Você está na página 1de 130

EM

MOVI
MEN
DO PROFESSOR TO
GUIA

šI_ij[cWj_pW‚€eZeifh_dY_fW_iYedj[‘Zeifhe]hWc|j_Yei

šFhefeijWiZ[fbWd_ÓYW‚€e[fhe]h[ii[if[ZW]Œ]_YWi

šFbWd[Wc[djeZ[Wfj_Z€e\‡i_YWÅJh[_de\kdY_edWb

š<_Y^WiZ[eXi[hlW‚€e[Z[WlWb_W‚€e*

š7j_l_ZWZ[ifWhWWbkdeigk[d€eh[Wb_pWcWWkbWfh|j_YW*

* MATERIAIS DISPONÍVEIS,
EM FORMATO EDITÁVEL, EM:

10/11/12
PAULA BATISTA ;:K97wÁE<ßI?97
LÚCIA RÊGO ;di_deI[YkdZ|h_e
AVELINO AZEVEDO
10/11/12
PAULA BATISTA
LÚCIA RÊGO
AVELINO AZEVEDO
Índice

Nota introdutória . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4

I. Desenvolvimento Pedagógico-Didático . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7
1. Composição Curricular da Educação Física . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8
2. Educação Física no Plano Curricular . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9
3. Educação Física no Ensino Secundário . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
a) Finalidades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
b) Objetivos comuns (áreas nucleares e áreas de opção) . . . . . . . . . . . . 13
c) Visão geral dos conteúdos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
d) Sugestões metodológicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
e) Extensão da Educação Física . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18
f) Normas de referência para o sucesso em Educação Física . . . . . . . . . 19

II. Conteúdos programáticos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21


1. Desporto como Componente da Cultura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
2. Processos de Desenvolvimento e Manutenção da Condição Física . . . . 23
3. Atividades Desportivas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
4. Atividades Expressivas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30

III. Aptidão Física . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31


1. Conteúdos Programáticos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32
2. Proposta de Planeamento da Aptidão Física – Treino Funcional . . . . . . 33
3. Avaliação da Aptidão Física . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37
a) Bateria de testes Fitnessgram . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37
b) Protocolo dos testes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
c) Tabelas de referência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
d) Fichas de registo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41

2
IV. Planeamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
1. Pressupostos Gerais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44
2. Planeamento em Educação Física . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48
3. Formas de Operacionalização . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53
a) Competências finais de ciclo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53
b) Atividades desportivas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53
c) Aspetos fisiológicos e da condição física . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55
d) Cultura desportiva . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55
e) Conceitos psicossociais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55
4. Planos Anuais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56
a) de avaliação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56
b) da cultura desportiva . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 58
c) dos conceitos psicossociais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59
5. Propostas de Planificação/Extensão de Conteúdos Programáticos . . . . 60

V. Progressões Pedagógicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65
1. Jogos Desportivos Coletivos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 66
2. Ginástica Acrobática . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 72
3. Ginástica de Solo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 72
4. Judo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75

VI. Avaliação – Fichas de Registo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 83


1. Avaliação Diagnóstica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 84
2. Avaliação Formativa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 86
3. Avaliação Sumativa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 87

VII. Atividades para Alunos que não Realizam a Aula Prática . . . . . . . . . . 97


1. Fichas de Trabalho . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 98
2. Fichas de Observação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 107
3. Trabalhos Escritos – Proposta de Estrutura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 127

3
Nota introdutória

Este Projeto teve como pressuposto base a convicção de que a Educação Física é
uma disciplina com um valor pedagógico particular cujas aquisições têm como refe-
rência o corpo e a atividade desportiva. A Educação Física, sendo uma disciplina que
faz parte integrante do currículo, encontra justificação pela sua importância formativa
e pela corporização das atividades desportivas no seu significado cultural. Contribui
de forma única para o desenvolvimento das crianças e jovens, sendo potenciadora de
outras áreas de intervenção.

Os diversos materiais apresentados neste Guia do Professor resultaram da


análise:

• do currículo do Ensino Secundário;

• do Programa de Educação Física do Ensino Secundário, nas suas várias verten-


tes, nomeadamente: finalidades, extensão da Educação Física, objetivos gerais
comuns a todas as áreas, das áreas obrigatórias e das áreas de opção, sugestões
metodológicas e avaliação.

Ao professor cabe a organização do processo ensino-aprendizagem de forma a


desenvolver nos alunos competências ao nível da ação, do conhecimento e das ati-
tudes. O conjunto diversificado de materiais, que este projeto incorpora, pretende aju-
dar o professor a operacionalizar as exigências que se colocam ao nível das inscrições
programáticas e proporcionar ao aluno materiais atraentes promotores da aprendi-
zagem.

A regularidade na utilização dos vários materiais constitui-se como uma verdadeira


“utilidade” pedagógica, uma ajuda preciosa na obtenção do sucesso – alcance das
competências finais de Ensino Secundário (objetivos finais de ciclo), tendo como
referência as normas para a definição do sucesso em Educação Física sugeridas no
programa. Pensamos que este é o caminho a seguir. Só assim a Educação Física poderá
dotar os alunos de uma verdadeira cultura desportiva – que incorpora ação, conhe-
cimento e atitude.

A Educação Física, sendo uma disciplina eminentemente prática, não pode descu-
rar a aquisição de conhecimentos e o desenvolvimento de atitudes que lhe estão sub-
jacentes, sendo todas as áreas, obrigatoriamente, objeto de planificação.

Entendemos que, ao nível das habilidades motoras (ação), as atividades devem ser
tão globais quanto possível e tão analíticas quanto necessário; ao nível da condição

4
física (ação), a preocupação deve ser centrada nos aspetos da aptidão física na pers-
petiva de promoção da saúde; ao nível da cultura desportiva (conhecimento),
deve haver uma aposta clara na aplicação e não na memorização; ao nível psicosso-
cial (atitudes), devem ser mais valorizadas as atividades grupais/inclusivas e menos
as individuais.

Os desafios que se colocam atualmente aos professores de Educação Física não


podem deixar de obter uma resposta consistente de toda a classe profissional. Não
nos esqueçamos que no final do 9.o ano de escolaridade a referência para o sucesso
aponta para um conjunto de competências a demonstrar pelo aluno. Ao nível do Ensino
Secundário, não obstante a recente alteração, que retirou a classificação da Educação
Física do cálculo da média final e, portanto, da nota de acesso ao ensino superior, a
necessidade de reconquistar o estatuto de paridade com as restantes disciplinas
coloca ainda mais responsabilidades aos professores. Cada vez mais, temos que dar
respostas efetivas às linhas programáticas da disciplina, com as adaptações neces-
sárias à especificidade do contexto e dos alunos, adotando estratégias promotoras do
sucesso nas três áreas objeto de avaliação: ação, conhecimento e atitudes. Chegou a
hora de renovarmos desafios, quebrar rotinas e inovar, apostando claramente no
valor pedagógico da Educação Física.

Temos de ser um todo, marcar a diferença pela positiva. Todos juntos seremos
capazes de confirmar a imprescindibilidade da Educação Física no currículo escolar
dos nossos alunos, reforçando a necessidade de retomar o estatuto de “igualdade”
entre as disciplinas do currículo.

Votos de um bom trabalho!

OS AUTORES

Nota: Por considerarmos o termo competência mais integrador, optámos por nos referir a compe-
tências e não a objetivos finais de ciclo.

5
444
44444
Desenvolvimento
Pedagógico-Didático
I
1. Composição Curricular da Educação Física
2. Educação Física no Plano Curricular
3. Educação Física no Ensino Secundário
ASA • Em Movimento 10/11/12
1. Composição Curricular da Educação Física

ENSINO BÁSICO ENSINO SECUNDÁRIO

1.o CICLO 2.o CICLO 3.o CICLO


11.o/12.o
10.o ANO
o o
1. / 2. o
3. / 4.o o
5. / 6.o o o o
7. / 8. / 9. ANOS
ANOS ANOS ANOS ANOS
Jogos
(avançado)
Jogos Jogos
(Introdução) (elementar) Futebol Futebol Futebol
(elementar) (parte avançado) (parte avançado)
Voleibol Voleibol Voleibol
(parte elementar) (parte avançado) (parte avançado) Jogos Desp.
Coletivos
Basquetebol Basquetebol Basquetebol (Avançado)
(introdução) (parte avançado) (parte avançado)
Perícia e Ginástica
manipulação Andebol Andebol Andebol
(parte introdução) (parte elementar) (parte elementar)
Gin. de Solo Gin. de Solo Gin. de Solo
(parte elementar) (parte avançado) (parte avançado)
Deslocamentos Patinagem
e equilíbrios (Introdução) Gin. de Apar. Gin. de Apar. Gin. de Apar. Ginástica
(parte elementar) (elem. + parte avanç.) (elem. + parte avanç.) (Avançado)
Gin. Acrob. Gin. Acrob.
(parte elementar) (parte elementar) ou
Gin. Rítmica Atletismo
(introdução) (Avançado)
Atletismo Atletismo Atletismo
Percursos na Percursos na (introdução) (parte avançado) (parte avançado)
Natureza Natureza
Raquetas Raquetas Raquetas
(raquetas madeira) (elementar) (elementar)
Patinagem Patinagem Patinagem
(parte elementar) (elementar) (elementar) Dança
Dança Dança (Avançado)
Dança Dança Dança
(Introdução) (Introdução)
(parte elementar) (elementar) (elementar)
Percursos Orientação
na Natureza (introdução)
Jogos Tradic. Jogos Tradic. Outras…
(Prog. de Escola) (Prog. de Escola)
Luta Luta
(introdução) (Desp. de Combate)

Matérias alternativas
Campismo/Pioneirismo, Canoagem, Ciclocrosse, Cicloturismo, Corfebol, Corridas em
Patins, Danças Sociais, Danças Tradicionais Portuguesas, Aeróbica, Golfe, Hóquei em
Campo, Jogo do Pau português, Judo, Montanhismo/Escalada, Natação, Prancha à
Vela, Râguebi, Softebol/Basebol, Ténis de Mesa, Tiro com Arco, Vela, etc.

O conteúdo de cada uma das matérias encontra-se especificado em três níveis:


Introdução, onde se incluíram as habilidades, técnicas e conhecimentos que representam a aptidão específica ou preparação de base
(“fundamentos”);
Elementar, nível onde se discriminam os conteúdos constituintes do domínio (mestria) da matéria nos seus elementos principais e já
com caráter mais formal, relativamente à modalidade da Cultura Física a que se referem;
Avançado, que estabelece os conteúdos e formas de participação nas atividades típicas da matéria, correspondentes ao nível superior,
que poderá ser atingido no quadro da disciplina de Educação Física.

8
2. Educação Física no Plano Curricular
A Educação Física(1), enquanto área curricular, estabelece um quadro de relações com as
áreas que, com ela, partilham os contributos fundamentais para a formação dos alunos ao longo
de toda a escolaridade.

O essencial do valor pedagógico dessas relações reside nos aspetos particulares da Edu-
cação Física, materializado no conjunto de contributos e de riquezas patrimoniais específicas
que não podem ser promovidas por qualquer outra área ou disciplina do currículo escolar.

Trata-se, como em muitas outras facetas do desenvolvimento humano, da partilha geracio-


nal de um conjunto de aquisições socialmente relevantes, que se constituem como património
cultural, tendo como referente o corpo e a atividade física desportiva na sua vertente de cons-
trução individual e coletiva e de relacionamento e integração na sociedade.

Olha-se, portanto, para este percurso educativo como o combate ao analfabetismo motor,
que deverá estar completamente erradicado nos nossos jovens no fim da escolaridade básica,
a partir da progressiva integração de um conjunto de atitudes, capacidades, conhecimentos
e hábitos no âmbito da Educação Física, de forma a que, no Ensino Secundário, seja possível
sistematizar, desenvolver e consolidar as aquisições realizadas no Ensino Básico.

A conceção da Educação Física presente nas diretrizes curriculares visa garantir que ao
longo do percurso escolar do aluno seja possível ampliar as sua experiências motoras, tendo
como pano de fundo a perseguição constante da qualidade de vida, da saúde e do bem-estar.
O conjunto de experiências motoras deve ser eclético e orientado pedagogicamente de forma a
contribuir para o desenvolvimento multilateral do aluno.

As competências em Educação Física adquirem-se pela prática de atividade desportiva


qualitativa e quantitativamente adequada às possibilidades e necessidades de cada aluno,
em situações que promovam o seu desenvolvimento, isto é, situações em que o esforço físico,
a aprendizagem, a descoberta e o desafio pessoal e coletivo sejam uma constante.

Cooperar com outros em tarefas e projetos comuns é uma competência intrínseca


desta área disciplinar. Em todas as matérias da Educação Física coexistem atividades de supe-
ração e aperfeiçoamento pessoal e atividades de demonstração de competências, individuais e
em grupo (por exemplo, as ações em situação de Jogo Desportivo Coletivo, a exploração de
movimento em pares e em grupo na Dança, os esquemas em grupo na Ginástica, os percursos
em equipa na Natureza).

A atitude de empenho, perseverança, esforço e autodisciplina, imprescindíveis num


processo de desenvolvimento em que o aperfeiçoamento e a superação são um desafio cons-
tante, passa pela autonomia e responsabilidade dos alunos na realização e regulação da
sua própria atividade.

Às exigências de respeito pelas regras de participação nas várias atividades/matérias,


definidas pelos seus regulamentos, juntam-se as de realização das tarefas, sem as quais o
treino é inconsequente, as regras de funcionamento e segurança em espaços e atividades
próprias da disciplina (ginásios, transporte e manipulação dos equipamentos, etc.), ou ainda
normas para preservação do equilíbrio ecológico (por exemplo, em atividades de exploração da
Natureza).
(1)
In Programas Nacionais de Educação Física do Ensino Básico e do Ensino Secundário.

9
O relacionamento interpessoal e de grupo assume importância vital nesta área, em que
grande parte das realizações dos alunos são coletivas. A qualidade deste relacionamento é uma
das preocupações representada nos objetivos da Educação Física no Ensino Básico e nos prin-
cípios de organização das atividades educativas e assenta na promoção da autonomia, pela
atribuição, reconhecimento e exigência de responsabilidades efetivas aos alunos, nos pro-
blemas organizativos e de tratamento das matérias que podem ser assumidos e resolvidos por
eles e na orientação da sociabilidade no sentido de uma cooperação efetiva entre os alunos,
associando-se não só à melhoria da qualidade das prestações, especialmente nas situações de
competição entre equipas, mas também ao clima relacional favorável ao aperfeiçoamento
pessoal e ao prazer proporcionado pelas atividades (Cf. Programas de Educação Física do
Ensino Básico). Valores estes a desenvolver e consolidar no Ensino Secundário.

Apesar da diversidade dos contextos de aprendizagem, as situações e os métodos de tra-


balho utilizados evidenciam sempre o aluno como protagonista do processo de ensino-aprendi-
zagem, apelando a uma participação ativa em todas as situações de aula.

A realização de atividades de forma autónoma e criativa é, obviamente, valorizada e


incentivada. Por este motivo esta preocupação vem explícita nos programas de Educação Física,
nomeadamente nos Objetivos Gerais comuns a todas as áreas, referindo que o aluno deverá
“participar em todas as situações (…) apresentando iniciativas e propostas pessoais de desen-
volvimento da atividade individual e do grupo, considerando as que são apresentadas pelos com-
panheiros com interesse e objetividade”.

A promoção e aceitação da iniciativa dos alunos, orientando-os para a elevação da quali-


dade do seu empenho e dos efeitos positivos das atividades, traduz a valorização da criatividade.

Este processo, a par da especificidade das matérias da Educação Física e do desejável clima
de desafio e descoberta, enquadra um singular contributo desta área para o desenvolvimento
das competências relacionadas com o tratamento da informação, a tomada de decisões e
a resolução de problemas.

Um dos aspetos particulares do desenvolvimento de estratégias cognitivas ocorre, por


exemplo, nas situações de jogo, que solicitam constantemente ao aluno a adequação das suas
ações à leitura que faz do jogo, isto é, às ações dos companheiros de equipa e adversários, ou,
noutro exemplo, na resposta que o aluno encontra face aos problemas colocados em percursos
de orientação, na procura da melhor solução.

Para além disso, a aprendizagem de habilidades técnicas pressupõe a reprodução e/ou


recriação de padrões de movimento, que o aluno tem de identificar e interpretar a partir da
informação prestada verbal e/ou visualmente.

As competências associadas à resolução de problemas são amplamente solicitadas na


Educação Física. A construção do pensamento estratégico, que permite ao aluno escolher a
ação mais favorável ao êxito pessoal e do grupo nos Jogos Desportivos Coletivos ou na acumu-
lação de vantagem nos Desportos de Raqueta ou na pertinência das opções tomadas em Per-
cursos de Orientação, é exemplo do contributo único da Educação Física.

As competências relacionadas com a utilização de diferentes formas de comunica-


ção e de linguagens de diferentes áreas do saber desenvolvem-se, na Educação Física, pela
utilização de terminologia específica da cultura física e de cada uma das matérias de ensino e
pela utilização de comunicação gestual específica das modalidades desportivas, como são, por
exemplo, as ações técnicas de arbitragem, a comunicação dentro da equipa nos Jogos Despor-
tivos Coletivos e também as habilidades de expressão e de comunicação nas Atividades Rítmicas
Expressivas.

10
A promoção de estilos de vida saudáveis e a responsabilização dos alunos quanto
à segurança pessoal e coletiva recebem contributos inquestionáveis da Educação Física.
Vem explícita nos seus programas como uma referência fundamental e transversal da área,
traduzida, não só, na interpretação concetual (ou cognitiva) destes assuntos, mas também na
sua interpretação prática, sistemática, na atividade física (Cf. Objetivos Gerais de ciclo e espe-
cificações das matérias.) É, aliás, neste domínio, bem como no da realização de atividade física
pedagogicamente orientada, que o contributo desta área disciplinar para a formação e desen-
volvimento dos alunos se torna mais visível. Com efeito, as características intrínsecas à ati-
vidade físico-desportiva proporcionam, de uma forma singular, no currículo dos alunos do Ensino
Básico e Secundário, contextos favoráveis e facilitadores do desenvolvimento do conjunto das
competências aqui mencionadas.

3. Educação Física no Ensino Secundário(2)


A conceção de Educação Física presente nos programas concretiza-se na apropriação de
habilidades e conhecimentos, na elevação das capacidades do aluno e na formação
das aptidões, atitudes e valores (bens de personalidade que representam o rendimento edu-
cativo), proporcionadas pela exploração das suas possibilidades de atividade física adequada –
intensa, saudável, gratificante e culturalmente significativa.

Os programas dão corpo a um entendimento de domínios/competências de forma inte-


grada e não fracionada, considerando que as atividades proporcionadas aos alunos devem
integrar, necessariamente, os vários domínios da competência (ação, conhecimentos e atitudes),
produzindo efeitos nos vários níveis.

Reconhece-se ao professor a responsabilidade de definir as metas a alcançar e a


seleção de soluções pedagógicas e metodológicas mais adequadas aos objetivos defi-
nidos. A seleção de objetivos e a aplicação dos processos formativos, de aprendizagem e treino,
são objeto de deliberação pedagógica ao nível da realidade educativa concreta, cujas limitações
e possibilidades particulares só podem ser apreciadas pelo próprio professor.

O programa constitui-se como um guia para a ação do professor, na orientação da sua


prática, em coordenação com os professores de Educação Física da(s) escola(s) e colegas de
outras disciplinas.

O que está verdadeiramente em causa é que a qualidade da participação do aluno na


atividade educativa deve produzir efeitos positivos, profundos e duradouros, mantendo-o moti-
vado para a prática da atividade físico-desportiva ao longo da vida.

A participação dos alunos é assim definida em quatro princípios fundamentais:

• a garantia de atividade desportiva corretamente motivada, qualitativamente adequada


e em quantidade suficiente, numa perspetiva de educação para a saúde;

• a promoção da autonomia, pela atribuição, reconhecimento e exigência das responsa-


bilidades que podem ser assumidas pelos alunos, na resolução dos problemas de orga-
nização das atividades e de tratamento das matérias;
(2)
In Programa Nacional de Educação Física do Ensino Secundário

11
• a valorização da criatividade, pela promoção e aceitação da iniciativa dos alunos, orien-
tando-a para a elevação da qualidade do seu empenho e dos efeitos positivos da ativi-
dade;

• a orientação da sociabilidade, no sentido de uma cooperação efetiva entre os alunos,


associando-a à melhoria da qualidade das prestações, especialmente nas situações de
competição entre equipas, e também ao clima relacional favorável ao aperfeiçoamento
pessoal e ao prazer proporcionado pelas atividades.

Finalidades

Visando a aptidão física, na perspetiva da melhoria da qualidade de vida, da saúde


e do bem-estar:

• consolidar e aprofundar as competências práticas e os conhecimentos relativos aos pro-


cessos de elevação e manutenção das capacidades motoras;

• alargar os limites dos rendimentos energético-funcional e sensório-motor, em trabalho


muscular diversificado, nas correspondentes variações de duração, intensidade e comple-
xidade.

Favorecer a compreensão e aplicação dos princípios, processos e problemas de


organização e participação nos diferentes tipos de atividades desportivas, na pers-
petiva da animação cultural e da educação permanente, valorizando, designada-
mente:

• a ética e o espírito desportivo;

• a responsabilidade pessoal e coletiva, a cooperação e a solidariedade;

• a consciência cívica, na preservação das condições de realização das atividades físicas,


em especial, a qualidade do ambiente.

Reforçar o gosto pela prática regular das atividades desportivas e aprofundar a


compreensão da sua importância como fator de saúde ao longo da vida e componente
da cultura, quer na dimensão individual, quer social.

Assegurar o aperfeiçoamento dos jovens nas atividades desportivas da sua preferência, de


acordo com as suas características pessoais e motivações, através da formação específica e
opcional, num conjunto de matérias que garanta o desenvolvimento multilateral e harmonioso
da aptidão física, considerando nesse conjunto os diferentes tipos de atividades desportivas:
• as atividades desportivas nas suas dimensões técnica, tática, regulamentar e organi-
zativa;
• as atividades expressivas (danças), nas suas dimensões técnica, de composição e inter-
pretação;
• as atividades de exploração da Natureza, nas suas dimensões técnica, organizativa e
ecológica;
• os jogos tradicionais e populares.

12
Objetivos comuns (áreas nucleares e áreas de opção)

O conjunto de objetivos de ciclo sintetiza as competências a desenvolver ao longo do Ensino


Secundário. Ao nível do 10.° ano, na procura da consolidação das aquisições previstas para o Ensino
Básico, e nos 11.° e 12.° anos, nos quais se prevê a possibilidade de opção por parte dos alunos.

1. Participar ativamente em todas as situações e procurar o êxito pessoal e do grupo:


• relacionando-se com cordialidade e respeito pelos seus companheiros, quer no papel de
parceiros quer no de adversários;
• aceitando o apoio dos companheiros nos esforços de aperfeiçoamento próprio, bem como
as opções do(s) outro(s) e as dificuldades reveladas por eles;
• cooperando nas situações de aprendizagem e de organização, escolhendo as ações favo-
ráveis ao êxito, segurança e bom ambiente relacional, na atividade de turma;
• interessando-se e apoiando os esforços dos companheiros com oportunidade, promovendo
a entreajuda para favorecer o aperfeiçoamento e satisfação própria e do(s) outro(s);
• apresentando iniciativas e propostas pessoais de desenvolvimento da atividade individual
e do grupo, considerando também as que são apresentadas pelos companheiros com inte-
resse e objetividade;
• assumindo compromissos e responsabilidade de organização e preparação das atividades
individuais e/ou de grupo, cumprindo com empenho e brio as tarefas inerentes;
• combinando com os companheiros decisões e tarefas de grupo, com equidade e respeito
pelas exigências e possibilidades individuais.

2. Analisar e interpretar a realização de atividades físicas selecionadas, aplicando os


conhecimentos sobre técnica, organização e participação, ética desportiva, etc.

3. Interpretar crítica e corretamente os acontecimentos na esfera da cultura des-


portiva, compreendendo as atividades físicas e as condições da sua prática e aperfeiçoamento
como elementos de elevação cultural dos praticantes e da comunidade em geral.

4. Identificar e interpretar os fenómenos da industrialização, urbanismo e poluição como


fatores limitativos das possibilidades de prática das atividades físico-desportivas, de apti-
dão física e da saúde das populações.

5. Conhecer e interpretar fatores de saúde e risco associados à prática das atividades


físicas e aplicar regras de higiene e de segurança.

6. Conhecer e aplicar diversos processos de elevação e manutenção da condição


física de uma forma autónoma no seu quotidiano.

7. Elevar o nível funcional das capacidades condicionais e coordenativas gerais, par-


ticularmente, de resistência geral de longa e média durações; da força resistente; da força
rápida; da velocidade de reação simples e complexa, de execução, de deslocamento e da resis-
tência; da flexibilidade, das destrezas geral e específica.

Objetivos das áreas nucleares

1. Cooperar com os companheiros para o alcance do objetivo dos Jogos Desportivos Cole-
tivos, realizando com oportunidade e correção as ações tático-técnicas elementares em todas
as funções, conforme a oposição em cada fase do jogo, aplicando as regras não só como jogador,
mas também como árbitro.

13
2. Compor, realizar e analisar esquemas individuais e em grupo da Ginástica (Acrobática,
de Solo, Aparelhos ou Rítmica), aplicando os critérios de correção técnica, expressão e combi-
nação das destrezas e apreciando os esquemas de acordo com esses critérios.

3. Realizar e analisar provas combinadas do Atletismo em equipa (saltos, lançamentos,


corridas e marcha), cumprindo corretamente as exigências técnicas e regulamentares, não só
como praticante, mas também como juiz.

4. Apreciar, compor e realizar sequências de elementos técnicos da Dança em coreografias


individuais e de grupo, correspondendo aos critérios de expressividade, de acordo com os moti-
vos das composições.

Objetivos das áreas de opção

1. Realizar, com oportunidade e correção, as ações tático-técnicas de Jogos de Raquetas,


garantindo a iniciativa e ofensividade em participações individuais e a pares, aplicando as regras
não só como jogador mas também como árbitro.

2. Realizar, com oportunidade e correção, as ações do domínio de oposição em jogo formal


de Luta ou Judo, utilizando as técnicas de projeção e controlo, com oportunidade e segurança
(própria e do opositor) e aplicando as regras, quer como executante quer como árbitro.

3. Utilizar adequadamente os Patins, em combinações de deslocamentos e paragens, com


equilíbrio e segurança, em composições rítmicas individuais e a pares (Patinagem Artística),
cooperando com os companheiros nas ações tático-técnicas em jogo de Hóquei em Patins, ou
em situação de Corrida de Patins.

4. Praticar Jogos Tradicionais Populares de acordo com os padrões culturais caracte-


rísticos.

5. Realizar atividades de exploração da Natureza, aplicando correta e adequadamente


as técnicas específicas, respeitando as regras de organização, participação e especialmente de
preservação da qualidade do ambiente.

6. Deslocar-se com segurança no meio aquático, coordenando a respiração com as ações


propulsivas específicas das técnicas selecionadas.

Visão geral dos conteúdos

Níveis de especificação e organização curricular

Nos programas o conteúdo de cada uma das matérias encontra-se especificado em três níveis:

Introdutório Elementar Avançado


Inclui as habilidades técnicas Discriminam-se os conteúdos Estabelece os conteúdos e
e conhecimentos que que representam o domínio formas de participação nas
representam a aptidão (mestria) da matéria nos seus situações típicas da atividade
específica ou preparação de elementos principais e já com referente, correspondentes ao
base, representa os caráter mais formal, nível superior que poderá ser
“fundamentos”. relativamente aos modelos de atingido no âmbito da disciplina
prática e organização da de Educação Física.
atividade referente.

14
Matérias

• Matérias nucleares – de caráter obrigatório;


• Matérias alternativas – a adotar localmente, de acordo com as características próprias
ou condições especiais existentes em cada escola.

Especificações do programa por anos de escolaridade

a) 10.° ano – os níveis de tratamento mais elevados estabelecidos até esse ano nas maté-
rias nucleares (obrigatórias);
No 10.° ano interessa consolidar e, eventualmente, completar a formação diver-
sificada do Ensino Básico, mantêm-se os objetivos do 9.° ano.

b) 11.° e 12.° anos – níveis avançados das matérias nucleares tratadas até ao 10.° ano e
todos os níveis (Introdutório, Elementar e Avançado) das matérias alternativas.
Nos 11.° e 12.° anos admite-se um regime de opções no seio da escola, entre as tur-
mas do mesmo horário, de modo que cada aluno possa aperfeiçoar-se nas seguintes
matérias (conforme os objetivos gerais): duas de Jogos Desportivos Coletivos, uma
da Ginástica ou uma do Atletismo, Dança e duas das restantes.

IMPORTANTE

O modelo de organização curricular adotado permite que os alunos se aperfeiçoem


nas matérias da sua preferência, mas também que, no seu conjunto, essas atividades
apresentem, globalmente, um efeito de elevação da aptidão física geral e desenvolvimento
multilateral do aluno, nos diferentes modos de prática. As estratégias de organização,
no seio da turma e em conjunto com outras turmas, deverão permitir respeitar, o mais
possível, as preferências de cada aluno, sem o submeter incondicionalmente às
preferências ditadas pela maioria dos alunos da turma.

Sugestões metodológicas

Tendo como pano de fundo estes pressupostos, cabe aos Departamentos de Educação Física
das escolas, e/ou dos agrupamentos de escolas, a organização do percurso e das exigências
educativas ao longo do Ensino Secundário, tendo sempre como referência os objetivos do
ciclo (competências a alcançar no final do Ensino Secundário).

No plano mais operacional da conceção e organização das atividades de desenvolvimento


que promovem os efeitos educativos pretendidos, deve ser assegurado um conjunto de quali-
dades genéricas, independentemente do tipo de atividade. Assim, as situações de aprendizagem
e treino devem, per si ou no seu conjunto:
• ser inclusivas, pois nenhum aluno pode ser excluído por dificuldades ou aptidão insufi-
ciente, nem por exigências gerais que deixem de considerar as suas possibilidades;
• proporcionar muito tempo de prática de atividade desportiva com significado e qua-
lidade, isto é, adequada às necessidades e características dos alunos;
• ser significativas, correspondendo às expetativas de aperfeiçoamento pessoal do aluno.
Os desafios devem ser colocados acima das suas possibilidades do momento, mas acessíveis

15
a curto prazo. No seu conjunto, a atividade do aluno deve ser de “moderada a intensa”
constituindo-se como carga física que permita a elevação do nível funcional das capaci-
dades motoras;
• ser agradáveis, possibilitando que os alunos realizem a atividade de que necessitam, mas
também a de que gostam, conciliando-a com motivações, gostos e interesses;
• ser variadas, solicitando diferentes capacidades e colocando exigências diversificadas do
ponto de vista motor e do tipo de esforço;
• ser realizadas num ambiente pedagógico que promova a cooperação e entreajuda, o
respeito pelos outros, o sentido da responsabilidade, a segurança e o espírito de ini-
ciativa, reconhecendo-se que as atividades específicas da Educação Física se realizam
fundamentalmente em grupo (em cooperação/oposição), apresentando-se como terreno
excelente para a Educação para a Cidadania.

Reconhecendo que a Educação Física se centra na atividade desportiva, embora não se


esgote nela, privilegia-se a referência às situações de aprendizagem que envolvam atividade
motora. Neste quadro, entende-se como situações de aprendizagem as oportunidades de
prática, organizadas de forma que todos os alunos tenham o máximo tempo de atividade
motora significativa e especificamente orientada para o alcance das competências.

Dadas as características próprias da Educação Física e das suas aprendizagens, um conjunto


de aspetos essenciais têm de ser considerados na elaboração e seleção das situações de apren-
dizagem:

• a atividade formativa deve ser tão global quanto possível e tão analítica quanto
necessária. Entende-se por atividade “global” a organização da prática do aluno segundo
as características da atividade referente – jogo, concurso, percurso, sequência, coreogra-
fia, etc. Por atividade “analítica” entendemos a exercitação, o aperfeiçoamento de elemen-
tos parciais e críticos das diferentes competências técnicas ou tático-técnicas, em
situações simplificadas ou fracionadas da atividade referente;

• a constituição dos grupos, face às características já referidas dos processos de apren-


dizagem desta área curricular (os alunos aprendem em interação com os outros, existência
de competências de realização coletiva, etc.). Esta é uma questão delicada que o professor
não pode deixar de equacionar de forma a gerir a dinâmica e as relações intraturma, apro-
veitando ao máximo as suas potencialidades para a realização dos objetivos estabelecidos.
Assim, os diferentes modos de agrupamento (grupos heterogéneos e homogéneos) devem
ser considerados processos convenientes em períodos limitados do plano de turma, ade-
quados, portanto, às etapas de aprendizagem e aos propósitos pedagógicos do professor;
• a diferenciação de objetivos e/ou atividades formativas para alunos e/ou subgrupos
distintos é desejável e necessária para corresponder ao princípio metodológico segundo o
qual a atividade formativa proporcionada aos alunos deve ser tão coletiva (de conjunto,
interativa) quanto possível e tão individualizada (ou diferenciada por grupos de nível)
quanto necessário. Esta diferenciação é garante também da inclusividade característica
das aulas de Educação Física.

As situações de aprendizagem na Educação Física são inúmeras e variadas, originando


contextos de aprendizagem bastante diversificados consoante o tipo de atividade e papéis atri-
buídos ao professor e ao(s) aluno(s). No entanto, as situações que a seguir se enumeram cons-
tituem-se como referências fundamentais na organização do processo de ensino-aprendizagem.

16
O exercício individual é uma situação simples de aprendizagem ou aperfeiçoamento de
ações técnicas e/ou técnico-táticas das várias matérias dos programas. A sua construção
deve considerar, sempre que possível, a associação de várias habilidades de forma a apro-
ximá-la do contexto da atividade referente. É o caso das situações de exercício nos Jogos
Desportivos Coletivos, em que, por exemplo, a aprendizagem e o aperfeiçoamento da finaliza-
ção deve ser associada à receção, passe ou progressão (nos Jogos de Invasão) ou a receção
associada ao serviço (no Voleibol). Mesmo na Ginástica, é fundamental que à aprendiza-
gem de cada habilidade seja associada outra, de forma a garantir o seu encadeamento e
facilitar a aprendizagem e demonstração de competências no contexto da sequência gímnica
ou da coreografia.
O exercício individual pode assumir várias formas organizativas, como é o caso do con-
curso no Voleibol, dos percursos e circuitos na Ginástica ou no treino das capacidades moto-
ras, sendo por esse aspeto uma situação facilitadora da diferenciação do ensino.
Os exercícios em grupo constituem-se como situações simples de aprendizagem ou aper-
feiçoamento de ações técnicas e/ou tático-técnicas em várias matérias dos programas, em que
existe o propósito de valorizar atitudes de cooperação e entreajuda (o 1 × 1 no Badminton, situa-
ções de ensino recíproco na Ginástica, Percurso na Natureza ou de Orientação) ou, quando a
natureza das aprendizagens implica a sua realização em grupo (por exemplo, a Luta, os “toques”
em grupo no Voleibol, o 1 × 1 no Basquetebol).
As sequências de habilidades e coreografias são situações mais complexas em que a
aprendizagem só se pode realizar nos contextos de demonstração de competências de algumas
matérias (Ginástica, Dança, Patinagem). Em alguns casos (quando não são predeterminadas
pelo professor), exigem um trabalho prévio do aluno ou grupo de alunos, de conceção
da sequência ou da coreografia. Não se trata só da realização de determinadas habilidades,
mas sim da composição de umas com as outras (da sua ligação), o que faz realçar a importância
da harmonia e fluidez de movimentos. É o caso da sequência gímnica no solo ou na trave, ou da
coreografia na Dança ou na Ginástica Acrobática.
As situações de jogo, típicas de aprendizagem dos jogos desportivos coletivos ou dos des-
portos de raquetas, são idênticas às atividades referentes das matérias destas subáreas. A
escolha, a oportunidade e adequação das ações técnicas e/ou tático-técnicas depende
da capacidade de os alunos “lerem o jogo”, cuja aprendizagem implica que o professor,
nestas situações, não comande as ações dos alunos, substituindo ou inibindo as suas opções.

A constituição dos grupos assume, aqui, uma importância decisiva, de modo a garantir
que todos os alunos tenham a possibilidade de protagonismo no jogo, necessário para aprender.

Nas situações de jogo simplificado, procura-se retirar alguma complexidade às situações


de jogo formal, reduzindo o número de jogadores (3 × 3 no Basquetebol) e/ou reduzindo as
dimensões do campo (4 × 4 no Voleibol em campo reduzido). A simplificação do jogo pode tam-
bém ser conseguida utilizando somente uma fração do campo (3 × 3 em meio-campo no Bas-
quetebol). Este tipo de situações visa aumentar a participação dos alunos no jogo, ampliando o
espaço relativo de cada um e a possibilidade de protagonismo no jogo.

As situações de exploração do movimento são típicas da Dança, em que os alunos,


individualmente ou em grupo, combinam movimentos locomotores e não locomotores,
segundo determinado ritmo (musical ou outro), e em que o aspeto expressivo tem um relevo
fundamental.

17
Extensão da Educação Física

A. Atividades desportivas, atividades expressivas, atividades de exploração da Natureza e


jogos tradicionais populares
B. Desenvolvimento das capacidades motoras condicionais e coordenativas
C. Aprendizagem dos processos de desenvolvimento e manutenção da condição física
D. Aprendizagem dos conhecimentos relativos à interpretação e participação nas estruturas
e fenómenos sociais extraescolares, no seio dos quais se realizam as atividades físicas

Atividades Desportivas 10o. Ano 11o. e 12o. Anos

Jogos Desportivos Coletivos


• Futebol Parte Avançada
• Voleibol Parte Avançada
• Basquetebol Parte Avançada
• Andebol Elementar

Ginástica 2 Jogos
• de Solo Parte Avançada Desportivos
• de Aparelhos Elementar + Parte Avançada Coletivos
• Acrobática Elementar (Avançado)
+
Atletismo Parte Avançada Ginástica ou
Atletismo (Avançado)
Raquetas +
• Badminton Elementar Dança (Avançado)
• Ténis Elementar +
Duas outras
Patinagem
• Artística Elementar
• Hóquei em patins Elementar

Atividades rítmicas expressivas


• Dança Elementar

Matérias alternativas
Aeróbica, Campismo/Pioneirismo, Canoagem, Ciclocrosse/Cicloturismo, Corfebol, Conforme o nível
Corridas em Patins, Danças Sociais, Danças Tradicionais Portuguesas, Golfe, abordado
Hóquei em Patins, Hóquei em Campo, Jogo do Pau, Judo, Montanhismo ou anteriormente
Escalada, Natação, Orientação, Prancha à Vela, Râguebi, Softebol/Basebol, Ténis de
Mesa, Ténis, Badminton, Tiro com Arco, Vela

Desenvolvimento das capacidades motoras


Resistência, Força, Velocidade, Flexibilidade e Destreza

Outras Matérias
Matérias nucleares não lecionadas no 10.° ano (Orientação, Ginástica Rítmica, Luta e Jogos
Tradicionais), algumas matérias nucleares lecionadas no 10.° ano (Raquetas, Patinagem) e
todas as matérias alternativas.

18
Normas de referência para o sucesso em Educação Física
O sucesso reporta-se às competências adquiridas pelos alunos. O grau de sucesso do aluno
corresponde à manifestação das várias competências no desempenho dos conteúdos progra-
máticos.

Critérios de avaliação
Os critérios de avaliação estabelecidos pela escola, pelo Departamento de Educação Física
e pelo professor permitirão determinar concretamente o grau de sucesso. Os critérios de ava-
liação constituem, portanto, regras de qualificação da participação dos alunos nas atividades
selecionadas para a realização dos objetivos e do seu desempenho nas situações de prova,
expressamente organizadas pelo professor para a demonstração das qualidades visadas.

É necessário definir critérios de avaliação que permitam concretizar o grau de sucesso do


aluno e fornecer, através da avaliação formativa, informação que permita ao aluno autorregular
a sua aprendizagem, tomando consciência do seu grau de sucesso.

Aspetos operacionais
Como referência fundamental para o sucesso em Educação Física, consideram-se três gran-
des áreas de avaliação específica, que representam as grandes áreas de extensão da Educação
Física:
A – Atividades desportivas (matérias)
B – Aptidão física
C – Conhecimentos, relativos aos processos de elevação e manutenção da aptidão física
e à interpretação e participação nas estruturas e fenómenos sociais, no seio dos quais
se realizam as atividades desportivas.

Competências específicas a avaliar em Educação Física


• Competências de ação ao nível das diversas matérias de ensino – atividades desportivas
e nível de aptidão física.
• Competências de conhecimento relativas aos processos de elevação e manutenção da
aptidão física das atividades desportivas e interpretação do Desporto como aspeto da cul-
tura.
• Competências de atitude relativas aos comportamentos adotados pelos alunos no
decurso do processo de ensino-aprendizagem.

Matérias lecionadas
As matérias devem ser selecionadas de acordo com as condições de composição do currí-
culo apresentadas no Programa Nacional de Educação Física.

Agrupamento das matérias para execução das normas de referência para o


sucesso em EF – no final do Ensino Secundário
Consideram-se as matérias que integraram a composição do currículo de acordo com as
condições apresentadas no Programa Nacional de Educação Física: 2 Jogos Desportivos Cole-
tivos, 1 Ginástica ou Atletismo, 1 Dança e 2 Outras (Raquetas, Combate, Natação, Patinagem,
Atividades Exploração Natureza, etc.).

19
Referência para o sucesso em Educação Física
Estas normas têm o propósito de tornar mais claras e visíveis (e coerentes) as condições
genéricas de obtenção da classificação de 10 valores (no Ensino Secundário), indepen-
dentemente doutros parâmetros de avaliação definidos pela escola.

Tendo em consideração as três grandes áreas de avaliação específicas da Educação


Física, o aluno deve alcançar, nas diferentes áreas de extensão, os seguintes níveis:
A – Atividades desportivas(3) – nas matérias selecionadas, evidencia competências de
3 Níveis Introdutórios e 3 Níveis Elementares
B – Aptidão física – encontra-se na Zona Saudável de Aptidão Física (ZSAF – Fitnessgram)
C – Conhecimentos – revela os conhecimentos definidos pelo Departamento de Educação
Física, relativos aos objetivos do Programa do Ensino Secundário

(3) Relembramos que as atividades desportivas incluem:


– Atividades desportivas
– Atividades expressivas
– Atividades de exploração da Natureza
– Jogos tradicionais e populares

20
Conteúdos
Programáticos
II
1. Desporto como Componente da Cultura
2. Processos de Desenvolvimento
e Manutenção da Condição Física
3. Atividades Desportivas
4. Atividades Expressivas
ASA • Em Movimento 10/11/12
De seguida apresentamos uma síntese dos conteúdos programáticos contemplados nos
programas de Educação Física do Ensino Secundário (10.°, 11.° e 12.° anos). A síntese está
estruturada em duas grandes partes:

• a primeira parte contém os conteúdos referentes aos conhecimentos a adquirir ao nível


do desporto como componente da cultura (A) e dos processos de desenvolvimento
e manutenção de condição física (B);

• a segunda parte é composta pela síntese dos conteúdos programáticos referentes


às atividades desportivas nucleares. De forma a tornar mais explícita a organização
destes conteúdos para cada tema (ex.: Raquetas), surgem sempre as competências de
ação do conhecimento e de atitude.

Os conteúdos relativos à elevação dos níveis de aptidão física são objeto de tratamento no
capítulo seguinte, pois consideramos que permite uma leitura mais articulada entre os conteú-
dos, formas de operacionalizar e avaliar os aspetos referentes à aptidão física.

1. Desporto como Componente da Cultura

Competências de Conhecimento

10.o Ano 11.o/12.o Anos

• Compreende, traduzindo em linguagem própria, a • Compreende, traduzindo em linguagem própria, o


dimensão cultural da atividade física na atualidade papel das atividades físicas na evolução do Homem
e ao longo dos tempos: e da sociedade, reconhecendo a sua importância no
– identificando as características que lhe conferem domínio da educação, do trabalho e do lazer.
essa dimensão;
• Reconhece o desporto como um fenómeno social
– reconhecendo a diversidade e a variedade das de grande importância:
atividades físicas, e os contextos e objetivos com
que se realizam; – identificando as características que lhe conferem
essa dimensão;
– distinguindo desporto e educação física,
reconhecendo o valor formativo de ambos na – considerando as profissões que lhe estão
perspetiva da educação permanente. associadas e comparando-o com outras
manifestações culturais;
• Identifica fenómenos associados a limitações das – analisando contextos e objetivos das grandes
possibilidades de prática das atividades físicas, da manifestações desportivas, de entre as quais os
aptidão física e da saúde dos indivíduos e das Jogos Olímpicos;
populações, tais como o sedentarismo e a evolução – identificando as principais instituições
tecnológica, a poluição, o urbanismo e a desportivas (associações, clubes, federações,
industrialização, relacionando-os com a evolução comités olímpicos, etc.) e o seu papel na
das sociedades. organização e desenvolvimento desportivo.

• Analisa criticamente aspetos gerais da ética na


participação nas atividades físicas desportivas,
relacionando os interesses sociais, económicos,
políticos e outros com algumas das suas
perversões, nomeadamente:
– a especialização precoce e a exclusão ou
abandono precoces;
– a dopagem e os riscos de vida e/ou saúde;
– a violência (dos espetadores e dos atletas)
versus espírito desportivo;
– a corrupção versus a verdade desportiva.

22
2. Processos de Desenvolvimento
e Manutenção da Condição Física

Competências de Conhecimento

10.o Ano 11.o/12.o Anos

• Relaciona aptidão física e saúde e identifica os • Analisa criticamente as características de um


fatores associados a um estilo de vida saudável. estilo de vida saudável, relacionando-as com
atitudes e comportamentos individuais e sociais
• Conhece e interpreta os princípios fundamentais do dos jovens e adultos.
treino das capacidades motoras.
• Identifica o tipo de atividade (desportiva ou outra)
• Compreende a relação entre a dosificação da cuja prática pode, face à especificidade do esforço
intensidade e a duração do esforço, no solicitado, contribuir para a melhoria da sua
desenvolvimento ou manutenção das capacidades aptidão física, tendo em vista a sua saúde e bem-
motoras fundamentais na promoção da saúde. -estar.
• Conhece e interpreta fatores de saúde e risco • Conhece e aplica em todas as situações as
associados à prática das atividades físicas. principais orientações metodológicas do treino das
capacidades motoras mais diretamente
• Conhece processos de controlo do esforço e relacionadas com a saúde, evitando erros que
identifica sinais de fadiga ou inadaptação à comprometam a sua saúde, a segurança ou a
exercitação praticada. melhoria da sua aptidão física.

3. Atividades Desportivas
Jogos Desportivos Coletivos

Competências de Ação
10.o Ano 11.o/12.o Anos
Parte do Nível Avançado Nível Avançado

Futebol

Em situação de jogo 7 × 7 ou 11 × 11 realiza as: Em situação de jogo formal 7 × 7 ou 11 × 11


realiza as:
a) ações técnicas: receção e controlo da bola,
remate, remate de cabeça, condução da bola, a) ações técnicas: receção e controlo da bola,
drible, passe, finta, desmarcação, marcação, remate com um e outro pé e de cabeça, condução
pressão, interceção e desarme. da bola com um e outro pé, drible, passe, finta,
desmarcação, interceção, desarme, marcação e
b) ações táticas: penetração, finalização, passe e pressão.
corte, passes ofensivos, desmarcação, marcação,
dobras, compensação, enquadramento do guarda- b) ações táticas: penetração, apoio ao portador da
-redes. bola, desmarcação de apoio ou de rutura, através
de mudanças rápidas de ritmo e direção da
corrida, contra-ataque, utilização adequada dos
três corredores de jogo, criação de situações de
superioridade numérica momentânea, passe e
corta, atitude defensiva, contenção, marcação
H x H, apoio defensivo, defesa de zona, defesa
mista, enquadramento correto do guarda-redes.

23
Competências de Ação
10.o Ano 11.o/12.o Anos
Parte do Nível Avançado Nível Avançado

Voleibol

Em situação de jogo 4 × 4 realiza as: Em situação de jogo formal 6 × 6 realiza as:

a) ações técnicas: serviço por baixo, a) ações táticas: organização coletiva defensiva em W, (4:0:2),
serviço por cima, manchete, passe organização coletiva ofensiva 3:1:2, colocação do serviço,
alto de frente, passe de costas, posicionamento correto do passador, remate, amorti ou passe
remate, amorti, bloco, colocado, posição de proteção do ataque, bloco, proteção do
deslocamentos, posições ofensiva e bloco.
defensiva básicas.
b) ações técnicas: serviço por baixo, serviço por cima, passe de
b) ações táticas: papel de passador, frente, passe de costas alto, passe lateral, passe em
finalização (remate, passe colocado, suspensão, remate, manchete para defesa alta e baixa, bloco,
amorti), atitude defensiva, receção, deslocamentos, posição ofensiva básica e posição defensiva
proteção do companheiro, bloco. básica e os padrões globais das ações, mergulhos e
enrolamentos.

Basquetebol

Em situação de jogo 5 × 5 realiza as: Em situação de jogo formal 5 × 5 realiza as:

a) ações técnicas: drible, passe- a) ações técnicas: drible, passe-receção, lançamento, ressalto,
receção, lançamento, ressalto, fintas, bloqueios direto e indireto, desfazer do bloqueio e
enquadramento ofensivo, posição aproveitamento do bloqueio, sobremarcação, enquadramento,
básica defensiva, enquadramento desvio, pressão, defesa do bloqueio, bloqueio defensivo.
defensivo, deslizamento e
sobremarcação. b) ações táticas: desmarcação, abertura de linhas de passe
ofensivas, ocupação racional do espaço, passes ofensivos,
b) ações táticas: enquadramento passe e corte, posição de tripla ameaça, situações de 3 × 2,
defensivo e ofensivo, desmarcação, 2 × 1, ataque em 5 aberto, bloqueio direto e bloqueio indireto,
abrir linhas de passe, ocupação aclaramento, corte à sobremarcação, corte nas costas do
racional do espaço, contra-ataque, defensor (porta-atrás), ressalto ofensivo e defensivo, posição
posição de tripla ameaça, passe e defensiva básica, defesa H × H, marcação ao portador da bola,
corte, situações de 3 × 2 ou 2 × 1, sobremarcação, triângulo defensivo ao atacante não portador
cinco aberto, aclaramento, fixação do da bola, defesa ao bloqueio.
adversário, fintas, ressalto, posição
defensiva básica, marcação individual,
entreajuda defensiva.

Andebol

Em situação de jogo 5 × 5 e 7 × 7 Em situação de jogo formal 7 × 7 realiza as:


realiza as:
a) ações técnicas: remate com abertura de ângulo, remate em
a) ações técnicas: remates em basculação, remate em queda, remate em mergulho, remate
suspensão, remates em apoio, fintas, de anca, remate por baixo, penetrações sucessivas,
mudanças de direção, deslocamentos cruzamentos, bloqueios, entradas, ecrãs, deslocamentos
ofensivos, posição base defensiva, ofensivos, deslocamentos defensivos (laterais, frontais e de
colocação defensiva, deslocamentos recuo), troca de adversários, troca de posições
defensivos, desarme, marcação de (deslizamento), bloco, ajuda/dobra, contrabloqueio.
controlo, marcação de vigilância.
b) ações táticas: desmarcação, passes ofensivos, progressão,
b) ações táticas: contra-ataque, finalização, circulação da bola, fixar o adversário, atacar
desmarcação, ocupação equilibrada espaço entre dois opositores, cruzamento, aproveitamento do
do espaço de jogo (trapézio ofensivo), bloqueio para prender o seu defesa direto, penetrações
passes ofensivos, finalização, sucessivas, entradas, jogador pivot (desenquadramento do
situação 1 × 1, atitude defensiva, seu defesa através de fintas e rotações, bloqueios), ecrã,
marcação individual, enquadramento posição defensiva básica, ocupação racional do campo, na
do guarda-redes. defesa do jogador com bola, afasta-o da zona frontal à baliza,
cortar linhas de passe e interceção da bola, defesa à zona 5:1
aberta, bloco, trocas de marcação ou de posição,
contrabloqueio. Como guarda-redes, enquadramento com a
bola e com a baliza, contra-ataque.

24
Competências de conhecimento (Jogos Desportivos Coletivos)

Regulamentos
• Específicos de cada modalidade
Técnica de execução dos elementos tático-técnicos do programa
Principais sinais de arbitragem

Competências de atitude (Jogos Desportivos Coletivos)

Cooperação com os companheiros


• Em exercício-critério
• Em situação de jogo
Aceitação das decisões de arbitragem, das indicações dadas pelos colegas e pelo professor

Ginástica

Competências de Ação
10.o Ano 11.o Ano 12.o Ano
Parte do Nível Avançado Nível Avançado Nível Avançado
• Ginástica de solo, em sequência com as • Ginástica de solo, sequência com as seguintes habilidades: Rolamento
seguintes habilidades: à frente com membros superiores unidos/afastados e estendidos, rolamento
rodada, rolamento à retaguarda com à frente saltado, rolamento à retaguarda, pino de braços, roda, rodada,
passagem por apoio facial invertido, posição rolamento à retaguarda com passagem por apoio facial invertido, roda a um
de equilíbrio (avião, bandeira), posição de braço, salto de mãos de frente, flic-flac à retaguarda, mortal engrupado à
flexibilidade (espargata, ponte), posições de retaguarda, salto de cabeça, mortal à frente engrupado, posição de equilíbrio
força (posição angular), saltos, voltas e (avião, bandeira), posição de flexibilidade (espargata, ponte), posições de
afundos. força (posição angular), saltos, voltas e afundos.
– Em exercício-critério: roda a um braço, – Em situação de exercício: pino de braços com impulsão simultânea dos
salto de mãos à frente. dois membros inferiores, pino olímpico, roda sem mãos.

• Ginástica de aparelhos: • Ginástica de aparelhos:


– Plinto: salto entre-mãos, roda. – Plinto: salto entre-mãos (plinto longitudinal), roda (plinto longitudinal),
– Minitrampolim: salto em extensão/vela, passagem por pino (plinto transversal),
salto engrupado, pirueta vertical, carpa de – Minitrampolim: mortal à frente engrupado, barani engrupado, mortal
membros inferiores afastados e unidos. Todos engrupado à retaguarda,
os saltos anteriores com saída dorsal, – Trave – Em encadeamento (feminino): entrada entre mãos; volta (pivot);
precedidos de 2/3 saltos de impulsão na saltos com receção equilibrada no aparelho (ex.: gato, corça, etc.); rolamento
vertical sobre minitrampolim em saída à frente, rolamento à retaguarda, avião; saída em rodada, saída em salto de
dorsal), 3/4 de mortal à frente engrupado mãos.
e encarpado; 1/4 de mortal à retaguarda. – Barra fixa: (em sequência) subida de frente, subida de bicos, subida de
– Trave em encadeamento (feminino): báscula a uma perna, sarilho à frente ou atrás, meia-volta, rolamento à
entrada de eixo transversal ao aparelho, volta frente, volta de barriga atrás, saída de pés e mãos.
(pivot) com balanço de um membro inferior, – Paralelas simétricas (masculino): balanços em apoio manual, subida de
saltos com receção equilibrada no aparelho báscula comprida, posição angular em apoio manual, balanços em apoio
(exs.: gato, corça, etc.), rolamento à frente braquial, saída com meia-volta à frente e/ou atrás, báscula de contratempo,
com saída de membros inferiores afastados, passagem de pino de ombros para balanços em apoio braquial à frente e à
avião, mantendo o equilíbrio, saída em rodada. retaguarda.
– Barra fixa, em sequência: subida de frente – Cavalo com arções (masculino): balanços pendulares (para ambos os
(mãos em pronação), passagem de um lados), balanços pendulares (para ambos os lados), oscilando lateralmente,
membro inferior por cima e para a frente da passando para a frente e retirando, pelo mesmo trajeto, cada um dos
barra seguida de sarilho à frente, meia-volta, membros inferiores alternadamente; falsa tesoura (para ambos os lados),
rolamento à frente com membros inferiores saída simples à frente, por cima dos arções.
estendidos.
– Argolas (masculino): balanços, vela, ângulo reto (argolas baixas), pino de
– Paralelas (Barras) simétricas (masculino): ombros (argolas baixas).
balanços em apoio de mãos, subida de
báscula comprida, pino de ombros, saídas – Paralelas assimétricas (feminino): subida de bicos comprida, passagem de
simples à frente e à retaguarda. um membro inferior por cima e para a frente do banzo, seguido de sarilho à
frente, meia-volta, rolamento à frente, balanços em suspensão no banzo
superior, volta de barriga atrás, saída de pés e mãos.

25
Ginástica (cont.)

Competências de Ação
10.o Ano 11.o Ano 12.o Ano
Parte do Nível Avançado Nível Avançado Nível Avançado
• Ginástica Acrobática: • Ginástica Acrobática:
– Pares – Pares
Coreografia musicada (sem Coreografia musicada combinando afundos, piruetas, rolamentos,
exceder dois minutos), passo troca-passo, tesouras (saltos), posições de equilíbrio e outras
realizando as seguintes destrezas gímnicas à sua escolha, com os seguintes elementos
habilidades: fundos, piruetas, técnicos: base em posição de deitado dorsal, o volante realiza um
rolamentos, passo-trocapasso, equilíbrio sentado nos pés do base; base em posição de deitado
tesouras (saltos), posições de dorsal, o volante apoia os seus pés nos joelhos do base para o
equilíbrio. Com o base em levantar, através da projeção da bacia para a frente e extensão dos
posição de deitado dorsal com os membros superiores e do tronco, realizando um equilíbrio nas suas
membros inferiores em extensão coxas; base em pé, o volante realiza equilíbrio de pé nos seus ombros
e perpendiculares ao solo, o (coluna); base com um joelho no solo e a outra perna fletida, o
volante executa prancha facial volante executa um pino na coxa do base; base de joelhos, sentado
(com pega frontal). O base, de pé sobre os pés e de costas, o volante salta entre-mãos, após impulsão
com joelhos fletidos, suporta o a pés juntos, apoiando-se nas mãos do base e passando, com os
volante, que se equilibra de pé joelhos junto ao peito, entre os seus braços; base em posição de
sobre as suas coxas com os deitado dorsal, o volante efetua um salto de mãos (com apoio nos
segmentos do corpo alinhados. joelhos do base).
Com o base em pé, o volante – Trios
realiza equilíbrio de pé nos seus
Situação de exercício: dois bases, frente a frente, em posição de
ombros (coluna).
afundo com um dos joelhos em contacto, o volante realiza prancha
– Trios facial sustentado pelos bases; dois bases em pé, frente a frente, com
Situação de exercício: o base os membros inferiores afastados e fletidos, o volante realiza um
em pé suporta o volante que se equilíbrio em pé nas coxas dos bases, base em pé suporta um volante
equilibra de pé sobre as suas que realiza um pino nas suas coxas (de frente para ele), este base é
coxas (de costas para ele). Este auxiliado por um base intermédio que, em posição de deitado dorsal,
base é auxiliado por um base apoia o base colocando os pés na sua bacia.
intermédio que, em posição de Dois bases com pega de cotovelos, suportam o volante em prancha
deitado dorsal, apoia o base, facial, após impulso dos bases, o volante efetua um voo com meia-
colocando os pés na sua bacia. volta.
– O base em pé suporta um
volante que se equilibra de pé
sobre as suas coxas (de costas
para ele). Por sua vez, o volante
apoia o outro base, que executa
o pino.

Competências de conhecimento

Regulamentos
• Específicos de cada aparelho/modalidade
Técnica de execução dos elementos técnicos abordados (solos, aparelhos, acrobática)
Técnica das pegas, montes e desmontes associados aos elementos técnicos abordados
Regras de segurança

Competências de atitude

Cooperação com os companheiros


• Em exercício-critério
• Nas ajudas e correções técnicas
• Na preparação, arrumação e preservação do material
• Na garantia da sua segurança e dos colegas

26
Atletismo

Competências de Ação
10.o Ano 11.o/12.o Anos
Parte do Nível Avançado Nível Avançado
• Corridas: • Corridas:
corrida de estafetas (4 × 60 m, estafetas (4 × 60 m, 4 × 80 m, 4 × 100 m), corrida de barreiras (50 m
4 × 80 m, 4 × 100 m), corrida de a 100 m).
barreiras (50 m a 100 m).

• Saltos: • Saltos:
salto em comprimento, triplo salto em comprimento, salto em altura, triplo salto.
salto, salto em altura (Fosbury
Flop).

• Lançamentos: • Lançamentos:
lançamento do peso (3 kg/4 kg), lançamento do peso de 3/4 kg, lançamento do dardo, lançamento do
lançamento do dardo. disco, lançamento do martelo.

Competências de conhecimento

Regulamentos
• Específicos de cada disciplina (corridas, saltos e lançamentos)
Técnica de execução das disciplinas abordadas
Regras de segurança

Competências de atitude

Cooperação com os companheiros


• Nas ajudas e correções técnicas
• No transporte e preservação do material
• Na garantia da sua segurança e dos colegas

27
Raquetas

Competências de Ação
10.o Ano
Nível Elementar
• Badminton:
– Em situação de jogo de singulares, desloca-se e posiciona-se corretamente para devolver o volante
utilizando os seguintes batimentos: serviço, curto e comprido, clear, lob, amorti, drive.
– Em situação de exercício, remata na sequência do serviço alto do companheiro.
• Ténis:
– Em situação de jogo realiza as ações técnico-táticas: serviço por cima, posicionamento para bater a bola
do lado direito ou esquerdo, devolução de bolas com trajetórias altas (smash), enquadramento no
campo.

Competências de conhecimento

Regulamentos
• Específicos de cada modalidade
Técnica de execução das ações tático-técnicas do programa

Competências de atitude

Cooperação com os companheiros


• Em exercício-critério
• Em situação de jogo
• No transporte e preservação do material
Aceitação das decisões da arbitragem, das indicações dadas pelos colegas e pelo professor

28
Patinagem

Competências de Ação
10.o Ano
Nível Elementar
Patinagem Artística
• Percurso em patins com as seguintes habilidades: patinar para a frente, deslizar para a frente e para
trás, mantendo a figura de equilíbrio (quatro), deslizar para a frente sobre um patim, deslizar para trás
cruzando uma das pernas à retaguarda, deslizar para a frente e também para trás, desenhando um
encadeamento de círculos (oitos), curvar com cruzamento de pernas, curvar com os pés paralelos,
travar em T, travar em deslize para trás, deslizar sobre os dois patins, inverter o sentido do deslize, a
partir da posição de águia, meia-volta ou volta em deslocamento, saltar a um e dois pés, sobre
obstáculos ou marcas.
• Composição em pares e em trios com música integrando as habilidades anteriores.

Em situação de Hóquei em Patins


Em situação de exercício (2 × 0) realiza: deslocamento, mudanças de direção e de velocidade, inversões,
paragens e arranques, pega correta do stick, condução da bola (batida e colada), receção, passe (batido,
varrido e enrolado), remate (batido, varrido e enrolado).
Em situação de jogo 1 × 1, com dois alvos realiza: enquadramento ofensivo, progressão em direção ao
alvo, remate com precisão, pressão ao opositor para o desarmar, enquadramento defensivo.
Em situação de jogo 2 × 2 ou 3 × 3: desmarcação, receção, remate, passe, progressão, marcação
individual.

Corridas de Patins
Em situação de pelotão em fila indiana ou com formações duplas e triplas: acerta a passada pelo
colega da frente, patina em linha reta, curva com manutenção da posição base e da trajetória, curva com
cruzamento de pernas, desloca-se mudando constantemente de posição dentro do pelotão, de trás para a
frente ou vice-versa, ultrapassa.
Em situação de exercício, realiza passagens para dois e três pelotões e retorno a um pelotão, com os
cruzamentos a serem feitos pela frente ou por trás.
Em situação de competição de contrarrelógio (100 a 300 metros) e de prova de perseguição (100
a 300 metros) correr nos patins, com posição inicial dos membros inferiores em posição de Charlot,
partida frontal.
Nota: Nos 11.° e 12.° anos funciona como modalidade alternativa.

Competências de conhecimento

Regulamentos
• Específicos de cada modalidade
Técnica de execução dos elementos tático-técnicos abordados
Regras de segurança

Competências de atitude

Cooperação com os companheiros


• Em situação de exercício-critério e jogo
• Na garantia da sua segurança e dos colegas
Aceitação das decisões da arbitragem, das indicações dadas pelos colegas e pelo professor

29
4. Atividades Expressivas
Dança

Competências de Ação
10.o Ano 11.o/12.o Anos
Nível Elementar Nível Avançado
• Exercícios individuais, a pares ou em • Composição e apresentação de uma pequena
pequenos grupos, com ambiente musical composição (4 a 5 minutos), respeitando os
adequado, realizar: seguintes critérios de apreciação:
– sequências de saltos no mesmo lugar, variando – originalidade do tema e das formas encontradas
os apoios (2/2, 1/2, 2/1, 1/1); para o desenvolver;
– sequências de voltas, no lugar à direita e à – unidade e coerência temáticas;
esquerda, sobre dois e um apoio (1/2 ponta), – fluidez e qualidade dos movimentos;
sequências de passos nas ações características
– grau de elaboração (sensibilidade aos problemas
(deslizar, balançar, puxar, empurrar, subir, descer,
tratados, número de detalhes, variedade dos
afastar, juntar, etc.), combinados com voltas,
elementos, estruturação temporal, ritmo de
saltos (e outros deslocamentos) e poses.
execução, estruturação espacial e harmonia de
• Exploração do movimento em grupo, com todos os elementos da composição: música,
ambiente musical adequado, combinar as intérpretes, coreografia, tema, roupa, etc.).
habilidades referidas, seguindo a evolução do
grupo em linhas retas, quebradas, curvas e mistas
(simples e múltiplas).

• Exploração do movimento em pares e trios, de


acordo com temas e ambiente musical escolhidos
por si: movimentar-se livremente, utilizando
movimentos locomotores e não locomotores,
pausas e equilíbrios, e também o contacto com o(s)
parceiro(s). Seguir a movimentação do(s)
companheiro(s), realizando as mesmas ações com
qualidades de movimento idênticas e realizando as
ações inversas e contrárias e/ou com qualidades
de movimento antagónicas
(contração/relaxamento, extensão/flexão,
salto/queda, etc.).

Competências de conhecimento

Analisar a sua ação e a dos colegas, apreciando as qualidades e características do movimento,


de acordo com os parâmetros previamente estabelecidos

Competências de atitude

Cooperação com os companheiros


• Nas situações de exercício
• Incentivando a participação de todo o grupo nas várias atividades
• Respeito pelas sugestões, propostas e correções que lhe são dirigidas por colegas e professor

30
III
Aptidão Física
1. Conteúdos Programáticos
2. Proposta de Planeamento
da Aptidão Física – Treino Funcional
3. Avaliação da Aptidão Física
ASA • Em Movimento 10/11/12
1. Conteúdos Programáticos

Competências de Ação

10.o, 11.o e 12.o Anos

Resistência
• Realizar, em situação de corrida contínua, de jogo, percursos de habilidades ou ações motoras globais de
longa duração (acima dos oito minutos), com intensidade moderada a vigorosa noutras situações: sem
diminuição nítida de eficácia, controlando o esforço, resistindo à fadiga e recuperando com relativa rapidez
após o esforço.

Força
• Realizar com correção, em circuitos de treino ou exercitação simples, ações motoras, vencendo resistên-
cias fracas a ligeiras, com elevada velocidade de contração muscular (com volume e intensidade definidas
pelo professor).
• Realizar ações motoras de contração muscular localizada, vencendo resistências, de carga fraca ou ligeira,
com elevada velocidade em cada ação, em esforços de duração relativamente prolongada, resistindo à
fadiga sem diminuição nítida de eficácia.

Velocidade
• Reagir rapidamente a um sinal conhecido, iniciando ações motoras previstas, globais ou localizadas.
• Reagir rapidamente e com eficácia, iniciando ações motoras globais ou localizadas, em situação de seleção,
combinação ou correção de resposta.
• Realizar ações motoras acíclicas com a máxima velocidade, sem perda de eficácia dos movimentos.
• Realizar ações motoras cíclicas com a máxima velocidade em cada execução singular, sem perda de efi-
cácia dos movimentos.
• Realizar ações motoras globais cíclicas percorrendo curtas distâncias, no menor tempo possível, sem
perda de eficácia.
• Realizar ações motoras globais de curta duração (até 45”) com o máximo de intensidade naquele tempo,
sem diminuição nítida de eficácia.
Nota: Nas situações definidas pelo professor, respeitar os tempos de trabalho e de recuperação adequados.

Flexibilidade
• Realizar ações motoras com grande amplitude, à custa de elevada mobilidade articular e elasticidade mus-
cular (contribuindo para a qualidade de execução dessas ações).

Destreza geral
• Realizar movimentos de deslocamento no espaço, associados a movimentos segmentares, com alternância
de ritmos e velocidade, em combinações complexas desses movimentos, globalmente bem coordenadas.

Competências de Atitude

Empenhamento
Persistência
Superação
Responsabilidade
Autonomia

Nota: As competências de conhecimento foram já apresentadas, na pág. 23, ponto 2.

32
2. Proposta de Planeamento da Aptidão Física – Treino
Funcional

Circuito Treino Funcional 1

Capacidades
Exercício Descrição
Motoras/Objetivo

1. Skipping baixo em BOSU Skipping em cima da face Coordenação e equilíbrio


redonda do BOSU

2. Agilidade em ESCADA Saltos a dois apoios dentro e fora Coordenação, impulsão vertical
horizontal da escada e agilidade

3. Puxador dorsal em TRX Em prancha inclinada puxar até Força muscular


aos peitorais

4. Burpee Agachamento, prancha facial, Resistência, impulsão vertical


novo agachamento e salto e coordenação

5. Crunch em FITBALL Deitado em decúbito dorsal na Resistência abdominal


FITBALL, ligeira flexão de tronco e equilíbrio
à frente

6. Agachamento com Agachamento dos MI Força dos MI


KETTLEBELL (tronco o mais vertical possível)

Dinâmica da carga
(adaptar em função da capacidade dos alunos)

Nível dos alunos


Variável
Principiante Intermédio Avançado

Exercitação 20” 30” 45”


Pausa entre exercícios * 20” 20” 30”
Pausa entre voltas * 1’ 45” 30”
o
N. de voltas 2 2 3

Objetivos – desenvolver a força muscular dos membros superiores e inferiores, bem como melhorar
a resistência aeróbia e o equilíbrio.

* Pausa ativa – saltar baixinho mas nunca parar completamente

Notas: 1 – Esta proposta foi retirada do programa FitSchool Portugal, da


ProSport.
2 – Em encontra-se uma proposta alternativa
(tradicional) de treino da aptidão física.

33
1

6 2
Circuito
6
Estações

5 3

34
Circuito Treino Funcional 2

Capacidades
Exercício Descrição
Motoras/Objetivo

1. PullOver em ROLLER Deslizar o ROLLER pelo chão em Força dos MS e do tronco


prancha facial e equilíbrio

2. Agachamento com TRX Flexão dos MI com MS Força dos MI e equilíbrio


estendidos

3. Corrida de agilidade com Pegar na FITBALL, correr entre Força dos MI e MS, agilidade
FITBALL (com água) mecos e voltar a pousar no início e equilíbrio
do percurso

4. Swing com KETTLEBELL Movimento pendular do Resistência muscular da região


KettleBell em lordose lombar lombar e glúteos

5. Rolar e saltar o PNEU Elevar, pousar e saltar o pneu, Força muscular e impulsão
do lado oposto faz o mesmo vertical

6. Lançamento de bola em Atira a bola para o PLYO com Força dos MS e MI, agilidade
PLYOREBOUNDER (PLYO) deslocamento ântero-posterior e precisão

7. Mobilização vertical da CORDA Movimentos verticais para Força muscular dos MS e tronco
a corda se mobilizar e coordenação
ondulatoriamente

8. Prancha facial em FITBALL Deitado em decúbito ventral Resistência abdominal


sobre a FITBALL e equilíbrio

9. Agachamento com 2 MI Em cima do BOSU fazer Força dos MI e equilíbrio


em BOSU agachamento de forma
equilibrada

10. Press de ombros com Movimento de empurrar Força dos MS (tricipíte


ELÁSTICO o elástico e ombros)

Dinâmica da carga
(adaptar em função da capacidade dos alunos)

Nível dos alunos


Variável
Principiante Intermédio Avançado

Exercitação 15” 30” 45”


Pausa entre exercícios * 15” 30” 30”
Pausa entre voltas * -- 45” 30”
o
N. de voltas 1 2 3

Objetivos – desenvolver a força muscular da zona lombar e abdominal, bem como dos músculos posturais.

* Pausa ativa – saltar baixinho mas nunca parar completamente

35
1
10

2
9

Circuito
10
Estações

3
8

7 4

6 5

36
3. Avaliação da Aptidão Física
A área da aptidão física, contemplada nos programas de Educação Física, integra o desen-
volvimento das capacidades motoras condicionais e coordenativas. Ao considerar a aptidão
física como um constructo multidimensional, esta só tem sentido quando contextualizada a
uma determinada realidade, objetivo e idade.

Segundo Franks e Howley (1989), a aptidão física deve ser considerada um estado dinâ-
mico e multidimensional com base na saúde, incluindo objetivos de desempenho individual.

A avaliação da aptidão física tem sido estudada sob dois pontos de vista diferenciados: avaliação
normativa (considera um valor referencial para classificar o nível de aptidão física dos indivíduos)
e avaliação criterial (considera uma zona para classificar o nível da aptidão física dos indivíduos).

Para a avaliação do nível de aptidão física do aluno, o reajustamento ao programa do Ensino


Básico prevê a aplicação da Bateria de Testes Fitnessgram, que permite situar o aluno ao nível
da capacidade motora, na Zona Saudável de Aptidão Física (ZSAF) ou na Zona com Necessidade
de Incremento dos níveis de aptidão física (ZNI).

Bateria de Testes Fitnessgram(1)

Esta bateria utiliza testes predominantemente referenciados ao critério que permitem ava-
liar o nível de aptidão física de cada indivíduo. O nível de aptidão física é classificado em duas
áreas genéricas:

Área A Área B
Necessidade de incremento dos níveis de aptidão
Zona Saudável de Aptidão Física (ZSAF)
física

Precisa melhorar Bom Ótimo

Teste Componente da aptidão

Aptidão aeróbia
• Corrida vaivém ou corrida da milha Aptidão aeróbia
Aptidão muscular — Força, resistência e flexibilidade
• Abdominais Força e resistência abdominal
• Extensões de braços Força superior
• Senta e alcança Flexibilidade dos membros inferiores
• Extensão do tronco Força e flexibilidade do tronco

Composição corporal
Pregas tricipital e geminal Percentagem de massa gorda
a) Peso e altura Índice de Massa Corporal

Legenda:
a) Medidas alternativas caso não seja possível medir as pregas adiposas, pois permitem calcular o Índice de Massa
Corporal

(1)
Fonte: in Fitnessgram – Manual de aplicação de testes

37
Protocolo dos testes

Corrida vaivém
Partindo da posição vertical, o aluno deve percorrer uma
distância de 20 metros em linha reta até à linha oposta, onde
estão colocados dois pinos, que deve pisar antes ou quando
ouvir o sinal sonoro. Ao sinal sonoro, deve inverter o sentido
da corrida e repetir o mesmo percurso até à outra extremi-
dade, continuando o mesmo procedimento até não ser capaz
de alcançar a linha antes do sinal sonoro. O teste chega ao
fim quando o aluno, pela segunda vez, não atingir a linha em
simultâneo com o sinal sonoro.

Corrida da milha
O objetivo do teste é correr uma milha, ou seja, 1609 m,
o mais rápido possível. Se o aluno não for capaz de percorrer
a totalidade da distância em corrida, pode fazê-lo a andar. O
percurso de corrida pode ser uma pista de atletismo, ou
qualquer outro percurso plano, desde que devidamente
medido com uma fita métrica, ou outro aparelho adequado.
Os resultados do teste são registados em minutos (m) e
segundos (s).

Abdominais
Em posição de decúbito dorsal com membros inferiores
fletidos (aproximadamente a 140o) e os membros superiores
estendidos ao longo do tronco, com as palmas das mãos vira-
das para o solo de forma a que os dedos toquem no bordo pro-
ximal da fita (manter o tronco totalmente apoiado no solo),
elevar parcialmente o tronco até que os dedos toquem o bordo
distal da fita (8 cm) sem deixar de contactar o solo. A elevação
do tronco deve obedecer a uma cadência de 20 execuções por
minuto ou uma em cada três segundos. O teste termina Este teste deve ser realizado com um colega
quando o executante não conseguir, pela segunda vez, alcan- que coloca as mãos em concha para servir
de repouso à cabeça do colega que executa
çar o bordo distal da fita ou então quando atingir as 75 repeti- o exercício. O toque da cabeça nas mãos é
ções. fundamental para a realização da prova.

Extensões de braços
Na posição de prancha facial com membros superiores
estendidos e mãos colocadas à largura dos ombros, realizar a
flexão-extensão dos membros superiores até formar um
ângulo de 90o entre o braço e o antebraço, mantendo sempre
o alinhamento entre o tronco, membros inferiores e cabeça. O
objetivo é fazer o maior número possível de flexões. A cadência
deve ser de 20 execuções por minuto ou uma flexão em cada
três segundos. O teste termina quando ocorre a segunda exe-
cução incorreta ou a sua realização é feita fora da cadência.

38
Senta e alcança
Partir da posição de sentado com um membro inferior
fletido e o outro em extensão. Fletir o tronco à frente ten-
tando apoiar as mãos sobre uma caixa (graduada em cen-
tímetros), o mais longe possível, e manter a posição
durante um segundo. Fazer o teste novamente trocando
a posição dos membros inferiores. É permitido o movi-
mento de joelho para o lado, devido ao movimento do
tronco para a frente. O ponto zero da escala fica na extre-
midade mais próxima do aluno. O prolongamento do pé
(descalço) do membro inferior em extensão situa-se nos
22,5 cm. A medição deve ser feita na extremidade dos
dedos. Os resultados devem ser arredondados à unidade
superior a partir de 0,50.

Extensão do tronco
Em posição de decúbito ventral com o corpo em com-
pleta extensão, membros superiores estendidos ao longo
do tronco e palmas das mãos viradas para cima, realizar
a elevação máxima do tronco, mantendo a posição por
alguns segundos. O aluno deve manter o seu olhar num
ponto do solo. Medir a distância vertical entre o queixo e
o solo. Repetir uma segunda vez o teste e considerar o
melhor valor.

Pregas adiposas
Para medir a espessura das pregas adiposas (tricipital e geminal) para posterior cálculo da
percentagem de massa gorda corporal é necessário um adipómetro.

Para realizar a medição da prega tricipital, é necessário fazer a medição na parte posterior
do braço direito no ponto intermédio entre o cotovelo e o acrómio. Esta prega adiposa é vertical
e deve estar firmemente agarrada entre o polegar e o indicador, afastando-a do restante tecido
corporal, sem provocar dor ao aluno que está a ser avaliado.

Para realizar a medição da prega geminal, é necessário fazer a medição na parte interna da
perna direita na zona de maior perímetro da mesma. A técnica de medição é a mesma, mas o
pé direito deve estar apoiado numa superfície elevada, para que o joelho fique fletido (90o).

Em ambos os casos deve fazer, alternadamente, três medições, registando o valor mediano.

Prega geminal Prega tricipital

39
IMC – Índice de Massa Corporal
O IMC – Índice de Massa Corporal – estabelece uma relação entre a estatura e o peso, que indica se o peso
da pessoa está ou não adequado à estatura. Este índice é determinado pela seguinte fórmula:

Peso (kg)
IMC =
[Altura (m)]2
Esta avaliação só deve ser executada em caso de impossibilidade de medição das pregas adiposas, uma vez
que o IMC não é o procedimento mais rigoroso para determinar a composição corporal. A mais adequada é a per-
centagem de massa gorda (% MG). Para calcular a % MG pode utilizar-se a fórmula de Deuxemberg (1991): % MG =
1,20 (IMC) + 0,23 (idade) – 10,8 (sexo*) – 5,4
*Sexo (masc. = 1; fem. = 0)

Tabelas de referência
Rapazes
Vaivém
Extensão Extensão Senta
(número Corrida Abdominais IMC Massa
Idade do tronco de braços e alcança*
de da milha (número) [kg/(m)]2 gorda (%)
(cm) (número) (cm)
percursos)

Bom Ótimo Bom Ótimo Bom Ótimo Bom Ótimo Bom Ótimo Bom Ótimo Bom Ótimo

13 41 72 10m00s 07m30s 21 40 23 30 12 25 20 23 16,6 25 10

14 41 83 09m30s 07m00s 24 45 23 30 14 30 20 24,5 17,5 25 10

15 51 94 09m00s 07m00s 24 47 23 30 16 35 20 25 18,1 25 10

16 61 94 08m30s 07m00s 24 47 23 30 18 35 20 26,5 18,5 25 10

17 61 94 08m30s 07m00s 24 47 23 30 18 35 20 27 18,8 25 10

17+ 61 94 08m30s 07m00s 24 47 23 30 18 35 20 27,8 19,0 25 10

Raparigas
Vaivém
Extensão Extensão Senta
(número Corrida Abdominais IMC Massa
Idade do tronco de braços e alcança*
de da milha (número) [kg/(m)]2 gorda (%)
(cm) (número) (cm)
percursos)

Bom Ótimo Bom Ótimo Bom Ótimo Bom Ótimo Bom Ótimo Bom Ótimo Bom Ótimo

13 23 51 11m30s 09m00s 18 32 23 30 7 15 25,5 24,5 17,5 32 17

14 23 51 11m00s 08m30s 18 32 23 30 7 15 25,5 25 17,5 32 17

15 23 51 10m30s 08m00s 18 35 23 30 7 15 30,5 25 17,5 32 17

16 32 51 10m00s 08m00s 18 35 23 30 7 15 30,5 25 17,5 32 17

17 41 51 10m00s 08m00s 18 35 23 30 7 15 30,5 26 17,5 32 17

17+ 41 51 10m00s 08m00s 18 35 23 30 7 15 30,5 27,3 18 32 17


* Teste cotado como positivo/negativo, é necessário atingir a distância indicada para ser positivo
Legenda:
Bom — limite inferior da ZSAF;
Ótimo — limite superior da ZSAF.

40
Ficha de registo – resultados da bateria de testes Fitnessgram __.a Aplicação: ___/___/___
Medidas Índice de
Sexo Extensão de Senta e Extensão Composição % massa Síntese dos
Teste Vaivém Milha Abdominais antropo- Massa
braços alcança de corpo corporal gorda resultados
métricas Corporal

Idade
Masc. Fem. ZSAF ZSAF ZSAF ZSAF ZSAF ZSAF ZSAF ZSAF ZSAF
Nome
Altur P. ge- P. Sim Não
1 0 Sim Não Sim Não Sim Não Sim Não Sim Não Sim Não Peso Sim Não Sim Não
Fichas de registo

a minal tric. n.° n.°

IMC = Peso (kg) / [Altura (m)]2

Nota: Registar o valor obtido no teste na coluna correspondente ao nível obtido pelo aluno [dentro (sim) ou fora (não) da ZSAF].
Na síntese dos resultados deve ser registado o número de teste dentro da ZSAF (sim) e o número de testes fora da ZSAF ( não).

41
Ficha de Análise dos Resultados da Aptidão Física da Turma

__.a Aplicação: ___/___/___

Alunos com necessidades de incremento


Testes/ Capacidades
dos níveis de aptidão física

1. Vaivém ou milha (aptidão aeróbia)

2. Abdominais

3. Extensão de braços

4. Senta e alcança

5. Extensão do tronco

6. Índice de Massa Corporal

7. Massa Gorda (%)

APRECIAÇÃO GLOBAL

42
1. Pressupostos Gerais
IV
Planeamento
2. Planeamento em Educação Física
3. Formas de Operacionalização
4. Planos Anuais
5. Propostas de Planificação/Extensão
de Conteúdos Programáticos
ASA • Em Movimento 10/11/12
1. Pressupostos Gerais

Níveis de Planeamento

Escola Projeto Educativo da Escola


Projeto Curricular de Escola

Departamento(s) Projeto Curricular de Educação Física

Professor Projeto de Turma

Projetos Curriculares de Escola e de Grupo Disciplinar (PCEF)*

Currículo Nacional do Ensino Secundário

Projeto Curricular de Escola (PCE)

Projeto Projeto Curricular


— antecipação de um produto — modo particular de reconstruir
— para ser concretizado deve ser os curricula nacional, tendo em
planificado, executado e contri- consideração a realidade onde
buir para transformar o real será concretizado

Não basta a sua idealização ou o plano das intenções, é necessário pô-lo em ação

* Neste caso específico, Projeto Curricular de Educação Física (PCEF)

Projeto Curricular de Escola

• Exige uma adequação do currículo nacional à especificidade da escola e dos alunos


• O nível de adequação é de caráter geral, objeto de especificação posterior por cada grupo disciplinar

PCE Ter em conta


• o currículo nacional
• o Projeto Educativo de Escola (PEE)
• as prioridades da escola
• as competências essenciais e transversais (à volta das quais estão os
conteúdos a trabalhar verticalmente por cada área curricular)
Conselho Pedagógico

44
Projeto Curricular de Educação Física

Orientações metodológicas

A aplicação dos atuais programas de Educação Física pressupõe decisões coletivas, nomeadamente:
• decisões ao nível do currículo dos alunos
• decisões ao nível dos recursos temporais
• decisões ao nível dos recursos materiais
• decisões ao nível dos recursos humanos

Projeto Curricular de Educação Física da(s) Escola(s)

• Constitui-se como referência fundamental para a utilização dos programas como instrumento (guia) de
trabalho, para os professores em geral e cada um em particular.
• Deve ser elaborado à escala plurianual e anual.
• É imprescindível aprovar decisões de alcance plurianual que representem uma dinâmica de
desenvolvimento das condições de realização das atividades educativas e a elevação de metas para cada
ano e para cada ciclo (as decisões devem aproximar-se o mais possível das referências do programa
nacional de Educação Física).
• A avaliação inicial é um processo decisivo pois, para além de permitir a cada professor organizar o seu
trabalho na turma, possibilita aos professores assumirem compromissos comuns, sintetizando o grau de
exigência de cada nível do programa, nos critérios e indicadores de observação aferidos entre todos os
professores.
• Contemplar as atividades de complemento curricular (desporto escolar e outros).

Projeto Curricular de Educação Física

Fase de análise

• Análise da EF no plano curricular


– competências gerais, transversais. Finalidades específicas de cada ciclo de ensino.
• Análise do contexto
– envolvimento mais distante que condiciona o processo de ensino/aprendizagem:
• condições locais da educação
• condições de aprendizagem
• gestão de equipamentos
• Análise do corpo docente
– pontos fortes, pontos fracos, ....
• Análise do aluno
– o tipo de aluno da escola:
• quem são eles?
• o que sabem?
• qual o seu nível de desenvolvimento (disponibilidade motora, aptidão física, cultura desportiva,
comportamentos, ...)?
• quais as suas necessidades e motivações?
• Análise dos programas da Educação Física (Ex.: Ensino Secundário)
– finalidades
– objetivos gerais comuns a todas as áreas (áreas nucleares e áreas de opção)
– orientações metodológicas
– extensão da Educação Física
– referência para o sucesso em Educação Física
– conteúdos programáticos

45
Projeto Curricular de Educação Física (cont.)

Fase das Decisões

• Matéria de ensino nas várias áreas de extensão da Educação Física


• Objetivos essenciais – anuais e plurianuais
• Configuração da avaliação
– protocolos de avaliação inicial
– formas de avaliação
– critérios de avaliação
– transformação dos dados da avaliação em classificação

• Estratégias de planeamento que integrem as várias áreas de extensão da Educação Física

Projeto de Turma (Educação Física)

Baseado na avaliação inicial e reajustado de acordo com as informações decorrentes da


avaliação contínua, deverá considerar alguns aspetos importantes:

• orientar-se para a realização do conjunto dos objetivos das matérias nucleares;


• explicitar os objetivos aos alunos, negociando com eles niveis de desempenho a alcançar em
determinado prazo;
• optar por um processo de aprendizagem tão global quanto possível e tão analítico quanto necessário;
• ao longo do ano letivo devem prever-se períodos de “aprendizagem concentrada” e “aprendizagem
distribuída”;
• estruturar-se em torno da periodização do treino/elevação das capacidades motoras, que deve
constituir uma componente de atividade em todas as aulas (a ZSAF deve ser um referencial formativo
essencial).

Objetivo: tentar garantir ou confirmar a consecução dos objetivos no final do ano de escolaridade, numa
perspetiva de concretização das competências de ciclo (objetivos finais de ciclo).

Operacionalização
Recolha dos dados que permite decidir sobre o modo mais eficaz de organizar a atividade dos
alunos e a própria intervenção do professor, identificando:

• os alunos que apresentam mais dificuldades e que vão precisar de maior acompanhamento;
• as matérias em que os alunos se encontram mais distantes dos objetivos do programa e que
deverão merecer mais atenção (no tempo e tratamento a disponibilizar);
• as capacidades motoras que merecem uma atenção especial (em alunos ou grupos de alunos);
• os aspetos críticos no tratamento das matérias e na organização da turma;
• diferenciação de objetivos operacionais e atividades formativas para alunos com subgrupos
distintos;
• os conhecimentos relativos aos processos de planeamento e manutenção da aptidão física que devem
ser consideradas e planeadas de forma integrada;
• os conhecimentos nos aspetos da interpretação do fenómeno desportivo extraescolar, Desporto como
componente de cultura, privilegiando o trabalho de projeto e os trabalhos de grupo;
• as sessões teóricas apenas devem ser esporádicas, para organizar e apresentar os trabalhos ou
projetos.

46
Projeto de Turma (Educação Física)

Como?
• Através da prática de uma atividade desportiva qualitativa e quantitativamente adequada às
possibilidades de cada aluno.

Em situações em que:
• o esforço físico
• a aprendizagem
• a descoberta
• o desafio pessoal e coletivo

SEJAM UMA CONSTANTE

Sucesso em Educação Física

Ensino Secundário – Que competências?

• Aquisição de competências em diferentes domínios e matérias próprias da Educação Física.


• Ampliação das experiências motoras vividas, de modo eclético.
• Aquisição de conhecimentos na esfera da aptidão física e do desporto como componente da cultura.

FINALIDADE – BASE DA EDUCAÇÃO FÍSICA

MOTIVAÇÃO PARA UMA PRÁTICA DURADOURA

Perseguição constante da qualidade de vida, da saúde e do bem-estar

47
2. Planeamento em Educação Física

Planeamento – Que Metodologia Adotar?

Metodologia de projeto

definir o problema o que vou fazer?

planificar o trabalho como vou fazer?

controlo intermédio avaliar o decurso do trabalho

o que fiz?
avaliação final que mudanças introduziria se
fizesse agora?

Planear para Desenvolver Competências

Objetivos gerais Objetivos por áreas Conteúdos


comuns às áreas nucleares e de opção programáticos

PLANEAR

Diferentes terminologias de acordo com o modelo/técnica de planeamento

1. Categorias transdisciplinares

Habilidades Aspetos fisiológicos Conceitos


Cultura desportiva
motoras e da condição física psicossociais

2. Domínios

Domínio
Domínio motor Domínio cognitivo
socioafetivo

3. Competências

Competências Competências Competências


de ação de conhecimento de atitude

48
Planeamento

Base
Programas de EF
Três níveis

Projeto curricular do grupo de EF

Habilidades motoras
A
Anual (atividades físicas) Ç
Ã
Aspetos fisiológicos e da condição física
O
(aptidão física)
Unidade didática/temática
Cultura desportiva
(conhecimentos)
Aula
Conceitos psicossociais
(atitudes)

dimensões a considerar nas atividades físicas


Três níveis de planeamento

Atividades Desportivas – dimensões técnica, tática, regulamentar e organizativa

Atividades Expressivas – dimensões técnica, composição e interpretação

Atividades de Exploração da Natureza – dimensões técnica, organizativa e ecológica

in Programas Nacionais de Educação Física

Categorias a considerar nos três níveis de planeamento

habilidades motoras

condição física

cultura desportiva

conceitos psicossociais

49
1.a Etapa – Conhecer os Alunos

Ensino Secundário – Que competências?

Competências de ação
AVALIAÇÃO INICIAL Competências de conhecimento
Competências de atitude

INTERESSES/HÁBITOS

Questionários

ATITUDES Comportamentos – funcionamento


em grupo/individual

CONHECIMENTOS

APTIDÃO Fitnessgram – ZSAF


FÍSICA Atitude corporal
Terminologia/aplicação

HABILIDADES Nível apresentado nas diversas atividades desportivas


MOTORAS (panorama geral)

Planeamento Anual

Análise/tomada de decisões (professor)


• Avaliação diagnóstica (concentrada ou não) – ação, conhecimentos e atitudes (protocolos)
• Seleção de matérias
• Planeamento integrado das várias categorias transdisciplinares (domínios/áreas/competências)
• Definição de objetivos intermédios e terminais
• Avaliação formativa e final (protocolos)
• Escolha de metodologias de intervenção para as várias categorias transdisciplinares (domínios/áreas/
competências)

Planeamento Unidade Didática/Temática

Análise/tomada de decisões (professor)


Unidade didática/temática
• Avaliação diagnóstica (se a opção for a realizar no início de cada unidade) – ação, conhecimentos e
atitudes
• Extensão e sequência de conteúdos – para todas as categorias transdisciplinares
(domínios/áreas/competências)
• Definição de objetivos finais
• Protocolo de avaliação final
• Seleção das progressões pedagógicas

50
Unidade Didática/Temática

Seleção de conteúdos
Exemplo:
Situação de jogo (3 × 3 + GR)
• Movimentação ofensiva
• Movimentação defensiva

Exercícios critério
• Passe/receção
• Driblar/fintar
• Conduzir/rematar

Definição de objetivos

Cultura desportiva
Exemplo:
O aluno conhece
• o objetivo do jogo
• as regras de constituição da equipa, pontuação, início e recomeço do jogo, bola fora e reposição da bola
em jogo
• a forma de executar o passe, a receção, a finta e o remate
• a movimentação ofensiva do jogador com e sem bola
• a movimentação defensiva
•…

Aspetos fisiológicos e da condição física


Exemplo:
O aluno
• participa ativamente nas situações de jogo sem evidenciar fadiga elevada
• no teste “curl-up” encontra-se na ZSAF
•…

Conceitos psicossociais
Exemplo:
O aluno
• aceita as decisões do árbitro
• empenha-se no cumprimento dos objetivos
•…

Habilidades motoras
Exemplo:
O aluno em situação de jogo (3 × 3 + GR)
• Quando tem a posse da bola, remata se tiver a baliza ao seu alcance ou então opta por passar, fintar ou
conduzir a bola
•…

51
Planos de Aula – Pressupostos

Tipologia das atividades de aprendizagem

ATIVIDADES DE APRENDIZAGEM

+ –
Global Analítica
Habilidades motoras ................................................
Conceitos psicossociais.......................................... Inclusiva/grupal Individual
Cultura desportiva .................................................... Aplicação Memorização
Aspetos fisiológicos e da condição física ........ Aptidão física Condição física

As atividades de aprendizagem devem, sempre que


possível, conter as características presentes na coluna
da esquerda e sempre que necessário revestir-se das
características da coluna da direita.

Reflexão

“O verdadeiramente importante é que pouco a pouco pensemos sobre como podemos ser mais reflexivos
nos nossos planeamentos, mais críticos e construtivos do ponto de vista curricular, de forma que possamos
conseguir a autonomia e a riqueza que a flexibilidade do currícuo em Educação Física nos permite, abarcando
novas possibilidades de enfrentar as atividades físicas e desportivas que se adequam às tendências sociais
atuais e dotemos as escolas de forma a assumir novos reptos, em benefício de uma Educação Física educa-
tiva e adaptada aos alunos de uma sociedade futura”.
Ramirez, 2000

52
3. Formas de Operacionalização

Competências finais de ciclo

Participação dos alunos no respeito por quatro princípios fundamentais:


• Garantia de uma atividade desportiva motivadora numa perspetiva de educação para
a saúde.
• Promoção da autonomia pela atribuição e exigência de responsabilidades.
• Reabilitação/valorização da criatividade pela promoção e aceitação da iniciativa dos alunos.
• Orientação da sociabilidade no sentido da cooperação efetiva entre os alunos.

Como operacionalizar?

Adoção de estratégias gerais e diversificadas para o ano letivo.

Estas deverão ser objeto de maior especificação, operacionalização ao longo do ano letivo.
ESTRATÉGIA – forma de organizar os meios disponíveis.

Estratégias

• Utilizar formas lúdicas que tenham o conhecimento transdisciplinar como condição


• Realizar ações técnico-táticas com aumento de complexidade
• Propor trabalhos de pesquisa, seleção e debate
• Trabalho grupal/inclusivo
• Experimentação de diferentes papéis (jogador, treinador, árbitro)
• Situações com leque de escolhas – decisão (ex.: JDC)
• Propor situações de autonomia (ex.: coreografia na Dança)

Atividades Desportivas

Como operacionalizar?

Jogos Desportivos Coletivos


Estratégias:
• Criar situações simplificadas que englobem 1 ou 2 conteúdos
• Utilizar diferentes tipos de bola
• Criar situações lúdicas e formas jogadas
• Condicionar/simplificar regras
Que adaptações? Proibição dos contactos, restrição do drible e dos passos…
• Modificar o espaço de jogo
• Jogos reduzidos: 1 × 1; 2 × 1; 2 × 2; 3 × 2; 3 × 3 – variação/redução da oposição
• ...
A utilização dos jogos reduzidos deve obedecer aos seguintes critérios:
• Manter o objetivo do jogo
• Manter os elementos estruturais essenciais do jogo formal
• O ataque e a defesa devem estar sempre ligados
• As tarefas dos jogadores não devem ser completamente determinadas

53
Atividades Desportivas (cont.)

Como operacionalizar?

Desportos Individuais
Estratégias:
• Realizar os elementos técnicos sempre que possível associados e em condições facilitadoras
• Criar situações jogadas/lúdicas
• Associar elementos técnicos entre si (de diferente natureza)
• Utilizar a ajuda entre pares
• Promover situações-problema para os alunos resolverem
• Criar situações simplificadas que englobem 1 ou 2 conteúdos
• ...

Um exemplo de operacionalização: JDC – Andebol/Futebol/Basquetebol

ATAQUE

Elementos táticos Elementos técnicos

Competências Conteúdos

A. Finalizar Basquetebol
• Identificar a oportunidade de finalizar Lançamento em apoio
• Enquadrar após receção Lançamento em suspensão
• Rematar/lançar
Andebol/Futebol
B. Criar oportunidade para finalizar Remate em apoio/salto (andebol)
• Não ficar parado Remate com o pé/cabeça (futebol)
• Driblar para se aproximar do alvo
• Abrir linhas de passe, desmarcar-se • Passe e receção
• Enquadrar-se com o alvo, ver o alvo. Ver antes de • Drible
agir, optar por passe, drible ou lançamento/remate • Paragens
• Mudanças de direção e velocidade
C. Continuidade do ataque
• Manter-se afastado do jogador com bola • Passe e receção
• Contacto visual entre passador e possíveis • Drible
recetores • Paragens
• Ocupação equilibrada do espaço de ataque • Mudanças de direção e de velocidade

DEFESA

A. Impedir a finalização
• Seguir o atacante, dificultar a sua ação

B. Impedir a criação de situações de finalização Posição básica defensiva


• Defender entre o atacante e o alvo Livre
• Impedir/dificultar os passes/desmarcações

C. Dificultar a construção do ataque Alvo: baliza/cesto


• Defender entre o atacante e o alvo
• Impedir/dificultar os passes/desmarcações

54
Aspetos Fisiológicos e da Condição Física

Como operacionalizar?

Estratégias:
• Constituir uma componente da atividade em todas as aulas
• Recorrer à inclusividade e à diferenciação
• Utilizar formas jogadas
• Realizar exercícios analíticos
• Rentabilizar tempos de espera
• Trabalho por estações (alternância)
• Ativação geral (ex.: atividades contínuas – 8’)
• Utilizar conteúdos específicos da modalidade (ex.: força inferior vs. salto em comprimento)
•…

Cultura Desportiva

Como operacionalizar?

Estratégias:
• Fornecer informação
• Utilizar o questionamento
• Incentivar o debate e a colocação de dúvidas
• Promover reflexões escritas (ex.: utilizar as Fichas de Atividades, Avaliação de Conhecimentos
e Autoavaliação)
• Colocar os alunos em diferentes papéis (arbitrar, observar, interpretar, compor, ajudar, …)
• Colocar situações-problema
•…

Conceitos Psicossociais

Como operacionalizar?

Estratégias:
• Promover situações de trabalho grupal
• Utilizar contratos de comportamento (ex.: Fichas de atividades)
• Definir regras precisas de funcionamento
• Criar situações-problema
• Promover a autorreflexão
• Criar situações de competição no respeito pelo espírito desportivo

55
4. Planos Anuais

Plano anual de avaliação

Operacionalização

Deve:

• fazer parte integrante do plano anual (ou plurianual) de turma (ou de escola);

• prever as estratégias, os procedimentos e os momentos para a concretização das diferentes formas de


avaliação, desde a avaliação diagnóstica, formativa à sumativa, passando pelas questões da
classificação.

Responder às questões básicas da avaliação:

• Objectos da avaliação • alunos

• Objetivos da avaliação • … © classificação

• Sistemas de referência da avaliação • criterial © normativa

• Regularidade da avaliação • contínua, pontual, final

• Momentos da avaliação • de acordo com as áreas a avaliar

• Protagonistas da avaliação • professores

• Nível de explicitação da avaliação • explícita e implícita

•… •…

Referencial para a conceção natureza prática


natureza da disciplina
+
finalidades

Referencial para as áreas a avaliar


áreas de extensão
+
áreas a avaliar atividades
desportivas
competências de ação (Atv.D+Apt.F)
competências de conhecimento aptidão física
competências de atitude conhecimentos

atitudes
currículo
+ Referencial para a área
transversal a avaliar atitudes/comportamentos
objetivos de ciclo

56
Operacionalização (cont.)

Atividades
Objetivos de ciclo • atividades desportivas
+ • atividades expressivas
• atividades de exploração na Natureza
Áreas a avaliar • jogos tradicionais e populares
+
Objetivos comuns e por área Aptidão física
• bateria Fitnessgram + outros testes normativos
+ (Ensino Secundário)
Conteúdos programáticos
… Conhecimentos relativos
• aos processos de elevação e manutenção da Aptidão
+ Física
Currículo (básico + secundário) • à interpretação e participação nas estruturas
e fenómenos sociais no seio dos quais se realizam as
+ Atividades Desportivas e Desporto como componente
de cultura
PEE, PCE, PCEF, PT, …
• às atividades físicas abordadas na suas diferentes
+ dimensões


Atitudes Princípios
• participação ativa orientadores
presentes
Referenciais para os conteúdos • criatividade e iniciativa nos
e critérios de avaliação
• autonomia e responsabilidade programas
• socialização no sentido da (Ensino
cooperação Secundário)

Operacionalização

PRÁTICA

Natureza da disciplina
áreas avaliação
ponderação à
conteúdos classificação
critérios
estratégias referencial

AVA criterial normativo


LIA
ÇÃO

CLASSIFICAÇÃO

Gestão Pedagógica do Programa de Educação Física

• Aceitar desafios
• Quebrar rotinas
• Inovar
Apostar no valor pedagógico da Educação Física

57
Plano anual da cultura desportiva
(uma forma de operacionalização)

Cultura Desportiva Geral

• Desporto como aspeto de cultura

• Processos de manutenção e elevação da condição física

• Terminologia específica da disciplina

• Regras de segurança na aula

• Regras de conduta na aula

Nota: Cada item indicado no quadro tem que ser objeto de especificação em cada um dos períodos.

Exemplo:

Cultura
1.o Período 2.o Período 3.o Período
Desportiva Geral

Terminologia específica Posturas corporais Posições relativamente Denominação dos


da disciplina aos objetos/materiais diferentes movimentos
corporais

Cultura desportiva específica relacionada com as diferentes modalidades

Cultura Desportiva Específica Referente às Diferentes Atividades Desportivas

• Referências históricas

• Aspetos técnico-táticos

• Regulamentos

• Sinais de arbitragem

• Terminologia específica

• Capacidades motoras mais solicitadas

• Grupos musculares mais solicitados

• Regras de segurança

Nota: À semelhança da cultura desportiva geral, a cultura desportiva específica deve ser objeto de especificação por
período e de acordo com as diferentes modalidades.

58
Plano anual dos conceitos psicossociais
(uma forma de operacionalização)

1. Selecionar os conceitos psicossociais incorporados nos programas de Educação Física.


2. Ter presentes os valores que os vários níveis de projetos existentes na escola indicam.
3. Analisar a turma para caracterizar as suas necessidades e mais-valias.
4. Decidir quais os aspetos psicossociais a trabalhar ao longo do ano.

Conceitos Psicossociais 1.o Período 2.o Período 3.o Período

Predominância Participação Cooperação Autonomia Criatividade

ALUNO PROFESSOR

Empenho • Cumprir as regras de


• Especificar as regras de
nas tarefas funcionamento e as
funcionamento e tornar os objetivos
exigências colocadas
Participação bem claros.
pelo professor.

+ • Assumir, quando • Indicar os alunos


Colocação
designado, responsáveis pelo material nos
e arrumação
a responsabilidade pelo vários momentos da aula e de aula
Cooperação do material
material da aula. para aula.

Contribuir para o • Ajudar os colegas


• Propor situações que exijam
sucesso individual e aceitar as suas
a colaboração.
e do grupo críticas.

• Demonstrar confiança • Incentivar e motivar os alunos


Autoconceito e pedir ajuda quando a uma participação autónoma.
necessário. • Promover o diálogo

• Aceitar os reforços • Tratar todos os alunos pelo seu


positivos. nome próprio.
Autoestima • Reconhecer o esforço • Incentivar os menos aptos
e o êxito dos outros e integrar os menos
Autonomia (fair-play). sociáveis.

• Assumir a realização
das tarefas designadas. • Atribuir responsabilidades
Responsabilidade • Trabalhar sem individuais e de grupo.
supervisão do professor. • Colocar situações problemáticas.
• Preservar o material.

• Sugerir atividades
e formas organizativas • Aceitar as sugestões dos alunos.
em resposta aos • Colocar situações-problema.
desafios colocados pelo
professor. • Assumir um controlo menos “ativo”.
Criatividade Iniciativa • Utilizar “instrumentos” • Estimular os alunos a expor os seus
diferentes dos utilizados pontos de vista.
pelo professor na • Promover discussões em grupo
resolução de exigências sobre temáticas relacionadas com
práticas e de a disciplina.
conhecimento.

59
5. Propostas de Planificação/Extensão de Conteúdos Programáticos
Plano de unidade didática – judo

Habilidades Motoras
Função
Conteúdos
Didática
Pega I/E E
Quedas
I/E (de cócoras E (de cócoras E (de pé sem C (de pé com
Queda para trás com desequilí- com desequilí- desequilíbrio desequilíbrio
(ushiro-ukemi) brio provocado brio provocado provocado por provocado por
por um colega) por um colega) um colega) um colega)
E (de cócoras e E (de cócoras C (de pé com
Queda lateral sem desequilí- com desequilí- desequilíbrio
(yoko ukemi) brio provocado brio provocado provocado por
por um colega) por um colega) colega)
Queda para a I/E (parado sem C (em movi-
E (trabalhar a
frente (zempo desequilíbrio — mento com que-
lateralidade)
ukemi só técnica) das sucessivas)
Imobilizações
I/E (com uke E (com uke E (uke começa
C (conseguir C (conseguir
Hon-kesa- deitado sem deitado a de gatas a AS
imobilizar após imobilizar após
gatame oferecer oferecer alguma oferecer alguma
ter projetado) ter projetado) (Em situação
resistência) resistência) resistência)
de luta)
I/E (com uke E (com uke E (uke começa
C (conseguir
Yoko-shiho- deitado sem deitado a oferecer de gatas a
imobilizar após
gatame oferecer alguma oferecer alguma
ter projetado)
resistência) resistência) resistência)
I/E (com uke E (uke começa
E/C (conseguir
deitado sem de gatas a
Mune-gatame imobilizar após
oferecer oferecer alguma
ter projetado)
resistência) resistência)
Projeções
E/C (com
I/E (sem E (com algum
deslocamento
O-soto-otoshi deslocamento e deslocamento e
e com alguma
sem resistência) sem resistência)
resistência)
E (com algum
Hiza-guruma I/E (sem
deslocamento
deslocamento e
e com pouca
sem resistência)
resistência)
Condição Física – exemplo de acordo com a turma
Flexibilidade
Dinâmica e A trabalhar de modo integrado durante os exercícios propostos
Estática
Resistência
9’ 10’
Aeróbia
Força Isomé-
30”; 1:2
trica (MS e MI)
10x de joelhos no 10x de joelhos no 10x de joelhos no
chão chão chão
Força
10x em prancha 10x em prancha 10x em prancha
Resistente
facial facial facial
(MS)
15x em prancha 15x em prancha 15x1 em prancha
facial facial facial
Velocidade de
Reação
A trabalhar de modo integrado durante os exercícios propostos
Capacidade
Coordenativas
Funções didáticas: I – introdução; E – exercitação; C – consolidação

60
Cultura Desportiva

Tatami; Como pontuar;


Atos
Regulamento Duração de um Tipo de proibidos;
combate; pontuações;

Kiyoshi JO Tóquio 1964;


O Judo foi criado Kobayashi
Marcos Principais
por Jigoro Kano (Pai do Judo
Históricos Judocas
em 1882 em Portugal)
1958 Portugueses;

Reunir rapidamente no
local exato que o
professor definir;
• Parar o exercício no
preciso momento em
que o professor
indicar;
• Trazer roupa que se
possa “estragar”
(rasgar ou alargar),
mas evitar sempre Teste
que isso aconteça; escrito
• Os momentos Relembrar (15-20’)
Regras de
de luta devem ser
Segurança
respeitados pelos
intervenientes e
pelos “espetadores”;
• Dar espaço aos
judocas que se
encontram em luta;
• Não utilizar os
colchões para
brincar;
• Não inventar
conteúdos para além
dos abordados nas
aulas.

Aspetos     
Técnicos

Permitir realizar Combater


Salvaguardar Fortalecer
Condição Promover as tarefas diárias a obesidade;
as estruturas os músculos
física geral a mobilidade com maior Acréscimo da
articulares posturais
proficiência densidade óssea;

Conceitos Psicossociais
Autonomia – realizar as tarefas propostas sem a supervisão do professor cumprindo as regras de segurança
COMPORTA-
Disciplina – cumprir as regras da aula e de conduta social
MENTO
Respeito pelas indicações dadas pelos colegas e professor, pela aula e pela integridade física dos colegas
Empenho – realizar as tarefas o melhor possível e o maior número de vezes
PARTICIPAÇÃO Cooperação com os companheiros → Em exercício-critério
Cooperação com os companheiros → Em situação de luta

61
62
Ginástica de solo e acrobática

CONTEÚDOS / AULAS 1.a FASE FASE INTERMÉDIA FASE FINAL

• Engrupado (pré-requisito)
• MI estendidos e afastados

Rolamentos à frente 
• Saltado
• MI estendidos e unidos
 

Rolamentos à retaguarda • Engrupado 


• MI estendidos e afastados 
Rolamento engrupado • MI estendidos e unidos 

• AFI saída para a posição inicial 


Apoio facial invertido (AFI)
• AFI com rolamento à frente  

Roda  

SOLO
• Ponte 
Posições flexibilidade • Espargata 
• Rã 

Posições equilíbrio • Avião 

• Saltos 
Elementos de ligação • Voltas 
• Afundos 

Ajudas Sempre   

Sequência Deve ser utilizada em todas as fases (2 elementos) (+ de 2 elementos) (Sequências completas)

Nota: os elementos estão assinalados na 1.a fase, intermédia e final, de acordo com o nível de dificuldade. Os elementos da 1.a fase funcionam como pré-requisito da fase intermédia, e os da fase
intermédia como pré-requisito da fase final.
CONTEÚDOS / AULAS 1.a FASE FASE INTERMÉDIA FASE FINAL

Pegas Sempre   
Equilíbrios
Sempre   
e contra-equilíbrios

Montes / desmontes Sempre   

• Prancha facial sobre a barra 


Pares • AFI entre os MI do base 
• Rolamento à frente a dois (tank) 

• Prancha dorsal sobre os bases 


Trios • Prancha facial sobre MS dos bases 
• Equilíbrio sobre as coxas dos bases 
  
Coreografias Sempre (Pares) (Pares/trios) (Trios/grupos)

ACROBÁTICA
Ajudas Sempre   

• Flexibilidade
Aptidão física • Força (média, superior e inferior) Em todas as aulas de acordo com o plano de condição física anual
• Tonicidade geral

• História da modalidade
• Quando é introduzida a modalidade
• Aspetos importantes da execução
Conhecimentos • À medida que são introduzidos os diferentes elementos técnicos
das diferentes habilitações motoras
• Em todas as aulas
• Terminologia específica

• Colaboração
• Cooperação Em todas as aulas utilizando como reforço o contrato de comportamento (fichas
Atitudes
• Empenho de atividades) e registar as atitudes na ficha de atitude.
• Respeito

Observações: A conjugação das duas modalidades deve ocorrer desde o primeiro momento na medida em que para além de ser uma forma mais motivante de abordar os desportos gímnicos,
permite ao professor trabalhar as competências a adquirir nesta área do programa de forma mais rentável.
A utilização de outros elementos além dos indicados no programa enriquece as aulas, tornando-as mais diversificadas, basta consultar as progressões na sala do professor
e utilizar outros elementos que sejam adequados ao nível dos alunos.

63
Jogos Desportivos Coletivos Invasivos: andebol, basquetebol e futebol

Conteúdos/aulas 1.as aulas Mais tarde

Manipulação da bola.  Eu – bola…


Apreciação de
Relação com a bola
trajetórias.
 … colegas –
Visão periférica.  – adversário

Criação e ocupação
de espaços
(Ocupação dos  Jogo em
Ofensivo profundidade
corredores/
e em largura
descentralização na
Estruturação bola).
do espaço

Redução do espaço 
Defensivo (Marcação individual/ Jogo perto e
zona). longe da bola

Utilizar linhas de passe


para progredir no Superioridade
terreno.  numérica
Ofensivo Criar linhas de passe
mais ofensivas. 
Desmarcação/Passa 
e vai.
Comunicação
na ação Fechar linhas de 
passe.
Recuperar a posse 
Defensivo da bola.
Impedir/Dificultar
a organização do
ataque

Aptidão Física
Resistência – velocidade Em todas as aulas.
Resistência – força
Força inferior e superior

Conhecimentos
História da modalidade Quando é introduzida a modalidade.
Objetivo do jogo e principais regras Sempre que o professor considerar oportuno.
Terminologia específica

Atitudes
Aceitação
Empenho Em todas as aulas.
Alegria
Justiça
Cooperação

64
V
Progressões
Pedagógicas
1. Jogos Desportivos Coletivos
2. Ginástica Acrobática
3. Ginástica de Solo
4. Judo
ASA • Em Movimento 10/11/12
1. Jogos Desportivos Coletivos
Os problemas da aglomeração em torno da bola são um aspeto que caracteriza frequente-
mente o jogo, nestes escalões etários. Sendo um pré-requisito fundamental para que os alunos
possam evoluir para uma fase de jogo mais organizada, apresentamos um jogo amplamente
conhecido da generalidade dos docentes – “bola ao capitão” – para ilustrarmos como as pro-
gressões podem ser efetuadas, em diferentes “jogos” de forma a obter êxito no combate à aglo-
meração em torno da bola.

“Bola ao capitão” – descrição: formam-se duas equipas (4 jogadores de campo + 1 capitão


x 4 jogadores de campo + 1 capitão). Os jogadores de campo fazem passes entre si, perante a
oposição dos adversários, procurando entregar a bola ao seu capitão, que se encontra dentro
de uma zona delimitada no meio do campo adversário. Cada vez que o “capitão” conseguir rece-
ber a bola dos colegas sem a deixar cair, a sua equipa marca um ponto.

Ataque Defesa

Intenções táticas ofensivas:


• Ocupação do espaço de forma
equilibrada – amplitude/ Elementos técnicos: Intenções táticas defensivas:
profundidade
• Passe/receção • Enquadramento correto
• Criação de linhas de passe
• Remate em salto • Impedir a progressão
Meios táticos ofensivos:
• Passe e vai

1.a Prioridade:
Ocupação do espaço de forma equilibrada
– amplitude/profundidade
Regras adicionais:
Os jogadores sem bola devem estar afastados
pelo menos 3 metros do portador da bola. A bola só
pode ser passada ao “capitão” depois de terem sido
feitos 3 passes entre os elementos da equipa.

2.a. Prioridade:
Amplitude do jogo
Regra adicional:
A bola só pode ser passada ao “capitão” após ter
circulado pelos 3 corredores de jogo.

3.a. Prioridade:
Criação de linhas de passe
Regra adicional:
A equipa só pode pontuar após realizar, pelo
menos, um “passe e vai”. A bola só pode ser passada
ao “capitão” após ter circulado pelos 3 corredores de
jogo.

66
4.a Prioridade:
Enquadramento/impedir a progressão
Regras adicionais:
Enquadra sempre entre o portador da bola e o seu “capitão”
(passa a ter uma área mais reduzida). Evita a progressão e corta
linhas de passe.

5.a Prioridade:
Passe e receção
Manter as regras anteriores, com incidência sobre o passe e a
receção.

6.a. Prioridade:
Remate em salto (ligação com o remate)
Só pode marcar ponto se a bola for arremessada em suspensão
e derrubar o cone.
Obs.: Na área e lugar do “capitão” são colocados 3 cones.

Princípios a respeitar

• Manter o objetivo do jogo


• Manter os elementos estruturais essenciais do jogo formal
• O ataque e a defesa devem estar sempre ligados
• As tarefas dos jogadores não devem ser completamente determinadas

ATAQUE

Competência Conteúdos

Elementos Táticos Elementos Técnicos

A. Finalizar Basquetebol
• Identificar a oportunidade de finalizar • Lançamento em apoio
• Enquadrar • Lançamento em suspensão
• Rematar/lançar
Andebol/Futebol
• Remate em apoio/salto (andebol)
B. Criar oportunidade para finalizar
• Remate com o pé/cabeça (futebol)
• Não ficar parado
• Passe e receção; drible
• Driblar para se aproximar do alvo
• Paragens
• Abrir linhas de passe, desmarcar-se
• Mudanças de direção e velocidade
• Enquadrar-se com o alvo, ver o alvo
• Ver antes de agir, optar por passe, drible

C. Continuidade do ataque
• Manter-se afastado do jogador com bola
• Contacto visual entre passador e possíveis recetores
• Ocupação equilibrada do espaço do ataque

67
DEFESA

Competência Conteúdos

Elementos Táticos Elementos Técnicos

A. Impedir a finalização Posição básica defensiva


• Seguir o atacante, dificultar a sua ação + Livre

B. Impedir a criação de situações de finalização


• Defender entre o atacante e o alvo
• Impedir/dificultar os passes/desmarcações

C. Dificultar a construção do ataque Alvo: baliza/cesto


• Defender entre o atacante e o alvo
• Impedir/dificultar os passes/desmarcações

Exemplo: Basquetebol – Jogo 3x3 em meio campo

Ataque Elementos Táticos Elementos Técnicos

• Enquadrar após receção


• Lançamento em apoio
Finalizar • Identificar a oportunidade de lançamento
• Lançamento na passada
• Lançar na área restritiva

• Enquadrar com o cesto, ver o cesto e


os colegas
• Observar antes de agir (optar por passe,
drible ou lançamento – posição de tripla
Criar oportunidades ameaça)
para finalizar • Passe e receção
• Abrir linhas de passe (desmarcação)
• Drible de progressão e proteção
• Driblar para se aproximar do cesto
• Rotações
• Manter-se afastado do portador da bola –
passe e corte • Mudanças de direção sem bola

• Manter-se afastado do portador da bola


Continuidade do • Manter o contacto visual entre passador
ataque e possíveis recetores
• Ocupação equilibrada do espaço

Defesa Elementos Táticos Elementos Técnicos

Impedir a finalização • Seguir o atacante e dificultar o lançamento

Impedir a criação
de situações de • Posição básica defensiva
finalização
• Livre
• Defender entre o atacante e o cesto
• Impedir/dificultar passes
Dificultar a
construção do
ataque

68
Progressões de Ensino
Basquetebol
Etapa I

Elementos Táticos Elementos Técnicos

- Ocupação racional do espaço (2x1, 3x2, 3x3)


- Passe (de peito e picado)
- Posição de tripla ameaça (1x0 a 3x3)
- Paragens e rotações
- Desmarcação (2x2, 3x3)
- Lançamento em apoio
- Defesa individual (2x2, 3x3)
- Lançamento na passada
- Jogo 3x3, em campo reduzido

Etapa II
Elementos Táticos Elementos Técnicos
Transição defesa/ataque: Drible
1. Conduzir a bola pelo corredor central
2. Jogadores sem bola correm junto à linha lateral 1. Progressão (sem oposição) – 1x0
3. Quando chega à linha de lance livre, corta para o
cesto 2. Proteção (sem oposição) – 1x0
3. Proteção (com oposição ) – 1x1
Situações de 3x0, 3x1, 3x2, 3x3 4. Arranque direto – 1x0, 1x1
Após receber a bola: 5. Arranque cruzado – 1x0, 1x1
1. Lança se está em posição de finalização
6. Mudanças de direção (sem oposição) – 1x1
2. Passa se tem um colega bem posicionado
3. Joga 1x1 7. Mudanças de direção (com oposição)

Situação de 1x0, 2x0, 2x1, 2x2, 3x2, 3x3

Etapa III
Elementos Táticos Elementos Técnicos
Passe e corte
1. Sem oposição (2x0)
2. Com defesa passiva (2x1, 2x2, 3x2, 3x3) - Passe (de peito e picado)
3. Com defesa ativa (2x2, 3x3) - Paragens e rotações
4. Com reajustamento (3x0, 3x3)
- Lançamento em apoio
Corte à sobremarcação
- Lançamento na passada
1. Com defesa passiva (2x1, 2x2, 3x2, 3x3)
2. Com defesa ativa (2x1, 2x2, 3x2, 3x3)

VOLEIBOL – elementos técnicos


Posição base e deslocamentos
Objetivo: Adquirir a imagem mental/realizar a posição fundamental e os diferentes desloca-
mentos.
1. Explicação e experimentação da posição fundamental.
2. Corrida livre, ao som da voz do professor parar na posição fundamental.
3. Dois a dois, um aluno fica fixo num local com a bola e o outro está de frente para este.
O aluno com bola rola-a para o lado e o outro desloca-se até ela, devolvendo-lha do
mesmo modo.

69
4. Jogo de “futebol” com as mãos 3x3.
5. Partindo da posição fundamental realizar deslocamentos à vontade, em diferentes direções.
6. Deslocamentos em frente à rede seguindo o professor que possui uma bola.
7. Deslocamentos pelas linhas do campo.
8. A partir da linha de fundo, atirar a bola ao ar, deixar cair e apanhá-la.

Passe
Objetivo: Adquirir a noção da posição das mãos na execução do passe.
1. O aluno sentado no chão, com os M.I. afastados, rola a bola sobre o chão, mantendo os
dedos bem afastados.
2. O aluno rola a bola numa parede, partindo da posição fundamental média.
3. Dois a dois, os alunos empurram a bola um para o outro, partindo da posição fundamental
média.
4. Dois a dois, sentados no chão muito pertinho um do outro, os alunos enviam a bola com
pequenos toques um para o outro.

Objetivo: Aprender a colocar-se por baixo e atrás da bola.


5. Dois a dois, atirar a bola ao ar, deixá-la cair no chão e apanhá-la, colocando-se por baixo
e atrás da bola.
6. Grupos de três alunos, formando um triângulo. O aluno com bola desloca-se até um dos
colegas realizando pequenos “passes”.
7. Grupos de três alunos, formam um triângulo. O aluno com bola atira-a, deixa-a cair no
chão e envia-a para o colega.

Objetivo: Coordenar a flexão/extensão dos segmentos corporais no movimento do passe.


8. Em grupos de três alunos, o aluno com bola desloca-se até ao seu colega, executando
passes com ressalto da bola no chão.
9. Dois a dois, o aluno executa um passe de controlo e passa para o colega.
10. Dois a dois, o aluno executa passe para o colega.
11. Dois a dois, o aluno executa passe para o colega e senta-se no chão.

Objetivo: Realizar passes com deslocamentos.


12. Dois a dois, um aIuno está fixo e passa a bola para os lados, de modo a que o colega se
desloque lateralmente e Ihe devolva a bola em passe.
13. Dois a dois, os alunos tentam realizar vinte passes na rede sem deixar cair a bola no
chão.
14. Jogo 2x2 unicamente em passe.

Manchete
Objetivo: Realizar a extensão dos membros superiores.
1. Cada aluno com uma bola executa as seguintes ações:
— Correr ao mesmo tempo que lança a bola de uma mão para a outra.
— Dar toques de forma alternada, utilizando apenas os antebraços (parte anterior), e os
membros superiores em completa extensão.
— Dar toques utilizando apenas os antebraços, primeiro com o membro superior direito
e depois com o esquerdo.

70
Objetivo: Coordenar a flexão/extensão dos membros superiores e adquirir a noção da zona
de batimento da bola.
2. O aluno senta-se numa cadeira, coloca os membros inferiores afastados, o tronco está
ligeiramente inclinado à frente e os membros superiores estão estendidos à frente com
as mãos unidas. O aIuno levanta-se como se fosse jogar a bola e torna-se a sentar.
3. O aluno segura a bola no antebraço do outro (que está sentado) e este levanta-se, empur-
rando a bola como se a jogasse.

Objetivo: Colocar os membros superiores em extensão e adquirir a noção da zona de bati-


mento da bola.
4. O aluno com bola executa manchete contra a parede, após o ressaIto da bola no solo.
5. Em grupos de dois, lança a bola e o outro executa a manchete, após o ressalto da bola no
solo.

Objetivo: Realizar flexão/extensão dos membros inferiores e inclinação do tronco.

6. Em grupos de dois, um aluno lança a bola e o outro contacta a bola em manchete, devol-
vendo-a.

Objetivo: Executar o gesto global da manchete.


7. Duas filas, uma de cada lado da rede; de um lado executa serviço por baixo para a outra
fila que recebe em manchete, deslocando-se para o fim da mesma.

Serviço por baixo


Objetivo: Coordenar o movimento assimétrico de lançar e agarrar a bola.
1. O aluno realiza o lançamento da bola ao ar com uma mão e agarra-a com a outra.

Objetivo: Identificar o membro superior que lança e o que irá fazer o batimento na bola.
2. O aluno lança a bola ao ar com o membro superior não dominante e agarra-a com o mem-
bro superior dominante.

Objetivo: Identificar a zona de batimento na bola para a execução do serviço.

3. O aluno executa toques na bola alternadamente com os dois membros superiores (zona
da palma da mão).

Objetivo: Coordenar o lançamento da bola ao ar com o batimento.

4. O aluno efetua o lançamento da bola ao ar com o membro superior não dominante e rea-
liza o batimento com o membro superior dominante.

Objetivo: Realizar de forma coordenada os movimentos exigidos na execução do serviço.

5. O aluno efetua o serviço por baixo para um ponto fixo na parede.

Objetivo: Realizar o serviço com a presença da rede, aproximando-se da situação de jogo.


6. O aluno realiza o serviço por cima da rede, inicialmente na linha dos três metros, aumen-
tando progressivamente a distância à rede.

Objetivo: Realizar o serviço por baixo em situação de jogo.


7. Jogo com execução obrigatória do serviço por baixo.

71
2. Ginástica Acrobática
Na 1.a fase de abordagem da ginástica acrobática não se deve impor o tipo de pega, monte e
desmonte a utilizar na execução das diferentes figuras.
1.a etapa – deixar os alunos explorar as figuras e corrigir a postura corporal individual de
cada elemento;
2.a etapa– corrigir as pegas, montes e desmontes;
3.a etapa – corrigir a definição da figura.

O que se pretende em termos finais, mais do que a correção técnica das diferentes figuras
executadas, é a harmonia global das figuras e sobretudo a coreografia construída. Esta deve
contemplar montes, manutenção da figura e desmontes com elementos de ligação gímnicos e
acrobáticos entre as figuras.

3. Ginástica de Solo
Rolamento à frente engrupado:

1. Na posição de quadrúpede, fazer extensão e flexão da coluna vertebral (“gato contente/


gato zangado”).
Objetivo: Tomar consciência da mobilidade da coluna vertebral.
2. A partir da posição de sentado, rolar à retaguarda sobre a coluna vertebral e regressar à
posição inicial.
Objetivo: Tomar consciência da posição engrupada e do enrolamento da coluna vertebral.
3. De joelhos sobre um plano elevado, colocar as mãos no solo e fazer o rolamento à frente
engrupado.
Variante – Partindo da posição de “carrinho de mão” (plano elevado), com o auxílio de um
colega, fazer o rolamento à frente engrupado.
Objetivo: Tomar consciência da colocação das mãos, da nuca no solo e da elevação da bacia.
4. Com os pés apoiados nos espaldares, fazer a impulsão dos membros inferiores para
aumentar a velocidade de rotação.
Objetivo: Tomar consciência da impulsão dos membros inferiores para aumentar a velo-
cidade de rotação.
5. Rolamento à frente engrupado sobre um plano inclinado.
Objetivo: Realizar o gesto num meio facilitador de aquisição de velocidade de rotação.

Rolamento à frente com os membros inferiores estendidos e afastados:


1. De joelhos, sobre um plano elevado, colocar as mãos no solo e fazer o rolamento à frente
com os membros inferiores/estendidos e afastados.
Objetivo: Tomar consciência da colocação das mãos e da nuca no solo, da elevação da
bacia e do afastamento dos membros inferiores, após a passagem da bacia pela
vertical dos ombros.
2. A partir da posição semi-invertida, com os pés apoiados no solo, fazer o rolamento à
frente com os membros inferiores afastados, sobre a coluna vertebral, e colocar as mãos
entre as coxas, junto da bacia, para empurrar o solo.
Objetivo: Tomar consciência da colocação das mãos e da sua ação na parte final do movimento.

72
3. Rolamento à frente com os membros inferiores afastados sobre o plinto inclinado.
Objetivo: Facilitar a aquisição de velocidade de rotação e a realização da última parte do
movimento, através da facilitação da impulsão dos membros superiores e da
extensão dos membros inferiores.
4. Levantar-se da posição final do rolamento sobre a cabeça do plinto, empurrando-o para
trás e projetando os ombros para a frente, de forma a ficar de pé.
Objetivo: Facilitar a impulsão dos membros superiores e a extensão dos membros inferiores.
5. Rolamento à frente com os membros inferiores afastados sobre um pIano inclinado.
Objetivo: Realizar o gesto num meio facilitador de aquisição da velocidade de rotação.

Rolamento à retaguarda engrupado:


1. Na posição de quadrúpede, fazer a extensão e flexão da coluna vertebral (“gato contente/
gato zangado”).
Objetivo: Tomar consciência da mobilidade da coluna vertebral.
2. Rolamento à retaguarda até à colocação das mãos e da nuca no solo.
Objetivo: Tomar consciência do enrolamento da coluna e da colocação correta das mãos
ao lado da cabeça.
3. Rolamento à retaguarda engrupado sobre o trampolim terminado de joelhos.
Objetivo: Tomar consciência da impulsão dos membros superiores e diminuir a pressão
sobre a coluna cervical no momento em que o tronco passa pela vertical.
4. Rolamento à retaguarda sobre um plano inclinado.
Objetivo: Adquirir a noção global do movimento num meio facilitador da aquisição de velo-
cidade de rotação.
5. Rolamento à retaguarda engrupado sobre a cabeça do plinto.
Objetivo: Realizar o movimento com a impulsão de braços facilitada (dando mais tempo à
colocação dos apoios dos pés).

Rolamento à retaguarda com os membros inferiores afastados:


1. Rolamento à retaguarda, colocando as mãos e a nuca no solo, e afastar os membros infe-
riores na passagem da bacia pela vertical.
Objetivo: Tomar consciência do enrolamento da coluna, da colocação correta das mãos ao
lado da cabeça, e do momento de afastamento dos membros inferiores.
2. Rolamento à retaguarda com os membros inferiores afastados sobre um banco inclinado
com um colchão por cima, partindo da posição de sentado.
Objetivo: Adquirir a noção global do movimento num meio facilitador de aquisição de velo-
cidade de rotação, e da impulsão de membros superiores.
3. Rolamento à retaguarda dos membros inferiores afastados sobre um plano inclinado.
Objetivo: Adquirir a noção global do movimento num meio facilitador da aquisição de velo-
cidade de rotação.
4. Rolamento à retaguarda de membros inferiores afastados sobre a cabeça do plinto.
Objetivo: Realizar o movimento com a impulsão de membros superiores de forma facilitada.

Apoio invertido de cabeça:


1. Desenhar no solo (colchão), o local de colocação das mãos e da cabeça. Elevar a bacia à
posição invertida.
Objetivo: Tomar consciência da posição das mãos e cabeça e da colocação do peso do corpo
sobre os apoios; familiarização com a posição invertida.

73
2. Apoio invertido de cabeça iniciando o movimento com os membros inferiores num plano
mais elevado.
Objetivo: Adquirir a noção de alinhamento do tronco na vertical dos apoios.
3. Apoio invertido de cabeça trepando com os pés nos espaldares.
Objetivo: Realizar o gesto de elevação dos membros inferiores na vertical de forma facilitada.
4. Apoio invertido de cabeça de encontro aos espaldares.
Objetivo: Realizar o gesto, tomando consciência das ações musculares necessárias para ele-
var os membros inferiores e manter o corpo na posição invertida em equilíbrio.

Roda:
1. Transpor um banco apoiando os membros superiores e elevar a bacia e membros inferio-
res, alternadamente. Posteriormente, transpor o banco fazendo a roda.
Objetivo: Tomar consciência da passagem pela posição semi-invertida, do apoio alternado
das mãos, da elevação da bacia à vertical dos apoios.
2. Roda partindo de um plano elevado para o solo.
Objetivo: Realizar o gesto global, colocando corretamente os pés e as mãos na linha do
movimento.
3. Transpor em roda um banco inclinado preso ao espaldar. Evitar tocar com os membros
inferiores no banco (durante a roda a cabeça está voltada para o espaldar, passando os
membros inferiores por cima da bacia).
Objetivo: Elevar os membros inferiores à vertical dos apoios.
4. Roda sobre o trampolim, partindo de um plano elevado.
Objetivo: Realizar o movimento global pela impulsão dos membros superiores e apoio dos
pés no solo.
5. Roda partindo do trampolim.
Objetivo: Realizar o movimento global de forma facilitada pela impulsão dos membros
inferiores.

Apoio facial invertido:


1. Elevar a bacia na vertical.
Objetivo: Tomar consciência da posição invertida e da colocação do peso do corpo sobre
os apoios.
2. De joelhos sobre um plano elevado, colocar as mãos no solo e elevar a bacia através da
extensão dos membros inferiores e bloqueio dos ombros.
Objetivo: Tomar consciência do alinhamento, na vertical, do tronco/bacia, membros supe-
riores, e da colocação dos ombros.
3. Trepar com os pés pelos espaldares, até colocar os membros inferiores no prolongamento
do tronco.
Objetivo: Tomar consciência do alinhamento dos segmentos corporais na posição invertida;
membros superiores, tronco, membros inferiores e pés.
4. Apoio facial invertido de encontro aos espaldares.
Objetivo: Facilitar a paragem e o alinhamento do corpo na posição invertida; regular a ação
do membro inferior (MI) de balanço e do MI de impulsão; ficar em equilíbrio na
posição invertida.

74
4. Judo
O conjunto de situações de aprendizagem aqui apresentadas é sequenciado com um grau
de complexidade crescente. Inicia-se com um conjunto de tarefas relacionadas com as sauda-
ções e exercícios passíveis de utilizar na ativação geral para depois se apresentarem progres-
sões das habilidades técnicas específicas do judo. As tarefas aqui descritas e desenvolvidas não
se esgotam em si mesmas. Cada professor, tomando como base estes exemplos, poderá efetuar
adaptações ou até mesmo criar os seus próprios exercícios.

Saudações e Exercícios de Ativação Geral

Saudação em pé (ritsu-rei)
O professor deverá logo na primeira aula explicar e demonstrar como e
quando se executa este cumprimento.
• Executar a saudação de pé, ao entrar e sair do tapete (sala de aula);
• Fazer a saudação ao companheiro, antes e depois de cada combate em
pé (randori).
“de pé com os calcanhares juntos” / “tronco direito” / “membros superiores esten-
didos e mãos nas coxas” / “fletir a cintura sem deixar cair a cabeça para a frente
em demasia” / “deslizar as mãos para cobrirem os joelhos”

Saudação de joelhos (za-rei)


O professor deverá logo na primeira aula explicar e demonstrar como e
quando se executa este cumprimento.
• Executar a saudação no princípio e no fim de cada aula. Todos os alunos
alinhados devem saudar o professor;
• Estar em silêncio, calmo, e com o teu Judogi corretamente cruzado e
cinto bem justo;
• Ao sinal do professor, executar a saudação;
• Executar também a saudação antes e depois de cada combate no solo
(randori).
“dedo grande do pé direito sobre o dedo grande do pé esquerdo e sentar sobre os
calcanhares” / “deslizar as mãos do topo das coxas até ao tatami (tapete de
Judo)”

Exercício 1 — Jogo do “matté”!


O professor possui uma bola e atribui números distintos aos alunos, por
ordem crescente. Após a ordem do professor (hajimé), os alunos correm pelo
espaço à vontade. Quando o professor diz um número, o aluno correspon-
dente terá que ir ao encontro da bola previamente arremessada pelo profes-
sor e dizer imediatamente Matté! Todos os colegas param e ele terá que
tentar acertar com a bola num colega.
Se acertar (ippon), o colega executa um “prémio” (por exemplo, 5 saltos
em extensão; ou 5 dorsais; ou 5 abdominais; ou 5 flexões-extensões de mem-
bros superiores (MS)); se não acertar, realiza ele próprio o prémio!

75
Exercício 2 — Jogo dos lenços e das molas
O professor pode optar por utilizar todo o espaço disponível da aula e todos os elementos
da turma ou formar pares e balizar um espaço de exercitação mais pequeno como 1 a 2 col-
chões, um espaço delimitado por sinalizadores. Espaço esse que não pode ser infringido.
Os alunos colocam lenços e/ou molas presos no corpo mas perfeitamente visíveis. O objetivo
é tentar reunir o maior número de lenços e/ou molas num determinado tempo e sem sair do
espaço previamente delimitado.

Exercício 3 – Jogo da “Cauda do Dragão”

Os alunos formam colunas. Cada aluno abraça o colega da frente. O primeiro aluno da coluna
é a cabeça do dragão, o último a cauda do dragão, ostentando um lenço ou um cinto preso nos
calções e os restantes alunos representam o corpo do animal.
Um aluno é nomeado para ser o caçador da cauda (lenço/cinto) do dragão.
A função da cabeça do dragão é impedir que o caçador chegue à sua cauda. Para tal, deve
colocar os MS estendidos à frente do corpo e dificultar os movimentos do caçador sem o
agarrar.
O corpo do dragão deverá permanecer sempre ligado e movimentar-se em função da cabeça
do dragão.
O caçador deve tentar roubar a cauda (lenço/cinto) do dragão.

Exercício 4 – Jogos de ataque, defesa e oposição

Dois a dois, ocupando cada par um tapete, executam as seguintes tarefas de ataque/ defesa
e oposição:

1 — ombro com ombro, mantendo as mãos nas costas, fazer com que o colega saia do
espaço estipulado (tapete);

2 — tentar o mesmo que no ponto 1, mas agora é possível utilizar as mãos para agarrar o
companheiro;

3 — “braço de ferro”, isto é, tentar que o colega tire um pé (ou dois) de cima da linha onde
está apoiado.
4 — tentar tocar o maior número de vezes com os dedos nos:
a) cotovelos; d) a+b+c;
b) ombros; e) a+b+c, todos com todos.
c) joelhos;

Exercício 5

• Dois a dois. Rastejar para atingir a linha ou o local definido, enquanto o seu companheiro
o agarra. Depois troca de funções.
• Grupos de três, sentados uns atrás dos outros para formar duas a três colunas. Agarrar
os pés do colega que está atrás, ver quem chega primeiro.

76
Ushiro-ukemi

Exercício 1 – Jogo do “Cãozinho”


Este jogo consiste em que um dos alunos será o “cãozinho”, que terá que levar ao chão os
seus companheiros agarrando ou abraçando os seus dois membros inferiores (MI). No momento
que um companheiro for levado ao chão, esse aluno tem que bater as mãos de palmas viradas
para o chão, e também se tornará um “cãozinho” auxiliando os seus colegas na captura dos res-
tantes alunos.

Exercício 2
Cada aluno, deitado em decúbito dorsal, com os MI estendidos e juntos: “olhar para o nó do
cinto” ou “queixo ao peito”, “imaginar que abraça uma bola de basquetebol e deixar cair os MS
no solo executando o batimento”.  Salientar o papel da cabeça.
Numa fase seguinte, executa o batimento apenas com uma das mãos (palmas das mãos
viradas para o solo), enquanto a outra mão descansa na zona da barriga.

Exercício 3
Cada aluno, deitado em decúbito dorsal, flete os MI sobre o tronco e executa, nesta posição
de “bolinha”, o “Boneco Teimoso”, isto é, balançar para a frente e para trás sem que a cabeça
toque no solo.  Salientar o papel da cabeça.

Exercício 4
Cada aluno, partindo da posição “Boneco Teimoso”, agarra o pano das calças na zona dos
joelhos e balança para a frente e para trás, sempre com os MS e MI estendidos.  Evitar um
balanço à retaguarda excessivo.

Exercício 5
2 a 2, trabalhar a queda a partir das seguintes formas:
• Quem executa a queda, senta-se em cima do colega que está deitado na zona dos glúteos.
• O parceiro, que se encontra deitado em decúbito ventral, inclina o seu corpo de forma a
provocar a queda ao seu colega.
• A partir de jogos de equilíbrio/desequilíbrio, executar a queda para trás.
• O parceiro que se encontra em quadrupedia, inclina o corpo lateralmente de forma a pro-
vocar a queda ao seu colega.

77
Exercício 6
Executar Ushiro-Ukemi, a partir das seguintes posições: sentado, de cócoras e de pé

Exercício 7
Ao chegar a este patamar, caso se verifiquem dificuldades, 2 a 2 cada um auxilia o colega a
executar a queda para trás a partir da posição de pé.

Exercício 8
2 a 2, frente a frente, um em pé e outro com um joelho no solo (ou ambos): o 1.o projeta o 2.o,
executando formas simplificadas e adaptadas das técnicas de base.
• Quem projeta agarra as mangas na zona dos cotovelos e quem é projetado agarra as golas
do parceiro.
• Caso os alunos não apresentem fato de judo, quem projeta agarra os pulsos, mãos ou zona
dos cotovelos (por baixo); quem é projetado repousa as suas mãos nos MS do parceiro
(por cima).
• Quem projeta, executa um passo atrás pronunciado e puxa a manga correspondente
enquanto larga a contra lateral; quem é projetado executa batimento com o MS livre!
• Variante: quem projeta, bloqueia o joelho do parceiro com a planta do pé (sem pontapear).
Para tal, terá que se colocar numa posição perpendicular em relação ao parceiro. Bloquear
o joelho mais afastado.

Batimento
Numa fase inicial de aprendizagem, pedir aos alunos para cruzarem os MS e tocarem com os
dedos nos ombros, para evitar que o batimento seja rijo e precipitado. O batimento deverá resultar
de uma ação relaxada e os MS não devem afastar-se do tronco, pois o aluno “sofre” mais!

Yoko-ukemi

Exercício 1
Executar a queda a partir da posição de cócoras.

Exercício 2
Executar a queda a partir da posição de pé.
• Membro inferior (MI) e membro superior (MS) do lado que se pretende cair movimentam-se,
simultaneamente, “tipo compasso”;
• Elevar o MI e passar pela posição sentada;
• Batimento breve e forte com o MS do lado da queda (“se faço queda de lado para a direita,
executo o batimento só com o MS direito!).

78
Imobilizações
Exercício 1 – Jogo do “Sapo e da Enguia”
Os alunos distribuem-se ordenadamente pelo espaço em grupos de dois. Um dos parceiros
coloca-se em decúbito dorsal e o outro em decúbito ventral sobre o peito do colega e numa posi-
ção perpendicular ao abdómen do mesmo. Sem agarrar, evitar que o colega se vire de barriga
para baixo.
Com este exercício, os alunos começam a adquirir a noção de imobilização, de colocação do
peso do corpo sobre o do colega e os movimentos a realizar com os MI e os MS.

Exercício 2
Os alunos colocam-se dois a dois. Executam a saudação de joelhos (zarei), um deles coloca-
-se na posição de gatas (quadrúpede). Ao sinal do professor (hajimé) o aluno tenta virar o par-
ceiro de barriga para cima.

Exercício 3
O professor fornece algumas dicas sobre a forma de virar o parceiro de barriga para cima: dupla
prisão de MS e dupla prisão de MI. Numa fase posterior, cada aluno experimenta as duas situações.

Exercício 4
O professor deve fornecer aos alunos algu-
mas soluções técnicas para imobilizar o parceiro
e demonstrá-las (kusure-gesa-gatame; hong-
-gesa-gatame; mune-gatame; yoko-shio-gatame).
Após a demonstração, os alunos colocam-se
dois a dois e experimentam.

Exercício 5
Dois a dois, colocam-se lado a lado e de joe-
lhos. O aluno que vai realizar a projeção abraça a
cintura e agarra o MS na zona do cotovelo do
colega. O que vai sofrer a projeção abraça a zona
dos ombros do colega.
Quem projeta, “olha para as horas”, puxa o MS do colega, projeta e imobiliza. Quem sofre a
queda, executa o batimento.
Os dois alunos devem vivenciar esta situação para o lado esquerdo e para o lado direito.

Exercício 6
Os alunos seguem os procedimentos do exercício anterior mas, após a projeção e a execução
de imobilização dizem Osaekomi e contam até 10. O parceiro imobilizado deverá tentar sair da
imobilização, virar barriga para baixo ou entrelaçar um dos MI do adversário.
O professor deve explicar as noções de Osaekomi, Ippon e Toketa.
Um dos principais problemas na aprendizagem das técnicas do Judo é a dificuldade do exe-
cutante em girar sobre o seu próprio eixo e o impacto no solo resultante da projeção no solo.
Para minimizar estes problemas e tentar que a aprendizagem seja menos traumatizante e mais
eficaz, podem ser utilizadas várias alternativas que passamos a apresentar.

79
Técnicas em pé
Exercício 1 — “Demonstração da técnica”
O professor deve demonstrar a execução clássica e formal das técnicas que vai abordar nas
aulas.

Exercício 2 — “De joelhos e lado a lado”


Os alunos são separados em grupos de dois, de preferência com peso e tamanho aproxima-
dos e colocam-se de joelhos, um ao lado do outro.
O aluno que executar a projeção tem que segurar no punho do parceiro com uma das mãos
e a outra em simultâneo terá que abraçar o parceiro. Quem estiver a sofrer a técnica terá como
única preocupação de realizar o batimento da mão. Quem estiver a executar a projeção, deverá
ser instruído a adiantar um pouco o joelho e/ou a anca e segurar a mão que estiver no punho
até ao final do movimento.
Os dois alunos devem repetir o movimento algumas vezes nas situações de executante e
não executante, dos dois lados.

Exercício 3 – “Jogo da Múmia”


Este jogo permite que os alunos se habituem a realizar a rotação do seu eixo corporal, tanto
parados como em movimento, de forma facilitada pois não tem preocupações com as pegas.
Um dos alunos será a múmia, este deve ficar parado com os MS estendidos, posicionados à
frente do corpo. O outro colega terá que ficar de costas e de frente, várias vezes, em relação ao
seu colega que é a múmia.
Depois dos dois alunos realizarem o exercício, devem realizá-lo em movimento, os dois alu-
nos devem andar próximos um do outro, um deles é a múmia e mantém os MS na posição de
múmia, e o outro continua a realizar a rotação do corpo, ficando de costas e voltando a ficar de
frente perante o colega.

Exercício 4 – “Jogo do abraço passa à frente”


Este jogo ou exercício tem a intenção de proporcionar aos alunos uma posição bem próxima
daquela que acontece na execução formal da técnica.
O jogo consiste em deixar os alunos lado a lado, um deles será o número 1 e o outro o número
2. Os dois abraçados devem andar pela área delimitada pelo professor, que dirá os números
aleatoriamente. Ao fazer isso o aluno quando o seu número é chamado tem que colocar o seu
corpo à frente do seu companheiro.
O exercício pode ser repetido várias vezes, o professor pode e deve trocar os lados dos MS
e evitar que os alunos comecem a realizar projeções.

Exercício 5 – “Um em pé e outro ajoelhado – Projeção 1”


Neste exercício os alunos já começam a realizar as posições formais do Judo. Colocados
frente a frente e, realizar o cumprimento do Judo (Saudação em pé – ritsu-rei). Após a saudação,
um deve ficar de joelhos e o outro, o que irá executar a técnica, de pé. Quem estiver de pé deverá
escolher um dos MS do companheiro para agarrar o punho ou a zona do cotovelo e, quando o
professor ordenar este deve, de imediato, abraçar o companheiro que se encontra de joelhos e
realizar o movimento de rotação, procurando projetá-lo.

80
Quem estiver de joelhos, deverá preocupar-se em bater a mão que estiver livre no movimento.
O exercício deve ser repetido nos dois lados (direito/esquerdo) e pelos dois alunos. No final,
os alunos devem cumprimentar-se como no início do movimento.
O professor deve prestar atenção à posição final dos MI do executante após a rotação.

Exercício 6 – Técnica formal


Os alunos, dois a dois, realizam o movimento do uki-goshi ou o-goshi na sua forma padrão.
Neste primeiro momento, o professor não deve ter a preocupação de enfatizar os nomes das
técnicas, mesmo porque o detalhe que difere uma técnica da outra é bem pequeno e também
porque, neste momento inicial, a queda é realizada apenas pelo lado do executante e não por
cima do seu corpo.
Convém que o professor peça aos alunos para realizarem o movimento sem projeção e
depois com a mesma.

Exercício 7 – Outra Técnica


Na abordagem da técnica o-soto-gari, o professor deve organizar os alunos em grupos de
dois, um de joelhos com um dos MI levantadas e outro de pé.
Quem executa a técnica agarra o MS por baixo da zona do cotovelo e o outro MS na zona da
gola. Quem é projetado executa o batimento no solo.
Executar a técnica para o lado direito e esquerdo.
Ambos os alunos devem exercitar esta situação.

Luta no solo (randori)

Exercício 1
A partir da “posição de gatas”, tentar tirar a bola ao parceiro que a protege e agarra com
toda a força.

Exercício 2
Os alunos, em grupos de três elementos (um é o árbitro), frente a frente e de joelhos, tentam
projetar o parceiro. O mesmo mas tentando imobilizar.

Exercício 3
Os alunos formam pares, um dos indivíduos tenta virar o parceiro que se encontra de gatas
em 30 segundos.

Exercício 4
Os alunos formam trios (um é o árbitro). Variar as formas de iniciar a luta: costas com cos-
tas, um entre os MI do outro, um de gatas e outro de joelhos e com as mãos no dorso do parceiro
ou frente a frente.

81
44444444
Avaliação
– Fichas de Registo
VI
1. Avaliação Diagnóstica
2. Avaliação Formativa
3. Avaliação Sumativa
ASA • Em Movimento 10/11/12

Estes materiais encontram-se disponíveis, em formato editável, em , onde poderá


encontrar também outras propostas de fichas de avaliação (diagnóstica, formativa e sumativa),
bem como fichas de autorregulação das aprendizagens e da autoavaliação.
1. Avaliação Diagnóstica
Ficha de avaliação diagnóstica (modalidades coletivas)

Ano: Turma: Data:

Elementos
Elementos táticos
técnicos Conhecimentos Atitude
(Jogo)
(Ex. critério)
Parâmetros

Forma de executar

Observações
Objetivo

Regras
N.° Nome

Média

Parâmetros de referência

Técnica/Tática Conhecimentos Atitude


0 — Não executa C — Conhece — Negativa
1 — Executa com dificuldade NC — Não conhece 0 Neutra
2 — Executa com facilidade
+ Cooperante

Nota: A avaliação diagnóstica deve ser de “malha larga” sem contudo deixar de se centrar no essencial (ex.: nos
JDC esta deve reportar-se essencialmente ao jogo e não aos elementos técnicos).

84
Ficha de avaliação diagnóstica (modalidades individuais)

Ano: Turma: Data:

Elementos
Sequência Conhecimentos Atitude
técnicos

Parâmetros

Forma de executar

Observações
Ajudas
N.° Nome

Média

Técnica Sequência Conhecimentos Atitude


0 — Não executa 0 — Realiza os elementos sem C — Conhece — Negativa
1 — Executa com dificuldade fluidez e com erros graves NC — Não conhece 0 Neutra
2 — Executa com facilidade de execução + Empenhado
1 — Realiza os elementos com
fluidez e sem erros graves
de execução
2 — Realiza os elementos de
forma fluida e harmoniosa,
sem erros

Nota: Em algumas modalidades individuais, o parâmetro “sequência” pode ser substituído por outro.

85
Aula n.o Aula n.o Aula n.o Aula n.o Aula n.o Aula n.o Aula n.o Aula n.o Aula n.o Aula n.o Aula n.o Aula n.o

86
Síntese

Ano:
Data Data Data Data Data Data Data Data Data Data Data Data
Mês

Parâmetros

Nome

Assiduidade
Pontualidade
Assiduidade
Pontualidade
Assiduidade
Pontualidade
Assiduidade
Pontualidade
Assiduidade
Pontualidade
Assiduidade
Pontualidade
Assiduidade
Pontualidade
Assiduidade
Pontualidade
Assiduidade
Pontualidade
Assiduidade
Pontualidade
Assiduidade
Pontualidade
Assiduidade
Pontualidade
Assiduidade
Pontualidade
Cooperação
Participação
Autonomia
Respeito

1
2
Ficha de Avaliação Formativa

3
Turma:
2. Avaliação Formativa

4
5
6
7
8
9
10
Data:

11
12
13

Participação Participação Participação Participação Participação Participação Participação Participação Participação Participação Participação Participação
___________ ___________ ___________ ___________ ___________ ___________ ___________ ___________ ___________ ___________ ___________ ___________ Assiduidade: P – Presença
Respeito Respeito Respeito Respeito Respeito Respeito Respeito Respeito Respeito Respeito Respeito Respeito F – Falta;
___________ ___________ ___________ ___________ ___________ ___________ ___________ ___________ ___________ ___________ ___________ ___________ FM – Falta de material
Pontualidade: P – Pontual
Cooperação Cooperação Cooperação Cooperação Cooperação Cooperação Cooperação Cooperação Cooperação Cooperação Cooperação Cooperação A – Atraso
___________ ___________ ___________ ___________ ___________ ___________ ___________ ___________ ___________ ___________ ___________ ___________

Autonomia Autonomia Autonomia Autonomia Autonomia Autonomia Autonomia Autonomia Autonomia Autonomia Autonomia Autonomia Cooperação: AM – Arrumação do
___________ ___________ ___________ ___________ ___________ ___________ ___________ ___________ ___________ ___________ ___________ ___________ material;
Número dos alunos
CA – Colaboração nas
que se salientaram ajudas;
pela positiva CC – Colaboração com
colegas
Participação: PA – Participação ativa
na aula
Respeito: RS – Regras de Segurança
C – Colegas
Autonomia: AUT – Realizar tarefas
3. Avaliação Sumativa
Ficha de Avaliação Sumativa de Ginástica Acrobática — Figuras

C– 2 (A + B + C) + 3 D + E
Nome Figura A – Pegas B – Monte D – Figura E – Ajuda
Desmonte 10

______________
_

______________
_

______________
_

Observações

______________
_

______________
_

______________
_

Observações

______________
_

______________
_

Notas:
1. Os grupos devem ser constituídos por 3 elementos (em pares).
2. Utilizar os critérios apresentados na página seguinte.
Objetivo: proporcionar situações de aprendizagem em que a ajuda está sempre presente, de forma a desenvolver a competência de ajuda
contemplada nesta área.

87
Critérios de Avaliação de Ginástica Acrobática – Figuras (exercício critério)

Conteúdo Critérios de êxito

1 - Pega desajustada à figura.


Pega 2 - Pega adequada mas pouco segura.
3 - Pega adequada e segura.

1 - Monte realizado sem sincronia e com a postura


desadequada à figura.
Monte 2 - Monte realizado com sincronia e com uma postura
desadequada à figura.
3 - Monte realizado com sincronia e com postura
adequada à figura.

1 - Desmonte realizado sem sincronia e em


desequilíbrio
Desmonte 2 - Desmonte realizado com sincronia e em
desequilíbrio.
3 - Desmonte realizado com sincronia e em equilíbrio.

1 - Figura não realizada na totalidade.


2 - Figura mantida durante 3 a 5 segundos, com
Figura desequilíbrios e sem tonicidade muscular
3 - Figura realizada na totalidade durante 3 a 5
segundos com postura adequada e em equilíbrio

1 - Ajuda não realizada em tempo útil.


Ajuda 2 - Ajuda insegura e inadequada, não contribuindo para
o êxito do grupo.
3 - Ajuda adequada contribuindo para o êxito do grupo.

88
Ficha de Avaliação Sumativa de Ginástica Acrobática — Coreografia

A + B + 2 (C + D + E) + 3F
Fator ponderação 1 1 2 2 2 3 11

A – Postura corporal

Classificação Final
B – Originalidade

E – Base/volante

F – Coreografia
C – Dificuldade
(individual)

D – Definição
da figura
estética
Número

Nome

Nota: Utilizar os critérios apresentados na página seguinte.

89
Critérios de Avaliação da Ginástica Acrobática — Coreografia

Exemplo:

1 – Posturas inadequadas para as figuras executadas,


com muitos desequilíbrios.
Postura corporal (individual) 2 – Posturas adequadas, mas com muitos
desequilíbrios.
3 – Posturas adequadas e em equilíbrio,
3 a 5 segundos.

1 – Não apresenta qualquer figura diferente das


exercitadas nas aulas.
Originalidade estética 2 – Apresentam algumas figuras diferentes, mas
pouco conseguidas do ponto de vista estético.
3 – Apresentam figuras diferentes devidamente
enquadradas e com sentido estético.

1 – Apresentam apenas figuras do nível introdução.


Dificuldade 2 – Apresentam figuras do nível introdução e
elementar.
3 – Apresentam figuras do nível elementar.

1 – Figuras realizadas com grandes desequilíbrios, de


forma muito instável.
Definição da figura 2 – Figuras realizadas em equilíbrio durante 3
segundos, apesar de incorreções na sua definição.
3 – Figuras realizadas em equilíbrio durante 3 a 5
segundos e com uma definição adequada.

1 – Falta de sincronia na construção da figura,


comprometendo a sua execução.
Base/ volante 2 – Movimentos sincronizados, mas com incorreções
técnicas que comprometem a execução da figura.
3 – Movimentos sincronizados, com técnica adequada
e equilíbrio.

1 – Realiza figuras soltas sem elementos de ligação,


música acessória, muitas quebras no ritmo.
2 – Utiliza ligações entre figuras apesar de pouco
Coreografia harmoniosas, falta de conjugação com o fundo
musical, quebras de ritmo.
3 – Utiliza elementos de ligação de forma harmoniosa
em sincronia com o fundo musical e ritmo sem
quebras visíveis.

90
Ano/Turma:
————————
Ginástica de Solo – Sequência
Elemento
Classi-
Coeficiente de ficação
N.o ponderação
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
Ficha de Avaliação Sumativa de Ginástica de Solo

16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27

Elementos a considerar para a sequência, com os respetivos fatores de ponderação (exemplo):


Rol.Eng. Fr./Rol. Rol fr. Elem. Rol. Ret. MI Pos. Pos. Pino
Roda
Critérios 1-5 Fr. MI afast. MI afast. ligação afast. Flex. Equil. cabeça/AFI
1 1,5 0,5 1 1 0,5 2 2
1 Não executa
2 Executa c/ mts incorreções
3 Executa c/ algumas incorreções
4 Executa bem
5 Executa c/ correção

91
92
JDC Invasivos
Ano / Turma: ____/____
A B C D E Cl. Final

N.o Nome Passe/Receção Condução/Drible Finalização Posição ofensiva Posição defensiva


1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
Média Turma / Ação
Critérios: 1-5

1 Não executa
Ficha de Avaliação Sumativa dos Jogos Desportivos Coletivos Invasivos

2 Executa com muitas incorreções


3 Executa com algumas incorreções
4 Executa bem
5 Executa com correção
1

7
5
2

9
8
6
4

11

17

21
15
12

13

19
18
16
14
10
N.o

20
Nome
Fator ponderação

A – Coloca a bola no
1

campo adversário
Serviço

B – Coloca a bola e
2

cria dificuldade

C – Utiliza a técnica
1

adequada à
Passe/

trajetória
Manchete

D – Diferencia função de
Ficha de Avaliação Sumativa de Voleibol (2x2)

recebedor e não
recebedor

E – Em passe
1

colocado
2

Finalização

F – Em remate
8

Classificação
A + 2B + C + D + E + 2F

93
94
Técnicas de corrida Cl. Final Vel. Cl. Final Resist. Cl. Final Barreiras Cl. Final Peso Classifi. Cl. Final
Classifi.
Ano / Turma: ____/____ Bat. P. Sal- Marca FINAL
Skiping TEMPO TEMPO Técnicas Marca C.F. Técnica
Calc. tada (mt)

N.o Nome
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
Ficha de Avaliação Sumativa de Atletismo

12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
Média Turma / Ação
Critérios: 1-5

1 Não executa

2 Executa com muitas incorreções

3 Executa com algumas incorreções

4 Executa bem

5 Executa com correção


Escola: ________________________________________________________________________________________________ Aulas dadas:
Ano: ___________ Turma: ___________ Ano letivo: ___________ Prof.: _______________________________________ 1.o Período
2.o Período
3.o Período

____ Período Atitudes Conhecimentos Modalidades Aptidão Física CLASSIFICAÇÃO

Nome TOTAL TOTAL TOTAL TOTAL TOTAL Classificação Autoavaliação


Ficha de Avaliação Sumativa – final de período

Exemplo

____ Período Atitudes Conhecimentos Modalidades Aptidão Física CLASSIFICAÇÃO


TOTAL
Participação Criatividade Empenho
TOTAL Teste TOTAL Badm. Basq. Dança TOTAL Aptidão Física TOTAL
ativa e autonomia cooperação Classifica-
Autoaval.
ção
% 4% 3% 3% 10% 20% 20% 15% 20% 10% 50% 10% 20% 100%

95
Aulas previstas e dadas:

96
1.o Período: P: ________ D: ________
2.o Período: P: ________ D: ________
3.o Período: P: ________ D: ________

Avaliação proposta ATIVIDADES DESPORTIVAS AVALIADAS


Ano / Turma: ____/____ Autoavaliações
pelo professor Competências de ação
Média _____ Comp. de conhecimento _____ Comp. de atitude _____
N.o Nome 3.o P 2.o P 1.o P Final ApFísica % T1 T2 T3 % 1.o P 2.o P 3.o P % 1.o P 2.o P 3.o P
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
Ficha de Avaliação Final do Ano

11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
Atividades para Alunos
que não Realizam
VII
a Aula Prática
1. Fichas de Trabalho
2. Fichas de Observação
3. Trabalhos Escritos – Proposta de Estrutura
ASA • Em Movimento 10/11/12

Estes materiais encontram-se disponíveis, em formato editável, em .


1. Fichas de Trabalho

FICHA 1 – Saúde

A aprender
1. Quais são os exercícios mais adequados para a manutenção da saúde;
2. O que é uma dieta equilibrada e quais são os hábitos a adotar para ter uma alimentação
adequada.

Informações

Saúde
Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), a saúde não deve ser apenas considerada
como uma ausência de doença, mas sim um bem-estar geral. Segundo Bouchard e Shephard
(1992), a saúde é um estado caracterizado por uma aptidão para realizar atividades físicas com
vigor associadas a um risco reduzido de desenvolvimento de doenças hipocinéticas (elevado
sedentarismo – falta de atividade física).

Promoção da saúde
Processo que visa criar condições que permitem aos indivíduos controlar a sua saúde e agir
sobre os fatores que a influenciam (carta de Otawa, 1986).

Hábitos positivos que influenciam a saúde


Os hábitos positivos mais importantes que estão ao nosso alcance, e que podem intervir no
nosso estado de saúde, são:

• a prática regular de exercício físico;


• fazer uma dieta equilibrada;
• evitar substâncias nocivas como o tabaco, o álcool e as drogas.

Exercício físico
A prática de atividade física regular é necessária em todas as idades, porque:

• na criança, contribui para o desenvolvimento e domínio do próprio corpo;


• no adulto, permite estabelecer relações com os outros e ter uma vida mais saudável.

Atividades recomendadas
a) Atividades que se repetem de uma forma cíclica, com uma intensidade constante
durante um período de tempo longo. Exs.: andar, correr com ritmo baixo…
b) Atividades de intensidade variável, em função do domínio técnico de cada pessoa; para
praticantes mais experientes o ritmo acaba por ser quase constante. Exs.: nadar, remar, esqui
de fundo…
c) Diferentes atividades desportivas que dependem da forma como são realizadas, da
implicação e da quantidade e intensidade que cada um adote na sua realização. Exs.: dançar,
jogar basquetebol, ténis, ginástica aeróbica.

98
Os alimentos
Os alimentos produzem a energia necessária ao sistema nervoso, músculos e cérebro.

Classificação dos alimentos


Os alimentos podem classificar-se em quatro grandes grupos. Para que uma dieta seja
equilibrada deve-se comer diariamente de todos os grupos de alimentos (consultar roda
dos alimentos).
a) Grupo 1 – proteínas, vitaminas e cálcio: leite e seus derivados, como o queijo e o iogurte.
b) Grupo 2 – proteínas: carne, peixe, legumes e ovos.
c) Grupo 3 – hidratos de carbono: pão, arroz, massa e doces.
d) Grupo 4 – vitaminas e fibras: fruta e legumes.

Importância da alimentação
Uma alimentação equilibrada é a base do crescimento. Os povos antigos observavam que se se
alimentassem com grão a sua resistência nas caçadas aumentava. Os lutadores gregos comiam
carne vermelha e figos, para terem mais força e resistência. Hoje em dia, os desportistas adap-
tam a sua alimentação de acordo com as exigências da modalidade desportiva que praticam.
Exemplos:
• os saltadores têm uma dieta equilibrada com alimentos com baixo teor de gorduras (lípidos);
• nos corredores de fundo, o nível de hidratos de carbono favorece o rendimento;
• nos culturistas, a alimentação rica em proteínas ajuda a criar um corpo modelado.

Como deve ser a alimentação?


A alimentação dever ser variada e equilibrada para cobrir as necessidades de gasto energético,
e deve ser distribuída ao longo do dia por várias refeições: pequeno-almoço, meio da manhã,
almoço, lanche e jantar. Exemplos de alimentos que devem ser consumidos em cada uma das
refeições:
Pequeno-almoço: sumos de fruta, cereais integrais com leite, torradas com marmelada, ovos…
Meio da manhã: fruta fresca ou queijo não curado com torradas, iogurte.
Almoço: sopa de legumes, carne ou peixe com guarnição, salada e fruta.
Lanche: queijo fresco com pão integral ou fruta, ou iogurte.
Jantar: sopa de legumes, carne ou peixe com guarnição e fruta.

Deves evitar:
• Fazer exercício depois de comer.
• Não ter um horário regular das refeições.
• Não tomar o pequeno-almoço, pois é a refeição mais importante do dia.
• Beber leite quente e fazer exercício físico a seguir. Deves optar por beber leite frio, pois é
menos indigesto.
• Tomar líquidos à refeição, de preferência beber entre as refeições.
• Comer fruta no final da refeição, esta deve-se comer no início, pois ajuda a preparar o
estômago e a assimilar as vitaminas.
• Ingerir bebidas com gás, pois são prejudiciais para o organismo.
• Ingerir açúcares de absorção rápida, como os rebuçados.
• Ingerir muita gordura animal.
• Comer pouca fruta e fibras.
• Comer assados, fritos e estufados, deves optar por grelhados e cozidos

Realiza agora o questionário que se segue.

99
Questionário

Tendo como base as informações fornecidas na ficha anterior, responde ao conjunto


de questões que se seguem.

Grupo I – Exercício físico e saúde

1. Quais os benefícios que a prática regular de exercício físico traz para a saúde?
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________

2. Quais os exercícios mais recomendados quando o objetivo é a manutenção dos níveis de


saúde?
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________

3. Comenta a seguinte afirmação: “a prática de exercício físico é fundamental para se conseguir


perder peso”.
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________

Grupo II – Alimentação e saúde

1. Refere alimentos ricos em:


Proteínas: ____________________________________________________________________
Gorduras: ____________________________________________________________________
Hidratos de carbono: __________________________________________________________

2. Qual é a refeição mais importante do dia? Porquê?


______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________

3. Quais os alimentos mais adequados a incluir num lanche a meio da manhã e a meio da tarde?
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________

100
FICHA 2 – Dieta alimentar

Introdução
“A saúde pode ser influenciada de forma positiva ou negativa, segundo os hábitos e comporta-
mentos que adotamos ao longo da vida. A atividade física e uma alimentação equilibrada são
alguns dos hábitos que mais beneficiam a saúde.”

1. Quais os princípios que devem ser respeitados para se ter uma dieta alimentar equilibrada?
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________

2. Tendo como base a lista de alimentos apresentada, preenche, de forma adequada, a compo-
sição de alimentos que cada refeição deve conter.

Pequeno- Meio
Almoço Lanche Jantar Alimentos
-almoço da manhã

Laticínios
Cereais
Fruta
Legumes
Leguminosas
Gorduras e óleos
Carne/Peixe/Ovos
Arroz/Massa/Batata
Água

3. Utilizando a Internet, pesquisa: “Os principais transtornos alimentares – obesidade, ano-


rexia e bulimia”. Tendo como base a pesquisa, elabora uma síntese de cada um dos trans-
tornos.
Obesidade: ___________________________________________________________________
Anorexia: ____________________________________________________________________
Bulimia: ______________________________________________________________________

4. Elabora um prospeto informativo sobre os três transtornos alimentares para distribuir/afixar


ou divulgar à turma no início ou no final de uma aula.

5. Realiza um trabalho em que cada grupo ou aluno é responsável por desenvolver um dos
seguintes itens:
a) Enumerar as melhorias no funcionamento do corpo humano provocadas pela atividade
física.
b) Elaborar uma lista dos hábitos de higiene importantes no dia a dia.
c) Referir as porções de alimentos que devem estar presentes numa alimentação equilibrada.
d) Caracterizar a escola em termos de: hábitos de higiene (no balneário, no recreio, no bar,
etc.).
e) Caracterizar a escola em termos de alimentação (bar e cantina).
f) Caracterizar a escola em termos de atividade física (no recreio e desporto fora das aulas
de Educação Física).

101
FICHA 3 – Ativação geral

A aprender:
1. O que é a ativação geral e para que serve;
2. Como se realiza uma ativação geral.

Informações

Conceito
A ativação, também designada por aquecimento, é um conjunto de exercícios físicos que se exe-
cutam com o objetivo de preparar o nosso organismo (física e psiquicamente) para um esforço
físico mais intenso. A ativação permite preparar os sistemas do corpo (muscular, articular, res-
piratório, cardiovascular e nervoso) para poder realizar exercícios físicos mais intensos de forma
eficaz e com menos riscos de contrair lesões.

Fases da ativação geral


• Fase geral – nesta fase realizam-se exercícios comuns a todas as atividades desportivas,
dirigem-se a todo o organismo. Usualmente utilizam-se exercícios de mobilidade articular, de
coordenação, de deslocamento, de reforço muscular e de alongamento.
• Fase específica – nesta fase realizam-se exercícios relacionados diretamente com a ativi-
dade desportiva ou competição que vai ocorrer.

A ativação geral no desporto


Antigamente, os atletas realizavam o “aquecimento” antes das competições, realizavam de uma
forma mais lenta, para ”entrar o calor”, os gestos da prova que iam realizar: corrida, lançamen-
tos, luta, esgrima, etc. Hoje em dia é fácil observar em qualquer desporto que os atletas reali-
zam exercícios variados ou específicos para se prepararem para qualquer competição, com o
objetivo de preparar o organismo para o máximo rendimento. A ativação geral tem também uma
componente psicológica: preparar mentalmente o atleta para o esforço, melhorando o auto-
controlo corporal, para assim obter melhores resultados.

Como realizar uma ativação geral?


• Executar exercícios de caráter geral, que solicitem todas as partes do corpo.
• Os exercícios devem ser simples, de forma a que todos os consigam executar.
• As propostas organizativas devem motivar os executantes.
• Realizar os exercícios menos intensos no início e os mais intensos no final.
• A duração da ativação deve ser em função da atividade que se segue. Ex.: para uma sessão de
45’, podemos dedicar a esta parte 10 a 12 minutos.

Efeitos fisiológicos da ativação geral Controlo e postura durante a ativação


• diminui e previne o risco de lesões • todos os exercícios devem ser realizados com uma postura
• aumenta a frequência cardíaca corporal correta (segmentos corporais alinhados)
(número de pulsações por minuto) • a coluna vertebral deve manter-se o mais alinhada possível na
• intensifica a frequência respiratória execução dos diferentes exercícios
• aumenta a temperatura corporal • na corrida os pés devem ser colocados num movimento de
• previne o cansaço prematuro “desenrolar” primeiro a planta do pé. Os pés devem estar
• melhora a coordenação muscular alinhados, evitando que se desloquem para dentro ou para fora
• é importante trabalhar os músculos que mais contribuem para a
manutenção da postura corporal estática no bloco de reforço
muscular

Realiza agora as tarefas que se seguem (tarefa 1 e tarefa 2).

102
Tarefa 1

Tarefa de observação
Observa a ativação conduzida pelo teu professor e regista os seguintes aspetos:

Registos
Início da ativação: ____h ____m Final da ativação: ____h ____m Tempo total: ____m

1. Foram realizados exercícios que solicitaram todas as partes do corpo.


Sim Não

2. Os exercícios foram simples.


Sim Não

2.1. Justifica a tua resposta.


______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________

3. Assinala com um X o tipo de exercícios que foram realizados.


a) Mobilidade articular
b) Coordenação
c) Deslocamento
d) Reforço muscular
e) Alongamento
f) Outros Quais? ______________________

4. As posturas corporais adotadas pelos teus colegas foram adequadas?


Sim Não

4.1. Caso não tenham sido adequadas, identifica as principais incorreções.


______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________

5. Centra-te agora nos exercícios de reforço muscular e preenche o seguinte quadro.

Exercício Músculo mais solicitado

1.

2.

3.

4.

5.

103
Tarefa 2

Preparar uma ativação geral


Planifica agora uma ativação geral, utilizando como referência as diferentes partes atrás
indicadas. Considera que a ativação é dirigida aos colegas da tua turma. Nos quadros à
direita deves desenhar a sequência de exercícios propostos.

A. Exercícios de mobilidade articular

1. ______________________________________________
2. ______________________________________________
3. ______________________________________________
4. ______________________________________________

B. Exercícios de deslocamento com movimentos de


coordenação

1. ______________________________________________
2. ______________________________________________
3. ______________________________________________
4. ______________________________________________

C. Exercícios de alongamento

1. ______________________________________________
2. ______________________________________________
3. ______________________________________________
4. ______________________________________________

D. Exercícios de reforço muscular (tronco, mem-


bros superiores e membros inferiores)

1. ______________________________________________
2. ______________________________________________
3. ______________________________________________
4. ______________________________________________

Nota: A ativação deve ser colocada em “prática”, isto é, por indicação do teu professor deves
conduzir a ativação de uma aula com base na tua planificação.

104
FICHA 4 – Atividade física diária

1. Tendo como base o exemplo abaixo apresentado, elabora um conjunto de propostas para
alterares os teus comportamentos diários, tendo como objetivo aumentar o teu nível de ati-
vidade física diária.

Exemplo:

O que faço O que posso fazer

• Utilizo o elevador • Subir pelas escadas


• Vou de autocarro para a escola • Sair na paragem anterior à escola e fazer
• ... o caminho restante a pé
• ...

1.1. Elabora um pequeno quadro-síntese a apresentar à turma.

Nota: A atividade pode ser extensiva a todos os alunos.

O que faço O que posso fazer

105
FICHA 5 – Postura correta nas atividades diárias

Uma boa postura depende em muito das posições que adotamos, consciente ou inconsciente-
mente, no nosso dia a dia. Seguem-se algumas situações que contribuem para o aparecimento
de problemas posturais e como preveni-los.

Como dormir?
Para dormir, a posição ideal é de barriga para cima com os membros inferiores fletidos e alter-
nativamente, de lado. Deve-se evitar dormir em decúbito ventral (de bruços), pois o pescoço
fica torcido e há sobrecarga da zona lombar. De lado, o ideal é dormir com uma perna sobre a
outra, ambas semifletidas. Recomenda-se utilizar um pequeno travesseiro entre os joelhos. Evi-
tar colchões macios, que não dão sustentação, e colchões muito duros, pois os ombros e a anca
ficarão mal acomodados. Para ver qual o colchão ideal, consulte as tabelas de densidade de
espuma, que relacionam o peso e a altura da pessoa.

Como levantar da cama?


Ao acordar, a sua coluna está em relativo repouso, assim, procure levantar-se calmamente.
Sem levantar a cabeça, ficar deitado de lado, dobrar as pernas e impulsionar o corpo com a
mão, ao mesmo tempo que se colocam as pernas para fora da cama.

Como caminhar?
Ao caminhar deve-se olhar para a frente, mantendo o abdómen contraído. O tipo de sapato ideal,
para o dia a dia, é um sapato fechado atrás, de forma a dar estabilidade às passadas, deve tam-
bém ter o salto com uma base larga e leve (com altura máxima de 4 centímetros) e, de prefe-
rência, com amortecimento.

Como carregar mochilas, compras, malas e outros objetos pesados?


As mochilas devem ser presas às costas bem ajustadas ao tronco, nunca pendentes ao fundo
das costas nem penduradas num só ombro. As compras devem ser divididas entre as duas mãos.
Malas e outros objetos pesados devem ser levados num carrinho, o qual deve ser empurrado e
não puxado.

Tarefa 1

Realiza um pequeno inquérito à tua família mais próxima e identifica as posturas que estes ado-
tam nas suas atividades diárias.
Regista os dados no quadro que se segue:

Carregar objetos
Familiar Dormir Caminhar
pesados

1 Que sugestões lhes deves dar para melhorarem a sua postura?


______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________

106
2. Fichas de Observação

FICHA DE OBSERVAÇÃO DA AULA – análise do(s) aluno(s)

Assinatura do professor ____________________

Objetivo: Identificar a atuação dos alunos sob o ponto de vista da responsabilidade, dificul-
dades e motivação.

Nome N.o

Ano Turma Data _____/_____/_____

Motivo para não realizar a aula

1. Modalidade(s) abordada(s).

2. Alunos que chegaram atrasados à aula.

3. Emite a tua opinião relativamente à forma como os alunos entraram na aula (em cada
uma das alíneas assinala com uma cruz a alternativa que corresponde à tua opinião).
a) calmos barulhentos
b) organizados desorganizados
c) atentos desatentos

4. Quantos alunos não se apresentam com equipamento adequado para a prática de ativi-
dade física?

Comentário (refere os aspetos do equipamento que não consideras adequados).

5. Indica os exercícios em que os alunos sentiram mais dificuldades (da parte fundamental
da aula).

107
6. Indica os exercícios em que os alunos mostraram menos motivação (da parte funda-
mental da aula).

7. Indica os exercícios em que os alunos sentiram menos dificuldades (da parte fundamen-
tal da aula).

8. Indica os exercícios em que os alunos se mostraram mais motivados (da parte funda-
mental da aula).

9. Tendo como base as quatro respostas anteriores, faz uma breve reflexão acerca da rela-
ção entre o grau de dificuldade das tarefas e a motivação dos teus colegas para a sua
realização.

10. Tendo como base os registos anteriores, elabora um pequeno comentário que consideres
ser importante para o teu professor.

108
FICHA DE OBSERVAÇÃO DA AULA – terminologia

Assinatura do professor ____________________

Objetivo: Designar os exercícios realizados utilizando uma terminologia correta.

Nome N.o

Ano Turma Data _____/_____/_____

Motivo para não realizar a aula

1. Modalidade(s) abordada(s).

Atenção!
Durante o preenchimento não deves recorrer a qualquer ajuda, pois o importante é que tomes
consciência do nível de domínio que tens da terminologia específica relacionada com os con-
teúdos da Educação Física.

2. Designa os exercícios realizados na parte inicial da aula. Dúvidas

3. Designa os exercícios realizados na parte fundamental da Dúvidas


aula.

4. Indica os aspetos que tens que investigar para adquirires um maior domínio da termino-
logia específica.

109
Tarefa para casa
Neste espaço deves colocar as dúvidas que registaste na aula e à frente a designação cor-
reta do exercício/situação de aprendizagem.

1. ____________________________________________________________________________

2. _______________________________________________________________________________

3. _______________________________________________________________________________

4. _______________________________________________________________________________

5. _______________________________________________________________________________

6. _______________________________________________________________________________

7. _______________________________________________________________________________

8. _______________________________________________________________________________

9. _______________________________________________________________________________

10. _______________________________________________________________________________

11. ____________________________________________________________________________

12. _______________________________________________________________________________

13. _______________________________________________________________________________

14. _______________________________________________________________________________

15. _______________________________________________________________________________

16. _______________________________________________________________________________

17. _______________________________________________________________________________

18. _______________________________________________________________________________

110
FICHA DE OBSERVAÇÃO DA AULA – empenhamento motor

Assinatura do professor ____________________

Objetivo: Detetar o número de repetições executadas nos exercícios selecionados.

Nome N.o

Ano Turma Data _____/_____/_____

Motivo para não realizar a aula

Indicações:
• Seleciona um colega e regista o número de repetições que este executa em cada
exercício objeto de observação.

ALUNO OBSERVADO: ______________________________________________________________

Parte inicial da aula (seleciona 3 exercícios, identifica-os e regista o número de repetições):


Exercício 1: ______________________________ N.o de repetições: ______
Exercício 2: ______________________________ N.o de repetições: ______
Exercício 3: ______________________________ N.o de repetições: ______

Tendo como referência o tempo dado para a execução do exercício, consideras que o número
de repetições efetuadas pelo teu colega foi adequado? Este revelou empenhamento ou, pelo
contrário, revelou falta de empenho?
_______________________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________________

Parte fundamental da aula (seleciona 5 exercícios, identifica-os e regista o número de repe-


tições):
Exercício 1: ______________________________ N.o de repetições: ______
Exercício 2: ______________________________ N.o de repetições: ______
Exercício 3: ______________________________ N.o de repetições: ______
Exercício 4: ______________________________ N.o de repetições: ______
Exercício 5: ______________________________ N.o de repetições: ______

Tendo como referência o tempo dado para a execução do exercício, consideras que o número
de repetições efetuadas pelo teu colega foi adequado? Este revelou empenhamento ou, pelo
contrário, revelou falta de empenho?
_______________________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________________

111
FICHA DE OBSERVAÇÃO DA AULA – condição física

Assinatura do professor ____________________

Objetivo: Observar o cumprimento do trabalho de condição física ao nível do número de repe-


tições e da correção da postura corporal.

Nome N.o

Ano Turma 1.a obs.____/____/____


Data 1.a obs.____/____/____
1.a obs.____/____/____

Motivo para não realizar a aula

Indicações:
• Seleciona um colega e regista o número de repetições solicitadas pelo professor e as realiza-
das pelo colega que selecionaste.
• Regista (assinalando com um X) a adequação da postura na execução de cada um dos exer-
cícios.
• Desenha as figuras representativas da posição de realização em cada um dos exercícios.

ALUNO OBSERVADO: ______________________________________________________________

Abdominais ___________________________

N.o de repetições
N.o de repetições
solicitadas pelo Postura
realizadas
professor

1.a 2.a 3.a 1.a 2.a 3.a Adequada Inadequada

1.a 2.a 3.a 1.a 2.a 3.a

Extensões de braços ___________________________

N.o de repetições
N.o de repetições
solicitadas pelo Postura
realizadas
professor

1.a 2.a 3.a 1.a 2.a 3.a Adequada Inadequada

1.a 2.a 3.a 1.a 2.a 3.a

Nota: Caso os exercícios propostos pelo teu professor sejam diferentes dos indicados, podes
substituir a designação apresentada por outra no espaço reservado para esse efeito.

112
Lombares/Dorsais ___________________________

N.o de repetições
N.o de repetições
solicitadas pelo Postura
realizadas
professor

1.a 2.a 3.a 1.a 2.a 3.a Adequada Inadequada

1.a 2.a 3.a 1.a 2.a 3.a

Agachamentos ___________________________

N.o de repetições
N.o de repetições
solicitadas pelo Postura
realizadas
professor

1.a 2.a 3.a 1.a 2.a 3.a Adequada Inadequada

1.a 2.a 3.a 1.a 2.a 3.a

Saltos em extensão ___________________________

N.o de repetições
N.o de repetições
solicitadas pelo Postura
realizadas
professor

1.a 2.a 3.a 1.a 2.a 3.a Adequada Inadequada

1.a 2.a 3.a 1.a 2.a 3.a

________________________________

N.o de repetições
N.o de repetições
solicitadas pelo Postura
realizadas
professor

1.a 2.a 3.a 1.a 2.a 3.a Adequada Inadequada

1.a 2.a 3.a 1.a 2.a 3.a

Nota: Este quadro deve ser preenchido com outro exercício que tenha sido proposto pelo teu
professor.

113
FICHA DE OBSERVAÇÃO DA AULA – jogos desportivos coletivos invasivos

Assinatura do professor ____________________

Objetivo: Detetar o grau de sucesso na execução de algumas habilidades motoras.

Nome N.o

Ano Turma Data _____/_____/_____

Motivo para não realizar a aula

Indicações:
• Seleciona um colega e vai registando as habilidades motoras que este executa em função do
grau de sucesso.
• A observação pode ser realizada em situações de jogo reduzido ou em jogo formal.
• O tempo de observação não deve ultrapassar os 15 minutos.

ALUNO OBSERVADO: ______________________________________________________________

Habilidade motora Número de execuções Total


Golos/pontos
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20
marcados
Passes com sucesso 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20

Bolas recuperadas 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20
Remates/lançamentos
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20
sem sucesso
Passes sem sucesso 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20

Bolas perdidas 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20

Calcula agora o nível de sucesso na execução das habilidades motoras observadas, utilizando
o seguinte processo:

(Somatório dos 3 primeiros itens) – (somatório dos 3 últimos itens) = ________

Leitura:
• Resultado positivo – as habilidades executadas com sucesso foram superiores às executadas
sem sucesso.
• Resultado negativo – as habilidades executadas com sucesso foram em número inferior às
executadas com sucesso.
• Quanto mais elevado for o resultado positivo mais sucesso teve o aluno observado.

Nota: Partilha os resultados com o colega que observaste.

114
FICHA DE OBSERVAÇÃO DA AULA – jogos desportivos coletivos:
atitudes e valores

Assinatura do professor ____________________

Objetivo: Verificar o cumprimento de atitudes e valores inerentes aos conteúdos da disciplina.

Nome N.o

Ano Turma Data _____/_____/_____

Motivo para não realizar a aula

Indicações:
• Seleciona um colega e observa o seu comportamento durante uma situação de jogo.
• Assinala com um X os parâmetros cumpridos em cada um dos valores enunciados.

Modalidade abordada: ________________________________________________________________________

Atitudes e valores Parâmetros a observar Sim

Cooperação • colabora com os colegas da equipa, adversários e árbitro

• permite o apoio dos colegas


Aceitação
• compreende as dificuldades reveladas pelos colegas

• cumpre as regras
Respeito • aceita as decisões do árbitro
• respeita o adversário

Empenhamento • esforça-se, procurando o êxito pessoal e coletivo

Alegria • tira partido do jogo, experimentando sentimentos de satisfação


e prazer

Total ............

Nota: Um número elevado de parâmetros cumpridos revela uma atitude adequada às exigências
da participação em Jogos Desportivos Coletivos (ética desportiva).

Elabora um breve comentário acerca das atitudes e valores reveladas pelo colega observado
durante o jogo.

115
FICHA DE OBSERVAÇÃO DA AULA – ginástica

Assinatura do professor ____________________

Objetivo: Detetar o número de repetições e qualidade da execução das habilidades motoras.

Nome N.o

Ano Turma Data _____/_____/_____

Motivo para não realizar a aula

Indicações:
• Seleciona um colega e regista o número de repetições que este executa em cada exercício, da
parte fundamental da aula, e a qualidade da execução (má, razoável, boa).

ALUNO OBSERVADO: ______________________________________________________________

Parte fundamental da aula (seleciona 5 exercícios).

Identificação do exercício Repetições Total Qualidade da execução

1. Tendo como referência o tempo dado para a execução dos vários exercícios, consideras
que o número de repetições efetuadas pelo teu colega foi adequado?

2. Consideras que a qualidade da execução poderia ser melhor se o teu colega se tivesse
empenhado mais ou, pelo contrário, este esteve empenhado em melhorar o seu desem-
penho?

116
FICHA DE OBSERVAÇÃO DA AULA – organização da aula

Assinatura do professor ____________________

Objetivo: Detetar o número de repetições e qualidade da execução das habilidades motoras.

Nome N.o

Ano Turma Data _____/_____/_____

Motivo para não realizar a aula

Indicações:
• Observa a atuação do teu professor relativamente aos aspetos organizativos da aula e vai
registando os aspetos que te pareçam mais importantes no quadro que se segue:

Parte inicial da aula

Organização inicial Lenta Média Rápida

Parte fundamental da aula Lenta Média Rápida

(transição da parte inicial para a fundamental)

Parte final da aula Lenta Média Rápida

117
FICHA DE OBSERVAÇÃO DA AULA – ginástica de solo

Assinatura do professor ____________________

Objetivo: Detetar o nível de execução das posições de flexibilidade, de equilíbrio e de força.

Nome N.o

Ano Turma Data _____/_____/_____

Motivo para não realizar a aula

Indicações:
Insuficiente – não cumpre nenhuma das
• Seleciona um colega e regista as exigências exigências técnicas.
técnicas que este cumpriu, ou não, na execução Suficiente – cumpre apenas a primeira exi-
das várias posições. E no final atribui um nível gência técnica.
de execução tendo em conta a seguinte escala: Bom – cumpre as duas primeiras exigências
Nota: Antes de iniciares a observação, consulta técnicas.
o teu manual e regista, em cada posição, Muito Bom – cumpre as três exigências
três exigências técnicas a cumprir. técnicas.

ALUNO OBSERVADO: ______________________________________________________________

Posições de flexibilidade

Espargata antero-posterior Nível


Cumpriu Não cumpriu
(Exigências técnicas) de execução
1.a

2.a

3.a
Nível
Ponte (Exigências técnicas) Cumpriu Não cumpriu
de execução
1.a

2.a

3.a
Nível
___________ (Exigências técnicas) Cumpriu Não cumpriu
de execução
1.a

2.a

3.a
Nível
___________ (Exigências técnicas) Cumpriu Não cumpriu
de execução
1.a

2.a

3.a

118
Posições de equilíbrio

Nível
Avião (Exigências técnicas) Cumpriu Não cumpriu
de execução
1.a

2.a

3.a
Nível
Bandeira (Exigências técnicas) Cumpriu Não cumpriu
de execução
1.a

2.a

3.a
Nível
___________ (Exigências técnicas) Cumpriu Não cumpriu
de execução
1.a

2.a

3.a

Posições de força

Nível
Ângulo (Exigências técnicas) Cumpriu Não cumpriu
de execução
1.a

2.a

3.a
Nível
___________ (Exigências técnicas) Cumpriu Não cumpriu
de execução
1.a

2.a

3.a
Nível
___________ (Exigências técnicas) Cumpriu Não cumpriu
de execução
1.a

2.a

3.a

Nota: Nos quadros sem a designação dos elementos a observar seleciona os que foram abor-
dados na aula.

119
FICHA DE OBSERVAÇÃO DA AULA – ginástica de solo

Assinatura do professor ____________________

Objetivo: Detetar o nível de execução de alguns elementos técnicos.

Nome N.o

Ano Turma Data _____/_____/_____

Motivo para não realizar a aula

Indicações:
• Seleciona um colega e regista as exigências
técnicas que este cumpriu, ou não, na execução Insuficiente – não cumpre nenhuma das
das várias posições. E no final atribui um nível exigências técnicas.
de execução tendo em conta a seguinte escala: Suficiente – cumpre apenas a primeira exi-
gência técnica.
Nota: Antes de iniciares a observação, consulta
o teu manual e regista, em cada posição, Muito Bom – cumpre as três exigências
técnicas.
três exigências técnicas a cumprir.

ALUNO OBSERVADO: ______________________________________________________________

Nível
Rolamento à Frente (Exigências técnicas) Cumpriu Não cumpriu
de execução
1.a

2.a

3.a

Rolamento à Retaguarda Nível


Cumpriu Não cumpriu
(Exigências técnicas) de execução
1.a

2.a

3.a

Nível
Apoio Facial Invertido (Exigências técnicas) Cumpriu Não cumpriu
de execução
1.a

2.a

3.a

Nível
Roda (Exigências técnicas) Cumpriu Não cumpriu
de execução
1.a

2.a

3.a

120
Nível
___________ (Exigências técnicas) Cumpriu Não cumpriu
de execução
1.a

2.a

3.a

Nível
___________ (Exigências técnicas) Cumpriu Não cumpriu
de execução
1.a

2.a

3.a

Nível
___________ (Exigências técnicas) Cumpriu Não cumpriu
de execução
1.a

2.a

3.a

Nível
___________ (Exigências técnicas) Cumpriu Não cumpriu
de execução
1.a

2.a

3.a

Nível
___________ (Exigências técnicas) Cumpriu Não cumpriu
de execução
1.a

2.a

3.a

Nível
___________ (Exigências técnicas) Cumpriu Não cumpriu
de execução
1.a

2.a

3.a

Nível
___________ (Exigências técnicas) Cumpriu Não cumpriu
de execução
1.a

2.a

3.a

Nota: Nos quadros sem a designação dos elementos a observar seleciona os que foram abor-
dados na aula.

121
FICHA DE OBSERVAÇÃO DA AULA – atletismo: corrida contínua

Assinatura do professor ____________________

Objetivo: Observar se o colega realizou o percurso mantendo o ritmo sem parar.

Nome N.o

Ano Turma Data _____/_____/_____

Motivo para não realizar a aula

Resistência Aeróbia: Realizar X voltas num percurso pré-definido.

Ex.: 6 voltas ao campo de jogos exterior.

1. Assinala em cada uma das voltas as opções necessárias.

Resultado
1.a volta 2.a volta 3.a volta 4.a volta 5.a volta 6.a volta
final

Correu sempre
Correu Correu Correu Correu Correu Correu
Correu durante _____ voltas

Caminhou
Caminhou Caminhou Caminhou Caminhou Caminhou Caminhou
durante ____ voltas

Parou Parou Parou Parou Parou Parou Parou

2. Calcula a frequência cardíaca do aluno que efetuou a corrida contínua (medição em 15’’):

a) Antes da realização do esforço 15”________ batimentos 1’________ bat./min

b) Logo após a realização do esforço 15”________ batimentos 1’________ bat./min

c) Depois de 1 minuto de repouso 15”________ batimentos 1’________ bat./min

2.1. Face aos dados que registaste da frequência cardíaca do teu colega, consideras que ele
estava a trabalhar de forma aeróbica? E a sua recuperação foi adequada?

______________________________________________________________________________

______________________________________________________________________________

122
FICHA DE OBSERVAÇÃO DA AULA – atletismo: velocidade

Assinatura do professor ____________________

Objetivo: Detetar o nível de velocidade de um determinado colega.

Nome N.o

Ano Turma Data _____/_____/_____

Motivo para não realizar a aula

Resistência Anaeróbia: Realizar X séries de X metros em velocidade máxima.

Ex.: 5 séries de 40 a 60 m em velocidade máxima.

1. Seleciona um colega e regista o tempo que este realizou em cada uma das séries e no final
tece um comentário acerca da capacidade demonstrada pelo observado.

Tempo
Séries
(segundos e milésimos de segundos)

1.a série

2.a série

3.a série

4.a série

5.a série

Melhores resultados

Média das 5 séries

Comentário

123
FICHA DE OBSERVAÇÃO DA AULA – atletismo: salto em comprimento

Assinatura do professor ____________________

Objetivo: Verificar a distância alcançada por um determinado colega.

Nome N.o

Ano Turma Data _____/_____/_____

Motivo para não realizar a aula

1. Indica o nome dos colegas da tua turma e regista a distância alcançada por cada um em
cada ensaio.

Salto realizado (metros)


Nome do aluno Melhor salto
1.o ensaio 2.o ensaio 3.o ensaio

1.
2.
3.
4.
5.
6.
7.
8.
9.
10.
11.
12.
13.
14.
15.
16.
17.
18.
19.
20.
21.
22.

124
FICHA DE OBSERVAÇÃO DA AULA – atletismo: salto em altura

Assinatura do professor ____________________

Objetivo: Detetar a altura alcançada por um determinado colega.

Nome N.o

Ano Turma Data _____/_____/_____

Motivo para não realizar a aula

1. Indica o nome dos colegas da tua turma e regista a altura que cada um alcançou em cada
salto.

Salto realizado (metros)


Nome do aluno Melhor salto
1.o ensaio 2.o ensaio 3.o ensaio

1.
2.
3.
4.
5.
6.
7.
8.
9.
10.
11.
12.
13.
14.
15.
16.
17.
18.
19.
20.
21.
22.

125
FICHA DE OBSERVAÇÃO DA AULA – ginástica/atletismo: atitudes e valores

Assinatura do professor ____________________

Objetivo: Verificar o cumprimento de atitudes e valores inerentes aos conteúdos da disciplina.

Nome N.o

Ano Turma Data _____/_____/_____

Motivo para não realizar a aula

Indicações:
• Seleciona um colega e observa o seu comportamento ao longo da aula.
• Assinala com um X os parâmetros cumpridos em cada um dos valores enunciados.

ALUNO OBSERVADO: ______________________________________________________________

Modalidade abordada: ________________________________________________________________________

Atitudes e valores Parâmetros a observar Sim

• auxilia na preparação, conservação e arrumação do material


Colaboração
• coopera nas ajudas e nas correções dos elementos técnicos

• é persistente na melhoria dos níveis de execução


Empenhamento
• não desiste perante dificuldades

• cumpre as regras de segurança


Respeito
• garante as regras de segurança pessoal e dos colegas

• trabalha sem supervisão direta


Autonomia
• ultrapassa as dificuldades que vão surgindo

Total ........

Nota: Um número elevado de parâmetros cumpridos revela uma atitude adequada às exigências
colocadas na ginástica/atletismo.

Elabora um breve comentário acerca das atitudes e valores reveladas pelo teu colega ao
longo da aula.

126
3. Trabalhos Escritos – Proposta de estrutura
Os trabalhos deverão apresentar o tipo de letra Arial (corpo 12) a 1,5 espaços e com 3 cm de
margem nos seus 4 lados. A impressão deverá ser a preto (cor apenas em figuras e em casos
de absoluta necessidade), frente e verso.

Os trabalhos deverão incluir:

• Capa
• Índice
• Introdução
• Objetivos
• Desenvolvimento do tema
• Conclusões ou reflexão final
• Bibliografia

Capa
Deve conter o título do trabalho, escola, disciplina, nome do professor e do aluno. Pode
ainda indicar a turma e o número do aluno.

Índice
Indicar as principais partes do trabalho, títulos e subtítulos com indicação da página em
que o item se inicia.

Introdução
Esta parte do trabalho deve apresentar uma descrição clara, mas resumida, do tema em
análise. Deve conter o objetivo central do trabalho e a forma como este está estruturado.

Objetivos
Devem sistematizar os objetivos gerais e específicos do trabalho. Estes devem ser defini-
dos no infinitivo (ex.: Recolher os jogos tradicionais típicos da região norte).

Desenvolvimento do tema
Este pode ser estruturado em partes e subpartes. Os conteúdos devem estar em perfeita
articulação com os objetivos do trabalho. A redação deve ser clara e fluida. Deve-se evitar
a todo o custo a transcrição de textos elaborados por outros; caso seja necessário deve-
se indicar a fonte (autor, data e página).

Conclusões
Esta parte deve conter uma apresentação sintética das conclusões do trabalho tendo como
ponto de referência os objetivos.

Bibliografia
Neste ponto deverão ser listadas, por ordem alfabética, todas as referências bibliográficas
das citações incluídas no texto. Deve adotar-se o sistema autor/data.

127
Exemplos de citações bibliográficas no texto

Citação de um autor:
– Segundo Green (1987), o estado atual de...
– O sistema bicarbonato/ácido carbónico é o mais importante sistema tampão sanguíneo,
apesar de ser aquele que possui uma menor capacidade (Guyton, 1984).

Citação de dois autores:


– Segundo Astrand e Rodhal (1986), o estado de...
– A atividade muscular desenvolvida em esforços de grande intensidade e curta duração
é assegurada, predominantemente, pela glicólise anaeróbia (Astrand e Rodahl, 1986).

Citação de mais de dois autores:


– Segundo Costill et al. (1988), o estado atual de...
– O aumento significativo das concentrações intracelulares do hidrogenião tem sido con-
siderado como uma das principais causas responsáveis pela indução de fadiga periférica
(Costill et al., 1988).

Modelo a utilizar:
Livros
A referência de qualquer documento está repartida por diferentes campos, separados por
uma pontuação própria.
Autoria. (Ano de publicação). Título: complemento de título (Número da edição, volume).
Local de publicação: Editor comercial.
Após a 3.a Edição, por exemplo: Batista, P.; Rêgo, L.; Azevedo, A. (2006). O Movimento:
Manual de Educação Física 7.o/8.o/9.o anos.
Porto: Edições ASA.

Periódicos
Autoria. (Ano de publicação). Título: complemento de título do artigo. Título: complemento
de título do periódico, Volume (número), página(s).

Documentos eletrónicos
Endereço eletrónico: deve ser o endereço direto até ao documento e não o da homepage.

Disponível em: [http://www.endereçoelectrónico.pt] ou fonte: […]

128
EM
MOVI
MEN GUIA
TO DO PROFESSOR
PARA O ALUNO
– Manual (2 vols.)
mmm$cel_c[dje$WiW$fj

PARA O PROFESSOR
– Guia do Professor

(disponível em CD-ROM e online em
www.movimento.asa.pt)

978-888-88-9925-1