Você está na página 1de 279

Relatório do Auditor de Controle Interno Orçamentário

Responsabilidade do Município sobre a gestão do Orçamento


Público

O Município de Sertânia é responsável pela elaboração dos


balanços orçamentários e financeiros de acordo com a lei n° 4.320
de 64 (Estatui Normas Gerais de Direito Financeiro para elaboração
e controle dos orçamentos e balanços da União, dos Estados, dos
Municípios e do Distrito Federal), de acordo com a lei de
responsabilidade fiscal (Lei complementar n°101 de 4 de maio de
2000 - Estabelece normas de finanças públicas voltadas para a
responsabilidade na gestão fiscal e dá outras providências), e com a
lei de acesso à informação (LAI – Lei federal 12.527/2011) e pelos
procedimentos e controles internos que ela determinou como
necessários para permitir uma demonstração contábil livre de
distorção relevante, independentemente se causada por fraude ou
erro.
O Presente trabalho é baseado na lei 4.320 de 1964, a lei que rege
a contabilidade pública, seja na esfera federal, estadual e
municipal. Já a lei das S.A. (lei 6404/76) rege a contabilidade
pública privada.

Responsabilidade do Auditor Interno

A Auditoria Interna tem como finalidade desenvolver um plano de


ação que auxilie o Município a alcançar seus objetivos operacionais,
bem como a avaliar a eficácia e suficiência dos controles contábeis,
financeiros e operacionais. A auditoria Interna é mais uma função
de assessoria que de linha, com vistas a determinar o grau de
confiança das informações e dados contábeis.

Responsabilidade por fraude e erro: de acordo com a NBC T 11 não


é responsabilidade primária do auditor a detecção de fraudes e
erros, mas sim da Administração da entidade.

Os serviços contábeis de natureza permanente e continuada no


âmbito da administração pública municipal devem ser realizados
por servidores ocupantes de cargos efetivos, constantes de quadro
permanente de pessoal (Resolução TC n°37 /2018).

No presente trabalho sempre que for emitido um parecer sobre


auditoria operacional, de gestão ou contábil-orçamentária, será
informado ao leitor. A auditoria foi baseada na circularização, que
consiste na confirmação, junto a terceiros, de fatos alegados pela
entidade, observações, entrevistas, conferências de
cálculos(recálculos), exames documentais, testes de observância e
testes substantivos.Fez-se uma busca, para saber se os objetivos da
entidade estão sendo alcançados, com relação às seguintes
categorias: eficácia e eficiência das operações, confiabilidade dos
relatórios financeiros e conformidade com a legislação e
regulamentos aplicáveis.

Auditoria Contábil-Orçamentária – Notas explicativas

Verificar se o Município de Sertânia informa em suas notas


explicativas dos demonstrativos fiscais (anexos) dos Relatórios de
Gestão Fiscal a data de publicação ou o período de publicação,
caso ela utilize veículos como Diário Oficial do Estado, Diário Oficial
do Município ou um Jornal de Grande Publicação, de acordo com
Resoluções do TCE:

§ 1º O Poder ou Órgão deverá informar, em notas explicativas dos


demonstrativos fiscais (anexos) do RGF, a data de publicação ou, no
caso da afixação em local visível da Prefeitura ou da Câmara de
Vereadores, o período de publicação e os veículos de comunicação
utilizados, como o Diário Oficial do Estado, o Diário Oficial do
Município, jornal local de grande circulação e mural de repartição
pública.

§ 2º A ausência das informações em notas explicativas,


mencionadas no parágrafo anterior, será considerada
descumprimento à publicidade exigida pelo artigo 55, § 2º, da LRF.

Verificou-se que a entidade não informa em notas explicativas dos


demonstrativos fiscais (anexos) dos Relatórios de Gestão Fiscal a
data de publicação, ou o período de publicação, indo de encontro
ao art. 7 § 1º da LRF e de encontro com a resolução do TC n º20 do
Estado de Pernambuco, de 30 de setembro de 2015.
Auditoria Contábil-Orçamentária - Dívida Consolidada

Limite da Dívida Consolidada

Poder Executivo -------- Maio de 2018 a Abril de 2019

Relatório de Gestão Fiscal

Despesa com Pessoal: Orçamentos Fiscal e da Seguridade Social

Parecer sem ressalva: O presente relatório de Gestão Fiscal relativo


ao demonstrativo da dívida líquida consolidada do Quadrimestre
Janeiro a Abril de 2019 RGF Anexo 2 (LRF. art. 55, inciso I alínea b)
está em conformidade com o artigo 30 da Lei de Responsabilidade
Fiscal (LRF- lei complementar 101/2000), bem como com as
resoluções números 40 e 43 do Senado Federal, de dezembro de
2001: a dívida cosolidada deve obedecer ao limite de 1,2 vezes a
receita corrente líquida Municipal.

Quanto ao Limite da Dívida Consolidada do Poder Legislativo,


referente ao período de Maio a Abril de 2019, o mesmo não consta
no Portal da Transparência da Câmara Municipal, pois o último
RGF publicado foi o do terceiro quadrimestre de 2018. Quem é
responsável pelo portal da Câmara é outra empresa e não a
tenosoft. Foi feita uma comunicação aos administradores da
tenosoft no dia 10 do 10 de 2019, pela manhã, e a empresa
publicou os demonstrativos no mesmo dia no período da tarde
Auditoria Contábil-Orçamentária – Limite de Alerta

Limite de Alerta do Município de Sertânia

Poder Executivo -------- Maio de 2018 a Abril de 2019

Relatório de Gestão Fiscal

Despesa com Pessoal: Orçamentos Fiscal e da Seguridade Social

Parecer sem ressalva: O presente Relatório de Gestão Fiscal relativo


ao demonstrativo da Dívida Consolidada do Quadrimestre Janeiro a
Abril de 2019 RGF Anexo 2 (Lrf art. 55, inciso I alínea b) está em
conformidade com o Art. 59 § 1o inciso III da Lei de
Responsabilidade Fiscal (LRF lei complementar 101/2000) - Limite
de Alerta das dívidas consolidada, mobiliária e das operações de
crédito e concessão de garantia (90%).

Quanto ao Limite da Dívida Consolidada do Poder Legislativo,


referente ao período de Maio a Abril de 2019, o mesmo não consta
no Portal da Transparência da Câmara Municipal, pois o último
RGF publicado foi o do terceiro quadrimestre de 2018.

Limite Prudencial do Munícipio de Sertânia

Poder Executivo -------- Maio de 2018 a Abril de 2019

Relatório de Gestão Fiscal

Despesa com Pessoal: Orçamentos Fiscal e da Seguridade Social

Parecer sem Ressalva: o Demonstrativo Simplificado do Relatório


de Gestão Fiscal está em conformidade com o Limite Máximo da
Despesa Total com Pessoal referente ao Art.19 inciso III da LRF (a
despesa total com pessoal não poderá exceder a 60% da Receita
Corrente Líquida do Município), com o Limite Prudencial de 95% do
Limite (Art. 22 da Lei de Responsabilidade Fiscal), bem como ao
Limite de Alerta (§1o do art. 59, quando o montante da despesa
Total com pessoal ultrapassa 90% do Limite).

Receita Corrente Líquida (Ajustada) -------------R$ 76.848.437,67

Despesa Total com Pessoal ----------------------- R$ 36.786.283,57


(aproximadamente 47,87% da Receita Corrente Líquida)

limite máximo-------LRF art. 20 ---- até 54% da receita corrente


líquida municipal para o Poder Executivo-R$ 41.498.156,34 (A
despesa total com pessoal foi de R$36.786283,57) – falta 6,13 %
para atingir o limite máximo

Limite Prudencial ----- 95% do limite máximo (até 54% da receita


corrente líquida municipal para o Poder Executivo) -
R$39423248,52 (A despesa total com pessoal foi de
R$36.786283,57) – o limite prudencial foi de 51,3 % da receita
corrente líquida, faltando 2,7% para atingi-la.

Limite de Alerta -------90% do limite máximo (até 54% da receita


corrente líquida municipal para o Poder Executivo)
----------R$37.348.340,71 (A despesa total com pessoal foi de
R$36.786283,57) – o limite de alerta foi de 48,60% da receita
corrente líquida, 5, 4% para alcançá-la.
No Relatório de Gestão Fiscal tomou-se como referência a Receita
Corrente líquida Ajustada (Receita Corrente líquida - Transferências
obrigatórias da União relativas às emendas individuais).Foram
feitos recálculos de todos os valores.

Auditoria Contábil- Orçamentária- Despesa Total com Pessoal do


Poder Legislativo referente ao período de 2018

1º. Quadrimestre

Receita Corrente Líquida Ajustada--------R$63.072.531,97

Despesa Total com Pessoal ----------------------R$1.948882,11 (3,09%)

Limite Máximo-------------------------------------R$3.784.351,92 (6%)

Limite Prudencial(95%)----------------------------R$3595134,32 (5,70%)

Limite de Alerta (90%)-----------------------------R$3405916,73(5,4%)

Não houve notas explicativas.

LIMITE MÁXIMO:Art. 20 da LRF: A repartição dos limites globais não


poderá exceder os seguintes percentuais: a)6% para o Legislativo...

LIMITE PRUDENCIAL: A despesa Total não poderá exceder 95% do


limite máximo(Art. 22da LRF)

LIMITE DE ALERTA: A despesa Total com pessoal não poderá


exceder 90% do limite máximo

No 1º. Quadrimestre a Despesa Total com Pessoal (3,09%) ficou


distante do limite máximo(6%), do limite prudencial (5,70%) e do
limite de alerta (5,4%). O relatório demonstrou um orçamento
equilibrado no quesito limite de gastos com pessoal. Foram feitos
recálculos de todos os valores

2º. Quadrimestre

Receita Corrente Líquida Ajustada--------R$62.098.144,61

Despesa Total com Pessoal ----------------------R$2.263.994,66 (3,65%)

Limite Máximo-------------------------------------R$3.725.888,68 (6%)

Limite Prudencial(95%)----------------------------R$3.539.594,25 5,70


(5,70%)

Limite de Alerta (90%)-----------------------------R$3.353.299,81 (5,4%)

Não houve notas explicativas.

LIMITE MÁXIMO:Art. 20 da LRF: A repartição dos limites globais não


poderá exceder os seguintes percentuais: a)6% para o Legislativo...

LIMITE PRUDENCIAL: A despesa Total não poderá exceder 95% do


limite máximo(Art. 22da LRF)

LIMITE DE ALERTA: A despesa Total com pessoal não poderá


exceder 90% do limite máximo

No 2º. Quadrimestre a Despesa Total com Pessoal (3,65%) ficou


distante do limite máximo(6%), do limite prudencial (5,70%) e do
limite de alerta (5,4%). O relatório demonstrou um orçamento
equilibrado no quesito limite de gastos com pessoal. Houve
recálculo de todos os valores lançados.
3º. Quadrimestre

(=)Receita Corrente Líquida Ajustada--------R$65.193.980,11

Despesa Total com Pessoal ----------------------R$1.926.827,60 (2,96%)

Limite Máximo-------------------------------------R$3.911.638,81 (6%)

Limite Prudencial(95%)----------------------------R$3.716.056,87 (5,70)


(5,70%)

Limite de Alerta (90%)-----------------------------R$3.520.474,93 (5,4%)

Não houve notas explicativas.

LIMITE MÁXIMO:Art. 20 da LRF: A repartição dos limites globais não


poderá exceder os seguintes percentuais: a)6% para o Legislativo...

LIMITE PRUDENCIAL: A despesa Total não poderá exceder 95% do


limite máximo(Art. 22da LRF)

LIMITE DE ALERTA: A despesa Total com pessoal não poderá


exceder 90% do limite máximo

No 3º. Quadrimestre a Despesa Total com Pessoal (2,96%) ficou


distante do limite máximo(6%), do limite prudencial (5,70%) e do
limite de alerta (5,4%). O relatório demonstrou um orçamento
equilibrado no quesito limite de gastos com pessoal.

A Despesa Total com Pessoal, no 3º. Quadrimestres de 2018,


representou 2,96% da Receita Corrente Líquida Ajustada, enquanto
no 2º. Quadrimestre a Despesa Total com Pessoal Representou
3,65% da Receita Corrente líquida Ajustada. Já no primeiro
Quadrimestres, a despesa total com pessoal representou 3,09% da
Receita Corrente Líquida Ajustada.

Fazendo-se uma média ponderada simples da Receita


Corrente Líquida Ajustada do 1º. Quadrimestre (R$65.193.980,11),
somada com a Receita Corrente Líquida Ajustada do 2º.
Quadrimestre (R$62098144,61), acrescida da Receita Corrente
Líquida do 3º. Quadrimestre (R$62098144,61) obtém-se uma
receita corrente líquida ajustada de R$63.454885,56. Já a média
ponderada simples da despesa total com pessoal é de
R$2.046.568,12, representando 3,22%(sobre a receita corrente
líquida ajustada).

Poderia ser então elaborado um RGF fictício sobre o ano de


2018, em termos de médias ponderadas simples (não obrigatório e
não consta em nenhuma norma, só uma idéia do autor):

Receita Corrente Líquida Ajustada ------------------R$63454885,56

Despesa Total com Pessoal----------------------------R$2046568,12

Limite Máximo (incisos I,II e II da LRF) --------------R$3807293,13 (6%)

Limite Prudencial95% (p.u. do art. 22 da LRF)--------R$3616928,47

Limite de Alerta90%(inciso II do §1º. art.59 da LRF) R$3.426.563,81

Quanto ao relatório de gestão fiscal do Poder Executivo o do


primeiro quadrimestre não pôde ser verificado pois consta de um
relatório de gestão fiscal referente a maio de 2017 até abril de
2018. Os do 2º. Quadrimestre e terceiro Quadrimestre constam
como arquivo inexistente. No entanto, em 2010 os responsáveis
pela presente audirtoria entraram em contato com a
Tenosoft(empresa responsável pela manutenção dos dados no
portal) no dia 10/10/2019, pela manhã e a mesma divulgou toda a
documentação restante no mesmo dia à tarde. No do 1º.
Quadrimestre de 2018 consta a seguinte nota explicativa:
relatório de gestão fiscal referente ao primeiro quadrimestre de
2018, publicado no mural de avisos da prefeitura de Sertãnia em
30 de maio de 2018. O ente Federativo volta a cumprir a resolução
TC 20/2015 de Pernambuco, no tocante a transparência.

Parecer sem ressalva: O Anexo 3 do Relatório Resumido de


Execução Orçamentária está de acordo com os princípios da
contabilidade aplicada ao setor público, havendo apropriada
divulgação de todos os assuntos relevantes às demonstrações
contábeis.

Total das Receitas Correntes (Receitas Tributárias, Patrimonial,


Agropecuária, Industrial, de Serviços, Transferências Correntes,
Outras Receitas Correntes ) - Deduções (Contribuição do Servidor
para o Plano de Previdência, Compensação Financeira entre os
Regimes de Previdência e Dedução da Receita para Formação do
FUNDEB) = R$76.848437,67 - Menor que a Previsão Atualizada de
2019 de R$88.604.000,00. Percebe-se que a Receita Prevista foi
maior que a Receita Executada, revelando insuficiência de
arrecadação. Para uma melhor gestão orçamentária deve-se primar
pelo equilíbrio orçamentário, para que não ocorro excesso de
arrecadação (receita executada>receita prevista), nem insuficiência
de arrecadação (Receita Prevista maior que Executada), como no
caso em tela.

Com Respeito ao RREO e seus demonstrativos, o Município está


conforme a lei de responsabilidade fiscal, pois ele divulga até 30
dias após o encerramento de cada bimestre o Balanço
Orçamentário, bem como com o relatório de REGRAS GERAIS E
INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DAS DECLARAÇÕES DO SICONFI-
REGRAS GERAIS E INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DO
RELATÓRIO RESUMIDO DE EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA RREO. A
estrutura do RREO, de acordo com os manuais, é formado por:

Anexo 1 Balanço Orçamentário

Anexo 2 Demonstrativo da Execução da Despesa por Função e Sub


função

Anexo 3 Demonstrativo da Receita Corrente Líquida

Anexo 4 Demonstrativo das Receitas e Despesas Previdenciárias

Anexo 6 Demonstrativos do Resultado Primário e Nominal

Anexo 7 Demonstrativos dos Restos a Pagar por Poder e Órgão

Anexo 8 Demonstrativo das Receitas e Despesas com Manutenção


e Desenvolvimento do Ensino

Anexo 9 Demonstrativo das Receitas de Operações de Crédito e


Despesas de Capital

Anexo 10 Demonstrativo da Projeção Atuarial do Regime de


Previdência
Anexo 11 Demonstrativo da Receita de Alienação de Ativos e
Aplicação de Recursos

Anexo 12 Demonstrativo das Receitas e Despesas com Ações e


Serviços Públicos de Saúde que não serão enviados ao Sincofi, mas
ao SIOPE e SIOPS, respectivamente.

Anexo 13 Demonstrativo das Parcerias Público Privadas

Anexo 14 Demonstrativo Simplificado do RREO

As informações prestadas no Sinconfi devem refletir as


demonstrações declaradas na LRF (Art. 52 inciso I: Balanço
Orçamentário)

Art.52 Inciso II: Demonstrativos da Execução das Receitas, Despesas


por Categoria Econômica e fonte ou grupo de natureza de despesa
e demonstrativo de execução da despesa por função e sub função.
Demonstrativos do Art. 53 da LRF: Demonstrativo de apuração da
Receita Corrente Líquida, Demonstrativo das Receitas e Despesas
Previdenciárias; Demonstrativo dos Resultados Nominal e Primário;
Demonstrativo das despesas com Juros e Demonstrativo dos Restos
a Pagar.

O Município de Sertânia atende a todos os demonstrativos do art.


53 da LRF

Ofício de encaminhamento da prestação de contas do TCE - Gestão


Municipal - Item 1 da Resolução de Prestação de Contas

Balanço Orçamentário – Item 3 da Resolução de Prestação de


Contas

Balanço Financeiro – Item 4 da Resolução da Prestação de Contas


Balanço Patrimonial – Item 5 da Resolução de Prestação de Contas

Demonstração das Variações Patrimoniais (Item 6 da Resolução de


Prestação de Contas)

Demonstração dos Fluxos de Caixa Anual Item 7 da Resolução de


Prestação de Contas

Demonstração da Dívida Flutuante – Item 8 da Resolução da


Prestação de Contas

Comparativo da Receita Orçada com a Arrecadada – Item 9 da


resolução da Prestação de Contas

Comparativo da Despesa autorizada com a realizada – item 10 da


resolução de Prestação de Contas

Demonstração da Despesa Realizada, segundo sua natureza – Item


11 da Resolução da Prestação de Contas

Demonstrativo de Novas Regras Contábeis aplicadas ao Setor


Público – Item 13 da Resolução de Prestação de Contas

Cópias dos Relatórios de Auditoria realizados pelo controle interno


do órgão – Item 13 da Resolução Prestação de Contas

Declaração do Controle Interno informando as medidas tomadas


para saneamento das irregularidades (Item 14 da Resolução da
Prestação de Contas)

Termo de Conferência de Celações espúiaixa (Item 15 da Resolução


da Prestação de Contas)

Extratos e Respectivas Conciliações Bancárias de Todas as Contas


(Item 16 da Resolução de Prestação de Contas)
Relações de Contas Bancárias com respectivos saldos ao final do
exercício financeiro (Item 17 da Resolução de Prestação de Contas)

Mapa Demonstrativo Consolidado das Licitações, Dispensas e


Inexigibilidades (Item 18 da Resolução de Prestação de Contas)

Mapa Demonstrativo Consolidado de todos os Contratos (Item 19


da Resolução de Prestação de Contas)

Demonstrativo Relativo às Tomadas de Contas Especial (Item 20 da


Resolução de Prestação de Contas)

Relatório de Auditoria: Prefeito Ângelo Ferreira – licitações


mirabolantes –indícios de relações espúrias de troca de favores
entre o gestor do município e o proprietário de uma rádio (meio de
comunicação) chamado Gonzaga Patriota.

Indícios de Irregularidade na licitação: PROCESSO LICITATÓRIO Nº


019/2019 PREGÃO ELETRÔNICO Nº 002/2019 O Jornal Tribuna do
Moxotó publicou em seu site que existem indícios de licitações
fraudulentas feitas pelo prefeito Ângelo Ferreira. Segundo o jornal
a empresa licitada Romario José Nascimento Araújo ME teria um
capital social deR$ 40.000, porém uma breve consulta no site da
Receita Federal revela que a empresa Romário Josè Nascimento
Araújo tem Capital Social de exatos R$180.000. Houve uma
impropriedade jornalística ao afirmar que a empresa só tem capital
social com apenas R$40.000,00, a qual embolsará um capital de
MAIS DE UM MILHÃO.. O CAPITAL Social da EMPRESA não atende a
exigência de capital social exigido no edital:

O EDITAL EXIGE QUE A EMPRESA TENHA CAPITAL SOCIAL IGUAL OU


SUPERIOR A R$147.860

Consulta Quadro de Sócios e


Administradores - QSA

CNPJ: 10.614.676/0001-29
NOME
ROMARIO JOSE NASCIMENTO ARAUJO
EMPRESARIAL:
CAPITAL SOCIAL: R$ 180.000,00 (Cento e oitenta mil reais)
Conclui-se que o Jornal Tribuna do Moxotó erra ao afirmar que a
empresa vencedora só tem capital social de R$ 40.000, quando
A mesma tem capital social de R$180.000

Licitações e Contratos – PROCESSO DE LICITAÇÃO Nº: 44/2019 - a


contratação de Microempresa (ME) e/ou Empresa de Pequeno
Porte (EPP) para aquisição de Sacolas Plásticas para lixo,
modalidade convite, tipo menor preço Valor Estimado: R$
28.800,00

A lei de ficha limpa, que consta no site da Câmara Legislativa (deve-


se buscá-la na área “Pesquisar Lexml”) foi publicada pela ex-
prefeita Lucicleide Xavier Ferreira dos Santos, que teve suas contas
julgadas irregulares em 17/07 de 2018 e é atualmente esposa do
então Prefeito Angelo Rafael Ferreira dos Santos

Auditoria Contábil-orçamentária

Instrumentos Previstos no art. 48 da LRF (pesquisa feita no sítio


eletrônico do Município)

Prestação de Contas ------- é Disponibilizado na Internet

Relatório de Gestão Fiscal --------- é Disponibilizado na internet

Para fins do disposto nos artigos 48 e 48-A da LRF , o Município de


Sertânia disponibiliza em meios eletrônicos de acesso público
Planos Plurianuais , Lei de Diretrizes Orçamentárias, Leis
Orçamentárias Anuais, Prestação de Contas Anuais, Relatórios de
Gestão Fiscal e Relatório Resumido de Execução Orçamentária

Conforme artigo 20, inciso III, da LRF a despesa total com pessoal
do Pode Legislativo não pode ultrapassar 6% da Receita Corrente
Líquida

Período de Maio a Abril de 2019: O valor da Receita Corrente


Líquida foi de R$76848437,67

6%da Receita Corrente Líquida = R$461090622=5,99%.

No período de reporte a despesa total com pessoal quase que


ultrapassa a receita corrente líquida. Isso não foi evidenciado no
Anexo 1 Demonstativo da Despesa com Pessoal Detalhado.

Seria mais adequado à transparência na gestão fiscal informar, no


Anexo 1 Demonstrativo da Despesa com Pessoal Detalhado o limite
de 6% da despesa com pessoal do poder legislativo, pois o relatório
só informa o limite máximo de 54% (do poder executivo).

Demonstrativo da Disponibilidade de Caixa e Restos a Pagar Anexo


5- Verificar se não houve descumprimento ao Artigo 42 da Lei
complementar n°. 101 de 2000—O total dos restos a pagar
empenhados e não liquidados do exercício foi de R$19446004,91.
No final do exercício não deve haver a inscrição de restos a pagar
não processados. Para o cumprimento do artigo 42 da LRP esses
restos a pagar não processados que constam no montante de
R$19446004,91 não devem ter disponibilidade líquida de caixa.

O total das receitas realizadas em Sertânia, em 2017, foi R$


76.416,70 e o total das despesas empenhadas, em 2017 , foi R$
67.487,63. Em 2017 houve uma economia orçamentária de
R$8929,07.

Inspetoria 38218255 DDD 87 Ligar para A Inspetoria para saber se o


RGF foi enviado corretamente

Numero de Protocolo 27877

Relatório de Gestão Fiscal do Segundo Quadrimestre

Receita Corrente Líquida (ajustada) R$ 82.353.452,28 (ajustado)

6% da receita corrente líquida ajustada -----------R$4.941.207,1368

Despesa Total com Pessoal = R$ 38867285,98.

Seria mais adequado e transparente à gestão fiscal informar, no


Anexo 01 Demonstrativo da Despesa com Pessoal, o limite de 6%
da despesa com o poder legislativo, pois o relatório do segundo
quadrimestre de 2019 só informa o máximo de 54% do Poder
Executivo.

54% limite do Poder Executivo ----- 54% R$44470864,23 (54% da


receita corrente líquida ajustada
6% Limite do Poder Legislativo ------- 6% da Receita Corrente
Líquida Ajustada R$ 4.941.207,1368.

O limite de 6% para o Legislativo, incluído o Tribunal de Contas


Municipal (R$ 4.941.207,1368), deve ser evidenciado para que se
obedeça ao inciso III, alínea d , art. 20, da LRF.

Total da Receita Realizada em 2017-------R$76.416,70

Total da despesa empenhada em 2017----------R$ 67487,63

Total da Folha de Pagamentos (Valores Líquidos)

Total da Folha de Pagamentos ---------------------------R$15.063.461,35

Total da Folha de Pagamentos de Cargos em


Comissão-----------------------------------------------------------------------------
------- R$ 1906020,23

Total da Folha de Pagamentos com contratação de excepcional


interesse Público-------------------------------------------- R$3.533.015,69

Total com folhas de Pagamento de efetivos e vitalícios


R$9.394.693,35

Total da Folha de Pagamentos com cargos eletivos


------------------------------------------------------------------R$185.572,90

37 % do Total da Folha de Pagamentos com o Poder Executivo vai


para Cargos em Comissão, Cargos Vitalícios e Cargos de Contratção
de Excepcional Interesse Público.

Total da folha de Pagamentos com pensionistas e previdenciários –


-R$0,00

Total da Folha de Pagamentos

Cargos efetivos e vitalícios


cargos eletivos
cargos de excepcional interesse
público
cargos em comissão

Balanço Orçamentário ___ demonstrará as receitas e despesas


previstas em confronto com as realizadas (art.102 da Lei 4320/64)

O balanço orçamentário, de acordo com o IPC 07 (Metodologia


para elaboração do Balanço Orçamentário) é composto por:

Quadro Principal, Quadro da execução de restos a pagar não


processados e restos a Pagar não Processados Liquidados.

De acordo com o ICC 07 (Metodologia para Elaboração do Balanço


Orçamentário), o detalhamento das despesas e receitas
intraorçamentárias é apresentado em notas explicativas, quando
relevantes.

No tocante a legislação que versa sobre sustentabilidade, não


sabemos, pelo portal da transparência, se o Município observa a
legislação necessária a uma política sustentável para o
desenvolvimento ambiental, pois o ente federativo não deixa
explícito no seu portal da transparência. A instrução normativo n°1
de 2010 (crstérios de sustentabilidade ambiental ma qauisição de
bens e contratação de obras ou serviços pela administração pública
federal, a lei n°11284(Dsipões sobre a gestão de florestas públicas
para produção sustentável) e a lei n.°4771 (Código Florestal) são
importantes regulamentos sobre o tema. O município poderia
afirma se observa ou não tais documentos.

A Controladoria Geral do Município deixou de cumprir a Lei


12.527/2011, a qual afirma que a publicidade é a regra, primando
pela transparência proativa. Um dos princípios da lei 12.527 é a
transparência proativa que facilite o acesso das pessoas. Ao deixar
de publicar a remuneração dos vereadores dos agentes do
legislativo no portal da transparência (vereadores, etc), a
transparência proativa foi desrespeitada, pois para acessar essas
informações deve-se recorrer a outro site, o portal da transparência
da Câmara Legislativa (sertania.pe.leg.br) dificultando muito o
acesso do usuário. Existe, sim, no portal da transparência vários
cargos, mas deixou-se de lado a remuneração dos servidores do
poder legislativo, os quais têm a maior média salarial. No Relatório
de Gestão Fiscal deixou-se também de se publicar o limite com o
Poder Legislativo (6% para o Poder Legislativo, aplicado sobre o
limite de 60% da receita corrente líquida). Seria de bom grado, se
houver persistência dos administradores, emitir uma nota avisando
que no cômputo da folha de pagamento estão excluído os
servidores do Poder Legislativo (vereadores, assessores
parlamentares, chefes de gabinete, procuradores jurídicos,
assistentes de plenário, dentre outros da Câmara, diretores de
departamento de finanças, agentes legislativos, coordenadores de
controle interno, secretários gerais, assessores legislativos) estão
excluídos do cômputo. Um exemplo de entidade Pública que
observa esse aviso é o Estado do Rio de Janeiro:

O Portal da Transparência do Município de Sertânia não deixa


claro quais as últimas auditorias prestadas. Para saber deve-se
fazer uma busca minuciosa, ferindo o conceito de proatividade da
LIA.
Medida Cautelar determinando à prefeitura de Sertânia que se
abstenha de dar Continuidade a um pregão eletrônico que teve
como objeto a compra de combustíveis no valor de R$5.841.000,00

Sugestão de uma boa política de distribuição tributária, segundo


políticas já adotadas por municípios brasileiros (vide o município de
Caucaia): O município pode determinar que todo o dinheiro
arrecadado pelo IPTU seja destinado à Saúde, PUBLICANDO NO
Portal da Transparência essa vinculação de Impostos.

Selo Unicef ---- estimula gestões públicas a melhorar indicadores


sociais de crianças e adolescentes. Existem 1902 municípios do
Semi-árido e da Amazônia inscritos, 176 localizados no Ceará. O
selo Unicef aborda como o gestor e a sociedade trabalharão por
resultados na vida das crianças e adolescentes.

Do valor transferido ao Município de Sertânia pela União 28%


representou transferências legais voluntárias e específicas
enquanto 72% representaram transferências constitucionais e
royalties. O valor transferido pela união referente a transferências
legais voluntárias e específicas foi de R$ 7.944.812,37, já o valor
transferido pela União referente a transferências constitucionais e
royalties foi de R$ 20.251.230,65. Ao todo foram transferidos Para
administração pública municipal R$20.251.230 e sessenta e cinco
centavos. O total recebido referente ao Bolsa Família no Município
de Sertânia foi de R$9.322.528 a quantidade de beneficiados pelo
Bolsa Família foi de 6.072 pessoas. Os beneficiados pelo benefício
Gaarantia-Safra no município foi de 1.768 pessoas e o total
recebido foi de R$ 587.010. O garantia safra foi criado em 2002.
Esse benefício social garante ao agricultor familiar o recebimento
de auxílio pecuniário, sendo que o fato gerador é a perca de sua
safra em razão do fenômeno da estiagem ou do excesso hídrico .O
fundo garantia safra FGTS provém dos benefícios das contribuições
dos Agricultores dos Municípios dos estados e da União destinado a
agricultores familiares cuja renda média bruta mensal nos últimos
12 meses que antecederam a inscrição não supera um salário
mínimo e meio. Ele é liberado quando for decretada situação de
emergência ou de calamidade pública e foi constatada a perda de
pelo menos 50% do plantio. Nesse caso o agricultor preenche um
documento declaratório de perda de sua produção agrícola O total
recebido em decorrência do benefício de prestação continuada foi
R$ 8 808.348 e a quantidade de beneficiados foi de 1.148 pessoas.
O benefício de prestação continuada é um benefício assistencial
previsto na lei orgânica assistencial em seu artigo 20, garantindo
um salário mínimo mensal para o idoso e deficiente em situação de
miserabilidade e que não possa ser mantido por sua família. O
bolsa família é destinado a famílias em situação de extrema
pobreza em todo país, de modo que consiga superar a situação de
vulnerabilidade e pobreza por meio da garantia do direito a
alimentação e acesso à educação e a saúde. É necessário que o
município promova o acesso ao Bolsa Família, ao beneficio de
prestação continuada e ao Garantia-Safra da melhor forma
possível, utilizando-se meios de comunicação de forma simples e
objetiva. O Valor Total liberado de convênios em 2017 foi de R$
R$1.195.444,38 o período de reporte para o cálculo da
porcentagem dos recursos transferidos apenas ao município
referente às transferência legais e voluntárias funcionais e royalties
foi o ano de 2019. Nesse ano 12,68 bilhões foram transferidos para
o estado e seus municípios. Os recursos transferidos apenas ao
município: 28,20 milhões. Desses 18,72 milhões foram repassados
aos cidadãos.

Em 2018 os recursos transferidos SOMENTE ao Município foram de:

Recursos transferidos apenas ao Município nem 2015:R$34,52


Milhões

Recursos transferidos apenas ao Município em 2016:R$ 38,39


milhões

Recursos transferidos apenas ao Município em 2017:R$35,67


Milhões

Recursos transferidos apenas ao Município em 2018:R$41,46


Milhões

Recursos transferidos apenas ao Município em 2019:R$28,49


Milhões
R$45.00

R$40.00

R$35.00

R$30.00

R$25.00
Colunas2
R$20.00

R$15.00

R$10.00

R$5.00

R$0.00
2015 2016 2017 2018 2019

É uma alternativa de gestão


transparente e eficaz a inscrição no selo UNICEF, para que o
Município preste à sociedade o melhor para as gerações vindouras.

A página e- SIC poderia ser melhorada, poder-se-ia especificar o


tipo de pedido: Denúncia, Elogio, Reclamação, Solicitação ou
Sugestão. O
O E-SIC(sistema eletrônico de informação ao cidadão) do Município
só permite fazer um só pedido ou o acompanhamento de pedido,
devendo ser mais específico.
O Portal da Transparência do Governo do Estado do Rio de Janeiro
disponibiliza uma área com orçamentos temáticos de fácil acesso e
de didática ímpar, contendo o orçamento dos seguintes temas:
Transporte, Educação, Saúde, Segurança, Programas Sociais e

Ao se clicar em um dos ícones exibe-se o orçamento


detalhadamente:
Esse tipo de acessibilidade pode ser usado pelo Município de
Sertânia.

As teclas de atalho do portal (acessibilidade) não estão


funcionando. Já a parte de acessibilidade da prefeitura de gravata
funciona corretamente. A empresa desenvolvedora do Portal de
Gravatá é a NET use Sistemas LTDA. Os relatórios da NET use
Sitemas LTDA são de mais fácil visualização e entendimento e
interativos.
Antes de contatar a Tenosoft tinhamos, na presente obra, os
seguites avisos:

O RGF do 2º. Quadrimeste de 2018 e 3º. Quadrimestres não


estão no Portal da Transparência. O site publica mensagem de Erro

O Anexo 01 Report (PDF) referente aos meses de maio a abril


de 2018 carece de designação. Deveria ser nomeado de
Demonstrativo da Despesa com Pessoal. Além disso os links estão
com problema para abrir.

O Anexo 02 Report (PDF) referente aos meses de maio a abril


de 2018 carece de designação. Deveria ser nomeado de
Demonstrativo da Despesa Líquida consolidada. Além disso, os links
estão com problema para abrir.

O Anexo 03 Report (PDF) referente aos meses de janeiro a


abril de 2018 carece de designação. Deveria ser nomeado de
Demonstrativo das Garantias e Contragarantias de Valores. Além
disso, os links estão com problema para abrir.
O Anexo 04 Report (PDF) referente aos meses de janeiro a
abril de 2018 carece de designação. Deveria ser nomeado de
Demonstrativo das Operações de Crédito. Além disso os links estão
com problema para abrir.

O Anexo 05 Report (PDF) referente aos meses de maio a abril


de 2018 carece de designação. Deveria ser nomeado de
Demonstrativo Consolidado das Disponibilidades de Caixa e Restos
a Pagar( de janeiro a dezembro de 2018). Além disso os links estão
com problema para abrir.

O Anexo 06 Report (PDF) referente ao primeiro quadrimestre


de 2018. Deveria ser nomeado de Demonstrativo Simplificado do
Relatório de Gestão Fiscal. Além disso os links estão com problema
para abrir.

O RGF do 2º. Quadrimestre de 2018 apresenta defeitos, não


constando do site.

O RGF do 3º. Quadrimestre de 2018 apresenta defeito não


constando no site.

No entanto, em 10/10 de 2019 foi contatada a Tenosoft e ela


corrigiu o problema, publicando, nesse mesmo dia, os Relatórios
de 2018.

Auditoria de Programas Sociais

Programas Sociais
Campanha Nacional de Vacinação

Sertânia deu início no dia 07 do 10 de 2019 à Campanha Nacional


de Vacinação contra o Sarampo, que visa prevenir a população não
só contra o Sarampo, mas à caxumba e rubéola. O País perdeu em
2019 o certificado de país livre da doença e o governo federal
procura, junto com cada esfera da federação, retomá-lo. É muito
importante para a efetividade do orçamento participativo e do
plano plurianual, que o governo municipal esteja jungido ao
governo federal no alcance das metas dos planos governamentais,
e a Campanha Nacional do Sarampo corrobora a preocupação
municipal com o bem-estar da população. A Campanha Nacional
de Vacinação aproxima Sertânia do modelo ideal de
administração da nova gestão pública

CadÚnico em Ação
O CADÚNICO EM AÇÃO objetiva levar informações sobre o
Cadastro Único e o Bolsa Família às famílias que não possuem
acesso a informações devido a estarem longe do centro, levando
conhecimento sobre esses benefícios sociais, como 13º do Bolsa
Família e a importância da freqüências às escolas. O Cadastro único
é um conjunto de dados de famílias brasileiras em extrema pobreza
ou de pobreza, usados pelo governo para implementar políticas
públicas. O Cadastro Único é usado para concessão do Programa
Bolsa Família, da Tarifa Social de Energia Elétrica, do Programa
Minha Casa Minha vida, da Bolsa Verde, entre outros. A equipe do
Cadastro Único também participa de capacitações periódicas. Esse
programa está conjugado com os princípios do Direito
Administrativo, principalmente com o da eficiência, introduzido na
carta Magna pela EC no. 19/98. Os principais programas que o
Município de Sertânia dispõe ao seus clientes cidadãos são o
Benefício de Prestação Continuada, o Programa Bolsa Família, a
Carteira do Idoso, o Água para Todos. Isenção de Pagamento de
Taxa de Inscrição em Concursos Públicos, o Programa Minha Casa
Minha Vida, o Bolsa Família, a Tarifa Social de Energia Elétrica,
Programa Brasil Alfabetizado, Telefone Popular, Aposentadoria
para Pessoas de Baixa Renda, dentre outros. Ao otimizar as ações
do CadÚnico, Sertânia fica a par dos novos modelos de
administração pública ditos ideais e almejados por cada ene
federativo.

Sertânia conquistou 2º. Lugar no Indicador de Desenvolvimento do


Centro de Referência em Assistência Social (ID CRAS), no exercício
de 2018, ficando na frente de cidade como Caruaru e Garanhuns. O
CRAS é importante para facilitar a acessibilidade às políticas
públicas, por meio de programas como o PAIF. O CRAS é quem
possibilita o acesso da população aos serviços sociais. Por meio dele
são ofertados o Serviço de Proteção e Atendimento Integral à
Família (PAIF) e o Serviço de Convivência e Fortalecimento de
Vínculos.

Estão sendo promovidas ações com objetivo de modernizar o


trânsito em Sertânia. Já foram colocadas 33 placas com
informações como direita, esquerda, proibido retorno e outras,
bem como 7 faixas de pedestres. Na Praça Raul Guimarães foram
colocados 122 gelos baianos refletivos e 63 tachas bidirecionais e
também foram implantadas mais de 120 placas de advertência e
regulamentação em diversas passagens na cidade. Houve a
implantação de semáforos de LED, que duram mais e de novos
controladores de tráfico digital. O Município também participou, no
dia 20 de setembro da XIX Feira de Educação do trânsito. Tudo isso
aproxima mais a urbe da eficiência, eficácia e efetividade, pilares
da moderna administração gerencial.

O município é engajado em movimentos sociais, vivenciando o Dia


Nacional da Pessoa com Deficiência, eventos promovidos pelo
PELC (Programa Esporte e Lazer da Cidade- uma parceria do
governo federal com o estadual), promoção de palestras, como a
feita no dia da Árvore, reforma de scolas (vide escola Presidente
Vargas), adesão aos programas mãe coruja e criança feliz (que
permite o diálogo com as crianças e seus pais, de temas como
depressão).

As escolas de Sertânia realizaram, em outubro, a semana da


criança. Foram feitas pinturas, pinturas faciais, contação de
histórias, gincanas e brincadeiras. As creches também aderiram à
Semana da Crança, e o princípio da eficiência, tão alastrado na
gestão pública, foi obedecido na prestação de serviços públicos.

Entre os dias 13 e 19 de outubro Sertania realiza a semana do bebê,


sensibilizando as famílias da região sobre os cuidades na promoção
do desenvolvimento infantil, cumprindo com o princípio da
eficiência EC n°19/98. O município também adere aos programas
crança feliz e mãe coruja.

Pernambuco ficou de fora do modelo de escolas cívicos-


militars do governo federal (Jair Messias Bolsonaro). De todo o
Nordeste apenas o Ceará aderiu ( o MEC vai liberar 54 milhões para
o Programa em 2020). Para aderir ao programa: a escola tem que
estar em vulnerabilidade social e com baixo desempenho no IDEB.
A escola tem que estar na capital do estado ou na região
metropolitana, além de ter aprovação escolar. O Programa
Nacional das Escolas Cívico-Militares é instituído pelo Decreto no.
10.004.
O trabalho de Auditoria referente ao processo RDE nº 201800485 -
Estruturação de Academias da Saúde referente a construção e
ampliação de unidades básicas de saúde, publicado em 28/08/19
não consta no Portal da Transparência nem no site da prefeitura. A
linha de atuação da auditoria é representação e apresentações de
demandas socias.

O trabalho de Auditoria referente ao processo RDE nº 201800480 -


Construção e Ampliação de Unidades Básicas de Saúde - UBS
referente a construção e ampliação de unidades básicas de saúde,
publicado em 28/08/19 não consta no Portal da Transparência nem
no site da prefeitura. A linha de atuação da auditoria é
representação e apresentações de demandas socias. A Conclusão
desse relatório é que a auditoria realizou pagamentos por serviços
não executados e que a obra de construção do Posto de Saúde
apresenta falhas na execução, dando origem ao ao Processo nº
00215.100242/2017-33.

O trabalho de Auditoria referente ao RDE nº 201800486 -


Estruturação de Academias da Saúde, referente a construção e
ampliação de unidades básicas de saúde, publicado em 28/08/19,
não consta no Portal da Transparência nem no site da prefeitura. A
linha de atuação da auditoria é representação e apresentações de
demandas socias. A conclusão desse relatório é que a prefeitura
utilizou recursos financeiros sem a documentação comprobatória,
danod origem ao processo nº 00215.100027/2018-13.

O trabalho de Auditoria referente


RDE nº 201800484 - Estruturação de Academias da Saúde,
referente a construção e ampliação de unidades básicas de saúde,
publicado em 28/08/19 não consta no Portal da Transparência nem
no site da prefeitura. A linha de atuação da auditoria é
representação e apresentações de demandas socias.

O trabalho de Auditoria referente ao processo RDE nº 201800481 -


Estruturação de Academias da Saúde referente a construção e
ampliação de unidades básicas de saúde, publicado em 28/08/19
não consta no Portal da Transparência nem no site da prefeitura. A
linha de atuação da auditoria é representação e apresentações de
demandas socias.

O trabalho de Auditoria referente ao processo RDE nº 201800482 -


Estruturação de Academias da Saúde referente a construção e
ampliação de unidades básicas de saúde, publicado em 28/08/19
não consta no Portal da Transparência nem no site da prefeitura. A
linha de atuação da auditoria é representação e apresentações de
demandas socias.

O trabalho de Auditoria referente ao processo RDE nº 201800467 -


Construção e Ampliação de Unidades Básicas de Saúde – UBS,
referente a construção e ampliação de unidades básicas de saúde,
publicado em 28/08/19 não consta no Portal da Transparência nem
no site da prefeitura. A linha de atuação da auditoria é
representação e apresentações de demandas socias.

O trabalho de Auditoria referente ao processo RDE nº 201800479 -


Construção e Ampliação de Unidades Básicas de Saúde - UBS
referente a construção e ampliação de unidades básicas de saúde,
publicado em 28/08/19 não consta no Portal da Transparência nem
no site da prefeitura. A linha de atuação da auditoria é
representação e apresentações de demandas socias.
O trabalho de Auditoria referente ao processo RDE nº 201800479 -
Construção e Ampliação de Unidades Básicas de Saúde referente a
construção e ampliação de unidades básicas de saúde, publicado
em 28/08/19 não consta no Portal da Transparência nem no site da
prefeitura. A linha de atuação da auditoria é representação e
apresentações de demandas socias.

O trabalho de auditoria referente ao processo RDE nº 201802012 -


Construção de Creches – Proinfância, referente a construção de
creches (Proinfância), publicado em 06/06/2019 não consta no
Portal da Transparência nem no site da prefeitura. A linha de
atuação da auditroia é a de apuração e representações d
edemandas sociais. No trabalho de auditoria foi constatado que a
Prefeitura realizou despesa sem documentação comprobatória na
conta específica do Termo de Compromisso. A impropriedades
foram referentes à construção de uma creche do tipo C. Deu-se
origem ao processo Processo nº 00215.100284/2018-55

O trabalho de auditoria referente ao processo RDE 00215.000211-


2012-79 - Desenvolvimento Social e Combate à Fome - Sertânia/PE,
referente a indícios de irregularidades (desvio de finalidade e de
recursos públicos) do convênio 168/2009, cujo objetivo é a
construção de 900 cisternas de placas para armazenamento de
água de chuva. Na auditoria foi feita a verificação in loco de 12
sisternas construídas pelo Convênio 168/2009. No entanto a
Controladoria Geral da Uniãonão pôde pronunciar-se sobre a
situação, pois a tentativa de entrevistar as pessoas favorecidas foi
frustrada e não foi enviada a documentação solicitada à
Superintendência Estadual do Banco do Brasil em Pernambuco.
Auditoria de Conformidade (Portal da Transparência)

O Portal da Transparência não possui uma área destinada à


apresentação da Receita Bruta, devendo-se para aferir a receita
bruta atual, somar as receitas brutas dos relatórios (RREO,RFG, etc),
obstruindo o dinamismo interacional entre o cliente/cidadão e a
instituição pública.

A DATA SISTEMA TECNOLOGIA LTDA é uma Sociedade Empresária


Limitada, de Caruaru. É uma empresa de desenvolvimento e
licenciamento de programas de computadores customizáveis (foco
principal). Ela é responsável pela construção do portal da
transparência de Sertânia.A empresa possui capital social de
R$20.000,00, foi fundada em São Bento do Uma. A DATA Sistema
também gerencia o Portal de São Bento do Uma, de Lagoa do Ouro,
Solidão, de Salgueiro, São Lourrenço da Mata, Custódia, Jataúba,

O PRÓPRIO SITE DA DATA SISTEMA TECNOLOGIA LTDA, EMPRESA


DE SERVIÇOS NA ÁREA DE TI, APRESENTA ERROS
(WWW.DATASISTEMA.COM.BR).

O Portal da Transparência da Câmara é feito pela empresa Fiorilli


Sociedade Civil Ltda. No entanto, para saber que é a Fiorilli a
responsável pela obra, deve-se fzer uma busca no site. Essa
inforkmação só consta na parte Execução Orçamentária (Receita e
Despesa). O qeu deveria ser feito é sempre constar, em nota de
cada parte principal do portal, que a empresa Fiorilli foi a
responsável pelo desenvolvimento do site. A empresa Fiorilli,
juntamente com a Câmara, deveria seguir o exemplo da prefeitura
Municipal de Buíque, que na aba Responsabiliade pela Publicação
das informações, de seu esmeroso site, afirma que: “a análise e a
criação de seu Portal de Transparência é de responsabilidade da
empresa Systema Informatica Comercio e Serviços Ltda, de acordo
com a LAI(lei n°12.527/11) e com a portaria n°548/2010, que
estabelece os requisitos mínimos de segurança contábeis do
sistema integrado de administração financeira e controle utilizado
no âmbito de cada ente da federação.

O Poder Executivo de Sertânia poderia elaborar um quadro


correlacionando cada demonstrativo contábil(relatório contpábil)
com a entidade responsável pela sua publicação e o destino
final.Por exemplo:
Relatório Contábil/Demonstrativo→ Respontável pela Publicação

Execução Orçamentária – Receita →Secretaria de Finanças Vai para o Portal


Da Transparência

Execução Orçamentária-Despesa→Secretaria de Finanças Vai para o Portal da


Transparência

Diárias e Passagens→Secretaria de Finanças Vai para o Portal da


Transparência

Folha de Pagamentos→Secretaria de Administração Vai para o Portal da


Transparência

Prestação de Contas do Governo→Secretaria de Finanças (Vai para o Portal


de Transparência do TCE/PE)

Prestação de Contas da Gestão → Secretaria de Finanças (Vai para o Portal de


Transparência do TCE/PE)

Trasferências recebidas da União (FMSFMAS/FUNDEB/FPM e ICMS)


→Secretaria de Finanças(Vai para o Portal da Transparência)
Licitações→Secretaria de Finanças (Vai para o Portal de Transparência
LINCON)

Lagoa do Carro, São José da Coroa Grande, Jataúba, Paranatama,


Belém do São Francisco, Calçado, Garanhusn, Lajedo, Jurema,
Mirandiba(portal da transparência em manutenção) e Águas Belas
são empresas geridas pela tenosoft Software LTDA, que alcançou
nota nove no Ranking da Transparência, sendo considerada a
empresa com o Portal da Trasnparência mais eficiente em 2015.

Ranking de transparência baseado no índice de transparência


municipal (ITMPE) de 2018:

Sertânia – Moderado (ITMPE de 2018)

Lagoa do Carro- Moderado (ITMPE de 2018)

São José da Coroa Grande – Insuficiente (ITMPE de 2018)

Jatáuba – Crítico (ITMPE de 2018)

Paranatama – Insuficiente (ITMPE de 2018)

Belém do São Francisco – Moderado (2018)

Calçado – Moderado (2018)

Garanhuns – Moderado/

Lajedo – Moderado (ITMPE de 2018)

Jurema – Moderado

Como pode-se observar o índice de transparência desses


Municípios deixa a desejar.
A DATA Sistema tecnologia LTDA é uma Sociedade Empresária
Limitada de Caruaru, sendo uma empresa de desenvolvimento e
licenciamento de programas de computadores customizáveis. O
site da Data Sitema apresenta erros, mas a da empresa a que
pertence (TENOSOFT) não.

A prefeitura de Buíque possui Portal daTransparência com Design


impecável com referência a acessibilidade e interação com o
usuário, onde existe uma tecla de atalho para cada consulta
(receita, despesa, etc). Nele dedica uma parte para dizer que a
análise e criação do portal é da empresa Systema Informática
Comércio e Serviço LTDA, ficando a alimentação das informações
sobre a responsabilidade da empresa (LAI 12.527/2011) e de
acordo com a PORTARIA 548/2010 que estabelece os requisitos
mínimos de segurança do sistema integrado de administração
financeira do controle interno do Poder Executivo Federal.

Essa é uma das interatividades que o presente trabalho sugere para


o site.
Além disso, o Portal da Transparência faz remissão a diversos links
úteis, como o CEPE(diário oficial de Pernambuco), o portal de
acesso à informação do Poder Executivo Federal, o SEBRAE. A
Receita Federal, e a associação Municipalista de Pernambuco
(AMUPE), instituição sem fins lucrativos que busca ser o ello entre
os Municípios, o governo e a sociedade.

Alguns aplicativos focados na transparência da gestão fiscal podem


ser disponibilizados para a sociedade, como:

Aplicativo Prato Aberto – aplicativo desenvolvido pela secretaria de


São Paulo, em parceria com a UNESCO, que possibilita acessar o
cardápio das escolas de ensino de São Paulo e também a qualidade
das refeições, promovendo a interação com o cidadão.

Aplicativo Ceará Transparente:

190 Ceará → objetiva agilizar o processo de comunicação policial,


sem falar com o atendente. É possível enviar foto, vídeo e galeria
do ocorrido.

Agenda. CE→ permite o acesso a informações e espaços culturais


do estado.

Aluno Online SEDUC-CE → auxilia o aluno no acompanhamento de


atividades escolares

Ceasa de Bolso → permite que com apenas um clique o


comerciante ou produtor tenha acesso0 aos preços do Ceasa.

Descubra Ceará – permite aos turistas um amplo guia turístico


DETRAN-CE permite consultar informações da CNH (Carteira
Nacional de Habilitação- pontuação, vencimento e renovação)

Aplicativo Transparência Brasil – TÁ DE PÉ?

O app TÁ DE PÉ? Fiscaliza obras de escolas e creches públicas,


possibilitando que o usuário envie fotos de escolas ou creches com
irregularidades. Os engenheiros avaliam a situação da obra e
cobram ao prefeito. Se o prefeito não responder, cobra-se ao
vereado da cidade e ao Governo Federal. O transparência Brasil
considera fundamental o acesso à infraestrutura educacional de
educação, sendo que futuramente irá trabalhar com outros tipos de
obras. O TÁ DE PÉ trabalha somente com creches e escolas
financiadas pelo governo federal. A TransparênciaBrasil é uma
organização independente, sem fins lucrativos, que sobrevive
graças às doações da sociedade. No seu endereço eletrônico pode-
se fazer uma doação pontual ou se associar. Os projetos do
TransparênciaBrasil são:

TÁDEPÉ? - fiscaliza a entrega de escolas e creches financiadas pelo


Governo

PROJETO MERITÍSSIMO- Monitoramento de licitações, contratos e


obras de escolas

Às Claras – Confere o financiamento eleitoral recebido para cada


candidato

Excelências – aferi o desempenho Parlamentar e os processos na


Justiça de membros do Congresso Nacional (está em fase de
captação de recursos)
Achados e Pedidos – reúne solicitações e pedidos dos cidadãos que
foram feitos à Administração Pública

Desenvolvido por alunos da PUC-RS, em Porto Alegre. O aplicativo


“Meu Deputado” serve para manter os cidadãos cônscios dos
gastos públicos dos deputados federais. O app mostra como os
deputados gastam suas verbas, mensalmente. O usuário pode
acessar as notas fiscais referentes a cada gasto dos políticos.

É sabido que muitos dos aplicativos de gestão pública se inspiram


no projeto inglês Where Does my Money Go (para onde vai meu
dinheiro), onde o cliente/cidadão digita o seu salário e o site
mostra quanto do seu salário vai para cada área do governo, na
forma de tributos (impostos, taxas, etc).

O monitorabrasil.org disponibiliza em seu site o download do


monitora Brasil, que permite monitorar o que os deputados andam
fazendo na Câmara dos Deputados.

Lançado em 04/08 de 2015, o aplicativo Poder do Voto tamém vem


faznendo um importante trabalho na área de transparência pública,
permitindo acompanhar o trabalho de seu político de maneira
proba, contando com 45339 usuários. Só no 1º. Semestre de 2019 o
site cresceu 28%. De janeiro a maio de 2019 o aplicativo recebeu
R$125000 em doações.

A LAI (lei de acesso à informação- lei n° 12.527/11, regulamenta o


direito, previsto na Constituição, de que qualquer pessoa solicite
QUALQUER INFORMAÇÃO produzida pelos órgãos ou entidades
públicas, de todos os poderes. Com relação à LAI, houve um
decreto governamental que a alterou, permitindo que somente
1069 novos servidores públicos(antes eram 1288) pudessem ser
escalonados para conferir sigilo nos graus secretos e ultasecretos a
dados públicos. Já nos Estados Unidos o total de pessoas
escalonadas é de 1867. A decisão permite ampliar o grupo de
agentes públicos autorizados a colocar informações públicas nos
mais altos graus de sigilo (ultasecreto e secreto), antes restrita ao
alto escalão da Presidência da República Alguns aplicativos do setor
privado podem ser úteis para o compartilhamento de informações,
como:

 Slack : uma espécie de “chat avançado”, permitindo entre


sues integrantes, compartilhar comentários, documentos,
vídeos e imagens. O Slack poderia ser usado no planejamento
orçamentário participativo, e em grupos formados por
cidadão que propõem melhorias do governo em alguma área.
 Survey Monkey : serve para elaborar questionários e
pesquisas para um grupo determinado de pessoas. O Sorvey
Monkey poderia ser usado para coleta de dados acerca da
satisfação pública.
 Dropbox: Serve para compartilhar grandes arquivos
(característica principal)
 Gotomeeting :serve para a realização de reuniões, por meio
do dispositivo móvel. É uma alternativa ao Skype. O
gotomeeting serviria para que a população se reunnisse para
cobrar os gestores públicos.
 Beer or Cofee : um aplicativo de networking, uma espécie de
“Tinder dos Negócios). Não tem muita serventia no serviço
público.
 Nota Fiscal Paulista: permite emitir nota fiscal pelo celular.
 Oitchau: serve para registrar a jornada de trabalho. Uma
espécie de ponto eletrônico móbile. É regulado pelo MTE. O
oitchau poderia ser uasado no controle da jornada de
trabalho de cada servidor público, de cada área.
 Runrunit: serve para gestão de equipes de trabalho, gestão do
fluxo de trabalho e gestão do tempo.

Esses aplicativos, a maioria usados no setro privado,


proporcionam a execução da LAI, bem como a conformidade com
sua proatividade.

A LAI(Lei 12.527/11), os princípios norteadores da Administração


Pública e da transparência no setor público, devem acompanhar a
internet das coisas, da banda larga e dos mais 150 milhões de
celulares e smartfones do Brasil. Aplicativos de símile importância
foram criados, como o aplicativo antidengue, na cidade de Águas
de São Pedro, e o desenvolvido para o Controle da Diabetes, em
Campinas. O aplicativo antidengue foi batizado de “águas sem
dengue”, permitindo ao usuário tirar fotos, gravar vídeos, e passar
mensagens aos agentes de saúde para que, em seguida, eles
possam averiguar os possíveis focos de transmissão. Existem, em
águas de São Pedro, vários aplicativos, como o estacionamento
inteligente, que utiliza sensores para balizar vagas disponíveis. A
disponibilização de tablets para os alunos de escolas públicas, e os
aplicativos que permitem agendar consultas na rede básica de
saúde.

Sertânia tem população de 35.670 habitantes, sendo localizada no


Sertão do Moxotó, onde o rio Moxotó muito favoreceu o
crescimento do povoado. Devido a possuir 35.670 habitantes, o
prazo para o Tribunal de Contas emitir parecer p´revio conclusivo
será de 180 dias, e não de sessenta dias, conforme a LRF:

Art. 57 Os Tribunais de Contas emitirão parecer prévio conclusivo


sobre as contas no prazo de sessenta dias de recebimento...§1º.No
caso dos Municípios que não sejam capitais e tenham menos de
200.000 habitantes, o prazo será de 180 dias.

Por ter população inferior a 50.000 habitantes (tem somente


35.670), é facultada a divulgação do Relatório de Gestão Fiscal
semestralmente. No entanto, a divulgação deve ser feita, se não
optar pela divulgação semestral, bimestralmente. Sertânia optou
por divulgar seus RGFs bimestralmente.Os seguintes
demonstrativos também serão uma faculdade: Demonstrativo de
Apuração da Receita Corrente Líquida, Demonstrativos das Receitas
e Despesas Previdenciárias, Demonstrativos de Resultados Nominal
e Primário, Demonstrativo da Despesa com Juros e Demonstrativos
de Restos a Pagar. O Anexo de Metas fiscais, que seria facultativo
para o Município (tem menos de 50.000 habitantes), foi optado
pelo Município, conforme Lei1638 de 2018 LDO 2018 (5 – Anexo de
Prioridades – LDO der 2019). O Anexo de Metas FISCAIS foi
registrado como Anexo de Prioridades (também poderia ser Anexo
de prioridades e metas fiscais) e foi lançado no ano de 2018 com o
nome de Anexo de Metas Fiscais (em 2018 e 2017 houve a
publicação de Anexo de Metas Fiscais e Anexo de Prioridades).

Esquema dos demonstrativos constantes em anexo do RREO do


RGF:
Anexo I – Demonstrativo da Despesa com Pessoal

Anexo II – Demonstrativo da Dívida Consolidada Líquida

Anexo III – Demosntratiucvo das Garantias e ContraGarantias de


Valores

Anexo IV- Demonstrativo das Operações de Crédito

Anexo Y – Demonstrativo das Disponibilidades de Caixa

Anexo VI – Demosntrativo dos Restos a Pagar

Anexo VII- Demonstrativo Simplificado do Relatório de Gestão


Fiscal

Relatório de Gestão Consolidado

Com relação ao atendimento por telefone, a prefeitura de Sertânia


apresenta total morosidade. Foi feita uma pesquisa por telefone
convencional para saber quais documentos (exatamente) do RGF a
prefeitura divulga ou tem intenção de divulgar. O responsável pela
presente auditoria ficou cerca de 40 minutos no telefone tentando
obter essa informação, considerada básica para toda e qualquer
gestão orçamentária transparente. No fim ninguém soube
informar, depois de transferir a ligação para vários setores.
Observou-se também que o telefone da controladoria geral do
município não existe, e que o telefone do SIC – Serviço de
Informação ao Cidadão, da Ouvidoria Geral e da Comissão
Permanente de Licitação são os mesmos e, quando a ligação é
atendida, a telefonista remete a conversa a mais de um setor
diferente do órgão público com repleta morosidade,
desrespeitando o princípio da eficiência da art.37 da Constituição
Federal (alterado pela EC n°19/98). Por fim, é mister propalar que
apesar de não constar em nenhuma parte do sítio eletrônico do
portal da transparência, a empresa responsável pelo conhecimento
da legislação necessária para uma contabilidade pública eficiente,
pelo modo de como se elabora os demonstrativos contábeis e de
como fazer uma contabilidade púbica financeira sólida é da CECOM
Consultora, o que fere os princípios da transparência da LRF.

CECOM- Consultoria Especializada em Contabilidade Municipal

Slogan da CECOM, entidade


responsável pela assessoria contábil de Sertânia/PE.

A CECOM tem 20 anos de experiência e presta serviços nas áreas


Administrativas, Financeiras e Tributárias para alguns municípios de
Pernambuco. A empresa presta serviços nas áreas de Planejamento
Municipal, Licitações, Contratos Administrativos, Convênios e
Contabilidade Pública, sendo localizada em Caruaru. A CECOM
ajuda na feitura da contabilidade pública sertaniense, na sua
grande parte. A Consultoria Especializada em Contabilidade
Municipal a Prefeitura Municipal de Afogados da Ingazeira, a
Prefeitura de Ibimirim, a Prefeitura de Sertânia, a Prefeitura de
Saloá, a Prefeitura de Trindade e a Prefeitura de Tuparetama.

Na área de Planejamento Municipal, a CECOM presta Consultoria e


participação na elaboração do PPA, LDO e LOA(instrumentos de
legislação orçamentária municipal). No aspecto da Contabilidade
Pública, a CECOM presta consultoria e assessoria na observância da
lei n°4.320 de 1964, na lei complementar n°101/2000, na
observância de Resoluções e Instruções Técnicas dos Tribunais de
Contas do Estado e da União, do STN e outras normas. A CECOM
presta consultoria e assessoria em licitações, contratos e convênios,
na elaboração de instrumentos convocatórios, bem como
CAPACITAÇÃO TÉCNICA DA COMISSÃO, COM TREINAMENTO EM
TODAS AS MODALIDADES. A Cosnultoria Especializada em
Contabilidade Municipal tambpem promove a implantação de um
sistema para o controle da arrrecadação tributária, bem como
curso de formação de pregoeiros, curso de treinamento em
licitações e contratos administrativos, curso interativo para
comissões de licitações e treiamento operacional em Pregão
Presencial e Eletrônico.

As normas mais importantes sobre licitações e contratos públicos


que a Consultoria especializada em Contabilidade Municipal
procura trabalhar nas suas entidades públicas clientes são:

Lei n°8.666, de 21 de junho de 1993 →normas gerais de licitações e


contratos
Lei n°10520 →institui a modalidade de licitção denominada pregão,
para bens e serviços comuns

Decreto n°3555 →aprova o regulamento para a modalidade de


licitação denominada pregão, para aquisição de bens e serviços
comuns

Decreto n°5450, de 31 de maio de 2005→ Regulamenta o pregão


na forma eletrônica

Lei n°12.462, de 4 de agosto de 2001→Institui o Regime Diferencial


de Contratação Pública

A Cecom realisa eventos e palestras e eventos , como a ocorrida em


novembro de 2016, sobre licitações, compras governamentais e
exigencias da Constituição Federal.
Palestra da CECOM sobre Licitações, Compras Governamentais e
Exigências da Constituição Federal

Outra empresa do ramo de assessoria Contábil é a AC Pública,


organização Pernambucana que tem como clientes: Prefeitura de
Limoerio, Vertente do Lério, São Caetano, Feira Nova, Belo Jardim,
Panelas e Lagoa do Itaenga. A AC Pública presta assessoria em
licitações, contratos administrativos, gestão de pessoas , gestão de
convêncios e prestação de contas. A AC Pública tem como visão ser
referência nos serviços prestados de Pernambuco e Paraíba. Essa
empresa ainda não tem visibilidade, é emergente.
Slogan ad AC Pública Consultória Contábil e
Administrativa

A MM Assessoria Contábil é uma das mais importantes empresas


do ramo em Pernambuco. Ela presta serviços para a Prefeitura de
água Preta, Belém do Pará, Bonito, Condado, Gllória do Goitá,
Jacuipe, Joaquim Nabuco, Lagoa do Itaenga, Olinda, Xexéu,
Barreiros, Belém de Maria Palmares, Tamandaré, São José da Coroa
Grande e Cantende. A MM Assessoria surge com um conceito
inovador de assessoria pública, prestando consultoria em
contabilidade, elaboração de projetos (PPA, LDO e LOA), cursos e
treinamentos, Gestão de RH e Portal da Transparência. A MM
Assessoria tambpem presta suporte em Central de Manuais, Chave
de Validação, Webmail e Acesso Remoto. A MM Assessoria é
sediada em Caruaru.

Slogan da Conceito Fiscal, empresa de


consultoria governamental Pernambucana

A Conceito Fiscal é outra empresa de assessoria contábil que possui


como clientes Itapissuma, Igarassu, Goiana, Chã de Alegria,
Timbauba, Vicência e Itaquitinga. A Conceito Fiscal utiliza de
Business Inteligence (BI), para tomada de decisões inteligentes,
mediante o STAFF- Sistema de Controle e Auditoria Aplicada ao
Setor Público. A Conceito Fiscal Surgiu em 2007, e busca a
excelência no Controle Contábil e Fiscal Governamental. A Conceito
Fiscal fica situada em Res situados em Caruau.cife e também em
Olinda. Dentre seus mais diversos serviços a Conceito Fiscal presta
assessoria especializada em Contabilidade para Regimes Próprios
de Previdência, com atendimento ás portarias MPS n°916 e n°95 de
março de 2009 e Manuais da Secretaria do Tesouro Nacional, bem
como assessoria e consultoria para Transições Municipais. O
Programa Contábiol desenvolvido, chamado STAFF, possui vários
módulos, como Módulo STAFF, Módulo de Protocolo Eletrônico,
Modulo de Acompanhamento de Proecesses, Módulo de Controle
de Obras, detre outros.

A NAAP (Núcleo de assessoria em administração pública), situada


em Caruaru, é outra empresa de assessoria em contas públicas
importante em Pernambuco. A NAAP tem como clientes as
Prefeituras de Belo Jardim, Brejo da Madre de Deus, Cabo de Santo
Agostinho, Capoeiras, Garanhuns, IATI, João Alfredo, Lagoa de
Ouro, Serra Talhada, Tacaratu, Timbaúba, Gravatá, Vitória de Santo
Antão, Passira, Cumaru, Angelina e Palmeirina. A NAAP oferece
serviço de assessoria Contábil, Auditoria Contábil, Consultoria
Tributária, Locação de Softwares Contábeis, Capacitação e
Treinamento de Pessoal, Consultoria em Patrimônio e compras,
Consultorie em controle interno e licitações.

A CESPAM- Soluções para o Município- é outra empresa que presta


consultoria governamental em Planejamento Orçamentário,
Financeiro e Administrativo dos Municípios situada em Caruaru. A
CESPAM tem como clientes Agrestina, Águas Belas, Água Preta,
Bezerros, Bom Conselho, Bonito, Cabo de Santo Agostinho,
Canhotinho, Casinhas, Chã Grande, Caruaru, Catende, Consórsio,
Custódia, Escada, Frei Miguelinho, Ibimirim, Ipojuca, Itacuruba,
Jataíba, Lagoa Grande, Lajedo, Olinda, Palmares, Pesqueira, Poção,
Ribeirão, Sairé, Salgueiro, São Benedito do Sul, São Bento do Uma,
São Joaquim do Monte, Tacaimbó, Toritama, Ventura e Vertentes.

A legislação de RH que alicerça o Município é: a lei n° 8112, de


1990, a lei ordinária 1073(Dispões sobre o Estatuto do magistério
público), a lei ordinária 1022 (estatuto dos funcionários públicos do
município), e outras leis, como a que institui o Plano Diretor do
Município de Sertânia (lei ordinária 1320). Destas a mais
importante para a presente obra é a lei 1022 (estatuto do
funcionalismo público municipal).

A Câmara utiliza-se das ferramentas do Interlegis (Instituto


Legislativo Brasileiro), um programa do Senado Federal, criado em
1997, executado pelo Instituto Legislativo Brasileiro. A Câmara
Legislativa utiliza-se da Interlegis para automação legislativa, pois o
auxílio do Instituto Legislativo Brasileiro é de vital importância para
a difusão do conhecimento produzido no Legislativo.
A lei 1022 de 1994 (estatuto dos funcionários públicos do
município) se assemelha muito à lei 8112/90(estatuto dos
funcionários fedeais). É muito importante a observância da lei 1022
pela auditoria municipal do ente federativo.

O art. 77 da lei 1022 (estatuto dos funcionários do Município de


Sertânia) concede aos servidores de cargo efetivo o benefício da
licença prêmio, afirmando que o mesmo será contado como
período de efetivo exercício, se gozado. A lei 6123/68 (Estatuto dos
funcionários de Pernambuco) também concede esse tipo de
licença. Porém a licença prêmio, cencedida pela lei 1022 e 6123 não
é encontrado no estatuto federal dos servidores públicos (lei
8112/90).

O débito decorrente do não pagamento de tarifas de serviço


público essencial possui natureza pessoal. Ao deixar de pagar asa
tarifas do serviço público, o usuário adquire um debito de natureza
pessoal, se esse serviço For essencial. O débito decorrente do não
pagamento do serviço publico de água ou energia elétrica é de
natureza pessoal.

Os bens públicos são destinados para as organizações sociais


por meio de permissão de uso.

As ilhas fluviais e lacustres não pertencentes à União incluem-


se entre os bens do Estado.

Existem hipóteses de inexigibilidade absoluta de bens públicos


na nossa legislação

As ilhas fluviais e lacustres não pertencentes à União incluem-


se entre os bens ods estados.
Tanto a permissão quanto à concessão de direito público têm
característia d econtrato de adesão. Deverão ser efetivadas, ambas
as modalidades, por meio de contrato administrativo e exigem
licitação prévia.

Apesar de alguns doutrinadores mencionarem contrato de


adesão para a concorrência, é bem verdade que o termo, ma lei
8987/95 só vem expresso para a permissão. Corrente minotritária
vem dizendo que só a permissão é contrato de adesão, o que não é
verdade.

A proposta de orçamento da seguridade social é efetuada de


forma integrada pelos órgãos da seguridade social. Já a execução
do orçamento é realizada separadamente por cada área.

Elaboração da proposta do orçamento- de forma integrada

Execução do orçamento – realizada separadamente

O art. 195 da CF prima que a proposta da seguridade social


será elaborada de forma integrada pelos órgãos responsáveis pela
saúde , assistência e previdência social, obedecendo as metas
estabelecidas na LDO.

A CF prima que a receita de cada ente federativo destinadas à


seguridade social constará dos respectivos orçamentos, não
integrando o orçamento da União.

O art. 4º. Da lei 8213/91 diz que compete ao conselho


nacional d eprevidência social: estabelecer diretrizes gerais e
apreciar as decisões de ploiticas aplicáveis a previdência social;
participar, acompanhar e avaliar sistematicamente a gestão
previdenciária.

O BPC LOAS não permite o recebimento de benefício algum,


salvo o de assistência médica, nem que o beneficiário esteja
vinculado a um regime de previdência social.Além disso reuquer
que o beneficiário tenha renda familiar per capita inferior a 1
salário mínimo. O BPC LOAS está previsto no at. 203 V da CF. A
regulamentação do BPC se dá pela lei 8742 de 1993 e pelo decreto
1744/95. O beneficiário deve comprovar que não possui meios de
prover a própria manutenção e nem de te-la provida por sua
família. O BPC LOAS só pode ser acumulado com aqssistência
médica e pensão especial indenizatória.

É errado associar a assistência social com o caráter


contributivo (art. 203 da CF).

Se for criada, por medida provisória, uma contribuição para


a Seguridade Social, o termo inicial do prazo de noventa dias de
vacatio legis será contado a partir da publicação da medida
provisória instituidora.

Segurança, rentabilidade, solvência, liquidez e transparência –


lei 9717 de 1998 (resolução 3.922 de 201)

No regime de repartição as despesas previdenciárias


correntes são pagas com as receitas correntes.

No regime de capitalização o próprio beneficiário financia


seus futuros benefícios.
As empresas também contribuem para o regime de repartição
(art. 195 da CF, que trata do sistema de repartição)

No regime de capitalização o próprio beneficiário financia os


seus futuros benefícios previdenciários.

O RGPS é fundado no regime de repartição. Esse regime não


prevê a formação de reservas e prevê um pacto direto entre
gerações (pacto intergeracional).

No sistema de capitalização (adotado no Chile) as despesas


correntes não são pagas com as receitas correntes. Já no de
repartição ocorre o contrário.

O modelo de sistema do Chile foi o de sistema de


capitalização. Seria, no Brasil, adotado apenas para quem ainda não
entrou no mercado de trabalho. Para as pessoas que já contribuem
seria adotado um sistema misto entre capitalização e repartição
simples. O modelo chileno não deu certo.

O sistema de inclusão previdenciária dos trabalhadores de


baixa renda deve ter alíquotas e carência inferiores às vigentes para
os demais segurados do RGPS.

O ar. 201 §12 da CF diz que lei disporá sobre sistema especial
de inclusão previdenciária dos trabalhadores de baixa renda,
pertencentes a famílias de baixa renda, garantindolhes benefícios
de valor igual a um salário mínimo. Esse sistema previdenciário terá
alíquotas e carências inferiores as vigentes para os demais
segurados.
A constituição federal diz que é proibida a participação direta
ou indireta de empresas ou capitais estrangeiros na assistência à
Saúde, salvo exceções à leiO recebimento, pelos municípios, de
transferência de recursos destinadas á ações da assistência social
independe de prova de inexistência de debito.

A alíquota de contribuição dos segurados contribuinte


individual e facultativo será de 20% do respectivo salário de
contribuição.

O salário maternidade será considerado salário de


contribuição.

As transferências de recursos destinados à ações de


assistência social, educação, saúde e em caso de calamidade
pública independem de prova de inexistência de debito ou
recebimento pelos municípios.

Para a Lei organicada assistência social considera-se incapaz


de prover a manutenção da pessoa com deficiência ou idosa a
família cuja renda mensal per capita seja inferior a ¼ do salário
mínimo.

Considera-se pessoa com deficiência aquela que tem


impedimento de longo prazo de natureza física, mental, intelectual
ou sensorial.

A condição de acolhimento em instituições de longa


permanência não prejudica o direito do idoso ao BPC.

As ações e serviços públicos de saúde integram uma rede


regionalizada e hierarquizada, constituindo um sistema único com a
diretriz da descentralização, com direção única em cada esfera de
governo.

São objetivos da seguridade social: equidade na forma de


participação no custeio, uniformidade e equivalência dos benefícios
e serviços as populações urbanas e rurais, caráter democrático e
descentralizado da administração, mediante gestão quadripartite,
com participação dos trabalhadores, dos empregadores, dos
aposentados e do Governo.

Os benefícios pagos no âmbito da seguridade têm efeito


redistributivo e contribuem para elevar a renda das famílias mais
pobres, sobretudo àqueles vinculados ao RGPS e à política
assistencial.

Os gastos previdenciários, na prática, têm efeitos deletérios


no orçamento público. No mundo real o regime de previdência do
funcionalismo público é o mais progressivo. Para a doutrina
previdenciária e os professores isso não ocorre. Também em
questões de concurso quase nunca se falará que os gastos
previdenciários têm efeitos deletérios.

Constituem contribuições sociais: as das empresas, incidentes


sobre a remuneração paga ou creditada aos segurados a seu
serviço, a dos empregadores domésticos; as dos trabalhadores,
incidentes sobre o seu salário de contribuição; as das empresas,
incidentes sobre o faturamento e lucro; as incidentes sobre a
receita de concurso d eprognósticos.

O Perfil Profissiográfico Previdenciário (PPP) é um formulário


com campos a serem preenchidos com todas as informações
relativas ao empregado: registro de dados administrativos,
atividades desenvolvidas, registros ambientais com base no laudo
técnico das condições ambientais do trabalho e resultados de
monitorizarão biológica.

O total de dias durante os quais o trabalhador fica


incapacitado em conseqüência de acidente é chamado de dias
perdidos.

Para receber auxílio doença, o empregado precisa estar


afastado do trabalha à pelo menos 15 dias (corridos ou
intercalados, dentro do prazo de 60 dias), possuir carência de 12
contribuições mensais e comprovar doença que torne o cidadão
temporariamente incapaz de trabalhar.

O FAP Fator Acidentário de Prevenção varia de 0,5 a 2,0, a ser


aplicado sobre as alíquotas de 1%,2% ou 3% da tarifação coletiva de
subclasse econômica. O FAP incide sobre a folha de salário das
empresas para custear aposentadorias especiais e benefícios
decorrentes de acidente de trabalho. Pelo FAP, as empresas que
registram maior número de acidentes ou doenças ocupacionais
pagam mais.

Na aposentadoria por idade o salário de contribuição consistia


na media aritmética simples dos maiores salários de contribuição
correspondentes a oitenta por cento de todo período contributivo,
multiplicado pelo fator previdenciário. Hoje, a história é outra

O prazo de carência mínimo, para o plano de benefício das


entidades de previdência complementar é de sessenta
contribuições mensais, conforme a lei complementar n°. 108 de
2001.

A Constituição Federal exige lei complementar para regular o


regime de previdência privada. Mantém a qualidade de segurado
por 3 meses o militar que deixar a instituição

Na pensão por morte, a lei aplicada é a que estava vigente à


data de óbito do segurado.

STJ Súmula 340: “A lei aplicável à concessão da pensão


previdenciária por morte é aquela vigente na data do óbito do
segurado”.

Antes da reforma, o auxílio doença e a aposentadoria por


invalidez requeriam 12 contribuições mensais.

Se a moléstia a que ficasse acometido o segurado não fosse


relacionada ao trabalho, o auxílio doença ficaria condicionado ao
requisito de 12 contribuições mensais. A moléstia precisa ser
relacionada ao trabalho (moléstia profissional) para que o auxílio
doença independa de carência.

O seguro desemprego só pode ser acumulado com auxilio


acidente ou com pensão por morte.

A aposentadoria não pode ser acumulada com abono de


permanência em serviço e auxilio doença. O auxílio doença não
pode ser acumulado com aposentadoria e salário maternidade.

É vedado o recebimento do seguro desemprego com qualquer


benefício de prestação continuada da previdência social, exceto
pensão por morte, auxílio acidente, auxílio reclusão, auxílio
suplementar e abono de permanência em serviço. O auxilio
suplementar e o abono de permanência em serviço estão extintos,
mas há concessão por direito adquirido. Ambos são acumulados
com o seguro desemprego.

Antes da reforma o auxílio reclusão era o benefício dos


dependentes dos segurados da previdência social que se
encontravam sobre o regime fechado ou semi - aberto. Não era
devido nos casos de liberdade condicional ou cumprimento da pena
em regime aberto. O auxílio reclusão é devido ainda que não
prolatada a sentença condenatória. Resumidamente, antes da PEC
6/2019, o auxilio reclusão era só para o preso em regime fechado
ou semi-aberto, ainda que não prolatada a sentença condenatória.

Os segurados e dependentes farão jus ao abono anual se


receberem o auxílio-doença, auxilio- acidente ou aposentadoria,
pensão por morte ou auxílio reclusão, e será calculado da mesma
forma que se calcula a gratificação natalina, tendo por base o valor
da renda mensal do benefício do mês de dezembro de cada ano

Para fazer jus a aposentadoria especial o indivíduo tem que


trabalhar de forma constante, não pode ser eventualmente. A
aposentadoria especial é devida ao segurado sujeito a condições
especiais que prejudiquem a saúde ou a integridade física durante
15, 20 ou 25 anos, conforme dispuser a lei. A aposentadoria
especial consistia numa renda correspondente a 100% do salário de
benefício. O trabalho em condições especiais deve ser permanente
e não eventual. Será analisada a continuidade do trabalho, que não
deve ser ocasional nem intermitente.
O salário família devido ao trabalhador avulso poderá ser
recebido pelo sindicato de classe respectivo. O sindicato será
responsável por elaborar as folhas do salário família e distribuí-lo.

O adicional de periculosidade ou insalubridade não é


suficiente para ensejar aposentadoria especial.

Trabalhador avulso é quem presta, a diversas empresas, sem


vínculo empregatício, serviço de natureza urbana ou rural definidos
no Regulamento.

Não descaracetriza a condição de segurado especial a


participação em plano de previdência complementar instituído em
entidade classista a que seja associado.

Mantém a qualidade de segurado, independentemente de


contribuições, até 3 meses, o segurado incorporado às forças
armadas

Segundo a lei n° 7.998 para ter direito à percepção do seguro


desemprego é necessária a comprovação de não possuir renda
própria.

O seguro desemprego será cancelado se o desempregaod se


recusar a assumir outro emprego condizente com sua qualificação
registrada ou cancelada e com sua remuneração anterior.

A União poderá condicionar o recebimento do Seguro


Desemprego à comprovação da matrícula e da freqüência do
trabalhador segurado em curso de formação inicial, com carga
horária mínima de 160 horas. (lei 7998 art.3°).
A perda de uma das mãos não é suficiente para que o
segurado faça jus a majoração de 25% previsto no art. 4º do
decreto 3048. A perda de uma das mãos não é suficiente para
capacitar uma pessoa.

Cegeuria total

Perda de nove dedois das mãos ou superior a esta

Paralisia dos dois membros superiores ou inferioresPerda dos


membros inferiores, acima dos pés, quando a prótese for
impossível.

O salário maternidade para a segurada empregada,


trabalhadora avulsa e empregada doméstica independe de
carência. O salário maternidade para a segurada contribuinte
individual e especial é de 10 contribuições mensais.

A lei geral de previdência permite que a empresa requeira a


aposentadoria do empregado. A aposentadoria compulsória,
quando a empresa, e não o empregado, entra com o requerimento
é para empregado com mais de 70 anos e requer carência.

A perda da qualidade de dependente ocorre para a


companheira ou companheiro, pela cessação da união estável com
o segurado ou segurada, enquanto não lhe for garantida a
prestação de alimentos. A credora de alimentos conserva a
qualidade de segurada.

Mantém a qualidade de segurado independente de


contribuição pór 12 meses, o segurado que tiver menos de 120
contribuições e não comprovar desemprego. Por 24 mses segurado
que tiver menos de 120 contribuições e comprovar desemprego,
por 24 meses o segurado que tiver mais de 120 contribuições e não
comprovar desemprego. E por 35 meses o segurado que tiver mais
de 120 contribuições e comprovar desemprego.

O custeio dos planos de benefícios de que dispõe a lei


complementar 108 de 1991 será de responsabilidade do
patrocinador e dos participantes, inclusive assistidos.

As contribuições recolhidas em atraso não serão contadas


para fins de carência, somente para tempo de contribuição. Não PE
permitido ao beneficiário a antecipação do pagamento de
contribuições para efeito de benefícios.

Tempo de carência é diferente de tempo de contribuição. Se


eu me filiar à previdência social hoje e pagar 20 anos de
contribuição, eu terei 20 anos de contribuição e 0 de carência. A
carência é contada mês a mês já o tempo de contribuição admite o
recolhimento em atraso. A carência tem car´[ater tempestivo (pago
mês a mês). O tempo de contribuições tem recolhimento pretérito.

A contagem recíproca do tempo de contribuição na atividade


privada e do tempo de serviço na administração pública é contada
para efeito de aposentadoria e não para efeito de concessão dos
benefícios do RGPS.

Com a medida provisória n° . 871 de 2019 o auxilio reclusão


passou a ter 24 contribuições mensais. Segunda a lei 8213/91, a
pensão por morte, o auxilio reclusão, o salário família e o auxilio
acidente independem de carência.
A pensão por morte terá duração de 4 meses se o óbito
ocorrer sem que o segurado tenha realizado 18 contribuições
mensais ou se o casamento ou união estável se iniciou em menos
de 2 anos antes do falecimento do segurado.

Se o óbito ocorrer depois de vertidas 18 contribuições


mensais pelo segurado e pelo menos depois de 2 anos após o inicio
do camamento ou da união estável:

Se o dependente tinha mais de 44 anos ------- vitalício

Entre 41 e 43 anos ------------------------------------- 20 anos

Entre 30 e 40 anos -------------------------------------15 anos

Entre 27 e 29 anos--------------------------------------10 anos

Entre 21 e 26 anos---------------------------------------6 anos

Menos de 21 anos----------------------------------------3 anos.

Verificada a recuperação da capacidade de trabalho do


aposentado por invalidez, será mantido o salário no valor integral,
durante 6 meses contados da data em que for verificada a
recuperação da capacidade. No período seguinte aos seis meses
será com redução de 50 %.

Em relação ao nexo técnico epidemiológico (NTEP) , a


empresa poderá solicitar ao INSS a não aplicação do NTEP ao caso,
desde que demonstre a inexistência do correspondente nexo causal
entre o trabalho e o agravo.

A ocorrência de nexo técnico pidemilógico entre o trabalho e


o agravo é importante para que a perícia medica do INSS
caracterize a natureza acidentária da incapacidade. O nexo técnico
epidemiológico relacionará a atividade da empresa e a entidade
mórbida motivadora da incapacidade elencada na Classificação
Internacional de Doenças (CID).

A pensão por morte será rateada entre todos, em partes


iguais, havendo mais de um pensionista.

O acidente do trabalho deve ser comunicado à previdência


social até o primeiro dia útil seguinte após a ocorrência, em
formulário denominado CAT (Comunicação de Acidente de
Trabalho). Já em caso de morte o comunicado deve ser imediato. O
acidente do trajeto não emite CAT.

O método para calcular o Fator Acidentário de Prevenção


(FAP) foi alterado; Para calcular o FAP são usadas somente as
rescisões sem justa causa. O FAP é aplicado desde 2010 e considera
a freqüência, gravidade e o custo previdenciário dos acidentes e
doenças do trabalho sofridos pelos trabalhadores, e é um sistema
de bonificação ou sobretaxação do Seguro contra Acidentes do
Trabalho (SAT).

A NTEP é feita a partir do cruzamento das informações do


código de classificação internacional de doenças (CID-10) e da
classificação nacional de atividade econômica – CNAE, apontando a
existência de relação entre a lesão ou agravo e a atividade
desenvolvida pelo trabalhador. NTEP significa nexo técnico
epidemiológico previdenciário.
O FAP varia anualmente, sendo calculado sobre todo o
histórico de acidentalidade e de registros acidentários , sempre
sobre os 2 últimos anos.

Se o segurado empregado, por motivo de doença, afastar-se


do trabalho durante 15 dias, retornando à atividade no 16º dia, e
se dela voltar a se afastar dentro de 60 dias desse retorno, em
decorrência da mesma doença, receberá o auxilio doença a partir
do novo afastamento. Após 60 dias passa a contar como s efosse
outra lesão.

Para preenchimento do PPP de um trabalhador recém-


contratado, o empregador não pode exigir desse trabalhador o PPP
de seu emprego anterior, por falta de previsão legal. O PPP
possibilita acesso a bases de informações confiáveis para fins
estatísticos, de desenvolvimento de vigilância sanitária e
epidemiológica e de políticas em saúde coletiva. A empresa deve
elaborar o PPP dos empregados, trabalhadores avulsos e
cooperados que laborem expostos a agentes nocivos.

Mantém-se na condição de segurado até 12 meses após a


cessação das contribuições, o segurado que deixar de exercer
atividade remunerada da Previdência Social ou estiver suspenso ou
licenciado sem remuneração. Mantém a condição de segurado, até
6 meses após a cessação das contribuições, o segurado facultativo.

São beneficiários das prestações previdenciárias os segurados


e seus dependentes.

A existência de dependentes de uma classe exclui do benefício


os das classes seguintes.
A contribuição da empresa para o financiamento da
aposentadoria especial tem alíquotas variáveis de doze, nove ou
seis pontos percentuais. Esses 6%, 9% ou 12% são a titulo de
adicional de SAT, sobre a remuneração paga as segurados
empregados e trabalhadores avulsos a seu serviço, que trabalhem
expostos a agentes nocivos que lhes permita receber aposentadoria
especial.

O salário-maternidade e o salário família são pagos pelas


empresas, que poderá compensá-los com as contribuições
incidentes sobre a folha de salários. No entanto, o salário
maternidade devido à empregada MEI será pago diretamente pela
previdência social. Na hipótese de adoção ou guarda judicial para
fins de adoção, o salário maternidade será pago diretamente pela
previdência social, mesmo que a adotante seja segurada
empregada. Nos demais casos segue a regra geral: serão pagos
pelas empresas, que poderão compensá-los com as contribuições
incidentes sobre as folhas de salários.

O auxílio-acidente só é devido se houver concessão do auxilio-


doença previamente. O auxilio-acidente tem caráter indenizatório,
cessa com o advento de qualquer aposentadoria e corresponde a
50% do salário de beneficio. Por fim, somente é devido após as
consolidações das lesões decorrentes do acidente. A posição
tradicional é que o auxilio- acidente só é devido se houver
concessão do auxílio-doença prévio, apesar de a lei não exigir a
concessão previa do auxílio-doença.

O MEI, optante do Simples Nacional, contribui com 5% do


limite mínimo do salário de contribuição, enquanto a contribuição
normal é de 20% do salário de contribuição. O MEI está excluído, ao
contribuir com 5%, da aposentadoria por tempo de contribuição.

Características do MEI : optante do Simples Nacional, tenha


auferido receita bruta de até R$ 60.000,00 no ano calendário e
possua até 1 empregado (1 salário mínimo ou o piso da categoria).
Se o MEI preencher esses requisitos contribuirá com 5% do salário-
mínimo para a previdência.

Um administrador, não-empregado de sociedade por cotas de


responsabilidade limitada é contribuinte individual da previdência
social, bem como o sócio gerente e o sócio cotista que recebam
remuneração decorrente de seu trabalho.

O acidente sofrido pelo segurado, ainda que fora do local e


horário de trabalho, no percurso da residência para o local de
trabalho ou dessa para aquela equipara-se a acidente de trabalho.

A renda mensal da aposentadoria especial não está sujeita ao


fator previdenciário.Na aposentadoria por tempo de contribuição a
aplicação do fator previdenciário é obrigatória. Já na aposentadoria
por idade a aplicação do fator previdenciário é facultativa;

Auxílio-doença – 91% do salário de beneficio

Aposentadoria por invalidez – 100% do salário de beneficio

Aposentadoria por idade: 70% do salário de beneficio + 1%


por grupo de 12 contribuiçoes mensais
No serviço Público, a licença para capacitação ocorre após 5
anos de efetivo exercício, e mesmo assim dependerá de interesse
da administração. Além disso, a licença de capacitação será de até
três meses. Uma vantagem da licença para capacitação é que ela é
remunerada.

Licença para Capacitação:

Com remuneração

Com interessa da Administração

Com o afastamento do exercício de cargo efetivo.

Se um servidor for cedido pela União para Estados, Municipios


ou DF, o ônus fica por conta destes. Se for no âmbito federal para
federal, o ônus fica por conta do ente que cedeu.

O cessionário é o órgão que recebe o servidor, o órgão de


destino, equanto o cedente é o órgão de origem. Se a cessão for
para outro ente da federação o cessionário arcará com a
remuneração. Se a cessão for da União para a União (mesmo ente
da federação), o ônus vai para o cedente.

No estágio probatório serão analisados a assiduidade,


disciplina, capacidade de iniciativa, produtividade e
responsabilidade.

Reforma da Previdência: a emenda constitucional nº 103 de


2019 instituiu a reforma da Previdência. O texto foi publicado no
dia 13 de novembro no Diário Oficial da União. O objetivo da
reforma foi reduzir o déficit nas contas públicas economizando 800
bilhões em 10 anos. Aposentadoria para os professores com a EC
103/2019: 57 anos para mulheres e 60 anos para homens.
Aposentadoria dos policiais 55 anos para ambos os sexos.

Na lei 8429 de 1992 a ação principal terá rito ordinário e será


proposta pelo Ministério Público. Recebida a manifestação, o juiz,
no prazo de 30 dias, rejeitará a ação, se estiver convencido da
inexistência de improbidade, da improcedência da ação ou da
inadequação da via eleita. Estando a inicial em devida forma, o juiz
ordenará a notificação do requerido para se manifestar, no prazo
de 15 dias. A legislação consignou a possibilidade de ajuizamento
de ação cautelar de seqüestro e a indisponibilidade dos bens. De
maneira geral, pode-se dizer que as ações destinadas a levar a
efeito as sanções de improbidade prescrevem em 5 anos. Somente
os atos de improbidade administrativa que causem prejuízo ao
erário admitem modalidade culposa.

As ações de improbidade prescrevem em 5 anos.

O ato de improbidade administrativa que causa prejuízo ao


erário é o único que permite a modalidade culposa.

As ações de ressarcimento , na LIA, são imrescritíveis, mas as


ações destinadas a levar a efeito as ações de improbidade são
prescritíveis.

Art. 23 As ações destinadas a levar a efeito as sanções de


improbidade poderão ser propostas até 05 anos após o término do
mandato.

Atos de improbidade que causem enriquecimento ilícito exige


dolo
Atos de improbidade que atentem contras os princípios da
Administração Pública : exige dolo

Atos que importem prejuízo ao erário: exige dolo OU CULPA

Portanto, dos 3 atos, o único que adimite culpa é o ato de


improbidade que acarrete prejuízo ao erário

As ações civis de ressarcimento ao erário são imprescritíveis, e


os atos de improbidade administrativa possuem natureza civil.

O periculum in mora, nas ações de improbidade, é presumido:


a decretação da indisponibilidade dos bens não exige prévia
demonstração de risco irreparável.

A ação civil de improbidade administrativa pode ser precedida


de pedido de seqüestro, que será processado nos termos do CPC.

É sempre importante lembrar que a ação de improbidade


administrativa tem natureza de ação civil, por isso o Códgo de
Processo Civil é aplicado subsidiariamente.

Segundo a lei 8429: a ação principal terá rito ordinário e será


proposta pelo Ministério Público ou pela pessoa jurídica
interessada. Além disso, advoga a lei de improbidade
administrativa, que é vedado o acordo, conciliação ou ajuste nas
ações de improbidade.

Além dos cinco anos prescricionais, contados após o findar do


exercício de mandato, cargo em comissão ou função de confiança,
deve-se observar o prazo prescricional previsto em lei especifica
para faltas puníveis com demissão a bem do serviço público.
Quando não é possível ajuizar improbidade administrativa, ao
findao o lapso prescricional de 5 anos, o estado pode entrar com
outro instrumento processual, como a ação civil de reparação de
danos, já que os atos que causem prejuízo ao erário são
imprescritíveis.

Como condição para a posse e o exercício, a LIA exige a


apresentação da declaração de bens e valores do agente publico, a
fim de ser arquivada no serviço de pesoal competente.

Em qualquer fase do processo, reconhecida a inadequação da


ação de improvidade, o juiz extinguirá o proceso sem julgamento
de mérito. Da decisão que receber a petição inicial, na LIA, cabe
agravo de instrumento. Da que indeferir a petição inicial cabe
apelação. Recebida a petição inicial, será o réu citado para
apresentar contestação.

O prazo prescricinal da ação de improbidade será o mesmo


prazo previsto na lei específica por faltas disciplinares graves a bem
do serviço publico, nos casos de exercício de cargo efetivo ou
emprego.

Compete ao Supremo Tribunal Federal julgar ação de


improbidade contra seus membros.

Quando um terceiro não servidor praticva atos de


improbidade administrativa, se lhes aplicam os mesmos prazos
incidentes aos demais ocupantes de cargos públicos.

Súmula 634: ao particular aplica-se o mesmo regime


prescricional previsto na Lei de improbidade administrativa para os
agentes públicos (prazo prescricional de cinco anos...ver art. 23 da
LIA).

Os atos de improbidade que causem dano ao erário não estão


condicionados /á comprovação de que o reu esteja dilapidando o
seu patrimônio.

Improbidade administrativa não é crime, não tem natureza


penal. Essa questão, no passado, foi objeto de discussão. A LIA é
considerada uma lei de natureza cível em sentido amplo. Isso não
quer dizer que uma conduita presente na 8429 não possa ser
enquadravel no Codigo Penal ou noutra norma penal.

A ação Popular, regida pela lei 4717 de 1965, assim como a


8429/92, também visa a reparação do dano causado.

Na LIA basta que se prove o fomus boni iuris, senod o


periculum in mora presumido.

Os atos que implicam prejuízo ao erário e enriquecimento


ilícito não admitem a tentativa. Porém, os atos que atentam contra
os princípios da administração publica damitem tentativa.

Um servidor público não poder exercer gerência ou


administração de sociedade privada, exceto como cotista, acionista
ou comanditário.

Ainda que o tribunal de contas condene um prefeito ao


ressarcimento ao erário, o poder judiciário poderá condena-lo(sem
Bis in idem), em ação civil publica por improbidade administrativa,
tambéma ao ressarcimento ao erário.
A ação de ressarcimento decorrente de ato de improbidade
administrativa praticado com dolo é imprescritível.

Dar às verbas ou rendas públicas aplicação diversa da


estabelecida em lei é crime, de acordo com o código penal (crime
contra a administração pública- art. 315 do código penal).

Lei 8137 de 1990 Crimes contra a Ordem Tributária:


patrocinar interesse privado contra a administração fazendária,
valendo-se da qualidade de funcionário. O crime de advocacia
administrativa parece com o crime de advocacia administrativa
tributária.

Nunca é demais salientar que a ação principal será proposta


pelo Ministério Público ou pela pessoa jurídica interessada, e não
por qualquer pessoa. Porém qualquer pessoa poderá representar a
uma autoridade competente apara que se inicia umaação de
improbidade.

Deve-se observar que na LIA, o prazo de prescrição começa só


com o término do mandato, cargo em comissão ou função de
confiança.

Definições da lei 8666:

Empreitada por preço global: quando se contrata a execução


da obra ou serviço por preço certo e total.

Empreitada por preço Unitário – quando se contrata a


execução da obra ou serviço por preço certo de unidade
determinada.
Enquanto a empreitada por preço global é por preço certo e
total a empreitada por preço Unitário é por preço certo de unidade
determinada.

Execução Direta é a que é feita pelos órgãos e entidades da


administração, pelos próprios meios. Já a execução indireta é
aquela em que o órgão ou entidade contrata com terceiros,
podendo ser por preço global ou por preço unitário.

Empreitada integraL: quando se contrata um


empreendimento em sua integralidade, sob inteira
responsabilidade da contratada, atendendo os requisitos técnicos e
legais. A EMPREITADA INTEGRAL SOMENTE ADMITE A
MODALIDADE CONCORRÊNCIA.

Tarefa: quando se ajusta mão-de -obra para pequenos


trabalhos por preço certo. A tarefa pode ser com ou sem
fornecimento de materiais.

Na empreitada integral contrata-se o empreendimento em


sua integralidade, compreendendo todas as etapas das obras,
serviços e instalações necessárias.

A empreitada integral é de inteira responsabilidade da


contratada, até sua entrega ao contratante em condições de
entrada em operação.

Serviços de energia elétrica, transporte coletivo e telefone são


mantidos através de taxa ou tarifa, cobradas do próprio
beneficiário. São serviços uti singuli: a cobrança será sobre usuário
determinado.
Serviços uti universi ou gerais são aqueles remetidos à toda
coletividade , como o serviço de iluminação pública, o serviço de
polícia e outros, sendo subsidiados através de impostos.

De acordo com a súmula vinculante n°. 41 do STF, o serviço


de iluminação Pública não pode ser remunerado mediante taxa.
Como os serviços uti singuli são usufruídos mediante taxa ou tarifa ,
infere-se que o serviço de iluminação pública só pode ser uti
universi (geral).

A execução das obras e serviços deve programar-se, sempre,


em sua totalidade, previstos seus custos atual e final e
considerados o prazo de sua execução;

Seguro-Garantia é o seguro que garante o fiel cumprimento


de obrigações assumidas por empresas em licitações o contratos.

Alienação, segundo o art. 6º. Da lei 8666/93 é toda


transferência de domínio de bens a terceiros.

Segundo o art. 22 da lei 8666 de 1993 são modalidades de


licitação concorrncia, tomada de preços, convite, concurso e leilão.

O ato de imposição de penalidade mencionará sempre o


fundamento legal e a causa da sanção disciplinar. Ao servidor é
proibido ausentar-se do serviço durante o expediente, sem prévia
autorização do chefe imediato.

Ao servidor é proibido manter sob sua chefia imediata, em


cargo ou função de confiança, cônjuge, companheiro ou parente
até o segundo grau civil
O Art. 105 da lei 4320 estabelece que o balanço patrimonial
demonstrará: O Ativo Financeiro e o Ativo Permanente, de um lado,
e o Passivo Financeiro e o Passivo Permanente de outro lado. O
Saldo Patrimonial e as Contas de Compensação. Desse modo
percebe-se que o balanço patrimonial público é muito diferente do
da Lei das S.A. É no Balanço Patrimonial que está contido o
superávit financeiro do exercício.

O Superávit financeiro do exercício não é calculado no


balanço financeiro, mas no balanço patrimonial. No Balanço
Financeiro apura-se o Resultado Financeiro do Exercício.

O superávit do orçamento corrente é receita de capital extra-


orçamentária, e não receita orçamentária, como tender-se-ia a
pensar.
Existe a previsão legal para elaboração e publicação dos
demonstrativos contábeis pelo menos uma vez por ano, ao final de
cada exercício.
Existem 3 modalidades de empenho: ordinário, por estimativa
e global. O empenho ordinário é o mais utilizado. O empenho
global é um misto do ordinário e por estimativa. Não existe
modalidade de empenho extraordinário, mas sim global, estimado
e ordinário.
É vedada a realização de despesa sem prévio empenho. O
prévio empenho é a autorização do ordenador de despesa.
O empenho da despesa não poderá exceder o limite de
crédito previsto na LOA. Se exceder o limite de crédito, o SIAFI não
emitirá a nota de empenho. A nota de empenho é como se fosse
uma materialização do empenho. A lei 4.320 de 64 determina que
para cada empenho haverá uma nota de empenho. A nota de
empenho se encontra no SIAFI (Sistema integrado de
Administração Financeira do Governo Federal).
Empenho estimativo: valor não previamente conhecido e com
base periódica.
Programação Financeira e o cronograma de execução mensal
de desembolso é outro instrumento importante do orçamento
público. A programação financeira e o cronograma de execução
mensal de desembolso serão nos termos em que dispuser a LDO, e
dar-se-ão até 30 dias após a publicação da LOA. Mais uma vez
vemos a importância e a atenção dada pela LRF à LDO, ao afirmar
que a programação financeira dar-se-á nos termos da LDO. É
importante frisar o lastro temporal: até 30 dias após a publicação
da LOA. A LOA é publicada e, tendo como primado o princípio da
transparência, 30 dias após, ocorrerá a programação financeira e o
cronograma de execução mensal de desembolso. Existem 4
estágios da despesa: fixação, empenho, liquidação e pagamento.
Existe, no entanto, um estágio supra legal: o da programação. A
programação, ao contrário da fixação, empenho, liquidação e
pagamento, não está prevista na lei 4.320 de 1964, nem no decreto
93.872 de 1986. O estágio da programação refere-se ao
procedimento de programação financeira: descentralização de
créditos e transferências financeiras. A programação aqui exposta
está prevista na LRF: até 30 adias após a publicação dos
orçamentos, o Poder Executivo estabelecerá a programação
financeira, nos termos da LDO. A programação financeira ocorrerá
jungido ao cronograma mensal de desembolso.
A classificação institucional da despesa refere-se a que órgão
ou unidade orçamentária a despesa está adstrita. A classificação
institucional da despesa está estruturada em 2 níveis hierárquicos
(órgão ou unidade orçamentária), e reflete a estrutura
organizacional e administrativa. Um fundo especial, na classificação
institucional da despesa, é uma unidade orçamentária. Na
classificação institucional o órgão ou unidade orçamentária pode
não corresponder a uma estrutura administrativa.
A classificação por natureza da despesa envolve 8 dígitos:
categoria econômica, grupo de natureza da despesa, modalidade
de aplicação e elemento da despesa. Categoria econônima –
primeiro dígito, grupo de natureza da despesa – segundo digito,
modalidade de aplicação (3º. E 4º. Digito) e elemento da despesa
(5º. E 6º. Digito).
A classificação programática é a que permite enquadrar a
despesa em programa, ação ou subtítulo. Essa classificação é
composta de 12 dígitos: 1º. Ao 4º. programa, do 5º. o 8º: ação e
9º.o 12º. Subtítulo. A classificação programática, por conter 12
dígitos, não é muito clara. No entanto, a sua divisão em programa,
ação ou subtítulo é de grande mota.

As despesas correntes são: despesas de custeio e


transferências correntes. As despesas de custeio e as
transferências correntes estão, de acordo com a lei 4320, no seu
art. 12, classificadas como despesas correntes. Já as despesas de
capital, segundo o mesmo artigo, são: investimentos, inversões
financeiras e transferências de capital. Existem 2 grupos ou tipos de
despesa: orçamentária e extra-orçamentária. A partir dos dois
grupos ou tipos a despesa pode ser dividida em categorias
econômicas, podendo ser corrente ou de capital. As despesas
correntes (despesas de custeio e transferências correntes) não
contribuem para formação ou aquisição de um bem de capital. As
despesas de capital (investimentos, inversões financeiras e
transferências de capital) contribuem para a formação ou aquisição
de um bem de capital. Despesa extra-orçamentária é a que não
consta na LOA: depósitos, cauções e outras.Os depósitos, cauções,
pagamentos de restos a pagar, pagamento de operações de crédito
por antecipação de receita são contrapartidas das receitas
orçamentárias. É a obrigação de devolver o dinheiro arrecadado
transitoriamente.
Classificação funcional da despesa: segundo a estrutura de
funções e subfunções. A classificação funcional indica em que área
de atuação do governo a despesa estará: se na área de saúde,
educação, transporte, dentre outras. A classificação funcional da
despesa é de fundamental importância ao princípio da
transparência pública. O código da classificação funcional compõe-
se de cinco dígitos, sendo os dois primeiros reservados à função e
os três últimos reservados à subfunção.
NBC TA 500 – evidência de auditoria: procedimentos de
avaliação de Riscos e procedimentos adicionais de auditoria: testes
de controle e procedimentos substantivos (testes de detalhes e
procedimentos analíticos substantivos).
Os procedimentos de avaliação de riscos e os procedimentos
adicionais de auditoria, neste incluídos os testes de controle e os
procedimentos substantivos, auxiliam o auditor a encontrar
evidências de auditoria. Nos procedimentos substantivos estão os
testes de detalhes e os procedimentos analíticos substantivos. Os
testes de controle são feitos quando exigidos pelas normas de
auditoria ou quando o auditor assim o escolheu. Verifica-se assim a
importância dos testes de controle e dos procedimentos
substantivos nas evidências de auditoria, que servem para
fundamentar a opinião do auditor.
O decreto no. 93.872 de 1986, apesar de antigo, é muito
importante para a contabilidade pública. A lei 4.320 é mais antiga
que o decreto 93.872, porém é ainda mais importante que o
decreto, funcionando como uma lei das S.A. da contabilidade
pública. É importante sabermos, dentre outras coisas, que o
decreto conceitua dívida flutuante de uma maneira mais detalhada
que a lei 4.320 de 1964. Para o decreto, a divida flutuante
compreende os restos a pagar, excluídos os serviços da dívida, os
serviços da dívida a pagar, os depósitos, inclusive consignações em
folha, as operações de crédito por antecipação de receita
orçamentária e o papel-moeda ou moeda fiduciária. A dívida
flutuante compreende os compromissos exigíveis cujo pagamento
independe de autorização orçamentária. Sempre lembrar que as
operações de crédito por antecipação de receita constam da dívida
flutuante, conjuntamente com os restos a pagar(excluídos os
serviços da dívida). Ainda segundo o mesmo decreto, a dívida
pública abrange a dívida flutuante e a dívida fundada ou
consolidada.
Dívida Pública Consolidada ou fundada, de acordo com a LRF,
é o montante total, apurado sem duplicidades, das obrigações
financeiras do ente da federação, assumidas em virtude da
realização de operações de crédito, para amortização em prazo
superior a 12 meses, e decorrentes de leis, contratos, convênios ou
tratados. A Dívida Pública Consolidada, portanto, deve ser apurada
sem duplicidades e constar em instrumentos normativos (leis,
contratos, convênios ou tratados). Apesar do art. 29 inciso I dizer
que a dívida cosolidada somente abrange a realização de operações
de crédito para prazo superior a 12 meses, a mesma LRF diz que se
a operação de crédito de prazo inferior a 12 meses constar no
orçamento ela será igualmente dívida pública.
As operações de crédito por antecipação de receita são
classificadas no passivo financeiro. Disso posto, as operações de
crédito podem ser classificadas no passivo permanente ou passivo
financeiro, pois as operações de crédito (empréstimos) são
classificadas no longo prazo (passivo permanente) e as operações
de crédito por antecipação de receita(ARO) são classificadas no
passivo financeiro. As operações de crédito podem ser, portanto,
de curto ou longo prazo.
No pagamento das AROs, não há necessidade de autorização
legislativa. As AROs, como visto, integram o passivo financeiro, e
dependem de autorização legislativa para a realização, porém, no
seu resgate, não há necessidade de autorização legislativa.
O ativo Real é o somatório do ativo financeiro e do ativo não-
financeiro, excluindo apenas o ativo compensado. O ativo Real
Líquido é a diferença entre o ativo real e o passivo real.
O ativo financeiro menos o passivo financeiro é o superávit ou
déficit financeiro. No balanço patrimonial é que se apura o
superávit e déficit financeiro, já na DVP se calcula o resultado
patrimonial do exercício (perceba a confusão que pode ser feita).
O ativo permanente representa conjunto dos investimentos,
imobilizado e diferido.
De acordo com o art. 105 da lei 4.320 de 1964, o balanço
patrimonial demonstrará o ativo financeiro e o ativo permanente, o
passivo financeiro e o passivo permanente, o saldo patrimonial e as
contas de compensação. É importante observar que outros
instrumentos normativos podem estabelecer um balanço
patrimonial diferente do da norma geral de finanças públicas.
O balanço financeiro é um fluxo de caixa, por isso demonstra
as entradas e saídas de numerário, as operações de tesouraria e de
dívida pública. Operações de tesouraria é o mesmo que entrada e
saída de caixa. Operações de dívida pública representam as receitas
e despesas de operações de crédito.
As operações de crédito são classificadas como compromisso
financeiros assumidos em razão de abertura de crédito, aquisição
financiada de bens, arrendamento mercantil, mútuo, emissão e
aceite de título, recebimento antecipado de valores provenientes
de venda a termo de bens e serviços, e outras operações
assemelhadas, inclusive com o uso de derivativos financeiros.
Uma receita prevista na LOA não pode ser considerada extra-
orçamentária. Receitas extra-orçamentárias são aquelas entradas
de caixa ou créditos de terceiros que o estado tem a obrigação de
devolução ou recolhimento.
As receitas de operações de crédito arrecadadas, mesmo que
não previstas no orçamento, são extra-orçamentárias. O fato de
não estar prevista na LOA não significa que ela não possa ser
orçamentária.
No direito tributário a capacidade tributária passiva
independe da cappacidade civil. Os requisitos do código civil
(agente capaz, objeto lícito,m possível, determinado ou
determinável, forma prescrita ou não defesa em lei), são
irrelevantes bastando que se ocorra no mundo dos fatos o fato
gerador.
O emprego da analogia só poderá resultar na exigência de
tributo previsto em lei: Art 108 do CTN: o emprego da analogia não
poderá resultar na exigência de tributo não previsto em lei.
A nbc t 16.6 (r1) trata das demonstrações contábeis. Segundo
essa NBC T , as demonstrações contábeis do fluxo9 de caixa e da
demonstração das mutações do patrimônio líquido são
obrigatórias., bem como as mutações do patrimônio liquido. Já
segundo a lei 4320 são obrigatórios os Balanço Orçamentário,
BaLANÇO Financeiro, Balanço Patrimonial e as Demonstrações das
Variações Patrimoniais. Além dessas, a NBCT 16.6 engloba as
demonstrações das mutações do patrimônio líquido e a
demnstração dos fluxos de caixa. A demonstração do valor
adicionado não consta nem na NBC T nem na lei 4320, sendo
exclusiva da contabilidade empresarial.
A NBC T 04 TRATA DOS ESTOQUES. Segundo a NBC T 04 os
estoques no setro público podem incluir munição, mateiral de
consumo, material de manutenção e expediente, pepças de
reposição para istalações industriais e equipamentos, estoques
estratégicos, estoques de moeda não emitidas, materiais de
serviços postal mantidos para venda, materiais educacionais para
terinamento, serviços para clientes e terrenos e propriedades para
venda.
O superávit financeiro consta do balanço patrimonial e não do
balanço financeiro. O superávit financeiro apurado em balanço
patrimonial do exercício anterior constitui recursos para abertura
de créditos suplementares e especiais.
Conjungando as disposições legais e aquelas contidas na NBC
TSP 11 o conjunto das demonstrações contábeis aplicada ao setor
público abrange: a. Balanço Patrimonial, b. Demonstração das
Variações Patrimonasi, d. Demonstração dos Fluxos de Caixa, e.
Balanço Orçamentário, f. Balanço Financeiro, g. Notas explicativas,
h. Informação Comparativa com o período anterior. ESSAS
DEMONSTRAÇÕES SÃO OBRIGATÓRIAS.
O Sistema de informações de custo do setro público é
obrigatório em todas as entidades do setor público. (sicsp)
O ATIVO OBTIDO POR MEIO DE UMA TRANSAÇÃO SEM
CONTRAPRESTAÇÃO DEVERÁ INICIALMENTE SER MENSURADO pelo
seu valor justo na data da aquisição. Os terrenos recebuidos por
um particular sem pagamento ou com pagamento simbólico
devem ser mensurados pelo valor justo na data da aquisição.
Se surgir incerteza quanto a realização do valor de uma VPA, o
valor deve ser reconhecido como variação patrimonial diminutiva,
ao invés de um ajuste na VPA originalmente reconhecida.
A consolidação nacional das contas públicas é de
compet~encia da STN e abrange todos os poderes e esferas
administrativas, inclusive as estatads dependentes.
A natureza das informações no PCASP é classificada em
patrimonial, orçamentária e de controle, de modo que os registros
orçamentários não influenciem ou alterem os registros
opatrimoniais.
O pcASP permite a adequada prestação de contas nos padrões
adotados por organismos internacionais , como o GFSM e o FMI.
A obrigação de transferir valores referentes a recursos
legalmente destinados a outros entes depende de arrecadação.
Um fato permutativo ocorre com a extinção de um passivo e o
desaparecimento de um ativo de igual valor ou de vvalor maior.
Nesse caso não ocorre nem VPA nem VPD.
Numa realização operação de crédito, o ente federativo deve
demonstrar ao MF o cumprimento da regra de ouro. Ressalva a
regra de ouro: autorizaçõs de créditos suplemementares e
especiais com finalidade precisa, aprovada pelo poder legislativo
por maioria absoluta.
No crédito empenhadoa a liquidar não ocorreu o fato erador.
No crédito em liquidação ocorreu o fato gerador.
As restituiçõs de tributos recebidos a maior ou indevidamente
são deduções da receita orçamentária. Não há necessidade de
autorização orçamentária para sua devolução.
Ativo real e pasivo real são as contas patrimoniasi excluídas as
contas de compensação. O saldo patrimonialo equivale ao
patrimônio liquido da contabilidade geral. O saldo patrimonial
corresponde à diferença entre o ativo real e o passivo real. O saldo
patrimonial consta no BP. As estradas e vias públicas são bens de
uso comum e não são objeto de registro no atual modelo contábil.
OS BENS DE USO COMUM QUE ABSORVEREM RECURSOS PÚBLICOS
NÃO COMPOEM O PATRIMONIO CONTABI DA ENTIDADE.
Os grupos fontes de recursos classificam a receita conforme a
destinação legal. Não pode a receita ter destinação diversa da
estabelecida no grupo fonte de recursos. É vedada a utilização de
recursos em finalidade distinta da especificada no código fonte de
recursos.
Na descentralização de créditos orçamentárias são mantidas
as classificações institucional, funcionalo, programática e
econômica e ocorre quando for efetuada movimentação de parte
do orçamento.
As caracterísitcas qualitativas se aplicam a todas as
informações financeiras e não financeira, inclusive às informações
históricas e prospectiuvas (NBC TSP estrutura conceitual)
A estrutura conceitual se aplica aos governos federal, estadual
e municipal, às autarquias, às fundações mantidas pelo poder
público, aos fundos e consórcios públicos.
Segundo a estrutura conceitual.l as decisões dos usuários
incluem as relatuivas a situação patrimonial, desempenho do ente
e fluxo de caixa.
Os empenhos globais são utilizados para despesas contratuais
e outras de valor determinado, sujeitas a parcelamento, como os
compromissos decorrentes de aluguéis.
Receitas Correntes. Receitas correntes de serviços: decorrem
da prestação de serviços por parte do ente público, como
compercio, transporte, coimuniucação, serviços hospitalares,
armazenagem. São remunerados por preço público ou tarifda.
Receita de serviço é uma receita corrente, portanto.
É um dos objetivos do PCASP a distinção entre os serviços
patrimoniais, orçamenbtários e de controle.
A previsão da despesa e a fixação da despesa são contas de
natureza devedora no PCASP.
Na aprovação do orçamento (previsão da receita e fixação da
despesa) ocorrem os seguintes lançamentos:
Previsão da Receita:
D – Previsão inicial da receita
C Receita a realizar
Fixação da Despesa:
D Dotação Orçamentária
C Crédito Disponível
Como na aprovação do orçamento eu debito previsão inicial
da receita e debito dotação orçamentária, para o PCASP, a previsão
da receita e a fixação da depsesa possuem natureza devedora.
As classes 1,2, 3 e 4 são patrimoniais. As classes 5 e 6 são
orçamentárias e as classes 7 e 8 são de controle.
A inscrição do crédito em dívida ativa configura fato contábil
permutativo.
Segundo a LRF a administração pública manterá sistema de
custos focado na gestão orçamentária, financeira e patrimonial.
O superávit financeiro apurado em balanço patrimonial do
exercício anterior só serve para abertura de créditos suplementares
e especiais. O superávit financeiro apurado em balanço patrimonial
do exercício anterior não serve para abertura de c´reditos
extraordinários.
A companharão o relatório resumido de execução
orçamentária os demonstrativos relativos a restos a pagar,
detalhando os valores inscritos, os pagamentos realizados e o
montante a pagar. Os demonstrativos relativos a resultados
nominal e primário, despesas com jurosreceitas e despesas
previdenciárias e apuração da receita corrente liquida. O
demonstrativo relativo aos restos a pagar é um dos mais
importantes na contabilidade pública devendo acompanhar o RREO
(imposição)
Segundo o MCASP, o reconhecimento antecipado de tributos
antes da ocorrência do fato gerador são reconhecidos como ativo,
pela entrada de caixe, e um passivo pelos recebimentos
antecipados. Somente quando o evento tributário ocorrer, a VPA
(variação patrimonial aumentaiva deve ser reconhecida)
Refistro da previsão da receita no momento de aprovação da
LOA:
D- Previsão Inicial da Receita
C- Receita a Realizar
A natureza da informação é orçamentária
A liquidação consiste na verificação do direito adquirido pelo
credor, objetivando apurar a origem e o objeto do que se deve
pagar. A liquidação mostra a importância exata a pagar e a quem se
deve pagar essa importância.
O empenho gloal é utilizado para despesas contratuais ou
outras despesas de valor determinado, sujeitas a parcelamento. O
empenho global é o único que pode parcelar, entregar em lotes.
Os restos a pagar são extra-orçamentários n pagamento.
Apesar de extraorçamentários quando no pagamento, são
orçamentários na inscrição Segundo a lei 4320, os restos a pagar do
exercíco serão computados na receita extra—orçamentária, para
compenmsar sua inclusão na despesa orçamentária. Restos a pagar
inscritos são ingressos extraorçamentários e dispêdios
orçamentários. Deve-se analisar dois momentos de suma
importância aos restos a pagar: inscrição de RP e pagamento de RP
Restos a pagar pagos são dispêndios extraorçamentários. Levar
isso: s restos a pagar são extraorçamentarios quando no
pagamento. Por isso, ao efetuar o pagamento9 de restos a pagar, o
ente público está convertendo uma receita extraorçamentária em
uma despesa extra-orçamentária.
Incicialmente a despesa é orçamentária (inscrição) e também
receita extra-orçamentária. Já quando paga é despesa extra-
orçamentária. É orçamentária na inscrição e extra-orçamentária no
pagamento.
As receitas correntes aumentam o patrimônio liquido. As receitas
correntes são a tributária, de contribuições, patrimonial e outras).
De forma lógica elas aumentam o patrimonio líquido do ente
público.
O principio da anualidade ou periodicidade diz que serão
contemplados no exercício financeiro de 2017 todos os eventos
contábeis ocorridos no período de 1 de janeiro a 31 de dezembro.
Nas operações de crédito constam as receitas de empréstimos
compulsórios. As receitas de empréstimos compulsórios são
receitas primárias, enquanto as demais operações de crédito são
financeiras
Segundo a lei 11.653, programas finalísticos são os que ofertam
bens e servuços diretamente à sociedade e geram resultados
passíveis de aferição por indicadores.
A classificação funcional indica em que área de ação serão gastos.
Identificar o objeto de cada uma das despesas é responsabilidade
do elemento de despesa. A classificação funcional é mais
abrangente que a classificação por elemento de despesa pois
identifica a área.
Plano de cotas estendido: o Plano de contas aplicado ao setro
público estendido é de adoição facultativa. Esse plano de contas se
aplica aos entes que precisam de uma referência para o
desenvolvimento de rotinas e sistemas.
Os estoques de matérias-primas, produtos m processo e acabados
fazem parte do ativo realizável.
Para que se pague uma despesa a título de despesas de exercícios
anteriores, o fato gerador da obrigação tem que ter ocorrido no
exercício anterior, a obrigação tem que ser no exercício em curso ,
e o empenho não dee ter ocorrido. Se o empenho da despesa e o
pagamento sejam no exercício em curso, bem como o fato gerador,
essa despesa não será paga a título de despesas de xercícios
anteriores. Despesas de exerc´cicios anteriores são despesas cujos
fatos geradores ocorreram em exercícios anteirores áquele em que
deva ocorrer o pagamento.
Bases de mensuração do passivo; o custo de cumprimento de
obrigaçãoé valor de saída, enquanto o preço presumido é de
entrada. O custo de cumprimento de obrigação é não observável,
enquanto o preço presumido é observável. O CUST DE
CUMPRIMENTO DE OBRIGAÇÃO E o preço presumido são
específicos para ea entidade.]
O custo histórico é valor de entrada, sendo geralmente observável.
O custo de reposição ou substituição é vcalor de entrada sendo
observável. Ambos, o custo histórico e o custo de reposição ou
subsutituição são específicos para a entidade.
A neutralidade da informação contábil significa ausência de viés. As
informações financeiras e não financeiras não devem ser feitas co a
intenção de se atingir um resultado particular.
O registro de ativos e passivos permanente é feito no
subsistema patrimonial. Além do registro de ativos e passivos
permantentes, o subsitema patrimonial registra fatos financeiros e
não financeiros.
Nçao existe mais sistema financeiro. Os quatro sistemas
existentes, hoje, são: patrimonial, orçament´pario, de custos e
controle.
O ativo real é a soma do ativo financeiro mais permanente. O
passivo Real é a soma do passivo financeiro mais permanente.
O resultado orçamentário apurado na demosntração das
variações patrimoniais é diferente do resultado orçamentário
apurado no baloanço orçamentário. O resultado do balanço
orçamentário é um e o das demonstrações das variações
patrimniais é outro. Portanto, a DVP também apura resultado
orçamentário,
Transferências de recursos financeiros para outro órgão são
incluídas no QUADRO PRINCIPAL do balanço orçamentário.
Previsão de receita no subsitema orçamentário:
Debita previsão inici e credita receita a realizar.
Portanto, no subsistema orçamentário, a prestação de
serviços envolve as contas de receita realizada e receita a realizar.
Previsão da receita no subsistema orçamentário.
D- Previsão Inicial
C- Receita a realizar

Se um órgão público execute atividade rotineira que provoque


repercurssão no seu patrimônio, a atividade deverá constar na
tabela de eventos do plano de contas único do governo federal.
As variações patrimoniais são orçamentárias e extra-
orçamentárias. As atualizações cambiais não estão previstas no
orçamento, pois atualizações do câmbio são fatos não controláveis,
provocando variações ativas ou passivas extraorçamentparias.
A diferença entre as variações patrimoniais qualitativas e
quantitativas é que as quantitativas alteram o PL.
Contabilização das receitas e depesas fiscais: regime híbrido:
O resultado primpario das receitas e despesas fiscais são
apurados pelo regime de caixa. Já o resultado nominal das despesas
e receitas fiscais é contabilizado de forma hibirda. Os juros são
contabilizados pelo regime de competência. As receitas e despeas
não financeiras são contabilizadas pelo regime de caixa.
Como os tributso são não contraprestacionais, eles são
cllassificados pelo vaor justo, na data de sua aquisição.
Operações de c´redito não geram desequilíbrio.Excesso de
arrecadação não geram desequilíbrio. A nulaçao de dotação ou
utilização de reserva de contingência não geram desequilíbrio. O
superávit financeiro gera desequilíbrio. A reabertura de créditos
adicionais especiais e extraordinários geram desequilíbrio.
No Balanço Financeiro: O saldo em espécie do exercício
anterior fica na coluna dos ingressos. O saldo em espécie do
exercício seguinte fica na coluna dos dispêndios.
Passivo contingente é uma obrigação possível decorrente de
eventos passados, onde não é possível fazer uma estimativa
confiável do valor da orbbirgação.
Segundo a nbc t 16.9 A DEPRECIAÇÃO, AMORTIZAÇÃO OU
EXAUSTÃO COMEÇA QUANDO O item estiver em condições de uso.
A depreciação e a amortização não cessam quando o ativo torna-se
obsoleto ou é retirado temporariamente da operação.
Na repartição tributaria o ente arrecadador deve realizar o
registro da receita pelos valores brutos e o respectvo valor a
transferir no passivo como provisão.
Suprimento de fundos consiste na entrega de numerário a
servidor previamente designado, e é uma excessão ao processo
licitatório.O suprimento de fundos atende despesas que não
possam aguardar o processo norma, como os atendimentos de
despesas de pequeno vulto nas escolas públicas.
O método das partdas dobradas ou método veneziano é
aplicado na contabilidade pública
O balanço Orçamentário demonstrará as receitas e despesas
previstas em confronto com as realizadas. Já o Balanço Financeiro
demonstrará a receita e despesa orçament´paria, bem como os
recebimentos e pagamentos de natureza extra-orçamentária.
O impairment ou redução ao valor recuperável se faz sempre
que necessário.
Os nívesi de desdobramento de contas estão classificados,
conforme o PCASP, da seguinte maneira: classe GTI(mnemônimo)
Classe, grupo , título e item. No 1º. Nível temos a classe, no
segundo nível temos o grupo, no terceiro nível temos o subgrupo,
no quarto nível temos o título, no quinto nível temos o subtítulo, no
sexto nível temos o item e no sétimo nível temos o subitem. Temos,
então classe, grupo, subgrupo, título, subtítulo, item e subitem. Nos
níveis de desdobramento de contas cada grupo, título e item
apresenta subgrupos. A classe tem 1 dígito, o grupo tem 1 dígito, o
subgrupo tem 1 dígito, o título tem 1 dígito, o item tem 2 dígitos e o
subitem tem 2 dígitos.
O SOC (superavit do orçamento corrente) é uma receita de
capital. Ele equilibra o déficit da receita de capital. Essainformação
é de grande valimento: o superávit do orçamento corrente é
utilizado para pagar despesas de capital, sendo, por isso, receita de
capital.
Os estágios da receita orçamentária são previsão,
lançamento, arrecadação e recolhimento.Porém, alguns autores
não reconhecem a previsão como um estágio da receita, somente
lançamento, arrecadação e recolhimento.
O empenho ordinário é aquele feito uma única vez,
diferentemente do empenho global, onde se cria o pagamento de
forma mensal(conta de água, luz, telefone).
No lançamento por homologação, o sujeito passivo calcula o
montante do tributo devido, antecipando o pagamento. O
lançamento por homologação decorre da obrigação do sujeito
passivo de prestar informações solicitada selo estado.
A obrigação contábil que surgiu com a edição da NBC T 16.6 E
QUE, EM SEGUIDA, DEIXOU DE SER OBRIGATÓRIA, FOI A
DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO ECONÔMICO.
O princípio contábil que estabelece condições e atributos ao
registro ds fenômenos patrimoniais é o da oportunidade.
A dívida fundada, segundo a lei 4320 compreende os
compromissos superiores a 12 meses, ao contrário da dívida
flutuante. Porém a dívida fundada também pode ser de curto
prazo, desde que prevista no PPA.
O custo-benefício, a materialidade e o equilíbrio entre
características qualitativas representam restrições acerca das
infromações incluídas nos RCPGs Relatórios contábeis de
propósitos gerais. As informações contábeis devem ser analisadas
de acordo com sua materialidade( ai informação é relevante),
custo-benefício ( a informação compensa?), bem como quanto ao
equilíbrio de suas informações qualitativas. O equilíbrio entre as
caracterísitcas qualitativas é chamado de trade-off ou
compensação. As características qualitativas das informações
contábeis são 6: relevância, representação fidedigna,
comparabilidade, verificabilidade, tempestividade e
compreensibilidade.
A base de mensuração custo histórico é um valor de entrada,
observável ao mercado e específica à entidade.
A base de mensuração valor em uso é um valor de saída não
observável no mercado, mas específica à entidade.
A base de mensuração preço líquido de venda é um valor de
saída, observável no mercado e específica à entidade.
As bases de mensuração dos ativos são 6: custo histórico,
valor de mercado quando o mercado é aberto, ativo e organizado,
valor de mercado em mercado inativo, custo de reposição ou
substituição, preço líquido de venda e valor em uso. Dos seis, o
preço líquido de venda, o valor em uso e o valor de mercado ( em
mercado inativo), são valores de saída. O custo histórico e o custo
de reposição ou substituição são valores de entrada.
As bases de mensuração do passivo são seis: custo histórico,
custo de cumprimento da obrigação, valor de mercado(quando o
mercado é aberto, ativo e organizado), valor de mercado (em
mercado inativo), custo de liberação e preço presumido. O custo de
liberação e o valor de mercado ( em mercado inativo) são bases de
mensuração de saída. O custo histórico, o custo de cumprimento de
obrigação e o preço presumido são de entrada.
Os ativos oriundos de transações tributárias devem ser
mensurados pela melhor estimativa de entrada de recursos para a
entidade, enquanto não efetivamente arrecadados. No entanto, os
ativos em geral devem ser mensurados pelo seu valor justo na data
da aquisição. Isso no tocante a ativos oriundos de transação sem
contraprestação, pois se o ativo for oriundo de transação
contraprestacional, eles devem ser mensurados pelo valor justo,
considerando descontos comerciais e bonificações concedidas pela
entidade. As permutas ou trocas de bens ou serviços em transações
com contraprestação, quando de valor similar, não geram VPA. Já
as permutas de bens em transação com contraprestação de valor
não similar geram VPA.
A NBC TSP 2 trata das receitas de transação com
contraprestação. Uma transação com contraprestação é aquela em
que a entidade recebe ativos e serviços ou tem passivos extintos
em troca de outros valores. Segundo a NBC TSP 2, os valores
recebidos em nome de terceiros não são considerados com VPA. Os
empréstimos e financeiamentos não são transações
contraprestacionais, pois são fatos permutativos. Para ser
transação com contraprestação tem que alterar a situação
patrimonial líquida.
A variação patrimonnial aumentativa decorrente da transaão
contraprestacional toma por base a proporção ds serviços pretados
(método da percentagem de execução).
A parcela não recebida ou cujo recebimetno tenha deixado de
ser provável é reconhecida como uma VPD, quando surgir incerteza
acerca do valor orçado em VPA
Para que ocorra VPA decorrente da venda de bvens, a
entidade tem que transferir ao comprador todos os riscos e
benefícios inerentes ao bem, bem como exige-se que o ente não
mantenha mais envolvimento continuado na gestão dos bens
vendidos.
O prazo para aplicação do suprimento de fundos é de até 90
dias.Já o prazo de prestação de contas do suprimento de findos é
de até 30 dias, contados a partir do término do prazo de alicação.
É vedada a bertura de conta bancária destinada a
movimentação do suprimento de fundos. Segundo o decretp
93.872, as despesas com suprimentos de fundos serão efetivados
por meio de cartão de pagamento do governo federal
Os passivos contigentyes não devem ser reconhecidos em
contas patrimoniais Deverão ser registrados e contas de controle e
notas explicativas.
Obrigação presente
Estimativa Confiável
Provável saída de recursos
Sem essas condições, nenhuma provisão deverá ser
reconhecia
Provável ----- contabiliza no BP e divulga em nota explicativa
A provável é a única que contabiliza no balanço patrimonial. A
possível e a remota não contabilizam. A possível divulga em notas
explicativa e a remota não divulga em notas explicativas.
O superávit financeiro e o cancelamento de despesas inscritas
em restos a pagar não devem ser reconhecidos como receita
orçamentária. O superávit financeiro e o cancelamento de restos a
pagar são tratados de forma diferente de outras receitas. O
superávit financeiro e o cancelamento de restos a pagar são
receitas extra-orçamentárias.
Na classificação por esfera, a pergunta a ser respondida é:
“em qual orçamento?”. O item da estrutura é a esfera
orçamentária. A classificação institucional responde à pergunta:
“quem faz?”. Quem faz representa o órgão ou unidade
orçamentária que realiza a programação qualitativa. Por sua vez, a
classificação funcional responde à pergunta: “em que área de
despesa a ação governamental será realizada?”. A estrutura
programática define o programa, e responde à pergunta: “o que
fazer?”. A classificação por esfera avalia a esfera orçamentária, a
avaliação funcional avalia a função ou sub função orçamentária, a
classificação institucional avalia o órgão ou unidade orçamentária e
a classificação programática avalia o programa. O programa de
trabalho define qualitativamente a programação orçamentária,
sendo composto de classificação por esfera, classificação
institucional, classificação funcional e estrutura programática. É
necessário ter ciência das questões sobre em qual orçamento a
receita será utilizada, quem faz, em que área de despesa a ação
governamental será realizada, o que fazer, e outros quesitos.
As receitas de capital aumentam as disponibilidades
financeiras do estado, são arrecadadas dentro do exercício
financeiro. As receitas de capital não provocam efeito ou não
alteram o patrimônio líquido. Decorrem da conversão, em espécie,
de bens ou direitos, bem como da realização de recursos
financeiros oriundos da constituição de dividas. As receitas
correntes, por sua vez, destinam-se a financiar os objetivos
definidos nos programas e ações orçamentárias, são arrecadas
dentro do exercício financeiro e aumentam as disponibilidades
financeiras do estado, assim como as receitas de capital. As receitas
correntes são as tributárias, de contribuições, de exploração do
patrimônio estatal(patrimonial), e da exploração da atividade
ecoômica (agropecuária, industial e de serviços)
Em sentido estrito, somente as receitas orçamentárias são
públicas. Já em sentido amplo, são pública as receitas
orçamentárias e extra-orçamentárias: os ingressos extra-
orçamentários e as receitas orçamentárias. O manual adotou o
sentido estrito.
Depósitos em caução, fianças, operações de crédito por ARO,
emissão de moeda e outras entradas compensatórias no ativo e
passivo financeiro não se sujeitam à autorização legislativa quanto
à restituição. São de caráter temporário e não integram a LOA. Os
depósitos em caução, fianças , operações de crédito por ARO são
passivos exigíveis dos quais o estado é mero depositário. Os
ingressos extra-orçamentáios, portanto, são cinco:
1. Depósitos em caução
2. operações de crédito por ARO
3. emissão de moeda
4. fianças
5. outras entradas compensatórias no ativo e passivo
financeiro.
Nas contas de natureza de informação patrimonial fala-se em
variações patrimoniais aumentativas e variações patrimoniais
diminutivas. Já nas contas de natureza de informação orçamentária
fala-se em receitas orçamentárias e despesas orçamentárias. As
contas de natureza orçamentária têm como base normativa a lei
4320, já as contas de natureza patrimonial têm como base
normativa a NBC TSP, estrutura conceitual. Na contabilidade
patrimonial existem relacionamentos entre a liquidação e o registro
da VPD: antes da liquidação, simultâneo à liquidação e após a
liquidação.

O crédito disponível é uma conta de controle da


execução do Planejamento e Orçamento. O crédito
empenhado a liquidar também é uma conta de controle da
execução do planejamento e orçamento.
Atributos conceituais das contas contábeis. São atributos
conceituais das contas contábeis: código, título ou nome,
função e natureza do saldo. Toda conta contábil da
contabilidade pública deve possuir, necessariamente: código,
título ou nome, função e natureza do saldo. Mnemônico:
COTIFUNA.
Durante os estágios da execução da despesa
orçamentária, as contas Permanentes passam a ter
características financeiras, durante esses processos. O passivo
modifica sua característica de permanente para financeiro,
durante esse processo. Assim, de acordo com a lei 4320, o
passivo modifica sua característica de Permanente (p) para
Financeiro (F), durante os estágios de execução da despesa
orçamentária.
O contador deve estar familiarizado com o nome das
contas do PCASP: os códigos, as funções e as naturezas dos
saldos do PCASP.
As obrigações consideradas na DCL (dívida líquida
consolidada), serão controladas pelo valor 0, as excluídas do
cálculo serão pelo valor 1. Os passivos considerados na DCL
serão controlados por esse indicador desde o momento do
registro da obrigação, desde que não tenham execução
orçamentária associada.
A estrutura do PCASP permite segregar os valores a partir de
transações que serão incluídos ou não na consolidação
nacional contábil.
Os entes da federação não podem detalhar a relação de
contas do PCASP em qualquer nível, apenas nas contas
discriminadas pela União. O 5º. Nível não pode ser detalhado.
O subsistema de compensação controla alterações
potenciais nos elementos patrimoniais, acordos garantias e
responsabilidades.
O subsistema de custos foi criado para atender às
necessidades informacionais da contabilidade patrimonial,
previstas no decreto lei 200/67 e na LRF, em convergência aos
padrões internacionais.
O sistema financeiro foi absorvido pelo sistema
patrimonial, tornando-se um subsistema. Agora, no sistema
patrimonial, estão incluídos fatos financeiros e não
financeiros. O sistema orçamentário tornou-se um
subsistema, mas continua registrando fatos relativos à
execução e ao planejamento orçamentário.
O MCASP é emitido pelo STN (Secretaria do Tesouro
Nacional). A função refere-se à descrição da natureza dos atos
e fatos registráveis na conta. O funcionamento refere-se à
relação de uma conta com as demais. A natureza do saldo
corresponde à natureza do saldo apresentada por
determinada conta. O título é o objeto de uma conta, a razão
ou função, pela qual a conta foi aberta. O encerramento é a
permanência de saldo de determinada conta, conforme sua
natureza. O título pode-se confundir com a função. O título é
o objeto de uma conta, a razão (função) pela qual a conta foi
aberta.Já a função é a descrição dos atos e fatos registrados
na conta.
O ativo compreende recursos controlados por uma entidade
como conseqüência de eventos passados, dos quais se
esperam benefícios econômicos posteriores ou potencial de
serviços futuros à entidade.
A classe 7 compreende os atos potenciais e controles
específicos e não os fatos potenciais e controles específicos.
Não existem atos e fatos potenciais e controles específicos.
A classe grupos refere-se às informações patrimoniais. Grupos
(2º. Nível), refere-se às seguintes informações patrimoniais:
Ativo Circulante, Ativo não Circulante, Passivo Circulante e
Passivo Não Circulante, Patrimônio Líquido, Pessoal e
Encargos, Benefícios Beneficiários e Assistenciais, Uso de
bens, serviços e consumos de capital fixo, Variações
Patrimoniais Diminutivas Financeiras, Transferências
Concedidas, Desvalorização e Perdas de Ativos, Tributárias,
Custo das Mercadorias Vendidas, Outras Variações
Patrimoniais Diminutivas, impostos, Taxas e Contribuições de
Melhoria, Contribuições, Exploração e Vendas de Bens,
Serviços e Diretos, Variações Patrimoniais Aumentativas
financeiras, transferências recebidas, valorização e ganhos
com ativos e outras variações patrimoniais aumentativas.
As transferências intergovernamentais são transferências
voluntárias destinadas às despesas de capital. As
transferências intergovernamentais são variações
orçamentárias, mesmo que destinadas às despesas de capital
e não decorram de obrigação presente na CF ou em norma
legal.
A Depreciação é uma variação Patrimonial quantitativa, não é
uma despesa efetiva, mas uma insubsistência do ativo. Por ser uma
insubsistência do ativo, as depreciações não são despesas efetivas.
As mutações (mutações ativas e mutações passivas) não
existem no novo PCASP.
No PCASP as insubsistências do ativo são registradas na classe
3. As superveniências do Ativo podem estar nos grupos 4.5 e 4.6.
As classes 3 e 4 contêm, ao mesmo tempo, variações
quantitativas orçamentárias e extra orçamentárias. Existem
variações decorrentes de fatos orçamentários (despesas e receitas
efetivas), e variações decorrentes de fatos extra-orçamentários
(insubsistências ou superveniências do ativo ou passivo)
Os grupos (2º. Nível), referentes às informações
orçamentárias, são: Planejamento Aprovado, Orçamento Aprovado,
Inscrição de Restos a Pagar, Execução do Planejamento, Execução
do Orçamento, Execução dos Restos a Pagar.
O grupo de contas denominado inscrição em restos a pagar
integra a classe de controles da aprovação do planejamento e
orçamento, registrando os valores das despesas empenhadas e não
pagas até o ultimo dia do ano financeiro.
Grupos (2º. Nível), referentes às informações de controle:
atos potenciais, administração financeira,dívida ativa, riscos fiscais,
custos, outros controles, execução dos atos potenciais, execução da
administração financeira, execução da dívida ativa, execução dos
riscos fiscais, apuração de custos e outros controles.
7.1 Atos Potenciais
7.2 Administração Financeira
7.3 Dívida Ativa
7.4 Riscos Fiscais
7.8 Custos
7.9 Outros controles
8.1 Execução dos atos Potenciais
8.2 Execução da Administração Financeira
8.3 Execução da Dívida Ativa
8.4 Execução dos Riscos Fiscais
8.8 Apuração dos Custos
8.9 Outros Controles
O controle de créditos em dívida ativa será feito utilizando a
classe 7 e o grupo 3 do PCASP. O PCASP está estruturado em 8
classes de contas, agrupados não mais em subsistemas, e sim em
natureza das informações.
Na conferência da fixação da despesa orçamentária, a soma
da dotação orçamentária e da movimentação de créditos recebidos
deve se igualar à soma da disponibilidade de créditos mais a
movimentação de créditos concedidos.
O passivo financeiro é composto pela dívida fundada que
independe de autorização orçamentária. O Balanço Patrimonial já
existia na lei 4320 e segue estritamente o regime de competência.
O ativo é dividido em ativo financeiro e ativo permanente. O
passivo é dividido em passivo financeiro e passivo permanente. O
ativo financeiro é o que independe de autorização orçamentária
para realização.. O ativo financeiro são créditos e valores que
independem de autorizaão orçamentária para sua realização. Já
ativo permanente são os bens, créditos e valores que dependem de
autorização legislativa para sua execução ou realização. O caixa, por
exemplo, está dentro do ativo financeiro (caixa e equivalentes de
caixa). O estoque está no ativo permanente, é um tipo de bem
móvel. Todos os bens, sejam móveis e imóveis, têm de estar no
ativo permanente, pois a financeiro só tem créditos e valores. O
passivo financeiro é composto da dívida fundada, que independe
de autorização orçamentária para pagamento. O passivo
permanente depende de autorização legislativa para pagamento.
Dívida fundada que independe de autorização orçamentária é
sinônimo de dívida flutuante. No passivo financeiro temos
empréstimos a pagar, precatórios, dívida flutuante. Todas as contas
com atributo P vão para o permanente e com atributo F vão para o
financeiro. Por exceção, temos o ativo e passivo compensado, que
pode indiretamente afetar o patrimônio. Essa estrutura não foi
esquecida, elafoi absorvida.
O primeiro indicador é o ativo real, que corresponde ao ativo
financeiro mais ativo permanente. O passivo real é igual a passivo
financeiro mais passivo permanente. O ativo compensado é igual
ao passivo compensado. O ativo total é igual ao passivo total. O
ativo total é igual ao ativo financeiro+ativo permanente, já o
passivo total é o ativo financeiro mais permanente mais patrimônio
líquido.
O ativo financeiro menos o passivo financeiro é igualo ao
superávit financeiro.
O ativo real menos o passivo real é igual ao patrimônio
líquido. Pode ser maior que zero, sendo o ativo real líquido. Se for
menor que zero será passivo real a ser descoberto.
O patrimônio líquido e saldo patrimonial são sinônimos.
O passivo financeiro, de acordo com a lei 4320, conterá a
dívida fundada, e não a dívida flutuante. Isso é considerado uma
atecnia da lei 4320.
O Balanço Patrimonial é composto por:
a. Quadro Principal
b. Quadro dos Ativos e Passivos Financeiros e Permanentes
c. Quadro das contas de compensação (controle)
d. QUADRO DO SUPERÁVIT Financeiro ou déficit financeiro
O estoque, apesar de ser do ativo circulante, classifica-se no
ativo permanente
O quadro principal é uma inovação, já o quadro dos ativos e
passivos financeiros e permanentes, bem como o quadro das
contas de compensação, são novidades.
O ativo é um recurso controlado pela entidade como resutado
de eventos passados.
O saldo das contas dos ativos e passivos devem ser
apresentados, no quadro principal, por seus valores líquidos das
respectivas deduções, como, por exemplo, as contas do ativo
imobilizado líquidas das depreciações.
Ativos são dispostos em grau decrescente de conversibilidade,
já os passivos estão em ordem decrescente de exigibilidade. Os
ativos estão dispostos de maneira que os mais líquidos (mais
conversíveis em dinheiro) estejam dispostos primeiro.
O quadro Principal será elaborado utilizando-se a classe 1
(ativo) e a classe 2 (passivo), do Plano de Contas Aplicado ao Setor
Público (PCASP). Os ativos e passivos dar-se-ão em níveis sintéticos
(3º. e 4º. Níveis.)
Os saldos das contas dos ativos e passivos são
apresentados, no quadro principal, pelos seus valores
líquidos das respectivas deduções.
Os restos a pagar não processados não serão mais um
passivo, devendo ser controlados em contas
orçamentárias.
Despesas de exercícios anteriores: orçamentárias ou
extra-orçamentárias?
Despesas de Exercícios Anteriores são despesas
orçamentárias. As DEAs ocorrem à custa do orçamento
vigente. São despesas desembolsadas em um exercício,
mas geradas em exercícios anteriores. O fato gerador é
anterior. O processo de DEA atende perfeitamente o
regime de competência, e a despesa não poderá estar
inscrita em restos a pagar. As DEAs foram despesas que
não tinham sido processadas na sua época. Pode ser restos
a pagar com prescrição interrompida ou compromissos
decorrentes de obrigação de pagamento criado em virtude
de lei. São despesas não processadas em época própria,
das quais o orçamento respectivo possuía crédito suficiente
para atendê-las. Aquelas que não possuíram empenho
subsistente (insuficiente) e anulado no exercício financeiro
a que corresponda. As despesas de exercícios anteriores
equivalem aos ajustes de exercícios anteriores da lei das
S.A.
Os restos a pagar com prescrição interrompida são as
despesas cuja inscrição como restos a pagar tenham sido
cancelada, mas ainda vigente o direito do credor.
Interromper a prescrição é o mesmo que cancelar a
inscrição. Porém o direito permanece.
Compromisso reconhecido após o encerramento do
exercício é a obrigação de pagamento criada em virtude de
lei, mas somente reconhecido o direito do reclamante após
o encerramento do exercício.
Despesas de Exercício anteriores, apesar do nome, não
são extra-orçamentárias, mas sim orçamentárias. Eles
correm à custa do orçamento vigente.
No Balanço Patrimonial, os restos a pagar são
classificados no passivo financeiro.
No Balanço Financeiro, os Restos a Pagar são
classificados como despesas extra-orçamentárias
(contrapartida da despesa).
Os restos a pagar são controlados em contas do ativo e
passivo compensado do plano de contas único da União. É
vedada a reinscrição de empenhos em restos a pagar.
Quem faz o tratamento e controla os restos a pagar é a
STN. A inscrição deverá ser feita pelo valor exato ou
estimado. O empenho de despesa não liquidada será
anulada em 31 de dezembro, salvo se vigente o prazo para
cumprimento da obrigação assumida pelo credor.
Outro nome para restos a pagar: resíduos passivos.
Os restos a pagar estão localizados no passivo financeiro
do balanço patrimonial, integrando a dívida flutuante.
Na DVP eles são localizados como variações ativas, extra-
orçamentárias, subgrupo interferências passivas. Para o
órgão que recebe o repasse, eles são variações ativas extra-
ornamentarias, subgrupo interferências ativas.
Na estrutura do balanço financeiro os restos a pagar são
receitas extra-orçamentárias (contrapartida da despesa).
Os restos a pagar pagos são classificados em despesas
extra-orçamentárias, no balanço financeiro.
Restos a Pagar
É importante saber que os restos a pagar podem ser
despesas extra-orçamentárias, passivos financeiros ou
interferências ativas ou passivas.
No Balanço Financeiro→ Despesas extra-orçamentárias
No Balanço Patrimonial→ Passivo Financeiro
Na Demonstração das Variações Patrimoniais→
variações ativas ou passivas extra-orçamentárias,
subgrupo interferências ativas ou passivas.
Os documentos usados para a movimentação de
recursos são a OB (Ordem Bancária), a Guia de
Recolhimento da União e a Nota de Sistema (NS). Além
desses tem-se a DARF- Eletrônica, a GRPS eletrônica e a
Nota de Lançamento (NL). Esses documentos servem tanto
para a arrecadação quanto para a movimentação de
recursos. Existe uma diferença entre movimentações de
crédito e movimentações de recursos financeiros. A
movimentação ou descentralização de recursos financeiros
consiste na movimentação de “dinheiro”, enquanto a
movimentação de créditos é a transferência do poder de
utilizar créditos orçamentários.
A descentralização pode ser interna, se for entre
Unidades Gestoras do mesmo órgão, ou externa, se
efetuada entre órgãos distintos. O crédito é a dotação ou
autorização de gasto, enquanto que recurso é o dinheiro
ou disponibilidade bancaria. Em um primeiro momento, a
SOF gera uma Nota de Dotação (ND), no SIAFI. Com a ND
inicia-se a execução orçamentária. Em um segundo
momento, inicia-se a movimentação ou descentralização
de créditos, pela STN, com base no Decreto de
Programação Financeira. Nesses dois primeiros passos só
houve movimentação de crédito.
No orçamento programa existe uma integração entre
planejamento e orçamento, a alocação de recursos visa à
consecução de objetivos, metas, diretrizes e prioridades.
No orçamento programa a estrutura de orçamento está
voltada para aspectos administrativos e de planejamento,
bem como há utilização sistemática de indicadores e
padrões de medição dos trabalhos e avaliação dos
resultados. O controle visa avaliar a eficiência, eficácia e
efetividade das ações do governo e o principal critério de
classificação da despesa é o funcional-programático.
No orçamento tradicional a alocação dos recursos visa à
consecução de meios, sendo a ênfase no objeto de gasto.
Já no orçamento programa a alocação de recursos visa à
consecução de objetivos, metas e prioridades. No
orçamento programa a ênfase não é no objeto de gasto.

Orçamento Tradicional →Ênfase no objeto de gasto

No orçamento tradicional a ênfase era na contabilidade


(objeto de gasto), já no orçamento programa a ênfase era
no aspecto administrativo (planejamento).
No orçamento tradicional, o principal critério de
classificação da despesa é o de unidades administrativas. Já
no orçamento programático é o funcional-programático
(funções e programas).
O orçamento tradicional prima pela legalidade,
enquanto o orçamento programa avalia a eficiência,
eficácia e efetividade. O orçamento programa é moderno,
não foca no que o governo gasta (objeto de gasto), mas sim
em como ele vai gastar esses recursos.
O orçamento programa é autorizativo: o Poder
Legislativo autoriza a sua execução ao Executivo. O
orçamento programa dá ênfase aos fins e não aos meios.
Ele é vinculado, integrado ao planejamento governamental.
Se o orçamento fosse impositivo, o executivo ficaria
impedido de alterar o orçamento aprovado pelo
Legislativo. O Executivo, no orçamento impositivo, seria
forçado a executar o orçamento conforme as regras do
legislativo.
O principal critério de classificação do orçamento
programa é o funcional programático, e visa a responder
em que área a despesa será realizada (classificação
funcional) e para que os recursos serão alocados
(classificação programática).
Visualização da despesa sobre diferentes enfoques:
Classificação funcional →em que área a despesa será
realizada?
Classificação Institucional→quem é o responsável pela
programação
Estrutura Programática→para que os recursos serão
alocados?
Classificação econômica→qual o efeito econômico?
O orçamento programa deve estabelecer diretrizes,
objetivos, metas e programas. As metas e prioridades estão
na LDO, e não no orçamento programa.
A lei 4320 estabelece normas gerais de direito
financeiro.
O PPA é, doutrinariamente, de médio prazo. Não existe
instrumento orçamentário de longo prazo no sistema
orçamentário público brasileiro.
O PPA, a LDO e a LOA são conhecidos como “leis de
meios”, no sentido de serem meios para implementar o
orçamento programa.
O PPA é encaminhado até 4 meses antes do
encerramento do exercício financeiro (31/08). O Legislativo
deverá devolvê-lo até o encerramento da sessão legislativa.
A vigência da LDO extrapola o exercício financeiro. A sua
duração pode ser mais que um ano.
A LDO é conhecida como parte do planejamento
operacional da administração pública.
Segundo a doutrina e a jurisprudência, as leis de meios
(PPA, LDO e LOA), são apenas leis em sentido formal. Em
sentido material, esses instrumentos de planejamento são
apenas meros atos administrativos, e não leis. Não cabe
ADIN para impugnar LDO.
A LOA é o orçamento por excelência ou orçamento
propriamente dito. A lOA é um processo dinâmico e3
flexível, traduzindo os planos e programas do governo para
o período de 1 ano. O Poder Executivo prevê a arrecadação
das receitas e fixa a realização das despesas para o período
de 1 ano.
A classificação da receita por esfera orçamentária não foi
reconhecida pelo MCASP. A classificação por esfera vai
indicar em que esfera orçamentária a receita se destina:
orçamento fiscal, de investimento ou da seguridade social.
A receita, quanto à natureza ou categoria econômica,
divide-se em corrente e de capital. Essa é uma classificação
oficial na LOA da União, e é reconhecida pelo MCASP,
sendo padronizada para todos os entes.
A classificação da receita por fontes (ordinária ou
vinculada) não é padronizada para todos os entes
A classificação da receita quanto ao resultado primário
não é padronizada para todos os entes.
A classificação quanto à coercitividade (originária e
derivada), a classificação contábil ou quanto ao impacto no
patrimônio liquido (efetiva ou não efetiva) e a classificação
quanto /á periodicidade (ordinária e extraordinária) são
classificações não oficiais.
Operações de crédito são realizações de recursos
financeiros oriundos da constituição de dívidas. Já a receita
de alienação de bens e de amortização de empréstimos
resultam da conversão, em espécies, de bens e direitos. Os
recursos recebidos de outras pessoas de direito publico e
privado são as transferências de capital.
A classificação quanto à natureza estabelecida pela
portaria 163 de 2001 é a seguinte: categoria econômica,
origem, espécie, desdobramento para identificação de
peculiaridades e tipo. As subdivisões da portaria 163 de
2001 não constam na lei 4320 de 1964 e devem ser
seguidas por todos os entes.
Categoria Econômica
Origem
Espécie
Desdobramento para identificação de peculiaridades
Tipo
COEDT Essa é a classificação atualizada da portaria 163
de 2001
As operações intra-orçamentárias são aquelas realizadas
entre integrantes do Orçamento Fiscal e da Seguridade
Social de um mesmo ente federativo. São remanejamento
de receitas. As receitas intra orçamentárias evitam a dupla
contagem na consolidação das contas do governo.
As receitas de capital não provocam efeito sobre o
patrimônio líquido, em regra. As receitas de capital são
chamadas de receitas por mutação patrimonial. As receitas
correntes provocam efeito sobre o patrimônio liquido, e
são chamadas por afetação patrimonial.
A classificação quanto à natureza da receita divide a
receita em níveis:
1º. Nível Categoria econômica
2º. Nivel Origem
3º. Nível espécie
4º. Nível desdobramento para identificação de
peculiaridades
5º. Nível Tipo
As receitas correntes financiam os programas e as ações
correspondentes às políticas públicas, por darem, em geral,
efeitos positivos sobre o Patrimônio Líquido. Quem financia
as receitas, os programas e as ações do governo são as
receitas correntes, pois elas aumentam as disponibilidades
financeiras do estado.
Na classificação quanto à natureza da receita, o 1º.
Nível, a categoria econômica, avalia o impacto das decisões
do governo na economia nacional. Já o 2º. Nível, a origem ,
avalia a precedência do fato gerador. O 3º. Nível, a espécie,
dá detalhes sobre o fato gerador (origem). O 4º. Nível é o
desdobramento para identificação de peculiaridades, que
pode ou não ser utilizado, e o 5º nível, o tipo, identifica o
tipo de arrecadação.
As receitas públicas originárias são aquelas arrecadadas
por meio da exploração de atividades econômicas, pelo
poder público. As principais receitas originárias são as
receitas de aluguel (rendas do patrimônio mobiliário e
imobiliário do estado). Os preços públicos, a prestação de
serviços comerciais e a venda de produtos industriais e
agropecuários são receitas públicas originárias. Os preços
públicos, por não serem impostos, são receitas públicas
originárias.
O IPTU e o IPVA são lançados diretamente ou de ofício,
sem participação do contribuinte. O ITCMD, o ITBI, o II e o
IE, são impostos feitos por declaração ou misto. O imposto
de renda, o imposto sobre produtos industrializados, o
ICMS, o PINS e o COFINS são sujeitos a homologação ou
autolançamento.
Para fins orçamentários, toda e qualquer receita
corrente ou de capital, é reconhecida na arrecadação. As
operações de crédito são receitas de capital e os tributos
são receitas correntes.
A classificação funcional busca responder à seguinte
pergunta: “em que área da despesa a ação governamental
será realizada”?
Na classificação funcional os 1º. e o 2º campos
correspondem à função, e os 3º, 4º e 5º correspondem à
subfunção.
A classificação funcional é comum e obrigatória a todos
os entes.
A função pode ser traduzida como o maior nível de
agregação das diversas áreas do setor público.
A função encargos especiais (função 28), representa
dívidas, ressarcimentos, indenizações, uma agregação
neutra, que não pode ser associada a um bem ou serviço a
ser gerado no corrente processo produtivo.
A subfunção evidencia cada área de atuação
governamental por meio da identificação da natureza das
ações (2º. Nível de classificação programática.
A classificação funcional busca responder à seguinte
pergunta: “em que área de despesa a ação governamental
será realizada?” Ela tem a ver com a área de atuação e da
despesa e não com a função da despesa, pois a pergunta
não é qual função da despesa e sim em que área ela será
realizada.
A classificação institucional da despesa é formada por
cinco dígitos. Os dois primeiros formam o órgão e os três
últimos a unidade orçamentária.
Uma unidade gestora pode ser uma unidade
orçamentária ou uma unidade administrativa.
Unidade gestora é qualquer unidade com capacidade de
empenhar. A unidade orçamentária consta na LOA, a
unidade administrativa, não. Dentro de uma unidade
orçamentária temos diversas unidades administrativas. Já
um órgão é composto por várias unidades orçamentárias.
Não é possível, pela classificação instituciuonal da
despesa identificar uma unidade administrativa.
O código 90.000 representa a reserva de contigencia,
que não possui a estrutura administrativa.Existem órgãos
orçamentários que não possuem estrutura administrativa.
A função reflete a competência institucional do órgão,
como co cultura, educação, saúde, defesa, que guarda
relação com os respectivos ministérios.
São subfunções da função 28 refinanciamento da dívida
interna, refinanciamento da dívida externa, serviços da
dívida interna, serviços da dívida externa, outras
transferências, outros encargos especiais, transferências
para a educação básica, dentre outros.
A classificação funcional foi instituída pela portaria no.
42 do MPOG, DE 1999.
A Contabilidade pública é uma ciência informacional
feita pelos RCPGs – relatórios contábeis de propósito geral.
As demonstrações contábeis fazem parte dos relatórios
contábeis de propósito geral.
A Contabilidade pública é :
1. Uma ciência informacional
2. Instrumentalizada pelos RCPGS (Relatórios Contábeis
de Propósito Geral)
3. Que incluem, entre outros relatórios, as
demonstrações contábeis
Para que ocorra um ingresso, é necessário a entrada de
recursos financeiros. Apesar disso, como exceção, os restos
a pagar e os serviços da dívida a pagar são ingressos,
mesmo não gerando a entrada de recursos financeiros.
Porém, para um item ser considerado ingresso, tem que
haver, de maneira geral, a entrada de recursos financeiros.
Para um item dos RCPGs ser considerado dispêndio, ele
deve ensejar, mais cedo ou mais tarde, a saída de recursos
financeiros.
Em uma cadeia integrada de eventos contábeis, fatos
modificativos aumentativos ou diminutivos ocorrem uma
única vez.
Um mesmo evento contábil pode ensejar registro
simultâneo em contas de natureza patrimonial,
orçamentária ou de controle. As contas de natureza
patrimonial envolvem as classes 1-ativo e 2-passivo; as
contas de natureza orçamentária envolvem as classes 5-
CAPO e 6-CEPO, e as contas de natureza de controle
envolvem as classes 7-controle de devedores e 8-controle
de credores
O valor disponível no caixa ao final do balanço
patrimonial coincide com o saldo final das disponibilidades
financeiras no balanço financeiro.
Valor disponível do caixa no fim do exercício (BP) =
saldo final das disponibilidades financeiras (BF)
A demonstração dos Fluxos de Caixa adota o regime de
caixa. O Balanço Orçamentário e o Balanço Financeiro
adotam o regime misto. O Balanço Patrimonial, a
Demonstração das Variações Patrimoniais e a
Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido
adotam o regime de competência.
O Balanço Orçamentário e o balanço financeiro adotam
o regime misto.
O resultado financeiro, no balanço financeiro, pode não
coincidir com o caixa líquido gerado na demonstração dos
fluxos de caixa.
O sistema de custos não possui registro contábil próprio,
utilizando os registros das contas de natureza orçamentária
e patrimonial.
Os princípios contábeis estão acima do formalismo e
servem de guia para tomada de decisão dos gestores.
Se um ente que obedece a regra de ouro, contratar
novas operações de crédito, sendo que elas só serão
usadas para cobrir despesas de capital, a regra de ouro será
obedecida, sempre.
O estágio do pagamento de qualquer despesa
orçamentária somente pode ser efetuado quando a
obrigação estiver como atributo “f” financeiro, a despeito
da existência de 3 situações diferentes na execução
orçamentária da despesa orçamentária.

Os regimes contábeis de competência e misto coexistem


nas contas de natureza patrimonial e orçamentária,
respectivamente.
1- Ativo,2- Passivo, 3-VPD e 4-VPA: regime de
competência
5 controle da aprovação do planejamento orçamentário
(CAPO) E CONTROLE DA EXECUÇÃO DO PLANEJAMENTO
ORÇAMENTÁRIO (cepo): enfoque orçamentário
A classificação da despesa por esfera orçamentária é
uma classificação oficial da LOA da União, que não é
reconhecida formalmente no MCASP e não é
padronizada para todos os entes. A classificação da
despesa por esfera orçamentária usa como critérios de
classificação o orçamento fiscal, da seguridade social e
de investimentos.
A classificação institucional da despesa orçamentária usa
como critério de classificação o órgão e a unidade
orçamentária, é uma classificação que consta da LOA da
União, sendo reconhecida pelo MCASP. Porém, a
classificação institucional por despesa orçamentária é
parcialmente padronizada para todos os entes.
A programação quantitativa ou financeira envolve
o IDOC, IDUSO, fonte, natureza e resultado primário.
A programação qualitativa (de trabalho0 envolve
esfera orçamentária, institucional, funcional e
programática.
A classificação das despesas pode ser qualitativa ou
quantitativa. A programação qualitativa envolve a
classificação por esfera orçamentária, institucional,
funcional e programática. A programação quantitativa
envolve o IDOC, o IDUSO ,Fonte, natureza e resultado
primário. A programação quantitativa é também
chamada de financeira. A programação qualitativa
também é chamada de programação de trabalho.
A classificação por esfera utiliza os critérios do
orçamento fiscal, da seguridade social e de
investimento.
A classificação institucional utiliza o critério do
órgão ou unidade orçamentária.
A classificação funcional utiliza os critérios da
função e subfunção e a classificação programática utiliza
os critérios de programas temáticos, de gestão,
manutenção e serviços, e operações especiais.
A classificação IDOC (identificador de operação de
crédito) utiliza o critério número de operação de crédito
ou doação internacional. A classificação IDUSO utiliza o
critério com ou sem contrapartida. A classificação fonte
utiliza o critério ordinária e vinculada. A classificação por
natureza utiliza os critérios correntes e de capital, e a
classificação por resultados primários utiliza os critérios
primários e financeiros.
A classificação institucional da despesa é
obrigatória para todos os entes, e é baseada no art 14 da
lei 4320 de 1964? Constitui unidade orçamentária o
agrupamento de serviços subordinados ao mesmo órgão
a que serão consignadas dotações próprias.
A classificação qianto ao impacto no patrimônio
liquido não é uma classificação oficial.
Fluxo de caixa de investimento, financiamento e
operacional
O fluxo de investimentos da demonstração do fluxo
de caixas inclui aquisição e alienação de bens.
O pagamento referente à aquisição de imóveis
reduz o fluxo de caixa de investimentos da DFC.
O pagamento referente a fornecedores de
matérias-primas reduz o fluxo de caixa das atividades de
operações.
O recebimento referente a empréstimos
concedidos aumenta o fluxo de caixa das atividades de
investimento.
A amortização de empréstimos obtidos reduz o
fluxo de caixa das atividades de financiamento
A compra de um veículo está relacionada ao fluxo
de caixa de investimentos.
As receitas tributárias e o pagamento de despesas
de pessoal estão relacionados ao fluxo de caixa das
atividades operacionais.
A amortização da dívida fundada pertence ao fluxo
de financiamento.
A aquisição de imobilizado pertence ao fluxo de
investimento.
A operação de crédito pertence ao fluxo de
financiamento.
A alienação de bens pertence ao fluxo de
investimento.
Quando se aliena imóveis, há impacto no ativo não
circulante, e não há impacto no passivo não
circulante.Logo, o registro será no fluxo de investimento.
O fluxo de investimento causa um impacto no ativo
não circulante, mas não causa um impacto no passivo
não circulante.Já o fluxo de financiamento causa um
impacto no passivo não circulante, mas não altera o
ativo não circulante.
Quando se arrecada impostos, não há impacto no
ativo não circulante e nem no passivo não circulante.
Logo, a receita de impostos é classificada no fluxo
operacional. O mesmo acontece com o pagamento de
despesas com pessoal, que é igualmente classificado no
fluxo de caixa operacional.
Quando se contrata operações de crédito não há
impacto no ativo não circulante, porém há impacto no
passivo não circulante. Logo o registro será feito no fluxo
de financiamento. O mesmo se dá com o pagamento de
empréstimos, que é igualmente registrado no fluxo de
caixa de financiamento.
O caixa líquido gerado na demonstração dos fluxos
de caixa pode não coincidir com o resultado financeiro
no balanço financeiro, pois o balanço financeiro
considera todos os ingressos orçamentários e
extraorçamentários, e o fluxo de caixa não.
Resumo das receitas de capital:
Operações de crédito: constituição de dívidas
Alienação de bens – conversão, em espécie, de bens e
direitos
Amortização de empréstimos: recebimento de
empréstimos realizados ou concedidos
Transferências de capital: para atender despesas de
capital
Outras receitas de capital
Superávit do orçamento corrente
O superávit do orçamento corrente é receita de
capital, juntamente com OPERA ALI AMOR TRANSOU
(operações de crédito, alienação de bens, amortização
de empréstimos, transferências de capital e outras
receitas de capital)
São denominados receitas de capital porque
derivam da constituição de dívidas, da amortização de
empréstimos ou financiamentos e da alienação de
componentes do ativo permanente, com objetivo de
alcançar um fim público.
É importante saber a definição de alienação de
bens, amortização de empréstimos, operações de
crédito, dentre outros conceito,receita de capital,
receita financeira, dentre outros.
Alienação de bens é o ingresso de recursos
proveniente da alienação de componentes do ativo
permanente, é a conversão em espécie, de bens e
direitos.
A amortização de empréstimos é o ingresso
proveniente do recebimento de valores referentes a
parcelas de empréstimos ou financiamento concedidos
em títulos ou contratos.
Operação de crédito é o ingresso proveniente da
colocação do título público ou da contratação de
empréstimos e financiamentos obtidos junto a entidades
estatais ou instituições financeiras.
As receitas de capital são denominadas de receitas
por mutação patrimonial. As receitas de capital em nada
acrescentam ao patrimônio público, só havendo uma
troca de elementos patrimoniais. Existe uma diferença
entre receita de capital e receita financeira.
O conceito de receita financeira surgiu com a
adoção, pelo Brasil da metodologia de apuração do
resultado primário, e se distingue das receitas de capital.
As receitas financeiras são aquelas excluídas da
apuração do resultado primário. São exemplos de
receitas financeiras as derivadas de aplicações no
mercado financeiro, da rolagem e emissão de títulos
públicos, as decorrentes de privatizações, e outras
As receitas financeiras são aquelas
excluídas da apuração do resultado
primário (aplicações no mercado
financeiro, rolagem e emissão de
títulos públicos)

O município ou ente federativo que não der razão à


regra de ouro, uma das mais importantes regras
orçamentárias, prevista na LRF, vai mal.Regra de ouro: o
montante previsto para as receitas de operações de
crédito não poderá superar o montante das despesas de
capital. As operações de crédito só poderão ser feitas
para “cobrir” despesas de capital, ressalvadas as
autorizadas mediante créditos suplementares ou
especiais com finalidade precisa, aprovadas pelo poder
legislativo por maioria absoluta. Isso impede que o ente
fique endividado, contratando operações de crédito para
cobrir receitas correntes.
É importante saber que o orçamento público toma emprestados
vetores axiológicos norte americanos

O IRPF não passa pelo estágio de lançamento da


receita pública, bem como outras receitas.
Os estágios da receita orçamentária são previsão,
lançamento, arrecadação e recolhimento. A previsão da
receita é denominada de receita orçada e representa a
estimativa de quanto se espera arrecadar. A projeção da
receita considera a variação de índices de preços, do
crescimento econômico, as normas técnicas e legais,
sendo acompanhadas de demonstrativo de sua evolução
nos últimos três anos. Além disso as previsões de
receitas serão acompanhadas de demonstrativo da sua
projeção para os dois anos seguintes àquele a que se
referirem.
A LRF não se aplica a toda a estrutura da
administração pública. A LRF não se aplica às empresas
estatais independentes que constam do orçamento de
investimento das estatais(que são a maioria).
As receitas financeiras (juros) são receitas
correntes, eu não tiro das transferências correntes. Elas
entram no cálculo da receita corrente líquida. As
compensações financeiras de regimes previdenciários
são excluídas do cálculo das receitas correntes.
A RCL é usada para as emendas impositivas (1,2 %
da receita corrente líquida). A receita corrente líquida
pode ser considerada o principal indicador e parâmetro,
no orçamento público. A saúde financeira do município é
apercebida pela receita corrente líquida.
Se um município deixar de instituir, prever e
arrecadar todos os impostos (e não taxas), ele deixa de
receber transferências voluntárias. Porém, ele continua
a receber transferências voluntárias na área de saúde e
educação. Isso quer dizer que as áreas de saúde e
educação permanecerão intactas, mesmo se o município
deixar de instituir, prever e arrecadar todos os impostos.
Somente a renúncia fiscal de caráter não geral são
aceitas como renúncia fiscal, e não as gerais. A renúncia
fiscal deve ser coompatível com a LDO, observando
medidas compensatórias.
O aumento de despesa de pessoal é DOCC
(despesa obrigatória de caráter continuado). Em
nenhuma hipótese a despesa de capital pode ser uma
DOCC.
No limite de alerta o ente ou poder não sofre
nenhuma restrição institucional, apenas é avisado pelo
tribunal de contas respectivo.
Os restos a pagar não processados serão
bloqueados pela secretaria do tesouro nacional em 30
de junho do segundo ano subseqüente ao de sua
inscrição.
Caso o restos a pagar seja cancelado
equivocadamente, deverá ser pago como despesa de
exercício asnterior.
A inscrição dos restos a pagar processados é
automática em 31 de dezembro. Já os restos a pagar não
processados não são inscritos automaticamente em 31
de dezembro.
Os restos a pagar não processados relativos às
depsesas do Ministério da Saúde, ou à despesas
decorrentes de emendas individuais impositivas
discriminadas com identificador de resultado primário 6
não serão objeto de bloqueio.
A regra é de que, em 30 de junho do segundo ano
subseqüente ao de sua inscrição, os restos a pagar
inscritos na condição de não processados e que não
forem liquidados sejam bloqueados pelo STN, exceto se
forem despesas relativas ao ministério da saúde ou
decorrentes de emendas individuais impositivas
discriminadas com identificador de resultado primário 6.
A LOA estima a receita e fixa a despesa. A é
formada corpo principal, anexos e informações
complementares. No seu corpo principal a LOA é
formada por orçamento fiscal, orçamento de
investimento e orçamento da seguridade social. O
orçamento fiscal e da seguridade social é composto pela
administração direta, autarquias, fundações públicas e
empresas estatais dependentes. O orçamento de
investimento é formado por empresas estatais
independentes.
O anexo de renúncia de receitas é o anexo com
demonstrativo regionalizado do efeito, sobre as receitas
e despesas, decorrentes de isenções, anistias, remissões,
subsídios e benefícios de natureza financeira, tributária e
creditícia. A LOA possui também como anexo obrigatório
demonstrativo de sua contabilidade com o Anexo de
metas fiscais.
A reserva de contingência é obrigatória, mas não
tem estabelecida o seu limite mínimo.
O sistema S, as ONGs e os coselhos profisisonais ao
integram a LOA da união.
Os fundos de incentivos fiscais integram as
informações complementares.
O orçamento fiscal e de investimento é que tem
como função reduzir as desigualdades inter-regionais,
segundo critério populacional. O orçamento da
seguridade social não tem como função reduzir
desigualdades, somente o orçamento fiscal e de
investimento.
O Balanço Orçamentário e o Balanço Financeiro
adotam o regime misto. A demonstração dos fluxos de
caixa é a única que adota o regime de caixa. O balanço
patrimonial, a demonstração das variações patrimoniais
e a demonstração das mutações do patrimônio líquido
adotam o regime de competência.
A demonstração dos fluxos de caixa deve ser
elaborada pelo método direto ou indireto e evidenciar
as movimentações havidas no caixa e equivalentes de
caixa, nos seguintes fluxos: das operações, dos
investimentos e dos financiamentos.
A demonstração dos fluxos de caixa considera
apenas as receitas orçamentárias arrecadadas, as
despesas orçamentárias pagas e os restos a pagar pagos.
DFC:
1. Receitas orçamentárias arrecadadas
2. Despesas orçamentárias pagas
3. Restos a pagar pagos
Os repasses financeiros são classificados como
transferências intra ou interovernamental
Os valores restituíveis não estão abrangidos pela
DFC, mas estão abrangidos pelo Balanço
Financeiro.
O Balanço financeiro considera todos os ingressos
orçamentários e extra-orçamentários. A DFC considera
as receitas orçamentárias arrecadadas, as depesas
orçamentárias pagas e os restos a pagar pagos.
A dfc ABRANGE O PAGAMENTO DE RESTOS A
PAGAR, E NÃO SUA INSCRIÇÃO.
Os valores restituíveis não estão abrangidos pela
DFC.
As transferências correntes e de capital concedidas
são o fluxo das atividades de operações.
As transferências de capital recebidas são fluxos
de financiamento. As transferências correntes recebidas
são fluxos de atividade de operações.
As transferências correntes recebidas e concedidas
são fluxos das operações. As transferências de capital
concedidas são fluxo das atividades de operações,
enquanto as transferências de capital recebidas são
fluxos de financeiamento.
As receitas orçamentárias arrecadadas são
ingressos. Já os dispêndios são as despesas
orçamentárias e os restos a pagar.
Aquisições financiadas de bens e arrendamento
financeiro não devem ser incluídas na demonstração do
fluxo de caixa. As aquisições financiadas de bens e o
arrendamento financeiro não envolvem o caixa ou
equivalentes de caixa, devendo ser divulgados em notas
explicativas.
Os ingressos, no fluxo de caixa de investimento,
incluem alienação de bens, amortização de empréstimos
e financiamentos concedidos e outros ingressos de
investimento. Já os desembolsos são aquisição de
empréstimos e financiamentos, aquisição de ativo não
circulante e outros desembolsos de investimento.
Prestar atenção que a amortização de empréstimos
concedidos e a aquisição de empréstimos e
financiamentos são do fluxo de caixa de investimentos e
não do de financiamento.
O resultado patrimonial obtido na DVP não se
confunde com o saldo patrimonial obtido no balanço
patrinonial. É possível obter o resultado patrimonial a
partir do saldo patrimonial em 2 casos:
O primeiro caso seria no primeiro ano de criação
da entidade, onde o resultado patrimonial seria igual ao
saldo patrimonial. O segundo caso seria em 2 balanços
consecutivos, onde o resultado patrimonial de x seria o
saldo patrimonial de x – saldo patrimonial de x-1.
O resultado patrimonial, apurado na DVP, é
transferido para o balanço patrimonial, passando a
constituir o saldo patrimonial existente no período.
O resultado Patrimonial do exercício é apurado na
DVP.
Se o ativo patrimonial é maior que o passivo
patrimonial temos o ativo real líquido
Se o ativo patrimonial é menor que o passivo
patrimonial tem-se o passivo real a descoberto.
Quando se compra material de consumo ocorre um
fato permutativo de despesa corrente, estando, por isso,
fora da DVP. Porém o uso de material de consumo
integra o Quadro principal da DVP.
De acordo com o acórdão 991 de 2019, o sistema S
deve compor o campo de aplicação da contabilidade
pública.
De acordo com o acórdão 991 de 2019, o sistema S
deve compor o campo de aplicação da contabilidade
pública.
NBC TSP 01 Receita de transação sem
contraprestação
NBC TSP 02 receita de transação com
contraprestação
A receita tributária é um fato orçamentário
aumentativo, juntamente com o recebimento de cota,
alterando o patrimônio líquido e sendo demonstrado na
DVP.
A inscrição de dívida ativa é um fato extra-
orçamentário, permutativo, não altera o patrimônio
líquido e não é demonstrado na DVP.
Despesas com material de consumo é um fato
orçamentário e permutativo. A receita de alienação de
bens também é um fato orçamentário e permutativo.
Ambos não alteram o PL. A despesa com material de
consumo não é demonstrada na DVP. A receita de
alienação de bens pode ser ou não demonstrada na DVP.
A despesa com pessoal é um fato orçamentário,
modificativo diminutivo, que altera o Patrimônio Líquido
e é demonstrado na DVP. A concessão de cota também.
O recebimento de cauções é um fato extra-
orçamentário, permutativo, que não altera o Patrimônio
Líquido e nem é demonstrado na DVP.
A devolução de cauções é um fato extra-
orçamentário, permutativo, que não altera o Patrimônio
Líquido e nem é demonstrado na DVP.
A contratação de ARO e o pagamento de ARO são
fatos extra-orçamentários, permutativos, que não
alteram o patrimônio líquido e nem são demonstrados
na DVP.
O recebimento de cotas para o pagamento de
restos a pagar e a concessão de cotas para o pagamento
de restos a pagar são fatos extra-orçamentários que
alteram o Patrimônio Líquido.
O cancelamento de dívida ativa é um fato extra-
orçamentário modificativo diminutivo, que altera o
Patrimônio Líquido e é demonstrado na DVP.
A incorporação de ativo e a desincorporação de
passivo não entram no cálculo da DVP.
São variações patrimoniais aumentativas as
transferências recebidas, os tributos e contribuições, as
valorizações e ganhos com ativos, as variações
patrimoniais aumentativas financeiras, a venda de
mercadorias, produtos e serviços.
São variações patrimoniais diminutivas os
benefícios previdenciários, outras variações patrimoniais
diminutivas, pessoal e encargos, as transferências
(realizadas), o uso de bens, serviços e consumo de
capital fixo e as variações patrimoniais diminutivas
financeiras .
São contas do ativo circulante : caixa e
equivalentes de caixa, créditos realizáveis a curto prazo
e estoques.
São contas do ativo não circulante o ativo realizável
a longo prazo, imobilizado e investimento.
São contas do passivo circulante as demais
obrigações de curto prazo, os empréstimos e
financiamentos de curto prazo a conta fornecedores e
contas a pagar e as obrigações trabalhistas e
previdenciárias a pagar.
São contas do passivo não circulante a conta
emrpéstimos e financeiamentos de longo prazo, a conta
provisões de longo prazo.
Constarão no Patrimônio líquido o patrimônio
social e resultado patrimonial, apurado na DVP.
As variações patrimoniais qualitativas contêm a
incorporação de ativos, a dseincorporação de passivos, a
incorporação de passivos e a esincorporação de ativos.
A demonstração das variações patrimoniais
indicará o Resultado Patrimonial do Exercício (art.104 da
lei 4320), bem como as alterações verificadas no
patrimônio, as variações quantitativas e qualitativas.
Modelo sintético de DVP – evidencia o 2º. Nível de
detalhamento do PCASP, os grupos
Modelo analítico de DVP – evidencia o 3º. Nível de
detalhamento do PCASP, os subgrupos.
O resultado patrimonial não é um indicador de
desempenho. O resultado patrimonial do exercício,
apurado na DVP, mede o quanto o serviço ofertado
promoveu alterações quantitativas, não sendo um
indicador de desempenho.
Variações patrimoniais aumentativas: 1. impostos,
taxas, contribuições de melhoria 2. Contribuições 3.
Exploração e venda de bens, serviços e direitos, 4.
Variações Patrimoniais aumentativas Financeiras, 5.
Transferências e delegações recebidas, 6.valorização e
ganhos com ativos e desincorporação de passivos 7.
Outras variações patrimoniais aumentativas.
As variações patrimoniais diminutivas são pessoal e
encargos, benefícios previdenciários e assistenciais, uso
de bens, serviços e consumo de capital fixo, variações
patrimonais diminutivas financeiras, transferências e
delegações concedidas, desvalorização e perda de ativos
e incorporação de passivos.
É bem verdade que a incorporação de ativos e
desincorporação de passivos não entram no cálculo da
DVP. Porém, a desvalorização e Perda de ativos e
incorporação de passivos, bem como a valorização e
ganhos com ativos e desincorporação de passivos
entram no cálculo da DVP
As variações patrimoniais aumentativas são as
receitas efetivas mais os acréscimos patrimoniais
(superveniência do ativo e insubsistência do passivo)
As variações patrimoniais diminutivas são as
insubsistências do ativo mais superveniências do passivo
(decréscimos patrimoniais), mais as despesas efetivas.
As variações patrimoniais aumentativas (classe 4
do PCASP) menos as variações patrimoniais diminutivas
(classe 3 do PCASP) equivalem ao resultado patrimonial
do exercício.
DVP original, conforme a lei 4.320 de 1964
Variações ATIVAS Variações Passivas
Resultantes da Execução Resultantes da Execução
Orçamentária Orçamentárias
Receitas Correntes Despesas Correntes
Receitas de Capital Despesas de Capital
Mutações Ativas Mutações Passivas
Independentes da Independentes da
Execução Orçamentária Execução Orçamentária
Acréscimo Patrimonial Decréscimo Patrimonial

Resultado PATRIMONIAL Resultado Patrimonial


(DÉFICIT SE FOR O CASO) (superávit se for o caso)

Apesar de figurarem na DVP, as receitas não


efetivas e as despesas não efetivas não alteram a
situação líquida patrimonial. Na DVP original existiam
variações ativas resultantes da execução orçamentária e
independentes da execução orçamentária, bem como
variações passivas resultantes da execução orçamentária
e independentes da execução orçamentária. As receitas
correntes, as receitas de capital e as mutações ativas são
variações ativas resultantes da execução orçamentária.
As despesas correntes, as despesas de capital e as
mutações ativas são resultantes da execução
orçamentária. De outro lado, os acréscimos e
decréscimos patrimoniais independem da execução
orçamentária.
As superveniências e as insubsistências ativas e
passivas compõem os valores independentes da
execução orçamentária e alteram o PL.
Os fatos permutativos extra-orçamentários não
passam por contas de resultado. Na contabilidade
pública, alguns fatos permutativos são, por meio de
força de lei, receitas ou despesas. Eles continuam a ser
permutativos, necessitando de compensação na DVP.
Na alienação de um bem usa-se o artifício da
mutação passiva para anular o efeito da receita não
efetiva. Desse modo a alienação do bem continuará a ser
um fato permutativo. Isso ocorre pois a alienação de um
bem é uma receita de capital(não altera o PL).
A despesa com amortização da dívida é uma
despesa de capital, sendo um fato permutativo e não
alterando o PL (despesa não efetiva). Por isso tem-se
que usar o artifício da mutação ativa para anular o efeito
da despesa não efetiva.
As AROs são fatos permutativos, ingressos extra-
orçamentários, entradas compensatórias no ativo e
passivo financeiro. Por isso as AROs não são registradas
na DVP.
O resultado patrimonial do exercício será somado
ao saldo patrimonial do BP, apurando a situação
patrimonial líquida da entidade.
Na DVP as variações patrimoniais qualitativas
passaram a ser facultativas.
As variações qualitativas são facultativamente
apresentadas na DVP.
As variações orçamentárias diminutivas não são
evidenciadas pelos seus valores globais, mas são
segregadas dentro do grupo das contas.
As variações quantitativas de caráter orçamentário
e extra-orçamentário, na DVP, são evidenciadas. As
superveniências e as insubsistências são evidenciadas.
Para a STN as despesas realizadas são as despesas
empenhadas. A NBC T 16 não alterou o posicionamento
da STN.
A DVP (demonstração das variações patrimoniais)
evidencia o RPE(resultado patrimonial do exercício), a
partir das receitas e despesas efetivas. A partir da NBC T
SP 16, as receitas e despesas efetivas passaram a ser
chamadas de variações quantitativas aumentativas e
diminutivas.
O resultado da execução orçamentária
corresponde às receitas arrecadadas menos as despesas
empenhadas.
O resultado patrimonial é igual às variações
patrimoniais quantitativas aumentativas menos as
variações patrimoniais quantitativas diminutivas.
Reconhecimento de ativos intangíveis na fase
interna de pesquisa e desenvolvimento: nenhum ativo
intangível resultante de pesquisa deve ser reconhecido.
Na geração interna, fase de desenvolvimento, o ativo
intangível resultante de pesquisa deve ser reconhecido
somente em algumas situações: intenção de concluir o
ativo intangível e de usá-lo ou vendê-lo, viabilidade
técnica para disponibilizá-lo para uso ou venda,
capacidade para usar ou vender o ativo intangível,
capacidade de mensurar com segurança os gastos
atribuíveis ao ativo intangível durante seu
desenvolvimento, dentre outros.
Os gastos relativos a projetos de pesquisa ou
desenvolvimento em andamento, devem ser
contabilizados ou nas fases de pesquisa ou na fase de
desenvolvimento,. O gasto com o projeto deve ser
realizado apenas na fase de pesquisa se a entidade não
conseguir separar as fases de pesquisa da fase de
desenvolvimento de projeto interno.
O objetivo da mensuração de ativos e passivos é
selecionar bases que reflitam de modo mais adequado o
custo dos serviços, a capacidade operacional e a
capacidade financeira da entidade. As bases de
mensuração de ativos são: custo histórico, valor de
mercado, custo de reposição ou substituição, preço
líquido de venda e valor em uso. O custo de reposição
ou substituição, o preço líquido de venda e o valor em
uso são bases específicas do ativo. As bases de
mensuração dos passivos são : custo histórico, custo de
cumprimento da obrigação, valor de mercado, custo de
liberação e preço presumido. O custo de liberação, o
custo de cumprimento da obrigação e o preço
presumido são bases de mensuração específicas do
passivo.
Receitas de Transação sem contraprestação NBC
TSP 1. Valor irrisório ou nenhum valor em troca. A maior
parte das VPAs são transações sem contraprestação,
aquelas em que a entidade recebe ativos e, em troca,
entrega valor irrisório ou nenhum valor em troca (NBC
TSP 1)
O reconhecimento dos custos no valor contábil do
ativo intangível cessa quando esse ativo está em
condições de entrar em operação. Os gastos incorridos
no uso, na transferência ou reinstalação de ativo
intangível não são incluídos em seu valor contábil.

O custo de liberação, o preço


presumido e o custo de
cumprimento são bases de
. mensuração específicas do
passivo.

Um ativo é intangível quando: identificável,


controlável e gerador de benefícios econômicos futuros
ou serviços potenciais. Para um ativo ser intangível ele
deve obedecer à definição de ativo intangível e obedecer
aos seguintes critérios de reconhecimento: o custo ou
valor justo do ativo pode ser mensurado com confiança,
e quando o custo ou valor justo do ativo puder ser
mensurado com segurança ou for provável que
benefícios econômicos futuros e serviços potenciais
atribuíveis ao ativo serão gerados em favor da entidade.
Formas de reconhecimento inicial de um ativo
intangível: aquisição separada, geração interna e
aquisições por meio de transações sem contraprestação.
Mútuos são espécies de operações de crédito,
onde se obtém, junto a uma instituição financeira,
recursos acrescidos de juros e demais encargos.
As PPPs são uma modalidade especial de contrato
de concessão de serviço público, com eventual execução
de obras ou fornecimento de bens, envolvendo
contraprestação pecuniária do parceiro público ao
parceiro privado. Existem 2 modalidades de PPPs:
concessão patrocinada e concessão administrativa.
No âmbito da União, compete à PGFN
(Procuradoria Geral da Fazenda Nacional) apurar a
liquidez e certeza dos créditos tributários e não
tributários inscritos em dívida ativa. A Dívida Ativa goza
de presunção de liquidez e certeza (presunção relativa) e
tem equivalência de prova pré-constituída contra o
devedor.
Divida ativa tributária = valor lançado do tributo-
valor arrecadado. Se para o ISS, por exemplo, tem-se a
previsão de R$ 2.000, porém lança-se R$1500,00 e
arrecada-se R$1200, o valor da dívida ativa tributária
será de R$300,00. Ou seja, dívida ativa tributária é tudo
que foi lançado menos o que foi arrecadado, com
respeito aos tributos, o que foi lançado mas deixou-se
de arrecadar.
Dívida ativa tributária é o que foi
lançado, mas deixou-se de
arrecadar. No âmbito da União,
compete à PGFN apurar a liquidez e
certeza dos créditos tributários
inscritos em dívida ativa.

Previsão Lançamento Arrecadação Recolhimento

IPTU R$2000 R$2000 R$1000 R$1000


IR R$3000 R$2000 R$500 R$500
ICMS R$4000 R$2000 R$1000 R$1000

ISS R$5000 R$2000 R$500 R$400


Para descobrir o que foi inscrito na dívida ativa
tributária deve-se analisar o valor arrecadado e o valor
lançado de cada tributo. As fases de previsão e
recolhimento ficam de fora.
Para o IPTU, o valor arrecadado foi de R$1000,
enquanto o valor lançado foi de R$2000,00;Deixou-se de
arrecadar R$1000,00. Essa diferença, entre o valor
lançado e o valor arrecadado se´ra a dívida ativa do IPTU
Para o IR, o valor lançado foi de R$2000,00, e o
valor arrecadado foi de R$ 500,00. Deixou-se de
arrecadar R$1500,00.Essa diferença entre o valor lançad
e o valor arrecadado será a dívida ativa do IR.
Para o ICMS o valor lançado foi de R$ 2000,00 e o
valor arrecadado foi de R$1000. Essa diferença, entre o
valor lançado e o valor arrecadado será o que deixou-se
de arrecadar, a dívida ativa do ICMS
Por fim a dívida ativa do ISS é de(R$1500) Somando
tudo tem-se uma dívida ativa tributária deR$5000
O cancelamento de dívida ativa é fato modificativo
diminutivo. A inscrição da dívida ativa atinge o principal,
os juros e as multas, e é feita pelo órgão responsável (na
União é a PGFN). A dívida ativa será receita
orçamentária na arrecadação, e será receita não efetiva
no recolhimento, não afetando a situação do patrimônio
líquido.
O cancelamento de dívida ativa é fato
modificativo diminutivo (altera o PL)

A dívida ativa será receita orçamentária


na arrecadação e será receita não efetiva
no recolhimento

Segundo Pacelli, a dívida ativa tributária envolve os


tributos, adicionais e multas. O autor distingue as multas
em tributárias e não tributárias. As multas não
tributárias seriam exemplo de dívida ativa não
tributárias. A CDA é extraída do termo de inscrição e
permite a ação judicial de cobrança. A inscrição do
crédito em dívida ativa configura fato contábil
permutativo.
Acerca da reestimativa da receita, tem-se que a
reestimativa de receita, por parte do Poder Legislativo,
somente será admitida se comprovados erros ou
omissões de ordem técnica ou legal. Se comprovados
tão somente erros ou omissões de ordem técnica ou
legal, aí sim, será feita a reestimativa de receita.
A LRF trata a renúncia de receitas como se fosse
uma despesa. A renúncia de receita é também chamada
de gastos tributários (tax expenditure): anisita, remissão,
subsídio, crédito presumido, concessão de isenção em
caráter não geral (não se dará renúncia de receita para
isenções em caráter geral), alteração de alíquotas ou
modificação da base de cálculo que implique redução
discriminada de tributos e contribuições e outros
benefícios. Vemos, aí, um exemplo de uso de vetores
axiológicos norte americanos, no orçamento brasileiro.
Constitui requisito essencial, para a
responsabilidade na gestão fiscal, que o ente institua,
preveja e arrecade todos os tributos de sua
competência. Caso o ente não cumpra essa regra, ficará
impedido de receber transferências voluntárias de
outros entes.
As previsões das receitas deverão observar as
normas técnicas e legais, considerar os efeitos das
alterações na legislação, a variação do índice de preços,
o crescimento econômico e qualquer outro fator
relevante.
Regra de ouro da LRF: o montante das receitas de
operações de crédito não poderá ser superior ao das
despesas de capital. A regra de ouro consta na
constituição federal, no art. 167 inciso III, que diz que é
vedada a realização de operações de crédito que
excedam o montante das despesas de capital. A regra de
ouro possui ressalvas: se as operações de crédito forem
feitas mediante créditos suplementares e especiais com
finalidade precisas, aprovadas pelo poder legislativo por
maioria absoluta. A regra de ouro busca impedir o uso
de recursos provenientes de dívida para o pagamento de
despesas correntes. Ou seja, as operações de crédito
não poderão financiar despesas correntes. A LRF
estabeleceu que o cumprimento dessa regra deve ser
feito em bases anuais (ao final do exercício financeiro).
Destarte, o município claudicará se não cumprir a regra
de ouro anualmente, em bases anuais.
Importantes doutrinadores do direito financeiro
são Aliomar Baleeiro, James Giacomoni e Kiyoshi Harada.
Esta obra está alicerçada nos vetores axiológicos dos
insignes estudiosos, bem como nos textos do professor
Giovanni Pacelli.
As previsões de receitas deverão estar
acompanhadas de demonstrativo de sua evolução, nos
últimos três anos, projeção para os dois anos seguintes,
metodologia de cálculo e premissas utilizadas.
Os estudos e as estimativas das receitas para o
exercício subseqüente, inclusive RCL, acompanhadas das
respectivas memórias de cálculo, deverão ser
disponibilizados pelo Poder Executivo, no mínimo 30
dias antes do prazo para encaminhamento de suas
propostas orçamentárias.
A receita de capital, quando derivada da alienação
de bens e direitos, que integrem o patrimônio público,
não poderá ser utilizada para realização de despesas
correntes, salvo para os regimes de previdência social,
geral e próprio dos servidores públicos(única exceção).
A receita de dívida ativa, desde 2016, acompanha a
origem (2º. Dígito-origem). De acordo com a lei 4320 de
1964, a dívida ativa pode ser tributária ou não tributária.
A cobrança Judicial, instituída com a Certidão de
Dívida Ativa (CDA), só é feita depois da inscrição e
esgotadas as oportunidades para se quitar o débito.
O ato de inscrição em dívida ativa possui dupla
instrumentalidade: cumprir a finalidade contábil da lei
4320 de 1964 e viabilizar a criação do título executivo
extrajudicial (CDA).
As receitas de contribuições e as receitas de
empréstimos compulsórios são dívida ativa não
tributária, apesar de serem receitas derivadas.
Na fase de inscrição de dívida ativa ocorre apenas
um fato permutativo. Em todas as análises anteriores a
2014 e em algumas análises mais recentes, ela é
classificada, erroneamente, como fato contábil
modificativo aumentativo. Na dívida ativa há troca de
crédito no curto prazo, pelo crédito de d´´ivida ativa no
longo prazo.
Procedimento 1 para inscrição em dívida
ativa:Utiliza contas de controle e requer uma maior
integração
Procedimento 2 para inscrição em dívida ativa:
dispensa os registros de controle e há dificuldade de
integração.
Procedimento 1 : com contas de controle.
Procedimento 2 : sem contas de controle. Em ambos, o
registro do crédito a receber é pré-requisito para a
inscrição em dívida ativa. No procedimento 2, sem
contas de controle, ocorre o registro do crédito a
receber e depois a inscrição. No procedimento , com
contas de controle, ocorre o registro do crédito a
receber como pré-requisito para a inscrição em dívida
ativa e logo após o registro do crédito vencido a ser
encaminhado para a inscrição em Dívida Ativa.
Procedimento tipo 1: com contas de controle
1. Registro do Crédito a Receber (Pré-requisito
para inscrição em dívida ativa)
Débito 1.1 Crédito a Receber
Crédito 4 Variação Patrimonial Aumentativa
Órgão de origem

Procedimento Tipo 2 , com contas de controle


1. Registro de créditos a receber (pré-requisito
para inscrição em dívida ativa)
Débito 1.1 Crédito a Receber
Crédito 4 Variação Patrimonial aumentativa.
2.Na inscrição:
D transferências concedidas independentes
de execução orçamentária
C créditos de curto prazo
Oorgão de origem
Orgão responsável pela inscrição:
D-transferencias a longo prazo
C transferências recebidas independentes de
execução orçamentária;
O procedimento tipo 2 para inscrição em
dívida ativa (com contas de controle) envolve
as seguintes contas:
1.1 Crédito a Receber
4 Variação Patrimonial aumentativa
3.5 Transferências concedidas
independentes de execução
orçamentária – Intra OFSS
1.1 Créditos a curto Prazo
1.2 Créditos a Longo Prazo- Dívida Ativa
4.5 Transferências Recebidas independentes
da execução orçamentária- Intra OFSS
Registro do crédito a receber(pré-requisito
para a inscrição do crédito em dívida ativa)
D 3.5Transferências
concedidas
independentes da
execução orçamentária

C 1.1 Créditos a Curto


Prazo

Existem 3 possibilidades de registro da


despesa: quando o fato gerador ocorre antes
do empenho, quando o fato gerador ocorre
entre o empenho e a liquidação e quando o
fato gerador coincide com a liquidação.
No estágio da fixação da despesa ocorre um
lançamento horizontal
D 5.2 Dotação Inicial
C 6.2 Crédito Disponível
Lançamentos horizontais são lançamentos de
mesmo grupo, mas de classes diferentes (no
caso, classes 5 e 6)
No empenho da despesa temos:
D 6.2.2 Crédito Disponível
C 6.2.2 Crédito Empenhado a Liquidar
O empenho da despesa envolve as contas
crédito disponível, crédito empenhado a
liquidar, disponibilidade por destinação de
recursos “a utilizar’ e disponibilidade por
destinação de recursos comprometidos por
empenho.

D Crédito Disponível D Dsiponibilidade por destinação


de recursos “a utilizar”
C Crédito empenhado a liquidar
C Disponibilidade por destinação
Ou Crédito Disponível de recursos comprometida por
a Crédito empenhado a liquidar empenho
Natureza orçamentária

D – 5.2.1 Previsão
AdicionalNo
dasuperávit
Receita financeiro eu debito dotação
Orçamentária
adicional por fonte- superávit financeiro do
exercício anterior (5.2.2) e credito crédito
C- 6.2.1 Receita a
disponível 6.2.2
Realizar
*Operação de Crédito *Reserva de Contigência
] D 5.2.2 Dotação adicional
D-5.2.2 Dotação
por fonte – reserva de
adicional por fonte-
contigência
operação de crédito
C 6.2.2 Crédito disponível
C-6.2.2 Crédito
disponível
A demonstração dos fluxos de caixa pode ser
elaborada pelos métodos direto ou indireto,
evidenciando as movimentações havidas no caixa e
equivalentes de caixa, nos seguintes fluxos: das
operações, dos investimentos e dos financiamentos. A
demonstração dos fluxos de caixa, com as normas de
convergência de contabilidade, vai sendo incorporada,
paulatinamente, na contabilidade pública. Na
contabilidade societária a demonstração dos fluxos de
caixa é abordada no CPC 03.
O caixa líquido gerado na Demonstração dos Fluxos
de caixa pode não coincidir com o resultado financeiro
do Balanço Financeiro.
O caixa líquido gerado na demonstração
dos fluxos de caixa pode não coincidir com o resultado
financeiro do balanço financeiro.
Isso ocorre, pois o balanço financeiro considera
todos os ingressos orçamentários e extra-orçamentárias.
A Demonstração dos Fluxos de caixa, na
contabilidade societária, é obrigatória por força da lie
11638 de 2007, desde 2008, sendo um importante
relatório na tomada de decisões gerenciais.
A demonstração dos fluxos de caixa considera
apenas as receitas orçamentárias arrecadadas, as
despesas orçamentárias pagas e os restos a pagar pagos.
Balanço Financeiro: considera todos os ingressos
orçamentários e extra-orçamentários
Demonstração dos Fluxos de caixa: considera os
restos a pagar pagos, as receitas orçamentárias
arrecadadas e as despesas orçamentárias pagas.
Memorizar assim: toda vez que se falar em
transferências correntes e de capital recebidas ou
concedidas, classificaremos no fluxo de caixa das
atividades de operações, exceto as transferências de
capital recebidas, que são do fluxo de financiamento.
Os repasses financeiros são classificados como
transferências intra ou intergovernamental.
5.2 Fixação da despesa 6.2 Execução da despesa
5.2 Dotação Inicial 6.2 Crédito Disponível
6.2 Crédito empenhado a
liquidar
6.2 Crédito empenhado
em liquidação*
6.2 Crédito empenhado
liquidado
6.2 Crédito Pago
5.2 Movimentação de 6.2 Movimentação de
créditos- Créditos-
destaque/provisão Destaque/Provisão
recebida concedida
O resultado patrimonial é obtido na DVP. Já o saldo
patrimonial é obtido no Balanço Patrimonial.
O CPC 26, na contabilidade societária, é quem trata
de uniformizar a apresentação das demonstrações
contábeis. Segundo o CP 26, as demonstrações devem
representar apropriadamente a posição financeira e
patrimonial, o desempenho e o fluxo de caixa da
entidade. O CPC 26 fala em demonstrações contábeis de
propósito geral.
A consolidação nacional das demonstrações
contábeis é feita pela STN, abrangendo os orçamentos
fiscal e da seguridade social. A consolidação nacional das
demonstrações contábeis pode ser nacional (inter
governamental), ou em cada ente da federação (intra
governamental)

Na contabilidade Pública, a consolidação


nacional das demonstrações contábeis é feita pela STN,
abrangendo os orçamentos fiscais e da seguridade
social.
A utilização do 5º. Nível (subtítulo) segrega os
valores das transações que serão incluídas ou excluídas
da consolidação. O 5º. Nível identifica os saldos
recíprocos nas contas de natureza patrimonial.
Para utilizar o código 3 no subtítulo deve ocorrer
uma operação entre o orçamento fiscal e da seguridade
social da União e unidades do orçamento fiscal e da
seguridade social de outro ente.Quem usará o código 3
não é a união, mas o estado.
O passivo, conforme a lei 6404/76, é composto
pelas obrigações e pelo Patrimônio líquido. De acordo
com o CPC 26(R1), o passivo é composto apenas pelas
obrigações. Segundo a lei das S.A, o passivo abrange o
Patrimônio líquido, apenas. Já pelo CPC 26 (R1), o
passivo não abrange o patrimônio líquido. Mesmo assi, é
costume, no Brasil, designar passivo como o conjunto
das obrigações e do patrimônio líquido.
Na consolidação das demonstrações contábeis,
deve ser dada especial atenção às contas de natureza
patrimonial de 5º. Nível. As contas de natureza
patrimonial de 5º. Nível: código 3(união), código
4(estados) e código 5(município), são utilizadas pelos
demais entes com os quais o ente citado realiza a
transação. São itens excluídos do processo de
consolidação: As participações nas empresas estatais
dependentes, as transações e saldos recíprocos entre as
entidades e as parcelas dos resultados do exercício, do
lucro/prejuízo acumulado e do custo dos ativos que
corresponderem a resultados ainda não realizados.
Existe um mecanismo para segregação dos valores
das transações que serão incluídas ou excluídas na
consolidação: a utilização do 5º nível (subtítulo) das
classes 1,2,3 e 4 do PCASP. Esse mecanismo identifica os
saldos recíprocos nas contas de natureza patrimonial.
Para a contabilidade societária, consolidação das
demonstrações contábeis é outra coisa: a CVM
estabelece que toda companhia aberta que possuir
investimentos em controladas deve consolidar suas
demonstrações financeiras.

As participações nas empresas estatais


dependentes devem ser excluídas na
consolidação.

O Plano de Contas Aplicado ao Setor público


indica As contas obrigatórias e facultativas

A consolidação de balanços pode se dar tanto a


nível intragovernamental quanto a nível
intergovernamental, e a consolidação ocorre pela soma
ou agregação de saldos ou grupos de contas formando
uma nova unidade contábil (unidade contábil
consolidada). Fazem parte da consolidação os fundos
integrantes do orçamento fiscal e da seguridade social,
juntamente com as autarquias e fundações.
Os itens excluídos no processo de consolidação
são:
1.As participações nas empresas estatais
dependentes
2.As transações e saldos recíprocos entre as
entidades
3.As parcelas do resultado do exercício, do lucro/
prejuízo acumulado e do custo dos ativos que
corresponderem a resultados ainda não realizados.

Prazos de envio das contas dos demais entes para


o Executivo da União
Do Estado para o Poder Executivo da União: 31 de
maio
Do Município para o Poder Executivo da União,
com cópia para o Poder Executivo do respectivo estado:
30 de abril
Prazo para consolidação nacional e por esfera de
governo: 30 de junho

O poder executivo da união promoverá,


até o dia 30 de junho, a consolidação das
contas dos entes da federação relativas
ao exercício anterior.

A consolidação das contas dos entes da Federação


relativas ao exercício anterior pode ser nacional ou por
esfera de governo e será divulgado até 30/06, inclusive
por meios eletrônicos.
Se o ente descumprir esses prazos, ficará impedido
de receber transferências voluntárias e contratar
operações de crédito, exceto ao refinanciamento do
principal atualizado da dívida mobiliária.
Segundo a NBC T 16.7, as demonstrações contábeis
consolidadas devem ser complementadas por notas
explicativas.
Os ajustes e as eliminações decorrentes do
processo de consolidação não originam nenhum tipo de
lançamento na escrituração das entidades que formam a
unidade contábil. Eles são realizados em documentos
auxiliares.
Para fins de consolidação, as demonstrações
contábeis das entidades do setor público devem ser
levantadas na mesma data, admitindo-se a defasagem
de até três meses. Essa defasagem de até 3 meses só é
admitida se os efeitos relevantes entre as diferentes
datas sejam divulgados em notas explicativas.
A classificação funcional é obrigatória e
padronizada para todos os entes. A classificação
funcional identifica área do gasto, sendo suportada pela
portaria 42 do MOG de 1999
CLASSIFICAÇÃO FUNCIONAL

*Padronizada e obrigatória para todos os


entes

*Identifica a área do gasto

* suportada pela portaria 42 do MOG


O IDOC (identificador de operação de crédito) e o
IDUSO(identificador de uso) são classificações
específicas para a união.
A classificação quanto à natureza é obrigatória e
padronizada para a União, os estados e os municípios.
A classificação programática é obrigatória para
todos os entes.
A classificação institucional é obrigatória para
todos os entes (art.14 da lei 4320/64)
A classificação por fonte e a classificação por
resultado primário devem ser adotadas para Estados e
Municípios.
Matricialidade: as subfunções podem ser
combinadas com funções diferentes, relacionadas na
Portaria MOG 42, de 1999. A exceção à matricialidade é
a função 28, que não aceita subfunções de outras
funções.

Classificação da despesa por esfera orçamentária:


identifica se a despesa pertence ao orçamento fiscal,
orçamento da seguridade social ou ao orçamento de
investimento das empresas estatais.
Código 10 Orçamento Fiscal
Código 20 Orçamento da Seguridade Social
Código 30 orçamento de investimento das estatais
Despesas Correntes: podem ser despesas de
custeio ou transferências correntes
As transferências correntes são aquelas destinadas
à subvenções e contribuições e que não correspondem a
contraprestações diretas em bens ou serviços. As
despesas de custeio são aquelas para manutenção de
serviços anteriormente criados e aquelas para
adaptação e conservação de bens móveis.
Investimentos: Obras Públicas, Programas Especiais
de Trabalho, Aquisição de Imóveis para construir as
obras públicas, aquisição de instalação, equipamentos e
material permanente, e constituição ou aumento do
capital de empresas que não sejam de caráter comercial
ou financeiro.
Despesas de Investimento: Obras
Públicas, Programas Especiais de
Trabalho, Aquisição de imóveis para
construir as obras públicas, Aquisição de
instalação, equipamentos e material
permanente e Constituição ou aumento
do capital de empresas que não sejam de
caráter comercial
As inversões financeiras ou financeiro
constituem-se de:
aquisição de imóveis ou de bens de capital já em
utilização, aquisição de títulos representativos do capital
de empresas ou entidades de qualquer espécie, já
constituídas, quando não importar aumento de capital e
constituição ou aumento do capital de entidades ou
empresas que visem a objetivos comerciais e financeiros
Nos investimentos estão a constituição ou aumento do
capital de empresas que não sejam de caráter
financeiro, já nas inversões financeiras estão as despesas
relacionadas à constituição ou aumento de capital de
entidades u empresas que visem a objetivos comerciais
ou financeiros
As transferências de capital são a amortização da
dívida pública, os auxílios para obras públicas, os auxílios
para equipamentos e instalações, os auxílios para
inversões financeiras e outras contribuições. As
transferências de capital são formadas, basicamente,
pelos auxílios, pelas contribuições e pela amortização da
dívida pública.
No âmbito federal, o regime de adiantamento tem
como instrumento PREFERENCIAL o cartão de
pagamento, pois existe o depósito em conta corrente do
servidro- conta tipo B. Regra geral o CPGF (cartão de
pagamento do governo federal) não pode ser feito pela
modalidade saque. O CPGF na modalidade saque pode
ser feito só em determinados casos.
A concessão do suprimento de fundos é a critério
do ordenador de despesa e sob sua inteira
responsabilidade.
O ciclo de adiantamento 9suprimento de fundos)
se subdivide em três etapas: concessão, aplicação e
prestação de contas. O prazo de aplicação vai até 90 dias
e o prazo de comprovação até 30 dias.
O empenho deve ser anterior ao suprimento de
fundos. Quando o servidor recebe o adiantamento, a
despesa já passou pelos estágios de empenho,
liquidação e pagamento.
O servidor declarado em alcance não pode receber
o adiantamento(suprimento de fundos).
O servidor responsável por dois adiantamentos não
pode receber suprimento de fundos.
Não pode ser concedido adiantamento ou
suprimento de fundos a servidor que tenha a seu cargo a
guarda ou a utilização do material a adquirir, salvo
quando houver na repartição outro servidor
O suprimento de fundos é utilizado, no governo
federal, para atender despesas eventuais, inclusive em
viagens e com serviços especiais, ou quando a despesa
deva ser feita em caráter sigiloso. Admite-se, também
no governo federal, a aplicação de suprimento de fundos
ou adiantamento para atender despesas de pequeno
vulto.
No governo federal existe um limite global e um
limite individual, aplicável apenas às despesas de
pequeno vulto.
Segundo o decreto 93.872, as despesas de
pequeno vulto têm um limite, mas as despesas
eventuais e sigilosas não têm
Os limites globais para suprimento de fundo
aplicável nas despesas de pequeno vulto, para a
modalidade cartão de pagamento, são R$15.000, para
obras e serviços de engenharia e R$8.000 para outros
serviços e compras em geral.
Os limites globais para ato de concessão de
suprimento aplicável nas despesas de pequeno vulto são
De R$7500 para obras e serviços de engenharia R$4000
para outros serviços e compras em geral
O prazo de aplicaação do adiantamento, na União,
é de 90 dias. O prazo é estabelecido pelo ordenador de
despesas e não pode ultrapassar 31 de dezembro.
As despesas realizadas por meio de suprimento de
fundos são incluídas na tomada de contas do ordenador
de despesa desde que por ele não impugnadas. Não
impugnada é sinônimo de aprovada.
De acordo com o decreto 93872/1986 a restituição
de suprimento de fundos é receita orçamentária, se
recolhida após o encerramento do exercício.
O servidor declarado em alcance não receberá
suprimento de fundos.
Para obras e serviços de engenharia→R$15.000
Outros serviços e compras em geral→R$8.000
Não é vedada a utilização de CPGF para pagar
despesas fora do país.
Na contabilidade pública registram-se atos e fatos.
Já na contabilidade societária se registram apenas fatos.
A contratação e o pagamento de ARO envolve
contas de natureza Patrimonial e de controle. O
recebimento ou devolução de depósitos também
envolve contas de natureza patrimonial e de coontrole
(subsistemas patrimonial e de compensação (subistemas
ptrimonial e de compoensação).
A doação de bens envolve contas de natureza
patrimonial. A prescrição de dívidas também só envolve
contas de natureza patrimonial.
A assinatura de contrato ou convêncio envolve
contas de natureza de controle subsitema de
compoensação).
As superveniências do passivo são variações
quantitativas diminutivas extraorçamentárias:
encampação de dívidas de terceiros, correção
monetária/cambial da dívida fundada;.
As insubsistências do passivo são variações
quantitativas aumentativas extraorçamentárias: perdão
ou prescrição de dívidas.
As despesas efetivas são variações quantitativas
diminutivas orçamentárias: despesas com pessoal,
despesas com juros, etc.
É muito importante, no ramo da contabilidade
pública, conceituar as insubsistências/ superveniências
do ativo/passivo

As insubsistências do ativo são variações


quantitativas diminutivas
extraorçamentárias. As superveniências do
ativo são variações quantitativas
aumentativas extraorçamentárias.

As superveniências do passivo são variações


patrimoniais diminutivas extraorçamentárias.
A inscrição de restos a pagar e a inscrição dso
serviços da dívida a pagar não geram a entrada de
recursos financeiros, no entanto são considerados
ingressos (ingressos extraorçamentários). Isso contraria
o 2º. Corolário: para um item do RCPG ser considerado
ingresso ele deve ensejar a entrada de recursos
financeiros.
As receitas orçamentárias podem ser usadas para
financiar políticas públicas, já as receitas
extraorçamentárias não podem financiar políticas
publicas.
As receitas públicas em sentido amplo são os
ingressos, que podem ser orçamentários ou
extraorçamentários.As receitas públicas em sentido
extrito são os ingressos orçamentários. Os ingressos
orçamentários aumentam o saldo do patrimônio
financeiro, já os ingressos extraorçamentários não
modificam o seu saldo. Os ingressos extraorçamentários
não integram o orçamento público, não é vinculado a
execução do orçamento, não consitui renda do estado,
extraorçamentários são não orçamentários.Depósitos
em caução, fianças, emissão de moeda, operações de
crédito por antecipação de receita e outras entradas
compensatórias no ativo e passivo financeiro são
exemplos de ingressos extraorçamentários. As receitas
orçamentárias estão previstas na LOA, enquanto os
ingressos extraorçaemntários não estão na LOA.
O ativo Real é a soma do ativo financeiro mais o
permanente. O passivo real é a soma do passivo
financeiros mais o permanente
Saldo Patrimonial= ativo real-passivo real
Se um evento aumenta simultaneamente o ativo
financeiro (caixa e equivalente de caixa e o passivo
financeiro (dívida flutuante) ele é classificado como
receita extra-orçamentária.
Se ocorrer um evento que diminua
simultaneamente o ativo financeiro(caixa e equivalente
d ecaixa) e o passivo financeiro (dívida flutuante) ele é
despesa extraorçamentária.
Os subitesn da dívida flutuante são estátcos, são
obrigações. Os subitens da divida flutuante são os restos
a pagar, os serviços da dívida a pagar, as cauções,
depósitos (inclusive judiciais), consignações e retenções,
os débitos de tesouraria e o papel-moeda.
As receitas correntes são efetivas e as receitas de
capital são não efetivas. Porém, existem receitas
correntes não efetivas e receitas de capital efetivas.
Receitas efetivas: em regra todas as receitas
corrents, com exceção do recebimento da dívida ativa.
A entidade não deve reconhecer no valor contábil
de um item do ativo imobilizado os custos com
manutenção periódica do item.
As receitas orçamentárias efetivas constituem fato
contábil aumentativo, aumentando a situação líquida da
entidade. As receitas correntes, em regra, são efetivas.
Porém existem receitas de capital efetivas, como as
trasnferências de capital, a remuneração das
disponibilidades do tesouro nacional e o resultado do
BACEN. As receitas orçamentárias não efetivas são
também chamadas por mutação patrimonial, pois não
alteram a situação liquida patrimonial no momento do
reconhecimento do crédito. As receitas de capital, em
regra, são não efetivas. Porém existem receitas
correntes não efetivas, como a a cobrança de dívida
ativa e a alienação de bens apreendidos e caucionados.
Na receita não efetiva o estado recebe um dinheiro
a partir da perda de um bem ou direito ou da
incorporação de uma obrigação. Na receita efetiva ele
recebe o dinheiro sem perder um bem ou direito ou sem
incorporar uma obrigação.
Tudo começo em 2008, com a NBC T16. As normas
brasileiras de contabilidade aplicadas ao setor público
formalizaram os subsistemas. Porém, antes da NBC T 16,
já existiam 4 subsitemas : patrimonial, financeiro,
orçamentário e de compensação, apesar de sua
formalização se dar em 2008. A partir de janeiro de 2009
passaram a existir 5 subsistemas: patrimonial,
financeiro, orçamentário, de compensação e de custos.
O prazo prescricional dos restos a pagar é de 5
anos, a contar da inscrição, que ocorre em 31 de
dezembro. A prescrição vale para ambos os restos a
pagar.
Os restos a pagar permanecem válidos até 30 de
junho do ano seguinte ao da inscrição.
A inscrição dos restos a pagar não processados não
ocorre de forma automática, em 31 de dezembro, mas
por indicação do ordenador de depsesas.
Os bens de uso comum do povo e os de uso
especial são inalienáveis. Já os bens dominicais podem
ser alienados, observada as exigências da lei. Os bens
públicos, seja de uso especial, comum ou dominicais,
não estão sujeitos a usucapião, não podem ser
usucapidos
Antes das NBC T 16,em 2008, apenas os bens
públicos de uso especial e os dominicais eram
contabilizados pela CASP. Com a NBC T16, os bens de
uso comum do povo que absorverem recursos públicos e
os bens de uso comum do povo recebidos em doação
devem ser contabilizados no ativo não circulante
imobilizado. Os demais bens de uso comum não se
contabilizam. Os bens especiais e os bens dominicais são
contabilizados na ativo não circulante imobilizado.
Exemplos de bens especiais são os prédios das
repartições públicas. Já os bens dominiais são os prédios
e terrenos públicos desocupados. Bens de uso comum
são os mares e rios.
O fato de um ente público gastar recursos na
manutenção de mares e rios não os torna um bem de
uso comum contabilizado pois esse gasto não é
“ativado”. Já os ativos de infraestrutura e os ativos
culturais(museus) são contabilizados no ativo não
circulante imobilizado.
NBC TSP 14 Custo de empréstimos: As variações
cambiais decorrentes de empréstimos em moeda
estrangera integram o custo dos empréstimos.
As despesas efetuadas pelo patrimônio público
com a finalidade de incrementar o patrimônio cultural
têm a ver com os ativos intangíveis do patrimônio
cultural com valores expressivos. Esses bens são rara
mente reconhecidos
Sempre que os termos ativa e passiva aparecerem
eles significarão, respectivamente receitas e despesas.
Superveniência ativa é sinônimo de superveniência
do ativo
Superveniência passiva é sinônimo de
superveniência do passivo
Insubsistência ativa é sinônimo de insubsistência
do passivo

Insubsistência ativa ou insubsistência do passivo é


receita, reduzindo o PL
Insubsistência passiva ou insubsistência do ativo é
despesa , reduzindo o Patrimônio Líquido
Superveniência ativa ou superneviência do ativo é
receita, aumentando o PL
Superveniência Passiva ou superveniência do
passivo é despesa, reduzindo o PL
Na visão da STN, insubsistência ativa é uma
insubsistência do passivo e uma insubsistência passiva é
uma insubsistência do ativo. Insubsistência do ativo: algo
desapareceu no ativo. Insubsistência do passivo: algo
desapareceu no passivo.
Na visão da STN superveniência ativa é uma
superveniência do ativo e superveniência passiva é uma
superveniência do passivo. Superveniência do ativo: algo
surgiu no ativo. Superveniência do passivo: algo surgiu
no passivo
Art. 100 As alterações da situação líquida
patrimonial, que abrangem os resultados da execução
orçamentária, bem como as variações independentes
dessa execução e as superveniências e insubsistências
ativas e passivas, constituirão elementos da conta
patrimonial.
Constituirão elementos da conta patrimonial:
1. As alterações da situação líquida patrimonial
2. 2.os resultados da execução orçamentária
3. As variações independentes da execução
orçamentária
4. As superveniências e insubsistências ativas e
passivas
As variações patrimoniais serão reconhecidas
pelo regime de competência, visando conduzir a
contabilidade do setro público brasileiro aos
padrões internacionais
As variações patrimoniais serão reconhecidas
pelo regime de competência, visando garantir o
reconhecimento de todos os ativos e passivos
das entidades que integram o setor público e
conduzir a contabilidade do setor público a
padrões internacionais, ampliando a
transparência nas contas públicas.
O sistema contábil está estruturado em 4
subsistemas da informação: orçamentário,
patrimonial, custos e compensação.
O capmo de aplicação da contabilidade não
abrange as fundações privadas, sujeitas à tutela
do MP, mas sim todas as entidades do poder
público.
NBC TSP Estrutura Conceitual: estar livre de erro
material não significa exatidão completa em
todos os aspectos relevantes. Estar livre de erro
material significa que não há erros ou omissões
que sejam indvidualmente ou coletivamente
relevantes.
Informações financeiras e não financeiras
relevantes são aquelas que têm valor
confirmatório, preditivo ou ambos.
Segundo o acórdão 991 de 2019, do TCU, o
sistema S, formado por Sesi, Senai, Sesc, Senac,
Sest, Senat, devem adotar as normas de
contabilidade aplicadas ao setor público (NBC
TSP). Dessa forma o sistema S passa o ser campo
de aplicação da contabilidade pública, a partir
de 2019.
As características qualitativas dos RCPGs são
6:
Relevância, Representação Fidedigna,
Comparabilidade,
verificabilidade(suportabilidade),
tempestividade e compreensibilidade.
Toda informação contábil e todo relatório
contábil de propósito geral, de acordo com a
NBC TSP estrutura conceitual, deve ser
relevante, ter representação fidedigna, ser
comparável (atributo da comparabilidade), ser
verificável (verificabilidade é sinônimo de
suportabilidade), ser tempestiva e ser
compreensível.
Uma informação contábil ou um RCPG é
representado fidedignamente quando for
completo, neutro e livre de erro material. Uma
informação contábil do RCPG é relevante
quando tiver valor confirmatório, preditivo ou
ambos. A comparabilidade é diferente da
consistência e a comparabilidade é diferente da
uniformidade.
As restrições acerca das informações contidas
nos RCPGs são a materialidade, o custo
benefício e o equilíbrio entre características
qualitativas.
Custo de reposição ou substituição, preço
líquido de venda e valor em uso são bases de
mensuração dos ativos. Já o custo de
cumpirimento da obrigação, o custo de
liberação e o preço presumido são bases de
mensuração específicas do passivo.
A disponibilidade de caixa constará de
registro próprio, de modo que os recursos
vinculados a órgão, fundo ou despesa fiquem
identificados e escriturados de fora
individualizada.
A despesa e assunção de compromisso serão
registradas segundo o regime de competência, e
os resultados dos fluxos financeiros serão
apurados em caráter complementar, pelo
regime de caixa.
As demonstrações contábeis compreenderão
as transações contábeis de cada órgão, isolada e
conjuntamente.
As receitas e despesas previdenciárias serão
apresentadas em demonstrativos financeiros e
orçamentários específicos.
A demonstração das variações patrimoniais
dará destaque à origem e ao destino de recursos
provenientes da alienação de ativos.
As operações de crédito e as inscrições em
restos a pagar deverão ser escrituradas de
modo a evidenciar o montante e a variação da
dívida no período.
Primeiro tem que haver a liquidação (regular
liquidação, conforme a lei 4320), depois o
pagamento: O pagamento da despesa só será
efetuado após sua regular liquidação.
As receitas públicas, quanto à procedência,
são originária e derivadas.
O principal objetivo da receita corrente
líquida é servir de paramentro para o montante
da reserva de contigencia e para os limites da
despesa total com pessoal, da divida
consolidada, das operações de crédito, do
serviço da dívida, das operações de crédito por
antecipação de receita orçamentária. Os limites
foram estabelecidos em parte pela LRF e em
parte pela reesolução do senado federal. A LRF
serve de parâmetro para as emendas individuais
Senado Federal: proprosta de limite global
para o montante da dívida consolidada
Congresso Nacional: projeto de lei que
estabeleça limites para o montante da dívida
mobiliária federal.
Esses lmites serão fixados em percentual da
receita corrente líquida.
O ativo será classificado como circulante quando: espera-se
que esse ativo seja realizado, ou pretende-se que seja mantido com
o propósito de ser vendido ou consumido no curso normal do ciclo
operacional da entidade. Se o ativo for mantido essencialmente
com o propósito de ser negociado ele será ativo circulante. Quando
se espera que o ativo seja realizado até 12 meses após a data das
demonstrações contábeis ele será ativo circulante. Quando o ativo
seja caixa ou equivalente de caixa. Quando ocorrer qualquer um
desses requisitos o ativo será circulante.
As informações sobre execução do cronograma financeiro
devem constar no balanço orçamentário.
Programação Orçamentária e Financeira: até 30 dias após a
publicação dos orçamentos, deverá ser estabelecida a programação
financeira bem como o cronograma mensal de desembolso. A
programação financeira e o cronograma mensal de desembolso
será nos termos em que dispuser a lei de diretrizes orçamentárias.
Nos inventários do imobilizado e intangível, os bens que não
estejam sendo utilizados e que não tenham valor de venda
(obsoletos, quebrados, inutilizados), deverão ser baixados como
perdas diretamente em conta de resultado (VPD)
Os planos de contas dos entes da federação devem ter, pelo
menos sete níveis, e os níveis não detalhados serão codificados
com o dígito 0. Já com relação às classes, o PCASP é dividido em 8
classes, sendo as contas contábeis classificadas segundo a natureza
das informações que evidenciem. As contas contábeis são
identificadas por códigos com 7 níveis de desdobramento,
compostos por 9 dígitos.
VPA
Arrecadação de tributos R$300.000
Receita orçamentária + transferências financeiras
recebidas+recebimentos extra-orçamentários –despesa
orçamentária -transferencias financeiras concedidas- pagamentos
extraorçamentarios=resultado financeiro do exercício
Nas demonstrações contábeis consolidadas os ajustes e as
eliminações não originam nenhum tipo de lançamento na
escrituração das entidades que formam o conjunto.
A comparabilidade é uma característica do registro e da
informação contábil no Setor Público que permite analisar as
diferenças entre as entidades e a análise da situação patrimonial
das entidades de forma estática.
O Balanço orçamentário não evidencia as receitas e despesas
de natureza orçamentária, nem os pagamentos e recebimentos
extra-orçamentários. O balanço orçamentário demonstrará as
receitas e despesas previstas em confronto com as realizadas, tão
somente.
O Balanço Patrimonial demonstrará o ativo financeiro, o ativo
permanente, o passivo financeiro, o passivo permanente, o saldo
patrimonial e as contas de compensação. Já o superávit financeiro é
a diferença entre ativo e passivo financeiro. Por isso os ativos e
passivos utilizados no cálculo do superávit financeiro advêm do
Balanço Patrimonial. O superávit financeiro é uma das fontes para
abertura de crédiots adicionais.
O Balanço financeiro demonstrará a receita e a despesa
orçamentária, bem como os recebimentos e pagamentos de
natureza extra-orçamentária, já o balanço financeiro demonsrará as
receitas e despesas previstas em confronto com as realizadas.
Balanço Financeiro
Ingressos Dispêndios
Receita Orçamentária Despesa Orçamentária
Transferências Fin. Recebidas Transferências fin. Concedidas
Recebimentos Extra-orçamentários Pagam. Extra orçamentários
Saldo do Exercício Anterior Saldo do Exercício Seguinte
A alienação de bens aprendidos ou caucionados é receita corrente.
Pode-se aplicar receitas correntes em despesas de capital
independentemente da existência de receitas de capital. Na
verdade essa é a situação ideal.
O Balanço financeiro apura o resultado financeiro do exercício
Modo 1
Saldo em espécie do exercício seguinte
(-)saldo em espécie do exercício anterior
=resultado financeiro do exercício
As receitas orçamentárias serão apresentadas líquidas de
deduções.
Os restos a pagar do exercício serão computados na receita
extraorçamentária para compensar sua inclusão na despesa
orçamnetária
A depreciação não cessa quando o ativo torna-se obsoleto ou
é retirado temporariamente de operação, a não ser que o ativo
esteja totalmente depreciado.
No superávit financeiro, da diferença entre o ativo financeiro
e o passivo financeiro deve dedizer-se os créditos adicionais
reabertos no exercício corrente, desde que eles não possuam
operações de c´redito a eles vinculadas.
Não constam na DVP as receitas e despesas correntes não
efetivas e nem as receitas e despesas extraorçamentárias, mas sim
em um quadro auxiliar facultativo.
A certidão de dívida ativa conte´ra os mesmos elementos do
termo de inscrição e será autenticada pela autoridade competente
A competência para julgar a execução da dívida ativa exclui a
de qualquer outro juízo, inclusive o da falência, da concordata, da
liquidação, da insolvência ou do inventário (lei 6830 de 1980)
Segundo a lei 6830, a certidão d edívida ativa conterá os
mesmos elementos do Termo de inscrição e será autenticada pela
autoridade competente.
Os atos administrativos entram em vigor na data de sua
publicação.
Os convêncios entram em vigor na data nele prevista e as
decisões entram em vigor 30 dias após a data da sua publicação.
O uso comum dos bem públicos podem ser gratuitos ou
retribuídos. Os bens de uso especial apresentam estrutura de
direito público. Os bens de uso comum são inalienáveis enquanto
conservarem sua qualificação. Nem todos os bens de uso comum
possuem significância histórica. Os bens dominicais constituem o
obeto direito pessoal das entidades públicas
Ativo real é a soma do ativo financeiro mais o ativo
permanente. O saldo patrimonial é o ativo real menos o passivo
real.
Ativo Passivo
Ativo Financeiro Passivo Financeiro
Restos a Pagar
Serviços da Dívida a Pagar
Débitos em Tesouraria

O ativo financeiro menos o passivo financeiro pode ser um


superávit financeiro ou um déficit financeiro.
O Passivo Real menos o ativo real é o saldo patrimonial. Se for
maior que zero é o passivo real a descoberto. Se for menor que
zero ´-e ativo real líquido
Do superávit financeiro devem ser deduzidos as operações de
crédito vinculadas aos créditos especiais ou extrordinários, créditos
que forem do exercício anterior e que tiverem sido abertos no
exercício atual.
Superávit Financeiro = Ativo Financeiro – Passivo Financeiro –
operações de crédito vinculadas aos créditos especiais e
extaordinários.
Passivo Real – Ativo Real = Saldo Patrimonial. Se o passivo real
menos o ativo real for maior que zero temos o passivo real a
descoberto, se for menor que zero temos ativo real líquido
Do confronto entre o ativo real e o passivo real é apurado o
saldo patrimonial, e não o saldo financeiro. Se ocorrer um passivo
a descoberto ele deve estar evidenciado na coluna do ativo no
balanço patrimonial.
ATIVO PASSIVO
Ativo Financeiro Passivo financeiro
Ativo Peramente Passivo Permanente
Soma do Ativo Real Soma do Passivo Real
Saldo Patrimonial Saldo Patrimonial
Passivo Real a Descoberto Ativo Real Líquido
Ativo Compensado Passivo Compensado
O patrimônio líquido obtido pelo critério da conversibilidade
de ativos e exigibilidade de passivos difere do patrimônio líquido
obtido pelo critério da autorização orçamentária e legislativa para
ativos e passivos. O Balanço Patrimonial, estruturado em Ativo,
Passivo e Patrimonio Liquido evidencia qualitativa e
quantitativamente a situação patrimonial da entidade pública. O
valor disponível no caixa, ao final do exercício, no balanço
patrimonial, coincide com o saldo final das disponibilidades no
balanço financeiro.
O ativo é um recurso contolado pela entidade como resultado
de evento passado. Os elementos que compõem o balanço
patrimonial são ativo, passivo, patrimônio líquido e as contas de
compensação, segundo a NBC T16.6.
O Superávit Financeiro pode ser obtido a partir da diferença
entre o ativo financeiro e o passivo financeiro. Será apurado
utilizando-se o saldo da conta Disponibilidade por Destinação de
Recursos, segregado por fontes/destinação de recursos. Como a
classificação por fonte/destinação de recursos não é padronizada,
cabe a cada ente adaptá-la à classificação por ele adotada.
Quadro dos Ativos e Pasivos Financeiros e Permanentes. Será
elaborado utilizando-se da classe 1 (Ativo) e da classe 2(Passivo e
Patrimônio Líquido), e das contas que apresentam passivo
financeiro mas não apresentam passivos patrimoniais associados,
ccomo as contas da classe 6, “cérdito empenhado a liquidar” e
“restos a pagar não processados a liquidar”.
O Quadro das contas de compensação demonstrará os atos
potenciais ativos e os atos potenciais passivos, como as garantias e
contragarantias recebidas e concedidas, os direitos conveniados e
outros instrumentos congêneres, os direitos e as obrigações
contratuais, os outros atos potenciasi ativos e outros atos
potenciais passivos. Os valores dos atos potenciais já executados
não devem ser considerados. O quadro será elaborado utilizando-
se contas de classe 8(controles credores).
Em uma cadeia integrada de eventos contábeis, os registros
de execução em contas de natureza orçamentária ensejam
registros contábeis de nível vertical apenas em contas de classe 6,
enquanto os registros de execução em contas de natureza de
controle ensejam registros contábeis de nível vertical apenas em
contas de classe 8. É mister prestar a devida atenção para os
registros de execução em contas de natureza orçamentária e para
os registros de execução em contas de natureza de controle. Os
registros de execução em contas de natureza orçamentária e os
registros de execução em contas de natureza de controle exigem
registros verticais. Esses registros ocorrem nas contas de classe 6 e
8, respectivamente.
O estágio do pagamento de qualquer despesa orçamentária
utiliza as mesmas contas de 1º. e 2º. Nível, a despeito da existência
de 3 situações distintas quando da execução orçamentária da
despesa orçamentária.
As transferências recebidas e concedidas constam do balanço
financeiro e não constam do balanço orçamentário.
As receitas tributárias são receitas correntes primárias (em
geral). As receitas de contribuições são receitas correntes que
podem ser primárias ou financeiras. As receitas Patrimoniais
podem ser primárias ou financeiras, as receitas agropecuárias são
primárias, as receitas industriais são primárias, as receitas de
serviços podem ser primárias ou financeiras, as transferências
correntes são primárias e as outras receitas correntes são
primárias. Portanto, das receitas correntes podem ser primárias ou
financeiras as receitas de contribuições, patrimoniais e de serviços.

Podem ser primárias ou financeiras as receitas de


contribuições, as receitas patrimoniais e as receitas de
serviços.

As receitas tributárias, as receitas agropecuárias, as receitas


industriais, as trasferências correntes e as outras receitas correntes
somente podem ser primárias.
As receitas de capital podem ser primárias ou financeiras. As
operações de crédito, a alienação de bens e as outras receitas de
capital podem ser primárias ou financeiras. Já as receitas de
amortização de empréstimos são financeiras, e as transferências de
capital são primárias. A classificação quanto ao impacto no
resultado primário é um excelente indicador para o município, pois
o resultado primário é um importante dado econômico.
Nas operações de crédito constam as receitas de empréstimos
compulsórios. As receitas de empréstimos compulsórios são
receitas primárias, enquanto as demais operações de crédito são
financeiras.

As receitas de empréstimos compulsórios são


receitas primárias. As demais operações de
crédito são financeiras.
As receitas de empréstimos compulsórios são receitas
tributárias que constam nas receitas de operações de crédito. Elas
deveriam ser classificadas como receitas coirrentes tributárias.
Porém os empréstimos compulsórios não constam nas receitas
correntes tributárias, mas sim nas receitas de operações de crédito
(receitas de capital).
2.Receitas de Capital
2.1 Operações de crédito-------podem ser primárias ou financeiras
2.2 Alienação de bens----------podem ser primárias ou financeiras
2.3 Amortização de empréstimos----------------------------financeira
2.4 Transferências de Capital------------------------------------primária
2.5 Outras receitas de capitla ----------------primárias ou financeiras
Mnemônico para memorizar as receitas de capital e suas
classificações em primária ou financeiras
OPERA ALI AMOR TRANSOU
OPERA- Operações de crédito
ALI – Alienação de bens
AMOR Amortização de empréstimos
TRANS Transferências de Capital
OU Outras Receitas de Capital
Receitas de capital que popdem ser primárias ou financeiras
(mnemonico):
OPERA ALI OU
OPERA- Operações de c´redito
ALI – Alienação de bens
OU – Outras receitas de capital
AMOR TRANS
Amortização de empréstimpos (financeiras)
Transferências de capital (primárias)
Segundo Giovanni Pacelli, o caixa líquido gerado na
demonstração dos fluxos de caixa pode não coincidir com o
resultado financeiro no balanço inanceiro. Isso consta no seu 21º.
Corolário.
Segundo a NBC TA 200, risco de auditoria ocorre quando as
demonstrações contábeis apresentem distorção relevante e o
auditor expressa uma opinião inadequada. O risco de auditoria é
uma função dos riscos de distorção relevante e do risco de
detecção. A presente auditoria foi feita com base na NBC TA 200
objetivos gerais do auditor independente e considerando os riscos
de auditoria, dos riscos de distorção relevante e dos riscos de
detecção. Já a distorção relevante é uma função dos riscos
inerentes e dos riscos de controle. O risco inerente ocorre antes da
consideração de quaisquer controles relacionado. O risco de
controle tem a ver com o controle interno da entidade. É
importante ao auditor interno que ele observe também as normas
do auditor independente, pois elas possuem diretrizes importantes
para a auditoria em geral.
A presente auditoria foi feita com base na NBC TA 240, que
regula a responsabilidade do auditor em relação à fraude, no
contexto das demonstrações contábeis.Segundo a NBC TA 240, as
distorções nas demonstrações contábeis podem originar-se de
fraude ou erro, sendo o erro não intencional e a fraude
intencional.
Os procedimentos de auditoria dividem-se em testes de
observância e testes substantivos. Os testes de observância
relacionam-se aos controles internos estabelecidos pela
administração, e os testes substantivos relacionam-se a suficiencia,
exatidão e validade. Os testes substantivos relacionam-se a dados
produzidos pelo sistema de informação da entidade. Os testes de
observância são de suma importância por considerar os controles
internos, pois se os controles internos vão mal o auditor terá muito
o que fazer. Os testes de observância consideram a inspeção, a
observação e confirmação e a observação.
Segundo a NBC TI 01, os procedimentos de auditoria
envolvem a ispeção, a investigação e confirmação e a observação.
O presente trabalho é baseado em inspeções, investigações e
confirmações, bem como em observações, ou seja, em
procedimentos de auditoria.
As informações obtidas durante o presente trabalho só serão
divulgadas caso se obtenha autorização expressa da entidade
auditada e caso haja obriogações legais que o obriguem a fazê-lo,
incluindo o atendimento ao CFC e CRC.
Confidencialidade- segundo a NBC P1 IT 02 é relevante que todos
os auditores observem procedimentos d einformações sigilosas,
obtidas durante o relacionamento com o cliente. São requeridos
aos auditores contínua pesquisa e constante atualização.
Nesse trabalho constatou-se que a auditoria prestada não
violou qualquer normal profissional ou interna, especialmente
sobre aquelas sobre independência e conflitos de interesses, bem
como as relacionadas ao Código de ética Profissional do
Contabilista.
O Auditor Independente deve fornecer as informações
julgadas necessárias ao trabalho do auditor independente que o
suceder, quando previamente autorizado por escrito, informações
essas que serviram de base para o último relatório de auditoria.
Os princípios do código de ética do IFAC são integridade,
competência e zelo profissional, objetividade, confidencialidade e
comportamento (conduta). O presente trabalho está em
consonância com os princípios do código de ética do IFAC, pois a
auditoria foi feita com competência, com o máximo de zelo
profissional, com a maior objetividade possível e também foi
baseada no comportamento do auditor, em como sua conduta
seria apropriada. Além disso baseou-se na confidencialidade dos
dados contábeis e não contábeis.
A eficiência, em relação à ética profissional, é considerada
como o atributo segundo o qual o serviço de auditoria
independente dar-se-á conforme padrões técnicos adequados. O
auditor procurou se inteirar de todas as circusntâncias envolvidas,
visando à manutenção da credibilidade por parte dos usuários da
informação produzida. Procurou-se a eficiência na auditoria, a
conformidade com os padrões técnicos adequados em cada matiz
da auditoria.
Além dos requisitos éticos relacionados à auditoria das
demonstrações contábeis, o presente trabalho baseou-se no
ceticismo profissional, na evidência de auditoria apropriada e
suficiente, no risco de auditoria e no julgamento profissional,
requisitos constantes da NBC TA 200. Procurou-se sempre o
ceticismo profissional em todos os aspectos, a obtenção de
evidências de auditoria apropriadas e suficientes, fazendo um
trabalho baseado no risco de auditoria e no julgamento
profissional.
Não é atribuição do auditor independente garantir a
viabilidade futura da entidade ou fornecer algum tipo de atestado
de eficácia da administração na gestão dos negócios. Nenhuma
atividade de auditoria garante a viabilidade futura da entidade ou
fornece atestado de eficácia da administração na gestão dos
negócios. A auditoria externa busca conferir credibilidade às
demonstrações contábeis, sendo indispensável para a auditoria
interna.
A PREVENÇÃO DE FRAUDES E ERROS FAZ PARTE DA
AUDITORIA INTERNA, PORÉM NÃO É O PRINCIPAL OBJETIVO
DESTA. O relatório da auditoria interna deve ser apresentado a
quem tenha solicitado o trabalho ou a quem este autorizar. Além
disso, a auditoria interna, ao contrário da independente, deve
avaliar a necessidade de emissão de relatório parcial.
O bis in idem e a bitributação ocorrem quando o fato gerador
deflagra mais de uma incidência tributária. Bis in idem e
bitributação não são a mesma coisa. O bis in idem e a bitributação
possuem como característica em comum a de que apresentam um
fato gerador deflagrando diversas exações.Ocorre o bin in idem
quando o mesmo ente tributante edita diversas leis instituindo
múltiplas exigências tributárias. Pode ser considerada como bis in
idem a tributação do lucro de uma empresa pelo imposto de renda
e pela contribuição social sobre o lucro líquido.
Os leitores da lei 1.075 de 1997 devem estar cientes dos
conceitos jurídico-tributários da bitributação e do bis in idem. A
bitributação ocorre quando entes diversos exigem do mesmo
sujeito passivo tributos decorrentes do mesmo fato gerador. A
bitributação está proibida no Brasil, configurando conflito aparente
de competência. Enquanto a bitributação está proibida, não há, na
CF uma genérica vedação expressa ao bis in idem, no entanto o bis
in idem deve ser evitado.
A bitributação está proibida no Brasil, configurando
conflito aparente de competência.

Não há, na CF, uma genérica vedação expressa ao bis


in idem.

Os leitores do código Tributário Sertaniense devem se


cientificar que quando ocorre a bitributação o conflito é sempre
aparente e a bitributação é sempre ilegítima. No entanto, existem
duas situações em que a bitributação é legítima.A primeira ocorre
quando a União institue, na iminência de guerra externa, impostos
extraordinários. A segunda situação ocorre nos casos envolvendo
Estados-nações diversos, principalmente no que concerne a
tributação da renda. Para evitar esse tipo de bitributação recorre-se
a tratados internacionais. Alguns autores denominam a
bitributação de bitributação jurídica e o bis in idem de bitributação
econômica. Exemplos de bis in idem ou bitributação econômica são
o PIS e o COFINS, o II e o IPI importação.

As únicas exceções à bitributação são a bitributação


internacional e os impostos extraordinários de guerra.

O presente trabalho de auditoria observou a súmula


vinculante 41, que diz que o serviço de iluminação pública não
pode ser remunerado mediante taxa. Portanto, os leitores da lei
1075 devem observar a letra da súmula vinculante 41: o serviço de
iluminação pública não pode ser remunerado mediante taxa.
Também observou a súmula vinculante número 50: norma legal
que altera o prazo de recolhimento da obrigação tributária não se
sujeita ao princípio da anterioridade. “ É legítima a cobrança do
ICMS por ocasião do desembaraço aduaneiro, na entrada de
mercadoria importada do exterior”: Súmula vinculante número 48.
Por serem vinculantes tais súmulas são obrigatórias. Esta última
não tem aplicabilidade ao Município, aqui constando por mera
curiosidade didática, já que o mesmo se encontra no Sertão do
Moxotó. A alíquota a ser aplicada, em Sertânia, será de 2% para os
terrenos, e de 1% tratando-se de prédio ou unidade imobiliária
autônoma, sobre o valor venal do imóvel, no caso do IPTU.
A lei 1075(CTMS), de 11 de dezembro de 1997O tributo é de
prestação compulsória, sendo uma receita derivada, cobrada pelo
Estado, no uso de seu poder de império. Na obrigação compulsória,
a lei é fonte direta e imediata: a regra, sem exceção, é a
compulsoriedade. O proprietário de imóvel localizado na área
urbana do município deve pagar o respectivo IPTU, não havendo
espaço para se falar em manifestação de vontade no nascedouro
da obrigação.
Os cidadãos leitores da lei 1075 de 1997 devem ter em mente
que a diferença básica entre a imunidade e a isenção está em que a
primeira atua no plano da definição de competência, e a segunda
no plano do exercício da competência. A imunidade está prevista
na Constituição, e a isenção está prevista em lei.
O cidadãos leitores da lei 1075 de 1997 devem estar cientes
de que as imunidade tributárias podem ser grafadas ou
classificadas em ontológicas ou políticas. As imunidades ontológicas
existiram mesmo sem preisão expressa do contribuinte.
O cidadão leitor da lei 1075 de 1997 deve estar a par da
súmula 583 do STF: Promitente comprador de imóvel residencial
transcrito em nome de autarquia é contribuinte do imposto predial
territorial urbano. A alíquota do IPTU em Sertânia, será de 2%,
tratando-se de terreno, e 1% tratando-se de prédio ou unidade
imobiliária autônomo, a ser aplicada sobre o valor venal do imóvel.
O cidadão leitor da lei 1075 de 1997 deve estar ciente que a
imunidade religiosa é cláusula pétrea, sendo aplicável
exclusivamente aos impostos, não sendo extensiva às contribuições
sindicais. A imunidade religiosa protege o patrimônio, a renda e os
serviços relacionados à entidade religiosa.
O cidadão leitor da lei 1075 de 1997 deve estar ciente que a
moratória pode ser concediade em caráter geral ou individual. A
moratória em caráter geral beneficia a todos que se encontram em
determinada situação. Moratória individual depende da
comprovação de condições e requisitos. A moratória em caráter
geral gera direito adquirido e dispensa o oferecimento de garantias
pelo beneficiário.A moratória em caráter individual não gera direito
adquirido e pode depender do oferecimento de garantias pelo
beneficiário.
As taxas têm como fato gerador o exercício regular do poder
de polícia ou a utilização efetiva ou potencial de serviço público
específico e divisível, prestado ao contribuinte ou posto a sua
disposição. As taxas constam do art. 77 do CTN. Já as taxas, na lei
1075 de 1997 são três: taxas de serviços públicos, taxas de licença e
taxas de serviços administrativos. A lista de impostos prevista na lei
1075 de 1997 é exaustiva. Já a lista da União não é exaustiva, pois a
mesma possui competências residuais e extraordinárias.
O imposto sobre a propriedade predial e territorial urbana é
predominantemente fiscal, já que é uma importante fonte de
arrecadação municipal. Porém o IPTU tem excepcional utilização
extrafiscal, prevista na Constituição federal. De acordo com a lei
1075, o fato gerador do IPTU ocorre anualmente, em 1º. De janeiro.
A lei 5172 de 1966 (Código Tributário Nacional) é uma lei
ordinária, com status de lei complementar, desde 15 de março de
1967. A lei 5172 ela nasce em 1966, mas só adquire status de lei
complementar em março de 1967.A lei 5172 passa a ter status de
lei complementar, somente podendo ser revogada por norma de
igual hierarquia.Igualmente a lei 1075
A Constituição Federal fala que a concessão de benefícios
fiscais de ICMS dever ser precedida de deliberação conjunta dos
Estados e do Distrito Federal, conforme regulado em lei
complementar. Atualmente, essa deliberação conjunta toma a
forma de convênio celebrado pela CONFAZ, órgão formalmente
inserido na estrutura do Ministério da Fazeda. Como o ICMS não
está abrangido pela lei 1075 de 1997, mas éimposto de
competência do Estado de Pernambuco, essa informação foge ao
escopo da auditoria municipal, mas é útil para entender como
funciona a auditoria tributária do estado pernambucano, estando a
títulod e ilustração.
Multa e tributo não se confundem, pois o tributo não possui
finalidade sancionatório, enquanto a multa é sanção de ato
ilícito.Enquanto o tributo visa a arrecadar e a intervir em situações
sociais e econômicas, a multa não tem intenção arrecadatório,
visando coibir ato ilícito.
O dever de pagar tributo surge com o fato gerador (hipótese
abstratamente prevista em lei). O tributo é graduado segundo a
capacidade econômica do contribuinte. A graduação tributária
segundo a capacidade econômica do contribuinte é observada
somente na instituição de impostos. Mas isso não eimpede que
taxas e contribuições de melhoria sejam graduados de acordo com
a capacidade economica do contribuinte em determinados casos.
O período moderno das financças públicas caracteriza-se pela
intervenção do Estadoi no domínio econômico e social. O Estado do
Bem-Estar Soical propões essa intervenção social na economia
(WEelfare State). O estado abandona o liberalismo a abraça o
Welfare State utilizando uma poderosa arma: o tributo.
O tributo não pode ter caráter confiscatório, pois o confisco é
uma pena, uma sanção por ato ilícito, e tributo não é sanção por
ato ilícito. Tributo não se confunde com confisco.No conceito legal
de tributo, no art. 3º. Do CTN, estão previstos o princípio da
vedação ao confisco e da legalidade. O não confisco também tem
assento constitucional.
Somente a lei ou medida provisória podem criar ou extinguir
tributos. Somente a lei ou Medida provisória podem majorar ou
reduzir as alíquotas de tributos. Embora não haja exceção à
legalidade quanto à instituição de tributos, existem exceções a
legalidade quanto a alteração de alíquotas. Pode ser que outro
instrumento que não seja a lei ou medida provisória majore ou
reduza a aliquota do II, IE , IPI, IOF CIDE-Combustíveis e ICMS
monofásico sobre combustpiveis As alíquotas da CIDE-Combustíveis
são alteráveis por ato do poder executivo e as alíquotas do ICMS
moNofásico sobre combustíveis são alteradas mediante convêncio.
As disposições do CTN não se aplicam às contribuições do
FGTS, pois elas não têm caráter tributário. A Súmula 353 afirma
que as disposições do CTN não se aplica às contribuições para o
FGTS. A destinação legal do produto da arrecadação de um tributo
não define se tal exação é ou não tributária. Apesar disso, o STJ
afirmou que pelo fato do FGTS não se destinar ao erário, mas às
contas vinculadas dos empregados, ele (o FGTS) não teria caráter
tributário, contrariando a regra do art. 4º. Do CTN. Pewlo fato de
não ser tributo, a contribuição para o FGTS não se sujeita ao prazo
prescricional de 5 anos estabelecida no art 174 do CTN. Ao FGTS se
aplica a prescrição tritenária estabelecida na lei 8036 de 1990 e não
ao prazo prescricional tributário de 5 anos.
A natureza específica de um tributo é dada pelo cotejo entre
o seu faro gerador e a base de cálculo. Além do fato gerador, é
necessário avaliar a base de cálculo para decifrar sua natureza
jurídica. Isso ocorre devido ao comando constitucional proibitivo de
que as taxas tenham base de cálculo próprias de impostos.
O fato gerador do imposto de renda pessoa jurídica (IRPJ) é
praticamente idêntico ao da Contribuição Social sobre o Lucro
Líquido). As diferenças perceptíveis são apenas, o nome e o destino
do produto da arrecadação. Porém o nome e o destino do produto
da arrecadação são considerados irrelevantes pelo art. 4º. do CTN.A
problemática da teoria da pentapartição tributária surge ao
comparar as contribuições para o financeiamento da seguridade
social com os impostos, pois os fatos geradores não servem para
distinguir as duas figuras tributárias.
As contribuições sociais são a primeira das subespécies do
gênero contribuições especiais previstas no art, 149 da CF.As
contribuições sociais não são gênero, mas subespécie da
contribuição especial. As contribuições sociais também se
subdividem em contribuições da seguridade social, contribuições
sociais e contribuições sociais gerais.
As contribuições especiais se subdividem em contribuições
sociais, contribuições de intervenção no domínio econômico,
contribuições corporativas e contribuições para o custeio do serviço
de iluminação pública. Observa-se que as contribuições de
iluminação pública (COSIP) são uma espécie das contribuições
especiais. A Emenda Constitucional 39 de 2002 acrescentou à CF o
art, 149 ,A atribuindo competência aos Municípios e ao DF para
instituir acontribuição para o serviço de iluminação Pública.As
contribuições sociais e de intervenção no domínio econômico não
incidir~]ao sobre as receitas decorrentes de exportação, pois não se
exportam tributos, mas sim mercadorias e serviços. As
contribuições sociais e corporativas são parafiscais, pois visam
arrecadar para atividades específicas.
Os impostos, quanto à finalidade, podem ser fiscais, extra
fiscais e para fiscais. Os impostos fiscais possuem finalidade
arrecadatória: IR, IGF, IPVA, ICMS, ITCMD, IPTU, ITBI, ISS, IEG e
empréstimos compulsórios. O IPTU, O ITBI e o ISS são impostos
municiais com finalidade fiscal, ou seja, os três impostos de
competência dos municípios têm finalidade fiscal (arrecadatória).
Os impostos, os empréstimos compulsórios e as contribuições
especiais são tributos privativos. As taxas e as contribuições de
melhoria são impostos comuns. Os novos impostos e as novas
contribuições para a seguridade social são impostos resiuduais.
A exigência de lei para majoração de tributo traz ínsito o
mesmo requisito para a respectiva redução. A concessão de
benefícios fiscais ou autorização de prática de atos que gerem
impactos sobre o crédito tributário ou sobre sua exigibilidade
somente pode ser feita por lei. Somente estão abrangidas pelo
princípio da legalidade as matérias do art. 97 do CTN. Não estão
blindadas pela legalidade a atualização do valor monetário da
base de cálculo do tributo e a fixação do prazo para recolhimento.
A atualização do valor monetário da base de cálculo do
tributo não está reservada à lei, porém o aumento da base de
cálculo está.
É defeso ao município atualizar o IPTU, mediante decreto, em
percentual superior ao índice oficial de correção monetária.
A auditoria de gestão visa certificar a regularidade das contas,
verificar a execução de contratos, convênios, acordos ou ajustes e a
probidade na aplicação de dinheiro públicos. O pincipal objetiovo
da auditoria de gestão é certificar a regularidade das contas.
Os tipos de auditoria são: auditoria de gestão (regularidade
das contas), auditoria de programas, auditoria operacional,
auditoria contábil, auditoria de sistemas e auditoria especial. A
depender do enfoque, um trabalho de auditoria pode ser de
gestão, de programas, operacional, contábil, de sistemas ou
especial(fatos de natureza incomum ou extraordinária). Existem
também auditorias de qualidade e auditoria integral. Já para a CGU
a auditoria se divide em: Auditoria de Avaliação de Gestão,
Auditoria de Acompanhamento de Gestão, Auditoria Contábil,
Auditoria Operacional e Aduitoria Especial. Já no TCU temos as
auditorias de conformidade, auditorias operacionais, auditoria das
demonstrações contábeis, auditoria de sistemas financeiros,
atividades de estudo e consultoria e atividades de detecção de
fraudes.
Segundo a NBC TA Estrutura Conceitual – Estrutura Conceitual
para Trabalhos de asseguração, os trabalhos de asseguração
envolvem três partes distintas: o auditor independente, a parte
responsável e os usuários previstos. O trabalho de asseguração
razoável é denominado auditoria e o trabalho de asseguração
limitada é denominado revisão. O trabalho de consultoria não é
considerado um trabalho de asseguração, mas pode ser realizado
por um auditor independente.
A auditoria independente contribui para uma maior exatidão
das demonstrações contábeis, possibilita melhores informações
sobre a real situação econômica, patrimonial e financeira das
empresas e assegura maior exatidão dos resultados apurados.
As práticas adotadas pelas entidades em assuntos não
regulados, desde que atendam à NBC TG Estrutura Conceitual,
podem ser utilizadas pelo auditor. A NBC TA 200- Objetivos Gerais
do auditor Independente data de 27 de novembro de 2009. A NBC
TA 200 revogou a NBC T 11 e suas derivadas. A inobservância às
NBC constitui infração disciplinar. As Normas Brasileiras de
Contabilidade compreendem Código de Ética Profissional do
Contabilista, normas de contabilidade, normas de auditoria
independente e de asseguração, normas de auditoria interna e
normas de perícia.
Os profissionaisa de contabilidade, de acordo com o código de
ética do profissional contador – cepc devem primar pelo zelo,
diligência, honestidade e capacidade técnica, sem prejuízo da
dignidade e independência profissional (ZELO, INTEGRIDADE E
COMPETÊNCIA).
A rotação do sócio encarregado do trabalho e do revisor de
controle de qualidade deve ser a intervalos menores ou iguais a
cinco anos consecutivos. Rotação dos responsáveis técnicos da
equipe de auditoria: a equipe de auditoria não deve ficar mais de
cinco anos na mesma entidade e deve-se observar o intervalo
mínimo de 2 anos para o retorno desses responsávei técnicos à
equipe de auditoria. Já com referência à firma de auditoria, o art.
31 da instrução CVM no. 308 de 99 dispõe que o auditor
independente pessoa física ou pessoa jurídica não pode prestar
serviços a um mesmo cliente por prazo superior a 5 anos, exigindo-
se um intervalo mínimo de 3 anos para sua recontratação. Porém, a
partir de 2011, se a companhia auditada possuir comitê de
auditoria estatutário (CAE) em funcionamento permanente e se o
auditor for pessoa jurídica, a firma de auditoria pode passar até o
máximo de dez anos na mesma entidade. Os requisitos para que a
rotação da firma de auditoria seja de dez anos são cumulativos: a
companhia auditada tem que possuir Comitê de Auditoria
Estatutário (CAE) e o auditor tem que ser pessoa jurídica.
Na execução dos trabalhos de auditoria externa, a
responsabilidade pelo trabalho é do auditor, que assumirá total
responsabilidade pelos trabalhos executados.
Após a NBC TA 700, o produto do auditor independente, por
meio do qual ele manifesta sua opinião, passou a se chamar
Relatório do Auditor Independete. Antes da NBC TA 700 a
manifestação do auditor independete era chamade de pareecer. O
objewtivo da auditoria independente, segundo a NBC TA 200 é
aumentar o grau de confiança nas demonstrações contábeis. Para
isso é expressa uma opinião sobre as demonstrações contábeis, se
elas foram elaboradas, em todos os aspectos relevantes, em
conformidade com uma estrutura de relatório financeiro aplicável.
A Auditoria pode ser Interna ou Externa. A auditoria externa
também é chamada de independente. A auditoria independente
possui maior autonomia que a auditoria interna, porém a auditoria
interna também é independente, pois constitui-se numa avaliação
independente dentro da empresa. A auditoria interna é feita
sempre em linha de dependência da direção emprearial, porém
também é independente. A auditoria interna está ligad,
subordinadamente, ao Cnselho de Administração, somente. O
auditor interno, não obstante sua posição funcional, deve preservar
sua autonomia fprofissional (NBC PI 01- Norma profissional do
auditor interno). A auditoria interna deve emitir uma opinião
independente, autônomoa, para cumprir seu papel na estrutura
organizacional. A auditoria interna deve avaliar processos, sistemas
e controles.
As funções de auditoria externa são três: apresentar relatório
sobre as demonstrações contábeis, obter segurança razoável de
que as demonstrações contábeis estão livres de distorção
relevantes e expressar uma opinião sobre se as demonstrações
contábeis foram elaboradas conforme a estrutura de relatório
financeiro aplicável.
Normas como a NBC TI 01 e a NBC TA 240 afirmam que a
principal responsabilidade pela prevenção e detecção de fraudes é
do responsável pela governança da entidade e da sua
administração.
Segundo a resolução CFC 1.229 de 2009, as atividades da
função de auditoria interna envolvem monitoramento do controle
interno, exame das informações contábeis e operacionais, revisão
das atividades operacionais, revisão da conformidade com leis e
regulamentos, gestão de risco e governança. A resolução CFC 1229
aprovou a NBC TA 610, que trata da utilização do trabalho de
auditoria interna.
1. Monitoramento do Controle Interno
2. Exame das informações Contábeis e Operacionais
3. Revisão das Atividades Operacionais
4. Revisão da conformidade com leis e regulamentos
5. Gestão de risco
6. Governança
Essas são as atividades abrangidas pela auditoria interna,
segundo a resolução CFC 1229 de 2009.
Os controles internos se dividem em contábeis e
administrativos, prevenbtivos e detectivos. A auditoria interna
faz parte do Sistema de Controle Interno, mas não se confunde
com os controles internos administrativos e contábeis.
Exemplos de controles contábeis são os inventários
periódicos, a segregação de funções, o controle físico sobre os
ativos, a conciliação bancária e os sistemas de conferência,
aprovaçãoe autorização. A palavra controle sempre esteve ligada
à finanças. Quanto mais confiabilidade nos Sistemas de Controle
Interno, menos volume de testes. Quanto menos se tiver
confiabilidade nos sistemas de controle interno, maior o número
de testes.
Os controles ionternos envolvem eficácia e eficiência da
operações, confiabilidade dos relatórios financeiros e
conformidade com a legislação e regulamentos aplicáveis.
Os controles internos podem ser preventivos e detectivos. Os
controles preventivos visam identificar um erro ou irregularidade
antes que este aconteça: segregação de funções, limites e alçadas e
autorizações. Os controles detectivos visam identificar um erro ou
irregularidade depois que este tenha ocorrido: conciliações e
revisões de desempenho.
Atribuições de responsabilidade: há duas atividades de
controle relacionadas à atribuição de responsabilidades: alçadas e
autorizações. A auditoria interna é o controle do controle.é a
verificação de um sistema de controle interno. As recomendações
do COSO são referência para os controes internos. No modelo
COSO I, o controle interno avalia a eficácia e eficiencia das
operações, a confiabilidade dos relatórios financeiros e a
conformidade com a legislação e regulamentos aplicáveis.
A conciliação bancária é um controle interno contábil, ao
contrário do controle de qualidade, do treinamento de pessoal, da
análise da lucratividade e da análise de tempos e movimentos.
Como o foco da auditoria independente são as demonstrações
contábeis, a avaliação dos controles internos deve ser feita em
relação aos controles contábeis, o que não impede de avaliar
controles administrativos que possam ter influência nas
demonstrações. Os controles contábeis são necessários para
proteger os ativos e produzir dados contábeis confiáveis. Já os
controles administrativos são importantes para ajudar a equipe
gestora na condução organizada dos negócios da empresa. O
princípio do controle interno contpabil da segregação de funções
afirma que os acessos aos ativos e registros contábeis devem ser
realizados por indivíduos distintos. O principio da segregação de
funções prevê a segregação de atividades que possam gerar
conflitos de interesse.
Em relação à competência residual tributária, estabelecida
pela Constituição, o imposto novo, dito imposto inominado deverá
ser estabelecido por lei complementar desde que seja não
cumulativo e não tenha base de álculo própria dos demais
impostos. A instituição de imposto inominado, de competencia
residual da União, só será feita por meio de lei complementar. A
competência residual é também chamada de remanescente e afia-
se ao poder de instituir tributo diverso daqueles existentes. A
competência especial traduz-se no poder de instituir empréstimos
compulsórios e contribuições especiais. Os empréstimos
compulsórios dão tributos autonomos, com clausula de restituição,
instituídos por lei complementar, em face de tres pressupostos
fáticos: calamidade pública, guerra externa e investimento público
de caráter urgente e relevante interesse nacional. A bitributação é
a sistemática em que mais de um ente tributante cobra um ou mais
tributos sobre o mesmo fato gerador. A bitributação veicula uma
vitanda solidariedade ativa, sendo inconstitucional, exceto quanto
ao IEG, único caso de bitributação constitucionalmente admitida.
O bis in idem e a bitributação são condenáveis. No bis in idem
um ente tributante cobra mais de um tributo sobre o mesmo fato
gerador. Para a bitributação existe a ação de consignação em
pagamento. Para o bins in idem não existe ação específica. Há bis in
idem quando uma pessoa jurídica tributa mais de uma vez o
mesmo contribuinte sobre o mesmo fato gerador.Já na bitributação
duas ou mais pessoas tributam o mesmo contribuinte sobre o
mesmo fato gerador. A competència especial pertence à União e
refere-se a empréstimos compulsórios e contribuições especiais. Os
tributos, segundo o CTN, são impostos, taxas e contribuições de
melhoria. A norma imunitória se mostra como um sinalizador de
incompetência tributária. A imunidade para tributos representa
uma delimitação negativa da competência tributária.
O emprego da analogia não poderá resultar na exigência de
tributo não previsto em lei.
1º. Passo: definição da hipótese de incidência tributária
2º. Passo: ocorrência do fato gerador
3º. Passo: nascimento da obrigação tributária
4º passo: lançamento tributário
5º. Passo: constituição do crédito tributário
6º. Passo: inscrição em dívida ativa
7º. Passo: expedição de certidão de dívida ativa (CDA)
8. Passo: propositura da execução fiscal
Para a propositura da ação de execução fiscal é necessária a
inscrição em dívida ativa e a expedição da certidão de dívida ativa
(CDA). O lançamento tributário constitui o crédito tributário. A
constituição do crédito tributário origina a inscrição em dívida
ativa. A inscrição em dívida ativa, por sua vez, permite a expedição
de certidão de dívida ativa. Com a expedição da certidão de dívida
ativa pode-se começar a propositura da execução fiscal.
O II, IE, IPI e o IOF são tributos extrafiscais. O II, IE e o IOF não
obedecem nem à anterioridade anual e nem à noventena.; O IPI
não obedece à anterioridade anual, mas obedece à noventena. O
imposto de renda obedece à anterioridade anual, mas não
obedeceà noventena.
O imposto de renda e a base de cálculo do IPTU e do IPVA não
obedecem à noventena, mas obedecem à anterioridade anual.
No polo ativo(credor) constam os fiscos :União, Estados-
membros e Municípios. O fisco era um cesto de junco, que no
império Romano era utilizado pelos soldados para arrecadação
tributária. No polo passivo(devedor), temos os contribuintes ou
responsáveis, representados pelas pessoas físicas ou jurídicas.
Exceções à anterioridade tributária são o II,IE,IPI e o
IOF.Perceba que o IPI é uma exceção à anterioridade tributária,
porém não é exceção à noventena. O IR, as alterações na base de
cálculo do iptu e as alterações nas bases de cálculo do ipva são
exceções apenas à noventena. As exceções apenas à anterioridade
são 5: IPI, CIDE Combustível, ICMS combustível e as contribuições à
seguridade social. A CIDE Combustível e o ICMS combustível são
exceções à anterioridade apenas no caso de redução e
restabelecimento. As exceções apenas à noventena são o IR, as
alterações na base de calculo do IPTU e as alterações na base de
cálculo do IPVA.

O II, o IE, o IOF, os empréstimos compulsórios no caso de


calamidade pública, guerra externa ou sua iminência e
calamidade e os impostos extraordinários de guerra são exceções
à anterioridade nonagesimal e à anterioridade anual.

Segundo a doutrina os empréstimos compulsórios de


investimento público obedecem à anterioridade anual e à
anterioridade nonagesimal. Já segundo a CF, os empréstimos
compulsórios de investimento público são exceções à anterioridade

204
nonagesimal. Assim, as exceções à anterioridade nonagesimal
seriam a fixação da base de cálculo do IPTU, a fixação da base de
cálculo do IPVA, o IR e os empréstimos compulsórios de
investimento público.
a doutrina considera receitas públicas originárias a tarifa e o
preço público.os preços públicos são induvidosas receitas
originárias. Os preços públicos são obtidos pela venda de produtos
produzidos ou prestados por empresas públicas e sociedae de
economias mistas. As receitas de aluguéis pela locação de bens
públicos e as receitas de atividades industriais promovidas pelo
ente público são outros bons exemplos de receitas originárias. Nas
receitas originárias a fonte é o contrato. A denominação receita
originária é equívoca, pois a atuação no mercado e na economia
não é e nem pode ser uma receita originária do estado. É a receita
tributária que deveria se chamar receita originária, afastando lhe o
timbre de receita derivada. As receitas originárias de correm de um
contrato ou de uma manifestação bilateral de vontade. As tarifas,
que são espécies de preços públicos, são clássicos exemplos de
receitas originárias. As taxas são receitas derivadas, já os preços
públicos são originários. É correto afirmar que o direito tributário é
um ramo do direito financeiro, que estuda a relação entre o fisco e
o contribuinte. O princípio da legalidade consitui o mais importante
limite aos governantes na atividade de tributação. O princípio da
legalidade tributária não significa u direito do fisco, mas uma
limitação em sua ação. O princípio da legalidade tributária,
conforme o art. 150 da CF, visa limitar o direito do estado (fisco). O
princípio da legalidade estrita dispõe que a instutição ou majoração
de tributos depende de lei. Não é verdade que somente a lei
ordinária pode instituir ou majorar tributos, pois a lei
complementar também o faz. Nos seguintes casos: imposto sobre
grandes fortunas, empréstimos compulsórios, impostos residuais e
contribuições sociais previdenciárias residuais. Nesses casos a lei
que institue ou majora tributos é uma lei complementar. A lei
complementar, portanto, de uma forma excepcional, pode criar
tributos.
Então, teríamos 4 impostos: Impostos sobre grandes
fortunas(IGF), Ecmpréstimos compulsórios, Impostos residuais e
Contribuições sociais previdenciárias residuais.Esses somente serão
instituídos por lei complementar e, onde houver lei complementar,
não pode haver medida provisória. Onde houver lei complementar,
medida provisória não há, a medida provisória não pode adentrar
na esfera de assuntos que só por lei complementar podem ser
regrados. As matérias cabentes à lei complementar não poderão se
objeto de medida provisória. Segundo o art. 97 do CTN, somente a
lei pode instituir tributos, suspender, extinguir e excluir o crédito
tributário, cominar penalidade, fixar alíquotas e bases de cálculo,
definir os fatos geradores da obrigação principal e o sujeito passivo
da obrigação principal. Um detalhe importante refere-se ao art 97 e
à majoração de tributos. Não é verdade que somente a lei pode
estabelecer a majoração de tributos ou sua redução, pois o
comando do art. 97, inciso III possui ressalvas. Não é exclusividade
da lei estabelecer a majoração de tributos. O princípio da
tipicidade é uma extenção lógica do principio da legalidade
material, estrita legalidade, tipicidade fechada(regrada ou cerrada),
ou reserva legal. A lei tributária deverá fixar, com clareza hialina, a
alíquota, a base de cálculo, o sujeito passivo, a multa e o fato
gerador. Segundo o STF, o prazo de pagamento de um tributo não é
reservado à lei, o prazo de pagamento de um tributo não está
abrangido pela tipicidade cerrada. O prazo para pagamento de
tributo é item não adstrito à reserva legal. A data de recolhimento
de um tributo é tema reservado a um decreto.
Cabe à lei complementar, em matéria de ICMS, definir seus
contribuintes, dispor sobre substituição tributária, disciplinar o
regime de compensação do imposto, fixar o local das operações
relativas à circulação de mercadorias e à prestação de serviços,
prever casos de manutenção de crédtito, relativamente à remessa
para outro estado e exportação para o exteriro, de serviços e
mercadorias(prever casos e manutenção de créditos de serviços e
mercadorias, regular a forma como isenções, incentivos e
benefícios fiscais serão consedidos e revogados, mediante
deliberação dos estados e do ditrito federal,, definir os
combustíveis e lubrificantes sobres os quais o imposto incidirá uma
únuca vez e fixar a base decálculo, de modo que o montante do
imposto a integre, também na importação do exterior de bem,
mercadoria ou serviço.
O ITCMD, imposto estadual sobre a transmissão causa mortis
e doação, de quaisquer bens ou direitos, terá suas alíquotas
máximas fixadas pelo Senado Federal. O ITCMD, relativamente a
bens imóveis e respectivos direitos, compete ao estado da situação
do bem ou ao distrito federal. O ITCMD , relativamente a bens
móveis, títulos e créditos, compete ao Estado onde se processa o
inventário ou arrolamente, ou tiver domicílio o doador, ou ao
Distrito Federal. O ITCMD será regulado por lei complementar, se o
doador tiver domicílio ou residência no exterior, se o de cujus
possuia bens, era residente ou teve seu inventário processado no
exterior.
No ICMS, a isenção ou ão incidência, salvo determinação em
contrário da legislação:
a)não implicará crédito para compensação com o montante
devido nas operações ou prestações seguintes
b)acarretará a anulação do crédito relativo às operações
anteriores.
Resolução do Senado Federal, de iniciativa do Presidente da
República ou de um terço dos Senadores, aprovada pela maioria
absoluta de seus mebros, estabelecerá as alíquotas aplicáveis às
operações e prestações, interestaduais e de exportação (ICMS).
É facultado ao Senado Federal estabelecer alíquotas mínimas
nas operações internas, mediante resolução de iniciativa de um
terço e aprovada pela maioria absoluta de seus membros.
A responsabilidade do adquirente ou remitente de bens
móveis --- a regra relativa à aquisição de bens móveis é
basicamente a mesma aplicada à aquisição de bens imóveis. A
transferência da propriedade de besn móveis ocorre com o que os
civilistas chamam de tradição. O cctn fundamente a transferência
da sujeição passiva para adquirente de bens móveis da seguinte
maneira: são pessoalmente responsáveis o adquirente ou
remitente, pelos tributos relativos aos bens adquiridos ou remidos.
A regra de que saõ pessoalmente responsáveis o adquirente ou
remitente, pelos tributos relativos aos bens adquiridos ou remidos
trata da remiçã, com ç, e não da remissão, com ss. A remissão com
ss é forma de extinção do crédito tributário. Já a remição com ç é
caqso de transferência da sujeição passiva.
Durante o período compreendido entre a data da abertura da
sucessão(morte) e a data da partilha ou adjudicação, a
responsabilidade pelos tributos devidos pelo de cujos, até a data da
sua morte, é do espólio. Após a data da partilha ou adjudicação os
sucessores e o cônjuge meeiro tornam-se contribuintes. Antes da
abertura da sucessçã9morte), o de cujus será o contribuinte.
Responsabilidade de terceiros- A responsabilidade de
terceiros pode ser decorrente de atuação regular ou irregular.
Os pais, pelos tributos devidos por seus filhos menores
Os tutores e curadores, pelos tributos devidos por seus tutelados e
curatelados
Os administradores de bens de terceiros, pelos tributos devidos por
estes
A responsabilidade é subsidiária ou supletiva. O art. 134 fala de
solidariedade, mas é subsidiária ou supletiva.
O IOF, imposto sobre operações financeiras admite exceção com
respeito à legalidade: alteração de alíquota pelo executivo
(decreto). O IOF tem funcção extrafiscal (funcionamento d mercado
financeiro), não se sujeita à anterioridade e não se sujeita à
noventena. Além disso a alteração da alíquota do IOF pode ser feita
por decreto, o que é uma exceção à legalidade tributária. O
lançamento do IOF é por homologação. O ITR – imposto sobre a
propriedade Predial Territorial Rural tem funçã
predominantemente extrafiscal (visa a desestimular a manutenção
de propriedades improdutivas), está sujeito ao princípio da
legalidade, está sujeito ao princípio da noventena. Além disso o ITR
é lançado por homologação e é progressivo.
Súmula 584 do ST Ao imposto de renda calculado sobre os
rendimentos do ano-bas, aplica-se a lei vigente no exercício
financeiro em que deve ser apresentada a declaração
É defeso ao município, atualizar o IPTU, mediante decreto, em
percentual superior ao índice oficial de correção monetária. A
Súmula 160 do STj diz que o município não poderá atualizar o IPTU
em percentual superior ao índice oficial de correção monetária, só
o podendo fazer por lei, e não por decreto. Se for para atualizar o
IPTU em percentual superior ao índice oficial de correção
monetária, que seja por lei e não por decreto.
As disposições do CTN não se aplicam às contribuições para o
FGTS. A taxa de fiscalização dos mercados de títulos e valores
mobiliários já passou pelo crivo do STF, sendo considerada legítima
A taxa de fiscalização dos mercados de títulos e valores mobiliários
(súmula 665) tem como fundamento o poder de polícia. Súmula
vinculante número 19: taxa cobrada exclusivamente em razão dos
serviços públicos de coleta, remoção e tratamento ou destinação
de lixo ou resíduos provenients de imóveis.
Súmula 595 do STF: taxa municipal de conservação de
estradas de rodagerm
O serviço de iluminação pública não pode ser remunerado
mediante taxa (Súmula vinculante 41). A taxa municipal de
conservação de estradas de rodagem não pode ter a mesma base
de cálculo do ITR.
Súmula 667 A taxa judiciária calculada sem limite sobre o
valor da causa não pode existir. A taxa judiciária deve ter um limite:
o valor de causa. Se a taxa judiciária for calculada sem limite sobre
o valor da causa ela violará a garantia constitucional do acesso à
jurisdição.
A taxa de fiscalização dos mercados de títulos e valores
mobiliários é constitucional:
STF Súmula 665 – É constitucional a taxa de fiscalização dos
mercados de títulos e valores mobiliários instituída pela lei 7.940 de
1989
O valor pago pelos serviços de água e esgoto prestados por
concessionária de serviço público não possui caráter tbutário,
possuindo natureza jurídica de tarifa ou preço público.
O entendimento da súmula 418 do Supremo Tribunal Federal
está superado: O empréstimo compulsório não é tributo
Segundo a Súmula 732, é constitucional a cobrança da
contribuição do salário- educação. A contribuição do salário-
educação tem natureza tributária.
A contribuição confederativa, presente na súmula vinculante
4º, não possui compulsoriedade, e por isso não é tributo. Já a
contribuição prevista no art. 8º. Da Constituição, cobrada de todos
os trabalhadores e fixada em lei é tributo.
Situações em que é exigida a inclusão do parágrafo de ênfase:
eventos subsequentes, dúvida quanto à continuidad eoperacional
da empresa. Nos eventos subsequente, em auditoria, é obrigatória
a inclusão de um parágrafo de ênfase. Se houver diferenças entre
as práticas contábeis adotadas no Brasil e as IFRS é obrigatória a
inclusão de um parágrafo de ênfase.
Art. 130 caput do CTN. O art. 130 caput é só para três
tributos: impostos, taxas e contribuições de melhoria. Além disso é
só para bens imóveis. No caso de arrematação em hasta pública, a
sub-rogação ocorre sobre o respectivo preço. A hasta pública é o
leilão judicial, onde são arrematados bens móveis ou imóveis. Na
arrematação em hasta pública a sub-rogação não é pessoal, mas
sim real, pois ocorre sobre o preço, e não sobre a pessoa. O art.131
diz que são pessoalmente responsáveis o adquirente ou remitente,
pelos tributos relativos aos bens adquiridos ou remidos. A
responsabilidade do adquirente ou remitente, pelos tributos
relativos aos bens adquiridos ou remidos é pessoal, e não solidária
ou subsidiária. O adquirente é responsável pessoalmente pelos
ttributos relativos aos bens adquiridos no caso de bens móveis. O
art. 130 caput trata de bens imóveis. O remitente é aquele
responsável pela remição, pelo resgate do bem, mediante
pagamento da dívida.
Na responsabilidade por subsituição o contribuinte é excluído.
Os Relatórios Contábeis de propósito geral (RCPGs) subsidiam
os procesos decisórios, aq prestação d econtas e a
responsanilização(accountability). O termo RCPG foi introduzido
ewm 2016, na NBCT SP- estrutura conceitual. Nos RCPGs constam
demonstrações contábeis(balanço orçamentário, por exemplo),
demonstrações gerenciais (demonstração do resultado econômico)
e demonstrativos fiscais (relatório de gestão fiscal). Por isso, além
das demonstrações contábeis, os RCPGs apresentam
demonstrativos gerenciais e demonstrativos fiscais.
Existem 2 conjuntos principais de normas na contabilidade
pública: as normas brasileiras contábeis técnicas do sonselho
federal de contabilidade e o Manual de Contabilidade Aplicada ao
Setro Público da Secretaria do Tesopuro Nacional. Tem-se que o
CFC é responsável por publicar as NBCT SP, enquanto a STN, que é
o órgão central de contabilidade pública no Brasil, publica o MCASP
As empresas estatais independentes e as entidades do
orçamento de investimento aplicarão a estrutura conceitual e as
deais NBC TSP de maneira facultativa.
A empresas estatais dependentes aplicam de forma
obrigatória o MCASP e a NBCTSP, porém aplicam de forma
facultativa a lei 6404. Já a empresa estatal independente aplicam
de forma obrigatória a lei 6404/76. As empresas estatais
dependentes e as empresas estatais independente são empresas
controladas. Ambas aplicam d eforma obrigatória a lei 6404/76.
No entendimento do CFC os conselhos profissionais são
autarquias, devendo aplicar obrigatoriamente a contabilidade
pública em conformidade com a NBC TSP estrutura conceitual.
Porém os conselhos profissionais não são obrigados a seguir o
MCASP. O MCASP, publicado pela STN, não deve ser
obrigatoriamente aplicado aos conselhos profissionais. Porém as
normas do CFC (NBC TSP) devem ser aplicadas aos conselhos
profissionais.
Os sserviços sociais autônomos 9sistema S), a partir do
acórdão 991 de 2019, do Plenário do TCU, deverão utiizar as NBC
TSP emitidas pelo CF. Apesar da obrigatoriedade das aplicação das
NBC TSP ao sistema S, os serviços sociais autônomos poderão
admitir a contabilidade empresarial, concomitantemente.
O alcance da estrutura conceitual aplicada ao setro público
abrange os consórcios públicos e os fundos, em todos os seus
aspectos orpeacionais. Vale dizer, tais entidades (consórcios e
fundos) são obrigadas a adotar a estrutura conceituial aplicada ao
setor público.
Não é porque a pessoa jurídica recebe recursos públicos que
ela obrigatoriamente aplicará a estrutura conceitual. As empresas
estatais dependentes devem utilizar ambas as contabilidades
públicas: pública e geral.
O ITCM, Imposto sobre a transimssão causa mortis e doação,
tem função predominantemente fiscal, está sujeito ao princípio da
legalidade tributária, está sujeito ao princípio da noventena, possui
como fato gerador a transmissão, causa mortis ou por doação, de
quaisquer bens ou direitos, possui como base de cálculo o valor
venal dos bens ou direitos transmitidos e é lançado por declaração.
O ITCMD É LANÇADO POR DLCARAÇÃO. Na sistemática de
lançamento do ITCMD, a autoridade administrativa constitui o
crédito tributário com base em informações prestadas pelo pórprio
sujeito passivo (quando este declara o valor do bem transferido).O
lançamento do IPTU e dos autos de infração são tipos de
lançamento de ofício, já os lançamentos do IPI e do ICMS são por
homologação.
O ICMS tem função visivelmente fiscal e a Constituição
permite que ele seja seletivo (o ICMS poderá ser seletivo), em
função da essencialidade das mercadorias e dos serviços.Trata-se, o
ICMS, do tributo de maior arrecadação no Brasil. SEGUNDO A
CONSTITUIÇÃO FEDERAL, O ICMS PODERÁ SER SELETIVO, EM
FUNÇÃO DA ESSENCIALIDADE DAS MERCADORIAS E DOS
SERVIÇOS.Ainda conforme a Constituição Federal, o ICMS será não
cumulativo. A sistemática da não cumulatividade funciona
mediante a utilização do mecanismo de débitos e créditos. O icms
está sujeito ao princípio da noventena e é lançado por
homologação, podendo ser cobrado em conjunto com o II e o IPI. O
ICMS é lançado por homologação pois é o próprio sujeito passivo
que calcula o valor do imposto devido e antecipa o pagamento sem
rpévio exame da autoridade administrativa. O ICMS É LANÇADO
POR HOMOLOGAÇÃO.
O ipva é lançado de ofício, pois aautoridade administrativa
constitui o crédito tributário baseada em informações que constam
no seu banco de dados. o lançamento do ipva é de ofício, pois o
sujeito passivo(contribuinte ou responsável) não participa do
processo. O sujeito passivo não elabora declarações, enm antecipa
quaisquer valores.
A base de cálculo do imposto de importação é, quando a
alíquota for específica, a unidade de medida adotada pela lei
tributária. O II tem como fato gerador a entrada dos produtos
estrangeiros no território nacional. O contribuinte do II pode ser o
arrematante de porodutos aprrendidos ou abandonados ou o
importador ou quem a lei a ele equiparar. Para configurar o fato
gerador do Imposto de importação é necessária a incorporação do
bem à economia interna. O simples ingresso físico do produto no
Brasil por si só, não caracteriza o Imposto de Importação. O IPTU
poderá ter alíquotas diferentes de acordo com a localização e o uso
do imovel. Além disso o IPTU poderá ser progressivo em razão do
valor do imóvel.
O IPI não é progressivo. O Imposto de Renda (IR) sewrá
informado pelo critério da progressividade.
O IPVA poderá ter alíquotas diferenciadas em função do tipo e
utilização.
O iptu poderá ter alíquotas diferentes em função da
lozalização e do uso do imóvel.
O IPI será seletivo, em função da essencialidade do produto.
O IPTU poderá ser progressivo em razão do valor do imóvel.
A ec 29 DE 2000 ESTIPULOU QUE O iptu TERIA
CARACTERÍSTICAS DE PROGRESSÃO(IPTU PROGRESSIVO),
determinando que o imposto poderá: I- ser progressivo em razão
do valor do imóvel, II- ter alíquotas diferentes de acordo com a
localização e o uso do imóvel. Assi, a progressividade em razção do
valor do imóvel implica que quanto maois o imóvel se valoriza mais
ITPTU teremos que gara. Ter alíquotas diferentes de acordo com a
locxalização e o uso do imóvel significa que um imóvel localizado
em um bairro nobre terá um IPTU maior do que aquele localizado
no subúrbio.
As alíquotas do II, IE, IOF e IPI podem ser majoradas por
Decreto Presidencial ou Portaria do Ministro da Justiça. São
exceções à legalidade tributária.
Decreto Presidencial pode reduzir e restabelecer alíquotas do
CIDE combustível, e Convênio do CONFAZ pode reduzir e
restabelexer alíquotas do ICMS Combustível. São exceções ao p
´rincípio da legalidade tributária. Detalhes: Decreto Presidencial
pode reduzir e restabelecer alíquotas do CIDE Combustpivel, mas
não pode majorá-las. Convênio do CONFAZ pode reduzir e
restabelecer alíquotas do ICMS Combustível, mas não pode majorá-
las. Decreto Presidencial ou Portaria do Ministro da Justiça pode
alterar alíquotas do II, IE, IOF e IPI, podendo majorálas.
AS alíquotas do II,IE,IPI e IOF podem ser
majoradas por Decreto Presidencial ou
Portaria do Ministro da Justiça. São exceções
à legalidade tributária.

O ISS, Imposto Sobre


Serviços de Qualquer Natureza), de competência dos municípios e
do Distrito Federal, tem como fato gerador a prestação de serviços
anexaà lei complementar 116 de 2003, ainda que esses não
constituam atividade preponderante do prestador.
O contribuinte do imposto de importação é o importador ou
qeum a lei a ele equiparar ou o arrematante de produtos
apreendidos ou abandonados.
Atualmente, são raros os exemplos de impostos lançados por
declaração. Dois exemplos de tributos lançados por declaração são
o ITBI, em que o município cobra o tributo com base nas
informações declaradas pelo contribuinte e o imposto de
importação sobre bagagem acompanhada, cobrado epla União.
O Imposto de Renda é lançado por homologação, apesar de
existir a declaração de imposto de renda.Não se deve confundir
lançamento por declaração com lançamento em cuja sistemática
exista uma declaração.
Lançamento por homologação ou “autolançamento”: a
denominação “autolançamento” é eqívoca, pois dá a entender que
o sujeito passivo lança o tributo contra ele mesmo. A expressão
mais adequada seria homologação do pagamento ou homologação
da atividade do sujeito passivo.
Cada ente federado pode adotar na lei local a modalidade de
lançamento que julgar mais conveniente para seus tributos. Deve-
se atentar para a autonomia dos entes federados que os propicia a
adotar leis locais que prevejam modalidades de lançamento
diferentes daquelas apontadas pela doutrina tradicional. Pode
acontecer que uma lei local preveja que o IPTU, que
tradicionalmente é lançado de ofício, seja lançado por declaração.
Ou pode acontecer que determinada lei de alguma entidade
tributante venha dizer que o IPVA, que também é lançado de ofício
ou diretamente, seja lançado por declaração. Não há qualquer
norma geral no direito brasileiro que preveja que IPTU, o IPVA, a
contribuição de iluminação pública e a maioria das taxas sejam
lançados de ofício. O que determina isso é a doutrina.
Com base nos bancos de dados da Administração Pública é
que é realizado o lançamento tributário do IPTU e do IPVA, por isso
a participação do sujeito passivo é quase nula. O contribuinte do
IPTU é notificado do lançamento pelo envio do carnê ao seu
endereço.
O imposto de Renda possui função predominantemente fiscal.
Está sujeito ao princípio da legalidade e ao princípio da
anterioridade. Porém, o IR não se sujeita à noventena. O
lançamento do Imposto de Renda é feito por homologação, e a sua
base de cálculo é o montante real, arbitrado ou presumido, da
renda ou dos proventos tributáveis. O imposto sobre a renda e
proventos de qualquer natureza é o tributo sujeito ao lançamento
por hmologação, procedimento em que o contribuinte antecipa o
pagamento do tributo, e a autoridade tributária, posteriormente o
homologa. Não obstante as manifestações em sentido contrário, a
regra, no imposto de renda é, insofismavelmente, o lançamento
por homologação.
A elisão fiscal é lícita. A elisão fiscal constitui num
planejamentop tributário, sendo lícita. Já a evasão fiscal é ilícita. A
evasão fiscal evita o conhecimento do fato gerador pela
autoridade. A elisão fiscal(lícita) ocorre, em regra, antes do fato
gerador. A evasão fiscal (ilícita) ocorre, em regra, após o fato
gerador. A elusão ou elisão inefiscal é formalente lícita, mas com
abuso de forma jurídica e pode ocorrer antes ou após o fato
gerador.
A atividade administrativa de lançamento é vinculada e
obrigatória, sob pena de responsabilidade funcional. O lançamento
quantifica (quantum debeatur) e qualifica(na debeatur) a obrigação
tributária que lhe é preexistente.
É da lei que emanam o caráter pecuniário do tributo, o timbre
de compulsoriedade da exação e a feição documental do
lançamento tributário.
A competência tributária é imprescritível, pode ser exercida a
qualquer tempo, não sendo limitada no prazo.
A cosntituição Federal, em seus art.153,155 e 156, sob as
epígrafes, estabeleceu a competênci dos entes políticos para
tributar.
O lançamento é ato ou procedimento privativo do fisco. O que
pode ocorrer, em seu processamento, é um auxílio maior ou menor
do contribuinte no ato da constituição do crédito tributário.
O lançamento pode ser direto, de ofício ou ex ofício (ou
lançamento unilateral). Misto ou por declaração. Ou ainda por
homologação ou auto lançamento.
O IPTU é exempo clássico de lançamento direto. É o
lançamento de ofício por excelência. O IPVA é imposto lançado de
ofício, consoante a 2ª. Turma do STJ.
Em 10 de agosto de 2016 a 1ª. Seção do STJ evidenciou
que o Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores é
lançado de ofício no início de cada exercício.
As taxas são tributos lançados de ofíio. A contribuição de
melhoria, tributo bilateral, se adapta fielmente ao tipo de
lançamento direto ou de hofício. A COSIP (Contribuição para o
Serviço de Iluminação Pública), cuja cobrança é facultada na fatura
de consumo de energia elétrica, é lançada de ofício ou
diretamente. O lançamento de ofício não é cabível para todo e
qualquer tributo.
O imposto de importação(II), o imposto d eexportação (IE), o
ITBI e até mesmo o ITCMD são exemplos d eimpostos lançados por
declaração. A retificação da declaração por iniciativa do pórprio
declarante só será admissível mediante comprovação do erro em
que se funde e antes da notificação do lançamento.
O lançamento por homologação ou autolançamento é aquele
em que o contribuinte auxilia ostensivamente o fisco na atividade
do lançamento, recolhendo o tributo, antes de qualquer
providência da administração. O icms É UM GRAVAME
PLENAMENTE ADAPTÁVEL AO LANÇAMENTO POR HOMOLOGAÇÃO.
O lançamento feito lpelos contribuintes do ICMS não é denominado
“direto”, mas sim por homologação. Para o ISS, vale o mesmo
raciocínio. O ISSQN tem seu lançamento realizado, em regra, por
homologação.
Os impostso municipais são o IPTU, o ITBI e o ISS. O IPTU é
lançado de ofício(lançamento direto), o ISS é lançado por
homologação e o ITBI é lançado por declaração.
O ICMS poderá ser seletivo.
Alterações de alíquotas do II,IE,IPI e IOF: Decreto presidencial
ou Portaria do Ministro da JustiçA.
Constituição federal Art. 150 ,inciso II É vedado cobrar
tributos no mesmo exercício financeiro em que seja publicada a lei
que os institui ou aumentou. O princípio da anterioridade dispões
de um átimo de tempo em que deve intermediar a data da lei
instituidora ou majoradora do gravame e a data da cobrança do
tributo. O princípio da anterioridade não impede a criação nem a
majoração de tributo, apenas se preocupa em regular os efeitos de
tais atos no tempo.Trata-se de uma distância temporal mínima
entre a publicação e a força vinculante da lei que perpetra a
instituição ou majoração de um tirbuto. A redução de benefício
fiscal vigente equipara-se a aumento indireto de tributo, avocando-
se o princípio da anterioridade tributária. O princípio da
anterioridade, na redução de benefício fiscal vigente, homenageia o
conteúdo teleológico da garantia que proíbe os aumentos súbitos
de encargo fiscal e privilegua o planejamento. De outra banda, se
de algum modo a lei beneficiar o contribuinte, não haverá princípio
da anterioridade. Se a lei extinguir ou reduzir um tributo, mitigar
uma alíqota, conceder uma isenção, dilatar o prazo de pagamento
do tributo, deverá produzir efeitos imediatos. A lei tributária que
beneficia o contribuinte tem pronta incidência. A revogação de
isenção não tem nada a ver com a instituição ou majoração de um
tributo, podendo ser imediatamente exigível. Igualmente ocorre
com a redução do desconto para pagamento de.
Segundo entendimento sumulado do STF norma legal que
altera o recolhimento da obrigação tributária não se sujeita ao
princípio da anterioridade. Suponha que um município altere a
legislação tributária para prever a majoração do prazo de
recolhimento do ISS. Nesse contexto, a alteração de prazo para
recolhimento de tributo não se sujeita ao princípio da
anterioridade, seja geral ou nonagesimal.
O imposto de Renda é um imposto direto, pois a incidência
ocorre quando, numa só pessoa, reúnem-se as condições de
contribuinte prevista na legislação. Nos impostos diretos não é
possível transferir o ônus pelo pagamento do tributo para outrem.
O imposto direto é aquele que não repercute, uma vez que a carga
econômica é suportada pelo contribuinte, por aquele que deu
ensejo ao fato imponível. Já no imposto indireto o ônus tributário
repercute em terceira pessoa. No imposto indireto transfere-se o
ônus para o contribuinte de fato, não se onerando o contribuinte d
edireito.
A taxa é um tributo vinculado à ação estatal, atrelando-se à
atividade pública, e não à ação do particular. Não pode ser
instituida uma taxa incidente sobre um atividade (um serviço)
desenvolvida pelo particular contribuinte. O fato gerador da taxa
não é um fato do contribuinte, mas um fato do estado. O Estado
exerce determinada atividade e cobra a taxa da pessoa beneficiada
por aquela atividade.
A lei de execução fiscal 9lei 6.830 de 1980 não se applica às
empreas públicas e sociedades de economia mista. Para os casos
em que a LEF , lei de Execução Fiscal, lei 6830 de 22 de setembro de
1980, for omissa, aplica-se subsidiariamento o Código de Processo
Civil.
O caput do art. 1º. Da lei 6830 reza que a execução judicial
para cobrança da dívida ativa será regida por essa lei e,
subsidiariamente, pelo código de processo civil.
A dívida ativa, segunda a lei 6830 de 1980 abrange atualização
onetária, juros e multo de mora e demais encargos previstos em lei
ou contrato, compreendendo a tributária e não tributária.
Parágrafo 4º. Da lei 6.830 de 1980 A Divida Ativa será apurada
e inscrita na Procuradoria da Fazenda Nacional.
Na Execução Fiscal, regida pela lei n. 6830, de 1980, é correto
afrimar: A execução fiscal poderá ser promovida, dentreo outros,
contra os sucessores, a qualquer título. A execução fiscal poderá,
segundo o art. 40 da le 6830, ser promovida contra o devedor, o
fiador, o espólio, a massa e os sucessores a qualquer título. ÀdÍVIDA
Ativa de qualquer naturezxa, aplicam-se as normas relativas à
responsabilidade prevista na legislação tributária, civil ou coercial.
A petição inicial, na lei de execução fiscal9lei 6830), indicará
apenas o juiz a quem é dirigida, o pedido e o requerimento para
citação. A produção de provas pela fazenda pública independe de
requerimento na petição inicial.
O Bis in idem significa duas vezes a mesma coisa, e ocorre
quando o mesmo ente tributante edita diversas leis instituindo
múltiplas exigências tributárias decorrentes do mesmo fato
gerador. Exemplo de bins in idem é a autorização para criar COFINs
e PIS. A União (mesmo ente tributante) está autorizada a criar
contribuição social incidente sobre a receita (COFINS) e o
faturamentO(PIS). Outro exemplo é a tributação do lucro de uma
empresa, pois de um mesmo fato gerador (auferir lucro), a
União(mesmo ente tributante) pode instituir imposto de renda(IR)
ou CSLL(contribuição scial sobre o lucro líquido.
Na bitributação entes tributantes diversos exigem do mesmo
sujetio passivo tributos decorrentes do mesmo fato gerador.
Exemplo de bitributação. Exemplo de bitributação: a cobrança do
ISS deve ser no município do local do estabelecimento prestador ou
será do município da prestação do serviço? Sobre um mesmo fato
gerador será IPTU(imposto municipal) ou ITR(imposto federal)?
Sobre um mesmo fato gerador será ICMs(IMPOSTO Municipal) ou
ISS(imposto Municipal)? Exceções à bitributação são os impostos
extraordinários de guerra pela União e a bitributação internacional
de renda.
Subsitituição tributária para frente: a indústria recolhe o
tributo dela mesma, da revenda e do vendedor final. O ICMS -ST é
recolhido antes da realização do pagamento usando uma base de
cálculo presumida, na subsitituição tributária para frente. Na
substituição tributária para trás(diferimento ou situação pretérita),
a última empresa que participa da cadeia paga todo o tributo.
O icms por substituição tributária(ICMS ST) aplica-se a
combustíveis e lubrificantes, motocicletas, automóvei e autopeças,
mateirais elétricos, refrigerantes, cervejas, água e gelo, e etc.
A intitulada Certidão de Dívida Ativa(CDA) reporta-se ao
Termo de inscrição em Dívida Ativa (TIDA), que lhe precede e lhe dá
sustentação. Segundo o novo código de processo civil, a CDA é um
título executivo extrajudicial.
O direito financeiro tem caráter normativo Já o estudo das
finanças públicas não tem caráter normativo.As finanças Públicas e
o direito Financeiro possuem o mesmo objeto de estudo. O estado
necessita obter(receitas públicas), criar(crédito público), planejar
egerir (orçamento público) e despender (despesa pública). Na
Constituição Federal, a competência para legilsar sobre orçamento
público é concorrente. Direti Financeiro, tributário e orçamewnto
público são do âmbito da legislação concorrente. Na competência
concorrente a Uniao legisla sobre normas gerais e os Estados sobre
normas complementares.
A lei de responsabilidade fiscal não buscou a socialização de
dívidas d eprefeituras e estados deficitários.
O pagamento, a compensação, a transação, a remissão, a
prescrição e a decadência, a conversão dod
No campo do direito tribuário têm maior relevância as
resoluções do Senado Federal que estipulam as alíquotas mínimas e
máximas de alguns impostos. Por exemplo, Resolução do Senado
Federal estabelecerá as alíquotas aplicáveis às operações
interestaduas e de exportação. Resolução do Senado Federal, de
iniciativa do Presidente da Repúblca ou de um terço dos Senadors,
aprovada pela maioria absoluta de seus membros, estabelece´ra as
alíquotas aplicáveis /ás operações estaduasi e interestaduais e de
exportação.
De acordo com a constituição federal, o ICMS será não
cumulativo e poderá ser seletivo. Ainda a respeito do ICMS,a
isenção ou não incidência do ICMS,salvo determinação em
contrário da legislação, não implicará crédito para compensação
com o montante devido nas operações ou prestações seguintes e
acarretará a anulação do crédito relativo às operações anteriores. A
isenção do ICMS não implicará crédito para compensação com o
montante devido nas operações seguintes.
A isenção ou não incidência(do ICMS) acarretará a anulação
do crédito relativo às operações anteriores.
A isenção ou não incidência(do ICMS) não implicará crédito
para compensação cm o montante devido nas operações e
prestações seguintes.
De acordo com o Art. 155 da Constituição Federal, o ICMS
poderá ser seletivo, em função da essencialidade das mercadorias e
dos serviços.
Com relação ao ICMS é facultado ao Senado federa
estabelecer alíquotas mínimas nas operações internas e fixar
alíquotas máximas nas mesmas operações (operações internas)
para resolver confloitos específicos que envolvam interesse de
estados. As alíquotas mínimas nas operações internas são feitas
mediante resolução d einiciativa de um terço e aprovada pela
maioria asbsoluta de seus membros. Já a fixação de alíquotas
máximas nas mesmas operações (operações internas)para resolver
conflito específico que envolva interesse de Estados, são feita
smediante resolução de iniciativa da maioria absoluta e aprovada
por dois terços de seus membors. As alíquotas internas, nas
operações relativas à circulação de mercadorias e nas prestações
de serviços, não poderão ser inferiroes às previstas para as
operações interestaduais.
Apesar de o princípio da legalidade não possuir exceções
quanto à criação de tributos, existem exceções à legalidade quanto
à majoração de tributos. As alíquotas do II,IE,IPI e o IOF podem ser
alteradas por Resolução da CAMEX ou por decreto do Poder
Executivo.
O ICMS está previsto no Art. 155, II da CF e na lei
complementar 87 de 1996
O ICMS para combustíveis e lubrificantes é monofásico.
A regra de que o ICMS para combustíveis e lubrificantes é
monofásico encontra-se na Constituição Federal. O ICMS, imposto
estadual, é sucessor do antigo Imposto de Vendas e Consignaçõs
(IVC), representando cerca de 80% da arrecadaçõ do Estado. O
ICMS é um gravame plurifásico, incidindo sobre o valor agregado,
obedecendo-se ao princípio da não cumulatividade. O ICMS é, em
regra, plurifásico, contudoo ICMS para combustíveis e lubrificantes
é monofásico.
A compete^ncia tributária é indelegável, salvo a atribuição
das funções de arrecadar e fiscalizr tributos, ou de executar leis,
servços, atos ou decisões administrativas.
O cometimento, a pessoas de direito privado, do encargo ou
da função de arrecadar tributos, pode ser revogado a qualquer
tempo, por ato unilateral d apessoa a que a tenha conferido.
De acordo com a lei complementar 87 de 1996,o sujeito
passivo do ICMS pode ser o importador de bens de qualquer
natureza, os prestadores de serviços de comuniação, os
prestadores de serviços de transporte interestadual e
intermunicipal e as pessoas que pratiquem operações relativas à
circulaçao de mercadorias.
A substituição tributária progressiva ou para frente, escolhe-
se uma terceira pessoa para recolher o tributo antes da ocorrência
do fato gerador. Antecipa-se o recolhimento, diante de um fato
gerador presumido. Na sunstituição tributária para frente o fato
gerador ocorrerá lá na frente. Ocorre na venda de combustível,
onde a refinaria vende para os distribuidores, que vendem aos
postos e que, porfim vendem o combustível ao consumidor final.
Todo tributo será pago pela refinaria, sendo calculado sobre o valor
se presume que a mercadoria será vendida ao consumidor
final(pauta fiscal) A refinaria será o sujeito passivo da venda de
combustível feita pela refinaria aos distribuidores, da venda dos
distribuidories aos postos e será sujeito passivo também da venda
dos postos aos consumidories finais. Na substiuição tributária
progressiva tem-se a aplicação do valor agregado ou das pautas
fiscais.
Na substituição tributária regressiva ou para trás, o fato
gerador ocorre antes, lá atrás. A substituição tributária para trás
também é chamada diferimento, pois o pagamento do tributo é
postergado, diferido, deixado para depois. O diferimento ocorre
com produtos como o leite cru, a sucata, a cana em caule, etc. Na
substituição tributaria regressiva, as pessoas ocupantes da
sposições anteriories na cadeia de produção são substituídas por
aquelas que ocupam posições posteriores. Ocorre, por exemplo,
quando os produtores rurais vendem para as indústria e essa vende
para o supermercado. Somente ocorre substituição tributária para
trás na venda dos produtores rurais para a indústria, onde a
indústria será responsável ou substituto ttributário dos produtores
rurais. Na substituição tributaria regresiva há diferimento do
pagamento, e o fisco concentra sua atividade numa quantidade
bem menor de empresas.
Responsabilidade de terceiros: O CTN trata da
responsabilidade de terceiros no art. 134 e no art. 135. Na
responsabilidade de terceiros, os terceiros falharam no dever de
vigilância do patrimônio do contribuinte ou na gestão dos mesmos.
No art. 134 o terceiro atuou regurlarmente e no art. 135 o terceiro
agiu negligente mente. No caso do art. 134, na impossibilidade do
cumprimento da obrigação principal pelo contribuinte o terceiro
rouba a cena e por isso a responsabilida´ra é subsidiária ou com
benefício de ordem, e não solidária, como afirma o caput doa art.
134.Ela só é solidária no caput do art. 134, pois o STJ considera-a
subsidiária ou supletiva. O art. 134 aborda a responsabilidade dos
pais, pelos tributos devidos por seus filhos menores, dos tutores e
curadores, pelos tributos devidos por seus tutelados ou
curatelados, dos administradores de bens de terceiros, pelos
tributos devidos por estes, do inventariante, pelos tributos devidos
pelo espólio, do síndico e do comissário, pelos tributos devidos pela
massa falida ou concordatário, dos tabeliães, escrivães e
serventuários de ofício, pelos tributos devidos sobre os atos
praticados por eles, ou perante eles, em razão de seu ofício e dos
sócios, no caso de liquidação de sociedade de pessoas. A
responsabilidade do art. 134 do CTN é reponsabilidade por
transferência ou sucessão, pois no momento do fato gerador a
sujeição recai sobre o contribuinte porém, verificados que foi
impossível ocorrer o cumprimento da obrigação principal pelo
contribuinte e de que não houve ação ou indevidaomissão
imputável à pessoa designada como responsáve§l, ocorre a
transferência tributária.
De acordo com a lei Kandir, é correto afirma que se considera
ocorrifo o fato gerador do ICMS no momento da saída de
mercadoria de estabelecimento de contribuinte, ainda que para
outro estabelecimento do mesmo titular.
O ICMS abrange 4 impostos: impostos sobre circulação de
mercadorias, imposto sobre serviços interurbanos e interestaduais
de comunicação, imposto sobre produção, importação, circulação,
distribuição e consumo de combustíveis líquidos e gasosos e
energia elétrica e imposto sobre extração, importação, circulação,
distribuição e consumo de minerais. Simplificando, o fato gerador
do ICMS pode ser a circulação de mercadorias, a prestação de
serviço de transporte ou a prestação de serviço de comunicação.
A energia elétrica é pacificamente entendida como
mercadoria para efeito de incidência do ICMS.
Com a Ec n 33 de 2001, o ICMS passou a incidir sobre bens ou
mercadoria simportadas do exterior por pessoa física ou jurídica.
Incide ICMS sobre a entrada de bens importados por pessoa física,
qualquer que seja sua finalidade. A simples transferência de
mercadoria de um para outro estabeleceimento da mesma
empresa não configura ICMS (Súmula no. 166 do STJ).
Os serviços de transporte inframunicipal são alvo de
incidência do ISS, conforme item 16 da lista de serviços do ISS,
porém estão fora do campo de incidência do ICMS, o qual abrange
serviços de transporte interestadual e intermunicipal.
O imposto de Renda é exemplo de tributo Dire, já o ICMS é
exemplo de imposto indireto. Na classificação em tributos diretos
ou indiretos, surgem as figuras do contribuinte de fato e do
contribuinte de direito.
O imposto de Renda é um imposto pessoal. Já o IPTU,IPVA,
ITR e ICMS são impostos Reais. Os impostos reais não levam em
conta a capacidade econômica dop contribuinte. Jpa nos tributos
pessoais tributa-se de acordo com a capacidade conômica do
contribuinte.Os tributos reais são baseados em besn reais(físicos),
são os denominados impostos sobre o patrimônio.
O Impopsto de Renda é progressivo, pois suas alíquotas são
fixadas em percentuais variáveis e crescentes, conforme a elevação
de valor da matéria tributável. Já os impostos regressivos não
levam em conta a capacidade econômica do contribuonte.
O regime monofásico, tambpem conhecido como
tributaç~çao monofásica ou concentrada, é semelhante à
subsituição tributária, atribuindo a determinado contribuinte a
responsabilidade pelo tributo devido em toda a cadeia d eum
produto ou serviço.
I ICMS e o IPI são não cumulativos, porém apenas o IPI
será,obrigatoriamente, seletivo. O ICMS poderá ser seletivo.
Uma caracterísitca bem marcante do ICMS é que, em regra,
ele é plurifásico, incidindo sobre as várias etapas do processo
econômico de circulação de mercadorias. Apesar de plurifásico, ele
é recolhido de uma só vez.
Resolução do Senado Federal, e não lei complementar,
estabelecerá as alíquotas de ICMS aplicáveis nas operações
interestaduais.As alíquotas aplicáveis às operações e prestações de
exportação e interestaduais serão estabelecidas por resolução do
Senado Federal.
O texto Constitucional atrela às resoluções do Senado Federal
o estabelecimento de alíquotas de ICMS, aplicáveis às operações e
prestações, interestaduais e de exportação.
A responsabilidade pelo recolhiento do imposto corresponde
à diferença entre a alíquota interna e a interestaduas será atribuída
ao destinatário, quando este for contribuinte do impoto. A
responsabilidade pelo recolhimento do omposto correspondente à
diferença entre a alíquota interna e a interestadual será atribuída
ao remetente, quando o destinatário não for contribuinte do
imposto.
O IPVA e o IPTU(somente quanto à fixação da base de cálculo)
e o Imposto de Renda são exceções à anterioridade de excercício,
porpem não são exceções à anterioridade anual.
O IPI será seletivo, em função da essencialidade do produto,
será não cumulativo, compensando-se o que for devido em cada
operação com o montante cobrado nas operações anteriors, não
incidirá sobre produtos industrializados destinados ao exterior e
terá reduzido seu impacto sobre a aquisiç~~ao de bens de capital
pelo contribuinte do imposto, na forma da lei.
O ITR será progressivo e terá suas alíquotas de forma a
desestimular a manutenção de propriedades improdutivas. O ITR
não incidirá sobre pequenas glebas rurais, definidas em lei, quando
as explore o proprietário que não possua outro imóvel, o ITR será
fiscalizado e cobrado pelos Municípios que assim optarem, na
forma da lei, desde que não implique redução do imposto ou
qualquer outra forma de renúncia fiscal
O Imposto de Renda, o IPTU e o ITR são impostos diretos,
onde o ônus financeiro recae sobre o contribuinte. O ICMS, o ISS, o
IPI, o IOF e outros, são tributos indiretos, onde oônus financeiro
recae sobre terceiro pessoa, na maioria das vezes o consumidor
fina.
Na imunidade não ocorre o fato gerador, não se cobra o
tributo e não se pode transformar em incidêcia. Na não incid
ência o fato gerador não ocorre, não se cobra o tributo, mas pode-
se transformar em incidência. Na isenção ocorre o fato gerador,
mas não se cobra o tributo. A grande diferençã entre imunidade e
isenção é que na imunidade não ocorre o fato gerador mas se cobra
o tributo e na isenção ocorre o fato gerador mas não se cobra o
tributo. Em ambos não se cobra o tributo, porém na isenção, ao
contrário da imunidade, ocorre o fato gerador. A imunidade não é
in cidência, enquanto a isenção já é incidência. A não incidência é
diferente da imunidade e da isenção. Na não incidência não ocorre
o fato gerador, não cobra-se o tributomas pode-se transformar em
incidência.
A não incidencia divide-se em imunidade e não incidência
pura e simples.Na imunidade a norma constitucional amputa a
competência. A isenção é a dispensa legal do tributo devido. Na
alíquota zero, o fato gerador ocorre, mas a alíquoa é zero, que
normalemtne se referem aos tributos regulatórios (II,IE,IPI e IOF).
Na isenção o ente político tem competência para isntituir o tributo
e , ao fazê-lo, opta por dispensar o pagamento do tributo devido. A
imunidade ou não incidencia constitucionalmnte qualificada
diferencia-se da não incidencia pura e simples. A isenção mopera
no âmbito do exercício da competência, enquanto a imunidade
opera no âmbitoa da delimitação da competência.
Quanto à possibilidade de repercursão os tributos podem ser
diretos ou indiretos Os impostos diretos oneram diretamente
apessoa definida como sujeito passivo, não permitindo a
repercurssão: IR, ITR e IPTU. Já os Indiretos oneram pessoa
diferente daquela definida como sujeitro passivo, permitindo a
repercurssão: ICMS, ISS, IPI e o IOF.
As taxas s~çao considerados tributos bilaterais, com
traprestacionais, causais, sinalagmáticos.
As taxas são tributos bilaterais, contraprestacionais, causais,
retributivos, remuneratórios ou sinalagmáticos
Súmula 662 do STJ : a notificação do auto de infração faz
cessar a contagem da decade^cnia para a constituição do crédito
tributário
Súmula 360: O benefício da denúncia espontânea não se
aplica aos tributos sujeitos a lançamento por homologação.
Súmula 213 do STJ O mandado de segurança constitui ação
adequada para a declaração do direit à compensação tributária.
A atualização do valor monetário da base de cálculo de um
tributo não está abrangida pela legalidade tributária. A fixação do
prazo para recolhimento não está abrangido pela legalidade
tributária. As matérias não constantes de ar. 97 não estão
abrangidas epla legalidade tributária
O aumento da base de cálculo de um tributo é diferente da
atualização do valor monetário da base de cálculo. O aumento da
base de cálculo de um tributo é reservada à lei. O princípio da
legalidade tributária não possui exceçõs quanto à criação de
tributos, mas sim quanto à majoração.
A compensação de créwditos tributários não pode ser
deferida em ação cautelar ou por medida liminar cautelar ou
antecipatória.
Ainscrição suspenderá a prescrição da dívida ativa por 180
dias ou até a distribuição da execução fiscal
A competência para processar e julgar a dívida ativa exclui a
de qualquer outro juízo.
Salvo disposição em contrário, entram em vigor: os atos
administrativos, na data d esua publicação, as decisões, 30 dias
após a data de sua publicaçã, e os convênios na data neles previstas
Os atos administrativos=na data da publicação
As decisões= em 30 dias
Os Convênios = na data neles prevista
O art. 3º. Da legislação tributária de Sertânia diz que a
hipótese de incidência do IPTU é a propriedade, o domínio útil ou a
posse de bem imóvel, por natureza ou acessão física, localizado no
Município. O parágrafo único do art. 3º. Diz que o fato gerador do
imposto ocorre anualmente, no dia 1º De janeiro. Somente é
contribuinte do IPTU o possuidor por direito real que exerce a
posse por ânimo definitivo. Somente contribui para o IPTU o
possuidor que tenha animus domini. A posse pode ser de direito
real, situação em que assume o possuidor o ônus de proprietário,
ou de direito pessoal, quando detém esse título em virtude de um
contrato, como a locação. Jamais poderá ser contribuinte do IPTU o
locatário ou comodatário. A progressividade de alíquotas do IPTU
com base no valor do imóvel somente é legítima a partir da
Emenda Constitucional 29, de 2000
O art. 2º. Do Código Tributário de Sertânia afirma que os
tributos são impostos(IMPOSTO SOBRE A PROPRIEDADE PREDIAL E
TERRITORIAL URBANA, IMPOSTO SOBRE A TRANSMISSÃO E CESSÃO
ONEROSA DE BENS IMÓVEIS INTER-VIVOS E DE DIREITOS A ELES
RELATIVOS E IMPOSTO SOBRE SERVIÇOS DE QUALQUER
NATUREZA), as taxas(taxas de serviços públicos, taxas de licença e
taxas de serviços administrativos0 e contribuições de melhoria.
A Lei 1075 de 1997 intitui o Código Tributário De Sertânia.
Parece-nos mais escorreito que o CTN Sertaniense adote a teoria da
pentapartição, onde os tributos são divididos em impostos, taxas,
contribuições de melhoria, empréstimos compulsórios e
contribuições especiais.
A Súmula 353 afirma que: as disposiçoes do Código Tributário
Nacional não se aplicam às disposições do FGTS. As contribuições
do FGTS não são tributos.~
A lei 1075 de 1997afirma que considera-se zona urbana a
definida e delimitada em lei municipal onde existam pelo menos
dois dos seguntes melhoramentos, construídos ou mantidos pelo
poder público: meio-fio ou calçamento, com canalização de águas
pluviais; abastecimento de água; sistema de esgotos sanitários;
rede de iluminação pública, com ou sem posteamento para
distribuição domiciliar, escola primária ou posto de saúde a uma
distância máxima de 3 quilômetros do imóvel considerado.
O CTN, a lei 5.172 de 1966 é materialmente uma lei
complementar. O seu conteúdo(matéria) é de lei complementar, já
sua forma é de lei ordinária, até porque a lei é “lei 5172” e não lei
complementar 5172. A lei Municipal de Sertânia, que dispões sobre
o código tributário sertaniense é a lei 1075 de 1997. O CTN tem
natureza dúplice ou híbrida, pois formalmente é lei ordinária e
materialmente é lei complementar. A lei ordinária 1075, de 18 de
dezembro de 1997 dispões sobre o Código Tributário Sertaniense.
Essa norma dispões sobre a atualização do CTN Sertaniense

O CTN tem natureza dúplice ou


híbrida, pois formalmente é lei
ordinária, mas materialmente é lei
complementar.

A base de cálculo do IPTU é o valor venal do imóvel.Na


determinação da base de cálculo não se considera o valor dos bens
móveis mantidos, em caráter permanente ou temporário no
imóvel, para efeito de sua utilização, exploração, aformoseamento
e comodidade. O IPTU incide apena sobre bens imóveis por
natureza ou acessão física, e não em bens imóveis por acessão
intelectual. Em Sertânia, no cálculo do imposto, a alíquota a ser
aplicada sobre o valor venal do imóvel será 2%, tratando-se de
terreno e 1% tratando-se de prédio ou unidade imobiliária
autônoma. A simples remessa do carnê do IPTU ao endereço do
contribuinte configura notificação do lançamento . Assim, se o
contribuinte quiser alegar que o crédito tributário foi atingido pela
decadência, terá que provar que a remessa do carnê não ocorreu.
A Súmula 583 do STF reza que promitente comprador de
imóvel residencial transcrito em nome de autarquia é contribuinte
do imposto predial e territorial urbano. O Código Sertaniese diz que
a incidência do imposto independe do resultado financeiro da
exploração econômica do bem imóvel.
Reza a Súmula 539 do STF que é incostitucional a fixaçãode
adicional progressivo do imposto predial e territoria urbano em
função do número de imóveis do contribuinte. Segundo a súmula o
IPTU não pode ser progressivo em função do número de imóveis. O
art. 6º. do código sertaniense diz que o imposto independe da
legitimidade dos títulos de aquisição da propriedade, do domínio
útil ou da posse do bem imóvel.
O IPI possui função predominantemente fiscal, sendo
excepcionalmente extrafiscal, está sujeito ao princípio da
legalidade, está sujeito ao princípio da anterioridade e está sujeito
ao princípio da noventena(exceto em relação às alterações da base
de cálculo do tributo) O fato gerador é a propriedade, o domínio
útil ou a posse de bem imóvel por natureza ou acessão física, como
definido na lei civil, localizado na zona urbana do município. A base
de cálculo é o valor venal do imóvel. Contribuinte do IPTU é o
proprietário do imóvel, o titular de seu domínio útil, ou o seu
possuidor a qualquer título.
O imposto de Renda, de competência da União, será
informado pelos critérios da generalidade, da universalidade e da
progressividade na forma da lei. O imposto de Renda é progressivo,
universal e de caráter geral.
O ITR será fiscalizado e cobrado pelos Municípios que assim
optarem, na forma da lei, desde que não implique redução do
imposto ou qualquer outra forma de renúncia fiscal.
O IPTU é de competência municipal, mas pode ser exigido
pelo Distrito Federal. Lembrar que o Distrito Federal não podem ser
dividido em Municípios. O IPTU dá a impressão de se referir a dois
impostos impostos predial e imposto territorial, mas na verdade é
um imposto apenas, mas é calculado sobre o valor do terreno e
sobre o valor da edificação. O IPTU pode ter alíquotas
diferenciadas, de acordo com o valor venal do imóvel. O IPTU
poderá ter alíquotas progressivas por conta do valor venal do
imóvel. Quanto maior o valor do imóvel, maior a base de cálculo e
maior a alíquota. O IPTU pode ter alíquotas progressivas quanto
mais progressivo será o valor venal. Quem tem imóvel maior tem
condição financeira mair. O IPTU atenderá ao princípio da
capacidade contributiva, que atenda às alíquotas progressivas. O
ITPU também pode ter alíquotas variadas de acordo com o tipo, o
uso ou a localização do imóvel. Não quer dizer que o Município
tenha que aplicar alíquotas variadas de acordo com o uso ou a
localização, mas sim que ele poderá, opcionalmente, aplicar
alíquotas seletivas de acordo com a localização, o uso uou ainda o
tipo de imóvel. O IPTU faz parte da política urbana do município,
pois é extremamente importante para o cumprimento da função
social da cidade, fazendo uma especulação imobiliária na cidade,
pois de acordo com o estatuto da cidade(lei 10257 de 2001), o IPTU
pode ser ultilizado como instrumento apto a pressionar o
proprietário a cumprir com a função social do imóvel. Esse prazo
para cumprir a função social pode variar de 1 a 2 anos. Passado
esse prazo, se o proprietário nada fizer, o município terá de ser
valer do IPTU para forçar o proprietária a cumprir sua função social.
O estatuto da cidade impõe uma alíquota máxima ao IPTU quando
o proprietário não cumpre sua função social. A alíquotamáxima do
IPTU será de 15%. Se ele cumprir com a função social a alíquota
voltará a sua origem. De um ano para o outro a alíquota pode, no
máximo, dobrar. Todas estas informações estão previstas na
Constituição Federal, apesar de detalhadas na lei 10.257
O locatário de um imóvel está sujeito ao pagamento do IPTU?
O contribuinte do IPTU é o proprietário do imóvel situado em zona
urbana. Pode ser que o contrato diga que a responsabilidade de
pagamento do IPTU é do locatário. No entanto, se o locatário não
pagar, o proprietário pagará.
O IPTU deverá ter alíquotas progressivas de acordo com o
valor do imóvel somente a partir de 2000, antes disso não era
possível o IPTU com alíquotas progressivas. Antes da EC 29 de 2000
não existia essa possibilidade.
O imóvel deve ser limpo, se o proprietário não cumprir a
notificação de que o imóvel deverá ficar regurlamente limpo, no
máximo você sofrerá uma multa. Deixar o imóvel sujo é ato ilícito,
por isso se eu assim o faço recebo uma sanção por ato
ilícito(multa). O IPTU não pode ser majorado tendo e vista um
imóvel que está irregular. O IPTU tem objetivo arrecadatório, esse é
o grand eobjetivo dos impostos, abastecer os cofres públicos.
Entretando o IPTU tem objetivo extrafiscal, quando usado como
instrumento usado para fazer cumprir a função social de
apropriedade. Nesse caso ele em objetivo de desstimular ou
estimular dada atividade. Quando o IPTU muda suas alíoquotas em
função do uso ou destinação, beneficiando ou não dadas
atividades, ele é extrafiscal.
A imunidade religiosa protege o templo religioso, entretanto,
é preciso que o imóvel seja prorpriedade da igreja.Se eu alugo um
imóvel para uma igreja, o locador não se beneficia da imunidade
religiosa.
A Constituição Federal de 1988 não prevê alíquotas
progressivas para o ITCMD. Porém, em um julgado isolado do STF
passou-se a admitir a progressividade do ITCMD.Já o IR, o ITR e o
IPTU tem previsão de alíquotas progressivas expressas na p´ropria
constituição. O IPVA também não possui alíquotas progressivas.
O princípio da seletividade exige que as alíquotas do ICMS e
do IPI sejam graduadas conforme a essencialidade da mercadoria,
serviço ou produto. Em matéria de ICMS, o imposto poderá ser
seletivo, podendo até ser definida uma alíquota única. O princípio
da seletividade assegura a concretização da isonomia no âmbito da
tributação do consumo. No caso do IPI, o imposto se´ra seletivo,
ficando proibido o estabelecimento do modelo de alíquota única.
O princípio da segurança jurídica serve para fundamentar os
princípios da legalidade tributária, da anterioridade tributária e da
irretroatividade tributária.
As causas de extinção do crétido eliminam definitivamente o
crédito após sua constituição. Já as causas de exclusão do crédito
evitam a constituição do crédito e ocorrem antes do lançamento.
As causas de extinção e exclusão do crédito formam um rol
taxativo, sob reserva de lei complementar federal. As causas de
exclusão do crédtio são duas: anistia e isenção. As causas de
extinção são o pagamento, a compensação, a transação, a
remissão, a prescrição, a decadência, a conversão do depósito em
renda, o pagamento antecipado e a homologação, a consignação
em pagamento, a decisão administrativa irreformável, a decisão
judicial transitada em juldado e a dação em pagamento. Dentre
essas causas de extinção, a única que não elimina o crédito, após a
sua constituição, é a decadência. As causas de extinção ocorrem
após a constituição do crédito, eliminando -o, extinguindo-o(exceto
a decadência).As causas de extinção ocorrem antes da constituição
do crédtito, ocorrem antes do lançamento. As causas suspensivas
do crédito tributário são a moratório, o depósito integral, as
reclamações e os recursos administrativos, a medida liminar em
mandado de segurança, a medida liminar ou tutela antecipada nas
demis ações e o parcelamento. O rol da moratória é taxativo, sob
reserva de lei complementar federal. As causas de suspensão do
crédtio, as causas de extinção do crédito e as causas de exclusão do
crédito são taxativas e reservadas à lei complementar federal.
No que concerne ao ICMS, a competência do Senado pode ser
assim resumida: alíquotas internas dos estados membros:fixação
facultativa. Alíquotas interestaduais e de exportação: fixação
obrigatória.
No que concerne ao IPVA, o Senado fixará, obrigatoriamente
as alíquotas mínimas.
Quanto ao ITCMD, o Senado fixará, obrigatoriamente, suas
alíquotas máximas
No tocante ao ICMS, o Senado detém três competências
distintas:
Estabelecer, com iniciativa do presidente da república ou de
um terço dos Senadores e aprovação da maioria absoluta del
es, alíquotas às operações interestaduais e de exportação
(obrigatoriamente)
O Senado Federal estabelecerá...com iniciativa do Presidente
da República ou de um terço dos Senadores....e aprovação da
maioria absoluta deles.... as alíquotas aplicáveis às operações
interestaduais e de exportação.
O art.12 do Código Tributário de Sertânia afirma que no
cálculo do IPTU, a alíquota a ser aplicada sobre o valor venal do
imóvel será 2%, tratando-se de terreno e 1% tratando-se de prédio
ou unidade imobiliária autônoma. O IPTU tem função
predominantemente fiscal, sendo excepcionalmente extrafiscal,
está sujeito à legalidade e à anterioridade, tendo por base de
cálculo o valor venal do imóvel. O IPTU está sujeito à noventena
(exceto em relação às alterações na base de cálculo do tributo).
A segunda competência é estabelecer, facultativamente as
alíquotas mínimas do ICMS aplicáveis às operaçõe sinternas, com
iniciativa de um terço dos senadores e aprovação da maioria
absoluta deles
Cabe ao Senado Federal estabelecer, facultativamente....as
alíquotas mínimas do ICMS aplicáveis às operaçõe sinternas....com
iniciativa de um terço dos senadores...e aprovação da maioria
absoluta deles
Estabelecer, com iniciativa da maioria absoluta dos senadores,
e aprovação de dois terços deles, as alíquotas máximas aplicáveis às
operações internas(facultativamente)
Cabe ao Senado Federal estabelecder, facultativamente, as
alíquotas máximas do ICMS aplicáveis às operações internas, com
iniciativa da maioria absoluta dos senadores e aprovação de dois
terços deles.
O imposto referente a transmissão “inter vivos”, a qualquer
título, por natureza ou acessão física, de direitos reais sobre
imóveis, excetos os de garantia, bem como cessão de direitos a sua
aquisição (ITBI) é de competência dos municípios. De acordo com a
constituição federal, o ITBI compete ao Município da situação do
bem. O ITBI não incide sobre a transmissão de bens ou direitos
incorporados ao patrimônio da pessoa jurídica em realização de
capital. O ITBI não incide sobre a transmissão de bens ou direitos
decorrentes de fusão, incorporação, cisão ou extinção da pessoa
jurídica.
O ITBI não incide sobre a transmissão de bens ou
direitos decorrentes de fusão, incorporação, cisão ou
extinção da pessoa jurídica. O ITBI não incide sobre a
transmissão de bens ou direitos incorporados ao
ITBI: O patrimônio da pessoa jurídica em realização de capital.
imposto referente a De acordo com a Constituição Federal, o ITBI compete
ao Município da situação do bem.
transmissão ide
bens inter vivos, a
qualquer título, por naturezza ou acessão física....de direitos reais
sobre imóveis.... exceto os de garantia....bem como a cessão de
direitos a sua aquisição.
O ISS, de competência dos municípios, será definido em lei
complementar
Os emréstimos compulsórios são criados por lei
complementar, as despesas extraordinárias não o são. Os impostos
extraordinários podem ser instituídos pro lei ordinária ou medida
provisória
O princípio da capacidade contributiva pode ser aplicado às
taxas, apesar de alguns entenderem que o princípio da capacidade
contributiva só seja aplicado aos impostos. Em Sertânia as taxas se
dividem em taxas de serviços públicos, taxas de licenças e taxas de
serviços administrativos.
A Constituição Federal traz uma restrição maior à concessão
de benefícios fiscais por parte do ICMS. O ICMS é o tributo com
maior quantidade de regras constitucionais A concessão de
benefícios fiscais de ICMS deve precedida de deliberação conjunta
dos Estados e do Distrito Federal, conforme regulado em lei
complementar. Essa deliberação conjunta toma a forma de
convêncio celebrado no Confaz. Atualmente, a matéria está
regulada na lei complementar 24 de 1975.
Cabe à lei complementar regular as alíquotas máximas e
mínimas do ISS, excluir da sua incidência exportação de serviços
para o exterior. Cabe à lei complementar regular a forma como
isenções, incentivos e befícios fiscais srão concedidos e revogados.
Os serviços de qualquer natureza, não compreendidos no art. 155,
II (ICMS), serão definidos em lei complementar.
Segundo a carta maior, o ICMS não incidirá sobre o ouro,
quando definido em lei como ativo financeiro. O icms NÃO
INCIDIRÁ SOBRE OPERAÇÕES QUE DESTINEM MERCADORIAS AO
EXTERIOR, NEM SOBRE SERVIÇOS PRESTADOS A DESTINATÁRIOS
NO EXTERIROR. O ICMS não incidirá sobre operações que destinem
a outros estados petróleo, inclusive lubrificante, combustíveis
líquidos e gasosos deles derivados e energia eleétrica. O ICMS não
incidirá nas prestações de serviços de comunicação nas
modalidades de radiodifusão sonora de sins e imagens
O ICMS incidirá sobre a entrada de bem ou mercadoria
importados do exterior por pessoa física ou jurídica, ainda que não
seja contribuinte habitual do imposto, assim como sobre o serviço
prestado no exterior. Se mercadorias forem vendidas
conjuntamente com serviços, se esses serviços não forem de
competencia tributária dos municípios, incidirá ICMS.
O serviços são específicos quando possam ser destacados em
unidades autônomas de intervenção, de necessidade ou de
utilidade pública. Os serviços são divisíveis, quando susectíveis de
utilização, separadamente, por parte de cada um dos usuários. As
taxas não podem ser calculadas em função do capital das empresas,
nem ter base de cálculo idênticas ao dos impostos. As taxas não
podem ter base de cálculo ou fato gerador idênticos ao dos
impostos.
As contribuições de melhoria , instituídas para fazer face aos
custos de obras públicas de que decorra valorização imobiliária,
tem como limite total a despesa realizada, e como limite individual,
o acréscimo de valor que da obra resultar para cada imóvel
beneficiado.
A majoração de tributos, ou sua redução, a instituição de
tributos ou sua extinção, a definição do fato gerador da obrigação
tributária principal, a fixação de alíquota de tributo e de sua base
de cálculo, a cominação de penalidades para as ações ou omissões
contrárias a seus dispositivos e as hipóteses de exclusão, suspensão
e extinção de créditos tributários, ou de dispensa ou redução de
penalidades, constam do art. 97. A modificação da base de cálculo
que importe em tornar o tributo mais oneroso equipara-se a
tributo. A atualização do valor monetário da respectiva base de
cálculo não equipara-se a tributo.

A modificação da base de cálculo que


importe em tornar o tributo mais
oneroso equipara-se a tributo. A
atualização monetária do valor da
respectiva base de cálculo não se
equipara a tributo.

A lei expressamente interpretativa aplica-se a ato ou fato


pretérito, sempre, excluída a aplicação de penalidade à infração
dos dispositivos interpretados. A lei retoragirá, tratando-se de ato
não definitivamente julgado, quando deixe de definí-lo como
infração. Quando a lei diz que determinado ato tributário é não
infracional, ela retroagirá, se o ato não for definitivamente
julgado.Quando a lei deixe de tratar o ato como contrário a
qualquer exigência de ação ou omissão, tratando-se de ato não
definitivamente julgado, a lei retroagirá, desde que não tenha sido
fraudulento e não tenha implicado em falta de pagamento de
tributo. A lei tributária que define infrações ou lhe comine
penalidades, ou seja, a lei tributário-penal será mais benigna, será
interpretada favoralmente ao acusado, em caso de dúvida quanto à
capitulaçao legal do fato, à natureza ou às circunstâncias materiais
do fato, o u à natureza ou à extensão de seus efeitos. Se houver
dúvidas quanto à autoria, imputabilidade ou punibilidade ou
quanto à natureza da penalidade aplicável, ou dúvidas quanto à
graduação da penalidade aplicável, a lei tributário-penal também
será interpretada benignamente, de maneira mais favorável ao
acusado. A lei 1075 afirma que o IPTU incide sobre imóvel que,
localizado fora da zona urbana do município, seja utilizado como
sítio de recreio no qual a eventual produção não se destine ao
comércio.
Conceito de tributo: no direito tributário a lei complementar
tem uma força muito grande. O art. 146 da Constituição reserva
uma série de assuntos do direito tributário à lei complementar. O
conceito de tributo deve ser dado por lei complementar. Em razão
da teoria da recepção, constante do art. 34 parágrafo 4º., do ADCT,
o CTN foi recepcionado com status de lei complementar. Diante da
teoria da recepção, o artigo que nos dá o conceito legal de tributo é
o art. 3º do Código Tributário Nacional. Tributo é toda prestação
pecuniária, compulsória, em moeda ou cujo valor nela se possa
exprimir. O tributo deve ser pago em pecúnia, em moeda, ou cujo
valor nela se possa exprimir. Eu não consigo pagar tributo sem ser
em dinheiro, não se admite o pagamento de tributo in labore, nem
tampouco in natura (num passado muito distante, já se admitiu,
com o quinto constitucional). O artigo 156 inciso XI traz como
forma de extinção do crédito tributário a dação de pagamento em
bens imóveis, trazendo uma exceção ao caráter pecuniário de
tributo. O artigo segundo, da lei 1075 de 1997, afirma que o
município de Sertânia institui os seguintes tributos: I – Impostos:
a)Imposto sobre a propriedade predial e territorial urbana;
b)imposto sobre a transmissão e cessão onerosa de bens imóveis
inter-vivos e de direitos reais a eles relativos; II taxas: a)taxas de
serviços públicos;b)taxas de licença e c)taxas de serviços
administrativos e II)contribuições de melhoria.

Art. 157 A imposição de penalidade não ilide o pagamento integral


do crédito tributário.

Art. 159 Quando a legislação tributária não dispuser a respeito, o


pagamento é efetuado na repartição competente do sujeito
apssivo.

Art. 160 Quando a legilaç~´ao tributária não dispuser a respeito, o


vencimento do crédito ocorre trinta dias pdepos da data em que se considera o
sujeito passivo notificado do lançamento.

Ordem do art. 163 do CTN: em primeiro lugar, os débitos por obrigação própria, e em segundo
lugar aos decorrentes de responsabilidade tributária, primeiramente às contribuições de melhora,
depois às taxas e por fim aos impostos, na ordem crescente dos prazso de prescrição e por fim na
ordem decrescente dos montantes.

Imposto de Renda: princípios constitucionais, fato gerador,


base de cálculo, contribuintes, lançamento e visão geral do imposto
Súmula 656: É inconstitucional a lei que estabeleça alíquotas
progressivas ao imposto de transmissão inter vivos – ITBI, com base
no valor do imóvel. O ITBI não será progressivo em razão do valor
do imóvel. O ITBI é um tributo sobre coisas (tributo real) e por isso
não admite alíquotas progressivas.Somente os tributos pessoais
têm alíquotas progressivas.
A determinação de que o IR obedece´ra os princípios da
generalidade, da universalidade e da progressividade, na formada
lei, decorre dos princípios da isonomia e da capacidad contributiva.
Acerca da isonomia existem a isoômia vertica e a isonomia
horizontal. Há que considere a generalidade como referentes às
pessoas e a universalidade como referente a rendimentos e
proventos. Generalidade e universalidade impõem a tributação de
todas as pessoas titulares da disponibilidade econômica ou jurídica
de quaisquer rendas ou proventos. As verbas de natureza
indenizatória, por não aumentarem o patrimônio jurídico dos
beneficiários, não estão sujeitas ao imposto. É importante lembrar
que o Imposto de Renda está sujeito à anterioridade anual, mas
não está sujeito à noventena. Sua majoração pode gerar efeitos a
partir do primeiro dia do exercício subsequente,
independentemente de qualquer prazo mínimo. Para a
compreensão do fato gerador do imposto de renda, o que pode ser
qualqificado como econômico ou jurídico é a disponibilidade do
rendimento, e não sua causa, como se fazia na tese anteriormente
abraçada.
A base de cálculo do imposto é o montante real, arbitrado e
presumido, da renda ou dos proventos tributáveis. O imposto de
Renda é tributo sujeito a lançamento por homologação,
procedimento em que o contribuinte antecipa o pagamento do
tributo, e a autoridade tributária, posteriormente, o homologa. a
mais famosa declaração tributária existente no direito é a
declaração de imposto de renda. Contudo, ele (IR) é lançado por
homologação. O IR está sujeito à legalidade tributária e à
anterioridade tri.butária, mas não ao princípio da noventena.
A Súmula do STF 656 e a súmula 668 são de suma
importância. A primeira diz que é inconstitucional a lei que
estabeleça alíquotas progressivas ao ITBI com base no valor do
imóvel. A segunda somente permitiu a progressividade no IPTU a
partir da EC 29 de 2000.
A imposição constitucional de progressividade do imposto de
renda é exemplo de regra teleologicamente ou finalisticamente li
gada ao princípio da capacidade contributiva e da isonomia.
Princípio da legalidade. Art .150, inciso I, da CF. toda a vez que
eu quiser aumentar ou criar um tributo eu preciso de uma lei em
sentido estrito: lei ordinária, lei delegada, lei complementar ou
medida provisória. O princípio da legalidade surgiu por conta do rei
João sem Terra ou João da Inglaterra, irmão do rei Ricardo Coração
de Leão e sucessor do mesmo, que resolveu tributar, tributar e
tributar sem lei. Para extinguir ou reduzir um tributo a constituição
não fala nada, mas pelo princípio do paralelismo das formas eu
também preciso de lei. No tocante à criação ou extinção de tributo
não há exceção ao princípio da legalidade. Não existe hierarquia
entre lei complementar e ordinária, mas sim reserva de matéria. Só
4 tributos foram reservados à lei complementar: o IGF, de
competência da União, que até hoje não foi criado; o empréstimo
compulsório (art. 148 da CF), cujo fato gerador não se sabe, só se
sabe que ele será igual ao de todo tributo (guerra externa e
calamidade pública são causas justificadoras do empréstimo
compulsório, e não fato gerador dos mesmos); os impostos
residuais, de competência residual; e as contribuições da
seguridade social residuais.
A subsituição tributária pode ser regressiva ou para trás,
concomitante ou progressiva.

A substituição tributária pode


ser regressiva ou para trás,
concomitante ou progressiva
Ns substituição tributária, a sujeição passiva recai sobre uma
pessoa diferente daquela que possui relação pessoal e direta com a
situação descrita em lei como fato gerador do tributo. A subsituição
tributária ocorre como o ICMS (ICMS ST), e se estiver na
regulamentação do IPI, a substituição tributária é definida a
depender do produto. A substituição tributária facilita a fiscalização
dos tributos polifásicos, fazendo com que o tributo plurifásico seja
reconhecido0 de uma só vez, como se fosse monofásico.

Base decálculo presumida nos tributos sujeitos à subsitituição


tributária progressiva. A substituição tributária progressiva tem
previsão na Constituição. A substituição tributária progressiva é
uma técnica de arrecadação tributária que pressupõe a antecipação
do recolhimento do tributo. O fato gerador sequer aconteceu, por
isso o fato geradro é presumido, ainda não aconteceu. A base de
cálculo do fato gerador será presumida. Se usa o regime da tabela
ou pauta fiscal e não se aplica o disposto na súmula 431 do STJ.
Pauta fiscal ou MVA – margem de valor agregado.Se a base de
cálculo presumida não corresponder à base de cálculo efetiva, o
sujeito passivo tem direito à devolução do ICMS, devolução do
ICMS recolhido a maior no momento em que houve a antecipação
do recolhimento. RE 593 876 SUBMETIDO À REPERCURSSÃO GERAL.

A subsituição tributária pode ser regressiva ou para trás,


concomitante ou progressiva. Na substituição tributária para
frente, o tributo é arrecadado de maneira antecipada, e o fato
gerador ocorrerá posteriormente. O tributo é arrecadado sobre
uma base de cálculo presumida e, em seguida, ocorre o fato
gerador. Já na substituição para trás, pretérita, ou diferimento, o
fato gerador ocorre primeiro e, depois, a apenas a última pessoa da
cadeia produtiva é que pagará o tributo.

O serviço de transporte intramunicial, que não tranpões as


fronteiras do Município, insere-se na competência do Município,
conforme item 16.01 da lista anexa à Lei Complementar 116 de
2003, que define os serviços tributados peol ISS. Em regra, a
prestação de serviços é manifestação de riqueza dos Municípios,
entretanto dois serviços foram incluídos, após a Constituição
Federal, no âmbito de incidência do ICMS: os de transporte
interestadual e intermunicipal e os de comunicação.

No tocante à tributação de serviços, tão somente serviços,


seria possível afirmar que o ISS é residual em relação ao ICMS, pois
este incide sobre os dois serviços expressos na Constituição, e o ISS
incidiria sobre os demais, desde que previstos em lei
complementar. Já o serviço de composição gráfica está
expressamente previsto na lista anexa à LC 116 de 2003, devendo
incidir ISS: STJ Súmula 156 A prestação de serviço de composição
gráfica, personalizada e sob encomenda, ainda que envolva
fornecimento de mercadorias, está sujeita apenas ao ISS.

No entanto, se forem fornecidos serviços, conjuntamente com


mercadorias, primeiro verifica-se se haverá incidência do ISS. Se
não ocorrer, incidirá o ICMS. Se forem fornecidas mercadorias junto
de serviços, o ICMS será residual. Na aquisição de bebidas e
alimentos em bares e restaurantes, há a prestação de um serviço
pelo restaurante em conjunto com a venda de mercadoris e, como
o serviço não está na LC 116 de 2003, haverá apenas a incidência
do ICMS.
Por último tem-se ainda uma terceira situação, onde a lei
complementar prevê o serviço sujeito ao ISS, mas ressalva que as
mercadorias fornecidas serão tributadas pelo ICMS. Nesse caso
duas notas fiscais serão emitidas, uma com o valor do serviço e
outra com o valor da mercadoria.

STJ Súmula 163- O fornecimento de mercadorias com a


simultânea prestação de serviços em bares, restaurantes e
estabelecimentos similares constitui fato gerador do ICMS a incidir
sobre o valor total da operação

Para Hugo de Brito Machado, tributo oculto ou disfarçado é a


prestação pecuniária exigida sem observar os princípios e normas
tributárias, deixando de assegurar os direitos e garantias
fundamentais do contribuinte.

As taxas, diferentemente dos impostos, pressupõem um agir


estatal(primeiro momento), para só depois se cobrar o tributo, num
segundo momento, por isso são de natureza contraprestacional. A
doutrina refere-se às taxas como bilaterais, contraprestacionais,
causais, retributivos, remuneratórios ou sinalagmáticos. A
instituição das taxas recai no princípio financeiro que afirma que o
custeio de uma atividade estatal específica deve recair sobre seu
beneficiário direto, daí a característica bilateral(sinalgmático).
Segundo o Art. 145, II , da Constituição Federal, e o art. 77 do
Código Tributário Nacional são dois os fatos geradores das taxas: a
prestação de serviços públicos específicos e divisíveis e o exercício
efetivo do poder de polícia. Temos, então taxas de polícia e de
serviços. O art. 2º da lei 1.075 de 1997 divide as taxas em três
partes: taxas de serviços públicos, taxas de licença e taxas de
serviços administrativos. Para o Código Tributário Sertaniense,
teríamos taxas de serviços públicos, taxas de licença, e taxas de
serviços administrativos, tudo conforme a Constituição, pois os três
são subespécies das taxas de serviços. As taxas podem ser criadas
por lei ordinária ou medida provisória, na medida em que as
medidas provisórias têm a mesma potencialidade das leis
ordinárias. A base de cálcula da taxa é o custo da atividade estatal a
ser remunerada pela cobrança do tributo. O Art. 145 parágrafo
primeiro afirma que as taxas não poderão ter base de cálculo
prórpria de impostos. Já o art 77 do CTN diz que as taxas não
poderão ter base de cálcula idêntica às dos impostos nem ser
calculada em função do capital das empresas. Na aferição do valor
da taxa leva-se em consideração o custo do serviço público, sendo
desnecessária sua aferição exata. Desde que a base de cálculo de
um imposto não seja igual à base de cálculo da taxa, pode-se
adotar, no cálculo do valor da taxa, um ou mais elementos da base
de cálculo própria de determinado imposto. O art. 100 do CTMS
afirma que serão cobradas as seguintes taxas: de remuneração de
prédios, de apreensão de animais, de apreensão de móveis e de
mercadorias, de guarda de animais em currais públicos, de
transporte de carne, de alinhamento e nivelamente e de cemitério.
Essas são as taxas de serviços diversos do código sertaniense
aplicadas inclusive quanto às concessões.

A responsabilidade por substituição pode ser regressiva,


concomitante ou progressiva(para frente). A progressiva ou para
frente é a mais aboirdada.

Responsabilidade Tributária. As obrigações principais são


relacionadas ao pagamento de tributo ou multa. As obrigações
acessórias são deveres de fazer ou não fazer. O sujeito ativo da
obrigação principal é o fisco. O sujeito passivo pode ser o
contribuinte ou resposável tributário. O contribuinte é aquele que
tem uma relação pessoal e direta com o fato gerador do tributo. O
responsável tributário é o terceiro que tem alguma relação com o
fato gerador, e em virtude dessa relação a lei determina que o
terceiro deve pagar.

Responsabilidade por aquisição imobiliária: quem compra um


imóvel compra os tributos que existiam também: art.130 do CTN. O
tributo acompanha porque é uma obrigação propterrem, do direito
civil. No art. 130 a sub-rogação é pessoal e não real.A
responsabilidade do adquirente de imóveis constante do art. 130 só
abrange bens imóveis e é pessoal, pois há uma mudança do sujeito
passivo da obrtigação, de forma que o adquirente passe a ser
responsável por todo o crédtio tributário relativo ao imóvel.
Existem duas exceções, previstas no art. 130, onde a subrrogação
não pessoal do art. 130 não ocorrerá: quando o adquirente adquira
a prova da quitação dos tributos e no caso de arrematação em
hasta pública, quando a sub-rogação ocorre sob o respectivo preço.
No caso de arrematação de hasta pública, onde a subrrogação
ocorre sob o respectivo preço e no caso de constar do título a
prova da quitação dos tributos, as exceçõs se aplicam apenas a
bens imóveis. As taxas pela prestação de serviços referentes aos
bens imóveis do art. 130 (responsabilidade do aquirente de
imóveis) são apenas as taxas de serviço, não sendo possível a
responsabilização do adquirente nos casos decorrentes do exercício
do poder de polícia. A regra de responsabilidade se restringe aos
casos em que o serviço prestado são referentes ao próprio imóvel.
Não é transferida para o adquirente do imóvel a responsabilidade
pelo pagamento de custas judiciais (taxa judiciária) devidos pelo
alienante, pois as custas judiciais ou taxas judiciárias não são
relativas à bens imóveis. A responsabilidade do adquirente ou
remitente de bens móveis obedece as mesmas regras a
responsabilidade do adquirente de bens imóveis, com exceçãoo das
exceções do art. 130. Assim, mesmo que se apresente uma
Certidão Negativa de débito, have´ra a responsabilidade do
adquirente ou remitente segundo a qual o adquirente ou
remitente respondem pessoalmente pelos tributos relativos aos
bens adquiridos ou remidos.

Ocorrido o fato gerador, nasce a obrigação tributária, que


possui como sujeito passivo o contribuinte. Posteriormente, ocorre
um evento que transfere a sujeição passiva do contribuinte para o
responsável (tem-se a responsabilidade por sucessão). O momento
da constituição do crédito tributário(lançamento) é marco
irrelevante para auferir a repsonsabilidade por sucessão.

A exceção é a prova da quitação dos tributos incidentes sobre


o imóvel, por meio de uma CND.

Certidões de regularidade fiscal

1)certidão positiva: existem débitos, que podem ser


cobrados(comprova a irregularidade fiscal). Eu faço a seguinte
pergunta “ existem débitos?”: a resposta é positiva.

2)certidão negativa(comprova que não tem débito). A CND é a


certidão negativa de débitos...comprova minha regularidade.A CND
está no art. 205 do CTN. A certidão negativa será fornecida dentro
de dez dias da data da entrada do requerimento na repartição.

3)Certidão positiva com efeitos de negativa: art. 206 do CTN-


CEPEN- tem os mesmos efeitos da negativa, comprovando minha
regularidade fiscal a depender da operação. O art. 206 diz que tem
os mesmos efeitos previstos no artigo anterior (CND), a certidão de
que conste a existência de créditos não vencidos, em curso de
cobrança executiva em que tenha sido efetivada a penhora ou cuja
exigibilidade esteja suspenas. Ela tem débitos, mas por alguma
razão esse débito não pode ser cobrado.O tributo não pode ser
cobrado mas pode ser lançado. O crédito já nasce com exigibilidade
suspensa, mas por alguma razão não pode cobrar. As razões são: 1)
o tributo não venceu, 2) o débito foi garantido e aceito pelo
credor. Ex: apólice de seguro garantia 3) quando eu tenho
situações relacionadas às causas de suspensão do crédito
tributário.

A CEPEN, certidão positiva com efeitos de


negativa, como o nome diz, tem o mesmo
efeito da negativa (CND). Os débitos não
podem ser cobrados, ou porque o tributo não
venceu, ou porque o débito foi garantido e
aceito pelo credor ou porque eu tive situações
relacionadas à suspensão do crédito
tributário.

A partir da CND eu tenho um certificado que o imóvel foi


comprado sem dívidas.

Exceções ao art. 130 do CTN:


1) prova da quitação dos tributos-CND

2)Se o imóvel for adquirido em hasta pública a responsabilidade


fica limitada ao valor da arrematação. Obs: no caso do leilão , se
estiver expresso no edital que tem que pagar a arrematação, mais o
tributo, eu respondo pelos tributos.

Responsabilidade por Aquisição de bens móveis: Art. 131 inciso I:


São pessoalmente responsáveis o adquirente e o remitente, pelos
bens adquirirdos ou remidos. Essa regra é para bens móveis, já a do
130 é pra bem imóvel. As exceções do art. 130 eu não aplico no
art.131.

Responsabilidade por sucessão causa mortis

A responsabilidade do espólio vai até a data da abertura da


sucessão, a partir da sucessão(morte) o espólio já comessa a
responder como contribuinte.

ART. 132 do Código Tributário Nacional: A pessoa jurídica de direito


privado que resultar de fusão, transformação ou incorporação de
outra ou em outra é responsável pelos tributos devidos atè a data
do ato pelas pessoas jurídicas de direito privado fusionadas,
transformadas ou incorporadas. No caso de fusão, transformação e
incorporação, a responsabilidade é integral. Já no caso de cisão, a
responsabilidade é diferente e estabelecida pela lei 6404 de 1976.

Súmula 554 do STJ: Na hipótese de sucessão empresarial, a


repsonsabilidade da sucessora abrange não apenas os tributos
devidos pela sucedida, mas também as multas moratórias ou
punitivas referentes a fatos geradores ocorridos atè a sucessão.

Art. 133 do CTN. Responsabilidade por aquisição de fundo de


comércio: A lógica é a teoria da aparência. Se eu mudo a atividade
não há responsabilidade por fundo de comércio. Só há
responsabilidadede adquirente de comércio adquirido se eu
continuo com a mesma atividade.A pessoa que adquirir de outra
fundo de comércio ou estabelecimento comercial e continuar a
exploração, sob a mesma ou outra razão soicial, responde pelos
tributos do fundo de comércio adquirido integralmente, se o
alienante cessar a exploração do comércio, indústria ou atividade;
ou subsidiariamente com o alienante, se este prosseguir na
exploração ou iniciar, dentro de seis meses, nova atividade no
mesmo ou em outro fundo de comércio. A contrário sensu, quem
para as atividade e retorna após seis meses está na mesma situação
de quem parou definitivo e responde integralmente. Já quem para
as atividade e retorna em prazo menor que seis meses está na
mesma situaççao de quem não parou e responde suubsidiariaente.

Como o adquirente responde: integralmente pelos débitos


tributários ou subsidiariamente. Subsidiariamente é com benefício
de ordem. Como regra a responsabilidade é solidária.
Integralmente se o alienante cessa suas atividades. Se o alientante
iniciar qualquer atividade apóes 06 meses o alienante responde
sozinho. S e o alienante contina ou inicia a exploração de qualquer
atividade até 06 meses da data da alienação aí a responsabilidade
seá subsidiária.

Falência: art. 133 do CTN


§2º. O imposto previsto no inciso II atenderá ao seguinte: IV –
resolução do Senado Federal, de iniciativa do Presidente da
República ou de um terço dos Senadores, aprovada pela maioria
absoluta de seus membros, estabelecerá as alíquotas aplicáveis às
operações e prestações interestaduais e de exportação.

As alíquotas do ICMS aplicáveis às operações e prestações


interestaduais e de exportação são estabelecidas por resolução do
Senado Federal, de iniciativa do Presidente da república ou de um
terço dos Senadores e não por lei complementar. A iniciativa não é
somente do presidente da República, no caso das alíquotas
interestaduais e de exportação, mas pode ser também de um terço
dos Senadores. Todas essas inúmeras regras constitucionais do
ICMS são necessárias e foram criadas para evitar a guerra fiscal.

Quando o assunto for alíquotas máximas ou mínimas,


interestaduais e de exportação, será o caso de resolução do Senado
Federal.

§2º, VI-salvo deliberação em contrário dos Estados e do


Distrito Federal, nos termos do disposto no inciso XII, alínea g, as
alíquotas internas, nas operações relativas à circulação de
mercadorias e na prestação de serviços, não poderão ser inferiores
às previstas para as operações interestaduais. As alíquotas internas
poderão ser iguais ou superiores às alíquotas interestaduais mas
nunca inferiores. O ICMS é plurifásico, no entanto sua arrecadação
ocorre uma única vez.
Salvo deliberação em contrário dos
Estados e DF, as alíquotas internas
do ICMS poderão ser iguais ou
superiores às alíquotas
interestaduais, mas nunca
inferiores.

As novas regras da EC 87 de 2015 alterou o art. 155 §2º,


VII, da CF, pasando a dispor que nas operações e prestações que
destinem bens e serviços a consumidor fina, contribuinte ou não do
imposto, localizado em outro estado, adotar-se-á a alíquota
interestadual e caberá ao Estado destinatário o imposto
correspondente à diferença entre a alíquota interna do estado
destinatário e a alíquota interestadual. Assim, nas operações que
destinem bens ou serviços ao consumidor final, adotar-se-á a
alíquota interestadual,e o imposto que corresponde à diferença
entre a alíquota interna do estado destinatário a a alíquota
interestadual

No que tange ao IPVA (CF, art. 155§6º inciso I), o Senado


fixará obrigatoriamente as alíquotas mínimas. Já no que tange ao
ITCMD o estado fixará obrigatoriamente alíquotas máximas (CF art.
155§1º, IV). Em relação ao IPVA, a legislação tributária do Estado
poderá estabelecer alíquotas diferentes em função do tipo e
utilização, desde que observe a alíquota mínima fixada pelo Senado
Federal. Para evitar a chamada guerra fiscal entre estados em
relação ao IPVA, visto que cada unidade da Federação pode
estabelecer alíquotas mais atrativas para os veículos licenciados, a
Constituição estabeleceu que cabe ao Senado a definição de
alíquota mínima em abrangência nacional.

O Direito Tributário existe para delimitar o poder de tributar,


transformando a relação tributária, que antigamente foi uma
relação simplesmente de poder em uma relação jurídica. O tributo
é vetusta e fiel sombra do poder político há mais de 20 anos.

Os art.s 150, 151 e 152 da Carta Magna foram insculpidos à


luz de pautas de valores pontualmente prestigiados pelo legislador
constituinte. Consoante a jurisprudência do STF o poder que tem o
Estado sofre limitações chamadas de cláusulas pétreas. As
limitações ao poder de tributar são consideradas cláusulas pétreas,
por isso, insuceptíveis de supressão ou excepcionalização. As
limitações de tributar são amplas e sistêmicas, não atreladas com
exclusivismo à Constituição Federal de 1988.

Hugo de Brito Machado assegura que o princípio da legalidade


constitui o mais importante limite aos governantes. O princípio da
legalidade não constitui um direito do fisco, visto que se traduz em
uma limitação em, sua ação, conforme o art. 150 da Constituição
Federal. É só lembrar do perdulário rei João Sem Terra, da
Inglaterra.

A definição da extensão dos testes a serem aplicados nos


procedimentos de auditoria são fundamentados nos riscos e na
confiança apresentada pelos controles interno da empresa. Assim,
a definição, dada pelo auditor (interno ou externo), da extensão
dos testes a seme aplicados nos procedimentos de auditoria é dada
em função dos riscos e da confiança apresentada pelos controles
internos da empresa. A NBC TA 315 trata da identificação e da
avaliação dos riscos de distorção relevante e afirma que o
entendimento do controle interno auixilia o auditor a identificar
tipos de distorsões e fatores que afetam os riscos de distorsão
relevante. Quanto mais confiável for o controle interno da
empresa, menor será a extensão dos testes aplicados pelo auditor.
A carta da administração, atualmente chamada d erepresentação
formal não influencia na definição da extensão dos testes de
auditoria.

A técnica de auditoria que consiste na elaboração de


perguntas, objetivando respostas para quesitos previamente
definidos é a entrevista, prevista na NBC TA 500 com o nome
indagação. Essa técnica pe basante utilizada, além da revisão
analítica, inspeção, conciliação e observação. Os testes de
observância visam à obtenção razoável d esegurança de que os
procedimentos de controle interno estão em efetivo
funcionamento. Os testes substantivos, por outro lado, analisam o
sistema contábil quanto à suficiência, exatidão e validade dos
dados produzidos. Não só o sistema contábil, como o sistema
administrativo da entidade será avaliado quanto à suficiência,
exatidão e validação dos dados.

Os testes substantivos ou procedimentos são destinados a


obter evidências quanto a exatidão e validação dos dados
produzidos pelo sistema contábil e administrativo do ente público.
Os testes de observância ou de controle ou ainda exames de
aderência referem-se à avaliação da efetividad do controle interno.
Testes amostrais estratificados e operacionais não são conceitos
definidos pelas normas de auditoria.
Nos trabalhos de asseguração o auditor expressa uma
conclusão com a finalidade de aumentar o grau de confiança dos
outos usuários previstos, que não seja a parte responsável.

A auditoria é um trabalho de asseguração, pois nela o auditor


expressa uma conclusão com a finalidade de aumentar o grau de
confiança dos outros usuários previstos, que não seja a parte
responsável. O auditor emite uma opinião sobre as demonstrações
no intuito de dar segurança. A auditoria é um trabalho de
asseguração que visa dar confiabilidae ou segurança à integridade
das demonstrações contábeis ou dos controles internos.

Em trabalhos de asseguração razoável, o auditor independent


expressa a conclusão de forma positiva. Já o trabalho de
asseguração limitada é uma forma negativa de expressão da
conclusão do auditor independente.

O auditor independente planeja e executa o trabalho de


asseguração (razoável ou limitada), com atitude de ceticismo
profissional, para obter evidência de auditoria apropriada e
suficiente sbre se a informação está livre de distorções relevantes.

É papel da administração realizar a avaliação da capacidade


de continuidade da entidade. A responsabilidade do auditor é obter
evidência de auditoria suficiente sobre a adequação do uso, pela
administração, do pressuposto da continuidade operaciomal na
elaboração e apresentação das demonstrações contábeis e
expressar uma conclusão sobre se existe incerteza significativa
sobre a capacidade de continuidade operacional. A ausência de
qualquer referência à incerteza de continuidade operacional no
relatório do auditor, não pode ser considerada uma garantia da
capacidade de continuidad eoperacional. O período de avaliação
sobre a capacidade de continuidade operacional deve ser estendido
pelo período de avaliação para pelo menos doze meses, a partir da
data do balanço.

No índice de Convergência e Consistência dos Municípios de


Pernambuco(ICCPE), no quesito contabilidade, relativo ao ano de
2019, Sertânia não está bem classificada. O levantamento do ICCPE
é um poderoso instrumento de auditoria contábil utilizado pelo
Tribunal de Contas do Estado de Pernambuco.Quem presta serviços
de contabilidade, objetivando a prestação de serviços profissionais
técnicos especializados em consultoria e assessoria administrativa e
gerencial na área contábil e financeira é a CECOM – Consultoria
especializada em Contabilidade Municipal – ME. O valor do
contrato para o ano de 2018 foi de R$ 49.000,00. A CECOM é uma
empresa de contabilidade de propriedade do cocunhado do
prefeito, que foi reprovado no ICCPE com o rótulo insuficiente. É
interessante notar que o prefeito já foi professor de gestão pública,
apesar de ter tido classificação insuficiente. Santa Terezinha
apresenta índice moderado no índice de convergência e
Consistência dos Municípios de Pernambuco (ICCPE), juntamente
Serra Talhada e Serrita.Sirinhaém, Solidão e Surubim também
apresentam índice moderado no ICCPE. Os critérios de avaliação
foram organizados em dois grupos: Convergência e Consistência,
composto pelos seguintes subgrupos: Estrutura e Forma de
apresentação do Balanço Orçamentário, Estrutura e forma de
Elaboração do Balanço financeiro, Estrutura e forma de elaboração
do Balanço Patrimonial, Estrutura e forma de apresentação da
Demonstração das Variações Patrimoniais, Estrutura e forma de
apresentação da Demonstração dos Fluxos de Caixa, Estrutura e
forma de apresentação das Demonstrações do Patrimônio Líquido
Estrutura e forma de apresentação das Notas Explicativas e
Aspectos Gerais, Estrutura e forma de Apresentação de Outros
Demonstrativos Contábeis.

Para que o município apresente grau de excelência no ICCPE,


a auditoria contábil de Sertânia deve apresentar os seguintes
aspectos:os registros contábeis devem obedecer ao princípio da
oportunidade, que prima pela tempestividade e à integridade do
registro do patrimônio e das suas mutações. Quem determina o
registro do patrimônio e de suas mutações de forma tempestiva e
íntegra é a resolução CFC 1.282 de 2010. Segundo a Resolução, o
princípio da oportunidade refere-se à tempestividade e à
integridade do registro do patrimônio.

O presente relatório observa que a continuidade normal das


atividades da empresa está na resolução CFC 1.037 de 2005.
Segundo a resolução, a evidência de normalidade pelo prazo de um
ano após as demonstrações contábeis é suficiente para caracterizar
essa continuidade. Quando o auditor constatar que há evidências
de riscos na continuidade normal das atividades de uma entidade,
ele deve mencionar esses efeitos no seu parecer utilizando um
parágrafo de ênfase. Se a incerteza de continuidade operacional da
empresa ou entidade foi divulgada, deve ser elaborado um parecer
sem ressalva e com parágrafo de ênfase. Já se a incerteza de
continuidade operacional da empresa não foi divulgada deve ser
elaborado um parecer com ressalva ou adverso.
O presente trabalho observa que estimativas contábeis
reconhecidas nas demonstrações contábeis da empresa são de
responsabilidade da administração da entidade e não dos
auditores. A estimativa contábil consiste na previsão do valor de
um item contábil que envolve julgamentos baseados nas melhores
evidência possíveis e são reconhecidas nas demonstrações da
empresa pública ou privada. Lembrar que segundo a NBC T 12, a
auditoria interna e a externa podem ser exercidas em qualquer tipo
de pessoa jurídica, seja de direito público ou de direito privado. O
auditor interno executa auditorias de caráter contábil e
operacional, realizando um maior volume de testes se comparado
ao auditor independente.

O trabalho de auditoria esposado neste relatório observa que


a carta de responsabilidade da administração (representação
formal nas novas normas) é um documento emitido pelos
administradores da entidade que deve ser endereçada ao auditor
independente. Observa também que é necessário estar ciente dos
princípios de governança corporativa aplicadas a setor público, que
constam no código IBGC e nas publicações do IFAC. A governança
corporativa tem em comum, tanto no código do IBGC quanto em
publicações do IFAC, a prestação de contas e a transparência. Os
princípios básico segundo o código do IBGC são: a transparência, a
equidade, a prestação de contas e a responsabilidade corporativa.
Já para o IFAC os princípios fundamentais da governança
corporativa são a transparência, a integridade e a prestação de
contas. Portanto tanto o IBGC quanto o IFAC sitam em comum os
princípios da transparência e governança corporativa como
norteadores da governança corporativa.
Os princípios básicos do IBGC destrinchados....

Transparência(disclosure)- é mais do que a obrigação de


informar, é o desejo de disponibilizar para as partes informações
que sejam de seu interesse e não aquelas impostas por leis ou
regulamentos, somente. A transparência ou disclosure seria um dos
pilares fundamentais balisadores do IBGC. O segundo pilar seria a
Prestação de Contas (accountability). Para o IBGC os agentes de
governança devem prestar contas de sua atuação, assumindo
integralmente a consequência de seus atos. A equidade (fairness) é
outra viga mestra balisadora do IBGC, caracterizada pelo
tratamento justo de todos os sócios e demais partes interessadas
(stakeholders). A equidade ou fairness não aceita atitudes ou
políticas discriminatórias, sob qualquer pretexto. O último pilar não
menos importante, do IBGC, é a responsabilidade corporativa, onde
os agentes de governança devem zelar pela sustentabilidade das
organizações. É necesário ter em mente que o auditor deve utilizar-
se sempre do recálculo que, conforme a NBC TA 500, consiste na
verificação da exatidão matemática de documentos ou registros.

O presente trabalho observa que, no contexto de auditoria,


seja pública ou privada, representação formal, segundo a NBC TA
580, é uma declaração escrita pela administração, fornecida ao
auditor, para confirmar certos assuntos ou suportar outra evidência
de auditoria. As representações formais não incluem as
demonstrações contábeis, as afirmações nelas contidas ou livros e
registros comprobatórios.

Os procedimentos substantivos, no contexto da presente


auditoria, são procedimentos de auditoria planejados para detectar
distorções relevantes. Os procedimentos substantivos incluem
testes de detalhes e procedimentos analíticos substantivos. Os
testes detalhes incluem testes de transações, de saldos de contas e
divulgações. Os procedimentos substantivos constam nas normas
brasileiras técnicas de auditoria e contabilidade.

Para o presente trabalho é importante conceituar parágrafo


de ênfase e parágrafo de outros assuntos. O parágrafo de ênfase é
o parágrafo incluído no relatório de auditoria referente a um
assunto apropriadamente apresentado ou divulgado nas
demonstrações contábeis que, de acordo com o auditor, é de tal
importância ou magnitude, que é vital para o entendimento pelos
usuários das demonstrações contábeis. Já o parágrafo de outros
assuntos também é relevante para que os usuários entendam a
auditoria, a responsabilidade do auditor ou o relatório de auditoria,
porém se refere a assuntos não apresentados ou divulgados nas
demonstrações contábeis. Portanto, para que a auditoria prestada
pela CECOM seja escorreita, a empresa deve divulgar parágrafos
de ênfase tão somente quando os assuntos estiverem nas
demonstrações contábeis.Do contrário ela deve fazer um
parágrafo de outros assuntos.

É necessário aferir que o objetivo da auditoria é aumentar o


grau de confiança nas demonstrações contábeis por parte dos
usuários,sendo a opinião do auditor persuasiva e não conclusiva. A
principal responsabilidade pela prevenção e detecção de fraudes é
dos responsáveis pela governança da entidade e da sua
administração. O auditor que realiza a auditoria de acordo com as
normas de auditoria é responsável por obter segurança razoável de
que as normas de contabilidade, como um todo, não contenham
distorção relevante se causada por fraude ou erro (NBC TA 240 R1).
O auditor não tem como objetivos: elaborar demonstrações
contábeis, assegurar a viabilidade futura da entidade, atestar a
eficiência e a eficácia dos negócios, identificar fraudes e erros ou
assitir à administração da entidade no cumprimento de seus
objetivos. Sempre que a CECOM ou outra firma venha porventura
prestar serviços ao Município de Sertânia, o contratado pela
auditoria deve estar ciente de que não é papel do auditor elaborar
demonstrações contábeis, assegurar a viabilidade futura da
entidade, atestar a eficiência e eficácia dos negócios, identificar
fraudes e erros ou assistir a administração no cumprimento de
seus objetivos. A CECOM deve estar ciente de que a opinião do
sócio encarregado do trabalho (auditor ) é persuasiva e não
conclusiva.

No tocante à classificação das auditorias na Constituição


Federal, o art. 71 inciso IV elenca os cinco tipos de auditoria
presentes na carta magna: Contábil, Financera, Orçamentária,
Operacional e Patrimonial. Pelo princípio da simetria, os cinco tipos
de auditoria no Município de Sertânia serão Contábil, Financeira,
Orçamentária, Operacional e Patrimonial. Segundo as Normas
Brasileiras Contábeis e Técnicas de Auditoria, a suficiência e a
adequação das evidências de auditoria estão inter-relacionadas. A
adequação é a medida da qualidade de evidência de auditoria, sua
relevância e confiabilidade no suporte das conclusões em que se
baseia a opinião do auditor. O objetivo de auditoria de padronizar
os procedimentos de auditoria dos profissionais de uma mesma
organização refere-se ao programa de auditoria. O Programa de
auditoria é um tipo de papel de trabalho que serve para
estabelecer por escrito a política da firma de auditoria e para
padronizar os procedimentos de auditoria dos profissionais de uma
mesma organização. Sempre que a CECOM ou outra firma venha a
prestar serviços de auditoria no município, deve estar ciente de
que a adequação é a medida da qualidade de evidência de
auditoria, sua relevância e confiabilidade no suporte das
conclusões em que se baseia a opinião do auditor. A CECOM deve
também afirmar se a empresa padroniza procedimentos de
auditoria por meio de programas de auditoria.

Segundo a NBC TA 200 – Objetivos Gerais do Auditor


Independente, o conceito de materialidade é aplicado pelo auditor
no planejamento e na execução da auditoria, e na avaliação do
efeito de distorções identificadas sobre a auditoria e de distorções
não corrigidas, se houver. Aplicar o conceito de auditoria na
avaliação do efeito de distorções identificadas sobre a auditoria é
de suma importância, pois o auditor, baseado no julgamento
profissional, deve decidir o que é ou não mateiral. O vetor
axiológico segundo o qual o conceito de materialidade aplicado
pelo auditor no planejamento e na execução de auditoria e na
avaliação do efeito de distorções não corrigidas consta também na
NBC TA 320.

Segundo Franco e Marra, o objeto da Auditoria consiste no


conjunto de todos os elementos de controle do patrimônio
administrado, os quais compreendem registros contábeis, papéis,
documentos, fichas, arquivos e anotações que comprovem a
veracidade dos registros e a legitimidade dos atos da administração
e a sua sinceridade na defesa de interesses patrimoniais.
A presente auditoria será regida pelos balizamentos da NBC
TA 200, publicada no final do ano de 2009, com eficácia para os
exercícios iniciados a partir de 01/01 de 2010. Segundo essa norma
o auditor emite uma opinião sobre se as demonstrações contábeis
foram elaboradas, em todos os aspectos relevantes, em
conformidade com uma estrutura de relatório financeiro aplicável.
A auditoria conduzida em conformidade com as normas de
auditoria e exigência éticas relevantes capacita o auditor a formar
essa opinião, para que seja implementado o seguinte objetivo:
aumentar o grau de confiança nas demonstrações contpabeis.

O PDF [e usado ára exibir e compartilhar documentos com


segurabça, independente mente do sftware, sendo atualmente um
padrão aberto mantido pela ISSO(Internacional Organization for
Standartization). Os PDFSs podem ser assinados eletronicamente,
exibidos e lidos por meio do software Acrobat Reader DC. A sigla
PDF significa portable document formrmat (formato portátil de
documento), formato de arquivo criado pela empresa Adobe
Systems, para que qualquer documento seja
visualizado,independente de qual tenha sido o programa que o
originou.

Um endereço de Protocolo da Internet (Endereço IP), do


inglês, Internet Protocol adress (IP adress), é um rótulo numérico
atribuído a cada dispositivo (computador, impressora, etc),
conectado a uma rede computacional que utiliza o protocolo da
internet para se comunicar.]
O Microsoft Office é uma suíte de aplicativos de escritório que
conta com diferentes programas de produtividade. Já Solaris, Linux,
Android e Windows Server são sistemas operacionais.

Teclas de atalho no Mozilla Fiurefox: f11 exibe a homepage na


modalidade tela inteira. F1 abre a ajuda do Windows, f3 abre o
campo de pesquisa na própria janela ativa, f4 abre o campo de
histórico de endereços, na barra de endereços, f5 atualiza os itens
exibidos, F6 muda o foco do cursos entre os frames da janela e F10
Ativa o Menu Arquivo.

O Word Art, no pacote MSOFICCE 2012 Br dá efeitos artísticos


no documento. Seu correspondente no LibreOfice é o FontWork.

O cabo RJ 45 é o padrão de conector comumente utilizado


para realizar o cabeamento entre TVs inteligentes, vídeo games,
serviços de banda larga, computadores, etc. O conector P2 é
utilizado em dispositivos de áudio, o RJ45 é utilizado no
cabeamento de rede, o cabeamento ST é usado para fibra óptica, o
RJ11 é usado nos serviços de telefonia e o BNC é o Cabo Coaxial.

Teclas de atalho no Word: Control + P: imprimir; Control


return ou control enter: quebra de página. Quebra de Coluna:
Control+Shift+ return. Quebra de texto: Control+ Return.Control Y e
control Z referem-se aos comandos desfazer e refazer,
respectivamente. F8, no word, ao ser apertado duas vezes,
seleciona a palavra, três vezes para marcar a frase, quatro vezes
para o parágrafo e cinco vezes para o texto todo. Control L: localiza
uma palavra; Control U: substitui uma palavra. Control+F1: omite
comandos da faixa de opções. Control+P: imprime. Control+O: criar
novo documento em branco. Control+Shifti+> ou contro+]:
aumentar o tamanho da fonte; control+shift+< ou control +[:
diminuir o tamanho da fonte. Para inserir quebra de páginas no
Microsoft Office 2007 (configuração padrão0, deve-se posicionar o
cursos no local em que for aplicar a quebra e clicar em inserir(guia
inserir), grupo páginas, quebra de página. No grupo Arquivo do
Microsoft Word 2007(configuração Padrão), constam as guias
Página Inicial, Novo e Abrir.Portanto, para abrir um documento ou
cirar um novo deve-se selecionar a guia arquivo. Para inserir tabelas
no word: Inserir, clicar na guia tabela, e logo depois em inserir
tabela ou desenhar tabela, ou converter texto em tabela, ou
planilha do excel, ou tabelas rápidas. Para aumentar ou diminuir o
espaçamento entre linhas devemos adentrar na guia início ou
página inicial, grupo parágrafos, e clicar no símbolo espaçamento
entre linhas (simples; 1,5 linhas, duplo, menos de , exatamente e
múltiplos). Na guia Referências do Word encontramos Sumário,
Notas de Rodapé, Pesquisar, Citações e Bibliografia, Legendas e
Índice. Uma importante tecla de atalho do word para os usuários
das informações contábeis é a tecla de atalho alt+control+s, que
tem a função de dividir a tela do word, para trabalhar em textos e
documentos da maneira mais eficiente possível. Para fechar u
documento, considerando um teclado no Padrão ABNT 2, deve-se
pressionar Control+w.

Atalhos para seleção de texto e parágrafos para serem


utilizados pelos usuários das informações contábeis:

F8: estender a seleção

F7: Revisão de Texto

F12: Salvar como


Cique duplo: seleciona a palavra

Clique triplo: seleciona o parágrafo.

Para adicionar senhas em um documento, garantindo a


segurança de acesso somente por pessoas autorizadas, é
necessário selecionar o menu ferramentas, opções e adicionar
senhas. Já no word 2010, deve-se selecionar o menu arquivos,
subguia informações e logo após, selecionar proteger documentos.

Na guia Página inicial, é possível, no menu parágrafo, ter


acesso aos itens marcadores, numeração, lista de vários níveis,
diminuir recuo, aumentar recuo, classificar, mostrar tudo, alinhar à
esquerda, centralizar, alinhar à direita, justificar, espaçamento
entre linhas er parágrafo, sombreamento e bordas.Vemos aí a
suma importância do menu parágrafo, inserto no menu página
inicial.

Para alterar a fonte, no Microsoft Word 2013, a tecla de


atalho a ser utilizada é control+D. Já para alternar entre maiúsculas
e minúsculas a tecla de atalho é Shift +F3.Ambas são de suma
importância, pois agilizam o processamento da digitação das
informações contábeis.

A opção intervalo não indica quais páginas do documento


serão impressas, mas sim o ponto a ponto de um texto que será
impresso, podendo, a partir da seleção intervalo, selecionar aquele
parágrafo (s) ou frase (s) que serão impressos. A opção de
impressão todos indica que todas as páginas serão impressas. A
opção página atual indica que somente a página que tiver com o
cursos nela fixado, será impressão número de cópias indica a
quantidade de cópias do documento que deverá ser impressa.

Recursos presentes na guia inserir: Páginas, Tabelas,


Ilustrações , Suplementos, Mídia, Links, Comentparios, Cabeçalhos
e Rodapé, Texto e Símbolos.

Alinhamento de textos é um atributo de formatação de


parágrafos que determina a aparência do txto em um parágrafo
inteiro. Para alinharmos textos temos que clicar em qualquer lugar
do parágrafo que se deseja alinhar, depois clicar na guia página
inicial e no grupo parágrafo.

Inserindo um capitular no word 2003: clicamos no menu


formatar e em seguida no submenu capitular do menu formatar. O
menu formatar no word 2003 é formado pelos submenus fonte,
parágrafo, marcadores e numeração, bordas e sombreamento,
colunas, tabulação, capitular, direção do texto e maiúsculas e
minúsculas. Já no Word 2010, para inserir um capitular, devemos
cllicar no submenu texto, presente no menu inserir. Em texto
clicamos no submenu adicionar um capitular. Na guia texto temos
os submenus caixa de texto, inserir wordart,explorar partes rápidas
adicionar um capitular, adicionar uma linha de assinatura, data e
hora e objeto.

Quando um arquivo é salvo, tanto no word 2003 como no


word 2010, o nome dado ao arquivo fica na barra de título, e não
na barra de status.

A tecla de atalho para o menu Gerenciador de Tarefas, do


windows, é control + shift+ esc ou control+ alt + del, ou clicar com o
botão direito do mouse no menu iniciar. No Gerenciador de Tarefas
constam os menus processos, desempenho, inicializar, histórico de
aplicativos, usuários, detalhes e serviços, permitindo ao usuário
gerenciar melhor os programas do windows.

HTTP é um protocolo da camada de aplicação e não da


camada de transporte.A internet utiliza o HTTP (camada de
aplicação) para a exibição de camada de hipertexto.

No painel de controle do sistema operacional windos 8.1, o


procedimento de controle para alterar as configurações e o modo
de exibição das pastas está disponível no item Opções de Pasta, na
área de trabalho. Já no windos 10 deve-se clicar com o botão
iniciar, abrir o painel de controle e escolher opções de pasta em
aparência e personalização.

Na ferramente Microsoft Excel, a função utilizada para


retornar a soma dos quadrados dos números é SOMAQUAD.

A tipologia estrela ou radiação tem como característica


principal ser interconectada por um dispositivo central, com a
desvantagem de não ser confiável, pois quando o dispositivo
central cai consequentemente toda a rede cai.

Para o desenvolvimento e envio de correspondência oficial é


necessário que o ente político utiliza das normas de redação oficial
e de um português escorreito. As normas de redação oficial
aplicadas à União, Estados, Distrito Federal e Município,
diferenciam os textos em dissertativo, narrativo, descritivo ou
injuntivo. Isso quer dizer que mensagens enviadas pelo Município
ou para o Município podem ser textos dissertativos, narrativos,
descritivos ou injuntivos. Na narração os verbos se encontram ,
predominantemente, no pretérito do indicadtivo. Na modalidade
discursiva dissertação, o posicionamento do remetente é pessoal,
expondo ideias com razoável grau de objetividadea a fim de
defender um ponto de vista e convencer o interlocutor. Na
dissertação há a predominância de verbos modalizadores, como
poder, dever, ter de e outros. Expressões como eu vejo, eu sei, eu
tenho certeza de , eu creio , não estou muito certo de , eu
desconfio. Sempre que uma carta ou correspondência oficial , ou
qualquer relatório de auditoria contiver tais verbos modalizadores
ela é dissertativa. Em pareceres conclusivos de auditoria predomina
esse gênero textual, muitas vezes, por exmplo: É possível que o
resultado financeiro, correspondente à diferença entre o ativo
financeiro e o passivo finaceiro, seja superavitário. Nessa frase
predomina o texto dissertativo. Por apresentar verbos no presente,
a dissertação é chamada de tempo do mundo comentado.

Para a forma culta de redação oficial tem-se que os termos


integrantes da oração são os complementos verbais(objeto direto e
objeto indireto), o complemento nominal e o agente da passiva. O
objeto direto é um termo que estabaelece uma relação sintática
com um verbo transitivo direto ou transitivo direto e indireto,
completando seu sentido.Ex: Eu ensinei gramática aos alunos.

Gostaria de vê-lo no topo do mundo.

Existem objetos diretos simples, composto, oculto (aferido


contextualmente) e oracional.

Você comprou aquela tv? Comprei. (objeto direto oculto)


Hoje sabemos que ela não apresentou.(objeto direto
oracional).

Nos construtos “Você comprou uma televisão, uma geladeira


e um sofá.”, ‘Você não comeu bombom, nem bala, nem biscoito e
nem pipoca.”, só há uma oração, pois quando o objeto ou
qualquer outro complemento ou adjunto vier ligado por e e , ou
separado por vírgula, não haverá verbo implícito.

A conjunção coordenativa conclusiva indica a conclusão de


uma ideia anterior: logo, portanto, então, assim, assim sendo, por
isso, por conseguinte, de modo que, desse modo, assim, destarte,
dessarte, dessa maneira, desse jeito, deste modo, desta maneira,
deste jeito, desta forma, à vista disso, em vista disso e outras. A
conjunção coordenativa dessarte é sinônima de destarte.

Antes de pronomes possessivos adjetivos femininos a grasse é


facultativa. Porém, se o pronome possessivo for substantivo, a
crase é obrigatória.

Depois da locução prepositiva até à, a crase é facultativa: Vá


ateá a sua casa ou Vá até à sua casa. Porém, quando o até
expressar inclusão, quando até for palavra denotativa de inclusão,
não haverá crase.

A crase é facultativa antes de nomes próprios femininos: Eu


sou fiel à Jessy. Ou Eu sou fiel a Jessy.

Diante dos topônimos Europa, Ásia, África, França, Inglaterra,


Espanha, Holanda... a crase é facultativa: A volta a Recife ou A volta
à Recife. A volta a Inglaterra ou A volta à Inglaterra. Voltaremos a
Africa. ou Voltarmos à África.
Não há crase diante da palavra casa, exceto se vier
especificada por um adjetivo ou uma locução adjetiva: Fui a casa
dormir. E Fui à casa de meus pais dormir.

Em português, acentuam-se os vocábulos paroxítonos


terminados em um e uns: álbu, médium, álbuns, médiuns, fórum,
fóruns, lábrum(lábrum do quadril), árum (gênero botânico, cécum ,
factótum e nátrum.

Em bom português, para acentuam-se com acento agudo os


vocábulos terminados em éi, ói e éu. Assim: anéis, coronéis, papéis,
réis, fiéis (éis); sóis, anzóis, herói, caubói, rói, dói e dodói (ói) e céu,
réu, véu, chapéu, escarcéu e fogaréu (éu).

Conjunções coordenativas adversativas: na frase levanto


cedo, faço minhas abluções(lavagem do corpo), ponho a chaleira no
fogo para fazer café e abro a porta do apartamento, mas não
encontro o pão costumeiro. O mas representa uma conjunção
coordenativa adversativa. As conjunções coordenativas
adversativas ligam duas orações ou palavras expresando ideia de
contraste. Abluç~]ao tem alguma correlação com assepsia, mas não
são sinônimos. Assepsia é o conjunto de procedimentos para
impedir a proliferação de germes, já ablução é o mero ato de lavar
o corpo, dentre outros significados. N última parte “e abro a porta
do apartamento” temos uma conjunção coordnativa aditiva dando
início a uma oração coordenada sindétiva aditiva, expressando tero
semântico de adição de ideias, soma de ideias.

A acentuação das palavras item, itens, hífen e hifens segue a


seguinte regra: somente hífen recebe acento, por ser uma
paroxítona terminada em n. Não existe regra permitindo a
acentuação de paroxítonas terminadas em em ou ens, por isso
item, itens e hifens não se acentuam. Não caducar: somente hífen
recebe acento.

Em bem-posto português, não se acentuam os ditongos


ei e oi dos vocábulos paroxítonos: ideia, colmeia, paranoico, jiboia,
assembleia, alcateia, heroico, boi, estreia, europeia, diarreia,
claraboia(abertura situada no teto das edificações), loio(planta de
flores azuis da família das compostas), dicroico e geleia.

Observe exemplos de alinhado Português: O cisma de meu pai


e minha mãe não tardou(separação). A cisma que eu tenho para
com ela é grande(desconfiança). O guia meu é bonito (orientador,
pessoal que guia). A guia que eu recebi é inválida (documento,
correia comprida). O rádio quebrou(aparelho receptor). A rádio
quebrou (estação trasnmissora). Levante o seu moral(ânimo).
Levante a sua moral(ética)

Com o novo acordo ortográfico não mais se acentuam os


ditongos oi e eu dos vocábulos paroxítonos: ideia, colmeia,
paranoico, jiboia, assembleia, alcateia, heroico, boi, estreia,
europeia, diarreia, claraboia, loio, dicroico e geleia. Por isso, os
vocábulos oi e eu perdem o acento nestas palavras, porque
encontram-se na penúltima sílaba.

Em seleto português, de acordo com o novo acordo


ortográfico não mais recebem acento circunflexo os hiato ee e oo,
em virtude do novo acordo ortográfico d e1990: voo, coo,abotoo,
enjoo, creem, veem, leem, perdoo, deem, caçoo, amaldiçoo,
abençoo, etc.
Deve-se primar sempre pelo vernáculo,