Você está na página 1de 7

CIÊNCIAS DA NATUREZA

E SUAS TECNOLOGIAS
Frente: Física I
EAD – MEDICINA
Professor(a): Paulo Lemos

AULA 08

Assunto: Lançamento horizontal e oblíquo

∆S = Vx · t → X = Vx · t
Resumo Teórico
Em que:
X = deslocamento horizontal;
Lançamento horizontal Vx = velocidade de lançamento;
t = tempo transcorrido.
Quando uma bola é lançada horizontalmente com velocidade
V0 de certa altura, próximo à superfície da Terra, passa a atuar sobre a
mesma uma única força, o peso, força esta responsável pela mudança Movimento vertical (M.U.V.)
da trajetória retilínea em parabólica, com orientação para baixo. Veja 
(g constante)
a figura a seguir.
Equação horária:

eixo y a · t2 g · t2
Vx ∆S = V0Y t + → Y=
Vx 2 2
Vy = 0
Vx
Vy Pois: V0Y = 0 e a = g
Queda
livre Vy‘ Vx
(M.U.V.) g
V“ y
Lançamento oblíquo
Um corpo será lançado obliquamente quando formar certo
ângulo θ com a horizontal, ficando sujeito a uma única aceleração, a
Vx eixo x
aceleração da gravidade (g).
Movimento uniforme
g
Vx = Constante Vy’’’

Note que a aceleração do lançamento da bola é a da


gravidade, vertical e orientada para baixo. Logo, podemos concluir
que este lançamento se compõe de dois movimentos independentes:
um horizontal sem aceleração, movimento uniforme (M.U.),
pois sofre nesta direção deslocamentos iguais em intervalos de
tempos também iguais; e outro vertical, com aceleração praticamente
constante, sendo movimento uniformemente variado (M.U.V.),
percorrendo, portanto, nesta direção, espaços cada vez maiores para
V0
iguais intervalos de tempo.
Análise dos dois movimentos independentes, separadamente:
θ
Movimento horizontal (M.U.)
Horizontal

( Vx constante)

Equação horária:

F B O NLINE.COM.BR OSG.: 118267/17

//////////////////
Módulo de Estudo

Decomposição do movimento oblíquo


O movimento oblíquo pode ser decomposto em dois Exercícios
movimentos independentes: um na direção horizontal e o outro na
direção vertical.
01. (FEI-SP) Em uma competição de tiro, o atirador posiciona seu
rifle na horizontal e faz mira exatamente no centro do alvo. Se a
Y distância entre o alvo e a saída do cano é de 30 m, a velocidade de
V0 disparo do rifle é 600 m/s, qual a distância do centro do alvo que
V0y g o projétil atingirá? Considere g = 10 m/s2 e despreze a resistência
do ar

Hynek Gazsi/123RF/Easypix
hmáx
θ x
0 V0x A

em que:
V0x = V0 · cos θ → componente horizontal de V0;
V0y = V0 · sen θ → componente horizontal de V0;
hmáx = altura máxima;
A → alcance horizontal;
g → aceleração da gravidade.

A) 0,25 cm B) 0,5 cm
Movimento horizontal (M.U.) C) 0,75 cm D) 1,00 cm
E) 1,25 cm
Na direção horizontal, tem-se um movimento uniforme (M.U.),
pois, nesta direção, não existe aceleração.
02. (Puccamp-SP/2004) Um atleta arremessa um dardo sob um ângulo
de 45° com a horizontal e, após um intervalo de tempo t, o dardo
Equação horária:
bate no solo 16 m à frente do ponto de lançamento. Desprezando
a resistência do ar e a altura do atleta, o intervalo de tempo t, em
∆S = V0x · t → X = V0 · cos θ · t segundos, é um valor mais próximo de
Dados: g = 10 m/s2 e sen 45° = cos 45° = 0,7
A) 3,2
B) 1,8
Movimento vertical (M.U.V.) C) 1,2
D) 0,8
Na direção vertical, tem-se um movimento uniformemente E) 0,4
variado (M.U.V.), pois, nesta direção, a aceleração é constante, já que
se trata da aceleração da gravidade. 03. (PUC-RJ) Um superatleta de salto em distância realiza o seu salto
procurando atingir o maior alcance possível. Se ele se lança ao ar
Equação horária: com uma velocidade cujo módulo é 10 m/s, e fazendo um ângulo de
45º em relação à horizontal, é correto afirmar que o alcance atingido
g· t 2 g· t 2 pelo atleta no salto é de: (Considere g = 10 m/s2)
∆S = V0x · t + → Y = V0 · sen θ · t +
2 2
Ho Yeow Hui/123RF/Easypix

A) 2 m.
B) 4 m.
C) 6 m.
D) 8 m.
E) 10 m.

F B O NLINE.COM.BR 2 OSG.: 118267/17

//////////////////
Módulo de Estudo

04. (Fuvest) Uma menina, segurando uma bola de tênis, corre com 08. (UFMG-MG) Clarissa chuta, em sequência, três bolas – P, Q e R – cujas
velocidade constante, de módulo igual a 10,8 km/h, em trajetória trajetórias estão representadas nesta figura:
retilínea, numa quadra plana e horizontal.
Num certo instante, a menina, com o braço esticado horizontalmente Q
ao lado do corpo, sem alterar o seu estado de movimento, solta
a bola, que leva 0,5 s para atingir o solo. As distâncias sm e sb
P R
percorridas, respectivamente, pela menina e pela bola, na direção
horizontal, entre o instante em que a menina soltou a bola (t = 0 s)
e o instante t = 0,5 s, valem:
Desconsiderar efeitos dissipativos.
A) sm = 1,25 m e sb = 0 m.
B) sm = 1,25 m e sb = 1,50 m. Sejam t(P), t(Q) e t(R) os tempos gastos, respectivamente, pelas
C) sm = 1,50 m e sb = 0 m. bolas P, Q e R, desde o momento do chute até o instante em que
D) sm = 1,50 m e sb = 1,25 m. atingem o solo.
E) sm = 1,50 m e sb = 1,50 m.
Considerando-se essas informações, é correto afirmar que
A) t(Q) > t(P) = t(R) B) t(R) > t(Q) = t(P)
05. A figura representa a fotografia estroboscópica de uma bola
C) t(Q) > t(R) > t(P) D) t(R) > t(Q) > t(P)
lançada horizontalmente nas proximidades da Terra. E) t(R) = t(Q) = t(P)

09. (UFPA) A figura representa um projétil, que é lançado do ponto A


a
segundo um ângulo de 30o com a horizontal, com uma velocidade
v0 = 100 m ⋅ s–1, atingindo o ponto D.
Dados: AB = 40 m; BC = 55 m; g = 10 m ⋅ s–2.
b v

30°
c d B
A

Sendo a = 1 m e c = 4 m, calcule b e d. C D
Determine
06. (FEI-SP) Um objeto voa numa trajetória retilínea, com velocidade A) o tempo que o projétil levou para atingir o ponto D.
v = 200 m/s, numa altura H = 1500 m em relação ao solo. Quando B) a distância CD.
o objeto passa exatamente na vertical de uma peça de artilharia,
esta dispara um projétil, num ângulo de 60° com a horizontal. 10. (Cefet-CE) Duas pedras são lançadas do mesmo ponto, no solo,
O projétil atinge o objeto decorrido o intervalo de tempo ∆t. no mesmo sentido. A primeira tem velocidade inicial de módulo
Adote g = 10 m/s2 e calcule 20 m/s e forma um ângulo de 60º com a horizontal, enquanto,
A) a velocidade de lançamento do projétil. para a outra pedra, este ângulo é de 30º. O módulo da velocidade
B) o menor intervalo de tempo ∆t em que o projétil atinge o inicial da segunda pedra, de modo que ambas tenham o mesmo
objeto. alcance, é
Obs.: despreze a resistência do ar.
07. (PUC-SP) O esquema apresenta uma correia que transporta A) 10 m/s
minério, lançando-o no recipiente R. B) 10 3 m/s
C) 15 m/s
D) 20 m/s
E) 20 3 m/s
5m
4m 11. Uma bola rola do alto de uma escada com velocidade horizontal de
módulo v0 = 4 m/s. Cada degrau tem 50 cm de largura e 50 cm
1m de altura.
Desprezando a influência do ar, determine que degrau a bola
tocará primeiro.
v0
1º degrau
A velocidade de correia é constante. Para que todo o minério caia
dentro do recipiente, a velocidade v da correia, dada em m/s, deve
satisfazer a desigualdade:
A) 2 < v < 3 50 cm 50 cm
g = 10 m/s 2
B) 2 < v < 5
C) 1 < v < 3
D) 1 < v < 4
45°
E) 1 < v < 5

OSG.: 118267/17
3 F B O N L I NE .C O M . B R
//////////////////
Módulo de Estudo

12. Um jogador de futebol, após driblar o goleiro, encontra-se no A) 10 B) 17


ponto J indicado na figura e chuta em direção ao meio do gol, C) 20 D) 30
como sugere a linha tracejada, com a meta completamente E) 40
desguarnecida.
Dados: g = 10 m/s2; sen 30° = 0,50; cos 30° = 0,87 15. (CFT-MG) Uma Pedra, lançada para cima a partir do topo de um
edifício de 10 m de altura com velocidade inicial

θ = 30°

8,7 m

Sabendo que a bola, ao ser chutada, sai com velocidade de V0 = 10 m/s, faz um ângulo de 30º com horizontal. Ela sobe e,
20 m/s, formando 30° com o gramado, e que a altura da trave em seguida, desce em direção ao solo. Considerando-o como
é de 2,44 m, diga, justificando com cálculos, se o gol aconteceu referência, é correto afirmar que a ou (o):
ou não. Despreze a influência do ar. A) máxima altura atingida é igual a 15 m.
B) intervalo de tempo da subida vale 3,0 s.
13. (PUC-RJ) Em um campeonato recente de voo de previsão, os pilotos C) tempo gasto para chegar ao solo é 5,0 s.
de avião deveriam “atirar” um saco de areia dentro de um alvo D) velocidade ao passar pelo nível inicial é 10 m/s.
localizado no solo.

RESOLUÇÃO
01. Distância X
X = 30 m com V0 = 600 m/s (constante)
1 · X = V0t → 30 = 600 t → t = 0,05 s

Altura Y
Y = gt22 = 5 · (0,05)2 → Y = 5 · (0,0025) = 0,0125 m = 1,25
m

Resposta: E

Tempo de queda:
V0 ⋅ sen θ V0 ⋅ 0, 7
tq = = = 0, 07 ⋅ V0
g 10
A partir da altura máxima, o lançamento é horizontal.
Supondo que o avião voe horizontalmente a 500 m de altitude x = V0 · cos θ· tq → 8 = V0 · 0,7 · tq
com uma velocidade de 144 km/h e que o saco é deixado cair do
avião, ou seja, no instante do “tiro” a componente vertical do Substituindo o tempo de queda na expressão acima, teremos:
vetor velocidade é zero, podemos afirmar que: 8
8 = V0 · 0,7 · 0,07 · V0 → V02 = → V0 = 12, 8 m/s
0, 049
(Considere a aceleração da gravidade g = 10 m/s2 e despreze a
Substituindo o V0 na expressão do tempo de queda, obteremos:
resistência do ar)
tq = 0,07 · V0 → tq = 0,07 · 12,8 → tq = 0,9 s
A) o saco deve ser lançado quando o avião se encontra a 100 m do alvo.
B) o saco deve ser lançado quando o avião se encontra a 200 m do alvo.
O tempo total é o dobro de tempo de queda
C) o saco deve ser lançado quando o avião se encontra a 300 m do alvo.
tT = 2 · 0,9 = 1,8 s
D) o saco deve ser lançado quando o avião se encontra a 400 m do alvo.
E) o saco deve ser lançado quando o avião se encontra a 500 m do alvo. Resposta: B

14. (Cefet-CE) Um aluno do Cefet em uma partida de futebol lança


uma bola para cima, numa direção que forma um ângulo de 60º
com a horizontal. Sabendo que a velocidade na altura máxima
é 20 m/s, podemos afirmar que a velocidade de lançamento da
bola, em m/s, será

F B O NLINE.COM.BR 4 OSG.: 118267/17

//////////////////
Módulo de Estudo

03. Dados:
v0 = 10 m/s; θ = 45º; g = 10 m/s2.

y v = v0x
vy = 0

v0
v0y

45º x

0 v = v0x
D

2
Vox = vo cos 45º = 10 · → Vox = 5 2 m/s → voy = vo sen 45º = 5 2 m/s
2
No eixo y o movimento é uniformemente variado, com a = –g.
2
Notando que no ponto mais alto vy = 0 → vy = voy – g t → 0 = 5 2 − 10 tsub → tsub = s.
2
Tempo de subida é igual ao de descida.
Tempo total (tt):
tt = 2tsub → tt = 2s
No eixo x o movimento é uniforme, com velocidade igual a v0x.
alcance horizontal (x):
x = vox tt = 5 · 2 ⋅ 2 → x = 10 m

Resposta: E

04. Dados:
vx = 10,8 km/h = 3 m/s,
tq = 0,5 s.

A menina e a bola, horizontalmente possuem a mesma velocidade, logo:


sm = sb = vx · tq = 3 · 0,5 = 1,5 m.

Resposta: E

05. Movimento uniforme na horizontal: d = c = 4 m


Queda livre na vertical: b = 3a ⇒ b = 3 m
Resposta: b = 3 m; d = 4 m.

06.

y (m)
t2
1500
t2= 0

V0y Vo

60º
t2= 0
0 V0x

1
A) V0y = V0 cos60° = v = V0 ⋅ = 200 ⇒ V0 = 400 m/s
2

OSG.: 118267/17
5 F B O N L I NE .C O M . B R
//////////////////
Módulo de Estudo

gt 2 3
B) y = y 2 – v 2 t – ⇒ 1500 = 400 t e – 5t 2e ⇒ t e menor = 4,6 s ∆tmenor = 4,6 s
2 2

Resposta: A) 400 m/s; B) 4,6 s.

gt 2
07. Tempo de queda → Y = → 5 = 5t2 → t = 1s (é sempre o mesmo, depende apenas da altura vertical) → velocidade mínima (limite
2
inferior de R) → X = V · t → 1 = V · 1 → V = 1 m/s → limite posterior (velocidade máxima) → X = V’ · t → 4 = V’ · 1 → V’ = 4 m/s, logo:
1 < V < 4.

Resposta: D

08. O tempo que a bola permanece no ar está relacionado com a altura → maior altura, maior tempo de permanência no ar.

Resposta: A

09. A) Vamos escrever a equação horária para a altura do projétil.


gt 2
h = h0 + v0y t –
2
h = 55 + (100 · sen 30º) t – 5t2
h = 55 + 50 – 5t2

Agora, devemos resolver a equação para h = 0. Assim, teremos:

0 = 55 + 50 – 5t2
0 = 11 + 10t – t2
−10 ± 102 − 4( −1) ⋅ 11
t=
2 ⋅ ( −1)
10 ± 12
t= ⇒ t = 11 s
2
B) A velocidade horizontal é dada por:

vx = vo cos 30º = 50 3 m · s–1

O alcance horizontal é dado por:

A = vx · t = 50 3 · 11
A = AB + CD = 550 3
∴ CD = (550 3 – 40) m

(
Resposta: A) t = 11 s ; B) CD = 550 3 – 40 m )
10. Se os dois ângulos de lançamento forem complementares entre si (a1 + a2 = 90º), e a velocidade inicial for a mesma, (no caso, 20 m/s) o
alcance horizontal é o mesmo.
Y
Y

V0
VC
α1 = 30º
X1 X α2 = 60º

X2 X

Resposta: D

F B O NLINE.COM.BR 6 OSG.: 118267/17

//////////////////
Módulo de Estudo

11. 14. Na altura máxima, a velocidade vetorial V não é nula, tem
intensidade
  mínima e é igual à componente horizontal, ou seja,
45º x
V = Vx .
Arco de parábola
Y    
 V Y = 0 V = V0
 V 
VX   V 0 
y=x  VX h VT
V máx V
 
y VT VY
 
VX VY  X
V
Equação da parábola:
x
x=4t⇒t= Assim, v 0x = 20 m/s → v 0x = V0 cos 60º → 20 = V0 · 1/2 → V0 =
y=5t 2 4 40 m/s.
5x 2
y= Resposta: E
16
Interseção da parábola com a reta y = x:
5x 2 15. Equação do alcance:
x= ⇒ x = 0 e x = 3, 2 m
16 v 20
A= sen(2θ)
Portanto, a bola tocará primeiro o sétimo degrau. g
Essa expressão mostra que o alcance horizontal independe da
Resposta: O sétimo degrau.
massa. Logo:
A1 = A2 = A3
12.
y (m)
Resposta: D

v2 v2

30º Anotações
0 v2 8,7 x (m)

• v2 = v2 cos 30º = 20 · 0,87 ⇒ v2 = 17, 4 m/s


v2 = v2 sen 30º = 20 · 0,50 ⇒ v2 = 10 m/s
• Calculemos o instante em que a bola passa por x = 8,7 m:
x = x2 – v2t
8,7 = 0 – 17,4 · t ⇒ t = 0,50 s
• Calculemos a ordenada y da bola nesse mesmo instante:
g 2
y = y2 – v2 t – t
2
10
y = 0 – 10 · 0,50 – · 0,502 ⇒ y = 3,75 m
2
Como 3,75 m é maior que a altura da trave, logo, não aconteceu.

Resposta: Não aconteceu.

13. Velocidade na direção x: V · sen 30º = 20 × 0,5 = 10 m/s


Usando a equação de Torricelli:
V2 = V02 + 2 · a · ∆S → 0 = 102 – 2 × 10 × ∆S → ∆S = 5,0 m
Cálculo da altura máxima será H: 5 + 5 = 10 m.

Resposta: B

SUPERVISOR/DIRETOR: MARCELO PENA – AUTOR: PAULO LEMOS


DIG.: Zilmar – REV.: AMÉLIA

OSG.: 118267/17
7 F B O N L I NE .C O M . B R
//////////////////