Você está na página 1de 3

CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL

Gabinete do Deputado Iolando - Gab 21

PROJETO DE LEI Nº , DE 2021


(Autoria: Deputado Iolando)
Altera dispositivos da Lei nº 6.637,
de 2020, que “Estabelece o Estatuto
da Pessoa com Deficiência do
Distrito Federal”, para inserir os
serviços de cão de serviço ou de
assistência.

A CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL decreta:

Art. 1º O inciso II do art. 4º passa a vigorar com a seguinte redação:

“Art. 4º ...............

...........................

II - ajuda técnica: qualquer elemento que facilite a autonomia pessoal ou possibilite o acesso e o
uso de meio físico, visando à melhoria da funcionalidade e da qualidade de vida da pessoa com
deficiência, como produtos, instrumentos, equipamentos ou tecnologia adaptados ou
especialmente projetados, incluindo-se órteses e próteses, equipamentos e elementos
necessários à terapia e à reabilitação da pessoa com deficiência, elementos de cuidado e de
higiene pessoal de uso diário necessários para facilitar a autonomia e a segurança da pessoa
com deficiência, bolsas coletoras para pessoas ostomizadas, material para cateterismo vesical,
bloqueadores, protetores, filtros e demais preparados antissolares para terapias, cão-guia, cão
de serviço ou de assistência, leitores, ledores, entre outros;”.

Art. 2º O inciso IV, do § 2º, do art. 107, passa a vigorar com a seguinte redação:

“Art. 107 ................

...............................

§ 2º........................

IV - admissão de entrada e permanência de cão-guia, cão de serviço ou de assistência junto de


pessoa com deficiência ou de treinador nas edificações de uso público, uso coletivo, mesmo que
de propriedade privada, ou de uso privado, mediante apresentação da carteira de vacina
atualizada do animal;”.

Art. 3º A Seção XIII, do Capítulo IX, passa a vigorar com as seguintes alterações:

“Seção XIII

Do Cão-guia, cão de serviço ou de assistência

Art. 199. Fica assegurado à pessoa com deficiência usuária de cão-guia, de serviço ou de
assistência, bem como ao treinador ou ao acompanhante habilitado, o direito de ingressar e

PL 7106 - Projeto de Lei (minuta) - GAB DEP IOLANDO - (23753) pg.1


permanecer com o animal em qualquer local aberto ao público ou utilizado pelo público,
gratuitamente ou mediante pagamento de ingresso.

§ 1º Para efeito do disposto no caput, consideram-se locais abertos ao público ou utilizados pelo
público:

I – os próprios de uso comum do povo e de uso especial;

II – os edifícios de órgãos públicos em geral;

III – os hotéis, pensões, estalagens ou estabelecimentos similares;

IV – as lojas de qualquer gênero, restaurantes, bares, confeitarias ou locais semelhantes;

V – os cinemas, teatros, estádios, ginásios ou qualquer estabelecimento público de diversão ou


esporte;

VI – os supermercados, shopping centers ou qualquer tipo de estabelecimento comercial ou de


prestação de serviços;

VII – os estabelecimentos de ensino público ou privado de qualquer curso ou grau;

VIII – os clubes sociais abertos ao público;

IX – os salões de cabeleireiros, barbearias ou estabelecimentos similares;

X – as entradas sociais em edifícios públicos ou residenciais, elevadores e escadas de acesso a


eles, bem como as áreas comuns de condomínios;

XI – os meios de transporte públicos ou concedidos;

XII – os estabelecimentos religiosos de qualquer natureza.

§ 2º Nos locais onde haja cobrança de ingresso, é vedada a cobrança de qualquer taxa ou
contribuição adicional pelo ingresso e permanência do cão-guia, cão de serviço ou de
assistência.

........

Art. 203. O direito de ingresso do cão-guia, cão de serviço ou de assistência que conduz pessoa
com deficiência é garantido mesmo nos condomínios residenciais em que, por convenção ou
regimento interno, seja restrita a presença ou circulação de animais, sejam as pessoas com
deficiência moradores ou visitantes.

§ 1º É assegurado à pessoa com deficiência usuária de cão de serviço ou de assistência o


direito de ingressar e permanecer com o animal nos veículos e nos estabelecimentos públicos e
privados de uso coletivo.

§ 2º Serão objeto de regulamento os requisitos mínimos para identificação do cão de serviço ou


de assistência, a forma de comprovação de treinamento do usuário, o valor da multa e o tempo
de interdição impostos à empresa de transporte ou ao estabelecimento público ou privado
responsável pela discriminação prevista desta Lei.”

Art. 4º Esta lei entra em vigor na data de sua publicação.

Art. 5º Revogam-se as disposições em contrário.

PL 7106 - Projeto de Lei (minuta) - GAB DEP IOLANDO - (23753) pg.2


JUSTIFICAÇÃO

No dia 20 de novembro último, uma pessoa com deficiência – autista – foi barrado no metrô por
estar acompanhado de um cão de serviço ou chamado cão de assistência. A PCD explicou que
era autista e atlas o seu cão de serviço, treinado pra lhe ajudar. O cão dá independência e lhe
ajuda em crises diariamente. Embora tenha apresentado toda a sua documentação e a do cão
ele não pode ter acesso ao elevador do metrô.

A proposta estende o direito já garantido pela Lei Federal nº 11.126/2005 (Lei dos Cães-Guias),
para contemplar as demais categorias de cães de assistência, como cães ouvintes, que alertam
pessoas com deficiência auditiva sobre sinais sonoros; cães de alerta, cujos sentidos aguçados
percebem quando alguém pode ter uma crise diabética, alérgica ou epilética; cães para autistas,
que ajudam a confortar o usuário durante eventuais crises; e cães para cadeirantes, que abrem
e fecham portas, pegam objetos pouco acessíveis ou caídos no chão e apertam botões de
elevadores.

A Lei Federal nº 11.126/2005 não incluiu essas categorias à época da aprovação devido ao
pouco conhecimento sobre a importância do cão em outras atividades. O uso dos cães de
serviço e a permanência dos usuários com eles em quaisquer locais devem ser integralmente
amparados em lei, como já acontece com os cães-guia. Ressalta-se, no entanto, não ser
adequado listar em lei quais deficiências devem ser contempladas. É mais prudente e
conveniente deixar essa listagem a cargo da regulamentação infralegal, que dispõe sobre a
identificação dos cães de serviço, principalmente para evitar fraudes, como a apresentação de
um animal de companhia como sendo de serviço.

Serão objeto de regulamento os requisitos mínimos para identificação do cão de assistência, a


forma de comprovação de treinamento do usuário, o valor da multa e o tempo de interdição
impostos à empresa de transporte ou ao estabelecimento público ou privado responsável pela
discriminação ou impedimento da entrada do cão.

Sala das Sessões,

Deputado IOLANDO

Praça Municipal, Quadra 2, Lote 5, 4º Andar, Gab 21 - CEP: 70094902 - Brasília - DF - Tel.: (61)3348-8212
www.cl.df.gov.br - dep.iolando@cl.df.gov.br

Documento assinado eletronicamente por IOLANDO ALMEIDA DE SOUZA - Matr. Nº 00149,


Deputado(a) Distrital, em 21/11/2021, às 21:46:31 , conforme Ato do Vice-Presidente e da
Terceira Secretária nº 02, de 2020, publicado no Diário da Câmara Legislativa do Distrito Federal
nº 284, de 27 de novembo de 2020.

A autenticidade do documento pode ser conferida no site


https://ple.cl.df.gov.br/#/autenticidade
Código Verificador: 23753 , Código CRC: 5512ee76

PL 7106 - Projeto de Lei (minuta) - GAB DEP IOLANDO - (23753) pg.3