Você está na página 1de 8

Entre os nomes e características apresentados a seguir, destaque os que podem ser associados ao Barroco:

1. Cultismo e Conceptismo.

2. Oposição entre mundo material e mundo espiritual.

3. Padre Antônio Vieira e Gregório de Matos.

4. Preocupação com a racionalidade.

5. Gregório de Matos e Basílio da Gama.

6. Gosto por raciocínios complexos, desenvolvidos em parábolas e narrativas bíblicas.

a) 1 – 2 – 3 – 6

b) 1 – 2 – 3 – 5

c) 1 – 3 – 4 – 5

d) 2 – 3 – 4 – 6

e) 2 – 4 – 5 – 6

------------======================
1. (UFRN) A obra de Gregório de Matos – autor que se destaca na literatura barroca brasileira – compreende:
a) poesia épico-amorosa e obras dramáticas.
b) poesia satírica e contos burlescos.
c) poesia lírica, de caráter religioso e amoroso, e poesia satírica.
d) poesia confessional e autos religiosos.
e) poesia lírica e teatro de costumes.

--==========
3. (UFV) Leia o texto:
Goza, goza da flor da mocidade,
Que o tempo trota a toda ligeireza,
E imprime em toda flor sua pisada.

Oh, não aguardes, que a madura idade


Te converta essa flor, essa beleza,
Em terra, em cinza, em pó, em sombra, em nada.

(Gregório de Matos)

Os tercetos acima ilustram:


a) caráter de jogo verbal próprio da poesia lírica do séc. XVI, sustentando uma crítica à preocupação feminina
com a beleza.
b) jogo metafórico do Barroco, a respeito da fugacidade da vida, exaltando gozo do momento.
c) estilo pedagógico da poesia neoclássica, ratificando as reflexões do poeta sobre as mulheres maduras.
d) as características de um romântico, porque fala de flores, terra, sombras.
e) uma poesia que fala de uma existência mais materialista do que espiritual, própria da visão de mundo
nostálgico-cultista.
Ver Resposta

-========================
4. (UFRS) Considere as seguintes afirmações sobre o Barroco brasileiro:
I. A arte barroca caracteriza-se por apresentar dualidades, conflitos, paradoxos e contrastes, que convivem
tensamente na unidade da obra.
II. O conceptismo e o cultismo, expressões da poesia barroca, apresentam um imaginário bucólico, sempre
povoado de pastoras e ninfas.
III. A oposição entre Reforma e Contra-Reforma expressa, no plano religioso, os mesmos dilemas de que o
Barroco se ocupa.
Quais estão corretas:
a) Apenas I.
b) Apenas II.
c) Apenas III.
d) Apenas I e III.
e) I, II e III.
Ver Resposta

6. (UCS) Escolha a alternativa que completa de forma correta a frase abaixo:


A linguagem ________, o paradoxo, ________ e o registro das impressões sensoriais são recursos
linguísticos presentes na poesia ________.
a) simples; a antítese; parnasiana.
b) rebuscada; a antítese; barroca.
c) objetiva; a metáfora; simbolista.
d) subjetiva; o verso livre; romântica.
e) detalhada; o subjetivismo; simbolista.
Ver Resposta

--=================
Que falta nesta cidade?... Verdade.
Que mais por sua desonra?... Honra.
Falta mais que se lhe ponha?... Vergonha.
O demo a viver se exponha,
Por mais que a fama a exalta,
Numa cidade onde falta
Verdade, honra, vergonha.

Pode-se reconhecer nos versos acima de Gregório de Matos:


a) caráter de jogo verbal próprio do estilo barroco, a serviço de uma crítica, em tom de sátira, do perfil moral
da cidade da Bahia.
b) caráter de jogo verbal próprio da poesia religiosa do século XVI, sustentando piedosa lamentação pela falta
de fé do gentio.
c) estilo pedagógico da poesia neoclássica, por meio da qual o poeta se investe das funções de um autêntico
moralizador.
d) caráter de jogo verbal próprio do estilo barroco, a serviço da expressão lírica do arrependimento do poeta
pecador.
e) estilo pedagógico da poesia neoclássica, sustentando em tom lírico as reflexões do poeta sobre o perfil
moral da cidade da Bahia.
Ver Resposta

Agora, responda: Gregório de Matos Guerra escreveu:


a) apenas poesia sacra.
b) poesia lírica, religiosa e amorosa, e sátiras.
c) poesia lírica e satírica.
d) apenas poesia satírica.
e) apenas poesia lírica
Ver Resposta

14. (UFV/99) Considere as afirmações que se seguem. Todas elas vinculam a poesia de Gregório de Matos
aos princípios estéticos e ideológicos do Barroco brasileiro, exceto:
a) A vertente lírica da poética de Gregório de Matos cultuou o amor feito de pequenos afetos, da meiga
ternura e dos torneios gentis, tendo como cenário o ambiente campestre e pastoril.
b) O “Boca do Inferno” insurgiu-se não só contra os desmandos administrativos e políticos da Bahia do século
XVII, mas contra o próprio ser humano, que, na concepção do poeta, é por natureza corrupto e mau.
c) Os poemas religiosos de Gregório de Matos fundiram a contemplação da divindade, o complexo de culpa,
o desejo de arrependimento e o horror de ser pó, sensações, enfim, freqüentes no atormentado espírito
barroco.
d) O significado social do Barroco brasileiro foi marcante, uma vez que a poesia de Gregório de Matos
revestiu-se de alto sentido crítico aos vícios e violências da sociedade colonial.
e) A produção literária de Gregório de Matos dividiu-se entre a temática lírico-religiosa e uma visão crítica das
mazelas sociais oriundas do processo de colonização no Brasil.
Ver Resposta

16. (UFPR) Considerando a poesia de Gregório de Matos e o momento literário em que sua obra se insere,
avalie as seguintes afirmativas:
1. Apresentando a luta do homem no embate entre a carne e o espírito, a terra e o céu, o presente e a
eternidade, os poemas religiosos do autor correspondem à sensibilidade da época e encontram paralelo na
obra de um seu contemporâneo, Padre Antônio Vieira.
2. Os poemas erótico-irônicos são um exemplo da versatilidade do poeta, mas não são representativos da
melhor poesia do autor, por não apresentarem a mesma sofisticação e riqueza de recursos poéticos que os
poemas líricos ou religiosos apresentam.
3. Como bom exemplo da poesia barroca, a poesia do autor incrementa e exagera alguns recursos poéticos,
deixando sua linguagem mais rebuscada e enredada pelo uso de figuras de linguagem raras e de resultados
tortuosos.
4. A presença do elemento mulato nessa poesia resgata para a literatura uma dimensão social problemática
da sociedade baiana da época: num país de escravos, o mestiço é um ser em conflito, vítima e algoz em uma
sociedade violentamente desigual.

"Nasce o Sol, e não dura mais que um dia.

Depois da luz, se segue a noite escura,

Em tristes sombras morre a formosura,

Em contínuas tristezas a alegria."

Na estrofe acima, de um soneto de Gregório de Matos Guerra, a principal característica do Barroco é:


a.culto da Natureza
b.a utilização de rimas alternadas
c.a forte presença de antíteses
d.culto do amor cortês
e.uso de aliterações

Das alternativas abaixo, apenas uma não apresenta características da obra do poeta barroco Gregório de
Matos. Assinale-a:
a.Sentido vivo de pecado aliado à busca do perdão e da pureza espiritual.
b.Poesia com força crítica poderosa, pessoal e social, chegando à irreverência e à obscenidade.
c.Destaca a beleza física da amada e a sua transitoriedade.
d.Realça a beleza da flora, fauna e da paisagem brasileiras, em manifestação nativista.
e.Tentativa de conciliar elementos contraditórios, busca da unidade sob a diversidade.
 Considere as afirmações abaixo.
IX.A obra de Gregório de Matos centrava-se em dois pólos temáticos, a religião e a vida amorosa, que
se concretizam, na sua poesia, no conflito entre o pecado e o prazer.
IX.Para concretizar esses conflitos, Gregório de Matos fez uso freqüente de figuras retóricas como
antíteses e paradoxos.
IX.A crítica social que se pode encontrar nos poemas de Gregório de matos dirige-se principalmente
aos homens públicos da Bahia do século XVII.

---========================
33.(Ufal) Considere as seguintes afirmações:
I.Gregório de Matos e Tomás Antônio Gonzaga compuseram poesia lírica, mas o talento de ambos encontrou
sua expressão máxima nas sátiras.
II.Em Marília de Dirceu, o árcade mineiro buscou figurar um equilíbrio entre a vida rústica e a cultura ilustrada.

---===============
Ornemos nossas testas com as flores;
E façamos de feno um brando leito,
Prendamo-nos, Marília, em laço estreito,
Gozemos do prazer de sãos Amores.
Sobre as nossas cabeças,
Sem que o possam deter, o tempo corre;
E para nós o tempo, que se passa,
Também, Marília, morre.”     Tomás Antônio Gonzaga
O texto I é barroco; o texto II é arcádico. Comparando-os, só não é correto afirmar que:
1.a) Os barrocos e árcades expressam sentimentos.
2.b) As construções sintáticas barrocas revelam um interior conturbado.
3.c) O desejo de viver o prazer é dirigido à amada nos dois textos.
4.d) Os árcades têm uma visão de mundo mais angustiada que os barrocos.
5.e) A fugacidade do tempo é temática comum aos dois estilos.
38.(UFV-MG) Sobre o Arcadismo, anotamos:     
I.Desenvolvimento do gênero lírico, em que os poetas assumem postura de pastores e transformam a
realidade num quadro idealizado.
II.Composição do poema Vila Rica por Cláudio Manuel da Costa, o Glauceste Satúrnio.
III. Predomínio da tendência mística e religiosa, expressiva da busca do transcendente.
IV.Propagação de manuscritos anônimos de teor satírico e conteúdo político, atribuídos a Tomás Antônio
Gonzaga.
V.Presença de metáforas da mitologia grega na poesia lírica, divulgando as ideias dos inconfidentes.
Considerando as anotações anteriores, assinale a alternativa CORRETA:
a) Apenas I e III são verdadeiras.             d) Apenas II e IV são falsas.
b) Apenas II e V são verdadeiras.             e) Apenas III e V são falsas.
c) Todas são verdadeiras.
Todas as alternativas abaixo apresentam características desse estilo literário arcadismo, presente nos versos
acima citados, EXCETO:
1.a) Valorização do ideal da vida simples e tranquila.
2.b) Tendência ao discurso em forma de diálogo do eu poético com um interlocutor.
3.c) Utilização de linguagem elegante, rebuscada e artificial.
4.d) Intenções didáticas, expressas no tom de denúncia e sátira.
5.e) Caracterização do poeta como um pintor de situações e não de emoções.

42.Relacione este trecho ao seu respectivo estilo, de acordo com as informações contidas nas alternativas a
seguir:
“Sou pastor, não te nego; os meus montados
São esses, que aí vês; vivo contente
Ao trazer entre a relva florescente
A doce companhia dos meus gados.”
a) BARROCO: O homem barroco é angustiado, vive entre religiosidade e paganismo, espírito e matéria,
perdão e pecado. As obras refletem tal dualismo, permeado pela instabilidade das coisas.
b) ARCADISMO: Em oposição ao Barroco, esse estilo procura atingir o ideal de simplicidade. Os árcades
buscam na natureza o ideal de uma vida simples, bucólica, pastoril.
c) ROMANTISMO: A arte romântica valoriza o folclórico, o nacional, que se manifesta pela exaltação da
natureza pátria, pelo retorno ao passado histórico e pela criação do herói nacional.

------------=
43.Considere as afirmações a respeito do Arcadismo brasileiro. Todas as alternativas estão corretas,
EXCETO:
a) Foi o movimento literário que se desenvolveu no século XVIII, quando o “saber” assumiu uma importância
fundamental.
b) Confirmou um dos princípios ideológicos do Iluminismo, por uma forte preocupação com a ciência e com o
raciocínio.
c) Sob o ponto de vista literário reagiu contra o Barroco, retomando a simplicidade e o bucolismo dos
clássicos.
d) Empreendeu uma minuciosa análise do personagem, revelando-nos claramente os traços de seu corpo e
de sua alma.
e) Vivenciou uma expressiva transformação social, sendo fortemente marcado pelos ideais político-filosóficos
do enciclopedismo francês.
44.Sobre o Arcadismo no Brasil, podemos afirmar que:
a) produziu obras de estilo rebuscado, pleno de antíteses e frases tortuosas, que refletem o conflito entre
matéria e espírito.
b) não apresentou novidades, sendo mera imitação do que se fazia na Europa.
c) além das características europeias, desenvolveu temas ligados à realidade brasileira, sendo importante
para o desenvolvimento de uma literatura nacional.
d) apresenta já completa ruptura com a literatura europeia, podendo ser considerado a primeira fase
verdadeiramente nacionalista da literatura brasileira.
e) presente sobretudo em obras de autores mineiros como Tomás Antônio Gonzaga, Cláudio Manuel da
Costa, Silva Alvarenga e Basílio da Gama, caracteriza-se como expressão da angústia metafísica e religiosa
desses poetas, divididos entre a busca da salvação e o gozo material da vida.

--==================
“Ah, não, minha Marília,
Aproveite-se o tempo, antes que faça
O estrago de roubar ao corpo as forças,
E ao semblante a graça.”
Considere as seguintes afirmações sobre esses excertos.
I – Os versos chamam a atenção para a passagem do tempo e expressam um convite aos prazeres de um
amor sadio.
II – Os versos 05 a 12 descrevem uma cena amorosa ambientada na paisagem mineira da cidade então
chamada de Vila Rica.
III – Marília é um nome literário adotado para referir a noiva do poeta inconfidente, cujo nome verdadeiro era
Maria Doroteia de Seixas Brandão.
Quais estão corretas?
a) Apenas I.       b) Apenas II.         c) Apenas III.     d) Apenas I e III.     e) I, II e III.
11.Com base nos fragmentos a seguir, extraídos da Lira II, da obra “Marília de Dirceu”, de Tomás Antônio
Gonzaga, assinale com V (verdadeiro) ou F (falso) as afirmações que seguem.
“Pintam, Marília, os Poetas
A um menino vendado,
Com uma aljava de setas,
Arco empunhado na mão;
Ligeiras asas nos ombros,
O tenro corpo despido,
E de Amor ou de Cupido
São os nomes, que lhe dão.”
[…]
“Tu, Marília, agora vendo
De Amor o lindo retrato,
Contigo estarás dizendo
Que é este o retrato teu.
Sim, Marília, a cópia é tua,
Que Cupido é Deus suposto:
Se há Cupido, é só teu rosto,
Que ele foi quem me venceu.”
( ) Na primeira estrofe, o poeta descreve uma figura representativa do amor na mitologia clássica.
( ) Na primeira estrofe, a amada Marília é alertada sobre a violência que se esconde por detrás da superfície
do amor.
( ) Na segunda estrofe, o poeta transfere o retrato de Cupido para o rosto vencedor de Marília.
( ) Na segunda estrofe, o poeta confessa à amada a sua rendição em relação aos poderes do amor.
A sequência correta de preenchimento dos parênteses, de cima para baixo, é
a) V – V – F – F.    b) V – F – V – V.      c) F – F – V – V.     d) V – F – F – V.   e) F – V – F – F.
12.Texto 1
“Desenlacemos as mãos, porque não vale a pena
casarmo-nos
Quer gozemos, quer não gozemos, passamos como o rio.
Mais vale passar silenciosamente
E sem desassossegos grandes.
[…]
E se antes do que eu levares o óbolo ao barqueiro sombrio,
Eu nada terei que sofrer ao lembrar-me de ti.
Ser-me-ás suave à memória lembrando-te assim – à beira-rio,
Pagã triste e com flores no regaço.”
(PESSOA, Fernando. “Obra Poética”. Rio de Janeiro: Aguilar, 1965. p. 257 – sob o heterônimo de Ricardo
Reis.)
óbolo: esmola
Texto 2
“Depois que nos ferir a mão da morte,
Ou seja neste monte, ou noutra serra,
Nossos corpos terão, terão a sorte
De consumir os dous a mesma terra.
Na campa, rodeada de ciprestes,
Lerão estas palavras os Pastores:
‘Quem quiser ser feliz nos seus amores,
Siga os exemplos que nos deram estes’.”
(GONZAGA, Tomás Antônio. “Marília de Dirceu”. In: PROENÇA FILHO, Domício (Org.). “A poesia dos
Inconfidentes”. Rio de Janeiro: Aguilar, 1966. Lira I, p. 573.)
Em relação aos textos acima, é correto afirmar:
a) Ambos os textos expressam a ideia de que o sentimento amoroso pode ser preservado mesmo depois da
morte, conforme atestam os versos “ser-me-ás suave à memória lembrando-te assim – à beira-rio” e “Quem
quiser ser feliz nos seus amores/ Siga os exemplos que nos deram estes”.
b) Ambos os textos expressam a representação de uma natureza idealizada, conforme retratam os versos “E
se antes do que eu levares o óbolo ao barqueiro sombrio” e “Na campa, rodeada de ciprestes”.
c) Ambos os textos expressam uma visão do amor impossível, conforme retratam os versos “Quer gozemos,
quer não gozemos, passamos como o rio” e “Quem quiser ser feliz nos seus amores/ Siga os exemplos que
nos deram estes”.
d) Ambos os textos apresentam linguagem rebuscada, que reflete homens em conflito consigo mesmos,
devido aos valores mundanos e espirituais neles inseridos.
e) Ambos os textos expressam um sentimento de tristeza e de desespero em relação à morte, como se lê nos
versos “Quer gozemos, quer não gozemos, passamos como o rio” e “Quem quiser ser feliz nos seus amores/
Siga os exemplos que nos deram estes”.
13.Leia o fragmento de texto a seguir e faça o que se pede:
Esprema a vil calúnia muito embora
Entre as mãos denegridas, e insolentes,
Os venenos das plantas,
E das bravas serpentes.
Chovam raios e raios, no seu rosto
Não hás de ver, Marília, o medo escrito:
O medo perturbador,
Que infunde o vil delito.
[…]
Eu tenho um coração maior que o mundo.
Tu, formosa Marília, bem o sabes:
Eu tenho um coração maior que o mundo.
Tu, formosa Marília, bem o sabes:
Um coração …. e basta,
Onde tu mesma cabes.       (TAG, MD, Parte II, Lira II)
Sobre o fragmento de texto de Tomás Antônio Gonzaga, Marília de Dirceu, assinale a alternativa FALSA:
a) a interferência do mito na tessitura dos poemas, mantendo o poeta dentro dos padrões poéticos clássicos,
impede-o de abordar problemas pessoais.
b) a interpelação feita a Marília muitas vezes é pretexto para o poeta celebrar sua inocência e seu destemor
diante das acusações feitas contra ele.
c) a revelação sincera de si próprio e a confissão do padecimento que o inquieta levam o poeta a romper com
o decálogo arcádico, prenunciando a poética romântica.
d) a desesperança, o abatimento e a solidão, presentes nas liras escritas depois da prisão do autor, revelam
contraste com as primeiras, concentradas na conquista galante da mulher amada.
e) embora tenha a estrutura de um diálogo, o texto é um monólogo – só Gonzaga fala e raciocina.