Você está na página 1de 12

Julio Plaza ARTE/CIÊNCIA: UMA CONSCIÊNCIA

Artista multimídia e Professor Titular (aposentado) da Escola de Comunicações e Artes da USP

"Não há solução porque não há problema."


Marcel Duchamp

ARTE E INSTITUIÇÃO: CONFLITO DE MODELOS

O modelo medieval de ensino da arte tinha c o m o característica a


r e l a ç ã o d i r e t a e p e s s o a l e n t r e m e s t r e e d i s c í p u l o , visava a c o n v i v ê n c i a t é c n i c a e
o aprendizado através das e n c o m e n d a s de obras de arte. A este sucede-lhe o
m o d e l o d a A c a d e m i a n o s é c u l o XVI ( R o m a , F l o r e n ç a , B o l o n h a ) q u e d i s p õ e os
s a b e r e s e fazeres e m d i s c i p l i n a s o r g a n i z a d a s , t e n d o c o m o f i n a l i d a d e a c o m p l e ¬
mentação teórica e intelectual do trabalho m e r a m e n t e artesanal dos ateliês. Já
o t e r m o "Beaux-Arts" foi i n s t i t u í d o p e l a A c a d é m i e R o y a l e d e Paris ( 1 6 4 8 ) t o r -
n a n d o - s e r a p i d a m e n t e u n i v e r s a l , m a s é n o s é c u l o XVIII q u e a s a c a d e m i a s
c o n h e c e m o máximo de prestígio q u e coincide c o m a m e n s a g e m do Iluminismo
e m favor d e u m a c u l t u r a laica, e n c i c l o p é d i c a e u n i v e r s a l . O d e c l í n i o verifíca-se
n o s é c u l o XIX c o m o r o m a n t i s m o q u e p r o c u r a u m a a r t e l i b e r t a d e r e g r a s ("a
a r t e n ã o p o d e ser e n s i n a d a " ) . I n a u g u r a - s e e n t ã o o p e r í o d o d e o p o s i ç ã o à s a c a ¬
d e m i a s , s e g u i d o d e p o i s p e l a s v a n g u a r d a s q u e r e j e i t a m s u a f u n ç ã o b e m c o m o os
s e u s m é t o d o s ( E n c . de l'Art, 1991: 2-3).
C o m o surgimento d e novos canais de distribuição e p r o m o ç ã o de arte
(galerias e salões d e e x p o s i ç õ e s , etc.) as a c a d e m i a s s ã o c o n d e n a d a s a u m a
sobrevivência m e d í o c r e , m e s m o a o o s t r a c i s m o . J á o s i s t e m a m e r c a d o l ó g i c o e
democrático h e r d a d o dos salões, m u s e u s e galerias, a s s u m e a arte c o m o mer-
cadoria cujo valor a r t í s t i c o é e s t a b e l e c i d o n a b o l s a d e v a l o r e s e t e m c o m o c e n -
t r o a m í d i a e s e u c o l u n i s m o social (o " b e a u m o n d e " ) , serve t a m b é m a o p o d e r e
à lavagem d e d i n h e i r o .
C o m a d e m o c r a t i z a ç ã o d a a r t e , n u m e r o s a s p e s s o a s p r o c u r a m u m a for-
mação artística para desenvolver as suas expressões e m ateliês de artistas (adap-
tação do paradigma medieval) de forma q u a s e autodidata ou b e m c o m o "arte¬
terapia".
T a m b é m , a crise d a a r t e n a c o n t e m p o r a n e i d a d e é e v i d e n t e . Pois
e n q u a n t o insistimos em c h a m a r de "arte" o p r o d u t o das atividades primárias
e/ou a r t e s a n a i s , o q u e t e m o s h o j e é u m formidável s i s t e m a d e m a n i f e s t a ç õ e s
m i d i á t i c a s e códigos ( a r t e s a n a i s , i n d u s t r i a i s e p ó s - i n d u s t r i a i s ) q u e se m i s t u r a m ,
i n t e r p e n e t r a m e r e c o d i f í c a m . Assim, a s i d é i a s - c h a v e d e m u l t i p l i c i d a d e , c o m ¬

Achim Mohni, "Der Hase und der Igpl", detalhe, 1998 Plaza 37
plexidade, m u l t i m e d i a ç ã o e recodificação são fundamentais para entendermos
e s s e p r o c e s s o da arte c o n t e m p o r â n e a . A complexidade d e s s a s relações e dis-
c u r s o s torna inevitável a aquisição d e teorias e metalinguagens apropriadas
para esclarecer e s s a s relações. O e s p a ç o d e e l u c i d a ç ã o das relações entre o
"fazer" e o "saber" artísticos é a Universidade. Ora, e s t e n o v o paradigma é ne-
c e s s a r i a m e n t e crítico e m relação aos anteriores, p o r q u e Os p e n s a e analisa.
D e s s a forma, o s antigos papéis reservados a o "mestre" e ao "discípulo" recon-
fíguram-se, por s u a vez, c o m o metáfora, nas figuras d o professor e d o aluno.

CIÊNCIA/ARTE: 0 PROBLEMA DO CONHECIMENTO

Q u a n d o o cientista o u o filósofo s e interrogam sobre q u e é isto, ou


aquilo, i n i c i a m u m p r o c e s s o d e b u s c a d o c o n h e c i m e n t o . C o n t u d o , o ser da
c o i s a n ã o é a coisa. A coisa está aí, o s e u ser n ã o . Para o filósofo (Ortega y
Gasset, 1992: 1 3 9 - 1 5 8 ) , s e q u e r e m o s c o n h e c e r o ser da coisa t e m o s q u e inves-
tigar e n ã o n o s p o d e m o s abandonar às n o s s a s p e r c e p ç õ e s , e mais, t e m o s q u e
c o m e ç a r pela h u m i l d e tarefa d e e n t e n d e r o significado da palavra ser (grifos
meus).
A luz n u m a p e r c e p ç ã o visual (o e x e m p l o é d e Ortega) n ã o apresenta o
s e u ser. A luz é u m a coisa q u e t e n h o diante d e m i m , q u e está aí. Vê-la não é
c o n h e c ê - l a . E m contraposição, c o n h e c e r a luz é saber da s u a essência e esta
e s s ê n c i a n ã o está aí, ela n ã o s e mostra.
O e n t e luz m e ilumina, vejo-a, m a s o ser, a s u a e s s ê n c i a , não m e ilu-
m i n a n e m a vejo, n e m talvez t e n h a n u n c a a n o ç ã o d e s s a e s s ê n c i a .
N ã o é a c o i s a q u e o c o n h e c i m e n t o apreende, m a s o s e u ser, o u a sua
e s s ê n c i a , o ser d e u m a c o i s a n ã o é a coisa, n e m u m a hipercoisa, é u m esquema
intelectual. O s e u c o n t e ú d o revela-nos o q u e a c o i s a é, e o q u e a coisa é, está
c o n s t i t u í d o p e l o papel q u e a coisa representa na vida.
C o n h e c i m e n t o é p o i s , para Ortega, u m esforço mental q u e extrai do
c a o s u m e s q u e m a d e ordem, u m c o s m o s , u m a informação, u m a linguagem,
diríamos.
C o n f o r m e Robert H e n r y Srour (1978: 3 6 ) o p e n s a m e n t o científico é
c o n c e b i d o c o m o p r o c e s s o produtivo q u e n ã o s e c o n f u n d e c o m o reflexo e s p e c u -
lar o u d u p l i c a ç ã o m e n t a l d a realidade. "Produzir c o n h e c i m e n t o s n ã o é u m a
leitura direta da e s s ê n c i a n a existência", diz Srour, isto porque "o real não é
transparente e d e l e n ã o s e faz u m a leitura imediata". Produzir c o n h e c i m e n t o s
é transformar i n f o r m a ç õ e s complexas (científicas o u t e c n o l ó g i c a s , sensíveis e
t é c n i c a s ) , e m resultados d e u m p r o c e s s o d e trabalho. Trata-se, pois, de u m a
i n t e r v e n ç ã o intelectual sobre objetos s i m b ó l i c o s (intuições, observações, repre-
s e n t a ç õ e s ) e n ã o de u m a transformação d a própria realidade observada, já q u e
o "Real", s o m e n t e é acessível p e l o signo, p o i s "o máximo grau d e realidade s ó é

38 Plaza
a t i n g i d o p e l o s signos", c o m o disse P e i r c e .
M a x B e n s e , c o m o s e m i o t i c i s t a , c o i n c i d e c o m O r t e g a , p a r a a q u e l e , "o
conhecer repousa na intervenção d e seres inteligentes n o m u n d o o qual deve
ser i d e n t i f i c a d o p a r a t o r n á - l o s c o n s c i e n t e s . . . " . B e n s e p r o p õ e q u e a i d e n t i f i c a ç ã o
d o m u n d o c o m o algo d a d o (o físico), d á - s e s o b u m e s q u e m a c a u s a i . A identifi-
cação do m u n d o c o m o sentido e significação dá-se sob o e s q u e m a s e m â n t i c o e
c o m u n i c a t i v o . J á a i d e n t i f i c a ç ã o d o m u n d o c o m o algo feito, t e m o s e u l u g a r s o b
o e s q u e m a criativo. E s t e s t r ê s e s t a d o s s e d i s t i n g u e m p o r u m a determinação. O
físico e s t á f o r t e m e n t e d e t e r m i n a d o , o s e m â n t i c o o e s t á c o n v e n c i o n a l m e n t e , j á
o estado estético o está débil e singularmente, a m b i g u a m e n t e .
Somente o que está suficientemente determinado pode ser conhecido
e fixado, j á o q u e e s t á t o t a l m e n t e i n d e t e r m i n a d o ( c o m o o c a o s ) , n ã o p o d e s e r
i d e n t i f i c a d o e fixado: p a r a s e i d e n t i f i c a r d e v e s e r p r i m e i r a m e n t e t r a n s p o s t o e m
c e r t a m e d i d a a u m e s t a d o d e t e r m i n a d o , p o r d é b i l q u e seja, i s t o é, u m a o r d e m .
(Bense, 1972: 61). E s t a d o s físicos c o m o s i s t e m a s d e p l a n e t a s , e s t r u t u r a s d e
cristais, e t c , s ã o f o r t e m e n t e d e t e r m i n a d o s , m a s e s t a d o s e s t é t i c o s c o m o p o r ex.:
a d i s t r i b u i ç ã o d e c o r e s n u m a tela d e T i z i a n o , o u a s e q ü ê n c i a d e p a l a v r a s n u m
texto p o é t i c o s ã o d e t e r m i n a d o s d u m a m a n e i r a fraca, e q u i p r o b á v e l .
A i n d a , p a r a o e n s a í s t a A l b r e c h t F a b r i "a e s s ê n c i a d a a r t e é a t a u t o l o ¬
gia", p o i s a s o b r a s a r t í s t i c a s " n ã o s i g n i f i c a m , m a s s ã o " . N a a r t e , "é i m p o s s í v e l
distinguir entre representação e representado". Esta tese p e r m i t e a M a x Bense
d e s e n v o l v e r o c o n c e i t o d e "fragilidade" d a i n f o r m a ç ã o e s t é t i c a , i n f o r m a ç ã o e s t a
que transcende a informação semântica, n o q u e c o n c e r n e à "imprevisibilidade,
à s u r p r e s a , à i m p r o b a b i l i d a d e d a o r d e n a ç ã o d o s s i g n o s " . B e n s e c h e g a a falar d a
i m p o s s i b i l i d a d e d e u m a "codificação e s t é t i c a " . ( C a m p o s , 1970: 21).
E n q u a n t o a ciência procura a determinação na hiper-codificação, a
a r t e , e m c o n t r a p o s i ç ã o , t e n d e a o s i n g u l a r e à baixa c o d i f i c a ç ã o , p o i s a a r t e n ã o
é linguagem e m sentido estrito. A sensibilidade artística se inventa e constrói
c o m o o b j e t o e m si, e n q u a n t o a l i n g u a g e m c i e n t í f i c a codifica s e u o b j e t o , e l a é
u m discurso sobre u m fenômeno (mesmo virtual).
Nas relações entre arte e ciência podemos perceber o jogo do cientista
c o m as r e g r a s , j á p a r a o a r t i s t a é o j o g o c o m a s p o s s i b i l i d a d e s p e r c e p t i v a s ( u t i -
liza-se a q u i o " r a c i o c í n i o p e r c e p t u a l " , e n t e n d i d o p o r Arnheim -1980: 265-,
c o m o t r a b a l h o criativo c o m a s r e l a ç õ e s e n t r e q u a l i d a d e s sensíveis) e q u a l i t a t i -
vas d a luz, vale dizer, c o m a s s u a s a p a r ê n c i a s c o n c r e t a s . J á p a r a o c i e n t i s t a ,
interessa a sua natureza ou essência, corpuscular ou ondulatória, ou a m b a s , é
dizer, s e u c ó d i g o o u l i n g u a g e m . P a r a o a r t i s t a t e c n o l ó g i c o o d o m í n i o t e m q u e
s e r t o t a l , isto é, ele t e m q u e t e r a c u i d a d e p e r c e p t i v a p a r a o q u a l i t a t i v o d a luz e
t a m b é m c o n h e c i m e n t o d a s leis q u e a r e g e m e c o d i f i c a m e m l i n g u a g e m .
Em síntese, a questão d o conhecimento e m ciência ou e m arte, apre-
senta-se de forma muito diferente. Para a primeira, n o plano do c o n h e c i m e n t o

Plaza 39
abstrato de qualquer fenômeno que ocorre universalmente, e m qualquer época
e q u a l q u e r sítio; p a r a a s e g u n d a , n o p l a n o d o c o n h e c i m e n t o c o n c r e t o d e u m
o b j e t o c o n c r e t o e i n d i v i d u a l , i n s u b s t i t u í v e l e s i n g u l a r (Srour 1978: 3 8 ) . A a r t e
n ã o se d o a a o m u n d o c o m o i n f o r m a ç ã o s e m â n t i c a , m a s c o m o informação
estética.
Mas, n u m a situação e m q u e a ciência está à procura de novos mode-
los d e i n t e r p r e t a ç ã o d a c o m p l e x i d a d e u n i v e r s a l r e g i d a p e l o "princípio d e i n d e ¬
t e r m i n a ç ã o " ( H e i s e m b e r g ) , n u m a s i t u a ç ã o , o n d e t a n t o a filosofia q u a n t o a
própria arte estão e m crise, é p o r q u e os modelos de representação e determi-
n a ç ã o d o c o n h e c i m e n t o e s e n s i b i l i d a d e n ã o s ã o m a i s a d e q u a d o s . D e fato, c o m o
os f e n ô m e n o s p a r a o s c i e n t i s t a s o u s ã o c o m p l e x o s d e m a i s , o u e s t ã o fora d o
alcance dos i n s t r u m e n t o s e tecnologias, n ã o p o d e m ser codificados. Parece q u e
é a q u i q u e a s i s t e m a t i c i d a d e h a r m o n i o s a e t e l e o n ô m i c a d a o m n i c i ê n c i a clássica
(o p a r a d i g m a n e w t o n i a n o q u e p r o c u r a a s r e g r a s i m u t á v e i s d o u n i v e r s o -¬
Prigogine, 1979) entra e m entropia, abrindo-se caminho para a ambigüidade, o
caos, a desordem, á indeterminação, a confusão e também para a interpretação
estética.
N e s t e s c a s o s , o n d e a c i ê n c i a e n t r a e m c o l a p s o , só r e s t a a a b d u ç ã o , a
t e o r i a , e é n e s s e p o n t o q u e s e a b r e u m possível c o n t a t o p a r a a a r t e e o estéti-
c o . C r i a - s e e n t ã o u m v á c u o , u m a t a b u l a r a s a , e isso a o m e s m o t e m p o q u e é
i n q u i e t a r i t e , t a m b é m é e n t u s i a s m a n t e , p o r q u e a b r e - s e a j a n e l a p a r a o criativo,
o e x p e r i m e n t a l , i s t o é, n o f u n d o e x i s t e a p o s s i b i l i d a d e d e s e r e u n i r e s t a s á r e a s ,
de estabelecer u m a coerência (holismo) e n t r e elas.

ARTE/CIÊNCIA: IDENTIDADES

C o m p a r a n d o a criação científica e a artística observamos q u e na


origem do ato criador o cientista n ã o se diferencia d o artista, apenas trabalham
materiais diferentes do Universo. Ciência e arte t ê m u m a origem c o m u m , na
a b d u ç ã o ou capacidade para formular hipóteses, i m a g e n s , idéias, n a colocação
d e p r o b l e m a s , e n o s m é t o d o s infralógicos, m a s é n o s e u d e s e m p e n h o e "per-
formance" q u e se distanciam e n o r m e m e n t e , como nos processos mentais de
análise e síntese.
E m 1 9 4 5 , o m a t e m á t i c o f r a n c ê s J. H a d a m a r d q u e c o n d u z i a o e s t u d o
The Psychology of Invention in the Mathematical Field (Arnheim, 1980), regis-
t r a o p r o c e s s o d e c r i a ç ã o , c o n f o r m e d e c l a r a n a s p a l a v r a s d e E i n s t e i n : "As
palavras ou a linguagem, escritas ou faladas, p a r e c e m não d e s e m p e n h a r nen-
h u m p a p e l e m m e u m e c a n i s m o d e p e n s a m e n t o . A s e n t i d a d e s físicas, q u e p a r e -
c e m servir d e e l e m e n t o s n o p e n s a m e n t o , s ã o c e r t o s s i g n o s e i m a g e n s m a i s o u
menos claras, q u e podem ser voluntariamente reproduzidos e combinados..."
(...) " . . . D e u m p o n t o d e vista p s i c o l ó g i c o , e s t e j o g o c o m b i n a t ó r i o afigura-se

4P Plaza
como traço essencial no p e n s a m e n t o produtivo, antes d e haver qualquer
c o n e x ã o c o m a c o n s t r u ç ã o lógica e m p a l a v r a s , o u e m o u t r a s e s p é c i e s d e s i g n o s
comunicáveis a outrem". "Os e l e m e n t o s acima referidos são, de q u a l q u e r
m o d o , d e t i p o visual e m e s m o a l g u n s d e t i p o m u s c u l a r . P a l a v r a s c o n v e n c i o n a i s
ou o u t r o s signos t e m d e s e r p r o c u r a d o s l a b o r i o s a m e n t e e s o m e n t e n u m s e g u n -
d o estágio, q u a n d o o j o g o a s s o c i a t i v o e s t á s u f i c i e n t e m e n t e i n s t a u r a d o e p o d e
ser r e p r o d u z i d o à v o n t a d e . "
H a d a m a r d , via C a m p o s (1977: 8 5 - 9 0 ) , m e n c i o n a u m a o p i n i ã o d e R.
J a k o b s o n : "Signos s ã o u m s u p o r t e n e c e s s á r i o d o p e n s a m e n t o . P a r a o p e n s a -
m e n t o socializado (estágio d a c o m u n i c a ç ã o ) e p a r a a q u e l e e m vias d e socializar*
se (estágio d a f o r m u l a ç ã o ) , o s i s t e m a d e s i g n o s m a i s u s u a l é a l i n g u a g e m p r o -
p r i a m e n t e d i t a . M a s o p e n s a m e n t o interior, e s p e c i a l m e n t e q u a n d o c r i a t i v o , d e
b o m g r a d o u s a o u t r o s s i s t e m a s d e s i g n o s , q u e s e j a m m a i s flexíveis, m e n o s
padronizados do q u e a linguagem e deixem mais liberdade, mais dinamismo
p a r a o p e n s a m e n t o criativo."
O que confirma Peirce, pois para este autor só p e n s a m o s c o m signos e
os p e n s a m e n t o s s ã o c o n d u z i d o s p o r t r ê s e s p é c i e s d e s i g n o s , s e n d o , n a s u a m a i o -
ria, a q u e l e s "da m e s m a e s t r u t u r a geral d a s p a l a v r a s " , t e n d o , p o r isso m e s m o ,
u m c a r á t e r s i m b ó l i c o . M a s os q u e n ã o s ã o a s s i m , s ã o s i g n o s q u e s e r v e m p a r a
complementar ou melhorar a incompletude das palavras. Esses signos pensa-
m e n t o s n ã o - s i m b ó l i c o s s ã o d e d u a s c l a s s e s : figuras, d i a g r a m a s o u i m a g e n s "tais
como aqueles mais ou m e n o s análogos aos sintomas que eu c h a m o de índices
e q u e n o s s e r v e m p a r a a p o n t a r p a r a u m o b j e t o fora d e n ó s " . A s s i m , c a d a t i p o d e
signo "serve p a r a trazer à m e n t e o b j e t o s d e e s p é c i e s d i f e r e n t e s d a q u e l e s r e v e l a -
d o s p o r u m a o u t r a e s p é c i e d e s i g n o s " (C.S.Peirce, 1974: 6.3.38). C o m o s e p o d e
ver, o p r ó p r i o p e n s a m e n t o j á é i n t e r s e m i ó t i c o , o u seja, o v e r b a l e o n ã o - v e r b a l
interagem nele.
Estes aspectos servem para demonstrar a capacidade tradutora do
c é r e b r o h u m a n o e m r e l a ç ã o a o t e m a q u e n o s o c u p a , o u seja, a c o l a b o r a ç ã o
e n t r e o sensível e o inteligível. E s t a s c a p a c i d a d e s i n t e r p e n e t r a m - s e e t r a d u z e m ¬
se p a r a d e t o n a r a c r i a ç ã o , o pensamento interior. Já quando a arte entra n o está¬
gio d e f o r m u l a ç ã o , s u r g e a e s p e c i a l i z a ç ã o p e l o " r a c i o c í n i o p e r c e p t u a l " e a s s i m
a a r t e se d o a a o m u n d o c o m o a r t e d e t e r m i n a d a ( m ú s i c a / p i n t u r a / d a n ç a / c i n -
e m a / e t c . ) d e s m i s t i f i c a n d o , c o m isso, a i d e o l ó g i c a d i c o t o m i a e n t r e t e o r i a e
p r á t i c a , s a b e r e fazer.

ARTE/CIÊNCIA: SIMILARIDADES

As m e n t e s c i e n t í f i c a s e a r t í s t i c a s s ã o s e n s í v e i s à s a n a l o g i a s e s i m i l a r i -
dades icônicas c o m o b e m registrou Einstein. T a m b é m Kekulé (químico a l e m ã o
d o s é c u l o XIX), o u s o u " p e n s e r e n s e r p e n t " ( A u g u s t o d e C a m p o s ) , o u seja, e l e
criou a fórmula da molécula d o benzeno e m analogia (G. Jung) com o
" U r o b o r o s " ( s e r p e n t e q u e s e m o r d e a c a u d a ) . E E d g a r d Allan P o e c o m s e u
e n s a i o "A Filosofia d a C o m p o s i ç ã o " , s e a u t o - i n t i t u l a " e n g e n h e i r o literário" a o
m o s t r a r o p r o c e s s o d e c o m p o s i ç ã o literária q u e p a r t e d o s efeitos p a r a as c a u s a s
(feedback) n a narrativa verbal. Já Meyerhold criava suas "marionetes" para o
" t e a t r o - m á q u i n a " s e g u n d o o s p r i n c í p i o s d o s a u t ô m a t o s e m s í n t e s e c o m o estilo
simbolista.
Por o u t r o lado, h á i n ú m e r o s signos icônicos e diagramáticos q u e con-
t e m traços pan-semióticos e q u e agem c o m o verdadeiros princípios orde-
n a d o r e s e s p a c i a i s e t e m p o r a i s q u e , c o m o a S e c ç ã o Á u r e a o u m e s m o a série d e
Fibonacci (entre outros), foram usados e m todas as artes: arquitetura, cinema,
p i n t u r a , c e r â m i c a , m ú s i c a , e s c u l t u r a , gráfica, fotografia, i n s t a l a ç ã o e t c .
A apropriação pelo artista d e e s q u e m a s representacionais de c u n h o
c i e n t í f i c o c o n s t i t u i - s e n u m r e c u r s o lícito e n e c e s s á r i o , d e c a r á t e r i n t e r t e x t u a l ,
q u e , t r a n s p o s t o p a r a u m a n o v a o r d e m ( m e s m o q u e seja d e s o r d e m ) , servirá a o
artista para p e n s a r e elaborar as suas idéias e/ou modelos mentais.
I s t o , p o r q u e o a r t i s t a é sensível à s a p a r ê n c i a s d a r e p r e s e n t a ç ã o c i e n t í -
fica, q u e é o l u g a r o n d e s e i n s t a l a a d i m e n s ã o e s t é t i c a d a c i ê n c i a . A s s i m c o m o
existe n a c i ê n c i a u m a e s t é t i c a d o s i m p l e s (os r e t â n g u l o s á u r e o s d e G u s t a v
F e c h n e r , p o r ex.), existe t a m b é m u m a e s t é t i c a d o c o m p l e x o (as m e t á f o r a s e n t r e
u m chip e diagramas utilizados nas diversas culturas q u e sugerem a relação
a n a l ó g i c a e m e t a f ó r i c a q u e p r o c u r a a s s i m i l a r o m e n o s a o m a i s familiar, o
d e s c o n h e c i d o a o c o n h e c i d o ) , c o m o í n t i m a c o n e x ã o e n t r e i m a g e n s visuais e
p o é t i c a s e o p e n s a m e n t o sensível e p r o d u t i v o d e o u t r o .
Mas, entre o uso estrutural de elementos da ciência e seu uso
metafórico, h á u m abismo. É o abismo existente e n t r e o não-verbal e o verbal.
A c o n d i ç ã o : t e r a c o n s - c i ê n c i a d e q u e n ã o se e s t á f a z e n d o c i ê n c i a . C o n f o r m e
c o m A d o r n o ( J 9 8 3 : 8 3 ) , é m u i t o fácil d e m o n s t r a r q u e o s a r t i s t a s , e n t u s i a m a d o s
c o m a n o m e n c l a t u r a científica, c o m e t e m m u i t o s erros e q u e a terminologia q u e
e m p r e g a m p a r a s e u s p r o c e s s o s a r t í s t i c o s n ã o c o r r e s p o n d e às r e a l i d a d e s q u e
c o m e l e s t r a t a d e significar. E L o t m a n (1981: 28): " Q u a n t o m a i s a a r t e for a r t e
e a ciência, ciência, t a n t o mais específicas serão as suas funções culturais e
t a n t o m a i s o d i á l o g o e n t r e e l a s s e r á possível e f e c u n d o " .
C a b e a q u i a s s i n a l a r u m e x e m p l o n o t á v e l n a a r t e visual: é o t r a b a l h o d e
E s c h e r , q u e s e a p r o p r i a d a s e s t r u t u r a s d a s r e l a ç õ e s F i g u r a / F u n d o (teorizadas
p i o n e i r a m e n t e pelo psicólogo da Gestalt E.Rubin e m 1915) para construir com
i n o v a ç ã o e s t é t i c a s e u s u n i v e r s o s e s p a c i a i s e u - t ó p i c o s , a m b i g u a m e n t e figura-
tivos e r e l a c i o n a i s .
A d i m e n s ã o e s t é t i c a d a c i ê n c i a r e s i d e n o m o d o , o u seja n o " c o m o " o
cientista representa seu objeto e n ã o n o "quê" representa. Já a dimensão cien-
tífica d a a r t e r e s i d e n a s e s t r u t u r a s e/ou d i a g r a m a s o r d e n a d o r e s q u e são s e u
próprio objeto- finalidade-sem-fim. E P. Valéry a r r i s c a : "As a r t e s n ã o t ê m m é t o -
do, t ê m m o d o " . D a í q u e r e s u l t a i n a d e q u a d o f a l a r m o s e m " p r o g r e s s o " o u m e s m o
e m "evolução" n a s a r t e s . M e s m o n a s s é r i e s a r t í s t i c a s q u e s e u t i l i z a m d a s t e c -
nologias d e r e p r e s e n t a ç ã o e d e c o n c e i t o s c i e n t í f i c o s p a r a a t i n g i r d e t e r m i n a d o s
objetivos ( r e a l i s m o r e n a s c e n t i s t a , r e a l i s m o fotográfico, a r e p r o d u t i b i l i d a d e n a
gravura, logo c o n s e g u i d a p e l a via d a fotografia e f o t o m e c â n i c a , e n t r e o u t r a s ) ,
n ã o explicam a q u a l i d a d e a s s i g n a d a a u m R e m b r a n d t , u m G o y a o u u m C a r r i e r
B r e s s o n , p o r e x e m p l o . " E u n ã o e v o l u o , e u viajo" (F. P e s s o a ) . D a m e s m a f o r m a
q u e n ã o existe u m a c i ê n c i a "artística", t a m p o u c o existe u m a a r t e a d j e t i v a d a d e
"científica". Aliás, n ã o existe n e m u m a e s t é t i c a ( e s p e c u l a ç ã o , reflexão) de
c u n h o científico. O q u e existe, s i m , s ã o c r u z a m e n t o s " i n t e r t e x t u a i s " e n t r e c i ê n -
cia e a r t e .
O a r t i s t a fica, p o r t a n t o , n e s s e n a m o r o ( m a l c o r r e s p o n d i d o ) c o m a c i ê n -
cia, s e d u z i d o c o m a f o r m a " c o m o " o c i e n t i s t a codifica s e u o b j e t o . I s s o e s t á
claro, a pesquisa t e m u m c o m p r o m i s s o c o m a verdade (relação signo-objeto) d o
c o n h e c i m e n t o d e s e u o b j e t o e a a r t e c o m as q u a l i d a d e s d o o b j e t o q u e c r i a : obje-
to-finalidade-sem-fim.
A r t e ( p r o d u t o ) n ã o é p e s q u i s a (stricto sensu), m e s m o q u e esta faça
p a r t e (lato-sensu) d e s e u p r o c e s s o . A p e s q u i s a ( p r o c u r a ) d e m a t e r i a i s , c o r e s , for-
mas, temas, sons, diagramas, movimentos, enfim, matérias primas e procedi-
m e n t o s h e u r í s t i c o s , e t c , s e c a r a c t e r i z a c o m o m e i o e n ã o c o m o fim. O a r t i s t a ;
a s s i m , o p e r a c o m o o "bricoleur": "Isto t a m b é m p o d e servir".
L é v i - S t r a u s s ( 1 9 7 6 : 3 7 - 5 5 ) nos e n s i n a q u e "o a r t i s t a t e m , p o r s u a vez,
algo d e c i e n t i s t a e d e ' b r i c o l e u r ' " . (...) " D i s t i n g u i m o s o h o m e m d e c i ê n c i a e o
b r i c o l e u r p e l a s f u n ç õ e s i n v e r s a s q u e , n a o r d e m i n s t r u m e n t a l e final, c o n f e r e m
ao acontecimento e à estrutura, u m criando a c o n t e c i m e n t o s ( m u d a r o m u n d o )
por meio de estruturas, e outro, estruturas por meio de acontecimentos". É o
p e r c u r s o d o a r t i s t a a o i n v e n t a r a s u a p o é t i c a d e tal f o r m a q u e , e n q u a n t o a o b r a
se faz, se i n v e n t a o m o d o d e fazer.
A arte não t e m compromisso com a verdade e sim c o m a estesia ou
s e n s i b i l i d a d e (aliás, algo i n s t á v e l ) . A s s i m , a a r t e s e m o s t r a m a s n ã o d e m o n s t r a .

ARTE/CIÊNCIA: DIFERENÇAS

A pesquisa e m ciência é caracterizada pela indagação sobre u m objeto


codificado e m l i n g u a g e m , s e n d o q u e , t a n t o o b j e t o c o m o l i n g u a g e m s ã o t a m b é m
investigados e i n q u i r i d o s a p a r t i r d e u m a m e t a - l i n g u a g e m . A p e s q u i s a , a s s i m ,
trata de transmitir informação e c o n h e c i m e n t o sobre o objeto pesquisado,
requer, portanto, o distanciamento crítico necessário p a r a poder abordar e
determinar seu objeto desde todos os p o n t o s d e vista possíveis. O c r u z a m e n t o
d o s p o n t o s d e vista e l i m i n a o s u b j e t i v i s m o , d e l i m i t a e d e f i n e a v e r d a d e s o b r e o
o b j e t o p e s q u i s a d o . I s t o , d e a c o r d o c o m o "princípio d e i n c e r t e z a " e t a m b é m
c o m o c o n c e i t o d e N i e l s B o h r s o b r e a r e l a t i v i d a d e d o c o n h e c i m e n t o . Diz B o h r
(via Arnkeim, 1980: 2 2 3 ) , q u e t o d a s a s i n f o r m a ç õ e s s o b r e u m o b j e t o a t ô m i c o ,
obtidas através de diferentes planos experimentais, são complementares.
Para o artista, a partir de u m conceito d e arte c o m o divergência da
n o r m a , d o c ó d i g o e d a c o n v e n ç ã o n a g e r a ç ã o d e i n t e r p r e t a n t e s (significados), a
a r t e i n s t a l a u m d e s a r r a n j o n o s h á b i t o s , c r e n ç a s , expectativas e c o n v e n ç õ e s
i n s t i t u í d a s c o m o significados e s t a b e l e c i d o s . D e a c o r d o c o m o p o e t a : " u m a o b r a
d e a r t e d e v e r i a e n s i n a r - n o s s e m p r e q u e n ã o h a v í a m o s visto o q u e v e m o s . A e d u -
c a ç ã o p r o f u n d a c o n s i s t e e m desfazer a e d u c a ç ã o primitiva" (Valéry, 1991: 145).
N ã o foi o u t r a a p e r c e p ç ã o d e M a r c e l D u c h a m p n o " G r a n d e Vidro"
( i n a c a b a d o e m 1 9 2 3 ) , q u a n d o fez d a i r o n i a e d a a t i t u d e a n t i m e c â n i c a os s e u s
antídotos a o utilizar pseudo-geometrias n a criação das "máquinas delirantes"
(O. Paz). M e s m o o gesto d u c h a m p i a n o , anti-técnico e inutilizador da função do
objeto ao transformá-lo e m ready-made, é criador da diferença (crítica),
homologando a indeterminação e contradição humanas.
A i n d a m a i s , o a r b í t r i o d a c r i a ç ã o a r t í s t i c a p e r m a n e c e visível n a o b r a
a c a b a d a , e n q u a n t o é e l i m i n a d o n a c r i a ç ã o c i e n t í f i c a p e l o r e c u r s o à verificação
e à c o n s t r u ç ã o lógica d u r a n t e a f o r m u l a ç ã o . A o b r a a r t í s t i c a é a s s i m m a i s i n d e -
p e n d e n t e , e s t a e l a b o r a - s e s o b o p r i n c í p i o d o p a r a d i g m a , d o m o d e l o , d o singu-
lar, d o " e t e r n o r e t o r n o " , j á a o b r a c i e n t í f i c a é e l a b o r a d a s o b o s i g n o d o geral, d o
s i n t a g m a , d o p r o g r e s s o "e e s t á ligada a t o d o o edifício d a c i ê n c i a " (Moles,
1981). T a m b é m , e n q u a n t o a o b r a científica p r o c u r a a m o n o s s e m i a e o "inter¬
p r e t a n t e final", a o b r a a r t í s t i c a p r o c u r a a p o l i s s e m i a ( " a b e r t u r a " à s m u i t a s i n t e r -
p r e t a ç õ e s ) . A q u i é q u e s e verifica e s s a t r a n s m i s s ã o d o p r o c e s s o c r i a d o r d o
artista para o espectador, que é a característica da arte.
P o r o u t r o l a d o , o "texto a r t í s t i c o " t e m u m c a r á t e r " m o d e l i z a n t e " p o r q u e
se p r o j e t a s o b r e a r e a l i d a d e d e s e u p r ó p r i o m o d e l o (Lotman: 1981: 19). £ P a u l
Valéry ( 1 9 9 1 : 140): "As c i ê n c i a s e a s a r t e s d i f e r e m p r i n c i p a l m e n t e n i s t o , q u e as
p r i m e i r a s d e v e m visar r e s u l t a d o s c e r t o s o u e n o r m e m e n t e prováveis; as s e g u n -
das p o d e m esperar apenas resultados de probabilidades desconhecidas".
T a m b é m p a r a E . G o m b r i c h , o objetivo p e r s e g u i d o p e l o a r t i s t a n ã o é
u m a p r o p o s i ç ã o v e r d a d e i r a c o m o n a c i ê n c i a , s e n ã o u m efeito p s i c o l ó g i c o . "Tais
efeitos p o d e m s e r e s t u d a d o s , m a s n ã o p o d e m s e r d e m o n s t r a d o s " .
C o m o disse M a r c e l D u c h a m p : " N ã o h á s o l u ç ã o p o r q u e n ã o h á problema".

ARTES E CIÊNCIAS: INTERDISCIPLINARIDADE

Mas, c o m o diz A r n h e i m (1980: 312), "o e n s i n o d a a r t e n ã o p o d e s e r


eficaz s e n ã o s e t e m u m a i d é i a c o r r e t a d e p a r a q u e serve a a r t e e s o b r e q u e
versa". P a r a r e s p o n d e r a e s t a q u e s t ã o , d e v e m o s levar e m c o n t a q u e a s várias
"esferas" que se articulam na dimensão cultural ou "universo simbólico estru-
turado" são a matéria-prima das práticas culturais, são abstrações, não o
próprio real na sua concretude. Dessa forma, a "esfera ideológica", como
campo nuclear da cultura (sistemas de representações, valores e crenças); a
"esfera cognitiva" (como sistema de conhecimentos científicos); a "esfera artís-
tica" (como forma multifacetal e contraditória de apropriação "sensível" do
real); e a "esfera técnica" (modos de proceder das várias práticas), interagem e
se recobrem (Srour, 1978: 37). Desde esse ponto de vista, a "esfera artística"
multifacética se apropria e interage, contraditória e não antagonicamente, com
o resto das "esferas". É o que acontece no século XVIII; quando as artes se
libertam da esfera ideológica (moral e religião), elas partem para a procura da
própria especificidade e autonomia, surgindo assim: pintura pura, música abso-
luta, escultura pura, arquitetura pura, poesia pura etc., encontrando nesse
processo de busca, novas heteronomias e fatos extra-artísticos. As artes, nessa
procura, terminam se inscrevendo no espírito da geometria, da técnica, da ciên-
cia, da construção e da linguagem.
Mas é com a Revolução Industrial que começa no século XIX a trans-
formação radical das artes, pela influência dos novos códigos, linguagens e
meios de produção, que "alteram maravilhosamente a mesma noção de arte..."
(Valéry, 1957: 1284-1287). Assiste-se assim à transformação operada na for-
mação do artista e nos modelos de ensino.
Dessa forma, o experimentalismo, funcionalismo e sincretismo, cons-
tituem os procedimentos modernos por excelência (Ferrara, 1981: 9-20) que
unem, definitivamente, poética e metalinguagem no campo da arte.
Esta mudança de paradigma vem sendo modificada constante e sis-
tematicamente pela ação dos meios tecnológicos, que, como a fotografia, cria o
"Museu Imaginário" como "imprensa das artes plásticas" (A. Malraux, 1951) e
a reprodutibilidade da obra de arte (W Benjamin, 1980). Processo este que
continua atuante com o crescimento das tecnologias de base informática e
eletrônica que providenciam recursos e instrumentos para todas as atividades
humanas, incluída a arte. Por outro lado, temos que reconhecer, com Adorno
(1983: 82), "que a técnica é um constitutivo da arte do passado na proporção
incomparavelmente mais relevante do que a admitida por essa ideologia cul-
tural que nos pinta a era por ela denominada técnica como uma corrompida
continuação de outras em que reinava a espontaneidade humana".
Pode se constatar então fluxos/refluxos, tensões/distensões, aproxi-
mações/distanciamentos, somas/exclusões entre as diversas esferas e, portanto,
entre os pensamentos científico e artístico. O fazer-pensar arte na universidade
significa o estabelecimento de laboratórios vivos que vão de encontro ao esgo-
tamento do campo dos possíveis mediante métodos heurísticos. Isto é crítico
em relação ao modelo romântico, como cultura do ego expressivo, e aos mitos

Plaza 45
d o i n c o n s c i e n t e e d a falácia d a " l i n g u a g e m p r ó p r i a " . O f a z e r - p e n s a r a r t e sociali-
za, a s s i m , a s p o é t i c a s e i l u m i n a a s p r á t i c a s a r t í s t i c a s d e m o n s t r a n d o q u e p r e c i s -
a r o i m p r e c i s o é s e m p r e u m possível.
O a r t i s t a - t e ó r i c o p õ e e m p r á t i c a u m a a ç ã o c o n t e m p l a t i v a , d e exami¬
n a d o r e e s p e c u l a d o r s i s t e m á t i c o . C o m l u c i d e z vai a o e n c o n t r o d o s p r i n c í p i o s
q u e f u n d a m e n t a m a sua arte. É neste sentido q u e ele se opõe ao mistério e à
i n g e n u i d a d e e m a r t e , p o i s "o i n c o n s c i e n t e s ó f u n c i o n a a p l e n a satisfação q u a n -
d o a consciência c u m p r e s u a missão até o limite das suas possibilidades"
( A r n h e i m , 1980: 2 2 6 ) . Assim, o m e r a m e n t e lúdico, é completado pelo lúcido,
pois Mestre é aquele q u e d o m i n a as regras d e seu jogo.
O s a r t i s t a s q u e r e m e n t e n d e r c o m o se p r o c e s s a o fazer, e s t e é s e u sig-
n i f i c a d o . E s t e q u e r e r - s a b e r - d o - f a z e r é ir a o e n c o n t r o d a m e t a l i n g u a g e m p r ó p r i a
d o a r t i s t a , o u seja, a q u e l a q u e diz r e s p e i t o à P o é t i c a c o m o p r o c e s s o formativo
e o p e r a t i v o d a o b r a d e a r t e . D e tal f o r m a q u e , e n q u a n t o a o b r a s e faz, s e i n v e n -
t a o m o d o d e fazer.
H á , c o n t u d o , m u i t a s a r t e s , c o m e s p e c i f i c i d a d e s , c o m p l e x i d a d e s e for-
m u l a ç õ e s p r ó p r i a s , m a s o s dois e l e m e n t o s c o n s t i t u i n t e s d o p r i n c í p i o criativo, a
" f o r m a ç ã o e s p o n t â n e a " e o "ato c o n s c i e n t e " , s ã o c o m u n s a t o d a s e l a s . " O reflex-
ivo s u c e d e n d o a o e s p o n t â n e o e viceversa, d e n t r o d o s c a r a c t e r e s p r i n c i p a i s d a s
o b r a s , m a s e s t e s f a t o r e s e s t ã o s e m p r e p r e s e n t e s " (Valéry, 1957: 1412-1415).
C o n c l u i - s e q u e a i n t u i ç ã o s e m c o n c e i t o n ã o existe e q u e o c o n c e i t o
s e m a i n t u i ç ã o é vazio, a s s i m "a a r t e é a u n i ã o d o i n s t i n t o ( i n t u i ç ã o ) c o m a
i n t e l i g ê n c i a " (F. P e s s o a ) .
É esta a relação q u e e n t e n d o deve ser e s t u d a d a e m qualquer Poética
( s í n t e s e o p e r a t i v a d o f a z e r - p e n s a r ) , u t i l i z a n d o - s e , p a r a isso, d o c r u z a m e n t o ilu-
m i n a d o r d e t o d a s a s a r t e s e c i ê n c i a s c o m o m e i o s possíveis (o q u e a p o n t a p a r a
u m a c o m p a r a ç ã o e n t r e e l a s ) . A s s i m , o raciocínio perceptual ( s a b e r sensível) e o
p e n s a m e n t o c o m o interação combinatória (a p r o c u r a d o inteligível), c o n s t i t u e m
o c e n á r i o d o p e n s a m e n t o criativo, d e f o r m a c o r r e l a t a , c o m p l e m e n t a r , c o o p e r a -
tiva, i n t e r d i s c i p l i n a r e m u l t i m í d i á t i c a n o i n t u i t o d e p e n s a r - f a z e r a luz.
Bibliografia

ADORNO, Theodor W. Teoria Estética. Barcelona, E. Orbis, 1983.


ARNHEIM, Rudolf. Hocia una psicologiadelarte. Madrid, Alianza Editorial, 1980.
BENJAMIN, Walter. "A obra de arte na época de suas técnicas de reprodução". In
Os Pensadores, São Paulo, Abril Cultural,1980.
BENSE, Max. Pequena Estética. São Paulo, Perspectiva, 1971.
CAMPOS, Haroldo. (org.) Ideograma: Lógica, Poesia, Linguagem. São Paulo,
Ed. Cultrix, 1977.
Metalinguagem. Rio de janeiro, Editora Vozes, 1970.
ENCYCLOPÉDIE DE L'ART. La Pochothéque, Paris, Garzanti, 1991.
FERRARA, Lucrécia D'Alessio. A Estratégia dos Signos. São Paulo, Perspectiva, 1981.
LÉVI-STRAUSS. O Pensamento selvagem. São Paulo, Companhia Editora
Nacional, 1976.
LOTMAN. Iuri. Semiótica Soviética. Lisboa, Horizonte Universitário, 1981.
MALRAUX, André. "Le Musée Imaginaire". In Les Voix du Silence. Paris,
La Galerie de la Pleiade, 1951.
MOLES, Abraham. A criação científica. São Paulo, Perspectiva, 1981.
ORTEGA Y GASSET, José . Qui es conocimiento?. Madrid, Alianza Editorial,1992.
PEIRCE.C.S. "Escritos Coligidos''. In Os Pensadores, São Paulo,
Abril Cultural, 1974.
PRIGOGINE, Ilya. La nouvelle alliance. Paris, Gallimard, 1979.
SROUR, Robert Henry. Modos de Produção: Elementos da Problemática. Rio de Janeiro,
Edições Graal, 1978;
VALÉRY, Paul. "La conquête de l'ubiquité, Pieces sur l'art". In Oeuvres II,
Paris, Gallimard, 1957.
Variedades. São Paulo, Iluminuras, 1991.
"L'Invention Esthetique". In Oeuvres t. Paris, Gallimard, 1957.