Você está na página 1de 39

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO

CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS


CURSO DE ENGENHARIA CIVIL

JOÃO BATISTA ALBUQUERQUE BASTOS DE SOUSA


LUISA BARRETO RAPOSO
PAULA RAISSA SILVA DE CASTRO
VINICIUS IURI DOS SANTOS SOUSA

DIMENSIONAMENTO DE VIGAS

São Luís – MA
2018
JOÃO BATISTA ALBUQUERQUE BASTOS DE SOUSA – 201615534
LUISA BARRETO RAPOSO – 201618554
PAULA RAISSA SILVA DE CASTRO – 201621184
VINICIUS IURI DOS SANTOS SOUSA – 201605799

DIMENSIONAMENTO DE VIGAS

Trabalho sobre dimensionamento e


detalhamento de vigas apresentado à disciplina
Estruturas de Concreto II do Curso de
Engenharia Civil da UEMA como pré-
requisito para a obtenção da primeira nota.
Prof. Eng. Arthur Luis Gonçalves Mereb

São Luís – MA
2019
1. INTRODUÇÃO
Conforme a NBR 6118:2014, vigas são elementos lineares em que a flexão é
preponderante, ou seja, nelas predominam os esforços de momento fletor e força cortante. Em
edificações, as vigas possuem a função de apoiar lajes e paredes, de modo a conduzir suas
cargas até os pilares.
O objetivo deste trabalho é o dimensionamento e detalhamento da armadura das vigas
V1,V3,V4 e V5 do pavimento de lajes maciças, representado na figura 1 abaixo, de acordo
com a NBR 6118:2014 considerando que as seguintes características:
 Lajes com espessura indicada;
 Sobrecarga de 2,0kN/m²;
 Concreto C35, aço CA-50 e cobrimento c = 2,5 cm;
 Revestimento de 1,__kN/m² = 1,99kN/m² (substituído conforme código com os
maiores dígitos finais);
 As vigas têm uma largura bw = 15 cm;
 Os pilares possuem seção de 15x30cm e 3m de altura;
 Carga linear de alvenaria (espessura = 15cm, γalvenaria = 13kN/m³ e pé direito = 3m
pois o maior código é ímpar) : 0,15*3*13 = 5,85kN/m

Figura 1: Esquemático do painel de lajes maciças


2. DIMENSIONAMENTO
2.1. VINCULAÇÃO
No vínculo L1-L2, há continuidade entre as lajes, porém a laje L1 possui dimensões e

espessura superiores às da laje L2. Conforme o critério 𝑎 ≥ , ambas seriam consideradas

engastadas, porém levando em consideração a diferença nas dimensões, que provocaria


grandes regiões com momentos negativos em L2, considera-se L1 simplesmente apoiada em
L2, enquanto esta se encontra engastada em L1.
No vínculo L3-L4, considera-se L3 engastada em L4, enquanto esta se encontra
simplesmente apoiada em L1 pelos mesmos motivos apresentados para o vínculo L1-L2,
sendo a única diferença o fato de L3 e L4 possuírem mesma espessura
No vínculo L1-L3-L4, devido ao comprimento de engastamento, às dimensões e às
espessuras das três lajes em questão, considera-se engaste para as três lajes neste trecho. No
vínculo L1-L2-L4, considera-se engastamento nas três lajes pelos mesmos motivos
apresentados para o vínculo L1-L3-L4.
Portanto, resultam os vínculos indicados na figura 2, sendo as lajes L1 e L4 encaixadas
no caso 3 e as lajes L2 e L3 encaixadas no caso 4.

Figura 2: Vínculos das lajes


2.2. PRÉ-DIMENSIONAMENTO
O pré-dimensionamento da altura das vigas será feito conforme a apostila
“Fundamentos do Concreto e Projeto de Edifícios” do professor Libânio M. Pinheiro da
Escola de engenharia de São Carlos. Utiliza-se a seguinte equação:
𝑙
ℎ= 𝑝𝑎𝑟𝑎 𝑡𝑟𝑎𝑚𝑜𝑠 𝑒𝑥𝑡𝑒𝑟𝑛𝑜𝑠 𝑜𝑢 𝑣𝑖𝑔𝑎𝑠 𝑏𝑖𝑎𝑝𝑜𝑖𝑎𝑑𝑎𝑠
10
Onde l0 é o maior distância entre as faces dos pilares da viga. A seguir está
apresentada a tabela do cálculo de pré-dimensionamento:
TABELA DE PRÉ-
DIMENSIONAMENTO DA ALTURA
DAS VIGAS
lef hcalculado hadotada
Viga
(cm) (cm) (cm)
V1 435 43,5 40
V3 442,5 44,25 40
V4 635 63,5 50
V5 400 40 35
V6 330 33 30
V8 330 33 30

2.3. CARGAS ATUANTES


Para o cálculo das cargas atuantes devem-se considerar as cargas que as lajes exercem
sobre as vigas, o peso próprio destas, a carga linear de alvenaria e a sobrecarga determinada.
As cargas presentes nas lajes estão calculadas nas tabelas a seguir:
CARGAS NA LAJE L1
Carga
Carga γ (kN/m3) Espessura (m)
(kN/m²)
Peso próprio 25 0,12 3
Revestimento de
- - 1,99
piso
Sobrecarga - - 2,00
carga permanente (kN/m²) 4,99
carga total majorada = ϒg.g+ϒq.q (ϒg=1,4; ϒq=1,2)
9,39
(kN/m²)

CARGAS NAS LAJES L2, L3 e L4


γ Carga
Carga Espessura (m)
(kN/m3) (kN/m²)
Peso próprio 25 0,1 2,5
Revestimento de piso - - 1,99
Sobrecarga - - 2,00
carga permanente (kN/m²) 4,49
carga total majorada = ϒg.g+ϒq.q (ϒg=1,4; ϒq=1,2)
8,69
(kN/m²)

As reações nas vigas de contorno, devido às lajes, são calculadas com as expressões:

𝑞 = 𝑘 . p. ; 𝑞 = 𝑘 . p. ; 𝑞 = 𝑘 . p. ; 𝑞 𝑘 . p. . Estas expressões são utilizadas

conforme o caso de vinculação da laje. A tabela seguinte sintetiza os resultados:


lx ly λ p
Laje Caso λ kx qx ky qy kx' qx' ky' qy'
(m) (m) adotado (kN/m²)
L1 3 3,85 4,35 1,13 1,15 9,39 2,50 9,03 1,83 6,61 4,32 15,61 - -
L2 4 2,95 3,10 1,05 1,05 8,69 1,92 4,92 1,83 4,69 3,32 8,51 3,17 8,12
L3 4 2,40 3,30 1,38 1,40 8,69 2,35 4,90 1,83 3,81 4,08 8,51 3,17 6,61
L4 3 3,30 3,80 1,15 1,15 8,69 2,50 7,17 1,83 5,25 4,32 12,38 - -

Assim, somando as cargas exercidas pelas lajes, as de peso próprio e as de alvenaria,


as cargas nas vigas totalizam:
Carga
Carga Carga Carga
Altura Carga devido
devido gravitacional total
adotada de à ação
Viga Trecho ao peso total na
da viga parede das
próprio majorada viga
(cm) (kN/m) lajes
(kN/m) (kN/m) (kN/m)
(kN/M)
V1 - 45,00 5,85 1,69 10,55 9,03 19,59

1 22,22 32,77
2 27,99 38,55
V3 45,00 5,85 1,69 10,55
3 20,89 31,44
4 8,51 19,06
1 3,81 15,15
V4 60,00 5,85 2,25 11,34
2 7,17 18,51
1 4,90 15,19
V5 40,00 5,85 1,50 10,29
2 6,61 16,90
V6 - 35,00 5,85 1,31 10,03 13,75 23,78
V8 - 35,00 5,85 1,31 10,03 5,25 15,27

2.4. DIMENSIONAMENTO DA ARMADURA


O dimensionamento das vigas segue um roteiro que culmina na armadura detalhada.
As quatro vigas calculadas no presente trabalho seguem o mesmo roteiro de cálculo, exceto
que nas vigas V1 e V4, conforme orientação do professor, não houve a interrupção das barras
longitudinais por se tratarem de vigas biapoiadas simples e com vãos pequenos.
Os cálculos foram executados com o software Excel. Para cálculo dos momentos
fletores e reações de apoio foi utilizado o software Ftool e tais resultados serão apresentados
através de capturas de tela do próprio software. Para determinação do aço e espaçamento
adotados para cada viga foram utilizadas as seguintes tabelas:
Para cálculo das seções de aço utilizou-se o roteiro do livro “Cálculo e Detalhamento
de Estruturas Usuais de Concreto Armado: Segundo a NBR 6118:2014” de Roberto Chust
Carvalho, que apresenta as seguintes fórmulas:
𝑀
𝐾𝑀𝐷 =
𝑓 ∗𝑏 ∗𝑑
Onde:
 Msd = momento fletor de cálculo;
 fcd = resistência característica do concreto;
 bw= largura da viga;
 d = altura útil da viga.
A partir do valor KMD, determina-se KZ utilizando uma tabela conforme o recorte
exemplificado abaixo:

Utilizando KZ, calcula-se a área de aço (As) necessária:


𝑀
𝐴 =
𝐾𝑍 ∗ 𝑑 ∗ 𝑓
Em seguida, a disposição das barras na seção transversal obedece às seguintes
equações:
𝑒 = 20𝑚𝑚 𝑜𝑢 Ø ou 1,2Ø𝐴𝑔
𝑒 = 20𝑚𝑚 𝑜𝑢 Ø ou 0,5Ø𝐴𝑔
𝐸 =𝐸 í −𝑒
O cálculo da interrupção das barras longitudinais será realizado através de linhas
elásticas. A decalagem (al) é calculada através da seguinte fórmula:
𝑎𝑙 = 0,5 ∗ 𝑑
Em seguida, calculam-se os momentos negativos nos apoios extremos e para isso
utilizam-se as seguintes fórmulas:
𝐼 𝐼
𝑟 = 𝑒𝑟 =𝑟 =
𝐿 𝐿
( 2)
𝑟 +𝑟
𝑀 =𝑀 ∗( )
𝑟 +𝑟 +𝑟
Utilizando os momentos calculados, calcula-se a armadura no apoio, procedendo de
maneira análoga ao feito nas seções, e reformula-se a equação da linha elástica para fazer a
interrupção das barras que chegam ao apoio.
Por fim serão calculados os comprimentos totais das barras e as barras mínimas nos
apoios extremos e intermediários através das seguintes fórmulas:
𝑎𝑙
𝑅 = ∗ 𝑉 + 𝑁 , 𝑠𝑒𝑛𝑑𝑜 𝑅 𝑜 𝑒𝑠𝑓𝑜𝑟ç𝑜 𝑎 𝑎𝑛𝑐𝑜𝑟𝑎𝑟 𝑛𝑜𝑠 𝑎𝑝𝑜𝑖𝑜𝑠 𝑒𝑥𝑡𝑟𝑒𝑚𝑜𝑠.
𝑑
𝑅
𝐴 = , 𝑠𝑒𝑛𝑑𝑜 𝐴 𝑎 á𝑟𝑒𝑎 𝑑𝑒 𝑎𝑛𝑐𝑜𝑟𝑎𝑔𝑒𝑚 𝑛𝑜𝑠 𝑎𝑝𝑜𝑖𝑜𝑠 𝑒𝑥𝑡𝑟𝑒𝑚𝑜𝑠.
𝑓
𝑙 =𝑙 𝑜𝑢 𝑟 + 5,5∅ 𝑜𝑢 60𝑚𝑚 , 𝑎𝑑𝑜𝑡𝑎𝑛𝑑𝑜 𝑜 𝑚𝑎𝑖𝑜𝑟 𝑣𝑎𝑙𝑜𝑟.
/
0,7 ∗ 𝑓
𝐹 =
𝛾
𝐹 = 𝜂 ∗ 𝜂 ∗ 𝜂 ∗𝐹
∅ 𝐹
𝑙 = ∗
4 𝐹
𝐴
𝑙 =𝛼 ∗𝑙 ∗
𝐴
𝑙
𝐴 =𝛼 ∗ , 𝑐𝑎𝑠𝑜 𝑙 >𝑙 .
𝑙 .

𝑙 = 𝑙 + 2 ∗ 𝑎𝑙 + 2 ∗ 𝑙 𝑜𝑢 𝑙 + 2 ∗ 𝑎𝑙 + 2 ∗ 10 ∗ ∅ , 𝑎𝑑𝑜𝑡𝑎𝑛𝑑𝑜 𝑜 𝑚𝑎𝑖𝑜𝑟 𝑣𝑎𝑙𝑜𝑟.


Caso se faça necessário, é possível dispor também das armaduras longitudinais limites,
calculadas através das seguintes fórmulas:

𝐹 = 1,3 ∗ 𝑓 = 1,3 ∗ 0,3 ∗ 𝑓 , 𝑝𝑎𝑟𝑎 𝑐𝑜𝑛𝑐𝑟𝑒𝑡𝑜𝑠 𝑑𝑒 𝑐𝑙𝑎𝑠𝑠𝑒 𝑎𝑡é 𝐶 − 50.


𝑏∗ℎ
𝑤 =
6
𝑞𝑢𝑒 é 𝑜 𝑚ó𝑑𝑢𝑙𝑜 𝑑𝑒 𝑟𝑒𝑠𝑖𝑠𝑡ê𝑛𝑐𝑖𝑎 𝑑𝑎 𝑠𝑒çã𝑜 𝑏𝑟𝑢𝑡𝑎 𝑑𝑒 𝑐𝑜𝑛𝑐𝑟𝑒𝑡𝑜 𝑒𝑚 𝑟𝑒𝑙𝑎çã𝑜 à 𝑓𝑖𝑏𝑟𝑎 𝑚𝑎𝑖𝑠 𝑡𝑟𝑎𝑐𝑖𝑜𝑛𝑎𝑑𝑎.
𝑀 í = 0,8 ∗ 𝑤 ∗ 𝐹
𝑙 í = 0,3 ∗ 𝑙 𝑜𝑢 10𝑐𝑚 𝑜𝑢 10 ∗ ∅ , 𝑎𝑑𝑜𝑡𝑎𝑛𝑑𝑜 𝑜 𝑚𝑎𝑖𝑜𝑟 𝑣𝑎𝑙𝑜𝑟.
Se houver necessidade de cálculo de transpasse, utilizam-se as seguintes fórmulas:
𝑙 =𝛼 ∗𝑙 ≥𝑙 í = 0,3 ∗ 𝛼 ∗ 𝑙 𝑜𝑢 15 ∗ ∅ 𝑜𝑢 20𝑐𝑚
𝑜𝑛𝑑𝑒 𝑎𝑑𝑜𝑡𝑎 − 𝑠𝑒 𝑜 𝑚𝑎𝑖𝑜𝑟 𝑣𝑎𝑙𝑜𝑟 𝑒 é 𝑎𝑝𝑙𝑖𝑐á𝑣𝑒𝑙 à 𝑏𝑎𝑟𝑟𝑎𝑠 𝑡𝑟𝑎𝑐𝑖𝑜𝑛𝑎𝑑𝑎𝑠.
𝑙 =𝑙 ≥𝑙 í = 0,6 ∗ 𝑙 𝑜𝑢 15 ∗ ∅ 𝑜𝑢 20𝑐𝑚
𝑜𝑛𝑑𝑒 𝑎𝑑𝑜𝑡𝑎 − 𝑠𝑒 𝑜 𝑚𝑎𝑖𝑜𝑟 𝑣𝑎𝑙𝑜𝑟 𝑒 é 𝑎𝑝𝑙𝑖𝑐á𝑣𝑒𝑙 à 𝑏𝑎𝑟𝑟𝑎𝑠 𝑐𝑜𝑚𝑝𝑟𝑖𝑚𝑖𝑑𝑎𝑠.

2.4.1. Vigas V6 e V8
É necessário calcular as reações nestas vigas visto que elas exercem cargas
pontuais nas vigas V3 e V4. Dessa maneira, tem-se:
Para V6:
Para V8:

2.4.2. Viga V1
A. Cálculo dos Momentos Fletores
O cálculo dos momentos fletores em V1 resultou no seguinte diagrama:

B. Dimensionamento das Seções


Utilizando o roteiro para dimensionamento de seções do livro “Cálculo e
Detalhamento de Estruturas Usuais de Concreto Armado: Segundo a NBR 6118:2014”
de Roberto Chust Carvalho e a apostila “Fundamentos do Concreto e Projeto de
Edifícios” do professor Libânio M. Pinheiro da Escola de engenharia de São Carlos,
tem-se:
DIMENSIONAMENTO PARA V1
(armadura positiva)
Msd (kN*m) 46,31
fck (kN/m²) 30000
bw (m) 0,15
d (m) 0,425
KMD 0,0798
KMDadot 0,08
KZ 0,9505
As (cm²) 2,64
Armadura adotada 3 Φ 12,5
As ef (cm²) 3,75

Não há cálculo da armadura negativa no vão, visto que não há momento


negativo. Verifica-se agora se existe o espaço necessário para disposição das barras na
viga:

DISPOSIÇÃO DAS BARRAS NA VIGA 1


2 cm
eh mín
Φ = 1,25cm
Edisponível (cm) 5,25
Ebarra a barra (cm) 2,625

Visto que o espaço entre as barras é superior ao mínimo a disposição


apresentada é viável.
C. Decalagem do Momento Fletor
𝑎𝑙 = 0,5 ∗ 𝑑 = 0,5 ∗ 42,5 = 21,25𝑐𝑚
D. Momento Negativo nos Apoios Extremos
O cálculo do momento de engastamento na viga V1 resultou no seguinte
diagrama:
Dessa forma, tem-se:

MOMENTO NEGATIVO NO
APOIO PARA V1
Iviga (cm ) 4 113906,25
Ipilar (cm ) 4 8437,5
rviga (cm³) 261,85
rpilar sup = rpilar inf (cm³) 56,25
Meng (kN/m) 30,88
Mapoio (kN/m) 9,28
Va1 (kN) 44,723

E. Cálculo da Armadura de Apoio


Utilizando as fórmulas apresentadas, tem-se:

DIMENSIONAMENTO PARA V1
(armadura nos apoios)

Msd (kN*m) 9,28


fck (kN/m²) 30000
bw (m) 0,15
d (m) 0,425
KMD 0,0160
KMDadot 0,02
KZ 0,9881
As (cm²) 0,508
Armadura adotada 2 Φ 10
As ef (cm²) 2 Φ 10
Rsd (kN) 21,30
As apoio (cm²) 0,49
F. Dimensionamento do comprimento das barras
Utilizando as fórmulas apresentadas, tem-se:
BARRAS DE ENGASTAMENTO VIGA PILAR
fctd (MPa) 1,448
fbd (MPa) 0,326
Ib (cm) 33,36
7,15
Ib nec apoio (cm) 8
6
Ib disp (cm) 12,5
eq. da linha elástica M(x)=44,723x-9,28-9,79x²
l (cm) 22
ltotal (cm) 51,25

ARMADURA NEGATIVA
MÍNIMA (PORTA-ESTRIBO)
fctk sup (MPa) 2,90
w0 (cm³) 5062,5
Md mín (kN*cm) 1173,07
KMD 0,0202
KMDadot 0,03
KZ 0,982
Amín (cm²) 0,65
Armadura adotada 2Φ8
As ef (cm²) 1
20,01
lθc (cm) 15
20

BARRAS LONGITUDINAIS POSITIVAS


fctd (MPa) 1,448
fbd (MPa) 0,326 Precisaria-se de
Ib (cm) 41,70 apenas uma barra de
Ib nec (cm) 20,52 Φ12,5 chegando
aos apoios, porém,
Ib disp (cm) 12,5
visto que não houve
As nec (cm²) 1,14 (1Φ12,5) interrupção das
12,5 barras, adotou-se as
Ib mín (cm) 12,5 três barras chegando
10,00 ao apoio.
ltotal (cm) 445,0
2.4.3. Viga V3
A. Cálculo dos Momentos Fletores
O cálculo dos momentos fletores em V3, considerando engastes intermediários e
vinculação normal, resultou no seguinte diagrama:
B. Dimensionamento das Seções
Utilizando o roteiro para dimensionamento de seções do livro “Cálculo e
Detalhamento de Estruturas Usuais de Concreto Armado: Segundo a NBR 6118:2014”
de Roberto Chust Carvalho e a apostila “Fundamentos do Concreto e Projeto de
Edifícios” do professor Libânio M. Pinheiro da Escola de engenharia de São Carlos,
tem-se:

DIMENSIONAMENTO PARA
V3
(armadura positiva no tramo
esquerdo)
Msd (kN*m) 74,32
fck (kN/m²) 30000
bw (m) 0,15
d (m) 0,425
KMD 0,1280
KMDadot 0,13
KZ 0,9166
As (cm²) 4,39
Armadura adotada 4 Φ 12,5
As ef (cm²) 5
DIMENSIONAMENTO PARA
V3
(armadura negativa no tramo
esquerdo)
Msd (kN*m) 113,54
fck (kN/m²) 30000
bw (m) 0,15
d (m) 0,425
KMD 0,1956
KMDadot 0,2
KZ 0,8638
As (cm²) 7,11
Armadura adotada 4 Φ 16
As ef (cm²) 8

DIMENSIONAMENTO PARA
V3
(armadura positiva no tramo
direito)
Msd (kN*m) 31,01
fck (kN/m²) 30000
bw (m) 0,15
d (m) 0,425
KMD 0,0534
KMDadot 0,055
KZ 0,9665
As (cm²) 1,74
Armadura adotada 2 Φ 12,5
As ef (cm²) 2,5
DIMENSIONAMENTO PARA
V3
(armadura negativa no tramo
direito)
Msd (kN*m) 85,37
fck (kN/m²) 30000
bw (m) 0,15
d (m) 0,425
KMD 0,1470
KMDadot 0,15
KZ 0,9022
As (cm²) 6,81
Armadura adotada 4 Φ 16
As ef (cm²) 8

Verifica-se agora se existe o espaço necessário para disposição das barras na


viga:

DISPOSIÇÃO DAS BARRAS


NEGATIVAS NA V3
2cm
eh mín
Φ = 1,6cm
Edisponível (cm) 5,8
Ebarra a barra (cm) 5,8
2cm
ev mín
Φ = 1,6cm
Edisponível (cm) 16,3
Ebarra a barra (cm) 2

DISPOSIÇÃO DAS BARRAS


POSITIVAS NO TRAMO
ESQUERDO DA V3
2cm
eh mín
Φ = 1,25cm
Edisponível (cm) 4
Ebarra a barra (cm) 2
DISPOSIÇÃO DAS BARRAS
POSITIVAS NO TRAMO
DIREITO DA V3
2cm
eh mín
Φ = 1,25cm
Edisponível (cm) 6,5
Ebarra a barra (cm) 6,5

Visto que o espaço entre as barras é superior ao mínimo a disposição


apresentada é viável.
C. Decalagem do Momento Fletor
𝑎𝑙 = 0,5 ∗ 𝑑 = 0,5 ∗ 42,5 = 21,25𝑐𝑚

D. Momento Negativo nos Apoios Extremos


O cálculo do momento de engastamento na viga V1 resultou no seguinte
diagrama:
Dessa forma, considerando que para o caso de V5 os cálculos não serão
realizados com o método da linha elástica, mas sim com os valores retirados do
software Ftool, tem-se:

MOMENTO NEGATIVO NO APOIO


ESQUERDO PARA V3

Iviga (cm4) 113906,25


Ipilar (cm4) 8437,5
rviga (cm³) 266,45
rpilar sup = rpilar inf (cm³) 56,25
Meng (kN/m) 70,20
Mapoio (kN/m) 20,84

MOMENTO NEGATIVO NO APOIO


DIREITO PARA V3

Iviga (cm4) 113906,25


Ipilar (cm4) 33750
rviga (cm³) 367,44
rpilar sup = rpilar inf (cm³) 225
Meng (kN/m) 31,73
Mapoio (kN/m) 17,47
E. Cálculo da Armadura de Apoio
Utilizando as fórmulas apresentadas, tem-se:

DIMENSIONAMENTO
PARA V3
(armadura no apoio
esquerdo)
Msd (kN*m) 20,84
fck (kN/m²) 30000
bw (m) 0,15
d (m) 0,425
KMD 0,0359
KMDadot 0,04
KZ 0,9759
As (cm²) 1,156
Armadura adotada 2 Φ 10
As ef (cm²) 1,6
Rsd (kN) 34,90
As apoio (cm²) 0,80

DIMENSIONAMENTO
PARA V3
(armadura no apoio direito)

Msd (kN*m) 17,47


fck (kN/m²) 30000
bw (m) 0,15
d (m) 0,425
KMD 0,0301
KMDadot 0,04
KZ 0,9759
As (cm²) 0,969
Armadura adotada 2Φ8
As ef (cm²) 1
Rsd (kN) 12,50
As apoio (cm²) 0,29

F. Dimensionamento do comprimento das barras


Utilizando as fórmulas apresentadas e ressaltando que os cálculos forma
realizados através dos comprimentos fornecidos pelo software Ftool, tem-se:
BARRAS DE
ENGASTAMENTO VIGA
PILAR NO LADO
ESQUERDO
fctd (MPa) 1,448
fbd (MPa) 0,326
Ib (cm) 33,36
6,00
Ib nec apoio (cm) 8
11,7
Ib disp (cm) 12,50
l (cm) 142
ltotal (cm) 175

BARRAS DE
ENGASTAMENTO VIGA
PILAR NO LADO DIREITO
fctd (MPa) 1,448
fbd (MPa) 0,326
Ib (cm) 26,69
5,37
Ib nec apoio (cm) 6
6,4
Ib disp (cm) 27,50
l (cm) 68
ltotal (cm) 96

ARMADURA NEGATIVA
MÍNIMA (PORTA-ESTRIBO) NO
LADO ESQUERDO
fctk sup (MPa) 2,90
w0 (cm³) 5062,5
Md mín (kN*cm) 1173,07
KMD 0,0202
KMDadot 0,03
KZ 0,982
Amín (cm²) 0,65
Armadura adotada 2Φ8
As ef (cm²) 1
24,00
lθc (cm) 20,01
20
ARMADURA NEGATIVA
MÍNIMA (PORTA-ESTRIBO) NO
LADO DIREITO
fctk sup (MPa) 2,90
w0 (cm³) 5062,5
Md mín (kN*cm) 1173,07
KMD 0,0202
KMDadot 0,03
KZ 0,982
Amín (cm²) 0,65
Armadura adotada 2Φ8
As ef (cm²) 1
24,00
lθc (cm) 16,01
20

BARRAS LONGITUDINAIS POSITIVAS NO


LADO ESQUERDO

fctd (MPa) 1,448


fbd (MPa) 0,326
Ib (cm) 41,697
Ib nec (cm) 36,593
l1 0,00
l2 166,00
l (cm) l3 238,00
l4 296,0
l5 347
115,69 233,50
281,69 305,50
ltotal (cm)
353,69 363,50
412 414,50
BARRAS LONGITUDINAIS NEGATIVAS
NO LADO ESQUERDO

fctd (MPa) 1,448


fbd (MPa) 0,326
Ib (cm) 53,372
Ib nec (cm) 47,456
l1 0,00
l2 18,00
l (cm) l3 38,00
l4 59,0
l5 81
68,71 55,25
86,71 75,25
ltotal (cm)
106,71 96,25
127,71 118,25

BARRAS LONGITUDINAIS POSITIVAS


NO LADO DIREITO

fctd (MPa) 1,448


fbd (MPa) 0,326
Ib (cm) 41,697
Ib nec (cm) 28,960
l1 0,00
l (cm) l2 110,00
l3 170,00
100 178
ltotal (cm)
210 238
BARRAS LONGITUDINAIS NEGATIVAS
NO LADO DIREITO

fctd (MPa) 1,448


fbd (MPa) 0,326
Ib (cm) 53,372
Ib nec (cm) 45,437
l1 0,00
l2 28,00
l (cm) l3 59,00
l4 106,0
l5 141
66,69 65,25
94,69 96,25
ltotal (cm)
125,69 143,25
172,69 178,25

It esq 1 (cm) 68,71


It esq 2 (cm) 86,71
It esq 3 (cm) 106,71
It esq 4(cm) 127,71
BARRAS It dir 1 (cm) 66,69
LONGITUDINAIS It dir 2 (cm) 96,25
NEGATIVAS
COMPRIMENTOS It dir 3 (cm) 143,25
TOTAIS It dir 4 (cm) 178,25
It1 (cm) 135
It2 (cm) 183
It3 (cm) 250
It4 (cm) 306

2.4.4. Viga V4
A. Cálculo dos Momentos Fletores
O cálculo dos momentos fletores em V4 resultou no seguinte diagrama:
B. Dimensionamento das Seções
Utilizando o roteiro para dimensionamento de seções do livro “Cálculo e
Detalhamento de Estruturas Usuais de Concreto Armado: Segundo a NBR 6118:2014”
de Roberto Chust Carvalho e a apostila “Fundamentos do Concreto e Projeto de
Edifícios” do professor Libânio M. Pinheiro da Escola de engenharia de São Carlos,
tem-se:
DIMENSIONAMENTO PARA V4
(armadura positiva)
Msd (kN*m) 131,11
fck (kN/m²) 30000
bw (m) 0,15
d (m) 0,575
KMD 0,1234
KMDadot 0,125
KZ 0,9201
As (cm²) 5,70
Armadura adotada 3 Φ 16
As ef (cm²) 6

Não há cálculo da armadura negativa no vão, visto que não há momento


negativo. Verifica-se agora se existe o espaço necessário para disposição das barras na
viga:

DISPOSIÇÃO DAS BARRAS NA VIGA 4


2 cm
eh mín
Φ = 1,6cm
Edisponível (cm) 4,2
Ebarra a barra (cm) 2,1

Visto que o espaço entre as barras é superior ao mínimo a disposição


apresentada é viável.
C. Decalagem do Momento Fletor
𝑎𝑙 = 0,5 ∗ 𝑑 = 0,5 ∗ 57,5 = 28,75𝑐𝑚

D. Momento Negativo nos Apoios Extremos


O cálculo do momento de engastamento na viga V1 resultou no seguinte
diagrama:

Dessa forma, tem-se:

MOMENTO NEGATIVO NO APOIO


ESQUERDO PARA V4
Iviga (cm4) 270000
Ipilar (cm4) 33750
rviga (cm³) 446,28
rpilar sup = rpilar inf (cm³) 225
Meng (kN/m) 86,17
Mapoio (kN/m) 43,26
Va1 (kN) 81,07

MOMENTO NEGATIVO NO APOIO


DIREITO PARA V4
Iviga (cm4) 270000
Ipilar (cm4) 33750
rviga (cm³) 446,28
rpilar sup = rpilar inf (cm³) 225
Meng (kN/m) 76,63
Mapoio (kN/m) 38,47
Va1 (kN) 76,03
E. Cálculo da Armadura de Apoio
Utilizando as fórmulas apresentadas, tem-se:

DIMENSIONAMENTO PARA V4
(armadura no apoio esquerdo)
Msd (kN*m) 43,26
fck (kN/m²) 30000
bw (m) 0,15
d (m) 0,575
KMD 0,0407
KMDadot 0,05
KZ 0,9697
As (cm²) 2,414
Armadura adotada 2 Φ 12,5
As ef (cm²) 2,5
Rsd (kN) 36,96
As apoio (cm²) 0,85

DIMENSIONAMENTO PARA V4
(armadura no apoio direito)

Msd (kN*m) 38,47


fck (kN/m²) 30000
bw (m) 0,15
d (m) 0,575
KMD 0,0362
KMDadot 0,04
KZ 0,9759
As (cm²) 2,134
Armadura adotada 2 Φ 12,5
As ef (cm²) 2,5
Rsd (kN) 34,84
As apoio (cm²) 0,80

F. Dimensionamento do comprimento das barras


Utilizando as fórmulas apresentadas, tem-se:
BARRAS DE ENGASTAMENTO VIGA PILAR NO LADO
ESQUERDO
fctd (MPa) 1,448
fbd (MPa) 0,326
Ib (cm) 41,70
9,92
Ib nec apoio (cm) 6
10,0
Ib disp (cm) 27,5
eq. da linha elástica Msd(x) = 81.04x-43.22-8.225x^2
l (cm) 131
ltotal (cm) 170

BARRAS DE ENGASTAMENTO VIGA PILAR NO LADO


DIREITO
fctd (MPa) 1,448
fbd (MPa) 0,326
lb (cm) 41,70
9,35
Ib nec apoio (cm) 6
10,0
lb disp (cm) 27,50
eq. da linha elástica Msd(x) = 76.05x-38.45-8.225x^2
l (cm) 139
ltotal (cm) 178
ARMADURA NEGATIVA
MÍNIMA (PORTA-ESTRIBO)
fctk sup (MPa) 2,90
w0 (cm³) 9000
Md mín (kN*cm) 2085,46
KMD 0,0196
KMDadot 0,02
KZ 0,9881
Amín (cm²) 0,84
Armadura adotada 2Φ8
As ef (cm²) 1
25,02
lθc (cm) 18,75
20

BARRAS LONGITUDINAIS POSITIVAS

fctd (MPa) 1,448


fbd (MPa) 0,326 Precisaria-se de
Ib (cm) 53,37 apenas uma barra de
Ib nec (cm) 35,49 Φ16 chegando aos
apoios, porém, visto
Ib disp (cm) 27,5
que não houve
As nec (cm²) 1,15 (1Φ16) interrupção das
16,0 barras, adotou-se as
Ib mín (cm) 16 três barras chegando
10,00 ao apoio.
ltotal (cm) 607,0

2.4.5. Viga V5
A. Cálculo dos Momentos Fletores
O cálculo dos momentos fletores em V5, considerando engastes intermediários e
vinculação normal, resultou no seguinte diagrama:
B. Dimensionamento das Seções
Utilizando o roteiro para dimensionamento de seções do livro “Cálculo e
Detalhamento de Estruturas Usuais de Concreto Armado: Segundo a NBR 6118:2014”
de Roberto Chust Carvalho e a apostila “Fundamentos do Concreto e Projeto de
Edifícios” do professor Libânio M. Pinheiro da Escola de engenharia de São Carlos,
tem-se:

DIMENSIONAMENTO PARA V5
(armadura positiva no tramo esquerdo)
Msd (kN*m) 17,59
fck (kN/m²) 30000
bw (m) 0,15
d (m) 0,375
KMD 0,0389
KMDadot 0,04
KZ 0,9759
As (cm²) 1,11
Armadura adotada 3Φ8
As ef (cm²) 1,5
DIMENSIONAMENTO PARA V5
(armadura negativa no tramo esquerdo)
Msd (kN*m) 28,87
fck (kN/m²) 30000
bw (m) 0,15
d (m) 0,375
KMD 0,0639
KMDadot 0,065
KZ 0,9602
As (cm²) 1,84
Armadura adotada 3 Φ 10
As ef (cm²) 2,4

DIMENSIONAMENTO PARA V5
(armadura positiva no tramo direito)
Msd (kN*m) 12,2
fck (kN/m²) 30000
bw (m) 0,15
d (m) 0,375
KMD 0,0270
KMDadot 0,03
KZ 0,982
As (cm²) 0,76
Armadura adotada 2Φ8
As ef (cm²) 1

DIMENSIONAMENTO PARA V5
(armadura negativa no tramo direito)
Msd (kN*m) 25,47
fck (kN/m²) 30000
bw (m) 0,15
d (m) 0,375
KMD 0,0563
KMDadot 0,06
KZ 0,9634
As (cm²) 1,62
Armadura adotada 3 Φ 10
As ef (cm²) 2,4

Verifica-se agora se existe o espaço necessário para disposição das barras na


viga:
DISPOSIÇÃO DAS BARRAS NEGATIVAS NA
VIGA 5
2cm
eh mín
Φ = 1cm
Edisponível (cm) 6
Ebarra a barra (cm) 3

DISPOSIÇÃO DAS BARRAS POSITIVAS NO


TRAMO ESQUERDO DA VIGA 5
2cm
eh mín
Φ = 0,8cm
Edisponível (cm) 6,6
Ebarra a barra (cm) 3,3

DISPOSIÇÃO DAS BARRAS POSITIVAS NO


TRAMO DIREITO DA VIGA 5
2cm
eh mín
Φ = 0,8cm
Edisponível (cm) 7,4
Ebarra a barra (cm) 7,4

Visto que o espaço entre as barras é superior ao mínimo as disposições


apresentadas são viáveis.
C. Decalagem do Momento Fletor
𝑎𝑙 = 0,5 ∗ 𝑑 = 0,5 ∗ 37,5 = 18,75𝑐𝑚
D. Momento Negativo nos Apoios Extremos
O cálculo do momento de engastamento na viga V5 resultou no seguinte
diagrama:
Dessa forma, tem-se:

MOMENTO NEGATIVO NO APOIO


ESQUERDO PARA V5
Iviga (cm4) 80000
Ipilar (cm4) 33750
rviga (cm³) 242,42
rpilar sup = rpilar inf (cm³) 225
Meng (kN/m) 19,25
Mapoio (kN/m) 13,00
Va1 (kN) 27,89

MOMENTO NEGATIVO NO APOIO


DIREITO PARA V5
Iviga (cm4) 80000
Ipilar (cm4) 33750
rviga (cm³) 216,22
rpilar sup = rpilar inf (cm³) 225
Meng (kN/m) 14,46
Mapoio (kN/m) 9,77
Va1 (kN) 21,03

E. Cálculo da Armadura de Apoio


Utilizando as fórmulas apresentadas, tem-se:

DIMENSIONAMENTO PARA V5
(armadura no apoio esquerdo)
Msd (kN*m) 13,00
fck (kN/m²) 30000
bw (m) 0,15
d (m) 0,375
KMD 0,0122
KMDadot 0,02
KZ 0,9881
As (cm²) 0,712
Armadura adotada 2Φ8
As ef (cm²) 1
Rsd (kN) 19,08
As apoio (cm²) 0,44
DIMENSIONAMENTO PARA V5
(armadura no apoio direito)
Msd (kN*m) 9,77
fck (kN/m²) 30000
bw (m) 0,15
d (m) 0,375
KMD 0,0092
KMDadot 0,01
KZ 0,9941
As (cm²) 0,532
Armadura adotada 2Φ8
As ef (cm²) 1
Rsd (kN) 16,61
As apoio (cm²) 0,38

F. Dimensionamento do comprimento das barras


Utilizando as fórmulas apresentadas, tem-se:

BARRAS DE ENGASTAMENTO VIGA PILAR NO


LADO ESQUERDO
fctd (MPa) 1,448
fbd (MPa) 0,326
Ib (cm) 26,69
6,40
Ib nec apoio (cm) 6
8,2
Ib disp (cm) 27,50
eq. da linha elástica M(x)=27,9x-13,02-8,45x²
l (cm) 56
ltotal (cm) 83
ARMADURA NEGATIVA
MÍNIMA (PORTA-ESTRIBO) NO
LADO ESQUERDO
fctk sup (MPa) 2,90
w0 (cm³) 4000
Md mín (kN*cm) 926,87
KMD 0,0087
KMDadot 0,1
KZ 0,9941
Amín (cm²) 0,37
Armadura adotada 2 Φ 6,3
As ef (cm²) 0,62
20,00
lθc (cm) 16,01
15

BARRAS LONGITUDINAIS POSITIVAS NO


LADO ESQUERDO

fctd (MPa) 1,448


fbd (MPa) 0,326
Ib (cm) 26,69
Ib nec (cm) 19,67
M(x)=27,9x-13,02-
eq. da linha elástica
8,45x²
l1 0,00
l2 167,00
l (cm)
l3 236,00
l4 289,0
76,83 220,50
ltotal (cm) 243,83 289,50
312,83 342,50
BARRAS LONGITUDINAIS NEGATIVAS
NO LADO ESQUERDO

fctd (MPa) 1,448


fbd (MPa) 0,326
Ib (cm) 33,36
Ib nec (cm) 25,63
M(x)=27,9x-13,02-
eq. da linha elástica
8,45x²
I1 0,00
I2 23,00
I (cm)
I3 50,00
I4 81,0
44,38 51,75
ltotal (cm) 67,38 78,75
94,38 109,75

BARRAS DE ENGASTAMENTO VIGA PILAR NO


LADO DIREITO

fctd (MPa) 1,448


fbd (MPa) 0,326
Ib (cm) 26,69
6,40
Ib nec apoio (cm) 6
7,1
Ib disp (cm) 27,50
eq. da linha elástica M(x)=20,32x-7,35-7,595x²
l (cm) 43
ltotal (cm) 69
ARMADURA NEGATIVA
MÍNIMA (PORTA-ESTRIBO) NO
LADO DIREITO
fctk sup (MPa) 2,90
w0 (cm³) 4000
Md mín (kN*cm) 926,87
KMD 0,0087
KMDadot 0,1
KZ 0,9941
Amín (cm²) 0,37
Armadura adotada 2 Φ 6,3
As ef (cm²) 0,62
20,00
lθc (cm) 16,01
15

BARRAS LONGITUDINAIS POSITIVAS NO


LADO DIREITO

fctd (MPa) 1,448


fbd (MPa) 0,326
Ib (cm) 26,69
Ib nec (cm) 20,33
M(x)=20,32x-7,35-
eq. da linha elástica
7,595x²
l1 0,00
l (cm) l2 169,00
l3 239,00
78,17 222,50
ltotal (cm)
247,17 292,50
BARRAS LONGITUDINAIS NEGATIVAS NO LADO
DIREITO

fctd (MPa) 1,448


fbd (MPa) 0,326
Ib (cm) 33,36
Ib nec (cm) 22,54
M(x)=20,32x-7,35-
eq. da linha elástica
7,595x²
l1 0,00
l2 27,00
l (cm)
l3 59,00
l4 99,0
41,29 55,75
ltotal (cm) 68,29 87,75
100,29 127,75

lt esq 1 (cm) 51,75


lt esq 2 (cm) 78,75
BARRAS lt esq 3 (cm) 109,75
LONGITUDINAIS lt dir 1 (cm) 55,75
NEGATIVAS lt dir 2 (cm) 87,75
COMPRIMENTOS lt dir 3 (cm) 127,75
TOTAIS lt1 (cm) 107,50
lt2 (cm) 166,50
lt3 (cm) 237,50

2.5. DETALHAMENTO DAS ARMADURAS