Você está na página 1de 34

AULA 6

DIAGRAMAS DE FASES

Prof. Marcio
Abril de 2016
Definições

 O diagrama de fases de uma dada amostra nos dá informações


como:

 Fases presentes;

 Temperaturas de fusão e ebulição;

 Limite de solubilidade;

 Estado físico em função da composição e/ou pressão;

 Qual a composição química das ligas;

 A quantidade de cada componente ou elemento de liga;

1
Importância do Diagrama de Fases
 Permite a visualização da fusão e solidificação.

 Prediz as transformações das fases.

 Dá informações sobre a microestrutura e as propriedades


mecânicas em função da temperatura e da composição.

Em ligas metálicas, a microestrutura é caracterizada pelo


número de fases presentes, suas proporções e o modo pelo
qual estão distribuídas e organizadas.

2
Definições
 Entretanto antes de mais nada é importante conhecer a
terminologia e os conceitos acerca dos diagramas como:

 Componentes;

 Fases;

 Sistema;

 Solidificação

 Fusão;

 Equilíbrio químico de fases;


3
Componente
 São metais puros e/ou compostos que compõem a liga.
Também chamados de soluto e solvente.

Exemplo: Na liga latão temos os componentes Cobre (Cu) e


Zinco (Zn).

 No gráfico abaixo qual (is) são os componentes presentes?

4
Fases
 É definida como uma porção homogênea de um sistema que tem
características físicas e químicas definidas.

 Uma fase é definida por sua composição química e/ou microestrutura.

 A interação de duas ou mais fases permite a obtenção de propriedades


diferentes.

 É possível alterar as propriedades dos materiais alterando a forma e a


distribuição das fases.

Todo metal puro é

considerado uma fase.

5
Sistema
 É uma porção do universo delimitada para investigação, ou seja,
um corpo específico do material que está sendo analisado. Ex.: um
cadinho com aço fundido.

Também pode estar relacionado à série de ligas possíveis que


são compostas pelo mesmo componente, porém com diferentes
composições. No ponto do gráfico abaixo qual é o sistema?

6
Mudança de estado físico

fusão vaporização

SÓLIDO LÍQUIDO GASOSO

solidificação Liquefação

Organização
Organização
Agitação
Agitação
7
Solidificação
 É o termo usado quando uma amostra resfriada chega a
temperatura na qual muda do estado líquido para o sólido.

Exemplo: Todo o processo de fabricação de peças tem início


no processo de solidificação.

8
Limite de solubilidade
 É a concentração máxima de átomos de soluto que pode se
dissolver no solvente, a uma dada temperatura, formando uma
solução sólida.

 Quando o limite de solubilidade é ultrapassado forma-se uma


segunda fase com composição distinta.

Solubilidade completa → Pouco soluto Muito solvente

Solubilidade incompleta → Muito soluto para dissolver no solvente

Insolubilidade → Soluto não dissolve no solvente

A solubilidade de um elemento/substância em um material matriz pode


ser alterada pela temperatura. 9
Questão 1
1-) Considerando uma barra de aço carbono comum indique
quais são os (as):

a) componentes:

b) estados físicos:

c) fases:

d) sistema:

10
Diagrama de Fases em Equilíbrio

 Podemos encarar o diagrama de fases como um mapa que


mostra as fases presentes em equilíbrio, para várias
temperaturas e composições.

 Termodinamicamente o equilíbrio é descrito em termos de


energia livre (G).

 Um sistema está em equilíbrio quando a energia livre é


mínima (entropia e entalpia).

11
Diagrama de Fases em Equilíbrio
Microestrutura do material é caracterizada pelo:

 Número de fases presentes;

 Composição (concentração) de cada fase;

 Distribuição dessas fases no arranjo do material;

Essas fases variam em função de:

 Elementos de liga presentes;

 Concentrações desses elementos;

 Tratamento térmico.
12
Equilíbrio entre as fases
Princípio de Le Châtelier: Um sistema em equilíbrio tende a
permanecer em equilíbrio.

Quando um sistema em equilíbrio é perturbado, tende a ajustar


de modo a estabelecer uma nova condição de equilíbrio.

Ex.: Equilíbrio líquido-gás: quanto maior a temperatura maior a


concentração da fase vapor e maior é a pressão.

13
Diagrama de Fases em Equilíbrio
 Fases de equilíbrio: suas características não mudam com o
tempo.

 Fases metaestáveis: suas propriedades ou características


mudam lentamente com o tempo. Para sistemas sólidos o estado
de equilíbrio nunca é alcançado.

Obs.: No entanto, em um sólido não há mudanças muito


perceptíveis com o tempo na microestrutura das fases
metaestáveis.

14
Diagrama Unário de Fases
Um diagrama de fases unário ou pressão-temperatura mostra
em que condições uma fase é estável e também as condições
as quais duas ou mais fases podem estar em equilíbrio entre si.

1
2

15
Ponto Triplo
Podemos notar que o ponto P é um ponto comum às três curvas
e é denominado ponto triplo ou ponto tríplice, neste ponto as
três fases – sólido, líquido e gasoso, estão em equilíbrio.

O ponto triplo da água é à

temperatura de 0,01°C e uma

pressão de 0,006 atm.

16
Diagrama Unário de Fases
A linha horizontal a 1 atm nos conduz à localização dos pontos
de fusão e ebulição normais da água.

Observe que a linha sólido-líquido é uma reta inclinada para


esquerda. Por que?

17
Ponto Crítico
A fase líquida é separada da fase gasosa somente em
condições abaixo da temperatura crítica e da pressão crítica.

O principio da continuidade dos estados enuncia que não há


distinção entre um líquido e um gás acima das condições
críticas.

18
Questão 2

Aquecendo água destilada, numa panela aberta e num


local onde a pressão ambiente é 0,92atm, a temperatura
de ebulição da água:

a) será superior a 100°C.

b) depende da rapidez do aquecimento.

c) será igual a 100°C.

d) será inferior a 100°C.


Diagrama de Fases Unário

Figura 1 – Diagrama pressão-temperatura do carbono e suas formas alotrópicas.


Diagrama de Fases Binário
 Outro diagrama de fases comum é aquele onde a pressão é
mantida fixa, e os parâmetros que tem suas variações plotadas
são temperatura e composição.

 Quando temos dois componentes presentes no mesmo


material classificamos como diagrama binário.

 Um dos diagramas binários mais simples é referente a liga


cobre-níquel que também é classificado como isomorfo.

Nele a ordenada é a temperatura (eixo Y).

Na abscissa é a composição(quanto mais a direita mais Níquel).


Diagrama de Fases Binário
Dados mais importantes:

 Reta vertical a esquerda.


 Reta vertical a direita.
 Regiões liquida, α + L e α.
 Linhas liquidus.
 Linha solidus.
 Classificação do material:
Liga isomorfa

Figura 2 – Diagrama de fases binário de cobre e níquel


Curva de solidificação para uma liga
binária isomorfa
Interpretação dos Diagramas de Fases
Primeiramente nos diagramas de fases podemos obter a seguinte informação:

Fases presentes

Localiza-se a temperatura e composição

desejadas e verifica-se o número de

fases presentes.

Ex.: O ponto representa uma liga de

60%p Ni-40%p Cu a 1100°C =

possui somente a fase α.

O ponto representa uma liga de

35%p Ni-65%p Cu a 1250°C =

possui a fase α e a fase L (liquida).


Interpretação dos Diagramas de Fases
Em seguida podemos determinar quais as

Composições das Fases:

 Para sistemas monofásicos a composição da fase é igual a composição


global.

Ex.: No ponto temos uma fase α com composição de 60%p Ni-40%p Cu.

 Para sistemas bifásicos a composição é determinada pelo método da linha


de amarração, que se baseia em:

1. A linha de amarração é construída na temperatura desejada.

2. Observa-se as interseções das isotermas com as linhas solidus e liquidus.

3. A partir dessas interseções são traçadas linhas perpendiculares a linha de


amarração até o eixo x onde pode-se ler a composição de cada fase.
Interpretação dos Diagramas de Fases
Composições das Fases:

Ex.: Liga de 40%p Ni-60%p Cu a 1250°C,


que está localizada na região bifásica α +L.
Primeiro a linha de amarração foi traçada
na região α +L.
Em seguida as retas perpendiculares foram
construídas até o eixo das composições
encontrando 32%p Ni-68%p Cu que é a
fase líquida.
A linha da fase sólida interceptou o eixo
das composições em 45%p Ni-55%p Cu.
Interpretação dos Diagramas de Fases
Determinação das Quantidades de Fases
 As quantidades relativas das fases presentes em equilíbrio
também podem ser calculadas.

 Novamente os casos de regiões monofásicas e bifásicas


devem ser tratadas separadamente, pois quando a solução está
numa região monofásico teremos 100% daquela referida fase.

 Caso a solução esteja numa região bifásica, teremos que usar


além da linha de amarração a regra da alavanca.
Interpretação dos Diagramas de Fases
Regra da Alavanca

1. A linha de amarração é constituída através da região bifásica na


temperatura da liga.

2. A composição global da liga é localizada sobre a liga de


amarração.

3. A fração de uma fase é calculada tomando-se o comprimento da


linha de amarração desde a composição global da liga até a
fronteira entre as fases, depois divide-se pelo valor da linha de
amarração.

4. A fração da outra fase é determinada de maneira análoga.


Interpretação dos Diagramas de Fases
Regra da Alavanca

Ex.: A 1250°C temos “B” com 35% p


Ni-65%p Cu em duas fases α e L.
1. A isoterma é construída.
2. A composição global é C0.
3. FL = Cα – C0 / Cα – CL FL =
42,5 – 35 / 42,5 – 31,5
FL = 0,68 (FL = fase líquida)

Obviamente pode ser usado o


mesmo método para achar a fase
sólida porém se subtrair de 1
encontraremos 0,32.
Desenvolvimento da Microestrutura em Ligas
Isomorfas

Figura 3 – Diagrama de fases com representação esquemática do desenvolvimento da


microestrutura durante a solidificação em condições de equilíbrio para liga com 40%p Y e
60%p X.
Desenvolvimento da Microestrutura em Ligas
Isomorfas
 A microestrutura só segue o diagrama em equilíbrio para
velocidades de solidificação lentas.

 Na prática, não há tempo para a difusão completa e as


microestruturas não são exatamente iguais às do equilíbrio.

 O grau de afastamento do equilíbrio dependerá da taxa de


resfriamento.

 Como conseqüência da solidificação fora do equilíbrio tem-se


a segregação (a distribuição dos 2 elementos no grão não é
uniforme).
Propriedades Mecânicas de Ligas Isomorfas
Como as propriedades das ligas isomorfas são afetadas pela variação
da composição?

a) Primeiramente abaixo da T.F. a adição de um determinado componente em


um material matriz vai aumentar sua resistência a tração.

b) Em segundo analisamos o comportamento da ductibilidade em função do


aumento da porcentagem de um dos componentes e determinamos que é o
oposto ao limite da resistência. Ou seja, a ductibilidade junto com a tenacidade
diminui com a adição do segundo componente até certo limite.