você está fazendo?"

Ele jogou o artefato de vampiro mais poderoso para


frente e para trás entre as mãos como se fosse uma bola de
beisebol. “Foi uma piada, Gwynnore. Eu não estava fazendo
nada.”

"Isso não foi engraçado", eu rosnei, fingindo não ouvir


todos os soberanos rindo de sua brincadeira - se era isso que
você chamava. Eu gentilmente empurrei Adelie para o sofá
mais próximo. “V{ sentar l{. Não sei quanto tempo isso vai
levar.”

Ela seguiu meu pedido sem hesitação, mas continuou


olhando a joia.

Quem não iria? Foi magnífico e inspirador.

E eu não senti nenhum poder vindo disso. Esquisito.

Minha atenção capturou os senhores. "O que acontece


agora?"

“Para este desafio, você deve sangrar no amuleto. Nós


então combinaremos nossos poderes para trazer os homens
que são possíveis para você,” Lorde Xenon emitiu o Desafio.
“Nós não acreditamos que vai demorar muito porque a
maioria dos solteiros de vampiros de certa idade já viajou
para o castelo em antecipação a isso. Essas portas vão se
encher de machos e vocês serão incapazes de partir, a menos
que permitamos.
Meus lábios beliscaram antes de eu rosnar: "Será que eu
posso dizer quem será meu rei?"

Lorde Xenon explicou pacientemente: "Lembre-se,


Gwynnore, ele não será apenas seu rei, mas ele será o rei de
toda a raça dos vampiros".

Minhas sobrancelhas se ergueram. "Então, isso é um


não?" Me dê uma resposta direta.

Eu fui honesta neste desafio até agora.

Eles poderiam me dar a mesma cortesia.

“Sim, você poder{ opinar sobre isso. Na verdade, você


tem a palavra final quando reduzimos os candidatos a cinco
pessoas.” Seus olhos percorreram minhas feições. “Soberanos
tendem a escolher bem. Não houve nenhum combate ruim em
mais de dois mil anos.”

A raiva justa inundando meu sistema se dissipou - um


pouco. "Bem."

Ele piscou. "Bem? Nenhum argumento?

"Não há nada que eu possa dizer agora que vai mudar


nada disso. "Eu balancei a cabeça levemente, meu queixo se
apertando." Esta é atualmente a lei."

Sua cabeça se inclinou. "Atualmente?"


Eu bati na minha boca fechando-a. Muita informação.

Lorde Xenon olhou fixamente, seu olhar inabalável.


“Candidato, seria bom você saber que houve muitas rainhas
no passado que tentaram mudar a lei. Mas isso nunca
aconteceu. E você sabe por quê?"

Meus olhos se estreitaram, não falando.

Ele respondeu de qualquer maneira. “Porque a magia


não vai funcionar se a lei mudar. E todo vampiro é feito de
magia. Ou seja, nossa raça seria aniquilada. Portanto, é de seu
interesse eliminar para o ralo quaisquer ideias que você tenha
para mudar a lei. Se você não fizer isso, você só estará se
preparando para a decepção.”

Eu só conseguia olhar.

Meu coração estava partindo.

Meu peito doía fisicamente.

Ele não se moveu para me consolar. Ele simplesmente


esperou que eu aceitasse isso.

Eventualmente, eu suguei um bocado de oxigênio. "Você


está mentindo."

"Eu não estou. Você tem a minha palavra como


Soberano.”
Eu balancei a cabeça rapidamente. "Tem que haver
alguma coisa-"

Lorde Xenon levantou instantaneamente uma mão,


cortando minhas palavras. “Embora essas leis não possam
mudar - as leis originais - existem muitas que< podem<
precisar de atualização. Leis que foram decretadas por reis,
não os originais, há muito tempo que ainda estão em vigor.”

"Quantos há contra as mulheres?" Eu investiguei


imediatamente.

"Demais para contar." Seus olhos percorreram minhas


feições mais uma vez. “Você deseja continuar como o
Noviciado da Rainha?”

Meu peito bombeou com todos esses segredos vindo à


tona.

Mas minha resposta foi simples. “Eu faço, Lorde Xenon.


Eu quero governar os vampiros.

O Lorde assentiu, e o amuleto original do vampiro foi


colocado em sua palma. Ele simplesmente segurou na minha
frente, sua direção fácil, "Sangre-se. Uma gota vai é o
suficiente.

Minhas presas desceram.

Eu piquei um dos meus dedos.


Eu segurei meu dedo sobre o amuleto, tomando cuidado
para não o tocar.

Ping.

Uma gota de sangue carmesim salpicava sua superfície.

"Por favor, afaste-se, candidata", ele ordenou - não


indelicadamente. "Temos que trabalhar agora."

Eu recuei até a parte de trás até meus joelhos baterem no


sofá que Adelie estava sentada em silêncio.

Ela agarrou minha mão e segurou firme, ambas com os


nossos nervos à flor da pele.

Nossos sonhos estavam caindo sobre nós.

Mas talvez tenha sido aí que novos objetivos


começassem.

Se muitas leis ainda atrapalhassem as mulheres, eu


lidaria com aquelas quando eu tomasse a coroa. Uma por
uma, eu as mudaria. Eu alteraria o futuro das mulheres em
nossa sociedade.

Eu seria sua advogada.

Seu cavaleiro de armadura brilhante.

Meus joelhos cederam quando a magia sufocou a sala.


Minha bunda caiu no sofá.

Os senhores estavam trabalhando, suas cabeças


inclinadas sobre o caldeirão. Sussurros filtrados no ar, mas
eles eram apenas mechas em uma brisa invisível. Eu não
consegui pegá-los, não importa o quanto eu me concentrei.
Eles estavam trazendo o futuro rei aqui...
O anúncio foi cumprido como esperado.

S'Kir estava alegre, havia por toda a cidade.

Elex levara uma equipe de volta à caverna para


confirmar que a nova caverna estava lá e tão magnífica quanto
havíamos relatado. Os mestres fizeram a caminhada no dia
seguinte, com Elex e eu a reboque.

A caverna foi maior desta vez. Mais profundamente e


havia cristais mais expostos. Eles dançaram com a luz e mais
uma vez quando eu ri, a luz tropeçou neles brilhantemente.

A luz também gostava da risada da amante Lunella.

Bem como a maioria dos outros doze mestres e Elex.


A exceção foi o Mestre Dorian.

Ele nem tentou.

Fique na lama que ele era.

Mas as pessoas de S'Kir estavam satisfeitas com o meu


relatório e com o que Elex e os outros haviam relatado
também.

Eu não tive tempo para respirar.

Elex e eu não conseguimos encontrar um momento para


nos afastarmos.

Mero dia se passou, e já havia grandes festividades no


planejamento, enquanto muitos pequenos partidos
irromperam por toda a cidade.

Minha posição no templo também mudou.

Quando cheguei naquele primeiro dia, havia um novo


professor.

Eu pensei que o Mestre Dorian tivesse me removido.

Mas esse não foi o caso.

Amante Lunella esperou por mim do lado de fora da sala


de aula, sorrindo largamente. “Você não é mais destinado a
ensinar, minha querida. Seus poderes se expandiram além de
suas pequenas lições, e agora vou estar assumindo sua
educação mágica. Tymon também estará me ajudando. Há
festas para planejar, e você estará ajudando a senhora Danai
com isso.

“Mestra, nunca ensinarei de novo?”

"Oh, você vai ensinar de novo quando você for uma alta
druida realizada, minha querida."

Eu tropecei nos meus próprios pés.

"Alta druida?"

"Claro que sim, minha querida. Você foi escolhido pela


magia de S'Kir para fazer parte da chave que abre o mundo e
as fronteiras. Embora ensinar nossos filhos seja certamente um
chamado nobre, você foi chamada em outros lugares agora.”

Eu estava intrigada e apavorada com o potencial.

As semanas seguintes foram um turbilhão de lições,


aprendizado, planejamento, festas, decisões, vestidos e
audiências formais.

Eu mal sabia dizer qual era o caminho.

Ao mesmo tempo, tudo era divertido. Eu estava


conversando com pessoas, altos funcionários, usuários de
magia, líderes de forças de defesa, educadores, líderes do
povo de S'Kir, todos os dias.
O maior choque para mim foi descobrir que eu estava
sendo transferida do meu adorável pequeno apartamento
perto do mercado para o maior dos dormitórios no campus do
templo.

Não apenas o maior edifício, mas eu estava recebendo o


maior dos apartamentos.

Eu não tenho o suficiente para decora-lo. A maioria dos


quartos estava vazio, e isso era igualmente triste e excitante.
Em vez disso, fiquei animada até que Lunella veio me dizer
que eu tinha que ter uma sala de recepção.

"O que S'Kir espera?"

Minha querida." Ela pegou meu braço e me levou pelo


vestíbulo até a parte de trás do apartamento. "Você está se
tornando uma pessoa muito importante se você não
percebeu."

“Eu tenho, excelência. Não tenho certeza se entendi.”


Pausando, acrescentei: "Não tenho certeza se estou pronto
para isso também".

O sorriso de Lunella foi indulgente. Eu ainda era uma


criança em seus olhos. “Nós nunca estamos prontos, Kimber.
Milênios, dois, cinco... nunca estamos prontos. Mas a magia
escolheu você, e você é uma peça do quebra-cabeça - o enigma
que temos trabalhado por todos esses milhares de anos.”
A mulher conseguiu sentar-se elegantemente no chaise
gasto que eu tinha no canto. “Não tenho certeza do seu papel
no Breaking Times. Mas a magia te chamou para a montanha,
e isso significa que você é parte disso. Nem tudo é revelado
para nós, mas temos que confiar que estamos sendo guiados
para um propósito.”

Danai encheu meus dias logo depois. A lista de tarefas a


realizar era impressionante, mas ela era uma mulher
motivada e controlava tudo. Se algo precisasse ser feito, ela
persistiria até que fosse feito.

Eu estava exausta.

Dias antes da primeira das grandes comemorações


públicas, o Breaking Firewalle foi aceso no pátio interno da
residência dos Mestres do Templo. Onze dos doze mestres
estavam lá, junto com Elex e alguns anciãos da cidade.

Ele se levantou do fosso com mil faíscas dançantes e


queimou um branco e amarelo brilhante, jogando calor contra
o frio no ar. Ficamos em silêncio, observando as chamas
constantes quando se instalaram em sua casa. O fogo era
estranhamente lindo.

E durou aproximadamente dois minutos antes que


Mestre Dorian saísse do prédio e o extinguisse com sua
magia. Ninguém deveria ter sido capaz de extinguir o fogo,
mesmo o poderoso Mestre Dorian.

"Eu permiti que isso durasse o suficiente!" Sua voz


dividiu o ar ao nosso redor com raiva e impaciência.

Lunella, Danai, Tymon, Hedregon e mais dois se viraram


para ver onde ele estava se aproximando de nós. Elex me
puxou para o seu lado, me protegendo de Dorian.

Elex presenciou uma das explosões grosseiras e terríveis


do meu mestre durante uma aula no início daquela semana e
ficou zangado com o antigo mestre desde então.

"Você não permitiu nada, Mestre Dorian", Tymon disse,


dando um passo em direção a ele. “Você se escondeu como
um covarde e tentou destruir nossas celebrações. Você tem
menosprezado e repreendido... bem, todos se reuniram aqui.
Você age pior do que uma criança mimada e estamos todos
exaustos de lutar contra você.”

"Você não pode parar o Tempo de Ruptura, Dorian",


disse Danai.

"Você não sabe que não é uma celebração?" Sua cabeça


virou, prendendo cada um de nós com seus olhos dourados
em chamas. “Você não sabe que toda essa besteira de 'boas
novas' é o que acontece com os fatos quando eles são
infundidos com mitos? Não deveria haver alegria nisso! Não
deve haver celebração! Este fogo” - seu dedo estalou e
apontou para as brasas - indica uma terrível mudança.

Firme e zangado, ele analisou o grupo com seu olhar, e


eu aguentei o peso com um olhar duro e firme.

Tentando manter o medo dele para baixo, endireitei


minha coluna e falei. "É tempo de mudança. Estamos
estagnados h{ milhares de anos.”

Sem um farfalhar de suas vestes pretas e verdes, Dorian


estava na minha cara, pairando sobre mim.

“Você é uma criança. Você não tem ideia do que o


Tempo de Ruptura trará. Sua alegria e efervescência estão fora
do lugar e fora da linha da verdade. Você sofrerá o máximo
de todos nós por sua ingenuidade e inocência, e eu tenho
pena de sua existência em face da magia e das montanhas que
caem.”

Elex me puxou de volta da figura imponente e se atreveu


a desafiá-lo. “Deuses e estrelas, Dorian! Ela é uma mulher
adulta! Você aterrorizando todos aqui nunca vai mudar o que
tem que ser! “

Dorian olhou furioso para Elex por me afastar dele, mas


isso não o impediu de agarrar meu pulso e me puxar para seu
círculo de influência novamente.
“Você vai lamentar este dia, criança. Eu teria poupado
você disso”. Erguendo a cabeça e passando os olhos pela
multidão reunida, ele levantou a voz. “Eu teria poupado tudo
isso de você! Mas bem! Tenha suas celebrações e fogueiras.
Bem-vindo aos próximos dias, quando o nosso mundo cair.
Tolos.”

Soltando-me, mas não indelicadamente, ele girou nos


calcanhares e jogou a mão no fogo enquanto se afastava.

O fogo voltou a rugir, mas nossa alegria foi roubada.

Até o momento em que eu montara a plataforma para o


primeiro dos desfiles e celebrações que Danai e eu -
principalmente Danai - havíamos planejado.

Elex ficou em frente a mim. Eu mal podia acreditar em


como ele parecia bonito se vestindo formal. Vê-lo na outra
plataforma, sorrindo, seu lugar entre as Guilds assegurado
agora, permitiu que o alívio fluísse através de mim.

Ele estava tão zangado com Dorian. Eu estava com medo


que ele fizesse algo tolo. A magia de Elex era forte, mas não
tão forte quanto a mais antiga dos Mestres do Templo.

Eu não queria que Dorian se chateasse com ele.

Eu não confiava em Dorian.


Os pensamentos sobre o mestre sumiram quando o
desfile começou a passar.

As fitas me intrigaram, brilhando no sol do meio da


manhã. Esses fogos devem ter sido praticados por dezenas ou
centenas de horas, e seria uma boa aposta a maior parte do
tempo desde o anúncio.

Flutuadores, bandas, trupes de dançarinos, artistas,


ginastas - todos eles se moviam por nós, exibindo-se e
mostrando um ao outro.

Houve risos e alegria borbulhante ao redor. A magia era


abundante e, para meu deleite, feria as multidões, tanto nos
desfiles como nos espectadores, entregando-se à felicidade.

Eu aprendi com a magia amar a vida. Amar alegria, riso,


amizade.

Ela amava o amor.

Ela prosperou no amor.

Brilhava de amor.

Borbulhou e dançou em torno de Elex, acenando para


mim.

A voz de Danai, no entanto, cortou minha ansiedade.


“Isso tudo é tão maravilhoso, Kimber. Tão maravilhoso.
Tudo está acontecendo sem problemas. Você já decidiu onde
vai esta noite? Existem tantas celebrações diferentes. Há o
templo, a praça da cidade, a montanha e vários outros
menores. Onde quer que você v{, deixe os guardas saberem.”

Ela me examinou por um momento, e eu inclinei a


cabeça para olhar para ela. Um sorriso lento se espalhou pelo
rosto dela.

"Você sabe exatamente para onde vai depois das festas e


não tem nada a ver com outra celebração."

Eu senti meu próprio sorriso lento. "Talvez."

Suas palavras estavam perto do meu ouvido. “Quem


quer que seja, certifique-se de que há guardas na porta. No
seu lugar ou no dele.”

O vermelho brilhante ruborizou minhas bochechas.

Pegando meu olho, ela seguiu meu olhar.

"É aquele bonito Elex, não é?"

Não havia nada de tímido sobre o meu sorriso.


"Possivelmente."

“Ele é uma boa escolha, minha querida. Bonito, leal e


claramente interessado em você. Lamento que não tenhamos
deixado vocês dois sozinhos o suficiente para... se
familiarizarem.”

“Elex tem sido meu melhor amigo há anos. Eu não sabia


que havia ou poderia haver algo entre nós.

"E agora você não pode esperar para descobrir."

Meu aceno de cabeça foi curto e afiado.

Endireitando a cadeira, ela também deu um aceno curto


e agudo. "Eu vou consertar o arranjo de assentos no banquete
hoje à noite."

"Não, senhora Danai, você não precisa..."

Um olhar aguçado para mim cortou as palavras. "Por


favor. Você pode ver a magia... Você vê como isso funciona.
Eu sempre faço o meu melhor para acomodar e alimentar a
alegria e o amor que a magia gosta.” Ela inclinou a cabeça e
encontrou alguém na plataforma à nossa frente, com o ar
mágico em volta dela. Eu respirei rapidamente quando ela me
encontrou novamente e sorri.

“Apenas espere até que você esteja na cama. Melhor que


qualquer show de fogos de artifício.

***
O rosto de Elex estava cheio de preocupação quando viu
que seu assento havia sido trocado. No momento em que ele
viu que eu estava sentado ao lado dele, ele relaxou
completamente.

O vestido formal estava fazendo isso por mim. Muito.

Ele escorregou na cadeira com um aceno de cabeça para


mim.

"Boa noite, Lady Kimber."

"Boa noite para você também, Lorde Elex."

Os títulos eram novos. Eu ainda me sentia estranha


quando as pessoas usavam, mas em sua voz barítono
deliciosamente profunda, eu me achei realmente gostando.

Pressionando um beijo na minha mão, ele acionou uma


cascata louca de eletricidade através de cada parte de mim.

Como nunca vimos isso? E por que deixamos todos nos


manter tão distantes nas últimas semanas?

Quando ele colocou minha mão de volta na mesa, ele não


soltou. Em vez disso, ele arrastou o polegar para trás e para
frente ao longo dos meus dedos, e senti muito como se ele não
tivesse interesse em soltar novamente.
"Você está linda esta noite, Kimber." Sua voz era apenas
alta o suficiente para carregar o barulho da sala. "Eu não acho
que eu já vi você em algo tão ousado... ousado."

Eu dei a ele um encolher de ombros. "Oh, essa coisa


velha?"

Rindo, sua cabeça tremeu.

Eu nunca, nunca tive um vestido como o que eu usava


atualmente. Um verde rico e profundo, brilhava com mil
pequenos cristais. O tecido mais pesado tinha um decote de
corte alto e, além dos meus ombros, as mangas eram um
material transparente, também carregado com os mesmos
cristais.

Naturalmente, Danai e Lunella me arrastaram para as


lojas quando viram meu guarda-roupa 'tons de bege'.

Eu realmente não podia discutir com elas. Eu era um tipo


de 'bege-bege' até agora.

O rosto de Danai estava entre nós de repente. “É uma cor


excelente para ela, não acha, Lorde Elex?”

"Eu gosto disso nela", ele concordou.

Danai deu um tapinha no meu ombro e seguiu em frente.


Elex a observou ir e se inclinou para mim.
"Eu gostaria ainda mais de ver como ele se parece no
chão do meu quarto."

Com um suspiro ofegante e falso, eu balancei minha


cabeça para ele. "Senhor, estou escandalizada!"

"Eu posso escandalizar você ainda mais quando o


vestido estiver no meu quarto."

Desta vez, eu apenas ri. "É melhor você me fazer


arrepender de mantê-lo à distância, Elex."

Seu queixo pousou em seu punho, fingindo pensar. Eu


bati no braço dele e voltei para a mesa.

"Como vão suas lições junto com a pedra imóvel que se


chama Dorian?"

Suspirando profundamente, revirei os olhos. “Assim


como você falou. Ele é... um pedregulho. Ele também é
brilhante e estou muito feliz por ele ter concordado em me
ensinar. Ainda. Ele poderia ser apenas um pouco melhor.”

"Eu acho que quanto mais velho você é, mais um idiota


você pode ser."

“Elex! Não seja ciumento. Nós dois tivemos muita coisa


para ficar com ciúmes daqueles que estiveram ao nosso redor.
Quer dizer, eu poderia ficar com ciúmes da linda Parli que
você teve nas últimas semanas.”
“Parli? Ela é... Oh!” A compreensão tomou conta do
rosto dele. Suas bochechas rosaram e ele soltou uma risada.
"Ok, então eu preciso relaxar."

Eu envolvi minha mão ao redor dele. “Somos amigos h{


noventa anos, Elex. Este novo caminho tem apenas algumas
semanas. Nos dê tempo para nos ajustar.”

"Sim, claro." O sorriso era genuíno.

Pouco depois do último jantar, Elex se levantou e


ofereceu sua mão. “Dance comigo."

Peguei a mão oferecida e me afastei da mesa. Sem outra


palavra, ele me levou para a pista de dança no meio da sala
enquanto a orquestra começava uma linda e antiga música,
uma dança tradicional em S'Kir.

Uma dança tradicional de cortejo.

Quando Elex passou o braço em volta da minha cintura,


levantei um sorriso confuso para ele.

"Você fez isso de propósito?"

"Possivelmente." O sorriso estava em sua voz.

"Você não precisa me cortejar", eu sussurrei as palavras.

"Eu sei." Seus olhos pousaram na plateia que agora


tínhamos. "Mas eles precisam de mim."
Ainda me pareceu estranho que eu tivesse que mostrar
às pessoas o que estava fazendo. Até a caverna, eu não
passava de uma ligeira professora magicamente inclinada,
filha de dois humildes padeiros, que ensinava os jovens no
templo.

Agora eu era uma Senhora do Templo do Deus Perdido.

Os olhos de S'Kir estavam em mim

Eles estavam em Elex, assim como ele me girou em toda


a pista na dança de corte tradicional.

Ele fez isso de propósito. Ele estava reivindicando seu


direito de me julgar, para ser exclusivo para mim. Foi uma
exibição proposital para avisar a todos que eu não era para o
prazer deles.

Eu não tinha percebido que seria, mas sua postura


possessiva em nosso relacionamento de brotamento realmente
me excitou.

"A única razão pela qual ainda estamos aqui", sussurrou


Elex, "é porque eu queria essa dança com você. Senão, você já
estaria nua na minha cama.

"Você não precisa atiçar minhas chamas, Lorde


Everettson."

"Eu pretendo fazer muito mais do que apenas atiça-la."


Borboletas voaram através do meu estômago enquanto
nós giramos o nosso caminho através da pista de dança e de
alguns outros casais. Meus nervos se apertaram quando a
música terminou, e nos inclinamos um para o outro e para os
outros casais que dançavam com a gente.

As palavras de Elex estavam ofegantes. - Posso


acompanhá-lo até minha cama, lady Raven?

Antes que eu pudesse responder, uma mão que não era


da Elex deslizou entre nós e me agarrou pela cintura.

Um homem alto e bem vestido, com roupas formais,


estava atrás de mim, sorrindo. Eu não gostei disso.

"Posso ter a próxima dança, com a permissão do seu


pretendente?" Sua voz estava cheia de óleo de cobra e
falsidades, e deslizava como a própria cobra da qual ele
roubara o óleo.

Mas Elex não pôde recusar porque pediu permissão.


Seria rude, e em um acordo não dito, Elex e eu concedemos
isso.

O aristocrata do óleo de serpente me levou para a pista


de dança novamente, desta vez em uma dança animada que
tinha muito mais pessoas se juntando a nós no salão.
Eu esperava que Elex cortasse rapidamente. Ele
espreitava na beira da pista de dança exatamente por esse
motivo.

A música era alegre e leve, e era uma música que eu


normalmente teria desfrutado, mas algo estava me
incomodando sobre o homem com quem eu estava dançando.
Havia algo desonesto sobre ele.

Desligando-me no momento certo da música, outra


pessoa passou os braços em volta da minha cintura, e a
esperança era que Elex tivesse sumido instantaneamente. Esse
homem sem rosto me expulsou novamente na música e me
enviou para outro par de braços.

Girando-me de novo e de novo através de uma dúzia de


braços diferentes, levei um momento para perceber que não
estava mais na pista de dança, mas sendo arrastado por uma
porta oposta a Elex e aos mestres.
"Eu acho que seu feitiço está quebrado", Adelie
reclamou.

Eu grunhi. Porque eu não podia discutir com ela.

Uma olhada no meu celular indicou que estávamos


esperando por duas horas.

Lorde Otto rosnou: "Nosso feitiço não está quebrado".

"Então, como você chama isso?" Acenei com a mão para


o vidro transparente onde todas as cadeiras estavam vazias. -
Você disse que a maioria dos vampiros mais velhos já estava
aqui na fortaleza. Este feitiço deveria fazê-los correr de braços
abertos para esta sala. Isso com certeza não está acontecendo.
Todos os senhores de sobrolho encontraram lugares para
se sentar e relaxar quando viram que ninguém passava pela
porta da caverna. Um deles, Lorde Xenon, estava até
roncando baixinho.

Cato passou os dedos pelos cabelos, os olhos brilhando


brevemente. "O feitiço não está quebrado, minha querida."

Meus olhos se estreitaram em seu carinho, mas eu


segurei forte ao argumento. “Lorde Pippin nunca fez isso
antes. Talvez tenha havido um erro.

O Lorde em questão estalou os olhos em minha direção.


"Desculpe-me, candidata?"

“Sem ofensa, claro. Estou apenas lançando ideias.

"Mais como, você está apenas tirando a merda da boca",


ele rosnou.

De seu poleiro sentado contra a barreira de vidro, Lorde


Belshazzar ergueu as mãos para afastar mais discussões.
“Lorde Pippin realizou o ritual sem falhas, Gwynnore. Não há
problema com isso. Não h{ problema algum.”

Meus olhos se arregalaram em descrença. “Não h{


homens lá embaixo! Isso é um problema."

Eu estava quebrada? Porque se fosse, eu seria chutada.


Não é possível concluir o Desafio "King".

Adelie olhou para mim, um breve lampejo de


preocupação entrando em seu olhar antes que ela o
escondesse.

Droga. Até minha amiga estava tendo dúvidas.

Cato assobiou: “Não foi isso que planejei. Eu não tive


sangue em uma semana.”

Agora, a atenção se voltou em sua direção.

Adelie resmungou: “Saia. V{ beber seu preenchimento.


Não parece que vamos a algum lugar em breve.”

Cato assobiou, puro vampiro.

Ele rolou em seu próprio sofá, colocando as costas para


nós.

O Lorde Belsazar levantou as mãos mais uma vez. “Todo


mundo, acalme-se. Vou explicar tudo o melhor que posso.”
Ele apontou o dedo para o Lorde sem sangue. “Ele não pode
sair. Seu poder está ligado ao feitiço. Então, ele está meio mal-
humorado que estaremos aqui - possivelmente por alguns
dias. E ninguém mais pode entrar nesta sala até que o feitiço
esteja completo.

Meu queixo caiu, e eu gritei: “Alguns dias? Que diabos!"


O vampiro mais velho suspirou. “Isso j{ aconteceu antes.
Muitos, muitos anos atrás. Estava escrito no livro antigo, por
isso, se acontecer de novo, os senhores de overlays saberiam
disso.”

Lorde Pippin deixou cair a cabeça para trás e gemeu alto


pro teto. “Oh foda-se. Isso est{ acontecendo?” Ele suspirou e
caiu de costas contra o chão duro. "Bom Deus, nós vamos
estar aqui para sempre."

Meu olhar confuso passou entre os senhores.

No silêncio resultante, finalmente perguntei: “Fiz algo


errado? Eu deveria ter usado mais sangue? Eu poderia
consertar isso se eu fizesse. Eu vou cortar meu pulso se eu
precisar.”

Eles não podiam me mandar fazer as malas. Eu não


deixaria.

Cato grunhiu com o rosto esmagado contra a almofada.


"Se ao menos o problema fosse tão fácil de consertar, minha
querida."

Eu perdi a calma, sibilando: “Pare de me chamar de


querida! Você não tem direito!"

Outro grunhido foi tudo que recebi em troca.


Lorde Belsazar esfregou a testa, apoiando a parte de trás
da cabeça contra o vidro. "Permita-me explicar mais,
candidata."

Ele ainda estava me chamando de candidata. Aquilo foi


um bom sinal. A tensão nos meus ombros aliviou um pouco.

Ele continuou: “Veja, honestamente, a grande maioria


dos vampiros mais velhos está aqui. O fato de que nenhum
deles chegou é uma indicação clara do que está acontecendo.”

Eu me inclinei para frente, silenciosamente empurrando-


o para expor suas palavras.

O velho Lorde quase pareceu hesitante em dizer. Mas ele


limpou a garganta e continuou: - Significa, Gwynnore, que
seu par não é um vampiro.

Meu ombro bateu na barreira enquanto minhas pernas


enfraqueciam. "Hã?"

“Seu partido é humano ou druida. Muito provavelmente


um druida com a quantidade de energia que tivemos que usar
para empurrar para o feitiço.”

Eu não pude parar de piscar.

Eu estava me sentindo fraco, minha cabeça nadando.

Eu decidi que seria melhor se eu sentasse.


Embora fosse mais uma escorregada no vidro, o grito
horrendo dentro do quarto silencioso. Minha bunda caiu ao
lado do vampiro mais velho - o mais assustador de todos.
Inclinei a cabeça e olhei para os olhos azuis dele. "Como no
mundo pode ser isso?"

Ele cantarolou suavemente, sua cabeça balançando para


frente e para tr{s em pensamento. “Você disse que não era
bom com relacionamentos. Talvez não tenha sido realmente
isso. Você é muito teimosa e as leis druidas são mais frouxas
com as mulheres. Os vampiros na fortaleza, obviamente, não
se encaixam bem com você.”

Um gorgolejo escapou da minha garganta. "Então, vamos


ter um monte de druidas com tesão descendo aqui?"

Ele assentiu com a cabeça, o nariz se contraindo. Mesmo


ele não gostou da ideia. "Eu acredito que sim."

"Oh meu Deus", eu gemi, fechando os olhos. "Eu odeio


druidas."

Lorde Belsazar encostou o ombro gentilmente contra o


meu. "Eles não são todos ruins."

"Cada druida que eu conheci tem um ego do tamanho


desta montanha", eu rosnei. Um arrepio repugnado percorreu
minha espinha. “Nós até permitiríamos que um druida seja
nosso rei?”
Ele esfregou a testa novamente. "Nós faremos. É a lei e
seguimos a magia.”

Eu bati a parte de trás da minha cabeça contra o vidro


algumas vezes em frustração. "E aposto que nosso povo vai
amar isso."

Seu suspiro foi profundo. "Quem é escolhido terá uma


batalha difícil."

“Como isso realmente funciona mesmo? Quando ele se


tornar um soberano, ele não será capaz de ajudá-lo com
nenhum ritual no amuleto vampiro Original - apenas
vampiros podem.”

“Não, lembre-se do que o Lorde Cato disse. Apenas


senhores dominadores podem manejá-lo.”

Adelie resmungou: “maravilha". Um druida vai colocar


suas mãos sujas na nossa procissão mais valorizada.

"A magia vai escolher bem", assegurou Lorde Belsazar.


“Sempre faz. Tudo acontece por uma razão."

Eu ergui um dedo instantaneamente. “Exceto por aquela


vez, não aconteceu. Eu estava ouvindo mais cedo.”

“Não muito bem”, resmungou o Élder Otto. “O jogo não


foi ideal, mas o rei era. Há uma diferença."
"Isso não é bom." Coloquei meu rosto nas palmas das
minhas mãos, me escondendo do meu infortúnio.

“Uma Ascenção difícil. Mas não impossível - lembrou


Lorde Belsazar. “E com os suseranos apoiando o novo rei -
druida ou não - nosso povo confiará em nós. Nossos
antepassados conquistaram o povo e é assim que eles se
lembram de nós. Confiável e leal. Não apoiaria alguém se não
acreditássemos nele.”

Eu deixei cair minhas mãos dos meus olhos e caí de lado.


O frio do chão estava delicioso contra o meu corpo febril. Eu
rosnei em frustração. "Eu espero que você esteja certo."

Lorde Belsazar bufou. “Levante-se, Gwynnore. Se os


Deuses Invisíveis virem como você parece lamentável agora,
um candidato ao trono...

"Os Deuses Invisíveis são apenas um mito", eu o


interrompi, a bravura afrouxando meus lábios. "Eu não posso
acreditar que você acredita neles."

Porém, eu me sentei.

Olhos azuis gelados captaram os meus, enviando


calafrios pela minha espinha. Ele rugiu: “Acredito em muitas
coisas. Viva o suficiente, e você também, acreditará.”
Uma noite na antiga cadeia se transformou em duas
noites.

Então três noites.

No quarto dia, todos nós fomos uma visão para os olhos


doloridos.

Embora tivéssemos aprendido que sacos de sangue


podiam ser jogados no quarto.

Por fêmeas. Não machos.

Nenhum homem poderia entrar na caverna que não


deveria estar aqui agora.

Nós não estávamos mais com sede, mas estávamos muito


mal-humorados.
Graças a Deus pelo pequeno chuveiro no banheiro.

Ou nós estaríamos fedendo também.

Lorde Xenon esfregou o peito e olhou para o caldeirão.


"Isso está ficando absurdo."

"Está ficando absurdo?" Lorde Otto rosnou. “Isso passou


do absurdo dois dias atrás. Nós entramos nessa porra de lugar
maldito!”

Eu me engasguei com uma risada.

Eu não sabia que ele tinha senso de humor.

Cato andou de um lado a outro da sala. Por horas


seguidas. Ele esfregou as costas do pescoço ferozmente,
murmurando: "Parece que há toda uma maldita legião de
druidas vindo."

Instantaneamente, eu fiquei sóbrio. Toda alegria foi


embora. "O que você quer dizer?" Idiota.

Lorde Belsazar estava fazendo uma flexão de costas,


esticando os músculos... depois começou a andar sobre as
mãos e os pés do outro lado da sala, ainda em seu encosto.
Entediado bobo. Foi a coisa mais estranha de se assistir. Ele
resmungou: “O poder que est{ segurando o feitiço. É a nossa
magia. Sentimos que está sendo puxado.
Adelie inclinou a cabeça, olhando para ele. "Sabe, Lorde
Belsazar, você é muito ágil."

Ele bufou. Piscou de sua posição invertida. "Você não


tem ideia."

Eu acenei minhas mãos no ar, agora tocando a parte que


ele tinha originalmente. "Ninguém deveria estar flertando
agora."

Porque, droga, eu estava começando a olhar para o


traseiro do Lorde Belsazar. Meus hormônios estavam se
esgotando quanto mais eu esperei para transar depois do meu
descanso. Duzentos anos e minha boceta não tinha visto
nenhuma ação. Eu precisava ter um pau no meu...

"Ei, vocês sentem isso?" Adelie interrompeu meu


devaneio. Ela ficou de pé e gradualmente caminhou até a
barreira de vidro. Suas pequenas mãos pressionaram contra o
vidro quando ela se inclinou para frente. "Parece que<"

"Como um pequeno terremoto." Lorde Xenon se


aproximou dela. “Eu acho que Lorde Cato estava correto. É
uma legião de druidas que desce em nossa casa.”

Com pressa, todos nós nos empoleiramos no vidro.

E esperei.
Eu desprezava os druidas com uma paixão ardente, mas
estava pronto para sair daqui.

Assim que todos viessem, poderíamos deixar este lugar.

Todos nós nos sacudimos quando a porta da caverna se


fechou com força contra os parafusos.

"Eu estou pensando que nós não escolheremos o idiota


que não sabe como virar uma maçaneta", eu murmurei sob a
minha respiração. “Quero dizer, que tipo de idiota não
entende como trabalhar uma porta?”

A cabeça de Lorde Pippin se inclinou. “Eu não acho que


é isso que está acontecendo lá fora. Essas vibrações não são
típicas de um terremoto. Talvez uma briga...”

Eu pisquei. "Vocês ligaram para a fortaleza e disseram


que íamos ter companhia, certo?"

"Eles sabem", ele respondeu calmamente. "Eles estão


ficando longe desta parte da montanha."

De repente, a porta de madeira preta se curvou em suas


dobradiças.

Estrondo.
Todos os nossos olhos seguiram a porta enquanto ela
voava pela caverna, batendo no fundo do palco e espalhando
uma cadeira em sua esteira.

"Essa é uma maneira de abrir uma porta", Lorde Xenon


resmungou. "Alguém pode vê-los ainda?"

"Não." Eu balancei a cabeça. "Isso foi definitivamente


druida, no entanto."

O chão de rocha sob nossos pés estremeceu e nós


firmamos nossas pernas.

- Eu me pergunto se conseguiremos encaixar todos eles


aqui - resmungou o Lorde Cato, divertido. "Todos eles
precisam entrar para que eles parem de lutar entre si."

Eu limpei minha garganta. “Por favor, me diga que o


feitiço desaparece para eles. Eu não vou ter algum druida
excitado beliscando meus calcanhares em todos os Desafios,
vou?”

Lorde Otto bufou. "Não, vai desaparecer assim que


quebrar o feitiço."

"Talvez você devesse quebrar o feitiço quando eles


entrarem", sugeriu Adelie. "Porque isso vai ser um monte de
testosterona voltada para a minha menina aqui."
Lorde Pippin cantarolou no fundo da garganta. "Eu
realmente acho que é uma boa ideia."

"Concordo", declarou Lorde Belshazzar. "Vamos acabar


com a necessidade deles assim que eles entrarem."

Todo o ar escapou dos meus pulmões em uma corrida


louca quando um homem jogou seu corpo para dentro da
porta. Suas pernas ainda estavam do lado de fora, e dois
homens cada um segurava um de seus pés. Todos os três
eram uma bagunça sangrenta, suas roupas em farrapos. O
homem no chão agarrou a pedra, faíscas de vermelho e azul
brilhando em seus dedos.

E eu conhecia ele. Eu conhecia todos os três.

Mas eu especialmente conhecia o que estava dentro.

Um homem que partiu meu coração

Quando eu era muito, muito mais jovem.

Minha primeira paixão e tinha sido ele.

Todos os nossos queixos caíram diante de nós.

Porque ele era o mestre Niallan. O druida original.

O homem que roubou o poder do vampiro Original. E o


matou.

"Oh foda-se", Adelie engasgou.


Lorde Xenon grunhiu.

O resto de nós ficou mudo.

Mestre Niallan chutou e berrou, suas feições se


contorcendo de raiva. Seus olhos verdes normais tinham se
transformado em ouro. Ele virou-se para o lado e jogou a
palma da mão na direção de seus amigos - e eles eram seus
amigos mais íntimos. Um tiro de fogo irrompeu de sua mão,
acertando seu alvo.

Seus amigos uivaram em frustração, limpando suas


roupas com pressa.

Deixando solta os pés do druida original.

Em um movimento rápido, ele deu um pulo.

O homem mostrou os dentes para os amigos.

Os olhos de Devin e Ysander brilharam dourados, e eles


marcharam em linha reta em direção a ele. Eles também
tinham o poder de um vampiro, presenteado pelo melhor
amigo deles.

Mas suas cabeças bateram de repente, como se tivessem


batido em uma parede de tijolos.

"Oh meu Deus", eu murmurei em choque total.


Meus olhos pousaram no druida original. O único que
poderia entrar.

Não foi uma legião de druidas que vieram.

Foi o druida.

Cato saiu do choque e assobiou: - Precisamos fechar a


necessidade dele. Agora."

Os senhores correram para o caldeirão, com as cabeças


inclinadas juntas.

Adelie e eu assistimos enquanto Devin e Ysander


continuavam tentando entrar. O chão continuou a tremer com
cada uma de suas explosões para entrar. Eles gritaram para o
amigo, pedindo que ele saísse.

Mas o Original se manteve firme, andando na frente


deles.

Como se estivesse protegendo a porta como se fosse seu


covil.

Eu sabia quando o feitiço começou a se dissipar.

Seus passos vacilaram.

Uma vez. Duas vezes. Mais e mais frequentemente.

Ele balançou a cabeça de longos cabelos loiros


encaracolados como um animal, e bateu na testa com a palma
da mão, sacudindo os efeitos. Sua estrutura musculosa de um
metro e oitenta e dois ficava tensa a cada passo que ele dava.
As tatuagens celtas negras em sua pele se agrupavam em seus
bíceps, suas mãos se transformando em dois punhos. Quando
ele olhou em seguida, o ouro foi apagado de seus olhos, seu
olhar agora um verde deslumbrante.

Suas sobrancelhas loiras se enrugaram em suas feições


ásperas.

Ele parou diretamente na frente de seus amigos.

Lorde Xenon correu para a janela, seguido pelo resto dos


senhores.

"Feito", Lorde Otto sibilou. "Sem mais sexo enlouquecido


Original."

"Sim, ele não está mais me cobiçando, mas vai ficar


chateado", eu sussurrei.

Mestre Niallan deu um passo em direção a seus amigos,


que pararam de tentar entrar.

Ele bateu na barreira invisível.

Meus olhos se arregalaram. "Você não tirou todo o


feitiço?"
Lorde Pippin sorriu, totalmente satisfeito com a situação.
"Claro que não. Não podemos deixá-lo fugindo, agora
podemos?

"Sim!" Eu gritei, virando na direção deles. Eu apontei um


dedo para o homem abaixo. “Deixe-o solto! Você não pode
pensar que ele seria um bom noviciado do rei.”

"Na verdade...", ronronou o Lorde Belsazar, "... ele seria


perfeito para as nossas necessidades".

"Porra. O quê?" Coloquei minhas mãos nos meus


quadris. "Esse druida seria a morte de nós."

Adelie me deu uma cotovelada no lado, mas eu a ignorei.

Eu não terminei ainda.

Eu rosnei: “Eu não o quero como meu rei. Lembra? Eu


tenho a palavra final.”

“Tecnicamente, você não,” Lorde Xenon respondeu


uniformemente. "No caso de haver apenas um candidato
possível para o rei, a decisão vai para os senhores."

Minhas presas desceram. “Tente o maldito feitiço


novamente. Vamos ver quem mais podemos conseguir.”

Mais cotovelos cutucando, e mais eu ignorava.


Os l{bios de Cato tremeram e ele sacudiu a cabeça. “Você
não entende. Ele é o único homem que poderia ser páreo para
você, minha ameixa.”

Eu realmente queria dar um soco no bastardo. "Pare com


o maldito nome..."

"Gwen!" Adelie sacudiu meus ombros, me puxando para


encará-la. "Você deveria calar a boca agora."

Meus olhos se arregalaram em confusão. "Por que diabos


eu faria isso?"

Sua voz era tão baixa que tive que me inclinar para ouvi-
la. “Porque o Original est{ olhando diretamente para você.
Acho que ele pode nos ouvir.”

Meus olhos serpentearam em sua direção e eu


praticamente engoli minha língua.

O druida era tão bonito quanto eu me lembrava.

E tão arrogante.

Ele levantou uma sobrancelha loira, a cabeça


ligeiramente inclinada. O druida recostou-se contra a parede
de pedra negra ao lado da entrada, seus amigos ainda do lado
de fora olhando para dentro. Os surpreendentes olhos verdes
do homem me percorreram da cabeça aos pés em câmera
lenta, a testa franzindo-se levemente. Ele abaixou a cabeça e
beliscou a ponte do nariz, aparentemente imerso em
pensamentos, já que vampiros e druidas não tinham dores de
cabeça.

Oh minha porra.

Por favor não se lembre de mim.

Por favor não se lembre de mim.

Eu só o conhecia há um dia.

E eu não era mais aquela criancinha apaixonada - mal


tinha dezessete anos então. Eu não sabia de nada e me jogara
nele quando ele visitou a casa do meu avô. Eu achava que ele
era o homem mais bonito do mundo. Gentil e doce com meu
avô também.

Mas ele me afastou do quarto dele na propriedade do


meu avô.

Com uma risada e um tapinha nas minhas costas.

Foi mortificante.

As sobrancelhas do mestre Niallan levantaram durante


seus pensamentos, e então sua cabeça inclinou para cima. O
Original evitou olhar para mim, sua atenção inteiramente
sobre os senhores. Em um tom casual, ele murmurou: - Que
tal você vir aqui comigo? Isso é um pouco rude.
Especialmente depois que trabalhei tanto para chegar aqui.

Devin e Ysander lançaram-lhe um olhar.

Seus lábios se contraíram, olhando para eles do lado de


fora. “Vocês podem ir. Eu estou no controle total de mim
mesmo agora.”

Devin levantou a mão e bateu um dedo na barreira


invisível. "Mesmo?"

O Original enxugou as mãos para eles. "Bem. Vá até a


vila e foda suas frustrações ou algo assim. Beber cerveja. Eu
não dou a mínima. Vou ligar e avisá-lo se eu precisar de
você.”

Depois de mais algumas palavras, seus amigos saíram.

Então ele olhou de volta para nós. “Descendo ou não?


Aparentemente, temos algo para discutir”. Um olhar em
minha direção, depois de volta para eles. “Porque eu estou
interessado na posição do Noviciado do Rei para os vampiros.
Eu já domino uma corrida, então qual é o outro?”
Minha bunda estava firmemente plantada no banco mais
distante do druida original. E isso estava dizendo alguma
coisa na caverna - muitas e muitas cadeiras vazias entre nós.
Os suseranos e o druida estavam de um lado da sala e eu
estava do outro lado. Eu fiz o meu trabalho para conseguir
um possível candidato a rei aqui. Agora, eu estava apenas
bisbilhotando - ao ar livre - para ouvir o que os soberanos
disseram a ele.

E eu não queria me aproximar mais.

Minha melhor amiga provavelmente teve a ideia certa.

Ela fugiu assim que descemos as escadas.


Exasperado, Lorde Cato se virou em seu assento para me
encarar. Ele me chamou do outro lado da sala, "Tem certeza
de que não quer se juntar a nós?"

"Não. Eu estou bem sentada aqui.” Dei de ombros, sem


me incomodar com o meu mau comportamento. "Eu posso
ouvir você muito bem."

Seus olhos castanhos rolaram. "Você é positiva?"

Sem sequer se virar para olhar para mim, atualmente em


um olhar para baixo com o original, Lorde Belshazzar latiu,
"Gwynnore, traga sua bunda para cá agora mesmo."

Meus lábios apertaram. Droga.

Eu empurrei a cadeira e caminhei em direção a eles.

Eu não estava fazendo beicinho.

Não, eu estava encarando o Original.

Eu cruzei os braços e sentei ao lado do Lorde que havia


pedido que eu me juntasse ao grupo deles. "Estou aqui. Não
de bom grado.”

Seus olhos nunca deixaram o original. Lorde Belsazar


protestou: "Então, eu adivinhei".

Mestre Niallan sentou-se na cadeira. Ele sorriu para o


senhor, mas seu olhar... era cauteloso. Se eu não estava
enganado, ele parecia vigiado ao redor do Lorde Belsazar.
Mas, com o sorriso ainda no lugar, ele perguntou: "Saudades
de mim, velho amigo?"

O Lorde riu. "Como eu sinto falta de um caso de piolho."

Seus lábios se curvaram ainda mais, e ele apontou para o


próprio rosto, agitando os dedos sobre as feições. “E esse
cara? Você sente falta disso?”

A mandíbula do Lorde Belsazar se apertou. “Vamos


passar para o nosso negócio, velho amigo? Ou prefere falar
sobre como você é bonito? Se a memória me serve
corretamente, você só deu uma merda sobre você por toda a
sua vida.”

Eu estalei meus dedos e apontei para o Original. “Esse é


um bom argumento, meu senhor. Ele definitivamente não
deveria ser rei. Então, se tudo estiver resolvido, podemos
apenas tentar esse feitiço...

"Gwynnore?" Lorde Otto interrompeu, sua cabeça loira


estalando na minha direção.

"Sim, meu senhor?" Pura inocência.

"De agora em diante, mantenha sua boca fechada."

"Sim, meu senhor", eu reclamei.


Eu me afundei na cadeira e cruzei os braços.

Este foi o pior dia de todos.

Mestre Niallan levantou uma sobrancelha loira. Ele só


tinha olhos para uma pessoa nesta sala. E eles não eram para
mim. O druida ainda estava olhando para o Lorde sentado ao
meu lado. Sem arrogância em seu tom, apenas negócios, ele
perguntou: "Só eu vim para ela?"

Lorde Belsazar concordou com a cabeça uma vez.


"Corrigir."

Olhos verdes tocaram em minha direção. Eles correram


para cima e para baixo do meu corpo lentamente, tomando
seu tempo para estudar cada parte da minha pessoa. Eu não
me contorci. Eu simplesmente olhei com mais força. Quando
seus olhos retornaram aos meus, encontrando o ódio em meu
olhar, seus lábios se curvaram em humor.

Meus olhos brilharam vermelhos. Eu dei a ele um aviso.

Isso foi tudo que eu lhe daria.

Seus olhos verdes mergulharam em meus seios, depois


de volta para o único Lorde com quem ele parecia querer
falar. "Eu vou levar."

Meus ombros ficaram tensos.


A cabeça do Lorde Belsazar se inclinou. “Você quer dizer
que quer ser considerado para o Noviciado do Rei? Ou você
está dizendo que vai levá-la?”

"Ambos." Um arrogante encolher de ombros. “Ambos


apelam para mim.”

Minha respiração veio em calças curtas.

O Lorde acenou com a cabeça gradualmente. “O


Conselho vai considerar isso então. No entanto, nada será
oficialmente declarado até que a próxima rainha seja coroada.
E você precisará permanecer neste reduto a partir de agora.
Há deveres que você terá que fazer pelo Noviciado da
Rainha”. Ele fez uma pausa e limpou a garganta com força. “E
se Gwynnore permite que você 'a leve' é inteiramente com
ela.”

Minha mandíbula se apertou.

Mestre Niallan sorriu. Foi bonito. "Combinado."

Eu levantei da minha cadeira. Eu tive o suficiente disso.

Eles o queriam.

O que os soberanos queriam, os soberanos conseguiram.


Quando abri a porta da cadeia, olhei por cima do ombro
para o original. Seus olhos verdes estavam me seguindo.
Mostrei minhas presas e bati a porta atrás de mim.
Gotas de água pendiam do meu cabelo preto, minha
alma refrescada de um banho quente, enquanto eu me
abaixava para levantar o envelope do meu chão. Alguém
tinha empurrado a inocente carta branca debaixo da porta da
frente do meu apartamento enquanto eu me recuperava do
King Challenge. Eu cerrei meus dentes enquanto me
endireitava, observando o selo oficial de cera real nas costas, o
símbolo tão poderoso quanto o sangue bombeando em
minhas veias - duas espadas mortais protegidas pela coroa
todo-poderosa.

Outro desafio

Tinha que ser.

Apenas uma hora após a última ter sido concluída.


Eu torci meu pescoço e apertei meu roupão de banho.
Este não poderia ser tão ruim. Esperançosamente. O antigo
livro dissera que o terceiro Desafio seria: Segredo.

Se eu fosse receber um segredo de proporções reais...

Eu sorri com prazer genuíno quando eu me joguei na


poltrona de cor creme e coloquei minhas pernas debaixo de
mim. Eu bati na borda do envelope no meu joelho direito,
meu sorriso nunca desaparecendo.

Conhecimento era tudo.

E eu estava prestes a aprender um verdadeiro segredo,


mantido perto da coroa. Eu a consideraria querida e nunca
falaria disso para ninguém. Nem mesmo Adelie. Eu não
falharia com este desafio.

Com dedos cuidadosos, abri a carta.

A cera quebrou com um estalo agudo, pequenos flocos


vermelhos caindo no meu colo, sujando meu robe preto com o
selo real. Com dois dedos, tirei o papel grosso do envelope.
Eu olhei para ele enquanto eu segurava diante de mim,
minhas sobrancelhas se levantando em surpresa enquanto eu
lia o conteúdo.

Foi de fato o próximo desafio.


Mas fui tola em acreditar que o segredo seria contado
através de uma carta. O Conselho nunca funcionaria dessa
maneira com informações delicadas - onde qualquer um
poderia roubar uma simples missiva e lê-la. Não, eu deveria
encontrar o Lorde mais velho em seus aposentos particulares
para este. As palavras seriam ditas em um ambiente
silencioso.

Mordi meu lábio inferior enquanto deixei a carta de lado.

O Lorde Belsazar era antigo.

Uma coisa era lidar com ele enquanto os outros Lordes


estavam por perto e aos olhos do público, mas outro
inteiramente para falar com ele sozinho em um local isolado.

Cada aspecto do mais velho era mortal.

De sua aparência. Para sua personalidade.

Para o seu charme. Para o poder dele.

De todos os senhores, ele me assustou mais.

O homem tinha planos dentro dos planos dentro dos


planos.

Dentro de planos ainda mais...

Cada palavra que ele falou tinha significado.


Por quê? Porque ele planejou tudo o que ele disse
também.

Lorde Belsazar era conivente e dominante e poderoso


para tudo o que tocava - fosse uma nova lei, uma palavra
gentil, o balanço de sua espada, um arco de sua testa ou suas
presas arrancando uma garganta. Tudo o que ele fez foi poder
puro. Todo o mundo dos vampiros sabia disso. Inferno, todos
os druidas sabiam disso. O druida original foi até mesmo
insinuado por ele. Enquanto o Lorde reinava como rei,
absolutamente ninguém tentava derrubá-lo, porque ele os
havia vencido.

Ele era um governante que ninguém tinha visto


chegando.

E eles nunca se esqueceram dele.

O homem era tão bom assim. E velho.

Eu me perguntei vagamente quantos anos ele realmente


tinha.

Não havia literatura sobre isso. Em qualquer lugar.

Eu tentei engolir meus nervos e me levantei, limpando os


pequenos flocos de cera jogando no chão. Eu assisti cada um
flutuar para o carpete grosso, e quando eles fizeram, eu me
acalmei.
O Lorde é assustador, assustador...

Mas eu não estaria aqui se ele não quisesse que fosse eu.

Isso foi poderoso em si mesmo.

No entanto, eu iria manter minha natureza esperta em


cheque.

Eu queria viver, afinal.

Entrei no meu quarto com mais confiança do que


provavelmente deveria ter tido em encontrá-lo sozinho. Mas
eu precisava me vestir. Um não encontrou o vampiro mais
velho em apenas um manto. Se eu fizesse algo errado - o que
era sempre uma possibilidade, visivelmente ele teria ideias
em demasia sobre meu sangue e minha carne.

Maldita minha boca.

***

Depois de obter instruções das sentinelas que


guardavam os aposentos privados dos membros do conselho,
parei em frente do Lorde Belsazar com o convite apertado no
punho direito. Limpei a garganta, olhei para o guarda à
direita e estendi o convite para ele, para o vampiro que
provavelmente tinha mais anos de treinamento mortal do que
eu tinha dias de vida. Eu disse simplesmente: “Eu tenho um
compromisso com o senhor. Meu nome é-"

Ele sessou minhas palavras. "Eu sei quem você é." O


guarda abriu a porta do Lorde sem alarde. "Ele chegou apenas
dez minutos atrás, mas entre."

Eu balancei a cabeça e engoli em seco na garganta. Eu


poderia fazer isso. Não havia nada a temer - era apenas o
próximo desafio. Estranho como o desafio mais simples era o
mais preocupante. Eu entrei com um propósito e consegui não
recuar quando o guarda fechou a porta atrás de mim com um
baque surdo.

Silêncio instantâneo.

Eu pisquei e me virei em um círculo.

O quarto em si não era nada como o meu apartamento. O


espaço privado do Lorde era mais parecido com um quarto
normal - muito modesto. Uma enorme cama com lençóis de
cetim vermelho e preto estava à minha esquerda. À minha
direita, um sofá e uma cadeira estavam na frente de uma
lareira. Uma lareira real onde os troncos estavam queimando,
um brilho de chamas lambendo a rocha cavernosa negra. E
não havia fumaça no interior da sala. Como ele conseguiu isso
dentro de uma montanha, nem me atrevi a adivinhar.
Mas o silêncio fez minhas sobrancelhas se levantarem.

O quarto do Lorde era à prova de som.

Não admira que ele quisesse ter essa discussão aqui.

O único ruído ouvido foi a pitada de água.

Eu limpei minha garganta novamente e enfiei o convite


no bolso direito da minha calça de couro preta. Então eu mexi
no meu suéter branco e chamei a porta de madeira escura bem
na minha frente, “Lorde Belsazar? Eu posso voltar se você não
estiver pronto.”

O chuveiro continuou.

Embora sua voz fosse clara. “Eu sairei em um minuto.


Sinta-se à vontade."

Passei os dedos pelo meu próprio cabelo levemente


úmido e caminhei em direção à estante na parede ao lado do
sofá. Até tirei minhas botas e meias para sentir o roçar do
tapete de pele nos pés descalços, o tapete aquecido pelo fogo.
O vampiro disse para ficar à vontade, afinal. E com o cabelo
preto daquele homem, assim como o meu em comprimento e
cor, eu sabia que ele não seria apenas um minuto.

Eu corri meus dedos sobre os velhos volumes alinhados


na estante de livros. Nenhuma poeira cobriu minha pele. As
pessoas de limpeza aqui eram surpreendentes. Cada livro foi
tratado melhor do que a maioria das pessoas, com amor e um
toque terno.

Minha cabeça inclinou e minhas sobrancelhas franziram,


enquanto eu olhava algo interessante para minha curiosidade.
Um painel escondido na estante, ligeiramente aberto - um
compartimento aberto e fechado às pressas. Eu olhei para o
banheiro. A água ainda estava correndo, tilintando nos
ladrilhos. Fiquei muito quieto, contemplando minhas
próximas ações.

Eu torci meu pescoço.

Droga. A tentação era uma cadela.

Eu rapidamente abri o painel mais largo.

Eu rapidamente olhei para os muitos livros dentro. Cada


um mais velho que o outro. Alguns eram meros cadernos
antigos, as cores desbotadas com o tempo. Eu mordei minha
bochecha em ligeira confusão, no entanto.

As lombadas dos livros - os volumes que ainda tinham


espinhos - estavam todos na antiga língua druida. Eu só tinha
visto uma antes na minha vida, na coleção do meu avô. Ele
não fora capaz de ler, mas ficara extremamente orgulhoso de
possuí-lo. Ninguém sabia falar a língua esquecida, muito
menos lê-la.
Bem, um druida original provavelmente poderia.

Idiota estúpido.

Mas o problema mais intrigante sobre esse ponto de


vista...

Eu puxei o convite do meu bolso e segurei até o mais


legível dos espinhos. Meu olhar foi para frente e para trás
entre os dois, a caligrafia na lombada e a letra do convite.

Oh, minha querida foda.

Eles eram... um jogo.

Eu pisquei e enfiei o convite de volta no meu bolso.


Sempre com tanto cuidado, puxei um dos livros da prateleira
e abri as páginas delicadas. Eles não esvoaçavam como eu
temia, mas estavam rígidos com um unguento usado para
preservar as páginas reverenciadas. Eu olhei para a escrita e,
assim como a lombada tinha mostrado, as páginas estavam
cheias de sua caligrafia, em um idioma que eu não conseguia
ler. A antiga linguagem druida.

Eu olhei para uma página. Uma tigela tinha sido


desenhada lá com o que poderia ser uma lista abaixo dela,
cada frase com o que poderia ser uma palavra. Sim,
provavelmente uma lista.

Santa... merda.
Estes eram feitiços de druida.

Como diabos o Lorde sabia disso?

Druidas cobiçavam seus feitiços.

Eles mataram para manter seus feitiços para si mesmos.

"O que diabos você pensa que está fazendo?" Lorde Belsazar
rugiu.

Um tiro elétrico de medo correu pelas minhas veias, e eu


deixei cair o livro como se tivesse me queimado tão
severamente quanto as chamas em sua lareira. Minha cabeça
girou na direção do banheiro. Ele estava de pé vestido nada
além de calças pretas de pijama e uma camiseta preta de
mangas compridas, mas eu ainda congelei como um humano
vendo uma raiva de vampiro pela primeira vez em sua vida.
Com os olhos vermelho-sangue e realmente brilhando - nem
sabia que era possível - ergui as mãos para o ar, resmungando
rapidamente: "Me desculpe, me desculpe, me desculpe!"

Não ajudou.

O antigo vampiro bateu no meu traseiro, batendo à


frente dos meus ombros na estante de livros. Eu nem o vi se
mexer. Nem um borrão na minha visão de vampiro. Nada. O
Lorde estava em um ponto, e então ele se moveu tão rápido
que ele estava em outro. Eu gritei de terror quando ele
agarrou meu cabelo e puxou minha cabeça para o lado.

Suas presas afundaram no meu pescoço na próxima


respiração.
"O que você está fazendo?!" Eu gritei a plenos pulmões,
esperando que minha voz passasse pela porta para a pista de
dança.

Antes que eu pudesse soltar outro grito, minhas mãos


foram puxadas para atrás de mim, amarradas e uma mordaça
enfiada na minha boca.

Outro homem alto e moreno apareceu, mas este não


estava vestido formal. Ele me arrastou escada abaixo, meu
vestido me fazendo tropeçar e perder o equilíbrio.

"Eu pensei que você fosse mais inteligente."

Havia figuras nos dois lados das portas, vestidas de


preto da cabeça aos pés, mantendo-as abertas para nós
passarmos. Uma carruagem esperava por nós, sua porta
também aberta e hostil.

Puxando-me loucamente contra o aperto duro do


homem que me arrastou escada abaixo, eu tentei gritar com a
mordaça.

Sua mão se alojou no meu cabelo e me empurrou para


ficar parada.

“Cale a boca, Kimber Raven. Cale a boca, ou eu vou usar


a mágica em você e torná-lo surda e muda.”

Com um suspiro, ele me girou no carro e me enfiou na


parte de trás. Inclinando-se, ele me deu um sorriso cruel. -
Estamos sequestrando você, lady Raven. O templo não
merece ter você quando o mundo começar a quebrar. Você
nos servirá e nos conduzirá ao poder. Lute e nós vamos te
matar. Escape, e nós vamos matar os mestres. Ah, e aquele
pedaço gostoso com o qual você estava dançando também.
Ele deveria morrer também, não deveria? “

Minha garganta trabalhou por conta própria e eu segurei


meus gritos.

Minha magia não estava limpa o suficiente, afiada o


suficiente, para escapar de seu alcance ou das cordas.
Batendo a porta com força, ele subiu no banco da frente
da carruagem como passageiro, e com um chicote no cavalo,
nós entramos em movimento pela grama.

Eu tentei desesperadamente manter a calma. Não foi fácil


como eu fui jogada dentro da carruagem. Eu tinha sido
arrancado dos braços do homem que acabara de declarar seu
namoro e estava sendo afastada de tudo o que significava
alguma coisa.

O homem cruel virou-se e olhou para mim, agora


exausto e confuso.

“Você nem sabe o que é você, garota? Deixe-me explicar


então. Você é um peão. Você não é nada mais do que algo
movido pelo tabuleiro de xadrez para proteger ou economizar
energia. O templo vai te usar e te destruir, e eventualmente, te
jogará para o lado como um sacrifício. Você não terá uma
coroa de ouro ao lado do Deus Perdido. Você não terá pedras
preciosas e riqueza como diz a profecia. Você será usada.
Espremida e seca. Descartada e esquecida. “

“Nós usaremos seu poder como qualquer outra pessoa


faria. A Deusa Encontrada, ao nosso alcance, nega a entrada
no Deus Perdido. Ele nunca será permitido de volta, e nós
devemos governar S'Kir como sempre faríamos.”
Quem eram essas pessoas? Eu não tinha o poder de abrir
o portão ou derrubar a montanha. Eu era apenas o arauto do
Breaking Times.

Minha mente congelou naquele rosto.

Eu era o arauto do Breaking Times. Assim como Elex


precisava mostrar a todos suas intenções com a dança, eu
precisava mostrar quem tinha o controle... quem iria proteger
as pessoas de S'Kir durante o Breaking Time.

Se este grupo de< bandidos< me tivesse, eles poderiam


reivindicar que eles eram os protetores.

Mas eu era do templo. E o templo deveria ter controle.


Eles tinham os exércitos, o conhecimento, a história, o poder
que nos levaria em segurança.

Mesmo que esse maníaco usasse a mágica contra mim,


eu teria que fugir. Eu precisava.

O templo precisa estar no poder.

O maníaco riu. “Eu vejo que você entende. Boa."

Deslizando de volta para o motorista, ele começou a falar


com o homem chicoteando os cavalos. Eu não conseguia ouvir
a conversa deles sobre o barulho das rodas nas pedras de
pavimentação. Eu só peguei uma palavra.
Um nome.

Dorian

Não houve tempo para reagir.

Um tremendo whompf soou na parte superior da


carruagem, e o motorista chicoteou o cavalo com mais força.

Percebi que queria a cabeça dele para brutalizar aquele


pobre animal.

Outro whompf veio do telhado e eu me abaixei sem


pensar.

O maníaco no banco da frente gritava para os cavalos


irem mais rápido, mas, um momento depois, a porta foi
aberta de lado e seu corpo foi puxado para fora.

O chicote subiu novamente e nunca voltou para baixo. O


motorista olhou para cima e gritou quando uma mão desceu
para agarrar seu colarinho e arrancá-lo.

Os cavalos diminuíram a velocidade e eu pude ouvir


gritos. A carruagem foi golpeada por uma explosão de magia,
explodindo pelos lados e escorrendo para dentro.

Eu não conseguia ver o que estava acontecendo, mas


sabia que agora estava calmo o suficiente para tentar usar um
pouco da minha magia.
Deslizando alguns fios sob a mordaça, eu balancei um
pouco e senti o nó se soltar. Um momento mais de balançar e
caiu. Eu engoli o ar, raramente lembrando que tinha um gosto
tão doce.

Como funcionara com a mordaça, tentei mexer nas


cordas com a magia.

Sem sorte desta vez.

Eu poderia criar uma serra? Não havia mal algum em


tentar, então envolvi os fios ao redor da corda. Antes que eu
pudesse tentar, a porta foi aberta, e eu estava pronta para
começar a chutar e a gritar.

O rosto, porém, era o de Elex, e me acalmei


imediatamente. Ele subiu na carruagem.

"Eles machucaram você?"

"Não. Bem, não de propósito. Meus braços estão


doloridos e tenho certeza de que rasguei meu vestido.

O flash de uma lâmina de faca apareceu nas minhas


costas e as cordas foram soltas um momento depois. Eu
esfreguei meus pulsos. Ele ficaria dolorido por alguns dias.

"Você tem certeza que está bem?"

"Sim. Por favor, me ajude a sair dessa engenhoca.”


Recuando, Elex estendeu a mão para me firmar. Eu saí e
encontrei meu centro, enquanto meus pés batiam no chão.

"Você está bem, Lady Raven?"

Colocando minha cabeça para a direita, encontrei Dorian


parado ali. Eu varri meu olhar para frente e para trás algumas
vezes, observando ele e Elex. Eles pareciam cansados e
preocupados, e suas roupas estavam em frangalhos.

Eu finalmente perguntei ao Elex. "O que aconteceu


aqui?"

Olhando para Dorian, Elex narrou a história. “Nós dois


vimos você sendo jogada mais e mais perto da outra saída e
tentei impedi-los de levar você. Ficou claro que não
conseguiríamos fazer isso, e Mestre Dorian e eu fomos direto
para os cavalos do lado de fora.

“Quando viramos a esquina, vimos os cavalos correrem


pelos gramados, puxando a carruagem. Os guardas estavam
pegando os outros que estavam com eles quando saíram do
prédio, então Dorian e eu estávamos livres para ir atrás de
você. Nós fomos em uma perseguição e paramos ao lado.

Eu olhei para ele, dura, chocada. "Você pulou para a


carruagem em movimento?"

"Seu pretendente é bom atleta", ofereceu Dorian.


"Você está brincando comigo? Você pulou do seu cavalo
para o teto da minha carruagem?”

"Eu não estou. De que outra forma eu deveria salvá-la?”

“Deuses e estrelas! Você est{ louco?"

"Dorian ajudou."

Minhas sobrancelhas arquearam-se, chocadas. “Mestre


Dorian? Você pulou para a carruagem? “

Um encolher de ombros indiferente não traiu nada do


que ele estava pensando. "Lorde Everettson precisava de
ajuda."

"Então você pulou do seu cavalo."

Fiquei totalmente surpresa. Este homem era quase tão


velho quanto as montanhas, e ele saltava de um cavalo...

Para me salvar.

Eu olhei para Elex. "Ele realmente pulou?"

“Ele puxou o motorista para fora. Eu peguei o


sequestrador do lado do passageiro.” Elex inclinou a cabeça e
pude vê-lo com um sorriso atônito nos lábios.

“Mestre Dorian, obrigada. Obrigada Elex.”


"O herói recebe um beijo?" Elex deu um sorriso maroto
para mim.

Bem, dois poderiam jogar.

Inclinei-me para dar-lhe um beijo nos lábios e desviei no


último momento para pousar em sua bochecha. "Herói
corajoso."

Eu me virei para caminhar até Dorian e ele estendeu a


mão. "Eu não preciso de um beijo."

Mas algo brilhou em seus olhos quando ele cruzou os


braços. Um toque de ciúmes? Uma sugestão de raiva? Não
havia como confundir o ouro do flash.

"Você está bem?" Elex perguntou novamente.

"Eu estou. Eu estou apenas um pouco dolorida e


chocada. Acho que preciso aprender mais sobre minha
própria magia e mais sobre autodefesa.” Meus olhos
pousaram em Dorian. "Muito está acontecendo aqui que você
ainda não compartilhou, não é?"

Ele desdobrou seus braços. “Você era quem queria correr


cegamente para o Breaking Time. Eu tentei te parar. Você
pagar{ o preço agora.”
“Você não deveria me ameaçar, Dorian. Você j{ tem os
outros mestres zangados com você e me ameaçar causará uma
cisma.”

"Você é uma criança, Lady Raven." Desprezo e escárnio


escorriam de suas palavras. “Você não tem ideia de como são
os mestres, não de suas poucas semanas de interação conosco.
Milhares de anos nos separam da criança que você está aos
nossos olhos. Você empurrou o Breaking Times. Você não está
pronta para nada disso.”

Seus olhos brilharam de novo, e sua raiva pousou em


Elex. “Você, seria melhor tela em breve, se você planeja. Ela
precisará da proteção e pode receber de outro bebê como
você. “

Ele girou nos calcanhares e marchou para longe de nós,


de volta para o cavalo.

Eu não consegui parar a pergunta. "Por que ele é tão


idiota?"

"Provavelmente precisa transar."

Eu dei um soco no Elex. "Isso é inadequado."

Ele olhou para mim e eu vi seus olhos dourarem - não


havia como confundir a luxúria que sentava dentro deles.
“Eu ainda estou com adrenalina. Você quer que eu
mostre o que é inapropriado?”

Ele se aproximou um passo e seu dedo traçou a gola do


meu vestido. Meu sangue aqueceu com as sugestões desse
simples toque.

"Mostre-me a portas fechadas e você pode colocar meu


vestido no chão."

Apenas uma fração de segundo se passou, e eu me vi


sendo arrastada por ele.

Mais uma vez eu estava rindo.


O apartamento de Elex era pequeno e limpo, mas eu não
tive tempo de olhar para ele antes que ele me puxasse para o
quarto.

"Elex..."

Seus dedos pressionaram contra meus lábios.

"Não. Não fala, meu amor. Eu só quero ouvir o seu


prazer.”

O que foi isso?

Enquanto ele andava ao meu redor, ele arrastou o dedo


sobre o meu vestido e minha pele. Meu sangue aqueceu de
novo, quase instantaneamente.
“Fiquei apavorado quando vi você sendo empurrada
para fora da sala, Kimber. Eu me arrependi a cada instante
que não mostrei o que você significa para mim. Esta noite, eu
planejo adorar cada centímetro do que eu me neguei. E o que
eu te neguei.”

Aqueles mesmos dedos errantes encontraram os


fixadores na parte de trás do vestido e, lentamente,
torturantemente os abriram. Mãos quentes deslizaram sob os
ombros, empurraram o topo aberto e deslizaram para frente.
As mangas eram traidoras, na verdade, porque não faziam
nada além de serem bonitas.

E deslizou para fora dos meus braços.

"Você está falando sério sobre colocar meu vestido no


seu chão."

Os braços de Elex deslizaram em volta de mim por trás.


"Eu sou. E eu também estou falando sério sobre fazer você
gritar seu prazer. Seus braços envolveram minha cintura,
abaixo do sutiã rendado que eu escolhi para ele.

Com outros homens, eu tinha sido tímida sobre sexo. Se


fosse antes, eu estaria segurando o vestido na minha frente.

Mas com Elex... parecia natural. Como se eu pertencesse


a ele.
Eu certamente queria estar com ele.

Sua mão serpenteou até a minha garganta e espalhou-se


pela delicada extensão. “Kimber. Eu não sou um amante
terno. Eu sou áspero. Eu sou cru. Eu sou dominante. Eu vou
comandar você, e vou fazer você executar. E eu recompensarei
você. Mas se você me espera doce e cuidadoso, sugiro que
saia agora.”

A aspereza de sua voz enviou arrepios através de mim,


meus mamilos tocando o tecido do sutiã - enviando um toque
de dor através do meu peito.

Eu gostei.

“Estou aqui porque quero você, Elex. Eu tive suave. Eu


tive cuidado. Eu tive aqueles que me adoram. Eu terminei
com isso. “

Eu inclinei minha cabeça para descansar na curva do


pescoço dele. "Mostre-me sua besta."

Sua boca desceu sobre a minha, saqueando seu prêmio.


Abri-me para ele, acolhendo-o, enquanto o provava. Macho,
muito macho, um toque de sobremesa, e o sabor forte de um
uísque rico e dourado invadiu meus sentidos.

Magnífico.
Essas mãos grandes escorregaram pelos meus lados, e
bem debaixo do meu sutiã, levantando-o sobre os meus seios.
Ele não levou um momento para encontrar meus mamilos e
rolá-los, provocando-os com mais força, e persuadindo o
primeiro de mil gemidos de mim.

Elex afastou uma das mãos do meu seio e deslizou os


fechos completamente para baixo. Aquela mesma mão
encontrou meu quadril dentro do vestido, e o empurrou,
enviando-o em cascata no chão.

Ele estava certo, parecia melhor lá.

Enrolando a mão ao redor do meu quadril, um


movimento suave me girou para ele, e ele assumiu novamente
com um beijo. "Você quer que eu te foda?"

"Sim." Não houve hesitação. "Eu preciso de você."

"O que você precisa?"

"Você."

“Diga as palavras, Kimber. Diga-me exatamente o que


você precisa.

"Eu preciso de você para me foder."

"Boa."
Sem provocação, caí de joelhos. Eu precisava saboreá-lo.
Eu precisava do pau dele na minha boca. Eu agarrei suas
calças e as empurrei para baixo e saindo do meu caminho
enquanto seu membro impressionante saltava livre.

"Sério?" Sua voz era um silvo. "Você quer me chupar."

"Sim." Mais uma vez, sem hesitação. "Você tem um dos


pênis mais magníficos que eu já vi."

Brilhando com pré-gozo, eu corri a ponta da minha


língua sobre ele, provando-o. Minha pequena provocação
ganhou um grunhido dele, e ele enfiou as mãos pelo meu
cabelo, apertando com força. Puxando contra seu punho
apertado, eu deslizei meus lábios sobre a coroa de seu pau e o
puxei profundamente em minha boca.

Ele tinha um sabor excelente, mas eu sabia que meu


queixo doeria rapidamente com o tamanho dele.

Eu continuei. Eu o tirei lentamente e depois o puxei de


volta. Eu apertei meus lábios ao redor dele e tomei o controle
de seu pau, saboreando e chupando e lambendo e apreciando -
o.

A enorme ereção me esgotou. Quando ficou claro para


ele que eu estava disposta, mas cansada, ele assumiu o
controle de mim e fodeu minha boca, entrando e saindo de
meus lábios. Eu lambi e cutuquei, apertei e afrouxei meus
lábios, mesmo raspando meus dentes sobre ele.

Havia algo deliciosamente primitivo nele apenas usando


minha boca para seu próprio benefício. Eu nunca deixei um
macho fazer isso comigo, mas ele apenas me usando,
dirigindo sua ereção tão profundamente quanto ele poderia
forçá-lo, foi o ato perfeito dele, desta besta que ele era.

Quão diferente ele estava aqui em seu quarto.

“Eu vou gozar na sua boca e você vai engolir. Até a


última gota.

Sim. Ele estava vindo. Eu sabia que era e queria. Eu


queria saboreá-lo.

Ele bombeou com força, e seu esperma correu por seu


eixo com um puxão e contração. O líquido quente cobriu
minha língua, minha boca, e deslizou pela minha garganta
quando ele grunhiu e gemeu com a liberação que eu dei a ele.
Eu engoli e chupei todo seu pau e deixei cada gota rolar pela
minha garganta.

Quando ele soltou meu cabelo da mão, ele baixou a


cabeça e olhou para mim ajoelhado ali. “Merda, Kimber. Que
boca gostosa você tem. Você gostou disso?”

"Sim", eu respondi, me surpreendendo.


"Boa menina". Ele colocou um dedo debaixo do meu
queixo.

Ele ainda estava duro.

Isso foi impressionante.

Ele me guiou com um puxão no meu cabelo para ficar de


pé.

Eu estava começando a gostar da dor que ele me. Muito.

"Você vai deitar na cama agora e abrir as pernas para que


eu possa ver sua boceta."

Eu me movi rapidamente. Eu queria tudo isso que Elex


estava oferecendo. Eu não tinha ideia que eu gostaria de seus
comandos, mas eu fiz, e eu precisava dele. Eu perdi o sutiã e a
calcinha no caminho para a cama, me deitei como uma
refeição recém-servida, e aproveitei a luxúria de estar ali
deitada com as pernas abertas e esperando por ele.

Deliciosamente, eu assisti ele se despir.

Sua jaqueta e camisa formais foram descartadas


rapidamente, e ele levantou e tirou a camiseta para revelar o
tipo de abdômen que... bem, isso poderia arrancar um
sequestrador de uma carruagem. Ondulante e tenso, seus
peitorais eram uma visão notável.
Suas calças já estavam caídas, e era uma tarefa simples
sair e acabar com elas.

Elex tinha excelente pontaria. De pé ao lado da cama, ele


ficou o mais próximo entre as minhas pernas. Ele encontrou
meu clitóris com a mão e provocou instantaneamente um
gemido ofegante de meus lábios.

Com isso, ele empurrou dois dedos dentro de mim e


começou a bombear contra o meu clitóris. Meu corpo era
gelatinoso. Eu precisava dessa atenção. Eu precisava disso.
Meu pobre clitóris estava instantaneamente em chamas pelo
seu toque.

Sua língua encontrou meus nervos empacotados.

Eu cavei minhas unhas em seus ombros. O chiado que


provocou tropeçou na minha boceta, iluminando meu corpo
como uma fogueira. Tentei dizer a ele que não queria que ele
me lambesse até o orgasmo, mas quando senti o dedo dele
deslizar para dentro de mim novamente e começar a bombear
para dentro e para fora, para dentro e para fora, meu núcleo
tremeu.

"Droga..." eu consegui. "Elex, eu quero que você... para...


uh... merda."

Ele conseguiu pronunciar as palavras fora do meu


cérebro. Minha cabeça caiu contra o travesseiro
Os dentes de Elex roçaram o pacote quente e tenro. O
calor passou através de mim. Eu queria que ele me perfurasse
com seu pênis naquele momento, e abri minha boca para dizer
isso a ele. Quando um terceiro dedo trabalhou no meu canal
latejante, eu ofeguei em vez disso. A sensação de estar cheia e
estirada foi um alívio, e foi seguido por outro movimento de
seus dentes. Eu não conseguia mais pensar, não conseguia me
mexer. Eu estava quase lá, sem nem ter seu pau dentro de
mim.

Um toque de magia atravessou meus mamilos e, em


conjunto, ele beliscou meu clitóris.

Eu gozei com tanta força que pensei que ia explodir.


Minhas pernas ficaram fracas quando meu corpo tremeu e
estremeceu. Eu não tinha posse de mim mesma. Senti o
orgasmo rolando através de mim, para cima e para baixo, e de
volta, e finalmente se estabelecendo em meu sexo.

Enfiei meus dedos no cabelo de Elex e puxei sua cabeça


para trás de onde ele tinha aninhado, em minha boceta.
Passando um dos meus dedos por sua bochecha, olhei para
ele. "Elex..."

"Você gostou disso, meu doce?"

"Sim, oh foda-se sim."

"Você quer que eu te foda?"


"Sim! Sim! Quero seu pau dentro de mim!”

Ele envolveu uma mão ao redor da minha cintura e usou


os dedos da outra mão para sondar as profundezas do meu
sexo mais uma vez. Soltei alguns suspiros, tentando controlar
meu desejo. Isso foi desonesto. Era assim que eu queria ser
levada. Eu nunca pensei que algo assim pudesse ser
agradável, mas oh, Deuses e estrelas era.

Rastejando até a cama, ele capturou meus lábios com um


beijo empolado, sua língua implacável e seu sabor queimando
em minha memória.

Sua mão desapareceu do meu clitóris por um momento e


foi substituída pela ponta da sua ereção. O eixo endurecido
pressionou contra mim e a pele sensível da minha abertura
convulsionou, lançando faíscas através do meu corpo e
perolizando meus mamilos mais uma vez.

"Elex!"

"Para você, Kimber."

Seu pau bateu em casa, duro, profundo e contundente,


mas com um estranho senso de cuidado. Eu engoli o grito que
eu queria deixar rasgar da minha garganta. Seus impulsos
beiravam impiedosamente, mas nunca cruzaram a linha, e ele
encheu e me esticou para quebrar.
Seus dedos me prepararam bem. Se ele tivesse acabado
de voltar para casa, não haveria prazer para mim. Dessa
forma, tendo chegado, ter a umidade do sexo já me revestindo
tornava tudo muito melhor, muito mais prazeroso.

Dirigindo com força, ele bombeou seu pênis para dentro


e para fora da minha boceta, um braço enrolado firmemente
ao redor da minha cintura, o outro segurando um seio como
se fosse a coisa mais preciosa de todas.

Eu pressionei de volta, encorajando-o a ir mais duro, ir


mais rápido. Eu podia sentir meu clímax subindo com cada
batida de seu eixo nas minhas profundezas, a rocha de suas
bolas contra a minha bunda. Eu precisava mais disso, mais
dele, e eu abri minhas pernas ainda mais, permitindo que
mais dele batesse contra mim.

O som de sua pele batendo na minha, os sons sexuais de


ser fodida, ecoaram das paredes ao nosso redor. Eu não me
importei se eles nos ouvissem. Eu precisava disso. Eu
precisava que Elex continuasse batendo em mim, me fazendo
chegar ao clímax que eu tão desesperadamente queria ter com
seu pênis.

“Mais forte, Elex. Mais forte."

Eu me surpreendi com essas palavras.


"Boceta gananciosa", ele ofegou, mas aceitou meu
desafio. Eu quase deixei escapar um grito quando ele bateu
com tanta força que meus dentes tremeram. “Isso é o que você
quer? Você quer meu pau dentro de você o tempo todo? Você
quer que eu encha cada centímetro da sua boceta com meu
pau?”

"Foda-me, Elex." Eu estava sem fôlego.

Ele puxou para fora e eu choraminguei. Eu ainda não


tinha gozado.

Em vez de me afastar completamente da cama, ele


agarrou meu quadril e me virou.

"Curve-se, bunda no ar."

Eu me movi imediatamente, quase me dobrando ao


meio. Com uma precisão deliciosa e incrível, ele se jogou de
volta na minha boceta. Ele começou a bombear dentro e fora
do meu sexo. Sem aviso, ele agarrou minha perna do chão e a
puxou de volta pela cintura.

Seu próximo impulso o deixou mais profundo do que eu


poderia esperar. O ar frio que saudou meu clitóris após cada
impulso profundo contrastou com o calor de seu pênis e
bolas. Mesmo se alguém entrasse no apartamento, encostasse
na parede e começasse a nos observar, eu não me importaria.
Meu clímax estava bem ali, e eu ansiava
desesperadamente por isso.

O dedo de Elex bateu contra o feixe quente de nervos e


eu fui levada ao precipício. Ele bateu em casa e raspou de
volta contra o meu ponto G no fundo. Meu corpo todo,
suando e com fome de soltar, estremeceu e tremeu. Outro
toque, desta vez uma pressão contra o botão aquecido, e uma
batida dura de pau até a raiz dentro de mim.

O orgasmo entrou em erupção através de mim, a


liberação me cegando e me deixando surda também. O
zumbido nos meus ouvidos quase cobriu o tapa sexual de seu
pênis e os palavrões que saíram de seus lábios quando ele
derramou seu esperma dentro de mim.

"Porra! Kimber!

Seus últimos golpes foram curtos, afiados e lentos para


se retirar. Ele deixou cair a minha perna na cama e apenas
segurou meus quadris contra ele quando sua ereção
lentamente recuou e lentamente se retirou da minha boceta.

Nós desmoronamos na cama, Elex envolvendo seus


braços em volta de mim. Ele me puxou para perto, me
abraçando.

Eu mal conseguia manter meus olhos abertos. Eu estava


tão maravilhosamente exausta de sua porra implacável.
Eu estava satisfeita.

Eu só consegui olhar para cima e suspiro.

“Elex. Veja."

"Hmm?" O sorriso no rosto dele era ridículo e


maravilhoso.

"Olhe para cima."

Ele rolou um pouco para olhar para o teto, e eu o senti se


mexer um pouco em estado de choque. "São aqueles..."

"Encadernação de fios."

“Eles parecem cordas. Me dando ideias.”

Eu bati no braço dele. “Eles são fios de ligação, p{ssaros


sujos. Somos verdadeiros companheiros. Podemos pedir que
nos ligue, se quisermos. Agora mesmo."

Elex pareceu um pouco aterrorizado por um momento.


“Kimber...”

“Não, sexy. Não agora. Mas a magia nos aprova. Somos


verdadeiros companheiros e, quando estivermos prontos,
podemos nos ligar uns aos outros.”

"Ele aprovou essa sujeira?"


Eu rolei em seus braços e beijei seu nariz. “Eu não me
importo se aprovou o que nós fizemos - eu aprovo isto, minha
besta.”

"MMM bom. Eu estava com um pouco de medo...”

"Não. Amei." Eu sorri abertamente. "Nós vamos ter que


fazer isso de novo em breve."

Ele pegou minha mão e colocou em seu pênis, que estava


subindo novamente. "Muito em breve."
Existem regras não ditas sobre morder um vampiro.
Tipo, você não faz isso sem a permissão deles. Sangue é vida. E
a consequência de tal ação pode ser horrível se você não
estiver preparado para uma mudança de vida.

Como encontrar sua alma gêmea.

Mas desde que o Lorde não desmaiou no chão de seu


primeiro gole brutal do meu sangue, não foi um problema
aqui. Um problema evitado. Obrigado foda.

O que foi um problema? Eu não tinha feito sexo em...

Bem, centenas de anos graças ao meu descanso.

E mesmo que eu estivesse aterrorizada, trancada em seu


aperto inflexível e furioso, um novo frenesi tomou conta de
minha mente, inundando com pura felicidade. Sua boca
aquecida puxando meu sangue para seu corpo como se ele
não conseguisse o suficiente, era ambrosia para minha pele,
para as células dentro do meu corpo enquanto elas
queimavam com a necessidade, meus pensamentos como eu
imaginava o que sua boca poderia fazer em outros lugares.

Eu parei de lutar dentro de seu porão.

E seus braços relaxaram contra mim.

Seus goles se transformaram em goles suculentos, a


queimadura de sua atração diminuindo da agonia excruciante
ao ponto da dor deliciosa. Os músculos fortes do peito de
Lorde Belsazar se flexionaram contra as minhas costas
enquanto ele gentilmente se agarrava ainda mais, seu punho
relaxando no meu cabelo para acariciar minha cabeça
suavemente.

Com fogo queimando dentro da minha alma fria, um


gemido escapou dos meus lábios. Eu interrompi e me esforcei
para me conter. Este era um maldito vampiro antigo - e Lorde -
imprimido contra mim. Eu não podia fazer o que meu corpo
estava gritando para fazer com ele. Eu tentei enrijecer em seus
braços enquanto eu tomava meu castigo por vasculhar seus
pertences pessoais para fortalecer minha libido contra sua
mordida de vampiro... e sexy como o corpo do pecado
segurando o meu.
Seus lábios exuberantes se curvaram em um sorriso
contra a minha carne.

Minhas sobrancelhas franziram a sua atitude de flerte.

Eu estava tentando me comportar. Mas<

Lorde Belsazar pressionou sua metade inferior contra o


meu traseiro, alinhando nossos corpos apesar de nossa
diferença de altura.

Ar se alojou na minha garganta.

Uma ereção do inferno foi pressionada contra a minha


bunda.

Um pau duro, duro e grande.

"Oh meu... porra sim", eu gemi, desistindo da luta dentro


de mim. Minha bunda começou a esfregar instantaneamente
contra o seu pau tentando obter atrito onde eu mais precisava.
“O que diabos você está fazendo aí? Jesus."

Suas presas recuaram da minha carne, mas ele não


lambeu a ferida para selar os dois cortes. Ele permitiu que
minhas duas linhas quentes do meu sangue corressem pelo
meu pescoço, mantendo minha cabeça inclinada para o lado
com a mão, e observando o líquido carmesim fluir
suavemente do meu corpo com seus olhos azuis gelados.
Pestanas grossas e pretas tremulavam enquanto ele espiava
em meu olhar, sua apreciação divertida... e cheia de luxúria.

Com uma ligeira inclinação dos lábios, um sorriso


abafado só para mim, Lorde Belshazzar murmurou baixinho: -
Diga-me, Gwen, tem certeza de que quer fazer isso comigo?
Você ainda é muito jovem.”

Eu bufei. "Eu tenho quase mil anos de idade."

"Sim. Jovem." Ele abaixou a cabeça bem quando comecei


a me sentir tonta com a perda de sangue e lambeu as duas
mordidas, fechando as feridas. O Lorde pressionou dois beijos
suaves sobre cada marca, deliciosos pincéis dos lábios mais
doces, antes de subir toda a sua altura. Ele era quase um pé
mais alto do que eu e se elevava sobre mim, não apenas em
altura, mas também em poder e prestígio. Quando ele me
virou dentro do seu abraço para enfrentá-lo, ele perguntou
mais uma vez - de forma simples e direta: “Sim ou não. Pense
antes de responder.”

Olhei em seus olhos azuis emoldurados pelos cílios mais


bonitos, grossos, pretos e enrolados naturalmente. Eles eram
do mesmo tamanho que o meu. Meu olhar azul continuou a
observar seu olhar azul enquanto eu realmente pensava nisso.
Eu perguntei com honestidade e curiosidade: "Quantos anos
você tem?"
Ele falou." Você sabe que não é educado perguntar."

"E você sabe que não é nesta situação." Meus lábios se


contraíram, realmente apreciando sua evasão da pergunta. Eu
tive que tentar, curioso demais sobre sua idade. "Isso é contra
as regras para uma candidata?"

Ainda sem rodeios e direto ao ponto. “É desaprovado,


mas não contra as regras. Eu preferiria que ninguém soubesse
disso.”

"O mesmo aqui." Eu balancei a cabeça distraidamente. A


última coisa que eu precisaria era que as pessoas achassem
que eu estava recebendo tratamento especial. Minha cabeça
inclinou-se em curiosidade. “É por causa da mordida? É por
isso que você quer me foder?”

"Não, eu quero transar com você porque estou atraído


por você." Suas sobrancelhas negras se levantaram. "Você
terminou com as vinte perguntas agora?"

Meus olhos correram por suas feições lentamente. Além


da sombra de cinco horas que cobria sua mandíbula,
parecíamos muito parecidos. Um feminino e um masculino.
Ele foi construído para sedução. Eu ri baixinho e balancei a
cabeça um pouco. "Nós dois somos muito vaidosos desde que
nos achamos atraentes."
Seus lábios se curvaram de um lado em um sorriso
provocante. “Ah, então você me acha atraente. Eu realmente
não tinha percebido isso ainda. Você esconde bem”. Ele
cheirou o ar, seus olhos vermelhos. “Eu deveria saber, no
entanto. Sua excitação não desapareceu, mesmo depois que
minha mordida terminou.”

"Não é educado", eu disse.

"Estou simplesmente afirmando a verdade." Ele se


inclinou na cintura e colocou o rosto na frente do meu, a
ponta do nariz a poucos centímetros do meu. "Responda a
minha pergunta. Sim ou não. Se for um não, preciso pedir que
você saia. Nós vamos lidar com o terceiro Desafio de manhã,
quando estivermos em um estado de espírito diferente.”

Meus próprios olhos carregados de luxúria, queimando


tão vermelho quanto os dele, minha respiração chegando em
calças curtas. “Sim, eu quero você. Eu quero isso."

"Sim?" Uma sobrancelha preta arrogante se levantou.

"Sim."
Lorde Belsazar estremeceu assim que a palavra "sim"
saiu da minha boca. Seus braços fortes se apertaram ao redor
dos meus quadris, e ele me levantou com uma velocidade
vertiginosa. O vento chicoteava meu cabelo, soprando os fios
pretos nas feições esculpidas do senhor, mas ele não pareceu
se importar. Não, não quando ele me deitou sobre as minhas
costas, me colocando em cima do tapete de pele, as chamas do
fogo a poucos centímetros de nossos corpos. Seu peso pesado
e quente pressionou sobre cada centímetro de mim. Das
pontas dos dedos dos pés ao topo da minha cabeça, o cheiro
de canela do Lorde e seu corpo musculoso me envolveram.
Eu balancei a tontura da minha cabeça e olhei para as
chamas tão perto. Então eu olhei para cima em seus olhos
vermelhos ardentes. Sem fôlego pela correria, ofeguei, "Você
gosta de viver do lado perigoso, hein?"

Seus lábios se curvaram de prazer. "Ai sim." Seu olhar


percorreu minhas feições. "Você está bem agora?"

Eu tirei uma mão do aperto de morte que eu tinha em


seus ombros e esfreguei um pouco a testa. Cansada, eu
murmurei: “Você se move muito mais r{pido do que eu.
Fiquei um pouco tonta. Estou bem agora."

“Eu me movo muito mais r{pido que a maioria. Mas a


perda de sangue também não ajudou você”. Ele baixou a
cabeça, estreitando os olhos nos meus. “Você tem certeza que
pode cuidar de mim? Como eu disse, você ainda é jovem.”

Eu olhei furiosamente. "Cale-se."

Seus lábios tremeram, embora seu olhar ressentido não


vacilasse, confundindo-me um pouco. "Não vomite em mim."

Eu zombei, "eu nunca..."

O vento se apressou e o quarto se inclinou em uma


corrida louca.

A realidade se contorceu e se curvou enquanto nos


movíamos.
Eu gritei. " Merda, merda, merda, merda!"

De repente, estávamos na mesma posição novamente.

Exceto que estávamos bunda com bunda.

Minha boca bateu como um idiota maldito. Eu não


conseguia parar de piscar pelas estrelas nos meus olhos. E eu
tinha certeza de que tinha uma pequena baba saindo do lado
da minha boca. Eu gaguejei: "Hã?"

A risada do Lorde foi silenciosa e desonesta. Um longo


dedo roçou minha bochecha - sim, baba - e ele afirmou
calmamente: “Eu estava devagar mais cedo. Isso é o quão
r{pido eu posso realmente me mover.”

Com as costas da minha mão direita, eu rapidamente


esfreguei minha bochecha para limpar qualquer baba restante.
Continuei a piscar até que ele voltasse completamente ao foco.
Meus olhos deram uma olhada lenta em toda a carne cor de
azeitona que eu podia ver sobre mim. Era apenas seus
ombros, mas eles eram perfeitos. Eu respirei fundo e nivelei
meus olhos com os dele, o desejo se espalhando para as
pontas dos meus dedos por esse vampiro. Eles coçavam para
tocar toda a sua pele.

Eu rosnei, "Espero que o seu jogo final esta noite não seja
tão rápido."
Aqueles ombros perfeitos tremeram ligeiramente, mal
contendo sua diversão. Mas... ele ainda estava olhando para
mim. Seus modos eram uma mistura inebriante de emoções
que ele estava jogando em mim. O Lorde sussurrou
lentamente: “Não h{ nada rápido sobre o meu jogo final,
Gwen. Você vai aproveitar esta noite. Eu não tenho
preocupações com isso.”

Seu olhar vermelho flamejante baixou. Quase em mim.

O calor de sua carne era melhor que o sol.

Eu tremi quando seus lábios vermelhos pousaram nos


meus.

Decadente e pecaminosa.

Seus lábios foram feitos pelo diabo. Eles tinham que ser.

Eles se fundiram contra os meus e consumiram.

Beijo após beijo, ele estava faminto. Para mim.

Foi assim que me senti, pelo menos, e me deixei afogar


no sentimento inebriante, uma necessidade de duzentos anos
explodindo dentro de mim. Eu passei meus braços ao redor
de seus ombros e cavei minhas unhas em sua carne, gemendo
contra seus lábios carnudos. Sua língua encontrou a minha
com o mesmo fervor que eu dei e precisava.
Uma mão grande correu pelo meu ombro, apertando
com força suficiente para machucar. Eu gostei, arqueando-se
contra a sua estrutura nua. O Lorde recuou, desafiando-me
com força e ganhando. Ele me manteve presa sob ele, sorrindo
contra a minha bochecha quando ele saiu da minha boca,
provocando um gemido profundo no meu peito.

"Silêncio, pequena", ele sussurrou contra a minha carne.


O Lorde apimentou minhas bochechas, minha testa e meus
olhos fechados por último, com beijos reverentes. "Eu vou te
dar tudo o que você precisa."

Eu agarrei seu cabelo com meus punhos, trazendo sua


boca de volta para a minha. Eu olhei para o seu olhar ardente.
"Faz tanto tempo. Eu preciso-"

"Eu sei quanto tempo tem sido para você", ele


interrompeu. Seus cabelos caíram ao redor dos lados do seu
rosto por causam dos meus dedos bagunçando, abanando
meu rosto em uma cortina de preto profundo da meia-noite.
Os lábios do Lorde se contraíram contra os meus, mantendo-
se apenas a um sopro da minha boca. “Você estava em
repouso. Não duvide de mim. Eu vou te dar o que você
precisa.”

Suspirei de alívio e depois me contorci sob ele. "Por


favor, rápido."
Sua risada era profunda e masculina. "Agora você quer
isso rápido?"

"Você sabe o que eu quero dizer", eu disse. Eu levantei


minha cabeça do tapete de pele e ataquei sua boca provocante
com a minha. Seu gemido me satisfez até a medula. “Foda-me
duramente, meu senhor. Foda-me com força.”

Ele gemeu novamente. Longo e difícil.

Lorde Belsazar escapou de minhas mãos que estavam em


sua cabeça, e em um borrão ele estava sugando avidamente
meu seio direito. Com fome. Com fome por mim.

Eu gritei de prazer e pressionei meu peito contra sua


boca, querendo tudo o que ele tinha para dar. "Sim, meu
senhor!"

"Bel", ele ofegou, seus lábios se movendo para o meu


outro seio. "Você pode me chamar de Bel." O Lorde lançou um
olhar para os meus olhos, mesmo quando sua língua fez um
lento deslizar ao redor do meu mamilo esquerdo. "Mas só
quando eu lhe der permissão."

Eu gemi com as sensações que ele estava infligindo na


minha pessoa. "Bel, você é um bastardo arrogante."

Arfando em pequenas mordidas, suas presas estavam


cortando suavemente meus seios. Ele lambeu o sangue,
segurando meu olhar, observando enquanto eu estremecia
com a cor vermelha que cobria sua língua a cada lambida.

O Lorde sussurrou: “Eu sou o pior, Gwen. Quanto mais


cedo você aprender isso, melhor.”

Eu já sabia daquilo.

Eu me contorci sob ele novamente. "Mais pra baixo."

"Estou chegando lá." Seus olhos deixaram os meus e


baixaram para os meus seios novamente. Com mãos gentis,
ele segurou cada pequeno globo... e apertou brutalmente.

Meu grito ecoou dentro do quarto. Um arrepio


estremeceu todo o meu corpo, me segurando paralisado com
a bela sensação. Ele poderia ficar lá o quanto quisesse,
contanto que continuasse jogando meu corpo como um sonho.
Por muito tempo, eu não tive contato físico. Uma sobrecarga
de sentidos me ultrapassou quando ele chupou e mordiscou e
brincou com meus seios - como se ele estivesse tão
hipnotizado quanto eu. Suas palavras e expressão podem ser
duras, mas suas ações estavam dizendo o contrário. A fome
em suas ações, quase inexistente, estava prestes a se romper.

Então seu controle quebrou.

E eu adorei.
Sua boca encontrou um novo ponto para torturar e
devorar. A língua do Lorde mergulhou no meu canal
molhado, empurrando com força no meu núcleo, enquanto eu
jogava minha cabeça para trás em prazer, mesmo enquanto
ele ainda estava abrindo minhas pernas com empurrões
ásperos.

Contra a minha carne mais íntima, ele rosnou com uma


demanda severa, “Maldição, você é melhor do que eu
imaginava. Segure suas pernas por mim, ou vou pegar minha
corda para mantê-las separadas.

Eu gemi e bati minha cabeça enquanto sua língua fodia


minha boceta. Mas eu consegui assumir o controle de minhas
pernas, afastando suas mãos distraidamente, para segurar
atrás de meus joelhos e me abrir para ele.

O vampiro assobiou de prazer, seus dedos separando


minhas dobras íntimas para facilitar o acesso de sua boca. Um
longo dedo pressionado em meu canal, e sua língua deslizou
para apertar com força contra o meu clitóris inchado. De
novo, e de novo, ele empurrou o dedo ao mesmo tempo que
sua língua talentosa.

Maldito seja a sua língua.

Foda-se a língua dele.

Eu amava sua língua.


O calor dentro consumindo. A explosão curvou minhas
costas e eu gritei em puro êxtase. Um clímax direto dos
portões perolados abalou toda a minha estrutura, paixão e
euforia passando pelo meu corpo tremendo, todos os meus
pensamentos se foram, exceto por...

Porra, isso é incrível.

Agarrei-me a ele, segurando no alto, nunca querendo


deixar escapar. Eu queria subir no clímax, afundar minhas
garras e dentes e mantê-lo para sempre. Apenas eu e sua
língua perversa brincando nas nuvens de felicidade.

Mas meus olhos se arregalaram quando a cabeça romba


de seu pênis pressionou contra a entrada do meu canal. Seu
pau muito, muito grande. Quando ele se mudou, eu não sabia
- nem dei a mínima. Eu choraminguei ligeiramente com a
intromissão desconfortável, mexendo debaixo dele.

Meu olhar cauteloso encontrou o dele.

Ele parou por um instante, o cabelo caindo em volta do


rosto, cobrindo-o na escuridão. Bel engoliu em seco, lutando
contra sua vontade de simplesmente empurrar dentro de
mim, sua mandíbula apertando como uma gota de suor
escorrendo em sua têmpora direita. Em uma voz rouca, ele
questionou com extrema lentidão e calma: "Você quer que eu
pare, pequena?"
O coração no meu peito ainda bateu um ritmo rápido do
prazer que ele tinha me dado... e eu queria mais disso. Eu
balancei a cabeça rapidamente. "Não, continue."

Sua cabeça inclinou-se ligeiramente e seus lábios se


curvaram, ainda me dando a chance de me acalmar antes de
seu enorme pênis se chocar contra mim. Ele brincou: "Eu
deveria mencionar que não estou tentando engravidar você."

Eu ri, a tensão liberando com suas palavras. “E eu


também não estou. Não se preocupe”. Ele nem precisava dizer
isso.

Dois vampiros ou druidas se unindo?

Nós não precisamos de preservativos como seres


humanos. Nossa presa.

Nós só precisávamos da nossa vontade. Por ambas as


partes.

Se quiséssemos uma criança, isso poderia acontecer.

Ainda era raro, no entanto.

Se não o fizéssemos, não haveria bebê.

Fácil e simples. Magia era a melhor amiga de um


vampiro.
Os músculos em seu bíceps flexionaram em ambos os
lados da minha cabeça quando ele se abaixou, seu rosto se
fechando no meu. Ele sussurrou em necessidade, “Gwen, isso
vai doer. E não me arrependo.”

Ele bateu os quadris para frente.

Eu reprimi o grito que queria escapar, acabando


grunhindo, enquanto eu enrolava meus braços ao redor dele e
batia minhas mãos em seus ombros. Eu segurei firme quando
meus olhos começaram a lacrimejar. O homem nem estava em
todo o caminho, e meu canal já estava esticado em agonia. Eu
respirei fundo. Ele precisava entrar dentro de mim todo o
caminho para que ele começasse a se sentir melhor em breve.

Duzentos anos... Sim, minha boceta estava trancada mais


forte que o tesouro de um pirata. Alguns impulsos e isso não
machucaria tanto a nós dois. E estava machucando-o pela
careta que ele usava em suas características marcantes.

"Desculpe", eu gemi. "Apenas se apresse."

Ele piscou lentamente, sua voz estrangulada de dor... e


mais do que uma leve irritação. “Da próxima vez que você
terminar um descanso, use um vibrador antes de deixar um
homem dentro de você. Porra... Eu pensei que você teria se
masturbado pelo menos uma vez antes disso! Você está
acordada h{ dias.”
Com os olhos ainda molhados pelo latejar da minha
boceta, cerrei os dentes. “Eu tenho estado meio ocupada,
como você sabe muito bem. Agora, vamos continuar
conversando sobre isso ou o quê?”

Ele soltou um suspiro pesado...

Então, em um piscar de olhos, eu estava cheia dele.

Seu pênis estava totalmente sentado dentro de mim.

Meu corpo sacudiu dentro dele... e eu gritei.

Muito cheio. Muito cheio. Oh minha merda, grande demais.

Que diabos inferno! O pau do diabo.

Ele tem o maldito pênis do diabo. Muito grande.

Muito grande. Muito grande. Muito grande.

Fora. Fora. Fora. Ele precisa sair de mim!

Alguém me traga um dildo de tamanho miniatura, por favor!

Eu continuei gritando e balançando a cabeça.

Sobre os meus gritos de dor, ele rosnou: "Silêncio!"

Com meu peito arfando contra seus peitos musculosos,


eu fechei minha boca e olhei diretamente em seus olhos. Com
os dentes cerrados, eu assobiei, "Você usou a porra da sua
velocidade."
"Graças ao diabo que eu fiz", ele rosnou.

Veja? Eu sabia. O pau do diabo.

"Você não me deu nenhum aviso", eu reclamei.

"E você não me deu nenhum aviso de que teria uma


boceta do tamanho de um maldito caracol!"

Meu rosto se encolheu de desgosto. “Por favor, nunca


mais mencione os pedaços da minha dama assim novamente.
É nojento. E rude.”

Seus olhos brilharam ainda mais vermelhos.

Tudo bem, tudo bem. Eu estava empurrando longe


demais.

Eu não o avisei.

Eu queria muito estragar tudo.

Com tanto decoro quanto pude reunir, me desculpei:


“Sinto muito. Isso não vai acontecer novamente. Eu serei
honesta e sincera da próxima vez.”

"Muito tarde", ele resmungou. No entanto, depois do


meu pedido de desculpas, sua fúria diminuiu em pequenos
incrementos até que foi contida mais uma vez. Ele torceu o
pescoço - muito parecido com o que eu faço ocasionalmente -
seu cabelo roçando o lado do meu rosto. "Apenas me diga que
eu posso me mover agora."

Eu mexi meus quadris um pouquinho. Eu fiz uma careta,


mas não foi a dor excruciante que eu tive antes. Então eu
assenti em afirmação. "É tão bom."

Com gradual facilidade, seus quadris se afastaram.

Nós dois estremecemos. Mas, droga, o homem ficou


duro.

O pau do diabo...

O vampiro tinha perseverança.

Ele nunca parou. Ele continuou empurrando para dentro


de mim e deslizando para fora. Repetindo e pegando
velocidade gradual. Eventualmente, seus olhos ficaram ainda
mais vermelhos por uma razão mais agradável.

Cada mergulho suave diminuiu a dor horrível enquanto


criava uma nova bela. As paredes da minha vagina desceram
de níveis terríveis para doces e suculentas. Meu canal
molhado agarrou-o como uma luva apertada, sentindo cada
centímetro do seu pau do diabo se esfregando apenas para a
direita.

Eu gemi baixo, minha cabeça arqueando para trás.


"Sim<"
Ele rosnou baixinho, concordando sem palavras.

Eu envolvi minhas pernas em volta de sua cintura e


enfiei meus dedos em seu cabelo, trazendo seu rosto para
baixo para beijar aqueles lábios deliciosos.

Ba-boom. Ba-boom. Ba-boom.

Eu empurrei sua cabeça para trás. Não parou seus


movimentos.

Ele apenas mordeu o lábio inferior e olhou para mim.

Ba-boom. Ba-boom. Ba-boom.

Eu pisquei, oh, devagar. "Bem, foda-se."

Nossos corações estavam batendo em uníssono.

Almas gêmeas, podemos não ser, mas éramos parceiros


compatíveis. Se quiséssemos isso. Os corações só batiam como
um durante o sexo se fôssemos compatíveis magicamente.

Seus quadris começaram a se mover novamente. Uma


sobrancelha negra arqueou, suas palavras arrogantes e
divertidas, "Isso nunca aconteceu com você antes?"

Sem fôlego, eu balancei a cabeça, ouvindo nossos


corações e me afogando no empurrão de seu pênis
empurrando dentro de mim. "Não, nunca." Minhas
sobrancelhas franziram enquanto eu olhava para ele. "E
você?"

Com um impulso suave dentro de mim, observando


minha respiração, ele repreendeu delicadamente: "Estou
velho, Gwen". Seu tom era calmo - um lado verdadeiramente
carinhoso, e não apenas educado que ele ainda não havia me
mostrado.

Minhas bochechas coraram instantaneamente mais do


que do esforço, envergonhadas por até mesmo perguntar algo
tão ridículo. Claro que ele tinha. Vampiros mais velhos, já
tinha acontecido com eles algumas vezes durante a vida.

Com ele provavelmente teria acontecido dez vezes mais.

"Pequena..." Os lábios de Bel se curvaram em um sorriso


encantador destinado a me puxar dos meus pensamentos. O
homem sempre sabia o que dizer. Ele brincou: “Tente se
concentrar. Estou prestes a te foder sem sentido.”

Eu me engasguei com uma risada.

E então, todo o inferno se libertou.

Ou só as paredes.

Meus olhos bateram de lado a lado...


Bel parou de se mexer e sua testa bateu na minha. Com
os olhos fechados, ele resmungou baixinho: “Eu não percebi a
hora. Droga.”

"O que é isso?" Eu perguntei inocentemente, tentando


não surtar, quando apontei para as paredes da caverna agora
cobertas de aço inoxidável. Vinha do teto, tilintando e rolando
até o chão. A sala inteira agora encerrada no aço, a única área
ainda aberta era a porta do banheiro e da lareira.

Ele gemeu e inclinou a cabeça de um lado para o outro, a


testa esfregando contra a minha. "É o meu novo sistema de
segurança para o meu quarto."

Eu limpei minha garganta. "Então, deveria estar lá?"

"Sim, claro." Seus olhos se abriram novamente e


seguraram meu olhar. "As más notícias? Você não poderá sair
até a manhã.

"Oh" Minhas sobrancelhas franziram. "Esperar. O quê?"

“Ninguém pode entrar ou sair - sem soar um alarme -


enquanto as paredes estão baixas. Guardas vão correr para os
corredores, outros Senhores Supremos contatados - será um
maldito desastre”.

Eu encarei, espantada. "Você não pode nem sair?"


"Não. Eu ganhei minha privacidade depois de muitos
anos. Não tenho motivos para sair, a não ser que haja uma
verdadeira emergência. Eu vou telefonar se isso acontecer e
conseguir acertar o código para levantar as paredes - e um
alarme soará.”

Eu ainda o olhei. "Essa é uma falha que você


provavelmente deveria consertar."

Ele gemeu e admitiu: "Sim, eu posso ver que há algumas


coisas que podem ser ajustadas".

O Lorde avaliou minha expressão. Estava claro que ele


não tinha ideia do que fazer comigo quando terminássemos
com "negócios".

Eu simplesmente olhei de volta.

Eventualmente, eu ralhei. "Então... hum... talvez


pudéssemos conversar sobre isso depois?"

Ba-boom. Ba-boom. Ba-boom.

Nossos batimentos cardíacos ainda estavam


sincronizados.

Foi um pouco enervante no silêncio.


Seus lábios finalmente se contraíram e ele se levantou de
novo, tirando um pouco do peso do meu peito. “Você é s{bia
em sua tenra idade.”

"Oh, cale a boca." Eu ri.

O homem era extremamente bom em zombar de mim.

Ele abaixou a cabeça mais uma vez e chupou docemente


no meu pescoço, sua língua quente lambendo ao longo da
minha pulsação acelerada.

Eu gemi e corri minhas mãos pelos seus lados, sua pele


suave e misturada com suor leve. Quando eu agarrei os
globos de sua bunda, ele gemeu contra o meu pescoço, seus
dentes beliscando um pouco mais.

O soberano puxou seus quadris para trás e bateu em


mim com tanta força que eu grunhi e arqueei meu pescoço
ainda mais para ele. Ele começou um ritmo acelerado que teve
minha respiração presa na minha garganta, nossos batimentos
cardíacos aceleraram para alcançar seu ritmo. Seu pau enorme
me encheu de novo e de novo enquanto eu segurava sua
bunda flexível e cravava minhas unhas curtas dentro.

Os lábios macios de Bel encontraram os meus.

Então nós compartilhamos nossas respirações, nossos


beijos, junto com nossos batimentos cardíacos.
E eu estava errada.

Ele não tinha o pau do diabo.

Ele tinha um pau mágico. Um que eu poderia ter em


qualquer maldito dia.

Nossa pele bateu uma contra a outra.

O fogo crepitava ao nosso lado.

Outro clímax começou a se desdobrar.

Ele pressionou sua virilha mais forte contra o meu


clitóris e acelerou o seu ritmo. As paredes do meu canal
agarraram seu pênis com uma necessidade pulsante enquanto
eu voava sobre os malditos portões perolados e pousava no
céu.

Eu gritei em êxtase contra seus lábios. A pele do tapete


debaixo de mim fez cócegas nas minhas costas enquanto eu
envolvi meus braços em volta do seu pescoço e segurei firme.
Cada espasmo que rasgou o meu corpo foi um choque para o
sistema, golpes impressionantes e perfeitos.

O corpo de Bel enrolou-se ao redor do meu.

Seu pau inchou dentro do meu canal latejante.

E ele gritou, a cabeça jogada para trás quando ele


encontrou sua libertação. Seu esperma escaldou meu núcleo
na mais agradável pressa. Seu gemido resultante seguiu o
meu enquanto nossos corpos estremeciam um contra o outro.

Assim que ele puxou seu pau de dentro de mim, meus


olhos se fecharam em exaustão, nossos batimentos cardíacos
finalmente se separaram.
Eu rolei para o meu lado e algo fez cócegas no meu rosto.
Eu escovei, tentando empurrá-lo quando puxei meu cobertor
por cima do meu ombro. Minhas sobrancelhas franziram
lentamente quando puxei o cobertor para perto do meu rosto,
para o meu nariz, mexendo com ele no meu estado meio
cochilando. Canela... e folhas de hortelã... atacaram meu
olfato.

Meus olhos se abriram.

De seu lugar no sofá, Bel ergueu uma sobrancelha negra


e sarcástica. "Você dormiu por duas horas."

Eu limpei minha garganta e olhei para o meu corpo.


Enquanto ele estava vestido novamente em seu pijama e
camisa, eu ainda estava completamente nua debaixo do
cobertor que ele tinha colocado sobre mim. Minha atenção
serpenteou por cima do meu ombro até a lareira dele. Pelo
menos ele colocou isso antes de me cobrir com material
inflamável.

Ele bufou. "Levante-se. Precisamos discutir este desafio.”

Meus olhos azuis encontraram seu olhar azul gelo. "Você


está de volta ao Lorde Belsazar agora?"

"Corrigir." Ele inclinou a cabeça para o espaço vazio ao


lado dele. "Venha sentar-se comigo enquanto eu te digo um
segredo."

Eu tirei meu cabelo do rosto e tirei o tapete de pele que


estava me incomodando em meu sono. Eu trouxe o cobertor
comigo, mantendo-o apertado em volta do meu corpo
enquanto me levantava. Eu mantive meus olhos longe da
estante de livros, embora estivesse claro que o painel oculto
estava mais uma vez fechado e o livro que eu tinha deixado
cair do chão lá dentro. Eu andei com os pés rápidos e tentei
parecer o mais majestoso que pude... mesmo enquanto o
olhava completamente fodido.

Eu sentei ao lado dele com uma postura perfeita. Meu


respeito se voltou para ele e eu levantei uma sobrancelha
negra. "Estou aqui para o desafio, meu senhor."
Entediado. Ele parecia entediado me observando.
“Primeiro, você precisa entender esse desafio completamente.
É verdadeiramente simples e, no entanto, não. Quando eu te
contar esse segredo, se você contar a alguém antes dos
eventos acontecerem, um ou todos os senhores terão o direito
de matá-la. É uma das poucas exceções para a realeza que
mata a realeza. Você entende, Gwynnore?”

Eu balancei a cabeça solenemente. "Eu entendo."

"Você está pronta para o segredo?"

"Eu estou."

Lorde Belsazar se inclinou para perto de mim. Ele


pressionou seus lábios quentes no meu ouvido... e me contou
um segredo. Um segredo muito longo sussurrou no mais leve
dos ardores. Um segredo que tinha minhas sobrancelhas
levantadas perto da minha testa e meus olhos lutando para
não se afastar do meu colo.

O Soberano recuou para olhar diretamente para o meu


olhar chocado. Ele questionou claramente: "Posso repetir caso
você tenha perdido alguma coisa?"

Eu pisquei. Distraída.

Sua boca encontrou minha orelha esquerda mais uma


vez.
O segredo foi dito novamente.

De volta a olhar para a minha expressão rapidamente


vazia. "Novamente?"

Eu balancei a cabeça. Apenas ligeiramente. "Não, eu ouvi


tudo."

"Você entende isso?"

"Eu entendo, meu senhor."

Seus olhos azuis gelados brilharam. "Você está


animada?"

“Isso é grande. Eu sinto que vou vomitar.”

A cabeça do Lorde inclinou para trás enquanto ele ria


alto e profundo. Sua atenção acabou voltando para minha
pessoa imóvel, sua hilaridade mal contida. Ainda com um
sorriso contente - mesmo quando seus olhos se estreitaram -
ele perguntou: - Você está doente demais para ir para a cama
comigo, Gwen? Ou prefere dormir na banheira para ficar
perto do banheiro?

Minha boca balançou por um momento enquanto eu


assistia ele mexer com sua pulseira de couro em torno de seu
pulso direito. Era grosso e preto. Eu nunca o tinha visto sem o
selo real estampado no couro. Meus olhos viajaram de volta
para o seu enquanto eu gaguejava: "Bel está de volta agora?"
Ele deslizou a língua pelo lábio inferior, revelando um
vislumbre de suas presas. "Sim. Pelo resto da noite.”

Eu deixei meus olhos ficarem vermelhos, permitindo que


ele visse a luxúria que eu estava escondendo. "Então sim, eu
vou dormir na sua cama hoje à noite."

"Eu posso respeitar o quão bem você esconde isso." Ele


parecia surpreso.

"Cale a boca, Bel."

"Sim, pequenina."

Eu gritei quando ele correu para me pegar.

Ele me levou direto para a cama.

Seus lábios já estavam devorando os meus.

***

Bang Bang Bang!

Meus olhos se abriram bem quando um cobertor foi


empurrado sobre minha cabeça. “O que no...”

Uma palma grande empurrou minha boca, cheirando a


canela e folhas de hortelã, sufocando minhas palavras. Eu não
mordi por instinto, mas mantive minhas presas fora da carne
por causa do cheiro familiar. Lorde Belsazar. Eu estava em seu
quarto, carne nua a carne nua. Eu também estava dormindo
em cima dele.

Eu acho que sua advertência para ficar do outro lado da


cama enorme depois de outra sessão de sexo alucinante não
funcionou tão bem.

Um mero segundo depois, o rangido de uma porta ecoou


dentro de seu quarto. Então o guarda que eu tinha falado
antes de entrar em seu quarto, declarou: “Minhas desculpas,
Lorde Belsazar. Mas os outros Soberanos estão do lado de fora
do seu quarto esperando por você. Há motivos para uma
emergência.

Vozes furiosas podiam ser ouvidas no corredor.

Eu fiquei completamente parada. Foi o Soberanos.

"Só me deixe entrar, seu maldito idiota!" Lorde Pippin


rosnou. “Saia do meu caminho. Agora!"

O tórax do Lorde Belsazar rangeu sob minha orelha


esquerda quando ele gritou: - Eu sairei em um minuto. Feche
a minha porta.

A porta se fechou. As vozes desapareceram.


Quando nenhum outro ruído se agitou no ar, eu
cuidadosamente tirei a mão do Lorde da minha boca. Eu
sussurrei: "É melhor você ir."

“Porra, eu estou cheirando a você. Eu preciso tomar um


banho."

Eu puxei o cobertor da minha cabeça e olhei em seus


olhos através da escuridão. “Vou tomar isso como um elogio,
meu senhor. E graças a Deus você é r{pido.”

Suas presas brilharam em seu mau humor.

Mas ele pulou debaixo de mim.

"Oomph!" Eu gemi quando meu corpo bateu no colchão.


Eu gritei da cama: "Não é legal!"

A água começou no chuveiro. "E eu lhe disse para ficar


do outro lado da cama enquanto dormíamos!"

Meus lábios se contraíram. Eu sabia que ele mencionaria


isso.

Trinta segundos depois, ele correu para o quarto. Bunda


nua e seca. Como ele conseguiu isso... nenhuma pista.
Enquanto ele vasculhava uma de suas cômodas, meus olhos
captaram uma imagem que eu não havia notado antes.

Eu pisquei. "Tatuagem legal."


Estava no quadril direito dele.

O selo real: Duas espadas e a coroa.

Ele vestiu uma cueca boxer branca, apertada e


confortável contra o pau mágico. Não olhando para mim,
ainda focado em sua escolha de roupas, ele murmurou: "Se
você se tornar rainha, você também terá a sua."

Minhas sobrancelhas franziram enquanto eu me


aconchegava ainda mais sob o cobertor. Sua cama era melhor
que a minha. Isso não me surpreendeu. Eu perguntei: "Um
druida é que faz isso?"

Ele acenou com a cabeça uma vez, quase terminando de


se vestir. "Sim, temos um em quem confiamos."

"Hmm." Eu limpei minha garganta. "Eu deveria me


preocupar com qualquer emergência que esteja acontecendo
agora?"

Lorde Belsazar olhou para a esquerda e para a direita,


depois pegou o celular onde o deixara no sofá. Ele olhou para
a tela. Ele zombou depois de tudo que leu, suas presas
brilhando no escuro. "Não. São apenas os amigos do Mestre
Niallan tentando entrar. Aparentemente, ele não os contatou
antes de ir para a cama e ninguém pode entrar em seu quarto.
Eu olhei. "Não admira que os outros queiram você com
eles."

Ele grunhiu e colocou o telefone no bolso da calça. O


vampiro ajustou a pulseira de couro em torno de seu pulso e
então olhou para baixo em seu traje, verificando novamente
sua aparência. Extremamente vaidoso. Seus olhos azuis
gelados espiaram para mim através de seus cílios enquanto
ele trabalhava em abotoar sua jaqueta. Ele ordenou em voz
baixa: "Espere cinco minutos e saia do meu quarto".

"Vou fazer." Eu bocejei tão grande que meu queixo


quebrou.

"Gwynnore?"

"Sim, Lorde Belsazar?"

Seus olhos percorreram minhas feições. "Apenas


checando."

Eu bufei. "Eu não sou tão jovem."

"Sim você é." Ele suspirou e caminhou em direção à


porta. Ele resmungou baixinho: "Eu nem ouvi o maldito
sistema de segurança subir."

“Falhas. Conhecê-los e, em seguida, corrigi-los.”


"Muito verdadeiro. Na verdade, eu fiz isso antes.” Ele
parou na porta e apontou um dedo para mim. "Cobrir. Eles
sabem que alguém está aqui comigo, mas eles não sabem
quem. Eu gostaria de continuar assim.”

Revirando os olhos, puxei a capa sobre a cabeça. "Eu


também, meu senhor."

Eu fiquei absolutamente em silêncio.

E mal o ouviu sair.

Eu tinha certeza de que ele falou alto o suficiente apenas


para eu ouvir.
Eu segurei minha mão dolorida perto do meu peito
enquanto saía do quarto de Lorde Belsazar. Eu realmente não
deveria ter tentado abrir esse painel escondido. Meu maldito
sangue estava agora manchado na madeira, graças à
armadilha sádica que ele deixara para qualquer um que
tentasse abri-lo. Enquanto eu dormia por essas duas horas, o
soberano estava ocupado consertando o painel.

Ele saberia que eu tentei abri-lo.

E eu não me importei. Ele sabia que eu tentaria olhar de


qualquer maneira, deixando-me sozinha lá dentro. Então,
basicamente, ele não me avisou e me deixou cair na
armadilha.

Não, eu não estava limpando o sangue.


Eu balancei a cabeça para o guarda que tinha mantido
todo mundo fora.

O homem nem olhou para mim.

Era óbvio onde estava sua lealdade.

Com o antigo senhor.

Eu continuei me movendo, meus pés me levando para o


meu apartamento. Mesmo que sua cama fosse melhor, a
minha parecia muito bem agora. Eu bocejei e sacudi a mão,
passando por um vampiro aleatório.

Ou< não tão aleatório.

Eu parei no meu caminho e girei.

Ele fizera o mesmo, ficando a três metros de mim.

Eu olhei, com meu tom de brincadeira. “Eu conheceria


aquela caneca feia em qualquer lugar.”

O vampiro, que na verdade não era feio, deu um sorriso.


"Olá, Gwen."

"Oi, Joshua", eu murmurei, relutantemente inclinando a


cabeça para o homem formidável em saudação. "Eu vejo que
você ainda está se esgueirando pelos corredores à noite."

Seu sorriso aumentou. "Eu poderia dizer o mesmo para


você."
Eu grunhi, não querendo concordar com ele.

Joshua tirou os cabelos dos olhos onde havia caído.


"Você ainda é tão taciturna quanto você era quando éramos
crianças."

"Bem, quando seu amigo quase mata você, ele tende a


deixar um gosto amargo em sua boca."

Ele jogou as mãos para o ar, agora encarando como se eu


tivesse perdido a cabeça. “Você sabe h{ quanto tempo foi
isso? Porra, nós não chegamos nem a dois dígitos em anos. E
você ainda está chateada com isso?

"Você. Quase. Me. Matou.”

“Droga! Minhas presas tinham acabado de nascer. Eu


não percebi como elas eram afiadas!”

Eu apontei um dedo para ele. “Você nem sequer pediu


ajuda. Você me deixou sangrando na maldita grama.”

Seu peito arfava em agravamento. “Eu era criança,


Gwen. Eu estava apavorado. Eu nem sabia que minha saliva
poderia salvar o dia.” Joshua cruzou os braços sobre o peito,
seu olhar passando pela minha forma amarrotada. “Além
disso, a ajuda chegou. Você sabe disso. Você está aqui hoje
porque algum pobre coitado nos encontrou.”

Mais movimentos do dedo. "Eu estava apagada!"


Ele deu de ombros. "Você está aqui, você está bem."

Deixei meus olhos brilharem uma vez em advertência e


balancei as duas mãos em sua direção - mesmo a que estava
curando rapidamente. Eu resmunguei: "Apenas vá".

Joshua tirou o celular do bolso de trás e verificou a hora.


"Você está certa. É melhor que essa conversa não deu em
lugar nenhum. Seu pai estará no escritório em breve.

"Hã?" Eu olhei.

"Seu pai." Ele colocou o telefone longe. “Eu sou seu


assistente pessoal. Eu estive com ele desde que ele era rei.”

Minha boca balançou em choque.

A posição do vampiro na vida havia aumentado.

Seu sorriso não mudou desde que éramos pequenos.


"Surpresa!"

Eu me virei e marchei para longe. "Adeus, Joshua."

Ele riu baixinho enquanto eu me retirava dali. “Não


esqueça que o Dia dos Mortos é hoje à noite. Você parece uma
merda, então talvez queira dormir um pouco antes da festa
esta noite.”

"Foda-se, Joshua!"

Mais risadinhas. "É bom ver você também, Gwen."


"Você tem certeza que está bem?" Danai perguntou,
virando a minha mão novamente.

"Quantas vezes você vai perguntar a ela, Danai?" A voz


de Dorian latiu no canto. “Claro, a garota está bem. Quero
dizer, olhe para aquele garoto com ela!”

Tymon cruzou as pernas e sorriu. “E o garoto, Dorian? Ele


brilha depois de um encontro sexual bom e saud{vel.”
Levantando a mão, Tymon estudou por um momento. "Hã.
Parece que estou brilhando um pouco também.

Danai ergueu um olhar zangado para ele. “Ela pode


ainda não estar bem mesmo tendo um sexo magnífico,
Dorian. Pare de choramingar ou v{ transar.”

Eu podia ouvir seu grunhido de nojo quando ele se


virou.
Tymon estava brilhando, e eu olhei para Elex. Ele
também estava brilhando.

Elex sorriu para mim. “É um efeito colateral para os


homens quando eles estão com sua verdadeira ou alma
gêmea. Nunca viu isso?”

Eu balancei a cabeça e disse: "Não."

Ele pegou minha mão. “Os machos druidas brilham por


cerca de doze horas. Não muito." Ele mostrou a outra mão,
provocando o ar com seu brilho. “Mas chega. É um impulso
do ego para nós.”

"Você dificilmente precisa de um impulso do ego, Elex."


Tentei admoestá-lo, mas não funcionou porque fiquei
encantada por ele estar brilhando por minha causa.

"Então, estamos todos seguros e ilesos?" Lunella


perguntou.

Cada um assentiu, e ela se sentou à mesa conosco e a


vasta distribuição para o café da manhã.

"Alguém vai explicar o que aconteceu ontem à noite?" Eu


perguntei, olhando ao redor da sala. “Todos nós nos
separamos e seguimos caminhos diferentes depois, mas isso
foi mais para a autopreservação do que qualquer outra coisa.
Eu ainda quero saber o que aconteceu.”
"Você foi sequestrada, sua idiota"

"Dorian!" Lunella agarrou-o do outro lado da sala. “Ela


sabe que foi sequestrada. Mas do jeito que você age em
relação a ela, ela está claramente confusa sobre o por que você
arriscaria sua bunda para salvá-la de uma carruagem em
movimento, já que você está sempre tratando-a como merda.”

"Eu não sei."

Tymon levantou uma sobrancelha. “Sim, na verdade,


você sabe, Dorian. Você é principalmente um idiota para ela.
Para muitas pessoas. Então, por que você arriscaria sua vida
para salvar alguém de quem não gosta?”

"Ninguém merece ser levado contra a própria vontade."

- Sim - concordou Lunella -, mas Elex já estava a


caminho. Ele era capaz.”

Dorian bufou. "Enviando uma criança para uma criança."

"Entende? Você está sempre sendo um idiota,” disse


Tymon.

Ele se levantou da cadeira e veio até Elex e eu. “Porque


essas pessoas são perigosas! Eles estão iludidos. Eles
pensam... “Suas palavras foram cortadas e ele rosnou para
mim.
“Eu estava saindo da pista de dança, puxei a porta e me
enfiei em uma carruagem para ser levada pela noite. Eu não
sabia o que estava acontecendo. Eu não tinha certeza se
alguma vez voltaria ao templo.”

Eu fiquei de pé para enfrentá-lo. Dorian era mais alto do


que eu, e sua pele era um creme pálido que refletia a luz da
manhã que entrava pelas janelas. Seu cabelo era um halo
branco-loiro acima dele. Ele tentou ser intimidante, mas ele
não era. E eu soube disso depois que ele me resgatou.

“Eu não entendo porque você veio atr{s de mim. Claro,


eles são perigosos. E eles estão iludidos. Mas Elex teria me
recuperado.”

Percebendo que ele não poderia ir longe com suas


técnicas de intimidação, Dorian recuou. Seus lábios se
curvaram, e eu o observei enquanto ele pegava uma tira de
bacon do prato na mesa. "Bem, eu acho, já que todos vocês
decidiram que isso precisa acontecer, eu vou explicar."

Olhando para Tymon, Dorian se afastou, mastigando sua


tira roubada de carne do café da manhã. Sua mastigação foi
pensativa, e era claramente uma tática de imobilização, mas
ele continuou. “As pessoas que sequestraram você na noite
passada eram uma facção de dissidentes. Eles não concordam
com o templo e como fazemos as coisas aqui. Nós protegemos
o portão por anos. Nós mantivemos a montanha. Nós
cuidamos e cuidamos das pessoas de S'Kir.

“Mas h{ uma parte da nossa população que não acredita


que o templo seja o melhor grupo de pessoas para esse
trabalho. Eles não confiam em nós. O Deus Perdido nos
deixou no comando, e eles não acreditam que devamos ter
sido confiados.”

“Eles, como você, são bebês e não entendem quantos


anos têm esses planos. Quanto tempo e planejamento foram
dedicados à criação de nossa sociedade, à preservação da paz
e à proteção da magia que flui através de tudo.

“Para eles, isso é quase um jogo. Não cabe no mundo


estreito que eles conhecem aqui. Eles cresceram aqui, dentro
dos planos de proteção do nosso mundo, e agora pensam que
sabem mais do que eu.”

Eu enruguei minha testa. "Do que... você?"

Dorian me dispensou. "Nos. O templo." Ele pegou outro


pedaço de bacon. "Nós sempre os mantivemos calmos e
aplacados."

"A noite passada foi sem precedentes", continuou


Lunella. “Nós nunca tivemos esses usurpadores tão ousados.
Nós nunca sonhamos que eles tentariam sequestrá-la.”
"E eles não podem ter você." A voz de Dorian era
possessiva e irritada.

"Bem, não." Uma onda de confusão tomou conta de mim.


“Claro, eles não podem. Eu sou um acólito aqui, e Elex é parte
das Guildas da Educação. Nós pertencemos aqui.”

"Eles querem você apesar de suas alianças", disse Tymon.


"Não importa. Eles estão convencidos de que se controlá-la
controlará o rompimento.”

"Eu não controlo o rompimento." Eu lancei um olhar


entre os mestres da sala. "Eu posso controlar uma classe de
alunos, e é só isso."

Danai bifurcou algumas panquecas no prato dela.


“Ninguém aqui tem certeza do que o rompimento trará. Nós
apenas preparamos o máximo que podemos. Nós não
sabemos o que virá. Nenhum de nós. Mas somos antigos, e
nós somos muito mais familiarizado com as pessoas e nossa
ilha.”

“Do que não temos certeza”, disse Dorian, “é quem são


essas pessoas. Eles conseguiram ficar no subterrâneo, longe de
nossos olhares indiscretos. Então, além de salvar sua bunda
na noite passada, eu esperava que descobríssemos mais.”

Durante a maior parte da minha vida, eu brincara sobre


o quão seguro S'Kir era e como algo que estava acontecendo,
mesmo que um pouco fora de ordem, era uma discórdia total
em relação ao plano.

Eu nunca pensei que algumas pessoas passassem suas


vidas indo contra a vontade do templo e seus mestres. Isso
nunca fez nenhum sentido. S'Kir estava o mais próximo de
uma utopia que poderíamos ter, com felicidade e saúde, vida
longa e aprendizado ao longo da vida e amigos.

Apenas acidentes nos atrapalharam. Eu conhecia bem


isso.

Eu empurrei um pouco do café da manhã no meu prato


enquanto considerava o que ele disse. Dorian fez excelentes
pontos. Eles eram os mais antigos e os mais próximos do Deus
Perdido.

Por que alguém iria contra um plano tão claro planejado


para preservar as coisas como elas eram? Nossa sociedade era
divertida, livre, inteligente e amorosa. Essa era a maneira que
o Deus Perdido queria e como os mestres haviam montado.

Os mestres sabiam o deus perdido?

Eu empurrei o pensamento para longe. Eu ainda tinha


dúvidas sobre a noite passada. "Então você não estava
ajudando Elex?"
Os olhos de Dorian se estreitaram enquanto ele os
treinava em mim. “Tudo que faço tem mais do que apenas
você ou Elex no centro disso. Minha razão para te salvar, por
ajudar seu macho, foi por muitas coisas. Sua vida foi uma.
Minha informação era outra.”

Eu odiava esse homem. Ele não parecia ter apenas um


motivo honesto e singular. “Minha vida em perigo ajudou
você a obter suas informações?”

Elex descansou a mão no meu braço, tentando me


acalmar.

Eu não estava com vontade de ficar calma - nem de me


acalmar.

“Sim, sim. Obrigado."

A cabeça de Danai girou e girou para encontrar os olhos


de Dorian. “Uau, Dorian. Essa foi talvez a coisa mais idiota
que você já disse. Para ninguém."

Um gesto casual de sua mão a dispensou. "Ela


perguntou."

"Eu perguntei para provar que você estava em uma


missão e não realmente agindo nobremente para ajudar meu
macho a resgatar minha pessoa sequestrada. "Fazia muito
tempo desde que abriguei tanta raiva contra qualquer um. "E
você claramente forneceu a evidência."

"Você quer que eu minta?" Sua raiva chegou perto de


igualar a minha.

"Eu quero que você examine cuidadosamente sua


intenção em cada maldita coisa que você faz!"

"Kimber, por favor." A voz de Elex estava cheia de


preocupação.

“Estou com raiva, Elex. Ele não queria nos ajudar - ele
estava novamente se ajudando. O Mestre do Templo, que se
autoajuda.”

“Você me conhece por menos de dois meses, como nada


mais do que um mestre distante, seu filho insolente. Você não
tem ideia do que sou ou do que posso fazer. Você não tem
ideia de quais são meus motivos ou porque escolhi ajudar seu
macho a resgatá-la.”

"Você está certo. Eu não tenho ideia. E eu nunca mais


quero saber.”

Com um movimento de raiva, empurrei a cadeira para


trás e para fora debaixo de mim. Ela virou, batendo no chão
de madeira, mas eu não me importei.
Estalando ao redor, saí da sala, atravessei a rotunda e saí
pela porta do templo.

Eu tinha tanta raiva que mal podia acreditar. Eu tive que


andar quase violentamente pelos enormes jardins ao redor do
templo.

De onde isso veio? Eu ensinei crianças, eu não tive um


osso mau no meu corpo - em tudo. Eu não queria ficar com
raiva. Desprendeu muita energia para ficar com raiva.

Dorian tinha sido nobre em ajudar Elex a me salvar da


carruagem. Com que propósito isso serviu? Para diminuir a
própria agenda? Eu estava sinceramente grata por seus
esforços até transformá-lo em um 'Festival de Dorian'.

O homem tinha um passado, ele tinha uma agenda, mas


rejeitar meus agradecimentos como ele despediria um servo
realmente me irritou. Para transformar meu perigo em seu
ganho?

"Kimber, espere."

Danai estava tentando me alcançar no caminho. Eu


percebi o quão rápido eu estava andando e trouxe meu ritmo
de "muito chateado" para "eu simplesmente preciso de ar
fresco".
Ela foi capaz de recuperar o atraso em um momento.
"Minha querida garota, você está apenas me mostrando que
eu preciso voltar às minhas rotinas de exercícios." Ela ofegou
por um momento, e minha tensão foi quebrada com esse
comentário.

“Eu sinto muito, Danai. Ele só me deixa com raiva. Ele é


injusto e malvado, e depois faz algo nobre e esmaga-o no
momento seguinte.”

Combinando ritmo comigo, ela suspirou pesadamente.


“Mas, Kimber, é ele. É quem ele é. Ele é um homem brilhante,
um poderoso mestre mágico e um completo idiota para todos
ao seu redor. Você não é uma exceção ao seu governo.”

"Porquê?"

“Porque ele tem milhares de anos, minha querida.


Milhares. Ele tem maquinações que têm maquinações que têm
tramas com planos recheados com mais maquinações. Ele vê...
bem... Nós vemos padrões em tudo. Eu não sou jovem e vejo
as rodas e engrenagens de padrões em nossa sociedade. Eu
ainda não sou cínica sobre isso. “

“Esteja avisada, minha querida. Muitos de nós têm


agendas secretas que não compartilhamos uns com os outros.
Vivemos e servimos sob o mesmo teto por mais de mil anos e
alguns de nós por muito mais tempo. Nossas vidas seriam
chatas sem nossas próprias agendas. Se não guardássemos
segredos, seríamos pessoas horríveis. Horrível. Pior do que
qualquer coisa que Dorian lhe mostrou.”

Eu escutei o cascalho esmagando sob nossos pés


enquanto seguíamos o ritmo um do outro. "Eu não quero ser
um peão nesses jogos."

Danai assentiu. "Eu entendi aquilo. É nobre.”

"Eu não vou estar."

Sua mão pousou no meu braço. "Mas, minha querida,


você já é."
Dia de los Muertos.

Dia dos Mortos.

O nome era deliciosamente apropriado.

O espanhol soou tão romântico quando saiu da minha


língua.

“Os soberanos mudaram o Rito do Sangue para coincidir


com o festival quase um século atr{s.” Adelie mexeu no meu
arm{rio procurando por algo. “Todos concordaram que era
um festival maravilhoso demais para não aproveitar.
Principalmente, é comemorado no México, mas há muitas
pessoas em todo o mundo que amam, por isso usamos isso.”
Eu cruzei meus braços. "Eles apenas levantaram e
mudaram o Rito de Sangue?"

Ela olhou para mim através das roupas. "Por favor.


Alguma coisa em nosso mundo é feita assim simplesmente?”
Ela se abaixou novamente. “Claro que não foi apenas para
cima e mudou-se. Demorou anos de petições, e causas e
revisões, e argumentos e provas... É como, vamos lá, seus
idiotas antigos. Apenas perceba que isso é uma coisa boa. Esta
é apenas outra maneira de se esconder. Se o nosso Rito de
Sangue fosse ao mesmo tempo que os humanos celebravam
Dia de los Muertos e Halloween, era apenas outro nível de
proteção.”

"Dia das Bruxas. Hmm. Essa é a usurpação cristã de


Samhain, certo?

"Isto é. As bruxas humanas ainda a observam, mas a


maioria das crianças humanas no Novo Mundo se veste para
o Halloween. É tão divertido que podemos enlouquecer
pessoas durante o Rito de Sangue e não ser temido.”

"Eles não nos temem"

"Perfeito." Ela levantou um longo turno preto e o


estendeu. “E não, eles não nos temem nesse dia. Aparece uma
semana depois, e você teria humanos se mijando. Mas um dia,
podemos sair, mostrar tudo sobre nós mesmos e eles
adorariam ficar aterrorizados com isso.”

"Interessante."

Adelie sacudiu a cabeça. "Humanos são tão estranhos."

Eu ri e peguei o vestido enquanto ela segurava para


mim. "O que diabos é isso? Estou me vestindo de freira?

"Não. Isso faz parte da comemoração. Todo mundo usa


roupas pretas sem forma e pinta seus rostos como um
esqueleto. Mas não é um esqueleto normal. Abrindo o
computador na mesa, Adelie digitou algumas palavras e as
imagens de caras pintadas apareceram. Eles eram magníficos
e coloridos enquanto ainda pareciam mortos. "Como isso.
Agora, a única exigência como um vampiro no baile de
máscaras é que você tenha que usar um capuz vermelho, mas
como candidata a rainha, você pode fazer o que quiser, desde
que seja vermelho. Eu tenho ideias. É assim que os humanos
sabem que vivemos no castelo. Todos eles"

"Os humanos? O quê?" Meus olhos se arregalaram. Eu


tinha que ter ouvido ela errada.

"Um dia por ano, convidamos os locais e organizamos


uma festa."
“Os aldeões? Mas é uma cidade tão pequena.
Substituímos os residentes todos os anos?”

“Nós não os matamos mais. Não é eficiente. Todas as


bebidas são enriquecidas, e os humanos estão delirando a
maior parte da noite, mas felizes e altos. Nós usamos uma
droga chamada Molly. Êxtase. Eles amam isso, e eles estão
sorrindo e... bem, você vai ver.”

Ela me deu um sorriso que fez meu estômago vibrar.

Eu tinha a sensação de que esta seria uma noite


maravilhosa.

A maquiagem de Adelie para o meu rosto foi incrível.


Usando apenas vermelho, preto e branco, ela transformou
minha pele já pálida em um verdadeiro branco que me fez
parecer uma das mulheres na tela; eu adorava o simbolismo.
Ela colocou uma peruca preta em mim e a amarrou de volta
com enormes rosas vermelhas de cetim, fazendo parecer que
eu estava usando uma coroa. Isso, eu realmente amei.

A ajudei a se vestir, mas recuei e deixei que ela fizesse


sua própria maquiagem, já que eu não era tão boa quanto ela.
Adelie ficou incrível quando se transformou em um esqueleto
com reflexos de turquesa. Ela conseguiu, então não
parecíamos iguais e nada como nós.

Ah, isso ia ser divertido.


Durante o tempo em que estávamos nos preparando, o
castelo havia sido transformado - eu tinha certeza de que os
vampiros estavam usando sua velocidade. As paredes e tetos,
envoltos em serpentinas, flores e balões de tons vibrantes de
laranja, vermelho e preto. Pequenos fantasmas em laranja e
roxo foram pendurados em vários lugares. Se não tivesse um
propósito, estava coberto com um pano preto. Eu tinha que
dizer, a fortaleza do castelo de pedra lavrada, tipicamente
assustadora em um dia ruim e deprimente em uma boa, foi
transformada em um palácio que se deleitou na magia, força e
morte que abrigava dentro de suas muralhas. Comemorando,
fazendo algo para desfrutar.

E aproveitamos isso.

Os humanos da aldeia vizinha, bem como alguns de mais


longe, começaram a chegar no escuro. Havia
impressionantemente perto de dois mil quando tudo foi
registrado. Haveria muita comida e ainda mais bebida para
eles. As bebidas com a mistura eram rotuladas de um modo
que os humanos não suspeitariam.

Os vampiros se misturavam com os humanos,


conversando, conversando... e medindo.

Este foi o nosso Rito de Sangue.


Quando eu era jovem, o Rito do Sangue era sangrento.
Os vampiros atraiam centenas de humanos para um salão ou
um templo e os mantinham em Thrall. Todos os vampiros da
área se juntavam e a noite se tornava uma orgia de
alimentação.

Os humanos abatidos eram enterrados no momento em


que o sol aparecia, enquanto passávamos o dia seguinte
dormindo e nos recuperando. Era um ritual que os vampiros
sempre haviam feito para abater a população local e reforçar a
ideia de que os humanos não deveriam se aproximar de
nossas fortalezas, nossos enclaves. Eles não sabiam o que
éramos ou o que realmente fazíamos; eles só sabiam que
quando encontravam nossas casas, nossos esconderijos,
estariam mortos.

Na maioria dos casos.

Alguns humanos foram corajosos o suficiente para


suportar e capturar o coração ou a alma de um vampiro.
Alguns de nós pediam permissão para transformá-los. Se o
Conselho negasse, seu amante vampiro teria que matá-los
naquela noite.

Nós não mostrávamos misericórdia.

Colocávamos nossas vítimas em Thrall para calá-las.


Simplesmente para evitar que eles gritassem.
Os humanos eram cordeiros.

Nós éramos o abate.

Enquanto nos movíamos através do bando de sangue


quente e fresco, era difícil controlar o desejo de estender a
mão e agarrar um pescoço. Eu tinha sido avisado que não era
mais assim para o Rito do Sangue.

Foi melhor.

O que era melhor do que beber sangue na noite do Rito


de Sangue?

Eu esperei. Eu não perdia nada se não fosse paciente.

Eles haviam prometido que haveria um sinal.

Ao usar as flores no meu cabelo do jeito que ela fez,


Adelie tinha me marcado como a candidata a rainha. Não
havia como confundir a coroa que eu usava. Várias pessoas -
humanos e vampiros - riram e se curvaram. Eu balancei a
cabeça para eles quando passei, fazendo uma nota dos
deliciosos pescoços que vi ao meu redor. Havia meia dúzia de
salas grandes para eu atravessar, observando as pessoas ao
meu redor e como elas interagiam. Havia um quarto para a
comida, outro para as mesas, um para dançar, um para se
misturar e outro com dezenas de sofás, cadeiras e cadeiras de
veludo. Vampiros e humanos estavam por toda parte.
Eu ri deliciada com a situação.

Antes do meu descanso, não haveria mixagem. Teria


sido bebida brutal, engolindo sangue. Isso seria muito mais
divertido, e eu fui rápida em entender por que todos eles
lutaram para mudar o Rito de Sangue de um assunto confuso
e sangrento para essa dança sutil.

Eu esperei.

Todos os humanos estavam bebendo. Alguém estava


tomando o ponche que tinham oferecido. Não demorou muito
para eu começar a ver a bebida ter efeito sobre os humanos.
Eles estavam sorrindo, rindo, tocando. O sentimento de afeto
subiu nos quartos onde a festa foi realizada. Havia menos e
menos humanos na sala de jantar.

Os cinco senhores supremos apareceram na entrada,


vestidos todos de preto. Não havia como confundir a chegada
deles enquanto enchiam a sala com suas presenças, lavando
todo mundo com um sentimento não muito bom para os
humanos.

Adelie me encontrou parada na porta segundos depois e


sorriu.

Um momento depois, ela deixou suas presas caírem.


Ela atacou o pescoço do humano com quem ela estava
falando me provocando.

O sinal foi dado, mas para minha alegria, os vampiros


não atacaram os humanos como um só. Foi muito mais
extenso. Eu percebi, como um povo, que os vampiros se
tornaram mais sutis, empunhando sua sede e poder como
uma ferramenta precisa, um instrumento cirúrgico. O Rito de
Sangue tinha sido sangrento e grosseiramente sexual sem o
sexo. Este Dia de los Muertos foi feito para ser lascivo, uma
dança de sedução e satisfação para humanos e vampiros.

Não houve mais mortes associadas ao Rito de Sangue. O


nome agora era fantasioso.

Eu assisti por um tempo, os vampiros esperando por


seus companheiros humanos para começar a cair ainda mais
sob o feitiço das drogas. Não demorou muito para que muitos
deles estivessem tomando goles de pulsos e pescoços.

Adelie levou sua escolha humana por mim. “A parte que


eu não lhe contei antes, é algo sobre a droga no sistema
humano que nos afeta através do nosso sangue.” Ela se virou
e puxou o homem bonito para beijá-lo com força. “O desejo
sexual atravessa o telhado, e é uma porra incrível. Arranja um
humano, Gwen. Leve-os para um passeio. Isso é muito melhor
que matá-los”. Ela puxou o homem, e eu pude ver que ele
estava completamente ereto por trás do robe disforme.
Bem.

Examinando a sala, encontrei alguns dos homens muito


bonitos que eu havia visto antes e me dirigi à minha escolha
número um. Ele era de estatura mediana, de pele morena e
cabelos claros. Uma combinação incomum com seus olhos
negros noturnos, mas eu podia ver que ele estava bem
pendurado e, embora eu não planejasse usar isso, era bom
saber.

Sorrindo quando ele me viu se aproximar, ele me deu


uma reverência séria na corte. "Olá para você esta noite." Seu
espanhol era um som delicioso quando passou por seus
lábios.

Eu pisei nele e envolvi uma mão em volta do seu


pescoço. "Boa noite para você também", eu respondi em
espanhol. "Você está gostando da festa?"

“Mais agora que eu tenho você aqui. Eu estava te


observando a noite toda, pensando em quanto eu iria gostar
de seus lábios... ", ele se inclinou para o meu ouvido"... e seus
seios” Ele roçou a parte superior do meu mamilo, e eu senti
isso enrugar. Como meus mamilos não estavam eretos já com
o cheiro de sexo no ar, eu não sabia.

Puxando-o para baixo, eu o beijei. Suave, sensual e


líquido, ele era um ótimo beijador. Ele tinha gosto de ponche,
doce e amargo de uma só vez. Eu deixei ele gozar a minha
boca enquanto eu tirava meu leve prazer do beijo.

Eu belisquei sua língua com minha presa. Ele não


pareceu notar, mas o gosto do sangue dançou nos meus
lábios, e eu esperei por um momento para sentir o gosto dele.
Depois que eu comi um pouco, engoli em seco.

O choque passou por mim. Adelie estava certa. Havia


algo no sangue deles que transmutou a droga para nós e fez
com que ela parecesse doce, suculenta e sexual. Ele caiu direto
na minha boceta, e seria preciso um milagre para eu manter
minha promessa de "não fazer sexo".

Eu enfiei uma presa em sua língua, perfurando-o o


suficiente para me alimentar, e prendi-o lá contra mim. Eu
esperei por uma boca cheia de sangue e engoli. E de novo e de
novo. Foi deliberado e cuidadoso, e a sensação de consumo de
'foda-se' passou por mim com cada gosto.

Melhor ainda, ele ficou perplexo pelo fato de eu estar


bebendo seu sangue. Ele espertamente manteve a garganta
fechada, inclinando a cabeça para mim. Todo o maravilhoso
líquido doce pingou na minha boca.

Eu não poderia usar apenas esse homem. Eu precisava


de mais do doce vinho de sangue que eles criaram nos
humanos aqui. Também não era justo atormentá-lo. Algum
outro macho ou fêmea merecia prová-lo e montá-lo e dar-lhe
sua libertação.

Tantos para escolher<

Um toque da minha língua sobre a dele selou a punção e


eu recuei.

“Graçias, senhor. Há muitas outras aqui que devem ter o


prazer da sua presença. Encontre uma, e deixe-as desfrutar de
você tão completamente quanto eu.”

Ele pegou minha mão e beijou as costas dela, deixando


uma pequena marca do sangue em seus lábios. "Se você
precisar de mim mais tarde..." Ele sorriu e se afastou.

O cheiro do sexo estava no ar, e eu caminhei em direção


ao quarto com os sofás. Eu não tinha realmente entendido por
que estava lá. Presumi que se assemelhasse a uma sala de
renascimento, onde haveria discussão e flerte. Eu também
suspeitava que estava errada. Minha suspeita foi confirmada
quando entrei e presenciei cada corpo na sala se contorcendo
na busca do clímax.

Santo sim.

Era inebriante, e eu estava pronta para prender alguém


na parede e fazer com que ele me levasse e acabasse logo com
isso. Mas eu queria mostrar que era melhor que os instintos
básicos de nossa raça.

Provando que isso seria uma verdadeira puta.

Havia outro dos homens que eu escolhi. Ele estava


sentado em um sofá assistindo como uma vampira montava
em seu amigo. Ele estava claramente curtindo o show que eles
lhe ofereciam, e eu pensei em como isso seria um bom lugar
para eu tomar minha próxima bebida.

Andando por trás dele, sorri para a mulher montada no


humano. Ela inclinou a cabeça e depois revirou os olhos
quando ela claramente atingiu um bom lugar. "Ele é seu para
a tomada", ela conseguiu sussurrar um momento depois. "Eu
tenho meu brinquedo aqui entre as minhas pernas."

"Eu vejo isso." Eu sorri e passei meu braço ao redor do


observador. Usei a outra mão para virar a cabeça para o lado
para facilitar o acesso. Hipnotizado pelo show, ele mal me
reconheceu.

Eu afundei minhas presas na carne tenra. O primeiro


gole quase me levou ao orgasmo, e eu puxei com mais força,
mas depois me forcei a deixar o sangue escorrer pela minha
garganta. Eu estaria bêbada de sangue e presa com um
homem morto se eu cedesse a ele.
Era fácil de ver, enquanto eu bebia o sangue desse
homem perfeito, porque eles não queriam mais matar
ninguém. Havia machos e fêmeas por toda a sala que
claramente esperavam que esta noite se reconectasse com um
humano cujo sangue os chamara. O Rito do Sangue era a
chance de as pessoas terem novamente uma amostra de quem
as intrigou. Não era incomum para um vampiro encontrar um
humano que eles achassem particularmente saboroso. Em eras
passadas, aqueles humanos foram capturados e
transformados em escravos de sangue. Não mais - este foi o
substituto para isso. O sangue dado livremente provou-se
melhor do que os bens móveis encadeados, mesmo que ainda
tivéssemos aqueles.

Este homem foi maravilhoso no palato. Eu podia sentir o


leve formigamento de embriaguez real deslizando pelas
minhas veias. Ele gemeu quando eu bebi - e isso não me
ajudou, especialmente quando eu o senti moer contra o braço
do sofá onde ele estava sentado.

Eu me afastei de sua veia e sussurrei em seu ouvido: “V{


em frente. Tire seu pau para fora. De prazer a si mesmo.”

Ele ansiosamente puxou seu pau duro e se fechou. Eu


não lhe dei atenção e voltei para apenas prová-lo, tirando o
meu prazer de seus sabores. Eu podia sentir seu corpo se
movendo, e levou tudo que eu tinha para não pular no braço
do sofá com ele e me moer até o orgasmo. Seu corpo provocou
calor alguns momentos depois, enquanto eu lhe dava um
golpe particularmente profundo de sua veia.

Ele estremeceu quando gozou, e o sabor de seu sangue


mudou novamente.

Essa droga era maravilhosa.

Tentando virar a cabeça, segurei-o e selei a minha


mordida. "Obrigado. Muito gostoso, jovem. Você encontrará
outra mulher nessa noite que lhe trará mais prazer. Guarde
seu pau e divirta-se encontrando-a”.

Quão debochado eu poderia ficar sem realmente


encontrar meu próprio pau para andar? Eu poderia aguentar
a noite toda? Ou eu acabaria indo no braço do sofá... ou talvez
uma mão conveniente?

Eu fiz um desafio pessoal.

Adelie estava em um sofá no canto mais distante, seu


traje despenteado. Não era o bastante para mostrá-la ao
mundo, mas o mundo não se importaria naquele momento. A
maioria deles estava fazendo exatamente a mesma coisa que
ela. Ela havia escolhido um espécime muito bom e estava se
divertindo. Completamente.
"Oh, Gwen." Ela suspirou. “Você deveria provar este
aqui. Eu esperei por ele este ano. O jeito que o soco faz com
que ele prove...” Suas ondulações sobre este homem nunca
pararam enquanto ela falava, e para alguém que pudesse ser
tímida - para uma vampira - sobre suas inclinações sexuais, eu
me perguntei quanto do sangue drogado ela tinha.

Eu sorri. "Salve-o para mim."

Ela colocou a mão no meu braço para me impedir de ir


embora. “Não, prove ele. Agora."

"Você é..." Eu levantei uma sobrancelha. "Você tem


certeza?"

“Mmm. Ele é gostoso e precisa gozar. Eu gozei três vezes


aqui em cima.”

Eu ri. Ela estava muito, muito bêbada.

Sentei-me ao lado do homem no sofá e verifiquei-o. Ele


não era particularmente bonito, mas havia algo sobre as
características fortes que era altamente atraente. Ele tinha uma
expressão luxuriosa nos olhos, quase ali. Ele estava gostando
de Adelie tanto quanto ela estava gostando dele.

Eu disse em conversação: "Minha amiga me disse que


seu sangue é delicioso".
Ele sorriu. “Ela disse o mesmo para mim. Eu sei que sua
boceta é incrível.”

Peguei o braço dele e o coloquei no meu colo, decidindo


que o deixaria em primeiro lugar. Preguiçosamente traçando
círculos ao redor da pele em seu pulso, eu procurei o pulso
com meu dedo primeiro, e então lentamente acariciei meu
polegar sobre ele. Trazendo o pulso para a minha boca, eu
parei de circular com o dedo para usar a ponta da minha
língua para criar o mesmo padrão. Sua respiração batia em
seu peito enquanto ele me observava, seus olhos arregalados.

Movendo-me da ponta da minha língua para a parte


mais larga, eu lambi o sal de sua pele. Até mesmo isso era
bom, e eu suspeitava que tivesse muito sangue também.
Soltando minhas presas enquanto ele observava, eu raspei sua
pele até onde meu polegar acariciava seu pulso e, em seguida,
pressionei-as até a veia logo abaixo de sua pele. Eu envolvi
meus lábios ao redor das pequenas feridas e puxei levemente
em seu sangue.

"Sh-sh-merda", ele gaguejou, e seus olhos rolaram para


trás e fecharam. "Ah Merda. Novamente."

Com o gosto do sangue dele, não tive nenhum problema


em cumprir. Ele era o sabor de soufflé de chocolate
perfeitamente preparado. Um creme de framboesa. Um
sorbetto de chocolate. Uma sugestão dos melhores figos,
todos com um cheiro subjacente de macho e homem. Este
provavelmente tinha um pai vampiro em sua família em
algum lugar, e eles estavam longos, muito tempo abaixo da
linha, mas o tempero ali era inconfundível.

"Oh, foda-se sim", ele assobiou.

Eu lambi entre cada empate duro. Ele ofegou e se


debateu novamente. Este gostava de um toque de dor com seu
prazer e eu fiquei feliz em ajudar. A respiração de Adelie
acelerou com o quarto orgasmo que se aproximava, e eu
queria que ele desse a ela o melhor clímax.

Eu dirigi minhas presas no fundo e peguei em sua veia o


mais forte que pude sem quebrá-lo.

Ele gritou e empurrou para cima.

O gosto de sangue se alterou mais uma vez para me


deixar saber que ele tinha gozado.

Adelie gritou com seu próprio clímax.

Eu chupei seu pulso quando os dois torceram o sexo um


do outro.

Desta vez, selei seu pulso para sempre e coloquei em seu


peito.
Adelie desabou em cima dele. "Milímetros. Gwen. Ele
não é maravilhoso?”

"Oh, eu posso ver que você gostou dele." Eu dei um


tapinha no ombro dela enquanto ela se sentia confortável.
“Não se esqueça de ir para a cama em algum momento,
Adelie. Nós temos um desafio amanhã.”

"Milímetros." Ela gemeu quando ela olhou para o


homem debaixo dela. “Fique duro de novo, Rinaldo. Eu quero
gozar novamente."

Eu ri enquanto me afastava. Pobre Rinaldo. Ele ficaria


tão dolorido amanhã e teria muito pouco a lembrar por isso.
Adelie provavelmente lhe daria algumas boas recordações.
Ela amava seus pequenos animais de estimação humanos.

Eu vaguei pelos quartos, olhando para os rostos dos


humanos e vampiros, alguns engajados em beber simples,
outros em atos sexuais mais tórridos. Não havia nada menos
que uma orgia em outro canto da sala. Comecei a contar os
corpos e ri quando cheguei às dez e não terminei. Eu desisti
de tentar contar. Eles estavam se movendo muito e estavam
aproveitando a pilha em que estavam.

Quando vi Cato num canto diferente, com uma mulher


que parecia assustadoramente com a minha mãe, tive que sair
do quarto antes que minha noite estivesse estragada.
Eu atravessei a sala de jantar praticamente vazia até a
pista de dança. Mais humanos e vampiros para assistir, e eu
me diverti com isso. Adelie estava certa. Esta foi uma versão
muito melhor do Rito do Sangue. Todos, até os humanos,
estavam se divertindo.

Eu queria me jogar na total devassidão do show, mas eu


tinha um Desafio na manhã seguinte e acordar bêbada e
provavelmente dolorida, era uma má ideia. Eu me permiti
mais um humano, no entanto.

Observando os corpos girando e girando, vi alguns


homens que me interessavam. Eles estavam todos começando
a parecer cansados, e seria hora de dormir com eles de
verdade ou mandá-los para casa. Eu queria um que não
estivesse muito cansado.

Um homem do outro lado da pista de dança chamou


minha atenção. Ele não era alto, e não era de tirar o fôlego,
mas como Rinaldo de Adelie, algo era interessante e
fascinante sobre ele.

Atravessando a pista de dança, peguei a mão dele. "Uma


dança, senhor?"

Ele me virou para o chão e me puxou de volta em seus


braços. “Com uma mulher linda como você? Claro."

Eu sorri, humorada por suas palavras extravagantes.


"Você é absolutamente linda."

Eu ri. "Eu estou usando maquiagem."

"Eu posso ver em seus olhos."

Eu deixo eles brilharem vermelhos. "Você pode?"

“Mierda, isso é quente. Como você fez isso?"

"Chegue mais perto, eu vou te dizer."

Eu curvei meu lábio em um sorriso quando ele baixou a


cabeça para a minha boca.

Afundando minhas presas em seu pescoço, eu desenhei


em sua veia.

Eu pulei para longe dele no instante seguinte e cuspi o


sangue por todo o seu rosto.

Poção.
O humano foi envenenado.

Eu olhei para ele, horrorizada.

No segundo seguinte, ele caiu no chão morto. Alguém o


estava controlando, mantendo-o vivo até que alguém desse
um gosto.

Não, eu me corrijo como ainda podia sentir o sangue


dele nos meus lábios, não apenas alguém. Eu. Eles
encontraram um homem que sabiam que eu acharia atraente e
se certificaram de que ele estava no meu caminho.

Movendo-me para a parede e mantendo-a nas costas,


olhei para o corpo a corpo. Tinha que haver alguém aqui que
me odiava ou me queria morta. O sangue foi feito com a
morte para mim, eu apenas sabia disso. Seria a minha sorte. E
eles mantiveram o humano vivo para mim.

Eles ainda estavam aqui?

Eu fiquei na ponta da sala, meus sentidos de vampiro tão


aguçados quanto eu poderia forçá-los - com todo o sangue
bêbado no meu corpo. Eu estava feliz por não ter me jogado
nas festividades. Eu estaria morta se tivesse. Movendo-me
rapidamente para a sala de jantar quase vazia novamente, eu
coloquei minha bunda em uma cadeira e minhas costas contra
a parede.

Humano envenenado. Eles estavam tentando me matar.

Quem seriam eles? Quem tentaria matar um candidato


quando ainda estivesse nos julgamentos? Mais de um de nós
falhou e morreu, ou falhou e foi mandado embora, então não
era como se a possibilidade de eu morrer não fosse um fator
já.

Eu queria aproveitar esse dia.

Eu queria vencer meu desafio pessoal - e agora tudo


havia sido manchado.

"Onde diabos ela foi?"

De alguma forma, eu sabia que a pergunta sussurrada do


outro lado da parede era sobre mim.
"Eu não sei! Ela escapou. Esperei que ela fosse para a
porta e, em vez disso, ela desapareceu”

Eu conheço essas vozes?

“Temos que encontrá-la. Ela tem que morrer.”

“Eu sei disso, idiota! Eu não sei onde ela foi. Ela cuspiu o
sangue de volta, e agora ela sabe que estamos aqui. Vamos.
Vamos verificar os quartos fora da celebração. Porra, por que
isso não funcionou?”

Ouvi os passos deles quando começaram a se afastar e


fiquei de pé para segui-lo. Mas com a maneira como meu
cabelo estava estilizado, não haveria nenhum erro para
qualquer outra pessoa. Puxei a peruca e peguei um humano
por perto, tirando a capa dela e empurrando a massa de
cabelo em suas mãos.

Colocando-a em Thrall por apenas um momento, pedi


que a mulher colocasse a peruca enquanto eu puxava o manto
e me afastava após os passos. Eu podia ver as duas pessoas
que estavam conversando se afastando rapidamente de mim,
varrendo e procurando a multidão. Levantando o lado do
meu turno, eu puxei a pequena espada que eu carregava
quando estava saindo da fortaleza.

As duas figuras, tecendo as multidões distraídas,


encontraram-se com uma terceira e quarta pessoa.
Um estalou: "Onde ela está?"

A mulher, que originalmente estava procurando por


mim, virou-se e examinou a multidão, olhando diretamente
para mim, porque eu estava usando o manto preto e havia
perdido o penteado. Eu sufoquei meu suspiro e virei para
assistir do canto do meu olho.

Hortênsia. Eu conhecia ela. Ela era a candidata a um


passo abaixo de mim. Se eu tivesse dito não aos julgamentos,
ela teria sido a candidata. Ela era uma bruxa horrível, não
importava a quão bonita ela aparecesse.

Eu nunca considerei que as outras potenciais candidatas


gostariam de me matar. Mas isso fazia sentido. Mate-me e eles
se mudariam para a próxima candidata. Ela estaria mais perto
de ser a rainha.

Hortênsia, embora? Ela era apenas patética.

Eu olhei novamente e peguei um flash de outro rosto


pálido em outro manto.

Foi a filha dela. A criança desagradável que recebeu o


nome da deusa da sabedoria. Athena

Bem, bem. Sua filha não era tão patética. Ela era
implacável e inteligente.

Isso foi duplamente ruim.


Mesmo se eu ganhasse o trono, Hortênsia nunca pararia
de tentar vencer. Ela ia tentar me matar. Ou eu poderia ir
embora e me esconder no meu quarto, ou eu poderia cuidar
dos meus negócios aqui e agora.

Este foi um show da minha própria força.

Alguém teve que morrer por essa transgressão. Indo


após Athena parecia errado, porque ela poderia ser o peão de
sua mãe nisso. Então eu tive que ir atrás da mãe dela então.

Os quatro criminosos estavam em movimento


novamente.

Athena virou em uma direção diferente com uma figura


encapuzada.

Hortênsia ficou perto do outro com um manto.

Eu me aproximei para ouvir sobre a música o que eles


estavam dizendo.

"Sua filha fodeu isso."

“Cale a boca, Umar. Ela não é nada sem mim e você sabe
disso. Você a mandou para controlar o humano e não me
contou. Eu teria insistido que um de nós ficasse de olho nela.
Ela ainda é jovem, não importa o quão inteligente ela seja.
"Você acha que ela vai fazer o que você disser a ela,
Tensia?"

"Sim ela vai. Ela é minha criação e ela sabe disso. Ela não
se importa com a coroa, mas ela entende que eu me importo.
Tudo o que tenho a fazer é matar aquela idiota e acasalar com
Nial”. Sua cabeça se moveu novamente, examinando o quarto
para minhas flores e cabelos. Ela deu um pisão de seu pé.
"Onde diabos aquela cadela foi?"

Umar bufou. “Você nunca controlar{ Niallan. Você sabe


disso. Ele vai te amarrar pelos dedos dos pés e drenar o
sangue da sua virilha para que você possa se afogar enquanto
enche as narinas.”

O rosto dela se contorceu. "Você deveria ser tão nojento?"

“Eu sou um vampiro, sua idiota. Para que você não


esqueça, eu regularmente rasgo gargantas por prazer.”

"Caçando." Ela estremeceu de repulsa. “Oh, ai! L{ est{


ela!"

Os dois marcharam para a sala onde havia muito mais


corpos verticais em volta para esconder minha estatura
menor. Vi o cabelo e as flores se movendo alegremente no
meio da multidão, parando para dizer olá às pessoas e
seguindo em frente.
Hortênsia e Umar estavam observando e aproximando-
se da minha peruca e flores. Eles foram cuidadosos e presos às
sombras mais escuras. Eles chegaram muito perto antes de
tomarem a decisão de agarrar a mulher que usava meu
cabelo.

Umar envolveu um braço ao redor da cintura da mulher


e a puxou de volta para o escuro. Eu ainda podia ver o flash
de aço, um punhal em sua garganta. Ele sussurrou: "Olá,
Gwynnore."

A pobre mulher ficou assustada e aterrorizada, e eu fiz o


meu movimento.

Eu envolvi meu braço em volta do ombro de Hortênsia.


“Ol{, Tensia. Como você est{?"

Eu coloquei a espada nas costas dela, deleite se


espalhando pelo meu sangue enquanto ela engasgava em
choque.

Umar girou, arrastando a mulher ao redor com ele. Ele


estava claramente atordoado.

Eu sorri para ele. “Você realmente acha que eu ficaria tão


vulnerável depois de provar sangue envenenado e ver o
homem morrer na pista de dança?”

"Sua puta," Hortênsia resmungou.


"Eu? Você enviou um humano envenenado para o Rito
do Sangue. Quantos vampiros agora estão mortos porque eles
o provaram antes do veneno florescer completamente, hum?
Você não merece a coroa que deseja, e com certeza não
mereceu isso.

"Deixe-a ir", exigiu Umar. "Eu vou matar essa putinha


humana."

"Você me confunde com o meu amigo." Eu bufei. "Eu não


faço humanos de animais de estimação."

Ele passou a faca pelo pescoço dela, e ela caiu no chão,


dando seu último suspiro através da garganta machucada. Eu
olhei para ele parado ali, lambendo a faca enquanto ele sorria.
Umar perguntou francamente: "E você não está incomodada
com isso?"

"Nem mesmo remotamente." Eu não era doce e merda.

Ele puxou uma arma e apontou para mim. "Que tal


agora?"

Eu contorci uma sobrancelha. "Eu não sei... Que tal isso?"

Eu dirigi a longa faca até as costas de Hortênsia, através


de seu coração, e atravessei seu esterno com um estalo
quebrando. Umar puxou o gatilho quando a faca cutucou seu
peito, mas eu apenas movi o corpo inerte de Hortênsia para a
trajetória, e a bala se alojou em seu cérebro.

Eu continuei em velocidade de vampiro, puxando a faca


para fora, deixando seu corpo quase sem vida cair no chão. Eu
girei e girei a lâmina em um ângulo em Umar. Eu cortei
através do pescoço dele antes mesmo de ele soltar o dedo do
gatilho. Sua cabeça apenas ficou lá em seus ombros, sua
expressão de surpresa na morte.

Eu sorri e cutuquei sua cabeça fora de seu corpo,


observando quando ele caiu e rolou para longe de mim,
parando com os olhos mortos olhando para mim.

Agarrando o corpo de Hortênsia, levantei-o em um


ângulo e cortei sua cabeça em um movimento fácil, e chutei
para descansar ao lado de Umar - lado a lado, seus olhos sem
vida olhavam para mim.

Falhas. Os dois.

Atena e a outra companheira estavam a poucos metros


de distância, com as bocas abertas.

O companheiro levantou as mãos como se fosse se mover


contra mim.
Eu agitei a faca ensanguentada. "Tente. A estética seria
ainda melhor com uma terceira cabeça olhando fixamente
para o teto.

A sala irrompeu em aplausos. Os humanos assistindo


pensaram que era tudo um show para o entretenimento deles,
então eu virei e me inclinei para eles, aceitando o elogio por
algo que eles nem sequer entendiam. Quando me virei para
sair de novo, encontrei Lorde Otto e Cato em pé nas sombras,
a três comprimentos de corpo de distância, com expressões
vazias de qualquer emoção.

Aparentemente, eles estavam espionando.

E eles me deixaram lidar com isso.

Eu joguei a faca no chão na frente deles. "Limpeza no


corredor dez."

O braço musculoso de alguém envolveu minha cintura


por trás, levantando-me dos meus pés.

Então eu fui carregada.


Jallina sentou-se no nosso lugar habitual no café.

Ela levantou a cabeça quando me sentei e me deu o


maior sorriso que eu tinha visto dela em meses. “Kimber? Isso
é realmente você? “

"Certamente é, Jallina."

Ela alcançou a mesa e apertou minha mão. "Eu senti sua


falta nas últimas semanas."

Assentindo, eu apertei a mão dela de volta. “Eu senti sua


falta também. Já faz um tempo desde que eu tive tempo para
fazer... qualquer coisa. “
Um pequeno e orgulhoso sorriso atravessou seus lábios.
"Você é uma celebridade por aqui."

Rindo, sentei-me na cadeira e balancei a cabeça. "Eu não


quero ser."

Uma vez que pedi meu café, Jallina sentou-se e passou as


mãos em volta da caneca. "Você ainda está ensinando?"

Eu balancei a cabeça. "Não. Eles me tiraram desse dever


há um tempo atrás. Eu treino com mágica a maior parte do
tempo agora. Eu nem sei porque. E você? O que você está
fazendo?"

“A mesma coisa que sempre fiz. Organizando as


prateleiras e livros na biblioteca. Embora eles tenham me
direcionado para verificar os retornos agora também, por
danos, a vida ficou um pouco mais excitante.

“Passos de bebê, Jallina. Você vai chegar a diretora


eventualmente.”

Seus olhos estavam fixos na espuma de café em seu copo


e ela grunhiu. O clima em nossa pequena mesa mudou
imediatamente.

"Algo está errado?"

"Não<"
Minha cabeça inclinou em curiosidade e esperei.

Um profundo suspiro precedeu a explicação de Jallina.


“Tudo mudou agora, Kimber. Você e Elex não estão por perto
porque você está perto de ser importante no templo, mas o
resto de nós se separou. E não pelas razões que você pensa.
Não porque você e Elex eram a cola do grupo...”

Eu ri. Nós não fomos. Nós não éramos muito assim.

“Mas nós mudamos. Nosso grupo se transformou...

"Transformou?"

Ela girou o café desta vez e balançou a cabeça devagar.


“Transformou. Como rocha sob pressão. Acho que nenhum
de nós viu isso porque éramos jovens e acostumados um com
o outro. Depois que você e Elex foram para o templo, todos
nós chegamos a um acordo. Uma pequena risada escapou
dela. “Drez e Milgran chegaram a mais do que chances. Eu
acho que eles ainda estão com olhos negros.”

“O que aconteceu em S'Kir?”

“O templo”, ela olhou através do café antes de olhar de


volta para mim. “Vamos conversar em outro lugar. H{
ouvidos aqui.”
Eu balancei a cabeça, mas não fiquei tranquila. Havia
ouvidos por toda parte. Eu não entendi porque ela estava tão
preocupada em ser ouvida, também.

Passando por uma dúzia de outras lojinhas depois de


pagar pelas nossas bebidas, Jallina parou em frente a uma
porta que não tinha nada além de uma marca no canto.

Eu conhecia bem a marca. Foi a marca do templo.

Jallina deu um olhar furtivo para cima e para baixo da


rua antes de abrir a porta e entrar.

Era como se eu tivesse voltado para o templo do qual eu


havia me afastado raivosamente há apenas uma hora. Os
cheiros, as visões, a iluminação. Tudo estava familiarizado. "O
que é este lugar?"

Minha amiga não respondeu imediatamente. Ela tirou o


casaco dos ombros e fez sinal para eu fazer o mesmo.

Ela me levou, ainda em silêncio, para a profundidade da


sala e sentou-se em uma mesa. Sentei-me em frente a ela, a
questão ainda pairando entre nós, sem resposta.

Um jovem, vestido como um acólito no templo principal,


correu.

Ele engasgou quando ele me viu e caiu em uma


profunda reverência.
"Como posso atendê-la, Lady Raven, Senhora Topir?"

"Dois cafés", respondeu Jallina, e o acólito desapareceu.

Quando comecei a pensar em acólitos separados de mim


mesmo?

Jallina finalmente respondeu minha pergunta. “Este


lugar é um templo outlier. É uma casa segura, um lugar onde
as pessoas vêm se o templo está muito longe para elas
andarem ou temem algo entre aqui e ali.”

Meu rosto deve ter me denunciado.

"Você não sabia sobre isso, sabia?"

"Não. De modo nenhum."

Traçando um padrão na madeira da mesa, Jallina levou


um momento para reunir seus pensamentos. “Quando eles
nos chamam de bebês, Kimber, eles estão certos. Podemos
estar nos aproximando do nosso primeiro século, mas não
conhecemos os meandros deste mundo. Ainda há muitas
coisas que não saberemos por muito tempo.”

Eu coloquei uma mão na minha cabeça. "Eu acabei de ter


essa conversa."

"O quê?"
“Com a senhora Danai. É por isso que eu saí do templo
por um tempo. Eu precisava limpar a minha cabeça.”

"Ela está certa se é isso que ela disse a você."

O acólito colocou as canecas de café quente e rico na


mesa entre nós e deixou um prato de açúcar e creme.

Em um silêncio sociável, Jallina e eu fizemos nossos cafés


do jeito que gostávamos, da maneira como havíamos deixado
no café.

Eu olhei a sala ao nosso redor um pouco mais.

Parecia-se muito com o templo, mas claramente não se


destinava apenas a dedicatórias e orações. O quarto era mais
funcional, mais acolhedor.

Certamente, muito mais versátil, como evidenciado pelo


delicioso café.

"O que aconteceu?" Minhas palavras silenciosas não


pareciam romper nosso agradável silêncio com muito
desconforto.

“Houve discussões. Quando Milgran percebeu que você


era a única no templo e espalhava a notícia do Breaking
Times, ele estava... irritado.” Jallina bufou no café, impoluta.
"Bem. Talvez com raiva tenha sido um eufemismo. Ele ficou
furioso. Ele estava sem palavras e queria<”
Ela limpou a garganta, tentando adiar o que estava
prestes a dizer.

Eu esperei.

“Ele queria ir até l{ e matar você. No início. Ele se


acalmou o suficiente dentro de alguns instantes para emendar
isso para te levar para longe do templo, mas Drez e eu ouvimos
as palavras saírem de seus l{bios.”

Uma semana antes, um dia antes, eu nunca teria


acreditado que Milgran diria tal coisa. Qualquer sentimento,
matança ou sequestro.

Eu estava agora um dia mais velha e mais sábia.

Que diferença um dia fez.

Eu parei, então tomei um gole do café, apreciando a


bebida quente e deliciosa que se espalhava por mim. Eu
saboreei isso por apenas mais um momento, saboreando tudo
que era inocente e puro apenas mais uma vez, enquanto me
preparava para admitir que minha própria inocência e pureza
estavam acabando.

"Nada disso me surpreende."

A cabeça de Jallina se levantou, depois se desligou por


um momento.
"Então eles tentaram te levar na noite passada."

Desta vez, minha cabeça se levantou. "O que você quer


dizer? Como você..."

“Mil não estava quieto sobre seus planos e onde seus


ideais estavam se alinhando. E eles não estavam com você e o
templo, com certeza.”

Eu fiquei espantada. "Você sabia que ele ia tentar me


sequestrar?"

Um dos meus amigos mais antigos mentiu para mim?

Ela estava me provocando?

Por que ela não veio e me disse que eles iriam tentar
isso?

Enojada, olhei para o café.

Perdeu o sabor de repente.

Meu gosto pela minha companhia também foi perdido.

A cabeça de Jallina tremeu no negativo. “Não ele. O


grupo que ele tem mostrado mais do que um interesse
passageiro. Ele estava< entusiasmado com a ideia de que eles
iam tirar você do templo e ensinar como o templo está
errado.”
“Por que ele estaria convencido de que o templo est{
errado? Eu sou... era um acólito. Eu sirvo o deus perdido. Ele
me conhece desde que eu era criança!”

Outra pausa grave encheu o ar. Este não era


desconfortável, apenas longo e cheio de coisas que Jallina
queria dizer.

“Lembra que eu disse que éramos crianças e realmente


não fazíamos ideia? Tudo se resume a isso. Não conhecemos
este mundo tão bem quanto os outros, e certamente nunca
soubemos da antítese.”

Minha mão voou para uma posição de espera.

"Quem?"

"Antítese. Eles são os que tentaram te levar ontem à


noite. Àqueles que Milgran se juntou.”

Trabalhando meu queixo, eu confundi o nome enquanto


olhava para o café. Finalmente, olhei para cima. "Esse é um
nome estúpido."

Jallina começou a rir. "Certo?!"

"Eles também perderam."

Ainda rindo, ela gesticulou para mim sentada ali.


"Claramente. O que eles fizeram? Como você escapou?”
Apenas com essa pergunta, eu sabia que ela não tinha
conhecimento prévio suficiente da tentativa. Meu estômago se
acomodou rapidamente. "Eles me levaram porta afora no
momento que estava dançando."

O rosto dela congelou em uma expressão vazia por um


momento, e então todo o seu rosto explodiu em gargalhadas.

"Eles fizeram o quê?"

“Dançando pelo salão." Eu sorri. "Sério. Eles cortaram


Elex e eu, e eu fui lentamente dançando até as portas opostas
e, em seguida, me tiraram do salão.”

Transmiti a excitação da noite a minha amiga, o novo


conhecimento de que eles estavam lançando nova luz sobre
todo o incidente.

Um dos meus amigos associados a essas pessoas.

"Você está bem agora?" Jallina perguntou.

"Eu estou. Eu estava bem apenas momentos depois de


Elex e o Mestre Dorian me afastaram da carruagem. Eu não
estava realmente assustada, apenas confusa. Quer dizer, um
minuto eu estou dançando e o próximo... “

Um suspiro deixou seus lábios. "Você e Elex?"


Minhas bochechas ficaram vermelhas quando percebi o
quão óbvio eu tinha falado para ela que Elex e eu não éramos
apenas amigos. "Eu e Elex."

"Eu ouvi dizer que ele é um animal na cama."

"Oh, você não tem ideia."

Ela sorriu. “Estou com ciúmes, na verdade. Eu sempre


tive um fraquinho por ele...”

Eu assenti. "Compreendo."

Ela sacudiu seu devaneio. “Então, deixe-me continuar.


Depois que Milgran perdeu a cabeça sobre você e se juntou a
Antítese, Drez e eu queríamos fugir sem realmente perder o
contato, caso ele tivesse uma boca grande. Eu gostaria de ter
percebido que ele estava falando sério quando ele nos disse
que eles iriam tentar sequestrar você.”

“Em todo caso, Drez e eu descobrimos que, depois de


alguma introspecção, preferimos confiar naquilo que
conhecemos bem. O templo."

"Alguém na cafeteria em que estávamos nos escutou e


nos apresentou a este lugar e a outros como ele por toda a
cidade."

"É por isso que você queria sair da loja."


Jallina assentiu. “Sim, porque, como ele, Seforin,
explicou, tanto os Outlier Temples quanto os Antithesis usam
a loja para recrutar.”

"E se eles soubessem que eu estava lá..."

“Eles poderiam vir atrás de você. Aqui não vão. E se o


fizerem, há uma porta nos fundos por onde podemos tirar
você.”

"Isso é intrigante para mim, muito."

“E estamos apenas na ponta do iceberg. Bebê.”.

Inclinei a cabeça, percebendo que a palavra não era um


insulto, mas um aviso de que não tínhamos experiência
suficiente para entender tudo ainda.

Sua mão descansou na minha um momento antes de


falar novamente. “Nós confiamos no templo. Milgran não faz
ideia de que escolhemos um lado diferente do dele.”

Meu coração bateu contra minhas costelas. "Você quer


ser um espião?"

Ela inclinou a mão. "Talvez um pouco. Talvez não saia


em missões difíceis, mas eu não me oporia a correr o risco por
você e o templo, e mandar uma nota para que você saiba o
que ouvimos.
"Ter uma nota de um amigo aparecendo na porta não
seria suspeito."

Um sorriso se espalhou no rosto de Jallina. "Exatamente."

Eu bati um dedo na mesa. "Isso pode ser perigoso."

“Você alguma vez suspeitou de um subterr}neo em


S'Kir? Não é mais perigoso do que o Breaker se alinhar
claramente com o templo imediatamente, e aparentemente,
sem pensar.”

Meu lábio se contraiu. "O Breaker?"

"O Quebrador da Espinha." Sua sobrancelha subiu


severamente. “Você ensina histórias, Kimber. Você deve saber
sobre o Quebrador da Espinha.”

Eu nunca tinha ouvido a frase. Eu não queria dizer isso a


ela. Foi uma omissão terrível na minha educação porque eu
não tinha, e essa foi importante. "Ah, sim. Claro. Desculpa. Eu
estava focado em antítese.”

"Então você não vai tornar publicamente conhecido para


Milgran que você está alinhado com o templo."

"De modo nenhum."


Envolvendo as mãos em torno de sua caneca de café
mais uma vez, Jallina tomou um gole profundo, e eu pude ver
o calor a confortando.

Eu assumi todo o frio da sala naquele momento.

Um suspiro escapou antes que eu lhe desse minha


resposta firme.

"Sim então. Sim. Por favor me envie informações sobre


eles. E Milgran. Mas nunca em risco pessoal para você.”

“Devemos ser vistos juntos ocasionalmente. Café,


compras, até mesmo visitar um ao outro.”

Minha sobrancelha subiu desta vez. "Você já pensou


sobre isso."

Tentando não sorrir, ela não conseguia explicar sua


expressão. “S'Kir não é exatamente o lugar mais excitante.
Estamos felizes, estamos contentes, mas até uma alma calma
como a minha precisa de uma aventura de vez em quando.

Rindo, eu balancei a cabeça. "Esta é provavelmente mais


aventura do que você realmente quer experimentar, Jalli."

Ela me dispensou com um movimento de seu pulso.


“Feh. Vou envelhecer e envelhecer como os meus livros, se
não fizer algo para ajudar você e o templo.”
Deixei as palavras pairarem ali por um momento. No
próximo, eu dei a ela um aviso. “Lembre-se, não conhecemos
o jogo, não importa quem são todos os jogadores. Isso é para
valer agora.”
De alguma forma eu puxei minha arma e tentei trazê-la
para a cabeça da pessoa me arrastando para longe.

Mestre Niallan deu um tapa. "Que diabo é a o seu


problema?"

“Alguém acabou de tentar me matar.”

Ele me deixou de pé e me empurrou para fora da porta


das salas de celebração e para o vestíbulo. "Você acabou de
decapitar dois vampiros influentes na frente de todo o castelo
e de dois mil seres humanos!"

Ugh. O Original estava falando comigo.

Eu tentei jogar legal. Não ia ficar melhor com ele, a


situação não mudava. Ele era o possível candidato a Rei.
Então eu agi como se desse a mínima para o que ele tinha
a dizer.

No coldre da arma, dei de ombros. “Eles pensaram que


era um show. Eles estão todos bêbados e com tesão de
qualquer maneira. Com o que eles se importam, desde que se
estabeleçam e recebam mais do ponche?

"Você deveria estar mais preocupada com os vampiros


que acabaram de ver você decapitar um velho vampiro e seu
companheiro - possivelmente amigos deles."

"Então eles escolheram os amigos errados."

"Não seja fodidamente irreverente!" Ele apontou o dedo


para o quarto. "Esses vampiros vão querer retaliação."

Eu o encarei com olhos mortos “Isso foi retaliação. Eles


me alimentaram e sabem quantos outros vampiros
envenenaram com o sangue. Sangue, morrendo sangue do
láudano. Se o sangue corrompido não os obtiver, o veneno o
far{.”

Ele fez uma pausa. "Porra. Por que você não liderou com
isso? “

Porque tenho certeza de que Lorde Otto e Lorde Cato


sabiam o que estava acontecendo. Eu não precisava contar a
ninguém. Eles já sabiam e queriam ver como eu lidaria com
isso. E, além disso, todo mundo naquela sala está bêbado de
sangue e enroscando o que quer que possa pegar! Eu tirei meu
braço do seu aperto. “Eu deveria ter feito o mesmo. Eu
deveria ter tido um bom pau ali, me embriagando do sangue e
ter uma boa noite em vez de tentar me manter sóbria e
racional para o meu Desafio amanhã.”

Meus pés batiam com força contra o chão de pedra


quando me virei para marchar para longe dele.

Rosnando, ele me alcançou. “Independentemente disso,


você causou uma cena lá que não precisava acontecer. Se os
Senhores Supremos soubessem, então você deveria deixá-los
lidar com isso. Então, qual diabos é o seu problema?

Eu olhei para ele. "Ali atrás? Hortênsia. Agora? Você."

"Que tipo de resposta idiota é essa?"

"Não há nada de idiota sobre isso."

"Você está bêbada? Ou apenas é infantil?

Eu cerrei meus dentes, um rubor embaraçoso fugaz


manchando minhas bochechas. “Eu estava cercada por dois
mil seres humanos dispostos! Você acha que eu não
participei?”

"Ninguém..."
"Pelo amor de merda, Mestre Niallan..."

“Me chame de Nial.”

"Tanto faz. Como quiser. Mas, como eu estava dizendo,


não sou infantil como você disse. Eu só não esperava sofrer
uma tentativa contra minha vida durante o Rito do Sangue.
Então, sim, eu me diverti.” Eu rosnei sob a minha respiração,
admitindo um problema. "Talvez um pouco demais."

"Você é uma garota estúpida, você sabe disso?"

“E você é um idiota. E agora, provavelmente nem vou


encontrar um braço de sofá para me esfregar graças a essa
bagunça.”

"Por que diabos você se esfrega em um braço do sofá?"


Sua raiva se foi, substituída por confusão.

"Porque eu sou uma candidata, e eu não vou apenas


sentar e girar em qualquer velho pau desconhecido que me
aponte, não importa o quão bêbada e excitada eu esteja!"

"Você está com tesão?"

"Oh, por favor." Eu comecei a ir embora, mas voltei. “Eu


tinha um cara gozando enquanto estava bebendo e ajudei
outro a gozar enquanto minha melhor amiga o montava. Você
acha que eu estou com tesão?”
"Você realmente quer dar uma volta em um pau, não é?"

Eu murmurei: "Vá embora".

Levantando uma sobrancelha lentamente, ele me


considerou. "Eu não me importaria de transar."

Eu tropecei nos meus próprios pés, mal conseguindo me


segurar de dar uma cabeçada no chão. Com meus braços
afastados do meu corpo, estabilizando-me, eu lancei um olhar
para ele do canto do meu olho.

Oh. Minhas.

Jogue legal, Gwen. Jogue legal.

Eu engasguei com uma risada e comecei a andar. "Seja


cuidadoso. Eu poderia ter tomado isso como uma oferta.”

Ele seguiu, com as mãos enfiadas nos bolsos. Um


pequeno sorriso curvou as bordas de sua boca enquanto
olhava para o chão. Quieto. Oh tão quieto Ele perguntou com
curiosidade casual: "E se fosse?"

Embora eu ainda não pudesse suportar esse idiota, se eu


estivesse procurando uma abertura em sua vida...

Eu murmurei: "Eu acho que seria uma foda interessante."

"Isto é uma grande verdade."


Eu olhei em sua direção, não escondendo a direção do
meu olhar enquanto eu descaradamente verifiquei sua forma
impressionante.

"Você está pensando no meu pau." Ele sorriu.

“Oh, você pensa sobre isso o suficiente para todos na


fortaleza. Você não precisa da minha ajuda.” Voltei minha
atenção para onde eu estava andando.

Uma brisa fresca e mágica fez cócegas no meu pescoço, o


que era uma coisa, mas quando se focalizou e beliscou meu
mamilo, eu me virei e rosnei, "Mantenha suas mãos mágicas
longe dos meus seios, sua merda."

"Ela é uma poetisa!"

"Foda-se."

Sua voz estava bem no meu ouvido. "Eu prefiro te foder."

Com um olhar de soslaio, eu o avaliei novamente. Eu


ainda estava molhada e querendo do Rito do Sangue. Mas eu
não suportava esse bufão arrogante. "Você está falando sério?"

"Talvez você esteja interessada em encontrar uma cama e


não um corredor."

"E se eu gosto de foder nos corredores?"


"Vou ter que reconsiderar minha oferta e encontrar um
corredor."

Oh. Ele me queria.

Este foi um desenvolvimento motivador.

Eu cantarolei baixinho. "Encontre-me uma cama, então."

Eu poderia fazer isso. Eu poderia.

Ele magicamente tocou meu mamilo novamente, mas


desta vez não soltou. "Eu acho que posso gerenciar isso."

A magia continuou a acariciar meu mamilo, palpitações


de sensação enrolando meus dedos. Eu mexi meus ombros.
Cócegas, e não de uma maneira horrível também.

"Pare com isso."

Sorrindo, Nial assumiu a liderança, sua magia


encontrando o segundo mamilo enquanto caminhávamos.

Eu não me importei de andar atrás dele.

Ele tinha ombros largos muito agradáveis.

Sua atitude, no entanto, deixou muito a desejar.

Levei apenas um momento para perceber que estávamos


indo para o quarto dele. Aquilo foi um movimento ousado,
mas se isso significasse que eu estaria curvada contra a
parede, era tudo que eu queria.

Eu esperei silenciosamente atrás dele quando paramos


na frente de sua porta. No entanto, meus olhos se moveram
na direção em que havíamos caminhado quando um flash de
escuridão chamou minha atenção. Minha atenção parou por
um instante.

No final do corredor...

O Lorde Belsazar descansou contra um batente de porta.

Ele estava nos seguindo?

O que... ele ouviu?

Ele sabia que esse era o quarto de Nial?

Seus braços estavam cruzados sobre o peito musculoso.

Seus olhos lentamente olhavam entre o druida e eu.

Gradualmente, ele empurrou o batente da porta.

O Soberano piscou para mim, um sorriso medido


enrolando um lado de seus lábios macios. Seus olhos claros
examinaram meus traços chocados mais uma vez, segurando
meu amplo olhar. Então ele se foi antes que eu pudesse
respirar.
Abrindo a porta Nial se virou na minha direção, me
convidando para entrar em seu quarto. "Você vem?"

Eu pisquei lentamente, então balancei a cabeça


rapidamente antes que o druida pudesse questionar o meu
comportamento, afastando as estranhas ações de espionagem
do suserano.

Eu não conseguia ver nada além do relógio na mesa de


cabeceira. Ali tinha que ter algum estranho feitiço de druida
acontecendo para manter o quarto escuro. Ele fechou a porta
atrás de nós e a escuridão me dominou completamente.

Foi desconcertante.

Como um vampiro, eu não estava acostumada a ser


roubada da minha vista.

Um arrepio percorreu minha espinha, o ar frio


congelando correndo ao redor dos meus pés e tornozelos,
deslizando até as minhas panturrilhas.

Pressionado contra minhas costas, a mão de Nial


segurou meu queixo e me virou para ele. Sua respiração
passou pelos meus olhos, e a sala imediatamente se iluminou,
me presenteando com a magia para ver através de seu feitiço -
sua magia também mantinha meus seios entretidos.
Embora, a névoa de ouro deslizando em torno de seu
andar não desapareceu. Cobria toda a área em seu toque
gelado. Nial não pareceu se importar, mas era totalmente
desagradável para minha pele - não natural e mágico.

“Dispa se, Gwen. Não quero perder tempo fazendo isso


por você.”

"Você está mandando em mim?" Eu tremi novamente,


esfregando meus braços. Estava demorando. Eu sabia.

Droga, eu poderia fazer isso.

"Você quer transar ou não?"

"Você é bruto."

"Porque pedir uma foda é tão bruto?"

“Você vai parar comisso em meus peitos? Porra!”

Tentei afastar os dedos mágicos enquanto também


tentava desabotoar minha camisa. A magia parou ali, mas um
segundo depois, houve uma carícia na minha boceta.

"Isso é melhor?" A risada zombeteira encheu a voz de


Nial.

“Você não est{ nu ainda, Niallan? Você fala sobre perder


tempo...”
Prostrando-se na minha frente, ele forneceu provas de
que estava, de fato, nu e já excitado. Eu tive um momento
para admirar seu físico, e ele foi bem feito.

Ele me pegou olhando e sorriu.

"Você é tão presunçoso."

"Eu posso sentir o seu sexo, Gwen." Ele deu um passo em


minha direção. “Eu podia sentir seu sexo no corredor. Você
está sempre com tesão, ou isso é só para mim?

Eu bufei, saindo da minha calça, finalmente livre das


minhas próprias roupas. “Rito de sangue. Supere isso."

Estendendo a mão, ele acariciou meu peito sem sua


magia. "Maravilhoso. Um punhado perfeito.”

Seu pênis estava me tocando e eu alcancei de volta,


envolvendo uma mão ao redor dele. Eu não ia perder mais
tempo, levando-o para sua própria cama pela ereção. Eu
realmente poderia fazer isso, e eu precisava transar, como ele
disse. A maioria dos vampiros procurava um bom parceiro de
cama pelo menos a cada noite. Eu tinha sido fodida apenas
uma vez desde o meu último descanso, mas o que Lorde
Belsazar me fez naquela noite... me deixou olhando para
todos os outros homens como se algo faltasse.

E realmente faltava.
Eu precisava encontrar outra maneira de conseguir
alguma coisa.

Soberanos não estavam no menu regular.

Mas por enquanto, eu tinha um pau impressionante em


minhas mãos.

Isso era tudo que eu precisava lembrar. Nial era um


homem. Ele tinha todas as partes masculinas que eu precisava
para sair hoje à noite. Eu tentaria esquecer que ele era um
idiota druida.

Eu deslizei minha mão sobre o pênis delicioso que estava


pronto, disposto e capaz.

Nial não me deu a chance de subir na cama e arrastá-lo


comigo. Eu me encontrei horizontal com seu corpo muito
grande aninhado entre as minhas pernas, sua boca no meu
peito sugando como se sua vida dependesse disso.

"Homens e peitos." Suspirei. "O que há com isso?"

"Saboroso, macio", ele murmurou em volta do meu


mamilo em seus dentes. “Flexível, divertido e sensível.”

Arqueando-se um pouco, involuntariamente contra a


pressão de sua boca, ele começou uma jornada que envolvia
lamber, beliscar e chupar o caminho no vale entre meus seios.
Mas quando ele chegou ao outro seio, notei que o primeiro
não foi deixado sozinho. Os dedos mágicos estavam de volta,
e eles estavam trabalhando em conjunto com sua boca.

Este druida com a magia estranha era talentoso no


departamento de sexo.

Eu gozei com isso. Eu estava aqui e estava recebendo


estímulos. Eu precisava de estímulos. Eu precisava de mais...
Bem, aparentemente disso.

E o jogo sexy da língua e do corpo de Nial sobre o meu


era prazeroso, sem dúvida.

Seus lábios e língua começaram a trilha para onde seu


corpo estava alojado entre as minhas pernas. Movendo-se
para baixo da cama, centímetro por centímetro, ele fez o seu
caminho para minha boceta e começou a beijar e chupar e
lamber a carne sensível que encobria meu clitóris. O verde
brilhante de seu olhar pareceu brilhar quando ele pegou meus
olhos em seu olhar.

Eu não tinha percebido como eles eram verdes ou


intensos. Eu me permiti manter contato com aqueles olhos até
que a dança de sua língua e lábios me puxou para longe e me
fez jogar cabeça para trás, revirando os olhos de prazer.

Eu arqueei meus ombros pressionando o colchão. O


druida sabia como trabalhar sua língua. Eu gemi longa e
pesada, sua boca sorrindo contra a minha carne íntima.
Mas houve um calor novo e suave na pele do meu
estômago.

Confuso, eu olhei para baixo.

Uma chama amarela e quente dançou em minha carne.

Todo o meu ser congelou.

Eu estava pegando fogo!

O fogo poderia me matar - matar toda a fortaleza.

Nial estendeu a mão e o fogo saltou em sua mão como se


fosse um animal de estimação. Ele torceu o fogo... satisfeito
consigo mesmo.

Eu mostrei minhas presas. "Se você está tentando me


assustar, Nial, você fez um ótimo trabalho."

Sem tirar a boca da minha boceta, ele colocou a mão no


meu estômago e deixou as chamas dançarem na palma da
mão e no meu estômago novamente. Deitado por baixo dele,
ele traçou um dedo sobre a minha pele, criando um rastro
para o fogo seguir. E isso aconteceu. Seguiu-o em torno da
carne do meu estômago, pelas minhas costelas, passando
pelos meus mamilos perolados e excitados, e descendo até o
vale do meu sexo.
Nial controlou, e seu calor na minha pele quente era um
nível totalmente novo de sensualidade.

Meu corpo se derreteu sob a atenção íntima e bizarra.

O druida sussurrou: "Alguém gosta disso".

Eu não confiava em mim para falar, então eu assenti em


vez disso.

Nial dividiu a chama em dois, as pequenas lambidas


amarelas de calor subiram pela minha pele e se concentraram
nos meus mamilos, aquecendo-os, dançando suavemente
sobre a pele tensa.

Merda, eu estava tão incomodada. Eu senti que se algo,


mesmo remotamente sexual, acontecesse, eu gozaria.

O que aconteceu foi mais do que remotamente sexual -


foi muito prazeroso. Enquanto eu estava lá, tentando ficar
quieta e continuar respirando, ouvi um zumbido suave. Um
segundo depois, minha curiosidade foi satisfeita quando uma
sensação fria zumbindo fez cócegas na entrada do meu sexo.

Um vibrador.

Eu não sabia de onde vinha, mas alegremente zumbia


entre as minhas pernas.

Eu comecei a me contorcer muito.


"Você gosta?" Ele perguntou, descansando o queixo nos
meus seios.

A seda lisa das minhas profundezas brilhava em seu


queixo, e isso também era deliciosamente delicioso para mim.
Eu tinha que responder, mas não confiava na minha voz
naquele momento. Eu tinha um vibrador na minha boceta,
uma língua no meu clitóris e fogo mágico brincando com
meus mamilos.

Merda.

Foi a única palavra que meu cérebro chegou perto de


encontrar.

Eu balancei a cabeça para Nial, que imediatamente


voltou a me lamber até as alturas do orgasmo.

“Goze” e eu fiz, desta vez, não retendo o meu grito de


prazer. Ele ecoou nas paredes, e fiquei chocada ao ouvir as
alturas de prazer em minha própria voz. O clímax não
desapareceu dessa vez também. Lentamente, Nial persuadiu
mais de mim e fez meu corpo tremer e suar no meio do
prazer.

Ele estava em cima de mim um momento depois, e eu


nem percebi que ele se moveu.
A grande cabeça sem corte do seu pênis parou na minha
entrada.

Quando ele se inclinou, sua respiração fez cócegas no


meu pescoço. "Você tem uma ótima boceta para enterrar meu
pau."

"Faça isso", eu sussurrei, arrastando minhas unhas


afiadas sobre o peito e encontrando seus próprios mamilos
pontiagudos. Eu belisquei, e ele engasgou, empurrando o pau
para a profundidade do meu sexo. Ele encontrou o fim de
mim, e meu corpo estremeceu na dor. "Porra, você é muito
bom."

O homem precisava de um elogio, certo?

"Eu te odeio tanto, Gwen." Puxando o pau de volta e


empurrando novamente, ele abocanhou meus seios enquanto
o calor da pequena chama desaparecia. “Eu odeio o que você
é. E eu particularmente odeio sua boceta porque é foda
perfeita.”

Eu quase ri.

Eu acho que o elogio talentoso foi bem cronometrado.

“Cala a boca, Nial. Estou aqui para você me foder, não


para conversar”. Eu me aproximei atr{s de mim e agarrei as
barras de sua cabeceira de metal. "Eu também te odeio - então
pegue o que você precisa e me dê o que eu estou querendo."

Envolvendo minhas pernas, ele empurrou para trás e


para cima e abriu meu sexo como uma flor. Ar refrigerado
fluiu sobre mim, ajudado pela magia de Nial, e aumentou o
contato de sua pele quente batendo e mergulhando em mim.

Seu pau deslizou sobre o meu clitóris neste ângulo e eu


estava feliz por isso. Eu estava ocupada brincando com seus
mamilos e recebendo pequenos ronronados e gemidos dele
com. Ele foi recompensado com meus gritos e berros
enquanto continuava tentando se empurrar mais e mais
fundo.

Inferno, me senti tão bem. Sua ereção deliciosa deslizava


dentro e fora, dentro e fora da minha entrada. Sua pele escura
brilhava com um brilho de suor sexual e era magnífica acima
de mim.

Ele fechou seus olhos gloriosos e seus golpes encurtaram,


mais forte. Eu torci e puxei seu mamilo, raspando minhas
unhas ao longo do peito desta vez. Estalando seus olhos
abertos, seu olhar perfurou o meu, queimando-me com a
luxúria e desejo nas profundezas ardentes, verdes e
brilhantes.
"Tão molhada, tão quente", ele conseguiu grunhir.
"Como uma coisinha pequena como você consegue tirar
muito do meu pau?"

Eu sorri, e com um empurrão, nos rolou, então eu estava


em cima dele. Era hora de eu dominá-lo e terminar isso.

Eu caí dura, minha cabeça caindo de volta. “Oh, foda-se!


Isso é profundo!"

Ele não teve resposta a não ser um gemido longo e


gutural.

Além disso, não me importei com nenhuma inibição


naquele momento. Eu estava tirando meu clímax do seu
pênis. Eu comecei a me balançar sobre ele, deslizando seu eixo
contra o meu clitóris enquanto saía e voltava para as minhas
profundezas.

Eu pulei com força em seu pênis, repetidamente.

Eu apertei os músculos que o acariciavam, segurando-o


apertado dentro da minha boceta. Eu ofeguei, "Eu vou gozar,
eu vou gozar"

Mãos encontraram meus peitos saltitantes, meus


mamilos apertados e excitados. Uma sensação erótica passou
por mim saindo de suas mãos calejadas. Eu estava levando os
dois para o limiar o mais rápido e o mais forte que pude.
“Continue, Gwen. Deus, essa boceta é tão apertada.” Ele
agarrou meus quadris, empurrando os seus contra mim com
força. De novo, e de novo. “Muito bom. Está muito bom.”

Eu o apertei enquanto subia e descia em seu eixo.

Ele grunhia o tempo todo, a cada vez.

"Estou chegando!" Não houve como parar quando eu o


empurrei para dentro novamente. Com um toque inesperado
de seu dedo sobre o meu clitóris, eu voei.

O clímax me levou duro, e eu abri meus olhos,


capturando seu olhar no momento em que seu próprio
orgasmo tomou conta e jogou seu esperma em minha boceta.

Meu corpo tremia quando eu aterrissei duro em seu


peito, minha respiração se acelerou. Minhas pálpebras
tremulavam enquanto a realidade se acomodava em meus
ombros. Eu tinha feito isso.

E não foi terrível... de jeito nenhum.

Merda.

Talvez eu não tenha me preparado para isso.

***
Ele estava roncando ao meu lado.

Eu olhei para o teto, bem acordada e nua.

Estava bem.

Caloroso. Quase< aconchegante.

Quanto disso foi o Rito de Sangue, quanto de mim e


quanto do idiota insuportável ao meu lado tinha me fodido -
eu não sabia.

E o maldito senhor. O homem tinha piscado pra mim,


como se ele estivesse orgulhoso das minhas ações. Orgulhoso
em me ver entrando no quarto de outro homem para
propósitos tortuosos - porque ele sabia muito bem o que eu
estava fazendo. Eu tinha pensado... O que diabos eu pensei?

Que o Soberano e eu tivemos uma conexão especial?

Foda-me.

Eu estava enroscada da cabeça por pensar nisso.

Sentando-me, eu balancei minhas pernas para fora da


cama. Eu peguei um vislumbre do meu reflexo em um
espelho. Eu ainda usava a maquiagem estúpida, agora
manchada e horrível. Eu queria rir, mas tinha que ficar quieta.
Eu extraí a mudança da magia dourada e estranha no chão e
deixei cair sobre a minha cabeça, pegando o resto das minhas
roupas e carregando-as. Tentar me vestir na névoa congelante
e aderente que serpenteia pelas minhas pernas não era
atraente.

Não havia como eu ficar aqui e entrar no Desafio do


quarto dele. De jeito nenhum. Alguns deles já queriam me
juntar a ele, e eu não precisava encorajar isso.

Nua sob o meu manto, eu saí do seu quarto não quase-


escuro para o corredor e fiz meu caminho de volta para o meu
apartamento através das dezenas de corpos bêbados nos
corredores, dormindo, fodendo, rindo - todos de ressaca ou
ainda festejando do Rito do Sangue.

Fechei a porta do meu quarto e sentei na beira da minha


cama. A pura luxúria e satisfação que o druida me dera
passaram pela minha mente novamente. Eu me joguei de
volta.

Teto diferente. Mesmos pensamentos.

Oh, para o inferno com isso.

Eu rolei para fora da cama quase imediatamente e tomei


um longo banho quente, apagando o cheiro do druida da
minha pele e esfregando minha maquiagem. Uma xícara de
chá quente seria legal agora. Seria - espero - percorrer um
longo caminho para acalmar meus pensamentos sobre
homens opostos.
Depois de dar um tapinha com uma toalha felpuda,
vesti-me rapidamente com um par de calças pretas de pijama
de lã e um suéter preto de grandes dimensões, e depois
comecei a percorrer os corredores reais. Meu nariz enrugou,
notando todos os guardas do lado de fora das portas do
quarto dos diferentes senhores. Eles fingiram me ignorar,
então eu fingi ignorá-los.

Comecei a puxar meu cabelo molhado em um rabo de


cavalo e entrei na cozinha privada compartilhada. Um longo
suspiro passou pelos meus lábios enquanto meu olhar
percorria os dois indivíduos dentro da cozinha.
Aparentemente, a cozinha nunca estava vazia na madrugada.
Meus músculos ficaram tensos, esperando para serem
assediados novamente.

Sua cozinha do inferno. Não era o lugar para estar.

Lorde Xenon levantou os olhos da mesa branca e


redonda onde estava sentado. Ele tomou um gole do que
cheirava a café de uma caneca de porcelana vermelha. Seu
olhar percorreu minhas feições enquanto ele bebia. Ele viu
quando eu terminei de puxar meu cabelo em um rabo de
cavalo, então ele colocou sua xícara suavemente sobre a mesa.
Com um aceno de sua mão em direção ao balcão, ele declarou
simplesmente: "Há café já feito."

Meus ombros caíram, relaxando.


Não haveria luta hoje à noite.

Cato bufou, também examinando minhas feições. Ele


colocou o celular na mesa e bateu os dedos na madeira. “Eu
não acredito que café é o que ela precisa agora. Há chá e
uísque nas prateleiras mais baixas.”

Eu devo parecer tão maravilhosa quanto eu me sentia se


meu pai perdido a muito tempo pudesse ler minha expressão
claramente.

Eu nem me incomodei em discordar.

Eu apenas procurei nas prateleiras inferiores até


encontrar uma garrafa de uísque e saquinhos de chá. Comecei
a ferver água e depois coloquei um saquinho de chá dentro de
uma caneca com a água escaldante. Então eu descansei com a
minha testa em um dos armários brancos, de costas para os
dois senhores, e olhei... olhei... olhei para o balcão preto
salpicado como se tivesse todas as respostas que eu
procurava.

Talvez se eu olhasse o tempo suficiente, eu descobriria


isso.

Uma voz, uma voz que eu conhecia muito intimamente,


perguntou gentilmente ao meu ouvido: "Você está fabricando
o uísque?"
Eu gritei, pulando no lugar, como uma maldita criança
acordando de um pesadelo. Eu torci em um borrão, minhas
mãos segurando o balcão atrás de mim, meus dedos brancos.
Meu peito arfava em enormes respirações, bombeando para
cima e para baixo enquanto eu olhava para o novo Lorde que
havia se juntado à "festa" na cozinha. De olhos arregalados no
meu rosto, minhas bochechas empalideceram sob o olhar azul
e direto olhando diretamente para a minha alma.

De seu lugar na mesa, Lorde Xenon gemeu e esfregou as


têmporas. Sua voz estava seca e não divertida. “É tarde
demais para gritar. Por favor, não a surpreenda de novo.”
Lorde Belsazar deu um passo mais perto de mim, nossos
dedos dos pés descalços quase se tocando. Um tom uniforme
passou por seus lábios, mesmo enquanto seu olhar segurava o
meu sem misericórdia. "Assustando, não assustada." Com a
cabeça inclinada, o longo cabelo preto deslizando sobre o
ombro nu, o homem malvestido apenas com calças pretas. "Eu
te peguei pensando profundamente sobre algo?"

Engoli. Ou tentei.

Meu punho voou na frente da minha boca enquanto eu


tossia através da minha tentativa de molhar minha garganta
seca. Eu olhei para ele por baixo dos meus cílios.

Pego olhando para ele, seu olhar notável nunca deixou o


meu.
Eu esfreguei minha testa enquanto nos olhamos. Ele não
era um homem que eu queria ver hoje à noite, um homem que
estava atormentando meus pensamentos malucos.

No final, eu joguei meus ombros para trás, encontrando


minha espinha dorsal - finalmente. Eu resmunguei: "Sim, você
fez."

Sua cabeça ainda estava armada. Ele perguntou


claramente: “Estou intrigado. O que foi isso?"

Eu cerrei meus dentes, não satisfeito com sua linha de


questionamento. Ele sabia muito bem o que estava me
perturbando - algumas delas, de qualquer maneira. Mas
mantive minha resposta suave. “Eu encontrei prazer hoje |
noite com alguém, e esse não era o plano. Eu realmente tive...
divertimento.”

"Ah" Lorde Belsazar deu um passo para trás e cruzou os


braços. Um pequeno sorriso começou a flertar com seus
lábios. "Só para ficar claro, você está falando sobre sexo,
correto?"

Eu assenti.

Agora eu estava curiosa sobre o que ele diria.

Ele era mais velho.

Ele tinha mais experiência do que eu.


O soberano encolheu o ombro direito, os braços ainda
cruzados sobre o peito perfeito. “Teria sido mais f{cil se seu
parceiro fosse ruim na cama?”

Minha boca se abriu. Então fechou-se.

Minhas sobrancelhas negras se franziram. "Não. Isso


teria sido terrível.”

"E você esperava que fosse terrível?"

"Sim."

Seus olhos ficaram vermelhos por um instante, depois se


tornaram normais mais uma vez, sem serem vistos pelos
outros senhores. O prazer percorreu suas feições com a minha
resposta, mas desapareceu rapidamente, escondido atrás de
sua personalidade normal. Ele riu baixinho. "Então você-"

Cato, o indesejado, interrompeu-o, apoiando-se num


cotovelo, retorquindo: - Por que diabos você faria sexo com
alguém se achasse que seria terrível?

Eu instantaneamente segurei uma mão parada em sua


direção, nem mesmo olhando para ele. Eu mantive meus
olhos no Soberano na minha frente. "Por favor continue."

"Eu estava dizendo que você saiu fácil."

Eu pisquei em confusão instantânea. "Hã?"


Lorde Belsazar desdobrou seus braços. Ele apontou para
si mesmo, em seguida, empurrou o polegar esquerdo por
cima do ombro para os outros senhores. “Você sabe quantas
vezes tivemos sexo horrível com alguém? Só assim nós nos
beneficiaríamos de alguma forma a longo prazo? Muitas vezes
para contar, são quantas. Faz parte da vida que levamos - seus
muitos enganos como líder - e seu parceiro ou parceiros
saberão disso. Ou deveriam, se fossem meio inteligentes. O
que é melhor para mim? O que é melhor para a coroa? O que
é melhor para o nosso povo? Se você realmente teve um sexo
bom e divertido, então você saiu fácil. Se você não é
acasalada, dificilmente qualquer ato sexual será apenas por
prazer quando você se torna uma governante.”

Os olhos de Lorde Xenon se arregalaram, calados em sua


resposta. “Ele fala a verdade. Houve... ”ele visivelmente
estremeceu,“... bem, seja grato se foi agrad{vel. ”

Até meu pai idiota recostou-se, olhando para longe. "Seja


muito, muito grata."

Eu quase amordacei, rapidamente virando minha cabeça


para longe do meu pai e suas memórias sexuais. "OK. OK.
Entendi."

Mas ele não parou de falar!

"Não, escute, minha querida..."


"Eu não sou nada sua", eu cuspi.

“Veja, minha querida, Lorde Belsazar esqueceu de


mencionar a parte mais importante.”

Minhas narinas se dilataram.

Embora, eu esperei. Silenciosa

Cato continuou: “A parte mais importante a se lembrar


em intrigas sexuais é nunca deixar que seu coração se
envolva”.

Gradualmente, voltei para o meu chá e corei minha


bochecha em pensamentos. Conselho curioso.

Levantei a pequena corda no saquinho de chá e tirei-a da


minha caneca. Meu chá deve estar pronto agora. Joguei o
saquinho de chá no lixo, ignorando com firmeza o silêncio
que se estendia - e um soberano específico que não tinha saído
diretamente atrás de mim, seu olhar aquecido brilhando na
parte de trás da minha cabeça.

Eu poderia literalmente sentir sua decepção em mim.

Cato finalmente limpou a garganta, afirmando com tanto


cuidado: “Ela ainda tem muito a aprender. Dê tempo a ela.
Nós não entendíamos tudo quando éramos candidatos.”
Suspirei e olhei por cima do ombro, olhando para cada
um deles por sua vez. "Eu não disse que tinha sentimentos
por esse homem."

O Lorde Belsazar retornou: “Você também não negou. É


por isso que realmente te incomodou que não fosse terrível.
Você queria que fosse horrível, mas não foi. Foi... divertido”.
Ele balançou a cabeça, esfregando o queixo com força. Então
ele apontou com um dedo r{pido para o uísque. “Eu não
tenho paciência para esta noite. Apresse-se e despeje o que
quiser para que eu possa tomar da maldita garrafa.”

Minha testa se franziu em repulsa. “Eu não sou uma


mulher apaixonada que não consegue manter seus
sentimentos sob controle depois do sexo - até mesmo sexo
bom. Eu usei o sexo antes para derrubar homens e mulheres.
Inferno, eu peguei um reino uma vez com ele. Sexo é fácil. Eu
só não esperava me divertir, só isso.”

Seus olhos brilharam vermelhos, e sua resposta levou um


bom momento como se ele estivesse considerando cada
palavra. Ele finalmente rosnou: "Como eu disse, então você
saiu fácil".

Eu cruzei meus braços e olhei para ele.

Os lábios de Cato se contorceram, quebrando a tensão na


sala. “Ignore a irritação do Lorde Belsazar. Ele fez o mesmo
que você esta noite e, aparentemente, não foi tão agradável
quanto a sua experiência.”

"Foda-se você." O soberano olhou para ele.

"E eu pensei que você preferia ruivas." Cato levantou as


mãos, rindo baixinho. Seus olhos voltaram para mim,
fingindo um sussurro, "Normalmente, ele não é tão rabugento
depois de um trabalho de foda com uma mulher bonita com
cabelos vermelhos."

Meus cílios tremularam enquanto eu pisquei. Duas


vezes.

Lorde Xenon e Cato começaram a conversar sobre as


façanhas de Lorde Belsazar com - muitos - redutos no passado,
lançando comentários provocantes nele de vez em quando.

"Você quer que eu te lembre de suas façanhas?" Lorde


Belsazar rosnou baixinho em advertência. “Porque tem
havido tantas. Algumas delas também foram muito
memor{veis, seus idiotas.”

Eu me virei, meus ombros rígidos, e coloquei uísque na


minha bebida até o líquido atingir o topo da minha caneca.
Com a boca fechada e meus olhos pousados sobre a minha
bebida no balcão - enquanto os três continuavam a incomodar
um ao outro -, simplesmente empurrei a garrafa sobre o
ombro.
Quando não foi imediatamente levado, mexi em
irritação.

A garrafa foi arrancada da minha mão... e uma voz de


demônio de olhos azuis, quase inaudível, retumbou em meu
ouvido: - Você ainda cheira como ele. Seu esperma está
vazando de você agora mesmo.

Eu virei minha cabeça para o lado, cheirei uma vez,


inalando profundamente. Eu rosnei com fúria silenciosa.
“Pelo menos eu tomei um banho. O suco de uma boceta ainda
est{ no seu rosto.”

Minha boca se fechou. Meus olhos se arregalaram.

Eu encarei em completo choque o gabinete branco na


minha frente. Meu corpo inteiro não se moveu, nenhum ar
entrou ou escapou dos meus pulmões. Eu poderia estar em
repouso agora.

Considerando o que o Soberano tinha estado


simplesmente me informando, enquanto ajudando a manter
meu tempo hoje à noite com um segredo, eu há pouco tinha
reagido como uma mulher ciumenta.

Eu estava com ciúmes?

Eu estava?
Eu digeri meus sentimentos, mordiscando meu lábio
inferior.

Uma ruiva. Seu maldito pau mágico dentro dela...

Seu corpo esculpido se movendo sobre o dela, brilhando


com suor doce. Cada músculo se arqueava enquanto ele se
movia.

Meus olhos brilharam vermelhos...

Oh. Porra.

Eu estava com ciúmes. E eu não tinha o direito de estar.

Senhores Supremos não estavam no maldito cardápio.

Eu agarrei minha caneca com pressa, e rapidamente saí


da cozinha, mal conseguindo passar um olhar sobre o ombro
para os outros. Uma vez fora de sua vista, eu estava correndo
pelos corredores até o meu quarto.

O que diabos acabara de acontecer?

Eu nunca pensei que esse dia chegaria, mas era bem


possível que eu precisasse aceitar o conselho do meu pai
imbecil. Eu nunca imaginei que ele estaria certo - sobre
qualquer assunto. Mas o coração mole e estúpido não tinha
lugar na política. E o Lorde Belsazar e eu estávamos
definitivamente na arena política juntos, assim como o Mestre
Nial e eu.

Eu bati minha porta atrás de mim e descansei minhas


costas contra ela. Meu olhar pegou a caneca que eu tinha na
minha mão. Eu consegui evitar derramar até mesmo uma gota
do líquido. Eu exalei um suspiro trêmulo e tomei um grande
gole do meu copo, permitindo que minha cabeça caísse contra
a porta. Fechei os olhos, tentando acalmar meu coração
acelerado, deixando o álcool me aquecer de dentro para fora.

Eu precisava me reagrupar. Para concentrar na minha


missão.

Lorde Belsazar estava fora dos limites.

Uma noite de prazer, não importa o quão fantástica... e


perfeita... tinha sido, não faz seu pau meu.

Mestre Nial não segurou meu coração.

Uma paixão do passado embaraçosa se transformou em


uma noite de sexo quando adultos, não importa o quão
divertido foi, não deu a ele um pedaço de mim.

Minha missão aqui era ser rainha.

Não para promover minha vida amorosa.

Eu seria.
Batida. Batida. TOC, TOC.

Eu sufoquei um gemido e empurrei a minha porta.

Quando me virei, tomei outra grande bebida e olhei para


a porta ofensiva. Eu não estava com vontade de companhia
esta noite, nem mesmo da minha melhor amiga. Talvez se eu
ignorasse a pessoa que eles deixariam.

Tomei outro gole. Silencioso

Batida.

Apenas um.

E claramente chateado desde que minha porta inteira


tremeu.

Suspirei e abri minha porta.

Meu queixo caiu levemente, nem um pouco preparado.

Lorde Belsazar se apoiou no batente da minha porta,


ainda de calça preta, sem camisa, sem sapatos e batendo a
garrafa de uísque na perna direita. Enquanto olhando
diretamente para mim.

Ele assobiou em irritação: "Você vai me deixar entrar?"

O soberano olhou de relance para o corredor.


Eu fiquei como uma estátua, até que eu me sacudi
internamente e, em seguida, abri mais a porta. Eu gesticulei
com um braço para ele entrar, fechando minha boca aberta
com essa surpresa.

O vampiro resmungou baixinho, em seguida, valsou


dentro do meu quarto. Ele pegou minha porta, fechou e
trancou logo depois. O homem ficou olhando para mim. O
Soberano me observou olhando para ele.

Ele retrucou: "O quê?"

"Por que você está aqui?" Eu gaguejei.

O que. no. Inferno.

"Não é óbvio?"

"Não." Eu balancei a cabeça em câmera lenta. "Não, não


é."

Ele acenou com a mão livre para cima e para baixo em


seu quadro, apontando para seu traje. “Meu quarto desligou
antes que eu pudesse voltar a esta noite. Estou bloqueado a
menos que eu queira levantar o alarme para entrar lá. Eu
preciso de um banho, como você me disse educadamente. E
eu não estou com vontade de me esgueirar pela minha
própria casa até encontrar um quarto de graça.
Eu pisquei. Atordoado. "Você deve realmente mudar o
sistema de segurança do seu quarto."

"Não há nada", ele resmungou. Ele olhou ao redor do


meu apartamento, olhando as roupas femininas espalhadas
aqui ou ali na área de estar da suíte. "Então, posso?"

Minhas sobrancelhas franziram. "Você pode o quê?"

"Posso ficar essa noite?"

Meus lábios se afinaram, lembrando do meu foco mental


de apenas alguns minutos atrás. "Eu não... acho que isso é
sensato."

Eu não tinha certeza se eu poderia ficar forte na minha


convicção se ele deveria ficar comigo esta noite.

Sua consideração retrocedeu em minha direção e seus


olhos brilharam vermelhos. Fiquei extremamente imóvel
enquanto seu olhar furioso corria pelo meu corpo, e parou
com força na minha virilha escondida atrás das calças pretas
do pijama. Suas narinas se alargaram e, quando ele olhou para
mim, suas presas estavam ligeiramente abaixadas.

Ele rosnou: "Eu não tomo os restos desleixados de um


druida, então você não tem nada com o que se preocupar."

Meu queixo começou a afrouxar novamente em choque


embaraçoso.
Então meu sangue aqueceu com raiva, minhas mãos
enrolando em volta da minha caneca, e eu assobiei, “Ótimo.
Eu não aceito os restos desleixados de outra boceta também.”

Nós nos olhamos no silêncio constrangedor, os dois


olhos brilhando com um vermelho sangue quente e furioso.

Suas presas baixaram até o comprimento intimidante,


brilhando na luz. “Nós dois tivemos negócios para cuidar hoje
| noite. Vamos apenas deixar por isso.”

Minhas narinas se dilataram, mas com suas palavras


verdadeiras - e sua tentativa de neutralizar uma situação
escorregadia - assenti em movimentos bruscos. Ele estava nos
dando um fora, que era necessário.

Eu balancei um dedo para o lado, falando o melhor que


pude, recuperando a minha calma interior. “Você disse que
queria um banho. Est{ ali.”

Eu olhei para cima e para baixo em seu quadro,


realmente absorvendo sua roupa. "Essas são todas as roupas
que você tem acesso?"

O suserano bufou e tomou um gole direto da garrafa.


Não era grande, mas foi o suficiente para fazer minha
garganta queimar apenas assistindo. Ele estremeceu quando
engoliu, suas presas agora se retraíram, relaxando também.
Com uma leve carranca estragando seus traços masculinos,
ele murmurou: - Você não quer saber o que aconteceu com
minhas roupas esta noite. Vou dormir nu depois de tomar
banho.

Eu engoli em seco, meus olhos vagando para sua virilha.

Nós dois éramos idiotas hoje à noite.

Ele balançou de volta em seus calcanhares, uma risada


reverberando provocando em seu peito. Esses homens.
Confiante. "Meus olhos estão no topo, Gwen."

Meu olhar foi para o dele com a minha cabeça inclinada


para trás para que eu pudesse segurar seus olhos sexy com os
meus. Eu levantei uma sobrancelha, não me incomodando em
negar minhas ações. Eu mantive minhas palavras bruscas, o
desgosto apenas perceptível para ele ouvir com atenção. "E
seu pau ainda está coberto em seu esperma."

Aparentemente, ele estava ouvindo.

Lorde Belsazar zombou e virou as costas para mim, indo


ao meu banheiro. O soberano olhou por cima do ombro,
grunhindo: “E se você quiser fazer sexo comigo de novo,
nunca pergunte enquanto você tem um outro homem
gozando da sua doce boceta. Eu acho isso bastante repulsivo.”

Minha boca balançou, mas antes que ele batesse a porta


do banheiro fechando-a atrás dele, eu rosnei, “eu não estava
pedindo por sexo! Eu já me diverti esta noite. Sexo bom e
divertido. Lembra?"

Estrondo.

A porta se fechou com uma oscilação.

Eu esfreguei minha testa.

Talvez eu não devesse ter dito isso.

Eu virei minha bebida na boca e terminei.

Eu limpei minha boca com as costas da minha mão.

Olhei para a porta. Coloque minha caneca vazia em uma


mesa.

A água polvilhada no piso do chuveiro, alta para os


meus ouvidos sensíveis. Eu me movi em pés lentos, meu
intestino agitado com uma culpa patética e fraca. Eu bati na
porta do banheiro, em seguida, abri apenas uma fresta. O
tecido bateu no chão - sua única roupa, suas calças - e eu
congelei, sem olhar para dentro.

"O que, Gwen?" ele rosnou. Exasperado.

Eu limpei minha garganta, minha voz rouca. "Peço


desculpas. Foi errado dizer aquilo. Eu estava irritada.

"Foda-se", ele rosnou.


Minha cabeça pulou para trás quando ele bateu a porta
fechando. Essa foi por pouco. Quase tive minha cabeça
arrancada por uma porta extremamente sólida.

Aparentemente, ele não estivesse tão irritado também.

Suspirei, sabendo que ele ainda podia me ouvir. “Olha,


sinto muito. Eu sabia que iria te irritar, então eu disse aquilo.
Eu não deveria.”

Embora, por que isso o irritasse, eu não tinha certeza.

Não era como se o soberano estivesse com ciúmes.

Minhas sobrancelhas franziram. "Na verdade, por que


isso te irritou?"

Salpicos no chuveiro. Depois de um segundo, ele


finalmente respondeu: “É por isso que não deixo as mulheres
no meu quarto. Eu não posso nem desfrutar de um banho
tranquilo sem ser importunado.”

Eu revirei meus olhos. "Este é meu quarto."

“Mesmo conceito.”

Mais salpicos. Mais água batendo no piso.

"Responda a minha pergunta." E como ele era um


soberano, acrescentei um pouco de respeito. "Por favor."
Seu suspiro foi profundo. “Não podemos nos desviar
para este tópico esta noite. Eu duvido que qualquer um de nós
lidaria bem com isso.”

Eu bufei e esfreguei minha testa novamente.

Eu poderia lidar com qualquer outra coisa agora?

Provavelmente não.

Eu levantei meus olhos para o céu. "Você está certo. Eu


tenho as minhas mãos cheias e você também tem as suas
cheias.”

Ele grunhiu de acordo. Mas ele acrescentou,


eventualmente, seu tom gentil e ensinando: “Gwen, negócios
são negócios. Nós fazemos o que temos que fazer - não
importa o que aconteça. Você sabe disso."

Eu balancei a cabeça lentamente, ouvindo a água se


desligar. Eu respondi com a mesma suavidade, pegando o
batente da porta com a unha: - Concordo. Nosso povo é tudo.

Eu entrei no meu quarto e peguei as roupas de cima da


cama que eu tinha jogado lá sem um cuidado, dobrando-as
meticulosamente enquanto ele terminava no banheiro. Eu
tinha certeza que ouvi ele escovando os dentes - e só a minha
escova de dentes estava lá. Revirei os olhos e puxei o edredom
e lençol de cima para baixo na cama, afofando cada
travesseiro com força quando ele entrou no quarto atrás de
mim.

Ele andou até o outro lado da cama. Felizmente, ele


ainda estava usando uma toalha branca em volta da cintura.
Ele puxou a coberta ainda mais para o lado dele...

Eu bati minha mão direita sobre meus olhos. "Droga!


Você não poderia ter esperado até que você estivesse na cama
para remover a toalha?

Um soberano nu era demais agora.

Ele riu, seu sorriso maligno claro em seu humor. A cama


rangeu quando ele entrou. Parecia que ele estava pulando
algumas vezes enquanto se sentia confortável. "Eu sinto
muito. Isso te incomodou?”

Dei as costas para ele, abaixei a mão dos meus olhos e


marchei para o interruptor de luz. Eu resmunguei com
mordida: "Você é um idiota".

Risadas mais seguras até ele assobiar baixinho: - O quê?


Dois paus em uma noite são demais para seus olhos
inocentes?

Eu apaguei a luz e fechei a porta do meu quarto, apenas


a luz da sala brilhava ao redor das rachaduras no batente da
porta iluminando a sala - mesmo que eu pudesse ver muito
bem no escuro. Eu deslizei para a cama, enrolando o cobertor
em volta do meu corpo - ignorando como ele ainda não tinha
coberto seu delicioso corpo nu com o cobertor ainda -
resmungando: - Isso foi um golpe baixo, meu senhor.

"Não inferior ao seu antes."

Eu fechei meus olhos. "Bem."

Nenhum de nós parecia saber o que fazer um com o


outro. Paixão e dever guerreavam um com o outro, lutando
sem a nossa permissão, fazendo confusão a emoção da hora,
nos dando um tapa na cara quando menos esperávamos.

Uns bons quinze minutos depois, ele murmurou na


escuridão silenciosa: "O que o Lorde Cato disse, sobre não
envolver o seu coração, é verdade."

Eu não fingi estar dormindo ainda, mas mantive meus


olhos fechados. "Eu sei."

Ele cantarolou em pensamento, seu tom calmo e


intrigado. "Então, o que foi sobre o Original que ter sua
calcinha em uma cama?"

Eu dei um soco no meu travesseiro algumas vezes,


afofando-o novamente. "Eu prefiro não falar sobre isso."

Ele perdeu a calma.


Um grunhido silencioso. "Então você gosta dele."

"Não", argumentei facilmente. “Eu acho que ele é um


idiota. Mas é complicado. Por outro lado, não é nada que eu
não consiga superar."

Ele virou de lado, de frente para mim. Mesmo com os


olhos fechados, eu ainda podia sentir ele olhando para mim,
seu olhar potente um toque tangível em cada uma das minhas
feições. Eu não acho que ele ia dizer mais nada que ele ficou
quieto por tanto tempo, mas ele me surpreendeu, finalmente
murmurando: "Tenha cuidado até que você descubra sua
merda".

Eu bocejei, meus dentes piscando na noite. “Eu também


sei disso. Já estou trabalhando nisso.”

"Você ainda é tão jovem." Ele suspirou. O cobertor do seu


lado finalmente se moveu quando ele deslizou sob os lençóis,
e ele mudou de assunto. "Você acha que pode ficar do seu
lado dessa vez?"

Meus lábios se contraíram. "Sem promessas, meu


senhor."

"Isso foi o que eu pensei." Ele bufou. Um segundo


depois, ele disse: “Como você sabe, não posso dizer nada a
um candidato sobre os Desafios. Mas posso dizer isso: durma
um pouco.”
Meus olhos se abriram então.

Eu pisquei para o Soberano em frente a mim.

Seus olhos estavam fechados como se ele nunca tivesse


falado.

Delicadamente, eu fechei o meu próprio. Eu sussurrei:


"Obrigada".

A manhã estaria aqui cedo demais.


Uma pasta caiu na mesa na minha frente com um
estrondo.

Era muito cedo para essa bala.

Levantando um lábio, eu cutuquei e olhei para o


Soberano que tinha deixado cair.

Cato. Claro.

Eu rosnei. "O que diabos é isso? O meu desafio é limpar


sua bagunça?”

Bufando, ele se virou e voltou para seu lugar com o resto


dos senhores.
Lorde Pippin deu um tapa na testa do ridículo gesto de
Cato. Eu finalmente senti alguma conexão com a bunda
arrogante naquele momento.

O Lorde Belsazar bocejou.

Lorde Otto e Lorde Xenon estavam revirando os olhos.

Eles acharam Cato tão grande quanto eu?

Interessante.

Inclinando-se para a frente em sua cadeira, enorme e


ridiculamente ornamentado, ele sorriu. "Bem, minha pequena
candidata, você está pronta para eu emitir seu Desafio?"

"É por isso que estou aqui, senhor."

Ele não gostava que eu me dirigisse a ele sem respeito,


mas ele tinha que ganhar o meu também. E ele seguramente
não teve. Ele estreitou os olhos e se apoiou nos joelhos,
juntando os dedos.

“Eu tenho um pouco de intriga política para você, meu


amor. Há um humano que está concorrendo a um poderoso
assento político. Eu quero que ele seja destruído.” “Aquela
pasta” - ele apontou para o arquivo do caso que deixara cair
na mesa – “tem toda a informação que você precisa para
encontrá-lo e destruí-lo. Eu adoraria se você pudesse
humilhá-lo e deixá-lo vivo, mas também vou entender se ele
estiver morto no final.”

"Um humano? Você quer que eu rastreie e mate um


humano?” Tentando abafar o riso zombador, puxei o arquivo
para mais perto. "Você está brincando. Você esqueceu que eu
sou um vampiro e rastrear humanos é o que fazemos? O
tempo todo?"

"Eu não disse que o queria necessariamente morto", ele


argumentou. "Eu disse que quero que ele seja destruído."

Eu amordacei. "Você quer que eu me intrometa em


assuntos humanos?"

"Se você não pode se intrometer em seus assuntos sem


ser descoberta, como você vai aprender a manipulá-los à sua
vontade?"

Abri a pasta e a foto do homem estava me encarando. Ele


era um ser humano bonito, do tipo que eu brincava antes de
drená-lo e deixá-lo para morrer. Eu sorri, lambendo meus
lábios, pensando o quão bom ele seria seu sabor...

Com o canto do olho, vi Nial levantar uma sobrancelha.

Eu me perguntei se ele sabia o que eu estava pensando.

Mas, em todo caso, eu olhei pelo arquivo. O alvo era um


homem muito rico, e havia muitas coisas que significavam
que ele havia roubado e mentido para Cato sobre assuntos
financeiros.

"Você está preocupado com o seu ouro, soberano?"

Ele satisfeito com isso. "Estou preocupado com você


completar essa tarefa, minha querida."

Eu continuo a folhear as páginas. Isso seria fácil. Mesmo.


Eu não vi isso como um desafio. Eu havia derrubado pessoas
mais poderosas e ricas do que esse homem. Reis e príncipes.
Cato estava tramando algo com esse.

"Quais são suas estipulações, soberano?"

“Derrube-o. Ele deve ser humilhado. Morto e usado


também é aceitável.”

“Eu não posso recusar seu desafio. Por favor, termine.”


Eu esperei. Tinha que haver mais.

Seus dentes brilhavam na luz enquanto ele sorria, um


flash de dentes contra sua pele branca pálida, com os lábios da
cor de uma lua vermelho-sangue.

Foi o sorriso dele que me fez decidir que meu pai


vaidoso iria morrer. Eu enviaria meus próprios guerreiros
contra ele, drenaria-o do sangue em seu corpo e o deixaria ao
sol quente do meio-dia do Deserto de Atacama para
transformar-se no pó de que ele era composto. Seus ossos
iriam se desintegrar e desmoronar, e eu o lançaria ao mar,
para espalhá-lo aos quatro ventos pelo prazer de vê-lo
destruído. E eu extirparia o nome dele do Conselho dos
Senhores Supremos, assim como meu avô fizera com
Akhenaton nos tempos da 18a Dinastia.

Seus olhos percorreram minhas feições e seu sorriso


cresceu apenas. "Você tem quarenta e oito horas."

A audiência atrás de nós ofegou.

Foi apenas por causa das minhas expectativas de sua


natureza horrível que eu não me juntei a eles.

Niallan se inclinou para frente. "Isso não é razoável." Sua


voz era ainda, talvez entediada.

"Esse é o meu desafio."

Lorde Belsazar, como líder, não podia falar contra as


limitações ou o Desafio em si. Ele podia, entretanto, ver a
raiva furiosa em meus olhos e assentiu em reconhecimento
disso. "Lorde Cato, você tem certeza que este é o Desafio que
você deseja emitir?"

"Eu tenho certeza", disse ele. "Uma verdadeira rainha


deve ser capaz de agir rapidamente e sem hesitação."

Nial pigarreou e se recostou, resmungando baixinho:


"Ele vai se arrepender disso".
“Algo a dizer, mestre Niallan?” Provo lançou um olhar
maligno em sua direção.

"Não, seu lordidiota."

"Com licença?"

"Nada senhor."

"Cuide do seu lugar."

"Vou tentar."

Jurei ouvi-lo murmurar outra coisa, mas não tive tempo


para sua atitude maliciosa. Eu peguei a pasta. Esta seria uma
tarefa Sísifo, como todos esses Desafios estúpidos. Algo
aparentemente simples espremido em uma caixa de
impossível.

Eu queria esse trono. Eu gostaria disso.

Eu bati a pasta fechada. "Eu suponho que você vai estar


assistindo."

"Claro." Cato assentiu.

De pé, peguei a pasta da mesa e empurrei minha cadeira


para trás. “Então marque o relógio. Você ter{ seu Desafio
concluído em quarenta e oito horas.” Saí de trás da mesa e
marchei para o corredor que levava ao meu apartamento.
Isso foi ridículo. Eu poderia apenas caçar o cara, matá-lo
e deixar seu legado em uma confusão. Eu poderia fazer
qualquer número de coisas e acabar com isso em apenas
algumas horas. Tinha que haver algo para isso. Cato era o
maior e mais arrogante idiota que eu já conheci.

"O que você está pensando, Gwen?" Adelie perguntou


quando eu passei pelo corredor, longe dos senhores.

"Eu acho que preciso me alimentar e pensar mais sobre


isso."

"Ele é um filho da puta enganador." Ela lançou um olhar


para a câmara onde os senhores estavam se dirigindo à
multidão. "Ele não está sendo direto sobre o que isso
realmente é"

"Eu sei, Adelie." Eu a adorava, mas ela estava dizendo o


óbvio e estaria fazendo isso pela próxima hora se eu não a
calasse. "Eu sei. Eu tenho que passar por esse arquivo. Preciso
que você vá à biblioteca e procure o máximo de informações
sobre isso...Timothy Ginter como você puder.

"Eu posso usar o computador no estudo", disse ela. "A


biblioteca tem restrições e eu não quero lutar contra isso."

"Por que existem restrições nos computadores?" Eu


inclinei minha cabeça, curiosa.
"Porque Deus proíba as massas de colocar as mãos em
informações para derrubar o Conselho."

"Derrubar?"

"Você realmente acha que eles governam com


honestidade?" Nial perguntou.

Eu ouvi o som de sua voz, meus ombros tensos.

Mais uma vez, ele havia se esgueirado em cima de mim.


Druida do caralho.

"Eu deveria acreditar que as massas não sabem sobre as


mentiras?" Eu olhei para cima e para baixo - e suprimi o
arrepio íntimo que tentou arranhar minha espinha. “E o que
diabos você está fazendo aqui? Eu preciso de tempo para ler
esse lixo.”

“Eu sou seu monitor para este desafio, Gwynnore. Lorde


Belsazar ordenou isso agora mesmo. Eu serei sua sombra em
todos os lugares.”

Porra idiota!

Por que ele estava fazendo isso comigo?

Meu sangue ferveu, querendo estrangular o senhor.

Mas o conselho do meu pai idiota passou despercebido


em minha mente.
Não deixe o coração se envolver. Isso era negócio.

Eu respirei através dele. Respirar.

Eu tentei me proteger: "Bom, você pode-"

"Fazer nada." Ele ergueu a mão bronzeada. "Não posso


fazer nada. Estou apenas aqui para garantir que você siga as
regras do Desafio. Pare o ato.

Eu ia ter esse filho da puta me seguindo o tempo todo.

Agora, eu gostaria de não tê-lo fodido.

Eu não precisava de tentação fácil por perto. Apenas


mais complicações. Eu empurrei a porta do meu apartamento
e joguei a pasta na minha mesa no escritório.

"Eu preciso me alimentar, Adelie."

"Claro." Ela correu para fora do quarto para me


encontrar uma fonte adequada de sangue.

Nial se acomodou na cadeira, pegando um livro da


prateleira. Ele jogou as pernas para o lado e começou a
folhear. "Lembre-se, eles estão assistindo."

"Lembre-se, você é uma dor na minha bunda e só precisa


ficar quieto, seu idiota."

“Mmm. Você não achou isso ontem | noite.”


"Cala a boca, Niallan."

Eu o ignorei e me afastei, caminhando até a minha mesa.


Eu permitia que ele vivesse - agora mesmo - porque eu não
queria que os senhores também fossem comigo. Eu abri a
pasta idiota novamente e olhei para o humano. Ele seria
gostoso. Eu poderia fazer isso facilmente. Encontre-o, foda ele
à vista do público, e deixe-o apodrecer depois.

Humanos e sua frágil sexualidade.

Eles eram tão tímidos em tomar o prazer, certificando-se


de que ninguém mais pudesse vê-los.

Pego na câmera, isso seria humilhação suficiente para


fazê-lo.

Então, o que foi isso? Qual foi o truque?

Comecei a ler o arquivo.

Timothy Ginter, milionário. Empreendedor. Havia linhas


e linhas de documentos descrevendo transações que se
lembravam de fraude, desfalque, lavagem de dinheiro. O
dinheiro se tornou complicado. As pessoas não acumulavam
mais ouro e pedras preciosas. Ainda havia alguns que faziam,
como o Lorde Belsazar e Lorde Pippin, mas havia outros que
haviam progredido em seu conhecimento financeiro e não os
detinham mais.
Eu não seria uma das pessoas que desistiram de seu
tesouro, seja para esse novo estilo de investimento ou para
qualquer um que estivesse procurando por ele.

Mas se essa esperança política estava se desfazendo, por


que Cato me queria nesse jogo? Por que especificamente
humilhá-lo? Eu bati no meu computador, fazendo uma busca
na internet por esse homem. Centenas e centenas de artigos
apareceram. Entrevistas, artigos, mais assessoria financeira.

Cato estava atrás dele por causa do dinheiro. Tinha que


ser.

Mas e o dinheiro? Por que especificamente esse homem?

Eu não tenho muito tempo. Eu sabia que os outros


senhores gostariam de ver astúcia e visão colocados nisso. Eu
não poderia simplesmente ir lá, foder com ele e deixar a
imprensa lidar com isso. Eu tinha que ser esperta sobre isso.

O celular na minha mesa bipou, e eu peguei.

Adelie estava pronta para mim.

Eu fiquei de cabeça para onde eu iria partilhar do sangue


fresco - e parei. Olhando para Nial na cadeira, reconsiderei.
Nós mantínhamos humanos nas masmorras como bens
móveis - alguns dispostos, outros não. Nós comemos como se
fossem biscoitos e doces. Nós jantamos deles, drenando-os ao
ponto da morte. Nós tínhamos locais preferidos, pescoços ou
pulsos.

Era de se admirar que esses vampiros ao nosso redor


fossem patéticos? Onde foi a caçada? Onde estava o prêmio?
Onde estava a liberação sexual pura para se alimentar da
presa que tínhamos rastreado e persuadido a não lembrar de
nada e a viver apenas se escolhêssemos?

Onde foi a matança?

Eu mandei uma mensagem para Adelie. Deixa pra lá. Vou


caçar mais tarde.

Eu me sentei para ler mais do arquivo que eu tinha,


precisando revelar o que estava acontecendo aqui.

Segundos depois, a porta se abriu. Adelie tropeçou para


dentro. "Você vai caçar?"

"Mais tarde. Eu preciso"

"Caçar o quê?" Nial perguntou desinteressado.

Eu bufei. "Meu jantar."

Ele espiou por cima do livro. "Jantar, é?"

“Mestre Niallan, diga a ela que ela não pode. Uma rainha
nunca iria caçar seu jantar. Esta..."

"Eu não sou a rainha ainda, sou eu?" Eu bufei.


"Mas você é candidata."

Eu bati minha mão na mesa. “Eu não sou a rainha ainda.


Eu não quero ser alimentada. Eu quero caçar. Eu quero sair e
encontrar sozinha sangue que me sustente.”

"Gwen tem um ponto." Nial bocejou, entediado com o


argumento dela.

Adelie olhou para ele. "Ela precisa ficar aqui, segura."

"Em nenhum lugar que Cato rastreia é seguro."

"Mestre Niallan!"

Ele suspirou e segurou o livro, seu tom cheio de falsos


pedidos. "Oh, Gwen, por favor, não saia e encontre sua
própria comida - como o caçador que você é."

Em um movimento de frota, minha melhor amiga estava


na frente da cadeira de Nial e o jogou para cima e para cima.
“Seu bundão! Se ela sair e procurar sua refeição, quem sabe o
que vai acontecer!”

"Ela pode, eu não sei, comer?" Ele zombou, levantando-


se do chão e limpando as calças. Então ele deu um passo à
frente. Nial colocou seu corpo intimidante diretamente na
frente dela, superando a pequena estrutura de Adelie. Seus
olhos se estreitaram para fendas perigosas enquanto seu olhar
percorria cada uma de suas feições. No mais baixo resmungo,
ele sussurrou: - E se você ousar me tocar novamente, vampiro,
ninguém encontrará seus restos mortais. Compreende?"

Energia crepitante estalou dentro dos meus aposentos,


seu poder escorrendo.

Eu segurei ainda, bloqueando minhas pernas.

Meus pulmões pararam, sem ar fluindo.

Eu queria me curvar até esse poder.

Incontrolável. Não é possível. Imenso e cru.

Escuro e desgrenhado. Com fome. Bárbaro.

O poder de um original. Apenas um alfinete.

E eu estava pronto para lamber seus pés. Lamba cada um


dos dedos dos pés para limpar qualquer sujeira.

Eu enterro minhas mandíbulas juntas, minha estrutura


vibrando.

Não se mexa. Não se mexa.

A testa de Adelie bateu no chão quando ela se ajoelhou,


incapaz de fazer qualquer outra coisa.

Ela cuspiu em um suspiro: "Minhas desculpas, Original".

Ainda assim... ele olhou para ela.


O desprezo irradiava dele.

Eu soltei um jato de oxigênio por mera força de vontade,


depois virei a mesa ao meu lado com os músculos trêmulos.
Tudo para ganhar sua atenção. "Corta a merda, Nial."

Olhos ardentes voaram em minha direção.

Um segundo. Dois segundos.

Gradualmente, o poder se dissipou.

Eu respirei um suspiro vacilante de alívio.

Meus olhos pousaram na bagunça que acabei de fazer no


meu escritório. Qualquer coisa para não olhar em seus olhos
poderosos. Olhos que poderiam roubar todo meu poder.
Sinful e indulgente... e aterrorizante como o inferno.

Eu andei em volta da mesa e peguei um lençol que havia


se derramado no chão. Desculpa, um pequeno sorriso passou
pelos meus lábios. Aqui estava meu "in". Aqui estava o jeito
que eu poderia destruir o humano. Eu olhei para onde os dois
idiotas estavam se recompondo.

Eu disse, calmamente: “Pegue minhas armas, Adelie.


Nial, vá fazer o que for preciso. Eu sei por onde começar e só
tenho quarenta e sete horas e meia para fazer Cato feliz.”
***

A casa à minha frente era um grande acontecimento, e


eu só olhava para a estrutura por trás. Havia dezenas de
janelas e portas, a maioria das salas estavam escuras e
fechadas.

As únicas luzes estavam na cozinha e na sala de estar,


onde uma figura solitária caminhava entre o sofá e a geladeira
com regularidade previsível. Fiquei encostado numa uma
árvore onde, mesmo que a mulher pudesse me ver, eu poderia
facilmente fazê-la esquecer que eu estava lá.

"O que você está fazendo?"

Eu olhei para cima.

Nial estava sentado em um galho de árvore acima de


mim, livro na mão, totalmente desinteressado.

Eu estreitei meus olhos. "Que diabos está fazendo?


Lendo em uma vigia?

“Eu não posso ajudar. Eu só posso seguir.

"Ovelha"
Ele olhou para mim. "Regras. Bela vista daqui. Eu não
estou reclamando. Você usou o sutiã mais sexy que conseguiu
encontrar?

Eu o ignorei. Eu esperava que ele pudesse ser um pouco


quieto e prestativo, mas claramente, sua ideia era ser tão chato
quanto imitar um chimpanzé. E ler.

“Ol{ vampiro? Minha pergunta original ficou sem


resposta.”

Revirando os olhos, respondi sem desviar o olhar da


janela. “Estou aqui porque a mulher na casa de Ginter é sua
noiva. Com alguma sorte, posso pegá-la sob o meu poder,
tomar um gole e controlá-la pelas próximas dúzias de horas,
depois descobrir o que preciso saber de Ginter para derrubá-
lo.”

"Não é ruim." Eu o ouvi virar a página. Ele claramente


não ficou impressionado.

“Nial, você não pode me ajudar. Apenas cale a boca e me


deixe fazer isso.”

Um sussurro de sua magia arrastou sobre a minha pele e


deslizou para o topo da minha camisa.

Abaixo a pele do meu peito...


Reunindo um pouco de força, chutei a árvore com força
suficiente para sacudir o galho, e o livro caiu das mãos de
Nial enquanto ele agarrava o galho para segurá-lo. Eu olhei
para ele, sibilando, "Se você tentar me distrair, Niallan, eu vou
cortar sua cabeça do seu corpo."

Seus lábios se inclinaram nos cantos, pura arrogância


masculina. "Você poderia tentar."

Eu cerrei meus dentes juntos. “E aprenda a usar sua


m{gica para algo diferente de sentir os meus seios.”

Ele riu baixinho. Maldosamente.

"Fique aqui. Você é meu monitor, então monitore.”

Eu desci a colina em direção à casa na noite escura.


Nenhum luar brilhante sobre a terra esta noite, o que
funcionou - o luar poderia atrapalhar meu poder, mas a
maioria dos humanos não podia resistir nem mesmo em dia
de lua cheia. No entanto, como este foi um desafio, não queria
arriscar. Meus pés deslizaram silenciosamente sobre as folhas
nítidas e caídas, e eu nem senti a necessidade de me esconder
de qualquer maneira. A casa de Ginter ficava no meio do nada
e não havia ninguém por perto. Havia alguns cervos nas
costas e um cachorro sonolento, mas isso era tudo.

A mulher da casa, sua noiva Haley, era meu alvo esta


noite. Ela era uma mulher normal, com um diploma de artes
liberais, pouca habilidade em cuidar da casa, muitos sapatos e
uma consulta de unhas de pé a cada duas semanas. Ela era
uma queridinha da socialite, parecendo saber exatamente o
que dizer a todas as suas amigas em todos os lugares certos.

Eu pude ver porque Ginter a escolheu. Ela era fácil de


olhar.

Olhando para trás, eu olhei para Nial. Ele estava


olhando-a.

Machos e seus paus.

Eu andei até a porta da cozinha e me certifiquei de que


ela não pudesse me ver parada ali. Eu assisti enquanto ela
girava e serpenteava pela cozinha, fazendo o que parecia uma
manteiga de amendoim e geleia... e sanduíche de picles. Eu
esperava que Deus estivesse errado porque não estava com
vontade de vomitar.

Dançando de volta ao sofá, ela desabou e começou a


mastigar pequenos pedaços do sanduíche que havia feito. Ela
passou pelos canais algumas vezes e se instalou em um reality
show - mulheres reclamando sobre seus maridos, por todas as
aparências. Abrindo uma cerveja e tomando da bebida, ela
soltou um arroto antes de dar risadinhas em seu show.

Essa mulher fazia meus olhos rolarem para a parte de


trás da minha cabeça.
Eu a observei por alguns minutos.

Haley mandou uma mensagem enquanto prestava


atenção no show. Ela seria o intermediário perfeito assim que
eu pudesse consegui-la trabalhando para mim. Meus lábios
tremeram, começando a apreciar sua tolice infantil com os
picles e as cervejas. Ela continuou acenando para o picles de
pepino pequeno e rindo loucamente.

Levou apenas um pequeno empurrão do meu poder para


levá-la ao começo do jogo. Uma mente muito simples, mais
ocupada com seus sapatos e cerveja. Invejei a simplicidade em
algum grau.

Fique de pé. Venha abrir a porta para mim.

Sem hesitar, ela colocou o prato, o telefone e o controle


remoto sobre a mesa e se dirigiu para a porta dos fundos.
Sacudindo a fechadura aberta, ela a abriu a porta e pareceu
sorrir para mim.

"Boa menina", eu elogiei. "Você está pronta para jogar


meu jogo?"

"Claro. Eu gosto de jogos.”

Eu dei uma olhada. "Excelente. Este jogo é muito


divertido. Primeiro, precisamos de um lanche e depois vou
explicar exatamente o que vamos fazer.”
Eu pisei perto de seu corpo curvilíneo e envolvi minha
mão direita ao redor de sua nuca. Com um olhar penetrante
em seus olhos, chamando-a para a frente e capturando seu
olhar com a queima de meu poder, ela desmoronou em meus
braços como uma corda.

Sentei-a numa cadeira quadriculada branca e preta da


cozinha.

Com um toque gentil, eu inclinei a cabeça para trás,


deixando minhas presas caírem.

Quando perfurei a pele acima de sua veia, vi Nial na


árvore me observando, sua atenção focada nos meus dentes.
Eu afundei minhas presas mais profundamente em sua carne
macia, selando meus lábios ao redor das aberturas, avaliando-
o. Ele não estava olhando para ela. Seu olhar inebriante era
todo para mim.

Depois do primeiro gole de seu sangue quente e doce, eu


não me importei se ele estava assistindo. Eu não me importei
se ele sacasse seu pau e começasse a puxá-lo. Bochechei após
ter a boca cheia de sangue fresco, limpo e vivo escorregou
pela minha garganta e aqueceu todo o meu ser, descendo pelo
meu peito e fluindo para os meus membros tensos. Era
magnífico, me alimentando de um humano que não tinha sido
cativo, relutante ou usado milhares de vezes por outros
vampiros. Seu gosto suave e doce se espalhou por todas as
partes do meu corpo, revitalizando-me, me reconectando ao
mundo ao meu redor.

As lembranças da coisinha caíram.

Sexo bobo e divertido que ela e Ginter costumavam ter,


as festas no jardim que ela amava, o carro que ela dirigia
rápido demais, quase com abandono imprudente. As amigas
que ela teve, os cursos na faculdade, as instituições de
caridade que ela ajudou, o ensino médio, a perda da
virgindade, o primeiro beijo, o amor da escola primária.

Eu me afastei, permitindo que o fluxo diminuísse e


diminuísse.

Se eu fosse mais longe, iria matá-la, e esse não era o


plano. O plano era poder e controle para o dia seguinte,
aproximadamente. Não havia nada ofensivo sobre essa
garota. Ela era perfeita para o meu plano. Com uma lambida
da minha língua em cada ferida, a magia na minha saliva
selou sua pele.

Eu tirei um momento para lamber o último de seu


sangue dos meus dentes.

Requintado. A inocência sempre provou ser


escandalosamente deliciosa.
Eu levantei meu próprio pulso e cortei uma veia lá.
Segurando-a contra os lábios, deixei cair algumas gotas, sobre
sua língua e garganta abaixo. Apenas um pouco, apenas o
suficiente para segurar o poder de leve e saber tudo o que ela
ouviu e viu. Eu poderia influenciar suas ações e perguntas.
Havia maneiras de conseguir que Ginter falasse e reagisse que
ninguém mais poderia.

Eu fechei meu pulso e levei-a para o sofá.

Haley estaria fora por um tempo - uma ou duas horas.

Inclinei-me até o ouvido e fiz algumas sugestões. “Você


está curiosa sobre o dinheiro de Timothy. De onde isso vem?
Quem lida com isso? A quem ele deve obediência? Eu quero
que você descubra com quem ele se associa, quem o
derrubaria se eles tivessem a chance. O que destruiria sua
reputação?

Ela abriu a boca e soltou um suspiro. “Samson. "

Ooh, ela já sabia das coisas?

Eu procurei em suas memórias que compartilhei com ela


- e com certeza, havia um cavalheiro chamado Samson. Ele era
bonito, alto e tentou estuprá-la depois de tentar barganhar
com Ginter por uma noite com ela. Humano nojento.

Ele precisava de uma visita.


Saí da casa pela porta, fechando-a atrás de mim. Eu
caminhei em direção à floresta onde Nial estava fingindo
desinteresse. Eu tentei não sorrir para o idiota quando ele
virou a página do seu livro recuperado.

“Lanche saboroso?” ele sondou.

"Oh, bem", eu respondi. “Eu ofereceria, mas eu preciso


dela viva. Por agora."

Acenei e caminhei de volta para as árvores do jeito que


viemos.

Ele saiu da árvore e me seguiu. "Para onde?"

“Precisa encontrar um homem chamado Samson. Ele


sabe das coisas.”

"Porque isso diminui."

Eu bati na minha têmpora. "Eu tenho o endereço dele."


A casa de Samson não se parecia em nada com os lindos
e bem cuidados jardins de Ginter.

Recheado entre duas casas mais antigas, havia


literalmente seis polegadas de espaço entre suas paredes e as
linhas de propriedade. O monstruoso desastre faux-
italianizado brilhou num amarelo incandescente, com muitas
luzes e muito ouro para os acentos. O pequeno pedaço de
propriedade não tinha como recorrer para trás com as cercas
de ambos os lados. Uma cerca eu tinha certeza que seus
vizinhos tinham erguido para parar o vazamento de esgoto
em seus quintais.

"Ugh", Nial resmungou, lançando-se para o primeiro


galho de uma árvore na propriedade do vizinho. Ele sentou-se
e pegou o livro. “Se um vizinho fizesse isso em minha
propriedade, eu o estriparia e o drenaria, e destruiria a casa
logo depois.”

"Horrível", eu concordei. "E parece superpovoada esta


noite."

"Boa sorte."

Dei-lhe o dedo do meio quando me aproximei da porta


dos fundos.

De pé nas sombras, eu estava nos fundos olhando para


dentro. Homens sentados em torno de uma mesa, fumando
charutos e rindo e jogando. Meus lábios se curvaram para trás
dos meus dentes. Eu desprezava os hábitos de tabaco dos
homens modernos. Estes, em particular, provavelmente
ostentavam pequenos paus que eles estavam tentando
compensar. Eu tinha certeza de que se eu desse a volta na
frente, haveria carros muito chamativos, muito exagerados.

Eu vi o chamado Samson. Excessivamente gordo e,


infelizmente, não há muito o que olhar. Nenhum anel de
casamento que eu pudesse ver, mas isso não significa muito
para um homem assim. Qualquer um pode retirar o anel, ir a
uma lanchonete e aproveitar as strippers ou prostitutas de
cortesia. Ele parecia ser o tipo de aceitar isso também.
Ouvi a conversa na mesa, mas era uma típica merda
misógina que alguns homens faziam para trás e para a frente.
Entediado com seus tópicos, voltei para onde Nial estava
empoleirado na árvore.

Eu murmurei: "Demasiada testosterona e luz lá dentro.


Vou ter que esperar.”

Um hmph escapou de seus lábios exuberantes e virou a


página do livro novamente.

Eu não suportava o bastardo presunçoso.

Encostado na árvore, concentrei-me na conexão com


Haley na casa de Ginter.

Ela estava apenas começando a se aproximar, e seus


sentidos estavam clareando rapidamente.

Alguém estava na casa com ela. Uma pessoa não


ameaçadora, familiar, e ela ficou encantada. Um momento
depois, reconheci que Timothy Ginter havia voltado para
casa.

Eu os deixei sozinhos. Eu não precisava saber sobre o


jantar e os empregos.

Muito burguesa para mim.

Ótimo. Preso entre um casal burguês e um babaca.


Eu sentei. O que eu poderia fazer? Eu tinha que esperar
esses bundões sair para poder entrar e conversar com Samson.
Eu pensei em voltar para o carro e tirar uma soneca rápida -
era assim tão chato, mas eu também não queria perder tempo.

Droga, droga. Eu não tinha trazido o arquivo. Ou


qualquer coisa para ocupar o meu tempo.

Grande temível, incrível, Noviciado da Rainha, e eu


estava arrancando capim debaixo de uma árvore em um
miserável buraco suburbano na parte de trás de um erro
pseudo-italianizado. Ah, e meu Monitor de Desafio estava
sentado em uma árvore, provavelmente olhando para baixo
dentro da minha camisa, como de costume.

Eu não estava me sentindo mal.

Meio segundo depois, inclinei-me para a direita, para


olhar para Nial, e algo passou zunindo pela árvore ao meu
lado.

Engoli em seco e encontrei uma bala alojada ali,


enquanto quatro mais rapidamente seguiam.

"Que porra é essa?" Nial sussurrou, pulando e quase


perdendo a chance de ser baleado.

"Eles não estão mirando em nós." Agarrei seu braço e o


puxei para mais perto da casa, esperando por um pouco de
proteção contra as balas sob o maciço e inútil baralho na parte
de tr{s. “Eles estão atirando um no outro. Ou é outra pessoa.”

A batida das portas do carro na frente e o barulho de


botas pelas escadas da frente atacaram minha audição
sensível. Uma parte da cerca foi rasgada, pisada no chão, e
meia dúzia de homens vieram voando na esquina com as
armas desembainhadas. O objetivo deles era na porta dos
fundos, atirando à vontade.

Esse poder de fogo prejudicaria mesmo Nial e eu se


tomássemos alguma medida de uma só vez. Nós nos
abaixamos nas sombras, e minhas sobrancelhas se levantaram
quando Nial encobriu nossos dois corpos para que eles não
pudessem nos ver.

A quantidade de munição desperdiçada que esses idiotas


estavam usando me chocou.

Eles nunca aprenderam como mirar?

"Arte perdida de tiro ao alvo", Nial murmurou como se


lesse minha mente. "Se isso é um trabalho da máfia, eles serão
feitos em um momento."

“Se isso for um trabalho, vamos perder qualquer


informação que o Samson tenha. Eu não posso tirar suas
memórias se ele estiver morto.” Meus punhos cerrados.
“Podemos perder a cabeça com tanto tiro. E eu não posso
tecnicamente ajudá-la a vencer este desafio.” Seu olhar duro
encontrou o meu. “Pense, Gwen. Se você não consegue
descobrir isso sozinho, não merece ser a rainha deles.”

Eu respirei fundo. Eu seria a rainha. Eu deveria ter poder


suficiente - influência suficiente para levá-los todos de uma só
vez. Eu estava recém alimentado e estava bem descansada.
Não deveria ser difícil de todo. Eu só tinha que entrar lá e
olhar para eles. Eu não podia fazer isso das sombras sob o
convés.

"Espere aqui." Corri para o outro lado da casa onde havia


outro conjunto de escadas.

Nial não ajudaria. Ele estava lá apenas para me


monitorar.

Eu pulei as escadas para as sombras no topo e me movi


ao longo da parede dos fundos da casa. Os mafiosos estavam
empurrando e tropeçando pela porta dos fundos, dois
homens mortos na escada principal. Desperdício de sangue.
Um dos homens tentando empurrar olhou para mim e eu
peguei seus olhos.

Meu. Facilmente.

Sua mente era de barro e eu facilmente o apoiei.


Outro homem olhou para o que eu tinha controlado, suas
sobrancelhas franzidas.

Eu joguei um toque de persuasão e ele olhou para mim.


Outro foi meu.

Ele se juntou ao primeiro pelo corrimão traseiro.

Eu me arrastei para mais perto e soltei um assobio baixo.

Dois homens olharam para mim e eu os peguei. Meu.

Para o corrimão com eles.

Um tiroteio rápido estava saindo da casa, e eu ainda não


queria ser atingida por tantas balas. Puxei minha própria
arma e atirei em um dos homens mais próximos da porta,
através da janela. Ele caiu morto.

Boa pontaria. Eu sorri, grata pelos humanos que os


Soberanos enviaram para mim ao me acordar do meu
descanso. Uma daquelas saborosas refeições orgulhava-se da
arte de um sucesso direto. Não há necessidade de ser um
desperdício.

Mais três voltaram pela porta dos fundos. Eu fui capaz


de arrastá-los e deixá-los cair no chão um pouco depois,
enrolados em uma posição fetal. Os outros homens dentro
estavam ficando confusos, e era tudo que eu esperava. Eles
estavam todos se virando para a janela para ver o que estava
acontecendo quando o tiroteio começou a morrer.

Eu passei pela janela cheia de buracos e peguei mais


cinco em meu domínio.

Uma bala atravessou meu ombro, me empurrando para


trás e me irritando.

Fiz com que dois dos homens se virassem para soltar


uma rajada de balas contra os que ainda disparavam,
cortando metade deles, deixando a outra metade gritando e
desorganizada.

Perfeito. Entrei na casa com minha arma apontada na


direção geral dos homens que não estavam sob meu poder.
Quando eles me notaram, cada um caiu em meu domínio e
saíram do meu caminho.

Samson estava deitado no chão, amamentando uma


ferida em sua perna.

Eu não o limpei. Em vez disso, deixei minhas presas para


baixo e sorri.

Ele gritou: "O que diabos você é?"

"Sou eu que faço as perguntas, Lorde Samson."

"Jesus Cristo, senhora..."


Irritado com a ferida no meu ombro, peguei o pedaço de
merda mais próximo que eu tinha dominado e inclinei a
cabeça para trás. Eu afundei minhas presas em seu pescoço e
dei um longo puxão de sua veia. Seu sangue era sujo, cheio de
drogas e ganância. Mas, ao mesmo tempo, acelerou a cura
para o meu ombro.

Eu deixo-o ir sem selar a mordida; eles estavam todos


mortos de qualquer maneira.

Samson tinha lágrimas escorrendo pelo rosto, olhando


para a bolsa de sangue inútil parada ali.

"Por que você está atrás do Ginter?"

"Dão... não me mate."

"Responda à questão!"

"Eu... ele..."

Eu levantei a arma e atirei na cabeça do doador. "Por que


você está atrás do Ginter?"

"Puta merda." Ele engasgou, mais lágrimas molhando


seu rosto.

Eu atirei em outro desprezível nas proximidades na


cabeça. "Eu não ligo para a sua hesitação."

Ele se irritou.
Mas ele finalmente abriu a boca para fazer algo além da
gagueira. “Eles querem que eu chantageie ele, humilhe-o. Ele
não pode ter um assento no Senado. Ele vai foder tudo. O
problema é que o filho da puta é limpo, honesto. Não aceita
dinheiro nem ameaças. Ele precisa ser morto se não aceitar o
dinheiro.”

"Quem?"

"O quê?"

Eu mirei na cabeça dele. "Quem o quer morto?"

"Eu não sei!"

Eu atirei no humano quase morto ao lado dele em


advertência.

“Porra, senhora, eu não sei! Ele só vem de vez em


quando. Deixa uma pasta e uma conta bancária. Sem nomes.
Apenas o corrupto Ginter.”

Eu estava prestes a exigir mais informações quando um


raio de luxúria me atingiu e quase me fez perder o enorme
domínio que eu tinha lançado. Eu cambaleei contra a parede e
consegui afastar a necessidade desesperada de um orgasmo...
mas apenas justo.

Porra. A influência em Haley.


Ela e Ginter estavam fazendo sexo, e essa luxúria estava
rolando para mim.

Outro tiro de desejo bateu em mim, e eu tive que fechar


meus olhos para aguentar.

O domínio se atrapalhou por um momento, mas eu


peguei de volta.

A ideia de tentar resolver isso não me atraiu.

Eu estava absolutamente enojada comigo mesmo por


esquecer que a emoção forte também poderia vir através do
link de influência. Eu precisava de sexo imediatamente e,
naquele momento, minha única boa opção era Nial, o que não
era uma opção. Ou<

A figura encolhida de Samson tremeu lá, cercada por


vários homens mortos. Ele fedia a medo, suor, vergonha e
mijo.

Ele também estava cheio do sangue que evitaria minha


necessidade de sexo.

Descendo e agarrando-o pela camisa, eu o puxei para


seus pés.

Samson soltou um grito agudo de dor quando colocou


peso em sua perna ferida. Infelizmente, ele não tinha ideia do
que era dor. Ainda.
Envolvendo minha mão ao redor de sua nuca para
segurá-lo no lugar, eu não me incomodei em colocá-lo em
domínio. " Você estava morto de qualquer maneira."

Eu puxei sua cabeça para trás e dirigi minhas presas em


sua veia, marcando fundo e rasgando a carne livre. O rico
sangue vermelho jorrava de sua jugular e eu quase saí do
sangue que fluía dele. Seus gritos estavam ficando irritantes, e
depois de guardar minha arma, bati a mão na boca dele para
abafar o grito repugnante que não servia a nada além de me
irritar ainda mais.

Enquanto eu bebia o sangue fluindo livremente, outro


tiro de luxúria pulsou através de mim. Desta vez, com tanto
sangue à minha disposição, eu fui capaz não só de segurar o
domínio que eu tinha em mais de uma dúzia de homens
cerrados, eu fui capaz de permitir que o orgasmo maciço
rolasse pelo meu corpo.

Isso estava vivo.

Quando o clímax recuou, eu tive que envolver meus


lábios em torno da veia pulsante para puxar o resto do sangue
de seu corpo. Não havia razão para hesitar em drená-lo até a
última gota. Samson serviu seu propósito, e eu precisava do
rosto que acompanhava a bolsa do banco.
Eu engoli o último de seu sangue quando seu corpo ficou
flácido, caindo aos meus pés.

"O que você fez?"

Eu peguei minha arma e quase puxei o gatilho antes de


perceber que era Nial. Eu não deveria ter parado o impulso de
atirar nele.

“Oh, pelo amor de Deus, você derramou tudo em você.


Bruto, Gwen.”

Eu atirei nele.

O impacto em sua coxa empurrou-o para trás e ele mal


conseguiu se controlar. Eu estava esperando que ele pelo
menos caísse em sua bunda.

“Que porra é essa?! Droga. Agora tenho que beber.”

"Tome um, há muito", eu murmurei, chutando o corpo


de Samson longe de mim. Ele estava certo, eu tinha sangue
em toda a minha camisa, mas o orgasmo valeu a pena.

Sangrando, mas querendo respostas, ele olhou ao redor


da cozinha e do convés traseiro. "Você está segurando tudo
isso?"

"Eu estou." Fiquei discretamente impressionada comigo


mesma.
Talvez meu recente Descanso tenha sido benéfico -
mesmo que tenha sido interrompido. Havia pouco mais de
duas dúzias ainda vivos que eu estava segurando em
domínio. Isso não estava nem empurrando o que eu poderia
segurar, meu poder nem chegou ao máximo.

Balançando a cabeça, Nial pegou o pescoço mais


próximo e o secou.

A bala saiu de sua perna, caindo no chão com um tilintar


silencioso.

Eu ia aproveitar a memória de atirar nele por um bom


tempo.

“Johnny? "

Nós dois nos viramos com o grito estridente da porta da


frente.

Uma mulher entrou no quarto.

“Oh Meu Deus! Ah! Johnny! “

Ela nunca teve a chance de perceber que estávamos lá.


Eu coloquei uma bala no cérebro dela.

Nial bufou e depois riu profundo e áspero. "Você sabe,


você poderia ter acabado de apagar suas memórias."
"Tanto faz. Sem utilidade." Enfiei a arma no coldre e
comecei a examinar as lembranças que tirara de Johnny
Samson. Esse era um nome terrível, mas ele era uma fonte
inesgotável de boas lembranças. O cara nunca esqueceu um
rosto.

Especialmente o de Cato.

Eu não sabia se estava chocada ou resignada naquele


momento.

Eu levantei uma sobrancelha e inclinei minha cabeça


para Nial parado ali.

Ele olhou em volta e finalmente olhou para mim. "O quê?


O que está acontecendo?"

Um movimento brilhou além da porta, e foi muito rápido


para eu trazer a arma ao redor.

Eu corri para uma janela quebrada e olhei através da


escuridão.

Apenas para descobrir que quem quer que fosse já havia


desaparecido.

"Havia um vampiro aqui", eu sussurrei. Eu rosnei de


frustração, incapaz de ter um vislumbre da pessoa. “Ele
estava se escondendo e voltando para o Ginter. Cato os quer.”
“Cato? O que exatamente você aprendeu?

Cato estava me usando para fazer seu trabalho sujo. Ele


estava por trás de tudo isso. Este não era um Desafio, esta era
uma chance para ele manter as mãos limpas, e ter toda a sua
manipulação escondida por trás de outra camada de sigilo
para que eles nunca o rastreassem.

"Temos que ir ao Ginter." Eu levantei a arma e coloquei


todos os homens no convés de volta, e virei para tirar o resto
de pé na cozinha.

Nial pegou meu braço. "Desacelere. Responda a minha


pergunta, Gwyn.”

"Cato." Eu o puxei para perto e assobiei minhas palavras


em seu ouvido: - Você está jurando segredo, ou eu vou ter
suas bolas em uma bandeja quando eu for coroada. Cato está
por trás disso. Ele quer Ginter morto. Eu não sei por que, e eu
não me importo, mas se Ginter é contra o que diabos Cato está
fazendo, eu quero Ginter vivo - e nós temos que parar esse
vampiro.”

Ele não tinha nada a dizer. Deixando de lado meu braço,


ele deu um passo atrás, e eu observei quando seus lábios se
torceram em desgosto. Ele levantou sua própria arma e me
ajudou a derrubar o resto dos humanos que se
movimentavam como zumbis bêbados. Eles estavam mortos
em menos de alguns segundos, e guardamos nossas armas,
marchando para fora da casa e de volta para o carro.

Eu tinha o carro quente e o motor do meu Lamborghini


ronronando no momento em que entramos- estava grata pela
partida de controle remoto - e pelo manual do motorista que
li. Eu não era fã do frio, então eu queria dentro do carro
quente.

Nós deslizamos no couro mais macio e nos afastamos do


meio-fio - e eu usei a medida completa do motor para nos
levar pelas ruas o mais rápido que pude. Estávamos a quase
quarenta quilômetros de Ginter, e eu realmente esperava que
o vampiro que eu mal tivesse visto tivesse um carro de merda
que o meu pudesse ultrapassar.

"Você tem certeza que isso é Cato?"

"Sim. Das memórias de Samson, é quem lhe entregou o


dinheiro.”

Nial olhou para a frente e não disse nada. Ele estava


perdido em pensamentos.

"Você é Monitor de Desafio agora ou não acredita em


mim?"

"Monitor."
"Você quebrou isso lá atrás, matando aqueles homens e
me cobrindo mais cedo."

"Autopreservação e estou assumindo que o sigilo


funciona nos dois sentidos". Ele levantou uma sobrancelha.
“Você tem suas razões para ser rainha. Eu também tenho o
meu próprio por ser rei.”

Estava tudo quieto de novo e aproveitei para levar o


carro ainda mais rápido pelas estradas sinuosas. Cato sempre
foi uma dor na minha bunda, mesmo antes do meu descanso,
e antes de subir ao Conselho. Agora, ele mudou de manipular
os vampiros para manipular os humanos? Eu não queria
governar humanos. Eu queria governar os vampiros.

“Isso não parece o trabalho de Cato para mim, apesar das


evidências. Vampiros destruiriam os humanos se eles
entrassem na política - eu ouvi o que Samson disse a você” -
Nial murmurou sobre o motor. Eu lancei um olhar para ele e
não disse nada. Descansando o braço direito na porta, ele se
inclinou para trás e fechou os olhos. "Meu conselho? Tenha
cuidado, Gwen. Há sempre mais na história. Sempre."

Eu pensei nisso silenciosamente. Contemplando e


avaliando.

“Um dos problemas é que, tecnicamente, não precisamos


governar os humanos. Nós praticamente já fazemos. Nós
somos os predadores e eles são a presa. Mesmo que eles não
saibam,” eu disse. “Nós não caçamos. Nós pedimos uma
refeição fresca.”

"Tudo o que alguém teria que fazer é garantir um


programa de reprodução para os vampiros, e então eles
poderiam destruir o resto dos humanos." Um olhar na minha
direção com um sorriso provocante. "Nenhuma caça para
você então."

Eu pressionei o pedal um pouco mais forte.

Eu não sabia o que estava acontecendo na cabeça do meu


pai, mas sabia que não gostava disso.

***

O pânico de Haley apressou-se em nosso vínculo, assim


como eu tive um orgasmo de bônus a meio caminho da casa.
Mero minutos antes de podermos estar lá, seu pânico tomou
conta.

Assim que deslizei o carro na garagem, soube que já era


tarde demais. As luzes estavam acesas em muitos quartos, e
os dois guardas de segurança na frente estavam de bruços nas
escadas, sangrando. Resíduo total.
Subi as escadas sem sequer desligar o carro. Eu segui o
pânico que atravessou meu cérebro, grato pela enorme
quantidade de sangue que eu tinha tomado. Eu não teria sido
capaz de conter a emoção da conexão de outra forma.

Mas isso foi útil, pois fui capaz de encontrá-la em casa


imediatamente.

Não era o que eu queria descobrir, no entanto.

O vampiro já estava lá e tinha Ginter pelo pescoço com


suas presas enterradas profundamente em seu pescoço. Olhos
revirados, sangue escorrendo da veia, sugando a última gota
de vida do homem. Haley estava congelada de terror na cama,
coberta pelo sangue de uma briga entre Ginter e esse vampiro.

Minhas garras se soltaram e eu as dirigi para a espinha


do vampiro.

Seu grito estridente perfurou o ar da noite quando ele


soltou o pescoço de Ginter, deixando o homem cair no chão,
não completamente morto.

O vampiro se virou para mim... e era uma fêmea.

Uma vampira que eu não conhecia. Um que eu nunca


tinha visto antes. Ela cheirava nova.

Assobiando para mim, ela tentou afastar minhas garras.


Eu os empurrei com mais força e dirigi minhas presas em
seu pescoço, rasgando a carne aberta.

Ela gritou e tentou desesperadamente se arrastar para


longe de mim.

Eu puxei seu sangue, tentando arrancar suas memórias


dela. Se ela fosse nova, não seria difícil, mas não consegui
encontrá-las. Ela estava segurando-os desesperadamente,
empurrando-os de volta do sangue de novo e de novo.

Se ela não ia me deixar tê-los, ela não iria viver.

Eu ficaria de ressaca de todo o sangue que peguei esta


noite. Mas eu não me importei. Eu a drenei, usando uma
única garra da minha outra mão para cortar a veia
correspondente do outro lado. Eu nem me importei se era um
desperdício neste momento. Ela só precisava morrer.

O último sangue dela cruzou a minha língua, mas ela


ainda não estava morta. Com sua ingestão fresca de sangue,
ela ainda poderia sobreviver. Levei a mão atrás de mim e
arranquei minha espada.

Meus lábios vermelho-sangue pressionaram contra sua


orelha. “Mantenha suas memórias então. Sua vida é minha.”

Em um movimento fácil, eu recuei, retraindo minhas


garras de suas costas enquanto minha outra mão
empunhando a espada girava em um arco fácil. Sua cabeça
bateu no chão e rolou meia dúzia de vezes antes de seu corpo
se juntar a ele. Eu rosnei e virei para onde Ginter estava
morrendo aos meus pés.

Nial estava na porta. Fiz sinal para a mulher aterrorizada


na cama. "Leve ela. Ela é sua”.

Ele atacou instantaneamente, agarrando-a em domínio.

Para meu desgosto, ela teve outro orgasmo enquanto ele


a drenava.

Eu ia virar geleia com todo esse clímax e alimentação.

Ajoelhando-me ao lado de Ginter, ele era tão bonito


quanto sua foto. Uma vergonha. Eu teria gostado de mantê-lo
por algum tempo para beber antes de matá-lo ou mandá-lo
para as masmorras para os outros usarem.

“Isso ser{ r{pido. Se eu soubesse que usar o plano de


Cato era uma opção, eu teria feito. Suas pequenas
maquinações em arena humana não significam nada - não
quando se trata dos vampiros. Mas não vamos deixá-lo acabar
com você. Você é muito divertido para provar e perseguir.”

Eu o peguei em domínio e tomei o último de seu sangue,


o que não foi muito.

Um quarto talvez. Ele esteve muito perto de morrer.


Eu me levantei e olhei para a cama onde Nial estava
deixando o corpo da mulher cair de volta na cama. Ele me
encarou por um momento, seus olhos de druida brilhando em
prazer satisfeito.

"Inocente." Ele proferiu a palavra enquanto seus olhos


lentamente se voltavam para o verde real. "Você sabia. É por
isso que você deu ela para mim. Ela não sabia de nada.”

"Nada. Mas obrigado pelo último orgasmo. Aquilo foi


legal."

"Você é uma cadela."

Eu sorri e olhei ao redor da sala. “Eu aprendi algumas


coisas esta noite. O desafio de Cato tem muitas camadas para
descascar. Ele queria um empregado para fazer seu trabalho
sujo. Ele est{ tramando alguma coisa, porque isso” - eu
apontei para o corpo da fêmea “era um vampiro recém-
criado. Ela não sabia quase nada, exceto como trancar suas
memórias. E Ginter também era inocente. Princípios fortes.
Ele recebeu muito dinheiro para se afastar de sua política.”

Nial olhou para o corpo decapitado. "Ninguém faz um


vampiro sem a aprovação do Conselho."

"Sim, e?"
"Nenhum foi aprovado." Sua cabeça inclinou-se em
pensamento hesitante. "Não que eu saiba de qualquer
maneira."

“E quando aquele que os est{ fazendo é um membro do


Conselho?”

Ele levantou uma sobrancelha, mas ficou em silêncio.

Eu coloquei uma mão no meu quadril. "Eu ganhei o


desafio como foi emitido."

“Monitor de...”

Eu levantei um dedo. “Ainda não terminei com o


Desafio. Me dê uma hora antes que você a chame de fechado.”

Os olhos de Nial percorreram meu rosto, considerando o


meu pedido. Então ele assentiu. “Eu estarei fora.
Provavelmente com uma garrafa de algum líquido sujo que
posso encontrar nos arm{rios do andar de baixo.”

Ele saiu e eu comecei a trabalhar.


Joguei outro volume antigo na mesa em frustração.
Jallina mencionou o Destruidor da Espinha, e eu nunca tinha
ouvido falar disso.

Minha mais nova pergunta foi: como eu nunca tinha


ouvido falar disso?

Livros sobre livros estavam aqui, na biblioteca, na seção


pública, sobre o Quebrador da Espinha.

Eu nunca tinha ouvido essa parte de nossas lendas.

Eu coloquei a mão na minha cabeça e olhei para a mesa.

"Tymon me disse que você estaria aqui."

Minha cabeça se ergueu para encontrar Elex de pé sobre


a mesa. “Eu pedi a ele para me deixar entrar.” Espero que ele
saiba onde eu estava.
Elex puxou alguns livros para ele e folheou as páginas.
"O que você está procurando?"

“Jallina...”

Sua cabeça se levantou dessa vez. "Você falou com ela?"

“Sim, ontem depois que saí com Dorian. Eu corri para ela
em uma cafeteria no mercado. Nós conversamos e nos
encontramos e... “

Puxando uma cadeira, ele se sentou ao meu lado e


aproximou os livros. "E o quê?"

“Parece que temos inimigos. E nós deveríamos ter sabido


sobre eles o tempo todo. Por mais que me doa dizer, Dorian
estava certo. Nós não sabemos tudo o que há para saber sobre
este mundo. Não por um tempo longo."

Ele descansou a cabeça em seu punho, deixando escapar


um suspiro. "Como poderíamos saber que tínhamos inimigos
quando nem sabíamos o que ou quem deveríamos ser?"

O livro mais antigo do lote estava mais próximo de mim


e abri-o, virando as páginas com cuidado. "Isso significa que
você já ouviu falar do Quebrador de espinha?"

"Sim. Você não?”

"Não."
"Como<"

"Não sei."

Elex ficou pensativo ao virar as páginas do livro à sua


frente. “O Destruidor da Espinha é aquele que não deve
apenas se importar com a espinha enquanto ela cai de volta à
terra, mas cuidar de todos os S'Kir da mesma forma. Há muita
mágica nisso, e não é fácil ser responsável por isso.”

"Jallina me chamou de Quebrador."

Elex estava preocupado com os desenhos da página.


Com o dedo traçou os desenhos por um minuto silencioso.

Depois de vários falsos começos, ele finalmente


encontrou sua voz. “Eu suspeitava que você fosse o
Quebrador quando a montanha te chamou. Eu estava quase
certo quando entramos na caverna. E depois da tentativa de
sequestro, eu não sou o único que pensa que você é.”

Um suspiro profundo me deixou. De repente, senti-me


resignada com esse destino. "Você acha que eu vou quebrar a
espinha?"

Ele franziu os lábios, tentando não responder à pergunta,


mas eventualmente, Elex cedeu. "Sim. Eu acho."

A batida do livro ecoou pelo salão vazio da biblioteca.


"Merda. Dorian estava certo.”
A risada que borbulhava em Elex não era tão cheia de
alegria quanto ele queria que fosse. "Isso dói você?"

"Elex, ele é um idiota".

"Nós estabelecemos isso, sim."

"Eu não quero que ele esteja certo."

Seus dedos acariciavam meu queixo e me viravam para


olhá-lo. “Ele é muito mais velho que todos os outros. Ele vai
estar certo mais do que você pode imaginar.”

Seus belos olhos negros brilhavam à luz fraca da


biblioteca.

"Jallina vai espionar para nós."

"Você pediu a ela para fazer isso?"

"Não. Ela ofereceu. Ela é parte do Outlier Temple no


mercado, e Milgran é uma grande boca que não percebeu que
não está do seu lado.”

Uma risada agradável passou entre nós enquanto ele


estudava meu rosto. Os tons escuros de oliva de sua pele eram
mais suaves do que eu me lembrava de nosso interlúdio na
outra noite.
Eu podia sentir o calor entre nós subindo. Em um
movimento para desviar a crescente tensão sexual, tentei fazer
uma pergunta. "Se eu sou o Quebrador, quem é você?"

Ele chegou perto. "O homem que começa a foder você."

Minha decisão de parar com isso levantou-se e saiu do


quarto, abandonando-me, felizmente, aos seus avanços. "Isso
tem um título oficial?" Eu provoquei.

"Querida. Nós vamos ter que chegar a um.”

Minha mão encontrou o eixo crescente em suas calças.


"Você não tem problemas para chegar, não é?"

Ele perdeu a voz por um momento e depois segurou


minha mão para acalmar meus movimentos sobre sua ereção.
“Eu queria te mostrar isso ontem | noite, Kimber. Mas você
nunca veio ao meu apartamento.

"Você poderia ter vindo para o meu."

Inclinando a cabeça, ele me considerou um momento.


"Oh, posso?"

Inclinando-me para perto, deixei minha respiração pairar


sobre sua orelha com uma sugestão. “Não me importo de
dormir sempre perto de você, Lorde Everettson. Por que você
não se muda para o meu apartamento?”
"Isso significa que eu vou te foder toda noite?"

"E todas as manhãs."

Ao mesmo tempo, nos viramos e nossos lábios se


encontraram. O beijo que se seguiu foi puro fogo. Sua língua
procurou a minha, e se enrolou ao redor, acariciando e
chupando, provocando e, finalmente, levando-me em sua
boca.

Foi apenas a nossa necessidade de ar que nos separou, e


eu agarrei seu pênis novamente.

Eu o puxei para ficar em pé e tentei levá-lo embora.


"Solte-"

"Não." Seu aperto era forte quando ele puxou de volta,


inclinando meu corpo inteiro contra o dele.

Sua feroz ereção pressionou contra o meu estômago.

Meus joelhos estavam fracos. Então foi a minha vontade.


"Não?"

Balançando a cabeça e, novamente, movendo a mão de


sua ereção, ele confirmou sua declaração. "Não. Bem aqui.
Agora mesmo."

"Numa biblioteca?" Eu estava realmente escandalizada.


"Não há ninguém aqui." Uma mão aquecida encontrou
meu peito através da minha camisa e apertou apenas deste
lado suavemente.

Meus mamilos endureceram e responderam ao seu


chamado. Um segundo mais e eles estavam doendo por seu
toque.

Nós não íamos fazer isso em lugar algum.

Seus lábios queimaram outro beijo no meu. Aqueles


olhos negros ficaram ainda mais escuros com o calor da
luxúria e maldito se minhas coxas já não estivessem
encharcadas e prontas para ele.

"Kimber, você é minha, não é?"

"Sim." A palavra foi tirada quando sua mão encontrou e


rolou meu mamilo através do tecido.

"Eu vou foder você aqui, agora mesmo."

"Oh, deuses e estrelas, sim."

As mãos estavam no pescoço da túnica que eu estava


usando, e antes que eu pudesse dizer uma palavra, ele rasgou
a parte de cima até o centro da minha cintura, revelando o
sutiã que eu estava usando.
“Kimber, oh Kimber. Se eu me mudar para seu
apartamento, não quero que você os use em casa. Quero seus
seios naturais para que eu possa apreciá-los a qualquer
momento.”

Por que essa jogada dominante me deixou tão molhada?

A magia se reuniu na frente do meu sutiã. Minha


momentânea confusão se foi quando Elex a usou para abrir a
frente e meus seios se derramaram em suas mãos em espera.

“Tão maravilhoso, meu doce. Tão madura.”

A mesma língua que tinha queimado meus lábios agora


torturava meus mamilos enquanto ele sugava e chupava e
mordia em mim.

Eu enfiei minhas mãos em seu cabelo e segurei enquanto


ele os devastava. A luxúria disparou através de mim, e nada
poderia ter parado o gemido que escapou de mim.

"Elex, merda." Isso foi tanto quanto minha mente


conseguiu reunir palavras.

"Um dia, quando eu não precisar estar dentro de você


imediatamente, vou gastar muito tempo apenas chupando
seus mamilos, e vou fazer você gozar."

Minhas pernas estavam tremendo agora.


Que ameaça maravilhosa era essa, mas eu precisava de
outra coisa e logo.

"Elex." Eu olhei para baixo e que visão magnífica de seus


lábios na minha pele eu tinha. Sua pele escura era um
complemento perfeito para meu creme rosa p{lido.”

“Não hoje, doçura. Hoje não."

Arrastando seus lábios pelo meu peito até a minha


garganta, ele mordiscou a coluna da minha garganta.

Eu não aguentava muito mais. Elex sabia disso.

Senti a mão dele subindo pela minha coxa, juntando o


fundo da minha túnica, movendo-a para cima e para cima, até
que estava na minha coxa.

Sua mão envolveu meu braço. Eu não tive um momento


para protestar ou mesmo perceber o que estava acontecendo
antes de me encontrar pressionada sobre a mesa com os livros
sobre ela.

O movimento foi suave e calculado, levantando minha


saia da túnica sobre a minha bunda.

O gemido que me escapou enquanto acariciava os globos


nus da minha bunda ecoou na biblioteca.
Eu não podia nem me incomodar em ficar
envergonhada.

Ele tinha um pau e eu queria estar nele.

Agora.

Para encorajá-lo um pouco, levantei uma perna para


descansar na mesa, abrindo-me para ele.

"Oh, isso é legal. Muito bom.” Dedos mergulharam na


minha boceta e correram em círculos, traçando as paredes do
meu sexo.

Eu respirei fundo, tentando diminuir meu batimento


cardíaco. Ele ia me matar. Eu queria morrer com ele dentro de
mim.

Ele não ofereceu nenhum aviso. Seu pênis bateu


profundamente em meu canal, roubando minha respiração e
mente ao mesmo tempo. Ele sentou-se profundamente dentro
da minha boceta, empurrando todo o meu corpo na mesa com
a dele.

Foi gostoso demais.

Ele se inclinou para frente, tentando pressionar ainda


mais fundo. Mais uma vez, o gemido encheu a biblioteca, e eu
ainda não me importei.
"Mova-se, Elex, oh, merda."

Ele não falou. Em vez disso, ele retirou-se lentamente até


que ele estava apenas com a cabeça dentro de mim e bateu de
volta para dentro.

"Porra!" Ele forçou a palavra fora de mim.

"Mmm, sim." Deslizando as mãos debaixo de mim, ele


encontrou meus seios e me levantou apenas o suficiente para
envolver suas mãos ávidas ao redor da carne tenra.

"Implore por isso, Kimber."

Eu ofeguei quando ele fez sua demanda e retirou


novamente. Eu esperei por ele.

Quando ele não entrou em minha boceta de novo, eu


sabia que ele não estava brincando. Ele queria que eu
implorasse por isso.

"Por favor, Elex", eu consegui. "Por favor."

"Não. Me implore por isso, linda mulher. Implore-me.”

"Elex, por favor me dê seu pau."

Ele beliscou um mamilo. "Não está bom o suficiente."

Uma mão deixou meu peito e encontrou meu clitóris


muito rapidamente. Seu dedo espanou sobre mim, o
suficiente para me torturar, mas não mais.
"Implore, Kimber."

"Por favor, me foda."

Cada vez que eu implorava, ele mal tocava meus nervos


empacotados e excitados. Foi o suficiente para me manter
encantada, mas não o suficiente para me levar mais perto do
meu clímax.

Eu precisava vir.

Ele estava me deixando louco.

“Implore, Kimber. Me implore para transar com você.

"Foda-me, por favor."

"Não."

"Foda-me, Elex."

"Tente mais difícil."

Seu dedo perverso dançou e dançou sobre o meu clitóris.


Eu não consegui lidar com isso. Minha mente se foi. Eu o
queria lá no fundo e queria que ele viesse também.

"Elex, por favor!"

"Não."

“Foda-me, Elex! Foda-me! Enfia seu pau em mim!”


Sua resposta foi seu pau em minha boceta novamente.
Mais duro desta vez, implacável, bombeando repetidas vezes
como Elex me comandou.

Eu estava tão apertada - muito apertada! - eu tinha


certeza de que iria passar para o outro mundo antes que
pudesse vir.

Eu não precisava me preocupar com isso depois de tudo.

O dedo de Elex deixou minha boceta por um momento e


retornou com um tapa.

Isso me quebrou.

Eu gritei meu orgasmo para o salão vazio da biblioteca.


Não havia como confundir o prazer sexual enquanto ecoava
pela sala ou o tapa de suas bolas contra a minha carne
aquecida.

Seguindo o meu clímax, ele estava em cima dele, e ele


gritou para o mesmo espaço que o meu. Bombeando-se uma
vez, duas vezes, três vezes, perdi a conta, seu pênis
explodindo com seu esperma, pintando meu canal com sua
liberação.

Ele desmoronou em cima de mim, seu coração


martelando contra suas costelas. Seu peso me pressionou mais
contra a mesa, mas não me importei.
Seu corpo parecia tão bom, tão quente contra o meu.

Nós respiramos juntos, e depois de apenas alguns


segundos, ele percebeu que estava em cima de mim e
levantou-se.

Arrastando uma cadeira para perto, ele desabou e me


puxou para o seu colo. Exausta e ainda se recuperando do
meu orgasmo maciço, minhas pálpebras tremeram tentando
ficar abertas. Dedos suaves escovaram o cabelo dos meus
olhos.

"Eu estava hesitante em morar com você."

Eu consegui fazer um barulho questionador. Eu estava


curiosa sobre o que ele ia dizer.

“Sim, eu acho que preciso. Eu não posso te foder na


biblioteca assim. “

Eu sorri abertamente. "Pode tentar."

***

A mão de Elex girou pequenos círculos na pele das


minhas costas.

"Achou alguma coisa?"


Virei a página do livro que estava folheando. "Nada. Eu
continuo tentando descobrir como eu não sei disso, mas não
h{ nada.”

Deixando um beijo na minha bochecha, Elex saiu da


cama onde finalmente havíamos chegado horas antes.

Esgueirando-se pelos terrenos do templo com uma


túnica rasgada e minhas pernas ainda tremendo da porra
incrível que eu tinha acabado de ter era mais excitante do que
eu precisava.

Naturalmente, assim que entramos em meu


apartamento, Elex me empurrou contra a parede e me fez
gozar.

Então, novamente no chuveiro.

E pelo menos mais duas vezes na cama.

Eu me deliciava com a sensação dele, totalmente dentro


de mim. E, felizmente, não haveria crianças até estarmos
prontos.

Com o jeito que estávamos transando, foi uma coisa


muito boa.

O volume que estávamos lendo na cama era um dos


livros mais concisos e recentes sobre o Quebra do tempo e o
Quebrador de espinha.”
Eu ainda não me lembrava de ter lido esta história.
Sempre.

Logo, perdi o interesse pelo livro, enquanto a glória nua


de Elex se movia pela sala. Eu estava me apaixonando por ele
e sua persona animalesca, difícil.

E não havia nada de errado com a bunda fina e apertada


que ele também tinha.

"Você está lendo ainda ou você está olhando para o meu


traseiro?"

"Eu não estou lendo, mas eu estava mais interessada em


seu traseiro no momento."

Ele se inclinou para ver seu traseiro no espelho.


"Querida. Sim. Eu posso ver porque você está olhando.”

Revirando os olhos, voltei para o livro.

“Coloque algumas roupas de baixo, por favor. Eu quero


ler um pouco disso. Minha pobre garota precisa de um
descanso também.”

Rindo, ele entrou no banheiro e finalmente pude voltar


ao livro.

O Quebrador da Espinha era uma parte significativa das


lendas. Ele era mais do que apenas um poderoso portador de
magia. Ele foi feito para comandar a espinha quando esta cair
e direcionar o poder da pedra em ruínas e manter as pessoas
de S'Kir em segurança.

Eu senti como se tivesse falhado com meus alunos, não


contando a história.

Elex reapareceu e sentou-se na beira da cama, olhando


para as páginas à minha frente.

"Havia alguma coisa em sua vida que faria você esquecer


essa lenda?"

"Você me conhece há quanto tempo?"

“Desde que você estava na faculdade. Não toda a sua


vida, mas um pouco disso.

"Então você me diz se havia algo fora do comum."

Seus olhos perfuraram os meus. Não havia nada


sugestivo ou sexual sobre esse olhar. "Você não acha que
houve?"

"Não. Por que eu acharia?"

Ele se levantou e cruzou os braços. "Seus pais se foram."

"Há muitos de nós que perderam nossos pais."

A cama cedeu quando ele se sentou ao meu lado. "Nem


todo mundo perde seus pais do jeito que foi com você."
"Foi um acidente."

“Mas não é algo que todos experimentam. H{ algo que


possa ter feito você esquecer?”

Minha testa se enrugou. "Esqueça apenas um fio de


milhares da minha vida?"

“Vivemos em um mundo m{gico, Kimber. Não é


possível? “

Eu coloquei meu rosto no meu travesseiro. "Eu não posso


acreditar que eu perderia apenas essa história."

O travesseiro parcialmente absorvia minhas palavras,


mas eu sabia que Elex me ouviu quando sua mão acariciou
meu cabelo.

“Aconteceu no Great Western Bay, não foi?”

"Sim."

"Vamos."

Eu levantei minha cabeça. "O quê?"

"Vamos. Talvez estar lá vai sacudir sua memória pela


história ou qualquer outra coisa que aconteceu lá para roubar
você.”

"Levará três dias para chegar lá de cavalo e carruagem."


Rindo, ele se levantou. “Nós podemos pegar o trem. Nós
estaremos l{ em meio dia.”

"O trem? Eu nunca<"

"Somos parte do templo agora, minha doçura, e podemos


pegar o trem de manhã."

Eu rolei para o meu lado e olhei para ele. "Amanhã?"

Eu sabia muito bem que não estava usando nada naquele


momento, e o lençol estava na minha cintura.

Seus olhos foram direto para os meus seios agora nus.

"Definitivamente de manhã."

***

Eu não tinha ido ao Great Western Bay desde o dia em


que meus pais morreram. Eu não tinha nada além de boas
lembranças do lugar destruído por aquele dia terrível.

Quando a baía azul apareceu, um arrepio terrível correu


pela minha espinha. Eu não queria estar aqui.
Não, era mais do que apenas não querer estar lá. Foi
quase um empurrão contra mim. Tão forte quanto quando a
montanha puxou.

Os dedos de Elex entrelaçados com os meus.

"Respire fundo, Kimber."

"Estou tentando."

Ele balançou sua cabeça. "Se eu soubesse que você ia


reagir mal, eu poderia não ter sugerido isso."

“Eu não tinha ideia de que reagiria assim, Elex. Eu não


estive aqui desde que eles arrastaram seus corpos para fora da
{gua.”

Ele respirou fundo através dos dentes.

Minhas palavras foram duras, mas foi como eu lidei com


a raiva que restou de suas mortes.

"Você nunca voltou?"

“Que razão eu teria? Eu posso nadar no rio ou no mar do


sul.”

Eu vi a marina onde a mão do meu pai lançou o nosso


barco quando o trem passou por ele, aproximando-se da
estação.
Eu ainda tinha seu barco atracado em algum lugar
naquela marina.

Meu estômago se agitou.

“Elex, eu não vou sair desse trem. Eu não vou. Eu não


quero estar aqui.”

“Eu sinto muito, meu doce. Esta foi uma m{ ideia."

Eu balancei a cabeça. “Isso não é sua culpa. Eles eram


jovens quando morreram. Mais jovem do que somos agora. “

"Você não era uma criança."

"Não, mas não foi justo e..."

As palavras ficaram presas na minha garganta. Eu não


queria vomitar, mas estava chegando perto.

"Você se lembra do acidente?"

O trilho do trem virou e o sol brilhou nos meus olhos, me


fazendo tremer. Eu não queria lembrar daquele dia, nem hoje,
nem nunca.

“É apenas uma história estúpida. Me leve para casa. Eu


vou ler sobre isso l{.”

Claramente desapontado, Elex se jogou em seu assento.


“Como quiser, Kimber. Eu estava apenas esperando...”
“Eu estava no barco quando eles morreram, Elex.”

Ele girou em torno do assento. "O quê?"

“Eu estava no barco quando eles morreram. Eu também


estava no acidente.”

"Eu não sabia disso."

Eu balancei a cabeça lentamente. “A maioria das pessoas


pensam que eu estava sentada na praia com meu nariz em um
livro. Mas eu não estava. Eu estava no barco com eles. Eu
amava velejar.”

Eu congelo.

Eu amava velejar. Por que eu não me lembrava disso até


agora? Por que estava tão brava com o barco? O barco fez o
que era suposto.

Oh.

De Deus.

Eu agarrei o antebraço de Elex com o outro braço.

“O barco fez o que deveria, Elex. Isso me manteve acima


da água. Mas meu pai morreu certificando-se de que eu
estava no barco, certificando-me de que eu pudesse colocar
minhas mãos no topo.”

Seus olhos procuraram meu rosto. "Continue."


O oceano azul brilhou no canto da minha visão e,
novamente, era como alguém destrancando abóbadas no
fundo do meu cérebro.

“Foi um bom dia para velejar. Houve um vento


substancial, mas nada ultrajante. Nós não estávamos tão
longe, mas em torno de uma enseada. Eu estava no barco
porque saímos para o fim de semana. Mamãe insistiu e disse
que passei muito tempo em um livro.”

“Algo bateu no barco. Lembro-me do mastro principal


balançando descontroladamente e as velas perdendo a onda.
Mamãe gritou e... desapareceu do lado. Papai foi atr{s dela.”

Eu ofeguei e virei minha cabeça para a água.

“Eles eram almas gêmeas, Elex. Companheiros de alma


ligados. Ele nunca teria sido capaz de viver sem ela. É por isso
que ele foi atrás dela. Ele não se importava se ele vivesse ou
morresse, contanto que ele a seguisse. E quando as... cordas...
redes vieram e me tiraram do barco...

"Eu vi minha mãe morta no fundo."

Elex mal teve tempo de levar a bolsa para mim antes de


eu vomitar.

O cadáver de minha mãe foi preso em uma rede de


pesca, e ela flutuou na alga lá.
“Meu pai nadou até mim e usou toda a sua magia e
energia para me tirar das redes. Ele me levou de volta ao
barco e me empurrou para fora da água e para a plataforma
de mergulho na parte de tr{s do barco.”

Eu espalhei as lágrimas do meu próprio rosto.

“Ele nunca mais voltou. Por que eu não lembrava disso?


Por que tudo isso estava faltando na minha mente? Alguém
assassinou meus pais!”

Eu não conseguia respirar. Eu não pude ver pelas


lágrimas que estavam enchendo minha visão.

Alguém assassinou meus pais.

Por quê?

Eu não sabia o que aconteceu nos próximos momentos,


mas de alguma forma nós estávamos na plataforma para o
trem, e eu podia sentir o cheiro do ar fresco do oceano tingido
de sal.

“Respire, Kimber. Respire,” Elex sussurrou

"Estou tentando."

Eu estava desesperadamente.
Não foi fácil, no entanto, pensar que durante quarenta e
cinco anos meus pais morreram em um acidente de barco e
não o fizeram.

Elex tinha me enfiado em seu lado no banco e só esperei


minha histeria clarear.

Acabou, eventualmente. Levou apenas mais três


explosões histéricas.

"E você nunca foi capaz de se lembrar disso até agora?" A


voz de Elex era baixa e gentil.

"Não até que chegarmos aqui."

"Alguém suprimiu suas memórias e deixou essa área


como um gatilho se você voltasse." Ele alisou meu cabelo com
cuidado.

"Por quê? Por que eles os mataram?”

"Nós não temos que descobrir isso agora."

“Eles eram apenas vinte e cinco anos mais velhos do que


eu. Eles eram jovens. Eles tiveram muita sorte...”

"Por favor, respire, Kimber."

Achei que ele estava terrivelmente preocupado comigo, e


eu respirei fundo algumas respirações lentas para me
equilibrar.
“De volta | cidade, Elex. Me leve de volta. Eu não quero
estar aqui. Não quero estar perto deste lugar.”

Assentindo, ele me ajudou a ficar em pé, então nós


caminhamos em direção ao trem, e ele me ajudou. Nós nos
dirigimos aos assentos.

"Eu não me lembrava da morte dos meus pais."

Isso foi um pesadelo.


Dorian passou a mão pelos cabelos.

Danai me ofereceu outra xícara de chá. "Você está se


sentindo um pouco mais calma?"

"Eu estou." Eu aceitei a taça.

Elex não saiu do meu lado em quase doze horas, e ele


parecia tão exausto quanto eu me sentia.

Nós dois precisávamos dormir.

Tymon voltou para a sala segurando uma pasta com


dezenas de papéis dentro que ele folheava.

"A polícia desenterrou os relatórios para mim, o mais


rápido que puderam", disse ele, sentando-se ao meu lado.
“Eles arquivaram, então é por isso que demorou tanto.”
"Alguma coisa interessante?" Lunella perguntou.

“Curiosamente, é óbvio que nesses relatórios eles foram


assassinados. Não h{ dúvidas sobre o que aconteceu.”

Eu deixei cair meu rosto em minhas mãos. "Eles


mexeram com a minha mente."

"Temo que sim." Tymon jogou a pasta na mesa. “Então a


questão seria quem teve acesso a você imediatamente após a
morte deles?”

“E qual foi a motivação deles para manter essas


memórias oprimidas?” Danai perguntou.

Eu não sabia o que sentir ou o que pensar. Alguém


estava no meu cérebro, como uma mulher adulta, e mexia
com minhas lembranças.

"Você gostaria que um dos médicos viesse e desse uma


coisa para você se acalmar?" Lunella me considerou.

"Se eu precisar disso, tomarei uma bebida", respondi.

"Deixe-me levá-la de volta para seu apartamento." Os


olhos de Elex estavam implorando, e eu sabia que ele estava
preocupado comigo.
O dedo de Dorian acenou com um 'não' no ar entre todos
nós. "Tudo o que ele vai fazer é levá-la para casa para uma
brincadeira."

“Para sua informação, Mestre Dorian, essa pobre mulher


precisa de um longo cochilo, e eu sou o único aqui que parece
realmente se importar que esteja exausta. Ela não ficará na
vertical por muito mais tempo.”

Assentindo, eu me enrolei nele. "Sim. Ele tem razão. Eu


preciso dormir. Por favor. Isso está aberto há quarenta e cinco
anos. Pode esperar outro dia ou dois.”

Depois de uma longa pausa, Dorian acenou para os


outros.

“Sim, tudo bem. Nós vamos lidar com isso mais tarde.

"Obrigado." Elex levantou-se e ofereceu a mão para mim


para que eu pudesse ficar de pé mais facilmente.

Eu não soube o que aconteceu nos poucos segundos


entre a mão dele estendendo para mim e na próxima vez que
eu abri meus olhos para ver o céu acima de mim cheio de
poeira e o cheiro de fogo rançoso.

Tossindo e tentando sentar, descobri que não conseguia


ouvir muito mais do que tocar nos meus ouvidos.
Lentamente, com cuidado, virei a cabeça para examinar a
área.

Meu pescoço estava rígido, mas nada parecia estar


quebrado de maneira alguma.

Eu podia ver partes de edifícios ainda em pé, e outras


partes desabaram em si mesmas. Havia alguns incêndios por
aqui e ali, e os arbustos em chamas eram a fonte do fedor na
área.

Tudo veio junto no momento seguinte.

O prédio havia sido bombardeado.

Eu estava sentada nos escombros e respirando a poeira


do colapso.

" Elex!" Seu nome foi o primeiro dos meus lábios. "Elex!"

"Kimber!"

A voz, não a de Elex, vinha da minha direita e sob alguns


tijolos. Eu mexi em alguns dos escombros e comecei a jogar
tijolos nas pilhas

Apenas algumas dezenas de tijolos revelaram o rosto de


Tymon, cortado e sangrando, mas vivo e aliviado.

"Obrigado", ele engasgou.


Puxando mais tijolos para trás, libertei o braço dele e,
com isso, ele pôde me ajudar a começar a libertá-lo também.

"O que aconteceu?"

Tymon tentou encolher os ombros. “O prédio foi


bombardeado. Teremos que descobrir quem é.”

O próximo tijolo que eu tirei revelou uma mecha muito


distinta.

Eu congelo.

Tymon se levantou do túmulo de tijolos em que ele


estava e me viu em pé com o tijolo na minha mão. Ele olhou
para baixo e quase ficou de pé, me puxando para longe.

“V{ encontrar Elex. Vai."

Eu não estava prestes a desobedecer. Não quando eu


tinha quase certeza de que Danai estava ali morto abaixo dos
restos da Rotunda.

Escolhendo meu caminho com cuidado, mas


rapidamente sobre os escombros, continuei chamando por
Elex.

O medo me dominou.

Eu não queria encontrá-lo na mesma posição que acabara


de ver Danai.
Eu precisava dele na minha vida.

Eu queria ele lá.

Ele pode não ter sido minha alma gêmea, mas eu o


amava.

Eu amava o Elex.

" Elex!"

Eu vi um pequeno fogo de artifício de mágica acima de


um tijolo, e eu esfreguei meus olhos. Eu devia estar
alucinando.

Outro apareceu.

"Elex?"

Outro.

Meus pés me levaram para a fonte dos estouros mágicos.


Eu caí de joelhos no cimento áspero da área. Eu cavei,
levantando pedaços de concreto e gesso fora do caminho,
fisicamente e com a minha magia.

O rosto de Elex apareceu nos escombros.

Eu vi seu rosto claramente por apenas um segundo antes


das lágrimas entrarem.

"Não chore, linda", ele sussurrou.


“É a poeira, imbecil. Est{ nos meus olhos.”

Ele riu.

Pelo menos ainda tínhamos nosso senso de humor.

"Kimber!"

Agarrando a mão estendida de Elex, me virei para ver


Dorian praticamente voando sobre os detritos de sua antiga
casa.

Ele caiu de joelhos ao lado de Elex e eu, quase


arrancando minhas mãos dos meus braços quando ele me
puxou para longe.

“Vai. Você tem que ir. Você tem que sair daqui.”

"O quê? Não! Eu tenho que ficar!"

Ele agarrou minhas mãos nas suas, deixando seus olhos


perfurarem em mim. "Você deve ir. Isso era para matar você,
enfraquecer o templo. Vai."

"Elex..."

"Será cuidado e estará seguro aqui com a gente."

Seu aperto foi cuidadoso, mas firme, e seus olhos


mostrados com algo novo, algo...

"Vai.”
"Para onde?" A palavra arrancou da minha garganta e
alugou o ar.

“Para a caverna. Vá para a caverna. Está lá para você. É


feito para te proteger. Saia daqui!"

A vontade de me recostar e beijar Elex por segurança


quase me quebrou, mas consegui me afastar.

Depois de apenas alguns passos, meus pés encontraram


seus passos, e eu corri como o vento, esperando que eu
pudesse fazer o meu caminho para a Caverna da Quebra
antes que alguém tentasse me arrebatar.

Eles precisavam de mim a salvo tanto quanto eu preciso


deles para estarem seguros.

Eu veria Elex e Dorian novamente em breve.


Fiquei diante do Conselho novamente, apenas 24 horas
após o Desafio ter sido emitido. Eu tinha tomado banho e
dormido antes de chamá-los para a câmara.

Nial estava sentado em sua cadeira, folheando uma


revista humana inanimada mais uma vez. Ele tinha tomado
banho também, mas havia desaparecido por algumas horas.
Eu tive que esperar por ele antes que eu pudesse ligar para a
reunião.

“De volta tão cedo, Gwynnore?” O Lorde Belsazar não


demonstrou emoção.

"Eu confio que você não acabou de estripá-lo como um


peixe?" Lorde Otto definitivamente estava sorrindo.
“Não, meus senhores. Eu não os estraguei. Derrubei o
Desafio de forma retumbante, conforme Lorde Cato o havia
divulgado.”

"Mestre Niallan, o que diz o Monitor do Desafio?"

Ele virou uma página. "Ela bateu o ranho fora disso."

"Você poderia ser um pouco menos irreverente?" Lorde


Otto suspirou.

Nial apontou para o monitor da televisão e ligou. Ele


nunca deixa os senhores da guerra esquecerem seu poder
druida. Observei como as notícias atuais surgiram, e o
trabalho manual que eu havia colocado estava em exibição
completa um momento depois.

“Ginter, sua noiva e uma terceira mulher desconhecida


foram encontrados mortos em sua propriedade esta manhã.
Relatórios preliminares da polícia e do escritório do legista
estão apontando para um pacto de suicídio que os três
fizeram. Uma nota deixada para o irmão de Ginter afirmou
que eles não poderiam mais lidar com viver em um estilo de
vida poliamoroso e escondê-lo constantemente dos olhos do
público. A nota dizia para seu irmão, Paul, pegar a tocha da
justiça e concorrer à cadeira no Senado no próximo outono.
Não há provas de crime e o...

Um movimento do pulso de Nial e a tela desligou.


Ele fechou a revista e colocou-a sobre a mesa enquanto se
levantava. “O Monitor do Desafio est{ satisfeito que as
condições deste Desafio foram cumpridas acima e além da
satisfação.”

Nial pegou a revista de volta e foi embora.

Ele era tão arrogante.

"Candidata Gwynnore, ouvimos as palavras do monitor",


disse Lorde Pippin. "Seu desafio restante será enviado para
você em breve."

Eu olhei para Cato. Ele não disse nada. Ele só olhou para
mim. Eu me perguntei se ele tinha uma ideia do quanto eu
agora sabia. Eu balancei a cabeça para os machos e saí da
câmara.

Nial estava em pé do lado de fora da porta. "Você não vai


contar sobre ele?"

“Estou no meio de tentar ganhar a coroa. Quando eu for


a rainha, terei suas bolas em bronze. E eu me certificarei de
que qualquer um que pense que ele possa desafiar as Leis
Vampiras perderá a cabeça por causa disso.”

Ele assobiou. "Você é um esnobe real."

"Isso, seu bastardo idiota, é a ideia." Eu marchei para


longe dele, lançando-lhe um dos meus dedos favoritos.
Fui para a cozinha para ver se havia algo de bom em
oferta. Depois de todo o sangue que eu tomei, teria pensado
que a comida não me interessaria. Mas eu estava errada. Eu ia
precisar de um cochilo bem longo também.

Eu vaguei pelo castelo perdida em meus pensamentos.


Por mais que eu quisesse as bolas de Cato em bronze, por
muitas razões, eu estava ligada às mesmas leis. Eu estava
obrigada a defender essas mesmas leis, e como rainha, eu teria
que exemplificá-las.

Quem traia as Leis era punido com a morte. Morte


imediata. Nenhum juiz, nenhum júri. Vampiros não têm
paciência para isso. Nós poderíamos dormir por um século,
perseguir nossa presa por semanas, mas não teríamos
interesse algum em saber por que alguém infringiu a lei.

Mesmo depois de séculos, eu não tinha certeza se era


vendido nisso.

Eu era, no entanto, bem versada na lei. Como eu não


pude ser? Passei a maior parte da minha vida me certificando
de que tinha todas as vantagens do mundo em que vivia - e,
embora o físico fosse importante, o mesmo acontecia com o
acadêmico. A lei.

Esse trono seria meu. Por tantas razões diferentes.


Eu tinha alguma chance de encontrar alguém brincando
na cozinha mais cedo. Havia muitos cozinheiros gourmet na
fortaleza. Isso acontecia quando a comida era um prazer e
você tinha a eternidade para comer. Mas esses pratos eram as
famosas asas de inferno do Soberano Pippin, os poppers
jalapeno e, curiosamente, lagostins. Desde que eu nunca tinha
sido um grande fã de queimar minha boca enquanto comia,
optei por uma tigela de étouffée.

Como sempre, qualquer coisa que Lorde Pippin


cozinhasse era incrível.

Isto foi apenas derreter na sua boca, não derreter a sua


boca também.

“Ayre ouse, senhora. Acha que eu cozinhei os camarões


com um monte de delicadeza?”

Minha cabeça se levantou.

Lorde Pippin se debruçou na entrada, calças pretas,


camisa branca desabotoada, parecendo muito como se ele
estivesse para seduzir alguém.

Isso havia funcionado uma vez em mim.

Eu ri. "Meu senhor, você nunca viveu em Louisiana,


então eu acho que você perdeu a marca no sotaque."

"Que divertido você é?" Ele me enxotou.


"É excepcionalmente delicioso, e eu gostaria de poder
cozinhar assim."

“Você poderia aprender. Você tem tempo." Apoiando-se


nos cotovelos diante de mim, seus olhos brilhavam com
malícia e uma promessa sugestiva. "Eu poderia te ensinar."

Meus l{bios se contraíram. “Sem ofensa, mas na verdade


sou mais velha que você e nunca conseguiu descobrir. Minha
especialidade é macarrão cozido queimado com frango.”

Ele imitou ser baleado no coração. "Como você não sabe


cozinhar macarrão?"

“Eu não tenho afinidade com isso. Acredite, eu tentei.”

O brilho estava de volta em seus olhos. "Você gostaria de


aulas?"

"Eu acho que a rainha não terá tempo para essas coisas."

Seu olhar caiu para a mesa. “Marcielle adorava cozinhar.


Era algo que ela e eu costum{vamos fazer por diversão.” Seu
olhar subiu da mesa e fiquei surpreso ao ver um tom de
vermelho nas bordas de seus olhos. “Se você for premiada
com o anel, precisará de um hobby também. Algo para tirar
sua mente da pressão constante de governar esses seres
gananciosos, famintos e loucos por poder. Não é apenas esta
fortaleza que você governará. São todos os nossos enclaves ao
redor do mundo.”

Mastigando meu último bocado do étouffée


cuidadosamente, eu o estudei. Eu acreditava que era a
primeira vez que eu o ouvia falar o nome de sua rainha desde
a morte dela.

“Lorde Pippin, não tenho hobbies. Eu não tenho tempo


para hobbies. E você já sabe disso tudo. Não fiz nada além de
me preparar para o trono desde o dia em que fui arrastada
para viver com meu avô. Não houve nada desde então, e não
haverá nada depois.”

O vermelho desapareceu de seus olhos. "Você não sabe o


que é perder aquilo que você ama."

Eu podia sentir a raiva nas minhas próprias veias, e ele


deve ter visto isso nos meus olhos. Ele deu um passo chocado
para trás. Assistindo a sua retirada, eu rosnei: - Você fez a
escolha, Pippin. Você escolheu ser rei. Você escolheu a
Marcielle. E você-"

Engoli. Já tinha passado muito tempo e eu ainda estava


com raiva.

"Gwen, não pode ser."


Trabalhando meu queixo, consegui manter o 'puto' sob
controle. “Você decidiu que não poderia ser. E você me
deixou na cama, sozinha e nem se incomodou em me deixar
saber por que você foi embora. Eu tive que ouvir isso de
Adelie.”

Isso foi refrescante, finalmente dizer a verdade.

Minha dor. Minha raiva.

Estava tudo em meus olhos enquanto eu olhava para


baixo.

"Sinto muito. Verdadeiramente. Eu nunca quis te


machucar."

"Bem, você fez." Eu esfreguei minha testa, meus ombros


apertando em stress. "Você foi a metade do motivo que eu
escolhi para o meu descanso precoce."

"Eu fui?" Honestamente chocado, ele piscou algumas


vezes.

Minha voz mal estava acima de um sussurro cruel e


furioso. “Você me abandonou, Pippin. Depois que meu pai fez
isso, meu avô morreu e minha avó morreu de coração partido.
Eu não tinha ninguém além de você. Você me manteve em
segredo e depois saiu. Eu precisava de uma pausa. De tudo.”
“Eu disse que sentia muito. Eu não farei isso de novo.”
Sua mandíbula se contraiu e suas narinas se dilataram... sem
se arrependerem. “Foi pela coroa, Gwen. Você não é diferente
de mim. Não finja que você é.”

Eu deixei a raiva ir como sangue escorrendo pelo ralo.


Porque não, eu não era diferente dele. Exceto, talvez, eu teria
dito ao meu amante que porra tinha acontecido. Eu rosnei um
pouco sob a minha respiração e lancei lhe um último olhar.
Ele ainda era um babaca - um idiota que eu ainda me
importava.

Ser amigo era uma dor no rabo.

Ele me surpreendeu, mudando de assunto.

Sua cabeça inclinou para o lado; seus lindos olhos


consideraram minhas feições lentamente. "Você sabe, você se
parece com sua mãe."

Meus ombros endureceram e minha respiração ficou


presa no meu peito. Eu coloquei um sorriso no meu rosto,
provocando: “Como você sabe? Você nasceu cinquenta anos
depois de mim. Minha mãe morreu quando eu tinha sete
anos.

"Você nunca esteve em seu quarto?" Uma sobrancelha


subiu. "No quarto do seu pai?"
Eu limpei minha garganta e coloquei minha colher na
minha tigela. “Não desde que eu tinha sete anos. Por que eu
teria algum interesse em entrar em seu apartamento?”

“Ele tem seu retrato pendurado em sua sala de estar. Há


um único gancho de cabelo sentado na frente dele. O fecho de
cabelo simples est{ gasto e cansado.” Um profundo suspiro
contemplativo escapou dos lábios do Lorde mais velho. "Nós
vivemos muito tempo depois daqueles que nos
comprometemos a amar que são arrancados de nós."

Palavras honestas saíram da minha boca sem filtro


enquanto eu esfregava minha testa. “Eu era criança. Eu perdi
minha mãe. Eu não sabia o que estava acontecendo. Ele me
mandou embora e se tornou rei depois de seu último
suspiro.”

Seu nariz se contraiu.

Analisei meu velho amante, mas não consegui entender a


expressão que ele usava. Quando ele abaixou a cabeça para
arranhar sua cabeça distraidamente, acrescentei: “Durante
séculos, acreditei que a morte dela era minha culpa e é por
isso que fui mandada embora. É por isso que ele me rejeitou.
Meu avô ficou chocado com o que eu pensava - ninguém me
culpou pela morte de Alaine. Eu nem estava no mesmo
maldito continente.” Eu me inclinei para frente e empurrei a
tigela para ele. “Cato deixou uma criança acreditar que ela
havia matado sua mãe. Eu recebo o acasalamento. Eu recebo o
amor e perdendo parte de quem você é. Mas eu era criança. É
por isso que vou ter suas bolas bronzeadas por infringir a lei.

Lorde Pippin levantou a cabeça.

Eu mentalmente me dei um tapa.

Eu não queria compartilhar o que eu tinha sobre Cato.

Estreitando os olhos, ele não quebrou o olhar. “Não


houve lei quebrada enviando-o para o seu avô. Do que você
está falando?"

Eu me virei dele, resmungando: "Foi uma farsa."

"Com licença?"

Girando de volta, enfiei o dedo no rosto do Soberano. Eu


tinha meu próprio conjunto de bolas de latão neste momento.
“Foi tudo uma farsa. O julgamento que Cato me deu era
besteira. Era uma cortina de fumaça. Tem algo acontecendo
que ele não está nos deixando entrar. Ele me usou para cuidar
de seus negócios, negócios sujos. E ele está quebrando as
regras. Então vou ter a cabeça dele e as bolas dele.”

"Que regras?" ele questionou simplesmente.


Embora o olhar de Lorde Pippin fosse intenso, e eu
realmente não quisesse revelar o que eu tinha sobre Cato, eu
também sabia, como os senhores supremos, eles precisavam
saber sobre leis quebradas.

“Quando eu estava na casa de Ginter, o vampiro que


matamos foi recém feito. Ela cheirava fresca, limpa como se
ainda tivesse muito humano nela. E com tudo o mais que
aconteceu lá, é meu melhor palpite que ela fosse a criação de
Cato. Você não pode ir contra o Conselho, mesmo se você
estiver no Conselho!”

"Você tem provas de que ela era Cato?"

"Não."

"Claro, você não faz."

“Ela reteve suas memórias. Você sabe que apenas os


mais fortes podem fazer isso. Como ela poderia ser recém-
transformada e ser capaz de fazer isso, a menos que ela fosse
feita pelo mais velho de nós? Alguém no Conselho. Já que era
o plano desonesto de Cato, é uma boa aposta que ele a tenha
transformado.”

"Especulação."
Eu bati minha mão no balcão, quebrando-a. “Duvide de
tudo o que você quiser. Eu sei que ele está tramando algo. Ele
quer governar os humanos também, sabe? “

Lorde Pippin saiu e riu de mim. "Humanos? Quem iria


querer governar os humanos? Eles são nossa comida,
Gwynnore. Comida. Você não governa comida. Você caça,
você rebanha isto. Você não governa isso.”

Meu temperamento estava ficando muito quente -


novamente - naquele momento. Eu tive que me afastar dele
antes de fazer algo muito estúpido. Inclinando-me, deixei
meus olhos brilharem vermelhos. “Cato est{ aprontando
alguma coisa. Suas maquinações sempre foram um problema,
e você sabe disso. Você teve que lidar com ele como seu rei em
um ponto. Você e o Lorde Otto. Ele é um pau sorrateiro.
Marque minhas palavras, ele está tramando alguma coisa.

Eu me virei e atravessei os níveis da fortaleza, mas não


fui para o meu apartamento. Eu estava muito mal-humorada
para me trancar. Em vez disso, escolhi subir as escadas até o
pico da montanha. Eu empurrei a pesada porta aberta e saí.

O frio arrepiante passou por mim. Olhei para o oeste ao


sol do meio-dia, observando a água dos fiordes a quilômetros
e quilômetros de distância. Outra coisa que fez ser um
vampiro incrível: o frio não nos prejudica. Minha pele nem se
franziu, mas eu ainda não gostei. O calor também não nos
toca. Meus olhos se ajustaram firmemente ao sol brilhante e
quente.

Eu estava quase no meu último julgamento agora, e não


tinha ideia de qual desses senhores poderia ser um aliado. Eu
pensei no Lorde Belshazzar no começo, mas ele teve que se
abster de quase tudo. Cato foi um não. Cato sempre foi um
não. Lorde Otto parecia ser tão neutro que ele parecia bege
como se fosse uma facção radical. Lorde Xenon era... bem,
Lorde Xenon. Minha esperança estava em Lorde Pippin, que
sugou por si mesmo. O mais jovem e menos influente dos
cinco, ele ainda estava encontrando seu lugar entre os
senhores supremos.

Eu tinha grandes esperanças para ele como um aliado.

E agora eu não fazia ideia.

Eu ainda precisaria de um aliado no Conselho - isso não


mudou. Com a força do poder faminto lá - físico, mental,
financeiro e emocional - como rainha, eu precisaria de alguém
do meu lado. Eu precisava deles antes mesmo de chegar ao
trono, e ninguém estava se adiantando. Até mesmo Nial
estava sendo um idiota perfeito sobre tudo isso.

Meu temperamento começou a esfriar a gerenciável, foi o


"agarrar ele e drenar ele" sentindo que eu tinha antes. Eu
realmente queria cultivar a aliança com Lorde Pippin.
Apoiando-me contra a rocha, cruzei os braços e olhei
para o cintilante Pacífico. Ser tão alto tinha suas vantagens... a
partir de dezoito mil pés, você podia ver muito, muito longe,
mesmo sem a vantagem da visão aprimorada por vampiros.
Eu precisava desse ar fresco, dessa visão, desta vez para mim
mesmo. Eu precisava encontrar meu centro. Eu tinha sido
usada. Eu fui descartada no nascimento e usada.

E eu não menti para Lorde Pippin. Desde que eu era uma


garotinha, desde que meu avô começou a me ensinar as leis e
os modos dos vampiros, eu não queria nada mais, nada mais,
do que sentar no trono e usar o anel da rainha, a Estrela
Negra, uma estrela de safira de um azul como o escuro da
noite. Eu sonhei com aquele preto-azul escuro. Eu sonhei com
essa coroa. Dos tronos. De pessoas me respeitando,
finalmente.

“Eu queria que você estivesse aqui, avô. Não apenas as


suas memórias. Mas você."

O vento uivou, mas não houve resposta.


Niallan sorriu quando se sentou à mesa na manhã
seguinte.

Eu gemi e descaradamente me afastei dele.

Eu consegui quase doze horas de sono, e me senti muito


bem. Eu precisava disso depois de todo o tempo que passei
correndo e tentando completar os testes, fazendo novos
'amigos'. O jeito embriagado de sangue que eu comecei a
sentir no final do dia não era o que eu queria lidar, e dormir
era a cura perfeita para tudo isso.

Mas ver o rosto de Nial brilhante e de manhã cedo não


fez nada por mim. O filho da puta presunçoso. Fui me sentar
com Adelie na outra mesa da sala de jantar.

"Bom Dia." Ela sorriu.


Sempre um aliado dessa mulher. “Bom dia, Adelie. Você
est{ excepcionalmente saud{vel.”

"Oh, uma boa bebida e foda vai faz isso."

Travando o meu olhar para ela, esperei. Ela não era


muito boa em guardar segredos de mim. Ela poderia manter
mil outros segredos de milhares de outras pessoas, mas nunca
de mim.

Suspirando e caindo na cadeira, ela revirou os olhos.


"Bem. Seu nome é Rodolphe.”

"Isto é sério?"

“Sério bom, sim. É mutuamente agrad{vel. Eu não tenho


certeza se é uma coisa de companheiro - definitivamente não é
uma alma gêmea - mas cara, eu não sabia que gritar
'Rodolphe' a plenos pulmões poderia ser muito divertido.”
Ela se inclinou. “E ele sabe bem. Gosta de champanhe caro. E
abacaxi.”

Jogando minha cabeça para trás, soltei uma gargalhada


rouca. "Porque, claro, você fez!"

Ela riu, sussurrando: "Os franceses dizem que a felação é


muito mais íntima do que apenas esmagar os genitais".

No canto da minha visão, pude ver Nial torcer os lábios e


sacudir a cabeça. Ele se levantou e saiu da sala com muita
arrogância. Mas ele tinha saído, então eu aproveitei essa
pequena vitória.

Puxando o suco de laranja, dei-lhe um olhar sério. "O


francês?"

“Bem, tudo bem. Rodolphe diz que é. E lanches


sagrados, Gwen, esse homem tem uma língua.”

Agitando minhas mãos, balancei a cabeça


negativamente. "Não. Pare aí mesmo. Eu não preciso ouvir
isso de você. Tudo o que eu vou conseguir é inveja. “

"Ele está mais do que disposto a entreter outra senhora..."

Eu ri. "Ao mesmo tempo?"

Adelie deu de ombros. “Mesma hora, hor{rio diferente,


em uma cama, em um armário. Rodolphe é muito liberal em
seu amor.”

"Prostituto?"

"Sim."

Nós caímos na gargalhada e nos acomodamos no café da


manhã, sua boca indo a cento e trinta quilômetros por hora
enquanto eu desfrutava calmamente dos meus ovos e bacon.
Bacon tinha que ser uma das coisas no mundo humano que se
aproximava do sabor requintado do sangue em uma língua
sedenta. Eu poderia comer aquela maldita carne de porco o
dia todo.

Enquanto eu estava apreciando o bacon em sua forma


natural e nativa, apenas uma fatia de bacon em minha boca,
Nial estava de repente de volta ao quarto e ao lado da mesa.
Ele estava no modo Monitor do modo Desafio, e ele estava
irritado também. “Você é solicitada na c}mara.
Imediatamente."

“Tempo suficiente só para dormir e comer? Eu não tenho


um tempo?”

Ele ajustou seu olhar para um de raiva. "As rainhas não


têm folga."

Eu rosnei, mas deixei o resto do meu bacon e me


levantei. "Você já terminou o café da manhã, Mestre Nial,
então talvez você tenha percebido que alguém havia mijado
em suas Cheerios?"

Adelie deu uma risadinha, mas o olhar que Nial lançou a


interrompeu. Quando ele olhou para mim, vi Adelie lhe dar o
dedo do meio. Levantando-se, Adelie tinha toda a intenção de
me seguir. Nial estendeu a mão para detê-la. “O último
desafio não é dado publicamente. Este é atrás de portas
fechadas. Apenas o Noviciado da Rainha e os senhores
supremos são permitidos.”
Um mal-estar aumentou no meu estômago. Eu não gostei
disso. Eu não gostei de esconder o que o pedido era do
público em geral. Ainda assim, toda essa coisa de julgamento
e cerimônia era mais antiga que meu próprio avô. Eu tive que
jogar junto com as regras. Em vez de lutar com o druida,
coloquei a mão no ombro de Adelie. "Me deixe ir. Vai ficar
tudo bem. Não posso esperar que eles esperem mais de um
dia para eu me recuperar.”

Ela endireitou as costas, assentiu e deu a Nial o olhar


mais desagradável. Eu queria falar com ela, mas o Mister
Monitor estava na metade do quarto naquele ponto, e eu tive
que segui-lo. Recusei-me a correr, mas usei o poder de andar
para acabar logo atrás dele. Nós andamos a passos largos
pelos corredores até a pequena câmara onde os senhores
supremos poderiam ter audiências privadas se eles
precisassem.

Ele abriu a porta, e não havia dúvidas sobre a raiva que


ele estava irradiando. "Eles estão esperando por você."

"Você não vem?"

“Sou Monitor de Desafio e um possível candidato a rei.


Eu não posso estar presente para esta emissão. Minha única
instrução a partir de agora é que eu saberei quando você a
completar.”
Bem. Isso foi uma reviravolta. Eu sabia que era dado em
confiança, mas eu não sabia que nem o monitor sabia o que eu
tinha que fazer. Interessante.

Eu entrei na câmara e o Sr. Esmagado Ego bateu a porta.

Os cinco soberanos sentaram-se em suas roupas casuais,


que estavam fora do lugar. Eles geralmente estavam todos
vestidos para a pompa e cerimônia. Eles adoravam lembrar a
todos como eles eram poderosos, acenando com seus paus em
nossos rostos. Mas não havia uma sugestão da arrogância que
eu estava acostumada com eles. Eles estavam reunidos em
volta de uma pequena e velha mesa de madeira.

Estresse. Aflição. Excitação.

Tudo irradiava deles em ondas.

Meu estômago parou de tremular e começou a bater


forte. Eles me deixaram em pé esperando por um momento
muito longo.

“Gwynnore, filha de Alaine”, começou o Lorde Belsazar.


“Você satisfez todas as nossas provações com conveniência e
entusiasmo. O último julgamento mal, quando você
finalmente revelou a Lorde Pippin que acreditava que Lorde
Cato estava infringindo a lei. A verdade. Esse foi o verdadeiro
teste, se você nos contaria da possível duplicidade de seu pai -
mesmo que o Conselho quisesse Ginter morto por nossas
próprias razões.

Eu pisquei. Olhou fixamente. "Espere... Você sabia que


ele tinha criado um vampiro?"

Lorde Belsazar concordou com facilidade. "Sim.


Qualquer vampiro que ele criasse seria aprovado.”

Minha boca balançou sem eleg}ncia. “Você estava me


testando. Sobre minha moral e onde eu deixaria a lei se
aplicar.”

Eles não sabiam que eu desprezava meu pai?

Eu não teria salvado sua bunda da morte. Finalmente<

Não, eu não teria. Eu fiz um pequeno tremor mental. Eu


definitivamente não salvaria o bastardo que me abandonou.
Eu havia contado a Lorde Pippin sobre isso - mesmo que fosse
por raiva não filtrada.

"Sim. E o Conselho está satisfeito com o resultado.


Chegamos ao último julgamento.

O Lorde Xenon ficou de pé. “Este julgamento é lei. Seu


último desafio está na lei. Nós não podemos mudar isso. Não
nos atrevemos a mudá-lo. Isso nos serviu bem por tanto
tempo. Mas tenha sempre em mente que esta é a lei e
devemos obedecê-la.”
Lorde Otto levantou-se da cadeira. “Nossas condições
são isso. Você deve concluir essa tarefa em menos de quarenta
e oito horas. Isso deve ser feito aos olhos do público. E você
nunca deve contar a ninguém a verdadeira razão para isso.”

Cato ficou de pé. “Tradição é tradição. Lei é lei. Se você


quer a coroa, você deve seguir isto ao pé da letra”. Sua
fachada fria vacilou por um momento e voltou ao lugar.

Lentamente, Lorde Pippin ficou de pé. "Você está pronta


para ouvir o seu desafio final?"

Eu balancei a cabeça, engolindo de volta a bílis que


queria sair.

Ele continuou: “A lei declara que ela, que seria a rainha,


deve provar sua dedicação à lei, matar o indivíduo que é seu
mais querido, sejam eles familiares, amigos ou acasalados -
incluindo almas gêmeas. Ninguém pode ser informado deste
desafio. O sangue deve ser deixado para as idades.”

Não havia como eu ter ouvido direito. "Você poderia


repetir isso?"

"Você deve matar o indivíduo que é o seu mais amado",


Lorde Pippin repetiu as palavras.
Você quer que eu mate minha amiga?" Minha voz subiu
histericamente, seu significado batendo como uma marreta no
meu crânio. "Você quer que eu mate Adelie?"

"Nós não." Lorde Belsazar manteve o tom calmo e quieto.


“É a lei. Este julgamento é para provar sua lealdade aos
vampiros. Este desafio é para provar que você é fiel à lei. É a
lei que emite este desafio.”

"Encontramos algo. Algo mais. Quer que eu acabe com


uma aldeia? Uma ilha? Um enclave de vampiros? Eu sou tudo
por isso.”

Lorde Otto sentou-se. "É lei."

“Encontre outra coisa! Adelie é minha amiga mais


verdadeira. Ela é minha confidente e eu preciso da ajuda dela
como rainha. E você quer que eu a mate?”

Lorde Xenon também encontrou sua cadeira. "É lei."

“Foda-se sua lei. Foda-se. Encontre-me outro desafio.

"Você tem quarenta e oito horas para completar isso",


explicou Lorde Belsazar pacientemente e depois sentou-se
também. Eles estavam todos sentados olhando para mim -
exceto Cato. Ele permaneceu em pé, sua expressão totalmente
vazia enquanto ele me observava. Eu dei a eles o dedo do
meio e me virei para sair, esperando que eles me chamassem
de volta e me contassem o verdadeiro Desafio. Ou me matasse
ao sair.

Lorde Belsazar moveu-se e bloqueou meu caminho. “Isso


não é mentira, Gwen. Você é obrigado a matar o que você
mais ama. Se você quer ser rainha, você deve. Nós queremos
que você seja a rainha. Você é a melhor, a mais adequada para
isso.”

Seus olhos eram suaves, mas imóveis.

“Você não est{ brincando. Eu realmente tenho que mat{-


la.”

“Faça isso r{pido, Gwen. Não arraste isso para nenhum


de vocês. Isso só piora. Eu posso te dizer, quanto mais você
deixar isso acontecer, mais horrível vai ser.”

Eu balancei a cabeça com força. "Eu tive o maldito café


da manhã com ela vinte minutos atrás."

"A lei deve ser mantida."

Meu piscar de olhos foi tão lento e meu sangue gelou.


“< O candidato do sexo masculino tem que executar este
desafio?”

Seus olhos azuis gelados se estreitaram. “Eu não tenho


permissão para responder isso. Como você sabe." Ele
balançou a cabeça bruscamente, entrando no meu espaço
pessoal com um passo à frente, quando abri a boca para
discutir. "Cuidado. Você está entrando no território da morte
se me perguntar novamente. A única razão pela qual você
escapou dessa pergunta pela primeira vez é porque foi para
os candidatos do sexo masculino. Um aviso pode ser dado. É
isso aí."

Eu o empurrei para fora do meu caminho. Para o inferno


com eles!

Meus punhos tremiam, apertando de tanto apertar.

Meu olhar pousou em Cato.

Meu pai não piscou. Ele segurou meu respeito.

Minha mãe... Sua esposa... Seu amor...

A necessidade de fugir era esmagadora.

Eu chutei a porta aberta.

E então encontrei Nial parado ali.

"Qual é o julgamento?" Ele andou atrás de mim com suas


longas pernas, mantendo-se facilmente com o meu talo
apressado. "Gwen, o que é..."

Usando minha velocidade, corri não apenas pela


fortaleza, mas descendo a montanha e saindo para o ar frio do
inverno chileno. Corri muito e corri rápido. Eu apenas
continuei correndo até que finalmente me exauri, quase uma
hora depois. Havia um pequeno bosque de arbustos sempre
verdes, e eu caí debaixo deles, envolvendo meus braços em
volta dos meus joelhos e balançando loucamente. Tudo,
menos o desafio que eu deixei de lado para uma revisão
posterior - minhas emoções não aguentavam mais.

Eu tinha que matar minha amiga.

Essa foi a lei?

Quem faz leis sobre matar seu melhor amigo?

Eles não entenderam que eu precisava da ajuda dela?

Doce e carinhosa Adelie era minha mão direita e eu


precisava disso. Alguém que se lembraria de coisas para mim.
Algo que identificaria comidas sofisticadas e colocações de
lugar quando eu nem sequer me importava remotamente.
Alguém que... se importava... comigo. E eu ela.

Eu tinha que matar minha amiga?

Como isso poderia ser uma lei? Tire uma das forças da
rainha antes que ela chegue ao trono. Toda a lei dos vampiros
era rígida para os machos, sempre foi, mas era o último tapa
na cara das fêmeas. Afiando a rainha deles.

Como eu poderia matar minha amiga?


Ela tinha sido instrumental em me moldar como um
noviciado da rainha. Livros, treinamento, conversa, advogado
do diabo. Adelie tinha estado lá com tudo isso e até mesmo
superou seu hábito de manter humanos de estimação para me
trazer sangue e memórias quando eu acordei. Eu sabia que
tinha sido difícil para ela. Mas ela fez isso. Porque ela era
minha amiga. Ela era minha irmã de coração. Ela era Adelie. E
ela queria que eu subisse ao trono tanto quanto qualquer um
poderia querer.

Ela queria que eu ganhasse a coroa.

Adelie teria dado qualquer coisa para me ajudar a


conseguir a coroa.

Sua vida, no entanto? A vida dela? Foi um passo longe


demais.

Não foi?

Eu não conseguia imaginar a vida sem ela. Ela sempre


esteve lá, sempre minha amiga. Desde o dia em que cheguei à
cidadela do meu avô, fora de Luxor, ela fez amizade comigo, a
filha do sangue faraônico e um vampiro, sua crueldade,
mesmo com a nossa idade, então me impressionou. E ainda
assim ela mantinha animais de estimação humanos e tinha um
lado suave para eles. Quando ela descobriu que eu era uma
princesa da coroa, ela insistiu que eu precisava aceitar o
emprego de rainha um dia - quando eu tivesse idade
suficiente para ser chamada. Tornou-se nossa obsessão. Dela
tanto quanto a minha.

E agora, aqui estávamos nós. À beira da vitória.

A coroa pairou acima da minha cabeça...

Tudo o que eu tinha que fazer era matá-la e era minha.

Foi lei.

Se não a matei, não cumpri a lei.

E eu não consegui o trono.

Este foi o touro que manteve os machos no poder. Eles


cortaram suas fêmeas nos joelhos antes de se casarem e criá-
los, então eles nunca tiveram a chance de chorar
verdadeiramente.

Adelie hesitaria em me matar se estivéssemos no lugar


uma da outra?

Sim. Claro.

Qualquer mulher hesitaria em cortar a mão direita.

O que eu diria a ela se soubesse que esse foi seu último


teste antes da linha de chegada?

Me mata.
Claro. Mate-me em um piscar de olhos e pegue a coroa.

Comecei a recuperar o senso de equilíbrio, acalmei as


pontas dos meus sentidos.

Eu centrei minha respiração e me testei mais uma vez.

O que eu diria?

Me mata. Pegue a coroa.

Faça os machos perceberem o que estão fazendo. Encontre uma


maneira de mudar a lei para que ninguém tenha que morrer pelo
Coração Negro. Seja uma rainha incrível. E chute Nial nas bolas
para mim.

Bem, talvez eu retenha a última parte.

Eu soltei uma risada na floresta vazia e limpei meu nariz


do ranho.

Bem. Eles queriam que eu a matasse. A lei dizia que eu


precisava.

Então eu iria.

Nós duas trabalhámos para que eu tomasse essa coroa.

E nós duas faríamos qualquer coisa para colocá-lo em


seu lugar - na minha testa.
***

Eu encontrei Lorde Otto e Lorde Xenon na sala de jantar


formal. Eu fiquei em pé ao lado deles, os punhos cerrados ao
meu lado.

As outras duas pessoas na área olharam meu cabelo


selvagem e os olhos avermelhados o suficiente para que eles
patinassem.

Eu disse baixinho: "Eu tenho três condições".

Lorde Xenon balançou a cabeça ligeiramente e suspirou.


"Não há condições."

“Eu tenho condições. Você vai me ouvir?

Lorde Otto encolheu os ombros. "Bem. Conte-nos suas


condições.

Olhando entre eles, não vacilei. “Eu não vou fazer isso
em público. Eu peço uma pequena festa de testemunhas. Os
senhores supremos, o monitor e duas outras pessoas da
escolha do Conselho para que não haja preconceito.”

"Não é assim que isso é feito", resmungou o Lorde


Xenon.
Eu me inclinei para perto dos dois. "A lei me diz como eu
devo cometer assassinato?"

Ambos balançaram a cabeça, as sobrancelhas franzidas


em pensamento.

"Então eu vou escolher como vou cometer assassinato


contra alguém que é uma irmã para mim." Eu me endireitei,
empurrando meus ombros para trás. Eu olhei pelo meu nariz
em seus olhos. “Minha primeira condição é que você me dê o
espaço e monte exatamente como eu disse - testemunhas e a
vítima. Isso é tudo."

Com um simples olhar, eles falaram um com o outro.

"Uma pequena reunião é concedida." As palavras do


Lorde Otto eram suaves e frias. "Qual é a sua segunda
condição?"

“Me deixe sozinha por uma semana para chorar. Não


haverá contato dos Conselheiros ou de seus agentes.” Eu
cruzei meus braços sobre o peito. “Nada de ninguém. Sozinha
para lamentar."

Rapidamente balançando a cabeça negativamente, Lorde


Otto parecia pronto para explodir. "A cerimônia..."

Eu o interrompi rapidamente, "a menos que seja na lei -


essa é a minha demanda".
Lorde Xenon pôs a mão no Lorde Otto para segurá-lo na
cadeira. “Não é na tradição. A cerimônia é geralmente no dia
seguinte. Só podemos acomodar uma rainha sem coroa por
quatro dias. No máximo. Esse é o nosso compromisso.”

Não importaria quantos dias eles pudessem administrar.


Isso nunca seria o suficiente.

Minha cabeça assentiu em um puxão duro. "Bem.


Quatro. Ininterrupto por qualquer pessoa.”

"E sua última condição?" Lorde Xenon me levou a


terminar.

“Eu me coroo. Ninguém coloca essa coroa na minha


cabeça além de mim.”

Lorde Otto quase pulou da cadeira. "Desconhecido de!"

O inabalável e ilegível Lorde Xenon rachou. "Isso não


está certo. Não foi assim que foi feito no passado. A rainha
deveria ser coroada pelo Lorde mais velho. Lorde Otto está
correto - isso é inédito.”

"Bem, ouvi falar disso, ou você perde este Noviciado da


Rainha." Eu não estava me mexendo.

Um olhou para o outro, e eles assentiram ao mesmo


tempo aceitando os termos.
"Prepare um jantar", eu disse.

"Este-"

Eu bati minha mão na mesa. “Estou fazendo o que a lei


pede. Eu desprezo, e se eu pudesse encontrar uma maneira de
contornar isso, eu faria. Num piscar de olhos. Então você vai
trabalhar comigo, ou você pode encontrar um novo Noviciado
da Rainha e esperar que eles passem seus testes estúpidos.”

Mais uma vez, o aceno sincronizado.

"Um jantar. Amanhã à noite, com as testemunhas lá.


Ninguém mais. Coloque a mesa, mas não espere comer. Eu
não vou dar a ela uma última refeição como um porco para o
abate”. Girando no meu calcanhar, me dirigi para a saída, mas
parei. Joguei minhas últimas palavras sobre o ombro para
eles. "Diga ao Lorde Belsazar que será rápido."

Um arrepio subiu pela minha espinha endurecida,


notando os pequenos sorrisos que eles usavam agora.

Talvez eu devesse ter exigido mais.

Foda-se astuto.
Esta vampira estava vendo muito do deus da porcelana.
Muito tempo abraçando o banheiro.

Eu me escondi e chorei e me escondi um pouco mais.


Evitei todo contato com todos. Nial tentou me caçar várias
vezes nas próximas horas, mas não havia como me encontrar.
Principalmente porque eu me escondi do lado de fora da
fortaleza depois de vomitar por trinta minutos, escorregando
pelo lado da montanha enquanto o dia passava. Eu queria que
o frio me tirasse todos os sentimentos, tirasse a carne dos
meus ossos.

Qualquer coisa para não sentir.

Eu entrei algumas vezes para ver se conseguia encontrar


uma garrafa de licor forte o suficiente para fazer qualquer
coisa para mim - mas fiquei de mãos vazias, em vez disso. Eu
poderia ter ficado bêbada, mas isso só diminuiria o ato que eu
tinha que cometer. Eu tinha que honrar Adelie de alguma
forma.

Finalmente permiti que por um segundo Lorde Otto me


encontrasse no começo da tarde seguinte. Eu estava sentada
do lado de fora da porta de pedra no topo da montanha,
mantendo minha mente em silêncio. Até a caça não me
ajudou. Eu finalmente apenas tentei desligar minha mente.

Um guarda se aproximou de mim. “Candidata, todo


mundo está procurando por você. Lorde Otto me disse para
não voltar até que eu te encontrasse. Ele me instruiu a lhe
dizer que o jantar está pronto e, uma vez que a encontrei,
buscar o seu...”

"Pare. Busque quem você tem que fazer. Eu estarei na


mesa em vinte minutos.”

Ele se curvou e desapareceu pela porta.

Parando apenas o tempo suficiente para ter certeza de


que minhas pernas realmente me carregariam, eu desci para a
fortaleza. Eu ergui a espada que mantive no meu colo,
eventualmente deixando-a cair para o lado, segurando
levemente na minha mão.
Eu levei exatamente vinte minutos para chegar à porta
onde eu sabia que os soberanos faziam suas refeições e
tentavam novamente desligar meu cérebro. Foi um gesto fútil.

Eu não conseguia abrir a porta, minha mão pairando


sobre a maçaneta.

Eu podia sentir o cheiro da refeição que eles tinham


colocado lá dentro. Era suculento, e eu tinha certeza de que
Lorde Pippin se esforçara para criar algo completamente e
incrivelmente delicioso. Eu não queria saber o que estava
naquela mesa, mas era fácil dizer que ele havia preparado
faisão e arroz selvagem. Nenhum dos quais eu jamais teria
novamente, neste momento marcado em meu cérebro.

A porta ainda não se abriu pela minha mão.

Vozes flutuavam, zumbindo dentro e fora.

Eu podia ouvir a conversa fácil entre Nial e...

Eu parei, meus dedos agora cavando na maçaneta. Ele


estava falando com ela.

Eu odiava Nial ainda mais naquele momento. Eu não


achava que isso fosse possível, mas eu fiz. Eu comecei a odiar
e fiz uma nota para extrair a minha raiva de sua pele em
algum momento no futuro próximo. Mesmo que isso não
fosse culpa dele, eu descartaria isso.
Fechei meus olhos, respirando fundo.

Rápido. Eu prometi ao Lorde Belsazar rápido.

Eu devia isso a todos os três.

Eu empurrei a porta e entrei no quarto. Os sons e cheiros


me dominaram por um momento. Apenas por uma batida do
coração, eu quase me virei e corri e me tornei desonesta.
Apenas um batimento cardíaco.

"Que bom que você finalmente apareceu", disse Nial.

"Eu disse a você que o homem de Lorde Otto iria


encontrá-la", disse ela com um sorriso. “Vamos, Gwen. A
comida vai esfriar.”

Tudo parecia como se eu estivesse debaixo d'água.


Dúvida e confusão giravam em torno de mim, me tropeçando.
Eu me peguei, batendo a porta e circulando a mesa como se
fosse sentar ao lado dela.

Os suseranos me observaram atentamente, e suas duas


testemunhas, Felícia, general das forças guerreiras, e
Melchior, o estrategista-chefe - ambos claramente confusos
sobre o motivo de estarem ali.

Nial olhou para mim e foi quase como se ele pudesse ver
o que estava em meu coração e mente.
Seus olhos racharam amarelos por apenas um momento.

Fale o nome dela. Uma última vez.

Eu abri minha boca e engasguei: “Adelie, é isso que


queríamos. Eu te amo sempre. Por favor me perdoe."

Eu não hesitei. A hora era agora.

Meu golpe... foi rápido e seguro.

Adelie nem sequer teve a chance de se virar e olhar para


mim antes de minha espada tirar a cabeça de seus ombros. Foi
um golpe que aprendi anos atrás, para garantir que a morte
fosse instantânea, nada daquelas besteiras persistentes. A
cabeça do cabelo ruivo, bonito e cheio, encaracolado e estiloso,
caiu para a frente e pousou em seu próprio colo. O sangue
corria de seu pescoço, cobrindo sua camisa favorita com
carmesim horrível. Eu não podia ver seu rosto quando a vida
fluiu para fora dela, encharcando o cabelo.

Eu mantive minha postura por muito tempo, observando


o último amigo cair no chão.

Sangue é vida.

Sangue também foi a morte.


Enfiei a espada na mesa e, finalmente, quebrei meu olhar
entorpecido, prendendo cada suserano com um clarão
vermelho que eu desejava poder perfurar sua carne.

Eu assobiei: "Está feito."

Eu marchei para fora. Eu bati a porta.

Ira.
"Gwynnore", declarou Nial, frio e sereno.

Eu não estava respondendo. Não foi tempo suficiente.

Nunca seria tempo suficiente.

"Gwynnore."

Eu precisava de tempo. Muito mais tempo para lidar


com o que eu fiz por causa da lei. Eu sabia que Adelie teria
aprovado, mas eu nunca saberia com certeza porque eu não
estava autorizada a tirar o sangue dela. Todas as suas
memórias, todo o seu conhecimento, fluíram para fora dela,
para suas roupas e pingavam em poças no chão.

Eu esperava que cada um daqueles idiotas sentasse ali e


olhasse para seu corpo morto e sem cabeça.
Escondendo-me nos meus aposentos, furtando pelos
corredores, correndo pelas montanhas, caçando na floresta,
nada disso sufocou a culpa que eu tinha. Adelie tinha sido
minha melhor amiga e, às vezes, minha vida toda.

E eu tinha cortado a cabeça dela.

Talvez na vida após a morte, ela entendeu o que eu tinha


feito, porque eu tinha feito isso.

A coroa era meu tudo.

Teria valido a vida dela?

Eu tinha passado a porra das suas provações?

"Gwynnore."

Virei a cabeça e encontrei Nial de pé com Cato e Lorde


Belsazar atrás dele.

"Vá embora", eu rosnei.

Lorde Belsazar explicou com calma: "O Monitor do


Desafio está satisfeito que as condições foram cumpridas
acima e além da satisfação."

"Oh, foda-se você!" O grito ecoou pelos quartos. "Dane-


se. Para merda com seus desafios. Eu provei o que vou fazer.
Não venha para mim com sua merda de Monitor de Desafio.”

Ele não poderia ser um pouco carinhoso?


Eu não entendi o antigo Lorde em tudo.

"Você passou, Gwynnore", disse Cato. "Você ganhou a


coroa."

Eu engoli todas as palavras que eu queria atirar nele.

Isso era o que eu queria.

Isso foi o que eu tinha lutado por toda a minha vida,


treinado para, sacrificado tudo por.

Eu venci.

Eu era a rainha.

Eu quase podia ouvir a voz da minha amiga através do


silêncio mortal da rocha. Nós fizemos isso, Gwen. Nós fizemos
isso. Todo esse trabalho e finalmente é seu.

O pensamento do orgulho de Adelie foi o que finalmente


me obrigou a manchar as lágrimas do meu rosto. Eu tive
meus quatro dias de luto, e parte de mim sempre lembrava o
que era preciso para colocar o Coração Negro na minha mão.
Um nome quase irônico que eu acreditava plenamente que
todos nesta sala realmente entendiam. Amassando-me,
empurrei a cadeira em que estava enrolada, chorando e
gritando pelas últimas vinte e quatro horas.

Eu era a rainha.
Endireitei minha coluna e virei para a porta onde os três
estavam. E no segundo seguinte, eles se ajoelharam, fazendo
genuflexões para mim.

Para mim.

Eu ganhei.
As equipes de emergência estavam correndo em direção
ao campus do templo enquanto eu fugia dele.

Percebi que estava usando roupas comuns no templo e


isso era ruim. Eu poderia ser facilmente identificado por
quem quer que tenha explodido o prédio.

Uma vez que eu estava longe do parque que ficava ao


redor do campus do templo, eu me abaixei em um pequeno
beco e parei para me recompor.

O prédio havia descido ao nosso redor.

Eu encontrei Tymon e Dorian.

Elex ia ficar bem.


Eu tive que voltar para a caverna. Embora eu ainda não
gostasse de Dorian, confiava nele. E eu tive que confiar que ele
sabia do que estava falando para minha segurança.

Esta foi a segunda vez que ele colocou minha vida acima
da dele.

Sobre o que era tudo isso?

Balançando a cabeça, limpei esse pensamento. Eu me


preocuparia mais tarde. Neste momento, eu tive que perder as
roupas familiares do templo.

Tomando uma avaliação real de onde eu estava,


imediatamente tive uma ideia. Eu estava a menos de um
quilômetro da casa da irmã de Jallina. Ela sempre foi uma
rocha firme para Jalli e sempre gostou de mim.

Eu tinha uma chance.

Olhei para baixo e minha roupa gritava 'acólito', e tive


que consertar isso até para essa curta caminhada.

Eu terminei de arrancar as mangas. O prédio tinha


começado isso para mim. Eu cavei minha mão em um dos
buracos da saia e puxei para baixo. Ele rasgou, tomando a
metade inferior da saia, deixando-me com a parte de baixo
mostrando.

Isso serviria.
Eu andei pelo comprimento do beco pequeno e para fora
do extremo oposto onde eu tinha entrado.

Eu peguei um reflexo de mim mesmo.

Eu teria sorte de chegar a milha sem um oficial da paz


me parando para questionar com a quantidade de poeira e
desastre em mim.

Fiquei nas sombras do sol da tarde e, usando um toque


de magia, limpei a maior parte do pó.

Eu precisava de um pente. Eu parecia medonho.

A casa de Jennila apareceu, e pude vê-la no gramado


com seus dois pequeninos. Ela me sentiu chegando e
procurou na área para me encontrar.

Ela esperou no portão por mim e abriu.

“Kimber. Deuses e estrelas, o que aconteceu com você?


Você vem do templo?”

O simples sinal de que ela abrisse os braços para me


receber, destruiu o controle que eu havia conseguido.
Afundei-me em seu acolhimento, soluçando.

"O que está errado?" Ela me segurou firme.

“As residências do templo foram atacadas. Mestre


Dorian me mandou embora para minha própria segurança.”
Com um suspiro, ela chamou os pequenos para ela e nos
levou para dentro da casa. As crianças não sabiam de nada
ruim que acontecia e era melhor assim. Eles correram para
dentro da casa.

Jennila entrou em ação assim que eles se afastaram de


nós.

“Você precisa de roupas e precisa lavar o cabelo.”


Estudando-me, ela balançou a cabeça. “Não, devemos cortar
seu cabelo. Você tem bloqueios distintos e, se estiver tentando
chegar à segurança que não está por perto, precisará ser
menos reconhecível.”

Eu não queria perder meu cabelo comprido, mas ela


estava certa. Ficaria diferente. As pessoas sabiam como eu era.

"Eu vou lavá-lo e você pode cortá-lo."

"Boa. Vou pegar algumas das roupas de Jallina do


armário dela aqui, e você escolhe a que é mais diferente de
você. Eu vou arrumar alguma coisa para você comer, então
você não ficará com muita fome.”

Agarrando meu braço, ela me puxou mais para dentro


da casa e me levou para o maravilhoso banheiro que eles
tinham.
"Rapidamente. Há um manto na porta quando você
terminar, e eu vou ter roupas para você no quarto de
hóspedes.”

Eu queria aproveitar o chuveiro, mas não havia tempo.

Eu estava apenas grata pelo calor e pelo sabão.

Jennila estava esperando no quarto de hóspedes com três


roupas e um par de tiras.

Peguei a cadeira na frente dela e, sem alarde, ela cortou


quase 30 centímetros do meu cabelo grosso e arenoso. Foi um
corte utilitarista por necessidade, e eu tinha certeza de que
Elex sentiria falta das cócegas do meu cabelo enquanto eu o
montava na cama.

Que momento terrível para pensar em sexo.

Tudo o que eu queria fazer era encontrar Elex e passar o


dia fodendo o cérebro um do outro.

Droga.

“Escolha uma roupa, Kimber. Uma que não é você.


Depois de terminar aqui, não ande. Pegue uma carruagem ou
um cavalo e faça com que eles te aproximem de onde você
est{ indo. Não ande. Isso é o que os acólitos fazem.”

Eu estudei as roupas.
Uma era muito eu. Uma saia e blusa branca simples. Eu
queria o conforto disso, mas não consegui.

Eu estava correndo pela minha vida.

Eu escolhi uma roupa verde brilhante com calças e uma


camisa que tinha um padrão verde, amarelo e preto.

Não é nada que eu usaria.

Eu segurei a camisa contra mim e me virei para o


espelho.

"Eu não acho que posso me chamar de acólita assim."

Jennila olhou por cima do meu ombro para o reflexo e


assentiu em aprovação.

“Definitivamente não é você. Boa escolha."

Eu rapidamente tirei o roupão e vesti algumas roupas de


baixo e depois as calças e a camisa.

Estudando-me, Jennila assentiu novamente. Ela hesitou


em algumas palavras, mas finalmente as tirou.

"Como você se chama agora, Lady Raven?"

Com um olhar para mim mesmo no espelho, soltei um


suspiro lento, observando a mulher de cabelos curtos e olhos
selvagens olhando para mim.
Era hora de admitir meu lugar em S'Kir.

"Quebrador da Espinha."

***

O cavalo era de uma farda local, mas eu gostava dela.

Firme e forte, até mesmo alguns dos ruídos mais altos e a


total insanidade da cidade não a perturbaram.

As notícias do templo quebrado se espalharam


rapidamente. Quase nos meus calcanhares.

O mesmo aconteceu com a notícia de que eu estava


desaparecida e a senhora Danai estava morta.

Eu sufoquei a tristeza que senti.

Ela foi a primeira das mestres do Templo a tentar


genuinamente me conhecer. Ela me ensinou muito com a
etiqueta e trabalhou para celebrar o nosso mundo.

Agora não era a hora do luto.

Eu teria que fazer isso mais tarde, quando Elex e eu


estivéssemos novamente juntos e em segurança.
Eu corri com a égua grande da baía no distrito de Stadia.
Não havia ninguém por perto antes do jantar, e
provavelmente não teria ninguém por perto mais tarde
também.

A cidade também choraria por Danai.

As montanhas se erguiam acima, cortando metade do


céu acima de mim. Era um animal ameaçador, pronto para
atacar.

A Caverna da Quebra estava à minha frente.

Eu desmontei, esperando trazer a égua para a caverna


comigo. Ela estaria mais segura lá, e eu poderia ter companhia
enquanto esperava por...

Bem.

Eu não sabia o que estava esperando.

Assim como a maior parte da minha vida.

Fiquei na frente da boca da caverna e olhei para cima.

Para cima.

E para cima.

"Eu estou aqui!" Eu gritei em direção à montanha maciça.


“Eu sou a Senhora Kimber Raven, o Quebrador da Espinha! O
que você precisa de mim?”
A montanha tremeu.

Não foi um tremor ou um aviso.

O chão rolou abaixo de mim e as pedras gritaram acima


de mim.

Eu fiquei de pé na boca da caverna, esperando a birra da


montanha passar.

Uma única rocha se soltou e se lançou no ar para mim.


Minha mão esticou para pegá-lo.

Alinhada com os cristais da caverna, a rocha estava


iluminada por dentro, pulsando no ritmo do meu batimento
cardíaco. Dezenas de cores dançaram ali, e eu pude ouvir a
cacofonia do som novamente em minha mente.

Estava tentando falar comigo.

Eu não entendi ainda.

Minha magia não estava pronta.

Torcendo para trás, olhando para S'Kir exposta diante de


mim, percebi verdades terríveis.

Dorian estava certo.

"Eu não tenho ideia do que está vindo para todos nós."
A câmara cerimonial era enorme e cheia de milhares de
pessoas.

Meu povo.

Eu não tinha percebido que havia vampiros suficientes


na fortaleza para preenchê-lo.

Depois que perguntei, Lorde Pippin me disse que na


verdade não estavam.

Metade tinha vindo de outros enclaves ao redor do


mundo para estar lá para ver isso.

"Você já é uma lenda." Lorde Pippin levantou uma


sobrancelha para mim.

"Não exatamente."
Ele colocou a mão no meu ombro. "Você é a filha de um
ex-rei que lutou para chegar ao trono. É o material das lendas.

Maravilhoso.

Eu flexionei a mão que tinha empunhado a espada para


segurar minha coroa. O pulso ainda estava dolorido da
tatuagem em que insisti - o selo real, lembrando-me sempre
do que eu fizera. Minha risada foi amarga. “Eu nunca quis
meu nome associado ao dele. Mesmo que ele tenha amado
minha mãe.”

"Então você acredita que ele a amava."

"Ele deve ter amado em algum momento."

Ele sorriu. "Você será uma rainha a ser contada."

Ele se afastou, indo para o resto dos senhores sentados


no estrado no centro. Eles formaram um pentagrama em torno
do trono central, onde a coroa de prata estava esperando.
Lorde Belsazar estava no ponto mais alto, e é aí que eu
enfrentaria quando pegasse o - meu - trono.

Suas capas vermelhas e douradas eram enfeitadas com


arminho tingido de preto, mas cada uma era única, refletindo
a época em que cada uma se tornara um soberano. O de Lorde
Pippin era o mais novo, aparecendo como algo tirado da
pintura “O Coroação de Napoleão”, e quando eu lhe disse
isso, ele piscou e disse que estava ali na pintura. Eu apenas
rolei meus olhos. Lorde Belsazar parecia algo saído de um
filme ruim sobre trogloditas, e eu também disse isso a ele. Ele
não gostou de minhas rachaduras sobre sua idade - muito
ruim, ele deveria começar a se acostumar com isso.

Meu próprio manto era feito de veludo vermelho


profundo e bordados dourados, com a menor borda de
arminho que eu poderia usar. Eu odiava pele. Eu não parecia
bem nisso e, como rainha, queria parecer muito bem.

Eu tive que colocar por Adelie.

Eu queria pelos vampiros que eu estava prestes a


governar.

Dois dias depois que eles me tiraram do meu luto, eles


me colocaram ao pé do trono, prontos para pegar minha
coroa. Eu olhei para a tatuagem e cerrei meu punho
novamente. Tudo pelo que lutamos, bem aqui, agora mesmo.

Lorde Belsazar se levantou e me indicou para a frente de


onde eu estava. Houve pouca pompa e circunstância nesta
cerimônia porque era tão antiga e tão rara. Eu andei para
frente, manto fluindo para trás, o vestido preto que eu escolhi
sussurrando silenciosamente através do público abafado. Eu
nunca usei vestidos, mas senti que era necessário desta vez.

Além disso, eu estava armada por baixo.


Uma arma na minha coxa, uma arma no meu joelho, uma
liga de munição e uma espada curta presa na minha outra
perna. Deixe alguém tentar alguma coisa comigo. Eu não me
importaria com quem eu mataria neste momento.

No final da escada, Nial se levantou e eu não consegui lê-


lo. Eu não sabia se ele estava feliz, chateado, chocado ou
exausto. Talvez todos os quatro. Do outro lado estavam
Felícia e Melchior. As escadas para o estrado guardadas por
aqueles que haviam testemunhado meu último julgamento.

Fiquei chocada ao descobrir que ninguém havia vazado


o último julgamento, mas, em seguida, Lorde Pippin havia
explicado que eles haviam se aproveitado da herança druida
de Niallan e mandaram todos amarrá-los ao silêncio.
Ninguém naquela sala falaria ou poderia falar do que tinham
visto, nem um para o outro, se houvesse uma chance remota
de que alguém pudesse ouvi-los, suas línguas não
funcionariam mais.

Eles também haviam cuidadosamente elaborado uma


história sobre o desafortunado acidente de carro de Adelie,
que arrancou a cabeça de seus ombros. Foi facilmente feito, e
as fotos foram adequadamente horríveis nos jornais locais no
dia seguinte.

Os idiotas usaram meu Lamborghini.


Meu belo estrogênio preto.

Eu estava chateada. Eles me deviam um novo.

Eu tive uma reunião com Felícia e Melchior quando saí


de luto. Eu os achei maravilhosos aliados. Talvez eu não
conseguisse descobrir qual dos senhores soberanos seria uma
boa ligação, mas eu sabia que os dois eram leais.

Tanto Felícia quanto Niallan me detiveram com espadas


cruzadas.

Eles me estudaram.

Niallan acabou falando. “Eu sou o Monitor do quarto


Desafio. Será conhecido do povo da coroa do Coração Negro
que Gwynnore de Luxor, tomando o nome de seu avô,
satisfez todas as condições do Desafio, como foram
apresentadas a ela, aos meus olhos. Isso é jurado pelo meu
sangue.”

Felícia virou a espada e cortou a palma de Nial,


marcando a pele e tirando sangue.

"Eu sou uma Testemunha do Desafio Final", Felícia


chamou a audiência maciça. “As pessoas da coroa do Coração
Negro saberão que Gwynnore de Luxor, tomando o nome de
seu avô, satisfez todas as condições do Desafio que foram
apresentadas a ela, aos meus olhos. Isso é jurado pelo meu
sangue.”

Desta vez, Nial marcou sua pele e tirou sangue.

Eles seguraram as espadas no alto e permitiram que eu


passasse, tocando as pontas ensanguentadas na borda,
douradas bordadas projetadas no manto que eu usava. Tão
boa bênção quanto qualquer vampiro.

Enquanto eles subiam as escadas com cuidado e com


firmeza, os cinco senhores estavam de pé, até que um pé na
frente do outro me colocou na frente do trono.

Com um farfalhar, a capa estava arrumada, mas eu não


me sentei.

Lorde Belsazar comandou a atenção do público com sua


voz autorit{ria. “Gwynnore de Luxor, o Conselho de
Soberanos, ligou para você e viu que você passou todos os
cinco Desafios, junto com a aprovação do Monitor de Desafio
e Testemunha do Desafio Final. Neste momento, você é a
Rainha dos Vampiros, a Rainha dos Deuses. Damos as boas-
vindas ao trono com sua coroa.”

Lorde Pippin se aproximou de mim e segurou a coroa


para eu pegar.
Eu sorri abertamente. Eu tinha certeza de que todo
mundo assistindo estava pensando que eu estava sorrindo
porque eu tinha ganhado essa coroa e finalmente tinha em
minhas mãos. Não foi embora. Foi minha vitória pessoal que
ninguém me coroou. Só eu estava preparada para colocar a
coroa na minha cabeça como a rainha.

Eu segurei-o no ar e abaixei-o até sentir bem na minha


cabeça.

Na verdade, parecia mais do que certo.

Era como se estivesse se instalando e finalmente


encontrasse seu lar adequado.

Que teve. Esta era quem eu deveria ser.

O Lorde Belsazar falou novamente: “Gwynnore de


Luxor, como a Rainha dos Vampiros, a Rainha dos Deuses,
você recebe a Estrela do Coração Negro, o coração dos seus
súditos. Deve sempre ser usado e guardado. Sem isso, você
está diminuído, sua coroa manchada. Assim tem sido desde o
começo dos tempos, e assim continuará.”

Desta vez, Cato estendeu uma pequena e deliciosa


almofada com o anel colocado nela. A coroa era linda, mas
impraticável. Este anel, com sua estrela safira negra e negra
brilhando do cenário, era o verdadeiro sinal de poder, o sinete
que identificava a rainha em todos os momentos.
Algum bastardo doente ousou que meu pai oferecesse
este anel e passasse o legado para mim, um legado para o qual
ele havia me abandonado.

Eu levantei o Coração Negro e coloquei no meu dedo na


minha mão direita.

Foi feito.

Eu era a rainha dos deuses.

A câmara explodiu em aplausos e aplausos.

Eu marchei a curva do estrado uma vez, olhando para


todos os vampiros que se reuniram para me receber. Havia
milhares aqui, e havia milhares mais em enclaves ao redor do
mundo me observando enquanto eu caminhava.

Com a cabeça erguida, finalmente estava onde deveria


estar.

***

As taças de sangue foram levantadas novamente, e


aplausos explodiram ao redor da sala.

Eu não odiava totalmente essa reunião, todos aqui para


ver minha coroação e para comemorar. Mas, no meu atual
estado de espírito, eu preferiria ficar sozinha, caçar, chorar,
pensar no que eu tinha que fazer por essas pessoas que agora
se dobravam para mim.

Essa celebração vaidosa cheirava a tudo que eu não


queria quando subi ao cimo, mas os senhores soberanos
insistiram que era assim que uma coroação era celebrada: um
humano trazido de baixo, deixado em domínio, amarrado a
uma tábua na vertical. Cada braço estendia-se ali, parecendo-
se muito com o Salvador ensanguentado dos cristãos. Ambos
os braços foram fatiados e deixados para sangrar livremente,
enquanto os presentes enchiam suas taças repetidamente das
veias desse sacrifício.

Eu estava enojada, cheguei a pensar nisso.

Foi assim que o mimado e a elite agiram, e eu também


não estava me sentindo naquele momento. Eu também estava
morrendo de vontade de sair do vestido e voltar para minhas
roupas normais. Saí do quarto sem que ninguém percebesse -
estavam todos bêbados de sangue e no sexto ou sétimo
humano.

Escravos. Eu não aguentava.

Atravessando as passagens de pedra da fortaleza,


maravilhei-me por ser agora meu domínio. Meu. Passei por
alguns vampiros enquanto caminhava, todos eles
imediatamente se curvando quando me viram.

Agora isso me fez feliz. Fiquei imensamente satisfeita


com suas ações.

Meu apartamento havia sido transferido alguns dias


antes, e agora eu estava instalada na enorme suíte que
permitia a uma rainha receber convidados e retirar-se para
descansar, se assim o desejasse. Precisava de mais decoração,
mas por enquanto, eu estava contente o suficiente para deixar
o que estava lá.

Eu fiz o meu caminho para a parte de trás e subi as


escadas para o quarto que segurava o meu armário agora
enorme.

Meu guarda-roupa antigo ocupava menos de um décimo


do espaço e eu ri. O vestido que eu rapidamente tirei iria
ocupar outro décimo do espaço. Eu desliguei. Foi um vestido
lindo. Eu manteria, mesmo que alguém tivesse me dito ao
longo do caminho que as rainhas nunca usaram a mesma
roupa formal duas vezes.

Esta rainha faria se ela gostasse.

Eu tirei minhas armas e vesti um par de leggings e um


suéter confortável. Reorganizando-me, e as armas e a espada,
me senti melhor. Eu olhei no espelho e ri. Um guerreiro com
uma coroa olhava para trás. E é isso que eu queria ser, a
mulher me encarando do copo.

Eu vaguei mais uma vez, desta vez para a área onde os


vampiros comuns estavam celebrando. Havia sangue, claro,
mas não estava decadentemente exibido vivo. Havia também
bandejas de comida de todo tipo e cheirava divina.

Cheirava a bacon.

Alguém nas massas me viu e segurou a xícara no alto.


“Para a rainha Gwynnore! Viva por muito tempo e reine
bem!”

A sala levantou os óculos e repetiu: “Rainha Gwynnore!”

Isso soou incrível para mim, as bordas dos meus lábios


se inclinando em um sorriso indulgente.

"O que você está fazendo aqui entre as massas?"

Eu girei e, claro, Nial estava parado lá. Arrogante,


confiante e seguro de si.

“Eu não gostei da outra parte. Foi muito elitista.”

“Acostume-se com isso. Eles gostam desse modelo de


festa. Sangue vivo foi drenado para o prazer deles.”

“Eu não tenho que me acostumar com isso, Nial. Eu sou a


rainha.
Ele ergueu o copo. "Sim, você é."

Olhando ao redor, eu pude ver que as pessoas aqui


estavam realmente se divertindo. "O que você está fazendo
aqui em baixo. Você não deveria estar lá em cima beijando
bundas e certificando-se de que elas lembrem que você
roubou o poder de uma delas?”

“Truques de salão envelhecem. Além disso, todos eles


estarão aqui em baixo em poucos minutos. Notícias
emocionantes e tudo mais.”

Eu torci meus lábios em uma careta. Hora de


desaparecer.

Mergulhei na multidão, me misturando e


cumprimentando as pessoas. Eles fizeram uma reverência e se
curvaram, mas ninguém fez muita coisa sobre eu estar lá. Era
como eu queria. Eu queria poder ir dançar e beber com as
pessoas da fortaleza e dos enclaves.

"Senhoras e senhores!"

Eu olhei para a porta onde os cinco senhores estavam,


claramente bêbados de sangue e ainda usando suas capas
estúpidas. Como eles podiam andar por aí com essas coisas,
quem sabia. Eu havia abandonado a minha assim que saímos
do tablado. Uma dama de companhia a pegou e saiu com ela.
Eles eram cerimoniais e mantidos seguros, então eu não me
preocupei com isso.

A sala se acomodou, e Lorde Xenon levantou o que era


basicamente uma taça cheia de sangue para me brindar.
"Senhoras e senhores, celebramos nossa nova rainha esta
noite!"

A alegria subiu novamente - eu nunca me cansaria disso


- e todos tomaram uma bebida.

Deixando o quarto se acomodar novamente, Lorde


Xenon levantou a mão dessa vez. “Como é nossa antiga
tradição, a partir de amanhã, começaremos as provações para
nosso próximo rei!”

Outra alegria, ainda uma emoção.

Mas meu bom humor quebrou quando vi Nial parado lá,


sorrindo. Eu estava tão absorta em tentar vencer minhas
próprias provações, que tinha esquecido que os senhores
soberanos já haviam basicamente escolhido o meu rei. Eu
culpei a adrenalina constante. Eu não era tão esquisito.

“Amanhã, Niallan de Arranmore começar{ suas


tentativas. Ele é o Noviciado oficial do Rei.”

Não houve tempo para reagir, para deixar que o ódio e o


nojo fervessem.
A montanha tremeu e a parede atrás de mim começou a
se soltar nas pessoas abaixo.

" Movam-se!" Eu gritei com os vampiros que estavam


prestes a serem esmagados.

Instinto chutou para quase todos eles, e eles se afastaram


das pedras caindo. Alguns dos vampiros mais jovens ainda
não tinham descoberto como usar seus poderes, e eu corri
para pegar alguns em um aperto forte e puxá-los para fora do
caminho do perigo. Felícia, Melchior - quando eles chegaram
aqui? - também fez o mesmo. O grupo de resgate foi
acompanhado por Lorde Otto e Lorde Pippin.

Todos nós mal conseguimos sair do caminho das rochas.

"Que diabos?" Eu exigi.

“Majestade, est{ lutando abaixo. Não sei o que está


acontecendo,” disse Melchior, pressionando um fone de
ouvido no ouvido. "Eu não posso"

"Vamos!" Eu bati e guiei o caminho de volta pelos


corredores. “É melhor não ser uma briga infeliz de um
enclave estúpido. Vou acabar com todos eles.”

"Eu não acho que é", disse Felícia, também pressionando


seu Bluetooth para que ela pudesse ouvir melhor. “H{ feridos
de todos os clãs e enclaves. Houve uma explosão.”
"Na fortaleza?" Eu fiquei chocada. Ninguém nunca se
atreveu a atacar esta montanha. "Quem está fazendo isso?”

"Eu não sei, sua alteza!" Felícia passou as mãos pelo


cabelo, angustiada por sua incapacidade de responder às
perguntas.

Eu pedi, “tire todos dos espaços públicos. Leve todos de


volta para seus quartos. Se eles estiverem visitando, peça-lhes
que se dividam entre os apartamentos. Mantenha todos fora
dos corredores! Temos que passar a força de segurança
através deles e não quero que as pessoas se machuquem.

Minha atenção voltou-se para os suseranos, que


tentavam desesperadamente recuperar a sobriedade da
superabundância de sangue na ridícula festa que insistiam ser
tradição.

Primeiro agir como rainha, aquela exibição repugnante


de decadência nunca mais estaria acontecendo... se eles me
deixassem.

Eu podia ver que eles iam se recuperar, então eu tive isso


para mim. Enquanto nos dirigíamos para as partes mais
profundas da montanha, o próprio chão tremeu novamente.
Eu não gostei disso. Eu não gostei que toda a montanha
estivesse se movendo.

Que tipo de explosivos eles tinham?


Felícia latiu comandos em seu Bluetooth, e todos nós
começamos a correr.

Duas explosões?

Ou foi uma análise equivocada de um terremoto?

Nós estávamos na área do mundo que os humanos


chamavam de Anel de Fogo, e estávamos sujeitos a
terremotos e erupções vulcânicas.

Essa fortaleza estava prestes a ser consumida por um


vulcão? Teríamos que evacuar imediatamente - todos sairiam,
mas nossas vidas ficariam envoltas em granito.

Eu parei de correr, e os senhores meio sóbrios atrás de


nós colidiram com Nial.

Eu apontei para Melchior. “Tire todos da montanha.


Trate isso como uma erupção. Fora. Eu prefiro deixá-los voltar
depois que tudo estiver bem do que perder uma única vida.
Vai."

Melchior decolou em velocidade de vampiro pelo


corredor para implementar os planos de evacuação que eu
sabia que existiam. Felícia, Nial e eu começamos a descer o
corredor, desta vez quase à velocidade de vampiro, para onde
ela dissera que a fonte do problema tinha sido.
A câmara, onde apenas horas antes milhares de
vampiros estiveram alojados enquanto eu fui coroada, estava
em frangalhos. 'Em frangalhos' era gentil, eu me corrigi.
Destruída. A montanha havia sido derrubada, esmagando
quase três quartos do que havia sido área antes, e havia uma
sugestão de ar frio e fino na sala.

"Uma brecha", disse Nial.

Uma bala passou voando por nós, se encaixando na


rocha próxima - e explodiu.

Todos se agacharam.

Os suseranos ficaram completamente sóbrios naquele


momento. Alguém havia violado nossa fortaleza e agora ia
começar a atirar contra nós, com rodadas explosivas. E
aquelas rodadas significavam que quem quer que estivesse
tentando entrar sabia exatamente o que nós éramos.

E como nos matar.

Outra bala e explosão.

“Temos que descobrir de onde vem isso. Isto não é um


vulcão.” Lorde Pippin, que era o menos bêbado e o mais
sóbrio, agora se arrastou até mim. Ele olhou para Felícia e
Nial. "Eu não sei se é inteligente evacuar ou não, mas vamos
deixar passar por agora."
"Eles podem se afastar muito mais facilmente se
estivermos sendo atacados", Nial ofereceu.

"Quem está devidamente equipado para um tiroteio?"


Olhei para os outros ao meu redor e observei apenas Felícia e
Nial levantarem as mãos. “Vocês são senhores bobos
preguiçosos. Não h{ mais festas de sangue.”

Peguei duas das quatro armas que eu tinha, entreguei


uma a Lorde Pippin e outra a Lorde Otto.

Felícia entregou uma para Lorde Xenon, e Nial


emprestou dois de seus cinco para Lorde Cato e Lorde
Belsazar.

Nial retumbou: “Lembre-se de que você só tem aquelas


rodadas e um clipe sobressalente. Não ande por aí como se
você fosse uma maldita exterminadora, atirando à toa.

"O que é um exterminador?" Lorde Otto perguntou.

Nial revirou os olhos. "Oh, por..."

"Deixa para l{!" Eu tirei as palavras. “Só não atire em


tudo, pois parece que você esqueceu de cuidar do seu
treinamento militar. Lanças e canhões não são mais usados.
Eu olhei para Felícia. "Programe todos por um intervalo de
tempo."

Ela sorriu. "Sim sua Majestade."


“Nial, v{ para a direita e fique baixo. Procure a brecha. É
de onde eles estavam observando.”

"Eu sugiro que nós assumimos que eles são tão


conservadores com a munição como nós somos", disse ele. Ele
apontou para Lorde Otto, Lorde Xenon e Lorde Belsazar para
segui-lo. Abaixados, eles caminharam atrás das rochas que
caíram do que todos supúnhamos ser a linha de visão para o
atirador - ou atiradores.

"O que estamos fazendo?" Lorde Pippin perguntou,


levantando a arma. "Isso é legal. Estou sem pr{tica.”

Felícia resmungou: "Estamos procurando a mesma coisa:


a pessoa que atirou em nós e explodiu a encosta da
montanha".

Cato olhou para mim. “Você percebe que isso foi


provavelmente errado? Que isso poderia ter acontecido horas
atrás e ter esmagado o tablado.”

"Você pensa?" Eu levantei meu olhar para ele. "Isso teria


matado os cinco você, eu e qualquer pessoa por perto, e teria
deixado este lugar em farrapos."

"E toda a maldita população de vampiros sem


orientação." Lorde Pippin deu um tapinha no nariz.

“Então somos atacados...”


Outra explosão explodiu e uma chuva de explosivos
seguiu-a na direção dos outros. Eu me movi, correndo para
fora do caminho dos fragmentos caindo e seguindo as balas
de volta para a origem. Cato, Felícia e Lorde Pippin estavam
bem atrás de mim e fomos capazes de sair do que eu pensava
ser o campo de visão deles.

Mais balas e nos mudamos novamente.

Mais perto de onde poderíamos ver um pouco da luz do


dia entrando.

Um corpo se adiantou na brecha.

Eu apontei e disparei.

Pelo borrifo e pelo cheiro de sangue da explosão,


imaginei que devia ter acertado quem estava lá.

Isso foi confirmado um momento depois. "Cadela!"

Eu sorri com prazer feral.

"Então isso foi um ataque", disse Felícia.

Cato bufou de acordo com o óbvio.

Houve uma pequena saraivada de balas apontada para


onde estávamos, e eles ricochetearam das rochas que estavam
atingindo, explodindo quando finalmente encontraram um
alvo. Cuidadosamente, lentamente, eu me arrastei pelas
paredes quebradas da câmara, ficando baixa e permanecendo
fora de vista.

"Você sabe, como rainha, você realmente deveria ter


evacuado com todos os outros", declarou Lorde Pippin não
tão prestativamente, rastejando junto comigo.

“Como Soberano, você deveria ter também. Mas aqui


estamos nós, tentando nos esgueirar em direção ao tiroteio e
esperando não sermos atingidos por tiros explodindo.”

Os tiros pareciam muito mais próximos e suspeitei que


estivéssemos perto da fonte.

A voz de Nial rachou pelo ar. "Corre! Saia daqui!"

Eu não percebi que ele estava gritando para nós.

Eu não me mexi.

Quase o último pensamento que eu fiz foi, maldição, a voz


dele realmente podia carregar.

A forma acelerada de vampiro de Lorde Belsazar


atravessou nosso campo de visão enquanto ele pegava algo no
ar logo acima de nós. Ele atirou de volta para a direção que
tinha vindo, e a vara de dinamite se alojou nas rochas
distantes... segundos restantes no pavio.

Quem diabos usou dinamite com fusíveis mais?


Não havia tempo para pensar muito além disso quando
Lorde Belsazar me agarrou, fazendo com que Lorde Pippin,
Cato e Felícia entrassem em alta velocidade e escapassem da
fenda na rocha onde a dinamite havia se alojado.

Apressando-me para longe do desastre, observei como se


desdobrou em quase movimento lento, o grupo inteiro
reformando de vários locais para escapar.

O flash de detonação se transformou no fogo da rápida


expansão. A onda de compressão que ela criou empurrou a
rocha para longe de outras rochas, quebrando-as sob um
impacto súbito. Floresceu como uma flor vermelha da morte
lançando as pedras em seu caminho, com forças duras e fortes
o suficiente para arrancar a cabeça de um homem do pescoço
dele.

O que eu vi nos momentos seguintes me balançou até o


núcleo.

Em vez de Cato correr conosco em direção à porta, para


escapar do esmagamento da rocha e queimar do fogo,
observei-o mergulhar de cabeça no calor e nas cinzas. Ele
encontrou os atacantes nos destroços em movimento e pegou
os corpos voadores do ar. Todos os quatro. E em seu aperto de
morte, ele puxou suas formas para o lado, fora do caminho
das pedras esmagadoras.
Mas ele não estava salvando eles.

Dois deles, ele cruelmente arrancou suas cabeças de seus


ombros e jogou-os no chão. O terceiro, ele estalou o pescoço,
rasgando a pele tediosa para deixá-lo sangrar. O último, ele
cavou suas presas e sugou o sangue de suas veias enquanto
bombeava descontroladamente para fora do corpo.

Nós viramos a esquina, e não havia nenhuma visão do


que estava acontecendo. Apenas a pressão do ar da explosão,
o caos do som de pedras batendo. Esmagando-nos na parede
do fundo enquanto pedras, escombros e poeira eram
vomitados da abertura para o que costumava ser um enorme
anfiteatro.

Eu me levantei e tentei correr para a pequena abertura


deixada para a sala uma vez cavernosa.

"Por que diabos você não se mexeu?" Lorde Belsazar


agarrou meu braço e me puxou de volta. Ele me sacudiu
dentro de seu aperto, batendo meu peito contra o dele para
ganhar toda a minha atenção. "Vocês poderiam ter sido
mortos."

"Nós não sabíamos que ele estava gritando com a gente",


disse Lorde Pippin. Seus olhos encontraram minha forma
lutando, enquanto eu puxava meu braço capturado. Ele
murmurou: “Relaxe. Estamos todos vivos. E todos eles devem
estar mortos agora.”

Nial encostou-se a uma parede e limpou a poeira de uma


das mangas com a mão livre e encolheu os ombros,
concordando com ele.

Lorde Otto e Lorde Pippin também não estavam


discutindo.

"Essa atitude nos trouxe até aqui", retruquei, e finalmente


puxei meu braço para fora do aperto do Lorde Belsazar. Eu
dei uma olhada no Lorde que eu tinha acabado de escapar,
tendo certeza que ele não estava ferido. Lorde Belsazar
parecia bem, por isso fingi que não estava preocupado com
ele e não o tinha verificado. “H{ cinco senhores aqui que
estavam basicamente bêbados e inúteis por causa de uma
atitude blasé. Alguém atacou nossa fortaleza, e você está
tentando me impedir de voltar para ter certeza de que todos
os bandidos estão mortos?”

Nial cruzou os braços. "Não, mas você não precisa correr


para a linha de fogo."

"Pare. Agora." Lorde Belsazar rosnou para todos. “Lorde


Cato est{ cuidando disso.”

Aquele homem saiu do buraco para o antigo quarto. Ele


estava coberto da cabeça aos pés em sangue e poeira e
realmente parecia um pesadelo em forma de vampiro.
Enfiando as mãos juntas, ele inclinou a cabeça para mim.

"Manteve a coroa, é, garota?"

Eu andei até ele e bati em sua cara suja. Eu teria que


encontrar uma nova maneira de expressar minha raiva pelas
pessoas, mas não agora. “O que diabos foi essa porcaria de
herói? Você é um suserano!”

As sobrancelhas de Cato subiram em suas características


horríveis, enquanto ele esfregava o lado do rosto que eu tinha
golpeado. “Gwynnore, apesar de suas suposições de mim, eu
posso me controlar. E outros."

"Vamos todos tentar fingir que gostamos um do outro


por um breve segundo." Nial passou os dedos pelos cabelos
deliciosos, expressando o que eu realmente queria saber.
"Alguém quer explicar por que eles acham que podem atacar
fortaleza de vampiros?

Cato, através do sangue e sujeira cobrindo-o, olhou para


sua mão suja, depois olhou para Nial e para mim ali. Um lado
de seus lábios curvou-se em um sorriso não divertido, e ele
declarou: "Você não tem ideia do que está por vir..."
O SANGUE CONTINUARÁ…
PRÓXIMO LIVRO VAMPIRE CROWN #2
Impressionante. Viciante. Sangrenta.

A série best-seller VAMPIRE CROWN continua com King


of Gods, enquanto os autores mergulham mais fundo no caos
das maquinações reais. Esquemas escuros, humor rico e
façanhas carnais tecem esta próxima parcela em uma aventura
emocionante.

O Tempo de Quebra chegou em S'Kir. A Espinha está


pronta para ser quebrada e reunir as raças. Mas o Breaker está
perdendo uma parte crítica do conhecimento: sexo é poder.

Na fortaleza, uma nova rainha foi coroada e chegou a


hora de o noviciado rei enfrentar suas provações. Enquanto o
druida original pensa que a intimidade é a sua força, a rainha
sabe melhor: o conhecimento é poder.

Sexo trará o poder para os druidas.

Mas o conhecimento é a vantagem da faca para esculpir o


poder.
Autor do best-seller do New York Times e vencedor do
prêmio, Scarlett Dawn, é o autor da Forever Evermore nova
série de fantasia adulta, as histórias diatópicas paranormais
de origem, a nova saga de ficção científica adulto Mark e a
série contemporânea de segurança de leão.
Katherine Rhodes O amor é escrevendo romances eróticos
que são excêntricos, sujos e divertidos. Como uma deusa
indiferente da lavanderia, e especialista nas profundezas da
música ruim, do cinema terrível e da literatura horrível -
graças ao marido -, Katherine se esforça para encontrar
equilíbrio no universo e tempo para preparar o jantar.
Moradora da Costa Leste, ela é uma orgulhosa criadora de
três gatos.

Interesses relacionados