Você está na página 1de 13

Métodos Contraceptivos

Introdução:
Neste trabalho vou falar sobre os
métodos contraceptivos, e especificar
cada um deles.
Métodos Contraceptivos
Dificilmente encontraremos uma jovem
que nunca tenha ouvido falar de pelo
menos um dos métodos
anticoncepcionais. Os meios de
comunicação sempre estão divulgando,
seja televisão, revistas, folhetos. Porém o
grande número de adolescentes grávidas
tem mostrado que não basta saber da
existência dos métodos contraceptivos
para garantir uso adequado.
Pílula
A pílula contém harmónios que evitam a liberação do óvulo. Uso
O médico é quem orienta qual pílula deve ser usada. No caso da
pílula combinada, o primeiro comprimido é tomado no primeiro dia da
menstruação, ou seja, quando começar o sangrento você toma uma
pílula, depois uma a cada dia no mesmo horário, até terminar a
cartela. Esperar uma semana e iniciar a cartela seguinte no oitavo
dia. A menstruação virá nesse período de intervalo.
Eficácia:
É alta, se usada correctamente. Varia de 97 a 99,9%.
Vantagens:
Pode ser a redução dos problemas menstruais; não interfere na
relação sexual, protege contra algumas doenças ginecológicas
inclusive alguns tipos de câncer.
Desvantagens:
É preciso disciplina e constância; pode produzir efeitos colaterais
como, náuseas, mal estar gástrico, mudança de peso, dor de cabeça,
tontura, diminuição das menstruações, acne, dor mamaria, sangrento
entre as menstruações, alterações emocionais
Contracepção de Emergência
Pílula do dia seguinte:
Essa é a saída de emergência para mulheres que tiveram relação sexual
sem usar algum tipo de método contraceptivo e não querem ficar grávidas.
Modo de usar:
A pílula do dia seguinte, que na verdade são duas, uma você toma assim
que puder após a relação e a outra no dia seguinte, após 12 horas. De 2 a 5
dias após tomar essas pílulas, você deverá menstruar, (isso para a grande
maioria das mulheres, porém, em alguns casos o sangrento poderá vir em
até 10 dias); o que significa que você não ficou grávida. Ufa!!! Essa pílula
pode ser tomada até 72 horas depois da relação. Porém quanto maior o
tempo, menor será sua eficácia. A pílula do dia seguinte só deverá ser
usada em casos especiais, como um "acidente" por exemplo. Você não
deve fazer o uso constante da pílula do dia seguinte devido ao alto teor de
harmónio que ela possui, nem deve substituir o uso da pílula
anticoncepcional que seu médico indicou pela do dia seguinte.
Observações:
Podem aparecer efeitos colaterais: Náuseas (temporária, cerca de 1 dia);
vómitos. Se não apresentar menstruação dentro de 14 dias, procure o
serviço médico para avaliar possível gravidez.
Preservativo:
É uma fina capa de látex, usada no pénis ou na vagina, onde os espermatozóides ficam
retidos.
Uso da Masculina:
Desenrolar a camisinha no pénis erecto, antes de qualquer contado com a vagina, ânus ou
boca. Deve ser retirada do pénis imediatamente após a ejaculação, segurando as bordas da
camisinha para impedir que os espermatozóides escapem para a vagina.
Uso da Feminina:
Retirar da embalagem somente na hora do uso. Flexionar o anel de modo que possa ser
introduzido na vagina. Com os dedos indicador e médio, empurrar o máximo que puder, de
modo que fique sobrando um pouco para fora, o que deve permanecer assim durante a
relação. Retirar logo após a ejaculação, rosqueando o anel para que não escorra o líquido
seminal para dentro da vagina.
Eficácia:
Se usada correctamente, sua eficácia é alta, varia de 82 a 97%.
Vantagens:
Quase todas as pessoas podem usar; protege contra doenças sexualmente transmissíveis,
inclusive AIDS; previne doenças do colo uterino; não faz mal a saúde; fácil acesso.
Desvantagens:
Tem custo; é preciso usar uma camisinha a cada relação.
Efeitos colaterais:
Alergia ou irritação, que pode ser reduzida trocando a marca e tipo e com uso de lubrificantes à
base de água.
Diafragma:
É um anel flexível, coberto por uma membrana de borracha fina, que a mulher deve colocar
na vagina, para cobrir o colo do útero. Como uma barreira, ele impede a entrada dos
espermatozóides.
Uso:
Por apresentar vários tamanhos, de acordo com o tamanho do colo uterino, deve ser
indicado por um médico para uma adequação perfeita. Deve ser usado com espermicida.
Recomenda-se introduzir na vagina de 15 a 30 minutos antes da relação sexual e só retira-
lo 6 a 8 horas após a última penetração.
Eficácia:
Usado em conjunto com o espermicida sua eficácia é alta, varia de 82 a 97% Os principais
motivos de falha são: má colocação; medida inadequada; usar sem espermicida ou em
quantidade insuficiente.
Quem não deve usar:
Mulheres que tiveram bebés recentemente; virgens; quem tem alergia à borracha ou a
espermicida.
Vantagens:
Não interfere no ciclo menstrual; ajuda a conhecer o corpo; é relativamente fácil de usar;
não diminui o prazer sexual; protege contra doenças do cerviz; se bem cuidado só precisa
ser substituído a cada quatro anos ou após mudança de peso.
Desvantagens:
Preço do diafragma. Efeitos colaterais, como irritação vaginal; reacção alérgica; dor na
relação; infecção urinária.
Laqueadura :
Laqueadura é feita através de uma cirurgia, que bloqueia as trompas de falópio
(pela secção, cauterização, anéis ou clipes). Desse modo o espermatozóide é
impedido de chegar ao óvulo.
A a decisão deve sempre partir da mulher de maneira voluntária, pois esse
procedimento é irreversível, ou seja, essa mulher nunca mais poderá ter filhos.
Eficácia:
É um método altamente eficaz, variando de 99 a 99,9 %.
Vantagem:
Não apresenta efeitos colaterais a longo prazo; não interfere nas as relações
sexuais ou função sexual; não na produção de hormónios pelos ovários.
Desvantagem:
A mulher pode se arrepender mais tarde, nesse caso a reversão requer cirurgia
complexa, é cara e com pouca garantia de eficácia; riscos e efeitos colaterais da
cirurgia; o valor dessa cirurgia é mais altodo que a vasectomia; dor/desconforto
de curta duração após procedimento; sem protecção para DST/AIDS.
Espermicida:
Esse método mata ou imobilizam os espermatozóides, impedindo a entrada destes
no colo uterino.
Uso:
Não exige tempo de espera, mas permanecem activos até 30 minutos após sua
colocação. Depois de introduzidos a mulher não deve levantar para não escorrer.
Eficácia:
Tem alto grau de fracasso. Sua eficácia é de 58 a 90%. Essa eficácia aumenta muito
quando usada com camisinha ou diafragma.
Quem não deve usar:
A a mulher que não quer ou não pode engravidar de maneira alguma; quem
apresenta alergia a espermicida.
Vantagens:
Seu uso é simples; protege contra algumas doenças ginecológicas, como infecções
vaginais, inclusive herpes.
Desvantagens:
Deve ser colocada antes de cada relação sexual, mesmo quando praticado em um
curto espaço de tempo; exige muita disciplina no seu uso; alguns espermicida só são
eficazes em conjunto com algum método de barreira.
Efeitos colaterais:
Podem causar irritação na vagina ou no pénis
Vasectomia:
A vasectomia oferece anticoncepção permanente para homens que não desejam ter mais filhos. É um
procedimento cirúrgico simples, seguro e rápido, nos quais os vasos deferentes (tubos que conectam os
testículos ao pénis) são cortados. Quando estes tubos são cortados, a passagem dos espermatozóide
produzidos pelos testículos é bloqueada, e assim o esperma liberado durante a ejaculação é incapaz de
fertilizar o óvulo, prevenindo desta forma a gravidez.. Pode ser feito em uma clínica ou consultório, desde
que se observem os procedimentos adequados para prevenção de infecções. Não afecta o desempenho
sexual. É também conhecida como esterilização masculina e anticoncepção cirúrgica masculina.
Uso:
Ocorre a interferência cirúrgica que encerra permanentemente a fertilidade em homens. Sendo assim ela
interrompe a saída de espermatozóide na ejaculação.

Eficácia:
É um método altamente eficaz, variando de 99 a 99,9 %.
Vantagem:
A cirurgia é simples sendo realizada sob anestesia local; O risco cirúrgico é bem menor do que a
esterilização feminina; Não possui efeitos colaterais a longo prazo; não interfere com as relações sexuais ou
função sexual, não altera a produção de hormónios ou espermatozóide pelos testículos).
Desvantagem:
Não é recomendado para homens solteiros, que não têm certeza de que querem filhos; a pessoa pode se
arrepender mais tarde (a reversão requer cirurgia especial, é cara e frequentemente com disponibilidade
limitada); não proporciona protecção para DST/AIDS.
Obs.:
O homem deve se abster de relações sexuais por uma semana depois da operação, assim como de
esportes ou esforços que possam prejudicar a cicatrizarão e a recuperação. Depois disso, pode ter relações
sexuais normais, mas protegidas por algum método contraceptivo (camisinha, ou método feminino), pois o
esperma não perde imediatamente todos seus espérmatozóides. Depois de um mês a um mês e meio não
precisa se preocupar mais em usar qualquer método contraceptivo.
Injectável:
A injecção contém o harmónio de acção prolongada, que evita a ovulação, e
consequentemente a gravidez.
Uso:
Você deve escolher o método mais adequado a você, junto com seu medico. Após a
realização de exame físico e Papanicolau,
A injecção é indicada para quem não quer engravidar. Deve ser administrada no início da
menstruação, no músculo, e repetida após um ou três meses.
Eficácia:
É alta, mais ou menos 97%.
Vantagens:
Alta eficácia, comodidade na administração, aumento da protecção para alguns tipos de
câncer. Tendência do fluxo menstrual diminuir com o passar do tempo.
Desvantagens:
Forma injectável.
Efeitos colaterais:
Possível modificação no padrão do sangrento, retenção hídrica, alteração de peso,
desconforto, dor abdominal, tontura, cefaleia, fraqueza e nervosismo, osteoporose.
Contra indicações:
Em caso de gravidez, ou suspeita de gravidez, amamentação, aborto, alergia a
progesterona, sangramento vaginal de causa desconhecida, suspeita de câncer ou de
problemas no fígado.
Conclusão:
Neste trabalho aprendi muitas coisas
acerca dos métodos contraceptivos, como
as vantagens e desvantagens.
E aprendi que podemos salvar-nos de
doenças se usar-mos métodos
contraceptivos.
Trabalho elaborado por:

Jorge Rodrigues nº17 9ºB