Você está na página 1de 19

- Estabilidade I -

AULA 07- Tensões e Deformações devidas


ao Momento Torçor

Prof. MSc. Angélica Koppe


angelica.koppe@fsg.br
Momento Torçor
Momento Torçor (torque) define-se como o momento que tende a torcer um
elemento em torno de seu eixo longitudinal.

• Seu conhecimento é de grande importância em projetos que utilizam eixos,


como na Engenharia Mecânica, no desenvolvimento de maquinários e
veículos, e na Engenharia Civil, no desenvolvimento de projetos estruturais.

• Na Engenharia Civil aparece, principalmente, em pórticos espaciais e


grelhas, combinadas com tensões de flexão.

2/18
Esforço de Tensões
Quando o torque é aplicado a uma barra, como no exemplo, os círculos e as
retas longitudinais, marcados nos eixos tendem a se distorcer.
• Obs: A peça é homogênea, material em regime elástico-linear.

• Linhas ficam torcidas;


• Círculos continuam circulares;
• Extremidades dos eixos continuam planas (válida somente para seções
circulares que não sofrem empenamento);
• As deformações são pequenas;
• Linhas radiais nas extremidades continuam retas.
3/18
Momento Torçor
Se o eixo estiver fixo em uma das extremidades e for aplicado um torque à sua
outra extremidade, o plano sombreado será distorcido até uma forma oblíqua.

R
Ɵ (x) X

O ângulo Ɵ é denominado o ângulo de torção, depende da posição de “x” e varia ao


longo do eixo. Ou seja, o ângulo aumenta conforme “x” aumenta.
Quando Ɵ for pequeno, o comprimento e o raio do eixo permanecerão inalterados;
4/18
Momento Torçor

0 0
0 Ɵ1
B C
A Ɵ
𝜸 r
B’ ds
C’

dx

Fibra genérica ABC transforma-se numa hélice cilíndrica de pequena curvatura


AB’C’ após a aplicação da torção;

Ɵ1: ângulo unitário de torção (para um comprimento de 1 m);


Ɵ: ângulo total de torção (para um comprimento “L”).
5/18
Momento Torçor

Se o material for linear elástico pode-se aplicar a Lei de Hooke, e, por


consequência, uma variação linear na deformação por cisalhamento
resulta em uma variação linear da tensão de cisalhamento.

• Lei de Hooke:

𝝉 = G.𝜸

Onde:
𝝉 = tensão tangencial
𝜸 = distorção específica
G = módulo de elasticidade transversal de cisalhamento

6/18
Momento Torçor

Sabemos que:

𝐹
𝝉 = F = 𝝉. dA
𝑑𝐴
Sendo o Mt o momento resultante de todas as forças em relação a origem “0”
7/18
Exercício
1) Determine a tensão máxima e o ângulo de torção na barra AB, que é constituída
por material dúctil, com raio de 6 cm, 𝝈e = 240 MPa e 𝝂 = 0,4 e G = 105 MPa.
Determine a segurança da barra.

4m
Barra AB
P = 20 kN
S 6 cm
A 1,5 m

1,5 m
P = 20 kN
B

8/18
Momento Torçor

TORÇÃO EM SEÇÕES DE OUTRAS FORMAS

Eixos cujas seções transversais não são circulares não são simétricos em
relação as respectivas linhas centrais e, como a tensão de cisalhamento é
distribuída de um modo muito complexo nas seções transversais, elas ficarão
ABAULADAS ou ENTORTARÃO quando o eixo sofrer torção.

Io = It

9/18
Momento Torçor

4,81.𝑀𝑡 7,10.𝑀𝑡
a 𝝉máx= Ɵ=
𝑎³ 𝑎4.𝐺
a

a 20.𝑀𝑡 46.𝑀𝑡.𝐿
a 𝝉máx= Ɵ=
𝑎³ 𝑎4.𝐺
a

b 2.𝑀𝑡 𝑎2 +𝑏 2 .𝑀𝑡.𝐿
𝝉máx= Ɵ=
𝛑.𝑎³.𝑏³.𝐺
b 𝛑𝑎𝑏²
a a

10/18
Tubos de paredes finas

11/18
Tubos de paredes finas

12/18
Tubos de paredes finas

13/18
Tubos de paredes finas

14/18
Tubos de paredes finas

Tubos de paredes finas com seções


transversais fechadas

• Apresentam forma não circular;


• Utilizados em estruturas leves,
como paredes de aviões;
• As tensões tangenciais são
consideradas constantes ao longo Mt
da espessura;
• Orientadas segundo a tangente à
• linha média da parede.

15/18
Tubos de paredes finas

O produto entre a tensão de cisalhamento longitudinal (𝝉)


média e a espessura (e) do tubo é a mesma em cada ponto
q=𝝉.e na área da seção transversal do tubo.

Quando “q” é constante na seção transversal , a MAIOR 𝝉méd


ocorrerá na MENOR espessura.

O fluxo de cisalhamento, que é constante na área da seção transversal, mede


a força (dF) por unidade de comprimento (ds) ao longo da área da seção
transversal do tubo.

16/18
Deformações de Cisalhamento

𝜴 =Am

Mt

17/18
Exercício
1) Seja a grelha engastada, constituída de material dúctil, com 𝝈e = 240 MPa e 𝝈T
= 𝝈C. A barra BC é constituída de um perfil tubular com diâmetro de 16 cm.
Dimensionar a barra BC e calcular o coeficiente de segurança. Caso não haja
segurança, redimensionar para S = 1,5.

C R = 8 cm

16 cm
B 3m

17/18
- Estabilidade I -
BOA NOITE!

Prof. MSc. Angélica Koppe


angelica.koppe@fsg.br

Você também pode gostar