Você está na página 1de 94

Topografia Aplicada a Agricultura

de Precisão

Brasília-DF.
Elaboração

Leonardo Medeiros Duarte Júnior

Produção

Equipe Técnica de Avaliação, Revisão Linguística e Editoração


Sumário

APRESENTAÇÃO.................................................................................................................................. 4

ORGANIZAÇÃO DO CADERNO DE ESTUDOS E PESQUISA..................................................................... 5

INTRODUÇÃO.................................................................................................................................... 7

UNIDADE I
TOPOGRAFIA CLÁSSICA E MODERNA..................................................................................................... 9

CAPÍTULO 1
A CIÊNCIA TOPOGRÁFICA E SUA EVOLUÇÃO............................................................................ 9

CAPÍTULO 2
LEVANTAMENTOS TOPOGRÁFICOS CONTEMPORÂNEOS........................................................... 13

UNIDADE II
LEVANTAMENTOS TOPOGRÁFICOS........................................................................................................ 22

CAPÍTULO 1
OS LEVANTAMENTOS POR SATÉLITES......................................................................................... 22

CAPÍTULO 2
TIPOS DE LEVANTAMENTOS GNSS E A RBMC............................................................................. 28

UNIDADE III
CERTIFICAÇÃO, GESTÃO E CADASTRO................................................................................................. 35

CAPÍTULO 1
A GOVERNANÇA E O GEORREFERENCIAMENTO..................................................................... 35

UNIDADE IV
NORMAS.............................................................................................................................................. 46

CAPÍTULO 1
A NORMATIZAÇÃO EM LEVANTAMENTOS, SUAS DEFINIÇÕES, INSTRUMENTOS, FASES E CONDIÇÕES
GERAIS................................................................................................................................... 46

CAPÍTULO 2
AS CONDIÇÕES ESPECÍFICAS, INSPEÇÕES, ACEITAÇÕES E REJEIÇÃO EM LEVANTAMENTOS
TOPOGRÁFICOS..................................................................................................................... 59

CAPÍTULO 3
SERVIÇOS DE GEORREFERENCIAMENTO EM IMÓVEIS RURAIS................................................... 69
UNIDADE V
CADASTRO E REDE DE REFERÊNCIA CADASTRAL................................................................................... 72

CAPÍTULO 1
CADASTRO............................................................................................................................. 72

CAPÍTULO 2
REDE CADASTRAL.................................................................................................................... 75

UNIDADE VI
LEVANTAMENTOS EM MEIO ELETRÔNICO.............................................................................................. 88

CAPÍTULO 1
PLANILHAS E SOFTWARES EM LEVANTAMENTOS........................................................................ 88

REFERÊNCIAS................................................................................................................................... 94
Apresentação

Caro aluno

A proposta editorial deste Caderno de Estudos e Pesquisa reúne elementos que se


entendem necessários para o desenvolvimento do estudo com segurança e qualidade.
Caracteriza-se pela atualidade, dinâmica e pertinência de seu conteúdo, bem como pela
interatividade e modernidade de sua estrutura formal, adequadas à metodologia da
Educação a Distância – EaD.

Pretende-se, com este material, levá-lo à reflexão e à compreensão da pluralidade


dos conhecimentos a serem oferecidos, possibilitando-lhe ampliar conceitos
específicos da área e atuar de forma competente e conscienciosa, como convém
ao profissional que busca a formação continuada para vencer os desafios que a
evolução científico-tecnológica impõe ao mundo contemporâneo.

Elaborou-se a presente publicação com a intenção de torná-la subsídio valioso, de modo


a facilitar sua caminhada na trajetória a ser percorrida tanto na vida pessoal quanto na
profissional. Utilize-a como instrumento para seu sucesso na carreira.

Conselho Editorial

5
Organização do Caderno
de Estudos e Pesquisa

Para facilitar seu estudo, os conteúdos são organizados em unidades, subdivididas em


capítulos, de forma didática, objetiva e coerente. Eles serão abordados por meio de textos
básicos, com questões para reflexão, entre outros recursos editoriais que visam a tornar
sua leitura mais agradável. Ao final, serão indicadas, também, fontes de consulta, para
aprofundar os estudos com leituras e pesquisas complementares.

A seguir, uma breve descrição dos ícones utilizados na organização dos Cadernos de
Estudos e Pesquisa.

Provocação

Textos que buscam instigar o aluno a refletir sobre determinado assunto antes
mesmo de iniciar sua leitura ou após algum trecho pertinente para o autor
conteudista.

Para refletir

Questões inseridas no decorrer do estudo a fim de que o aluno faça uma pausa e reflita
sobre o conteúdo estudado ou temas que o ajudem em seu raciocínio. É importante
que ele verifique seus conhecimentos, suas experiências e seus sentimentos. As
reflexões são o ponto de partida para a construção de suas conclusões.

Sugestão de estudo complementar

Sugestões de leituras adicionais, filmes e sites para aprofundamento do estudo,


discussões em fóruns ou encontros presenciais quando for o caso.

Atenção

Chamadas para alertar detalhes/tópicos importantes que contribuam para a


síntese/conclusão do assunto abordado.

6
Saiba mais

Informações complementares para elucidar a construção das sínteses/conclusões


sobre o assunto abordado.

Sintetizando

Trecho que busca resumir informações relevantes do conteúdo, facilitando o


entendimento pelo aluno sobre trechos mais complexos.

Para (não) finalizar

Texto integrador, ao final do módulo, que motiva o aluno a continuar a aprendizagem


ou estimula ponderações complementares sobre o módulo estudado.

7
Introdução
A topografia também chamada de geomática é a ciência que busca a determinação
ou o estabelecimento das posições relativas de pontos sobre a superfície da Terra.
A geomática consiste na disciplina que empreende métodos de medição e reunião
de dados físicos diversos do ambiente terrestre, transformando e processando tais
informações em produtos para as mais diversas aplicações, como um exemplo, podemos
citar as medições de áreas determinantes de limites das propriedades.

O geoprocessamento geralmente pode ser confundido com outros conceitos das


geotecnologias (Sistema de Informações Geográficas – SIG, Sensoriamento Remoto,
Sistema de Posicionamento Global – GPS). Por sua vez, o georreferenciamento está
relacionado à determinação precisa de um ponto na superfície terrestre, tornando as
coordenadas desse ponto conhecidas num dado sistema de referências geográficas.
Exemplificando, caso seja utilizado um GPS outdoor destes mais comuns adquiridos no
mercado, o sistema de referência adotado por esse tipo de aparelho é o WGS84 (World
Geodestic System 1984).

Nesta apostila, apresenta-se um apanhado de informações relacionadas à topografia-


geomática, as quais podem ser aplicadas ao georreferenciamento, dentre estas
podemos citar o uso do GPS geodésico que apresenta receptores com precisão
ultrafina possibilitando a eliminação de erros. Apresentam-se também os sistemas
governamentais que possibilitam o cadastramento de informações sobre as áreas rurais
brasileiras.

Objetivos
»» Apresentar conceitos sobre a ciência topográfica.

»» Caracterizar o profissional da topografia.

»» Caracterizar a topografia contemporânea.

»» Definir e caracterizar os sistemas GNSS e GPS.

»» Definir tipo de levantamento topográfico.

»» Apresentar sistemas de governança de propriedades rurais.

»» Apresentar as leis e normas relacionadas ao georreferenciamento.

»» Apresentar alguns softwares de aplicação topográfica.

8
TOPOGRAFIA
CLÁSSICA E UNIDADE I
MODERNA

CAPÍTULO 1
A ciência topográfica e sua evolução

A topografia e o profissional topógrafo


Tradicionalmente, a topografia é definida como a ciência e tecnologia que busca definir
a posição relativa de pontos na superfície terrestre. A ciência topográfica foi utilizada
inicialmente na definição das propriedades, já o uso moderno da topografia garante a
precisão de pontos, linhas e graus para os mais diversos fins profissionais.

Segundo Ghilani et al (2013), a topografia surgiu no Egito em 1.400 a.C. quando houve
a necessidade de se dividir as terras para fins de tributação. Os antigos topógrafos eram
chamados de esticadores de cordas, devido à forma como eram feitas as medições. Já
na Grécia, por volta de 120 a. C. tratados importantes para a topografia foram criados,
relatando métodos de levantamento de campo, de desenho de planos e dos cálculos
relacionados. Já no século I, os engenheiros topógrafos romanos tiveram grande
destaque para o desenvolvimento da ciência e das construções da época.

Figura 1. Dioptra – antigo instrumento topográfico grego.

Fonte: <http://blocs.xtec.cat/viaagusta/14-2/construccio-de-les-vies/>.

9
UNIDADE I │ TOPOGRAFIA CLÁSSICA E MODERNA

Por muito tempo a curvatura do planeta Terra foi ignorada, os antigos tinham para si
que o mundo era uma superfície plana, porém por meio das observações dos eclipses
e dos navegadores, a dúvida sobre o formato plano surgiu. Foi Erastóstenes, em 200
a. C., o primeiro a calcular as dimensões da Terra, com uma proximidade do real
impressionante.

Nos séculos XVIII, XIX e XX os avanços da topografia se deram muito em relação às


necessidades de mapas e das localizações das fronteiras, com a necessidade de grande
precisão nas triangulações, iniciando-se os estudos de levantamento geodésico. “Terras
valorizadas e a importância de limites precisos, além de demandas por melhorias
públicas nas áreas dos canais, das ferrovias e das rodovias, levaram a topografia a uma
posição de destaque.” (GHILANI, WOLF, 2013: 05).

Além de reunir uma série de necessidades crescentes da civilização, a


topografia sempre desempenhou um papel importante nas atividades de
defesa dos Estados Unidos. A Primeira e a Segunda guerras mundiais, os
conflitos na Coréia e no Vietnã, e os conflitos mais recentes do Oriente
Médio e na Europa criaram incríveis demandas por medições precisas
e mapas exatos. Essas operações militares também estimularam as
melhorias de instrumentos e métodos para atender essas necessidades.
A topografia também contribuiu para o programa espacial, além de
ter se beneficiado dele, para o qual novos equipamentos e sistemas
forma necessários para fornecer controle preciso sobre alinhamento de
mísseis e para mapeamento e representação de partes da Lua e planetas
mais próximos. Os desenvolvimentos em equipamentos de topografia
e mapeamento agora evoluíram ao ponto em que os instrumentos
tradicionais que eram usados até por volta dos anos 1960 ou 1970 – o
teodolito, o nível rústico e a trena – foram quase totalmente substituídos
por uma série de novos instrumentos de alta tecnologia. Entre eles
estão a estação total, que pode ser usada para medir e registrar
automaticamente distâncias horizontais e verticais, além de ângulos
horizontais e verticais; o sistema global de navegação por satélite
(GNSS, do inglês Global Navigation Satellite Systems) e o sistema de
posicionamento global (do inglês, Global Positioning System), que
pode oferecer informação de localização precisa para qualquer tipo de
levantamento. [...] (GHILANI, WOLF, 2013: 5).

O profissional da topografia é aquele capaz de realizar atividades correlatas para a


determinação das medidas de uma área e representação do seu relevo, a medição e
representação tridimensional de objetos, a determinação de pontos e trajetórias, dentre

10
TOPOGRAFIA CLÁSSICA E MODERNA │ UNIDADE I

outras capacidades. “Usando modernas tecnologias terrestres, aéreas e por satélite


com computadores para processar dados, os topógrafos contemporâneos são capazes
de medir e monitorar a Terra e seus recursos naturais literalmente de forma global.”
(GHILANI, et al., 2013:01).

O topógrafo e a topografia desempenham atividade de extrema importância para as


engenharias, pois os trabalhos de levantamento são utilizados no planejamento e
execução de diversos equipamentos e obras de arte especiais, com destaque as pontes,
canais e represas. Os trabalhos topográficos estão presentes em ramos da ciência, como
a agronomia, astronomia, geologia, geografia, arquitetura, arqueologia, meteorologia,
dentre muitos outros campos profissionais.

Historicamente, os topógrafos faziam suas medições usando métodos


terrestres e, até relativamente pouco tempo atrás, o teodolito e a
trena eram seus principais instrumentos. Cálculos e levantamentos, e
relatórios, gráficos e mapas que eles entregavam a seus clientes eram
preparados (em forma de papel) por meio de processos manuais tediosos.
Hoje, o moderno arsenal de ferramentas do topógrafo para medição e
coleta de informações ambientais inclui instrumentos eletrônicos para
medir automaticamente distâncias e ângulos, sistemas de medição por
satélite para obter rapidamente posições precisas de pontos bastante
espaçados e sistemas modernos de imagens aéreas digitais e varredura
a laser para mapear e coletar rapidamente outras formas de dados sobre
a terra na qual vivemos. Além disso, existem sistemas de computação
que podem processar os dados medidos e produzir automaticamente
gráficos, mapas e outros produtos em velocidades jamais sonhadas
há alguns anos. Além do mais, esses produtos podem ser preparados
em formatos eletrônicos e enviados para locais remotos por meio de
sistemas de telecomunicação. Simultaneamente ao desenvolvimento
dessas novas tecnologias de coleta e processamento de dados, os
sistemas de informações geográficas (SIGs) surgiram e amadureceram.
Esses sistemas baseados em computador permitem que praticamente
qualquer tipo de informação espacial relacionada sobre o ambiente
seja integrada, analisada, exibida e disseminada. A chave para a
operação bem sucedida de sistemas de informações geográficas são os
dados de alta qualidade relacionados espacialmente, além da coleta
e do processamento desses dados, que estabelecem grandes e novas
demandas da comunicação topográfica. (GHILANI, WOLF, 2013:03)

11
UNIDADE I │ TOPOGRAFIA CLÁSSICA E MODERNA

Figura 2. Groma – Antigo instrumento topográfico para pontaria.

Fonte: <http://blocs.xtec.cat/viaagusta/14-2/construccio-de-les-vies/>.

A segurança nos trabalhos de topografia é um aspecto que deve ser levado em


consideração, pois os trabalhos em campo podem esconder os mais diversos perigos,
por isso a atenção do profissional topógrafo em ambientes potencialmente inseguros é
importante. Canteiros de obras, por exemplo, com grande movimentação de máquinas
e ruídos são locais com alto grau de perigo, que podem ser mitigados com planejamento
e linhas de afastamento. Sinalizar os locais de trabalho é considerado uma boa prática
de segurança. Outros perigos relacionados aos trabalhos de campo, como aqueles
inerentes ao clima, a animais e insetos que possam de alguma forma colocar em risco a
saúde dos profissionais também precisam ser observados.

O uso de equipamentos de segurança visa à proteção individual do profissional (EPI),


busca-se a diminuição dos perigos que possam ser causados por questões ambientais,
como exposição ao sol por várias horas, onde um bom chapéu de abas bem largas seria
muito interessante, ou ainda riscos biológicos, como por exemplo, cobras, onde o uso
de caneleiras de couro e calças pode salvar a vida do profissional. Combinado ao uso de
equipamentos de segurança individual e coletivo, uma inspeção prévia do local se faz
necessária evitando surpresas desagradáveis.

12
CAPÍTULO 2
Levantamentos topográficos
contemporâneos

A topografia moderna
Os levantamentos podem ser classificados em: topográficos e geodésicos. Os levantamentos
topográficos são aqueles em que a base de referência é uma superfície horizontal plana,
sendo a direção de prumo paralela por toda a área do levantamento, com ângulos de
observação igualmente considerados planos. Quando se trata de um levantamento
topográfico de uma pequena área, supõe-se que a superfície da Terra é um plano. Todavia,
quando se trata de levantamentos topográficos de grandes áreas, a curvatura da Terra é
levada em consideração.

[...] Para áreas de tamanho limitado, a superfície elipsoide é, na realidade


quase plana. Em uma linha de 8 km de extensão, o arco da elipsoide
e os comprimentos de corda diferem em apenas cerca de 6 mm. Uma
superfície plana tangente ao elipsoide se desvia apenas 13 cm a 1 km do
ponto de tangência. Em um triângulo com área de 194 km², a diferença
entre a soma dos três ângulos elipsoidais e dos três ângulos planos é de
apenas 1 segundo. Portanto é evidente que, exceto em levantamentos
que abordam áreas extensas, a superfície da Terra pode ser aproximada
como um plano, simplificando assim os cálculos de levantamento
topográfico no plano. Mesmo para áreas muito grandes, as projeções
de mapa, [...] permitem que sejam usados cálculos de levantamento
topográfico. (GHILANI, WOLF, 2013: 08).

Os levantamentos geodésicos sugerem uma precisão mais elevada em relação aos


levantamentos topográficos. E têm como diferença básica a referência de cálculo, sendo
considerada para os levantamentos geodésicos a curvatura da Terra. “Agora é comum
realizar cálculos geodésicos em um sistema de coordenadas cartesianas tridimensional,
centrado na Terra, fixado na Terra (ECEF, do inglês Earth-Centered, Earth-Fixed).”
(GHILANI, WOLF, 2013: 08).

Os levantamentos geodésicos em território brasileiro, suas especificações


e normas gerais são exarados pela Resolução PR no 22, de 21/7/1983. Vide:
<http://www.inde.gov.br/images/inde/bservico1602.pdf>. Vide também as

13
UNIDADE I │ TOPOGRAFIA CLÁSSICA E MODERNA

especificações e normas gerais para levantamentos GPS em: <http://www.inde.


gov.br/images/inde/normas_gps.pdf>.

Quadro 1. Levantamentos topográficos especializados.

De controle Estabelece marcos horizontal e vertical. Cria uma estrutura de referência como suporte para outros levantamentos.
Topográfico Determina localização de recursos naturais e artificiais e elevações para criação de plantas.
De terra, limite e cadastrais Estabelece linhas de propriedades e marcos de divisa de propriedade.
Hidrográfico Define litoral e profundidade de lagos, rios, oceanos, reservatórios e outros.
Marítimo Associado às indústrias de portos e offshore e ao ambiente marinho.
De alinhamento Para planejar, projetar e construir rodovias, ferrovias, tubulações e outros projetos lineares.
De construção Oferecem elevações de linha, grau e controle, posições horizontais, dimensões e configurações para operações de
construção.
De como construído Documenta os locais finais exatos e layouts de trabalhos de engenharia e registram as mudanças de projeto
incorporadas ao projeto.
De minas Realizados acima e abaixo do solo para orientar túneis e outras operações associadas à mineração.
Solares Mapeiam limites de propriedade, concessões solares, obstruções de acordo com os ângulos do sol.
Ferramental ótico É conhecido como levantamento industrial ou alinhamento ótico. São medições extremamente acuradas para
processos de fabricação.
Fonte: Adaptado de: Ghilani, Wolf, 2013:10.

De acordo com Ghilani et al (2013), de forma geral os levantamentos podem também


ser classificados em: levantamento de campo, levantamento aéreo e levantamento por
satélites. Sendo que os primeiros utilizam medições feitas a partir de equipamentos
locados em solo (níveis automáticos, estações total). Os levantamentos aéreos
(fotogrametria) usam câmeras em aeronaves, as quais possibilitam a obtenção de
imagens. Os terceiros dizem respeito à tecnologia do sensoriamento remoto, que se
utiliza de sensores embarcados em aeronaves e satélites. Todos esses métodos de
levantamento são usados, também, para os levantamentos tabulados, sendo que para o
levantamento topográfico do tipo ferramental ótico é possível apenas pelo método em
que os aparelhos são fixados em solo.

Sistemas de informações da terra (SITs; ou LISs, do inglês Land


Information Systems) e sistemas de informações geográficas
(SIGs; ou GISs, do inglês Geographic Information Systems) são
áreas de atividade que rapidamente assumiram posições de grande
proeminência na topografia. Esses sistemas baseados em computador
permitem armazenamento, integração, manipulação, análise e
exibição de praticamente qualquer tipo de informações relacionadas
espacialmente em nosso ambiente. SITs e SIGs estão sendo usados em
todos os níveis governamentais, e por empresas, indústrias privadas e
companhias de serviços públicos para auxiliar na gestão e na tomada
de decisão. Aplicações específicas têm ocorrido em muitas áreas
diversificadas e incluem gerenciamento natural de recursos, localização

14
TOPOGRAFIA CLÁSSICA E MODERNA │ UNIDADE I

e gerenciamento de instalações, modernização de registros de terreno,


análises demográfica e de mercado, resposta a emergências e operações
rápidas, gerenciamento de infraestrutura e monitoramento dos
ambientes regional, nacional e global. Os dados armazenados dentro
de SITs e SIGs podem ser naturais e culturais, e podem ser derivados
de novos levantamentos ou de fontes existentes, como mapas, gráficos,
fotos aéreas e de satélite, dados e estatísticas tabulados, além de outros
documentos. [...] Tipos específicos de informações (também chamados
de temas ou camadas de informação) necessários para os sistemas de
informações terrestres e geográficas podem incluir fronteiras políticas,
posse de propriedade individual, distribuição de população, locais de
recursos naturais, redes de transporte, serviços públicos, zoneamento,
hidrografia, tipos de solo, uso da terra, tipos de vegetação, pantanais e
muito mais. Um ingrediente essencial de toda informação incluída em
bancos de dados SITs e SIGs é que ela seja relacionada espacialmente,
ou seja, localizada em uma estrutura de referência geográfica comum.
Somente então as diferentes camadas de informações serão fisicamente
relacionáveis, de modo que possam ser analisadas por meio de
computadores para dar suporte à tomada de decisão. Esse requisito
posicional geográfico fará com que haja uma demanda pesada de
topógrafos (engenheiros de geomática) no futuro, que desempenharão
papéis fundamentais no projeto, na implantação e na gestão desses
sistemas. [...] (GHILANI, WOLF, 2013: 12).

Figura 3. Equipamento topográfico moderno.

Fonte: <https://geoespaciais.wordpress.com/2012/07/26/gps-na-topografia/>.

15
UNIDADE I │ TOPOGRAFIA CLÁSSICA E MODERNA

Com o desenvolvimento das tecnologias da informação e geoinformação, hardwares


e softwares, a topografia passa por grandes transformações. O modo e a velocidade
como os dados são gerados, medidos, processados, armazenados e recuperados
são revolucionários. Modelos digitais em 3D estão muito presentes nos trabalhos
da topografia moderna, o acesso a diferentes tecnologias e produtos já faz parte do
cotidiano e são acessíveis aos profissionais. A evolução tecnológica instrumental da
topografia e das geotecnologias está em curso e serão absorvidas rapidamente pelos
mais diferentes profissionais e profissões.

Os textos manuscritos das notas de campo e as cadernetas de campo, as quais eram


o suporte para os registros das medições e descrições das mais diversas informações,
foram sendo substituídos por coletores de dados automáticos. Essas cadernetas
eletrônicas de campo e seus controladores de levantamento de dados fazem interface
com diversos equipamentos topográficos modernos, são capazes de criar arquivos com
os registros de campo. Porém, as anotações e descrições das situações observadas em
campo são suplementares aos dados numéricos gerados eletronicamente.

Esses dados coletados em campo, sejam eles manuais ou eletrônicos, compõem os


registros permanentes do trabalho topográfico e devem ser precisos, completos e
corretos para que não haja perda do trabalho empenhado. Esse momento da coleta,
ou seja, o registro dos dados em campo é considerado um momento crítico de todo o
trabalho topográfico, pois ele é substancialmente caro e a perda dessas informações
ou dados corrompidos pode resultar em grande prejuízo financeiro, devido aos custos
elevados de pessoal e equipamentos.

Quadro 2. Requisitos das notas de campo.

Precisão Qualidade mais importante nos trabalhos de levantamento topográfico.


Um dado de medição ou detalhe omitido pode anular o uso das notas em cálculos ou plotagem. A integridade deve ser
Integridade
verificada antes de se deixar o local de levantamento.
Legibilidade Notas inelegíveis não podem ser usadas. A qualidade deve ser profissional.
Organização A organização contribui para a precisão, a integridade e a legibilidade.
Planejar para que haja procedimentos apropriados em campo é necessário para a garantia da clareza das anotações e
Clareza
tabulações, minimizando os erros grosseiros e omissões.
Nome do projeto, Informações necessárias para documentar a nota de campo e estabelecer um horário, além de correlacionar os diferentes
local, data, hora do levantamentos. Problemas encontrados, precisão e outros fatos podem ser percebidos a partir do tempo exigido para o
dia e horas de início e levantamento.
término.
Condições adversas, temperatura, velocidade do vento, chuva podem ter influência sobre a precisão nas operações de
Condições climáticas levantamento topográfico. Os trabalhos dos topógrafos poderão ser prejudicados por condições do tempo, esses detalhes
são importantes na análise das notas de campo, na aplicação de correções devidas às correções de temperatura.
Nomes, iniciais dos membros e funções na equipe são necessários para documentação e referências futuras. Os cargos
Equipe podem ser descritos por símbolos. Operador de instrumento, operador de mira e anotador. Geralmente o chefe de equipe é
o anotador.
Tipo e número do Marca e número de série do instrumento utilizado e seu grau de ajuste afetam a precisão de um levantamento. A devida
instrumento identificação do equipamento pode auxiliar no isolamento de alguns erros.
Fonte: Adaptado de: Ghilani, Wolf, 2013:27.

16
TOPOGRAFIA CLÁSSICA E MODERNA │ UNIDADE I

O quadro acima apresenta alguns requisitos de notas de campo em trabalhos topográficos


escritos à mão, e também elementos necessários e pertinentes a um bom trabalho com
qualidade profissional. Todavia, os avanços tecnológicos permitiram o desenvolvimento
de sofisticados sistemas de coleta automática de dados para aqueles tipos de anotações
de campo. São dispositivos com o tamanho portátil, que possuem uma gama de
recursos e funções, esses coletores de dados ao serem acoplados a instrumentos de
levantamento modernos recebem e armazenam os dados automaticamente em arquivos
sincronicamente à medida que as medições são feitas.

Figura 4. Coletor de dados automático.

Fonte: <http://www.embratop.com.br/produtos/locacao/coletor-de-dados-locacao/>.

No uso de coletores automáticos de dados, a informação preliminar


comum, como data, equipe, condições do tempo, horário e número do
instrumento, é informada manualmente no arquivo por meio do teclado.
Para um determinado tipo de levantamento, o microprocessador
interno do coletor de dados é programado para seguir uma sequência
específica de etapas. O operador identifica o tipo de levantamento a
ser realizado a partir de um menu ou por meio de um código, e depois
segue as instruções que aparecem na tela da unidade. Mensagens
passo a passo orientarão o operador a inserir dados externos (que
podem incluir nomes de estação, descrições ou outras informações)
ou pressionar uma tecla para iniciar o registro automático dos valores
observados. Como os coletores de dados exigem que os usuários sigam
etapas específicas ao realizar um levantamento, elas normalmente
são chamadas de controladores de levantamento (ou simplesmente
controladores). [...] A maior parte dos coletores de dados permite

17
UNIDADE I │ TOPOGRAFIA CLÁSSICA E MODERNA

que um operador role pelos dados armazenados, exibindo-os na tela


para análise e edição, enquanto ainda estiver no local do trabalho.
As estruturas organizacionais usadas por diferentes coletores de dados
no armazenamento de informações variam bastante de um fabricante
para outro. Todos eles seguem regras específicas, e quando são
compreendidos, os dados podem ser prontamente interpretados pelo
pessoal de campo e de escritório. A desvantagem de ter estruturas de
dados variadas de diferentes fabricantes é que o novo sistema precisa
ser aprendido com cada instrumento de marca diferente. (GHILANI,
WOLF, 2013: 30).

Figura 5. Estação total Trimble S6 ou TSC2 Bluetooth.

Fonte: <http://www.prometric.com.mx/tsc2.htm>.

A estação total acima além de proporcionar uma série de funcionalidades tem a


capacidade de efetuar cálculos em campo diminuindo o tempo dos serviços topográficos,
possui sistema operacional Windows, podendo executar diversos softwares compatíveis
a esse sistema operacional, tem tecnologia Bluetooth, é Wi-Fi e possui antena GPS.
Esse aparelho segue e fixa uma ampla variedade de alvos e prismas convencionais a
uma grande distância. Possui avançada tecnologia para compensar erros angulares,
possibilitando medições rápidas e precisas. Corrige automaticamente as vibrações e
movimentos inesperados quando o operador o manuseia.

Aparelhos automáticos de coleta de dados topográficos possibilitam a redução drástica


de erros grosseiros na leitura e observações de registros. Também são capazes de
diminuir sobremaneira o tempo de processamento, exibição e arquivamento das notas
de campo. Devido à quantidade de dados captados por esses equipamentos, cuidados
com os arquivos são necessários evitando a perda por descuido dos operadores ou

18
TOPOGRAFIA CLÁSSICA E MODERNA │ UNIDADE I

mesmo pane, por isso se faz necessário que em intervalos regulares as informações
armazenadas nos coletores de dados sejam transferidas para outro dispositivo, ou
mesmo para os escritórios via Wi-Fi. Essa precaução de segurança pode evitar uma
perda significativa de trabalho.

À medida que cada nova série de coletores de dados é desenvolvida,


interfaces de usuário mais sofisticadas são projetadas e o software que
acompanha os sistemas é melhorado. Esses sistemas têm resultado
em eficiência e produtividade aumentadas, e têm oferecido ao pessoal
de campo novos recursos como a capacidade de realizar verificações
de campo adicionais. Porém, a maior complexidade das instruções de
levantamento operacionais com coletores de dados avançados também
exige um pessoal de campo com níveis mais elevados de educação e
treinamento. (GHILANI, WOLF, 2013:32).

A estação total
As estações totais possuem três elementos básicos, são eles: o instrumento de medição
eletrônica de distância, também chamado de MED; o componente de medição de ângulos
e; o hardware integrado coletor de dados. Esses aparelhos observam automaticamente
os ângulos horizontais e verticais, distâncias inclinadas, são capazes de calcular em
tempo real as distâncias horizontais e verticais, as elevações e coordenadas dos pontos
de visada. Também armazenam os dados internamente ou em coletores de dados
externos que estejam conectados ao equipamento.

A parte superior de uma estação total, conhecida como Alidade (figura 6), possui
algumas configurações básicas, dentre elas destacam-se a luneta, os círculos graduados
e outros elementos que são necessários para a medição de distâncias e ângulos.

Figura 6. Alidade e seus componentes.

Fonte: <http://www.ebah.com.br/content/ABAAAA8pQAG/manual-estacao-total-gts-210>.

19
UNIDADE I │ TOPOGRAFIA CLÁSSICA E MODERNA

Quadro 3. Alguns itens que compõe uma alidade.

Lunetas São dispositivos curtos, com retículos com linhas cruzadas pintadas no vidro, equipadas com alça de mira ou
colimador para pontaria aproximada. Podem possuir dois controles de foco, um para focar o objeto que é visto,
o outro para focar o retículo, podendo ocorrer paralaxe se os focos não forem ajustados coincidentemente.
Estações totais mais modernas possuem foco automático da lente objetiva.
Sistema para medição do ângulo Funcionam pela passagem de um feixe de luz por graduações bem próximas, criando variações alternadas
de intensidade de luz, os fotodetectores ao sentirem as variações de luz passam por microprocessadores
convertendo em valores digitais, exibindo os ângulos verticais e horizontais.
Círculo vertical É um componente indexado na direção gravitacional por compensação automática, funcionam semelhantes
aos níveis automáticos, alinhando o círculo vertical automaticamente. As leituras desse dispositivo são zenitais,
ou seja, quando a luneta está apontada para cima o ângulo é igual a 0°, quando a luneta está apontada
verticalmente os ângulos são de 90° ou 270°.
Cilindro de aço em rolamento de Possibilita a rotação da luneta em torno de um eixo vertical. Existe também o movimento horizontal que é
precisão controlado por parafuso de trava e de tangência, permitindo esse tipo de rotação. Esses dois componentes
são responsáveis pela pontaria exata a um alvo.
Base de nivelamento Composto geralmente por três parafusos ou comandos para nivelamento, um nível circular e um dispositivo
de fixação da estação total. Algumas bases de nivelamento possuem prumos ópticos integrais que permitem a
centralização de acessórios.
Prumo óptico Geralmente montado na base de nivelamento ou na alidade da estação total, permitem a centralização precisa
sobre um ponto. Esse prumo fornece uma linha de visada dirigida para baixo, colinear com o eixo vertical do
instrumento.
Tripés A alidade se apoia na base de nivelamento que se apoia no tripé. Esses elementos são plataformas largas com
pés ajustáveis.
Microprocessador, teclado, visor e O microprocessador oferece ao equipamento a funcionalidade de redução de erros nas leituras e o
porta de comunicação. aumento na velocidade dos trabalhos topográficos. O teclado e o visor possibilitam a comunicação com o
microprocessador. As portas de comunicações permitem a conexão de coletores de informações externos,
fazendo interface com outros equipamentos.
Fonte: Adaptado de: Ghilani, Wof, 2013:165.

No passado, trânsitos e teodolitos eram os instrumentos de topografia


mais usados nas observações de ângulos. Esses dois dispositivos eram
fundamentalmente equivalentes e poderiam realizar basicamente as
mesmas tarefas. Hoje, a estação total substitui ambos os dispositivos. As
estações totais podem realizar todas as tarefas que poderiam ser feitas
com trânsitos e teodolitos, mas de uma forma muito mais eficiente. Além
disso, elas também podem observar distâncias com acurácia e rapidez,
e fazer cálculos com observações de ângulo e distância, mostrando os
resultados em tempo real. Essas e muitas outras vantagens significativas
tornaram as estações totais os instrumentos predominantes utilizados
na prática atual dos levantamentos. Elas são usadas em todos os tipos
de levantamentos, incluindo o topográfico, o hidrográfico, o cadastral e
o de construção. (GHILANI, WOF, 2013:161)

Alguns cuidados devem ser observados no manuseio e instalação de uma estação total.
Como vimos, esses equipamentos possuem uma série de dispositivos de precisão.
Quando retiradas de suas caixas as alidades devem ser levantadas com cuidado e
seguradas preferencialmente por sua alça de mão (figura 6). Em seguida, a alidade deve
ser fixada com firmeza no tripé por meio da base niveladora. Um procedimento seguro
de instalação de uma estação total deve sempre começar pela colocação do tripé no solo
20
TOPOGRAFIA CLÁSSICA E MODERNA │ UNIDADE I

de maneira que ele fique estável, um bom ajuste dos pés facilitará a fixação da cabeça
da estação total evitando queda do equipamento e possíveis avarias.

Figura 7. Tripé.

Fonte: <http://www.x2geo.com.br/acessorios/>.

Figura 8. Base niveladora.

Fonte: <http://www.x2geo.com.br/acessorios/>.

21
LEVANTAMENTOS UNIDADE II
TOPOGRÁFICOS

CAPÍTULO 1
Os levantamentos por satélites

GNSS e GPS
Os sistemas globais de navegação por satélite (GNSS) e os sistemas de posicionamento
global (GPS) revolucionaram as técnicas de levantamento de dados da superfície
terrestre sejam eles físicos ou ambientais, e não foi diferente com a topografia que
passou a buscar a integração com esses sistemas (figura 3).

A técnica de levantamento de dados pelo sistema de navegação por satélites surgiu no


final da década de 1950 nos Estados Unidos com o chamado sistema Transit, o qual
buscava auxiliar a frota de submarinos daquele país. Segundo Ghilani e Wolf (2013),
a primeira geração desse sistema foi baseada no efeito Doppler que basicamente
observava as mudanças de frequência dos sinais transmitidos por satélites, os quais
eram captados em bases terrestres.

O desenvolvimento da primeira geração de sistemas de posicionamento


por satélites começou em 1958. Esse antigo sistema, conhecido como
sistema de navegação por satélite da marinha (NNSS, do inglês
Navy Navigation Satellite System), comumente chamado de sistema
TRANSIT, operava pelo princípio Doppler. Nesse sistema, o efeito
Doppler (mudanças de frequência) dos sinais transmitidos de satélites
era observado por receptores localizados em estações terrestres. O
efeito Doppler observado é uma função das distâncias até os satélites e
suas direções de movimento com relação aos receptores. A frequência
de transmissão era conhecida e, junto dos dados precisos da posição
orbital do satélite e tempo preciso das observações, as posições das
estações receptoras poderiam ser determinadas. A constelação de
satélites no sistema TRANSIT, que variava entre cinco e sete em

22
LEVANTAMENTOS TOPOGRÁFICOS │ UNIDADE II

número, operava em órbitas polares em altitudes de aproximadamente


1100 km. O objetivo do sistema TRANSIT era auxiliar na navegação
da frota de submarinos Polaris da Marinha dos Estados Unidos.
O primeiro uso civil autorizado ocorreu em 1967, e a comunidade
envolvida com levantamentos rapidamente adotou a nova tecnologia, que
revelou-se particularmente útil em levantamentos de controle. Embora
esses primeiros instrumentos fossem grandes e caros, as sessões de
observação fossem demoradas, e a precisão alcançada não passasse
de moderada, o programa Doppler foi uma inovação importante no
posicionamento por satélite em geral, e na topografia em particular.
(GHILANI, WOF, 2013:276)

O sistema de posicionamento global – GPS surgiu na década de 1970, também nos


Estados Unidos, e foi desenvolvido a partir do programa espacial americano, pago pela
necessidade dos militares em desenvolverem um sistema de orientação e navegação
global. A partir do sucesso dos empreendimentos norte-americanos em seus sistemas
de posicionamento por satélites, outros países começaram a desenvolver seus próprios
sistemas de posicionamento global por satélites. Desta forma, as constelações de satélite
lançados ao espaço e seus sistemas passaram a ser conhecidos como GNSS – sistemas
globais de navegação por satélites.

Figura 9. Satélite NAVSTAR GPS.

Fonte: <http://www.space.com/19794-navstar.html>.

Devido ao sucesso do programa Doppler, o Departamento de


Defesa (DoD) dos Estados Unidos iniciou o desenvolvimento do
sistema de posicionamento global (GPS) NAVigation Satellite
Timingand Ranging(NAVSTAR). O primeiro satélite a dar suporte
ao desenvolvimento e ao teste do sistema foi colocado em órbita em

23
UNIDADE II │ LEVANTAMENTOS TOPOGRÁFICOS

1978. Desde essa data, muitos satélites adicionais foram lançados.


O sistema de posicionamento global, desenvolvido a um custo de
aproximadamente US$ 12 bilhões, tornou-se totalmente operacional
em dezembro de 1993. Assim como as versões Doppler mais antigas, o
sistema de posicionamento global é baseado em observações de sinais
transmitidos a partir de satélites, cujas posições dentro de suas órbitas
são precisamente conhecidas. Além disso, os sinais são rastreados com
receptores localizados em estações terrestres. Porém, os métodos para
determinar a distâncias dos receptores aos satélites, e para calcular
posições dos receptores, são diferentes. [...] O tamanho e o custo do
equipamento de levantamento por satélite reduziram substancialmente
desde o programa Doppler, e os procedimentos de campo e escritórios
envolvidos nos levantamentos têm sido simplificados de modo que,
agora, uma alta precisão pode ser alcançada em tempo real. (GHILANI,
WOLF, 2013:277).

Hoje, a orbita da Terra abriga uma constelação de satélites que fazem parte do GNSS –
Sistema Global de Navegação por Satélite (Global Navigation Satellite Systems). Além
do sistema NAVSTAR GPS do projeto norte americano que se tornou operacional na
década de 1990, outros sistemas de posicionamento global começaram a ser lançados,
como são os casos do sistema russo GLONASS que possui 24 satélites em órbita, o
sistema europeu GALILEO que possuirá 30 satélites em órbita e o sistema chinês
COMPASS que terá 35 satélites em órbita. Embora os equipamentos existentes ainda
não tenham interoperabilidade, essa será uma tendência dos equipamentos do futuro.

Figura 10. Satélite Galileo.

Fonte: <http://www.esa.int/spaceinimages/Images/2014/07/Galileo_satellite2>.

Segundo Ghilani et al (2013), os fabricantes das tecnologias que trabalham com


receptores de satélite já buscam adaptar sistemas que possuem capacidade de operarem

24
LEVANTAMENTOS TOPOGRÁFICOS │ UNIDADE II

simultaneamente com GPS, GLONASS e GALILEO, fazendo com que as vantagens de


sistemas múltiplos contribuam, por exemplo, com os trabalhos topográficos trazendo
maior velocidade e acurácia na capitação dos dados, possibilitando um método viável
de se obter registros em áreas consideradas críticas, a exemplo de desfiladeiros, minas
profundas ou áreas urbanas rodeadas de arranha-céus.

O sucesso geral do posicionamento por satélite no setor civil é bem


documentado pelo número e pela variedade de empresas que têm usado
a tecnologia. Isso tem levado ao aumento e à melhoria nas constelações
de GNSS. No futuro próximo, haverá melhorias na aquisição de sinal
e no posicionamento. Por exemplo, os sinais de todos os sistemas de
posicionamento por satélite poderão penetrar em locais encobertos
e oferecer capacidades de posicionamento por satélite de dentro de
prédios. Os sinais adicionais de dentro de cada sistema melhorarão
tanto a solução de ambiguidades quanto as correções atmosféricas.
[...] De fato, em teoria, as ambiguidades podem ser determinantes
com um único instante de referência dos dados. Antecipa-se que
as acurácias no sistema modernizado serão reduzidas ao nível do
milímetro. Na verdade, prevê-se que as soluções baseadas em código
estarão disponíveis até o centímetro mais próximo. A implementação
completa do sistema GLONASS e o sistema Galileo só deverá melhorar
essas capacidades. Isso dará aos usuários civis de posicionamento por
satélite a determinação em tempo real sem precedentes de um local
altamente preciso em qualquer lugar do planeta. O uso de satélites
na comunidade envolvida com levantamentos (geomática) continuou
a aumentar enquanto os custos dos sistemas diminuíram. Essa
tecnologia tem e sem dúvida continuará a ter impacto considerável
sobre o modo como os dados são coletados e processados. Na verdade,
à medida que novas tecnologias de satélite são desenvolvidas, o uso
de equipamento de topografia convencional diminuirá. Isso se deve à
facilidade, à velocidade e às precisões alcançáveis que as tecnologias de
posicionamento por satélite oferecem. (GHILANI, WOLF, 2013:304).

De maneira genérica, o sistema de posicionamento global – GPS, que ainda é o sistema


mais usual no Brasil, pode ser dividido em três segmentos: o espacial, o de controle e o
do usuário. O primeiro seguimento diz respeito aos satélites em órbita que estão a uma
altitude de 20.000 km da superfície terrestre. O segundo seguimento refere-se às estações
de monitoramento que fazem os controles dos sinais rastreando as posições desses
equipamentos. Já o terceiro seguimento consiste em duas categorias de receptores, que
estão de acordo com sua precisão, sendo uma para uso civil e uma para uso militar.

25
UNIDADE II │ LEVANTAMENTOS TOPOGRÁFICOS

Hoje, a precisão para uso do departamento de defesa dos estados unidos chega a 18 m
na horizontal e 28 m na vertical.

Em comparação ao sistema norte americano GPS, o sistema europeu Galileo quando


totalmente implantado oferecerá alguns níveis de serviço por assinaturas (aberto,
comercial, segurança de vida, serviço público regulado e busca e resgate). Em relação
à precisão, o sistema europeu oferecerá precisão de 1 m para o serviço livre e precisão
de centímetros para o serviço de assinatura comercial. Já o sistema chinês operará em
dois níveis, um aberto e o outro comercial, com precisão de posicionamento em tempo
real de 10 metros.

Figura 11. Receptor GNSS.

Fonte: <www.sokkia.com>.

A acurácia de um levantamento moderno depende de variados fatores, dentre eles está


o tipo de receptor utilizado, pois os receptores GNSS podem utilizar várias constelações
de satélites. Alguns desses receptores são capazes de perceber vários canais, rastreando
dezenas de satélites dos sistemas GPS, Galileo e GLONASS simultaneamente. Dessa
forma, em levantamentos topográficos que exigem maior precisão os receptores de
dupla frequência são preferíveis em relação àqueles capazes de observar apenas a
banda L1.

Muitos fatores podem ter uma ligação de sucesso final de um levantamento


por satélite. Há também muitas técnicas diferentes que podem ser
usadas em termos de equipamento utilizado e dos procedimentos
seguidos. Devido a essas variáveis, os levantamentos por satélites
devem ser cuidadosamente planejados antes de ir a campo. Projetos

26
LEVANTAMENTOS TOPOGRÁFICOS │ UNIDADE II

pequenos, com pouca necessidade de precisão, podem não exigir um


grande pré–planejamento além da seleção de locais de receptor e dos
cuidados para que estejam livres de obstruções aéreas. Por outro lado,
grandes projetos que devem ser executados com alta ordem de precisão
exigirão um pré-planejamento extenso para aumentar a probabilidade
de sucesso do levantamento. Como um exemplo, um levantamento
com a finalidade de estabelecer o controle para um projeto de trânsito
rápido na cidade exigirá o máximo de cuidado na seleção de pessoal,
equipamentos e locais de receptor. Também será necessário fazer uma
visita ao local antes do levantamento, para localizar o controle existente
e identificar possíveis obstruções aéreas que possam interferir nos
sinais vindos do satélite em todos os locais de receptor propostos. Além
disso, uma pré-análise cuidadosa deverá ser feita para o planejamento
dos horários ideais da sessão de observação, das durações das sessões
e para o desenvolvimento de um plano para a execução ordenada das
sessões. O projeto provavelmente exigirá comunicações em terra para
coordenar as atividades de levantamento, uma análise de transporte
para assegurar itinerários razoáveis para a execução do levantamento, e
a instalação de marcos para indicar permanentemente os novos pontos
que serão localizados no levantamento. (GHILANI, WOLF, 2013:306).

27
CAPÍTULO 2
Tipos de levantamentos GNSS e a RBMC

Levantamento estático, estático rápido,


pseudocinemático e cinemático
Nos posicionamentos estáticos, os levantamentos geodésicos de controle são utilizados
dois ou mais receptores GNSS, sendo um deles o aparelho base e os outros os receptores
móveis, aqueles que se deslocam no terreno. A partir da base, com a estação de controle
existente, ou seja, com as coordenadas conhecidas, são feitas aferições ocupando as
outras estações com coordenadas desconhecidas.

Segundo Ghilani et al (2013), as acurácias relacionadas com esse método de


levantamento geodésico (estático) são de cerca de 3 a 5 mm, sendo que a duração da
sessão de observação com equipamentos de simples frequência tem duração típica de
30 min + 3min/km, e a duração da sessão de observação com equipamentos de dupla
frequência tem duração típica de 20 mim + 2 min/km.

As taxas de coleta dos receptores são definidas de forma a captarem os sinais transmitidos
pelos satélites com um devido intervalo de tempo, pois esses sinais são contínuos e, não
sendo assim, os volumes de dados não seriam suportados pelo armazenamento dos
equipamentos. Os receptores devem ser preparados para amostragem de coletas em
certo intervalo de tempo, evitando sobrecarga de dados adquiridos.

Para a primeira sessão de observação, observações simultâneas são


feitas a partir de todas as estações para quatro ou mais satélites por
um período de tempo de uma hora ou mais, dependendo da distância
da linha de base. (Linhas de base maiores exigem maiores tempos
de observação.) Exceto por um, todos os receptores podem ser
movimentados ao completar a primeira sessão. O receptor restante
agora serve como estação base para a próxima sessão de observação. Ele
pode ser relacionado a partir de qualquer um dos receptores usados na
primeira sessão de observação. Ao terminar a segunda sessão, o processo
é repetido até que todas as estações estejam ocupadas, a as linhas de base
observadas formem figuras geometricamente fechadas. O valor para a
taxa de coleta em um levantamento estático deverá ser o mesmo para
todos os receptores durante o levantamento. Normalmente, essa taxa é
definida como 15 segundos para minimizar o número de observações e,

28
LEVANTAMENTOS TOPOGRÁFICOS │ UNIDADE II

dessa forma, minimizar os requisitos de armazenamento de dados.


A maioria dos receptores terá capacidade de memória interna ou estará
conectada a controladores que têm memórias internas para armazenar
os dados observados. Após a conclusão de todas as observações, os
dados são transferidos para um computador para pós-processamento.
(GHILANI, WOLF, 2013:308).

Figura 12. Sessão de observação GNSS.

Fonte: <http://www.inde.gov.br/images/inde/recom_gps_internet.pdf>.

Os levantamentos utilizando o posicionamento estático rápido se assemelham com


os anteriores, porém um dos receptores ficará sempre na mesma posição enquanto
os demais são movimentados progressivamente de pontos desconhecidos para outros
pontos desconhecidos. Nesse tipo de levantamento a duração da sessão, segundo
Ghilani et al (2013), é de 20 min + 2min/km para equipamentos de simples frequência
e, de 10 min + 1min/km para equipamentos de dupla frequência.

De acordo com o autor supracitado, o posicionamento relativo estático rápido pode


gerar dados com acurácia na ordem de 3 a 5 mm em condições favoráveis, sendo o
método mais indicado para levantamentos de controle de pequenas extensões.
“O procedimento estático rápido é adequado para observar linhas de base de até 20 km
de extensão sob boas condições de observações.” (GHILANI, et al, 2013:309).

Os levantamentos pseudocinemáticos também necessitam de no mínimo dois receptores


GNSS, podem ser definidos como levantamentos intermitentes ou de recuperação. Já os
cinemáticos são aqueles em que um dos receptores pode estar em constante movimento
(receptor itinerante). Esse método é considerado o mais produtivo, porém o de menor
acurácia, com precisão em torno de 1 a 2 cm. Sendo suficiente para muitos tipos de

29
UNIDADE II │ LEVANTAMENTOS TOPOGRÁFICOS

levantamentos, como exemplo, a maioria dos topográficos. “Os métodos cinemáticos


se aplicam a qualquer tipo de levantamento que exija a localização de muitos pontos, o
que os torna bastante apropriados para a maioria dos levantamentos topográficos e de
obras.” (GHILANI, et al, 2013:310).

No levantamento pseudocinemático, o receptor da base sempre


permanece em uma estação de controle, enquanto o itinerante vai
para cada ponto de posição desconhecida. Duas sessões de observação
relativamente curtas (com duração em torno de 5 minutos cada) são
realizadas com o itinerante em cada estação. O lapso de tempo entre
a primeira sessão em uma estação e a sessão de repetição deverá ser
de aproximadamente uma hora. Isso produz a rigidez geométrica
das observações devido à mudança na geometria do satélite, que
ocorre durante esse período de tempo. [...] Uma desvantagem desse
método, em comparação a outros métodos estáticos, é a necessidade
de retornar às estações. Esse procedimento requer um planejamento de
pré-levantamento cuidadoso para garantir que haja tempo suficiente
disponível para o retorno ao local, e para conseguir o roteiro mais
eficiente. Os levantamentos pseudocinemáticos são usados de modo
mais apropriado onde os pontos a serem levantados estão ao longo de
uma estrada, e o movimento rápido de um local para outro pode ser
feito prontamente. (GHILANI, WOLF, 2013:309).

Levantamentos de controle

De acordo com Ghilani et al (2013), levantamentos de pequeno porte não são tão
exigentes em aspectos de planejamento de projeto, porém para aqueles levantamentos
que necessitam de maior acurácia, ou mesmo projetos de grande porte, o controle
passa a ser elemento crítico para a obtenção de resultados aceitáveis. Projetos
relacionados com técnicas de posicionamento global devem possuir relação com
pontos de controle existentes em sua proximidade. A obtenção de informações quanto
a esses pontos de controle é fundamental para o sucesso de qualquer operação, assim
como, o conhecimento prévio de campo, terreno, vegetação, dentre outros fatores
físicos e climáticos que devem compor o planejamento. As restrições de cobertura
é um fator que pode bloquear os sinais de satélite prejudicando sobremaneira a
obtenção dos dados fornecidos pelo sistema. Caso seja necessário, uma limpeza ao
redor das estações pode ser suficiente para atender o critério de visibilidade em um
planejamento de controle.

30
LEVANTAMENTOS TOPOGRÁFICOS │ UNIDADE II

Cada método oferece um conjunto exclusivo de requisitos de procedimento


para o pessoal de campo. Em levantamentos de alta acurácia, que
envolvem linhas de base longas, o método de levantamento estático com
receptores GNSS é a melhor solução. Entretanto, em levantamentos
típicos, limitados à pequenas áreas, um receptor de frequência única que
use os métodos de levantamento estático rápido, pseudocinemático ou
cinemático podem ser suficientes. Devido à variabilidade nos requisitos
e restrições dos levantamentos, a seleção do método de levantamento
apropriado depende de (1) nível desejado de acurácia nas coordenadas
finais, (2) intenção de uso do levantamento, (3) tipo de equipamento
disponível para o levantamento, (4) tamanho do levantamento, (5)
cobertura e outras condições locais para o levantamento e (6) software
disponível para pós-processamento dos dados. Raramente há apenas
um método para realizar o trabalho. Receptores de GNSS reduzirão o
tempo necessário em cada estação de um levantamento estático devido
ao maior número de satélites visíveis e a geometria de satélite melhorada.
(GHILANI, WOLF, 2013: 313).

Outro aspecto importante a ser observado nos levantamentos de controle diz respeito
às janelas de observação, que é a determinação dos satélites que estarão visíveis (vide:
www.trimble.com/GNSSPlanningOnline) no período de captação de informações
do levantamento. Essas janelas de observações de satélites podem ser determinadas
usando-se almanaques dos sistemas GNSS.

Figura 13. Janela de observação GNSS.

Fonte: <http://freegeographytools.com/2007/determining-local-gps-satellite-geometry-effects-on-position-accuracy>.

31
UNIDADE II │ LEVANTAMENTOS TOPOGRÁFICOS

Estações de referência
A Rede Brasileira de Monitoramento Contínuo dos sistemas GNSS - RBMC é necessária
para se alcançar a mais alta ordem de precisão no posicionamento dos levantamentos
por satélites. Com isso, os trabalhos topográficos e geodésicos possuem maior acurácia,
agilidade e economicidade.

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE (ibge.gov.br), para as


aplicações em trabalhos geodésicos e topográficos está implícito o método relativo de
levantamento, ou seja, ao menos uma estação de coordenadas conhecidas é ocupada de
forma simultânea com os pontos aferidos. Dessa maneira, as estações que compõem
a RBMC fazem o papel do ponto de coordenada conhecido pertencentes ao Sistema
Geodésico Brasileiro – SGB. Com isso, não é necessária a imobilização de um receptor
GNSS, pois as estações da rede brasileira de monitoramento contínuo dos sistemas
GNSS são de altíssimo desempenho, proporcionando observações de grande acurácia
e confiabilidade.

As estações da RBMC são materializadas através de pinos de


centragem forçada, especialmente projetados, e cravados em pilares
estáveis. A maioria dos receptores da rede possui a capacidade de
rastrear satélites GPS e GLONASS, enquanto alguns rastreiam
apenas GPS. Esses receptores coletam e armazenam continuamente
as observações do código e da fase das ondas portadoras transmitidos
pelos satélites das constelações GPS ou GLONASS. Cada estação
possui um receptor e antena geodésica, conexão de Internet e
fornecimento constante de energia elétrica que possibilita a operação
contínua da estação. As coordenadas das estações da RBMC são outro
componente importante na composição dos resultados finais dos
levantamentos a ela referenciados. Nesse aspecto, a grande vantagem
da RBMC é que todas as suas estações fazem parte da Rede de
Referência SIRGAS (Sistema de Referência Geocêntrico para
as Américas), cujas coordenadas finais têm precisão da ordem de ±
5 mm, configurando-se como uma das redes mais precisas do mundo.
Outro papel importante da RBMC é que suas observações vêm
contribuindo, desde 1997, para a densificação regional da rede do
IGS (International GPS Service for Geodynamics), garantindo uma
melhor precisão dos produtos do IGS – tais como órbitas precisas –
sobre o território brasileiro. (IBGE.GOV.BR)

32
LEVANTAMENTOS TOPOGRÁFICOS │ UNIDADE II

Figura 14. RBMC – Rede Brasileira de Monitoramento Contínuo.

Fonte: <ibge.gov.br>.

O marco geodésico é a materialização física para os trabalhos geodésicos, permitindo


a perenidade das informações, subsidiando os profissionais nos levantamentos
posteriores. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, uma das suas ações
desenvolvidas é o estabelecimento de um conjunto homogêneo de marcos geodésico
com altitudes de alta precisão para todo o território nacional, formalmente conhecido
como Rede Altimétrica de Alta Precisão (RAAP) do Sistema Geodésico Brasileiro (SGB).

De acordo com o IBGE, a maior parte das altitudes da Rede Altimétrica de Alta Precisão
– RAAP refere-se ao Datum de Imbituba (ao nível médio do mar no Porto de Imbituba
em SC) entre os anos de 1949 e1957.

A rede Maregráfica Permanente para Geodésica – RMPG tem a finalidade de determinação


e acompanhamento da evolução temporal e espacial dos dados altimétricos do Sistema
Geodésico Brasileiro. Em operação (Quadro 3), com observações convencionais e
digitais, uma sexta estação maregráfica será instalada no porto de Belém, região Norte
do Brasil, permitindo que o nível médio do mar seja determinado em toda a costa
brasileira.

33
UNIDADE II │ LEVANTAMENTOS TOPOGRÁFICOS

Quadro 3. Estações Estabelecidas – RMPG.

ESTAÇÃO CÓDIGO
SANTANA – AMAPÁ EMSAN
FORTALEZA – CEARÁ EMFOR
SALVADOR – BAHIA EMSAL
MACAÉ – RIO DE JANEIRO EMMAC
IMBITUBA – SANTA CATARINA EMIMB
Fonte: Adaptado de: <ibge.gov.br>.

Figura 15. RMPG – Rede Maregráfica Permanente para Geodésia.

Fonte: <ibge.gov.br>.

34
CERTIFICAÇÃO, UNIDADE III
GESTÃO E CADASTRO

CAPÍTULO 1
A governança e o georreferenciamento

Georreferenciamento de imóveis rurais


As novas fronteiras alcançadas pela tecnologia aplicada à informação geográfica tornaram
a localização espacial uma operação relativamente simples para os profissionais da
topografia. Na descrição dos imóveis rurais, a coleta de dados georreferenciados pelos
sistemas GNSS, que operam basicamente com a capacidade de medição das distâncias
entre os receptores em solo e os satélites em órbita, possibilita a determinação precisa
de um ponto na superfície terrestre.

O Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – INCRA possui norma


específica para o georreferenciamento de imóveis rurais, em sua terceira edição,
que exara as condições mínimas exigíveis para a execução de serviços correlatos ao
georreferenciamento em propriedades rurais públicas ou privadas. “O imóvel rural a ser
considerado nos serviços de georreferenciamento é aquele objeto do título de domínio,
bem como aquele passível de titulação.” (INCRA, 2013:2).

Segundo a norma técnica para georreferenciamento de imóveis rurais (2013), a


identificação de um imóvel rural público ou privado acontece pela correta descrição dos
seus limites, sendo que esses são segmentos de retas interligados por vértices codificados
e georreferenciados. Hoje, as coordenadas dos vértices limítrofes dos imóveis rurais são
referenciadas pelo sistema de referência geocêntrico para as Américas (SIRGAS2000).
“A correta aplicação desta norma está condicionada às especificações dos seguintes
documentos: a) Manual Técnico de Limites e Confrontações [...] b) Manual técnico de
Posicionamento [...]”. (INCRA, 2013:1).

Todo o profissional que desenvolver trabalhos de georreferenciamento de imóveis


rurais deverá ser credenciado pelo INCRA, após envio de certidão específica expedida

35
UNIDADE III │ CERTIFICAÇÃO, GESTÃO E CADASTRO

pelo CREA que tenha registro ou visto, assumindo a responsabilidade técnica pelos
serviços prestados, comprovado pela ART (anotação de responsabilidade técnica)
de execução. “[...] Somente está apto a ser credenciado o profissional habilitado pelo
Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (CREA), para execução de serviços de
georreferenciamento de imóveis rurais.” (INCRA, 2013:4).

As coordenadas dos vértices definidores dos limites do imóvel devem


ser referenciadas ao SGB, vigente na época da submissão do trabalho.
Atualmente adota-se o Sistema de Referência Geocêntrico para as
Américas (SIRGAS), em sua realização do ano 2000 (SIRGAS2000),
conforme especificações constantes na resolução no 01, de 25 de
fevereiro de 2005, do Presidente da Fundação Instituto Brasileiro de
Geografia e Estatística (IBGE). [...] A determinação dos valores de
coordenadas deve ser realizada em consonância com o Manual Técnico
de Posicionamento. (INCRA, 2013:3)

Quadro 4. Leis, Normas e Manuais.

Leis, Normas e Manuais de interesse para georreferenciamento e certificação de imóveis rurais


Lei n 6.015/1973
o
Dispõe sobre os registros públicos, e dá outras providências.
Lei no 10.267/2001 Altera dispositivos das leis 4.497/1966; 5.868/1972; 6.015/1973; 6.739/1979; 9.393/1996.
Decreto n 4.449/2002
o
Regulamenta a lei 10.267/2001, que altera dispositivos das leis 4.947/1966; 5.868/1972; 6.015/1973;
6.739/1979; e 9.393/1966.
NTGIR/2003 Norma técnica para georreferenciamento de imóveis rurais 1a edição – INCRA.
Decreto n 5.570/2005
o
Dá nova redação a dispositivo do Decreto no 4.449/2002.
NEI no 80 Norma de execução INCRA no 80 – estabelece diretrizes e procedimentos referentes a certificação e atualização
cadastral de imóveis rurais.
Lei no 11.952/2009 Dispõe sobre a regularização fundiária das ocupações incidentes em terras situadas em áreas da União, no âmbito da
Amazônia Legal.
NTGIR/2010 Norma técnica para georreferenciamento de imóveis rurais 2a edição – INCRA.
NEI no 92 Norma de execução INCRA no 92 – estabelece as diretrizes e procedimentos referentes à certificação e atualização
de imóveis rurais no INCRA.
NEI no 96 Norma de execução INCRA no 96 – estabelece as diretrizes e procedimentos referentes à certificação de imóveis
rurais no INCRA.
NTGIR revisada Norma técnica para georreferenciamento de imóveis rurais 2a edição revisada – INCRA.
Decreto n 7.620/2011
o
Altera o art. 10 do decreto no 4.449/2002, que regulamenta a lei no 10.267/2001.
NEI no 105 Norma de execução INCRA no 105 – regulamenta o procedimento de certificação da poligonal objeto de memorial
descritivo de imóveis rurais.
MTP/2013 Manual técnico de posicionamento: georreferenciamento de imóveis rurais.
MTLC/2013 Manual técnico de limites e confrontações: georreferenciamento de imóveis rurais, 1a edição.
MSIGEF Manual eletrônico do sistema de gestão fundiária: governança fundiária do território nacional.
Decreto – lei n 243/1967 Fixa as diretrizes e bases para a cartografia brasileira.
o

A seguir (quadro 5), uma adaptação de uma série de questionamentos encontrados


no site do Conselho Federal Colégio Notarial do Brasil, disponível em: <http://www.
notariado.org.br/index.php?pG=X19leGliZV9ub3RpY2lhcw==&in=MzQ0Mg==&filtr
o=9&Data=>, sobre o georreferenciamento de imóveis rurais. Acessado em: 30/3/2016.

36
CERTIFICAÇÃO, GESTÃO E CADASTRO │ UNIDADE III

Quadro 5. Questões sobre o georreferenciamento de imóveis rurais.

Quais imóveis devem ser georreferenciados? Todos os imóveis rurais do Brasil sejam públicos ou privados.
O decreto no 4.449/2002 definiu o cronograma de enquadramento anual em relação à área do
imóvel rural. A partir de 31/10/2004 foram enquadrados todos os imóveis com mais de 500
ha e, a partir de 31/10/2005 foram enquadrados todos os imóveis rurais do Brasil. A partir do
Qual a obrigatoriedade do
enquadramento, a exigência do prévio georreferenciamento será manifestada pelo Oficial do
georreferenciamento?
Registro de Imóveis, quando o proprietário solicitar o registro de desmembramento, fracionamento,
remembramento ou qualquer caso de transmissão do imóvel na respectiva matrícula do imóvel (art.
3o, lei no 10.267/2001).
A escrituração de um imóvel rural depende do As escriturações são realizadas nos cartórios e tabelionatos, sendo que a lei não cria qualquer
georreferenciamento? exigência para sua formalização.
Quem pode executar o georreferenciamento Profissionais com registro/visto nos CREAs e credenciados no INCRA, esses profissionais devem
de imóveis rurais? fazer a anotação de responsabilidade técnica – ART do serviço prestado.
Como posso verificar se o profissional é O INCRA divulga publicamente em seu site a relação de todos os profissionais credenciados pelo
habilitado? órgão para o georreferenciamento de imóveis rurais.
a) planejamento: análise da documentação e da legislação, consultas aos órgãos envolvidos e a
definição do que e como georreferenciar.
b) demarcação: reconhecimento dos limites, a monumentação e codificação dos vértices e a
formalização do termo de concordância dos limites confrontantes.
Quais serviços estão envolvidos em um
c) medição: efetivo transporte das coordenadas dos marcos do IBGE até cada vértice, seguindo os
georreferenciamento de um imóvel rural?
métodos e precisões estabelecidos em norma.
d) relatório: descrição dos trabalhos, resultados alcançados, geração dos produtos (planta, memorial
descritivo e arquivos de controle) e requerimento de certificação.
e) certificação: devido acompanhamento junto ao INCRA e atendimento das eventuais diligências.
Qual a precisão dos dados estabelecida pelo A portaria no 932/2002 do órgão estabelece erro máximo de 50 cm na determinação das
INCRA? coordenadas de cada vértice dos polígonos.
As medições podem ser feitas por sistemas Guardando uma precisão mínima em que o erro máximo não ultrapasse 50 cm, pode se usar até
GPS? métodos tradicionais de poligonação.
A atualização de cadastro junto ao INCRA é O art. 2o da lei no 5.868, com as posteriores alterações dada pela lei no 10.267, tornou obrigatória
necessária para o cadastramento? a atualização cadastral junto ao órgão no caso do georreferenciamento de imóveis rurais.
Uma série de exigências de informações são necessárias por força de lei (legislação ambiental),
como exemplo a determinação das áreas de preservação e de reserva legal. Algumas das
informações exigem laudos específicos e ART (anotação de responsabilidade técnica). As
Qual é a nova sistemática para a atualização
informações podem ser verificadas por imagens de satélite. Para o mapeamento dos detalhes e
do cadastramento?
áreas internas da propriedade rural, a precisão de +- 20m e/ou imagens de satélite compatíveis
são suficientes. Antes o cadastramento objetivava comprovar que o imóvel rural era produtivo, hoje
objetiva também verificar sua sustentabilidade ambiental.
As conformidades dos trabalhos técnicos executados pelo profissional habilitado e certificado,
com referência a Norma Técnica para o Georreferenciamento de imóveis Rurais. Tendo como
O que o INCRA certifica?
produto final a planta e o memorial descritivo da propriedade, com a descrição das medidas e
confrontações de cada lado do perímetro e os pares de coordenadas de todos os vértices.
A planta e o memorial descritivo certificado, juntamente com as declarações de concordância dos
confrontantes com os limites demarcados são apresentados ao Oficial de Registro de Imóveis que
O que acontece após a certificação pelo
tenha solicitado o georreferenciamento. Após a verificação e confirmação pelo Oficial cartorário,
INCRA?
esse transcreverá o memorial descritivo para a matrícula do imóvel ou abrirá nova matrícula
conforme o caso.
Em registro de imóvel cada propriedade corresponde a uma matrícula, ou a somatória
dessas quando do desmembramento. Cada matrícula deve ser demarcada individualmente e
Como é georreferenciada uma propriedade
georreferenciada individualmente. Caso essas propriedades sejam contínuas entre si, o proprietário
composta por diversas matrículas?
poderá optar pelo remembramento, ou seja, a unificação total da propriedade em uma matrícula, ou
em uma nova matrícula.
Quando uma propriedade é cortada por uma Se esse elemento for um bem público (municipal, estadual ou federal) a matrícula do imóvel será
estrada como é a demarcação? obrigatoriamente georreferenciada em duas partes descontínuas, cada parte com um polígono.
Fonte: Adaptado de: <http://www.notariado.org.br/>.

37
UNIDADE III │ CERTIFICAÇÃO, GESTÃO E CADASTRO

Certificação de imóveis rurais


Criada pela lei 10.267/2001, a certificação de imóveis rurais é um processo feito com
exclusividade pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – INCRA.
Trata-se de um documento exigido para as alterações de área ou de titularidade nos
cartórios de registro de imóveis. Compõe a certificação a planta georreferenciada do
imóvel rural. “O INCRA comunicará, mensalmente, aos serviços de registros de imóveis
os códigos dos imóveis rurais decorrentes de mudança de titularidade, parcelamento,
desmembramento, loteamento e unificação [...]”. (Art. 5o, decreto 5570/2005).

Figura 16. Print Scrn da tela do INCRA / Certificação.

Fonte: <certificacao.incra.gov.br/certificação>.

Em <incra.gov.br/estrutura-fundiaria/regularizacao-fundiaria/certificacao> pode-se
consultar as relações de imóveis rurais certificados pelo órgão, por suas regionais ou
por agentes cadastrados e autorizados pela autarquia. Nesse mesmo caminho “URL” é
possível acessar diversos arquivos em extensão “PDF”, a saber, os principais manuais
e normas técnicas para o georreferenciamento de imóveis rurais, como exemplo,
a terceira edição da norma para o georreferenciamento de imóveis rurais; o manual
técnico de posicionamento; o manual técnico de limites e confrontações; entre outros.

Na certificação do imóvel rural é emitido documento que valida e comprova o


cadastramento, o CCIR – certificado de cadastro de imóvel rural. De acordo com a
autarquia, esse é indispensável para o desmembramento de terra, para o arrendamento
da propriedade, para hipotecar, vender ou prometer em venda. É também indispensável
para a homologação de partilha amigável ou judicial (sucessão causa mortis), e para a

38
CERTIFICAÇÃO, GESTÃO E CADASTRO │ UNIDADE III

concessão de crédito agrícola por bancos e agentes financeiros. Importante salientar


que os dados constantes nesse certificado são apenas cadastrais, esses não legitimam
direitos de domínio e de posse.

Figura 17. Imóveis certificados – INCRA.

Fonte: Adaptado de: <certificacao.incra.gov.br>.

SIGEF – Sistema de Gestão Fundiária


Trata-se de um sistema desenvolvido pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma
Agrária – INCRA e Ministério do Desenvolvimento Agrário – MDA. Por meio desse
programa que são realizados os recebimentos, as validações, as organizações, as
regularizações e as disponibilizações dos georreferenciamentos dos limites e poligonais
dos imóveis rurais.

O Sistema de Gestão Fundiária (SIGEF) é uma ferramenta eletrônica


desenvolvida pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma
Agrária (INCRA) e pelo Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA)
para subsidiar a governança fundiária do território nacional. Por ele
são efetuadas a recepção, validação, organização, regularização e
disponibilização das informações georreferenciadas de limites de
imóveis rurais, públicos e privados. O projeto SIGEF foi apresentado
pela Câmara Técnica de Ordenamento Territorial, Regularização
Fundiária e Gestão Ambiental do Plano de Desenvolvimento Regional
Sustentável do Xingu (PDRS Xingu). O desenvolvimento do projeto é
coordenado pela SERFAL/MDA, com especificação em parceria com o
INCRA, que contribuiu com o conhecimento previamente acumulado
para o projeto de certificação automatizada e-Certifica. Por meio do
SIGEF são realizadas a certificação de dados referentes a limites de
imóveis rurais (§ 5o do art. 176 da Lei no 6.015, de 31 de dezembro

39
UNIDADE III │ CERTIFICAÇÃO, GESTÃO E CADASTRO

de 1973) e a gestão de contratos de serviços de georreferenciamento


com a administração pública, compreendendo: a) Credenciamento de
profissional apto a requerer certificação; b) Autenticidade de usuários do
sistema com certificação digital, seguindo padrões da Infraestrutura de
Chaves Públicas (ICP-Brasil); c) Recepção de dados georreferenciados
padronizados, via internet; d) Validação rápida, impessoal,
automatizada e precisa, de acordo com os parâmetros técnicos vigentes;
e) Geração automática de peças técnicas (planta e memorial descritivo),
com a possibilidade de verificação de autenticidade online; f) Gerência
eletrônica de requerimento relativos a parcelas: certificação, registro,
desmembramento, remembramento, retificação e cancelamento; g)
Possibilidade de inclusão de informações atualizadas do registro de
imóveis (matrícula e proprietário) via internet, permitindo a efetiva
sincronização entre os dados cadastrais e registrais; h) Gestão de
contratos de serviços de georreferenciamento com a administração
pública, com acesso para órgãos públicos, empresas, responsáveis
técnicos e fiscais; i) Pesquisa pública de parcelas certificadas,
requerimento e credenciados. (SIGEF.INCRA.GOV.BR).

Figura 18. Entendendo o processo.

Fonte: <sigef.incra.gov.br>.

40
CERTIFICAÇÃO, GESTÃO E CADASTRO │ UNIDADE III

Figura 19. Entendendo o processo.

Fonte: <sigef.incra.gov.br>.

Para acessar o Sistema de Gestão Fundiária – SIGEF, os usuários devem ser


certificados digitalmente segundo os padrões da Infraestrutura de Chaves Públicas –
ICP Brasil, conferindo segurança e confiabilidade aos profissionais no sistema. Existe a
necessidade para a autenticação dos usuários a utilização de TOKEN, esses dispositivos
funcionam como chaves de código fornecidas por certificadoras oficiais, como exemplo,
o SERPRO. “Isso significa que qualquer certificado emitido por uma AC da ICP-Brasil
será reconhecido por aplicações que utilizam a mesma infraestrutura.” <sigef.incra.
gov.br>.

Qualquer profissional que possuir habilitação técnica para se credenciar poderá requerer
o seu credenciamento a partir do site do SIGEF, porém esse deverá possuir a certificação
digital para cadastrar-se como usuário. Dessa forma, somente um profissional usuário
autenticado poderá acessar a página inicial do usuário no sistema, a partir da inserção
do PIN, senha do token ou cartão inteligente.

Caso o profissional usuário já possua cadastro credenciado junto ao Instituto Nacional


de Colonização e Reforma Agrária, seus dados serão migrados automaticamente para o
SIGEF, não necessitando preencher o cadastro de novo usuário do sistema. Nos casos
de profissionais habilitados para execução de serviços de georreferenciamento junto ao

41
UNIDADE III │ CERTIFICAÇÃO, GESTÃO E CADASTRO

INCRA, mas que não possuem cadastro no SIGEF, este poderá fazer uma solicitação
diretamente na página do usuário, na opção solicitar credenciamento.

É importante entender que o INCRA não é uma Autoridade Certificadora, dessa forma
não fornece token ou cartão inteligente. De acordo com o ITI – Instituto Nacional de
Tecnologia da Informação (ITI.GOV.BR), o certificado digital é uma identidade virtual
que permite a identificação segura e inequívoca da autoridade de uma mensagem por
meio eletrônico, via web.

Para se obter a certificação digital, o primeiro passo é escolher uma das diversas
Autoridades Certificadoras da ICP- Brasil, a saber, CERPRO, Caixa Econômica Federal,
Serasa Expirian, dentre outras, e fazer a solicitação no portal da internet da instituição,
sendo que a validação deve ser feita pessoalmente na Autoridade de Registro (AR) da
Autoridade Certificadora (AC).

Figura 20. UFs mais certificadas por hectare.

Fonte: <sigef.incra.gov.br>.

Figura 21. UFs mais certificadas por parcelamento.

Fonte: <sigef.incra.gov.br>.

42
CERTIFICAÇÃO, GESTÃO E CADASTRO │ UNIDADE III

As planilhas eletrônicas de dados georreferenciados a seguir (figura 21 e figura


22) referente às identificações do serviço de georreferenciamento, do detentor da
propriedade, da identificação da área e da tabela de perímetro, respectivamente, foram
desenvolvidas para o uso no Sistema de Gestão Fundiária – SIGEF. Essas planilhas
representam os produtos dos serviços executados pelo profissional habilitado (RT –
responsável técnico), e seu preenchimento é de responsabilidade desse profissional e as
informações devem condizer com a realidade da propriedade rural.

Figura 22. Modelo de planilha ODS – Identificação.

Fonte: <sigef.incra.gov.br>

Figura 23. Modelo de planilha ODS – Perímetro.

Fonte: <sigef.incra.gov.br>.

43
UNIDADE III │ CERTIFICAÇÃO, GESTÃO E CADASTRO

CAR – Cadastro Ambiental Rural


O cadastro ambiental rural é um dispositivo legal criado pela Lei no 12.651/2012,
esta dispõe sobre a proteção da vegetação nativa, áreas de preservação permanente
e as áreas de reserva legal, entre outras providências. Ele é um cadastro eletrônico,
obrigatório para todos os imóveis rurais, dando subsídio à base de dados para o controle,
monitoramento e combate ao desmatamento dos biomas brasileiros, serve também
para o planejamento ambiental e econômico das propriedades rurais. O CAR integra
o Sistema Nacional de Informação sobre o Meio Ambiente – SINIMA, informando
sobre a situação das áreas consolidadas, de preservação permanente e uso restrito nas
propriedades e posses rurais.

Figura 24. CAR em números.

Fonte: <mma.gov.br>

O cadastramento de uma propriedade deve ser feito/iniciado por meio do “CAR –


Módulo de Cadastro” que deve primeiramente ser instalado / baixado no computador.
Em seguida, as imagens de satélite (Rapideye) para a área a ser cadastrada devem
ser instaladas no módulo do cadastramento. A partir de então, as informações sobre
o cadastramento da propriedade, responsável pelo cadastramento, identificação do
proprietário e; identificação dos dados ambientais, quais sejam, remanescentes de
vegetação nativa, das áreas de preservação permanente, de reserva legal, de uso restrito
e áreas consolidadas.

44
CERTIFICAÇÃO, GESTÃO E CADASTRO │ UNIDADE III

Art. 29. É criado o Cadastro Ambiental Rural – CAR, no âmbito do


Sistema Nacional de Informação sobre o Meio Ambiente – SINIMA,
registro público eletrônico de âmbito nacional, obrigatório para
todos os imóveis rurais, com a finalidade de integrar as informações
ambientais das propriedades e posses rurais, compondo base de dados
para controle, monitoramento, planejamento ambiental e econômico e
combate ao desmatamento.

§ 1o A inscrição do imóvel rural no CAR deverá ser feita, preferencialmente,


no órgão ambiental ou estadual, que, nos termos do regulamento,
exigirá do proprietário ou possuidor rural:

I – identificação do proprietário ou possuidor rural;

II – comprovação da propriedade ou posse;

III – identificação do identificação do imóvel por meio de planta e


memorial descritivo, contendo a indicação das coordenadas geográficas
com pelo menos um ponto de amarração do perímetro do imóvel,
informando a localização dos remanescentes de vegetação nativa, das
Áreas de Preservação Permanente, das Áreas de Uso Restrito, das áreas
consolidadas e, caso existente, também da localização da Reserva Legal.
(Lei no 12.651/2012).

Figura 25. CAR em números.

Fonte: <florestal.gov.br>.

45
NORMAS UNIDADE IV

CAPÍTULO 1
A normatização em levantamentos,
suas definições, instrumentos, fases e
condições gerais

A NBR
A NBR é uma abreviação de Norma Brasileira adotada pela Associação Brasileira de
Normas Técnicas – ABNT, que possui como missão a promoção para a sociedade
brasileira do conhecimento sistematizado, por meio de documentação normativa,
permitindo a produção e contribuição para o fomento do desenvolvimento técnico
científico, proteção do meio ambiente e defesa do consumidor. Não deve ser confundida
com as NRs – Normas Regulamentadoras exaradas pelo Ministério do Trabalho e
Emprego que têm caráter determinativo.

Ela é a instituição responsável pelas publicações das Normas Brasileiras – ABNT NBRs
que são elaboradas por Comitês Brasileiros, Organismos de Normalização Setorial e
Comissões de Estudos Especiais, contribuindo com a implantação de políticas públicas,
com o desenvolvimento mercadológico e segurança da sociedade. Ao tempo que a
instituição materializa os conhecimentos por meio de procedimento, regras, instruções
e modelos ela alcança seus objetivos de sistematizar e difundir o conhecimento
normatizado.

NBR 13.133/1994
Norma Brasileira que estabelece as condições necessárias para a execução de
levantamento topográfico com o intuito de alcançar certas informações sobre a área a
ser estudada, ou seja, sobre o levantamento de dados do terreno.

46
NORMAS │ UNIDADE IV

O objetivo da NBR 13.133/1994 se destina ao conhecimento geral do terreno sobre o


relevo, os limites, os confrontantes, a área, a localização, a amarração e o posicionamento;
informações preliminares para estudos e projetos; informações para o desenvolvimento
do anteprojeto e projeto básico e; informações para o desenvolvimento do projeto
executivo.

Outro objetivo dessa norma é fixar as condições para a execução do levantamento


topográfico, compatibilizando as medidas angulares, as medidas lineares, as medidas
dos desníveis e as tolerâncias de erros em função dos dados observados.

Objetiva também a seleção dos métodos e dos processos, assim como da instrumentação
para o alcance dos resultados compatíveis com o objetivo de cada levantamento
topográfico, como forma de assegurar que as propagações dos erros nas observações
não excedam limites aceitáveis de segurança.

Considerando que a topografia do futuro cada vez menos se utiliza de teodolitos,


taqueômetros e distanciômetros, e o acesso aos equipamentos de ponta, a saber,
estações totais, estações totais robóticas e laser scanner 3D possibilitam alta produção,
confiabilidade e acurácia dos dados levantados, a topografia moderna caminha junto
com a incorporação tecnológica, a automatização dos procedimentos e a possibilidade
de apresentação de produtos em tempo real.

A seguir, apresenta-se uma série de informações e definições encontradas na NBR


13.133/1994 que possibilitam o entendimento quando da execução dos trabalhos
topográficos. Mesmo diante de métodos que utilizam o posicionamento geodésico
para a determinação de coordenadas, a topografia clássica não foi abandonada quanto
à necessidade de determinação das posições, dimensões e coordenadas de uma área
limitada da superfície terrestre.

Quadro 6. Documentos complementares para a aplicação da NBR 13.133/1994.

Decreto no 89.317/1984 Instruções Reguladoras das Normas Técnicas da Cartografia Nacional em relação aos padrões de exatidão exigíveis.
PR no 22 de 1983 - Determina a competência do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística sobre a competência da instituição quanto aos
IBGE levantamentos geodésicos.
NBR 5425 Procedimento para a guia para inspeção por amostragem no controle e certificação da qualidade.
NBR 5426 Procedimento para planos de amostragem e procedimentos na inspeção por atributos.
NBR 5427 Procedimento para a guia para utilização da NBR 5426 – Planos de amostragem e procedimentos de inspeção por
atributos.
NBR 5428 Procedimento para procedimentos estatísticos para a determinação da validade de inspeção por atributos feita pelos
fornecedores.
NBR 8196 Procedimento para emprego de escalas em desenho técnico.
NBR 8402 Procedimento para a execução de caracteres para escrita em desenho técnico.
NBR 8403 Procedimento para aplicação de linhas em desenhos, tipos de linhas e largura de linhas.
NBR 10068 Procedimento para folha de desenho, leiaute e dimensões.

47
UNIDADE IV │ NORMAS

NBR 10126 Procedimento para cotagem em desenho técnico.


NBR 10582 Procedimento para apresentação da folha para desenho técnico.
NBR 10647 Norma geral e terminologia para desenho técnico.
DIN 18723 Teil3 Norma alemã para uso do Teodolito – Deutsche Normen Genauigkeitsuntersuchungeman GeodätischenInstrmenten -
Theodolite.

Definições adotadas pela NBR 13.133/1994

Quadro 7. Definições segundo a NBR 13.133/1994.

Alinhamento de via ou
Linha divisória que separa o lote de terreno do logradouro público.
alinhamento predial
Apoio geodésico Conjunto de referências de nível, materializadas no terreno, que proporciona o controle altimétrico dos levantamentos
altimétrico topográficos e o seu referenciamento ao datum(origem) altimétrico do país.
Apoio geodésico Conjunto de pontos, materializados no terreno, que proporciona aos levantamentos topográficos o controle de posição
planimétrico em relação à superfície terrestre determinada pelas fronteiras do país, referenciando-os ao datum planimétrico do país.
Apoio topográfico Conjunto de pontos planimétrico, altimétrico, ou planialtimétrico, que dão suporte ao levantamento topográfico.
Conjunto de pontos, materializados no terreno, com suas alturas referidas a uma superfície de nível arbitrária (cotas) ou
Apoio topográfico ao nível médio do mar (altitudes), que serve de suporte altimétrico ao levantamento topográfico.
altimétrico Estes pontos são hierarquizados pelo seu erro médio quilométrico da sua determinação, classificando-os como de
ordem superior e de ordem inferior.
Conjunto de pontos, materializados no terreno, com coordenadas cartesianas (x e y) obtidas a partir de uma origem no
plano topográfico, que serve de base planimétrica ao levantamento topográfico.
Apoio topográfico
planimétrico Estes pontos formam uma figura complexa de lados orientados, hierarquizados, onde os de ordem superior podem
estar espaçados em até 10 km, e os de ordem inferior, em até 500 m, ou menos, conforme a extensão da área a ser
levantada e o fim a que se destinam.
Representação gráfica sobre uma superfície plana, dos detalhes físicos, naturais e artificiais, de parte ou de toda a
superfície terrestre - mediante símbolos ou convenções e meios de orientação indicados, que permitem a avaliação das
distâncias, a orientação das direções e a localização geográfica de pontos, áreas e detalhes -, podendo ser subdividida
em folhas, de forma sistemática, obedecido um plano nacional ou internacional.
Esta representação em escalas médias e pequenas leva em consideração a curvatura da Terra, dentro da mais rigorosa
Carta ou mapa localização possível relacionada a um sistema de referência de coordenadas.
A carta também pode constituir-se numa representação sucinta de detalhes terrestres, destacando, omitindo ou
generalizando certos detalhes para satisfazer requisitos específicos.
A classe de informações que uma carta ou mapa se propõe a fornecer é indicada, frequentemente, sob a forma
adjetiva, para diferenciação de outros tipos, como, por exemplo, carta aeronáutica, carta náutica, mapa de comunicação,
mapa geológico.
Croqui Esboço gráfico sem escala, em breves traços, que facilite a identificação de detalhes.
Peça gráfica realizada, a partir do original topográfico, sobre base transparente, dimensionalmente estável (poliéster
ou similar), quadriculada previamente, em formato definido nas NBR 8196, NBR 8402, NBR 8403, NBR 10068,
Desenho topográfico final
NBR 10126, NBR 10582 e NBR 10647, com área útil adequada à representação do levantamento topográfico,
comportando, ainda, moldura e identificadores segundo modelo definido pela destinação do levantamento.
Valor dado pela expressão a seguir:

Desvio-padrão (ou erro


médio quadrático (m)) Onde:
m = desvio-padrão
X = cada uma das observações
X = média das “n” observações do erro calculado
n = número de observações

48
NORMAS │ UNIDADE IV

Erro máximo admissível na elaboração de desenho topográfico para lançamento de pontos e traçados de linhas, com o
Erro de graficismo
valor de 0,2 mm, que equivale a duas vezes a acuidade visual.
Grau de aderência das observações, em relação ao seu valor verdadeiro que, sendo desconhecido, o valor mais
Exatidão
provável é considerado como a média aritmética destas observações.
Conjunto de operações topográficas clássicas (poligonais, irradiações, interseções, ou por ordenadas sobre uma
linha-base), destinado à determinação das posições planimétrica e/ou altimétrica dos pontos, que vão permitir a
Levantamento de representação do terreno a ser levantado topograficamente a partir do apoio topográfico.
detalhes
Estas operações podem conduzir, simultaneamente, à obtenção da planimetria e da altimetria, ou então, separadamente,
se condições especiais do terreno ou exigências do levantamento obrigarem à separação.
Conjunto de métodos e processos que, através de medições de ângulos horizontais e verticais, de distâncias horizontais,
verticais e inclinadas, com instrumental adequado à exatidão pretendida, primordialmente, implanta e materializa pontos
Levantamento de apoio no terreno, determinando suas coordenadas topográficas.
topográfico A estes pontos se relacionam os pontos de detalhes visando à sua exata representação planimétrica numa escala
predeterminada e à sua representação altimétrica por intermédio de curvas de nível, com equidistância também
predeterminada e/ou pontos cotados.
Levantamento Levantamento exploratório do terreno com a finalidade específica de seu reconhecimento, sem prevalecerem os
topográfico expedito critérios de exatidão.
Levantamento dos limites e confrontações de uma propriedade, pela determinação do seu perímetro, incluindo, quando
houver, o alinhamento da via ou logradouro com o qual faça frente, bem como a sua orientação e a sua amarração
Levantamento a pontos materializados no terreno de uma rede de referência cadastral, ou, no caso de sua inexistência, a pontos
topográfico planimétrico notáveis e estáveis nas suas imediações.
Quando este levantamento se destinar à identificação dominial do imóvel, são necessários outros elementos
complementares, tais como: perícia técnico-judicial, memorial descritivo etc.
Levantamento que objetiva, exclusivamente, a determinação das alturas relativas a uma superfície de referência, dos
Levantamento
pontos de apoio e/ou dos pontos de detalhes, pressupondo-se o conhecimento de suas posições planimétricas,
topográfico altimétrico
visando à representação altimétrica da superfície levantada.
Levantamento
topográfico Levantamento topográfico planimétrico acrescido da determinação altimétrica do relevo do terreno e da drenagem
natural.
planialtimétrico
Levantamento planimétrico acrescido da determinação planimétrica da posição de certos detalhes visíveis ao nível
Levantamento e acima do solo e de interesse à sua finalidade, tais como: limites de vegetação ou de culturas, cercas internas,
topográfico planimétrico edificações, benfeitorias, posteamentos, barrancos, árvores isoladas, valos, valas, drenagem natural e artificial etc.
cadastral Estes detalhes devem ser discriminados e relacionados nos editais de licitação, propostas e instrumentos legais entre as
partes interessadas na sua execução.
Levantamento topográfico planialtimétrico acrescido dos elementos planimétricos inerentes ao levantamento
Levantamento topográfico
planimétrico cadastral, que devem ser discriminados e relacionados nos editais de licitação, propostas e instrumentos
planialtimétricocadastral
legais entre as partes interessadas na sua execução.
Consiste nas medições angulares horizontais com visadas das direções determinantes nas duas posições de medição
permitidas pelo teodolito (direta e inversa), a partir de uma direção tomada como origem, que ocupa diferentes
posições no limbo horizontal do teodolito. As observações de uma direção, na posição direta e inversa do teodolito,
chamam-se leituras conjugadas.
Uma série de leituras conjugadas consiste na observação sucessiva das direções, a partir da direção-origem, fazendo-
se o giro de ida na posição direta da luneta e de volta na posição inversa, ou vice-versa, terminando na última direção e
iniciando-se a volta sem fechar o giro.
Método das direções O intervalo, medido no limbo horizontal do teodolito, entre as posições da direção origem neste limbo, chama-se
intervalo de reiteração. Assim, para observação de “n” séries de leituras conjugadas pelo método das direções, o
intervalo de reiteração deve ser 180°/n.
Como exemplos se forem três séries de leituras conjugadas, o intervalo de reiteração deve ser 180°/3 = 60°, e a
direção-origem deve ocupar, no limbo horizontal do teodolito, posições nas proximidades de 0°, 60° e 120°.
Os valores dos ângulos medidos pelo método das direções são as médias aritméticas dos seus valores obtidos nas
diversas séries.
Nivelamento geométrico Nivelamento que realiza a medida da diferença de nível entre pontos do terreno por intermédio de leituras
ou nivelamento direto correspondentes a visadas horizontais, obtidas com um nível, em miras colocadas verticalmente nos referidos pontos.

49
UNIDADE IV │ NORMAS

Nivelamento trigonométrico em que as distâncias são obtidas taqueometricamente e a altura do sinal visado é obtida
Nivelamento
pela visada do fio médio do retículo da luneta do teodolito sobre uma mira colocada verticalmente no ponto cuja
taqueométrico
diferença de nível em relação à estação do teodolito é objeto de determinação.
Nivelamento que realiza a medição da diferença de nível entre pontos do terreno, indiretamente, a partir da
Nivelamento determinação do ângulo vertical da direção que os une e da distância entre estes, fundamentando-se na relação
trigonométrico trigonométrica entre o ângulo e a distância medidos, levando em consideração a altura do centro do limbo vertical do
teodolito ao terreno e a altura sobre o terreno do sinal visado.
Constituem realizações de porte, que não se reproduzem idênticas. Defrontam-se, em cada local, com condições
próprias, que as diversificam, impossibilitando a tipificação. Por exemplo: pontes, viadutos, passagens superiores ou
Obras de arte especiais inferiores, trevos, túneis etc.
Em saneamento, também, são consideradas obras especiais: ETA (estação de tratamento de água), ETE (estação de
tratamento de esgoto), EE (estação elevatória), ERQ (estação recuperadora de qualidade das águas).
Base em material dimensionalmente estável, quadriculada previamente, onde são lançados, na escala gráfica
predeterminada, os pontos coletados no campo pelo levantamento topográfico, devidamente calculado e compensado
Original topográfico ou e, em seguida, definidos os elementos planimétricos em suas dimensões e/ou traçadas as curvas de nível a partir dos
cartão pontos de detalhes e com controle nas referências de nível do apoio topográfico.
Pode também ser obtido por processo informatizado, através de estação gráfica.
Representação gráfica de uma parte limitada da superfície terrestre, sobre um plano horizontal local, em escalas
Planta
maiores que 1:10.000, para fins específicos, na qual não se considera a curvatura da Terra.
Poligonal que, baseada nos pontos de apoio topográfico planimétrico, tem os seus vértices distribuídos na área ou
faixa a ser levantada, de tal forma que seja possível coletar, direta ou indiretamente, por irradiação, interseção ou por
Poligonal auxiliar
ordenadas sobre uma linha-base, os pontos de detalhe julgados importantes, que devem ser estabelecidos pela escala
ou nível de detalhamento do levantamento.
Poligonal principal ou
Poligonal que determina os pontos do apoio topográfico de primeira ordem.
poligonal básica
Poligonal secundária Aquela que, apoiada nos vértices da poligonal principal, determina os pontos do apoio topográfico de segunda ordem.
Ponto Posição de destaque na superfície a ser levantada topograficamente.
Pontos cotados Pontos que, nas suas representações gráficas, se apresentam acompanhados de sua altura.
Pontos, convenientemente distribuídos, que amarram ao terreno o levantamento topográfico e, por isso, devem ser
Pontos de apoio materializados por estacas, piquetes, marcos de concreto, pinos de metal, tinta, dependendo da sua importância e
permanência.
Pontos importantes dos acidentes naturais e/ou artificiais, definidores da forma do detalhe e/ou do relevo,
Pontos de detalhe
indispensáveis à sua representação gráfica.
Pontos de segurança
Pontos materializados para controle do nivelamento.
(PS)
Precisão Valores que expressam o grau de aderência das observações entre si.
Regra básica da geodésia, esta deve ser também aplicada à topografia. Esta regra estabelece que cada ponto novo
determinado deva ser amarrado ou relacionado a todos os pontos já determinados, para que haja uma otimização da
distribuição dos erros.
Princípio da vizinhança
É importante a hierarquização, em termos de exatidão dos pontos nos levantamentos topográficos, pois cada ponto
novo determinado tem exatidão sempre inferior à dos que serviram de base a sua determinação, não importando o
grau de precisão desta determinação.
Rede de apoio básico de âmbito municipal para todos os levantamentos que se destinem a projetos, cadastros ou
implantação de obras, sendo constituída por pontos de coordenadas planialtimétricas materializados no terreno,
referenciados a uma única origem (Sistema Geodésico Brasileiro - SGB) e a um mesmo sistema de representação
Rede de referência
cartográfica, permitindo a amarração e consequente incorporação de todos os trabalhos de topografia num
cadastral
mapeamento de referência cadastral. Compreendem, em escala hierárquica quanto à exatidão, os pontos geodésicos
(de precisão e de apoio imediato), pontos topográficos e pontos referenciadores de quadras ou glebas, todos
codificados, numerados e localizados no mapeamento de referência cadastral.
Seção Segmento de linha entre duas referências de nível.
Consiste na medição do ângulo vertical (zenital ou de inclinação) do ponto observado, nas duas posições de medição
Série de observações
do teodolito (direta e inversa). O valor do ângulo vertical é a média dos valores obtidos nas diversas séries de
angulares verticais
observações angulares verticais conjugadas. No caso do teodolito fornecer ângulos zenitais, estes podem, se for o caso,
conjugadas
ser transformados em ângulos de inclinação, que são complementares dos ângulos medidos.

50
NORMAS │ UNIDADE IV

Conjunto de pontos geodésicos descritores da superfície física da Terra, implantados e materializados na porção da
superfície terrestre delimitada pelas fronteiras do país, com vistas às finalidades de sua utilização, que vão desde
o atendimento a projetos internacionais de cunho científico, passando pelas amarrações e controles de trabalhos
geodésicos e cartográficos, até o apoio aos levantamentos no horizonte topográfico, onde prevalecem os critérios de
exatidão sobre as simplificações para a figura da Terra.
Estes pontos são determinados por procedimentos operacionais associados a um sistema de coordenadas geodésicas,
calculadas segundo modelos geodésicos de precisão, compatíveis com as finalidades a que se destinam, tendo como
imagem geométrica da Terra o Elipsoide de Referência Internacional de 1967.
Como este elipsoide é o mesmo que o adotado no sistema de representação cartográfica UTM (Universal Transversa de
Mercator) pela Cartografia Brasileira, há uma correspondência matemática biunívoca entre as coordenadas geodésicas
dos pontos do SGB e o seu homólogo plano retangulares nos sistemas parciais UTM, o que vem a facilitar as
amarrações e os controles dos levantamentos cartográficos e topográficos com o emprego das coordenadas UTM, por
serem estas planas, enquanto aquelas arcos de meridianos e paralelos.
O elipsoide de referência do SGB possui os seguintes elementos:
a) parâmetro a (semieixo maior do elipsoide) = 6 378 160 000 m;
Sistema geodésico b) parâmetro f (achatamento do elipsoide) = 1/298,25;
brasileiro (SGB)
c) orientação geocêntrica com o eixo de rotação do elipsoide paralelo ao eixo de rotação da Terra e o plano meridiano
origem paralelo ao plano meridiano de Greenwich, como definido pelo Bureau Internacional de Heure - BIH;
d) orientação topocêntrica no vértice Chuá (datum) da cadeia de triangulação do paralelo 20°S, cujos elementos são:
- l (latitude) = 19° 45’ 41,6527”S;
- λ (longitude) = 48° 06’ 04,0639”WGr;
- a (azimute geográfico) = 271° 30’ 04,05”SWNE para o vértice Uberaba;
- N (afastamento geoidal) = 0,0 m.
Notas:
a) O referencial altimétrico do SGB coincide com a superfície equipotencial que contém o nível médio dos mares,
definido pelas observações maregráficas tomadas na Baía de Imbituba, no litoral do Estado de Santa Catarina.
b) O SGB integra o “South American Datum” – 1969.
(SAD-69), que também adota o Elipsoide Internacional de 1967. Este é aceito e recomendado pela Assembleia Geral
da Associação Geodésica Internacional (Lucerne - Suíça - 1967), onde o Brasil se fez representar.

51
UNIDADE IV │ NORMAS

Sistema de projeção utilizado nos levantamentos topográficos pelo método direto clássico para a representação das
posições relativas dos acidentes levantados, através de medições angulares e lineares, horizontais e verticais, cujas
características são:
a) as projetantes são ortogonais à superfície de projeção, significando estar o centro de projeção localizado no infinito;
b) a superfície de projeção é um plano normal à vertical do lugar no ponto da superfície terrestre considerado como
origem do levantamento, sendo seu referencial altimétrico referido ao datum vertical brasileiro;
c) as deformações máximas inerentes à desconsideração da curvatura terrestre e à refração atmosférica têm as
seguintes expressões aproximadas:

Onde:

Sistema de projeção
topográfica ou sistema
topográfico local

d) o plano de projeção tem a sua dimensão máxima limitada a 80 km, a partir da origem, de maneira que o erro
relativo, decorrente da desconsideração da curvatura terrestre, não ultrapasse 1/35000 nesta dimensão e 1/15000
nas imediações da extremidade desta dimensão;
e) a localização planimétrica dos pontos, medidos no terreno e projetados no plano de projeção, se dá por intermédio
de um sistema de coordenadas cartesianas, cuja origem coincide com a do levantamento topográfico;
f) o eixo das ordenadas é a referência azimutal, que, dependendo das peculiaridades do levantamento, pode estar
orientado para o norte geográfico, para o norte magnético ou para uma direção notável do terreno, julgada importante.
Nota: Além destas características, há que se observar o seguinte:
a) Nas medidas dos desníveis, em distâncias superiores a 100 m, para a representação altimétrica dos detalhes
levantados, o efeito conjunto da curvatura terrestre e da refração atmosférica deve ser eliminado ou minimizado
por procedimentos operacionais ou por correções apropriadas; e nas medições de distâncias no apoio topográfico
planimétrico, a redução destas ao nível de referência altimétrica do sistema deve ser levada em consideração.
b) O posicionamento geográfico da área, objeto de levantamento, quando possível, deve ser dado pelas coordenadas
geodésicas da origem do sistema planimétrico.
c) Quando se utilizar como origem planimétrica do levantamento topográfico um ponto com coordenadas UTM, este
deve necessariamente constar do Relatório Técnico e da legenda do Desenho Topográfico Final.

52
NORMAS │ UNIDADE IV

Sistema de representação cartográfica adotado pelo Sistema Cartográfico Brasileiro, recomendado em convenções
internacionais das quais o Brasil foi representado como entidade participante, cujas características são:
a) projeção conforme, cilíndrica e transversa;
b) decomposição em sistemas parciais, correspondentes aos fusos de 6° de amplitude, limitados pelos meridianos
múltiplos deste valor, havendo, assim, coincidência com os fusos da Carta Internacional ao Milionésimo (escala
1:1.000.000);
c) para o Brasil, foi adotado o Elipsoide Internacional de 1967, cujos parâmetros são:
- a (semi-eixo maior do elipsoide) = 6 378 160 000 m;
Sistema de projeção
Universal Transversa de - f (achatamento do elipsoide) = 1/298,25;
Mercator - UTM
d) coeficiente de redução de escala ko= 0,9996 no meridiano central de cada fuso (sistema parcial);
e) origem das coordenadas planas, em cada sistema parcial, no cruzamento do equador com o meridiano central;
f) às coordenadas planas, abscissa e ordenada, são acrescidas, respectivamente, as constantes 10.000.000 m no
Hemisfério Sul e 500 000 m para leste;
g) para indicações destas coordenadas planas, são acrescentadas a letra N e a letra E ao valor numérico, sem sinal,
significando, respectivamente, para norte e para leste;
h) numeração dos fusos, que segue o critério adotado pela Carta Internacional ao Milionésimo, ou seja, de 1 a 60, a
contar do antimeridiano de Greenwich, para leste.
Fonte: NBR 13.133/1994.

Instrumentos básicos e auxiliares em trabalhos


topográficos - NBR 13.133/1994

Quadro 8. Instrumental.

Teodolitos.

Níveis.
Instrumental básico
Medidores eletrônicos de distâncias – MED.

Medidores eletrônicos de ângulos e distâncias – estações totais.

Balizas.

Prumos esféricos.

Trenas.

Miras.

Prismas.
Instrumental auxiliar
Termômetro.

Barômetro.

Psicômetro.

Dinamômetro.

Sapatas.
Fonte: NBR 13.133/1994.

53
UNIDADE IV │ NORMAS

Fases e condições gerais em trabalhos


topográficos - NBR 13.133/1994

Quadro 9. Fases e condições gerais.

Fases
Planejamento, seleção de métodos e aparelhagem.
Apoio topográfico.
Levantamento de detalhes.
Cálculos e ajustes.
Original topográfico.
Desenho topográfico final.
Relatório técnico.
Condições gerais
O levantamento topográfico deve obedecer ao princípio da vizinhança, em qualquer de suas finalidades.
Quando o apoio topográfico planimétrico estiver vinculado à rede geodésica brasileira (SGB), o ideal é que pelo menos 2 pontos de coordenadas
sejam comuns.
As coordenadas planorretangulares destes vértices geodésicos, no sistema de representação cartográfica UTM, permitem a determinação do
comprimento e do azimute plano definido por estes vértices seguindo-se, no plano topográfico, o cálculo do apoio topográfico.
Quando não é possível, o apoio direto pode-se coincidir um dos vértices do apoio topográfico planimétrico com um vértice geodésico, de onde
podem ser observados outros vértices geodésicos com ou sem a necessidade de sinalização.
Quando houver apenas um ponto geodésico sem outro vértice visível, determina-se o norte geográfico com rigor compatível com a destinação do
levantamento.
Quando na área não houver vértice do SGB, devem-se transportar para esta área as coordenadas dos vértices mais próximos, por métodos
geodésicos convencionais ou por rastreamento de satélites.
Quando não houver nenhum vértice geodésico na zona de levantamento, mas forem visíveis alguns vértices, sendo possível a determinação das
coordenadas geodésicas pelo método Pothenot, deve haver análise cuidadosa dos ângulos entre as direções determinadas, no mínimo em cinco
medições, seguindo a geometria dos segmentos capazes.
Quando não for possível a obtenção das coordenadas geodésicas planorretangulares de um vértice do apoio topográfico, nem a obtenção do
azimute plano desse apoio, por meio da ligação à rede geodésica planimétrica, orienta-se a rede topográfica de apoio para norte geográfico ou
verdadeiro, dando a um dos vértices coordenadas arbitrárias, e a partir desse, determinar o azimute geográfico de um lado do apoio, por meio de
observações astronômicas.
Não sendo possível este procedimento orientar pelo menos este lado em relação ao norte magnético, por meio de observações com bússola ou
declinatória acoplada a um teodolito, ficando o levantamento topográfico orientado para o norte magnético.
É imprescindível que sejam mencionadas no desenho topográfico final do levantamento a data do levantamento, a declinação magnética desta data,
bem como a sua variação anual, uma vez que a indicação do norte magnético é variável em função do tempo.
Em determinados levantamentos topográficos, por conveniência do atendimento à sua finalidade, o eixo das ordenadas (Y) do sistema de projeção
topográfica pode ficar paralelo ou coincidente com uma determinada direção (eixo de uma via, paredes de edificações etc.), desde que seja indicada
na planta a direção do norte geográfico ou mesmo magnético.
Neste caso, com a declinação da data do levantamento e sua variação anual, na forma de um diagrama de orientação, que possibilite,
posteriormente, a inserção do levantamento no conjunto de outros levantamentos.
Sempre que possível, as referências de nível do apoio topográfico altimétrico devem estar vinculadas às referências do nível do apoio geodésico de
alta precisão, de precisão ou de fins topográficos.
A vinculação deve se dar por intermédio de nivelamento geométrico duplo (nivelamento e contranivelamento), desde a referência de nível de apoio
geodésico até uma das referências de nível do apoio topográfico.
As áreas levantadas devem ser amarradas a vértices materializados das poligonais determinantes dos seus pontos topográficos, no caso de
levantamento planimétrico com existência de rede de referência cadastral com distância máxima de amarração de 500 m nas áreas urbanas e 5000
m nas áreas rurais.
Inexistindo a rede de referência cadastral com, no mínimo, dois pontos, as áreas levantadas devem ser amarradas aos limites físicos das glebas
originais onde foram desmembradas, com no mínimo dois pontos, desde que as suas distâncias aos referidos limites não ultrapassem 500 m nas
áreas urbanas e 5000 m nas áreas rurais.
No caso da impossibilidade de uma rede de referência cadastral, tanto nas áreas urbanas como nas rurais, a amarração deve ser feita a pontos
notáveis, tais como em pontilhões, viadutos, edificações estáveis, torres de alta tensão, plataformas de ferrovias ou elementos estáveis equivalentes,
desde que as distâncias aos pontos não ultrapassem 500 m nas áreas urbanas e 5000 m nas áreas rurais.

54
NORMAS │ UNIDADE IV

No caso da impossibilidade de uma rede de referência cadastral ou pontos notáveis, como pontilhões, as amarrações devem ser feitas a pontos
notáveis e estáveis obtidos em cartas do sistema cartográfico oficial, na escala 1:2.000, ou maior, para as áreas urbanas, e na escala 1:10.000, ou
maior, para as áreas rurais.
Havendo nas áreas urbanizadas alinhamentos de vias ou logradouros consagrados há mais de 10 anos, o referencial de amarração deve ser a
quadra de localização do terreno, tomando-se como base o alinhamento da via ou logradouro para o qual o terreno faz frente, com o levantamento
completo dos cantos da quadra em relação a este alinhamento, em ambas as extremidades.
A finalidade do levantamento e a escala de representação determinam a densidade dos pontos de detalhe a serem representados.
A exatidão planimétrica do levantamento topográfico está relacionada com a sua escala, pois é necessário que o erro de graficismo, que se comete
ao efetuar medições sobre a representação gráfica deste levantamento, esteja de acordo com esta exatidão.
Os métodos, processos e instrumentos utilizados não devem conduzir a erros nas operações topográficas, que comprometam a exatidão inerente à
escala pretendida.
Os pontos notáveis e de interesse maior da finalidade do levantamento podem ter exatidão superior à exigida pela escala adotada. Neste caso, estes
pontos devem ser definidos por suas coordenadas calculadas e não pelas obtidas graficamente na planta.
Dependendo da finalidade do levantamento e do relevo, a representação topográfica do relevo pode ser por curvas de nível complementadas com
pontos cotados, por curvas de nível ou somente por pontos cotados.
Os pontos planimétricos do apoio básico topográfico devem ser utilizados como referências de nível. As suas cotas ou altitudes são determinadas por
nivelamento geométrico duplo (nivelamento e contranivelamento).
Os pontos planimétricos e as referências de nível do apoio básico topográfico devem ser implantados em locais seguros, por marcos de concreto.
Os pontos planimétricos do apoio básico e as referências de nível implantadas e materializadas no terreno devem ter fichas individuais, contendo
itinerários de acesso, croqui com orientação, amarrações, testemunhas ou outras informações que conduzam a uma perfeita localização e
identificação.
Em áreas superiores a 1 Km² ou faixas com mais de 5 km de comprimento, recomenda-se, antes do início das operações de campo, a elaboração,
sobre documentação cartográfica disponível, de um estudo para a localização dos marcos planimétricos e das referências de nível, sendo analisados
a conexão com o apoio geodésico.
O traçado das poligonais, principais e secundárias, para a implantação do apoio topográfico deve ser feito no sentido da distribuição dos pontos de
apoio compatível com as distâncias máximas para a determinação dos pontos de detalhe, tornando-se necessário, normalmente, complementar a
rede de apoio com poligonais mais curtas, auxiliares, observadas simultaneamente com o levantamento de detalhes.
Quando a rede de poligonais se apoiarem na rede geodésica, ela deve ser constituída pelas poligonais principais, que ligam entre si os vértices
geodésicos, seguindo, dentro do possível e de acordo com o terreno ou com sua ocupação, uma linha próxima da reta que os une pelas poligonais
secundárias, que se estabelecem entre os vértices das poligonais principais ou entre um destes vértices e vértice geodésico.
Se a rede de poligonais não for dependente da rede geodésica, ou outra de ordem superior, as poligonais principais devem ser fechadas em
torno de um ponto (situação mais desfavorável) e rigorosamente observadas com controles de azimutes e distâncias, significando que haverá
desmembramentos destas com verificações de fechamentos. Nelas se apoiam as poligonais secundárias.
O comprimento dos lados das poligonais deve ser, na medida do possível, constante, evitando-se a existência simultânea de lados muitos longos e
muitos curtos, o que não é favorável sob o ponto de vista da exatidão dos resultados.
Na determinação de uma rede básica urbana, ou para projetos viários, recomenda-se que as poligonais tenham o seu desenvolvimento o mais
próximo possível da faixa de projeto, levando-se em consideração as tolerâncias para seus erros acidentais de fechamento angular, transversal e
longitudinal.
Nas operações de campo, cuidados especiais devem ser tomados quanto às centralizações do teodolito e do sinal a ser visado, pois os erros de
centralização resultam na maior fonte de erro de medição de ângulos nos vértices das poligonais.
Estes erros são tanto maiores quanto mais curtos forem os lados das poligonais. Nos casos de lados curtos, que requeiram maior rigor nas medidas
angulares, é recomendado o emprego da centragem forçada conhecida também como método dos três tripés.
As medições angulares horizontais devem ser efetuadas pelo método das direções em séries de leituras conjugadas.
Para efeito de aceitação dos resultados deve ser feita no campo a verificação do desvio das direções em relação ao seu valor médio calculado com
a rejeição das observações que se afastarem mais que três vezes a precisão nominal do teodolito, e com a rejeição das séries que tiverem número
de rejeições de observações que inviabilizem o cálculo do valor médio das direções.
Em levantamentos de pequena exatidão é tolerada a medição angular horizontal, utilizando somente a posição direta do teodolito, desde que seja
aplicada a correção de colimação obtida pela média dos valores de leituras conjugadas realizadas no início e no fim de cada jornada de trabalho.
As medições angulares verticais devem ser realizadas em séries de leituras conjugadas.
Para efeito de aceitação dos resultados, deve ser feita no campo a verificação do desvio das observações angulares verticais em relação ao seu valor
médio calculado, com a rejeição das observações que se afastarem mais que três vezes a precisão nominal do teodolito e das séries que tiverem
número de rejeições que inviabilizem o cálculo dos valores médios angulares.
Em levantamentos de pequena exatidão, é tolerada a medição angular vertical, utilizando somente a posição direta do teodolito, desde que sejam
aplicadas as correções de PZ (ponto zenital) e de índice para os teodolitos que medem respectivamente ângulos zenitais e de inclinação.
A correção é obtida pela média dos valores de leituras conjugadas realizadas no início e no final de cada jornada de trabalho.
Simultaneamente com as observações dos ângulos horizontais, fazem-se as medições dos ângulos verticais, tendo em vista a redução ao horizonte
das medidas de distâncias dos lados das poligonais, através de séries de leituras conjugadas recíprocas. No caso das irradiações, estas leituras
devem ser só a vante.

55
UNIDADE IV │ NORMAS

A forma simplificada do desvio-padrão das distâncias medidas pelos medidores eletrônicos de distâncias, fornecida pelos fabricantes, é resultante de
duas componentes. Uma constante e outra variável, sendo esta última um número inteiro de milionésimas partes da unidade de medida da distância
observada, ou seja:
ed = ± (a + b x D)
Onde:
ed = erro de distância medida, em mm
a = erro constante do instrumento, em mm
b = número inteiro de milionésimas partes (ppm),mm/km
D = distância medida em km
Nota:
Esta expressão só estará correta em sua aplicação, senão houver imprecisão na tomada das leituras meteorológicas e consequentes indefinições do
índice de refração para as devidas correções.
Após a redução ao horizonte das distâncias inclinadas, obtidas por medidores eletrônicos de distâncias, em poligonais de determinação do apoio
topográfico ou de transporte de coordenadas para adensamento da rede geodésica, obtida pela multiplicação desta distância pelo cosseno do
ângulo de inclinação ou do seno do ângulo zenital da inclinação, deve ser realizada a redução da distância horizontal assim conseguida ao nível de
referências altimétrica do sistema de projeção topográfica adotado pela expressão:

Onde:
∆D = correção a ser aplicada à distância horizontal “D”, sendo positiva se a sua altitude média for inferior à do nível de referência altimétrica do
sistema e negativa em caso contrário;
hm = altura média da distância horizontal “D”, em relação ao nível de referência altimétrico do sistema, sendo positiva se acima deste e negativa em
caso contrário;
Rm= raio médio terrestre aproximadamente iguala 6.378.000 m;
H = altitude do nível de referência altimétrico do sistema, positivo se acima do nível médio dos mares e negativo em caso contrário.
As medidas de distâncias, se realizadas por intermédio de trenas, estão sujeitas a incertezas decorrentes de erros de leitura, de alinhamento,
horizontalização, tensão, dilatação e contração, aferição e de catenária, existindo procedimentos e correções já consagrados na teoria e na prática.
O critério na aplicação de todas as correções, considerando os casos em que são dispensáveis algumas delas ou mesmo todas, depende da
natureza do levantamento a que se destinam as distâncias medidas.
Compete ao planejador do levantamento topográfico o exame das condições desta aplicação, em face da exatidão a ser obtida.
As medidas a trena não devem ser efetuadas sob a interferência de ventos fortes.
As referências de nível, espaçadas de acordo com o terreno, área a ser levantada e condições peculiares da finalidade do levantamento, devem
ser implantadas por meio de nivelamento geométrico duplo - nivelamento e contranivelamento - em horários distintos, em princípio, a partir de
referências de nível do SGB.
São recomendados cuidados usuais, a fim de serem evitadas a ocorrência e a propagação de erros sistemáticos, muito comuns nas operações de
nivelamento geométrico, devendo para tanto ser consultados os manuais dos fabricantes dos níveis.
Os comprimentos das visadas de ré e de vante devem ser aproximadamente iguais e de, no máximo, 80 m, sendo ideal o comprimento de 60 m,
de modo a compensar os efeitos da curvatura terrestre e da refração atmosférica, além de melhorar a exatidão do levantamento por facilitar a leitura
da mira.
Para evitar os efeitos do fenômeno de reverberação, as visadas devem situar-se acima de 50 cm do solo.
As miras devem ser posicionadas aos pares, com alternância a vante e a ré, de modo que a mira posicionada no ponto de partida (lida a ré) seja
posicionada, em seguida, no ponto de chegada (lida a vante), sendo conveniente que o número de lances seja par.
As miras, devidamente verticalizadas, devem ser apoiadas sobre chapas ou pinos e, no caminhamento, sobre sapatas, mas nunca diretamente sobre
o solo.
A qualidade dos trabalhos deve ser controlada através das diferenças entre o nivelamento e o contranivelamento, seção a seção, e acumulada na
linha, observando-se os valores limites.
Todas as medições de campo devem ser registradas em cadernetas adequadas ao tipo de operação e anotadas de forma permanente.

56
NORMAS │ UNIDADE IV

Os cálculos planimétricos devem ser desenvolvidos segundo roteiro convencional indicado para o transporte de coordenadas no sistema topográfico
adotado, a partir dos dados de campo transcritos em formulário próprio.
Quando, porém, executados em calculadoras eletrônicas programáveis, com saída em impressora ou em computador, as saídas impressas devem
registrar os dados de entrada, resultados e outros elementos característicos.
Os cálculos altimétricos devem ser desenvolvidos segundo roteiro convencional e processados nas próprias cadernetas de campo ou em planilhas
apropriadas.
Quando da utilização de calculadoras eletrônicas, com saída em impressora ou em computadores, as saídas impressas devem registrar os dados de
entrada, resultados e outros elementos característicos.
O levantamento de detalhes deve ser feito a partir das poligonais em operações que podem conduzir, simultaneamente, à obtenção da planimetria e
da altimetria, ou então, com procedimentos separados, se condições especiais do terreno ou exigências de exatidão assim exigirem.
A densidade de pontos deve ser compatível com a escala de representação, característica do terreno e finalidade do levantamento.
O levantamento altimétrico dos pontos de detalhe pode ser realizado por nivelamento trigonométrico e/ou taqueométrico, a partir dos vértices das
poligonais (principais, secundárias e auxiliares), cujas altitudes ou cotas devem ser determinadas a partir das referências de nível do apoio topográfico,
por meio de nivelamento geométrico ou por nivelamento trigonométrico.
Se feitos por nivelamento geométrico, os vértices são obrigatoriamente medidos em mudanças do instrumento; se por trigonométrico, com controle
de leituras ré e vante.
Todos os elementos observados (ângulos, distâncias, altura do instrumento, altura do sinal, leituras nas miras e outros elementos que possibilitem os
cálculos) devem ser registrados, em cadernetas apropriadas, de forma clara, ordenada, completa, precisa e impessoal.
Além disso, ela deve conter croquis dos detalhes a representar, com indicação dos pontos visados e medições complementares de distâncias
destinadas a servir de verificação, ou mesmo, para completar o levantamento.
A boa ordenação dos elementos colhidos no campo é indispensável aos cálculos e desenho correto e completo da planta que, normalmente, são
efetuados por profissionais diferentes.
Os cálculos podem ser executados diretamente nas próprias cadernetas de campo, por meio de calculadoras, transcrevendo os resultados nestas, ou
em planilhas apropriadas, ou ainda por computadores.
Neste caso, as saídas impressas devem registrar os dados de entrada, resultados e outros elementos característicos, como erros de fechamento
angular e linear e sua forma de distribuição.
Os registros dos dados, tanto os coletados no campo como os calculados, devem ser feitos de forma hierarquizada, dependendo dos métodos e
processos adotados para a coleta dos dados.
As poligonais devem ter ângulos lidos e registrados com precisão.
Para os pontos de detalhe, os ângulos podem ser lidos com a mesma precisão de leitura direta do teodolito.
Os lados, quando medidos por estadimetria, devem ser lidos e registrados os três fios estadimétricos com as leituras em milímetros.
Para os pontos de detalhe, as medidas devem ser lidas e registradas em centímetros, quando utilizados medidores eletrônicos ou trenas.
Processados os cálculos, as coordenadas analíticas devem ser registradas de forma concordante com as medidas observadas.
Altimetricamente, os resultados dos cálculos devem ser registrados até milímetros, centímetros e decímetros, respectivamente, para as altitudes ou
cotas obtidas por nivelamento geométrico, nivelamento trigonométrico e nivelamento estadimétrico.
Os elementos levantados no campo, devidamente calculados e compensados, devem ser lançados na escala predeterminada, numa base
dimensionalmente estável quadriculada, constituindo-se no original topográfico.
A quadriculação da base deve ser realizada com a utilização de coordenatógrafos de boa qualidade ou mesa de desenho automático (plotter) em
quadrículas de10 cm de lado.
Os processos e instrumentos utilizados na elaboração do original topográfico devem estar de acordo com a escala adotada e não devem conduzir
erros de graficismo que prejudiquem a exatidão conseguida nas operações de campo.
Os pontos do apoio topográfico planimétrico devem ser lançados por suas coordenadas planorretangulares no sistema topográfico adotado,
utilizando-se, preferencialmente, coordenatógrafo de boa qualidade ou mesa de desenho automático.
As referências de nível do apoio topográfico devem ter as suas altitudes ou cotas assinaladas até o milímetro, se estas foram obtidas por nivelamento
e contranivelamento geométrico, e até o centímetro, se por nivelamento trigonométrico.
As altitudes ou cotas dos vértices das poligonais secundárias devem ser assinaladas até o milímetro, centímetro ou decímetro se foram obtidas por
nivelamento geométrico, trigonométrico ou taqueométrico, respectivamente.
O lançamento dos pontos de detalhe pode ser realizado por suas coordenadas planorretangulares ou por meio de suas coordenadas polares, no
sistema topográfico adotado.
Os pontos de detalhe devem ter suas altitudes ou cotas assinaladas até o decímetro quando tomadas diretamente sobre o terreno, não importando o
processo de nivelamento adotado.
Quando os pontos de detalhe forem materializados e suas altitudes ou cotas determinadas por nivelamento geométrico, estas devem ser registradas
até os centímetros.
As curvas de nível devem ser traçadas a partir dos pontos notáveis definidores do relevo, passando pelas interpolações controladas nas altitudes ou
cotas entre pontos de detalhe.
As curvas-mestras, espaçadas de cinco em cinco curvas, devem ser reforçadas e cotadas. No caso de haver poucas curvas-mestras, as
intermediárias também devem ser cotadas.

57
UNIDADE IV │ NORMAS

O desenho topográfico final do levantamento topográfico deve ser obtido por copiagem do original topográfico, de forma permanente sobre base
dimensionalmente estável, e deve utilizar as convenções topográficas adotadas nesta Norma.
Alternativamente, pode ser substituído por mesa de desenho automático.
As plantas devem ser apresentadas em formatos definidos pela NBR 10068, adequadas à finalidade do levantamento topográfico pelas suas áreas
úteis, com representação de quadrículas de 10 cm de lado, trazendo nas bordas da folha as coordenadas planorretangulares de identificação da
linha que representam, comportando, ainda, moldura, convenções e identificadores segundo modelo definido pela destinação do levantamento.
A toponímia, os números e outras referências devem ser desenhados de acordo com a NBR 6492.
Os vértices das poligonais do apoio topográfico e as referências de nível devem estar lançadas nas plantas, sendo estas com as suas altitudes ou
cotas assinaladas e os vértices locados por suas coordenadas.
No desenho final também devem ser registradas as origens planimétrica e altimétrica, bem como a finalidade do levantamento.
O relatório técnico, quando do término de todo e qualquer levantamento topográfico ou serviço de topografia, deve conter, no mínimo, os seguintes
tópicos:
a) objeto;
b) finalidade;
c) período de execução;
d) localização;
e) origem (datum);
f) descrição do levantamento ou do serviço executado;
g) precisões obtidas;
h) quantidades realizadas;
i) relação da aparelhagem utilizada;
j) equipe técnica e identificação do responsável técnico;
l) documentos produzidos;
m) memórias de cálculo, destacando-se:
- planilhas de cálculo das poligonais;
- planilhas das linhas de nivelamento.
Fonte: NBR 13.133/1994.

58
NORMAS │ UNIDADE IV

CAPÍTULO 2
As condições específicas, inspeções,
aceitações e rejeição em
levantamentos topográficos

Condições específicas em levantamentos


topográficos - NBR 13.133/1994

Quadro 10. Condições específicas.

Condições específicas

As condições específicas para o levantamento topográfico referem-se apenas às fases de apoio topográfico e de levantamento de detalhes, que são
as mais importantes em termos da definição de sua exatidão (erros sistemáticos e erros acidentais).

As condições específicas fundamentam-se na seleção de métodos, processos e aparelhagem que assegurem propagações de erros acidentais no
levantamento topográfico, não excedentes às tolerâncias admissíveis por suas destinações, no objetivo da compatibilização das medidas angulares,
lineares e de desníveis.

A vinculação (ou amarração) do levantamento topográfico ao SGB deve ter a mesma exatidão do apoio topográfico em sua ordem superior.

Considerando as finalidades do levantamento topográfico, a densidade de informações a serem representadas e a exatidão necessária a cada
finalidade, que consubstanciam conjuntos de elementos, isolados ou combinados, formando as seguintes classes:
a) oito classes de levantamento planialtimétrico de áreas, abrangendo métodos de medição, escalas de desenho, equidistantes de curvas de nível e
densidade mínima de pontos a serem medidos (vide tabela 5 da NBR 13.133/1994, pp. 13);
b) duas classes de levantamento planialtimétrico cadastral, abrangendo métodos de medição, escalas de desenho, equidistâncias das curvas de nível
e densidade mínima de pontos a serem medidos (vide tabela 6 da NBR 13.133/1994, pp. 15);
c) cinco classes de poligonais planimétricas, abrangendo aparelhagem, procedimentos, desenvolvimentos e materialização (vide tabela 7 da NBR
13.133/1994, pp. 16);
d) quatro classes de nivelamento de linhas ou circuitos e de seções, abrangendo métodos de medição, aparelhagem, desenvolvimentos e tolerâncias
de fechamento (vide tabela 8 da NBR 13.133/1994, pp. 17);
e) duas classes de levantamento para rede de referência cadastral municipal, abrangendo aparelhagem, métodos de medição, desenvolvimento de
poligonais e tolerâncias aceitáveis para as linhas de nivelamento após o ajustamento e materialização de vértices e referências de nível (vide tabela 9
da NBR 13.133/1994, pp. 18).

Condições específicas

Para estabelecer a metodologia de um levantamento topográfico, deve-se considerar sua finalidade básica e dimensões da área a ser levantada,
enquadrando-o em
uma das classes de levantamento topográfico planialtimétrico ou levantamento planialtimétrico cadastral.

Para este enquadramento, devem ser considerados os argumentos de entrada das referidas tabelas, ou seja: escala de desenho adequada,
equidistância de curvas de nível necessária e densidade de pontos a serem medidos por hectare, segundo o grau de detalhamento suscitado pela
finalidade do levantamento ou pelas condições locais.

Definida a classe de levantamento, deve-se obedecer à metodologia correspondente, estabelecida nas referidas tabelas para cada classe de
levantamento.

59
UNIDADE IV │ NORMAS

As finalidades das cinco classes de poligonais planimétricas referem-se a (vide tabela 7 da NBR 13.133/1994, pp. 17):

a) Classe IP - Adensamento da rede geodésica - (transporte de coordenadas);

b) Classe IIP - Apoio topográfico para projetos básicos, executivos, como executado, e obras de engenharia;

c) Classe IIIP - Adensamento do apoio topográfico para projetos básicos, executivos, como executado, e obras de engenharia;

d) Classe IVP - Adensamento do apoio topográfico para poligonais IIIP. Levantamentos topográficos para estudos de viabilidade em projetos de
engenharia;

e) Classe VP - Levantamentos topográficos para estudos expeditos.

Condições específicas

As duas classes de levantamento para a construção da rede de referência cadastral municipal, nas áreas urbanizadas, objetivam a criação de uma
rede de vértices e pontos aos quais são amarrados todos os levantamentos topográficos e locação, de forma a permitir um rigoroso controle sobre
estes e a montagem de uma fiel planta cadastral do município (vide tabela 9 da NBR 13.133/1994, pp.18):

a) classe I PRC - Apoio topográfico da rede de referência cadastral municipal, apoiada na rede geodésica densificada por poligonal classe IP ou
processo equivalente;

b) classe II PRC - Poligonais auxiliares da rede de referência cadastral municipal destinada à determinação dos pontos referenciadores de quadras ou
de glebas.

No ajustamento de poligonais e no estabelecimento das tolerâncias para o seu fechamento, consideram-se, para efeito desta Norma, três tipos de
poligonais:

a) tipo 1 - Poligonais apoiadas e fechadas numa só direção e num só ponto;

b) tipo 2 - Poligonais apoiadas e fechadas em direções e pontos distintos com desenvolvimento curvo;

c) tipo 3 - Poligonais apoiadas e fechadas em direções e pontos distintos com desenvolvimento retilíneo.

Para as poligonais dos tipos 1 e 2 são aceitáveis os métodos de compensação que consistem em efetuar, primeiramente, uma distribuição dos erros
angulares e, em seguida, fazer uma distribuição dos erros lineares, quer distribuindo as componentes do erro de fechamento igualmente por todas
as coordenadas relativas ou projeções dos lados (Dx e Dy), quer fazendo uma distribuição proporcionalmente ao comprimento dos lados, quer ainda
efetuando uma repartição proporcionalmente aos valores absolutos das coordenadas relativas, (Dx e Dy).

Esta recomendação tem como fundamento a diversidade de erros inerentes às poligonais (medições de ângulos, lados e estacionamento dos
instrumentos de medição) e a difícil determinação da propagação de erros.

Na determinação de redes básicas urbanas e em projetos viários, onde é recomendável o emprego de poligonais do tipo 3, que têm seu
desenvolvimento o mais próximo possível da reta que une os seus pontos de partida e de chegada, permitindo a avaliação dos erros de fechamento
longitudinal (função do erro linear), podem ser aplicados quaisquer métodos de ajustamento com base no modo em que se propagam estes erros,
inclusive pelo método dos mínimos quadrados (MMQ).

Os valores dos fechamentos transversal e longitudinal são obtidos analiticamente, ligando-se o ponto de partida ao ponto de chegada da poligonal.

O erro de fechamento longitudinal que está nesta reta é o segmento entre o ponto de chegada e a interseção de perpendicular baixada sobre ela a
partir do ponto real de chegada.

O erro de fechamento transversal é o segmento da perpendicular baixada do ponto real de chegada até a sua interseção com a reta que une os
pontos de partida e o de chegada.

Estes erros são componentes do erro de fechamento linear e destacam a qualidade das medições angulares e de distância de uma poligonal,
enquanto os erros de fechamento linear em coordenadas são apenas indicadores da divergência linear no sistema de coordenadas cartesianas x
e y.

Estes erros podem ser obtidos gráfica ou analiticamente.

60
NORMAS │ UNIDADE IV

O ajustamento das poligonais deve ser sempre precedido pelo cálculo e comparação com as respectivas tolerâncias dos seguintes elementos:

a) fechamento angular;

b) fechamento linear, depois de compensação angular;

c) erro relativo de fechamento linear após a compensação angular;

d) fechamento longitudinal, antes da compensação angular (somente para poligonais do tipo 3), quando for o caso;

e) fechamento transversal, antes da compensação angular (somente para poligonais do tipo 3), quando for o caso.

Notas:

a) O fechamento angular deve ser precedido, ainda nas observações de campo;

b) O erro relativo de fechamento linear, após a compensação angular, não define a exatidão da poligonal, sendo necessário apenas para o julgamento
das operações de campo, controlando a precisão interna da poligonal, como um indicador da divergência linear relativa no sistema de coordenadas
cartesianas, x e y.

Somente o erro médio quadrático de posição dos pontos determinados pela poligonal é que define a sua exatidão;

c) Os valores preestabelecidos como tolerâncias através de suas expressões devem constar das especificações técnicas dos termos de referência, de
acordo com a classe e os tipos das poligonais.

Após o ajustamento, devem ser calculados e comparados com seus valores preestabelecidos como tolerâncias os erros médios relativos entre
quaisquer duas estações poligonais (para todos os lados poligonais), o erro médio em azimute e o erro médio em coordenadas (de posição), pelas
seguintes expressões:

Onde:

erD = erro médio relativo entre duas estações poligonais consecutivas após o ajustamento;

eAZ = erro médio em azimute, após o ajustamento;

ev = erro médio em coordenadas (de posição)dos vértices poligonais, após o ajustamento;

Dx e Dy = coordenadas relativas ou projeções dos lados;

cx e cy = correções aplicadas na compensação, respectivamente para coordenadas relativas Dx e Dy;

Dα = diferença entre o ângulo observado e o cálculo após o ajustamento;

N = número de vértices poligonais, incluindo os de partida e de chegada.

Nota:

Estes valores devem constar das planilhas de cálculo e compensação e em relatórios técnicos, sendo que os valores de eAZ e de ev devem constar
também das monografias, com a finalidade de serem considerados em serviços futuros.

61
UNIDADE IV │ NORMAS

Condições específicas
O estabelecimento das tolerâncias, para efeito desta Norma, parte da teoria dos erros, que estabelece ser o erro máximo tolerável, ou tolerância, um
valor T, cuja probabilidade de ser ultrapassado é de 1%, sendo de 2,65 aproximadamente três vezes o valor do erro médio temível.
Assim, partindo das expressões decorrentes das propagações dos erros médios nas medições angulares e lineares, são estabelecidas as seguintes
expressões para as tolerâncias de fechamento das poligonais:
a) angular:

;
b) linear, após a compensação angular (somente para poligonais dos tipos 1 e 2):

;
c) transversal, antes da compensação angular (somente
para poligonais do tipo 3):

;
d) longitudinal, antes da compensação angular (somente
para poligonais do tipo 3):

;
e) erro relativo, máximo aceitável, de fechamento linear, após a compensação angular:

;
Onde:
Tα= tolerância para o erro de fechamento angular;
TP = tolerância para o erro de fechamento linear (em posição);
Tt = tolerância para o erro de fechamento transversal;
Tl = tolerância para o erro de fechamento longitudinal.
a = erro médio angular (azimute) da rede de apoio(ordem superior) multiplicado por 2 (por serem duas as direções de apoio);
b = coeficiente que expressa a tolerância para o erro de medição do ângulo poligonal, igual a três vezes o erro médio angular temível, calculado em
função da classe do teodolito utilizado(desvio-padrão), do número de séries de leituras conjugadas, do erro de verticalidade azimutal e do erro de
direção (função dos erros de estacionamento do teodolito e do sinal visado);
c = erro médio de posição dos pontos de apoio de ordem superior multiplicado por 2 (por serem dois os pontos de apoio);
d = coeficiente que expressa a tolerância para o erro de fechamento linear em m/km de desenvolvimento poligonal, somente aplicável às poligonais
dos tipos 1 e 2;
e = coeficiente somente aplicável às poligonais do tipo 3, que expressa, em m/km de desenvolvimento poligonal, a tolerância para o erro transversal
acarretado pelo erro da medição angular da direção de um lado médio poligonal.
O seu valor, para efeito desta Norma, decorre da expressão matemática simplificada da componente transversal do erro de fechamento linear em
poligonais do tipo 3, considerando o número de lados igual à unidade numa extensão de 1000 m, sendo igual a 0,0028 vez o valor do coeficiente
“b” da tolerância para o fechamento angular, em cada classe de poligonal deste tipo;
f = coeficiente somente aplicável às poligonais do tipo 3, que expressa, em m/km de desenvolvimento poligonal, a tolerância para o erro longitudinal
acarretado pelo erro da medição linear de um lado médio poligonal.
O seu valor, para efeito desta Norma, decorre da expressão matemática da componente longitudinal do erro de fechamento linear em poligonais do
tipo 3, sendo igual a três vezes o erro médio temível na medição linear desse lado médio poligonal multiplicado pela raiz quadrada da razão entre o
número de lados poligonais e a extensão da poligonal em km.
Os termos “a” e “c” podem assumir os seguintes valores:
a) para poligonais do tipo 1 são nulos;
b) para poligonais dos tipos 2 e 3, os seus valores são funções, respectivamente, do valor máximo aceitável para o erro médio em azimute (eAZ) e do
valor máximo aceitável para o erro médio em coordenadas(ev) das poligonais determinantes do apoio superior, cujas expressões são:

c) especificamente, para as poligonais dos tipos 2 e3 da classe IP (vide tabela 5 da NBR 13.133/1994, pp. 13), empregadas na densificação da
rede geodésica. (vide valores para as poligonais dos tipos 1 e 2, tabela 10 da NBR 13.133/1994 na página 21 da norma).
Os valores dos coeficientes “b”, “d”, “e” e “f” para as diferentes classes e tipos de poligonais estão apresentados nas páginas 21e 22 da NBR
13.133/1994,vide tabela 11 da norma.

62
NORMAS │ UNIDADE IV

Condições específicas
Valores máximos aceitáveis, após o ajustamento:
a) para o erro médio relativo entre quaisquer duas estações poligonais:

Onde:
erD = erro médio relativo máximo aceitável entre duas estações poligonais após o ajustamento.
Esta expressão pode ser representada, também por uma fração ordinária cujo numerador seja igual à unidade.

TP = tolerância para o erro de fechamento linear da poligonal, após a compensação angular;


Lm = extensão da poligonal, em m;
N = número de estações da poligonal.
b) para o erro médio em azimute:

Onde:
eAZ = erro médio máximo aceitável em azimute, após o ajustamento;
Ta = tolerância do fechamento angular;
c) para o erro médio em coordenadas (de posição):

Onde:
ev = erro médio máximo aceitável em coordenadas
(de posição), após o ajustamento;
erD = erro médio relativo máximo aceitável entre quaisquer duas estações poligonais;

Nota:
Os valores obtidos através destas expressões servem de controle para os seus correspondentes obtidos nos cálculos, após os ajustamentos
mencionados em 6.5.6, como preestabelecidos e máximos aceitáveis, devendo constar das especificações técnicas dos termos de referência.
Os programas e planilhas de cálculo e compensações devem adaptar-se para atender a esta exigência.

Condições específicas

As expressões das tolerâncias de fechamento decorrem em função dos erros acidentais dos instrumentos e dos métodos empregados, e servem de
controle da precisão das operações de campo (vide tabela 8 da NBR 13.133/1994, pp. 17).

A exatidão do apoio topográfico altimétrico se expressa pela qualidade do fechamento de circuito ou linhas, formados por duplo nivelamento,
conectando estações de altitudes conhecidas.
A qualidade das operações de campo na determinação do apoio topográfico altimétrico é constatada através do controle das diferenças de nível
entre o nivelamento e o contranivelamento geométricos, seção a seção e acumulados na linha ou circuito. (vide valores limites na tabela 8 da NBR
13.133/1994, pp. 17).

63
UNIDADE IV │ NORMAS

O ajustamento de uma seção, linha ou circuito nivelados e contra nivelados geometricamente é realizado pela distribuição do erro de fechamento
pelas várias diferenças de nível obtidas pela média aritmética dos valores observados pelo nivelamento e contranivelamento, proporcionalmente às
distâncias entre os lances nivelados ou às próprias diferenças de nível, conforme a inclinação do terreno.

No ajustamento de redes de nivelamento geométrico, onde os circuitos ou linhas se cruzam formando nós, recomenda-se que os valores mais
prováveis das altitudes dos nós sejam considerados como as médias ponderadas dos valores calculados através das linhas ou circuitos que neles
convergem, em que os pesos sejam arbitrados, a sentimento, tendo atenção ao comprimento dessas linhas ou circuitos. Nas figuras mais complexas
é recomendável o emprego do método dos mínimos quadrados(MMQ).

O erro médio quilométrico que define a exatidão do nivelamento geométrico duplo, após o ajustamento, é dado pela expressão:

Onde:

ek = erro médio quilométrico, após o ajustamento.

a = incertezas da rede superior.

n = número de lances nivelados.

d = diferença, em milímetros, entre o nivelamento e o contranivelamento do lance nivelado dentro da tolerância preestabelecida.

l = comprimento do lance nivelado em km.

Notas:

a) Se os lances (l) forem iguais, a expressão é:

Onde:

L = comprimento da seção, linha ou circuito, em km.

b) Para linhas curtas e sem grande precisão a expressão

é:

Onde:

d = diferença relativa aos dois valores da diferença de nível entre os extremos da linha, neste caso:

O cálculo dos valores dos erros médios quilométricos

dos nivelamentos geométricos para implantação do

apoio topográfico (RN) deve constar das planilhas de cálculo e de relatórios técnicos, bem como das monografias das referências de nível implantadas
na forma ek , com a finalidade de serem considerados em serviços futuros.

Fonte: NBR 13.133/1994

64
NORMAS │ UNIDADE IV

Inspeção em levantamentos topográficos -


NBR 13.133/1994

Quadro 11. Inspeção em levantamentos.

A inspeção a ser realizada no levantamento topográfico tem como objetivo assegurar o seu desenvolvimento segundo as prescrições
e recomendações da NBR 13.133/1994.
Especificamente devem ser inspecionados:
a) poligonais;
b) levantamento de detalhes;
c) nivelamentos geométricos;
d) cálculos;
e) elaboração do original topográfico;
f) desenho topográfico final;
g) exatidão topográfica;
Inspeção h) convenções topográficas.
Nas poligonais devem ser inspecionados:
a) aparelhagem e instrumental auxiliar;
b) croquis com a localização dos vértices materializados;
c) qualidade da materialização e intervisibilidade;
d) comprimento total, comprimento dos lados e número de estações;
e) conexão ao apoio geodésico e/ou à rede de referência cadastral;
f) origem das séries de leituras conjugadas nas medições angulares, o número de séries e o afastamento das observações das
direções em relação ao seu valor médio calculado;
g) comparação das medidas das distâncias na forma recíproca;
h) no cálculo, fechamentos angulares e em coordenadas, após a compensação linear.
Nos nivelamentos geométricos devem ser inspecionados:
a) aparelhagem e instrumental auxiliar;
b) conexão com o apoio superior, com a verificação dos comprimentos das seções referentes às referências de nível de partida e de
chegada;
c) nivelamento e contranivelamento em horários distintos no nivelamento duplo;
d) altura mínima das visadas;
e) número par de estações numa seção, alternância das miras e diferença acumulada da distância entre nível e mira;
f) diferença entre nivelamento e contranivelamento, acumulada nas seções e linhas, e valor máximo para a razão entre discrepâncias
acumuladas e o perímetro de um circuito (quando for o caso);
g) erro médio após o ajustamento;
h) no caso de nivelamento da classe IN, equidistâncias entre as visadas de vante e ré.
Nos cálculos, de um modo geral, devem ser inspecionados:
a) transcrição dos elementos observados das cadernetas para os formulários;
b) no caso de calculadoras eletrônicas programáveis com impressora ou computador, registros impressos dos dados de entrada e de
saída;
c) comparação dos resultados com os valores máximos aceitáveis prescritos como tolerâncias.

65
UNIDADE IV │ NORMAS

Na elaboração do original topográfico (cartão) devem ser inspecionados:


a) qualidade da base;
b) precisão do quadriculado;
c) continuidade e qualidade do traçado dos detalhes e das curvas de nível;
d) densidade dos pontos de detalhe locados;
e) as convenções topográficas adotadas.
Na elaboração do desenho topográfico final devem ser inspecionados:
Inspeção a) qualidade da base;
b) formatação;
c) esquema de articulação de folhas (quando mais de uma);
d) qualidade do desenho (espessura dos traços, tamanho das letras, orientação dos nomes, etc.);
e) orientação geográfica;
f) dados marginais (legenda, escala, convenções, data etc.).
Quanto à inspeção do levantamento topográfico, esta deve estabelecer o número mínimo de pontos para a verificação do índice
estatístico de dispersão, relativo a 90% de probabilidade, definindo a exatidão dos trabalhos topográficos realizados.
Fonte: NBR 13.133/1994

Aceitação e rejeição dos levantamentos - NBR


13.133/1994

Quadro 12. Aceitação ou rejeição dos levantamentos topográficos.

As condições de aceitação ou rejeição dos serviços e produtos elaborados, nas diversas fases do levantamento topográfico,
devem ser estabelecidas em decorrência do resultado da inspeção, levando-se em conta as tolerâncias estabelecidas na
norma. (vide tabelas das páginas 13 a 18).
Quanto à exatidão do levantamento topográfico na sua parte planimétrica, o critério de rejeição deve ser estabelecido a partir
da exatidão entre as distâncias medidas na planta (desenho topográfico final), por um escalímetro confiável, e as de suas
homólogas medidas no terreno, por um aparelho de medição idêntico ou superior ao utilizado no estabelecimento do apoio
topográfico.
Os pontos definidores das distâncias, objeto de teste, devem ser de detalhes bem definidos tanto em planta como no terreno.
O padrão de exatidão planimétrica deve ser definido a partir do desvio padrão admissível estabelecido para o levantamento
topográfico, na sua parte planimétrica, admitida a distribuição normal, e é dado por 1,645 vez esse desvio-padrão, para 90%
das distâncias testadas.
O desvio-padrão admissível para as discrepâncias entre as distâncias medidas na planta e as de suas homólogas medidas no
terreno deve ser:

Aceitação ou
rejeição
Onde:
m = desvio-padrão, em m;
0,2 = erro de graficismo adotado (mm);
E = módulo da escala (denominador);

= deve-se ao fato da distância medida em planta ser definida por dois pontos observados;
K = coeficiente relativo à classe do levantamento topográfico quanto à medição de distâncias no seu levantamento de detalhes,
com os seguintes valores:
K = 1 = para distâncias medidas com MED ou com trena de aço aferida, estirada com dinamômetro sobre estaqueamento
alinhado e nivelado geometricamente e com correções de dilatação, catenária e redução ao horizonte;
K = 1,5 = para distâncias medidas simplesmente à trena de aço, sem os cuidados para K = 1;
K = 2,5 = para distâncias medidas taqueometricamente ou a trena de fibra.

66
NORMAS │ UNIDADE IV

O desvio-padrão ou erro médio quadrático decorrente das distâncias medidas nas plantas em relação às suas homólogas
medidas no terreno não pode ser superior ao desvio padrão admissível.

Desvio padrão ou erro médio quadrático é, portanto, o valor obtido pela seguinte expressão:

Onde:

n = número de alinhamentos ou pontos conferidos;

di = é a diferença entre as leituras obtidas em planta e terreno, para o alinhamento.

O critério de rejeição deve ser estabelecido a partir do ponto de vista de que 90% das distâncias testadas não podem ter
discrepâncias superiores ao padrão de exatidão planimétrica, sendo o desvio-padrão das comparações igual ou inferior ao
desvio-padrão admissível.

Quando for necessário e importante, o teste de posição dos pontos levantados, o critério de rejeição deve ser estabelecido
a partir de um padrão de exatidão relativo às discrepâncias entre as posições de pontos bem definidos na planta por suas
coordenadas planimétricas e as de seus homólogos também bem definidos no terreno, estas obtidas por procedimentos
topográficos idênticos aos especificados para a determinação de apoio topográfico do levantamento em questão, a partir dos
vértices desse apoio.

O desvio-padrão admissível para as discrepâncias entre as posições de pontos obtidas em planta e as obtidas pelos
procedimentos topográficos no terreno, com a finalidade de testá-las deve ser:

Onde:

m = desvio-padrão em m;

0,4 = 0,2 x ;

0,2 = erro de graficismo adotado (mm);

E = módulo da escala da planta (denominador);

= deve-se ao fato de que as posições dos pontos são definidas por duas coordenadas planimétricas (E, N ou X, Y)
e de que estas coordenadas são distâncias medidas na planta dos pontos às interseções das perpendiculares baixadas destes
Aceitação ou pontos aos eixos do retículo gráfico(E, N ou X, Y);
rejeição
K = coeficiente relativo à classe do levantamento topográfico quanto à medição de distâncias no seu levantamento de detalhes,
com os seguintes valores:

K = 1 = para pontos de detalhes sinalizados, com medidas de distâncias realizadas com MED ou com trena de aço, aferida e
estirada com dinamômetro sobre estaqueamento alinhado e nivelado geometricamente e com correções de dilatação, catenária
e redução ao horizonte;

K = 1,5 = para pontos de detalhes sinalizados, com medidas de distâncias realizadas, simplesmente à trena de aço, sem
cuidados mencionados para K = 1;

K = 2,5 = para pontos de detalhes não sinalizados com medidas de distância realizadas taqueometricamente

ou trena de fibra.

O desvio padrão, resultante dos erros de posição dos pontos testados, não pode ser superior ao erro médio admissível,
levando-se em consideração também os erros médios admissíveis para os procedimentos topográficos de verificação de
campo.

67
UNIDADE IV │ NORMAS

O erro de posição deve ser dado pelas seguintes expressões:

Onde:
Dp = erro de posição do ponto;
∆E = discrepância encontrada na coordenada E entre planta e terreno;
DN = discrepância encontrada na coordenada N entre planta e terreno;
Aceitação ou
rejeição DX = discrepância encontrada na coordenada X entre planta e terreno;
DY = discrepância encontrada na coordenada Y entre planta e terreno.
O padrão de exatidão planimétrica em posição deve ser 1,645 vezes o erro médio admissível para as discrepâncias entre as
posições de pontos obtidas em planta e as obtidas pelas medições topográficas em campo.
O critério de rejeição deve ser estabelecido a partir do ponto de vista de que 90% das posições testadas não podem ter
discrepâncias superiores ao padrão de exatidão planimétrica em posição, sendo o erro médio das comparações obtidas igual
ou menor que o erro médio admissível para essas comparações.
Quanto à exatidão altimétrica do levantamento topográfico, o critério de rejeição deve ser estabelecido a partir de um padrão
de exatidão altimétrica, com relação às discrepâncias entre as altitudes ou cotas obtidas nas plantas, de pontos perfeitamente
identificáveis nestas e no terreno, obtidas por interpolação das curvas de nível, com as altitudes ou cotas desses pontos, obtidos
no terreno, por nivelamento geométrico simples, apoiado nas referências de nível existentes na área do levantamento.
O padrão de exatidão altimétrica é definido a partir do desvio-padrão admissível estabelecido para a altimetria do levantamento
topográfico, ou seja, 1,645 vezes este desvio padrão, para 90% dos pontos testados.
O desvio-padrão admissível para a discrepância entre as altitudes ou cotas de pontos, medidas na planta por interpolação das
curvas de nível, e as altitudes ou cotas determinadas no terreno para estes mesmos pontos, deve ser de um terço do valor da
equidistância das curvas de nível.
O desvio-padrão decorrente das discrepâncias encontradas nas comparações das altitudes ou cotas medidas nas plantas por
interpolação das curvas de nível com as homólogas obtidas no terreno não pode ser superior ao desvio-padrão admissível
prescrito.
O critério de rejeição em função do definido deve ser estabelecido a partir do ponto de vista de que 90% das altitudes ou cotas
dos pontos testados não podem ter discrepâncias superiores ao padrão de exatidão altimétrica (metade da equidistância das
curvas de nível), sendo o desvio-padrão das comparações, igual ou menor que o desvio-padrão admissível estabelecido, ou
seja, um terço do valor da equidistância das curvas de nível.
Para o estabelecimento do plano de amostragem e do grau de severidade de inspeção, a critério do contratante deve ser
seguido o estabelecido em NBR 5425,NBR 5426, NBR 5427 e NBR 5428.
Das distâncias ou pontos amostrados, 90% destes não devem apresentar discrepâncias superiores ao padrão de exatidão,
entre as medidas de planta e terreno, e o erro médio encontrado não pode ser superior ao erro médio admissível, entre as
medidas de planta e terreno.
O plano de amostragem e o grau de rigor da inspeção devem fazer parte dos termos de referência dos editais de licitações
ou das especificações para contratação, ou seja, devem ser de conhecimento antecipado, por condicionarem métodos e
instrumentos.
Fonte: NBR 13.133/1994.

68
CAPÍTULO 3
Serviços de georreferenciamento em
imóveis rurais

Norma Técnica para Georreferenciamento de


Imóveis Rurais, 3a edição
Esta norma técnica exarada pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma
Agrária - INCRA, apresenta as condições de exigência para a execução de serviços de
georreferenciamento de imóveis rurais públicos ou privados, sendo que, a aplicação
da norma está condicionada às especificações contidas no manual técnico de limites
e confrontações e manual técnico de posicionamento, ambos publicados pelo INCRA.

Quadro 13. Definições contidas na NTGIR.

Coordenadas referenciadas a três eixos ortogonais com origem no centro de massa da terra, sendo o
Coordenadas cartesianas geocêntricas eixo “Z” orientado na direção do Conventional Terrestrial Pole (Polo Terrestre Convencional), o eixo “X” na
direção média do meridiano de Greenwich e o eixo “Y” de modo a tornar o sistema dextrógiro.

Coordenadas cartesianas definidas num plano topográfico local, perpendicular à normal ao elipsoide e
Coordenadas cartesianas locais
tangente à superfície terrestre no ponto origem do Sistema Geodésico Local (SGL).

Coordenadas geodésicas definidas num elipsoide de referência, expressas em: latitude (φ), longitude (λ)
Coordenadas geodésicas
e altitude elipsoidal (h).

Profissional que tenha efetuado seu credenciamento junto ao INCRA para requerer certificação de imóveis
Credenciado
rurais.

Limites identificados, levantados e descritos de forma a contemplar corretamente os limites do imóvel


Exatidão de limites objeto do título de domínio, bem como os limites de respeito nos casos de ocupações rurais passíveis de
titulação.

O imóvel rural a ser considerado nos serviços de georreferenciamento é aquele objeto do título de
Imóvel rural
domínio, bem como aquele passível de titulação.

Referem-se às coordenadas geodésicas dos vértices (φ, λ, h), com suas respectivas precisões (σφ, σλ,
Informações posicionais
σh).

Refere-se à precisão posicional relacionada à vinculação com o Sistema Geodésico Brasileiro (SGB),
Precisão posicional absoluta
prevendo, portanto, a propagação das covariâncias a partir dos vértices do mesmo.

Profissional habilitado para execução de Profissional devidamente habilitado para assumir responsabilidade técnica dos serviços de
serviços de georreferenciamento georreferenciamento de imóveis rurais.

O Sistema Geodésico Local (SGL) é um sistema cartesiano composto de três eixos mutuamente
ortogonais (e, n, u), onde o eixo “n” aponta em direção ao norte geodésico, o eixo “e” aponta para a
Sistema Geodésico Local
direção leste e é perpendicular ao eixo “n”, ambos contidos no plano topográfico, e o eixo “u” coincide
com a normal ao elipsoide que passa pelo vértice escolhido como a origem do sistema.

É o ponto onde a linha limítrofe do imóvel rural muda de direção ou onde existe interseção desta linha
Vértice de limite
com qualquer outra linha limítrofe de imóvel contíguo.

Fonte: Norma Técnica para Georreferenciamento de Imóveis Rurais 3 a Edição.

69
UNIDADE IV │ NORMAS

Quadro 14. Identificação do Imóvel.

Identificação do imóvel
A identificação do imóvel rural se dá por meio da correta descrição dos seus limites.
rural
Os limites são descritos por segmentos de reta interligados por vértices, sendo estes descritos por seus respectivos
Descrição dos limites
códigos e valores de coordenadas.
Tipos de vértices Os vértices são agrupados em diferentes tipos, definidos no Manual Técnico de Limites e Confrontações.
O código inequívoco do vértice refere-se a um conjunto de caracteres alfanuméricos organizados de tal forma que não
ocorra mais de um vértice, mesmo que em imóveis distintos, com o mesmo código, conforme regra a seguir:
a) Os quatro primeiros caracteres referem-se ao código do credenciado responsável pelo posicionamento do vértice;
b) O quinto caractere refere-se ao tipo do vértice; e
c) Os caracteres seguintes referem-se a uma sequência de números inteiros, sendo incrementada à medida que o
profissional efetue a definição de um novo vértice.
Observação: não deve haver repetição de número em vértices do mesmo tipo e do mesmo credenciado.

Codificação do vértice

Codificação de vértice
Nota: Os credenciados que receberam codificação com três dígitos permanecerão com os mesmos.
Tipos de limites Os limites são agrupados em diferentes tipos, definidos no Manual Técnico de Limites e Confrontações.
Codificação do tipo de
Cada tipo de limite recebe uma codificação, definida no Manual Técnico de Limites e Confrontações.
limite
Fonte: Norma Técnica para Georreferenciamento de Imóveis Rurais 3 a Edição.

Quadro 15. Coordenadas dos Vértices.

As coordenadas dos vértices definidores dos limites do imóvel devem ser referenciadas ao SGB, vigente na época da
Coordenadas dos vértices submissão do trabalho. Atualmente, adota-se o Sistema de Referência Geocêntrico para as Américas (SIRGAS), em
sua realização do ano 2000 (SIRGAS, 2000).
Determinação das A determinação dos valores de coordenadas deve ser realizada em consonância com o Manual Técnico de
coordenadas Posicionamento.
Os valores de coordenadas dos vértices devem ser descritos por meio das suas coordenadas geodésicas (φ, λ, h),
Descrição das coordenadas
vinculadas ao SGB.
O valor da precisão posicional absoluta refere-se à resultante planimétrica (horizontal), conforme equação a seguir:

Onde:
Precisão das coordenadas
= precisão posicional (m);

= desvio padrão da latitude (m);

= desvio padrão da longitude (m).


Nota: No cálculo da precisão posicional desconsidera-se o valor do desvio padrão da altitude.

70
NORMAS │ UNIDADE IV

Os valores de precisão posicional a serem observados para vértices definidores de limites de imóveis são:
a) Para vértices situados em limites artificiais: melhor ou igual a 0,50 m;
Padrões de precisão
b) Para vértices situados em limites naturais: melhor ou igual a 3,00 m; e
c) Para vértices situados em limites inacessíveis: melhor ou igual a 7,50 m.
Os valores de precisão da latitude e da longitude devem ser convertidos para valores lineares. Desta forma, os valores
Descrição das precisões
de precisão das coordenadas geodésicas (σφ, σλ, σh) devem ser expressos em metros.
O cálculo de área deve ser realizado com base nas coordenadas referenciadas ao Sistema Geodésico Local (SGL). A
Área formulação matemática para conversão entre coordenadas cartesianas geocêntricas e cartesianas locais está definida
no Manual Técnico de Posicionamento.
Fonte: Norma Técnica para Georreferenciamento de Imóveis Rurais 3 a Edição.

Quadro 16. Credenciamento e Gestão da certificação.

Para requerer certificação de poligonais referentes a imóveis rurais, o profissional deve efetuar seu credenciamento
Credenciamento junto ao INCRA. Somente está apto a ser credenciado o profissional habilitado pelo Conselho Regional de
Engenharia e Agronomia (CREA), para execução de serviços de georreferenciamento de imóveis rurais.
Para que o profissional efetue seu credenciamento, deverá preencher formulário eletrônico pelo qual envia
Procedimentos para certidão expedida pelo CREA, conforme modelo estabelecido na Decisão PL-0745/2007, do Conselho Federal
credenciamento de Engenharia e Agronomia, ou outro instrumento vigente a época. Neste ato, o profissional receberá o código de
credenciado, conforme a Codificação do vértice.
Nos serviços de georreferenciamento de imóveis rurais, o credenciado assume responsabilidade técnica referente
à correta identificação do imóvel em atendimento ao parágrafo 3o do artigo 176 da Lei no 6.015, de 1973,
observando:
Responsabilidade Técnica
a) A exatidão de limites; e
b) As informações posicionais de todos os vértices de limite.
A gestão da certificação tem por finalidade trazer segurança para as informações certificadas e operacionalizar o
processo de certificação, conforme detalhado em ato normativo próprio, contemplando:
a) Desmembramento/Parcelamento;
b) Remembramento;
Gestão da certificação
c) Retificação de certificação;
d) Cancelamento de certificação;
e) Análise de sobreposição; e
f) Sanções ao credenciado.
Fonte: Norma Técnica para Georreferenciamento de Imóveis Rurais 3 a Edição.

71
CADASTRO E REDE
DE REFERÊNCIA UNIDADE V
CADASTRAL

CAPÍTULO 1
Cadastro

Cadastro segundo a FIG - Federação


Internacional dos Geômetras
A Federação Internacional dos Geômetras é uma organização não governamental com
o objetivo de promover a prática e as normas profissionais, presente em mais de 120
países, garantindo que as disciplinas de topografia e todos que as praticam satisfazem
as necessidades dos mercados e das comunidades que necessitem dos trabalhos
correlatos aos levantamentos. A FIG tem como visão de negócio, desenvolver a profissão
da topografia moderna e sustentável para a sociedade, meio ambiente e economia,
fornecendo soluções inovadoras e confiáveis em levantamentos.

De acordo com a Federação Internacional dos Geômetras (1998), cadastro é um


inventário público de dados metodicamente organizados, os quais foram baseados em
levantamentos dos limites encontrados nas parcelas existentes em uma determinada
área. Esse registro comprova e descreve todos os terrenos, direitos de bens, tipos de uso
e ocupação, sendo o registro completo da parcela do território.

O cadastro pode servir para variadas aplicações, dessa forma, o órgão público
responsável fornece os dados e as informações para as múltiplas necessidades de justiça,
administração, planejamento, estatística e economia, garantindo a segurança em
processos de venda e transferência de terreno, remembramento e ordenação territorial.

Basicamente, o cadastro de imóvel consiste nos dados descritivos do imóvel, dos dados
técnicos do mapeamento do imóvel e do solo e, dos dados técnicos dos levantamentos
topográficos do imóvel e do solo. Consiste em componente gráfico, mapa cadastral, e
o registro cadastral com os dados descritivos. Os dados de levantamentos topográficos

72
CADASTRO E REDE DE REFERÊNCIA CADASTRAL │ UNIDADE V

fazem parte do cadastro, sendo que as medições e cálculos são a base para a confecção
e manutenção do mapa cadastral.

Quadro 17. Cadastro de imóvel.

Servir como registro oficial para imóveis e ser mantido em constante acordo com o registro de imóveis.
Conter as características básicas para valorização da parcela de um determinado território.
Prover o sistema de impostos de dados básicos para uma justa taxação.
Objetivos Manter à disposição informações sobre a valorização do solo e distribuição das propriedades para dados estatísticos.
Fornecer documentação para transferência do bem ou outro propósito econômico.
Fornecer mapas de tamanho e escala uniforme, com gride de delimitação, para o planejamento, e também os dados descritivos
do imóvel para análise estrutural e investigação de prognóstico no planejamento territorial urbano e rural.
Integridade dos dados do registro de imóveis.
Uniformidade dos dados de registro.
Evitar registros repetidos.
Atualização constante dos dados.
Requisitos Disposição constante das informações do cadastro.
Possibilidade de fácil revisão de dados do cadastro.
Possibilidade de reprodução fácil e rápida de dados.
Escala de mapas adequada e uniforme.
Possibilidade de combinação e classificação de dados e informações.
Fonte: FIG, 1998.

Quadro 18. Atividades e serviços técnicos para levantamentos topográficos cadastrais.

Levantamento para atualização.


Levantamento da base.
Serviço de levantamento topográfico Levantamento topográfico.
Levantamento para engenharia.
Levantamento de edifício.
Produção e atualização dos mapas cadastrais.
Produção e manutenção do mapa básico do município.
Produção de mapas para planejamento da cidade.
Serviço de mapeamento
Produção e verificação de mapas de situação e construção.
Produção e atualização de mapas especiais.
Venda de mapas.
Produção e revisão dos registros cadastrais.
Validação e aceitação dos resultados dos levantamentos.
Cadastro de bens Aceite dos resultados da avaliação do solo e dos procedimentos de remembramento.
Manutenção da concordância entre o cadastro de bens, o registro de imóveis e cadastro de proprietário da
administração de finanças.
Comitê de regime de terras.
Regime de terras Revisão técnica dos procedimentos do regime de terras.
Aceitação dos procedimentos de regime de terras.

73
UNIDADE V │ CADASTRO E REDE DE REFERÊNCIA CADASTRAL

Comitê de peritos.
Observação e análise do mercado de imóvel.
Avaliação de terreno e solo
Coleta de preços de venda e estabelecimento do valor padrão (e mapas temáticos).
Fornecer informações sobre o valor padrão.
Fornecer pareceres oficiais.
Informações oficiais em caso de litígio de fronteira.
Outras atividades
Redução de gastos e taxas.
Administração de pessoal e orçamento.

Fonte: FIG, 1998.

74
CAPÍTULO 2
Rede cadastral

NBR 14.166/1998 - Rede de Referência


Cadastral Municipal – Procedimento
As condições exigíveis para a implantação de uma Rede de Referência
Cadastral fixada por esta Norma compatibilizam os procedimentos
no sentido de se estabelecer a infraestrutura de apoio geodésico e
topográfico que proporcione a normalização e sistematização de todos
os levantamentos topográficos, quer pelo método direto (clássico),
quer pelo método aerofotogramétrico, ou outro que vier a ser criado,
executados em qualquer escala e para qualquer finalidade no âmbito
municipal, por agentes públicos ou privados, no escopo de sua inclusão
em um mesmo sistema, atualizando-o e complementando-o.

Esta rede, portanto, deve apoiar tanto as atividades cadastrais a serem


representadas no Plano Topográfico Local, em escala 1:1 000 até 1:1,
como os levantamentos destinados à cartografia, inclusive à sistemática,
representados em projeção UTM usualmente em escala 1:2 000 ou
menores. (NBR 14.166/1998:01).

Quadro 19. Objetivos da NBR 14.166/1998.

Fixar as condições exigíveis para a implantação e manutenção da Rede de Referência Cadastral Municipal.
Apoiar a elaboração e a atualização de plantas cadastrais municipais.
Amarrar, de um modo geral, todos os serviços de topografia, visando às incorporações às plantas cadastrais do município.
Objetivos
Referenciar todos os serviços topográficos de demarcação, de anteprojetos, de projetos, de implantação e acompanhamento de
obras de engenharia em geral, de urbanização, de levantamentos de obras como construídas e de cadastros imobiliários
para registros públicos e multifinalitários.
Fonte: NBR 14.166/1998.

Quadro 20. Definições contidas na NBR 14.166/1998.

Distância de um ponto ao longo da normal ao elipsoide entre a superfície física e a sua projeção na superfície
Altura geométrica elipsoidal. Representa-se por h, sendo também conhecida como altitude geométrica, segundo a expressão h = N
+ H.
Distância de um ponto ao longo da vertical entre a superfície física e a sua projeção na superfície geoidal
(superfície equipotencial que coincide com o nível médio não perturbado dos mares).
Altitude ortométrica Representa-se por H.
Nota: É a altitude das referências de nível, determinada através de diversos processos de nivelamento, para os
serviços topográficos.

75
UNIDADE V │ CADASTRO E REDE DE REFERÊNCIA CADASTRAL

Alinhamento de via ou
Linha divisória que separa o lote de terreno do logradouro público.
alinhamento predial
Conjunto de cartas e plantas integrantes do Sistema Cartográfico Municipal que, apoiadas na rede de referência
cadastral, apresentam no seu conteúdo básico as informações territoriais necessárias ao desenvolvimento de
Base cartográfica
planos, de anteprojetos, de projetos, de cadastro técnico e imobiliário fiscal, de acompanhamento de obras e de
outras atividades projetuais que devam ter o terreno como referência.
Esquina Concordância de duas faces de quadras.
Alinhamento das frentes ou testada dos lotes, em uma quadra, em relação a um logradouro.
Face de quadra Nota: Uma quadra pode ter várias faces de quadra, na dependência do número de logradouros que lhe são
adjacentes.
Codificação de pontos baseada nas suas coordenadas planas no sistema de representação cartográfica adotado
Geocodificação ou nas quadrículas da planta cadastral onde estão situados, visando à ordenação das informações pela sua
localização geográfica.
Código formado a partir das coordenadas planas no sistema de representação cartográfica adotado ou nas
Geocódigo quadrículas codificadas da planta cadastral, de pontos referenciadores de elementos a serem localizados
geograficamente.
Gleba Porção de terreno rural ou urbano que ainda não foi objeto de loteamento ou desmembramento.
Levantamento topográfico específico, integrante do procedimento fiscal de execução de obras na construção civil
e industrial, que, integrado ao mesmo sistema tridimensional de referência espacial adotado no projeto de uma
construção e utilizando instrumentalmente todos os processos adequados ao rigor exigido pelo procedimento
fiscal, realiza o acompanhamento da obra, passo a passo, até a sua conclusão, determinando no seu
desenvolvimento, com a máxima exatidão possível, o posicionamento espacial das bases de assentamento e dos
detalhes específicos da configuração espacial da construção considerada em relação a pontos notáveis existentes
no terreno e/ou às divisas de imóveis que lhe são adjacentes, escolhidas como amarração da construção, quando
da elaboração do seu projeto.
Notas:
Levantamento de obras como
construídas 1 - O posicionamento dos elementos da construção tem como objetivo a verificação dos seus eixos de locação e
de anomalias estruturais quanto a não conformidades entre o que foi projetado e o que foi construído, no sentido
da tomada oportuna de providências corretivas, de modo que, ao final da obra, após revisões e modificações
incorporadas ao seu projeto original, possa ser emitido o Certificado de Conclusão de Obra, permitindo a
verificação de sua regularidade, estabilidade, manutenção, segurança e salubridade, elementos imprescindíveis à
sua aprovação pelo órgão municipal competente.
2 - Se os levantamentos de obra como construída estiverem amarrados à Rede de Referência Cadastral, e suas
peças gráficas e descritivas, constantes no Relatório Histórico do Acompanhamento Topográfico no Controle de
Qualidade da Construção, forem apresentadas em escala adequada, estas peças podem ser utilizadas para a
atualização da Planta Cadastral do Município.
Espaço livre, inalienável, destinado à circulação pública de veículos e/ou de pedestres, reconhecido pela
Logradouro
municipalidade, que lhe confere denominação oficial.
Menor parcela de terreno, resultante da divisão de uma gleba, destinada à construção de edificações, agricultura
Lote
ou lazer.
Marco geodésico Ponto geodésico planimétrico da Rede de Referência Cadastral implantado e materializado no terreno.
Marco geodésico, obtido por poligonação, triangulação, trilateração, dupla irradiação, rastreamento de satélite
do sistema GPS-NAVSTAR no método diferencial ou por outro método geodésico que vier a ser desenvolvido,
Marco geodésico de apoio a partir de marco geodésico de precisão, destinado a densificar o apoio geodésico básico, assegurando o
imediato suporte necessário à qualidade das operações topográficas visando ao apoio suplementar de campo para os
levantamentos aerofotogramétricos e ao apoio topográfico aos levantamentos para o parcelamento do solo,
demarcações, implantação e acompanhamento de obras de engenharia, em geral.
Marco geodésico obtido por poligonação, triangulação, trilateração, dupla irradiação, rastreamento de satélites do
sistema GPS-NAVSTAR no método diferencial ou outro método geodésico que vier a ser desenvolvido, com a
Marco geodésico de precisão
finalidade de transportar o apoio geodésico básico do Sistema Geodésico Brasileiro - SGB - às proximidades e/ou
ao interior da área municipal.

76
CADASTRO E REDE DE REFERÊNCIA CADASTRAL │ UNIDADE V

Planta, na escala 1:1 000 ou maior, resultado da aplicação sistemática desta Norma e da NBR 13133, tendo
como finalidade primordial os estudos sobre alinhamentos, nivelamentos e emplacamento de edificações, servindo
de base aos cadastros de infraestrutura urbana (água, esgoto, drenagem, pavimentação, força e luz, telefone, gás
etc.), apoiando ainda a construção das plantas de quadras do Cadastro Imobiliário Fiscal, e o cadastro fundiário
para registros públicos e cadastro de equipamentos comunitários ou sociais destinados a atividades de saúde,
Planta cadastral municipal
educação, cultura, lazer, esportes, promoção e assistência social e similares, apresentando ainda pontos cotados,
na precisão compatível com a escala, em todos os cruzamentos de ruas, fins de ruas, mudanças de “grade” e de
direção das ruas, abrangendo apenas as áreas urbanizadas e em processo de urbanização ou de expansão urbana
do município, além da hidrografia, drenagem, sistema viário, obras de arte, logradouros e arborização, registrando
no seu conteúdo básico, também, informações sobre o parcelamento do solo urbano e das edificações.
Planta integrante do Cadastro Imobiliário Fiscal, obtida a partir da Planta de Referência Cadastral do Município,
Planta genérica de valores
onde estão registrados os valores de terreno diferenciados pela sua posição nas quadras e nos segmentos de
- PGV
logradouros e pelos equipamentos urbanos à sua disposição, em geral na escala de 1:5 000 ou 1:10 000.
Planta na escala de 1:5 000 ou 1:10 000 - com curvas de nível de equidistância adequada à escala e ao
relevo e pontos cotados auxiliares para melhor definição do relevo – registrando no seu conteúdo básico:
aspectos físicos (hidrografia, cobertura vegetal, natureza do solo etc.), aspectos socioeconômicos(sistema
viário, unidades com fins econômicos, equipamentos comunitários, elementos a preservar, quarteirões com as
Planta geral do município principais edificações, logradouros, linhas de transmissão de energia elétrica, uso do solo etc.), aspectos político-
administrativos (limites municipais, interdistritais, de bairros, juridicionais e de zonas especiais)e aspectos técnicos
(pontos da rede de referência cadastral, quadriculado plano-retangular do sistema topográfico local); sua área de
abrangência contempla todo o território municipal, sendo uma base cartográfica em projeção UTM destinada à
elaboração e ao acompanhamento do Plano Diretor Municipal e de todas as ações dele decorrentes.
Planta obtida a partir da Planta de Referência Cadastral do Município, onde estão registradas as informações
Planta indicativa de sistemas referentes aos sistemas de infraestrutura urbana(água, esgoto, eletricidade, iluminação pública, drenagem, guias,
de infraestrutura urbana sarjetas, pavimentação, telefone, gás, oleodutose outros), sendo um meio auxiliar às atividades de planejamento,
programação e coordenação dos serviços de implantação de obras em vias públicas.
Planta integrante do Cadastro Imobiliário Fiscal, na escala 1:1.000 ou1:500, apresentando, no seu conteúdo
básico, o contorno da quadra segundo os alinhamentos de vias de suas faces, os logradouros correspondentes às
Planta de quadra ou planta faces da quadra, os limites dos lotes com as suas dimensões e a codificação dos lotes; sua codificação deve estar
quadra vinculada à Planta de Referência Cadastral do Município, podendo conter outros elementos agregados, como a
projeção da edificação de cada lote, a numeração do emplacamento, a codificação da infraestrutura existente em
cada face de quadra etc.
Planta planimétrica elaborada a partir da planta geral do município na escala1: 5.000 ou 1: 10.000, para gestão
municipal integrante dos cadastros técnicos municipais, apresentando, no seu conteúdo básico, hidrografia, o
sistema viário, com sua denominação, a codificação de zonas, de quadras para amarração do Sistema Cadastral
Planta de Referência Cadastral
Imobiliário, sendo nela locados todos os novos loteamentos aprovados e as alterações do sistema viário, quando
então, a partir destas modificações, serão alteradas ou criadas novas plantas de quadras do Cadastro Imobiliário
Fiscal.
Ponto de cruzamento de
Ponto de interseção dos eixos de logradouros.
logradouros
Ponto definidor da interseção ou tangência do alinhamento de duas faces de quadra, levantado topograficamente.
Notas:
1 - Se o canto da quadra for vivo, há somente um ponto de esquina.
Ponto de esquina
2 - Se o canto da quadra for chanfrado, há dois pontos de esquina.
3 - Se o canto da quadra for arredondado ou multifacetado, haverá tantos pontos de esquina quantos forem
necessários para a definição da interseção.
Ponto materializado no terreno, identificável em planta, passível de ser objeto de geocodificação, servindo de
prefixo para a geocodificação de outros pontos e elementos a si agregados como atributos e/ou relacionados por
códigos complementares métricos, obtidos pela medição de suas distâncias ao mesmo segundo linhas notáveis
(eixos de vias, alinhamento devias e contornos de quadras), em um sentido predeterminado.
Notas:
Ponto de referência
1 - Os elementos físicos passíveis de relacionamento são as faces de quadra, os pontos de esquina, os lotes
e as edificações, bem como os elementos dispostos em frente às faces de quadra, tais como: bocas de lobo,
arborização de vias, hidrantes, postes, pontos de distribuição de energia elétrica e outros.
2 - Como atributos, são passíveis de agregação: infraestrutura urbana, equipamentos sociais disponíveis, valores
de terreno, entre outros.

77
UNIDADE V │ CADASTRO E REDE DE REFERÊNCIA CADASTRAL

Ponto de referência que, em área ainda não objeto de loteamento ou desmembramento, a si agrega informações
Ponto de referência de gleba
de uma gleba tais como: propriedade com seu perímetro, área, edificações, benfeitorias, usos etc.
Ponto de referência que a si agrega as informações de uma quadra, tais como: código métrico dos lotes,
Ponto de referência de quadra testadas, profundidades, áreas dos lotes e informações sobre as edificações nelas contidas, ou outras informações
socioeconômicas etc.
Ponto de referência de Ponto de referência situado convenientemente no eixo do segmento do logradouro, que a si agrega informações
segmento de logradouro sobre as faces de quadra correspondentes e dos elementos nas mesmas dispostos.
Ponto materializado no terreno, que faça parte do perímetro da gleba, identificável em planta cujas coordenadas
Ponto de referência para
planimétricas são conhecidas, ou marco primordial utilizado em ações judiciais para registros públicos, incorporado
estrutura fundiária
à Rede de Referência Cadastral.
Ponto de coordenadas planimétricas ou planialtimétricas, implantado e materializado no terreno, determinado por
Ponto topográfico poligonal topográfica, apoiada em pontos geodésicos, ou por poligonal secundária de densificação da malha de
pontos topográficos, classificadas como II P ou IPRC conforme a NBR 13.133/1994.
Unidade básica de terreno urbano, loteada ou não, pública ou privada, referenciada a logradouros que lhe são
Quadra
adjacentes para efeito de controle e codificação em cadastros técnico e imobiliário fiscal.
Ponto de altitude ortométrica conhecida, referenciada ao datum altimétrico do país, implantado e materializado em
Referência de nível
locais predeterminados.
Referência de nível obtida por nivelamento geométrico da classe I N (vide NBR 13.133/94) a partir de Referência
Referência de nível de apoio de Nível de Precisão do SGB, com a finalidade de apoio aos levantamentos locais, parcelamento de áreas,
imediato obras, estruturas de drenagem, gradientes e de base ao apoio suplementar de campo dos levantamentos
aerofotogramétricos.
Referência de nível do Sistema Geodésico Brasileiro - SGB, classificada como de precisão, existente na área
Referência de nível de precisão
municipal ou na sua vizinhança, utilizada como apoio altimétrico da Rede de Referência Cadastral.
Referência de nível obtida por nivelamento geométrico de classe II N (vide NBR 13.133/1994), a partir de
referência de nível de apoio imediato, que serve de apoio topográfico à determinação altimétrica dos pontos de
Referência de nível topográfica
referência de quadra, de gleba, de segmento de logradouro, esquina e de pontos de segurança(PS), em projetos
e/ou obras.
Rede de apoio básico de âmbito municipal para todos os serviços que se destinem a projetos, cadastros
ou implantação e gerenciamento de obras, sendo constituída por pontos de coordenadas planialtimétricas,
materializados no terreno, referenciados a uma única origem (Sistema Geodésico Brasileiro- SGB) e a um mesmo
Rede de Referência Cadastral sistema de representação cartográfica, permitindo a amarração e consequente incorporação de todos os trabalhos
de topografia e cartografia na construção e manutenção da Planta Cadastral Municipal e Planta Geral do Município,
sendo esta rede amarrada ao Sistema Geodésico Brasileiro (SGB); fica garantida a posição dos pontos de
representação e a correlação entre os vários sistemas de projeção ou representação.
Trecho de um logradouro compreendido entre duas interseções consecutivas do seu eixo com os eixos de outros
Segmento de logradouro
logradouros, ou seja, dois pontos de cruzamento de logradouros consecutivos.
Sistema de projeção
topográfica (Sistema Sistema de projeção utilizado nos levantamentos topográficos apoiados na Rede de Referência Cadastral pelo
Topográfico método direto clássico para representação das posições relativas dos acidentes levantados através de medições
angulares e lineares, horizontais e verticais.
Local)
Conjunto de documentos cartográficos estruturado a partir da implantação da Rede de Referência Cadastral,
básico para o levantamento de informações territoriais no âmbito municipal, elaborados de forma sistemática e
apoiados na Rede de Referência Cadastral Municipal. Este conjunto é constituído pelas folhas da Carta Topográfica
do Município e pelas folhas da Planta Cadastral Municipal, da Planta de Referência Cadastral, das Plantas
Sistema Cartográfico Municipal Indicativas de Equipamentos Urbanos, da Planta de Valores Genéricos de Terreno e das Plantas de Quadra, com
enquadramento, desdobramento e codificação realizados a partir da Carta Topográfica do Município, que, por
sua vez, tem suas folhas enquadradas e desdobradas a partir das correspondentes folhas de carta do Sistema
Cartográfico Nacional (1:1 000 000 - 1:500 000 - 1:250 000 -1:100 000 - 1:50 000 - 1:25 000), na sua
maior escala.
Sistema de representação, em planta, das posições relativas de pontos de um levantamento topográfico com
origem em um ponto de coordenadas geodésicas conhecidas, onde todos os ângulos e distâncias de sua
determinação são representados, em verdadeira grandeza, sobre o plano tangente à superfície de referência
Sistema topográfico local (elipsoide de referência) do sistema geodésico adotado, na origem do sistema, no pressuposto de que haja, na
área de abrangência do sistema, a coincidência da superfície de referência com a do plano tangente, sem que os
erros, decorrentes da abstração da curvatura terrestre, ultrapassem os erros inerentes às operações topográficas
de determinação dos pontos do levantamento.

78
CADASTRO E REDE DE REFERÊNCIA CADASTRAL │ UNIDADE V

Elementos constituintes do sistema fundamentais para o posicionamento dos pontos do levantamento por
intermédio de um sistema cartesiano ortogonal em duas dimensões onde:

a) os eixos X e Y estão jacentes no Plano do Horizonte Local (plano tangente ao elipsoide de referência),adotando-se,
deste instante em diante, para efeito de cálculos, a esfera de adaptação de Gauss como figura geométrica da terra
(superfície de referência);
Plano de representação,
origem, eixos e orientação b) o eixo Y coincide com a linha meridiana (nortesul) geográfica, no ponto de tangência, orientado positivamente,
para o norte geográfico;

c) o eixo X é orientado, positivamente, para o leste.

Nota: O plano do horizonte local é elevado à altitude ortométrica Ht média da área de abrangência do sistema,
passando a chamar-se Plano Topográfico Local.

Coordenadas cartesianas definidoras da localização planimétrica dos pontos medidos no terreno e representados
no plano topográfico do sistema topográfico local, cuja origem está no ponto de tangência deste plano com a
superfície de referência adotada pelo Sistema Geodésico Brasileiro - SGB.

Notas:

1 - O sistema de coordenadas plano-retangulares tem a mesma origem do Sistema Topográfico Local.

Coordenadas plano- 2 - A orientação do sistema de coordenadas plano-retangulares é em relação ao eixo das ordenadas (Y).
retangulares (X,Y)
3 - A fim de serem evitados valores negativos para as coordenadas plano-retangulares, a estas são adicionados
termos constantes adequados a esta finalidade.

4 - A fim de elevar o plano topográfico de projeção ao nível médio da área objeto do sistema topográfico, as
coordenadas plano-retangulares são afetadas por um fator de elevação, caracterizando o Plano Topográfico Local.

5 - A origem do Sistema Topográfico Local deve estar posicionada, geograficamente, de modo a que nenhuma
coordenada plano-retangular, isenta do seu termo constante, tenha valor superior a 50 km.

Fator (c) que, aplicado às coordenadas plano-retangulares dos pontos do apoio geodésico do sistema, definidores
do plano topográfico de projeção, isentas de seus termos constantes, eleva este plano ao nível médio do terreno
da área de abrangência do sistema, caracterizando o Sistema Topográfico Local, onde serão representados todos
os pontos levantados topograficamente.

Onde:

c é o fator de elevação, adimensional;

Fator de elevação Ht é a altitude média do terreno, em metros;

Rm é o raio médio terrestre igual a , adotado como raio da esfera de adaptação de Gauss, em metros;

M é o raio de curvatura da elipse meridiana do elipsoide de referência na origem do sistema topográfico local, em
metros;

N é o raio de curvatura da elipse normal à elipse meridiana na origem do sistema topográfico local, em metros.

Nota: Devido à grandeza de Rm face à pequenez de Ht, na utilização desta Norma pode ser usada a expressão
simplificada seguinte:

c = 1 + 1,57 x 10-7 x Ht

79
UNIDADE V │ CADASTRO E REDE DE REFERÊNCIA CADASTRAL

Superfície definida pelas tangentes, no ponto origem do Sistema Topográfico, ao meridiano deste ponto e à
geodésica normal a este meridiano.

Notas:

1 - O plano topográfico é tangente ao elipsoide de referência no ponto de origem do Sistema Topográfico, tendo
sua dimensão máxima limitada a aproximadamente 70 km, a partir da origem do Sistema Topográfico Local,
Plano topográfico de maneira que o erro relativo, decorrente da desconsideração da curvatura terrestre, não ultrapasse 1:50 000
nesta dimensão e 1:20 000 nas imediações da extremidade desta dimensão, sendo que a dimensão máxima do
plano topográfico é a metade da diagonal de um quadrado de100 km de lado, correspondente à área máxima de
abrangência do Sistema Topográfico Local.

2 - O plano topográfico deve ser elevado ao nível médio do terreno da área, objeto de levantamento topográfico,
para a caracterização do plano topográfico local pela imposição de um fator de elevação aplicado às coordenadas
plano retangulares de todos os pontos levantados geodésica e topograficamente e nele representados.
Plano topográfico elevado ao nível médio do terreno da área de abrangência do Sistema Topográfico Local,
Plano topográfico local segundo a normal à superfície de referência no ponto de origem do sistema (ponto de tangência do plano
topográfico de projeção no elipsoide de referência).
Fonte: NBR 14.166/1998.

Quadro 21. Sequência de operações na estruturação e implantação da Rede de Referência Cadastral

Municipal.

Sobre a carta do IBGE, em escala 1:50 000 ou1:100 000, estabelecer a área de abrangência do Sistema Topográfico Local (um
Primeiro passo
único município, conjunto de municípios ou incorporar-se a um conjunto já existente).

Sobre essa mesma carta, após estabelecer a área de abrangência do sistema, fixar o ponto central deste(ponto de tangência ao
elipsoide, cujas coordenadas geodésicas serão utilizadas nas transformações entre sistemas de coordenadas); este ponto, tanto
Segundo passo
quanto possível, deve ser escolhido dentro da área urbanizada, fazendo-se, dessa forma, com que as áreas de deformação,
praticamente nulas, coincidam com as áreas de maior valor de terreno.

Terceiro passo Definir a altitude média a ser adotada para o sistema topográfico local na sua área de abrangência.

Estabelecer sistema de desdobramento e articulação de folhas da futura planta cadastral do município, dentro dos princípios que
Quarto passo
norteiam o Sistema Cartográfico Brasileiro.

Identificar o(s) fuso(s), meridiano(s) central(is) e meridianos limites, no sistema de projeção UTM, oficialmente adotado para a
Quinto passo
cartografia nacional, na área de abrangência da Rede de Referência Cadastral em causa.

Pesquisar nas proximidades da área um vértice do Sistema Geodésico Brasileiro (SGB) que esteja em bom estado, o qual será
Sexto passo
eleito para servir de amarração do Sistema Topográfico Local e ao sistema cartográfico em função UTM ao SGB.

Inventariar vértices existentes, na área de abrangência da Rede de Referência Cadastral a ser implantada, averiguando a qualidade
Sétimo passo de sua localização(estabilidade, segurança, acessibilidade, intervisibilidade etc.) e data (origens), visando sua incorporação à Rede
de Referência Cadastral.

Verificar no mapeamento existente – quer executado pela topografia clássica quer pela aerofotogramétrica – os sistemas de
projeção utilizados, elipsoide e data adotados, verificando também se o sistema de articulação de folhas corresponde ao do
Oitavo passo
Sistema Cartográfico Brasileiro - SCB, identificando os parâmetros de transformação de coordenadas entre todos os sistemas
existentes.

Adotar o Sistema Geodésico Brasileiro SAD-69conforme documento Especificações e Normas Gerais para Levantamentos
Nono passo
Geodésicos - IBGE.

Décimo passo Obedecer todo o planejamento e implantação da rede.

Fonte: NBR 14.166/1998.

80
CADASTRO E REDE DE REFERÊNCIA CADASTRAL │ UNIDADE V

Quadro 22. Classificação dos elementos na estruturação da rede cadastral.

Marcos geodésicos de precisão.


Marcos geodésicos de apoio imediato.
Marcos referenciadores de divisas estaduais e municipais.
Referências de nível de precisão.
Referências de nível de apoio imediato.
Referências de nível topográficas.
Classificação dos elementos
Pontos topográficos.
Pontos de referência de segmentos de logradouros.
Pontos de esquina.
Pontos de referência de quadras.
Pontos de referência para estrutura fundiária.
Pontos de referência de glebas.
Fonte: NBR 14.166/1998.

Quadro 23. Requisitos gerais de uma Rede de Referência Cadastral.

Os marcos geodésicos de apoio imediato devem necessariamente apoiar-se em marcos geodésicos do IBGE, próximos à área.
Não havendo estes vértices, devem-se transportar coordenadas do vértice mais próximo à área, com a exatidão constante
Requisitos Gerais no quadro I - “Sistema Geodésico Brasileiro, Classificação dos Levantamentos Geodésicos”, constantes no documento
Especificações e Normas Gerais para Levantamentos Geodésicos - IBGE, servindo como marco geodésico de precisão ao
sistema a ser implantado.
Os marcos geodésicos de apoio imediato devem ser localizados preferencialmente no cume das elevações e nos altos dos
edifícios de grande porte e, se possível, em propriedades públicas, em uma densidade aproximada de um para cada 3 km²
nas áreas urbanizadas e, nas áreas rurais, de um para cada 16 km² a 50 km², na dependência da densidade demográfica de
interferências e do uso e ocupação do solo.
Os marcos geodésicos de apoio imediato e os pontos topográficos devem estar situados de modo a permitir intervisibilidade
com os pontos contíguos, no mínimo dois a dois, em lugares favoráveis à sua identificação, devendo ser materializados e
monografados de acordo com as prescrições e os modelos da NBR 13.133/1994.
Nas monografias dos pontos topográficos devem constaras suas amarrações para no mínimo três pontos bem definidos e
Requisitos Gerais identificáveis nas suas proximidades.
Os elementos da Rede de Referência Cadastral podem ter suas coordenadas plano-retangulares determinadas nos Sistemas
Transverso de Mercator (UTM-RTMLTM) como no Sistema Topográfico Local.
Neste caso a origem do Sistema Topográfico Local é também a origem do seu sistema de coordenadas planorretangulares(X e Y).
O eixo das ordenadas é o eixo do Y com orientação para o norte geográfico e o eixo das abscissas é o eixo do X.
Os eixos coordenados do sistema de coordenadas planorretangulares do Sistema Topográfico Local definem o plano de
projeção topográfica deste sistema, no pressuposto de que todos os pontos dos levantamentos topográficos realizados na sua
área de abrangência sejam projetados ortogonalmente neste plano.
As coordenadas planorretangulares (X, Y) dos marcos geodésicos de apoio imediato no Sistema Topográfico Local são obtidas a
partir de suas coordenadas geodésicas(ϕ, λ) e das coordenadas geodésicas da origem do sistema (ϕo, λo)³).
Às coordenadas planorretangulares da origem do Sistema Topográfico Local (0,0) são adicionados os termos constantes
150.000 m e 250.000 m, respectivamente para a abscissa (X) e para a ordenada (Y), no escopo de evitarem-se valores
negativos nos demais pontos da área de abrangência do sistema.
Se a origem do sistema for 0 (zero), de coordenadas geodésicas ϕo e λoe planorretangulares X = 150.000 m e Y = 250.000
m, e o ponto geodésico de apoio imediato for P, de coordenadas geodésicas ϕp e λp, as coordenadas planorretangulares de P
são dadas pelas expressões constantes no anexo A.
Requisitos Gerais As coordenadas planorretangulares dos pontos levantados, topograficamente, na área de abrangência do Sistema Topográfico
Local, são obtidas a partir das coordenadas planorretangulares dos pontos geodésicos de apoio imediato.
As coordenadas planorretangulares dos pontos Levantados topograficamente no âmbito do Sistema Topográfico Local, a partir
do apoio topográfico, subentendem que as observações angulares, horizontais e lineares, nas operações topográficas de sua
determinação, estão representadas em verdadeira grandeza no plano topográfico local, com orientação, em planta, para o norte
da quadrícula.
Isto significa que estão afetadas pela convergência meridiana, a qual, no Sistema Topográfico Local, só é nula para pontos
situados ao longo do meridiano da origem do sistema e que somente o eixo das ordenadas(Y) está orientado para o norte
geográfico.

81
UNIDADE V │ CADASTRO E REDE DE REFERÊNCIA CADASTRAL

A convergência meridiana, mencionada em 5.6.1,quando calculada a partir da latitude ϕp e de um ponto geodésico (de
precisão ou de apoio imediato), tem a sua expressão rigorosa indicada no anexo B.

A convergência meridiana, quando calculada a partir das coordenadas planorretangulares dos pontos, tem uma expressão
suficientemente aproximada.

As coordenadas planorretangulares dos pontos do Sistema Topográfico Local devem estar limitadas, em seus valores absolutos
(isentas dos termos constantes), ao máximo de 50.000 m, de maneira que nenhum ponto diste da origem do sistema mais
que 70.710,68 m, o que garantirá um erro relativo decorrente da desconsideração da curvatura terrestre menor que 1:50.000
nesta dimensão e 1:20.000 nas imediações de sua extremidade.

Caso a área municipal exceda a área máxima de abrangência do sistema ou apresente distâncias à origem do sistema maiores
que 70 710,68 m, deve(m) ser estabelecido(s) outro(s) sistema(s) de projeção topográfica adjacente(s).

Estes sistemas parciais devem ter superposições entre si adequadas à existência de pontos comuns para suas interligações, com
coordenadas inerentes a cada sistema interligado.
Requisitos Gerais
A área de abrangência do Sistema Topográfico Local deve ser reduzida, no caso de a superfície terrestre abrangida ser muito
acidentada em seu relevo, apresentando áreas em que haja desníveis superiores a 150 m, para mais ou para menos, em
relação ao plano topográfico local adotado, o que determinará a subdivisão do sistema em sistemas parciais.

Os pontos topográficos devem estar localizados em sítios notáveis que facilitem a sua ocupação e utilização e que garantam a
estabilidade a perenidade de sua materialização.

A sua configuração deve ser tal que nas áreas urbanizadas nenhum ponto de esquina fique distante mais do que 400 m de
pontos topográficos principais ou mais do que 250 m de pontos topográficos secundários; sua densidade deve ser de no
mínimo quatro pontos por km2.

Nas áreas rurais, a densidade e o espaçamento entre pontos contíguos devem decorrer das condições do terreno, da
configuração das glebas e das necessidades de apoio dos serviços topográficos, garantindo a densidade mínima de um ponto
topográfico a cada 2 km².

Os pontos topográficos, sempre que possível, devem ser, também, referências de nível topográfico.

As referências de nível de apoio imediato e as referências de nível topográfico devem estar localizadas em lugares favoráveis à
sua identificação e que garantam a estabilidade e a perenidade de sua materialização, devendo ser matriculadas e monografadas
com descrição de itinerários de acesso e adjacências, de acordo comas prescrições e o modelo da NBR 13.133/1994.

As referências de nível de apoio imediato e as referências de nível topográfico devem ser materializadas por marcos e/ou pinos
metálicos, nas áreas urbanas, e por marcos, nas áreas rurais, quando não forem encontradas obras de arte (pontes, viadutos,
pontilhões, etc.) estáveis, onde possam ser cravados pinos metálicos.

Os pontos chamados de marcos primordiais, utilizados em ações judiciais e registros públicos, só serão incorporados à Rede
de Referência Cadastral como pontos referenciadores para estrutura fundiária caso tenham sido obtidos de acordo com as
prescrições desta Norma para a determinação dos pontos topográficos principais e devidamente verificados.

Requisitos Gerais Os pontos de esquina devem ser materializados junto ao solo nos pisos das calçadas, segundo a vertical dos cantos das
edificações situadas nas esquinas provenientes de dois logradouros, por pinos metálicos cravados nestes pisos, como forma de
caracterizar o ponto levantado.

No caso de construções curvilíneas nas esquinas, a determinação dos pontos de esquina deve ser realizada pela identificação
visual dos pontos de tangência dessa curva (PC-PT) com materialização por pinos metálicos, quando houver calçada e, quando
não houver calçada, o pino deve ser cravado na própria parede, junto ao solo.

Inexistindo edificações na esquina, pontos irradiados auxiliares devem ser implantados e materializados visando permitir futuras
medições complementares para a sua determinação.

Quando da implantação de loteamentos ou outro qualquer tipo de urbanização, os pontos notáveis de esquina e de mudança de
direção de alinhamento deverão ser materializados por marcos de concreto.

82
CADASTRO E REDE DE REFERÊNCIA CADASTRAL │ UNIDADE V

Os pontos de referência de quadra, de gleba e de segmento de logradouro, cuja finalidade é a obtenção de códigos a partir de
suas coordenadas plano retangulares(geocódigos) como prefixos referenciais para a composição dos códigos de localização
geográfico dos elementos físicos a si relacionados ou das informações territoriais a si agregadas como atributos, não são objetos
de determinação por operações topográficas.
Suas coordenadas planorretangulares são obtidas, graficamente, nos originais dos documentos cartográficos do Sistema
Cartográfico Municipal em escala compatível a sua determinação.
Os elementos da Rede de Referência Cadastral devem ser matriculados pelos órgãos gestores da administração municipal
com prefixos que os identifiquem e catalogados em fichas individuais de identificação, elaboradas com adaptação ao modelo
apresentado em A.2 da NBR 13.133/1994, devendo conter, no que for pertinente, o seguinte:
a) coordenadas planorretangulares e/ou altimétricas com indicação de sua obtenção e exatidão (erro médio ou desvio-padrão);
b) descrição da materialização no terreno;
Requisitos Gerais c) documentos cartográficos do Sistema Cartográfico Municipal onde se inserem;
d) esquema orientado, com detalhes de suas imediações e/ou itinerário de acesso;
e) fotografias tomadas de diferentes posições, que auxiliem a sua localização;
f) coordenadas geodésicas da origem do Sistema Topográfico Local;
g) orientação azimutal para pontos contíguos e descrição das miras, quando houver;
h) pontos determinados e operação topográfica de sua determinação;
i) identificação da organização, empresa ou profissional encarregado de sua implantação.
A organização, empresa ou profissional que realizar a implantação dos pontos da Rede de Referência Cadastral, como também
os usuários dos seus elementos devem comunicar ao seu órgão gestor da administração municipal os problemas porventura
encontrados, quando de sua utilização.
Os elementos da Rede de Referência Cadastral têm o seguinte escalonamento hierárquico em ordem decrescente:
Pontos planimétricos:
a) marco geodésico de precisão;
b) marco geodésico de apoio imediato;
c) ponto topográfico principal;
d) ponto topográfico secundário;
e) ponto de referência para estrutura fundiária;
Requisitos Gerais f) ponto de esquina;
g) pontos de referência (quadra, gleba e de segmento de logradouro).
Pontos altimétricos:
a) referência de nível de precisão;
b) referência de nível de apoio imediato;
c) referência de nível topográfico;
d) ponto topográfico (principal e secundário);
e) ponto de segurança.
As matrículas, a catalogação e o escalonamento hierárquico dos elementos da Rede de Referência Cadastral são subsídios
fundamentais para o mapeamento digital dos elementos do Sistema Cartográfico Municipal, para a caracterização da base de
dados para o geoprocessamento das informações territoriais e para a implantação de um sistema de informações geográficas
municipais, tanto nos trabalhos de cartografia como nos de topografia.
Todos os procedimentos a serem normalizados referentes às alterações do sistema viário, às obras de arte, às obras de
infraestrutura empreendidas pelo Poder Público e por suas concessionárias, ao parcelamento do solo, às alterações das
Requisitos Gerais edificações e à sistematização de todos os levantamentos topográficos, no âmbito municipal, devem estar vinculadas à utilização
obrigatória dos pontos da Rede de Referência Cadastral e prever a criação de novos pontos, de maneira que a aplicação
contínua destes conduza ao seu adensamento e à incorporação dos seus elementos topográficos aos documentos cartográficos
do Sistema Cartográfico Municipal, visando as suas atualizações tanto nas cartas topográficas como nas plantas topográficas,
porém sempre compatíveis com a escala de representação.
A normalização acima referida deve incorporaras prescrições contidas nesta Norma conforme implantação e a manutenção da
Rede de Referência Cadastral são de atribuição e de responsabilidade da administração municipal, através de um órgão gestor.
Fonte: NBR 14.166/1998.

83
UNIDADE V │ CADASTRO E REDE DE REFERÊNCIA CADASTRAL

Quadro 24. Requisitos gerais de uma Rede de Referência Cadastral.

As condições específicas para a implantação e manutenção da Rede de Referência Cadastral referem-se apenas aos procedimentos para a
determinação de seus elementos, sua atualização e complementação.

As condições específicas fundamentam-se nos procedimentos preconizados pela NBR 13133.

Os marcos geodésicos de apoio imediato são determinados a partir dos marcos geodésicos de precisão, por intermédio de poligonal da classe
I-P (NBR 13.133/1994),ou por rastreamento de satélites do sistema GPS-NAVSTAR, no método diferencial; triangulação ou trilateração ou outro
método, desde que em termos de exatidão, seja igual ou melhor que a obtida por essa classe de poligonal.

No caso de emprego do rastreamento de satélites do sistema GPS-NAVSTAR devem ser observadas as especificações mínimas divididas conforme a
seguir:

a) aparelhagem;

b) implantação de pontos;

c) operações de campo;

d) precisão das medições e exatidão dos resultados.

A aparelhagem deve ser constituída por rastreadores de sinais de satélites GPS conforme as seguintes características mínimas:

a) dos receptores:

1) receptores devem ser do tipo geodésico;

2) frequência L1;

3) desvio-padrão (s) de cada componente da linha de base medida (dX, dY, dZ), no método diferencial estático, igual ou superior a:

- distância horizontal ± (10 mm + 2 ppm x D);

- distância vertical ± (20 mm + 2 ppm x D);

- azimutal ± onde D é a distância

em quilômetros;

4) para atingir a precisão acima mencionada, exigem-se as seguintes condições:

- sessões de observação com duração mínima de 60 min;

- observação contínua de no mínimo cinco satélites durante toda a sessão de rastreio;

- observação e processamento de fase de batimento da portadora;

- precisão das coordenadas orbitais igual ou melhor que 1 ppm;

- ausência de multicaminhamento;

b) dos instrumentais pertinentes:

1) dispositivo para medir a altura instrumental com resolução milimétrica;

2) é necessário que a antena possua plano terra quando da determinação dos pontos de controle;

3) as antenas devem ser instaladas em pilares ou tripés e niveladas empregando-se base nivelante com prumo óptico aferido;

4) quando a distância entre pontos nos vetores ou linhas de base a serem determinadas for superior a 50 km, é necessário o emprego de receptores
de dupla frequência, possibilitando assim o processamento do sinal L3 ou sinal livre de efeitos ionosféricos (ionosferefree).

84
CADASTRO E REDE DE REFERÊNCIA CADASTRAL │ UNIDADE V

Na implantação dos pontos geodésicos de apoio imediato devem ser observadas as seguintes prescrições:
a) os pontos devem estar em locais com boa visibilidade, tanto para os satélites quanto para o emprego da metodologia geodésica clássica;
b) os pontos sem intervisibilidade devem ter um marco de azimute (determinado por GPS), deles distanciados, conforme as previsões contidas na
alínea l;
c) na implantação de mais de cinco pontos geodésicos de apoio imediato, deve ser realizado um polígono fechado, apoiado no mínimo por dois
pontos geodésicos de primeira ordem (classe AP) do SGB;
d) na implantação de mais de cinco pontos geodésicos de apoio imediato deve ser realizada, preliminarmente, uma rede de controle para apoio
dos demais pontos, devendo esta ser formada por três ou mais pontos, denominados pontos de controle e conectados a pelo menos dois pontos
geodésicos de primeira ordem (classe AP) do SGB;
e) estando disponível nas imediações da área ao menos um pilar de classe superior a AP, tais como os da Rede Geodésica GPS de São Paulo e
similares, este pode ser utilizado como único ponto de apoio para a rede de controle, observados os limites especificados na alínea f);
f) o espaçamento (E) entre os pontos da rede de controle e o centro (C) da área de interesse deve obedecer aos seguintes critérios:
1) (E) não pode exceder cinco vezes a distância entre C e seu ponto geodésico de apoio imediato mais afastado;
2) 50% dos pontos de controle não devem estar amenos de um quinto da distância entre C e seu marco geodésico de apoio imediato mais afastado;
3) os pontos de controle, que estiverem fora da área de interesse, não podem estar a mais de50 km de seu limite;
g) as prescrições contidas nas alíneas c), d), e f) partem do pressuposto da existência de marcos de primeira ordem ou superior do SGB, dentro das
dimensões preconizadas; caso haja carência de apoio geodésico deve-se realizar um estudo técnico, devendo-se elaborar um memorial descritivo e
justificativo da metodologia adotada, considerando-se fatores tais como:
1) densidade de marcos;
2) uso e ocupação do solo; e
3) desenvolvimento econômico da região;
h) o planejamento da implantação dos pontos geodésicos e controle e apoio imediato devem ser embasados em um documento cartográfico
existente em escala adequada às dimensões da área, sendo que neste documento são assinalados os locais de todos os tipos de pontos projetados
e seus pontos de apoio; só após o reconhecimento deve-se lançar, em convenção cartográfica distinta, os pontos definitivos com indicação daqueles
que são intervisíveis;
i) a implantação dos marcos geodésicos, de controle ou de apoio imediato, deve ser feita em locais com a proteção adequada, tais como: próprios
do estado, campus de universidades, escolas etc., com monumentação estável e visibilidade para aplicação de metodologia clássica, evitando-se
também locais onde haja a possibilidade de implantação de obras futuras que possam vir a prejudicar a estabilidade do marco e sua utilização;
j) os responsáveis ou proprietários das áreas escolhidas devem ser consultados sobre a implantação e posteriormente notificados, oficialmente e por
escrito, da real importância e benefícios à comunidade que aquele Patrimônio Público significa, bem como a lei que o protege. O texto empregado
deve ser adequado às pessoas leigas, em tom amigável, e o mais elucidativo possível;
k) nos marcos geodésicos devem ser afixadas placas de aço inoxidável com 1 mm de espessura, nas dimensões15 cm x 10 cm onde devem
constar:
1) a expressão Marco Geodésico;
2) número ou nome;
3) classificação;
4) órgão executor e departamento responsável pela implantação; e
5) os dizeres: Este marco é um Patrimônio Público de significativa importância. Favor não destruí-lo, danificá-lo, obstruir sua visibilidade ou movê-lo,
sem antes consultar o órgão executor, através de seu departamento responsável indicado acima.
l) os marcos geodésicos devem ser acompanhados de um ou dois marcos de azimute, instalados a uma distância mínima; sua precisão máxima do
azimute determinado a partir do posicionamento relativo com GPS é baseada no espaçamento mínimo entre pares de estações intervisíveis, sendo
que o azimute entre um par de estações é determinado após os vetores no sistema geodésico do satélite serem ajustados ao sistema de referência
local.

85
UNIDADE V │ CADASTRO E REDE DE REFERÊNCIA CADASTRAL

Nas operações de campo devem ser observadas as seguintes prescrições:

a) para estações que tenham espaçamento acima de 50 km deve ser aplicada a correção ionosférica;

b) os pontos espaçados a menos de 3 km devem ser conectados por vetores;

c) a altura instrumental deve ser medida, em milímetros, duas vezes em cada sessão;

d) sob condições atmosféricas perturbadas (tempestades), em distâncias superiores a 50 km ou quando houver diferenças de altitudes superiores a
100 m entre as estações, devem ser medidas as temperaturas úmida e seca e tomada a pressão atmosférica para imposição no programa, quando
da realização dos cálculos.

Nas operações de cálculo e ajustamento das observações, devem ser seguidas as seguintes prescrições:

a) após o processamento das observações, os vetores independentes da rede de pontos de controle devem passar por ajustamento vetorial pelo
método dos mínimos quadrados, empregando-se como injunções os pontos de apoio do SGB, sendo que a precisão final, relativa aos pontos do
SGB, deve ser da ordem de 10 ppm (1:100.000) ou superior, considerando-se 95% de nível de confiança;

b) somente após o cumprimento do estabelecido na alínea a) é que poderão ser ajustados os vetores pertencentes à rede de marcos geodésicos
de apoio imediato, empregando-se o mesmo processo de ajustamento vetorial e usando como injunções os pontos da rede de controle, sendo que
a precisão final, relativa aos pontos da rede de controle, deve ser da ordem de 20 ppm (1:50.000) ou superior, considerando-se 95% de nível de
confiança;

c) as coordenadas finais dos marcos geodésicos devem ser transformadas para o Sistema Geodésico oficial do Brasil e posteriormente para o plano
topográfico local, sendo que em regiões onde, por motivos de existência de cartografia referida ao Datum Córrego Alegre ou outro motivo justificável
perante a particularidade do caso, será aceita a transformação das coordenadas para este Sistema, porém, nas monografias serão também expressas
as coordenadas no sistema oficial.

As referências de nível de apoio imediato são determinadas a partir de referência de nível de precisão da rede básica do IBGE por intermédio de
nivelamentos geométricos da classe I N da NBR 13.133.

As referências de nível topográficas são determinadas a partir das referências de nível de apoio imediato, por intermédio de nivelamento geométrico
da classe II N (ver NBR 13.133/1994).

Os pontos topográficos se apoiam nos marcos geodésicos de apoio imediato, interligando-os por poligonais de classe I PRC Principal ou Poligonais
II P (ver NBR 13.133/1994) desenvolvidas ao longo de rodovias e logradouros, segundo traçados, aproximadamente, retilíneos, condicionados,
obviamente, pelos acidentes naturais e artificiais do terreno.

Apoiados nos vértices dessas poligonais principais, a malha dos pontos topográficos principais é densificada por poligonais secundárias da classe
IPRC secundária ou III P, dando origem aos pontos topográficos secundários.

Os pontos topográficos podem ser determinados a partir dos marcos geodésicos de apoio imediato, por rastreamento de satélites do sistema GPS-
NAVSTAR.

Neste caso, após o ajustamento vetorial pelo método dos mínimos quadrados, tendo como injunção os marcos geodésicos de apoio imediato, todos
os vetores devem ter exatidão igual ou melhor que 50 ppm, ou 1:20.000, a 95% de nível de confiança.

Os pontos topográficos são nivelados por nivelamento geométrico da classe I N (ver NBR 13.133/1994) a partir das referências de nível de apoio
imediato, constituídos e, também, em referências de nível topográficas.

Os elementos materializadores no terreno dos pontos geodésicos, referências de nível de precisão e de apoio imediato, devem conter inscrições de
identificação com matrícula, numeração e os dizeres: “Prefeitura.....”, “Protegido por lei. Não destruir”.

Os nivelamentos geométricos duplos para a determinação das referências de nível topográfico, devem desenvolver-se em circuitos.

No caso da configuração em nós, ou seja, pontos pertencentes a mais de um circuito, o ajustamento para obtenção de suas altitudes definitivas deve
ser realizado pelo método dos mínimos quadrados.

Fonte: NBR 14.166/1998.

86
CADASTRO E REDE DE REFERÊNCIA CADASTRAL │ UNIDADE V

Quadro 25. Inspeção, aceitação e rejeição na implantação e manutenção da Rede de Referência Cadastral.

A inspeção a ser realizada pelo órgão municipal competente, quando da implantação e manutenção da Rede de Referência
Cadastral Municipal, tem por escopo assegurara consecução do objetivo desta Norma.
Especificamente, devem ser inspecionados:
a) classificação dos pontos implantados;
b) situação dos pontos determinados, incluindo: localização, amarrações, espaçamento, intervisibilidade, estabilidade e
segurança;
c) materialização e monografias dos pontos determinados;
d) codificação, catalogação e indexação aos elementos cartográficos do Sistema Cartográfico Municipal dos pontos
determinados;
e) operações geodésicas e topográficas para a determinação dos pontos segundo as prescrições desta Norma e da NBR
13.133/1994.
A eficácia e a eficiência da inspeção dependem, fundamentalmente, da concretização dos pressupostos: Existência de
instrumento legal instituindo a Rede de Referência Cadastral Municipal como referência espacial, única e obrigatória, para os
elementos geradores das informações territoriais, com obrigação de seu cumprimento por:
a) todos os órgãos da administração municipal;
Inspeção
b) todas as entidades públicas e privadas, governamentais ou não, com atuação no território municipal;
c) pessoas físicas em geral, que realizem quaisquer dos serviços topográficos, desde que o seu andamento ou seus
resultados estejam sujeitos à aprovação, verificação e acompanhamento de órgãos ou entidades da administração municipal.
Existência de um competente órgão gestor da Rede de Referência Cadastral Municipal, criado, no âmbito da administração
municipal, por instrumento legal específico.
Existência de mecanismo de registro territorial com suporte em:
a) sistema cartográfico único (Sistema Cartográfico Municipal) como ponto de partida para o levantamento de informações
territoriais, constituído pela Carta Topográfica do Município, Planta de Referência Cadastral, Plantas Indicativas de
Equipamentos Urbanos, Planta Genérica de Valores de Terreno, Planta Cadastral e Plantas de Quadras, todas apoiadas na Rede
de Referência Cadastral Municipal;
b) sistema descritivo padronizado contendo os dados básicos sobre a propriedade imobiliária com vinculação aos pontos de
referência da Rede de Referência Cadastral Municipal.
Existência de normas, especificações e procedimentos relativos ao recebimento, controle de qualidade, armazenamento
de produtos, sistematização de consulta e utilização dos elementos da Rede de Referência Cadastral Municipal e dos
documentos cartográficos do Sistema Cartográfico Municipal.
Existência de pessoal técnico habilitado e capacitado para o atendimento à aplicação das disposições contidas nesta Norma.
As condições de aceitação ou rejeição dos serviços e produtos elaborados, quando da implantação e manutenção
Aceitação e da Rede de Referência Cadastral Municipal, são estabelecidas em decorrência do resultado da inspeção pelo Órgão
rejeição Municipal competente, levando em consideração, no que for pertinente, o disposto nesta Norma e as prescrições da NBR
13.133/1994.
Fonte: NBR 14.166/1998.

87
LEVANTAMENTOS
EM MEIO UNIDADE VI
ELETRÔNICO

CAPÍTULO 1
Planilhas e softwares em levantamentos

Planilhas eletrônicas

Existem inúmeras possibilidades de se trabalhar com as planilhas eletrônicas em


levantamentos topográficos, dentre elas:

a. Cálculos de rumos e azimutes a partir das coordenadas dos pontos.

b. Cálculos dos azimutes a partir dos ângulos horizontais.

c. Cálculos das projeções e coordenadas.

d. Confecção de planilhas topográficas.

e. Cálculos de intersecções de retas.

Cálculo de azimute a partir do ângulo


horizontal

O primeiro cálculo a ser realizado deve ser o dos azimutes quando se quer calcular
uma planilha de levantamento topográfico, seja ela de poligonal aberta ou de poligonal
fechada.

O cálculo do azimute de cada linha da poligonal é efetuado por meio do azimute inicial,
determinado a partir das coordenadas da base de saída, utilizando-se os procedimentos
da determinação do azimute verdadeiro e do ângulo horizontal, medido em campo
entre os dois alinhamentos.

88
LEVANTAMENTOS EM MEIO ELETRÔNICO │ UNIDADE VI

Cálculo de intersecção de retas

Muitas vezes, em um levantamento topográfico padrão, o profissional pode se deparar


com algumas situações bastante peculiares, como por exemplo, a impossibilidade de se
levantar o ponto onde uma cerca muda de direção ou mesmo um ponto remoto de difícil
acesso. Para contornar esses tipos de problemas, emprega-se comumente na topografia
a intersecção de retas.

O cálculo de intersecção de retas pode ser útil não somente para o caso da impossibilidade
de se levantar um ponto, mas também para economizar tempo nos levantamentos de
campo, ou seja, dois segmentos de reta não precisam necessariamente ser levantados até
o seu ponto de intersecção, bastam dois pontos em cada segmento que as coordenadas
do ponto de intersecção são determinadas.

Boa parte dos softwares atualmente no mercado não realizam o cálculo de intersecção de
retas, já que nos sistemas de desenho CAD, integrado aos softwares ou independentes,
a verificação do ponto de intersecção pode ser feita graficamente de maneira rápida e
confiável.

Porém, em alguns casos, pode se tornar necessário o cálculo da intersecção por meios
matemáticos, para auxiliar nesta tarefa, apresentaremos nesta edição como utilizar a
planilha eletrônica Excel para efetuar o cálculo.

Ajustamento de poligonal GPS por meio das


coordenadas geodésicas

O ajustamento de poligonais geodésicas pode ser feito por meio das coordenadas planas,
porém, em regiões onde há a transposição do fuso, este tipo de ajustamento se torna
inviável devido à diferença do meridiano central (MC).

A solução para este problema é o ajustamento da poligonal geodésica através das


coordenadas geodésicas (latitude e longitude) que não possuem limites de zonas. Após
ajustadas às coordenadas poderão ser convertidas novamente para o sistema plano ou
para o plano topográfico local.

89
UNIDADE VI │ LEVANTAMENTOS EM MEIO ELETRÔNICO

Softwares topográficos

Quadro 26. Softwares.

É um grupo de aplicações que se complementam e cujo objetivo principal é o de criar uma


solução completa nos processos de coleta de dados topográficos e/ou geográficos no campo,
de processamento, de armazenamento e de disponibilização desses dados para todas as etapas
dos trabalhos de construção e mapeamento.
Este aplicativo é responsável pelos cálculos de topografia e UTM do Sistema TopoGraph. As
cadernetas de levantamento de campo podem ser introduzidas a partir de dados levantados por
diversos tipos de equipamentos, como estações totais, distanciômetros ou taqueômetros.
A introdução desses dados é feita de forma manual, digitando-se as medições, ou a partir da
transferência automáticas de dados entre uma estação total eletrônica e o computador.
O número de poligonais por caderneta é ilimitado. Para facilitar a comunicação com outros
programas, há a opção de importação e exportação de coordenadas em qualquer formato
ASCII.
O sistema TopoGraph tem módulos para processamento de dados topográficos, cálculos de
volumes de terraplenagem, projetos viários e elaboração de notas de serviço. Atualmente, está
adequado à lei do georreferenciamento.
SISTEMA TOPOGRAPH
O aplicativo é destinado às diversas áreas da engenharia e construção que utilizam uma base
topográfica no desenvolvimento de seus trabalhos, como edificações, loteamento, regularização
fundiária, reflorestamento, irrigação, mineração, estradas, barragens, etc.
Um dos recursos mais poderosos é a visualização simultânea dos dados em uma tabela e uma
vista gráfica. Este recurso facilita o processo de montagem das poligonais, já que as sequências
das estações podem ser criadas graficamente, clicando-se o mouse sobre os lados que fazem
parte de cada uma das poligonais.
A ordem, a largura, a visibilidade e o tipo de letra das colunas das tabelas de dados podem ser
definidos pelo usuário e todos os relatórios e lotagens têm uma prévia de impressão.
Pode-se trabalhar com coordenadas topográficas locais ou definidas com transporte de
coordenadas UTM. O Sistema TopoGraph utiliza a classificação das poligonais da ABNT.
Para os trabalhos de geodésia, o Sistema TopoGraph oferece opções de transformações
de coordenadas UTM para topográficas, UTM para Geodésicas e Geodésicas para UTM. Os
relatórios e listagens podem ser customizados com a padronização de cabeçalhos, rodapés e
corpo.
Introdução de dados de cadernetas de campo manual ou transferência automática através de
caderneta eletrônica;
Montagem do caminhamento das poligonais através de visualização gráfica das medidas
efetuadas (croquís);
Cálculos de poligonais topográficas e geodésicas;
CARACTERÍSTICAS DE CÁLCULOS NO
Classificação das poligonais conforme as Normas da ABNT e cálculo de compensação pelos
TOPOGRAPH
Métodos das Projeções e pelos Mínimos Quadrados;
Transformação de coordenadas Geográficas para UTM e vice-versa e UTM para Topográficas;
Sistema de codificação para a união automática de pontos e biblioteca de símbolos atrelados à
descrição do ponto;
Importação e exportação de arquivos de coordenadas em formato ASCII.
Visualização dos pontos de poligonais e de irradiações com união automática conforme os
códigos definidos no levantamento;
Montagem de desenho interativo através de linhas, poli-linhas, splines, arcos, círculos, hachuras,
convenção de taludes, textos, etc., ou através de editor de comandos;
Criação de biblioteca de símbolos, estilo de linhas e arcos, bem como a visualização do desenho
CARACTERÍSTICAS DE DESENHOS NO por camadas definidas por usuário;
TOPOGRAPH
Cálculos geométricos de interseções, concordâncias, paralelas, perpendiculares, tangências,
azimute/rumo e distância e ângulo interno;
Definição de quadros e legendas;
Plotagem de desenhos em impressoras e ploters;
Importação e exportação de desenhos em formatos DXF e DWG.

90
LEVANTAMENTOS EM MEIO ELETRÔNICO │ UNIDADE VI

Triangulação automática considerando linhas de quebra, fronteira e obrigatória;


Interpolação de curvas de nível sobre triangulação ou sobre uma malha retangular;
Edição de pontos e lados de triângulos com reinterpolação das curvas de nível em tempo real;
CARACTERÍSTICAS DE CURVAS DE NÍVEL NO Diversos graus de suavização das curvas de nível e curvas mestras com identificação da cota e
TOPOGRAPH cor diferenciada;
União automática de várias triangulações;
Visualização da declividade do terreno através de cores;
Capacidade ilimitada de triangular pontos (depende da memória RAM e do Winchester);
Possibilidade de criar a Gleba a partir de vários elementos como: linhas, poli-linhas e arcos;
Divisão de gleba com os seguintes métodos: azimute pré-definido; imposição de azimute a partir
de um ponto conhecido; divisão por testadas iguais com azimute conhecido ou paralelo a um
dos lados, ou ainda perpendicular a uma base; divisão por áreas iguais com azimute conhecido
CARACTERÍSTICAS FUNDIÁRIAS NO ou paralelo a um dos lados ou ainda, perpendicular a uma base;
TOPOGRAPH
Numeração automática dos lotes divididos com identificação dos confrontantes;
Memorial descritivo automatizado com base nos padrões criados pelo usuário no MS-Word;
Elaboração de plantas de gleba e individuais definindo automaticamente a escala ideal conforme
o formato da folha.
Ferramenta de automação topográfica desenvolvida para auxiliar no armazenamento e
manipulação de dados de GPS de navegação, confecção de mapas, entre outras.
Este software é capaz de descarregar todas as informações colhidas com o GPS e atualizá-las
no computador.
Ideal para todos os usuários de aparelhos de navegação global, independente de marcas ou
GEO OFFICE
modelos.
O Geo Office permite gerir o projeto de uma forma integrada, sem a necessidade de transferir
dados entre os vários módulos.
Os dados de GPS, Estação Total e Nível são manuseados em um ambiente similar, com
ferramentas padronizadas e fluxo de dados.
Possui gerenciador de projetos que permite de forma única, gerenciar e organizar todos os
projetos da melhor forma possível, a fim de tornar a localização dos arquivos mais simples e
rápida.
Permite entrada manual de dados e se comunica com a maioria de coletores de dados e
estações totais;
Exclusivo sistema de traçado e cálculo automático de poligonais e suas irradiações;

CARACTERÍSTICAS DO MÓDULO BÁSICO NO CAD próprio, com interface e recursos semelhantes aos do AutoCAD e com recursos específicos
GEO OFFICE para a área de topografia, como taludes, malha de coordenadas, numeração automática de
lotes, rotulagem de linhas com azimutes, rumos e distâncias, entre outros;
Importa e exporta dados em diversos formatos, como ASCII, FBK e DXF;
Sistema totalmente integrado em um único ambiente, totalmente em português, com interface
intuitiva e amigável seguindo o padrão das ferramentas do Microsoft Office 2000;
Compatível com Windows 95, 98, ME, NT, 2000 e XP;
Chave de proteção para uso em porta paralela ou USB.
Divisão de áreas e memoriais, divisão de áreas tomando-se por base um ponto ou alinhamento
de referência, geração automática de memoriais descritivos e tabelas no desenho;
CARACTERÍSTICAS GEODÉSICAS NO GEO Conversão de coordenadas geográficas para UTM e UTM para geográficas - com possibilidade
OFFICE de troca de datum nas conversões - fator de escala (K) e convergência meridiana;
Reconstituição de memoriais, reconstituição de áreas por meio de memoriais descritivos
informando-se as distâncias e os azimutes, rumos ou deflexões.

91
UNIDADE VI │ LEVANTAMENTOS EM MEIO ELETRÔNICO

Geração de modelagem digital de terreno (superfície) que permite a interpolação de pontos para
outros aplicativos.
Permitem adicionar ou remover pontos, lados de triângulos e linhas obrigatórias. Possibilita
CARACTERÍSTICAS MTD E VISUALIZADOR 3D suavização por meio de subdivisão de triângulos e malha regular. Traçado de curvas de nível;
NOGEO OFFICE Interpolação e traçado automático de curvas de nível no desenho e ferramenta para rotular as
curvas com a cota;
Geração de visualizações em 3D de um MDT. Permite suavizar o desenho, e colori-lo de acordo
com as altitudes, visualizar a malha e também os pontos.
Cálculo de volume entre uma superfície e um plano ou entre duas superfícies (primitivo e
medição, por exemplo);
CARACTERÍSTICAS DE VOLUME ENTRE Após o cálculo, pinta no desenho as regiões de corte e aterro e elabora uma tabela com seus
SUPERFÍCIES E PERFIL LONGITUDINAL NO GEO respectivos volumes;
OFFICE
Geração de perfil longitudinal de estacas levantadas em campo. Se o usuário possuir o aplicativo
MDT, calcula e interpola os pontos do estaqueamento utilizando-se a ferramenta traçado
geométrico, que permite a configuração de curvas circulares nos PIHs.
Geração de seções transversais de um estaqueamento, com especificação da largura e distância
entre os pontos das seções;
CARACTERÍSTICAS DE SEÇÕES TRANSVERSAIS
E VOLUME ENTRE CAMADAS NO GEO OFFICE Cálculo de volume entre duas camadas das seções-transversais e geração de relatório com a
área da seção de cada estaca, o volume parcial e acumulado entre as estacas e o volume total
de corte e aterro.
Traçado de greide no perfil longitudinal e cálculo automático das cotas de projeto, com
possibilidade de configuração de curvas circulares e parábolas simples nos PIVs ;
CARACTERÍSTICAS DE GREIDE, SEÇÕES TIPO E
Cadastro de seções-tipo e cálculo dos pontos de projeto tendo-se um greide de referência;
VIAS NO GEO OFFICE
Cálculo de superelevação, curvas de transição horizontal, parábolas compostas verticais,
diagrama de massas (Brückner).
É um sistema para cálculos e desenhos topográfico desenvolvido para fornecer recursos de alta
produtividade na automação e otimização de projetos.
É composto por quatro ferramentas totalmente integradas (Planilha de Cálculos, Editor de
Relatórios, Editor de Memorial e Editor de Desenhos), formando um ambiente de trabalho
TOPOEVN
completo, com interface de fácil operação.
Possui mais de 150 comandos e dezenas de ferramentas específicas para topografia e projetos.
O TopoEVNestá adequado para atender as exigências da lei no 10.267 do Sistema Público de
Registro de Terras.
Configuração de auto salvamento para arquivos de segurança e arquivos backup .PTK e .ZIP e
ferramenta para restaurá-los facilmente.
Personalização dos dados da empresa nos relatórios;

CARACTERÍSTICAS DE PERSONALIZAÇÃO DO Permite gravar/abrir um arquivo externo com as informações da empresa, possibilitando ter
TOPOEVN acesso irrestrito às informações preenchidas;
Personalização dos dados do cliente contratante do serviço;
Configuração das preferências de casas decimais, cores, repetições e autopreenchimento;
Configuração da fonte das células e largura das colunas e linhas da planilha.
Permite criar e salvar infinitos tipos de configurações com a personalização de colunas e
posições.
Nove tipos de configurações padrão: Taqueométrico Planimétrico, Estação Total Planimétrico;
CARACTERÍSTICAS DE CONFIGURAÇÃO DA
Taqueométrico Planialtimétrico, Estação Total Desnível, Coordenadas X Y Z, Nivelamento
PLANILHA DO TOPOEVN
geométrico - Calcula o nivelamento geométrico de poligonais fechadas ou abertas;
Transformação de coordenadas - Permite o cálculo de transformação entre datun e conversões
de coordenadas geodésicas (Lat/Long), UTM, LTM, RTM e plano topográfico local.

92
LEVANTAMENTOS EM MEIO ELETRÔNICO │ UNIDADE VI

O editor de relatórios do sistema é um editor de textos do programa com a função de gerar


relatórios e permitir modificações no texto dos documentos utilizando-se das ferramentas de
edição do próprio editor;
Os relatórios gerados podem ser salvos nos formatos: Documentos do Word (*.doc), Formato
RichText (*.rtf), Páginas da Web (*.htm) ou (*.html) e Arquivos de Texto (*.txt);
CARACTERÍSTICAS RELATÓRIOS DO TOPOEVN Permite a criação de infinitos modelos de relatórios escolhendo as colunas, cabeçalhos e
formato das folhas;
Possui inúmeros modelos de relatórios pré-definidos: Caderneta Taqueométrica Planimétrica,
Caderneta Taqueométrica Planialtimétrica, Caderneta Estação Total Planimétrica, Caderneta
Estação Total Planialtimétrica, Caderneta Estação Total Desnível, Caderneta Coordenadas X Y Z,
entre outros.
Fonte: TopoGraph, Geo Office, TopoEVN.

93
Referências

ABNT – NBR 14.166/1998. Disponível em: <http://www.carto.eng.uerj.br/cdecart/


download/NBR14166.pdf>. Acesso em 30 de março de 2016.

ABNT– NBR 13.133/1994. Disponível em: <http://www.carto.eng.uerj.br/cdecart/


download/NBR13133.pdf>. Acesso em 30 de março de 2016.

CONSELHO NOTORIAL DO BRASIL – Conselho Federal. Disponível em: <http://


www.notariado.org.br/>. Acesso em 1 de abril de 2016.

FITZ, Paulo Roberto. Cartografia Básica. São Paulo: Oficina de Textos, 2008.

FITZ, Paulo Roberto. Geoprocessamento sem complicação. São Paulo: Oficina de


Textos, 2008.

GHILANI, D. Charles.; WOLF, R. Paul. Geomática. 13a ed. São Paulo: Pearson
Education do Brasil, 2013.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Disponível em: <http://


www.ibge.gov.br/>. Acesso em 30 de março de 2016.

INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA. Disponível em:


<http://www.incra.gov.br/>. Acesso em 28 de março de 2016.

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO. Disponível em: http://www.mda.


gov.br/. Acesso em 29 de março de 2016.

NOVO, Evlyn M. L. de Moraes. Sensoriamento Remoto, Princípios e Aplicações.


4a ed. São Paulo: Blucher, 2010.

PORTAL MUNDO GEO, especializado em GIS, GNSS, GPS, Cadastro, Galileo,


Imagens de satélite. Disponível em: <http://mundogeo.com/>. Acesso em: 27 de
março de 2016.

SERVIÇO FLORESTAL BRASILEIRO. Disponível em: <http:www.florestal.gov.br/>.


Acesso em: 28 de março de 2016.

SISTEMA DE GESTÃO FUNDIÁRIA DO INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO


E REFORMA AGRÁRIA – INCRA. Disponível em: <https://sigef.incra.gov.br/>.
Acesso em 28 de março de 2016.

SISTEMA NACIONAL DE CADASTRO RURAL. Disponível em: <http://www.


cadastrorural.gov.br/>. Acesso em 30 de março de 2016.

94