Você está na página 1de 18

APOSTILA

AS MELHORES

REDAÇÕES

NOTA MIL

DO ENEM
INSTA: @METODOSAPIENS
INTRODUÇÃO

Caro aluno,

Esta apostila foi preparada com o objetivo de divulgar um estudo


fundamental para a Redação do ENEM: o das Redações nota 1000.
Tais textos foram divulgados pelo Inep, responsável pela aplicação do
ENEM, de modo a apresentar o modelo do que é considerado ideal que o
candidato faça em sua Redação para receber uma nota excelente.

As redações escolhidas para fazer parte desta apostila não são


necessariamente as mais originais ou com a escrita mais rebuscada entre
aquelas que receberam nota 1000. Pelo contrário, optou-se por selecionar
as redações que demonstram melhor o uso de um modelo simples e
clássico para escrever o texto dissertativo, o que faz a sua leitura e
estudo bastante produtivos para compreender as exigências da Banca
corretora do ENEM. Portanto, esse material é perfeito para quem procura
aprimorar a sua própria escrita através de um repertório de conceitos e de
linguagem valorizados pela avaliação do principal vestibular do país.

Boa leitura, bom estudo!

1 AS MELHORES REDAÇÕES NOTA MIL DO ENEM


SIGA NO INSTA: @METODOSAPIENS
REDAÇÕES NOTA 1000 DO ENEM 2015
TEMA: "A persistência da violência contra a mulher na sociedade brasileira"

Mesmo com a vigência da Lei Maria da Penha, com a criminalização do feminicídio


na última década, o aumento percentual do número de mulheres vítimas de homicídio no
Brasil persiste. Tipificada pela violência física, moral, psicológica ou sexual, a violação dos
direitos femininos tem suas raízes em construções sociais e culturais, incorporadas como
legítimas, que precisam ser desfeitas, pois, do contrário, o ideal de indistinção no gozo dos
direitos fundamentais do cidadão não se consolidará.
A crença na subalternidade femina é construída socialmente. A filósofa Simone de
Beauvoir corrobora isso ao afirmar que ―ninguém nasce mulher, torna-se mulher‖. Os
dizeres de Beauvoir revelam como a associação da figura feminina a determinados papéis
não é condicionada por características biológicas, mas por pré-determinações sociais.
Seguindo essa linha de pensamento, é usual, por exemplo, que mulheres que exerçam
profissões tradicionalmente associadas a homens, como a de motorista, sofram preconceito
no ambiente de trabalho e sejam violentadas psicologicamente.
Além disso, a continuidade de práticas violentas contra a mulher é favorecida pelo
que o pensador Pierre Bourdieu definiu como violência simbólica. Nesse tipo de violência, a
sociedade passa a aceitar como natural as imposições de um segmento social hegemônico,
neste caso, o gênero masculino, causando a legitimação da violação de direitos e/ou da
desigualdade. Nesse contexto, urge a tomada de medidas que visem mitigar a crença de
que as mulheres são inferiores.
Para isso, cabe à sociedade civil organizada, o terceiro setor, a realização de
palestras que instruam acerca da igualdade entre os gêneros. Ao poder público, cabe
instituir a obrigatoriedade de participação masculina em fóruns, palestras e seminários que
discorram acerca da importância do respeito às mulheres .Procedendo-se assim, casos
como o da francesa Olympe de Gouges, guilhotinada na Revolução Francesa por exigir
direitos femininos, ficarão apenas como o símbolo de um passado em que os Direitos
Humanos não eram para todos. [LAIANE DA SILVA CARVALHO - Escola pública de
Valença – BA]

[COMENTÁRIO DO INEP] C texto demonstra excelente escrita formal e de escolha de


registro: contém apenas um erro de pontuação, com o emprego inadequado de vírgula nas
linhas finais do 3o parágrafo (―Ao poder público, cabe...‖), configurando um desvio
gramatical, e apenas um erro de ortografia no 2o parágrafo (―femina‖ em vez de ―feminina‖).
A participante desenvolve o tema proposto no enunciado da prova por meio de
argumentação consistente, fundamentando-se em repertório sociocultural produtivo, já que
cita adequadamente Simone de Beauvoir, Pierre Bourdieu, a Revolução Francesa, além de
se referir às raízes históricas e ideológicas de que originam o machismo na sociedade
brasileira. Apresenta também domínio do texto dissertativo-argumentativo, com introdução,
desenvolvimento e conclusão, e organiza quatro parágrafos bem construídos e bem
articulados entre si. O tema é desenvolvido de modo consistente em defesa de seu ponto
de vista, por meio do acesso a outras áreas do conhecimento, com progressão fluente,
articulada ao ponto de vista defendido. (...) A participante articula bem as ideias, os
argumentos, as partes do texto e apresenta, sem inadequações, repertório diversificado de
recursos coesivos, com o uso de conectores variados, como ―corrobora isso‖, ―Seguindo
essa linha de pensamento‖ (2° parágrafo); ―Além disso‖, ―Nesse tipo‖, ―Nesse contexto‖,
―Para isso‖ (3° parágrafo); ―Procedendo assim‖ (4° parágrafo). Excelente proposta de
intervenção que respeita os direitos humanos: aponta o papel da sociedade civil organizada,
que deveria promover campanhas educativas e palestras sobre igualdade entre os gêneros,
bem como aponta o papel do poder público, que deveria ―instituir a obrigatoriedade de
participação masculina em fóruns, palestras e seminários que discorram acerca da
importância do respeito às mulheres‖.

2 AS MELHORES REDAÇÕES NOTA MIL DO ENEM


SIGA NO INSTA: @METODOSAPIENS
REDAÇÕES NOTA 1000 DO ENEM 2016
TEMA: “Caminhos para combater a intolerância religiosa”

O Período Colonial do Brasil, ao longo dos séculos XVI a XIX, foi marcado pela tentativa de
converter os índios ao catolicismo, em função do pensamento português de soberania. Embora
date de séculos atrás, a intolerância religiosa no país, em pleno século XXI, sugere as mesmas
conotações de sua origem: imposições de dogmas e violência. No entanto, a lenta mudança de
mentalidade social e o receio de denunciar dificultam a resolução dessa problemática, o que
configura um grave problema social.
Nesse contexto, é importante salientar que, segundo Sócrates, os erros são consequência
da ignorância humana. Logo, é válido analisar que o desconhecimento acerca de crenças
diferentes influi decisivamente em comportamentos inadequados contra pessoas que seguem
linhas de pensamento opostas. À vista disso, é interessante ressaltar que, em algumas religiões, o
contato com perspectivas de outras crenças não é permitido. Ainda assim, conhecer a lei é
fundamental para compreender o direito à liberdade de dogmas e, portante, para respeitar as
visões díspares.
Além disso, é cabível enfatizar que, de acordo com Paulo Freire, um seu livro "Pedagogia
do Oprimido", é necessário buscar uma "cultura de paz". De maneira análoga, muitos religiosos, a
fim de evitar conflitos, hesitam em denunciar casos de intolerância, sobretudo quando envolvem
violência. Entretanto, omitir crimes, ao contrário do que se pensa, significa colaborar com a
insistência da discriminação, o que funciona como um forte empecilho para resolução dessa
problemática.
Sendo assim, é indispensável a adoção de medidas capazes de assegurar o respeito
religioso e o exercício de denúncia. Posto isso, cabe ao Ministério da Educação, em parceria com o
Ministério da Justiça, implementar aos livros didáticos de História um plano de aula que relacione a
aculturação dos índios com a intolerância religiosa contemporânea, com o fito de despertar o senso
crítico nos alunos; e além disso, promover palestras ministradas por defensores públicos acerca da
liberdade de expressão garantida pela lei para que o respeito às diferentes posições seja
conquistado. Ademais, a Polícia Civil deve criar uma ouvidoria anônima, tal como uma delegacia
especializada, de modo a incentivar denúncias em prol do combate à problemática." [Helário
Azevedo e Silva Neto, 17 anos, Ceará]

[Análise Método Sapiens] A redação do candidato mostra uma aplicação simples e eficiente da
estrutura padrão de uma dissertação. Destaca-se, entre as competências atingidas pelo estudante,
o repertório de recursos argumentativos, que vai da referência histórica à formação colonial do
Brasil até o conceito extraído do pensamento Paulo Freire e a citação filosófica de Sócrates. Além
do bom uso da linguagem formal, sem exageros de vocabulário, a banca optou por valorizar a
bagagem cultural que o aluno apresentou em seu texto, ao atribui-lo a nota 1000. No texto, as
várias abordagens com que o autor defende a importância dos direitos humanos também contribuiu
para a sua adequação à expectativa da banca.
Outro aspecto de destaque da redação de Helário é o parágrafo de conclusão, com
propostas de intervenção bastante detalhadas e pertinentes, ligadas ao papel da educação como
instrumento de transformação dos problemas sociais, junto ao reforço à fiscalização pelos órgãos
de segurança do Estado.

3 AS MELHORES REDAÇÕES NOTA MIL DO ENEM


SIGA NO INSTA: @METODOSAPIENS
A Constituição Federal de 1988 – norma de maior hierarquia no sistema jurídico brasileiro –
assegura a todos a liberdade de crença. Entretanto, os frequentes casos de intolerância religiosa
mostram que os indivíduos ainda não experimentam esse direito na prática. Com efeito, um diálogo
entre sociedade e Estado sobre os caminhos para combater a intolerância religiosa é medida que
se impõe.
Em primeiro plano, é necessário quae a sociedade não seja uma reprodução da casa
colonial, como disserta Gilberto Freyre em ―Casa-Grande e Senzala‖. O autor ensina que a
realidade do Brasil até o século XIX estava compactada no interior da casa-grande, cuja religião era
católica, e as demais crenças – sobretudo africanas – eram marginalizadas e se mantiveram vivas
porque os negros lhe deram aparência cristã, conhecida hoje por sincretismo religioso. No entanto,
não é razoável que ainda haja uma religião que subjugue as outras, o que deve, pois, ser repudiado
em um Estado laico, a fim de que se combata a intolerância de crença.De outra parte, o sociólogo
Zygmunt Bauman defende, na obra ―Modernidade Líquida‖, que o individualismo é uma das
principais características – e o maior conflito – da pós-modernidade, e,
consequentemente, parcela da população tende a ser incapaz de tolerar diferenças. Esse problema
assume contornos específicos no Brasil, onde, apesar do multiculturalismo, há quem exija do outro
a mesma postura religiosa e seja intolerante àqueles que dela divergem. Nesse sentido, um
caminho possível para combater a rejeição à diversidade de crença é descontruir o principal
problema da pós-modernidade, segundo Zygmunt Bauman: o individualismo.
Urge, portanto, que indivíduos e instituições públicas cooperem para mitigar a intolerância
religiosa. Cabe aos cidadãos repudiar a inferiorização das crenças e dos costumes presentes no
território brasileiro, por meio de debates nas mídias sociais capazes de descontruir a prevalência de
uma religião sobre as demais. Ao Ministério Público, por sua vez, compete promover ações judiciais
pertinentes contra atitudes individualistas ofensivas à diversidade de crença. Assim, observada a
ação conjunta entre população e poder público, alçará o país a verdadeira posição de Estado
Democrático de Direito." [Vinícius Oliveira de Lima, de 26 anos - Duque de Caxias (RJ)]

[Análise Método Sapiens] No parágrafo de introdução, o candidato apresenta seu ponto de vista
de forma simples e direta, através de uma estrutura já consagrada: apresenta a importância dos
direitos básicos previstos pela Constituição, e problematiza a realidade em que ocorre sua violação,
ainda introduzindo a necessidade de mudança. Esse esquema de raciocínio é básico e muito
eficiente, como prova a nota 1000 obtida por esse texto.
A análise feita pelos parágrafos de argumentação também apresenta elementos básicos
e consagrados do repertório de interpretação dos problemas brasileiros e contemporâneos, ao citar
Gilberto Freyre e ―Casa Grande & Senzala‖ e a ―Modernidade Líquida‖ de Zygmunt Bauman. Esses
são recursos argumentativos muito valorizados pla correção do ENEM, e que podem ser
empregados em diferentes temas para construir os parágrafos de desenvolvimento.

4 AS MELHORES REDAÇÕES NOTA MIL DO ENEM


SIGA NO INSTA: @METODOSAPIENS
Brás Cubas, o defunto-autor de Machado de Assis, diz em suas ―Memórias Póstumas‖ que
não teve filhos e não transmitiu a nenhuma criatura o legado da nossa miséria. Talvez hoje ele
percebesse acertada sua decisão: a postura de muitos brasileiros frente à intolerância religiosa é
uma das faces mais perversas de uma sociedade em desenvolvimento. Com isso, surge a
problemática do preconceito religioso que persiste intrinsecamente ligado à realidade do país, seja
pela insuficiência de leis, seja pela lenta mudança de mentalidade social.
É indubitável que a questão constitucional e sua aplicação estejam entre as causas do
problema. Conforme Aristóteles, a poética deve ser utilizada de modo que, por meio da justiça, o
equilíbrio seja alcançado na sociedade. De maneira análoga, é possível perceber que, no Brasil, a
perseguição religiosa rompe essa harmonia; haja vista que, embora esteja previsto na Constituição
o princípio da isonomia, no qual todos devem ser tratados igualmente, muitos cidadãos se utilizam
da inferioridade religiosa para externar ofensas e excluir socialmente pessoas de religiões
diferentes.
Segundo pesquisas, a religião afro-brasileira é a principal vítima de discriminação,
destacando-se o preconceito religioso como o principal impulsionador do problema. De acordo com
Durkheim, o fato social é a maneira coletiva de agir e de pensar. Ao seguir essa linha de
pensamento, observa-se que a preparação do preconceito religioso se encaixa na teoria do
sociólogo, uma vez que se uma criança vive em uma família com esse comportamento, tende a
adotá-lo também por conta da vivência em grupo. Assim, a continuação do pensamento da
inferioridade religiosa, transmitido de geração a geração, funciona como base forte dessa forma de
preconceito, perpetuando o problema no Brasil.
Infere-se, portanto, que a intolerância religiosa é um mal para a sociedade brasileira. Sendo
assim, cabe ao Governo Federal construir delegacias especializadas em crimes de ódio contra
religião, a fim de atenuar a prática do preconceito na sociedade, além de aumentar a pena para
quem o praticar. Ainda cabe à escola criar palestras sobre as religiões e suas histórias, visando a
informar crianças e jovens sobre as diferenças religiosas no país, diminuindo, assim, o preconceito
religioso. Ademais, a sociedade deve se mobilizar em redes sociais, com o intuito de conscientizar
a população sobre os males da intolerância religiosa. Assim, poder-se-á transformar o Brasil em um
país desenvolvido socialmente, e criar um legado de que Brás Cubas pudesse se orgulhar. [Larissa
Cristine Ferreira, 20 anos]

[Análise Método Sapiens] O texto apresenta uma estrutura adequada: quatro parágrafos,com
introdução, dois de desenvolvimento e conclusão. Além disso, é um texto escrito com estilo de
escrita adequado: linguagem impessoal, objetiva e formal, seguindo a norma culta. (...) A candidata
demonstra bom repertório sociocultural, quando relaciona o tema a outras referências,
principalmente ao citar Aristóteles e Durkheim. Vale dizer que esses foram mais bem empregados
do que a referência a Machado de Assis, que está um pouco ‗solta‘ no texto, sem relação muito
clara com a discussão.
O uso de adjetivos como ‗perversas‘ ajuda a evidenciar a opinião do texto, o qual se opõe à
intolerância religiosa, ao contrário do que prevê o princípio constitucional que não é posto em
prática. Na conclusão, a autora cita três propostas de intervenção social, cada uma dirigida a uma
instância da sociedade. Logo, um texto como este evidencia que é possível alcançar a nota máxima
no ENEM através de uma dissertação argumentativa básica e simples.

5 AS MELHORES REDAÇÕES NOTA MIL DO ENEM


SIGA NO INSTA: @METODOSAPIENS
O ser humano é social: necessita viver em comunidade e estabelecer relações
interpessoais. Porém, embora intitulado, sob a perspectiva aristotélica, político e naturalmente
sociável, inúmeras de suas antiéticas práticas corroboram o contrário. No que tange à questão
religiosa no país, em contraposição à laicização do Estado, vigora a intolerância no Brasil, a qual é
resultado da consonância de um governo inobservante à Constituição Federal e uma nação
alienada ao extremo.
Não obstante, apesar de a formação brasileira ser oriunda da associação de díspares
crenças, o que é fruto da colonização, atitudes preconceituosas acarretam a incrédula continuidade
de constantes ataques a religiões, principalmente de matriz africana. Diante disso, a união entre
uma pátria cujo obsoleto ideário ainda prega a supremacia do cristianismo ortodoxo e um sistema
educacional em que o estudo acerca das disparidades religiosas é escasso corrobora a
cristalização do ilegítimo desrespeito à religiosidade no país.
Sob essa conjectura, a tese marxista disserta acerca da inescrupulosa atuação do Estado,
que assiste apenas a classe dominante. Dessa forma, alienados pelo capitalismo selvagem e pelos
subvertidos valores líquidos da atualidade, os governantes negligenciam a necessidade fecunda de
mudança dessa distópica realidade envolta na intolerância religiosa no país. Assim, as nefastas
políticas públicas que visem a coibir o vilipêndio à crença – ou descrença, no caso do ateísmo –
alheia, como o estímulo às denúncias, por exemplo, fomentam a permanência dessas incoerentes
práticas no Brasil. Porém, embora caótica, essa situação é mutável.
Convém, portanto, que, primordialmente, a sociedade civil organizada exija do Estado, por
meio de protestos, a observância da questão religiosa no país. Desse modo, cabe ao Ministério da
Educação a criação de um programa escolar nacional que vise a contemplar as diferenças
religiosas e o respeito a elas, o que deve ocorrer mediante o fornecimento de palestras e peças
teatrais que abordem essa temática. Paralelamente, ONGs devem corroborar esse processo a
partir da atuação em comunidades com o fito de distribuir cartilhas que informem acerca das
alternativas de denúncia dessas desumanas práticas, além de sensibilizar a pátria para a luta em
prol da tolerância religiosa. [Laryssa Cavalcanti, de 17 anos - AL]

[Análise Método Sapiens] A redação escrita pela candidata reflete bem o seu repertório
sociocultural, como se vê nas referências, muito bem empregadas, a conceitos dos filósofos
Aristóteles e Karl Marx. A abordagem da Constituição desde o primeiro parágrafo ajuda a construir
a tese defendida pelo texto, contrapondo a esfera dos direitos fundamentais à realidade de
intolerância.
A candidata também se destacou bastante pelo domínio da norma culta escrita, chegando
até mesmo a um certo exagero na escolha do vocabulário e com algumas frases que oferecem
dificuldade de leitura. Um ponto negativo, consequência do exagero na elaboração da linguagem, é
o uso ambíguo e inadequado do termo ―cristianismo ortodoxo‖, já que provavelmente a autora quis
referir-se ao sentido de ―radical‖ ou ―dogmático‖
que possui o adjetivo, e não confundir-se com a Igreja Cristã Ortodoxa, muito importante no Leste
da Europa e uma minoria significativa em muitas comunidades de imigrantes no Brasil, mas que
não é particularmente conhecida por atitudes intolerantes como as criticadas por Laryssa. Apesar
desse único erro, a banca não penalizou o texto, tendo em vista sua qualidade na competência de
domínio linguístico.

6 AS MELHORES REDAÇÕES NOTA MIL DO ENEM


SIGA NO INSTA: @METODOSAPIENS
Existem, atualmente, diversos conflitos religiosos no mundo, fato que pode ser
exemplificado pelas ações do Estado Islâmico, que aplica uma visão radical do islamismo
sunita. Nesse contexto, percebe-se que tal realidade de intolerância também ocorre no
Brasil, um país com dimensões continentais e grande diversidade religiosa. Assim, tornam-
se progressivamente mais comuns episódios de violência motivados pela religião, o que é
contraditório, visto que o Brasil é laico e a Constituição de 1988 garante a liberdade de
crença religiosa. Portanto, medidas que alterem essa situação devem ser adotadas.
A globalização é um processo que tende à homogeneização, à cultura de massa. No
entanto, ainda existem diversas formas de expressão cultural e artística, assim como de
manifestações religiosas. Dessa maneira, surge na população um preconceito latente, que
pode evoluir e motivar a prática de atos violentos pelo indivíduo. Tal situação pode ser
considerada reflexo da visão etnocêntrica de parte da sociedade, que considera seus
costumes e crenças superiores aos hábitos dos demais. A educação brasileira, que na
maioria das vezes é altamente conservadora, agrava a questão.
Também é válido ressaltar que o aumento na eleição de políticos conservadores e que
assumem uma postura radical na defesa de suas ideologias dificulta a diminuição da
intolerância no Brasil. A ausência de representantes das minorias religiosas impede a
implantação de políticas afirmativas que garantam, de fato, a potencialização da tolerância e
a igualdade na manifestação das diversas crenças. Como, segundo Marilena Chaui, a
democracia é baseada na igualdade, na liberdade e na participação, percebe-se que a não
participação de toda a sociedade na política, aliada à frágil liberdade religiosa, impedem a
existência de um regime democrático pleno no Brasil.
Portanto, é necessária a criação de cotas, o que deve ser feito pelo poder público, que
garantam a presença de representantes das diversas expressões religiosas na política, o
que permitiria a aprovação de medidas afirmativas, que diminuiriam a intolerâcia no Brasil.
Além disso, é válida a criação de espaços de discussões nas escolas, direcionados aos pais
e alunos, que conscientizem os futuros cidadãos sobre a legitimidade de cada religião que
amenizem a visão etnocêntrica de parte da população. Por fim, deve haver a criação de
campanhas nas redes sociais, realizadas pela sociedade civil, que potencializem a
tolerância dos indivíduos, o que conduziria a uma sociedade progressivamente mais justa,
igualitária e democrática. [Nathália Marques - Juiz de Fora (MG)]

7 AS MELHORES REDAÇÕES NOTA MIL DO ENEM


SIGA NO INSTA: @METODOSAPIENS
REDAÇÕES NOTA 1000 DO ENEM 2017
TEMA: “Desafios para a formação educacional de surdos no Brasil”

Na antiga pólis de Esparta, havia a prática da eugenia, ou seja, a segregação dos


denominados ―imperfeitos‖, como, por exemplo, os deficientes. Passados 2000 anos, o
preconceito contra esse grupo ainda prevalece socialmente e afeta, principalmente, a área da
educação. Nesse contexto, os surdos são grandes vítimas da exclusão no processo de
formação educacional, o que traz desafios e a busca por autonomia e pela participação de
pessoas com essa deficiência no espaço escolar brasileiro.
Para o filósofo francês Voltaire, a lei essencial para a prática da igualdade é a
tolerância. Porém, nas escolas, onde as diferenças aparecem, essa característica não se
concretiza. Nesse ambiente, a surdez se torna motivo para discriminação e para o bullying,
contrariando o objetivo da educação de elevar e emancipar o indivíduo, como defende o
sociólogo Paulo Freire, idealizador da educação brasileira. Dessa forma, os surdos,
segregados, encontram um alicerce frágil, para alcançar o desenvolvimento de seus talentos e
habilidades.
Além disso, nota-se que as instituições escolares não oferecem suporte adequado para
os deficientes auditivos. Com isso, a independência e a participação desses indivíduos são
comprometidas, o que acentua as desigualdades. Essa ideia se torna paradoxal quando
comparada à Declaração Universal dos Direitos Humanos e à Constituição Federal (1988),
documentos de alta hierarquia, comprovando a necessidade de incluir e assistir a população
surda nos processos educacionais brasileiros.
Portanto, conclui-se que deve-se tomar medidas que incluam os surdos na educação,
assegurando o desenvolvimento desse grupo. As escolas devem, então, promover a
assistência a esses deficientes, por meio da disponibilização de voluntários que dominem a
linguagem de Libras, principal forma de comunicação da população surda, com o objetivo de
inserir as pessoas com essa deficiência nas salas de aula, facilitando também o aprendizado.
A mídia deve, ainda, mostrar, com exemplos, a igualdade que deve prevalecer no ambiente
escolar, acabando com o preconceito e com o bullying. Com essas medidas, a eugenia social
será minimizada e os deficientes auditivos serão incluídos nos processos educacionais
brasileiros. [João Pedro Fidelis Belluzo]

[COMENTÁRIO DO INEP] O participante demonstra domínio da modalidade escrita formal,


com estrutura sintática excelente. Em relação à estrutura do texto dissertativo, percebe-se que
apresenta tese, desenvolve argumentos que comprovam essa tese e conclui encerrando a
discussão, com excelente domínio do texto dissertativo. Além disso, o tema é abordado de
forma completa: já no 1o parágrafo aponta que ―os surdos são grandes vítimas da exclusão no
processo de formação educacional‖. Para desenvolver as ideias selecionadas, faz uso de
repertório pertinente no 1o parágrafo, ao tratar da eugenia de deficientes em Esparta, e no 2o
parágrafo, ao apresentar ideias de Voltaire e Paulo Freire. Podemos perceber, ao longo da
redação, a presença de um projeto de texto estratégico, que se configura na organização e no
desenvolvimento da redação. O participante apresenta informações e opiniões relacionadas ao
tema proposto, de forma organizada, para defender seu ponto de vista. Em relação à coesão,
nota-se um repertório diversificado de recursos coesivos. Há articulação tanto entre os
parágrafos (―Além disso‖, ―Portanto‖) quanto entre as ideias dentro de um mesmo parágrafo (1º
parágrafo: ―ou seja‖, ―por exemplo‖, ―nesse contexto‖; 2º parágrafo: ―porém‖, ―nesse ambiente‖,
―dessa forma‖; 3º parágrafo: ―com isso‖, ―essa‖; 4º parágrafo: ―então‖, ―ainda‖; entre outros).
Com relação à proposta de intervenção, observa-se que o participante apresenta uma
proposta concreta e detalhada, com soluções articuladas aos problemas apresentados em seu
texto. A proposta de intervenção inclui as seguintes ações: promover assistência aos surdos e
incentivar a igualdade.

8 AS MELHORES REDAÇÕES NOTA MIL DO ENEM


SIGA NO INSTA: @METODOSAPIENS
Na obra ―Memórias Póstumas de Brás Cubas‖, o realista Machado de Assis expõe, por
meio da repulsa do personagem principal em relação à deficiência física (―ela era coxa‖), a
maneira como a sociedade brasileira trata os deficientes. Atualmente, mesmo após avanços
nos direitos desses cidadãos, a situação de exclusão e de preconceito permanece e se reflete
na precária condição da educação ofertada aos surdos no País, a qual é responsável pela
dificuldade de inserção social desse grupo, especialmente no ramo laboral.
Convém ressaltar, a princípio, que a má formação socioeducacional do brasileiro é um
fator determinante para a permanência da precariedade da educação para deficientes
auditivos no País, uma vez que os governantes respondem aos anseios sociais e grande parte
da população não exige uma educação inclusiva por não necessitar dela. Isso, consoante ao
pensamento de A. Schopenhauer de que os limites do campo da visão de uma pessoa
determinam seu entendimento a respeito do mundo que a cerca, ocorre porque a educação
básica é deficitária e pouco prepara cidadãos no que tange ao respeito às diferenças. Tal fato
se reflete nos ínfimos investimentos governamentais em capacitação profissional e em melhor
estrutura física, medidas que tornariam o ambiente escolar mais inclusivo para os surdos.
Em consequência disso, os deficientes auditivos encontram inúmeras dificuldades em
variados âmbitos de suas vidas. Um exemplo disso é a difícil inserção dos surdos no mercado
de trabalho, devido à precária educação recebida por eles e ao preconceito intrínseco à
sociedade brasileira. Essa conjuntura, de acordo com as ideias do contratualista Johm Locke,
configura-se uma violação do ―contrato social‖, já que o Estado não cumpre sua função de
garantir que tais cidadãos gozem de direitos imprescindíveis (como direito à educação de
qualidade) para a manutenção da igualdade entre os membros da sociedade, o que expõe os
surdos a uma condição de ainda maior exclusão e desrespeito.
Diante dos fatos supracitados, faz-se necessário que a Escola promova a formação de
cidadãos que respeitem as diferenças e valorizem a inclusão, por intermédio de palestras,
debates e trabalhos em grupo, que envolvam a família, a respeito desse tema, visando a
ampliar o contato entre a comunidade escolar e as várias formas de deficiência. Além disso, é
imprescindível que o Poder Público destine maiores investimentos à capacitação de
profissionais da educação especializados no ensino inclusivo e às melhorias estruturais nas
escolas, com o objetivo de oferecer aos surdos uma formação mais eficaz. Ademais, cabe
também ao Estado incentivar a contratação de deficientes por empresas privadas, por meio de
subsídios e Parcerias Público-Privadas, objetivando a ampliar a participação desse grupo
social no mercado de trabalho. Dessa forma, será possível reverter um passado de
preconceito e exclusão, narrado por Machado de Assis e ofertar condições de educação mais
justas a esses cidadãos. [Isabella Barros Castelo Branco – Piauí]

9 AS MELHORES REDAÇÕES NOTA MIL DO ENEM


SIGA NO INSTA: @METODOSAPIENS
Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, há 45 milhões de indivíduos
portadores de alguma deficiência no País. Apesar do amplo contingente populacional e dos
avanços nos direitos dessa camada da sociedade, esses brasileiros não dispõem de uma
inclusão educacional plena, sobretudo os surdos. Esse cenário desafiador demanda a adoção
de medidas mais eficientes por parte do Poder Público e de instituições formadoras de opinião
a fim de garantir uma melhor qualidade de vida aos deficientes auditivos.
De fato, o acesso à educação pelos indivíduos surdos é assegurado pela Constituição
de 1988 e pelo mais recente Estatuto da Pessoa com Deficiência. No Brasil, entretanto, há
uma discrepãncia entre o que é defendido por tais instrumentos jurídicos e a realidade
excludente vivida por essa população. Esses indivíduos sofrem, diariamente, com a escassez
de materiais didáticos adaptados e com a insuficiente formação de profissionais, que, muitas
vezes, são incapazes de oferecer uma educação em Libras. Além disso, grande parte dos
brasileiros desconhece tais legislações, o que dificulta a inclusão plena dos deficientes
auditivos e evidencia uma atuação negligente do Estado.
Ademais, de acordo com o pensandor Vygotsky, o indivíduo é fortemente influenciado
pelo meio em que está inserido, o que ressalta a importância de certos setores da sociedade, a
exemplo de famílias e escolas, na formação cidadã dos brasileiros. Mesmo com essa ampla
relevância, diante da persistência de atos discriminatórios contra os surdos no âmbito escolar,
como a recusa de matrícula, a segregação em turmas especiais e o bullying, fica evidente o
desrespeito que tifica como crime qualquer comportamento intolerante contra os portadores de
necessidades especiais, incluindo os surdos.
Portanto, a fim de garantir a devida formação educacional dos deficientes auditivos,
cabe ao Poder Público, por meio da destinação de mais recursos ao Instituto Nacional de
Educação de Surdos, garantir uma melhor capacitação dos professores e uma maior
disponibilização de materiais adaptados, além de promover informes educativos, mediante as
redes sociais, sobre a existência do Estatuto da Pessoa com Deficiência. Ademais, cabe às
escolas garantir, por meio de palestras para os pais de alunos, o devido incentivo de amplos
diálogos entre os membros do núcleo familiar, possibilitando uma reflexão quanto ao respeito
às diferenças no âmbito domiciliar desde a infância. [Maria Fernanda Gurgel - Ceará]

10 AS MELHORES REDAÇÕES NOTA MIL DO ENEM


SIGA NO INSTA: @METODOSAPIENS
REDAÇÕES NOTA 1000 DO ENEM 2018
TEMA: “Manipulação do comportamento do usuário pelo controle de dados na internet”

O advento da internet possibilitou um avanço das formas de comunicação e permitiu


um maior acesso à informação. No entanto, a venda de dados particulares de usuários se
mostra um grande problema. Apesar dos esforços para coibir essa prática, o combate à
manipulação de usuários por meio de controle de dados representa um enorme desafio.
Pode-se dizer, então, que a negligência por parte do governo e a forte mentalidade
individualista dos empresários são os principais responsáveis pelo quadro.
Em primeiro lugar, deve-se ressaltar a ausência de medidas governamentais para
combater a venda de dados pessoais e a manipulação do comportamento nas redes.
Segundo o pensador Thomas Hobbes, o Estado é responsável por garantir o bem-estar da
população, entretanto, isso não ocorre no Brasil. Devido à falta de atuação das autoridades,
grandes empresas sentem-se livres para invadir a privacidade dos usuários e vender
informações pessoais para empresários que desejam direcionar suas propagandas. Dessa
forma, a opinião dos consumidores é influenciada, e o direito à liberdade de escolha é
ameaçado.
Outrossim, a busca pelo ganho pessoal acima de tudo também pode ser apontado
como responsável pelo problema. De acordo com o pensamento marxista, priorizar o bem
pessoal em detrimento do coletivo gera inúmeras dificuldades para a sociedade. Ao vender
dados particulares e manipular o comportamento de usuários, empresas invadem a
privacidade dos indivíduos e ferem importantes direitos da população em nome de interesse
individuais. Desse modo, a união da sociedade é essencial para garantir o bem-estar
coletivo e combater o controle de dados e a manipulação do comportamento no meio digital.
Infere-se, portanto, que assegurar a privacidade e a liberdade de escolha na internet é um
grande desafio no Brasil.
Sendo assim, o Governo Federal, como instância máxima de administração
executiva, deve atuar em favor da população, através da criação de leis que proíbam a
venda de dados dos usuários, a fim de que empresas que utilizam essa prática sejam
punidas e a privacidade dos usuários seja assegurada. Além disso, a sociedade, como
conjunto de indivíduos que compartilham valores culturais e sociais, deve atuar em conjunto
e combater a manipulação e o controle de informações, por meio de boicotes e campanhas
de mobilização, para que os empresários sintam-se pressionados pela população e sejam
obrigados a abandonar a prática. Afinal, conforme afirmou Rousseau: ―a vontade geral deve
emanar de todos para ser aplicada a todos‖.

[COMENTÁRIO DO INEP] O participante demonstra excelente domínio da escrita formal da


língua portuguesa, uma vez que a estrutura sintática é excelente e não apresenta desvios
de escrita. Em relação à estruturação do texto dissertativo, percebe-se que o participante
apresenta uma tese, o desenvolvimento de justificativas que comprovam essa tese e uma
conclusão que encerra a discussão. (...) Observa-se também que usa repertório
sociocultural pertinente à discussão: no 2º parágrafo, um pensamento de Thomas Hobbes;
no 3º parágrafo, ao trabalhar o pensamento marxista; e no último parágrafo, ao trazer uma
citação de Rousseau, que reforça uma de suas propostas de intervenção. Em relação ao
projeto de texto, percebemos que ele é estratégico, ou seja, que configura uma organização
clara e o desenvolvimento consistente da redação. (...) Há também um repertório
diversificado de recursos coesivos. Há articulação tanto entre os parágrafos (―Outrossim‖,
―Portanto‖) quanto entre as ideias dentro de um mesmo parágrafo (como ―entretanto‖, ―isso‖
e ―Dessa forma‖, no 2º parágrafo; ―também‖ e ―Desse modo‖, no 3º parágrafo; etc). Por fim,
o participante elabora excelente proposta de intervenção, concreta, detalhada e que
respeita os direitos humanos. A proposta apresentada retoma o que foi discutido ao longo
do texto ao evidenciar a responsabilidade do Governo Federal e da sociedade.

11 AS MELHORES REDAÇÕES NOTA MIL DO ENEM


SIGA NO INSTA: @METODOSAPIENS
A utilização dos meios de comunicação para manipular comportamentos não é
recente no Brasil: ainda em 1937, Getúlio Vargas apropriou-se da divulgação de uma falsa
ameaça comunista para legitimar a implantação de um governo ditatorial. Entretanto, os
atuais mecanismos de controle de dados, proporcionados pela internet, revolucionaram de
maneira negativa essa prática, uma vez que conferiram aos usuários uma sensação ilusória
de acesso à informação, prejudicando a construção da autonomia intelectual e, por isso,
demandam intervenções. Ademais, é imperioso ressaltar os principais impactos da
manipulação, com destaque à influência nos hábitos de consumo e nas convicções
pessoais dos usuários.
Nesse contexto, as plataformas digitais, associadas aos algoritmos de filtragem de
dados, proporcionaram um terreno fértil para a evolução dos anúncios publicitários. Isso
ocorre porque, ao selecionar os interesses de consumo do internauta, baseado em
publicações feitas por este, o sistema reorganiza as informações que chegam até ele, de
modo a priorizar os anúncios complacentes ao gosto do usuário. Nesse viés, há uma
pretensa sensação de liberdade de escolha, teorizada pela Escola de Frankfurt, já que
todos os dados adquiridos estão sujeitos à coerção econômica. Dessa forma, há um
bombardeio de propagandas que influenciam os hábitos de consumo de quem é atingido,
visto que, na maioria das vezes, resultam na aquisição do produto anunciado.
Somado a isso, tendo em vista a capacidade dos algoritmos de selecionar o que vai
ou não serlido, estes podem ser usados para moldar interesses pessoais dos leitores, a fim
de alcançar objetivos políticos e/ou econômicos. Nesse cenário, a divulgação de notícias
falsas é utilizada como artifício para dispersar ideologias, contaminando o espaço
deautonomia previsto pelo sociólogo Manuel Castells, o qual caracteriza a internet como
ambiente importante para a amplitude da democracia, devido ao seu caráter informativo e
deliberativo. Desse modo, o controle de dados torna-se nocivo ao desenvolvimento da
consciência crítica dos usuários, bem como à possibilidade de uso da internet como
instrumento de politização.
Evidencia-se, portanto, que a manipulação advinda do controle de dados na internet
é um obstáculo para a consolidação de uma educação libertadora. Por conseguinte, cabe
ao Ministério da Educação investir em educação digital nas escolas, por meio da inclusão
de disciplinas facultativas, as quais orientarão aos alunos sobre as informações pessoais
publicadas na internet, a fim de mitigar a influência exercida pelos algoritmos e,
consequentemente, fomentar o uso mais consciente das plataformas digitais. Além disso, é
necessário que o Ministério da Justiça, em parceria com empresas de tecnologia, crie
canais de denúncia de ―fake news‖, mediante a implementação de indicadores de
confiabilidade nas noticias veiculadas – como o projeto ―The Trust Project‖ nos Estados
Unidos – com o intuito de minimizar o compartilhamento de informações falsas e o impacto
destas na sociedade. Feito isso, a sociedade brasileira poderá se proteger contra a
manipulação e a desinformação.

[COMENTÁRIO DO INEP] Excelente domínio da escrita formal. Em relação à estrutura, percebe-se


uma tese, o argumentos que a comprovam e uma conclusão, com domínio do texto padrão. (...)
Observa-se também o uso produtivo de repertório pertinente à discussão: no 1o parágrafo, ao
o
apontar como as pessoas foram manipuladas no Brasil, durante a Era Vargas; no 2 parágrafo, ao
o
relacionar a teoria da Escola de Frankfurt com a falsa liberdade de escolha; e no 3 parágrafo, a ideia
de Manuel Castells. Percebe-se também a presença de um projeto de texto, com informações, fatos
e opiniões relacionados ao tema, desenvolvidos de forma bem organizada em defesa do ponto de
vista. (...) Em relação à coesão, encontra-se diversidade de recursos coesivos. Há articulação tanto
entre os parágrafos (―Nesse contexto‖, ―Somado a isso‖ e ―portanto‖) quanto entre as ideias dentro de
um mesmo parágrafo (1º parágrafo: ―Entretanto‖, ―uma vez que‖, ―Ademais‖; 2º parágrafo: ―Isso‖,
―porque‖, ―Nesse viés‖, ―Dessa forma‖, ―visto que‖). Por fim, a participante elabora excelente proposta
de intervenção: propõe que o Ministério da Educação invista em educação digital nas escolas,
orientando os alunos sobre a divulgação de dados pessoais na internet, e que o Ministério da Justiça
crie canais de denúncia de notícias falsas.

12 AS MELHORES REDAÇÕES NOTA MIL DO ENEM


SIGA NO INSTA: @METODOSAPIENS
No filme ―Matrix―, clássico do gênero ficção científica, o protagonista Neo é
confrontado pela descoberta de que o mundo em que vive é, na realidade, uma ilusão
construída a fim de manipular o comportamento dos seres humanos, que, imersos em
máquinas que mantêm seus corpos sob controle, são explorados por um sistema distópico
dominado pela tecnologia. Embora seja uma obra ficcional, o filme apresenta características
que se assemelham ao atual contexto brasileiro, pois, assim como na obra, os mecanismos
tecnológicos têm contribuído para a alienação dos cidadãos, sujeitando-os aos filtros de
informações impostos pela mídia, o que influencia negativamente seus padrões de consumo
e sua autonomia intelectual.
Em princípio, cabe analisar o papel da internet no controle do comportamento sob a
perspectiva do sociólogo contemporâneo Zygmunt Bauman. Segundo o autor, o crescente
desenvolvimento tecnológico, aliado ao incentivo ao consumo desenfreado, resulta numa
sociedade que anseia constantemente por produtos novos e por informações atualizadas.
Nesse contexto, possibilita-se a ascensão, no meio virtual, de empresas que se utilizam de
algoritmos programados para selecionar o conteúdo a ser exibido aos internautas com base
em seu perfil socioeconômico, oferecendo anúncios de produtos e de serviços condizentes
com suas recentes pesquisas em sites de busca ou de compras. Verifica-se, portanto, o
impacto da mídia virtual na criação de necessidades que fomentam o consumo entre os
cidadãos.
Ademais, a influência do meio virtual atinge também o âmbito intelectual. Isso ocorre
na medida em que, ao ter acesso apenas ao conteúdo previamente selecionado de acordo
com seu perfilna internet, o indivíduo perde contato com pontos de vista que divergem do
seu, o que compromete significativamente a construção de seu senso crítico e de sua
capacidade de diálogo. Dessa maneira, surge uma massa de internautas alienados e
despreocupados em checar a procedência das informações que recebem, o que torna
ambiente virtual propício à disseminação das chamadas ―fake news‖.
Assim, faz-se necessária a atuação do Ministério da Educação, em parceria com a
mídia, na educação da população —especialmente dos jovens, público mais atingido pela
influência digital —acerca da necessidade do posicionamento crítico quanto ao conteúdo
exposto e sugerido na internet. Isso deve ocorrer por meio da promoção de palestras, que,
ao serem ministradas em escolas e universidades, orientem os brasileiros no sentido de
buscar informação em fontes variadas, possibilitando a construção de senso crítico. Além
disso, cabe às entidades em governamentais a elaboração de medidas que minimizem os
efeitos das propagandas que visam incentivar o consumismo. Dessa forma, será possível
tornar o meio virtual um ambiente mais seguro e democrático para a população brasileira.
[FERNANDA CAROLINA SANTOS TERRA DE DEUS]

[COMENTÁRIO DO INEP] A participante demonstra excelente domínio da escrita formal,


uma vez que a sintática é excelente e não apresenta desvios. Em relação aos princípios da
estruturação do texto dissertativo, percebe-se que apresenta uma tese, o desenvolvimento
de justificativas que a comprovam e uma conclusão que encerra a discussão. Além do uso
do filme na introdução, observa-se que a participante utiliza repertório sociocultural
pertinente à discussão ao trazer o pensamento do sociólogo Zygmunt Bauman para explicar
o incentivo ao consumo desenfreado na sociedade contemporânea. (...) Há articulação tanto
entre os parágrafos (―Ademais‖ e ―Assim‖) quanto entre as ideias dentro de um mesmo
parágrafo (como ―a fim de‖ e ―Embora‖, no 1º parágrafo, ―nesse contexto‖ e ―portanto‖, no 2º
parágrafo, e ―o que‖, no 3º parágrafo). Por fim, a participante elabora excelente proposta de
intervenção, concreta e detalhada. A proposta apresentada retoma o que foi discutido ao
longo do texto ao propor soluções aos problemas apresentados por meio da atuação do
Ministério da Educação, que colaboraria com a construção do senso crítico dos jovens, e de
entidades governamentais, que combateria o consumismo exacerbado.

13 AS MELHORES REDAÇÕES NOTA MIL DO ENEM


SIGA NO INSTA: @METODOSAPIENS
REDAÇÕES NOTA 1000 DO ENEM 2019
TEMA: "Democratização do acesso ao cinema no Brasil"

Aristóteles, grande pensador da Antiguidade, defendia a importância do conhecimento para


a obtenção da plenitude da essência humana. Para o filósofo, sem a cultura e a sabedoria,
nada separa a espécie humana do restante dos animais. Nesse contexto, destaca-se a
importância do cinema, desde a sua criação, no século XIX, até a atualidade, para a
construção de uma sociedade mais culta. No entanto, há ainda diversos obstáculos que
impedem a democratização do acesso a esse recurso no Brasil, centrados na elitização do
espaço público e causadores da insuficiência intelectual presente na sociedade. Com isso,
faz-se necessária uma intervenção que busque garantir o acesso pleno ao cinema para
todos os cidadãos brasileiros.

De início, tem-se a noção de que a Constituição Federal assegura a todos os cidadãos o


acesso igualitário aos meios de propagação do conhecimento, da cultura e do lazer. Porém,
visto que os cinemas, materialização pública desses conceitos, concentram-se
predominantemente nos espaços reservados à elite socioeconômica, como os "shopping
centers", é inquestionável a existência de uma segregação das camadas mais pobres em
relação ao acesso a esse recurso. Essa segregação é identificada na elaboração da tese de
"autocidadania", escrita pelo sociólogo Jessé Souza, que denuncia a situação de
vulnerabilidade social vivida pelos mais pobres, cujos direitos são negligenciados tanto pela
falta de ação do Estado quanto pela indiferença da sociedade em geral. Fica claro, então,
que o acesso ao cinema não é um recurso democraticamente pleno no Brasil.

Como consequência dessa elitização dos espaços públicos, que promove a exclusão das
camadas mais periféricas, é observado um bloqueio intelectual imposto a essa parte da
população. Nesse sentido, assuntos pertinentes ao saber coletivo, que, por vezes, não são
ensinados nas instituições formais de ensino, mas são destacados pelos filmes exibidos nos
cinemas, não alcançam as mentes das minorias sociais, fato que impede a obtenção do
conhecimento e, por conseguinte, a plenitude da essência aristotélica. Essa situação
relaciona-se com o conceito de "alienação", descrito pelo alemão Karl Marx, que caracteriza
o estado de insuficiência intelectual vivido pelos trabalhadores da classe operária no
contexto da Revolução Industrial, refletido na camada pobre brasileira atual.

Portanto, fica evidente a importância do cinema para a construção de uma sociedade mais
culta e a necessidade de democratização desse recurso. Nesse âmbito, cabe ao Ministério
da Educação e da Cultura promover um maior acesso ao conhecimento e ao lazer, por meio
da instalação de cinemas públicos nas áreas urbanas mais periféricas - que deverão possuir
preços acessíveis à população local -, a fim de evitar a situação de alienação e insuficiência
intelectual presente nos membros das classes mais baixas. Desse modo, o cidadão
brasileiro poderá atingir a condição de plenitude da essência, prevista por Aristóteles,
destacando-se, logo, das outras espécies animais, através do conhecimento e da cultura.

[Augusto Scapini – Goiás]

14 AS MELHORES REDAÇÕES NOTA MIL DO ENEM


SIGA NO INSTA: @METODOSAPIENS
Embora a Constituição Federal de 1988 assegure o acesso à cultura como direito de todos
os cidadãos, percebe-se que, na atual realidade brasileira, não há o cumprimento dessa
garantia, principalmente no que diz respeito ao cinema. Isso acontece devido à
concentração de salas de cinema nos grandes centros urbanos e à concepção cultural de
que a arte direcionada aos mais favorecidos economicamente.

É relevante abordar, primeiramente, que as cidades brasileiras foram construídas sobre um


viés elitista e segregacionista, de modo que os centros culturais estão, em sua maioria,
restritos ao espaço ocupado pelos detentores do poder econômico. Essa dinâmica não foi
diferente com a chegada do cinema, já que apenas 17% da população do país frequenta os
centros culturais em questão. Nesse sentido, observa-se que a segregação social -
evidenciada como uma característica da sociedade brasileira, por Sérgio Buarque de
Holanda, no livro "Raízes do Brasil" - se faz presente até os dias atuais, por privar a
população das periferias do acesso à cultura e ao lazer que são proporcionados pelo
cinema.

Paralelo a isso, vale também ressaltar que a concepção cultural de que a arte não abrange
a população de baixa renda é um fato limitante para que haja a democratização plena da
cultura e, portanto, do cinema. Isso é retratado no livro "Quarto de Despejo", de Carolina
Maria de Jesus, o qual ilustra o triste cotidiano que uma família em condição de
miserabilidade vive, e, assim, mostra como o acesso a centros culturais é uma perspectiva
distante de sua realidade, não necessariamente pela distância física, mas pela ideia de
pertencimento a esses espaços.

Dessa forma, pode-se perceber que o debate acerca da democratização do cinema é


imprescindível para a construção de uma sociedade mais igualitária. Nessa lógica, é
imperativo que o Ministério da Economia destine verbas para a construção de salas de
cinema, de baixo custo ou gratuitas, nas periferias brasileiras por meio da inclusão desse
objetivo na Lei de Diretrizes Orçamentárias, com o intuito de descentralizar o acesso à arte.
Além disso, cabe às instituições de ensino promover passeios aos cinemas locais, desde o
início da vida escolar das crianças, medianta autorização e contribuição dos responsáveis, a
fim de desconstruir a ideia de elitização da cultura, sobretudo em regiões carentes. Feito
isso, a sociedade brasileira poderá caminhar para a completude da democracia no âmbito
cultural.

[Ana Clara Socha – DF]

15 AS MELHORES REDAÇÕES NOTA MIL DO ENEM


SIGA NO INSTA: @METODOSAPIENS
No Brasil, apesar de a Constituição Federal de 1988, em seu artigo 215, garantir acesso à
cultura a todos os brasileiros, nota-se que muitos cidadãos não usufruem dessa
prerrogativa, tendo em vista que uma grande parcela social não tem acesso ao cinema.
Dessa forma, esse cenário comprometedor exige ações mais eficazes do poder público e
das instituições de ensino, a fim de assegurar a igualdade de acesso ao universo
cinematográfico.

Efetivamente, é notório o desacordo que existe entre o que é assegurado pela Constituição
e a realidade do país, uma vez que muitos municípios não possuem cinemas ou espaços
destinados à exposição de filmes, séries e documentários. Esse nefasto paradigma atesta,
sobretudo, uma grande desigualdade no acesso à cultura do país, tendo em vista que em
grandes cidades, como o Rio de Janeiro, o cinema é mais valorizado. Além disso, vale
ressaltar que tal desigualdade fere a Declaração Universal dos Direitos Humanos de 1948,
a qual assegura a produção cultural e lazer como um direito de todos. Logo, é fundamental
que o poder público desenvolva medidas, como a construção de mais espaços destinados
aos espectadores, com o intuito de que os anseios do artigo 215 tenham realmente vigor.

Ademais, outro fator preponderante é que, apesar da modernização do universo


cinematográfico, o qual, atualmente, possui filmes em ―3D‖ e salas de cinema bastante
equipadas, muitos brasileiros não conseguem arcar, por exemplo, com o custo do ingresso
ou, até mesmo, o espaço destinado à exibição de filmes, como shopping center, é distante
do local onde essas pessoas residem, inviabilizando, assim, o acesso à cultura previsto na
Constituição. Esse panorama conflituoso explicita a necessidade das instituições de ensino
em atuar de forma mais efetiva, promovendo, por exemplo, ―noites do filme‖ na comunidade
que se sejam gratuitas, a fim de democratizar o acesso ao cinema, sendo essa uma forma
de entretenimento da população, bem como de transmissão de conhecimento.

Portanto, cabe ao poder público intensificar os investimentos no acesso à produção cultural


do país, sobretudo, ao cinema, mediante replanejamento orçamentário, que viabilize a
destinação de mais verbas para a construção de cinemas nos municípios, com o propósito
de que mais brasileiros possam usufruir dessa importante ferramenta para o lazer.
Outrossim, as instituições de ensino, como as escolas e as universidades, devem promover
a democratização do acesso ao cinema, por meio da exibição gratuita de filmes em, por
exemplo, auditórios e quadras escolares em horários noturnos, com o fito de que todas as
parcelas sociais possam ser atendidas.

[Nayra Alves – Ceará]

16 AS MELHORES REDAÇÕES NOTA MIL DO ENEM


SIGA NO INSTA: @METODOSAPIENS
Em sua obra ―Cidadãos de Papel‖, o célebre escritor Gilberto Dimestein disserta acerca da
inefetividade dos direitos constitucionais, sobretudo, no que se refere à desigualdade de
acesso aos benefícios normativos. Diante disso, a conjuntura dessa análise configura-se no
Brasil atual, haja vista que o acesso ao cinema, no país, ainda não é democrático. Essa
realidade se deve, essencialmente, à falta de subsídios para infraestrutura nas regiões
periféricas e à urbanização desordenada das urbes.

Sob esse viés, é importante ressaltar que a logística de instalação de salas de cinemas, nas
cidades pequenas, é precária. Nesse sentido, segundo o Contrato Social – proposto pelo
contratualista John Locke - , cabe ao Estado fornecer medidas que garantam o bem-estar
coletivo. Contudo, a infraestrutura das cidades pequenas e médias é, muitas vezes, pouco
dotada de incentivos para a construção de salas de exibição de filmes, como centros de
lazer – dotados de praça de alimentação, por exemplo. Com isso, uma parcela expressiva
da população é excluída dessa atividade cultural, o que, além de evidenciar o contexto
discutido por Gilberto Dimenstein, vai de encontro ao Contrato Social. Desse modo, políticas
públicas eficazes tornariam possível maior acesso ao direito de cultura, garantido pela
Magna Carta de 1988, por meio do cinema.

Além disso, o crescimento urbano desordenado gerou a concentração de cinemas em


determinadas áreas da cidade, o que excluiu, principalmente, os locais pouco evidenciados
pelo mercado imobiliário. Nessa linha de raciocínio, o geógrafo Milton Santos atribuiu ao
inchaço urbano desenfreado o surgimento de processos como a Gentrificação, a qual
―expulsa‖ a parcela de indivíduos de baixa renda da sua moradia. Devido a isso, a
distribuição de salas de cinema ocorreu de maneira desigual, privilegiando áreas nobres.
Por conseguinte, as favelas – localidades sem aparatos sociais – possuem pouco ou
nenhum acesso à arte cinematográfica, o que evidencia um exército de ―cidadãos de papel‖.
Assim, o cinema pode ampliar o seu alcance mediante a ação de setores sociais que
forneça infraestrutura de filmes.

Portanto, para a efetiva democratização do acesso ao cinema no Brasil, é importante que o


Governo Federal, por intermédio de subsídios tributários estaduais, forneça a
descentralização das salas cinematográficas no território, a partir da instalação de unidades
de cinema nas regiões que não possuem – com aparato qualificado, variedade de exibições
e praça de alimentação - , a fim de proporcionar a cultura do cinema para a parcela de
cidadãos excluída. Ao mesmo tempo a isso, cabe ao Ministério da Cultura – principal órgão
intermediador de políticas culturais no país – propor um vale cinema para aqueles que não
possuem renda suficiente para a compra, com direito a pelo menos duas oportunidades
mensais, para que o direito aos filmes não seja restrito por critérios censitários. Dessa
forma, poder-se-ia atenuar a desigualdade discutida por Dimenstein.

[Vitória Oliveira – Piauí]

17 AS MELHORES REDAÇÕES NOTA MIL DO ENEM


SIGA NO INSTA: @METODOSAPIENS