Você está na página 1de 9

Departamento de Engenharia

Eletrônica e de Telecomunicação

Apostila de aulas práticas de

Laboratório de Eletrônica II

Curso de Engenharia Eletrônica e de Telecomunicação


e
Curso de Engenharia Elétrica

Elaborada pelo prof. Paulo J. C. Cunha


Revisão-0219: prof. Paulo J. C. Cunha

02/2019
Apostila de Laboratório de Eletrônica II 2/38

Aula Prática Nº 01 - Amplificadores Operacionais I

Objetivos
 Fornecer ao aluno o primeiro contato com os amplificadores operacionais, verificando os
tipos de encapsulamento, modos de polarização, pinagem e proteção, entre outros
parâmetros.
 Analisar o funcionamento das seguintes aplicações de amplificadores operacionais:
circuito inversor, circuito não inversor e circuito seguidor de tensão.

Equipamentos Necessários
 Fonte de alimentação CC dupla
 Módulo Amplificador Operacional
 Osciloscópio
 Gerador de Funções
 Multímetro
 Conjunto de cabos de teste

Parte Teórica
1) Obter do manual do fabricante dados referentes a dois tipos de amplificadores operacionais
(amp.op.): LM741 e o TL081.

Sites para consulta:


http://www.st.com/internet/analog/subclass/61.jsp
http://www.ti.com/product/LM741
http://www.ti.com/lit/ds/snosbh2/snosbh2.pdf
http://www.datasheetcatalog.net/pt/
2) Definir os seguintes termos:

 Ganho de malha aberta:


É definido como a relação entre a tensão de saída e a tensão de entrada do
amplificador operacional sem nenhuma realimentação aplicada em suas entradas.
 Razão de rejeição de modo comum (CMRR):
É a capacidade do amplificador em rejeitar ou atenuar o sinal de saída quando sinais
de mesma amplitude, ffrequência e fase são aplicados a suas entradas inversora e não-
inversora.
 Slew rate:
É definido como a velocidade de resposta do amplificador a uma variação de tensão na
entrada.
 Faixa de passagem:
É a máxima frequência em que uma onda senoidal de sinal grande pode ser
obtida à saída sem distorção apreciável.
3) Preencher as tabelas 1 e 2 com os dados obtidos no manual do fabricante.

Tabela 1 – Parâmetros do Amplificador Operacional


LM741 TL081 Parâmetros
±22 V ±18 V Tensão máxima de alimentação
500 mW 680 mW Dissipação de potência
25 mA NA Corrente máxima de saída
Possui (25mA) Possui Proteção contra curto circuito
Próximo de -------- Ganho de malha aberta
±22 V
2 MΩ 10^12 Ω Resistência de entrada
95 dB 86 dB Razão de Rejeição de Modo Comum (CMRR)
--------- 10 KΩ Resistência de saída
±30V -------- Máxima tensão diferencial de entrada
--------- -------- Valor do primeiro polo (sem realimentação)
0,5 V/uS 13 V/uS Slew Rate
1,7 mA 1,4 mA Corrente de polarização de entrada
20 nA 5 pA Corrente offset de entrada
--------- --------- Produto ganho x largura de banda
±14 V ± 13,5 V Máxima excursão do sinal de saída (swing)

Tabela 2 – Pinagem do Amplificador Operacional

Pinagem
1 2 3 4 5 6 7 8
Amp.Op.
LM 741 Offset Entrada Entrada V- Offset Output V+ NC
Null Inversora Não Inversora Null
TL081 Offset IN- IN+ Vcc- Offset Output Vcc+ NC
N1 N2

4) Mostrar as principais formas de polarização de um amp.op.

a) Utilizando fonte simétrica

b) Utilizando simulação de fonte simétrica a partir de fonte única

c) Utilizando fonte simples

5) Mostrar como proteger um Amplificador Operacional nas seguintes situações:

a) Inversão de polaridade da tensão de alimentação.

O uso de diodos nas entradas para barrarem os sinais invertidos.

b) Proteção da entrada diferencial em 0,7 V.


c) Proteção da entrada diferencial em outro valor qualquer.

6) Um importante parâmetro do amplificador operacional é conhecido como Slew-Rate. Explicar o


que é este parâmetro e como ele limita a variação do sinal de saída de um amplificador
operacional. Comparar o LM741 e o TL081 em termos de Slew-rate.
Slew rate é a taxa de variação da tensão de saída em volts por microssegundos. O slew
rate fornece um parâmetro que especifica a taxa máxima de variação da tensão de saída
quando é aplicado um sinal de grande amplitude. Se for aplicado um sinal de entrada
com uma taxa de variação de tensão maior que o slew rate, a saída não será capaz de
variar em velocidade suficiente para cobrir a faixa completa esperada, resultando em
um sinal distorcido. Para evitar essa distorção, tem-se a imposição de um limite à
frequência máxima dos sinais processáveis. O slew rate ajuda a identificar a amplitude e
frequência máximas de entrada aplicáveis ao amplificador, de forma que a saída não
seja significativamente destorcida.

Parte Prática

 Circuito Inversor

1) Após analisar os resistores disponíveis no módulo


Amplificador Operacional, projetar um circuito inversor
com ganho A=-10.
2) Desenhar ao lado o circuito projetado.

3) Anotar os valores dos resistores de realimentação(Rf)


e de entrada(R1) e indicar a fórmula do ganho.

R1 = 1k Ω Rf = 10k Ω  A = -Rf/R1= -10

4) Montar o circuito projetado e alimentá-lo com 15V.


5) Aplicar à entrada do circuito um sinal contínuo com os níveis de tensão indicados na Tabela 3
completando-a com os valores obtidos em VO. Utilizar os multímetros para medição dos valores
de tensão. Esboçar nos eixos abaixo a função de transferência.

Tabela 3 VO
VS (Volts) Vo (Volts)
+ 2,0 -13,0
+1,5 -13,0
+1,0 -10,0
+0,5 -4,5
0,0 0,0
- 0,5 4,5
VS
- 1,0 10,0
- 1,5 13,0
- 2,0 13,0

6) Comentar o comportamento observado em termos do ganho e da saturação.


O gráfico demonstra os pontos de saturação de coletor e de emissor do amplificador
utilizado além do formato senoidal causado pelos valores medidos na tabela acima.
7) Desconectar o sinal contínuo da entrada do circuito inversor. Deixar presente apenas a
alimentação do circuito.
8) Utilizando o gerador de sinais, aplicar um sinal senoidal com frequência de 100Hz e amplitude
de 1V de pico a pico à entrada do circuito inversor. Ligar o canal 1 do osciloscópio na entrada
do circuito e o canal 2 na saída. VS

9) Desenhar as formas de onda da tensão de entrada


(VS) e da tensão de saída (VO) nos eixos ao lado.

10) Calcular o ganho e compará-lo com o valor projetado t


no item 1.

A = 9,5
VO
9,5

11) Determinar a relação de fase entre VO e VS.

 = 180º t

VS

12) Aumentar a amplitude do sinal de entrada para 4V de


pico a pico. Desenhar as formas de onda de tensão
de entrada (VS) e tensão de saída (VO) nos eixos ao
lado. t

VO
13) Explicar o comportamento do sinal de saída.

O sinal de saída é um sinal senoidal “cortada antes de


atingir os valores de pico” pois o amplificador passou dos
valores de sáturação positiva e negativa. t

VO

14) Ajustar o osciloscópio para trabalhar no modo "X-Y" e


observar a curva de transferência. Desenhar a curva da
função de transferência nos eixos ao lado e compará-la
com a curva obtida na análise de corrente contínua do
item 5.
VS
 Circuito Não Inversor

15) Após analisar os resistores disponíveis no módulo Amplificador Operacional, projetar um


projetar um circuito não inversor de ganho A= 11.
16) Desenhar circuito projetado.
17) Anotar os valores dos resistores R1 e Rf e
deduzir a fórmula do ganho.

R1 = 1k Ω
Rf = 10k Ω

 A = (Rf/R1)+1= 11

18) Montar o circuito projetado e alimentá-lo com 15V.


19) Aplicar à entrada do circuito um sinal contínuo com os níveis de tensão indicados na Tabela 4
completando-a com os valores obtidos em VO. Utilizar os multímetros para medição dos
valores de tensão. Esboçar nos eixos abaixo a função de transferência.

Tabela 4 VO
VS (Volts) Vo (Volts)
+ 2,0 13
+1,5 13
+1,0 11
+0,5 5,5
0,0 0
- 0,5 VS
-5,5
- 1,0 -11
- 1,5 -13
- 2,0 -13

20) Comentar o comportamento observado em termos do ganho e da saturação.

21) Substituir o sinal contínuo da entrada por um sinal senoidal, de amplitude 1,0V de pico a pico e
frequência de 100Hz. VS
22) Medir a amplitude de pico a pico do sinal de saída
(VO) e do sinal de entrada (Vs). Determinar o ganho
do circuito e compará-lo com o valor pedido no
projeto.
t
Vs= 0,5V Vo=5,5 V A = 1111

23) Determinar a relação de fase entre o sinal de entrada VO


e o sinal de saída.

 = 0º

24) Desenhar as formas de onda de VS e de VO nos eixos


ao lado t
25) Aumentar a frequência do sinal de entrada para VO
100kHz e desenhar o sinal de saída encontrado.
Explicar o que aconteceu em função do slew-rate.
A frequência da fonte é maior do que a frequencia de
resposta do amplificador a uma variação de tensão na
entrada.
t

26) Reduzir a amplitude do sinal de entrada para 100mV VO


e observar o que aconteceu ao sinal de saída.
Desenhar a forma de onda e compará-la com a forma
de onda obtida no item anterior. Explicar as
diferenças encontradas.
Por possuir uma amplitude extremamente
pequena é possível o circuito acompanhar a t
frequência da fonte.

 Circuito Seguidor de Tensão (buffer)

27) Projetar um circuito seguidor de tensão utilizando os componentes disponíveis no módulo


Amplificador Operacional.
28) Desenhar ao lado o circuito projetado.

29) Montar o circuito projetado e alimentá-lo


com 15V.

VS
30) Aplicar um sinal senoidal, de amplitude 1V de pico a
pico e frequência de 100Hz.
31) Conectar o osciloscópio para observar os sinais de
entrada (VS) e saída (VO).
t

32)Desenhar as formas de onda do sinal de entrada (V S)


VO
e saída (VO). O resultado obtido está dentro do
esperado?

33) Desligar e guardar todos os módulos, cabos e


instrumentos. t
Questões

1) Tomando como base o circuito não inversor projetado na aula prática, o que aconteceria caso
o resistor R1 tivesse um valor ? Simular a nova configuração do circuito e fazer uma análise
teórica do mesmo.

2) Simular um circuito não inversor com o resistor da malha de realimentação R f curto-circuitado.


Apresentar as formas de onda de tensão de entrada e de saída comentadas.

3) Introduzir um resistor de 10k na entrada e na malha de realimentação do circuito seguidor


de tensão. Comentar teoricamente o comportamento do novo circuito. Simular este circuito e
o circuito seguidor visto nesta aula comparando os resultados obtidos.

4) Simular um circuito não inversor com ganho 11 utilizando um amplificador operacional com
alto slew rate, por exemplo o TL081. Simular o procedimento do item 25 e comparar com os
resultados obtidos na prática.

5) Tirar conclusões a respeito dos circuitos estudados nesta aula, comparando seu
comportamento prático com o comportamento teórico já estudado. Quais as principais
diferenças de comportamento?

1)

O ganho do sinal de saída é mínimo, o sinal de saída passa a ser de mesmo valor do sinal
de entrada.
2)

O ganho do sinal de saída também é mínimo, sendo o mesmo resultado do caso anterior.

3)

Não ocorreu diferenças após a adição dos resistores de 10k ohms.

4) Não há o modelo TL081 no multisim.

5) As maiores diferenças apresentadas nos circuitos teóricos e os simulados são os


componentes serem ideais na teoria, sendo assim há uma diferença pequena mas notável
dos valores encontrados nas simulações.