Você está na página 1de 267

SENADO IMPERAL

ANAIS DO SENADO

ANNO DE 1823
LIVRO 5
Annaes do Parlamento Brazileiro
ASSEMBLÉA CONSTITUINTE DO IMPÉRIO DO BRAZIL

Secretaria Especial de Editoração e Publicações - Subsecretaria de Anais do Senado Federal

TRANSCRIÇÃO
1823

ASSEMBLÉA GERAL CONSTITUINTE E LEGISLATIVA DO IMPERIO DO BRAZIL

SESSÃO EM 1 DE SETEMBRO DE 1823. as convenientes providencias, em beneficio do


commercio daquelles habitantes: Sua Magestade
PRESIDENCIA DO SR. BISPO CAPELLÃO-MÓR Imperial me ordena que participe a V. Ex. para ser
presente na mesma assembléa, que por portarias, da
Reunidos os Srs. deputados pelas 10 horas da data deste, se expedirão as ordens necessarias ao
manhã, fez-se a chamada, e acharão-se presentes governo provisorio daquella provincia, afim de
73, faltando com causa os Srs. Xavier de Carvalho, mandar pôr em actividade as ditas obras, e ao
Ferreira Barreto, Andrada e Silva, Carneiro de ministro e secretario de estado dos negocios da
Campos e Silveira Mendonça. fazenda, para se abonar a despeza que nellas se
O Sr. Presidente declarou aberta a sessão, e fizer. – Deus guarde a V. Ex. Paço, em 30 de Agosto
lida a acta da antecedente foi approvada. de 1823. – José Joaquim Carneiro de Campos. – Sr.
O Sr. Secretario Costa Aguiar deu conta de José Ricardo da Costa Aguiar d’Andrada. – Ficou a
uma representação da camara da villa da Campanha assembléa inteirada.
da Princeza em que pedia a graça de ser a mesma Passou-se á ordem do dia que era a discussão
villa elevada a cabeça de comarca, incluzas as de adiada sobre a antinomia que parecia haver entre os
Santa Maria de Baependy, e de S. Carlos de Jacuhy. artigos 1º e 4º do projecto de lei já redigido que
Não se tomou em consideração por se ter prohibe aos deputados da assembléa o exercicio de
decidido na sessão de 28 de Agosto que esta outro emprego.
pretenção não tinha lugar emquanto pela O Sr. Carneiro da Cunha mandou á mesa uma
constituição se não regulasse a divisão do territorio proposta, mas logo depois a retirou.
do imperio. O SR. HENRIQUES DE REZENDE: – Apezar
Leu depois o mesmo Sr. secretario o seguinte de quanto se disse na ultima sessão contra a
officio do ministro de estado dos negocios do reprovação da segunda parte da excepção
imperio: comprehendida no 4º artigo deste projecto, que se
Illm. e Exm. Sr. – Sendo presente a Sua vai sanccionar, eu ainda estou na minha opinião. Eu
Magestade o Imperador o officio de V. Ex. de 23 de disse que a pergunta que V. Ex. deve fazer no acto
corrente, em que participa ter a augusta assembléa de sanccionar, envolve implicitamente duas, e ainda
geral, constituinte e legislativa do Imperio do Brazil que o argumento que contra isso produziu o Sr.
tomado em consideração à necessidade de se Alencar, então me pareceu bastantemente fundado,
proceder á construcção, ou concerto das pontes do eu sustento agora a minha opinião com razões
rio das Almas, e do Oruhú, da provincia de Goyaz, e novas.
de se pôr franco o caminho de Jaraguá, que tambem Diz o regimento que acabada a terceira
se acha arruinado, afim de se darem sobre estes discussão o Sr. presidente perguntará-a assembléa
objectos
6 Sessão em 1 de Setembro de 1823

sancciona o projecto com as emendas approvadas? Agora é que se vai sanccionar a lei, agora é que se
– Bem se vê que, segundo isto, entre o fim da vai votar, agora portanto se póde approvar ou
terceira discussão e a sancção não ha alguma reprovar o que se quizer.
votação: o que se fez foi escolher entre as emendas O SR. AROUCHE RENDON: – Sr. presidente,
que apparecerão na terceira discussão, as que a materia está bem discutida, e a questão tem
devião entrar no corpo do projecto, mas a votação chegado a um ponto de clareza, que já é escusado
definitiva é o que agora se vai fazer. A assembléa continuar a discussão. Talvez eu não diga mais do
sancciona o projecto? (Pergunta V. Ex.) Sancciona-o que se acha dito, mas para melhor mostrar o estado
com as emendas approvadas? da questão, eu a resumirei quanto fôr possivel,
Claro está que a assembléa póde não porque ainda que o laconismo produz obscuridade,
sanccionar o projecto, e com maior razão póde não tambem é certo, que quando se tem disputado em
sanccionar alguns dos artigos em particular, e grande, e longamente, o resumo das materias
alguma das emendas. Tanto é assim que o art. 137 produz a ultima luz e clareza.
do regimento diz: – se a proposta contiver muitos Passou esta lei da primeira para a segunda
artigos, votar-se-ha artigo por artigo. – Se não fosse discussão, e desta para a terceira, onde havendo
licito reprovar algum artigo, ou emenda, mas sim emendas, e additamentos foi preciso versar a
approvar ou reprovar in globo, escusado era esta votação sobre ellas, e sobre a materia. No estado
explicação do art. 137. Tanto faz que o projecto pois de serem umas cousas vencidas, e outras não,
tenha um só, ou dous artigos, ou que tenha muitos, foi necessario voltar a lei á commissão para ser
como o dos governos provinciaes, uma vez que não redigida, antes de ser sanccionada. Na terceira
fosse licito reprovar algum artigo, ou alguma emenda discussão, Sr. presidente, votou-se sobre as
no acto de sanccionar, a sancção em ambos os materias, umas ficarão vencidas, e outras regeitadas,
casos devera ser in globo. Quanto a mim o sentido mas o estar a materia vencida, não é o mesmo que
do regimento nisso é claro. No acto de sanccionar estar feita e sanccionada a lei. Esta só é feita e
póde a assembléa reprovar o que julgar conveniente. acabada quando depois da terceira discussão, sendo
Portanto digo que se deve agora supprimir a novamente examinada recebe a nossa sancção, ou
segunda parte da excepção comprehendida no 4º approvação. E, se o projecto antes de ser
artigo. sanccionado não é lei, claro fica que nos é livre
O SR. RIBEIRO DE ANDRADA: – (Não o examinal-o porque não tendo defeitos o
ouvirão os tachygraphos.) sanccionamos, e tendo defeitos remediaveis os
O SR. HENRIQUES DE REZENDE: – Não remediamos, ou seja supprimindo, addindo ou
houve votação, o que se fez foi escolher em cada um trocando, e só com estas cautelas e com esta
dos artigos as emendas que devião ter a preferencia, prudencia faremos boas leis, porque não ha cousa
para de todas com os artigos respectivos formar a mais facil do que haver algum engano, quando a
lei, que se deve sanccionar, portanto não houve obra é feita por muitos, e em pequenos detalhes. Só
votação que désse força de lei, porque essa, que é a depois de examinado o todo é que se podem ver os
sancção, ficou reservada para agora, e ficou mesmo defeitos para se remediarem.
porque se reconheceu o inconveniente, e Em conclusão do que fica dito, me parece que
contradicção que havia no 1º com o 4º artigo. V. Ex. fará bem em proceder á votação, votando-se
Concluida a 3ª discussão perguntou o Sr. primeiro se fica sanccionado o decreto na fórma em
presidente se a assembléa sanccionava o projecto que se acha redigido, e não passando por
com as emendas approvadas, e o regimento não defeituoso, então votaremos sobre os concertos e
falla em alguma outra votação. Escolha de emendas correcções que deve ter, os quaes já se conhecem
entre as muitas que se apresentarão, não é o mesmo pelas duvidas que têm occorrido no debate.
que votação definitiva. Segue-se pois que na Houve alguma discussão (de que nada
occasião de sanccionar, póde muito bem a disserão os tachygraphos); e julgando-se debatida a
assembléa reprovar este ou aquelle artigo, esta ou materia propoz o Sr. presidente:
aquella emenda. Do contrario para que diz o artigo 1º Se antes de sanccionar-se o projecto
137, que se a proposta contiver muitos artigos, por- poderia fazer-se alguma emenda nos seus artigos. –
se-ha á votação cada um de per si? E’ para ver se Venceu-se que sim.
entre os artigos e emendas approvadas, ha algum 2º Se a assembléa sanccionava o projecto tal
inconveniente, ou contradicção, para corrigir-se, qual se achava redigido. – Venceu-se que não.
porque contendo a proposta um só artigo, ou dous, 3º Se o projecto se sanccionava com a
facilmente se vê se ha algum defeito, mas contendo suppressão da clausula ultima do art. 4º, que
muitos, como este, deve-se votar artigo por artigo, e principia pelas palavras – e aquelles que ora
então approva-se um e reprova-se outro segundo a exercem. – Venceu-se que se supprimisse a dita
votação. clausula, ficando assim sanccionado o projecto.
Sessão em 1 de Setembro de 1823 7

O Sr. Ribeiro de Rezende deu parte que por O Sr. Secretario Costa Aguiar, leu o seguinte
incommodado se retirava. projecto de lei, sobre sociedades secretas já redigido
Seguio-se a segunda parte da ordem do dia, segundo os vencimentos:
que era a 3ª discussão do projecto sobre a fórma de
passar as cartas aos alumnos da academia medico- DECRETO
cirurgica, com as emendas propostas.
(Fallarão os Srs. Ferreira França e Gomide, A assembléa geral constituinte, e legislativa do
mas não se entendeu a tachygrapho Silva.) Brazil decreta:
O Sr. Montesuma requereu o adiamento da Art. 1º Fica revogado, e cassado o alvará de
discussão, e sendo este apoiado na fórma do 30 de Março de 1818 contra as sociedades secretas.
regimento, foi approvado, decidindo-se que ficasse Art. 2º Todos os processos pendentes em
para a sessão seguinte em que se apresentaria virtude do mesmo alvará ficão de nenhum effeito, e
impreterivelmente o plano dos estudos medicos e se porão em perpetuo silencio, como se não
cirurgicos. tivessem existido.
O MESMO SR. DEPUTADO: – Tenho uma Art. 3º Ficão porém prohibidas todas as
declaração de voto para remetter á mesa; rogo a V. sociedades secretas.
Ex. que a mande buscar. E’ relativa a um dos Art. 4º Serão consideradas sociedades
objectos discutidos da sessão de sabbado. secretas, as que não participarem ao governo a sua
O SR. COSTA AGUIAR: – O regimento existencia, os fins geraes da associação, com
manda que as declarações de voto se apresentem protesto de que se não oppoem á ordem social, ao
dentro de 24 horas, isto é, na sessão seguinte; mas systema constitucional, estabelecido neste imperio, á
o que não está decidido é se podem apresentar-se moral, e á religião christã; os lugares, e tempos dos
depois da acta approvada, porque o regimento não seus ajuntamentos; e o nome do individuo, ou
trata desta especie. O que posso dizer é que a individuos que compuzerem o governo da sociedade,
pratica tem sido apresental-as antes; e com effeito, ou ordem, e dos que depois se forem
como as declarações de voto se referem ás materias successivamente seguindo no mesmo governo.
da acta antecedente, parece que depois de Art. 5º A participação deve ser feita e
approvada já não póde ter lugar a apresentação. assignada pelos declarantes encarregados desta
O SR. DUARTE SILVA: – Não póde haver obrigação, no espaço de quinze dias, depois da
duvida quando a lei é clara. primeira reunião; nesta côrte na intendencia geral da
Venceu-se sobre o art. 138 que qualquer policia; e nas outras partes do imperio ás autoridades
deputado pudesse fazer a declaração do seu voto na civis e policiaes dos lugares onde existirem as ditas
sessão subsequente; o mesmo illustre deputado sociedades, afim de receberem do governo a
requer fazer esta quando ainda se acha no praso permissão por escripto.
marcado, segue-se que deve ser admittida. Art. 6º As sociedades porém, que tiverem
O SR. LOPES GAMA: – Eu já quiz fazer uma principios e fins subversivos da ordem social, e do
declaração depois de approvada a acta e não m’a regimen constitucional deste imperio serão
quizerão aceitar, por ser contra a pratica; parece consideradas como conventiculos sediciosos, tenhão
portanto que deve continuar o estylo, pois não vejo ou não feito as participações ao governo, ou as
razão para se proceder de differente modo em casos tenhão feito falsas.
identicos. Art. 7º Os membros de semelhantes
O SR. VERGUEIRO: – (Não se ouvio.) sociedades, que tiverem prestado juramento de
O Sr. Presidente consultou a assembléa sobre seguirem taes doutrinas, e persistem em adoptal-as,
a referida duvida e decidiu-se que fosse admittida a como regra de conducta, uma vez que tenhão
declaração. Era concebida nos termos seguintes: começado a reduzil-as á acto, serão punidos os
Declaro que na sessão do dia 30 de Agosto cabeças com a pena de morte natural, e os socios,
votei contra o parecer da commissão sobre ser agentes com degredo perpetudo para galés. Os que
remettida a tropa lusitana para Portugal, sendo o porém não tiverem encetado acto algum subversivo,
meu parecer que sahissem para fóra do imperio, sim, além dos primarios, e remotos serão degradados por
porém que fossem mandados para alguns dos portos toda a vida.
da costa d’Africa, por serem os unicos sujeitos a nós. Art. 8º Os membros das sociedades, que
– O deputado Montesuma. tiverem principios tão sómente oppostos á moral e á
Mandou-se inserir na acta. religião christã; se uma vez juramentados,
persistindo na adopção de taes doutrinas as tiverem
reduzido a acto, serão degradados por dez annos; e
se não tiverem praticado outro acto, além do
juramento, e adopção dos principios sobreditos,
serão punidos com tres annos de degredo para fóra
da provincia.
8 Sessão de 1 de Setembro de 1823

Art. 9º Os que forem membros de sociedades applicação para o tempo presente. Desse modo
simplesmente secretas, sem alguma das julga-se a nação representada por metade da sua
circumstancias aggravantes acima mencionadas, representação total e mais um; eu não me
serão degradados pela primeira vez por um mez accommodo com isso, e entendo que todas as
para fóra do termo, pela segunda por tres mezes votações assim feitas são votações de partidos. (A’
para fóra da comarca, e pela terceira por um anno ordem, á ordem).
para fóra da provincia. O SR. HENRIQUES DE REZENDE: – Eu pedi
Art. 10. O processo começará por denuncia, a palavra; mas talvez nada mais deveria dizer uma
na fórma da lei, tão sómente contra certas e vez que a assembléa tem reconhecido o absurdo de
determinadas pessoas, no caso das sociedades taes principios chamando á ordem o nobre deputado;
simplesmente secretas; e por denuncia, ou devassa todavia sempre direi alguma cousa, Sr. presidente!
especial nos casos dos arts. 6º 7º e 8.º São inadmissiveis taes proposições; os
Paço da assembléa, 30 de Agosto de 1823. – brasileiros não se podem reunir em massa para
Antonio Rodrigues Velloso de Oliveira. – João sanccionar as leis: exigil-o é requerer que o povo em
Antonio Rodrigues de Carvalho. – José Antonio da massa julgue os seus negocios, e teriamos então
Silva Maia. – José Teixeira da Fonseca pura democracia; o que só tinha lugar nas pequenas
Vasconcellos. – D. Nuno Eugenio de Locio e Seilbitz. cidades ou estados antigos; então podia-se até
– Bernardo José da Gama. – Estevão Ribeiro de conseguir unanimidade.
Rezende. Mas no Brasil quando mesmo se reunisse em
O SR. FERREIRA FRANÇA: – Se acaso este massa a nação, o que é impossivel, sempre a
projecto não está sanccionado, requeiro que não se maioria decidiria quanto mais que só póde obrar por
sanccione emquanto se não imprimir, para ser via dos seus representantes.
examinado por cada um de nós com socego e vagar, A nação vio que pelas instrucções metade e
e vermos se está conforme. Além disto digo que uma mais um do numero total da representação, quero
lei não deve ser sanccionada senão pela maioria da dizer 51 deputados, era o numero necessario e
nação representada; a maior parte dos que a requerido para se poder installar a assembléa; vio, e
representão hoje aqui não são bastantes para conveio que segundo estas intrucções fossem eleitos
sanccionar. (A’ ordem). os seus representantes, e consentio que a
O SR. HENRIQUES DE REZENDE: – Sr. assembléa se installasse com 51 deputados, uma
presidente, não convém de modo nenhum que passe vez que não se oppoz.
semelhante principio. Respeito muito as luzes e A nação sabia que nas assembléas
virtudes do nobre deputado, sei que tem optimas deliberantes decide a maioria, a qual se verifica
intenções, mas taes principios são de sua natureza e havendo metade e mais um; e nem se requer, nem
em sua essencia subversivos. Que 51 deputados póde sempre haver unanimidade.
fazem a maioria absoluta da representação brasilica Portanto esta assembléa legitimamente
na assembléa é evidente porque o seu total é cem, e congregada com plenissimos poderes nacionaes tem
que 51 foi o numero necessario para se installar a competentemente decidido as materias vencidas
assembléa vê-se na instrucções. Ora, a tactica de pela sua maioria absoluta; o contrario é subversivo; é
todas as assembléas é que prevaleça a maioria do dar como certo o que dizem certos escriptos que por
numero presente: como pois quer o nobre deputado ahi correm dando por nullo tudo o que temos feito,
que nas votações se exija a maioria absoluta do total porque na assembléa não ha sessenta e sete
da representação, e não a maioria dos deputados deputados. Se pois a lei já foi sanccionada, nada
presentes na assembléa? Respeito muito, torno a mais lhe falta; agora, se ainda o não foi é caso
dizer, as luzes e virtudes do nobre deputado; mas differente.
não posso deixar de reconhecer que os principios O SR. CARNEIRO DA CUNHA: – Este
são subversivos. A assembléa estava legitimamente projecto foi proposto por ter o Sr. Rodrigues de
congregada: as leis forão feitas pela decisão legitima Carvalho em vista acabar com o alvará de 30 de
da maioria absoluta: estão muito bem vencidas. Março que sahio á luz no ministerio de Thomaz
O SR. FERREIRA FRANÇA: – Eu não Antonio, organisado contra as sociedades
entendo que uma lei tão importante como esta se maçonicas. Julgou-o então a assembléa urgente, até
julgue sanccionada quando é approvada por metade por se suppôr que o dito alvará se opporia ao
e mais um dos que estão presentes; quando a livramento dos que estavão presos na ilha das
assembléa se acha assim dividida na votação o que Cobras.
prova é que a diversidade das opiniões é grande, e Entrou em discussão, e começárão a
isto merece reflexão. Quando se determinou que apparecer emendas que parecião querer fazer
fosse sufficiente o numero 51 para se installar a reviver o terrivel tribunal da inquisição, ou a
assembléa entendeu-se que assim era preciso para barbaridade dos antigos legisladores que opprimirão
evitar demoras maiores que podião ser prejudiciaes; com leis crueis o genero humano, erradamente
mas isto não tem
Sessão em 1 de Setembro de 1823 9

pensando que a lei quanto mais cruel mais saudavel assigna com o primeiro secretario, e com o
effeito produzia; eu votei sempre contra essas secretario que faz a acta; o que vem a ser o mesmo
emendas porque desejava que não apparecesse que diz o regimento, porque então erão sómente
uma lei de sangue logo no principio dos nossos dous os secretarios, e por isso fazia a acta
trabalhos, e nem via nem vejo necessidade della. Sr. constantemente o segundo. Portanto póde approvar-
presidente, quando um povo é regido por quem ama se salva a redacção, pois fica entendido como ha de
a justiça, quando seus direitos são respeitados, redigir-se.
nunca se lembra de perturbar o systema Depois de mais alguma discussão, foi
estabelecido de que vê dimanar a felicidade geral. approvado, salva a redacção.
Na nossa actual situação não julgo precisa Art. 159. Se algum deputado lembrar alguma
uma semelhante lei, e julgo que mais conveniente emenda ou omissão, se esta merecer a approvação
seria guardal-a para tempos mais opportunos. da assembléa, será inserida.
Talvez seja errado o meu modo de pensar; O SR. VERGUEIRO: – Parece-me
mas sujeito esta lembrança á consideração da inteiramente desnecessaria a palavra omissão;
assembléa para descargo da minha consciencia. tendo-se dito emenda está entendido tudo, e por isso
O SR. ALENCAR: – Eu requeiro que o nobre proponho a suppressão da sobredita palavra.
preopinante reduza o que propõe a uma indicação Supprima-se – ou omissão. – Vergueiro.
escripta. Porque fallar contra a lei depois de Foi apoiada.
sanccionada é caso novo. Posto á votação o artigo, foi approvado com a
Eu tambem sempre desejei que tal lei não emenda.
passasse e sempre fallei contra este projecto; mas Art. 160. Feito isto o secretario respectivo dará
depois de estar sanccionada não ha remedio; e fallar conta dos officios que o governo tiver remettido, e
agora contra ella é intempestivo, é fóra da ordem. das proposições que novamente houverem feito os
O SR. CARNEIRO: – Nas minhas deputados, e ao depois se passará a tratar do
observações limitei-me a propôr unicamente a assumpto que estiver assignalado.
demora da publicação, e não vejo que por isso O Sr. Montesuma, ponderando que o artigo
sahisse da ordem. podia redigir-se sem tanta superabundancia de
O SR. ACCIOLI: – O mais é, Sr. Presidente, palavras, mandou á mesa a emenda seguinte:
que eu estou persuadido que este projecto não está Proponho a suppressão das palavras – e ao
sanccionado; ao menos estando eu presente depois – até o fim; substituindo-se-lhes – e ao depois
certamente se não sanccionou. se passará á ordem do dia. – O deputado
O SR. GOMIDE: – Eu posso affirmar quasi Montesuma.
com certeza que não está sanccionado. Assisti á Foi apoiada.
ultima discussão delle, e eu não o sanccionei. O Sr. Vergueiro pelo mesmo motivo offereceu
O SR. VERGUEIRO: – Como não ha certeza, a seguinte emenda:
e se precisa de exames na actas, porque uns Feito isto, o secretario respectivo dará conta
suppoem sanccionado e outros não, parece-me do expediente, e depois passará á ordem do dia. –
melhor o adiar-se para se fazer a necessaria Vergueiro.
averiguação, e requeiro por isso o adiamento. Foi apoiada.
Foi apoiado na fórma do regimento, e decidio- O SR. HENRIQUES DE REZENDE: –
se que ficasse adiado como fôra requerido. Opponho-me á suppressão proposta pelo Sr.
Passou-se á discussão do regimento, e leu-se Vergueiro, porque não sei se foi inserido no
o artigo seguinte: regimento o que se venceu ácerca da hora das
Art. 158. Nos trabalhos ordinarios, aberta a indicações, ou então faça-se um artigo addicional no
sessão, fará o respectivo secretario a leitura da acta regimento porque este deve regular o modo de se
antecedente, que deverá ser assignada depois pelo apresentar e receber uma proposta. Supprimindo-se
presidente e pelos dous secretarios. esta parte do artigo é necessario que o vencido
O SR. VERGUEIRO: – Cumpre observar ácerca da hora das indicações se ajunte como artigo
sobre este artigo o que já se tem notado em outros, addicional ao regimento. Creio porém que o que se
isto é, que pelo augmento do numero de secretarios venceu deve-se reputar como medida de mera
se deve alterar a redacção, porque o artigo redigio- economia nos trabalhos, que não serve de regra
se quando erão dous, e agora são quatro; e por isso para as futuras legislaturas. Fique pois o artigo como
entendo que póde approvar-se, mas salva a está no que respeita a isso; e voto nesta parte contra
redacção. a suppressão proposta pelo Sr. Vergueiro.
O SR. FRANÇA: – Concordo com o nobre O Sr. Costa Aguiar mandou então a emenda
preopinante, porque a pratica é esta: o Sr. presidente seguinte:
Feito isto o secretario respectivo dará conta do
expediente, depois do que passar-se-ha
10 Sessão em 1 de Setembro de 1828

a tratar da ordem do dia; ficando para a ultima hora a competente povoação, os quaes só com o andar do
leitura dos pareceres de commissões e indicações tempo se poderáõ remediar.
por ordem alternada. – O deputado Costa Aguiar. E’ certo porém que a maxima parte desses
Foi apoiada. soffrimentos tanto a respeito das carnes como da
O Sr. Presidente propoz o artigo á votação, e farinha procede dos vexames que affligem os
foi approvado, na conformidade da emenda do Sr. proprietarios dos gados e farinha; porquanto sendo
Costa Aguiar, na qual se julgarão comprehendidas esses generos sugeitos á pagar certos impostos, são
as outras duas. por isso obrigados a tocar em determinados pontos e
Art. 161. Se algum dos deputados tiver que registros aonde se faz a minuciosa arrecadação dos
notar na distribuição diaria dos trabalhos poderá ditos impostos, e ahi são por mil maneiras
fazel-o, usando da formula – parece-me que ha opprimidos, já pelos fiscalisadores publicos, já por
engano na distribuição em tal ou tal objecto – e o traficantes com elles talvez mancommnunados, de
presidente, chamando á sua presença o livro das sorte que os proprietarios, a quem a lei dá ampla
actas, verificará por elIas com os secretarios a liberdade de ir levar e vender nos mercados os seus
duvida do deputado, fazendo emendar o engano, se generos, se vêm na dura necessidade de transigir
o tiver havido, ou decidindo que o não ha. com os seus proprios oppressores, vendendo-lhes
O Sr. Maia offereceu, depois de alguma em grosso e por infimo preço, o que, a não
discussão, a emenda seguinte: receiarem taes acintes, melhor disporião em seu
Proponho se supprimão as palavras – usando beneficio, e ainda do publico.
da formula – até tal objecto. – Maia. Desta arte são os criadores dos gados e
Foi apoiada. donos da farinha indirectamente removidos do
O SR. MONTESUMA: – Parece-me superfluo mercado; e faltando neste a devida concurrencia de
este artigo; porque não vejo necessidade de se vendedores, altera-se o preço natural daquelles
declarar aqui que tem direito qualquer Sr. deputado a generos só a favor dos monopolistas e
notar o que reconhecer que vai fóra da ordem, para atravessadores, com grave prejuizo do povo, e
se fazer segundo a acta. Julgo que isto entra na lagrimas das classes mais indigentes. Os gados
regra geral de se dever advertir qualquer engano que devendo passar pelos registros aonde se faz a
haja; e portanto não vejo razão para se accrescentar fiscalisação dos impostos são obrigados a vir por
mais este artigo que não diz nada além do que já uma unica estrada, trilhada por milhares de rezes,
sabemos, e devemos ter sempre presente. Offereço sorvendo poeira e bebendo aguas enxarcadas, do
por isso a seguinte emenda: que talvez se origina a mortandade e magreza
Proponho a suppressão do art. 61. – O durante o transito, que melhor se faria havendo
deputado Montesuma. liberdade para a escolha da estrada.
Não foi apoiada. Depois disso devendo os gados entrar no
O Sr. Vergueiro offereceu igualmente uma curral do conselho para se fazer a matança e o
emenda do theor seguinte: pagamento do que pertence á administração do dito
Que se supprima desde as palavras – usando curral, soffrem ahi os donos dos gados mil acintes e
da formula etc. em diante. – Vergueiro. vexames se não se prestão a todas as proposições
Foi apoiada. dos monopolistas, e têm tido a desgraça de incorrer
Por ser chegada a hora das indicações ficou no seu odio: não se lhes mata umas vezes o gado a
adiado o artigo. tempo, outras vezes negão-se-Ihes os cavallos
O SR. CARNEIRO: – Sr. Presidente, em proprios para a conducção aos talhos, do que lhes
algumas provincias, e principalmente na minha vêm a resultar damnos incalculaveis.
provincia da Bahia, soffrem muito os povos a Finalmente o proprietario do gado, depois delle
respeito dos dous artigos de primeira necessidade, morto, não é mais senhor de o dispôr; não póde
carnes verdes e farinha. Pelo que pertence ás escolher os talhos, nem os cortadores, não póde
carnes, estes soffrimentos nascem em grande parte pezal-o, vendel-o e arrecadar por si ou seus agentes
da longa distancia em que ficão as criações dos o producto.
gados destinados ao supprimento dos mercados da Para se realisar o imposto de cinco réis por
capital e villas, devido talvez á prohibição que havia arratel que se liquida nos talhos, é o dono do gado
de estabelecer essas criações nas dez leguas da obrigado a entregar-se nas mãos dos fraudulentos
beira-mar, ao transito e conducção por lugares cobradores, os quaes dão altos preços pela
destituidos e de estradas, pontes, poços, tanques e arrematação dos ditos talhos, calculando já com o
pastos, principalmente na visinhança dos ditos que saccaráõ ao proprietario do gado e ao publico.
mercados, além de outros inconvenientes proprios Quanto á farinha os seus donos são muitas vezes
de um paiz que está na sua infancia e sem a constrangidos a trazel-a ao celeiro publico, ainda que
tivessem quem lh’a comprasse á sua porta e com
grande vantagem, só para se pagar o imposto.
Sessão em 1 de Setembro de 1823 11

Depois de dar entrada no celeiro não póde o estamos no principio da organisação do imperio,
farinheiro levar para fóra o seu genero e soffre sugeitos a despezas extraordinarias e que
demoras, perda de maior preço, que talvez poderia mostrando-se esta assembléa muita circumspecta
aproveitar aluguel de saccos, salario da descarga em admittir innovações sobre outros objectos, com a
que se lhe não permitte fazer pelos seus agentes ou mesma prudencia se deve haver ácerca de
escravos, trocas, quebras e avarias pelas aguas do quaesquer medidas e operações de finanças, cujos
mar e chuva; de maneira que, como muito bem erros podem dar origem a graves apertos e
observou o doutor desembargador João Rodrigues inconvenientes; limito-me por isso a fazer a seguinte
de Brito em uma sua carta escripta á camara da indicação que me parece ter todo o lugar:
Bahia, o estabelecimento do celeiro que fôra de
muita utilidade para os lavradores de farinha e mais INDICAÇÃO
generos comestiveis, a ser administrado sem
coacção e patente áquelles que delle se quizessem Proponho: 1º Que a assembléa, manifestando
aproveitar se constitue um verdadeiro flagello da o desejo que a anima de alliviar os dous generos de
lavoura, e causa da escassez que resulta sempre primeira necessidade e geral supprimento do povo,
quando o productor não tem plena liberdade de carnes verdes e farinha de mandioca, de quaesquer
dispôr dos generos que lhe pertencem. impostos e encargos que actualmente os gravão,
Para evitar tão graves prejuizos e vexames officie immediatamente ao governo para este ordenar
ficão os farinheiros muitas vezes na mesma ás juntas provisorias das provincias, que ouvindo as
necessidade dos creadores do gado, isto é, de juntas de fazenda e as camaras, dêm sobre este
transigir com os agentes da administração do celeiro objecto as mais exactas informações.
ou seus protegidos. 2º Que estas informações, além da quota da
Os antigos governadores daquella provincia receita dos ditos impostos, mediamente calculada no
sensiveis aos clamores dos povos procurárão espaço de cinco annos, devem enunciar:
algumas vezes dar providencias a estes males; mas primeiramente, se ha na provincia generos de
todas ellas forão infructiferas; finalmente a junta exportação ou de luxo que commodamente admittão
provisoria do governo, de que fui secretario, uma imposição addicional que indemnise a fazenda
conhecendo que taes inconvenientes subsistirião publica, em todo ou em parte, da importancia da
sempre emquanto os gados e farinhas fossem quota percebida sobre os ditos de primeira
sugeitos ao pagamento de certos impostos, e seus necessidade; e em segundo lugar, se no caso de
donos obrigados a leval-os aos lugares de sua parecer por ora impraticavel a nova imposição para
arrecadação, officiou ás côrtes do reino de Portugal indemnisação da fazenda, haverá ao menos algum
pedindo a suppressão dos referidos impostos, meio facil de simplificar e melhorar a percepção dos
lançando-se o equivalente delles em generos de actuaes impostos sobre os mencionados generos, de
exportação e luxo que admittissem commodamente maneira que se evitem os vexames que soffrem os
essa addição de encargo. proprietarios, se previna o monopolio e estabeleça a
As côrtes annuirão a esta representação, e em franca e livre concurrencia, unica fonte da
consequencia della se fez a carta de lei numero 181 abundancia e preço natural dos mercados.
em 9 de Julho de 1822, pela qual são autorisadas as 3º Que o governo exija estas informações com
juntas da fazenda a fazer a sobredita suppressão de toda a urgencia, principalmente da junta provisoria
accordo com as juntas da fazenda, ouvidas as da provincia da Bahia, cuja capital muito
camaras, o que não teve o competente effeito pelas particularmente soffre a este respeito e acaba de
perturbações que então vexavão a provincia. Os passar pelas privações de uma fome horrorosa.
impostos sobre generos de primeira necessidade são 4º Que apenas o governo fôr recebendo as
por sua natureza fataes e gravosos já porque pezão sobreditas informações, as vá immediatamente
mui desigualmente sobre o rico e o pobre, já porque transmittindo á esta assembléa para que ella delibere
augmentão os salarios, já finalmente porque o que parecer conveniente em beneficio dos povos.
mingoão a sustentação do pobre, sendo equivalentes Paço da assembléa, 1º de Setembro de 1823.
a ingratidão do clima ou esterilidade do terreno. – Francisco Carneiro de Campos.
Parece portanto que esta assembléa e o Foi requerida a urgencia da indicação pelo seu
actual governo não se devem mostrar menos illustre autor, e sendo apoiada na fórma do
paternaes e solicitos ácerca destes artigos da geral regimento, fallarão alguns Srs. deputados (segundo
sustentação dos povos do que forão as côrtes de consta da acta); mas nada diz deste debate o
Lisboa, que aliás a tantos outros respeitos nos tachygrapho Silva.
mostrárão entranhas de madrasta. O SR. ALENCAR: – Como o illustre deputado
Boa vontade teria eu de propôr que se o Sr. Andrada Machado já tem para apresentar
mandasse já pôr em execução aquella lei das ditas
côrtes, na parte que respeita aos artigos da primeira
necessidade; porém considerando que
12 Sessão em 1 de Setembro de 1823

o projecto da constituição redigido pela commissão, IV. Os filhos de pai brazileiro, que estivesse
parecia-me melhor adiar-se a discussão desta em paiz estrangeiro em serviço da nação, embora
indicação para se ler o projecto. Requeiro por isso o não viessem estabelecer domicilio no imperio.
adiamento. V. Os filhos illegitimos de mãi brazileira, que,
O Sr. Presidente propoz o que requerera o Sr. tendo nascido em paiz estrangeiro, vierem
Alencar, e sendo apoiado o adiamento, foi afinal estabelecer domicilio no imperio.
approvado. VI. Os escravos que obtiverem carta de
Seguiu-se portanto a leitura do projecto de alforria.
constituição: VII. Os filhos de estrangeiros nascidos no
imperio, comtanto que seus pais não estejão em
PROJECTO DE CONSTITUIÇÃO PARA O IMPERIO serviço de suas respectivas nações.
DO BRAZIL VIII. Os estrangeiros naturalisados, qualquer
que seja a sua religião.
A assembléa geral, constituinte e legislativa do Art. 6º Podem obter carta de naturalisação:
Imperio do Brazil, depois de ter religiosamente I. Todo o estrangeiro de maior idade, que tiver
implorado os auxilios da sabedoria divina, domicilio no imperio, possuindo nelle capitaes, bens
conformando-se aos principios de justiça, e da de raiz, estabelecimento de agricultura, commercio e
utilidade geral, decreta a seguinte constituição: industria, ou havendo introduzido, ou exercitado
algum commercio ou industria util, ou feito serviços
TITULO I importantes á nação.
II. Os filhos de pais brazileiros, que perderão a
Do Territorio do Imperio do Brazil qualidade de cidadãos brazileiros, uma vez que
tenhão maioridade, e domicilio no imperio.
Art. 1º O imperio do Brazil é um, e indivisivel, e
estende-se desde a foz do Oyapok até os trinta e CAPITULO II
quatro gráos e meio ao sul.
Art. 2º Comprehende as provincias do Pará, Dos Direitos Individuaes dos Brazileiros
Rio-Negro, Maranhão, Piauhy, Ceará, Rio-Grande do
Norte, Parahyba, Pernambuco, Alagôas, Sergipe Art. 7º A constituição garante a todos os
d’EI-Rei, Bahia, Espirito Santo, Rio de Janeiro, S. brazileiros os seguintes direitos individuaes com
Paulo, Santa Chatarina, Rio Grande do Sul, Minas- explicações, e modificações annexas:
Geraes, Goyaz, Matto-Grosso, as ilhas Fernando de I. A liberdade pessoal.
Noronha e Trindade, e outras adjacentes; e por II. O juizo por jurados.
federação o estado CispIatino. III. A liberdade religiosa.
Art. 3º A nação brazileira não renuncia ao IV. A liberdade de industria.
direito que possa ter a algumas outras possessões V. A inviolabilidade de propriedade.
não comprehendidas no artigo 2º VI. A liberdade da imprensa.
Art. 4º Far-se-ha do territorio do imperio Art. 8º Nenhum braziIeiro será obrigado a
conveniente divisão em comarcas, destas em prestar gratuitamente, contra a sua vontade, serviços
districtos, e dos districtos em termos, e nas divisões pessoaes.
se attenderá aos limites naturaes, e igualdade de Art. 9º Nenhum brazileiro pois será prezo sem
população, quanto fôr possivel. culpa formada, excepto nos casos marcados na lei.
Art. 10. Nenhum brazileiro, ainda com culpa
TITULO II formada, será conduzido á prisão, ou nella
conservado estando já prezo, uma vez que preste
Do Imperio do Brazil fiança idonea nos casos em que a lei admitte fiança;
e por crimes a que as leis não imponhão pena maior
CAPITULO I do que seis mezes de prisão, ou desterro para fóra
da comarca, livrar-se-ha solto.
Dos Membros da Sociedade do Imperio do Brazil Art. 11. Nenhum brazileiro será prezo, á
excepção de flagrante delicto, senão em virtude de
Art. 5º São brazileiros: ordem do Juiz, ou resolução da sala dos deputados,
I. Todos os homens livres habitantes no Brazil, no caso em que lhe compete decretar a accusação,
e nelle nascidos. que lhe devem ser mostradas no momento da prisão;
II. Todos os portuguezes residentes no Brazil, exceptua-se o que determinão as ordenanças
antes de 12 de Outubro de 1822. militares respeito á disciplina, e recrutamento do
III. Os filhos de pais brazileiros nascidos em exercito.
paizes estrangeiros, que vierem estabelecer
domicilio no imperio.
Sessão em 1 de Setembro de 1823 13

Art. 12. Todo o brazileiro póde ficar ou sahir do Art. 27. Nos casos de rebellião declarada, ou
imperio quando lhe convenha, levando comsigo seus invasão de inimigos, pedindo a segurança do estado
bens, comtanto que satisfaça aos regulamentos que se dispensem por tempo determinado algumas
policiaes, os quaes nunca se estenderáõ a denegar- das formalidades que garantem a liberdade
se-lhe a sahida. individual, poder-se-ha fazer por acto especial do
Art. 13. Por emquanto haverá sómente jurados poder legislativo, para cuja existencia são mister
em materias crimes; as civeis continuaráõ a ser dous terços de votos concordes.
decididas por juizes e tribunaes. Esta restricção dos Art. 28. Findo o tempo da suspensão, o
jurados não fórma artigo constitucional. governo remetterá relação motivada das prizões; e
Art. 14. A liberdade religiosa no Brazil só se quaesquer autoridades que tiverem mandado
estende ás communhões christãs; todos os que as proceder a ellas serão responsaveis pelos abusos
professarem podem gozar dos direitos politicos no que tiverem praticado a este respeito.
imperio.
Art. 15. As outras religiões, além da christã, CAPITULO III
são apenas toleradas, e a sua profissão inhibe o
exercicio dos direitos politicos. Dos Direitos Politicos no Imperio do Brazil
Art. 16. A religião catholica apostolica romana
é a religião do estado por excellencia, e unica Art. 29. Os direitos politicos consistem em ser-
mantida por elle. se membro das diversas autoridades nacionaes, das
Art. 17. Ficão abolidas as corporações de autoridades locaes, tanto municipaes, como
officios, juizes, escrivães e mestres. administrativas, e em concorrer-se para a eleição
Art. 18. A lei vigiará sobre as profissões, que dessas autoridades.
interessão os costumes, a segurança, e a saude do Art. 30. A constituição reconhece tres gráos
povo. diversos de habilidade politica.
Art. 19. Não se estabeleceráõ novos Art. 31. Os direitos politicos perde:
monopolios, antes ás leis cuidaráõ em acabar com I. O que se naturalizar em paiz estrangeiro.
prudencia os que ainda existem. II. O que sem licença do imperador aceitar
Art. 20. Ninguem será privado de sua emprego, pensão, ou condecoração de qualquer
propriedade sem consentimento seu, salvo se o governo estrangeiro.
exigir a conveniencia publica, legalmente verificada. Art. 32. Suspende-se o exercicio dos direitos
Art. 21. Neste caso será o esbulhado politicos.
indemnisado com exactidão, attento não só o valor I. Por incapacidade phisica, ou moral.
intrinseco, como o de affeição, quando ella tenha II. Por sentença condemnatoria á prisão, ou
lugar. degredo, emquanto durarem os seus effeitos.
Art. 22. A lei conserva aos inventores a
propriedade das suas descobertas, ou das suas CAPITULO IV
producções, segurando-lhes privilegio exclusivo
temporario, ou remunerando-os em resarcimento da Dos Deveres dos Brazileiros
perda que hajão de soffrer pela vulgarisação.
Art. 23. Os escriptos não são sujeitos á Art. 33. E’ dever de todo o brazileiro:
censura, nem antes, nem depois de impressos: e I. Obedecer a lei, e respeitar os seus orgãos.
ninguem é responsavel pelo que tiver escripto ou II. Soffrer com resignação o castigo que ella
publicado, salvo nos casos, e pelo modo que a lei lhe impuzer, quando elle a infringir.
apontar. III. Defender pessoalmente sua patria, ou por
Art. 24. Aos bispos porém fica salva a censura mar, ou por terra, sendo para isso chamado, e até
dos escriptos publicados sobre dogma, e moral; e morrer por ella, sendo preciso.
quando os autores, e na sua falta os publicadores, IV. Contribuir para as despezas publicas.
forem da religião catholica, o governo auxiliará os V. Responder por sua conducta como
mesmos bispos, para serem punidos os culpados. empregado publico.
Art. 25. A constituição prohibe todos os actos Art. 34. Se a lei não é lei senão no nome, se é
attentatorios aos direitos já especificados; prohibe retroactiva, ou opposta á moral, nem por isso é licito
pois prizões, encarceramentos, desterros e ao brazileiro desobedecer-lhe, salvo se ella tendesse
quaesquer inquietações policiaes arbitrarias. a depraval-o, e tornal-o viI, e feroz.
Art. 26. Os poderes constitucionaes não Art. 35. Em taes circumstancias é dever do
podem suspender a constituição no que diz respeito brazileiro negar-se a ser executor da lei injusta.
aos direitos individuaes, salvo nos casos e
circumstancias especificadas no artigo seguinte.
14 Sessão em 1 de Setembro de 1823

TITULO III CAPITULO II

Da Constituição do Imperio, e Representação Da Assembléa Geral


Nacional
SECÇÃO I
Art. 36. A constituição do imperio do Brazil é
monarchia representativa. Sua divisão, attribuições, e disposições communs
Art. 37. A monarchia é hereditaria na dynastia
do actual imperador, o Sr. D. Pedro I. Art. 43. A assembléa geral consta de duas
Art. 38 Os representantes da nação brazileira salas; sala de deputados, e sala de senadores ou
são o imperador, e a assembléa geral. senado.
Art. 39. Os poderes politicos reconhecidos Art. 44. E’ da attribuição privativa da
pela constituição do imperio são tres: o poder assembléa geral, sem participação do outro ramo da
legislativo, o poder executivo e o poder judiciario. legislatura:
Art. 40. Todos estes poderes no imperio do I. Tomar juramento ao imperador, ao principe
Brazil são delegações da nação; e sem esta imperial, ao regente ou regencia.
delegação qualquer exercicio de poderes é II. Eleger regencia nos casos determinados, e
usurpação. marcar os limites da autoridade do regente ou
regencia.
TITULO IV III. Resolver as duvidas que occorrerem sobre
a successão da corôa.
Do Poder Legislativo IV. Nomear tutor ao imperador menor, caso
seu pai o não tenha nomeado em testamento.
CAPITULO I V. Expedir cartas de convocação de futura
assembléa, se o imperador o não tiver feito dous
Da Natureza e Ambito do Poder Legislativo e Seus mezes depois do tempo que a constituição lhe
Ramos determinar.
VI. Na morte do imperador, ou vacancia do
Art. 41. O poder legislativo é delegado á throno, instituir exame da administração que acabou,
assembléa geral, e ao imperador conjunctamente. e reformar os abusos nella introduzidos.
Art. 42. Pertence ao poder legislativo: VII. Escolher nova dynastia, no caso da
I. Propôr, oppôr-se, e approvar os projectos de extincção da reinante.
lei, isto igualmente a cada um dos ramos, que a VIII. Mudar-se para outra parte, quando por
compoem, á excepção dos casos abaixo declarados, causa da peste, e invasão de inimigos, ou falta de
e com as modificações depois expendidas. liberdade o queira fazer.
II. Fixar annualmente as despezas publicas, e Art. 45. A proposição, opposição, e
as contribuições, determinar sua natureza, approvação compete a cada uma das salas.
quantidade, e maneira de cobrança. Art. 46. As propostas nas salas serão
III. Fixar annualmente as forças de mar e terra, discutidas publicamente, salvo nos casos
ordinarias e extraordinarias, conceder, ou prohibir a especificados no regimento interno.
entrada de tropas estrangeiras de mar e terra para Art. 47. Nunca porém haverá discussão de leis
dentro do imperio, e seus portos. em segredo.
IV. Repartir a contribuição directa, havendo-a, Art. 48. Nenhuma resolução se tomará nas
entre as diversas comarcas do imperio. salas, quando não estejão reunidos mais da metade
V. Autorisar o governo para contrahir dos seus membros.
emprestimos. Art. 49. Para se tomar qualquer resolução
VI. Crear, ou supprimir empregos publicos, e basta a maioria de votos, excepto nos casos, em que
determinar-lhes ordenados. se especifica a necessidade de maior numero.
VII. Determinar a inscripção, valor, lei, typo, e Art. 50. A respeito das discussões, e tudo o
nome das moedas. mais que pertencer ao governo interno das salas da
VIII. Regular a administração dos bens assembléa geral, observar-se-ha o regimento interno
nacionaes, e decretar a sua alienação. das ditas salas, emquanto não fôr revogado.
IX. Estabelecer meios para pagamento da Art. 51. Cada sala verificará os poderes de
divida publica. seus membros, julgará as contestações, que se
X. Velar na guarda da constituição, e suscitarem a esse respeito.
observancia das leis. Art. 52. Cada sala tem a policia do local, e
recinto de suas sessões, e o direito de disciplina
sobre os seus membros.
Sessão em 1 de Setembro de 1823 15

Art. 53. Cada sala terá o tratamento de – altos contados todos os que obtiverão nos diversos
e poderosos senhores. districtos do imperio.
Art. 54. Nenhuma autoridade póde impedir a Art. 70. Os membros das salas podem ser
reunião da assembléa. ministros de estado; e na sala do senado continuaráõ
Art. 55. O imperador porém póde adiar a a ter assento, uma vez que não excedão á proporção
assembléa. marcada.
Art. 56. Cada legislatura durará quatro annos. Art. 71. Na sala dos deputados, nomeados
Art. 57. Cada sessão durará quatro mezes. alguns para ministros, vagão os seus lugares, e se
Art. 58. A sessão porém póde ser prorogada manda proceder a novas eleições por ordem do
pelo imperador por mais um mez; e antes de feitos presidente, nas quaes podem porém ser
os codigos poderá ser a prorogação por mais tres contemplados, e reeleitos, e accumular as duas
mezes, e durante elles se não tratará senão dos funcções, quando se não viole a proporção marcada.
codigos. Art. 72. Os deputados e senadores são
Art. 59. Nos intervallos das sessões póde o inviolaveis pelas suas opiniões proferidas na
imperador convocar a assembléa, uma vez que o assembléa.
exija o interesse do imperio. Art. 73. Durante o tempo das sessões, e um
Art. 60. A sessão imperial, ou de abertura, termo marcado pela lei, segundo as distancias das
será todos os annos no dia 3 de Maio. provincias, não serão demandados, ou executados
Art. 61. Para esse effeito, logo que as salas por causas civeis, nem progrediráõ as que tiverem
tiverem verificado os seus poderes, cada uma em pendentes, salvo com seu consentimento.
seu respectivo local, e prestado o juramento no caso Art. 74. Em causas criminaes não serão
e na sala em que isto tem lugar, o farão saber ao presos durante as sessões, excepto em flagrante,
imperador por uma deputação, composta de igual sem que a respectiva sala decida que o devem ser,
numero de senadores e deputados. para o que lhe serão remettidos os processos.
Art. 62. Igual deputação será mandada ao Art. 75. No recesso da assembléa seguiráõ a
imperador oito dias antes de findar cada sessão por sorte dos mais cidadãos.
ambas as salas de accordo, para annunciar o dia, Art. 76. Nos crimes serão os senadores e os
em que se propõe terminar as suas sessões. deputados, só durante a reunião da assembléa,
Art. 63. Tanto na abertura, como no julgados pelo senado, da mesma fórma que os
encerramento, e quando vier o imperador, o principe ministros de estado e os conselheiros privados.
imperial, o regente ou regencia prestar juramento, e Art. 77. Tanto os deputados, como os
nos casos marcados nos arts. 90 e 232, reunidas as senadores, venceráõ durante as sessões, um
duas salas tomaráõ assento sem distincção, mas o subsidio pecuniario, taxado no fim da ultima sessão
presidente do senado dirigirá o trabalho. da legislatura antecedente. Além disto se lhes
Art. 64. Quer venha o imperador por si, ou por arbitrará uma indemnisação das despezas de ida e
seus commissarios, assim á abertura, como ao volta.
encerramento da assembléa, quer não venha,
sempre ella começará ou encerrará os seus SECÇÃO II
trabalhos nos dias marcados.
Art. 65. Na presença do imperador, principe Da sala dos Deputados
imperial, regente ou regencia, não poderá a
assembléa deliberar. Art. 78. A sala dos deputados é electiva.
Art. 66. O exercicio de qualquer emprego, á Art. 79. O presidente da sala dos deputados é
excepção de ministro de estado e conselheiro electivo, na fórma do regimento interino.
privado do imperador, é incompativel com as Art. 80. E’ privativa da sala dos deputados a
funcções de deputado ou senador. iniciativa:
Art. 67. Não se póde ser ao mesmo tempo I. Dos projectos de lei sobre impostos; os
membro de ambas as salas. quaes não podem ser emendados pelo senado, mas
Art. 68. Os ministros de estado podem ser tão sómente serão approvados ou regeitados.
membros da sala da assembléa, comtanto que o II. Dos projectos de lei sobre recrutamentos.
numero dos ministros que tiverem assento, esteja III. Dos projectos de lei sobre a dynastia nova,
para com os membros da sala para que entrarem, na que haja de ser escolhida no caso da extincção da
proporção de um para vinte e cinco. reinante.
Art. 69. Sendo nomeados mais ministros do Art. 81. Tambem principiaráõ na sala dos
que aquelles que podem ter assento na sala, em deputados:
razão da proporção já mencionada, serão preferidos I. A discussão das proposições feitas pelo
os que tiverem mais votos, imperador.
16 Sessão em 1 de Setembro de 1823

II. O exame da administração passada, e Art. 90. Se a sala dos deputados não approvar
reforma dos abusos nella introduzidos. as emendas do senado ou as addições, e todavia
Art. 82. No caso de proposição imperial a sala julgar que o projecto é vantajoso, poderá requerer
dos deputados não deliberará senão depois de ter por uma deputação de tres membros a reunião das
sido examinada em differentes commissões, em que duas salas, a ver se se accorda em algum resultado
a sala se dividirá. commum, e neste caso se fará a dita reunião no local
Art. 83. Se depois de ter a sala dos deputados do senado, e conforme fôr o resultado da disputa
deliberado sobre o relatorio, que lhe fizerem as favoravel, ou desfavoravel, assim decahirá ou
commissões, adoptar o projecto, o remetterá ao senado seguirá elle o determinado no art. 87.
com a formula seguinte: – A sala dos deputados envia Art. 91. E’ da privativa attribuição da sala dos
ao senado a proposição junta do imperador (com deputados:
emendas, ou sem ellas) e pensa que ella tem lugar. I. Decretar que tem lugar a accusação dos
Art. 84. Se não puder adoptar a proposição, ministros de estado e conselheiros privados.
participará ao imperador por uma deputação de sete II. Requerer ao imperador demissão dos
membros, nos termos seguintes: – A sala dos ministros de estado, que parecerem nocivos ao bem
deputados testemunha ao imperador o seu publico; mas semelhantes requisições devem ser
reconhecimento pelo zelo que mostra em vigiar os motivadas, e ainda assim póde a ellas não deferir o
interesses do imperio, e lhe supplica imperador.
respeitosamente digne-se tomar em ulterior III. Fiscalisar a arrecadação e emprego das
consideração a sua proposta. rendas publicas, e tomar conta aos empregados
Art. 85. Nas propostas que se originarem na respectivos.
sala dos deputados, approvada a proposição (com
emendas ou sem ellas), a transmittirá ao senado SECÇÃO III
com a formula seguinte: – A sala dos deputados
envia ao senado a proposição junta, e pensa que Do Senado
tem lugar pedir-se ao imperador a sancção imperial.
Art. 86. Nas propostas, que se originarem no Art. 92. O senado é composto de membros
senado, se a sala dos deputados, depois de ter vitalicios.
deliberado, julgar que não póde admittir a proposição Art. 93. O numero dos senadores será metade
dará parte ao senado nos termos seguintes: – A sala dos deputados.
dos deputados torna a remetter ao senado a Art. 94. O presidente do senado continuará por
proposição de...relativa a... á qual não tem podido todo o tempo da legislatura.
dar o seu consentimento. Art. 95. Será no começo de cada legislatura
Art. 87. Se a sala, depois de ter deliberado, escolhido pelo imperador d’entre tres, que eleger o
adoptar inteiramente a proposição do senado dirigil- mesmo senado.
a-ha ao imperador pela formula seguinte: – A Art. 96. Para proceder na eleição dos tres
assembléa geral dirige ao imperador a proposição membros, que deve apresentar ao imperador para
junta, que julga vantajosa, e util ao imperio, e pede a sua escolha, e outrosim na eleição dos secretarios,
Sua Magestade Imperial se digne dar a sua sancção. nomeará o senado por acclamação um presidente e
E ao senado informará nestes termos: – A sala dos mesa interina, que cessaráõ com a installação dos
deputados faz sciente ao senado que tem adoptado proprietarios.
a sua proposição de...relativa á...a qual tem dirigido a Art. 97. O senado elegerá dous secretarios de
Sua Magestade Imperial, pedindo a sua sancção. seu seio, que alternaráõ entre si, e dividiráõ os
Art. 88. Se porém a sala dos deputados não trabalhos.
adoptar inteiramente a proposição do senado, mas Art. 98. Os secretarios continuaráõ em
se tiver alterado ou addicionado, tornará a envial-a exercicio por toda a legislatura.
ao senado com a formula seguinte: – A sala dos Art. 99. O senado será organisado pela
deputados envia ao senado a sua primeira vez por eleição provincial.
proposição...relativa a...com as emendas ou Art. 100. As eleições serão pela mesma
addições juntas, e pensa que com ellas tem lugar maneira e fórma que forem as dos deputados, mas
pedir ao imperador a sancção imperial. em listas triplices, sobre as quaes recahirá a escolha
Art. 89. Nas propostas, que, tendo-se do imperador.
originado na sala dos deputados, voltão a ella com Art. 101. Depois da primeira organisação do
emendas ou addições do senado, se as approvar senado, todas as vacancias serão preenchidas por
com ellas, seguirá o que se determina no art. 87. nomeação do imperador, a qual recahirá sobre lista
triplice da sala dos deputados.
Art. 102. Podem ser eleitos pela sala dos
deputados todos os cidadãos brazileiros
devidamente qualificados para senadores.
Art. 103. Não tem obrigação a sala dos
Sessão de 1 de Setembro de 1823 17

deputados de restringir-se nesta eleição a divisão entender-se-ha que o imperador tem dado a
alguma, ou da provincia, ou outra qualquer. sancção.
Art. 104. A indemnidade dos senadores, Art. 114. O Imperador é obrigado a dar, ou
emquanto a tiverem, será superior á dos deputados. negar, a sancção em cada decreto expressamente
Art. 105. Os principes da casa imperial são dentro em um mez, depois que lhe fôr apresentado.
senadores por direito, e terão assento assim que Art. 115. Se o não fizer dentro do mencionado
chegarem á idade de 25 annos. praso, nem por isso deixaraõ os decretos da
Art. 106. Nas propostas do imperador, da sala assembléa geral de ser obrigatorios, apesar de lhes
dos deputados, e nas que começarem no mesmo faltar a sancção que exige a constituição.
senado, seguirá este o formulario estabelecido nos Art. 116. Se o Imperador adoptar o projecto da
arts. 84, 85, 86, 87, 88, 89 e 90, com a differença de assembléa geral, se exprimirá pela maneira seguinte
dizer – senado – em vez de – sala dos deputados – e – o Imperador consente, – se o não approvar, se
assim inversamente. exprimirá deste modo – o Imperador examinará.
Art. 107. E’ da attribuição exclusiva do senado: Art. 117. Os projectos de lei adoptados pelas
I. Conhecer dos delictos individuaes duas salas, e pelo Imperador, no caso em que é
commettidos pelos membros da familia imperial, preciso a sancção imperial, depois de promulgados
ministros de estado, conselheiros privados e ficão sendo leis do imperio.
senadores; e dos delictos dos deputados durante tão Art. 118. A formula da promulgação será
sómente a reunião da assembléa. concebida nos seguintes termos: – D. F. por graça
II. Conhecer dos delictos de responsabilidade de Deus e acclamação unanime dos povos,
dos ministros de estado e conselheiros privados. imperador e defensor perpetuo do Brazil; fazemos
III. Convocar a assembléa na morte do saber a todos os nossos subditos, que a assembléa
imperador para eleição de regencia, nos casos em geral decretou e nós queremos a lei seguinte (a letra
que ella tem lugar, quando a regencia provisional o da lei). Mandamos, portanto, a todas as autoridades
não faça. a quem o conhecimento e execução da referida lei
Art. 108. No juizo dos crimes, cuja accusação pertencer, que a cumprão e fação cumprir e guardar,
não pertence á sala dos deputados, accusará o tão inteiramente como nella se contém. O secretario
procurador da corôa e soberania nacional. de estado dos negocios de...(o da repartição
Art. 109. Em todos os casos em que o senado respectiva) a faça imprimir, publicar e correr.
se converte em grande jurado, poderá chamar para Art. 119. Referendada a lei pelo secretario
lhe assistir os membros do tribunal supremo de competente, e sellada com o sello do estado,
cassação, que lhes approuver, os quaes, porém, guardar-se-ha um dos originaes no archivo publico, e
responderáõ ás questões que se lhes fizerem, e não o outro igual assignado pelo imperador, e
terão voto. referendado pelo secretario competente, será
remettido ao senado, em cujo archivo se guardará.
CAPITULO III Art. 120. As leis independentes de sancção
serão publicadas com a mesma formula daquellas
Do Imperador como Ramo de Legislatura que dependem de sancção, supprimidas porém as
palavras – e nós queremos.
Art. 110. O Imperador exerce a proposição que Art. 121. Não precisão de sancção para
lhe compete na confecção das leis, ou por obrigarern, os actos seguintes da assembléa geral e
mensagem ou por ministros commissarios. suas salas.
Art. 111. Os ministros commissarios podem I. A presente constituição e todas as
assistir e discutir a proposta, uma vez que as alterações constitucionaes, que para o futuro nella se
commissões na maneira já dita tenhão dado os seus possão fazer.
relatorios, mas não poderáõ votar. II. Todos os decretos desta assembléa, ainda
Art. 112. Para execução da opposição ou em materias regulamentares.
sancção serão os projectos remettidos ao Imperador III. Os actos concernentes:
por uma deputação de sete membros da sala que 1. A’ policia interior de cada uma das salas.
por ultimo os tiver approvado, e irão dous 2. A’ verificação dos poderes dos seus
autographos assignados pelo presidente e dous membros presentes.
secretarios da sala que os enviar. 3. A' intimações dos ausentes.
Art. 113. No caso que o Imperador recuse dar 4. A' legitimidade das eleições ou eleitos.
o seu consentimento, esta denegação tem só o 5. Ao resultado do exame sobre o emprego da
effeito suspensivo. Todas as vezes que as duas força armada pelo poder executivo, nos termos dos
legislaturas, que se seguirem áquella que tiver arts. 231, 232, 235 e 242.
approvado o projecto, tornem successivamente a IV. Os actos especificados nos arts. 44, 91,
apresental-o nos mesmos termos, 107, 113, 115 e 271.
18 Sessão em 1 de Setembro de 1823

TITULO V Art. 127. Não podem ser eleitores os libertos


em qualquer parte nascidos, embora tenhão patentes
Das eleições militares, ou ordens sacras.
Art. 128. Todos os que podem ser eleitores,
Art. 122. As eleições são indirectas, elegendo podem igualmente ser membros das autoridades
a massa dos cidadãos activos aos eleitores, e os locaes electivas, ou administrativas, ou municipaes,
eleitores aos deputados e igualmente aos senadores e votar na sua eleição.
nesta primeira organisação do senado. Art. 129. Podem ser nomeados deputados
Art. 123. São cidadãos activos para votar nas nacionaes todos os que podem ser eleitores,
assembléas primarias ou de parochias: comtanto que tenhão 25 annos de idade e sejão
I. Todos os brazileiros ingenuos e os libertos proprietarios ou foreiros de bens de raiz ruraes ou
nascidos no Brazil. urbanos, ou rendeiros por longo termo de bens de
II. Os estrangeiros naturalisados. raiz ruraes, ou donos de embarcações, ou de
Mas tanto uns como outros devem estar no fabricas, e qualquer estabelecimento de industria ou
gozo dos direitos politicos, na conformidade dos arts. de acções no banco nacional, donde tirem um
31 e 32, e ter de rendimento liquido annual o valor de rendimento liquido annual equivalente ou valor de
cento e cincoenta alqueires de farinha de mandioca, quinhentos alqueires de farinha de mandioca,
regulado pelo preço médio da sua respectiva regulado pelo preço médio do paiz em que
freguezia, e provenientes de bens de raiz, habitarem, e na conformidade dos arts. 123 e 126,
commercio, industria ou artes, ou sejão os bens de quanto ao padrão.
raiz proprios ou foreiros, ou arrendados por longo Art. 130. Apesar de terem as qualidades do
termo, como de nove annos e mais. Os alqueires art. 129, são excluidos de serem eleitos:
serão regulados pelo padrão da capital do imperio. I. Os estrangeiros naturalisados.
Art. 124. Exceptuão-se: II. Os criados da casa imperial.
I. Os menores de 25 annos, nos quaes se não III. Os apresentados por fallidos, emquanto se
comprehendem os casados e officiaes militares que não justificar que o são de boa fé.
tiverem 21 annos, os bachareis formados, e os IV. Os pronunciados por qualquer crime a que
clerigos de ordens sacras. as leis imponhão pena maior que seis mezes de
Os filhos familias que estiverem no poder e prisão, ou degredo para fóra da comarca.
companhia de seus pais, salvo se servirem officios V. Os cidadãos brazileiros nascidos em
publicos. Portugal, se não tiverem 12 annos de domicilio no
III. Os criados de servir, não entrando nesta Brazil, e forem casados ou viuvos de mulher nativa
classe os feitores. brazileira.
IV. Os libertos que não forem nascidos no Art. 131. Podem ser eleitos senadores todos
Brazil, excepto se tiverem patentes militares ou os que podem ser deputados, uma vez que tenhão
ordens sacras. 40 annos de idade, e tenhão de rendimento o dobro
V. Os religiosos e quaesquer que vivão em do rendimento dos deputados, proveniente das
communidade claustral, não se comprehendendo mesmas origens, e tenhão demais prestado á nação
porém nesta excepção os religiosos das ordens serviços relevantes, em qualquer dos ramos de
militares, nem os secularisados. interesse publico.
VI. Os caixeiros, nos quaes se não Art. 132. Os que podem ser eleitos deputados
comprehendem os guarda-livros. e senadores, podem tambem ser membros das
VII. Os jornaleiros. autoridades locaes electivas e votar nas eleições de
Art. 125. Os que não podem votar nas todas as autoridades locaes e nacionaes.
assembléas de parochia, não podem ser membros Art. 133. As eleições serão de quatro em
de autoridade alguma electiva nacional, ou local, quatro annos.
nem votar para a sua escolha. Art. 134. Fica ao arbitrio dos eleitos o aceitar
Art. 126. Podem ser eleitores e votar na ou recusar.
eleição dos deputados, todos os que podem votar Art. 135. Os cidadãos de todo o Brazil são
nas assembléas de parochia, comtanto que tenhão elegiveis em cada districto eleitoral, ainda quando ahi
de rendimento liquido annual o valor de duzentos e não sejão nascidos ou domiciliados.
cincoenta alqueires de farinha de mandioca, Art. 136. O numero dos deputados regular-se-
regulado pelo preço médio do lugar do seu domicilio, ha pela população.
e proveniente de bens ruraes e urbanos de raiz, ou Art. 137. Uma lei regulamentar marcará o
proprios, ou foreiros, ou arrendados por longo termo, modo pratico das eleições e a proporção dos
ou de commercio, industria, ou artes; sendo os deputados á população.
alqueires regulados na fórma já dita no art. 123 § II.
Sessão em 1 de Setembro de 1823 19

TITULO IV XII. Fazer executar as leis, expedir decretos,


instrucções e regulamentos adequados a este fim, e
Do Poder Executivo ou Do Imperador prover a tudo o que fôr concernente á segurança
interna e externa na fórma da constituição.
CAPITULO I XIII. Nomear senadores no caso de vacancia
na fórma do art. 101.
Das Attribuições, Regalias E Juramento do Art. 143. O imperador antes de ser acclamado
Imperador prestará nas mãos do presidente do senado,
reunidas as duas salas da assembléa geral, o
Art. 138. O poder executivo é delegado ao seguinte juramento – Juro manter a religião catholica
imperador. apostolica romana, e a integridade e indivisibilidade
Art. 139. A pessoa do imperador é inviolavel e do imperio, e observar e fazer observar a
sagrada. constituição politica da nação brazileira e as mais leis
Art. 140. Os seus titulos são: imperador e do imperio, e prover quanto em mim couber ao bem
defensor perpetuo do Brazil. geral do Brazil.
Art. 141. O imperador tem o tratamento de – Art. 144. O herdeiro presumptivo do imperio
Magestade Imperial. terá o titulo de principe imperial e o primogenito
Art. 142. São attribuições do imperador: deste o de principe do Grão-Pará, todos os mais
I. Nomear e demittir livremente os ministros de terão o de – principes. – O tratamento do herdeiro
estado e seus conselheiros privados. presumptivo será o de alteza imperial e o mesmo
II. Convocar a nova assembléa geral ordinaria será o do principe do Grão-Pará, os outros principes
do dia 1º de Julho do terceiro anno da legislatura terão o tratamento de alteza.
existente, e a extraordinaria quando julgar que o bem Art. 145. A assembléa reconhecerá o herdeiro
do imperio o exige. presumptivo da corôa, logo depois do seu
III. Prorogar e adiar a assembléa geral. nascimento, e este completando a idade de 18
IV. Promulgar as leis em seu nome. annos, prestará nas mãos do presidente do senado,
V. Prover os beneficios ecclesiasticos e reunidas as duas salas da assembléa geral, o
empregos civis, que não forem electivos, e bem juramento seguinte – Juro manter a religião catholica
assim os militares, tudo na conformidade das leis apostolica romana, e a integridade e indivisibilidade
que regularem os ditos provimentos, podendo do imperio, observar a constituição politica da nação
suspender e remover os empregados nos casos, e brazileira e ser obediente ás leis e ao imperador.
pelo modo que as mesmas leis marcarem.
VI. Nomear embaixadores e mais agentes CAPITULO II
diplomaticos.
VII. Conceder remunerações, honras e Da Familia Imperial e Sua Dotação
distincções em recompensa de serviços, na
conformidade porém das leis e precedendo a Art. 146. A assembléa geral no principio de
approvação da assembléa geral, se as cada reinado assignará ao imperador e á sua
remunerações forem pecuniarias. augusta esposa, uma dotação annual
VIII. Agraciar os condemnados, perdoando em correspondente ao decoro de sua alta dignidade.
todo ou minorando as penas, excepto aos ministros Esta dotação não poderá alterar-se durante aquelle
de estado, a quem poderá sómente perdoar a pena reinado, nem mesmo o da imperatriz no tempo de
de morte. sua viuvez, existindo no Brazil.
IX. Declarar a guerra e fazer a paz, Art. 147. A dotação assignada ao presente
participando á assembléa geral todas as imperador poderá ser alterada, visto que as
communicações que julgar compativeis com os circumstancias actuaes não permittem que se fixe
interesses e segurança do estado. desde já uma somma adequada ao decoro de sua
X. Fazer tratados de alliança offensivos ou augusta pessoa e dignidade da nação.
defensivos, de subsidio e commercio, levando-os Art. 148. A assembléa assignará tambem
porém ao conhecimento da assembléa geral, logo alimentos ao principe imperial e aos demais principes
que o interesse e segurança do estado o permittirem. desde que tiverem sete annos de idade. Estes
Se os tratados concluidos em tempo de paz alimentos cessaráõ sómente quando sahirem para
contiverem cessão ou troca de territorio do imperio fóra do imperio.
ou de possessões a que o imperio tenha direito, não Art. 149. Quando as princezas houverem de
poderáõ ser ratificados sem terem sido approvados casar, a assembléa lhes assignará o seu dote, e com
pela assembléa geral. a entrega delle cessaráõ os alimentos.
XI. Conceder ou negar o seu beneplacito aos Art. 150. Aos principes, se casarem e forem
decretos dos concilios, letras pontificias e quaesquer residir fóra do imperio, se entregará por uma
outras constituições ecclesiasticas, que se não
oppuzerem á presente constituição.
20 Sessão em 1 de Setembro de 1823

vez sómente uma quantia determinada pela Art. 161. A regencia pertencerá ao parente
assembléa, com o que cessaráõ os alimentos que mais chegado do imperador, de um e outro sexo,
percebião. segundo a ordem da successão, que tenha de idade
Art. 151. A dotação, alimentos e dotes, de que 25 annos e não seja herdeiro presumptivo de outra
fallão os cinco artigos antecedentes, serão pagos corôa.
pelo thesouro publico, entregues a um mordomo Art. 162. Se o imperador não tiver parente
nomeado pelo imperador, com quem se poderáõ algum que reuna estas qualidades, será o imperio
tratar as acções activas e passivas concernentes aos governado por uma regencia permanente nomeada
interesses da casa imperial. pelo senado, sobre lista triplice da sala dos
Art. 152. Os palacios e terrenos nacionaes, deputados. Esta regencia será composta de tres
possuidos actualmente pelo Sr. D. Pedro, ficaráõ membros e o mais velho em idade será o presidente.
sempre pertencendo a seus successores; e a nação Art. 163. Emquanto se não eleger esta
cuidará nas acquisições e construcções que julgar regencia, será o imperio governado por uma
convenientes para decencia e recreio do imperador e regencia provisional composta dos dois ministros de
sua familia. estado mais antigos e dos dous conselheiros
privados tambem mais antigos, presidida pela
CAPITULO III imperatriz viuva, e na sua falta pelo mais antigo
ministro de estado.
Da Successão do Imperio Art. 164. Esta regencia será obrigada a
convocar a assembléa geral, e se o não fizer, o
Art. 153. O Sr. D. Pedro, por unanime senado o fará, o qual para este effeito
acclamação da nação, actual imperador e defensor immediatamente se reunirá.
perpetuo, reinará para sempre, emquanto estiver no Art. 165. Se o imperador por causa phisica ou
Brazil. moral evidentemente reconhecida por dous terços de
Art. 154. Da mesma maneira succederá no cada uma das salas da assembléa, se impossibilitar
throno a sua descendencia legitima, segundo a para governar, em seu lugar governará como regente
ordem regular da primogenitura e representação, o principe imperial, se fôr maior de 18 annos. Todos
preferindo em todo o tempo a linha anterior ás os actos do governo serão emittidos em seu proprio
posteriores: na mesma linha o gráo mais proximo ao nome.
mais remoto: no mesmo gráo o sexo masculino ao Art. 166. Se não tiver a precisa idade o
feminino, e no mesmo sexo a pessoa mais velha á principe imperial, observar-se-hão os arts. 161, 162,
mais moça. 163 e 164.
Art. 155. No caso de extincção da dynastia do Art. 167. Tanto o regente como a regencia
Sr. D. Pedro, ainda em vida do ultimo descendente, e prestaráõ o juramento exarado no art. 145,
durante o seu reinado, nomeará a assembléa geral accrescentando-lhe a clausula – de entregar o
por um acto seu nova dynastia; subindo esta ao governo logo que o imperador chegue á maioridade
throno, regular-se-ha na fórma do art. 154. e cesse o seu impedimento.
Art. 156. Se a corôa recahir em pessoa do Art. 168. Ao juramento da regencia provisional
sexo feminino, seu marido não terá parte no governo, accrescentar-se-ha a clausula – de entregar o
nem se intitulará imperador e defensor perpetuo do governo á regencia permanente.
Brazil. Art. 169. Os actos das regencias e do regente
Art. 157. Se o herdeiro do imperio succeder serão em nome do imperador.
em corôa estrangeira, ou herdeiro de corôa Art. 170. A assembléa geral dará regimento,
estrangeira succeder no imperio do Brazil, não como lhe approuver, ao regente e regencias, e estes
poderá accumular ambas as corôas, mas terá opção; se conteráõ nos limites prescriptos no dito regimento.
e optando a estrangeira se entenderá que renuncia a Art. 171. Nem o regente nem a regencia serão
do imperio. responsaveis.
Art. 158. O mesmo se entende com o Art. 172. Nunca o regente será tutor do
imperador que succeder em corôa estrangeira. imperador menor, a guarda de cuja pessoa será
confiada ao tutor que seu tiver nomeado em
CAPITULO IV testamento, comtanto que seja cidadão brazileiro
qualificado para senador; na falta deste a imperatriz
Da Minoridade e Impedimento do Imperador. mãi, emquanto não tornar a casar e faltando esta, a
assembléa geral nomeará tutor, que seja cidadão
Art. 159. O imperador é menor até a idade de brazileiro qualificado para senador.
18 annos completos.
Art. 160. Durante a sua minoridade o imperio
será governado por uma regencia.
Sessão em 1 de Setembro de 1823 21

TITULO VII Art. 185. O principe imperial, logo que tiver


dezoito annos completos será de facto e de direito
Do Ministerio membro do conselho privado: os outros principes da
casa imperial podem ser chamados pelo imperador
Art. 173. Haverá differentes secretarias de para membros do conselho privado.
estado; a lei designará os negocios pertencentes a Art. 186. São responsaveis os conselheiros
cada uma e o seu numero; as reunirá ou separará. privados pelos conselhos que derem, oppostos ás leis,
Art. 174. Os ministros referendaráõ os actos do e manifestamente dolosos.
poder executivo, sem o que não são aquelles
obrigatorios. TITULO IX
Art. 175. Os ministros são responsaveis:
I. Por traição. Do Poder Judiciario
II. Por concussão.
III. Por abuso do poder legislativo. Art. 187. O poder judiciario compõe-se de juizes,
IV. Por exercicio illegal de poder illegitimo. e jurados. Estes por emquanto têm só lugar em
V. Por falta de execução de leis. materias crimes na fórma do art. 13.
Art. 176. Uma lei particular especificará a Art. 188. Uma lei regulará a composição do
natureza destes delictos, e a maneira de proceder conselho dos jurados, e a fórma do seu procedimento.
contra elles. Art. 189. Os jurados pronuncião sobre o facto, e
Art. 177. Não salva aos ministros da os juizes applicão a lei.
responsabilidade a ordem do imperador verbal, ou por Art. 190. Uma lei nomeará as differentes
escripto. especies de juizes de direito, suas gradações,
Art. 178. A responsabilidade dos ministros não attribuições, obrigações e competencia.
destróe a de seus agentes; ella deve começar no autor Art. 191. Os juizes de direito letrados são
immediato daquelle acto que é objecto do inamoviveis, e não podem ser privados do seu cargo
procedimento. sem sentença proferida em razão de delicto, ou
Art. 179. Não podem ser ministros de estado: aposentação com causa provada, e conforme a lei.
I. Os estrangeiros posto que naturalisados. Art. 192. A inamovibilidade não se oppõe á
II. Os cidadãos brazileiros nascidos em Portugal, mudança dos juizes letrados de primeira instancia de
que não tiverem doze annos de domicilio no Brazil, e uns para outros lugares, como e no tempo que a lei
não forem casados com mulher brazileira por determinar.
nascimento, ou della viuvos. Art. 193. Todos os juizes de direito e officiaes de
justiça são responsaveis pelos abusos de poder, e
TITULO VIII erros que commetterem no exercicio dos seus
empregos.
Do Conselho Privado Art. 194. Por suborno, peito, e concluio, haverá
contra elles acção popular.
Art. 180. Haverá um conselho privado do Art. 195. Por qualquer outra prevaricação punivel
imperador composto de conselheiros por elIe pela lei, não sendo mera infracção da ordem do
nomeados, e despedidos ad nutum. processo, só póde accusar a parte interessada.
Art. 181. O imperador não póde nomear Art. 196. Toda a creação de tribunaes
conselheiros senão aos cidadãos que a constituição extraordinarios, toda a suspensão ou abreviação das
não exclue. fórmas, á excepção do caso mencionado no art. 27,
Art. 182. São excluidos: são actos inconstitucionaes, e criminosos.
I. Os que não têm quarenta annos de idade. Art. 197. O concurso dos poderes
II. Os estrangeiros, posto que naturalisados. constitucionaes não legitima taes actos.
III. Os cidadãos brazileiros nascidos em Art. 198. No processo civil a inquirição de
Portugal, que não tiverem doze annos de domicilio no testemunhas, e tudo o mais será publico; igualmente no
Brazil, e não forem casados com mulher brazileira por processo crime, porém só depois da pronuncia.
nascimento, ou della viuvos. Art. 199. O codigo será uniforme, e o mesmo
Art. 183. Antes de tomarem posse prestaráõ os para todo o imperio.
conselheiros privados nas mãos do imperador Art. 200. As penas não passaráõ da pessoa dos
juramento de manter a religião catholica apostolica delinquentes, e serão só as precisas para estorvar os
romana, observar a constituição e as leis, serem fieis crimes.
ao imperador, e aconselhal-o segundo as suas Art. 201. A constituição prohibe a tortura,
consciencias, attendendo sómente ao bem da nação.
Art. 184. Os conselheiros privados serão ouvidos
nos negocios graves, particularmente sobre a
declaração de guerra, ou paz, tratados, e adiamento da
assembléa.
22 Sessão em 1 de Setembro de 1823

a marca de ferro quente, o baraço e pregáõ a TITULO XI


infamia, a confiscação de bens, e emfim todas as
penas crueis ou infamantes. Da Fazenda Nacional
Art. 202. Toda a especie de rigor, além do
necessario para boa ordem e socego das prizões, Art. 215. Todas as contribuições devem ser
fica prohibida, e a lei punirá a sua contravenção. cada anno estabelecidas, ou confirmadas pelo
Art. 203. As casas de prizão serão seguras, poder legislativo, art. 42, e sem este
mas commodas, que não sirvão de tormento. estabelecimento, ou confirmação, cessa a obrigação
Art. 204. Serão visitadas todos os annos por de as pagar.
uma commissão de trez pessoas, as quaes Art. 216. Ninguem é isento de contribuir.
inquiriráõ sobre a legalidade ou illegalidade da Art. 217. As contribuições serão
prizão, e sobre o rigor superfluo praticado com os proporcionadas ás despezas publicas.
prezos. Art. 218. O poder legislativo repartirá a
Art. 205. Para este effeito se nomearáõ em contribuição directa pelas comarcas; o presidente e
cada comarca seis pessoas de probidade, que conselho presidial pelos districtos; o sub-presidente
formem alternadamente a commissão dos e conselho de districtos pelos termos; e o decurião e
visitadores. municipalidade pelos individuos, em razão dos
Art. 206. Serão eleitos pelas mesmas rendimentos que no termo tiverem; quer residão
pessoas e maneira porque se elegem os deputados; nelle, quer fóra.
e duraráõ em actividade o mesmo tempo que as Art. 219. O ministro da fazenda havendo
legislaturas. recebido dos outros ministros os orçamentos
Art. 207. A commissão de visita dará conta ás relativos ás despezas das suas repartições,
salas da assembléa, em um relatorio impresso, do apresentará todos os annos, assim que a
resultado das suas visitas periodicas, e solemnes. assembléa estiver reunida, um orçamento geral de
Art. 208. A apresentação do prezo nunca será todas as despezas publicas do anno futuro, outro da
negada aos parentes e amigos, salvo estando importancia das rendas, e a conta da receita e
incommunicavel por ordem do juiz na fórma da lei. despeza do thesouro publico do anno antecedente.
Art. 220. As despezas de cada comarca
TITULO X devem ser objecto de um capitulo separado no
orçamento geral, e determinadas cada anno,
Da Administração proporcionalmente aos rendimentos da dita
comarca.
Art. 209. Em cada comarca haverá um Art. 221. Todos os rendimentos nacionaes
presidente nomeado pelo imperador, e por elle entraráõ no thesouro publico; excepto os que por lei
amovivel ad nutum, e um conselho presidial ou autoridade competente, se mandarem pagar em
electivo, que o auxilie. outras thesourarias.
Art. 210. Em cada districto haverá um sub- Art. 222. A conta geral da receita e despeza
presidente, e um conselho de districto electivo. de cada anno, depois de approvada, se publicará
Art. 211. Em cada termo haverá um pela imprensa; o mesmo se fará com as contas
administrador e executor, denominado decurião, o dadas pelos ministros de estado das despezas
qual será presidente da municipalidade, ou camara feitas nas suas repartições.
do termo, na qual residirá todo o governo Art. 223. A fiscalisação e arrecadação de
economico e municipal. todas as rendas publicas far-se-ha por contadores,
Art. 212. O decurião não terá parte no poder que abrangeráõ as comarcas que a lei designar, e
judiciario, que fica reservado aos juizes electivos do serão directamente responsaveis ao thesouro
termo. publico.
Art. 213. A lei designará as attribuições, Art. 224. Dar-se-ha aos contadores regimento
competencia, e gradativa subordinação das proprio.
autoridades não electivas, e os tempos da reunião, Art. 225. O juizo e execução em materia de
maneira de eleição, gradação, funcções e fazenda seguirá a mesma regra que o juizo e
competencia das electivas. execução dos particulares, sem privilegio de fóro.
Art. 214. Estas disposições não excluem a Art. 226. A constituição reconhece a divida
creação de direcções geraes para tratarem de publica, e designará fundos para seu pagamento.
objectos privativos de administração.
TITULO XII

Da Força Armada

Art. 227. Haverá uma força armada, terrestre,


que estará á disposição do poder
Sessão em 1 de Setembro de 1823 23

executivo, o qual porém é obrigado a conformar-se ás Art. 245. A lei determinará cada um anno o
regras seguintes: numero da força armada e o modo de seu
Art. 228. A força armada terrestre é dividida em recrutamento.
tres classes, exercito de linha, milicias, e guardas Art. 246. Haverá igualmente uma força maritima
policiaes. tambem á disposição do poder executivo e sujeita á
Art. 229. O exercito de linha é destinado a ordenanças proprias.
manter a segurança externa, e será por isso Art. 247. Os officiaes do exercito e armada não
estacionada nas fronteiras. podem ser privados das suas patentes senão por
Art. 230. Não póde ser empregado no interior sentença proferida em juizo competente.
senão no caso de revolta declarada. Art. 248. Não haverá generalissimo em tempo
Art. 231. Neste caso ficão obrigados o poder de paz.
executivo e seus agentes a sujeitar a exame da Art. 249. A força armada é essencialmente
assembléa todas as circumstancias que motivarão a obediente e não póde ser corpo deliberante.
sua resolução.
Art. 232. Este exame é de direito, e as duas TITULO XIII
salas da assembléa, logo que tiverem recebido noticias
deste acto do poder executivo, reunidas nomearáõ do Da Instrucção Publica, Estabelecimentos de Caridade,
seu seio, para proceder a exame, uma commissão de Casas de Correcção e Trabalho
vinte e um membros, dos quaes a metade e mais um
será tirada á sorte. Art. 250. Haverá no imperio escolas primarias
Art. 233. As milicias são destinadas a manter a em cada termo, gymnasios em cada comarca, e
segurança publica no interior das comarcas. universidades nos mais apropriados locaes.
Art. 234. Elles não devem sahir dos limites de Art. 251. Leis regulamentares marcaráõ o
suas comarcas, excepto em caso de revolta ou numero e constituição desses uteis estabelecimentos.
invasão. Art. 252. E' livre á cada cidadão abrir aulas para
Art. 235. No emprego extraordinario das milicias o ensino publico, comtanto que responda pelos
ficão o poder executivo e seus agentes, sujeitos ás abusos.
mesmas regras, a que são sujeitos no emprego do Art. 253. A assembléa terá particular cuidado
exercito de linha. em conservar e augmentar as casas de misericordia,
Art. 236. As milicias serão novamente hospitaes, rodas de expostos e outros
organisadas por uma lei particular, que regule a sua estabelecimentos de caridade já existentes e em
formação, e serviço. fundar novos.
Art. 237. Desde já são declarados os seus Art. 254. Terá igualmente cuidado de crear
officiaes electivos, e temporarios, á excepção dos estabelecimentos para a catechese e civilisação dos
majores e ajudantes, sem prejuizo dos officiaes indios, emancipação lenta dos negros e sua educação
actuaes, com quem se não entende a presente religiosa e industrial.
disposição: Art. 255. Erigir-se-hão casas de trabalho para os
Art. 238. Terão as milicias do imperio uma só que não achão empregos; e casas de correcção e
disciplina. trabalho, penitencia e melhoramento para os vadios e
Art. 239. As distincções de postos e a dissolutos de um e outro sexo e para os criminosos
subordinação nas milicias subsistem só relativamente condemnados.
ao serviço, e emquanto elle durar.
Art. 240. As guardas policiaes são destinadas a TITULO XIV
manter a segurança dos particulares; perseguem, e
prendem os criminosos. Disposições Geraes
Art. 241. As guardas policiaes não devem ser
empregadas em mais cousa alguma, salvo os casos Art. 256. A constituição facilita a todo o
de revolta, ou invasão. estrangeiro o livre accesso ao imperio; segura-lhe a
Art. 242. As regras dadas para o emprego hospitalidade, a liberdade civil e a acquisição dos
extraordinario do exercito de linha e milicias applicão- direitos politicos.
se ao emprego extraordinario das guardas policiaes. Art. 257. As leis do imperio só vedaráõ os actos
Art. 243. Se as salas da assembléa não que prejudicarem á sociedade, ou immediata ou
estiverem juntas, o imperador é obrigado a convocal- mediatamente.
as para o exame exigido. Art. 258. O exercicio dos direitos individuaes
Art. 244. Todo o commandante, official ou não terá outros limites que não sejão os necessarios
simples guarda policial, que excitar alguem para um para manter os outros individuos na posse e goso dos
crime, para depois o denunciar, soffrerá as penas que mesmos direitos; todo porém subordinado ao maior
a lei impõe ao crime que se provocou. bem da sociedade.
24 Sessão em 1 de Setembro de 1823

Art. 259. Só á lei compete determinar estes Acabada a leitura, decidiu-se que se
limites; nenhuma autoridade subordinada o poderá imprimisse o projecto com urgencia; e foi
fazer. encarregado o Sr. Ferreira de Araujo de rever a
Art. 260. A lei será igual para todos, quer impressão.
proteja, quer castigue. O Sr. Presidente deu para a ordem do dia: 1.º
Art. 261. Esta igualdade das leis protectoras A eleição da mesa; 2º Os dous pareceres adiados
será regulada pela mesmedade de utilidade, de das commissões de fazenda e legislação; 3.º A
fórma que variando ella, varia proporcionalmente a indicação adiada do Sr. Francisco Carneiro.
protecção. Levantou-se a sessão ás 2 horas e meia da
Art. 262. Nas penas a igualdade será tarde. – Manoel José de Souza França, secretario.
subordinada á necessidade para conseguimento do
fim desejado, em maneira que onde existir a mesma RESOLUÇÕES DA ASSEMBLÉA
necessidade dê-se a mesma lei.
Art. 263. A admissão aos lugares, dignidades PARA CAETANO PINTO DE MIRANDA
e empregos publicos, será igual para todos, MONTENEGRO
segundo a sua capacidade, talentos e virtudes tão
sómente. Illm. e Exm. Sr. – A assembléa geral
Art. 264. A livre admissão é modificada pelas constituinte e legislativa do Imperio do Brazil, sendo-
qualificações exigidas para eleger e ser eleito. lhe presente o parecer da commissão de legislação
Art. 265. A constituição reconhece os sobre o requerimento João José Martins Pamplona,
contractos entre os senhores e os escravos; e o preso na fortaleza da Barra-Grande de Santos, em
governo vigiará sobre a sua manutenção. que pediu ser admittido a justificar-se para ser solto,
Art. 266. Todas as leis existentes contrarias á declarando-se-lhe a culpa para entrar em
letra e ao espirito da presente constituição, são de livramento: manda participar ao governo que tem
nenhum vigor. resolvido que o referido réo seja remettido para esta
côrte, esteja ou não terminado o processo; devendo
TITULO XV no ultimo caso ter a mesma côrte por homenagem
até á ultima decisão judicial; e recommenda ao
Do que é Constitucional e sua Revista mesmo tempo ao governo que faça verificar a
responsabilidade das autoridades judiciarias ou de
Art. 267. E’ só constitucional o que diz quaesquer outras, pela prisão ou retenção arbitraria
respeito aos limites e attribuições respectivas dos no caso de se verificar. O que V. Ex. levará ao
poderes politicos e aos direitos politicos e conhecimento de Sua Magestade Imperial. – Deus
individuaes. guarde á V. Ex. – Paço da assembléa, em 30 de
Art. 268. Tudo o que não é constitucional Agosto de 1823. – José Ricardo da Costa Aguiar de
póde ser alterado pelas legislaturas ordinarias, Andrada.
concordando dous terços de cada uma das salas.
Art. 269. Todas as vezes que tres legislaturas PARA JOAQUIM ALVES DE OLIVEIRA
consecutivas tiverem proferido um voto pelos dous
terços de cada sala para que se altere um artigo A assembléa geral constituinte e legislativa do
constitucional, terá lugar a revista. Imperio do Brazil tomando em consideração os
Art. 270. Resolvida a revista, expedir-se-ha legitimos motivos allegados por V. S. para ser
decreto de convocação da assembléa de revista, o dispensado de comparecer neste augusto
qual o imperador promulgará. congresso, resolveu, deferindo a representação de
Art. 271. A assembléa de revista será de uma V. S., na conformidade do parecer da commissão de
sala só, igual em numero aos dous terços dos poderes dispensal-o de vir tomar parte nos seus
membros de ambas as salas e eleita como é a sala trabalhos como deputado pela provincia de Goyaz,
dos deputados. sendo supprido o seu lugar pelo deputado supplente
Art. 272. Não se occupará senão daquillo o Sr. Antonio José Teixeira de Carvalho. O que
para que foi convocada e findo o trabalho dissolver- participo á V. S. para sua intelligencia.
se-ha. Deus guarde á V. S. – Paço da assembléa,
Rio de Janeiro, 30 de Agosto de 1823. – em 30 de Agosto de 1823. – José Ricardo da Costa
Antonio Carlos Ribeiro de Andrada Machado e Aguiar de Andrada.
Silva. – José Bonifacio de Andrada e Silva. –
Antonio Luiz Pereira da Cunha. – Manoel Ferreira PARA ANTONIO JOSÉ TEIXEIRA DE CARVALHO
da Camara de Bittencourt e Sá. – Pedro de Araujo
Lima, com restricções. – José Ricardo da Costa A assembléa geral constituinte e legislativa do
Aguiar de Andrada. – Francisco Muniz Tavares. Imperio do Brazil manda participar á V. S.
Sessão em 2 de Setembro de 1823 25

que deve vir quanto antes tomar assento neste geral constituinte e legislativa do imperio do Brazil.
augusto congresso e ter parte nos seus gloriosos Deus guarde a V. Ex. Paço do Rio de Janeiro,
trabalhos como deputado á mesma assembléa pela em 31 de Agosto de 1823. – Caetano Pinto de
provincia de Goyaz. Miranda Montenegro. – Sr. José Ricardo da Costa
Deus guarde a V. S. – Paço da assembléa, em Aguiar de Andrada.
30 de Agosto de 1823. – José Ricardo da Costa Foi remettido á commissão de legislação.
Aguiar de Andrada. Illm. e Exm. Sr. – S. M. o Imperador me
Na mesma conformidade a Cypriano José ordena remetta a V. Ex. a consulta inclusa da mesa
Barata de Almeida, Francisco Agostinho Gomes e do desembargo do paço sobre as representações do
Felisberto Caldeira Brant Pontes. physico-mór interino deste imperio, e seu escrivão,
para que sendo presente á assembléa geral
PARA JOÃO VIEIRA DE CARVALHO constituinte e legislativa, possa ella fixar as regras
que se devem observar naquella repartição, e alliviar
Illm. e Exm. Sr – A assembléa geral os povos do vexame que soffrerão do preterito
constituinte e legislativa do imperio do Brazil, physico-mór, e seus delegados.
approvando o parecer das commissões de guerra e Deus guarde a V. Ex. Paço do Rio de Janeiro,
fazenda sobre o officio de V. Ex. de 23 do mez em 30 de Agosto de 1823. – Caetano Pinto de
passado relativo ao destino que deve dar-se ás Miranda Montenegro. – Sr. José Ricardo da Costa
tropas lusitanas que se achão apresadas nas Aguiar de Andrada.
provincias da Bahia e Pernambuco; manda participar Foi remettido á commissão de saude publica.
ao governo que tem resolvido que as referidas tropas Illm. e Exm. Sr. – Dando conta a junta
partão quanto antes para Portugal todas, juntas ou provisoria do governo da provincia da Bahia, em
separadas, prestando juramento de não tomarem officio de 7 do corrente, que nas cadêas daquella
armas contra a nação brazileira, a cujo fim autorisa a cidade existião sessenta e tres presos, remettidos de
mesma assembléa o governo para fazer as Portugal para irem cumprir os seus degredos em
despezas necessarias da expedição, legalisando-se Africa e Asia, uns por toda a vida, outros
estas pelo modo mais conveniente para que em temporariamente: e ponderando S.M. Imperador, que
tempo competente se exija o seu pagamento do elles são estrangeiros, que o Brazil deve ser o
governo de Portugal. O que V. Ex. levará ao imperio da virtude e não do crime, que a humanidade
conhecimento de Sua Magestade Imperial. não permitte que soffrão maior pena, do que lhes foi
Deus guarde á V. Ex. – Paço da assembléa imposta, e que para serem outra vez transportados a
em o 1º de Setembro de 1823. – José Ricardo da Portugal, ou a outra parte, são necessarias maiores,
Costa Aguiar de Andrada. ou menores despezas: manda-me participar a V. Ex.
este objecto, para que levando-o ao conhecimento
SESSÃO EM 2 DE SETEMBRO DE 1823. da assembléa geral constituinte e legislativa, possa
ella tomar a este respeito a deliberação que fôr mais
PRESIDENCIA DO SR. BISPO CAPELLÃO-MÓR. conveniente.
Deus guarde a V. Ex. Palacio do Rio de
Reunidos os Srs. deputados pelas 10 horas da Janeiro, em 30 de Agosto de 1823. – Caetano Pinto
manhã, fez-se a chamada e acharão-se presentes de Miranda Montenegro – Sr. José Ricardo da Costa
69, faltando com causa os Srs. Araujo Gondim, Aguiar de Andrada.
Lopes Gama, Ribeiro de Rezende, Andrada e Silva, Foi remettido á commissão de justiça civil e
Rodrigues de Carvalho, Carneiro de Campos, criminal.
Silveira Mendonça, Nogueira da Gama e Carneiro. Comparecerão então na sala os Srs. Carneiro
O Sr. Presidente declarou aberta a sessão, e e Lopes Gama e tomarão os seus assentos.
lida a acta da antecedente foi approvada. Passou-se á ordem do dia que era em 1º lugar
O Sr. Secretario Costa Aguiar leu os seguintes a eleição da mesa; e procedendo-se á votação
officios do ministro de estado dos negocios da obtiverão a maioria relativa o Sr. barão de Santo
justiça: Amaro com 31 votos, e o Sr. Ribeiro de Andrada com
Illm. e Exm. Sr. – Por ordem de S. M. o 17; entrárão por isso em segundo escrutinio, e sahio
Imperador remetto a V. Ex., em resposta do seu eleito o Sr. barão de Santo Amaro com 45 votos.
officio de 29 do corrente, o requerimento de José Seguio-se a eleição do vice-presidente, e
Antonio Alves Rodrigues, e a informação do ouvidor obtiverão a maioria relativa os Srs. Ribeiro de
da comarca do Rio de Janeiro, em consequencia da Andrada com 28 votos, e Pereira da Cunha com 24;
qual foi indeferido. O que V. Ex. levará ao entrárão portanto em segundo escrutinio, e sahio
conhecimento da assembléa eleito o Sr. Ribeiro de Andrada com 37 votos.
26 Sessão em 2 de Setembro de 1823

O Sr. Silva Lisboa declarou que se retirava por têm grandes emolumentos e outras quasi nenhuns, e
incommodado. que não está proporcionado o numero de gente ao
Passou-se á eleição dos secretarios, e sahirão trabalho respectivo.
effectivos os Srs. Maciel da Costa com 35 votos: Eu fui então deste voto, e ainda hoje sigo o
Carvalho e Mello com 34: D. Nuno Eugenio com 29: mesmo a respeito desta pretenção, cuja decisão se
Fernandes Pinheiro com 16: e supplentes os Srs. deve reservar como diz o parecer para quando
Maia com 14, e Costa Aguiar com 13. tivermos o plano da organisação geral das
Entrou em discussão o parecer da commissão secretarias. Agora, se a assembléa julga que deve
de fazenda sobre os officiaes da secretaria de estado tratar já disto, conformo-me: mas procurem-se os
dos negocios do imperio e da justiça, adiado na dados necessarios para nos dirigirmos, e exijão-se
sessão 28 de Agosto. informações. E’ por isso que offereço ao parecer a
O SR. MONTESUMA: – A commissão seguinte:
reconhece neste parecer a falta de meios destes
officiaes de secretaria, e que por isso é attendivel a EMENDA
sua supplica: mas ao mesmo tempo reserva para o
futuro a decisão do negocio. Eu convenho na 1ª Proponho que se exija das secretarias de
parte, e por isso não posso approvar a 2ª. E’ estado o numero dos seus empregados, o ordenado
necessario que todos os empregados publicos de cada um, e os emolumentos de cada uma. –
tenhão com que subsistir e tratar-se segundo os Ribeiro de Andrada.
lugares que occupão, e se está demonstrado que Foi apoiada.
estes não têm lucros sufficientes cumpre dar alguma O SR. ANDRADA MACHADO: – Realmente é
providencia. assombrosa a desigualdade de vencimentos entre as
Os requerentes fallão na sua petição de differentes secretarias de estado; os dos officiaes da
accrescimo de ordenado; mas eu creio que, sem secretaria da marinha andão por seis mil cruzados, e
augmentar despezas á fazenda publica, se póde os do imperio e justiça não chegão a ter um conto de
lançar mão de um expediente que produzirá bom réis; isto na verdade não se entende; e por isso a
effeito. Eu sei que ao mesmo tempo que estes instituição da caixa geral dos emolumentos me
officiaes estão reduzidos a mui diminutos parece muito conveniente, como lembrou o Sr.
emolumentos em outras secretarias são elles muito Montesuma, sendo em tal caso necessario que
avultados; faça-se pois uma caixa geral dos sirvão os officiaes cumulativamente em todas as
emolumentos de todas e sejão estes repartidos repartições, indo os que tiverem menos que fazer em
igualmente; visto que todos igualmente trabalhão: umas ajudar em outras aos que estiverem mais
nada ha para mim mais extraordinario do que terem carregados de trabalho, nivelando-se deste modo os
uns muito de sobejo e outros nem o necessario. trabalhos como os lucros.
Creio, Sr. presidente, que com esta medida se E’ este o meio de satisfazer as queixas destes
remedêa desde já o mal, sem que obste que se trate empregados, cuja sorte piora cada dia, porque o
depois da reforma geral destas secretarias, como governo vai creando sem necessidade novos
julgo indispensavel. Eu fiz a este fim uma emenda officiaes de secretaria, como fez ha pouco. Bom
que mando á mesa. seria que o governo tivesse mais prudencia, e não
creasse empregados sem precisão; porque
EMENDA augmenta as despezas da nação com essa gente
nova; e conveniente será fazer-lhe entender que não
Proponho que ao parecer da commissão se deve nomear mais nenhum official até que saibamos
augmente o seguinte – ficão de ora em diante os que são precisos e se regulem os seus
reunidos a um só caixa os emolumentos das vencimentos.
differentes secretarias para que pro rata sejão O SR. FRANÇA: – Eu voto contra a emenda
divididos pelos officiaes das differentes repartições. – do Sr. Montesuma e a favor do parecer da
O deputado Montesuma. commissão. Os emolumentos das secretarias de
Foi apoiada. estado forão estabelecidos por uma lei, e os officiaes
O SR. RIBEIRO DE ANDRADA: – Sr. têm direito a elles, que se não póde destruir senão
presidente, quando aqui se tratou de nomear por outra lei que novamente se regule; ora, a
officiaes para a secretaria da assembléa, assentou- emenda vai tirar lucros a quem legitimamente os
se, depois de discutida a materia, que só tinha lugar percebe, e é o que não posso admittir. Vá antes o
proprio quando tambem se tratasse da organisação negocio a uma commissão para fazer um projecto de
geral de todas as secretarias, para que todos os lei; o que se póde bem propôr por uma nova
officiaes ficassem com iguaes vencimentos, e as emenda.
repartições com o numero preciso de empregados O SR. ANDRADE MACHADO: – Não me
para o desempenho regular dos trabalhos; porque é opponho; antes vou mandar uma emenda para que a
sabido que umas secretarias commissão apresente esse projecto: o que a
Sessão em 2 de Setembro de 1823 27

lei dá, só a lei tira. Póde V. Ex. mandar buscar a assembléa; e por ser inferior o ordenado que
minha emenda que é concebida nos seguintes vencerão nas secretarias d’estado, a que pertencem,
termos: áquelle de 300$ que se estabeleceu por esta
assembléa aos ajudantes de porteiro della.
EMENDA Os actuaes secretarios, a quem se remetteu o
requerimento dos supplicantes, são de parecer: que
Proponho que se determine á commissão de tendo elles feito em mais de quatro mezes, que têm
legislação haja de tomar em consideração as decorrido depois da installação da assembléa, todo o
queixas dos officiaes de secretaria, apresentando um trabalho, que ora se acha repartido por cinco
projecto de lei que iguale o trabalho e emolumentos empregados, cada um dos quaes vence maior
de todos elles. – Andrada Machado. ordenado do que elles estiverão vencendo pelas
Foi apoiada. suas repartições, durante o tempo de serviço da
O SR. MONTESUMA: – A minha emenda está assembléa, que allegão, merecem a contemplação
prejudicada principalmente pela do Sr. Andrada desta, e que deveráõ ser despedidos cada um com
Machado, e peço por isso licença para a retirar. 100$ de gratificação que vem a ser o que
Foi-lhe permittido. corresponde ao ordenado de quatro mezes,
O SR. ARAUJO LIMA: – Eu apoio a emenda computados á razão de 300$ annuaes decretados
do Sr. Ribeiro de Andrada porque entendo que sem aos actuaes ajudantes do porteiro da assembléa.
informações não podemos deliberar; mas parece-me Paço da assembléa, em 1º de Setembro de
que precisa mais extensão. Nós não sabemos se as 1823. – José Ricardo da Costa Aguiar d’ Andrada. –
secretarias têm os officiaes precisos ou se têm de Manoel José de Souza França. – José Feliciano
mais; qual é o regimento dos emolumentos, e qual o Fernandes Pinheiro – Luiz José de Carvalho e Mello.
producto do Diario chamado do governo, cuja Foi approvado.
propriedade pertence á secretaria de guerra. Venhão O Sr. Miguel Calmon, por parte da commissão
esclarecimentos sobre todos estes pontos, e então da redacção das leis, leu o seguinte projecto de lei já
se tomará o negocio na devida consideração. Eu redigido segundo o que se vencera, afim de ser
offereço com este fim uma emenda em que sanccionado.
addiciono o que me parece faltar na do Sr. Ribeiro de
Andrada. DECRETO

EMENDA A assembléa geral constituinte e legislativa do


Brasil decreta:
Proponho que se exijão do governo 1º Ficão abolidas as juntas provisorias de
informações sobre o numero dos officiaes das governo, estabelecidas nas provincias do imperio do
secretarias que existem, os que são precisos, seus Brasil por decreto de 29 de Setembro de 1821.
ordenados, emolumentos com o regimento destes, e 2º Será o governo das provincias confiado
sobre o producto do Diario do Governo – Araujo provisoriamente a um presidente e conselho.
Lima. 3º O presidente será o executor e
Foi apoiada. administrador da provincia, e como tal estrictamente
Julgando-se discutida a materia, foi approvado responsavel: será da nomeação do imperador e
o parecer com a emenda do Sr. Andrada Machado e amovivel quando o julgar conveniente.
com a do Sr. Araujo Lima, na qual se julgou 4º Para o expediente terá um secretario, que
comprehendida a do Sr. Ribeiro d’ Andrada. será tambem o do conselho, mas sem voto,
O Sr. Secretario França pediu a palavra e leu, nomeado igualmente pelo imperador, e amovivel
por parte da mesa, o seguinte: quando o julgar conveniente.
5.º Tanto o presidente como o secretario terão
PARECER ordenado, pago pela fazenda publica da respectiva
provincia e designado por esta vez pela commissão
Os tres ajudantes de porteiro Antonio de de fazenda.
Almeida, Joaquim de Araujo Durão e Torquato José 6º O presidente despachará por si só, e
Pinto, que servirão interinamente nesta assembléa decidirá todos os negocios, em que segundo este
desde a sua installação, e que ora devem ser regimento, se não exigir especificadamente a
despedidos para as secretarias d’estado, onde têm cooperação do conselho.
os seus respectivos empregos, requerem a este 7º Haverá tambem um vice-presidente, o qual
augusto congresso uma gratificação pecuniaria do será o conselheiro que obtiver maior numero
seu trabalho; havendo serem dignos desta
contemplação, por terem feito alguma despeza
extraordinaria com o fausto dia da installação da
mesma
28 Sessão em 2 de Setembro de 1823

de votos entre os eleitos para o conselho. Esta gratificação será paga e designada nos termos
8º O conselho de cada uma provincia constará do artigo 5º.
de seis membros, eleitos pela mesma fórma porque 19. O presidente terá o tratamento de
se elegem os deputados á assembléa. excellencia e a continencia que tiver o commandante
9º Não póde ser eleito conselheiro o cidadão militar. O mesmo tratamento e continencia terá o
que não fôr maior de 30 annos e não tiver seis annos conselho reunido.
de residencia na provincia. 20. Nas materias da competencia necessaria
10. Os conselheiros serão substituidos por do conselho, terá elle voto deliberativo e o presidente
supplentes; e taes são todos aquelles que obtiverão o de qualidade. Nas convocações porém em que não
votos na eleição do conselho, conforme a lista geral seja necessaria a sua cooperação, terão os
que dos votados se fizer na ultima apuração. conselheiros convocados tão sómente o voto
11. O conselho não é permanente. Reunir-se- consultivo.
ha em sessão ordinaria uma vez cada anno, no 21. São responsaveis pelas deliberações do
tempo que aprouver ao mesmo conselho á vista das conselho aquelles a quem por seus votos fôr
circumstancias locaes. Todavia a primeira reunião attribuido o prejuizo de alguma resolução.
será immediata á eleição dos conselheiros. 22. Tratar-se-hão pelo presidente em conselho
12. A sessão ordinaria não durará mais de todos os objectos, que demandem exame e juizo
dous mezes, salvo se por affluencia de negocios administrativo, taes como os seguintes:
importantes decidir o conselho á maioria de votos, I. Fomentar a agricultura, commercio,
que a sessão se deve prorogar. Mas neste caso a industria, artes, salubridade e commodidade geral.
prorogação não excederá de um mez. II. Promover a educação da mocidade.
13. Além da reunião ordenada por esta lei III. Vigiar sobre os estabelecimentos de
poderá o presidente convocar extraordinariamente caridade, prisões e casas de correcção e trabalho.
parte do conselho para consultar o que lhe parecer, IV. Propôr que se estabeleção camaras onde
preferindo nesta convocação aquelles d'entre os as deve haver.
conselheiros a quem menos incommode o V. Propôr obras novas e concertos das
comparecimento. antigas, e arbitrios para isto; cuidando
14. Igualmente nas materias da competencia particularmente na abertura de melhores estradas, e
do conselho, sobrevindo cousa urgente que peça conservação das existentes.
decisão, a qual o presidente não queira, ou não VI. Dar parte ao governo dos abusos que notar
possa tomar sobre si, poderá o mesmo presidente na arrecadação das rendas.
convocar extraordinariamente todo o conselho. VII. Formar o censo e estatistica da provincia.
15. Em falta do presidente, e achando-se VIII. Dar parte á assembléa das infracções das
distancia o vice-presidente, occupa o lugar daquelle leis e successos extraordinarios que tiverem lugar
o conselheiro de mais votos que presente fôr, o qual nas provincias.
cederá immediatamente á chegada do vice- IX. Promover as missões e catechese dos
presidente, ou de outro conselheiro, que o exceda indios, a colonisação dos estrangeiros, a laboração
em numero de votos. das minas e o estabelecimento de fabricas mineraes
16. Em falta do presidente, vice-presidente e nas provincias metalipheras.
conselheiros, a presidencia será occupada pelos X. Cuidar em promover o bom tratamento dos
supplentes, entre os quaes preferirá sempre o de escravos e propôr arbitrios para facilitar a sua lenta
maior ao de menor numero de votos cederá o de emancipação.
menos votos áquelle que os tiver mais. XI. Examinar annualmente as contas de
17. Em falta do presidente, vice-presidente, receita e despesa dos conselhos, depois de
conselheiros e supplentes, o presidente da camara fiscalisadas pelo corregedor da respectiva comarca,
da capital servirá de presidente da provincia para e as do presidente.
expedir aquelles negocios, que são da mera XII. Decidir temporariamente os conflictos de
competencia do presidente. jurisdicção entre as autoridades. Mas se o conflicto
18. O conselho não terá ordenado algum fixo: apparecer entre o presidente e outra qualquer
nas reuniões porém terão os conselheiros uma autoridade será decidido pela relação do districto.
gratificação diaria pelo tempo que gastarem juntos, e XIII. Suspender magistrados na conformidade
desde o dia que sahirem de suas casas e a ellas do artigo 32 e suspender o commandante militar do
voltarem, contando-se os dias de ida e volta pelo commando da força armada quando inste a causa
numero de leguas, segundo o regimento das justiças. publica.
XIV. Attender ás queixas que houverem contra
os funccionarios publicos, mórmente quanto á
liberdade de imprensa, e segurança pessoal, e
remettel-as ao imperador, informadas
Sessão em 2 de Setembro de 1823 29

com audiencia das partes, presidindo o vice- 31. A administração da justiça é independente
presidente, no caso de serem as queixas contra o do presidente e conselho.
presidente. 32. Póde porém o presidente em conselho, e
XV. Determinar por fim as despezas de accordo com o chanceller, onde houver relação,
extraordinarias: não sendo porém estas suspender o magistrado, depois de ouvido; isso tão
determinações postas em execução, sem previa sómente no caso em que de continuar a servir o
approvação do imperador. Quando ás outras magistrado se possão seguir motins e revoltas na
determinações do conselho serão obrigatorias provincia, e se não possa esperar resolução do
emquanto não forem revogadas, e se não imperador. Feita a suspensão dará immediatamente
oppuzerem ás leis existentes. parte pela secretaria da justiça, e remetterá os autos
23. O conselho terá á sua disposição para as comprobatorios da urgencia e necessidade da
despezas ordinarias que demandar o desempenho suspensão ao tribunal competente, para proceder-se
das suas funcções, a oitava parte das rendas da como fôr de direito.
respectiva provincia. 33. A administração e arrecadação da fazenda
24. Não estando o conselho reunido, o publica das provincias, continuará a fazer-se pelas
presidente proverá, como fôr justo, em todas as respectivas juntas, ás quaes presidirá segundo a lei
materias comprehendidas no artigo 22, á excepção e regimentos existentes o mesmo presidente da
das que trata o n. 23, submettendo depois o que provincia, e na sua falta aquelle que o substituir.
houver feito á deliberação do conselho, que 34. O presidente da provincia presidirá
immediatamente convocará. tambem ás juntas de justiça onde as houver.
25. Todas as resoluções tomadas em materias 35. Ficão revogadas todas e quaesquer leis e
da competencia necessaria do conselho, serão alvarás, cartas regias, decretos e ordens, que em
publicadas da maneira seguinte, a saber Se o alguma parte se opponhão ao que vai determinado.
conselho tiver deliberado, a formula da publicação Paço da assembléa, 2 de Setembro de 1823 –
será esta – o conselho resolveu... Se porém o Miguel Calmon du Pin e Almeida. – Luiz José de
presidente tiver deliberado por si só na conformidade Carvalho e Mello. – João Severianno Maciel da
do artigo precedente, a formula será – o presidente Costa. – Francisco Carneiro de Campos.
temporariamente ordena... Nas outras materias em Depois de varias observações, resolveu-se á
que é livre ao presidente consultar, ou não ao requisição de alguns Srs. deputados que ficasse
conselho, as resoluções tomadas pelo mesmo adiada a sancção para a sessão seguinte, estando
presidente, serão publicadas no primeiro caso por entretanto o projecto sobre a mesa para o examinar
essa formula – o presidente ouvido o conselho quem quizesse.
resolveu...; e no segundo por esta outra – o O Sr. Teixeira Vasconcellos leu em nome da
presidente ordena... commissão de saude publica o seguinte:
26. O governo da força armada da 1ª e 2ª
linha da provincia compete ao commandante militar, PROJECTO
e é independente do presidente e conselho.
27. Não póde porém o commandante militar A assembléa geral constituinte legislativa
empregar a força armada contra os inimigos internos decreta:
sem requisição das autoridades civis e previa 1º Proceda-se com a maior vigilancia e
resolução do presidente em conselho quando este se actividade da parte do governo na observancia dos
possa convocar, ou do presidente só, quando não estatutos das academias medico-cirurgicas, e no
seja possivel a convocação. complemento das funcções dos professores com
28. Igualmente não póde o commandante responsabilidade dos directores por qualquer
militar fazer marchar a 2ª linha fóra da provincia sem omissão.
ordem especial do poder executivo nem fóra do 2º O governo proverá todas as cadeiras de
districto do seu respectivo regimento, sem accordo mestre com merecimento e dignidade, assim nesta
do presidente da provincia. côrte, como na cidade da Bahia, e no Maranhão,
29. As ordenanças são sujeitas ao presidente logo que esta provincia acceda á união do imperio.
da provincia, a quem compete tambem fazer o 3º O professor do 5ª anno será o director, e o
recrutamento á requisição motivada do do 4ª anno o vice-director.
commandante militar. 4º Os exames de traduzirem na lingua
30. A marinha nacional, estacionada nos portugueza a franceza serão prévios á primeira
portos das provincias maritimas, fica subordinada ao matricula.
presidente para lhe dar a direcção que exigir o bem e 5º Os alumnos que se quizerem doutorar em
segurança do estado, excepto quando por ordens medicina e ser oppositores ás cadeiras
positivas do ministerio lhe fôr o contrario
determinado.
30 Sessão em 2 de Setembro de 1823

academicas, se prepararáõ para a primeira matricula e a pratica seguida com o que se manda imprimir é
com exame de entenderem a lingua ingleza e a tirarem-se tantos exemplares quantos bastão para a
latina, de philosophia racional, de principios de distribuição nesta assembléa, quizera que se
mathematicas até a theoria das equações de 2º gráo, designasse um numero de exemplares que fosse
phisica experimental e geometria, de botanica e de sufficiente para fazer chegar o conhecimento delle a
chimica. todos os pontos do imperio. E’ bom que se espalhe;
6º Havendo nesta côrte cadeiras dos enquanto nós o discutimos não hão de faltar
mencionados estudos preparatorios na academia observações; muitos disparates appareceráõ, mas
militar, no seminario e na cidade, nestas aulas, ou póde tambem apparecer alguma cousa que nos
onde quizerem se instruiráõ, fazendo os exames sirva.
requeridos perante dous examinadores nomeados Consultada a assembléa resolveu-se que a
pelo director no requerimento de matricula. mesa decidisse sobre o numero de exemplares. A
7º Na cidade da Bahia e no Maranhão se mesa assentou que se imprimissem dous mil.
instituiráõ as cadeiras publicas que faltarem dos O SR. RIBEIRO DE ANDRADA: – Sr.
sobreditos principios preparatorios. presidente, eu sei que estamos na época
8º Sobre as dissertações, exercicios desgraçada das paixões, e que nesta se transforma
semanarios, actos, approvações e emissão das em crime a virtude, e a virtude em crime, mas não
cartas se adoptaráõ os estatutos da universidade de pensei que chegasse a tanto a ousadia, que se
Coimbra, no que fôr manca a legislação academica. estabelecesse como facto provado o que não é mais
9º As cartas serão passadas na lingua que uma calumnia atroz.
portugueza. Fallo, Sr. presidente, da carta inserta no n. 24
10. Os lentes, conferindo entre si, proporáõ ao do Correio do Rio de Janeiro. Sou alli arguido de
governo do imperio as mudanças que julgarem factos que só merecem o meu desprezo, mas
adequadas. tambem sou accusado de outros sobre que não
11. No conselho dos lentes, presidido pelo posso nem devo calar-me, porque atacão o meu
director, se fará a escolha dos compendios. caracter como homem publico. Diz-se que eu era
12. Aos alumnos que seguirem unicamente o socio em uma fabrica de pannos de S. Paulo; eu
curso dos cinco annos de estudos se passaráõ appello para os meus illustres collegas da minha
cartas de formados medico-cirurgiões. provincia para que digão se ha em tal asserção a
13. Aos que munidos dos preparatorios menor apparencia de verdade. Diz-se que fui coronel
prescriptos no § 5º deste decreto, além dos cinco da Coritiba e inspector de estradas; eu fui coronel,
annos frequentarem mais os do § 15 dos estatutos mas sem farda, nem tenho serviços alguns militares.
academicos, se passaráõ cartas de doutores em Chamão-me alli redactor do Tamoyo, e eu declaro
medicina, pelas quaes ficaráõ habilitados a entrar que não concorro de maneira alguma para a
nas cadeiras academicas. publicação de tal papel. Fazem-me caboclo; com
14. Aos que antes deste decreto têm feito o isso tanto me não importa que digo que oxalá não
curso completo de estudos, e se achão approvados, girasse nestas veias sangue que não fosse dessa
mas sem cartas, estas se lhes passem na fórma do § raça opprimida.(Apoiados.)... Chega-se depois a
12 do presente decreto. mais; diz-se que eu referendei um decreto com que
15. Destes e dos que já se achão iniciados no tirei do thesouro de S. Paulo oito contos de réis para
curso do quinquennio actual, os que quizerem os dar a meu irmão a titulo de divida e de ajuda de
doutourar-se em medicina, e ser oppositores ás custo para ir ás côrtes de Portugal, que aceitei uma
cadeiras requereráõ ao director a matricula dos denuncia dada por Menezes contra Lapierre, e que o
annos 4º e 5º, apresentando-se examinados e mandei trancar na cadêa sem culpa formada, etc.
approvados no que se exige no § 5º deste decreto. Eu não posso ser indifferente a taes ataques.
16. As cartas se passaráõ gratuitamente a Como ministro de estado sou responsavel á nação
todos os alumnos da academia. pelo meu procedimento na repartição que regi; e
17. Os directores remetteráõ todos os annos á como deputado, vejo maculada a minha honra, e
secretaria de estado dos negocios do imperio a seria indigno de occupar este lugar se tivesse
relação do estado da respectiva academia para se commettido taes delictos, ou se estando innocente
conhecer qual é mais florescente. não procurasse defender-me e justificar-me aos
Paço da assembléa, 2 de Setembro de 1823. – olhos da nação.
José Teixeira da Fonseca Vasconcellos. – Antonio Eis-aqui, senhores, os fructos da liberdade de
Gonçalves Gomide. – Candido José de Araujo imprensa mal entendida; porém eu não devo dar
Vianna. agora remedio a este mal, o que pretendo
Ficou para a segunda leitura.
O SR. ANDRADA MACHADO: – Sr.
presidente, como se vai imprimir o projecto de
constituição,
Sessão em 2 de Setembro de 1823 31

é usar da acção competente, chamar a juizo o autor devemos congratular por vermos no nosso paiz
dessa carta, para que, provada a falsidade, seja estabelecida a liberdade da imprensa.
punido na fórma da lei. Vê-se um representante da nação ultrajado em
Elle que falla com tanta audacia deve ter um periodico, e, comtudo, sem buscar outros
documentos com que prove o que affirma; pois recursos que bem lhe podião lembrar, vem elle pedir
apresente-os. Se eu mandei pela repartição da licença a este augusto congresso para chamar a
fazenda passar esse decreto e essas portarias, hão juizo o escriptor que o ultraja, e defender a sua honra
de existir no archivo do thesouro, e eu quero que pelos meios que a lei tem estabelecido. Isto já
produza esses titulos em juizo. Preciso para isso de satisfaz o coração de quem deseja o bem da sua
licença e é o que peço pelo seguinte requerimento: nação. (Não se entendeu o resto.)
Requeiro que a assembléa geral constituinte e O SR. MONTESUMA: – Sou de opinião, Sr.
legislativa me conceda a necessaria licença para presidente, que não deve ser deferido o
chamar a juizo o autor da carta inserta no Correio do requerimento do Sr. Ribeiro de Andrada.
Rio n. 24. – Ribeiro de Andrada. Estou convencido que esta assembléa, o Rio
O SR. ANDRADA MACHADO: – Como de Janeiro e, emfim, o Brazil todo, sabem quem é o
tambem me entrão por casa, quero igualmente Sr. Martim Francisco; ninguem duvida da sua honra;
defender-me. todos sabem quanto são calumniosas as asserções
O SR. RIBEIRO DE ANDRADA: – Peço daquelle periodico; logo, para que se ha de entrar em
tambem á assembléa que se conceda a mesma contenda onde é bem provavel que appareção
licença ao Sr. Deputado Andrada e Silva porque é proposições muito desagradaveis? A provincia de S.
arguido em muitos dos factos. Paulo que o conhece deste o berço póde duvidar um
Eu espero que a assembléa repare que não momento que taes factos de accusação são
estamos nas circumstancias do caso decidido do Sr. extraordinariamente mentirosos?
Furtado de Mendonça. Eu sou arguido como ministro Diz porém o nobre deputado: – Sou accusado
de estado, e nesta qualidade sou responsavel; como ministro de estado e devo justificar-me, porque
preciso pois defender-me, aliás sou indigno da nesta qualidade sou responsavel. – Respondo, que
confiança nacional e de entrar neste augusto na minha opinião, os ministros de estado, emquanto
congresso. deputados desta assembléa, não são sujeitos a essa
Posso eu ser mais deputado commettendo tão responsabilidade. Ministro de estado responsavel e
abominaveis delictos? Certamente não. Logo, é deputado inviolavel, é contradicção manifesta.
necessario que appareça a minha conducta, e é para Se o ministro de estado fôr accusado e
isso que peço á assembléa licença para chamar a convencido de crimes pelos quaes vá ser enforcado,
juizo o calumniador. tambem leva o diabo o Sr. deputado, permitta-se-me
O SR. ANDRADA MACHADO: – Eu recebi a expressão. Portanto, adoptando o systema de
480$000 como receberão os meus collegas, o Sr. poder o deputado exercer o cargo de ministro de
Vergueiro, o Sr. José Feliciano e outros, que se estado, devemos adoptar tambem que a sua
mandarão dar adiantados dos nossos mesmos responsabilidade sómente seja effectiva depois de
ordenados, mas essa historia dos oito contos de réis deixar de ser representante da nação. Isto é tão
para mim é caso novo. essencial quanto o é que se mantenha no seu posto
O Sr. Maciel da Costa fez a leitura do aquelle que a nação escolheu para legislar em seu
requerimento. nome e defender os direitos dos povos.
O SR. VERGUEIRO: – Eu julgo que não é A que nomeação devemos nós attender de
necessaria a licença, porque entendo que este caso preferencia, á do chefe do poder executivo ou á da
está comprehendido no regimento. nação? Creio que ninguem duvida que prefere esta
O art. 179 diz que emquanto durarem as segunda. Logo, a responsabilidade não tem lugar
sessões não póde o deputado demandar nem ser emquanto durão as funcções de deputado, porque
demandado civilmente, nem ser executado por não póde por effeitos della ser punido, nem sahir do
dividas; e portanto estou persuadido que até deve lugar que a nação lhe deu, sem se atacar a
declarar-se que neste caso sempre poderá qualquer dignidade della.
Sr. deputado cuidar judicialmente da sua defeza. Não se póde tambem dizer que dando-se lugar
O SR. ALENCAR: – Eu levanto-me para dizer a haver sentença e sahindo esta contra o ministro de
duas cousas; 1ª, que se deve conceder ao Sr. estado, a nação o julgará indigno do lugar de
deputado a licença que requer, para justificar por deputado, porque talvez seja um mau funccionario
meios legaes a sua conducta; isto importa em geral a publico e um bom deputado; os homens não são
todos, mas muito principalmente a um representante habeis para tudo, e a nação que conhece isto dirá:
da nação; 2ª, que nos este homem é um bom procurador meu, eu escolhi
bem, quem se
32 Sessão em 3 de Setembro de 1823

enganou na escolha foi o chefe do poder executivo, adiada da sancção do projecto de lei sobre governos
mas por isso não merece menos a minha confiança. provinciaes: 3º, a discussão adiada sobre a
Emfim, Sr. presidente, não vejo motivo solido indicação do Sr. Carneiro.
para se conceder tal licença; o nobre deputado tem Levantou-se a sessão ás 2 horas da tarde. –
bem segura a sua reputação, como já disse, e se a Manoel José de Souza França, secretario.
não tivesse, ainda que obtivesse sentença a seu
favor não mudaria a do publico; portanto, voto que se RESOLUÇÕES DA ASSEMBLÉA
não conceda tal licença, porque até nada resulta
della em favor do illustre deputado que a requer. PARA JOSÉ JOAQUIM CARNEIRO DE CAMPOS
O SR. ANDRADA MACHADO: – Sou de
opinião contraria. Nós os deputados não somos Illm. e Exm. Sr. – A assembléa geral,
inviolaveis senão nas nossas opiniões; fóra disto um constituinte e legislativa do imperio do Brazil, tendo
deputado é como qualquer outro cidadão; o unico procedido hoje á nomeação de presidente, vice-
privilegio que tem é o de não poder ser demandado presidente e secretarios para o mez que decorre do
civilmente, nem executado por dividas durante o dia de amanhã até 3 de Outubro: manda communicar
tempo das sessões. Logo, porque não ha de usar ao governo que tem eleito para presidente o barão
dos meios da lei para salvar a sua reputação, e para de Santo Amaro, para vice-presidente Martim
fazer punir tão desbocado calumniador? Francisco Ribeiro d’Andrada, para secretarios
Talvez com o exemplo do seu castigo não effectivos João Severiano Maciel da Costa, Luiz José
appareção tantas indignas falsidades por meio da de Carvalho e Mello, D. Nuno Eugenio de Locio,
imprensa. José Feliciano Fernandes Pinheiro, e para
E’ tambem novo para mim o dizer-se que o supplentes José Antonio da Silva Maia e José
ministro de estado, quando é deputado, só está Ricardo da Costa Aguiar. O que V. Ex. levará ao
sujeito á responsabilidade depois que deixa de ser conhecimento de Sua Magestade Imperial. – Deus
representante da nação. Não vejo a contradicção guarde a V. Ex. Paço d’assembléa, em 2 de
que aponta o illustre preopinante. Se um tal ministro Setembro de 1823. – José Ricardo da Costa Aguiar
d’estado fizer por onde vá ser enforcado o Sr. d'Andrada.
deputado, como qualquer outro cidadão; tambem o
regimento declara que podemos ser presos por SESSÃO EM 3 DE SETEMBRO DE 1823.
ordem da assembléa, e sem ella em flagrante por
crimes capitaes. PRESIDENCIA DO SR. BARÃO DE SANTO
Portanto regula para nós neste caso a regra AMARO.
geral; e tanto que nem precisão havia, a meu ver, de
tal licença, o pedil-a foi um excesso de delicadeza da Reunidos os Srs. Deputados pelas 10 horas
parte do nobre deputado. Tenho visto todas as da manhã, fez-se a chamada e acharão-se presentes
tacticas das assembléas, e ainda em nenhuma 69, faltando com causa os Srs. Andrada e Silva,
encontrei esse privilegio de isenção de Ribeiro de Rezende, Almeida e Albuquerque, Silveira
responsabilidade para o ministro por ser deputado, e Mendonça, Silva Lisboa; e sem ella os Srs. Araujo
eu até julgo indispensavel que um deputado se Gondim, Pereira da Cunha, Pinheiro d'Oliveira e
defenda quando em publico vir atacada sua honra Marianno Cavalcanti.
com imputações de delictos que o tornarião indigno O Sr. Presidente declarou aberta a sessão e
deste lugar se o accusador provasse a sua lida a acta da antecedente foi approvada.
existencia. Igualmente não sigo o parecer do nobre O SR. ARAUJO LIMA: – Quero fazer um
preopinante quando diz que uma sentença não salva requerimento que tem lugar agora. O regimento diz
a reputação do cidadão; é verdade que em geral não que devemos ter 4 horas de sessão e comtudo ella
têm a melhor opinião os agentes do poder judiciario, começa agora que são 10 horas e meia, e ha de
mas nem por isso a sentença dada sobre provas terminar ás 2; isto não é cumprir o regimento; e
claras deixa de mostrar a innocencia aos olhos da portanto requeiro que ás 10 horas se toque a
nação. campainha, pois é quando devemos começar.
Creio pois que por honra do deputado, por (Apoiado.)
honra nossa, ainda que o regimento o prohibisse, O Sr. Secretario Maciel da Costa deu conta de
deveria esta assembléa conceder a licença. ter recebido participações de molestia dos Srs.
Declarou-se adiada a discussão do Almeida e Albuquerque, Silveira Mendonça e Silva
requerimento por ter dado a hora. Lisboa.
O Sr. Presidente assignou para a ordem do O SR. ANDRADA MACHADO: – Por bem da
dia: 1º, a discussão adiada da sancção do projecto ordem desejo saber uma cousa, e é a razão de virem
de lei sobre sociedades secretas: 2º, a discussão alguns dos senhores que faltão sem causa
Sessão em 3 de Setembro de 1823 33

participada entre os que a participão. Na acta que se commissão da redacção das leis dispensou-se na
acaba de ler todos faltarão com causa, e comtudo decisão para se nomearem membros da de
alguns não a participarão. constituição; portanto entendendo-se que se deve
O SR. FRANÇA: – Pela parte que me toca revogar de todo a assembléa que o decida.
digo que emquanto fui secretario os que me não O SR. ANDRADA MACHADO: – Eu peço que
davão causa ião sem ella na acta; nunca confundi se revogue; bem que eu seria interessado em
uns com os outros. Respondo por mim; os outros trabalhar menos; porém faltão muitas tarefas e póde-
Srs. secretarios não sei o que fazem, mas estou se acudir a mais de uma parte. Basta de vadiação.
persuadido que praticão o mesmo. Proposta a duvida, resolveu a assembléa que
O SR. ANDRADA MACHADO: – A os membros da commissão de constituição podião
participação é feita pelo Sr. deputado á assembléa, ser empregados em outras.
ou dada de viva voz por algum collega ao Sr. Passou-se á ordem do dia, cujo objecto era
Presidente: isto não depende só do arbitrio do Sr. em primeiro lugar a sancção do projecto sobre
Secretario. Requeiro pois a observancia do sociedades secretas.
regimento que até marca pena pecunaria quando se O Sr. Carneiro da Cunha, pedio a palavra para
falta mais de trez sessões sem causa; quero que se offerecer uma indicação concebida nos seguintes
declare segundo elle ordena os que faltão com causa termos:
e os que faltão sem ella.
O SR. CARNEIRO CAMPOS: – Se isto se INDICAÇÃO
refere a mim respondo que quando fui nomeado
ministro de estado resolveu a assembléa que ficasse Proponho que não se sanccione nem se
deputado e servisse no ministerio, bem que se promulgue projecto algum feito pela assembléa
conhecesse que havia fazer algumas faltas, as que constituinte e legislativa do Brazil que imponha pena
tenho feito sempre têm por causa o desempenho das de morte por ser este objecto só proprio do codigo
minhas obrigações no ministerio, ora, julgo que são criminal, que deve estabelecer os casos em que a
feitas com boa causa porque tambem lá estou dita pena deve ser applicada.
servindo á nação. (Apoiado.) Paço da assembléa, 3 de Setembro de 1823. –
O SR. RIBEIRO DE ANDRADA: – Peço a Carneiro da Cunha.
palavra para requerer a nomeação de um membro O SR. ANDRADA MACHADO: – Para
para a commissão de fazenda e outro para a de proceder em ordem desejo saber se esta lei está
estatistica. A de fazenda além de outros trabalhos sanccionada; pois se está sanccionada não sei que
tem o de apresentar o seu parecer sobre os possa fallar-se contra ella.
ordenados dos presidentes e secretarios dos O SR. CARNEIRO DA CUNHA: – Ainda não
governos das provincias, e não póde dispensar-se o está sanccionada.
membro que falta pela sahida de V. Ex. para O SR. ANDRADA MACHADO: – Eu entendo
presidente. que o está; a dos governos provinciaes é que não
O SR. ANDRADA MACHADO: – Creio que tem ainda a sancção; mas emfim a acta o dirá. O que
esta nomeação compete a V. Ex.; é simplesmente noto nesta lei é um defeito de redacção no art. 6º. Alli
nomear uma pessoa que suppra o seu lugar se diz que serão considerados conventiculos
emquanto está occupando a cadeira de presidente, sediciosos as sociedades que tiverem principios e
pois logo que a largar torna a entrar na commissão. fins subversivos, e accrescenta-se tenhão ou não
Consultada a assembléa decidiu-se que assim feito as participações ao governo ou as tenhão feito
se fizesse, e o Sr. presidente nomeou para a de falsas. Para se fallar portuguez é preciso dizer, ou
estatistica o Sr. Teixeira Vasconcellos e para a de ellas não tenhão feito as participações ao governo ou
fazenda o Sr. Araujo Lima. as tenhão falsas. Nesta proposição ha dous
O SR. ARAUJO LIMA: – Eu creio que a membros sómente, e como está redigido o artigo
assembléa decidiu que os membros da commissão apparecem tres. Creio que é indispensavel esta
de constituição não fossem nomeados para outra, e alteração.
portanto para se verificar a minha nomeação talvez O SR. COSTA BARROS: – Como uns Srs.
seja preciso nova decisão. deputados affirmão que o projecto está sanccionado
O SR. TEIXEIRA DE GOUVÊA: – Eu fui o que e outros que não, julgo conveniente que primeiro que
fiz a indicação para não serem nomeados para outra, tudo se decida esta duvida, para não estarmos a
por causa do trabalho da constituição, e como este fallar fóra da ordem.
motivo já acabou estão na regra geral de todas as O SR. ANDRADA MACHADO: – Queira V. Ex
outras. propôr primeiramente como emenda o que offereci,
O SR. FRANÇA: – Seja o que fôr, é preciso porque fica desde já decidido para se alterar a
resolução da assembléa; para a nomeação da redacção.
Proposto o que offerecera o Sr. Andrada
34 Sessão em 3 de Setembro de 1823

Machado como emenda foi apoiado, e afinal O SR. MONTESUMA: – Como se trata de
approvado. exame de acta requeiro que a ter lugar passemos á
O SR. FRANÇA: – Eu tenho ouvido dizer que segunda parte da ordem do dia.
este projecto está sanccionado, e realmente o não O Sr. Presidente consultou a assembléa e
está. decidio-se que se fizesse o exame requerido, e que
O SR. ANDRADA MACHADO: – Se assim é, entretanto se passasse á segunda parte da ordem do
teremos mais esta maravilha; mas estou bem dia que era a discussão adiada da sancção do
lembrado que se sanccionou, e muitos outros projecto sobre governos provinciaes.
senhores deputados igualmente se lembrão disso. O SR. MONTESUMA: – Não sei se hontem se
O SR. FRANÇA: – Como esta questão já se assentou em esperar pelo parecer da commissão de
ventilou hontem e a sua decisão ficou dependente do fazenda sobre os ordenados dos presidentes e
exame das actas, fiz examinal-as; e eis-aqui a de 9 secretarios, e diarias dos vogaes do conselho; mas
de Junho que foi a ultima em que se tratou deste parece-me justo que se espere.
projecto. O SR. ANDRADA MACHADO: – Os membros
“Passou-se á ordem do dia principiando a da commissão estão trabalhando, e ainda hoje
discussão pelo additamento do Sr. Souza Mello ao apresentão o parecer nesta assembléa.
projecto do Sr. Rodrigues Carvalho; e não havendo Fizerão-se comtudo algumas observações e
mais nenhum dos Srs. deputados que quizesse fallar notou-se que no art. 23 onde se dizia a oitava parte
propoz o Sr. presidente se a materia estava das rendas etc., devia dizer-se, a oitava parte do
sufficientemente discutida, e decidindo-se que sim total das rendas, etc.
pôz á votação o dito additamento que ficou O Sr. Presidente, propoz se antes das
regeitado. Igualmente regeitou-se outro additamento palavras das rendas se accrescentaria do total. –
do Sr. Alencar ao mesmo projecto do Sr. Rodrigues Venceu-se que sim.
de Carvalho.” Propoz então se a assembléa julgava o
Nada mais diz a acta, e portanto não houve projecto conforme o vencido. Venceu-se que sim;
sancção; se isto é maravilha não sei; a acta é que mas ficando reservada a sancção para ter lugar com
nos deve governar; e pelos termos que acabo de ler o que se decidisse sobre o parecer da commissão de
conclúo que não foi sanccionado o projecto. fazenda relativo ao mesmo projecto.
O SR. ANDRADA MACHADO: – Ninguem Voltou-se ao primeiro objecto da ordem do dia,
póde capacitar-se de tal; essa acta quanto a mim estando já feito o preciso exame nas actas.
não faz prova; trata só de dous additamentos; O SR. FERNANDES PINHEIRO: – Na sessão
requeiro por isso que se veja outra, quanto mais que do dia 7 de Junho discutio-se na verdade a ultima
eu estou certo que foi sanccionado. parte deste projecto. Offerecerão dous additamentos
O SR. CARNEIRO DA CUNHA: – Eu tambem os Srs. Souza Mello e Alencar que ficárão adiados, e
requeiro que se vejão as actas posteriores; mas é não se tomou em consideração a proposta de ir o
para desenganar os que teimão que houve sancção. projecto á commissão como lembrava o mesmo Sr.
O SR. FRANÇA: – O que eu expuz é o Alencar. No dia 9 regeitarão-se os additamentos; e
resultado de um exame, agora se querem segundo não se faz menção em nenhuma destas actas da
manda-se proceder a elle, bem que até o official- pergunta se está ou não terminada a 3ª discussão.
maior me asseverou que não ha acta nenhuma em O SR. MUNIZ TAVARES: – Eu sou quem
que conste tal sancção; todavia faça-se outra revisão redigio a acta do dia 9 de Junho, e estou certo que
pelas actas posteriores. tal pergunta se não fez. O Sr. Andrada e Silva que
O SR. MAIA: – A ultima sessão em que se então era presidente disse, quando se regeitárão os
tratou deste projecto é a de 9 de Junho; mas creio ultimos additamentos, – ora, felicito-me a mim e a
que na antecedente é que se deu por finda a assembléa de termos acabado com esta lei; – e com
discussão, é que houve falta. isto se esqueceu de fazer a pergunta ordinaria, que
Na commissão estiverão as cópias de todas as por isso não apparece na acta.
actas das sessões em que se discutio o projecto, e O SR. ANDRADA MACHADO: – He a cousa
não me lembro de ler nellas a decisão da sancção. mais vergonhosa que, tenho visto tanto para o
O SR. ALENCAR: – Eu penso que a decisão presidente como ao secretario. A meu ver as
final deve achar-se na sessão antecedente á de 9 de perguntas fizerão-se; mais o nobre deputado que
Junho; porque me lembro que nessa, que foi n’um redigio a acta olvidou-se dellas; seja o que fôr, o
sabbado, eu propuz que se mandasse o projecto á certo é que não se acha; e onde o não ha, el-rei, o
commissão para ser redigido; portanto veja-se a acta perde. Agora o que peço é a ordem; o projecto não
de 7 onde provavelmente se achará a decisão. está valioso; e é preciso dar o remedio possivel a
esta vergonha que nunca em assembléa alguma
aconteceu.
Sessão em 3 de Setembro de 1823 35

O SR. FRANÇA: – Vergonha não; porque aos deputados desta assembléa o exercicio de
esquecimento não é vergonha. Além disto não sei outros empregos; e por isso creio que não se
para que se deitão todas as culpas para os estende aquella resolução a qualquer alteração em
secretarios. O que faz acta só é responsavel por falta geral, mas que sómente teve por fim evitar que
de memoria até o dia seguinte; depois que é lida e sahisse uma lei contradictoria.
approvada já não é delle, é da assembléa, e nada O SR. ANDRADA MACHADO: – Eu pensava
lhe é imputavel. Eu já não sou secretario, e talvez o que era absoluta a decisão, e assim m'o tinhão dito;
não seja mais; porém não posso deixar sem resposta mas agora vejo que teve lugar para destruir a
taes ataques. antinomia, para evitar o absurdo com que a lei ia
O SR. ANDRADA MACHADO: – Ordem! sahir. Como a assembléa é composta de homens
Ordem! Vamos ver o remedio que se lhe ha de dar. está sujeita a enganar-se, e quando dá pelo engano
Eu julgo que primeiro que tudo é preciso consultar deve emendal-o; e bem que o succeder isto não seja
assembléa para saber se dá ou não por concluida a muito airoso, todavia como o outro mal é muito
3ª discussão. maior, e na escolha dos males se deve preferir o
O Sr. Presidente, propoz se estava finda a 3ª menor, assim o fez a assembléa.
discussão do projecto sobre sociedades secretas. – Devo porém suppôr que nunca mais teremos
Venceu-se que sim. necessidade de tal remedio, uma vez que sejamos
O SR. DUARTE SILVA: – Se passamos agora bem circumspectos para não approvar cousa alguma
a sanccionar esta lei requeiro votação nominal. O sem toda a madureza. Isto é muito differente do que
voto que vamos dar é da maior importancia, porque se me tinha dito, e que acreditei porque todos os dias
se trata da imposição da pena de morte. estou vendo cousas novas.
O SR. ANDRADA MACHADO: – Seja O SR. DIAS: – O que se decidio foi indefinido;
nominal; mas esta pena não é nova; acha-se no a proposição foi absoluta; e não para um caso
codigos criminaes de quasi todas as nações; os particular como ouço dizer.
portuguezes a têm e nós tambem que adoptamos as O SR. ALENCAR: – Que tem isto com a
suas leis; e portanto não sendo nova, e já admitida sancção do projecto? O Sr. Carneiro da Cunha não
entre nós, não vejo a importancia que lhe suppõe o offereceu emenda alguma; fez uma indicação pela
nobre deputado. qual nada se tira do projecto, e portanto não tem
O SR. DUARTE SILVA: – Se o illustre lugar. Quanto porém ao que se venceu na sessão do
preopinante não julga importante semelhante pena, a 1º de Setembro, digo que não se refere só as
minha consciencia lhe dá toda a consideração, e antinomias, decidio-se em geral; a proposição
jamais votarei por ella. abrange todo; mas agora tratemos de sanccionar o
O SR. CARNEIRO DA CUNHA: – Eu creio ter projecto.
lugar o que lembrei, por isso que não está O SR. CARNEIRO DA CUNHA: – A ter lugar a
sanccionado o projecto; o que desejo é que não minha indicação ha de ser antes de sanccionado o
passe por ora uma lei de pena de morte. (Muitos Srs. projecto, pois approvada ella não se sancciona.
deputados pedirão a votação.) Quando eu expuz a sua materia disse-se que o devia
O SR. COSTA AGUIAR: – Eu entendo que fazer por escripto, e por isso a offereci para se tomar
ainda póde haver alguma alteração no projecto em consideração em tempo competente.
segundo o vencido na sessão do 1º deste mez. O SR. ANDRADA MACHADO: – A indicação
Depois de muitas questões sobre o projecto do Sr. não tem lugar; a pena de morte está estabelecida por
Araujo Vianna, querendo uns que já não houvesse lei entre nós, e para a revogar não basta uma
lugar para emendas, e outros que podião admittir-se, indicação, precisa-se uma lei particular para isso.
decidio-se afinal que como não estava sanccionado O SR. CARNEIRO DA CUNHA: – Como as
o projecto tinha lugar alguma emenda; e com effeito cousas não se decidem só pelo voto do Sr. Antonio
proposta a suppressão da ultima clausula do art. 4º Carlos, queira V. Ex. propôr a minha indicação para
foi approvada, e com essa alteração se sanccionou o a assembléa resolver.
projecto. Portanto, não estando ainda sanccionado O SR. ALENCAR: – O que propõe o Sr.
este, parece que tambem póde soffrer alguma Carneiro da Cunha só poderia admittir-se reduzido a
alteração, a exemplo do que se praticou com o outro. emenda, pois indicações não têm agora lugar.
O SR. FRANÇA: – O que se resolveu foi O SR MONTESUMA: – Para mim nem como
relativo ao caso de se notar, quando se vai emenda tem lugar. Se esta fôr admittida, outra se
sanccionar um projecto que ha antinomia entre as proporá, e outra, e outra, de sorte que não teremos
suas disposições; ao menos a decisão do 1º de projecto, teremos uma manta de retalhos. Não me
Setembro de que fallou o nobre preopinante refere- accommodo com isto; voto que
se á contradicção notada entre os arts. 1º e 4º do
projecto que inhibe
36 Sessão em 3 de Setembro de 1823

se não admitta emenda alguma, e que passemos a EMENDA


sanccionar o projecto. Demais o que propõe o Sr.
Carneiro da Cunha não póde considerar-se nos Proponho que visto ter-se admittido alterações
termos do que deu lugar á decisão da assembléa no depois de cerrada a ultima discussão, se declare
1º deste mez; porque foi particular áquelle caso, e aberta de novo a discussão para se debater a
não para ficar como lei geral para todos os casos. A alteração offerecida. – Andrada Machado.
indicação do nobre deputado deve guardar-se para Foi apoiada.
ser proposta na fórma do que manda o regimento; a Depois de algumas observações, foi
discussão está acabada; falta só a sancção do approvada.
projecto. O Sr. Gomide, mandou então á mesa uma
O Sr. Carneiro da Cunha, pedio licença para emenda concebida nos termos seguintes:
retirar a sua indicação, e foi-lhe concedida.
O SR. CARNEIRO DA CUNHA: – Requeiro a EMENDA
lição da acta do 1º de Setembro. A providencia que
se deu não foi só para aquelle caso particular. Em lugar da pena de morte – trabalhos
Perguntou-se se podião admittir-se emendas depois publicos por toda a vida, proporcionados á qualidade
de finda a 3ª discussão, mas antes de sanccionar-se e força do delinquente. – Gomide.
o projecto; decidio-se que sim; ora, este não está Foi apoiada.
sanccionado, logo, póde ainda admittir emenda. Se O SR. HENRIQUES DE REZENDE: – Como a
disto se duvida, lêa-se a acta, para se terminar esta votação ha ser nominal, e eu quero votar contra a
discussão. emenda do Sr. Gomide, preciso motivar o meu voto
O SR. SECRETARIO FERNANDES para que não haja lugar a interpretações sinistras.
PINHEIRO: – Na acta o que se acha é o seguinte: – Este artigo contém legislação antiga que contra o
Afinal propoz o Sr. presidente se a materia se meu voto foi enxertada nesta lei das sociedades
achava sufficientemente discutida: Venceu-se que secretas; foi mal encaixada; mas emfim aqui foi
sim. Se antes de sanccionar o projecto se poderia introduzida. Já não são as sociedades secretas o
fazer alguma emenda em algum dos seus artigos. – que neste artigo se pune; é o crime de conspiração
Venceu-se que sim. contra o estado, que em a nossa antiga legislação
O SR. COSTA AGUIAR: – Muito folgo que se tem pena de morte. Não devêra trazer-se para aqui;
verificasse o que affirmei; a decisão é concebida em mas já agora não se póde por uma emenda abolir
geral. Tenho boa memoria, não é facil enganar-me. uma pena que se contém nas leis existentes, que em
O SR. CARNEIRO: – Eu creio que não foi isto tal caso ficarião revogadas. Quando se tratar do
o que se venceu; e que houve defeito na redacção codigo brazileiro, então veremos se essa pena se
da acta. Admittiu-se a alteração só para evitar a reforma. E’ por isso que voto contra a emenda.
antinomia, e não para qualquer emenda em geral: O Sr. Presidente, declarou adiada a discussão
mas como assim se acha na acta isso deve regular. por ter dado a hora da leitura das indicações.
O SR. MONTESUMA: – Parece-me que V. Ex. O SR. ARAUJO VIANNA: – Peço a palavra
sempre deverá propôr á assembléa se fica regulando para propôr uma indicação que julgo necessaria para
aquella decisão para todos os projectos; pois estou evitar que se amontoem emendas depois da 3ª
persuadido que foi só para aquelle em particular. discussão. Os debates já são longos; e se não se
(Fallárão ainda os Srs. Araujo Vianna, puzerem alguns limites á liberdade de propôr
Gomide, e outros; mas o tachygrapho declarou que alterações, nunca se acabaráõ as discussões. Eu a
pelo sussurro geral da assembléa não pôde ouvir o mando á mesa.
que disserão.)
O Sr. Presidente, propôz se a decisão que INDICAÇÃO
constava da acta do 1º de Setembro de se poder
fazer emendas em qualquer artigo, antes de ser o Proponho que as alterações que se houverem
projeto sanccionado, era geral para todos os de fazer depois de cerrada a 3ª discussão só se
projectos. – Venceu-se que sim. admittão sendo apoiadas por 30 deputados. – Araujo
O SR. ANDRADA MACHADO: – Eu vou Vianna.
propôr uma emenda para remediar o absurdo; o que Requerida a urgencia, e apoiada, venceu-se
se fez foi um mal, e cumpre de algum modo cural-o; que era urgente, e fez-se 2ª leitura.
vá-se lançando cal á parede para lhe ir tapando os O Sr. Carneiro, tambem pedio a palavra, e leu
buracos. a seguinte:

INDICAÇÃO

Proponho que se declare a acta do 1º de


Setembro limitando-se que a sancção póde
Sessão em 3 de Setembro de 1823 37

recahir sobre todo o projecto ou parte delle nos dous preciso um novo projecto de lei que o nobre
unicos casos, ou de antinomia manifesta entre os deputado póde propôr se quizer, e que eu acho bem
artigos, ou de absurdo reconhecido pela assembléa. preciso.
– Francisco Carneiro. Nós não temos liberdade de imprensa, temos
Foi requerida igualmente a urgencia e liberdade de abusar da imprensa.
apoiada; e sendo vencida, fez-se 2ª leitura. Envergonho-me quando me lembro que hão
O Sr. Henriques de Rezende, depois de de apparecer na Europa papeis que entre nós se
expender os motivos em que fundava a indicação chamão politicos, e que só induziráõ a crer que
que propoz (cujo discurso se não transcreveu porque somos um bando de lacaios.
não se entendeu o tachygrapho Victorino) mandou-a O SR. RODRIGUES DE CARVALHO: – Eu
á mesa concebida nos termos seguintes: devo fazer uma declaração para instrucção da
assembléa. Na commissão de que sou membro
INDICAÇÃO trata-se de um projecto sobre esta materia, e cuido
que poucos dias tardará a apparecer; nestes termos
Proponho que nesta 4ª discussão nenhum Sr. não me parece opportuno tratar agora deste
deputado falle mais de uma vez, nem mesmo o autor assumpto.
da emenda. – Henriques de Rezende. O SR. HENRIQUES DE REZENDE: – Visto
Requereu-se tambem a urgencia; e sendo esta que a commissão está com o projecto de lei entre
apoiada e vencida, fez-se 2ª leitura. mãos, não mando a minha indicação; mas quizera
O SR. DIAS: – Pedi a palavra para fazer uma que a commissão apresentasse esse projecto com
indicação ou antes um requerimento, para se urgencia.
designarem as materias que pedem maior ou menor Interrompeu-se então a leitura das indicações
numero de votos para sua decisão. Eu a concebi nos por pedir a palavra o Sr. Ribeiro de Andrada para ler
termos seguintes: o parecer da commissão de fazenda que se exigira
Proponho que a commissão de constituição com urgencia sobre os ordenados dos presidentes e
apresente uma indicação que extreme as materias secretarios dos governos das provincias, e diarias
que podem ser decididas com o numero de 46 dos vogaes do conselho; propondo-se nelle:
deputados, e as que por ventura dependem de maior 1º Que os presidentes das provincias de
numero dos mesmos deputados; como se resolveu Montevidéo, Rio Grande Sul, S. Paulo, Matto-
na sessão de 16 de Maio. Grosso, Goyaz, Minas-Geraes, Bahia, Pernambuco,
Paço da assembléa, 3 de Setembro de 1823 – Maranhão e Pará, venção o ordenado annual de
O deputado Custodio Dias. 3:200$; e os das outras provincias o de 2:000$.
Consultada a assembléa, e approvada a 2º Que taes ordenados lhes sejão contados
proposta, convidou o Sr. presidente á commissão de desde o dia da sua sahida para as respectivas
constituição para dar o seu parecer sobre a materia. provincias; tendo mais a 5ª parte delles como ajuda
O SR. HENRIQUES DE REZENDE: – Sr. de custo para a viagem.
presidente, quando se declarão os direitos do 3º Que os secretarios das primeiras venção o
cidadão e a sua liberdade, é preciso tambem ordenado de 1:400$, e os das segundas o de 1:000$,
declarar os seus deveres, e as penas que deve contados igualmente desde o dia da sua sahida; e
soffrer pelos abusos dessa liberdade; aliás dir-se-ha recebendo tambem por ajuda de custa para a viagem
com Phedro – Procax libertas civitatem miscuit. – Isto a 5ª parte do mesmo ordenado.
é o que se não fez na liberdade da imprensa. 4º Que os emolumentos pertencentes aos
Sua Magestade Imperial, pelo decreto de 18 secretarios pelo antigo regimento, em virtude de
de Junho de 1822, concedeu plena liberdade de quaesquer despachos, sejão supprimidos em
imprensa; mas não deixou ao cidadão garantia beneficio dos povos.
alguma para fazer effectiva a responsabilidade pelos 5º Que os vogaes dos conselhos das primeiras
abusos que offenderem á sua honra e reputação; de provincias venção a diaria de 3$200, e os das
sorte que a liberdade da imprensa tem já segundas a. de 2$400.
degenerado em licença. Pelo que toca aos abusos S. O SR. ANDRADA MACHADO: – Esta materia
M. Imperial só applicou ao Brazil os arts. 12 e 13 da não póde entrar já em discussão, porque precisa ser
lei das côrtes, que versão unicamente sobre os pensada; e por isso entendo que deve ficar adiada
abusos contra o estado. por algum tempo.
Proponho pois que se applique ao Brazil todo O Sr. Presidente declarou que ficava adiado
o titulo 2º da lei das côrtes de Lisboa, assim como os até á sessão do dia 5 do corrente.
arts. 30 e 31 do tit. 4º. O SR. LOPES GAMA: – Peço a palavra para
O SR. ANDRADA MACHADO: – A lei que offerecer á consideração da assembléa uma
temos não tirou ao cidadão o recurso que lhe indicação que tem por fim evitar que se embarace a
compete em tal caso, isto é, a acção de injuria; e entrada na provincia das Alagôas a dous
para alterar o que está estabelecido a este respeito é
38 Sessão em 3 de Setembro de 1823

homens a quem se não póde imputar delicto algum a por esta assembléa privativamente se deve ocorrer
não ser o expressar livremente as suas idéas. injusta perseguição feita aos ex-deputados Martins
Ramos e Grangeiro não só porque não vejo motivos
INDICAÇÃO bastantes para tal procedimento, como por serem
inviolaveis por suas opiniões: entretanto como os
Proponho que se officie ao governo para que impressos que tenho lido a este respeito indicão que
mande á junta do governo das Alagôas que não o sobredito procedimento teve lugar por uma
estorve, mas antes facilite ao coronel Francisco assembléa geral convocada nas Alagôas, em que se
Manoel Martins Ramos e Manoel Marques Grangeiro assentou o emprasamento dos ditos ex-deputados,
o livre ingresso naquella provincia. eu defendo e desculpo os alagôanos, porque não sei
Paço da assembléa, 2 de Setembro de 1823. – como foi convocada aquella assembléa, nem o que
O deputado Lopes Gama. nella se passou, e talvez que o fizesse de boa fé, ou
O SR. ANDRADA MACHADO: – Cada um que fossem illudidos.
delles fez o que os outros fizerão; e agora soffrem Não respondo a asserções de factos
essa injustiça. Sobre este negocio cumpre-nos andar anteriores que um Sr. deputado aqui produzio bem
vigilantes; pois do contrario nem nós mesmos fóra da ordem, por não ser este o lugar e tempo
estaremos seguros. proprio; tendo eu aliás muito que dizer, porque fui
O SR. CARNEIRO DE CAMPOS: – A testemunha da maneira porque nas Alagôas se
indicação é escusada. Entre os papeis que achei obrava para se conseguirem os fins sem a mais
quando tomei conta da pasta encontrei um officio pequena desordem, como succedeu: deixo essa
relativo a estes deputados; e já se expedio portaria questão porque não quero manter prevenções, e
até reprehendendo o governo da provincia. proponho que se trate da indicação do Sr. Lopes
O SR. VERGUEIRO: – Eu tinha pedido a Gama, e se decida na fórma della, pois não sei como
palavra; mas pelo que acaba de dizer o nobre isto se fez pelo governo.
preopinante nada ha a fazer. Eu queria mostrar a O SR. CARNEIRO DE CAMPOS: – Se o
incompetencia da indicação por não haver queixa illustre preopinante não sabe, eu lhe posso dizer
alguma directa á assembléa, e dever-se recorrer como se fez. Os deputados não se queixárão; mas o
primeiro ao governo; se este nada fizesse então nós governo das Alagôas, entre outras cousas que
o attenderiamos, porque na verdade é uma violencia. participou n'um officio que julgo ser de 26 de Maio,
Porém como o governo já deu a providencia nada disse que por constar alli que Pernambuco estava
tenho que dizer. desassocegado pela residencia de alguns europêos,
O SR. LOPES GAMA: – Eu não sabia que já fizerão convocar a camara, tropa, clero, e povo para
havia providencia dada pelo governo, e por isso se tomar a respeito delles alguma providencia, e que
propuz a minha indicação; mas como agora sei que nessa assembléa se decidirá tambem que esses
já se expedio a competente portaria peço licença dous deputados ás côrtes de Lisboa pela provincia
para retirar a minha indicação. das Alagôas não entrassem na provincia e viessem a
O SR. ANDRADA MACHADO: – E' preciso esta côrte responder de sua conducta.
olhar por isto com vigilancia; o negocio é muito O governo provisorio deu conta disto como se
nosso; o que vai pela casa alheia póde tambem fosse uma cousa muito acertada, e eu estou em que
chegar pela minha. Será bom sempre fazermos obrárão de boa fé; mas S. M. Imperial que entendeu
alguma cousa, e por isso quizera que na acta se o contrario em vez de louvar o procedimento
explicasse que não se dão providencias porque o estranhou-o severamente; e já a portaria se expedio
ministro de estado respectivo declarou que já declarando que os ex-deputados, quaesquer que
estavão dadas pelo governo. fossem as suas opiniões, não devião ser inquietados
O SR. CARNEIRO DE CAMPOS: – Nem isso por ellas, em virtude da sua inviolabilidade, e que lhe
me parece preciso, porque a portaria ha de sahir no devia por isso ser livre a entrada para se recolherem
Diario do Governo, e chega assim o negocio ao aos seus domicilios.
conhecimento do publico. Eis-aqui porque digo que tudo está feito sobre
O SR. SOUZA MELLO: – Sr. presidente, pedi este negocio.
a palavra para requerer que se não permitta ao Sr. O Sr. Presidente consultou a assembléa, e
Lopes Gama retirar a sua indicação como elle pede; decidio-se que apezar da ordem expedida se
porquanto sendo a materia da mesma, muito da inserisse na acta, declarando-se que se não tomava
competencia desta assembléa, e tendo sido agora em consideração por se terem já dado as
aqui tratada, é necessario que a assembléa tome em providencias requeridas.
consideração a referida indicação, e dê as O SR. FRANÇA: – Todos os deputados de
providencias que por ella se requer, sem embargo de uma assembléa representativa são obrigados por um
se dizer que pela secretaria de estado dos negocios rigoroso dever da sua missão a defender a honra e a
do imperio está o caso providenciado; pois que eu fama dos seus constituintes: e o generoso
estou persuadido que
Sessão em 3 de Setembro de 1823 39

povo brazileiro certamente não é menos digno do de estado Joaquim Pedro Gomes de Oliveira, de 17
que os outros dos officios dos seus deputados em de Junho deste anno, dirigido ao governo provisorio
sustentarem a sua gloria. da provincia de Pernambuco, e proclamação
Constando-me pois que o governo de impressa do presidente da camara da cidade do
Portugal, depois que alli foi abaixo a constituição, Porto, que offereço, afim de se proclamar entre o
tem insinuado aos povos com falta de verdade, que o mais: que os motivos que fizerão resilir o generoso
Brazil se separára daquelle reino por odio á mesma povo brazileiro da sua antiga união com Portugal,
constituição; e que é ora de esperar se reuna ao não forão, nem podião ser nunca, a sua má vontade
systema despotico alli estabelecido; entendo ser do ao systema constitucional geralmente abraçado pela
meu dever apresentar nesta assembléa dous nação; mas sim e tão sómente a continuação do
escriptos das autoridades do governo do mesmo antigo predominio metropolitano e sujeição colonial
Portugal ao dito respeito que por acaso vierão á nosso paiz; a que as côrtes daquelle reino em
minha mão; para que verificando-se por elles a menoscabo da nossa categoria politica pretenderão
machiavelica politica com que se alli pretende á dar progressivo andamento.
custa da nossa dignidade nacional embair os povos Paço da assembléa, 30 de Agosto de 1823. –
em falsas persuasões, occorramos com as nossas O deputado França.
proclamações a restabelecer o credito que devemos Requerida a urgencia, e sendo esta apoiada e
merecer dos nossos verdadeiros sentimentos vencida, decidiu-se que a indicação se remettesse á
patrioticos. commissão de constituição na fórma que propuzera
Senhores, as causas porque o Brazil o seu illustre autor.
proclamou a sua independencia, separando-se de O Sr. Presidente assignou para a ordem do
Portugal, são de maioria tão recente que eu não sei dia:
como haja alguem que se atreva a desfigural-as. 1º A continuação do debate sobre a sancção
Todos nós sabemos, e o devemos confessar, do projecto das sociedades secretas; 2.º A discussão
que emquanto as côrtes de Portugal guardarão em adiada da indicação do Sr. Carneiro; 3.º O
seus debates e resoluções as regras da justiça requerimento do Sr. Ribeiro de Andrada.
politica a respeito dos direitos individuaes do nosso Levantou-se a sessão ás 2 horas da tarde. –
territorio; nem uma só palavra se ouvio jámais entre Luiz José de Carvalho e Mello, secretario.
nós a respeito de separação. (Apoiados.)
Della sómente se tratou depois que as RESOLUÇÕES DA ASSEMBLÉA
mesmas côrtes nos quizerão dar em sua constituição
a boceta de Pandora em que se continhão os males PARA JOSÉ JOAQUIM CARNEIRO DE CAMPOS
de um funesto presente da continuação de uma
escravidão politica, colorado com o nome de Illm. e Exm. Sr. – A assembléa geral
liberdade, que sómente quadrava bem á situação constituinte e legislativa do imperio do Brazil, sendo-
dos povos de Portugal e Algarve. lhe presente o parecer da commissão de fazenda
Eu lerei os dous documentos a que me tenhosobre o requerimento dos officiaes das secretarias
referido. de estado dos negocios do imperio e da justiça, em
E' o primeiro um officio do ministro secretario
que pedirão alguma providencia sobre a diminuição
de estado Joaquim Pedro Gomes de Oliveira ao dos seus emolumentos que fazião a principal parte
presidente e membros da junta provisoria da da sua subsistencia: manda participar ao governo
provincia de Pernambuco: o segundo é uma que precisa que lhe sejão remettidas informações
proclamação do presidente da camara do Porto aos sobre o numero dos officiaes existentes nas
portuguezes. (Leu.) repartições do imperio e dos negocios estrangeiros,
O orador durante a leitura foi muitas vezes
e dos que são precisos para o seu expediente, seus
interrompido com vozes, e signaes de indignação daordenados e emolumentos, ajuntando-se por cópia o
assembléa, contra varias expressões conteúdas nos regimento destes. O que V. Ex. levará ao
ditos officio e proclamação, principalmente das que
conhecimento de Sua Magestade Imperial. – Deus
ferião o ponto da reunião do Brazil com Portugal; e
guarde a V. Ex.– Paço da assembléa, em 3 de
continuando o sussurro depois de concluida a leitura,
Setembro de 1823. – João Severiano Maciel da
não foi mais possivel perceber o remate do seu Costa.
discurso, com que afinal offereceu a seguinte: Na mesma conformidade ao ministro da
marinha e ao da justiça; mas o dirigido ao da guerra,
INDICAÇÃO depois da palavra emolumentos, terminou da
maneira seguinte – com o producto liquido do Diario
Proponho que a illustre commissão de do Governo, ajuntando-se
constituição encarregada de redigir a proclamação
da assembléa aos povos deste imperio tome em
consideração este facto do governo de Portugal
conteúdo no officio do ministro secretario
40 Sessão em 4 de Setembro de 1823

por cópia o regimento dos mesmos emolumentos. augusto senhor me ordena que participe á V. Ex.
para fazer presente da mesma assembléa que fica,
PARA MANOEL JACINTHO NOGUEIRA DA GAMA sciente das pessoas eleitas para os mencionados
cargos.
Illm. e Exm. Sr. – A assembléa geral Deus guarde á V. Ex. – Palacio do Rio de
constituinte e legislativa do imperio do Brazil, Janeiro, em 3 de Setembro de 1823. – José Joaquim
approvando o parecer dos secretarios da mesma Carneiro de Campos. – Sr. João Severiano Maciel da
assembléa, sobre o requerimento de Antonio de Costa.
Almeida, Joaquim de Araujo Durão e Torquato José Ficou a assembléa inteirada.
Pinto que servirão interinamente de ajudantes de Illm. e Exm. Sr. – Tendo o governo provisorio
porteiro, tanto na secretaria, como na sala do da provincia de S. Paulo dirigido á augusta presença
congresso, e que pedirão alguma gratificação por de Sua Magestade o Imperador o officio de 21 de
este serviço: manda participar ao governo que Junho do corrente anno, servindo de informação ao
resolveu, que pelo thesouro publico dê a cada um, requerimento do irmão Joaquim Francisco do
como gratificação, por uma vez sómente, a quantia Livramento, em que pedio que pela junta da fazenda
de 100$000. O que V. Ex. levará ao conhecimento daquella provincia se arbitras se alguma modica
de Sua Magestade Imperial. – Deus guarde a V. Ex. consignação para as urgencias do seminario da villa
– Paço da assembléa, em 8 de Setembro de 1823. – de Itú, de cuja direcção se acha encarregado e a
João Severiano Maciel da Costa. favor do qual a mesma junta julga proporcionada a
consignação de 200$ annuaes, o mesmo senhor me
SESSÃO EM 4 DE SETEMBRO DE 1823. ordena que remetta a V. Ex. o mencionado officio,
participando-lhe igualmente que Sua Magestade El-
PRESIDENCIA DO SR. BARÃO DE SANTO Rei D. João VI, attendendo ao louvavel zelo, com
AMARO. que o supplicante sempre se distinguio na educação
e ensino dos orphãos desamparados, houve por
Reunidos os Srs. deputados pelas 10 horas da bem, por decreto de 8 de Julho de 1819 fazer mercê
manhã, fez-se a chamada e achárão presentes 68, ao seminario estabelecido pelo supplicante na ilha
faltando com causa os Srs. Gondim, Ribeiro de Grande, de uma ordinaria de 100$000 mensaes,
Rezende, Andrada e Silva, Nogueira da Gama, Silva pagos pelo thesouro publico. O que V. Ex, levará ao
Lisboa, Rodrigues da Costa, Silveira Mendonça, conhecimento da augusta assembléa geral
Cavalcanti de Lacerda, Almeida e Albuquerque; e constituinte e legislativa do imperio do Brazil, para
sem ella o Sr. Rodrigues Velloso. deliberar sobre este objecto o que julgar
O Sr. Presidente declarou aberta a sessão, e conveniente.
lida a acta da antecedente, com pequenas emendas Deus guarde á V. Ex. – Paço, em 3 de
foi approvada. Setembro de 1823.– José Joaquim Carneiro de
O SR. HENRIQUES DE REZENDE: – Parece- Campos. – Sr. João Severiano Maciel da Costa.
me que seria acertado que se decidisse em geral se Foi remettido ás commissões de fazenda e
sempre se deve fazer menção das indicações na instrucção publica.
acta ainda que seus autores as retirem para que não Deu conta de ter recebido uma participação de
torne a succeder o que ha pouco observei com a molestia do Sr. Araujo Gondim, que tambem requeria
minha indicação proposta na sessão antecedente. 30 dias de licença para cuidar de sua saude. – Ficou
Fizerão-se algumas reflexões e afinal o Sr. a assembléa inteirada e dicidiu-se que se lhe
presidente propoz: se tinha lugar o que lembrava o concedesse a licença requerido.
Sr. Henriques de Rezende. – Decidiu-se que era Passou-se á ordem do dia e continuou-se a
todo o caso entrassem as indicações nas actas. discussão adiada da sancção do projecto sobre
O Sr. Secretario Maciel da Costa leu os sociedades secretas.
seguintes officios do ministro dos negocios do O Sr. Andrada Machado propoz como
imperio: conveniente transpôr a ordem dos assumptos
Illm. e Exm. Sr.– Tendo levado a augusta principiando a discussão pela indicação ou emenda
presença de Sua Magestade o Imperador o officio da do Sr. Carneiro, visto que era a prejudicial.
data de hontem, que participa ter a assembléa geral (Fallárão os Srs. Vergueiro, Carneiro da
constituinte e legislativa deste imperio, procedido á Cunha, Andrada Machado e Carneiro; mas nada se
nomeação do presidente, vice-presidente e entendeu do que escreveu o tachygrapho Silva.)
secretarios, que hão de servir durante o mez que O Sr. França requereu o adiamento do
decorre até o dia 3 de Outubro proximo futuro, o projecto emquanto se não decidisse a prejudicial.
mesmo O Sr. Presidente fez a proposta; e sendo
Sessão em 5 de Setembro de 1823 41

apoiado o adiamento e discutido, venceu-se que de constituição sobre a sua indicação para se
ficasse adiado até depois da decisão das indicações. extremarem as materias que se podem decidir com
Entrou por isso em discussão a do Sr. 46 deputados, das que requerem maior numero.
Carneiro e fallárão sobre ella os Srs. Andrada O Sr. Andrada Machado deu as razões de se
Machado, Carneiro da Cunha, Ribeiro de Andrada, não ter apresentado o parecer; e requereu que
Vergueiro e Carneiro de Campos: mas não se fossem chamados os deputados de diversas
entendeu o mesmo tachygrapho. provincias que estavão, segundo se dizia, em
O Sr. Henriques de Rezende pediu licença Pernambuco.
para sahir da sala por incommodado e retirou-se. O Sr. Costa Aguiar informou que já se tinhão
O Sr. Ribeiro de Andrada mandou para a expedido avisos; mas resolveu a assembléa que se
mesa a seguinte emenda: repetissem.
Proponho que fique em todo o seu vigor o § 96 Propoz então o Sr. presidente que sobre a
do regimento, tornando-se de nenhum effeito a sancção do projecto das sociedades secretas
resolução em contrario da acta do 1º de Setembro, e decidisse a assembléa se havia votação nominal,
caso não passe, que se ponha á votos a indicação como requerêra o Sr. Duarte Silva. – Venceu-se que
do Sr. Francisco Carneiro de Campos. – Ribeiro de sim.
Andrada. Procedeu-se á votação, e forão a favor da
O Sr. Carneiro mandou outra do theor sancção os Srs. Andrada Machado, Gomide, Rocha
seguinte: Franco, Pereira da Cunha, Navarro de Abreu,
Proponho que se ajunte a minha indicação á Pinheiro de Oliveira, bispo capellão-mór, Araujo
do Sr. Araujo Vianna, afim de que a deliberação Vianna, Lopes Gama, Ferreira Barreto, Paula e
sobre antinomias e absurdos seja sempre precedida Souza, Accioli, Dias, Teixeira Vasconcellos,
de apoiamento de 30 deputados e sem este não Rodrigues de Carvalho, Rezende Costa, Carneiro de
entre jámais em discussão. – Francisco Carneiro. Campos, Costa Aguiar, Souza Mello, Fernandes
Foi apoiada. Pinheiro, Maia, Arouche Rendon, Rocha, Pacheco,
Julgando-se afinal discutida a materia, propoz Furtado de Mendonça, Andrade Lima, Teixeira de
o Sr. presidente: Gouvêa, Camara, França, Pinto Ribeiro, Ornellas,
1º Se passava a 1ª parte da emenda do Sr. Velloso Soares, Ribeiro de Andrada, D. Nuno de
Ribeiro de Andrada até ás palavras – 1º de Lucio, Araujo Lima, Carvalho e Mello, Maciel da
Setembro. – Foi rejeitada. Costa; e contra os Srs. Xavier de Carvalho, Martins
2º Se passava a emenda do Sr. Carneiro, Bastos, Duarte Silva, Muniz Tavares, Fortuna,
proposta na sessão antecedente. – Venceu-se que Caldas, Alencar, Cruz Gouvêa, Ferreira Nobre,
sim, salva a redacção. Cavalcanti de Albuquerque, Carneiro da Cunha,
3º Se passava a do Sr. Araujo Vianna. – Ribeiro da Costa e Montesuma. Ficou assim
Venceu-se que sim. sanccionado por 37 votos contra 13.
Não se propoz a que offerecera o Sr. Carneiro, O Sr. Presidente assignou para a ordem do
como addição á emenda do Sr. Araujo Vianna, por dia: 1º A decisão do requerimento do Sr. Ribeiro de
coincidir com a do mesmo illustre deputado. Andrada; 2º A 2ª discussão do projecto de lei sobre a
Entrou então em discussão a emenda do Sr. fundação de duas universidades; 3º O parecer sobre
Henriques de Rezende tambem proposta na sessão os ordenados dos presidentes e secretarios dos
antecedente, e julgando-se assás debatida o Sr. governos provinciaes.
presidente a dividiu em duas partes; e sendo Levantou-se a sessão ás 2 horas da tarde. –
proposta á votação forão ambas approvadas. Luiz José de Carvalho e Mello, secretario.
A emenda do Sr. Gomide julgou-se
prejudicada. SESSÃO EM 5 DE SETEMBRO DE 1823.
O Sr. Presidente perguntou se estava
concluida 3ª discussão. – Venceu-se que sim. PRESIDENCIA DO SR. BARÃO DE SANTO
Os Srs. Vergueiro e Ferreira França AMARO.
requererão usar da faculdade de não votar que lhes
permittia o artigo 135 do regimento, visto não terem Reunidos os Srs. deputados pelas 10 horas da
assistido aos debates do projecto. manhã, fez-se a chamada e achárão-se presentes
Proposto á votação o requerimento, depois de 67, faltando com causa os Srs. Rodrigues Velloso,
algumas reflexões, decidiu-se que podião retirar-se, Araujo Gondim, Ribeiro de Rezende, Andrada e
e assim o fizerão alguns Srs. deputados. Silva, Lisboa, Silveira Mendonça, Carneiro da Cunha
O Sr. Dias exigiu o parecer da commissão e Almeida e
42 Sessão em 5 de Setembro de 1823

Albuquerque; e sem causa os Srs. Pinheiro de mas tratemos do modo de receber estes papeis, se
Oliveira, Camara e Rodrigues da Costa. (*) são simplesmente recebidos, ou como isto é.
O Sr. Araujo Lima leu, como relator da Consultada a assembléa decidio-se que
commissão de constituição, o seguinte simplesmente se distribuissem pelos Srs.
requerimento: deputados.
A commissão de constituição tendo de dar o O Sr. Secretario Maciel da Costa declarou ter
seu parecer sobre um officio do Barão da Laguna, recebido do Sr. Ribeiro de Rezende a participação
dirigido ao governo em que representa não se poder de continuar a sua molestia.
proceder á eleição de deputados em o Estado Ficou a assembléa inteirada.
Cisplatino; por causa da occupação militar de Passou-se á ordem do dia, e entrou em
Montevidéo, precisa de ouvir sobre este importante discussão o requerimento do Sr. Ribeiro d’Andrada.
objecto a D. Lucas José Hobes, e por isso requer se (Veja-se a sessão de 2 do corrente.)
officie ao governo para lhe communicar que O SR. FRANÇA: – Nenhuma lei ha que tolha
compareça neste edificio ás horas das sessões em ao illustre deputado a acção de chamar a juizo um
o dia proximo. escriptor pelo abuso que fez da liberdade da
Sala das sessões, 4 de Setembro de 1823. – imprensa com injuria sua: tem para isso tão ampla
Como relator, Araujo Lima. – Resolveu-se que se faculdade como a teve o jornalista em escrever:
officiasse ao governo. cada um usa do direito que lhe é proprio. A
O SR. MONTESUMA: – Tenho para offerecer qualidade de deputado está bem longe de empecer
a esta assembléa uns exemplares da defeza do essa acção; e o regimento da assembléa não faz
tenente-coronel Antonio Martins da Costa para que excepção a esse respeito.
sejão distribuidos pelos Srs. deputados. (Fallárão tambem os Srs. Andrada Machado,
O SR. ANDRADA MACHADO: – Supponho Vergueiro, Alencar e Maia; mas não se entendeu o
que é um militar preterito por Labatut que apresenta tachygrapho Possidonio.)
a defeza da sua conducta. Julgando-se discutida a materia, propôz-se se
O SR. MONTESUMA: – Não ha duvida, é um era necessaria a licença. Venceu-se que não.
official preterido pelo traidor Labatut; e bom é que o Seguio-se a 2ª parte da ordem do dia, que
publico entre no conhecimento de taes factos. era a 2ª discussão do projecto de lei sobre a
O SR. ANDRADA MACHADO: – É muito feio fundação de duas universidades no Brazil, com as
que nós demos aqui semelhantes exemplos de emendas propostas pelos Srs. Gomide, Araujo
precipitação. Labatut ainda não está declarado Lima, Pereira da Cunha, Arouche Rendon, e
traidor; e não convém usar de taes expressões. Teixeira de Gouvêa, nas sessões de 27 e 28 de
O SR. MONTESUMA: – Eu que assim fallo é Agosto.
porque posso provar a minha asserção. O illustre Art. 1.º Haverão duas universidades, uma na
deputado não está bem inteirado do estado da cidade de S. Paulo, e outra na de Olinda: nas quaes
provincia da Bahia nem da historia do tal Labatu; se se ensinaráõ todas as sciencias e bellas letras.
bem a conhecesse não se escandalisaria de ouvir O SR. ANDRADA MACHADO: – Por amor da
dar-lhe o nome de traidor depois da maneira com ordem cumpre declarar o que vai discutir-se para se
que se conduzio na infeliz provincia da Bahia. Não não fallar fóra della. Entra em debate o art. 1º.
fallo sem razão; e já uma prova se nos offerece na O SR. CARVALHO E MELLO: – Pois que
pessoa deste militar. (Não se ouvio o resto.) somos forçados em obediencia ao regimento a fallar
O SR. ANDRADA MACHADO: – Eu insisto nesta segunda discussão sómente sobre a materia
que são muito perigosas estas asserções; nem de cada artigo, cingindo-me a este preceito, farei
posso convir em que saião desta assembléa poucas reflexões sobre o primeiro artigo do projecto
opiniões táo immaturas. Maduresa e circumspecção que se discute. Quando fallei da justiça e utilidade
devem ser as bases dos nossos juizos. Labatut geral de todo elle, já algumas considerações fiz
póde ainda justificar-se, porque nós não sobre a materia privativa deste primeiro artigo.
conhecemos os motivos da sua conducta; em uma Então, Sr. presidente, disse que o fim politico
palavra devemos abster-nos de o julgar. O tempo da illustre commissão que o apresentou, foi instituir
mostrará qual tem sido o procedimento. Nada tenho e crear duas universidades, uma em S. Paulo, e
com nenhum destes homens; a razão e a justiça outra em Olinda, por se persuadir que duas
são o meu norte. bastavão para o ensino das sciencias maiores deste
O SR. MONTESUMA: – Emfim tenha-se imperio; e que estabelecendo-se uma ao sul e outra
compaixão do homem como quer o illustre ao norte delle, tinhão os alumnos das provincias
preopinante; mais visinhas, em cada um destes estabelecimentos

––––––––––––––––––
(*) Nesta acta não se faz menção de se ter lido a da
sessão antecedente.
Sessão em 5 de Setembro de 1823 43

onde ir com commodidade aprender as doutrinas temos onde assentem os fundos delle? Seria por
que nelles se hão de ensinar. certo formar, por assim dizer, castellos no ar, e
Verdade é, que na vasta extensão deste arrebatados da grandeza que se nos antolha na
imperio muitos terião que fazer longas jornadas, nossa imaginação, legislar sobre illusorias chimeras.
mas tambem é certo, que nem a povoação ora Apanhemos as velas, naveguemos menos
existente, nem a falta de mestres e cabedaes para a espaço, e ferremos em porto onde estejamos a
sustentação de tão dispendiosos estabelecimentos, abrigo de incertezas e illusões. Por tão prudentes
póde já permittir maior numero delles, bem que em motivos, projectarão os nossos illustres collegas
semelhante materia se possa dizer, que não serião autores do projecto estabelecer só duas
sobejos quantos se instituissem e creassem. A universidades, contendo-se com o possivel, e
diffusão das luzes scientificas, o augmento da guardando para o futuro fazer mais
instrucção publica e a necessidade de formar estabelecimentos segundo o progresso das luzes,
homens habeis para occuparem os empregos do povoação, e riqueza. Foi pois mui feliz e sabia esta
estado, derramarem o gosto da litteratura, e deliberação, porque partindo quasi pelo meio este
formarem a moral publica, mui ponderosos imperio, fica cada uma parte com sua universidade,
argumentos são para se crearem mais corpos para escolhendo-se as cidades mais actas pela sua
o ensino publico. fertilidade, situação visinha ao mar e clima sadio.
Tempo virá porém, Sr. presidente, em que se Tenho portanto, Sr. presidente, como da maior
estabeleção com commodidade dos povos, havendo evidencia que o artigo em questão deve passar
já quem possa occupar os lugares de mestres e como se acha sem a mais pequena alteração.
fundos sufficientes que a riqueza publica offereça O SR. ANDRADA MACHADO: – Eu
expontaneamente, ou pelo menos de bom agrado, considero tres partes no artigo, e nellas o divido:
para a sua sustentação. Formar-se-hão com o numero de universidades, locaes de fundação, e
mesmo correr dos tempos e por effeito e resultado materias de ensino. Sobre a terceira nada ha que
de um plano de instrucção publica de que já temos dizer, e por isso me limitarei ás duas primeiras.
projecto ou programa, collegios onde se ensinem as Quanto ao numero os illustres autores do projecto
sciencias maiores, talvez em cada provincia, e á indicarão duas; e a razão é obvia; a falta de meios
maneira do que no seu celebre plano de educação para crear mais; e eu mesmo duvido que passamos
ensinou o mestre Filangieri, e então, ou serão com as duas. Um destes meios são os mestres,
desnecessarias mais universidades, ou elles se pois temos disto mui pouca cousa, e para sciencias
transformaráõ nellas, e ficará satisfeita a anciosa naturaes nada absolutamente ...
vontade dos nossos collegas, cada um dos quaes á Se estas são as nossas circumstancias como
porfia deseja uma universidade na provincia em que quer o nobre deputado que se funde ainda uma 3ª?
virão raiar o primeiro dia da sua existencia. As duas, attenta a extensão do paiz, parecem
Por este motivo ouço bradar, que são poucas necessarias; bom fôra que cada provincia, ao
para o imperio do Brazil duas universidades, que menos das maiores, tivesse uma; mas primeiro que
pelo menos deve haver uma central para acudirem cheguem ao estado de poder tel-a têm ainda muito
os alumnos habitadores do interior deste imperio. que andar; cumpre fallar com franqueza ao povo e
Quanto se diz a este respeito, Sr. presidente, não é não o enganar. Supponho pois que sejão duas,
só plausivel; é o grito do amor da patria, do amor vejamos se os lugares indicados pela commissão
das sciencias, e do amor do bem publico. Eu folgára são os mais accommodados á instituição de taes
que fosse já possivel fazel-o; que este rico e vasto estabelecimentos. Eu sou do parecer da
paiz, que se apresenta agora a descoberto, commissão; e Olinda e S. Paulo me parecem mui
formando uma nação grande e independente, seja bem escolhidos: vejo attendidas na escolha todas
considerado como tal, até pelo lado do augmento da as circumstancias que devem decidir da preferencia:
instrucção publica e litteraria. salubridade do clima, commodidades, quietação, e a
Mas nem tudo que se deseja é possivel, nem possivel economia nas distancias das differentes
em politica e administração se deve de repente partes d'onde devem concorrer os alumnos; o que é
fazer tudo; nem já houve edificio duravel, sem que de grande importancia em um paiz que não tem
primeiro se formem alicerces grandes, profundos, estradas, e é de immensa extensão.
solidos, e duradouros. Se nós não temos mestres, Em S. Paulo o clima é temperado, os viveres
se ha de ser difficultoso achal-os para as cadeiras não são caros, e não ha distracções; ficão á mão as
de duas universidades, se ha de ser custoso provincias de Minas, Rio-Grande do Sul, e as do
estabelecer os fundos necessarios para a interior; e por isso julgo aquella cidade mui propria
sustentação dellas, como tratar já de decretar um para assento de uma universidade. As mesmas
maior numero? Como deliberar em levantar um razões me
edificio, se não
44 Sessão em 5 de Setembro de 1823

inclinão para Olinda; o clima é o mais bello do casas, e mui baratas: os viveres são commummente
mundo; o ar mui fresco e por isso proprio para os a bom mercado: a essas esterilidades, que
applicados; algumas cousas ha na verdade a notar, succedem de annos a annos, são devidas mais a
mais podem remover-se... Tem bellos edificios que causas politicas e moraes, do que a causas
com facilidade se aproveitão para o physicas; é preciso ter estado alli para julgar; é uma
estabelecimento... fica em boa distancia para outras cidade situada á borda do mar, e separada, pela
provincias, e pelo seu commercio tem facilidade de distancia de uma legua ao norte, dos barulhos do
communicação com ellas. recife.
Ha para o norte outra cidade que á primeira E se é certo, como disse um nobre deputado,
vista parecerá preferivel, que é a Parahyba; mas que as sciencias gostão de viver em sociedade,
tem grandes inconvenientes; é quasi deserta, e não então Olinda é ainda por essa razão mais propria:
tem casas nem acommodações bastantes. A Bahia, ha alli o seminario que reune oito cadeiras, que
em que tenho ouvido fallar, nunca eu a escolheria constituem já um grande principio: ha cadeira de
para isso; é a segunda Babylonia do Brazil; as grammatica latina de rhetorica com suas
distracções são infinitas e tambem os caminhos de adherentes; de philosophia com historia natural; de
corrupção: é uma cloaca de vicios... Emfim não grego e francez: cadeira de desenho: cadeira de
acho nada mais a proposito do que o lembrado pela geometria; de theologia dogmatica e theologia
commissão, e por voto com ella pelos dous lugares moral; e de historia ecclesiastica; isto junto como
indicados, Olinda e S. Paulo; nenhum outros está em um seminario é já um collegio de artes. Eu
reunem tantas circumstancias attendiveis. vi alli estudantes da Bahia, do Ceará, Parahyba,
O SR. HENRIQUES DE REZENDE: – Maranhão etc.; e o seu illustre fundador tinha a bem
Prouvera a Deus, que já se pudesse estabelecer em fundada, e justa vaidade de que daquelle seminario
cada provincia uma universidade. Então eu diria que havião de sahir mestres para todo o Brazil.
todas erão apropriadas, e tinhão todas as É verdade que os seus successores, ou por
perfeições. Mas eu não tenho esperanças que falta de genio, ou por indifferença que de ordinario
nenhum dos Srs. deputados aqui presentes veja se mostra para as cousas que são de creação de
isso realisado em seus dias. Trata-se pois de fazer outrem, despresarão aquelle estabelecimento, que
o mais que podemos; trata-se de crear duas tem chegado a estar em abandono: mas existe
universidades e para isso mesmo estou convencido ainda. Portanto havendo este principio, além das
que hão de ser precisos muitos sacrificios; mas outras razões já expendidas, digo que Olinda é para
emfim attenta a grande extensão do Brazil não o norte o lugar mais proprio. E emquanto se não
podemos prescindir de duas e neste caso vamos realisa o estabelecimento das universidades, desde
examinar os pontos, em que ellas podem ficar bem já se adopte a emenda do Sr. Araujo Lima; ponhão-
assentadas. se em vigor os estatutos do seminario de Olinda;
Sr. presidente, desde, a minha mais baixa una-se-lhe o curso juridico, e philosophico, e temos
idade sempre ouvi dizer que S. Paulo e Olinda erão já muita cousa. Creem-se em S. Paulo os dous
os lugares proprios, e adequados para o cursos referidos; e depois tratar-se-ha de realisar as
estabelecimento de duas universidades no Brazil: e duas universidades nos ditos lugares, pelas quaes
sem entrar no exame dos principios em que se voto desde já.
funda esta opinião commum, digo só que ella O SR. GOMIDE: – Offereço como emenda
assenta em uma convicção de utilidades mais additiva á minha indicação ou para se substituir a
sentidas, do que explicadas: o contrario disto não se ella, os artigos que apresento.
póde fazer sem torcer a opinião geral, e dar-Ihe Sr. presidente, insistirei sempre em requerer
direcção diversa. uma universidade na provincia de Minas.
Eu portanto não me cançarei em fallar a Conhecimentos geographicos e estatisticos daquella
respeito de S. Paulo, porque tenho visto que provincia illuminaráõ a decisão desta augusta
ninguem contesta a sua conveniencia; fallarei só de assembléa sobre a pretenção dos povos, que
Olinda, visto que uns Srs. têm fallado na Bahia, pedem e esperão uma universidade, para a qual
outros na Parahyba, Maranhão etc. E' sem duvida concorreráõ com subscripções generosas.
que a cidade de Olinda é da parte do norte o ponto
mais apropriado: o local é muito pelo contrario do ADDIÇÃO
que diz um nobre deputado; é o mais sadio que se
póde desejar, e é centro dessa parte do norte: é 1º Haverão tres universidades: 1º, uma
talvez o ponto mais aprasivel de todo o Brazil; se central para as provincias de Minas-Geraes e de
não de toda America: alli ha muitos edificios, muitas Goyaz; 2º, outra no sul para as provincias de S.
e boas Paulo, Rio-Grande, Cisplatina e Matto-Grosso; 3º,
outra no norte para as provincias da Bahia,
Pernambuco, Maranhão, etc.
2º Abra-se uma subscripção voluntaria em
todo o imperio recommendada aos governos
Sessão em 5 de Setembro de 1823 45

provinciaes e por estes ás camaras e capitães- direito, e para o que estão promptos a concorrer
móres, a qual se ultimará no mez de Dezembro, e com a generosidade que têm mostrado em todas as
por todo o mez de Janeiro de 1824 aqui estarão as épocas: é util não tratar com despreso a vontade
listas de todas as subscripções provinciaes. dos povos.
3º A universidade central será estabelecida Apoio portanto a emenda do Sr. Antonio Luiz
na cabeça do termo que mais contribuir. que apontou a villa da Cachoeira... (Não se ouvio o
4º A do norte e a do sul na capital da resto.)
provincia que mais contribuir ou no lugar que se O SR. HENRIQUES DE REZENDE: – Se
julgar mais idoneo na provincia preferente. quizessemos dividir o Brazil todo em retalhos e
Paço dá assembléa, 5 de Setembro de 1823. introduzir discordias intestinas, não havia
– Antonio Gonçalves Gomide. seguramente meio mais proprio do que attribuir as
Foi apoiada. deliberações que a assembléa tomar com os olhos
O SR. MONTESUMA: – Quando se discutiu na felicidade commum a uma predilecção por esta
este projecto pela primeira vez fui de parecer que ou aquella provincia. Que quer dizer que seria
não passasse; não por eu ser opposto a um tal impolitico não estabelecer a universidade na Bahia
estabelecimento, mas por entender que visto que ella o deseja? Então digo tambem que é
procederiamos mais em regra apresentando impolitico negal-a á minha provincia porque
primeiro o plano dos estudos que já tinha sido igualmente a deseja; e assim as outras.
objecto da consideração desta assembléa; e por O caso é que fingimos não haver em nós
isso votei que voltasse á commissão respectiva para espirito de bairro e elle apparece sem querermos,
o organisar quando já tivessemos esses primeiros porque attribuindo á assembléa parcialidade quando
elementos dos estudos em ordem; porém a minha ella obra pelo bem de todo o Brazil, mostramos o
opinião não prevaleceu e a assembléa julgou que fundo do nosso coração. Quer-se que haja uma só
devia passar o projecto á 2ª discussão. universidade para se fundar no centro do Brazil, que
Eu desejaria tratando-se de fundação de se reputa ser a Bahia; e quando se não possa
universidades que em cada provincia houvesse conseguir isto para a Bahia, então não haja mais
uma; mas como isto por ora não tem lugar, limitarei que umas miniaturas, uns camapheus de
o meu voto a que se creem duas, uma na costa do universidades.
Brazil e outra no interior; e sobre os lugares mais Sr. presidente, sejamos francos e sinceros;
proprios para estabelecel-as sou de opinião que se quando falla a utilidade commum e o bem geral,
funde uma na Bahia e outra em Minas-Geraes; os deve calar-se a Bahia, Pernambuco e tudo o mais.
povos desta ultima provincia mostrão-se mui A assembléa não deve ter em vista mais que a
desejosos deste estabelecimento, tendo até já felicidade geral da nação; como não póde haver
começado uma subscripção para este fim; e quando universidades em todas as provincias, cuida-se em
eu passei por ella, alli me rogarão que fallasse em estabelecer duas, escolhendo os lugares mais
seu favor neste augusto recinto; é além disso, como apropriados; e digo por isso que sejão em S. Paulo
todos sabem, uma provincia fertil, saudavel e mui e Olinda, ou naquelles lugares que a assembléa
populosa. A Bahia fica por assim dizer no meio da entender que são os mais proprios.
costa do Brazil e talvez tem mais direito á O Sr. Presidente declarou adiada a discussão
preferencia que nenhuma outra; já aqui se mostrou por ter dado a hora da leitura dos pareceres.
quanto ella estava prompta a dar quando se tratou O Sr. Ribeiro de Andrada pediu a palavra e
de fundar um estabelecimento semelhante ... Ouvi leu, por parte da commissão de fazenda o seguinte:
com bastante estranheza dizer aqui um nobre
deputado que a Bahia era uma cloaca de vicios; PROJECTO
nesta assembléa cumpre ser mais comedido em
expressões; e direi sómente que sendo cloaca de A assembléa geral constituinte e legislativa do
vicios tinha na universidade de Coimbra mais imperio do Brazil decreta:
estudantes que nenhuma outra; que apezar de 1º Todos os productos das fabricas de ferro,
todos esses vicios eu pude adquirir conhecimentos ou já estabelecidas ou que para o futuro se
que me habilitarão a ter hoje a honra de tomar parte houverem de estabelecer no territorio do imperio,
nestes augustos trabalhos, e que della têm sahido serão livres, por espaço de 10 annos, dos direitos
muitos homens habeis na agricultura e nas artes, e de sahida e dos de entrada nas outras provincias do
que alli se fazem grandes vantagens em litteratura. mesmo imperio.
Por ultimo, Sr. presidente, os povos da Bahia 2º Gozaráõ do mesmo privilegio os productos
mostrão-se mui desejosos de ter este das fabricas de quaesquer outros metaes ou
estabelecimento na sua provincia e parece-me até mineraes, que se houverem de extrahir do solo
impolitico negar-se-lhes aquillo a que têm brazileiro.
3º Gozaráõ tambem de igual privilegio os
46 Sessão em 5 de Setembro de 1823

productos das fabricas secundarias, provenientes das Mendonça. A commissão bem que persista no parecer,
primeiras. que primeiro deu, em se facultar a licença pedida,
4º Taes productos, para se não confundirem todavia como a assembléa decidio o contrario, é de
com os de fabrico estrangeiro, serão acompanhados parecer que não tem lugar o requerimento do
de uma guia authentica, que declare sua origem, supplicante, mórmente não apresentando este razões
quantidade e qualidade, além da competente marca ou de novo.
cunho que possão trazer das suas respectivas Sala da assembléa, 4 de Setembro de 1823. –
fabricas. Pedro de Araujo Lima. – Antonio Carlos Ribeiro de
5º Não se comprehendem na generalidade do Andrada Machado e Silva. – Francisco Muniz Tavares.
presente decreto os productos das fabricas de ouro e – Antonio Luiz Pereira da Cunha. – José Ricardo da
prata, e nem os diamantes e outras pedras preciosas. Costa Aguiar de Andrada. – Manoel Ferreira da
Paço da assembléa, 5 de Setembro de 1823. – Camara.
Martim Francisco Ribeiro de Andrada. – José Arouche Foi approvado.
de Toledo Rendon. – Pedro de Araujo Lima. – Manoel
Jacintho Nogueira da Gama. – José de Rezende Segundo
Costa.
Ficou para a segunda leitura. A commissão de constituição, tomando em
O mesmo Sr. deputado leu por parte da consideração o requerimento de Clemente Alvares de
commissão de estatistica o seguinte: Oliveira Mendes e Almeida, feito a Sua Magestade o
Imperador e endereçado á dita commissão, em o qual
PARECER pede prorogação de tempo para se demorar em
Portugal sem incorrer na comminação estabelecida no
A commissão de estatistica tomando em decreto de 8 de Janeiro deste anno, é de parecer que
consideração a proposta do Sr. deputado Ribeiro se lhe concedão seis mezes de prorogação, devendo
Campos na parte da competencia da mesma recolher-se dentro deste tempo.
commissão, é de parecer: Sala da assembléa, 4 de Setembro de 1823. –
1º Que o julgado de Cabrabó pelo estado de Pedro de Araujo Lima. – Antonio Carlos Ribeiro de
sua povoação de perto de seis mil almas de homens Andrada Machado e Silva. – Francisco Muniz Tavares.
livres e industria dos seus habitantes, está nas – Antonio Luiz Pereira da Cunha. – José Ricardo da
circumstancias de ser erigido em villa na fórma da Costa Aguiar de Andrada. – Manoel Ferreira da
referida proposta. Camara.
2º Que nestas circumstancias não está o outro Foi approvado.
julgado de Tacaratú, porque a maior parte da sua
povoação pertence á provincia das Alagôas, e neste Terceiro
caso se deve esperar pela constituição, na qual se
devem marcar as divisões geraes e particulares do A commissão de constituição á vista da
territorio do imperio. informação dada pelo intendente geral da policia,
3º Que não ha inconveniente em se declarar sobre José Fernandes Barboza, que requer a
julgado a povoação do Exú que é freguezia prorogação de mais seis mezes para não incorrer no
pertencente ao dito julgado de Cabrabó. decreto de 8 de Janeiro deste anno, é de parecer que
4º Finalmente que a creação de commandante se lhe conceda, visto não constar haver suspeita
militar e de um juiz de fóra na villa de Flores, póde ser contra o dito e ter aqui estabelecimento de negocio,
reservada para depois da publicação da constituição, fabrica e escravos.
por ser materia de que alli se deve tratar. Sala da assembléa, 4 de Setembro de 1823. –
Paço da assembléa, 1º de Setembro de 1823. – Pedro de Araujo Lima. – Antonio Carlos Ribeiro de
Manoel Jacintho Nogueira da Gama. – Barão de Santo Andrada Machado e Silva. – Francisco Muniz Tavares.
Amaro. – Martim Francisco Ribeiro de Andrada. – Antonio Luiz Pereira da Cunha. – José Ricardo da
Por haver quem fallasse sobre elle ficou adiado. Costa Aguiar de Andrada. – Manoel Ferreira da
O Sr. Araujo Lima, por parte da commissão de Camara.
constituição, leu os seguintes pareceres: Foi approvado.
O Sr. Costa Barros, como relator da commissão
Primeiro de marinha e guerra, leu tambem os seguintes
pareceres:
Foi presente á commissão de constituição um
requerimento de Joaquim de Souza de Quevedo Primeiro
Piçarro por seu bastante procurador Marcos Thomaz
de Oliveira, em que insiste em supplicar licença para A commissão de marinha e guerra para poder
proseguir o pleito que traz com o Sr. deputado Jacintho dar o seu parecer sobre a regulação do numero de
Furtado de tropas de 1ª linha que deve haver no imperio e quaes
os seus vencimentos, precisa que se peça ao governo:
Sessão em 5 de Setembro de 1823 47

1º Instrucções sobre a força das fortificações O SR. ANDRADA MACHADO: – Este corpo
de cada provincia. foi creado por uma lei, e não póde ser dissolvido
2º O numero de tropas das differentes armas senão por outra; e nunca por um parecer de
empregadas no serviço diario em tempo de paz e commissão. Se a illustre commissão julga que deve
qual este seja. ser extincto, apresente um projecto de lei e a
3º A estatistica de cada provincia pelo que assembléa o tomará na consideração que merecer.
pertence á população de homens livres, com O SR. NOGUEIRA DA GAMA: – A
separação da classe dos de côr preta. commissão deu o seu parecer em virtude da
4º Que soldos correspondem ás mesmas indicação do illustre deputado o Sr. Carneiro da
patentes em diversas provincias. Cunha. Se a assembléa approvar o parecer então
Paço da assembléa, 2 de Setembro de 1823. apresentará um projecto de decreto para entrar nas
– José Arouche de Toledo Rendon. – Manoel discussões ordinarias. A commissão sabe muito
Jacintho Nogueira da Gama. – Pedro José da Costa bem que não é por um parecer que se ha de
Barros. extinguir o corpo de estrangeiros.
Foi approvado. Julgando-se discutida a materia, venceu-se
que voltasse o parecer á commissão para se redigir
Segundo em projecto de lei.
O Sr. Vergueiro propoz que, por economia de
A commissão de marinha e guerra, sobre a tempo, logo que as commissões julgassem que
extincção do regimento de estrangeiros mandado devião reduzir a projectos os pareceres o fizessem;
crear por decreto de 8 de Janeiro do corrente anno, e consultada a assembléa sobre a proposta foi
attendendo á difficuldade de se realisar esta approvada.
creação e ao seu estado effectivo actual composto O Sr. Maia, como relator da commissão de
de 5 officiaes de estado-maior, 1 capitão, 4 legislação, leu os seguintes pareceres:
tenentes, 1 alferes e 106 praças, anspeçadas e
soldados, além de 30 officiaes inferiores e 13 Primeiro
tambores, sendo a sua total força presentemente de
160 individuos, é de parecer que seja extincto o dito A commissão de legislação para deliberar e
regimento com as seguintes providencias: interpôr o seu parecer sobre o requerimento de D.
1º Que os officiaes continuem a receber o Luiza Thereza do Nascimento, e outros, que se
soldo simples de suas patentes por espaço de seis queixão da injustiça com que dizem ter sido julgada
mezes; cessando de então por diante este meio uma causa, que ventilarão com os herdeiros do
vencimento; o qual se lhes concede em attenção ás brigadeiro Felicissimo José Victorino de Souza, e
despezas que fizerão. que ultimamente se decidio no juizo da corôa da
2º Que os officiaes inferiores sejão casa da supplicação, precisa que se exijão as
demittidos, continuando a receber por mais tres informações do governo, tanto a respeito da dita
mezes seus respectivos soldos tão sómente. causa, como dos motivos, porque se não concedeu
3º Que se alguns ditos inferiores quizerem aos supplicantes a revista que requererão ao
continuar a servir, o possão fazer nos batalhões tribunal do desembargo do Paço.
nacionaes com a praça de soldados, e vencimentos Paço da assembléa, 4 de Setembro de 1823.
dos soldados da nação. – José Teixeira da Fonseca Vasconcellos. – José
4º Que os tambores, e soldados possão Antonio da Silva Maia. – João Antonio Rodrigues de
igualmente servir, querendo, nos corpos nacionaes; Carvalho. – D. Nuno Eugenio de Locio. – Bernardo
precedendo a devida inspecção sobre o seu estado José da Gama.
phisico, obrigando-se aos maiores de 18 annos a Por haver quem fallasse sobre elle ficou
servirem por seis annos, e aos menores por 8 annos adiado.
com o mesmo soldo dos soldados dos batalhões a
que se reunirem; podendo uns e outros entrar em Segundo
maior continuação de serviço, se assim lhes
convier, findos os ditos prazos com as vantagens A commissão de legislação para poder
marcadas pela lei. interpôr o seu parecer sobre o requerimento dos
5º Que aquelles que na inspecção forem trinta e sete moradores do districto do Tanque da
julgados incapazes de serviço activo, ou que não comarca do Sabará, que se queixão da violencia,
quizerem continuar no serviço nacional, sejão com que a herdeira do marechal João Carlos Xavier
despedidos, concedendo-se-lhes levar o fardamento da Silva Ferrão, pretende obrigal-os a deixar os
que houverem recebido. terrenos em que se achão situados ha mais de vinte
Paço da assembléa, 2 de Setembro de 1823. annos, sem opposição, ou a pagar-lhe cada um
– José Arouche de Toledo Rendon. – Manoel delles o valor da porção que possue, fundando
Jacintho Nogueira da Gama. – Pedro José da Costa aquella a sua intenção na concessão feita ao
Barros.
48 Sessão em 5 de Setembro de 1823

dito João Carlos Xavier de tres sesmarias que que acabava de receber officios do governo que
nunca demarcou, nem aproveitou: precisa que se passava a lêr, um do ministro de estado dos
exijão do governo as informações do que já se tem negocios da guerra, e outro do da justiça:
passado a este respeito, com a remessa da Illm. e Exm. Sr. – Levei á augusta presença
informação dada pelo governo da provincia de de S. M. o Imperador o officio do 1º do corrente
Minas-Geraes sobre o requerimento dos Setembro, que V. Ex. me dirigio, communicando ao
supplicantes. governo a resolução tomada pela assembléa geral,
Paço da assembléa, 2 de Setembro de 1823. constituinte e legislativa do imperio, sobre a
– José Teixeira da Fonseca Vasconcellos. – José immediata remessa para Portugal das tropas
Antonio da Silva Maia. – João Antonio Rodrigues de lusitanas ora apresadas em Pernambuco, e Bahia, e
Carvalho. – D. Nuno Eugenio de Locio e Seilbitz. – tendo o imperador mandado hoje expedir as
Bernardo José da Gama. convenientes ordens aos respectivos governos
Por haver quem fallasse sobre elle ficou provisorios na conformidade daquella resolução, me
adiado. ordenou que assim o participasse a V. Ex. para
conhecimento da mesma assembléa.
Terceiro Deus guarde a V. Ex. Paço, 3 de Setembro
de 1823. – João Vieira de Carvalho. Sr. João
A commissão de legislação tendo em vista o Severiano Maciel da Costa.
requerimento de José Antonio de Almeida, que pede Ficou a assembléa inteirada.
dispensa de habilitações para professar na ordem Illm. e Exm. Sr. – Por ordem de S. M. o
de Christo, de cujo habito teve mercê; e os outros Imperador, remetto a V. Ex., em resposta ao officio
de Antonio Tavares Corrêa, D. Joaquina, D. Anna e de 29 do mez proximo passado, dirigido pelo
D. Joanna Marques de Lima, Manoel Marques de antecessor de V. Ex., o requerimento de Pantaleão
Souza, Felippe Antonio do Amaral e Manoel Affonso Moreira Mosso, e a informação da junta provisoria
Vellado, que pedem dispensas de lapso de tempo do governo da provincia de Minas Geraes, em
para medição e demarcação de sesmarias, os consequencia da qual teve o supplicante por
quaes forão remettidos a esta augusta assembléa despacho que – usasse dos meios ordinarios. O que
por parte do governo, com as consultas da mesa do V. Ex. levará ao conhecimento da assembléa geral,
desembargo do paço sobre os mesmos constituinte e legislativa do imperio.
requerimentos: é de parecer que se autorise o Deus guarde a V. Ex. Palacio do Rio de
governo para poder conceder estas e outras Janeiro, em 4 de Setembro de 1823. – Caetano
semelhantes dispensas de lapso de tempo, Pinto de Miranda Montenegro. – Sr. João Severiano
habilitações, e as mais que por estylo se têm Maciel da Costa.
concedido até agora pela secretaria de estado dos Foi remettido á commissão de legislação.
negocios do imperio, emquanto o contrario não fôr Entrou em discussão o parecer da
determinado. commissão de legislação sobre o requerimento dos
Paço da assembléa, 5 de Setembro de 1823. moradores da villa de S. Antonio de Sá, adiado na
– José Antonio da Silva Maia. – José Teixeira da sessão de 28 de Agosto.
Fonseca Vasconcellos. – João Antonio Rodrigues O SR. FRANÇA: – (Não o ouvio o
de Carvalho. – Bernardo José da Gama. – D. Nuno tachygrapho.)
Eugenio de Locio. No fim do seu discurso mandou para a mesa
Por haver quem fallasse sobre elle ficou a seguinte:
adiado.
O Sr. Lopes Gama, com relator da EMENDA
commissão de petições leu o seguinte:
Que se officie ao governo para que ordene á
PARECER camara da villa de S. Antonio de Sá que sobreesteja
na arrematação da renda do ver, fazendo cobrar as
A commissão de petições vendo o coimas pelo procurador da mesma camara,
requerimento de José Gomes em que pede a esta emquanto outra cousa se não ordena por uma lei
soberana assembléa baixa da praça de soldado, regulamentar da administração das municipalidades
allegando motivos que o devem isentar de prestar- em geral. – O deputado França.
se ao serviço militar: é de parecer que não compete Foi apoiada.
a esta assembléa o deferimento á tal pretenção. Depois de breves reflexões ficou adiada
Paço da assembléa, 5 de Setembro de 1823. novamente a discussão por ter dado a hora.
– José Teixeira da Fonseca Vasconcellos. – Lucio O SR. COSTA BARROS: – Apezar de ter
Soares Teixeira de Gouvêa. – Caetano Maria Lopes dado a hora desejo que a assembléa me conceda a
Gama. permissão de ler uma proposta, que não admitte
Foi approvado. demora, pois sendo approvada como
O Sr. Secretario Maciel da Costa declarou
Sessão em 6 de Setembro de 1823 49

espero, cumpre que haja tempo para se expedirem O que participo a V. Ex. para que, sabendo de Sua
as ordens necessarias. Magestade o lugar e a hora em que determina
Consultada a assembléa decidio-se que a recebel-a, V. Ex. m’o communique, e eu possa fazel-
lesse. o presente á mesma assembléa. – Deus guarde a V.
Ex. Paço da assembléa, em 5 de Setembro de 1823.
PROPOSTA – João Severiano Maciel da Costa.

Proponho que a assembléa declare o dia 7 do SESSÃO EM 6 DE SETEMBRO DE 1823.


corrente, anniversario da independencia brazileira,
dia de festa nacional; e que nomêe uma deputação PRESIDENCIA DO SR. BARÃO DE SANTO
composta de tantos membros quantas são as AMARO.
provincias que se achão representadas, um de cada
provincia, afim de comprimentar a S. M. Imperial, e Reunidos os Srs. deputados pelas 10 horas da
agradecer-lhe em nome do imperio o primeiro grito manhã, fez-se a chamada, e acharão-se presentes
da sua independencia, solto por elle nas margens do 65, faltando com causa os Srs. Araujo Gondim,
Ypiranga. Ribeiro de Rezende, Silveira Mendonça, Carneiro da
Paço da assembléa, em 3 de Setembro de Cunha, Andrada e Silva e Almeida e Albuquerque; e
1823. – Pedro José da Costa Barros. sem ella os Srs. Rodrigues Velloso, Pinheiro de
Fallárão alguns Srs. deputados (mas nada Oliveira, Ferreira Barreto, Muniz Tavares, Furtado de
disse desta discussão o tachygrapho João Estevão); Mendonça, Camara e Nogueira da Gama.
e afinal propôz o Sr. presidente: O Sr. Presidente declarou aberta a sessão, e
1º Se o referido dia 7 se reputaria lida a acta da antecedente foi approvada.
interinamente de festa nacional. – Venceu-se que O Sr. Secretario Maciel da Costa leu o
sim. seguinte officio do ministro dos negocios do imperio.
2º Se iria por este motivo uma deputação a Illm. e Exm. Sr. – Tendo levado á augusta
Sua Magestade. – Venceu-se que sim. presença de S. M. o Imperador, o officio que V. Ex.
3º Se a deputação seria composta de me dirigio hontem, participando-me ter a assembléa
deputados de todas as provincias. – Venceu-se que geral constituinte e legislativa deste imperio resolvido
sim; e que fosse de 24 membros, como mandava o dirigir ao mesmo senhor uma deputação no dia de
regimento. amanhã 7 do corrente, para lhe significar em nome
O SR. ARAUJO LIMA: – Como se deve do imperio os puros votos de agradecimento pela
officiar ao governo hoje mesmo, para haver tempo de magnanima resolução de ter declarado a
vir a resposta, proponho que se approve já a acta independencia do mesmo imperio pela primeira vez
nesta parte, para que possa o Sr. secretario fazer no sitio do Ypiranga, na provincia de S. Paulo,
expedir o officio. esperando saber o lugar e hora da sua solemne
Foi approvada a acta nesta parte para o recepção: S. M. o Imperador me ordena que eu
referido fim. responda a V. Ex., para ser presente na mesma
O Sr. Presidente assignou para a ordem do assembléa, que terá todo o prazer de receber tão
dia: 1º, a continuação da 2ª discussão sobre a distincta deputação á uma hora da tarde no palacio
fundação de duas universidades no Brazil: 2º, o da cidade.
parecer da commissão de fazenda sobre os Deus guarde a V. Ex. Paço, em 6 de Setembro
ordenados dos presidentes e secretarios dos de 1823. – José Joaquim Carneiro de Campos. – Sr.
governos das provincias; 3º, a indicação do Sr. João Severiano Maciel da Costa.
Carneiro. Ficou a assembléa inteirada.
Levantou-se a sessão ás duas horas da tarde. Passou-se á ordem do dia, e continuou a
– Luiz José de Carvalho e Mello, secretario. discussão do art. 1º do projecto sobre fundação de
universidades, adiada na sessão antecedente.
RESOLUÇÕES DA ASSEMBLÉA O SR. SILVA LISBOA: – Sr. presidente, tendo
na sessão de 28 do passado proposto uma emenda
PARA JOSÉ JOAQUIM CARNEIRO DE CAMPOS ao projecto de lei sobre a creação de universidades,
e resolvendo-se então, que eu a reservasse para
Illm. e Exm. Sr. – A assembléa geral offerecel-a, na conformidade do regimento, aos
constituinte e legislativa do imperio do Brazil tem artigos do projecto, peço licença para ler.
resolvido enviar no dia 7 do corrente á presença de Art. 1º Crear-se-ha por ora já uma
S. M. o Imperador uma deputação para lhe exprimir universidade nesta côrte, á custa do thesouro, a qual
em nome do imperio os purissimos votos do seu se intitulará – universidade das sciencias, bellas
agradecimento pela magnanima resolução de letras e artes.
declarar a independencia do mesmo imperio pela
primeira vez no sitio do Ypiranga.
50 Sessão em 6 de Setembro de 1823

Art. 2º Começará o anno lectivo em 1824 O argumento tirado das distracções tambem
depois das ferias da Paschoa da Ressurreição. me não faz pezo; o vadio tanto é na solidão como em
Art. 3º Fundar-se-hão universidades uma grande cidade; e quanto aos commodos para
semelhantes nas capitanias das outras provincias do viver digo que quanto maior é a cidade tanto melhor
imperio do Brazil, quando forem requeridas pelos póde accommodar os que entrão de fóra; muito
respectivos povos, e governos locaes, que menos pezo faria aqui a entrada de 10,000 pessoas,
designarem e segurarem os fundos, e creditos de do que em S. Paulo, onde logo se conheceria a
cada uma, necessarios ao estabelecimento, e differença até no preço dos generos... Vejamos
independentes da sua estabelecida renda publica. agora se é praticavel a fundação de diversas
Foi apoiada. universidades e a decisão me parece facil
O SR. GOMIDE: – Nunca convirei no considerando umas feitas á custa da nação, e outras
estabelecimento de uma universidade nesta côrte, ao á custa dos particulares.
que acho inconvenientes phisicos e moraes. Os A assembléa para estabelecer universidades,
phisicos são: a insalubridade conhecida por males consulta as rendas do imperio, o estado de suas
endemicos visiveis, os calores excessivos, que finanças, e vendo que não póde estabelecer muitas
afracando o corpo, afracão tambem o espirito, e o trata de crear só as que julga mais necessarias; e
inhabilitão á sérias e profundas applicações, o alto por isso a commissão entendeu que devia limitar-se
preço de viveres, e de todas as cousas necessarias a duas; agora se qualquer das provincias quer ter
á vida. Os moraes são: as distracções dentro em si outra universidade não ha razão para se
multiplicadamente produzidas em uma côrte, lhe não conceder uma vez que a sustente com
caminhos variados de fortuna que se offerecem á fundos seus.
mocidade, pelos quaes desertará a laboriosa carreira Offereço por isso uma emenda ao art. 1º que
das letras, razões estas que obrigarão nossos em parte coincide com a do Sr. Lisboa. Não me
maiores a transplantar a universidade de Lisboa para accommodo com a do Sr. Gomide que estabelece e
Coimbra. fixa logo tres universidades, e põe como em leilão o
Para se estudar com successo, Sr. presidente, assento dellas para quem der mais dinheiro. Eu vou
é preciso – mens sano in corpore sano – ler o que proponho.
concentração de espirito e um certo isolamento,
impossivel no tumulto e effervescencia de paixões EMENDA
nas côrtes. Academias de sciencias e artes, que se
fórmão pela congregação de homens já feitos, e Ao art. 1º Que se estabeleção duas
consummados, são os estabelecimentos proprios universidades, uma em S. Paulo outra em Olinda,
das côrtes, e que prosperão pela influencia dos facultando-se a cada uma das demais provincias do
governos. Para um tal deposito de luzes darei a todo imperio a fundação de iguaes estabelecimentos
tempo o meu voto: mas nunca para a universidade. dentro em si logo que os seus respectivos habitantes
Portanto nada de universidades na côrte. offereção para isso os fundos necessarios. – O
O SR. MIGUEL CALMON: – Sr. presidente, eu deputado Miguel Calmon.
observei no debate de hontem sobre o art. 1º que Foi apoiada.
está em discussão, que muitos Srs. deputados O SR. VERGUEIRO: – Já hontem aqui
concordavão sobre os lugares designados, mas que declarei a minha opinião, sobre o artigo em
tambem muitos outros discordavão; parece-me que discussão e suas emendas; mas agora como vejo
póde haver meio de conciliar tudo com uma emenda, que se propõe que haja uma só universidade no Rio
mas antes de a propôr farei algumas reflexões. de Janeiro á custa do erario, e que depois se creem
Eu sinto muito afastar-me da opinião de alguns outras nas provincias quando ellas as requeirão,
illustres deputados que olho como meus mestres por sempre direi mais alguma cousa. A grandeza da
suas grandes luzes que respeito; mas estou cidade pede que hajão nella escolas de instrucção,
persuadido que as grandes cidades não são para os seus habitantes; mas estabelecer no Rio
improprias para o estabelecimento de universidades. escolas para instrucção geral do imperio, é querer
Nas grandes cidades ha uma massa extraordinaria fazer monopolio de sciencia.
de luzes que se não encontra nos lugares pouco Poucas serão as familias que possão
populosos; alli se aprendem grandes lições com sustentar os filhos nessa universidade, porque as
muita facilidade, grandes lições que em lugares despezas serão mui grandes; só o artigo casa é para
ermos e solitarios levarião annos; na concurrencia de empobrecer um estudante; além disso o local é
objectos variados, e nos differentes espectaculos improprio pelos multiplicados motivos que oferece de
que todos os dias de novo se apresentão, aprende distracção; não é o mesmo estar onde ha amiudadas
praticamente o mancebo o que estuda em theoria. occasiões de ser distrahido ou onde ha menos ou
nenhumas.
Todavia o Sr. Lisboa quer que se funde uma
universidade no Rio á custa do erario, e
Sessão em 6 de Setembro de 1823 51

nas provincias só a custa dellas; parece ser isto se tem produzido razões em contrario que illudão as
grande privilegio para o Rio de Janeiro. Se acaso se de economia e politica, que tenho ponderado nas
dissesse que fosse sustentada á custa do Rio como discussões sobre o assumpto; se é que se pretende
as outras á custa das respectivas provincias, bem fazer um estabelecimento decente, e de execução
estava; mas como se propõe é manifesta injustiça. effectiva.
O Rio de Janeiro já tem bastantes privilegios, A offerta feita na Bahia em estado florente
não se lhe deve conceder mais; basta a seria difficil de se realisar agora depois da crua
independencia em que está, ao mesmo passo que as guerra que a provincia soffreu; e, ainda realisada, a
outras têm de vir aqui procurar os seus recursos. se pôr em rendimento o fundo dos ditos 80:000$000
Portanto voto contra a emenda para que se não dê como seria necessario para não se exhaurir o capital,
esta preferencia ao Rio com tão injusta differença apenas renderia 4:000$000, quantia inconsideravel
sobre os fundos do estabelecimento. Um honrado para o estabelecimento.
membro quiz conciliar a opposição das emendas Multiplicando-se já taes estabelecimentos,
propostas; e convindo que erão necessarias as duas todos serão fracos, ou excedentes á demanda do
universidades nos lugares assignados pela paiz.
commissão, accrescentou que se alguma das outras Experimentou-se que varias cadeiras que
provincias quizesse fundar uma universidade no seu forão creadas na Bahia de estudos maiores, se
territorio o poderia fazer offerecendo os fundos mostrarão como plantas exoticas, que não vingarão.
necessarios para as despezas. Por ora não será oneroso aos que tiverem
Eu conformo-me muito com esta proposição e posses, ou auxilios para seguirem os estudos da
ainda que pareça que ella implica com a designação universidade, que venhão fazer seu curso nesta
fixa dos lugares das duas, não é assim; escolheu-se côrte.
S. Paulo e Olinda, como os dous pontos mais Por ora as rendas publicas da Bahia convém
proprios; mas cada uma póde estabelecer a que se dirijão á reparação dos estragos do inimigo,
universidade se quizer, e tiver com que; deve haver renovação e multiplicação dos armamentos, e
ampla liberdade para a propagação das luzes; e promoção da marinha imperial. A Bahia terá sempre
assim como não prohibimos escolas particulares, a primazia da estação naval do imperio.
tambem não devemos prohibir estes Dizia-se na França que Luiz XIV, era soberano
estabelecimentos. (Não se ouvio o resto.) magnifico em Pariz, mas só monarcha poderoso em
O SR. SILVA LISBOA: – Sr. presidente, estou Toulon.
convencido, que, por ora, é urgente concentrar todos Poder-se-ha tambem dizer, que o imperador
os recursos do imperio para a sua defesa; depois será esplendido no Rio, mas só grande na Bahia,
virá com o tempo a instrucção superior. O horisonte quando ahi se promover devidamente a armada
ainda está mui turvo: não nos façamos illusões com imperial.
projectos que demandão paz, e riqueza progressiva. Tendo esta côrte quasi todos os
Reconheço, que o patriotismo dictou aos Srs. estabelecimentos e estudos mais necessarios para
deputados, que têm opinado differentemente de mim uma universidade, e só lhe faltando os estudos da
sobre a multiplicação de universidades, a preferencia faculdade juridica, tem não menos a opportunidade
dos lugares destes estabelecimentos. Cada um a de fornecer os professores de direito convenientes,
pretende para a respectiva provincia. Parece-me havendo magistrados e jurisconsultos de credito, que
realisado o caso da fabula de Orphêo, que, á força podem aqui ser empregados mais economicamente,
de amor das nimphas, foi por ellas despedaçado, do que no anterior, ou em outra parte.
porque cada qual o desejava inteiro para si. Não posso assentir que se mande vir de
Já na sessão de 28 de Agosto disse, que a se Portugal (como um nobre membro indicou); pois,
deverem decretar duas universidades para o imperio, além de dar isso idéa injuriosa de penuria de
havia toda a razão para ser uma dellas na Bahia, jurisconsultos nesta côrte, seria impolitico,
como a antiga metropole do Brazil, e segunda cidade impraticavel e mui demorado.
do imperio, tendo a vantagem da situação central Além disto é facto certo que, quando no
maritima, e mais estabelecimentos recursos e governo passado se crearão aulas de commercio
reditos, e até porque já, no governo de S. M. para as praças maritimas deste imperio, o tribunal da
Fidelissima, offereceu uma subscripção de junta do commercio de Lisboa, commettendo-se-lhe
80:000$000 para ter uma universidade; porém não a nomeação de pessoas idoneas para lentes, e
obstante ser eu natural da mesma cidade, não depois de editaes á praça, não apparecerão; não
posso, por ora, considerar ser de necessidade obstante dar-se-lhes o ordenado de 500$, passagem
immediata a creação de uma universidade senão livre, e casas na cidade, onde se estabelecessem.
nesta côrte; visto que, no meu entender, não Um dos honrados membros que impugnou a minha
opinião,
52 Sessão em 6 de Setembro de 1823

a arguio dizendo que continha injustiça e monopolio. da nação; mas nem por isso devemos abandonal-a.
Mas não propuz monopolisar, e para sempre, Se são necessarios e uteis semelhantes
os estudos da universidade nesta côrte; sómente estabelecimentos, como ninguem ousará negar,
attendi á urgencia das actuaes circumstancias do convém cortar embaraços e estabelecer as rendas.
imperio, e á reconhecida impossibilidade do thesouro Muitos dos honrados collegas se persuadem
publico em já fazer a dotação simultanea de tantas de que é illusorio decretar já o estabelecimento das
universidades que se requerem. Dividindo-se universidades sem decretar as suas rendas. Mui
enfraquecem-se. certo era este argumento, se começassem elles
Propuz que se fundassem quantas os povos e desde já o seu andamento e progresso: mas
governos requeressem, comtanto que designassem cumprindo formar os edificios e mais que tudo
e segurassem os fundos, e reditos necessarios, e procurar mestres, tempo ha para que depois de
independentes das rendas estabelecidas, que, por decretados os referidos estabelecimentos, se cuide
ora, não convém distrahir de suas applicações em determinar as rendas, emquanto chegão os
ordinarias. mestres.
Não ha injustiça em recommendar por ora uma Tenho ouvido que com subscripções
universidade á custa do thesouro. voluntarias se conseguirá haver fundos sufficientes
O SR. ANDRADA MACHADO: – (Não se para a manutenção destes estabelecimentos; mas
entendeu o tachygrapho Victorino.) quem não vê a insufficiencia de um tal meio?
Julgou-se discutida a materia e passou-se ao Produziráõ ellas acaso quantia certa e
Art. 2º Estatutos proprios regularáõ o numero sufficiente?
e ordenados dos professores, a ordem e Não vemos nós todos os dias grandes
arranjamento dos estudos. promessas filhas do enthusiasmo, que não se
Por não haver quem pedisse a palavra, verificão depois quando chega o frio tempo do
perguntou o Sr. presidente se a assembléa dava por pagamento?
discutido o artigo. – Decidio-se que sim; e passou-se Podem chamar-se voluntarias, quando a maior
ao seguinte: parte dellas são feitas pela força irresistivel de não
Art. 3º Em tempo competente se designaráõ querer fazer máo papel, ou pelo receio de serem
os fundos precisos a ambos os estabelecimentos. taxados de egoistas e de inimigos do seu paiz os que
O SR. ANDRADA MACHADO: – Creio que ha se não prestão a ellas?
uma emenda a este art. 3º, e que é do Sr. Arouche: Quantas vezes se têm offerecido como dons
requeiro que se lêa. voluntarios quantias que se vão depois tomar com
Fez-se a leitura da emenda. (Veja-se a sessão premios para o pagamento? Não é esta uma
de 28 de Agosto.) despeza de utilidade geral, e não é por isso justo que
O SR. VERGUEIRO: – Este art. 3º diz que em concorrão todos com a sua quota proporcionada?
tempo competente se designaráõ os fundos precisos Sr. presidente, o estado não póde governar-se
a ambos os estabelecimentos; mas como não temos com rendas ficticias e illusorias. E’ esta uma despeza
calculo algum, nem por approximação, das despezas que concorre para o bem publico, e deve sahir da
precisas, e algumas se hão de entrar a fazer, massa geral das rendas publicas; o que cumpre
parecia-me acertado dar alguma providencia, isto é, fazer é regular estes estabelecimentos por maneira
que emquanto se não designão aquelles fundos se que as despezas sejão só as necessarias: corte-se
supprisse pelo thesouro publico o que fosse pelo que fôr de luxo, como grandes capellas,
necessario. grandes palacios; mas tenhão as universidades com
A esse fim me lembrei de fazer ao artigo o que pagar os mestres, com que formar uma copiosa
seguinte additamento: livraria, jardim botanico, um muzeu, um gabinete de
E no emtanto serão fornecidas as despezas physica com todos os seus aprestos, um laboratorio
pela fazenda nacional. – Vergueiro. chimico, e um observatorio para nelle se aprender a
Foi apoiada. pratica da astronomia. E’ esta a ferramenta propria
O SR. CARVALHO E MELLO: – Trata-se de uma tão grande officina. E talvez se deva adoptar
neste paragrapho de um ponto da maior importancia, que sejão estes fundos proprios das mesmas
convém a saber, dos fundos necessarios para a universidades, como têm todas as da Allemanha e
sustentação destes dispendiosos estabelecimentos. de Inglaterra, e a portugueza de Coimbra, de quem
A materia mostra por si mesma a sua disse um celebre viajante moderno, que fôra mui boa
importancia: sem elles nenhum estabelecimento idéa dos nossos maiores o ter feito por esta maneira
póde suster-se, e muito menos medrar. estes estabelecimentos de educação livres e
E’ necessario procurar estabelecel-os com independentes.
certeza e abundancia, e com o menor incommodo Convém, Sr. presidente, e muito, que entre
dos contribuintes. Materia é esta de summa nós elles se erijão e ponhão em marcha.
difficuldade nas actuaes circumstancias
Sessão em 6 de Setembro de 1823 53

A necessidade da instrucção publica, e a de certas rendas de administração publica, que mais


particular neste genero de estudos, insta e aperta. ou menos ha em todas as nossas maiores cidades,
Necessitamos formar cidadãos que enchão um como são as dos seminarios, collegios, e conventos,
dia os empregos, para que são necessarias as sem desfalque, ou offensa das suas primitivas
doutrinas da jurisprudencia em geral. Não nos instituições, talvez com menos custo do que se
illudamos com os sarcasmos da gente ignorante, que pensa se possão manter estes estabelecimentos; e
avalia em pouco esta mestra e reguladora das com vantagem mesmo dos membros das
acções humanas. Os que o dizem não sabem, nem corporações a que pertenção.
quaes são as materias proprias de tal faculdade, Voto pois que passe o artigo; visto que não é
nem até onde se estendem. este o lugar proprio do debate sobre a natureza das
Chamão de ordinario rabulas aos que se dotações, que o mesmo artigo reserva para tempo e
empregão no fôro, e passando na mesma balança os lugar proprio.
imperitos enredadores com os que defendem os O SR. GOMIDE: – Que das ordens religiosas
justos fôros da segurança pessoal, e direitos de se podião tirar fundos para universidades, é
propriedade, nem sabem que esta parte é uma das manifesto, attenta a riqueza de algumas dellas; mas
essenciaes na sociedade, nem conhecem que no seria isto justo? Seria necessario? Atacava-se
vasto campo da jurisprudencia se aprendem os directamente o direito de propriedade, quando
direitos que pertencem ao homem, ao cidadão, ao dessas mesmas riquezas nas communidades á que
soberano, aos subditos, ás nações entre si, e que pertencem, se póde tirar proveito para a instrucção.
não se póde ser nem advogado, nem magistrado, Deve-se ás ordens religiosas a salvação das
nem negociador politico, nem homem de estado, letras na inundação do barbarismo gothico; á ellas se
nem legislador sem ter bebido nas fontes puras da deverá a conservação e progresso, entre nós no
sciencia da legislação e jurisprudencia universal, as seculo XIX, principalmente em um governo
regras elementares e as maneiras de as verificar nos constitucional, que dará favor e direcção aos
diversos casos que occorrem nas circumstancias em estudos.
que as devem applicar os cidadãos destinados aos Os mesmos religiosos desde sua instituição no
empregos referidos. Brazil têm conservado aulas, e talvez (que digo eu?
E' portanto a todas as luzes manifesto, que as talvez!) e de certo se deve aos claustros o que ha de
doutrinas do artigo em questão devem passar pela estabelecimentos adquiridos no paiz. Estes homens
maneira exposta. estudiosos pelo seu estado, sequestrados ao mundo
O SR. FRANÇA: – Os illustres membros da pela sua condição, são professores habeis, e
commissão, que redigirão o projecto da creação das capazes de ensinar quanto a nação exigir delles.
universidades positivamente reservarão para outro Entretanto que não temos universidades, os
lugar, e tempo o tratar-se dos seus estatutos, e das monges de S. Bento podem dar nesta côrte um curso
suas respectivas dotações: e bem sabemos nós que de direito por estatutos organisados em uma
o assumpto da dotação não póde ser tratado, sem commissão, distribuindo-se por todos os conventos
que primeiramente se tenhão decretado os estatutos; aulas publicas, legislativamente reguladas no plano
visto como a despeza de taes estabelecimentos ha de estudos, e na proporção das possibilidades
de ser calculada pelo numero de cadeiras, e mais conventuaes.
arranjo economico que se lhes houver de attribuir. Eis as riquezas monasticas bem interessantes
Não póde portanto entrar ora em debate esta á illustração dos povos. Que não é necessario, se
materia: quando á assembléa vier o projecto prova por outros recursos que temos sem offender a
respectivo á ella, se discutirá; e para então reservo direitos de propriedade, que são tão sagrados sendo
dar o meu parecer sobre a qualidade dos fundos que esta individual, ou de uma collecção de individuos.
cumpre applicarem-se á taes disposições; os quaes Ha muitos bens nacionaes, como as fazendas dos
de nenhuma maneira devemos consentir que jesuitas em S. Paulo, o vinculo de Jaguará nas
derivem do thesouro publico, pelos muitos minas, etc., que vendidos produziráõ fundos, á que
inconvenientes praticos que eu apontarei. Já temos o se não póde dar melhor destino, que o da instrucção
exemplo do que por essa repartição se tem obrado publica. O dinheiro, producto destes bens, ponha-se
com a consignação do subsidio litterario, que os em acções no banco, no numero das que se dizião
povos pagão para a sustentação das cadeiras da corôa, e ter-se-ha uma renda constante,
menores; em breve perdeu essa renda a natureza de disponivel no entretenimento das universidades.
consignação; e os professores sentindo a falta, e Demais: os conventos que vemos, os bens de
atrazo dos mesquinhos ordenados que percebião, que são dotados, e as riquezas que gozão, forão
desampararão muitos as cadeiras que região; de primitivamente donativos piedosos, e generosos.
outra maneira porém aconteceria, se a arrecadação, Podemos pois esperar a mesma, e maior
e distribuição do subsidio tivera a sua economia generosidade para o estabelecimento de
particular. Aproveitados os elementos universidades.
54 Sessão em 6 de Setembro de 1823

Tempo virá, e já me lisongeio em prevêl-o, que examinando todas as circumstancias que devem dar
cada uma das nossas provincias terá universidades preferencia á esta ou áquella provincia, propondo a
e academias. qualidade de estudos e qualidade das cadeiras que
O Pará terá um dia a opulencia presente da se devem erigir e ultimamente facilitando meios para
Russia, o Maranhão a da Allemanha, Pernambuco a suas indispensaveis despezas que devem ser bem
da França, a Bahia a da Grã-Bretanha, esta a de calculadas, e isto com a possivel brevidade para que
toda a Italia, S. Paulo a da Hespanha, Santa esta assembléa tome a tal respeito uma deliberação
Catharina será a nossa Irlanda, a parte meridional do definitiva e se não demore a conclusão deste
Brazil equilibrará só por si os Estados-Unidos do negocio, de que tanto depende a prosperidade deste
norte do nosso mundo, emquanto Minas, imperio, como uma das pedras angulares que deve
comprehendendo Goyaz e Matto-Grosso, será tão sustentar o nobre edificio da nossa independencia.
opulenta como é hoje a Europa toda. O SR. AROUCHE RENDON: – Sr. presidente,
(O Sr. Andrada Machado interrompeu o orador na primeira discussão deste projecto eu já disse que,
dizendo: E' muito exagerar!) Pondere-se na balança parecendo-me elle muito bom em todas as suas
da razão o que tem nas suas entranhas, o que partes, só lhe achava o defeito de se não ordenarem
produz e produzirá na sua superficie, e não se os fundos que deveráõ fazer a subsistencia das duas
julgará exagerada a minha predicção. projectadas universidades.
Resumindo-me digo, que á vista dos O artigo 3º promette designal-os; mas eu não
progressos indefectiveis de nossa riqueza, não queria promessas; queria vêl-os determinados; e
desconfiemos da falta de meios para uma, ou duas, essa é a razão porque na 1ª discussão votei pela
ou tres universidades, e que elles appareceráõ, da suppressão deste artigo, substituindo-lhe tres outros
mesma fórma que têm apparecido espontaneamente que apontão os fundos das referidas universidades.
e sem coacção para conventos, templos, etc. Quando seja despresada a emenda e seja sem ella
O SR. PEREIRA DA CUNHA: – Não posso sanccionado o decreto, será preciso apparecer outro
deixar de insistir em minha opinião que me parece novo projecto determinando os fundos, sem os
sustentada em principios de evidencia, considerando quaes nada faremos.
como melhor lugar o sitio de Belém, districto da villa Este novo trabalho, Sr. presidente, e esta nova
da Cachoeira, ou qualquer das villas do Reconcavo demora é que eu procurava evitar com a emenda
da Bahia para o estabelecimento da primeira que offereci; pois não ha cousa mais natural em
universidade, de que tanto necessitamos. legislação do que vêr, que na lei, em que se ordena
Entre as razões ponderosas que se lembrárão alguma cousa que ha de ter despezas
é da maior attenção a facilidade que alli ha de todas extraordinarias, se determine tambem donde ellas
as proporções, especialmente de suas rendas devem sahir.
publicas para por ellas se fazerem as despezas Dizer-se; ser preciso que primeiro appareção
indispensaveis para sua fundação e mantença, os estatutos, em que se ordene o numero de lentes,
emquanto se não estabelece uma dotação para seu para então, conforme a somma, examinar-se de
manejo peculiar. onde ella ha de sahir, me parece um erro: porquanto
Aquella provincia foi a unica, ou pelo menos a a lei ordena duas universidades em grande e não
primeira que abriu uma subscripção pela qual se contando já com os mestres necessarios e com os
offerecião muitos contos de réis para se erigirem fundos precisos, ordena tambem que desde já
collegios de educação e mesmo uma universidade, principie a de S. Paulo, com a faculdade juridica.
de que não houve resolução alguma porque o antigo E’ verdade, que não ha mestres e é preciso
systema se oppunha a taes pretenções como o havia convidal-os; mas como se hão de convidar e chamar
feito nos tres seculos passados afim de conservar o sem a certeza dos fundos para os seus
Brazil em total dependencia como convinha aos pagamentos?
interesses da sua metropole. Logo, a primeira cousa (ordenadas duas
Mas a minha boa fé é tal, que eu me universidades), é formar-lhes os fundos; porque á
conformarei com outra qualquer opinião, comtanto proporção que elles forem apparecendo, se vão
que se proporcionem meios de realisar este plano, tambem convidando os mestres e augmentando
sem consumirmos o tempo com discussões e ambos os estabelecimentos.
argumentos, que só parecem desenvolver o espirito Nos tres paragraphos que tenho offerecido se
de contradicção. achão recursos existentes e bastantes para a
Torne este objecto á mesma commissão para primeira faculdade: e como além disso, indico uma
que, prescindindo por agora da fundação de tantos subscripção geral a qual póde ir tendo augmento
collegios e universidades, indique unicamente o lugar progressivo, claro fica que nos podemos esperançar
que lhe parece mais proprio para se collocar a de que em poucos annos
primeira universidade,
Sessão em 6 de Setembro de 1823 55

possamos ter completas ambas as universidades. ainda estão pela promessa; estando, é muito justo
Portanto insisto na suppressão do § 3º com a que se aceite...
substituição dos tres que propuz como emenda. O Sr. Gomide pedio novamente a palavra, e
O SR. ANDRADA MACHADO: – Sou de offereceu o seguinte:
opinião contraria, deve passar o artigo tal qual está.
Antes da fundação do estabelecimento da ADDITAMENTO
universidade não podemos tratar dos seus fundos;
agora, dos precisos para os collegios que se vão Todo o cidadão que fizer para qualquer
abrir, isso sim; para os fundos da universidade universidade do Brazil o donativo de oito contos de
devemos esperar pelos estatutos, porque elles hão réis terá o seu retrato na sala academica, e todos os
de determinar as sciencias, o numero das cadeiras, e seus descendentes até á quarta geração serão
os ordenados dos mestres; de sorte que approvados isentos de pagar matriculas. – Gomide.
os estudos tambem se determina a dotação fixa. Foi apoiado.
Igualmente não approvo que desde já se O SR. MIGUEL CALMON: – Levanto-me para
mande abrir subscripção nas provincias não apoiar a emenda do Sr. Vergueiro, e parte da
designadas para as universidades; é tirar-lhes de emenda do Sr. Arouche. Nós não vamos estabelecer
algum modo os meios que têm em sua mão para uma universidade como a de Coimbra, pela
fazerem estabelecimentos desta natureza. difficuldade que a assembléa encontra nestes
Creio pois que as subscripções devem ser nas estabelecimentos que são pela maior parte filhos do
provincias preferidas para as universidades, porque tempo e das luzes; horto botanico, muzeu,
estas gozão especialmente, gozão mais de perto observatorio, nada disso nós vamos crear, vamos
deste beneficio, e os seus filhos não fazem as simplesmente fundar um curso juridico, ora, a
mesmas despezas dos das outras provincias. despeza de um curso juridico não é tamanha que o
Não acho razão na matricula de 50$, no Brazil thesouro a não possa fazer, apoio portanto a
ha em geral poucos meios de subsistencia, e por emenda do Sr. Vergueiro. Quanto aos 50$ da
isso a educação de nossos filhos tambem não póde matricula lembrados pelo Sr. Arouche, tambem me
ser dispendiosa; só poderia servir isso para atrazar a conformo. Esta despeza recahe agora sobre quem
propagação das luzes porque ninguem gasta o que se dedica ao curso juridico, e por isso não é muito.
não tem; a maior parte das casas no Brazil tem o E’ verdade que em Coimbra pagavão 6$400
sufficiente para subsistir, e desta fórma a educação de matricula, porém cá ainda lhe fica mais em conta,
dos filhos será abandonada se fôr pesada; tambem considerando o excesso dos gastos na viagem para
não serei de opinião que seja gratuita a matricula; é lá, e para cá; 300$000 se gastão em uma viagem do
sempre preciso que contribua aquelle que se Brazil a Portugal ou de Portugal ao Brazil; e ainda
aproveita directamente do beneficio; mas não uma que se diga que tambem se deve metter em linha de
contribuição tal que antes se prefira não pagar do conta as viagens de provincia a provincia do Brazil,
que gozar do beneficio; digo pois que será muito ainda se ganha. Além disto estes juristas, como já
conforme dobrarmos unicamente as matriculas da disse, sahem da classe mais abastada, e essa póde
universidade de Coimbra, que são 6$400, no com a despeza, portanto voto que sejão
principio do anno e outros no fim, ficando a nossa estabelecidos os dous collegios, á custa da fazenda
matricula por duas doblas; isto póde desde já nacional, e com a matricula de 50$000 cada um
estabelecer-se porque commummente estes anno, (Não se ouvio o resto.)
senhores que destinão seus filhos á magistratura são Julgou-se discutido o art. 3º e passou-se ao:
abastados, e devem contribuir logo. Art. 4º. Entretanto haverá desde já um curso
Emquanto ao 3º artigo da emenda do Sr. juridico na cidade de S. Paulo, para o qual o governo
Arouche não vejo mal em que entrem as convocará mestres idoneos, os quaes se governaráõ
contribuições que se offerecerão; mas não quero que provisoriamente pelos estatutos da universidade de
se vão buscar de maneira que pareça serem Coimbra, com aquellas alterações e mudanças que
obrigadas taes pessoas a pagar quasi como divida; elles, em mesa presidida pelo vice-reitor, julgarem
quero que novamente se lhes pergunte, se estão adequadas ás circumstancias e luzes do seculo.
pelas offertas que fizerão; eu sei como a maior parte O SR. CARVALHO E MELLO: – Quando fallei
destas offertas são feitas, muitos por vergonha são a primeira vez na materia geral deste projecto já
ás vezes forçados a fazer o que não podem, obrigão- expuz com a largueza necessaria a minha opinião
se por conhecimentos, amizades, desejos de sobre a parte do projecto relativa a estatutos, e para
agradar, etc. Portanto pergunte-se-lhes de novo, pois não fazer repetições inuteis e desagradaveis,
tiverão muito tempo de esfriar, se lembrarei agora sómente que emquanto pelo meio
mais justo que se adoptar
56 Sessão em 6 de Setembro de 1823

se não fizerem estatutos proprios , que devem por agora sobre a materia do artigo digo que quanto á
certo ser os da universidade de Coimbra, tirando-se- primeira questão me parece indubitavel que para o
lhes o que parecer escusado, e accrescentando-se estabelecimento de universidade nos estorvão
as aulas de economia politica, e de direto maritimo e grandes obstaculos, e que por isso convém que por
mercantil, de que já fiz menção, o que se conseguirá emquanto acudamos ao que mais insta; uma das
formando-se uma commissão composta de homens faltas que muito se sente é a de magistrados, e
illustrados neste genero de saber, e presidida pelo tambem a de letrados, porque os que ha por ahi não
que se nomear director deste estabelecimento, os são mais que rabulas ignorantes que só servem de
mestres se dirigiráõ pelo que elles mesmos atrapalhar o fôro. O collegio philosophico não insta
arranjarem como guia dos estudos, tendo sempre em tanto, á vista da necessidade que temos de
vista o plano traçado pelos illustres autores dos ministros, advogados, etc.
sabios estudos acima recontados. Voto pois pelo artigo quanto a este ponto;
O SR. MONTESUMA: – Tratando-se do quizera sim que não nos limitassemos a um só
estabelecimento de universidades, eu já declarei a collegio, porque estou certo que mais são precisos;
minha opinião sobre os lugares que me parecem mas a penuria de mestres é grande.
mais apropriados, isto é, que fundando-se duas deve Portanto se a assembléa assentar que seja um
ser uma na Bahia e outra em Minas-Geraes, pelas só, voto que se estabeleça aqui, porque temos
razões que apontei: agora que se trata de muitos magistrados capazes de desempenhar as
estabelecer curso juridico sou ainda do mesmo voto. funcções de mestres, e que apezar de seus
Estou convencido, Sr. presidente, que empregos folgaráo bem de prestar este grande
devemos crear em cada provincia os estudos mais serviço á sua patria; e se assentar que sejão dous
analogos á sua natureza: não sei se me explico bem. então fundem-se nos lugares designados para as
Uma provincia tira as suas maiores vantagens da universidades, porque já são como uns começos
agricultura, cumpre ter nella quanto promova e dellas, e dão por isso facilidade para o seu futuro
aperfeiçõe a mesma agricultura: outra tem o seu estabelecimento.
principal ramo de riqueza na mineração, deve Por ter dado a hora da leitura das indicações
estabelecer-se ahi um curso philosophico, e assim declarou-se adiada a discussão.
por diante. O SR. PRESIDENTE: – Nós estamos na hora
Posto isto, eu fundaria um curso juridico e da leitura das indicações; mas como parece urgente
outro philosophico na Bahia, e um sómente a decisão do parecer da commissão de fazenda
philosophico em Minas; este ultimo eu o julgo sobre os ordenados dos presidentes e secretarios
absolutamente indispensavel, porque negar á dos governos das provincias e diarias dos vogaes
provincia de Minas estudos mineralogicos é negar- dos conselhos, porque desta decisão depende a
lhe os meios de ser grande. Por estes principios sancção do projecto de lei que regula os mesmos
escrevi uma emenda a este art. 4º que é concebida governos, talvez devessemos preferir a discussão do
nos seguintes termos. citado parecer á proposta das indicações.
Proponho como emenda ao 4º artigo que se Decidiu-se que entrasse em discussão o
estabeleção para já cursos juridico e philosophico na parecer. (Veja a sessão de 28 de Agosto.)
Bahia, e um philosophico já em Minas-Geraes. – O O SR. ANDRADA MACHADO: – Desejaria
deputado Montesuma. saber da illustre commissão a base de que se serviu
Foi apoiada. para este parecer: se foi o preço dos meios de
O SR. ANDRADA MACHADO: – São duas as subsistencia, ou os rendimentos da provincia!
questões que se podem suscitar na discussão deste Vejo por exemplo, em Goyaz e Matto Grosso
artigo: 1ª, se deve começar-se por collegio e não por que não tem nada de seu, os seus presidentes com
universidade: 2ª, onde deve estabelecer-se esse oito mil cruzados como os das provincias mais ricas:
collegio. O que acabou de dizer o illustre preopinante e vejo em provincias ricas estabelecidos os mesmos
não pertence á materia de que tratamos; é verdade ordenados das inferiores. A provincia de S. Paulo
que merece attenção a indole particular de cada tem poucos meios, tem apenas o que basta para as
provincia para se accommodarem; a ella os estudos suas despezas ordinarias e o seu presidente está
que lá se estabelecerem; mas isto só tem lugar nos com oito mil cruzados, igualado aos de Pernambuco
estudos de segunda ordem; Minas na verdade e Maranhão que são muito mais ricas.
deverá ter os que são proprios para promover e Parecia me que nas provincias mais pobres
aperfeiçoar os trabalhos da mineração; onde as devião ter menos... A provincia de S. Paulo
manufacturas puderem prosperar convém fundar presentemente é muito mais barata do que a da
escolas fabris, como há em Inglaterra e França; e Bahia; eu lá tenho estado e feito despezas, sei que é
assim nas outras; mas nós não estamos tratando assim. A provincia de Minas é igualmente barata... E’
destes estudos secundarios; o nosso objecto é a verdade que ha
instrucção superior. Fallando
Sessão em 6 de Setembro de 1823 57

provincia onde os generos proprios são baratos e os O decreto de 25 de Fevereiro de 1807, que
da Europa muito caros; mas deve reflectir-se que o desannexou da do Rio de Janeiro a provincia
habito da privação destes ultimos não faz sensivel a antigamente do Rio Grande do Sul e a erigiu em
sua falta, e passa-se bem sem elles, de sorte que capitania geral, deu-lhe muito especificadamente a
pouco ou nada gastão da Europa os seus habitantes. denominação de capitania de S. Pedro; desde então
Não me parece pois a distribuição bem feita. toda a variedade e vacillação arrasta, não só dezar
Quanto aos secretarios, um conto e para aquellas autoridade, que devendo ser as
quatrocentos mil réis acho exorbitante quantia, primeiras em propugnar pela estricta e litteral
quando vejo os ministros da supplicação terem nesta observancia da lei, dão antes o exemplo de
capital 900$ e os da relação da Bahia 600$, sem que negligencia e infracção della, mas tambem induzirá á
percebão extraordinarios emolumentos; parece-me confusão e a erros a quem nas idades remotas
assaz estranho que o secretario de uma repartição examinar e comparar os diplomas e actos do
tenha maior rendimento do que os membros dos governo, suppondo pela variedade dos titulos duas
tribunaes superiores... provincias, quando é uma. Proponho por isso a
O SR. RIBEIRO DE ANDRADA: – Melhor será seguinte:
então que não hajão taes governadores. Se o
empregado é preciso, embora tenha a provincia EMENDA
maior ou menor rendimento, é indispensavel pagar-
lhe e com sufficiencia para as suas despezas. Proponho que não constando achar-se
O que se diz de Matto-Grosso e Goyaz não é revogado o decreto de 25 de Fevereiro de 1807 que
exacto; os generos de primeira necessidade não são deu a denominação de – provincia de S. Pedro – á
tão baratos como se affirma, o vestuario é carissimo provincia por tal conhecida, não se continue a variar
e os generos de fóra tambem o são; ora, como se de denominação neste parecer, e n’outros papeis,
hão de diminuir os ordenados aos presidentes diplomas e actos publicos.
daquellas provincias? Paço da assembléa, 6 de Setembro de 1823. –
Demais, ha uma viagem trabalhosissima, era Fernandes Pinheiro.
precisa alguma indemnisação e esta só a tem no Foi apoiada, e depois de algumas reflexões
ordenado porque a de ajuda de custo é a mesma decidiu-se que fosse attendida na redacção.
para todas as provincias, isto é, a quinta parte do seu O SR. PEREIRA DA CUNHA: – Tendo-se
ordenado. O que diz o illustre preopinante relativo neste recinto refutado a idéa de se fazer differença
aos secretarios dos governos comparado com os entre provincias maiores e menores, nivellando-se
ministros que têm 900$, e quasi nenhuns umas e outras da mesma maneira para a nomeação
emolumentos, só póde ter pezo para se augmentar o de seus presidentes e attribuições concedidas a seus
ordenado dos ministros e não para diminuir o dos respectivos collegios, parece contradictorio que
secretarios: o empregado que não tem com que quando se trata de estabelecer seus ordenados
subsistir está muito arriscado a prevaricar-se; se os appareça de novo a mesma odiosa differença.
ministros têm pouco dê-se-lhes mais, mas não se tire Seria um absurdo manifesto se quizessemos
aos outros. regular os ordenados destes empregados por uma
Além disto, ha para attender que aos medida geral, porque só quem não tem
secretarios supprimirão-se-lhes os emolumentos conhecimento exacto da situação natural e politica
todos, e é preciso que o ordenado por si só seja das provincias do Brazil, podeira affirmar que oito mil
sufficiente; e com menos de um conto e quatrocentos cruzados de ordenado aos presidentes do governo
mil réis não podem subsistir. de S. Paulo e Goyaz, era igualmente proporcionado
O SR. FERNANDES PINHEIRO: – Eu estou para os da Bahia e Pernambuco e mais provincias de
persuadido que a melhor base para o arbitramento beira-mar aonde o luxo, hospitalidades e outras
dos ordenados e diarias dos presidentes, secretarios indispensaveis despezas correspondentes á
e conselheiros das provincias é a importancia do representação de taes lugares exige um maior
emprego, a abundancia e baratesa dos generos de rendimento.
subsistencia e não a renda da provincia; aquella Parece pois de boa razão que estes
medida é a mais natural, é a que têm tomado nações ordenados sejão individualmente graduados,
já adiantadas na sciencia administrativa. Mas não é tomando a illustre commissão por medida as
para fallar nisto que eu me levanto; é para notar uma circumstancias peculiares de cada provincia para
inexactidão, que ha muito observo e que me lhes designar a quantia que os presidentes devem
persuado não ser de pouca monta, e mera questão perceber para sua honesta e decente subsistencia,
de nome. pondo-os a salvo de privações e necessidades, que
são outros tantos inimigos da integridade e
independencia com que os empregados publicos
devem exercitar com dignidade
58 Sessão em 6 de Setembro de 1823

seus officios; e com estes sufficientes ordenados, póde metter-se em uma embarcação muito a seu
devem cessar quaesquer outros que por algum titulo commodo e no fim de oito, dez ou doze dias achar-
tenhão de vencer. se lá, recebe para esta viagem 640$, a mesma
Esta mesma proporção se deve guardar para quantia que se dá ao que vai para Matto-Grosso, que
com os secretarios dos governos, taxando-se-lhes deve gastar muitos mezes no caminho e soffrer
para ordenados a metade, ou a terça parte dos que infinitos incommodos; não me parece rasoado.
se designassem aos presidentes das provincias, Quanto ao que disse o illustre deputado o Sr.
visto que devem ser privados de emolumentos, e de Montesuma, é preciso tomar em consideração que
outra qualquer percepção afim de que possão em algumas provincias no tempo do antigo regimen
decentemente subsistir e desempenhar com os secretarios repartião os emolumentos com os
desinteresse suas funcções; circumstancias estas officiaes das secretarias e extinguindo-se os
que devem ser mui consideradas pela commissão emolumentos ficão aquelles officiaes sem essa quota
para interpôr seu parecer. que lhes tocava, convindo por isso que me tal caso
O mesmo Sr. Deputado mandou á mesa a se augmentem seus ordenados porque são muito
seguinte: tenues: e, a dizer o que sinto, melhor fôra que os
emolumentos se houvessem conservado. Sr.
EMENDA Presidente, eu não me accommodo bem com esta
nova doutrina de ordenados sem emolumentos,
Os presidentes de provincias perceberáõ de bebida nas opiniões talvez de alguns deputados das
ordenado annual 3:200$ sem differença de umas a côrtes de Lisboa, e fundada em theorias abstractas
outras provincias; assim como que os secretarios de uma perfeição que se não encontra na natureza
dos governos venção o ordenado annual de um humana: a fazenda publica tarde ou nunca poderá
conto e duzentos mil réis sem perceber mais proporcionar á todas as classes de empregados
emolumento algum da secretaria, diminuindo-se no ordenados sufficientes á segurar-lhes uma
expediente dos negocios das partes o que pertencia subsistencia honesta e independente.
ao mesmo secretario, recebendo os demais officiaes A experiencia mostra que o único remedio
das mesmas secretarias aquelles emolumentos que deste mal é o estabelecimento de emolumentos:
lhes são permittidos por lei. quando estes são moderados, a parte interessada os
E ultimamente que assim os presidentes como paga de muito bom agrado e o expediente marcha
os secretarios não percebão os ordenados dos com passo mais acelerado e regular.
lugares que d’antes se achavão servindo durante o Cumpre accrescentar que na minha provincia,
tempo daquelles empregos. e talvez em outras, a secretaria do governo antes da
Paço da assembléa, 6 de Setembro de 1823. – revolução de 1821 era um officio concedido de
O deputado Pereira da Cunha. propriedade, ou por certas vidas, por um contracto
Foi apoiada. oneroso no qual se havia de ter em vista a
O SR. CARNEIRO: – Sr. Presidente, eu não percepção dos prós e emolumentos que lhe erão
fallarei em geral sobre o parecer da commissão, nem annexos e parece de justiça que ou se cumprão as
sobre os ordenados; porque como estas clausulas daquelle contracto, conservando-se os
provindencias são provisorias e não vejo manifesto secretarios nas suas posses, ou se providencie logo
inconveniente nas que se propoem, pouco importa á sua competente indemnisação.
que se conservem até que a constituição ou leis O SR. COSTA AGUIAR: – Sr. Presidente, o
posteriores determinem o que mais aprouver e a illustre preopinante preveniu-me em parte, e estou
experiencia tiver mostrado ser mais util e acertado; tambem firme nos principios já aqui enunciados, –
não posso porém deixar de fazer uma observação que quem trabalha deve ser pago, e pago em
sobre as ajudas de custo. proporção de seu trabalho; – não posso porém
As ajudas de custo não me parecem bem concordar com o que avançou o Sr. Pereira da
reguladas; a illustre commissão tomou por base o Cunha sobre a igualdade dos ordenados dos
antigo costume e estabeleceu a quinta parte do presidentes, sem differença alguma de umas á
ordenado; julgo que esta base não foi bem escolhida; outras provincias, pela razão de que pareceria
respeitaveis são sem duvida os antigos usos, mas contradictorio pretender-se agora admittir uma nova
não quando são manifestamente absurdos. differença entre as mesmas provincias, quando ha
Qual é o fim destas ajudas de custo? pouco neste augusto recinto refutamos semelhante
Prestar auxilio e habilitar o empregado para idéa dando a todas o mesmo numero de
fazer a viagem; logo, a maior ou menor distancia da conselheiros, etc.
viagem e incommodos della devem servir de escala
para se graduarem as ajudas de custo. (Apoiado.)
Um homem que vai daqui para a Bahia
Sessão em 6 de Setembro de 1823 59

O honrado membro, a meu ver, não é exacto; sobre o que em seu devido tempo farei mais
porque então tratavamos da organisação dos algumas reflexões, porque é materia que nos deve
conselhos, e das suas attribuições; o que tudo é merecer toda a circumspecção; e nesta parte
muito alheio da presente questão, que nada tem com conformo-me inteiramente com as idéas do Sr.
as razões que se ponderarão, e que forão as que Carneiro.
moverão esta assembléa a acabar por uma vez a tal O SR. CARVALHO E MELLO: – Sr.
differença, concedendo á todas as provincias o presidente: sendo regra geral no estabelecimento
mesmo numero de conselheiros; mas destes dos ordenados dos empregados publicos, o dar-lhes
principios jámais se poderá tambem deduzir que sufficiente rendimento com que possão
deva haver a mesma igualdade de ordenados para decentemente passar, e pôl-os ao abrigo da
todas as provincias, porque isto deve depender na necessidade, que produz sempre concussões e
maior ou menor carestia dos viveres, e dos malversações, não póde haver uma regra geral para
differentes outros meios de subsistencia; e a este os mesmos empregos; uns são exercitados em
respeito procedeu a commissão mui acertadamente paizes de maior carestia; outros em lugares de mais
em arbitrar maior ordenado aos presidentes commodo e barato passadio.
daquellas provincias, onde ha tambem maior luxo, Alguns são centraes onde é menor a
hospitalidades, e outras indispensaveis despezas; representação, e mais raras as occasiões de
porque não é o mesmo, viver em Santa Catharina, despezas extraordinarias; em outros ha muito mais
por exemplo; que na Bahia, ou Pernambuco. Não é occasiões de necessidade destas despezas, e são
tambem exacto o que ouvi a outro illustre situados á beira-mar onde é maior a representação,
preopinante, que pretendeu regular os ordenados e por conseguinte a despeza. Eis-aqui porque não
dos presidentes pela pobreza, ou riqueza das me posso persuadir que seja justa uma taxa geral
provincias; porque esta não deve ser a base, em que para os ordenados dos presidentes das provincias
nos devemos fundar para semelhante arbitração; e a geraes, e para o das provincias reputadas até agora
valer esta razão, de certo ninguem aceitaria a capitanias simplices.
presidencia de Matto-Grosso, porque sendo uma A mesma quantia de oito mil cruzados
provincia pobre em rendimentos, perceberia por isso assignada no projecto, é por certo diminuta. Quem
um limitado ordenado, tendo aliás a necessidade de não vê que no estado actual das cousas, não póde
viver em um paiz bastantemente caro, onde o preço bastar para as viagens de ida e volta, e para a
de certos generos de primeira necessidade é em decente sustentação, considerando-se ao mesmo
verdade excessivo, custando muitas vezes o alqueire tempo o decoro do lugar, o que tudo influe para o
do sal 24$000. respeito dos povos? Seria por certo dar lugar ao
E’ necessario além disto attendermos á menospreço com que semelhantes autoridades
representação dos mesmos presidentes em certas serão avaliadas. Nos governos livres é onde mais
provincias limitrophes, como o Pará, Matto-Grosso e devem estas ser respeitadas, porque fazem executar
S. Pedro do Sul; e esta foi a razão, porque o governo a lei.
antigo concedia aos generaes do Pará o grande No systema antigo estes ordenados erão
ordenado de 15 mil cruzados, pelas despezas á que maiores, e assim mesmo não erão sobejos. Mas
erão obrigados, e principalmente pela posição em ainda no caso de que esta tarifa se estabeleça, quem
que se achavão, o que tudo fazia pôr de parte a não vê que o que póde bastar com estreita economia
consideração do pouco vulto da receita daquella em uma provincia, é minguado em outras onde a
provincia. carestia dos viveres e a necessidade de maior
Quanto porém aos ordenados dos secretarios representação exigem maiores rendimentos! Se o
tão longe estou de contrariar o arbitramento da primeiro dever do homem empregado é a inteireza e
commissão por excessivo, que antes me parece desinteresse com que se deve portar, quem não vê
devermos augmental-o, ao menos nas provincias, que a falta de meios de decorosa subsistencia abrirá
cujos presidentes percebem 8 mil cruzados, porque a porta a prevaricações! Eu sei que o estado actual
acho em verdade pouco o que se lhes dá; o seu das rendas publicas nos deve fazer acanhados em
lugar é tambem de consideração, são igualmente augmentar despezas; que a boa arrecadação das
obrigados á graves despezas, etc., e por isso rendas, e a economia em despender são os seguros
parecia-me melhor que tivessem em taes provincias fiadores de uma boa administração.
1:600$, o que não é muito, e pouco mais avulta do Mas quando ha necessidade de fazer
que lhes arbitrou a commissão. Acho tambem despezas á bem da causa publica, a economia que
attendivel o que ponderou o Sr. Montesuma sobre os corta pelo justo é erro de administração. Portanto
emolumentos; e se estes devem ser extinctos, então quizera eu que fosse maior a quantia, e que pelo
é de justiça, que se augmentem os ordenados dos menos houvesse regulamento peculiar para cada
officiaes das secretarias dos governos, provincia com relação ás circumstancias já expostas,
e que era conforme com a pratica
60 Sessão em 9 de Setembro de 1823

até agora estabelecida, pela qual algumas provincias de 12 de Junho para instrucção da commissão de
tinhão maiores ordenados que outras para os seus fazenda, por ter esta já tirado delles as noções que
governadores e capitães generaes. Um regulamento precisava. – Deus guarde a V. Ex. – Paço da
feito segundo estas proporções, é preferivel, a meu ver, assembléa, em 6 de Setembro de 1823. – João
á taxa geral. Severiano Maciel da Costa.
Ha tambem que regular as ajudas de custo, por
isso que as despezas das viagens e jornadas são PARA MIGUEL JOAQUIM DE CERQUEIRA E SILVA
tambem desiguaes segundo as distancias. Por isso fôra
mui conveniente decretar algumas quantias segundo a A assembléa geral constituinte, e legislativa do
menor ou maior despeza que os presidentes são imperio do Brazil tem resolvido que V. S. venha quanto
forçados a fazer para chegarem aos seus destinos. antes tomar assento neste augusto congresso, e ter
Pelo que toca aos secretarios, tambem ha que parte nos seus trabalhos como deputado á mesma
ponderar não só as mesmas razões que são iguaes assembléa pela provincia das Alagôas. O que participo
para com os presidentes, mas tambem que em algumas a V. S. para sua intelligencia. – Deus guarde a V. S. –
era o estylo pagarem estes aos seus officiaes da sua Paço da assembléa, em 6 de Setembro de 1823. –
algibeira; e é portanto necessario, que se determine João Severiano Maciel de Costa.
não só quantia proporcionada para ordenados dos Na mesma conformidade se expedirão avisos: a
secretarios, com relação ás circumstancias ponderadas, Francisco d’Arruda Camara, deputado pela provincia do
mas que se declare quantos officiaes devem ter, e Rio-Grande do Norte: a Virginio Rodrigues Campello,
quaes ordenados, pois que se extinguem os pela Parahyba: a Francisco de Carvalho Paes de
emolumentos. Semelhantes regulamentos não se Andrada, e Manoel Maria Carneiro da Cunha, por
podem fazer de repente, e sem previas informações, e Pernambuco: a Manoel Pacheco Pimentel, José
maduros exames; o que deve ser examinado, e Joaquim Xavier Sobreira, Manoel Ribeiro Bessa de
proposto na respectiva commissão, para que com a Hollanda Cavalcanti e Antonio Manoel de Souza, pelo
mira de fazer reformas uteis, não vamos fazer Ceará: a Lucas Antonio Monteiro de Barros e João
innovações incertas, injustas, ou pelo menos inuteis. Evangelista de Faria Souza Lobato, por Minas Geraes:
O Sr. Presidente por ter dado a hora declarou a Felisberto Caldeira Brant Pontes, pela Bahia.
adiada a discussão.
Passou-se á nomeação dos membros da SESSÃO EM 9 DE SETEMBRO DE 1823.
deputação que no dia seguinte devia ir cumprimentar a
Sua Magestade pelo motivo da declaração da PRESIDENCIA DO SR. BARÃO DE SANTO AMARO.
independencia do Brazil; e o Sr. presidente elegeu os
Srs. Costa Barros, Ferreira Nobre, Fortuna, Souza e Reunidos os Srs. deputados pelas 10 horas da
Mello, Montesuma, Ribeiro de Sampaio, França, Rocha manha, fez-se a chamada e acharão-se presentes 69,
Franco, Alvares da Silva, Navarro d’Abreu, Arouche faltando com causa os Srs. Araujo Gondim, Ribeiro de
Rendon, Martins Bastos, Duarte Silva, Rodrigues de Rezende, Carneiro de Campos, Silveira Mendonça,
Carvalho, Cruz Gouvêa, Gama, Andrade e Lima, Nogueira da Gama, Rodrigues da Costa e Montesuma;
Pereira da Cunha, Maia, D'Ornellas, Pedreira do Couto, e sem ella os Srs. bispo capellão-mór e Alencar.
Araujo Vianna, Rezende Costa e Cavalcanti de O Sr. Presidente, declarou aberta a sessão, e
Lacerda. lida a acta da antecedente foi approvada.
O Sr. Presidente assignou para a ordem do dia: O Sr. Secretario Maciel da Costa leu o seguinte
1.º A continuação do debate do parecer sobre os discurso que a deputação dirigira, por seu orador o Sr.
ordenados dos presidentes e secretarios dos governos Costa Barros, a Sua Magestade Imperial no dia 7, por
provinciaes: 2.º A continuação do debate do projecto ser o feliz anniversario da declaração da independencia
sobre a creação de universidades: 3.º A indicação do do Brazil, e a resposta de Sua Magestade.
Sr. Carneiro. Senhor! – A natureza tinha destinado esta
Levantou-se a sessão ás 2 horas da tarde. – Luiz preciosissima parte do globo para ser um dia um
José de Carvalho e Mello, secretario. imperio que offuscasse a gloria dos do seu tempo, e
para ser o modelo das nações livres. Era por isso
RESOLUÇÕES DA ASSEMBLÉA necessario que experimentasse primeiro todos os vicios
das velhas instituições: passou pois o Brazil por este
PARA MANOEL JACINTHO NOGUEIRA DA GAMA rigoroso exame, e estudou na sua juventude, e no
estado da sua maior fraqueza a fazer-se grande; e
Illm. e Exm. Sr. – A assembléa geral constituinte chegado hoje á idade varonil ostenta pela pratica
e legislativa do imperio do Brazil manda restituir á luminosas theorias, longo tempo suffocadas por uma
repartição do thesouro publico os inclusos papeis injusta e deshumana madrasta. Ha muito que
relativos á fabrica de ferro de Ypanena, que tinhão sido
pedidos em data
Sessão em 9 de Setembro de 182 61

os soffredores brazileiros, dignos de melhor sorte, do Ypiranga, bastão para que eu sobremaneira me
conhecendo a mais oppressiva de todas as repute pago dos serviços que tenho prestado á
escravidões, se dispunhão a sacudir briosos as patria, que decidida e denodadamente adoptei por
vergonhosas cadêas, que roxeavão seus pulsos: o minha; e que lhe afiance de novo, que proseguirei
céo, cançado de ouvir os gemidos que soltavão no ainda com mais enthusiasmo se possivel fôr, a pról
silencio da sua dôr, deixou-se penetrar de da sua independencia monarchica-constitucional,
compaixão; e deparou-lhes finalmente em Vossa que por gosto meu durará eternamente. Quando
Magestade Imperial o seu perpetuo defensor, seu proclamei a independencia, não fiz mais do que
pai, e seu libertador. Sim, senhor; o grito que Vossa
mostrar o meu conhecimento para com o Brazil (que
Magestade Imperial, soltou nas margens do tantas provas me tem dado de affeição, e decidido
Ypiranga, e que retumbou com o estampido do amor á minha imperial pessoa,) e cumprir com o
trovão nos dous rios por excellencia Prata e dever de todo o bom cidadão, que prefere a morte á
Amazonas, ferio os ouvidos dos nossos oppressores; escravidão, e o bem geral a todo e qualquer
encheu-os de torpôr e confusão, como se ouvissem interesse particular, sem olhar aos perigos por
a trombeta do anjo da morte. Ah! e como é verdade maiores que sejão, comtanto que a sua patria fique
que a natureza se decide pelo seu filho mimoso, pelovingada e para sempre victoriosa.
riquissimo, fertil e gigantesco Brazil! Collocado Paço, 7 de Setembro de 1823. – Imperador
naquella parte do mundo aonde ella trabalhou em Constitucional e Defensor Perpetuo do Brazil.
grande, e não em miniatura como no antigo Foi recebida com muito especial agrado.
hemispherio, como bem se deixa ver no magestoso O mesmo Sr. secretario deu conta de uma
quadro das suas producções; os mais soberbos rios felicitação da junta provisoria do governo da
do universo rolando em leitos recamados de ouro; Parahyba, dirigida ao congresso. – Foi recebida com
arvores de prodigiosa grandeza e duração, como particular agrado.
destinadas a levar e derramar em outros mundos o Deu tambem conta das participações de
assombroso excedente das nossas riquezas; molestia dos Srs. Rodrigues da Costa e Montesuma.
altissimas montanhas firmadas em bases
– Ficou a assembléa inteirada.
diamantinas: collocado assim, digo, preparava-o a Leu finalmente o seguinte officio do ministro de
natureza para vir a ser, sem duvida, o maior dos estado dos negocios da marinha:
imperios: e o que lhe cumpria pois fazer para Illm. e Exm. Sr. – De ordem de Sua
complemento da sua grande obra? Foi o que Magestade o Imperador communico a V. Ex. que
justamente praticou Vossa Magestade Imperial, hontem 7 do corrente pela tarde fundeou fóra da
proclamando a nossa independencia, preferindo barra desta capital o bergantim portuguez Treze de
governar um povo livre e generoso, a um punhado Maio vindo de Lisboa á Bahia com bandeira
de servís e de ingratos! Vossa, Magestade Imperial, parlamentar, trazendo a bordo o marechal de campo
adoptou o Brazil por patria, chamou-se nosso irmão, Luiz Paulino de Oliveira Pinto da França; e em data
e identificou-se comnosco. Por tão glorioso motivo de hoje pelas 9 horas da noite me participa o
pois, a assembléa geral constituinte e legislativa do
commandante do mesmo bergantim ter entrado o
imperio encarrega a esta nobre deputação de vir em porto e fundeado entre as fortalezas por causa do
seu nome cumprimentar a Vossa Magestade tempo, pedindo agua e mantimentos para 40 dias. O
Imperial, renovar seus votos de verdadeira adhesão que V. Ex. levará ao conhecimento da assembléa
e respeito á sua augusta pessoa, e significar-lhe aogeral constituinte e legislativa do imperio.
mesmo tempo que jámais a nação brazileira Deus guarde a V. Ex. Palacio do Rio de
esquecerá a magnanima e heroica resolução com Janeiro, 8 de Setembro de 1823. – Luiz da Cunha
que Vossa Magestade Imperial, ha hoje um anno, Moreira. – Sr. João Severiano Maciel da Costa.
proclamou como primeiro brazileiro a nossa gloriosa O SR. CARNEIRO DA CUNHA: – Eu creio
e justa independencia. A assembléa e vós, senhor, que esta participação do governo merece a
farão de mãos dadas a felicidade da patria; e consideração da assembléa; cumpre saber se ha
offereceráõ ás idades futuras o prototypo dos neste negocio alguma cousa que nos pertença para
principes perfeitos, e da verdadeira representação se deliberar. Se esta embarcação entra por precisar
nacional. soccorro, nada nos importa; mas parece que vem
para mais alguma cousa, visto trazer bandeira
RESPOSTA DE SUA MAGESTADE parlamentar; e nós devemos ser informados de todas
as circumstancias. (Apoiado.)
Os agradecimentos que a assembléa geral Pedir mantimentos, e içar bandeira
constituinte e legislativa me mandou dar, por esta parlamentar, são duas cousas mui diversas; no
illustre deputação, em nome de todo o imperio, pela
resolução que tomei, declarando a sua
independencia pela primeira vez no sitio
62 Sessão em 9 de Setembro de 1823

primeiro caso, como já disse, nem merece que se esteja com os olhos abertos, e que não perca um
falle nisso: mas no segundo indica que traz a bordo momento, porque as circumstancias são criticas.
alguem que pretende tratar negocios de estado da Se o objecto é de segredo temos uma
parte do governo portuguez, e então merece toda a commissão para negocios dessa natureza; emfim é
nossa consideração. preciso que saibamos tudo o que ha sobre este
Parece-me pois que deve dizer-se ao governo negocio; a nação está ameaçada dentro e fóra; nada
que nos inteire de todas as circumstancias da de demoras.
chegada desta embarcação, e dos motivos da sua O SR. HENRIQUES DE REZENDE: – Eu não
vinda, se lhe constão, para se resolver o que convier. descubro lacuna no officio do ministro. Pelo que sei
O SR. CARNEIRO: – Eu estou encarregado da divisão dos negocios disse o que lhe tocava dizer,
pelo ministro dos negocios do imperio e estrangeiros isto é, deu noticias maritimas. – Chegou uma
para participar a esta assembléa que Luiz Paulino embarcação portugueza com bandeira parlamentaria
officiou hontem dizendo que viera aqui para se reunir que veio de Lisboa á Bahia e da Bahia aqui; traz a
neste porto ás pessoas da confiança do governo seu bordo o marechal Luiz Paulino, e pede
portuguez, e que fundeara com bandeira parlamentar mantimentos para 40 dias. – O mais que respeita ao
para evitar algum embaraço. Respondeu-se-lhe que tal parlamentario creio que pertence á repartição dos
se vinha autorisado para reconhecer a negocios estrangeiros; e por isso se a assembléa
independencia politica do Brazil poderia ser ouvido; entende que deve exigir o mais que tem direito a
mas que sem esta condição nada havia que tratar. saber, officie-se á dita repartição para que mande
Tudo isto foi ao conhecimento de Sua Magestade todos os esclarecimentos necessarios: quanto ao
Imperial, e julgo que ha de ser presente á esta ministro da marinha entendo que fez tudo o que
assembléa. devia fazer. Esta é a minha opinião.
O SR. MUNIZ TAVARES: – Isto é o que se O SR. RIBEIRO DE ANDRADA: – Nenhuma
tem passado com Luiz Paulino; mas de Portugal as embarcação entra em qualquer porto com bandeira
noticias que têm chegado merecem mais attenção. parlamentaria sem que venha munido de despachos
Entretanto é admiravel que o ministro da marinha se do governo a que pertence para tratar com o da
limite a dizer que chegou uma embarcação com nação em que entra. Todavia pretexta-se um
bandeira parlamentar, e que pedio mantimentos para temporal para a sua entrada; se o soffreu não sei,
40 dias! Eu não sei como se entende isto. mas vejo que não foi admittido na Bahia, e que de lá
O SR. CARNEIRO: – Pede mantimentos é que ultimamente veio para aqui: talvez viesse de
porque se lhe consente que desembarque. Lisboa render alli o Madeira.
O SR. CARNEIRO DA CUNHA: – Se vem Emfim, seja o que fôr, porque não se participa
para reconhecer a nossa independencia, muito bem; á assembléa o que ha sobre este negocio; e nos
mas se não é para isso, não tem nada que fazer deixão em jejum?
aqui, nem negocios que tratar com pessoa alguma. O que disse o nobre preopinante, por parte do
Quanto aos mantimentos se os precisa não se lhe ministro, de nada serve e de nada vale; e a
neguem; mas vá-se embora. Se o ministro de estado assembléa precisa saber os motivos que trouxerão
respondeu o que acaba de dizer o nobre deputado, este homem ao Rio de Janeiro.
fez muito bem; deu precisamente a resposta que Ninguem póde duvidar que se trama contra a
devia dar. nossa independencia, e em papeis publicos se falla
O SR. ANDRADA E SILVA: – Tenho duas das vistas da santa alliança... Os guardas da
observações a fazer: 1ª, que ha uma lacuna neste liberdade da nação devem mostrar-se dignos da
officio porque se diz que entrou a embarcação com confiança com que ella os honrou. (Apoiados.)
bandeira parlamentar, e que pedio mantimentos para Officie-se pois ao governo para que nos
40 dias. Vir com aquella bandeira indica que vem instrua quanto antes dos motivos da entrada desta
tratar negocios, e pedir mantimentos indica que já embarcação; e a assembléa resolverá o que fôr
tratou de alguma cousa; e todavia o officio nada diz: conveniente.
2ª, que o nobre preopinante não é orgão legitimo O SR. ANDRADA MACHADO: – Eu requeiro
para participações do governo e esta assembléa desde já que nada se trate por via desse traidor,
(apoiados) era preciso que viesse o mesmo ministro desse brazileiro degenerado, desse infame, que não
quando julgasse ser melhor relatar de boca do que merece ser recebido entre nós. (Apoiados geraes.)
officiar. Exijo que se diga ao governo mui claramente
Além disto, senhores, como particular acabo que nos communique quaes são as suas
de receber cartas em que se me participa que se mensagens, para nós o autorisarmos sobre a
trata de negociar contra a nossa independencia; resposta que deve dar; isto pertence-nos. (Apoiado.)
portanto cumpre que esta assembléa Ha de ouvir a vontade da nação e executal-a.
Sessão em 9 de Setembro de 1823 63

Isto é o que devia ter feito o ministro dos negocios dito tudo. Somos uma nação grande e poderosa.
estrangeiros e não sei porque o não fez. Felizmente Nossa independencia está baseada na nossa
estou bem persuadido da sua honra e fidelidade á vontade geral.
causa do Brazil; mas Deus sabe como lhe atão as Já temos elementos da nossa constituição; e
mãos! temos á nossa frente um imperador constitucional, e
Já me consta que chefe da nação tem tido nosso defensor perpetuo.
communicações particulares; bem sei que não é Eia, Sr. presidente, marchemos ávante! Nem
obrigado a manifestal-as á assembléa; mas em boa ao pensamento se tolere a mais leve idéa de
fé já podião haver algumas declarações. Tambem retrogradação: aut vincendum aut moriendum.
póde ser que isto não seja verdade; mas consta-me (Apoiado.)
por bons canaes que até vierão ameaças d'el-rei seu O SR. ANDRADA E SILVA: – Eu assento que
pai. Respeitavel como é, ameace os subditos tratando-se de materia que envolve a nossa honra,
portuguezes, mas a nós não. O Sr. D. Pedro é o liberdade e independencia, deve cada um participar
chefe da nação brazileira... ha de morrer comnosco... á assembléa o que souber: e como recebi na carta
nenhum rei estrangeiro nos ha de dar leis. (Apoiado.) de um homem que se acha em uma das côrtes
Faça-nos o governo as participações estrangeiras algumas noticias interessantes é justo
necessarias e tomar-se-hão as medidas contra essas que as lêa á assembléa. Eu as vou traduzindo em
velhas pretenções. vulgar. (O tachygrapho não fez menção do que leu o
O SR. FRANÇA: – Sr. presidente, o officio do nobre deputado.)
ministro da marinha é o que suscitou esta questão; O SR. ANDRADA MACHADO: – Eu tambem
entretanto, tendo elle participado que entrou uma quero dar conta á assembléa do que me escrevem.
embarcação com bandeira parlamentar, os portos Annuncia-se-me que o conde de Palmella trabalha
donde veio, e o motivo que allegára para fundear, com muita actividade para metter a santa alliança na
creio que tem satisfeito pelo que respeita á sua questão entre o Brazil e Portugal; isto pelo
repartição. celeberrimo principio de legitimidade que os Srs. reis
É verdade que a assembléa náo póde da Europa querem estabelecer a todo o custo.
contentar-se com esta participação; mas eu estou Verdade é que a noticia não me assusta muito,
persuadido que o ministro dos negocios estrangeiros porque os interesses da Inglaterra pedem que as
ha de communicar-nos o fim a que veio este outras potencias não tomem parte nestes negocios
parlamentario, espero que ainda hoje mesmo o faça. da America. Creio mesmo que ha uma condição
Talvez fosse do seu dever tel-o feito já; mas tacita....(Não se ouvio o resto.)
não posso duvidar de que elle mande as necessarias O SR. RODRIGUES DE CARVALHO: – Como
informações; não é possivel que o governo receba cada qual diz o que sabe direi eu que estive hontem
noticias tão importantes á nossa independencia, e em casa do ministro dos negocios do imperio onde vi
que as não participe á assembléa. O meu voto é que a resposta que elle, como ministro dos negocios
as esperemos, e que por ora a respeito do officio que estrangeiros, dirigio a Luiz Paulino, e nella lhe dizia
se leu se declare sómente que ficou a assembléa que se trazia instrucções para reconhecer a
inteirada. independencia seria ouvido, e que a não as trazer
O SR. GOMIDE: – Pudesse Portugal agitar as nem desembarcaria. Vi tambem as copias das cartas
ondas, e submergir-nos; abalar e revolver as nossas régias do rei de Portugal dirigidas ao Madeira, á João
montanhas, e sepultar-nos nas ruinas; chover sobre Felix, ao governo provisorio da Bahia, e ao mesmo
nós o fogo electrico; e abrir debaixo dos nossos pés Luiz Paulino. Estas cartas régias tinhão por fim a
a explosão do inferno; nenhum brazileiro suspensão das hostilidades naquella provincia,
retrogradaria da heroica resolução que tem tomado. procurando que voltasse para Portugal tudo o que de
(Apoiado.) Anathema e maldição para sempre ao lá tinha vindo para serviço do exercito.
fraco e perjuro, se o houvesse, que se quer A’ carta régia dirigida ao Madeira vinha unida
vacillasse, se quer estremecesse na adhesão com uma instrucção em que se lhe advertião algumas
seus irmãos na santa causa da nossa liberdade. Não cautelas com que deveria fazer o ajuste para a
sómente nos braços, está gravado em todos os suspensão das hostilidades; e em todas ellas se
corações independencia ou morte; ninguem poderá refere á convenção definitiva para a evacuação das
compellir-nos a reassumir grilhões que quebrámos tropas que esperava se ultimasse no Rio de Janeiro
para nunca mais se soldarem. (Apoiados.) pelas pessoas que mandava para esse fim.
A resposta, a qualquer proposição prejudicial e A resposta que se deu a Luiz Paulino já disse
offensiva a nossos direitos é laconica e definitiva. – A qual foi; e até hontem ao meio-dia não houve mais
nação brazileira não quer; – tem- se nada; agora se o homem já fez nova instancia não
sei. Como isto talvez sirva para
64 Sessão em 9 de Setembro de 1823

instrucção da assembléa por isso entendi que o não consintamos que inficione esta terra com sua
devia referir. impura presença.
O SR. CARVALHO E MELLO: – Sr. O SR. FRANÇA: – Eu peço a ordem; não me
presidente, a materia é mui ponderosa, como já parece justo tratar aqui ninguem de monstro; contra
reflectirão os illustres deputados, que cheios de este homem não ha mais que presumpções, e não
nobre enthusiasmo pelo amor da patria, proclamarão sei como por ella se está injuriando neste lugar um
em alta voz os principios generosos de que estamos cidadão brazileiro.
occupados. O SR. ANDRADA MACHADO: – Não é
Mas nós não tratamos agora de fallar desta presumpção; é verdade notoria; é um brazileiro que
materia, nem ainda é tempo opportuno. Ella é propria se incumbe de propostas de um rei estrangeiro que
do nosso conhecimento; e nem é possivel que o nos pretende dominar. E’ indigno do nome de
poder executivo deixe de a mandar apresentar a esta brazileiro.
augusta assembléa, e já por isto vimos a O SR. RIBEIRO DE ANDRADA: – Tudo isto é
participação do ministro da marinha. Já um nobre desviar-nos da questão; nós não devemos tratar
deputado, por parte do ministro da repartição senão do que nos é communicado pelo ministro da
competente, nos deu noções bastantes para marinha, e por isso sigo o voto do Sr. Vergueiro,
conhecermos que elle estava de accôrdo a vir responda-se que fica a assembléa inteirada, e que
noticiar a esta augusta assembléa todos os passos espera as ulteriores participações sobre os motivos
relativos á entrada desta embarcação. Sabe-se que da entrada desta embarcação.
veio com bandeira parlamentar; que se não deixou Nada ha nisto que não seja conforme ao
entrar; que trazia ordem para esperar pelos outros principio da conservação da harmonia com o poder
commissarios; que se lhe ordenou que para serem executivo: o negocio tem indicios de ser importante,
ouvidos, era necessario trazerem poderes para queremos saber as circumstancias que o
reconhecer a independencia deste imperio; que o acompanhão.
mais que houvessem de tratar seria consequencia de O SR. ANDRADA E SILVA: – Eu sou do
outros negocios, e de arranjamentos politicos ou parecer do ultimo preopinante emquanto o officiar-se
commerciaes; e emfim que o ministro da repartição ao governo; mas sempre direi a respeito de Luiz
nos ha de communicar tudo o que é relativo a este Paulino que, apezar de eu gostar de usar de
objecto. misericordia com os homens, não posso fazel-o com
Era muito justo, como disserão alguns nobres um traidor, reconhecido por tal ha muito pelo seu
preopinantes, que se officiasse ao governo para procedimento nas côrtes inimigas. Permitta-se-me
mandar a esta assembléa informação tambem dizer que vir Luiz Paulino á Bahia e
circumstanciada de negocio de tanta importancia, e apresentar no Rio as cartas régias e causa que não
em que temos todo o direito, não só para estarmos entendo: aqui ha motivo occulto que é preciso
delle inteirados, mas até para o examinarmos; porém descobrir.
isto teria lugar, se vissemos que o governo, ou não Talvez vinha elle governar a Bahia, por se
estava nesta disposição, ou se demorava; e então julgar o Madeira ainda empoleirado; e como já o não
com justiça assim o praticariamos. E’ superfluo estava, não é agora o homem nada. Ouvi tambem
portanto antecipar este officio, e muito mais discutir a dizer que vinha para aqui esperar outros, mas não
materia, quando não temos ainda os dados certos. sei se isto é verdade; e o que sempre me admira é a
Esperemos portanto até o fim da sessão, que de generosidade com que apresenta ao ministerio as
certo, ou o ministro virá mesmo relatar-nos, ou cartas régias que vinhão para a Bahia Sr. presidente
mandará, exposição clara de todo o negocio, como é nisto alguma cousa ha encoberta que não sabemos
de esperar do seu zelo e patriotismo. e devemos saber, pois até dos illustres deputados
O SR. VERGUEIRO: – De tudo o que tenho que fallárão com o ministro um falla unicamente da
ouvido conclúo que devemos declarar quanto ao recepção do officio e resposta, e o outro já
officio recebido que fica a assembléa inteirada; e accrescenta muitas mais circumstancias.
exigir, visto indicar o negocio grande importancia, O SR. RODRIGUES DE CARVALHO: – Luiz
que o governo nos mande as informações Paulino foi á Bahia, e apresentou ao governo da
necessarias para podermos deliberar. Não vejo que provincia uma carta régia que o autorisava a tratar de
por ora tenha lugar outra resolução. uma suspensão d’armas, e varios officios para as
O SR. ANDRADA MACHADO: – Mas o que autoridades que ainda se suppunhão alli existir; o
eu não quero é que se consinta esse brazileiro governo respondeu-lhe que se podia retirar porque
renegado entre nós; não deve ser ouvido de fórma nada havia que tratar estando livre a Bahia, e que
nenhuma; participações feitas por taes monstros não remetteria os officios á Sua Magestade Imperial. Luiz
se aceitão. Não digo que sejamos deshumanos com Paulino sahio no dia
elle, mas desprezemol-o:
Sessão em 9 de Setembro de 1823 65

seguinte, e parece que a não ser a protecção do são hospedados pelo chefe da provincia.
governo o povo dava cabo delle, por se suppôr que Dir-se-ha que este onus sempre existio
ia atraiçoar a provincia; e o governo remetteu para emquanto os antigos governadores só percebião
aqui os officios e cartas régias, das quaes consta o 2:000$: digo que sim, mas o valor dos generos de
que ha pouco referi. subsistencia têm augmentado, e toda a paga de
Portanto toda a suspeita que parece haver de trabalho. Além disso é mister notar que não é o
levar Luiz Paulino as cartas régias para a Bahia, e mesmo um empregado sem familia, ou outro que a
apresental-as aqui fica desvanecida, porque não as possa ter numerosa, e que talvez deva ser preferido
trouxe elle, mandou-as o governo da Bahia. E’ para os empregos: no primeiro caso convenho que
quanto sei. os 2:000$ são sufficientes; no segundo nego, pois o
O SR. PEREIRA DA CUNHA: – Estamos a sei por experiencia propria.
gastar tempo inutilmente; o homem é máo, não Um presidente com familia, e os encargos que
merece a nossa consideração; mas não é este agora apontei, não poderá certamente passar
o nosso objecto. O ponto da questão reduz-se a decentemente com dous contos de réis annuaes: por
saber se devemos esperar a participação do governo isso mandarei á mesa uma emenda. Nada direi
ou pedir-lhe as noções que desejamos. sobre o ordenado dos secretarios, porque me parece
O SR. RIBEIRO DE ANDRADA: – Queira V. justo; mas a respeito dos officiaes das secretarias
Ex. propôr se devemos officiar ou esperar. ainda estou pelo que avancei em outra occasião, isto
O Sr. Presidente, julgando-se discutida a é, que não sei haja lei que regule os emolumentos
materia, consultou á assembléa, e decidio-se que se das differentes secretarias: ao menos na minha
officiasse logo ao governo para remetter todas as provincia não se conhece. Queira V. Ex. mandar
noções precisas para cabal conhecimento do buscar a minha emenda, que é do theor seguinte:
negocio.
Passou-se á ordem do dia, e entrou em EMENDA
discussão o parecer da commissão de fazenda sobre
os ordenados dos presidentes e secretarios dos 1º O presidente da provincia de Santa
governos das provincias. Catharina seja igualado em ordenado ao da provincia
O SR. DUARTE SILVA: – A’ vista da de S. Paulo.
differença de ordenados arbitrados para as diversas 2º Os conselhos das provincias sejão
provincias, acho que a illustre commissão tomou por autorisados a arbitrar o numero de officiaes da
base a maior ou a menor carestia de cada uma, pois secretaria, e seus ordenados. – Duarte Silva.
que tendo esta augusta assembléa destruido odiosas Foi apoiada em ambas as partes.
distincções e nivelado a sua categoria, não posso O SR. FRANÇA: – Pelo que respeita ao
crêr que isto tivesse influencia. Sendo assim a minha ordenado que o nobre preopinante quer dar ao
provincia, a meu ver, não foi bem contemplada. Vejo, presidente da provincia de Santa Catharina, sou
por exemplo, que ao presidente da provincia de S. conforme; não tanto por ser porto de mar, como
Paulo arbitra-se-lhe 3:200$ e á minha 2:000$. pelas razões expendidas, e que merecem attenção;
Os viveres em S. Paulo são summamente além das despezas ordinarias tem as extraordinarias
baratos: na minha provincia quadruplicão de valor, e que se apontarão, e é preciso prover a ellas.
mesmo muitos são daquella importados. Além dessa Quanto porém á segunda parte não posso
razão ha outra de grande monta: a minha provincia é convir. As secretarias estão estabelecidas pelos
maritima, e o porto da capital é a escala das governos das provincias; e devem continuar no
esquadras e vasos nacionaes e estrangeiros que estado em que se achão trabalhando, até que a
frequentão os mares do sul: por falta de casas assembléa tome em consideração a reforma geral de
proprias, tem o presidente de hospedar a todos os todas ellas. Portanto conformando-me com o pensar
chefes, e officiaes, sejão nacionaes ou estrangeiros, do nobre deputado na 1ª parte da sua emenda, não
que alli aportão; o que succede frequentemente; e posso apoiar a segunda.
seria mui improprio de uma grande nação que os O SR. CARNEIRO DA CUNHA: – Se é por ser
primeiros empregados de suas provincias, deixando porto de mar, Alagôas, Rio Grande, Ceará, etc.,
de prestar esta hospitalidade dessem por desculpa – tambem são portos de mar, e apezar de o serem não
a minha nação não me dá bastante para que possa têm maior ordenado. Eu acho bem fundado o
agasalhar-te. – Accresce a isto, que sendo a minha parecer da commissão, porque em uma provincia
provincia a que facilita as communicações terrestres como Pernambuco, os negocios são muitos, e o
entre esta côrte e a provincia do Rio Grande do Sul, presidente deve trabalhar muito. Demais o gasto que
todos os officiaes generaes e empregados faz um presidente em uma provincia como a Bahia
66 Sessão em 9 de Setembro de 1823

e Pernambuco, é muito differente do que se faz no duvida alguma em approvar o seu parecer.
Ceará, Alagôas ou Parahyba... O SR. DUARTE SILVA: – Sr. presidente.
Sr. presidente, creio que devemos considerar quando fiz a minha emenda, pelas razões que
que nos faltão as rendas; que está exhausto o erario. expendi, não tive em vista atacar a illustre
O ministro da fazenda não sei o que ha de fazer para commissão; nem o honrado membro devera
procurar meios de supprir as despezas; não demos persuadir-se que eu teria em consideração outra
com mão larga tantos ordenados; quando as cousas cousa que não fôra o bem e serviço publico. Eu
melhorarem então se reformaráõ, porque as desejo, Sr. presidente, que os chefes das provincias
reformas fazem-se á medida das circumstancias; sejão independentes, e não tenhão desculpa,
mas agora é perigoso; as rendas publicas estão quando sejão parciaes. Se me lembrei da provincia
quasi extinctas; os generos não dão nada; emfim de S. Paulo foi como sendo das limitrophes com a
cumpre reflectir nas circumstancias; os empregados minha, á qual com razão podia servir de
que se contentem attendendo ao que por ora póde a comparação; ainda o repito, é mais fácil passar nella
nação. com dous contos de réis, que na minha provincia. Foi
O SR. RIBEIRO DE ANDRADA: – Sr. por isso que não fallei nada do Rio Grande, cuja
presidente: já se têm expendido as razões que teve a carestia é duplicada.
commissão para arbitrar semelhantes ordenados, O SR. HENRIQUES DE REZENDE: – Sr.
attendendo ás circumstancias actuaes de cada uma presidente, as razões que tenho ouvido contra a
das provincias, e o estado de suas rendas. indicação do Sr. Duarte Silva, não a tem destruido.
A commissão vio mais que o projecto era Não é por serem cidades de beira-mar, que se lhes
provisorio, e que por conseguinte tudo o que nelle se deve arbitrar um ordenado maior: é pela maior
legisla é susceptivel de mudança, se depois convier importancia que umas têm do que outras.
fazêl-a. Tomou principios geraes para estabelecer a São portos de mar Alagôas, Parahyba, Rio
divisão de maiores e menores ordenados; nem sei Grande, Ceará, etc.; mas nem por isso são esses
como quer o nobre preopinante que ella se governos de tanta importancia, como o de Santa
lembrasse de fazer uma excepção de favor da sua Catharina: a prova disto é que nenhum desses
provincia, de que as outras com razão se queixarião. portos tem sido tão desejado de nações estrangeiras
Se a commissão contemplou S. Paulo com o para estabelecer um ponto militar como Santa
ordenado maior, foi porque reconheceu que Catharina.
emparelhava em circumstancias com as chamadas Alli é uma escala certa de todas as
maiores, e não por principio algum de parcialidade embarcações e esquadras que navegão pelos mares
como parece indicar-se. Vamos agora á 2ª parte da do sul: em consequencia o presidente terá muito em
emenda. Pretende o nobre preopinante que os que cuidar, mesmo porque não haverá alli
conselhos sejão habilitados a marcar o numero dos hospedarias, e o melhor edificio será a casa do
officiaes das secretarias, e a designar-lhes presidente, elle se verá por isso obrigado a grandes
ordenados. despezas, dando hospedagem a pessoas de
A commissão teve de propôr os ordenados, distincção, que alli tocarem: o que de certo não ha
gratificações e diarias para os agentes do governo nesses outros portos.
considerados no projecto de lei, e não podia lembrar- Dir-me-hão que o estado não paga para isso;
se dos officiaes de secretaria. Convenho que é eu digo que deve pagar; porque é da honra da nação
preciso que se ordene isto; mas então ha de a brazileira que os seus empregados dessa ordem não
commissão pedir as informações necessarias para fação uma triste figura em presença de estrangeiros
que possa conhecer que ordenados se dão a estes de representação. Digo pois que se deve igualar o
officiaes das secretarias, e poder apresentar o seu ordenado do presidente de Santa Catharina ao dos
parecer, mas agora não era competente que fallasse presidentes das provincias maiores, segundo tem
sobre esses ordenados. indicado o Sr. Duarte Silva.
Tambem já ouvi tratar de absurda a igualdade O SR. CARNEIRO DA CUNHA: – Estamos
da gratificação pela desigualdade da viagem; mas nas mesmas circumstancias a respeito de outras
cumpre reparar que isto fica compensado com a provincias; tambem não ha lugares proprios para
desigualdade do tempo em que se recebe o qualquer pessoa que alli chega se hospedar; e
ordenado: quando se gasta 6 mezes na viagem, portanto ha essas mesmas despezas extraordinarias
tambem se recebe 6 mezes de ordenado; por a cargo do presidente; logo, se vamos accrescentar
conseguinte as bases que tomou a commissão são em particular o ordenado do presidente de Santa
justas, e tanto que me parece que não terá a Catharina, têm as outras igual direito a pedirem o
assembléa mesmo
Sessão em 9 de Setembro de 1823 67

augmento; e é preciso concedel-o para evitar Emquanto ás gratificações para a jornada sou
parcialidades. de parecer que sejão regulares conforme as
O SR. FRANÇA: – Ainda se não destruio a distancias que tiverem de percorrer os presidentes,
razão em que fundei o meu parecer, quando tomadas do lugar donde sahem aos de seus
sustentei a maioria do ordenado que cumpre destinos, tendo attenção tanto ás viagens maritimas
assignar ao presidente da provincia da ilha de Santa como ás de terra, por que sem duvida são
Catharina, que vem a ser as despezas differentissimas as despezas que se fazem em
extraordinarias, que a experiencia tem mostrado ambas.
dever fazer o presidente, assim como as fazião os O SR. ARAUJO LIMA: – (Não o ouvio o
antigos governadores; por ser o porto da mesma ilha tachygrapho). No fim do discurso que fez mandou á
uma escala franca, e frequentada de embarcações mesa a seguinte emenda:
de guerra estrangeiras, cujos officiaes, além de Proponho que se supprima – Montevidéo. –
outras pessoas conspicuas, que por ventura andão Proponho mais que quando se diz: fiquem
nellas a viajar, cumpre serem agasalhados, e extinctos os emolumentos, se entenda isto na parte
hospedados pelo governo respectivo; circumstancia em que são applicados aos secretarios. – Araujo
que se não dá com a mesma identidade de razão em Lima.
os portos das outras provincias maritimas do nosso Foi apoiada em ambas as partes.
continente, que por sua situação geographica, não O SR. TEIXEIRA DE GOUVÊA: – Não posso
constituem escala ordinaria. Continúo portanto no achar justiça no parecer da commissão. Os
mesmo parecer, para que se iguale o ordenado do ordenados dão-se para a decente sustentação dos
presidente daquella provincia ao da de S. Paulo, sua empregados, e por isso não sei que medida tomou
limitrophe. por base a commissão. Tambem vejo que para
O SR. COSTA BARROS: – Conheço que Goyaz e Matto-Grosso, fazendo-se grandes
todas estas medidas são provisorias, e por falta de despezas em viagens, se arbitrou aos presidentes o
conhecimento exacto do estado de todas as mesmo, por exemplo, que aos de Minas e S. Paulo.
provincias não se poderá talvez marcar já Eu não sei de que principio nasce esta igualdade de
definitivamente o ordenado que devem perceber os ajudas de custo sendo tão grande a differença dos
presidentes; e na verdade são tão variadas as gastos das viagens para as differentes provincias do
circumstancias de cada uma que parece que para imperio? (Não se entendeu nada mais do que
obrar-se neste caso com justiça se deveria tomar escreveu o tachygrapho Silva).
uma medida particular para cada uma dellas. O mesmo Sr. deputado mandou á mesa a
As razões apontadas pelo Sr. Duarte Silva emenda seguinte:
pelo que diz respeito aos governos collocados á Proponho que ás provincias da segunda
beira-mar são realmente attendiveis, e comtudo eu ordem se dê de ordenado dous contos e
vejo que ainda entre estes mesmos governos ha quatrocentos mil réis; que a ajuda de custo para
desproporção, porque Santa Catharina, Parahyba, Goyaz seja a terça parte do ordenado, e para Matto-
Pernambuco, Maranhão e Pará estão com effeito Grosso metade do ordenado. – Teixeira de Gouvêa.
sujeitas a maiores despezas do que as outras da Foi apoiada em ambas as partes.
costa, pois que são mais frequentemente visitadas: O SR. SOUZA MELLO: – Levanto-me para
além disto o salario parece que deve ser fazer uma nova reflexão sobre o parecer que se acha
proporcionado ao trabalho; e ninguem poderá dizer em discussão; porquanto tendo já havido um longo
que uma provincia das mais populosas dá o mesmo debate, e não sendo eu amigo de fallar senão
trabalho que uma de menos população: a affluencia quando parece muito necessario, com o que poupo o
de negocios daquella não tem comparação com a tempo, observo que está finda a discussão e tem
dos desta; e por isso maior é a responsabilidade do passado em silencio, por não estar no parecer, uma
presidente que dirige uma provincia de maior parte essencial e precisa; entretanto que me levantei
população; daqui concluo que deve haver attenção á e que tendo ouvido quanto basta sobre o parecer da
grandeza moral da provincia para a paga do seu commissão e suas emendas, eu o approvo com
presidente. pequenas alterações como manifestarei na votação,
Nas provincias centraes sem duvida que o sem discorrer sobre suas materias, porque tudo está
luxo aos presidentes é nenhum; a maior parte dos dignamente dito pelos illustres membros que têm
governadores dellas fizerão o seu governo em timão fallado.
e chinellas; mas por outro lado experimentavão a A unica reflexão de que me faço cargo é que
carestia de muitos generos a que estavão os presidentes das provincias devem deixar de
acostumados; finalmente esta medida não é perceber todos e quaesquer emolumentos e propinas
permanente, comtudo arbitre-se o ordenado de modo como se determina á respeito dos secretarios;
que possão todos passar com decencia. porque não ha cousa
68 Sessão em 9 de Setembro de 1823

mais necessaria do que estabelecer-lhes ordenados 8º Se passava o art. 3º – Foi approvado.


sufficientes com que possão viver com toda a 9º Se passava o art. 4º – Foi approvado.
dignidade, livral-os de emolumentos e propinas de 10. Se passavão os additamentos dos Srs.
partes; e bom seria se esta medida se pudesse Araujo Lima e Pereira da Cunha para se entender a
agora estender á todos os empregados publicos; suppressão dos emolumentos só a respeito dos
mas como nem de todos, nem mesmo dos officiaes secretarios e não dos officiaes da secretaria. –
das secretarias se trata agora, por estarmos na Venceu-se que sim.
reforma sómente dos governos das provincias e de 11. Se passava o art. 5º e ultimo do parecer. –
seus secretarios, bom é que se verifique logo a Foi approvado.
respeito destes o que é conveniente, e na reforma O Sr. Andrada Machado requereu que estes
geral se fará o mais como é de esperar. vencimentos fossem remettidos á commissão
O motivo pois que me conduz a fazer esta respectiva para se inserirem na lei. – Assim se
reflexão, como emenda, é ver que extinguindo-se decidio.
justamente á beneficio dos povos os emolumentos Chegada a hora dos pareceres, pedio a
dos secretarios com accrescimo de ordenado, não se palavra o mesmo Sr. deputado para ler o projecto de
pratica o mesmo com os presidentes, quando estes proclamação da assembléa aos povos deste imperio,
podem chamar-se ao expediente dos antigos de cuja redacção tinha sido encarregado. (*)
governadores, e entrarem na percepção de muitos Depois de lido, resolveu-se que ficasse sobre
emolumentos e propinas que elles tinhão por meio a mesa até o dia 13 para ser examinado pelos
de regimento e ordens régias em diversas provincias, deputados que o quizessem ver.
por diversas tabellas com gravame dos povos. O Sr. Carvalho e Mello leu em nome da mesa
Portanto requeiro que se declare a sua o seguinte:
extincção em geral, e remetto á mesa o que
proponho a este respeito para entrar em votação, e PARECER
unir-se ao respectivo artigo.
Os actuaes secretarios desta assembléa
EMENDA examinando os requerimentos de Domingos Lopes
da Silva Araujo e Vicente Ferreira de Castro Silva,
Proponho que se declarem cessados os que forão admittidos interinamente ao exercicio de
emolumentos dos presidentes, como vai determinado officiaes da secretaria em virtude de resolução da
a respeito dos secretarios. – Souza Mello. mesma assembléa tomada na sessão de 12 de
Foi apoiada. Junho, e que ora pedem se lhes confira a nomeação
Julgou-se afinal discutida a materia; e propoz de officiaes effectivos: são de parecer:
o Sr. presidente: Que o requerimento dos supplicantes não tem
1º Se passava a 1ª parte do 1º artigo do lugar emquanto encontra a outra antecedente
parecer, isto é, se a assembléa approvava o resolução da assembléa tomada em sessão de 30 de
ordenado de 3:200$ para os presidentes das Maio, na qual se deferio o provimento destes
provincias alli designadas. – Venceu-se que sim, officiaes para quando se tratasse do regulamento
mas com a emenda suppressiva do Sr. Araujo Lima. geral das secretarias de estado.
2º Se passava o 2ª parte do mesmo artigo, Mas attendendo por outra parte, que os
que estabelecia dous contos de réis para os supplicantes trabalhão ha quasi dous mezes sem
presidentes das outras provincias. – Venceu-se que vencimento nenhum de ordenado; que têm sido
não. effectivos; que têm servido outros empregos de
3º Se passava a emenda do Sr. Pereira da semelhante natureza, que são sufficientemente
Cunha para não haver differença de provincias a idoneos para estes, segundo o testemunho do
respeito destes ordenados. – Não passou. official-maior da secretaria, que tem presidido aos
4º Se passava a emenda do Sr. Teixeira de seus trabalhos; que a mesma secretaria tem crescido
Gouvêa que estabelecia para as ditas provincias o em expediente á proporção dos trabalhos da
ordenado de seis mil cruzados. – Foi approvada. assembléa, e utilisado com o serviço dos
5º Se passava a ultima parte da emenda do supplicantes; entendem por isso que de equidade se
Sr. Pereira da Cunha, desde a palavra e ultimamente deve conferir aos mesmos dous supplicantes a
até ao fim. – Foi approvada. expectativa dos dous primeiros lugares dos oito
6º Se passava a emenda do Sr. Souza Mello. creados para o expediente da sobredita secretaria da
– Foi approvada. assembléa: e que entretanto
7º Se passava o art. 2º. – Foi approvado.
––––––––––––––––––
(*) Não se transcreveu porque não se achou entre os
papeis da assembléa.
Sessão em 9 de Setembro de 1823 69

devem ser soccorridos cada um com cincoenta mil entendia. Comtudo se é preciso gente para o
réis mensaes, á titulo de ajuda de custo, para trabalho admitta-se e pague-se-lhe; mas nada de
continuarem no exercicio interino a que forão expectativas.
admittidos, emquanto se não estabelecem O SR. RIBEIRO DE ANDRADA: – A
competentes ordenados aos ditos lugares; havendo assembléa resolveu na ultima sessão de Maio que
os ditos secretarios, que seja qual fôr a medida que se reservasse a nomeação dos officiaes da sua
de futuro haja de tomar a assembléa no provimento secretaria para quando se tratasse da reforma geral
de taes officiaes da secretaria, nunca poderá ser de todas, e por isso se pedirão as informações
incompativel com esta, por não ser de esperar a necessarias ás differentes repartições para se poder
preterição de homens habeis, e que têm servido com deliberar; mas havendo precisão de officiaes, e
proveito da secretaria, quando em tempo opportuno tendo-se offerecido estes homens para servir, forão
se houver de prover os lugares que para ella estão admittidos sem vencerem ordenado algum até se
creados. conhecer da sua capacidade; agora que se sabe que
Paço da assembléa, 1º de Setembro de 1823. são habeis, segundo attesta o official-maior que tem
– José Ricardo da Costa Aguiar de Andrada. – visto os seus trabalhos, e que são necessarios para
Manoel José de Souza França. – José Feliciano o expediente, parece justo que fiquem e que se lhes
Fernandes Pinheiro. – Luiz José de Carvalho e pague essa mesma gratificação arbitrada pela mesa;
Mello. mas expectativas nunca, porque são contrarias á lei.
O MESMO SR. DEPUTADO: – Estes homens O Sr. Presidente declarou adiado o parecer na
requererão entrar para o serviço da secretaria sem fórma do estylo.
perceberem ordenado até se julgar da sua O SR. ANDRADA E SILVA: – Eu não sei, nem
capacidade; agora que se tem visto, como attesta o me compete saber nas secretarias de estado ha
official-maior, que são habeis, justo é que se lhes officiaes de mais ou de menos, mas o que sei é que
conceda algum ordenado, para que não estejão precisamos conhecer o estado dellas para haver
servindo por mais tempo de graça. A nação não uma lei que as regule. Por isso não achava
precisa de serviços gratuitos: quer pagar a quem inconveniente em que estes homens fossem
trabalha. admittidos com uma ajuda de custo ou gratificação, a
O SR. ANDRADA MACHADO: – Para serem necessarios para os trabalhos do expediente.
vencerem de ora em diante conformo-me; nem E’ porém indispensavel que se peção ao governo as
poderia ter duvida em que fossem nomeados os noções precisas para se redigir uma lei sobre este
officiaes visto que o governo está nomeando os que objecto. Eu tenho a este respeito uma indicação que
lhe parece para as secretarias de estado, sem fazer vou ler.
caso algum do que se resolveu aqui a este respeito:
creio que ultimamente tem nomeado tres ou quatro. INDICAÇÃO
Portanto approvo o parecer, porque até o ordenado
julgo muito regular. Proponho que a assembléa peça com
O SR. ANDRADA E SILVA: – Como se têm urgencia ao ministerio o estado actual das
admittido novos officiaes para as secretarias de secretarias de estado com o numero dos
estado, creio que não ha que esperar para que a empregados affectivos, seus ordenados e
assembléa deixe de nomear os da sua; e por isso emolumentos, e que sobre estes dados se faça um
voto que fiquem já estes homens que têm estado a projecto de lei regulamentar sobre as mesmas
trabalhar, e dado provas sufficientes da sua secretarias. – José Bonifacio de Andrada.
capacidade. Depois de algumas reflexões em que se
O SR. VERGUEIRO: – Se o governo tem mostrou que o proposto nesta indicação já tinha sido
procedido assim a respeito dos officiaes das objecto de deliberação, o seu illustre autor o retirou;
secretarias de estado tem abusado, e não se segue e resolveu-se então que, sendo conferida com as
que nós devamos abusar tambem. A assembléa actas, se visse se o proposto na indicação já estava
resolveu que para o provimento de taes lugares se pedido.
esperasse pela reforma geral das secretarias, e por Fez-se a distribuição dos exemplares do
isso sem que se revogue essa resolução nada projecto de constituição, e o Sr. presidente perguntou
devemos fazer; agora se querem revogal-a é outra quando começaria a sua discussão? Resolveu-se
cousa; depois que o estiver não temos que esperar. que começasse no dia 15.
Quanto á parte do parecer em que se falla de O SR. ANDRADA MACHADO: – Sr.
expectativas não me agrada; isso era de uso no presidente, como dentro em poucos dias se vai
antigo regimen e de muito más consequencias; nós discutir o projecto de constituição cumpre marcar a
não devemos conservar erros, mas emendal-os, se fórma de o fazer; porque a ordem de discussão
não queremos continuar no mesmo labyrintho em estabelecida no regimento, não lhe póde ser
que ninguem se applicavel.
70 Sessão em 9 de Setembro de 1823

A 1ª discussão evidentemente não tem lugar; do dia: 1º. A discussão adiada sobre o modo de
porque não havemos de tratar da vantagem ou remetter a Sua Magestade um exemplar da
inutilidade do codigo constitucional quando a sua constituição: 2º. A tabella das leis para se unir ao
utilidade é reconhecida pela nação; a 3ª tambem não decreto da confirmação da legislação existente: 3º A
é praticavel; não se póde discutir in globo; e artigo continuação da 2ª discussão sobre o projecto da
por artigo temos discussão eterna. creação de universidades: 4º A indicação do Sr.
Portanto a que póde ficar é a 2ª, havendo-nos Carneiro. Declarou-se porém que seria interrompida
nella com toda a madureza e circumspecção. qualquer das partes da ordem do dia logo que se
Adopte-se a este respeito o que em Portugal apresentasse o parecer sobre o methodo de discutir
se fazia; lá nunca houve mais que uma discussão, a constituição.
artigo por artigo; embora fallemos mais das tres Levantou-se sessão ás 2 horas da tarde. –
vezes. Emfim é preciso declarar isto para evitar Luiz José de Carvalho e Mello, secretario.
duvidas, e determinar tambem a votação.
O SR. CARNEIRO DA CUNHA: – Isto me RESOLUÇÕES DA ASSEMBLÉA
parece objecto de uma indicação para dar sobre ella
o seu parecer a respectiva commissão; então PARA JOÃO VIEIRA DE CARVALHO
poderemos dizer alguma cousa; mas agora seria
tratar da materia com precipitação. Eu tambem Illm. e Exm. Sr. – A assembléa geral
penso que é urgente deliberar sobre este objecto; constituinte e legislativa do imperio do Brazil
porém entendo que deve seguir-se esta marcha. A tomando em consideração o que lhe representou a
assembléa decidirá. commissão de marinha e guerra sobre a
O SR. VERGUEIRO: – Sr. presidente, necessidade de informações relativas á regulação do
reduzirmos as tres discussões a uma parece-me numero de tropas da 1ª linha que deve haver neste
demasiado; passarem as leis regulamentares por imperio: manda participar ao governo que precisa de
tres, e a lei principal, a da maior preeminencia, por conveniente instrucções tanto a respeito da força das
uma só, não me parece coherente. fortificações de cada provincia, numero e serviço
Julgo melhor que se admittão duas, e que na diario das tropas das differentes armas em tempo de
2ª se proceda de differente modo do que se tem paz, e soldos correspondentes ás mesmas patentes
adoptado; quanto á 3ª eu sempre a tive por um em diversas provincias, como da estatisticas de cada
defeito no regimento, ainda para as leis uma destas pelo que pertence á população de
regulamentares. homens livres com separação da classe dos de côr
Parece-me pois que deveriamos, adoptando preta. O que V. Ex. levará ao conhecimento de S. M.
as duas discussões, ir logo separando o que se Imperial. Deus guarde a V. Ex. Paço da assembléa,
desapprova na 1ª para se redigir novamente com a em 9 de Setembro de 1823. – João Severiano Maciel
doutrina vencida, e entrar assim na outra discussão da Costa.
para se lhe dar o ultimo apuro. Deste modo julgo que
se consegue a maior brevidade sem passarmos a PARA JOSÉ JOAQUIM CARNEIRO DE CAMPOS
um extremo.
O SR. ANDRADA E SILVA: – (Não o ouvio o Illm. Exm. Sr. – A assembléa geral constituinte
tachygrapho). e legislativa do imperio do Brazil, approvando os
O Sr. Presidente consultou a assembléa, e pareceres da commissão de constituição sobre os
resolveu-se que se incumbisse este negocio á requerimentos de José Fernandes Barboza e
commissão de constituição para dar sobre elle o seu Clemente Alves de Oliveira Mendes e Almeida, tem
parecer com urgencia. resolvido que se conceda a cada um dos
O Sr. Andrada Machado pedio a palavra para supplicantes o prazo de seis mezes para se poderem
ler uma indicação concebida nos termos seguintes: recolher dentro delle a este imperio, sem incorrer na
Proponho que se mande a S. M. Imperial um comminação do decreto de 8 de Janeiro deste anno
exemplar do projecto de constituição por uma como supplicarão em seus requerimentos. O que V.
competente deputação. – Andrada Machado. Ex. levará ao conhecimento de S. M. Imperial. Deus
Depois de alguma discussão (de que nada guarde a V. Ex. Paço da assembléa, em 9 de
disse o tachygrapho Silva) e feita a proposta, Setembro de 1823. – João Severiano Maciel da
decidio-se que se remettesse um exemplar a Sua Costa.
Magestade; mas tratando-se do modo de o remetter,
ficou adiada a discussão por dar a hora. PARA O MESMO
O Sr. Presidente assignou para a ordem
Illm. e Exm. Sr. – A assembléa geral
constituinte e legislativa do imperio do Brazil, tendo
annuido ao que lhe requereu a commissão de
constituição sobre o officio do barão da
Sessão em 10 de Setembro de 1823 71

Laguna, que representou não se poder proceder á 1ª Declaro que na sessão de hontem fui de
eleição de deputados para a mesma assembléa pelo voto que se não enviasse ao imperador o projecto de
estado Cisplatino por causa da occupação militar de constituição. Paço da assembléa, 10 de Setembro de
Montevidéo: manda participar ao governo que para 1823. – Arouche. – Gama. – França. – Ornellas. –
deliberar sobre este importante objecto precisa a Costa Carvalho. – Henriques de Rezende. – Martins
referida commissão ouvir a D. Lucas José Hobes, a Bastos. – Albuquerque. – Lopes Gama. – Ribeiro
cujo fim lhe officiará o mesmo governo para que Campos. – Cavalcanti de Albuquerque.
compareça no edificio deste congresso nas horas 2ª Declaro que na sessão de hontem votei que
das suas sessões em alguns dos dias desta semana. não se mandasse o projecto de constituição ao
O que V. Ex. levará ao conhecimento de S. M. imperador. – Vergueiro. – Souza Mello. – Paula e
Imperial. Deus guarde a V. Ex. Paço da assembléa, Souza. – Araujo Lima. – Araujo Vianna. – Maia. –
em 9 de Setembro de 1823. – João Severiano Maciel Rocha Franco. – Mandarão-se inserir na acta.
da Costa. O SR. SECRETARIO FERNANDES
PINHEIRO: – Satisfazendo á resolução da
PARA O MESMO assembléa da sessão antecedente sobre a indicação
do Sr. Andrada e Silva, conferi esta com o officio
Illm. e Exm. Sr. – A assembléa geral dirigido ao governo em 3 do corrente em que se
constituinte e legislativa do imperio do Brazil, sendo- pedirão informações do numero de officiaes
lhe presente um officio do ministro e secretario de existentes e dos precisos para o expediente, seus
estado dos negocios da marinha, da data de hontem, ordenados e emolumentos; e acho que no dito officio
em que lhe communica ter fundeado no dia 7 do se comprehende quanto se ordenou que se exigisse
corrente, fóra da barra desta capital, o bergantim do governo.
portuguez Treze de Maio, vindo de Lisboa á Bahia O SR. ANDRADA MACHADO: – Creio que
com bandeira parlamentar trazendo a bordo o tambem se venceu que se pedisse a conta do
marechal de campo Luiz Paulino de Oliveira Pinto da producto do Diario do Governo e não se faz menção
França, e ter hontem o mesmo bergantim entrado o disso no officio.
porto, e fundeado entre as fortalezas por causa do O SR. FERNANDES PINHEIRO: – Essa
tempo, pedindo agua e mantimentos, para quarenta reflexão fiz tambem na secretaria; mas o official-
dias: manda participar ao governo que precisa, com maior me respondeu que isso se tinha exigido só da
a maior urgencia, de exactas e circumstanciadas repartição da guerra, pois as outras repartições nada
informações sobre o motivo da vinda do referido tinhão com o Diario, á excepção da dos negocios
bergantim, e que lhe sejão remettidos todos os estrangeiros, á qual era igualmente desnecessario
officios que por elle viessem, e quaesquer pedir aquella informação, tendo-se exigido da guerra.
participações ou noticias que possão servir para Decidio-se afinal, depois de algumas
chegar a mesma assembléa ao conhecimento reflexões, que se expedisse outro officio mais amplo
perfeito dos fins que poderia ter em vista o governo exigindo que se declarasse se todos servião
de Portugal na expedição daquelle navio para os effectivamente ou se alguns se achavão
portos deste imperio. O que V. Ex. levará ao impossibilitados de cumprir com as suas obrigações.
conhecimento de S. M. Imperial. Deus guarde a V. O Sr. Secretario Maciel da Costa leu os
Ex. Paço da assembléa, em 9 de Setembro de 1828. seguintes officios do ministro de estado dos negocios
– João Severiano Maciel da Costa. do imperio:
Illm. e Exm. Sr. – Havendo a junta do
SESSÃO EM 10 DE SETEMBRO DE 1823. commercio, agricultura, fabricas e navegação dirigido
á augusta presença de Sua Magestade o Imperador,
PRESIDENCIA DO SR. BARÃO DE SANTO como lhe foi determinado por portaria de 19 de
AMARO. Agosto proximo passado, em virtude do officio do
antecessor de V. Ex. de 14 dito, as consultas que
Reunidos os Srs. deputados pelas 10 horas da existião naquelle tribunal, relativas á extincção das
manhã, fez-se a chamada e acharão-se presentes mesas da inspecção do assucar, tabaco e algodão,
71, faltando com causa os Srs. Gondim, Ribeiro de com todos os papeis originaes e informações á que
Rezende, Ferreira Nobre, Silveira Mendonça e se procedeu sobre esse objecto, o mesmo augusto
Rodrigues da Costa, e sem ella os Srs. Andrade e senhor me ordena que remetta á V. Ex., para serem
Lima e Teixeira de Gouvêa. presentes na assembléa geral, constituinte e
O Sr. Presidente declarou aberta a sessão e legislativa do imperio do Brazil as mencionadas
lida a acta da antecedente foi approvada. consultas constantes daquella que as acompanhou
Vierão á mesa as seguintes declarações de em data de 30 do mesmo mez de Agosto;
voto:
72 Sessão em 10 de Setembro de 1823

e que tambem envie á V. Ex. para terem igual para que haja de resolver o que será mais
destino todos os officios, informações e mais papeis conveniente, se mandar que regresse promptamente
que existião na secretaria de estado dos negocios do para Lisboa o sobredito bergantim com o referido
imperio e que tratando daquelle objecto podem marechal de campo ou se será conveniente que elle
fornecer á mesma augusta assembléa as noções se conserve á bordo até que cheguem os
precisas para o acerto das duas deliberações. commissarios annunciados; pois que nas
Deus guarde á V. Ex. – Paço, em 6 de circumstancias actuaes não parece convir o seu
Setembro de 1823. – José Joaquim Carneiro de desembarque, apezar do máo estado de saude que
Campos. – Sr. João Severiano Maciel da Costa. – elle pondera.
Foi tudo remettido á commissão de commercio. Resta-me agora asseverar á V. Ex. para
Illm. e Exm. Sr. – Sua Magestade o Imperador tambem ser constante á assembléa geral que,
me ordena que participe á V. Ex. para conhecimento quando recebi o officio da data de hontem que V. Ex.
da assembléa geral constituinte e legislativa, que o me dirigiu, estava já feito o presente officio o qual
marechal de campo Luiz Paulino de Oliveira Pinto da seria hontem mesmo expedido se não me fosse
França, partiu de Lisboa para a cidade da Bahia em necessario levar primeiramente á augusta presença
commissão de Sua Magestade Fidelissima, devendo de Sua Magestade Imperial a resposta ultima do
dalli vir reunir-se nesta côrte á outras pessoas, que sobredito marechal, pois que sem ella não podia dar
para aqui são mandadas, como consta do officio cabal conta deste objecto.
junto por cópia n. 1. Tenho finalmente de participar á V. Ex. que o
O mesmo marechal tendo com effeito tocado bergantim portuguez Treze de Maio não trouxe
na cidade da Bahia, no bergantim Treze de Maio, em officios para este governo; e com este remetto á V.
que sahira de Lisboa á 10 de Julho ultimo e achando Ex. os que chegarão da Bahia no paquete inglez e a
aquella cidade evacuada pelas tropas portuguezas, o que se refere o officio do governo da Bahia, incluso
que impossibilitara o exercicio da sua commissão, por cópia n. 4, relativo ao mesmo assumpto. O que
proseguio sua viagem para esta côrte e tendo V. Ex. levará ao conhecimento da assembléa geral
fundeado no dia 7 do corrente fóra da barra com constituinte e legislativa.
bandeira parlamentar, dirigiu-me o officio acima Deus guarde á V. Ex. – Paço, 10 de Setembro
indicado, no qual referindo-se á instrucções geraes de 1823. – José Joaquim Carneiro de Campos. – Sr.
recebidas, sem comtudo individua-las, participava o João Severiano Maciel da Costa.
referido para que Sua Magestade Imperial O SR. RIBEIRO DE ANDRADA: – Eu requeiro
determinasse o que fosse do seu imperial agrado a leitura dos officios de Luiz Paulino e do governo da
sobre o seu desembarque: e tendo-se-lhe Bahia e das cartas régias e instrucções do dito
respondido pela nota da copia inclusa n. 2, que Sua marechal; emfim é preciso ouvirmos essa papelada
Magestade Imperial não podia determinar sobre o toda.
seu desembarque, sem que elle primeiramente O SR. ANDRADA E SILVA: – Eu tambem
informasse se vinha munido de poderes para peço o mesmo; é necessario que nos inteiremos
reconhecer em nome de Sua Magestade Fidelissima deste negocio que é de summa importancia.
a independencia politica do Brazil, pois o mesmo O Sr. Secretario Maciel da Costa fez a leitura
augusto senhor estava resolvido a não entrar em pela ordem seguinte:
conferencia nem ajustes ou convenções quaesquer
com o governo portuguez, sem que lhes servisse de OFFICIO DO MARECHAL LUIZ PAULINO
base e condição sine qua o reconhecimento da
independencia politica deste imperio e da sua Illm. e Exm. Sr. – Havendo eu partido de
imperante dynastia; respondeu pelo officio incluso Lisboa a 10 de Julho proximo, á bordo deste
copia n. 3, que nada podia informar a este respeito, bergantim em obediencia á carta régia de Sua
visto que a sua commissão só era limitada a fazer Magestade Fidelissima, pela qual me fez o mesmo
cessar as hostilidades na Bahia e a reunir-se ás augusto senhor a alta honra de mandar-me em
pessoas que para aqui devião vir em commissão; e commissão á Bahia, devendo dalli vir
que só das instrucções destas, cujo conteúdo por ora immediatamente reunir-me nesta côrte á pessoas de
ignorava, se poderião achar as instrucções que se sua régia confiança, que naquella mesma occasião
exigião. para aqui mandava, acabo de fundear nesta barra
A’ vista disto, Sua Magestade o Imperador, com bandeira parlamentaria, conforme as geraes
parecendo-lhe este negocio de summa importancia e instrucções recebidas afim de evitar-se todo e
querendo mostrar sempre a sua intima conformidade qualquer embaraço. Cumpre-me o assim participar á
com a assembléa geral, o offerece á consideração V. Ex. para o levar ao conhecimento de Sua
da mesma assembléa Magestade Imperial, que determinará o que fôr do
seu imperial agrado para meu desembarque.
Sessão em 10 de Setembro de 1823 73

Deus guarde á V. Ex. – Na barra do Rio de SEGUNDO OFFICIO DO MARECHAL LUIZ


Janeiro, á bordo do bergantim portuguez Treze de PAULINO
Maio, aos 7 de Setembro de 1823. – Illm. e Exm. Sr.
José Joaquim Carneiro de Campos. – Luiz Paulino Illm. e Exm. Sr. – São quatro horas da tarde
de Oliveira Pinto da França. de hoje quando tenho a honra de receber a nota de
V. Ex. em resposta ao meu officio de hontem. Para
RESPOSTA DO MINISTRO DOS NEGOCIOS responder ao que V. Ex. exige só tenho a dizer a V.
ESTRANGEIROS Ex. que eu no meu citado officio usei da necessaria,
devida e exacta expressão a respeito do meu
O abaixo assignado, conselheiro, ministro e objecto de vinda a esta côrte, e por consequencia
secretario de estado dos negocios do imperio e dos não podendo nada accrescentar, cumpre-me
estrangeiros, accusa a recepção do officio que em unicamente, para tirar este viso de enigma, dizer a
data de hontem lhe dirigio o Sr. marechal de campo V. Ex. que eu não sei quaes são as cabaes
Luiz Paulino de Oliveira Pinto da França, de bordo instrucções que por Sua Magestade Fidelissima
do bergantim portuguez Treze de Maio, fundeado na havião de ser dadas ás pessoas de sua confiança,
barra desta capital com bandeira parlamentaria, em as quaes me mandou aqui unir depois da minha
o qual communica ter partido de Lisboa para a commissão na Bahia: e porque esta, por ser de uma
Bahia em commissão de Sua Magestade El-Rei de proposição aos commandantes de Sua Magestade
Portugal e Algarves, com ordem de vir dalli reunir-se Imperial para a suspensão de hostilidades e para a
nesta côrte a pessoas da sua régia confiança, que effectuação da evacuação das tropas do mesmo
naquella mesma occasião para aqui mandava; augusto senhor n’aquella provincia dava ao meu
accrescentando que acabando de fundear nesta coração o desejo que a minha viagem se fizesse,
barra com bandeira parlamentaria, afim de evitar seja-me permittida a expressão, com a velocidade
todo e qualquer embaraço, lhe cumpria assim do raio; cogitei de partir apenas pude ser
participar ao abaixo assignado, para que Sua desembaraçado; assegurando-se-me que dentro em
Magestade Imperial determinasse o que fosse do seis dias, ao mais tardar, partiria a corveta Voadora
seu imperial agrado sobre o seu desembarque. para esta côrte conduzindo as referidas pessoas.
O abaixo assignado tem portanto de significar Nestes termos os poderes a mim conferidos
ao Sr. marechal em resposta, que na situação hostil forão unicamente relativos á sobredita proposição, e
em que se têm achado as duas nações brazileira e nenhumas outras instrucções recebi senão a este
portugueza e absoluta separação de ambas não respeito tendentes; e que porei ao conhecimento de
póde Sua Magestade Imperial determinar sobre o Sua Magestade Imperial quando assim se digne
desembarque de S. S., sem que previamente seja querer.
informado se S. S. vem munido de poderes para Assim é evidente, sem dependencia da
reconhecer em nome de Sua Magestade prevenção que V. Ex. da parte de Sua Magestade
Fidelissima a independencia do imperio do Brazil; Imperial me faz, e cujas altas virtudes ao infinito
pois o mesmo augusto senhor manda prevenir á S. respeito, que eu nada tenho a dizer nem a fazer,
S. de que, fiel aos empenhos que tem contrahido emquanto as mencionadas pessoas não chegarem,
com a livre e briosa nação brazileira, zeloso guarda senão ter a alta honra de beijar todos os dias a mão
da dignidade nacional e decóro de sua imperial de Sua Magestade Imperial, a quem sou chamado
corôa, não está resolvido a ouvir proposições pelos mais ponderosos motivos, se o mesmo
algumas da parte do governo portuguez, nem a augusto senhor se dignar permittir o meu
entrar em ajustes ou negociações quaesquer, sem desembarque. Rogo a V. Ex. queira desculpar-me
que lhes sirva de base e condição sine qua o de não fazer este por meu proprio punho, porque o
reconhecimento da independencia politica deste meu estado de enfermidade é tal, que
imperio e da sua imperante dynastia. amiudadamente me parece que toco o meu ultimo
O abaixo assignado declarando ao Sr. instante; e acredite-me V. Ex. que se não passa um
marechal Luiz Paulino de Oliveira Pinto da França só da minha vida, em que eu lhe não tribute a maior
os sentimentos positivos do governo brazileiro, e amisade e veneração.
esperando que S. S. se sirva dar á elles uma Deus guarde a V. Ex. A bordo do bergantim
resposta categorica, aproveita esta occasião para portuguez parlamentario Treze de Maio, em 8 de
dirigir-lhe as expressões da particular attenção com Setembro de 1823. – Illm. e Exm. Sr. José Joaquim
que o venera. Carneiro de Campos. – Luiz Paulino d’ Oliveira Pinto
Palacio do Rio de Janeiro, 8 de Setembro de da França.
1823. – José Joaquim Carneiro de Campos. – Ao
Sr. Luiz Paulino de Oliveira Pinto da França. OFFICIO DO GOVERNO PROVISORIO DA BAHIA

Illm. e Exm. Sr. – O governo provisorio da


provincia da Bahia leva ao conhecimento
74 Sessão em 10 de Setembro de 1823

de V. Ex. para ser presente a Sua Magestade de Carvalho e Albuquerque, presidente. – Joaquim
Imperial, que no dia 18 do corrente aportou a esta José Pinheiro de Vasconcellos, secretario. –
cidade o brigue portuguez Treze de Maio com Joaquim Ignacio de Siqueira Bulcão. – Antonio
bandeira parlamentaria trazendo a seu bordo o Augusto da Silva. – Manoel Gonçalves Maia
marechal de campo Luiz Paulino d’Oliveira Pinto da Bittencourt. – Felisberto Gomes Caldeira.
França o qual apresentando-se a este governo com
uma carta régia, que o autorisava para uma CARTA RÉGIA AO BRIGADEIRO MADEIRA
suspensão d’armas de commum accordo com as
autoridades que se suppunhão ainda aqui existir, e Ignacio Luiz Madeira, brigadeiro dos meus
tres saccos com officios para as mesmas reaes exercitos. Eu El-rei vos envio muito saudar:
autoridades suppostas, foi-lhe respondido, que como Havendo reassumido o exercicio dos inauferiveis
não houvesse cousa alguma a tratar a semelhante direitos que pertencem á magestade do throno, o
respeito, por estar a provincia livre de seus injustos principal objecto das minhas paternaes solicitudes é
oppressores, pelos esforços de seus habitantes, remover e sanar os males de toda a especie que a
soccorridos pelo melhor dos imperadores o Sr. D. facção que se tinha levantado em Portugal violenta e
Pedro I, podia retirar-se e seguir as ordens que atrozmente suscitára: e porque um dos mais
tivesse; e quanto aos officios o governo os funestos são as hostilidades e mutua aggressão em
remetteria a Sua Magestade Imperial pela primeira que se acha a provincia da Bahia, servindo de
embarcação. theatro a uma guerra cruel e devastadora, que tão
Com effeito recolheu-se a bordo do referido repugnante sempre foi ás minhas reaes intenções:
brigue no dia seguinte, e no outro fez-se de vela, hei por bem que logo que esta receberdes,
dizendo que seguia para essa côrte. Com a chegada d’accordo com o chefe de divisão da armada real
do mencionado marechal sentiu-se alguma agitação João Felix Pereira de Campos, a quem nesta
no povo, que começou a receiar-se de que elle vinha conformidade e data escrevo agora, e de
atraiçoar a provincia e trabalhar para reduzil-a outra intelligencia com o marechal de campo Luiz Paulino
vez a unir-se a Portugal, e que aquelles officios de Oliveira Pinto da França, que expressamente
certamente continhão insinuações e talvez ordens para esse fim ahi mando, passeis a propôr ao
positivas para esse fim: ao que attendendo este general, ou a outro qualquer official commandante
governo e muito principalmente á obrigação que lhe que tiverdes á vossa frente, uma suspensão
incumbe de acautelar e prevenir tudo quanto possa d’armas, e termo a toda a hostilidade e guerra que
offender a independencia e integridade do imperio, se possa fazer em qualquer ponto onde chegue o
tão recommendada por Sua Magestade Imperial, e vosso mando, de modo que daquella data em diante
até sellada com o sagrado vinculo do juramento, cesse toda a effusão de sangue e todos os mais
tomou a deliberação de abrir os mencionados effeitos da guerra, emquanto as diferenças que as
officios com o fim sómente de inteirar-se do espirito occurrencias passadas desgraçadamente havião
das ordens que daquelle reino vinhão ás autoridades produzido, se não ajustão definitivamente, e
que aqui dirigião a guerra: e com effeito não foi vã a emquanto pelas pessoas da minha confiança, que
suspeita concebida, porque no officio dirigido ao ora envio ao Rio de Janeiro, se não ajustão as
chefe de divisão João Felix Pereira de Campos, em condições da total evacuação dessa cidade pelas
data de 10 de Julho do corrente anno, forças de mar e terra que ahi se achão.
expressamente se recommenda que faça por trazer E porque em uma semelhante situação
esta provincia á união com Portugal, reconhecendo o convém muito acautelar e remover as dissenções
governo de Sua Magestade; e abrindo que o estado de irritação em que naturalmente se
immediatamente correspondencia com Lisboa, achão os animos póde produzir em perigo manifesto
segundo os termos em que se achava antes das do socego publico e segurança individual,
ultimas innovações. Pelo que ficou o governo recommendo-vos que conserveis a força do vosso
inteirado de que as vistas de Portugal são as commando na mais estricta disciplina, obrigando as
mesmas ácerca desta provincia, e de todo o Brazil; e pessoas della ao seu maior rigor e observancia, de
por isso na absoluta necessidade de segurar-se de sorte que se evitem as rixas e questões que podem
alguma aggressão. ter nocivas consequencias. Confio pois da vossa
Os officios de que acima se falla, são os prudencia, zelo e reconhecida actividade a mais
proprios que agora se remettem para que subão ao pontual execução a tudo que nesta vos hei por muito
conhecimento de Sua Magestade Imperial. Deus recommendado. Escripta em Lisboa, no palacio da
guarde a V. Ex. Palacio do governo da Bahia, 27 de Bemposta, em 7 de Julho de 1823. – Rei. – Para
Agosto de 1823. Illm. e Exm. Sr. José Joaquim Ignacio Luiz Madeira.
Carneiro de Campos. – (Assignados) Francisco
Elesbão Pires
Sessão em 10 de Setembro de 1823 75

AVISO DE INSTRUCÇÃO AO MESMO molestados possão chamar immediatamente em seu


BRIGADEIRO favor o theor do que a seu respeito se tiver
estipulado.
Ainda que a confiança que Sua Magestade El- 6º V. S. conhecerá a importancia de quanto
Rei nosso senhor põe em o zelo e actividade, com fica recommendado. As relações que outr'ora
que V. S. se tem empregado no seu real serviço, subsistião estão, se não quebradas, ao menos muito
tornasse escusado quaesquer outras instrucções perturbadas, e convém remover tudo quanto possa
sobre o modo porque se deve regular nos termos da contribuir para aggravar tão funesto accidente,
suspensão de armas, que foi servido ordenar que V. procurando-se pelo contrario que quanto antes se
S. propuzesse aos officiaes generaes, ou a outro restabeleção os antigos nexos de amisade e que
qualquer official commandante que tivesse á sua dando-se de mão á rivalidades perigosas, todos
frente, até essa provincia ser evacuada pelas forças entrem na marcha de conveniencia, commercio e
de mar e terra que nella se achão, pois a intelligencia mais reciproca e melhor intelligencia.
de V. S. regulará tão importante objecto, como fôr 7º Ainda que o primeiro passo seja
mais compativel e proprio; comtudo Sua Magestade simplesmente a suspensão de armas e que a
houve por bem que V.S. tivesse presente: evacuação das forças que ahi se achão, fique
1º Que sendo o principal objecto daquella dependente das instrucções que para esse fim ahi
suspensão de armas evitar a effusão de sangue, e devem chegar da parte das pessoas da real
todos os outros males de que estava sendo theatro confiança de Sua Magestade que para isso manda
essa desgraçada provincia, o que tanto contristava o ao Rio de Janeiro tratar, com seu augusto filho,
animo paternal e piedoso de Sua Magestade, deve comtudo deve-se acautelar que não se comprehenda
da parte de V.S. e de todos os officiaes seus no ajuste da dita suspensão de armas nenhum artigo
subalternos, haver o maior cuidado em que se que possa prejudicar a evacuação dos objectos
evitem quaesquer rixas e desordens, que pela militares e da marinha que alli se achão.
irritação a que tinhão chegado os espiritos dos 8º Porquanto taes objectos sendo daqui
povos, no intermedio da suspensão de armas, mandados para o serviço do exercito e marinha,
podem ter ainda lugar, e donde se podem seguir devem, na retirada da tropa e da armada, seguir
funestas consequencias, que até cheguem a igualmente a sua sorte; por isso se procurará ir
mallograr a mesma suspensão de armas ordenada. embarcando todos os objectos pertencentes ao
2º Para isto concorrerá sobremodo a disciplina arsenal do exercito e da marinha, para serem
e boa ordem em que se mantenhão os corpos remettidos para aqui.
debaixo do commando de V. S., obrigando-os a todo 9º Deverá V. S. de accordo com a junta do
o rigor da subordinação e regularidade militar. governo procurar o sustento e arranjo da tropa como
3º Além de se preencher com isso um tão melhor fôr compativel; seja pelo rendimento da
importante objecto, tambem se providencia outro não provincia, então mais abundante pela affluencia do
menos ponderoso, e é tornar a mesma força mais commercio como pelos do reino de Angola e mais
respeitavel e propria a servir de garante a tudo o provincias por onde V. S. tenha faculdade de poder
mais que convém coadjuvar e proteger. sacar.
4º Sendo certo que essa provincia estava 10. Logo que V. S. tiver concluido qualquer
dividida em dous partidos que mutuamente se batião, ajuste cuidará em fazer para aqui a conveniente
conhecerá V. S. quanto convém e é da ultima participação para o que se expedirá logo uma das
necessidade, prestar toda a consideração áquelle embarcações ligeiras da esquadra que ahi se acha.
partido que, tendo feito causa com o exercito que se 11. Sem duvida alguma conhecerá V. S.
manda retirar, ficaria entregue a todas as represalias quanto é urgente evitar todas as sinistras
que o espirito de vingança e a differença de opiniões interpretações que a malevolencia e o espirito de
podem suggerir. partido costuma fazer de tudo, para nutrir a
5º Por isso no convenio para a dita suspensão inquietação dos povos, envenenando as mais
de armas procurará V. S. inserir em primeiro lugar: 1º sinceras e cordatas disposições que se tomão, por
Um perfeito esquecimento do passado; 2º Em isso recommenda a prudencia que se evitem todos
consequencia, indulgencia e toda a necessaria os meios donde se possão improvisar funestas
desculpa para os individuos que tivessem seguido interpretações; pelo que V. S. tambem conhecerá a
esta ou aquella opinião; 3º Uma promessa de assim cautela em que deve reservar as presentes
se lhe cumprir, promessa que deve ser concebida instrucções para que não sirvão a semelhantes fins,
nos termos mais expressivos e claros afim de que sim aos salutares a que Sua Magestade as dirige, e
cortando-se toda a ambiguidade, os que forem é o melhor desempenho a seu serviço, em
vantagem, e conhecida utilidade de todos,
principalmente dos povos dessa provincia.
12. Juntas achará V. S. por copia as
76 Sessão em 10 de Setembro de 1823

cartas régias que se dirigem ao governo da magestade do throno, principal objecto das minhas
provincia, ao chefe de divisão João Felix Pereira de paternaes solicitudes é remover, e sanar os males de
Campos, e ao marechal de campo Luiz Paulino de toda a especie, que a facção que se tinha levantado
Oliveira Pinto da França. em Portugal, violenta e atrozmente suscitára; e
Deus guarde a V. S. Lisboa, no palacio da porque um dos mais funestos são as hostilidades, e
Bemposta, em 8 de Julho de 1823. – Conde de mutua aggressão em que se acha a provincia da
Subserra. – Sr. Ignacio Luiz Madeira. Bahia, servindo de theatro a uma guerra cruel, e
devastadora, o que tão repugnante sempre foi ás
CARTA RÉGIA AO GOVERNO DA BAHIA minhas reaes intenções: Hei por bem que logo que
esta receberdes, d’accordo com o encarregado do
Presidente, e mais pessoas, que compoem a governo das armas, e commandante das forças de
junta provisoria do governo da provincia da Bahia: Eu terra, a quem nesta conformidade, e data agora
El-Rei vos envio muito saudar: Havendo reassumido escrevo; e de intelligencia com o marechal de campo
o exercicio dos inauferiveis direitos que pertencem á Luiz Paulino d’Oliveira Pinto da França, que
magestade do throno, o principal objecto das minhas expressamente para esse fim ahi mando, passeis a
paternaes solicitudes é remover e sanar os males de propôr ao almirante official commandante em chefe
toda a especie que a facção, que se tinha levantado da esquadra, ou outro qualquer official que tiverdes á
em Portugal violenta e atrozmente suscitára; e vossa frente, uma suspensão de armas e termo a
porque um dos mais funestos são as hostilidades, e toda a hostilidade e guerra que se possa fazer em
mutua aggressão que se acha soffrendo essa qualquer porto onde chegue o vosso mando, seja
provincia, hoje theatro de uma guerra cruel, e pelas embarcações da esquadra d’alto bordo, ou
devastadora, que tão repugnante sempre foi ás pelas da esquadrilha que ahi se acha armada, de
minhas reaes intenções: Fui servido, por cartas modo, que daquella data em diante, cesse toda a
régias, em data desta, ordenar ao chefe de divisão effussão de sangue, e todos os mais effeitos da
João Felix Pereira de Campos, commandante da guerra, emquanto as differenças que as occurrencias
esquadra que ahi se acha estacionada, e ao general passadas desgraçadamente havião produzido, se
commandante das forças de terra, d’accordo, e não ajustão definitivamente e emquanto pelas
intelligencia com o marechal de campo Luiz Paulino pessoas da minha confiança que ora envio ao Rio de
d’Oliveira Pinto da França, que expressamente Janeiro se não ajustão as condições da total
mando para esse fim, que proponhão uma evacuação dessa cidade pelas forças de mar e terra
suspensão de armas, em que cessem as que ahi se achão: E porque em uma semelhante
hostilidades, e tenhão termo todos os effeitos da situação convém muito acautelar, e remover as
guerra, emquanto pelas pessoas da minha dissenções, que o estado de irritação em que
confiança, que ora envio ao Rio de Janeiro, se não naturalmente se achão os animos, póde produzir em
ajustão as condições da total evacuação dessa perigo manifesto do socego publico e segurança
cidade, pelas forças de mar e terra que ahi se achão; individual: recommendo-vos que conserveis a
recommendando aos mesmos officiaes generaes a guarnição da esquadra do vosso commando na mais
mais restricta disciplina para as pessoas que se restricta disciplina, obrigando as pessoas della ao
achão debaixo do seu comando, para que desse seu maior rigor, e observancia; de sorte que se
modo se acautelem quaesquer desordens a que evitem as rixas e questões, que podem ter nocivas
ainda possa dar lugar a irritação em que consequencias. Confio pois da vossa prudencia,
naturalmente se achão os animos; o que me pareceu zelo, e conhecida actividade a mais pontual
participar-vos, para que contribuindo quanto em vós execução a tudo o que nesta vos ordeno, e que vos
estiver para melhor se satisfazer tão importante hei por muito recommendado. Escripta em Lisboa, no
objecto, continueis a prestar todos os auxilios que se palacio da Bemposta, aos 7 de Julho de 1823. – REI.
fizerem neccessarios para a manutenção daquellas – Para João Felix Pereira de Campos.
forças de mar e terra, emquanto ahi se conservarem.
Escripta no palacio da Bemposta, em 7 de Julho de CARTA RÉGIA A LUIZ PAULINO
1823. – Rei. – Presidente, e mais pessoas que
compoem a junta provisoria do governo da provincia Luiz Paulino de Oliveira Pinto da França,
da Bahia. marechal de campo do meu real exercito: Eu El-Rei
vos envio muito saudar: Havendo reassumido o
CARTA RÉGIA DE DIVISÃO JOÃO FELIX exercicio dos inauferiveis direitos que pertencem á
magestade do throno, o principal objecto das minhas
João Felix Pereira de Campos, chefe de paternaes solicitudes, é remover e sanar os males de
divisão da armada real: Eu El-Rei vos envio muito toda a especie,
saudar: Havendo reassumido o exercicio dos
inauferiveis direitos que pertencem á
Sessão em 10 de Setembro de 1823 77

que a facção que se tinha levantado em Portugal, guerra estranha, cujos resultados não podião deixar
violenta e atrozmente suscitára: e porque um dos de ser funestissimos a todos os seus individuos: o
mais funestos são as hostilidades, e mutua brio, e heroico esforço do Serenissimo Senhor
aggressão, em que se acha a provincia da Bahia, Infante D. Miguel não pôde por mais tempo ser mero
servindo de theatro a uma guerra cruel, e espectador das desgraças publicas, e resoluto a
devastadora, o que tão repugnante sempre foi ás procurar-lhe o remedio proprio do seu valor, sahio da
minhas reaes intenções: confiando muito que em capital á frente do regimento de infantaria n. 23, e do
tudo me servireis sempre bem, e fielmente, como é de cavallaria n. 4. Em breve se vio rodeado o
de esperar da vossa pessoa: Hei por bem estandarte real, que tão heroicamente tinha
encarregar-vos a importante commissão de levantado, por todas as tropas da capital, e
passardes á cidade da Bahia para que de accordo, e provincias, e logo depois Sua Magestade El-Rei
intelligencia com o chefe de divisão João Felix Nosso Senhor sahio tambem de Lisboa
Pereira de Campos, commandante da esquadra accompanhado do regimento de infantaria n. 18, e
estacionada naquelles mares, e com o brigadeiro brigada real da marinha, seguida de toda a nobresa,
Ignacio Luiz Madeira, governador militar, e e de uma infinidade de pessoas de todas as ordens,
commandante da força de terra se proceda á e classes, que á porfia se reunirão á sua real pessoa.
suspensão de armas, que, pelas ordens que agora Resoluto Sua Magestade a reassumir o exercicio dos
expeço áquelles officiaes generaes de mar e terra, direitos inherentes á magestade do throno, ouve por
se devem immediatamente propôr aos almirantes, bem fazer aos seus leaes subditos a proclamação de
generaes, e officiaes commandantes que tiverem á que remetto a V. S. os exemplares juntos.
sua frente, cessando assim as hostilidades, e toda a Nenhuma vacillancia ou hesitação se oppoz a
effusão de sangue, e mais effeitos da guerra, este acto; e hoje em paz e socego todo o reino se
emquanto as differenças que as occurrencias acha reunido e obediente ao seu monarcha, a quem
passadas desgraçadamente havião produzido se não todos os dias os leaes portuguezes se esmerão em
ajustão definitivamente, e emquanto pelas pessoas offerecer novos e plenos testemunhos da sua antiga
de minha confiança, que ora envio ao Rio de Janeiro, fidelidade, anhelando pela exercitar na prompta
e a que vós, depois de concluirdes esta vossa execução que afianção dar ás ordens de Sua
missão á Bahia, passareis logo a unir-vos, se não Magestade. Comtudo não é das reaes intenções do
formão as condições da total evacuação da cidade mesmo senhor privar a nação portugueza das
da Bahia, pelas forças de mar e terra, que alli se vantagens de um governo representativo, para o que
achão, as quaes em todo o caso se conservaráõ no em breve expedirá a carta em que se assignem os
mais rigoroso pé de disciplina, afim de evitar as rixas
termos do novo pacto social portuguez, que, sendo
e desordens a que ainda póde dar lugar a irritação analogo ao genio e indole da nação, seja derivado
em que naturalmente se conservão os animos. das antigas instituições da monarchia, e sua
Espero pois que empregareis nesta commissão o primordial constituição, que tendo feito a sua gloria e
maior zelo, e prudencia, afim de ter o melhor prosperidade por espaço de sete seculos, hoje
desempenho, o que muito vos recommendo. Escripta renovadas promettem á nação restaurar-lhe o seu
no palacio da Bemposta, em Lisboa, aos 7 de Julho passado explendor.
de 1823. – REI. – Para Luiz Paulino de Oliveira Pinto Não duvida Sua Magestade que V. S. e todas
da França. as camaras, e mais autoridades civis dessa provincia
farão dellas o uso mais conveniente ao real serviço,
AVISO AO GOVERNO DA BAHIA e aos interesses publicos da nação portugueza.
Deus guarde a V. S. Palacio da Bemposta, em.... de
Sua Magestade ordena que participe á junta Junho de 1823. – João Pedro Gomes de Oliveira. –
provisoria do governo da provincia da Bahia, para o Srs. presidente e membros da junta provisoria da
fazer constar a todas as camaras, e mais provincia da Bahia, e Sergipe.
autoridades civis da mesma provincia as felizes
occurrencias que acabão de salvar estes reinos das PROCLAMAÇÃO CITADA NO OFFICIO
desgraças de toda a especie que estava soffrendo, e ANTECEDENTE
que ameaçavão a sua fatal ruina. Sendo geraes os
clamores de todas as classes, e em todos os pontos Habitantes de Lisboa: A salvação dos povos é
do reino contra a violencia, e aggressão de todos os sempre uma lei suprema, e para mim uma lei
direitos que uma facção desorganisadora promovia, sagrada: esta convicção que ha sido o meu pharol
e que pelos seus excessos justamente desafiára a nos arriscados lances em que a providencia me tem
indignação das nações poderosas da Europa, com o collocado, dictou imperiosamente a resolução que
que se arriscava a nação portugueza a ser envolvida tomei hontem, com magua minha, de separar-me de
em uma vós por
78 Sessão em 10 de Setembro de 1823

alguns dias, cedendo aos rogos do povo, e aos principios subversivos, e insubsistentes, que tinhão o
desejos do exercito, que, ou me acompanha, ou me fim occulto de sepultar com a dynastia reinante a
precede. monarchia portugueza, e apparecerão
Habitantes de Lisboa: Tranquillisai-vos; Eu representantes quasi todos eleitos pelas proprias
nunca desmentirei o amor que vos consagro; por vós machinações, e subornos.
me sacrifico, e em pouco tempo os vossos mais Os cidadãos de conhecida virtude erão
caros desejos serão satisfeitos. opprimidos debaixo do pezo das facções; a
A experiencia, esta sabia mestra dos povos e qualidade de fiel ao rei foi inculcada, e considerada
dos governos, tem demonstrado de um modo bem por criminosa no systema dos principios, que
doloroso para mim, e funesto para a nação, que as homens corrompidos, e exaltados, afferrada e
instituições existentes são imcompativeis com a temerariamente seguião.
vontade, usos, e persuasões da maior parte da Obra de taes elementos não podia ter duração
monarchia; os factos por sua evidencia vigorão estas mais longa, a experiencia os reprovou, e se os seus
asserções: o Brazil, esta interessante parte da autores se mantiverão por algum tempo, apezar dos
monarchia está espedaçado: no reino a guerra civil vossos desejos, foi em consequencia de promessas,
tem feito correr o sangue dos portuguezes ás mãos que não podião realizar-se pelos meios adoptados.
de outros portuguezes: a guerra estrangeira está Desenganados de seus erros, elles mesmos
imminente, e o estado fluctua assim ameaçado de se dissolverão de facto, como de facto se
uma ruina total, se as mais promptas e efficazes congregarão, e eu os dissolvo de direito.
medidas não forem rapidamente adoptadas. Nesta Cuidadoso de vossos interesses determinei
crise melindrosa cumpre-me como rei, e como pai salvar a minha dignidade real fazendo renascer a
dos meus subditos, salval-os da anarchia e da monarchia, que deve ser a base, e não o ludibrio de
invasão, conciliando os partidos que os tornão toda a constituição, e então se manifestou ainda
inimigos. mais a fidelidade portugueza até entre os
Para conseguir tão desejado fim é mister fabricadores de tantos males, que em grande parte
modificar a constituição: se ella tivesse feito a chegarão a reconhecer a sua illusão.
ventura da nação eu continuaria a ser o seu primeiro Portuguezes, o vosso rei, collocado em
garante; mas quando a maioria de um povo se liberdade no throno de seus predecessores, vai fazer
declara tão aberta e hostilmente contra as suas a vossa felicidade, vai dar-vos uma constituição, em
instituições, estas instituições carecem de reforma. que se prescreveráõ principios, que a experiencia
Cidadãos: Eu não desejo, nem desejei nunca vos tem mostrado incompativeis com a duração
o poder absoluto, e hoje mesmo o rejeito: os pacifica do estado, e porque só se considera feliz
sentimentos do meu coração repugnão ao quando tiver reunidos todos os portuguezes,
despotismo e á oppressão: Desejo sim a paz, a esquece as opiniões passadas, exigindo fidelidade
honra, e a prosperidade da nação. no comportamento futuro. Villa Franca de Xira, em 3
Habitantes de Lisboa: Não receeis por vossas de Junho de 1823. – João VI, El-Rei com guarda. –
liberdades, ellas serão garantidas por um modo, Joaquim Pedro Gomes de Oliveira.
segurando a dignidade da corôa, que respeite e Leu-se outro aviso dirigido ao sobredito chefe
mantenha os direitos dos cidadãos. de divisão João Felix e concebido em identicos
Entretanto obedecei ás autoridades, esquecei termos do expedido ao governo da Bahia á excepção
vinganças particulares, suffocai o espirito do partido, do ultimo paragrapho que era do theor seguinte:
evitai a guerra civil, e em pouco vereis as bases de Não duvida Sua Magestade que V. S,
um novo codigo, que abonando a segurança recebendo esta participação fará della o uso mais
pessoal, a propriedade, e empregos devidamente conveniente ao real serviço, e aos interesses
adquiridos em qualquer época do actual governo, dê publicos da nação portugueza, procurando, por todos
todas as garantias que a sociedade exige, una todas os meios que a sua fidelidade, prudencia e
as vontades, e faça a prosperidade da nação inteira. conhecido zelo lhe puderem suggerir, afim de trazer
Villa Franca de Xira, 31 de Maio de 1823. – João VI, essa provincia á união com Portugal reconhecendo o
El-Rei com guarda. governo de Sua Magestade, e abrindo
immediatamente correspondencia com Lisboa,
SEGUNDA PROCLAMAÇÃO segundo os termos em que se achava antes das
ultimas innovações que ficão de nenhum effeito, isto
Portuguezes! Em lugar de uma constituição, emquanto a semelhante respeito se não fazem as
que sustentasse a monarchia, e em lugar de ulteriores regulações que forem mais proprias. Deus
representantes escolhidos por vós, apparecem guarde a V. S. Lisboa, no Paço da Bemposta, em 10
debaixo daquelle titulo sagrado um tecido de de Junho de 1823. – Manoel Ignacio Martins
maximas promulgadas com o fim de encobrir Pamplona Côrte Real.
Sessão em 10 de Setembro de 1823 79

O SR. VERGUEIRO: – Eu creio que devem que pertencem, acto de reconhecimento da


ser impressos todos estes papeis, e creio que se não independencia do nosso territorio.
póde dar maior pena a quem os remetteu do que O SR. CARNEIRO DE CAMPOS: – Como eu
imprimil-os. Sabe assim o publico as intenções de vi o officio com mais attenção, e não o ouvi só ler
Portugal, e inteira-se do nobre rasgo do nosso aqui, posso fallar mais miudamente. Luiz Paulino foi
governo. (O tachygrapho declarou que não ouvira á Bahia, mas não tendo nada alli a fazer por já ter
mais pelo susurro da assembléa.) evacuado o inimigo, o governo da provincia lhe
O SR. HENRIQUES DE REZENDE: – Sr. intimou que se retirasse, e veio para aqui. Eu officiei-
presidente, desde o principio da leitura desses lhe perguntando-lhe se vinha munido de instrucções
papeis eu desejei que se lesse a portaria remettida para reconhecer a independencia do imperio, e
ao governo de Pernambuco, e se confrontasse a respondeu-me que as suas instrucções se limitavão
data para ver se nesses manejos havia algum á suspensão das hostilidades na Bahia. Parece-me
artificio da parte do governo portuguez para pois que toda a questão relativa á pessoa de Luiz
conseguir os seus fins. Agora que ouvi ler essa Paulino é fóra da ordem.
mesma portaria remettida para a Bahia estou O SR. ANDRADA MACHADO: – O nobre
desenganado. Em todas essas cartas régias, e mais deputado em verdade deve conhecer melhor o
papeis eu não descubro senão animo hostil, e meios negocio porque estudou as circumstancias delle,
de illaquear a provincia da Bahia para fazel-a unir a mas o meu parecer é que vá a uma commissão para
Portugal, com uma suspensão de armas, e dizer sobre ella á vista desses papeis, e nós depois
evacuação apparente e dependente de certas deliberarmos.
condições, assim como não vejo que Luiz Paulino, O SR. VERGUEIRO: – Eu tambem entendo
cuja commissão era para Madeira, e governo da que deve ir a uma commissão, e que deve ser á de
Bahia, viesse autorisado para entrar aqui com constituição, e neste caso sobre a impressão de que
bandeira parlamentaria. Portanto a minha opinião é fallei destes papeis, a mesma commissão decidirá se
que o marechal Luiz Paulino deve ser considerado é, ou não, conveniente que se imprimão.
debaixo do mesmo ponto de vista, que esses O SR. CARNEIRO DA CUNHA: – Sr.
inimigos que evacuarão a Bahia, e a embarcação, presidente, como o negocio é de tanta importancia,
em que veio debaixo do mesmo aspecto das outras, talvez fosse util que se fallasse sobre elle antes de
que têm sido sequestradas, devem ambos ser logo ser remetter á commissão, porque os Srs. deputados
apresados. Quanto á molestia de Luiz Paulino, se membros della poderião aproveitar alguma cousa do
ella existe, é contagiosa. debate, ou ao menos conhecer a opinião mais geral
O SR. FRANÇA: – O governo remette á da assembléa.
consideração da assembléa o negocio das O SR. ANDRADA MACHADO: – A
pretenções, e disposições do governo de Portugal a commissão sabe muito bem os seus deveres, e tem
respeito do territorio do Brazil. Eu considerarei o as luzes necessarias para formar o seu parecer
assumpto em os dous pontos principaes que elle sobre a materia, e ha de tardar com o decoro devido
contém. O 1º é a suspensão das armas portuguezas a pessoa de Sua Magestade Fidelissima, muito mais
no territorio da provincia da Bahia, o 2º tratar-se dos sendo pai o nosso imperador, portanto não se lhe
meios da reunião do Brazil com Portugal. Quanto ao ensina nada na discussão.
primeiro ponto que respeita á suspensão das armas, O SR. RIBEIRO DE ANDRADA: – A questão
graças a Deus, devemos aos esforços dos brazileiros limita-se a saber se vai o negocio á commissão, ou
ter acabado de repellir, e lançar fóra essa força que se entra em debate; proponha portanto V. Ex. nestes
opprimia a cidade da Bahia: e por isso nada temos a termos, e decida-se tambem se deve a commissão,
deliberar sobre este ponto, e quanto ao segundo, no caso de ter de dar o seu parecer, retirar-se já para
como o principal fim da missão de Luiz Paulino, dos proceder a elle, e apresental-o na assembléa.
mais agentes de Portugal é a reunião do Brazil, O Sr. Presidente, propoz então á assembléa:
cousa que não póde ser tratada debaixo de qualquer 1º Se o negocio devia ir a uma commissão. –
razão que se apresente, por ir de encontro ao Venceu-se que sim.
systema da independencia que os povos brazileiros 2º A que commissão devia ser remettido. –
querem, e têm proclamado, entendo ser inutil e Venceu-se que fosse remettido ás commissões
impolitica toda a correspondencia entre o nosso reunidas de constituição e politica interna.
governo, e os ditos agentes. Voto portanto que ao 3º Se estas devião se retirar já para dar o seu
mesmo governo se officie para que nada se trate parecer. – Venceu-se que sim.
com os mesmos agentes, sem que primeiramente se Em consequencia da resolução da assembléa
faça pelo governo a
80 Sessão em 10 de Setembro de 1823

retirarão-se os membros das duas commissões. este projecto por uma deputação? O que é este
Continuou o Sr. secretario Maciel da Costa projecto? E’ a opinião de quatro Srs. deputados. Pois
com o expediente, e deu conta de uma felicitação será plausivel que vá a opinião de quatro deputados
dirigida á assembléa pela camara de Pitanguy. – Foi á presença do imperador por uma deputação?
recebida com particular agrado. Será isto decoroso! O que está marcado no
Deu tambem conta de uma representação de regimento entendo eu, e o tenho por justo; que vá
Joaquim Antonio de Magalhães sobre uma deputação levar a Sua Magestade as leis, isto
melhoramentos para a camara do Rio de S. é, a vontade da nação expressa por seus
Francisco. – Foi remettida ás commissões de representantes, concordo; mas não serem remettidas
legislação, estatistica e guerra. as resoluções da assembléa por deputação, e ir uma
Deu finalmente conta de outra representação para levar a opinião de alguns membros della, em
de Manoel Monteiro de Pinho com um plano de que muitas alterações se hão de fazer, parece-me
reforma para melhoramento da extracção muito irregular. Confesso que não posso dar a isto
diamantina. – Foi remettida á commissão de consideração que mereça tão grande apparato.
fazenda. O SR. MONTESUMA: – Diz-se que não deve
Passou-se á ordem do dia e continuou-se a ir o projecto a Sua Magestade por uma deputação
discussão adiada na sessão antecedente sobre o porque elle não é por ora a opinião da assembléa,
modo de remetter a Sua Magestade Imperial um mas só de alguns dos seus membros, que póde ser
exemplar do projecto de constituição. alterada e revogada em muitas partes; eu concordo
O SR. MONTESUMA: – Sr. presidente, se a que o projecto é a opinião da commissão que o
questão ainda versasse sobre ir ou não ir o projecto redigio; mas parece-me que isto não vem para a
de constituição a Sua Magestade eu votaria que não questão. A assembléa assentou que o deve mandar,
fosse, mas como isto já está decidido, sou de voto e por esta decisão deu-lhe grande importancia,
que deve ir por uma deputação. Uma vez que a julgou-o digno da consideração de Sua Magestade
assembléa assentou que convinha remetter este porque a não considerar de tal natureza este objecto,
papel é preciso mandal-o de um modo digno da sua não resolveria mandal-o; logo, prescindindo de
importancia, a obra do maior interesse da nação não qualquer outra consideração que julgo estranha á
deve ser remettida pela via ordinaria da secretaria. A materia, digo que será faltar á dignidade da
assembléa já deliberou que fossem por deputação as assembléa, e dar menos importância á sua
mesmas leis em que o imperador não tem sancção; deliberação, o dirigir-se o projecto pela secretaria.
bem sei que este projecto não é lei; mas logo que a Demais, que a assembléa julga o projecto
assembléa ordena que elle seja enviada é porque o digno de consideração não ha duvida, porque se
considera de grande importancia, e como tal deve ir assim não fôsse não mandaria imprimir dous mil
do mesmo modo. exemplares para se distribuirem pelas provincias do
A assembléa na sua decisão para se remetter imperio; ora, tambem não posso ver nisto um mero
o projecto teve certamente por fundamento o ser arbitrio; os poderes políticos não obrão por arbitrio;
regular que assim como se mandava para todas as isso pertence ao despotismo; regulão-se pelo que é
provincias se mandasse ao chefe da nação, para que justo, e pelo que convém ao bem geral da nação;
elle conheça os principios que nos regem, e como portanto a deliberação da assembléa é fundada em
vamos de accordo com elle e com a mesma nação. principios attendiveis; e entre outros o de promover
Tendo estes fins não posso convir que a remessa por todos os meios e em todas as occasiões a
seja feita senão por uma deputação, como conservação da harmonia dos poderes. Se não
costumamos praticar em outros casos que não são querião dar consideração ao projecto não tomassem
de maior monta do que este. aquellas resoluções; depois dellas entendo que para
O SR. VERGUEIRO: – Que se mande o procedermos com regularidade, deve ir uma
projecto de constituição a Sua Magestade está deputação; disto nenhum mal resulta, e obra-se com
decidido, agora o que resta é assentar no modo de dignidade tanto a respeito do chefe da nação como
lhe ser enviado. Eu creio que no regimento temos desta assembléa.
regras para as communicações da assembléa com o O SR. PEREIRA DA CUNHA: – (Não o
imperador...para a remessa das leis sabemos que se ouvirão os tachygraphos)
nomêa uma deputação, mas para qualquer resolução O SR. FRANÇA: – Ninguem como cidadão em
da assembléa ser communicada ao governo não vai particular se avantajará mais do que eu na justa
deputação, expede-se aviso pela secretaria. Se isto deferencia de respeito, e consideração que se deve
é assim, como ha de agora remetter-se ao chefe da nação brazileira;
Sessão em 10 de Setembro de 1823 81

mas como deputado, manterei sempre pela minha e até mesmo ser regeitada: 2º, para que se não
parte o posto da dignidade politica que deve guardar entenda que é um ajuste entre a assembléa, e o
em todos os seus actos, e resoluções uma imperante: porque o pacto social é entre os
assembléa composta dos representantes da mesma habitantes, ou ao menos entre as provincias do
nação. Brazil, que a isto se havião proposto antes mesmo
Não posso portanto ouvir calado, Sr. da acclamação.
presidente, que ha de sahir uma deputação do nosso Sr. presidente: uma deputação iria
seio com o fim de levar o presente, digamol-o assim seguramente dar já uma grande importancia, e
de um esboço, ou projecto de constituição ao solemnidade e um projecto que póde ser rejeitado
imperador e um esboço, que nem da mesma em parte, e até mesmo em todo: não que eu
assembléa é; sendo obra de uma commissão, que supponha que elle seja rejeitado; mas como ha de
por ventura póde ser no essencial desapprovado ser discutido, e passar por votações não será
pela maioria dos representantes. Deputações não se nenhuma maravilha o ser rejeitado.
mandão nem se devem mandar senão por motivos Para que pois é mandar uma casa de palha
justificados de interesse nacional e esse é que eu que póde muito bem arder? Serve isso para
não descubro naquelle que se indica. comprometter a liberdade e franqueza da assembléa,
O projecto de uma constituição qualquer que por que não faltará quem com isso queira fazer jogo,
elle seja é cousa em si indifferentissima, para que os dizendo-se que tendo a assembléa mandado por
representantes da nação brazileira lhe dêm tamanha uma solemne deputação o projecto ao imperante,
importancia, ainda a outros respeitos, quanto mais seria agora falta de fé e de decoro fazer-lhe
no particular de mover uma deputação a leval-o mudanças e alterações. Pareceria que com isso se
como em triumpho á presença do imperador; assegura desde já que elle será assim approvado, ou
opponho-me portanto a que isso se faça e que a que se procura consultar a vontade do imperante,
mandar-se o mesmo projecto, como para o para por ella nos dirigirmos: e até mesmo tem-se já
imperador haver noticia delle, seja por via ordinaria dito que S. M. Imperial tem gostado do projecto, e
de expediente da secretaria, em que não póde dir-se-ha que nós procuramos conformar-nos
occorrer censura publica em menoscabo da sacrificando os interesses da nação ao gosto de
dignidade da assembléa. alguem.
O SR. CARNEIRO DE CAMPOS: – Levanto- Não digo com isto que este projecto sacrifica
me para fazer um unica reflexão sobre o que ouvi a os interesses da nação; mas digo que nos
um nobre deputado. Quando se escreve ao compromettemos a que se diga isto, se remettemos
secretario de estado communica-se a assembléa assim um projecto, que tem ainda de ser discutido,
com o governo, mas no caso de que tratamos dirige- alterado, e talvez rejeitado em parte... (á ordem. Está
se a assembléa directamente á pessoa de Sua vencido que deve ir.) Fóra da ordem está que diz que
Magestade, e a fórma de o fazer está determinada eu estou fóra della.
no regimento, que é por meio de uma deputação. Sr. presidente: Eu estou sómente mostrando
Logo, se a assembléa quer remetter o projecto de os inconvenientes, que ha em ir por uma deputação,
constituição a Sua Magestade, como não se dirige que vai dar um ar de importancia e solemnidade,
ao governo ha de mandal-o por deputação, e não fazendo crêr que o projecto é já uma obra da
pelo expediente da secretaria. assembléa, que de certo fica compromettida, porque
Não confundamos o chefe do governo com o muita gente dirá que é illudir o imperante, fazer
chefe da nação, posto que se achem na mesma mudanças em uma cousa, que por uma deputação
pessoa; uma qualidade está muito distante da outra; solemne se lhe tem mandado de mimo. Digo que vá
e os meios de se communicar a assembléa com o porém por via da secretaria, e nem eu acho nisso
imperador são tão differentes quanto o são entre si alguns dezar, porque é mesmo com a pessoa do
as duas referidas qualidades. A’ vista disto, tendo-se imperador que a assembléa trata, quando procura
resolvido que se remetta o projecto não póde ir saber delle as horas, e o lugar em que elle quer
senão pelo meio marcado no regimento para as receber alguma deputação que se lhe dirige, e isto
communicações directas da assembléa com a se faz por via dos Srs. secretarios, apezar de não ser
pessoa do imperador. materia de governo. E’ tão particular como isto a
O SR. HENRIQUES DE REZENDE: – remessa deste projecto; e portanto opponho-me a
Opponho-me a que vá por uma deputação, visto que que vá uma deputação.
está vencido que se mande um exemplar, e já me Julgando-se a materia discutida, propoz-se:
não posso oppôr a isso. Opponho-me á deputação 1º Se o exemplar do projecto seria mandado
por duas razões: uma para se não dar esse ar de por uma deputação a Sua Magestade. – Venceu-se
importancia a uma cousa que póde ainda passar por que não.
muitas alterações,
82 Sessão em 10 de Setembro de 1823

2º Se seria remettido na fórma ordinaria pela procurador da mesma provincia. A sua lembrança
secretaria. – Venceu-se que sim. seria util se não estivessem aqui quatro deputados
Como era chegada a hora da leitura das para expôr o que conviesse, mas estando elles é o
indicações, o Sr. Lopes Gama leu a seguinte mesmo que dizer que não têm olhado por isso.
indicação: Sr. presidente, isto é um daquelles casos que
Proponho que a assembléa decida se a se não podem prevenir; o requerimento veio; no livro
commissão de petições póde, para dar destino a da porta declara-se que fôra remettido á commissão
estas, reunir as commissões que julgar respectivas, da fazenda; e todavia não se acha na pasta da
segundo os differentes objectos que contém as commissão. Sabendo eu disto, disse ao homem que
mesmas petições. – Paço da assembléa, 9 de era necessario fazer outro porque o primeiro se
Setembro de 1823. – O deputado, Lopes Gama. extraviára; e nisto se está. Portando saiba o nobre
Depois de alguma discussão (em que se não deputado que este procurador e a provincia tem
entendeu o tachygrapho Possidonio) e julgando-se quatro advogados nesta assembléa; comtudo
debatida a materia, propoz o Sr. presidente se a sempre agradeço a parte que nisto tomou.
commissão de petições se podia reputar autorisada a O SR. HENRIQUES DE REZENDE: – Eu não
remetter os requerimentos que pertencem a mais de fallei a beneficio da provincia do Ceará, bem que
uma commissão para aquellas a que conjunctamente para isso me julgue autorisado como deputado da
tocão. – Venceu-se que sim. nação. Fallei a favor de um homem que tem aqui o
O Sr. Ribeiro Campos pedio igualmente a seu requerimento, e que por vezes o tenho ouvido
palavra, e leu a seguinte indicação: queixar da demora.
Proponho que as differentes commissões Julgou-se a materia discutida, e proposta a
apresentem dentro de oito dias nesta assembléa os indicação foi rejeitada.
seus pareceres em todos os requerimentos de partes O SR. ALVARES DA SILVA: – Peço licença
que se acharem em suas competentes pastas até o para offerecer á consideração da assembléa o que
dia de hoje. Paço da assembléa, 10 de Setembro de julgo de bastante importancia para a provincia de
1823. – Ribeiro Campos. Goyaz.
O SR. RODRIGUES DE CARVALHO: – Eu
como membro de uma commissão quero dizer INDICAÇÃO
alguma cousa sobre a materia. Não me consta que
haja nella papel algum atrazado, e bom é que se Proponho que se officie ao governo para que
explique isto, porque esta indicação parece ter este faça o mesmo ao governo da provincia de
objecto determinado. Os que dependem de Goyaz que de accordo com os commandantes dos
informações do governo necessariamente se respectivos districtos tomem medidas efficazes para
demorão, mais esta demora é da natureza do a extincção do gentio canoeiro que tanto mal tem
negocio, e não póde ser imputada á commissão, que feito, e continua a fazer áquella provincia,
para dar o seu parecer precisa dos esclarecimentos seguramente, ha cincoenta annos.
que pede, De outras não sei, e estimaria que se Em dias de Maio matarão 7 pessoas que
apontassem para que, sendo verdade que se achão vinhão conduzindo para o arraial de S. José de
demorados, se lhe dê prompta sahida. Tocantins uma boiada do Espirito Santo, distante
O SR. HENRIQUES DE REZENDE: – Como este facto do arraial de Trahiras cinco leguas!
se exige que se declare de quem são os Cincoenta fazendas de gado vaccum e cavallar se
requerimentos demorados; eu direi um que me desertarão inteiramente, se destruirão por aquelle
lembra. Aqui chegou um procurador da provincia do gentio; occupando para as suas emboscadas o
Ceará, o qual havia lá recebido seiscentos ou melhor terreno para o dito gado, como seja o arraial
oitocentos mil réis, e prestou fiança a esse dinheiro; de Amaro Leite quasi deserto, e todo o norte da
agora já não existe o conselho de estado; a provincia, aonde ha não só os melhores pastos e
assembléa decidio que nada se devia de justiça a excellentes rios navegaveis, como Santa Thereza
esses procuradores; e nestes termos talvez seja que logo se une ao Maranhão, e este em pouca
obrigado a repôr aquelle dinheiro. Requereu á distancia ao Amazonas, como tambem boas minas
assembléa sobre isto, e seu requerimento quanto a de ouro com agua por cima até confinar com
mim é urgente; mas não tem apparecido. Bom seria Castella, que me dizem vêm entrando pelas nossas
que a illustre commissão désse sobre elle o seu terras, e aproveitando-se das preciosidades que
parecer. desprezamos.
O SR. COSTA BARROS: – Como deputado O arraial de S. Felix está quasi deserto, e
do Ceará levanto-me para agradecer ao Sr. Rezende reduzido á maior desolação possivel, a ponto de não
a parte que toma no requerimento do poderem os seus habitantes sahir fóra do arraial um
quarto de legua, e nem ainda de poderem livremente
conduzir agua, e lavar roupa,
Sessão em 10 de Setembro de 1823 83

sem que não sejão escoltados por uma pequena que tem havido com o dito marechal, e das cópias
guarda estacionada no mesmo arraial pelo seu ex- das cartas régias, e instrucções do governo
governador Manoel Ignacio de Sampaio a portuguez dirigidas aos chefes das forças de mar, e
requerimento do povo, e haverá tres annos que terra (ás ordens do mesmo governo) que ainda os
vierão ao arraial de dia, e furtarão um crioulinho de suppunha na Bahia; ao governo provisorio daquella
12 annos do vigario do mesmo arraial Manoel provincia; e ao referido marechal commissario, que
Marques dos Anjos. – Alvares da Silva. na conformidade dessas instrucções pretende
O SR. ALENCAR: – Este papel deveria conter esperar aqui outros commissarios, a quem foi
sómente a proposta, porque o regimento não admitte mandado reunir-se: e tendo as ditas commissões
discursos escriptos; agora é preciso que o nobre penetrado assaz as capciosas, e machiavelicas
deputado requeira a urgencia, e se fôr apoiada e intenções do governo portuguez, que aliás lhes não
vencida, deve remetter-se a indicação á commissão são novas, nem jámais lhes causaráõ embaraços,
respectiva para dar o seu parecer. são de parecer:
O SR. FRANÇA: – O que nobre autor da 1º Que chegando a este porto esses
proposta pretende é que se officie ao governo para commissarios de Sua Magestade Fidelissima o
tomar medidas contra os indios; mas isto não governo lhes permitta o desembarque, se
convém; o que desejamos são meios de os apresentarem titulos, que os caracterisem
civilisarmos, de fazermos destes inimigos nossos verdadeiros parlamentarios.
amigos. Por isso vá a proposta á commissão de 2º Que sejão porém guardados por uma
civilisação para que aponte alguns meios provisorios guarda, que os honre, e defenda a arbitrio do
de remediar o que expõe o illustre preopinante. governo, que tomará todas as medidas para evitar
O nobre autor da indicação requereu a qualquer communicação.
urgencia, e foi apoiada. 3º Que o governo não admitta algumas
O SR. HENRIQUES DE REZENDE: – Eu ulteriores negociações que não tenhão por base o
estou que é urgente a materia; mas não para que se authentico e expresso reconhecimento da
remetta ao governo; ouçamos a commissão e então independencia, e integridade do imperio brazileiro: e
se deliberará. por esta occasião as commissões possuidas da
Como ninguem mais pedisse a palavra julgou- gratidão, que deve animar toda esta assembléa,
se a materia discutida; e o Sr. presidente propôz: louvão, e agradecem a Sua Magestade Imperial a
1º Se era urgente o negocio indicado. – resolução já por sua ordem communicada ao
Venceu-se que sim, e fez-se 2ª leitura. marechal Luiz Paulino.
2º Se devia ir á commissão de colonisação e 4º Que este marechal, se apresentar as
civilisação dos indios. – Decidio-se que sim. instrucções a que se refere o seu officio de 7 do
Entrarão então na sala as commissões de corrente, para legitimar a sua missão parlamentaria,
constituição e politica interna que se tinhão retirado seja conservado no porto a bordo da embarcação em
para ordenar o parecer sobre a chegada do que se acha, até que cheguem os outros
bergantim portuguez Treze de Maio, e officios commissarios para com elles desembarcar, como
relativos a este negocio. lhes tem sido permittido.
Como tinha dado a hora propôz o Sr. 5º Que no caso de estar o mesmo marechal
presidente se devia prorogar-se a sessão para lêr-se realmente doente, o governo lhe possa permittir o
o mencionado parecer. – Venceu-se que sim. seu desembarque para onde melhor convier,
O Sr. Maia, como relator, fez a leitura delle nos facilitando-lhe o tratamento com devida hospitalidade
termos seguintes: e necessaria cautela.
6º Que quando aconteça que o dito marechal
PARECER não se legitime com o caracter parlamentario, não
tendo, ou não querendo apresentar as instrucções, o
As commissões reunidas de constituição, e governo faça apresar a embarcação com todos os
politica interna tomando em consideração o officio da seus pertences, e igualmente o marechal Luiz
data de hoje, do ministro secretario de estado dos Paulino, officiaes, e tripolação, que serão
negocios do imperio e estrangeiros, em que participa considerados prisioneiros de guerra, para passarem
á assembléa a entrada, e existencia neste porto do pelo mesmo destino, que tiverem os outros
bergantim portuguez Treze de Maio, que tem a seu prisioneiros.
bordo o marechal Luiz Paulino de Oliveira Pinto da 7º Que o mesmo procedimento se terá com os
França, inculcado commissario de Sua Magestade outros emissarios, em iguaes circumstancias, e com
Fidelissima, e apresentado como tal, á sombra de as embarcações, em que vierem.
bandeira parlamentaria; e que acompanha, da Paço da assembléa, 10 de Setembro de 1823.
communicação official, – José Antonio da Silva Maia. – Manoel Ferreira da
Camara. – Antonio Luiz Pereira da Cunha. –
Francisco Muniz Tavares. – José Bonifacio de
Andrada e Silva. – José Ricardo da Costa Aguiar de
Andrada. – Pedro de
84 Sessão em 10 de Setembro de 1823

Araujo Lima. – Manoel Caetano de Almeida a enfermidade é real; tenha o tratamento que se
Albuquerque. – Antonio Carlos Ribeiro de Andrada julgar necessario mas em algum sitio fóra da cidade;
Machado e Silva. – José Teixeira da Fonseca e guardado com cautela como convém.
Vasconcellos. O SR. CARNEIRO DE CAMPOS: – O governo
O SR. MONTESUMA: – (Não se entendeu o sabe muito bem quaes são as suas attribuições, mas
tachygrapho Possidonio.) nas circunstancias actuaes em que se accendem de
O SR. VERGUEIRO: – Sr. presidente: eu proposito suspeitas de união com Portugal,
entendo que deve ficar adiado o parecer; não é tanta assentou-se que assim se devia proceder; e portanto
a urgencia que se precise já a discussão e decisão. se o governo pede o parecer da assembléa nenhuma
A unica parte que me parece urgente é a que trata ingerencia se póde considerar da parte della no
da saude do marechal; mas como estou persuadido poder executivo.
da intelligencia do governo autorisemol-o para Passando agora ao outro ponto que é relativo
providenciar sobre o caso como julgar conveniente, e ao estado de saude do marechal, creio que bem se
não precisamos marcar quaes devão ser essas póde colligir qual elle seja por essa nota que me
providencias. O governo pois que tome em dirigio em resposta á minha; além disto, ha pouco me
consideração o estado desse official e que faça o veio aqui procurar seu cunhado, e me communicou
que entender; e quanto aos resto do parecer fique que tendo perguntado ao inspector do arsenal pelo
adiado para se deliberar com acerto. marechal lhe respondera que estava em perigo
O SR. ANDRADA MACHADO: – A assembléa lançando sangue pela boca. Neste estado creio que
reconhece que o governo é que deve tomar as merecerá a compaixão desta assembléa (ainda que
medidas necessarias; e eu sou realmente o maior o consideremos nosso inimigo) para lhe prestarmos
inimigo das ingerencias; mas o caso é mui differente; todos os soccorros de que precisar: e para lh'os
o mesmo governo foi quem remetteu o negocio á podermos offerecer não ha de estar fóra da cidade,
assembléa, e quando elle mostra desejar que o como diz o illustre preopinante, pois a lugar distante
guiemos, não me parece decoroso deixar de declarar nem medico lhe irá assistir.
sobre todos os pontos a nossa opinião. Nós Entendo por isso que é indispensavel a sua
havemos dirigir-nos pelos principios de justiça e residencia na cidade, e que nenhum risco se corre
corresponder á alta confiança que a nação brazileira em praticar este acto de humanidade, porque ao
tem em nós; vamos pois de accordo com o governo, governo compete tomar as cautelas necessarias
como muito importa, e deliberemos sobre o negocio para evitar por ora quaesquer communicações.
segundo os interesses da nação. O SR. RODRIGUES DE CARVALHO: – (Não
O SR. CARNEIRO DA CUNHA: – O governo se entendeu o mesmo tachygrapho.)
usou de delicadeza; vio que o negocio era de Consultada a assembléa, declarou-se adiado
ponderação, e quiz dar ao povo brazileiro uma prova por dous dias o parecer para se poder examinar
de proceder de conformidade com a assembléa. O excepto o art. 5º, que foi logo approvado tal qual,
que ha a tratar de mais urgente, como disse o Sr. para se expedirem sem demora ao governo as
Vergueiro, é o artigo da saude do marechal; mas ordens necessarias.
sobre isto creio que conhecendo-se que está O Sr. Presidente, assignou para a ordem do
realmente doente, deve o governo, com as cautelas dia 1º A tabella das leis; 2.º A continuação da 2ª
precisas, facilitar-lhe os soccorros que forem discussão do projecto de lei sobre a creação de
necessarios. universidades; 3º A indicação do Sr. Francisco
O SR. RIBEIRO DE ANDRADA: – Eu tambem Carneiro.
penso que visto o governo consultar a opinião da Levantou-se a sessão ás 2 horas e meia da
assembléa deve esta declaral-a... Quando porém se tarde. – Luiz José de Carvalho e Mello, secretario.
falla no marechal sempre lembra perguntar: Quem é
este homem hoje? Que figura faz elle aqui? RESOLUÇÃO DA ASSEMBLÉA
Eu me guardo para a discussão do parecer
para mostrar ao Rio de Janeiro, á esta assembléa, e PARA JOSÉ JOAQUIM CARNEIRO DE CAMPOS
ao Brazil quem é este homem. Agora eu o olho como
enfermo; e nesse estado justo é que ache entre nós Illm. e Exm. Sr. – A assembléa geral
hospitalidade, e humanidade. Seja pois conduzido constituinte e legislativa do imperio do Brazil, sendo-
para onde se lhe prestem os soccorros de que lhe presente o parecer das commissões reunidas de
precisar, mas privado de toda a communicação com constituição e politica interna sobre o officio do
cidadãos brazileiros. ministro e secretario de estado dos negocios do
Eis o que me parece que deve ser a opinião imperio em que participa a entrada e existencia do
da assembléa, logo que seja conhecido que bergantim portuguez
Sessão em 11 de Setembro de 1823 85

Treze de Maio que tem a seu bordo o marechal de uso se diz que se espera da honra do Sr. deputado
campo Luiz Paulino de Oliveira Pinto da França que virá apresentar-se se antes ficar melhor.
inculcado commissario de S. M. Fidelissima, e O SR. ARAUJO LIMA: – Parece-me que se
apresentado como tal á sombra de bandeira deveria alterar o uso nesta parte, porque realmente
parlamentaria; e não cabendo no tempo dar resposta dizer que se concede suppõe autoridade de
a todos os artigos do mencionado officio, e por outro conceder, e por isso entendo que os termos proprios
lado reconhecendo a urgencia de dar a sua opinião são o dizer-se. – A assembléa fica inteirada, – pois
sobre o relativo ao estado de saude do mesmo se o deputado está doente é claro que não
marechal; entende que no caso de estar elle comparece independente de licença.
realmente doente póde o governo permittir o seu O SR. ANDRADA E SILVA: – Quem não vem
desembarque para onde melhor convier, facilitando- porque está doente escusa de licença; esta pede-se
lhe o tratamento com a devida hospitalidade e para convalescer; emquanto dura a molestia
necessaria cautela. O que V. Ex. levará ao participa que está doente e não tem que pedir
conhecimento de Sua Magestade Imperial. Deus licença.
guarde a V. Ex. Paço da assembléa, em 10 de O Sr. Presidente propoz se devia continuar a
Setembro de 1823. – João Severiano Maciel da pratica observada.– Venceu-se que sim.
Costa. O Mesmo Sr. Secretario deu conta de um
requerimento de Antonio Saturnino, tenente do 2º
SESSÃO EM 11 DE SETEMBRO DE 1823. batalhão de caçadores dos libertos d’el-rei, que pedia
ser admittido ao lugar de fiel da balança do arsenal
PRESIDENCIA DO SR. BARÃO DE SANTO de marinha ou do exercito.
AMARO. O SR. CARNEIRO DE CAMPOS: – Estes
requerimentos não vêm á mesa; vão em direitura á
Reunidos os Srs. deputados pelas 10 horas da commissão de petições, que lhe dá o destino
manhã, fez-se a chamada e acharão-se presentes competente.
69, faltando com causa os Srs. Xavier de Carvalho, O SR. MONTESUMA: – Eu desejára saber se
Martins Bastos, Araujo Gondim, Costa Aguiar, ainda aqui temos alguma cousa pertencente a el-rei.
Silveira Mendonça, Rodrigues da Costa e Ferreira O SR. CARNEIRO DE CAMPOS: – O corpo
França; e sem ella os Srs. Andrada Machado e em que serve este official tem o titulo de libertos d’el-
Ribeiro de Andrada. rei assim como ha Sergype d’El-Rei e S. João d’El-
O Sr. Presidente declarou aberta a sessão e Rei, são titulos que não se mudárão.
lida a acta da antecedente foi approvada. O SR. MONTESUMA: – Pois parecia-me que
Veio á mesa a seguinte declaração de voto: se devião ter mudado.
Declaro que na sessão de hontem votei que se O SR. CARNEIRO DE CAMPOS: – Podião
não remettesse a S. M. o Imperador o projecto de estar já mudados; mas ainda o não estão; algum
constituição pelo expediente da secretaria. – Rocha particular já o tem feito em seus appellidos, eu
Franco.– Duarte Silva.– Accioli. conheço um que se chamava fulano dos Reis e hoje
O Sr. Secretario Maciel Da Costa deu conta se chama fulano dos Imperiaes.
de uma participação de molestia do Sr. Martins O SR. ANDRADA E SILVA: – Melhor é fazer
Bastos em que pedia 15 ou 20 dias de licença. uma indicação.
O Sr. Presidente propoz o requerimento da Afinal foi remettido o requerimento á secretaria
licença. para o dirigir á commissão de petições.
O SR. ANDRADA E SILVA: – O costume é O SR. PEREIRA DA CUNHA: – Peço a
conceder-se. palavra para fazer uma declaração relativa ao
O SR. VERGUEIRO: – Tenho que dizer a isso. parecer das commissões reunidas de constituição e
Conceder-se esse tempo determinado suppõe que a politica interna que hontem se apresentou.
molestia não dura além desse praso, e nós não As commissões não mencionarão o que
sabemos se durará mais; portanto parece-me melhor propôz o Sr. Vergueiro sobre a impressão de todos
dizer simplesmente que fica a assembléa inteirada. os papeis, mas não porque deixassem de
O SR. FERNANDES PINHEIRO: – Sempre se reconhecer que é conveniente a impressão; eu em
tem assim praticado; quando qualquer Sr. deputado particular tambem me conformo com a opinião do Sr.
pede licença concede-se-lhe; e se findo o tempo não Vergueiro, pois entendo que
fica bom pede mais.
O SR. PEREIRA DA CUNHA: – E sempre por
86 Sessão em 11 de Setembro de 1823

deve ser patente á nação o procedimento do governo discussão a tabella das leis para se reunir ao decreto
portuguez, e por isso requeiro que a assembléa a da confirmação das leis existentes.
tome em consideração para deliberar o que fôr justo. O SR. PEREIRA DA CUNHA: – Parece-me
O SR. MUNIZ TAVARES: – Sou de voto que melhor que em lugar de se ler a tabella toda, se lêa
se imprimão todos esses papeis, e tambem o cada um dos artigos della, para irmos
parecer das commissões, para que o publico succesivamente fazendo as nossas observações, e
conheça quaes são as idéas dellas. passando de um para outro depois de discutido.
O SR. CARNEIRO DA CUNHA: – O parecer Assentou-se que assim se fizesse; e leu o Sr.
das commissões, sem se saber o que a assembléa secretario o § 1º da tabella:
resolveu sobre elle, creio que nada interessa. Decreto de 12 de Março de 1821 extinguido
O SR. ALENCAR: – Parece-me que se não todos os ordenados, pensões, gratificações, propinas
podem imprimir, porque se decidio que estivessem e outras quaesquer despezas que não se acharem
sobre a mesa para serem examinados por quem estabelecidas por lei ou decreto.
desejasse vel-os. O SR. CARVALHO E MELLO: – Quando se
O SR. PEREIRA DA CUNHA: – Isso não tratou, Sr presidente, do projecto do Sr. Pereira da
obsta porque póde qualquer official da secretaria ir Cunha sobre a declaração das leis que devião ficar
tirando cópias para a imprensa. em observancia, houve uma emenda do Sr. Andrada
O SR. ANDRADA E SILVA: – O que disse o Machado, que passo a ler. (Leu a emenda.)
Sr. Carneiro da Cunha não destróe a proposta do Sr. Na ultima discussão deste artigo, venceu-se
Vergueiro; tambem os projectos de leis e as que tivesse lugar a referida emenda, isto é, que só
emendas se imprimem e depois se discutem e fossem valiosos as leis das côrtes que se ingerissem
alterão segundo o juizo da assembléa; portanto na tabella, que se mandava formar. Para redigil-a foi
ainda que o parecer possa ser reprovado não é isso nomeada uma commissão que apresentou a que se
inconveniente para a impressão. leu nesta assembléa.
O SR. CARNEIRO DA CUNHA: – O fim A mesma commissão em consequencia disto
principal que se tem em vista na impressão dos entendeu que deverião ter lugar nesta tabella todos
projectos de lei, é a distribuição pelos Srs. os decretos das côrtes de Portugal, que pudessem
deputados, para que cada um possa formar com ter applicação entre nós por serem conformes á
madureza o seu juizo sobre elles; mas isto não é o justiça e á utilidade geral, e porque já muitos delles
que se pretende com a impressão do parecer, o que se tinhão observado em consequencia de se ter
se quer é que o publico conheça a nossa opinião, mandado executar por ordem superior.
ora, esta só póde conhecer-se depois da decisão Foi pois por este motivo que a commissão
que se tomar sobre elle, e por isso digo que se deve encarregada da redacção destas leis se occupou das
imprimir depois de discutido. razões que qualquer legislador deve ter em vista
O SR. MUNIZ TAVARES: – Cumpre advertir para a promulgação de qualquer lei, e por isso tratou
que os projectos não se imprimem sómente para os tambem de ver, que as inseridas na tabella fossem
Srs. deputados os verem; mas tambem para se justas e convenientes ao Brazil.
descobrir a opinião publica; demais este parecer é de Nesta craveira estão todas as colligidas: assim
summa importancia, e bom é que se saiba já o voto o decreto de 12 de Março, que extinguio todos os
da commissão. Se o Diario da assembléa não ordenados pensões, gratificações e propinas que
andasse tão atrazado ahi se publicava tudo, e nada não sejão estabelecidas por lei ou decreto devia ter
mais era preciso; mas esperar que por este modo lugar, porquanto bem que em tempos, anteriores e
chegue isto ao conhecimento do publico não póde desde o estabelecimento do erario em 1762 as
ser pela grande demora, quando tanto convém que o provisões e ordens passadas pelo presidente do
nosso procedimento a este respeito seja conhecido thesouro fossem valiosas para quaesquer despezas
no Brazil e na Europa. publicas, como erão tambem anteriormente as
O SR. VERGUEIRO: – Eu acho mais acertado disposições dos vedores da fazenda, comtudo as
que depois da decisão se imprima; não é tanta a côrtes de Portugal, julgárão excessiva esta
demora que não possa esperar-se por ella; além de autoridade, e determinarão, que só por punho do
que não é o voto da commissão, mas o da soberano, como aliás é justo, fossem validas
assembléa, que é preciso que a nação conheça. semelhantes mercês.
O Sr. Presidente propôz se deveria fazer-se a Quem negará que uma tal disposição é
publicação pela imprensa antes de discutido o justissima, que fica com outra ordem regular, e que
parecer. – Venceu-se que não. só quem póde conceder semelhantes mercês assiga
Passou-se á ordem do dia, e entrou em a sua verificação?
Sessão em 11 de Setembro de 1823 87

Parecerão á commissão justissimas estas amontoar novas disposições a esse respeito se as


razões, e ajuntou esta lei á tabella, assim como leis tiverão entre nós seu exacto cumprimento como
todas as outras, de que darei as razões, como relator exige o bem da sociedade para evitar as
da mesma commissão, se esta augusta assembléa o arbitrariedades e os roubos, a que tem sido
julgar necessario. sacrificado o cofre nacional, devendo-se portanto
O SR. PEREIRA DA CUNHA: – Quando adoptar esta lei, que já estava em effectiva
propuz o projecto para que a legislação portugueza execução, por ser uma das que se reimprimirão e
continuasse a reger os negocios civis, economicos e enviarão aos tribunaes, afim de que se regulem as
politicos deste imperio, até a organisação do nosso despezas publicas por titulos legaes e veridicos que
codigo, notei as diversas épocas que lhe erão as autorisem, e sem as quaes proseguirão os abusos
relativas, especialisando os decretos das côrtes de escandalosos que até então se praticavão.
Lisbôa promulgados até o memoravel dia 12 de Julgando-se discutida a materia, propôz o Sr.
Outubro de 1822, a respeito dos quaes occorrião presidente á votação a primeira lei da tabella. – Foi
justificados motivos que fazia perplexa sua approvada.
observancia; porque ordenando a portaria de 28 de Passou-se ao § 2º que diz o seguinte:
Agosto de 1821, que se cumprissem os que fossem Dito de 25 do mesmo mez e anno
chegando, e reimpressos nesta capital, e determinando que aos credores do thesouro publico
restringindo-se essa providencia pela outra portaria se admittão encontros a respeito de seis debitos.
de 4 de Maio de 1822, era indispensavel fixar uma O SR. CARVALHO E MELLO: – Esta lei
regra certa para lhes dar o caracter de validade; mas pareceu á commissão ser digna de entrar na tabela.
apesar da generalidade dessas ordens relativamente Estabelece-se uma regra, que é de evidente justiça e
aos decretos anteriores, ninguem desconhece as sem offensa dos interesses da fazenda: estabelece-
limitações que lhe erão inseparaveis para serem se a compensação de uma divida com o credito que
sómente admissiveis as que fosse adoptaveis ao tem o devedor para cobrar outra do thesouro publico.
nosso continente, pois assim como as leis não Em regra semelhantes compensações são
podem comprehender todas as especies para os admittidas segundo os principios geraes de direito. O
casos occorrentes na vida social, tambem não motivo da excepção a respeito das dividas da
podem ter a mesma applicação em todos os paizes, fazenda nacional foi salvar que se quizessem
e circumstancias de que temos uma prova entre nós encontrar dividas que não fossem do originario
mesmo porque muitas leis se promulgarão devedor para se evitar o perigo de se passarem
respectivamente ao commercio, agricultura e dividas alheias para o credor da fazenda publica,
navegação do Brazil, que não podião ser exequiveis deixando esta por este meio de cobrar as quantias
em outro qualquer lugar do Reino-Unido. que lhe são necessarias para acudir ás despezas
As côrtes de Lisboa ambiciosas de legislar e publicas, podendo acontecer que um arrematante ou
persuadindo-se que devião fazer rapidamente uma administrador de qualquer ramo da fazenda publica,
reforma geral nos costumes e legislação da comprasse a outro legitimo credor della os seus
monarchia para a inverterem desde os seus titulos e apresentando-se como cessionario delle,
fundamentos, ainda antes da factura de seu novo quizesse encontrar com a sua peculiar divida.
codigo, publicarão tantas e tão variadas leis, que Para afastar isto foi muito acertada
sendo algumas dellas mui judiciosas e providentes, semelhante excepção, que se encontra nesta lei, que
forão comtudo outras ociosas e extemporaneas, com a todos os respeitos deve ser observada entre nós,
vistas talvez no systema que havião adoptado para pela justiça em que é assentada, sem que possa
dirigir os destinos da nação aquelles que mais fazer embaraço á providencia que se dá a respeito
influirão no corpo legislativo, sendo a maior parte do papel-moeda, que não o havendo aqui, é claro
dellas dirigidas ao governo e regimen de Portugal, e que não póde ter applicação nesta parte, pois o que
á excepção de algumas que podião abranger o ha neste paiz são notas do banco pagaveis ao
nosso paiz, como acontece a respeito do decreto de portador, que ninguem, ainda o mais ignorante da
12 de Março de 1821, lembrado em primeiro lugar da sciencia de credito ou de fazenda, dirá que é papel-
tabella que deve acompanhar esta carta de lei, na moeda, cujos caracteres são hoje em dia bem
qual se determina que fossem extinctos todos os conhecidos.
ordenados, pensões, gratificações e outras O SR. PEREIRA DA CUNHA: – A lei de 25 de
quaesquer despezas que se não achassem Março de 1821 promulgada pelas côrtes de Lisboa e
estabelecidas por lei. que occupa o segundo lugar da tabella, é fundada
Esta providencia é tão consentanea com a em principios de justiça,
razão, e regulada de tal maneira pelos nossos
regimentos de fazenda, que escusado seria
88 Sessão em 11 de Setembro de 1823

pois nada ha tão contrario á equidade natural do que por mais que aqui se digão as cousas, ou não se lhes
exigirmos daquelle com quem tivemos contas a dá attenção ou esquecem e depois falla-se naquillo de
totalidade de qualquer quantia que nos deve, quando é que se não está ao facto. As leis feitas nas côrtes de
igualmente nosso credor. E regra dictada pela razão; Portugal até certo tempo erão remettidas para o Brazil
póde ser exactamente observada nas transacções e aqui se executavão. De certa época em diante
particulares, mas nas exacções fiscaes se devem mandou Sua Magestade Imperial, então principe
receiar graves inconvenientes pelo jogo que de taes regente, que só tivessem execução aquellas que
negociações podem resultar em proveito daquelles que sendo examinadas pelas pessoas do seu conselho, se
directa ou indirectamente entrão neste manejo. visse que erão exequiveis.
E’ por isso que nossas antigas leis privilegiarão Ora, o que nós agora fizemos foi formar uma
a fazenda publica para não serem encontradas suas tabella de todas essas leis das côrtes, que já se
dividas por compensações ordinarias, admittindo-as achavão em observancia, para de novo se examinar se
em termos mui restrictos e escrupulosos, os quaes em alguma cousa se oppunhão ao nosso systema
sendo por esta lei ampliados se tomarão todavia as actual; mandou-se para este fim imprimir essa tabella e
precisas cautelas para se evitarem seus abusos, e por repartir com os Srs. deputados para que as
isso assim a respeito deste objecto, como da materia examinassem; se o não fizerão não foi por falta de
comprehendida no § 2º me parece que esta lei deve tempo e não é agora que se ha de ir discutir cada lei
passar para ser executada. de per si, como se fosse um projecto novo.
O SR. HENRIQUES DE REZENDE: – Tenho Se algum dos Srs. deputados tem encontrado
grande duvida em que se discuta a tabella deste modo em alguma das leis que estão na tabella cousa que se
que vai, artigo por artigo, e opponho-me a isso. Para não deva ou não convenha executar, diga-o, e sobre o
se dar vigor ás leis das côrtes de Lisboa que têm sido que apontar versará a discussão.
executadas neste imperio, em virtude de ordem do O SR. MONTESUMA: – Eu levanto-me para
imperante, determinou-se que se apresentasse uma pedir uma explicação porque não assisti á sessão em
tabella destas leis; digo pois que se as leis aqui que se tratou deste objecto. Não sei bem sobre que
apontadas são todas já recebidas e executadas no posso votar, isto é, se posso approvar uma parte da lei
Brazil, então nada mais ha que discutir, pois que a ou decreto e rejeitar outra, ou se hei de por força
discussão só póde rolar sabre se ha alguma na tabella adoptar ou reprovar o decreto inteiro; requeiro que se
que não esteja neste caso. Agora se na tabella vêm declare isto para que possa dar o meu voto.
leis ainda não recebidas, mas que se julgão O SR. CARVALHO E MELLO: – A commissão
applicaveis ao Brazil, essas devem ser consideradas como já disse fez este trabalho em consequencia da
como meros projectos de leis e então devem passar emenda do Sr. Andrada Machado ao art. 2º do
por todas as formalidades e discussões do regimento, projecto, em que propoz que todos os decretos
porque as leis das côrtes de Lisboa não são leis para publicados pelas côrtes de Lisboa que a assembléa
nós, se já não forão adoptadas, e para o serem agora reconhecesse que se não oppunhão ao systema
é preciso vêr se são em todo o em parte applicaveis ás politico do imperio fossem valiosos na fórma da tabella
nossas circumstancias, o que se não póde conseguir que os mencionasse, precedendo exame da
sem serem impressas e distribuidas pelos Srs. commissão de legislação. O Sr. Araujo Lima lembrou
deputados para as verem e examinarem e entrarem depois que seria melhor crear uma commissão
depois em discussão; nem eu sei como hei de avaliar a especial para este exame em lugar de ser encarregado
utilidade ou inconvenientes de uma lei sem têl-a á este trabalho á de legislação, como se propuzera na
vista. Os actos de commissão não são actos da dita emenda.
assembléa; podia a commissão achar boa uma lei e A assembléa approvou-a com a alteração do Sr.
ella ser má; e como se ha de vêr isto? Araujo Lima, e sendo nomeada esta commissão
Eu confesso que não sei. Portanto ou a questão apresentou nesta tabella a trabalho de que foi
ha de versar só a respeito de haver ou não haver na incumbida. Mandou-se então imprimir e repartir pelos
tabella alguma lei ainda não mandada executar ou Srs. deputados, e agora discute-se a tabella que foi
então se ella contém leis ainda não recebidas, hão de dada na ordem do dia. Leu-se o § 1º, discutiu-se e
passar pelas discussões do regimento para serem approvou-se; estamos com o 2º, e creio que esta é a
sanccionadas. marcha do negocio.
O SR. ALMEIDA E ALBUQUERQUE: – Sr. O SR. HENRIQUES DE REZENDE: – O que
presidente, dahi se segue é que a commissão apresenta uma
tabella que contém varios projectos; e insisto que se
imprima cada um delles para
Sessão em 11 de Setembro de 1823 89

serem discutidos. Eu não tenho, e muitos outros diz a parte do decreto a que se refere o nobre
senhores não têm, essas leis á vista, e quando as deputado:
tenhão não se devem adoptar com precipitação leis “Quando em alguma execução fiscal se
que podem ter muitos inconvenientes. Devem adjudicarem á fazenda publica os bens de qualquer
passar por todas as formalidades porque passa devedor por não haver arrematante, se procederá
qualquer projecto de lei, porque é debaixo deste logo á segunda arrematação dos ditos -bens,
ponto de vista que cumpre considerar estas leis. recebendo-se o pagamento em papel-moeda ou em
O SR. VERGUEIRO: – Foi a necessidade que quaesquer outros titulos de credito liquidados pelo
nos obrigou a adoptar as leis antigas, em grande seu valor correspondente ao mesmo papel-moeda
parte incompativeis, mas adoptámos todas as da no tempo da referida arrematação.”
monarchia portugueza, sem exceptuar as dos Serve esta providencia para facilitar na
Felippes intrusos dominadores. Como agora hypothese indicada a nova arrematação, pela
havemos ter tanto escrupulo a respeito destas, conveniencia de se poder pagar em papel-moeda;
tendo sido a autoridade das côrtes de Portugal mas como não temos este papel fica nullo este
reconhecida no Brazil até o dia em que declarou a artigo para nós; só nos serve a parte em que trata
sua independencia? dos encontros admittidos aos credores do thesouro
A necessidade que nos obrigou a adoptar as publico a respeito dos seus debitos; porém isto
outras nos obriga tambem a adoptar estas; é nenhuma duvida póde fazer porque a parte que não
verdade que com a declaração da nossa tem lugar não se executa e a que é applicavel ao
independencia se declarou contra nós um inimigo, Brazil manda-se observar.
que são as côrtes de Lisboa, e é por isso que se O SR. MONTESUMA: – Nós devemos fallar
formou esta tabella de leis depois de examinadas, com a clareza propria de legisladores, e como a lei
pois póde succeder que nellas haja alguma cousa que se admitte deve ser accommodada ao estado
que não convenha ao Brazil. Quantas das que ha actual do Brazil, parecia-me justo cortar esse 2º
nesses immensos volumes de leis portuguezas não artigo que não nos é applicavel; além disto assim se
têm applicação para nós, nem se podem executar! evitarião de todo as suspeitas que elle póde suscitar
E comtudo como não se podem estar já a examinar, de apparecer algum dia entre nós esse mal publico
por ser necessario muito tempo para isso e do papel-moeda; ficava a lei limpa dessa nodoa.
igualmente não deve estar incerta a regra da nossa E’ preciso empregarmos a linguagem propria
legislação, foi necessario adoptarmos esse montão do Brazil, e não a que convinha ao estado de
enorme. Não sei pois como os honrados membros Portugal.
estão agora tão escrupulosos a respeito destas; eu Queira V. Ex. propôr se a assembléa convém
não vejo razão para isso. em que se tire este aparte.
Agora a respeito da duvida que lembrou o Sr. O SR. FRANÇA: – O illustre preopinante
Montesuma, de approvar em parte uma lei e em admitte a lei, mas quer que se supprima o artigo que
parte não, creio que poderá fazel-o; pois se houver tem apontado; póde mandar á mesa a sua emenda.
algum artigo que se opponha ás nossas actuaes O SR. ANDRADA E SILVA: – Eu julgo
circumstancias não se ha de observar. Quanto ao desnecessario tudo isto; já se entende que é
mais, como já disse, não devemos entrar agora em adoptado o decreto na parte em que é applicavel, e
um exame tão escrupuloso só para estas leis, que naquella que não tem applicação não se
porque isso levaria muito tempo. Portanto parece- executa. Nisto não póde haver duvida, o mais é
me que deve continuar a discussão sem que sirvão estarmos a gastar tempo sem nada fazer.
de objecção as duvidas propostas que não O Sr. Montesuma mandou á mesa a seguinte
merecem ser tomadas em consideração. emenda:
Julgou-se afinal discutida a meteria e o Sr. “Proponho que se supprima a parte do artigo
presidente propoz: que falla de papel-moeda. – O deputado,
1º. Se as leis da tabella passavão pelo Montesuma.” – Não foi apoiada.
processo dos projectos de lei. – Venceu-se que não. O SR. FRANÇA: – Quando eu requeri que o
2º. Se podia rejeitar-se uma parte de qualquer Sr. deputado que propôz a emenda a mandasse á
das referidas leis ficando a outra em vigor. – mesa foi sómente por causa da ordem; porque aliás
Venceu-se que sim. eu não posso convir na sua intenção, estando como
Declarou então o Sr. presidente que está em vigor entre nós a lei da creação do banco
continuava a discussão do § 2º da tabella. que manda receber em todas as estações da
O SR. MONTESUMA: – Eu tenho que fallar fazenda publica as suas notas como moeda; de
sobre este decreto e por isso requeiro que se lêa o sorte que
artigo delle em que trata de papel-moeda; basta-me
só essa parte.
O SR. CARVALHO E MELLO: – Eis-aqui o
que
90 Sessão em 11 de Setembro de 1823

ainda quando fallido de credito fosse estabelecimento dispostos para jovialidades e louçanias! Serião sempre
se não poderia nas mesmas estações recusar o duvidosos juizos formados sobre a probidade em taes
recebimento das notas em pagamento sem que uma idades, quando só o andar do tempo produz reflexões
outra lei revogatoria de primeira autorisasse a sisudas, e nunca póde formar-se juizo antecipado
recusação. sobre o caracter de alguns, que sendo naquella época
E como notas de banco, no meu fraco entender, levados do espirito folgazão dos companheiros, mudão
não passão de ser moeda-papel, não se poderá dizer depois nas cousas serias, assim como muitos depois
nunca com verdade que entre nós não existe tal no trato da vida civil e publica se tornão peiores.
moeda. O seu comportamento nos empregos é quem
Julgando-se então discutido o artigo, foi posto á póde decidir se são aptos para nelles continuarem; e o
votação e approvado. premio e o castigo repartidos segundo a justiça, são os
Passou-se ao § 3º do theor seguinte: remedios proprios para curar achaques e distinguir o
Dito de 10 do dito mez e anno declarando os merecimento.
bachareis formados em leis, ou em canones, Por tão justos motivos, Sr. presidente, deve a lei
habilitados para os lugares de magistratura sem passar como está a respeito das informações e
dependencia de leitura. habilitações; podendo só accrescentar-se, que a
O SR. ANDRADA E SILVA: – Peço a leitura respeito do tempo passado em que havião
deste decreto. (Leu-se.) informações, ellas devião reger, ficando a disposição
O SR. CARVALHO E MELLO: – Peço a leitura desta lei para ter applicação desde a sua data.
que se questiona, deve ter o lugar, que a commissão As leituras no desembargo do paço tambem se
assentou, porque vendo o motivo de se mandar formar devem banir, porque tendo um bacharel sido
a tabella das leis feitas pelas côrtes de Portugal, que approvado em diversos actos que teve de fazer em
merecião ser observadas, a presente está no caso de todo o seu quinquennio, de que apresenta o
dever ter observancia: decidio ella, que para serem testemunho na carta de formatura, um novo acto é
admittidos os bachareis juristas aos empregos da superfluo, sobejo e até injusto. E’ accrescentar
magistratura, erão bastantes documentos as suas formalidades e embaraços, quando por tal acto não
cartas de bacharel e formatura, e proscreveu por póde fazer-se juizo seguro do merecimento litterario.
conseguinte as habilitações e informações. Quem não Esta instituição teve o fim de marcar diversos
vê, que é assaz judiciosa esta disposição? gráos de merecimento na votação dos
As habilitações são filhas do modo de pensar do desembargadores do paço, quando estes fazião
tempo em que forão instituidas. despachos por concurso.
Na parte que respeita á limpeza de sangue, já Mas este mesmo modo era pouco seguro, e até
posteriores leis tinhão proscripto a infamia que desnecessario porque para os primeiros lugares todos
resultava do judaismo, que particularmente se queria têm igual titulo, e nos posteriores devem servir de
não tivessem os novos candidatos; e pela parte da regra os melhores serviços de cada um.
nobreza, é a todos conhecido, que a principal para Eu fui testemunha, Sr. presidente, no
habilitar para os empregos é o talento, merecimento desembargo do paço de muitos destes actos: eu
litterario e virtude. mesmo argumentei e fiquei persuadido da sua
Se a carta de formatura é a caracteristica legal inutilidade.
de que o bacharel a quem ella se deu frequentou as Eis-aqui a razão porque pela reforma da
aulas, e mereceu a approvação em todos os actos do universidade se proscreverão taes leituras, o que se
seu curso, habilitado se deve julgar para entrar nos observou até certo tempo; se depois se tornou a
empregos de magistratura, para cujo exercicio e instaurar este costume antigo, foi talvez por querer o
desempenho é mister ter frequentado as aulas tribunal reassumir mais esta prerogativa.
juridicas. Pelo que toca ás informações, militão as Se é pois justa a disposição da lei de que
mesmas razões. tratamos; se a sua disposição merece ser adoptada
Para que é necessario que os lentes dêm novo como acabamos de expôr, é necessaria consequencia
testemunho do merecimento litterario de bachareis, se o entrar na tabella segundo o que ordenou esta
elles já lh’o derão quando os approvarão e mandarão augusta assembléa.
passar as cartas? O SR. ANDRADA E SILVA: – Não era preciso
Verdade é, que as mesmas informações versão que o illustre relator da commissão fizesse um tão
tambem sobre costumes, e mui justo parece, que não longo discurso; eu não pedi a leitura do decreto para
se reputem dignos de empregos publicos homens que ter esclarecimentos sobre a doutrina; pedi-a para
os não têm. mostrar que
Mas, quão incerto é o juizo formado sobre
costumes de mancebos, na flôr da idade, e quando as
paixões são ardentes e os animos
Sessão em 11 de Setembro de 1823 91

elle não tem applicação actualmente, porque as sem perda de tempo serem logo admittidos á leitura.
informações não vêm nem podem vir de um reino Adoptemos pois a lei, e em virtude della não
estrangeiro; até agora mandavão-n’as de Portugal, se exija delles este ceremonial de leitura, que se
mas agora não as mandão, porque mudárão as mantém sómente por uma regalia da mesa do
circumstancias. desembargo do paço; as cartas de bacharel e
Todos os bachareis que têm vindo e têm formatura, que lhes facultão o poderem usar das
requerido lugares, S. M. Imperial os tem acolhido e suas letras, sejão por agora a unica habilitação para
despachado; nem outra podia ser a pratica. serem despachados. Se as cartas que são
Além disto a lei está concebida em uma passadas depois de repetidos exames, não os
generalidade que não póde ter lugar; porque hoje só habilitão, muito menos os poderá habilitar a leitura.
os bachareis brazileiros podem ser admittidos; os Nós todos sabemos avaliar a prova de um
outros são estrangeiros. A’ vista destas duas razões exame restricto a um ponto, que se dá vinte e
entendo que a lei não póde passar. quatro horas para se estudar, e sabemos
O SR. CARNEIRO DE CAMPOS: – Sr. igualmente que ás vezes grandes estudantes por
presidente, acho que não é necessario que motivos meramente accidentaes o não satisfazem
entremos em discussão sobre cada um dos artigos tão bem, como alguns de muito inferior
desta lei, devemos sómente examinar, se ella merecimento, que desembaraçadamente repoem no
offerece algum inconveniente, para que se não deva exame o que de orelha receberão no dia
mandar executar. antecedente de um leccionista.
Quando tratámos das leis, que nos região A unica difficuldade que occorre na adopção
antes da installação desta assembléa, dissemos desta lei é, que ella não dispensa das informações;
que devião continuar em seu vigor todas as leis que mas nós não nos veremos livres do mesmo
estavão em observancia até aquella época, e não embaraço se sugeitarmos os bachareis á leitura,
exigimos que cada uma dellas entrasse em porque esta se não póde fazer sem as informações:
discussão; se fomos tão francos para com as leis portanto não se exijão tambem por ora as
antigas, que poderião servir de materia a muitas e informações, não porque ellas não sejão muito
ponderosas reflexões, não posso achar uma razão convenientes, mas porque os bachareis que vierem
plausivel que nos persuada a não procedermos da agora as não podem apresentar aqui.
mesma maneira para com as leis das côrtes de As informações da universidade erão
Portugal, que forão mandadas executar aqui pelo remettidas em segredo á secretaria de estado dos
imperador, durante a sua regencia. negocios do reino, e dahi passavão para a mesa do
A de que tratamos se reimprimio aqui, e foi desembargo do paço, os bachareis quando erão
distribuida ás estações competentes, e era este o admittidos á leitura é que sabião que tinhão as
signal caracteristico que distinguia as leis das côrtes sufficientes informações para poderem entrar nos
que devião ter execução no Brazil, das que lhe não lugares de letras, mas quaes ellas fossem
erão applicaveis; se ella foi ou não effectivamente ignoravão.
executada pouco importa, devia-o ser, pois a falta Estas informações o governo já as não póde
de execução em tão curto tempo não a póde ter de Portugal, que é um reino estrangeiro.
despojar da força, que havia obtido pela sancção do E' verdade que póde o bacharel apresentar
regente. uma certidão que faça constar achar-se elle incluido
Esta lei, Sr. presidente, reputo eu não só sem na lista dos bachareis habilitados; mas de que serve
inconveniente, mas até mui util e mesmo isto, se por esta maneira não faz tambem constante
indispensavel nas circumstancias em que nos qual seja o seu merecimento litterario e moral, pois
achamos. que esta lei nada alterou quanto ao segredo da
Nós ainda não temos universidade, e temos qualidade da informação.
grande falta de magistrados para muitos lugares das Cortemos pois todos estes embaraços; é esta
provincias, que actualmente estão servidos, com uma medida de urgencia, que reclama o bem geral;
gravissimo damno da causa publica, por juizes guardemos para outro tempo, para quando tivermos
leigos e ignorantes; se não lançarmos mão dos bachareis formados nas nossas universidades, as
bachareis brazileiros, que vêm vindo de Coimbra, e providencias proprias e definitivas da organisação
os não despacharmos immediatamente para esses deste negocio; por ora vamos com as provisorias,
lugares, continuaráõ os povos a soffrer a falta da que são as unicas que têm lugar.
administração da justiça, de que já se queixão. Nem se diga que nos arriscamos a entregar a
Não devemos esperar que estes bachareis administração da justiça a homens incapazes.
venhão com todas as habilitações precisas para As informações tambem não nos segurão
deste risco; ellas sómente nos dão presumpções
92 Sessão em 11 de Setembro de 1823

favoraveis, que muitas vezes se desvanecem pela dá segurança contra os empenhos, parcialidades, e
experiencia; porque os homens, mórmente os que vinganças do espirito de corpo.
exercem jurisdicção, conhecem-se depois de E' contradictorio o passar-se carta de
empregados; a maneira prudente e sabia com que formatura á um estudante, (o que suppõe a sua
desempenhão os seus deveres, é a verdadeira idoneidade, e assistencia diuturna dos annos da lei
pedra de toque do seu merecimento. no seu curso juridico, e ao mesmo tempo justiça nos
Pelo que, voto que se admitta sem discussão lentes que o approvarão plenamente) e depois
especial a lei, para ser observada provisoriamente, mandar-se ao governo a sua exclusiva por
com a dispensa das informações pela informação secreta, que deshonra e arruina quem
impossibilidade em que nos achamos de as haver. teve por si o juizo dos seus publicos examinadores.
O Sr. Rodrigues de Carvalho pedio a palavra Consta da historia litteraria, que, por semelhantes
e mandou á mesa a emenda seguinte: cabalas de universidades, até se têm excluido dellas
Proponho que se declare na tabela que se a estudantes das maiores esperanças, protestando-
adopta a lei na parte que dispensa a leitura, se os desconcertos, e erros da mocidade. Isto
revogada na parte que faz dependente o despacho aconteceu a Locke, que, depois foi celebrado
das informações. – Rodrigues de Carvalho. escriptor da obra sobre o entendimento humano;
Foi apoiada. verificando-se nelle o que tem sido notado, que, ás
O SR. SILVA LISBOA: – Sr. presidente, voto vezes um só homem illustra o seu paiz, e vale á
pela admissão deste decreto, só quanto á primeira nação.
parte, mas não quanto á requisitoria das Além de que, senhores aqui ha muitos
informações da universidade. membros que fizerão o seu curso de estudo na
A principal razão porque entendo que se universidade. Ponha cada qual a mão no peito, e
devem abolir as leituras no desembargo do paço, é diga, se ainda o mais estudioso se póde considerar
porque ainda presentemente nesta côrte se tem merecedor de canonisação no seu curso da
requerido taes leituras, e as ditas informações; só universidade? Quantos na vida publica têm corrigido
dispensadas por consulta em attenção ás o caracter dos primeiros annos? Porque não
circumstancias da separação do Brazil. recorreremos ao dictame da religião, e não
As leituras erão requeridas em Portugal oraremos, como o salmista rei, ao ente supremo –
depois de habilitações prévias, instituidas pelo Esquecei-vos, Senhor, dos delictos, e das
systema de aristocracia, que não admittia á ignorancias da minha mocidade! – Por isso offereço
magistratura senão pessoas da classe da nobreza, á mesa a indicação seguinte:
de sorte, que os bachareis fazião uma justificação Generalise-se o decreto das côrtes de Lisboa,
de 5 ou 7 testemunhas em prova de tal nobreza. acima dito, para qualquer bacharel formado em
Esta instituição continuou com enorme direito se considerar habilitado para os lugares de
immoralidade do justificante e das testemunhas, não letras, apresentando a sua carta de formatura,
obstante a notoriedade de facto, que a maior parte independente de leitura do desembargo do paço, e
dos que se habilitavão para lugares de letras, não de informações de universidade.
erão da classe da nobreza qualificada pela lei do Lida esta emenda e reconhecendo-se que a
reino, ainda que fossem de educação litteraria. sua doutrina era a mesma da emenda do Sr.
Ordinariamente os morgados não estudavão o Rodrigues de Carvalho, o seu illustre autor a retirou.
direito, nem alguns nobres que se davão á este O SR. MONTESUMA: – Quando eu era
estudo, requerião ser juizes de fóra. estudante de Coimbra desejava summamente que
No systema constitucional, em que, só talento se acabasse com as leituras dos bachareis; mas
e merito são os requisitos necessarios aos lugares depois vi que não era meramente um formulario,
de honra do estado, não deve tolerar-se aquelle como disse o nobre preopinante: ao menos se era
abuso. As cartas de formatura constituem o legitimo formulario para os examinadores não o era para os
titulo, pelo menos presumptivo, de sufficiencia do que ião fazer exame.
candidato. Requerer-se de mais a certidão de Ouvi tambem a um illustre deputado que era
informações da universidade, é desacreditar um muito facil o metter o estudante na cabeça o ponto,
titulo honorifico que sempre foi respeitado em todos para no dia seguinte ser examinado porque o
os estados cultos. As informações são o effeito exame se limitava a uma certa e determinada
sinistro de monita secreta, e inquisição clandestina materia; mas eu não me posso persuadir nunca
dos lentes sobre vidas e costumes, sem audiencia disso, porque se um não pergunta, pergunta o outro
do misero estudante; o que é summamente odioso, o que não está no ponto, mas tem relação com a
e não doutrina delle; e não é possivel que um estudante,
Sessão em 11 de Setembro de 1823 93

sem ter idéas sufficientes de direito, possa levar na pois não sei que esta materia precise ficar adiada
cabeça a resposta que ha de dar quando não sabe segundo a pratica; todos podem dizer agora mesmo
sobre o que póde ser perguntado; direi mais, até a sua opinião, e decidir-se hoje este negocio.
cuido que esse exame é talvez o mais vago que se O SR. PRESIDENTE: – Como a assembléa
póde fazer, e portanto se assim succedesse me tem resolvido que fiquem adiados os pareceres logo
pareceria milagre... que ha quem falle contra elles, não devemos alterar
Eu creio, Sr. presidente, que uma razão a resolução.
especial fez em Portugal julgar precisa esta lei, O SR. VERGUEIRO: – Eu concordo em que
como me foi communicado por bons canaes, e vem deve ficar adiado; mas parece-me que posso
a ser, pessoas de certa ordem elevada, que tinhão offerecer uma emenda para se tomar em
sido máos estudantes, porque commummente a que consideração com o mesmo parecer, no caso de ser
se applica e estuda é a chamada baixa, querião apoiada.
entrar na magistratura; e não se achando com Assentou-se que podia offerecel-a, e foi á
animo para o exame, puderão fazer que alguns mesa concebida nos seguintes termos:
deputados das côrtes de Portugal propuzessem Proponho – O projecto de constituição
esta lei, para que dispensados por ella do exame passara pelas tres discussões do regimento.
pudessem entrar na magistratura, e merecer a Na 2ª discussão debater-se-ha cada artigo de
confiança dos povos. (Não se ouvio o resto.) per si com as alterações e sub-alterações
O Sr. Andrada e Silva pedio novamente a correspondentes. Haverá nella votação pela qual se
palavra, e mandou para a mesa a seguinte emenda: escolheráõ os artigos e alterações que no todo ou
em partem devem passar á 3ª discussão.
EMENDA A commissão de constituição irá redigindo
cada capitulo com as proposições vencidas tanto do
Proponho que se supprima da tabella o projecto originario como das alterações, de maneira
decreto de que se trata, e se faça um novo, que no fim appareça o projecto reformado pelo voto
segundo a emenda do Sr. Silva Lisboa. – José da assembléa para entrar na 3ª discussão. –
Bonifacio d’Andrada. Vergueiro.
Foi apoiada. Foi apoiada.
O Sr. Presidente declarou que ficava adiada a O Sr. Presidente declarou adiada a discussão
discussão por ter dado a hora da leitura dos do parecer e emenda para a sessão seguinte no 1º
pareceres. lugar da ordem do dia.
O Sr. Araujo Lima pedio a palavra; e como O SR. ANDRADA E SILVA: – Eu hontem
relator da commissão de constituição leu o seguinte: pedi a palavra e hoje torno a pedil-a para expôr um
negocio que é todo meu, e espero na bondade
PARECER destes senhores queirão attender-me. O estado da
minha saude creio que é bem conhecido á esta
A commissão de constituição tendo de dar o assembléa; quando ella se abriu compareci quasi
seu parecer sobre o modo de discutir o projecto de morto, tenho continuado emquanto as minhas forças
constituição, e reconhecendo não poder applicar-se me permittião; agora torno segunda vez a recahir, e
o methodo de tres discussões estabelecido no sinto-me mui doente, nem creio que possa
regimento; é de parecer que não haja mais do que restabelecer-me no clima do Rio de Janeiro.
uma só discussão, podendo cada deputado fallar Appello pois para a bondade e justiça da
tres vezes a cada artigo; e que depois de discutido mesma assembléa que nenhum interesse tem na
todo o projecto virá a revisão, em que se poderá ruina da minha saude; e peço que me conceda dous
reformar algum absurdo ou contradicção manifesta, ou tres mezes de licença para fazer uma viagem ao
e mesmo substituir alguma palavra mais propria a meu paiz a ver se me restabeleço e posso depois
outra menos propria. – Sala da assembléa, 10 de continuar com os trabalhos desta augusta
Setembro de 1823. – Pedro de Araujo Lima. – assembléa. Se eu ficar melhor até o fim do mez não
Antonio Carlos Ribeiro d'Andrada Machado e Silva. uso da licença; e farei por comparecer se com
– Manoel Ferreira da Camara. – Antonio Luiz effeito tomar novo vigor; mas peço a licença para
Pereira da Cunha. – Francisco Muniz Tavares. – me aproveitar de ir logo que veja que não melhoro.
José Ricardo da Costa Aguiar d’Andrada. – José O trabalho desta assembléa mais essencial já
Bonifacio de Andrada e Silva. está feito, que era o projecto de constituição, e eu
O SR. MONTESUMA: – Levanto-me para por mim já o approvei todo, e cuido que pequenas
fallar contra este parecer na parte que dá faculdade mudanças se poderáõ fazer; alguma emenda de
a cada deputado para fallar tres vezes: palavra, algum erro de
94 Sessão em 11 de Setembro de 1823

redacção, e para isto não faço falta; se algum ponto me autorise a partir. Para que hei de estar
de mais circumstancia se debater tambem não faço arruinando a minha saude, e perdendo tempo sem
falta, porque já disse approvei tudo, e para esses ser util á assembléa, nem a mim? Eu desejaria estar
casos ha nesta assembléa homens muito capazes. aqui para augmentar as minhas idéas, e farei todo o
Peço licença por tres mezes porque como possivel para vir, uma vez que esteja capaz; mas a
creio que esta assembléa se demorará mais, posso minha saude está muito arruinada, e tanto que todo
ainda chegar a tempo até de tratar do projecto; creio este mez passado não pude vir á assembléa.
não me enganar neste calculo, porque se um Portanto se nem a assembléa ganha, nem eu em
projecto de lei com pequenos e poucos artigos leva estar doente, quero cuidar do meu melhoramento
semanas, quanto gastaráõ tantos artigos de com que sempre se ganha alguma cousa, pois é
constituição! Isto ha de levar muito tempo; e para o quando posso servir com o pouco que sei.
da revisão da constituição é possivel o eu estar O Sr. Presidente propoz se devia ir á
aqui, e poderei fazer algum serviço, se é que os commissão de poderes para dar o seu parecer. –
meus conhecimentos podem servir para alguma Venceu-se que sim.
cousa, e quando não sirvão aprenderei e ficarei com O SR. CARNEIRO: – Eu fiz uma indicação
isso mui satisfeito; mas agora preciso que me que tem por fim remediar os males causados pelos
autorisem para poder ir ao meu paiz se o meu impostos nos generos da primeira necessidade;
estado de saude o exigir; se me não fôr precisa a quando taes impostos se podem bem supprir por
licença não me utiliso della, e continuarei a vir, mas outros como na mesma indicação aponto; eu
quero em todo o caso estar autorisado. considero o seu objecto importante: mas tendo sido
O SR. FRANÇA: – Eu entendo que o honrado dada por diversas vezes para a ordem do dia, ainda
membro deve dirigir o seu requerimento por não foi discutida. Eu requeiro a V. Ex. que proponha
escripto, porque pede tres mezes, e já é tempo á assembléa se tem lugar agora a sua discussão.
consideravel para se dispensar nesta assembléa a O SR. PRESIDENTE: – Esta indicação tem
cooperação das luzes de um seu deputado. Demais sido dada para a ordem do dia sete vezes, a
talvez seja necessario que dê o seu parecer a assembléa decidirá se deve entrar em discussão. –
illustre commissão de poderes, e talvez esta diga Decidio-se que sim.
que se deve chamar o respectivo supplente para vir O Sr. Secretario fez a leitura della (Veja-se a
tomar assento na assembléa, emfim bom é que faça sessão de 1 do corrente.)
o seu requerimento por escripto. O SR. MUNIZ TAVARES: – Eu julgo que não
O SR. CARNEIRO DA CUNHA: – Se isto ha póde haver a menor difficuldade em se pedirem
de ser objecto de deliberação da assembléa, é informações ao governo,
preciso saber se o Sr. deputado vai ou não; e como Todos os dias se pedem até de cousas bem
diz que quer ver se melhora até ao fim do mez, insignificantes, e não póde haver duvida em se
parece-me que por ora não ha que tratar; espere o pedirem sobre este gravame que soffrem os
illustre deputado que finde este praso, e então se generos que fazem a subsistencia da maior parte do
não melhorar é que é a occasião de requerer; por povo: por isso digo que se peção com urgencia ao
ora não tem lugar, porque ainda não está chegado o governo, e que o governo as exija tambem com
tempo de pedir. urgencia, não só da Bahia, como falla a indicação,
O SR. ANDRADA E SILVA: – Não, senhor, mas de todas as provincias; porque as considero
eu peço já, porque se não melhorar vou-me embora. em iguaes circumstancias; depois de termos as
O SR. MAIA: – Pois então se o illustre informações veremos o que será melhor fazer.
deputado pede já, deve fazel-o como manda o O SR. CARNEIRO: – As côrtes de Lisboa
artigo do regimento, que é bem expresso. tambem mandarão alliviar estes generos de tributos;
O SR. ANDRADA E SILVA: – Já escrevi o nós devemos fazer o mesmo, com a differença
que requeiro, e é o seguinte: porém que as côrtes fizerão sem meditar, sem
Pede o deputado José Bonifacio d'Andrada preceder exame e nós devemos ver o que se ha de
tres mezes de licença para ir fazer uma viagem á substituir.
sua provincia, afim de restabelecer a sua saude Demais eu não peço que se verifique já a
com a mudança de ar; bem entendido, que não providencia; peço sómente informações; e com isso
usará desta licença caso de que até o fim do mez já os povos conhecem as intenções que temos de
tenha fundadas esperanças de melhoramento de alliviar de impostos estes generos.
saude nesta côrte. Fallei na Bahia com especialidade porque
Se fôr a melhor não vou; mas se em vez esta provincia soffreu, e talvez ainda mesmo agora
desse melhoramento fôr a peior, preciso ter na estará soffrendo fome pelas circumstancias
minha mão a licença que
Sessão em 11 de Setembro de 1823 95

em que se achou; mas como se quer para as outras e entretanto vão os povos soffrendo o peso das
porque se julga urgente a respeito de todas, imposições. Não me parece isto justo, e por isso fiz á
concordo de boamente que assim se faça. indicação do Sr. Carneiro a seguinte emenda que
O SR. COSTA BARROS: – Peço que quando vou mandar á mesa.
se houverem de pedir estas informações, seja com a Proponho que a indicação do Sr. Francisco
maior urgencia; pois que a minha provincia que era a Carneiro vá á commissão para que ella, podendo, ou
que mais abundava neste genero de negocio, digo, consultando as informações que tem sobre o objecto
das carnes charqueadas, a ponto de até as mandar de impostos, apresente um projecto de lei sobre a
para as provincias do sul, bem conhecidas por extincção daquelles tributos. – O deputado,
carnes do Ceará, não exporta já hoje uma só Montesuma. – Não foi apoiada.
sumaca com este ramo de negocio, consequencia do O SR. CARNEIRO DE CAMPOS: – Não sou
exorbitante imposto sobre as carnes, vindo a pagar- amigo de impostos sobre generos da primeira
se por cada rêz 3,300 e tantos réis, mais da metade necessidade; atacão com força igual o pobre e o rico,
do seu valor, pelo que os negociadores deste genero e ás vezes atacão o pobre mais do que o rico, em
deixarão-se delle sendo-lhes mais facil, e menos razão de suas familias; mas nunca serei de opinião
doloroso ver morrer todo o seu gado em continuas quando se tratar de tirar um imposto que se toque
seccas do que exporem-se a uma negociação que só este objecto de leve porque merece muita
lhes dava trabalho, e prejuizo. Substituio-se a este circumspecção.
florescente commercio, que decahio inteiramente, o Eu convenho que se faça essa mudança de
da plantação do algodão, então desconhecido na impostos, mas não cortemos o nó gordio com a
provincia; e o resultado foi que as terras que erão espada de Alexandre. A commissão de fazenda, bem
destinadas pela natureza para povos simplesmente que composta de membros de muitas luzes, como ha
pastores, passarão a tomar um novo aspecto de sem dados decidir cousa alguma?
adaptado aos povos lavradores; começou-se Em um paiz tão extenso, e onde até agora se
portanto a despir das poucas arvores frondosas que despresou sempre a estatistica do paiz, porque este
refrigeravão seus gados, abrindo-se em immensos era o costume errado dos nossos primeiros pais, que
roçados para a plantação do algodão; tornou-se por vivião sem cuidados no que mais podia merecer os
este meio cada vez mais arida, e seus gados seus desvelos, como de repente se ha de supprimir
desabrigados morrião e morrem ainda um imposto, sem ver onde ella ficará mais bem
consideravelmente debaixo de um sol ardentissimo. assentada?
Dadas que sejão providencias salutares a este Todos sabem como principio reconhecido em
respeito diminuindo quanto fôr possivel aquelle economia politica, que qualquer alteração em tributos
terrivel tributo os negociadores de gados voltaráõ de produz resultados consideraveis, portanto sem se
novo áquelle trafico mais apropriado ás suas saber de cada uma das provincias, quaes são os
inclinações: replantaráõ seus campos d’arvores artigos a que póde passar-se o imposto supprimido
robustas, pouparáõ as vidas das que ainda restão; e seria conveniente não pôr a mão neste negocio, se
cedo tornaremos a ver florescer aquelle prodigioso não queremos legislar na arêa, e fazer cousa com
commercio das carnes, de mãos dadas com o do que podemos perder o nosso credito moral. Peção-
algodão em seus termos, e a provincia a gozar ainda se informações e muito exactas, de quem fique por
daquelles dias venturosos, que em sua infancia ellas responsavel, como são as juntas das mesmas
fizerão a sua felicidade. provincias, porque ninguem melhor póde saber
O SR. MONTESUMA: – Eu acho conveniente quaes são os generos que melhor soffreráõ
a providencia, mas não convenho em que se peção impostos, e depois deliberaremos. Este é o meu
ao governo informações; já se lhe pedirão sobre parecer.
todos os ramos de administração publica, e é Por dar a hora, requererão alguns Srs.
desnecessario tornar a pedil-as, depois de se saber deputados que se prorogasse a sessão até se decidir
que as está apromptando. Parecia-me mais acertado a materia; e consultada a assembléa resolveu que
remetter a indicação á commissão de fazenda para continuasse a discussão.
que ella á vista das noções que tiver, apresente um O SR. MONTESUMA: – Sr. presidente: eu não
projecto de lei para a extincção de taes tributos pelo penso que o nosso paiz seja tão pobre, que não
modo que julgar mais acertado. cheguem as rendas para as despezas, uma vez que
Se pedirmos informações ao governo elle há se supprimão estes impostos.
de exigil-as da Bahia, e isto leva um tempo immenso; Estou persuadido que para as essenciaes,
provavelmente não teremos negocio decidido em para sustentarmos a nossa dignidade como nação
menos de seis mezes, livre temos dinheiro; agora para continuar nas de
luxo desse antigo systema, como não temos
precisão desse luxo, pouco
96 Sessão em 12 de Setembro de 1823

importa que para isso não chegue; e ainda assim tudo para quando se tratar do objecto, só direi que o
talvez que chegasse. estado do Brazil não está tão mingoado como se diz;
Em todos os estados as despezas são filhas e se está, nós o devemos remediar, seja como fôr;
das circumstancias, e quando se trata de sustentar o corte-se por onde se cortar, eu não tenho medo de o
que é essencial em uma nação para se tratar dizer, padeça quem padecer, comtanto que não
segundo a sua categoria, como nação livre, sempre padeça o pão nem a carne.
ha dinheiro; e o Brazil tem sufficientes meios para as Julgando-se a materia discutida, propôz o Sr.
suas despezas reaes. Com o falso principio da nossa presidente se devia pedir-se informações ao
pobreza vi muitas vezes argumentar para persuadir governo. – Venceu-se que sim.
que o Brazil não podia ser independente, affirmando- O Sr. Presidente, assignou para a ordem do
se que não tinha a riqueza sufficiente para sustentar dia: 1º. O parecer sobre a fórma de discutir a
o seu lugar entre as outras nações; mas seria facil de constituição: 2º. A tabella das leis: 3º. O projecto de
mostrar que bem póde fazer face ás despezas lei sobre a creação de universidades.
essenciaes. Levantou-se a sessão ás 2 horas e um quarto.
Se com effeito o imposto de que se trata era – Luiz José de Carvalho e Mello, secretario.
indispensavel para sustentar taes despezas, então
póde applicar-se sobre objectos de luxo, que são SESSÃO EM 12 DE SETEMBRO DE 1823.
immensos, e podem soffrer o peso desta imposição,
e alliviem-se os generos de primeira necessidade; PRESIDENCIA DO SR. BARÃO DE SANTO
ponha-se, por exemplo, sobre aguardentes, que é AMARO.
genero de luxo, sobre tabaco, seges, cadeirinhas
(que na minha terra é luxo famoso) e outras cousas Reunidos os Srs. Deputados pelas 10 horas
semelhantes; se assim se fizesse seria bom; mas da manhã, fez-se a chamada, e acharão-se
nunca, Sr. presidente, sobre pão nem carne; porque presentes 71, faltando com causa os Srs. Martins
são generos da primeira necessidade... Não sei em Bastos, Araujo Gondim, Miguel Calmon, Araujo
que a minha proposta tende a precipitar a Vianna, Silveira Mendonça, e sem ella os Srs.
deliberação da assembléa, nunca tal pretendi, e Ferreira França e Henriques de Rezende.
entendo que nem as minhas palavras exprimirão tal O Sr. Presidente declarou aberta a sessão e
pensamento. lida a acta da antecedente foi approvada com uma
Disse que fosse remettido o negocio á pequena emenda.
commissão propria para dar o seu parecer; porque O Sr. Secretario Maciel da Costa leu o
supponho que a commissão de fazenda está munida seguinte officio do ministro de estado dos negocios
de conhecimentos sufficientes para ajuizar desta do imperio:
materia; ora, ao menos pela minha logica, não vejo Illm. e Exm. Sr. – Tendo-me V. Ex.dirigido em
que isto induza precipicio de deliberação sobre este data de 10 de Setembro corrente, um officio
objecto. communicando-me para ser presente a Sua
Se a commissão se achar com sufficientes Magestade Imperial que a assembléa geral
luzes apresenta á assembléa o seu parecer, a constituinte e legislativa entendia que no caso de
assembléa toma-o em consideração, e delibera; e se estar o marechal Luiz Paulino de Oliveira Pinto da
não tiver os conhecimentos precisos, pede as França realmente doente, pudesse o governo
informações que julgar necessarias. Querer porém, o permittir o seu desembarque para onde melhor
Sr. Carneiro, que antes de tudo se peção as conviesse, tenho de participar a V. Ex. para
informações é muito estranho para mim; é querer conhecimento da mesma assembléa geral, que o Dr.
que a assembléa se arrede da marcha geral que Amaro Baptista Pereira teve ordem de ir hontem á
sempre tem seguido; e tanto mais me admiro de que bordo do bergantim portuguez Treze de Maio
isto se proponha quanto é recente o caso de eu examinar o estado de molestia do referido marechal,
requerer que se pedissem informações geraes, e e tendo-o com effeito achado de cama, e notado que
assentar-se que isso não tinha lugar, porque seria todos os incommodos que actualmente soffre são
notar de negligente o governo, quando elle sabia effeitos mais ou menos constantes do enjôo, e tanto
cumprir bem com as suas obrigações; até se me mais quanto elle tem sido continuado, e recahindo
disse que era atacar a honra do governo, ao que em uma constituição doentia, como a do mencionado
respondi que não era atacar a honra do governo, marechal, que ha muitos annos padece dyspepsia e
mas firmar a honra da assembléa. Como então se hemoptyses chronicas, sendo por isso a mudança do
me respondeu assim, e agora se quer fazer o mesmo local o remedio mais apropriado a melhorar o seu
que eu requeria! estado.
Não sei; o que sei é que cada um está Houve Sua Magestade Imperial por bem
prompto a ser contradictorio quando isso lhe ordenar o seu desembarque, o qual se effectuou
convém. Portanto, Sr. presidente, reservando
Sessão em 12 de Setembro de 1823 97

hontem pelas seis horas e meia da tarde, vindo desta assembléa, pretende-se que seja debatido em
acompanhado para terra por um official de marinha, uma só discussão, e que apenas depois possa ser
a este fim expressamente enviado, e conduzido para revisto para se corrigir algum absurdo ou emendar
casa de seu cunhado Antonio Garcez Pinto de alguma palavra!
Madureira, onde se acha, tendo-se além disto Não posso convir, Sr. presidente: de se
previamente officiado ao ministro e secretario de approvar ou regeitar cada artigo logo na 1ª
estado dos negocios da guerra para que o tivesse discussão, podem resultar graves inconvenientes,
debaixo da conveniente cautela, evitando-lhe a póde talvez succeder que não saia constituição, mas
communicação com pessoas estranhas á sua familia. uma manta de retalhos.
Deus guarde a V. Ex. Paço, em 12 de Diz-se que cada um dos Srs. deputados deve
Setembro de 1823. – José Joaquim Carneiro de ter sempre em vista, quando votar, o todo da
Campos. – Sr. João Severiano Maciel da Costa. – constituição para ir sempre d’accordo com os
Ficou a assembléa inteirada. principios capitaes, mas pergunto eu poderá
O mesmo Sr. secretario deu conta de uma qualquer presar-se de estar sempre com essa
participação de molestia do Sr. Araujo Vianna. – apurada attenção? Pela minha parte não posso
Ficou a assembléa inteirada. promettel-o, e creio que os outros senhores estarão
Passou-se á ordem do dia, e entrou em no mesmo caso. Responde-se a isto que na revisão,
discussão o parecer sobre o modo de se discutir o se apparecer alguma falha se póde remediar, mas eu
projecto de constituição, adiado na sessão não o entendo assim, porque a commissão falla
antecedente com a emenda do Sr. Vergueiro. expressamente de absurdos ou contradicções
O SR. RODRIGUES DE CARVALHO: – Eu manifestas, e portanto só nestes casos se póde
creio que estamos gastando tempo com cousas admittir reforma. Qual é pois o meio de evitar taes
superfluas. Um codigo não póde discutir-se como um males? Creio que não póde ser outro senão uma 2ª
projecto de lei. Como havemos seguir com a discussão.
constituição o methodo marcado no regimento? Na Eu convenho bem em que não tem lugar a
primeira discussão trata-se da utilidade ou primeira do nosso regimento, porque não sei o que a
desconveniencia do projecto, e acaso deveremos nação supporia de nós se entrassemos em debate
nós, porque fazemos isto com qualquer projecto, sobre as vantagens ou desvantagens de uma
fazel-o tambem com a constituição? Deveremos por constituição, mas a segunda e terceira me parecem
ventura argumentar sobre a sua utilidade, como se indispensaveis. De se não regeitarem nem
isto fosse um ponto duvidoso, e gastar tempo com approvarem na 2ª discussão os artigos debatidos
uma discussão só por mera formalidade? Creio que tira-se a grande utilidade de se poder pensar melhor
se o praticassemos seria um acto irrisorio. sobre as razões dadas e ouvidas, e assentar juizo
Acho portanto que de sua natureza é mais seguro para votar definitivamente sobre elles, o
inadmissivel aquelle methodo, e por isso, votando que não succederia votando logo seguidamente á
por duas discussões, conformo-me com a opinião do discussão primeira sobre a materia.
Sr. Vergueiro, na parte em que quer que se vá Não vejo outro meio a seguir se queremos que
redigindo o que se fôr vencendo, mas entendo que a constituição saia digna desta assembléa,
deverá fallar cada Sr. deputado duas vezes sómente compondo um todo uniforme, e coherente em todas
a cada artigo. Seguindo estes principios formei uma as suas partes com os principios geraes que se
emenda do theor seguinte: tomarão para bases deste edificio, e até conforme á
opinião geral da nação, motivo este sufficiente para
EMENDA eu votar sempre firme pela 2ª discussão, em que se
debate artigo por artigo, e se passe á terceira na
Proponho que hajão duas discussões no conformidade do que marca o regimento.
projecto de constituição redigindo-se na 1ª discussão O SR. MUNIZ TAVARES: – (Não o ouvirão os
o que se fôr vencendo, como propõe o Sr. Vergueiro, tachygraphos.)
fallando cada um dos Srs. deputados duas vezes a O SR. ANDRADA MACHADO: – Requerer
cada artigo em cada uma das discussões – madureza e circumspecção nas deliberações é,
Rodrigues de Carvalho. – Foi apoiada. geralmente fallando, prudente e necessario, mas,
O SR. MONTESUMA: – Eu já hontem quiz quando, pelo methodo que se applica, essa
fallar contra o parecer da commissão com o qual não madureza é illusoria, não vejo para que ella sirva. E’
posso de fórma alguma conformar-me. Objectos de precisamente o que acontece pondo-se em pratica a
muito menor monta temos nós sempre tratado com respeito do projecto da constituição a fórma de
toda a consideração possivel, e quando se apresenta discutir os outros projectos. A 1ª discussão tem por
este, o maior de todos os que se tem offerecido á fim averiguar se convém ou não o que se propõe á
deliberação assembléa
98 Sessão em 12 de Setembro de 1823

e é claro que tendo sido o fim primeiro da nossa sem exceptuar a da Inglaterra, feita, por assim dizer,
convocação o formar a constituição, discutir agora de pedaços, á medida que se forão reconhecendo
se ella é util seria pôr em duvida o que a nação as alterações de que precisava.
inteira reconhece por certo, portanto pelo que Eis-aqui em resumo as razões em que se
pertence á 1ª discussão creio que todos concordão fundou a commissão a que tenho a honra de
que não póde ter lugar. Passando á 3ª, direi com pertencer, para apresentar o seu parecer, em que
franqueza que quem a propõe olha com pouca não se admitte essa 3ª discussão, na qual tenho
attenção para a materia que está tratando. sempre reparado que não apparece idéa alguma
O regimento diz que na 3ª discussão se ha de nova, repisa-se o que se disse na segunda e gasta-
debater a doutrina em globo, ora, eu desejo que se se tempo sem proveito.
me diga onde está a cabeça feliz que tem presente O SR. CARNEIRO DA CUNHA: – Sr.
todo o projecto para fallar sobre elle com presidente, não posso deixar de fazer algumas
conhecimento de todas as suas partes e das reflexões sobre o que tenho ouvido, embora alguns
relações que ligão umas ás outras, e chegar em seu Srs. deputados se enfastiem de me ouvir, eu nunca
discurso a tirar alguma conclusão geral. me enfastio de ouvir as suas opiniões por mais
Nos outros projectos, quando têm mais de longos que sejão os discursos em que as expõem,
dous ou tres artigos, já os nossos discursos se não além de que, tenho obrigação de patentear o meu
referem á totalidade do projecto, quanto mais na modo de pensar, e quero cumprir com o meu dever.
constituição! O mais que se poderia fazer seria, Ouço dizer que a nação tem muitos desejos de ver
estabelecendo duas discussões, o seguir-se a ultimada a constituição, ninguem duvida disso mas
segunda immediatamente á primeira em cada tambem ninguem duvida que a constituição deve
capitulo ou secção, pois de outro modo é impossivel ser baseada, na opinião geral de um povo livre
conservar as idéas de relação entre os artigos, e como o do Brazil, direi mais que a nação brazileira
ainda assim quem sabe como será em capitulo de não se mostra tão sofrega como o povo de Portugal,
muitos artigos! Eu não sei como se olha com é mais moderada em seus desejos, e a prova acha-
indifferença para o immenso tempo que vamos se na prudencia com que esperou pela chegada dos
gastar com semelhante methodo que de nada seus deputados, e pela apresentação do projecto
serve, a não ser para ralar a paciencia dos povos, que levou mezes.
que provavelmente se enfadaráõ. Não se pense pois que ella desespere por se
A nação brazileira precisa muito de gastar algum tempo na discussão do que ha de
constituição, e por este modo aqui estaremos fazer a sua futura felicidade e segurar o throno do
collados tres ou quatro annos, e não sei se haverá que escolheu para seu chefe; e sem tempo não se
paciencia para tanto. Eu fui membro das côrtes de póde consultar a opinião geral, em um territorio tão
Portugal e vi o que lá succedeu. A constituição extenso como o Brazil, porque, fallemos com
levaria anno e meio, e já todos gritavão que se franqueza, a opinião geral não é certamente a do
acabasse, que a querião ver concluida: notava-se Rio de Janeiro, bem que eu supponha aqui muitas
uma especie de desesperação no povo. Ora, eu luzes.
creio que ninguem desejará que o mesmo nos Tambem não quero dizer que precisamos ver
succeda. Nós já estamos aqui ha quatro mezes, ou a opinião de todos os povos do Brazil; mas a dos
quasi cinco, e não temos feito nada, ao menos que sempre fizerão causa commum comnosco, ou
agora que appareceu o projecto da constituição, trabalhárão para a nossa independencia, é
economisemos o tempo, não nos mettamos em indispensavel... Julgo por isso que não deve
trabalhos inutilmente demorados. merecer grande attenção a demora de alguns
Em Portugal as discussões erão menos mezes na discussão deste projecto; demora que me
longas porque, em regra fallarião 14 deputados, e não parece ser tão grande como se tem aqui
entre nós são muito mais os que fallão, reina aqui supposto, pois estou persuadido que muitos dos
uma certa comichão de fallar, como se temessem seus artigos hão de passar sem discussão, porque
perder o direito de declarar a sua opinião, não se derivão de principios justos e professados pelos
fallando sobre todas as materias, e portanto ainda povos; e ainda concedendo que será grande a
mais attenção devemos ter para evitar perdas demora não julgo que haja o perigo que o illustre
consideraveis de tempo sem utilidade alguma da preopinante receia.
nação. O argumento que parece de mais peso é o Se em Portugal a nação se mostrava como
que se funda na obrigação de darmos á constituição desesperada por se demorar a constituição, e se
a maior perfeição possivel; mas não sei como não mostrava de algum modo indignada contra as
se repara que as constituições recebem essa côrtes, não era o principal motivo essa tardança,
perfeição do decurso dos tempos e da experiencia, mas sim a separação do Brazil que lhe era attribuida
como tem acontecido ás que conhecemos, e outras muitas causas
Sessão em 12 de Setembro de 1823 99

poderosas. A nossa situação é differente; nem para desempenhemos pois a nossa commissão, segundo
nós tem applicação semelhante exemplo. (Não se os poderes que nos derão, embora um ou outro não
ouvio o resto.) seja desta opinião. Passemos agora ao parecer da
O SR. SOUZA MELLO: – Levanto-me para commissão.
fallar contra o parecer da commissão emquanto elle Eu creio Sr. presidente, que não póde haver
pretende estabelecer que a constituição passe por duvida em approval-o; se nós de boa fé quizermos
uma só discussão fallando cada Sr. deputado tres fazer a nossa obrigação, bem discutidas hão de
vezes, e tendo afinal a revisão. ficar as materias da constituição pelo methodo
As razões que tenho para não estar pelo estabelecido no mesmo parecer.
parecer são, o ser manifesto que o bom exito das Eu sou pouco apaixonado de methaphysicas,
discussões e deliberações não consiste em se fallar e por isso estou persuadido que a boa constituição
nellas muitas vezes, mas em se reflectir é aquella que o povo quer executar; donde concluo
maduramente pelos intervallos; e se a respeito de que para não ser a nossa, papel borrado, como têm
qualquer proposta, ou lei regulamentar se observão sido muitas da Europa, é preciso que seja
essas formalidades de madureza, como se acha apropriada ao paiz, e com analogia aos sentimentos
estabelecido no regimento interno, parece que se e principios que se têm arraigado geralmente nos
não deve prescindir dellas na discussão da lei povos.
fundamental do imperio; em que aquelles que não Ora, o projecto, cuido que está organisado
trabalharão no projecto devem ter tempo de reflectir segundo estas idéas e por consequencia uma
nos pontos sobre que rolar a discussão. discussão e uma revisão dão tempo sufficiente para
Além disto é conveniente que concorramos maduro exame e prudente deliberação; muito mais
quanto fôr possivel para que todos, ou quasi todos sendo certo, pela vontade que têm os meus
os deputados do imperio tenhão parte nesta grande collegas de fallar, que o debate de cada artigo ha de
obra, o que acontecerá com a segunda discussão, levar muito tempo; o que será, bem se póde suppôr
porque pelo tempo della estarão reunidos neste pelos adiamentos continuos que têm havido em
augusto recinto os que nos faltão, e se ainda assim discussões de materias as mais insignificantes.
não estiverem todos, pelo menos esgotarão-se Demais, na revisão, segundo o parecer, póde
todos os meios. Voto portanto contra o dito parecer fallar-se sobre absurdos ou contradicções; e esta
e adopto a emenda do Sr. Vergueiro. palavra absurdo, tomada no sentido lato, dá vasto
O SR. ANDRADA E SILVA: – Quando eu campo para debates, pois o que não é absurdo para
pedi a palavra era para dizer o que disse o Sr. mim é para outros; e portanto deve considerar-se
Antonio Carlos; e por isso pouco fallarei. O illustre como 2ª discussão a revisão que se estabelece no
preopinante sahindo, a meu ver, fóra da ordem, parecer. Não ha pois inconveniente algum em
tocou em objecto que não tem relação com as approval-o, porque não póde haver falta de
discussões; mas como lhe foi permittido fallar assim, consideração nas deliberações admittindo-se a
farei tambem á mesma materia algumas reflexões. faculdade de fallar tres vezes na chamada
Disse o nobre deputado que é preciso discussão unica, em que frequentemente, ficará
esperar pela opinião de algumas provincias; e eu adiada a materia, como mostra a experiencia da
digo que não ha mais razão de esperar pela opinião assembléa, e haverá assim tempo de estudar a
publica de algumas provincias, do que pela de doutrina para fallar na sessão seguinte; e porque
todas; e sendo necessario este geral conhecimento póde ainda cada qual na revisão declarar absurdo
de opiniões, é indispensavel adiar a discussão do um artigo e debatel-o de novo quando tenha alguma
projecto, porque muito tempo se ha de gastar até duvida.
que chegue o voto dos padres mestres, e do cura e Approvo portanto o parecer porque dá tempo
outros senhores da roça. sufficiente para se deliberar com circumspecção, e
Na maior parte das provincias não ha evita as demoras superfluas a que nos levaria o
imprensas, e portanto será preciso esperar que regimento, quando tanto precisamos de
cada camara de tabaréos dê a sua informação, constituição.
porque não temos outro meio de nos certificarmos O SR. MUNIZ TAVARES: – Eu reconheço a
da opinião das provincias. grandeza da obra que temos que fazer, e que ella
Ora, neste caso, digo eu, que era escusado deve ser accommodada á indole e costumes dos
sermos representantes da nação; como taes povos do Brazil; mas para se reprovar o parecer da
devemos fazer o que entendermos e o que fizermos commissão cumpre mostrar que não a faremos
deve ser executado; quando a nação nos nomeou assim sem a 3ª discussão; e isto é que ainda não vi
julgou-nos capazes de a representar, e de provado. Cada um dos Srs. deputados tem
formarmos a sua constituição sufficientes conhecimentos do estado de suas
provincias e opinião geral della, e podendo fallar
tres vezes tem occasiões bastantes para fazer as
100 Sessão em 12 de Setembro de 1823

suas reflexões e debater qualquer artigo, para que não haja precipitação, e por isso nos indica tres
afinal saia uma constituição tão boa como permitte a discussões: ambos os excessos me parecem
fraqueza humana. Sr. presidente; praza a Deus que viciosos. Tanto será de temer, que pareçamos
eu me engane, mas se não admittirmos o parecer precipitados estabelecendo uma só discussão,
da commissão, talvez chegue tempo de nos como tambem que figuremos de nos querer fazer
arrependermos de o não ter adoptado. eternos neste emprego, estabelecendo tres
O exemplo de Portugal é mui digno de discussões. Qual pois será o meio de sahirmos
attenção, apezar de que já ouvi julgal-o inapplicavel destes extremos?
nas nossas circumstancias. O enthusiasmo era lá E’ facil de conhecer; marchemos pelo meio;
extraordinario pelos deputados da assembléa, mas regeitemos uma discussão, para que nos não taxem
logo que entrarão a demorar-se com a constituição, de precipitados; regeitemos as tres, para não
perdeu-se de todo o respeito que lhes era devido parecermos querer eternisar este negocio;
como representantes da nação, e fallava-se estabeleçamos pois duas discussões, e sejão pela
claramente que se demoravão para não perderem maneira que indica o Sr. Vergueiro na sua emenda,
tão depressa a moeda diaria e outras patifarias que restringida na 1ª parte, isto é, supprimida a 1ª
desta natureza. O povo do Brazil deseja muito a discussão que propõe, póde-se muito bem combinar
constituição, e bom é que não suscitemos com o parecer da commissão, ampliado na 2ª parte,
desconfianças desairosas por delongas escusadas, isto é, que nessa revisão haja a liberdade de se
e que sem inconveniente se evitão adoptando o reprovar não só o que fôr incompativel, e absurdo,
parecer da commissão; é por isso que voto por elle. como aquillo, que pela maior reflexão dos Srs.
O SR. ALENCAR: – Sr. presidente: parece deputados parecer que não convém.
que é um erro querermos á maneira dos theologos, Hajão pois as duas discussões: na 1ª
que tirão da sagrada escriptura todos os themas discutamos artigo por artigo com as alterações, e
para seus discursos, tirar dos nossos regimentos emendas, que se offerecerem; haja votação e a
norma para o processo de todas as nossas commissão vá redigindo novo projecto de
deliberações. constituição, segundo o voto da maioria da
O regimento, senhores, é uma lei feita para assembléa; mas sem que essa mesma materia, já
regular os casos ordinarios e o andamento geral dos assim vencida, tenha vigor definitivo emquanto na
negocios da assembléa; e não póde por isso 2ª discussão a nova votação lhe não der o ultimo
abranger e menos regular os casos extraordinarios. cunho de validade. Para corroborar o meu voto,
E’ tanto isto assim, que já na discussão do mesmo senhores, tenho, além de muitas razões, que já
regimento nós nos apartamos da doutrina, que elle muito sabiamente têm expendido alguns Srs.
mesmo nos prescrevia; vimos que aquillo era um deputados, uma que me parece muito forte.
caso particular, que erão impossiveis tantas Sr. presidente: eu sou inteiramente da opinião
discussões e por isto cingimo-nos a uma de um illustre deputado, que ha poucos dias disse
simplesmente; agora temos o mesmo caso. neste recinto que nós não temos arbitrio; apenas
A constituição é uma obra extraordinaria: não somos orgãos da vontade publica, e esta se
póde estar no caso dos processos ordinarios que o conhece pelo rumor e opinião divulgada nos
regimento prevê, e portanto é necessario tomar para escriptos publicos.
sua discussão uma medida tambem extraordinaria Esta verdade tanto nós já a reconhecemos,
adaptada a este caso particular e á natureza da que logo que a commissão nos apresentou o
materia que se vai tratar; e tanto nós temos já projecto de constituição, mandámos imprimir não só
tacitamente reconhecido isto, que mandámos á o numero sufficiente para os Srs. deputados, mas
commissão de constituição, que nos indicasse um uma grande cópia de exemplares para se divulgar
modo de a discutirmos. por toda a nação; e uma das razões mais fortes,
Tudo pois que se allega com o regimento que se derão para este procedimento, foi que era
para este caso não póde valer e nunca fará regra. necessario ouvir a opinião publica para nos
Tratemos sim de estabelecer um modo de amoldarmos a ella quanto fosse possivel. O mesmo
discutirmos o projecto da constituição, e não nos pois se dá nesse 2º projecto, que deverá apparecer
importe o regimento, que nunca foi feito para depois da 1ª discussão; e então já não será um
abranger este caso. projecto, resultado da opinião de 4 ou 5 homens que
A commissão parece temer uma morosidade formão a maioria da commissão, será sim um
extraordinaria na discussão de um tão vasto projecto, resultado da maioria da assembléa; então
projecto, e por isto nos propõe uma só discussão e ouve-se segunda vez, e sobre segundo trabalho a
apenas dá mais uma revisão; a emenda do Sr. opinião publica, e depois conforme ella teremos as
Vergueiro parece resentir-se do medo de que em nossas ultimas deliberações na 2ª discussão; nem
um projecto de tanta consideração será feio que reformemos nesta discussão alguma
cousa que tiver sido approvado na 1ª
Sessão em 12 de Setembro de 1823 101

uma maior reflexão, durante o tempo de uma a outra a vontade excessiva, ou para melhor dizer comichão
discussão, a voz da opinião publica divagada nesse de fallar, que temos constantemente aqui observado
tempo, talvez nos faça conhecer ser máo aquillo que nem em dous annos apparecerá sanccionada a
outr’ora nos pareceu bom. constituição; e que males e talvez que desgraças se
Com estas duas discussões parece-me termos não podem seguir de tão extraordinario
conseguido o fim que desejamos, isto é, nem sermos retardamento!
precipitados, nem tambem extraordinariamente Nem pareça excessivo o que acabei de
demorados. Comtudo se ainda em algum excesso avançar sobre a demora que infallivelmente se deve
cahirmos, seja o da demora: antes nada façamos, do seguir, a passar o que se pretende; porque bem
que haja em nossa obra precipitação. A nação nos poucas reflexões bastão para fazer sentir o que
dará desconto; ella toda está convencida da entidade disse.
importante da obra, que vamos a fazer; um tal O projecto da constituição contém, se bem me
edificio, em que deve basear a felicidade não só da lembro, 272 artigos: quero suppôr que a discussão
geração presente, como das futuras, não póde ser de cada um delles nos custe apenas uma sessão; eis
obra de um momento. um anno de certo só para a primeira discussão. E’
Saiba a nação, que o nosso desejo é só obrar verdade que tambem em uma sessão podem ser
segundo sua vontade, e que adoptamos as duas approvados mais artigos; mas é igualmente certo
discussões porque talvez haja então a melhor que muitos nos custaráõ mais de duas e talvez
opportunidade de conhecermos a opinião publica, quatro ou cinco; o que a experiencia melhor
que em tudo nos deve guiar; e de que eu jámais me mostrará.
apartarei, salvo se fôr tão infeliz, que a não possa Ora, se a primeira discussão pois tem de
conhecer. levar-nos tanto tempo, quanto não despenderemos
O SR. COSTA AGUIAR: – Sr. presidente: ainda na segunda, já então sobrecarregada com as
quando a illustre commissão, a que tenho a honra de taes emendas, additamentos, suppressões, etc.,
pertencer, tomou o arbitrio de apresentar o parecer etc.?
que se debate, teve tambem em vista todas ou a Tudo isto importa o mesmo que dizer; temos
maior parte das reflexões ha pouco ponderadas constituição para dous annos e no emtanto vamos
pelos honrados membros, que me precederão. Ella percebendo os 200$000 mensaes e os nossos
reflectio igualmente sobre os inconvenientes que se constituintes á espera, e por fim talvez que cansados
podião seguir de uma demasiada demora na desesperem, o que Deus tal não permitta...
discussão da constituição; e não foi senão depois de Accresce demais, que, supposto a discussão
maduro exame, que julgou mais adequado o da constituição seja o nosso principal fim, todavia
expediente que propõe. existem outros objectos quasi de igual monta que
Que tempo, senhores, que tempo não devem ser tambem discutidos: porque a constituição
consumiriamos nós na discussão da constituição, se não poderá jámais marchar e progredir, se não
com effeito passasse o que pretendem os illustres assentar sobre algumas reformas indispensaveis, á
preopinantes? que devemos proceder e que nos devem custar
Se sómente este parecer nos tem custado muito trabalho. Taes são entre outras, varias leis
duas sessões, quantas em verdade não levará cada regulamentares, com particularidade na parte
uma das discussões pela maneira que se projecta? administrativa e na repartição da justiça, etc.
Eu supplico a attenção deste augusto recinto Ajuntemos a tudo isto que não é possivel
para o que aqui se tem passado e ha pouco gastar uma sessão inteira só na discussão da
aconteceu com o projecto sobre o juizo dos constituição, porque a attenção fatiga-se depois de
ausentes, que depois de nos ter roubado tanto um intenso trabalho, que deve ser modificado pela
tempo, foi tal a confusão em que ficou pela alluvião variedade de outros objectos que se tratão; além de
de emendas, additamentos, novos artigos e ainda que seria injusto que tivessemos a chamada hora da
novas emendas sobre estes, que não foi possivel prorogação para a leitura e discussão dos pareceres,
poder fazer-se obra alguma sobre semelhante porque isto prejudicaria a justiça das partes que têm
objecto perdendo-se por isso todo o nosso trabalho. igualmente direito á decisão dos seus negocios e
Ora, se isto succedeu com um simples pretenções; o que tudo, Sr. presidente, augmentando
projecto, o que não deverá resultar da complicação as nossas difficuldades, fará retardar ainda mais a
immensa de emendas, que necessariamente devem discussão da mesma constituição.
apparecer em cada uma das discussões da Foi pois fundada em todas as razões que
constituição? deixo expendidas, que a commissão julgou bastante
Eu sinto, mas é forçoso confessar, que com uma só discussão, na qual os Srs. deputados
pudessem fallar tres vezes o que em verdade é mais
que sufficiente, principalmente se se attender que a
mesma constituição
102 Sessão em 12 de Setembro de 1823

ao depois deve ser revista; revisão esta que a ir conforme ao regimento da que por julgal-a
experiencia tambem mostrará que deve custar-nos indispensavel; eu sou inimigo de alterações em leis
algum tempo; porque como não pensamos todos do sem gravissima necessidade, e como a não ha neste
mesmo modo, eu posso suppôr precisar de revisão caso, cinjo-me ao regimento. Demais, ella não póde
aquillo que outro Sr. deputado julga que não deve levar-nos muito tempo, e se ninguem quizer fallar,
ser revisto, o que tudo consome tempo. melhor; dá-se por feita e não se dispensa na lei que
Permitta-se-me, senhores, ponderar em ultimo eu muito desejo ver sempre respeitada.
lugar, que nas circumstancias actuaes em que nos Na 2ª discussão não deve haver votação
achamos, expostos á raiva e furor dos nossos definitiva; ella deve servir, como diz Bentham, para
inimigos, que não perdem um só momento para presentir a opinião da assembléa e terminar a
retardar o reconhecimento da nossa independencia, discussão de cada artigo, depois de se tomarem em
nada ha mais conducente para tão digno fim, como a consideração todas as suas clausulas. No
ultimação do nosso pacto social e que este seja parlamento inglez remette-se o projecto, no intervallo
quanto antes sanccionado e firmado. de uma sessão á outra, á uma commissão particular
Longe de mim a idéa de pretender inculcar o para o ir redigindo com as emendas e correcções; e
projecto da commissão de que sou membro: é o que eu proponho que se faça da 2ª para a 3ª
conheço com lizura que deve talvez ser emendado discussão, que não será mais que uma revisão geral
em alguma parte pela sabedoria deste congresso; ou uma ultima de mão para aperfeiçoar algumas das
mas por outro lado é tambem innegavel, que é do suas partes e votar-se definitivamente sobre a
nosso interesse termos quanto antes uma materia.
constituição, e isto quando mesmo ella possa ter Já ouvi aqui dizer que o reservar a votação
algum defeito, porque estes podem ser depois para a ultima discussão tinha o inconveniente de
emendados pela experiencia, que é a melhor mestra esquecerem os argumentos e razões produzidas na
em taes materias e, a meu ver, são males antecedente; mas eu creio que isto ainda
infinitamente muito menores do que aquelles que se succedendo nada obsta, porque o que importa na 3ª
nos podem seguir de não termos nenhuma. discussão é saber se passa ou não a doutrina pelo
Em vista do ponderado e de tudo quanto deixo conhecimento que della se adquiriu na 2ª e pelo que
expendido, voto que passe o parecer da commissão. se pensou no intervallo desta para a ultima.
O SR. VERGUEIRO: – O regimento exige tres Disse um honrado membro que só admittiria
discussões para as leis regulamentares, e se o duas discussões se uma se seguisse logo á outra no
projecto de constituição não é menos importante não fim de cada capitulo; e é justamente isto o que eu
sei porque ha de passar por uma ou quando muito não approvo porque não quero que se admittão ou
por duas. A meu ver, com mais razão deve passar regeitem doutrinas sem repousar o espirito, que por
pelas tres, pela grandeza da materia e pela sua agitado nos debates é incapaz de ver a materia com
duração. a frieza precisa para acertar com o melhor.
Ouço fallar em economia de tempo; mas, Sr. Igualmente me não merecem consideração os
presidente, esta economia de tempo ha de ser bem exemplos de outras nações; o que se póde, e por
entendida, pois para o poupar não havemos de fazer exemplo, fazer em França com uma só discussão
uma obra defeituosa e principalmente uma não tem lugar entre nós; lá até facilimo é conhecer a
constituição, cujas emendas depois são de opinião publica com uma rapidez extraordinaria por
gravissimas consequencias e por isso preciso é que via da imprensa, e por ella se discutem fóra os
trabalhemos com toda a circumspecção, para que projectos á medida que se debatem no congresso;
saia com a perfeição que é possivel sahir das mãos mas aqui as imprensas são poucas, as provincias
dos homens; e isto me parece impossivel conseguir- mui distantes umas das outras e sendo por isso a
se em uma só discussão. Se alguns senhores discussão popular mui vagarosa, não chega a tempo
receião delongas grandes, eu receio o resultado de de esclarecer-nos para os nossos trabalhos.
uma obra feita á pressa, principalmente havendo Precisamos portanto de obrar com grande
uma relação tão estreita entre todas as suas partes. circumspecção e mais demora porque não temos
Entendo por isso, que é necessario que a esses auxilios estranhos.
assembléa manifeste a sua opinião sobre todos os Em Portugal tambem é certo que não houve
artigos, sem que fiquem vencidos, e que se forme senão uma discussão; mas advirta-se que houverão
com os vencimentos um novo projecto, para então bases; quando se apresentou o projecto de
chegarmos á decisão definitiva. constituição já estavão estabelecidas e contra ellas
Eis-aqui porque propuz a minha emenda, e se nada se podia fazer; estava feito, por assim dizer, o
nella fallo em 1ª discussão é mais por esqueleto daquelle corpo.
Finalmente, nós temos necessidade de
consultar a opinião publica; isto é incontestavel,
Sessão em 12 de Setembro de 1823 103

porque somos os interpretes da vontade da nação e um anno na administração dos bens do dito fallecido
por ella nos devemos guiar; se fizessemos uma para se poder fazer o necessario rateio e haverem
constituição sem ser á sua vontade, por si mesma elles o pagamento para que estão habilitados
cahiria. E’ verdade que não podemos conhecer a competentemente, com as consultas do tribunal da
opinião publica de todas as provincias, mas nem por junta do commercio, sobre outros requerimentos dos
isso devemos desprezar a que pudermos alcançar; o supplicantes e as resoluções destas de 28 de Julho
espirito das provincias é muito differente do da côrte, de 1821 de 26 de Novembro de 1822, 8 de Fevereiro
e é de primeira necessidade conhecel-o; não digo e 15 de Maio de 1823, todas contrarias ás
que sigamos as indiscrições do povo, mas cumpre pretenções dos mesmos, considera estar a justiça a
guiar-nos pela vontade geral e para chegarmos ao favor do dito requerimento. Porque, sendo
conhecimento della precisamos do tempo que nos reconhecida a necessidade da requerida prorogação
dão as duas discussões. pelo sobredito tribunal da junta do commercio, não
Não se pense comtudo que serão muito só emquanto directa e expressamente assim o
demorados estes dous debates; pelo methodo que declarou na primeira consulta de 21 de Julho de
proponho a 3ª discussão levará pouco tempo, porque 1821, por accordo de todos os deputados, á
tudo se acha de novo redigido; o grande barulho é na excepção de um, a cujo parecer se conformou a
2ª, por causa das emendas, mas depois da redacção resolução, mas tambem emquanto praticou actos e
o mais fica mui facil. proferiu despachos muito posteriores á esta
Assim, succede no parlamento inglez, que tem resolução, porque os julgára indispensaveis a bem
as mesmas discussões e onde a 2ª é dos supplicantes credores, ainda que depois lhes
verdadeiramente o campo da batalha e a 3ª de não deixou produzir effeito, declarando extincta a
ordinario muito rapida. administração e mandando fazer remessa para o
Sustento pois a minha emenda, por me juizo da provedoria dos defuntos e ausentes, por
parecer que o methodo nella estabelecido é o que se despacho de 20 de Abril de 1822, confirmado pelo de
póde praticar sem inconvenientes. 8 de Junho do mesmo anno, é sem duvida que
O Sr. Presidente declarou adiada a discussão deverião ser deferidos os supplicantes não lhes
por ter dado a hora da leitura dos pareceres. obstando as disposições dos alvarás de 17 de Junho
O Sr. Maia, por parte da commissão de de 1766 e 10 de Novembro de 1810, que prescrevem
legislação, leu os seguintes pareceres: o praso de dous annos para taes administrações,
quando existem as disposições do § 7º do alvará de
Primeiro 2 de Outubro de 1811 e do outro de 26 de Setembro
de 1815, que admittem as prorogações nos casos de
A commissão de legislação vendo a consulta necessidade por meio das consultas. E portanto a
do conselho da fazenda sobre o requerimento dos sobredita commissão é de parecer que os
negociantes desta praça, que pedem a derogação do supplicantes estão nas circumstancias de serem
decreto de 11 de Dezembro do anno passado, na deferidos autorisando-se o governo para lhes
parte relativa ao sequestro sobre os bens dos conceder a prorogação pedida de um anno, sem
habitante de Angola, e conhecendo por ella que já embargo das resoluções em contrario, por ter sido a
por ordem de Sua Magestade Imperial se relaxou primeira sem justificado fundamento e participarem
igual sequestro dos bens dos habitantes de do mesmo defeito as outras, que tiverão por principal
Benguela, precisa que o governo a informe da base esse primeiro indeferimento.
resolução que houve sobre tal objecto e requer por Paço da assembléa, 12 de Setembro de 1823.
isso, que se exija esta informação da secretaria de – José Antonio da Silva Maia. – José Teixeira da
estado competente. Fonseca Vasconcellos. – João Antonio Rodrigues de
Paço da assembléa, 12 de Setembro de Carvalho. – D. Nuno Eugenio de Locio. – Bernardo
1823.– José Antonio da Silva Maia. – José Teixeira José da Gama. – Estevão Ribeiro de Rezende.
da Fonseca Vasconcellos. – D. Nuno Eugenio de Por haver quem fallasse contra elle ficou
Locio. – João Antonio Rodrigues de Carvalho. – adiado para a sessão de 17.
Bernardo José da Gama. – Estevão Ribeiro de O Sr. Maciel da Costa, como relator da
Rezende. – Resolveu a assembléa que se pedisse commissão da redacção das leis, leu o seguinte:
com urgencia.
PARECER
Segundo
A commissão encarregada da redacção das
A commissão de legislação confrontando o leis tendo de apresentar a que redigio de
requerimento de João Gonçalves Duarte Pereira e providencias sobre a arrecadação dos bens dos
outros credores do fallecido José Teixeira Mello, que defuntos e ausentes, julga não exceder os limites
pedem a prorogação de
104 Sessão em 12 de Setembro de 1823

de suas attribuições em representar a esta augusta não terão final execução sem que o exequente
assembléa que examinando quanto se venceu sobre preste fiança idonea a restituir a cousa vencida; da
o projecto á vista do original e suas respectivas qual fiança será desonerado no fim de tres annos, se
emendas confrontadas com a acta, acha: dentro delles não apparecer reclamação.
1º Que a lei redigida, por minguada em Art. 5º Ficão revogados todos os regimentos,
providencias, parece não encher nem a indicação leis, alvarás, provisões e quaesquer outras
que se fez, nem os fins importantes que a mesma resoluções que se oppuzerem ao disposto nesta lei.
augusta assembléa se propoz neste ramo Paço da assembléa, 10 de Setembro de 1823
interessante de administração. – João Severiano Maciel da Costa. – Luiz José de
2º Que a dita lei fica manca em seu contexto e Carvalho e Mello. – Miguel Calmon du Pin e Almeida.
na ligação de suas providencias; porque tendo – Francisco Carneiro de Campos.
passado o art. 2º do projecto e 1º na redacção, tal O SR. DIAS: – Eu creio que o ultimo artigo
qual se acha só com a emenda verbal do Sr. não passou; e póde consultar-se a acta.
deputado Fonseca Vasconcellos, a qual generalisa e O SR. PRESIDENTE: – Não ha duvida; não se
estende a providencia delle a todos os credores venceu apezar de manifesta contradicção.
ainda que não sejão sobditos do imperio, e dizendo- O SR. ANDRADA MACHADO: – Então isto
se no fim do artigo que nos subsequentes se não é lei, nem ninguem sabe o que é; parece ter sido
declararia quaes serião os juizes perante quem e uma brincadeira; em fim fica sem effeito. Como forão
com que formalidades demandarião, os credores taes vencimentos não sei; o certo é que não nos
seus pagamentos; falta esta essencial declaração, honrão.
porque os artigos em que ella se fazia e bem assim O SR. ANDRADA E SILVA: – O melhor é
os das emendas do Sr. deputado Vergueiro sobre a formar outro projecto, aproveitando o que está
mesma materia forão rejeitados. vencido, porque este é inteiramente manco e o seu
3º Que estendendo-se a providencia do art. 2º mal não tem cura.
do projecto e 1º na redacção, aos bens sequestrados O SR. DIAS: – Quando se apresentou este
aos europeus como medida politica e consequencia projecto tivemos esperanças de vêr destruido este
do rompimento entre o Brazil e Portugal; em todos os abominavel juizo de ausentes; porém tanto se quiz
artigos que compoem e completão a redacção e são emendar e subtilisar, que por fim estamos sem a lei
das emendas do Sr. deputado Vergueiro, não se falla que esperavamos. Quizera comtudo que não o
mais em tal materia e todos são claramente desprezassemos inteiramente depois de se ter gasto
applicaveis ao antigo juizo da arrecadação das tanto tempo a discutil-o; parece-me que elle ainda
heranças dos defuntos e ausentes, como apparecerá póde ter remedio e servir de alguma utilidade; senão
de sua leitura. A’ vista do que a augusta assembléa ficamos sem projecto algum e as atrocidades
tomará a deliberação que lhe parecer melhor. continuão.
Paço da assembléa, 10 de Setembro de 1823. O SR. ANDRADA MACHADO: – De
– João Severiano Maciel da Costa. – Luiz José de regeitarmos este não se segue que se não possa
Carvalho e Mello. – Miguel Calmon du Pin e Almeida. fazer outro; o que nós reprovamos é este; se houver
– Francisco Carneiro de Campos. outro concebido em differentes principios, póde a
assembléa tomal-o em consideração. (Apoiado.)
PROJECTO REDIGIDO O SR. MONTESUMA: – O que se deve fazer
agora é voltar á commissão para apresentar um
A assembléa constituinte, etc., decreta: projecto seu, isto parece conforme ás intenções da
Art. 1º Todos os credores de pessoas assembléa; portanto não se sanccione este projecto
fallecidas ou ausentes, cujos bens estejão em e depois tome-se em consideração a emenda do Sr.
arrecadação ou sequestro, poderáõ demandar seus Rendon. Eu não lhe vejo outro remedio.
pagamentos qualquer que seja a qualidade e O SR. DIAS: – Fazendo-se assim estou
quantidade das dividas, perante os juizes e com as contente.
formalidades que se declarão nos artigos seguintes. O SR. AROUCHE RENDON: – Sr. presidente,
Art. 2º Se houver pessoa que queira fornecer desde o principio impugnei este projecto, porque
allegações ou provas em favor da herança, o ainda que conhecia a existencia do mal e que elle
thesoureiro será obrigado a aceital-as e fazer uso necessitava de um remedio, conhecia tambem que o
dellas, sob pena de responsabilidade. remedio proposto o não remediava; e quando
Art. 3º Quando a herança fôr convencida será parecia remediar
condemnada nas custas.
Art. 4º As sentenças contra a herança
Sessão em 12 de Setembro de 1823 105

em parte, esse mesmo remedio trazia outros consideração a necessidade de se alterar a regra
inconvenientes que erão outros tantos males. Na 3ª estabelecida para os vencimentos das materias com
discussão se conheceu melhor o que acabo de 46 votos, por já ter cessado o motivo que fez tomar
proferir, porque apparecerão tantas e tão diversas aquella resolução, é de parecer que, sem differença
emendas, suppressões e additamentos, que se de materias, fação-se todos os vencimentos com 52
conheceu com evidencia que o projecto não era votos.
remedio proprio para a enfermidade. Então eu aqui Paço da assembléa, 11 de Setembro de 1823.
disse, que no estado em que eu via a questão, – Pedro de Araujo Lima. – Manoel Ferreira da
receava que entrando nós em votação, o resultado Camara. – Antonio Luiz Pereira da Cunha. –
seria mão e que com taes dados não podia sahir uma Francisco Muniz Tavares. – Antonio Carlos Ribeiro de
boa obra. Foi por isto que eu na 3ª discussão offereci Andrada Machado e Silva. – José Bonifacio de
como emenda geral ao projecto, que ficasse Andrada e Silva.
absolutamente extincto o juizo dos ausentes, ficando O SR. ANDRADA MACHADO: – Eu assignei
em seu vigor a legislação anterior; porque, Sr. este parecer, mas note-lhe falta de clareza e
presidente, este juizo é inteiramente desligado da exacção; eu direi o que entendo quando se discutir,
legislação; elle foi feito a favor de Portugal e contra pois é claro que fica adiado.
os interesses do Brazil, então colonia; é hoje um juizo O SR. ARAUJO LIMA: – Eu requeiro que se
não só inutil, mas tambem prejudicial ao Brazil em dê para ordem do dia de amanhã.
favor de nossos inimigos. Agora vemos apparecer o Declarou-se adiado, na fórma do estylo, por
projecto, depois de sua nova redacção, de um modo haver quem fallasse contra elle.
que não póde ser sanccionado. Sahiu um monstro, e O Sr. Presidente designou para ordem do dia:
nem outra cousa podia sahir não tendo a commissão 1º O parecer sobre o modo de discutir o
outros dados senão varios fragmentos desligados, projecto de constituição.
que unicamente forão vencidos. 2º A proclamação da assembléa aos povos do
Nestas circumstancias parece que, não sendo Brazil.
sanccionada a lei, como não será, deverá V. Ex. pôr 3º O parecer e mais papeis relativos á chegada
a votos a minha antiga emenda, que então foi do brigue Treze de Maio.
apoiada, pois ainda vejo a assembléa propensa ao Levantou-se a sessão ás 2 horas da tarde. –
mesmo fim; e na verdade, Sr. presidente, não ha Luiz José de Carvalho e Mello, secretario.
outro remedio para o mal existente senão este. O
primeiro projecto vai ser ultimamente regeitado por RESOLUÇÕES DA ASSEMBLÉA
insufficiente: mas existindo o mal appliquemos-lhe
aquelle remedio que agora conhecemos ser o unico PARA JOSÉ JOAQUIM CARNEIRO DE CAMPOS
que o póde curar. Então mesmo a commissão póde
examinar a legislação que fica existindo, porque Illm. E Exm. Sr. – A assembléa geral
havendo nella algum inconveniente, no mesmo constituinte e legislativa do imperio do Brazil, sendo-
projecto novo póde elle ser remediado. lhe apresentado o projecto de constituição para o
O Sr. Presidente propoz então se a assembléa mesmo imperio e desejando fazer chegar ao
approvava o projecto. – Foi regeitado. conhecimento de Sua Magestade este trabalho da
O Sr. Andrada Machado pedio então a palavra respectiva commissão, não obstante ser apenas o
e mandou á mesa a indicação seguinte: resultado das suas idéas para sobre elle deliberar o
Proponho que se apresentem projectos congresso: manda remetter a V. Ex. o incluso
differentes sobre a abolição do juizo dos ausentes e exemplar para que haja de o levar á presença de Sua
providencias sobre as cobranças dos bens Magestade Imperial. – Deus guarde a V. Ex. – Paço
sequestrados aos portuguezes. – Andrada Machado. da assembléa, em 12 de Setembro de 1823. – João
O Sr. Presidente declarou adiada a discussão Severiano Maciel da Costa.
por dar a hora e tambem para que se pudesse
examinar tudo o que fosse relativo a este objecto. PARA O MESMO
O Sr. Araujo Lima, leu por parte da commissão
de constituição, o seguinte: Illm. e Exm. Sr. – A assembléa geral
constituinte e legislativa do imperio do Brazil, manda
PARECER participar ao governo que além das informações
pedidas, na data de 3 do corrente, sobre as
A commissão de constituição, tomando em secretarias de estado dos negocios do imperio e
estrangeiros, precisa que se declare se todos os
officiaes dellas servem effectivamente ou se alguns
ha impossibilitados do desempenho de suas
obrigações. O que
106 Sessão em 13 de Setembro de 1823

V. Ex. levará ao conhecimento de Sua Magestade Propoz então o Sr. presidente a emenda do Sr.
Imperial. – Deus guarde a V. Ex. – Paço da Rodrigues de Carvalho offerecida na sessão
assembléa, 12 de Setembro de 1823. – João antecedente. – Foi approvada.
Severiano Maciel da Costa. Seguio-se a do Sr. Araujo Lima; e julgando-se
Na mesma conformidade e data ás repartições prejudicada a 1ª parte, passou-se á 2ª com o
da marinha, guerra e justiça. additamento que lhe fizera o Sr. França, e o Sr.
presidente propoz o seguinte:
SESSÃO EM 13 DE SETEMBRO DE 1823. Nas emendas que apparecerem na ultima
discussão do projecto de constituição, ou nos
PRESIDENCIA DO SR. BARÃO DE SANTO AMARO. addicionamentos serão precisos dous terços de
votos? – Venceu-se que não.
Reunidos os Srs. deputados pelas 10 horas da Em consequencia desta decisão não propoz o
manhã, fez-se a chamada e acharão-se presentes Sr. presidente o additamento do Sr. França, por ficar
69, faltando com causa os Srs. Rodrigues Velloso, isto na regra geral estabelecido no regimento para a
Martins Bastos, Ferreira França, Araujo Gondim; votação.
Araujo Vianna, Carneiro e Carneiro de Campos; e O Sr. Andrada Machado pedio então alguns
sem ella os Srs. Pereira da Cunha e Ribeiro Campos. esclarecimentos sobre uma clausula da emenda do
O Sr. Presidente declarou aberta a sessão, e Sr. Vergueiro, implicitamente comprehendida na do
lida a acta da antecedente foi approvada. Sr. Rodrigues de Carvalho já approvada.
Por não haver expediente passou-se á ordem Depois de algum debate o Sr. Alencar pedio a
do dia e entrou em discussão o parecer sobre o palavra, e mandou á mesa a emenda seguinte:
modo de discutir o projecto de constituição, que ficára Proponho que as emendas que se houverem
adiado na sessão antecedente. de fazer na 2ª discussão do projecto de constituição
(Fallárão sobre elle os Srs. Araujo Lima, necessitem vinte votos para serem apoiadas. –
França, Andrada Machado, Vergueiro, Alencar e Alencar. – Foi apoiada.
Montesuma, mas nada se entendeu do que escreveu Entrou em duvida se esta emenda deveria
o tachygrapho Possidonio.) entrar logo em discussão, mas afinal venceu-se que
O Sr. Araujo Lima mandou á mesa a emenda sim.
seguinte: O SR. HENRIQUES DE REZENDE: – Se nos
Proponho: 1º Que a ultima discussão do tivessemos cingido ao regimento não havia questão,
projecto da constituição se faça por partes. por que nelle se venceu, segundo me lembra, que
2º Que, se apparecerem emendas que houvesse uma só discussão nos artigos do
contenhão doutrina nova ou que regeitem a que já foi regimento, e da constituição, porém tudo se tem hoje
approvada, não possão ser vencidas senão por dous invertido, e é com dôr que eu vi passar que
terços de votos. – Araujo Lima. – Foi apoiada. houvessem duas discussões.
O Sr. França offereceu como addição a esta Sr. presidente: uma só discussão deste
emenda do Sr. Araujo Lima, a seguinte emenda: projecto ha de levar, se não um anno, pelo menos
Quando na ultima discussão do projecto de oito ou nove mezes, o que já é um grande mal,
constituição vier á mesa algum artigo addicional á porque os povos estão anciosos por verem concluida
doutrina vencida, e fôr apoiado na fórma do a constituição, que já lhes tarda; agora unindo-se-lhe
regimento, será approvado pela maioria absoluta dos 2ª discussão é outro tanto tempo, e é quanto basta
votos da assembléa, e não pelos dous terços dos para que a assembléa perca a opinião e a força
mesmos votos, como se requer para se alterar a moral. E qual será o resultado? Ao menos para se
doutrina vencida na antecedente discussão. – O não fazer eterna a discussão, é que eu voto pelo
deputado, França. – Foi apoiada. additamento do Sr. Alencar; haverão assim menos
O Sr. Andrada Machado tambem offereceu emendas e pouparemos tempo.
outra, como declarativa á do Sr. Araujo Lima, nos O Sr. Vergueiro mandou á mesa a seguinte
seguintes termos: emenda:
Proponho que se entenda a emenda do Sr. Proponho que na 1ª discussão as emendas
Araujo Lima, quanto a ser a ultima discussão por sejão apoiadas por cinco Srs. deputados, e na 2ª por
partes, que finda a 1ª discussão de um titulo, quinze. – Vergueiro. – Foi apoiada.
capitulo, ou secção, volte-se logo á 2ª discussão, Propoz então o Sr. presidente:
observados os intervallos do regimento. – Foi 1º Se passava a emenda do Sr. Alencar. – Foi
apoiada. approvada.
Julgou-se a materia discutida, e posto á 2º Se passava a do Sr. Vergueiro. –
votação o parecer não foi approvado.
Sessão em 13 de Setembro de 1823 107

Foi regeitada, por se julgar uma parte mais do seu imperial agrado. – Deus guarde a V. Ex.
comprehendida no regimento, e outra prejudicada. Palacio do governo de S. Paulo. 1 de Setembro de
O Sr. Andrada Machado pedio então a palavra 1823. – Illm. e Exm. Sr. João Vieira de Carvalho. –
e mandou á mesa a seguinte emenda: Candido Xavier de Almeida e Souza. – João Baptista
Proponho que na 1ª discussão da constituição: da Silva Passos. – João Gonçalves Lima.
visto evitar-se a 1ª do regimento, sejão as emendas
apoiadas por dez deputados. – Andrada Machado. – COPIAS A QUE SE REFERE O OFFICIO
Foi apoiada e posta á votação foi approvada.
Passou-se á 2ª parte da ordem do dia, que era 1ª Convém a bem do serviço da nação, e
a discussão da proclamação aos povos do Brazil. socego publico da provincia, que os corpos de
Durou a discussão até ás duas horas da tarde cavallaria, e artilharia existentes nesta capital fação o
(da qual nada escreverão os tachygraphos), e afinal serviço com clavinas apparelhadas, e promptas a
ficou adiada. fazer fogo nas urgencias occurrentes.
Apezar de ter dado a hora, pedio a palavra o Consequentemente ordena este governo, que V. S.
Sr. Secretario Maciel da Costa e leu o seguinte mande intimar aos corpos de 1ª e 2ª linha, que serão
officio do ministro de estado dos negocios da guerra: promptos em comparecer sem distincção de pessoa,
Illm. E Exm. Sr. – S. M. o Imperador ordena- a depôr na presença do juiz de fóra pela lei sobre o
me que eu remetta a V. Ex. para ser presente á que forem inquiridos na devassa, a que o mesmo
assembléa geral constituinte e legislativa o incluso governo manda proceder pelo referido ministro. –
officio e mais papeis que me enviou governo Deus guarde a V. S. Palacio do governo de S. Paulo,
provisorio da provincia de S. Paulo, e como o estado 1 de Setembro de 1823. – Candido Xavier de Almeida
politico da capital daquella provincia poderá exigir e Souza. – João Baptista da Silva Passos. – João
medidas extraordinarias, deseja o governo que a Gonçalves Lima. – Illm. Sr. coronel José Joaquim
mesma assembléa geral constituinte e legislativa, Cesar de Siqueira Leme. – Está conforme. O
julgando-o assim conveniente lhe faça constar as secretario interno do governo, João Gonçalves Lima.
suas deliberações que assignalem até que ponto 2ª Constando a este governo, que a variedade
deva o governo levar taes medidas extraordinarias. – de voluveis opiniões observadas nesta cidade, tem
Deus guarde a V. Ex. Paço, em 13 de Setembro de produzido entre alguns individuos da mesma uma
1823. – João Vieira de Carvalho. – Sr. João conjuração, projectada em opposição ás ordens de S.
Severiano Maciel da Costa. M. Imperial; e outrosim a escandalosa multiplicidade
de pasquins, e escriptos infamatorios, oppostos ás
OFFICIO DO GOVERNO DE S. PAULO leis do reino, e ao socego publico, ordena o mesmo
governo da provincia ao juiz de fóra pela lei Bento
Illm. e Exm. Sr. – A variedade de voluveis José Leite Penteado, que passa sem demora a
opiniões observadas nesta cidade: noticias proceder á uma devassa, inquirindo sobre os artigos
consequentes de uma conjuração projectada entre referidos, e procedendo logo á prisão das pessoas
alguns individuos da mesma, em opposição ás em que concorrer o maior numero de testemunhas,
ordens de S. M. Imperial: e a pouca fé que merecem para o que deprecará a captura dos militares
os corpos de milicias facilimos de seduzir-se, como pronunciados aos respectivos chefes na fórma da lei.
tem mostrado a experiencia, commoverão este – Palacio do governo de S. Paulo, 1 de Setembro de
governo ter em armas, em toda a noite do dia 31 de 1823. – Souza. – Passos. – Lima. – Está conforme. O
Agosto proximo passado, a limitada força de tropas secretario interino do governo, João Gonçalves Lima.
da 1ª linha, comprehendida no esquadrão de O SR. HENRIQUES DE REZENDE: – O
cavallaria commandado pelo digno capitão João governo obra de boa fé, e de intelligencia com a
Vicente Pereira Rangel, e destacamento de artilharia assembléa, e por isso pede o auxilio do juizo que
commandado pelo benemerito sargento-mór fizermos. Parece dar muito peso a este negocio,
graduado Bento José de Moraes. como o trata de urgente é preciso ver se há
Consequentemente passa este governo a mandar necessidade de decidir isto hoje prorogando-se a
proceder pelo juiz de fóra pela lei a precisa devassa hora: talvez qualquer demora seja prejudicial; e se o
sobre a orgulhosa conjuração, como tambem negocio deve ir á commissão, peço que apresente na
conhecer dos autores de pasquins, e escriptos sessão seguinte o seu parecer.
infamatorios que escandalosamente perturbão o Consultada a assembléa, decidio que fosse
socego publico, na fórma demonstrada pelas copias tudo remettido á commissão de legislação e justiça
inclusas, para que sendo tudo presente á S. M. civil e criminal para dar o seu parecer com urgencia.
Imperial, o mesmo augusto senhor haja por bem
mandar prover com as providencias
108 Sessão em 15 de Setembro de 1823

O mesmo Sr. secretario deu conta que com urgencia qual foi a resolução que já houve a
participara o Sr. Carneiro que pelo motivo do respeito de sequestro de bens dos habitantes de
fallecimento de sua mulher não podia comparecer na Benguela. O que V. Ex. levará ao conhecimento de
assembléa os dias do estylo; e que igual participação Sua Magestade Imperial. – Deus guarde a V. Ex.
fizera o Sr. Carneiro de Campos por ser a mesma Paço da assembléa, em 13 de Setembro de 1823. –
fallecida sua cunhada e sobrinha. João Severiano Maciel da Costa.
Ficou a assembléa inteirada.
O Sr. Presidente assignou para a ordem do SESSÃO EM 15 DE SETEMBRO DE 1823.
dia: 1º O parecer da commissão de constituição
sobre o numero indispensavel de deputados para PRESIDENCIA DO SR. BARÃO DE SANTO
formar casa: 2º O projecto de constituição. AMARO.
Levantou-se a sessão ás 2 horas e um quarto.
– Luiz José de Carvalho e Mello, secretario. Reunidos os Srs. deputados pelas 10 horas da
manhã, fez-se a chamada e acharão-se presente 71,
RESOLUÇÕES DA ASSEMBLÉA faltando com causa participada os Srs. Rodrigues
Velloso, Martins Bastos, Araujo Gondim, Ferreira
PARA MANOEL JACINTHO NOGUEIRA DA GAMA França Carneiro, Carneiro de Campos e Ferreira
Nobre.
IIIm. e Exm. Sr. – A assembléa geral O Sr. Presidente declarou aberta a sessão: e
constituinte e legislativa do imperio do Brazil, manda lida a acta da antecedente foi approvada.
participar ao governo que, para o acerto de suas Vierão á mesa as seguintes declarações de
deliberações, precisa que lhe sejão com urgencia voto:
transmittidas informações sobre a qualidade dos Declaro que votei por uma só discussão e
impostos, seu producto pelo calculo medio dos revisão do projecto de constituição, na fórma do
cincos annos passados, e modo de cobrança, parecer da commissão. – Ribeiro de Andrada. –
relativo aos dous generos de primeira necessidade Andrada Machado. – Rocha. – Ferreira de Araujo. –
carnes verdes e farinha de mandioca, declarando-se Navarro de Abreu. – Gama. – Silveira Mendonça. –
tambem se ha outros de exportação ou de luxo que Velloso Soares. – Alvares da Silva. – Oliveira Maciel.
commodamente admittão nova imposição que – Costa Aguiar. – Calmon Junior. – Pereira do Couto.
indemnise a fazenda publica, no todo ou em parte, – Almeida e Albuquerque.
do que percebe sobre os ditos; generos de primeira Declaramos que na sessão de 13 do corrente
necessidade; e se no caso de ser impraticavel a votámos pelo parecer da commissão de constituição
nova imposição haverá ao menos algum meio facil que estabelecia uma só discussão no projecto de
de simplificar e melhorar a percepção daquelles constituição, e sua revisão. – Teixeira de Gouvêa. –
impostos, de maneira que se evitem os vexames e o Pereira de Sampaio. – Pinheiro de Oliveira. – Accioli.
monopolio, que os povos soffrem e de que tão – Ferreira Barreto.
justamente se queixão. Para cujo fim officiará o Declaro que na ultima sessão fui de voto
governo ás differentes juntas provisorias para que contrario á indicação do Sr. deputado Andrada
estas ministrem, e com especialidade á da Bahia, as Machado: que na 1ª discussão do projecto de
precisas instrucções, ouvindo as juntas de fazenda, e constituição só se admittissem emendas, sendo
as suas respectivas camaras. O que V. Ex. levará ao apoiadas por dez deputados. – Sala da assembléa,
conhecimento de S. M. Imperial. – Deus guarde a V. 15 de Setembro de 1823. O deputado, Fortuna. –
Ex. Paço da assembléa, em 13 de Setembro de Marianno Cavalcanti.
1823. – João Severiano Maciel da Costa. Declaro que na ultima sessão quando se
tratou sobre o numero de discussões que deveria
PARA O MESMO soffrer o projecto de constituição, fui concorde com o
parecer da commissão. – Paço da assembléa, 15 de
Illm. e Exm. Sr. – A assembléa geral Setembro de 1823. – Costa Barros.
constituinte e legislativa do imperio do Brazil, manda Os abaixo assignados declarão que forão de
participar ao governo que, para instrucção da voto que passasse o parecer da commissão de
commissão de legislação sobre o requerimento dos constituição respectivamente á discussão do projecto
negociantes desta praça, que pedirão a derogação de constituição. – Paço da assembléa, 15 de
do decreto de 11 de Dezembro do anno passado, na Setembro de 1823. – Francisco Muniz Tavares. –
parte relativa aos sequestros dos bens dos Cavalcanti de Lacerda.
habitantes de Angola, precisa que o mesmo governo O Sr. Secretario Maciel da Costa deu conta de
informe haver recebido duas participações de molestia
Sessão em 15 de Setembro de 1823 109

dos Srs. Ferreira França e Velloso. – Ficou a Proponho que não haja sessão sem estarem
assembléa inteirada. presentes os dous terços dos deputados. –
O mesmo Sr. secretario leu os dous officios Vergueiro.
seguintes do ministro de estado dos negocios da O SR. FRANÇA: – Eu conformo-me com o
guerra: parecer da commissão. Quando se convocou esta
lllm. e Exm. Sr. – Representando o governo assembléa logo se declarou que era legislativa e
provisorio da provincia de S. Pedro do Sul a constituinte, e ao mesmo tempo que começaria os
necessidade de se crear na Vaccaria uma seus trabalhos assim que tivesse reunidos 51
companhia de sertanejos para repellir as incursões deputados, por ser este numero metade e mais um
dos indios selvagens; e ordenando-me S. M. o do numero total; logo, tomando o numero 52 está
Imperador, que faça eu chegar este negocio ao satisfeito; porque é metade e mais um do numero
conhecimento da assembléa geral constituinte e total, porque actualmente tendo 52 temos dous
legislativa, á quem pertence o seu deferimento, terços, pois somos por todos 78. Acho portanto que
tenho a honra de dirigir a V. Ex. aquella estando 52 deputados na assembléa estão os
representação, afim de ser presente á mesma nossos constituintes legitimamente representados; e
assembléa geral constituinte e legislativa. – Deus voto por isso pelo parecer da commissão.
guarde a V. Ex. Paço, em 12 de Setembro de 1823. O SR. MARIANNO CAVALCANTI: – Sr.
– João Vieira de Carvalho. – Sr. João Severiano presidente, ainda que se marcasse o numero de 51
Maciel da Costa. deputados para poder a assembléa começar os seus
Illm. e Exm. Sr. – Representando a camara da trabalhos, não me parece que seja o numero de 52
villa de Porto-AIegre, na provincia do Rio-Grande do sufficiente para o vencimento dos artigos da
Norte, á instancias do povo, e com approvação do constituição que nos ha de reger. O regimento diz
governo provisorio a necessidade de se crear alli um metade e mais um, mas é para preparar os seus
batalhão de milicias; e ordenando-me S. M. o trabalhos, e deliberar sobre materias de menor
Imperador, que faça eu chegar este negocio ao momento, e não para decidir as constitucionaes; a
conhecimento da assembléa geral constituinte e importancia destas requer maior numero de votos, e
legislativa, a quem pertence o seu deferimento, por isso sou de parecer que se venção estando
tenho a honra de dirigir á V. Ex. aquella presentes os dous terços, como geralmente se
representação, afim de ser presente á mesma pratica nas outras assembléas; e em consequencia
assembléa geral constituinte e legislativa. – Deus voto pela emenda do Sr. Vergueiro.
guarde a V. Ex. Paço, em 12 de Setembro de 1823. O SR. COSTA AGUIAR: – Sr. presidente:
– João Vieira de Carvalho. – Sr. João Severiano levanto-me para sustentar o parecer da commissão;
Maciel da Costa. tudo quanto tenho ouvido dizer, tambem foi tomado
Ficou a assembléa inteirada; e mandou-se que em consideração por mim e pelos meus illustres
fossem remettidos á commissão de guerra e collegas da commissão de constituição, que afinal
marinha. concordámos no numero de 52 deputados, por ser a
Leu tambem um requerimento de José metade e mais um do numero total da nossa
Verissimo dos Santos promotor do juizo da representação; accresce a isto que esta conta prefaz
physicatura-mór deste imperio, em que pedio a exactamente os dous terços, de que se lembra o Sr.
decisão de duas representações que tinha dirigido ao Vergueiro, porque sendo nós actualmente 78
governo e de lá forão enviadas ao conhecimento da deputados, 52 formão os referidos dous terços, e por
assembléa. – Remettido á commissão de legislação. isso me parece não dever ter lugar a sua emenda.
Leu finalmente outro de João José Martins Quanto ao que ponderou o Sr. Marianno de
Pamplona em que pedia ser contemplado no decreto Albuquerque, tambem me parece não dever ser
de perdão concedido aos prezos por suspeitas ou tomado em consideração; porque a commissão
desconfianças. – Remettido á commissão de procedeu na fórma do que se venceu no art. 38 do
petições. regimento, onde se diz expressamente, que se não
Passou-se á ordem do dia. Entrou em possa celebrar sessão alguma, sem estarem
discussão o parecer da commissão de constituição reunidos metade e mais um dos Srs. deputados, o
sobre o numero de deputados para formar casa. que tudo foi approvado; não se fazendo alli muito de
O SR. VERGUEIRO: – Parece-me diminuto o proposito menção do numero determinado, porque a
numero que se adoptou para as decisões da nossa representação deve crescer talvez para o
assembléa, isto é, metade e mais um do numero futuro, e até porque ultimamente se determinou que
total da representação; é ordinario nas assembléas Matto-Grosso désse mais um
legislativas serem precisos os dous terços; e por isso
entendo que deveriamos adoptar para esta o mesmo
que vemos praticar em outras. Offereço a esse fim a
emenda seguinte:
110 Sessão em 15 de Setembro de 1823

deputado, bem como a provincia da Bahia, pela numero de 51 para haver sessão; mas isto parece-
separação da de Sergipe, o que fez alterar o numero me que não deve regular para quando se trata da
antes estabelecido de 100 deputados. constituição; pois que assim como ha pouco
Accrescenta além disto o mesmo honrado alteramos o regimento sobre as tres discussões que
membro, que o regimento quando falla daquelle ordenava nas materias ordinarias, reduzindo-as a
numero é para preparar os trabalhos, e deliberar duas sómente nas constitucionaes, porque o não
sobre materias de menor monta; eu peço licença ao alteraremos nesta parte, e porque não procuraremos
illustre deputado para reflectir-lhe que não sei qual é por meio de maior numero de votos, a resolução
o artigo á que se refere, ou que tal ordene; tenho lido mais acertada em materia tão delicada? Continúo
muitas vezes o regimento, tenho até notado todos os pois a apoiar a emenda do Sr. Vergueiro, para que
vencimentos que se têm feito sobre os seus artigos, em objectos constitucionaes não baste metade e
e não posso encontrar tal determinação; ao contrario mais um, mas sejão precisos os dous terços de
tenho aqui sempre ouvido dizer que o vencido, todos os deputados.
vencido está; e jámais o mesmo honrado deputado O SR ARAUJO LIMA: – Sr. presidente,
poderá mostrar determinação, ou decisão que apoie levanto-me para tirar uma duvida de redacção que
o que pretende avançar. apparece agora. Póde entender-se que o parecer da
Que a assembléa póde alterar agora o que se commissão exige que nenhuma materia seja vencida
venceu, ninguem o duvida; mas não se deduza daqui senão tendo a seu favor 52 deputados, quando a
o principio estabelecido de que o vencido foi só para commissão só quiz estabelecer que bastava haver
preparar os trabalhos, porque tal decisão foi geral: e na sala aquelle numero para se poder votar. Offereço
ainda não ouvi razão alguma que me pudesse por isso a seguinte emenda que é de mera redacção:
convencer da necessidade dos taes dous terços, “Logo que se acharem na sala 52 deputados
havendo ao contrario a favor do parecer da possa proceder-se votos. – Araujo Lima.”
commissão o exemplo de outras assembléas, que Como ouvi dizer que deviamos estabelecer
supposto sejão compostas de grande numero de dous dos deputados para se poder trabalhar, porque
representantes, comtudo trabalhão ás vezes com assim se exigia em todas as assembléas, direi que
muito pequeno numero, em comparação do total dos nos Estados-Unidos se estabeleceu a necessidade
seus membros. Resumindo pois minhas idéas, voto de dous terços de provincias, e não de deputados, o
para que passe o referido parecer da commissão. que é mui differente; e que na Inglaterra, compondo-
O SR. HENRIQUES DE REZENDE: – No que se a camara dos communs de 658 deputados, o
diz o nobre preopinante ha um engano. Eu entendo ordinario das sessões se faz com 50 e 40; note-se
que o numero necessario para haver sessão, é grande differença que vai de 658 para 50, e apezar
differente do que é preciso para decidir as materias. disso ha sessão.
Eu quizera que os Srs. deputados dessem as razões O SR. RODRIGUES DE CARVALHO: – A
porque não hão de ser necessarios os dous terços emenda do Sr. Vergueiro não declara de que numero
para a votação. O decreto para a installação da se hão de deduzir os dous terços; e por isso requeiro
assembléa não falla em dous terços, porque não se que elle o diga. Se o inteiro de que se ha de fazer
refere aos vencimentos das materias; diz sómente aquella deducção é o numero dos deputados
que bastão 51 para se poder começar a trabalhar. Eu presentes então estamos com o que julgou a
tambem não quero dizer que não haja sessão com commissão, se é o de 104 como não é real não póde
metade e mais um do numero total, nem sejão ter lugar o tirar-se os dous terços, peço isso
precisos os dous terços, para a discussão; o que declaração.
digo é que não seja sufficiente a presença de metade O SR. VERGUEIRO: – Sr. presidente; eu vou
e mais um para o vencimento de materias fazer a explicação que se pede á minha emenda.
constitucionaes, por sua grande importancia. Este é Quando digo dous terços refiro-me ao numero que
o meu voto e por isso fiz a emenda seguinte: devem dar todas as provincias que têm mandado
“Proponho que as materias constitucionaes deputados, e que estão em circumstancias de os
sejão vencidas pelos dous terços dos deputados mandar. Creio que este numero anda por 90, donde
presentes. – Henriques de Rezende.” se segue que 60 formão os dous terços; e como
Sobre esta emenda se observou que a materia somos actualmente 78 ainda restão 18 para as
era estranha á discussão; e o seu illustre autor a faltas; devendo advertir-se que este mesmo numero
retirou. de 78 é de presumir que augmente, porque as
O SR. MARIANNO CAVALCANTI: – Sr. provincias vão mandando os seus deputados. Além
presidente, eu bem sei que o regimento; assigna o disto não é de esperar que não se reunão os 60,
porque estou certo que todos fazem quanto podem
para comparecer. Portanto torno a dizer, pelos dous
terços entendo o
Sessão em 15 de Setembro de 1823 111
numero 60, porque me refiro aos 90 que são os das Passou-se á leitura do preambulo que diz:
provincias que têm mandado deputados. A assembléa geral constituinte e legislativa do
O SR. CARNEIRO DA CUNHA: – Pouco imperio do Brazil, depois de ter religiosamente
direi para não cançar a assembléa. Para a decisão implorado os auxilios da Sabedoria Divina,
das materias constitucionaes julgo necessaria a conformando-se aos principios de justiça e da
presença dos dous terços, não dos que já têm utilidade geral, decreta a seguinte constituição.
assento nesta assembléa, mas dos que devem dar O SR. FERREIRA ARAUJO: – Acho que a
as provincias do Brazil. Diz-se contra isto que póde palavra – religiosamente – deve supprimir-se; porque
faltar um numero grande, e portanto não se julgo que implorar os auxilios da Sabedoria Divina é
acharem na assembléa os dous terços; mas a isto um acto religioso; e portanto a proposição como esta
respondo que como a assembléa não tem só que enunciada, vem a ser o mesmo que fazer
deliberar sobre os artigos da constituição, delibera religiosamente um acto de religião
em tal caso sobre outra materias de menor Tambem me parece que antes da palavra
importancia, como até agora tem feito; pois eu só conformando-se se deveria pôr a conjucção e para
exijo os ditos terços para assumptos separar duas idéas que são inteiramente distinctas, a
constitucionaes. E' este o sentido em que fallo. invocação da divindade, e a adhesão aos principios
Propoz então o Sr. presidente se a materia de Justiça. E' o que digo na emenda seguinte:
estava sufficientemente discutida; e julgando-se Supprima-se a palavra religiosamente e
que sim, propoz se passava o parecer da accrescente-se a conjucção e antes da palavra
commissão com a emenda de redacção do Sr. conformando-se. – Ferreira Araujo. – Não foi
Araujo Lima, e decidio-se que sim; ficando por apoiada.
consequencia prejudicadas as outras emendas. O SR. MAIA: – Parece-me que em lugar de se
Seguiu-se a 2ª parte da ordem do dia, isto é, dizer – depois de ter religiosamente implorado os
o projecto de constituição. auxilios da Sabedoria Divina – se substitua –
Leu-se o titulo que diz – projecto de implorado os auxilios da Trindade Santissima – pois
constituição para o imperio do Brazil. que esta expressão é mais conforme á religião
O SR. GOMIDE: – Sr. presidente, apresento catholica romana que juramos manter, e que neste
á assembléa uma duvida para ella decidir se tem mesmo projecto se propõe para religião do estado;
lugar, visto que é no titulo do projecto. Ella a adopte será bom que nisto nos conformemos tambem com a
ou despreze. vontade dos povos e com os seus usos catholicos:
Julgo que se devia escrever projecto da além disto, porque, propondo-se a liberdade de
constituição para o imperio do Brazil, e não – religião e a tolerancia de todas é preciso acautelar
projecto de constituição. A preposição de marca que os povos, em quem não é possivel haver as
uma cousa abstracta e a preposição com o articulo, idéas desta tolerancia opposta á sua actual
da, já determina em concreto. Projecto de instrucção e educação religiosa, se não persuadão
constituição seria a concebida por um philosopho de que assembléa é a primeira que quer aproveitar-
no gabinete. Projecto da constituição da França, de se dessa liberdade, tendo em menos conta a religião
Inglaterra, do Brazil, etc., exprime uma constituição catholica. Portanto quero que façamos a profissão
particular e determinada, qual a nossa. Assembléa deste principal mysterio da nossa fé, e nos cinjamos
decidirá. aos usos dos povos nossos constituintes. Por estas
O SR. MUNIZ TAVARES: – Como a razões fiz a emenda seguinte:
constituição não fica em projecto tanto faz estar Em lugar de – implorado os auxilios da
escripto – projecto de constituição, como da Sabedoria Divina – implorado os auxilios da Trindade
constituição; e até podemos tirar já as palavras – Santissima, Padre Filho, Espirito Santo. – Maia. – Foi
projecto de – para não estarmos a gastar apoiada.
inutilmente o tempo. O SR. MUNIZ TAVARES: – Sr. presidente.
O SR. HENRIQUES DE RESENDE: – Nem todas as nações, ainda mesmo as que
Conservando-se as palavras para o Brazil deve ser professão a religião catholica e apostolica romana,
com de; e querendo que se mude para da é preciso têm adoptado no preambulo de suas constituições o
dizer – projecto da constituição do Brazil. mesmo formulario de reconhecimento á divindade,
O SR. COSTA BARROS: – Sr. presidente: origem de todo o bem.
com esta pequena duvida, que nada vale, já lá vão A constituição franceza de 91 usa (se bem me
cinco minutos perdidos. Não digo mais nada. lembro) nesta parte das palavras. – Debaixo dos
Propoz então o Sr. presidente se a auspicios do Ente Supremo. – A constituição de
assembléa tomava em consideração esta materia, Hespanha de 812 apresenta
e decidio-se que não.
112 Sessão em 15 de Setembro de 1823

logo no principio a confissão religiosa da existencia que é a suprema lei de todas as deliberações
de um Deus Todo Poderoso, trino em pessoas, politicas e unica á que deve ceder o rigor da justiça
autor, e supremo legislador da sociedade. individual para ser por ella modificada.
A nação portugueza, ou por espirito de Voto portanto pelo mesmo preambulo,
imitação em tudo que continha a constituição segundo está redigido; porque me parece muito claro
hespanhola; ou talvez por seguir o que apparece em e conciso.
frente das suas leis chamadas de Lamego, principia O SR. SILVA LISBOA: – Sr. presidente,
tambem a sua constituição invocando a Trindade levanto-me para apoiar a emenda do honrado
SS.: nós, porém, posto diversifiquemos em palavras, membro o Sr. Maia, que requer seja inserida no
declarando só que temos invocado religiosamente os preambulo do projecto da constituição, depois das
auxilios da Sabedoria Divina, todavia ninguem nos duas primeiras linhas a clausula – Em nome da
poderá imputar, que deixamos de ser concordes na Santissima Trindade – eu só accrescento, que esta
mesma crença do dogma, que explicitamente clausula convém pôr-se como titulo do mesmo
annuncião as duas nações, de quem acabo de fallar, preambulo.
e muito menos, que deixamos de ser catholicos Não posso ver tal projecto sem esse titulo; 1°,
romanos. porque prezando-nos de ser da religião catholica,
Nós invocamos os auxilios da Sabedoria devemos seguir a regra do apostolo das gentes –
Divina cingindo-nos aos principios religiosos, que a tudo o que fizerdes, fareis em nome de Deus; 2°,
nação brazileira tem adoptado (que é o que quer porque tratando-se de formar o que se diz ser Pacto
dizer a palavra – religiosamente –); agora pergunto, Social entre o povo brazileiro e o seu acclamado
que são estes principios religiosos, que a nação imperador, parece racionavel seguir o estylo dos
brazileira admitte? São, sem duvida nenhuma, os da tratados diplomaticos, que, por estylo das potencias
igreja catholica romana, até segundo o que se acha da christandade, têm aquelle titulo com que se
marcado no artigo 16 deste mesmo projecto: quem invoca a Deus, significado por aquelle ineffavel
admitte taes principios, tem por uma consequencia mysterio; 3°, porque na constituição nova de
necessaria admittido o sacrosanto mysterio da Portugal se vê aquelle titulo e seria objecto de
Trindade: se pois isto claramente se subentendo, de grande nota e sinistra interpretação do povo
nenhuma sorte devemos recear que sobre nós recaia brazileiro tão religioso reparando o terem-se inserido
a menor sombra de suspeita a este respeito, no projecto da sua constituição varios artigos de
approvando este preambulo tal qual se acha direito publico daquella outra constituição e todavia
redigido. supprimir-se o seu titulo, que deve ser commum a
O SR. MAIA: – Para mostrarmos que somos ambas as nações da mesma fé.
religiosos é que devemos pôr esta emenda no Não posso considerar supprida a dita clausula
preambulo, mas não para mostrar que fazemos uma com a declaração do preambulo – depois de ter
profissão da religião catholica romana, que já religiosamente implorado o auxilio da Sabedoria
professamos; do contrario se póde tirar motivo para Divina – porque não posso louvar que se não
crer que temos tenção de abusar e como a catholica invoque directamente a Deus, sendo o termo
romana é a religião do estado, devemos dar esta consagrado para exprimir o grande espirito creador
satisfação aos nossos constituintes. do universo, ou intitulando-se Ente Supremo.
O SR. FRANÇA: – Sr. presidente, parece-me Não vejo razão por que se altere a pratica e só
que o preambulo da constituição é a melhor cousa se invoque a Sabedoria Divina, que é um dos seus
que elle tem. (Leu-o.) attributos, quando tambem carecemos de invocar
Este preambulo é com effeito mui conciso e não menos a Divina Bondade e Misericordia, que
todavia desempenha a intenção da nossa missão á está sobre todas as suas obras, quando se trata de
esta assembléa; elle diz: “depois de ter implorado fazer uma das maiores obras humanas. Nem
religiosamente os auspicios da Sabedoria Divina” e tambem acho ser verdade de facto, que esta
isto é uma verdade de facto que praticamos á vista e assembléa tenha religiosamente implorando os
em presença dos moradores desta cidade. Continúa: auxilios da Sabedoria Divina; pois não vi aqui acto
e conformando-se com os principios da justiça e algum de adoração em culto externo, como me
utilidade geral, se é que a justiça se define vontade parecia indispensavel com o joelho em terra. (O
constate e perpetua de dar á cada um o que é seu, orador ajoelhou-se.)
mui bem se diz aqui que vamos constituir-nos nesta Occorre-me o que consta da historia da
intenção, salva a utilidade geral da nação brazileira constituição da America do Norte. Franklin, que
ensinou a tirar o raio á atmosphera e o sceptro á
tyrannia, quando entrou no congresso notou que, no
começo das sessões não se
Sessão em 15 de Setembro de 1823 113

orasse á Deus, como pai das luzes para esclarecer que a religião catholica romana admitte, nunca
os deputados que andavão ás apalpadelas em busca ousarão negar o primeiro de todos os dogmas, o
da verdade politica; e por isso fez a proposta, de que dogma da Santissima Trindade; sendo portanto
não entrasse em deliberação sem previa oração. Só clarissimos e incontestaveis estes principios, como é
quatro ou cinco membros apoiarão a proposta, mas que se pretende agora dar tão alta importancia á
outros a impugnarão com o pretexto de que só se declaração simplesmente do mencionado dogma?
tratava de formar um estabelecimento politico; que a Eu não sei a que attribua um semelhante modo de
religião só era negocio entre Deus e o homem; que o discorrer!
congresso permittia a liberdade dos cultos e não Admittida a doutrina do nobre preopinante, isto
mantinha religião privativa do estado; e assim não se é, se a confissão do dogma da Santissima Trindade
venceu a sua proposta. constitue a todos catholicos romanos, todas as seitas
Sr. Presidente. A' Deus não praza que isto cristãs, pelo que já disse, deverião ser reputadas
prevaleça entre nós. Os legisladores do congresso como reunidas ao gremio universal da igreja romana;
dos Estados-Unidos adoptarão um systema ora, esta doutrina foi sempre julgadas pelos concilios
differente do nosso. Não obstante a tolerancia (que e santos padres como erronea; e se esta doutrina
ainda se não discutio) proposta em varios artigos do tem sido condemnada e nenhum romano, sem
projecto, não convém que no vulgo entre suspeita de passar por um rematado louco a póde admittir, para
que se autorise o que é assaz sabido pretender-se que é tanta obstinação em querer-se que passe uma
fóra desta assembléa por uma terrivel seita, que tal emenda?
blazona de influente e triumphante, e que aliás é Não é desta maneira, Sr. presidente, que se
diffamada de minar o altar e o throno, sendo notorio exalta a religião, antes desfigura-se; um tal zelo não
ter corrompido, não pouco, o espirito do povo, em acredita muito á pessoa, que se acha delles
maneira que já com magua vê-se estar cahindo em possuido. Eu tive a honra de ser um dos
desuso o estylo religioso de se invocar o nome de collaboradores deste projecto, e por consequencia
Deus na saudação, nas cartas e até nos sobscriptos toca-me defendel-o em todas as partes em que
– Deus guarde, etc., – como o ente pelo qual concordei, e parece-me que assaz me defendo,
vivemos e nos conservamos. quando digo que sou ministro da religião catholica
E' verdade, que na sagrada escriptura ha o romana, que adoro em espirito e verdade; e se é
livro mystico da Sabedoria, em que se personifica preciso mais a vista da presente questão, que nunca
este attributo especial de Deus; mas sempre se pensei, se suscitasse, farei publicamente a minha
entendeu como significando uma das pessoas da protestação de fé, declararei que creio, e professo
Santissima Trindade e por isso no Evangelho se diz tudo quanto crê e professa a igreja romana.
– quando o Espirito-Santo vier, elle vos ensinará De muito boa vontade annuiria á emenda do
tudo. – Porém essa não é a linguagem ordinaria, Sr. deputado se ella por si só fosse bastante para
quando se falla ao povo. nos classificar catholicos romanos: não sendo porém
O SR. MUNIZ TAVARES: – Eu desejava para como já mostrei, segue-se que ou o preambulo
minha instrucção em materias theologicas, que o segundo se acha no projecto deve passar, ou aliás
illustre autor da emenda e o nobre preopinante que deve ser substituido pelo Symbolo de Nicea, o que
acaba de fallar, apoiando-a, declarassem, se seria novissimo em uma constituição politica.
admittindo nós o preambulo deste projecto com a O SR. MONTESUMA: – Fallarei pouco sobre o
alteração marcada na dita emenda, poder-se-ha por preambulo; approvo-o porque é conciso; mas quizera
ventura concluir que somos catholicos romanos? ainda que se supprimisse a segunda parte, isto é, –
Eu até aqui estive persuadido e estarei sempre conformando-se aos principios de justiça, etc., até o
que a religião catholica romana ensinava varios fim; o quando a assembléa não approve esta minha
dogmas, entre os quaes um é o da Trindade emenda, então ha de forçosamente convir em que
Santissima; estava persuadido, tambem mais, que a alguma cousa mais se deve accrescentar. Exporei as
crença de um só dogma em qualquer religião não razões em que me fundo.
envolvia e crença de todos os dogmas, nem A commissão, quando assim se enunciou quiz
constituia ao individuo perfeito crente. mostrar os fundamentos politicos em que havia
Sei, além disto, pela lição da historia baseado o presente projecto de constituição. E serão
ecclesiastica, que os grandes heresiarcas, autores por ventura estes sómente os que devêra a
das diversas seitas christãs que têm apparecido commissão ter em vista? Certo que não. Demais
desde o primeiro seculo e que ainda hoje subsistem elles se achão tão vagamente enunciados, que
divergindo na mór parte dos dogmas, jámais serviráõ de
114 Sessão em 15 de Setembro de 1823

justificar a commissão, e a assembléa quando e romanos? Quem duvida disso? Já tal se avançou?
approve o projecto. Demais não é – Sabedoria Divina – expressão
Logo, ou deve accrescentar-se tudo quanto dos Santos Padres; usado em todos os codigos
servio de fundamento para a organisação e redacção sagrados, que veneramos, e temos por santos e
do projecto; ou deve supprimir-se na fórma da minha inerreantes? Certamente. Logo, que vai marcar a
emenda. emenda? Disse-se que chamar a Deus – Sabedoria
Finalmente no preambulo diz a commissão, Divina – era tambem usado pelos Deistas.
que se implorou o auxilio da Sabedoria Divina. Supponhamos que sim. Mas a nação e todo o mundo
Isto só por si basta para escusar qualquer sabe que somos catholicos, apostolicos e romanos;
outra clausula ou fundamento: portanto ou a logo, entenderáõ as nossas expressões como taes; e
commissão, e a assembléa mereceu o auxilio da não como Deistas. Forão considerados taes os
Sabedoria Divina, ou não; neste caso como póde Santos Padres, que assim se enunciarão? Não; logo,
affirmar-se que forão consultados os principios de tambem o não seremos nós. Voto contra a emenda
justiça, e utilidade geral? de Sr. Maia.
Naquelle caso é evidente, que não só forão A emenda do Sr. Montesuma era concebida
consultados estes principios; como todos os outros nos seguintes termos:
necessarios ao desempenho de trabalho tão Proponho a suppressão das palavras –
espinhoso e consequente. conformando-se aos principios de justiça, e da
Convém, senhores, a maior clareza, convém a utilidade geral. – o deputado, Montesuma. – Não foi
maior simplicidade em todos os corpos de legislação; apoiada.
quanto mais em um codigo politico; convém cortar O SR. ARAUJO LIMA: – Sr. presidente,
por todas as repetições, sempre inuteis, e mil vezes confesso que estou sobremaneira admirado do que
perigosas. tenho hoje ouvido; o que se tem dito, excede toda a
Duvidará a nação, que consultamos os minha espectação, este é para mim o dia das
principios de justiça e utilidade commum? admirações.
Duvidará que nos conformamos com elles? E Algumas emendas se têm offerecido ao
que de mais attendemos á tudo que póde fazer a sua preambulo, que aliás é tão facil, tão claro, e tão
prosperidade e grandeza? Tristes de nós se ella simples; e não tendo sido algumas apoiadas... (Um
duvidasse um momento da nossa boa fé; da honra, dos Srs. secretarios interrompeu o orador dizendo –
firmeza, e dignidade de caracter, do nosso aqui estão estas que o forão – ao que elle respondeu
patriotismo. – algumas disse eu – e continuou) não posso fallar
Não, não, senhores; a nação está e estará sobre todas; e mesmo seria isso inutil; todavia se me
pela parte dos seus representantes; são seus filhos propuzesse a isso não me seria difficil mostrar a
primogenitos; e portanto é inutil a segunda parte do incompetencia de taes emendas.
preambulo. E se não nos olha taes (caso negado) Não sendo eu o autor deste preambulo, e só
convencer-se-ha pela simples enunciação do resto este podendo dar uma cabal explicação do que nelle
do preambulo? Ella por ventura justificará nossas se contém, porque só elle póde dar o verdadeiro
intenções; e autorisará este nosso trabalho? sentido das suas palavras, e das suas phrases;
Fiquemos certos, que se a constituição não fôr todavia acho tão claro este preambulo, que sem
adaptada ao espirito nacional: se suas bases não dependencia de um espirito transcendente póde
forem as universalmente justas e santas; embalde qualquer que tiver um pouco de intelligencia entrar
clamaremos que nos conformamos com a justiça e no verdadeiro espirito de seu autor; e por isso se as
utilidade geral: tenho motivado a minha emenda. emendas fossem apoiadas, eu dizia que, quando se
Fallarei agora sobre algumas outras, que se fizerão diz conformando-se aos principios de justiça e da
ácerca das palavras – Sabedoria Divina. – Eu utilidade geral, quer-se com isso significar, quaes os
nenhuma dellas approvo; e estou pelo preambulo tal principios que têm conduzido a assembléa na grande
qual. obra da constituição: depois de ter implorado os
Quer o Sr. Maia que se diga – implorando os auxilios da Sabedoria Divina, decreta a assembléa, e
auxilios da Trindade Santissima, Padre, Filho, decreta como? Por aquelle modo, regulando-se por
Espirito Santo. – Disse o illustre orador, que a aquelles principios; e este é o sentido. – A
Trindade Santissima era o primeiro mysterio de assembléa, etc. Depois de ter religiosamente
nossa religião. implorado os auxilios da Sabedoria Divina, decreta,
Eu, Sr. presidente, não sei qual é o primeiro, conformando-se aos principios de justiça e utilidade
nem qual o ultimo; todos são mysterios; e para mim geral: á vista disto já se vê não ter lugar a emenda
veneraveis igualmente, e no mesmo gráo. Se é do honrado membro, que pretende se accrescente a
portanto essencial declarar este, declaremos todos conjuncção – e –, porque
os outros; façamos uma protestação da fé; mas nisto
não concorda o illustre deputado; logo, para que tal
emenda? Para mostrar que somos catholicos,
apostolicos
Sessão em 15 de Setembro de 1823 115

então ficaria – depois de ter religiosamente presentes. Isto posto, não sei se satisfaz a
implorado os auxilios da Sabedoria Divina, e declaração, que o honrado membro fez, depois de
conformando-se aos principios, etc. –, o que além de haver feito tão grave censura á maioria da
não soar bem, não exprime o sentido do autor. assembléa, para não dizer toda, quando vio apoiada
A outra emenda exige que se supprima o a emenda por tão pequeno numero.
adverbio – religiosamente: – aqui, Sr. presidente, Ora, vejamos qual é essa pedra de escandalo
observo que uns censurão a commissão por dizer de – Sabedoria Divina – que o honrado membro quer
mais, e outros por dizer de menos, o que prova a que seja substituida por esta – Deus, ou Ente
difficuldade que ha de se satisfazer a todos os Supremo. – Primeiramente observo que o honrado
homens. Religiosamente segundo os ritos da membro, não se contentando com o attributo da
religião; será isto inutil? Não será bom marcar o Sabedoria, lhe substitue a expressão Ente Supremo,
modo porque se tem implorado os auxilios da que é tão abstracta, ou ainda mais do que aquella, e
Sabedoria Divina? que, note-se bem, é menos conhecida do povo; este
Póde-se tambem tomar em outro sentido: entende mais o que é Sabedoria Divina, do que Ente
sabe-se que a religião se divide em interna, e Supremo; e por esta occasião observarei que
externa, ambas necessarias, ambas deduzidas da fazendo a junta suprema de Lisboa uma
natureza do homem; nós não adoramos a Deus proclamação, em que designava a Deus pela
sómente com actos externos, tambem o adoramos expressão Ente Supremo, foi esta notada por um
com o nosso espirito, elevando os nossos escriptor na Inglaterra como menos propria para se
pensamentos ao Pai dos homens, o Creador de tudo; fallar ao povo, e é entretanto esta a que o honrado
e esta é a mais sublime parte da religião, e neste membro quer substituir; o que são os juizos dos
ultimo sentido póde tambem ser tomada aquella homens!
palavra, emquanto marca que se tem implorado os Em segundo lugar o honrado membro não
auxilios da Sabedoria Divina em espirito, e segundo ignora que nós costumamos invocar a Deus pelos
a crença da nossa religião. A' vista disto julgue-se se attributos proprios das circumstancias em que nos
é inutil aquella palavra. achamos, e é por isso que aqui se invoca a
Agora, Sr. presidente, passo á outra emenda, Sabedoria Divina, como em outras occasiões convirá
que deu larga materia ás graves censuras de um invocar a sua justiça, ou a sua misericordia; e essa é
honrado membro: o objecto de escandalo para o a pratica em todos os corpos deliberativos; e mesmo
honrado membro é a expressão – Sabedoria Divina,– nos concilios. Se isto pois é assim, e o honrado
que elle quer seja substituida por esta, Deus ou Ente membro o não ignora, para que descobrir tão grande
Supremo. Esta censura é uma prova do quanto são mysterio na expressão que adoptou a commissão?
os homens capazes, quando preoccupados; faceis Para que fallar de um modo que póde derramar a
em descobrir intenções occultas, elles se precipitão desconfiança no povo? Para que fallar-se em
nos mais temerarios juizos: o honrado membro pretenções? Para que tudo isto, Sr. presidente?
chegou a avançar que ha uma pretenção de querer Ainda mais; disse o honrado membro que aqui se
destruir aquillo que todo o mundo sabe se quer avançava uma falsidade; eu ancioso esperava que
destruir.(O orador foi interrompido pelo Sr. Silva elle a apontasse; e qual não foi a minha admiração,
Lisboa, que disse não affirmára tal da assembléa; e quando elle se explicou!
querendo continuar, foi chamado á ordem O orador Disse que não se tinha invocado a Sabedoria
proseguio.) O honrado membro, é verdade, ajuntou Divina, como aqui se affirma; oh, Sr. presidente! Pois
ás suas palavras a declaração que acaba de fazer, e será possivel que o honrado membro ignore, será
se eu não fosse interrompido, não a omittiria, mas é possivel que não chegasse aos seus ouvidos, se é
preciso que o honrado membro saiba que as que não presenciou aquillo de que é testemunha
palavras uma vez proferidas, estão sujeitas á toda esta cidade, e de que faz menção o Diario da
interpretação segundo o uso ordinario de fallar, e não Assembléa?
segundo a boa ou má intenção de quem as proferio, Pois não é publico nesta cidade que esta
a qual nem sempre dellas bem se deprehende; o assembléa foi em pessoa por estas ruas á igreja
honrado membro já as soltou, ellas andão cathedral assistir á missa do Espirito Santo,
espalhadas, agora já não está em seu poder officiando o Exm. bispo diocesano? E á vista disto
apanhal-as. quem será que avança falsidades? Que mais quer o
Saiba tambem o honrado membro que já é mui honrado membro, exigirá acaso que nos ponhamos
bem conhecida a arte de que se servem alguns para todos os dias de joelhos, como ha pouco fez na
exprobrar aos que se achão na sua presença, que é nossa presença? Acaso esses actos externos provão
accrescentar, depois das suas duras proposições e a religião interna? Finalmente quero declarar que
invectivas, que nada daquillo se refere aos que se logo que appareceu a emenda, eu não duvidei votar
achão por ella; mas, Sr. presidente, eu o confesso, sobe-me
o rubor ás faces, quando
116 Sessão em 15 de Setembro de 1823

me lembro que tenho de votar por aquella emenda das solemnidades religiosas praticadas antes da
depois de tão grave, como injusta censura; alguem abertura da assembléa. Isto posto como é possivel
poderá haver, que attribúa o meu voto ás dizer-se que não imploramos religiosamente os
proposições duras do honrado membro, entretanto auxilios da Sabedoria Divina?
que elle não é devido senão á minha convicção, e Para que fim então foi a missa solemne do
esta só consideração, torno a dizer, faz-me subir o Espirito Santo? Talvez o Sr. Lisboa deseje que a
rubor ás faces. assembléa, antes de abrir as suas sessões
Tenho á vista disto respondido ás reflexões diariamente, assista primeiro ao santo sacrificio da
que se fizerão, e nada me resta. missa; confesso que isto é em verdade muito
O SR. COSTA BARROS: – Sr. presidente, edificante, e tambem o seria se aqui tivessemos uma
bem se costuma dizer que em theologia e medicina imagem do Senhor Crucificado, diante do qual
falla todo o mundo; a questão tem-se tornado ajoelhassemos constantemente, como fez o Sr.
theologica; porém como é materia sujeita vamos ao Lisboa; como porém não foi isto determinado, basta
caso. Eu tenho ouvido muitas vezes a muitos que todos nós tenhamos gravados em nossos
professores theologos, e a grandes pregadores corações os verdadeiros sentimentos da justiça, e de
tomarem a Sabedoria Divina pela terceira Pessoa da uma bem entendida piedade.
Santissima Trindade, o Espirito Santo: e como eu Quanto ao que tambem se ponderou sobre as
creio que todas as tres Divinas Pessoas são expressões, – os auxilios da Sabedoria Divina – de
igualissimas porque o Padre, o Filho e o Espirito que usou a commissão, eu perderia de certo o
Santo são um mesmo Deus; segue-se, que quando a tempo, de que tanto necessitamos, se pretendesse
illustre commissão fallou na Sabedoria Divina fallou fazer agora uma longa dissertação a este respeito;
em Deus, e foi mesmo como se dissesse – depois de mas como desgraçadamente se tem querido torcer,
invocar os auxilios de Deus. – Estes creio que são os ou não entender o genuino sentido de taes palavras,
principios de nossa crença religiosa, e por isso não direi apenas e muito em breve, que a commissão
tem razão o Sr. Silva Lisboa em levar a mal a estando intimamente convencida e certa da
commissão não fallar em Ente Supremo, ou Deus, o immensidade dos attributos da divindade, lançou
que foi o mesmo que fez quando invocou os auxilios mão do que julgou mais proprio para o nosso fim,
de Sabedoria Divina. Pelo que diz respeito á pois que sem o auxilio da Sabedoria Divina, e sem a
observação de outro illustre deputado sobre as inspiração do Espirito Santo jámais poderiamos fazer
palavras utilidade geral, querendo que se obra boa, e que possa convir ao nosso grande e
accrescentasse – brazileira digo que muito magestoso Brazil; se infelizmente não formos
judiciosamente fallou assim a illustre commissão, favorecidos com tão especial graça, é fatalidade
porque eu entendo, Sr. presidente, que quando se dá nossa, e ao menos fizemos quanto em nós podia
a alguma nação uma boa constituição, este bem não caber.
é só para nação a quem se ella dá, mas sim para Tambem não posso convir na suppressão das
todo o mundo; porque á sombra de uma boa palavras – conformando-se aos principios de justiça,
constituição, se a tiver o Brazil, veremos, veremos e da utilidade geral – proposta pelo Sr. Montesuma;
chegar-se os povos de todo o universo, como para porque ellas mostrão, e fazem ver, como em resumo,
virem gosar da santidade das nossas instituições. Se o que se teve em vista; accrescendo que
assim o conseguirmos como espero, teremos então semelhantes expressões por si só demonstrão os
com que convidarmos a todos os povos da terra; e nossos principios, e supprem tudo quanto se poderia
esta felicidade, logo, não é só para o Brazil como dizer em um longo preambulo; e é por ora o que me
para todos em geral, pois que achão entre nós um parece dizer, reservando-me para fallar mais
asylo para onde possão fugir da oppressão e da extensamente sobre esta emenda suppressiva, no
arbitrariedade. caso de ser apoiada na fórma do que se determinou.
O SR. COSTA AGUIAR: – Sr. presidente, O SR. PEREIRA DA CUNHA: – A
parece-me que nada posso accrescentar, porque os simplicidade judiciosa em que está concebido o
illustres preopinantes, que me precederão, disserão preambulo da nossa constituição, parece satisfazer
em verdade tudo quanto eu podia ponderar; completamente seus fins. Nelle se expõe com
entretanto seja-me permittido uma só reflexão, e precisão, e energia que tendo esta assembléa
desde já peço ao honrado membro o Sr. Lisboa, supplicado os soccorros da Sabedoria Divina pelos
cujas luzes eu respeito, a graça de ouvir com actos mais solemnes de religião, e piedade christã
benignidade, que por esta vez ou se enganou, ou o para que nossas leis fundamentaes, de que tanto
seu excessivo zelo fez-lhe desfigurar actos os mais depende a prosperidade deste imperio, obtivessem o
sérios em méros formularios; porque parece incrivel cunho da possivel perfeição, passa depois a declarar
que o illustre preopinante ignore, ou se não lembre que essas deliberações serião fundadas nos
principios de
Sessão em 15 de Setembro de 1823 117

eterna justiça, tendo em vista a prosperidade da poetas fazem máo jogo commigo; eu só argúo aos
nação brazileira, que deve ser o objecto de nossas máos e elles dizem que eu fallo mal do rei – protesto
fadigas, sob a confiança que os povos de nós fizerão que não tive jámais intenção de offender a pessoa
seus representantes. alguma desta assembléa. O meu caracter me
Se dissessemos unicamente que a assembléa defende de tão iniqua suggestão: nem considero que
geral constituinte, e legislativa do imperio do Brazil algum dos seus membros não seja catholico romano;
decretava a sua constituição pela maneira seguinte: aliás o teria por vitando ainda que lhe prestasse
não commettiamos algum absurdo, antes iamos de tolerancia fraterna.
conformidade com o nosso regimento, que manda Posso dizer coram Deo, que não sabia dos
fazer a enunciação da lei, sem preambulos, nem actos solemnes que o mesmo Sr. Lima menciona;
razões; mas a grandeza do objecto e a pratica de talvez dir-se-ha, que só eu fui o peregrino em
alguns corpos representantes parecia merecer uma Jerusalém; mas o facto é, que agora pela primeira
excepção da regra geral, e decidirão a commissão a vez tenho a noticia de taes actos, pois sou quasi um
fazer esta curta exposição a maneira de uma recluso, e fui dos ultimos que entrei nesta
protestação de fé religiosa, e politica, que melhor assembléa.
manifestasse as intenções da assembléa. Mas o que prova tudo isto contra o que eu
Verdade é que poderiamos ter principiado pela disse? Por ventura os ditos actos, feitos ha mezes,
invocação da Trindade Santissima á imitação de são sufficientes para, em senso commum, justificar
outras constituições, tratados diplomaticos, e até das as clausulas do preambulo? Temos, como um só
leis fundamentaes de Lamego; mas além de que não baptismo, e um só chrisma, tambem uma só festa e
devemos estar tão estreitamente ligados a formulas, oração atrasada, e mais que trimensal? Sempre foi
de que muitos têm prescindido, declaramos no estylo dos tribunaes de justiça e commercio ter missa
preambulo, e no contexto deste projecto quanto antes das sessões, aonde logo se começa pela
basta para se conhecer que adoramos e oração – emitte, senhor, a tua luz, e a tua verdade. –
sustentamos a religião catholica, apostolica, romana, E quando se trata de justiça universal e negocios tão
que de nossos pais herdámos. grandes da nação, póde-se dizer ser absurdo, que
Parece-me portanto que assim deve subsistir; eu considerasse ser necessario um acto semelhante,
mas quando se julgue que elle deve ser precedido da ou analogo, nesta assembléa?
epigraphe – Em nome da Santissima Trindade, ou de A lembrança do direito da censura dos bispos
Deus Todo Poderoso – eu de boa vontade concordo diocesanos me inspira ao pensamento de dizer, que
em que se dê mais esta prova do respeito aos se apparecesse a constituição do imperio do Brazil
mysterios da santa religião que professamos. sem o titulo que proponho, seria ella talvez um dos
O SR. SILVA LISBOA: – Sr. presidente, não necessarios objectos do ministerio episcopal, pois a
posso deixar de replicar aos Srs. deputados que tão preterição, por si só, se figuraria mui suspeita de ser
acremente impugnarão a minha opinião; e estou intencional; sendo contra o exemplo que um dos
pasmado que o honrado membro o Sr. Lima honrados membros da commissão o Sr. Cunha bem
dissesse repetidas vezes, que, a ouvir-me, o rubor notou, achar-se, não só nos tratados diplomaticos,
lhe viera ás faces; e que eu, não só injuriava aos mas até nas Côrtes de Lamego. Convém que a
membros da commissão do projecto, mas affirmára nossa constituição, ao menos no formulario, se
uma falsidade, de que a assembléa não implorava o approxime ás instituições diplomaticas, e leis
auxilio da Divina Sabedoria, não podendo eu deixar fundamentaes da monarchia.
de saber que na sua installação ella assistira á festa E demais nesta augusta assembléa será
do Espirito-Santo em dous actos solemnes da igreja. compativel com o espirito publico não tolerar
Disse mais, que tambem no projecto se contradicção aos projectos das commissões? Quanto
declarava ser a religião catholica, a religião do a mim detesto as assersões de que as côrtes de
imperio, e que até dava em materia de dogma aos Lisboa usarão na sua proclamação á nação, dizendo,
bispos o direito da censura. Além do mais que que tinhão por um momento entrado no estado da
ponderou, arguio com vehemencia que eu affectava natureza, para logo sahirem delle; e que os seus
imputar vistas sinistras a pessoas fóra da assembléa, membros erão mais do que homens, providentes
quando das minhas expressões se deduzia que como a divindade, e inflexiveis como o fado. – Tereis
tencionava injuriar aos que nella estavão. constituição qual a natureza copiaria do original
Digo que isto me faz vir sangue á boca, e eterno.
lembrar-me da replica de Boileau, que bem notou o Um dos membros da commissão o Sr. Barros
estratagema dos seus adversarios, dizendo – os notou, que todos fallão em theologia e politica. Esta
ironia, na parte que me toca, força-me a retorquir,
que, supposto não presuma
118 Sessão em 15 de Setembro de 1823

de theologo, comtudo dei tempo aos seus estudos, e fallo agora porque me vejo na necessidade de
quando na universidade de Coimbra fui substituto responder ao Sr. Lisboa: sou christão catholico
das cadeiras de grego e hebraico. Agora só me romano, e não quero que alguem se persuada que
prezo de saber a cartilha do mestre Ignacio, mas deixo de ter gravado em meu coração os principios
nada do credo dos carbonarios (á ordem á ordem, da nossa santa crença: adoro e reverencio seus
chamou o Sr. presidente.) Estou na ordem, Sr. dogmas; respeito a cabeça do Sr. Silva Lisboa, mas
Presidente. não sou hypocrita; não ajoelho diante dos homens,
Tenho dado satisfação aos Srs. deputados nem por este meio pretendo conseguir cousa
dissidentes da minha opinião, e continúo na defeza alguma; torno a repetil-o; cedo ao Sr. Lisboa em
natural, contra as aspersões dos mesmos, que me cabeça; mas nunca compararei com o delle o meu
invectivarão por alguma desguardada expressão. coração.
Toda a minha querella é contra a seita que O Sr. Montesuma, quando principiou a fallar
fóra da assembléa, affecta dirigir a opinião publica á não foi ouvido pelo susurro das galerias, motivado
seus fins sinistros, e contra a qual, pela sua por uma resposta do Sr. Silva Lisboa ao Sr. Barros, e
ramificação na Europa, se têm armado as grandes por isso apenas se percebeu o seguinte; que não
potencias, que têm por si os votos dos mais sabios e tinhamos feito aqui o mesmo que fizerão as côrtes de
religiosos da humanidade. Portugal, como dissera o Sr. Lisboa; nem seguido
E’ notorio que esta seita até se jacta de que ponto por ponto os trabalhos da nação portugueza;
não será aceita a constituição, se nella se assentar que aquella assembléa sanccionára uma camara e
em decisões contrarias ás doutrinas da mesma seita. nós tinhamos duas no projecto; que lá não tinhão
Isto me faz excitar a lembrança do que aconteceu ha sido admittidos os ministros de estado, e que erão
annos. Indo ordem do governo para se dar tombo ás aqui admittidos; que lá se tinhão estabelecido as
terras encapelladas, ella tanto irritou os rusticos de eleições directas; e que tendo-nos apartado tanto,
Coimbra contra o provedor das capellas, que lhe que muito era que nos apartassemos tambem em
fizerão ameaças, dizendo – vem dar tombo ás usar de – Sabedoria Divina – em lugar de –
terras? Tombo lhe daremos nós. Santissima Trindade. – Disse mais o illustre
O SR. COSTA BARROS: – Sr. presidente, ha deputado que se houvesse de votar, votaria contra, e
pouco disse, e com toda a razão o disse, o Sr. Araujo mesmo por votação nominal; e que até mandaria
Lima, que nesta assembléa não se poupão os imprimir o seu voto em qualquer periodico, pois
sarcasmos, e todo o genero de invenctiva injuriosa: nenhum medo tinha dos juizos temerarios do Sr.
assim o praticou o Sr. Silva Lisboa. Eu não sei como Lisboa.
se póde persuadir o illustre deputado que tenha o O SR. FRANÇA: – Sr. presidente, por causa
direito de atacar indistinctamente a todos os da ordem requeiro a V. Ex. que convide o illustre
membros desta respeitavel assembléa; se é pelo preopinante o Sr. Lisboa a mandar á mesa a sua
direito que presume ter em consequencia da sua emenda afim de ser apoiada, e então discutir-se;
idade á maneira dos velhos de Lacedemonia, porque em verdade ella differe da do Sr. Maia; e
engana-se sem duvida o illustre deputado; porque, tanto que eu não duvido approvar aquella, e não
se bem que a maneira de Sparta estejamos esta. A do Sr. Lisboa é um additamento ao
dispostos a respeitar as suas cans pela supposição preambulo, e por isso não altera a redacção do
de que ellas trazem comsigo a idéa de maior saber, mesmo preambulo, como succede com a do Sr.
e de ajustada experiencia; comtudo conhecemos Maia.
tambem que este direito dos velhos cessa todas as O Sr. Silva Lisboa mandou á mesa a sua
vezes que elles não conservão igualmente o respeito emenda concebida nos termos seguintes:
devido aos outros homens, e então a mocidade deixa Proponho que em titulo de preambulo se
de lhes prestar aquella veneração devida: se por ter ponha – em nome da Santissima Trindade. – José da
sido lente de theologia presume a seu sabor que Silva Lisboa.
deve atacar-nos com tom magistral, e em parte tão O Sr. Secretario Maciel da Costa, leu esta
melindrosa como é na nossa crença, igualmente se emenda; e sendo apoiada, continuou o Sr. França:
engana, porque bem pouco me importa que o illustre O que quer o Sr. Lisboa é que antes do
deputado ensinasse theologia, e nem por isso se preambulo de diga – em nome da Santissima
segue que deixasse de ser um máo theologo (á Trindade; – e o Sr. Maia aliás pretende que se
ordem, á ordem); eu estou na ordem; nem a substitua esta pronunciação ou invocação na
assembléa tem direito de me chamar á ordem; eu redacção, omittindo-se as palavras – Sabedoria
não faço dissertações inuteis, nem roubo o tempo Divina. – Eu não tenho duvida de admittir a emenda
com discursos pomposos; levantei-me comtanto que fique salva a redacção do preambulo.
Voto portanto pelo
Sessão em 15 de Setembro de 1823 119

additamento do Sr. Lisboa, e opponho-me á emenda emenda, como tinha já advertido o Sr. França, que
do Sr. Maia. nada alterava no vencido, pois vinha a ser o titulo do
O SR. VERGUEIRO: – Não tinha tenção de preambulo, propôz o Sr. presidente á votação o dito
fallar sobre esta materia; mas como a emenda do Sr. additamento do Sr. Lisboa e foi approvado.
Maia tem sido sustentada com expressões offensivas Seguiu-se o art. 1º do titulo 1º, que foi lido pelo
e injuriosas não só á commissão, mas á assembléa, Sr. secretario nos termos seguintes:
e até á nação inteira, sempre direi alguma cousa. Art. 1º O imperio do Brazil é um e indivisivel, e
Eu entendo que a redacção do preambulo está estende-se desde a foz do Oyapock até os trinta e
mui conforme á verdade do facto. Quando nelle se quatro gráos e meio ao sul.
affirma que imploramos os auxilios da Sabedoria O SR. FERNANDES PINHEIRO: – Eu me
Divina, diz-se o que realmente nós já fizemos. levanto mais com desejos de illustrar-me, do que
Para a installação desta assembléa fomos em com ancia de combater este artigo 1.º Principio por
corpo ouvir a missa do Espirito-Santo, e então confessar que não me acho aqui munido de mappas
implorámos do Ente Supremo os precisos auxilios exactos, mas desconfio que esta linha de divisa que
para os nossos trabalhos; e como logo nos primeiros a commissão traçou na latitude austral de trinta e
dias depois da installação, se começou a redigir o quatro gráos e meio é prejudicial, e é impolitica; e
projecto da constituição segue-se que até houve um prejudicial, porque rastreando o cabo de S. Maria, vai
curto intervallo entre aquelle acto religioso e os partir ou separar alguma das ilhas, que são
primeiros trabalhos deste projecto. propriamente accessões do territorio de Montevidéo;
Parece-me, segundo o que disse o honrado e é impolitica, porque o Rio da Prata vai da fóz para
membro, que nós deveriamos ter missa do Espirito- cima fugindo para o norte, então o paralello
Santo todos os dias: ora, ainda que os actos de designado cortará posições de Buenos-Ayres, e eis
religião sejão mui louvaveis, justos e santos, julgo por isso motivos de contestações e querellas,
que isto não se combinaria bem com o desempenho portanto, até para harmonisar e uniformisar os dous
das nossas obrigações. pontos da costa que a commissão tomou para
O mesmo Deus distribuindo a semana, assignalar a extensão do Brazil considerando que
destinou dos sete dias um só para o culto e os mais Montevidéo, como estado federado, constitue todavia
para o trabalho; portanto não póde exigir de nós que parte integrante deste imperio, persuado-me que
vamos ouvir todos os dias a missa do Espirito-Santo. seria melhor redigir a segunda parte do artigo deste
Demais; são tres as pessoas da Trindade modo – e estende-se desde o rio Oyapock ao norte,
Santissima, e como invocamos uma dellas, temos até o Rio da Prata ao sul – assim se resalva qualquer
satisfeito. ambiguidade, e ficão as ilhas pertencendo ao litoral,
Este não é o lugar de fazer uma protestação a que são mais proximas, além de que é o Rio da
da fé, nem de especificar mysterios, então Prata, que banha e limita o estado Cisplatino por
deveriamos introduzir o symbolo dos apostolos, e aquelle lado meridional, e perde esse nome logo que
accrescentar outros artigos que distinguem a nossa se confunde com as aguas do Uruguay, do Paraná e
religião das outras seitas. Finalmente o Espirito- do Paraguay.
Santo é muitas vezes designado pelo attributo da Eu mando á mesa a emenda seguinte:
Sabedoria Divina, e por isso muito bem se exprimio a O imperio do Brazil é um e indivisivel, e
commissão quando disse – implorando os auxilios da estende-se desde o rio Oyapock ao norte, até o Rio
Sabedoria Divina. – Arguir a commissão por se ter da Prata ao sul. – Fernandes Pinheiro. – Foi apoiada.
expressado assim, attribuindo-lhe vistas sinistras e O SR. CAMARA: – Isto seria muito bom, se
principios de carbonarismo é o maior dos insultos pudesse ser assim, mas este negocio de limites tem
que lhe podia fazer uma imaginação prevenida, fundamentos certos, não é o que nós queremos, é o
descobrindo malicia em expressões onde só ha que está determinado por tratados. Designou-se a
singeleza e verdade. fóz do Oyapock por limite do norte por ser o ultimo
O Sr. Presidente perguntou se a materia tratado com a França, e marcou-se o do sul em 34
estava discutida, e julgando-se que estava, propôz gráos e meio, por ser o do tratado com a Hespanha,
se o preambulo passava tal qual se achava redigido, deixando assim aos hespanhóes aquillo que é seu.
e venceu-se que sim. Se o territorio de Montevidéo fosse parte do imperio
Suscitou-se então a duvida se todas as brazileiro, então tinhamos o Rio da Prata por limite,
emendas ficavão prejudicadas, ou se era exceptuada mas é preciso contentar-nos com o que nos pertence
a do Sr. Lisboa, e tendo-se ponderado que era antes pelos tratados, emquanto se não verifica a
additamento do que federação.
120 Sessão em 15 de Setembro de 1823

O SR. FERNANDES PINHEIRO: – Era isso o esta divisão de materia mais adequada ao contexto
que eu desejava, obter explicações de algum dos do projecto, porquanto, tomando-se aqui a palavra
nobres membros da commissão. Primeiramente ha imperio geographica e politicamente, ou outra,
um grande equivoco, o tratado de 1778, em que o querendo-se definir qual é o seu territorio, e quaes os
illustre opinante se quiz apoiar, foi puramente de membros da sociedade brazileira, que o occupão,
amizade, garantia e commercio, e nada tem com o segue-se, que sendo estas duas idéas connexas, e
nosso caso, o de limites foi o do 1º de Outubro de todavia distinctas essencialmente, devem portanto
1777, e se tinha em fito prevalecer-se da extrema ser tratadas em um só titulo, dividido em dous
que elle designou deveria buscal-a no arroio Chuy, capitulos subordinados, e não em dous differentes
que entra no mar na latitude austral de 33º45, mas é titulos, como se acha deduzido no projecto, visto
escusado cital-o, esse tratado caducou pela rotura e como toda a restante materia do mesmo projecto
injusta aggresão da Hespanha em 1801. Nos ajustes segue a divisão de titulos subdivididos em capitulos.
de paz em Badajoz e Madrid não cuidarão os Agora passarei a tratar da segunda emenda
plenipotenciarios em o reviver, conseguintemente ha respectiva á doutrina do art. 1º, e digo, que ou nós
mais de vinte annos estamos de posse dos terrenos podemos definir physicamente o territorio do imperio,
que nossas armas gloriosamente então avançarão. ou não. Se podemos não vejo razão porque lhe
O SR. VERGUEIRO: – Este artigo, além de havemos assignar ao norte uma divisa physica, qual
outros defeitos, tem o de nos metter em uma questão é a fóz do rio Oyapock, e não havemos de fazer o
de limites, e por isso sou de parecer que se mesmo na parte do sul, onde o projecto lhe marca a
supprima. A epigraphe do titulo diz – do territorio do extrema por um circulo celeste. E se não podemos
imperio do Brazil – mas no artigo leio – o imperio do definil-o physicamente, demarcando-o com divisas
Brazil é um e indivisivel. – Se a palavra imperio se naturaes, em tal caso deixemos essa definição,
toma na sua propria accepção não tem lugar aqui, porque é melhor omittil-a do que fazêl-a manca, e
porque nós não tratamos, neste lugar, de imperio, por ventura de maneira que induza intenção sinistra
mas do territorio do imperio, como diz a epigraphe, e na assembléa de apropriar a nação alguma parte de
se por imperio se entende o territorio, então não territorio limitrophe que lhe não pertença.
póde dizer-se que é um e indivisivel, porque Além da que tambem não vejo razão porque
necessariamente se ha de dividir, para facilitar as se hajão de omittir na demarcação proposta os
operações do governo, em provincias, comarcas, outros dous pontos cardeaes do leste e oeste que
camaras ou municipios, portanto chamar-lhe são indispensaveis, assim como os dous primeiros
indivisivel é chamar-lhe o que é impossivel que elle de norte e sul em qualquer definição geographica,
seja. Continúa o artigo dizendo – e estende-se desde pois supposto seja talvez duvidosa a linha dos
a fóz do Oyapock até os 34 gráos e meio ao sul – nossos limites occidentaes em toda a sua extensão,
além de nos levar esta parte do artigo, como já disse, conhecemos todavia com exactidão alguns pontos
a uma questão de limites, não designa mais que um della que podem ser indicados. Para salvar estas
ponto ao norte e outro ao sul aonde chega o nosso faltas pois é que eu redigi uma emenda, que mando
territorio, mas não assignala os outros, e por isso para a mesa com a primeira respectiva á divisão da
julgo sufficiente o artigo seguinte onde se diz tudo. materia, porém não obstante isso approvo a emenda
Eu o começaria assim tendo supprimido o 1º: – O suppressiva do Sr. Vergueiro, para que se não falle
territorio do imperio do Brazil comprehende as em limites de territorio que é melhor. Todavia se
provincias, etc., estava deste modo designado o essa emenda suppressiva não passar então
territorio e desempenhada a epigraphe, da qual não chamarei a attenção da assembléa sobre o
devemos sahir. merecimento da minha, pois supposto encontre
O SR. FRANÇA: – Sr. presidente, eu tenho alguns inconvenientes, talvez seja mais razoavel do
duas emendas a fazer, a primeira respeita á divisão que a integra do artigo, pela qual de nenhuma
da materia comprehendida neste e no seguinte titulo maneira estou pelos defeitos apontados.
do projecto, a qual me parece ter lugar em razão de O mesmo Sr. deputado mandou para a mesa
ordem, a segunda toca á doutrina do artigo em as duas emendas seguintes:
discussão. Tratando da primeira direi, que a
epigraphe deste 1º titulo do projecto deveria ser – do Primeira
imperio do Brazil – dividindo-se o mesmo titulo logo
em dous capitulos, dos quaes o primeiro tratasse – A materia do 1º e do 2º titulo seja disposta
do territorio do imperio do Brazil, – e o segundo – da debaixo de um só titulo dividido em dous capitulos
nação brazileira. – Parece- me com as epigraphes seguintes:
Sessão em 15 de Setembro de 1823 121

TITULO I O SR. HENRIQUES DE REZENDE: – Sr.


presidente, a primeira intuição deste artigo excitou-
Do Imperio do Brazil me logo a idéa de duas emendas, uma supressiva,
outra additiva. Presentemente eu me inclino á
CAPITULO I emenda do Sr. Vergueiro, mas como não sei se ella
passará, sempre quero propôr as que me occorrerão,
Do Territorio do Imperio e que terão lugar se a do Sr. Vergueiro não fôr
approvada. Digo que se supprima a clausula – é um
CAPITULO II e indivisivel – porque se a palavra um quer dizer que
o imperio não é dous, é escusada, e se quer exprimir
Da Nação Brazileira a mesma idéa que – indivisivel – deve por isso
mesmo ser supprimida, a razão é a seguinte. Um
Segunda artigo deste projecto diz que o governo não póde
ceder nem trocar parte do territorio do imperio sem
O imperio do Brazil é um e indivisivel. approvação da assembléa geral, marcando-se porém
Estende-se desde a fóz do Oyapock ao norte até a na constituição, que o imperio é indivisivel, já não
fóz do Rio da Prata ao sul; e desde as praias do póde a assembléa geral conceder a approvação,
Atlantico comprehendidas entre estes dous pontos, porque nesta mesma constituição está disposto, que
até ás margens de áquem dos rios Guaporé, Jaurú e sendo precisa revista para reformar algum artigo
Paraguay que por uma parte lhe servem de fronteira della é precisa uma convenção ad-hoc. Póde muito
na provincia de Matto-Grosso, e a margem oriental bem acontecer que razões politicas induzão o
do Uruguay, que por outra parte e termina na governo a ceder, ou trocar parte do territorio, como a
fronteira da provincia de S. Pedro desde os 27 gráos Goyanna Portugueza além do Amazonas, e sendo
de latitude austral até á confluencia do rio artigo constitucional que o territorio é indivisivel, fica
Ibicuhyguassú. – França. – A 1ª foi apoiada, e a 2ª sendo necessario que dous terços da assembléa
não. convenhão na necessidade de revista da constituição
O SR. MONTESUMA: – Sr. presidente, eu para ser convocada uma convenção com poderes
conformo-me inteiramente com a opinião do Sr. especiaes ad-hoc, e então approvar-se a cessão ou
Vergueiro, e voto pela suppressão deste artigo. troca dessa parte de territorio.
Quanto á primeira parte, se a commissão tivesse de E' portanto necessario que se não diga na
apresentar uma constituição para um estado constituição que é indivisivel o territorio do imperio,
republicano, e não monarchico representativo, bem para poder ficar ás legislaturas ordinarias a
era que explicitamente declarasse que era um, e faculdade de approvar a cessão ou troca. Voto pois
indivisivel em contraposição das fórmas, ou pela suppressão da referida clausula, e isto quando
instituições republicanas, federativas, não sendo não passe a emenda do Sr. Vergueiro. A segunda
porém o nosso caso esse, é evidente que tal emenda é, que se accrescente a palavra – pela costa
declaração não tem lugar, é inutil. Passemos agora á – dizendo – e se estende pela costa, etc. Aliás
grande questão se devemos, ou não marcar na teremos muita confusão, porque dizendo-se que se
constituição os limites do imperio. Eu entendo que estende desde a fóz do Oyapock até trinta e quatro
não, e que sómente se devem designar as partes de gráos e meio ao sul, poder-se-ha entender que esta
que se compõe, nomeando as provincias, feito isto demarcação corre direita ao interior das terras,
com a declaração que se acha no art. 3º, de que a quando é certo que o territorio ora se recolhe, ora
nação não renuncia ao direito que possa ter a avança, além desta linha, o que tudo se salva
quaesquer outras possessões, nada mais se precisa. declarando-se que esta demarcação se estende pela
Marcar desde já os limites é chamar uma costa. Eu mando á mesa a minha emenda.
questão que devemos evitar nas actuaes A referida emenda era do theor seguinte:
circumstancias. Demais a demarcação deve ser Proponho que se supprima a clausula – é um
exacta tanto pelo norte como pelo sul, e interior, e indivisivel. Em segundo lugar que se diga – e se
latitude, e longitude, mas nem o projecto a faz, nem estende pela costa. – Henriques de Rezende. – Não
nós a podemos desempenhar, pois nos faltão foi apoiada.
exactos conhecimentos. Para o tempo opportuno nós O SR. FERNANDES PINHEIRO: – Sr.
mandaremos engenheiros, e com os seus mappas presidente, não posso deixar de combater o que
decidiremos. Este tempo opportuno é quando a acabo de ouvir; ainda que não tenho a honra de
independencia do imperio fôr reconhecida pelas pertencer á illustre commissão, autora deste
outras nações, e entrarmos nas devidas projecto, mostrarei que ella não cahio na
negociações, por ora opponho-me a tal declaração contradicção que sophisticamente inculca o
de limites, e por isso voto pela emenda do Sr.
Vergueiro, conservando-se o 2º artigo em que se
nomeião as provincias de que se compõe o territorio
do imperio.
122 Sessão em 15 de Setembro de 1823

nobre membro o Sr. Vergueiro comparando a 95, a hespanhola, e a portugueza contêm a divisão
primeira parte do art. 1º com o art. 4º deste mesmo dos respectivos territorios. Em segundo lugar
titulo: por essa mesma combinação é que se collige estranho a imperfeição, com que estão designados
a verdadeira accepção e intelligencia, em que se os mesmos limites.
deve tomar a palavra – indivisivel – isto é, que o Começando pelo norte, vemos apenas
territorio do imperio é inalienavel, salva excepção do mencionada a foz do Oyapock, que marca só um
art. 10 do titulo 6º cap. 1.º (Apoiado, apoiado.) ponto. Se se quer dizer que dalli se vai seguindo a
Passaria agora a demonstrar as bases falliveis em corrente até á sua origem; além de que cumpre fazer
que o Sr. França assentou a segunda parte da sua esta declaração, chegando á mesma origem, vemo-
emenda; mas como ella foi regeitada, cedo de fallar, nos em novo embaraço.
á bem da ordem. Se quizermos ainda seguir limites naturaes,
O SR. COSTA BARROS: – Levanto-me para temos as montanhas do Araguary, habitadas por
apoiar o 1º artigo como se acha redigido suppondo nações selvagens, e terminada esta, nada resta que
conhecidos os limites do sul: o imperio do Brazil, diz nos guie no traço desta linha já arbitraria até este
na primeira parte, é um e indivisivel, que quer dizer ponto. Sabemos mais que tem sido causa de
tem uma e a mesma lei, e não póde ser alienado; grandes discussões a confusão que out’rora houve
estende-se desde a fóz do Oyapock ao norte até 34 entre o Oyapock e Vicente Pinsor. E finalmente esta
gráos e meio ao sul. materia é tão intrincada, que no ultimo tratado com a
Sr. presidente quando nós queremos dar com França, se assentou nomear uma commissão por
precisão os limites de um imperio temos em vista os cada parte para assignarem definitivamente estes
4 pontos cardeaes; e sempre que pudermos lançar limites. Foi nomeada a commissão, mas quando esta
mão delles o devemos fazer para assignalar esses pedio instrucções se conhecerão as difficuldades; e
mesmos limites: pouca duvida ou nenhuma ha a nunca se effectuou aquella demarcação.
respeito dos limites do norte; pelo que diz respeito Se pelo norte se marcou um só ponto, pelo sul
aos do sul póde haver alguma é verdade, por não se traçou o parallelo de 34 gráos e meio. Attendendo
contarmos já com a provincia de Montevidéo, e ainda só á costa, fica-nos ainda ao sul o cabo de Santa
mesmo contando com ella: presumo que a illustre Maria, que as ephemerides de Coimbra fazem a
commissão tomou este limite com algum ponta mais austral do Brazil, e que põe mais dez
fundamento, por isso convenho nelle; porque é além minutos para o sul do citado parallelo. Se seguirmos
disso preciso que fiquem desde já marcados, a ser o parallelo, veremos muitas terras, que não nos
possivel, os verdadeiros limites do imperio: confesso pertencem, porque é sabido que nesta extrema
que não acho exacto o dizer-se que declarando os possuimos uma estreita orla, que se vai alargando á
nomes das provincias se declara quanto basta para medida que sobe para o norte, passando de um em
conhecermos a nossa extensão de norte, sul; porque outro rio, até entrar no Uruguary. Parece-me portanto
ainda assim precisamos conhecer o norte da ultima inexacta a simples expressão de 34 gráos e meio ao
provincia do norte e o sul da ultima do sul: fixos sul.
assim estes limites pouco importa que seja estreita Porém ainda quando estivessem bem
ou larga a porção de terra que se avança ao ponto definidos os limites do meridiano, faltava
de demarcação; porque o que se pretende dizer é inteiramente assignal-os pelo occidente, pois que o
que até estes dous pontos chega o imperio das Atlantico os tem fixado pelo oriente. Neste caso não
nossas leis; e nada obsta a isto o recolher-se porção reina menor incertesa. Tem variado a extensão das
das terras do norte para o sul, nem do sul para o nossas possessões, e circumscrevel-as não é facil
norte. Se este limite pois do sul está bem conhecido, tarefa.
voto pelo artigo como está, pela necessidade de Portanto, voto pela primeira parte do artigo, e
marcar precisamente ao menos estes dous pontos. pela suppressão da segunda.
O SR. FERREIRA ARAUJO: – Dividirei este O mesmo Sr. deputado rnandou á mesa a
artigo em duas partes. (Leu.) Approvo a primeira emenda seguinte:
parte porque entendo indivisibilidade politica, e não Emenda ao art. 1º. – Proponho que se
physica. Mas não me agrada a segunda parte em supprima a segunda parte relativa aos limites. –
que se marcão os limites do imperio. O primeiro Ferreira Araujo. – Foi apoiada.
fundamento é porque me parece que não é objecto Propoz então o Sr. presidente o adiamento da
constitucional, nem eu ainda o achei em quantas discussão, por ser chegada a hora das indicações; e
constituições tenho lido; e sómente a franceza de a assembléa resolveu que ficasse adiada.
O Sr. Secretario Maciel da Costa declarou ter
recebido um officio do ministro de estado dos
negocios da guerra; e passou a ler o seguinte:
Sessão em 15 de Setembro de 1823 123

Illm. e Exm. Sr. – Ordena-me S. M. o harmonia entre ella e o governo; e depois lhe faça
Imperador, que eu communique á V. Ex. para ser saber que a mesma assembléa considera não serem
presente á assembléa geral constituinte, e legislativa necessarias deliberações particulares no caso
que acabão de chegar á secretaria de estado dos occurrente, quando o governo, no livre exercicio das
negocios da guerra, officios do governo, e suas competentes attribuições e conforme as
governador das armas da provincia de S. Paulo disposições das leis existentes, tem ao seu alcance
datados do dia 6, em que participão não ter occorrido todos os meios de repellir e destruir taes obstaculos
circumstancia notavel na provincia: accrescentando o e criminosas malversações, oppostas ao socego
governo, que por ter vindo no conhecimento de que publico e bem do imperio.
na devassa a que tinha mandado proceder, se ia Paço da assembléa, 15 de Setembro de 1823.
conhecendo sómente rivalidade entre alguns – Estevão Ribeiro de Rezende. – João Antonio
individuos, a qual muito se augmentaria com os Rodrigues de Carvalho. – José Teixeira da Fonseca
depoimentos, a mandára sustar. – Deus guarde a V. Vasconcellos. – José Antonio da Silva Maia. – D.
Ex. Paço, em 15 de Setembro de 1823. – João Vieira Nuno Eugenio de Locio. – Bernardo José da Gama.
de Carvalho. – Sr. João Severiano Maciel da Costa. O Sr. Secretario Maciel da Costa fez a
Finda a leitura, representou o Sr. Maia como segunda leitura do parecer.
relator da commissão de legislação e justiça civil e O SR. VERGUEIRO: – Eu quizera que se
criminal que tinha para ler um parecer da mesma supprimissem os agradecimentos, porque póde
commissão, cujo conhecimento talvez servisse para entender-se que queremos que venhão a esta
a decisão do referido officio. assembléa mais destes negocios que não são da
O SR. MONTESUMA: – Parece-me que este nossa competencia; quando nós só queremos
officio deve ir á commissão, porque á vista delle conhecer do que é das nossas attribuições.
talvez possa dar outro parecer com mais exactidão. O SR. ANDRADA MACHADO: – Eu quero
O SR. ALENCAR: – Requeiro que não se dê ainda mais: quero que se não usem expressões de
destino algum ao officio até se ler o parecer da que possa colligir-se que o governo tem na sua mão
commissão. todos os meios; o governo não tem senão os que lhe
O SR. MONTESUMA: – Ha indicações para competem, que são os meios legaes e por estes
propôr, e estas não merecem menos attenção que o sómente deve proceder; os meios extraordinarios
parecer; mas ainda que merecessem, como estamos destroem as regras estabelecidas e com elles a
na hora propria para a leitura dellas, tenho a meu liberdade civil. Eu nunca lh’os concederei, e muito
favor a lei da assembléa, mas requeiro desde já a V. menos em regra geral. Approvo pois o parecer, mas
Ex. que acabadas as indicações se conceda a declarando-se que procederá pelos meios ordinarios.
palavra ao illustre relator para lêr o parecer. Fizerão-se ainda algumas breves
O SR. VERGUEIRO: – Os negocios urgentes observações, e julgando-se a materia discutida
têm lugar a toda a hora; talvez este parecer devesse propoz o Sr. presidente se o officio do ministro da
entrar até antes da ordem do dia. guerra, que o Sr. Maciel da Costa tinha lido, devia ir
O Sr. Presidente propoz se a assembléa á commissão com o parecer que se acabava de
queria que se passasse á leitura do parecer como discutir, para dar outro sobre aquelle objecto. –
materia urgente, e decidio-se que sim. Decidio-se que não.
O Sr. Maia leu o parecer concebido nos Propoz mais se a assembléa approvava o
termos seguintes: parecer; e foi approvado.
O SR. MONTESUMA: – Eu tenho a fazer uma
PARECER indicação que tem por fim mostrar que a assembléa
não trata de objectos que lhe não pertencem. Lendo
A commissão de legislação, tomando em o Diario do Governo de 13 deste mez achei uma
consideração o officio do ministro secretario de portaria do ministro da guerra, em que elle se
estado dos negocios da guerra, datado de 13 do exprime por uma maneira contraria ao que deliberou
corrente, em que participando a esta assembléa o a assembléa e de que póde resultar a esta para o
estado politico da capital da provincia de S. Paulo, futuro alguma responsabilidade. (Leu a portaria.)
em que se manifestára uma conjuração projectada Acho que esta expressão – resolveu – quer dizer
em opposição ás ordens de S. M. Imperial, como fez tomou conhecimento do negocio como attribuição
saber o governo provisorio da mesma provincia, sua, remettendo ao governo a resolução para a
exige as deliberações que assignalem até que ponto executar.
podem levar-se as medidas extraordinarias, que Eu entendo que tal cousa não houve; entendo
talvez serão precisas, é de parecer que que a assembléa não tomou conhecimento daquelle
primeiramente esta assembléa agradeça a S. M. negocio, senão porque foi consultada pelo governo:
Imperial a sua tão louvavel conducta na desejada e isto convém sempre
promovida
124 Sessão em 15 de Setembro de 1823

declarar, pois os papeis publicos vão para toda a geral dos leitores a demora da publicação das
parte e quizera que a portaria se expressasse por sessões em que se discutir o projecto da
outra maneira, exempli gratia – houve por bem Sua constituição, lembra-se de representar
Magestade conformar-se com o parecer da respeitosamente á mesma augusta assembléa que o
assembléa; – ficava então claro o que a assembléa expediente, talvez unico de remediar de algum modo
deliberou, entretanto que daquella fórma parece dar este mal, seria encarregar-se o representante com
effectivamente a determinação para o desembarque preferencia da redacção privativa das sessões,
do marechal. desde a 1ª em que se tratar do referido projecto não
Digo isto porque em todos os tempos devemos deixando comtudo de ir redigindo, se lhe-fôr possivel,
mostrar que jámais quizemos ultrapassar os nossos as atrazadas até chegar a época da discussão da
limites; não queremos mais que fazer a constituição constituição.
do estado e reformas urgentes e necessarias; não E como não póde desde já marcar-se o
queremos cousa alguma do poder executivo; fique numero certo das folhas que hão de comprehender
cada um com a sua responsabilidade. Portanto as ditas sessões atrasadas, entende que para não
mando á mesa o Diario para se vêr se isto é desordenar a serie dos numeros, se deverá começar
conforme com o que se deliberou, e se não estiver, nova numeração na folha em que se principiar a
requeiro que se faça uma declaração que conste a tratar daquelle projecto, fazendo-se deste modo um
todo o tempo. O Sr. secretario consultará a acta para segundo volume. – Theodoro José Biancardi.
vêr se ha alguma duvida. Eu mando á mesa a Finda a leitura, disse o mesmo Sr. Araujo
indicação que fiz sobre este objecto. Vianna que a commissão da redacção não
interpuzera o seu parecer porque se confirmava em
INDICAÇÃO tudo com a representação, e que assim o declarava
para a assembléa decidir.
1º Proponho: Que o Sr. 1º secretario, O Sr. Alencar requereu que, por amor da
consultando o officio dirigido ao ministro da guerra ordem a commissão desse o seu parecer para sobre
sobre o desembarque do marechal Luiz Paulino, elle a assembléa resolver.
declare se elle está ou não conforme com as O SR. FRANÇA: – O negocio é urgentissimo.
expressões da portaria do mesmo ministro, datada O Diario anda atrasado tres mezes; e deste modo
de 11 do corrente, e dirigida sobre o mesmo objecto ninguem se interessa em lêl-o, porque em geral
ao tenente-general governador das armas da côrte e gosta-se unicamente das novidades do dia. Acho
provincia. portanto que se deve deferir a representação, porque
2º Proponho: Que não estando conforme se as provincias querem, e com razão, saber o que se
faça a devida e sufficientemente publica declaração. passa a respeito da constituição. Talvez fosse
– O deputado, Montesuma. melhor haver dous redactores; mas ao menos cuide-
Ficou adiada para o dia seguinte, por se já da publicação destas sessões.
depender a sua decisão de exames e averiguações Os Srs. deputados, membros da commissão,
que ficou de fazer o Sr. secretario Maciel da Costa, retirarão-se para formar o parecer; e tendo voltado,
apresentando depois a minuta do officio expedido. leu o Sr. Araujo Vianna o seguinte:
O Sr. Henriques de Rezende pedio a palavra A commissão da redacção do Diario, tomando
para lêr a indicação seguinte: – Proponho que a em consideração a inclusa representação do actual
assembléa ordene ao redactor do Diario que trate já redactor; é de parecer que se delibere nessa
de imprimir as discussões do projecto de conformidade. – Paço da assembléa, 15 de
constituição, ficando o que anda atrazado para se ir Setembro de 1823. – Candido José de Araujo
imprimindo como fôr possivel.– Henriques de Vianna. – João Antonio Rodrigues de Carvalho. –
Rezende. Antonio Gonçalves Gomide.
O SR. ARAUJO VIANNA: – A este mesmo Fallárão alguns senhores sobre a urgencia da
respeito já o redactor actual do Diario fez uma materia; e propondo o Sr. presidente se era urgente,
representação sobre a qual póde a assembléa decidio-se que sim; e como se julgasse a materia
deliberar; sendo portanto escusada a indicação que discutida, propôz logo depois se se approvava o
acaba de fazer o nobre deputado, Eu a lerei se me parecer com a indicação, e foi approvado.
fôr permittido. O SR. MONTESUMA: – Sr. presidente: não
Leu-a; e era concebida nos seguintes termos; posso ser surdo aos clamores da minha provincia
O redactor interino do Diario da assembléa, que tanto soffreu da barbaridade lusitana, nem ver
considerando por um lado a impossibilidade de com indifferença que sejão attendidos
satisfazer os justos desejos do publico, accelerando
a impressão do mesmo Diario, retardada por
obstaculos invenciveis e por outro lado quanto deve
augmentar o desprazer
Sessão em 15 de Setembro de 1823 125

aquelles mesmos que a flagellárão. Portugal; e quando alli emigrados se offerecerão a


Ha poucos dias passou por mim um desses formar um corpo de tropas para virem á Bahia, elle
officiaes lusitanos que entrão na cidade da Bahia foi um dos que voluntariamente vierão; alli fizerão
com mão armada e inimiga, e perguntando ás hostilidades e derramarão o sangue brazileiro. Mas
pessoas com quem estava que official era este, quando este amigo vio que Madeira se preparava
responderão-me que era um dos da guarnição para retirar-se, como se vê da sua proclamação feita
lusitana da Bahia, que fôra addido a um dos um mez pouco mais ou menos antes da sahida,
batalhões desta côrte! Que, senhores, é possivel tal? passou-se então para o interior. E' verdade que me
Como, Sr. presidente, como é possivel que os consta que o general Lima proclamára que receberia
mesmos que pegarão em armas contra nós, que os que se lhe apresentassem; mas não me consta
ensanguentárão suas mãos infames no sangue lhes promettesse empregal-os no serviço nem lhes
brazileiro, entrem no serviço, e venhão até preterir podia prometter.
officiaes benemeritos que sempre pelejárão por nós Se querem por generosidade dar-lhes o seu
e pela nossa independencia? soldo, para terem que comer, convenho; mas
Muito embora comão o soldo, dado pela empregal-os no serviço nunca. Elle passou-se para o
generosidade brazileira; mas entrar em serviço, interior, quando vio perdida a sua causa: o seu amor
nunca. Entretanto de alguns sei que estão portanto, torno a dizer, não é dos cordeiros, é de
effectivamente ao nosso serviço; e não se julgue que lobos. Fundado nestas idéas é que eu offereci um
fallo de leve, tenho aqui os competentes documentos projecto de decreto; mas foi regeitado; eu então
para provar. São as portarias do ministro da guerra appellei para a tempo mostrar se elle era ou não
que mandou abrir o respectivo assento a Manoel de necessario, e a experiencia me vai mostrando que eu
Mattos Reis, Antonio Pedro da Silva e Antonio não me enganava. E' o que tenho a dizer para
Pestana, e as certidões da thesouraria geral das illustração da commissão.
tropas do capitão de fragata Pires encarregado do O SR. CARNEIRO DA CUNHA: – Não é só
registro do porto. aqui, em todas as provincias ha destes individuos.
E’ notavel que o ministro da guerra calasse, Uns pedião tropas a Portugal, outros forão lá mesmo
como calou, a praça destes officiaes e o lugar donde requerel-as; e depois de voltarem e tomarem armas
vierão; mas o que eu acho ainda mais notavel é a contra nós são admittidos ao nosso serviço. Eu
insolencia com que elles fazem serviço e montão nomearei o tenente-coronel da Parahyba, Loureiro, a
guarda, com a mesma farda ainda banhada em quem o governador das armas mandou retirar para
sangue brazileiro. Portugal, ou outra qualquer parte, por ter alli excitado
Vou pois offerecer uma indicação sobre este a indignação geral com seus procedimentos, e a cuja
objecto que espero que mereça a attenção desta ordem não quiz obedecer; fugindo depois para
assembléa; e requeiro que a dita indicação seja Pernambuco, donde se passou á Bahia, e dizem que
remettida á competente commissão para dar sobre alli entrára no serviço do Madeira.
ella o seu parecer com urgencia. O certo é que de lá se passou a um dos portos
Leu a seguinte indicação: do sul onde, comprando mantimentos para fornecer
Proponho que se remettão á commissão de ás tropas lusitanas foi aprisionado, e actualmente se
guerra as portarias e certificados juntos sobre a acha preso nesta cidade.
admissão ao serviço brazileiro dos officiaes lusitanos Apezar de ser esta a sua conducta, ainda ha
nelles especificados, para que dê o seu parecer. – O pouco li impressa uma carta em que elle pretende
deputado, Montesuma. mostrar-se innocente; e como tambem póde querer
O SR. HENRIQUES DE REZENDE: – Eu farei entrar em serviço, digo o que sei a seu respeito para
uma declaração para que a commissão tenha mais que se conheção os seus merecimentos e se
alguma luz a esse respeito. Muito gostaria eu do pratique com elle o que deve praticar-se com
amor dos europeus ao Brazil, comtanto que o seu homens desta natureza.
amor fosse o dos cordeiros e não dos lobos. O SR. ANTONIO CALMON: – Eu requeiro que
Ha ahi um official, que foi do 2º batalhão de a commissão apresente com urgencia o seu parecer.
caçadores em Pernambuco; no tempo de Luiz do Consta-me que a provincia da Bahia se tem
Rego foi incansavel em perseguir os pernambucanos admirado de que estejão estes lusitanos no Brazil; e
na causa que sustentavão: eu não estranho que um quanto maior será a sua admiração quando souber
official subalterno seja obediente a seus superiores; que entrárão no serviço da nação com vencimento
o que noto é o encarniçamento com que este, e de antiguidade e até, segundo se diz, contando-se-
outros fizerão perseguições. lhes o tempo que militarão contra o Brazil! Se assim
Depois foi elle com outros mandados para fôr é
126 Sessão em 16 de Setembro de 1823

cousa espantosa e cumpre tomar sobre isto activas Paço da assembléa, 15 de Setembro de 1823.
providencias. – O deputado, Fernandes Pinheiro. – Ficou adiada
Resolveu-se que fosse tudo á commissão para por ter dado a hora.
dar o seu parecer com urgencia. O Sr. Presidente assignou para a ordem do
O SR. FERNANDES PINHEIRO: – Ha dia: 1º O parecer das commissões reunidas de
materias de tanta importancia e transcendencia, que constituição e politica interna sobre a chegada do
requisições as quaes aliás parecerião minuciosas bergantim Treze de Maio; 2º O projecto de
não são aqui superfluas e impertinentes; tal é constituição.
quando se trata de preservar immune e illesa a Levantou-se a sessão ás 2 horas da tarde. –
integridade do territorio do imperio. Luiz José de Carvalho e Mello, secretario.
O interior do Brazil não sendo ainda
proporcionalmente habitado, suas extensissimas SESSÃO EM 16 DE SETEMBRO DE 1823.
raias não têm podido ser sempre bem guardadas e
vigiadas; daqui vem que os nossos confinantes têm, PRESIDENCIA DO SR. BARÃO DE SANTO
por mais de uma vez, tentado intrusões furtivas, de AMARO.
que temos, além de outros, um exemplo na historia;
quando pelos annos de 1743 erigirão na margem Reunidos os Srs. deputados pelas 10 horas da
oriental do rio Guapori a aldêa de Santa Roza, manhã, fez-se a chamada, e acharão-se presentes
preciso foi força e tempo para desalojal-os, sendo 70, faltando com causa os Srs. Andrada Machado,
capitão-general de Matto-Grosso D. Antonio Rollim Martins Bastos, Araujo Gondim, Francisco Carneiro,
de Moura, depois conde de Azambuja. Carneiro de Campos, Andrada e Lima, Ribeiro de
O receio de vêr renovados semelhantes Andrada, Rodrigues da Costa.
attentados e violações, junto com o amor da patria, O Sr. Presidente declarou aberta a sessão; e
concorreu para que não se escapasse á denuncia, lida a acta da antecedente foi approvada.
que em uma das nossas sessões atrazadas fez O Sr. Paula E Souza mandou para a mesa
incidentemente um honrado membro, e instando-lhe uma declaração de voto:
eu para que mais positiva e claramente a renovasse, Declaro que na sessão de hontem votei contra
escusou-se talvez por modestia, cedeu-me mais o parecer da commissão de constituição que exigia
antes a carta com que agora instruo e faço minha a tão sómente a assistencia de cincoenta e dous
indicação seguinte: deputados para a decisão das materias, fossem ou
não constitucionaes. – Paula e Souza.
INDICAÇÃO O Sr. Marianno Cavalcanti mandou para a
mesa outra declaração assignada por mais outros
Proponho que se recommende ao governo Srs. deputados; mas sendo impugnada por não estar
que excite a vigilancia e attenção das autoridades e conforme ao regimento, o seu autor a retirou; e
empregados naquella fronteira e n’outras deste subscreverão á do Sr. Paula e Souza os seguintes
imperio, exigindo as informações e exames que mais Srs. deputados: Vergueiro Rocha Franco, Duarte
possão elucidar a denuncia da carta inclusa, afim de Silva, Ribeiro Campos, Carneiro da Cunha, Cruz
obstar-se quanto antes que os hespanhóes com Gouvêa, Caldas, Fortuna, Marianno Cavalcanti,
intrusões furtivas, das quaes mais de uma vez a Alencar. Xavier de Carvalho.
historia nos fornece exemplos, não violem e usurpem Passou-se á ordem do dia; e entrou em
o territorio deste imperio. discussão o parecer da commissão de constituição
Paço da assembléa, 13 de Setembro de 1823. sobre a entrada a existencia neste porto do
– O deputado, José Feliciano Fernandes Pinheiro. – bergantim portuguez – Treze de Maio – que trouxe a
Resolveu-se que se officiasse ao governo. seu bordo o marechal de campo Luiz Paulino de
O mesmo Sr. Fernandes Pinheiro, fez tambem Oliveira Pinto da França: e sobre a conducta que se
a indicação seguinte: deve guardar com os outros commissarios que se
esperão de Portugal.
INDICAÇÃO O SR. CARVALHO E MELLO: – Sr.
presidente, este parecer da commissão sobre o
Proponho que em attenção ao atrazo em que negocio importante, e que foi objecto de nossas
se achão certos trabalhos desta assembléa, como as deliberações, parece-me muito exacto e conforme a
discussões interrompidas de alguns projectos de lei, todas as regras do justo. Contém duas partes: a 1ª
pareceres de commissões adiados, segundas assignala as providencias sobre o que deve praticar-
leituras, etc., se destinem e reservem para isso ou se com o marechal Luiz Paulino: e a 2ª as que dizem
duas sessões na semana, ou as horas de respeito aos
prolongação de quatro dias em cada semana.
Sessão em 16 de Setembro de 1823 127

outros emissarios, segundo consta dos officios que deduzido das regras do direito das gentes que acabo
vierão juntos. de referir; é preciso que sejão recebidos e ao mesmo
Quando duas nações estão em guerra, logo tempo guardados com as cautelas necessarias, para
que se apresentão signaes reconhecidos de se que disto se não siga algum damno ao estado.
querer tratar alguma negociação, e que se pede para Declara-se no mesmo parecer que o ulterior
isso cessação de hostilidades ou por meio dos tratamento deve ir de conformidade com as missões
trombetas substituidos hoje em dia aos arautos, ou de que vierem encarregados, devendo dellas
por bandeira parlamentar, é conforme aos principios conhecer-se se convém que sejão reconhecidos e
certos do direito das gentes, que se suspendão as tratados como verdadeiros mensageiros, que trazem
hostilidades, e se recebão os emissarios, ouvindo-se negociações á tratar, ou se como perfidos, que vêm
as suas proposições, e se adoptem todas as com principios capciosos perturbar a marcha dos
medidas, que lhes não fação mal, despedindo-se os nossos negocios; portanto julgo que o mesmo
mesmos com as respostas, que convém abraçar. Isto parecer nesta parte se conforma com os principios
é tambem o que têm praticado as nações cultas, e o estabelecidos; devendo-se praticar o que nelle está
que têm ensinado os que escreverão sobre o direito marcado e proposto.
das gentes geral e convencional. No caso, porém, que se reconheça que não
Por estas razões todo que se quizer são verdadeiros emissarios, que não têm os signaes
apresentar á nação com quem está em guerra para e caracter de verdadeiros parlamentarios,
tratar de suspensão de hostilidades, troca de estabelecido pelo direito e pratica das nações, e que
prisioneiros ou outra qualquer negociação fins sinistros são o primario fim da sua vinda, então
semelhante, ha de fazer-se annunciar como tem lugar o aprezarem-se as embarcações como
parlamentario, palavra que designa mensageiro com proprias de inimigos e serem tratados como
propostas pacificas, e que tem relação com o estado prisioneiros de guerra os encarregados da
de guerra, em que estão as duas nações mensagem, porque o caso volta aos principios
belligerantes. Nós estamos em perfeita guerra com geraes do direito das gentes, que prescreve como
Portugal: somos nação civilisada; e devemos praticar justa a preza de embarcação inimiga, muito mais
o que acabo de referir como regras da lei das quando entra pelo porto e firma a sua bandeira e os
nações. que nella vêm são verdadeiros prisioneiros de guerra
Portanto apresentando-se-nos este marechal como inimigos, havendo fingido trazer negociações
mandado por el-rei com uma carta régia, que pacificas e interessantes ás duas nações.
annuncia, que o fim da sua missão era fazer cessar Não tenho portanto mais que approvar o
as hostilidades na Bahia, e vir unir-se aos outros parecer da commissão, não só pelo que fica dito e
emissarios, tendo entrado com bandeira porque é exacto, mas tambem porque na pressa e
parlamentaria, era claro que não podia deixar de ser estreiteza do tempo não podia ser mais bem feito e
recebido, e devia ser tratado como pessoa adequado ás circumstancias e ás decisões do direito
encarregada de alguma negociação por parte do das gentes.
inimigo até que se apresentassem os outros. Então á O SR. MUNIZ TAVARES: – Sr. presidente, as
vista da missão, da sua qualidade e conveniencia, se commissões reunidas de constituição e politica
deveria decidir se cumpria tratar da negociação ou interna não podião deixar de reconhecer que o
serem logo despedidos sem serem ouvidos. objecto de que hoje se trata e que então lhes foi
Concorreu, que o marechal estava bastantemente presente, era da competencia do poder executivo;
enfermo e até com perigo de vida se estivesse mais mas reconhecendo tambem a franqueza e boa fé do
tempo embarcado; que diz a commissão? Aquillo mesmo poder executivo em requerer á esta
que é conforme ás regras da justiça restrictamente assembléa uma norma certa de conducta em tão
unido com as da humanidade. Nenhum paiz por mais importante negocio; tendo de mais a mais em
barbaro que fosse deixaria de prestar auxilio a um consideração o estado melindroso em que
enfermo, que lh’o requeresse. Até aos criminosos de actualmente se acha a nação, estado que exige a
alta traição, que são considerados os maiores mutua coadjuvação dos dous poderes, não hesitaráõ
inimigos do estado, se adoecem, são tratados no em dar o seu parecer. Resta agora examinar se elle
hospital com as cautelas necessarias. Como se deve ser approvado em todos os seus artigos.
podia fazer o contrario a um emissario de uma nação Antes porém, de entrar neste exame devo
estrangeira que vem encarregado de uma missão dizer que dos officios e mais papeis que forão
parlamentar? Tudo que assim se não fizesse, ia de remettidos ás ditas commissões reunidas, collige-se
encontro ás regras do justo, sendo além disto que o governo portuguez ou por malicia, ou por
deshumano. fraqueza, ou mesmo de boa fé (se é possivel),
Na outra parte do parecer da commissão o pretendia enviar á esta côrte pessoas
que se estabelece, que deve ter lugar com os outros
emissarios que se esperão, é igualmente
128 Sessão em 16 de Setembro de 1823

da sua confiança para tratar de certos arranjos com o parlamentario, o governo deverá tratar com elle: é
nosso governo inculcando-se ser o marechal Luiz sobre isto que eu convido a attenção da assembléa.
Paulino uma dessas pessoas. Não pretendo desabonar o marechal Luiz
Constou tambem mais ás commissões o Paulino, elle desgraçadamente já se acha
acertado procedimento do governo de Sua desabonado; humilde proselyto do partido inimigo do
Magestade Imperial em declarar logo á esse Brazil, ainda ha pouco nas ultimas sessões das
marechal os briosos sentimentos da nação brazileira, côrtes ordinarias apregoava-se o apostolo da união;
isto é, de não admittir com enviados portuguezes a sua conducta é bem notoria, desprezando os
negociação alguma que não tiver por base o interesses de sua patria bandeava-se publicamente
reconhecimento da nossa independencia. com a canalha que nos motejava; um homem desta
A’ vista de um tal procedimento as natureza não póde jámais merecer a confiança
commissões podião mui bem dispensar-se de referir publica, e o nosso governo deverá tratar com elle?
outra cousa que não fosse o confirmar o governo em Persuado-me que não.
sua brilhante carreira, dando-lhe os elogios que de Por consequencia voto tambem que se diga ao
justiça lhe são devidos; mas para nada ficar em governo que não admitta o marechal Luiz Paulino á
duvida a este respeito, passárão além; declarárão no conferencia alguma ainda mesmo reconhecendo-se
1º artigo, que chegando a este porto os sobreditos ser verdadeiro parlamentario, e que logo que o seu
enviados, mostrando-se serem verdadeiros estado de saude o permittir seja remettido para o
parlamentarios, pudessem desembarcar, sendo reino de seu senhor, praticando-se todavia, o mesmo
todavia honrados e defendidos por uma guarda de que com os outros no caso de não ser verdadeiro
honra, que ao mesmo tempo os desviasse da parlamentario.
communicação com as pessoas do paiz. Eu mando á mesa a seguinte:
Eu, porém, posto que assignasse este
parecer, todavia discordo quanto a este artigo. Agora EMENDA
mesmo sou informado por um meu respeitavel amigo
chegado hontem de Lisboa, que alli era publico virem 1º Logo que chegarem os emissarios de
esses enviados unicamente com o fim de reporem as Portugal não desembarcaráõ sem apresentarem
cousas, da parte de D. João VI, no seu antigo titulos legaes que os autorise a reconhecer a nossa
estado, isto é, restabelecer no Brazil o sempre independencia.
detestavel absolutismo e lembrarem ao nosso 2º Não apresentando os mencionados titulos
imperador que elle ha de succeder no throno de praticar-se-ha o que se acha expresso no parecer da
Portugal. commissão.
Insensatos! Quanto se enganão! Quão 3º O marechal Luiz Paulino, ainda sendo
desvairados são seus planos! legitimamente autorisado para tratar com o nosso
Eu nada receio a respeito delles; a nação governo, este jámais o admitta a conferencia de
brazileira tem manifestado bem positivamente a sua qualidade alguma; pelo contrario, o faça logo
vontade, mas é da nossa obrigação obstar a embarcar para fóra do imperio apenas se achar
qualquer tentativa do inimigo, e por isso eu restabelecido da molestia que diz atacal-o; mas isto
emendarei este artigo dizendo que jámais no caso de se verificar ser verdadeiro parlamentario,
desembarquem esses agentes, sem que de bordo porque não sendo praticar-se-ha o disposto para os
mesmo apresentem os titulos legitimos que os outros enviados.
autorise a reconhecer a nossa independencia. Paço da assembléa, 16 de Setembro de 1823.
Quanto ao 2º artigo nada tenho que – Francisco Muniz Tavares. – Foi apoiada.
accrescentar; approvo a sua doutrina, ella faz-se por O SR. CARNEIRO DA CUNHA: – Sr.
si mesma recommendavel. E’ preciso que os presidente, eu approvo a ultima reflexão do illustre
ousados soffrão a pena que lhes é marcada; se se deputado que acabou de fallar.
lembrarem os ditos enviados de abordarem as Quando se tratou deste objecto, logo que se
nossas praias na persuasão de que entrão em seu recebeu o officio do ministro da marinha relativo á
territorio, sem attenção nenhuma aos nossos chegada de Luiz Paulino, eu fui de opinião que o
direitos, fiquem prisioneiros; assim a justiça governo tinha procedido como devia, declarando que
imperiosamente reclama. nada tinha a tratar com emissarios de Portugal sem a
Estes principios sem duvida nenhuma devem previa condição do reconhecimento da nossa
ser applicados ao marechal Luiz Paulino, um desses independencia; feito isto pelo governo parecia-me
inculcados enviados, porém offerece-se de mais a que nada mais tinha que dizer a commissão.
mais a seu respeito uma questão e sobre a qual já Obremos com decoro, e sustentemos a
annunciei na commissão o meu modo de pensar, e
é, se ainda verificando-se ser o sobredito marechal
verdadeiro
Sessão em 16 de Setembro de 1823 129

dignidade de nação independente. A nossa parecer da commissão tem duas partes: 1ª que diz
independencia existe, e quando a proclamamos foi respeito a luiz Paulino, e outra aos enviados, que por
para não admittir união com paiz algum estrangeiro, instantes se esperão de Portugal.
ora, o rei de Portugal, embora seja pai do nosso Quanto á primeira já está decidida; fallarei da
imperador, é rei estranho; e como tal nada ha a tratar segunda. Nada tenho contra a materia do parecer;
com elle antes de reconhecer a independencia do eu creio, que elle está organisado segundo os
Brazil. Além disto cumpre reflectir que reinão principios evidentes dos direitos das gentes, e se eu
desconfianças nas provincias a respeito deste houvesse de obrar em tal caso, talvez outra cousa
mesmo negocio. não fizesse senão o que aponta o mesmo parecer;
O chefe da nação dá-nos provas de affecto, e mas, senhores, acaso é das attribuições da
de enthusiasmo pela nossa independencia; mas assembléa este negocio? Deverá a assembléa
comtudo podem muitos lembrar-se que sempre é marcar ao governo até o modo porque deve receber
tratar um filho com seu pai; e por isso é os enviados de uma nação inimiga, que vêm como
indispensavel dar sempre a mesma resposta – sem o parlamentarios entabolar negociações comnosco?
reconhecimento da independencia não se entra em Não saberá o governo o que deve obrar? Acaso
negociação alguma. saberemos nós mais do que o governo nesta
A commissão porém diz que se lhe póde materia? Não; eu creio que o governo deve saber
permittir o desembarque mostrando que são este negocio mais do que nós, assim como nós
verdadeiros parlamentarios; mas para que? Não saberemos de certo mais que o governo, fazendo
salta aos olhos que nem este, nem os outros que uma lei, despendendo a fazenda publica, etc.
vierem trazem para negociar a base de que não se Não se póde duvidar que é da natureza das
póde prescindir? Logo, que mais ha a fazer do que attribuições do governo o tratar as negociações com
dar a resposta que já deu o ministro? Portanto a as nações estrangeiras, receber seus enviados, e
commissão só tinha a dizer que o governo fizera a fazer todas as correspondencias diplomaticas; e
sua obrigação, e que a assembléa estava satisfeita. quando muito só no fim dessas negociações deverá
Nós não devemos envolver-nos neste negocio dar parte á assembléa do modo, e pela maneira que
que é da competencia do executivo; elle respondeu nós lhe marcarmos na constituição; logo, para que
bem, e se firme nos principios que adoptou continuar havemos de occupar-nos até em dizer ao governo o
a não admittir emissario, ainda que não sejão anjos, modo porque deve receber esses enviados de
sem a expressa condição de reconhecimento da Portugal? E’ tão louvavel ao governo a delicadeza
nossa independencia, faz o que deve, e procede com que teve com a assembléa, o desejo que mostra de
dignidade. marchar com esta em harmonia, submettendo-lhe a
Estou certo que quaesquer outros que decisão deste negocio, quanto não será louvavel á
cheguem hão de vir só com as esperanças de união, assembléa o aproveitar-se desta delicadeza, e
e portanto nada de entrar em negociações. Em ingerir-se no que lhe não compete.
Portugal reconhecendo a nossa independencia, Nada temos de dizer ao governo senão que
todas as mais nações a reconhecem, pois se o não todo este negocio lhe pertence decidir, que a
têm feito já, é por politica; portanto vão-se embora assembléa espera que o governo obrará como deve;
esses emissarios, e venhão com instrucções que e se mais alguma cousa houvessemos de dizer-lhe,
sirvão para este fim. e até mesmo de ordenar-lhe era aquillo mesmo, que
O SR. ALENCAR: – Outr’ora levantei neste elle já fez: isto é, que nenhuma negociação
augusto recinto para fallar de uma maneira, que admittisse, sem que precedesse como preliminar o
parecia querer dar a esta assembléa attribuições que reconhecimento claro e decisivo da independencia e
lhe não competia, então fui censurado, e respondeu- integridade do Brazil.
se que não nos deviamos ingerir em attribuições Isto mesmo já muito bem disse o governo;
alheias; mas parecia-me ver cidadãos opprimidos e mas se querem digamol-o de novo: isto devemos
vexados, a lei sem vigor, o governo descuidado; e dizer-lhe, porque satisfazemos aos nossos
então julguei, que só a influencia da assembléa juramentos – de não admittirmos com alguma nação
poderia remediar aquelle mal; comtudo nada se me laço algum de federação qualquer, que se opponha á
respondeu, senão o que já disse, – não nos nossa independencia. – Nada mais temos a fazer.
compete. – Agora porém, senhores, fallarei de modo, Cada um carregue com os seus deveres: faça o
que parecerá defensor das prerogativas do governo governo o que é das suas attribuições: a nós nos não
quem outr’ora parecia querer augmetar falta que fazer.
excessivamente as da assembléa. O Deixemos de influir sobre todos os negocios,
senhores; não nos illudamos: a natural tendencia das
assembléas extraordinarias para
130 Sessão em 16 de Setembro de 1823

influirem em todos os negocios do estado é a condição por julgar, que de sua natureza era tão
molestia, que mais concorre para a sua ruina. Eu não essencial e necessaria á estabilidade e prosperidade
quero dizer que esta ingerencia fosse o unico motivo do Brazil, que não havia mister mais especifical-a.
da queda das côrtes de Lisboa; mas creio que muito Além disto disse que então serião os mesmos
concorreu para a sua ruina a ingerencia, e emissarios escutados ou não; era evidente, que se
preeminencia, que ellas se tinhão arrogado, em entendia com relação ás instrucções e proposições
todos os negocios do estado: isto fez, que tudo o que que apresentassem. E’ extemporaneo, por não dizer
succedeu se lhe imputou, e em breve puderão seus ocioso, estar já a tratar de que os mesmos querem a
inimigos machinar-lhe a sua ruina: tenhamos á vista união de Portugal com este imperio, porque eu não
este exemplo, e não corramos ao precipicio. sei, nem alguem o póde saber, senão á vista de suas
O governo já principiou a obrar, e obrará o que propostas.
deve: elle não entrará em negociações, sem que Não é possivel que tenhão outras pretenções?
preceda o reconhecimento da independencia: elle Que sejão as suas proposições tendentes a outros
não póde deixar de obrar assim; porque do contrario negocios de interina consideração? Nós estamos em
cessará immediatamente de ser governo: 1º, porque perfeito estado de guerra com Portugal, fomos
é nessa independencia que se firma a estabilidade provocados pela força da oppressão, e a reacção
do governo, como governo independente, e abalada devia ser proporcionada: despedaçámos e arrojámos
ella, ipso facto, o governo deixa de ser governo: 2º, ao longe as cadêas que nos querião lançar os
se assim não obrar o governo incorrerá na nossos antigos oppressores.
indignação do Brazil, e immediatamente Sr. presidente, a natureza nos tinha separado,
desapparecerá; porque o Brazil quer ser pondo entre nós e Portugal tamanha distancia e
independente, já o é, e nunca mais deixará de o ser. tamanhos mares, e dando-nos diverso clima, genio e
(Apoiado, apoiado.) costumes; satisfizemos estas intenções da natureza;
Antes porém de findar, devo fazer um reparo e tendo chegado á virilidade não haviamos mister a
sobre o que ha pouco ouvi aqui; disse-se que no tutoria da mãi patria, que excedendo os justos
caso dos enviados não trazerem os poderes limites, e querendo privar-nos da categoria de reino a
necessarios para o reconhecimento da que tinhamos sido legalmente elevados, pretendia
independencia deverião ser reputados como espiões, forçar-nos ao antigo e pesado estado de colonia,
e feitos prisioneiros de guerra; isto é um erro, é um como as estabelecerão as nações modernas, não
absurdo; ainda mesmo que não venhão munidos imitando sequer as antigas, que as não sugeitarão a
desses poderes para reconhecer a independencia, tamanha escravidão. A Grecia, Sr. presidente,
logo que elles se apresentem como parlamentarios, instituio colonias na Italia fazendo dellas estados
mostrem suas credenciaes, que os autorisem para protegidos, mas independentes e amigos: tanto
quaesquer negociações devem ser reputados basta para sustentarmos com dignidade, patriotismo,
enviados de uma nação independente, e como taes e energia a nossa independencia.
respeitados. Pouco mais tinha a dizer sobre a justiça do
Não se devem admittir suas negociações, parecer da commissão, mas por ter escapado o
porque falta a condição, sine qua non; mas devemos ponto. – Se pertencia ou não a esta assembléa a
respeital-os, e fazel-os voltar para o seu paiz da decisão deste negocio, ou se era privativamente do
mesma fórma, que vierão, e prestando-lhes todos os poder executivo sem consultal-a – farei mais
soccorros necessarios. Mas tudo isto sabe o algumas reflexões. Quando appareceu nesta
governo; tudo isso é da sua attribuição; elle obrará, e assembléa o officio do ministro da marinha, que
obrará bem; e nós tratemos do que nos compete, e apenas participava a chegada do brigue Treze de
nada mais. Maio; logo se exclamou censurando-se a falta da
O SR. CARVALHO E MELLO: – Quando, Sr. participação das mais circumstancias, e
presidente, fallei desta materia pela primeira vez decididamente se decretou que se officiasse ao
dirigi-me a mostrar que o parecer da commissão era governo para remettel-a, na firme persuasão de
conforme ás regras do direito das gentes, e que só pertencer a esta assembléa pelo menos a direcção
depois da chegada dos emissarios esperados, e á do negocio; e agora já duvidamos da nossa
vista de suas proposições é que podia e devia competencia? Não é isto pelo menos inconsideração
decidir-se se serião ou não recebidos. E’ claro e por não dizer inconsequencia?
constante da participação do governo, que já se tinha Todos sabemos, Sr. presidente, que a base a
mandado perguntar ao marechal Luiz Paulino se mais essencial dos governos representativos é a
trazia instrucções e poderes legaes para reconhecer divisão dos poderes, que estes devem ser
a independencia, e integridade deste imperio. separados, mas por tal maneira unidos e
Em consequencia não fallei desta preliminar harmonisados, que a reciproca resistencia constitua
o equilibrio, e se unão á maneira
Sessão em 16 de Setembro de 1823 131

de uma abobada, e todos se concentrem afim de que o parecer da commissão propoz no 5º artigo; não se
se consiga a firmeza e estabilidade do governo, e a julgou que se deixasse á consideração do governo,
prosperidade dos povos; todos sabemos, que antes mas decretou-se. E quer agora a assembléa
de proclamarmos a nossa independencia, e ainda proceder contra o que decidio? Deliberar em uma
algum tempo depois, os poderes legislativo e parte, e dizer agora ao poder executivo que lhe
executivo estavão reunidos no chefe da nação, pretendia a decisão, não é mostrar leviandade, e
porque assim convinha e era necessario para não inconsideração? Por que ha pelo menos
nos precipitarmos na mais absoluta anarchia. inconsequencia. Nem se diga, que deve carregar
Declarou-se a independencia: installou-se a com a responsabilidade quem tem obrigação de
assembléa, e por este facto separou-se e passou decidir o negocio.
para esta o poder legislativo, que lhe é essencial. Os Que susto ou temor podemos ter em dizer ao
governos representativos são compostos, e mixtos; e governo, que não admitta negociações com esses
a sua natureza, e fórma resulta da união dos emissarios sem a preliminar condição do
governos monarchicos e democraticos; com mais ou reconhecimento da independencia, e integridade do
menos participação das fórmas de cada um. Desta imperio, quando até o governo já o praticou?
união, mais ou menos modificada, é que vem a Portanto não tenho duvida em affirmar que esta
conhecer-se a distincção dos dous poderes, e as assembléa se houve com todo o acerto na
suas respectivas attribuições; o que deve ser deliberação; que a commissão propoz um parecer
marcado constitucionalmente: não trato do poder justo a respeito de todos os pontos que annunciou;
judiciario, porque é um poder á parte, e que não tem que a assembléa em o approvar não se entromette
tão estreita relação com os outros. com esta deliberação nas attribuições do poder
Não tendo nós ainda constituição não estão executivo; e que se este obrasse o contrario poderia
portanto marcadas as extremas e raias dos referidos causar ciume.
dous poderes, e não estão por isso distinctos por Não temos pois que recear; ao contrario
modo que se conheção separada e bem devemos estar satisfeitos pelas provas que dá o
distinctamente os limites respectivos. No estado em mesmo poder executivo de querer conservar união e
que estamos só póde conhecer-se como attribuições conformidade com esta assembléa; e queira o céo
do poder executivo aquellas, que são muito para bem da nação, que continuem e durem tão
claramente essenciaes á sua natureza, como dispôr justos e generosos sentimentos!
das forças de mar e terra, fazer executar as leis, O SR. ALMEIDA E ALBUQUERQUE: – Sr.
promover o andamento e semelhantes; as que não presidente, o parecer das commissões é tão
são assim á primeira vista conhecidas é necessario conforme ás regras de justiça, e aos principios de
que sejão designadas pela constituição. direito publico e das gentes, que eu não sei como se
Tenho, que o governo obra com sabedoria possa fallar contra elle. Os Srs. deputados que o têm
sempre que apparecendo casos desta importancia impugnado, têm verdadeiramente atacado mais as
participa a esta assembléa; e nós assim o commissões, por haverem interposto o seu parecer,
entendemos, quando nos escandalisámos da do que o mesmo parecer: mas vejamos se as
pequena demora que houve em se nos não participar commissões devião dar, como derão, a sua opinião;
logo. Obra o governo com toda a prudencia e ou se devião dizer, como querem alguns Srs.
sabedoria quando apresenta á assembléa um caso deputados, que o negocio não pertence á
extraordinario, e em que parece dizer, – ainda que assembléa: mas que é privativo do governo.
me persuado pertencer-me a decisão, folgo de que a Logo que aqui nos constou por officio do
assembléa o decida. – Que quer isto dizer; é que ministro da marinha que era chegado ao porto desta
quer obrar de conformidade com a sabedoria da cidade o marechal Luiz Paulino, vindo de Lisboa em
assembléa em cousa tão importante á nação. o bergantim Treze de Maio com bandeira
Acho que se houve assim muito bem. parlamentaria, não faltou nesta assembléa quem
Approvarei sempre esta conducta, que mostra encrespasse o ministro dos negocios estrangeiros
prudencia, circumspecção, desejo de harmonia, e por não haver dado immediatamente todos os
certeza de não querer apossar-se de uma esclarecimentos a este respeito; e apezar de dous
attribuição, que ainda lhe não está designada Srs. deputados o defenderem, dizendo o que sabião
constitucionalmente, e que não é essencial ao poder e mostrando que ainda não havia demora; todavia
executivo. Posto isto em these geral, passemos ao isto não satisfez e se mandou que se pedisse
caso especial. Veio a esta assembléa o officio do informações ao governo: no dia seguinte o ministro
governo, que submette á sua deliberação a decisão deu conta de tudo, fez vêr qual tinha sido o
do negocio. procedimento do governo: apresentou toda a
A assembléa não hesita; responde-se que se correspondencia com o marechal, assim como as
pratique com o marechal Luiz Paulino o que cartas régias que este trouxera de Lisboa
132 Sessão em 16 de Setembro de 1823

e pedio á assembléa para resolver sobre o negocio; Eu creio que a assembléa não quer fazer
a assembléa mandou lêr todos os papeis; e depois direito novo, e mesmo direi que o não póde fazer;
de bem inteirada da materia e de se haverem feito essa materia está exhuberantemente tratada nos
muitas reflexões, mandou-se que duas commissões escriptores; ha um direito convencional das nações
reunidas dessem o seu parecer. Ora, quem não vê que o sancciona, o ministerio sabe qual é a marcha
que este parecer não podia versar sobre a que deve seguir, e portanto desnecessario é
competencia? gastarmos tempo com o que o governo sabe e é do
A assembléa estava inteirada de todo o seu officio.
negocio; e a entender que lhe não competia, nada Quando chegar o momento de convenções ou
era mais facil do que declaral-o: e não era preciso tratados, depois de reconhecida a independencia,
que uma commissão lh’o dissesse, para então o então o chefe da nação o communicará á
pronunciar. Portanto é mui claro que as commissões assembléa, porque esses objectos á ella pertencem
fizerão o que devião; derão o seu parecer, e parecer tambem e não é só attribuição do chefe do poder
muito justo, contra o qual nada se póde dizer com executivo, como até no projecto da constituição art.
razão. Mas ainda suppondo que a assembléa antes 6º está reconhecido. Ainda hontem ouvi dizer a
de examinar o negocio por si, como fez, mandava ás alguns dos illustres deputados que a assembléa não
commissões para darem o seu parecer; digo que o tinha ordenado, mas tão sómente dado a sua
parecer não podia ser outro e que as commissões opinião; e diremos hoje que a assembléa resolveu e
nunca podião dizer que o negocio não é da decidio? Isto me parece contradictorio. E' por isso o
competencia da assembléa. Nós vemos que o meu voto que se declare ao governo o
governo é o proprio que pede providencias; que o reconhecimento da assembléa pela heroica
governo quer obrar em toda a harmonia com esta resolução que elle tomou, e que a assembléa fica na
assembléa; que o negocio é de summa importancia, certeza de que o governo continuará a ter a marcha
e que não é das cousas ordinarias; como então digna que a nação delle espera.
podemos dizer que não é da nossa competencia? O SR. MONTESUMA: – Eu, Sr. presidente, fui
Alguns senhores têm dito que o governo deve o primeiro que ao annunciar-se o parecer da
saber o que ha de fazer; e que é preciso que esta commissão me oppuz á elle, dizendo que era
assembléa se não entrometta em cousas que á elle necessario comportar-se a assembléa em fórma que
governo pertencem, afim de não tirar com a sua não parecesse pretender ingerir-se em cousas que
ingerencia a responsabilidade aos ministros: na lhe não pertencião. Então lembrei-me do que tem
verdade não conheço o peso destas razões. acontecido aos corpos constituintes de Hespanha e
Emquanto a mim eu quizera que tudo se fizesse Portugal e mesmo do que aconteceu ao de França
bem, sem que fosse preciso procurar por essas nos annos de sua revolução; lembrei-me do nosso
responsabilidades: toda a harmonia do governo com juramento; lembrei-me do essencial que a nação
a assembléa é de summa necessidade: o governo quer que façamos, e respondi á duvida opposta – se
tem obrado de mui boa fé e com muita sabedoria; é se não deve responder ao governo quando elle
muito digno de louvor. Emquanto assim o fizer, consulta; – parte dos meus raciocinios foi então
podemos estar certos de que a nossa independencia rejeitada; parte apoiada; parte soffreu alteração.
adquirirá toda a solidez necessaria e a nação será Para não repetir o mesmo, não examinarei a
feliz. Voto pois pelo parecer das commissões. materia por esse lado e exprimirei melhor o meu
O SR. RODRIGUES DE CARVALHO: – Os voto.
reis em materias politicas não têm pais, não têm A questão hoje é já outra, pelo que tenho
filhos, não têm irmãos; esta verdade sabida desde a podido colligir das fallas dos Srs. deputados.
mais remota antiguidade está bem provada nas Confesso que a materia é de summa importancia e
ultimas convulsões politicas que tiverão lugar em talvez minhas forças não a venção.
nossos dias. Além desta regra geral, nós sabemos Trata-se de responder ao governo sobre o
que o chefe da nação mui positivamente já declarou officio dirigido á assembléa sobre a chegada de Luiz
que não admittia proposição alguma do governo Paulino e da futura vinda de mais dous commissarios
portuguez, sem a decisão preliminar do do rei de Portugal. O governo neste officio dá conta
reconhecimento da independencia do imperio; logo, de algumas medidas já tomadas e estabelece a
parece desnecessario inculcar o procedimento que o regra, que julga o deve guiar em qualquer
ministerio deve ter, quando elle já o declarou á negociação que pretendão aquelles commissarios.
assembléa, e vai coherente com o que ella julga Perguntarei primeiro: o governo ignorará que
conveniente. Que temos pois nós agora de tratar? este negocio é de suas attribuições? De certo que
Será o modo com que devem ser recebidos esses não.
emissarios, segundo mostrarem ou não o caracter de Sabendo-o portanto consultou a assembléa.
que são revestidos? Esta deve deixar de dar o seu parecer? Não.
E dál-o-ha, mandando? Não; porque não
Sessão em 16 de Setembro de 1823 133

é attribuição sua. Se tal fizesse daria azo á que o Na terceira declara-se especialmente que
governo estivesse constantemente a tirar de si a tomar medidas de segurança pertence ao governo,
responsabilidade dos negocios e objectos, cujo que receber diplomaticos pertence ao governo,
conhecimento e manejo quiz a nação conferir-lhe obrando em tudo de accordo com o direito das
para a descarregar sobre a assembléa. gentes. (Leu.) Na quarta firma a base das
Logo, cumpre, que na resposta se declare que negociações; a preliminar e essencial para se poder
o negocio não pertence á assembléa. entrar ou admittir qualquer proposta; declarando-se
Eis já demonstrada qual devera ser a primeira ao mesmo tempo ao governo que, caso entre em
parte do parecer da commissão; não é nem disso se negociações, participe tudo á assembléa; para esta
trata. deliberar. (Leu.)
Sr. presidente, eu quizera que se Ora, agora dizer ao governo que deve pôr uma
distinguissem dous tempos: um que é o em que guarda ou não aos commissarios; que deve prohibir-
chegão os emissarios, outro em que declarão sua lhes ou não a communicação com os habitantes da
missão e que com elles se abrem negociações. côrte, é inutil, ocioso; é ingerencia perigosa.
Ao primeiro pertencem o modo por que devem Sr. presidente, tambem ha despotismo nas
ser recebidos, as solemnidades que elles devem assembléas legislativas; taes corpos politicos são
guardar e as medidas de segurança que convém se sem differença alguma tão aptos como os demais da
tomem; nada disto pertence á assembléa, é tudo do sociedade para despotisarem e tyrannisarem: desde
governo. Portanto, sobre isto nem uma palavra. que excedem seus limites são despoticos; é de
O segundo comprehende já as condições que mister cautela.
devem preceder á abertura das negociações; já o E' este o meu voto.
conhecimento da legitimidade e aptidão dos O mesmo Sr. deputado mandou á mesa a
commissarios, já os artigos da negociação. E' sobre seguinte emenda:
estes tres pontos que a assembléa deve responder. A assembléa reconhece não ser attribuição
Emquanto ao 1º, approvando a base tomada sua marcar o modo por que se devem receber os
pelo governo, o reconhecimento da independencia e emissarios, agentes e em geral quaesquer
integridade do imperio, condição sine qua o governo diplomaticos das nações alliadas ou inimigas; porém,
não abrirá negociação alguma; pois, ou nos agradecendo á S. M. Imperial a harmonia que
considerão insurgentes, ou nação livre e mantém com a assembléa, consultando-a nas altas e
independente; naquelle caso somos indignos de difficeis deliberações do governo, ella julga do seu
tratarem comnosco; neste reconheção dever significar consultivamente á S. M. Imperial:
solemnemente a nossa independencia e integridade. 1º. Quem em tudo e por tudo a assembléa
Louvo portanto a base tomada pelo governo, louva as respostas dadas pelo ministro respectivo
assim como toda a sua conducta até aqui sobre o aos officios do marechal Luiz Paulino.
negocio. 2º. Que á S. M. Imperial compete determinar
Nada queremos com estes vandalos; nada todas as medidas de segurança, obrando comtudo
precisamos delles. Se precisão de nós, que abatão o de accordo com os principios geraes do direito das
orgulho e conheção a superioridade do grande povo, gentes na parte respectiva ao presente caso.
outr'ora misera colonia. 3º. A assembléa julga demais que se não abra
Emquanto ao 2º, só o governo póde entrar na negociação alguma sem que apresentem os
averiguação, se são ou não aptos, se legitimos ou commissarios de que se falla, instrucções para
não; o mesmo finalmente se deve dizer ácerca do 3º, reconhecerem a independencia do imperio e a
declarando-se porém que á assembléa pertence e reconheção categoricamente; devendo sahir logo e
quer saber antes de serem ultimadas as negociações logo do imperio, caso não estejão por aquelle
para as approvar. reconhecimento.
Ora, como o governo dá parte de medidas já 4º Pede a assembléa á S. M. Imperial que,
tomadas por elle, cumpre approval-as ou caso entre em negociações com os emissarios, no
desapproval-as e fazer disto um artigo da nossa caso do paragrapho antecedente, Sua Magestade
resposta para satisfazermos ao governo. Isto não fez Imperial nunca delibere definitivamente sem que seja
a commissão; calou-se e nada responde. ouvida a assembléa. – O deputado, Montesuma.
Apresento portanto uma emenda que tem Requererão alguns Srs. deputados que esta
quatro partes; na primeira se faz a declaração de que emenda se dividisse em partes. Começou-se pelo
não pertence á assembléa este negocio. (Leu.) Na preambulo e a primeira parte delle até á palavra
segunda responde-se ao governo sobre as medidas inimigas, foi apoiada; mas o resto foi rejeitado. Os
que tomou louvando-as. (Leu.) quatro artigos da emenda forão apoiados.
O SR. ARAUJO LIMA: – Sr. presidente, se
134 Sessão em 16 de Setembro de 1823

se tratasse de prioridade de tempo sobre a idéa de todavia, os principios geraes e natureza das cousas
se deixar o governo obrar livremente neste negocio, pedem que seja o governo livre em se conduzir
eu talvez disputasse a gloria: vamos á materia. sobre esta materia, o que, todavia, é preciso que se
Qualquer que seja a fórma de governo que tenha entenda em termos habeis, como logo direi.
uma nação adoptado, quaesquer que sejão os Sobre isto, Sr. presidente, temos que observar
elementos que entrem na composição dos poderes duas cousas, a recepção destes homens, e a
politicos de um estado, quaesquer que sejão as negociação, objecto de sua missão; emquanto á
circumstancias em que elle se ache, ou no negociação a commissão conformando-se com o
andamento ordinario das cousas, ou nos momentos governo approva o que elle tem feito e espera que
extraordinarios de guerra, de mudança de governo e seja firme em sua marcha; emquanto á recepção
regeneração politica, ha certos principios geraes de este negocio deve ser do governo; a pratica das
cuja existencia não é licito duvidar e que em todos os nações, os usos entre ellas estabelecidos são as
tempos têm servido de linha de conducta ás nações. regras porque se deve o governo conduzir, nada tem
O direito das gentes, assim o natural e a assembléa que dizer sobre isto.
necessario, que não é outra cousa mais do que o Um honrado membro já disse, e disse uma
mesmo direito natural applicado ás nações, segundo verdade; é bem sabido o modo porque se devem
a particular organisação destes corpos, como aquelle receber os encarregados de taes missões, sabe-se
que tem por fundamento os usos e costumes das quaes os privilegios dos parlamentarios, por direito
nações cultas, tem estabelecido certas regras para das gentes, assim como os privilegios e direitos das
se ellas communicarem entre si, facilitando os meios, nações, que têm de os receber; tudo isto fórma um
ou de fazer cessar os estragos da guerra, ou de direito particular, e a assembléa nada póde instituir
fazer continuar os bons effeitos de uma boa paz. de novo sobre isto, nem que seja contrario ás regras
Este direito, como aquelle que regula as recebidas de todas as nações; e como o parecer da
nações, não só comprehende as que gozão de toda commissão, á excepção da parte que notei, versa
a plenitude de soberania e são reconhecidas sobre estes pontos, é por essa razão que eu não o
independentes, mas estende-se e obriga ás que, approvo.
fazendo parte de outra nação, passão á categoria de A favor do parecer da commissão tem-se
estado livre e independente. allegado dous factos; o ter-se pedido ao governo
Não tendo nós ainda concluido o nosso pacto informações sobre este negocio, e o ter-se remettido
social, por isso que apenas temos divididos os estes papeis á commissão para dar sobre elle o seu
poderes e designadas as pessoas que os devem parecer; e daqui quer-se concluir que a commissão
exercer, forçoso é que nos regulemos pelos obrou bem, dando aquelle parecer, e que a
principios geraes de todos os governos e que nos assembléa deve approval-o para dirigir o governo
conformemos com aquillo que nos indica a natureza neste negocio. Comquanto esteja certo que as
das cousas. negociações diplomaticas devem correr por conta do
Portanto não tendo nós ainda uma lei que governo, eu não ignoro que as nossas
marque a maneira por que nos devemos conduzir no circumstancias são particulares, e por isso alguma
negocio em questão, é preciso que recorramos aos cousa de particular deve haver a nosso respeito; sem
principios geraes, que aliás são certos e é por elles entrar na questão, se o governo póde fazer todos os
que farei algumas observações. ajustes, e dar-lhes a ultima approvação, fazendo-os
Remetteu o governo á assembléa a sómente submetter ao corpo legislativo para seu
correspondencia que entre elle houve e o marechal conhecimento, e competindo a este sómente o direito
Luiz Paulino e os mais papeis relativos ao mesmo de exigir a responsabilidade dos ministros, como
negocio; a assembléa encarregou á uma commissão, succede em algumas constituições; ou se o governo
de que tenho a honra de fazer parte, o exame destes podendo dar principio a quaesquer negociações,
papeis e tendo ella dado o seu parecer é este o deve todavia submettel-as, para sua ratificação, ao
objecto da discussão. corpo legislativo, de quem só depende sua ultima
A commissão, louvando ao governo a approvação; direi que qualquer que seja a opinião
conducta que tem tido, prescreve certas regras para que se siga, as nossas circumstancias exigem que a
se elle conduzir para o futuro; eu, concordando com assembléa seja sabedora do que ha a este respeito,
a commissão na justiça que faz ao governo sobre a porque não se trata nada menos do que da mesma
sua conducta passada, não posso concordar sobre o existencia do Brazil; a assembléa portanto, pedindo
resto do parecer. O parecer prescreve regras que aquellas informações ao governo, não fez mais do
deve seguir o governo á chegada de certos que mostrar que queria ser instruida sobre este
commissarios que consta de officios hão de vir de negocio, mas não declarou que queria determinar
Portugal a negociar; sobre isto digo que, ainda que sobre elle alguma cousa, se elle
não tenhamos marcados os limites dos poderes,
Sessão em 16 de Setembro de 1823 135

pelo aspecto que mostrasse exigisse alguma medida com aquelles que têm toda a opinião a seu favor de
legislativa, ella a daria; mas porque o negocio intelligentes; vós fosteis os mesmos que me déstes
poderia exigir alguma providencia não se segue que estes conselhos, e agora quereis punir-me por
a exija de facto, e por isso não se segue que a aquillo mesmo que me aconselhastes? E á vista
assembléa deve determinar alguma cousa. disto aonde iria a responsabilidade?
Emquanto ao outro facto de ir o negocio a uma Além deste inconveniente ha outro não menor;
commissão, direi que isto era necessario, e esta é a o ministro todas as vezes que quizesse dar um
marcha da assembléa; ella não delibera sem o passo conforme sim os seus interesses particulares,
informe de uma commissão; esta deve fazer a mas que elle não se atrevia a apresentar em publico
exposição do facto, e indicar as medidas que julgar como cousa sua, fazia por uma intriga que se lhe
necessarias; mas não se segue que desse em resposta aquillo que era objecto de suas
necessariamente deva offerecer essas medidas, vistas, e assim ao mesmo tempo que mostrava os
quando a materia as não exigir. Portanto de se seus bons desejos de ir de accordo com o corpo
mandar pedir ao governo informações, e de se legislativo, se subtrahia arteiramente á censura
remetter estas á commissão não se deduz que a publica, fazendo recahir toda esta sobre aquelle.
assembléa deva decretar alguma cousa sobre este Mesmo não suppondo vistas particulares no
negocio. ministro, se elle se conforma com o conselho da
Passarei agora a examinar a opinião de um Sr. assembléa e é mal succedido, eis o odio da nação
deputado, que quer que a assembléa seja voltado todo para o corpo legislativo; e se elle não se
meramente consultiva do governo. Sr. presidente, conforma, e é bem succedido, eil-o apregoado o
deste modo teriamos a assembléa um conselho dos salvador da patria, e tornado o objecto do amor e
ministros; longe de nós esta idéa: a assembléa não veneração dos povos; entretanto que á assembléa
consulta, resolve e manda. Vejamos quaes são as não tocará em partilha senão a indignação por
relações entre o governo e a assembléa. querer perder a nação: e nos casos oppostos a estes
A assembléa não faz mais do que emittir leis, na primeira hypothese elle se attribuirá toda a gloria
ou expedir ordens, nos casos em que isto póde ser; do successo pela boa execução do plano: e pela
ou ella declara a vontade da nação pelo primeiro inclinação dos homens em cortejar o poder, elle será
modo, ou ella resolve os casos que lhe propõe o acreditado; e na 2ª será o ministro sim odiado, mas
governo, e attende ás supplicas dos particulares pelo não é certo que o corpo legislativo ganhará muito; e
segundo, quando isto tem lugar. O governo ou obra quando ganhe, temos uma só hypothese contra
por si sem dependencia da assembléa nos casos todas. Portanto, senhores, nada de corpo consultivo:
que lhe são marcados, ou submette os seus actos, isto destróe a responsabilidade; é mesmo perigoso á
nos casos em que o deve fazer, á assembléa; e assembléa.
então ou a assembléa annulla e declara irritos Ouvi tambem dizer que a assembléa tendo já
aquelles actos, se tem poder para isso, ou exige tão tomado conhecimento deste negocio, e deliberado
sómente a responsabilidade dos ministros; o que sobre o marechal Luiz Paulino, não lhe estava bem
tambem tem lugar no primeiro caso. Portanto ou a voltar atraz. Sr. presidente, isto não é voltar atraz.
assembléa declara ao governo a vontade da nação Primeiramente aquelle negocio foi de momento, e
por um modo imperativo salvos todavia os direitos da agora delibera-se com muito vagar, e talvez que hoje
realeza, ou exige a responsabilidade dos ministros, se tomasse outra resolução; em 2º lugar aquelle
quando os seus actos são a ella submettidos. caso foi particular, concorrião circumstancias
Vejamos agora quaes serião os effeitos dessa particulares, e agora trata-se do negocio em geral e
consulta; a nenhuma responsabilidade dos ministros; isto já marca a grande differença que vai de uma
e assim teriamos por terra a maior garantia do cousa a outra, e por isso não se póde dizer que a
estado. assembléa volta atraz, porque os objectos das
Logo que o ministro se visse embaraçado, ou votações são differentes; em 3º lugar supponhamos
que elle quizesse fazer odioso o corpo legislativo, tudo isso, não deverá a assembléa tomar uma
não tinha mais que remetter-lhe o negocio pedindo o resolução justa, quando melhor inteirada? De certo.
seu parecer, e deste modo se subtrahia á E', Sr. presidente, esta franqueza que ha de
responsabilidade. grangear-lhe o amor dos povos e o respeito das
E com effeito como exigir que um ministro seja outras nações.
responsavel, quando elle não faz mais do que Como não sei se será approvada uma emenda
conformar-se com o parecer do corpo legislativo? que está sobre a mesa, quero dizer sobre ella
Elle diria: no embaraço em que me achava, eu nada alguma cousa: diz ella que não seja admittido o
podia obrar de mais prudente do que seguir o marechal Luiz Paulino como negociador. Sr.
conselho de varões tão respeitaveis, mostrei desejos presidente, é preciso que não nos esqueçamos da
de acertar, conformei-me natureza das nossas funcções; julgar da
136 Sessão em 16 de Setembro de 1823

habilidade de pessoas não sei se nos compete;nós isto está nas suas attribuições: esta faculdade só tem
aqui só julgamos de cousas. a limitação de não se inserirem clausulas que
E’ verdade que quando eu me lembro do lugar destruão o systema adoptado, alienem parte do
do nascimento deste marechal, quando eu me territorio e offendão os direitos dos cidadãos; tudo
lembro do cargo que exerceu, a lista em que estava quanto não fôr isto, está o governo autorisado para
inscripto o seu nome, e o lugar por onde elle recebia fazer, e mesmo não poderia bem dirigir as
o seu soldo, e finalmente quando me lembro do alto negociações, se precisasse da autorisação do corpo
emprego a que ultimamente foi elevado, e o lugar por legislativo para estabelecer as condições; porque
onde foi eleito; não posso negar a imprudencia de tal além de nem sempre estar este reunido, trazia
commissão, mas emfim o governo que olhe para comsigo o perigo da publicidade, que nem sempre
estas cousas; nós, como legisladores não nos convém.
entromettamos com pessoas; e por isso não posso Ora, no caso presente corrobora-se mais esta
approvar esta parte da emenda. idéa com a natureza da condição: porque estamos
A outra parte da emenda diz que os nós em guerra? Porque temos proclamado a nossa
commissarios não desembarquem no caso de não independencia: é pois a independencia todo o seu
virem autorisados para reconhecer a independencia, fundamento. O governo não é governo senão porque
e o seu autor deu a entender que as ultimas noticias tem proclamado a independencia do imperio; a
é que fazem propôr aquella medida. Sr. presidente, nação brazileira não é nação senão porque tem
pela mesma razão porque eu reprovo o parecer da proclamado a sua independencia; a guerra pois está
commissão reprovo esta emenda: mas quero dizer inteiramente ligada com a independencia, e este é o
que estando a commissão disposta a prescrever seu unico objecto. O governo portanto declarando
aquellas regras, eu propuz que nesse caso se que não admitte negociação sem anterior
limitasse a faculdade que se queria dar, propuz reconhecimento da independencia, tem declarado o
mesmo que se marcassem dias; e finalmente que é de natureza da causa.
concordou-se que se puzesse a clausula – A guerra não tem outro objecto senão a
immediatamente – que não me lembro, se ahi está. existencia do Brazil, é preciso pois que se reconheça
Portanto estas duas noticias não me adiantarão os esta existencia para se poder entrar em qualquer
conhecimentos sobre esta materia: aquella medida já convenção. Portanto como isto é da natureza da
por mim foi lembrada. cousa não precisava o governo de autorisação: ora,
Quero tambem observar que ás palavras S. M. agora note-se que o governo antes da assembléa
Imperial se substitua esta – o governo. – Esta, Sr. tomar conhecimento deste negocio, já tinha assim
presidente, é a palavra propria: nunca devemos aqui resolvido; portanto isto não serve para se approvar o
proferir aquelle nome para nós tão respeitavel; na parecer. Tenho portanto mostrado que não deve
Inglaterra usa-se do termo – corôa – e isto é mui passar o parecer da commissão; que não se deve
bem entendido. Dizendo-se no parecer que se dêm adoptar a idéa de conselho, devendo-se substituir a
louvores, póde algum Sr. deputado querer combater palavra que notei.
esta idéa, e entretanto não o fará por contemplação O SR. ALMEIDA E ALBUQUERQUE: – Ainda
devida ao chefe da nação, e isto é em certo modo uma vez responderei ás objecções dos Srs.
coarctar a liberdade da discussão: diga-se pois – deputados, que pretendem que este negocio não
governo, – este é o corpo que está em ponto de seja da competencia desta assembléa: farei por dizer
contacto com a assembléa, e é o que se entende poucas palavras.
com ella: esta palavra não traz compromettimentos. Nada é mais facil do que esta asserção vaga
Agora occorre-me o argumento de um honrado de que o negocio de que se trata pertence ao poder
membro, que para mostrar que o parecer da executivo: mas eu quizera que os senhores que o
commissão deve passar, disse que o governo asseverão, me mostrassem onde está marcada esta
precisa de autorisação da assembléa para attribuição do poder executivo?A constituição ainda
estabelecer como condição necessaria da não está feita; apenas o projecto entrou hontem em
negociação o reconhecimento da independencia. discussão: como pois pertence já hoje ao chefe do
Primeiramente esta unica proposição, quando estado o direito exclusivo de dirigir as negociações
verdadeira fosse, não era motivo sufficiente para se comas potencias estrangeiras? Confesso que não
adoptar todo o parecer, porque podia elle nas outras entendo.
partes não ser fundado em justiça; em segundo lugar Não poderá acontecer que a constituição lhe
não me parece verdadeira a proposição. não dê um poder tão amplo, e que faça dependentes
As negociações diplomaticas correm por conta taes negociações da intervenção do poder
do governo; a este é que compete o exame das legislativo? O projecto mesmo da constituição não
condições dos ajustes; e não precisa de autorisação diz que os tratados serão feitos com conhecimento
especial para as estabelecer; da assembléa? E como dizem os
Sessão em 16 de Setembro de 1823 137

nobres preopinantes que esta materia não pertence O governo pois obrou rectamente em mandar
á assembléa? Concedamos mesmo que ao poder as informações que lhe forão pedidas
executivo pertence fazer quaesquer tratados com competentemente, e tem de mais uma razão
outras nações: poder-lhe-ha por ventura competir particular de delicadeza para informar a assembléa
tambem o direito de estabelecer condições previas miuda e circumstanciadamente no que toca ás
antes de ouvir a qualquer negociador? Não sei relações com Portugal, porque tendo o chefe do
donde lhe possa provir um tal direito, e muito menos mesmo governo relações de familia com o da nação
antes de lhe ser marcado na constituição. inimiga, póde haver algum malevolo (não dentro da
O governo no caso em que estamos obrou mui assembléa, onde todos estão convencidos de sua
prudentemente: conheceu que a vontade geral é de firmeza na causa da independencia, mas fóra), que
que nenhuma negociação se abra com Portugal, sem se atreva a imaginar suspeitas de condescendencia.
que este reconheça a independencia da nação Até aqui nem a assembléa, nem o governo
brazileira; com este conhecimento, e pela vigilancia sahiu de seus limites; agora resta reflectir sobre o
que o governo tem na defesa da nossa liberdade elle que temos a fazer. Annuncia-se um commissario do
se antecipou a dizer aquillo que a nação quer, e que governo portuguez, que vem esperar mais dous
esta assembléa havia de dizer; mas conhecendo commissarios para tratarem negociações com o
tambem que essa medida, ainda que muito justa em nosso governo. E’ bem sabido que ao governo
si mesma, é todavia da attribuição desta assembléa, pertence tratar as negociações com as nações
emquanto a constituição outra cousa não determinar, estrangeiras, e ao poder legislativo approvar ou
submetteu ao juizo da assembléa o seu reprovar o resultado das negociações, assim como
procedimento: com isto obrou o governo mui declarar as bases sobre que devem regular-se as
nobremente: com muita sabedoria; e é por isso digno negociações para merecerem a final approvação.
dos maiores elogios. Mas o governo já declarou a esse commissario
Oxalá que esta seja sempre a sua marcha nos que não admittiria negociação alguma sem preceder
negocios de tamanha importancia. Sustento pois o reconhecimento da independencia e integridade do
outra vez que o negocio é da competencia desta Brazil; logo, o que temos a fazer, é approvar esta
assembléa, e que o parecer das commissões é base por ser evidentemente necessaria, e que
conforme ás regras de justiça e que por isso deve exprime o voto muito decidido de toda a nação. Não
ser approvado. convenho porém de modo algum no parecer da
O SR. VERGUEIRO: – Não concordo com o commissão emquanto marca os passos, que o
parecer da commissão; e ainda que muito se tenha governo deve seguir neste negocio, porque isto é da
dito sobre elle, quizera que se considerasse mais sua particular competencia. Limitemo-nos pois a
attentamente o estado, e natureza do negocio, para declarar firme e inalteravel a base já proposta pelo
se conhecer o que delle pertence a esta assembléa, governo, e quando muito lembremos-lhe que faça
e o que pertence ao governo; pois que já estão immediatamente sahir do imperio os commissarios
divididos os poderes politicos contra o que affirmou não autorisados para reconhecer a nossa
um honrado membro com o fundamento de não estar independencia, porque, quem a não reconhece, não
feita a constituição. Quando a nação acclamou o deve existir entre nós.
imperador conferiu-lhe o poder executivo; quando O SR. FRANÇA: – Sr. presidente: os nobres
nomeou os seus representantes conferiu-lhes o deputados que me precederão fallaráõ bem; mas
poder legislativo: isto está feito, o que resta para a cada um em diversa hypothese daquella que
constituição fazer é amalgamar em certo modo estes precisamente respeita á questão. Sr. presidente: o
poderes, estabelecendo ligações entre elles por meio governo não foi que se separou da communhão que
de uma certa e limitada ingerencia de um em outro. tinhamos com Portugal; forão os brazileiros em
Em vista desta incontestavel divisão de massa, forão as provincias deste imperio cada uma a
poderes, vejamos o que se tem feito, e o que temos seu turno que isso fizerão, porque entenderão não
a fazer. Pedimos informações circumstanciadas ao dever mais conservar união de estados com uma
governo, e nisto não ultrapassamos as raias das nação, que só tendia á escravisar-nos com a
nossas attribuições: compete-nos fazer as leis, e por declaração de seus direitos politicos.
isso tambem nos compete haver todas as Esta hypothese é original, é uma hypothese de
informações que tenderem a mostrar a necessidade, circumstancias particulares, ás quaes não podem
ou utilidade de uma nova lei; além disto a nação não quadrar regras geraes accommodadas á casos
póde ceder o direito de olhar pelas suas cousas, e ordinarios, em que os povos bem constituidos, e na
examinar se ellas vão bem; o que faz por meio dos calma da paz, têm por unica base da sua
seus representantes. prosperidade a divisão e livre
138 Sessão em 16 de Setembro de 1823

exercicio dos poderes dos seus agentes primarios da quando somos os primeiros a não respeitar a mesma
sociedade, a quem separadamente os delegarão por liberdade dos outros?
uma constituição. E’ necessario portanto que vamos Disse um Sr. deputado na correnteza do seu
de intelligencia neste negocio com o poder executivo; discurso; que se dissesse ao governo qual era o
e que lhe não abandonemos totalmente o parecer da assembléa no caso de que tratamos: e
conhecimento e direcção delle, emquanto durar a não é esta a primeira vez que aqui tenho ouvido
luta da nossa independencia que encetamos; e para semelhantes enunciações. Sr. presidente, seja dito
cuja firmesa e estabilidade fomos aqui mandados uma só vez por todas: taes expressões são
pelas nossas provincias, dissidentes de Portugal; indecorosas a categoria de um congresso de
que ora se querem reorganisar, e compôr em novo representantes da nação. Esta assembléa, nem dá
facto e systema politico. nem dará nunca pareceres: tem vontade deliberativa,
E’ necessario advertirmos, que ainda não está e não consultiva. Os resultados dos seus debates,
perfeitamente, e de todo desatado o nó que nos seja qual fôr a materia sujeita, têm o caracter, e o
prendia áquelle reino: que apenas afrouxou da sua nome de resoluções; a assembléa nacional resolve
contextura, conservando todavia ainda embaraçadas sempre; e nunca consulta. Não se diga nunca por
e occultas nella as pontas do laço que o formára; de taes enunciações que esta assembléa é consultiva.
sorte que talvez seja preciso golpe de espada para o Eu mando á mesa a minha:
desfazer. Embora o governo tenha obrado por si
como cumpre no caso; nada tem de commum o EMENDA
exercicio com o conhecimento da marcha da nossa
independencia, do qual nunca devemos prescindir, Por emenda ao parecer da commissão: 1.º
porque respeita a actual luta dos povos que Que se responda ao governo que a assembléa fica
representamos: donde nada se nos deve occultar do inteirada das suas rectas intenções e das
seu progressivo andamento para podermos occorrer providentes medidas por elle tomadas no caso de
com leis convenientes aos embaraços que muitas que se trata: 2º Que a assembléa espera do mesmo
vezes será mister prevenir, calculando o futuro pelos governo toda a vigilancia e circumspecção a respeito
successos do presente. dos commissarios que se diz virem de Portugal
Redigi pois aqui uma emenda ao parecer da negociar com o Brazil, repellindo toda a proposição
illustre commissão: depois de ter ouvido as que não tenha por fundamento o reconhecimento da
differentes opiniões de alguns dos Srs. deputados; a sua independencia politica e integridade. – O
qual me parece nos resguardará dos inconvenientes deputado França. – Foi apoiada.
que ora se têm apontado ao caso de admittir o Estava chegada a hora de se passar á 2ª parte
mesmo parecer. (Leu a emenda.) Cuido que desta da ordem do dia; mas o Sr. Carneiro da Cunha
maneira nos sahiremos condignamente, e sem requereu que pela importancia da materia se
offender direitos, da intrincada questão que se tem continuasse e ultimasse a discussão.
suscitado. Não invadimos as attribuições do governo; O Sr. Presidente consultou á assembléa sobre
e todavia nem menos lhe abandonamos este objecto, e decidio-se que continuasse o debate.
exclusivamente o conhecimento dos casos O Sr. Miguel Calmon mandou á mesa o
occurrentes na marcha da independencia nacional, seguinte additamento á emenda do Sr. França:
que deve fazer o objecto das nossas serias Que se responda ao governo que não admitta
reflexões. negociação alguma com Portugal sem o
Direi agora alguma cousa sobre o que tenho reconhecimento previo da independencia e
ouvido respeito a Luiz Paulino contra quem parece integridade do imperio. – Calmon. – Foi apoiada.
que se tem invectivado com algum excesso. Eu não O SR. DIAS: – Louvando nós actos e acções
conheço este brazileiro: nem estou bem informado julgo que não devemos fallar em intenções; e por
de sua conducta particular respeito aos negocios do isso, apoiando a emenda do Sr. França, voto que se
Brazil; persuado-me porém pelo que se tem dito, que supprimão nella as palavras – rectas intenções – a
todo o seu defeito é marcado pelo que a respeito da cujo fim mandarei á mesa uma emenda; pois nunca
sua patria opinou nas côrtes de Portugal como louvarei actos ou acções referindo-me ás intenções,
deputado pela provincia da Bahia. Se assim é, porque destas nem a igreja julga. Mandou a emenda
pergunto eu, ser-nos-ha decoroso usar de seguinte:
recriminações taes contra um cidadão pelo que disse Supprima-se – rectas intenções. – O deputado
livremente no recinto de uma assembléa como lhe Dias. – Não foi apoiada.
cumpria dizer na qualidade de deputado da nação? O SR. PEREIRA DA CUNHA: – (Não o
Onde está então a salvaguarda da liberdade ouvirão os tachygraphos.)
de opinião, que aqui e todos devemos ter,
Sessão em 16 de Setembro de 1823 139

O SR. MONTESUMA: – Sr. presidente, não E' reprehensivel deixar de confessal-o.


estamos nas celeberrimas côrtes de Lamego; e fique Mostremos que não somos ambiciosos.
como regra certa que a assembléa resolve sempre: Agora vejamos se pelo facto de nos consultar
assim se exprimirão alguns Srs. deputados a quem o governo, somos investidos de attribuições que não
muito respeito. Declaro que sou da mesma opinião: estão no nosso juramento; como parece que quiz
não estamos nas côrtes de Lamego, bem que não dizer um illustre deputado. O governo não póde dar
deve passar por certo que estas só tiverão a attribuições. Fique como regra certa o que disse, que
faculdade consultiva. O erudito Brandão na sua só a nação dá poderes, immediata ou mediatamente.
monarchia lusitana prova bem o contrario. E' verdade que o governo mostra uma falta
Cumpre pois que eu responda, porque a remettendo á assembléa cousas que não pertencem
proposição envolve principios taes que podem a esta; mas é desculpavel na crise presente em que
affectar de alguma maneira o meu caracter publico, e é necessario tomar todas as medidas convenientes a
póde entender-se que eu quero diminuir as publica salvação.
attribuições da assembléa. Não estamos nas côrtes Eu antes o louvarei: ninguem desconhece
de Lamego: esta assembléa resolve e legisla na quanto convém harmonia e a mais estricta
parte que lhe toca, e nas attribuições dadas pela intelligencia entre os primeiros poderes politicos da
nação. O governo tem attribuições proprias, e a nação, isto ainda nos tempos tranquillos, quanto
assembléa tem tambem attribuições proprias. mais em tempos de concussão, quando os espiritos
Se o governo embaraçado no expediente de verdadeiramente vacillão, e de tudo desconfião.
suas attribuições consultar a assembléa no que lhe Louvo o governo, e quizera hoje ser Demosthenes
diz respeito, não em objecto geral e constitucional, para melhor o fazer. Sr. presidente; são estes os
não em reforma urgente, o que é que se deve fazer? meus principios, e não quero arredar-me delles.
A assembléa póde dar o seu parecer ou deixar de Fallarei agora da emenda do Sr. França que
dar. acho que não é senão a minha emenda.
Supponhamos que não damos o nosso Primeiramente o que diz no 1º § (leu), é exactamente
parecer, e que marca isto? Despreso pelos negocios o que digo na mesma emenda, nada ha que
publicos; despreso por um corpo politico. E que mais accrescentar. O 2º §, que trata da vigilancia do
marca? Indifferença para com os resultados do governo sobre a vinda dos emissarios, diz o que nós
governo. Mas a assembléa deve contribuir, assim temos dito; e se alguma cousa ha é desejo de
como todos os membros da sociedade, para o bom emendar.
exito de todas as cousas; logo, deve dar o seu Quanto á questão se devem saltar caso não
parecer. Este porém é obrigatorio? Não; porque a reconheção a independencia do imperio, digo que de
nossa força de obrigar só dimana da vontade da maneira nenhuma devem saltar, porque não acho
nação; não a póde exceder; e tem só lugar nas razão alguma para que o fação. Sem reconhecer o
cousas comprehendidas na nossa delegação. Todo o novo imperio nada temos que tratar com elles; por
poder que não dimana da nação immediata ou consequencia vão-se embora; falta a primeira
mediatamente, é nullo, é illegitimo, é despotico, é condição das nossas negociações, e por isso devem
tyrannico. ir procurar novas instrucções. Diz o illustre
A nação não quiz nem podia querer que preopinante que se não obrarmos de accordo com os
tivessemos o poder executivo, logo, nas attribuições principios luminosos das nações cultas, succederá
deste obramos arbitrariamente. Não resolvemos; sermos por ellas mal olhados.
aconselhamos. Sejamos francos; a Ihaneza não nos Senhores, convém attender bem para um tal
aviltará. Confessemos que ha negocios em que sophisma, não nos apanhe elle desaprecatados.
mandamos: e ha outros em que não. Confessemos Repellindo de nosso seio homens que ainda nos
que a lei tambem nos regula; e assim conseguiremos considerão facciosos e insurgentes: que atrevidos
os applausos da nação que nos vigia, que nos ainda pensão encadear-nos com os ferros proprios
guarda e que nos defenderá emquanto formos seus do systema colonial; que ousão avaliar em tão pouco
verdadeiros representantes, obedientes á sua a fé dos nossos juramentos, não é barbarismo, não é
soberana vontade. obrarmos contra os principios luminosos das nações
Está pois demonstrado que não convém nunca cultas. Ao contrario obedecemos á primeira lei dos
que saltemos as barreiras de nossas fundações, estados – a salvação publica – obramos como povos
marcadas pela lei de nossa nomeação; por livres animados do mais depurado e virtuoso espirito
consequencia a assembléa não resolve senão nacional. Tanto o que digo merece o apoio desta
naquelles casos que formão artigo de suas soberana assembléa, que o foi praticado em
attribuições. Será vergonha dizer que o governo nos identicas circumstancias pela America Septentrional,
casos que lhe são proprios póde deixar de estar pelo esse paiz nosso irmão, o primeiro que enramou na
parecer da assembléa? America o louro da independencia.
140 Sessão em 16 de Setembro de 1823

Tambem se fallou se deve ou não admittir-se enthusiasmo patriotico, pelos perigosos resultados:
Luiz Paulino a negociar. Sr. presidente, eu pouco sei effervescencias de phantasias impossibilitão sereno
da conducta de Luiz Paulino, a não ser a de juizo de prudencia politica.
deputado das côrtes de Portugal: não o conheci na Já ganhamos grande ponto; o governo de
minha terra; e portanto nada posso dizer delle senão Portugal trata ao par ao governo imperial, e é o
pelas fallas que vejo nos Diarios daquellas côrtes primeiro que faz o passo e abertura de negociação.
que com effeito mostrão a maior contradicção com o Ha gráos intermediarios de negociações: ouvindo-se
bem do Brazil; mas era deputado, tinha direito de as proposições, se manifestaria depois ao povo se
enunciar a sua opinião; foi errada, mas resta provar erão ou não admissiveis.
que o erro foi de vontade, isto é, que sabia o Quanto tenho ouvido nesta sessão sobre este
contrario, para poder haver culpa e dolo, sempre assumpto, não acho accorde á lei das nações, nem
punivel. abonado pela historia dos estados, que têm
E ainda assim, não sei se nisto mesmo é o declarado a sua independencia dos respectivos
deputado inviolavel e não responsavel. Isto porém é governos: bastão os exemplos da Suissa, Hollanda,
difficil de se mostrar; portanto não me importa com o e Portugal, cujos novos governos, antes de se tratar
que elle fez ou disse naquellas côrtes. Talvez que o definitivo reconhecimento da sua independencia,
isso mesmo mais concorresse para a nossa admittirão commissarios, com proposições sobre
independencia, irritando mais o espirito brazileiro. Se objectos de interesses reciprocos dos belligerantes.
porém o governo julgar que não deve negociar com Antes de tal tratado, no curso da guerra se
elle, ainda reconhecendo a nossa independencia, offerecem muitas occasiões de conferencias e
que o faça, para isso tem direito. negociações para suspensão de hostilidades, trocas
O SR. SILVA LISBOA: – Sr. presidente. Voto de prisioneiros, e outros ajustes que o direito das
pelo parecer da commissão, excepto na parte em gentes autorisa entre as nações civilisadas, do
que se faz inhibitoria a S. M. Imperial para não contrario, se tornaria para o matto, e se faria guerra
admittir proposição dos commissarios, sem que de exterminio.
apresentem poderes, em que previamente sejão E' pois innegavel o direito de ouvir, por meio
autorisados a reconhecer a independencia e de parlamentares, a qualquer das partes
integridade do imperio do Brazil. contendoras; e isso muitas vezes tem conduzido,
Ainda que eu esteja pelas declarações do mais breve e efficazmente, ao fim desejado da
preambulo do mesmo parecer que o governo de independencia, paz, e reconciliação dos ainda mais
Portugal neste expediente tem vistas machiavelicas, atrozes inimigos. Póde-se além disto tratar com
e bastaria para o provar a clausula repetida nas decoro sobre as bases do statu quo, ou suti
varias cartas régias, que o primeiro commissario o possidetis.
marechal Luiz Paulino apresentou na Bahia ao Demais; Portugal ainda está de posse do Pará
governo provisorio, e as dirigidas aos commandantes e Maranhão, os successos da guerra frequentemente
de tropa e marinha inculcando a mutua aggressão, revezão; póde haver occasião em que o governo
quando aos céos e á terra é manifesto, que toda a imperial mande fazer proposições por seus
aggressão foi das côrtes, e que o Brazil só declarou commissarios ao governo de Portugal, ou de seus
a sua independencia á todas as nações, quando se delegados no Brazil, para troca de prisioneiros ou
desenganou, de que as mesmas côrtes só outros objectos.
pretendião a sua recolonisação e escravidão, Ainda que, por ora a vantagem da força
expedindo-lhe tropas hostis; comtudo, supposto que pareça decisiva a nosso favor, comtudo a historia
Sua Magestade Imperial, como bem disse o honrado mostra, que inopinadamente se mudão e melhorão
membro o Sr. Vergueiro, fallasse os sentimentos da os prospectos politicos dos estados. Achariamos
nação brazileira, quando fez declarar ao dito bom, que, a sobrevir a necessidade de tratar com o
marechal, ainda estando á bordo, que nada trataria governo de Portugal, se respondesse aos nossos
sem que viesse munido de autorisação do governo commissarios, que nada se trataria senão sobre a
de seu augusto pai para reconhecimento da base da submissão do Brazil á antiga metropole?
independencia do imperio do Brazil, o que sem Consta proximamente do Diario do Governo
duvida é justo e necessario, havendo-se de formar desta côrte a convenção que o governo de Buenos-
algum tratado definitivo; não convém excluir o direito Ayres fez com o governo da Hespanha para tregua
de ouvir proposições, que sem prejudicar o systema de mais de anno, até offerecendo vinte milhões de
da independencia, possão ser vantajosas nas pezos para subsidio do dito governo, afim de repellir
actuaes circumstancias do imperio. os francezes invasores, e isto não obstante que ha
Não é bom decidir tal materia só por mais de doze annos declarasse a sua
independencia; sem que considere ser isso
prejudicial ao tratado definitivo do reconhecimento da
mesma proclamada independencia. Este recente
exemplo
Sessão em 16 de Setembro de 1823 141

convence não ser indecoroso, que tambem no Brazil autorisados a reconhecer a independencia, e de
se trate com os commissarios de Portugal, ainda que facto não desembarcárão.
sem a precisa clausula de reconhecimento de sua Quanto á 1ª parte já o nosso governo tem
independencia. desempenhado heroicamente pela resposta dada ao
Além de que; para que nós faremos illusões! marechal Luiz Paulino; e eu confesso, que não tenho
Sabe-se que as grandes potencias da Europa que expressões bastantes para o louvar; na minha
entrarão na santa alliança, tendo adquirido um poder pobreza contento-me só em dizer que uma tal
collossal se arrogão, jure an injuria, o direito de resposta merece de nós os maiores applausos; e
intervir e regular os negocios internos dos mais espero que quanto á 2ª parte, o governo obrará o
estados. Não sei que combinações futuras nos estão mesmo: com inimigos deve haver sempre a maior
impendendo. circumspecção e cautela.
Sei que o celebrado ex-arcebispo de Maliny de Avancei tambem mais na minha emenda, que
Pradt, que tanto tem prognosticado a independencia nunca jámais se admittisse o marechal Luiz Paulino
geral dos paizes da America, julgando-as em a conferencia alguma de qualquer natureza que
virilidade pura se emanciparem de suas metropoles, fosse: e parece-me que nada avancei, que não fosse
comtudo vendo a anarchia que nelles têm causado autorisado pelo direito das gentes, e confirmado pela
os furores democraticos, têm em uma das suas pratica. Em todos os tempos foi permittido aos
posteriores obras provocado as potencias do governos das nações o admittirem ou rejeitarem as
continente europêo a fazerem um progresso para pessoas que se lhes envião a tratar; se estas
regularem os governos de taes paizes, afim de não pessoas por seu pessimo caracter podem baldar as
se dilacerarem, e se constituirem inuteis á Europa. negociações, se por sua conducta desordenada
Requeiro por isso, Sr. presidente, que se me permitta suspeita-se que podem atraiçoar o paiz, onde se
mandar á mesa a seguinte emenda: achão, póde o soberano despedil-as, e isto ainda
Proponho que approvado o parecer da quando se achão em boa harmonia duas nações
commissão se declare a S. M. Imperial que não contractantes, quanto mais duas nações que se
admittindo tratado definitivo sem que o governo de achão em guerra aberta: portanto julgo, que não
Portugal reconheça a independencia e integridade do póde haver duvida alguma em approvar-se a minha
imperio do Brazil, admitta as proposições de emenda. Oppõe-se porém um Sr. deputado dizendo,
convenções que entender vantajosas ao mesmo que não deve haver tanto receio em tratar-se com o
imperio nas actuaes circumstancias, participando a tal marechal, visto que consultando-se o coração
esta assembléa as ditas proposições antes de humano, nenhum homem deixa de inclinar-se a
ajustar qualquer cousa. – José da Silva Lisboa. – favorecer o lugar do seu nascimento, pelas affeições,
Não foi apoiada. que o mesmo lugar produz.
O SR. MUNIZ TAVARES: – Sr. presidente: Este argumento pouca força apresenta; são
tendo eu discordado em parte deste parecer, e raros por ventura os miseraveis Coriolanos? Praza a
receando que elle passasse, julguei do meu dever Deus que o fossem! Reflicta bem nisto o nobre
expôr os meus sentimentos, reduzindo-os a escripto deputado. Disse-se mais, que a conducta do
na emenda, que apresentei, a qual sendo combatida, marechal nas côrtes de Portugal não nos devia servir
de novo vejo-me obrigado a expôr as razões, em que de regra neste caso; que lhe era livre pensar como
me fundei, respondendo a alguns argumentos que quizesse. Sr. presidente, eu não quero que se
ouvi emittir. mande processar a esse desgraçado marechal; não
Eu estou intimamente convencido que toda a o crimino pelo que disse em Portugal; digo tão
energia, que desenvolve uma nação nova, que se sómente que portando-se elle como degenerado
está constituindo, e em circumstancias taes, como brazileiro, tem contra si toda a desconfiança, e não
presentemente nos achamos, nunca é demasiada. merece ser acolhido.
Estou igualmente certissimo, que nós não queremos Um brazileiro, que esquecendo-se dos
ceder em patriotismo, e caracter aos nossos irmãos interesses da sua patria bandêa-se com os inimigos
os americanos do norte: e o que fizerão elles na della; um brazileiro, que desconhecendo a grandeza
grande luta da sua independencia? Todos o sabem; do sólo, que o vio nascer, não se lembrando do
e admiro, que o nobre preopinante, que acaba de proposito que o Brazil devia figurar na lista das
fallar, não se lembrasse. grandes nações, queria que fosse um misero satellite
Apenas chegarão a um dos portos dos do insignificante Portugal; póde jamais produzir
Estados-Unidos os commissarios inglezes, o governo acção, donde se espere bom resultado, ou antes não
declarou-lhes formalmente, que não desembarcarião será um motivo para o povo irritado desconfiar de
sem mostrarem, que se achavão negociações provenientes de um tal canal? Eu assim
penso; a assembléa delibere como achar justo.
142 Sessão em 16 de Setembro de 1823

O SR. ARAUJO LIMA: – Serei breve. na acta dos louvores de que hoje é credor o governo
Louvores e mil louvores sejão dados ao governo pelo para com a nação.
tom categorico que tomou de declarar que não O SR. ALENCAR: – Eu direi tambem pouco.
admittia negociações sem previo reconhecimento da Não seja só o enthusiasmo de nossos corações
independencia do imperio. Se o governo tem exaltados com a lembrança do Sr. Lisboa, quem nos
merecido a approvação da assembléa pelos actos guie neste negocio; o enthusiasmo póde nos
que tem praticado, se o governo tem merecido os conduzir ao erro; porém consideremos, despidos de
applausos da nação pelo modo porque se tem toda a vaidade, as circumstancias politicas nossas,
conduzido na grande revolução da independencia, as dos portuguezes no momento actual, e vejamos
hoje mais que nunca, o governo merece os se será conveniente admittirmos a opinião do Sr.
reconhecimentos da assembléa, e com ella os da Lisboa.
nação inteira pela declaração nada equivoca, que Os portuguezes divididos entre si, com a
acaba de fazer a Portugal, á Europa e ao mundo guerra dos absolutistas, com os liberaes
inteiro; de que qualquer negociação com aquella desesperados por falta do commercio com o Brazil,
nação deve ser precedida do previo reconhecimento seu erario exhausto, suas finanças arruinadas, suas
da independencia. tropas evacuadas deste continente com derrota, não
Este acto do governo merece a nossa mui se verão neste momento na necessidade de
particular attenção, principalmente sendo reconhecer a independencia do Brazil? Por outra
conhecidas, como são, as relações, que existem parte os brazileiros unidos entre si, todos
entre um e outro hemispherio. Sr. presidente; admittir trabalhando por uma mesma causa, tendo acabado
outras negociações seria o mesmo que prolongar a de vencer seus inimigos na Bahia, com sua esquadra
guerra, e conservarmo-nos no estado de incerteza e disponivel, e mil outros recursos não farão os
de duvida, de que aliás por nossos esforços nos portuguezes desesperarem de reconquistar o Brazil?
podemos tirar em breve tempo; seria o mesmo que E deveremos perder esta occasião? Quereremos
darmos lugar aos nossos inimigos a tomarem alento entabolar negociações, sem que preceda o
para de novo, quando mais fortalecidos tentarem reconhecimento da independencia? Facilitaremos o
subjugar-nos; seria o mesmo que fazer-nos commercio com os portuguezes, por cuja falta, elles
descançar tranquillos no meio dos perigos que nos tanto se vexão! Dar-lhes-hemos tempo para elles
cercão; nada já de condescendencias; ou aquietarem suas desavenças, enriquecerem suas
reconhecimento, ou guerra; independencia ou morte. alfandegas com os nossos generos, refrescarem
Quaesquer convenções, sem aquella clausula, suas tropas, prepararem sua marinha, para depois
suppõe fraqueza; dão a entender que se não póde virem atacar-nos? Não, de certo; não cessaremos a
fazer valer os direitos, que se tem; a nação que se guerra emquanto não fôr reconhecida a nossa
acha em circumstancias vantajosas, não perde independencia. E’ este o tempo de os obrigarmos a
occasião; tudo está a nosso favor, e qualquer reconhecel-a; porque é este o tempo em que elles
demora nos poderá ser fatal; é preciso que Portugal mais necessitão do nosso commercio. Nem uma,
desista, quanto antes, de suas pretenções, quando nem meia negociação emquanto não reconhecerem
não, continuará a guerra, e uma guerra viva, em que nossa independencia.
tomaráõ parte todos os brazileiros juntos, e cada um De certo, senhores, é novo o que acabo de
de per si. ouvir; todos os que até agora tinhamos fallado,
Accrescento agora que a assembléa não é tinhamos justamente elogiado ao governo pela
que faz inhibitoria ao governo, como diz o honrado resposta categorica de que nenhuma negociação
membro, para negociar; é preciso que se attenda a seria admittida sem que precedesse como condição
isto; o governo já por si o declarou; elle já tomou sine qua non o reconhecimento da independencia;
aquella resolução; o negocio é seu; a assembléa não mas o Sr. Lisboa, segundo sua opinião, não louva ao
faz mais do que dar-lhe sua approvação. governo (O Sr. Lisboa imterrompeu o orador, mas foi
Portanto não se diga que a assembléa quer chamado á ordem geralmente), antes porém o
ligar as mãos ao governo sobre esta negociação; censura; sim, quer que se admittão negociações,
este é que participa á assembléa a sua resolução: e sem o reconhecimento da independencia, e sendo
concluo, Sr. presidente, dizendo que desejaria isto o contrario do que fez o governo, eis como o
convidar a assembléa, se possivel fosse, para illustre deputado censura de alguma fórma o
agradecer por si mesma ao governo a conducta governo. Trouxe exemplo das nações que se têm
franca e leal que tem tido, ou ao menos, para feito independentes; já se lhe notou um exemplo dos
mandar uma deputação, que exprimisse os nossos conterraneos os americanos do norte, que
sentimentos de que se ella acha possuida, ou em caso bem identico recusarão as negociações
quando nada disso seja, desejaria se fizesse uma com a Inglaterra, sem que primeiro fosse
expressa menção reconhecida sua independencia; mas supponhamos
que outras nações têm feito
Sessão em 17 de Setembro de 1823 143

essas negociações: era necessario que o illustre Passou-se á votação das emendas; e foi
deputado mostrasse, que ellas estavão em nossas proposta a do Sr. França na parte em que não
mesmas circumstancias. estivesse prejudicada pelo que já estava vencido. –
Sr. presidente, nenhuma nação, que se faz de Foi approvada, salva a redacção.
novo independente, se achou nas nossas Ficarão portanto prejudicadas todas as outras
circumstancias: nós eramos a parte mais emendas; assim como a ultima parte da do Sr. Muniz
preponderante da nação portugueza; separámo-nos; Tavares que tambem foi por fim posta á votação.
os inimigos pois da nossa independencia são fracos, O Sr. Presidente assignou para a ordem do dia
e mais fracos ainda neste momento: nós não somos o projecto de constituição.
um pequeno povo mergulhado nos mares dos paizes Levantou-se a sessão ás 2 horas da tarde. –
baixos lutando contra o colosso da Hespanha; não Luiz José de Carvalho e Mello, secretario.
somos os mesmos americanos do norte, muito
poucos em numero, respectivamente a essa nação, SESSÃO EM 17 DE SETEMBRO DE 1823.
senhora dos mares, contra quem elles defendião sua
independencia; não somos ainda as pequenas PRESIDENCIA DO SR. BARÃO DE SANTO
nações da America hespanhola, lutando contra AMARO.
grande nação peninsular; somos os brazileiro,
maiores em numero, e não inferiores em valor, Reunidos os Srs. deputados pelas 10 horas da
habitantes de um territorio rico, e cheio de mil manhã, fez-se a chamada, e acharão-se presentes
recursos, lutando contra os portuguezes, poucos, e 70, faltando com causa os Srs. Andrada Machado,
sem recursos; não temos pois necessidade de Martins Bastos, Araujo Gondim, Francisco Carneiro,
transigir com elles: devemos mesmo apertal-os para Carneiro de Campos, Teixeira de Gouvêa, Ribeiro de
que reconheção nossa independencia: de um Andrada, e sem causa o Sr. Rendon.
instante para outro seremos amigos; nossos portos O Sr. Presidente declarou aberta a sessão,
serão francos para elles, nosso commercio, nossa lida a acta da antecedente pelo Sr. secretario
riqueza, tudo lhes será partilhado, reconhecendo Fernandes Pinheiro, foi approvada.
nossa independencia. O Sr. Secretario Maciel Da Costa leu o
A mesquinha rivalidade não prevalecerá nos seguinte officio do ministro da guerra:
generosos peitos brazileiros; com mais vantagens, “Illm. e Exm. Sr. – Tendo levado á augusta
mesmo do que qualquer outra nação, talvez presença de Sua Magestade o Imperador o incluso
commerciem comnosco; a identidade de habitos, de officio do governo provisorio da provincia do Ceará,
religião, e de linguagem, o parentesco, as affeições, solicitando a extincção de um novo batalhão de linha,
tudo concorrerá necessariamente muito para nossa que alli creára o governador das armas interino, não
mutua communicação. Porém reconheção nossa só por não chegarem as rendas publicas da provincia
independencia, que a natureza talhou, que o céo para tal despeza, como por ser sufficiente o
proteje, e de que nós de nenhuma sorte podemos batalhão, que existia, ordenou-me o imperador, que
desistir: de uma hora para outra podemos ser remettesse o dito officio á assembléa geral,
amigos; está em suas mãos: nossa luta é a constituinte e legislativa do imperio, visto pertencer-
independencia, reconheção-n’a, e seremos todos lhe o deferimento deste objecto, assim como o das
contentes. mais providencias, que aquelle aponta por
Propoz então o Sr. presidente se a materia necessarias; em cumprimento pois da imperial
estava sufficientemente discutida. – Venceu-se que ordem, envio a V. Ex., o mencionado officio, para ser
sim. presente á assembléa. Deus guarde a V. Ex. Paço,
Propoz depois se o parecer deveria pôr-se á 13 de Setembro de 1823. – João Vieira de Carvalho.
votação dividido em partes. – Decidio-se tambem – Sr. João Severiano Maciel da Costa.” – Remettido
que sim. á commissão de guerra.
Procedeu-se portanto á votação pela sobredita Passou-se á ordem do dia, que era o artigo 1º
fórma, começando pelo preambulo, que foi do titulo 1º do projecto de constituição, que ficára
approvado. adiado na sessão antecedente.
O art. 1º não foi approvado; e por isso foi O SR. FRANÇA: – Eu hontem apresentei uma
proposta a 1ª parte da emenda do Sr. Muniz Tavares emenda a respeito dos limites do territorio do imperio
relativa ao mesmo artigo. Igualmente não passou. porque entendi ser defeituosa a definição
O 2º julgou-se prejudicado. geographica que delle se déra no projecto, mas
O 3º foi approvado. como não foi apoiada, julgo ora indispensavel
O 4º e o 5º julgarão-se tambem prejudicados. admittir-se a suppressiva, lembrada pelo Sr.
O 6º foi regeitado. Vergueiro, pois se nós não
O 7º não entrou em votação por se julgar
comprehendido no antecedente.
144 Sessão em 17 de Setembro de 1823

conhecemos perfeitamente os nossos limites, nomenclatura), imperio só e tão sómente como


escusado é querellas de definir em duvida, definição synonimo de territorio, é indubitavel, e para o provar,
de limites é mais ponto de questão geographica, do basta ler o artigo 1º da constituição dos Paizes-
que artigo de constituição. E se pois não é nesta Baixos, comparado com a epigraphe do mesmo.
essencial, não reputo defeito que se omitta. Voto Porém tomar-se como comprehendendo sómente os
portanto pela emenda suppressiva do Sr. Vergueiro. membros da sociedade, é e será inteiramente novo,
O SR. MONTESUMA: – Sr. presidente, assim de certo não o conceberão as autores da
persuado-me que toda esta discussão ácerca da constituição do 1791, donde a illustre commissão
primeira parte deste artigo, é motivada pela maneira tirou em grande parte a materia dos artigos destes
porque a illustre commissão distribuio as materias capitulos. Tenho portanto fundamentado a minha
deste, e do seguinte capitulo e titulo, emenda, resta-me dar os motivos porque não adopto
comprehendendo debaixo de differentes inscripções, a inscripção dada pelo Sr. França ao capitulo
o que devera estar debaixo de uma, e a mesma. O segundo ibi – da nação brazileira, – senhores.
Sr. França na sua emenda tocou o objecto, e deu Tambem não posso desannexar da idéa de nação a
ajustada ordem ás materias, porém ainda difiro delle de territorio, e cidadãos, ou membros da sociedade
quanto á inscripção do segundo capitulo, sendo pois politica, todas ellas são co-relatas, uma inculca a
o meu parecer que este titulo, e o capitulo seguinte outra, foi assim que o entenderão os legisladores de
formem dous capitulos de um só titulo que deve ter Cadix quando distinguirão do capitulo da nação
por inscripção – do imperio do Brazil – ora, tanto o 1º hespanhola, e dos hespanhóes, e do territorio da
capitulo, como o 2º terão por inscripções as mesmas Hespanha, collocando em verdade aquelle em
de – do territorio do imperio do Brazil (o 1º capitulo) primeiro lugar, ao depois os outros pela ordem
dos membros da sociedade do imperio do Brazil (o porque me exprimi.
2º capitulo) – parecerá que eu saio da ordem por Eis, Sr. presidente, o que julgo devo dizer a
fallar da inscripção do capitulo 2º que não está em bem da ordem, e ligação das materias. Agora já se
discussão, mas como poderia eu justificar o meu podem conciliar as differentes opiniões de
voto, sem tocar nella? suppressão e não suppressão da primeira parte do
Examinemos quaes forão aqui as intenções da artigo primeiro. Se ella dizia respeito ao territorio
commissão, e veremos quanto mais fundada é a como inculcava a inscripção do titulo, não podendo
minha emenda. A commissão quiz tratar; 1º, do sólo, este deixar de ser dividido a bem de administração e
do terreno, que compõe o imperio, 2º, dos da justiça, como se exprimio o artigo terceiro da
habitantes, membros delle, da sociedade brazileira, constituição franceza de 1793, e não podendo ser-
politicamente tomada, e formando a soberania lhe adaptada a indivisibilidade politica, idéa de sua
nacional, é esta a ordem natural das idéas, é isto natureza toda moral, por ser applicada a territorio, é
exactamente o que apparece da simples leitura dos claro que deverá ser supprimida. Referindo-se porém
dous capitulos. Mas o terreno, e a população, o á imperio em complexo, tomado como marca a
territorio e os cidadãos seus habitadores, são as inscripção do titulo na fórma da minha emenda, é
duas idéas simplices, que formão a complexa de claro que deve subsistir; pois se refere á unidade, e
reino, imperio, ou nação, esta jámais se póde indivisibilidade da publica administração, tanto,
conceber sem aquellas. quanto fôr compativel com o bem, e utilidade geral, o
Como destacaremos a idéa de cidadãos da de que posto, se hontem opinei em favor da emenda do
um territorio proprio, sobre que ha dominio, e de cuja Sr. Vergueiro, hoje voto contra, salva toda a duvida
posse não podem ser lançados fóra sem o mais pela emenda, que offereço.
violento, criminoso e reprehensivel attentado e Emquanto á segunda parte do artigo, ainda
esbulho aos olhos das outras nações, e em geral de insisto na suppressão, 1º, por ser impolitico e
todo o universo? Logo, o primeiro titulo deve ter por perigoso; 2º, porque póde sacrificar mesmo o
inscripção – do imperio do Brazil – dividindo-se em possessorio da nação mal estabelecidos os pontos,
duas partes, ou capitulos, segundo são dous os onde se marcão as raias pelo norte e sul, 3º, porque
objectos, de cuja natural associação resulta o é manco, e de fórma alguma preenche o fim, visto
imperio. Entretanto que pela fórma porque está, que falta limitar pelo occidente, o que se não faz, 4º,
parece que o territorio do imperio, é objecto finalmente, porque nenhuma utilidade resulta de tal
separado, e diverso do imperio, comprehendendo declaração, ao mesmo tempo que vamos deliberar
este tão sómente os membros da sociedade do precipitadamente, e o que é mais, sem inteiro, e
imperio do Brazil, o que é um absurdo dos mais cabal conhecimento de causa. Eu já em outra sessão
notaveis. Que algumas vezes se tem tomado reino (e mostrei o impolitico que era declarar limites ao Brazil,
segundo a nossa quando ainda não foi reconhecido imperio; quando
Sessão em 17 de Setembro de 1823 145

sabemos se aconselha na Europa o convocar-se um segundo, que deverá ser – do territorio do Brazil, e
congresso para conhecer dos destinos do novo dos membros da sociedade brazileira – começando,
mundo; muito estimaria a França ter um motivo, como já disse, o titulo primeiro pelo artigo segundo.
embora injusto e attentatorio para colorar a sanha, Mando á mesa a minha emenda.
que tem declarado á radicação das fórmas de
governos representativos, para dizer melhor, ao EMENDA
genero humano livre, e independente, Cumpre sim
declarar que me não amedrontão as carrancas Proponho que o titulo primeiro principie pelo
européas, não receio que retrogrademos. que é artigo segundo, passando, a primeira parte do
É possivel retardar o gozo de nossa publica artigo primeiro para o titulo segundo, que será – do
tranquillidade, é possivel entorpecer por algum imperio do Brazil e da sociedade brazileira. – O
tempo o andamento de nossa prosperidade, e deputado, Henriques de Rezende. – Não foi apoiada.
grandeza, mas já não é possivel escravisar-nos. O SR. FERNANDES PINHEIRO: – Como na
Somos, e seremos livres, não mais arrastaremos os sessão passada, quando se tratou deste artigo o
vergonhosos ferros coloniaes. Será porém digno de torneei do modo que me pareceu adaptado para
nós dar ao presente motivos de queixa? Demais resalvar o estado Cisplatino, que no fim do artigo
quem não vê, que o facto da demarcação exclue segundo leio fazendo parte do imperio do Brazil por
todos os pontos que estão fóra dos limites federação, mas pelo progresso da discussão,
assignados? E sabemos nós já mui bem o que nos parecendo-me que pelas difficuldades e
pertence? Convirá mesmo aos interesses futuros do inconvenientes, que se tem notado, a assembléa
Brazil, dar desde já um titulo para se argumentar, e está como propensa a supprimil-o, inclino-me
chicanar contra aquillo que o simples aspecto da embora á suppressão só da segunda parte do artigo,
natureza indica, está decretado em partilha do novo insistindo porém em que subsista sempre a primeira
e velho mundo? Ah! Senhores! É forçoso marcar os parte, tanto mais, que não acho a contradicção que
limites do imperio? Qual a constituição que o fez se notou sobre a palavra indivisivel, a qual considero
(pergunto com um Sr. deputado)? Voto portanto pela na accepção de inseparavel, e com relação ao artigo
suppressão da segunda parte do artigo, e que se 10 do titulo 6º, e já se disse, que a divisão notada no
accrescentem ao fim da primeira parte do mesmo as artigo 4º deste titulo, é evidentemente uma simples
palavras – e o seu territorio – as quaes unidas ao divisão politica, para mais facilitar o systema
artigo segundo formaráõ um só, e uma oração administrativo, e não tem em vista uma separação ou
perfeita. Eu mando a minha emenda. alienação de porções do territorio.
O Sr. Montezuma mandou para a mesa a sua O SR. VERGUEIRO: – Quando propuz a
emenda concebida nos seguintes termos: suppressão deste artigo, e fallei sobre elle, tomei a
Proponho que a inscripção do titulo 1º seja – palavra indivisivel, no sentido litteral, agora ouço que
do imperio do Brazil – seguindo-se logo – cap. 1º – quer dizer inalienavel. Não sei como se lhe possa dar
do territorio do imperio do Brazil. esta significação sem commentario, eu confesso que
2.º Proponho que ás palavras – é um e nem com elle me posso convencer. Insisto pois a
indivisivel – se accrescente – e o seu territorio dizer que esta primeira parte do artigo, ou é escura,
comprehende – e se sigão as palavras conteúdas no ou está fóra do lugar proprio. Se imperio quer dizer
artigo segundo. – O deputado Montezuma. – Foi territorio do imperio, como promette a epigraphe, e
apoiada. convence a segunda parte do artigo, e todo o que se
O SR. HENRIQUES DE REZENDE: – Sr. segue, é muito improprio tomar a mesma palavra em
presidente, eu tinha sido de voto que se supprimisse diverso sentido no texto que na epigraphe, e a
este artigo 1,º e que começasse este titulo, pelo que indivisibilidade é contradictoria ao artigo quarto. Mais
é artigo 2º, mas as razões que depois tenho ouvido me inclino a suspeitar que a palavra imperio quer
me induzem a adoptar outra idéa. De facto é preciso dizer governo, ou nação, e que esta doutrina é tirada
declarar que o imperio do Brazil é um, isto é, unidade da constituição franceza onde se declarou que a
de governo, como porém vindo esta clausula debaixo republica era uma, e indivisivel para resolver a
do titulo de territorio, induz a crer que se quer dizer, grande questão de federação, que levou muita gente
que o territorio é um e indivisivel, visto que as ao cadafalso, porém como entre nós não tem havido
discussões poderáõ não chegar a toda e qualquer esta questão, escusada é a sua resolução, e quando
parte, onde cheguem exemplares da constituição, fosse conveniente, devera ser collocada em lugar
sou pois de voto que a primeira parte deste primeiro proprio e não no titulo – do territorio, etc.
artigo passe para o principio logo do titulo
146 Sessão em 17 de Setembro de 1823

Mas torno a dizer, não é necessaria esta outras não continuarão por manhas, e força aberta
declaração; porque a natureza da nossa associação dos hespanhóes; e que finalmente o tratado de
melhor se ha de conhecer pelo que especialmente 1777 para este fim ajustado, se estorvou pela
se marcar na constituição, do que por noções, que guerra de 1801; tanto assim que ainda não se
muitas vezes dão occasião a variadas entregarão os campos neutros, que as nossas
interpretações. tropas occuparão nessa campanha. O Sr.
Tambem propuz a suppressão da segunda Fernandes Pinheiro tinha lembrado na sua emenda,
parte do artigo por inexacta e desnecessaria. Sei que se designasse o que convinha fixar na materia,
que para marcar a divisão ao norte forão nomeados e se houvesse de passar este artigo com a
commissarios pela nossa parte, e pela França, mas declaração da extensão do imperio, conviria
não chegarão a isto; ao sul não temos observações accrescentar-se o additamento seguinte – com
de confiança a que possamos referir-nos, variando todos os territorios, ilhas e mares adjacentes que se
muito as differentes cartas geographicas, além disso designarem e confirmarem em tratados de
a designação de 34 gráos e meio, só marca um demarcações. – Não sendo, porém, como já disse,
ponto, porque a divisa não segue sempre o mesmo necessario designar na constituição os limites do
parallelo. Para que pois designarmos limites tão imperio, muito mais quando são incertos, sendo só
imperfeitamente e talvez com engano? proprio della declarar e estabelecer os direitos
As nações da Europa, tendo os seus limites politicos dos cidadãos, é muito mais razoavel
muito conhecidos, não se lembrárão de declaral-os supprimir-se a declaração das extremas inseridas
nas suas constituições. E deveremos nós declarar neste artigo, até para que della se não deduzão
os nossos sem conhecel-os bem? Voto portanto argumentos, quando se houverem de fazer as
pela suppressão. legitimas demarcações.
O SR. CARVALHO E MELLO: – Sr. A palavra indivisivel que se acha neste
presidente, se nós tratassemos, de fazer um tratado mesmo artigo com referencia ao imperio, deve
de limites, seria muito bom não só dizer-se – o conservar-se porque os illustres autores do projecto
imperio do Brazil estende-se desde o Oyapock até tiverão em vista decretar, que por maneira alguma
os 34 gráos e meio ao sul, mas designarem-se os soffreria o imperio desmembração, cessão e
territorios, ilhas e mares adjacentes, que alheação de alguma parte. Neste sentido se usou
marcassem todos os pontos da linha divisoria. deste epitheto nas diversas constituições francezas;
Não é este porém o lugar apropriado, nem e bem que um illustre deputado dissesse que esta
nós temos já limites certos e demarcados pelos palavra deu lugar a questões porfiosas e mesmo
quaes se conheção os que dividem este imperio sanguinolentas na França, porque ia de encontro ao
tanto ao norte como ao sul. systema das federações que alguns abraçavão,
Ainda que o rio Oyapock fosse designado no todavia a sua intelligencia era mais ampla e tendia
tratado de 1815, como raia, e extrema entre as ao modo com que me expliquei, sendo esta a geral
possessões da França, e as do Brazil, não se e mais ampla intelligencia do direito publico. Nem
designarão os pontos interiores, e para essa ella se contradiz com a decisão de outro capitulo
demarcação se nomeárão commissarios, que nunca deste projecto, em que se lê, que o imperio ha de
chegárão a partir, e muitas duvidas a este respeito ser dividido em provincias e districtos, porque esta
recrescerão, havendo duvidas sobre o verdadeiro declaração diz respeito á administração, que para
rio Oyapock querendo alguns, como o escriptor de melhor regular-se cumpre que tenha o imperio as
uma memoria inserta nas do instituto nacional de divisões e subdivisões que mais bem quadrarem ao
França, que seja o rio de Vicente Pinson, e além regulamento da administração interna.
disto duvidas ha tambem sobre os mais pontos da Tambem se disse que conviria dividir em mais
demarcação. Por estes motivos nem certeza ha por partes este artigo, mas á vista do exposto, é claro,
essa parte do norte apezar do referido tratado. que elle deve passar como está, supprimida a
Pela parte do sul ha muito mais duvidas, segunda parte que diz respeito aos limites do
porque desde o principio da descoberta do Brazil, e imperio.
segundo a posse tomada por Martim Affonso, O SR. PEREIRA DA CUNHA: – Os dous
sempre se suppoz que a nossa divisa era o Rio da grandes rios Amazonas e Prata têm constantemente
Prata, ficando-nos a margem septentrional. Todos servido de balizas naturaes ao Brazil, e são com
sabem, que para marcar esta divisão, houve varios razão os limites que ao norte e sul lhe têm
tratados entre a Hespanha e Portugal, que em assignalado os geographos e historiadores; mas
consequencia delles se começarão demarcações; devendo nós attender precisamente á sua divisão
que umas se estorvarão pela perfidia dos jesuitas; politica, não posso concordar no methodo que neste
que artigo se adoptou para demarcação do Brazil,
declarando-se
Sessão em 17 de Setembro de 1823 147

a sua extensão desde a foz do rio Oyapock até os tem-se dito a meu vêr, quanto é bastante para
trinta e quatro gráos e meio ao sul. decidir a assembléa a não deixar passar a 2ª parte
São bem conhecidas as controversias que do art. 1º, em que se designão os limites do imperio
têm havido entre Portugal e a França para se tanto ao norte como ao sul.
marcar a linha de divisão entre a Guyana franceza e Como, porém, o illustre deputado o Sr.
portugueza, como é ordinario nos estados Pereira da Cunha invoca o meu testemunho sobre o
limitrophes e apezar das convenções a este respeito que é relativo aos limites da Guyana portugueza
concluidas no tratado de Utrech, tomando-se por com a franceza, visto achar-me eu nesta ultima
limite de ambas o rio de Vicente Pinson, que muitos quando disso se tratou, direi o que sei e que me
têm confundido com o dito Oyapock, todavia, parece acabar de convencer da necessidade de
renascerão depois novos motivos de constestação, supprimir-se a 2ª parte do dito artigo.
que se terminarão pelas ultimas negociações As nações grandes, que dictárão o celebre
diplomaticas de que estará bem informado o illustre tratado de Pariz de 30 de Maio de 1814, ordenárão
deputado Sr. Maciel da Costa, pois além de seu que S. M. Fidelissima restituisse á França a Guyana
muito saber e reconhecidos talentos, teve occasião franceza, tal qual ella se achava em 1792.
de conhecer de perto esse negocio, porque esteve Accrescentárão, que como esta cessão excitaria a
encarregado do governo politico, economico e civil questão de limites, que naquella época se agitára,
daquella porção da Guyana franceza, que esteve ella seria terminada amigavelmente entre as duas
occupada pelas nossas armas. nações debaixo da mediação de S. M. Britannica.
Em tal caso eu não duvidaria convir em que Nas negociações posteriores e quando os
fosse o dito rio Oyapock ou outro qualquer lugar, ministros portuguezes puderão ser ouvidos,
que mais veridicamente pudesse servir de limite ao obtiverão elles que a França reconhecesse, como
Brazil pelo lado do norte, mas de nenhuma sorte se preliminar, que o nosso limite sobre a costa fosse a
póde admittir a demarcação de 34 gráos e meio ao foz do rio Oyapock e não bahia de Vicente Pinson,
sul; como determina o artigo, porque esta como pretenderão antigamente os francezes, nem o
enumeração só serve para designar um ponto rio Arauary, como se ajustára pelo tratado d’Amiens;
qualquer do globo e conhecer-se a distancia em que e quanto ao interior fixárão o numero de gráos até
elle se acha no equador, assim como se conhece a onde deveriamos chegar. Mas em lugar de decisão
sua longitude pelo meridiano, que corta o parallelo amigavel sob a mediação da Inglaterra, ajustou-se
de latitude no ponto indicado, e neste caso a altura que se nomeassem commissarios por ambas as
de 34 gráos e meio que fica ao norte da ilha dos partes para fazerem a demarcação sobre as bases
Lobos na embocadura do Rio da Prata, poderia, designadas e que no caso de se não fazer a
sim, servir para annunciar que o Brazil se estende demarcação dentro de um anno, contado da
até aquella latitude, mas não determina qual seja a chegada dos commissarios á Cayena, seria então o
sua divisa pelo lado do sul; porquanto, ou se negocio terminado por um arranjamento entre as
pretende que elle seja demarcado por esse duas côrtes sob a mediação de S. M. Britannica.
parallelo, o que é um absurdo, porque iria passar Tive a honra de ser um dos commissarios
pelo centro de Buenos-Ayres e cortaria para o norte nomeados por S. M. Fidelissima para esta
uma parte daquelle estado; ou serviria para demarcação e conheci logo a impossibilidade de a
determinar a parte oriental do Rio da Prata por limite fazer, porque não se havia traçado a marcha que se
do Brazil desde aquelle ponto da sua foz, o que me devia seguir, como por exemplo, se devia tirar-se
parece inadmissivel e impolitico, assim porque neste uma linha recta da foz do Oyapock para o interior,
caso bastaria dizer, que o Brazil se limitava ao sul ou se devia seguir-se o curso do rio até suas
pelo lado oriental do Rio da Prata, até onde vertentes; nem era possivel avançar sem risco pelo
direitamente competisse; como especialmente interior, por conta do gentio bravo, que habita a
porque ainda que seja incontestavel o direito que muito pouca distancia da foz, além do inconveniente
temos áquellas possessões, todavia, no estado de não haver naquelle ponto abrigo algum de casa,
presente das cousas, nos achariamos em uma nem cousa alguma dos commodos da vida. Disto
manifesta contradicção, se assim fosse deliberado, dei parte ao governo e disse que me parecia mais
pois reconhecendo o projecto o Estado Cisplatino, conveniente contentar-nos com a designação dos
por livre e independente, e só ligado á nós por pontos ajuntados, que erão seguros e reservarmos
federação, fica por consequencia fóra da nossa essa demarcação para tempo mais opportuno,
demarcação. Pelo que me parece mais politico que podendo muito bem tomarmos posse da margem do
esta se faça pela enumeração das provincias do Oyapock que nos pertence e ahi deixarmos um
Brazil, principiando pela do Rio-Negro ao norte e posto militar, quando evacuassemos Cayena.
finalisando pela de S. Pedro do Rio Grande, ao sul.
O SR. MACIEL DA COSTA: – Sr. presidente,
148 Sessão em 17 de Setembro de 1823

As difficuldades de tal demarcação não rio de Vicente Pinson, os francezes, porque assim
podião ignoral-as os francezes e pareceu-me que o lhes convinha, seguirão o pensar do seu celebre
recorrerem á ella foi um meio de ganhar tempo e viajante Condamine e quizerão que este rio fosse o
evitar assim a confirmação de taes limites. nosso limite.
E, a dizer a verdade, elles tinhão alguma O unico estabelecimento francez situado 5
razão porque indo a Guyana portugueza até o rio leguas longe do mar, na margem septentrional do
Oyapock, a Guyana franceza fica reduzida a nada; Oyapock, era o forte S. Luiz, que foi sempre o
toda a sua extensão será de 60 leguas em quadro estabelecimento mais meridional daquella nação.
pouco mais ou menos, o que, em possessões Pelo tratado de 10 de Agosto de 1797,
coloniaes, nada é, accrescendo que quasi todo o reviverão as pretenções dos francezes e inglezes, e
litoral ao norte é alagado e insalubre, onde forão nelle se assentou que o rio de Vicente Pinson fosse
sepultados milhares de infelizes dessa famosa o limite na costa.
expedição do duque de Choiseul e muitas victimas Pelo de Madrid de 1801, cedemos o terreno
da revolução franceza para alli deportadas. que fica do rio Carapenatuba para o norte, e no
Os movimentos politicos da Europa, de ordem anno seguinte pelo tratado de Amiens recuou a
muito superior, fizerão pôr de parte este negocio da linha divisoria vinte leguas, ficando-nos por limite do
demarcação e tendo os portuguezes cedido Cayena rio Arauary, e tal era a raia até que conquistamos a
quasi á força, nunca mais se tratou de demarcação. Guyana.
Posto isto e sabendo-se a grande importancia Pelo tratado de 28 de Agosto de 1817 feito
que dava o ministerio do duque de Richelieu á por José Maria de Brito, e o duque de Richelieu se
conservação daquella colonia, temos grande razão assentou muito clara e positivamente, que fosse o
para crêr, que sendo os limites ajustados realmente nosso limite ao norte o foz do Oyapock, com o que
muito prejudiciaes aos francezes (porque, como nada menos ganhamos do que empurrar os
disse, reduzem a quasi nada a Guyana franceza), francezes muito para o norte, e livrar-nos do perigo
elles resistiráõ quanto puderem a que tal ajuste vá que corriamos, ficando elles tanto na nossa
ávante. visinhança, e senhores da navegação de quantos
Para que, pois, nós que principiamos, para rios vertem para o Amazonas, por meio de cuja
assim me explicar, nossa vida, iremos indispôr-nos navegação, podião a todo o tempo perturbar-nos a
com uma nação poderosa, marcando logo no 1º do Amazonas, negocio, se não para nós, ao menos
artigo da nossa constituição esses limites ajustados para os vindouros, de grande importancia.
com o governo passado, quando aliás elles podem O SR. ALMEIDA E ALBUQUERQUE: – Sr.
soffrer modificações arrazoadas, que convenhão a presidente: tenho ouvido varias emendas sobre o
ambos? artigo em questão, e acho indispensavel ou a do Sr.
Creio pois, senhores, que é isto um motivo Vergueiro ou a do Sr. França. Diz o artigo – o
poderosissimo para supprimirmos essa segunda imperio do Brazil é um e indivisivel. – Ora, eu
parte do artigo, deixemos para tempo ulterior o desejava saber se se falla do territorio; então claro
fazermos sobre isso arranjamentos amigaveis com está, que não é indivisivel, pois que mesmo o
a França. projecto da constituição o divide, e faz susceptivel
O SR. CAMARA: – Muito me admiro que desta qualidade, por via de transacções, que
ainda se queirão tornar duvidosos nossos tão possão acontecer; e se não é do territorio que se
contestados limites ao norte do imperio, quando trata, então é indispensavel a emenda do Sr.
elles se achão hoje bem determinados por tratados França.
ratificados e que muito nos convém manter e O SR. ARAUJO LIMA: – Não sei, Sr.
sustentar, embora, como disse o illustre presidente, se é porque me dei ao estudo das
preopinante