Você está na página 1de 296

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

IARA GLÓRIA AREIAS PRADO


Secretária de Educação Fundamental

MÔNICA MESSENBERG GUIMARÃES


Secretária Executiva do Fundo Nacional de
Desenvolvimento da Educação - FNDE

MARIA AMÁBILE MANSUTTI


Diretora de Política do Ensino Fundamental

OSVALDO JOAQUIM DE SOUZA


Diretor de Administração e Produção - FNDE

NABIHA GEBRIM
Coordenadora Geral de Avaliação de Materiais Didáticos
e Pedagógicos - COMDIPE/SEF

Equipe Técnico-Pedagógica
ANDREA KLUGE PEREIRA
CECÍLIA CORREIA L. S. DE SAMPAIO
CINARA DIAS CUSTÓDIO
INGRID LILIAN FUHR RAAD
JANE CRISTINA DA SILVA

REGINALDO GUSMÃO DE ALBUQUERQUE


Gerente do Programa Nacional do Livro - FNDE

ALEXANDRE SERWY
Gerente de Produção e Distribuição - FNDE

Comissão Técnica da Avaliação de Livros Didáticos


ROXANE HELENA RODRIGUES ROJO (Língua Portuguesa)
JOÃO BOSCO PITOMBEIRA F. DE CARVALHO (Matemática)
NELIO MARCO VICENZO BIZZO (Ciências)
HOLIEN GONÇALVES BEZERRA (História)
MARÍLIA LUIZA PELUSO (Geografia)
MARIA LÚCIA CASTANHEIRA (Dicionários)

Equipe de edição
ELVIRA NADAI (Coordenação); LUCI AYALA;
MÁRCIA BLASQUES; MARLI BELLONI;
SANDRA MIGUEL; SILVIA CARVALHO

Projeto Gráfico
COMPOGRÁFICA - Criação e Editoração Eletrônica Ltda.

Brasília, 2002
Sumário

INTRODUÇÃO GERAL

Para que este Guia 9

A avaliação no PNLD 10

Como funciona o processo de avaliação 11

A avaliação: avanços e mudanças 12

Como o Guia está organizado 13

Para refletir antes da escolha 16

A escolha: agora é com você, professor 18

Orientações para o preenchimento 21

Princípios e critérios 23

Princípios gerais 24

Critérios comuns 25

ÁREAS E OBRAS APROVADAS

História

Coleção Horizontes – História com Reflexão 54

Coleção História 58

Coleção História no Dia-a-Dia 62

Coleção Pensar e Viver-História 66


Coleção Primeiras Noções de História 70

Coleção Vitória-Régia - História 74

Coleção História Tantas Histórias 78

Coleção Historiar – Fazendo, Contando e Narrando a História 82

Coleção História, Imagens e Textos 86

Coleção Interagindo e Percebendo o Mundo - História 90

Coleção Novo Tempo - História 94

Coleção Pensar e Construir - História 98

Coleção Trilhos e Trilhas - História 102

Coleção Vivência e Construção - História 106

Coleção Viver e Aprender História 110

Coleção Viver é Descobrir – História 114

Livros Regionais

Amazonas História 118

Ceará História – Para a Construção da Cidadania 121

Gente de São Paulo, São Paulo da Gente – História 124

História de Pernambuco – Edição Renovada 127

História de Porto Alegre 130


Interagindo e Percebendo Minas Gerais – História 133

Interagindo e Percebendo o Paraná – História 136

Interagindo e Percebendo Pernambuco – História 139

Interagindo e Percebendo São Paulo – História 142

Minha Porto Alegre História 145

Nosso Estado – O Espírito Santo 148

O Mato Grosso e sua História 151

O Paraná de Todas as Cores 154

Segredos da Bahia – História Edição Renovada 157

Geografia

Coleção Trança Criança – Geografia 185

Coleção Curumim – Geografia 189

Coleção Primeiras Trilhas – Geografia 193

Coleção Geografia 197

Coleção O Mundo em Movimento 201

Coleção Vitória-Régia – Geografia 205

Coleção Geografia em Construção 209

Coleção Geografia Tantos Lugares...Tantas Pessoas 213


Coleção Nosso Mundo – Geografia 217

Coleção Viva Vida Geografia 221

Coleção Pensar e Viver - Geografia 225

Coleção A Escola é Nossa – Geografia 229

Coleção Primeiras Noções de Geografia 233

Coleção Espaço e Representações 237

Coleção Geografia do Cotidiano 241

Coleção Geografia em Ação 245

Coleção Interagindo e Percebendo o Mundo – Geografia 249

Coleção Pensar e Construir – Geografia 253

Coleção Vivência e Construção – Geografia 257

Coleção Viver e Aprender Geografia 261

Livros Regionais

Amazonas Geografia 265

Distrito Federal em Construção – Geografia 268

Gente de São Paulo, São Paulo da Gente – Geografia 271

Geografia de Pernambuco – Edição Renovada 274

Geografia de Porto Alegre 277


Geografia do Estado de São Paulo 280

Geografia do Rio Grande do Sul 283

Minha Porto Alegre – Geografia 286

Segredos da Bahia – Geografia – Edição Renovada 289


Introdução
Geral
ste Guia foi elaborado para você, professor. Com a sua experiência de sala de

E aula, você sabe bem que um material de apoio didático de qualidade faz grande
diferença no processo de ensino-aprendizagem. O Ministério da Educação
também tem consciência dessa importância — por isso o cuidado ao realizar a
avaliação dos livros didáticos e dicionários apresentados para análise. O resultado
traduz-se neste Guia que é a síntese de um criterioso processo de avaliação e
assegura a qualidade da escolha das obras que você e seus alunos irão usar.

Lembre-se de que você e sua escola têm autonomia plena para fazer suas opções.
Para auxiliá-lo numa escolha segura, consistente e consciente, este Guia apresenta
de maneira clara e sintética as resenhas das obras selecionadas. O Guia é, na
realidade, instrumento de participação de milhares de professores na definição
do material a ser adquirido pelo Ministério e utilizado por alunos e educadores
nas escolas públicas brasileiras. Você vai perceber que as informações e
orientações aqui contidas, sobre as principais características dos livros, coleções
e dicionários serão com certeza um material de consulta a ser usado sempre que
necessário. O Guia pode, ainda, atuar como aliado em outras ocasiões, mesmo
após a escolha das obras.

Este Guia de Livros Didáticos, em cada um de seus volumes, é composto de


duas partes: a primeira fornece os princípios, os critérios gerais e específicos
das áreas e as fichas detalhadas que orientaram o trabalho dos especialistas na
avaliação dos livros. A segunda oferece as resenhas das obras aprovadas pelo
Programa Nacional do Livro Didático para o ano de 2004 – PNLD 2004.

9
A avaliação
no PNLD
odos os anos, você e seus alunos utilizam os livros encaminhados pelo Programa

T Nacional do Livro Didático (PNLD), que tem a função de adquirir obras didáticas
de qualidade e distribuí-las a todos os alunos das escolas públicas do Ensino
Fundamental no Brasil. Para que esta tarefa seja cumprida, é preciso que sejam
rigorosamente avaliadas. Nesse processo, a busca por maior qualidade é
fundamental. É ela que garante que professores e alunos possam trabalhar
conteúdos com mais segurança, sem a veiculação de informações
preconceituosas e discriminatórias em um instrumento de informação de tão
grande alcance. A avaliação criteriosa dos livros didáticos é dever do Governo
Federal, já que a escolha e a compra desses materiais envolvem a qualidade do
ensino público. Além disso, está relacionada ao direito que alunos e professores
têm de utilizar um material de boa qualidade.

O livro didático brasileiro, ainda hoje, é uma das principais formas de


documentação e consulta empregadas por professores e alunos. Nessa condição,
ele às vezes termina por influenciar o trabalho pedagógico e o cotidiano da sala
de aula. Considerando essa realidade, é fundamental dispor de um livro didático
diversificado e flexível, sensível à variação das formas de organização escolar
e dos projetos pedagógicos, assim como às diferentes expectativas e interesses
sociais e regionais.

É importante ressaltar que a ação ministerial sobre os livros didáticos não é


isolada. O MEC atua estabelecendo parâmetros curriculares básicos em nível
nacional e incentiva a melhoria da qualificação docente, tendo em vista a
elevação da qualidade da educação. Essas ações são integradas e
complementares.

10
Como funciona o
processo de avaliação
rofessor, até chegar às suas mãos, este Guia passou por um longo e detalhado

P processo de elaboração, desde a inscrição das obras até a avaliação propriamente


dita. Este trabalho envolveu técnicos do Ministério e equipes da Secretaria de
Educação Fundamental – SEF, do Fundo Nacional para o Desenvolvimento da
Educação – FNDE, e de Universidades.

Na execução deste PNLD 2004, uma equipe de avaliadores, coordenadores e


especialistas das diversas áreas do conhecimento trabalharam para fazer chegar
até você uma visão ampla do conteúdo e da abordagem dos livros didáticos
avaliados e escolhidos. Para a realização do processo de avaliação, foram
estabelecidos os procedimentos metodológicos, técnicos – princípios e critérios
–, os procedimentos operacionais, bem como o cronograma de execução.

11
A avaliação:
avanços e mudanças
ntre o PNLD1997 e o PNLD 2004, a avaliação do livro didático teve muitos

E avanços decorrentes não só da experiência acumulada nos processos anteriores,


mas também de uma análise criteriosa desses processos. Um deles foi a decisão
de que os livros não seriam mais avaliados por série, mas por coleção, para o
conjunto das quatro séries. O objetivo dessa modificação foi oferecer ao
professor um material cujo conteúdo e metodologia fossem articulados entre si,
nas várias séries ou ciclos. A exceção nesse caso fica por conta dos livros de
Alfabetização e das obras de destinação regional, para as áreas de Geografia e
História.

Outra inovação refere-se aos livros excluídos no PNLD anterior, que, para serem
inscritos novamente, necessitaram apresentar uma revisão comprovada dos
problemas apontados. A mudança mais significativa, no entanto, diz respeito à
parceria estabelecida com Universidades públicas de diferentes estados, para a
realização do processo de avaliação. Por meio dessa parceria, o MEC buscou
impulsionar o interesse da pesquisa sobre o tema. Com isso, as Universidades
contribuem para o aperfeiçoamento, a socialização e a melhoria da eficácia do
processo da análise de livros didáticos.

No âmbito do Programa Nacional do Livro Didático como um todo, um dos


ganhos foi a chegada dos livros didáticos em tempo hábil para o início das
aulas, além da inclusão dos dicionários entre os livros a serem distribuídos para
os alunos. O maior dos avanços, entretanto, refere-se à definição de uma diretriz
política, expressa no documento Recomendações para uma política pública de
livros didáticos, na qual se apontam os principais problemas e perspectivas
para o livro didático. Como a própria execução do PNLD veio constituindo a
política vigente, era necessário explicitá-la e evidenciar os principais desafios e
alternativas de solução.

12
Como o
Guia está
organizado
este PNLD 2004, o Guia apresenta uma novidade: seu formato. Para facilitar a

N escolha e torná-la mais ágil, as áreas de conhecimento e o material referente aos


dicionários distribuem-se em quatro volumes. A vantagem é permitir maior
número de consultas ao mesmo tempo e facilitar a escolha dos professores.
Dessa forma, optou-se pela seguinte organização:

1 volume 1 - Língua Portuguesa e Alfabetização;

1 volume 2 - Matemática e Ciências;

1 volume 3 - História e Geografia;

1 volume 4 - Dicionários.

Cada uma das áreas, coleções e livros regionais encontra-se identificada por cores
distintas. A mesma identificação é utilizada também para o volume dos dicionários.

1 Língua Portuguesa/Alfabetização – vermelho;

1 Matemática – azul;

1 Ciências – roxo;

1 Geografia – verde;

1 História – marrom;

1 Dicionários – amarelo.

Além da Introdução Geral, cada um dos volumes contém introduções específicas


-referentes às áreas de conhecimento focalizadas –, que explicitam os princípios
e critérios específicos, oferecem comentários sobre o conjunto das coleções e/
ou livros avaliados, fornecem o modelo de ficha utilizado para a análise e as
resenhas das obras classificadas. Neste volume, você encontrará todas as
informações pertinentes às áreas de História e Geografia.

13
Para a classificação das obras recomendadas, são estabelecidas as seguintes
categorias:

1 RD Recomendadas com Distinção

1 REC Recomendadas

1 RR Recomendadas com Ressalvas

Desde a instituição do processo avaliativo, PNLD 1997, até o PNLD 2002, cada
uma dessas menções era identificada respectivamente por três, duas e uma estrela,
tendo o seu uso o objetivo de facilitar a identificação das obras mais qualificadas.
No entanto, o recurso a essa linguagem iconográfica acabou se transformando
num indicador para a escolha mais chamativo do que a própria leitura e análise
das resenhas. Por esse motivo, optou-se no presente PNLD 2004 por suprimir as
estrelas, enfatizando a importância da leitura atenta e crítica das resenhas dos
livros e reforçando o significado das menções:

1 Recomendadas com Distinção (RD): são obras com qualidades inequívocas


e bastante próximas do ideal representado pelos princípios e critérios definidos
no final desta Introdução Geral. Constituem propostas pedagógicas elogiáveis,
criativas e instigantes.

1 Recomendadas (REC): são aquelas que cumprem plenamente todos os


requisitos de qualidade exigidos neste processo de avaliação. Por isso mesmo,
asseguram a possibilidade de um trabalho didático correto e eficaz pelo
professor.

1 Recomendadas com Ressalvas (RR): nesta categoria estão reunidas as obras


isentas de erros conceituais ou preconceitos, que obedecem aos critérios
mínimos de qualidade, mas que contêm algumas limitações. Desse modo,
são obras que podem subsidiar um trabalho adequado, desde que o professor
esteja atento às observações, consulte bibliografias para revisão e
complemente a proposta.

14
A ESTRUTURA DAS RESENHAS

O texto de cada uma das resenhas das áreas contém as seguintes seções:

1 Por quê? – justifica a menção dada à obra pela avaliação.

1 A coleção/A obra – descreve a estrutura da coleção ou do livro, bem como o


conteúdo de cada volume.

1 A análise – apresenta informações mais detalhadas sobre as qualidades e a


pertinência do conteúdo didático e metodológico, assim como sobre as
ressalvas, quando ocorrem. Trata ainda das atividades, experimentos, dos
aspectos gráfico-visuais e do manual do professor.

1 Em sala de aula – aponta os cuidados que o professor deve ter se adotar a


obra, bem como os recursos necessários para sua boa utilização.

As resenhas dos dicionários não seguem a mesma estrutura.

É importante lembrar que tanto os aspectos positivos como as ressalvas se


constituem em uma síntese das qualidades e falhas encontradas. Não cobrem,
portanto, o levantamento da totalidade dos acertos, nem dos problemas
verificados nos livros.

15
Para refletir
antes da escolha
ntes de iniciar a sua escolha, e para que você possa optar por obras que atendam

A a suas expectativas e necessidades, é importante conhecer algumas regras básicas


que organizam o PNLD:

1 Escolha válida por três anos – Os livro ou coleções escolhidos, em primeira


ou segunda opção, só poderão ser substituídos no próximo PNLD. Portanto,
é preciso que as equipes em cada escola discutam exaustivamente, decidam
em conjunto e não se esqueçam de que este processo é, antes de tudo, uma
escolha para toda a escola.

1 Negociação do FNDE com autores e editores – Uma vez escolhidos, os livros


e coleções são negociados com os detentores dos direitos autorais, em termos
de preço, tiragem mínima, prazo para entrega etc. Você deve escolher duas
obras para cada componente curricular. Ao preencher o formulário, uma
delas deverá ser indicada como primeira opção e a outra, como segunda.
Esta última escolha precisa ser tão cuidadosa quanto a primeira. Além disso,
é importante que as obras de cada opção pertençam a editoras diferentes,
para evitar que eventuais obstáculos nas negociações comprometam ambas
as escolhas.

1 A função da reserva técnica – A reserva técnica constitui uma espécie de


acervo de emergência, capaz de socorrer escolas às quais, por algum motivo,
o livro não chegou, ou chegou em quantidade insuficiente. Para evitar a
formação de reservas com títulos variados mas em quantidade insuficiente
para atender a um número significativo de escolas, esse acervo é composto
pelos dois títulos de cada disciplina que tiveram maior número de solicitações
no estado. Por isso, procure informar-se sobre os títulos mais escolhidos no
seu município e estado e esteja preparado para a necessidade de recorrer à
reserva técnica, no caso de uma eventual falta de livros.

Professor, este Guia pretende ajudá-lo a refletir sobre questões relativas à


qualidade das propostas veiculadas pelos livros e coleções. Dessa forma, e para
que a sua escolha reflita melhor a realidade da escola, e também para que seja
mais adequada ao tipo de trabalho que você e sua equipe desenvolvem, fique
atento para os seguinte pontos:

16
1 É recomendável que os professores se organizem em grupos e planejem a
leitura e a discussão do Guia. As reuniões podem ser por série ou por turno.
Não sendo possível, o trabalho pode ser realizado em dias e horários mais
adequados, recorrendo-se aos esquemas e cronogramas já previstos pela
escola para planejamento e discussão pedagógicos.

1 O livro didático é apenas um dos instrumentos de apoio ao trabalho. Assim,


o melhor dos livros pode ter exercícios e atividades substituídos, alterados
ou complementados por você. Além disso, escolher um bom livro didático
não diminui a necessidade de consultar uma bibliografia; ou seja, você sempre
precisará lançar mão de textos complementares, seja para estudar conteúdos,
seja para suprir lacunas, completar e ampliar informações.

1 Os alunos de 1ª série do Ensino Fundamental público de todo o País receberão


dicionários da língua portuguesa. Conhecendo melhor as características dos
dicionários que seus alunos receberão, você poderá utilizá-los como um
instrumento no processo de ensino da leitura em qualquer disciplina.

1 Também a biblioteca escolar e, especialmente, os acervos distribuídos pelo


Programa Nacional Biblioteca da Escola – PNBE, como o acervo Literatura
em Minha Casa, poderão desempenhar, nesse momento, um papel inestimável
no estabelecimento da ponte necessária entre o livro didático e o mundo da
escrita.

1 Sendo possível conectar o computador da escola com a internet, as


possibilidades de acesso à informação se multiplicam. Páginas
governamentais como a do MEC e como as de Organizações Não-
Governamentais (ONGS), especialmente as voltadas para a Educação,
poderão proporcionar grandes contribuições ao trabalho que você desenvolve.
Há ainda os programas da TV Escola, sempre atentos às necessidades e ao
cotidiano da escola pública brasileira. Além disso, muitos projetos locais e
nacionais, desenvolvidos por ONGS junto às comunidades, podem ajudar a
expandir e aprofundar as conquistas propiciadas mas não plenamente
realizadas pelo livro didático.

17
A escolha:
agora é com você,
professor
ara o sucesso da escolha, a participação de todos os professores é fundamental

P e imprescindível. Antes de preencher o formulário, é preciso que você e seus


colegas discutam os procedimentos de análise, ponderando a respeito do tipo
de aluno que possuem, do projeto de escola que desenvolvem e do planejamento
de cada um. Lembre-se de que os livros e coleções escolhidos por você poderão
ser utilizados por outros colegas nos três anos consecutivos a esta indicação.

Sem a sua participação e o seu empenho em escolher as melhores obras e as


mais adequadas à sua proposta pedagógica, o PNLD não atingirá o seu objetivo.
Por isso, vale a pena insistir: leia o Guia criticamente, analise, discuta e avalie
as opções disponíveis para cada disciplina.

Saiba que, para a elaboração dos princípios e critérios de análise comuns às


cinco áreas básicas de análise e dos critérios específicos a cada uma delas, as
equipes de avaliação procuram responder de forma coerente a questões como:

1 De que forma o livro didático vai auxiliar na formação do meu aluno?

1 Que contribuições ele deve propiciar para a construção de habilidades,


atitudes e conhecimentos necessários para o aprendizado e o exercício da
cidadania?

Da mesma forma, uma consulta proveitosa das opções contidas no Guia


pressupõe propósitos bem definidos. Portanto, ao trabalhá-lo, tenha também
em mente as perguntas que você quer ver respondidas em relação ao que cada
coleção ou livro pode oferecer. Reflita detidamente sobre cada uma delas:

1 Por que escolher determinada obra?

1 Para quê? Para quem?

1 Quais as conseqüências práticas dessa escolha?

Uma estratégia interessante para chegar a perguntas pertinentes é avaliar os


livros atualmente em uso, verificando em que e por que você e seus colegas
estão – ou não estão – satisfeitos com eles:

18
1 A seleção de conteúdos é adequada?

1 A seqüência com que são apresentados obedece à progressão da aprendizagem


planejada por sua escola?

1 O conjunto dos conteúdos, assim como o tratamento didático dado a eles são
adequados para os alunos e estão de acordo com o currículo?

1 A linguagem é clara e precisa?

1 As atividades se preocupam em ajudar o aluno a entender o texto das lições?

1 O manual do professor contribuiu o suficiente para melhor uso do material?

Depois dessa primeira reflexão, você terá uma visão mais clara de suas necessidades
e exigências, e poderá ler as resenhas do Guia com mais conhecimento de causa.
Em particular, não se contente com a pura e simples transmissão de conhecimentos;
verifique se as atividades e exercícios propostos desenvolver, de fato, competências
e habilidades do aprendiz; e dê preferência às coleções e livros mais completos e
equilibrados, no que diz respeito aos serviços prestados ao aluno.

Depois de todo esse processo, a escolha continua. Procure verificar se a coleção


ou o livro em análise é compatível com:

1 o projeto pedagógico e curricular da escola;

1 a flexibilidade para explorações diferenciadas que o uso coletivo demanda;

1 a infra-estrutura (equipamentos, recursos) e as condições de trabalho de que


você pode dispor;

1 as possibilidades de articulação e de trabalho conjunto propiciadas pela escola.

Para cumprir seus objetivos didático-pedagógicos, cada livro prioriza certos


conteúdos e dá menos importância a outros, organizando-os de acordo com
determinado plano e em certa seqüência. Diante disso – e ocupando o seu lugar
de professor –, reflita a respeito da coleção, ou do livro, tentando avaliar se:

19
1 efetua uma boa seleção da matéria a ser dada?

1 estabelece para ela certo tipo de abordagem e um tratamento didático


particular?

1 propõe um trajeto próprio para sua exploração?

Verifique se esses pontos estão de acordo com o projeto e o currículo da escola


e com a disciplina para a qual a obra está sendo escolhida. Procure perceber,
ainda, se envolvem uma progressão adequada (de uma série para outra e no
interior de cada uma delas).

O manual do professor é uma peça-chave para o bom uso do livro didático. Um


manual adequado deve explicitar a proposta didático-pedagógica que apresenta,
descrever a organização interna da obra e orientar o docente em relação ao seu
manejo. É desejável, ainda, que explicite seus fundamentos teóricos e que indique
e discuta, no caso de exercícios e atividades, as respostas esperadas.

Agora, leia atentamente as orientações que dizem respeito ao preenchimento do


formulário, pois este será o momento de efetivar suas opções.

20
Orientações para
o preenchimento
untamente com este Guia, você está recebendo dois formulários de escolha e

J um conjunto de etiquetas auto-adesivas, identificadas com códigos de barra e


coloridas de acordo com o componente curricular. Você deverá colar essas
etiquetas no formulário “Carta-Resposta”, obedecendo às indicações nele
contidas. Não há necessidade de transcrever o código das coleções nesse
formulário; basta colar as etiquetas correspondentes, certificando-se de que
realmente se referem às coleções, livros e dicionários escolhidos.

ATENÇÃO:

1 Ao colarem as etiquetas, certifiquem-se de que realmente se


referem aos dicionários e às coleções escolhidas.

1 Não sobreponham as etiquetas! Isso poderá impossibilitar a


leitura do código de barras, prejudicando a escolha de sua
escola.

1 Não utilizem formulários ou etiquetas de Programas


anteriores.

1 Escolham apenas títulos/códigos que constem do GUIA DE


LIVROS DIDÁTICOS – PNLD/2004.

1 Não rasurem, nem escrevam nas etiquetas.

O formulário da escola deverá ser preenchido manualmente: você e seus colegas


devem transcrever o código dos livros e das coleções escolhidos para conferi-
los no momento do recebimento. Portanto, mantenha-o bem guardado.

21
Em caso de dúvida, vocês deverão:

1 ligar para a Central de Atendimento FNDE/Brasília – Tel.: 0800-610404


(ligação gratuita);

1 consultar a Secretaria de Educação do Estado/Coordenação do Livro Didático.

Depois de todos esses cuidados, você e seus colegas têm pela frente uma tarefa
de grande responsabilidade: escolher as obras que irão apoiar e acompanhar o
trabalho pedagógico da escola pelos próximos três anos!

22
Princípios
e critérios
s critérios estabelecidos para a avaliação estão organizados em comuns e

O específicos. Tais critérios foram definidos inicialmente em 1995, em reuniões e


seminários que contaram com a presença de autores e editores e de suas entidades
representativas, do Conselho Nacional de Secretários de Educação –CONDED,
da União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação – UNDIME e de
professores especialistas. No decorrer do processo, eles foram progressivamente
aprimorados, a partir de novas reuniões e seminários, e com base na experiência
acumulada nas avaliações anteriores.

23
Princípios
gerais
educação escolar caracteriza-se pela mediação didático-pedagógica que se

A estabelece entre conhecimentos práticos e teóricos. Seus procedimentos e


conteúdos devem adequar-se à situação específica da instituição escolar e do
desenvolvimento dos alunos.

Para atingir seus objetivos, o livro didático precisa atender a uma dupla exigência:
de um lado, os procedimentos, informações e conceitos nele propostos devem
ser corretos do ponto de vista das áreas do conhecimento a que se vinculam. De
outro lado, além de corretos, tais procedimentos, informações e conceitos devem
ser apropriados à situação didático-pedagógica a que servem. Em decorrência,
necessitam atender ao consenso dos diferentes especialistas e agentes
educacionais quanto aos conteúdos mínimos a serem contemplados e às
estratégias adequadas à apropriação desses conteúdos. Na medida em que os
currículos são a expressão mais acabada desse consenso, é imprescindível que
os livros didáticos considerem as recomendações comuns às diferentes propostas
curriculares estaduais e municipais em vigor.

Por fim, como o objetivo último da educação escolar é “preparar o educando


para o exercício da cidadania” e “qualificá-lo para o trabalho” (Lei de Diretrizes
e Bases da Educação Nacional – LDB, Título II, art. 3o), o processo formativo
precisa realizar uma nova mediação, agora entre a esfera privada das experiências
familiares ou pessoais e a vida pública. Portanto, seja qual for a disciplina a que
sirva, o livro didático deve contribuir para a construção da ética necessária ao
convívio social democrático, o que o obriga ao “respeito à liberdade” e ao “apego
à tolerância” (LDB, Título II, art. 3o, IV).

24
Critério
Comuns
ais critérios são divididos em eliminatórios e classificatórios

T CRITÉRIOS ELIMINATÓRIOS

Os princípios enunciados permitem estabelecer três critérios eliminatórios que


representam um padrão consensual mínimo de qualidade para o ensino escolar:

1 correção dos conceitos e informações básicas;

1 correção e pertinência metodológicas;

1 contribuição para a construção da cidadania.

A não-observância dos aspectos mais básicos de cada um desses critérios gerais


por um livro didático resultará em uma proposta contrária aos objetivos a que
ele deveria servir, o que justificará sua exclusão do PNLD.

Além desses três critérios comuns, acrescentaram-se outros cinco, também


comuns, decorrentes do aprimoramento do processo de avaliação:

1 inscrição de uma única versão ou variante de uma obra;

1 ausência de erros de impressão e de revisão;

1 adequada reformulação pedagógica de obras anteriormente excluídas;

1 articulação pedagógica dos volumes que integram uma coleção didática;

1 não serão incluídas no Guia de Livros Didáticos de 1a a 4a Séries, as coleções


que tiverem um ou mais volumes excluídos no processo de avaliação.

Apresentam-se, a seguir, esclarecimentos sobre os critérios eliminatórios, que


serão retomados na apresentação dos critérios específicos por áreas de
conhecimento.

25
CORREÇÃO DOS CONCEITOS E INFORMAÇÕES BÁSICAS

Respeitando as conquistas científicas das áreas de conhecimento, uma obra


didática não poderá, sob pena de descumprir seus objetivos didático-
pedagógicos::

1 formular de modo errado conceitos e informações fundamentais das


disciplinas científicas em que se baseiam;

1 manipular de modo errado esses conceitos e informações em exercícios ou


atividades, induzindo o aluno a uma inapropriada apreensão de conceitos,
noções ou procedimentos.

CORREÇÃO E PERTINÊNCIA METODOLÓGICAS

Por mais diversificadas que sejam as concepções e práticas de ensino e


aprendizagem, propiciar ao aluno a apropriação do conhecimento implica
escolher uma opção de abordagem, ser coerente em relação a ela e, ao mesmo
tempo, contribuir satisfatoriamente para a consecução dos objetivos, quer da
educação geral, quer da disciplina e do nível de ensino em questão. Para isso,
considera-se fundamental que a obra didática apresente coerência entre a
fundamentação teórico-metodológica explicitada (em títulos, subtítulos ou em
material destinado ao professor) e aquela de fato concretizada pela proposta
pedagógica; e desenvolva estratégias que contribuam para:

1 desenvolvimento das capacidades cognitivas (como compreensão,


memorização, análise, síntese, formulação de hipóteses e planejamento),
respeitando tanto as dificuldades próprias de sua aquisição quanto os graus
de complexidade e a especificidade do conteúdo a ser aprendido;

1 a realização, por meio de proposições de uso do conhecimento, de níveis


mais amplos de abstração e generalização, assim como a percepção das
relações do conhecimento adquirido ou a ser adquirido com as funções que
possui no mundo social, sejam elas relativas ao campo científico, ao
aprendizado ou à vida prática;

26
1 a manifestação, pelo aluno, e a identificação, pelo professor, do conhecimento
que o aluno já detém sobre o que se vai ensinar;

1 a introdução do conhecimento novo por meio do estabelecimento de relações


com o conhecimento que o aluno já possui;

1 a inserção do novo conhecimento num conjunto mais amplo de saberes da área.

CONTRIBUIÇÃO PARA A CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA

Em respeito à Constituição do Brasil e para contribuir efetivamente para a


construção da ética necessária ao convívio social e à cidadania, a obra didática
não poderá:

1 veicular preconceitos de origem, cor, condição econômico-social, etnia,


gênero, linguagem e qualquer outra forma de discriminação;

1 fazer doutrinação religiosa, desrespeitando o caráter leigo do ensino público.

Qualquer desrespeito a esses critérios é discriminatório e, portanto, socialmente


nocivo.

CRITÉRIOS CLASSIFICATÓRIOS

Além dos critérios classificatórios comuns, os critérios específicos serão


explicitados nos itens dedicados a Língua Portuguesa, Ciências, Matemática,
História e Geografia.

ASPECTOS GRÁFICO-EDITORIAIS

Estrutura editorial

É fundamental que o livro esteja claramente identificado. A capa, a folha de


rosto e seu verso devem conter título, autoria, série, editora, local, data, edição,

27
dados sobre os autores e ficha catalográfica. O sumário deve permitir a rápida
localização da informação.

Espera-se que o texto principal esteja impresso em preto e que títulos e subtítulos
apresentem-se numa estrutura hierarquizada, evidenciada por recursos gráficos.

A parte pós-textual deve conter glossário, referências bibliográficas e indicação


de leituras complementares.

Aspectos Visuais

O texto e as ilustrações devem estar dispostos de forma organizada, com ritmo


e continuidade, dentro de uma unidade visual.

O lay-out precisa ser motivador e integrado ao conteúdo, a fim de torná-lo mais


fácil de ser compreendido.

O desenho e o tamanho da letra, bem como o espaço entre letras, palavras e linhas,
devem atender a critérios de legibilidade e também ao nível de escolaridade a que o
livro se destina. A impressão não pode prejudicar a legibilidade no verso da página.

É desejável que textos mais longos sejam apresentados de forma a não


desencorajar a leitura, lançando-se mão de recursos de descanso visual.

As ilustrações são elementos da maior importância, auxiliando na compreensão


e enriquecendo a leitura do texto. Principalmente, devem reproduzir
adequadamente a diversidade étnica da população brasileira e não podem
expressar, induzir ou reforçar preconceitos e estereótipos. Devem ser adequadas
à finalidade para as quais foram elaboradas e, dependendo do objetivo, ser claras,
precisas, de fácil compreensão; mas podem também intrigar, problematizar,
convidar a pensar, despertar a curiosidade.

É importante que o livro recorra a diferentes linguagens visuais; que as ilustrações


de caráter científico indiquem a proporção dos objetos ou seres representados;
que os mapas contenham legenda, de acordo com as convenções cartográficas,
forneçam orientação e escala e apresentem limites definidos.

28
Todas as ilustrações devem ser acompanhadas dos respectivos créditos, assim
como gráficos e tabelas necessitam de títulos, fonte e data.

MANUAL DO PROFESSOR

Considera-se fundamental que o livro didático venha acompanhado de


orientações ao professor que explicitem os pressupostos teóricos, os quais, por
sua vez, deverão ser coerentes com a apresentação dos conteúdos e com as
atividades propostas no livro do aluno.

O manual do professor não deve ser uma cópia do livro do aluno com os
exercícios resolvidos. É necessário que ofereça orientação teórica, informações
adicionais ao livro do aluno, bibliografia, sugestões de leituras, filmes, vídeos e
outras fontes e/ou materiais que contribuam para a formação e atualização do
professor. É importante que oriente o professor para a articulação dos conteúdos
do livro entre si e com outras áreas do conhecimento, fornecendo, ainda, proposta
e discussão sobre a avaliação da aprendizagem. É desejável, também, que
apresente sugestões de atividades e de leituras para os alunos.

ATENÇÃO PROFESSOR:

No próximo volume (Volume 4) você encontrará todas as informações pertinentes


aos Dicionários.

BOA ESCOLHA!

29
História

Comissão Técnica (Portaria Ministerial nº 513/2001):


Holien Gonçalves Bezerra

Coordenação Institucional:
Maria Encarnação Beltrão Sposito

Coordenação de Área:
Tania Regina de Luca

Coordenadora Adjunta:
Luiza Helena da Silva Christov

Pareceristas:
Ana Teresa Marques Gonçalves
Andréa Ferreira Delgado
Antonio Celso Ferreira
Christina da Silva Roquete Lopreato
Cláudia Regina Alves Prado Fortuna
Cláudio Borges da Silva
Gilvan Ventura da Silva
José Luis Bendicho Beired
Kátia Maria Abud
Luis Fernando Cerri
Márcia Regina Capelari Naxara
Marcos Justo Tramontini
Maria do Carmo Ferraz Tedesco
Marly Rodrigues
Nelson Shapochnik
Rafael de Bivar Marquese
Rosângela Morais da Rosa
Wenceslau Gonçalves Neto

32
Introdução

C
aro Professor

Os alunos do Ensino Fundamental, a partir do PNLD 2004, não terão mais em


seu currículo a disciplina Estudos Sociais. A mudança havia sido iniciada já no
PNLD 2002, quando a disciplina figurava como opcional, mas já com a indica-
ção de que seria substituída por Geografia e História. Com esta medida, consa-
gra-se o desejo que vinha sendo expresso há vários anos pelos especialistas das
duas áreas, para que se resguardassem as especificidades de seus respectivos
corpos conceituais também no ensino e na elaboração dos livros didáticos.

Desta forma, nas resenhas que estão à sua disposição neste Guia de Livros
Didáticos, você encontrará o resultado das análises que foram feitas por especi-
alistas de História, a convite do MEC, sobre os livros inscritos para o presente
PNLD. O objetivo deste processo de avaliação é indicar quais livros proporci-
onam as condições mínimas necessárias a um trabalho proveitoso para o ensi-
no-aprendizagem de nossos alunos, auxiliando o professor em seus encaminha-
mentos pedagógicos.

A qualidade das coleções e livros aprovados é variada, o que implica o seu


trabalho em pesquisar qual deles melhor se adapta à sua escola e aos seus alu-
nos. Assim, a escolha do livro que vai auxiliar você em seu trabalho em sala de
aula é um momento importante e de muita responsabilidade. Embora seja ape-
nas um dentre diversos materiais didáticos possíveis, o livro didático continua
sendo um dos principais instrumentos de trabalho.

Nesta avaliação, os objetos de análise e suas correspondentes resenhas foram


as coleções de 1ª a 4ª séries e também os livros de destinação regional. Com a
finalidade de esclarecê-lo sobre o processo de avaliação realizado pela equipe
de História, destacam-se, nesta Introdução, as seguintes questões:

1 principais preocupações que orientaram o processo de avaliação;


1 apresentação dos resultados da avaliação;
1 cuidados que o professor deverá ter na escolha e uso do livro didático;
1 ficha de avaliação.

33
PREOCUPAÇÕES QUE ORIENTARAM A AVALIAÇÃO DOS LIVROS
DIDÁTICOS DE HISTÓRIA

As questões que a equipe levou em conta no processo de avaliação também


podem ser um indicador precioso para os professores no momento da escolha
do livro didático.

a) O ponto de partida da análise foi considerar a finalidade do livro


didático: ser um auxiliar eficaz ao professor e aos alunos. Assim sendo,
foi necessário analisar se a coleção ou o livro regional foi concebido e orga-
nizado segundo uma metodologia adequada às finalidades do processo de
ensino-aprendizagem e às diferentes características dos alunos e do projeto
pedagógico da escola. Nesse sentido, alguns aspectos podem ser ressaltados:

1 a coerência entre a proposta da metodologia de ensino-aprendizagem e a


elaboração da obra;
1 o estabelecimento de relações entre o conhecimento novo e a experiência do
aluno, de modo a criar condições para que ele compreenda sua realidade
próxima;
1 a contribuição efetiva, tanto dos textos quanto das atividades, para o desen-
volvimento de habilidades cognitivas básicas, como observação, investiga-
ção, compreensão, argumentação, organização, memorização, análise, sínte-
se, criatividade, comparação, interpretação, avaliação, além da capacidade
de debater problemas e de incentivar a produção de textos;
1 a adequação dos textos e dos exercícios às condições dos alunos, quanto ao
grau de complexidade dos conteúdos e quanto à linguagem empregada de
acordo com suas possibilidades cognitivas;
1 a presença de textos complementares de diferentes autores, que garanta a
perspectiva de que o conhecimento histórico é um espaço de interpretações
possíveis, além de sugestões de leitura e de outros instrumentais didáticos
que possam ampliar e enriquecer as opções do professor.

b) Os conhecimentos históricos são construídos a partir de regras e princípios


próprios desta ciência. Na avaliação, tornou-se importante verificar, portan-
to, se a coleção ou o livro regional, na exposição dos conteúdos específicos,
mostrou-se em sintonia com as metodologias próprias da disciplina História.

34
Nesse sentido, foi dirigida especial atenção aos seguintes aspectos que di-
zem respeito à produção/construção de conhecimentos históricos:

1 a adequada explicitação das propostas metodológicas relativas ao conheci-


mento histórico, considerando-se a variedade das tendências historiográficas
existentes na área. Ao mesmo tempo, foi analisada a coerência entre as pro-
postas e a exposição dos conteúdos, em forma de textos e de atividades;
1 se houve um trabalho adequado com a historicidade dos conceitos, evitan-
do-se anacronismos e nominalismos. Foi levada em consideração a forma
como os autores utilizaram as categorias centrais do conhecimento históri-
co: tempo, espaço, sujeito histórico, cultura, natureza, sociedade, relações
sociais, poder, trabalho, período, seqüência, transformação, passado, pre-
sente, futuro, simultaneidade, duração;
1 se as fontes históricas foram trabalhadas adequadamente, como referencial
constitutivo do conhecimento histórico, e se foram convenientemente ex-
ploradas e não apenas transcritas, tendo-se o cuidado em resgatar as
potencialidades interpretativas dos documentos reproduzidos;
1 se a obra apresentava ausência de estereótipos e de simplificações explicativas
que banalizam o conhecimento e prejudicam a formação de cidadãos críti-
cos e conscientes.

c) Já que o livro didático é um elemento importante na construção do saber e


no processo educacional, é de esperar que ele contribua para a reflexão so-
bre a ética, imprescindível ao convívio social, e para a construção da cidada-
nia. Nesse sentido, foi analisada, nos textos e nas atividades, a real preocu-
pação em despertar no aluno o respeito às diferenças, a prática participativa,
o convívio social, a consciência crítica, a tolerância e a liberdade.

d) O manual do professor é um recurso relevante para o esclarecimento das


propostas do livro didático. Foi examinado se ele continha orientações que
explicitam os pressupostos teóricos e metodológicos da História e do ensi-
no-aprendizagem e apresentava novas perspectivas para a formação conti-
nuada do docente.

35
e) O cuidado com os aspectos editoriais também é fundamental, para que o
livro didático seja um instrumento adequado à prática pedagógica. Foram
verificadas a apresentação gráfica do livro, sua estrutura, correção da im-
pressão, presença de boas ilustrações, correção das referências bibliográfi-
cas e demais convenções editoriais.

Essas questões foram analisadas cuidadosamente pela equipe de avaliadores


envolvida neste processo, o que auxilia o professor na escolha das coleções. Se
houver a possibilidade de examinar o próprio livro, será excelente. Caso contrá-
rio, ao ler as resenhas, é importante ter em mente os aspectos assinalados, pelo
menos como ponto de partida para maiores discussões na equipe docente. A
escolha dos livros compartilhada com colegas, coordenadores e diretores facili-
tará a análise deste Guia e dos livros em questão.

RESULTADO DA AVALIAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DAS COLEÇÕES


E LIVROS DE DESTINAÇÃO REGIONAL

• As coleções avaliadas

Considerando o universo de referência descrito e o contexto da escola pública


do Ensino Fundamental, as obras foram classificadas em três categorias: Re-
comendada com Distinção, Recomendada e Recomendada com Ressalvas; além
daquelas avaliadas como não-recomendadas (excluídas).

No PNLD 2004 foram inscritas 24 coleções seriadas e uma coleção por ciclo;
foram apresentados 24 livros de destinação regional. O resultado da análise está
descrito na tabela a seguir:

36
Resultado das avaliações, por coleções e livros regionais

Classificação da obra Coleção Livro regional

Nº % Nº %

Recomendada com Distinção - - - -

Recomendada 4 16 - -

Recomendada com Ressalvas 12 48 14 58,3

Excluída 9 36 10 41,7

Total 25 100 24 100

O resultado da análise das coleções e livros regionais mostra que o grau de


aproximação aos critérios estabelecidos para a avaliação é muito variado. Den-
tre as coleções, nenhuma atingiu o patamar requerido para ser indicada como
Recomendada com Distinção, e apenas quatro foram Recomendadas. A situa-
ção dos livros regionais é ainda mais crítica, destacando-se apenas aqueles com
ressalvas, enquanto os recomendados estão ausentes. Esta constatação talvez
possa ser explicada pela mudança ainda demasiadamente recente nas quatro
primeiras séries do Ensino Fundamental, com a supressão de Estudos Sociais, e
manifesta a necessidade de um esforço redobrado, por parte de autores e edito-
res, para que haja melhoria dos livros didáticos de História. Dessa forma, espe-
ramos, professores e alunos deste nível poderão dispor de instrumentos mais
condizentes com suas necessidades e com a responsabilidade do ensino na cons-
trução de cidadãos conscientes e críticos.

As coleções avaliadas como Recomendadas com Ressalvas, porém, não são


homogêneas. Dentre elas, há problemas variados, embora não justifiquem sua
exclusão, de acordo com os critérios estabelecidos em edital; e outras com nú-
mero bem menor de ressalvas. Com a finalidade de obter uma percepção mais
clara da variedade qualitativa entre as coleções e entre os livros regionais, o
resultado da análise dos itens que compõem a ficha de avaliação foi submetido

37
a uma ponderação, a partir da qual se torna possível detectar e visualizar mais
facilmente as diferenças e as semelhanças.

Nas resenhas estão explicitadas e fundamentadas as razões da classificação de


cada coleção e de cada livro regional. Para facilitar a comparação e percepção
das diferenças no conjunto das obras analisadas, foram elaborados com base
nas ponderações os gráficos apresentados nesta Introdução.

Obs. - O gráfico é resultante de média normalizada, ou seja, o livro que obteve


maior pontuação representa 100 no universo considerado, sendo feita a
proporção correspondente para os demais.
- O número registrado abaixo de cada coluna corresponde ao código atri-
buído às coleções, e são identificados nas resenhas.
- Estas observações são válidas para todos os gráficos.

Pelo gráfico percebe-se que as quatro coleções Recomendadas apresentam pa-


drão de qualidade quase equivalente. As diferenças em relação à qualidade são
muito pequenas, podendo-se concluir que a escolha de um desses livros levará
em consideração muito mais as preferências pessoais dos professores do que
qualidades e deficiências. O mesmo não pode ser afirmado em relação às cole-
ções Recomendadas com Ressalvas, pois a diferença da primeira coleção: Tri-
lhos e Trilhas – História (nº 3952, com 87 pontos) para a última coleção: Viver
e Aprender História (nº 3977, com 63,2 pontos) é visivelmente acentuada.

38
1 As coleções recomendadas

A coleção Recomendada com Distinção é aquela que se destaca entre as cole-


ções por apresentar, em relação às demais e ao contexto escolar, o patamar mais
alto de excelência e rigor, e um esforço de inovação. Nenhuma das coleções
inscritas para a avaliação enquadrou-se nesta categoria.

A coleção Recomendada é aquela que cumpre satisfatoriamente sua função e se


aproxima de um nível de excelência no cumprimento dos critérios estabeleci-
dos para a avaliação.

Ainda que possa ser objeto de uma ou outra restrição, e que possa suscitar
polêmicas e discussões, a coleção Recomendada propicia e subsidia um ensino
eficaz e adequado. Neste nível encontram-se as quatro coleções indicadas no
gráfico. Todas estas se caracterizam por apresentar claramente as propostas
metodológicas, e por guardar coerência com elas no desenvolvimento dos con-
teúdos no livro do aluno. Incentivam debates, apresentam atividades construti-
vas e variadas, trabalham as fontes como instrumento para a elaboração do co-
nhecimento histórico e dão a importância devida à construção da cidadania. Os
conceitos básicos do conhecimento histórico são bem construídos e a editoração,
bem-cuidada. As ilustrações são reportadas ao conteúdo transmitido e auxiliam

39
na compreensão dos processos históricos. O manual do professor apresenta-se
como um instrumento valioso para auxiliar o docente em suas atividades didáti-
cas. As lacunas apontadas nas respectivas resenhas não representam riscos que
desmereçam ou dificultem o aproveitamento pedagógico das coleções.

A coleção Recomendada com Ressalvas é aquela que, apesar de conter alguns


problemas e deficiências, apresenta qualidades e acertos suficientes; portanto,
pode ser um suporte adequado ao ensino. O conjunto de características positi-
vas justifica sua recomendação ao professor. As ressalvas dizem respeito a cer-
tos aspectos dos critérios estabelecidos para a avaliação que, ou deixaram de ser
observados, ou foram insuficientemente desenvolvidos. As ressalvas, aponta-
das nas resenhas, merecem cuidado especial do professor, para que as falhas
sejam corrigidas.

São 12 as coleções Recomendadas com Ressalvas, e há diferenças entre elas. O


gráfico demonstra a distância existente entre a primeira desta categoria e a últi-
ma. A coleção Trilhos e Trilhas – História (nº 3952), que obteve o melhor de-
sempenho nesta categoria, aproxima-se, nos itens positivos, ao padrão das cole-
ções Recomendadas. Entretanto, acentuam-se, algumas ressalvas que a situam
como nessa classificação, como restrições ao manual do professor, atividades
que apresentam dificuldades em sua execução, falta de nitidez de algumas ilus-

40
trações, ausência de legendas. Já na coleção Viver e Aprender – História (nº
3977), que obteve a menor nota na ponderação entre as Recomendadas com
Ressalvas, os aspectos positivos são mais escassos e as lacunas, mais sentidas:
a proposta metodológica não é explicada de forma articulada, há simplificação
dos textos e dos conteúdos de História, os documentos textuais são pouco traba-
lhados, as ilustrações não são contextualizadas, encontram-se problemas na cons-
trução de conceitos próprios do conhecimento histórico, e pouco cuidado com a
construção da cidadania. Os pontos positivos e as ressalvas das demais cole-
ções encontram-se descritos nas resenhas contidas neste Guia.

1 Os livros regionais

Dos 24 livros regionais inscritos, 10 foram excluídos por não cumprirem de


modo satisfatório alguns ou vários critérios estabelecidos em edital. Dos 14
livros recomendados, nenhum recebeu distinção ou recomendação sem ressal-
vas, havendo à semelhança das coleções, diferenciações sensíveis entre eles.

41
Tomemos como exemplos o primeiro e o último da categoria. O livro Gente de
São Paulo, São Paulo da Gente – História (nº 211728), com o melhor desempe-
nho na avaliação, caracteriza-se pela explicitação clara e pertinente da concep-
ção de metodologia da História em sua dimensão regional e pela coerência no
desenvolvimento dos conteúdos. Há problematizações sobre a relação presente-
passado. Os conceitos básicos da História são trabalhados de forma pertinente e
as fontes iconográficas são variadas e abundantes. As ressalvas constatadas de-
vem-se ao fato de o texto ser descritivo, fazendo pouca referência às experiênci-
as dos alunos; de a maioria das atividades, embora criativas, serem mobilizadas
basicamente para a fixação dos conteúdos; e de as experiências sociais serem
apresentadas de forma pouco crítica. Não há, ainda, discussão adequada das
questões relativas ao ensino-aprendizagem.

O livro Amazonas História (nº 211416), o último colocado entre os Recomen-


dados com Ressalvas, apresenta pontos positivos, como textos e atividades que
permitem desenvolvimento equilibrado de atividades cognitivas, apreensão crí-
tica da realidade pelo aluno, construção de alguns conceitos principais da disci-
plina. Os pontos críticos, no entanto, se sobressaem: uma concepção linear e
cronológica do processo histórico; os textos são expositivos, sem dialogar com
a experiência do aluno; muitas simplificações explicativas; o manual do profes-
sor colabora muito pouco para auxiliar no trabalho pedagógico, deixando de
explicitar a metodologia que embasa a construção da obra e da História regio-
nal.

Examinando o gráfico, percebe-se que os quatro primeiros se aproximam do


padrão (livro 211728) e os quatro últimos encontram-se mais próximos da
situação do livro 211416. Os seis intermediários guardam certa homogeneidade
entre si. As descrições dos pontos positivos e das ressalvas de cada um podem
ser verificadas nas respectivas resenhas.

Cuidados que o professor dever ter no processo de escolha

É fundamental que o professor examine se a coleção ou o livro regional a ser


escolhido é adequado para suprir as exigências de seu universo escolar e se
poderá ser adaptado à situação concreta dos alunos da escola. Alguns pontos
que o professor deve verificar são centrais:

42
1 se a coleção é adequada ao projeto pedagógico da escola – é importante
lembrar que a escolha valerá por três anos. Daí a necessidade de sintonizar a
escolha com o projeto pedagógico da escola que, em princípio, tende a ser
mais duradouro que a permanência individual dos professores;
1 se a linguagem e as referências são mais adequadas para alunos de cidade
grande, de porte médio, ou pequeno; de regiões urbanas ou rurais;
1 se há grande complexidade de textos ou de atividades, o que supõe mais
atenção do professor ao conduzir suas práticas docentes.

A ficha de avaliação

A ficha de avaliação foi construída com base nas considerações e nas determi-
nações que constam do edital de convocação para o PNLD 2004 e teve por
finalidade servir de instrumento norteador aos avaliadores na análise das cole-
ções e dos livros regionais. A ficha é reproduzida a seguir para que o professor,
se assim o desejar, possa ter um ponto de referência para as próprias análises.

43
44
Ficha de
Avaliação
História
Código da Coleção:

Código do Livro:

Código do Parecerista:

Classificação:

Identificação da ficha:

Pequena descrição

Sumário (cada volume)


Articulação pedagógica dos volumes que
integram a coleção (5ª ficha)
Razões da menção (5ª ficha)

Correção e atualização dos conteúdos SIM NÃO

Ausência de informações erradas: (exclusão)

Ausência de informações desatualizadas: (exclusão)

Metodologia de ensino-aprendizagem O B S I

Explicita a proposta metodológica

Há coerência entre a proposta da metodologia de


ensino-aprendizagem e sua utilização na elaboração da
obra (verificar manual e livro): (exclusão)

O texto didático contribui satisfatoriamente para o


desenvolvimento das habilidades cognitivas (observação,
compreensão, argumentação, organização, memorização,
análise, síntese, formulação de hipóteses, planejamento)
(exclusão)

45
O B S I

Respeita as dificuldades próprias do aluno quanto aos


graus de complexidade e especificidade do conteúdo a
ser apreendido (exclusão)

Possibilita alcançar níveis gradativamente mais amplos


de abstração e de generalização (exclusão)

Desenvolve estratégias que auxiliem o aluno a


compreender a realidade social (exclusão)

Relaciona o conhecimento novo com a experiência do


aluno (exclusão)

Evita subestimar a capacidade cognitiva do aluno

Problematiza passado e presente

Síntese do item – Metodologia de ensino-aprendizagem

As atividades e exercícios: O B S I

Possibilitam o desenvolvimento de habilidades,


estimulando: observação, investigação, análise, síntese,
criatividade, comparação, interpretação, avaliação, memória,
formulação de hipóteses, planejamento (Verificar se há a
presença da maioria dessas habilidades) (exclusão)

Auxiliam na realização dos objetivos propostos

Estão formulados clara e corretamente

Estão integrados aos conteúdos

Promovem a articulação entre os diferentes conteúdos

Estimulam a capacidade de debater problemas

Estimulam a capacidade de produzir textos

Fazem referência a textos complementares de autores


diferentes

46
Síntese – Atividades e exercícios

Metodologia da História O B S I

Explicita as propostas metodológicas (verificar manual e livro)

Há coerência entre propostas metodológicas e sua


efetivação no desenvolvimento dos conteúdos (verificar
manual e livro) - (exclusão)

Incorpora a renovação historiográfica aos livros didáticos

A abordagem parte de um problema ou conjunto de


problemas

Contempla a construção de noções e/ou conceitos e O B S I


trabalha com a historicidade dos conceitos:
(Verificar o conjunto) (exclusão)

Tempo

Espaço

História

Sujeito histórico

Cultura

Natureza

Sociedade

Relação social

Poder

Trabalho

Período – duração

47
O B S I

Ordenação – seqüência – simultaneidade

Transformação – permanência

Presente – passado – futuro

Diversidade – unicidade

Síntese do item – Metodologia da História – proposta e coerência

Apresenta e discute fontes históricas: O B S I

• Textuais

• Iconográficas

Há glossário ou equivalente

Há indicação de leituras complementares

Ausência de estereótipos: O B S I

Identificação exclusiva da História a alguns heróis

Identificação exclusiva da História a datas e fatos

Simplificações explicativas

Caricatura de períodos, personagens, lugares, regiões

Identificação da história narrada a uma verdade absoluta

Síntese do item – Fontes, estereótipos, simplificações

48
Sim Não

Há ausência de anacronismo (exclusão)

Evita nominalismo (exclusão)

Há ausência de voluntarismo (exclusão)

As ilustrações: Sim Não

Estão isentas de preconceitos (exclusão)

Estão isentas de estereótipos

Propiciam novas formas de conhecimento

Estão integradas ao texto

São exploradas para auxiliar na leitura e na compreensão dos textos

Estão adequadas às finalidades para as quais foram elaboradas

São de fácil compreensão

Levam o aluno a problematizar os conteúdos históricos

Vêm acompanhadas dos respectivos títulos, legendas e créditos

As legendas contextualizam adequadamente a imagem (autoria,


época de produção)

Há uso de diferentes linguagens visuais

As representações cartográficas respeitam as convenções (título,


fonte, limite, escala)

Os gráficos, tabelas e quadros apresentam título e fonte

Síntese do item – Ilustrações

49
Construção da cidadania O B S I

Há ausência de preconceitos ou de discriminações


(de origem, cor, condição socioeconômica, etnia,
gênero, linguagem) (exclusão)

Há ausência de propaganda ou doutrinação religiosa


(exclusão)

Discute a historicidade das experiências sociais,


trabalhando conceitos, habilidades e atitudes, na
construção da cidadania (participação do indivíduo na
construção coletiva da sociedade – consciência política –
atitude crítica – autonomia – etc. )

A preocupação com a cidadania está contemplada no


conjunto do texto didático e não apenas nas atividades

Estimula o convívio social, a tolerância e a liberdade

Aborda a diversidade das experiências humanas com


respeito e interesse

Evita privilegiar membros de uma camada social ou os


habitantes de uma região do País

Síntese do item – Cidadania

Manual do professor: O B S I

Explicita a articulação das propostas


teórico-metodológicas com as estratégias utilizadas na
elaboração do livro (exclusão)

Oferece: O B S I

Orientações visando à articulação dos conteúdos:

• entre si

• com outras áreas do conhecimento

50
O B S I

Explicitação dos objetivos das atividades

Informações adicionais ao livro do aluno

Sugestões de leitura que contribuem para a formação e


para a atualização do professor

Sugestões de outros recursos que contribuem para a


formação e para a atualização do professor

Bibliografia diversificada

Proposta e discussão sobre a avaliação da aprendizagem

Sugestões de atividades e de leituras para os alunos

Linguagem clara e adequada

Síntese do item – Manual do Professor

Editoração e aspectos visuais O B S I

A impressão está isenta de erros graves (exclusão)

A revisão está isenta de erros graves (exclusão)

Há estrutura hierarquizada (títulos, subtítulos etc.)


evidenciada por meio de recursos gráficos

O sumário permite a rápida localização da informação

As referências bibliográficas estão completas

Há unidade visual em relação a: O B S I

Forma de organização

Ritmo – continuidade

51
A relação entre layout e conteúdo é compreensível, O B S I
visando a:

Estímulo ao manuseio e leitura do livro

Integração dos conteúdos

A formatação proporciona: O B S I

Adequada legibilidade – descanso visual

Adequada visualização das ilustrações

Adequação ao grau de escolaridade a que se


destina o livro

Os textos e ilustrações estão distribuídos na página de


forma adequada e equilibrada

Itens para a elaboração da resenha

a) Aspectos positivos

b) Limitações

c) Cuidados que o professor deve ter ao adotar coleção/livro

Itens para a construção da caracterização dos livros


didáticos em História

(Espaço para apontamentos referentes à coleção/livro,


que auxiliarão no mapeamento teórico-metodológico que
se pretende construir ao final da análise de todas as
coleções. Embora se deva manter a objetividade desejada,
solicita-se que os pareceristas dêem sua percepção da
coleção/livro, baseada em suas experiências no trabalho
de pesquisa histórica e de ensino-aprendizagem

Obs.
O = Ótimo B = Bom S = Suficiente I = Insuficiente

52
Para cada um dos itens, preencher a menção e justificar, abaixo, as razões e indica-
ções de localização nas obras.

Para cada conjunto de itens, elaborar pequena síntese (conforme indicado), que servi-
rá para auxiliar no momento da redação dos produtos: resenha – parecer de exclusão
– parecer para os recomendados – levantamento das características da coleção/livro.

No final do processo de avaliação, será feita ponderação dos itens, para se obter uma
possível classificação das coleções/livros.

53
Recomendada
Por quê?
As propostas metodológicas da obra estão claramente
expostas, tanto a de ensino-aprendizagem quanto a do
ensino de História, e o desenvolvimento da coleção
mantém-se coerente em relação a elas. Há incentivo ao
debate de problemas e à reflexão crítica, buscando
problematizar a relação passado-presente. As atividades
são variadas e estimulam o desenvolvimento das
principais habilidades.
Coleção
As fontes, concebidas como instrumento para a
Horizontes - elaboração do conhecimento histórico, são trabalhadas
História com adequadamente. As ilustrações se reportam diretamente
Reflexão ao conteúdo transmitido e são incorporadas como fontes
Marilú Favarian Marin para a compreensão dos processos históricos. A
Marlene Ordoñez
construção da cidadania se dá de modo contínuo ao
Júlio Ricardo Q. dos Santos
longo da coleção. São estimulados adequadamente o
convívio social, a tolerância e a liberdade.
O manual do professor contém importantes indicações
a respeito das estratégias pedagógicas a serem
Editora IBEP seguidas. A editoração é bem-cuidada. As poucas
HISTÓRIA

ressalvas apontadas na resenha podem ser facilmente


resolvidas pelo professor.

A coleção O manual do professor, com 48 páginas,


compreende as seções: 1. Considerações
Os volumes estão estruturados em gerais sobre o ensino da História;
unidades definidas por eixos temáticos e se 2. Objetivos do Ensino Fundamental;
constituem de capítulos, que são subeixos da 3. Objetivos do ensino de História no 1º e 2º
temática proposta na unidade. Cada unidade ciclos do Ensino Fundamental; 4. As
é introduzida com Sugestão de leitura; os contribuições propostas na coleção;
capítulos iniciam-se com texto introdutório e 5. Considerações gerais sobre avaliação;
compreendem as seções Refletindo, Saiba que 6. Considerações gerais sobre metodologia;
e Meu pequeno dicionário, em que se 7. Plano geral de objetivos e encaminhamen-
entrelaçam propostas de atividades e tos, para cada capítulo das unidades. No
informações. As atividades, a partir do 2º manual do professor há os boxes que fornecem
volume, constam da seção Sempre no informações e sugestões, em azul, destinadas
caderno. Ao final, encontra-se a Bibliografia. a auxiliá-lo no desempenho de suas atividades

54
didáticas. Há Bibliografia para o profes- criatividade. As seções Refletindo, Saiba que,
sor. Meu pequeno dicionário e Sempre no caderno
1ª série (192 p.): 1. Eu, criança. 2. O completam o conjunto didático.
mundo da criança e a criança no mundo. 3. A coleção está construída de modo a
Pequeno cidadão no mundo. incentivar a abstração e a generalização,
2ª série (144 p.): 1. O mundo da criança. desenvolvendo-se em um crescente grau de
2. O mundo do aprender. 3. O mundo do complexidade desde a 1ª série, que trata do
trabalho. indivíduo participante da família, até a 4ª
3ª série (160 p.): 1. A pluralidade cultural. série, quando são introduzidos conteúdos
2. Movimentos populacionais. 3. Organização históricos, iniciando uma discussão sobre a
do espaço urbano. noção de tempo e sua relação com as
4ª série (160 p.): 1. Tempo histórico. 2. O sociedades humanas.
Brasil português. 3. Sociedade e cultura. Atribui-se grande importância à
4. O Brasil brasileiro. compreensão da realidade social brasileira e
à reflexão crítica do aluno. Nos três primeiros
volumes são introduzidos temas como a
A análise desigualdade social, o abandono de crianças,
a exploração da mão-de-obra infantil, a falta
De acordo com o manual do professor, a de condições adequadas de vida em muitos
coleção apóia-se numa concepção de bairros, a carência de moradia para a
educação e ensino alicerçada no princípio de população, a exploração da mão-de-obra
que o conhecimento está em constante infantil, a concentração da propriedade da
transformação, entendendo que a reflexão é terra, a luta dos povos indígenas pela
a base para o desencadeamento de novas preservação de sua cultura, as razões pelas
ações. Envolve a ação conjunta de alunos e quais ocorrem os movimentos migratórios, a

HISTÓRIA
professores no processo de ensino, auxiliando situação em que se encontram os meninos de
o aluno a adquirir métodos de aprendizagem rua e os inúmeros problemas urbanos. Já no
que o levem ao desenvolvimento intelectual volume da 4ª série, não se constata o cuidado
e mental. Valoriza a compreensão do presente com a compreensão dos problemas que
e da realidade do aluno ao retomar o passado. atingem a sociedade brasileira contempo-
A consecução dos objetivos e a construção rânea, aludindo-se a eles de modo indireto.
da identidade, da ética e cidadania e do A problematização passado-presente é uma
conhecimento histórico são conduzidas com constante no decorrer da coleção. Na
competência. Essa coerência pode ser elaboração das atividades e exercícios, é
observada, com precisão, no enunciado dos solicitada a comparação entre determinados
objetivos de cada unidade, presente no manual fenômenos históricos do passado e do
do professor, e na elaboração do livro do presente, dentro de uma lógica de mudanças
aluno. A obra se estrutura em eixos temáticos, e permanências. Os temas explorados são
e os temas são desenvolvidos a partir da extraídos do cotidiano do aluno,
vivência do aluno, relacionando o presente principalmente nas séries iniciais, o que
com o passado. Utilizam-se fontes e registros facilita a transmissão do conteúdo.
históricos e sugerem-se atividades condi- A obra se caracteriza pela presença de
zentes com a faixa etária e escolaridade dos atividades variadas, que estimulam o
alunos, exercitando a visão crítica e a desenvolvimento de diversas habilidades,

55
especialmente observação, comparação, exposição didática dos temas, e a elaboração
avaliação, criatividade e interpretação. No da coleção leva em conta a construção das
livro da 2ª série, no entanto, a formulação dos noções e/ou conceitos fundamentais para o
exercícios baseia-se sobretudo no sistema conhecimento histórico. O conceito de poder,
pergunta/resposta, que compõe as seções contudo, não está bem trabalhado nas três
Refletindo e Sempre no caderno, compro- primeiras séries. No livro da 4ª série, constata-
metendo a diversidade de atividades e a se preocupação recorrente com a exposição
criatividade dos alunos. Na 3ª série, embora dos aspectos políticos da realidade social, em
em menor quantidade, ainda há muitos conjugação com os aspectos econômicos,
exercícios baseados no sistema pergunta/ sociais e culturais.
resposta. A fonte histórica é concebida como
O estímulo à capacidade de debater instrumento importante para a elaboração da
problemas é freqüente, especialmente pelas História. Encontra-se, de forma progressiva,
discussões em grupo. O incentivo à produção o uso de depoimentos de história de vida,
de textos está presente mais na 1ª série, sendo problematizados por intermédio de exercícios.
mais restrito na 2ª e 3ª séries. No entanto, as Há o cuidado sistemático com a interpretação
seções Refletindo e Sempre no caderno, ao de textos, utilizando-se lembranças de
estimularem a interpretação de textos, exigem infância extraídas de obras de autores
do aluno o exercício contínuo da escrita. Já brasileiros conceituados e também o uso de
no livro da 4ª série, observa-se o estímulo à diversas outras fontes históricas. As fontes
produção de textos, na forma de redação, de iconográficas da 1ª série, porém, não recebem
súmula de debates ou de relatório de pesquisa. o mesmo nível de tratamento das fontes
A concepção de metodologia da História textuais. Embora haja a intenção de utilizá-
manifesta a convicção de que o processo las como documentos para a percepção dos
histórico deve ser concebido como resultado fatos do passado, nem todas são
HISTÓRIA

da ação do homem, e que a História busca a complementadas com exercícios de


compreensão das transformações das interpretação. Nos volumes da 2ª, 3ª e 4ª
sociedades humanas, possibilitando a séries, nota-se cuidado maior no uso dessas
construção do conhecimento reflexivo e fontes.
crítico do mundo. No estudo da História Os textos e assuntos propostos para análise
devem ser valorizadas as rupturas, as estão adequadamente dimensionados para o
descontinuidades e permanências, conside- grau de escolaridade, encontrando-se, porém,
rando-se os distintos ritmos temporais (curta, algumas simplificações explicativas nos
média e longa duração). volumes da 2ª e 3ª séries.
Pela análise dos conteúdos no conjunto da Ao mesmo tempo em que reproduzem
coleção, constata-se que a proposta da cenas do passado, as ilustrações possibilitam
metodologia da História adotada é executada ao aluno travar conhecimento com realidades
de modo pertinente, com ênfase na construção que não viveu e, provavelmente, não conhece.
da identidade individual e social, no estímulo Ressalve-se que, embora tenham sido
à construção das noções de presente/passado concebidas para auxiliar na compreensão dos
e ruptura/continuidade, no incentivo à textos, muitas ilustrações da 1ª e 2ª séries não
compreensão ativa da realidade e no cumprem de modo satisfatório esta tarefa, por
desenvolvimento da cidadania. não apresentarem data das fotos, legenda e/
A problematização está presente na ou informações sobre o assunto tratado. Nas

56
séries 3ª e 4ª, as legendas contextualizam bem como as estratégias pedagógicas a serem
adequadamente as imagens. seguidas com o objetivo de tornar o ensino
A construção da cidadania se dá de modo da disciplina mais eficiente. Anexo ao manual,
contínuo ao longo da coleção. Estimula-se a há um Plano geral de objetivos e encami-
consciência política pelo estudo dos direitos nhamentos, variável de acordo com a série,
e deveres da criança e pelo cuidado que se no qual o professor pode encontrar valioso
deve ter com a preservação do ambiente. A auxílio para orientar sua prática pedagógica.
historicidade das experiências sociais é Na parte que reproduz o livro do aluno, à
discutida ao se demonstrar como, ao longo margem dos textos, em letras azuis, há um
da História do Brasil, diversas etnias se conjunto de informações visando à orientação
conjugaram para viver e trabalhar, deste do professor em sala de aula, com sugestões
processo resultando a sociedade brasileira de atividades e definição dos resultados que
contemporânea. No quarto volume, é se espera alcançar com a transmissão de
enfatizada a participação do indivíduo na determinado conteúdo.
construção coletiva da sociedade, ao Quanto à editoração e aspectos visuais, o
abordar o papel do homem como sujeito livro apresenta boa disposição gráfica e layout
histórico. atraente, estimulando os alunos a manuseá-
São estimulados de modo adequado o lo. As ilustrações produzidas pela editoria de
convívio social, a tolerância e a liberdade. A arte, bem como as fotografias reproduzidas,
diversidade das experiências humanas é são de boa qualidade. No entanto, há o
abordada com respeito e interesse, predomínio da cor azul, o que pode provocar
manifestando-se nos estudos sobre os cansaço visual. A qualidade das ilustrações é
componentes étnicos da sociedade brasileira boa, constatando-se, no entanto, problemas de
(índios, portugueses, negros, imigrantes e resolução em algumas delas. No livro da 4ª
migrantes), de modo a fazer com que os série, alguns mapas reproduzidos são

HISTÓRIA
alunos percebam que a nossa sociedade é fruto pequenos ou desbotados, o que prejudica sua
de uma autêntica miscigenação. visualização. Nos volumes da 3ª e 4ª séries,
No manual do professor são fornecidas há representações cartográficas, mas nem
importantes indicações sobre a concepção de todos os mapas fornecem a fonte ou
História que norteou a elaboração da obra, apresentam referências completas.

Em sala de aula
Sugere-se que o professor faça uso das indicações apresentadas no manual,
especialmente na seção Plano geral de objetivos e encaminhamentos; prepare
roteiros que tornem mais produtiva a leitura das obras suplementares; elabore
propostas de trabalho interdisciplinar com os demais professores; busque outras
fontes de informação que enriqueçam sua prática pedagógica, sites na internet e
vídeos.

57
Recomendada
Por quê?
As propostas de ensino-aprendizagem e de
metodologia da História são claramente apresentadas
e se concretizam no desenvolvimento da coleção. Parte-
se da vivência do aluno e valoriza-se sua experiência,
além de haver adequada gradação no desenvolvimento
dos conteúdos. O professor é apresentado como
mediador do saber a ser construído pelo aluno. As
Coleção
atividades, criativas e lúdicas, auxiliam no
História
desenvolvimento de habilidades. A linguagem, tanto
Cássia Maria Marconi Silva
Ricardo Queiroz Dreguer iconográfica quanto textual, é adequada e a exploração
das ilustrações propicia novas formas de conhecimento.
Os trabalhos com documentos históricos são valorizados
e estimula-se a aquisição de noções e conceitos básicos
da disciplina. O cuidado com a noção de tempo merece
especial destaque na obra e o manual do professor é
importante apoio para o desenvolvimento do trabalho
Editora Moderna pedagógico. Ele fornece elementos para a atualização
HISTÓRIA

do docente e explicita as articulações das propostas e


a maneira como se desenvolve a coleção.

A coleção Proposta desta coleção, Organização da


coleção, Metodologias de trabalho, Sugestões
Todos os livros estruturam-se em quatro de: avaliação – leitura e sites, Orientações
unidades, contendo textos didáticos, específicas para o volume, Bibliografia.
complementares e propostas de atividades, 1ª série (103 p.): 1. Tempo de criança; 2.
articulados de forma harmônica. As unidades, Registrando o tempo; 3. Tempo em família;
por sua vez, contêm as seguintes seções: 4. Tempo de trabalhar.
Registre no seu caderno; Converse com os 2ª série (88 p.): 1. Crianças em outro
colegas; Você sabia?; Informe-se; Para saber tempo; 2. Vivendo em família; 3. O Trabalho
mais; Pesquisa; e Entrevista, que organizam no dia-a-dia; 4. Em diversas localidades.
as atividades e os conteúdos. 3ª série – (104 p.): 1. História dos
O manual do professor, com 40 páginas, deslocamentos populacionais; 2. Encontro
apresenta os seguintes itens: Os conhecimen- entre culturas; 3. Fazendo a América; 4. Gente
tos históricos, A concepção construtivista, que vem, gente que vai.

58
4ª série – (104 p.): 1. Garantindo direitos; comparar as vivências das crianças brasileiras
2. Quando Portugal dominava; 3. Nos tempos de cem anos atrás e as de hoje.
da Monarquia; 4. Tempo de República. O texto didático contribui satisfato-
riamente para o desenvolvimento das
habilidades cognitivas. As unidades são
A análise abertas com textos ou imagens que solicitam
a observação, a formulação de hipóteses e a
A coleção apresenta uma metodologia do argumentação. A organização é desenvolvida
ensino-aprendizagem baseada na concepção especialmente nas passagens em que se pede
construtivista. Busca-se despertar as a elaboração de listas, fichas, quadros,
capacidades da criança e fazê-la elaborar uma gráficos, tabelas e linhas do tempo. A
representação pessoal sobre um objeto da habilidade de planejamento desenvolve-se nas
realidade ou conteúdo a ser aprendido. O entrevistas e nas pesquisas propostas.
professor é convidado a agir como guia e O encaminhamento dado permite que se
mediador e nota-se grande ênfase na análise alcancem níveis gradativamente mais amplos
interdisciplinar da realidade. Propõem-se de abstração e generalização. Assim, enquanto
atividades individuais, em classe e em grupo, no volume da 1ª série a abordagem é
nas quais se incentiva o desenvolvimento da basicamente sincrônica, isto é, privilegia o
oralidade, da escrita, da feitura de desenhos e entendimento das noções de tempo, de família
da confecção de colagens e murais, auxiliando e de trabalho no presente, a partir do volume
no processo de alfabetização. A proposta da da 2ª série a análise é feita sob uma
coleção é oferecer grande variedade textual e perspectiva diacrônica, em que a dimensão
acesso a diferentes tipos de imagem, o que de temporal se amplia. O trabalho com mapas e
fato se configura ao longo dos volumes. com plantas de cidades, iniciado somente no
A obra possibilita o trabalho com as noções volume 3, também é ampliado, e analisam-se

HISTÓRIA
e conceitos básicos essenciais ao ensino da de forma mais complexa as instituições
disciplina ao trabalhar os temas tempo, políticas e administrativas brasileiras. Os
criança, família, trabalho, comunidades textos complementares apresentados no
indígenas, nos livros da 1ª e 2ª séries; a volume 4 são mais extensos e complexos.
história das organizações populacionais, Merece destaque a ênfase constante em
destacando-se o subtema história dos relacionar o conhecimento novo com a
deslocamentos populacionais, na 3ª série; e o experiência do aluno, assim como a
estudo das organizações populacionais, na 4ª preocupação com o desenvolvimento de
série, com destaque neste volume para o estratégias que permitam ao aluno
enfoque de dois subtemas tomados como fios compreender a realidade social. A relação
condutores: organizações políticas e passado-presente é problematizada a partir da
administrações urbanas e organizações e lutas 2ª série, uma vez que na 1ª trabalha-se apenas
de grupos sociais e étnicos. Nas duas séries com a noção de tempo presente. Esta relação
iniciais, os mesmos temas adquirem um continua sendo trabalhada de forma pertinente
sentido de circularidade: iniciados na 1ª, são nos demais volumes que integram a coleção.
retomados na 2ª série. Nesse movimento, há As atividades são criativas e
o retorno a um outro tempo – cem anos atrás diversificadas; distribuem-se de forma equili-
– que permite o levantamento de mudanças e brada ao longo da obra e possibilitam o
permanências dos brasileiros, procurando desenvolvimento de várias habilidades. A

59
formulação das atividades visa à construção conhecimentos históricos contribuem
do conhecimento com base na leitura e na efetivamente para a percepção e interpretação
interpretação de textos, na observação e na da realidade; a problematização passado-
análise de imagens, na síntese dos presente serve como eixo condutor a partir
conhecimentos adquiridos, na organização das do segundo volume; há um excelente trabalho
informações e na formulação de hipóteses. com documentos históricos, em especial com
Além disso, propõe-se a realização de fontes iconográficas, para a construção do
pesquisas e de entrevistas, estratégias saber histórico.
fundamentais no desempenho ativo do aluno Os autores incorporam a renovação
no processo de aprendizagem, e estimula-se historiográfica, sobretudo no trabalho com as
a comparação pela montagem de quadros, que fontes históricas, tanto visuais como escritas.
sintetizam os tópicos analisados e ressaltam Neste sentido, é exemplar na demonstração
de forma clara suas semelhanças e diferenças. desta incorporação o trabalho com as imagens
Os exercícios e atividades promovem a publicitárias da virada do século XIX para o
articulação entre os conteúdos e propõem sua XX; o trabalho renovado de temas anteriores
realização individualmente, em classe e em como alimentação, vestuário, religião; o
grupo. Algumas das atividades em grupo exame das relações entre espaço e poder; as
devem ser realizadas de forma oral, ações populares na Primeira República; e a
propiciando o debate. A coleção é muito rica utilização da propaganda política para a
na referência a textos complementares de construção do saber histórico.
autores e gêneros diferentes, como relatos de A historicidade dos conceitos é bem
memórias, letras de música, poemas, textos trabalhada na coleção, merecendo destaque
jornalísticos, extratos de livros infantis e como são elaboradas as noções de tempo,
textos acadêmicos adaptados para fins história, sujeito histórico, cultura, sociedade,
didáticos. relação social, poder, trabalho, transformação
HISTÓRIA

Na metodologia da História, explicitada no e permanência e passado e presente,


manual do professor, ressalta-se que nas séries diversidade/unicidade. Entretanto, as noções
iniciais deve-se possibilitar aos alunos a de espaço, natureza, período e duração
construção de conceitos básicos para o ordenação-seqüência-simultaneidade não são
entendimento da vida em sociedade, das discutidas em sua historicidade ou têm um
relações dos homens entre si e com a natureza, tratamento impreciso.
e da produção da cultura. Vincula-se a A linguagem e o trabalho com fontes
formação de cidadãos críticos ao respeito às históricas textuais estão adequadamente
diferenças culturais e à construção da noção desenvolvidos em toda a coleção. As fontes
de identidade pelo aluno. Propõem-se o estudo são trabalhadas com propriedade, por meio
comparativo de diferentes grupos sociais no de questões escritas e debates orais mediados
tempo e no espaço e a introdução de novos pelo professor. As fontes iconográficas são
temas no estudo da História, como estruturas igualmente ricas e variadas e constituem-se
familiares, educação, formas de moradia, num dos pontos altos da coleção, visto que
alimentação, vestimenta, visões de mundo, este material é tratado como documento
religiosidade, sexualidade. histórico, com o predomínio de fotografias do
Observa-se que há coerência entre a passado. As ilustrações propiciam novas
proposta metodológica e o desenvolvimento formas de conhecimento, estão integradas ao
dos conteúdos em todos os volumes. Os texto e quase sempre são exploradas para

60
auxiliar em sua leitura e compreensão. bibliografia básica comum aos quatro
A preocupação com a construção da volumes, embora esta seja predominante-
cidadania manifesta-se no cuidado em auxiliar mente voltada para o conhecimento histórico.
o aluno a considerar-se como sujeito de sua O manual oferece, também, orientações que
própria história e de seu País. São estimulados explicitam os objetivos gerais e específicos
o convívio social, a tolerância e a liberdade. de cada volume, com sugestões, quase página
A diversidade das experiências humanas é a página, para a prática docente, além de
abordada com respeito e interesse, evitando- indicações, de como trabalhar com a
se privilegiar membros de uma camada social interdisciplinaridade. Contém, ainda, textos
ou os habitantes de uma região do País. Além complementares para o professor, orientações
disso, busca-se incentivar o aluno a conhecer de outras atividades a serem desenvolvidas,
a realidade social que o cerca e a compreender bibliografia para alunos e professores. Além
e lidar com as diferenças. Merece destaque disso, há indicações, na parte que reproduz o
especial o volume 4, no qual se focaliza a livro do aluno, em vermelho, que esclarecem
História do Brasil a partir de várias lutas e alguns objetivos das atividades propostas.
conflitos ocorridos entre os diversos grupos A edição e os aspectos visuais estão
sociais. adequados aos objetivos da obra, que
O manual do professor auxilia apresenta uma estrutura hierarquizada,
efetivamente o docente em sala de aula. Traz evidenciada por meio de recursos gráficos.
de forma clara e precisa a proposta da coleção Estes ajudam a organizar e distribuir os
e sua organização, a explicitação das conteúdos de forma a facilitar o manuseio, a
metodologias de trabalho abordadas, as leitura e a integração dos tópicos abordados.
propostas para uma avaliação contínua, Percebe-se, também, que há equilíbrio entre
inicial, formativa e somatória. São texto e imagens. O sumário, contudo, merece
apresentadas, e se repetem em todos os ressalvas, pois não separa com clareza os

HISTÓRIA
volumes da coleção, cinco indicações capítulos dos itens, nem indica as pá-
bibliográficas adicionais para a formação e ginas destes últimos, dificultando a sua
atualização do professor, cada uma localização.
acompanhada de pequeno resumo. Há

Em sala de aula
A coleção reserva um papel ativo ao professor, entendido como mediador no
processo de construção do saber pelo aluno. As indicações contidas no manual do
professor, assim como as anotações no decorrer da reprodução do livro do aluno,
devem ser levadas em conta na preparação do trabalho pedagógico.

61
Recomendada
Por quê?
As propostas de ensino-aprendizagem e de

metodologia da História caracterizam-se pela coerência

interna e pela atualização com os debates da área. Os

textos, articulados às atividades, possibilitam o

desenvolvimento equilibrado das habilidades cognitivas.

Coleção A presença e a efetiva utilização de fontes escritas e


História no iconográficas auxiliam na aquisição de noções e
Dia-a-Dia conceitos básicos da disciplina, em consonância com a
Célio Augusto da Cunha Horta
Lorene dos Santos visão crítica do passado e dos problemas atuais.
Cláudia R. F. M. Sapag Ricci
O manual do professor contribui para a efetivação da

proposta pedagógica e auxilia o professor em seu

trabalho na sala de aula. Fornece orientações sobre

avaliação – definida como contínua, dinâmica e


Editora Formato
investigativa – e destaca seu caráter processual, que
HISTÓRIA

articula indivíduo e grupo.

A coleção informa a concepção metodológica e a


organização da coleção, a opção pelos temas,
Cada volume estrutura-se em torno de um o processo de avaliação e fornece sugestões
eixo temático. Os livros são divididos em de leitura e pesquisa. Na segunda parte, há
unidades e subunidades, que desenvolvem os orientações específicas sobre os objetivos e
conteúdos em textos didáticos e nas seções sugestões para explorar o conteúdo e as
Pesquisadores em ação, Dicas e sugestões e atividades de cada unidade e uma lista de
Para saber mais. Os volumes ainda contém Leituras complementares. No final são
Referências bibliográficas e, na última apresentadas Sugestões bibliográficas.
página, Créditos especiais, com as referências 1ª série (159 p.): 1. Nomes e mais nomes;
das ilustrações e mapas. 2. Você cresceu, você mudou; 3. Gosto não
O manual do professor (com 73 páginas, se discute; 4. Vamos Brincar?; 5. Um dia
em média) está dividido em duas partes. A depois do outro.
primeira, que se repete em todos os volumes, 2ª série (135 p.): 1. Comida na mesa;

62
2. De lá para cá, de cá para lá...; 3. Transfor- Há coerência entre a proposta detalhada
mar e conservar: quanto trabalho dá!; 4. no manual e a elaboração da obra. As unidades
Problemas de todos nós. propiciam a aquisição de conhecimentos,
3ª série (159 p.): 1. Muitos jeitos de noções e conceitos básicos da disciplina.
morar; 2. Mudando em busca de trabalho; 3. Diferentes temporalidades, espaços e culturas
De longe... Bem mais longe...; 4. Idas e vindas. são trabalhados por meio de textos variados,
4ª série (160 p.): 1. Ser brasileiro; 2. Esta de rico material iconográfico e de atividades
terra tinha dono; 3. Há mais de 500 anos...; diversificadas. As ilustrações e os mapas
4. Da África para o Brasil; 5. Cidadania, uma introduzem novos conhecimentos e se
luta de todos. articulam aos textos e atividades, de maneira
a colaborar no desenvolvimento de várias
habilidades cognitivas. A ampliação dos
A análise conhecimentos e das vivências do aluno e a
compreensão da realidade social são
A metodologia de ensino-aprendizagem, facilitadas por meio da problematização e da
explicitada no manual do professor, visa contraposição a outras experiências temporais
ampliar o conhecimento e a vivência do aluno e espaciais, ainda que tal relação nem sempre
por meio da problematização e contraposição seja contemplada em todas as unidades das
de suas experiências com outras formas de diferentes séries.
ver e pensar os conceitos básicos para o estudo No entanto, em algumas passagens,
do processo histórico, especialmente o tempo encontram-se exercícios ou textos que podem
e o espaço. A coleção está estruturada temati- apresentar dificuldades acima das condições
camente, e foi concebida como material cognitivas dos alunos do Ensino Fundamental.
dinâmico, que deve ser utilizado pelo Nos volumes da 1ª e 2ª série, a compreensão
professor na seqüência proposta ou ser da realidade social fica prejudicada ao não se

HISTÓRIA
reprogramado em função do diagnóstico abordar a existência de conflitos, e por
prévio de cada turma e das competências e considerar, por vezes, como naturais os
habilidades que pretende incentivar nos problemas sociais, as relações injustas e
alunos. Reitera-se o papel central do professor opressivas do passado e do presente. Não há
nesse processo, a partir da suposição de que explicação sobre o caráter social do trabalho
o docente conheça metodologias de pesquisa, infantil, sobre a questão da distribuição de
tratamento com fontes e tenha condições de renda, do desemprego e da exclusão social.
acompanhar os alunos na sistematização das Além disso, a resposta a algumas questões é
informações. prejudicada pela falta de dados e subsídios
A abordagem busca contemplar de forma que permitam ao aluno ir além do senso
equilibrada o acesso a conhecimentos comum.
socialmente construídos e, ao mesmo tempo, As atividades desempenham papel
estimular o processo de construção do preponderante no desenvolvimento das
conhecimento pelo próprio aluno. Também habilidades. Elas são variadas e caracterizam-
objetiva favorecer a interdisciplinaridade e se pela clareza dos enunciados, integração aos
ampliar o universo dos conteúdos conteúdos, criatividade, diversificação e
curriculares, com a incorporação de novos caráter lúdico, constituindo verdadeiro
significados aos conteúdos tratados nor- incentivo à aprendizagem. A reflexão histórica
malmente. é estimulada, com a articulação do

63
questionamento de vivências e situações que mediante estratégias que valorizam a
se desdobram em problematizações sociais, experiência do aluno, que se desdobra para
econômicas e culturais. O conteúdo histórico, dimensões sociais e históricas mais amplas.
nos exercícios e atividades, é instrumento para Ao mesmo tempo em que há veiculação de
a reflexão social e para a manipulação de conteúdos socialmente elaborados, o saber
noções básicas que desenvolvem o raciocínio histórico vai sendo construído no processo de
histórico. Em todos os volumes há muitos ensino-aprendizagem pelo próprio aluno. A
exercícios que partem de textos de outros renovação historiográfica se dá não tanto pela
autores, letras de música, artigos de jornais e incorporação dos conteúdos, quanto pela
revistas, trechos de livros de História e de sintonia com os debates e avanços relacionados
histórias infantis, poemas, relatos e ao ensino de História. A historicidade dos
depoimentos. A produção de textos é conceitos e noções fundamentais ao
incentivada por exercícios que possibilitam a conhecimento histórico, com raras exceções,
interpretação de textos, imagens, tabelas e está presente e é trabalhada de forma
gráficos. adequada em toda a coleção.
A proposta de metodologia da História A coleção também se caracteriza pela
defende uma noção dinâmica da disciplina, diversidade e riqueza das fontes textuais
na qual o conhecimento é construído histórica utilizadas: fragmentos de documentos oficiais,
e socialmente. A análise histórica é condi- artigos de revistas e de jornais, anúncios de
cionada pelas posições e experiências de jornal e depoimentos. Busca-se demonstrar o
historiadores, professores e alunos, que caráter não absoluto do conhecimento
interpelam o passado a partir de questões do histórico veiculado por tais fontes, uma vez
presente. Com base nesta concepção, que elas estão articuladas a interesses
considera-se que os esforços devem se voltar históricos e a sistemas culturais específicos.
para o desenvolvimento do espírito As representações iconográficas são
HISTÓRIA

investigativo e da capacidade de questiona- igualmente variadas, bem escolhidas e


mento e de articulação das diferentes vinculadas aos textos e às atividades, ao longo
informações. Propõe-se o rompimento com a dos volumes. O contato e a manipulação
linearidade histórica, por meio do trabalho destas fontes certamente contribuem
com fontes variadas e versões conflitantes. O positivamente para desenvolver a
conteúdo, que não se confunde com sensibilidade do aluno em relação à
informação, é entendido como processo importância dos documentos para o estudo e
permanente, elaborado por alunos e professor, análise tanto do passado quanto do presente.
na interação do ambiente escolar com a As atividades propõem roteiros organizados
realidade e com os problemas sociais mais para observação, coleta de informações e
gerais. Busca-se, assim, formar sujeitos análise, com a vantagem de não sacrificarem
conscientes da realidade e, ao mesmo tempo, os aspectos lúdicos.
capazes de nela intervir de modo crítico. É O cuidado com a construção da cidadania
dada ênfase ao desenvolvimento dos conceitos está entre os principais objetivos enunciados
necessários para o exercício do raciocínio no manual. Considera-se fundamental desen-
histórico e para a compreensão da realidade. volver o respeito pela diversidade de opiniões,
O desenvolvimento dos conteúdos é a tolerância e a liberdade, a defesa dos direitos
coerente com a proposta enunciada. Os temas humanos e a reflexão sobre as regras de
e subtemas são efetivamente desenvolvidos convivência social. O desenvolvimento de

64
atitudes é contemplado, principalmente, por O manual do professor é um importante
meio das atividades coletivas, que incentivam instrumento para a prática pedagógica, assim
a cooperação, a troca de idéias, o respeito como para a formação e atualização do
mútuo, o reconhecimento de direitos e docente. É aprofundado, pertinente, claro e
deveres. Procura-se superar o preconceito em acessível ao professor das primeiras séries do
relação aos mais pobres e aos nordestinos, Ensino Fundamental. O estudo interdis-
mediante o estudo da realidade destes grupos ciplinar é muito enfatizado nas orientações
no Brasil atual. gerais e nos comentários dos capítulos, e é
Entretanto, a falta de referência a grupos efetivamente realizado no livro do aluno. As
sociais, no volume da 1ª série, prejudica a reflexões sobre a avaliação estão integradas
compreensão da cidadania, e caberá ao profes- à metodologia proposta, com destaque para
sor enfatizar o que está apenas sugerido.
seu caráter processual, que articula indivíduo
Percebe-se, ainda, que no livro da 2ª série, os
e grupo. Ao definir a avaliação como contínua,
grupos sociais não são tratados e a História
dinâmica e investigativa, o manual sugere
fica reduzida às ações individuais e da família.
alguns instrumentais, como caderno de campo
Nos volumes seguintes, porém, estas ausên-
do professor, diário do aluno e arquivo de
cias não são sentidas. No livro da 3ª série,
atividades.
por exemplo, desafia-se o aluno a construir
Quanto à edição e aspectos visuais, a
uma postura política e crítica, a resguardar
coleção é bem planejada: a estrutura, a
sua autonomia e a valorizar a participação
individual na construção social coletiva. No composição e a seleção das ilustrações e das
livro da 4ª série, destaca-se a historicidade cores conferem ritmo e continuidade à obra.
das experiências sociais que marcaram os O projeto gráfico demarca claramente as
distin-tos segmentos populacio-nais, a fim de partes constitutivas de cada livro. Além disso,
des-pertar no aluno a consciência crítica e o texto e as ilustrações permitem adequada

HISTÓRIA
enfatizar a responsabilidade e o direito de todos legibilidade, descanso visual e estão
participarem ativamente no estabelecimento de distribuídos de forma planejada e cuidada, em
novos rumos para a sociedade brasileira. equilíbrio em relação ao conjunto.

Em sala de aula
Sugere-se que o professor considere, na preparação de seu trabalho pedagógico,
as indicações contidas no manual do professor, assim como as anotações a ele
dirigidas na reprodução do livro do aluno. Propõe-se que sejam aprofundadas a
metodologia e as técnicas necessárias para o trabalho com as fontes textuais e
iconográficas, pela importância dada a elas como fonte de conhecimento histórico.
O material didático apresentado poderá e deverá ser adaptado às condições dos
alunos e de suas vivências a partir de esforços do docente no sentido de incorporar
as práticas pedagógicas sugeridas. O uso crítico do material apresentado poderá
suprir as ressalvas apontadas, assim como outras que o professor detectar.

65
Recomendada
Por quê?
A organização e o desenvolvimento dos conteúdos
estão plenamente coerentes com a estrutura
metodológica e os pressupostos de ensino-
aprendizagem explicitados no manual do professor.
Parte-se da experiência do aluno, com a preocupação
de valorizar a reflexão, a compreensão e a
problematização da realidade social, no presente e no
Coleção passado. Nos quatro volumes, o conjunto das atividades

Pensar e Viver - favorece o desenvolvimento das habilidades cognitivas


e a construção das noções históricas – o que torna efetiva
História
Francisco Maria Pires Teixeira a proposta metodológica de estimular a participação ativa
Rosaly Maria Braga Chianca dos alunos no processo de aprendizagem.
Aspectos importantes da renovação historiográfica
foram incorporados ao saber escolar, constata-se o
trabalho com diversas fontes históricas e os a
preocupação de analisar os processos históricos a partir
de vários pontos de vista. No entanto, há ressalvas

Editora Ática pontuais nos livros da 2ª e da 4ª séries. Este último traz


HISTÓRIA

alguns documentos cuja linguagem é de difícil


compreensão para a faixa etária dos alunos.

A coleção O manual do professor contempla as


seguintes seções: Ficção e realidade; Os
A obra está estruturada a partir de eixos temas trabalhados na coleção; A estrutura
temáticos: grupos de convívio dos alunos e o metodológica; Sobre as atividades propostas;
seu entorno (bairro e cidade), no primeiro e Quanto à avaliação. Nos manuais dedicados
segundo volumes; processos históricos a cada série específica, são indicados e
relacionados à História do Brasil, no terceiro trabalhados: Os temas centrais deste volume;
e quarto volumes. Cada volume é composto As unidades didáticas; Estrutura e descrição
por capítulos que estão estruturados em de cada unidade didática; Textos comple-
Apresentação do tema – Hora da leitura, mentares; Bibliografia para o professor.
Hora do recreio. Ao final de cada volume há 1ª série (120 p.): 1. Eu e os outros; 2. Eu,
as seções: Sugestões de leitura para cada uma minha família e minha história; 3. Eu e a
das unidades; Outras sugestões de leitura; escola; 4. Eu e os meus direitos.
Bibliografia; e Glossário. 2ª série (104 p.): 1. De um ano para o outro;

66
2. As mudanças à nossa volta; 3. A nossa compatíveis com a série a que se destina. A
cidade. complexidade dos conteúdos é ampliada
3ª série (104 p.): 1. Conhecendo nossa gradativamente, o que possibilita aos alunos
história através de documentos; 2. A vida e o alcançar níveis mais amplos de abstração e
trabalho em diferentes períodos históricos; generalização. No terceiro e quarto volumes,
3. Governo e democracia. a construção das noções históricas articula-
4ª série (120 p.): 1. A ocupação da América se com conteúdos mais abstratos que abordam
e do Brasil; 2. A sociedade brasileira; o processo histórico brasileiro, estimulando
3. Construindo uma sociedade democrática. a generalização de conceitos e procedimentos.
As habilidades cognitivas demandadas vão se
tornando mais complexas no desenrolar de
A análise cada livro e de uma série para outra.
Para a introdução dos conteúdos novos a
A metodologia de ensino-aprendizagem é partir da experiência social do aluno,
bem fundamentada e objetiva. Suas propostas observam-se duas estratégias didáticas:
são explicitadas de forma sucinta e clara no utilizar histórias fictícias com os personagens
manual do professor. O mesmo acontece com Carol e Caco e propor pesquisas que
os objetivos e conteúdos didáticos das relacionam o conteúdo estudado com a
unidades que, de acordo com a “estrutura realidade do aluno.
metodológica” da obra, visam desenvolver no Nos volumes da 1ª, 3ª e 4ª séries, a
aluno “conceitos, procedimentos e atitudes”. problematização do passado e do presente é
Na Apresentação, indica-se que “o ponto feita de forma adequada.
de partida da aprendizagem é a observação As atividades constituem um dos aspectos
do cotidiano individual e da realidade social mais positivos da coleção, pois são adequadas
no tempo presente”, com o objetivo de à escolaridade dos alunos, diversificadas,

HISTÓRIA
propiciar “o desenvolvimento intelectual, a criativas e estimulantes, integrando-se aos
formação da consciência pessoal, da conteúdos e favorecendo o desenvolvimento
identidade social e das bases da cidadania”. de múltiplas habilidades cognitivas. Constata-
O trabalho é desenvolvido com eixos se, ainda, que estas atividades estão colocadas
temáticos ao longo da coleção, sem a como estratégias pedagógicas para articular
exposição dos conteúdos a partir da os diferentes conteúdos de uma mesma
tradicional seqüência cronológica. A História unidade e os de unidades diferentes.
brasileira é estudada a partir de processos, Dentre as ressalvas que incidem nos
abordados num constante diálogo entre encaminhamentos relativos ao ensino-
presente e passado. São as questões do aprendizagem, destacam-se: no volume da
presente que mobilizam o estudo do passado. 2ª série, unidade, a problematização do
O desenvolvimento dos conteúdos presente e do passado é limitada; há
corresponde aos eixos temáticos indicados e demasiada ênfase nas entrevistas. Na 3ª série,
procura-se construir a abordagem partindo- pode haver prejuízo para a realização de
se do cotidiano do aluno e da realidade social algumas atividades, dependendo da localidade
do tempo presente. em que o aluno se encontra – cidade, campo.
Nos quatro volumes da coleção, o texto No quarto volume, há documentos históricos
didático permite o desenvolvimento de de difícil compreensão e propostas de
diversas competências e habilidades pesquisas complexas. Embora seja apontada

67
a necessidade de se colocar o aluno em com indicação da página em que se encontram
contato com múltiplas experiências, textos e as palavras e expressões. Nos dois primeiros
atividades restringem-se à exploração das volumes, o número de verbetes não é grande,
vivências mais imediatas. mas a sua qualidade é adequada, tanto pela
As propostas metodológicas da História seleção quanto pela forma como são
estão expostas de forma sucinta no manual explicados, com exemplos e linguagem
do professor, sem referência a autores ou acessível ao aluno. Percebe-se, porém, falhas
concepções teóricas. Afirma-se que a de revisão na indicação das páginas, no livro
organização dos eixos temáticos da coleção de 2ª série.
baseia-se na “compreensão atual sobre a Nos quatro volumes verificam-se também
natureza e a produção do conhecimento simplificações explicativas. Muitas delas
histórico” e na distinção entre saber histórico decorrem da necessidade de adequar a
e saber histórico escolar. O “saber histórico abordagem dos conteúdos às primeiras séries
escolar” é definido como o resultado da do Ensino Fundamental – pressupondo-se a
reelaboração do conhecimento acadêmico em introdução do estudo de noções e processos
função das necessidades pedagógicas e históricos que serão retomados nas séries
vivências de professores e alunos dentro e fora posteriores, visando à construção dos
do ambiente escolar. conceitos. Em alguns casos, o uso do
Há inovação em relação às abordagens Glossário pode minimizar o problema.
convencionais dos livros didáticos. Exemplo Ao longo da coleção, as ilustrações são
disso é o recurso ao uso de eixos temáticos utilizadas na introdução dos conteúdos e
nos volumes e ao longo da coleção. exploradas de modo a propiciar novas formas
Nos quatro volumes, contempla-se a de conhecimento. A articulação constante
construção de noções fundamentais para o entre texto e imagem pode auxiliar os alunos
conhecimento histórico, de forma articulada na leitura e compreensão dos textos didáticos.
HISTÓRIA

com a proposta metodológica de se partir da No conjunto da coleção, observa-se


experiência social do aluno e da reflexão da diversidade de linguagens visuais: desenhos;
realidade social do tempo presente. fotografias; reproduções de documentos
Ao longo da coleção, são propostas escritos, de obras de arte, de jornais e revistas.
atividades com fontes orais, materiais e, A construção da cidadania também é
principalmente, iconográficas, mantendo a reforçada com a sugestão de que a
coerência com a proposta metodológica aprendizagem considere “dois processos
apresentada no manual do professor, que combinados”: “a construção das identidades
enfatiza a utilização de outras fontes históricas pessoais e a descoberta das dimensões do
além das escritas. Um dos pontos positivos público (cidadania) e do privado (moralidade)
da coleção é justamente mostrar ao aluno que que compõem a vida social”. Esta proposta
o conceito de documento abrange uma efetiva-se na coleção, pois a construção da
multiplicidade de fontes. cidadania constitui um dos eixos na
As atividades propostas a partir das fontes organização dos conteúdos, tanto nos textos
iconográficas auxiliam o aluno a desenvolver didáticos quanto nas atividades. O estímulo
habilidades como observação, interpretação, ao convívio social, à tolerância e à liberdade
comparação, necessárias ao utilizar as é valorizado explicitamente no manual do
imagens como fontes históricas. professor e está presente em todos os volumes
No final de cada livro, há um Glossário da coleção.

68
As diferenças entre indivíduos, culturas e interdisciplinaridade”, destacando-se a
grupos étnicos são abordadas e valorizadas, presença de atividades articuladas com outras
constituindo-se num dos pontos positivos que áreas curriculares: Artes, Geografia, Língua
colaboram para a construção da cidadania. Portuguesa.
Estão contempladas as diversidades sociais, Na seção Bibliografia para o professor,
assim como as diversas regiões do País. No constam sugestões para leitura, organizadas
entanto, constata-se a pouca exploração do nos itens Para o ensino de História, Apoio
meio rural, assim como a ausência de para o trabalho pedagógico e Complemen-
elementos suficientes para a percepção das tação aos temas propostos. No entanto, a
desigualdades sociais que caracterizam a maior parte dos livros indicados como leitura
realidade brasileira, visto que há simplifica- complementar repete-se de um volume para
ções explicativas nos textos e as atividades o outro.
exploram apenas o meio social do aluno, Quanto ao projeto gráfico, os volumes da
dificultando a comparação e a reflexão crítica coleção apresentam adequada organização
da diversidade. visual e são atrativos. A articulação entre
No manual do professor, específico de layout e conteúdo auxilia os alunos no
cada volume, há uma explicação sobre o processo de aprendizagem, pois promove a
desenvolvimento das unidades, explicitando integração entre ilustrações e textos didáticos,
a articulação entre elas. No livro do aluno estimulando o manuseio e a leitura. Observa-
destinado ao professor, há orientações visando se integração entre as ilustrações e os textos,
à articulação entre os conteúdos e destes com o que proporciona adequada legibilidade,
outras áreas do conhecimento. Aponta-se a facilita a visualização das ilustrações e
“preocupação constante com a abordagem dos proporciona descanso visual. As ilustrações
chamados temas transversais e a prática da são diversificadas, bem impressas e coloridas.

HISTÓRIA
Em sala de aula
O manual do professor é um auxiliar efetivo no trabalho pedagógico. Mesmo
assim, o professor precisará complementar a bibliografia referente aos conteúdos
históricos. No quarto volume da obra, encontrará documentos históricos mais
complexos, o que exigirá maior cuidado e acompanhamento. A consulta ao
Glossário, no livro da 2ª série, deve ser feita com atenção especial, devido aos
equívocos de referências à paginação.

69
Recomendada com Ressalvas
Por quê?
Nesta coleção, a metodologia da aprendizagem está
centrada na busca de autonomia do aluno e em um
trabalho com base nas experiências vividas. A História
é apresentada como um processo em construção e
valoriza-se a linguagem visual, como recurso para a
recuperação de vivências do passado e para a
construção do conhecimento. A obra utiliza de fontes
históricas diversificadas, as atividades são variadas e o
Coleção exercício da expressão oral e escrita é estimulado.
No entanto, no volume da 1ª série há um número
Primeiras
excessivo de ilustrações e as atividades estão mais
Noções de voltadas para desenhos e menos para a construção de
História textos. Nem todas as ilustrações estão identificadas
Martins corretamente e o trabalho com mapas é sucinto.
Márcia Berbel Registram-se, ainda, algumas definições imprecisas no
Geni Rosa Duarte
Vera Vieira
Glossário e simplificações explicativas pontuais no texto
Nancy L. Novo didático, o que pode comprometer a construção do
conhecimento histórico.
O manual do professor é um eficiente auxiliar para o
trabalho pedagógico, mas não promove claramente a
Editora FTD
integração do conteúdo histórico com outras áreas do
HISTÓRIA

conhecimento e é pouco esclarecedor no que diz


respeito à avaliação.

A coleção objetivos, o trabalho com a transversalidade


e sugestões para o trabalho com as atividades.
Todos os volumes são organizados em A Bibliografia comentada ao final do manual
unidades e capítulos. Trazem referências é a mesma para os quatro livros.
bibliográficas e um Glossário, que está 1ª série (80 p.): 1. Semelhanças e
incorporado ao texto didático. diferenças; 2. Vivendo em grupo; 3. Passado
O manual do professor apresenta a e presente.
Proposta da coleção, igual para todos os 2ª série (80 p.): 1. O mundo da casa; 2. O
volumes, com as seções: O ensino de História mundo da escola; 3. O mundo da rua.
no Brasil; O trabalho com fontes 3ª série (95 p.): 1. Origem, crescimento e
diversificadas; O trabalho com documentos; memória das cidades; 2. A cidade e suas
A avaliação. Um segundo item – Orientações funções.
sobre o volume – detalha as orientações 4ª série (95 p.): 1. Encontros; 2.
didáticas para cada capítulo, descrevendo os Construções; 3. Tensões.

70
A análise generalização. Os textos e as atividades
centram-se em elementos do cotidiano do
A metodologia de ensino-aprendizagem, aluno, podendo auxiliá-lo a compreender a
explicitada no manual do professor, é centrada realidade social e a desenvolver uma postura
no papel dinâmico desempenhado pelos crítica ante as questões sociais. A problemati-
alunos na construção do conhecimento e na zação passado-presente é percebida nas
atitude que o professor deve adotar neste articulações que levam o aluno a compreender
processo. O encaminhamento metodológico as transformações sociais ao longo do tempo.
da obra procura valorizar a experiência As atividades e exercícios, de modo geral,
pessoal dos alunos, possibilitando que estão formulados clara e corretamente,
integrem o conteúdo à sua realidade. Nota-se integrados aos conteúdos e de acordo com a
também a intenção de dar-lhes certa proposta metodológica da obra. Abrangem um
autonomia na compreensão e interpretação grande número de habilidades cognitivas a
dos fatos, na construção do conhecimento, serem trabalhadas e que são fundamentais
sem considerá-los “pequenos historiadores”. para embasar o conhecimento, como atenção,
A valorização do papel do professor observação, comparação. Os diferentes
fundamenta-se na orientação e coordenação conteúdos estão articulados entre si e
desta construção. Além disso, a metodologia estimulam a capacidade de debater pro-
adotada permite que as análises não se blemas.
encerrem no texto didático, destacando a Observa-se, no entanto, que nas duas
importância de outras fontes históricas. primeiras séries o incentivo à produção de
O trabalho de construção do conhecimento textos é menor do que nas duas últimas. Além
histórico está ancorado em atividades de disso, alguns exercícios no livro da 3ª série
pesquisa baseadas em fontes diversificadas não estão bem-formulados, o que pode
(documentos oficiais, escritos, orais e dificultar ou mesmo levar a uma compreensão

HISTÓRIA
imagens). O objetivo é fazer com que o aluno equivocada do enunciado. Este problema, no
perceba como esse conhecimento é produzido. entanto, pode ser superado pela leitura atenta
Tarefa que exigirá o auxílio do professor, das Orientações sobre as atividades,
orientando o estudante a realizar o levanta- presentes no manual do professor. O item
mento de fontes, registrar as informações e descreve o que se espera de cada atividade,
interpretá-las. envolvendo a formação de opiniões, a
O livro do aluno é coerente com a proposta introdução dos temas transversais, a prática
metodológica: está recheado de imagens da pesquisa, e reforça o aprendizado dos
relativas aos conteúdos trabalhados; as diferentes conteúdos.
discussões e atividades centram-se em Na metodologia da História, explicitada no
elementos do cotidiano do aluno; e é manual do professor, percebe-se uma opção
principalmente nas atividades e exercícios que pela História do cotidiano e uma tentativa de
se pode sentir o papel do professor, orientando incorporação das inovações historiográficas.
os alunos na busca de informações, no uso As formulações tradicionais da História são
das fontes, no despertar de sua curiosidade e criticadas e destaca-se a noção de História
nas respostas aos questionamentos. como resultado da ação humana transfor-
Os diferentes temas trabalhados na obra madora. A incorporação desta metodologia ao
distribuem-se de forma gradativa, permitindo longo da obra é feita por meio do uso de
níveis mais elevados de abstração e de imagens relacionadas principalmente ao

71
cotidiano das crianças, envolvendo a família, informações importantes, como o acervo de
a escola, a cidade, as relações políticas, os que fazem parte e a data em que foram
problemas sociais, a formação da sociedade. geradas, além de os créditos das fotografias
Trabalham-se questões relativas a serem apresentados separadamente, na página
discordâncias e conflitos, permitindo à criança 2 do livro do aluno, o que praticamente
interpretar essas ocorrências no cotidiano da inviabiliza o acesso a essa informação.
sociedade como fatos com os quais convive Ao longo da obra são trabalhadas as
ou conviverá, e não como eventos singulares principais noções relativas ao conhecimento
na história. Enfatiza-se a diferença cultural histórico. Algumas vezes, entretanto, essas
entre povos distintos, discute-se a formação noções não são construídas adequadamente.
do povo brasileiro, ressaltando sua O conceito de história por exemplo, aparece
diversidade de origens. Importante discussão como sinônimo de estória; a noção de natureza
é feita sobre os povos indígenas do Brasil, é pouco discutida no conjunto da obra; a
permitindo o conhecimento de formas noção de relação social é confundida com
diversas de organização social no interior de convívio social. Registra-se uma valorização
uma mesma sociedade. Procura-se incutir no da cultura urbana em detrimento da rural.
aluno que ele é um ser social e necessita dos O Glossário é utilizado de forma criativa,
outros para viver. Também se aborda a questão colocando-se os termos e expressões que se
da democracia e da luta pela igualdade. deseja clarificar em destaque colorido no
Ao se discutir o trabalho com documentos, texto, e suas definições em chamadas laterais,
analisa-se a importância das diferentes fontes o que facilita a leitura e compreensão da
(escritas, orais, iconográficas) e há sugestões expressão. No entanto, algumas definições
para a compreensão do espaço que elas devem estão incompletas ou simplificadas,
ocupar no processo de aprendizagem da prejudicando o entendimento. Há
História. Critica-se a concepção positivista do simplificações explicativas pontuais no texto
HISTÓRIA

documento objetivo, como testemunho da didático que prejudicam a apreensão de várias


história – salientando-se a importância das formulações.
escolhas promovidas pelos historiadores, o O exercício da cidadania é estimulado em
que possibilita as diversas interpretações diversos momentos ao longo da obra. Como
históricas, e o fato de que o documento é uma boa parte dos textos está centrada nas
construção humana. No manual destaca-se discussões sobre relações de poder, relação
também o trabalho com as imagens, dada a inter-racial, discordâncias, tensões,
importância atribuída a elas na apreensão do sociabilidade, a criança vai sendo integrada à
conhecimento pelo aluno. realidade de forma progressiva. Observa-se o
Em várias passagens, as fotografias estímulo ao convívio social, em especial
predominam em relação aos textos como quando se sugere que o aluno converse com
recurso para transmissão e problematização os colegas. Tolerância e convivência são
do conteúdo histórico. Os recursos visuais são noções trabalhadas em todos os livros, assim
variados, abrangendo, além das fotografias, como os direitos das minorias.
as ilustrações próprias, reproduções de obras O manual do professor contém muitos
de arte e ilustrações de revistas. De uma forma elementos para auxiliar o trabalho em sala de
geral, são bem utilizadas no texto e compõem aula, mas a linguagem utilizada é muito
recurso importante no conjunto da obra. No especializada, o que pode dificultar a sua
entanto, algumas ilustrações não fornecem compreensão. Observa-se também que a

72
discussão sobre as possibilidades de em alguns momentos, certo desequilíbrio
integração com outras áreas do conhecimento entre textos e imagens, que pode privilegiar a
é realizada de modo indireto e pouco observação das ilustrações em detrimento da
explícito. Quanto à avaliação da aprendiza- leitura do texto.
gem, o manual se propõe a repensar a questão; As ilustrações foram produzidas especial-
no entanto, essa análise não se concretiza em mente para a obra, mas há um bom número
propostas específicas. de reproduções de obras de arte (pinturas,
O projeto gráfico da obra é bem-cuidado. desenhos, gravuras, aquarelas) e de
Nota-se que recursos variados estão ilustrações extraídas de revistas.
organizados de forma a proporcionar ritmo e De maneira geral, as ilustrações são bem
continuidade, obtidos pelo entrosamento entre utilizadas no texto, embora, às vezes, deixem
os textos didáticos e as ilustrações. No de fornecer algumas informações importantes,
entanto, nos três primeiros volumes nota-se, como o acervo a que pertencem.

Em sala de aula
Para a utilização da coleção, além da atenção que devem merecer as limitações
indicadas, é importante que o professor possa aprimorar seus conhecimentos sobre
o uso da imagem no processo de ensino, dada a abundância de material
iconográfico.
O docente também precisará ter um cuidado especial com a atividade de pesquisa
dos alunos e com o tratamento adequado das fontes históricas. O manual do
professor traz orientações para o trabalho sugerido e para a execução das
atividades, em cada um dos capítulos. A seção de Orientações sobre as atividades,
por exemplo, inclui informações adicionais ao livro do aluno, que auxiliam o professor

HISTÓRIA
a enriquecer o trabalho didático recorrendo a novos autores, obras poéticas e
temas específicos. A Bibliografia comentada, voltada aos temas historiográficos,
sugere leituras que contribuem para a formação e atualização do docente.

73
Recomendada com Ressalvas
Por quê?
Nota-se, nesta coleção, explicitação clara e
aprofundada das concepções de educação e de História
e das orientações e sugestões para o professor planejar
o trabalho. Apresenta bibliografia atualizada e uma
variedade de outros recursos para o professor. As
atividades e exercícios estão integrados ao texto

Coleção Vitória- didático. A linguagem clara e simples está articulada

Régia - História com as imagens, estimulando a leitura. Há textos com

Jean Carlos Moreno linguagens diferenciadas.


Antônio José Fontoura Jr. No entanto, verifica-se pouca articulação entre os
discursos de metodologia do ensino-aprendizagem e os
da História. O encadeamento entre diferentes realidades
espaço-temporais é superficial, encontrando-se
simplificações explicativas, e nota-se ausência de
explicitação da diversidade e do conflito. Os documentos
históricos são apresentados sem a devida
Editora IBEP
contextualização e as fontes não são problematizadas
HISTÓRIA

de forma pertinente.

A coleção ilustradores. Cada livro é acompanhado de


um conjunto intitulado Material de apoio.
Os volumes estruturam-se em unidades, O manual do professor, com média de 86
que contêm vários subtítulos. As atividades páginas, apresenta a mesma estrutura nos
distribuem-se nas seguintes seções: Tem quatro volumes: Proposta educacional,
história; Refletindo; Painel do tempo; subdividida em nove itens, e Estruturação,
Recriando e revivendo; e Pesquisando. também com nove itens. Encerra o manual o
Ao final de cada unidade há a seção Material de apoio, diverso daquele fornecido
Saiba mais e, ao final de cada um dos para o aluno e especialmente preparado para
volumes, o Glossário, seguido de Sugestão cada série.
de leitura para o aluno, Referências 1ª série (160 p.): 1. Bem-vindo à escola!;
bibliográficas, Sites, CDs de música, CD- 2. A família; 3. A moradia e a rua; 4. O tempo;
ROMs, Vídeos. 5. Alimentação e vestimenta; 6. O trabalho e
Há, ainda, Índice geral de imagens e o lazer.

74
2ª série (144 p.): 1. O bairro; 2. Espaço constante na coleção. O fato de as atividades
urbano, espaço rural; 3. O município; 4. O serem constitutivas do texto didático contribui
comércio; 5. Os transportes; 6. A comu- para o desenvolvimento de habilidades
nicação. intelectuais nos alunos. O raciocínio e a
3ª série (160 p.): 1. Trabalhando com criatividade são estimulados, assim como a
documentos históricos; 2. Organizando o interação com colegas, professores, familiares
território brasileiro; 3. Conquistando direitos; e vizinhos. O papel do professor como
4. Os grupos indígenas; 5. Tradições do povo mediador no processo de construção do
brasileiro. conhecimento evidencia-se nas orientações
4ª série (144 p.): 1. O Brasil e o mundo; 2. contidas no manual do professor e naquelas
O Brasil e a natureza; 3. Economia e incluídas na reprodução do livro do aluno.
produção; 4. Trabalho e sociedade; 5. Brasil: As experiências do aluno são tomadas
uma cultura formada por várias culturas; 6. como referência constante no processo de
Construindo a cidadania. construção do conhecimento. A efetivação
deste princípio contribui para a apresentação
gradual dos conteúdos no que diz respeito à
A análise complexidade e à ampliação, de forma dosada,
dos níveis de abstração e generalização
A coleção propõe-se a articular, como envolvidos nos processos de conhecimento.
metodologia de ensino-aprendizagem, uma Por outro lado, a análise de diferentes
compreensão própria das relações entre produções culturais e o uso de outras
educação, escola e sociedade. A concepção estratégias, baseadas na concepção de que os
assumida é o socioconstrutivismo e dela alunos são os produtores do conhecimento,
decorre o princípio de que a consciência, a propiciam a reflexão sobre questões sociais.
inteligência e a criatividade são constituídas As atividades procuram explorar a

HISTÓRIA
a partir das relações sócio-históricas criatividade e a dimensão lúdica da formação
concretas. O papel do professor ganha dos educandos, propondo desenhos, passeios,
destaque, uma vez que ele é concebido como entrevistas, pesquisas, montagens teatrais,
mediador fundamental entre os educandos e colagem, confecção de objetos e roupas. O
a realidade que se quer conhecer. Enfatiza-se íntimo relacionamento entre as atividades e o
que o conhecimento não é o objeto de ensino texto didático auxilia a integração, uma vez
e que, num mundo em que o processo de que as respostas das atividades conduzem aos
produção e difusão do conhecimento temas seguintes. Além disso, uma certa
diversificou-se, cabe à escola ensinar a padronização no formato das unidades
“aprender a aprender”. A proposta de contribui para que as atividades possibilitem
construção do conhecimento se sustenta nas a articulação entre os diferentes conteúdos.
noções de interação e mediação, sendo a Contudo, como não se consegue relacionar
avaliação considerada um processo contínuo de maneira efetiva a metodologia de ensino
e cumulativo, que fornece indícios com a metodologia da História, a construção
importantes para o diagnóstico da prática do conhecimento histórico pelo aluno fica
educativa. comprometida. Com efeito, os conteúdos
As propostas pedagógicas explicitadas selecionados não constituem um elenco
realizam-se parcialmente no livro do aluno. tematizado da disciplina História,
A experiência do educando é uma referência aproximando-se mais dos conteúdos da

75
disciplina anteriormente denominada de No entanto, constatam-se limites à
Estudos Sociais. A perda da abordagem concretização da proposta, que se relacionam
histórica dos objetos de conhecimento à abordagem do conhecimento histórico: a
evidencia-se pela forte perspectiva caracterização superficial dos processos e
presentista, pelo diálogo superficial entre contextos históricos; a perspectiva
diferentes realidades espaço-temporais, pela desarticulada e superficial que marca as
inadequada articulação entre passado e propostas de diálogo entre passado e presente;
presente, e pela abordagem que se baseia no as simplificações no tratamento dos conflitos,
pressuposto de uma visão harmônica da da diversidade e da complexidade das relações
sociedade. sociais; a abordagem excessivamente calcada
Nota-se, também, que em algumas no presente em detrimento de um diálogo
passagens do terceiro volume, os textos entre diferentes realidades espaço-temporais,
escolhidos e as atividades propostas tornam- especialmente nos livros das duas séries
se difíceis, e no volume da 4ª série a realização iniciais. Isso revela os limites da coleção na
das atividades fica prejudicada pela ausência incorporação da renovação historiográfica.
de informações, que são relegadas a pesquisas Essas lacunas comprometem a compreensão
a serem realizadas pelo aluno. Embora a dos processos históricos pelos alunos, a
produção de textos seja incentivada, a historicidade do mundo no qual vivem e o
abordagem superficial de alguns temas pode próprio caráter de construção do
empobrecer a produção textual, pois, nestes conhecimento histórico.
casos, os alunos não contam com referências Embora tenham sido selecionados
que possibilitem a análise, a contextualização documentos históricos de natureza diversa,
e a sistematização dos temas de investigação. em todos os livros há fontes apresentadas sem
A metodologia da História, enunciada no qualquer referência espaço-temporal; outras
manual do professor, busca inscrever a vezes, os vestígios do passado são explorados
HISTÓRIA

coleção em um movimento de inovação da de maneira superficial e/ou problematizados


historiografia e do ensino de História, que a partir de questões pouco pertinentes,
teria como algumas de suas características: a especialmente tendo em vista os limitados
concepção de história como construção social, indícios fornecidos por alguns dos
na qual presente e passado questionam-se documentos selecionados e a ausência de
mutuamente, estando abertos a leituras informações que os contextualizem. Desta
plurais; a valorização das diferentes culturas forma, compromete-se a sua utilização como
humanas; a análise da história local e a busca documento histórico.
da historicidade de aspectos do cotidiano, As ilustrações estão isentas de
entendidos como possibilidade de com- preconceitos e estereótipos, apresentam
preensão de dimensões sociais mais amplas; excelente qualidade gráfica, estão adequadas
o abandono da perspectiva evolutiva, linear, às finalidades para as quais foram elaboradas
e a conseqüente abertura para a dinâmica e integram-se, de forma harmoniosa, aos
plural dos processos históricos; a busca da conteúdos desenvolvidos. A fotografia
reconstrução da ação de diversos agentes constitui-se no principal tipo de imagem que
sociais; e a atenção para com a inserção das compõe a coleção, que também faz uso de
experiências dos educandos nos estudos, mapas, representação de pinturas, de
abandonando a perspectiva que privilegia a esculturas, quadrinhos, charges e ilustrações
ação das elites, do Estado, dos governantes. feitas especialmente para os livros. As

76
imagens, no entanto, nem sempre são metodológicos que orientam as concepções
problematizadas como documentos históricos, de educação e de História adotadas. Em suas
cumprindo, por vezes, o papel de ilustrações diversas seções evidenciam-se a concepção
ao texto didático. dos autores sobre o papel da escola e os
O tema da cidadania reveste-se de princípios pedagógicos e epistemológicos a
fundamental importância quando é discutido partir dos quais a coleção foi elaborada, a
o papel da escola na sociedade contempo- concepção de História, e são apontados os
rânea. Manifesta-se o enfoque dado à forma- desafios que o debate historiográfico recente
ção para o exercício da cidadania, tendo em propõe para o trabalho com o ensino de
vista: a ausência de preconceitos, discrimina- História. Apresentam-se os critérios que
ções, propaganda e doutrinação religiosa; a nortearam a opção pelos temas que compõem
problematização de temas de cunho social e cada volume e a articulação das propostas
o incentivo à busca de soluções para os teórico-metodológicas com as estratégias
problemas; a tematização da diversidade utilizadas na elaboração do livro.
cultural acompanhada da promoção do Encontram-se muitas informações
respeito à diferença como valor; o incentivo adicionais ao livro do aluno que cumprem o
à socialização mediante propostas de ativida- papel de subsidiar o professor no
des coletivas e atividades que envolvem desenvolvimento do trabalho e na sua
familiares e vizinhos. A capacidade de debater formação. Há, também, um pequeno manual
problemas é promovida ao se proporem para orientar e familiarizar o professor a
debates sobre diferentes problemas sociais. trabalhar com a internet.
No entanto, a explicitação das relações de No que respeita aos aspectos visuais, o
poder no processo de conquista de direitos e projeto gráfico proporciona adequada
no exercício do poder político institucional visibilidade, utiliza recursos de descanso
no Brasil é superficial, fazendo desaparecer visual, articula de forma pertinente textos e

HISTÓRIA
o seu caráter conflituoso. imagens, proporcionando uma leitura
O manual do professor fornece, de forma agradável e estimulando o manuseio dos
clara e aprofundada, os princípios teórico- livros.

Em sala de aula
Em vista da real contribuição que pode oferecer, sugere-se que o manual do
professor se constitua em um guia prático e que sua utilização seja adaptada à
realidade de cada escola. Por outro lado, dada a lacuna relativa aos conteúdos
históricos, principalmente nas primeiras séries, é importante que o professor
complemente os textos com recursos historiográficos adicionais.

77
Recomendada com Ressalvas
Por quê?
A coleção apresenta articulação entre os temas de
História e o desenvolvimento de habilidades cognitivas
e propõe a valorização dos saberes anteriores para a
elaboração do conhecimento. As atividades são
formuladas de maneira precisa e didática. A obra trabalha
com fontes diversificadas e supera a abordagem
puramente linear, cronológica e enciclopédica da
História. O manual do professor é bem-elaborado e traz
orientações para o desenvolvimento das atividades do
Coleção livro do aluno.
História Tantas Entretanto, em alguns momentos, percebe-se que a
Histórias concepção de História é trabalhada como “colcha de
Ana Luísa Lins
retalhos”, o que pode proporcionar equívocos
metodológicos. Nos volumes da 1ª e 2ª séries, por
exemplo, o indivíduo ocupa lugar central na abordagem
dos conteúdos, subtraindo-se a relação entre o individual
e o social. Além disso, vários conceitos fundamentais à
História não têm tratamento adequado, a historicidade
das experiências sociais é pouco explorada e não se
registra uma abordagem problematizadora da relação
Editora FTD presente-passado. As metodologias de ensino-
aprendizagem e da História não estão integralmente
HISTÓRIA

explicitadas no manual, que também oferece poucas


indicações de leitura complementar.

A coleção conteúdos de cada série.


1ª série (104 p.): 1. Quem é você?; 2. Cada
Os quatro volumes, estruturados em um é como é; 3. Minha história...; 4. Tempo,
capítulos, não apresentam seções específicas tempo, tempo; 5. Tempo de plantar, tempo de
para o desenvolvimento das atividades, pois colher...; 6. Retrato de família; 7. A vida pela
estas estão integradas aos textos didáticos. janela; 8. A escola de outras épocas; 9. Nossa
O manual do professor contém os itens: casa, nosso lar; 10. Isto é ser “chique”!; 11. O
Apresentação; Temas centrais; Organização homem, as invenções; 12. A casa do homem;
dos livros da coleção; Glossário; Objetivos; 13. Todo dia sempre igual...; 14. Hora da
Comentários gerais; Sugestões de atividades; brincadeira; 15. Agora falando sério...; 16. De
Sugestões para exploração dos textos e das boca em boca...; 17. Tanta história para contar.
imagens do livro; Textos e informações 2ª série (88 p.): 1. Tempo de mudança; 2.
complementares para o professor; A história de cada um; 3. Tempo, tempo,
Bibliografia. As orientações contemplam os tempo...; 4. Quanto tempo o tempo tem?; 5.

78
Escravos do relógio...; 6. Um mar de noções, conceitos e capacidades necessários
histórias...; 7. Quem parte leva saudades; 8. à compreensão da História. Nesta perspectiva,
Convivendo e aprendendo; 9. Modos de viver; a proposta se articula de forma integrada e
10. A vida em outros tempos; 11. Vai, vai, vai coerente com a elaboração do livro do aluno,
começar a brincadeira; 12. A escola em outras pois os conteúdos dos capítulos e as atividades
épocas; 13. A escola em outros lugares; 14. sugeridas mantêm relação direta com os
Aprendendo a conviver; 15. Todos têm muito procedimentos presentes no manual.
a ensinar... e a aprender; 16. Cada um tem a A coleção oferece um amplo e variado
sua parcela a dar; 17. Novos tempos, novas leque de informações textuais e iconográficas
mudanças. como recurso didático. Introduzidas de forma
3ª série (120 p.): 1. Além do mar...; 2. gradativa e equilibrada, estas informações
Estranhos no ninho?; 3. Tecendo histórias; 4. permitem a realização de atividades de
Medindo o tempo; 5. O homem, as viagens; identificação, organização, análise e síntese.
6. Sonhando com o paraíso...; 7. Terra à vista!; O professor é constantemente orientado a
8. Os donos da terra; 9. O paraíso de pernas prestar atenção ao nível de aprendizagem e
para o ar...; 10. O ouro humano; 11. Ser e viver às capacidades do aluno, partindo das noções
escravo; 12. Fazer a América!; 13. A básicas para as mais complexas.
imigração em diferentes momentos; 14. Entretanto, a intenção de levar o aluno a
Retratos de vidas...; 15. Os novos imigrantes. compreender a realidade social se efetiva de
4ª série (128 p.): 1. Assim foi o primeiro maneira uniforme nos volumes da coleção.
encontro; 2. Os homens vindos do mar; 3. No livro da 2ª série, por exemplo, a realidade
Povos que os espanhóis encontraram na social é apresentada de forma pouco
América; 4. As cidades dos deuses; 5. Uma problematizada, com omissão das diferenças,
trilha de destruição e morte; 6. Povos que os injustiças, conflitos e suas causas, dando-se
portugueses encontraram no Brasil; 7. O a ilusão de que vivemos em um mundo

HISTÓRIA
mundo de cabeça para baixo; 8. As primeiras harmônico e auto-regulado. Nos últimos
cidades no Brasil; 9. Cidades em diferentes volumes, porém, as questões sociais são
tempos; 10. Terra de quem? 11. Outros povos, enfocadas, em especial as das cidades
outros problemas; 12. A conquista da brasileiras, o que permite aos alunos uma
liberdade; 13. A conquista da dignidade. compreensão mais realista da sociedade.
Abordam-se, por exemplo, diversos
movimentos sociais como os dos Sem-Terra
A análise e dos Sem-Teto, da Consciência Negra e dos
ambientalistas, entre outros.
A metodologia de ensino-aprendizagem é As atividades e exercícios estão
apresentada de forma pontual, no manual do articulados como um bloco único aos textos
professor, a partir dos temas e procedimentos didáticos e formulados de forma precisa,
pedagógicos a serem trabalhados pelo proporcionando o desenvolvimento das
docente. Fica evidente a pretensão de integrar habilidades cognitivas sem predomínio de
os textos didáticos às atividades e estimular a umas sobre outras. O estímulo à produção de
participação do aluno, por meio de questões textos é uma característica positiva desta
que partem de seu conhecimento prévio. coleção. Na 4ª série, por exemplo, a proposta
Especialmente nos dois primeiros volumes, da organização de todo o material escrito
nota-se a preocupação com a construção de culmina com o aluno elaborando o próprio

79
livro. A obra oferece um significativo e da obra e do predomínio do indivíduo na
diversificado número de textos comple- explicação do processo histórico.
mentares, adequados à proposta. Com o As fontes textuais são variadas, incluindo
objetivo expresso de habituar os alunos a paradidáticos, literatura infantil, poesia, letras
consultar o dicionário, o livro do aluno não de música, mitos e lendas, material da internet,
traz glossário, encontrado apenas no manual depoimentos orais e textos jornalísticos. A
do professor. maioria destas fontes, porém, cumpre a função
A referência à metodologia da História de suporte didático: são textos produzidos
encontra-se na Apresentação e nos Temas para transmitir conhecimentos disciplinares
centrais do manual do professor. O enfoque e comunicar o resultado de estudos
principal presente na coleção é o da História específicos sobre determinados assuntos.
como o entrelaçamento das histórias Nota-se a carência de documentos históricos
individuais, começando com a da própria em sentido estrito, ou seja, documentos que
criança, das pessoas com quem convive, para registram ações de sujeitos históricos.
gradativamente incluir experiências sociais A coleção inicia-se com uma variedade
diversas e distantes no tempo e no espaço. pequena de representações iconográficas,
Este enfoque se efetiva no desenvolvi- restritas à fotografia, mas evolui para um
mento dos conteúdos, bem como na excelente trabalho de apresentação e análise
incorporação da renovação historiográfica. A de fontes das mais diversas origens e
problematização está presente no conjunto da linguagens, como reprodução de pinturas,
coleção, mas fica prejudicada nos dois fotografias, objetos. A apresentação e
primeiros volumes, nos quais a concepção de discussão das imagens encontram-se no
História como “colcha de retalhos” é próprio texto didático e são aprimoradas em
marcante, conduzindo a uma perspectiva de orientações no manual do professor.
mera justaposição de experiências Em relação à construção da cidadania,
HISTÓRIA

individuais. Nos volumes seguintes o aluno é nota-se estímulo ao convívio tolerante com
levado a explorar um conjunto de fontes que as diferenças, à conscientização sobre os
permite conhecer a história de diferentes direitos da criança e do adolescente, à
povos, ressaltando a diversidade das construção de atitudes de diálogo, à
experiências sociais, sem relegar os negociação e à democracia. Também
problemas decorrentes do contato entre eles. incentiva-se o bom senso no estabelecimento
Dessa maneira, nota-se uma dicotomia entre de regras de convivência e disputa, assim
os volumes da 1ª e 2ª séries, em que há como o respeito às regras estabelecidas, sem
predominância de abordagem individualista, privilegiar camadas sociais. Não há, entre-
e os volumes da 3ª e 4ª, nos quais são tanto, trabalho com a historicidade das
privilegiadas as experiências históricas experiências sociais e, em geral, não se faz
coletivas, marcadas pela historicidade e menção a outras formas de organização social
diversidade. que possam servir de parâmetro para se pensar
O tratamento dado à maioria das noções e na nossa própria organização.
conceitos históricos é adequado. No entanto, O manual do professor é bem-elaborado.
a noção de natureza não recebeu tratamento Embora não explicite claramente as propostas
suficiente e os conceitos de História, sujeito teórico-metodológicas, explica quais são as
histórico, poder e relações sociais apresentam estratégias utilizadas para a sua elaboração.
problemas em função do enfoque norteador O trabalho didático é corretamente orientado

80
a cada passo e a cada capítulo e as sugestões em fontes diversas, de filmes, de sites. O
para a articulação dos diversos conteúdos são processo de avaliação, contudo, não é
expostas tanto no manual quanto em indica- discutido no manual.
ções específicas assinaladas em cor vermelha, A coleção apresenta um excelente projeto
na reprodução do livro do aluno. As propostas gráfico, com estrutura hierarquizada de títulos
de integração dos conteúdos de História com e subtítulos, sumário claro e preciso e unidade
as áreas de Língua Portuguesa, Matemática, visual quanto à forma de organização e ritmo/
Ciências e Artes também estão expostas no continuidade. A edição cuidada da obra
manual do professor e no próprio texto estimula o manuseio e a leitura, propor-
didático. Há comentários, textos comple- cionando adequada legibilidade e visualização
mentares, sugestões de leitura, de pesquisas das ilustrações.

Em sala de aula
Ao utilizar esta coleção, é conveniente que o professor esteja atento aos limites
apontados, principalmente os relacionados à concepção de História, assumida
como “colcha de retalhos”; à inserção do aluno na sociedade sem fixação demasiada
na sua individualidade; à problematização do presente e do passado; às lacunas
do manual do professor no que diz respeito à metodologia e às diferenças no
tratamento metodológico entre os dois primeiros volumes e os dois últimos.
Por outro lado, o docente terá a seu favor e poderá explorar bem as fontes
apresentadas, a boa relação estabelecida entre o conhecimento que o aluno já
detém e os novos, as atividades propostas e as sugestões de elaboração de textos
pelo aluno.

HISTÓRIA

81
Recomendada com Ressalvas
Por quê?
Na coleção, os problemas sociais são analisados e os
conhecimentos do aluno são considerados, o que
contribui para a formação de seu pensamento crítico.
Trabalha-se com a historicidade dos elementos que
compõem o cotidiano da criança, com atividades
integradas aos conteúdos e que estimulam habilidades

Coleção cognitivas. Há incentivo à produção de textos, além de

Historiar - um forte estímulo à formação para a cidadania. É feita a

Fazendo, relação entre passado e presente e valoriza-se o trabalho

Contando e com fontes escritas, iconográficas e orais.

Narrando a No entanto, as propostas metodológicas não estão

História suficientemente explicitadas. Não há indicação de obras

Mª Auxiliadora M.S. Schmidt relativas ao ensino-aprendizagem e algumas atividades,


especialmente no livro da 1ª série, apresentam grau de
complexidade que podem impor dificuldade ao aluno.
Também são encontrados problemas variados em
Editora Scipione
relação a algumas ilustrações, figuras e representações
HISTÓRIA

cartográficas nos livros da 1ª e 2ª séries.

A coleção seções são encontradas apenas nos livros da


3ª e 4ª séries: Registrando a história local,
Cada volume está estruturado em unidades Registrando a história do Brasil, Pesquisando
com textos didáticos e as seções: Pensando..., em documentos, Ouvindo opiniões de
Resgatando a sua história; Escrevendo a historiadores e Ouvindo outras opiniões.
história; Ouvindo histórias de hoje em dia; O manual do professor traz os itens: Idéias
Ouvindo história de outras épocas; que fundamentam o trabalho; Os
Registrando outras histórias; Para saber procedimentos metodológicos; Estrutura e
mais; Meu arquivo; Para cantar com a organização do livro; Comentários sobre o
professora; Curiosidades; Preservando a trabalho desenvolvido em cada unidade;
memória. Indicações bibliográficas complementares.
Nos livros da 1ª e 2ª séries, há duas seções 1ª série (143 p.): 1. Criança tem história:
exclusivas: Organizando o meu arquivo O que é ser criança; Crianças de outros tempos
particular e Outras opiniões. Outras cinco e lugares; Crianças de hoje; Lembranças de

82
crianças. 2. Vidas de criança: Crianças e suas social e individual do ser humano ao longo
coisas; Crianças e suas casas; Crianças e seus do tempo.
brinquedos; Crianças e seus cotidianos. 3. A obra busca estimular habilidades
Direitos e deveres das crianças: Criança cognitivas e desenvolver atitudes críticas e de
precisa aprender; Criança precisa ter saúde; tolerância. Essa preocupação transparece nos
Criança precisa de lazer; Criança precisa de textos, que abordam as questões sociais em
amor. todas as suas dimensões. Espera-se que a
2ª série (195 p.): 1. Convivendo com os criança reconheça as diferenças culturais e
outros: A criança e os outros; Gente de todas históricas entre povos e grupos. Como
as idades; Vizinhos e amigos; Vivendo a procedimento pedagógico central, é proposto
diferença. 2. Vivendo a escola: A sua escola; o trabalho com as fontes e os procedimentos
O trabalho na escola; Vida de escola; Histórias de investigação e verificação históricas.
de escolas. 3. Convivendo com famílias: Prioriza-se a formação do conceito de tempo
Famílias; Irmãos e irmãs; Parentes; Criados. e a estruturação dos capítulos a partir da
4. Vidas de famílias: O trabalho; Os objetos; realidade do aluno, para depois ampliar a
As festas; Os espaços. temática para recortes temporais mais amplos.
3ª série (176 p.): 1. Convivendo na cidade: Os problemas sociais são trazidos para
O lugar onde eu moro; Espaços urbanos; Os análise e se constituem na principal estratégia
lugares da cidade; A vida na cidade. 2. para levar o aluno a compreender a realidade
Histórias de cidades: História da sua cidade; social. Há um trabalho sistemático de
Histórias de outras cidades; Cidades de levantamento dos conhecimentos e opções da
antigamente; Cidades de hoje em dia. 3. criança para, a partir daí, aprofundar os
Coisas da cidade: As cidades e suas conceitos de tempo e espaço para graus mais
necessidades; As cidades e suas histórias; As amplos de abstração.
cidades e o trabalho; As cidades e o cotidiano. A coleção apresenta linguagem adequada

HISTÓRIA
4ª série (192 p.): 1. Minha gente: História às séries a que se destina. Há dosagem correta
da minha gente; Histórias de outras gentes. 2. de complexidade nas atividades, sem
História da gente brasileira: Povoadores; subestimar a capacidade do aluno. Percebe-
Colonizadores; Escravos; Imigrantes; se a preocupação em resgatar aspectos do
Migrantes. 3. Vida da gente brasileira: cotidiano da criança, para em seguida ampliar
Cotidiano da gente brasileira; Personagens da o conhecimento sobre essa realidade,
vida brasileira. recorrendo ao passado.
Os exercícios e atividades estimulam a
maioria das habilidades cognitivas, como
A análise investigação, criatividade, observação,
síntese, análise, comparação, argumentação,
A proposta de ensino-aprendizagem é extrapolação de conceitos e interpretação.
explicitada, no manual do professor, apenas Estão integrados aos conteúdos por meio do
de forma genérica, ao afirmar a necessidade tema central da obra, o estudo da formação
da compreensão e da reconstrução da vida da sociedade brasileira, em suas múltiplas
cotidiana do aluno, que traz consigo dimensões. Há incentivo específico ao debate
construções pessoais sobre conteúdos de problemas e à produção de textos, e a
históricos. Estes, por sua vez, devem ser coleção conta com farta e variada seleção de
enriquecidos pelo entendimento da natureza textos complementares, inclusive diversos

83
documentos históricos. Algumas atividades, preocupação com a formulação de categorias
especialmente no livro da 1ª série, são muito e conceitos históricos em detrimento da mera
complexas, o que pode gerar dificuldades para descrição factual de acontecimentos. O
o aluno. Também nos volumes da 1ª e da 2ª retorno ao passado, tendo como base as
séries, são apresentadas diversas datas, temáticas do presente, permite a abordagem
algumas delas bem recuadas no tempo, sem da História a partir de problemas.
que a criança esteja preparada para trabalhar A construção dos conceitos fundamentais
o tempo e sua contagem. para a prática do conhecimento histórico,
A metodologia da História adotada destaca como espaço, sujeito histórico, relação social,
a necessidade de que o aluno entenda a trabalho, período/duração, é adequada. No
historicidade da experiência que vive. entanto, encontram-se problemas de diversas
Enfatiza-se a abordagem do cotidiano e da ordens quanto aos conceitos de tempo,
experiência individual e social em sua história, cultura, natureza e poder.
pluralidade, para superar a explicação A coleção oferece grande quantidade e
simplista dos fatos. São apontados quatro variedade de fontes textuais e iconográficas,
procedimentos que fundamentam a explicação que, em geral, são bem aproveitadas. Por meio
dos conteúdos: o princípio globalizador, a de diferentes temáticas e de várias linguagens
explicação causal, a intencionalidade, e a visuais, elas possibilitam novas formas de
mudança e continuidade. Apregoa-se, conhecimento.
também, o procedimento investigativo no No entanto, algumas ilustrações e figuras
trabalho com as fontes escritas e orais. são muito pequenas, o que dificulta a
Observa-se coerência com os objetivos visualização. Além disso, no livro da 1ª série,
propostos, com o constante recurso à pesquisa há figuras pequenas e pouco nítidas; no
e ao levantamento do cotidiano do aluno. volume da 2ª série, elas se mostram escuras
Essas estratégias são submetidas a uma leitura ou borradas. Por fim, algumas imagens ou
HISTÓRIA

ampliadora, que busca no passado diferenças fotografias não estão adequadamente


e semelhanças quanto ao vivido no presente. contextualizadas por falta de legenda e de
As definições conhecidas são ampliadas por outras especificações sobre os créditos. Estas
meio de novas experiências, o que possibilita lacunas não se observam nos volumes da 3ª e
processos indutivos e dedutivos na formação 4ª séries. As representações cartográficas não
de conceitos. A construção do conceito de trazem indicações convencionais para a
tempo se efetiva nos encontros entre passado correta localização dos mapas. Em toda a
e presente, e no trabalho específico de trechos obra, há mapas pouco nítidos, o que dificulta
e capítulos voltados para a construção de sua leitura e utilização.
conceitos temporais. Aprimora-se o trabalho Não há glossário, mas essa falta é
investigativo por meio das fontes escritas e compensada pela orientação à pesquisa de
iconográficas, e pelo estímulo ao levanta- palavras. São apontadas leituras comple-
mento de fontes orais. A construção da mentares para o aluno, comentadas e
cidadania e o incentivo ao desenvolvimento integradas ao trabalho didático. Nos textos
de diversas habilidades cognitivas estão didáticos, são encontradas simplificações
presentes. Constata-se a incorporação da pontuais que não afetam significativamente a
renovação historiográfica. A história do qualidade do conjunto da coleção.
cotidiano e a ampliação da concepção de No conjunto se constata a preocupação
fontes documentais são valorizadas e há com a construção da cidadania. Nesse sentido,

84
são feitas discussões sobre a participação das ambiente e sugeridas ações políticas
crianças na sociedade brasileira, promovendo- necessárias para enfrentá-los. Há, ainda, a
se o incentivo à cobrança de direitos em preocupação de tratar questões sociais atuais,
relação à família, à sociedade e aos governos. como o abandono de crianças, a situação dos
As experiências sociais são discutidas em sua migrantes e a existência do preconceito racial.
historicidade e estimula-se a postura criativa O manual do professor apresenta, de forma
e participativa. A consciência política é clara e linguagem adequada, a inter-relação
buscada por meio de textos e atividades que entre as propostas teórico-metodológicas e as
abordam os problemas sociais brasileiros, estratégias utilizadas na elaboração do livro.
especialmente a desigualdade entre ricos e No entanto, as orientações não promovem a
pobres, ou ao se tratar das condições de articulação dos conteúdos entre si, apenas das
higiene e saneamento básico no Brasil do seções que compõem cada capítulo. Os
presente e do passado. São mostradas as objetivos das atividades estão explicitados,
diferenças físicas entre as pessoas e a mas não há informações adicionais às do livro
importância de respeitá-las; incentivam-se o do aluno, presentes apenas nas orientações
respeito aos mais velhos, por meio da para o trabalho com o texto e com os
comparação com as experiências sociais de exercícios. Também não há discussão sobre a
outras culturas, e o combate à discriminação avaliação da aprendizagem.
racial ou social. Há sugestões de bibliografia –
A categoria “trabalho”, aliada à condenação principalmente de metodologia do ensino de
do trabalho infantil, também é discutida. As História –, mas são pouco variadas e não
manifestações de rua são apresentadas como permitem muito aprofundamento. Faltam
forma de reivindicação ou como espaços que indicações de leituras de metodologia da
podem ser apropriados para a expressão de História e de conteúdo histórico para os
idéias no campo da arte e da política. As leis e professores, bem como sugestões de outros

HISTÓRIA
suas funções, assim como a necessidade de recursos para enriquecimento das aulas. O
obedecê-las, são problematizadas. São manual não traz sugestões de atividades e
abordados vários problemas relativos ao leituras para os alunos.

Em sala de aula
O professor deverá estar atento aos volumes da 1ª e 2ª séries, que contêm um
número maior de lacunas. Poderá encontrar algumas orientações para trabalho
com as seções no manual do professor, mas é importante desenvolver estratégias
e critérios de avaliação da aprendizagem, ausentes no manual.
Ao optar por esta coleção, é interessante que o docente aproveite a iconografia
para desenvolver trabalhos de análise. É necessário, no entanto, auxiliar o aluno
nas pesquisas demandadas para que ele possa compreender os temas tratados
em sua totalidade.

85
Recomendada com Ressalvas
Por quê?
Na coleção, a organização dos conteúdos e das
atividades privilegia o debate, o aprofundamento de
questões, a sociabilidade e a pesquisa. A quantidade e
diversidade das atividades favorecem o trabalho do
professor e a aprendizagem do aluno. É dada ênfase à
História Cultural e à iconografia. Apresentam-se fontes
históricas (orais, iconográficas, textuais) e são
trabalhadas as principais categorias que embasam o
Coleção conhecimento histórico. No entanto, percebe-se que as
fontes iconográficas, especialmente, não são utilizadas
História,
para a construção do conhecimento. As ilustrações são
Imagens & diversificadas, embora não sejam utilizadas como fontes
Textos problematizadoras e geradoras de conhecimentos.
Carla Maria Junho Anastasia Algumas lacunas presentes na elaboração do manual
Eduardo França Paiva não permitem que ele seja um instrumento efetivo de
auxílio para o docente. Um exemplo é a explicitação da
metodologia de ensino-aprendizagem, feita de forma
incipiente. Além disso, constatam-se simplificações
explicativas e o glossário contém diversas imprecisões
Editora Dimensão nas definições. Há erros de revisão e descuido nas
citações bibliográficas, e as legendas das ilustrações
HISTÓRIA

estão incompletas ou imprecisas, dificultando seu uso


como fonte histórica.

A coleção concepção teórico-metodológica da História;


Como trabalhar a iconografia nas aulas de
A obra é organizada por unidades e capítulos História: dois exemplos; A coleção;
com as seguintes seções: Falando de História; Bibliografia diferenciada; Outros recursos
Falando da sua história; Para ir além; Achei para o trabalho em sala de aula.
na internet; Falando de homens, bichos e 1ª série (120 p.): 1. Por dentro da história:
plantas; Na roda;Qual é sua opinião; Hora de A importância da História; As fontes escritas.
estudar mais; Aprender fazendo. Ao final do 2. Curumins, Ibejis e Miúdos: Crianças do
livro do aluno, há Bibliografia sugerida e Brasil: A criança e sua história; História de
Glossário, específicos para cada volume. crianças do Brasil. 3. A casa - formas de
Com 32 páginas, o manual do professor é construir, modos de morar: As casas na
igual para as quatro séries. Contém os História; As casas e nossas maneiras de viver.
seguintes itens: Apresentação; A História e a 4. A escola em nossa vida: Ir à escola;
historiografia no Brasil hoje; Nossa A escola e os outros.

86
2ª série (109 p.): 1. Por dentro da história: partir da realidade vivenciada por ele. A
A medição do tempo; O tempo histórico; Os problematização passado-presente é feita
calendários. 2. Vivendo em comunidade: Os utilizando-se as noções de moderno/antigo e
bairros e suas histórias; A rua no bairro; A ontem/hoje. Destaca-se o empenho em
vida cotidiana. 3. Comida, diversão e arte: desenvolver as habilidades cognitivas básicas
Açougues, padarias e armazéns; Brincar, e também as operações mais complexas, como
festejar e passear por aí; Desenhar, modelar e o registro de conclusões de pesquisa. A obra
cantar. privilegia a perspectiva da História Cultural
3ª série (112 p.): 1. O patrimônio: O e percebe-se a preocupação em apresentar ao
patrimônio cultural. 2. Cidade, cidades: O que aluno a diversidade da realidade social, com
é uma cidade; Cidades do passado; As cidades ênfase nas noções de semelhança e diferença
brasileiras. 3. Viver na cidade: A vida na e no respeito às diferenças.
cidade; Serviços básicos; Quem administra a As atividades e exercícios são diver-
cidade?; Cidadãos. sificados, formulados de maneira criativa e
4ª série (112 p.): 1. O Brasil e sua história consideram o cotidiano do aluno. O processo
de muitos séculos: Como estudar a história de socialização está contemplado nas
dos povos; Um país de muitas caras; Brasil, atividades sugeridas e o aluno é estimulado a
um país mestiço. 2. A formação do povo dar sua opinião e a testar suas habilidades
brasileiro: Nós brasileiros e nossas diferentes motoras. As atividades reforçam a construção
origens e tradições; As manifestações e as da cidadania e permitem a integração dos
práticas sociais no Brasil; O Brasil hoje: conteúdos e destes com a realidade próxima
nossas forças e nossos problemas. do aluno. Solicita-se que o conhecimento
produzido pelo aluno seja expresso por meio
de desenhos, debates e pequenos textos. Há
A análise atividades que estimulam a criança a ir além

HISTÓRIA
do já conhecido, buscando informações
A metodologia de ensino-aprendizagem, complementares na internet e em outras
embora não seja explicitada, está subjacente fontes. No quarto volume, ressaltam-se as
na explicação da organização e propostas de atividades que trabalham as imagens
trabalho da coleção. Nota-se o incentivo à procurando articular imagem e texto. Algumas
reflexão e ênfase mais formativa do que dessas atividades, no entanto, são muito
informativa, com o objetivo de auxiliar no complexas para a faixa etária dos alunos,
desenvolvimento de indivíduos conscientes, como no livro de 1ª série, que trabalha
capazes de construir conhecimentos. Registra- conteúdos utilizando percentagens.
se, ainda, o estímulo ao processo de A metodologia da História está bem
socialização dos alunos por meio de explicitada na obra, centrando-se a exposição
atividades para serem desenvolvidas em dos conteúdos e as atividades na perspectiva
equipe. da História Cultural. Com a incorporação das
No conjunto da coleção, percebe-se a inovações historiográficas, busca-se formar
articulação entre conteúdos e atividades, em alunos com senso crítico e capazes de
coerência com as propostas metodológicas. entender e respeitar as diferenças. Nesse
O aluno é solicitado, constantemente, a sentido, são utilizadas principalmente
manifestar sua opinião perante os colegas e imagens e situações relacionadas ao cotidiano
procura-se introduzir o conhecimento novo a das crianças, como o bairro e a cidade em que

87
moram, as diferenças raciais e a mestiçagem, para os arquivos, as bibliotecas e os museus
as práticas culturais diferentes, organizações (depositários da documentação histórica),
não-governamentais. Inclui-se também a além de sites na internet voltados para o
dimensão artística como bem cultural e objeto conhecimento histórico. Há, também, outras
de estudo histórico, buscando aproximar o fontes, como as iconográficas, sítios
universo cultural do aluno com o da sociedade arqueológicos e fontes orais. No entanto, nem
em que vive. São promovidas importantes sempre as fontes apresentadas são
discussões, que enfocam problemas atuais da adequadamente discutidas.
sociedade brasileira, como a descrição dos Ao lado das atividades propostas, o
poderes da sociedade e dos princípios básicos tratamento conferido à construção da
da democracia, na 3ª série, e de educação e cidadania é o aspecto mais bem-elaborado da
qualidade de vida, na 4ª série. Percebe-se que coleção. As discussões remetem à luta pelos
categorias históricas importantes, como direitos, à responsabilidade social, ao respeito
espaço, cultura, sociedade, trabalho, ao outro e às diferenças em geral. A noção de
transformação/permanência, são bem tolerância é constantemente lembrada, bem
trabalhadas e apresentadas de forma como o estímulo à convivência social. A
contextualizada e integrada ao conteúdo. No realidade social é apresentada à criança de
entanto, o conceito de história é utilizado forma progressiva, para que ela perceba as
também como sinônimo de estória. Diversas diferenças sociais, raciais e culturais e
simplificações explicativas são registradas ao compreenda a importância de sua participação
longo da obra, nos textos didáticos e em na construção da sociedade
algumas definições do Glossário. Diversos temas trabalhados na coleção
As ilustrações, em sua maioria criadas podem levar o aluno a se situar de forma
especialmente para a obra, utilizam consciente na sociedade em que vive, como o
linguagens visuais variadas, são de fácil trabalho infantil, a escola, os meninos de rua,
HISTÓRIA

compreensão e estão integradas ao texto. No o ambiente, as associações de bairro, as


entanto, elas têm um caráter nitidamente diferenças culturais e o respeito a elas.
ilustrativo, ou seja, não contribuem para O manual do professor expõe de forma
problematizar o conteúdo histórico ou para mais detalhada alguns aspectos relacionados
gerar um novo olhar sobre a temática à proposta teórico-metodológica, centrada na
estudada, conforme proposto no manual do opção pela História Cultural, embora não
professor. Várias ilustrações carecem de esclareça de forma suficiente a importância
informações fundamentais, como autoria, data desta historiografia para a aprendizagem.
e o acervo ao qual pertencem. Algumas Descreve dois exemplos de trabalho com
apresentam contradição entre texto da legenda imagens para se obter o conhecimento
e o que é mostrado na imagem. Essas lacunas histórico, por meio do processo de
dificultam seu uso como fontes históricas. desconstrução-construção dos fatos nelas
Além disso, como o manual do professor não representados. Sugere que o professor, a partir
traz subsídios suficientes para o trabalho com desses exemplos, trabalhe com as imagens e
as imagens, seu uso e interpretação ficam sob ilustrações presentes no texto didático, sem
a responsabilidade do professor e dependem contudo desenvolver o método de
de sua sensibilidade. desconstrução das fontes iconográficas para
Na coleção são apresentadas fontes aplicá-lo ao ensino. Por outro lado, as
históricas escritas, chamando-se a atenção referências à metodologia do ensino-

88
aprendizagem, em sentido amplo, também são instrumento efetivo que auxilie o docente na
apenas incipientes. preparação das aulas, no acompanhamento
A discussão sobre avaliação é restrita, não das atividades ou no processo de avaliação.
havendo sugestões práticas sobre como Quanto aos aspectos visuais, o livro do aluno
avaliar e dar continuidade às atividades e o manual do professor têm boa impressão e
desenvolvidas. Assim, de uma forma geral, o diagramação, embora registrem-se vários
manual do professor não constitui um descuidos na revisão e nas citações bibliográficas.

Em sala de aula
Ao escolher esta coleção, o professor deverá estar disposto a trabalhar com
materiais diversos: revistas, livros, internet, jornais, filmes, vídeos. Também deverá
buscar fundamentação complementar sobre metodologia de aprendizagem e
metodologia apropriada para a utilização de fontes iconográficas na construção
do conhecimento e no ensino de História. Será necessário prestar atenção e tentar
superar os erros de revisão, as simplificações explicativas e as definições pouco
claras no glossário.

HISTÓRIA

89
Recomendada com Ressalvas
Por quê?
A proposta de ensino-aprendizagem busca o
desenvolvimento das capacidades cognitivas. A
aquisição de conhecimentos está relacionada à
experiência do aluno. As atividades estão adequadas
ao desenvolvimento dos conteúdos, são variadas,
estimulam a socialização e a exploração de noções de
diferença e tolerância. A obra não se atém a uma
Coleção concepção cronológica no desenvolvimento dos

Interagindo e conteúdos. O trabalho com as fontes históricas é


realizado de forma pertinente e o manual do professor
Percebendo o
incorpora as discussões recentes relativas ao ensino-
Mundo -
aprendizagem.
História
Contudo, as matrizes teóricas das propostas
Roseni R. C. Nascimento
Rosiane de Camargo metodológicas relativas ao conhecimento histórico não
Lilian Sourient são explicitadas. Há múltiplas simplificações explicativas,
indicando defasagem em relação à produção
historiográfica recente. Não são abordadas as
Editora Brasil experiências autoritárias da história brasileira, como os
HISTÓRIA

períodos do Estado Novo e da ditadura militar, e a


bibliografia sugerida é insuficiente e pouco atualizada.

A coleção O manual do professor, com 32 páginas,


apresenta a mesma estrutura nos quatro
Os volumes estruturam-se em unidades e volumes: Por que aprender História?;
estas em capítulos. As atividades propostas Uma proposta para ensinar e aprender
ao longo dos capítulos estão ordenadas nas História; Como avaliar?; Conhecendo a obra;
seguintes seções: Agora é com você; Mãos à Textos de apoio para o trabalho pedagógico;
obra; Valorizando a memória; Interagindo Textos que poderão ser trabalhados com os
com jogos; Observando detalhes; alunos; Bibliografia consultada e
Trabalhando com texto; Para refletir; recomendada.
Desenvolvendo atitudes; Cantinho da 1ª série (111 p.): 1. Histórias de crianças.
curiosidade; Bancando o jornalista; 2. Passa o tempo... O tempo passa. 3. Vivendo,
Representando; Fique por dentro. A convivendo e aprendendo. 4. O trabalho.
Bibliografia sugerida encerra cada um dos 2ª série (111 p.): 1. Vivendo na cidade. 2.
volumes, que não contêm glossário. Tempo e trabalho. 3. Convivendo na cidade.

90
3ª série (112 p.): 1. Gente de cá, gente de comparação, com utilização da memória e de
lá. 2. Entre correntes e sonhos. 3. Gente de ilustrações, para explorar as mudanças e
todo lugar. variações no tempo. Problematizam-se as
4ª série (80 p.): 1. Vivendo no Brasil relações com e entre lugares, sociedades,
português. 2. Um país em construção. 3. situações, objetos e pessoas.
Construindo a cidadania. As atividades e exercícios propostos são
adequados aos conteúdos, noções e conceitos
trabalhados, e sua quantidade é bem dosada.
A análise Utilizados de forma criativa e lúdica, por meio
de jogos e brincadeiras, auxiliam efetivamente
A proposta de ensino-aprendizagem está no trabalho docente. São variados, estimulam
centrada no desenvolvimento das capacidades a troca e socialização entre os colegas e
cognitivas, com ênfase no “saber fazer”. O contribuem de maneira significativa para
aluno é visto como sujeito construtor, e o explorar as noções de diferença e tolerância.
desenvolvimento e a consolidação de Também possibilitam o desenvolvimento das
conhecimentos práticos e teóricos adquiridos habilidades cognitivas, práticas e sensoriais.
estão relacionados à sua experiência. A obra No que diz respeito à metodologia da
valoriza a vivência dos alunos, solicitando a História, o manual do professor inicia-se com
mobilização de seus conhecimentos, bem considerações sobre a importância do
como seu posicionamento em relação aos aprendizado da História, do seu valor para a
temas estudados. compreensão do presente, indicando os
É proposta uma forma de aprendizagem conceitos de fato, tempo e sujeito históricos
que não se esgota na transmissão de como fundamentais para essa área do
conteúdos, incentivando a criança a exercitá- conhecimento. Não há, porém, a explicitação
los para que perceba o seu significado, de das matrizes teóricas da metodologia. A

HISTÓRIA
forma dinâmica, associados à realidade social. Bibliografia consultada e recomendada é
As sugestões de trabalho com os temas pequena: não permite identificar esta matriz
transversais estão presentes ao longo dos e contribui pouco para o aprimoramento dos
conteúdos tratados, com ênfase nas questões conhecimentos do professor e do trabalho com
relativas a ética, pluralidade cultural, trabalho os alunos.
e cidadania. As temáticas são desenvolvidas Do ponto de vista da História, as
em torno de noções e conceitos, com destaque concepções adotadas, indicam a compreensão
para espaço, tempo, transformação, do conhecimento do passado como sendo
permanência, fato e sujeito histórico. Os importante para a compreensão e para a
conteúdos exploram a posição da criança no vivência do presente. Os temas, em geral, são
mundo, o trabalho e as atividades humanas, introduzidos a partir do universo do aluno e
em suas relações com a natureza. Os objetivos vão sendo ampliados por meio de escolhas
das várias atividades estão explicitados no que privilegiam alguns dos temas transversais,
manual do professor. como ética, cidadania e diversidade étnico-
Há coerência entre a proposta apresentada cultural. É nesse sentido que os conteúdos,
e a sua realização na coleção, na medida em com freqüência, são relacionados e
que o texto didático e as atividades propostas articulados à vivência e experiência do aluno.
oferecem a oportunidade de trabalhar com as Tanto nos textos como nos exercícios e
noções de passado e presente, em geral por atividades propostos, há cuidado com a

91
construção gradativa de noções e conceitos e produção historiográfica recente. O problema
com a sua historicidade, bem como com as se aprofunda no volume da 4ª série, no qual o
diferenças entre diversos tempos e lugares. tratamento dado à História republicana
Constata-se que há coerência entre a brasileira compromete o próprio tema
proposta metodológica inferida e a sua transversal proposto, centrado na cidadania.
concretização. Observa-se a preocupação com Merecem ressalva, também, o tratamento
a noção de processo, que possibilita atingir sumário e simplista dispensado à Era Vargas
graus maiores de abstração na aprendizagem, e a ausência de qualquer menção à ditadura
assim como o inter-relacionamento e o militar – lacuna agravada tendo-se em vista
diálogo constantes entre presente e passado. que o capítulo final do volume apresenta as
O tratamento das relações presente-passado noções de democracia e de participação.
tem atenção especial tanto na construção e O fio que alinhava os diversos volumes é
apresentação dos textos, quanto nas propostas conduzido pelo tema da cidadania, pela
de exercícios e atividades a serem abordagem e retomada de aspectos relativos
desenvolvidas com os alunos, entrelaçando as à posição do indivíduo no mundo que o cerca
habilidades que vão sendo trabalhadas com o e pelos diversos conteúdos da História do
auxílio do livro didático e do professor. Brasil, vistos em sua relação com a cultura
A cronologia não determina a organização ocidental mais ampla. Enfatizam-se as regras
dos conteúdos, mas ela se faz sentir na necessárias à vida em sociedade,
coleção, possibilitando ao aluno localizar-se possibilitando um aprofundamento da noção
constantemente na relação passado-presente. de cidadania e do respeito às minorias.
A coleção, no entanto, permanece nos quadros Entretanto, não há ênfase suficiente às
da construção tradicional em relação à forma diferenças sociais e à idéia de que a
de apresentação dos conteúdos, aspecto convivência não está isenta de conflito.
particularmente marcante no volume da 4ª Predomina na coleção um tom positivo e
HISTÓRIA

série. harmônico, embora não seja negado o caráter


A coleção trabalha de forma pertinente desigual da sociedade brasileira ou a
tanto as fontes textuais – documentos oficiais existência da exploração de indivíduos. Isso
e outros –, quanto as iconográficas. São ocorre, por exemplo, ao tratar do trabalho
utilizadas ilustrações elaboradas especi- enfocando os direitos da criança e o trabalho
almente para os volumes, fotografias e infantil.
pinturas de diferentes épocas, além de mapas O manual do professor fornece indicações
geográficos e históricos. Além disso, os gerais ao docente sobre os pressupostos
alunos são estimulados a produzir desenhos pedagógicos relacionados ao ensino-
ou outros materiais como forma de aprendizagem que norteiam a coleção, sem
aprendizado. fazer referência, contudo, a autores
Apesar do cuidado no trabalho com a específicos. Esclarece, porém, que os
memória, com a documentação e com conteúdos conceituais, procedimentais e
comparação passado/presente, as fontes atitudinais são os facilitadores do
iconográficas não estão identificadas desenvolvimento das capacidades motoras e
adequadamente. Registram-se também afetivas das relações interpessoais e da
simplificações explicativas que, embora não inserção social do aluno. Há comentários
cheguem a comprometer o aprendizado, gerais a respeito dos objetivos das diferentes
indicam uma defasagem em relação à atividades e exercícios propostos, que se

92
estruturam em seções, constantes em todos da 3ª e 4ª séries, pois não são sugeridas obras
os volumes da coleção. Há orientações e que contemplem os conteúdos específicos da
sugestões de respostas às atividades, grafadas História do Brasil abordados nesses livros.
em azul, inseridas nos textos da reprodução Além de o número de títulos ser diminuto,
do livro do aluno. Entretanto, não há não há diferenciação entre sugestões para os
considerações específicas a respeito dos professores e para os alunos. Acrescente-se,
conteúdos abordados em cada volume. O ainda, que no manual não foram incluídas
manual tampouco fornece indicações sobre a sugestões de atividades extraclasse, sites e
articulação com outras áreas do filmes.
conhecimento. O projeto gráfico da coleção é adequado aos
Vale ressalvar que as sugestões de leitura objetivos propostos: conjuga-se texto e imagem
arroladas nas últimas páginas do manual e ao de forma harmoniosa e há uma dosagem
final de cada livro do aluno, são insuficientes coerente entre os diversos tipos de linguagem
para o aprimoramento da formação e visual, o que estimula o seu manuseio pelo aluno.
atualização do professor e para o trabalho com Há deslizes de revisão que, no entanto, não
os alunos. Isto se agrava mais nos volumes chegam a comprometer o conjunto da obra.

Em sala de aula
Recomenda-se que o professor esteja atento às lacunas apontadas, especialmente
à ausência dos períodos recentes da História do Brasil. O trabalho com esta coleção
também pode ser aprimorado com a complementação e o enriquecimento da
bibliografia sobre os temas estudados, que devem ser feitos pelo docente.

HISTÓRIA

93
Recomendada com Ressalvas
Por quê?
O universo próximo do aluno é considerado como ponto
de partida para a aquisição de conhecimentos mais
amplos. O texto didático e as atividades estão
integrados, são adequados à proposta da obra e
organizados de forma a estimular o desenvolvimento
de habilidades. São introduzidas noções e conceitos e
estimuladas habilidades e atitudes importantes para a
construção da cidadania. No manual do professor há
Coleção Novo orientações e sugestões para cada capítulo.
No entanto, a proposta metodológica é apresentada
Tempo -
de forma sucinta e superficial, e sua adequação à
História realização da coleção é apenas parcial. Há um número
Ana Lúcia Lana Nemi Martins reduzido de temas historiográficos, tratados, em geral,
João Carlos Martins
de forma simplificada e desatualizada. Os dois primeiros
volumes, concentram o estudo no cotidiano do aluno,
sem conseguir ampliar adequadamente o universo de
estudo. Nesses volumes, os textos propõem discussões
com certa freqüência, porém não fornecem os subsídios
necessários para seu aprofundamento. Percebe-se
Editora Scipione maior ênfase nas questões vinculadas ao ensino-
aprendizagem do que no conhecimento histórico. A
HISTÓRIA

utilização de fontes textuais é restrita nos volumes da


1ª e 2ª séries.

A coleção Bibliografia pedagógica e Bibliografia


específica sobre os temas abordados na
Cada volume da obra está dividido em coleção. À margem do livro do aluno, no
capítulos e contém, ao final, Glossário, exemplar do professor, encontram-se
Indicações de leituras complementares para orientações a ele dirigidas, grafadas em azul.
os alunos e Referências bibliográficas. Os capítulos contemplados nos livros são:
O manual do professor, com o subtítulo 1ª série (111 p.): 1. Descobrindo amigos e
História: uma proposta de diálogo com o outras crianças. 2. A história que você traz
mundo, desdobra-se nos itens: História em para a escola. 3. Você e a sua família. 4.
perspectiva dialógica e interativa; Avaliando Moradias. 5. A sua escola. 6. Transportes
em processo interativo; Orientações e públicos.
sugestões para melhor utilização deste livro 2ª série (87 p.): 1. A criança e o seu mundo.
em sala de aula. Ao final, apresenta 2. Conversando sobre férias e viagens. 3.
Bibliografia para o professor, abrangendo Viajando antigamente. 4. Orientando-se

94
antigamente. 5. Onde e como estão os índios atividades em duplas e em grupos, além das
hoje? 6. Uma história dos índios do Brasil. 7. propostas de diálogo dos alunos com o
Observando e contando o tempo. 8. professor e com pessoas de sua família e de
Aprendendo a registrar acontecimentos. suas relações sociais. Estimula-se, também,
3ª série (111 p.): 1. Histórias de amigos, o aluno a opinar sobre as temáticas abordadas,
jogos e brincadeiras. 2. Histórias de cidades. considerando a sua capacidade em aproveitar
3. Cotidianos de trabalho. 4. Histórias de o potencial do grupo no qual está inserido.
eleições. No entanto, verificam-se lacunas na
4ª série (111 p.): 1. Histórias de brasileiros. adequação às propostas apresentadas. Não se
2. Povos indígenas do Brasil e colonizadores encontra uma concepção clara de História e
no Brasil. 3. Negros no Brasil. 4. Imigrantes de sua aprendizagem, havendo um número
no Brasil. 5. Deslocamentos de brasileiros bastante reduzido de temas historiográficos,
pelo Brasil. 6. Juntando tudo, tudo... que são tratados, em geral, de forma
simplificada e nem sempre com a propriedade
necessária. Há excessiva referenciação ao
A análise cotidiano do aluno nos dois primeiros
volumes. Nas séries seguintes progride-se
A proposta metodológica de ensino- pouco, pois os referenciais para pesquisa
aprendizagem encontra-se explicitada no continuam a ser a família, amigos, vizinhos,
manual do professor, na perspectiva de um o que dificilmente conduz ao caminho para a
ensino dialógico e interativo com a construção construção do conhecimento histórico. No
de conceitos científicos a partir de vivências geral, o texto didático induz discussões sem
do aluno. Essa construção do conhecimento fornecer informações suficientes para
necessita e incentiva a mediação do professor alimentá-las, tanto para o aluno como para o
no espaço dinâmico da sala de aula. Dessa professor, fazendo com que as discussões

HISTÓRIA
forma, enfatiza-se a aquisição de habilidades, acabem por permanecer no nível opinativo.
reservando pouco espaço para conteúdos A pouca ênfase aos aspectos
historiográficos propriamente ditos. historiográficos, por sua vez, coloca
Estas propostas se encontram, em parte, problemas de diversas ordens. O tratamento
efetivadas. Considerar o universo próximo do dado às noções de temporalidade é
aluno como ponto de partida para a aquisição excessivamente ancorado em tempos
de um conhecimento mais amplo é um dos indeterminados, e mesmo quando alguns dos
méritos da proposta da coleção. No geral, as acontecimentos citados são datados, eles não
atividades são adequadas e organizadas de são devidamente historicizados, em especial
forma a estimular habilidades básicas. nos primeiros volumes. Algumas atividades,
A integração entre conteúdos e atividades no segundo volume, apresentam problemas
é constante, e na sua maior parte colabora para em relação à sua viabilização, ao solicitarem
a realização dos objetivos propostos. Há pesquisas sem oferecem indicações das
estímulo à produção de textos em toda a possibilidades efetivas de execução. A
coleção, seja por meio textual ou oral quantidade de informações contidas no texto
expositivo. Utilizam-se textos de diferentes é pequena e a bibliografia não tem elementos
autores, às vezes como mote para introduzir que dêem resposta aos questionamentos, em
as temáticas. especial quando se trata de história local. No
Indica-se, com freqüência, a realização de terceiro e quarto volumes, como as atividades

95
não propiciam o contato do aluno com textos, embora não sejam trabalhadas como
pesquisas historiográficas ou livros didáticos produção artística, e o material nem sempre
e/ou paradidáticos que tratem dos temas seja utilizado para exemplificar a construção
trabalhados, os conhecimentos conquistados do conhecimento histórico. Elas são
se esgotam no universo do conhecido. adequadas, colaboram para a formação do
Não há explicitação, nem no manual do educando, além de ajudá-lo a compreender
professor nem no livro do aluno, da os temas tratados. As ilustrações elaboradas
metodologia da História. É indicado, apenas, especialmente para a coleção são, em sua
o objetivo de que o aluno ultrapasse os maior parte, convencionais, sem criatividade,
conceitos espontâneos, iniciando, nas não auxiliam na aquisição de novas formas
primeiras séries, a construção de noções que de conhecimento, contribuindo mais para a
o ajudem a desenvolver habilidades que o compreensão e apreensão dos conceitos
capacitarão a adquirir o conhecimento trabalhados, do que para a problematização
histórico, no decorrer do processo escolar. dos temas históricos.
Esse encaminhamento dá maior ênfase às Introduzem-se noções, conceitos,
questões vinculadas ao ensino do que ao habilidades e atitudes importantes para a
conhecimento histórico. construção da cidadania, a partir do cotidiano
Tal enfoque se realiza a contento nos do aluno, colocando-se em discussão questões
volumes 1, 2 e 4. No entanto, o terceiro relativas ao ambiente próximo, ampliadas
volume deixa a desejar, em especial em para o espaço brasileiro e para sua população
relação às noções e conceitos trabalhados no e instituições políticas.
capítulo 3, em que não há clareza quanto ao Constata-se a ênfase na historicidade de
que seja “tempo de natureza”, “tempo do algumas experiências sociais, como no quarto
relógio”, ritmo de trabalho. Ao longo dos volume, em que são enfocados os deslocamentos
volumes, procura-se trabalhar as noções e os de contingentes humanos, abordando-se a
HISTÓRIA

conceitos propostos no manual do professor população indígena e a imigração. A abordagem


de forma satisfatória, mas notam-se problemas do contato com a diferença contribui para a
nos relativos a tempo, espaço, história, formação da cidadania, bem como para a
natureza, trabalho, período/duração, formação de opinião, ao estimular a discussão
transformação/permanência, presente/ de questões relativas à convivência de diferentes
passado/futuro. O texto está isento de povos. No primeiro volume, no entanto, essa
estereótipos, mas contém inúmeras historicidade das experiências sociais não é
simplificações no tratamento de conteúdos enfocada, pois se atém mais às experiências
históricos. vivenciadas pelos alunos.
A utilização de fontes textuais é restrita A questão do racismo, do preconceito e
nos volumes da 1ª e 2ª séries; são bem das discriminações é colocada em evidência
escolhidas para os dois volumes, mas não são no quarto volume, no capítulo referente aos
bem trabalhadas no segundo. Nos volumes da negros no Brasil. São transcritos versos de
3ª e 4ª séries há um número razoável de textos, “tradição oral” que, se não forem trabalhados
procura-se destacar sua importância como com cuidado pelo professor e no contexto em
documento, são bem escolhidos, mas nem que vêm situados no livro, poderão dar
sempre trabalhados de forma adequada. margem a interpretações equivocadas. No
A abordagem das fontes iconográficas manual do professor, chama-se a atenção para
enquanto documento é melhor que a dos a delicadeza dessa matéria.

96
O manual do professor dá indicativos de uma simplificados, colaborando pouco para o
proposta de ensino que considera o livro didático sucesso das atividades. Não constam
instrumento para a construção do conhecimento sugestões de outros recursos que possam
por alunos e professor, em processo interativo contribuir para a formação e atualização do
com o mundo (próximo e distante) e com a professor.
utilização do diálogo constante como forma de Há uma relação de livros de conteúdo
estabelecer um processo dinâmico. Apresenta histórico no final do manual, indicados como
os personagens Pedro e Mariana, que expõem a sendo específicos para a coleção, cuja
colocação e o desenvolvimento dos temas, assim incorporação no texto do aluno é pequena.
como o Tuig idoso, personagem que acompanha Nota-se que a abordagem historiográfica está
os alunos como a voz amiga no processo de desatualizada em temas importantes como: a
aprendizagem. escravidão e modificações e diferenças nas
No item Orientações e sugestões para moradias, no livro da 1ª série; expansão
melhor utilização deste livro em sala de aula, bandeirante, referência à denominação
aborda cada capítulo, comentando seu “Brasil” antes de 1500 e deslocamentos da
conteúdo, os objetivos que buscam atingir e população, no livro da 4ª série.
os cuidados que o professor deve ter na sua Relativamente à edição e aos aspectos
condução. Há comentários nas orientações e gráficos da obra, não se verificam problemas.
sugestões para o encaminhamento das O projeto gráfico é adequado e não impõe
atividades com os alunos, que não estão dificuldade quanto ao manuseio e à leitura dos
isentos de problemas, além de serem volumes.

Em sala de aula

HISTÓRIA
Sugere-se que o professor esteja atento às lacunas apresentadas e tenha
condições de supri-las. Supõe-se o acompanhamento constante para que as
atividades sugeridas tenham possibilidade de se concretizar. Como os conteúdos
históricos são pouco enfatizados, o professor precisará buscar complementação
em outras fontes e em bibliografia mais atualizada.

97
Recomendada com Ressalvas
Por quê?
A proposta de ensino-aprendizagem é inovadora, com
utilização de texto narrativo ficcional como recurso
didático. A interdisciplinaridade e a transversalidade são
valorizadas e diferentes linguagens (iconográfica,
cartográfica, escrita e oral) são trabalhadas. Os exercícios
e as atividades estão bem-formulados e há estímulo ao
debate e à escrita. O aluno é incentivado a compreender
a realidade social. Há incorporação da renovação
Coleção Pensar historiográfica, uma vez que a obra baseia-se na
perspectiva de que todos são sujeitos históricos e utiliza
e Construir -
fontes documentais na construção do conhecimento. A
História maior parte dos conceitos da História está bem construída;
Maria da Conceição C. Oliveira a maioria das habilidades cognitivas é contemplada e
Silas Martins Junqueira
privilegia-se a construção da cidadania.
No entanto, o relacionamento do conhecimento novo
com a experiência do aluno se dá mais nas atividades
do que nos textos. Nas duas primeiras séries, os textos
da seção Cadeira de balanço são muito longos. Alguns
exercícios não estão formulados adequadamente e não
Editora Scipione há orientações para a realização das atividades orais.
Há inadequações na construção de algumas noções e
HISTÓRIA

notam-se simplificações explicativas, presentes em


todos os volumes.

A coleção os personagens que a compõem, as seções e


recursos pedagógicos utilizados, notas sobre
Cada volume estrutura-se em três a história e seu ensino, a avaliação e projetos
unidades. Essas unidades são subdivididas em interdisciplinares. Para cada série há itens
capítulos, que contêm as seções: Cadeira de específicos: orientações para o desen-
balanço; Rota de viagem; Para saber mais; volvimento de cada unidade, o projeto
Refletindo e produzindo com... Ao final de interdisciplinar, bibliografia específica e
cada volume, encontram-se os itens: Projetos indicação de sites. Nos manuais da 1ª e 2ª
interdisciplinares; Glossário; Caminhos on- séries também há textos complementares. A
line para saber mais; Outras sugestões de Bibliografia geral é a mesma para todos os
leitura para saber mais; Referências volumes, com Obras de referência e
bibliográficas. Sugestões de leitura para o professor.
O manual do professor é explicitado em 1ª série (175 p.): 1. Conhecendo nosso
sete itens comuns a todas as séries: a coleção, livro e discutindo algumas regras: Todo

98
mundo tem uma história e um lugar; Novos A análise
amigos; Não custa nada... 2. Somos todos
semelhantes, somos todos diferentes: Quem A metodologia de ensino-aprendizagem,
sou?; Feliz aniversário!; Famílias!; Famílias explicitada no manual do professor, manifesta
no tempo; Registro, logo existo! 3. Conhecer, cuidado com a interdisciplinaridade e com a
cuidar, organizar-se, transformar: Brincadeiras transversalidade. São criados personagens
de rua; A escola nossa de cada dia; Organizar- fictícios, presentes em toda a coleção, que
se para melhorar o nosso lugar. representam a grande diversidade social,
2ª série (159 p.): 1. Conhecendo nosso política, econômica e cultural da população
livro: Todo mundo tem uma história; Viva as brasileira. Propõe-se formar um aluno capaz
diferenças! Mas que diferenças?; Meu de ler e analisar as diferentes formas de
caderno, minha história. 2. Milagres do povo: escrita, inclusive a iconográfica, habilitando-
Nossas raízes africanas – parte 1; Nossas o a refletir e debater criticamente o seu
raízes africanas – parte 2; Nossas raízes cotidiano.
européias. 3. Sons, traços, cores e sabores do Constata-se coerência entre a proposta da
Brasil: Nossas raízes indígenas; Saúde pra que metodologia de ensino-aprendizagem e sua
te quero!; Saberes do povo. efetivação na obra. O trabalho com as
3ª série (168 p.): 1. Conhecendo nosso linguagens iconográfica, cartográfica, escrita
livro e discutindo algumas regras: Todo e oral é estimulado, com o objetivo de
mundo tem uma história, todo mundo tem desenvolver no aluno a capacidade de
saudades; Travessias: de onde eu vim, de onde compreender e de utilizar diferentes textos e
você veio?; Eu vou estudar!. 2. Mar de práticas de linguagem. Observa-se, nos
lágrimas, mar de esperanças, mar de volumes da 3ª e 4ª séries, o respeito à
mudanças: Os primeiros habitantes capacidade cognitiva dos alunos quanto à
descobrem os primeiros estrangeiros; O complexidade e especificidade do conteúdo.

HISTÓRIA
comércio de gentes; Álbum de família; Os Nas séries iniciais, no entanto, os textos muito
povos de um mundo chamado São Paulo. 3. longos da seção Cadeira de balanço podem
Eu quero uma terra para viver: A região dificultar a atenção do aluno e,
amazônica também tem gente e história, conseqüentemente, sua compreensão.
muitas histórias; Os sem-terrinha lutam, Em todos os volumes é possível identificar
brincam e estudam. o cuidado em atingir níveis mais amplos de
4ª série (167 p.): 1. Conhecendo nosso abstração e de generalização por meio de
livro e discutindo algumas regras: Todo linguagens variadas, de atividades e do
mundo tem uma história pra contar; As conteúdo explicativo, que incentivam a
pessoas fazem a história, as pessoas mudam imaginação da criança. Diferentes estratégias
o rumo da história; Dialogar é preciso. 2. A são utilizadas para auxiliar o aluno a
cara do Brasil não cabe num verbete: compreender a realidade social. Observa-se,
Conservar o planeta para proteger a vida; ainda, que o conhecimento novo é relacionado
Abolição: uma história feita por negros e à experiência da criança, em especial nas
brancos; A face do campo. 3. A cara do Brasil atividades. O Glossário auxilia no
não cabe num verbete: Uma história sobre entendimento de palavras desconhecidas,
tempos e datas; Aprender a conviver, aprender destacadas no texto em vermelho. Além disso,
a transformar a dura realidade; Tempo de são colocados desafios para que o aluno
solidariedade. explore as próprias habilidades. A proble-

99
matização do passado e do presente está bem como fontes documentais, na percepção da
construída em todos os volumes. história enquanto construção, na ampliação
Algumas passagens, no livro da 2ª série, da noção de sujeito histórico. Tal renovação
como a que aborda as diferenças culturais também se evidencia na inclusão de temas
entre os diversos povos africanos ou a que relativos à história africana e à história dos
trata das religiões praticadas no Brasil, são povos indígenas não como grupos sociais
bastante complexas. É pouco provável que o marginalizados, mas como povos que têm
aluno dessa série tenha capacidade cognitiva direito à memória e à história. A bibliografia
para processar essas informações, que exigem é recente e atualizada.
um amplo grau de abstração e generalização. A maior parte dos conceitos que embasam
Além disso, em todos os volumes foram o conhecimento histórico estão bem
identificadas simplificações. construídos. No entanto, há conceitos
De modo geral, as atividades e exercícios trabalhados de forma inadequada, como
auxiliam na realização dos objetivos tempo, história, sujeito histórico, natureza,
propostos: promovem a articulação entre os poder e futuro.
diferentes conteúdos, possibilitam o Nos volumes da 1ª e da 2ª série, discutem-
desenvolvimento das várias habilidades se fontes textuais, tanto no manual do
cognitivas, estimulam a capacidade de debater professor quanto no livro do aluno. Esse tema,
problemas e, em toda a coleção, incentivam a no entanto, encontra-se disperso no manual
produção de texto. do professor e pouco explorado no livro do
Registram-se, no entanto, alguns exercícios aluno da 3ª série, e está completamente
formulados de maneira pouco clara, para os ausente no quarto volume. Por outro lado, as
quais nem sempre é possível obter respostas. informações sobre o tratamento e utilização
Dado o grau de dificuldade que apresentam, de fontes iconográficas são precisas em todos
não auxiliam na realização dos objetivos os volumes. Alerta-se para o fato de que as
HISTÓRIA

propostos. Além disso, não há orientações de imagens não têm função apenas ilustrativa,
como realizar as atividades orais. mas devem estar contextualizadas e integradas
Na apresentação da metodologia da ao texto. Dessa maneira o aluno é auxiliado a
História, presente no manual do professor, examiná-las e a mobilizá-las como fonte de
chama-se a atenção para a necessidade de conhecimento. Em várias passagens,
problematizar contextos históricos nos quais problematiza-se a história a partir de imagens.
grupos sociais menos favorecidos foram Contudo, na maior parte das vezes, as
excluídos, e para a importância de considerar imagens criadas para o livro não auxiliam na
o sujeito comum como agente construtor da leitura e na compreensão do texto e não levam
história. A partir de um tema, o aluno deve o aluno a problematizar os conteúdos
ser capaz de selecionar informações históricos. Além disso, várias imagens são
relevantes de uma fonte histórica. O objetivo muito pequenas ou têm resolução pouco
é a formação da identidade do aluno como nítida, o que compromete a pretendida
sujeito social competente, a preservação da interlocução texto-imagem. Algumas
memória histórica como patrimônio de sua ilustrações não apresentam títulos, legendas,
trajetória e seu entendimento como cidadão créditos ou época de produção e autoria. No
atuante e responsável. Glossário, ao final dos volumes, algumas
Observa-se a incorporação da renovação palavras estão acompanhadas de ilustrações,
historiográfica na abordagem das imagens mas nem todas com referências completas.

100
Na seção Para saber mais, são indicadas trabalho em sala de aula, sugestões de sites,
obras da literatura infantil sobre as temáticas de CDs de histórias e canções, e uma lista de
abordadas, mas a maioria delas não traz a data vídeos, entre outros. A bibliografia é
de publicação e o local de edição. diversificada e contempla obras historio-
A construção da cidadania está contem- gráficas sobre ensino-aprendizagem. São
plada em toda a coleção. O objetivo é levar o apresentadas sugestões de atividades para os
aluno a refletir sobre o preconceito de gênero, alunos e também de algumas leituras
a valorizar as ações coletivas na conquista de adicionais. No entanto, não há explicitação
melhorias, a respeitar as diferenças, a fazer dos objetivos das atividades orais.
valerem os direitos e os deveres consti- No item Repensando a avaliação propõe-
tucionais, e a lutar contra o racismo, a se a avaliação diagnóstica e formativa.
discriminação e o preconceito. O convívio Verifica-se, no entanto, que as sugestões são
social é constantemente estimulado, assim gerais e sem a devida explicação sobre como
como a tolerância e a liberdade. realizá-las.
O manual do professor é bem-elaborado e O projeto editorial da obra deixa a desejar.
contém as informações necessárias para que Há muitos erros de impressão e de revisão.
o docente desenvolva seu trabalho em sintonia Há páginas que quebram o ritmo da leitura,
com as propostas metodológicas. Em cada pois algumas trazem apenas imagens, outras
volume, são encontradas propostas para o apresentam somente atividades e exercícios
desenvolvimento de projetos interdisci- ou apenas mapas, o que pode desestimular o
plinares, acompanhadas de orientações e manuseio e a leitura dos livros. Encontram-
sugestões quanto à articulação dos conteúdos se várias referências bibliográficas
entre si e com outras áreas do conhecimento. incompletas.
Há informações adicionais que auxiliam no

HISTÓRIA
Em sala de aula
O professor que optar por esta coleção deve utilizar as vantagens pedagógicas
do trabalho com fontes textuais e iconográficas. No entanto, é fundamental estar
atento aos erros de revisão no livro do aluno e corrigi-los oportunamente.
Para uma boa realização das atividades interdisciplinares, sugere-se ao docente
entrar em contato com os colegas de outras disciplinas. O trabalho será enriquecido
caso a instituição escolar tenha à disposição dos professores e alunos
equipamentos para projeção de vídeos e para a consulta de sites na internet.

101
Recomendada com Ressalvas
Por quê?
A metodologia de ensino-aprendizagem adotada está
claramente explicitada na coleção. Observa-se coerência
entre o desenvolvimento dos conteúdos e a proposta
metodológica, que é expressa em atividades e exercícios
diversificados. As atividades e textos possibilitam a
construção da cidadania, levam o aluno a refletir sobre
a realidade brasileira e incentivam sua participação nas
experiências sociais. Recorre-se com constância à
relação presente-passado-futuro, ao estímulo à
Coleção Trilhos produção de textos, ao contato e à interpretação de
e Trilhas - fontes documentais, sejam elas textuais ou
História iconográficas. O manual do professor fornece indicações
Jane A. Gasparotto Fernandes
para o trabalho didático.
Maria Ângela B. Salvadori Percebe-se, contudo, poucos recursos que contribuam
para a formação e atualização do professor e escassas
sugestões de leitura complementar para os alunos.
Algumas atividades, mesmo sob a supervisão do
professor, são de difícil execução. Não há indicações
para o tratamento crítico da documentação coletada,
nem sobre a natureza das diferentes fontes
Editora Saraiva documentais. A falta de nitidez de algumas ilustrações
e a ausência de legendas e indicações que as
HISTÓRIA

contextualizem dificultam sua utilização como


documento histórico.

A coleção destinado ao professor, relativas aos


procedimentos didático-pedagógicos suge-
A obra estrutura-se em capítulos ridos para trabalhar os diversos tópicos e
destacados por cores tanto no sumário quanto atividades em cada capítulo.
no corpo de cada volume. Para cada série, no 1ª série (80 p.): 1. Você; 2. Você e as
final, há uma seção denominada pessoas; 3. Você e o tempo; 4. Sua casa e sua
Encerramento, que conclui o trabalho letivo escola; 5. Os seus direitos.
com uma canção e com propostas de 2ª série (80 p.): 1. Você, sua rua e seu
atividades lúdicas. bairro; 2. Olhando ao seu redor; 3.
O manual do professor é o mesmo para Trabalhadores que fazem o nosso dia-a-dia;
todos os volumes. Contém 16 páginas e está 4. Transformando o mundo e as pessoas: o
dividido em Apresentação e onze itens. Além trabalho; 5. O trabalho infantil.
das matérias contidas 11 itens, há orientações 3ª série (78 p.): 1. Conhecendo nossos
escritas em cor vermelha, no exemplar municípios e estados; 2. Problemas de grandes

102
e pequenos municípios; 3. O município e sua obtidos por seus colegas. São também
história; 4. A política; 5. O meio ambiente e valorizadas a investigação pessoal e autônoma
nós. do educando e a cooperação promovida pela
4ª série (79 p.): 1. Aprendendo sobre os troca do resultado da investigação em
índios; 2. Chegam os europeus; 3. trabalhos de grupo.
Trabalhadores escravos no Brasil; 4. Do fim O conteúdo apresentado é composto pela
da escravidão aos nossos dias: o trabalho interação entre texto didático, textos
assalariado; 5. Direitos de todos nós. complementares e documentos, imagens e
atividades. Esse conjunto favorece o
desenvolvimento das habilidades cognitivas,
A análise especialmente de observação, compreensão,
argumentação e comparação basicamente por
A proposta de metodologia do ensino- meio das ilustrações.
aprendizagem pauta-se pelo desenvolvimento Toda a coleção é marcada por um elevado
integral do aluno e de seu pensamento, para número de atividades. Estas são diversificadas
possibilitar a sua localização no mundo de e criativas, levando o aluno a observar
forma crítica e participativa, bem como pela imagens com a finalidade de identificar
realização de exercícios e operações transformações e permanências, semelhanças
considerados fundamentais para o trabalho e diferenças, a consultar documentos escritos
historiográfico, especialmente a leitura e a e a realizar entrevistas, a desenvolver a
interpretação. Parte-se do pressuposto de que criatividade e a sintetizar idéias. As atividades
os alunos devem construir os conceitos auxiliam na construção das noções
fundamentais para o saber histórico. fundamentais para o aprendizado da História,
As orientações metodológicas, todavia, assim como favorecem a articulação entre os
não estão suficientemente embasadas nas diferentes conteúdos tratados. A produção de

HISTÓRIA
referências teóricas, nem alcançam o textos é valorizada, sugerindo-se em alguns
aprofundamento desejado. Apesar disso, a casos que os textos sejam elaborados
realização da proposta se dá de modo coerente coletivamente, como forma de integrar os
no conjunto da obra. Observa-se um cuidado alunos.
permanente com a construção das noções No volume da 1ª série, as atividades são
fundamentais para o estudo da História. em maior número do que os textos,
A participação ativa do aluno na alcançando-se um equilíbrio entre ambos nos
construção do conhecimento é estimulada volumes seguintes. Nestes, o elevado número
pela ênfase dada à leitura, interpretação e de exercícios e de atividades não prejudica o
compreensão de textos, observação e análise ritmo da obra. Alguns deles, porém,
de fontes históricas textuais e iconográficas. apresentam problemas em sua opera-
Busca-se constantemente o estabelecimento cionalização e por esse motivo são fornecidas
das relações entre o presente e o passado, sugestões ao professor de como amenizá-los.
como também a discussão em grupos dos De maneira geral, a proposta de resolução das
dados e conclusões obtidos. As atividades atividades e exercícios incentiva a produção
estimulam o aluno a investigar aspectos de textos.
relacionados a sua vida, a pesquisar A coleção é elaborada de modo a permitir
informações adicionais ao texto, a confrontar que o aluno alcance níveis cada vez mais
os conhecimentos adquiridos com aqueles amplos de abstração e generalização. Verifica-

103
se a preocupação de que a criança possa cultura, diversidade cultural, escravidão,
compreender a realidade social pela reflexão trabalho, resistência, o que revela a
sobre os problemas da sociedade brasileira incorporação da renovação historiográfica.
contemporânea. No volume da 1ª série, No entanto, apesar do cuidado com a narrativa
entretanto, os problemas de natureza social histórica, encontram-se diversas simpli-
se limitam à “boa vontade” dos indivíduos em ficações explicativas.
colaborar com as pessoas, o que desvirtua a Ao longo dos quatro volumes são
visão estrutural ou sistêmica dos problemas apresentadas diversas e variadas fontes
sociais. textuais e iconográficas. Entre as imagens, a
Os conteúdos são introduzidos e ensinados fotografia é a mais utilizada como documento
sempre em conexão com a experiência histórico, embora algumas vezes os créditos
concreta dos alunos. A relação passado- e legendas não estejam completos, o que
presente é problematizada de maneira restringe sua utilização como fonte. Esta
pertinente por meio de exercícios que visam situação é mais expressiva nos livros da 2ª e
à comparação de determinada realidade do 3ª séries. As ilustrações auxiliam na leitura e
passado com outra do presente. compreensão dos textos, como também se
Na proposta relativa à metodologia da constituem em uma forma particular de
História, são feitas considerações sobre fixação do conteúdo, uma vez que os alunos
tempo, espaço, acontecimento e sujeito são solicitados a desenhar ou colar no caderno
históricos, inserindo essas reflexões nos imagens relacionadas ao assunto tratado, ou
quadros das proposições mais recentes da a realizar exercícios de interpretação.
historiografia. A transformação surge como Os aspectos que envolvem a construção
uma categoria central, pois é ela que confere da cidadania estão presentes na coleção, tanto
à história o seu caráter processual e dinâmico, no texto básico quanto nos exercícios. Há o
permitindo o vislumbre das continuidades. cuidado de discutir as experiências sociais do
HISTÓRIA

A proposta metodológica é executada de aluno, refletindo sobre sua existência e a das


modo adequado ao longo da obra. Há ênfase pessoas de seu convívio próximo, procurando,
na construção progressiva dos conceitos de por meio do exercício contínuo de
tempo, espaço, acontecimento e sujeito historicização dessas relações, ampliar a
históricos. Observa-se o uso de uma ampla compreensão dos aspectos estudados. Além
variedade de fontes históricas, iconográficas, disso, a diversidade de experiências humanas
textuais ou orais na transmissão dos é abordada com respeito e interesse, alertando
conteúdos. A transformação, tão valorizada contra a discriminação e o preconceito.
na proposta, é um aspecto permanente do No manual do professor, é explicitada a
processo de ensino-aprendizagem. A articulação entre as propostas teórico-
dimensão crítica da História se encontra metodológicas e as estratégias utilizadas na
igualmente contemplada, favorecendo de elaboração de cada livro da coleção. Para cada
modo adequado a construção da cidadania. volume são traçados os objetivos gerais e, para
Nesse processo de reconstrução da cada capítulo, os objetivos específicos, de
história, estimulam-se a leitura, a análise e a acordo com os conteúdos a serem trabalhados.
interpretação de fontes históricas (textuais e Ao lado dos objetivos específicos, encontram-
iconográficas), propiciando o estabelecimento se os aspectos procedimentais, conceituais e
das relações entre o presente e o passado, a atitudinais envolvidos no processo de ensino-
construção significativa dos conceitos de aprendizagem da disciplina. Apesar disso, não

104
estão explicitadas as articulações entre os interdisciplinar, mas simples associações de
diferentes conteúdos, uma vez que o quadro temas, uma vez que não existem indicações
é muito esquemático, exigindo que o professor precisas sobre como realizar a articulação entre
estabeleça as relações entre os conteúdos a a História e outras áreas do conhecimento.
partir dos objetivos descritos. Quanto à edição e aos aspectos visuais,
O manual fornece indicações para o constata-se uniformidade na organização
trabalho didático, com bibliografia específica visual das unidades e capítulos, que seguem
para cada tópico trabalhado no livro do aluno, o mesmo padrão em todas as séries. Os
além de títulos relacionados ao ensino da capítulos estão claramente subdivididos e o
História, à renovação historiográfica, à sumário possibilita a rápida localização da
educação e à avaliação. Nele se discute a informação.
necessidade de adequar a avaliação à proposta Deve-se ressalvar, no entanto, que a
de trabalho presente na obra. diagramação do livro não distribui de maneira
A versão do livro do aluno que acompanha equilibrada textos e ilustrações, o que
o manual do professor é toda comentada, compromete a legibilidade e o descanso
contendo informações adicionais que visual. Dessa forma, as páginas estão muito
enriquecem a prática pedagógica. Os docentes carregadas, tornando o manuseio dos livros
encontram informações para auxiliar no cansativo para o aluno, em especial o da 4ª
trabalho com o livro didático, contemplando série, que contém maior quantidade de textos.
tanto aspectos teóricos quanto sugestões de A visualização de algumas ilustrações fica
complementação do conteúdo e de outras prejudicada por seu tamanho reduzido e por
atividades. Não há propostas de trabalho estarem um pouco esmaecidas.

HISTÓRIA
Em sala de aula
Sugere-se ao professor que, ao utilizar a coleção, procure situar melhor os temas
abordados no seu contexto histórico, fique atento às simplificações explicativas de
alguns textos didáticos e atividades, e auxilie os alunos em pesquisas de difícil
execução.
Na medida do possível, ele deve contextualizar as ilustrações, promover uma
crítica às fontes documentais utilizadas, sugerir atividades em conjunto com outras
disciplinas, esclarecer o significado de alguns termos mais difíceis, já que a coleção
não apresenta glossário, e sugerir leituras complementares para os alunos.

105
Recomendada com Ressalvas
Por quê?
A coleção explicita de forma precisa os pressupostos
teórico-metodológicos que apresentam o professor como
mediador no processo de ensino-aprendizagem, criam
condições para a formação do aluno cidadão, enfatizam
a construção da identidade do aluno e estabelecem
constantemente a relação do aluno com sua realidade

Coleção social. As atividades, variadas e criativas, incentivam o

Vivência e desenvolvimento de várias habilidades.

Construção - Nos três primeiros volumes, os conteúdos são

História organizados por eixos temáticos, relaciona-se presente-


José Willian Vesentini passado, permanências e transformações, com
Dora Martins Dias e Silva
Marlene Pécora destaque para a presença de fontes/documentos
históricos. Observa-se acentuada atenção na construção
da cidadania e o manual do professor, muito bem-
elaborado, pode auxiliar bastante o docente. No volume
Editora Ática da 4ª série, em flagrante descompasso com o restante
HISTÓRIA

da coleção, a organização e exposição dos conteúdos


históricos seguem um relato linear e cronológico.

A coleção primeira, comum aos quatro volumes, faz-se


uma apresentação da coleção e definem-se os
Os quatro volumes estão estruturados em pressupostos básicos e os objetivos do ensino
capítulos e seções. Temas específicos do de História. Também são apresentadas as
conteúdo são apresentados nas seções: Sobre seções que integram cada volume, os ícones
o assunto, Sobre o artista, Sobre o autor, Para que demarcam as diversas atividades, a
ler e conversar. No volume da 2ª série estão avaliação, as referências bibliográficas para
as seções Para brincar e Aprender fazendo. o professor e as indicações de leitura
Todos os volumes trazem Glossário, complementar para os alunos. Na segunda
Sugestões de leitura e Referências parte, há uma seção específica para cada
bibliográficas. volume, na qual cada capítulo é apresentado
O manual do professor contém orientações e comentado quase página a página,
que procuram facilitar o trabalho em sala de estimulando o professor a aproveitar ao
aula e está dividido em duas partes. Na máximo o texto e as atividades. A versão do

106
livro do aluno para o professor traz nas A abordagem conceitual parte da realidade
margens das páginas comentários e propostas vivenciada pelo aluno e dá ênfase ao seu
de trabalho para auxiliar na realização das conhecimento prévio e à necessidade de ir
atividades e na melhor exploração dos construindo aos poucos os conceitos, com a
conteúdos. A proposta metodológica de realização de várias atividades relacionadas
ensino-aprendizagem está indicada no ao temas tratados. A coleção apresenta muitos
manual. recursos didáticos que, na maioria das vezes,
1ª série (135 p.): 1. Várias maneiras de são bem aproveitados na tarefa de construção
ser (Eu e os outros); 2. Qual é a sua história?; do saber histórico pelos alunos. Há o cuidado
3. Você e sua família; 4. Onde moramos?; 5. constante para que, por meio dos textos e das
A vida na escola; 6. Os direitos da criança e atividades, o aluno compreenda sua realidade
do adolescente. Este livro contém ainda um social. Em cada volume, buscou-se inserir os
apêndice intitulado Minha agenda. temas transversais – ética, pluralidade cultural
2ª série (136 p.): 1. Vivendo e aprendendo; e ambiente. Merece destaque o trabalho com
2. Falando de convivência; 3. Falando de a interdisciplinaridade, pois, em todos os
trabalho; 4. Tempo livre, tempo de lazer; 5. volumes, tenta-se desenvolver a integração
Mudando ao longo do tempo; 6. Tempo de com as disciplinas de Geografia, Língua
cuidar do ambiente. Portuguesa e Educação Artística. Verifica-se
3ª série (120 p.): 1. O município hoje e a inclusão de temas e problemas da atualidade
ontem; 2. Diferentes modos de vida; 3. A ao longo de toda a obra.
formação do povo brasileiro; 4. Outros povos Nos três primeiros volumes há o incentivo
do Brasil; 5. Os frutos da terra e do trabalho; constante à produção de textos de diferentes
6. Direitos humanos, direito de todos. tamanhos, complexidade e gêneros
4ª série (128 p.): 1. Novo Mundo; 2. A vida discursivos. Estimula-se a realização de
nos trópicos; 3. O dia-a-dia nos engenhos; 4. debates sobre os temas apresentados,

HISTÓRIA
Pelo Brasil adentro; 5. A Corte portuguesa no solicitando-se que o aluno formule hipóteses,
Brasil; 6. No apogeu do café, o fim da exponha seus pontos de vista e ouça as idéias
escravidão; 7. Durante a República. dos outros, incitando-o a conviver com as
diferenças de opinião. Há grande quantidade
de ilustrações, para serem observadas,
A análise compreendidas e analisadas. As imagens são
bem exploradas como documentos
A coleção tem como proposta oferecer ao iconográficos e desperta-se na criança a
aluno condições para produzir saber e vontade de descobrir novas informações por
perceber-se como cidadão, conhecendo sua intermédio de entrevistas e pesquisas.
realidade, seus direitos e deveres. O As atividades sugeridas são criativas, bem-
encaminhamento de conceitos inicia-se com formuladas e adequadas à proposta da
noções simples para chegar à formulação de coleção, especialmente nos três primeiros
noções mais complexas. Os volumes volumes. Possibilitam, assim, o
dedicados à 1ª e 2ª séries têm como grande desenvolvimento de competências e
eixo temático a História local e do cotidiano; habilidades diversas: observação,
os volumes da 3ª e 4ª séries desenvolvem investigação, análise, síntese, interpretação e
outro grande eixo temático, a História das formulação de hipóteses, descrição,
organizações populacionais. associação e seriação. A atividade mais

107
marcante nos três primeiros volumes é a da perpassa a coleção. Apesar disso, a partir da
comparação entre espaços diversos e entre leitura dos livros do aluno de 1ª a 3ª séries, é
situações do passado e do presente. O aluno possível depreender uma concepção
também é estimulado a perceber as mudanças relativamente orgânica de História. Nesses
e permanências que ocorrem nos diversos volumes, a cronologia e os eventos políticos
espaços sociais, com o passar do tempo. não são os elementos organizadores da
O volume da 4ª série, por sua vez, exposição. A cronologia está presente, mas
apresenta diferenças significativas em relação de uma forma mais complexa, ressaltando-se,
aos demais volumes da coleção. Entre elas sobretudo, as noções de passado e presente.
destacam-se: o tempo linear e cronológico é A História é apresentada não como um saber
o organizador da exposição dos conteúdos e monolítico, estanque, mas como um saber em
a concepção de ciclos econômicos permeia o permanente construção.
conteúdo de alguns capítulos, o que destoa Propõe-se o trabalho com diversos
da concepção histórica adotada no restante da registros do passado (verbais, visuais,
coleção. O capítulo 5 traz uma História materiais). Nos três primeiros volumes, as
política do Brasil sob a ótica tradicional, com fontes históricas são apresentadas em forma
simplificações explicativas. No capítulo 7, de textos curtos e coerentes com a proposta
passa-se abruptamente da Primeira República metodológica e sempre há estímulos para os
para o Brasil atual. Para preencher a lacuna, alunos interpretá-los.
é apresentada, no manual do professor, uma As fontes iconográficas recebem dois
atividade intitulada Cem anos de Brasil, tratamentos que se mesclam. Em alguns
caracterizada por uma orientação factual da momentos, a iconografia é usada como mera
História. A historiografia mais recente sobre ilustração, especialmente no quarto volume.
temas relevantes – como o escravismo – não Na maioria das vezes, porém, as fontes
está atualizada. iconográficas aparecem como instrumento
HISTÓRIA

Também no volume da 4ª série, em para a construção do saber histórico. Neste


algumas atividades o papel de mediador caso, as imagens desempenham papel
atribuído ao professor é diminuído; a maioria fundamental na problematização dos
das imagens serve como mera ilustração para conteúdos apresentados e, muitas vezes,
os textos e os documentos históricos não são estimulam o aluno a ir além do tema abordado.
suficientemente trabalhados. Encontram-se Em diversas passagens, os autores colocam
exercícios deslocados do assunto tratado ou lado a lado fotografias de outras épocas e
que apenas solicitam a reprodução de imagens do presente para discutir mudanças
informações contidas no texto. Embora e permanências.
estejam presentes em alguns momentos nos Cada volume contém, no final, um
livros de 2ª e 3ª séries, neste volume as Glossário, que define o sentido das palavras
simplificações explicativas são mais grifadas em vermelho nos textos. Os volumes
freqüentes, o que pode prejudicar a construção fornecem indicações de leitura complementar,
do saber histórico. A proposta de relacionar o tanto no livro do aluno quanto no manual do
conhecimento novo com a experiência do professor.
aluno está sensivelmente diminuída em A obra pode contribuir para a construção
relação aos volumes anteriores. da cidadania. Há uma visível preocupação
Não está explícita qual é a concepção de com o desenvolvimento de princípios básicos
História ou a metodologia da História que de convivência social pelos alunos. Incentiva-

108
se o estudante a pensar acerca das Não há, entretanto, uma apresentação mais
desigualdades existentes na sociedade, dos detida a respeito da concepção de História
direitos da criança (em especial o problema adotada na obra, tampouco uma apresentação
do trabalho infantil), dos direitos humanos em dos caminhos atualmente trilhados pela
geral, do respeito à diversidade cultural, da disciplina, o que poderia contribuir para a
questão ambiental e da importância da formação do professor. A segunda parte do
consciência ecológica. As sugestões de manual, voltada especificamente para o
atividades auxiliam no desenvolvimento da conteúdo e para as atividades propostas em cada
cooperação, do respeito mútuo e da aceitação volume, fornece orientações para que o
de pontos de vista divergentes. Neste mesmo professor possa articular os conteúdos de cada
sentido, a coleção aborda a diversidade das capítulo entre si e com procedimentos mais
experiências humanas com respeito e amplos, que extrapolam o livro do aluno – o
interesse, evitando privilegiar membros de que se constitui num importante instrumento
uma camada social ou os habitantes de uma para o trabalho didático.
só região do País. O projeto gráfico foi elaborado de forma
No manual do professor, enfatiza-se a pedagógica e auxilia no trabalho do aluno na
importância dos conteúdos a serem trabalhados, construção do saber histórico. Os livros
dos temas transversais e da interdisciplinaridade, apresentam divisão bastante equilibrada de
além de propor-se uma análise a respeito do que títulos e subtítulos e de imagens e textos,
seria o conhecimento prévio do aluno e a especialmente nos três primeiros volumes da
relevância do trabalho com hipóteses. Analisam- coleção. No primeiro volume, os mapas estão
se os recursos didáticos da coleção e fornece-se muito pequenos, considerando-se a faixa
explicação a respeito do uso do Glossário. É etária dos alunos, o que prejudica e dificulta
feita referência à avaliação da aprendizagem, a leitura. As referências bibliográficas das
em que se defende a avaliação contínua e a indicações de leitura não estão completas ou

HISTÓRIA
observação sistemática das produções do aluno. fogem dos padrões convencionados.

Em sala de aula
Como mediador na construção do saber pelo aluno, o professor tem a possibilidade
de aproveitar as indicações contidas na parte específica do manual do professor e
nas anotações laterais em azul nos textos que reproduzem os livros dos alunos.
A utilização do volume de 4ª série requer cuidados adicionais, como, por exemplo,
trabalhar de forma crítica os conteúdos apresentados, complementando-os.

109
Recomendada com Ressalvas
Por quê?
As atividades e os exercícios propiciam o
desenvolvimento de habilidades cognitivas e o aluno é
solicitado a escrever textos. São utilizadas variadas
fontes escritas e iconográficas e incentiva-se a
construção da cidadania. O manual do professor fornece
orientações para auxiliar o docente no desenvolvimento
dos conteúdos e os aspectos visuais demonstram bom
padrão de qualidade.
Coleção Viver e
Contudo, a proposta metodológica não é explicada de
Aprender forma articulada. Constata-se simplificação excessiva
História dos textos e dos conteúdos, os documentos textuais
Anselmo Lázaro Branco são pouco trabalhados e as ilustrações não são
Elian Alabi Lucci
contextualizadas. Além disso, os conceitos e categorias
próprias do conhecimento histórico não são construídos
de forma adequada. Assim, a preocupação com a
construção da cidadania não se realiza plenamente, em
conseqüência das simplificações presentes nos textos
e da falta de historicidade das experiências sociais. No
Editora Saraiva
manual do professor não são feitas referências a autores
HISTÓRIA

que dêem sustentação à metodologia do ensino-


aprendizagem.

A coleção metodológica da coleção, Objetivos gerais da


coleção, Apresentação dos volumes, Estrutura
Os volumes estruturam-se em unidades das unidades, Sugestões de procedimentos
com as seguintes seções: Para começar, Texto docentes, Atividades de enriquecimento do
base, Conhecendo melhor as palavras, dia-a-dia do professor, Formas de avaliação,
Documentando, Para terminar e Para saber Sugestões de trabalhos nos níveis local e
mais, com sugestões de livros e/ou sites para regional, Sugestões de sites e revistas para
consulta dos alunos. consulta e Bibliografia. A parte específica traz
O manual do professor, com 16 páginas, orientações para cada uma das séries.
contém uma parte geral, comum aos quatro 1ª série (80 p.): 1. Você; 2. Você e sua
volumes, e uma parte específica. A parte geral família; 3. Você e sua casa; 4. Você e sua
é composta das seções: O ensino de História escola; 5. O seu tempo e outros tempos.
nas séries iniciais do Ensino Fundamental, 2ª série (80 p.): 1. A minha história e a
Estrutura do manual do professor, Proposta história da família; 2. Os documentos e suas

110
histórias; 3. Do que precisamos para viver; 4. são retomados a cada nova unidade, a fim de
Ruas e Bairros: Diferenças no tempo e no dar continuidade aos temas já trabalhados.
espaço. Entretanto, a coerência entre a proposta
3ª série (80 p.): 1. História e município; 2. metodológica e a elaboração da obra é apenas
História e poderes nos municípios; 3. parcial. Como alguns conteúdos históricos
Convivendo em sociedade e construindo uma estão muito resumidos e a relação entre
história; 4. Vida e trabalho nos municípios. contextos e sujeitos históricos é deficiente,
4ª série (112 p.): 1. Os primeiros povos da encontra-se dificuldade para o entendimento
América e os índios do Brasil; 2. A conquista de processos mais complexos, o que impõe
portuguesa e os primeiros contatos com os complicações ao levantamento de hipóteses
índios no Brasil; 3. Trabalho, sociedade e e à possibilidade de uma posição crítica em
produção no Brasil Colonial; 4. Economia e relação à realidade social. O propósito de
sociedade no Brasil Imperial e Republicano. iniciar o conteúdo novo a partir da realidade
próxima do aluno dilui-se no livro da 4ª série,
e muitos dos objetivos apresentados no início
A análise das unidades não são trabalhados de forma
sistemática. São observadas lacunas,
A proposta de ensino-aprendizagem é simplificações excessivas dos textos didáticos
entendida como uma série de procedimentos e interrupção na seqüência da apresentação
que valorizam o aluno como sujeito do dos fatos da História do Brasil, o que pode
processo de ensino-aprendizagem, supondo- comprometer a compreensão do processo
o participante na elaboração e reelaboração histórico.
do conhecimento. A experiência do estudante As atividades e exercícios propiciam o
é colocada como ponto de partida e o desenvolvimento de habilidades cognitivas.
levantamento de problemas, apontado como As sugestões de pesquisa, de confecção de

HISTÓRIA
um dos passos a serem priorizados no cartazes, de entrevistas, entre outras,
processo de aprendizagem. Destaca-se, ainda, contribuem para que o aluno aprenda a
a importância do encadeamento lógico das observar, a procurar a informação, a organizar
idéias, com o desenvolvimento do conteúdo os dados e a apresentar os resultados com
a partir de situações concretas, próximas das criatividade. Pretende-se que as informações
experiências dos educandos, resgatadas por sobre os fatos históricos sejam obtidas a partir
meio de questionamentos e diálogo com os da realização das atividades. Porém, os
colegas e com o professor. Há ainda o objetivos que dependem de inserções no
compromisso de promover a interdisci- processo histórico e de maior rigor
plinaridade, bem como o de trabalhar com os metodológico e conceitual – como
temas transversais. compreender a diversidade cultural, as
Os conteúdos dos livros são apresentados mudanças e permanências, as semelhanças e
por meio de textos curtos, em linguagem diferenças – não são conduzidos de forma
simples e de fácil compreensão, com adequada nas atividades propostas.
ilustrações e fotos, de maneira a possibilitar A metodologia da História tem como
que o aluno estabeleça relações entre as pressuposto uma nova visão do ensino da
informações e amplie, de forma gradativa, disciplina que se vincula às questões sociais,
seus referenciais de observação e culturais e do cotidiano, à história local e à
compreensão do mundo social. Os conteúdos preservação do patrimônio histórico, com o

111
objetivo de desenvolver no aluno uma postura gravuras que representam índios, homens pré-
crítica em relação ao meio em que vive. Mas, históricos e o cotidiano da sala de aula são
embora aponte para questões historiográficas bastante estereotipadas.
relevantes, essa metodologia não é formulada Os conceitos e categorias históricas que
de maneira articulada. As referências sobre a caracterizam o trabalho com a disciplina
abordagem dos conteúdos e sobre os objetivos História – como tempo, espaço, sociedade,
da disciplina estão baseadas nas orientações poder, sujeito histórico, cultura, transformações
fornecidas por documentos oficiais, com e permanências, relações entre passado e
destaque para os conteúdos relativos à família, presente – demonstram problemas de diversas
ao bairro ou à cidade, centrados nas relações ordens. Além disso, foram registradas ao longo
temporais e sociais. A coleção propõe-se a da coleção várias simplificações explicativas.
trabalhar com a relação presente-passado, Há uma abordagem voltada para a
além de priorizar o uso de fontes documentais construção da cidadania nas atividades, mas
que permitam a leitura, a análise e a de modo geral os textos são bastante genéricos
interpretação das realidades de diferentes e as questões sociais são indicadas como
tempos e lugares. problemas que sempre existiram. Neste
A coerência entre a proposta e sua efetiva contexto, não são trabalhadas as experiências
realização é apenas parcial. As fontes textuais de luta, conquistas e transformações. No
contidas nos livros da coleção são constituídas conjunto do texto didático, a historicidade das
por textos literários, periódicos com caráter experiências sociais fica comprometida, pois
informativo, alguns extraídos de livros os fatos históricos são apresentados como
paradidáticos de cunho historiográfico, e por acabados. Os problemas sociais, quando
letras de música popular. No entanto, esses aparecem, não são acompanhados de dados
diferentes documentos textuais são pouco históricos que os contextualizem. Os temas
trabalhados. As ilustrações não são contex- fundamentais para a discussão da cidadania
HISTÓRIA

tualizadas e muitas não trazem legenda, o que não constam nos textos didáticos, mas surgem
compromete seu uso como fonte. No livro da apenas em pequenas observações feitas ao
3ª série, não há documentos de época nem professor na reprodução do livro do aluno.
transcrição de outros documentos oficiais. As Cabe ao professor abordar os conflitos,
atividades procuram explorar os textos, mas problematizá-los e criticá-los.
várias delas solicitam apenas transcrição de Por outro lado, percebe-se o respeito à
trechos, sem sua necessária interpretação ou diversidade das experiências humanas. O
análise. aluno é estimulado a trabalhar em duplas e
As fontes iconográficas são constituídas em grupos e a fazer entrevistas. Desta forma,
por reproduções de pinturas e desenhos, de é incentivado a desenvolver a cooperação e a
cartazes de propaganda, de objetos aceitação de distintos pontos de vista. Os
representativos da cultura e do patrimônio diferentes grupos sociais ou étnicos são
histórico. A grande maioria está adequada aos enfocados pela diversidade cultural, mas está
conteúdos trabalhados, o que auxilia na ausente a luta por direitos e igualdades ao se
compreensão dos temas e amplia perspectivas tratar dos índios e dos negros, das crianças
interpretativas. Apesar disso, não há nenhum que trabalham, do êxodo rural, do trabalhador
roteiro para a observação e análise dessas industrial.
ilustrações, ou legendas que as No manual do professor, constata-se a
contextualizem no tempo e no espaço. As ausência de referências a autores que dêem

112
sustentação à metodologia do ensino- funções transferidas para o professor. Isto nem
aprendizagem. Tampouco se discutem os sempre supre as lacunas históricas, uma vez
caminhos teórico-metodológicos seguidos que, para o professor que não tem formação
pela História. No que diz respeito à disciplina, específica, as indicações não são suficientes.
são transcritos, sem qualquer acréscimo ou No manual, tampouco são discutidos os
esclarecimento, trechos de documentos conteúdos procedimentais, ou seja, as
oficiais. atividades não estão vinculadas ao
O conteúdo e a estrutura dos volumes são aprendizado do como fazer. Desta maneira,
explicitados, há sugestões de estratégias e procedimentos fundamentais para formar o
procedimentos que facilitam o processo de pensar histórico transformam-se em meras
ensino-aprendizagem, mas não é apresentada tarefas desvinculadas dos objetivos da
reflexão sobre o papel do professor na prática disciplina.
pedagógica. De modo geral, as possibilidades Tanto a edição quanto os aspectos visuais
de aprendizagem dos alunos são pouco da coleção apresentam bom padrão de
discutidas e não chegam a orientar o professor qualidade. O sumário permite a localização
em sua prática. dos temas e dos diferentes conteúdos e as
Na parte específica que aborda as unidades referências bibliográficas são apresentadas de
de cada série, o manual traz orientações para forma correta. Há unidade visual, ritmo e
o desenvolvimento dos conteúdos e ajuda o continuidade. O layout e os conteúdos estão
professor a perceber a articulação temática. integrados, o que estimula o manuseio e a
Há, ainda, sugestões concretas dentro de uma leitura dos livros. As ilustrações estão bem
concepção de avaliação continuada e de auto- distribuídas, de modo a formar um conjunto
avaliação. Ao final há sugestões de leitura de equilibrado, com boa qualidade de impressão.
alguns poucos livros com assuntos mais Vale destacar que há diferença de qualidade
específicos. de impressão e de papel entre os livros da

HISTÓRIA
A contextualização histórica dos temas e coleção: o da 1ª série é inferior aos das demais
a apresentação de argumentos analíticos são séries.

Em sala de aula
O professor que escolher esta coleção deverá recorrer a textos complementares,
para ampliar e enriquecer as informações contidas nos textos didáticos, que são
genéricos, lacunares e pouco críticos.
Merece cuidado especial a orientação das atividades, a partir das quais é feita de
elaboração dos conteúdos de História. O professor deve ainda destinar orientações
mais precisas sobre o uso das fontes textuais e iconográficas, para que elas possam
ser utilizadas na construção do conhecimento histórico

113
Recomendada com Ressalvas
Por quê?
A proposta de ensino-aprendizagem apresenta-se de
forma clara na coleção. Todos os livros exploram fontes
iconográficas, enquanto as fontes textuais são
apresentadas nos volumes da 3ª e da 4ª séries. São
utilizadas diferentes linguagens visuais e as ilustrações
estão integradas ao texto didático. Incentiva-se o respeito
à ética e prática da cidadania, principalmente nos livros
de 3ª e 4ª séries.
Coleção Viver é
O manual do professor fornece comentários sobre os
Descobrir - conteúdos dos capítulos.
História Contudo, nota-se ausência de unidade pedagógica e
Magda M. P. Tuma
metodológica entre os livros da 1ª e 2ª séries, e os da 3ª
(Londrina) e da 4ª (Paraná). Nos volumes das duas
séries iniciais, o tratamento dos conteúdos tem pouca
densidade histórica. As atividades, consideradas o eixo
central da concepção pedagógica, apresentam alguns
problemas. A construção do conhecimento histórico não

Editora FTD é trabalhada a partir de problematizações e de fontes.


Além disso verificam-se simplificações explicativas na
HISTÓRIA

abordagem dos conteúdos e deficiências em relação


às ilustrações.

A coleção tratam, respectivamente, do município de


Londrina e do Estado do Paraná. Estão
A obra é composta de quatro volumes com estruturados em capítulos, que compreendem
estruturas e temáticas diferentes. Os volumes uma apresentação dos assuntos, seguida de
referentes à 1ª e 2ª séries estão estruturados Atividades.
não em capítulos, mas em itens. O primeiro Cada volume apresenta o manual do
volume contém 31 itens constituídos professor, denominado Anotações para o(a)
basicamente de atividades e da seção História Professor(a). Na Introdução há considerações
da vida, cujos exercícios irão compor o livro sobre a proposta metodológica; seguem-se
da vida do aluno. O segundo volume contém orientações e sugestões relativas a cada
25 itens constituídos de textos aos quais se agrupamento temático. Ao final encontra-se
seguem as Atividades a eles relacionadas. Nos uma Bibliografia.
dois volumes há Glossário e Referências 1ª série (95 p.): Os 31 itens tratam de
bibliográficas. Os volumes da 3ª e 4ª séries assuntos que podem ser agrupados: Falando

114
sobre você; Brincadeiras; Sala de aula; didático é considerado um dos meios do
Tempo... tempo... tempo...; Com quem você processo de construção do conhecimento,
vive?; A sua história de vida; As famílias; cujas limitações somente serão superadas por
Aniversários; A linha do tempo; O trabalho ações desenvolvidas coletivamente e em
na sua vida; Símbolos; Glossário; Referências interação com o objeto de estudo. O ensino
bibliográficas. de História deve partir da relação crítica com
2ª série (79 p.): Os 25 itens podem ser o presente e com a realidade da criança. Só
agrupados assim: Minha história/Nossa assim ela pode começar a compreender o
história; As mudanças na vida das crianças; processo histórico, do qual é sujeito e agente
O tempo; Aniversários; A sua família; da transformação social.
Natureza e cultura; A sua escola; Campo e Verifica-se coerência entre as propostas e
cidade; O município onde vivemos; O a elaboração da obra, embora se constatem
trabalho; Vida de criança pobre antigamente; limitações. Em todos os livros, as atividades
Os direitos das crianças; A união em nossa propiciam a participação dos alunos na
sociedade; Glossário; Referências bibli- construção do conhecimento, vinculam a
ográficas. introdução das noções fundamentais para o
3ª série (111 p.): O terceiro volume ensino de História com a realidade social das
trabalha: A criança cidadã; Conheça sua crianças e estimulam a dinâmica de grupo. No
história; O tempo na história da vida; A entanto, nenhum dos volumes da coleção
história de sua vida Vivemos no município apresenta uma proposta pedagógica que
de Londrina; Será que Londrina sempre foi articule os quatro livros, e nem se justifica a
assim? Outros habitantes começam a chegar...; seleção de conteúdos para cada série.
Chegando ao Patrimônio Três Bocas; Os Nos volumes destinados à 3ª e 4ª séries, os
pioneiros de Londrina; O trabalho no campo textos e as atividades auxiliam o aluno a refletir
antigamente; O tempo foi passando... a vida a respeito do passado e do presente da cidade

HISTÓRIA
muda no campo e na cidade; O trabalho e a de Londrina e do Estado do Paraná, visando à
indústria; Comércio; Textos Complementares; compreensão crítica da realidade social. Nos
Glossário; Bibliografia. volumes destinados à 1ª e 2ª séries, o estímulo
4ª série (136 p.): Os temas trabalhados são: a essas reflexões é menos perceptível.
Tempo e história; Conhecendo outras Ao longo dos volumes da 2ª, 3ª e 4ª séries,
sociedades através do tempo; Século XIX: as atividades estimulam a capacidade de
mudanças para o Brasil; Organização política produzir diferentes tipos de texto: pequenos
do Paraná; Gente paranaense; As textos argumentativos de análise dos temas
transformações da economia paranaense; A em estudo, histórias em quadrinhos, notícias
economia paranaense na atualidade; Cultura e manchetes, cartas, relatórios de pesquisa e
no Paraná; Glossário; Bibliografia; resumos. No segundo volume, no entanto,
Municípios do Paraná. muitas atividades relacionadas com a história
de vida dos alunos repetem aquelas sugeridas
no primeiro volume. Um número excessivo
A análise de atividades solicita apenas que o aluno
constate “diferenças e semelhanças” ou
Os pressupostos metodológicos que “mudanças e permanências”, explorando
norteiam a elaboração desta coleção estão parcialmente os textos e estimulando pouco
explicitados no manual do professor. O livro o questionamento crítico dos temas

115
abordados. Além disso, algumas atividades respectivamente, contribuindo para a
são difíceis de realizar, por não estarem construção das noções de história, sujeito
formuladas de maneira precisa. Isto acontece histórico, tempo, sociedade, relações sociais,
especialmente nos volumes destinados à 2ª e trabalho, entre outras. No entanto, ao final do
4ª séries. Na útlima, constata-se excesso de terceiro volume, no capítulo Textos
atividades de pesquisa, notando-se repetição complementares, há textos produzidos
e dificuldade de execução de algumas delas. especialmente para o volume que sugerem a
Nos dois primeiros volumes, as atividades exaltação de Londrina, ao tratar dos
estimulam pouco a capacidade de debater equipamentos de lazer e dos serviços públicos,
problemas. Além disso, são raras as atividades contradizendo a proposta de oferecer uma
coletivas que envolvem a discussão de visão crítica do passado do município que
problemas. supere a interpretação apologética e oficial.
Os pontos básicos da metodologia da No quarto volume, por sua vez, nota-se a
História que norteiam a elaboração da coleção mescla de assuntos muito diferentes em um
estão presentes no manual do professor. Nele mesmo capítulo, com grande quantidade de
encontra-se uma definição bastante ampla e informações.
genérica de História, entendida como ciência Não há fontes textuais nos volumes
cujo objeto é a explicação das transformações destinados à 1ª e 2ª séries, mas elas
da sociedade ao longo do tempo, levando em apresentam-se nos demais volumes, seguidas
consideração múltiplos sujeitos e tempo- de atividades que estimulam os alunos a
ralidades, num processo marcado por interpretá-las. Contudo, no conjunto não se
contradições, conflitos, antagonismos e lutas. concretiza a proposta de trabalhar uma
No entanto, a relação entre a metodologia da construção do conhecimento histórico tendo
História e a organização da coleção não está como ponto de referência os documentos e a
explicitada. discussão historiográfica. Isto porque, na
HISTÓRIA

Em todos os volumes, o desenvolvimento construção da narrativa, não se utilizam as


dos conteúdos estimula a construção das fontes como ponto de partida, não se
noções de transformação e permanência; contrapõem perspectivas diferentes, não há
passado, presente e futuro; ordenação, formulação de hipóteses, nem se emprega
seqüência e simultaneidade; diversidade e bibliografia que problematize as
unicidade. Contudo, nos dois primeiros interpretações. A problematização dos
volumes, constata-se pouca densidade conteúdos históricos ocorre basicamente nas
histórica no tratamento dos conteúdos. Estes, atividades, sem que, no entanto, as
em geral, estão muito simplificados, pois não interpretações apresentadas sejam postas em
se observa suficiente contextualização ou questão.
explicação histórica adequada dos temas As ilustrações estão integradas ao texto
abordados nos textos didáticos. Nos manuais didático e são adequadas às finalidades para
dessas séries, os aspectos cognitivos da as quais foram elaboradas, proporcionando o
aprendizagem são privilegiados e mais contato com aspectos variados do passado e
trabalhados. do presente. No entanto, não são
Já nos livros destinados à 3ª e 4ª séries, os suficientemente exploradas vem para auxiliar
conteúdos históricos estão mais presentes, na leitura e na compreensão dos textos, nem
articulando-se em torno do estudo do para propiciar novas formas de conhecimento,
município de Londrina e do Estado do Paraná, cumprindo a função de apenas ilustrá-los. Sua

116
compreensão fica mais prejudicada devido às há considerações sobre as atitudes e
deficiências de impressão nos volumes habilidades envolvidas na aprendizagem e são
destinados à 2ª, 3ª e 4ª séries. Nota-se, ainda, fornecidas informações e atividades
a ausência de legendas e de referências no adicionais ao livro do aluno. O manual traz
texto didático que estimulem o uso das ainda informações adicionais para auxiliar o
ilustrações para a problematização dos trabalho com o livro didático, contemplando
conteúdos históricos. tanto aspectos teóricos quanto sugestões de
O incentivo ao respeito, à ética e à complementação do conteúdo e de outras
construção da cidadania está presente ao atividades.
longo da obra de diversas maneiras e em Nos dois primeiros volumes, há um
vários momentos. Os textos e as atividades número reduzido de sugestões de títulos
destinados à 3ª e 4ª séries colaboram destinados à discussão do ensino de História
efetivamente para a construção da cidadania, ou que abordem os conteúdos históricos. Já
visto que os alunos são estimulados a analisar nos manuais da 3ª e 4ª séries, a bibliografia é
criticamente as relações de trabalho, tanto no diversificada e atualizada, com vários títulos
passado quanto no presente, e a refletir e que abordam a história do Paraná e de
debater problemas e relações sociais. Londrina.
Nos dois primeiros volumes, embora Quanto aos aspectos visuais, constatam-
alguns conteúdos abordem aspectos da se problemas de impressão que dificultam a
realidade social, desenvolvem-se poucas visualização das imagens nos volumes
estratégias que auxiliem o aluno a destinados à 2ª, 3ª e 4ª séries. Além disso, a
compreendê-la, pois as atividades estimulam coleção não tem uniformidade editorial, pois
pouco a reflexão crítica e a discussão das os dois primeiros volumes apresentam layout,
questões sociais mencionadas nos textos. organização e formatação diferentes daqueles
No manual do professor de cada volume, observados nos livros destinados à 3ª e 4ª

HISTÓRIA
os aspectos gerais dos temas são comentados, séries.

Em sala de aula
Sugere-se que o professor esteja atento para a ausência de unidade metodológica
entre os volumes desta coleção, pois os conteúdos dos dois primeiros volumes
abrangem questões de ordem geral, enquanto os dois últimos tratam de Londrina
e do Paraná. No terceiro volume, as atividades propostas pressupõem que o aluno
resida no município de Londrina.
O docente precisará suprir a pouca densidade histórica no tratamento dos
conteúdos dos dois primeiros volumes e será sua tarefa superar as conseqüentes
simplificações explicativas. Ao trabalhar as fontes históricas e iconográficas,
precisará demonstrar aos alunos que elas fazem parte da construção do
conhecimento histórico.

117
Recomendado com Ressalvas
Por quê?
O texto didático, apesar de acentuar uma concepção

linear e cronológica do processo histórico, permite o

desenvolvimento equilibrado de habilidades cognitivas,

a apreensão crítica da realidade pelo aluno e a

construção de alguns conceitos fundamentais da

disciplina. A construção da cidadania e o respeito à


Livro regional
Amazonas diversidade cultural são estimulados.

História No entanto, os textos didáticos contêm muitas

Célia Siebert simplificações explicativas, além de apresentarem uma


Valéria Martins Lippi
narrativa expositiva, que estabelece poucos diálogos

com a experiência e a vivência do aluno.

O manual do professor, por sua vez, não explicita a

metodologia que embasa a construção da obra e da

Editora FTD história regional, e também não discute a questão da

avaliação. Não se constitui, portanto, em instrumento


HISTÓRIA

para atualização e formação do docente.

A obra gerais; Estrutura, na qual se explicitam


conteúdo, objetivos e respostas às atividades;
O livro, com 134 páginas, trata da história Atividades didáticas complementares; e
do Estado do Amazonas e estrutura-se em Bibliografia, que é idêntica à do livro do
cinco unidades – 1. Introdução; 2. Brasil: uma aluno.
colônia de exploração; 3. Brasil: uma
Monarquia; 4. Brasil: uma República; 5.
Sociedade e cultura –, que se dividem em A análise
capítulos. Aos textos didáticos seguem-se, na
maioria dos capítulos, as seções Aprenda A proposta metodológica de ensino-
sobre e Atividades. Há uma Bibliografia com aprendizagem que orientou a elaboração da
títulos de livros e revistas. obra não é apresentada no manual do
O manual do professor, com 32 páginas, professor. No entanto, a explicitação dos
contém os tópicos: Apresentação; Objetivos conteúdos e objetivos de cada capítulo indica

118
que há ênfase na aquisição de informações. complementares, favorecendo a organização
O manual também ressalta a importância da das idéias principais e a fixação do conteúdo,
apresentação de visões contrastantes do enquanto outras sugerem a realização de
processo histórico, mas não inclui nenhuma pesquisas, debates, trabalhos em grupo, temas
referência à metodologia específica para o para reflexão e problematizam situações. Há
trabalho com a história regional. ênfase em promover a troca de idéias entre
O texto didático é basicamente os alunos. As atividades estão formuladas
informativo: retoma a história brasileira e vai corretamente, integram-se aos conteúdos e
articulando a especificidade da região apresentam graus variados de dificuldade.
amazônica ao longo de diferentes períodos. Solicita-se, em várias oportunidades, a
Desta forma, grandes momentos históricos produção de pequenos textos.
são explicados em pequenos parágrafos, o que Não há, no manual do professor,
compromete a formulação de hipóteses e a apresentação da metodologia da História que
argumentação. O texto ganha dimensão mais oriente a exposição dos conteúdos. Apresenta-
rica quando sugere retomadas, a observação se uma lista de objetivos gerais para o ensino
de mapas e ilustrações, e a leitura de textos da disciplina, na qual são citadas as noções
complementares. Com essa estratégia é de temporalidade histórica, mudanças e
possível complementá-lo ou relativizá-lo. A permanências, semelhanças e diferenças,
organização do volume, a forma de entre outras, mas falta referência teórica que
apresentação dos temas, os textos localize esses conceitos.
complementares e as atividades propostas As considerações sobre os objetivos dos
indicam preocupação com o desenvolvimento capítulos e as orientações para as respostas
cognitivo do aluno. das atividades permitem inferir uma
A experiência e a vivência são pouco concepção de História marcada pela ênfase
mobilizadas no decorrer dos textos didáticos, nos conteúdos, e pelo apego à cronologia e

HISTÓRIA
que não têm no aluno um interlocutor. As temporalidade linear. A opção por apresentar,
relações entre presente e passado aparecem em um único volume, toda a história
de modo fragmentado nos textos didáticos, brasileira, entremeada com discussões
mas estão contempladas especialmente na específicas sobre a região amazônica,
seção Aprenda sobre, em que são feitas as favorece a ocorrência de simplificações
necessárias mediações para que o aluno possa explicativas.
ampliar a sua consciência da realidade social Embora no texto didático não haja
e perceber a historicidade das situações e dos atualização historiográfica, os objetivos gerais
processos abordados. Merece especial enunciados podem ser alcançados por meio
destaque a abordagem da questão indígena e do trabalho integrado com os textos
dos problemas sociais da região, que permite complementares e atividades.
que os alunos ampliem seu horizonte de Destoa do conjunto da obra o capítulo 1
compreensão para entender a especificidade da unidade I, em que se apresenta, de forma
histórica da Amazônia. genérica, o homem como ser social,
As atividades sugeridas possibilitam o compondo-se por uma colagem de diferentes
desenvolvimento das habilidades cognitivas fatos, categorias, conceitos e temporalidades,
e se caracterizam por proporem questões de fora do contexto geral. A abordagem não parte
natureza diferenciada. Algumas ensejam a de um problema ou de um conjunto de
retomada dos textos didáticos e problemas. A narrativa está elaborada de

119
forma absoluta e pouco crítica, e apenas nas estimulada nas atividades do que nos textos,
atividades ou na seção Aprenda sobre o embora não esteja entre os elementos
conteúdo apresentado pode ser relativizado e estruturadores da obra. O respeito à
problematizado. diversidade cultural é incentivado e as lutas
As noções de espaço, sujeitos sociais travadas pelas sociedades indígenas são
históricos e relações sociais recebem enfatizadas, ainda que outras formas de
tratamento adequado no livro. O mesmo não resistência, como a dos escravos negros,
acontece, em geral, com alguns conceitos recebam menor atenção. Algumas das
básicos da disciplina, como tempo, cultura, questões propostas no final dos capítulos
trabalho e natureza. Ao longo da obra, não se incentivam e instigam à reflexão crítica sobre
enfatiza o trabalho com fontes históricas, o as sociedades do presente e do passado.
aluno não é orientado a fazer perguntas e os O manual do professor é muito sucinto.
documentos não são problematizados. Inclui, porém, considerações sobre o
As ilustrações estão adequadas aos conteúdo, sobre os objetivos e sobre as
conteúdos trabalhados, apresentam diferentes respostas às atividades que podem auxiliar o
linguagens visuais e ajudam na compreensão professor na realização do trabalho
dos temas abordados. Observe-se, porém, que pedagógico. As explicações fornecidas na
as fontes iconográficas não são trabalhadas seção Atividades didáticas complementares
como documentos, deixando de contribuir, também podem apoiar o docente em classe.
portanto, para que o aluno possa No entanto o manual não promove a discussão
problematizar os conteúdos históricos a partir sobre avaliação, nem indica leituras, filmes,
delas. As legendas raramente esclarecem a sites ou outros recursos didáticos. Tampouco
época, o lugar e quem as produziu. há elementos que possam contribuir para a
A construção da cidadania é mais formação e atualização do professor.
HISTÓRIA

Em sala de aula
O professor deve estar atento às ressalvas apresentadas, procurando superá-
las. Seria importante colocar em maior evidência a história do Estado do Amazonas
e, a partir dela, relacioná-la à história do Brasil, invertendo, assim, a ordem da
exposição presente no livro. Sugere-se também a seleção, dentre as atividades
propostas, das mais criativas, em vez das que acentuam a memorização.

120
Recomendado com Ressalvas
Por quê?
Na obra, verifica-se constante problematização entre

passado e presente. As atividades são variadas, embora

grande parte se reporte à fixação de conteúdos. Parte-

se da abordagem dos aspectos políticos para incorporar

o social e o econômico, apontando-se para as

desigualdades sociais. São utilizadas fontes textuais e


Livro regional
iconográficas de época. Incentivam-se o convívio social
Ceará História -
Para a e a construção da cidadania.

Construção da No entanto, a organização dos conteúdos abarca uma

Cidadania gama muito extensa de assuntos, com quantidade


Marlene Corrêa
excessiva de textos. A abordagem dos conhecimentos

propostos não parte nem da experiência do aluno,

mantendo-se em uma perspectiva expositiva, nem


Editora FTD tampouco da colocação de problemas. Além disso, a

explicitação da metodologia, no manual do professor, é

HISTÓRIA
demasiadamente sucinta.

A obra compreende os tópicos: Nossa proposta;


Sobre a avaliação; Conteúdos e objetivos;
O livro (com 119 páginas) aborda a história Anexos, que compõem um conjunto de textos
do Estado do Ceará e está organizado em de apoio; e Bibliografia.
cinco unidades, cada uma contendo texto
didático informativo entremeado por
propostas de atividades. Fornece sugestões de A análise
leitura para o aluno. As unidades da obra
estruturam-se da seguinte forma: Introdução A proposta metodológica, explicitada de
– Vivendo e aprendendo; 1. O estudo da forma sucinta, propõe a aquisição do
História; 2. O Ceará colonial; 3. No tempo conhecimento a partir da vivência, observação
dos imperadores; 4. O Ceará republicano; 5. e experiência do educando, bem como de sua
Nossa cultura, nossas tradições. reelaboração no espaço escolar, na intenção
O manual do professor, com 16 páginas, de formar cidadãos. São destacados aspectos

121
relacionados a questões atitudinais, relacionados aos temas tratados,
especialmente os voltados para a ética e especialmente quando recorrem a pesquisas
cidadania. e debates, promovendo maior envolvimento
Percebe-se que a coerência entre a do aluno. No entanto, em sua grande maioria,
proposta metodológica e a elaboração da obra permanecem distantes da realidade vivenciada
é parcial. O livro está estruturado de forma pelo aluno, e a tônica das questões colocadas
clássica, tendo por base o texto informativo, não propicia que ele construa o conhecimento
seguido de atividades que procuram explorar partindo de sua vivência e experiência.
o assunto por meio de diversas estratégias. A A obra não explicita a proposta
problematização entre passado e presente é metodológica para o conhecimento histórico
constante, tanto nos textos expositivos quanto que embasa a exposição dos conteúdos.
nas atividades. Registram-se, apenas, referências genéricas
No entanto, a forma de abordar os ao trabalho com textos, mapas, fotos e
conteúdos históricos segue o método ilustrações, e ao papel do aluno como sujeito
expositivo, permanecendo distante da histórico, sem, contudo, aprofundar ou
proposta de caminhar da experiência do aluno problematizar essas questões.
para a aquisição de um conhecimento Mesmo não explicitando a metodologia da
socialmente construído. Busca-se, apenas, História na qual a obra se baseia, a narrativa
relacionar os conhecimentos já assimilados, histórica não apresenta distorções do
ampliando-os com os novos conteúdos conhecimento histórico, embora não esteja
aprendidos. Ao privilegiar uma história que se vinculada a aspectos historiográficos
desenvolve a partir do político para incorporar relevantes. Parte-se do geral para o particular,
o social e o econômico e ao demarcar as de forma a inserir a história do Ceará no
desigualdades sociais, a obra abarca uma contexto da história do Brasil, dentro de uma
gama muito extensa de conteúdos, em cronologia clássica (Colônia, Império,
HISTÓRIA

prejuízo do tema específico a que se propõe, República), o que é feito de forma adequada.
a história do Ceará. Por outro lado, a O conhecimento histórico não parte da
quantidade de textos pode ser excessiva para colocação de problemas sociais.
o grau de escolaridade dos alunos. Os conceitos e noções básicos da História,
As várias atividades encontram-se no seu conjunto, recebem tratamento
intercaladas nos textos didáticos de cada adequado, merecendo reparos, porém, os
unidade e são diversificadas. Há constantes conceitos de história, cultura e trabalho.
solicitações de retorno aos textos anteriores Registram-se também algumas simplificações
para exercitar a compreensão ou fixação; explicativas resultantes da abordagem que
encaminham-se pesquisas sobre os assuntos resume, num único volume, os aspectos
tratados; pede-se a produção de pequenos principais da história do Brasil.
textos; e sugerem-se debates com colegas e A noção de documento histórico, por sua
professores. O encaminhamento para vez, é apresentada de forma adequada. São
entrevistas coloca o aluno diante de problemas utilizados textos de época e textos literários,
atuais e próximos a ele, ainda, a interpretação chamando-se a atenção do aluno para o fato
de textos de outros autores ou de fontes de que essas fontes são construídas a partir
iconográficas. da visão dos respectivos autores. Há, também,
As atividades visam esclarecer, um número significativo de reproduções
complementar ou criar novos conhecimentos, iconográficas, de fácil compreensão,

122
utilizadas de forma pertinente, integradas ao questões referentes ao ensino. Mesmo nesta
texto e às atividades. Alerta-se o professor matéria, porém, não aprofunda as discussões,
para a forma correta de trabalhar com tais deixando de estimular o professor a
fontes. Verifica-se uma exceção na repre- fundamentar seu trabalho pedagógico a partir
sentação de indígenas amarrados às cordas e da disciplina História. Não são oferecidos
sorridentes, quando são aprisionados. subsídios sobre as concepções de História que
Ao introduzir para o aluno a idéia de embasam a elaboração da obra. A explicitação
História e a importância do seu estudo, dos objetivos das atividades encontra-se nas
indicam-se os elementos para a construção da orientações escritas em vermelho, à margem
cidadania. Incentivam-se, especialmente nas dos textos no livro do professor. Essas notas
atividades, várias oportunidades de diálogo incluem, também, outras informações e
com o texto, com as imagens, com o professor, sugestões úteis para o desenvolvimento das
com os colegas e mesmo com seu grupo de atividades.
convívio mais amplo, a respeito de temas A bibliografia apresentada é relativamente
importantes do ponto de vista social e do diversificada. São indicados 11 títulos de
respeito ao outro. A abordagem, em especial história regional, sete de História do Brasil e
nos capítulos que tratam da cultura e da quatro referentes a temas gerais de História.
sociedade, procura incentivar o respeito pela Sobre educação e cidadania, arrolam-se 22
diversidade das experiências humanas. títulos. Sobre História do Brasil, os títulos
O manual do professor é sucinto, voltando- indicados não são atualizados, caracterizando-
se principalmente para a introdução de se mais como manuais.

Em sala de aula
Sugere-se que o professor procure dosar os conteúdos contidos na obra, tendo

HISTÓRIA
em vista as capacidades cognitivas e os conhecimentos anteriores dos alunos.
Também será interessante estimular o debate a partir do texto, agregando-lhe, se
possível, outros materiais, em especial no que diz respeito à história local.

123
Recomendado com Ressalvas
Por quê?
Encontra-se, na obra, a explicitação clara e pertinente
da concepção de metodologia da História em sua
dimensão regional, constatando-se coerência no
desenvolvimento dos conteúdos. A linguagem é
envolvente e há problematizações sobre a relação
presente-passado. Os conceitos básicos da História são

Livro regional trabalhados de forma pertinente. As fontes iconográficas

Gente de São são variadas e abundantes e há preocupação em

Paulo, São despertar o aluno para a construção da cidadania.

Paulo da Gente No entanto, o texto é muito descritivo e pouco


- História problematizador, não colabora para a formação do senso
Eliana T. de A. F. Caboclo crítico do aluno e faz pouca referência às suas
Irene de Barcelos Alves
experiências. Não se discutem adequadamente as
questões relativas ao ensino-aprendizagem. Em sua
maioria, as atividades são criativas, mas mobilizadas para
Editora Brasil a fixação dos conteúdos, estabelecendo pouca relação
HISTÓRIA

com a realidade do aluno. Por fim, as experiências sociais


são apresentadas de forma pouco crítica.

A obra 4. São Paulo – Cenário da história; 5. Abram


alas, para... o café; 6. São Paulo: cheguei,
trabalhei, fiquei...; 7. Fumaça e apitos... As
O livro, com 192 páginas, aborda a
fábricas estão chegando; 8. São Paulo entra
história da cidade de São Paulo e estrutura-
no século XX.
se em capítulos, que compreendem textos
didáticos e seções dedicadas ao desen- O manual do professor, com 48 páginas,
volvimento das atividades. Os capítulos contém considerações de ordem teórico-
distribuem-se da seguinte maneira: metodológica, a estruturação da obra, os
Introdução – São Paulo da gente; 1. Outros objetivos dos capítulos e das atividades,
tempos, outras vidas; 2. Homens de longe... discussão sobre avaliação, textos
chegaram aos campos de Piratininga; 3. O complementares, sugestões de leitura,
tempo foi passando... e a vida foi mudando...; referências bibliográficas e glossário.

124
A análise realização de pesquisas e entrevistas, para que
o aluno possa construir o próprio saber. A
A proposta metodológica objetiva levar o maioria das atividades, porém, tem a
aluno a descobrir e compreender a sua finalidade de fixar e/ou ampliar os conteúdos
realidade local, a cidade de São Paulo, e as trabalhados no capítulo, sem oferecer
diversas formas de interação com outras sugestões para que o aluno relacione o assunto
realidades regionais, nacionais e globais. Visa, tratado com a própria realidade. Não têm uma
assim, colaborar para o desenvolvimento do formulação crítica e não contemplam o debate
senso crítico em relação a questões atuais: de problemas.
exclusão social, preconceito, desrespeito à Segundo a metodologia da História,
individualidade. A partir da vivência e das exposta no manual do professor, considera-
experiências do aluno, propõe-se a construir se que a história regional deve ser trabalhada
a noção de vida em sociedade. Além disso, no contexto da realidade nacional e
pretende-se auxiliar a criança a sistematizar internacional. Não há, contudo, um
conceitos espontâneos, e também a construir aprofundamento deste referencial teórico.
conceitos científicos, por meio de atividades Menciona-se a iconografia como um
variadas. Não se nota, porém, discussão mais mecanismo metodológico para a construção
aprofundada sobre as questões relativas ao do conhecimento histórico. Destaca-se a
ensino-aprendizagem. importância de os textos contemplarem
As propostas enunciadas estão diferentes visões e formas de expressão do
contempladas na obra, sem conseguirem, no conhecimento e a leitura crítica de textos e
entanto, implementá-las em sua totalidade. O imagens.
texto didático, elaborado em linguagem Há coerência entre esta proposta
envolvente, pode despertar no aluno reflexões metodológica e a realização da obra. São
e atitudes que aprimorem habilidades abordados principalmente aspectos históricos

HISTÓRIA
cognitivas básicas. Cada capítulo aborda um do município de São Paulo, procurando-se
tema sobre a formação e o desenvolvimento mostrar que esta cidade é fruto do processo
da cidade de São Paulo, iniciando com histórico de ocupação e transformação ao
imagens, perguntas e atividades que visam longo do tempo. Apresenta-se um material
instigar o interesse do aluno. Em várias iconográfico variado, tratado como
passagens do texto, há a problematização documentação histórica, e incorpora-se
passado-presente. No entanto, poucas vezes grande parte da renovação historiográfica ao
se faz relação do conhecimento novo com a texto didático.
experiência do aluno e a elaboração do No entanto, o que caracteriza o texto
conhecimento não parte de sua vivência. didático é a exposição dos assuntos, feita com
Predomina a tônica descritiva e informativa, linguagem simples e direta para envolver o
o que dificulta o desenvolvimento do senso aluno. Porém, sua estrutura não é construída
crítico pelo aluno e o contato mais consciente a partir da colocação de problemas. Os
com questões atuais, como a exclusão social. conteúdos históricos são abordados de forma
Algumas atividades são criativas e abrangente, embora não haja apro-
possibilitam o desenvolvimento de várias fundamentos específicos dos assuntos. Com
habilidades. Elas estimulam o aluno a isso, essa abordagem, muitas vezes, se
construir o seu conhecimento e são caracteriza pela simplificação dos processos
diversificadas. Além disso, incentiva-se a históricos.

125
Os conceitos e noções básicos para o do texto constata-se a preocupação em
conhecimento histórico, como tempo, espaço, despertar no aluno a construção da cidadania.
história, transformação, relações sociais e Em várias atividades o estudante é convidado
muitos outros, estão devidamente trabalhados, a trabalhar em grupo, estimulando-se o
transparecendo sua historicidade e sua convívio, a tolerância e a liberdade de
adequação ao ensino de História. expressão. No entanto, poucas vezes ele é
Não se encontram no livro fontes textuais solicitado a refletir sobre questões sociais da
a serem trabalhadas para a construção do atualidade. Além disso, as experiências
conhecimento histórico. As representações sociais são apresentadas de forma pouco
iconográficas, por sua vez, são variadas e crítica, o que diminui as possibilidades de que
abundantes. Guardam sempre relação com os sejam canalizadas para a formação da atitude
textos e efetivamente são trabalhadas com o crítica do aluno ao analisar situações sociais
intuito de enriquecer a compreensão dos nocivas.
assuntos tratados. No entanto, algumas No manual do professor encontram-se
ilustrações são de difícil visualização, outras subsídios para o trabalho pedagógico, sendo
muito abstratas ou complexas, o que dificulta apresentados, capítulo a capítulo, os objetivos,
sua compreensão. Há muitas ilustrações que explicitações sobre as seções e atividades,
não estão acompanhadas de legendas. As assim como textos de autores diversos sobre
representações cartográficas são por vezes assuntos de interesse pedagógico e histórico.
utilizadas e trabalhadas como fontes No entanto, a fundamentação metodológica
históricas, ou como ilustrações. A maioria, do ensino-aprendizagem e da História não é
porém, não respeita as convenções (título, trabalhada de forma satisfatória, carecendo de
escala ou fonte). articulação interna na exposição e de
Tanto nas atividades quanto no conjunto referencial teórico claro.
HISTÓRIA

Em sala de aula
Para que o trabalho com este livro seja produtivo, sugere-se que o professor
problematize com os alunos os textos didáticos e as atividades. Também será
interessante que o docente esteja atento aos subsídios contidos no manual do
professor; que faça uso das imagens para o trabalho com os textos informativos.

126
Recomendado com Ressalvas
Por quê?
A história de Pernambuco é relacionada com a história

do Brasil, com encadeamento cronológico dos

acontecimentos. A obra propõe-se a oferecer um

panorama amplo do processo de ocupação do território

pernambucano, mas isso é feito de forma descritiva e

Livro regional factual. Nota-se a integração entre conteúdos e


História de atividades e a abordagem de questões relacionadas à
Pernambuco -
cidadania.
Edição
A exposição de conteúdos político-econômicos é
Renovada
Célia Aparecida Siebert detalhada, sendo seguida de atividades de fixação.

Percebe-se também que há pouco incentivo à

criatividade, ao senso crítico e à compreensão da

Editora FTD realidade do aluno. Além disso, no manual do professor

não há referências ao processo de ensino-aprendizagem

HISTÓRIA
e a metodologia da aprendizagem é pouco explicitada.

A obra objetivos do livro; sugestões específicas para


trabalhar o conteúdo teórico e as atividades
O livro, com 160 páginas, está organizado de cada capítulo; e respostas às atividades.
em duas partes: a primeira, com 20 capítulos, Fornece, ainda, bibliografia com 44 títulos,
aborda a história de Pernambuco desde a sendo 32 relacionados ao Nordeste e/ou a
época em que a região, habitada por indígenas Pernambuco.
foi ocupada pelos portugueses, até a situação
do Estado no Período Republicano; a segunda,
Sociedade, governo e cidadania, referida no A análise
manual do professor como apêndice, está
subdividida em quatro itens. Ao final Na metodologia da aprendizagem que
encontra-se bibliografia. embasa a obra, assinala-se a importância de
O manual do professor contém 16 páginas desenvolver o senso crítico do aluno e a
e oferece uma breve apresentação dos consciência dos seus direitos e deveres como

127
cidadão. Destaca-se, também, a necessidade entre a história política e a realidade social
da construção das noções de identidade do Brasil. Com a finalidade de oferecer um
regional e nacional e são adotadas as panorama do processo de ocupação do
orientações didáticas indicadas por território pernambucano, aborda os agentes
documentos oficiais, relativas ao aprendizado. desse processo e os fatos econômicos e
A bibliografia não oferece referências sobre políticos internos e externos, da chegada dos
o processo de ensino-aprendizagem. conquistadores portugueses até a atual
A elaboração da obra, no entanto, pauta- configuração do Estado.
se por uma exposição detalhada dos conteúdos O texto histórico e a segunda parte da obra
históricos, seguida de atividades de mostram relativa coerência com a proposta.
compreensão e fixação. As atividades de É dado um tratamento descritivo e factual,
pesquisa e os questionamentos voltam-se pouco explicativo da história do Brasil, com
primordialmente para o aprofundamento dos foco privilegiado para a história de
temas estudados, o que nem sempre auxilia Pernambuco. A segunda parte colocada ao
no desenvolvimento do senso crítico no aluno. final do texto histórico não traz uma
Além disso, a quantidade de textos e de elaboração de História, constituindo-se em
informações sobre os diversos períodos da uma seleção de temas para despertar reflexões
história do Brasil é excessiva para a faixa de sobre cidadania. No entanto, dada a
escolaridade a que o livro se destina, dada a abordagem cronológica e política da História
amplitude da abordagem e do encadeamento do Brasil, não se realiza o objetivo de
político-econômico adotado. comparar sociedades e comunidades diversas,
O texto privilegia algumas habilidades identificar diferenças e semelhanças, conflitos
cognitivas básicas, como compreensão de e contradições.
texto, interpretação e memorização. Embora Constata-se um descompasso na
em menor escala, também são estimuladas a apresentação dos períodos da História: o
HISTÓRIA

observação e a síntese, em detrimento da Período Colonial é desenvolvido em 14


análise, da argumentação e da formulação de capítulos; o Período Imperial, em quatro; e o
hipóteses. As atividades são apresentadas na Republicano, em um. Nestes dois últimos, a
forma de questionário, privilegiando-se a exposição está resumida e voltada para os
compreensão do texto lido. Não há, no acontecimentos político-econômicos. Não há
entanto, o desenvolvimento de estratégias que incorporação de renovação historiográfica no
auxiliem o aluno a compreender a realidade tratamento dos temas abordados e as
social. simplificações explicativas permeiam os
O conhecimento novo não é relacionado à capítulos, estando mais visíveis nos capítulos
experiência do aluno. Procura-se, apenas, sobre o Império e a República.
relacionar o conhecimento assimilado com o O livro contempla a construção de noções
aprendizado de novos conteúdos. Por básicas para a disciplina, mas nem sempre de
conseqüência, o texto não problematiza forma adequada, como ao tratar os conceitos
passado e presente, apesar de trabalhar com a de cultura, natureza, diversidade e unicidade,
idéia de que o presente resulta do passado. transformação e permanência, que aparecem
A concepção de História adotada na obra de forma acessória ou referencial.
não é explicitada no manual do professor. As atividades, propostas ao final de cada
Entretanto, o texto está construído de forma capítulo, caracterizam-se por incentivar o
a estabelecer, sistematicamente, um vínculo aluno a compreender e a fixar o conteúdo

128
exposto. Esses exercícios podem auxiliar no propiciam novas formas de conhecimento.
desenvolvimento da observação, síntese, O texto fornece indicativos para a construção
interpretação e memória, se bem que de forma da cidadania ao trabalhar alguns aspectos sociais
pouco criativa. Algumas atividades indicam atuais e relacioná-los com situações do passado,
sugestões de pesquisa em livros e em outras mas não fornece elementos para alimentar a
fontes. Outras estimulam as discussões em discussão. Esses elementos aparecem na
classe, demandam relações explicativas entre segunda parte do livro, mas não há orientação
os temas e a produção de textos. Uma vez que de como trabalhá-los com os alunos, cabendo
as atividades visam, primordialmente, à esta tarefa ao professor. A história de
compreensão do texto, nesse sentido há Pernambuco é tratada com freqüência como uma
integração entre conteúdos e atividades. No história de defesa da liberdade.
entanto, as atividades contribuem pouco para O manual do professor é sucinto; não
o aprimoramento do senso crítico e para a indica proposta metodológica consistente em
aquisição do conhecimento histórico a partir relação ao ensino-aprendizagem, nem em
da vivência e experiência do aluno. referência ao conhecimento histórico.
Na exposição dos conteúdos, as fontes Também não há orientações visando à
históricas não são apresentadas como ponto articulação entre os conteúdos. Explicitam-
de partida para a produção do conhecimento se os objetivos das atividades que integram
histórico. As reproduções iconográficas, por cada capítulo, mas de forma esquemática, sem
sua vez, são em número significativo e incluir subsídios suficientes para auxiliar o
ilustram o texto de forma pertinente, mas não professor a aprofundar e ampliar questões
são trabalhadas como fontes históricas, nem além do político-econômico.

HISTÓRIA
Em sala de aula
Em vista da quantidade de textos oferecidos, sugere-se que o professor procure
trabalhar com aqueles que melhor se ajustem à capacidade de compreensão de
seus alunos. É possível explorar os textos e adaptar as atividades para torná-las
mais criativas e próximas à realidade social dos alunos. Sugere-se que o docente
trabalhe a segunda parte da obra juntamente com o texto didático, para explorar
melhor os temas relacionados com a cidadania.

129
Recomendado com Ressalvas
Por quê?
O livro explicita a metodologia de ensino-aprendizagem

e revela coerência parcial em sua realização. Os

conteúdos são introduzidos levando-se em conta os

conhecimentos prévios do aluno. O texto didático e as

atividades permitem o desenvolvimento das habilidades

Livro regional cognitivas, o trabalho com mapas e boa parte do material


História de iconográfico colaboram para a construção de alguns
Porto Alegre conceitos básicos da disciplina.
Elva Verlang Krämer
A metodologia da História utilizada não é claramente

abordada. A opção por uma História temática revela-se

frágil, uma vez que não se encontram as conexões entre

o texto e as atividades. Trabalha-se com fontes históricas

textuais e iconográficas, embora elas não sejam muito


Editora FTD
exploradas pedagogicamente. O trabalho para a
HISTÓRIA

construção da cidadania é bastante tímido.

A obra Pressupostos teóricos, Os conhecimentos


prévios e Aprendizagem significativa; A
O livro, com120 páginas, trata da história estrutura do livro; Avaliação; Orientação
da cidade de Porto Alegre, e está dividido em para o desenvolvimento das atividades,
cinco capítulos: 1. O tempo passa e tudo se subdividido nos cinco capítulos que compõem
modifica; 2. Tua história e a história dos o livro do aluno; e Bibliografia.
outros; 3. O espaço que te rodeia – presente
e passado; 4. A natureza e o trabalho; 5. O
governo. Cada bloco de informações é A análise
formado por um conjunto de atividades e pelas
seções: Vamos conversar?, Vamos fazer? e O manual do professor apresenta a
Leitura complementar. proposta metodológica de ensino-
O manual do professor possui 16 páginas aprendizagem. Faz referência aos estudos de
e compõe-se de: Introdução, subdividida em Piaget e de outros estudiosos sobre os estágios

130
e períodos de desenvolvimento que O manual do professor não explicita a
caracterizam as diferentes formas de interação proposta metodológica da História que
dos indivíduos com a realidade, além das subsidiou a obra, havendo apenas referências
indicações sobre os processos de superficiais sobre a metodologia do ensino.
aprendizagem. Reafirma o caráter interpessoal Tampouco há menção a autores, correntes e a
da aprendizagem, razão pela qual são debates específicos da área ou relativos ao
sugeridas muitas atividades em grupo. ensino da disciplina, além de não estarem
Há coerência parcial entre a proposta incorporados elementos da renovação
apresentada e a realização efetiva da obra. Os historiográfica recente.
capítulos, assim como alguns subitens, são A opção pela História temática realiza-se
introduzidos com fotos e/ou textos apenas parcialmente, ao se considerar a frágil
acompanhados de questões problematizadoras. articulação entre os conteúdos. No texto
Há comentários e sugestões em vermelho que didático não se explicitam nem se realizam
orientam o professor na realização das as mediações e passagens de um tema para
atividades. Observa-se um esforço no sentido outro de modo articulado. Isso fragmenta a
de se partir do concreto para o abstrato e o contextualização histórica dos assuntos.
texto didático respeita as dificuldades próprias A abordagem de conceitos fundamentais
dos alunos. Existe preocupação em se para o conhecimento histórico – como
introduzir novos conhecimentos a partir da história, sujeito histórico, sociedade, relação
vivência concreta e da experiência dos alunos. social, trabalho e poder – não é
A realidade social é considerada na suficientemente trabalhada.
abordagem dos conteúdos e nas atividades, Merece destaque, porém, a presença de
de forma a promover a compreensão das documentação histórica textual variada. As
desigualdades que a caracterizam. imagens estão integradas aos textos, apesar
No entanto, tendo em vista a pouca de nem sempre serem mobilizadas para

HISTÓRIA
articulação entre os conteúdos dos capítulos, propiciar novas formas de conhecimento ou
o texto didático deixa de propiciar levar à problematização dos conteúdos
efetivamente o desenvolvimento das históricos. Em vários momentos, nota-se um
habilidades cognitivas. Nas relações entre bom trabalho com iconografia e mapas, o que
passado e presente, não se estabelece diálogo pode colaborar para a percepção do espaço e
efetivo entre diferentes temporalidades, com para o desenvolvimento das noções de
predomínio da visão de momentos distintos e transformação, permanência, seqüência e
estanques. O caráter descritivo do texto ordenação. Os mapas apresentam excelente
didático enfraquece a percepção da dinâmica qualidade e se integram de forma mais
entre ontem e hoje. orgânica com os textos e atividades.
As atividades, permitem desenvolver as A Revolução Farroupilha é apresentada de
habilidades cognitivas e muitas delas devem forma acrítica, em versão heroicizante e
ser realizadas coletivamente, o que estimula cívico-regionalista. Constatam-se inúmeras
a discussão e a reflexão. Elas são formuladas simplificações explicativas, tanto de conteúdo
clara e corretamente, estão integradas aos quanto processuais.
conteúdos e auxiliam na concretização dos Não há uma preocupação clara com a
objetivos propostos. Também incentivam o construção da cidadania, uma vez que as
debate de problemas e a capacidade de experiências sociais são pouco trabalhadas ao
produção de textos. longo do livro, com algumas exceções. A

131
consciência crítica em relação às questões sucedida diz respeito aos recursos naturais e às
sociais e às lutas do passado é pouco conseqüências da urbanização e da intervenção
desenvolvida, assim como a prática da humana no ambiente.
cidadania na atualidade. No capítulo 5, por No manual do professor, os princípios
exemplo, a reflexão sobre a cidadania reduz- pedagógicos não estão articulados com os
se aos aspectos informativos, nem sempre conteúdos selecionados e com as atividades
precisos e esclarecedores. propostas. Não há referência à metodologia
Nota-se intenção de contemplar a da História, nem indicações sobre a
diversidade e de abordar as diferentes sociedades articulação dos diferentes conteúdos entre si
humanas com respeito e interesse. No entanto, ou com outras áreas de conhecimento. Cada
as simplificações da narrativa histórica capítulo é apresentado com seus objetivos e
introduzem distorções, como a forma pouco são oferecidas orientações sobre o seu
adequada de tratar os indígenas em várias desenvolvimento e comentários sobre as
passagens do livro. O tratamento dado à atividades. Há discussão circunstanciada
Revolução Farroupilha e ao Movimento sobre avaliação. No entanto, o manual não
Tradicionalista Gaúcho favorece a identificação oferece outros recursos complementares que
da representação regional com uma figura auxiliem o aprofundamento dos conhe-
mitificada do gauchismo. A discussão mais bem- cimentos do professor.

Em sala de aula
O professor deverá estar atento às muitas lacunas da obra, decorrentes da
ausência de concepções metodológicas e da pouca articulação entre os conteúdos.
É necessário procurar supri-las especialmente quanto às atividades, às
simplificações explicativas, à utilização descontextualizada das fontes documentais
HISTÓRIA

e das ilustrações. Também merece especial cuidado o aprofundamento da


construção da cidadania.

132
Recomendado com Ressalvas
Por quê?
A proposta metodológica é apresentada com clareza.

As atividades são diversificadas e o texto enfatiza

mudanças, transformações e permanências. A

construção da ética e da cidadania está presente de

forma pertinente. Tal construção verifica-se tanto nas


Livro regional
atividades quanto nos textos.
Interagindo e
Percebendo O manual do professor pode auxiliar no trabalho

Minas Gerais - docente. Contudo, os fundamentos da história regional


História
não são abordados e pouco se recorre às experiências
Roseni R. C. Nascimento
Rosiane de Camargo
do aluno. Além disso, há simplificações explicativas; as
Lilian Sourient

atividades, em geral, não são problematizadoras; o

Editora Brasil trabalho com fontes é empobrecido. Diversas fontes

iconográficas, por exemplo, servem apenas como

HISTÓRIA
ilustração para os assuntos tratados.

A obra História; Como avaliar?; Conhecendo a obra;


Textos de apoio para o trabalho pedagógico;
O livro, com 96 páginas, trata da história Bibliografia consultada e recomendada.
do Estado de Minas Gerais. Seu conteúdo é
organizado em três unidades, divididas em
capítulos. Estes estão constituídos por texto A análise
informativo e atividades, distribuídos por
seções. As unidades são: 1. Minas Gerais: A proposta metodológica de ensino-
ontem e hoje; 2. As Minas Gerais: do ouro aprendizagem está alicerçada em reflexões
das minas às igrejas de ouro; 3. Nosso estado, sobre por que aprender História e sobre o
nossa gente. papel do professor como mediador e
O manual do professor contém 32 páginas, orientador do trabalho com os alunos. São
com os tópicos: Por que aprender História?; ressaltados como pontos fundamentais a
Uma proposta para ensinar e aprender relação com a realidade social, a elaboração

133
de atividades práticas e problematizadoras, as participativo e autônomo. É necessário
experiências do aluno, a elaboração do estabelecer relações entre o passado e o
conhecimento a partir dos subsídios presente, que possibilitem ao estudante
apresentados na obra. Embora a abordagem planejar o seu futuro. Define-se o homem e
seja generalizante, sem referências a uma sua ação ao longo do tempo como objeto do
bibliografia atualizada, percebe-se que está estudo da História, entendida como um
em sintonia com as discussões recentes em constante processo de mudanças e
torno das metodologias de ensino. permanências, de experiências individuais e
A coerência entre a proposta e a elaboração coletivas.
da obra é apenas parcial. O tratamento dos No entanto, as bases metodológicas
conteúdos e a maneira como são expostos apresentadas são genéricas e indefinidas. Não
facilitam sua compreensão pelos alunos. As se expõem os fundamentos teórico-
propostas de atividades estão claramente metodológicos da História regional, com suas
colocadas. A distribuição dos conteúdos nas especificidades. Esta lacuna tende a se refletir
unidades propicia um aprofundamento dos fortemente na concepção e organização da
assuntos que pode auxiliar na aquisição obra. Nota-se, ainda, a ausência de
gradativa de níveis mais amplos de abstração. esclarecimentos sobre a organização dos
No entanto, o conteúdo está estruturado conteúdos históricos, que justifiquem as
por pequenos textos de cunho informativo, escolhas dos assuntos apresentados.
completados em seções específicas, sob a A coerência entre a proposta metodológica
forma de boxes. Este conjunto de informações da História e a sua incorporação é apenas
é entrecortado por atividades e exercícios de parcial. Constata-se a presença de articulações
compreensão e fixação. A apresentação dos que apresentam mudanças, transformações e
conteúdos tem caráter meramente expositivo permanências, experiências individuais e
e informativo, registram-se inúmeras coletivas, conforme anunciado na proposta.
HISTÓRIA

simplificações explicativas e há escassas No entanto, o aluno raramente é o ponto de


referências à experiência do aluno. partida para a construção do conhecimento
As atividades são simples, de fácil histórico; a relação passado-presente é pouco
realização e estão formuladas de forma clara enfatizada e a apresentação dos acontecimentos
e correta. Algumas estimulam a capacidade é mais informativa do que questionadora.
de produzir pequenos textos. Se bem que Dada a ausência de uma reflexão detida sobre
numerosas, elas são tópicas e, em sua grande a especificidade da história regional, a relação
maioria, não propiciam o debate de entre o geral e o particular, e entre a história
problemas, notando-se a ausência de uma do Brasil e a história do Estado de Minas
atitude crítica em suas formulações. Dessa Gerais não fica bem resolvida.
forma, as atividades, as indicações de A historicidade dos conceitos e noções
pesquisa e o levantamento de dados básicos da disciplina História, por sua vez, é
dificilmente auxiliam os alunos a construir bem trabalhada. No entanto, o tratamento
conhecimentos de cunho histórico. dado às noções de tempo, espaço e às relações
Explicita-se uma metodologia da História sociais, de trabalho e poder poderia ser um
que leve o aluno a construir sua identidade pouco mais aprofundado.
social, a refletir sobre sua vida cotidiana e a Há várias atividades que sugerem o
conquistar o conhecimento da realidade, de trabalho com fontes. No entanto elas são
modo a torná-lo um cidadão reflexivo, empobrecidas, pois limitam-se a pedir que o

134
aluno constate o que está escrito nos textos. as experiências e os conflitos sociais de certa
Há, igualmente, inúmeras imagens que forma tolhe a possibilidade de canalizá-los
poderiam ser focalizadas como fonte para a formação da atitude crítica do aluno
histórica. Contudo, poucas fontes ao enfrentar experiências sociais adversas.
iconográficas são utilizadas neste sentido, No manual do professor, apresentam-se as
pois servem principalmente como ilustração metodologias da História e de ensino-
para o assunto tratado. aprendizagem que nortearam a produção do
A construção da cidadania e da ética é livro. Contudo, não há orientação que vise à
abordada de forma pertinente, pois considera- articulação entre os conteúdos ou reflexões
se que as experiências sociais são importantes atualizadas sobre a historiografia relativa aos
para a compreensão das histórias do Brasil e temas regionais. É feita a apresentação das
de Minas Gerais. Tal construção verifica-se seções que trazem diferentes atividades e
tanto nas atividades – principalmente quando explicita-se o objetivo de cada uma delas. A
se trata de debates ou diálogos – quanto nos versão do livro do aluno destinada ao
textos. Está clara a participação do indivíduo professor contém pequenas inserções em azul,
na construção coletiva da sociedade e aponta- com sugestões para as atividades e
se para a consciência política do cidadão e do informações adicionais. A Bibliografia
aluno, além de se abordar a diversidade das consultada e recomendada, ao final do
experiências humanas. A criança é incentivada manual, é restrita e pouco diversificada,
a desenvolver a tolerância, a respeitar a contendo dez títulos sobre ensino, dez sobre
opinião alheia e a conviver socialmente. No História e apenas três indicações referentes
entanto, a forma pouco crítica de apresentar ao Estado de Minas Gerais.

Em sala de aula

HISTÓRIA
Recomenda-se que o professor seja o mediador na construção do saber pelo
aluno e procure aproveitar as indicações sugeridas no manual do professor. É
interessante que o docente acrescente às atividades o debate crítico sobre as
questões colocadas e busque relacionar as fontes textuais e as imagens com a
construção do conhecimento histórico pelo aluno.

135
Recomendado com Ressalvas
Por quê?
A proposta metodológica é apresentada com clareza.

As atividades são diversificadas e o texto enfatiza

mudanças, transformações e permanências. A

construção da ética e da cidadania está presente de

forma pertinente e o manual do professor pode auxiliar

no trabalho docente, com informações complementares


Livro regional
Interagindo e e sugestões de atividades que podem enriquecer a ação

Percebendo o pedagógica.

Paraná - Contudo, os fundamentos da história regional não são


História abordados e pouco se recorre às experiências do aluno.
Roseni R. C. Nascimento
Rosiane de Camargo
Além disso, há simplificações explicativas; as atividades,
Lilian Sourient
em geral, não são problematizadoras; e o trabalho com

fontes é empobrecido.

Um dos fatores limitantes é a pouca ênfase na relação


Editora Brasil
passado-presente, além de pouco explorada a relação
HISTÓRIA

entre a história do Brasil e a história do Paraná.

A obra Conhecendo a obra; Textos de apoio para o


trabalho pedagógico; Bibliografia consultada
O livro, com 112 páginas, trata da história e recomendada.
do Estado do Paraná. Seu conteúdo é
organizado em três unidades – 1. Paraná,
ontem e hoje; 2. O Paraná vai sendo ocupado; A análise
3. Nosso estado, nossa gente –, divididas em
capítulos. Estes estão constituídos por texto A proposta metodológica de ensino-
informativo e atividades distribuídas por aprendizagem está alicerçada em reflexões
seções. sobre por que aprender História e sobre o
O manual do professor, de 48 páginas, papel do professor como mediador e
contém os tópicos: Por que aprender orientador do trabalho com os alunos. São
História?; Uma proposta para ensinar e ressaltados, como pontos fundamentais, a
aprender História; Como avaliar?; relação com a realidade social, o

136
desenvolvimento de atividades práticas e conquistar o conhecimento da realidade, de
problematizadoras, as experiências do aluno modo a torná-lo um cidadão reflexivo,
e a elaboração do conhecimento a partir dos participativo e autônomo. É necessário
subsídios apresentados na obra. Embora a estabelecer relações entre o passado e o
abordagem seja generalizante, sem referências presente, que possibilitem ao estudante
a uma bibliografia atualizada, percebe-se que planejar o seu futuro. Define-se o homem e
está em sintonia com as discussões recentes sua ação ao longo do tempo como objeto do
em torno das metodologias de ensino. estudo da História, entendida como um
A coerência entre a proposta e a elaboração constante processo de mudanças e
da obra é apenas parcial. O tratamento dos permanências, de experiências individuais e
conteúdos e a maneira como são expostos coletivas.
facilitam sua compreensão pelos alunos. As No entanto, as bases metodológicas
propostas de atividades estão claramente apresentadas são genéricas e indefinidas. Não
colocadas. A distribuição dos conteúdos nas se expõem os fundamentos teórico-
unidades propicia um aprofundamento dos metodológicos da História regional, com suas
assuntos que pode auxiliar na aquisição especificidades. Esta lacuna tende a se refletir
gradativa de níveis mais amplos de abstração. fortemente na concepção e organização da
No entanto, o conteúdo está estruturado obra, que versa sobre o Estado do Paraná.
por pequenos textos de cunho informativo, Nota-se, ainda, a ausência de esclarecimentos
completados em seções específicas sob a quanto à organização dos conteúdos
forma de boxes. Este conjunto de informações históricos, que justifiquem as escolhas dos
é entrecortado por atividades e exercícios de assuntos apresentados.
compreensão e fixação. A apresentação dos A coerência entre a proposta da
conteúdos tem caráter meramente expositivo metodologia da História e a sua incorporação
e informativo, incorrendo em inúmeras é apenas parcial. Constata-se a presença de

HISTÓRIA
simplificações explicativas. As atividades são articulações que apresentam mudanças,
limitadas e pouco criativas, com escassas transformações e permanências, experiências
referências à experiência do aluno, individuais e coletivas, conforme anunciado
contrariando a proposta metodológica. na proposta. No entanto, o aluno raramente é
As atividades são simples, de fácil o ponto de partida para a construção do
realização e estão formuladas de forma clara conhecimento histórico. A relação passado-
e correta. Algumas estimulam a capacidade presente é pouco enfatizada e a apresentação
de produzir pequenos textos. Se bem que dos acontecimentos é mais informativa do que
numerosas, elas são tópicas e, em sua grande questionadora. Pela ausência de uma reflexão
maioria, não propiciam o debate de detida sobre a especificidade da história
problemas, notando-se a ausência de uma regional, a relação entre o geral e o particular
atitude crítica em suas formulações. Dessa e entre a história do Brasil e a história do
forma, as atividades, as indicações de Paraná não fica bem resolvida.
pesquisa e o levantamento de dados A historicidade dos conceitos e noções
dificilmente auxiliam os alunos a construir básicos da disciplina História é bem
conhecimentos de cunho histórico. trabalhada. No entanto, o tratamento dado às
Propõe-se uma metodologia da História noções de tempo, espaço, história e às relações
que leve o aluno a construir sua identidade sociais, de trabalho e poder poderia ser mais
social, a refletir sobre sua vida cotidiana e a aprofundado.

137
Há várias atividades que sugerem o trabalho opinião alheia e a conviver socialmente. No
com fontes. No entanto, o trabalho com fontes entanto, a forma pouco crítica de apresentar
textuais é empobrecido, pois limita-se a pedir as experiências e os conflitos sociais de certa
que o aluno constate o que está escrito nos forma tolhe a possibilidade de canalizá-los
textos. Do mesmo modo, há inúmeras imagens para a formação da atitude crítica do aluno
que poderiam ser focalizadas. Contudo, poucas ao enfrentar experiências sociais adversas.
fontes iconográficas são utilizadas e servem O manual do professor apresenta as
principalmente como ilustração para o assunto metodologias da História e de ensino-
tratado. aprendizagem que nortearam a produção do
A construção da cidadania e da ética é livro. Contudo, não há orientação sobre a
abordada de forma pertinente, pois considera- articulação entre os conteúdos ou reflexões
se que as experiências sociais são importantes atualizadas sobre a historiografia relativa aos
para a compreensão das histórias do Brasil e temas regionais. É feita a apresentação das
do Paraná. Tal construção verifica-se tanto nas seções que trazem diferentes atividades e
atividades – principalmente quando se trata explicitado o objetivo de cada uma delas. Na
de debates ou diálogos – quanto nos textos. parte descritiva do livro do aluno, há pequenas
Está clara a participação do indivíduo na inserções em azul, com sugestões para as
construção coletiva da sociedade e aponta-se atividades e informações adicionais. A
para a consciência política do cidadão e do Bibliografia consultada e recomendada, ao
aluno, além de abordar a diversidade das final do manual, é diversificada, com 11
experiências humanas. A criança é incentivada títulos referentes ao ensino, 11 de História do
a desenvolver a tolerância, a respeitar a Brasil e 15 sobre o Paraná.

Em sala de aula
HISTÓRIA

Recomenda-se que o docente seja o mediador na construção do saber pelo aluno


e procure aproveitar as indicações sugeridas no manual do professor. É importante
que acrescente às atividades o debate crítico sobre as questões colocadas e busque
relacionar as fontes textuais e as imagens com a construção do conhecimento
histórico pelo aluno.

138
Recomendado com Ressalvas
Por quê?
A proposta metodológica é apresentada com clareza.

As atividades são diversificadas e o texto enfatiza

mudanças, transformações e permanências. A

construção da ética e da cidadania está presente de

forma pertinente e o manual do professor pode auxiliar

Livro regional no trabalho docente.


Interagindo e Contudo, os fundamentos da história regional não são
Percebendo
abordados e isso fica claro ao se perceber que a
Pernambuco -
articulação entre a história do Brasil e a história de
História
Lilian Sourient Pernambuco não está bem resolvido. Pouco se recorre
Kátia Obszewski
Lielba B. Ramos às experiências do aluno, o que conflita com a proposta

metodológica explicitada. Além disso, há simplificações

Editora Brasil explicativas; as atividades, em geral, não são

problematizadoras; e o trabalho com fontes é

HISTÓRIA
empobrecido.

A obra obra; Textos de apoio para o trabalho


pedagógico; Bibliografia consultada e
O livro, com 96 páginas, trata da história recomendada.
do Estado de Pernambuco. Seu conteúdo é
organizado em três unidades, divididas em
capítulos. Estes estão constituídos por texto A análise
informativo e atividades, distribuídos por
seções. As unidades são: 1. Pernambuco ontem A proposta metodológica de ensino-
e hoje; 2. Antes, terras de engenho, hoje terras aprendizagem está alicerçada em reflexões
de usinas; 3. Nosso estado, nossa gente. sobre por que aprender História e sobre o
O manual do professor contém 48 páginas papel do professor como mediador e
e os tópicos: Por que aprender História?; orientador do trabalho com os alunos. São
Uma proposta para ensinar e aprender ressaltados como pontos fundamentais a
História; Como avaliar?; Conhecendo a relação com a realidade social, o

139
desenvolvimento de atividades práticas e conhecimento da realidade, de modo a tornar-
problematizadoras, as experiências do aluno se um cidadão reflexivo, participativo e
e a elaboração do conhecimento a partir dos autônomo. É necessário estabelecer relações
subsídios apresentados na obra. Embora a entre o passado e o presente, que possibilitem
abordagem seja generalizante, sem referências ao aluno planejar o seu futuro. Define-se o
a uma bibliografia atualizada, percebe-se que homem e sua ação ao longo do tempo como
está em sintonia com as discussões recentes objeto do estudo da História, entendida como
em torno das metodologias de ensino. um constante processo de mudanças e
A coerência entre a proposta e a elaboração permanências, de experiências individuais e
da obra é apenas parcial. O tratamento dos coletivas.
conteúdos e a maneira como são expostos No entanto, as bases metodológicas
facilitam sua compreensão pelos alunos. As apresentadas são genéricas e indefinidas. Não
propostas de atividades estão claramente se expõem os fundamentos teórico-
colocadas. A distribuição dos conteúdos nas metodológicos da História regional, com suas
unidades propicia um aprofundamento dos especificidades. Esta lacuna tende a se refletir
assuntos que pode auxiliar na aquisição fortemente na concepção e organização da
gradativa de níveis mais amplos de abstração. obra. Nota-se, ainda, a ausência de
No entanto, o conteúdo está estruturado esclarecimentos quanto à organização dos
por pequenos textos de cunho informativo, conteúdos históricos que justifiquem as
completados em seções específicas sob a escolhas dos assuntos apresentados.
forma de boxes. Este conjunto de informações A coerência entre a proposta da metodologia
é entrecortado por atividades e exercícios de da História e a sua incorporação é apenas parcial.
compreensão e fixação. A apresentação dos Constata-se a presença de articulações que
conteúdos tem caráter meramente expositivo apresentam mudanças, transformações e
e informativo, registram-se inúmeras permanências, experiências individuais e
HISTÓRIA

simplificações explicativas e há escassas coletivas, conforme anunciado na proposta. No


referências à experiência do aluno. entanto, o aluno raramente é o ponto de partida
As atividades são simples, de fácil para a construção do conhecimento histórico. A
realização e estão formuladas de forma clara relação passado-presente é pouco enfatizada e
e correta. Algumas estimulam a capacidade a apresentação dos acontecimentos é mais
de produzir pequenos textos. Embora informativa do que questionadora. Dada a
numerosas, elas são tópicas e, em sua grande ausência de uma reflexão detida sobre a
maioria, não propiciam o debate de especificidade da história regional, a relação
problemas, notando-se a ausência de uma entre o geral e o particular e entre a história do
atitude crítica em suas formulações. Dessa Brasil e a história do Estado de Pernambuco não
forma, as atividades, as indicações de fica bem resolvida.
pesquisa e o levantamento de dados propostos A historicidade dos conceitos e noções
na obra dificilmente auxiliam os alunos a básicos da disciplina História é bem
construírem conhecimentos de cunho trabalhada. No entanto, o tratamento dado às
histórico. noções de tempo, espaço, trabalho e às
Na metodologia da História da coleção, relações sociais e de poder poderia ser um
afirma-se que o aluno deve ser estimulado a pouco mais aprofundado.
construir sua identidade social, refletir sobre Há várias atividades que sugerem o
sua vida cotidiana e conquistar o trabalho com fontes. No entanto, o trabalho

140
com fontes textuais é empobrecido, pois se entanto, a forma pouco crítica de apresentar
resume à solicitação de que o aluno constate as experiências e os conflitos sociais de certa
o que está escrito nos textos. Da mesma forma, forma tolhe a possibilidade de canalizá-los
há inúmeras imagens que poderiam ser para a formação da atitude crítica do aluno
focalizadas como fonte histórica. Contudo, ao enfrentar experiências sociais adversas.
poucas fontes iconográficas são utilizadas No manual do professor apresentam-se as
neste sentido, pois servem principalmente metodologias da História e de ensino-
como ilustração para o assunto tratado. aprendizagem que nortearam a produção do
A construção da cidadania e da ética é livro. Contudo, não há orientação que vise à
abordada de forma pertinente, pois se articulação entre os conteúdos ou reflexões
considera que as experiências sociais são atualizadas sobre a historiografia relativa aos
importantes para a compreensão das histórias temas regionais. É feita a apresentação das
do Brasil e de Pernambuco. Tal construção seções que trazem diferentes atividades e é
verifica-se tanto nas atividades – explicitado o objetivo de cada uma delas. A
principalmente quando se trata de debates ou versão do livro destinada ao professor contém,
diálogos – quanto nos textos. Está clara a ainda, pequenas inserções em azul, com
participação do indivíduo na construção sugestões para as atividades e informações
coletiva da sociedade e aponta-se para a adicionais. A Bibliografia consultada e
consciência política do cidadão e do aluno, recomendada, ao final, é restrita e pouco
além de abordar a diversidade das diversificada, principalmente no que se refere
experiências humanas. A criança é incentivada ao Estado de Pernambuco. São encontrados dez
a desenvolver a tolerância, a respeitar a títulos referentes ao ensino, sete de História
opinião alheia e a conviver socialmente. No do Brasil e apenas quatro referentes ao Estado.

HISTÓRIA
Em sala de aula
Recomenda-se que o docente seja o mediador na construção do saber pelo aluno
e procure aproveitar as indicações sugeridas no manual do professor. É interessante
acrescentar às atividades o debate crítico sobre as questões colocadas e buscar
relacionar as fontes textuais e as imagens com a construção do conhecimento
histórico pelo aluno.

141
Recomendado com Ressalvas
Por quê?
A proposta metodológica é apresentada com clareza.

As atividades são diversificadas e o texto enfatiza

mudanças, transformações e permanências. A

construção da ética e da cidadania está presente de

forma pertinente e o manual do professor pode auxiliar


Livro regional
no trabalho docente, com orientações para as atividades
Interagindo e
Percebendo dos aluno.
São Paulo - Contudo, os fundamentos da história regional não são
História
abordados e não há uma boa articulação entre a história
Roseni R. C. Nascimento
Rosiane de Camargo
Lilian Sourient
do Brasil e a história de São Paulo. Pouco se recorre às

experiências do aluno, o que contraria a proposta

pedagógica explicitada. Além disso, há simplificações;


Editora Brasil
as atividades, em geral, não são problematizadoras; e
HISTÓRIA

o trabalho com fontes é empobrecido.

A obra Conhecendo a obra; Textos de apoio para o


trabalho pedagógico; Bibliografia consultada
O livro, com 96 páginas, trata da história e recomendada.
do Estado de São Paulo. Seu conteúdo é
organizado em três unidades – 1. São Paulo:
ontem e hoje; 2. São Paulo tem história para A análise
contar; 3. Nosso estado, nossa gente –,
divididas em capítulos. Estes estão A proposta metodológica de ensino-
constituídos por texto informativo e aprendizagem está alicerçada em reflexões
atividades, distribuídas por seções. sobre por que aprender História e sobre o
O manual do professor contém 48 páginas papel do professor como mediador e
e os seguintes tópicos: Por que aprender orientador do trabalho com os alunos. São
História?; Uma proposta para ensinar e ressaltados, como pontos fundamentais, a
aprender História; Como avaliar?; relação com a realidade social, o

142
desenvolvimento de atividades práticas e Apregoa-se uma metodologia da História
problematizadoras, as experiências dos que leve o aluno a construir sua identidade
alunos, a elaboração do conhecimento a partir social, a refletir sobre sua vida cotidiana e a
dos subsídios apresentados na obra. Embora conquistar o conhecimento da realidade, de
a abordagem seja generalizante, sem modo a torná-lo um cidadão reflexivo,
referências a uma bibliografia atualizada, participativo e autônomo. É necessário
percebe-se que está em sintonia com as estabelecer relações entre o passado e o
discussões recentes em torno da metodologia presente, que possibilitem ao aluno planejar
de ensino. o seu futuro. Define-se o homem e sua ação
A coerência entre a proposta e a elaboração ao longo do tempo como objeto do estudo da
da obra é apenas parcial. O tratamento dos História, entendida como um constante
conteúdos e a maneira como são expostos processo de mudanças e permanências, de
facilitam sua compreensão pelos alunos. As experiências individuais e coletivas.
propostas de atividades estão claramente No entanto, as bases metodológicas
colocadas. A distribuição dos conteúdos nas apresentadas são genéricas e indefinidas. Não
unidades propicia um aprofundamento dos se expõem os fundamentos teórico-
assuntos que pode auxiliar na aquisição metodológicos da História regional, com suas
gradativa de níveis mais amplos de abstração. especificidades. Esta lacuna tende a se refletir
No entanto, o conteúdo está estruturado fortemente na concepção e na organização da
por pequenos textos de cunho informativo, obra. Nota-se, ainda, ausência de
completados em seções específicas, sob a esclarecimentos quanto à organização dos
forma de boxes. Este conjunto de informações conteúdos históricos que justifiquem as
é entrecortado por atividades e exercícios de escolhas dos assuntos apresentados.
compreensão e fixação. A apresentação dos A coerência entre a proposta da
conteúdos tem caráter meramente expositivo metodologia da História e a sua incorporação

HISTÓRIA
e informativo e incorre em inúmeras é apenas parcial. Constata-se a presença de
simplificações explicativas. As atividades são articulações que apresentam mudanças,
limitadas e pouco criativas, com escassas transformações e permanências, experiências
referências à experiência do aluno. individuais e coletivas, conforme anunciado
As atividades são simples, de fácil na proposta. No entanto, o aluno raramente é
realização, ainda que numerosas. Elas são o ponto de partida para a construção do
tópicas e, em sua grande maioria, não conhecimento histórico. A relação passado-
propiciam o debate de problemas, notando- presente é pouco enfatizada e a apresentação
se a ausência de uma atitude crítica em suas dos acontecimentos é mais informativa do que
formulações. Algumas incentivam a questionadora. Pela ausência de uma reflexão
capacidade de produzir pequenos textos. A detida sobre a especificidade da história
maioria, porém, centra-se apenas nos assuntos regional, a relação entre o geral e o particular
trabalhados em cada capítulo e, assim, não e entre a história do Brasil e a história do
propicia o debate de problemas, nem a Estado de São Paulo não fica bem resolvida.
formação de atitudes críticas. Dessa forma, A historicidade dos conceitos e noções básicos
as atividades, as indicações de pesquisa e o da disciplina História é bem trabalhada. No
levantamento de dados dificilmente auxiliam entanto, o tratamento dado às noções de tempo e
os alunos a construir conhecimentos de cunho espaço e às relações sociais, de trabalho e de poder
histórico. poderia ser um pouco mais aprofundado.

143
Há várias atividades que implicam o uso entanto, a forma pouco crítica de apresentar
de fontes. No entanto, o trabalho com fontes as experiências e os conflitos sociais de certa
textuais é empobrecido pois se reduz a pedir forma tolhe a possibilidade de canalizá-las
que o aluno constate o que está escrito nos para a formação da atitude crítica do aluno
textos. Do mesmo modo, há inúmeras imagens ao enfrentar experiências sociais adversas.
que poderiam ser focalizadas como fonte No manual do professor apresentam-se as
histórica. Contudo, poucas fontes metodologias da História e de ensino-
iconográficas são utilizadas neste sentido, aprendizagem que nortearam a produção do
pois servem principalmente como ilustração livro. Contudo, não há orientação que vise à
para o assunto tratado. articulação entre os conteúdos ou reflexões
A construção da cidadania e da ética é atualizadas sobre a historiografia relativa aos
abordada de forma pertinente, pois considera- temas regionais. É feita a apresentação das
se que as experiências sociais são importantes seções que trazem diferentes atividades e
para a compreensão das histórias do Brasil e explicitado o que se pretende em cada uma
de São Paulo. Tal construção verifica-se tanto delas. Na seção que apresenta o livro do aluno
nas atividades – em especial quando se trata há pequenas inserções em azul, com sugestões
de debates ou diálogos – quanto nos textos. para as atividades e com informações
Está clara a participação do indivíduo na adicionais. A Bibliografia consultada e
construção coletiva da sociedade e aponta-se recomendada, ao final do manual, é restrita e
para a consciência política do cidadão e do pouco diversificada, principalmente no que
aluno, além de abordar a diversidade das se refere Estado de São Paulo. Encontram-se
experiências humanas. A criança é incentivada dez títulos referentes ao ensino, 15 de História
a desenvolver a tolerância, a respeitar a do Brasil e apenas três específicos sobre a
opinião alheia e a conviver socialmente. No história de São Paulo.
HISTÓRIA

Em sala de aula
Recomenda-se que o docente seja o mediador na construção do saber pelo aluno
e procure aproveitar as indicações sugeridas no manual do professor. Também é
interessante acrescentar às atividades o debate crítico sobre as questões colocadas
e procurar relacionar as fontes textuais e as imagens com a construção do
conhecimento histórico pelo aluno.

144
Recomendado com Ressalvas
Por quê?
Ao tratar da história de Porto Alegre, em conexão com

a história do Brasil, a obra mantém uma relação orgânica

entre textos, ilustrações e atividades. Possui linguagem

clara e de fácil compreensão, traz glossário e algumas

atividades que podem auxiliar o aluno a adquirir novos

conhecimentos e a exercitar habilidades.


Livro regional No entanto, o manual do professor não explicita as
Minha Porto propostas metodológicas subjacentes à elaboração da
Alegre - História obra. A narrativa está centrada nos aspectos políticos
Lilian Zieger
dos processos históricos e o aluno não é o interlocutor

na construção do conhecimento. Além disso, não há

diálogo com outras visões da história da cidade nem

com fontes textuais e iconográficas. Grande parte das

atividades visa apenas reforçar as afirmações do texto

didático. A construção da cidadania não constitui ponto


Editora FTD
de referência em destaque, com pouco incentivo à

HISTÓRIA
análise crítica da sociedade.

A obra Alegre; Porto Alegre no final do século XIX


e no século XX; primeiro prefeito; aumento
O livro, com 52 páginas, aborda a história da população, progresso e favelas; novos
da cidade de Porto Alegre. É organizado em tempos; símbolos de Porto Alegre.
capítulos, com texto didático informativo, O manual do professor contém 16 páginas
atividades e destaques como Passeio e expõe os objetivos, conteúdos e
educativo, Curiosidades e Desafio. Ao final, procedimentos para cada capítulo, além de
traz Glossário e Bibliografia. textos complementares. A bibliografia é a
O conteúdo é desenvolvido em 17 mesma do livro do aluno.
capítulos que tratam dos seguintes temas:
indígenas; tropeiros; açorianos; imigrantes;
crescimento da capital; Porto Alegre frente à A análise
Independência, à República e a Revolução
Farroupilha; água, esgoto e higiene em Porto Não há explicitação da proposta de ensino-

145
aprendizagem da obra, a não ser algumas retomada dos conteúdos expostos no texto.
rápidas considerações nas quais se afirma que Na maioria das atividades, não há a
o livro didático deve ser utilizado apenas preocupação em estimular a capacidade de
como instrumento auxiliar na construção do debater problemas.
conhecimento, e que cabe ao professor utilizá- A concepção de História, subjacente à
lo de maneira criativa. Contudo, não são exposição do livro didático, não é explicitada.
fornecidas indicações para o melhor Percebe-se que a apresentação da história de
aproveitamento do material. Porto Alegre tem como referência os
Percebe-se coerência na forma como o acontecimentos próprios da história do Brasil.
livro está concebido, tendo em vista a A narrativa linear prioriza os aspectos
organicidade entre os textos expositivos e as políticos, embora também sejam abordados
atividades. A abstração e a generalização são alguns assuntos de natureza social e cultural.
incentivadas, pois a narrativa, apesar de linear Também não há qualquer demonstração de
e factual, parte do enfoque de uma história incorporação das renovações historiográficas.
individual para uma história coletiva. Também Prevalece uma descrição linear dos processos
há o constante cuidado em realizar a conexão históricos de Porto Alegre, mas as
entre a história do Brasil e a de Porto Alegre. informações são atualizadas. Embora não haja
No entanto, a opção por uma exposição uma identificação exclusiva da História a
fundamentada em muitas informações alguns heróis ou a fatos e datas, o texto
factuais, datas e nomes dificulta a didático se encontra sobrecarregado com
generalização e pode comprometer a leitura, informações desta natureza. Encontram-se
pela aridez da exposição. A relação de algumas simplificações explicativas devidas,
oposição entre o passado e o presente se dá principalmente, à forma resumida com que
por meio de uma narrativa linear que parte da se fazem chamadas para situar os
Colônia e prossegue até os dias atuais, sem acontecimentos da história da região em
HISTÓRIA

problematizar o conteúdo. A exposição sobre relação à história do Brasil. O texto é


a cidade não leva em consideração a excessivamente propositivo, sem resguardar
construção do conhecimento como resultado a multiplicidade de visões em torno da
dos esforços dos historiadores e, História. Não há textos de diferentes autores,
conseqüentemente, não envolve o aluno na nem indicação de leituras complementares
aquisição deste conhecimento. A criança é para os alunos.
considerada apenas receptora de informações Por outro lado, a historicidade dos
transmitidas, sem valorização de sua conceitos básicos para a construção do
experiência prévia. conhecimento é trabalhada de modo
As atividades, formuladas clara e diferenciado. Alguns conceitos estão bem-
corretamente, estão integradas aos conteúdos, articulados, mas outros – como história,
e auxiliam no desenvolvimento de diversas sujeito histórico, sociedade, transformação e
habilidades cognitivas, tais como a permanência, diversidade e unicidade,
observação, a investigação, a síntese, a natureza e relação social – não são bem
organização e a criatividade. construídos.
Não são encontradas atividades de Registra-se a ausência de fontes históricas
interpretação das ilustrações do livro. textuais, mas há um número bastante
Constata-se, também, o predomínio de apreciável de fontes iconográficas variadas.
exercícios de pergunta e resposta ou de As ilustrações estão integradas ao texto e

146
propiciam ao aluno novas formas de não recebem tratamento específico. As
conhecimento. No entanto, as imagens são experiências do passado são valorizadas,
apenas ilustrativas, e não objeto de embora não haja preocupação em se
interpretação. Assim, não se constituem como evidenciar a contribuição da cultura negra
documento para a compreensão da História e para o Rio Grande do Sul, e se faça apenas
como incentivo para que os alunos referência rápida aos indígenas. A principal
problematizem os conteúdos históricos. As etnia presente no livro é a européia.
representações cartográficas respeitam as O manual do professor não explicita as
convenções, mas faltam informações propostas metodológicas que dão suporte à
adequadas para a contextualização de diversas elaboração do livro. Após uma rápida
ilustrações. mensagem ao professor, são apresentados os
O Glossário traz alguns termos objetivos, conteúdos, procedimentos e textos
considerados mais difíceis, com definições complementares para cada capítulo. Em
simples e diretas, constituindo-se em uma alguns casos são sugeridas leituras
fonte confiável de consulta para o aluno. complementares que se referem a aspectos da
A preocupação com a construção da história de Porto Alegre. Não há orientações
cidadania está presente apenas espora- no que se refere à articulação dos conteúdos
dicamente, e a atitude crítica quase não é entre si, nem discussão sobre avaliação da
incentivada. Em poucas ocasiões os alunos aprendizagem. Ao término do manual, há uma
são levados a refletir sobre os aspectos lista de 20 títulos que se referem
contraditórios da realidade brasileira e da exclusivamente à história de Porto Alegre e
região. Valores como tolerância e liberdade do Rio Grande do Sul.

HISTÓRIA
Em sala de aula
Em função das lacunas constatadas no livro, o professor deverá estar atento
para auxiliar os alunos na interpretação de textos e ilustrações. Também é
importante incluir a abordagem dos aspectos sociais e culturais dos processos
históricos e exercitar a crítica sobre os problemas que afligem a sociedade brasileira,
além de incentivar a construção da cidadania. Outro aspecto que merece
complementação do professor diz respeito à presença de negros e índios na região
e as contribuições econômicas e culturais deixadas por essas etnias.

147
Recomendado com Ressalvas
Por quê?
Nesta obra, a história do Espírito Santo articula-se à
história do Brasil, seguindo eixos temáticos. Faz-se uso
de documentos históricos e as ilustrações estão
integradas ao texto. As atividades são criativas e
variadas, com solicitação de pesquisas e elaboração de
textos, ainda que muito voltadas para a fixação dos

Livro regional conteúdos.

Nosso Estado - Contudo, as propostas metodológicas não estão

O Espírito claramente explicitadas no manual do professor, que é

Santo pouco articulado. A exposição dos conteúdos é

Léa Brígida R. de A. Rosa descritiva, deixando de correlacionar os assuntos


Renato José Costa Pacheco
trabalhados e de estabelecer diálogo com o aluno. Os
Luiz Guilherme Santos Neves
conceitos históricos básicos não são adequadamente
construídos. Há o cuidado com a construção da
cidadania, mas há poucos exercícios que a evidenciem,

Editora Base e os textos tratam insuficientemente dos problemas


sociais do estado. Além disso, registram-se alguns
HISTÓRIA

apelos ufanistas.

A obra 3. A ocupação do litoral; 4. O Espírito Santo


atual.
O livro, com 96 páginas, aborda a história
do Espírito Santo e está estruturado em quatro
capítulos, divididos em múltiplos subitens, A análise
contendo as seções Atividades, Leituras
especiais, Você sabia, Estante de História. Na proposta metodológica da obra são
O manual do professor contém 15 páginas explicitados apenas alguns elementos
e é composto por observações preliminares, importantes, do ponto de vista pedagógico,
comentários aos quatro capítulos e outras como o de que o ensino e o aprendizado em
informações ao professor. Fornece História se fazem tendo como base o saber
referências bibliográficas. Os capítulos estão que o aluno elabora, e o de que o livro didático
assim estruturados: 1. Nosso Estado – o é um instrumento, dentre outros, para o aluno
Espírito Santo; 2. Os avanços da colonização; se apropriar de novos conhecimentos e os

148
relacionar à prática social. Considera-se que grandes temas que caracterizam a história
o processo de aprendizagem se dá em regional. Além disso, o estudo da História
situações concretas, em que interagem pode contribuir para o desenvolvimento de
professor e aluno. uma consciência histórica e para a formação
Essas propostas são desenvolvidas com do sentimento de cidadania e de igualdade
relativa coerência, pois o livro fornece social.
informações ao aluno sobre o Espírito Santo; O desenvolvimento da obra é coerente com
a relação presente-passado é contemplada, por tais propostas, uma vez que o texto didático
vezes nas atividades e mais fortemente no adota a exposição da história do Espírito
quarto capítulo; as atividades são criativas e Santo a partir de grandes eixos temáticos,
podem propiciar a interação aluno-professor- fugindo à descrição de datas e fatos e evitando
livro didático; o estudante é estimulado a caricaturas de períodos, de personagens, de
desenvolver a observação, a constatar os lugares ou regiões. A interpretação própria dos
acontecimentos em seqüências históricas e a alunos é exercitada por meio de atividades
compreender textos; valorizam-se as tradições com textos e imagens.
locais e a preservação do patrimônio artístico Contudo, embora sejam incorporados
e histórico do Estado do Espírito Santo. aspectos da renovação historiográfica, como
Contudo, a exposição dos assuntos é a valorização dos aspectos sociais e culturais
predominantemente descritiva, e não explora da realidade histórica, a exposição didática
as relações entre os assuntos apresentados, privilegia acentuadamente a descrição e a
deixando de instigar o aluno a realizar narração, em detrimento do exercício
análises, a formular hipóteses, a produzir problematizador. A História como
sínteses. E não se consegue estabelecer um conhecimento construído não é objeto de
diálogo com o aluno no decorrer do qual sua reflexão nem no livro do aluno, nem nas
experiência de vida seja aproveitada para orientações constantes no manual do

HISTÓRIA
mediar o processo de ensino-aprendizagem. professor.
As atividades e os exercícios são Por outro lado, os grandes temas da
diversificados e criativos, estimulando história do Espírito Santo são desenvolvidos
principalmente a observação, a investigação, dentro da mais tradicional proposta didática,
a comparação e a interpretação. Por diversas em que o relato da história do Brasil é
vezes solicitam-se pesquisas e produção de acrescido de informações da história local.
textos. Alguns exercícios, porém, remetem Cada tema é analisado de forma quase
diretamente à cópia do texto didático, e são estanque, sem estabelecer relações entre os
raros aqueles que, refletindo sobre uma diferentes momentos, não concretizando a
realidade local, buscam historicizá-la e proposta de desenvolver um eixo temático e
colocá-la em discussão. de relacionar passado-presente.
Segundo o explicitado pela metodologia Os conceitos fundamentais para o
da História adotada, o ensino da história do conhecimento histórico também não são
Espírito Santo deve ser articulado a um trabalhados de maneira satisfatória. Deixam
contexto mais amplo, seguindo eixos a desejar o tratamento dado a período/
temáticos por meio dos quais o presente se duração, a ordenação/seqüência/simul-
relaciona com o passado numa dinâmica de taneidade, e à relação passado-presente-
permanências e mudanças. Tais eixos futuro. Os outros conceitos estão
contemplam, na medida do possível, os desenvolvidos de forma apenas suficiente.

149
Há o cuidado em apresentar documentos que compõem o Estado do Espírito Santo.
históricos e textos de autores capixabas, que No entanto, são poucos os exercícios
são objeto de interpretação nas seções voltados, de fato, para a construção da cidadania.
reservadas para as atividades. Há igual A consciência política não recebe tratamento
preocupação com a interpretação das imagens, devido, e o texto didático silencia a respeito dos
que por vezes são associadas aos textos problemas sociais do estado, salvo em raras
suplementares nos exercícios. As ilustrações passagens. Por vezes, aspectos do presente são
estão integradas ao texto, sendo adequadas às acompanhados de forte apelo ufanista e de
finalidades para as quais foram elaboradas. A referências ao progresso do estado.
proposta de exercícios de interpretação de No manual do professor não se encontram
imagens forçosamente leva os alunos a sistematizadas as propostas metodológicas
problematizar os conteúdos históricos. que poderiam auxiliar o professor em seu
No entanto, muitas ilustrações apresentam trabalho pedagógico. De forma pouco
resolução gráfica deficiente, o que prejudica organizada são indicados alguns elementos
a compreensão. As representações carto- considerados importantes para o
gráficas estão incompletas, assim como as entendimento da concepção de História
indicações das ilustrações. subjacente à elaboração do livro. As
Há o pressuposto de que o aluno faz parte referências aos aspectos de ensino-
da História e tem condições de influenciar na aprendizagem também são insuficientes. O
história do Estado do Espírito Santo, exercendo, item Comentários aos capítulos restringe-se
assim, sua função de auxiliar na construção da a resumi-los. Ao final, é apresentado um texto
cidadania. A atitude crítica é estimulada por que sintetiza, de forma descritiva e acrítica, a
meio de exercícios que exigem do aluno a história do Espírito Santo. Assim, a
reflexão. O estímulo ao convívio social, à articulação das propostas teórico-
tolerância e à liberdade é indireto, podendo ser metodológicas com as estratégias utilizadas
HISTÓRIA

apreendido ao se apresentarem as diversas etnias na elaboração do livro fica prejudicada.

Em sala de aula
É importante que o professor esteja atento para retirar do texto os aspectos
ufanistas, explorando mais as atividades que exercitam a reflexão e o espírito
crítico do aluno. Deve ainda procurar relacionar os documentos e ilustrações com
a forma de construir o conhecimento histórico, na história do Espírito Santo.

150
Recomendado com Ressalvas
Por quê?
A obra traz uma clara exposição – embora pouco

sistematizada – das propostas metodológicas, que são

desenvolvidas de forma coerente. Com algumas

exceções, o tratamento das noções e dos conceitos

fundamentais para o conhecimento histórico é

adequado, e as atividades auxiliam no desenvolvimento


Livro regional O
das habilidades básicas. Textos e atividades colaboram
Mato Grosso e
sua História para a construção da cidadania. As fontes textuais são

Laura Antunes Maciel bem trabalhadas e o manual do professor pode colaborar

com o trabalho do docente.

Percebe-se, no entanto, que os textos são expositivos

e informativos e não consideram as experiências dos

alunos. Por outro lado, constatam-se algumas

simplificações explicativas. As ilustrações não são


Editora LDS
trabalhadas como fontes para a elaboração de

HISTÓRIA
conhecimentos novos.

A obra História oral, Fique por dentro, Analisando


documentos e Enquanto isso. Ao final,
O livro aborda a história do Estado do acrescentam-se Referências de imagens.
Mato Grosso. Está organizado em quatro O manual do professor inicia-se com uma
unidades compostas de itens que Introdução e em seguida apresenta, para cada
desenvolvem: a compreensão do Brasil e da unidade, o objetivo, a temática, sugestões para
constituição do espaço hoje conhecido como trabalhar com as atividades e bibliografia.
Mato Grosso; o processo de trabalho e suas
diferentes modalidades históricas; as
resistências e as formas de luta de grupos A análise
sociais pelos seus direitos; além de abordar a
história regional do Mato Grosso, de modo a Algumas das propostas de ensino-
compreender a diversidade cultural. Contém aprendizagem que embasam a obra são
as seções Ampliando o conhecimento, enumeradas no manual do professor, tais

151
como: a necessidade de se incorporar a também criam oportunidades para o debate
experiência histórica do aluno; auxiliar na de temas importantes. Percebe-se, no entanto,
percepção das vivências dos agentes alguns problemas pontuais, mas que não são
históricos; fazer com que a observação generalizados.
ultrapasse a realidade mais próxima do aluno; São explicitadas, de forma pouco
introduzir noções básicas do conhecimento sistematizada, algumas idéias sobre a
histórico; estimular habilidades e metodologia da História que orientaram a
competências; capacitar os estudantes para o elaboração do livro. De acordo com esta, a
uso da história oral; introduzir o registro em História é construída pelas ações dos homens
linguagem textual e gráfica; estimular o comuns e não de grandes personalidades; o
reconhecimento da diversidade cultural; aluno é incluído como sujeito histórico;
buscar diferentes leituras da realidade. No busca-se o rompimento com a linearidade
entanto, as idéias acima elencadas não estão explicativa, evidenciando-se as contradições
sistematizadas ou aprofundadas. e a abertura de novos caminhos. Além disso,
Mesmo assim, verifica-se coerência entre propõe-se o trabalho com documentos
as idéias expostas e a elaboração do livro, ao iconográficos, escritos e orais, como forma
se constatar o cuidado com o desenvolvimento de compreensão da História enquanto
de diversas habilidades cognitivas. A conhecimento em constante construção. Estes
linguagem é apropriada e a estrutura do texto, princípios norteadores, no entanto, são
ágil. Há tratamento adequado e tematizado das explicitados como “intenções”, constituindo-
realidades sociais e o constante relacio- se em uma abordagem sumária e superficial.
namento entre passado e presente. O livro está Nota-se que tais intenções estão presentes
organizado em torno de temas abrangentes, de modo coerente na elaboração da obra.
que relacionam textos informativos, textos Enfocam-se sujeitos históricos concretos em
complementares, análise de documentos e suas ações cotidianas, os personagens da
HISTÓRIA

atividades variadas. História não são os figurantes/heróis, mas os


Apesar dessas qualidades, os textos sujeitos coletivos, e os movimentos sociais. Há
didáticos de cada capítulo caracterizam-se por o tratamento de temas significativos de cunho
serem expositivos e informativos, sem partir social e adequada relação entre passado e
da experiência anterior do aluno. O presente. São apresentadas as contradições
contraponto entre a experiência da criança e básicas entre os grupos sociais e há trabalho
os conhecimentos novos é feito princi- com fontes escritas, iconográficas e orais. A
palmente na seção História oral. Com isso, é proposta incorpora ao livro didático elementos
pesquisada apenas a realidade que lhe é gerais da renovação historiográfica.
próxima, a fim de servir como ponto de partida Percebe-se, no entanto, a ausência do
para a elaboração de novos conhecimentos. enfoque das dimensões políticas. Assim, um
As atividades e exercícios decorrem dos aspecto importante da proposta, enunciado na
conteúdos apresentados, e possibilitam o Introdução, fica seriamente prejudicado.
desenvolvimento das habilidades básicas. Além disso, a problematização não é um
Cumprem as funções a que se destinam, como elemento estruturador da escolha e
debater problemas, auxiliar na fixação de organização dos conteúdos e constatam-se
conteúdos e análise de documentos. Em algumas simplificações explicativas.
diversas ocasiões, promovem a articulação O tratamento das noções e conceitos
entre os diferentes conteúdos. As atividades fundamentais para o conhecimento histórico

152
é diferenciado no conjunto do livro, e na construção coletiva da sociedade. A tolerância
maioria das vezes é bem trabalhado. Deixa a é estimulada, ao trabalhar o conhecimento e
desejar, no entanto, o desenvolvimento dos o respeito à diversidade das experiências
conceitos de história, sociedade, poder, humanas e das manifestações culturais,
período/duração, ordenação, seqüência e especialmente no último capítulo. Os
simultaneidade. problemas sociais são tematizados e
São apresentadas diversas fontes textuais discutidos em sua perspectiva histórica.
que, em geral, são discutidas no texto didático No manual do professor, a articulação
ou trabalhadas em exercícios. As ilustrações entre as propostas enunciadas e as estratégias
estão integradas aos textos, salvo raras de ensino é desenvolvida nos comentários
exceções, e auxiliam na compreensão dos específicos para cada unidade e nas
assuntos tratados. No entanto, as ilustrações considerações referentes às atividades. Nestas
não levam o aluno a problematizar os oportunidades, os objetivos de cada estratégia
conteúdos históricos e não são trabalhadas e as alternativas de ação pedagógica são
como fontes para a elaboração de esclarecidos ao professor, embora não se
conhecimentos novos. Muitas delas estão encontrem referências claras aos pressupostos
prejudicadas pela pouca nitidez e por teóricos e metodológicos.
problemas em relação a legendas e ausência São sugeridas poucas leituras para a
de créditos. formação e atualização do professor. A
Tanto os textos quanto as atividades bibliografia indicada é restrita e pouco
colaboram para a construção da cidadania, diversificada. São sugeridos endereços de
uma vez que colocam em evidência a sites, visitas e atividades de campo, CDs e
problematização de diferentes questões vídeos. Não há proposta e discussão sobre a
sociais e incentivam a participação na avaliação da aprendizagem.

HISTÓRIA
Em sala de aula
O manual do professor traz indicações que podem ser proveitosas para o professor
organizar seu trabalho pedagógico. Na ausência de enfoques da história política,
é conveniente que o docente complemente o assunto com leituras de jornais e
revistas regionais.

153
Recomendado com Ressalvas
Por quê?
A obra manifesta sólida pesquisa sobre a história do

Paraná, calca-se em metodologia adequada e apresenta

subsídios para a compreensão da história atual. O aluno

é levado a problematizar o conhecimento e a se

posicionar criticamente. As atividades são criativas e


Livro regional O
sistematizam as operações cognitivas. Utiliza com
Paraná de
Todas as Cores precisão os documentos textuais e iconográficos.
Sérgio Aguilar Silva
Cuidado especial é dispensado à construção da
Ediméri Stadler Vasco
Aimoré Índio do Brasil Arantes
Cristina Carla Klüppel
cidadania.

Contudo, o livro privilegia, em excesso, o tratamento

dos conteúdos, apresentando textos muito longos e

Editora Base voltando-se para a exposição de fatos, datas e locais.

Há poucas referências aos aspectos urbanos do Paraná.


HISTÓRIA

Algumas ilustrações e fotos de época são pouco nítidas.

A obra e Referências bibliográficas.


As unidades são assim constituídas: 1. Os
O livro, com 144 páginas, trata da história povos indígenas no Paraná – Ontem e hoje.
do Paraná, estruturando-se em cinco unidades, 2. Mineração e tropeirismo. 3. Latifúndios:
que constam de texto didático, atividades e fazendas de gado e de produções agrícolas –
boxes com textos e documentos variados.
Ontem e hoje. 4. Imigração européia e
Contém Glossário, Sugestão de leitura e
migrações internas. 5. As populações do
Referências bibliográficas.
Paraná e suas diferentes expressões culturais
O manual do professor contém 32 páginas
e organiza-se em 12 tópicos, nos quais aborda – Ontem e hoje.
questões relativas ao ensino da História, aos
pressupostos teóricos e metodológicos, e
outras orientações para o professor, além de A análise
comentários sobre cada unidade. É acrescido
de Sugestões de leitura, Sugestões de filmes A proposta teórico-metodológica adotada

154
concebe a educação como uma ação exercícios e atividades que sistematizam as
humanista, voltada para a construção da operações cognitivas. No entanto, a maioria
cidadania e do espírito crítico, como forma dos exercícios solicita respostas pontuais, o
de enfrentar e superar os problemas sociais que representa limitação às potencialidades
que afetam a sociedade brasileira. Para tanto, criativas do aluno.
requer um aluno-sujeito e não objeto do A metodologia da História explicitada
conhecimento, pois pressupõe que a formação supõe uma educação voltada para o incentivo
do indivíduo resulta da interação com o meio, à pesquisa histórica, de forma a tornar o aluno
e a aprendizagem é fruto da participação ativa sujeito do conhecimento. Propõe a articulação
do aluno. O volume é parte integrante de uma entre conteúdos e atividades, para dinamizar
metodologia de ensino-aprendizagem baseada e manter diálogo constante com o aluno. Este
em ciclos. é considerado como sujeito capaz de entender
A coerência metodológica se expressa no a História enquanto conhecimento, o que
cuidado em proporcionar um conhecimento contribui para adquirir experiência e prática
que promova a reflexão de questões colocadas de cidadania, dentro de uma lógica de
no cotidiano dos alunos, problematizando o mudanças e permanências, semelhanças e
conhecimento. Verifica-se a concretização do diferenças, desigualdades, cooperações e
diálogo entre aluno/professor/conhecimento conflitos. É incentivado o trabalho com fontes
mediante exercícios e atividades. Desen- documentais e iconográficas.
volvem-se estratégias que auxiliam o A coerência com o enunciado verifica-se
estudante a compreender a realidade social ao relacionar os acontecimentos históricos ao
paranaense. Em diversas ocasiões, os alunos momento presente, propiciando ao aluno o
são solicitados a se posicionar de modo crítico conhecimento crítico da realidade ao
e reflexivo sobre determinados assuntos e a incorporar as heranças individuais e coletivas.
problematizar a relação passado-presente. Nesse processo de reconstrução da História,

HISTÓRIA
No entanto, a proposta do trabalho em estimulam-se a leitura, a análise e a
ciclos não se efetiva no volume, posto que a interpretação de fontes históricas, ao mesmo
disposição dos conteúdos segue uma ordem tempo em que exercícios e atividades
cronológica clássica, e se constata a presença incentivam o desenvolvimento das habi-
de grande quantidade de datas, reforçando o lidades básicas.
apego à cronologia. A extensão do período A renovação historiográfica se expressa na
temporal estudado e, em alguns temas, as abordagem que abandona os marcos políticos
referências a acontecimentos simultâneos e destaca as experiências vividas pelos grupos
denotam um expressivo grau de comple- e classes sociais, e também na opção em não
xidade, inadequado ao nível de compreensão se estudar a história regional circunscrita a si
dos alunos do Ensino Fundamental. mesma. Ressalve-se que o texto apresenta um
Os exercícios e as atividades possibilitam tom excessivamente impositivo, fornecendo,
o desenvolvimento de várias habilidades. Os por vezes, grande quantidade de fatos e datas
exercícios com mapas e documentos visuais sem possibilitar que o aluno relativize a
estimulam a observação, alguns outros informação transmitida.
propõem a organização e a comparação, ou a A exposição dos conteúdos contempla
interpretação. A iconografia estimula a adequadamente a maioria dos conceitos
observação e o estabelecimento de relações básicos da História, mas há pouca clareza em
entre imagens e texto didático, mas são os relação aos conceitos de tempo, espaço e

155
história; e merecem reparos os conceitos de a adotar uma postura crítica perante os
transformação/permanência, período/duração, acontecimentos analisados. A consciência
e ordenação/seqüência/simultaneidade. política e a atitude crítica são estimuladas por
Inúmeras fontes textuais são apresentadas meio de reflexões sobre a sociedade brasileira
em todos os capítulos. Observa-se o cuidado contemporânea, marcada por desigualdades de
sistemático com a interpretação dos textos, toda a ordem. O conjunto do texto didático é
que são utilizados como apoio ao texto básico, construído no sentido de valorizar as diferentes
e como veículos para transmissão do experiências sociais e culturais brasileiras,
conteúdo. As fontes iconográficas são cuidado que se repete nas atividades,
igualmente abundantes e diversificadas. No estimulando a tolerância e o respeito ao outro.
entanto, as ilustrações não são utilizadas em O manual do professor oferece orientações
atividades de interpretação, como ocorre com sobre a proposta pedagógica, de modo a
os textos. Diversas ilustrações e fotografias facilitar o trabalho em sala de aula. Nota-se o
de época, devido à dimensão reduzida e pouca cuidado em esclarecer os aspectos centrais de
nitidez, dificultam a compreensão. Muitas cada unidade, e ao longo desse esclarecimento
legendas não contextualizam as imagens e a vão sendo feitas as articulações do conteúdo
maioria, especialmente nas fotografias, não na unidade, e entre unidades. São indicados
está acompanhada de indicação precisa da 29 títulos de história do Paraná, não havendo
época. As representações cartográficas não indicação para as questões relacionadas à
respeitam as devidas convenções. teoria da História ou, mais especificamente,
A construção da cidadania manifesta-se nas ao ensino de História. Há, também, uma
considerações sobre diferentes experiências indicação de 11 filmes, especificados por
sociais, e o aluno é freqüentemente instigado unidade, todos relativos à história do Paraná.
HISTÓRIA

Em sala de aula
Sugere-se que o professor procure adequar a densidade dos textos às condições
concretas dos alunos, além de auxiliá-los na sistematização do tempo histórico e
introduzir reflexões sobre a realidade urbana. As orientações e sugestões contidas
no manual do professor devem ser valorizadas, pois são uma boa fonte de consulta
para o aprimoramento do trabalho docente.

156
Recomendado com Ressalvas
Por quê?
A obra apresenta considerações claras sobre a

metodologia de ensino, coerentes com sua elaboração.

As atividades e exercícios são formulados com clareza

e as ilustrações oferecem grande variedade de

representações. Há incentivo à construção da ética e

da cidadania. O manual do professor pode auxiliar no


Livro regional trabalho docente.
Segredos da No entanto, constata-se que a abordagem do livro
Bahia: História
possui um tom excessivamente propositivo, além de
Edição
predominar a descrição factual dos processos históricos.
Renovada
Não há uma explicitação da metodologia da História. As
Albani Galo Diez
relações entre o passado e o presente limitam-se a

alguns temas e, em geral, predomina uma única versão

dos fatos. Há lacunas na construção de alguns conceitos


Editora FTD
básicos, não há trabalho sistemático com fontes

HISTÓRIA
históricas e muitos exercícios se baseiam no sistema

pergunta/resposta.

A obra engenho de açúcar, outras lavouras do período


colonial, o cacau, criação de gado, mineração
O livro, com 144 páginas, trata da história na Bahia; a indústria no Brasil e na Bahia;
do Estado da Bahia. É estruturado em 31 transportes, comunicação; festas populares,
capítulos compostos por textos e pelas seções cultura sertaneja; e a Bahia tem um jeito,
Leitura complementar e Atividades no abordando costumes e cultura popular.
caderno. Ao final, há uma bibliografia. O manual do professor é composto de 32
O conteúdo aborda: os povos primitivos páginas e contém: Apresentação; Introdução;
na Bahia; as navegações marítimas, o início Considerações metodológicas e psicológicas;
do povoamento, os indígenas; os governos- Plano de trabalho; Atualização; Avaliação;
gerais e a influência do colonizador; os ne- Estruturação do livro do aluno; Sugestões
gros, sofrimento e resistência, legislação, per- para o uso do livro; Atividades – respostas e
seguição e preconceito; influência da cultura comentários; Leituras complementares; e
negra hoje; atividades econômicas na Bahia, Bibliografia sugerida para o professor.

157
A análise significativa dos exercícios se baseia no
sistema pergunta/resposta. Com isso, além de
Na metodologia da aprendizagem, direcionar a resposta, a reflexão e a
explicitada no manual do professor, defende- criatividade do aluno, acabam se tornando
se a independência e a criatividade do docente excessivamente repetitivos.
ao organizar seu trabalho, a participação ativa Não há explicitação da metodologia da
do aluno, a educação para o exercício História que embasa a elaboração da obra,
consciente da cidadania e a aprendizagem com exceção de referências superficiais que
como resultado da ação recíproca entre o apenas apontam as falhas de um ensino de
aluno e o meio que o cerca. Nesse sentido, História ultrapassado. Afirma-se que a
deve-se valorizar a reflexão, tanto nos textos História não pode ser desvinculada do
quanto nas atividades, em detrimento da mera contexto social ou se limitar à memorização;
descrição. e que a história regional não pode perder de
Ao longo da obra, percebe-se coerência vista o contexto mais amplo. O livro propõe
entre a proposta metodológica e o a valorização dos sujeitos históricos coletivos,
desenvolvimento dos conteúdos e das da cultura, das experiências humanas e das
atividades. São estudados os grupos culturais relações sociais em detrimento dos heróis, dos
que compõem o povo baiano e são processos políticos e da exaltação do poder.
responsáveis pelo desenvolvimento histórico O texto didático busca coerência com os
das principais atividades econômicas do aspectos metodológicos enunciados.
estado. O texto didático oferece inúmeros Apresenta sujeitos históricos coletivos, como
elementos para a compreensão, análise e indígenas, colonizadores, africanos, e analisa
argumentação dos diversos acontecimentos as experiências sociais desses grupos. Há
narrados. Em diversas passagens, os alunos esforço em conjugar o estudo da história da
são estimulados a compreender a realidade Bahia com a história do Brasil, embora nem
HISTÓRIA

social, por intermédio das atividades. No sempre os resultados sejam satisfatórios. Não
entanto, o tom excessivamente propositivo do há ufanismo, nem exaltação do poder. O
livro, aliado à descrição factual de processos glossário é apresentado na margem das
históricos, dificulta a reflexão crítica e a páginas, junto ao texto didático, o que facilita
problematização. A articulação entre a história a consulta dos alunos.
do Brasil e a história regional nem sempre se Por outro lado, há grande quantidade de
dá de modo satisfatório. O livro aborda apenas nomes e fatos, especialmente nos 11 primeiros
a discriminação contra os negros e índios, e capítulos. Predomina uma única versão dos
deixa de lado outras situações de conflitos fatos, e estão ausentes as discussões sobre
sociais ao descrever uma Bahia homogênea, documentos. Não há renovação historio-
essencialmente festiva. As relações entre o gráfica no tratamento dos temas. Em algumas
passado e o presente, incluindo passagens observa-se a identificação com
transformações e permanências, limitam-se a grandes personagens da História do Brasil.
alguns temas. A construção de noções e conceitos
As atividades e exercícios são formulados fundamentais para o conhecimento histórico
com clareza e estão integrados aos conteúdos. – como tempo, espaço, história, natureza,
São diversificados e criativos, e auxiliam no sociedade e outros – é trabalhada de forma
desenvolvimento de habilidades básicas. Vale pouco adequada. Também foram observadas
a ressalva, no entanto, de que uma quantidade algumas simplificações explicativas no texto.

158
O texto didático faz uma rápida referência colocarem em evidência as manifestações
às fontes que possibilitam a reconstrução da religiosas das comunidades afro-brasileiras.
história. No entanto, esta discussão não é No entanto, a partir do capítulo 20, as
sistematizada e diversas fontes textuais não referências aos problemas brasileiros e sua
dão margem a exercícios de interpretação. As vinculação às políticas adotadas nos últimos
ilustrações são variadas, bem distribuídas e tempos praticamente desaparecem.
auxiliam os alunos na fixação dos conteúdos O manual do professor relaciona o conteúdo
transmitidos. No entanto, cumprem apenas a dos capítulos, atividades, leituras comple-
função de apoiar a compreensão do texto e mentares e as sugestões para o uso do livro.
não são adequadamente contextualizadas Também alerta para a importância da
pelas legendas. interdisciplinaridade, embora não ofereça
Há incentivo à construção da ética e da orientações efetivas sobre como operacionalizá-
cidadania, com estímulo da consciência la. Há reflexões sobre o processo de avaliação e
política e da atitude crítica, por meio de são sugeridas atividades variadas.
reflexões e de propostas de discussão sobre Entretanto, o manual não esclarece ao
questões centrais da sociedade brasileira professor como conduzir a realização das
contemporânea – entre elas a do indígena, a atividades. A bibliografia relacionada é
do negro e a da discriminação racial. Busca- restrita e desatualizada, além de centrar-se na
se a tolerância e o convívio social, ao se área de ensino-aprendizagem.

Em sala de aula
O professor poderá explorar as potencialidades das fontes textuais e iconográficas.
Para isso, deve contextualizar diversos acontecimentos referentes à História da

HISTÓRIA
Bahia, de modo a situá-los em âmbito nacional. Um mecanismo interessante é a
produção de esquemas e linhas do tempo que facilitem a compreensão dos alunos.
Ao adotar este livro, o docente também deverá preocupar-se em introduzir a
discussão e a reflexão sobre aspectos conflituosos da sociedade atual, além de
informar-se sobre vídeos e materiais complementares que auxiliem em seu trabalho
docente.

159
Geografia

Comissão Técnica (Portaria Ministerial nº 513/2001):


Marília Luiza Peluso

Coordenação Institucional:
Maria Encarnação Beltrão Sposito

Coordenação de Área:
Antonio Nivaldo Hespanhol

Coordenação Adjunta:
Eliseu Savério Sposito

Pareceristas:
Antonio Cesar Leal
Cleonice Alexandre Le Bourlegat
Edvânia Torres Aguiar Gomes
Ercilia Torres Steinke
Fátima Dias Gomes Marin
Hernani Loebler Campos
João Cleps Junior
Lana de Souza Cavalcante
Lindon Fonseca Matias
Margarete Cristiane Costa Trindade Amorim
Raimunda Abou Gebran
Raquel Maria Fontes Pereira
Rosangela Aparecida de Medeiros Hespanhol

162
Introdução

aros professores

C No Guia do Livro Didático, encontram-se as resenhas das coleções e dos


livros de destinação regional, avaliados e recomendados. Elas o auxiliarão na
escolha criteriosa do material que apoiará o seu trabalho nos próximos três
anos.
Nesta edição, há diferenças significativas em relação ao PNLD anterior. Em
primeiro lugar, você terá à sua disposição coleções e não mais livros isolados
por série, com exceção dos livros regionais. Em segundo, agora se apresentam
coleções ou livros específicos de Geografia e não mais de Estudos Sociais.
O livro didático não deve constituir o único material de ensino em sala de
aula, mas pode ser uma referência no processo de ensino-aprendizagem, que
estimule a curiosidade e o interesse para o desenvolvimento dos conhecimentos
geográficos, da discussão, da análise e da crítica. Coleções e livros devem aten-
der às necessidades do professor e da escola com diversidade de teorias educa-
cionais e pedagógicas, além de levar em consideração as diretrizes dos órgãos
nacionais, estaduais e municipais de Educação.
Para desenvolver com dinamismo e correção o processo de ensino-aprendi-
zagem, coleções e livros de Geografia devem se pautar pelo princípio da com-
plexidade crescente, para que o aluno possa passar do nível do senso comum
para o do conhecimento científico.
Ao fazer sua escolha, deve estar atento para que a coleção ou o livro possa
auxiliar o aluno na apropriação do conhecimento geográfico que:
1 propicie o entendimento das relações natureza-sociedade, de suas dinâmi-
cas e processos;
1 possibilite o estabelecimento de relações entre o que acontece no seu cotidi-
ano com os fenômenos estudados, a partir dos conceitos básicos da Geogra-
fia e da linguagem que lhe é própria;
1 contribua para o desenvolvimento de hábitos e atitudes para a construção da
cidadania, ao estimular a compreensão e aceitação da diversidade cultural e
étnica.
Em sua escolha, você deve verificar também se, além de auxiliar no trabalho
com os alunos, a coleção ou o livro possibilita a sua formação continuada, insti-
gando-o ao uso de novas práticas de ensino e de novos materiais pedagógicos.
São apresentados, ao todo, vinte coleções e nove livros regionais. As carac-
terísticas principais das obras são expostas nas resenhas, evidenciando as suas
qualidades, limitações e possibilidades de uso.

163
Para auxiliá-lo a compreender o conjunto das coleções e livros e permitir
que faça uma escolha criteriosa, a seguir você verá os princípios gerais da ava-
liação, os critérios eliminatórios e classificatórios que pautaram a avaliação, a
caracterização das coleções e dos livros regionais, a ficha utilizada na avaliação
e as resenhas.

164
Princípios
gerais
Geografia é uma ciência que estuda os fenômenos da natureza e da sociedade e

A
sua distribuição espacial. O objetivo da Geografia é compreender a dinâmica
espacial, que se desenvolve diacronicamente (ao longo do tempo) e
sincronicamente, produzindo, reproduzindo, organizando e transformando o
espaço geográfico nas escalas local, regional, nacional e mundial. Esse objetivo
deve ser alcançado a partir de um corpo de conhecimentos baseados em conceitos,
como os de natureza, lugar, região, território, paisagem, tempo, espaço, cultura,
sociedade e poder.
A Cartografia é indispensável ao ensino da Geografia porque possibilita ao
aluno entender a distribuição, na superfície da Terra, dos fenômenos sociais e
naturais e de suas relações. Ao mesmo tempo, a Cartografia permite ao estudante
se apropriar de uma técnica indispensável para desenvolver habilidades de
representar e interpretar o espaço geográfico. Por tudo isso, é importante que o
livro didático incorpore essa linguagem.
A interdisciplinaridade deve, também, ser privilegiada, a fim de proporcionar
a compreensão integrada dos fenômenos naturais e sociais e a interlocução com
outras disciplinas.
O material didático precisa incorporar, coerentemente, as discussões e
inovações na área de Geografia e estar atualizado em relação aos avanços teórico-
metodológicos aceitos pela comunidade científica, e concernentes à corrente de
pensamento geográfico adotada, respeitando-se, no entanto, às opções do(s)
autor(es) pelas diferentes correntes.
O ensino de Geografia tem como objetivo atender às exigências do mundo
contemporâneo, que pressupõe a articulação entre as instâncias sociais,
econômicas, políticas e culturais. É necessário que o aluno compreenda seu
ambiente imediato, assim como as escalas espaciais mais amplas (regional,
nacional e internacional) e possa refletir sobre seu cotidiano articulado a essas
escalas.
Um livro didático de Geografia deve, primeiro, preparar o aluno para atuar
num mundo complexo, localizar-se nele, decodificá-lo, compreender seu sentido
e significado; e, segundo, desenvolver seu espírito crítico, que implica a
capacidade de problematizar a realidade, propor soluções e reconhecer sua
complexidade.
No nível fundamental, o estudo da Geografia deve voltar-se para a
identificação de variáveis como distância, localização, semelhanças e diferenças,
e para atividades que permitam apreender a totalidade, ao articularem formas,
conteúdos, processos e funções. Isso pressupõe ultrapassar a mera descrição

165
dos elementos constituintes do espaço geográfico, buscando compreender a sua
dinâmica.
Como o espaço geográfico é construído historicamente, a relação espaço-
tempo também precisa ser trabalhada – não como uma enumeração ou descrição
de fatos, mas como um processo de construção social.
É necessário integrar o conhecimento do aluno na aquisição de novos
conhecimentos, respeitando as suas possibilidades de elaboração do pensamento
em cada faixa etária. Deve-se partir das experiências que os alunos já possuem
como senso comum para, no processo de ensino-aprendizagem, desenvolvê-las
como conhecimento sistematizado nas várias escalas espaciais.
Prioritariamente, e de acordo com a maturidade dos alunos, devem ser
estimulados os processos cognitivos, como compreensão, memorização, análise,
síntese, interpretação, observação, identificação, comparação, criatividade,
problematização e criticidade, para formar um indivíduo com capacidade de
resolver problemas, enfrentar situações complexas e expor as suas idéias.
O manual do professor tem grande importância no processo de ensino-
aprendizagem e deve conter orientações para o docente exercer suas funções
em sala da aula, ao dirigir sua ação pedagógica e ter, como parâmetros, entre
outros, a diversidade regional e a individualidade dos alunos.
Assim, o manual deve abordar e articular os conteúdos do livro entre si e
com outras áreas do conhecimento e, além disso, apresentar referencial teórico
coerente com a abordagem do livro do aluno; conter bibliografia diversificada e
indicações de leitura; sugerir as estratégias para o desenvolvimento das atividades
individuais e em grupo; e propor diferentes formas de avaliação.
Tendo por base esses princípios, estabeleceram-se os critérios para avaliação
dos livros didáticos.

166
Critérios
eliminatórios
ASPECTOS TEÓRICO-METODOLÓGICOS

O livro didático deve apresentar conteúdos e atividades geográficos que


permitam a interação professor-aluno, a compreensão dos significados e a
construção do conhecimento escolar vinculado à prática social.
É necessário que haja compatibilidade entre a opção teórico-metodológica
adotada, os conteúdos e a maneira como são desenvolvidos. É indispensável
que haja coerência entre objetivos, conteúdos, atividades e exercícios,
favorecendo o desenvolvimento dos processos cognitivos básicos por meio da
clara exposição dos conceitos, fenômenos e acontecimentos, devidamente
localizados.

CONCEITOS E INFORMAÇÕES BÁSICOS

As coleções e os livros regionais foram avaliados quanto à correção dos


conceitos e informações. São considerados erros conceituais:
1 relações espaço-temporais que não permitam compreender a construção
histórica do espaço geográfico;
1 idéias inadequadas, com lacunas ou errôneas que não permitam a compreensão
das dinâmicas e processos constituintes dos espaços físico e humano, as
suas formas e as relações estabelecidas entre os elementos que os compõem;
1 idéias inadequadas, com lacunas ou errôneas que não permitam a compreensão
das relações entre sociedade e natureza.
Indução ao erro, confusão conceitual e reducionismos também são critérios
eliminatórios. A indução ao erro ocorre quando conceitos ou informações são
apresentados de maneira inadequada, quer em exercícios, quer em comentários
e na associação entre conceitos.
Considera-se confusão conceitual quando a apresentação de diferentes
conceitos e informações ocorre de maneira errada ou confusa.
Reducionismos podem ser fonte de erros ou podem induzi-los, quando
conceitos e conteúdos são apresentados de forma incompleta, dificultando a
compreensão dos conhecimentos geográficos.
Finalmente, o livro didático não deve conter informações incorretas ou
desatualizadas, que demonstrem falta de conhecimento da realidade.

167
CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA

O livro didático não pode expressar preconceitos de origem, etnia, gênero,


religião, ideologia, idade ou quaisquer outras formas de discriminação. Não só
os textos, mas também as representações gráficas, como fotos, mapas, tabelas,
quadros ou outros tipos de ilustração necessários para compreender os conteúdos
geográficos, devem ser isentos de preconceitos e de propaganda.

168
Critérios
classificatórios
s coleções e os livros que atendem aos critérios eliminatórios são recomendados.

A
Entretanto, as coleções e os livros não se apresentam com o mesmo grau de
excelência, pois há diferenças qualitativas nos aspectos teórico-metodológicos,
conteúdos, atividades, representações cartográficas ou ilustrações, manual do
professor e estrutura editorial. Dessa maneira, os critérios classificatórios
distinguem as diversas coleções:
1 a linguagem deve ser adequada ao estágio cognitivo do aluno e contribuir
para o desenvolvimento do vocabulário específico da Geografia e dos
conhecimentos lingüísticos da criança, evitando-se reducionismos e
estereótipos;
1 o trabalho com diferentes pontos de vista é importante para a formação de
conceitos, por permitir a correta compreensão dos conteúdos e estimular o
exercício da cidadania;
1 a problematização, nos textos e exercícios, tem papel relevante para
desenvolver o senso crítico e estimular a curiosidade e a criatividade do
aluno;
1 os conteúdos e conceitos devem ser aceitos pela comunidade científica e
trabalhados para atender a diferentes perfis socioeconômicos e regionais;
1 as fontes e autorias dos dados e das classificações utilizadas devem ser
indicadas corretamente;
1 as leituras complementares devem ser de fontes científicas reconhecidas e
atualizadas, para que se amplie o conhecimento de conceitos e conteúdos;
1 a inclusão de glossário, referências bibliográficas e de leituras
complementares valoriza a coleção ou o livro regional.
A Cartografia é importante instrumento para o ensino da Geografia, sendo
considerada a sua concepção, elaboração e adequação ao fim a que se destina.
As representações cartográficas (mapas, cartas e plantas), as ilustrações (fotos,
imagens, desenhos, bloco-diagramas e croquis) e gráficos, tabelas ou quadros
devem conter título, fonte de informação e data de elaboração, além de autoria,
legenda, orientação e escala onde se fizerem necessários.
A estrutura editorial deve conter o texto principal impresso em preto, os
títulos e subtítulos apresentados numa estrutura hierarquizada e os textos e
ilustrações dispostos de forma organizada, com ritmo e continuidade.
Os livros e as coleções, ao atenderem aos princípios e critérios eliminatórios
e classificatórios, estarão em condições de proporcionar um bom trabalho
pedagógico.

169
CARACTERIZAÇÃO DAS COLEÇÕES

No PNLD 2004, foram recomendadas vinte coleções, classificadas em três


categorias: Recomendadas com Distinção, Recomendadas e Recomendadas com
Ressalvas.
As resenhas apresentam, de maneira clara e sucinta, as qualidades,
possibilidades de uso e limitações da obra, para que a escolha do professor seja
consciente e voltada para o interesse do processo de ensino-aprendizagem.
Entre as coleções avaliadas, cinco (20%) foram excluídas por não atenderem
aos critérios eliminatórios; duas (8%) receberam a categoria Recomendada com
Distinção; nove (36%), a categoria Recomendada; e nove (36%) receberam a
categoria Recomendada com Ressalvas, conforme se verifica no Gráfico 1.

Tomando-se por base a ficha de avaliação, os quesitos eliminatórios e


classificatórios receberam uma nota, além de lhes ser atribuídos pesos
diferenciados, que permitissem verificar as variações entre tais quesitos.
A partir do conjunto das notas das coleções, foi elaborada a média normalizada
das coleções, tomando-se como referência a que obteve a maior nota na avaliação,
conforme se verifica no Gráfico 2.

170
Nota: A média normalizada é obtida pela equação:
mn = mc.100/mmax, em que: mn = média normalizada; mc = média obtida pela coleção; e
mmax = maior média do conjunto.

As duas coleções Recomendas com Distinção como pode ser visto no gráfico,
não apresentam o mesmo grau de excelência. A coleção Trança criança -
Geografia (nº 4051) apresentou melhor desempenho do que a coleção Curumim
- Geografia (nº 3807) na avaliação global.
As nove coleções Recomendadas apresentam grande diversidade entre si,
seja na avaliação global, havendo uma amplitude de mais de 14 pontos
percentuais em seus desempenhos. Numa ponta, situam-se as coleções Primeiras
Trilhas - Geografia (nº 1983), Geografia (nº 2869) e O mundo em Movimento
(nº 1092) e, na outra, as coleções Viva vida Geografia (nº 3391), Vitória-Régia
- Geografia (nº 2487) e Geografia Tantos Lugares... Tantas Pessoas (nº 3361).
As nove coleções Recomendadas com Ressalvas também apresentam grande
diversidade entre si, havendo uma amplitude de mais de 16 pontos percentuais
em seus desempenhos, estando numa ponta as coleções Primeiras Noções de
Geografia (nº 3288), Espaço e Representações (nº 2187) e Interagindo e
Percebendo o Mundo - Geografia (nº 2827) e as coleções Pensar e Construir -
Geografia (nº 1970), Vivência e Construção - Geografia (nº 1440) e A Escola é
Nossa - Geografia (nº 2284) na outra.

171
CARACTERIZAÇÃO DOS LIVROS DE DESTINAÇÃO REGIONAL

No PNLD 2004, dezessete livros de destinação regional foram submetidos à


avaliação, dos quais nove recomendados e oito excluídos, conforme se verifica
no Gráfico 3.

Os nove livros recomendados obtiveram a categoria Recomendado com


Ressalvas, sem a ocorrência das demais menções. As características principais
dos livros regionais encontram-se nas resenhas e, da mesma forma que as
coleções, ali estão descritas suas possibilidades de uso e limitações, permitindo
que o professor faça uma escolha consciente e voltada para o interesse do processo
de ensino-aprendizagem.
Também como já havia sido feito para as coleções, tomando-se por base a
ficha de avaliação, os quesitos eliminatórios e classificatórios receberam uma
nota com pesos diferenciados, permitindo verificar as variações entre eles.
A partir do conjunto das notas, elaborou-se a média normalizada dos livros
tomando-se como referência o que obteve a maior nota na avaliação, conforme
se verifica no Gráfico 4.

172
Nota: A média normalizada é obtida pela equação:
mn = mc.100/mmax, em que: mn = média normalizada; mc = média obtida pelo livro e
mmax = maior média do conjunto.

Os nove livros apresentam grande diversidade entre si, tanto na avaliação


global quando na avaliação por quesito, havendo uma amplitude de mais de 18
pontos percentuais em seus desempenhos, estando os livros Geografia de Porto
Alegre (nº 211456), Geografia do Rio Grande do Sul (nº 212200) e Amazonas
Geografia (nº 211415) numa das pontas e os livros Geografia de Pernambuco
(nº 212195), Minha Porto Alegre (nº 211507) e Geografia do Estado de São
Paulo (nº 211457) na outra.
A avaliação criteriosa realizada das coleções e livros no PNLD 2004, cujos
resultados podem ser visualizados nos gráficos, teve como objetivo auxiliar os
professores a escolher um material que proporcione aos alunos um bom processo
de aprendizagem.
Será importante, no entanto, que você leia com atenção as resenhas para
fazer sua escolha, considerando o seu perfil, a realidade em que atua e o projeto
pedagógico da escola.

173
Ficha de
Avaliação
Geografia
Código da Coleção:

Código da LD (Livro do Aluno):

Código do LDR

Código do Avaliador

Abreviaturas: R = Regular, B = Bom, O = Ótimo, LDR = Livro de Destinação Regional,


LD = Livro Didático e NA = Não se Aplica

DESCRIÇÃO SUMÁRIA DA OBRA

ESTRUTURAÇÃO DA OBRA

CRITÉRIOS ELIMINATÓRIOS

Aspectos teórico-metodológicos. No LD, na coleção Não Sim


ou no LDR:
R B O

Há coerência entre as opções metodológicas


(metodologia de ensino, metodologia da Geografia)
expressas no manual do professor e o desenvolvimento
dos conteúdos?

Há estímulo aos vários processos cognitivos básicos tais


como: observação, investigação, análise, síntese,
criatividade, comparação, interpretação, generalização,
criticidade, problematização e memorização?

174
Síntese do item:

Noções/Conceitos e informações básicas. No LD, na Não Sim


coleção ou o LDR:
R B O

Apresentam-se relações espaço-temporais que


possibilitam aos alunos compreenderem a construção
histórica do espaço geográfico?

Permite-se compreender as dinâmicas e processos


constituintes do espaço físico?

Permite-se compreender as dinâmicas e os processos


socioespaciais?

Permite-se articular as relações entre Sociedade e Natureza?

As informações estão atualizadas?

As informações estão corretas?

Síntese do item:

O LD, a coleção ou o LDR estão isentos de erros Não Sim


conceituais ou indução a erros (confusão conceitual,
reducionismos, lacunas e/ou simplificações) na: R B O

Elaboração e tratamento de noções e conceitos


geográficos básicos?

Abordagem da espacialidade dos fenômenos?

Localização geográfica dos fenômenos?

Síntese do item:

175
CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA

O LD, a coleção ou o LDR (nos textos e ilustrações) Sim Não


estão isentos de preconceitos ou indução a
preconceitos de:

Origem?

Etnia?

Gênero?

Religião?

Idade?

Condição socioeconômica?

Outros?

A coleção ou o LDR estão isentos de propaganda mercadológica,


político-partidária e doutrinação religiosa e ideológica?

Síntese do item:

CRITÉRIOS CLASSIFICATÓRIOS

Aspectos teórico-metodológicos. No LD, na coleção Não Sim


ou no LDR:
R B O

Os conteúdos são desenvolvidos com base no princípio


da complexidade crescente?

Possibilita-se ao aluno a articulação entre os níveis de


conhecimento do senso comum e científico?

A abordagem dos conteúdos leva em consideração o saber


prévio do aluno para aprofundar novos conhecimentos?

176
Não Sim
R B O

São propostas leituras complementares enriquecedoras


e adequadas aos conteúdos?

Noções/conceitos utilizados são aceitos pela


comunidade científica?

Propicia-se o desenvolvimento da linguagem do aluno,


ampliando suas possibilidades de expressão escrita,
gráfica e cartográfica?

Permite-se ao aluno distinguir e articular diferentes


escalas geográficas?

Síntese do item:

As atividades (problemas, exercícios, pesquisas Não Sim


complementares...) contidas no LD, na coleção ou
no LDR: R B O

São adequadas para atingir os objetivos propostos nas


unidades temáticas?

Promovem a articulação entre os diferentes conteúdos?

Levam o aluno a problematizar os conteúdos?

Estimulam a capacidade de produzir diferentes formas


de textos?

Propiciam o desenvolvimento de habilidades diversificadas?

Síntese do item:

177
Os conteúdos e as atividades contidos no LD, na Não Sim
coleção ou no LDR:
R B O

Evitam estereótipos?

Estimulam hábitos, atitudes e comportamentos voltados


para a construção da cidadania?

Estimulam o convívio social, o respeito, a tolerância e a


liberdade?

Permitem a abordagem da diversidade das experiências


humanas com respeito e interesse?

Evitam privilegiar membros de uma camada social ou os


habitantes de uma região do país ou do mundo?

Síntese do item:

As ilustrações, representações cartográficas e os Não Sim


gráficos, tabelas e quadros R B O

As ilustrações (fotos, imagens, desenhos, blocos


diagramas, croquis):

• Estão adequadas às finalidades para as quais foram


elaboradas?

• São exploradas para auxiliar na leitura e compreensão


dos textos?

• São claras e precisas?

• Levam o aluno a problematizar os conteúdos?

As representações cartográficas (mapas, cartas,


cartogramas, plantas):

• Estão adequados às finalidades para as quais foram


elaboradas?

• São exploradas para auxiliar na leitura e compreensão


dos textos?

178
Não Sim
R B O

• São claras e precisas?

• Levam o aluno a problematizar os conteúdos?

• Contêm legendas adequadas?

• Contêm escala?

• Contêm orientação?

• Respeitam as convenções cartográficas básicas?

Os gráficos, tabelas e quadros:

• Estão adequados às finalidades para as quais foram


elaborados?

• São explorados para auxiliar na leitura e compreensão


dos textos?

• São claros e precisos?

• Levam o aluno a problematizar conteúdos?

Síntese do item:

São indicados, corretamente, no LD, na coleção ou Não Sim


no LDR (com referência aos textos, imagens,
documentos, dados, representações cartográficas
R B O
etc.) as:

Fontes?

Datas?

Síntese do item:

179
Estrutura editorial Não Sim

O papel utilizado permite boa legibilidade?

Há estrutura hierarquizada (títulos e subtítulos etc.)?

A impressão está isenta de erros graves?

O sumário permite a rápida localização do conteúdo?

Síntese do item:

A formatação: Não Sim

R B O

Os textos e as ilustrações estão distribuídos na página


de forma equilibrada e adequada?

Proporciona boa legibilidade do texto?

Proporciona boa visualização das ilustrações?

Oferece recursos de descanso visual quando os textos


são longos?

Síntese do item:

O manual do professor (orientação ao professor) Não Sim

R B O

Contém orientações que explicitem os pressupostos


teórico-metodológicos?

Explicita os objetivos das atividades?

Utiliza linguagem clara?

180
Não Sim

R B O

Oferece:

• Orientações para o desenvolvimento dos conteúdos,


atividades e exercícios?

• Orientação visando à articulação dos conteúdos


do(s) livro(s) entre si?

• Orientação visando à articulação dos conteúdos


do(s) livro(s) com outras áreas de conhecimento?

• Bibliografia diversificada e sugestões de outros


recursos que contribuam para a formação e
atualização do professor?

• Proposta e discussão sobre avaliação da


aprendizagem?

• Sugestões de atividades e de leituras para os


alunos?

• O conteúdo integral do livro dos alunos?

Síntese do item:

JUSTIFICATIVA DA MENÇÃO

181
CARACTERIZAÇÃO DO LIVRO DE DESTINAÇÃO REGIONAL

Ausente Ruim Bom Ótimo

Preocupações com:

Relações topológicas

Relações projetivas

Aspectos ambientais

Aspectos sociais

Aspectos econômicos

Aspectos políticos

Aspectos históricos

Aspectos culturais

Articulação Sociedade-Natureza

Espacialidade dos fenômenos

Temporalidade dos fenômenos

Representação cartográfica

Interdisciplinaridade

Muito Pouco Nada Inadequado


Inovador(a) Inovador(a) Inovador(a) (a)

Organização dos conteúdos

Metodologia ensino-aprendizagem

Desenvolvimento de atividades

Manual do professor

Projeto gráfico

182
CARACTERIZAÇÃO DOS VOLUMES DA COLEÇÃO

Ausente Regular Bom Ótimo

1ª 2ª 3ª 4ª 1ª 2ª 3ª 4ª 1ª 2ª 3ª 4ª 1ª 2ª 3ª 4ª

Preocupações com:

Relações topológicas

Relações projetivas

Aspectos ambientais

Aspectos sociais

Aspectos econômicos

Aspectos políticos

Aspectos históricos

Aspectos culturais

Articulação Sociedade-Natureza

Espacialidade dos fenômenos

Temporalidade dos fenômenos

Representação cartográfica

Interdisciplinaridade

183
184
Muito Inovador(a) Pouco Inovador(a) Nada Inovador(a) Inadequado(a)

1ª 2ª 3ª 4ª 1ª 2ª 3ª 4ª 1ª 2ª 3ª 4ª 1ª 2ª 3ª 4ª

Organização dos conteúdos

Metodologia ensino-aprendizagem

Desenvolvimento de atividades

Manual do professor

Projeto gráfico
Recomendada com Distinção
Por quê?
A coleção, de abordagem construtivista, destaca-se

pelo esforço de inovação, adequação e coerência nas

estratégias pedagógicas e nos conteúdos apresentados

para o conhecimento do espaço geográfico,

incorporando conquistas recentes na área de Geografia

Coleção Trança para o Ensino Fundamental de 1ª a 4ª séries.


Criança - A linguagem clara e de fácil compreensão está em
Geografia
conformidade com a opção metodológica, com os
Ana
Chico
objetivos e com as orientações propostos. Os conteúdos
Mira
Beto são desenvolvidos de forma articulada em cada livro e
Carola
entre os quatro volumes. A construção de conceitos

geográficos pelo aluno é incentivada de maneira gradual,

com referência no cotidiano a criança.


Editora FTD
O manual do professor, rico e inovador, constitui-se

em elemento importante para o trabalho em sala de aula.

A coleção ampliação e sistematização dos conteúdos


trabalhados, com incentivo à formação e
Cada volume organiza-se em unidades manifestação de opinião, a fim de detectar e
divididas em seqüência de subunidades. Estas esclarecer dúvidas; 3) Avaliação do que fizemos, GEOGRAFIA
são organizadas em seções de roteiros de em que são sugeridas atividades avaliativas a
atividades e vivências, agrupadas em torno de serem realizadas pelos alunos; 4) Você vai
objetivos específicos, com quatro diferentes gostar de ler, em que são indicadas leituras
situações de aprendizagem: 1) Bloco de complementares com citações bibliográficas,
atividades, em que se promovem vivências e várias ilustrações e uma grande variedade de
estudos dos conteúdos propostos, com atividades de vivência, com procedimentos de
estratégias para que o professor possa trabalhar pesquisa, de alfabetização cartográfica e de
estes conteúdos, sem esquecer dos resultados desenvolvimento de outras linguagens: poemas,
positivos que devem ser atingidos; 2) Um passo textos literários, notícias, imagens fotográficas.
a mais, com procedimentos para a retomada, Ao final, apresenta-se a Bibliografia citada.

185
Cada volume é acompanhado de um desenvolvimento dos conteúdos, bem como
manual do professor estruturado em cinco articulação deles entre si e entre os quatro
unidades nos três primeiros volumes e de volumes. O encaminhamento didático se dá
quatro unidades no último, além de conter pelo resgate das vivências dos alunos para a
textos complementares e indicação de leituras construção de noções espaciais, tomando-se
recomendadas ao professor. Constam os como referência o próprio corpo para,
objetivos gerais e quadro-síntese do conteúdo gradativamente, possibilitar o contato com
(conceitos e categorias, habilidades e escalas espaciais mais amplas. Da mesma
procedimentos, atitudes e objetos de estudo) forma gradual, trabalha-se a noção de tempo
para cada unidade. Cada bloco de atividades, para, depois, abordar as relações entre tempo
por sua vez, aparece com os objetivos e espaço, favorecendo, assim, a compreensão
específicos e procedimentos didáticos, textos da construção histórica do espaço, as relações
de apoio teórico ao professor e dados com sociais e dos grupos, além das regras e dos
sugestões e orientações relacionadas ao conflitos no convívio social.
desenvolvimento dos conteúdos e propostas A proposta pedagógica prevê que o aluno
de atividade de relaxamento com os alunos. apreenda gradualmente a noção de espaço
1ª série (102 p.): Unidade 1. Eu; Unidade geográfico. Para isso, indica-se na coleção que
2. Eu e os outros; Unidade 3. Eu e os lugares; o trabalho se dê por recortes da totalidade do
Unidade 4. Eu e as distâncias; Unidade 5. Eu, espaço (casa, escola, município) e que estes
os lugares e o tempo. sejam articulados entre si. Esse tratamento
2ª série (71 p.): Unidade 1. Nós e a permite que a criança assimile novos
natureza; Unidade 2. Grupo social e divisão esquemas cognitivos e habilidades
de tarefas; Unidade 3. Trabalho e sociedade; instrumentais, incluindo-se a linguagem
Unidade 4. Os lugares de convívio e de cartográfica.
trabalho; Unidade 5. Os lugares e a qualidade Os conceitos básicos do saber geográfico
de vida. são desenvolvidos de maneira gradativa,
3ª série (112 p.): Unidade 1. O homem e a tendo como referência o resgate do cotidiano
natureza; Unidade 2. Os ritmos da natureza e do aluno e de seu universo mais próximo.
a contagem do tempo; Unidade 3. A A construção do espaço natural é abordada,
representação dos lugares; Unidade 4. O na 1ª série, pela simples identificação do
espaço e a sociedade; Unidade 5. O lugar onde espaço físico onde o aluno vive, observando,
vivo. por exemplo, as estações do ano ou elementos
4ª série (120 p.): Unidade 1. Trabalho e o da paisagem. Na 2ª série, os conceitos vistos
espaço; Unidade 2. Trabalho e o tempo; anteriormente servem como base para que o
GEOGRAFIA

Unidade 3. O trabalho no espaço e no tempo; aluno valorize o espaço já percebido como


Unidade 4. As paisagens que o trabalho “fonte de recursos” nas relações natureza-
constrói. sociedade, e o papel do trabalho humano na
transformação desse espaço. Somente no livro
da 3ª série o ambiente natural vai ser
A análise concebido como espaço físico, pelo estudo das
grandes paisagens vegetais e climáticas.
A opção teórico-metodológica é expli- Dessa maneira, os diferentes aspectos do
citada de maneira clara e objetiva no manual ambiente são observados em sua maior ou
do professor. Constata-se coerência no menor potencialidade para a fixação dos seres

186
humanos e como fonte de recursos para o casa, na escola e nos grupos da vizinhança,
trabalho e sua sobrevivência. O tratamento das assim como a comunicação e o
transformações da paisagem é centrado na relacionamento na sala de aula, e se focaliza
interferência da ação humana nos ambientes o conhecimento sobre os direitos da criança
naturais, resultando nos espaços sociais. e da rotina familiar.
Nesse processo de elaboração espacial, são Os livros contêm grande variedade de
desenvolvidas várias competências cognitivas ilustrações que auxiliam os alunos na
básicas, como a observação, a identificação e compreensão dos textos. As ilustrações são
a comparação de semelhanças e diferenças, de grande valia na problematização dos
entre outras. conteúdos, sendo usadas também como
Incentiva-se o desenvolvimento de registro, na análise e na comunicação da
linguagens diferenciadas, como expressões informação geográfica.
corporal, oral, escrita, gráfica ou cartográfica, O trabalho de familiarização com a
e oferecem-se ainda leituras complementares linguagem cartográfica é feito da 1ª à 3ª série.
que são sugeridas no final de algumas lições, É dada a oportunidade de cada criança mapear
nas seções Você vai gostar de ler, sempre e compreender os códigos sociais de seu
vinculadas ao conteúdo tratado. espaço de vivência, construindo cada etapa
As atividades propostas, adequadas à desse processo. O princípio da complexidade
metodologia adotada, são bem articuladas crescente é obedecido, porque os gráficos e
entre si e permitem a problematização dos tabelas só aparecem na 2ª série e os mapas,
conteúdos apresentados. Estimulam o na 3ª série. Alguns créditos das fotos estão
desenvolvimento de habilidades diversi- incompletos, assim como falta a identificação
ficadas, como observação, comparação, de fontes em alguns mapas. Esses aspectos,
descrição, interpretação, investigação, entretanto, não comprometem a interação do
localização, identificação e orientação. professor com seus alunos no processo de
Propõem-se várias formas de produção e ensino-aprendizagem.
formatos de texto, como descrições, resumos, A coleção tem edição cuidadosa. Na
comentários, listagens e questionários, que estruturação de unidades e blocos de
vão se tornando, gradativamente, mais atividades, a hierarquia de títulos é estabelecida
aprofundados. Inicialmente, eles aparecem por aspectos gráficos e marcada por cores
como simples identificação e registro de diferentes que dividem as unidades ou que
objetos observados, para depois expressarem aparecem como preenchimento de fundo para
encadeamentos mais complexos do os títulos de cada bloco. Os textos têm tamanho
raciocínio. adequado ao desenvolvimento cognitivo do GEOGRAFIA
Os conteúdos e atividades incentivam aluno, tornando-se mais longos apenas no
hábitos, atitudes e comportamentos voltados volume da 4ª série.
para a construção da cidadania. O No manual do professor, explicitam-se a
encaminhamento dado a essa questão permite proposta teórico-metodológica e os objetivos
identificar diferentes formas de participação gerais de cada unidade e de cada bloco de
das pessoas nos processos sociais, além de atividades, com orientações detalhadas e
ressaltar a importância da liberdade, da esclarecimentos para o desenvolvimento dos
tolerância e do respeito à pluralidade cultural conteúdos. Apresentam-se várias sugestões
para o convívio social. Incentivam-se o de atividades, leituras complementares e
convívio social e as regras de convivência em formas de avaliação. Além disso, o manual

187
contém uma bibliografia ampla e e sobre o ensino de Geografia, organizada
diversificada sobre o ensino-aprendizagem por assunto.

Em sala de aula
Esta coleção possibilita o desenvolvimento de um trabalho pedagógico de
qualidade. Proporciona ao aluno um bom entendimento do espaço geográfico,
estimula a construção da cidadania, a apreensão da linguagem cartográfica e das
habilidades instrumentais correlatas, propiciando a progressão na complexidade
de seu raciocínio. Ela poderá ser utilizada em várias situações de ensino das
diferentes localidades brasileiras, pela simplicidade do ambiente e dos materiais
exigidos.
O manual do professor é um instrumento imprescindível ao trabalho do docente
e à sua formação continuada, porque incorpora conquistas recentes na área de
Geografia.
GEOGRAFIA

188
Recomendada com Distinção
Por quê?
A coleção segue uma metodologia de trabalho

inovadora e coerente com a proposta de ensino de

Geografia: contempla o desenvolvimento de atitudes que

valorizam a formação de noções espaciais pelo aluno a

partir de seu cotidiano e de seu universo próximo,

Coleção visando à construção do conhecimento. O


Curumim - encaminhamento adotado incentiva o desenvolvimento
Geografia de competências e habilidades. As noções e conceitos
Ernesta Zamboni
Sonia Maria V. Castellar geográficos são adequadamente trabalhados e

permitem que o educando compreenda a apropriação,

a organização e a produção do espaço pela ação

humana em suas múltiplas relações.

Outros aspectos enriquecedores são a valorização dos


Editora Saraiva
temas transversais na articulação com outras disciplinas

e os estímulos à construção da cidadania.

A coleção figuras, fotos e mapas relacionados aos


conteúdos trabalhados.
Os livros organizam-se em unidades e O manual do professor, com 32 páginas, é
estas em capítulos. Cada capítulo apresenta dividido em duas partes. Na introdução GEOGRAFIA
textos temáticos alternados por atividades apontam-se as linhas gerais, direcionamentos
diversas. Alguns deles são introduzidos e objetivos da obra. Apresenta-se ainda a
com ilustrações articuladas aos temas coleção como um todo, com indicação dos
propostos e outros, com pequenos textos conceitos e conteúdos a serem trabalhados e
que suscitam atividades diversificadas. Em da organização metodológica dos volumes.
cada capítulo, na seção Mais um passo, Em seguida, há orientações sobre diferentes
sugerem-se outras atividades que, em geral, procedimentos utilizados: leitura de imagens,
complementam ou reforçam as noções leitura de tabelas e gráficos, resolução de
trabalhadas. No conjunto, as atividades e problemas, estudo do meio, pesquisa e debate
textos encontram-se bem ilustrados, com e sugestões para a construção de maquetes e

189
para a realização de entrevistas. Registra-se São estimulados vários processos
também a preocupação com a avaliação. Na cognitivos básicos, com destaque para a
segunda parte, descreve-se o conteúdo compreensão, análise e reflexão. As crianças
programático de cada série, por unidade e são estimuladas a participar de atividades que
capítulo. No final, há sugestões de leitura para favorecem o desenvolvimento do raciocínio
o aluno e uma bibliografia para o professor, e do senso crítico.
com títulos referentes à Geografia e ao Em todos os volumes abordam-se as
processo de ensino-aprendizagem. relações espaço-temporais ao se analisar o
1ª série (96 p.): Unidade 1. Construindo a espaço de forma contextual, histórica e em
nossa identidade; Unidade 2. Os lugares em permanente processo de transformação.
que vivemos. Ressaltam-se a apropriação e a organização do
2ª série (96 p.): Unidade 1. Descobrindo espaço ao longo do tempo e destacam-se as
os lugares; Unidade 2. As transformações nas permanências e as mudanças. Propicia-se que
paisagens. o aluno parta de seu espaço circundante nas
3ª série (112 p.): Unidade 1. Lendo primeiras séries e aprofunde seu conhecimento
documentos em geografia; Unidade 2. A nos volumes das duas séries finais.
transformação dos lugares e o trabalho. As relações espaço-tempo são trabalhadas
4ª série (144 p.): Unidade 1. Usos da terra; numa perspectiva dinâmica, considerando-se
Unidade 2. Trabalho e urbanização; Unidade sua influência sobre o ambiente. Nos volumes
3. Cartografia e utilização dos recursos da 1ª e da 2ª séries, a Geografia física está
naturais. pouco presente, uma vez que o enfoque das
séries iniciais é centrado nas relações sociais,
sendo trabalhada com mais intensidade na 3ª
A análise e 4ª séries.
Algumas temáticas proporcionam
A proposta teórico-metodológica é articulação com disciplinas, como História,
apresentada de forma clara e coerente. A Língua Portuguesa e Ciências, e outras
opção pela abordagem temática permite a propiciam trabalhar com temas transversais
melhor apreensão da totalidade social, como Ética, Cidadania, Ambiente e Saúde.
possibilitando explorar, em cada assunto, as A proposta de uma abordagem crítica e de
contradições, semelhanças e diferenças, discussões sobre os problemas sociais e
favorecendo a formação do pensamento ambientais incentiva a participação dos
crítico e analítico. alunos, permitindo que eles se sintam
A metodologia da Geografia adotada membros ativos da sociedade e, ao mesmo
GEOGRAFIA

propõe que se trabalhe a formação de noções tempo, agentes das transformações sociais.
espaciais a partir do cotidiano do aluno. Nos Nesse aspecto, as diferentes situações-
volumes das séries iniciais, é priorizada a problema, como as formas de apropriação da
construção dos conceitos de espaço, tempo, água, são tratadas como uma questão de
lugar, cultura, natureza, território e trabalho. dimensão política e social, que diz respeito
Esses conceitos são desenvolvidos seguindo não só às populações diretamente envolvidas,
o princípio da complexidade crescente, ou ajudando, assim, a desenvolver o senso de
seja, as noções apresentadas nas séries iniciais compromisso social com relação ao problema.
são retomadas de forma mais complexa e A preocupação com a construção da
elaborada nas séries finais. cidadania é constante, na medida em que o

190
aluno é motivado a participar e a se posicionar de ensino. A produção de textos, da linguagem
criticamente ante a realidade em que vive, gráfica e cartográfica e, em alguns momentos,
envolvendo-se em campanhas, elaborando os debates e as discussões também são
cartazes, slogans, e desenvolvendo atividades enfatizados. Os exercícios buscam
coletivas para a resolução de problemas desenvolver as operações mentais (mapas
sociais e ambientais. mentais) de organização espacial, localização
A alfabetização em linguagem cartográfica e também da representação gráfica,
é estimulada, propiciando a aquisição de explorando o trabalho com maquetes.
noções de localização geográfica dos As ilustrações, em sua maioria articuladas
fenômenos, de forma gradativa. Também se aos temas, são criativas e adequadas,
possibilita o desenvolvimento de habilidades contribuindo para a realização dos objetivos
que colaboram para a construção do propostos. As representações cartográficas
conhecimento geográfico, a partir da são bem elaboradas e exploradas, favorecendo
elaboração de trajetos, plantas, mapas a compreensão e o entendimento dos
mentais, croquis, gráficos e, principalmente, conteúdos.
da leitura e interpretação de mapas. A estrutura editorial é de boa qualidade, o
São trabalhadas as noções de espaço, lugar, que facilita a leitura e o manuseio dos livros.
território, tempo, cultura, natureza, além Os títulos e subtítulos dos capítulos são
daquelas relacionadas à cartografia, tais como apresentados em uma estrutura hierarquizada,
escala, proporção, legenda, direção, que proporciona a rápida localização dos
orientação, entre outras. Os conceitos conteúdos e das atividades.
geográficos são explorados de forma lúdica e O manual do professor, em linguagem
simplificada nas primeiras séries, sendo clara, constitui-se em um suporte fundamental
retomados e acrescidos de novos conceitos de orientação e atualização do professor,
na 3ª e 4ª séries, porém com um nível maior com comentários e sugestões complementares
de complexidade, o que permite a bastante enriquecedores. Os objetivos
compreensão e a interação do aluno com eles, gerais da Geografia no Ensino Fundamental,
bem como sua aplicação. São estimuladas da alfabetização cartográfica, bem como
habilidades como observação, descrição, dos conteúdos de cada unidade, estão
comparação, organização de dados e claramente explicitados, demonstrando a
informações, investigações e pesquisas. forma criteriosa e coerente como a coleção
Também são trabalhadas a análise e a está organizada.
interpretação de poesias e letras de música, Destacam-se, como um dos pontos
além de propostas de resolução de situações- positivos do manual, as orientações gerais GEOGRAFIA
problema que reforçam tais habilidades. para o desenvolvimento dos conteúdos das
As atividades são articuladas ao espaço de unidades, que são formuladas por capítulo,
vivência e à experiência dos alunos. explicitando-se o objetivo geral, as principais
Aprofundam e enriquecem as temáticas noções e habilidades trabalhadas, comentários
propostas, possibilitando problematizações, a respeito do conteúdo, estratégias de trabalho
discussões e reflexões individuais e/ou para o professor e sugestões de atividades para
coletivas, que favorecem a construção de os alunos. O manual também apresenta uma
novos conhecimentos pelo aluno ou pela reflexão sobre avaliação da aprendizagem,
classe e propiciam o desenvolvimento de com indicações dos caminhos para esse
habilidades cognitivas básicas para esse nível processo.

191
Em sala de aula
Propicia-se, na coleção, uma efetiva interação do aluno com o conhecimento
geográfico e valoriza-se sua experiência cotidiana em todos os momentos do
processo ensino-aprendizagem, o que possibilita ao professor o desenvolvimento
de um bom trabalho pedagógico.
A proposta de atividades bem orientadas, como leitura de imagens, tabelas e
gráficos, resolução de problemas, estudos do meio, execução de pesquisas,
debates, entrevistas e construção de maquetes, contribui para a construção do
conhecimento de maneira dinâmica e significativa, o que favorece o
desenvolvimento de um trabalho de boa qualidade em sala de aula.
Além do mais, indica-se ao professor uma bibliografia atualizada, rica e
diversificada, referente tanto à ciência geográfica como ao processo ensino-
aprendizagem, o que subsidia a ação do docente em sala de aula e contribui para
a sua formação continuada.
O professor contará, assim, com um material facilmente adaptável aos mais
diversos perfis e que não requer condições ou equipamentos especiais para a
execução das atividades propostas.
GEOGRAFIA

192
Recomendada
Por quê?
O desenvolvimento dos conteúdos se dá de forma
progressiva, de acordo com o conhecimento prévio, com
a capacidade cognitiva e com a experiência cotidiana

dos alunos. Busca-se desenvolver o espírito crítico a


partir da realidade próxima dos alunos, com ampliação
da análise para aspectos mais complexos. As propostas
Coleção teórico-metodológicas e as dimensões conceituais da
Primeiras Trilhas Geografia são articuladas e se cumprem ao longo da
- Geografia obra. O texto e as atividades são apresentados com
Cláudia Tenório Cavalcanti
graus crescentes de dificuldade e incentivam o
José Eustáquio de Sene
João Carlos Moreira desenvolvimento de diversas habilidades, como
expressão oral, produção de diversos tipos de texto,

alfabetização cartográfica e respeito ao próximo.


Os conceitos de espaço geográfico, paisagem, lugar e
território são abordados de maneira original, criativa e
Editora Scipione
desafiadora, de forma a valorizar a problematização
constante dos conteúdos trabalhados.

A coleção Quebra-cuca, com exercícios desafiadores, e,


ao final de cada unidade, há seções com
Os volumes são estruturados em unidades orientações para auto-avaliação do
e, em todos, distinguem-se dois grandes aprendizado e sugestões de leitura GEOGRAFIA
blocos de atividades. O primeiro, constituído complementar.
por atividades individuais, aborda a percepção O manual do professor está organizado em
de cada aluno e promove o levantamento de duas partes. A primeira apresenta o conteúdo
seus conhecimentos prévios. O segundo integral do livro do aluno, e somente no
contempla atividades organizadas para duplas, volume da 1ª série encontram-se as respostas
grupos ou toda a classe, nas quais os alunos a algumas atividades. A segunda possui dois
têm a oportunidade de ampliar as experiências segmentos: um geral, comum aos quatro
individuais adquiridas nas atividades volumes, no qual se apresenta a proposta
anteriores. teórico-metodológica da coleção, e um
Ao longo dos capítulos encontra-se a seção específico a cada volume, no qual se

193
encontram as propostas de trabalho e os A interdisciplinaridade é proposta desde a
comentários e orientações sobre as atividades. 1ª série, com referências às áreas de
1ª série (128 p.): Unidade 1. Minha classe: Matemática, História, Ciências e Arte.
eu, os colegas e a professora; Unidade 2. A abordagem dos conteúdos permite que
Minha escola: alunos, professores e o aluno perceba a produção temporal do
funcionários; Unidade 3. Minha casa: eu e a espaço geográfico, em suas dinâmicas e
família. processos constituintes. O espaço físico é
2ª série (103 p.): Unidade 1. O lugar onde pouco enfocado nos dois primeiros volumes,
estudo; Unidade 2. O lugar onde moro; nos quais a maior preocupação volta-se para
Unidade 3. As relações entre as pessoas do as relações humanas e para as noções básicas
lugar. da linguagem cartográfica. Há, porém, a
3ª série (103 p.): Unidade 1. Lugares e possibilidade de se trabalhar a natureza a
modos de vida na cidade e no campo; Unidade partir das ilustrações, que mostram as
2. Os lugares e a nossa relação com o meio diferentes paisagens.
ambiente; Unidade 3. Noções de orientação e Nos livros de 3ª e 4ª série, os elementos
vida de crianças. naturais são estudados com mais detalhes,
4ª série (104 p.): Unidade 1. Os problemas tanto em âmbito local, como em escalas mais
socioambientais; Unidade 2. A circulação de amplas. Os estudantes são levados a observar,
pessoas, produtos e informações; Unidade 3. analisar, comparar e relacionar variáveis em
A natureza e as agressões ambientais. mapas de clima, vegetação, relevo e
hidrografia. No volume de 4ª série, nota-se
uma imprecisão na atividade em que se busca
A análise relacionar clima e vegetação no Brasil, pois
confunde-se a vegetação de cerrado com a
Os pressupostos teórico-metodológicos forma de relevo conhecida como chapada,
explicitados consideram que a aprendizagem muito freqüente na região Centro-Oeste. Os
é fruto da construção pessoal e ativa do conteúdos exploram as relações entre os
conhecimento, na qual os alunos detêm o papel elementos do meio natural e entre a sociedade
de sujeitos. Tais pressupostos se efetivam em e a natureza a partir dos problemas ambientais.
uma linguagem acessível, na presença de Dessa forma, há ênfase na ação humana que
diálogos contínuos que propõem atividades e resulta na transformação da paisagem. O
solicitam relações, observações e comparações. capítulo sobre a cidade de Cubatão, no livro
Nessa concepção de aprendizagem, da 4ª série, por exemplo, é uma síntese
estimulam-se diferentes habilidades e geográfica do processo de degradação
GEOGRAFIA

competências, como observação, comparação, ambiental e dos esforços de superação pela


análise e crítica, juntamente com a elaboração ação conjunta do governo, das indústrias e da
progressiva de conceitos básicos da população.
Geografia. O aluno é levado a registrar, A abordagem dos conteúdos e das
organizar e sistematizar o resultado das atividades também contempla os processos
observações e pesquisas, assim como a formar socioespaciais, partindo-se do espaço de
opiniões e respeitar as idéias alheias. Com vivência da criança para processos mais
esse procedimento, amplia-se a capacidade de amplos, numa perspectiva espaço-temporal.
expressão em linguagem oral, escrita, gráfica Destacam-se as diferenças entre grupos
e cartográfica. familiares e profissionais, entre elementos

194
histórico-sociais da paisagem e entre as solicitando-lhes reflexão e troca de idéias com
diferentes classes sociais. São discutidos os colegas, por meio de atividades em duplas
problemas sociais, como o trabalho infantil, ou em grupo.
crianças de rua e orfanatos. A construção da cidadania é vivenciada por
Entretanto, as desigualdades socio- intermédio de situações na sala de aula, com
espaciais decorrentes da ação humana e de os familiares, com os funcionários da escola
suas dinâmicas não são destacadas. Ao tratar e com o professor. O convívio social, a
de temas referentes ao ambiente, há tolerância, a liberdade, o conhecimento de
preocupação em explicitar o papel da normas básicas de sociabilidade, a
sociedade na preservação e recuperação da preservação do ambiente, além de regras de
natureza, mas não se enfatizam as relações convivência e colaboração e atitudes de
desiguais estabelecidas entre os homens, que respeito ao próximo, são trabalhados ao longo
acabam agravando os problemas sociais e dos quatro volumes. O Estatuto da Criança e
ambientais. Nesse sentido, há uma certa do Adolescente é ressaltado, com atividades
naturalização das relações sociais. que permitem a reflexão e a comparação entre
São apresentados conteúdos crescentemente diferentes situações vividas pelas crianças.
mais complexos e, em sua abordagem, A maioria das ilustrações e representações
considera-se o aluno em suas diferentes relações cartográficas é de boa qualidade, sendo
socioespaciais, articulando a escala local com explorada de maneira a auxiliar na leitura e
espaços mais amplos, como também mostrando na compreensão dos conteúdos. Algumas,
as diferenças entre elas por meio de observações, entretanto, são escuras, pouco nítidas ou
comparações e problematizações. incompletas, não permitindo a observação dos
Assim, por exemplo, as atividades voltadas detalhes solicitados.
para o desenvolvimento de habilidades de A estrutura editorial é de boa qualidade e
representação iniciam-se, no volume adequada ao trabalho didático. Os textos e as
destinado à 1ª série, com a representação do ilustrações estão distribuídos na página de
próprio aluno e dos colegas; segue-se a forma equilibrada, embora se observe que, no
representação da sala de aula e de objetos nela volume da 1ª série, os espaços reservados para
presentes, da escola e da moradia. No volume os desenhos e textos dos alunos sejam muito
da 2ª série, retorna-se ao corpo do aluno e à pequenos para desenvolver a atividade. A
sala de aula para iniciar o aprendizado de diagramação proporciona boa legibilidade do
escalas e plantas. No volume da 3ª série, a texto e boa visualização das ilustrações.
representação é retomada no trabalho com Pequenos erros de impressão devem merecer
gráficos e, na 4ª série, o estudante é levado a atenção, principalmente na 1ª série, quando GEOGRAFIA
ler mapas, nos quais são espacializados os os alunos estão sendo alfabetizados.
temas tratados. Discute-se a proposta de avaliação,
As atividades propostas são desafiadoras, enfatizando-se a importância da auto-
adequadas, criativas, instigam a avaliação dos educandos como instrumento
problematização e envolvem o aluno. Por para envolvê-los com a própria aprendizagem
meio de diálogos, indagam sobre seus e como um momento de ouvir suas
conhecimentos prévios, suas observações, preferências e dificuldades.
sobre o que percebe como problema diante O manual do professor é um ótimo apoio
do que observa, o que sente ao observar. Há para o trabalho em sala de aula, com orientação
estímulo à participação dos alunos, para o desenvolvimento dos conteúdos e

195
atividades, além de proporcionar ao educador nessas sugestões é que a etapa de motivação
oportunidades de ampliar seus conhecimento consta da apresentação dos temas e da
teóricos nas áreas de Geografia e de ensino- discussão das formas de estudo desenvolvidas
aprendizagem. Original e instigante, o manual com os alunos.
orienta sem atuar como condutor do processo A bibliografia de apoio ao professor é
de ensino-aprendizagem, permitindo ao diversificada e comentada. Em alguns
professor exercer sua criatividade e adaptar a momentos, reproduzem-se trechos das obras
coleção ao projeto pedagógico da escola. recomendadas e são apresentadas leituras
Há sugestões para o desenvolvimento dos complementares interessantes. Há orientação
temas, desde a preparação do material até o visando à articulação dos conteúdos dos livros
desenvolvimento das atividades. Importante entre si e com outras áreas de conhecimento.

Em sala de aula
A coleção se constitui num bom material para o trabalho na área de Geografia,
tanto pela coerência entre a proposta metodológica e o desenvolvimento dos
conteúdos, como pela originalidade no tratamento dos conceitos e noções básicos.
A utilização de uma linguagem clara e acessível, associada à valorização da
experiência cotidiana dos alunos, estimula a realização de análises críticas da
realidade. A articulação das temáticas ao longo dos quatro volumes e a preocupação
com o caráter dinâmico e progressivo do processo ensino-aprendizagem também
favorecem a utilização do material pelos professores e alunos.
Por fim, como os aspectos físicos são abordados de maneira superficial,
especialmente nos volumes das duas séries iniciais, requerem atenção do professor,
especialmente daquele que pretende aprofundar o desenvolvimento de tais
conteúdos com seus alunos.
GEOGRAFIA

196
Recomendada
Por quê?
A coleção é inovadora na abordagem da localização

dos fenômenos e da alfabetização cartográfica, em

especial nos volumes da 1ª e 2ª séries. É incentivado o

uso das linguagens escrita, gráfica e cartográfica. A

construção e o exercício da cidadania são privilegiados


Coleção
a partir da investigação do espaço de vivência do aluno
Geografia
Neuza Sanchez Guelli e da participação nos assuntos da comunidade. Esses
Miriam Orensztejn
aspectos contribuem para um trabalho pedagógico de

qualidade, com construção de conhecimentos pelo

aluno, intermediada pela ação do docente.

Será preciso, no entanto, complementar as orientações

Editora Moderna para algumas atividades e compatibilizar as informações

entre os vários volumes, de acordo com o princípio da

complexidade crescente.

A coleção síntese do que foi estudado ao longo do ano.


O manual do professor, com média de 50
Os conteúdos são apresentados por meio páginas, fornece as orientações básicas para
de textos curtos, imagens e atividades. As o trabalho pedagógico, permitindo a GEOGRAFIA
leituras complementares são baseadas em compreensão dos pressupostos que o
trechos de artigos de jornais, revistas e estruturam, bem como os princípios, objetivos
transcrições de outros livros didáticos. As e metodologia de ensino-aprendizagem
sugestões de leitura são indicadas ao longo adotados na coleção.
dos capítulos e ao final dos volumes, onde se 1ª série (112 p.): Unidade 1. Ser criança;
encontram, também, planisférios e mapas para Unidade 2. Como eu sou; Unidade 3. A escola;
diversas atividades. Não há glossário. Unidade 4. A moradia.
Todos os volumes possuem uma 2ª série (104 p.): Unidade 1. Espaço de
introdução, na qual se discute o estudo da viver: a escola; Unidade 2. Espaço de viver:
Geografia. No final de cada livro, faz-se a o bairro e suas características; Unidade 3.

197
Espaço de viver: o bairro e a qualidade de O desenvolvimento dos processos
vida; Unidade 4. Espaço de viver: as cognitivos básicos incentiva as habilidades de
diferentes paisagens. observar, identificar, comparar e analisar os
3ª série (119 p.): Unidade 1. Descobrindo espaços apresentados nos textos, mapas,
caminhos; Unidade 2. A ocupação do espaço: ilustrações e fotos. No livro da 1ª série, por
ontem e hoje; Unidade 3. O crescimento do exemplo, sugere-se ao aluno que observe o
espaço urbano; Unidade 4. O espaço rural e o planisfério e algumas fotos, com o objetivo
espaço urbano: a produção, o trabalho e a de refletir sobre as diferentes paisagens e
tecnologia. maneiras de viver das crianças em todo o
4ª série (120 p.): Unidade 1. Que mundo é mundo e de integrá-las ao próprio
esse?; Unidade 2. O Brasil e suas diferentes conhecimento.
paisagens; Unidade 3. Brasil, que país é esse? A coleção possibilita a construção de
Divisão regional e população; Unidade 4. As noções e conceitos geográficos básicos. As
grandes regiões brasileiras. atividades são organizadas para que os
educandos expressem suas hipóteses e
conhecimentos anteriores sobre os temas
A análise estudados. Procura-se a articulação dos
conceitos com as experiências e
Os pressupostos teórico-metodológicos conhecimentos dos alunos, a partir da
destacam os objetivos do estudo da Geografia, observação de imagens e do desenvolvimento
que consistem em analisar a produção, a das atividades, de forma progressivamente
organização e a apropriação do espaço pela mais abstrata e adequada ao nível de
sociedade, ao mesmo tempo em que se mostra desenvolvimento cognitivo dos alunos.
como o espaço interfere nas relações sociais. Contudo, o professor deverá comple-
Dessa forma, os conteúdos devem permitir o mentar alguns conceitos, como os de
desenvolvimento da autonomia do aluno na latifúndio e minifúndio – definidos apenas
compreensão da realidade e da participação como “grande propriedade rural” e “pequena
humana na construção e transformação do propriedade rural” –, apresentando os
espaço geográfico, bem como na produção de parâmetros sociais e econômicos que os
bens culturais e sociais. Para tanto, os distinguem. Outros conceitos também
conteúdos são agrupados em três categorias: precisam ser compatibilizados nos diversos
conceituais, procedimentais e atitudinais. volumes em que se apresentam.
O tratamento dos conteúdos e das A abordagem das relações espaço-
atividades, na 1ª e 2ª séries, parte da temporais permite ao aluno compreender a
GEOGRAFIA

comparação de crianças de vários países, dos construção histórica do espaço geográfico por
direitos e deveres infantis, e da apreensão do meio dos textos, das ilustrações e das
próprio corpo. A realidade vivenciada em representações cartográficas. No livro da 1ª
casa, na escola, no bairro, no município série, por exemplo, texto e imagem são
encontra-se sempre presente, mesmo quando alternados para que as crianças possam
se avança para temas mais gerais nas últimas interpretar as mudanças ocorridas na Avenida
séries, tais como as diferenças entre os Paulista a partir de suas hipóteses. No livro
espaços urbanos e rurais, o crescimento da 2ª série, as habilidades de localização,
demográfico, os grupos étnicos e as diferentes deslocamento e lateralidade são trabalhadas
paisagens brasileiras. a partir de diferentes imagens que permitem

198
a identificação e a localização das habitações opiniões e necessidades. Alguns textos
urbanas. retratam questões sociais e ambientais, como
O estudo das dinâmicas e dos processos o problema das crianças de rua, da devastação
constituintes do espaço físico é associado ao da Mata Atlântica ou da falta de habitações
estudo das paisagens e das relações sociedade- populares.
natureza. Nos livros de 1ª a 3ª série, são Hábitos, atitudes e comportamentos
enfocados aspectos mais gerais referentes às também são estimulados, abordando-se os
diferenças nas paisagens. Distinguem-se, por direitos das crianças e orientações de trânsito
exemplo, as construções humanas, os para os pedestres. Incentiva-se a mudança de
fenômenos físicos e as paisagens rurais e valores com vistas a evitar problemas
urbanas. Há preocupação com os recursos ambientais e o desperdício dos recursos
naturais e com seu aproveitamento, em naturais. A reciclagem de resíduos sólidos é
especial com o consumo de água e de energia estimulada e sugerem-se algumas maneiras
elétrica, assim como com o processo de para reduzir o consumo excessivo de água.
reciclagem do lixo. No volume da 4ª série, As atividades propostas, como leituras,
são estudados o relevo, as bacias elaboração de desenhos, entrevistas,
hidrográficas, o tempo atmosférico, o clima organização de murais e pesquisas, propiciam
e a vegetação, associados às formações e o desenvolvimento de várias habilidades.
transformações das paisagens. Contribuem, por exemplo, para a ampliação
O professor também deve estar atento para de diferentes formas de linguagem, ao
completar informações, como a de que os estimularem a elaboração de textos.
cartógrafos definiram as linhas imaginárias Entretanto, algumas atividades não estão
dos paralelos e meridianos pela observação acompanhadas de orientações completas que
dos movimentos de rotação e de translação permitam a professores e alunos realizá-las
da Terra e pela associação com o movimento adequadamente. É o caso da proposta de
aparente do Sol. No mesmo volume, informa- construção de maquete com as principais
se que a maior parte do nosso planeta é formas de relevo, uma vez que as orientações
formada por água, quando, na realidade, a estão baseadas apenas nas altitudes.
maior parte da Terra é recoberta por água. As representações cartográficas, gráficos,
As dinâmicas e os processos socio- tabelas e quadros são muito utilizados na
espaciais são tratados adequadamente. Nessa coleção, tanto na alfabetização cartográfica
perspectiva, procura-se enfatizar no livro da como na codificação de dados e informações,
1ª série, por exemplo, que crianças de diversos com incentivo para a interpretação do aluno.
países e do Brasil apreendem o espaço vivido Também estão bem integrados aos textos, GEOGRAFIA
de maneira diferenciada. Para isso são favorecendo a compreensão dos conteúdos.
utilizadas brincadeiras, trajetos da casa à No entanto, títulos, legendas, escalas e datas,
escola, e é introduzida a diferenciação entre muitas vezes, estão ausentes em
os elementos naturais e construídos da representações cartográficas, ilustrações e
paisagem. gráficos.
A construção da cidadania é estimulada e A estrutura editorial permite boa
valorizada. O convívio social, o respeito, a legibilidade da coleção, em razão da variação
tolerância e a liberdade são incentivados a de cores com que se destacam tópicos
partir de trabalhos em grupos, de pesquisas e importantes e da estrutura hierarquizada com
conversas com adultos para conhecer suas títulos e subtítulos. É interessante ressaltar as

199
diferenças na organização e estrutura entre os sobre o saber e o fazer; conteúdos atitudinais,
volumes. Nos dois primeiros, fartamente em que se observam as opiniões, as
ilustrados, os textos são mais curtos e a leitura manifestações e as responsabilidades discentes
é agradável e fluente, especialmente no da 1ª dentro e fora da aula, no recreio e em visitas,
série. Nos dois últimos, em especial no passeios e excursões. São apresentadas
volume da 4ª série, há uma sensível ampliação sugestões de fichas para o registro de avaliação
na densidade de informações, com diminuição e de auto-avaliação do aluno.
das ilustrações e aumento dos textos. No manual do professor explicitam-se os
A avaliação da aprendizagem, segundo o objetivos e orientações para o desenvolvimento
manual, deve ser realizada considerando-se que dos conteúdos e das atividades, bem como a
o processo de ensino-aprendizagem é contínuo articulação com outras disciplinas. Há a
e deve propiciar ao professor uma visão clara definição de conceitos geográficos, textos
e objetiva dos procedimentos em sala de aula. complementares, bibliografia diversificada e
Sugere-se a orientação do trabalho de avaliação atualizada, sugestões de leituras, de atividades
de acordo com os conteúdos conceituais, em adicionais e de sites de consulta para o
que se observa o uso dos conceitos nas diversas professor, além de orientações específicas para
situações de aprendizado; conteúdos cada capítulo e respostas às atividades
procedimentais, em que se observa o domínio propostas aos alunos.

Em sala de aula
A coleção proporciona um conjunto de conhecimentos geográficos e de
instrumentos didático-metodológicos para subsidiar a prática pedagógica em sala
de aula. O professor encontrará elementos para articular conteúdos e temas de 1ª
a 4ª série, para trabalhar a interdisciplinaridade e para construir conhecimentos
sobre as realidades locais com seus alunos, incluindo a alfabetização cartográfica
e a leitura das transformações nas paisagens.
As orientações oferecidas no manual do professor contribuem para a capacitação
docente, para a realização de um trabalho criativo e para uma avaliação bem
criteriosa. No entanto, será necessário que o professor supere algumas lacunas e
simplificações, complementando conteúdos e atividades.
GEOGRAFIA

200
Recomendada
Por quê?
Com abordagem construtivista e concepção crítica da
ciência geográfica, a coleção destaca-se pela
complexidade crescente com que são desenvolvidos os
conteúdos e atividades. O objetivo é a formação do
cidadão crítico, capaz de compreender e intervir na sua
realidade.
Parte-se do espaço vivido e amplia-se
progressivamente o conhecimento para o espaço
Coleção O percebido e concebido, de acordo com o estágio
Mundo em cognitivo e com a experiência concreta dos alunos.
Movimento Conceitos e noções fundamentais da Geografia –
espaço, sociedade, natureza, trabalho – são
Valéria Edith G. Collodel
Roberto Filizola apresentados de forma gradativa e interligada em cada
Márcia da Cruz volume e entre os volumes da coleção. Isso torna o
aprendizado mais integral e menos segmentado.
O professor terá condições de desenvolver
competências cognitivas e habilidades instrumentais,
favorecendo aos alunos a compreensão e a construção
do conhecimento geográfico e o desenvolvimento de
Editora Nova Didática
capacidades, como expressão escrita e oral,
alfabetização cartográfica, observação, orientação e
análise.

A coleção da coleção e explicita a proposta de ensino


da Geografia para o 1º e 2º ciclos do Ensino
Os volumes estão organizados em Fundamental. Também detalha o emba-
unidades, nas quais são trabalhados os samento teórico-metodológico e fornece o GEOGRAFIA
conteúdos relativos a determinado eixo encaminhamento metodológico das unidades,
norteador. Cada unidade contempla capítulos com orientações específicas para cada parte
com texto de apresentação do conteúdo a ser dos livros. Há, ainda, Glossário (somente no
trabalhado, seguido de uma seção denominada primeiro volume) e Bibliografia (em todos os
Conversando, na qual se propõem questões volumes), para consulta do professor.
para incentivar a reflexão dos alunos sobre o 1ª série (128 p.): Unidade 1. Quem somos
assunto em foco. Os exercícios são propostos e com quem convivemos; Unidade 2. Lugares
nas seções Atividades (no primeiro volume) de vivência; Unidade 3. Representando e
e Faça no caderno (nos demais volumes). localizando os lugares de vivência; Unidade
O manual do professor descreve a estrutura 4. As paisagens dos lugares onde vivemos

201
estão sempre mudando. diversas unidades, o que possibilita aos alunos
2ª série (96 p.): Unidade 1. O ambiente; uma visão mais integradora e menos
Unidade 2. O solo e a água nas paisagens dos segmentada. A coleção possibilita que os
lugares onde vivemos; Unidade 3. O ar nas processos cognitivos básicos sejam
paisagens dos lugares onde vivemos; Unidade incentivados de forma integrada e partilhada.
4. A representação, a localização e a A abordagem dos conteúdos permite ao
orientação no espaço em que vivemos. educando identificar-se como sujeito ativo,
3ª série (128 p.): Unidade: 1. A paisagem reconhecer sua identidade, situar-se no espaço
do município: a cidade; Unidade 2. A de vivência e, ao mesmo tempo, ampliar o
paisagem do município: o campo; Unidade conhecimento do espaço vivido para o espaço
3. A orientação e a localização; Unidade 4. A percebido e concebido.
representação do espaço. As situações de aprendizagem estimulam
4ª série (128 p.): Unidade 1. Localização o aluno a compreender o processo de produção
espacial; Unidade 2. A construção do mapa; do espaço geográfico, no que concerne tanto
Unidade 3. A sociedade brasileira; Unidade às ações humanas que se sucedem no tempo e
4. A paisagem e os ambientes brasileiros. resultam em transformações no ambiente,
quanto às permanências na cultura e às marcas
nas paisagens.
A análise O professor também poderá incentivar a
observação e a percepção sistematizada das
Existe coerência entre os pressupostos ações e transformações dos elementos
teórico-metodológicos expostos no manual do naturais e culturais no ambiente vivido. Por
professor e as estratégias desenvolvidas nos meio de uma abordagem integrada da
conteúdos e atividades dos livros, tanto do realidade, o aluno é levado a compreender a
ponto de vista pedagógico, como em relação dinâmica da natureza, a partir da
ao ensino da ciência geográfica. interdependência de seus elementos e a partir
As práticas de ensino-aprendizagem de suas relações com a sociedade.
capacitam o aluno a pensar geograficamente As relações espaço-temporais são
o espaço construído pela sociedade e do qual desenvolvidas paulatinamente, possibilitando
ele participa. Dessa maneira, a criança passa que as crianças compreendam a construção
por um processo de compreensão e construção histórica do espaço geográfico. Na medida em
gradativa dos conceitos que permeiam as que as noções de espaço e tempo são
relações socioculturais e a dinâmica da apresentadas de forma não-dissociada, pode-
natureza. se perceber que existe uma forte interação
Categorias, conceitos e noções entre ambos.
fundamentais da Geografia são encaminhados A compreensão das dinâmicas e processos
com pertinência metodológica e há constituintes do espaço físico é realizada por
preocupação com a transdisciplinaridade e meio da identificação dos elementos naturais
com o desenvolvimento da linguagem da paisagem e da investigação dos processos
cartográfica. naturais que ocasionam mudanças na mesma,
O professor terá à sua disposição ao se ressaltar sua importância para a
conteúdos organizados de forma adequada, organização do espaço.
segundo os princípios da complexidade A compreensão das dinâmicas e processos
crescente e da inter-relação dos conteúdos das socioespaciais é tratada de forma integrada

202
nos diferentes volumes, com a identificação complementares e das sugestões de títulos
dos principais grupos e processos sociais, bibliográficos para enriquecimento do seu
econômicos, políticos e culturais na sua conhecimento.
interação com o espaço. As noções e os conceitos utilizados
A articulação das relações sociedade- propiciam inserção no ensino, desde as séries
natureza é uma marca da coleção. Leva-se o iniciais, dos recentes avanços da ciência
estudante a identificar as modificações que a geográfica. Os exemplos mais importantes
sociedade provoca no meio natural, com referem-se ao uso da expressão “ser humano”
enfoque, principalmente, nos problemas em lugar da denominação “homem” e de
ambientais. Dessa maneira, proporciona-se ao “ambiente” em lugar de “meio ambiente”.
aluno a oportunidade de se ver como agente A construção dos conceitos geográficos
transformador da natureza. obedece a uma abordagem integrada do
O professor, entretanto, deverá estar atento espaço. Desta maneira pretende-se propiciar
para superar algumas simplificações e a visão de uma realidade que não separe o ser
inadequações, como a dos ícones que apontam humano do espaço e que permita a construção
o Pantanal em outras regiões do Brasil. Além gradativa do conhecimento geográfico por
disso, no livro afirma-se que a primeira cidade meio da troca de experiências com os colegas,
brasileira surgiu na Baía de Todos os Santos mediada pelo professor.
e não no litoral paulista. O professor pode, ainda, incentivar o
Os conteúdos e atividades contribuem para desenvolvimento da linguagem do aluno, com
a construção da cidadania como um a ampliação de suas possibilidades de
instrumento básico da formação dos expressão escrita, gráfica e cartográfica. Esse
indivíduos e da sua vida em sociedade. São desenvolvimento é realizado de forma
incentivados hábitos, atitudes e abrangente e integrada, sempre que possível,
comportamentos voltados para o convívio às diferentes linguagens. Em cada unidade
social, para o respeito ao outro, para a percebe-se a proposição de exercícios
tolerância e para a liberdade. vinculados a essas diferentes formas de
O princípio da complexidade crescente é expressão.
base para o desenvolvimento dos conteúdos. As atividades promovem a articulação dos
Os assuntos são sempre trabalhados de forma diversos conteúdos e levam o aluno a
gradual, a partir de abordagens mais simples problematizar o conhecimento. Para isso, são
e concretas para as mais complexas e utilizadas situações-problema, estimulando na
abstratas. criança a capacidade de produzir diferentes
A articulação entre os níveis de formas de texto e propiciando-lhe o
conhecimento do senso comum e o desenvolvimento de habilidades
conhecimento sistematizado é revelada pela diversificadas.
presença de textos complementares e pelas Há equilíbrio entre a quantidade e a
orientações que acompanham as diversas extensão dos textos e das atividades em cada
atividades, auxiliando o aluno a realizar essa série. As várias atividades possibilitam que a
passagem. criança desenvolva a habilidade de
Na seção Conversando, revela-se a representar o espaço, construir legendas e
estratégia para reconhecimento do saber decodificar mapas.
prévio do aluno e posterior aprofundamento O processo de avaliação é valorizado no
de novos conhecimentos, por meio das leituras manual do professor por meio de argumentos

203
e orientações gerais sobre suas funções e O manual do professor, escrito em
formas de aplicação, com sugestões sobre o linguagem clara e com o conteúdo integral
que avaliar em cada unidade. do livro do aluno, apresenta orientações
A estrutura editorial é de boa qualidade e teórico-metodológicas em relação tanto à
adequada para um trabalho didático eficaz. A ciência geográfica, como à forma pedagógica
formatação apresenta distribuição equilibrada de construção sistematizada e gradativa dos
de textos e ilustrações nas páginas, conceitos geográficos. Contém orientações de
proporcionando uma boa visualização do encaminhamento metodológico para cada
conjunto e oferecendo recursos de descanso unidade e subunidade e propõe diferentes
visual quando os textos são longos. recursos que possibilitam ao aluno a
As ilustrações, representações apreensão do conteúdo.
cartográficas, gráficos e quadros estão São oferecidas orientações para
adequados às finalidades para as quais foram articulação geral dos conteúdos desenvolvidos
elaborados. Também apresentam, com em cada unidade, em cada volume, entre os
pequenas exceções, uma boa adaptação ao volumes, e com outras áreas do conhecimento.
estágio de desenvolvimento cognitivo das Também se oferecem sugestões de leitura
crianças. Por isso, auxiliam na leitura, na complementar aos alunos e um glossário.
compreensão dos textos e na problematização
dos conteúdos, com clareza e precisão.

Em sala de aula
A coleção mantém coerência entre a proposta metodológica e o desenvolvimento
dos conteúdos e atividades. Os procedimentos didáticos sugeridos são transpostos
de forma adequada e correta para o ambiente de sala de aula.
O professor pode beneficiar-se, especialmente, do que favorece o
desenvolvimento do raciocínio do aluno, da conscientização do espaço geográfico,
da construção da cidadania, bem como do que estimula a apropriação da linguagem
cartográfica e das habilidades instrumentais correlatas. A coleção revela-se de
fácil compreensão e utilização pelo professor, em função da metodologia de ensino-
aprendizagem (processo de compreensão e construção gradativa dos conceitos),
do desenvolvimento das atividades (estímulo à produção de diferentes formas de
textos) e do manual do professor (orientação bibliográfica para a formação
continuada).
O docente, no entanto, deve estar preparado para suprir lacunas e a falta de
fontes de informação mais atualizadas, como atlas, vídeos e sites da internet.

204
Recomendada
Por quê?
A proposta pedagógica, retratada em linguagem
simples e clara, tem como base o socioconstrutivismo,
que visa à construção do conhecimento a partir da
experiência do aluno no processo de interação com o
meio e propõe a elaboração de conceitos que preparem
as crianças para compreender a organização e a

Coleção Vitória- ocupação do espaço.

Régia - Ao longo da obra, os conteúdos tornam-se

Geografia gradualmente mais complexos. Para a construção e


Ieda M. C. Espírito Santo representação do espaço, parte-se sempre das noções
Áurea Joana Schwarz Darin
mais simples para as mais elaboradas, de maneira
gradual, no desenvolvimento dos conteúdos.
O estímulo à construção da cidadania recebe
tratamento privilegiado, na medida em que as questões

Editora IBEP sociais e os problemas enfrentados pela população são


enfocados ressaltando-se o fato de que a sociedade
vive num espaço e este é partilhado por outras pessoas
que possuem interesses diferentes.

A coleção imagens. No volume da 1ª série, há também


informações e material pedagógico de apoio.
Os volumes estruturam-se em unidades, O manual do professor divide-se em uma
subdivididas em seções. As unidades iniciam- parte comum a todos os volumes, em que se
se com fotografias, cujo objetivo é favorecer apresentam a proposta educacional e a
a reflexão do tema tratado, seguidas de estruturação da obra, e em outra específica,
desenhos e textos introdutórios. Na seqüência contendo orientações e sugestões de
há as seções Conversando, Registrando ou atividades ao trabalho docente para cada uma
Construindo, nas quais se permite investigar das quatro séries, bibliografia para a coleção
o conhecimento do aluno sobre o assunto e textos complementares, além da
abordado. apresentação integral dos livros dos alunos.
Além da Apresentação e do Sumário, os Os manuais de 2ª, 3ª e 4ª séries oferecem
quatro volumes incluem glossário, sugestões material de apoio, como um mapa do Brasil
de leitura e de vídeos e um índice geral de para recortar, dividido em duas partes.

205
1ª série (144 p.): Unidade 1. Quem é A compreensão do espaço vivido é
você?; Unidade 2. A vida em família; Unidade abordada nas séries iniciais até atingir graus
3. Moradia; Unidade 4. Escola; Unidade 5. maiores de abstração, por meio das relações
Rua, que lugar é esse? entre o local, o regional e o global. No livro
2ª série (144 p.): Unidade 1. O lugar onde da 1ª série, parte-se da análise da paisagem
você vive; Unidade 2. Paisagens; Unidade 3. local e se estabelecem relações com paisagens
Localização; Unidade 4. O município; de outras épocas para que os alunos percebam
Unidade 5. Governo e trabalho; Unidade 6. as transformações no modo de vida e na
Transporte e comunicação. construção do espaço geográfico. No volume
3ª série (128 p.): Unidade 1. Orientação; da 2ª série, os alunos são estimulados a
Unidade 2. Representando os espaços; Unidade pesquisar o que existia no espaço ocupado
3. Espaço: ocupação e transformação; Unidade pela escola antes de sua construção. No
4. Espaço rural e espaço urbano; Unidade 5. volume da 3ª série, as relações espaço-
Economia e trabalho; Unidade 6. Relevo, rios e temporais são enfocadas pela apresentação
vegetação. dos primeiros mapas criados e sugere-se a
4ª série (144 p.): Unidade 1. Representação pesquisa de outros tipos de representação
dos espaços; Unidade 2. Clima; Unidade 3. cartográfica em diferentes épocas. No volume
Brasil e seu povo; Unidade 4. Regiões; Unidade da 4ª série, apresenta-se a regionalização do
5. Trabalho e indústria; Unidade 6. Tecnologia Brasil, a articulação das categorias de espaço
e comércio. e tempo na definição das regiões, a divisão
regional criada pelo IBGE e a evolução da
divisão política do território nacional.
A análise As dinâmicas e os processos constituintes
do espaço físico são trabalhados
Os pressupostos teórico-metodológicos sistematicamente, a partir da 2ª série, embora
são claramente explicitados como sendo fruto de maneira mais simplificada em função do
da experiência em sala de aula, que tem como nível de desenvolvimento cognitivo dos
foco principal o aluno e sua formação para a alunos. Nesse estudo, considera-se o espaço
cidadania. Os processos cognitivos básicos de vivência dos alunos, assim como a inter-
são explorados de maneira diferenciada, relação de elementos naturais e humanos. As
considerando a fase de desenvolvimento da ações humanas sobre o espaço natural são
criança. Na 1ª e na 2ª séries, por exemplo, as discutidas a partir de sua associação ao
tarefas motoras são estimuladas, mas sem trabalho sistemático das noções de
deixar de lado o desenvolvimento dos temporalidade. Estas, por sua vez, são
GEOGRAFIA

processos cognitivos mais complexos. Estes analisadas considerando-se as transformações


se concretizam integralmente na 4ª série, com do espaço ao longo do tempo e,
a problematização dos temas abordados, o que conseqüentemente, a transformação da
prepara as crianças para a compreensão de natureza.
conteúdos mais abstratos. Os processos socioespaciais são tratados
A construção histórica do espaço adequadamente, enfatizando-se a forma como
geográfico é trabalhada sistematicamente por a sociedade se organiza e, conseqüentemente,
meio da noção de temporalidade, priorizando transforma a paisagem. As relações
a recuperação progressiva da vivência socioespaciais são discutidas a partir de
concreta do aluno em diferentes etapas. modificações e alterações ocorridas no bairro,

206
tendo por base as questões culturais e cognitivo das crianças é considerado,
históricas da comunidade. partindo-se de noções espaciais mais simples
A articulação sociedade-natureza oferece nas séries iniciais para conceitos mais
subsídios para a compreensão da forma como complexos na 4ª série. A localização de
a sociedade produz e organiza o espaço, por fenômenos inicia-se no volume da 1ª série,
meio do trabalho. No volume da 1ª série, é de maneira ilustrativa, tomando-se como
proposta a discussão acerca do lixo e de seus ponto de partida o referencial do aluno sobre
efeitos sobre o ambiente. No livro da 2ª série, si mesmo e seu espaço. Em seguida, passa-se
sugere-se que durante um “passeio no para o espaço da sala de aula, da escola, do
quarteirão” se evidenciem o relevo, a bairro, até que, na 4ª série, são estimuladas
vegetação, a presença de rios, pontes, abstrações, como a distribuição do clima no
viadutos, além das construções. O objetivo é globo terrestre, os fusos horários e a noção
valorizar a presença no quarteirão de de coordenadas geográficas.
elementos de ordem natural e social, Percebe-se a preocupação em contemplar
assumindo como metodologia a observação a diversidade sociocultural. Constata-se,
de campo e os depoimentos de antigos igualmente, o respeito às diferentes formações
moradores do bairro. familiares e às condições sociais, bem como
Em geral, as informações presentes na obra a valorização do índio, do negro e do branco
estão atualizadas, com indicação de sites para na formação da população brasileira,
pesquisa e de mapas de publicação recente, discutindo-se suas condições de vida na
embora se registrem alguns dados atualidade.
desatualizados, principalmente nos volumes A questão da construção da cidadania
da 1ª e 2ª séries. recebe tratamento privilegiado, na medida em
As noções geográficas básicas são que as questões sociais e os problemas
trabalhadas a partir dos conhecimentos enfrentados pela população são enfocados
prévios dos alunos, adquiridos em suas ressaltando-se o fato de que a sociedade vive
experiências cotidianas. No volume da 1ª num espaço e este é compartilhado por outras
série, por exemplo, a construção das noções pessoas que possuem interesses diferentes.
espaciais básicas é feita gradativamente, As atividades sugeridas são, em geral, ricas
utilizando-se, inicialmente, o mapa corporal e variadas, e se constituem em estímulo à
do aluno. No da 3ª série, introduzem-se idéias participação dos alunos e aos debates entre
relacionadas às formas de representação do os colegas. Há exercícios em que se propõe o
espaço, partindo-se de desenho do trajeto da traçado de percursos por meio de desenhos,
casa à escola, passando-se ao globo terrestre, bem como a elaboração de projetos e a GEOGRAFIA
ao mapa-múndi e às plantas de casa. Já no realização de diferentes pesquisas.
volume da 2ª série, observam-se algumas As representações cartográficas, de boa
imprecisões, como na abordagem sobre o qualidade visual, apresentam-se bem
tamanho da escola, da sala de aula e do estádio distribuídas ao longo dos volumes. São
de futebol, em que não se faz referência à acompanhadas de indicações de fontes,
necessidade de “diminuí-los” para que possam escalas e da rosa-dos-ventos, e estimulam o
ser representados. desenvolvimento das atividades propostas. De
A construção de conceitos é estimulada por modo geral, as indicações de fontes também
meio de diversas linguagens (verbal, pictórica, estão presentes nos textos, imagens,
corporal). O estágio de desenvolvimento documentos e dados trabalhados. A exceção

207
fica por conta das fotos que, freqüentemente, sobrepostas ou muito próximas umas das
carecem dos registros das datas e do local outras.
retratado. No manual do professor, encontram-se
Os gráficos, tabelas e quadros são em informações destacadas quanto aos objetivos,
número reduzido, mas os que são procedimentos e recursos didáticos mais
apresentados procuram estimular a reflexão, indicados para trabalhar as diferentes temáticas.
a discussão, a análise e a problematização dos Também são explicitados os pressupostos
conteúdos. Em relação à estrutura editorial, teórico-metodológicos da obra e a metodologia
os textos e as ilustrações são bem distribuídos do ensino da Geografia. A avaliação é tratada
ao longo da obra, intercalando-se fotos, como atividade contínua e sistemática que
ilustrações e pequenos textos. Há, como acompanha o processo de ensino-aprendizagem,
recurso para descanso visual, pequenos incluindo reflexões sobre os objetivos, o
quadros ou fundos coloridos. A visualização conteúdo e o método. Tal avaliação deve ser
das ilustrações em sua maioria é boa, embora diagnóstica e integral, a partir da análise não
algumas se apresentem muito escuras ou têm apenas dos aspectos cognitivos, mas também
a sua visibilidade prejudicada, por estarem das habilidades e procedimentos desenvolvidos.

Em sala de aula
Ao escolher esta coleção, o professor terá à sua disposição um material que
oferece as condições necessárias para o desenvolvimento de um bom trabalho
pedagógico. Valoriza-se o papel do docente como mediador entre o aluno e o
conhecimento a ser construído, sendo apresentadas valiosas e variadas sugestões
e orientações ao seu trabalho.
A possibilidade de desenvolver trabalhos interdisciplinares e relacionados aos
temas transversais exigirá do professor preparação de material adequado e
planejamento integrado às outras áreas de ensino.
No manual do professor, orienta-se o desenvolvimento das atividades propostas,
com sugestões de leitura e de pesquisa para o aprofundamento dos conteúdos
trabalhados.
GEOGRAFIA

208
Recomendada
Por quê?
Na coleção, a aprendizagem é entendida como

construção do conhecimento. Assim, o importante não

é a quantidade da informação que é apresentada ao

aluno, mas como são desenvolvidas as competências

que o preparam para fazer, pensar e compreender.

Pretende-se resgatar conceitos geográficos básicos,


Coleção
como espaço, lugar, paisagem e território, com o objetivo
Geografia em
Construção de alfabetizar o aluno na leitura do espaço geográfico e

Jefferson Luiz Moreira levá-lo a compreender a realidade desse ponto de vista.


Nelci Lopes da Silva
Laércio de Mello Alguns conceitos e noções básicas da Geografia são
Adilar Antônio Cigolini
bastante simplificados na coleção. Este tratamento
Júlio Cezar Winkler
facilita o processo de aprendizagem, mas pode

prejudicar a construção do conhecimento pelo aluno.

Por isso, a mediação do professor em todas as etapas


Editora Saraiva
de desenvolvimento dos conteúdos é de fundamental

importância.

A coleção as orientações metodológicas que


fundamentam a coleção. São listados também
Os temas são desenvolvidos, fundamen- os objetivos das atividades e uma breve
talmente, a partir de atividades e exercícios consideração sobre a avaliação e os objetivos
GEOGRAFIA
que devem ser realizados individualmente ou da coleção. Em Sugestões, apresentadas
em grupo. Em alguns capítulos dos diversos individualmente por unidades e para cada
volumes, propõe-se a realização de pesquisa série da coleção, o docente encontra
em quadros apropriados, os quais contêm informações sobre os objetivos específicos,
orientações básicas para a realização da sugestões de atividades e a bibliografia
atividade. utilizada e recomendada. 1ª série (80 p.):
O manual do professor, com 14 páginas, Unidade 1. Na sala de aula; Unidade 2. A
apresenta no sumário os principais tópicos que escola e seus espaços; Unidade 3.
são desenvolvidos em cada livro. Na Representando o lugar onde você vive;
Introdução são feitas considerações sobre as Unidade 4. De casa para a escola: mapeando
correntes do pensamento geográfico e sobre caminhos.

209
2ª série (80 p.): Unidade 1. Construindo e econômicas e as resultantes ambientais.
interpretando mapas; Unidade 2. Estudando Porém, quando é abordado o processo de
o lugar onde você mora; Unidade 3. Os transformação de matérias-primas e a
lugares: espaços transformados. circulação de produtos, essas inter-relações
3ª série (128 p.): Unidade 1. Os mapas: não são exploradas convenientemente.
aprendendo a nossa identidade; Unidade 2. As dinâmicas e os processos do espaço
Observando e estudando paisagens; Unidade físico são compreendidos a partir das relações
3. Conhecendo os municípios brasileiros; mais elementares na 1ª e 2ª séries. O educando
Unidade 4. A paisagem e as atividades pode conhecer e apreender seu entorno ao
econômicas no espaço municipal. iniciar o estudo pelo espaço físico da sala de
4ª série (112 p.): Unidade 1. Construindo aula e da escola. Em escalas crescentes de
e interpretando mapas; Unidade 2. A formação complexidade, amplia-se o raio da observação
territorial do Brasil; Unidade 3. O território e da análise aos espaços físicos do lugar, do
brasileiro: dinâmica e transformações. bairro, da cidade, do município, do estado e
do País. A partir dos ambientes próximos do
aluno, como a rua onde ele mora, busca-se
A análise fazê-lo compreender as transformações
ocorridas no espaço físico. Na 3ª e 4ª séries,
Na proposta teórico-metodológica, estas dinâmicas e processos são apresentados
explicitada no manual do professor, busca-se do ponto de vista das paisagens e seus
respeitar o estágio de desenvolvimento elementos constitutivos, como clima, relevo,
cognitivo do aluno, partindo-se dos espaços vegetação e hidrografia, estabelecendo-se
mais próximos e concretos para os mais relações com as atividades humanas,
distantes e abstratos. Nas duas primeiras econômicas e ambientais. Esse trabalho
séries, é dada prioridade para a iniciação também envolve a representação do espaço.
cartográfica, com ênfase nas noções de Na coleção, as dinâmicas e os processos
localização e representação. Nos dois últimos socioespaciais são focalizados por meio das
volumes, são aprofundadas noções, conceitos relações que se estabelecem entre os homens
e atividades espaciais mais complexos. No e destes com a natureza e as formas de
tratamento dos conteúdos, a reflexão e o apropriação e organização dos diferentes
processo de construção do conhecimento espaços, articuladas ao processo histórico e
geográfico são favorecidos, a partir das às questões ambientais. Aborda-se a
experiências e vivências do aluno, organização espacial diferenciada por meio
possibilitando a compreensão das relações da utilização de textos, mapas, fotos e
espaciais de forma analítica e interpretativa. ilustrações, que suscitam a leitura e o
As relações espaço-temporais são entendimento dos diferentes espaços.
GEOGRAFIA

articuladas às relações do homem com a Percebe-se, no entanto, o privilégio das


natureza ao longo do tempo. Dessa maneira, relações socioespaciais estabelecidas no meio
é possível entender o processo de urbano, principalmente quando são
transformação do espaço e, ao mesmo tempo, apresentados os temas de população e
analisar permanências e mudanças, industrialização. O espaço rural, além de
semelhanças e diferenças. pouco explorado, não é bem contextualizado.
Já as inter-relações sociedade-natureza Alguns conceitos são pouco explorados, como
são contempladas ao serem abordadas as os significados de maquete, gráfico,
diferentes paisagens e os elementos tecnologia, recurso natural, poluição da água,
constituintes dos espaços, estabelecendo-se policultura e monocultura.
relações entre as atividades sociais e Percebe-se a articulação entre os

210
conhecimentos do senso comum e os meio. Os estudantes são levados a realizar
conhecimentos sistematizados. Nesse sentido, entrevistas, relatórios, histórias em
os conteúdos e conceitos formulados partem quadrinhos, montar painéis e roteiros,
do espaço e da situação de vivência do aluno registrar opiniões. As conclusões são
para aprofundar novos conteúdos. No entanto, desenvolvidas individual ou coletivamente e
há pouca elaboração e associação dos suscitam habilidades diversificadas, ao
conceitos com os textos, cabendo ao professor possibilitarem a expressão do aluno de forma
articulá-los melhor, principalmente nas ampla e diversificada, tanto oral, quanto
orientações para a realização das atividades. escrita, gráfica e cartográfica. A expressão
Na obra, incentivam-se atitudes e escrita, gráfica e cartográfica do aluno se
comportamentos voltados para a construção manifesta principalmente pelo grande número
da cidadania. No espaço mais próximo do de atividades para serem completadas no
aluno, o foco repousa na organização e próprio livro, na 1ª série, e no caderno, nas
conservação das instalações físicas da escola séries seguintes. Solicitam-se elaborações
e na escolha de representante da turma. Os individuais e em equipes de frases, textos,
problemas mais amplos da sociedade também descrições, organização e anotações de
são discutidos, tais como os serviços de saúde informações, elaboração e registro em
e educação oferecidos à população, a quadros, comparações, pesquisas e
importância da representação e das eleições entrevistas, e conclusões. A expressão gráfica,
nos diversos níveis de poder, a reflexão sobre por exemplo, é incentivada por meio de
o bem-estar social, e a finalidade e o destino sugestões de elaboração de plantas, maquetes
da cobrança de impostos. e roteiros de trajetos. Os conteúdos
Os problemas ambientais, como o trabalhados no próprio livro ou nos volumes
desmatamento e preservação das matas, a anteriores da coleção são articulados entre si,
importância da separação e reciclagem do principalmente no que diz respeito às noções
lixo, o problema do desperdício de água e o cartográficas básicas, tais como de maquete,
que se pode fazer para evitá-lo, são igualmente legenda, orientação, escala e título. Contudo,
debatidos. Além disso, o respeito ao outro e a em todos os volumes, muitas atividades que
tolerância são constantes nas atividades envolvem questões a serem respondidas pelos
propostas, nas quais se discutem temas alunos, inclusive as orientações de pesquisa
sociais, políticos, econômicos e ambientais. apresentam-se com excessivo direcionamento
O convívio social adequado, a liberdade de para os objetivos propostos, o que limita o
expressão e a diversidade das experiências processo de construção do conhecimento pela
humanas são incentivados, principalmente criança.
pelas proposições de pesquisas, entrevistas e A coleção apresenta um grande número de
convites feitos a membros da comunidade ilustrações e fotos adequadas e articuladas aos
GEOGRAFIA
para expor e debater diferentes assuntos. A conteúdos, que são extremamente
abordagem de problemas sociais permite significativas para as diferentes séries. As
discussões e reflexões críticas sobre diversos representações cartográficas, trabalhadas
temas relacionados à construção de uma sempre num processo de construção, análise
sociedade mais participativa. Por fim, e interpretação, também são condizentes com
trabalham-se temas que dizem respeito às o nível de escolaridade e propiciam a inserção
diversidades socioeconômicas, culturais e do aluno no processo de alfabetização
étnicas. As atividades favorecem a cartográfica. As representações cartográficas
construção do conhecimento com as não só contribuem para a compreensão e para
propostas de elaboração de mapas, gráficos, o entendimento dos conteúdos, mas também
quadros informativos, pesquisas e estudos do suscitam problematizações e encaminham

211
para a construção de novos conhecimentos. norteiam as temáticas e atividades, os objetivos
Os mapas e as demais representações das atividades e a proposta de avaliação. Além
cartográficas são bem-feitos e auxiliam no disso, apresenta as unidades com os respectivos
desenvolvimento e compreensão dos capítulos, com objetivos específicos e sugestões
conteúdos. de outras atividades para subsidiar o trabalho
A estrutura editorial é bem-cuidada e do professor. Os objetivos das atividades são
favorece a visualização dos textos e das apresentados de uma forma genérica e sugerem
ilustrações. Os títulos dos capítulos e as possibilidades de adequação e modificações
subtítulos são bem destacados e obedecem a de acordo com as características da classe. O
uma hierarquização. Isso facilita a localização manual contém, ainda, breves recomendações
dos conteúdos e das atividades. O sumário sobre a avaliação da aprendizagem, sem
também está adequadamente organizado e aprofundamento ou direcionamento para as
distribuído, facilitando a localização dos atividades a serem implementadas pelos
conteúdos apresentados. docentes, e bibliografia para cada volume e
O manual do professor explicita de maneira unidade, dirigida aos professores. Não há
clara e coerente os pressupostos teórico- sugestões de leitura para os alunos.
metodológicos da Geografia e de ensino que

Em sala de aula
Ao adotar esta coleção, o professor poderá desenvolver um bom trabalho
pedagógico e levar o educando a ser sujeito ativo no processo de ensino-
aprendizagem. As propostas desenvolvidas possibilitam a construção de conceitos
e noções geográficos e reforçam os princípios cartográficos básicos. Permitem,
ainda, a construção gradativa do conhecimento de acordo com o nível de
desenvolvimento cognitivo do aluno.
A coleção pode ser utilizada nas mais diversas situações de ensino, já que não
requer infra-estrutura, materiais ou equipamentos especiais para que o processo
de ensino-aprendizagem se realize. Além do mais, a coleção pode ser facilmente
adaptada ao projeto pedagógico da escola, pois reúne condições necessárias para
o ensino nos vários estratos sociais e nas mais diversas regiões do País.
No entanto, alguns conceitos são pouco explorados na coleção. Sugere-se que
as crianças efetuem consultas em dicionários. Nestes casos, a mediação do
professor é necessária para as devidas complementações, visto que os significados
GEOGRAFIA

de palavras encontradas em dicionários nem sempre correspondem aos conceitos


geográficos. Para orientar os alunos com a complementação dos conceitos, o
professor terá à sua disposição a bibliografia sugerida no manual do professor.

212
Recomendada
Por quê?
Os pressupostos teórico-metodológicos estão
centrados no construtivismo, com a valorização do
cotidiano do aluno e de seus conhecimentos prévios.
Os conteúdos são desenvolvidos a partir do estudo da
paisagem e dos lugares de vivência do aluno (casa,
escola, rua, bairro, cidade e campo). Para a
compreensão dos temas estudados, são apresentados
textos e fotos que provocam a reflexão sobre outros
lugares e possibilitam a compreensão da construção
Coleção histórica das paisagens, do espaço geográfico e noções
Geografia básicas sobre processos do meio físico.
Tantos Destaca-se a articulação entre os conteúdos no
desenvolvimento de cada livro e no tratamento
Lugares...
equilibrado do conjunto da coleção. Percebe-se a
Tantas Pessoas preocupação com o aumento progressivo do nível de
Ana Luísa Lins complexidade das definições e abordagens, bem como
estímulo à participação do aluno nesse processo.
O exercício da cidadania é incentivado, visando estimular
o aluno a se tornar agente de transformação social.
Entretanto, o espaço físico é trabalhado de maneira
Editora FTD
superficial, não sendo abordado em sua
processualidade. Não são evidenciados os processos e
as dinâmicas internas aos próprios elementos da
natureza.

A coleção livros da coleção; Glossário; Objetivos,


comentários gerais, sugestões para
Rica em imagens, cada um de seus livros exploração dos textos e imagens, sugestões
se estrutura em um número variado de tópicos. de atividades e textos complementares; GEOGRAFIA
Os textos, as ilustrações e as atividades se Referências bibliográficas.
alternam em um bloco único. As atividades 1ª série (112 p.): É organizado em 23
são indicadas por meio de tarjas, no começo, tópicos, nos quais se priorizam o estudo da
meio e fim de cada tópico. As leituras paisagem e do lugar de vivência do aluno
complementares estão incluídas no texto (casa, rua, escola e bairro) e as noções básicas
principal. Apresenta-se sugestão de sobre orientação e representação cartográfica.
bibliografia e não há glossário no livro do 2ª série (120 p.): Organizado em 20
aluno. tópicos, nele retoma-se o estudo da paisagem
O manual do professor está organizado em e do lugar de vivência do aluno e de suas
cinco itens: Temas centrais; Organização dos representações cartográficas, contextualizan-

213
do-os em relação ao trabalho humano. outras épocas. As permanências na paisagem
3ª série (152 p.): Organizado em 26 são enfatizadas e, em relação às transformações,
tópicos, nele aborda-se o estudo das a coleção inova ao considerar as variações no
paisagens, destacando as inter-relações e as tempo atmosférico e entre o dia e a noite,
transformações provocadas pela natureza e ampliando a abordagem mais comum que
pela sociedade. prioriza apenas a análise das transformações
4ª série (112 p.): Organiza-se em 17 no tempo histórico.
tópicos, nos quais são retomados e O espaço físico é tratado sem grande
aprofundados o conceito de paisagem e as detalhamento de seus processos e dinâmicas.
relações sociedade-natureza. Esse encaminhamento dificulta a aquisição de
noções básicas para a compreensão da visão
processual do meio físico.
A análise As transformações da natureza são
consideradas em função dos fenômenos
As opções teórico-metodológicas de naturais, como o clima, o dia e a noite. Os
ensino-aprendizagem e do ensino de alunos são solicitados a obter dados sobre as
Geografia, expressas no manual do professor, mudanças do tempo em diferentes períodos
demonstram coerência com o do dia, bem como sobre as diferentes estações
desenvolvimento dos conteúdos e atividades do ano e, por conseqüência, sobre as
que privilegiam o local de vivência do aluno mudanças nos diferentes locais. Fotografias
e seus conhecimentos prévios. As atividades, de um mesmo lugar na época das chuvas e
como trabalhos de campo, entrevistas, antes delas levam os alunos a perceber e
organização de dados coletados e elaboração avaliar as mudanças na paisagem. As grandes
de conclusões, desempenham papel central na mudanças no clima e na paisagem são
estruturação da obra. Além disso, estimulam abordadas a partir de um único exemplo. São
várias competências e habilidades, como apresentadas fotos para a identificação das
observação e comparação de imagens, análise, formas do relevo e dos tipos de vegetação. A
síntese, interpretação, generalização, partir da observação de uma seqüência de
criticidade, problematização, memorização e imagens, os alunos são levados a perceber e a
criatividade. explicar as mudanças provocadas no
Os conceitos básicos, especialmente de ambiente, no caso pelo desgaste das rochas
lugar e de paisagem, são introduzidos de forma das montanhas pela ação do Sol, da água, do
gradual e vão se tornando mais complexos ao clima e da vegetação.
longo da obra. Na leitura da paisagem, por As dinâmicas e os processos
GEOGRAFIA

exemplo, incentivam-se a observação e a socioespaciais têm como referência as opções


constatação das transformações que, por sua das pessoas em se fixar em determinadas áreas
vez, são compreendidas pelas noções e ou em deixar os lugares onde moram. Essas
conceitos que vão sendo sistematizados. ações são justificadas pelo que esses locais
Os processos históricos que contribuem oferecem ou apresentam, como serviços
para as transformações das paisagens são educacionais, de saúde, lazer, a
estudados a partir de informações sobre a disponibilidade de emprego, a ocorrência de
vinda dos portugueses ao Brasil, sobre o seca. São trabalhados os modos de viver na
crescimento das cidades em razão do surto cidade e no campo, evidenciando-se as
industrial no País e sobre os transportes de semelhanças e diferenças a partir do estudo

214
de povos diversos, como os Pataxó, Masai, com o lixo da casa do aluno e o porquê do
Kuikuru, as mulheres da aldeia de Kwa- acesso diferenciado das pessoas às novas
Ndebele (África), os Krahô, os Inuit; os povos descobertas científicas e da permanência de
Waimiri-Atroari e os caiçaras. meios de transporte rudimentares. Destaca-
É relevante para o conhecimento da se o trabalho de avaliação da essência dos
metodologia da ciência o trabalho com lugares ao se indagar do aluno como os ganhos
conteúdos procedimentais realizado no das pessoas podem ser percebidos na
terceiro volume, ao retratar a interpretação dos paisagem da cidade. Problematizam-se as
vestígios de grupos humanos que viveram em diferentes intencionalidades, concepções e
tempos remotos. contradições veiculadas na mídia, com o
As relações sociedade-natureza são bem questionamento sobre se devemos acreditar
exploradas e denotam nítida preocupação em em tudo o que dizem os meios de
relação aos aspectos ambientais. São comunicação.
identificadas situações de apropriação e de Esses questionamentos são comple-
transformação da natureza pela ação humana mentados pela análise de atitudes que
e atitudes de cuidado com relação ao privilegiam o respeito e a compreensão das
ambiente. A distinção dos elementos naturais diferenças quanto a crenças, origens,
e culturais é bem trabalhada e se faz a preferências, histórias de vida, assim como
identificação dos recursos naturais usados pela explicitação de regras de convívio social
como matéria-prima e das tecnologias e da noção de que as pessoas têm direitos e
empregadas na transformação de tais recursos. deveres. A cooperação é incentivada no
Hábitos, atitudes e comportamentos âmbito escolar e em casa. O estudo de temas
voltados para a construção da cidadania são como preservação da natureza, poluição do
estimulados. Os alunos são solicitados a ar e da água, lixo, depredação do patrimônio
apreciar uma ilustração com exemplos público, trabalho infantil, direito à moradia,
negativos de procedimentos em relação ao desemprego, a vida difícil dos carvoeiros e
patrimônio público (pixações, depredação de dos ribeirinhos estimula os alunos a refletir
orelhão, lançamento de lixo nas calçadas) para sobre a realidade.
que avaliem, troquem idéias com os colegas Em relação à alfabetização cartográfica,
e identifiquem a maneira correta de agir diante são exploradas as noções de orientação,
das situações apresentadas. Além disso, localização e representação do espaço.
pesquisas e entrevistas culminam com Destacam-se as diferentes finalidades dos
informações que subsidiam a elaboração de mapas apresentados para a leitura
cartas endereçadas a autoridades, com o cartográfica, possibilitando a distinção dos GEOGRAFIA
objetivo de solucionar os problemas símbolos e seus significados.
identificados pelos alunos com relação ao As ilustrações têm qualidade e estão
ambiente e à deficiência de transportes e de adequadas aos conteúdos, principalmente em
outros serviços públicos na rua em que relação ao estudo da degradação ambiental, das
moram. desigualdades sociais e das transformações e
Várias atividades levam à problematização permanências expressas na paisagem. Auxiliam
dos conteúdos, especialmente acerca da na leitura e compreensão dos textos e são usadas
questão ambiental e das desigualdades sociais, como base para observações e interpretações.
que determinam diferentes condições de vida. As tabelas e quadros são empregados em estudos
Questionam-se, por exemplo, o que é feito comparativos e se incentiva o aluno a elaborá-

215
los, complementando atividades com textos que No manual do professor são explicitados
estimulam as expressões escrita, gráfica, os pressupostos teóricos que fundamentam os
cartográfica e oral. Nesse sentido, vale ressaltar conteúdos e os objetivos das atividades. Há
as propostas de trabalhos de campo, entrevistas, sugestões de atividades e exploração dos
pesquisas, análise e organização de dados textos e das imagens do livro. O manual
coletados e elaboração de conclusões, em que também contém textos e informações
os alunos são levados a observar, descrever, complementares ao professor, além de um
explicar, comparar e a representar as paisagens glossário.
urbanas e rurais. O manual também incentiva atitudes de
A estrutura editorial é de boa qualidade e cidadania, com ênfase no papel do aluno para
permite fácil visualização e legibilidade dos transformar a realidade de sua cidade. As
livros. São utilizados amplamente, no corpo atitudes que privilegiam a boa convivência são
do texto principal, trechos de livros, jornais, igualmente estimuladas. Nota-se, porém, a
enciclopédias, artigos de revistas, além de ausência de orientações sobre avaliação do
letras de músicas e informações da internet. processo ensino-aprendizagem.

Em sala de aula
Os méritos da coleção estão fundamentados na estruturação adequada e no
desenvolvimento do conteúdo de maneira coerente com a metodologia de ensino
proposta, bem como com a perspectiva de Geografia adotada. O zelo na escolha
de ilustrações torna a leitura prazerosa e convida a reflexões. As atividades
propostas enriquecem a coleção e indicam alternativas didáticas ao professor.
Oferecem-se condições para a realização de um trabalho pedagógico de qualidade,
com estímulo à participação do aluno nesse processo.
A indicação de material complementar e a inserção, no manual do professor, de
trechos de obras importantes sobre os principais temas trabalhados propicia a
atualização dos docentes, favorecendo, inclusive, a sua formação continuada.
O meio físico, entretanto, é abordado de maneira superficial, não se evidenciando
as dinâmicas e processos internos dos próprios elementos da natureza. Se julgar
procedente, o professor poderá complementar tais conteúdos, valendo-se de
consultas e da utilização de material complementar. Tal material é facilmente
encontrado em outros livros didáticos de Geografia, bem como em obras específicas
GEOGRAFIA

sobre o espaço físico.


Caberá ao professor a definição sobre a avaliação dos alunos, já que não são
fornecidas quaisquer orientações ou sugestões sobre o processo de avaliação da
aprendizagem.

216
Recomendada
Por quê?
A coleção destaca-se pela articulação entre os

conteúdos, que permite a constante retomada de

conceitos e sua reelaboração pelo aluno em níveis cada

vez mais complexos de definições e abordagens.

Os conteúdos são desenvolvidos a partir de escalas

Coleção Nosso espaciais mais próximas das crianças para as mais


Mundo - amplas, de modo a valorizar seu cotidiano e seus
Geografia conhecimentos prévios. De maneira progressiva,
Elizabeth A. de Carvalho
Taís Carolina de Castro incentiva-se o questionamento das funções de cada

lugar, de suas características e dos motivos das

diferenças na paisagem.

No entanto, o espaço físico é trabalhado a partir das

Editora Ática relações sociais, sem que sejam considerados os

processos e as dinâmicas inerentes aos elementos que

o constituem.

A coleção volumes, encontram-se o glossário e a


bibliografia da coleção. No livro da 4ª série
Os volumes iniciam-se com um guia de também são listados sites de interesse
uso que contém as principais seções e as geográfico.
GEOGRAFIA
formas de trabalho de cada uma. Por exemplo: A coleção inova ao apresentar, nos
Espaço aberto, Trabalhando em dupla, volumes da 3ª e 4ª séries, uma galeria com
Trabalhando em grupo, Para saber mais. biografias e fotos de escritores, poetas,
No começo de cada unidade, há uma músicos, pintores e artistas, cujas obras são
apresentação dirigida ao aluno, com texto e mencionadas.
imagem, na qual se incentivam a leitura e o O manual do professor divide-se em duas
aprendizado em Geografia. partes. A parte geral, comum a todos os
As unidades encerram-se com as seções volumes, é composta dos seguintes itens:
Dicas de leitura, para a 1ª e 2ª séries, e Leia Apresentação; Alvos de aprendizagem de
mais, para a 3ª e 4ª, com obras de literatura Geografia para o 1º e 2º ciclos; Eixos
infantil para as diferentes idades. Ao final dos norteadores da coleção; Avaliação e

217
aprendizagem; Bibliografia; e Internet: natureza por meio da leitura da paisagem e
sugestões de sites. A parte específica tem os do espaço geográfico concebido como
seguintes itens: Ao professor; A criança (1º construção humana e objeto central dos
ciclo ou 2º ciclo): algumas características; estudos.
Desenvolvimento, aprendizagem e ensino de São valorizados o cotidiano dos alunos e
Geografia (1ª e 2ª séries). Os quatro volumes seus conhecimentos prévios. Trabalha-se o
apresentam: Fundamentação; Organização; espaço vivido por meio do estudo das relações
e Sugestões e comentários para cada unidade. estabelecidas entre a realidade local – a casa,
Contêm, ainda, notas para o professor e as a escola, a rua – e outros contextos – o bairro,
respostas às questões propostas aos alunos. a cidade, o campo.
1ª série (168 p.): Unidade 1. Geografia, o Possibilita-se o avanço do estudante em
que é?; Unidade 2. Ser criança; Unidade 3. termos de complexidade do saber e se propicia
Em família; Unidade 4. Em casa; Unidade 5. a passagem dos conhecimentos do senso
Na escola; Unidade 6. Nas ruas; Unidade 7. comum para o nível dos conhecimentos
Trabalho e natureza. sistematizados. Trabalha-se com conteúdos
2ª série (143 p.): Unidade 1. Somos procedimentais ao orientar os alunos, a partir
diferentes; Unidade 2. Famílias e modos de de um roteiro, para que realizem observações
vida; Unidade 3. Conhecendo o bairro; sobre a rua onde moram, identifiquem
Unidade 4. Antigamente era assim; Unidade problemas e coletem dados. A participação
5. A leitura das paisagens; Unidade 6. As ativa na comunidade é incentivada pela
paisagens e o trabalho. solicitação de soluções para os problemas
3ª série (152 p.): Unidade 1. Cidade e encontrados.
campo: as paisagens; Unidade 2. Cidade e Os processos cognitivos básicos são
campo: trabalho e produção; Unidade 3. explorados de maneira diferenciada e levam
Cidade e campo: as relações; Unidade 4. em consideração a fase de desenvolvimento
Cidade e campo: o município; Unidade 5. Os da criança. O raciocínio espacial é realizado
componentes das paisagens. a partir do espaço cotidiano, com estímulo ao
4ª série (168 p.): Unidade 1. Brasil: uma desenvolvimento de atividades motoras,
nação no mundo; Unidade 2. Brasil: a sobretudo na 1ª e 2ª séries. O
construção do território; Unidade 3. Brasil: desenvolvimento dos processos cognitivos
povo e trabalho; Unidade 4. Brasil: paisagens mais complexos é incentivado com a
regionais. problematização dos temas abordados e com
a compreensão de conteúdos mais abstratos.
Propostas desafiadoras de investigação do
A análise espaço cotidiano subsidiam observações,
reflexões, análises, sínteses e generalizações.
GEOGRAFIA

Nos pressupostos teórico-metodológicos Merecem destaque a comparação, a percepção


são privilegiados os conceitos de paisagem, das semelhanças e diferenças e o estabe-
lugar, território, espaço geográfico e as teorias lecimento de relações entre paisagens e modos
socioconstrutivistas de ensino-aprendizagem. de vida.
A natureza é compreendida tanto como Na elaboração das noções e conceitos
primeira natureza – os elementos biofísicos básicos, a criança é incentivada a lidar com
de uma paisagem –, quanto como segunda questões do seu cotidiano, a relacioná-las a
natureza – a natureza transformada pelo contextos espaço-temporais mais amplos e a
trabalho humano. expor seus pontos de vista. A construção
Pretende-se que o aluno compreenda as histórica do espaço geográfico é trabalhada
relações históricas entre a sociedade e a sistematicamente por meio da abordagem da

218
noção de tempo, em diferentes etapas da mudanças de pessoas, como emprego,
vivência do aluno. Promove-se a reflexão disponibilidade de alimentos, terras férteis,
sobre os antepassados, os lugares de origem, secas, invasões e perda de fertilidade da terra.
as transformações dos modos de viver e das Ao se tratar dos espaços de vivência do
paisagens. aluno, consideram-se os laços com os lugares
As relações espaço-temporais visam à onde estão as referências pessoais, os
compreensão histórica do espaço geográfico. processos de ruptura e de reintegração.
Para a compreensão da noção de tempo são A articulação sociedade-natureza oferece
exploradas as atividades dos alunos em subsídios à compreensão da forma como o
diferentes períodos do dia e as mudanças espaço é produzido e organizado por meio do
físicas e de comportamento das pessoas com trabalho humano. Os espaços se relacionam
o passar do tempo. Desenvolve-se a idéia de e refletem o modo de viver das pessoas e suas
que, assim como o aluno mudou, também relações com a natureza. Este tema é
mudaram os objetos, as casas, as roupas e os explorado a partir da distinção dos elementos
lugares. naturais e culturais; da identificação dos
Inicialmente, são construídas noções sobre recursos naturais que são utilizados como
o tempo cronológico. É enaltecido o papel das matéria-prima para a fabricação dos produtos;
fontes de informação para investigar os da identificação de problemas decorrentes da
vestígios do passado, por meio da observação apropriação indevida da natureza pela
de fotos de construções e de objetos, de relatos sociedade, com destaque para a degradação
orais, bem como de pinturas e desenhos. ambiental e para a busca de soluções para
Explicitam-se as transformações e permanências minimizá-la.
na paisagem no decorrer do tempo, com o As atividades são diversificadas e
objetivo de contextualizar os processos adequadas aos propósitos dos textos, com
históricos. roteiro para orientar as observações dos
No entanto, os elementos do espaço físico alunos, a anotação de dados e informações e
são apresentados sem a explicitação das a redação de conclusões. Propicia-se o
dinâmicas e processos. Propõe-se o estudo das desenvolvimento de habilidades diversificadas,
formas do relevo, da vegetação e hidrografia; levando-se os estudantes à problematização
apresentam-se fatores sociais e econômicos dos conteúdos.
da desertificação, mas não são feitas As situações-problema fazem referência a
referências aos desertos originados pelas questões sociais, como as desigualdades de
dinâmicas próprias da natureza. condições de vida, a divisão de tarefas entre
Nas dinâmicas e processos socioespaciais, as mulheres e os homens, bem como ao
são apresentados diferentes tipos de moradia, descumprimento da legislação do trabalho, ao
que revelam o modo de vida das pessoas, suas desemprego, ao trabalho infantil e à questão
GEOGRAFIA
relações sociais e com os ambientes, por meio ambiental. As crianças são estimuladas a
do levantamento de hipóteses a respeito dos produzir diferentes formas de texto, tanto
lugares. A realidade dos moradores de rua é individual quanto coletivamente, e a
problematizada, com ênfase nas desigualdades expressar-se oralmente.
sociais que se materializam nas diferentes A construção da cidadania é privilegiada,
paisagens. ressaltando-se o respeito à diversidade
São identificadas as diferenças cultural e às diferenças entre povos e membros
socioespaciais entre o modo de vida de da comunidade. São destacados hábitos,
comunidades indígenas e o da localidade dos atitudes e comportamentos voltados à
alunos. Abordam-se aspectos relacionados ao formação de cidadãos. Procura-se, por
lugar que condicionam permanências e exemplo, desmitificar a idéia de família

219
padrão, assim como discutir preconceitos e fenômenos estudados. Gráficos, tabelas e
discriminação. As atividades em grupos quadros complementam os textos.
reforçam a cooperação, a boa convivência e A estrutura editorial permite boa
o respeito mútuo. legibilidade. Há hierarquização de títulos e
Entretanto, o professor deverá estar atento subtítulos e o sumário possibilita a rápida
para superar certas limitações, como deixar localização dos conteúdos. Textos e
claro, no volume da 1ª série, por exemplo, ilustrações são bem distribuídos ao longo dos
que todos os materiais utilizados pela livros.
sociedade são de origem natural, apesar de O manual do professor contém orientações
alguns serem industrializados e outros não. que explicitam os pressupostos teórico-
Também é preciso esclarecer, no volume da metodológicos. Considera-se que não existem
2ª série, que as oficinas são classificadas fórmulas prontas de ensino-aprendizagem,
como atividades terciárias e não secundárias. mas que o professor deve instrumentalizar os
Algumas ilustrações são exploradas na alunos para que desenvolvam suas
resolução de exercícios por oferecerem elementos capacidades. Um dos princípios adotados é o
para as comparações, para a distinção de de que a aprendizagem acontece quando os
semelhanças e diferenças, para a percepção das conteúdos se aproximam da realidade do
transformações e permanências na paisagem. aluno, por meio da superação da descrição e
Outras possibilitam a problematização dos da memorização descontextualizadas dos
conteúdos por retratarem a degradação ambiental fenômenos.
e as desigualdades sociais. No manual, enfatiza-se a importância da
As representações cartográficas auxiliam definição de metas, dos critérios de avaliação
no desenvolvimento das atividades propostas. e da participação dos professores da escola
Nos volumes das séries iniciais, as no processo de ensino-aprendizagem.
representações estão voltadas para a A avaliação é compreendida como
elaboração de roteiros, trajetos conhecidos, acompanhamento dos processos educativos,
croquis e exercícios de representação de considerando-se os objetivos a serem
objetos definidos a partir de diferentes alcançados e os problemas de aprendizagem
perspectivas. Nas séries mais avançadas, as que forem detectados. Destaca-se a indicação
ilustrações têm a função de localizar de bibliografia específica sobre este tema.

Em sala de aula
Os méritos da coleção estão fundamentados na estruturação adequada dos
conteúdos, o que possibilita a articulação de temas, conceitos e procedimentos
GEOGRAFIA

pertinentes ao ensino de Geografia com a realidade dos alunos, sempre a partir


de seus conhecimentos prévios.
A compreensão do lugar onde o aluno vive e das paisagens em diferentes escalas
poderá ser mais bem realizada com a utilização de ilustrações, fotografias, poemas,
mapas e outras linguagens. Além disso, atividades como aulas de campo e
pesquisas em outras fontes escritas ajudarão os alunos a superar as lacunas
observadas na coleção em relação às dinâmicas do espaço físico.

220
Recomendada
Por quê?
Na coleção, valoriza-se a vivência dos alunos como

meio de favorecer a elaboração de conhecimentos mais

abstratos. Nas várias unidades temáticas, noções,

informações e atividades desafiadoras apresentam-se

de maneira equilibrada.
Coleção Viva
Os conteúdos partem do próprio estudante e dos
Vida Geografia
Marta Ramos de Azevedo espaços mais próximos para os mais distantes. Explora-

se a percepção do lugar de vivência, com o qual se

estabelece relação de identidade.

Os processos cognitivos básicos são propiciados com

atividades variadas, que se iniciam pela exploração e

investigação do próprio corpo, levando a criança,


Editora FTD
gradativamente, à descentração por meio de situações-

problema que estimulam diferentes processos cognitivos.

A coleção indicações de leitura complementar. Ao final


dos volumes, há glossário.
As atividades são agrupadas sob diversos O manual do professor, com 32 páginas, é
títulos: Trabalhando com documento, constituído do livro do aluno acrescido de GEOGRAFIA
Trabalhando com imagem, Trabalhando com orientações ao trabalho docente. Divide-se em
localização, Trabalhando com fotografia, duas partes: na primeira, discutem-se aspectos
Trabalhando com poema e/ou Trabalhando teórico-metodológicos referentes ao ensino da
com representação. Geografia, seguidos de bibliografia; na
Complementam o tratamento de cada tema segunda parte, encontram-se a análise do
as seções Isso é assunto para...!, Fazendo conteúdo e sugestões de atividades, com
arte, Jogos e Minhas leituras. A seção ênfase nas unidades temáticas que integram
intitulada Outras leituras, que nos volumes os livros.
de 3ª e 4ª séries recebe a denominação de 1ª série (176 p.): Unidade 1. Eu, uma
Outras leituras/outras informações, contém criança no mundo; Unidade 2. Os lugares;

221
Unidade 3. A rua, o quarteirão, o bairro; relações afetivas. Nas séries mais adiantadas,
Unidade 4. O lugar onde estudamos; Unidade consideram-se a dimensão temporal e as
5. A paisagem dos lugares; Unidade 6. O variações da paisagem, como conseqüência
trabalho das pessoas. das formas de ocupação do espaço e suas
2ª série – (176 p.): Unidade 1. O lugar onde transformações pelo trabalho.
moramos; Unidade 2. Como está organizado Apresentam-se pressupostos baseados nas
o lugar onde moramos; Unidade 3. Jeitos de obras de vários geógrafos, as quais
representar a paisagem dos lugares; Unidade contemplam diferentes correntes teóricas da
4. Como se formam as paisagens e como elas Geografia. Destacam-se seus principais
se transformam; Unidade 5. A história das conceitos, identificando-se pontos em comum
paisagens. entre a metodologia de trabalho adotada e a
3ª série (232 p.): Unidade 1. Uma abordagem da Geografia Humanística. No
paisagem, uma história; Unidade 2. Diferentes entanto, não há referência explícita às teorias
paisagens, diferentes modos de viver; da aprendizagem, apesar de a fundamentação
Unidade 3. A cidade e sua paisagem; Unidade pedagógica apoiar-se nas experiências dos
4. O campo e sua paisagem; Unidade 5. O alunos em sua interação com o meio em que
município, o estado e o país. vivem.
4ª série (232 p.): Unidade 1. O Brasil: do Os processos cognitivos básicos são
desenho ao mapa; Unidade 2. O Brasil, nosso explorados de maneira diferenciada,
país; Unidade 3. O Brasil: a paisagem que a considerando-se a fase de desenvolvimento
natureza construiu e as pessoas modificaram; da criança. O raciocínio espacial tem como
Unidade 4. Retratos do povo brasileiro; referência inicial o próprio corpo do aluno e
Unidade 5. As novas paisagens construídas seu espaço cotidiano. Propõe-se permanente
com o trabalho humano. contato com a realidade vivenciada por ele,
com estímulo ao desenvolvimento de
atividades motoras. Já os processos cognitivos
A análise mais complexos culminam com a
problematização de vários temas abordados
Os pressupostos teórico-metodológicos e propiciam a compreensão de conteúdos mais
norteadores da coleção enfatizam aspectos abstratos, em escalas ampliadas.
relativos aos fundamentos da Geografia, Para o trabalho das noções e conceitos
destacando-se os conceitos essenciais a serem básicos, parte-se dos conhecimentos dos
trabalhados: lugar, paisagem, território, alunos para, nas quatro séries, atingir graus
espaço geográfico, região e nação. maiores de dificuldade. As várias formas de
GEOGRAFIA

Adota-se a abordagem humanística, pela representação do espaço, por exemplo, são


qual se valoriza a experiência dos alunos em focalizadas a partir do próprio corpo da
seus espaços de vivência, e trabalha-se o criança e de desenhos relativos aos trajetos
conceito de lugar em graus crescentes de que realiza em seus deslocamentos diários,
complexidade. para em seguida trabalhar diferentes plantas
Enfatizam-se três eixos geográficos e mapas e a localização de vários lugares do
fundamentais: o lugar e a paisagem, a País. Enfatizam-se também a ocupação dos
linguagem cartográfica e as representações, lugares e a construção das paisagens ao longo
e as relações do ser humano com a natureza. do tempo.
Exploram-se as percepções pessoais e as Consideram-se igualmente as noções

222
prévias dos alunos como ponto de partida para processos naturais e de modificações
se ampliar e aprofundar o entendimento do resultantes da expansão das atividades
espaço geográfico e promover a articulação humanas.
entre o senso comum e o conhecimento As dinâmicas e os processos
sistematizado. socioespaciais são enfocados por meio da
Na coleção, porém, há generalizações e interpretação de diferentes paisagens e de suas
simplificações, como as noções de planícies, transformações no presente e no passado.
planaltos e depressões, ou a definição Evidenciam-se as causas que orientaram as
inadequada de tempo bom e tempo ruim, ações humanas a partir da comparação de
comum nos meios de comunicação. No lugares em tempos diferentes, do registro da
volume da 4ª série, afirma-se que as elevadas história de vida, da história do lugar onde os
temperaturas são responsáveis pelo alunos vivem e se relacionam, dos diferentes
congelamento das rochas, quando na realidade tipos de construção de moradia, e das
as baixas temperaturas é que são responsáveis mudanças de hábitos e costumes.
pelo fenômeno. O enfoque de questões sociais contribui
As atividades propostas permitem alcançar para a construção da cidadania. Procura-se
os objetivos das unidades temáticas e despertar a consciência de que o espaço é
contribuem para o desenvolvimento de compartilhado por pessoas com interesses e
habilidades cognitivas diversificadas; condições sociais diferenciados. Desenvolve-
aprofundam noções básicas e problematizam se uma visão crítica da realidade ao se
os temas abordados, além de favorecerem a apresentarem os vários grupos sociais nos
percepção dos elementos integrantes da quais os alunos se inserem, e ao se demonstrar
paisagem. São criativas e estimulam a a diversidade regional do País. Constata-se
participação dos alunos, levando-os a refletir também preocupação com a diversidade
constantemente sobre questões que exigem cultural, com o respeito às diferentes
observação, coleta e registro de informações formações familiares, com as condições
sobre o espaço cotidiano e sobre realidades sociais e com atividades profissionais.
mais distantes. Contribuem também para o Valorizam-se o índio, o negro e o branco na
desenvolvimento de habilidades como formação da população brasileira e discutem-
investigação, reflexão, comparação, análise se suas condições de vida na atualidade.
e síntese. As ilustrações, gráficos, tabelas e quadros
As dinâmicas e processos constituintes do propiciam novas formas de conhecimento.
espaço físico são abordados de forma mais Contribuem para a problematização dos
sistemática nos volumes de 3ª e 4ª séries. conteúdos e auxiliam na leitura e GEOGRAFIA
Apresentam-se elementos para a compreensão compreensão dos textos. As noções
de noções mais complexas, tais como a cartográficas básicas são introduzidas
composição da Terra e as forças responsáveis partindo-se da concepção de espaço da criança
pela constituição das diferentes formas do e de como ela se apropria dele. Incentivam-
relevo e de distintos aspectos da paisagem. se a construção de imagens e a elaboração de
A articulação sociedade-natureza oferece representações que permitem descrever e
subsídios para a compreensão do modo como interpretar o espaço.
a sociedade organiza o espaço. As formas As noções de escala, legenda, orientação
apresentadas pela superfície terrestre são e coordenadas geográficas são trabalhadas
analisadas como fruto de dinâmicas e gradativamente. Permite-se aos alunos o

223
acesso à linguagem cartográfica, sendo No manual do professor, além da
trabalhada, nas séries iniciais, a elaboração explicitação dos pressupostos teórico-
de plantas de lugares próximos. Nas séries metodológicos, há subsídios para o
mais avançadas, enfocam-se realidades desenvolvimento de um bom trabalho
distantes e mapas de diferentes pontos do docente. Indicam-se os objetivos norteadores
território brasileiro. Estimula-se, ainda, a da coleção, os conteúdos dos livros, separados
leitura de tabelas e gráficos. em dois ciclos, e as categorias fundamentais
A estrutura editorial permite boa da Geografia. Destaca-se o papel dos sujeitos
legibilidade. No entanto, indica-se no sumário sociais na organização do espaço e nas
a página que contém o primeiro item a ser múltiplas relações existentes nessa
desenvolvido e não as páginas em que se construção.
iniciam os capítulos. Algumas unidades mais Apresentam-se, também, noções carto-
longas são excessivamente hierarquizadas. gráficas, enfatizando-se os pontos básicos a
Discute-se a avaliação da aprendizagem, serem trabalhados. Propõem-se atividades
que deve ter caráter contínuo e constante, com complementares para enriquecer o trabalho
a abordagem de questões sobre o que avaliar, docente e instigar a participação dos alunos.
como fazê-lo, por que, para que e quem avalia A bibliografia é diversificada e de boa
quem. qualidade.

Em sala de aula
O professor encontrará material básico para encaminhar o trabalho didático-
pedagógico, com a utilização de conhecimentos prévios dos alunos e de atividades
que propiciam sua participação ativa no processo de ensino-aprendizagem.
Para que os alunos compreendam melhor a relação de espaço, o professor poderá
utilizar, articuladamente, vídeos, filmes e trabalhos de campo, além dos recursos
sugeridos no manual do professor, para que haja permanente contato entre a
realidade vivenciada por eles com outras mais distantes. Algumas generalizações
e simplificações no tratamento de noções geográficas básicas deverão ser mais
bem trabalhadas pelo professor, que assim poderá superá-las.
GEOGRAFIA

224
Recomendada
Por quê?
A coleção é inovadora na organização dos conteúdos.

Há ênfase na dimensão processual e na abordagem

das dinâmicas constituintes do espaço geográfico. Além

disso, as situações do cotidiano vivenciado pelo aluno

são valorizadas na articulação entre as informações do

senso comum e o conhecimento sistematizado. O


Coleção Pensar incentivo constante à participação dos estudantes em
e Viver - atividades que levam à construção do saber geográfico
Geografia
é outro aspecto positivo da coleção.
Francisco M. P. Teixeira
Rosaly Mª B. Chianca Estimula-se a construção da cidadania e os

comportamentos voltados ao convívio social. Também

são incentivados a reflexão e o desenvolvimento de

atitudes e procedimentos que valorizam a diversidade

as experiências humanas.

Editora Ática Constatam-se, porém, pequenas lacunas e

imprecisões, principalmente no volume da 4ª série, que

precisam ser superadas pelo professor.

A coleção resolvidos e orientações de atividades a serem


desenvolvidas pelo docente. Oferece uma
O desenvolvimento dos conteúdos e parte específica, na qual são explicitados os
atividades da coleção não apresenta um objetivos da coleção, a proposta para o ensino- GEOGRAFIA
padrão comum. Algumas unidades iniciam- aprendizagem em Geografia, apresentados os
se com textos poéticos, descritivos, instrutivos temas e a estrutura da coleção e de cada um
ou informativos. Outras apresentam textos dos volumes, além de considerações sobre as
ilustrativos, acrescidos de plantas, gráficos e atividades propostas e a avaliação da
quadros que visam à compreensão do aprendizagem.
conteúdo. Ao final de cada volume encontram- 1ª série (112 p.): Unidade 1. Eu e as
se glossário, sugestões de leitura e bibliografia. crianças do meu espaço. Unidade 2. Eu e a
O manual do professor, com 40 páginas, minha escola. Unidade 3. Eu, minha casa e
que acompanha todos os volumes da coleção, minha rua.
reproduz o livro do aluno, com exercícios 2ª série (128 p.): Unidade 1. Um novo ano

225
na escola. Unidade 2. Observando lugares, os temas transversais e com a integração da
conhecendo caminhos e paisagens. Unidade Geografia com outras áreas do conhecimento,
3. O bairro, suas paisagens e as maneiras de como História, Artes, Matemática e Língua
representação. Unidade 4. A cidade e o Portuguesa. Os fatos e fenômenos apresentados
município. permitem a compreensão das relações
3ª série (120 p.): Unidade 1. Localização: socioespaciais e físico-naturais a partir da
Onde estou? Unidade 2. O trabalho perspectiva da construção histórica do espaço
construindo diferentes paisagens. Unidade 3. geográfico.
A natureza e a necessidade de conservação. Em coerência com a concepção de
4ª série (120 p.): Unidade 1. Mapas: aprendizagem para o ensino da Geografia,
representando a realidade no papel. Unidade percebe-se o incentivo a diferentes processos
2. Os brasileiros e as diferentes paisagens: cognitivos. Por meio da observação, da
diversidade natural, social e cultural. comparação e da análise, o aluno é levado a
refletir sobre os conteúdos apresentados e a
cotejá-los com os conhecimentos do senso
A análise comum. As expressões escrita, gráfica e
cartográfica são estimuladas, assim como o
O desenvolvimento dos conteúdos busca desenvolvimento de habilidades orais e de
transformar as aulas de Geografia em representação cartográfica.
momentos de reflexão e de observação da As noções e conceitos são acompanhados
realidade, de acordo com os pressupostos de atividades que colaboram para maior
teórico-metodológicos que a orientam. compreensão dos conteúdos. No entanto, o
A construção do conhecimento deve partir professor deve estar atento para superar
da realidade imediata do aluno e ampliar-se lacunas identificadas no volume da 4ª série,
gradativamente para outras realidades. como a afirmativa simplificada de que a Terra
Também se incentiva a formação de é redonda, quando seu formato é ovóide; a
indivíduos éticos, ativos e preocupados com afirmação de que o clima da região Sul do
o mundo em que vivem. Brasil é frio, quando é subtropical. Além
Os personagens Carol, Caco, seus amigos, disso, a hidrografia é caracterizada como
e a avó Fabíola, criados como recurso didático restrita aos rios e lagos de uma região, quando
para o trabalho a ser desenvolvido, se refere também ao estudo dos mares e
apresentam os temas das unidades, além de oceanos e das águas subterrâneas. Os mapas
serem interlocutores constantes dos alunos físicos são reduzidos à representação da
nas mais diversas situações. Não se interpõem hidrografia e das altitudes do relevo, deixando
GEOGRAFIA

entre as crianças e o objeto de conhecimento, de lado, por exemplo, o clima e a vegetação.


mas têm o papel de estimulá-las a estabelecer A migração é reduzida ao deslocamento de
semelhanças e diferenças, além de perceber pessoas dentro do próprio país, esquecendo-
as relações com o passado, o presente, o se dos deslocamentos definitivos ou
bairro, a escola e com o ambiente ampliado temporários entre países.
do mundo físico e social. Dessa maneira, o Nas relações espaço-temporais, as
eixo gerador das unidades temáticas é dinâmicas e os processos constituintes do
formado a partir da contex-tualização do meio espaço físico e as relações sociedade-
em que a criança vive e da ampliação de seus natureza são abordados com pertinência.
conhecimentos. Também há preocupação com Destacam-se os elementos naturais –

226
vegetação, rios, mares, relevo –, e enfatizam- explicações sobre a localização e a
se a ação humana e seus elementos culturais importância da capital do País. Ou, ainda,
na formação do espaço geográfico. imagens das ruas de São Paulo e do Rio de
O uso de uma linguagem acessível e a Janeiro sem mais informações sobre as
utilização de recursos adequados à faixa etária cidades e as suas localizações geográficas. As
possibilita aos alunos perceber a articulação atividades valorizam as questões conceituais,
dos fenômenos e processos no espaço atitudinais e procedimentais e levam ao
geográfico. desenvolvimento dos processos cognitivos
Os temas são retomados em níveis básicos. Também promovem a articulação
crescentes de dificuldade nos textos e nas entre os diferentes conteúdos e estimulam a
atividades. Um exemplo é a questão da água: capacidade de produção de diferentes formas
no volume da 2ª série, o aluno é conduzido a de textos, tanto lingüísticos quanto
compreender a importância dos rios no ilustrativos.
abastecimento de água e energia e nas O desenvolvimento de habilidades, como
atividades econômicas e de lazer; no volume a representação e a oralidade, é valorizado.
da 3ª série, é levado a compreender a Atividades e textos oferecem diferentes
importância da água para a sobrevivência de informações e dados que conduzem a
todos os seres vivos, ao mesmo tempo em que problematizações e reflexões sobre questões
se retoma a importância econômica e de lazer críticas do cotidiano, tais como transporte e
dos recursos hídricos; já no volume da 4ª trânsito; a escassez da água em algumas
série, relaciona-se clima e vegetação no regiões do País; a poluição dos cursos-d’água;
estudo das conseqüências do desmatamento a poluição das praias; e o turismo. Enfatiza-
da Amazônia. se a necessidade de conservação e
Na abordagem do espaço físico, permite- preservação ambiental e são propostas
se à criança compreender suas dinâmicas e leituras complementares enriquecedoras e
processos, ao mesmo tempo em que o adequadas aos conteúdos.
educando é chamado a observar e a se Estimula-se a construção da cidadania e
posicionar ante os problemas ambientais. os comportamentos voltados ao convívio
No entanto, será preciso superar algumas social. Na coleção, incentiva-se a reflexão e
simplificações, verificadas no volume da 4ª o desenvolvimento de atitudes e
série, para que se possa compreender a procedimentos que valorizam a diversidade
regionalização dos fenômenos naturais no das experiências humanas. São abordados
Brasil. Um exemplo disso é a ausência de temas relativos aos direitos e deveres das
referência à primavera e ao outono no estudo crianças, e a questão da diversidade é GEOGRAFIA
das estações do ano e a imprecisão quanto à especialmente focalizada a partir da realidade
indicação do inverno como período chuvoso indígena do Brasil, do trabalho dos
na região Norte, ao invés dos meses de verão- seringueiros na Amazônia, das atividades do
outono. sertanejo e da presença dos imigrantes da
A localização dos fenômenos geográficos região Sul.
é trabalhada em todos os volumes. No entanto, As ilustrações, representações carto-
são necessárias complementações para gráficas, gráficos, tabelas e quadros
melhor aproveitamento dos textos ilustrativos. encontram-se integrados aos exercícios de
Assim, por exemplo, ao ser apresentada uma compreensão de texto e de resolução de
fotografia de Brasília, não constam mais problemas, e são adequados às finalidades

227
para as quais foram elaborados. Atendem, em sistemática das conquistas e dificuldades dos
grande parte, às convenções cartográficas alunos (motrizes, cognitivas, emocionais), e
básicas, são claros e têm distribuição das capacidades de relacionamento
equilibrada em relação aos conteúdos. interpessoal de atuação e de inserção social.
Além disso, o trabalho com gráficos, tabelas O manual do professor explicita a
e quadros é realizado de forma adequada, de orientação teórica para o estudo das categorias
acordo com o nível de desenvolvimento de lugar, paisagem e território. Também
cognitivo do aluno. Esse trabalho não só auxilia apresenta informações gerais sobre a obra,
na leitura e compreensão dos textos, como textos de apoio para o trabalho pedagógico e
motiva a problematização dos conteúdos. bibliografia consultada e recomendada. De
A estrutura editorial é de boa qualidade. forma complementar, apresenta sugestões de
Os conteúdos são apresentados de maneira leituras e atividades extras para os alunos ao
hierarquizada e o sumário permite a rápida longo da seção Estrutura e descrição de cada
localização dos conteúdos. A diagramação unidade didática.
estimula a leitura e possibilita ao aluno o O manual oferece, ainda, uma bibliografia
desenvolvimento de habilidades que facilitam diversificada sobre temas geográficos e
a compreensão teórico-conceitual da pedagógicos, sugestões de periódicos e de
Geografia como ciência. sites que contêm informações diversificadas
No processo de avaliação, sugere-se o e orientações teórico-metodológicas para a
acompanhamento continuado do processo de formação continuada do docente.
aprendizagem, por intermédio da observação

Em sala de aula
De perspectiva socioconstrutivista, a coleção proporciona o desenvolvimento de
um ensino de Geografia de qualidade, podendo ser adotada nas mais diversas
situações de ensino, já que não requer equipamentos, materiais ou condições
especiais para a sua utilização.
A condução dos procedimentos teórico-metodológicos é devidamente orientada
para que o professor possa adequá-la ao seu projeto pedagógico e ao projeto da
escola.
GEOGRAFIA

Dentre os aspectos positivos da coleção, merece destaque o caráter processual


sugerido para a avaliação. No entanto, caberá ao professor a realização de um
acompanhamento permanente do aluno no processo de ensino-aprendizagem,
visando proceder a uma avaliação contínua e criteriosa como é sugerida na coleção.
O docente deverá também encaminhar as atividades de forma criativa, a partir
dos conteúdos, para suprir algumas lacunas detectadas especialmente no volume
da 4ª série, no qual pouco se trabalha com dados, não sendo apresentados, por
exemplo, tabelas, gráficos e quadros ao longo do referido volume.

228
Recomendada com Ressalvas
Por quê?
O processo de ensino-aprendizagem, explicitado no
manual do professor, baseia-se em um trabalho
interativo, com questionamentos e atividades que
objetivam incitar a oralidade e a participação efetiva dos
alunos, conferindo importância aos processos de relação
interpessoal. Observa-se articulação entre os conteúdos
e os temas transversais, notadamente ambiente,
pluralidade cultural, ética e saúde.
Coleção A
Apesar da proposta interativa, a coleção é pouco
Escola é Nossa inovadora na organização dos conteúdos, no
- Geografia desenvolvimento das atividades e na valorização dos
Wanessa Pires Garcia Vidal conhecimentos prévios dos alunos.
Registram-se inadequações e lacunas que deverão ser
superadas pelo professor, com ações que permitam que
os alunos interajam entre si e compreendam a dinâmica
socioespacial. No volume da 1ª série, por exemplo, são
tratados temas complexos, como o estudo das
paisagens naturais, supondo-se o conhecimento prévio
Editora Scipione do aluno sobre os grandes ecossistemas brasileiros,
enquanto o universo da escola é apresentado somente
na última unidade.

A coleção temas relevantes. A pesquisa encontra-se


presente nos quadros Pesquisa, Em casa, Eu
Nos volumes, os conteúdos apresentam- e meus colegas. São desenvolvidas atividades
se organizados em unidades temáticas e de compreensão de texto e de resolução de GEOGRAFIA
podem, também, ser agrupados no 1º e 2º problemas. Há, ainda, glossário, mapas
ciclos do Ensino Fundamental. complementares, bibliografia diversificada e
São oferecidos aos alunos diversos tipos créditos das imagens.
de texto: informativos, descritivos e poéticos, O manual do professor em todos os
acrescidos de imagens, além de gráficos, volumes é constituído pela reprodução do
quadros e sugestões de leitura. Entre os livro do aluno, com exercícios resolvidos e
quadros que complementam o conteúdo, orientações de atividades a serem
destacam-se: É bom saber, que acrescenta desenvolvidas pelo docente, e por um caderno
conhecimentos aos textos principais; Para com as principais características dos livros,
refletir, no qual se propõe a reflexão sobre sugestões para o processo de ensino-

229
aprendizagem e referências bibliográficas. conhecimentos prévios que um aluno de 1ª
Antes de cada unidade, há páginas de série dificilmente tem. É o caso, por exemplo,
abertura com textos poéticos, narrativos, da erosão do solo, das unidades métricas, da
informativos e ilustrativos. distinção entre áreas urbanas e rurais. Nas
1ª série (143 p.): Unidade 1. A natureza e outras séries, imagens sobrecarregadas de
o índio; Unidade 2. Transformações na informações dificultam a execução das
paisagem; Unidade 3. A moradia; Unidade 4. atividades propostas.
A rua; Unidade 5. A nossa escola. O encaminhamento dado à coleção
2ª série (118 p.): Unidade 1. A escola e estimula a observação, a investigação e a
seus arredores; Unidade 2. A cidade tem interpretação dos fatos e fenômenos
muitos bairros; Unidade 3. Explorando o apresentados. Os textos e as atividades são
bairro; Unidade 4. Trabalho e trabalhadores. formulados de maneira a propiciar o
3ª série (144 p.): Unidade 1. As paisagens desenvolvimento das capacidades de síntese
de um município; Unidade 2. O município e e memorização, assim como da criatividade,
suas atividades; Unidade 3. As relações entre por meio da problematização da realidade e
o campo e a cidade; Unidade 4. A população de comparações. Não se constata, entretanto,
do município. um posicionamento claro sobre as causas
4ª série (184 p.): Unidade 1. O mundo em econômicas e sociais que levam às situações
que vivemos; Unidade 2. O Brasil no mundo; problematizadas, o que restringe as
Unidade 3. As paisagens brasileiras; Unidade possibilidades de reflexões mais aprofun-
4. As regiões brasileiras; Unidade 5. A dadas.
população brasileira; Unidade 6. O Brasil Os conceitos e informações básicos
atual. trabalhados na obra permitem que o professor
realize adequada passagem do nível do senso
comum para o nível científico, pois se procura
A análise partir da vivência do aluno para integrá-lo ao
conhecimento geográfico. Esse procedimento,
A proposta teórico-metodológica da porém, é mais acentuado nos volumes de 2ª
coleção é sociointeracionista. Constata-se 3ª e 4ª séries, nos quais os temas são
coerência entre a proposta e o desenvolvidos em níveis de complexidade
desenvolvimento dos conteúdos e das sempre crescentes. No volume da 2ª série, por
atividades, de caráter interativo, que exemplo, parte-se do lugar mais próximo da
proporcionam a participação ativa dos alunos. criança para introduzir aos poucos temas
Incentivam-se a análise e a reflexão, com o geográficos, como o do surgimento e
GEOGRAFIA

objetivo de formar cidadãos capazes de uma transformação dos bairros por meio do
atuação consciente de transformação da trabalho. O mesmo não acontece com o
realidade. Percebe-se também a utilização de volume da 1ª série, no qual são tratados temas
recursos pedagógicos voltados para o complexos, como o estudo das paisagens
desenvolvimento das potencialidades naturais, supondo-se o conhecimento prévio
individuais. do aluno sobre os grandes ecossistemas
No entanto, principalmente no primeiro brasileiros, enquanto o universo da escola é
volume, o professor deve estar atento à apresentado somente na última unidade.
dificuldade e complexidade dos temas As relações espaço-temporais, com as
abordados. Nele, as atividades pressupõem quais os alunos compreenderão as dinâmicas

230
e processos constituintes dos espaços físico e lingüísticos e ilustrativos.
humano, são exploradas e levam à Em relação à construção da cidadania, há
compreensão do conceito de natureza. No em toda a coleção o estímulo às habilidades
estudo do bairro do aluno, por exemplo, psicossociais: o respeito ao outro, o convívio
consideram-se várias características, como a social, a tolerância e a liberdade. Dessa forma,
diferenciação entre espaço urbano e espaço tornam-se claras as contribuições para que se
rural, a diferenciação entre os bairros de uma desenvolva a cultura da paz no âmbito da
cidade, os serviços e o trânsito, parques e escola e fora dela.
praças. Ao se estudar o espaço rural, De maneira geral, as atividades e
menciona-se a importância do solo para a exercícios propostos são adequados para
atividade agrícola. atingir os objetivos estabelecidos nas
O trabalho com a diferenciação e unidades temáticas e articular os diferentes
articulação das diferentes escalas espaciais conteúdos. No volume da 4ª série, por
merece destaque. A existência de algumas exemplo, no tratamento dos climas brasileiros,
lacunas, no entanto, prejudica o entendimento o aluno é motivado a relacionar os grandes
e dificulta a ampliação do conhecimento. No conjuntos de vegetação com a distribuição dos
volume destinado à 2ª série, por exemplo, ao tipos de clima no País, abordados em outra
se abordar o movimento de rotação da Terra, unidade. No entanto, há atividades de difícil
não se explica o movimento aparente do Sol, resolução ou que estão pouco conectadas aos
a inclinação da Terra, nem o giro do planeta conteúdos. No volume da 1ª série, por
em torno de seu eixo imaginário. No volume exemplo, ao se introduzir a noção de
da 4ª série, não se trabalha a extração de representação e referência espacial de objetos
minérios na região Norte, nem seu papel na em relação ao observador (vistas frontais,
ocupação da Amazônia. visão oblíqua, lateralidade e perspectiva), são
Embora a coleção se pretenda interativa, introduzidos objetos que não estão
o conhecimento prévio do aluno é pouco relacionados com os tópicos estudados. Dessa
solicitado no estudo das temáticas do livro. maneira, parte dos conteúdos mostra-se pouco
As Páginas de abertura fornecem textos articulada, sugerindo a idéia de descon-
poéticos, narrativos, informativos e tinuidade e revelando desequilíbrios nas
ilustrativos buscando-se questionamentos e abordagens adotadas para cada série e no
opiniões, com os quais se procura a conjunto da coleção.
participação da criança. Esse encami- As representações cartográficas
nhamento, no entanto, pouco considera sua encontram-se em consonância com o
experiência pessoal. Em determinados conteúdo, são claras e precisas, contêm GEOGRAFIA
momentos da obra ocorrem simplificações legenda, escala e orientação. O respeito às
explicativas e os textos apresentados exigem convenções cartográficas é um ponto de
um nível de abstração incompatível com a destaque na coleção, embora não sejam
faixa etária dos alunos ou tratam de assuntos explorados alguns mapas complementares e
que são difíceis de inserir no seu cotidiano. o mapa-múndi. O trabalho com gráficos,
Uma característica da obra é propiciar o tabelas e quadros é realizado de forma
desenvolvimento da linguagem do educando, adequada, respeitando-se o nível cognitivo do
notadamente a oralidade, ao estimular a aluno. Tais instrumentos auxiliam na leitura
expressão de opiniões por intermédio de e compreensão dos textos e também motivam
questionamentos propostos após textos a problematização dos conteúdos. As fontes

231
são indicadas corretamente, embora alguns que explicitam os pressupostos teórico-
mapas, imagens de satélite e dados não metodológicos em uma linguagem clara e
estejam identificados. diversificada. Não se percebe a articulação
A grande maioria das fotografias entre os conteúdos dos volumes da coleção,
reproduzidas não registra as datas de mas há clara orientação para o trabalho
ocorrência, o que dificulta o acompanhamento interdisciplinar. Nesse sentido, destaca-se a
das diferenças temporais. abrangência da ciência geográfica, permitindo
A estrutura editorial é de boa qualidade, o trabalho com outras áreas do conhecimento,
os títulos e subtítulos apresentam-se como História, Matemática, Ciências, Língua
hierarquizados, embora algumas fotografias Portuguesa e Arte.
se mostrem pouco legíveis. O sumário permite Há poucas sugestões de bibliografia e de
a rápida localização do conteúdo. Textos e outros recursos que contribuam para a
ilustrações estão distribuídos de forma formação do professor. Registra-se apenas
equilibrada e adequada nas páginas dos livros, uma referência bibliográfica com vinte
com recursos de descanso visual para os textos títulos, centrada no ensino de Geografia. A
lingüísticos longos, havendo, no entanto, avaliação da aprendizagem também é tratada
páginas em todos os volumes com o de forma sucinta, sugerindo-se uma avaliação
predomínio de texto ilustrativo. continuada que inclua a expressão textual,
No manual do professor, há orientações oral, pictórica e corporal dos alunos.

Em sala de aula
Ao escolher esta coleção, o docente encontrará, no manual do professor,
sugestões de recursos como filmes e atividades complementares, dirigidas aos
alunos e à comunidade escolar, com os seguintes objetivos: propiciar uma
ampliação do trabalho didático e despertar maior interesse e participação efetiva
dos alunos no processo de ensino-aprendizagem.
Algumas dessas atividades complementares oferecem condições para a realização
de um trabalho interdisciplinar integrado ao desenvolvimento de conteúdos e
habilidades relacionados à História, Arte, Educação Física, entre outras.
O professor, entretanto, deverá estar atento para superar as lacunas e a densidade
dos textos, principalmente na 1ª série, para que a proposta interacionista da coleção
seja levada a bom termo. Para realizar esse trabalho, o professor poderá optar
pela interdisciplinaridade com História e Língua Portuguesa e pela dinâmica do
GEOGRAFIA

trabalho em grupo.

232
Recomendada com Ressalvas
Por quê?
Na coleção, propõe-se a valorização da dimensão
temporal e a problematização da realidade dos alunos,
comparando-a com outras realidades. A linha
metodológica adotada para o ensino de Geografia
permite ampliar a compreensão dos conceitos, desde a
escala do lugar até a escala internacional. Esse
encaminhamento estimula a reflexão crítica sobre
questões socioeconômicas e ajuda a identificar e a
Coleção apreender a dinâmica espacial e as relações sociedade-
Primeiras natureza.
Noções de Embora se demonstre a preocupação em fazer um
encaminhamento metodológico que considere os
Geografia
conhecimentos anteriores dos alunos para, a partir daí,
Silvia Szterling
introduzir os conhecimentos científicos, isso nem sempre
ocorre, já que alguns conteúdos partem do nível
científico, sem considerar os conhecimentos prévios dos
alunos.
Além disso, o tratamento separado dos temas espaço

Editora FTD e tempo, as lacunas nos conceitos de paisagem e de


migração, e, finalmente, a proposta metodológica
apresentada sucintamente no manual do professor
comprometem a sua qualidade.

A coleção lúdicas ou educativas relacionadas aos temas


apresentados; em Concluindo, ocorrem a
Estrutura-se em unidades que, por sua vez, síntese e a fixação do aprendizado. Os
são divididas em seções. O trabalho com os capítulos terminam com a seção Para fazer GEOGRAFIA
conteúdos geográficos é realizado por em casa.
intermédio de atividades diversificadas em O manual do professor está organizado em
cada unidade, direcionadas ao trabalho duas partes. A primeira apresenta o conteúdo
individual, em duplas ou em grupos. As integral do livro do aluno sem as respostas
diferentes seções tornam o ensino mais das atividades. A segunda divide-se em dois
dinâmico: em O que vamos fazer, o objetivo segmentos: um geral, comum aos quatro
é introduzir conceitos a serem trabalhados nas volumes, no qual se tecem comentários sobre
unidades temáticas; na seção Enriquecendo o perfil da coleção e sobre a metodologia
o trabalho, aprofundam-se os conceitos; em adotada, e um específico a cada volume, em
Divertindo-se, encontram-se atividades que se apresentam as propostas de trabalho e

233
seus objetivos, bem como os comentários e compreensão, a análise e a reflexão. Os alunos
orientações sobre as atividades. são levados a participar de atividades que
1ª série (135 p.): Unidade 1. Eu e o outro; favorecem o desenvolvimento do raciocínio
Unidade 2. O tempo passa; Unidade 3. Meu e do senso crítico, tais como entrevistas,
lugar no mundo; Unidade 4. O trabalho de ordenamento dos resultados das pesquisas e
cada um junto a nós; Unidade 5. Recordando. observações em gráficos e tabelas, discussões
2ª série (104 p.): Unidade 1. e propostas de soluções para os problemas
Reconhecimento e organização; Unidade 2. encontrados. Desde a 1ª série, há
A paisagem; Unidade 3. Minha cidade; oportunidade de trabalho com a linguagem
Unidade 4. O trabalho; Unidade 5. simbólica, na forma de legendas, o que facilita
Recordando. a apreensão da linguagem cartográfica
3ª série (111 p.): Unidade 1. Recomeço; desenvolvida em graus crescentes de
Unidade 2. Viajando no tempo e no espaço; dificuldade nas três séries seguintes.
Unidade 3. Movimentos populacionais; Os conteúdos e as atividades propiciam a
Unidade 4. Zona rural e urbana; Unidade 5. compreensão da construção histórica do
Recordando. espaço geográfico a partir das noções de
4ª série (120 p.): Unidade 1. Nós e o espaço tempo, espaço, cultura, trabalho, paisagem e
onde vivemos; Unidade 2. Nossa terra, nossa natureza, levando o aluno a perceber a
gente; Unidade 3. O Brasil e o mundo; influência dos grupos sociais, e dele próprio,
Unidade 4. Recordando. nas transformações da paisagem. Conteúdos
e atividades também possibilitam distinguir
e articular as diferentes escalas geográficas,
A análise levando a comparar o lugar de vivência do
aluno com outros lugares, e mostrando as
Nos pressupostos teórico-metodológicos diferentes relações entre o local, o regional,
da coleção, sintetizados no manual do o nacional e o internacional.
professor, destaca-se uma proposta Destaca-se positivamente a articulação
construtivista de ensino. O aluno é estimulado entre atividades e conteúdos novos e aqueles
a construir o conhecimento geográfico, anteriormente trabalhados, no mesmo volume
considerando-se a vivência individual como ou em volumes anteriores. Essa interação
ponto de partida para o tratamento e a permite a construção do conhecimento como
problematização dos conteúdos. Atividades processo integrado e interdependente.
bem conduzidas permitem que as respostas O aprendizado da linguagem cartográfica
aos exercícios ocorram em níveis crescentes e da representação gráfica inicia-se na 1ª série,
GEOGRAFIA

de dificuldade e abstração, voltando-se com a elaboração de legendas e quadros, em


sempre à experiência do educando. que a experiência vivida do aluno é
Propicia-se à criança o trabalho com o transformada em símbolos, representações e
método científico no desenvolvimento da classificações, até chegar a um trabalho mais
observação, do levantamento de hipóteses e elaborado com mapas e gráficos nas séries
da análise dos resultados de experiências e seguintes. Os exercícios são iniciados desde
de questões contemporâneas, que envolvem a 1ª série, tornando-se progressivamente mais
processos sociais e físicos. complexos. Não se pretende fazer do aluno
Há um contínuo estímulo aos vários um mapeador, mas permitir-lhe a leitura de
processos cognitivos, destacando-se a mapas e gráficos como ferramenta para a

234
compreensão dos fenômenos no espaço e no natureza nas atividades humanas. Verifica-se,
tempo. pois, empenho na análise geográfica dos
A transversalidade dos conteúdos é um dos temas tratados, com a dimensão temporal
pontos positivos da coleção, apresentando-se sendo continuamente retomada. No entanto,
a Geografia como uma ciência que permite a para que a abordagem espaço-temporal se
compreensão das diferentes interfaces da concretize plenamente, o professor deverá
realidade. Os temas são continuamente enfatizar as articulações existentes entre o
retomados em níveis maiores de abstração e tempo e o espaço, principalmente nos dois
dificuldade, o que pode auxiliar os alunos a primeiros volumes, nos quais o tratamento
fixar os conteúdos e também a perceber dispensado ao tempo, apesar de bem
novos aspectos do que já foi apreendido realizado, mostra-se desarticulado com o de
anteriormente. Poesias, pequenos textos e espaço.
projetos de profissionais renomados retomam A atualização dos temas é uma constante,
conteúdos já apresentados e despertam a notadamente no volume da 3ª série. Por
curiosidade para os novos. Esse procedimento exemplo: aborda-se a questão da guerra entre
leva à articulação entre Arte e Ciência, Israel e os palestinos, para tratar das
promovendo o alargamento dos horizontes modificações nas paisagens; as viagens de
culturais dos alunos. Amyr Klink são enfocadas, quando se
Evitando a mera descrição de fenômenos abordam os deslocamentos mundiais; da
naturais, busca-se enfocar as dinâmicas e mesma forma, as fotografias de Sebastião
processos formadores do espaço físico, com Salgado são focalizadas ao se enfatizarem os
ênfase nas relações existentes entre os fatores que levam ao êxodo rural.
elementos de formação e de transformação da Os conteúdos e atividades abordam
paisagem. Entretanto, o professor deve estar questões políticas e sociais sem preconceitos,
atento para destacar a diferença entre tempo estereótipos ou intolerância em relação às
meteorológico e clima, bem como entre tempo diversas culturas. Além disso, a construção
meteorológico e tempo cronológico, já que da cidadania é estimulada em todos os
tais diferenciações não estão claras no manual volumes, com destaque para as práticas e
do professor e no livro do aluno. valores. Nos textos e nas seções, possibilita-
Há na obra condições para que se se que o aluno perceba a importância de sua
desenvolvam os conceitos básicos de participação nas atividades do grupo e na
Geografia que permitem a compreensão das sociedade mais ampla a que pertence, assim
dinâmicas e processos sociais do Brasil e do como sua responsabilidade na busca de
mundo, pela problematização da realidade soluções para os problemas encontrados. São GEOGRAFIA
vivida pelo aluno e pela comparação desta incentivadas as normas básicas de convívio
com outras realidades. Contudo, o professor social, a preservação dos bens públicos, o
deve estabelecer, por exemplo, as cultivo de hábitos e atitudes de respeito ao
semelhanças entre imigrantes e migrantes, outro e de tolerância para com as diferenças.
pois ambos fazem parte do mesmo processo As ilustrações, tais como fotos,
de deslocamento espacial da população. representações cartográficas, gráficos, tabelas
Quanto às relações natureza-sociedade, e quadros, são bem apresentadas e adequadas
são trabalhadas questões referentes às às finalidades para as quais foram elaboradas.
transformações ocorridas na paisagem pela Estão relacionadas aos conteúdos e são
ação do homem, assim como a influência da exploradas para auxiliar na leitura e na

235
compreensão dos textos. A integração das sendo oferecidas informações sobre outros
ilustrações com as atividades propicia o recursos que contribuam para a formação e
desenvolvimento das habilidades de registrar, atualização do professor.
discriminar, organizar e problematizar a partir O professor deverá estar atento para
de dados estatísticos. superar o reducionismo de certos temas que,
O glossário, intercalado ao texto, leva o se não comprometem o processo de ensino-
aluno a complementar o conhecimento de aprendizagem, mereceriam um tratamento
palavras ou conceitos, sem interrupções no mais adequado. Assim, paisagem é associada
desenvolvimento dos conteúdos. Ao final dos ao meio natural e à beleza do cenário, noção
volumes, a sugestão de livros, diferente para mais próxima do senso comum do que de um
cada série, colabora para despertar o interesse conceito científico da Geografia. Deve-se
dos educandos pela leitura. ressaltar que paisagens expressam relações
No manual do professor, a proposta sociais ou naturais e modos de vida, mas elas
metodológica é apresentada de forma próprias não os contêm.
resumida, sem aprofundar os pressupostos que A noção de migração também não foi
norteiam a organização dos conteúdos. Tem- trabalhada adequadamente. Não fica claro que
se, como finalidade, destacar os objetivos e “migrantes” são todos aqueles que se
orientar o professor na condução das deslocam no espaço, seja dentro do próprio
atividades, na articulação dos conteúdos dos país ou entre países. Além disso, as
volumes entre si e com outras áreas de representações cartográficas, apesar de
conhecimento. Os procedimentos para cada apresentadas corretamente, deveriam
unidade são apresentados de forma detalhada, perpassar os diversos conteúdos e não se
sem, no entanto, dificultar a criatividade do concentrar em alguns momentos, para que os
professor na condução do ensino em sala de alunos tivessem continuamente a
aula. Constam, ainda, sugestões para a oportunidade de acesso a esse tipo de
avaliação da aprendizagem e bibliografia, não linguagem.

Em sala de aula
A coleção, em seu conjunto, proporciona boas condições para o desenvolvimento
do trabalho em sala de aula. Os materiais complementares requeridos, como atlas
histórico, atlas geográfico e dicionário, devem ser providenciados pela unidade
escolar, pois são recursos dos quais o professor poderá valer-se para tornar mais
GEOGRAFIA

atraente o ensino da Geografia e despertar a curiosidade dos alunos. A densidade


dos conteúdos exigirá especial atenção do professor no trabalho em sala de aula.
Para que a proposta da coleção se concretize integralmente, é necessário levar
em conta os conhecimentos prévios dos alunos, principalmente nas últimas séries,
quando os conteúdos apresentam maior nível de abstração e nem sempre fica
clara a relação com a vivência imediata da criança. Cabe ao professor, por meio
de atividades e do diálogo, estabelecer essa relação.

236
Recomendada com Ressalvas
Por quê?
O desenvolvimento dos conteúdos e a orientação

didático-pedagógica da coleção são voltados para o

ensino em dois ciclos. Com essa opção, pretende-se

adaptar o processo de conhecimento ao tempo

cronológico dos alunos, possibilitando-lhes ao aluno

compreender, por meio da análise e da reflexão, que o


Coleção espaço geográfico é uma totalidade social e um produto
Espaço e histórico das atividades humanas.
Representações
Paralelamente, considera-se que o professor deve ter
Ana Helena C. F. Gil
Maria Cecília T.S. Romanel um papel mais reflexivo no processo de ensino-

aprendizagem, para redirecionar sua prática pedagógica

em função das alterações que significam a estruturação

dos conteúdos geográficos em ciclos.

No entanto, registram-se algumas lacunas e


Editora Base inadequações que devem ser superadas pelo professor,

para que a análise e a reflexão sobre a totalidade

espacial seja possível.

A coleção apresenta o conteúdo integral do livro do


aluno, os referenciais teóricos da obra e
Os conteúdos são desenvolvidos em quatro orientações gerais para o professor. São
blocos temáticos nos dois volumes da coleção. explicitadas as concepções de Geografia, há GEOGRAFIA
Diferentes seções, como Pesquise, Para discussões sobre o ensino da disciplina e sobre
brincar, Observe e escreva e Vamos cantar? o ensino em ciclos. Também inclui reflexões
propõem atividades que dinamizam os sobre Desenvolvimento humano e apren-
procedimentos em sala de aula, como dizagem,Situações de aprendizagem e
pesquisas, jogos, brincadeiras, músicas. Ao Mediação discursiva e pedagógica, além de
final de cada volume encontram-se Glos- explicitar os objetivos para cada ciclo, as
sário, Sugestões de leitura, Referências propostas de avaliação da aprendizagem e as
bibliográficas e Índice de imagens. O volume justificativas da organização do livro em
destinado ao 1º ciclo é descartável. blocos temáticos. O manual ainda oferece
O manual do professor, com 48 páginas, sugestões de projetos em grupo e textos de

237
apoio ao professor, com conceitos e temas significativas para o estudante, que envolvam
geográficos diversos. Por último, estão seu espaço e suas experiências.
relacionadas as referências bibliográficas. As unidades temáticas possibilitam a
1º ciclo (208 p.): Unidade 1. Localização passagem do senso comum para o
e organização dos espaços; Unidade 2. conhecimento sistematizado a partir da
Representações dos espaços; Unidade 3. inserção do aluno na paisagem local. Ao
Diferentes espaços, diferentes paisagens; valorizar-se a experiência do educando no
Unidade 4. Comparações entre espaços. espaço vivido, explora-se sua percepção
2º ciclo (207 p.): Unidade 1. A construção espacial e criam-se situações que o
das paisagens urbanas e rurais; Unidade 2. encaminham para a construção do
Elementos que constituem os espaços; conhecimento científico. Nesse sentido, na
Unidade 3. População e espaço natural; proposta metodológica são sugeridas
Unidade 4. Produção e organização do atividades que envolvem observação,
espaço. descrição, comparação, pesquisa, coleta e
sistematização dos dados, capacidade de
crítica e de problematização, de modo a
A análise propiciar o desenvolvimento dos processos
cognitivos básicos e complexos.
Na proposta teórico-metodológica, Os alunos são solicitados a elaborar
expressa no manual do professor, a Geografia pequenos textos e frases; discutir; pesquisar
é definida como a ciência que estuda as em jornais, em revistas, na internet, em fotos
relações entre o processo histórico que regula e em documentos antigos; fazer entrevistas;
a formação das sociedades humanas e o elaborar cartazes, painéis, maquetes, mapas,
funcionamento da natureza, por meio da gráficos e desenhos; e utilizar mapas. O
leitura do espaço geográfico e da paisagem. professor participa como mediador desse
Aponta-se como objeto de estudo da processo, que tem como atividade privilegiada
Geografia o espaço historicamente cons- as aulas de campo ou excursões. Além disso,
truído pelo ser humano, em permanente incentiva-se a expressão gráfica e
transformação e movimento. cartográfica, com orientações para a
A partir desse referencial, há duas construção de diferentes representações
propostas de trabalho. No 1º ciclo, abordam- (gráficos, quadros, tabelas, mapas). Também
se a natureza e as ações dos grupos sociais na percebe-se a valorização de outras linguagens,
construção do espaço. No 2º ciclo, o estudo como a teatral.
centra-se na análise das diferentes relações As noções e conceitos geográficos básicos
GEOGRAFIA

entre a cidade e o campo em suas dimensões – espaço, paisagem, lugar, natureza, cultura,
sociais, culturais e ambientais. trabalho, noções de localização, orientação e
As duas propostas devem dar condições representação – são explorados num processo
ao professor de auxiliar os alunos na aquisição de complexidade crescente. No entanto, o
de novos conhecimentos e no desenvolvimento professor deverá ampliar o significado
da habilidade de refletir sobre a realidade, espacial e social de alguns conceitos ou
com o objetivo de atuar de forma mais personagens históricos. A definição de
consciente sobre ela. Na coleção enfatiza-se tropeiros, no glossário do 2º ciclo, por
a idéia de que todo o processo de ensino- exemplo, é muito reduzida, visto que o
aprendizagem deve partir de situações tropeiro não era apenas um comerciante que

238
levava mercadorias em lombo de animais, mas ir e vir – do local para o global e vice-versa.
realizava a articulação espacial entre as O espaço geográfico é sempre apresentado
regiões brasileiras com seu comércio. como diferenciado, concreto e vivenciado, em
As relações espaço-temporais são permanente processo de construção e
contempladas por meio de ilustrações, fotos transformação, no qual se destacam a
e pinturas artísticas, com as quais se interação histórico-cultural e as relações do
estabelecem comparações do mesmo espaço homem com a natureza e dos homens entre
em épocas diferentes. Verifica-se preocupação si, mediadas pelas relações de trabalho.
em analisar o espaço de forma contextualizada As atividades e exercícios propostos,
e histórica, com suas permanências e principalmente no volume do 1º ciclo,
mudanças. exploram a localização geográfica a partir dos
As dinâmicas e os processos do espaço conteúdos temáticos e de situações vividas
físico apresentam-se articulados à intervenção pelos próprios alunos na sala de aula, no
humana na natureza, o que facilita a bairro, na cidade. Para tanto são utilizados
compreensão das relações sociedade- mapas, globo terrestre e outras representações,
natureza. Ao se trabalhar a idéia de que o como, trajetos, plantas e maquetes,
espaço é uma produção humana, procura-se procurando-se evidenciar as articulações
fazer o aluno compreender como os homens existentes entre as diferentes escalas
se apropriam do espaço natural e o geográficas.
transformam de acordo com as relações que Na coleção, são focalizadas as diversi-
aí estabelecem. Nesse contexto são enfocados dades sociais e culturais, buscando-se desen-
os problemas ambientais decorrentes do volver o respeito ao outro e a aceitação das
acúmulo de lixo urbano, do uso diferentes manifestações culturais dos povos.
indiscriminado de agrotóxicos e da poluição Os conteúdos voltados para o estudo dos
dos rios. diferentes tipos de trabalho também exploram
Explora-se de forma sistemática as a diversidade.Verifica-se preocupação em
dinâmicas e os processos socioespaciais, com ampliar a discussão de problemas sociais,
destaque para as interdependências existentes como o trabalho infantil e os conflitos pela
entre as atividades econômicas e os elementos posse da terra, e de problemas ambientais,
do espaço físico. Alguns temas das tomando-se sempre como referência a
subunidades partem do cotidiano e de realidade do aluno. A construção da cidadania
situações próximas dos alunos e buscam também é estimulada, destacando-se a atuação
centrar a atenção em atitudes que valorizam das organizações sociais e sugerindo-se
a formação de noções de tempo e de espaço. atividades de pesquisa e campanhas de GEOGRAFIA
Tais noções ampliam-se, posteriormente, conscientização que motivam e promovem o
destacando-se as múltiplas relações e interesse para a necessidade de conservação
interações entre elas, e entre a natureza, e com e valorização da natureza.
os problemas daí decorrentes. No entanto, o As ilustrações são bastante criativas e, em
dinamismo das relações sociedade-natureza sua maioria, mostram-se adequadas às
não é atingido no volume do 2º ciclo, por finalidades para as quais foram elaboradas. A
exemplo quando são explorados os aspectos inclusão de histórias em quadrinhos para
demográficos, sociais e culturais articulados abordar as diferenças e inter-relações dos
aos elementos físicos. Os fenômenos espaços urbano e rural, por exemplo, é
geográficos são trabalhados num processo de oportuna e enriquecedora.

239
As representações cartográficas são meio de uma reflexão geral sobre procedimentos
igualmente adequadas e propiciam obser- e critérios desse processo que, para ambos os
vações, descrições, análises e interpretações, ciclos deve ser contínua e permitir a reflexão
comparações, problemati-zação de mapas, sobre o erro como forma de obter progressos no
plantas e gráficos. processo de ensino-aprendizagem. Também há
A estrutura editorial é bem-cuidada, o que indicações de como avaliar o trabalho com
facilita a leitura e o manuseio tanto pelo aluno projetos, sugerido para o 2º ciclo.
como pelo professor. Contudo, o docente O manual do professor explicita, com
deverá estar atento para superar erros de clareza e coerência, os pressupostos teórico-
revisão, principalmente nesse período em que metodológicos da coleção e, em especial, de
os alunos estão sendo alfabetizados. Assim, por cada um dos volumes. São feitas consi-
exemplo, a criação do bicho da seda encontra- derações sobre as concepções geográficas e
se grafada como “sericultura”, quando a grafia pedagógicas para o ensino em ciclos, além de
correta é “sericicultura”; os trabalhadores de reflexões sobre o ensino e a aprendizagem da
Chicago foram homenageados em 1º de maio Geografia. O docente encontra, ainda,
de 1886 e não em de 1986, como consta no sugestões de temas para o desenvolvimento
volume do 2º ciclo. de projetos interdisci-plinares com as áreas
A avaliação é abordada separadamente para de Ciências, Matemática, História, Língua
o 1º e 2º ciclos, no manual do professor, por Portuguesa e Artes.

Em sala de aula
Ao adotar esta coleção, o professor poderá realizar um bom trabalho pedagógico
e possibilitar uma efetiva interação do aluno com o conhecimento geográfico. A
proposta da coleção permite que o professor aprofunde as temáticas apresentadas
não só no que se refere ao espaço de experiência e vivência das crianças, mas,
principalmente, levando-as a analisar e a compreender outros espaços. Instiga-
se, dessa maneira, a construção de novos conhecimentos e o desenvolvimento do
pensamento crítico e criativo.
É importante ressaltar que o professor deverá estar atento para superar os
problemas com textos e ilustrações, tornar mais significativas as proposições que
se apresentem muitos complexas e abstratas para alunos do 1º e 2º ciclos, articular
as diversas temáticas e explorar de forma mais significativa ilustrações, textos
GEOGRAFIA

complementares e sugestões de leitura.


O trabalho com coordenadas geográficas e fusos horários, por exemplo, ao mesmo
tempo que pode favorecer a localização dos fenômenos, é muito complexo e
abstrato para os alunos das séries iniciais. Assim, são requeridos cuidados especiais
para que alguns conteúdos sejam trabalhados de maneira adequada e significativa
ao aluno. A articulação das temáticas e a exploração mais significativa das
ilustrações e textos complementares exigirão, além de cuidado, perspicácia e
preparo do professor.

240
Recomendada com Ressalvas
Por quê?
Destaca-se por valorizar o espaço de vivência e os

conhecimentos prévios do aluno e sua inserção cidadã

no cotidiano da sociedade. Dessa maneira, os conteúdos

e atividades da coleção incentivam a investigação da

realidade e a construção de conhecimentos em escalas


Coleção
variadas.
Geografia do
Cotidiano No entanto, a ênfase dada ao estudo da cidade do Rio

Aracy do Rego Antunes de Janeiro, principalmente nos volumes da 3ª e 4ª séries,


Maria de Lourdes A. Trindade
Tomoko Iyda Paganelli
reduz as possibilidades de uso da coleção em outros

lugares do País.

Além disso, os conceitos e noções básicos de

Geografia são pouco aprofundados na obra, provocando


Editora Access
lacunas de informação que devem ser supridas pelo

professor.

A coleção O manual do professor fornece explicações


sobre a estrutura interna da coleção nos
Organiza-se em capítulos e seções, ambos tópicos: Atividades, Trabalhando no caderno,
iniciados com uma pergunta-chave. Em Trabalhando em grupo, Refletindo, Avaliação GEOGRAFIA
seguida, são apresentados textos explicativos, e Bibliografia. No tópico Atividades,
atividades e ilustrações, muitas das quais destacam-se os tipos de conhecimento
elaboradas por alunos das séries iniciais do (conceituais, procedimentais e atitudinais); a
Ensino Fundamental. Também são necessidade de a metodologia de ensino
apresentados quadros com textos e frases de contemplar a construção do conhecimento a
crianças. As atividades propostas estão partir das noções do vivido, concebido e
organizadas em seções: Trabalhando no percebido; a utilização de diferentes
caderno, Trabalhando em grupo e Refletindo. linguagens; e o desenvolvimento da
Ao final dos volumes, constam a bibliografia criatividade e da capacidade de crítica. O
para o aluno e o glossário. manual oferece, também, orientações

241
específicas para cada capítulo dos livros e atividades e da participação ativa dos alunos
indicação de bibliografia comum para os na sua construção.
quatro volumes. Não é fornecido o conteúdo Os conteúdos, noções e conceitos básicos
dos livros dos alunos, constando apenas a são norteados pelo estudo do lugar em que o
parte específica destinada ao professor. aluno vive e de lugares distantes,
1ª série (87 p.): Capítulo 1. A criança e os considerando-se as relações afetivas para com
lugares; Capítulo 2. Um lugar para morar: a eles, as condições de vida das pessoas, a ação
casa; Capítulo 3. Um lugar para estudar: a humana sobre o mundo. A categoria lugar e a
escola; Capítulo 4. Um lugar público: a rua. investigação da realidade do aluno são os
2ª série (96 p.): Capítulo 1. Lugares eixos direcionadores da coleção.
conhecidos; Capítulo 2. Um lugar chamado O desenvolvimento dos conteúdos e
bairro; um lugar chamado setor; Capítulo 3. atividades se dá de maneira articulada e
A natureza do bairro; Capítulo 4. Os seqüencial, a partir do princípio da
problemas do bairro; Capítulo 5. O bairro nas complexidade crescente, com o resgate dos
plantas e mapas; Capítulo 6. Os moradores saberes prévios do aluno na investigação de
do bairro; Capítulo 7. O trabalho entre os realidades em diferentes escalas espaciais, da
índios, da mulher e da criança; Capítulo 8. casa do estudante ao País. No entanto, como
Os diferentes trabalhos: as atividades. se privilegia o estudo da cidade do Rio de
3ª série (109 p.): Capítulo 1. Descobrindo Janeiro, especialmente no livro da 3ª série,
o Rio de Janeiro; Capítulo 2. Localizando o isso pode dificultar a utilização desta coleção
Rio de Janeiro; Capítulo 3. Conhecendo o em outros locais do Brasil.
Rio de Janeiro; Capítulo 4. A natureza As atividades são fundamentais para a
transformada no Rio de Janeiro; Capítulo 5. realização dos objetivos propostos, uma vez que
O Rio de Janeiro: hoje. propiciam oportunidades de reflexão e
4ª série (116 p.): Capítulo 1. O aluno no aprendizado e estimulam vários processos
mundo; Capítulo 2. Localizando o Brasil; cognitivos básicos. São propostos exercícios que
Capítulo 3. As paisagens brasileiras; Capítulo exploram as noções de orientação, localização
4. Os brasileiros hoje; Capítulo 5. A e representação do espaço, a partir dos
administração do território. referenciais que os alunos utilizam no cotidiano.
A problematização das desigualdades sociais,
por exemplo, leva ao questionamento das
A análise diferenças nas condições de vida das pessoas, o
que pode despertar o espírito crítico.
Os pressupostos teórico-metodológicos Certas atividades, entretanto, mostram-se
GEOGRAFIA

têm como objetivo a construção de inadequadas, especialmente as de


conhecimentos, habilidades e valores a partir interpretação de representações cartográficas,
do cotidiano dos alunos, além do incentivo pois exigem o domínio de técnicas de
ao exercício da cidadania. As atividades se decodificação cartográfica que as crianças
destacam pela qualidade, estimulam os ainda não têm; os mapas são pequenos,
processos cognitivos e auxiliam na construção apresentados sem as devidas fontes e datas e
do conhecimento a partir das noções do há imprecisões na identificação das legendas.
vivido, concebido e percebido. Assim, os No glossário, definições muito genéricas não
conceitos não são dados prontos, mas devem atingem o objetivo de facilitar a compreensão
resultar da interação dos textos, ilustrações e dos termos introduzidos ao longo dos textos.

242
As dinâmicas e os processos agressões ao ambiente e a organização de
socioespaciais são estudados a partir da caminhadas em prol da preservação da
consideração dos aspectos que influenciam as natureza.
fixações e as mudanças no espaço geográfico, Os conteúdos e atividades, em especial os
como as condições econômicas e as relações trabalhos em grupos, contribuem para o
afetivas, sempre em diferentes níveis de convívio social e para a construção da
abordagem, dos mais próximos aos mais cidadania, com respeito à pluralidade cultural,
distantes. Procura-se também trabalhar a à liberdade e ao fortalecimento da democracia.
construção histórica do espaço geográfico, por As questões de cidadania são articuladas com
meio das transformações e permanências. propriedade, chamando-se a atenção para
Assim, a obra oferece textos, ilustrações e problemas relevantes. São previstas situações
atividades que propiciam a compreensão das em que o tratamento dos conteúdos conta com
relações espaço-temporais. No entanto, não a colaboração de pessoas da comunidade, que
se verifica abordagem específica do tempo são consultadas e/ou mobilizadas a juntarem
histórico. esforços que viabilizem ações para a melhoria
Já a abordagem do meio físico centra-se da qualidade de vida. A cidadania pressupõe
em análises simplificadas e descritivas, compreender o entorno social e atuar sobre
estando ausente um tratamento mais ele. Nesse sentido, são interessantes as
específico e fundamentado dos processos propostas de pesquisa, de organização de
naturais e de suas dinâmicas, especialmente campanhas e de manifestações dos alunos
em relação à formação e evolução do relevo. com o objetivo de transformar a realidade.
Contudo, as orientações para observação da O estímulo ao envolvimento escola-
paisagem possibilitam que o aluno identifique comunidade visa ampliar a convivência com
a presença da natureza, base para posterior pessoas de origens diversas e destaca o papel
trabalho com suas dinâmicas e processos. individual e coletivo na resolução dos
As relações sociedade-natureza são problemas cotidianos.
abordadas, notadamente no volume da 4ª Diversas formas de linguagem são
série. Identificam-se problemas da valorizadas e incentivadas. Os textos com os
interferência humana na natureza, como a conteúdos básicos tornam-se mais complexos
destruição da floresta da Tijuca (RJ) no à medida que as séries avançam, sendo
passado, pelo cultivo do café, que acabou complementados por textos de crianças,
prejudicando fontes e mananciais; a ocupação poemas e artigos diversos. A linguagem visual
desordenada das encostas e o depósito é valorizada com ilustrações e representações
indiscriminado de detritos industriais, cartográficas usadas como fontes de GEOGRAFIA
substâncias químicas que afetam a flora, a informação. Nesse sentido, destacam-se obras
fauna e a qualidade da água do rio Paraíba do de artistas consagrados, assim como desenhos
Sul. Também são estimuladas atitudes de e textos de produção infantil.
cuidado com o ambiente, como o Constata-se, como aspecto relevante, o uso
envolvimento das comunidades, o de diferentes imagens, como fotografias,
reaproveitamento de materiais encontrados no pinturas, gravuras, desenhos, que facilitam a
lixo, a defesa das florestas, dos mananciais, leitura e contribuem para a aprendizagem,
das encostas e dos morros. Destaca-se a constituindo-se em fontes complementares e
importância da filiação a movimentos indiretas de estímulo, obtenção de
ecológicos, a denúncia das causas das informações, constatações, comparações e

243
problematizações, de acordo com os objetivos Destaca-se a possibilidade de diagnosticar as
almejados. Os gráficos, tabelas e quadros são dificuldades de aprendizagem e de rever as
bastante explorados nas atividades, estando, ações de ensino-aprendizagem com o intuito
no geral, adequados às finalidades para as de alcançar os objetivos propostos.
quais foram elaborados. O manual do professor oferece, nas
No conjunto, a coleção apresenta boa orientações específicas para cada volume, os
estrutura editorial, que é auxiliada pela objetivos de cada capítulo, há menção ao
organização hierarquizada dos textos. Na conteúdo a ser tratado e comentários sobre as
entanto, a ausência de alguns subtítulos, que atividades propostas, assim como orientações
são trabalhados nas páginas dos livros, mas e sugestões de enriquecimento das atividades
não estão indicados no sumário, dificulta a pelo professor.
localização dos conteúdos. As letras pequenas Por outro lado, não há muita preocupação
e a falta de nitidez de mapas e plantas também com a formação continuada do professor,
são problemas que tornam a leitura pouco como atesta a reduzida bibliografia,
atrativa. semelhante em todos os volumes. O manual
A avaliação é concebida como um possui pequeno número de páginas e não
processo constante, sistemático, contínuo e contempla os conteúdos presentes nos livros
progressivo, baseado no eixo ação-reflexão, dos alunos, o que dificultará o trabalho do
com ênfase no crescimento do educando. professor em sala de aula.

Em sala de aula
A grande variedade de ilustrações e textos presentes na coleção torna sua leitura
agradável e estimulante, permitindo um bom trabalho pedagógico. O professor
deve observar que as imagens constituem a principal fonte de informação e
interpretação desta coleção. Nesse sentido, cabe a ele desempenhar papel de
destaque na construção do conhecimento do aluno: como os conceitos raramente
são definidos a priori, a atividade docente deve encaminhar-se para explorar as
possibilidades de construí-los a partir dos textos, ilustrações e atividades. Além
disso, como ocorrem problemas com representações cartográficas e informações,
caberá ao professor superá-los para não comprometer a construção de conceitos
e a compreensão da realidade pelos alunos.
GEOGRAFIA

O professor deve estar atento, também, para esclarecer trechos com linguagem
de difícil compreensão e complementar os conteúdos, como nos volumes da 2ª e
3ª séries, nos quais as atividades não consideram o movimento de translação da
Terra.

244
Recomendada com Ressalvas
Por quê?
Na coleção, a construção do conhecimento pelo alunos

é valorizada. Procura-se tornar o ensino significativo para

os estudantes e recomendando-se que o professor

trabalhe os temas a partir das vivências e da realidade

mais próxima dos educandos.


Coleção
Os conteúdos e atividades possibilitam a construção
Geografia
em Ação de competências e habilidades para reconhecimento,

Priscila Ramos de Azevedo análise e compreensão dos elementos e processos


Luciana Fava Dias
Renata Celeste Andrade
constituintes do espaço geográfico e, a partir daí, para

a constituição da cidadania.

Todavia, o encaminhamento dado ao trabalho

pedagógico fica prejudicado pelas propostas de


Editora Ática
situações de aprendizagem que partem de conceitos já

elaborados ou distantes da realidade da criança.

A coleção variadas; Leitura, em que se apresentam


textos complementares para aprofundar
Cada um dos volumes organiza-se em informações, relacioná-las e compará-las com
unidades, divididas em subunidades: a realidade do aluno e outras realidades; GEOGRAFIA
Converse, que consiste num conjunto de Projeto, em que se propõe um tema central a
questões visando resgatar conhecimentos ser trabalhado pelos alunos, de modo a
prévios, motivar e envolver os alunos com o estabelecer pontos de vista diferenciados,
tema proposto; Em ação, em que se encontram relações e comparações de resultados. Esta
atividades práticas, com recursos situação de aprendizagem contempla
cartográficos e de ensino (textos, procedimentos como análise, síntese,
depoimentos, imagens), sobre o conteúdo analogia, reflexão, interpretação, dedução,
tratado, objetivando a transferência da representação e dramatização. Ao final de
expressão verbal para a escrita e/ou artística, cada volume encontram-se Glossário
com possibilidades de execução e soluções ilustrado, com a indicação das páginas de

245
ocorrência dos termos, Sugestões de leitura e seres humanos. O encaminhamento dado à
Referências bibliográficas. obra destaca categorias geográficas de lugar,
O manual do professor reproduz o livro paisagem, natureza, território e região, o que
do aluno, acrescido pelas orientações de uso consiste em um ponto alto da coleção.
da obra e pela proposta teórico-metodológica O processo de conhecimento geográfico
adotada. Também há comentários e sugestões inicia-se a partir dos lugares próximos da
para o desenvolvimento das atividades criança e de seu corpo, como a escola, a
propostas e das complementares, em cada moradia, a rua. Contempla-se também a
volume. O manual contém, ainda, indicações diversidade de lugares e de experiências,
de leituras suplementares, bibliografia quando se coloca o aluno em contato com
adicional e sites para pesquisa. outras realidades sociais, num constante ir e
1ª série (136 p.): Unidade 1. Eu sou vir, do mais próximo ao mais distante. Assim,
criança; Unidade 2. Jeitos de morar; Unidade os conteúdos vão sendo ampliados para
3. Eu moro nesta rua; Unidade 4. Jeitos de espaços nacionais e internacionais nos três
estudar. primeiros volumes. No da 4ª série, propõe-se
2ª série (152 p.): Unidade 1. Eu e as a elaboração de noções mais abstratas,
pessoas; Unidade 2. As pessoas e os lugares; compatíveis com o desenvolvimento lógico-
Unidade 3. Representando os lugares; formal das crianças.
Unidade 4. A paisagem dos lugares. Apesar disso, a realização das propostas
3ª série (184 p.): Unidade 1. Estudando o metodológicas se dá apenas de maneira
município; Unidade 2. A cidade e o campo; parcial. No contínuo ir e vir do mais próximo
Unidade 3. Vivendo na cidade e no campo; ao mais distante, e mesmo na variedade de
Unidade 4. O município que queremos. conteúdos e temas, nota-se quebra na
4ª série (184 p.): Unidade 1. Do município continuidade do processo de ensino-
ao mundo; Unidade 2. Paisagens do Brasil; aprendizagem.
Unidade 3. Os brasileiros; Unidade 4. O Brasil No volume da 1ª série, por exemplo, são
em regiões. empregados instrumentos pedagógicos para
a identificação da criança com sua aparência,
nome, data de nascimento, relacionamento
A análise com os colegas em sala de aula. Entretanto,
quando se inicia a construção da noção de
Os pressupostos teórico-metodológicos, espaço, parte-se de relações projetivas (mais
explicitados no manual do professor, são distantes do aluno) e não das relações
baseados na concepção socioconstrutivista. A topológicas mais básicas (mais próximas do
GEOGRAFIA

metodologia do ensino de Geografia está aluno).


centrada na interpretação crítica dos O volume da 3ª série requer a condução
fenômenos geográficos, na medida em que se mais pronunciada do docente para que os
enfatiza a problematização dos temas alunos compreendam alguns conteúdos, uma
abordados nos textos, nas imagens e nas vez que temas diferentes, embora
atividades. Em coerência com a opção relacionados, são trabalhados de maneira
metodológica adotada, pretende-se levar o simultânea, sem que sejam demonstradas, de
aluno a perceber-se como participante de seu maneira clara, as relações existentes entre
espaço de vivência e a compreender os eles, o que pode dificultar o entendimento do
fenômenos como resultantes do trabalho dos espaço geográfico pelo aluno.

246
A proposta de formação do espírito crítico intuito de promover a compreensão dos
não se realiza integralmente, apesar de serem processos que levam às alterações
abordados problemas sociais, como evasão socioespaciais. Utilizam-se entrevistas, fotos
escolar, mendicância de menores, conflitos antigas e recentes, textos, mapas e poesias
em terras indígenas. É preciso ressaltar que a como recursos didático-pedagógicos na
criticidade é construída a partir da elaboração do saber geográfico. Nas primeiras
compreensão dos processos sociais e não de séries, por exemplo, solicita-se que a criança
opiniões dos alunos ou da simples pesquise o histórico de sua rua, as alterações
apresentação de realidades sociais adversas, no cotidiano do bairro e as transformações
conforme a abordagem presente em urbanas, que são vistas por intermédio do
momentos da coleção. Também o conceito de testemunho de familiares. Nas duas últimas
cultura precisa ser mais bem-elaborado, pois séries, enfatiza-se a participação dos grupos
se corre o risco de a criança ficar com a noção sociais como agentes transformadores do
de que cultura se restringe à enumeração de espaço e das paisagens. Observa-se,
músicas, pratos típicos, danças e mitos de entretanto, que as escalas temporais adotadas
lugares distintos. são muito amplas nas séries iniciais.
Por outro lado, os textos, atividades e As dinâmicas e processos do espaço físico
imagens utilizados contribuem para o são abordados a partir da 2ª série, embora de
desenvolvimento dos processos cognitivos de forma incipiente, com a enumeração de
maneira adequada e integrada e favorecem a noções elementares ou problemas ambientais.
observação, a comparação e a descrição. O tratamento mais complexo do meio natural
A investigação é estimulada em constantes inicia-se na 3ª série, quando o espaço físico é
propostas de pesquisa. Encorajam-se a enfocado do ponto de vista ambiental. Na 4ª
expressão oral em debates e conversas em sala série, são instituídas as primeiras noções das
de aula e a expressão escrita, em textos, como paisagens brasileiras, bem como identificadas
questionários, resumos, descrições e respostas e localizadas as formações do relevo, a
às questões apresentadas. A problematização hidrografia, as condições climáticas e a
do objeto de conhecimento está presente vegetação. Promove-se o conhecimento dos
desde a 2ª série e se desenvolve processos naturais mais elementares e também
gradativamente em níveis cada vez mais dos processos da ação humana (antrópicos),
complexos. que conjuntamente explicam as configurações
O professor, entretanto, deverá geográficas.
desenvolver estratégias apropriadas para que Os conteúdos e atividades apresentados
a criança consiga estabelecer relações entre estimulam hábitos, atitudes e comportamentos GEOGRAFIA
variáveis e, a partir daí, deduzir, interpretar e voltados para a construção da cidadania.
explicar. Ou seja: ao mesmo tempo em que Permite-se que os alunos vivenciem e tomem
adquire noções mais elaboradas, ela toma conhecimento dos diferentes processos
consciência dos instrumentos e procedimentos sociais e formas de participação dos
apreendidos, utilizando-se deles em outros indivíduos na construção da sociedade.
contextos. Ressalta-se a importância do respeito ao outro,
As relações espaço-temporais, indicadoras da tolerância, da liberdade e da pluralidade
das transformações sociais, são abordadas em cultural para o convívio social e, diante disso,
várias escalas, das mais próximas às mais evita-se privilegiar segmentos ou classes
distantes, desde o volume da 1ª série, com o sociais, lugares ou nacionalidades. Destaca-

247
se também o trabalho adequado com os temas desenvolvimento de atividades. Detalham-se
transversais e com a interdisciplinaridade, para cada volume os objetivos, conteúdos,
presente nos quatro volumes. procedimentos e atitudes esperados.
A estrutura editorial é adequada à proposta As orientações para as atividades e
da obra, facilitando a leitura e o manuseio dos exercícios se encontram tanto ao final do
livros. Textos e imagens distribuem-se nas manual, quanto ao longo dos textos oferecidos
páginas de forma equilibrada. aos alunos, nos quais objetivos e propostas
A avaliação é apresentada como aparecem destacados. Além disso, contém
acompanhamento do processo de ensino- orientações para atividades complementares
aprendizagem, no qual se verifica o que os correspondentes a cada volume. A formação
alunos incorporaram em termos de continuada do professor é estimulada com
conhecimento e procedimentos dotados de leituras complementares, sugestão de
significado e sentido. bibliografia adicional e sites para consultas.
No manual do professor constam As referências bibliográficas são de boa
orientações sobre a proposta educacional e qualidade e representativas do atual
teórica da coleção. São oferecidas noções para desenvolvimento por que passa o
trabalhar projetos cartográficos e diferentes conhecimento geográfico, tanto no aspecto
linguagens, assim como instruções para o científico como no educacional.

Em sala de aula
A coleção mostra-se de fácil compreensão e aplicabilidade nas mais diversas
situações de ensino da Geografia e em diferentes ambientes escolares e não são
necessários recursos materiais ou instrumentais complexos para sua utilização.
Os conteúdos e atividades, diversificados e abrangentes, permitem realizar um
bom trabalho em sala de aula. As limitações de ordem teórico-metodológicas
poderão ser superadas mediante atuação consciente e reflexiva do professor, que
pode contar com o material bibliográfico, com as fontes documentais e com os
recursos didático-pedagógicos disponíveis para consulta em seu manual.
Para tornar mais significativas as relações espaço-temporais e seus processos,
o professor deverá adotar estratégias compatíveis com a história de vida das
crianças, como os períodos diários, ou mesmo semanais, de vivência, o que é
realizado esporádica e timidamente.
GEOGRAFIA

248
Recomendada com Ressalvas
Por quê?
A coleção propõe um ensino de Geografia que
contribua para a autonomia intelectual da criança,
capacitando-a a buscar informações e conhecimentos
e saber como aplicá-los no dia-a-dia. Nesse sentido, o
professor tem o papel de mediador da aprendizagem,
incentivando e criando oportunidades para que os alunos
construam seus conhecimentos, num processo
Coleção permanente de aprender a aprender.

Interagindo e O desenvolvimento dos conteúdos deve ocorrer de


forma progressiva e são oferecidas diferentes atividades
Percebendo o
interativas, nas quais a participação discente é uma
Mundo -
constante. O objetivo é possibilitar que a criança se sinta
Geografia
co-responsável pela construção e transformação do
Roseni R. C. Nascimento
espaço.
Rosiane de Camargo
Lilian Sourient No entanto, essa proposta bastante inovadora não
encontra correspondência na organização dos
conteúdos e na abordagem metodológica. O professor
Editora Brasil precisará, assim, superar procedimentos de ensino-
aprendizagem tradicionais, além de lacunas e
imprecisões nos conteúdos.

A coleção constituída pelo livro do aluno com exercícios


resolvidos e orientações de atividades a serem
Os conteúdos são desenvolvidos por desenvolvidas. Na segunda parte, discute-se
intermédio de textos, reforçados por o ensino de Geografia e o processo de GEOGRAFIA
atividades distribuídas em seções, tais como avaliação. Também há orientações gerais
Agora é com você, que leva o aluno a sobre a obra, textos de apoio para o trabalho
interpretar e refletir sobre o assunto abordado; pedagógico, sugestões de textos que poderão
Observando detalhes, que desenvolve a ser trabalhados pelos alunos e bibliografia
habilidade de observação; e Trabalhando com consultada e recomendada.
textos, que utiliza textos jornalísticos, 1ª série (112 p.): Unidade 1. Como eu sou?;
poéticos e imagens que visam à interpretação Unidade 2. O meu lugar; Unidade 3. A rua;
e ao posicionamento crítico do aluno. Unidade 4. Na rua; Unidade 5. Orientação.
O manual do professor, com 32 páginas, 2ª série (112 p.): Unidade 1. O espaço da
divide-se em duas partes. A primeira é cidade; Unidade 2. O espaço do campo;

249
Unidade 3. Repensando o espaço do interativa. Embora haja a intenção de
município. relacionar o cotidiano vivido e os conteúdos,
3ª série (128 p.): Unidade 1. Localizando a coleção apenas ensaia essa possibilidade, o
e representando espaços; Unidade 2. Brasil: que, de certa forma, prejudica a busca de
esta é a tua cara; Unidade 3. Conhecendo o autonomia da criança.
Brasil. Por outro lado, as noções e conceitos
4ª série (112 p.): Unidade 1. O homem e a básicos levam os alunos a compreender as
natureza; Unidade 2. Plantando e criando relações espaço-temporais, das mais simples
animais; Unidade 3. Transformando produtos. às mais abstratas. Estas relações estão
presentes nas seções Valorizando a memória
e Observando detalhes, nas quais se estimula
A análise a investigação de aspectos históricos da
organização do espaço.
Os pressupostos teórico-metodológicos O professor, entretanto, precisa estar
que norteiam a coleção fundamentam-se numa atento para adequar algumas informações ao
proposta pedagógica de natureza sócio- nível cognitivo dos alunos, tornando os
histórica, na qual se procuram a autonomia e conteúdos mais significativos, já que muitos
a participação do aluno na compreensão da são bastante abstratos, como os que tratam
realidade. A escolha dos conteúdos deve da mudança da organização espacial
possibilitar o desenvolvimento de capacidades brasileira.
de inserção social e da construção de relações Nas relações sociedade-natureza, parte-se
interpessoais. de situações simples para as mais complexas.
Nesse sentido, os conteúdos são Distinguem-se os elementos da natureza dos
entendidos numa perspectiva mais ampla que elementos construídos pelo ser humano.
a meramente temática e engloba: a) conteúdos Aborda-se a ação destrutiva da sociedade
conceituais, que possibilitam ampliar e sobre a natureza, ao provocar deslizamentos
aprofundar o conhecimento adquirido, de de terras e poluição. A relação sociedade-
forma contextualizada; b) conteúdos natureza também é analisada a partir do
procedimentais que visam, por meio de trabalho, quando a natureza é focalizada como
exercícios de observação, experimentação e matéria-prima e fonte de alimentação.
classificação, propiciar o trabalho com regras, Percebe-se, no entanto, a simplificação de
técnicas, métodos, habilidades e estratégias algumas discussões, como a questão do
no desenvolvimento pedagógico; c) conteúdos saneamento básico, que leva em consideração
atitudinais, que se referem ao trabalho com apenas a coleta de lixo e a rede de esgotos e
GEOGRAFIA

valores, atitudes e normas. negligencia o sistema de abastecimento de


Na obra, as informações e os dados têm o água tratada.
objetivo de problematizar o processo de As noções, os conceitos e as informações
ensino-aprendizagem. No entanto, o professor referentes ao espaço físico são apresentados
deve estar atento para dar mais ênfase às de maneira superficial, uma vez que, na
categorias de território, paisagem e lugar que, coleção, privilegia-se o estudo das relações
apesar de percorrerem os temas, pouco se socioespaciais. Mesmo assim, são oferecidas
destacam da categoria espaço. Além disso, o condições para que os alunos das séries mais
caráter descritivo e pouco crítico da coleção, adiantadas compreendam as dinâmicas e os
exigirá do docente uma atuação mais processos constituintes do espaço físico-

250
natural. Os estudantes são levados a perceber das atividades nem sempre contribuem
a permanência e a mudança de elementos efetivamente para que o aluno responda
naturais em diversas paisagens, a identificar satisfatoriamente às questões propostas.
os elementos naturais e culturais no trajeto Portanto, caberá ao professor fornecer os
casa–escola e a estudar as zonas climáticas. subsídios e as orientações necessários para a
No entanto, também neste caso o professor sua exploração.
precisará estar atento às generalizações e Os comportamentos voltados para a
preparado para complementar informações, construção da cidadania e para o convívio
como a de que o inverno, num país tropical, é social no âmbito da escola e fora dela são
marcado por chuvas; o uso dos conceitos de preocupações que permeiam a coleção. A
chuva e umidade como sinônimos; a alusão à variedade das experiências humanas é
magnitude das estrelas associada ao tamanho valorizada e procura-se desenvolver nos
e não ao brilho que ostentam. alunos atitudes e procedimentos que
Percebe-se na obra que os processos valorizem tal diversidade.
socioespaciais são abordados com profun- As ilustrações são de boa qualidade e
didade, o que propicia o entendimento pelo auxiliam no entendimento dos conteúdos
aluno da dinâmica da construção do espaço abordados. As representações cartográficas,
geográfico num nível de complexidade em geral, estão em consonância com o
compatível com o seu desenvolvimento conteúdo, são claras, precisas e a maioria
cognitivo. contém legendas, escala e orientação. No
O incentivo a distintos processos entanto, algumas delas são muito
cognitivos reflete a concepção de simplificadas e apresentam lacunas de
aprendizagem segundo a qual o aluno é levado informação.
a refletir sobre os conteúdos apresentados e a O professor deverá complementar os
adquirir autonomia intelectual, por meio da trabalhos com quadros, tabelas e gráficos,
observação, da comparação e da análise. Na pouco valorizados na coleção, criando
passagem dos conhecimentos do senso condições para que os alunos aprendam as
comum para o conhecimento sistematizado, várias técnicas e recursos de representação.
o saber prévio dos alunos é valorizado. Por outro lado, o estudo dos temas
Estimulam-se também o desenvolvimento da transversais, como Ética, Ambiente, Plura-
expressão escrita, gráfica e cartográfica e a lidade Cultural, Orientação Sexual e Saúde
capacidade de produção de diferentes formas são bastante estimulados. Assim como as
de textos, bem como o desenvolvimento de leituras complementares sugeridas, que são
habilidades como representação e oralidade. enriquecedoras e adequadas aos conteúdos. GEOGRAFIA
As atividades promovem a articulação Além disso, é freqüente o uso de poesias com
entre os diferentes conteúdos e conduzem a as quais se procura despertar o interesse das
problematizações e reflexões sobre questões crianças pelos diversos temas.
do cotidiano, tais como desemprego e reforma A estrutura editorial é bem-cuidada, os
agrária. Esses pontos, no entanto, precisam conteúdos são apresentados de maneira
ser bem explorados pelo professor para que hierarquizada e o sumário permite sua rápida
não se resumam a uma sucessão de fatos sem localização. A maioria dos textos e das
significado para a criança, mas, ao contrário, ilustrações está distribuída na página de forma
colaborem para o desenvolvimento do equilibrada e adequada. No livro da 2ª série,
desejado espírito crítico. Além disso, os textos no entanto, o excesso de informação e a

251
ausência de recursos de descanso podem professor e textos que poderão ser trabalhados
provocar fadiga visual nos leitores iniciantes. com os alunos. Esses textos são diferentes em
A avaliação da aprendizagem, de acordo cada volume e articulados aos temas que serão
com o manual do professor deve ser contínua, desenvolvidos. Os textos suplementares
diagnóstica, transparente, formativa e integral. contribuem para o aprofundamento de alguns
Entende-se que a avaliação deve ser integrada conteúdos tratados superficialmente nos
à aprendizagem, num processo de interação volumes da coleção.
entre professor e aluno. Assim, torna-se A segunda parte do manual do professor é
essencial partilhar a análise das produções formada pelo conteúdo do livro do aluno com
discentes, transformar eventuais erros em as respostas aos exercícios, além de
novas oportunidades de aprendizado e orientações pontuais sobre como dinamizar
orientar as crianças para reconhecer avanços cada conteúdo. A bibliografia consultada e
e dificuldades. recomendada, da qual constam livros e
O manual do professor é constituído de periódicos, permite a atualização do professor,
duas partes. Na primeira constam orientações mas privilegia as discussões sobre a prática
sobre a proposta educacional e teórica da pedagógica e sobre o ensino da cartografia,
coleção. São destacadas questões sobre a pontos que não têm destaque na obra.
formação do aluno e sobre os papéis da escola Os conteúdos sobre outros temas geográficos
e do professor na proposta pedagógica. O são pontuais, como a referência sobre
manual também oferece textos de apoio ao cidades.

Em sala de aula
Ao escolher a coleção, o professor terá acesso a orientações numa linguagem
clara e diversificada que visam facilitar seu trabalho. São oferecidos suportes para
o desenvolvimento do processo de ensino-aprendizagem, a despeito de algumas
lacunas e imprecisões que podem ser transformadas em novas oportunidades de
aprendizado para o docente e seus alunos.
Busca-se promover a articulação dos conteúdos no interior de cada livro, porém
não há articulação entre os conteúdos dos volumes da coleção. O professor
precisará superar essa lacuna, procurando articular os temas seqüencialmente,
de maneira a propiciar o alcance de níveis de complexidade crescentes ao longo
das séries e compatíveis com o domínio cognitivo dos alunos.
GEOGRAFIA

A coleção possibilita o desenvolvimento de um bom trabalho pedagógico ao


valorizar a participação do aluno na construção do saber geográfico. O professor
também tem papel fundamental na condução das atividades. Ele deverá superar
as lacunas apontadas e propiciar uma abordagem mais crítica dos fenômenos
geográficos, devendo para tanto recorrer a materiais suplementares como jornais
e revistas, além de outros livros didáticos e paradidáticos.

252
Recomendada com Ressalvas
Por quê?
A diversidade de atividades, ilustrações e estudos do

meio proposta na coleção contribui para desenvolver

vários processos cognitivos e noções de representação

cartográfica.

A metodologia de ensino-aprendizagem explicitada

Coleção Pensar segue a linha construtivista e a abordagem humanística


e Construir - da Geografia. No entanto, observa-se um relativo
Geografia descompasso entre os pressupostos teórico-
Maria da Conceição C. Oliveira
Silas Martins Junqueira metodológicos e a formulação dos textos-narrativas, na

medida em que estes contextualizam experiências

vividas por personagens fictícios. Essas situações

podem ajudar no estímulo à imaginação do aluno, mas

pouco contribuem para o desenvolvimento do raciocínio


Editora Scipione
e para a construção mais eficiente dos conceitos básicos

da Geografia.

A coleção de leitura complementar, referências


bibliográficas e indicação de sites para os
Os livros são estruturados em unidades e alunos.
estas, em capítulos, com um ou mais textos e O manual do professor, com média de 40 GEOGRAFIA
atividades. Quase sempre os capítulos páginas, contém: Apresentação; Pressupostos
terminam com uma seção Para saber mais, metodológicos; Textos de orientação para o
com indicação de leituras complementares. professor; Orientações específicas para o
Há grande variedade de atividades tanto para volume da série; Orientações para as
trabalhos interdisciplinares, quanto para atividades cartográficas; Bibliografia.
estudo do meio e pesquisa de campo. São 1ª série (135 p.): Unidade 1. Nós, os outros
utilizados recursos como letras de música, e os nossos lugares; Unidade 2. Nosso bairro
poemas, dramatização e entrevistas. Os livros e nossos amigos: vamos viver bem; Unidade
são ilustrados com desenhos, fotos, quadros, 3. Escola: um lugar privilegiado.
tabelas, gráficos e mapas e contêm sugestões 2ª série (120 p.): Unidade 1. Nossa

253
geografia, nossa história e nossos amigos; observar, comparar e interpretar. Há
Unidade 2. Nossa escola e nossos sonhos; estratégias para sondagem do saber prévio do
Unidade 3. Depende de nós. aluno, ainda que no início dos livros de 2ª a
3ª série (166 p.): Unidade 1. Nosso livro e 4ª série se perceba apenas a recapitulação de
os nossos amigos; Unidade 2. Viajando por conhecimentos tratados nos livros anteriores,
esse país; Unidade 3. A terra, o homem e o sem nenhum aprofundamento. Nesse caso,
trabalho. resta ao professor criar situações para auxiliar
4ª série (160 p.): Unidade 1. Estudar, o aluno a reconstruir tais conhecimentos em
aprender e fazer amigos; Unidade 2. outro nível do desenvolvimento cognitivo.
Diferentes formas de construir o espaço; O professor terá à sua disposição vários
Unidade 3. Vivendo e aprendendo. recursos para o desenvolvimento da
linguagem do aluno, de maneira a ampliar
suas possibilidades de expressão escrita,
A análise gráfica e cartográfica. Alguns textos das lições
das séries iniciais são muito longos, e será
A obra demonstra preocupação com temas necessário encontrar uma forma adequada
transversais e com a localização dos para trabalhá-los sem dificultar a passagem
fenômenos e aspectos geográficos. Abordam- gradativa da linguagem oral para a escrita.
se aspectos políticos, históricos e culturais, Não há muitas sugestões de leitura
mas o tratamento dos fenômenos sociais, complementar nos volumes das primeiras
ambientais, econômicos e das relações séries. No glossário, os significados de vários
sociedade-natureza é realizado parcialmente. termos apresentam inadequações e
Além disso, não há contribuição para o simplificações.
desenvolvimento sistematizado de relações Quanto às noções e conceitos básicos
referentes aos estágios de desenvolvimento desenvolvidos, dada a abordagem humanís-
cognitivo da criança, ou seja, ela como ponto tica, privilegia-se o trabalho com a noção de
de referência, ela em relação ao outro e sua lugar como espaço do cotidiano vivido. São
capacidade de compreender as formas de propiciadas várias situações que possibilitam
representação do espaço. a integração do afetivo ao cognitivo da
Os pressupostos teórico-metodológicos de criança, numa linguagem acessível. Além das
ensino-aprendizagem seguem a linha histórias dos personagens, incluem-se, por
construtivista e a abordagem humanística da exemplo, diversas poesias.
Geografia. Verifica-se, entretanto, relativo As relações espaço-temporais são mais
descompasso entre esses pressupostos e a desenvolvidas por meio da história de vida
GEOGRAFIA

formulação dos textos-narrativas, na medida dos diversos personagens fictícios, inclusive


em que estes contextualizam experiências dos próprios autores, ressaltando-se os
vividas por personagens fictícios. Essas diferentes lugares de vivência e as mudanças
situações podem estimular a imaginação do ocorridas nesses espaços no transcorrer da
aluno, mas pouco contribuem para o história. Pelo relato, procura-se estabelecer a
desenvolvimento de seu raciocínio. interatividade entre os personagens, os autores
Constatam-se sugestões de atividades de do livro e o aluno. Entretanto, essa
natureza variada que propiciam o interatividade é pouco desenvolvida a partir
desenvolvimento de processos cognitivos do espaço vivido pela criança, especialmente
básicos nos alunos, como as capacidades de nas duas primeiras séries, quando esse

254
procedimento deve ser mais exigido, segundo As atividades propiciam o desenvol-
a abordagem construtivista. vimento de competências e habilidades
As dinâmicas e os processos físicos são diversificadas, como leitura e interpretação
explorados de modo que a criança possa de textos, representação gráfica, expressão
identificá-los no seu espaço vivido, descobrir escrita, observação e comparação, leitura de
o significado que têm para sua vida e observar mapas. A diversidade das atividades sugeridas
como estes se apresentam à sua percepção. nos vários capítulos de cada livro contribui
Assim, o espaço físico é explorado nos dois para que a criança produza diferentes formas
primeiros volumes, principalmente pela de texto e amplie o domínio das linguagens
identificação dos chamados “elementos oral, escrita, gráfica e cartográfica. Além de
naturais” pelos personagens da coleção, pela questionários, são sugeridas outras formas de
caracterização do estado em que se encontram redação, como histórias e cartas. Os temas
esses elementos ante os impactos causados transversais e o estudo do meio são duas
pela sociedade e pelo alerta sobre sua marcas fortes da coleção.
importância para a vida como recurso natural. Há ênfase nos trabalhos com cartografia,
O professor deverá estar atento a essa proposta que estão, de modo geral, adequados aos
de trabalho de construção dos conceitos objetivos a que se destinam. A criança é
relativos à natureza e de relação entre os estimulada a aprender, por exemplo, como
elementos para superar suas lacunas. passar da representação horizontal para a
As dinâmicas e os processos socio- vertical utilizando somente a imaginação.
espaciais são analisados, basicamente, por Além de esse trabalho permear várias lições,
meio das situações relatadas pelos autores e há uma unidade específica no final dos livros
pelos personagens imaginários em distintos para o trabalho com cartografia.
lugares do País. No início, a criança é Os textos e atividades estimulam a
incentivada a identificar (nome, história e construção da cidadania e contribuem para a
localização) e a representar sua escola eliminação de preconceitos de todo o tipo.
(desenho), assim como os novos amigos. Não Neles são incentivados o convívio social, o
existem, entretanto, estratégias suficientes que respeito ao outro, a tolerância e a liberdade.
a levem a se identificar e a se posicionar em No entanto, o trabalho com a abordagem
relação ao novo grupo e ao novo espaço, ou multiculturalista pode levar à construção de
seja, com a turma da classe e a sala de aula. prenoções sobre o outro e provocar efeitos
Os lugares são apresentados antes de a criança contrários ao que se pretende, uma vez que a
entender o mundo concretamente percebido utilização de personagens com identidades
e vivido por ela. Além disso, não se apresenta previamente definidas pode reforçar GEOGRAFIA
uma linha de articulação entre os conteúdos estereótipos já existentes.
dos capítulos. São propostas orientações para a prática
As relações sociedade-natureza são da avaliação da aprendizagem, vista como
trabalhadas a partir da observação das processual e contínua, ligada ao
questões ambientais, a exemplo de enchentes, desenvolvimento do grupo e da criança em
rios poluídos ou contaminados. Entretanto, o particular. Opta-se por uma avaliação
professor deverá estar alerta, porque as diagnóstica, voltada à verificação do estágio
insuficiências no tratamento dessas relações do conhecimento do aluno e de seus avanços,
podem dificultar, também, o entendimento do assim como dos possíveis problemas de
processo de interação natureza e sociedade. aprendizado na construção de noções,

255
conceitos e do conhecimento. legibilidade e visualização das ilustrações. Há
Várias estratégias auxiliam as crianças na também recursos de descanso visual.
representação cartográfica e na interpretação No manual do professor apresentam-se
dos gráficos, tabelas e quadros. As ilustrações, propostas de avaliação, textos de orientação
em geral, são claras e precisas e ajudam o ao professor e orientações específicas aos
aluno na problematização dos conteúdos. No volumes de cada série, com roteiros para sua
entanto, algumas delas não se relacionam utilização. São oferecidas sugestões de
diretamente com os textos, sendo apenas projetos interdisciplinares e obras de autores
decorativas. reconhecidos pela comunidade geográfica.
A estrutura editorial é de boa qualidade, Consta, ainda, uma bibliografia com títulos
com distribuição equilibrada de textos e diversificados e atualizados sobre temas
ilustrações nas páginas. Permite boa pertinentes ao ensino de Geografia.

Em sala de aula
Em suas propostas de conteúdos e atividades, os livros apresentam, com apoio
do manual do professor, estratégias que podem resultar em trabalho eficaz no
ensino da Geografia em sala de aula. Para tanto, o docente precisará superar as
deficiências relativas ao descompasso entre as proposições teórico-metodológicas
e as estratégias pedagógicas apresentadas.
Também é necessário superar as dificuldades no tratamento de noções e conceitos
geográficos básicos, principalmente no que diz respeito às dinâmicas e processos
de construção do espaço. Nesse caso, devem ser apresentadas estratégias que
permitam ao aluno estabelecer raciocínios a partir de um relacionamento direto
com o seu mundo concreto. Para tanto, é necessário trabalhar situações definidas
a partir do espaço vivenciado no cotidiano da casa da criança, da sala de aula e da
escola, para ampliar gradativamente as noções de relações espaciais em escalas
mais abrangentes.
GEOGRAFIA

256
Recomendada com Ressalvas
Por quê?
A coleção valoriza a vivência dos alunos e as relações

entre o particular e o geral para se chegar às formas

mais abstratas de raciocínio. Destaca-se a importância

pedagógica dos temas transversais e da

interdisciplinaridade para despertar o espírito crítico das


Coleção
crianças e promover a integração com outras disciplinas.
Vivência e
Construção - No entanto, a obra apresenta muitos conceitos e

Geografia definições prontos, ou seja, já elaborados, e privilegia


José William Vesentini
Dora Martins Dias e Silva as informações sem contextualizá-las. Dessa forma, a
Marlene Pécora
reflexão dos alunos sobre os temas propostos fica

prejudicada. Além disso, alguns conteúdos são

trabalhados com elevado nível de abstração, pouco


Editora Ática
compatível com a faixa etária dos alunos das primeiras

séries do Ensino Fundamental.

A coleção Sugestões de leituras para os alunos e


Bibliografia.
Organizada em capítulos, esta obra não se O manual do professor, além do conteúdo
estrutura de maneira uniforme. Os dois integral do livro do aluno, fornece orientações GEOGRAFIA
primeiros volumes iniciam-se com a para o trabalho docente, e está subdividido
explicitação do tema a ser trabalhado, seguida em três partes: 1) Parte geral, comum aos
de estímulos à expressão oral e da exposição quatro volumes, na qual constam:
do que será tratado nos volumes de 3ª e 4ª apresentação da coleção, indicação dos
séries. pressupostos teóricos e dos objetivos para o
Diferentes seções, como Só pra conversar, ensino no 1º e 2º ciclos e orientações
Pense no assunto, Fique sabendo, Desafio e referentes à estrutura do livro do aluno; 2)
Você sabia, dinamizam o ensino, acrescentam Parte específica, na qual constam observações
informação e levam o aluno a refletir. Em e sugestões de atividades para cada capítulo
todos os volumes encontram-se Glossário, dos livros; e 3) Indicação de atualização e

257
informações, constando endereços úteis da Essa perspectiva, que visa dar à criança
internet, referências bibliográficas e sugestões condições para que se perceba como agente
de leituras complementares para o professor de transformação positiva e de preservação
e para o aluno, sendo esta parte comum aos ambiental, também é explicitada no manual
quatro volumes. do professor.
1ª série (136 p.): Capítulo 1. Quem é Os conteúdos são desenvolvidos de acordo
você?; Capítulo 2. Como você é?; Capítulo com o princípio da complexidade crescente,
3. Você e sua casa; Capítulo 4. Você e sua alternando-se em textos, imagens e atividades.
escola; Capítulo 5. A rua onde você mora; O antigo e o novo, assim como as diferenças
Capítulo 6. Você e as paisagens. culturais, econômicas, sociais e tecnológicas,
2ª série (136 p.): Capítulo 1. Nossas são abordados com propriedade. O
famílias; Capítulo 2. Moradias e modos de desenvolvimento da obra, entretanto,
vida; Capítulo 3. Escola com arte; Capítulo privilegia o enfoque informativo na
4. Um lugar no mundo; Capítulo 5. O trabalho introdução de novas noções e conceitos, o que
na vida das pessoas; Capítulo 6. Um ambiente restringe a construção do conhecimento. O
para todos. enfoque informativo no tratamento dos
3ª série (176 p.): Capítulo 1. Conhecendo conteúdos dificulta a elaboração de uma visão
o município; Capítulo 2. Explorando mais crítica da sociedade e do seu papel na
caminhos; Capítulo 3. Descobrindo a cidade; transformação do meio natural. Assim,
Capítulo 4. Investigando o campo; Capítulo simplificam-se as ações humanas
5. Atividades econômicas; Capítulo 6. O responsáveis pelas alterações no espaço e não
município conectado. são destacadas as relações sociais que
4ª série (160 p.): Capítulo 1. O Brasil no condicionam a organização espacial.
mundo; Capítulo 2. O tamanho do Brasil; As noções e conceitos básicos são
Capítulo 3. A América, sua gente e o Brasil; encaminhados de forma a ampliar a
Capítulo 4. Brasil tropical; Capítulo 5. Gente capacidade de compreensão dos alunos,
brasileira; Capítulo 6. As terras do Brasil. fazendo-os ver que somos parte integrante do
ambiente natural, cultural, econômico e
político e que a sociedade transforma a
A análise natureza por intermédio do trabalho. No
entanto, na construção das noções, nem
Os pressupostos teórico-metodológicos sempre se parte das mais simples para as mais
partem do universo próximo do aluno e de complexas. As relações topológicas, por
seu cotidiano para a construção do exemplo, básicas para a construção e
GEOGRAFIA

conhecimento do espaço geográfico. Assim, representação do espaço, não são trabalhadas


a criança é levada a reelaborar os de maneira adequada, sobretudo nos dois
conhecimentos prévios e a inter-relacionar o primeiros volumes.
local onde ela vive com as escalas mais Por outro lado, as noções de espaço e
amplas – regional, nacional e mundial. paisagem são abordadas processualmente,
A importância do conhecimento da tendo sempre em vista a noção de
organização do espaço geográfico, do temporalidade. Para tanto, recorre-se
funcionamento da natureza e do impacto da constantemente ao passado, com o uso de
ação dos grupos humanos sobre o ambiente biografias e diferentes relatos, como o de
também é explicitada no manual do professor. viajantes, e com a apresentação de fatos

258
ocorridos em diferentes épocas da história da Nas unidades temáticas, verifica-se grande
humanidade. variedade de propostas de atividades que
Para entender as relações espaço-temporais, possibilitam o desenvolvimento de processos
os alunos são levados a observar paisagens em cognitivos básicos e outros mais complexos,
tempos diferentes, assim como a analisar tais como a observação, a análise, a
cotidianos de outras épocas e a constatar como comparação, a crítica e a síntese. A
o progresso tecnológico e as transformações memorização é estimulada com atividades
sociais alteraram as relações sociais e hábitos lúdicas, perdendo seu caráter tradicional e
familiares. No entanto, a compreensão da mecânico. Propicia-se a expressão oral e
construção do espaço geográfico fica escrita, principalmente nas seções Só pra
comprometida, porque a noção de sucessão do conversar e Trabalhar com textos e com a
tempo não é trabalhada sistematicamente no expressão oral.
encadeamento dos conteúdos. Noções de A problematização por meio de atividades
espaço e tempo, permanência e mudança, de pesquisa permite aos alunos o contato com
natureza e sociedade, fundamentais para o a realidade e com o método científico de
estudo da Geografia, são pouco exploradas, registro e análise de dados. Também merece
apesar de considerar o cotidiano das crianças elogio o trabalho com obras de arte, como
e seus espaços de convívio social (a casa, a pinturas e poemas, com os quais se estimulam
escola, a rua, o bairro). a comparação, a análise e a crítica.
As dinâmicas e processos do espaço físico Os exercícios contemplam atividades
estão praticamente ausentes no primeiro individuais e/ou em grupo e favorecem a
volume e só recebem tratamento sistemático produção de textos. Os alunos são
no livro de 4ª série. Ressente-se da falta de constantemente estimulados a trocar idéias
uma abordagem mais ampla dos aspectos com os colegas, em grupo ou individualmente,
naturais, restritos à hidrografia. e a realizar trabalhos manuais, como moldar
As relações sociedade-natureza são vistas bonecos de argila, montar mosaicos e
por um enfoque ambiental, em que se apontam colagens.
as denúncias de degradação e poluição do O desenvolvimento da linguagem
ambiente, sem, entretanto, avançar na cartográfica é prejudicado, pois não se
discussão sobre as causas e processos que observam as etapas necessárias à fixação de
geram tantos problemas. noções fundamentais, enquanto as noções
Percebe-se o cuidado com a construção da introdutórias são apresentadas de forma
cidadania, assim como a preocupação em evitar complexa para as primeiras séries. Além disso,
a manifestação de preconceitos e estereótipos. constata-se que, de maneira geral, os mapas GEOGRAFIA
Os direitos das crianças são temas bem são pouco explorados.
trabalhados, em especial nos dois primeiros A estrutura editorial é adequada, embora
volumes. No entanto, há um poema no livro haja uma excessiva hierarquização dos
de 2ª série que expõe comportamentos conteúdos. Além disso, os pequenos textos,
inadequados, como brigar, bater, xingar, faltar as propostas de atividades e os exercícios
à aula, sem sua problematização ou misturam-se às informações adicionais sem
contextualização de uma perspectiva ética e de um efetivo destaque às novas noções que vão
exercício da cidadania. Tal postura pode sendo gradativamente introduzidas.
comprometer o discernimento do aluno sobre O manual do professor contém
seus direitos e deveres. pressupostos que fundamentam o ensino da

259
Geografia, embora não explicite a concepção ampliar e diversificar o trabalho docente. A
teórica em que se baseou o projeto pedagógico avaliação é discutida e entendida como um
da coleção. Nos diferentes volumes, ao longo conjunto de ações que orientam a prática do
dos capítulos, encontram-se indicações para professor e o aprendizado dos alunos.

Em sala de aula
O educador encontrará nos textos, atividades e ilustrações material básico para
encaminhar conteúdos que valorizam conhecimentos prévios e promovem a
participação dos alunos no processo de ensino-aprendizagem.
Encontram-se possibilidades para a exploração da espacialidade e da historicidade
das diferentes realidades e para o trabalho com o ambiente. Estimulam-se a
responsabilidade individual e a cidadania, desde que o professor discuta com os
alunos as diversas situações abordadas na coleção.
Ressalta-se ainda que há pouca ênfase na reflexão e na análise crítica. Assim, o
professor deverá estar atento para estimular a comparação e a problematização
das variadas realidades trabalhadas e para superar o tratamento simplificado de
alguns conteúdos.
GEOGRAFIA

260
Recomendada com Ressalvas
Por quê?
Nos pressupostos teóricos da coleção, explicitados no

manual do professor, o aprendizado é entendido como

um processo de construção do conhecimento. As

experiências dos alunos devem ser valorizadas e os

conceitos geográficos básicos, abordados a partir de

Coleção Viver e seu espaço de vivência.


Aprender As crianças são estimuladas a se reconhecerem como
Geografia pertencentes ao conjunto integrado pelas relações
Anselmo Lázaro Branco
Elian Alabi Lucci sociedade-natureza e, assim, incentivadas a desenvolver

atitudes voltadas para a construção da cidadania.

No entanto, a interação com o objeto do conhecimento

e a construção de noções e conceitos geográficos são

dificultados pela existência de conteúdos, atividades e


Editora Saraiva
exercícios que apresentam conceitos já prontos e

situações desvinculadas da realidade do aluno.

A coleção Para saber mais, indica outras referências


para a ampliação dos conteúdos abordados na
A obra está organizada em unidades unidade.
temáticas, divididas em várias seções: Para As atividades do volume da 1ª série são GEOGRAFIA
começar, que introduz o tema proposto; Texto- respondidas no próprio livro. Nos demais
base, composta de ilustrações e fotos, volumes, as atividades são feitas no caderno
constitui-se na parte central da unidade; do aluno.
Conhecendo melhor a palavra, na qual se O manual do professor, com 16 páginas,
explora o significado de algumas palavras contempla o conteúdo integral do livro do
relacionadas ao texto; Representando, que aluno. Divide-se em duas partes, que fornecem
desenvolve uma atividade de alfabetização informações gerais sobre os volumes da
cartográfica; e Para terminar, com a coleção e comentários específicos para cada
finalidade de encerrar a unidade e propor a série. Na Apresentação, são feitas conside-
fixação da aprendizagem. Por último, a seção rações sobre o ensino de Geografia nas séries

261
iniciais. Em seguida, explicitam-se a estrutura partir da expressão de suas experiências e
da coleção, a proposta metodológica e os seus vivências. Em seguida, deve-se ampliar o olhar
objetivos gerais. Há considerações sobre os do educando para a compreensão e análise de
temas transversais e sobre a estrutura das outros grupos e lugares, num contínuo ir e vir.
unidades. São apresentadas sugestões de Além disso, a participação ativa das crianças
procedimentos de ensino-aprendizagem, no processo de ensino-aprendizagem deve ser
propostas de atividades de enriquecimento do estimulada a todo o momento. Nesse sentido,
dia-a-dia do professor, formas de avaliação, as atividades incentivam a observação, a
de trabalhos nos níveis local e regional, além comparação, a pesquisa, a elaboração de
da indicação de sites, revistas, periódicos hipóteses e a formulação de conclusões. A sala
especializados e da bibliografia utilizada. de aula é o lugar em que o aluno se questiona,
A segunda parte do manual contém um raciocina e busca soluções com base na sua
quadro com os principais conteúdos e vivência e no seu saber intuitivo.
objetivos das unidades, orientações para seu No livro da 1ª série, os temas e atividades
desenvolvimento e para o encaminhamento trabalhados possibilitam a realização dos
das atividades. Também inclui sugestões de objetivos, pois o processo de ensino-
atividades complementares, de avaliação e de aprendizagem se desenvolve com a
leituras. participação do aluno e propicia-se a interação
1ª série (96 p.): Unidade 1. Você e os com o conhecimento, a partir de experiências
outros; Unidade 2. As famílias; Unidade 3. As e vivências. No entanto, o professor deve estar
casas; Unidade 4. A escola; Unidade 5. As preparado para que a proposta da coleção se
ruas. efetive nas demais séries, nas quais questões,
2ª série (80 p.): Unidade 1. Você e os roteiros de entrevistas e atividades são
grupos; Unidade 2. A escola; Unidade 3. As apresentados a partir de realidades hipotéticas
ruas, os bairros e o lugar onde você vive; ou reais, mas muito complexas e distantes do
Unidade 4. As paisagens e o meio ambiente. espaço concreto dos alunos. Observa-se,
3ª série (110 p.): Unidade 1. Conhecendo também, a exposição de conceitos já prontos,
o município: lugares e sociedade; Unidade 2. o que dificulta à criança construir o próprio
Os limites e o governo do município; Unidade conhecimento.
3. O município e a natureza; Unidade 4. O Por outro lado, o desenvolvimento dos
espaço geográfico e as atividades econômicas processos cognitivos básicos é assegurado
do município. na obra. Estimulam-se observações,
4ª série (111 p.): Unidade 1. Brasil, nosso comparações, criatividade, problematizações,
país; Unidade 2. O trabalho no Brasil; Unidade investigações e organização de dados,
GEOGRAFIA

3. Espaço geográfico e atividades econômicas posicionamentos críticos, discussões com


no Brasil; Unidade 4. A população brasileira sínteses e conclusões.
e a urbanização. As noções e os conceitos geográficos
básicos são trabalhados de maneira articulada
ao espaço do aluno, sendo depois
A análise encaminhados para a compreensão das
relações que se estabelecem nesse espaço.
A proposta teórico-metodológica da Os conteúdos são desenvolvidos de acordo
coleção sugere o envolvimento do aluno no com o princípio da complexidade crescente.
processo de construção do conhecimento a Parte-se da identidade e do local de vivência

262
do aluno, como os lugares próximos da trabalho, em função das atividades
família, da casa, da escola, da rua, do bairro. econômicas, em especial a industrial. Nesse
Depois, esses conceitos são ampliados para processo, estão destacados os movimentos de
espaços distantes e relações mais complexas, população, o processo de urbanização e as
no município e no País. questões ambientais.
São criadas situações em que as múltiplas As relações sociedade-natureza são
relações e interdependências apresentadas nos exploradas e propiciam a reflexão sobre o
conteúdos e nas atividades se articulam direta papel dos elementos da natureza no processo
ou indiretamente às experiências e vivências de construção do espaço. As noções de
do aluno, com o objetivo de permitir a elementos culturais e naturais são introduzidas
passagem do conhecimento do senso comum quando se analisa a transformação da
para o conhecimento sistematizado. paisagem pela ação humana. Leva-se a criança
Contudo, o professor deve envolver os a observar diferentes paisagens, com o
alunos no processo de apreensão das novas objetivo de favorecer a compreensão inicial
formas de conhecimento e superar os do espaço urbano e rural e as maneiras como
conceitos já prontos que permeiam a coleção. o ser humano se apropria e transforma a
As atividades devem ser redirecionadas para natureza.
que o conhecimento científico não seja A construção da cidadania é incentivada
sugerido nas questões a serem respondidas, por meio da abordagem de temas sociais,
para que resulte de conclusões dos próprios políticos e ambientais. É ressaltada a
estudantes. importância do trabalho coletivo, da
As relações espaço-temporais são pouco participação e da organização da sociedade
exploradas, o que dificulta o entendimento das para a conquista de seus direitos fundamentais
mudanças e permanências nos diferentes – educação, saúde e trabalho. As temáticas
espaços. As ilustrações que retratam as relacionadas ao ambiente favorecem o
transformações da paisagem ao longo do desenvolvimento de atitudes e de consciência
tempo possibilitam a compreensão e a preservacionistas.
construção histórica do espaço; apresentam, Com o mesmo objetivo, diferentes
porém, exemplos fictícios, em vez de experiências humanas são retratadas e
explorarem situações concretas. valorizadas, com destaque para os diversos
Nas séries iniciais, as dinâmicas e os modos de ser e de viver e para o respeito às
processos constituintes do espaço físico são suas singularidades. As atividades sugeridas
trabalhados a partir do próprio corpo do aluno, aos alunos envolvem discussões e organização
sendo depois ampliados para os espaços da de trabalhos, diálogos e contatos com adultos. GEOGRAFIA
família, da casa, da escola e da rua. A partir Favorecem o convívio social, o respeito ao
de observações do entorno próximo, busca-se outro e a liberdade de expressão.
a compreensão do espaço físico do município São propostas atividades que exploram,
articulado às relações homem-natureza. fundamentalmente, a expressão escrita, e
Também são destacados os problemas envolvem comparações; registro de
ambientais e as atividades econômicas. informações coletadas; textos individuais ou
As dinâmicas socioespaciais estão coletivos; descrições; registros de entrevistas
articuladas à apropriação e organização do e estudos de campo; cartas e bilhetes;
espaço físico e às relações com a natureza, ao pesquisas em livros, em jornais, em revistas,
analisar as relações sociais e as relações de em enciclopédias, na internet e em dicionários;

263
problematizações, sínteses e conclusões. sumário é claro e bem definido, o que facilita
As atividades gráficas, trabalhadas em a localização dos conteúdos. A coleção
escala menor, propiciam a elaboração de apresenta uma formatação adequada e
desenhos, cartazes, roteiros de viagem e de condizente com a faixa etária a que se destina,
histórias em quadrinhos. A expressão com boa legibilidade e equilíbrio na
cartográfica, pouco explorada na coleção, é distribuição de textos e ilustrações.
focalizada na seção Representando, com A discussão sobre avaliação é feita de
situações que envolvem construção de plantas, forma bastante objetiva no manual. Também
maquetes, croquis e gráficos, bem como são apresentadas sugestões nas orientações
análise e interpretação de plantas e mapas. específicas para cada unidade.
Apesar de articuladas aos temas estudados, O manual do professor, com linguagem
essas situações em geral são complexas e clara, constitui-se num suporte fundamental
pouco adequadas para as séries iniciais. A para o trabalho docente.
expressão oral é favorecida por debates, Contém orientações específicas para o
discussões e diálogos com os colegas e com o desenvolvimento dos conteúdos, para as
professor. atividades propostas nos livros dos alunos e
As ilustrações estão adequadas e articu- para as atividades complementares, bem como
ladas às finalidades para as quais foram sugestões de leitura. Ao longo do manual,
propostas. São exploradas para leitura e são retomados os conteúdos das diferentes
entendimento dos textos, em especial na séries e sugeridas propostas de trabalho
realização das atividades. Muitas fotos, no interdisciplinar, com as áreas de História,
entanto, poderiam ser mais bem aproveitadas. Língua Portuguesa, Ciências, Matemática e
A estrutura editorial é bem-cuidada. Os Educação Artística, e atividades relacionadas
quatro volumes apresentam estrutura aos temas transversais, principalmente de
hierarquizada das unidades e dos temas. O Ambiente, Cidadania e Saúde.

Em sala de aula
Ao adotar esta coleção, o professor terá oportunidade de trabalhar propostas de
ensino-aprendizagem significativas, que envolvem atividades enriquecedoras e
diversificadas, e possibilitam o desenvolvimento de processos cognitivos do aluno.
Contudo, deverá aprofundar e articular os conteúdos com o espaço concreto do
aluno de maneira efetiva. É importante que sejam superados conceitos já prontos
GEOGRAFIA

e promovido o direcionamento das atividades que possam comprometer a


construção do conhecimento geográfico pelo aluno.
Também sugere-se explorar de forma mais efetiva a iniciação cartográfica, assim
como textos e leituras complementares, fotos e ilustrações, já que na coleção não
se propõe o desenvolvimento de atividades a partir da utilização do material
fornecido, o que pode ser feito pelo próprio docente.

264
Recomendado com Ressalvas
Por quê?
No livro é trabalhado um conjunto significativo de

informações referentes ao espaço geográfico.

Enfatizam-se os aspectos físicos, humanos e

econômicos do Estado do Amazonas no contexto da

Grande Região Norte e do espaço brasileiro.


Livro Regional
No entanto, os temas são apresentados de forma
Amazonas
Geografia descritiva e estanque e as atividades propostas

Célia Siebert propiciam apenas a memorização de informações com


Valéria Martins Lippi
pouco estímulo à análise e à problematização dos

conteúdos. Isso prejudica a construção de conceitos pelo

aluno e, pela simplificação de algumas questões, pouco

desenvolve uma postura crítica. O manual do provessor


Editora FTD
baseia-se na descrição do conteúdo programático

do livro.

A obra estudado. O livro contém, ainda, sugestões


bibliográficas, mas não apresenta glossário.
Com 136 páginas e destinada à 4ª série, O manual do professor contém uma breve
organiza-se em Introdução e sete unidades. introdução, seguida dos objetivos gerais e da GEOGRAFIA
Estas, por sua vez, dividem-se em capítulos estrutura da obra, dos conteúdos e objetivos
que oferecem atividades de interpretação de de cada unidade temática. Fornece, ainda,
textos, pesquisa, entrevista e elaboração de textos complementares de auxílio ao
cartazes. professor, respostas às atividades e
Nos capítulos encontram-se ilustrações – bibliografia.
mapas, plantas, fotos e desenhos – que O livro assim se estrutura: Introdução. O
complementam ou apenas ilustram os homem e a natureza; Unidade 1. Orientação;
conteúdos. Em alguns deles há a seção Unidade 2. As representações do espaço
Aprenda sobre..., em que são propostas geográfico; Unidade 3. A organização política
leituras complementares sobre o assunto e regional do Brasil e do Amazonas; Unidade

265
4. O meio ecológico brasileiro e amazonense; buscando-se a elaboração de conceitos em
Unidade 5. Sociedade, governo e cidadania; níveis mais abstratos e formas mais complexas
Unidade 6. Economia; Unidade 7. Transportes de representação. No entanto, uma vez que
e comunicação. as noções e conceitos são apresentados
prontos, a construção de conhecimentos pelos
alunos não se realiza, verificando-se apenas
A análise a reprodução do saber já sistematizado pela
ciência.
A proposta metodológica do livro Os conteúdos propiciam o
privilegia um trabalho estanque dos desenvolvimento da linguagem do aluno,
conteúdos, que são factuais e já vêm prontos, ampliando suas possibilidades de expressão
o que requer do aluno a simples reprodução escrita, gráfica e cartográfica. Também
das informações, dados e conceitos. A registra-se a preocupação em se trabalhar a
articulação entre os conteúdos é igualmente representação do espaço geográfico, mas a
prejudicada por uma abordagem descritiva e linguagem cartográfica é pouco explorada e
compartimentada. As atividades sugeridas restrita à unidade 2.
possibilitam o desenvolvimento de alguns Os valores regionais e o desenvolvimento
processos cognitivos básicos, como econômico do Estado do Amazonas são
comparação, investigação, problematização, ressaltados na obra, ao mesmo tempo em que
análise e síntese, mas privilegiam a são tratados temas gerais da realidade
memorização de informações. brasileira. Contudo, é irrelevante a inclusão
A compreensão das dinâmicas e processos do estudo dos símbolos do País e do Estado
constituintes do espaço físico e social é do Amazonas, principalmente pela falta de
abordada, respectivamente, nas unidades 4 e contextualização, o que dificulta sua
5, de forma mais descritiva do que analítica. interpretação e análise.
No entanto, em alguns momentos, procura-se As principais operações mentais
destacar a dinâmica de formação dos requeridas nas atividades têm caráter
elementos da natureza, além das relações entre predominantemente mecânico e estão
eles. Da mesma forma, observa-se uma relacionadas à reprodução dos conteúdos
tentativa de levar o aluno a identificar fatores apresentados, como: localizar, identificar,
desencadeadores de diferentes problemas apontar, nomear, coletar dados e informações,
sociais. Porém, o fato de os conteúdos serem comparar, observar, caracterizar. Há pouco
dados dificulta a compreensão das dinâmicas estímulo às operações mais complexas e
dos espaços físicos e humanos e de suas construtivas, como analisar, discutir, debater,
GEOGRAFIA

relações, resultantes da construção histórica opinar, refletir, generalizar, questionar e


do espaço geográfico. sintetizar.
Observa-se, ao longo do livro, uma As ilustrações são de boa qualidade e
preocupação com as questões sociais, embora adequadas às suas finalidades. Integradas aos
sua abordagem seja simplificadora e pouco conteúdos em estudo, auxiliam na leitura e
crítica, privilegiando discussões sobre a forma na compreensão dos textos.
de viver em sociedade em detrimento dos A estrutura editorial apresenta-se como
conflitos sociais. auxiliar eficiente do trabalho didático,
Os conteúdos são desenvolvidos a partir propiciando a rápida localização dos
da realidade mais próxima do aluno, conteúdos. Os textos e as ilustrações estão

266
distribuídos nas páginas de forma equilibrada embora deixe de explicitar os objetivos das
e, em geral, oferecem boa legibilidade. Os atividades.
textos mais longos são acompanhados de Também não há no manual orientação
recursos de descanso visual. sobre como encaminhar essas atividades em
O manual do professor não oferece sala de aula ou sugestões de exercícios
orientação nem sobre o trabalho pedagógico, complementares, limitando-se apenas a
nem sobre os pressupostos teórico- apresentar as respostas às atividades. A
metodológicos da Geografia e do ensino. Por avaliação da aprendizagem não é tratada e não
outro lado, fornece a descrição do conteúdo são oferecidas sugestões de outros recursos
programático a ser trabalhado em que contribuam para a formação e atualização
cada unidade e seus objetivos gerais, do professor.

Em sala de aula
Ao escolher este livro, o professor terá acesso a um conjunto de informações
relevantes e atualizadas sobre o Estado do Amazonas, as quais se encontram
devidamente articuladas ao contexto nacional. Na obra, porém, não se propicia a
análise processual dos fenômenos geográficos. O professor poderá estimular o
desenvolvimento de outros processos cognitivos, mediante a exploração de outras
atividades, além daquelas sugeridas no livro, tais como pesquisas em jornais e
revistas e realização de debates, por exemplo.

GEOGRAFIA

267
Recomendado com Ressalvas
Por quê?
Destacando informações ricas e detalhadas sobre o

Distrito Federal, a obra propõe uma visão abrangente

das paisagens locais, com grande quantidade de

ilustrações adequadas para o trabalho em sala de aula.

A metodologia adotada, porém, não parte da


Livro Regional
experiência dos alunos, o que lhes dificulta a
Distrito Federal
em Construção compreensão das dinâmicas e processos da cidade

- Geografia como ocorrências de seus espaços de vivência. Os


Caroline Soudant
textos são densos e descritivos, muito além da

capacidade de compreensão do aluno de 3ª série, o que

pode prejudicar o desenvolvimento de sua postura

crítica. O manual do professor apresenta sucintamente


Editora FTD
a proposta metodológica mas não aprofunda discussões

sobre a prática docente.

A obra O manual do professor está organizado em


duas partes. Na primeira, encontra-se o
Com 160 páginas, organiza-se em conteúdo integral do livro do aluno, com
unidades que desenvolvem três conjuntos de orientações para a elaboração de atividades.
GEOGRAFIA

temas. O primeiro compõe-se de um texto em Na segunda, encontram-se os objetivos gerais,


que o aluno é solicitado a observar, comparar, a proposta teórico-metodológica e as
analisar, além de desenvolver atividades conclusões de cada unidade, um quadro-
diversificadas, como entrevistas, pesquisas, síntese do conteúdo e as referências
elaboração de cartazes e redações. No bibliográficas.
segundo e terceiro conjuntos de temas, há O livro organiza-se da seguinte forma:
sugestões de textos e estudos Unidade 1. O lugar onde vivemos; Unidade
complementares, além da inclusão de novas 2. Um novo Distrito Federal; Unidade
informações aos conteúdos ou solicitação de 3. As paisagens do Distrito Federal
outras atividades. construídas pela natureza; Unidade 4. As

268
paisagens do Distrito Federal construídas pelo como trabalhar os textos de cunho histórico,
homem. de forma a aproximá-los da realidade do
aluno.
Estimulam-se na obra os processos
A análise cognitivos básicos, como investigação,
análise e síntese. No entanto, ao se trabalhar
Os pressupostos teórico-metodológicos a grande variedade de informações e
orientadores da obra deixam claro que se ilustrações, priorizam-se atividades que levam
pretende partir da realidade imediata do aluno, à observação e à memorização, em detrimento
do que lhe é significativo, mesmo que não das que podem estimular a interpretação
esteja espacial ou temporalmente próximo. O dessas mesmas informações.
objetivo é promover a ampliação da escala As dinâmicas e os processos dos espaços
de espaço e de tempo, permitir o domínio da físicos e humanos são pouco explorados, pois
linguagem científica, enfatizar a construção dá-se preferência a definições prontas, que
de conceitos, as técnicas de pesquisa e o dificultam a elaboração de conceitos. Dessa
processo de alfabetização cartográfica. forma, o educando apenas toma contato com
Em coerência com esta proposta, trabalha- os aspectos conceituais, sem internalizá-los,
se a partir tanto do mais distante para o mais o que pode levar a simples memorização.
próximo, espacial e temporalmente, no estudo Assim, por exemplo, nas dinâmicas do espaço
das paisagens industriais, quanto do mais físico, apresentam-se apenas definições de
próximo para o mais distante, na abordagem relevo para serem identificadas nas
de relevo, clima, hidrografia e vegetação do ilustrações. Relativamente ao espaço humano,
Distrito Federal. o processo de migração para o Distrito Federal
Observa-se a problematização de diversos e a construção das cidades-satélite são
aspectos socioespaciais do Distrito Federal, apresentados num texto didático e correto,
como o crescimento dos bairros periféricos e porém as informações já estão prontas, o que
das cidades-satélite e o estado de exclusão da dificulta ao aluno elaborar a historicidade do
população mais pobre, além da preservação processo de ocupação espacial.
do patrimônio natural, representado pela Merecem destaque a atualização e a
biodiversidade, e do patrimônio cultural, espacialização das informações. A inclusão
representado pelo Plano Piloto de Brasília. dos documentos cartográficos publicados pela
Esses propósitos metodológicos, entretanto, Unesco, em 2000, permite a visualização da
dificilmente se concretizam, pois são questão ambiental do Distrito Federal. Outros
privilegiados os aspectos descritivos e dados, como a área tombada como patrimônio GEOGRAFIA
informativos do conhecimento geográfico. mundial, a distribuição de renda por regiões
Os textos são longos, densos, minuciosos, administrativas e as principais rodovias, são
principalmente os de conteúdo histórico. Em mostrados corretamente nos mapas, o que
conseqüência, o deslocamento para espaços permitirá um bom trabalho geográfico em sala
e tempos distantes, em princípio uma boa de aula.
opção metodológica, dificilmente tornam os O encaminhamento dado aos problemas
conhecimentos significativos para o aluno, sociais e ambientais da Capital Federal
mesmo ao tratarem do Distrito Federal hoje favorece o posicionamento crítico do aluno
ou em seus primórdios. Além disso, não há ante a realidade, o que contribui para a
orientação, no manual do professor, sobre construção da cidadania. A adaptação de

269
reportagens de jornais coloca o estudante a é denso, com definições que se sucedem e
par de questões atuais, que o professor poderá deixam pouca margem para atividades de
trabalhar, permitindo a elaboração de compreensão, que deveriam levar o aluno a
hipóteses e a vivência de seu espaço elaborar uma representação cartográfica,
imediato. Para isso contribuem bastante as como se solicita ao final da unidade.
atividades e exercícios, que incluem a A estrutura editorial mostra-se de boa
elaboração de pequenas redações, cartazes, qualidade e adequada a um bom trabalho
roteiros de entrevistas e debates. Propiciam, didático, e o sumário permite a fácil
assim, a problematização dos conteúdos localização dos conteúdos.
por meio de discussões promovidas em sala O manual do professor contém breves
de aula. explicações sobre a proposta metodológica
As ilustrações e representações carto- adotada e limita-se a apresentar um quadro-
gráficas destacam aspectos importantes para síntese do conteúdo de cada unidade e
a compreensão da realidade física e humana capítulo, seguido dos objetivos das atividades.
do Distrito Federal, apesar de serem muito A bibliografia apresentada não é diversificada,
complexas e exigirem a habilidade de mas são apresentados sites da internet e
correlações de variáveis, mais adequadas, endereços de bibliotecas públicas locais para
talvez, para séries mais adiantadas. pesquisa. O manual não apresenta proposta
Igualmente complexo é o processo de para a discussão da avaliação da
alfabetização cartográfica proposto. O texto aprendizagem.

Em sala de aula
Para que o processo de ensino-aprendizagem se concretize plenamente com
esta obra, é necessário que o professor dinamize os conteúdos informativos e
descritivos com as atividades em grupo e as discussões em classe propostas no
livro.
Registram-se algumas imprecisões ao longo do texto que devem ser corrigidas.
Por exemplo, o professor deve estar atento para informar aos alunos, quando
abordar o espaço físico, que o clima tropical do Distrito Federal apresenta verões
úmidos e invernos secos, ao contrário do que se encontra no livro.
O professor deverá, também, assinalar com mais detalhes a diferenciação entre
os conceitos de tempo e de clima, que é realizada de maneira muito simplificada.
GEOGRAFIA

270
Recomendado com Ressalvas
Por quê?
Na coleção propõe-se a recuperação da identidade

paulistana, ao mesmo tempo enfraquecida e enriquecida

pelas mudanças trazidas pela globalização. Procura-se

levar o aluno a descobrir e compreender a realidade

local e os diversos tipos de interação com outras

Livro Regional realidades regionais, nacionais e globais.


Gente de São O manual do professor é um bom auxiliar ao trabalho
Paulo, São
docente. Com linguagem clara, oferece os objetivos, as
Paulo da Gente
- Geografia orientações para o desenvolvimento dos conteúdos e

Eliana T. de A. F. Caboclo das atividades e sua articulação com outras disciplinas.


Irene de Barcelos Alves
Antônio Carlos Pinheiro No entanto, para desenvolver a proposta do livro e
Sílvia Regina Mascarin
auxiliar o aluno a resgatar seu cotidiano na metrópole,

o professor deve superar tanto a falta de inovação na


Editora Brasil
apresentação dos conteúdos, como lacunas e

imprecisões.

A obra aprofunda o conhecimento histórico. Não há


glossário, mas as notas de rodapé esclarecem
O livro, com 190 páginas, destina-se à 3ª os termos de difícil compreensão.
série do Ensino Fundamental, e é formado por Com 48 páginas, o manual do professor GEOGRAFIA
diversas seções identificadas por ícones, que contém os tópicos: apresentação, fundamen-
aprofundam os conteúdos ou propõem tação teórico-metodológica, estruturação dos
trabalhos e atividades. Destacam-se Ao capítulos, objetivos e orientações para cada
trabalho, que sugere atividades de pesquisa, capítulo, textos complementares, orientações
confecção de cartazes, entrevistas e sobre avaliação, sugestões de leitura para o
dramatização; Toma lá, dá cá, na qual os professor com comentários, referências
alunos trocam os cadernos para verificar como bibliográficas e glossário. O manual oferece,
os colegas desenvolveram as atividades; ainda, as respostas para as atividades propos-
Memória da cidade, que resgata a história tas no livro do aluno. Os capítulos trabalham
local; e Descobrindo a História, que os seguintes conteúdos:

271
Introdução. Ser paulistano é...; Capítulo 1. processos socioespaciais leva a criança a
Um município chamado São Paulo; Capítulo observar as marcas do passado na paisagem
2. Diferentes modos de vida; Capítulo 3. atual como testemunhos de outras épocas, mas
Trabalho nosso de cada dia; Capítulo 4. A com funções diferentes. Compara-se o
cidade avança... A paisagem se transforma; transporte coletivo em distintos momentos
Capítulo 7. Cidade de um? De alguns? Ou de históricos; os avanços científicos e
todos?; Capítulo 8. São Paulo cresce, junta e tecnológicos e suas influências no dia-a-dia
aumenta. da população; a expansão da cidade e as
transformações nas paisagens.
Dessa maneira, as relações espaço-
A análise temporais são contempladas e adequadamente
trabalhadas, de maneira a permitir ao aluno a
Em coerência com os pressupostos teórico- compreensão da construção histórica do
metodológicos, esta obra objetiva levar o espaço geográfico do município de São Paulo.
aluno a descobrir e compreender a realidade As relações sociedade-natureza são
de São Paulo e as interações dessa realidade estudadas de forma integrada, o que contribui
com outras realidades regionais, nacionais e para que o aluno construa conhecimentos que
globais. Para tanto, no desenvolvimento dos lhe permitam compreender as influências da
conteúdos, incentiva o estudo da realidade natureza nas ações humanas e as
local. Informações e atividades subsidiam a conseqüências destas no ambiente.
construção progressiva de conhecimentos Já o estudo do meio físico é realizado de
básicos sobre o município, sua história, sua forma muito simplificada e associado às ações
economia, sua função de metrópole e sua humanas. Relevo, hidrografia, áreas verdes e
condição de megalópole. Percebe-se a clima da cidade são enfocados a partir da
preocupação em trabalhar temas transversais observação das paisagens transformadas pelo
como Ética, Saúde, Ambiente e Pluralidade homem.
Cultural. A localização dos fenômenos geográficos
Os conhecimentos prévios dos alunos são é efetuada por meio de representações
igualmente valorizados. A criatividade e o cartográficas, como a da divisão do município
senso crítico da criança são incentivados ao em distritos e a das linhas de metrô e trem. O
colocá-la em contato com outras realidades e professor, porém, deverá destacar com mais
com a história espacial da cidade de São ênfase a localização da cidade de São Paulo
Paulo. no Estado e no Brasil, para permitir melhor
Os conteúdos e atividades propiciam o compreensão da influência da metrópole no
GEOGRAFIA

desenvolvimento de vários processos País, especialmente nas redes de circulação e


cognitivos básicos e estão articulados de produção de mercadorias.
com base no princípio da complexidade As atividades contribuem para que os
crescente. Trabalham-se noções e conceitos objetivos propostos nas unidades temáticas
geográficos básicos, como espaço, sejam alcançados. Solicita-se ao aluno o
lugar, paisagem, em conjunto com os estabelecimento de comparações e relações,
conhecimentos que o aluno possui, permitindo a elaboração de textos, a leitura de mapas, a
à criança sistematizá-los, compará-los e observação e a interpretação de ilustrações e
reformulá-los. a integração com outras disciplinas. As
O trabalho com as dinâmicas e os atividades propiciam a problematização dos

272
conteúdos, o desenvolvimento de habilidades inadequadas, limitam o alcance pedagógico
variadas e o trabalho em grupo. dessas representações.
O convívio social, o respeito e a A avaliação também é destacada como um
valorização da diversidade étnico-cultural da instrumento que possibilita ao professor
megalópole são incentivados, assim como a conhecer o grau de compreensão dos alunos
mudança de hábitos e de atitudes para sobre os conteúdos abordados. O manual
construir uma cidade melhor, com sugere uma avaliação integral do processo
participação social, exercício da cidadania e ensino-aprendizagem, com respeito às
criação de uma nova cultura ambiental. singularidades de cada aluno.
As ilustrações são importante fonte de O manual do professor oferece, em
informação para os alunos, além de linguagem clara, os objetivos, as orientações
estimularem o estudo e a compreensão dos para o desenvolvimento dos conteúdos e das
conteúdos e a realização de análises. atividades e sua articulação com outras
As representações cartográficas são disciplinas. Contém, ainda, textos
utilizadas como apoio aos conteúdos e às complementares, sugestões de leitura com
atividades. No entanto, a ausência de títulos, comentários, referências bibliográficas e
fontes e datas, e a existência de mapas glossário, além das respostas às atividades
incompletos, com cores ilegíveis e legendas propostas no livro do aluno.

Em sala de aula
O livro permite um trabalho eficiente em sala de aula, na medida em que incentiva
a produção de conhecimentos sobre a construção histórica do espaço geográfico
e sobre as transformações nas paisagens do município de São Paulo.
Entretanto, o professor deverá estar atento para superar as lacunas assinaladas
em relação às ilustrações, representações cartográficas e definições de conceitos.
A obra oferece diversas possibilidades de trabalho, mas para melhor desenvolvê-
las o docente deverá superar as deficiências apontadas e aprofundar a alfabetização
cartográfica. Para tanto ele e seus alunos deverão consultar fontes diversas (jornais,
revistas, guias, sites), buscando informações sobre a cidade de São Paulo e a sua
região Metropolitana. No que diz respeito as deficiências em relação à alfabetização
cartográfica, o professor poderá superá-las por meio da criação das condições
para que os alunos trabalhem com atlas. GEOGRAFIA

273
Recomendado com Ressalvas
Por quê?
As diferentes paisagens do espaço geográfico de

Pernambuco são trabalhadas de forma descritiva,

destacando-se as relações que os homens estabelecem

com a natureza ao longo do tempo.

No entanto, a metodologia de ensino-aprendizagem


Livro Regional
adotada é pouco inovadora. Os conteúdos são
Geografia de
Pernambuco - abordados de maneira descritiva e superficial,

Edição requerendo aprofundamento e atualização de alguns


Renovada
conceitos e noções pelo professor.
Célia Siebert
A estrutura editorial do livro é bem-cuidada e o manual

do professor inclui orientações gerais sobre os capítulos

da obra. O manual apresenta ainda os pressupostos


Editora FTD
teórico-metodológicos que devem nortear o trabalho

docente.

A obra As direções que nos orientam; 3. A


representação do espaço geográfico
Com 158 páginas, destina-se à 4ª série do pernambucano; 4. A localização do espaço
Ensino Fundamental. Está estruturada em 22 geográfico pernambucano; 5. A localização
GEOGRAFIA

capítulos e o desenvolvimento dos conteúdos do espaço geográfico brasileiro; 6. A


segue a seguinte sistemática: é apresentado superfície terrestre: o maior dos espaços
um texto informativo, complementado com geográficos; 7. Pernambuco, o nosso estado;
textos poéticos e descritivos, imagens e 8. Os municípios de Pernambuco; 9. O homem
quadros. Em seguida, são desenvolvidos e a natureza; 10. O relevo em Pernambuco;
exercícios de compreensão textual e de 11. O litoral pernambucano; 12. Os rios em
resolução de problemas. No fim do livro, há Pernambuco; 13. O clima em Pernambuco;
bibliografia diversificada. Os capítulos são os 14. A vegetação em Pernambuco; 15. Regiões
seguintes: naturais de Pernambuco; 16. Nascido
1. O espaço geográfico pernambucano; 2. em Pernambuco, pernambucano é; 17.

274
A cultura pernambucana; 18. O trabalho propiciam a análise, a comparação e a síntese.
da população pernambucana; 19. As mesor- Os conceitos e informações básicos
regiões geográficas pernambucanas; possibilitarão ao professor realizar um
20. Turismo; 21. Transportes em Pernambuco; trabalho que favoreça a passagem do
22. Comunicações em Pernambuco; conhecimento do senso comum trazido pelo
Bibliografia. aluno para o conhecimento sistematizado. No
O manual do professor é constituído pela entanto, o docente deve estar atento ao
reprodução do livro do aluno e por uma parte emprego de expressões incomuns à realidade
específica, com 16 páginas, que contém regional, como a utilização de “corumbas”
apresentação, orientações gerais sobre os para designar os bóias-frias.
capítulos da obra, respostas aos exercícios Os conteúdos são desenvolvidos com base
propostos e bibliografia. no princípio da complexidade crescente, e há
a preocupação em incentivar-se o uso de
distintas linguagens, em especial a escrita e a
A análise cartográfica.
As relações espaço-temporais são
Os pressupostos teóricos-metodológicos, adequadamente trabalhadas. Possibilitam que
explicitados no manual do professor, propõem os alunos compreendam a construção
a caracterização da paisagem regional a partir histórica do espaço geográfico, por meio da
dos diversos conteúdos apresentados, que apresentação das mudanças nele ocorridas ao
devem ser articulados com a observação do longo do tempo.
espaço vivido pelos alunos. A obra, no As relações sociedade-natureza, bastante
entanto, apresenta algumas imprecisões e exploradas e corretamente articuladas no
lacunas que dificultam a compreensão e livro, permitem a abordagem tanto dos
exigem especial atenção dos professores. processos constituintes do espaço físico
A opção por uma abordagem descritiva das quanto dos processos socioespaciais.
atividades econômicas em suas relações com No livro são trabalhadas diferentes escalas
o meio natural dificulta o entendimento dos geográficas, permitindo-se aos alunos
processos físicos e humanos que presidem tais distingui-las. Caberá ao professor aprofundar
relações. Isso exige atenção docente para o a diferenciação entre elas.
tratamento de diversos conteúdos, em especial As ilustrações e as representações
daqueles relativos aos tipos humanos e à cartográficas são utilizadas de maneira
realização de determinadas atividades. adequada às finalidades para as quais foram
Além disso, registram-se algumas lacunas elaboradas e são claras e precisas, levando o GEOGRAFIA
e imprecisões no tratamento de dados e aluno a problematizar os conteúdos. Porém,
informações, como: a ausência de menção às há problemas de omissão ou localização
cidades médias, o dado equivocado sobre a incorreta de alguns lugares, como é o caso do
temperatura mínima já registrada no Estado distrito de Fernando de Noronha. Todos os
de Pernambuco, ou a falta de informação de mapas utilizados na obra contêm escalas, mas
que Recife é o município que abriga a maior seu emprego com números não arredondados
extensão do rio Beberibe. dificulta a realização de alguns exercícios e
Os processos cognitivos básicos são exige que o professor atue para superar tais
incentivados no livro, principalmente por dificuldades.
meio das atividades e dos exercícios, que As informações sobre os migrantes e sua

275
influência cultural no estado são igualmente localização dos conteúdos.
superficiais. Será preciso esclarecer, por O manual do professor é constituído pela
exemplo, que os espanhóis não foram reprodução do livro do aluno, acrescido de
colonizadores em Pernambuco, assim como orientações gerais sobre os capítulos da obra
explicar as diferenças existentes entre e respostas aos exercícios propostos.
colonizador e invasor, ao tratar dos Apresenta, de forma sucinta e breve, os
holandeses. pressupostos teórico-metodológicos que
A estrutura editorial do livro é bem- devem nortear o trabalho do professor e
cuidada. Os títulos e subtítulos são oferece uma lista bibliográfica suplementar
apresentados de acordo com uma estrutura de obras didático-pedagógicas, estudo e
hierarquizada e o sumário possibilita a rápida ensino de Geografia e estudos regionais.

Em sala de aula
A escolha do livro propiciará o acesso do docente a conteúdos específicos sobre
o espaço geográfico do Estado de Pernambuco. No entanto, esses conteúdos são
apresentados de forma descritiva e acrítica, o que dificulta a implementação de
uma abordagem processual e crítica.
Não são oferecidas orientações sobre a avaliação da aprendizagem adequada
ao conteúdo do livro e ao nível cognitivo dos alunos.
Alguns conteúdos que não são trabalhados no texto principal são requeridos
para a resolução de exercícios sugeridos ao aluno. Assim, o livro não oferece os
subsídos para que o aluno resolva todos os problemas sugeridos, cabendo ao
professor indicar outras fontes de informação e de pesquisa para que os alunos
consigam resolver plenamente os exercícios.
GEOGRAFIA

276
Recomendado com Ressalvas
Por quê?
O livro trata do município de Porto Alegre (RS) e

privilegia o estudo do espaço geográfico e as

transformações na paisagem, baseado em textos e

atividades, como sugestões de pesquisa aplicada,

trabalhos de campo e imagens significativas para a

construção do saber geográfico. O encaminhamento


Livro Regional
Geografia de dado à obra integra os aspectos sociais, econômicos e

Porto Alegre físicos da capital gaúcha e também valoriza e estimula

Elva Verlang Kramer a preservação do ambiente.

Destacam-se o tratamento dos conhecimentos prévios

dos alunos e a sugestão para a elaboração de um livro

sobre Porto Alegre, a partir dos conteúdos e atividades

desenvolvidos.

Observam-se, no entanto, inadequações no tratamento


Editora FTD
de alguns conteúdos e, no manual professor, a

bibliografia indicada é bastante reduzida.

A obra desenvolvimento das atividades e bibliografia.


Os capítulos assim se estruturam: 1. A
Com 134 páginas e destinada à 3ª série do paisagem de Porto Alegre; 2. A paisagem
Ensino Fundamental, é estruturada em sete urbana e a paisagem rural; 3. O trabalho; 4. GEOGRAFIA
capítulos. Os conteúdos são apresentados por Os meios de transporte e comunicação; 5. As
meio de imagens e de questões direciona- diferentes formas da paisagem; 6. O clima e
doras. Os textos são curtos, dando-se a hidrografia de Porto Alegre; 7. As pessoas e
prioridade às atividades, nas quais também a administração de Porto Alegre.
se definem conceitos e se inserem textos
explicativos. As leituras complementares são
baseadas em trechos de jornais e poesias. A análise
Do manual do professor, com 16 páginas,
constam introdução, conteúdos, estrutura do Os pressupostos teórico-metodológicos
livro, avaliação, orientação para o estão intimamente ligados ao diagnóstico dos

277
conhecimentos prévios e da aprendizagem natureza, especialmente em relação à poluição
significativa. A coerência metodológica das águas dos arroios e do lago Guaíba.
explicita-se no recorte territorial centrado em Os aspectos físicos são explorados a partir
Porto Alegre, com o propósito de que o aluno de uma visão que permite identificar as inter-
conheça o município onde vive, por meio da relações estabelecidas entre o relevo, a
construção de noções e conceitos básicos, vegetação, a hidrografia e o clima de Porto
especialmente os de paisagem e lugar. Para Alegre. O estudo do relevo, por exemplo, é
tal, recorre-se a diferentes conteúdos e desenvolvido pela observação da paisagem da
atividades que encaminham a produção do cidade, considerando os morros, rios, lago
saber de forma ativa. Assim, espera-se que a Guaíba e várzea. Embora se considere apenas
criança, ao explorar as atividades, textos, a paisagem atual, excetuando-se o relato de
ilustrações e representações cartográficas, construção de aterros no lago Guaíba para a
venha a compreender a construção histórica expansão urbana, esse tratamento é coerente
do espaço geográfico e a adquirir noções com o estágio cognitivo dos alunos.
básicas e integradas sobre processos do meio As atividades estimulam o desenvol-
físico e da sociedade. No entanto, verificam- vimento de processos cognitivos básicos e
se algumas inadequações no tratamento de constituem a espinha dorsal do livro. Os
conteúdos, o que demanda uma atenção maior alunos são solicitados a observar, a descrever
do professor. e a analisar a realidade e a expressar seus
As relações espaço-temporais se dão a conhecimentos por meio de desenhos, da
partir da compreensão da construção histórica escrita, de representações cartográficas e
dos lugares, sendo explicitadas, por exemplo, atividades orais. Dá-se importância à
ao se tratar da história dos limites gaúchos e realização de entrevistas com a comunidade
ao se solicitar que os alunos elaborem texto local para obtenção de informações e de dados
sobre a história de seu bairro e apreciem que subsidiem a elaboração de textos
imagens e textos de diferentes épocas para individuais e coletivos. Induz-se a realização
constatar as transformações e permanências de discussões em grupo, exposições,
na paisagem de Porto Alegre. O entendimento pesquisas e respostas coletivas aos exercícios,
da dinâmica e dos processos socioespaciais o que favorece a socialização e contribui para
se dá a partir de movimentos populacionais, que os alunos compartilhem significados. As
na identificação da procedência e da razão atividades promovem a reflexão sobre a
pela qual as pessoas moram em Porto Alegre, importância das regras de conduta para o
bem como na discussão de problemas da zona convívio social, problematizando a criação, a
rural que provocam a saída de habitantes do legitimidade e a alteração das normas
GEOGRAFIA

campo em direção às cidades. estabelecidas.


As relações sociedade-natureza são O encaminhamento pedagógico enfatiza a
abordadas por meio do estudo do trabalho atuação e a participação dos alunos, em
humano, destacando-se a dependência da especial no que diz respeito às atitudes de
sociedade em relação aos recursos naturais, e preservação e conservação do ambiente.
pela análise das transformações na paisagem As questões voltadas para a construção e
de Porto Alegre e de suas conseqüências para para o exercício da cidadania são articuladas
o meio físico e para a população. São identifi- com propriedade, desenvolvidas a partir de
cados problemas de degradação ambiental problemas de relevância social e de
decorrentes da apropriação indevida da investigações remetidas intencionalmente

278
para ações que contribuam para a resolução e as utilizadas na representação do meio
dos problemas identificados. físico. Algumas ilustrações estão escuras, não
As representações cartográficas auxiliam apresentando a nitidez necessária.
na compreensão dos textos pelos alunos A estrutura editorial é de boa qualidade,
quanto aos quesitos de representação e com os títulos e subtítulos apresentados de
localização dos fenômenos geográficos. maneira hierarquizada. Ressalta-se que, no
Apesar de o livro voltar-se para o município sumário, não há indicação da página inicial
de Porto Alegre, são estudadas outras escalas dos capítulos.
geográficas. Verifica-se a articulação de No manual do professor são apresentados
diferentes escalas internas ao município – os pressupostos teórico-metodológicos, os
bairros, centro, o urbano e o rural. Os gráficos, conteúdos, a estrutura do livro, formas de
tabelas e quadros estão integrados aos textos avaliação, orienta