Você está na página 1de 179

Liliana Isabel Monteiro Soares Pereira

Uma Abordagem Interactiva ao


Tratado das Curvas Especiais
Notáveis
de
Gomes Teixeira

Departamento de Matemática Pura


Faculdade de Ciências da Universidade do Porto
23 de Novembro de 2007
Liliana Isabel Monteiro Soares Pereira

Uma Abordagem Interactiva ao


Tratado das Curvas Especiais
Notáveis
de
Gomes Teixeira

Tese submetida à Faculdade de Ciências da Universidade do Porto


para obtenção do grau de Mestre em Ensino da Matemática

Departamento de Matemática Pura


Faculdade de Ciências da Universidade do Porto
23 de Novembro de 2007
Resumo

O trabalho mais famoso e, possivelmente, o mais importante de Gomes Teixeira é o


Tratado das Curvas Especiais Notáveis, na medida em que foi um trabalho premiado,
reconhecido e com grande aceitação pela comunidade matemática. Nesta dissertação
propôs-se uma abordagem interactiva a este tratado.

O objectivo do trabalho apresentado prende-se com o esforço de reeditar (recorrendo


às novas tecnologias) esta obra de referência e disponibilizá-la na Internet, para deste modo
contribuir para a sua divulgação. Adicionou-se novas potencialidades à obra, nomeada-
mente nas ilustrações, no sentido de proporcionar ao leitor alguma interactividade.

O trabalho está dividido em três partes. Na primeira parte, onde estão incluı́dos os dois
primeiros capı́tulos, tentou-se traçar uma breve panorâmica sobre a vida de Gomes Teixeira
e, também, apresentar uma visão global de todas as etapas deste trabalho. Nesta mesma
parte, nomeadamente no capı́tulo dois, descreve-se todas as ferramentas informáticas uti-
lizadas. A segunda parte, composta pelos capı́tulos três, quatro e cinco, contém a tradução
de três dos capı́tulos originais da obra estudada. Na terceira parte, designadamente no
capı́tulo seis, apresenta-se as conclusões desta dissertação.

O trabalho é composto, ainda, por um apêndice onde se encontra a lista das vinte e
sete alterações feitas ao texto original. Desenvolveu-se, também, um ”cd”, que se anexou
ao presente trabalho e, a partir do qual, se pode navegar a página de Internet produzida
no âmbito desta dissertação, e que permite ao utilizador aceder interactivamente à obra.

3
Agradecimentos

Esta secção é dedicada a todos aqueles que, de uma forma ou de outra, deram a sua
contribuição para que esta dissertação fosse realizada. A todos eles deixo aqui o meu
agradecimento sincero.

Em primeiro lugar agradeço ao Prof. Dr. Fernando Jorge Moreira a forma como
orientou o meu trabalho. Obrigada pelo apoio tanto cientı́fico como técnico, pela paciência
e pelas dicas sempre oportunas.

Aos meus pais e irmão, pelos valores que me transmitiram ao longo da vida, dois dos
quais, a perseverança e a capacidade de acreditar que sou capaz, foram fundamentais para
ultrapassar os obstáculos que foram surgindo ao longo do caminho. É também por vocês
que sinto a maior alegria ao concluir esta tese.

À minha avó, por tudo.

À Antónia, pelo incentivo, apoio e amizade.

Finalmente, ao António, por estar sempre presente. Pela infinita paciência, carinho,
compreensão, pelo incentivo, pelo apoio incondicional e pela tranquilidade que me soube
transmitir. E também por, insistentemente, me lembrar que a vida não é só trabalho!

A todos agradeço, não sei se da forma mais adequada, mas pelo menos da forma mais
sincera.

4
Conteúdo

Índice de Figuras 8

1 Introdução 10

2 Ferramentas Utilizadas 17

2.1 Régua e Compasso (C.a.R.) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18

2.2 LATEX, MiKTEX e TEXnicCenter . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21

2.3 Maxima e wxMaxima . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25

2.4 TiddlyWiki . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28

3 Curvas Notáveis Transcendentes 36

3.1 A Logarı́tmica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36

3.2 A Catenária . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43

3.3 A Tractriz de Leibnitz . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50

3.4 A Sintractriz de Sylvester . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56

3.5 Catenária de igual resistência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59

5
3.6 A Curva dos Senos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63

3.7 Quadratriz de Dinóstrato . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 72

3.8 Curva Elástica ou Linteária . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 78

3.9 Curva Isócrona Paracêntrica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 86

4 As Espirais 90

4.1 Espiral de Arquimedes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 90

4.2 Espiral de Galileu . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 96

4.3 Espiral de Fermat . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 101

4.4 Espiral Parabólica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 105

4.5 Espiral Hiperbólica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 110

4.6 Lituus . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 113

4.7 Espiral Logarı́tmica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 117

4.8 Espiral de Poinsot . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 122

4.9 Espiral Tractriz . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 127

4.10 A Cocleóide . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 132

4.11 A Clotóide . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 137

4.12 A Pseudocatenária . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 145

4.13 A Pseudotractriz . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 150

5 Parábolas e Hipérboles 155

5.1 As Parábolas em geral . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 155

6
5.2 A Parábola Semicúbica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 161

5.3 A Parábola Cúbica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 163

5.4 As Hipérboles em geral . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 165

6 Conclusão 170

Apêndice 173

Bibliografia 178

7
Lista de Figuras

103 Logarı́tmica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38

104 Construção da Logarı́tmica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42

105 Catenária . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45

106 Tractriz de Leibnitz . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52

107 Sintractriz de Sylvester . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57

108 Catenária de igual resistência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60

109 Curva dos Senos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 64

110 Construção da Quadratriz de Dinóstrato . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73

111 Quadratriz de Dinóstrato . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75

112 Curva elástica quando a > c e c > 0 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 79

113 Curva elástica quando a > c e c < 0 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 80

114 Espiral de Arquimedes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 92

115 Espiral de Galileu . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 97

116 Espiral de Fermat . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 102

117 Espiral Parabólica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 106

8
118 Espiral Hiperbólica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 111

119 Lituus . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 114

120 Espiral Logarı́tmica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 119

121 Espiral de Poinsot . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 123

122 Espiral Tractriz . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 129

123 Coclóide . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 134

124 Clotóide . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 140

125 PseudoCatenária . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 146

126 PseudoTractriz . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 153

127 Parábola quando m ı́mpar e n par . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 157

128 Parábola quando m e n ı́mpares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 158

129 Hipérbole quando m ı́mpar e n é par . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 166

9
Capı́tulo 1

Introdução

Francisco Gomes Teixeira (1851-1933), nasceu a 28 de Janeiro de 1851 na aldeia


de São Cosmado, freguesia de Armamar, no distrito de Viseu.

Fez os estudos elementares na sua terra natal, e depois foi para o Colégio do Padre
Roseira, em Lamego. Chegada a altura de uma escolha profissional, houve divergências de
opinião entre o pai de Gomes Teixeira e o seu primo, Dr. Carvalho. Este destinava, para o
jovem, o estudo da matemática, e aquele pretendia que seguisse ou a carreira eclesiástica,
ou a de direito. Perante esta situação, o pai perguntou a Gomes Teixeira qual era a sua
preferência, ao que este terá respondido ser-lhe indiferente uma ou outra. O pai decidiu,
então, que fosse tirada à sorte a carreira do seu filho, e a sorte ditou que ele iria estudar
matemática.

Gomes Teixeira aceitou o resultado do acaso e, em Outubro de 1869, matriculou-se na


Faculdade de Matemática da Universidade de Coimbra, a única em Portugal nesse tempo.
Ainda durante o curso Gomes Teixeira escreveu o seu primeiro trabalho, Desenvolvimento
das funções em fracção contı́nua, que foi publicado na imprensa da Universidade, em 1871.
Concluiu o curso em 1874, com a classificação máxima de Muito Bom por Unanimidade,
com 20 valores. Em 1875, concluiu o doutoramento com a mesma classificação.

10
CAPÍTULO 1. INTRODUÇÃO 11

Terminado o percurso académico como aluno, Gomes Teixeira iniciou a sua carreira de
docente na mesma Universidade que o acolheu enquanto estudante. A actividade cientı́fica
de Gomes Teixeira foi bastante abrangente, contemplando inúmeros e diversificados tra-
balhos de investigação.

Em 1884, Gomes Teixeira pediu transferência para a Academia Politécnica do Porto,


onde dirigiu a cadeira de Cálculo diferencial e integral. Veio a ser pouco tempo depois
director desta Academia, cargo que desempenhou até 1911, quando foi nomeado reitor da
recém formada Universidade do Porto, que depressa se tornou conhecida internacional-
mente, devido ao prestı́gio de tão ilustre reitor.

Gomes Teixeira relacionou-se com alguns dos mais destacados matemáticos de renome
mundial da sua época, e deslocou-se várias vezes a outros paı́ses onde contactava com outros
matemáticos e participava em congressos. Foi membro de várias sociedades cientı́ficas
e academias de ciências, nacionais e estrangeiras. Contribuiu de forma sublime para
o desenvolvimento da Matemática em Portugal, as suas contribuições foram reconheci-
das internacionalmente através da publicação dos seus estudos matemáticos nas revistas
cientı́ficas mais conhecidas da sua época. Graças aos seus trabalhos de alta valia mereceu
ser considerado no seu tempo o mais notável matemático da Penı́nsula Ibérica.
CAPÍTULO 1. INTRODUÇÃO 12

Em 1897, concorreu ao prémio da Academia das Ciências de Madrid com o ”Tratado


de las curvas especiales notables” [1], tendo ganho o prémio ex-aequo com Gino Loria
(1862-1954), um dos maiores geómetras de então. Esta obra, de F. Gomes Teixeira
é considerada uma obra clássica de grande qualidade cientı́fica e histórica com grande
impacto internacional, tendo sido reeditada em 1971, em Nova York, e em 1995 em Paris.

Neste tratado, Gomes Teixeira tratou os conceitos geométricos, sob o ponto de vista
da geometria diferencial clássica, introduzindo a história de cada uma das curvas tratadas.
Até então, Gomes Teixeira, que se tinha ocupado principalmente da análise, ”descobre”a
geometria, e começa, com entusiasmo, a estudar questões relacionadas com este ramo da
Matemática.

Apesar da obra ter sido considerada muito completa, Gomes Teixeira admitiu que
ainda faltava tratar algumas curvas importantes, mas a falta de tempo não lhe tinha
permitido incluı́-las no seu estudo. Após o seu tratado ter sido premiado, Gomes Teixeira
aumentou-o e completou-o, consideravelmente, e reescreveu-o, em francês, com o tı́tulo
Traité des Courbes Spéciales Remarquables planes et gauches [2].

É inegável o marco na história que este tratado representa e neste sentido, o objec-
tivo proposto para o trabalho apresentado nesta dissertação fixa-se com a tentativa de
CAPÍTULO 1. INTRODUÇÃO 13

reproduzir (recorrendo às novas tecnologias) esta obra de referência e disponibilizá-la na


Internet, para deste modo contribuir para a sua melhor e maior divulgação. Adicionou-
se, também, novas potencialidades à obra, nomeadamente nas ilustrações, no sentido de
proporcionar ao leitor alguma interactividade.

É de salientar, que todo o trabalho elaborado foi realizado utilizando a obra original
(1897) com a qual Gomes Teixeira concorreu ao prémio da Academia das Ciências de
Madrid, e que, por imposição do regulamento do concurso, encontra-se escrita em castel-
hano.

O ”Tratado de las curvas especiales notables” [1] é constituı́do por catorze capı́tulos,
cada um dos quais referente a um determinado grupo de curvas. Devido à sua extensão foi
tomada a decisão de tratar neste trabalho, somente, três desses capı́tulos, nomeadamente
o ”Capı́tulo sete: Curvas Transcendentes Notáveis”, o ”Capı́tulo oito: As Espirais” e o
”Capı́tulo nove: Parábolas e Hipérboles”. Na selecção destes três capı́tulos, teve-se em
consideração o facto de serem capı́tulos autónomos, ou seja, eram três capı́tulos que não
estavam directamente relacionados com outros. Estes capı́tulos encontram-se expostos,
respectivamente, nos Capı́tulos três, quatro e cinco desta dissertação.

Torna-se importante referir, ainda, que toda esta dissertação faz parte de um trabalho
CAPÍTULO 1. INTRODUÇÃO 14

mais abrangente, que se encontra em desenvolvimento na Faculdade de Ciências da Univer-


sidade do Porto e que tem como objectivo disponibilizar esta e outras obras de referência
em formato digital.

Todo o trabalho desenvolvido foi realizado tendo em vista a divulgação desta obra, que
é, ainda nos dias hoje, considerada uma obra de referência da literatura Matemática. Com
este propósito, era então, essencial converter o conteúdo da obra para um formato digital.
Para tal, optou-se por usar unicamente software de uso livre (não comercial), denominado
internacionalmente por freeware.

A descrição das ferramentas utilizadas é feita no capı́tulo seguinte. Contudo, apenas


será feita uma descrição sumária de cada programa, de modo a possibilitar ao leitor
informação das potencialidades aqui utilizadas e o modo de adquirir informação adicional.

Numa primeira fase, e sem alterar o conteúdo original da obra foram traduzidos para
português os três capı́tulos seleccionados e reescritos usando a linguagem LATEX e o editor
TEXnicCenter [15], no sistema operativo Windows.

As imagens que ilustram esta obra foram redesenhadas utilizando o programa de


geometria dinâmica plana: Régua e Compasso (C.a.R.) [9]. Sempre que as imagens
representavam curvas que dependiam de um ou mais parâmetros, estes foram inseridos na
ilustração de tal forma, que o utilizador com a manipulação do rato facilmente pode alterar
o valor desse mesmo parâmetro e observar de imediato as alterações na ilustração que essa
mudança acarreta.

É importante salientar, que apesar do conteúdo da obra não ter sido alterado, procedeu-
se a uma exaustiva verificação de todas as fórmulas e expressões nela contidas, figurando em
rodapé as vinte e sete alterações ao texto original. Para esta trabalhosa verificação muito
auxiliou o programa Maxima [14]; programa cujo objectivo é a realização de cálculos
matemáticos, tanto numéricos como simbólicos.

Finalmente, era necessário criar um documento, contendo os três capı́tulos da obra,


CAPÍTULO 1. INTRODUÇÃO 15

num formato adequado para a sua divulgação. O formato pdf (Portable Document For-
mat) é incontornável nos dias de hoje, sendo por isso uma das opções escolhidas para
apresentação desta obra.

Para a correcta visualização deste trabalho em pdf e para usufruir de todas as suas
potencialidades, é necessário que o utilizador tenha instalado, no seu computador, um leitor
de ficheiros pdf assim como o programa C.a.R (Régua e Compasso) [9], que lhe permite
aceder à interactividade das imagens. Inicialmente a figura apresentada é estática, ou seja
é meramente uma imagem e só após um clique com o rato o utilizador acede ao programa
C.a.R [9] que lhe vai permitir manipular a ilustração.

Actualmente, a Internet, rede mundial de computadores, é indiscutivelmente um dos


meios de comunicação mais popular e eficaz. Como tal, foi também criado um ficheiro
para disponibilizar a obra nesta rede. Este ficheiro foi produzido usando a tecnologia
TiddlyWiki [10], sendo esta uma nova forma de fazer páginas de Internet de forma
acessı́vel e inteligente. As potencialidades desta tecnologia são inúmeras, desde guardar
documentos, anotações, criação de blogues, usar como agenda pessoal, e neste caso em
particular para publicar um livro electrónico.

O objectivo era criar uma página simples, prática, de fácil utilização e claro agradável
ao utilizador. Para tal, adicionou-se à barra de tı́tulo três atalhos, designadamente um
CAPÍTULO 1. INTRODUÇÃO 16

para aceder à Ajuda, outro para permitir mostrar ou esconder a barra lateral de menu, em
qualquer momento da navegação, o que facilita a leitura do conteúdo do documento e por
fim um atalho para permitir ao utilizador/leitor voltar ao inı́cio da página. Introduziu-
se, também, um menu lateral que contém um campo que permite a pesquisa rápida de
informação em todo o documento, certamente bastante útil para aceder aos pontos de
maior interesse do utilizador. Neste menu está também localizada uma tabela de conteúdos,
onde se encontram organizados os três capı́tulos, assim como as suas respectivas secções
e subsecções. Nesta página, o utlilizador também terá acesso aos capı́tulos da obra em
formato pdf, bastando para isso aceder à opção Ver em pdf colocada no menu lateral.

Acredito que todo este trabalho contribua de forma eficaz para a divulgação desta
notável obra, assim como ajude na difusão e promoção da História da Matemática em
Portugal.
Capı́tulo 2

Ferramentas Utilizadas

Nos últimos anos tem-se verificado um significativo aumento de programas de com-


putadores gratuitos de elevada qualidade. Neste sentido, e tendo em vista abranger o
maior público possı́vel, todo o trabalho desenvolvido nesta dissertação foi realizado usando
softwares gratuitos (freewares) e de código livre (Open Source).

Um freeware é um programa de computador gratuito, ou seja, não é preciso pagar por


algum tipo de licença de uso. Pode ser utilizado por tempo indeterminado (não deixa de
funcionar nem perde parcialmente sua funcionalidade após um certo perı́odo). Por outro
lado, um software é considerado livre quando o seu código fonte é visı́vel e pode ser usado,
copiado, estudado e modificado por qualquer utilizador.

Neste capı́tulo, vão ser descritos, resumidamente, todos os programas utilizados nesta
dissertação, assim como o endereço electrónico de onde é possı́vel transferi-los.

Grande parte do esforço aplicado na elaboração deste trabalho assentou na parametriza


ção e integração das várias ferramentas que estão descritas nas secções seguintes. Uma
exaustiva enumeração de todas as intervenções que as diversas aplicações tiveram de sofrer
e que conduziram à versão final apresentada tanto no trabalho escrito como no CD, foi
preterida face a uma descrição sumária das aplicações utilizadas e de como o utilizador

17
CAPÍTULO 2. FERRAMENTAS UTILIZADAS 18

pode obter informação adicional de configuração e instalação.

Todos os programas usados na elaboração deste trabalho encontram-se disponı́veis no


CD que acompanha esta dissertação.

2.1 Régua e Compasso (C.a.R.)

O programa Régua e Compasso (Compass and Ruler, C.a.R.) [9] é um programa


de geometria dinâmica plana que simula construções geométricas que, tal como o nome
indica, seriam feitas com compasso e régua. Para isto ser possı́vel, o programa dispõe de
vários menus e de diversos botões/ı́cones que permitem fazer construções tradicionalmente
obtidas com estes instrumentos de desenho.

Saliente-se, ainda, que todos os menus e ı́cones do C.a.R. estão bem organizados e
são bastante perceptı́veis, tornando deste modo a sua utilização extremamente simples
e prática, por parte de qualquer utilizador. Neste sentido, não se irá desenvolver nesta
dissertação qualquer explicação mais detalhada dos comandos e opções disponı́veis neste
programa.

Ao contrário do que ocorre com a régua e o compasso tradicionais, as construções feitas


com o C.a.R são dinâmicas e interactivas, o que faz do programa um excelente laboratório
de geometria. O utilizador para além de obter a figura da construção geométrica pretendida
no ecrã, pode manipulá-la, conservando mesmo assim, as suas relações geométricas. Isto
significa, que uma vez feita a construção, pontos, rectas, cı́rculos, . . . podem ser deslocados
no ecrã mantendo as suas relações geométricas (paralelismo, perpendicularidade, etc).

Por exemplo, se construirmos três pontos e os respectivos segmentos de recta que


os une, obtendo assim um triângulo, o utilizador pode arrastar os pontos iniciais que
os segmentos de recta serão automaticamente actualizados, de modo a acompanhar a
movimentação dos vértices do triângulo. Do mesmo modo, ao construir uma circunferência
CAPÍTULO 2. FERRAMENTAS UTILIZADAS 19

de raio r e de centro c, o utilizador poderá movimentar com auxı́lio do rato o seu centro
que a circunferência acompanhará o seu movimento.

A figura seguinte, produzida neste programa, pretende representar a curva definida


pela equação, ρ2 θ = a2 , expressa em coordenadas polares.

Uma vez que, a equação desta curva depende do parâmetro a, introduziu-se um slider
vertical, que permite variar os valores deste parâmetro dentro uma escala previamente
definida. Entende-se por slider a construção dinâmica de um segmento de recta e de um
ponto nele contido, em que esse ponto representa o parâmetro que se pretende fazer variar.

A variação do ponto (no exemplo o ponto A) ao longo do referido segmento vai permitir
observar, imediatamente, as alterações produzidas na curva pelo respectivo parâmetro.

Construı́do o slider, é agora indispensável definir, no C.a.R. a equação da curva. No


entanto, a equação encontra-se expressa em coordenadas polares e este programa não
possibilita a representação de expressões definidas neste tipo de coordenadas. É, então,
necessário proceder, previamente, à mudança para coordenadas cartesianas.

r
2 2 a2
ρ θ=a ⇔ρ=
θ
CAPÍTULO 2. FERRAMENTAS UTILIZADAS 20

  q
 x = ρ cos(θ)  x = a2 cos(θ)
⇔ qθ
 y = ρ sin(θ)  y = a2 sin(θ)
θ

Agora que a equação da curva se encontra parametrizada é possı́vel inseri-la no


programa, sendo para isso necessário aceder ao respectivo ı́cone ou ao menu Acções e
escolher a opção ”Criar Função”. Imediatamente se abrirá uma janela que permitirá ao
utilizador inserir a equação da curva assim como definir outras opções tais como: o nome
e o domı́nio da curva, a sua espessura e cor, etc.

Construı́da a curva, o utilizador poderá agora deslocar o ponto A no slider, através


da manipulação do rato e observar de imediato as alterações na imagem que essa mudança
provoca.

Este é apenas um exemplo simples das potencialidades deste software de geometria


dinâmica.

O programa C.a.R utiliza a linguagem Java, e funciona na maioria das plataformas


modernas (Microsoft Windows ,
c Linux, Macintosh ,
c etc. . . ); além disso, o programa
CAPÍTULO 2. FERRAMENTAS UTILIZADAS 21

possui uma opção que permite exportar todas as construções para posterior publicação na
Internet.

Relativamente à sua instalação é necessário o utilizador aceder à página:


http://mathsrv.ku-eichstaett.de/MGF/homes/grothmann/java/zirkel/ e transferir o
ficheiro executável car.exe. Um pré-requisito para o bom funcionamento deste programa é
ter instalado, no seu computador, uma plataforma Java. Caso não a possua, instale o Java
Runtime Envorinment (JRE) disponı́vel no endereço:
http://java.sun.com/j2se/1.4.2/download.html.

2.2 LATEX, MiKTEX e TEXnicCenter

Nesta dissertação usou-se a linguagem LATEX , linguagem esta que permite criar
documentos de alta qualidade tipográfica. Em particular, é bastante eficiente na produção
de textos técnicos ricos em linguagem matemática.

A indicação de todos os comandos assim como das fórmulas e caracteres especiais


usados ao longo deste trabalho e a descrição de todas as potencialidades e possibilidades
que o LATEX permite, está fora do âmbito desta dissertação e pode ser consultado, por
exemplo, nos seguintes endereços electrónicos:

http://www.tex-br.org

http://www.latex-project.org/

http://pt.wikipedia.org/wiki/LaTeX

http://www.dm.ufscar.br/ sadao/curso/latex/

http://www.mat.ufmg.br/ regi/topicos/intlat.html
CAPÍTULO 2. FERRAMENTAS UTILIZADAS 22

Um documento em LATEX é formado pelo texto propriamente dito e por mais alguns
comandos. Estes comandos definem o tipo de letra, a formatação do texto, alguns sı́mbolos
1
especiais, etc. Todos os comandos em LATEX iniciam-se com uma barra invertida (\) .

Todo o documento deve começar pela seguinte linha de comando:

\documentclass[opções]classe.

Em opções deve ser indicado a forma e a disposição do texto, o tamanho da letra, etc..
Já em classe, escolhe-se o tipo do documento a ser trabalhado (tese, relatório, livro, etc..).

Após esse comando, incluem-se pacotes, através do comando \usepackage, que in-
fluenciam o estilo do documento e possibilitam a adição de novas caracterı́sticas. O
texto propriamente dito é escrito entre os comandos \begin{document} e \end{document}.
Mostra-se, na figura seguinte um exemplo de um ficheiro simples escrito em LATEX.

\documentclass[a4paper,12pt]{book}
\usepackage{amsmath,amsfonts}
\usepackage[portuges]{babel}
\title{Tratado das Curvas Especiais Notáveis}
\author{Liliana Pereira}
\begin{document}
\maketitle % gera o Tı́tulo
\tableofcontents % gera o ı́ndice
\pagebreak % muda de página
\chapter {As Espirais} % Inicia um novo capı́tulo
Aqui está o conteúdo deste capı́tulo.
\end{document}

O LATEX organiza o documento em partes, capı́tulos, secções etc, fornecendo para isso
1
Do inglês backslash.
CAPÍTULO 2. FERRAMENTAS UTILIZADAS 23

uma completa lista de comandos.

Relativamente à inserção de fórmulas matemáticas, o LATEX tem um modo especial


para as escrever. Podem ser escritas directamente em linha com o respectivo texto, ou
o parágrafo pode ser quebrado e a fórmula introduzida numa linha autónoma. O texto
matemático dentro de um parágrafo pode ser introduzido entre $ e $. Por exemplo, a
seguinte linha de comando

ao $5x-3=\frac{1}{2}+3x$, indica o 1o membro e o 2o membro."


"Dada a equaç~

gera o texto:

1
ao 5x − 3 =
"Dada a equaç~ 2
+ 3x, indica o 1o membro e o 2o membro."

Quanto à inserção de fórmulas matemáticas centradas e em linha autónoma, basta


introduzir o texto matemático entre $$ e $$, como se mostra no exemplo seguinte:

ao $$5x-3=\frac{1}{2}+3x,$$ indica o 1o membro e o 2o membro."


"Dada a equaç~

gera o texto:

"Dada a equaç~
ao
1
5x − 3 = + 3x,
2

indica o 1o membro e o 2o membro."

A grande diferença do LATEX para programas bem conhecidos, como por exemplo o
MsWord, reside no facto de no LATEX não haver a necessidade de nos preocuparmos com
a forma do documento. Existem estilos pré-definidos para os mais diferentes tipos de
arquivos, tais como teses, artigos, relatórios e livros.

Para utilizar o LATEX neste trabalho, foi usada a implementação MikTEX [16] e uma
interface gráfica junto com um editor de textos chamado, TEXnicCenter [15]. Todos estes
programas podem trabalhar juntos, no sistema operativo Windows da Microsoft, como se
fossem um só, mas é necessário configurá-los para que isso aconteça.
CAPÍTULO 2. FERRAMENTAS UTILIZADAS 24

Para a instalação destes programas pode-se aceder ao site http://miktex.org/, para


instalar o Miktex e a http://www.toolscenter.org/, para transferir e instalar o editor
TEXnicCenter. É de salientar, que antes de instalar o TEXnicCenter é necessário verificar
que o MikTEX está instalado e configurado correctamente uma vez que o TEXnicCenter
é apenas um editor e requer o sistema LATEX para ser usado. Ao iniciar o TEXnicCenter
pela primeira vez, irá aparecer uma janela de configuração para executar o TEX; avance,
mantendo os valores pré-definidos.

Depois de tudo correctamente instalado é possı́vel começar a escrever um documento


em LATEX, bastando para isso aceder ao programa TEXnicCenter e ao menu File e de seguida
seleccionar a opção New.

Através do editor TEXnicCenter podemos compilar um arquivo com extensão .tex e


gerar um arquivo com mesmo nome mas com outra extensão, nomeadamente ficheiros em
formato pdf (Portable Document Format), em formato ps (Post Script) muito utilizado
para impressões de grande qualidade e também ficheiros dvi (DeVice Independent).

Nesta dissertação optou-se pelo formato pdf, pois actualmente, a divulgação de textos
neste formato tem-se tornado cada vez mais usual, sendo por isso um ficheiro de fácil leitura
para qualquer utilizador.
CAPÍTULO 2. FERRAMENTAS UTILIZADAS 25

2.3 Maxima e wxMaxima

O Maxima [14] é um programa computacional, cuja finalidade é a realização de cálculos


matemáticos, tanto numéricos como simbólicos. Este software é capaz de manipular
expressões algébricas, e permite, também, fazer construções de gráficos, assim como resolver
equações e sistemas lineares e não lineares, equações diferenciais com e sem condição inicial,
derivadas, integrais, limites, etc etc. . . É, ainda, de salientar que este programa, trabalha
com funções e dados em duas ou três dimensões.

O wxMaxima é uma interface gráfica para o Maxima, disponibilizando um acesso às


funções do Maxima através de menus e caixas de diálogos. A interface wxMaxima veio, sem
dúvida, facilitar o uso e o acesso ao programa Maxima. Um dos aspectos extremamente
positivo desta interface é, sem dúvida, a melhoria significativa no documento de saı́da do
Maxima, assim como a facilidade em aceder a todas as suas funções e opções.

Tal como referido anteriormente, todas as fórmulas e expressões contidas na obra


”Tratado das Curvas Especiais Notáveis” foram verificadas de forma a tentar corrigir
gralhas que, eventualmente, pudessem existir. Neste sentido, o programa wxMaxima foi de
imensa utilidade, uma vez que ajudou a encurtar o tempo na realização de alguns cálculos
CAPÍTULO 2. FERRAMENTAS UTILIZADAS 26

mais complexos e extensos.

Neste trabalho as opções mais usadas no programa wxMaxima foram sobretudo as


que permitiam a manipulação algébrica de expressões, nomeadamente as funções expand
e triexpand que desenvolvem expressões racionais e trignométricas; as funções ratsimp e
trigsimp que simplificam qualquer expressão racional e trignométrica, respectivamente; o
comando diff que permite calcular as derivadas, de qualquer ordem, de uma dada função
e o comando integrate que rege o cálculo de integrais.

Por exemplo, no capı́tulo ”Curvas Transcendentes Notáveis” na secção relativa à curva


”Sintractriz de Sylvester” era necessário comprovar que a expressão apresentada para o raio
de curvatura desta curva estava correcta.

A sintractriz de Sylvester é definida pela equação:

p
a+ a2 − y 2 p 2
x = c. log − a − y2.
y

A fórmula do raio de curvatura envolve derivadas de primeira e de segunda ordem e


uma raiz quadrada, o programa Maxima foi aqui usado para minimizar o tempo dispensado
nestes cálculos simples mas morosos.

Ao abrir o Maxima é apresentado, imediatamente, ao utilizador a área de trabalho do


programa. Na parte inferior desta área encontra-se uma caixa de texto onde se insere os
comandos e também doze botões de atalho (apesar de puderem ser adicionados mais) para
vários comandos e funções .

Para a verificação da expressão do raio de curvatura, começou por introduzir-se a


equação da sintractriz através do comando:

(\%i1) f:-sqrt(a^2-y^2)+c*log((a+sqrt(a^2-y^2))/y);

De seguida, e através do comando diff (este comando encontra-se no menu ”Cálculo”)


CAPÍTULO 2. FERRAMENTAS UTILIZADAS 27

calculou-se a primeira e a segunda derivada da sintractriz:

(\%i2) f1:diff(f,y,1);

(\%i3) f2:diff(f,y,2);

No entanto, tanto a expressão da primeira como da segunda derivada ficaram bastante


extensas e antes de proceder ao cálculo do raio de curvatura, optou-se primeiro por
factorizar expressões através dos comandos:

(\%i4) f11:factor(f1);

(\%i5) f22:factor(f2);

Posteriormente, procedeu-se, então, à aplicação da fórmula do raio de curvatura:

  2 3/2
1 + dx
dy
R=
d2 x
dy 2

(\%i6) r1:(1+f11^2)^(3/2)/(f22);

Para finalizar, factorizou-se a expressão do raio de curvatura para se obter, deste


modo, uma expressão mais simples:

(\%i7) r:factor(r1);

Finalmente, a expressão obtida para o raio de curvatura foi a seguinte:

  32
2
p a ((2 c−a) y 2 −a c2 )
y (y − a) (y + a) a2 − y2 y 2 −a2
r= .
a (2 c y 2 − a y 2 − a2 c) y 3
CAPÍTULO 2. FERRAMENTAS UTILIZADAS 28

Contudo, esta expressão ainda não se encontrava com o aspecto apresentado na obra,
no entanto, bastou algumas manipulações algébricas, sem recurso ao Maxima, para se
alcançar a forma desejada:
3
2 2
3 (a(a−2c)y2 +ac2 ) 2
(a − y ) 2
3
(a2 −y 2 ) 2
r= =
ay (2cy 2 − ay 2 − a2 c)

3
(a (a − 2c) y 2 + ac2 ) 2
r= =
ay (2cy 2 − ay 2 − a2 c)

1 3
a 2 ((a − 2c) y 2 + ac2 ) 2
r= .
y (2cy 2 − ay 2 − a2 c)

Não se vai descrever detalhadamente todos os outros comandos e opções disponı́veis


no programa wxMaxima, por tal, como já se referiu, não se encontrar no âmbito desta
dissertação. Para este efeito, o leitor pode consultar o menu Ajuda do programa, embora
actualmente o seu conteúdo ainda não esteja particularmente organizado. Apesar disso,
este software é, extremamente, completo e uma óptima opção para a manipulação algébrica
de fórmulas e expressões matemáticas.

Relativamente à sua instalação, tanto o programa Maxima como a interface gráfica


wxMaxima estão disponı́veis no endereço: http://maxima.sourceforge.net.

É possı́vel ter o programa Maxima e o wxMaxima tanto em ambiente Windows como


em Linux.

2.4 TiddlyWiki

O TiddlyWiki é uma nova tecnologia, baseada na linguagem Javascript [12], que


permite a construção de páginas de Internet de modo bastante simples. Esta moderna
CAPÍTULO 2. FERRAMENTAS UTILIZADAS 29

ferramenta faz parte de uma famı́lia de páginas de Internet (websites) chamadas wikis 2 .
Os wikis [11] são websites com recursos que facilitam a adição ou a edição de conteúdo pelos
utilizadores, sem que seja necessário mexer com código html. O exemplo mais conhecido
de um site wiki é a enciclopédia online Wikipédia.

No entanto, o TiddlyWiki [10] é um wiki francamente diferente dos outros. Todo


o conteúdo de um site TiddlyWiki fica dentro de um único ficheiro .html que pode ser
editado dentro do navegador, sem necessidade de programas especiais. A navegação no
TiddlyWiki baseia-se no conceito de micro conteúdo, onde a menor unidade de informação
são os chamados ”tiddlers”: pequenas notas cronologicamente organizadas. Para testar
esta nova ferramenta pode-se aceder ao site http://www.tiddlywiki.com/, seleccionar a
opção DownloadSoftware e transferir o ficheiro empty.html. Seguidamente é só necessário
criatividade, pois o ficheiro está pronto para ser editado!

Uma vez que, todo o conteúdo de um TiddlyWiki é formado por tiddlers, é importante
destacar os tiddlers que nos permitem alterar as caracterı́sticas da página, tais como: tipo,
cor e tamanho das fontes, menus, tı́tulos e subtı́tulos, a cor do fundo, etc etc. . . Estes
tiddlers encontram-se no menu sombra (Shadoewd ) do ficheiro empty.html e estão cata-
logados como: SiteSubtitle, SiteTitle, StyleSheet, TopMenu, MainMenu, SideBarOptions,
SideBarTabs, PageTemplate, MainMenu,. . .

O aspecto final da página elaborada, no âmbito desta dissertação, para apresentar


a obra ”Tratado das Curvas Especiais Notáveis”, resulta da parametrização de alguns
destes tiddlers. No entanto, não se irá aqui descrever detalhadamente todas as alterações
e parametrizações realizadas, apenas serão apresentadas breves notas para os leitores que
pretendam introduzir-se nesta nova tecnologia.

No caso da obra estudada, os tiddlers SiteTitle e SiteSubtitle, foram preenchidos com


o texto ”Gomes Teixeira” e ”Tratado das Curvas Especiais Notáveis”, respectivamente.
Relativamente, ao tiddler TopMenu foram inseridos três atalhos designadamente um para

2
A palavra wiki significa ”rápido”.
CAPÍTULO 2. FERRAMENTAS UTILIZADAS 30

aceder à Ajuda, outro para permitir mostrar ou esconder a barra lateral de menu e por fim
um atalho para permitir ao utilizador/leitor voltar ao inı́cio da página.

Para inserir um tiddler com a informação pretendida é necessário aceder à opção


”Novo tiddler” localizada no menu lateral, de seguida introduzir o texto desejado e por
fim, carregar na opção guardar. Saliente-se que, a informação introduzida ainda não se
encontra gravada definitivamente no disco do computador, para isso terá de seleccionar a
opção no menu lateral, ”Guardar para o disco”.

Relativamente ao menu lateral é de salientar que o seu conteúdo está divido por
três tiddlers de sistema, nomeadamente: MainMenu (contém o tiddler com a opcção
Ver em Pdf ), SideBarOptions (contém as opções de gravar e abrir novos tiddlers, etc)
e SideBarTabs (este contém a tabela de conteúdos com os capı́tulos da obra).

Os três capı́tulos da obra, assim como as suas respectivas secções e subsecções, encontram-
se organizados numa tabela de conteúdos como se exemplifica nas figuras seguintes.

Para aceder a cada uma das secções, basta clicar na mesma, e serão expandidas as
CAPÍTULO 2. FERRAMENTAS UTILIZADAS 31

subsecções que lhe são associadas. De seguida, um clique sobre uma subsecção abre um
tiddler com a informação nela contida. Algumas secções contêm imagens interactivas, e
para que seja possı́vel proceder à sua manipulação, o utilizador deve primeiro clicar sobre
as mesmas.

Esta forma de organizar a obra segue o conteúdo original da mesma, excepto em


algumas (vinte e nove) fórmulas que após exaustiva verificação foram alteradas. O conteúdo
original destas correcções encontra-se disponı́vel através de um clique no número adjacente
à fórmula como se vê na figura:

Uma vez que, neste trabalho de dissertação, a matemática é pedra fundamental foi
necessário adicionar uma ferramenta para a inclusão de notação matemática na página de
Internet proporcionada pelo TiddlyWiki. A ferramenta escolhida foi o JsMath [20].
CAPÍTULO 2. FERRAMENTAS UTILIZADAS 32

O JsMath interpreta a linguagem TEX e deste modo oferece um meio para incluir
linguagem matemática em websites. Esta ferramenta, e também alguns guias de utilizador
e de instalação, pode ser transferida do endereço electrónico:
http://www.math.union.edu/ dpvc/jsMath/.

Contudo, com o aparecimento do Internet Explorer 7.0 já no final deste trabalho,
verificou-se que o plugin do JsMath não era totalmente compatı́vel com este browser.
Uma vez que, o internet explorer apresentava diversas imperfeições na visualização do
site (chegando a exibir apenas um página em branco) e também não permitia a correcta
visualização das expressões matemáticas. Sendo assim, optou-se por criar outro ficheiro
TiddlyWiki com um outro plugin 3 , o LaTeXMathMLPlugin [18], que funcionou perfeita-
mente tanto no Internet Explorer como no Mozzila Firefox.

No caso do utilizador optar pelo browser Internet Explorer será também necessário
transferir o programa MathPlayer [21] (por defeito o Internet Explorer não o incorpora),
que vai permitir em conjunto com o LaTeXMathMLPlugin traduzir a linguagem LATEX
para linguagem MathML [13] (Mathematical Markup Language) e permitir a visualização
de fórmulas matemáticas nas páginas de Internet.

O plugin MathPlayer pode ser transferido do endereço electrónico:


http://www.dessci.com e o LaTeXMathMLPlugin de
http://www.maths.nottingham.ac.uk/personal/drw/lm.html.

Ainda relativamente à visualização no browser Internet Explorer assinala-se que devido


a opções de segurança inerentes ao software da Microsoft, sempre que o utilizador aceder,
via CD, à página web, do trabalho aqui apresentado, o browser inicialmente bloqueia
a sua abertura. Para visualizar a página correctamente o utilizador terá de permitir a
visualização do conteúdo bloqueado clicando com o rato na barra de alerta exibida na
parte superior do ecrã.

3
Um plugin é um tiddler que contém código para extender as funcionalidades do TiddlyWiki.
CAPÍTULO 2. FERRAMENTAS UTILIZADAS 33

Para efeitos deste trabalho, o plugin LaTeXMathMLPlugin é o suficiente para a


interpretação das fórmulas aqui apresentadas. Contudo, num contexto mais geral, o plugin
JsMath é bastante mais abrangente pois é capaz de interpretar um maior número de
comandos LATEX. Por este motivo, optou-se por deixar o plugin do JsMath incluı́do neste
trabalho, ficando este a funcionar quando é usado o browser Mozzila Firefox. Por outro
lado, quando o browser escolhido pelo utilizador for o Internet Explorer o plugin usado
passará a ser o LaTeXMathMLPlugin, que apesar de ser um pouco mais restritivo nas
fórmulas, tem a vantagem de ser um pouco mais leve e portanto mais rápido.

Estes plugins, JsMath e LaTeXMathMLPlugin, quando adicionados ao ficheiro Tid-


dlyWiki permitem, após introduzir todo o conteúdo matemático pretendido no respectivo
tiddler, que as fórmulas matemáticas sejam reconhecidas e, depois do tiddler gravado,
apresentadas com bastante qualidade.

Além disto, achou-se conveniente que ao editar um tiddler se tivesse a possibilidade de


editar a cor, o tamanho do texto, o respectivo alinhamento, o tipo de letra, etc. . . através
de um menu com ı́cones de fácil acesso. Para esse efeito, utilizou-se um pluggin designado
por HtmlArea.

Apesar da informação sobre esta nova tecnologia ainda não ser muito abundante, é de
salientar que, existem já páginas de Internet com inúmeros plugins e alguns themes (temas)
para que o resultado final das páginas criadas com recurso a esta ferramenta seja realmente
agradável e principalmente o mais funcional possı́vel. Nomeadamente os endereços:

http://www.tiddlytools.com

http://tiddlythemes.com

http://tiddlywikiguides.org
CAPÍTULO 2. FERRAMENTAS UTILIZADAS 34

http://tiddlyspot.com

Existem inúmeras vantagens e recursos interessantes na tecnologia TiddlyWiki. Trata-


se de uma ferramenta extremamente portátil: pode ser armazenada numa só disquete ou
cd, sendo por isso extremamente útil para guardar documentos, anotações e até ser usada
como uma agenda pessoal, devido à sua capacidade de organizar a informação.

Merecidamente, TiddlyWiki é uma tecnologia com um, cada vez mais, crescente
número de utilizadores em todo o mundo, no entanto e como todas as tecnologias recentes
CAPÍTULO 2. FERRAMENTAS UTILIZADAS 35

o seu ponto fraco reside na (ainda) pouca informação disponı́vel.


Capı́tulo 3

Curvas Notáveis Transcendentes

3.1 A Logarı́tmica

345.

Huygens aplicou o nome de logarı́tmica à curva representada pela equação, em


coordenadas cartesianas,

x x y
y = ae m , ou = log .
m a

Anos antes, em 1644, esta curva tinha já sido considerada por Torricelli, numa
carta dirigida a Ricci, contida na colecção de cartas desse perspicaz geómetra, publicada
em 1864 por Ghinassi, e, posteriormente, também por James Gregory, que tratou esta
curva no seu Geometriae pars prima, tornado público em 1668, definindo-a em termos
equivalentes à igualdade

 x00 −x0  00 x−x0


y y
0 = ;
y y0

36
CAPÍTULO 3. CURVAS NOTÁVEIS TRANSCENDENTES 37

0 0 00 00
na qual as coordenadas x e y referem-se a um ponto variável, e as x e y , e x e y a dois
pontos fixos da curva.

Mas o estudo das suas propriedades, como o nome, deve atribuir-se principalmente
a Huygens, que determinou a sua área, as suas tangentes, o volume dos sólidos de
revolução gerados por ela, etc, etc. (Huygens: De causa gravitatis, 1691). Sendo de
advertir que os resultados obtidos por este célebre geómetra foram por ele simplesmente
enunciados, e demonstrados mais tarde por Nicolas na sua obra De spiralibus hyperbolicis
et lineis logarithmicis, publicada em 1696, e também por P.Guido-Grandi, num trabalho
intitulado Demonstratio theorematum Hugenianorum.

346.

Como a forma da curva é sempre a mesma, qualquer que sejam os sinais de a e m,


vamos supor que a e m são positivos, e nesse pressuposto procuraremos determiná-la.

Quando x varia desde −∞ até +∞, y mantém-se sempre positiva e aumenta, constante
e indefinidamente, desde 0 até ∞. Logo a curva consta de um único ramo, que, quer à
direita quer à esquerda se estende indefinidamente (fig.103) no sentido das abcissas positivas
e negativas, e tem por assı́mptota este eixo. O eixo das ordenadas corta a curva no ponto
00
A, e portanto OA = a. E como a derivada y não se anula em nenhum ponto, resulta que
a curva não possui qualquer ponto de inflexão.

347.

A subtangente, a subnormal, o comprimento da tangente e o comprimento da normal


da logarı́tmica são expressas pelas fórmulas
CAPÍTULO 3. CURVAS NOTÁVEIS TRANSCENDENTES 38

Figura 103: Logarı́tmica

y2
p y
p
S t = m ; Sn = m
; T = y 2 + m2 , e N = m
y 2 + m2 ;

a primeira das quais mostra que a subtangente da logarı́tmica é constante.

348.

O raio da curvatura tem por expressão:

3
(y 2 + m2 ) 2 m2 N 3 N3
R= = = .
my y4 Sn2

349.

E a área compreendida entre a logarı́tmica, o eixo das abcissas e as ordenadas dos


pontos (x0 , y0 ) e (x1 , y1 ), é dada pela expressão
CAPÍTULO 3. CURVAS NOTÁVEIS TRANSCENDENTES 39

Zx1
x
A=a e m dx = m(y1 − y0 ).
x0

350.

O comprimento do arco, compreendido entre os mesmos pontos da curva, deduz-se da


fórmula
Zy1 s Zy1 p
dx2 1
S= 1 + 2 dy = y 2 + m2 dy =
dy y
y0 y0

p "q p #
2 2 2−m
m y + m − m m y + m
q
2
= y12 + m2 + log p 12 − y02 + m2 + log p 02 ;
2 y1 + m2 + m 2 y1 + m2 + m

ou

m (T1 − m)(T0 + m)
S = T1 − T0 + log ,
2 (T1 + m)(T0 − m)

onde T0 e T1 representam os comprimentos das tangentes à curva nos pontos (x0 , y0 ) e


(x1 , y1 ).

351.

E o volume do sólido gerado pela zona plana, cuja área foi anteriormente determinada,
quando gira em torno do eixo das abcissas, é dado por esta outra fórmula, também de uma
simplicidade notável:
CAPÍTULO 3. CURVAS NOTÁVEIS TRANSCENDENTES 40

mπ 2
V = (y1 − y02 ).
2

A este volume corresponde uma área, U , da superficie lateral do sólido referido, que
pode ser determinada da seguinte forma :

Zy1 p
U = 2π y 2 + m2 dy.
y0

Ou, representando por s1 o comprimento do arco da parábola y 2 = 2mx, compreendido


entre os pontos (x0 , y0 ) e (x1 , y1 ),

U = 2πm.s1 .

352.

A curva que acabamos de estudar encontra-se estritamente ligada, analı́tica e geomet-


ricamente, com a curva que tem por equação

q b x − 21 a
y = x + x. log ,
p a p − 12 a

que o engenheiro espanhol D.E.Saavedra utilizou na resolução do seguinte problema:


”encontrar as melhores formas e dimensão das bancadas de um anfiteatro, para que todos
os espectadores que nelas se sentem possam ver facilmente um determinado ponto da
sala.”(Anales de la Contrucción e de la Industria - Madrid, 1886, p.329-332). Curva a que
o ilústre sábio, seu descobridor, depois de estudá-la minuciosamente no lugar designado,
ao qual, para mais detalhes, remetemos ao leitor, a denominou de visória, porque a solução
CAPÍTULO 3. CURVAS NOTÁVEIS TRANSCENDENTES 41

do mencionado problema, passa, ou deve passar, pelo orgão visual dos espectadores que
ocupam uma mesma fila do anfiteatro.

A conexão da visória com a logarı́tmica pode estabelecer-se facilmente, deduzindo-se


dela um simples procedimento de construção da primeira curva e das suas tangentes por
referência à segunda.

Yx
Para demonstrá-lo, transformaremos a equação da visória, fazendo y = a
, e encon-
traremos a seguinte :
    
qa 1 1
Y = + b log x − a − log p − a , ou
p 2 2
 
1
Y − β = b. log x − a ,
2
 
qa 1
na qual β = − b. log p − a .
p 2

0 0
E feito isto, constrói-se a logarı́tmica, relativa aos eixos coordenados (fig.104), O x e
0 0
O y , que tem por equação

0 0
y = b log x .

Ou a seguinte, relativa aos eixos Ox e Oy,

 
1
Y − β = b log x − a ;
2

−1
na qual a e −β representam as coordenadas do ponto O, em relação aos eixos anteriores.
2
Designaremos agora por N um ponto desta segunda logarı́tmica; por N K e N R duas
paralelas aos eixos coordenados, traçados pelo ponto N ; e por KH outra paralela ao eixo
CAPÍTULO 3. CURVAS NOTÁVEIS TRANSCENDENTES 42

Figura 104: Construção da Logarı́tmica

das ordenadas, traçadas à distância a de Oy, e teremos

MR MR OR
= = ,
NR KH OH

ou

y x
= .
Y a

Logo, M é um ponto da visória.

E, por contrução análoga à aplicada no Núm.78, é fácil de ver que, as tangentes às
duas curvas consideradas, nos pontos M e N , intersectam-se noutro ponto da recta KP .

Da equação da visória e da segunda derivada desta,


CAPÍTULO 3. CURVAS NOTÁVEIS TRANSCENDENTES 43

 
00 2b x
y = 1− ,
a(x − 21 a) 2(x − 21 a)

deduz-se sem dificuldade as seguintes consequências, suficientes para definir a forma e as


propriedades mais notáveis da referida curva.
1
Curva que possui uma assı́mptota, determinada pela equação x = a, para a qual
2
1 1 1
indefinidamente converge quando x varia desde ∞ até a, se p > a; ou desde −∞ até a
2 2 2
1
se p < a; um ponto de inflexão real, quando x = a, no primeiro pressuposto, e imaginário
2
no segundo; e dois de intersecção com o eixo das abcissas, onde

 aq
x = 0 ou x = 12 a + p − 21 a e− bp . 1

Tudo o qual é de imediata e útil aplicação prática.

3.2 A Catenária

353.

Pelo ano de 1690, Jacobo Bernoulli propôs na Acta Eruditorum, p.219, o seguinte
problema: encontrar a curva formada por um fio pesado, flexı́vel, inextensı́vel, e de den-
sidade constante em todo o seu comprimento, suspenso nos seus extremos. E, no mesmo
volume da Acta (p.360 ), declarou pouco tempo depois Leibnitz saber o resultado daquele
problema; mas que não o publicava até ver se algum geómetra também o resolvia. Como
 aq
1
No documento original, x = 21 a + p − 12 a e− bx .
CAPÍTULO 3. CURVAS NOTÁVEIS TRANSCENDENTES 44

efectivamente foi resolvido pelo autor do problema, pelo seu irmão Juan Bernoulli, e
Huygens, no volume da Acta correspondente a 1691.

A mesma curva foi também encontrada por Juan Bernoulli como solução do
problema que tem por objectivo determinar a figura de uma vela, impulsionada e inflamada
pelo vento (Opera omnia,t.I p.59). Tendo sido as suas principais propriedades, estudadas
por este eminente geómetra, em várias partes das suas obras (Opera omnia, t.I, p.49; t.III,
p.495-504, etc.).

À curva a que nos referimos dá-se o nome de catenária, que se demonstra em Mecânica
Racional, que tem por equação:

c x x
y= e c + e− c .
2

Da qual facilmente se deduz que o eixo dos y é o eixo de simetria da curva, e a tangente
no ponto inferior, A, cuja ordenada OA = c (fig.105), é paralela ao eixo das abcissas. Além
00
disso, y cresce desde c até ∞, conforme x varia desde 0 até ±∞. E, por y se manter sempre
positiva e finita, a curva apresenta-se constantemente convexa ao eixo das abcissas, sem
inflexões em nenhum ponto, como é mostrado claramente na figura.

354.

Da equação

p c x x
y 2 − c2 = e c − e− c ,
2

tem-se que,

p
0 y 2 − c2
y = .
c
CAPÍTULO 3. CURVAS NOTÁVEIS TRANSCENDENTES 45

Figura 105: Catenária

Expressão da qual se deduz o seguinte procedimento para construir a tangente à curva


num qualquer ponto B.

Tendo O como centro e raio OA, igual a c (fig.105), traça-se uma circunferência; e
desde Q, sobre o eixo das ordenadas, e à mesma distância de B ao eixo das abcissas,
traça-se a tangente QT à circunferência referida. Como OQ = y e OT = c, então

p
QT = y 2 − c2 .

E se T S é também paralela ao eixo das abcissas, resulta também que

p
y 2 − c2 0
tan QT S = tan QOT = =y.
c
CAPÍTULO 3. CURVAS NOTÁVEIS TRANSCENDENTES 46

Logo, a tangente à curva no ponto B é também paralela a QT .

355.

O raio de curvatura da catenária é expresso pela fórmula

1
R = y2.
c

De maneira que, no ponto A, onde y é mı́nima e igual a c, também R possui um


valor mı́nimo, e igual a esta mesma quantidade c: o que resulta na máxima curvatura da
catenária.

356.

Representando por s o comprimento do arco AB da curva, tem-se que

Zx r
1 2x 2x
S= 1 + (e c + e− c − 2)dx =
4
0

c x x p
= (e c − e− c ) = y 2 − c2 = QT = BM.
2

Igualdade da qual se deduz uma consequência importante, com auxı́lio dos teoremas
de Huygens, relativos à teoria das evolutas.

Com efeito: o lugar geométrico descrito pelo ponto M , de intersecção da recta BM


com a T S, é uma envolvente da catenária considerada; e devendo ser a tangente a esta
perpendicular a BM , deverá ser também paralela a OT ; e portanto, M U = T O. Logo, a
envolvente da catenária, gerada por M , é uma curva tal que os segmentos das tangentes,
compreendidos entre os pontos de contacto e uma recta fixa, são constantes.
CAPÍTULO 3. CURVAS NOTÁVEIS TRANSCENDENTES 47

Por simples considerações geométricas se veria além disso que, as outras envolventes
da catenária possuem todas a mesma propriedade.

As curvas que possuem esta propriedade chamam-se tractrizes, e serão estudadas um


pouco mais à frente.

357.

Designando por A a área BP OA, facilmente se encontra que

c2 x x p
A= (e c − e− c ) = cs = c y 2 − c2 ;
2

a qual mostra que a área varia proporcionalmente ao arco AB = s.

358.

A curva plana que passa por dois pontos dados e gera uma área mı́nima, quando gira
em torno de um eixo situado nesse mesmo plano, é uma catenária.

Aplicando, com efeito, o método das variações à integral

Zx1 q
2π y 1 + y 0 2 dx,
x0

que representa o valor da área descrita por um arco de curva plana, compreendido entre
os pontos cujas abcissas são x0 e x1 , quando gira em torno do eixo das abcissas; obtém-se,
para determinar a curva, a equação

00 02
yy − y − 1 = 0
CAPÍTULO 3. CURVAS NOTÁVEIS TRANSCENDENTES 48

que, por integração se tem

p
x−a y+ y 2 − c2
= log ;
c c

na qual a e c representam constantes arbitrárias. Ou, as que se seguem :


y+ y 2 −c2 x−a
2
c
=e c ,

p
c y− y 2 − c2 x−a
p = = e− c .
2
y+ y −c 2 c

Onde, por adição, se deduz facilmente que :

c  x−a − x−a

y= e c +e c ,
2

facilmente reduzı́vel à forma na qual se apresentou anteriormente a equação da catenária,


por uma simples translacção ou mudança da origem das coordenadas.

Mas note-se que, se a análise anterior nos mostra que o problema a que se refere,
dado que admite solução, somente pode satisfazer a catenária; de forma alguma prova que
a admite na realidade: sendo necessário para decidir ou esclarecer este ponto preliminar,
recorrer à variação de segunda ordem da função integral de onde se partiu.

Para o qual pode consultar o leitor a obra de Todhunter, intitulada Researches in


the Calculus os Variations, p.55.

2 y+ y 2 −c2 x−a
No documento original, c =c c .
CAPÍTULO 3. CURVAS NOTÁVEIS TRANSCENDENTES 49

359.

De todas as curvas planas de igual perı́metro, que passam por dois pontos dados, a
catenária é também aquela que, girando em redor de um eixo traçado no seu mesmo plano,
gera a superfı́cie de revolução de área máxima ou mı́nima.

Para demonstrá-lo basta, como no caso anterior, aplicar o método das variações à
integral

Zx1 q
2π y 1 + y 0 2 dx,
x0

tendo em conta a igualdade

Zx1 q
1 + y0 2 = l
x0

que expressa a condição de que todas as curvas têm igual perı́metro.

E assim se obtém a mesma equação diferencial do número anterior e se demonstra o


teorema acabado de enunciar.

Note-se a propósito deste assunto que das condições a que devem satisfazer os dois
pontos dados, para que a área considerada seja mı́nima, tratou Lindeloff num tratado
inserido nos Math.Annalen, t.II, p.160, ao qual remetemos ao leitor a sua consulta se
considerar necessário.

E além disso, parece-nos pertinente advertir que a superfı́cie, estudada neste e no


anterior parágrafo, à qual se dá o nome de catenóide ou de aliseide, possui, além das
anteriormente referidas, a propriedade de que qualquer contorno fechado, descrito sobre ela,
compreende uma área mı́nima: como Meusnier demonstrou pela primeira vez (Mémoires
des Savants étranders, d.X, p.477).
CAPÍTULO 3. CURVAS NOTÁVEIS TRANSCENDENTES 50

360.

Por último, vê-se facilmente que a equação da catenária, em coordenadas intrı́nsecas,


cR = s2 + c2 ,

compreendida na seguinte

cR = s2 + a2 ,

a qual corresponde a uma classe de curvas, designadas por Cesàro com o nome de alisoides
- de αλυσις : cadena.(Nouvelles Annales des Mathématiques, 1886, p.75).

3.3 A Tractriz de Leibnitz

361.

O problema de encontrar uma curva, cuja tangente tenha comprimento constante, c,


depende da integração da equação

q
0
y 1 + y 0 2 = cy

da qual se deduz a seguinte :

(1)

" p #
p c2 − y 2 + c
x+a=± c2 − y 2 − c. log ,
y
CAPÍTULO 3. CURVAS NOTÁVEIS TRANSCENDENTES 51

sendo a uma constante arbitrária.

Esta equação representa curvas diferentes, todas iguais, mas distintamente distribuı́das
relativamente aos eixos coordenadas, e a todas se aplica o nome de tractrizes, ou de curvas
de tangentes iguais.

O primeiro geómetra que descobriu as tractrizes foi Leibnitz (Acta Eruditorum,


1693 ), ao tentar encontrar a curva descrita por um ponto em movimento constante que se
dirige até outro, também móvel, em linha recta, de maneira que a distância compreendida
entre ambos os pontos não varie.

Na curva que satisfaz este problema, o segmento da tangente compreendido entre o


ponto de contacto e a recta dada é, com efeito, de comprimento constante. Huygens e
Clairaut também trataram este mesmo problema, o primeiro dos quais denominou por
tractoria a curva que o satisfaz.

362.

Consideremos umas das curvas representadas pela equação (1), ou seja, em particular,
a que corresponde à equação :

p
p log c2 − y 2 + c
x = − c2 − y 2 + c. .
y

Por meio desta equação e da diferencial que a origina

dy y
= −p ,
dx c2 − y 2

vê-se que, quando y tende para 0, x aproxima-se constantemente e indefinidamente de +∞,


CAPÍTULO 3. CURVAS NOTÁVEIS TRANSCENDENTES 52

dy
e tende para 0: logo o eixo das abcissas é (fig.106) assı́mptota da curva.
dx
dy
Quando y = c, resulta que x = 0, e = ∞; de maneira que a curva intersecta o eixo
dx
das ordenadas num ponto A, cuja ordenada é igual a c: ponto singular de partida ou parada
(point d’arrêt), pois a valores de y, superiores a c, correspondem valores imaginários de x.
Como correspondem também os negativos da mesma ordenada y, qualquer que sejam os
seus valores absolutos.

Figura 106: Tractriz de Leibnitz

363.

Como OA = c, e o comprimento de todas as tangentes à curva também igual a c, pode


construir-se a tangente a esta num qualquer ponto M , traçando uma circunferência com
centro nesse mesmo ponto M e de raio igual a AO, e unindo M por uma recta ao ponto
N , situado do lado das abcissas positivas, onde a circunferência intersecta este eixo.
CAPÍTULO 3. CURVAS NOTÁVEIS TRANSCENDENTES 53

364.

E como,

00 c2 y
y = ,
(c2 − y 2 )2

resulta também que a expressão do raio de curvatura é:

p
c c2 − y 2
R= ,
y

e que as coordenadas, x1 e y1 , do centro da curvatura, são expressas do seguinte modo:

p
c+ c2 − y 2 c2
x1 = c. log e y1 = .
y y

De onde se deduz que,

p p
c+ c2 − y 2 x1 c− c2 − y 2 x1
= e c , ou = e− c ;
y y

e consequentemente,

c  x1 x1

y1 = e c + e− c .
2

Logo, a evoluta da tractriz é uma catenária: teorema recı́proco ao demonstrado no


Núm.356.
CAPÍTULO 3. CURVAS NOTÁVEIS TRANSCENDENTES 54

365.

Para determinar a área compreendida entre a curva, o eixo das abcissas e duas paralelas
ao eixo das ordenadas, note-se que

Zy1 Zy1 p
y
A= dy = − c2 − y 2 dy
y0
y0 y0

c2 y0 y0 c2 y1 y1
q q
2
= arcsen + 2
c − y0 − arcsen − c2 − y12 .
2 c 2 2 c 2

De onde de deduz que a área compreendida entre a curva e os dois eixos coordenados
πc2
é igual a .
4

366.

O comprimento do arco da tractriz, compreendido entre os pontos (x0 , y0 ), (x1 , y1 ),


tem por expressão, a seguinte:

Zy1 s
dx2 y1
s= 1 + 2 dy = c. log .
dy y0
y0

367.

E, a área da superficie de revolução gerada pela tractriz em torno do eixo das abcissas,
não menos notável pela sua simplicidade, é a seguinte:

Z∞ r
dy 2
U = 2π y 1 + 2 dx = 2πc2 .
dx
0
CAPÍTULO 3. CURVAS NOTÁVEIS TRANSCENDENTES 55

A superficie de revolução, a que corresponde a área determinada pela última fórmula,


denomina-se por pseudoesfera, e foi cuidadosamente estudada por Beltrami, que demon-
strou a sua importância na interpretação da Geometria de Lobatchevsky, segundo pode
ver-se no Giornale di Matematiche, Napoli, t.VI, 1868.

368.

A tractriz encontra-se no grupo de curvas especialmente consideradas pelo geómetra


espanhol Sr. Durán Lóriga (Intermédiaire des Mathématiciens, t.IV, p.148 ), que
individualmente satisfazem a condição de ser constante o perı́metro do triângulo formado
pela tangente a uma qualquer destas curvas; pela ordenada do ponto de contacto; e pelo
eixo das abcissas, qualquer que seja o ângulo, θ, deste eixo com o das ordenadas.

Representando, com efeito, por x e y as coordenadas do ponto de contacto e por x0


a abcissa do ponto em que a tangente intersecta o eixo dos xx,os comprimentos dos lados
do triângulo serão:

p
y 2 + (x0 − x)2 − 2y(x0 − x) cos θ, y e x0 − x;

dx
sendo a última igual a −y .
dy

Do facto do perı́metro ser constante, resulta a equação:

 2  
2 dx 2 dx
y +y cos θ + (y 2 − c2 ) = 0.
dy dy

Da qual se deduz que :


q √ 
y2 q+ q 2 −y 2
x= − 12 y cos θ ± c 1− q2
− log y
, 3

q √ 
y2 q+ q 2 −y 2
3
No documento original, x = − 12 cos θ ± c 1− q2 − log y .
CAPÍTULO 3. CURVAS NOTÁVEIS TRANSCENDENTES 56

sendo que

4c2
q2 = .
4 − cos2 θ

E, se nesta equação, que representa o grupo das curvas antes definido, se supor
π
que θ = , encontraremos em particular, a correspondente à tractriz, considerada nos
3
parágrafos anteriores.

3.4 A Sintractriz de Sylvester

369.

Seja B (fig.106) um ponto da tangente M N à tractriz; c o comprimento de M N ; e a


o comprimento de BN . Ao lugar descrito por B, quando a tangente varia, sem variar a,
P
foi dado por Sylvester o nome de sintractriz ( µυ : cum, partier).

Para encontrar a equação desta curva, representando por x e y as coordenadas do


ponto B, e por X e Y as do ponto M , deduz-se então que:

Y c √ p
= , e x − X = c 2 − Y 2 − a2 − y 2 .
y a

E, eliminando agora X e Y destas equações e da correspondente à tractriz,


√ c+ c2 − Y 2
X+ c2 − Y 2 = c. log ,
Y

resulta a equação da sintractriz :

p
p a+ a2 − y 2
x+ a2 − y2 = c. log .
y
CAPÍTULO 3. CURVAS NOTÁVEIS TRANSCENDENTES 57

Figura 107: Sintractriz de Sylvester

370.

Para determinar a sua forma basta fixar a atenção na equação acabada de encontrar
e nas duas seguintes, derivadas da anterior:

dx y 2 − ac d2 x a [(a − 2c)y 2 + a2 c]
= p , 2 = 3
dy y a2 − y 2 d y y 2 (a2 − y 2 ) 2

E, recordando que a < c, conclui-se facilmente que a nova curva, companheira in-
separável da tractriz, considerada no Núm. 362, é da forma indicada na figura: com um
ponto de parada ou arranque sobre o eixo das ordenadas, em A, onde a ordenada máxima é
igual a a; uma tangente a este ponto, única
rparalela ao eixo das abcissas; uma inflexão em
c
C, cuja ordenada tem por expressão y = a ; e uma assı́mptota, o eixo das abcissas.
2c − a
CAPÍTULO 3. CURVAS NOTÁVEIS TRANSCENDENTES 58

371.

O raio de curvatura da sintractriz determina-se pela fórmula,

1 3/
a /2 [y 2 (a − 2c) + ac2 ] 2
R= .
y [(a − 2c)y 2 + a2 c]

372.

O comprimento dos arcos da mesma curva e o valor das suas áreas podem também
determinar-se por meio de funções elementares. Com efeito, representando por A a
área limitada pela curva, pelo eixo das ordenadas, e pela ordenada do ponto (x, y), sem
dificuldade se encontra que,

Ry 2 −ac p
√y dy = − 12 y a2 − y 2 + a2 (a − 2c) arcsen ay − π2 .
  4
A=
a a2 −y 2

E fazendo y = 0, conclui-se a expressão do valor da área, compreendida entre a curva,


a assı́mptota, e o eixo das ordenadas:

1
A1 = πa(2c − a).
4

De modo análogo, se encontra que o comprimento dos arcos da curva depende do


integral

R √(a2 −2ac)y2 +a2 c2


√ dy 5
y a2 −y 2

Ry 2 2
No documento original, A = √y −a dy = − 21 y a2 − y 2 + a2 (a − 2c) arcsen ay − π2 .
p  
4
a2 −y 2

R √(a−2c)y2 +ac2
a
5
No documento original, √ 2 2 dy.
y a −y
CAPÍTULO 3. CURVAS NOTÁVEIS TRANSCENDENTES 59

ou do seguinte, expresso por funções elementares,

Z p
1 (a2 − 2ac)t + a2 c2 6
√ dt,
2 t a2 − t

substituindo no anterior y 2 pela variável t.

373.

Nos pontos anteriores temos suposto que c > a; ou que o ponto gerador da curva, B,
se encontra compreendido entre o correspondente da tractriz, M , e o N , onde a tangente
M N intersecta o eixo das abcissas.

E do mesmo modo pode considerar-se o caso de c < a.

As propriedades especiais da curva, quando se supõe que a = 2c, foram estudadas por
M. D’Ocagne nos Nouvelles Annales des Mathématiques, 1871, p.82.

3.5 Catenária de igual resistência

374.

Dá-se o nome de catenária de igual resistência à curva correspondente à equação

x
− π2 ≤ x π

y = −a log cos , a
≤ 2
.
a

Curva estudada pela primeira vez por Minchin, no seu Treatise of Statics Oxford, 1877,
segundo disse Ramsey em Intermédiaire des Mathématiciens (1896, p.30).

6 1
R √(a−2c)t+ac2
No documento original, 2

t c2 −t
dt.
CAPÍTULO 3. CURVAS NOTÁVEIS TRANSCENDENTES 60

375.

Da equação anterior deduz-se facilmente que a catenária de igual resistência é da forma


representada na figura 108: simétrica relativamente ao eixo das ordenadas; tangente em O
0
ao eixo das abcissas, com duas assı́mptotas, as rectas KL e KL , definidas pelas equações

x = ± ; e sem nenhum ponto de inflexão.
2

Figura 108: Catenária de igual resistência

376.

Como,
0 x
y = tan ,
a
vê-se que o ângulo ϕ, formado pela tangente no ponto (x, y) com o eixo das abcissas, tem
por expressão:
CAPÍTULO 3. CURVAS NOTÁVEIS TRANSCENDENTES 61

x
ϕ= .
a

E o raio de curvatura tem por expressão:

a a
R= x = ;
cos a cos ϕ

o qual mostra que a projecção deste raio sobre o eixo da curva é constante.

377.

dx
Como ds = , integrando e tomando para origem dos arcos o vértice O da curva,
cos xa
tem-se que

x π ϕ π 
s = a. log tan + = a. log tan + ;
2a 4 2 4

fórmula usada para a determinação do comprimento dos arcos da catenária de igual


resistência.

378.

E por se ter,

ϕ π s 1 s
tan + = ea , e ϕ π
 = e− a ,
2 4 tan 2 + 4

deduz-se que
CAPÍTULO 3. CURVAS NOTÁVEIS TRANSCENDENTES 62

s s sec2 ( ϕ2 + π4 ) 2 2
e a + e− a = ϕ π = π = . 7
tan( 2 + 4 ) sen(ϕ + 2 ) cos ϕ

Logo,

a s s
R = (e a + e− a ).
2

Equação esta da catenária de igual resistência em coordenadas intrı́nsecas, usada por


alguns geómetras para definir a curva. (Cesáro: Lezione di Geometria intrinseca, Napoli,
1896, p.8).

379.

Quando a catenária de igual resistência gira sobre a recta OK, os seus centros de
curvatura, correspondentes aos pontos que ao girar vão tocando sucessivamente em OK,
formam uma curva, cuja equação é fácil de encontrar. A abcissa de cada ponto da nova
curva é igual ao comprimento s do arco da catenária considerada compreendido entre o
ponto O e o ponto em que chega a tocar a recta OK; e a ordenada é igual ao valor
correspondente de R.

Representando, por X e Y estas coordenadas, a equação da curva assim gerada será

a X −X

Y = e +e
a a .
2

A qual representa uma catenária ordinária.

s s sec2 ( ϕ π
2+4)
7
No documento original, e a + e− a = tan( ϕ π = 2
sen(ϕ+ π = 2
cos ϕ .
2 + 4) 4)
CAPÍTULO 3. CURVAS NOTÁVEIS TRANSCENDENTES 63

3.6 A Curva dos Senos

380.

Leibnitz deu o nome de curva dos senos à curva que tem por equação

x
y = a.sen ,
m

posteriormente denominada de sinusóide: curva, que, antes de Leibnitz, foi tratada por
Roberval num trabalho, intitulado De trochoide ejusque spatio, inserido no volume VI
das Memorias de la Academia de Ciências de Paris, 1730, onde por intervir no método
idealizado para quadrar a ciclóide ou trocóide, a denominou de companheira da célebre
curva (trochoidis comes).

A sinusóide foi também estudada mais tarde por Pitot (Histoire de l’Académie des
Sc. de Paris, 1724, p.107), que demonstrou que, quando se planifica um cilindro recto, de
base circular, as secções planas, que formam com o eixo ângulos de 45o , se transformam
em sinusóides: como o são também as curvas obtidas projectando uma hélice, traçada
na superfı́cie do mesmo cilindro, sobre um plano paralelo ao seu eixo. (Chasles: Aperçu
histoirique, 1875, p.139; e Cantor: Vorlesungen etc, t.II, 1900, p.878, e t.III, 1896, p.428).

Para encontrar a forma da sinusóide, e com o objectivo de fixar ideias, vamos supor
que a e m são positivos.
1
Quando x cresce desde 0 até mπ, y cresce também desde 0 até a; e quando depois x
2
1
cresce desde mπ até mπ, y decresce desde a até 0: correspondendo além disso aos valores
2
1
de x, equidistantes de mπ, valores iguais de y. Logo, aos valores de x compreendidos
2
entre 0 e mπ corresponde um arco, OAB (fig.109), da curva dos senos, cuja base OB é
igual a mπ, simétrico relativamente à recta AP , perpendicular ao eixo das abcissas no
ponto médio de OB. Sendo evidente que aos outros valores sucessivos ou anteriores de x
CAPÍTULO 3. CURVAS NOTÁVEIS TRANSCENDENTES 64

correspondem outros arcos, iguais ao considerado inicialmente e com a mesma base mπ,
alternadamente situados uns em continuidade indefinida dos outros, por cima ou por baixo
do eixo das abcissas.

Figura 109: Curva dos Senos

Adverte-se que, no ponto A, a tangente à curva é paralela ao eixo das abcissas; e que
0 a
os outros pontos O, B, ..., onde a curva intersecta o mesmo eixo e onde y = , são pontos
m
de inflexão.

381.

A subtangente, a subnormal, o comprimento da normal, e o comprimento da tangente


são determinadas pelas fórmulas:

my yp 2
St = p ; Sn = a − y2,
a2 − y 2 m
CAPÍTULO 3. CURVAS NOTÁVEIS TRANSCENDENTES 65

s
yp 2 m 2 + a2 − y 2
N= m + a2 − y 2 , T = y .
m a2 − y 2

E o raio de cuvatura por,

3
(m2 + a2 − y 2 ) 2 m2 N 3
R= = .
my y4

382.

A área da figura limitada pela curva, pelo eixo das abcissas e pelas ordenadas, y0 e
y1 , dos pontos correspondentes às abcissas x0 e x1 , pode calcular-se pela seguinte fórmula:

q q 
A=m a2 − y02 − a2 − y12 .

383.

A rectificação da curva dos senos depende de uma integral elı́ptica; pois representando
por s o comprimento do arco compreendido entre o ponto O e o ponto (x,y), tem-se que

Zy s
a2 + m 2 − y 2
s= dy;
a2 − y 2
0

a
ou fazendo, y = at e k = √ ,
a2 + m2

√ Zt r
1 + k 2 t2
s= a2 + m2 dt.
1 − t2
0
CAPÍTULO 3. CURVAS NOTÁVEIS TRANSCENDENTES 66

De maneira que, s depende de uma integral elı́ptica de segunda espécie.

A esta expressão do valor de s pode, fazendo t = senϕ, e portanto y = asenϕ, dar-se


a forma

√ Zϕ p
s= a2 + m 2 1 − k 2 sen2 ϕ.dϕ,
0

ou s = A.E(k, ϕ);

Zϕ p

onde A = a2 + m2 e E(k, ϕ) = 1 − k 2 sen2 ϕ.dϕ.
0

384.

Analisemos o teorema que corresponde, no caso da curva dos senos, ao teorema de


Fagnano, relativo aos arcos da elipse. A igualdade, anteriormente empregada no
Núm.161,

π k 2 sen2 ϕ cos ϕ

E(k, ϕ) + E(k, ψ) − E k, =p ,
2 1 − k 2 sen2 ϕ

conduz, tendo em conta que (fig.109)

OM = AE(k, ϕ);

0
OM = AE(k, ψ); e
CAPÍTULO 3. CURVAS NOTÁVEIS TRANSCENDENTES 67

π
OA = AE(k, ),
2

ao seguinte resultado :

0 0 Ak 2 sen2 ϕ cos ϕ
OM + OM − OA = OM − AM = p ,
1 − k 2 sen2 ϕ

quando entre ϕ e ψ existe a relação cos ϕ cos ψ = senϕ.senψ. 1 − k 2 .

O segundo membro desta igualdade pode ser facilmente construı́do. Substituindo,


seno ϕ por ay , encontra-se que

p
Ak 2 sen2 ϕ cos ϕ a2 − y 2 y2
p = yp = ,
1 − k 2 sen2 ϕ a2 + m 2 − y 2 T

onde T designa o comprimento da tangente à curva no ponto M .

0 y2
Logo, OM − AM = , quando
T


a2 + m 2
tan ϕ. tan ψ = .
m

Mas, sendo M T a tangente à curva no ponto M , M N a normal, e QL uma perpen-


dicular a esta normal, traçada pelo pé da ordenada de M , resulta que

y = M Q = T.senM T O, e QL = ysenN M Q = ysenM T O.

0
Logo, OM − AM = QL.
CAPÍTULO 3. CURVAS NOTÁVEIS TRANSCENDENTES 68

Igualdade que, abreviadamente, expressa o teorema que, no caso da curva dos senos,
corresponde ao de Fagnano, relativo aos arcos da elipse.

385.

Com a curva dos senos, estudada nos parágrafos anteriores, têm estreita conexão a
das tangentes ou tangentóide, e a das secantes ou secantóide, às quais correspondem as
equações:

y = tan x e y = secx ,

ambas compostas por um número infinito de ramos iguais.


π π
O ramo da tangentóide, correspondente aos valores de x, compreendidos entre − e ,
2 2
estende-se indefinidamente no sentido das ordenadas positivas e negativas ; e intersecta o
eixo das abcissas no ponto onde x = 0: no qual, ao mesmo tempo um dos pontos de inflexão,
corresponde a um dos centros da curva, esta limitada por duas das suas assı́mptotas,
π π
x=− ex= .
2 2
E o ramo da secantóide, correspondente aos mesmos valores de x, extende-se por
completo no sentido das ordenadas positivas, é tangente ao eixo das abcissas no ponto
π π
y = 0 e x = 0, e tem por assı́mptotas as rectas x = − e x = .
2 2

386.

A propósito destas curvas, representativas das funções trigonométricas, advertimos que


também outras terão sido tomadas em conta, correspondentes a distintas funções funda-
mentais da Análise: como a sinusóide elı́ptica, de forma parecida à secantóide trigonométrica;
e a curva gamma, considerada por Godefroy na sua excelente monografia sobre a função
com o mesmo nome (Paris, 1901), etc; etc.
CAPÍTULO 3. CURVAS NOTÁVEIS TRANSCENDENTES 69

Mas tais curvas, exclusivamente destinadas a representar graficamente as variações


das funções a que se referem, não irão ser tratadas aqui.

387.

Maior interesse terá o estudo de uma outra espécie de sinusóide, definida pela equação

(1)

|sen(x + iy)| = c;

no qual x e y representam as coordenadas dos pontos da curva, c uma constante, i o radical



imaginário −1 e |sen(x + iy)| o módulo de sen(x+iy), por nós primeiramente considerado
nos Memorias de la Academia de Madrid (t.XVIII, 1897, p.96), e pouco depois no Journal
de Crelle (t.116, p.16), ao tratar do desenvolvimento das funções em séries, ordenadas pelas
potências do seno da variável: problema em que a solução representa papel fundamental na
curva mencionada. De ambos os trabalhos segue o que, a propósito do assunto, passamos
agora a expor.

A equação (1) pode escrever-se como segue :

|senx. cos iy + seniy. cos x| = c,

na qual

e−y − ey e−y + ey
seniy = −i , e cos iy = ,
2 2

ou

(2)
CAPÍTULO 3. CURVAS NOTÁVEIS TRANSCENDENTES 70

p
sen2 x. cos2 iy − cos2 x.sen2 iy = c.

E como o valor do primeiro membro desta equação não varia, quando se substitui x
por x + π, vê-se que y é uma função periódica de x, de periodo igual a π, pelo que basta
considerar no estudo da curva, o ramo definido pelos valores de x, compreeendidos entre
π π
− e . E como a curva também é simétrica, relativamente aos eixos coordenados, conclui-
2 2
se sem dificuldade que, para completar o estudo, basta limitar-se a parte correspondente
aos valores positivos de x e y.

Consideremos separadamente o caso de c ≤ 1, e de c > 1.

Primeiro caso. Imediatamente se vê, supondo que x = 0, que a parte considerada da curva

intersecta o eixo das ordenadas no ponto cuja ordenada é igual a log(c + c2 + 1).

E também quando y = 0, a parte da curva a que nos referimos, intersecta o eixo das
abcissas no ponto cuja abcissa é igual a arcsen(c).

Faça-se agora na equação (2), sen2 iy = 1 − cos2 iy, resultará que:

(3)

cos2 iy = c2 + cos2 x;

e consequentemente,

e−y + ey √
= ± c2 + cos2 x,
2

ou,

h √ √ i
y = log ± c2 + cos2 x ± c2 − sen2 x .
CAPÍTULO 3. CURVAS NOTÁVEIS TRANSCENDENTES 71


Assim, considerando somente o ramo da função y, que se reduz a log(c + c2 + 1)
quando x = 0, tem-se:

(4)

√ √ 
y = log c2 + cos2 x + c2 − sen2 x ;

equação cartesiana da curva de que agora se trata, por meio da qual se vê que, quando x

varia de 0 até arcsen(c), y varia desde log(c + c2 + 1) até 0.

Derivando a equação (3), em relação à variável x, obtém-se

0 sen(2x) 8
y =± ,
isen2iy

que serve para determinar as tangentes à curva, e da qual se conclui, além disso, que esta
intersecta perpendicularmente os eixos coordenados.

Para encontrar os pontos de inflexão é necessário eliminar y da equação

sen2 2x. cos iy = cos 2x.sen2 2iy,


00
resultante da derivação anterior, com respeito também a x, fazendo y = 0, e a transfor-
mada da (2)

cos 2iy = 2c2 + cos 2x.

De onde resulta que

(5)
0 sen(2x)
8
No documento original, y = isen2iy .
CAPÍTULO 3. CURVAS NOTÁVEIS TRANSCENDENTES 72


cos 2x = −c2 ± c4 − 1.

A qual demonstra que, quando c ≤ 1, a curva de que se trata carece de pontos de


inflexão real.

De maneira que, no caso a que nos referimos, a curva representada pela equação (1),
compõe-se de um número infinito de óvalos convexos, iguais uns aos outros, cujos centros
correspondem aos pontos (0, 0), (0, ±π), (0, ±2π) ..., e cujos eixos são iguais a 2 arcsen(c)

e a 2 log(c + c2 + 1).

Segundo caso, c > 1.

Por meio de uma consideração, análoga à anterior, é fácil verificar que a curva consid-
erada apresenta dois ramos simetricamente dispostos relativamente ao eixo das abcissas, e
indefinidamente prolongados no sentido das abcissas positivas e negativas, formando uma
série de ondas, de amplitude igual a π. A ordenada adquire um valor máximo, igual a

log(c + c2 + 1), nos pontos onde x possui os valores de 0, ±π, ±2π, ...; e um valor
√ 1 3
mı́nimo, igual a log(c + c2 − 1), nos pontos onde os valores de x são iguais a ± π, ± π,
2 2
5
± π, ... . E, então a curva apresenta pontos de inflexão reais, cujas abcissas determina a
2
equação (5).

3.7 Quadratriz de Dinóstrato

388.

Chama-se Quadratriz de Dinóstrato à curva gerada (fig.110) por um ponto M , que


se movimenta de tal maneira que em todas as suas posições verifica a igualdade,

AP arc ab
= ;
AO arc ac
CAPÍTULO 3. CURVAS NOTÁVEIS TRANSCENDENTES 73

sendo A um ponto fixo, e abc o quadrante de uma circunferência de centro O e de raio


igual à unidade.

Figura 110: Construção da Quadratriz de Dinóstrato

Por termos, designando por a o segmento OA, por θ o arco ab, e sendo x e y as
coordenadas do ponto M ,

a−x 2θ
y = x. tan θ e = ,
a π

encontra-se, eliminando θ destas expressões, a seguinte equação da quadratriz de Dinóstrato:

πx
y = x. cot .
2a
CAPÍTULO 3. CURVAS NOTÁVEIS TRANSCENDENTES 74

389.

A história da quadratriz de Dinóstrato encontra-se relacionada com os célebres


problemas de trissecção do ângulo e da quadratrura do cı́rculo, que tanto se empenharam
por resolver os antigos geómetras. No estudo desta curva ocupou-se pela primeira vez
Hippias, que se crê ter vivido na segunda metade do século IV, anterior a Jesus Cristo,
como afirma Proclo em Comentarios (9a prop. do 3o livro e principio do 4o ) e na qual a
emprega para resolver o primeiro daqueles problemas.

Nas obras de Pappo (ed.Hultsh, p.250-252) encontra-se exposto um procedimento de


construção da curva que tratamos, assim como a sua aplicação na resolução do problema
da quadratura do cı́rculo (l.e, p.256 ): aplicação esta que se deve a Dinóstrato, de onde
resultou o nome da curva.

Muitos séculos depois, P. Léotaud, que viveu no séc. XVII, escreveu sobre este
assunto numa obra intitulada Liber in quo mirabiles quadratricis facultates variae expo-
nuntur. Também estudaram esta curva Roberval (Mémoires de l’Académie des Sciences,
Paris, t.VI, 1730, p.57 ); Fermat (Euvres, t.III, p.145 ); Juan Bernoulli (Opera Omnia,
t.I, p.447, e t.II, p.176 e p.179 ); e outros autores.

A quadratriz de Dinóstrato pertence a uma classe de curvas estudadas recentemente


por Fouret nos Nouvelles Annales des Mathématiques (3a serie, t.V, 1886, p.39).

390.

A forma da quadratriz deduz-se facilmente da análise da sua equação, anteriormente


apresentada.

Fazendo nela x = 0, deduz-se que y = 0 × ∞; cujo verdadeiro valor, obtido por um


2a
procedimento muito conhecido, é o seguinte y = .
π
Logo, a curva intersecta o eixo das ordenadas no ponto B (fig.111), onde a ordenada
CAPÍTULO 3. CURVAS NOTÁVEIS TRANSCENDENTES 75

2a 0
OB = . E, como neste ponto y = 0, a tangente aqui será paralela ao eixo das abcissas.
π
Note-se, além disso, que o eixo das ordenadas é também eixo da curva, consequente-
mente bastará, estudar a forma e propriedades, desta, na região situada à direita do eixo
mencionado.

Figura 111: Quadratriz de Dinóstrato

Quando x varia, desde 0 até 2a, y decresce constantemente desde BO até −∞, e o
ponto (x, y) descreve o ramo BDC da curva que intersecta o eixo das abcissas no ponto
D, dado pela abcissa OD = a. A este ramo corresponde a assı́mptota P Q, que tem por
equação x = 2a.

Quando x varia desde 2a até 4a, y decresce constantemente desde ∞ até −∞, e o
0
ponto (x, y) descreve o ramo infinito GF G da curva que intersecta o eixo das abcissas no
00 00
ponto F , onde x = 3a, e onde são assı́mptotas as rectas P Q e P Q às quais correspondem
as seguintes equações x = 2a e x = 4a.
CAPÍTULO 3. CURVAS NOTÁVEIS TRANSCENDENTES 76

E, continuando a variação de x no mesmo sentido, obtém-se os outros ramos da curva,


todos iguais ao anterior, e em número infinito.

Os antigos geómetras limitavam-se a considerar uma parte muito reduzida da curva


em torno do ponto B. Até que P.Léotaud, na sua obra anteriormente citada, demonstrou
pela primeira vez que a curva contém infinitos ramos e determinou as suas assı́mptotas.
00
Usando a equação y = 0, resulta

πx πx
= tan ;
2a 2a

2a
e portanto, y = . Logo, a quadratriz de Dinóstrato possui um número infinito de pontos
π
de inflexão, situados todos sobre a paralela ao eixo das abcissas que passa pelo ponto B.

391.

Para se compreender como é que a curva que estamos a considerar pode servir para
2a
quadrar o cı́rculo, basta ver que, sendo OB = , esta igualdade determina o valor de
π
π, quando é conhecida a ordenada OB, do ponto onde a curva intersecta o eixo das
ordenadas. Solução do problema, puramente teórico, uma vez que não se conhece nenhum
procedimento de traçar a curva por meio de um movimento contı́nuo: tal como já havia
sido antigamente advertido, segundo afirma Pappo.

Na obra de Zeuthen, intitulada Geschichte der Mathematik in Altertum und Mit-


telarte (Kopenhagen, 1896, p.76), encontra-se exposta em linguagem corrente a solução,
dada por Dinóstrato, do referido problema.
CAPÍTULO 3. CURVAS NOTÁVEIS TRANSCENDENTES 77

392.

0
A área A, limitada pelo arco DBD da quadratriz e pelo eixo das abcissas, obtém-se
πx
facilmente partindo da seguinte fórmula, na qual, = t,
2a

π
Za  2 Z 2
πx 2a
A=2 x. cot dx = 2 t. cot tdt;
2a π
0 0

que, integrando por partes, e tendo em conta que t log sent é igual a zero, quando t é zero,
se converte na fórmula seguinte:

π
 2 Z 2
2a
A = −2 log sentdt.
π
0

O integral definido, do qual depende o valor de A, foi determinada do seguinte modo


por Todhunter (A Treatise on the Integral Calculus - London, 1883, p.65 ) :

π π π
Z2 Z2 Z2  
1 sen2t
log sentdt = log cos tdt = log dt
2 2
0 0 0

π
Z2
1 π
= log sen2tdt − log 2.
2 4
0

Mas, fazendo 2t = y,

π π
Z2 Zπ Z2
1
log sen2tdt = log senydy = log senydy.
2
0 0 0

Logo,
CAPÍTULO 3. CURVAS NOTÁVEIS TRANSCENDENTES 78

π
Z2
π
log sentdt = − log 2.
2
0

De maneira que, finalmente,

4a2 . log 2
A= .
π

3.8 Curva Elástica ou Linteária

393.

Dá-se o nome de linteária, ou curva elástica, à curva definifa pela equação:

Zx
(x2 + c)dx
y= p ,
a2 − (x2 + c)2
0

de cuja análise se deduz facilmente a forma da curva.

Para tal, vamos supor primeiramente que c > 0. Como a integral considerada é igual
ao limite de uma soma de elementos, da forma

(x2 + c)dx
p ,
a2 − (x2 + c)2

conclui-se imediatamente que y será imaginário quando c > a, qualquer que seja x, e
portanto, que neste caso não existe curva realizável; se a > c, y é também imaginário,

quando o valor absoluto de x é maior que a − c, e, consequentemente, a curva não se
estende para além das rectas paralelas ao eixo das ordenadas que passam pelos pontos
0 √ √
M e M , cujas abcissas são iguais a a − c e − a − c; e que aos valores negativos do
CAPÍTULO 3. CURVAS NOTÁVEIS TRANSCENDENTES 79

limite superior do integral correspondem valores de y iguais, mas de sinal contrário aos que
correspondem aos valores positivos deste limite: de maneira que a curva se compõe de dois
0
arcos iguais, OM e OM (fig.112), dispostos um de cada lado dos eixos coordenados.

Figura 112: Curva elástica quando a > c e c > 0

As tangentes à curva elástica determinam-se pela equação:

dy x2 + c
=p ;
dx a2 − (x2 + c)2

a qual mostra que y não admite valores máximos nem mı́nimos; que o coeficiente angular
c 0 0
da tangente na origem das coordenadas é igual a √ ; e que as rectas P M e P M ,
2
a −c 2
paralelas ao eixo das ordenadas nos ponto extremos da curva, são tangentes à mesma curva.

E do mesmo modo conclui-se que, no caso de c < 0 e a > c, a curva possui a forma
CAPÍTULO 3. CURVAS NOTÁVEIS TRANSCENDENTES 80

0 0 √
representada na figura 113, onde OP , é igual a O P , e também igual a a − c. Mas
neste caso deve salientar-se que a curva admite ordenadas máximas (em valor absoluto)
0 √ √
nos pontos N e N , correspondentes às abcissas −c e − −c.

Figura 113: Curva elástica quando a > c e c < 0

394.

Para encontrar o valor do raio de curvatura de ambas as curvas consideradas, note-se


que

00 2a2 x
y = 3 .
[a2 − (x2 + c)2 ] 2

Com o qual se conclui que

a
R= .
2x
CAPÍTULO 3. CURVAS NOTÁVEIS TRANSCENDENTES 81

Logo, o raio de curvatura da curva elástica no ponto (x, y) é inversamente proporcional


à abcissa x.

É de salientar que esta propriedade é exclusiva da curva de que agora se trata, e que
a define analiticamente. Para o mostrar basta integrar a equação

02 3 0
(1 + y ) 2 a ady
00 = , ou 3 = 2xdx.
y 2x (1 + y 0 2 ) 2

Por se ter, com efeito,

Z 0 0
dy y
3 =q ,
(1 + y 0 2 ) 2 1 + y0 2

obtém-se que

dy x2 + c
=p ,
dx a2 − (x2 + c)2

precisamente a equação diferencial das curvas elásticas.

395.

Embora a integral de que depende a expressão finita de y não possa ser determi-
nada por procedimentos ou funções elementares, pode sê-lo, naquele integral, por funções
elı́pticas, como agora veremos.

Fazendo naquela integral x2 = v −1 , resulta que

Zx Z∞
(x2 + c)dx 1 (cv + 1)dv
p = √ q  .
a2 − (x2 + c)2 2 a2 − c 2 1 1

0 v
v v − a−c v+ a+c
v
CAPÍTULO 3. CURVAS NOTÁVEIS TRANSCENDENTES 82

2 c
Ou fazendo, v = t + . 2 ,
3 a − c2

Zx Z∞
(x2 + c)dx c (ct + α + 1)dt
p =√ . p
2 2
a − (x + c)2 a − c2
2
(ct + α) 4t3 − g1 t − g2
0 t

∞
Z∞

Z
c dt dt
=√  p + p 
a2 − c 2 4t3 − g1 t − g2 (ct + α) 4t3 − g1 t − g2
t t

onde,

2 c2
α= . 2 ;
3 a − c2

4 c2 + 3a2
g1 = . ;
3 (a2 − c2 )2

8c(9a2 − c2 )
g2 = .
27 (a2 − c2 )3

Logo, y depende de uma integral elı́ptica de primeira ordem e de outra de terceira,


reduzidas, à forma adoptada por Weierstrass.

Para expressar y por meio de funções elı́pticas, faça-se agora:

Z∞
dt dt
p = u; t = p(u); e y. p = −du;
4t3 − g1 t − g2 4t3 − g1 t − g2
t

sendo p(u) a função elı́ptica de Weierstrass, correspondente às invariantes g1 e g2 .


CAPÍTULO 3. CURVAS NOTÁVEIS TRANSCENDENTES 83

E assim tem-se que,

 
Zx 2 Zu
(x + c) dx c du
q =√ . u + ;
a2 − c 2 c.p(u) + α
0 a2 − (x2 + c)2 0

α
ou fazendo c
= −p(v)

 
Zx 2 Zu
(x + c) dx c 1 du
q =√ . u + . .
a2 − c 2 c p(u) − p(v)
0 a2 − (x2 + c)2 0

Expressão que, por uma igualdade conhecida (exposta no nosso Curso de Análisis,
t.III, p.175 )

0
p (v)
ζ(u − v) − ζ(u + v) + 2ζ(v) = ,
p(u) − p(v)

e recordando que ζ(u) é o integral de −p(u) (l.e., p.179 ), se transforma na seguinte :

Zx
(x2 + c) dx
 
1 0 σ(u − v) 9
q = 0 √ . c.u.p (v) + log + 2ζ(v)u .
2 2 2 p (v) a 2 − c2 σ(u + v)
0 a − (x + c)

Onde finalmente, se conclui que :

c 1
x2 = = ,e
ct + α p(u) − p(v)
Rx x2 +c)dx
9
No documento original, √(
0 a2 −(x2 +e)2
CAPÍTULO 3. CURVAS NOTÁVEIS TRANSCENDENTES 84

 
1 0
 σ(u − v)
y= 0 √ . c.p (v) + 2ζ(v) .u + log .
p (v). a2 − c2 σ(u + v)

Fórmulas que expressam os valores de x e y, em função da variável independente u,


por meio das funções elı́pticas de Weierstrass.

396.

O comprimento dos arcos da curva elástica, contados a partir da origem das coorde-
nadas, deduz-se da fórmula:

Zx
adx
s= q ,
2
0 a2 − (x2 + c)

dependendo mesmo assim das funções elı́pticas, e da qual, procedendo como anteriormente,
se deduzem as seguintes fórmulas:

Zx Z∞
adx a dt a
q =√ . p =√ u.
2 − c2 a2 − c 2
2 2
a − (x + c)2 a 4t3 − g1 t − g2
0 t

E, finalmente,

a
s= √ u.
a2 − c2

397.

Jacobo Bernoulli tratou pela primeira vez da curva elástica em 1694, nas Acta
Eruditorum (Jacobi Bernoulli Opera, t.I, Geneve, 1744, p.576), e em 1705 nas Mémoires
CAPÍTULO 3. CURVAS NOTÁVEIS TRANSCENDENTES 85

de l’Académie des Sciences de Paris (Opera, t.II, p.976 ). Ao fixar a atenção nesta curva,
surgiu o problema da determinação da forma que adquire uma lâmina elástica, fixa por
um dos seus extremos, e sobre a qual actua uma força perpendicular à mesma lâmina; e
situada no plano da sua fibra média. Problema que, posteriormente, foi generalizado por
Poisson (Traité de Mécanique, seconde édition, t.I, Paris, 1833, p.598 ), considerando o
caso de a força não ser perpendicular à lâmina,mas sê-lo simplesmente à superfı́cie que
passa pela mencionada fibra média; e, mais tarde, Binet (Comptes sendus de l’Académie
des Sciences de Paris, t.XVIII, p.115 ) e Wantzel (Item, p.1197 ), que estudaram o caso
da força actuar numa direcção qualquer.

A estas generalizações do problema considerado corresponde outra muito notável da


noção de curva elástica, que, no último caso considerado, converte-se numa curva de
curvatura dupla, as coordenadas de cujos pontos os geómetras anteriormente menciona-
dos ensinaram a determinar, fazendo-as depender de simples quadraturas; e Hermite,
expressou-as por meio de funções elı́pticas, em Sur quelques applications des donctions
elliptiques (Paris, 1885, p.93).

A curva elástica foi também estudada por Euler como solução dos seguintes proble-
mas, fáceis de resolver pelo método das variações:

1o - Entre as curvas com o mesmo perı́metro que passam por dois pontos fixos, encontrar a
que, girando em torno de um eixo, gera um sólido de volume máximo (Methodus inveniendi
lineas curvas maximi minive proprietate gaudentes, 1744), cap.V, núm 46 ).

2o - Entre as curvas de igual perı́metro e que limitam a mesma área, encontrar aquelas
que, girando em torno de um eixo, geram um sólido de máximo ou mı́nimo volume (l.e.,
cap.VII, núm 22 ).
CAPÍTULO 3. CURVAS NOTÁVEIS TRANSCENDENTES 86

398.

Note-se, para concluir, que Jacobo Bernoulli (Opera, t.I, p.597 ) encontrou a
mesma equação para a forma de uma lâmina elástica, sujeita à acção de uma força, em
determinadas condições,e para a de um lenço rectangular, suspenso por dois dos seus cantos
opostos, sobre o qual se faz cair um lı́quido pesado: sendo por este motivo que aplicou o
nome de linteária.

3.9 Curva Isócrona Paracêntrica

399.

Em 1689, Leibnitz propôs na Acta Eruditorum, pág.198, o seguinte problema: en-


contrar a curva plana pela qual deve descer um ponto grave, para que a sua distância a
outro ponto fixo varie proporcionalmente ao tempo gasto a descrever cada arco da curva.

À curva que satifaz a condição anterior, Leibnitz chamou de isócrona paracêntrica.


E o problema anteriormente exposto foi resolvido, como vamos seguidamente expor, por
Jacobo Bernoulli, que publicou a solução no mesmo volume da Acta, correspondente
ao ano de 1694, págs. 276 e 336 (Opera, t.I, p.601 e 608 ).

400.

Adoptando para origem das coordenadas o ponto fixo dado, e para o eixo das ordenadas
a recta vertical que passa por este ponto; e representando por x e y as coordenadas do
p
móvel e a distância r = x2 + y 2 entre ambos os pontos deve variar, conforme o enunciado
do problema, proporcionalmente ao tempo t. E portanto,
CAPÍTULO 3. CURVAS NOTÁVEIS TRANSCENDENTES 87

p  
d x2 + y 2 1 dx dy
=p x +y = k;
dt x2 + y 2 dt dt

sendo k uma constante dada.

Em virtude da descida ou queda dos graves, verifica-se além disso, segundo o que é
sabido, que

ds2 dx2 + dy 2
= = 2g(y + h),
dt2 dt2

onde s representa o comprimento de um qualquer arco da curva.

E, eliminando dt das equações anteriores, resulta que:

k 2 (x2 + y 2 )(dx2 + dy 2 ) = 2g(y + h)(xdx + ydy)2 .

Suponhamos, em particular, que a curva passa pelopponto fixo considerado na sua


d( x2 + y 2 ) ds 10
definição, e tem-se que, quando y = 0, será também = e, em con-
√ dt dt
sequência, k = 2gh: com a qual a equação anterior se reduz à sequinte:

h(x2 + y 2 )(dx2 + dy 2 ) = (y + h)(xdx + ydy)2

ou, em termos mais simples,

√ √
11
(xdx + ydy) y = h(ydx − xdy).

10 d(x2 + y 2 ) ds
No documento original, = .
dt √ dt √
11
No documento original, (xdx + ydy) y = h(ydx + xdy).
CAPÍTULO 3. CURVAS NOTÁVEIS TRANSCENDENTES 88

401.

Para integrar a equação diferencial da curva isócrona paracêntrica, Bernoulli pro-


cedeu conforme a seguir se explica.

Fazendo primeiramente,


hy = vz e hx = v h2 − z 2 ,

obtém-se,

v 2 dz
ydx − xdy = − √ , e xdx + ydy = vdv;
h2 − z 2

de onde se conclui que,

1 hdz
v − 2 dv = − p .
(h2 − z 2 )z

Integrando agora, e determinando a constante arbitrária pela equação v = 0, quando


se tem z = 0, obtém-se que

Zz
√ 1 dz
v=− h p ,
2 (h2 − z 2 )z
0

ou, supondo que z = h. cos 2ω,

Zω √
√ hdω
v= √ .
π
cos 2ω
4
CAPÍTULO 3. CURVAS NOTÁVEIS TRANSCENDENTES 89

Vê-se, pois, que os valores de v e de x e y dependem do valor do comprimento de um


arco de lemniscata (Núm.146): razão pela qual à curva estudada no Núm.139 lhe foi
aplicado, entre todas com um mesmo nome genérico, o especial de lemniscata de Jacobo
Bernoulli.

402.

A integração da equação diferencial, considerada no parágrafo anterior, pode fazer-se


por um procedimento mais simples que o que acabamos de expor, começando por escrever
aquela equação em coordenadas polares, mediante as expressões x = ρ cos θ e y = ρsenθ,
transformando-se na seguinte:

dρ √ dθ 12
√ = − h. √ .
ρ senθ

Onde, integrando e determinando a constante arbitrária pela condição ρ = 0, quando


θ = 0, se deduz que :

√ Zθ
√ h dθ
ρ= √ ;
2 senθ
0

π
ou, supondo que θ = 2
−w ,

ω
√ √ Z dω
ρ= h √ .
π
cos 2ω
4

12 dρ
√ dh
No documento original, ρ = − h. √senθ .
Capı́tulo 4

As Espirais

4.1 Espiral de Arquimedes

403.

A espiral de Arquimedes é a curva gerada por um ponto móvel, com movimento


uniforme, ao longo de uma linha recta, enquanto que esta gira, também com movimento
uniforme, em torno de um ponto fixo, no caso deste ponto coincidir com o primeiro na
sua posição inicial. Curva minuciosamente estudada pelo grande geómetra de Siracusa
no Tratado que o consagrou; mas cuja descoberta e o enunciado das suas principais
propriedades é atribuı́do por alguns autores a Canon, reservando as demonstrações para
Arquimedes: motivo pelo qual foi durante muito tempo conhecida pelo nome de espi-
ral de Canon (Pappo: Comentarios, ed.Hultsch, t.I, p.234; Montucla: Histoire des
Mathématiques, 2a ed.t.I, p.226; etc).

Pero Nize, autor de uma tradução alemã das obras de Arquimedes, demonstrou
com uma grande abundância de documentos a falsidade desta conjectura, tendo sido as suas
conclusões aceites como boas pelos historiadores modernos (P.Tannery,Cantor,G.Loria,

90
CAPÍTULO 4. AS ESPIRAIS 91

etc).

As demonstrações das propriedades da espiral, propostas por Arquimedes, eram


para Libri demasiado extensas e complicadas, tendo chegado a afirmar: ”Depois de vinte
séculos de trabalhos e de descobertas, as inteligências mais possantes monstram-se contra
a difı́cil sı́ntese do Tratado das Espirais”. Opinião esta refutada por Peyrard, tradutor
francês e comentador das obras do célebre geómetra grego, que com razão afirmou que
somente podem qualificar as obras de difı́ceis os leitores não familiarizados com os antigos
métodos de investigação geométrica; mas não os conhecedores daqueles métodos, para os
quais estas não aprsentariam qualquer dificuldade.

No entanto, actualmente, aquelas propriedades demonstram-se de uma maneira mais


simples usando procedimentos da Análise Moderna, e apoiando-se na equação extrema-
mente simples da curva, ou na sua definição expressa em coordenadas polares:

ρ = aθ.

Desta equação deduz-se, imediatamente, que o ponto gerador da curva parte da origem
das coordenadas, tangencialmente ao eixo polar, e descreve depois um número infinito de
voltas ou revoluções em torno do ponto inicial, afastando-se dele constantemente (fig.114),
num sentido ou noutro, segundo o sentido inicial do movimento.

404.

A subnormal, Sn ; a subtangente, St ; o comprimento da normal, N ; e o ângulo, V da


tangente à curva com o raio vector do ponto de contacto, são expressos pelas fórmulas:


Sn = =a

ρ2 .dθ
St = = ρθ

CAPÍTULO 4. AS ESPIRAIS 92

Figura 114: Espiral de Arquimedes

p
N= a2 + ρ2

ρ.dθ ρ
tangV = =
dρ a

Destas, a primeira e a última permitem facilmente construir as normais e as tangentes


à espiral considerada. E a segunda, mostra que a subtangente OT é igual ao comprimento
do arco M A1 M1 da circunferência, descrita desde o ponto O, com raio OM , igual a ρ.

Relação bastante curiosa, entre o problema da rectificação da circunferência e a de-


terminação da tangente à espiral, falada por Arquimedes, é o primeiro e mais antigo
exemplo conhecido da determinação da tangente a uma curva por meio da subtangente.
CAPÍTULO 4. AS ESPIRAIS 93

405.

O raio de curvatura da espiral de Arquimedes tem por expressão

3
(ρ2 + a2 ) 2 N3
R= 2 = ;
ρ + 2a2 N 2 + a2

da qual se conclui uma simples construção do raio de curvatura.

406.

A área, A, percorrida pelo raio vector da espiral considerada, quando θ varia desde θ0
até θ1 , determina-se do seguinte modo:

(A)
a2 3 1
A= (θ1 − θ03 ) = (ρ31 − ρ30 ).
6 6a

E, comparando o valor de A com o das áreas dos sectores circulares, que contêm o
mesmo ângulo θ1 − θ0 e correspondem aos raios ρ1 e ρ0 determinadas pelas fórmulas:

1 2
A1 = ρ .(ρ1 − ρ0 )
2a 1
e
1 2
A0 = .ρ (ρ1 − ρ0 )
2a 0

deduz-se as seguintes igualdades, obtidas por Arquimedes:

A ρ3 − ρ30 ρ1 ρ0 + 31 (ρ1 − ρ0 )2
= 21 = ;
A1 2ρ1 (ρ1 − ρ0 ) ρ21
CAPÍTULO 4. AS ESPIRAIS 94

e
A1 − A ρ0 + 2ρ1 ρ0 + 32 (ρ1 − ρ0 )
= = .
A − A0 ρ1 + 2ρ0 ρ0 + 13 (ρ1 − ρ0 )

Da fórmula (A) deduz-se também, fazendo θ0 = 2(n − 1)π e θ1 = 2nπ e representando


por A(n) o valor da área percorrida pelo raio vector, quando esse descreve a espiral na volta
de ordem n, a igualdade
4
A(n) = π 3 a2 (3n2 − 3n + 1)
3

da qual resultam várias relações interessantes, indicadas também por Arquimedes, entre
as quais recordamos as seguintes:

4
A(1) = π 3 a2 ;
3

A(2) − A(1) = 8π 3 a2 ;

A(n) − A(n−1) = 8(n − 1)π 3 a2 ;

1 (2)
A(1) = A − A(1) ;

6

A(n) − A(n−1) = (n − 1)(A(2) − A(1) ).

O procedimento de Arquimedes para determinar o valor de A foi verdadeiramente


notável, e constitui um dos primeiros exemplos do método dos indivisivéis e dos infinites-
imais. Como nos métodos mencionados, Arquimedes considerou, com efeito, a área A
CAPÍTULO 4. AS ESPIRAIS 95

como uma soma de sectores circulares, num número crescente indefinido, e isto bastou para,
em certo modo, mostrar o resultado que procurava, utilizando depois para demonstrar a
sua legitimidade o procedimento clássico de exaustão, empregado sempre pelos antigos
geómetras para a resolução de questões deste género, e referente ao qual o leitor pode
consultar a excelente obra de Zeuthen, intitulada Geschichte des Mathmatik in Altertum
und Mittelarter (1986, p.166-183), onde também encontrará exposto o método original de
que se valeu Arquimedes para calcular o valor de A.

407.

O comprimento, s, do arco da espiral de Arquimedes, compreendido entre os pontos


(ρ0 , θ0 ) e (ρ1 , θ1 ), é expresso pela fórmula

s 2
Z ρ1  Z ρ1
dθ 1 p
13
s= ρ2 . + 1.dρ = ρ2 + a2 .dρ
ρ0 dρ a ρ0

E como o comprimento do arco de parábola y 2 = 2px, compreendido entre os pontos


(x0 , y0 ) e (x1 , y1 ) é dado pela fórmula
Z y0
1 p
s1 = a2 + y 2 dy,
a y1

tem-se que o comprimento do arco da espiral de Arquimedes é igual ao do arco da parábola


anterior, compreendida entre os pontos cujas ordenadas são iguais aos raios vectores das
extremidades do arco da espiral.

Esta última proposição é devida, segundo testemunho de Pascal, a Roberval.


Porém, como a demonstração dada por este célebre geómetra está acente em considerações
cinemáticas, Pascal propôs outra bastante distinta, completamente geométrica (Oeuvres,
ed.Hachette, t.II, 1889, p.450).
13
R ρ1 q dθ
No documento original, s = ρ0
ρ2 . dρ + 1.dρ.
CAPÍTULO 4. AS ESPIRAIS 96

Para mais informações referentes à história da espiral de Arquimedes, ver G.Loria:


Le scinze esatte nel’antica Grecia, t.II,Moderna, 1895,p.113-122.

4.2 Espiral de Galileu

408.

Fermat, nas suas cartas a P.Mersenne, de 26 de Abril de 1636 e 3 de Junho do


mesmo ano (Oeuvres, ed. G. Villars, t.II, 1894, p.12), e num dos seus descritos (Oeu-
vres, t.III,p.70), menciona uma espiral, à qual atribui o nome de Espiral de Galileu.
Algumas passagens das obras de Mersenne (transcritos no volume II, p.15, da nova
edição das obras de Fermat), sugeriram a P.Tannery a conclusão de que a espiral assim
denominada é a curva representada em coordenadas polares pela equação

ρ = a − bθ2 .

Curva que Fermat estudou a pedido de Mersenne, que a tinha encontrado ao


resolver o problema de ”descobrir a curva descrita, relativamente à Terra, animada com
movimento de rotação diurno, por um ponto material pesado, que descia livremente até
ela, segundo a lei de Galileu”.

409.

A forma desta espiral é fácil de obter (fig.115).


r
a
Quando θ varia desde 0 até , ρ decresce desde a até 0; e quando depois θ varia
r b
a
desde até ∞, o raio vector ρ é negativo e cresce em valor absoluto desde 0 até ∞.
b
Logo, o ponto gerador da curva parte de A, onde se tem OA = a; aproxima-se de 0 até
encontrá-lo, descrevendo o arco ABCO e depois afasta-se indefinidamente deste ponto,
CAPÍTULO 4. AS ESPIRAIS 97

dando um número infinito


r de voltas em torno do mesmo. A tangente no ponto O forma
a
um ângulo, igual a , com o eixo Ox.
b
Aos valores negativos de θ corresponde o outro ramo da curva, simétrico ao primeiro
ramo relativamente ao eixo Ox.

Figura 115: Espiral de Galileu

410.

Representando por V o raio vector do ponto de contacto, tem-se que

ρ
tangV = − p .
2 b(a − ρ)

Fórmula que permite construir facilmente as tangentes à curva, e mostra que no ponto
A a tangente é perpendicular ao eixo das abcissas.
CAPÍTULO 4. AS ESPIRAIS 98

411.

A expressão do raio de curvatura da curva, no ponto (ρ, θ), é a seguinte:

(ρ2 − 4bρ + 4ab)3/2


R= .
ρ2 − 6bρ + 8ab

E, como substituindo no segundo termo do denominador desta igualdade, ρ pelo seu


valor em função de a, b e θ, se vê que este denominador não pode ser nulo, e conclui-se
então que a curva não tem nenhum ponto de inflexão.

412.

Para determinar os pontos de contacto duplo, existentes no ramo da curva, para os


valores positivos de θ, basta atender que estes pontos devem evidentemente corresponder
valores de θ, separados um do outro pelo arco (2n+1)π, sendo n um número inteiro e
positivo, e além disso aos valores de ρ iguais e de sinal contrário, conforme indicam estas
expressões:

ρ = a − bθ2

−ρ = a − b [θ + (2n + 1)π]2 .

Das quais, por eliminação de ρ e da resolução da equação de 2o grau resultante, se


deduz que

(1)
p
−(2n + 1)πb ± 4ab − b2 π 2 (2n + 1)2 14
θ= .
2b

14 −(2n+1)πb± 4ab−b2 π 2 (2n+1)2
No documento original, θ = b .
CAPÍTULO 4. AS ESPIRAIS 99

Equação que é válida para valores de θ imaginários, negativos e positivos. Aos


imaginários não correspondem pontos da curva; e aos negativos também não corresponde
nenhum ponto do ramo considerado; basta, pois, considerar os valores positivos de θ.

Para que θ seja real, é necessário que se verifique a condição

4a > bπ 2 (2n + 1)2 ;

e para que seja positivo é necessário também que satisfaça esta outra condição
p
4ab − b2 π 2 (2n + 1)2 > (2n + 1)πb,

ou
2a > bπ 2 (2n + 1)2 .

A condição única para que o valor de θ seja real e positivo reduz-se, então à seguinte

2a > bπ 2 (2n + 1)2 ,

da qual se deduz os valores de n a que correspondem os de θ, dados pela igualdade (1),


pertencentes aos pontos de contacto duplo procurados.

Fazendo, nas fórmulas anteriores


r n = 0, conclui-se que somente existirão pontos de
a π
contacto duplo quando se tem >√ .
b 2
Mas, para além dos pontos de contacto duplo acabados de determinar, a curva possui
ainda os pontos existentes no ramo da curva que corresponde aos valores negativos de θ,
simétricos aos anteriores relativamente ao eixo Ox, e os pontos pertencentes a este eixo,
onde os ramos da curva se intersectam.

413.

A área descrita pelo raio vector, quando θ varia desde 0 até θ, é definida pela fórmula
CAPÍTULO 4. AS ESPIRAIS 100

Z θ  
1 2 1 2 1 2 5 2 3 15
A= ρ dθ = a θ + b θ − bθ .
2 0 2 5 3

414.

A rectificação da curva obtém-se com auxı́lio das integrais elı́pticas de primeira e de


segunda espécie, conforme agora passamos a demonstrar.

Por agora, tem-se que

p
ds = b2 θ4 + 2(2b2 − ab)θ2 + a2 .ds;

ou fazendo θ2 = z,

1 b2 z 2 + 2(2b2 − ab)z + a2
ds = . p dz.
2 z [b2 z 2 + 2(2b2 − ab)z + a2 ]

Tomando agora,

z b2 z 2 + 2(2b2 − ab)z + a2 = F (z),


  16

obtém-se que

1 [F 0 (z) + 2(2b2 − ab)z + 2a2 ] dz


ds = . p ;
6 F (z)

e portanto,
" #
2 2
1 p (2b − ab)z + a 17
ds = dF (z) + p dz .
3 F (z)

No documento original, A = 12 0 ρ2 dθ = 12 a2 θ + 15 b2 θ5 − 32 abθ3 .
15

16
 
No documento original, z 2 b2 z 2 + 2(2b2 − ab)z + a2 = F (z).
 
1 (2b2 −ab)z+a2
17
No documento original, ds = 3 dF (z) + √ dz .
F (z)
CAPÍTULO 4. AS ESPIRAIS 101

Para conseguir desprezar o termo de 2o grau em F(z), admitamos que

2 2b − a
z =v+h e h=− . ;
3 b

e assim obtém-se que

" #
2
1 b p 2(2b − a)vdv 2a dv
ds = d 4v 3 − g1 v − g2 + p + p ,
3 2 3 3
4v − g1 v − g2 b 4v − g1 v − g2

onde,

a2 a2
 
2 2
g1 = 12h − 4 2 e g2 = 4 2h − 2 h.
b b

De maneira que, com efeito, s depende de dois integrais elı́pticos, um de primeira e


outro de seguinte espécie, reduzidos à forma adoptada por Weierstrass.
1
E além disso note-se, em conclusão, que um dos integrais desaparece quando b = a.
2

4.3 Espiral de Fermat

415.

A chamada espiral de Fermat, estudada pelo grande geómetra de Toulouse, na carta


dirigida em P.Mersenne a 3 de Junho de 1636 (Oeuvres, ed. G.Villars, t.III, 1896, p.277),
tem por equação,
ρ2 = a2 θ.
CAPÍTULO 4. AS ESPIRAIS 102

Quando θ varia de 0 até ∞, os valores próximos de ρ, correspondentes a θ, aumentam


também de 0 até ∞. O ponto gerador da curva dá um número infinito de voltas em torno
da origem das coordenadas, descrevendo a curva OABCD... (fig.116), que se afasta cada
vez mais da origem, onde a curva é tangente ao eixo polar ou eixo das abcissas. Aos valores
negativos de ρ corresponde o ramo OA0 B 0 ... da curva, igual à primeira e também tangente
no ponto O ao eixo das abcissas. Os dois ramos reunidos formam uma curva contı́nua, da
qual O é um ponto de inflexão e um centro.

Figura 116: Espiral de Fermat

416.

O ângulo V , formado pela tangente com o raio vector do ponto de contacto; a


subnormal Sn ; e a subtangente St são expressas pelas fórmulas:

2ρ2
tangV = ;
a2
CAPÍTULO 4. AS ESPIRAIS 103

a2
Sn = ; e

2ρ3
St = ,
a2

das quais se obtêm vários procedimentos para construir as tangentes à curva.

417.

A expressão para o raio de curvatura é

 3/2
2 a4
ρ + 4ρ2
R= 3a4
.
ρ2 + 4ρ2

418.

A área descrita pelo raio vector, quando θ varia de θ0 até θ1 , é determinada pela
fórmula

θ1
a2 2
Z
1
ρ2 dθ = θ1 − θ02 .

A=
2 θ0 4

Da qual, fazendo θ0 = 0, 2π, 4π, ... e θ1 = θ0 + 2π, se deduzem para valores das áreas
A1 , A2 , A3 ,... correspondentes a uma, duas, três, etc, revoluções do respectivo raio, estas
outras fórmulas:

A1 = a2 π 2 , A2 = 3a2 π 2 , A3 = 5a2 π 2 , ...


CAPÍTULO 4. AS ESPIRAIS 104


Por se ter OD = a 2π, a área A1 , resulta igual à metade da área do cı́rculo de raio
OD. E por ser constante, é igual a 2a2 π 2 , a diferença dos números sucessivos da série A1 ,
A2 , A3 ,..., vê-se que o aumento da área em cada revolução é igual à área do cı́rculo com o
mesmo raio. Ambas as proposições foram demonstradas por Fermat na carta a que nas
linhas anteriores se fez referência.

419.

O comprimento do arco da curva, compreendido entre o ponto O e o ponto (θ, ρ) tem


por expressão

s 2
θ θ
(4θ2 + 1)dθ
Z  Z

s= ρ2 + =a p ,
0 dθ 0 2 θ((4θ2 + 1))

resolúvel nas integrais elı́pticas

θ2 dθ
Z

p e p .
θ(4θ2 + 1) θ(4θ2 + 1)

A primeira destas integrais é susceptı́vel de redução, pois integrando por partes, obtém-
se, com efeito, que

θ2 dθ 2
Z  Z 
1 p 4θ + 1
p = 2. θ(4θ2 + 1) − √ .dθ ;
θ(4θ2 + 1) 8 4θ2 + 1

e portanto,

θ2 dθ
Z Z
1p 1 dθ
p = θ(4θ2 + 1) − p .
θ(4θ2 + 1) 6 12 θ(4θ2 + 1)
CAPÍTULO 4. AS ESPIRAIS 105

Logo,

" Z θ #
a p dθ
s= θ(4θ2 + 1) + p ,
3 0 θ(4θ2 + 1)

cujo valor depende exclusivamente de uma integral elı́ptica de primeira espécie.

4.4 Espiral Parabólica

420.

A espiral de Fermat pertence a um grupo de curvas estudadas por Jacobo Bernoulli


no seu Specimen Calarli Differentialis in dimensione parabole e helicoidis, publicado em
1691 em Acta Eruditorum (Opera, t.I, p.431 ), onde determinou as suas tangentes, os seus
pontos de inflexão, as suas áreas e o comprimento dos seus arcos, e às quais aquele notável
geómetra deu o nome de espirais parabólicas.

Estas curvas têm a seguinte equação geral:

(ρ − a)2 = 2paθ.

Da qual se deduz a que corresponde à espiral de Fermat fazendo, primeiramente,


b2
p = , e depois a = 0.
a

421.

As espirais parabólicas são compostas por dois ramos.

O primeiro ABCD... (fig.117), correspondente à equação


CAPÍTULO 4. AS ESPIRAIS 106

p
ρ=a+ 2.p.a.θ,

parte do ponto A, onde θ = 0, e ρ = OA = a, e dá um número infinito de voltas em torno


da origem O, afastando-se indefinidamente deste ponto.

O segundo ramo, AOEF G... corresponde à equação

p
ρ=a− 2.p.a.θ,
a
parte do mesmo ponto A e aproxima-se cada vez mais de O, até encontrá-lo quando θ = ,
2p
para depois afastar-se indefinidamente do mesmo ponto.

Figura 117: Espiral Parabólica

a
A tangente à curva no ponto O forma um ângulo igual a com o eixo das abcis-
2p
sas. Nos restantes pontos, Bernoulli determinou as tangentes valendo-se das seguintes
expressões:
CAPÍTULO 4. AS ESPIRAIS 107

ρ (ρ − a) ρ2 (ρ − a)
tang w = , e St = ,
ap ap

designando por w o ângulo da tangente formada com o raio vector do ponto de contacto,
e por St a subtangente: fórmulas das quais se deduz que a curva é tangente ao eixo das
abcissas no ponto A.

422.

A curva tem evidentemente pontos de contacto duplo e para a sua determinação é


necessário encontrar dois valores de θ, que diferem entre si em (2n + 1) π, sendo n número
inteiro e positivo, e aos quais correspondem valores de ρ iguais e de sinal contrário. Nestes
pontos, deve, pois verificar-se que:

√ p 18
ρ=a+ 2p.a.θ, e −ρ = a + 2pa [θ + (2n + 1) π];

ou

√ p
ρ=a− 2p.a.θ, e −ρ = a − 2pa [θ + (2n + 1) π],

uma vez que o ponto de contacto duplo advém da intersecção, uma com a outra, de ambos
os ramos, ou de intersectar um dos ramos em si mesmo. Em ambos os casos, por eliminação
de ρ, se obtém este resultado:

2
4a2 − 2pa [2θ + (2n + 1) π] = 16p2 a2 θ [θ + (2n + 1) π] ;


e portanto,

[2a − p (2n + 1) π]2


θ= .
8ap
18
p
No documento original, −ρ = a − 2pa [θ + (2n + 1) π].
CAPÍTULO 4. AS ESPIRAIS 108

Fórmula na qual n representa qualquer número inteiro positivo, e que serve para
determinar os valores de θ a que correspondem pontos de contacto duplo da curva.

423.

Para determinar os pontos de inflexão da espiral considerada, recorremos à fórmula


geral:

2
d2 ρ

2 dρ
ρ −ρ 2 +2 = 0,
dθ dθ

que, aplicada ao caso de que agora se trata, se transforma na seguinte:

ρ2 (ρ − a)3 + 2p2 a2 (ρ − a) + p2 a2 ρ = 0.

Desta equação, combinada com a da curva, deduz-se os valores de ρ e θ, correspon-


dentes aos pontos de inflexão procurados, as mesmas equações mostram também que a
curva há de ter, pelo menos, um real. E também, da sua atenta consideração se deduz que
os pontos de inflexão reais da curva se situam no interior da circunferência, cujo centro
coincide com a origem das coordenadas, e cujo raio é igual a a ; e que o valor de ρ nestes
pontos é positivo. Logo, fora do arco AEF O da curva, não é possı́vel que esta possua
nenhum ponto de inflexão.

424.

A área descrita pelo raio vector ρ, ao passar de uma posição para outra, é fácil de
calcular. Pois, com efeito, tomando como posição inicial do raio OA, a área encontra-se
expressa deste modo:
CAPÍTULO 4. AS ESPIRAIS 109

Z θ  
1 2 1 2 2 4 p 3
2
A= ρ dθ = a θ + paθ ± a 2paθ .
2 0 2 3

De onde se deduz, por referência ao sinal −, e substituindo θ pelo seu valor no ponto
a
O, onde θ = , que a área A1 , compreendida entre o arco OA e a sua corda, tem por
2p
expressão

a3
A1 = .
24p

425.

Para rectificar a espiral considerada, contando os arcos a partir do ponto A, descobre-


se que

s
ρ ρ
dθ2
Z Z
1
q
s= ρ2 2 + 1.dρ = ρ2 (ρ − a)2 + a2 ρ2 .dρ
a dρ aρ a

fórmula transformável em integrais elı́pticas.

Para mais amplas informações referentes à espiral parabólica ver G.E.Weyer: Ueber
die parabolishe Spirale, Leipzig, 1894.
CAPÍTULO 4. AS ESPIRAIS 110

4.5 Espiral Hiperbólica

426.

Com o nome de espiral hiperbólica designou Juan Bernoulli (Acta Eruditorum,


1713, p.77; Opera omnia, t.I, p.552) a curva definida pela equação

ρ.θ = m,

na qual m representa uma constante.

Como ρ diminui e tende para 0, conforme θ aumenta e tende para ∞, vê-se que a
curva dá um número infinito de voltas em torno da origem, O, das coordenadas, da qual se
aproxima indefinidamente, e que por tal motivo constitui um ponto assimptótico da mesma
curva (fig.118).

Representando por x e y as coordenadas cartesianas da curva, tem-se que

sen θ
y = ρ sen θ = m ;
θ
de maneira que y tende para m, conforme θ se aproxima de zero. Logo, a recta AB,
paralela ao eixo Ox, e cuja distância a este eixo é igual a m, é assimptota da curva.

427.

A subtangente, a subnormal, o comprimento da tangente e o comprimento da normal


à espiral hiperbólica, são expressas pelas fórmulas seguintes:

2
St = −m; Sn = −m
θ2
= − ρm ;

ρ
p p
N= m
ρ2 + m 2 ; e T = ρ2 + m 2 .
CAPÍTULO 4. AS ESPIRAIS 111

Figura 118: Espiral Hiperbólica

A primeira das quais mostra que a subtangente é uma quantidade constante, qualquer
que seja o ponto da curva a que se refira: propriedade que permite construir com facilidade
a tangente em qualquer caso.

428.

O raio da curvatura tem por expressão:

3
ρ (m2 + ρ2 ) 2 N3 N3 N3 19
R= = = = ;
m3 ρ2 −m.Sn Sn St

da qual também facilmente se deduz a determinação do centro da curvatura, e que, além


disso mostra que a curva carece de pontos de inflexão.
 32
19
ρ m2 + ρ2 N3 N3 N3
No documento original, R = = = = ;
m3 ρ2 m.Sn Sn St
CAPÍTULO 4. AS ESPIRAIS 112

429.

A área descrita pelo raio vector, quando este se move desde a posição correspondente
ao ângulo θ0 , até á posição correspondente ao ângulo θ1 , determina-se pela fórmula

Z θ1
1 m
A= ρ2 dθ = (ρ0 − ρ1 ),
2 θ0 2

e é igual à área de um triângulo de muito fácil construção.

430.

O comprimento do arco da curva compreendido entre os pontos (ρ0 , θ0 ) e (ρ1 , θ1 ), é


determinado pela fórmula:

s
ρ1 ρ1
dθ2
Z Z
 12
s= ρ2 2 + 1.dρ = ρ−1 m2 + ρ2 .dρ
ρ0 dρ ρ0

p
m ρ2 + m 2 − m
q
= ρ21 + m2 + . log p 12
2 ρ1 + m 2 + m

"q p #
m ρ2 + m2 −m
− ρ20 + m2 + . log p 0 .
2 ρ20 + m2 +m

Ou,

m (T1 − m) (T0 + m)
s = T1 − T0 + + log ;
2 (T1 + m) (T0 − m)

representando por T0 e T1 os comprimentos das tangentes à curva nos pontos considerados.


CAPÍTULO 4. AS ESPIRAIS 113

431.

Entre os resultados que acabamos de obter, referentes à espiral hiperbólica, e os obtidos


nos Núms. 347 a 350, ao tratar da curva logarı́tmica, adverte-se para algumas analogias
e relações nos quais convém insistir um momento.

Se considerarmos um ponto da espiral hiperbólica e outro da logarı́tmica (Núm.345),


tal que a ordenada cartesiana deste seja igual ao raio vector daquele, os comprimentos da
subtangente, da subnormal, da tangente, e da normal em ambas as curvas, correspondentes
aos dois pontos mencionados, são iguais. E se considerarmos além disso, dois pontos da
espiral hiperbólica e outros dois da logarı́tmica, tal que as ordenadas dos últimos sejam
iguais aos raios vectores das primeiras, a área da figura, formada por estes raios vectores
e pela espiral, é metade da área da figura limitada pelas duas ordenadas, pelo arco da
logarı́tmica compreendida entre elas, e pelo eixo das abcissas. Assim como, o comprimento
do arco, compreendido entre os dois pontos considerados da espiral, é igual ao comprimento
do arco compreendido entre os pontos correspondentes da logarı́tmica.

4.6 Lituus

432.

O lituus (cayado ou báculo) é uma curva espiral, que foi tratada pela primeira vez
por Cotes em Harmonia mensurarum, publicada em 1722, e que tem por equação, em
coordenadas polares, a que se segue:

ρ 2 θ = a2 .

Da qual imediatamente se deduz que : ”O lituus é uma curva com a propriedade de,
ao variar de posição o ponto gerador, passando de M a M1 ..., a área do sector circular,
CAPÍTULO 4. AS ESPIRAIS 114

que tem por centro a origem O das coordenadas, e que se encontra compreendida entre o
eixo polar Ox e o raio vector OM , permanece constante”.

Figura 119: Lituus

433.

A mesma equação ilustra que, quando θ aumenta, o ponto gerador da curva descreve
um número infinito de voltas em torno de O, aproximando-se indefinidamente dele, sem
nunca alcançá-lo. Quando, pelo contrário, θ tende para 0, o ponto gerador afasta-se
indefinidamente do eixo das ordenadas, aproximando-se ao mesmo tempo do eixo das
abcissas, como assimptota que é da curva. Nos pontos A, B, C, D, E, . . . , onde θ é sucessi-
vamente igual a π2 ,π , 32 π ,2π , 52 π ,...,ρ adquire estes outros valores, correspondentes aos de
θ(fig.119):

q q q
2 2 2
OA = a π
,OB = a 2π
,OC = a 3π
, ...
CAPÍTULO 4. AS ESPIRAIS 115

434.

A subtangente da curva no ponto (θ, ρ) tem por expressão

2 dθ 2a2
St = ρ =− ;
dρ ρ

igualdade que permite construir as tangentes ao lituus.

435.

Para determinar os raios da curvatura do Lituus usa-se a fórmula seguinte:

3
ρ (4a4 + ρ4 ) 2
R= 2 4 .
2a (ρ − 4a4 )

436.

E os pontos de inflexão da curva encontram-se mediante a análise da igualdade

2
d2 ρ


ρ 2 −2 − ρ2 = 0,
dθ dθ

que, neste caso, se reduz a

1 −2
θ − 1 = 0;
4
1 1
de onde se conclui que θ = ± . Como a θ = − corresponde um valor imaginário de ρ,
2 2
1 √
a curva possui um só ponto de inflexão, M2 , definido pelas coordenadas θ = e ρ = a 2.
2
CAPÍTULO 4. AS ESPIRAIS 116

437.

A área A, descrita pelo raio vector, quando θ varia desde θ0 até θ1 , é expressa pela
fórmula

1 θ1
A = a2 log .
2 θ0

438.

Mas como,

Z r   12
dρ2
Z
− 12 1
+ ρ2 .dθ = a θ 1 + θ−2 dθ
dθ2 4

a curva não é rectificável por meio de funções elementares.

Reduzindo o integral anterior à forma


(1 + 4θ2 )dθ
Z
a p ,
2θ θ(1 + 4θ2 )

e simplesmente se verá que a rectificação da curva depende dos integrais


Z Z
dθ θdθ
p e p ;
θ θ(1 + 4θ2 ) θ(1 + 4θ2 )

e tendo presente a conhecida igualdade geral, fácil de verificar,


p
(4θ2 + 1)dθ 2 θ(4θ2 + 1)
Z Z
2θdθ 20
p =− +4 p ,
2
θ (4θ + 1)θ θ θ(4θ2 + 1)

dθ 2 θ(4θ 2 +1) θdθ
20 √ √
R R
No documento original, =− θ +4 .
θ (4θ 2 +1)θ θ(4θ 2 +1)
CAPÍTULO 4. AS ESPIRAIS 117

deduz-se, em conclusão, que

"p p Z θ1 #
θ0 (4θ02 + 1) θ1 (4θ12 + 1) θdθ
s=a − +4 p .
θ0 θ1 θ0 θ(4θ2 + 1)

Portanto, s depende de uma integral elı́ptica de segunda espécie, reduzida à forma


adaptada por Weierstrass.

4.7 Espiral Logarı́tmica

439.

As primeiras indicações referentes à espiral logarı́tmica encontram-se nas cartas es-


critas por Descartes a P.Mersenne em 1638: nas quais o grande filósofo fala da
curva, secante a todas as rectas, situadas no mesmo plano e que partem de um certo
ponto ou origem, formando com elas um ângulo constante: precisamente a denominada
espiral logarı́tmica. Cujas notáveis propriedades foram mais tarde descobertas por Jacobo
Bernoulli, que as expôs em dois artigos, publicados em 1691 e 1692 na Acta Eruditorum
(Opera, t.I, p.442 e p.491).

440.

Representando por V , o ângulo formado pelo raio vector que passa por um ponto da
curva com a tangente à curva no mesmo ponto,

ρdθ
tangV = ,

CAPÍTULO 4. AS ESPIRAIS 118

a equação diferencial das curvas, às quais corresponde um valor constante de V , será

ρdθ 1
= ;
dρ c
que, integrada, origina a seguinte equação finita das mesmas curvas, ou das espirais
logarı́tmicas:

ρ = C.ecθ .

Por meio desta equação vê-se que a parte da curva, corresponde aos valores positivos
de θ, desde 0 até ∞, parte (fig.120) do ponto A, cujas coordenadas são 0 e C, e dá um
número indeterminado de voltas em torno da origem das coordenadas ou pólo, desviando-
se cada vez mais da origem; e a correspondente aos valores negativos, desde 0 até −∞,
parte do mesmo ponto, e descreve também um infinito número de voltas em torno do pólo,
aproximando-se dele continuamente sem nunca alcançá-lo.

441.

A subnormal, a subtangente e o comprimento da normal têm respectivamente as


seguintes expressões:

ρ

Sn = c.ρ , St = c
, N = ρ. 1 + c2 ;

das quais imediatamente se deduz que Sn , St e N são proporcionais a ρ.

442.

O raio de curvatura é dado por:


CAPÍTULO 4. AS ESPIRAIS 119

Figura 120: Espiral Logarı́tmica


R = ρ. 1 + c2 ,

proporcional também a ρ, além disso é igual ao comprimento da normal.

Traçando, pois, a normal à curva no ponto M , e prolongando-a até intersectar em N


a recta ON , perpendicular a OM , obtém-se o centro de curvatura N , correspondente ao
ponto M .

E assim é fácil obter o valor das coordenadas θ1 e ρ1 do ponto N .

Temos, com efeito, por ON ser a subnormal,

ρ1 = ON = cρ = C.c.ecθ , e θ1 = N Ox = θ + π2 .

Eliminando θ destas equações, tem-se que

π π
ρ1 = C.c.ec(θ1 − 2 ) = C.ecθ1 −c 2 +log c .
CAPÍTULO 4. AS ESPIRAIS 120

E fazendo agora

π log c
θ1 = θ2 + − ,
2 c

Resulta finalmente,

ρ1 = C.ecθ .

Logo, a evoluta da espiral logarı́tmica é outra espiral logarı́tmica, igual à primeira e


associada ao mesmo pólo (Jacobo Bernulli).

Se tivermos, representado por n qualquer número inteiro,

π log c
− = 2nπ,
2 θ
a evoluta da espiral considerada coincidirá com a própria curva.

443.

Se OS representa a perpendicular, traçada desde a origem 0 até M T (fig.120), tangente


à espiral no ponto M , o lugar geométrico de S, conforme M varia, será a podaria da curva,
relativamente ao ponto O.
1
Por se ter OS = OM. sen OM S e tan OM S = , resulta que
c

ρ
OS = √ .
c2 + 1
CAPÍTULO 4. AS ESPIRAIS 121

E por também se ter M OS = OM N , o ângulo M OS será constante, e poderá designar-


0 0
se por a. Representando, pois, por ρ e θ as coordenadas polares de S, tem-se que

0 ρ 0
ρ =√ e θ = θ − a.
c2+1

Equações que, combinadas com a da curva, originam a seguinte equação para a


podaria:
0 C 0
ρ =√ .ec(θ +a) ,
c2 + 1

da qual se conclui, procedendo como no número anterior, que a podaria da espiral


logarı́tmica é outra espiral logarı́tmica, igual à primeira (Jacobo Bernoulli).

444.

Demonstra-se também na Óptica que as cáusticas por reflexão e por refracção da


espiral logarı́tmica são assim mesmo espirais logarı́tmicas (Jacobo Bernoulli). Estas
propriedades de reprodução da curva, e as consideradas nos Núms.442 e 443, entusias-
maram vivamente e prenderam a atenção do geómetra mencionado e no detalhado estudo
a que se dedicou determinou-as claramente.

445.

A área descrita pelo vector da espiral logarı́tmica, quando θ varia desde θ0 até θ1 , tem
por expressão

1
A= (ρ 2
4c 1
− ρ0 2 ).
CAPÍTULO 4. AS ESPIRAIS 122

446.

E com a mesma facilidade se encontra o comprimento de um arco, s, da curva,


compreendida entre os pontos (θ0 , ρ0 ) e (θ1 , ρ1 ) valendo-se da fórmula

Zρ1 s √
dθ2 1 + c2
s= ρ2 2 + 1.dρ = .(ρ1 − ρ0 ).
dρ c
ρ0

4.8 Espiral de Poinsot

447.

Dá-se o nome de espiral de Poinsot à curva definda pela equação

2a
ρ= ,
emθ + e−mθ

por ter sido considerada por esse tão ilustre geómetra no seu célebre estudo intitulado
Théorie Nouvelle de la Rotation des Corps, apresentada ao Institudo de França em 1834 e
publicada no Journal de Liouville(1a serie,t.XVI).

Por se ter ρ = a quando θ = 0, e ρ = 0 quando θ = ∞, e por ser negativa a derivada

dρ emθ − e−mθ
= −2am ,
dθ (emθ + e−mθ )2

quando θ é positivo e diferente de zero, vê-se que uma parte, ABCD..., da curva resulta
gerada por um ponto que, partindo de A, onde ρ = a e θ = 0, dá um número infinito de
voltas em torno da origem O, no sentido positivo, aproximando-se indefinidamente deste
CAPÍTULO 4. AS ESPIRAIS 123

ponto. E, como a equação da curva não se altera quando se muda θ para −θ, conclui-se
que a outra parte AB1 CD1 ..., da curva é simétrica da primeira, relativamente ao eixo OA
(fig.121).

Figura 121: Espiral de Poinsot

448.

O ângulo V , formado pela tangente à curva com o raio vector do ponto de contacto,
determina-se pela fórmula

2a
tan V = − ,
mρ(emθ − e−mθ )

segundo o qual a tangente á curva no ponto A é perpendicular a OA. Representando por


N o comprimento da normal polar, tem-se que
ρp
N = . (1 + m2 )a2 − m2 ρ2 ,
a
CAPÍTULO 4. AS ESPIRAIS 124

fórmula adequada para construir as normais à curva.

449.

O raio de curvatura da espiral de Poinsot pode calcular-se pela seguinte fórmula:

3/2
ρ [(1 + m2 )a2 − m2 ρ2 ]
R= .
a3 (1 + m2 )

Da qual se conclui que a curva carece de pontos de inflexão.

No ponto A, a expressão do raio da curvatura reduz-se a

a
R= .
m2 +1

450.

Para encontrar a área percorrida pelo raio vector da espiral considerada, quando θ
varia desde 0 até θ, serve a seguinte fórmula:

Zθ  
2 dθ 2 1 1 1 21
A = 2a = 2a . − .
(emθ + e−mθ )2 2m 2 e2mθ + 1
0

451.

E para determinar o comprimento s do arco da mesma espiral, compreendido entre o


ponto A e o ponto (θ, ρ), começaremos por escrever a expressão, fácil de encontrar,

21
Rθ dθ 1
h
1 1
i
No documento original, A = 2a2 (emθ +e−mθ )2
= 2m 2 − e2mθ +1
.
0
CAPÍTULO 4. AS ESPIRAIS 125


2adθ p
s= . (1 + m2 )(e2mθ + e−2mθ ) + 2(1 − m2 ).
(emθ + e−mθ )2
0

Mas, fazendo e2mθ = z, e representando por U a integral

Z
dθ p
U= . (1 + m2 )(e2mθ + e−2mθ ) + 2(1 − m2 )
(emθ + e−mθ )2

tem-se

r
(1 + m2 )z 2 + 2(1 − m2 )z + 1 + m2
Z
1 dz
U=
2m (z + 1)2 z

[(1 + m2 )z 2 + 2(1 − m2 )z + 1 + m2 ] dz
Z
1
= p .
2m (z + 1)2 z [(1 + m2 )z 2 + 2(1 − m2 )z + 1 + m2 ]

Supondo também que

z (1 + m2 )z 2 + 2(1 − m2 )z + 1 + m2 = F (z) ,
 

deduz-se a identidade

 
F (z) 2 2 1 1
= 1 + m − 4m − .
z(z + 1)2 z + 1 (z + 1)2

Da qual se infere que


CAPÍTULO 4. AS ESPIRAIS 126

" Z Z Z #
1 2 dz 2 dz 2 dz
U= (1 + m ) p − 4m p + 4m p .
2m F (z) (z + 1) F (z) (z + 1)2 F (z)

E desta, empregando uma fórmula demonstrada na Teoria das Funções elı́pticas, ou a


seguinte identidade, fácil de verificar por diferenciação:

p
1 + m2
Z Z Z
dz F (z) dz (z + 1)dz
p = 2
+ p − 2
p
2
(z + 1) F (z) 4m (z + 1) (z + 1) F (z) 8m F (z)

segue que :

"p #
F (z) m2 + 1 1 + m2
Z Z
1 dz zdz
U= + p − p .
2m z+1 2 F (z) 2 F (z)

Para que as integrais elı́pticas que figuram nesta fórmula adquiram a fórmula adoptada
por Weierstrass, basta fazer

2 1 − m2
z =v+h e h=− . ;
3 1 + m2

Com a qual desaparece o termo de segundo grau que entra na composição de F (z) e
obtendo-se finalmente

√ " p #
1 + m2 1 + m2 4v 3 − g1 v − g2
Z Z
dv vdv
U= p − p + ,
2m 1(1 + m2 ) 4v 3 − g1 v − g2 4v 3 − g1 v − g2 2(v + 1 + h)
22


 √ 
1+m2 5+m2 dv vdv 4v 3 −g1 v−g2
22 √ √
R R
No documento original, U = 2m 3(1+m2 ) − + 2(v+1+h) .
4v 3 −g1 v−g2 4v 3 −g1 v−g2
CAPÍTULO 4. AS ESPIRAIS 127

onde as invariantes g1 e g2 significam o que se segue :

g1 = 4 3h2 − 1 e g2 = 4h 2h2 − 1 .
 

Vê-se, pois, que a rectificação da espiral de Poinsot depende de duas integrais epı́pticas,
uma de primeira e outra de segunda espécie.

4.9 Espiral Tractriz

452.

Com o nome de espiral tractriz designa-se uma curva cuja tangente, em coordenadas
polares, tem comprimento constante. Curva estudada por Rouquel nos Nouvelles Annales
de Mathématiques (1863,p.494), onde também se encontram determinadas pelo mesmo
matemático duas questões que, referentes a ela, tinham sido propostas anteriormente por
Haton de la Goupilliére (Nouvelles Annales de Mathematiques 1863,p.336).

453.

Da definição anterior imediatamente se deduz que


2 " #
2

dθ a dρ dρ
ρ2 + ρ4 = a2 , ou dθ = ± p −p .
dρ ρ2 a2 − ρ2 a2 − ρ 2

E, integrando, encontra-se, em termos finitos, que a equação da curva mencionada


será
CAPÍTULO 4. AS ESPIRAIS 128

"p #
a2 − ρ 2 ρ
θ=± − ar cos ,
ρ a

na qual θ pode ser positivo ou negativo, não figurando nela a constante arbitrária, intro-
duzida pela integração, por ter sido eliminada mediante a condição de θ = 0 quando ρ = a.
Por meio da equação anterior e a da sua diferencial

p
dθ a2 − ρ 2
=− ,
dρ ρ2

note-se que, quando ρ varia desde a até 0, os valores positivos de θ crescem constantemente
desde 0 até ∞, e o ponto gerador da curva descreve um arco (fig.122), ABCD..., que parte
do ponto A, colocado á distância a do ponto O, e descreve um número infinito de voltas
em torno deste ponto, ou pólo assimptótico, ao qual se aproxima cada vez mais, sem nunca
chegar a confundir-se com ele.

Aos valores negativos de θ corresponde o outro ramo da curva, AB1 CD, igual à
precedente e simetricamente disposta relativamente ao eixo Ox.

454.

Por se ter


a2 −ρ2
dy senθ − cos θ ρ
= √ ,
dx a2 −ρ2
cos θ + senθ ρ

vê-se, em primeiro lugar, que os dois ramos da curva são tangentes ao eixo Ox em A, onde
em consequência a curva possui um ponto de retrocesso.
CAPÍTULO 4. AS ESPIRAIS 129

Figura 122: Espiral Tractriz

E, por meio da mesma equação, vê-se também que os pontos onde y passa por um
valor máximo ou por um mı́nimo são definidos pela expresão

p
a2 − ρ 2
tan θ = .
ρ

E fazendo x = ρ cos θ e y = ρsenθ, tem-se a equação:

x2 + y 2 ± ax = 0,

1
que representa dois cı́rculos iguais, cujos centros estão no eixo Ox, à distância
a do
2
pólo O, e resulta que os pontos da curva onde y passa por um máximo ou por um mı́nimo
correspondem às circunferências nos cı́rculos a que acabamos de referir. E do mesmo modo,
CAPÍTULO 4. AS ESPIRAIS 130

se conclui que os pontos onde x passa por um máximo ou por um mı́nimo se encontram
situados sobre as circunferências

x2 + y 2 ± ay = 0.

Propriedades que não encontramos mencionadas por nenhum autor nem dos quais
sabemos tão pouco se antes terão sido reparadas por alguém.

455.

O raio da curvatura da espiral tractiz tem por expressão

p
aρ a2 − ρ2
R= ,
a2 − 2ρ2

segundo o qual a curva possui dois pontos de inflexão, cujas coordenadas são (Rouquel:l.c)

a  π
ρ= √ e θ =± 1− .
2 4

Representando por α o ângulo da normal num ponto qualquer com o raio vector do
mesmo ponto, deduz-se que

p
a2 − ρ 2 ρ
cot α = − , ou sen α = .
ρ a
CAPÍTULO 4. AS ESPIRAIS 131

E, utilizando esta igualdade, podemos expressar o raio da curvatura da seguinte forma


(Rouquel:l.c)

ρ cos α
R= .
cos 2α

456.

Designando por s, como habitualmente, o comprimento dos arcos da curva,

s
dθ2 adρ
ds = ρ2 2
+ 1.dρ = − ;
dρ ρ

e, em consequência, tomando para origem dos arcos o ponto A,

a
s = a log = −a log senα.
ρ

457.

E não mais difı́cil é encontrar a seguinte expressão da área, A, descrita pelo arco vector
da espiral tractriz, quando este raio varia desde a até um valor qualquer, ρ:

1 p 1 ρ 1
A = − ρ a2 − ρ2 − a2 arcsen + a2 π.
4 4 a 8
CAPÍTULO 4. AS ESPIRAIS 132

458.

Para dar por terminado este assunto, transcrevemos, sem demonstração, as duas
proposições, seguintes, enunciadas por Haton de la Goupilliére (l.c), e demonstradas
por Rouquel(l.c) e Laquiére (Nouvelles Annales des Mathématiques, 1863, p.549):

1. A curva recı́proca da envolvente do cı́rculo para os raios oriundos do centro é uma


espiral tractriz.

2. E também o é, o lugar geométrico do pólo de uma espiral hiperbólica que roda sobre
outra igual, coincidentes uma com a outra no inı́cio do movimento.

4.10 A Cocleóide

459.

Falkenburg e Benthen (Niew Archief, Amsterdam, t.x,p.76 ) designaram pelo nome


de cocleóide (de χoγχη, concha) a curva que tem por equação

senθ
ρ = a. .
θ

Curva da qual se teve a primeira noção por um problema proposto em 1857 por Cata-
lan no seu Manuel des Candidats à l’Ecole Polytecnique, e que anos depois foi estudada
por Cesàro (Nouvelle Correspondance, t.N,1878,página 283 ),Falkenburg (Archiv des
Mathematik,Leipzig, t.cxx, página 259 ), etc., etc.
CAPÍTULO 4. AS ESPIRAIS 133

460.

Da análise da equação é fácil inferir a forma da curva. Quando θ varia desde 0 até π,
o seu ponto gerador descreve o arco ABO(fig.123), tangente em O ao eixo polar. Quando,
em continuação, θ varia desde π até 2π, o mesmo ponto descreve o arco OdeO, também
tangente em O ao eixo polar. E, supondo que a variação de θ continua, obtém-se uma série
de arcos fechados, como o Of gO, todos tangentes ao eixo polar no ponto O, e que não se
intersectam uns com os outros; porque, se se intersectassem, os valores de θ nos pontos de
intersecção deveriam satisfazer a condição:

sen(θ + nπ) sen(θ + mπ)


= ,
θ + nπ θ + mπ

na qual m e n representam números inteiros positivos, um par e outro ı́mpar: com o qual
se obtém para θ um valor negativo, contradizendo o que antes se tinha suposto.

Admitindo valores negativos de θ, obtém-se, sim, outro ramo da curva, simétrica


à anterior relativamente ao eixo polar, assinalada na figura 123 com as mesmas letras,
diferenciadas com subı́ndices, que a primeira, excepto nos pontos A e O, comum aos dois.

461.

Por se ter,

dρ θ cos θ − senθ ρ(a cos θ − ρ)


= a. 2
=
dθ θ asenθ


vê-se que, = 0 quando θ = 0, e também quando ρ = a cos θ.

1
Logo, a circunferência, de raio igual a OA, e cujo centro coincide com o ponto médio
2
CAPÍTULO 4. AS ESPIRAIS 134

Figura 123: Coclóide

de OA, intersecta a curva nos pontos em que ρ passa por um valor máximo ou mı́nimo.

462.

E por se ter,

dy θ.sen(2θ) − sen2 θ
= ,
dx θ. cos(2θ) − 12 sen(2θ)

resulta que a tangente à curva no ponto A é perpendicular ao eixo das abcissas.


dy
A derivada é infinita nos pontos onde
dx

a(cos2 θ − sen2 θ) = ρ. cos θ.


CAPÍTULO 4. AS ESPIRAIS 135

E, fazendo nesta equação x = ρ cos θ e y = ρsenθ, resulta que

(x2 + y 2 )x = a(x2 − y 2 ).

Logo, todos os pontos em que a tangente é perpendicular ao eixo das abcissas corre-
spondem à cúbica representada por esta equação, ou seja, a uma estrofóide.
dy
Por se ter = 0 nos mesmos pontos onde
dx

ρ = 2a. cos θ,

vê-se que todos os pontos onde a tangente é paralela ao eixo das abcissas correspondem a
uma circunferência de raio igual a a, e cujo centro se encontra em A.

463.

A equação, em coordenadas polares, das tangentes à cocleóide, é

1 1 1
=− sen(θ − 2θ1 ) + sen(θ − θ1 ).23
ρ ρ1 senθ1 asenθ1

sendo θ1 e ρ1 as coordenadas do ponto de contacto. E fazendo nesta equação θ = 2θ1 ,


obtém-se ρ = a. Logo, a tangente à curva no ponto (θ1 , ρ1 ) passa por (2θ1 , a): isto é, pelo
ponto simétrico ao vértice A, relativamente à recta que une (θ1 , ρ1 ) com a origem. Teorema
atribuido a Cesáro(l.c.) que muito facilita a construção das tangentes à cocleóide.
23 1 1 1
No documento original, = − sen(θ − 2θ1 ) + sen(θ − θ1 ).
ρ ρ1 asenθ1
CAPÍTULO 4. AS ESPIRAIS 136

464.

O raio de curvatura da curva é determinado pela fórmula

(a2 + ρ2 − 2aρ cos θ)3/2


R= ;
2θ(a2 − aρ cos θ)

3
da qual, no caso de θ = 0, se tem para valor do raio, no ponto A, R = a. E, fazendo
4 a a
ρ = 0, tem-se que no ponto O, onde θ = ±π, ±2π, ±3π, ..., se verifica que R = , .
π 2π

465.

Às propriedades da cocleóide acabadas de expor, juntamos, para concluir, o seguinte


enunciado de um teorema também descoberto por Cesáro(l.c.)de fácil demonstração:
Quando um ponto móvel descreve uma circunferência, o centro de gravidade do arco
descrito move-se assim mesmo sobre uma cocleóide, cuja tangente num qualquer ponto
se dirige constantemente até ao ponto gerador da circunferência.

466.

A cocleóide é uma curva inversa da quadratriz de Dinóstrato. Adverte-se, porém,que


os antigos geómetras usavam esta designação num sentido diferente ao atribuido actual-
mente. Segundo um comentário de Jamblique, conservado por Simplicius, nos seus
Comentários sobre Aristóteles, Pappo aplicou o nome de cocleóide à mesma curva a que
Proclo e Eutocio deram o nome de concóide; isto é, à curva considerada no Núm.163.
[ver P.Tannery: Histoire des lignes et des surfaces courbes dans l’antiquité.(Bulletin des
Sciences Mathématiques, 1883, p.183)]
CAPÍTULO 4. AS ESPIRAIS 137

4.11 A Clotóide

467.

Cesàro designou por clotóide, nome derivado de hilandera ClotoKλoθω, à curva com
curvatura proporcional ao comprimento de arco da mesma, determinada a partir de um
ponto fixo, a qual chamou atenção pela primeira vez a Jacobo Bernoulli, segundo pode
ver-se num fragmento dos seus escritos, publicado depois da sua morte (Jacobi Bernoulli
Basileensis Opera, t.II, Genevoe, 1744, p.1084 ) ; e que Cornu descobriu recentemente,
ao ocupar-se do estudo dos fenómenos de difracção da luz (Comptes rendus de l’Académic
des Sciences, Paris, 1864, p.113 ). Pero Cesàro, como já foi referido, foi quem lhe deu o
nome (Nouvelles Annales des Mathématiques, 3a serie, t.V, 1886; e Lezionu di Geometria
intrinseca, Napoli, 1896 ), e quem descobriu e estudou as suas principais propriedades.

468.

Representando por ρ o raio de curvatura da clotóide num ponto qualquer; por s o


comprimento do arco, compreendido entre este ponto e outro ponto fixo, e por a uma
constante, a equação da clotóide é, por definição,

(1)
ρ.s = a2 .

Para obter a equação da curva, em coordenadas cartesianas, recorre-se ao Cálculo


Integral, como se segue. Das equações diferenciais conhecidas:

d2 x 1 dy d2 y 1 dx
2
= e 2
=−
ds ρ dx ds ρ ds
CAPÍTULO 4. AS ESPIRAIS 138

se deduz as seguintes:

d2 x s dy d2 y s dx
2
= 2 e 2
=− 2 ,
ds a ds ds a ds

dx dy
que iremos integrar. Para o qual, fazendo =te = z, se obtém que
ds ds

dt s dz s
= 2z e = − 2 t.
ds a ds a

E como a equação ds2 = dx2 + dy 2 é equivalente a t2 + z 2 = 1, resulta que

dt s √
= 2 . 1 − t2 ;
ds a

e consequentemente,

s2 s2
 
dx
arcsen(t) = 2 + c1 , ou = t = sen + c1 .
2a ds 2a2

Da equação t2 + z 2 = 1 se deduz também que

√ s2
 
dy
= z = 1 − t2 = cos + c1 ;
ds 2a2

e consequentemente, para determinar os valores de x e y dispomos das seguintes equações:


CAPÍTULO 4. AS ESPIRAIS 139

Zs
s2
 
x= sen + c1 ds + c2, e
2a2
0

Zs 
s2

y= cos 2 + c1 ds + c3;
2a
0

as quais podem ser simplificadas adoptando para origem das coordenadas o ponto, origem
dos arcos, onde s = 0 e para direcção do eixo das ordenadas tangente à curva no mesmo
ponto. Uma vez que, neste caso, tem-se que c1 = 0, c2 = 0, e c3 = 0; e portanto,

Zs Zs
s2 s2
(2) x= sen 2 ds e y = cos ds.
2a 2a2
0 0

469.

Investigemos agora qual a forma da clotóide. Da equação (1) imediatamente se infere


que ρ somente adquire o valor ∞ quando s = 0; e que somente será igual a zero quando
s é ∞. Logo, a curva somente admite um ponto de inflexão na origem (fig.124), sem
mais inflexões em todo o seu trajecto : Como se deduz também que a curvatura aumenta
constantemente com s.

E desta outra relação,

dy cos 2as2 s2
= 2 = cot ,
dx s
sen 2a 2
2a2

conclui-se também, com grande facilidade, que as tangentes à clotóide, paralelas ao eixo
das abcissas, correspondem à infinidade de pontos, determinados pelos valores de s, dados
pelas equações
CAPÍTULO 4. AS ESPIRAIS 140

Figura 124: Clotóide

s2 π 3 5 7
2
= , π, π, π, ...;
2a 2 2 2 2

e que os pontos ondes as tangentes ao eixo das ordenadas correspondem aos valores de s
são dados pelas equações

s2
= 0, π, 2π, 3π, ...;
2a2

s2
Fazendo nas equações (2), = v, e tomando como limite de s o ∞, encontra-se
2a2

Z∞
a senv
lim x = √ . √ dv e
s=∞ 2 v
0
CAPÍTULO 4. AS ESPIRAIS 141

Z∞
a cos v
lim y = √ . √ dv.
s=∞ 2 v
0

Os integrais que figuram nestas equações são conhecidos na Análise pelo nome de
integrais de Fresnel, devido a este perspicaz fı́sico e eminente geómetra
r os ter usado nas
π
suas investigações de Óptica, e representam o número constante . Logo,
2

a√ a√
lim x = π e lim y = π.
s=∞ 2 s=∞ 2

E, em consequência disto tudo, as coordenadas


 x e y serão finitas, qualquer que seja s;
1 √ 1 √

e o ponto (x, y) aproxima-se indefinidamente de a π, a π conforme s se aproxima,
2 2
também indefinidamente, de ∞.

Fazendo s = −s, x e y simplesmente mudam de sinal: logo a curva possui outro ramo
igual ao considerado, disposto, nos eixos das coordenadas negativas, como o primeiro está
nos eixos positivos.

A clotóide, em suma, apresenta, como anunciou pela primeira vez Cornu, a forma in-
√ 1 √
 
1
dicada na figura 124, na qual A e B representam dois pontos assimptóticos a π, a π
2 2
1 √ 1 √
 
e − a π, − a π ; e O um ponto de inflexão.
2 2

470.

A evoluta da clotóide pode deduzir-se por meio das equações

dy dx
x − α = −ρ e y − β = −ρ ,
ds ds
CAPÍTULO 4. AS ESPIRAIS 142

(onde α e β designam as coordenadas do centro de curvatura), e das quais se deduz que

a2 s2 a2 s2
x−α=− . cos 2 , e y − β = .sen 2 ;
s 2a s 2a

equações estas que determinam as coordenadas α e β dos pontos da evoluta em função de


s.

471.

As propriedades mais interessantes da clotóide são as que se referem aos centros de


gravidade dos seus arcos, descobertas por Cesàro (Nouvelles Annales des Mathématiques,
3a a serie, t.V, 1886, p.511: e Leziane di Geometria intrinseca, ς.V I). Entre elas, mere-
cendo especial destaque as seguintes :

1. Sejam s0 e s1 os valores de s, a contar da origem das coordenadas, até ás extremidades


de um arco da coclóide; (x0 , y0 ) e (x1 , y1 ) as coordenadas destes pontos; e (X, Y ) as
do centro de gravidade do arco. E, segundo Poisson (Traité de Mécanique, t.I, 1883,
p.121 ) tem-se que

Zs1 Zs
s2
(s1 − s0 )X = ds sen ds
2a2
s0 0

Zs1 Zs0 Zs1


s2 s2 s2
= s1 sen 2 ds − s0 sen 2 ds − sen ds
2a 2a 2a2
0 0 s0

Zs1 Zs0
s2 s2 s21 s20
 
2
= s1 sen 2 ds − s0 sen 2 ds + a cos 2 − cos 2 ;
2a 2a 2a 2a
0 0
CAPÍTULO 4. AS ESPIRAIS 143

e, do mesmo modo,

Zs1 Zs
s2
(s1 − s0 )Y = ds cos ds
2a2
s0 0

Zs1 Zs0
s2 s2 s21 s20
 
2
= s1 cos 2 ds − s0 cos 2 ds − a sen 2 − sen 2 .
2a 2a 2a 2a
0 0

Portanto, representando por (α0 , β0 ) e (α1 , β1 ) as coordenadas dos centros de curvatura


nas extremidades do arco considerado, pode escrever-se :

(s1 − s0 )X = s1 α1 − s0 α0 e (s1 − s0 )Y = s1 β1 − s0 β0 .

E, por meio destas igualdades resulta igual a zero o seguinte determinante


x y 1


α0 β0 1 ,



α1 β0 1

estando então demonstrado que, o centro de gravidade dum arco qualquer da clotóide
corresponde à recta que une os centros de curvatura das extremidades do mesmo arco.

2. Pelo exposto, as coordenadas do centro de gravidade do arco OM são expressas pelas


fórmulas
CAPÍTULO 4. AS ESPIRAIS 144

Zs1
s2 s21
 
2
s1 X = s1 sen 2 ds + a cos 2 − 1
2a 2a
0
e

Zs1
s2 2 s21
s1 Y = s1 sen ds − a sen ,
2a2 2a2
0

ou seja,

s1 X = s1 α1 − a2 e Y = β1 .

E, sendo a equação do cı́rculo osculador da clotóide, no ponto (x1 , y1 ),

2 a4 2
(x − α1 ) − (y − β1 ) = 2 ,
s1
é fácil verificar que X e Y a satisfazem. Logo, o centro de gravidade do arco OM da clotóide
está situado na intersecção do cı́rculo osculador em M com a perpendicular à tangente em
O, traçada pelo ponto (α1 , β1 ).

472.

A clotóide faz parte de uma importante classe de curvas, cuja equação, R = ksm , em
coordenadas intrı́nsecas, foi estudada por Pirondini no Giornale di Matematiche (Napoli,
1892, p.326 ), e à qual pertencem também a envolvente do cı́rculo e a espiral logarı́tmica.
Neste consagrado trabalho o ilustre geómetra mencionou alguns outros teoremas referentes
às relações que existem entre os raios da curvatura, comprimento dos arcos, e as dimensões
CAPÍTULO 4. AS ESPIRAIS 145

das áreas das várias curvas consideradas e das suas envolventes e evolutas, e que merecem
um atento estudo.

4.12 A Pseudocatenária

473.

Dá-se o nome de pseudocatenária à curva que tem por equação em coordenadas


intrı́nsecas (E.Cesário: Lezione di Geometria intrinseca, 1896, p.17 ) a seguinte :

s2 2
R=k a− ,
a

na qual s representa o comprimento dos arcos, e R o raio da curvatura no ponto onde se


supõe que o arco termina.

Como a posição do ponto inicial da curva é arbitrária, supomos que este ponto se
encontra em O (fig.125), onde s = 0, e para eixo das abcissas adoptamos a tangente OK,
correspondente ao mesmo ponto inicial.

E desta forma, para determinar o ângulo que qualquer outra tangente à curva faz com
OK, temos a seguinte fórmula

(1)
Zs Zs
ds a.ds 1 ka + s
ϕ= = = log .
R k 2 a2 −s 2 2k ka − s
0 0

dx dy
Adoptada a tangente OK para eixo das abcissas, as quantidades e encontram-se
ds ds
expressas pelas fórmulas

dx dy
= cos ϕ e = senϕ;
ds ds
CAPÍTULO 4. AS ESPIRAIS 146

Figura 125: PseudoCatenária

das quais se deduz os seguintes valores de x e y :

Zϕ Zϕ
ds ds
x= cos ϕ dϕ e y = senϕ dϕ,
dϕ dϕ
0 0

tomando o ponto O, correspondente a s = 0, como a origem das coordenadas. E substi-


ds
tuindo por seu valor em função de ϕ, deduzido da igualdade (1),

(A)
ka(e2kϕ − 1) ekϕ − e−kϕ
s= = ka ,
e2kϕ + 1 ekϕ + e−kϕ

obtém-se estes resultados :

ds 1
= 4ak 2 . kϕ ,e
dϕ (e + e−kϕ )2
CAPÍTULO 4. AS ESPIRAIS 147

(B)


 cos ϕdϕ
x = 4ak 2



(e + e−kϕ )2






 0





 sendϕ
y = 4ak 2



(e + e−kϕ )2




0

474.

Tendo por base as fórmulas anteriores, podemos facilmente determinar a forma da


curva, no intervalo de s = 0 até s = ±ka.

Vê-se, em primeiro lugar, pelas fórmulas (A) e (B), que, quando por s se toma −s com
o que, ϕ se transforma em −ϕ : com o qual x se converte em −x, não havendo nenhuma
alteração no valor de y. Logo, a curva resulta simétrica em relação ao eixo das ordenadas
(fig.125).

Por R ser finito, qualquer que seja o valor de s, a curva não possui pontos de inflexão.
dx dy
E, como as derivadas e não se podem anular ao mesmo tempo, o ramo considerado
ds ds
carece também de pontos de retrocesso.

Quando s = 0, tem-se que R = k 2 a; e este será o raio do cı́rculo osculador da curva


com origem em O.

E, quando s tende para ak, ϕ tende até ∞: logo o ângulo da tangente com o eixo
das abcissas aumenta indefinidamente, enquanto que nas mesmas circunstâncias o raio da
curvatura, R, diminuiu indefinidamente e tende para 0.

Vê-se, pois, que a curva é composta de dois ramos, OB e OB 0 , que partem do ponto O
e dão um número infinito de voltas, estas situadas umas dentro das outras, aproximando-
CAPÍTULO 4. AS ESPIRAIS 148

se cada vez mais dos pontos assimptóticos, cujas coordenadas, x1 e y1 , expressam-se deste
modo :

Z∞
cos ϕdϕ πa
x1 = ±4k 2 a =± π π ,
(ekϕ −kϕ
+e ) 2
e 2k − e− 2k
0

Z∞
senϕdϕ πa
y1 = 4k 2 a = π π .
(ekϕ −kϕ
+e ) 2
2(e 4k + e− 4k )
0

475.

Fixemos agora a atenção nos valores de s, superiores a ka. Tomando como ponto
inicial desta parte da curva (x0 , y0 ), para o valor correspondente de s: s0 ; e para posição
inicial da tangente uma paralela a Ox, deduz-se que

Zs  
ds 1 s + ka s0 + ka
ϕ= = log − log .
R 2k s − ka s0 − ka
s0

E para determinar os valores de x e y tem-se as fórmulas :

Zϕ Zϕ
ds ds 24
x= cos ϕ dϕ + x1 e y = senϕ dϕ + y1 .
dϕ dϕ
0 0

s0 + ka
Mas, fazendo = e2h , tem-se que
s0 − ka

ekϕ+h + e−kϕ−h
s = ka
ekϕ+h − e−kϕ−h
Zϕ Zϕ
24 ds ds
No documento original, x = cos ϕ + x0 e y= senϕ dϕ + y0 .
dϕ dϕ
0 0
CAPÍTULO 4. AS ESPIRAIS 149

e, portanto,

ds −4ak 2
= kϕ+h .
dϕ (e − e−kϕ−h )2

Logo,

Rϕ cos ϕ dϕ
x = −4ak 2 (ekϕ+h −e−kϕ−h )2
+ x1 25
0

Rϕ senϕ dϕ
y = −4ak 2 (ekϕ+h −e−kϕ−h )2
+ y1 26
0

E, como no caso anteriormente examinado, este ramo AA, da curva, isoladamente


considerada, não tem pontos de inflexão nem pontos de retrocesso, mas sim um ponto
assimptótico, correspondente a s = ka, em torno do qual dá uma infinidade de voltas.

E, assim mesmo, se vê que, quando s tende para ∞, R tende para −∞, e consequente-
mente, a curva vai tomar a forma rectilı́nea.

Aos valores de s, compreendidos entre −ka e −∞, corresponde o ramo da curva, A0 A0 ,


igual ao anterior.

Para estabelecer a continuidade de s supõe-se unidas nos pontos assimptóticos os


ramos AA e A0 A0 com o ramo único BOB 0 .

25
Rϕ cos ϕ dϕ
No documento original, x = −4ak 2 (ekϕ+h −e−kϕ−h )2
+ x0 .
0
26
Rϕ senϕ dϕ
No documento original, y = −4ak 2 (ekϕ+h −e−kϕ−h )2
+ y0 .
0
CAPÍTULO 4. AS ESPIRAIS 150

4.13 A Pseudotractriz

476.

Com o nome de pseudotractriz designa-se a curva cuja equação, em coordenadas


intrı́nsecas (Cesáro: Lezioni de Geometria intrinseca, 1896, p.18 ), é a seguinte:

q
−2s
R = ka 1 − e a ;

da qual desde logo se conclui que R = 0 quando s = 0; e portanto, que a origem das
coordenadas é um ponto de retrocesso da curva.

Apliquemos a esta curva as conhecidas equações

Zs
ds dx dy
ϕ= , = cos ϕ, e = senϕ;
R ds ds
0

representando por ϕ o ângulo da tangente com o eixo das abcissas, vamos admitir que este
se confunde com a tangente no ponto correspondente a s = 0. E com este pressuposto
deduz que

Zs Zs s
1 ds 1 e a ds
ϕ=± p =± p .
ka 1−e
−2s
a ka 2s
ea −1
0 0

s
Para obter a integral indicada, faça-se e a = t; e encontraremos assim este outro
resultado:

a
Z
e s ds
Z
dt √
p 2s
=a √ = a. log(t + t2 − 1).
ea −1 t2 − 1
CAPÍTULO 4. AS ESPIRAIS 151

Da qual se deduz que

q
1 s 2s
ϕ = ± log(e a + e a − 1).
k

Além disso,
 q 
dx 1 s 2s
= cos log(e + e − 1)
a a e
ds k

 q 
dy 1 s 2s
= ±sen log(e + e a − 1)
a
ds k

De onde resultam as seguintes expressões para as coordenadas x e y :

Zs Zs  p 2s 
1 s
x = cos ϕds = cos log(e a + e a −1 ) ds, e
k
0 0
Zs Zs  p 2s 
1 s
y = senϕds = ± sen log(e + e a −1 ) ds,
a
k
0 0

tomando o ponto correspondente a s = 0 como origem das mesmas.

As expressões anteriores de x e y podem apresentar-se de forma diferente. Integrando


por partes, obtém-se que

Zϕ Zϕ
ds ds d2 s
x= cos ϕ dϕ = senϕ − senϕ dϕ, e
dϕ dϕ dϕ2
0 0

Zϕ ϕ Zϕ
d2 s

ds ds
y= senϕ dϕ = − cos ϕ + cos ϕ 2 dϕ.
dϕ dϕ 0 dϕ
0 0

s ekϕ + e−kϕ
Mas, como e a = , e portanto,
2
ekϕ + e−kϕ
s = a. log ,
2
CAPÍTULO 4. AS ESPIRAIS 152

ds ak(ekϕ − e−kϕ )
= ,e
dϕ ekϕ + e−kϕ
d2 s 4ak 2
= ,
dϕ2 (ekϕ + e−kϕ )2

ds
tendo em conta que = R, obtém-se finalmente que,


2 senϕdϕ
x = Rsenϕ − 4ak , e
(ekϕ + e−kϕ )2
0


2 cos ϕdϕ
y = −R cos ϕ + 4ak ;
(ekϕ + e−kϕ )2
0

expressões nas quais se deve substituir ϕ pelo seu valor, previamente encontrado.

477.

Das expressões que acabamos de obter deduz-se facilmente a forma da curva. Porque,
em primeiro lugar, vê-se que a cada valor de s correspondem dois valores de y, iguais e
de sinal contrário, e um só valor de x: logo a curva é simétrica relativamente ao eixo das
abcissas(fig.126).
dx dy
Como as derivadas e não são simultâneamente nulas, a curva não tem pontos de
ds ds
retrocesso, além do que já foi anteriormente mencionado. E como R não pode ser infinito,
tão pouco admite pontos de inflexão.

A expressão de ϕ mostra que a tangente à curva forma com o eixo das abcissas um
ângulo, que aumenta indefinidamente com s.

E, quando s se aproxima de ∞, R parece confundir-se com ka, e a curva, portanto, a


confundir-se com uma circunferência de raio igual a ka.
CAPÍTULO 4. AS ESPIRAIS 153

Figura 126: PseudoTractriz

Conclui-se, pois, que cada ramo da curva dá um número infinito de voltas, dentro
de um cı́rculo assimptótico da curva, permanecendo cada volta no exterior de que o
imediatamente a precede.

478.

As coordenadas do centro do cı́rculo assimptótico considerado são facilmente determi-


nadas. Com efeito, sendo x1 e y1 , as coordenadas do centro do cı́rculo osculador da curva
no ponto s,

x1 = x − Rsenϕ e y1 = y + R cos ϕ.

Logo,
CAPÍTULO 4. AS ESPIRAIS 154

(A) 

 senϕdϕ
x1 = −4ak 2



(e + e−kϕ )2






 0





 cos ϕdϕ
y1 = 4ak 2



(e + e−kϕ )2




0

E como, quando s se aproxima indefinidamente de ∞, ϕ tende também a confundir-se


com ∞, e os cı́rculos osculadores a que nos referimos, tendem igualmente a confundir-
se com os cı́rculos assimptóticos considerados, as coordenadas dos centros destes cı́rculos
serão:

Z∞
2 senϕdϕ πa
x1 = −4ak = − π −π , e
(ekϕ + e−kϕ )2 2(e 4k + e 4k )
0

Z∞
2 cos ϕdϕ πa
y1 = ±4ak −kϕ
=± π −π .
(ekϕ +e ) 2
(e 2k + e 2k )
0

Da fórmula (A) deduz-se, além disso, outra consequência importante, pois comparando-
a com a fórmula (B) do Núm.473, conclui-se que a evoluta da pseudotractriz é uma
pseudocatenária.
Capı́tulo 5

Parábolas e Hipérboles

5.1 As Parábolas em geral

479.

Aplica-se o nome de parábolas às curvas que têm a seguinte equação geral:

(1)
y = a1−k xk ,

na qual k representa qualquer número real, maior que zero.

Se k é um número irracional, a curva será transcendente; e se é um número racional


m
igual a , é algébrica. Neste último caso será
n

(2)
am−n y n = xm .

155
CAPÍTULO 5. PARÁBOLAS E HIPÉRBOLES 156

Os primeiros geómetras que se ocuparam do estudo desta classe de curvas foram


Fermat (Oeuvres,t.II, p.95, e t.III, p.169 e 216 ), e estimulado por este, Roberval
(Mèmoires de l’Académie de Paris, t.VI, p.429, 1730 ), que determinaram as suas áreas, e
além disso os volmues dos sólidos produzidos por revolução em torno dos eixos coordenados,
os centros de gravidade destas áreas e sólidos, as suas tangentes, etc; Descartes, que de
forma distinta chegou aos mesmos resultados de Fermat e Roberval, dos quais deu
conhecimento a P.Mersenne numa das suas cartas (Lettres de Descartes, ed.in 4o , t.II,
carta 89 ); e Wallis, que determinou as áreas por métodos expostos na sua Arithmetica
Infinitorum; etc; etc.

480.

A forma de qualquer das parábolas estudadas pelos mencionados geómetras obtém-se


por meio das equações

n−m m 0 m n−m m −1 00 m m − n n−m m −2


y=a n .x n , y = .a n .x n e y = . .a n .x n ,
n n n

e depende dos valores de m e n, os quais se pode supor, sem restringir a questão, que
satisfazem a condição m > n.

Se m é um número ı́mpar e n é par, a curva é composta (fig.127) por 2 ramos infinitos,


simetricamente dispostos relativamente ao eixo das abcissas, ao qual são tangentes, e que
se estendem indefinidamente no sentido das abcissas positivas. A origem O será então um
ponto de retrocesso da curva, desprovida de pontos de inflexão a uma distância finita.

Se m é par e n é ı́mpar, a curva tem a mesma forma que a parábola cónica.

E se m e n são ı́mpares, a curva possui dois ramos infinitos iguais, tangentes (fig.128)
ao eixo das abcissas na origem, onde a curva apresenta uma inflexão.
CAPÍTULO 5. PARÁBOLAS E HIPÉRBOLES 157

Figura 127: Parábola quando m ı́mpar e n par

No caso das parábolas transcendentes vê-se, do mesmo modo, que a curva apresenta
um ramo único, o qual parte da origem das coordenadas, onde é tangente a um dos eixos,
e se estende indefinidamente no sentido das abcissas e das ordenadas positivas.

481.

A equação das tangentes às parábolas y = a1−k xk é:

Y − y = ka1−k xk−1 (X − x).

Da qual, fazendo X = 0, se deduz para a expressão da ordenada do ponto, onde cada


tangente intersecta o eixo das ordenadas,
CAPÍTULO 5. PARÁBOLAS E HIPÉRBOLES 158

Figura 128: Parábola quando m e n ı́mpares

Y = (1 − k)y,

que proporciona um meio fácil de construir as tangentes às curvas consideradas.

482.

O raio da curvatura da curva y = a1−k xk é determinado pela fórmula

3
(x2 + k 2 y 2 ) /2
R= .
k(k − 1)xy
CAPÍTULO 5. PARÁBOLAS E HIPÉRBOLES 159

483.

A área, A, limitada por um arco de parábola, pelo eixo das abcissas, e por uma paralela
ao eixo das ordenadas, traçada pelo ponto (x1 , y1 ), tem a seguinte expressão:

Zx1
1−k x1 y1
A=a xk dx = ,
k+1
0

1
e é igual à fracção da área do rectângulo, cujos lados são iguais a x1 e y1 .
k+1

484.

O volume do sólido de revolução, gerado pela área que acabamos de considerar, quando
gira em torno do eixo das abcissas, é determinado pela fórmula

Zx1
y12 + x1
V =π y 2 dx = π. .
2k + 1
0

E o volume do sólido, também de revolução, gerado pela área limitada por um arco
da parábola, pelo eixo das ordenadas, e pela perpendicular a este eixo traçada pelo ponto
(x1 , y1 ), girando em torno do mesmo eixo é dado por:

Zy1
πk
V1 = π x2 dy = x2 y1 . 27
k+2 1
0

27
Ry1 k
No documento original, V1 = π x2 dy = k+2 x21 y1 .
0
CAPÍTULO 5. PARÁBOLAS E HIPÉRBOLES 160

485.

O comprimento dos arcos das curvas de que agora tratamos, compreendido entre o
ponto (x1 , y1 ) e a origem das coordenadas, depende da integral:

Zx1 p
s= 1 + k 2 .a2(1−k) .x2(k−1) .dx
0

que somente se pode expressar por funções elementares quando um dos números seguintes
é inteiro

1 k
ou .
2(k − 1) 2(k − 1)

486.

Escrevendo a equação das tangentes às curvas (2) do seguinte modo:

m −1 n−m
Y = yx X + y,
n n

e comparando esta equação com a expressa em coordenadas tangenciais

uY + vX − 1 = 0,

deduz-se que

m m
x=− e y=− .
(n − m)v (n − m)u
CAPÍTULO 5. PARÁBOLAS E HIPÉRBOLES 161

E, substituindo estes valores de x e y na equação cartesiana da curva, resulta a equação


tangencial das parábolas algébricas

mm
am−n .v m = (−1)m . (n − m)n−m un .
nn

A qual mostra que a classe das parábolas algébricas é igual à ordem das mesmas
curvas.

5.2 A Parábola Semicúbica

487.

Fazendo na equação geral das parábolas algébricas, m = 3 e n = 2, encontra-se a


equação particular

ay 2 = x3 ,

que representa uma curva, denominada parábola semicúbica, e também, muitas vezes,
parábola de Neil, em memória ao geómetra que primeiro a rectificou.

488.

Dos resultados obtidos anteriormente, referente às parábolas de qualquer ordem, deduz-
se imediatamente, e em particular, os aplicáveis à parábola semicúbica, entre os quais o
mais notável que corresponde à rectificação da curva.
CAPÍTULO 5. PARÁBOLAS E HIPÉRBOLES 162

Representando por s o comprimento do arco, compreendido entre a origem das coor-


denadas e o ponto (x1 , y1 ), tem-se, imediatamente que

Zx1 r "  32 #
9 8a 9 x1
s= 1 + xdx = 1+ . −1 ;
4a 27 4 a
0

com o qual fica demonstrado que a parábola semicúbica é algébricamente rectificável.

A este interessante resultado, o primeiro caso de rectificação algébrica de uma curva,


chegou em primeiro lugar o geómetra inglês Neil, com base num método que é consequência
imediata das doutrinas publicadas por Wallis na sua Arithmetica Infinitorum; e depois
o geómetra holandês Van-Houraet, usando outro procedimento, que permitiu também
rectificar outras curvas. (Montucla: Histoire des Mathématiques, t.II, p.151 ).

489.

A parábola semicúbica é a evoluta da parábola cónica: representada pela equação


y 2 = 2px, e cuja evoluta, fácil de determinar, tem por sua vez a seguinte equação:

8
Y2 = (X − p)3 ,
27p

que corresponde a uma parábola semicúbica, de eixo coincidente com a da cónica, e um


ponto de retrocesso (p, 0): conforme descobriu Huygens e o anotou no seu Horologium
oscillatorium (Opera varia, t.I, p.99 ).

490.

A parábola semicúbica figura na interessante questão de Mecânica proposta por Leib-


nitz em 1687, onde se pede a curva que deve percorrer um grave para que se afaste
CAPÍTULO 5. PARÁBOLAS E HIPÉRBOLES 163

uniformemente de um plano horizontal. Problema resolvido muito pouco tempo depois


pelo mesmo Huygens, e do qual Leibnitz também apresentou uma solução que publicou
em 1689 na Acta Eruditorum. Por esta tão curiosa propriedade, a parábola semicúbica foi
classificada de isócrona.

491.

A evoluta da parábola semicúbica, ou segunda evoluta da cónica, tem por equação


(Salmon: Highes plane Curves, 2a ed, núm.99 ) a seguinte:

 2
3 729 2
a(a − 18x) = 54ax + y + a2 .
16

5.3 A Parábola Cúbica

492.

Fazendo agora, m = 3 e n = 1, na equação geral das parábolas algébricas, encontramos


a equação correspondente à parábola cúbica

a2 y = x 3 ,

denominada também por alguns geómetras parábola de Wallis.


CAPÍTULO 5. PARÁBOLAS E HIPÉRBOLES 164

493.

Dos resultados gerais obtidos anteriormente, referentes às parábolas de qualquer or-
dem, se deduz os aplicáveis ao caso da parábola cúbica, entre os quais, destacaremos aqui,
o estudo relativo à rectificação da curva.

Seja, s o comprimento de um arco, compreendido entre a origem das coordenadas e o


ponto (x1 , y1 ), determinado pela expressão

Zx1 r
9x4
s= 1+ dx,
a4
0

da qual, supondo que x2 = t, se deduz a seguinte :

Zt1 Zt1
a2 dt 3 t2 dt
s= q + 2 q .
6 t(t2 + a9 ) 2a
4
t(t2 + a4
)
0 0 9

Que, por se ter

r
3t2 dt a4 a4
Z Z
dt
q =2 t(t2 + )− a4
t(t2 + a4
) 9 9 t(t2 + 9
)
9

deduz-se, esta outra:

r Zt1
1 a4 2a2 dt
s= 2 t(t2 + )+ q ,
a 9 9 4t(t2 + a4
)
0 9

que apresenta uma só integral elı́ptica de primeira espécie, reduzida à forma adoptada por
Weierstrass.
CAPÍTULO 5. PARÁBOLAS E HIPÉRBOLES 165

5.4 As Hipérboles em geral

494.

Chama-se hipérbole às curvas compreendidas na equação

y = a1+k x−k (k > 0),

transcendentes, quando k é irracional, e quando k é racional, algébricas. Neste segundo


m
caso, fazendo k igual à fracção , na qual m e n representam números inteiros, a equação
n
anterior converte-se na seguinte:

xm y n = am+n .

495.

Para encontrar a forma destas curvas basta atender às igualdades :

m+n m 0 m m+n − m −1
y=a n .x− n ; y = − .a n .x n , e
n

00 m m + n m+n − m −2
y = . .a n .x n .
n n

Se m é um número ı́mpar e n é par, a curva tem a forma indicada na figura 129:


simétrica relativamente ao eixo das abcissas, e com dois ramos infinitos, sem pontos de
inflexão e com eixos coordenados como assı́mptotas.
CAPÍTULO 5. PARÁBOLAS E HIPÉRBOLES 166

Se m é par e n é ı́mpar, a curva também tem dois ramos do mesmo modo que no caso
anterior, mas dispostos de um modo distinto: um em cada lado do eixo das ordenadas,
sendo este, então, um eixo de simetria da curva.

Figura 129: Hipérbole quando m ı́mpar e n é par

E, se m e n são ı́mpares, a curva é composta por ramos iguais, um colocado no ângulo


0 0
yOx dos eixos, e outro no ângulo inferior y Ox , de vértice oposto ao primeiro.

Quando k é irracional, a curva terá somente um ramo, situado no ângulo yOx dos
eixos coordenados, ambos assı́mptotas da curva.

496.

Comparando a equação das parábolas com a das hipérboles, vê-se que se passa de
uma para a outra pela simples troca de k por −k. Logo, das fórmulas obtidas, referentes
às parábolas, deduzem-se as correspondentes no caso das hipérboles, efectuando em cada
CAPÍTULO 5. PARÁBOLAS E HIPÉRBOLES 167

uma a mesma mudança.

Assim, a ordenada do ponto em que uma tangente a uma qualquer hipérbole intersecta
o eixo das ordenadas, encontra-se expressa pela fórmula

Y = (1 + k)y.

O raio da curvatura da mesma hipérbole por:

3
(x2 + k 2 y 2 ) 2
R= .
k(k + 1)xy

A área, limitada por um arco da curva, pelo eixo das abcissas, e pelas paralelas ao
eixo das ordenadas, que passam pelos pontos (x0 , y0 ) e (x1 , y1 ), por esta outra

x1 y1 − x0 y0
A= .
1−k

O volume gerado pela área anterior, quando gira em torno do eixo das abcissas, pela
seguinte:

y12 x1 − y02 x0
V =π .
1 − 2k

E o volume, gerado pela área, limitada pela curva, pelo eixo das ordenadas, e por
duas paralelas ao eixo das abcissas, no seu movimento de revolução em torno do eixo das
ordenadas, é dado por
CAPÍTULO 5. PARÁBOLAS E HIPÉRBOLES 168


V1 = .(x2 y1 − x20 y0 ).
k−2 1

O comprimento do arco da curva, compreendido pelos pontos (x0 , y0 ) e (x1 , y1 ), pelo


integral:

Zx1 p
s= 1 + k 2 a2(1+k) x−2(1+k) dx.
x0

Assim como, a equação tangencial das hipérboles algébricas encontra-se representada


pela equação

(m + n)m+n .am+n .un v m = nn .mm ,

a qual mostra que a classe da curva a que se refere é igual à sua ordem.

497.

Os geómetras que primeiramente se ocuparam do estudo das hipérboles, de qualquer


ordem, foram também Wallis, que determinou as suas áreas, na sua Arithmetica infini-
torium, e Fermat que resolveu a mesma questão no seu trabalho Sur la transformation
et la simplification des lieux etc (Oeurves, t.III, p.216 ), onde o mesmo eminente geómetra
manifesta (p.224 ) ter apresentado aos matemáticos seus contemporâneos, outro método
para traçar tangentes a estas curvas, e para determinar os seus centros de gravidade.

A tudo isto devemos acrescentar que as duas cartas, dirigidas a Digby por Fermat
(Oeurves, t.II, p.338 e 377 ), demonstram que este geómetra havia já tratado das curvas
CAPÍTULO 5. PARÁBOLAS E HIPÉRBOLES 169

a que agora nos referimos antes da publicação da célebre obra de Wallis, anteriormente
citada.
Capı́tulo 6

Conclusão

Concluı́da a apresentação do trabalho desenvolvido intitulado: ”Uma Abordagem


Interactiva ao Tratado das Curvas Especiais Notáveis de Gomes Teixeira”, é necessário
proceder à sua avaliação retrospectiva, nomeadamente no respeita aos objectivos iniciais e
em que medida é que foram atingidos, às contribuições efectuadas e à sua utilidade. Neste
capı́tulo é efectuada essa análise.

No que se refere ao objectivo inicial de criar uma página de Internet simples, agradável,
objectiva, e de fácil utilização foi, no meu entender, alcançado. A utilização da ferramenta
TiddlyWiki foi fundamental para conseguir atingir este objectivo. Existem inúmeras
vantagens e recursos interessantes nesta tecnologia. É uma ferramenta extremamente
portátil: pode ser armazenada numa só disquete ou CD, sendo por isso bastante útil
para guardar documentos, anotações e até ser usada como agenda pessoal, devido à sua
capacidade de organizar a informação. Neste caso, em particular, foi usada para publicar
um livro electrónico, com bastante êxito. No entanto, e como todas as tecnologias recentes
o seu ponto fraco reside na (ainda) pouca informação de apoio disponı́vel.

Nesta dissertação usou-se a linguagem LATEX, linguagem esta que permite criar doc-
umentos de alta qualidade tipográfica e que é bastante eficiente na produção de textos

170
CAPÍTULO 6. CONCLUSÃO 171

técnicos ricos em linguagem matemática. Para utilizar o LATEX neste trabalho, foi usada
a implementação MikTEX e uma interface gráfica junto com um editor de textos chamado,
TEXnicCenter. O uso desta linguagem contribuiu de forma significativa para a qualidade
apresentada tanto no trabalho escrito como no CD.

Em relação às ferramentas utilizadas e tendo em vista abranger o maior público


possı́vel, o recurso aos softwares de uso livre foi, na minha opinião, uma opção bastante
positiva. Veio, também, revelar que nos últimos anos se verificou um aumento significativo
de programas informáticos gratuitos e de alta qualidade.

Particularmente, apreciei bastante o funcionamento do programa Régua e Compasso


(Compass and Ruler, C.a.R.), na medida em que disponibiliza numerosos recursos inter-
essantes e contém tudo o que é necessário para uma admirável investida pelo fascinante
mundo da Geometria Dinâmica. Porém, a construção de algumas das curvas expostas
transformou-se em verdadeiros desafios, que, por vezes, pareciam intransponı́veis mas
que, com perseverança, foram todos ultrapassados. O que faz do programa um excelente
laboratório de aprendizagem da geometria. Saliente-se, ainda, que todos os menus e ı́cones
do C.a.R. estão bem organizados e são bastante perceptı́veis, tornando deste modo a sua
utilização extremamente simples e intuitiva, por parte de qualquer utilizador.

Quanto ao programa wxMaxima, posso dizer que foi de imensa utilidade, uma vez que
ajudou a encurtar o tempo na realização de alguns cálculos mais complexos e extensos. Este
software é, extremamente, completo e uma óptima opção para a manipulação algébrica de
fórmulas e expressões matemáticas.

Grande parte do esforço aplicado na elaboração deste trabalho assentou na parametrização


e integração das várias ferramentas que estão mencionadas anteriormente. Foram várias as
intervenções que as diversas aplicações tiveram de sofrer e que conduziram à versão final
apresentada tanto no trabalho escrito como no CD, que se anexou ao presente trabalho
e, a partir do qual, se pode navegar na página de Internet produzida no âmbito desta
dissertação.
CAPÍTULO 6. CONCLUSÃO 172

Devo, também, sublinhar a forma ordenada, clara e funcional que se encontra organi-
zado o Tratado das Curvas Especiais Notáveis. É, igualmente, excepcional a forma como
Gomes Teixeira desenvolve, por vezes detalhadamente, a história de cada curva que trata
e desenvolve alguns temas da História da Matemática.

Acredito que todo este trabalho contribua de forma útil para a divulgação desta notável
obra, assim como ajude na difusão e promoção da História da Matemática em Portugal.

Ao fazer uma retrospectiva de todo o trabalho desenvolvido não posso deixar de realçar
o facto de ter aumentado e actualizado, vivamente, o meu conhecimento cientı́fico. Ao longo
deste trabalho, tive o prazer de aprofundar o meu conhecimento em três áreas que me
fascinam: Matemática, História da Matemática e Informática. O facto de poder explorar e
trabalhar estas três áreas foi, para mim, um grande estı́mulo na realização desta dissertação.

Como aluna da Faculdade de Ciências, gostava ainda de destacar o agrado em estudar


Gomes Teixeira, grande Matemático português que está ligado ao imaginário de todos os
estudantes da Universidade do Porto, quanto mais não seja pela Praça de Gomes Teixeira,
também conhecida por Praça dos Leões e que tantos e tantos caloiros recebeu e continua
receber!
Apêndice

Neste apêndice encontra-se a lista das vinte e sete alterações ao texto original:

1. Capı́tulo 3, A Logarı́tmica - seccção 352


 aq
x = 12 a + p − 12 a e− bp .
 aq
No documento original, x = 21 a + p − 12 a e− bx .

2. Capı́tulo 3, A Catenária - seccção 358



y+ y 2 −c2 x−a
=e c .
c √
y+ y 2 −c2 x−a
No documento original, c
=c c .

3. Capı́tulo 3, A Tractriz de Leibnitz - seccção 368


q √ 
2 q+ q 2 −y 2
x = − 12 y cos θ ± c 1 − yq2 − log y
.
q √ 
1 y2 q+ q 2 −y 2
No documento original, x = − 2 cos θ ± c 1 − q2 − log y
.

4. Capı́tulo 3, A Sintractriz de Sylvester - seccção 372


Ry 2
A = √y −ac
p
1 2 − y 2 + a (a − 2c) arcsen y − π .
 
2 2
dy = − 2
y a 2 a 2
a a −y
Ry 2 −a2 p
√y dy = − 12 y a2 − y 2 + a2 (a − 2c) arcsen ay − π2 .
 
No documento original, A =
a a2 −y 2

173
CAPÍTULO 6. CONCLUSÃO 174

5. Capı́tulo 3, A Sintractriz de Sylvester - seccção 372


√ 2
(a −2ac)y 2 +a2 c2
√ dy.
y a2 −y 2

(a−2c)y 2 +ac2
No documento original, √ dy.
y a2 −y 2

6. Capı́tulo 3, A Sintractriz de Sylvester - seccção 372


Z p 2
1 (a − 2ac)t + a2 c2
√ dt.
2 t a2 − t
1
R √(a−2c)t+ac2
No documento original, 2 √
t c2 −t
dt.

7. Capı́tulo 3, Catenária de Igual Resistência - seccção 378


s
− as sec2 ( ϕ2 + π4 ) 2 2
e +e =
a
ϕ π = π = .
tan( 2 + 4 ) sen(ϕ + 2 ) cos ϕ
s s sec2 ( ϕ + π4 )
No documento original, e a + e− a = ϕ
2
tan( 2 + π4 )
= 2
sen(ϕ+ π4 )
= 2
cos ϕ
.

8. Capı́tulo 3, Curva dos Senos - seccção 387


0 sen(2x)
y =± .
isen2iy
0
No documento original, y = sen(2x)
isen2iy
.

9. Capı́tulo 3, Curva Elástica ou Linteária - seccção 395


Zx
(x2 + c) dx
 
1 0 σ(u − v)
q = 0 √ . c.u.p (v) + log + 2ζ(v)u .
2 2 2 p (v) a 2 − c2 σ(u + v)
0 a − (x + c)
Rx (x2 +e)dx
No documento original, √ 2 2 2 .
0 a −(x +e)

10. Capı́tulo
p 3, Curva Isócrona Paracêntrcia - seccção 400
d( x2 + y 2 ) ds
= .
dt dt
d(x2 + y 2 ) ds
No documento original, = .
dt dt
CAPÍTULO 6. CONCLUSÃO 175

11. Capı́tulo 3, Curva Isócrona Paracêntrcia - seccção 400


√ √
(xdx + ydy) y = h(ydx − xdy).
√ √
No documento original, (xdx + ydy) y = h(ydx + xdy).

12. Capı́tulo 3, Curva Isócrona Paracêntrcia - seccção 402


dρ √ dθ
√ = − h. √ .
ρ senθ √
No documento original, dρ
ρ
= − dh
h. √senθ .

13. Capı́tulo
s4, Espiral de Arquimedes - seccção 407
Z ρ1  2
1 ρ1 p 2
Z
2

s= ρ. + 1.dρ = ρ + a2 .dρ.
ρ0 dρ a ρ0
R ρ1 q dθ
No documento original, s = ρ0 ρ2 . dρ + 1.dρ.

14. Capı́tulo 4, Espiral


p de Galileu - seccção 412
−(2n + 1)πb ± 4ab − b2 π 2 (2n + 1)2
θ= .
2b √
−(2n+1)πb± 4ab−b2 π 2 (2n+1)2
No documento original, θ = b
.

15. Capı́tulo
Z 4, Espiral  de Galileu - seccção 413
1 θ 2

1 1 2
A= ρ dθ = a2 θ + b2 θ5 − bθ3 .
2 0 2 5 3
1 θ 2
No documento original, A = 2 0 ρ dθ = 21 a2 θ + 15 b2 θ5 − 23 abθ3 .
R 

16. Capı́tulo 4, Espiral de Galileu - seccção 414


z b2 z 2 + 2(2b2 − ab)z + a2 = F (z).
 

No documento original, z 2 [b2 z 2 + 2(2b2 − ab)z + a2 ] = F (z).

17. Capı́tulo 4, Espiral de Galileu - seccção 414


CAPÍTULO 6. CONCLUSÃO 176

" #
1 p (2b2 − ab)z + a2
ds = dF (z) + p dz .
3 F (z)
 
(2b2 −ab)z+a2
No documento original, ds = 3 dF (z) + √
1
dz .
F (z)

18. Capı́tulo 4, Espiral Parabólica - seccção 422


√ p
ρ = a + 2p.a.θ, e −ρ = a + 2pa [θ + (2n + 1) π].
p
No documento original, −ρ = a − 2pa [θ + (2n + 1) π].

19. Capı́tulo 4, Espiral Hiperbólica - seccção 428


3
ρ (m2 + ρ2 ) 2 N3 N3 N3
R= = = = .
m3 ρ2 −m.Sn Sn St
3
ρ (m2 + ρ2 ) 2 N3 N3 N3
No documento original, R = = = = .
m3 ρ2 m.Sn Sn S t

20. Capı́tulo 4, Lituus - pseccção 438


2
2 θ(4θ2 + 1)
Z Z
(4θ + 1)dθ 2θdθ
p =− +4 p .
2
θ (4θ + 1)θ θ θ(4θ 2 + 1)

2 θ(4θ2 +1)
√ dθ2 +4 √ θdθ
R R
No documento original, =− θ
.
θ (4θ +1)θ θ(4θ2 +1)

21. Capı́tulo 4, Espiral de Poinsot - seccção 450


Zθ  
2 dθ 2 1 1 1
A = 2a = 2a . − .
(emθ + e−mθ )2 2m 2 e2mθ + 1
0
Rθ dθ 1
h
1 1
i
No documento original, A = 2a2 (emθ +e −mθ )2 = 2m 2
− e2mθ +1
.
0

22. Capı́tulo 4, Espiral de Poinsot - seccção 451


√ " p #
2 1 + m2 4v 3 − g1 v − g2
Z Z
1+m dv vdv
U= p − p + .
2m 1(1 + m2 ) 4v 3 − g1 v − g2 4v 3 − g1 v − g2 2(v + 1 + h)

 √ 
1+m2 5+m2 4v 3 −g1 v−g2
√ dv
− √ 3 vdv
R R
No documento original, U = 2m 3(1+m2 ) 3
+ 2(v+1+h) .
4v −g1 v−g2 4v −g1 v−g2
CAPÍTULO 6. CONCLUSÃO 177

23. Capı́tulo 4, A Cocleóide - seccção 463

1 1 1
=− sen(θ − 2θ1 ) + sen(θ − θ1 ).
ρ ρ1 senθ1 asenθ1
1 1 1
No documento original, = − sen(θ − 2θ1 ) + sen(θ − θ1 ).
ρ ρ1 asenθ1

24. Capı́tulo 4, A PseudoCatenária - seccção 475


Zϕ Zϕ
ds ds
x = cos ϕ + x1 e y = senϕ dϕ + y1 .
dϕ dϕ
0 0
Zϕ Zϕ
ds ds
No documento original, x = cos ϕ + x0 e y = senϕ dϕ + y0 .
dϕ dϕ
0 0

25. Capı́tulo 4, A PseudoCatenária - seccção 475



x = −4ak 2 (ekϕ+hcos−eϕ−kϕ−h

)2
+ x1 .
0
Rϕ cos ϕ dϕ
No documento original, x = −4ak 2 (ekϕ+h −e−kϕ−h )2
+ x0 .
0

26. Capı́tulo 4, A PseudoCatenária - seccção 475


2
Rϕ senϕ dϕ
y = −4ak (ekϕ+h −e−kϕ−h )2
+ y1 .
0
Rϕ senϕ dϕ
No documento original, y = −4ak 2 (ekϕ+h −e−kϕ−h )2
+ y0 .
0

27. Capı́tulo 5, As Parábolas em Geral - seccção 484


Zy1
πk
V1 = π x2 dy = x2 y1 .
k+2 1
0
Ry1 k
No documento original, V1 = π x2 dy = k+2
x21 y1 .
0
Bibliografia

[1] F. Gomes Teixeira, Tratado de Las Curvas Especiales Notables, Madrid, Gaceta de
Madrid, Obra publicada en el tomo XXII de las Memorias de la Real Academia de
Ciencias Exactas, Fı́sicas y Naturales de Madrid,1905.

[2] F. Gomes Teixeira, Traité des Courbes Spéciales Remarquables planes er


gauches,Éditions Jacques Gabay.

[3] Bulletin Cim, Gallery: Francisco Gomes Teixeira, June 2004.

[4] Adams, Robert A., Calculus: a Complete Course, Third Edition, Addison-Wesley
Publishers Limited, 1995.

[5] Netto, Cesar Dacorso., Leal, Nilza Real., Elementos de Geometria Diferencial,
2a edição, Editora InterCiência, 1978.

[6] Rutter, John W., Geometry of Curves, Chapman e Hall/Crs.

[7] Tobias Oetiker, Hubert Partl, Elisabeth Schlegl, A não tão pequena introdução
ao LATEX2 , Versão 4.00, 2002. Tradução portuguesa por Alberto Simões.

[8] Francisco Gomes Teixeira, o homem, o cientista, o pedagogo,


Maria da Graça Dias Ferreira Alves, Tese de Doutoramento, Braga 2004.
http://hdl.handle.net/1822/2603.

[9] http://mathsrv.ku-eichstaett.de/MGF/homes/grothmann/java/zirkel/

178
BIBLIOGRAFIA 179

[10] http://www.tiddlywiki.com/

[11] http://pt.wikipedia.org/wiki/Wiki/

[12] http://www.javascript.com/

[13] http://www.w3.org/

[14] http://maxima.sourceforge.net/

[15] www.toolscenter.org/

[16] http://miktex.org/

[17] http://docs.miktex.org/manual/

[18] http://www.maths.nottingham.ac.uk/personal/drw/lm.html/

[19] http://www-groups.dcs.st-and.ac.uk/ history/Curves/Curves.html

[20] http://www.math.union.edu/ dpvc/jsMath/

[21] http://www.dessci.com/

[22] http://www.mathcurve.com/

[23] http://integrals.wolfram.com/index.jsp

[24] http://www.instituto-camoes.pt/cvc/ciencia/

[25] http://www.math.ist.utl.pt/ psoares/