Você está na página 1de 50

NÍVEIS DE

ORGANIZAÇÃO MOTORA

Profa. Tatiane Lima de Araújo Silva


Informação
Sistema Nervoso
Ambiental

Nível pré – Nível atencional Nível sub –


atencional atencional

Sistema Processamento Coordenação


Sensorial central

Sistema
Muscular
NÍVEIS DE ORGANIZAÇÃO

A informação passa entre os sistemas sensorial e muscular em


três níveis:

 Nível pré - atencional

 Nível atencional

 Nível sub - atencional


NÍVEIS DE ORGANIZAÇÃO

 Nível pré - atencional: está restrito a função sensorial e a


algumas funções perceptivas mais elementares.

Estimulado por sinais originários do ambiente externo e do


próprio organismo do indivíduo

FUNÇÃO AUTOMÁTICA

O receptor sensorial, responde ao estímulo de forma


proporcional a magnitude da estimulação
NÍVEIS DE ORGANIZAÇÃO

SOMESTESIA - amplo conjunto de informações sobre o corpo


que compõe a modalidade sensorial

Do latim soma ( quer quer dizer corpo);


aesthesia ( que significa sensibilidade).

 A somestesia não é uma modalidade sensorial uniforme,


mais sim constituída por várias submodalidades.
NÍVEIS DE ORGANIZAÇÃO
Submodalidades da Somestesia:

 TATO: corresponde a percepção de características dos


objetos que tocam a pele
 PROPRIOCEPÇÃO: capacidade de distinguir a posição
estática e dinâmica do corpo e suas partes
 TERMOSSENSIBILIDADE: permite perceber a
temperatura dos objetos
 DOR: capacidade de identificar estímulos muitos fortes,
causadores de lesão nos tecidos
NÍVEIS DE ORGANIZAÇÃO

 Nível atencional: nesse nível as informações ambientais


são tratadas de modo consciente e voluntário.

A atenção desempenha um papel chave, pois representa o


espaço mental em que os sinais sensoriais serão analisados a
partir do conhecimento já armazenado na memória.

 A intenção se manifesta, priorizando ou inibindo fontes


sensoriais e estabelecendo um objetivo para os
movimentos.
NÍVEIS DE ORGANIZAÇÃO

 Nível atencional – Nível superior ou executivo - Nesse


nível se determina:

 Momento de início

 Características espaciais

 Ritmo de execução AÇÃO MOTORA

 Ritmo de interrupção

 Ritmo de modificação
NÍVEIS DE ORGANIZAÇÃO

 Nível Sub - atencional: modo de processamento


vinculado ao nível atencional, mas ao qual não se tem
acesso consciente direto.

O controle de um ato motor, qualquer que seja ele, consiste em


regular simultaneamente algumas centenas de músculos, que
desempenham funções distintas em uma determinada tarefa
motora.

Trata-se de um sistema composto por um número extraordinário


de componentes
NÍVEIS DE ORGANIZAÇÃO

CAPACIDADE DE ATENÇÃO
NÍVEIS DE ORGANIZAÇÃO
NÍVEIS DE ORGANIZAÇÃO
NÍVEIS DE ORGANIZAÇÃO

CAPACIDADE DE ATENÇÃO – É entendida como o espaço


de processamento consciente de informações, bastante
limitado em relação a quantidade de informações, e que pode
ser processada em curtos intervalos de tempo.

PERCEPÇÃO SELEÇÃO DE UM CONTROLE DOS


PLANO DE AÇÃO MOVIMENTOS
NÍVEIS DE ORGANIZAÇÃO
Podemos identificar importantes dimensões da atenção:

SINAIS VISUAIS SINAIS SONOROS

INFORMAÇÃO
TÁTIL DA ROUPA
INFORMAÇÃO TÁTIL DO
CALÇADO
SINAIS
PROPRIOCEPTIVOS

PARTE SELECIONADA PARA


ANÁLISE
NÍVEIS DE ORGANIZAÇÃO

As limitações de processamento atencional e a facilidade,


denotam dois modelos distintos:

 Processamento controlado:

 Processamento automático:
NÍVEIS DE ORGANIZAÇÃO

 Processamento controlado:

 Lentidão das operações de processamento

 Processamento seriado, com efetuação sequenciada de


uma função cognitiva por vez

 Intencionalidade, podendo um função ser iniciada ou


interrompida a qualquer instante

 Interferência pela execução de outras tarefas simultâneas


NÍVEIS DE ORGANIZAÇÃO

 Processamento automático:

 Informações processadas rapidamente

 O processamento de diferentes funções ocorre de forma


paralela

 Independe da intencionalidade, com as funções de


processamento sendo disparadas automaticamente.
 Não sofre interferência de tarefas realizadas ao mesmo
tempo.
NÍVEIS DE ORGANIZAÇÃO

ATENÇÃO E COMPLEXIDADE

 O uso da atenção tem um caráter dinâmico.

 Quanto mais uma tarefa é praticada, menos atenção é


requerida para a sua execução

Operações conscientes, vão


sendo assumidas pelo Nível
sub - atencional
NÍVEIS DE ORGANIZAÇÃO

ATENÇÃO E COMPLEXIDADE

AUTOMATIZAÇÃO – processo de redução, por meio da


prática, da participação / consciência no processo de
informação.

 O fluxo de informações dentro do sistema se torna bem


mais rápido e menos suscetível a interferência quando
uma outra tarefa é desempenhada.
NÍVEIS DE ORGANIZAÇÃO
ATENÇÃO E COMPLEXIDADE

Todas as tarefas em que um indivíduo é novato são


processadas de modo controlado, e somente após uma boa
quantidade de prática específica na tarefa é que o modo de
processamento começa a se tornar automática
NÍVEIS DE ORGANIZAÇÃO
ATENÇÃO E COMPLEXIDADE
A complexidade relativa de
uma tarefa é definida em
função da quantidade de DEFINIÇÃO DE
atenção requerida pelo seu COMPLEXIDADE
pleno desempenho.

Dificuldade de Demanda de ATENÇÃO requerida


execução para um indivíduo

Número de componentes A complexidade é estritamente


de um tarefa dependente da pessoa que
executa
NÍVEIS DE ORGANIZAÇÃO

ATENÇÃO E COMPLEXIDADE
NÍVEIS DE ORGANIZAÇÃO

ATENÇÃO E COMPLEXIDADE
NÍVEIS DE ORGANIZAÇÃO

ATENÇÃO E COMPLEXIDADE

A automatização também permite desempenhar tarefas em


paralelo:
NÍVEIS DE ORGANIZAÇÃO
Informação
Sistema Nervoso
Ambiental

Nível pré – Nível atencional Nível sub –


atencional atencional

Sistema Processamento Coordenação


Sensorial Central

Sistema
Muscular
NÍVEIS DE ORGANIZAÇÃO
NÍVEL PRÉ-ATENCIONAL

SNC

RECEPTOR

Mecânicos Sonoros

Térmicos Inf. proprioceptiva Luminosos


NÍVEIS DE ORGANIZAÇÃO
NÍVEL ATENCIONAL

 Uma fonte de informação aferente será priorizada

 As informações sensoriais passam a ser processados de


forma consciente.
 Na percepção, a informação ambiental é interpretada a
partir do conhecimento e das experiências pessoais
armazenadas na memória
NÍVEIS DE ORGANIZAÇÃO
NÍVEL SUB-ATENCIONAL

 É nesse nível que as ações de diversas unidades de


controle motor são integradas

 Tem como função primordial, fazer com que as


características de movimento especificadas
voluntariamente sejam transformadas em um conjunto de
potenciais de ação que ao chegar ao sistema muscular,
produza fielmente o movimento desejado.
NÍVEIS DE ORGANIZAÇÃO
NÍVEL SUBATENCIONAL

 O controle motor reque que os aspectos físicos –


mecânicos sejam considerados:
 Peso dos segmentos corporais
 Capacidade de força
 Forças naturais que agem

 As ações motoras necessitam frequentemente de correção


durante a sua execução.
NÍVEIS DE ORGANIZAÇÃO

FUNÇÃO MOTORA

Uma das funções mais importantes do SN,


onde se tem as informações do meio
ambiente, as quais são captadas pelas áreas
sensitivas e transportadas para o cérebro,
onde são analisadas e retornadas pelas vias
motoras, realizando uma ação – ATO MOTOR.
NÍVEIS DE ORGANIZAÇÃO

UNIDADE MOTORA
É a unidade anátomo-
funcional do movimento, que é
constituída pelos seguintes
elementos:
• 1º Neurônio Motor ou Neurônio
Central
• 2º Neurônio Motor ou Neurônio
Motor da Medula
• Placa Motora dos Músculos
Esqueléticos
• Músculos Esqueléticos
MOTONEURONIOS E UNIDADE
MOTORA
MOTONEURONIOS E UNIDADE
MOTORA
NÍVEIS DE ORGANIZAÇÃO

VIAS AFERENTES X
VIAS EFERENTES
O neurônio motor inferior

 Unidade motora - o
neurônio motor
alfa

• Receptores
sensitivos nos
músculos.
O neurônio motor superior

 1. A via córtico-espinhal
(via piramidal)

 Vias ventro-mediais:
2.córtico-tecto-espinhal
3.córtico-retículo-espinhal
4.córtico-vestíbulo-espinhal

 Via lateral:
5.córtico-rubro-espinhal.
Síndrome do 1º Neurônio Motor

• Acomete vários grupos musculares


• Espasticidade / Hipertonia
• Hiperreflexia
• Atrofia muscular discreta e por desuso
• Pode ocorrer clônus
• Babisnki positivo

• Causas: AVC, Traumatismos, Tumores, Anomalias


Congênitas.
Síndrome do 2º Neurônio Motor
• Acomete grupos musculares limitados
• Hipotonia
• Hiporreflexia ou Arreflexia
• Atrofia muscular presente e relevante
• Não há clônus
• Babisnki Negativo

• Causas: Poliomielite, Traumatismos e


Polineurites.
TRANSTORNOS DA MOTRICIDADE

Um movimento muito simples como o de levantar uma


perna requer um sistema complexo de comunicação que
envolve o cérebro, nervos e músculos.

Quando uma área do SN que regula o movimento


apresenta uma lesão, o indivíduo pode apresentar uma ampla
variedade de distúrbios do movimento.
MOVIMENTOS ANORMAIS

MIOCLONIAS

É uma contração muscular brusca, breve, involuntária; afeta


uma fração do músculo, um músculo todo ou até um grupo
muscular, ocorrendo, sobretudo nos membros e na face.

Elas podem fazer parte de uma epilepsia, de encefalopatias,


encefalites e doenças degenerativas do Sistema Nervoso
Central.
MOVIMENTOS ANORMAIS

FASCICULAÇÕES

• São contrações finas e rápidas ou movimentos


vermiculares espasmódicos devido a
contração de um feixe ou fascículo de fibras
musculares.
MOVIMENTOS ANORMAIS
TREMORES

São oscilações involuntárias, rítmicas de uma parte do corpo, podendo ser:

• Tremor em repouso: ocorre numa parte do corpo que está apoiada.

• Tremor postural: ocorre numa parte do corpo que deve estar estabilizada
contra a gravidade, ex.: tremor dos braços estendidos.

• Tremor cinético: perturba a execução dos movimentos voluntários em


conseqüência de oscilações sucessivas, cuja intensidade aumenta
progressivamente.
MOVIMENTOS ANORMAIS
DISTONIAS:

• São afecções que indicam um transtorno da inervação


recíproca dos músculos agonistas e antagonistas.

• Consistem em contrações musculares involuntárias e


prolongadas, que acarretam numa parte do corpo
movimentos ou atitudes de contração.

• A distonia não ocorre durante o sono, mas durante a


vigília aparece quando se tenta fazer um movimento
voluntário ou quando há uma manutenção de uma
postura.
MOVIMENTOS ANORMAIS

ATETOSE

• É um tipo particular de distonia caracterizado


por uma localização distal predominante,
consistindo em oscilação lenta entre as
atitudes de hiperextensão e de flexão,
lembrando os movimentos de um tentáculo.
MOVIMENTOS ANORMAIS

CORÉIA

• São movimentos bruscos, explosivos,


anárquicos e imprevisíveis; facilitado pelas
emoções, atenção e atitude motora à
distância, e desaparecendo durante o sono.
MOVIMENTOS ANORMAIS

COREOATETOSE

• São movimentos involuntários em


articulações proximais e movimentos
vermiformes em extremidades distais (Coreia
+ Atetose).
MOVIMENTOS ANORMAIS

HEMIBALISMO

• Designa uma dramática síndrome neurológica


de movimentos de arremesso violentos e
incessantes que ocorrem em um lado do
corpo.
MOVIMENTOS ANORMAIS

TIQUES

• São movimentos involuntários que afetam


grupos de músculos sinérgicos em uma ou
várias partes do corpo, sendo bruscos,
estereotipados e iterativos.

• Lembram como caricaturas, certas atividades


mímicas ou gestuais da vida.

• Desaparecem durante o sono e podem ser


temporariamente interrompidos pela
vontade do paciente.